quarta-feira, 6 de agosto de 2014

ATESTADO DE VIRGINDADE, EXIGÊNCIA PARA PROFESSORA

Que vergonha! Mais uma vez, a Secretaria de Educação do Estado de SP aprontando das suas. 
Digo "mais uma vez" porque casos de professoras aprovadas em concursos, mas barradas nos exames médicos por serem obesas, são sempre notícia (e tornaram-se posts no meu blog em 2011, e agora em março). Como se pessoas obesas não fossem capazes de trabalhar!
A última agora é que as candidatas tenham que passar por um exame ginecológico. O concurso público, com dez mil vagas para ser Agente de Organização Escolar e receber o mirabolante salário de 900 reais por mês para uma carga horária de oito horas diárias, foi aberto em 2012. Mas uma das candidatas, Luísa (nome fictício), só foi chamada agora. Foi ela que pôs a boca no trombone. 
Entre os exames médicos exigidos (e pagos pelas candidatas) para assumir o posto, consta um teste ginecológico, o conhecido Papanicolau.
Nos detalhes do comunicado, um aviso: as mulheres que "não possuem vida sexual ativa" não precisam fazer o exame -- desde que entreguem um atestado de virgindade, assinado pelo ginecologista. 
A presidente do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de SP (Apeoesp), Maria Izabel Noronha, revoltou-se: "Atestado de virgindade? Por favor! Estamos em pleno século XXI. Querem evitar candidatas doentes? A verdade é que elas entram com saúde e é a falta de condições da rede que as deixam doentes". 
E é verdade mesmo. A Organização Internacional do Trabalho afirma que a profissão de professor está entre as mais desgastantes do mundo. Uma pesquisa com mais de sete mil professores no Paraná, em 2009, revelou que 66% dos entrevistados afirmaram ter adquirido alguma doença por causa do trabalho. 
Entre as doenças, a depressão lidera, com 30%, seguida de problemas de voz (28%), dores na coluna (17%), e deficiências respiratórias (8%). Um quinto dos professores no Brasil acaba pedindo afastamento por licença médica. Em cada licença, o educador fica três meses fora da sala de aula, em média. É por isso que os sindicatos lutam para que a perícia médica reconheça os problemas de saúde dos professores como doença de trabalho.
Os professores de SP faltam, em média, 27 dias por ano. Mas certamente não é exigindo que tenham saúde perfeita quando entram que essa faltas vão diminuir, e sim preparando um ambiente melhor para que não adoeçam (ou não adoeçam tanto). Ademais, mesmo que uma professora tenha "lesões precursoras de câncer de colo de útero", segundo a ginecologista entrevistada pelo Ig, isso não inviabiliza o trabalho, dependendo do tratamento. 
E é obviamente muito estranho que só peçam exames específicos para as mulheres. Candidatas acima dos 40 anos devem fazer uma mamografia, e candidatos com essa idade precisam fazer um exame para detectar câncer de próstata. Mas homens jovens não precisam fazer nenhum exame extra.
Para a Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM) da Presidência da República, "a mulher tem o direito de escolher se quer fazer um exame que em nada interferirá em sua vida profissional". A SPM considera "a exigência de exames ginecológicos em seleções e concursos é abusiva, pois viola o princípio da dignidade da pessoa humana, consagrado na Constituição Federal de 1988, bem como o artigo que dispõe sobre o Princípio da Igualdade e o Direito a Intimidade, Vida Privada, Honra e Imagem, que proíbe a exigência de atestados de gravidez e esterilização e outras práticas discriminatórias para efeitos admissionais ou de permanência da relação jurídica de trabalho".
Lembro quando, quase cinco anos atrás (cinco anos já!), depois de passar no único concurso que prestei na vida, tive que reunir "documentos exigidos pela divisão médica e odontológica para comprovação de sanidade física e mental dos candidatos a ingresso nos cargos públicos da UFC". Eram quatorze exames, incluindo o de clínico geral, dermatológico, neurológico, odontológico, oftalmológico, e psiquiátrico. E um, não lembro qual, eu tive que fazer duas vezes, porque o prazo venceu. E também foi tudo do meu bolso. Mas notem que o exame ginecológico não é pedido.
Na época, ao fazer o raio-x (um dos exames exigidos, que revelou que eu estava com "degenerações na coluna -- nem lembrava mais disso), o técnico do raio-x disse que parecia meio errado pedir um exame assim, que expõe à radiação, a pessoas sem necessidade específica pra isso. Também descobri que era proibido pedir qualquer exame que pudesse levar à discriminação, como algo que comprovasse uma gravidez ou Aids (chorem, libertários: por lei, não se pode demitir ou deixar de contratar uma pessoa por ela estar grávida, ou por ter Aids). 
Ou seja, uma coisa tão absurda como um "atestado de virgindade" é algo com grande potencial para gerar discriminação. Ano passado, a mesma coisa aconteceu na Bahia, mas para outra profissão estressante: policial civil. A candidata ou teria que fazer o exame ginecológico, ou apresentar um certificado que atestasse que ela tinha "hímen íntegro". Diante da indignação de qualquer pessoa sensata com a notícia, a exigência foi retirada. Mas parece que vários concursos públicos ainda pedem esses requisitos. Tá na hora de acabar com essas demandas ridículas e vexatórias.

112 comentários:

Anônimo disse...

900 reais por mês e exigem virgindade? Mais fácil virar garota de programa e ganhar 200 reais a hora. Ninguém vai pedir um exame sequer. Palhaçada esse concurso.

lola aronovich disse...

Vire vc garoto de programa, babaca, já que é tão fácil. Vc acha que toda mulher quer ser prostituta? Ou que toda garota de programa ganha 200 a hora?

Bru disse...

Olha eu acho que o Anonimo/Anonima falou ironicamente, e não no sentido de que toas querem ser prostitutas...Foi minha interpretação.

Bru disse...

Mas concordo que ganhar 900 nesse cargo do concurso é palhaçada...

Gle disse...

Tá de "brinks", né? ¬¬'

Minha mãe foi professora por 25 anos e foi afastada definitivamente da sala de aula por problemas nas cordas vocais. Hoje entendo muito bem o porque que minha mãe dizia "tenha qualquer profissão na vida, mas não seja professora", rsrs.
Minha melhor amiga está se graduando em Biologia e ontem foi o primeiro dia dela como contratada na rede municipal, numa escola, lecionando para a 7ª série. Ela me passou uma mensagem desesperada quando terminou a aula dizendo que a vontade dela era sair correndo de lá e nunca mais voltar.

Resumindo: PARABÉNS professorxs! Vocês que conseguem aguentar isso tudo e ainda amar o que fazem!

Anônimo disse...

Vire vc garoto de programa, babaca, já que é tão fácil. Vc acha que toda mulher quer ser prostituta? Ou que toda garota de programa ganha 200 a hora?

Paguei minha faculdade exatamente assim, os 5 anos mais lucrativos da minha vida. E realmente, duzentos é muito pouco. Dá pra tirar bem mais trabalhando direitinho.

Anônimo disse...

Garota de programa só ganha 50 a noite e pra dar o furico.
além de ter que pegar homens de todo tipo e ainda serem humilhadas.
claro que é melhor estudar.

july disse...

Quero que peçam pra fazer exame de virgindade em homens , claro que anal ,vai um monte arregaçado.

Anônimo disse...

Não vai pedir exame tem que fazer exame de doença sexual quase todo mês, e torcer pra que não tenha contraído de algum cliente. é por isso que mulher casada tem hiv.

Flavio Moreira disse...

Oi, Lola.
Recebeu meu e-mail com o texto do Guardian? Só para confirmar, se não eu posso mandar de novo.
Em relação ao post, quando penso que não falta mais nada, descubro que inventam mais uma.
Eu não consigo entender quais são as reais motivações por trás de decisões como essa. Não pode ser apenas pressão religiosa sobre a mulher, porque por certo muitos desses "legisladores" nem religião devem seguir.
Como as pessoas ainda duvidam de que o controle do corpo alheio, fundamentalmente do corpo da mulher, é uma questão de poder?
Tem como dar um "pause" no mundo, que eu quero pegar carona na primeira nave que passar perto da Terra para ir para bem longe daqui, porque tá difícil "ser humano" neste planetinha.

Bru disse...

Nossa, eu jamais conseguiria ser professora, tenho pavor! (me refiro a dar aula em colégio). Tenho pavor de adolescente, nossa, podem me julgar mas tenho "trauma" com adolescentes em colégios...

Anônimo disse...

Larguei essa carreira de professor quando pedi pra um moleque de seis anos parar de subir na grade, o que ele respondeu? "meu pai é ladrão e vai matar vc"

Anônimo disse...

Hoje em dia paraece que as professoras estão sofrendo mais que as prostitutas. Há mais risco de assassinatos, risco de depressão....


O Estado não lucra muito com povo educado, logo não vai querer gastar muito com professo

Elle disse...

Que preguiça das pessoas sugerindo que as professoras virem GdP.

Queria comentar a respeito do edital. A dúvida é: o problema é o edital pedir papanicolau, independente da vida sexual da mulher? Ou é pedir o atestado? Porque acho que não dá pra fazer o exame em virgens, porque tem que introduzir o amostrador e tal. Então nesse caso o médico precisaria justificar porque o exame não foi feito.

Minha opinião é que HPV não impede ninguém de dar aulas. Então esse é um exame estúpido de se pedir. Da mesma forma, o HPV não pode ser doença de trabalho para professoras! Então qual a relevância dele?

O pessoal anda pedindo exame urológico pros professores também?

