domingo, 27 de abril de 2014

GUEST POST: VOCÊ AINDA VAI INCOMODAR MUITA GENTE

Às vezes é bom publicar coisas bonitas, pra não passar a impressão que só recebo insultos e ameaças. 
Acho que, apesar de tudo, as manifestações de carinho que me chegam estão na proporção de dez pra um em comparação às ofensas. 
Ivan me mandou este lindo email (obrigada, querido!), que decidi ilustrar só com coisas bonitas:

Sou leitor do seu blog, acho que há um ano ou mais. E nem lembro como cheguei nele, mas cheguei, ainda bem.
Para você me conhecer rapidamente, sou do Rio de Janeiro, capital, 32 anos, filho único, gay assumido, morando junto há 6 anos (Eduardo e eu nos conhecemos há 7 anos). 
Tenho uma vida na média tranquila. Há 3 anos compramos um apartamento, minha família e a do Eduardo sabem de nossa condição sexual, a maioria nos aceita, os que não aceitam, pelo menos respeitam. E se não respeitar, mando um foda-se e sigo minha vida. Na minha família só não tenho relação com meu pai, que separou-se da minha mãe há 11 anos. Eu me revelei para a família um pouco depois e ele não aceitou bem. Bom, te conto isso depois.
O motivo de estar escrevendo agora para você, é para te parabenizar. Em alguns posts, eu tenho vontade de comentar para falar para você continuar, ter força, mas digo que não sou adepto a ficar comentando em sites, e às vezes nem leio comentários. No seu blog é que tento ler um pouco deles.
Enfim, descobrir teu blog, ler seus posts, os guest posts, me fez aprender mais sobre o movimento feminista, mas mais ainda, sobre o que passam tantas mulheres, e gays também, devido ao preconceito e tudo mais. Digo que tenho me tornado muito defensor desses pontos pros meus amigos.
Me descobri muito machista, mesmo sendo gay. Digo isso pois às vezes fazia piada machista, ria na roda de amigos héteros (só no trabalho, fora de lá meu círculo próximo é todo gay), mesmo no trabalho que todos sabem de mim (impus respeito, e olha que sempre trabalhei com informática em suporte técnico, ambiente dominado por homens). Depois de ler mais a respeito, passei a me policiar nos comentários, piadinhas, e às vezes me tornar um chato quando o diálogo envolve a questão do estupro. Fico extremamente revoltado quando ouço que a culpa é da mulher... Sério, meu sangue ferve de raiva.
Lola, se eu continuar escrevendo vou ficar te contando casos de minha vida e aí vai ficar muito chato. Mas saiba que dentre as coisas que eu disse, um ponto que gostaria de frisar bem é que com o trabalho que você faz, você tocou gente que nem imaginava. Quando você mostra que mascus, reaças e essa gente mal resolvida te xingam e ameaçam, eu fico imaginando: "Cara, a Lola incomoda eles demais". 
E isso me fez traçar um paralelo, que acho que ao mesmo tempo que você incomoda eles (pô, alguns comentários que eles deixam pra você revelam que eles leem tudo direitinho o que você escreve, só não absorvem nada, mas aí é exigir demais), você consegue alcançar gente que como eu, que acha seu blog, começa a ler, a visitar quase todo dia e passa a mudar o pensamento para melhor, a fazer parte da causa, a ajudar essas pessoas (eu!) a repensar comportamentos. 
E isso aconteceu e acontece comigo, porque é um exercício constante a gente tentar ser melhor para a gente e para o próximo. E digo que  você é parte desse processo comigo, e fico muito feliz com isso. Mesmo sem te conhecer pessoalmente, sou seu fã, ouço suas opiniões, e tenho esperança na humanidade por saber que existem pessoas como você. Forte, guerreira, inteligente e linda. Por dentro e por fora.
Não falei acima, mas não pense que por não ser ativista do movimento feminista (e nem do gay, não vou a parada gay, enfim, isso é outra coisa), eu não divulgo o seu blog. Falo muito pros meus amigos acessarem, divulgo mesmo.
Lola, continue sendo a luz que você é para tantas pessoas. Sei que, como você já disse,  o blog consome muito seu tempo, mas não pare! O seu alcance em mim, é no nível assim: eu sou muito zoador dos meus amigos, tenho um humor bem sarcástico, humor negro às vezes. Eu curtia esses humoristas tipo CQC e suas crias. Ler o que você escreve fez com que eu praticamente não veja mais. 
Em protesto mesmo. Esse foi só um exemplo do seu poder!
Mais uma vez, Lola, parabéns pela iniciativa. Conte comigo se precisar, continue seu trabalho. Você ainda vai incomodar muita gente.