Uó.

Anônimo disse...

Lola, com essa você me decepcionou. Pô, você é brilhante nas suas críticas e textos, levanta questões superrelevantes etc.
Dizer que atestado de virgindade é exigência é mais que forçar a barra, é uma mentira. Você mesmo explica no texto isso, que o atestado é uma alternativa pra quem não quer fazer o exame, muito diferente do que você dá a entender com seu título malandro.
Você acha um absurdo a exigência de exame ginecológico? Talvez você tenha razão, então questione e discuta isso, não faça um título mentiroso. Você não precisa disso.

Anônimo disse...

Pelo que eu entendi só se pede atestado de virgindade se a pessoa não quiser fazer o papanicolau. Na empresa onde trabalho fazemos exames periódicos todos os anos, e um deles é o papanicolau, recomendação da OMS. Logo se a pessoa não quiser fazê-lo, deve apresentar uma razão, como por exemplo o fato de ainda ser virgem.
Além disso, é recomendação da OMS fazer esse exame anualmente, logo quem é ativo sexualmente, já deveria fazer de praxe. Claro que podemos discutir o quanto a OMS e a classe médica em geral recomenda intervir e inspecionar o corpo feminino como rotina, e já em relação aos homens a nóia com doenças é bem menor. Mas isso é outro problema.

Me pareceu um pouco jornalismo sensacionalista esse teu post Lola. Falou do atestado, mas não explanou sobre as condições nas quais ele é pedido, que na minha humilde opnião são justificáveis.

Anônimo disse...

Mulher casada tem mais chances de contrair hiv por causa de maridos bissexuais.

Anônimo disse...

Lola, "querer não é poder", nem todas querem, e também nem todas podem. Mas uma "Top" sim, tira R$ 200 reais a hora fácil (muitas vezes sem nem fazer sexo, só para acompanhar em eventos). Tem algumas (basta assistir qualquer SBT Repórter ou procurar no Google) que ganham na faixa de R$ 12.000 a R$ 20.000 por mês, coisa que anos de mestrados e doutorados nunca vão chegar. Detalhe que muitas dessas são formadas e poliglotas.

Segundo "boatos" (deixo bem claro que são boatos, ao contrário do que escrevi acima), tem famosas que chegam a cobrar de R$ 2.000 a R$ 10.000 por programa.

Anônimo disse...

Mas claro que, essa não é a realidade da maioria das prostitutas do Brasil. É como futebol, logo imaginam que jogador de futebol é Ronaldinho Gaúcho, mas a vida da grande maioria está muito longe disso.

Anônimo disse...

já deixei de ser contratada por estar grávida, e o gerente deixou isso bem claro na hora de não renovar depois dos 3 meses de experiência. Ainda disse que a culpa disso é nossa (das mulheres) que tanto exigiram direitos que agora a empresa tem que pagar por 5 meses por uma funcionária ausente e ainda colocar outro no lugar.

A lei existe, mas na prática, gestante é discriminada na hora de conseguir trabalho sim.
mulher com filhos pequenos também.

bosta.

lola aronovich disse...

Sim, falar em "atestado de virgindade" é forçar um pouco a barra, mas é a única alternativa oferecida pra mulher que não quiser/poder fazer o papanicolau. Porque, se não fizer o exame, e não apresentar certificado ginecológico, não tem os exames suficientes. Daí não é contratada. A exigência disso, no concurso para policial civil na BA, no ano passado, teve a mesma repercussão. E é preciso que tenha. Assim, talvez os editais tirem essas cláusulas absurdas.

lola aronovich disse...

E por que tem gente falando de prostituição num post desses? É só pelo machismo mesmo, né? "Por que a mulher não é prostituta em vez de professora?" Isso vem de uma velha crença, repetida sempre por mascus, por exemplo: "toda mulher sonha em ser prostituta, o estado natural da mulher é a prostituição".


Flavinho, recebi sim seu email, obrigada!

sheila disse...

Isso só pode ser desonestidade intelectual, ou falta de informação mesmo.

Nenhuma empresa seria contrataria um funcionário sem passar por uma bateria de exames (câncer e doenças no útero ou câncer e doença no testículo/pênis).
Exames de sangue, fezes e urina são de praxe. Todo homem ao ser contratado passa por exames de hérnia, quantas vezes for necessário.
Como é que se faz um exame ginecológico em uma mulher virgem? Simplesmente não se faz, e é colocado no protocolo que o exame não pode ser completado por problemas médicos "virgindade".

Depois dizem que a informação não é manipulada, custava ler com cuidado o edital? Vindo de uma professora esse erro é gravíssimo...

Anônimo disse...

Anônimo 16:42.
Tá, podem até existir essas prostitutas "de luxo", mas quanta são assim? Uma parcela muito pequena.
A maioria acaba ganhando um valor muito menor e vivendo de forma bastante precária.

Anônimo disse...

E as mulheres sem vida sexual ativa cujo hímen não é mais íntegro(já que alguns podem se romper por diferentes motivos além de sexo). Nesse caso faz oq?

Observando também que é possível fazer o exame em mulheres virgens através de espéculo apropriado.

Enfim, embora seja possível fazer em todas, qual a relevância desse exame para o cargo a ser desempenhado? E qual a autoridade que um órgão acha que tem para pedir esse e outros tantos exames sem propósito?

Paula disse...

nessa discussão, não consegui não me lembrar desse video...

https://www.youtube.com/watch?v=9JwjCRHPHs0

Danilo disse...

Resposta: Não viajam. Uma mulher bonita garota de programa ganha muito. O mundo da prostituição para a mulher linda é o paraíso financeiro.

Existe um relato da Rita Cadilac que a mesma, confirmou, que o mundo da prostituição é um mundo de puro glamour e realização social para a mulher. Ela disse que a mulher linda prostituta em grandes cidades urbanas ganham e muito. Muitas tiram até 20 mil reais por mês.

Mulheres do GP guia tiram no mês no mínimo 8 mil reais, isto somente nos programas e saídas rápidas com os clientes. Caso os clientes queiram que elas passem um final de semana ou um feriado ao lado deles o preço é muito alto e sendo eles executivos e empresários ricos, elas lucram ainda mais.

A prostituição é uma instituição tão poderosa de glamour e dinheiro para a mulher lindíssima que isto atinge o mundo hollywoodiano. Muitas atrizes famosas se prostituem num estilo bastante "underground". O preço para saborear uma atriz famosa de Hollywood é extremamente alto chegando a milhões.

A prostituta que ganha pouco têm que ser muito ralé.

Ana Luiza Barcelos disse...

Oi Lola, adoro seu blog.
Gostaria de esclarecer uma coisa. Isso realmente é muito polêmico, as exigências em caso de concurso e tal, o pessoal divulga dizendo "mas não pedem toque retal dos homens..." etc. Acontece que Câncer de próstata é uma doença de homens velhos, é extremamente raro em homens jovens, e o Ca de colo de útero é prevenível e detectado pelo Papanicolau. Homens e mulheres deveriam cuidar mais da saúde, e fazer o exame anualmente apartir do início da vida sexual é muito importante. É uma questão de saúde pública. Nada que se tenha que fazer por obrigação é justificável, mas a conscientização a respeito da importância do exame é de extrema necessidade. É irrelevante para a vida profissional a partir do momento que o exame dá negativo, já que na maioria das vezes o câncer é assintomático.
Abraços,
Ana Barcelos

lola aronovich disse...

Certamente o Danilo e outros homens entendem muito da vida das mulheres que se prostituem... O Danilo, então, entende tanto de prostituição quanto de misoginia (pura paixão, segundo ele), como já deixou claro no outro post.
Acordem, pessoas. Prostituta de luxo, que ganha bem mesmo, é tipo jogador de futebol rico. Numa pesquisa que vi, 94% dos jogadores de futebol no Brasil ganhavam até dois salários mínimos. Ganhavam tão mal que era difícil se dedicar integralmente à profissão. A gente acha que todo jogador ganha que nem um Neymar, mas esses são 6%, super minoria, o topo do topo.
Com prostituta é igual. Fica todo mundo pensando em Pretty Woman, em Bruna Surfistinha. A realidade é bem diferente...

Thomas disse...

Sobre a prostituição, vou dar uma pequena contribuição. Lola, o mundo não é preto e branco. A prostituição não se divide entre a minoria que ganha uma grana absurda e o resto que ganha dois salários mínimos.

Você já chegou a ir num puteiro? Se foi, já chegou a conversar com as prostitutas, conheceu um pouco sobre elas e tal? Eu já. A primeira prostituta com quem fiz uma amizade, aliás, nem era uma "beldade" por assim dizer, e me disse que conseguia ganhar uma boa grana com o pessoal de classe média alta e com gringos, e que por isso já tinha comprado um terreno e estava terminando de construir uma casa.... mesmo sendo uns 5 anos mais nova do que eu, que vivo de aluguel.

Conheci várias prostituas que conseguiam viver bem com a profissão. Eram ricas? Não. Tavam dirigindo carrão? Claro que não. Mas com certeza ganhavam o suficiente pra viverem melhor do que boa parte da população.

Agora, que fique claro uma coisa: sou completamente contra a prostituição. Que cada um seja livre pra fazer o que bem entender desde que não prejudique o próximo, mas considero prostituição e pornografia frutos diretos de uma sociedade que explora mulheres. Tudo o que eu vejo é exploração de corpos e a ideia de prostituição simplesmente não me desce bem, não consigo encarar como nada além de uma exploração desenfreada que não existiria se um sexo não fosse considerado, pelo menos em algum grau por todos os homens, como inferior.