29 comentários:

Jhany disse...

A LOLA incomoda muita gente e este incomodo tem mudado muita gente também. Eu também parabenizo a Lola pelo apoio que nunca tive, por falar por mim. Sou mulher feminista, independente, lésbica e estuprada. Aqui encontrei abrigo e aprendi a falar sobre o queu não tinha coragem e até sobre o que eu não sabia. Eu não sabia que a culpa não era minha, sim eu me culpava e até me cortava em momentos que a autoestima tava reduzida a lixo. Obrigada Lola hoje sou transformada para transformar. E continue incomodando.

Igor Pereira disse...

Ele disse EXATAMENTE o que eu sinto por você, Lola! De verdade! Eu também era expectador assíduo do 'CQC e suas crias' e achava que era esse o tipo de gente que eu queria ser no meu futuro, mas agora eu sei que eu quero ser como você! (Se eu for um terço do que você é, já serei fodão, na verdade. rsrsr)

Sério, Lola. Tenho certeza que você mudou a vida de muitas pessoas por aí(a minha inclusive!), não pare com o seu blog NUNCA! Não sei o que aria sem ler teus textos TODOS os dias! Você é uma inspiração, uma amiga, uma irmã, professora, mãe de muitos de nós aqui.

Por causa de você (e de agumas outras pessoas, também, não posso ser injusto rsrsr) eu sou um cara muito melhor hoje!

Obrigado por tudo.

Anônimo disse...

Disse tudo! também acho que você,Lola, incomoda muita gente e isso é bom demais. Na verdade, você também me incomoda o que faz com que eu reveja conceitos e saia do conforto do "sempre pensei assim". continue o bom trabalho, nós nos incomodamos e te adoramos!

aiaiai

Carolina M. disse...

Nossa, que legal esse depoimento do Ivan! Sabe que tem horas que eu penso: pq a Lola escreve dos mascus e as coisas q eles falam para ela? Mas agora entendi: vc incomoda! E vai incomodar muito mais! É isso aí! Pensar dói e repensar-se derruba sangue... Bjooo, bom domingo

Anna Milani disse...

O mundo precisa de mais gente como o autor desse post. E de mais gente como você, Lola! Eu gosto de pensar que a maioria das pessoas são boas, basta procurar. Eu virei feminista justamente por causa do seu e de outros blogs que conheci depois [são tantos que nem vou citar todos, pois daria uma lista enorme].

Tenho até vergonha de falar como eu era antes do feminismo. Eu soltava a pérola machista de 'mulher tem que se dar ao valor' e alguns insultos racistas e por isso agradeço profundamente à você, pelo seu blog existir, porque acredito que se não existisse, eu seria aquela pessoa horrorosa e vergonhosa ainda.

Enfim, obrigada por tudo!

entédia disse...

Ai qui mocinho bonzinho (bocejo)

Depois dos 30 é sinal de inteligencia não ser fã de ninguem

Seu Chefe disse...

Aaaah, Lola... O cara que escreveu é gay? E depois vocês feministas dizem que há homens machos no movimento. Lorota! Nenhum homem que gosta de mulher adere ao feminismo, porque prejudica-o e se haver homens são gays

lola aronovich disse...

Sei lá, né, mascutroll não consegue ler um post pra salvar sua vida, mas não custa: Dez motivos para os homens amarem o feminismo.
Como vc consegue falar tanta besteira em tão pouco espaço, mascutroll? Tipo: claro que há homens (gays, héteros, bi etc) no feminismo, tanto que há uma discussão gigante sobre o papel deles no feminismo. Segundo: vc acha que homem gay não gosta de mulher? Tenho certeza que gays não misóginos gostam muito, muito mais de mulher que vcs mascus misóginos. Quem te deixa prejudicado não é o feminismo, que vc tanto rechaça. É o machismo. É por causa de todas essas suas frustrações que vc é um coitado.

Anônimo disse...

Será mesmo que os gays são pessoas confiáveis dentro do feminismo?

Não sei, mas vejo muitos feministas com olhar um pouco ingênuo sobre os homossexuais, sendo que a misoginia rola solta dentro desse meio. Basta conviver um pouco com eles, para notar isso.

Eu não confio.

Flavio Moreira disse...

Anônima das 15:43:
Acho que você tem parcialmente razão, ois rola sim, misoginia entre gays; mas não só entre eles, rola na sociedade como um todo.
Não acredito que haja uma predisposição à misoginia porque a pessoa é gay. Ela existe porque a sociedade é formada assim.
Nós nascemos, crescemos e somos educados para ser misóginos, racistas, homofóbicos, porque essas são "condições" (aham) que estão fora do status quo.
O nosso esforço é reconhecer quando estamos agindo "de acordo com a programação" e tentar reverter esse condicionamento.
Não é fácil mas, como bem disse o Ivan, taí a Lola para nos mostrar que não é impossível mudar quando se tem bom senso, capacidade de pensamento crítico (e auto-crítico) e empatia.
Já vi muitas comportamentos misóginos e machistas no meio gay, mas não se pode generalizar. Também conheço pessoas solidárias, engajadas e lutadoras, inclusive em relação ao feminismo.
Parabéns, Lola, por fazer com que consigamos pensar, refletir e, através da boa discussão, mudar nossa maneira de pensar e questionar nossos preconceitos e atitudes.
Bjs

Jules disse...

Lola, TB sou sua fã assumida, e mudei muito meu jeito de pensar depois de descobrir o seu espaço. Nunca pare com o blog! Vc é inspiração pra muita gente!

Rafa K disse...

me identifiquei com as palavras do ivan! seguiremos sempre incomodando :DD

Anna Milani disse...

Olha o "nome" do cara: Seu Chefe.
Isso define a mentalidade dele.

Michele disse...

Que graça ver uma declaração dessas, como a do autor. Ele só disse as verdades, dona Lola, sou sua fã. Seu blog abre nossas cabeças para muitas coisas! Um abraço!

Julia disse...

Homem que gosta de mulher tem que ser feminista. Mas é quem gosta de mulher mesmo, não de buc*ta, mascu.

Mulher ≠ buc*ta


Tá?

Anônimo disse...

POis é, né, Flávio, há uma certa incompreensão quanto aos gays. Gays não são meninas caídas do céu. São homens, têm testosterona, têm músculo, têm força. E sobretudo são criados também por toda a corja hétero machista, classista, racista, direitista, elitista, etc. e tal. Não admira que reproduzam o discurso de seus pares, não acha?

NAZGUL disse...

só os gays mais afeminados são contra o machismo. os gays magrelos, que falam fino, esse tipo que faz o tipo politicamente correto. esse tipo de gay é totalmente sociável e cheio de amigos, cheio de vida social, é passivo demais pra entrar numa briga contra alguem, por isso conseguem viver passivamente uma grande vida social.

agora há gays que nem da pra saber que é gay, pois agem como homem mesmo. o gustavo guerra por exemplo, ele come travestis, e é misógino, é um masculinista sancto.

sempre acharei homosssexualismo algo nojento e repugnante, porem uma das influencias na minha personalidade é um gay noruegues chamado Gaahl, ele tem excelentes idéias, é misantropo, e não duvido que ele seja misógino tambem, e óbvio, eu não tenho 1% do extremismo que ele tem, sou covarde perto dele, o cara ja foi preso e tudo por causa de briga de bar, mas as idéias dele que me inspiram mesmo, nõa a atitude.

Graciema disse...

Lola,

Também passo para deixar aqui meus parabens e obrigada. Você e a Ligia do blog cientista que virou mãe são duas influencias maravilhosas na minha vida, para melhor. A lucidez, a coragem, a honestidade e inteligencia de vocês têm a mais profunda admiração, e obrigada de novo pelo grande trabalho voluntário de manter este blog!

Muitos Beijos

Graciema

Eva disse...

Lola, parabéns por sua coragem de continuar aguentando esse tanto de fã mascu que brota por aqui.
E por mais que eu discorde de você em MUITAS coisas, a amplitude das coisas que você aborda sempre me ajuda a explicar pros caras legais (e olha que coisa, maioria hétero, um deles inclusive está comigo) o motivo de certas coisas que eles fazem serem opressivas e machistas. Por favor continue a escrever.