Eu só fui no puteiro mesmo e fiz amizade com as prostituas porque tenho um amigo que sempre que bebe fica louco pra pagar por sexo. Já eu, um homem atraente e que não aprecia a ideia de prostituição muito menos o ambiente de um puteiro, nunca precisei pagar por sexo.

Daniela Barbosa disse...

Isso me lembrou que, como professora contratada, ao ter minha bebê em novembro, não tive direito a licença maternidade. O Estado me dava um mês e meio e, para continuar com o contrato, teria de voltar com ela com apenas dois meses. O tempo do contrato é feito para inviabilizar até msm o plano de saúde. Me senti constrangida e humilhada.
A profissão de professor vem a cda dia sofrendo maiores humilhações, dentro da dignidade da profissão e da pessoa que a exerce.

Raven~ disse...

Tá anon jênio de 16 e 42. Mas e se eu não for virgem e não quiser fazer o papanicolau, porque sei lá... De repente eu não sou obrigada a sair fazendo preventivo e papanicolau por pura e simples exigência besta de um trabalho?

E gente, nunca, nunquinha que uma empresa em que eu entrei pediu esses exames que cêis tão falando aí... Oo eu acharia até esquisito pra falar a verdade que pra pagar o vt e vr dos funcionários alguém me pedisse um exame de sei lá... Virgindade. O que diabos tem a ver???

Mila disse...

Lola, no começo do texto diz que a exigência foi feita para o cargo de Agente de Organização, mas depois diz que quem se pronunciou foi a APEOESP e então começa a se falar dos professores. Acho que houve algum equívoco ou as informações estão misturadas, pois tratam-se de 2 cargos diferentes, com sindicatos diferentes (para Agentes, é a AFUSE, que, diga-se de passagem, raramente se pronuncia contra ou a favor dos associados, mesmo em casos como esse, de absurdos que a SEE nos impõe).
De qualquer forma, minha irmã acabou de ser aprovada no concurso de Professor na rede Estadual e passou por tooooda essa bateria de exames absurdos que pedem na hora da perícia. Nunca entendi o motivo do Estado querer saber sobre a saúde da minha periquita, se não vou trabalhar com ela (sou secretária de escola).
Até pedir um laudo de voz, audição e visão, ok, pois são as principais ferramentas de trabalho de um professor e um Agente de organização (embora eu já tenha conhecido um que era completamente cego e trabalhava maravilhosamente no meio dos alunos, controlando o recreio da molecada apenas usando a audição e o tato).
Enfim, se fosse te contar todos os absurdos que acontecem na SEE-SP, você e qualquer um ficaria de boca aberta. É descaso demais com os funcionários e, agora, de uns tempos pra cá, tem essa história ridícula dos exames desnecessários exigidos das mulheres e a recente onda de gordofobia nas perícias.
Por essas e outras, assim que eu puder, pulo fora da SEE.

(adoro seu blog,mas nunca tinha comentado. Sou leitora "muda").

Anônimo disse...

Os comentários sao moderados?

Danilo disse...

"Certamente o Danilo e outros homens entendem muito da vida das mulheres que se prostituem... O Danilo, então, entende tanto de prostituição quanto de misoginia (pura paixão, segundo ele), como já deixou claro no outro post.
Acordem, pessoas. Prostituta de luxo, que ganha bem mesmo, é tipo jogador de futebol rico. Numa pesquisa que vi, 94% dos jogadores de futebol no Brasil ganhavam até dois salários mínimos. Ganhavam tão mal que era difícil se dedicar integralmente à profissão. A gente acha que todo jogador ganha que nem um Neymar, mas esses são 6%, super minoria, o topo do topo.
Com prostituta é igual. Fica todo mundo pensando em Pretty Woman, em Bruna Surfistinha. A realidade é bem diferente..."


Resposta: Lola, Primeiro ponto, um jogador de futebol ganhar no mínimo dois salário mínimos jogam em clubes extremamente precários e sem prestígio algum. São clubes de regiões que não possuem nem um pingo de apelo comercial futibolístico.

Segundo ponto, você está querendo exercer a função do seu argumento em exceções. Provavelmente têm garotas de programas bonitas que não ganham bem ( mas estas são a minoria) e sendo minoria não muda o quadro atual que são a maioria.

Mulheres de programas lindíssimas que ganham pouco até existem, mas existem em números tão reduzidos que chega ser um fator mítico.

Obs: Você poderia elaborar um texto abordando este tema, ou, se têm eu não sei porque eu sou novato no seu "terreno".

Anônimo disse...

Concordo com o anom das 16:42, a alternativa do "atestado de virgindade" é justamente para proteger as mulheres virgens que não querem ter seu hímen rompido com o exame ginecológico.
A exigência do papanicolau é completamente absurda e desnecessária, mas falar em "atestado de virgindade" no título é bem desonesto.

Anônimo disse...

Não é esse glamour mesmo não já vi na tv, uma falsa prostituta foi viver um dia, e ela cobrava 200 pra eles irem embora pq eles querem um preço mais barato, eles querem em torno de 50R$ no sexo, até com Gphomens, não vale a pena, ganhar essa mixaria pra transar com sei lá quem.
As de luxo são sorte e o mercado tá saturado.

Danilo disse...

"Agora, que fique claro uma coisa: sou completamente contra a prostituição. Que cada um seja livre pra fazer o que bem entender desde que não prejudique o próximo, mas considero prostituição e pornografia frutos diretos de uma sociedade que explora mulheres"


Resposta: A pessoa têm que ser muito maluca pra ser contra a prostituição. O fim da pornografia você pode esquecer isso nunca acontecer.

Mas desejar o fim da prostituição é a afirmação do caos social. O fim da prostituição implicaria num agravamento de caos social absurdo.

Toda pessoa com bom senso e que reconhece a natureza sexual masculina jamais reivindicaria o fim da prostituição. Não é preciso ser um gênio da sociologia para saber que o fim da prostituição interfere negativamente na sociedade e destrói a sanidade do homem ocidental que não consegue fazer sexo com alta frequência.

Na idade média, os governantes permitiam os prostíbulos porque eles mantinham o pensamento de que se o homem não descarregasse sua pulsão sexual seria a mesma coisa que a afirmação do caos social.

Tinúviel disse...

Raven, desculpa, mas isso que tu disse é besteira. Se o edital do concurso prevê tu é obrigada sim, a não ser que aceite ser desclassificada. O edital é a lei do concurso, não há a possibilidade de se recusar a fazer algo simplesmente por não querê-lo.

Kittsu disse...

Não querer alguém enfiando dedos ou instrumentos em seus orifícios pra mim é motivo mais que suficiente pra não se submeter a tal exame, uma vez que é 100% irrelevante para a profissão. Nenhuma recomendação de organismo nacional, internacional, interplanetário ou supragaláxico se torna obrigação individual a se submeter a um exame, nesse contexto.

Raven~ disse...

um amigo... aham. Kkkk

Anônimo disse...

quando a expectativa de vida de vocês diminuir porque resolveram se revoltar contra o incentivo e exigência de exames e cuidados médicos, não venham falar que é misoginia na saúde...

Anônimo disse...

Eu fui aprovada pra secretária escolar aqui no DF. Fiz todos os exames solicitados inicialmente e todos estavam ótimos. Fui feliz da vida pra perícia. Chegando lá a médica me disse que eu era gorda (nunca tinha notado rs) e que eu precisava de um Raio X da coluna. Falei que nunca senti dor nas costas na vida, que nunca tive problema. Ela falou que se eu ainda não tive, eu terei (além de médica, vidente). A sorte é que eu tenho plano de saúde, mas se tivesse que pagar do meu bolso, teria problema. Agora me diz, se ser gorda seria um impedimento para trabalhar como secretária, será que poderia pedir algum tipo de aposentadoria por invalidez para o INSS? Isso é loucura.
E o que ela não sabe é que minha irmã que foi aprovada no mesmo concurso para o cargo de monitora (lidando diretamente com crianças) tem espinha bífida (assintomática), mas não precisou fazer exames por ser magra.
Esse povo tem os preconceitos e quer dificultar a vida de gente que só quer trabalhar. Gordo só pode ficar tranquilo em um lugar: a própria casa (se morar sozinho).
E com tudo que eu passei, não precisei fazer nada ginecológico.
Eu só quero saber quando essas arbitrariedades vão ser colocadas em cheque. O MPSP tem obrigação de fazer algo a respeito. Exame ginecológico? Que palhaçada!

Raven~ disse...

Huashuahs uma família de professores e a senhora vai virar puta?

-Dei sorte!

Huashua

Jess disse...

exercício de associação livre versão machista: leu "virgindade", respondeu "prostituta".

Arthur Aleks disse...

E você contraiu retardamento mental.
O que o cu tem a ver com as calças? O que ser bi tem a ver com HIV?

Anônimo disse...

O pior é que no atestado de virgindade deve incluir o hímen, que é uma prova otária de virgindade, pois sabe-se muito bem que esse "lacre" idiota pode ser desfeito sem sexo. E agora?

E o que um problema em algum órgão sexual iria impedir a pessoa de trabalhar? Para os problemas psicológicos e de voz eles não dão importância.

Anônimo disse...

Sem problema. desde que exijam o exame de toque retal para os candidatos a professor, sem limite de idade.

Anônimo disse...

E o do governo da Bahia a Lola não fala, será que é porque é do PT?

André disse...

E depois que passa no exame vai ter que fazer recadastramento anual dizendo sua orientação sexual. É o Tucanistão.