Anônimo disse...

Exatamente, assim como há mulheres machistas. O trabalho de reconstruir a programação que nos é dada pela sociedade na infância é extremamente árduo.

Anônimo disse...

Estranhíssimo gostar de b*ceta sem gostar de mulher. Nunca vou entender isso. Haja compartimentalização.

Anna Clara disse...

Também gostaria de deixar o meu muito obrigada pra Lola! :D

Desde que eu conheci seu blog eu tenho aprendido muito!

Anônimo disse...

Aqui, ô Nazgul, seu discurso homofóbico é devido ao legado do Judaísmo no Ocidente. Sabe o porquê da homofobia judaica? Porque gay não tem filhos basicamente. São férteis mas não gostam de mulher. O Judaísmo vive da procriação dos judeus.
Coisa muitíssimo parecida está acontecendo neste exato momento na Rússia. O Sr Putin não acha nada nojento e repugnante o relacionamento gay. O que ele não está gostando nada é da redução da população russa, por isso está indo pra cima dos gays, pra ver se eles procriam pelo menos uma vez na vida.

A homofobia religiosa de certas denominações aqui no Brasil é só micagem tipo moralista do Judaísmo bíblico, põe isso na sua cabecinha e supera esse mimimi contra os gays.

Anônimo disse...

não preciso ser feminista para gostar de mulher.
vcs são hilárias!kkkkkkkkk

Anônimo disse...

Lola, sabe disto:

Diário Digital
Cobertura tempo real
Professora obesa impedida de assumir funções de docência no Brasil
Diário Digital - ‎Há 16 horas‎
Ana Carolina Marcondelli é professora de biologia e, pela segunda vez, foi considerada inapta para assumir funções como professora efetiva na rede estadual de ensino de São Paulo, no Brasil. A razão do impedimento é a sua obesidade. Pesando 119 ...´
Aqui:
Diário Digital
Cobertura tempo real
Professora obesa impedida de assumir funções de docência no Brasil
Diário Digital - ‎Há 16 horas‎
Ana Carolina Marcondelli é professora de biologia e, pela segunda vez, foi considerada inapta para assumir funções como professora efetiva na rede estadual de ensino de São Paulo, no Brasil. A razão do impedimento é a sua obesidade. Pesando 119 ...

Anônimo disse...

Lola, influenciada pelo Ivan, vou falar de mim: me lembro como se fosse hoje do dia em que encontrei seu blog. Eu estava num momento auto estima zero, tinha acabado de ser seguida ostensivamente por um segurança de loja, por ser negra (isso acontece direto, e olha que eu tenho dinheiro para gastar e me visto bem). Então, naquele dia, cheguei em casa chorando, com vontade de morrer e comecei a procurar no google algo interessante para postar no meu grupo do facebook, como forma de dizer aos meus amigos o que estava sentindo. Aí me deparei com o seu post "O privilégio branco, ao vivo e a cores"

Naquele momento, eu me lembrei que empatia existe SIM. Fiquei surpresa em como uma mulher branca poderia entender minha dor, e mais: se importar com ela. Isso me atingiu de uma maneira tão profunda, Lola, que eu passei a devorar o bloguinho. Me descobri feminista desde sempre. Entendi que um estupro não é só ser agarrada num beco escuro. Conheci a dor de pessoas trans. Entendi a gordofobia.

A coisa tomou uma proporção tão significativa, que meu marido- que é branco, hetero, nunca foi pobre e se dizia politicamente incorreto- se interessou e passou a ler. Há 2 anos, ele chega diariamente do trabalho querendo comentar o que leu aqui. TODOS OS DIAS, Lola! Ele passou a defender ativamente as pessoas e um humor mais consciente.

Meus irmãos, que eram mega machistas, depois do meu discurso sobre culpabilização da vítima, que aprendi aqui, começaram repensar o assunto e um deles agora posta coisas como: "Vc pode se vestir como quiser, vc não tem culpa de nada".
Tenho conversado também com outras mães, que como eu, têm filhos pequenos, e nós queremos dar a eles uma educação mais inteligente.

Ah, chega! Poderia ficar horas escrevendo e mesmo assim vc não conseguiria dimensionar sua influência no meu mundo. Te amo, Lola, como a uma irmã. Muito obrigada por ter tanta coragem, e ser tão humilde, e amar tanto as pessoas, e ser tão Lola.

Melissa

lola aronovich disse...

Ah gente, obrigada por todo o carinho! Mesmo! Estou na maior correria, já estou atrasada uma meia hora, mas tinha que vir aqui escrever isso. Vc me comoveu, Melissa!

Amana disse...

Eu também sou cria do Escreva Lola Escreva!!
Já tinha lido muita coisa de teoria feminista quando cheguei aqui - um amigo me indicou o blog. Mas foi na leitura diária (acho que nunca perdi um post dese q cheguei aqui, heh) dos seus textos, Lola, que fui conectando as ideias mais teóricas ao dia a dia machista que vivemos. Isso foi formador, sem duvida nenhuma.
Não tem uma disciplina que eu dê em que não indique o blog como um todo e inclua de seus textos para leitura e discussão. Muita gente conheceu o blog através de mim, e troco muitas ideias em meu grupo de estudos sobre teorias feministas a partir de debates que surgem por aqui.
Muito querida!!!
beijo grande

Anônimo disse...

Lola, sou mais uma das muitas pessoas tocadas pelo seu trabalho transparente, abrangente e capaz de mudar vidas.

Na verdade nem lembro bem a primeirissima vez que acessei o blog, so sei que foi em 2012, depois de entrar pra um curso que nao eh da area de Humanas mas tem um contigente grande de gente de diversos backgrounds. Cheguei religiosissima na faculdade, mas desde sempre com uma postura receptiva as pessoas e ideologias diferentes, mas sem jamais abrir mao das minhas crencas. Ate que com o passar dos semestres e estreitamento dos lacos com estas pessoas, pude ver tao claro como cristal que elas eram tao boas pessoas, sinceras e com um coracao enorme quanto o meu e que a imagem que eu tinha delas ("vadia", "viado", "maconheiro", "sapata") era uma imagem criada como se pintavam os "demonios" e bruxas na idade media: pessoas com as quais eu nao devia me misturar, pois vao me levar para o mal, vao me desvirtuar, etc. Enfim, as pessoas tem medo do que nao conhecem.

Entre conversar e comentarios no facebook onde eu apenas observava, havia ouvido e lido algumas vezes sobre uma tal de "Lola". Ue, seria a mesma Lola do filme alemao que corre contra o tempo? Quem eh essa tal Lola, meu deus? A curiosidade matou a gata e googlei. Acho que por isso nao lembro o exato primeiro post ou dia que encontrei seu blog, pois sei que neste momento, eu fui outra das que devorou os seus textos :)
Agora imagina o que foi ler tantas coisas faladas de uma forma tao crua, muitas inquestionaveis, palavras brandas mas que vinham com um tapa na cara de 20 anos de igreja. Eu, que vi tantas pessoas se converterem para minha igreja e dizerem "foi como se houvesse encontrado um sentido para a vida", me senti do mesmo jeito, so que ao contrario, se eh que faz algum sentido haha.

Foi como se tivesse aberto os olhos, como se tantas duvidas que calei ao nao entender certos dogmas e versiculos estivessem explodindo dentro de mim, foi como se eu admitisse pela primeira vez na vida que pode haver felicidade fora daquele contexto religioso, pois fui ensinada que ~as pessoas do mundo~ nao sentem felicidade plena, estao sempre vazias procurando sentido pra viver festa apos festa. (Nao direi que sao completas mentiras, porque as formulas deles devem funcionar para uns, mas eh absolutamente inaceitavel que esta formula de felicidade seja imposta a todos como o unico caminho para a felicidade). Ca estou eu, dois anos depois, vivendo fora daquele contexto, muito mais plena. A senhora dona Lola teve um papel importantissimo nisso e aqui fica o meu muito obrigada a voce, Lola :)

Espero nao ser desrespeitosa com os religiosos, apesar de muito frequentemente eles o fazerem com pessoas de dieferentes ou nenhum credo, mas minha reflexao final eh concordar com um versiculo biblico que diz:
"E conhecereis a verdade e a verdade vos libertara"

Beijos a tod@s :)