Patty Kirsche disse...

Olha só, quando eu tomei posse dum cargo público há alguns anos, pediram papanicolau. Eu achei estranho e não gostei. Até conversei com o funcionário do RH, perguntei se eu seria rejeitada caso aparecesse algum problema no exame. Ele disse que não, que era apenas um estímulo para que as mulheres não deixassem vencer o exame... Como eu estava sem convênio e com o preventivo vencido mesmo, fui a uma médica particular e fiz correndo pra pegar a vaga. Mas eu fiquei pensando em como seria pra alguma garota que não fosse ainda sexualmente ativa. Uma coisa que me incomoda muito é que homens realmente acreditam que aos 18 anos todas as mulheres já fizeram sexo com penetração. Mas se conversar com qualquer ginecologista, vai saber que na prática existe um número bem razoável de mulheres até na faixa dos 30 que ainda não começaram.

Pelo menos não precisei gastar com mais nenhum exame; o resto foi feito num órgão público de perícias. Mas o processo todo foi ridículo. O psiquiatra, que me atendeu fumando, perguntou se eu já tinha feito algum tratamento psiquiátrico. O clínico olhou minhas pernas pra ver se eram reais ou próteses. E a oftalmologista verificou se eu conseguia ler algumas letras. Fico pensando se eu poderia sido rejeitada caso algum desses médicos entendesse que eu poderia ficar doente em breve. Sei lá, muito estranho.

Anônimo disse...

confissao:
qdo eu tinha 18 anos um amigo me convidou pra virar camgirl. a ideia era me despir e fazer outros atos sexuais diante da camera do pc por dinheiro. eu recusei pq semanas antes ele tava falando comigo sobre o qto ele ia lucrar em cima das meninas contratadas. ele, um puta tiozao feio, ia ganhar varias vezes mais que as meninas, mta exploracao. glamour eh raridade.

Danilo disse...

Resposta: Sobre o texto eu achei estranho essa exigência de virgindade. Ainda existe uma certa valorização da virgindade feminina mas na dinâmica amorosa. Em âmbitos profissionais eu nunca tinha visto isso.

Lygia disse...

Gente, não sei se entendi bem, mas acho que a candidata não é obrigada a fazer o exame naquele momento.
Ela precisa levar um papanicolau feito no último ano. E mulheres sem relação sexual não fazem o exame pois a chance de ter tido contato com o vírus é quase nula!

Baseado na recomendação do ministério de realizar o exame preventivo anualmente, não achei nenhum absurdo... Não importa se tem a ver ou não com o trabalho (ou um hemograma ou exame de urina tem a ver com o trabalho??). É questão de ser mais uma oportunidade de se fazer o exame em mulheres!

Assim como nos homens acima de determinada idade, o exame preventivo pro câncer de próstata TAMBÉM é exigido!

Juro que não entendi a comoção, pra mim é um incentivo á saúde da mulher! Agora, se não contratarem alguém por ter lesão precursora no exame, aí sim temos um problema! Mas uma oportunidade pra mulheres que, muitas vezes, nunca fizeram o exame?? Não tenho como ser contra...

Anônimo disse...

Meu primeiro emprego foi de agente de organização, e eu era virgem. Como não seria possivel realizar o papa nicolau o ginecologista que eu paguei fez um atestado dizendo que a minha saúde vaginal estava OK. Até aí td bem.

O constrangimento veio depois quando eu tive que explicar para os responsáveis pelos documentos que eu era virgem, funcionários muito mal educados que chegaram a duvidar do minha palavra e do atestado médico.

Foi mto traumático. Cheguei a pensar em desistir do emprego.

Anônimo disse...

........

Será que eu posso finalmente pedir demissão da raça humana?

Alguém por favor me explique por que raios uma candidata a professora, secretária ou qualquer outra profissão que não garota de programa tenha que fazer um exame ginecológico. Qual o sentido, pô? Essas mulheres trabalham com a vagina? Ou é pra garantir que ninguém sairá com DST das orgias de escritório que os mascus tanto lamentam ter perdido? Ridículo.

E anon das 16:44 marido bissexual o K7! Você é daqueles imbecis que acham que homem hétero não pega AIDS? Porque sinto te informar, colega, mas sexo hétero transmite AIDS sim! AIDS é doença de homem hétero SIM! Principalmente se for feito você, um machista burro que acha que AIDS é doença só de gay e prostituta (por incrível que pareça, ainda tem ignorante que pensa isso em pleno século XXI e com centenas de estudos provando por A + B que AIDS não é doença exclusiva de NENHUM grupo sexual), que pensa que sua condição de homem hétero te protege de DSTs e não usa camisinha.

lola aronovich disse...

Bravo, anon das 21:40. Deixa eu contar uma true story: faz cerca de um ano (eu acho, não tenho certeza da data), apareceu um mascu num fórum mascu querendo falar sobre Aids. Ele escreveu um post explicando como a Aids era transmitida, desmistificando alguns tabus, insistindo no uso da camisinha, sempre. Enfm, seu post foi tão lúcido que nem parecia obra de um mascu. Sabe como foi a reação dos outros mascus? Um monte de comentários unânimes dizendo que Aids é doença de gay e prostituta, que homem hétero não pega Aids de jeito nenhum, e xingando o autor do post. O cara foi expulso do fórum por aquele post, e os mascus puderam continuar em paz na sua sancta ignorância. Isso que alguns deles dizem que têm "marmitas" e "namoradas" fixas pra poderem transar sem camisinha (que eles odeiam). Felizmente são poucos os mascus que fazem sexo, mas ainda assim... é um grande risco pra humanidade.

Anônimo disse...

To com a galera que achou viajado o título do post... Beleza fazer a crítica a necessidade do exame, às recomendações da OMS ou o que seja.
Mas o título insinua que se a mulher não for virgem ela não poderá ser professora.
O que totalmente não é o caso.
Talvez não seja pertinente pedir o exame em primeiro lugar, mas insinuar que o problema está no atestado... nada a ver!

Anônimo disse...

Mas o atestado é uma exigência para a professora. Ou ela apresenta os exames ou o atestado. Se ela chegar lá sem um dos dois, ela está fora por não ter apresentado o que foi solicitado. Isso é uma exigência!
Não sei em SP, mas no DF nós não temos plano de saúde pros servidores públicos. Aqui os professores recebem um auxílio saúde, os outros servidores da educação não recebem nem isso. Se eles estão tão preocupados com a saúde dos servidores, porque não garantir um atendimento à saúde de qualidade?
Se o Papanicolau é tão importante, porque é tão difícil conseguir um pelo SUS?
Eles querem a comprovação de que a pessoa está apta para a atividade que se propõe a fazer. O exame ginecológico é dispensável para esse fim. Se querem chamar atenção para a saúde da mulher, que não a punam com a desclassificação num concurso.
Os argumentos dos que entendem o porquê do pedido desse exame não fazem sentido, principalmente pelo caráter punitivo que acompanha um resultado ruim do exame.
Se isso se justifica, porque não pedir aquele exame genético que a Jolie fez?
P.S.: Tão preocupados com a buceta, mas já vi professor gago!

Danilo disse...

Resposta: Lola, você sendo uma feminista não sei como consegue ainda que infiltrada frequentar fórum masculinistas. Os fóruns masculinistas são uma merda completa, quando eu entrei em um saí na mesma hora. Acho que foi o fórum do bufalo o mais "famoso". Até aquele sujeito polêmico do YouTube o Gustavo Guerra tem idéias mais coerente do que esses masculinistas de fórum. Eu tomei essa noção de consciência do Gustavo porque ele tinha um grupo secreto no Facebook e ele me adicionou no grupo. Ele é inteligente e sabe interpretar a dinâmica social de forma mais sóbria que os masculinistas de fórum. Embora não vou negar que Gustavo é um sujeito meio pirado.

Anônimo disse...

Lola, lendo sobre o caso, tive uma dúvida.
Eu vi que eles pedem exames psiquiatricos também, certo? E o que acontece quando a pessoa tem um transtorno mental? No meu caso, eu sou bipolar. Então eu só estaria aprovada nesse teste se fosse atestado que eu estou "estabilizada"? Você sabe onde eu posso encontrar informações sobre transtornos mentais e o mercado de trabalho?
Tenho 17 anos e estou meio preocupada, já que agora que estou decidindo a carreira que eu vou seguir, universidades e etc. Obrigada :)

Anônimo disse...

Eu tomei posse esse ano como professora. Em nenhum outro emprego eu precisei fazer exame ginecológico (e já passei em mais concursos públicos). Nesse, além do papanicolau, eu precisei pagar por uma colposcopiam, um exame invasivo e que só é feito em caso de alterações no papanicolau. Mas pelo jeito o Estado não sabe disso, e fez todo mundo desembolsar dinheiro, porque demoraria horrores no SUS, e nenhum convênio cobre se você não tiver suspeita de câncer. Agora o pessoal que falou da importância dessa exigência desse concurso, explique-me qual a importÂncia de pedir um exame desnecessário e que você não precisa fazer rotineiramente.

Cão do Mato disse...

A atual administração da prefeitura de São Paulo veta transplantados no exame médico. Ou seja, a pessoa não consegue trabalhar enquanto faz diálise. Aí faz um transplante e a gente continua sendo considerado inapto para trabalhar. Aí tenta o auxílio doença e tem que ouvir do perito do INSS que tem condições de trabalhar....

lola aronovich disse...

Eu realmente não sei, querida anônima das 23:14. Mas é uma ótima pergunta. Alguém pode responder? O que acontece quando a pessoa é bipolar, ou está com depressão ou algo assim? Reprova no exame psiquiátrico e não pode trabalhar?


Anon das 23:29, excelente ponto. Nesse concurso de SP pediram não só o papanicolau como também a coloscopia. Todos esses exames custam caro. Vc imagina quem são as pessoas que fazem concurso para ganhar salário de R$ 900 por mês. Gente rica é que não é. E tem que pagar todos esses exames inúteis do próprio bolso. Completo absurdo.

Kaique Novaes disse...

Imagine se um dia chegarmos aos tempos retratados no filme Gattaca. A discriminação e a segregação serão tão presentes. Precisamos lutar contra esses absurdos.

Anônimo disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Gente, até atrizes famosas de Hollywood se prostituem!

Não há limite pra babaquice mascu..

Anônimo disse...

não é tão surpreendente assim,exames absurdos para as pessoas passarem em concurso público não faltam,uma vez pensei em fazer o concurso para trabalhar nos correios e a lista de doenças que a pessoa não podia ter era inacreditável,só faltou dizer que não podia ter cáries e nem espinha na cara.
desisti na hora.
e não era só para o cargo de carteiro,era para qualquer um.

exame ginecológico é muito intimo,todo mundo ficar sabendo se a mulher é virgem ou não é constrangedor,bem diferente de um exame de sangue,urina.
eu n faria,é um absurdo isso.

Anônimo disse...

pq tanta comoção com a idéia da mulher rodar bolsinha?
n são vcs que defendem a prostituição com unhas e dentes,n acham um máximo?
n é a mulher sendo empoderada?

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Ana disse...

Lola e anônima das 23:14: não sei no caso de algum transtorno psiquiátrico, mas eu fiz concurso para o magistério em Porto Alegre há uns 15 anos, passei em primeiro lugar na minha área e fui impedida de começar a trabalhar porque o meu hemograma mostrou uma ligeira anemia. Foi ridículo! Eu sempre tive um pouco de anemia devido à menstruação muito intensa. Pois o infeliz do médico me fez tomar ferro e só pude refazer o exame uns 3 ou 4 meses depois. Ou seja, todo esse tempo sem poder trabalhar! Como alguém comentou acima, o INSS jamais daria um auxílio doença para alguém que sofre de anemia. Agora, trabalhar que é bom, também não pude.

Fernando disse...

Pessoal tá viajando muito. O motivo do exame é simples: detectar se a mulher tem câncer de colo de útero. Pessoa que tem neoplasia maligna ativa ou teve neoplasia maligna diagnosticada há menos de 5 anos, mesmo tratada, não pode ingressar no serviço público. Pelo menos no Estado de São Paulo é assim.

Renata disse...

"Eu realmente não sei, querida anônima das 23:14. Mas é uma ótima pergunta. Alguém pode responder? O que acontece quando a pessoa é bipolar, ou está com depressão ou algo assim? Reprova no exame psiquiátrico e não pode trabalhar?"

No dia do exame admissional, é dado uma folha pra q vc relate TODOS os seus problemas médicos. Vai desde joanetes até sopro cardíaco. Qual é a ideia? Q vc nao possa pedir aposentadoria antecipada (ou readaptaçaõ - q é continuar no serviço público, mas nao na função prestada) alegando doença adquirida durante o período.

SE a pessoa tiver internações anteriores, licenças médicas por isso e não declarar, ela pode ser exonerada no meio do processo. SE ela declarar, vão pedir um laudo médico q ateste q ela é apta (de especialistas - na admissional não são especialistas).

Eu tenho uma degeneração ocular, estabilizada, caso ela venha a progredir, eu nao posso me aposentar integralmente por invalidez.

Funciona assim pra qlq doença.

Anônimo disse...

Mas não pedem exame de toque retal para os candidatos homens, né?

Maria disse...

Todos os concursos do Brasil possuem exame pré-admissional, assim como na iniciativa privada. E todo servidor público tem de apresentar anualmente uma bateria de exames, de sangue, fezes, urina, teste ergométrico, papanicolau para mulheres em geral e mamografia e exame para detectar câncer de próstata para mulheres e homens a partir dos 40 anos. No governo federal é a praxe, em todos os cargos. Se não apresentar os exames no momento do concurso em que é requerido, é eliminado da disputa pelo cargo. Se não apresentar exames anuais, responde processo administrativo. Em todos os casos os exames podem ser feitos no SUS, não necessariamente às expensas dos candidatos. No caso da virgindade ser atestada é para que a mulher possua uma escusa justificada para não se submeter ao papanicolau, que é um exame invasivo, e também porque o vírus do câncer do colo do útero que causa as neoplasias é transmitido através do sexo. Discutir o mérito de todos esses exames é possível, mas restringir isso à secretaria de educação do estado de São Paulo faz parecer que apenas em SP que acontece isso, quando na verdade acontece em todos os órgãos do governo federal, em todo o Brasil, e eu sei que em várias estados também. Lembro de um caso de um bombeiro que foi barrado em um concurso público porque o IMC dele excedia o máximo admitido para o cargo. Acontece que sequer ele era gordo, ele treinava musculação, por isso tinha muitos músculos e era pesado. Digo isso apenas para que se faça justiça e não faça parecer que um estado é pior que os demais, ou que é pior que o governo federal no trato com os servidores.

Anônimo disse...

No último concurso que fiz pediam até laudo com um psiquiatra, mas uma palhaçada, uma consulta de cinco minutos onde o próprio profissional chegou a declarar pra mim que era formalidade, que era difícil ele detectar algum distúrbio em uma única consulta. Tanto que pouco tempo depois, colega meu concursado e aprovado nesses exames surtou no horário de serviço chegando a agredir pessoas.
Fazer exames, cuidar da própria saúde é sempre importante, mas esses exames admissionais, além de serem muito hipócritas (então uma pessoa que não está totalmente saudável não tem direito a trabalhar, principalmente no setor público para o qual prestou concurso?), muitas vezes tem intenções escusas por trás (beneficiar algum laboratório ou clínica, principalmente em cidade pequena onde todo mundo acaba indo no mesmo).

Anônimo disse...

"Eu realmente não sei, querida anônima das 23:14. Mas é uma ótima pergunta. Alguém pode responder? O que acontece quando a pessoa é bipolar, ou está com depressão ou algo assim? Reprova no exame psiquiátrico e não pode trabalhar?"

Não. Normalmente esses exames psiquiátricos são bem superficiais e dificilmente alguém é reprovado, ainda mais por depressão. Eu nunca fiz, mas já li que em concursos para polícia o exame psiquiátrico é mais exigente devido ao fato de armas de fogo estarem envolvidas. Mas se você for analisar algum dos indivíduos que acabam se tornando policiais chega-se a conclusão que tal exame não deve ser tão exigente assim.

Mila disse...

Lola e anônima das 23:14, não posso afirmar com certeza porque, pelo que qualquer um pode ver, o "apto" ou "não apto" depende muito mais da boa vontade do perito que te atende do que da sua condição de saúde.
Mas acho (aaacho) que se for comprovado/diagnosticado qualquer transtorno mental, você será reprovada.
Penso que, na real, a intenção do Estado enquanto empregador seja evitar funcionários que possam pedir afastamento por motivos de saúde a qualquer momento. Como eu disse em outro comentário, sou secretária de escola e, gente, o que tem de professor e funcionário do QAE afastado por depressão e problemas desse tipo... Isso gera um custo pro Estado, que paga funcionários que não estão na ativa e, portanto, acaba tendo que pagar um segundo (ou até terceiro) funcionário para cobrir a ausência do que precisou se afastar. Muitos se afastam por problemas reais, visíveis, causados pelo estresse da profissão somados aos problemas pessoais e tal. Mas muitos (MUITOS MESMO) também se afastam por falta de vontade de trabalhar e, nessas, passam anos em casa, vivendo de atestado médico e bancando o desequilibrado no dia das perícias médicas. Falo porque já vi, mais de uma vez, gente que dá uma de doida na hora de conseguir nova licença e, horas depois, tá bela e sorridente contando para os amigos como enganou o perito.
Há casos e casos. Também há quem, após se afastar em licença saúde seguidas vezes, acabe readaptado, trocando de funções para se afastar do que pode ser uma das causas do problema (na maioria das vezes, o problema é a sala de aula).
No fim das contas, se a pessoa não representar nenhum risco aos alunos, se for um transtorno controlável, ela vai conseguir passar pelo perito e continuar controlando a situação com remédios e tratamento.
Então, impedir, acho que não impede de trabalhar, mas pode ser um problema, sim, se o perito perceber.

Anônimo disse...

Lola, acho que sua reação ao primeiro comentário, das 15:33, foi meio fora de lugar e, muito provavelmente, equivocado.

Queria também colocar que concordo plenamente com x anon das 16:42, você forçou a barra no título.

Por favor, observe que isso não significa que não concordo que a exigência seja absurda, apenas que não o é pelos aspectos que você colocou. Acho que todo mundo que leu o post entendeu que essa exigência não é por quererem mulheres virgens para o cargo.

Eu te leio todo dia, é sempre a primeira coisa que faço ao chegar no trabalho. Gosto muito, muito mesmo, do seu blog. Só acho que esse post foi uma pisada na bola.

Anônimo disse...

Sem ter nada a ver com o post, desculpem o comentário e principalmente se for notícia velha (não achei um mecanismo de busca no blog), mas o Engenheiro Emerson está a solta no facebook, agora pagando de libertário e olavete. Alguém já viu?

Debora disse...

A notícia está sendo dada de forma sensacionalista em alguns portais, como se fosse obrigatório ser virgem para assumir o cargo.
Pelo que entendi, a candidata que não deseja se submeter a exame invasivo (espéculo vaginal) precisa apresentar atestado para não se submeter a esta parte do exame, que causaria rompimento do himen em quem ainda o possua. Esse procedimento existe em outros concursos também (embora eu considere desrespeitoso do mesmo jeito, deveria bastar a palavra da mulher no caso do himen ou atestado médico constando que ela não tem neoplasia, etc). Antes que me taquem pedras, cheguei a essa notícia também embasbacada e chocada, mas lendo até o fim, vi que não se exige virgindade ou prova de virgindade para fazer o concurso, ainda que todo o resto seja de um absurdo completo. Em um concurso que fiz, uma das concursandas, virgem, ao submeter-se ao exame ginecológico, explicou o caso para a médica e bastou a palavra dela para que a profissional realiza-se de outro modo a coleta de material.

normalidaderealidade disse...

Anon das 23:14 e Lolinha

Também me preocupo com isso. Alguém citou aqui que o psiquiatra pergunta se a pessoa já fez tratamento. Eu faço tratamento a dez anos! Se a consulta é só superficial e o que conta é o histórico, eu vou ter sérios problemas. E eu quero ser professora.

Ao mesmo tempo, tem o "ableism". Eu sou super capaz de efetuar meu trabalho, mas eu posso ter dificuldades pra, sei lá, um teste psicotécnico ou uma entrevista. Ou seja, o fato de que eu consigo fazer alguns procedimentos complexos que outros pesquisadores não conseguem seria soterrado pelo fato de que eu já tive, por exemplo, "alucinações auditivas complexas" (segundo meu médico)? Botar toda a minha produção na mesa não significaria nada se eu não estiver completamente normal?

Eu sei que seriado americano de professor universitário gênio e com problemas psiquiátricos é lenda, mas e aí? Vou ficar sem emprego?

Anônimo disse...

O atestado de virgindade é para dispensar o exame de papanicolau e nao é exigencia para assumir a vaga!

Ô gente que gosta de procurar pêlo em ovo! credo!

André disse...

Pessoal, se o título do post reflete exatamente, ou não, o que o estado está exigindo é irrelevante. O fato é que se trata de uma exigência absurda (exame de papanicolau) que implica em outra mais absurda (comprovante de virgindade). E pior, e se a candidata não "passar" no papanicolau? Ela pode se aposentar? Duvido. Que a iniciativa privada trate as pessoas como lixo entende-se, mas o estado deveria ter um comportamento diferente.

Eu tenho uma amiga que teve câncer de mama, retirou uma mama, faz acompanhamento há 5 anos e está tudo bem, por enquanto. Porém, ela não consegue passar em exame admissional para trabalhar, nem consegue passar na perícia do INSS para se aposentar.

Tinúviel disse...

Anon das 09:01

Não é por dizer ao psicólogo (e posteriormente ao psiquiatra) perito que tu faz tratamento há dez anos que tu vai ser desclassificada, mas se tu realmente teria dificuldades em realizar um teste psicotécnico ou participar de uma entrevista, eu me preocuparia, sim. Especialmente porque a tua afirmativa de que é "super capaz de efetuar o teu trabalho" é absolutamente parcial, e precisa ser corroborada por algum profissional capacitado.

E "botar toda a tua produção na mesa" não adiantaria nada, são fases absolutamente diferentes do processo seletivo que é um concurso público... prova de títulos ou de produção intelectual é uma coisa, exames médicos admissionais são bem outra.

Maria disse...

Querida Lola, desculpe postar isso aqui, não tem nada a ver com o post,

Vc tuitou:

Pérola mascu de hj: "Dizer q as travestis são mulheres é uma ofensa tão grande qto dizer q os seres humanos são macacos".

E eu ri imediatamente pois essa afirmação, com outras palavras (comparando a ser tão ofensivo quanto brancos se pintarem e se declararem negros ou indios) é muito difundida entre "RadFems que não aceitam mulheres trans* no feminismo" ---- tenho que usar esse termo longo pois aparentemente usar o odioso termo TERF é tão preconceituoso e falso quanto dizer que um homofóbico é homofóbico.

Anônimo disse...

Gente, por caisa de UM post sugerindo virar Garota de Programa, agora a discussão tem que se pautar nisso? O texto que originou esta sequência de comentários é sobre exigências descabidas para admissão em emprego, não sobre qualidade de vida das GdP.
Que tal nos focarmos no assunto central do post? Assim a discussão fica beeeeem mais interessante.
ANA

donadio disse...

"Garota de programa só ganha 50 a noite e pra dar o furico.

Hm?

Garota de programa não ganha "por noite", ganha por programa.

Então vamos fazer as contas. Ganhando R$ 50,00 por programa (o que é programa de prostituta de beira de estrada, mas enfim), quantos programas precisa fazer para ganhar R$ 900,00 por mês?

Dezoito programas. Ou seja, mais ou menos um programa dia (ou noite) sim, dia não.

Ou colocando de outra forma, e considerando um programa como duas horas de trabalho... 36 horas de trabalho por mês para ganhar R$ 900. Ou de outra forma ainda, R$ 25,00 por hora de trabalho.

Professora (primária) precisa dar 12 horas de aula por semana para ganhar R$ 900,00 por mês. Ou seja, 48 horas de trabalho por mês para ganhar R$ 900,00 (ou seja, R$ 18,75 por hora de trabalho) - isso sem contar que, além das 12 horas em sala de aula, tem que preparar as aulas, elaborar e corrigir prova, etc.

Não estou sugerindo que as professoras virem prostitutas, mas estou constatando um fato que deveria ser óbvio: prostitutas baratas ganham mais (e trabalham menos) do que professoras primárias (e prostitutas caras provavelmente também ganham mais, e trabalham menos, do que professoras universitárias).

O que isso quer dizer, qual é a solução (ou mesmo, qual é o problema), são outras questões.

Nina disse...

Bem, acho que um pouco de ponderação não faz mal a ninguém. Então vamos por partes.

1. Sim, o atestado é sugerido somente para justificar a não realização de um exame invasivo. Mas fato é que, como colocou a médica entrevistada, nem toda lesão por HPV evolui para um câncer. E mais: o sexo NÃO é a única forma de contágio. Uma toalha de hotel ou um biquini emprestado, por exemplo, podem infectar, inclusive uma mulher virgem. Logo, o atestado por si só não é garantia alguma que essa mulher não tenha HPV. E o tratamento de HPV pode ser bem simples. Eu mesma já tive e foi 100% eliminado com um tratamento ginecológico simples.
Portanto, é o Estado se resguardando de não contratar pessoas que no futuro, talvez tenham um câncer. Ora, no futuro, assim como câncer de útero, qualquer mulher, assim como qualquer homem, pode ter um câncer de estômago, de laringe, de pele, etc. Logo, essa postura do Estado é, no mínimo, incoerente e pode gerar transtornos sim, pois

2. Fazendo o exame e em este detectando lesões por HPV, a mulher corre o risco de ser estigmatizada por uma talvez atividade sexual que a levou a tal quadro; não fazendo o exame e justificando com um atestado de virgindade, incorre no risco de virar chacota. Creio que nenhum dos dois casos seja uma situação agradável, né...

3. Outro aspecto é que as profissões em ambiente escolar, especialmente a de professor, são, no Brasil, algumas das mais insalubres para a saúde das pessoas. E como na maioria dos casos professores não tem plano de saúde garantido em plano de carreira, a falta de estrutura e as pressões no trabalho - por n motivos, mas em parte por culpa do próprio Estado - adoece esses profissionais sim! Sou filha e esposa de professores e sei do que estou falando. Ou seja, é o Estado exigindo que essas pessoas sejam saudáveis, mas, com o perdão do termo, cagando pra saúde delas no exercício do trabalho. Portanto, isso é de uma hipocrisia sem tamanho sim! Duvido que a Secretaria de Educação se preocupe tanto com as servidoras que desenvolvem candidíase por estresse, por exemplo.

4. Claro que existem pessoas picaretas que dão seu jeito para burlar exames de saúde para viverem encostadas em licenças médicas. Mas o Estado partir do pressuposto que deve se resguardar em relação a isso é algo que não tem fim, porque cada vez vai-se diminuindo a peneira, abrindo precedentes para situações absurdas e/ou específicas demais, até que fique praticamente impossível assumir um cargo público.

Conclusão: se é pra ser assim, que entremos logo na realidade de Gattaca e comecemos a produzir humanos perfeitos em laboratório (para, inclusive ninguém pegar HPV fazendo sexo).

Anônimo disse...

Minha opinião sobre a matéria publicada pelo IG: Sensacionalista, um título que gera desinformação para aqueles que não leram a matéria completa. Ser contra ou a favor dos exames gineacologicos deve ser uma opção do leitor, fornecer uma informação completa e o mais imparcial o possível é um DEVER do jornalista (que não foi cumprido neste caso).

Não quero levantar a questão da mulher ter que fazer o exame, alegar virgindade ou homem não ter que fazer nenhum exame de prostata. Mas quero chamar a atenção para algo que me deixou chocada quando li a matéria pela primeira vez: Como em pleno século XXI sexualidade ainda é tão tabu? Por que é uma vergonha se admitir virgem ou não ser? Por que é uma vergonha ir ao gineacologista? E quanto aos exames, isso já deveria estar mais do que incorporado a rotina da mulher, são exames de saúde importantissimos.

Luiza Original disse...

Não interessa se a OMS preconiza, faz o exame preventivo quem quer.

Ah, mas você pode ter câncer, não saber, e morrer rápido.

Ema, ema.

Exames simples, como os de sangue e urina, e o psicotécnico, beleza. Mas invasivos, principalmente quando solicitados unilateralmente (homens só depois dos 40), não colam.
E o Estado não deveria discriminar quem já teve ou tem chances de desenvolver um câncer, mesmo alegando custos. É direito de todo mundo batalhar por um emprego digno e ir atrás dos próprios sonhos.

Danilo disse...

Resposta: Não sei porque vocês acusam que professor ganham pouco. A minha mãe sempre foi professora ( ela aposentou), mas durante o período que dava aula ganhava 6 mil reais por mês, ou seja, um bom salário. Hoje com aulas particulares ela ganha menos mas não ganha muito menos do salário fixo que ela ganhava.

E ela não era professora de Universidade. Mas obviamente para ganhar um salário de 5 a 10 mil reais os colégios são particulares.

Maria P. disse...

Lola, gostaria de saber se vc tem alguma opinião já na ponta da lingua sobre o termo "feminismo liberal", se está certo mesmo, se todo feminismo que não seja radical é liberal e se o "liberal" da expressão é realmente na mesma mão do liberalismo de liberalismo econômico. Falo por ter visto o post abaixo no facebook e me deixou encafifada:

https://www.facebook.com/nslausch/posts/1481910532050867?fref=nf

Raven~ disse...

Tá desculpado Tinuviel. Até porque besteira é ter que fazer um exame admissional que não tem porríssima nenhuma a ver com o cargo.

Acho lindo de preocuparem com a saúde da mulher. Legal mesmo. Mas se não fizer o exame não passa? Ah parem.

Fernanda disse...

Eu sou a anônima das 23:29. Gente, o exame é abusivo. Eu passei em concurso de prefeitura, que paga bem melhor que o Estado, e não precisei fazer tudo isso não. Prestei concurso em Institutos Federais que também não solicitavam exames ginecológicos. Professor não pode ter problemas de fala, audição e coluna, problemas esses que ele provavelmente desenvolverá durante os anos de profissão. Se a questão é verificar lesões cancerígenas, creio que seria necessário TODOS os candidatos passarem por um dermatologista, mas isso não foi exigência. Quanto à dúvida do exame psiquiátrico, eu soube de professores que foram vetados no concurso por já terem tirado licenças psiquiátricas no passado. Nesse caso fico um pouco em dúvida. Acredito que o Estado precise dar melhores condições de trabalho, como pontuado no texto. Mas não acho que uma pessoa que já desenvolveu um transtorno psiquiátrico trabalhando em sala de aula deveria voltar para ela. Agora, quem já tem doenças pré-existentes, acredito que deveriam ter a oportunidade de exercer a profissão sim.

Elaine Pinto disse...

Sou servidora pública estadual no RS e aqui não me solicitaram nenhum exame ginecológico, apenas os exames de praxe: sangue, urina e psicotécnico. Evidentemente que os exames ginecológicos são abusivos, ainda mais quando observamos que exames urológicos correlatos não são solicitados a candidatos homens da mesma faixa etária.

Anônimo disse...

Essa p.... de papanicolau é o exame mais fdp que tem. Dói até a alma em mim, parece que tá me rasgando, quase choro deitada. E já fiz em duas ginecologistas diferentes.

Cyberia disse...

Eu sou servidora publica federal, tive q fazer una serie de exames medicos simples na admissão... mas NÃO ginecologicos. Meu raio X de torax indicou indicios de tuberculose pq eu estava mesmo com a doenca embora ja em tratamento por varios meses (sem risco de contagio para ninguem). Assim sendo fui admitida sem problema algum. Acharia um verdadeiro absurdo a EXIGENCIA de exames invasivos, na admissao ou nos anuais.

Anônimo disse...

Eu não vi nada de descabido no primeiro comentário até porque pensei a mesma coisa. Não sugerindo que a pessoa vire prostituta mas aqui pra nós, se sujeitar a essas humilhações por um concursinho a troco de 900 reais por mês é muito, mas muito fora de eixo mesmo.

Maria Valéria disse...

Acho ridícula essa exigência,
No maximo,poderia se exigir que a mulher passasse no ginecologista, com atestado :" exame ginecológico em dia " ; sem expor se o exame foi somente inspecionar e examinar, se colheu papanicolau, se fez colposcopia e o escambau - isso so diz respeito a paciente .
O motivo de nao fazer o papanicolau tambem so diz respeito a paciente, se e porque e virgem, se e porque retirou o útero ( nao sendo por câncer ) ; isso e problema dela e do ginecologista dela.
O máximo que deveriam exigir seria uma consulta ginecológica , que estivesse em dia,dai em diante, nao e problema do organizadores do concurso..

Anônimo disse...

Se a intenção fosse detectar o HPV (que é responsável por praticamente 100% dos casos de câncer do útero e uma significativa porcentagem de câncer no reto e no pênis), o exame adequado seria a captura híbrida e nunca, jamais o papanicolau (que além de tudo é impreciso, já que depende da técnica que quem lê a lâmina, ao contrário da captura que é analisada eletronicamente).

Uma vez que só as mulheres que precisam se sujeitar às exigências do concurso, logo se vê que a intenção é encher o saco mesmo.

Lygia disse...

Anonimo das 21h13:

A intenção não é detectar o HPV, umas vez que mais de 80% de todas as mulheres tem, teve ou terá contato com o vírus.
A intenção é detectar lesões precursoras de câncer de colo de útero, e isso a captura híbrida não verifica! Por favor, se informe melhor!

E pra quem tá reclamando de não ter exame pros homens na mesma idade, é porque não há grande incidência de câncer de próstata nessa faixa etária! Pelos deuses, gente! A própria Lola coloca que pra homens acima de 50 anos o exame preventivo de câncer de próstata também é obrigatório!

Só quem nunca viu uma enfermaria cheia de mulheres de 25 a 30 anos morrendo por câncer de colo de útero é capaz de dizer que esse exame deveria ser opcional, ou foi imaginado só pra fazer mulheres sofrerem...

Anônimo disse...

pera, então se por algum motivo a mulher não é mais virgem, mas está há algum tempo sem transar ("não tem vida sexual ativa", como diz o "edital" aí), não pode?

ou ela tem de fazer o papanicolau tbm?

sacanagem. e mais sacanagem é esse salário para profissional formado.

Anônimo disse...

Sawl
Para Anônimo(a) de 7 de agosto de 2014 10:57

A questão querido(a) é que exames de saúde íntimos são NECESSÁRIOS sim tanto à mulheres quanto à homens.
Ser virgem ou não ser, NÃO interfere no trabalho e nem é vergonha ter vida sexual ativa ou não ter vida sexual ativa. Cada um tem suas escolhas de vida.
A questão aqui que você NÃO entendeu é que cabe às mulheres fazerem exames ginecológicos pra saber de suas situações referentes à saúde, mas, porque SÓ MULHERES?!!
Se exames invasivos fossem REGRA pra qualquer concurso homens deveriam passar por exames de urologia e proctologia. Simples.
Mas, quando se exige exames tão invasivos(que devem ser feitos SIM, mas, que cabem apenas À MULHER saber sobre sua própria situação) são cobrados APENAS das mulheres isso é machismo constitucional!!
Mulheres são constrangidas e humilhadas por passarem por este exame de forma OBRIGATÓRIA para que o Estado se meta em sua vida íntima, e mulheres virgem são constrangidas(não pela virgindade, mas, pela situação em ter que mostrar sua situação) e alvo de deboche por peritos!!!
Uma moça de nome Luísa falou que foi alvo de riso e deboche por parte do médico perito e sua assistente.
Homens que fizerem concurso e passarem apenas mostrarão exames básicos, mulheres terão que detalhar TODA sua vida sexual ativa ou não ativa pra desconhecidos. Brasil, um país onde não existe racismo, nem machismo. SQN!!!!!
Só falta estes MERDAS misóginos do concurso do Estado imporem que as concursadas usem BURCA pra poder trabalhar, aí será o paraíso da misoginia!!!


Sawl - Always the rebel

donadio disse...

Olha, considerando que o magistério é "profissão de mulher", acho muito improvável que o Estado esteja tentando impedir mulheres de exercê-lo...

Mais provável o cálculo frio a respeito de quanto vão gastar ou economizar em licenças, consultas e aposentadorias precoces se admitirem pessoas que tem tal ou qual probabilidade de adoecer.

Talvez misturado com incompetência ou desatualização na escolha de quais exames exigir e quais dispensar (mas como eu não sou médico, é só palpite, provavelmente furado).

Anônimo disse...

Resposta para Sawl (de anônimo das 10:57):

Como foi citado um pouco acima do seu comentário pela Lygia, para homens acima de 50 anos o exame preventivo de câncer de próstata também é obrigatório.

Concordo que o Brasil é um país cheio de preconceito, racismo e machismo. O que eu quis resaltar no meu comentário é que NESTE CASO, eu (em minha humilde opinião, se quiser considerar ela machista, ok)acredito que houve uma matéria tendenciosa e propositalmente polêmica que gera mais desinformação do que informação.

Não acredito que tenha sido exigido nenhum absurdo (novamente resalto que EU não me incomodaria em realizar o exame ou atestar se sou virgem, por que EU considero isto algo natural). Ninguem perguntou para quantos caras a mulher dá, nem com que frequencia, ninguem esta expondo vida sexual nenhuma. Agora, se esta questão gerou o constrangimento de uma mulher é por que vivemos em uma sociedade que ainda trata sexualidade como tabu (não a mulher, mas a sociedade como um todo que julga ela por ainda ser virgem ou não).

Mas concordo com você que o Brasil esta repleto de machismo disfarçado e talvez isso realmente seja ai mais um caso de machismo encoberto com uma pseudo boa ação. Ainda não consegui criar uma opinião determinada sobre o assunto já que ainda há muita desinformação e manipulação da mídia.

Anônimo disse...

A intenção é detectar lesões precursoras de câncer de colo de útero, e isso a captura híbrida não verifica! Por favor, se informe melhor!

----------------------------

SEM HPV NÃO TEM LESÃO NO ÚTERO, entendeu ou quer que eu desenhe?

Anônimo disse...

Ri alto do primeiro comentário porque pensei exatamente do mesmo jeito, estudei 5 anos, ralei pra caramba pra poder pagar meu curso, pego meu diplominha suado e tão sonhado e lugar nenhum queria me pagar mais de 1500 bruto (com descontos, sabem pra quanto esse salarião vai né?), achei mesmo que devia ter pego esse dinheiro da faculdade e gastado tudo na academia e em clínica de estética pra virar uma puta top e ganhar um dinheiro sério por hora de serviço. Já dou de graça mesmo.

Agora é tarde, quem mandou eu querer estudar, casar por amor e ser alguém na vida? kkkkkkkkkkkkkkk

donadio disse...

"Maria P. disse...
Lola, gostaria de saber se vc tem alguma opinião já na ponta da lingua sobre o termo "feminismo liberal", se está certo mesmo,
"

Não sou a Lola, mas...

"Feminismo liberal" é o feminismo que não questiona as estruturas sociais do capitalismo. Geralmente ele se foca na legislação, e em como modificá-la para melhorar a situação das mulheres.

"se todo feminismo que não seja radical é liberal e se o "liberal" da expressão é realmente na mesma mão do liberalismo de liberalismo econômico."

Olha, acho que é preciso tomar muito mais cuidado com o termo "feminismo radical" do que com "feminismo liberal". Começando pelo fato de que existe uma corrente que se auto-intitula "Feminismo Radical", ou RadFem, o que é bem diferente de um feminismo que seja radical (pessoalmente, eu não considero essa corrente "radical" de maneira nenhuma, por que, como a Nathália Lausch discute no link que você postou abaixo, não faz recorte de classe). Então... nem todo feminismo que não é RadFem é feminismo liberal, de forma alguma. Feministas marxistas ou anarquistas, por exemplo, não são nem liberais nem RadFems. E nem todo feminismo que não é radical é liberal - porque o RadFem não é radical, mas também não é liberal.

"Falo por ter visto o post abaixo no facebook e me deixou encafifada:

https://www.facebook.com/nslausch/posts/1481910532050867?fref=nf
"

Gostei bastante do post, concordo muito com a Nathália.

Anônimo disse...

Quando não existe um meio melhor, o papanicolau é indicado por questões de custo. Entre nada e o papa, é melhor fazer pelo menos o papa. Todavia, a captura híbrida é um exame de alta tecnologia, analisado sem interferência humana e que efetivamente pode prevenir o desenvolvimento de lesões nas mulheres portadoras dos grupos HPV oncóticos (não são os mesmos grupos das verrugas). O HPV em si não tem cura, o corpo é quem combate o vírus mas se detectada a presença precoce é possível estimular a imunidade da pessoa (Imunoglucan) a tempo, antes de qualquer lesão se instalar. Como no Brasil primeiro se pede o papa (que falha com grande frequência já que depende da interpretação de quem lê o material), para no caso de ter alterações daí se pedir a CH (que nesse caso acaba sendo inútil, uma vez que a alteração já existe), perde-se um tempo enorme e não é à toa que esse protocolo ultrapassado é responsável direto pelo alarmante número de câncer cervical. Entre um papa sem alterações e outro, o que poderia ser evitado acaba virando problema. Em outros países mais avançados pede-se a CH logo de cara, junto com o papa, e não separadamente.

Encontrei uma matéria que explica bem didaticamente a importância da CH e as consequências dela não estar incorporada nos protocolos brasileiros

http://revistavivasaude.uol.com.br/clinica-geral/conheca-o-exame-substituto-do-papanicolau/630/

"Como é feita a Captura Híbrida?

Lorincz: A coleta do material para o exame de CH é feita de forma idêntica ao Papanicolau, utilizando uma escovinha especial. E é no laboratório que as diferenças aparecem: as amostras colhidas ficam em um vidro com um líquido especial. Após uma série de processos químicos, o DNA viral é unido ao DNA da amostra ginecológica. Quando há presença do vírus, ocorre a fusão de ambos os materiais genéticos, chamada de hibridização. Por isso, o exame detecta HPV, mesmo com ausência de lesões na parede uterina, o que o torna mais eficaz do que o Papanicolau.

Qual foi o impacto do Papanicolau nas estatísticas sobre saúde das mulheres no mundo?

Lorincz: O papanicolau exige muito treino e habilidade do profissional que analisa a lâmina. Países europeus e Estados Unidos têm reduzido os índices da doença em mais de 50% usando a CH como exame primário, e junto com o exame de papanicolau. O Brasil por usar apenas este último. E como o Brasil utiliza apenas esse último, essa é a causa de ele estar entre os países com o maior índice de câncer cervical no mundo."

Sem esquecer que a correlação entre HPV e câncer de útero, segundo vasta bibliografia médica, é muito próxima de 100%. No grupo de HPV de alto risco, o 16 e o 18 são responsáveis sozinhos por 70% dos casos.

Se minha mãe tivesse tido acesso a essas informações, acho muito dífícil que ela tivesse morrido de câncer. Tenho os exames "sem alterações" dela, de diferentes laboratórios, guardados até hoje.

Anônimo disse...

Tem gente que é muito ingênua: pensa que o Estado ou a empresa privada exige exames de saúde pensando no bem do funcionário. Exames do tipo que a SEE-SP adora pedir e seus laudos ridículos são feitos com o fito de evitar qualquer perda financeira com o funcionário (faltas, aposentadoria por invalidez, licenças). Como as doenças "pré-existentes" dos planos de saúde. Não falta muito e estaremos vivendo a realidade de Admirável Mundo Novo e de Gattaca, com exames genéticos que apontem para a probabilidade de câncer ou doença degenerativa - 2/3 do mundo será "inempregável".

Naná Moods

Maria Valéria disse...

Concordo totalmente com o comentário da Naná Moods, de 8 de agosto às 20:08

...vamos começar a fazer terapia genética intra- útero, para que só nasçam bebês futuramente " empregáveis", sem nenhuma doença,nem um fio de cabelo fora do lugar; e que não peguem nem resfriado ou sequer tenham unha encravada na vida adulta...
...admirável mundo novo, a gente se vê por aqui...!

Katia Monteiro disse...

Olá Lola! Concordo com tudo que você escreveu. Estes exames ginecológicos são abusivos e ferem a dignidade das mulheres. Além disso, os homens não são obrigados a fazer o "toque retal". Sabe porque? Porque as mulheres sempre tem que se submeter a exigências e a falta de respeito quanto aos seus diretos, enquanto que os homens sempre são respeitados e poupados de qualquer constrangimento. Imagine se algum concurso público exigisse o exame do "toque retal" nos homens? Seria um escândalo e os homens se negariam a fazer, alegando que eles tem o direito a privacidade, dignidade e honra, e também de decidir o que fazer o com o seu corpo. O pior de tudo, é que mesmo com toda esta polêmica que ocorreu tanto em São Paulo quanto na minha terra, a Bahia, ainda tem concursos públicos que exigem os exames ginecológicos, como é o caso do concurso público para admissão de professores da Universidade Federal da Bahia- UFBA, que ocorre este ano, 2014. Por este motivo, desisti de fazer o concurso da UFBA este ano e só me inscreverei quando esta instituição retirar esta "obrigação", porque não vou me submeter a algo que fere a minha dignidade e o meu direito de escolher o que fazer com o meu corpo. Fico chocada quando vejo algumas mulheres defendendo este sistema retrógrado, que não respeita as mulheres e desrespeita o seu direito de fazer suas próprias escolhas. DEVEMOS LUTAR para que seja CRIADA UMA LEI QUE PROÍBA OS EXAMES GINECOLÓGICOS e QUALQUER OUTRO EXAME QUE DESRESPEITE AS MULHERES que participam de concursos públicos e também que trabalhem em empresas privadas.
DEVEMOS NOS UNIR PARA EXIGIR A APROVAÇÃO DESTA LEI. Grande abraço

Anônimo disse...

Lola, eu passei em um concurso para professora de universidade federal e a alegria da aprovação logo deu lugar à apreensão, pois o papanicolau era requerido para admissão. Imagine que pensei em várias possibilidades, até de fraude, pois minha irmã dispunha de um laudo recente. Graças a Deus, através da ginecologista dela, que, primeiramente, sugeriu o atestado de virgindade, recusado por mim, consegui fazer o exame de forma muito tranquila, sem usar o espéculo. Mas fiquei com muita raiva, pois perdi noites de sono e teria me sentido muito humilhada se tivesse que apresentar atestado de virgindade ou mesmo fazer o exame de forma convencional. Liguei para a universidade anonimamente e indaguei o responsável pela obrigação do exame: puro machismo travestido do discurso de que estão cuidando da mulher. Isso tem que acabar!