quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

CRÍTICA: BLUE JASMINE / Um Bonde Chamado Desejo sem desejo

Sai do banheiro, Blanche(tt)!

Deu dez minutos de Blue Jasmine, filme mais recente do Woody Allen que eu fui ver sem saber absolutamente nada, e eu perguntei pro maridão: "Por que ele decidiu refilmar Um Bonde Chamado Desejo?"
É sério, tá tudo lá: a insanidade da protagonista, sua total falta de recursos, ela viver num mundo de fantasia, a perda de um passado próspero, ter que morar com a irmã de outra classe social, os conflitos com os familiares da irmã, ela mentir prum pretendente... Faltou só o estupro e um final mais corajoso e conclusivo, porque todo o resto está presente em Jasmine
E pior: sem crédito à brilhante peça de Tennessee Williams. Woody não podia ter jogado nem um "baseado na peça" junto aos créditos? Não, porque aí não seria mais roteiro original, e sim adaptado. E Woody praticamente só escreve roteiros "originais" (assim, até eu). Pô, não dá nem pra dizer que Jasmine seja uma homenagem à Bonde! Tudo Sobre Minha Mãe, do Almodóvar, é (à Bonde e à A Malvada, ambos citadíssimos no filme). Jasmine tá mais como cópia descarada, ponto a ponto. 
Cate Blanchett faz Blanche DuBois, quer dizer, Jasmine, uma socialite de Manhattan que, depois de uma vida inteira de luxo, se vê sem nada, e precisa se mudar pra San Francisco, pra dividir o apê com a irmã, interpretada por Sally Hawkins (só na cabeça de classe alta do Woody que o apê dela pode ser visto como coisa de pobre. Sally vive melhor até que os pobres nas novelas da Globo!). 
Nos muitos flashbacks, vemos que Jasmine perdeu Belle Reve, quer dizer, sua vida mansa em Nova York, porque seu marido adúltero Alec Baldwin fraudou o sistema financeiro. Vemos também que Sally e seu então esposo tiveram a chance de subir na vida ao ganhar 200 mil dólares na loteria, mas adivinha quem tomou conta do dinheiro? Pois é, o Alec.
Cate (no meio) em Bonde
Olha que interessante: Alec fez um Stanley Kowalski surpreendente no teatro (um papel difícil, já que a sombra do Marlon Brando está sempre à espreita), que virou uma ótima versão pra TV (com a sempre maravilhosa Jessica Lange), há uns vinte anos. Em 2009, Cate Blanchett foi Blanche (e deve ter sido inesquecível) num teatro em NY. Eu ofereceria o maridão em sacrifício pela possibilidade de ver esse Bonde com a Cate em vez de Jasmine.
Houve um momento lá pela metade de Jasmine que eu pensei: ok, agora vai. Agora o Woody finalmente vai tentar algum tipo de discussão sobre classes sociais, como fez tão bem em Ponto Final e em O Sonho de Cassandra. Mas não, é tudo difuso, sem profundidade. Aí eu desisti e fiquei esperando o Bobby Cannavale gritar "Steeeeeelllllaaaaa!" na cena do supermercado. 
O filme tem defeitos demais, começando pelo roteiro, com alguns flashbacks que ora não acrescentam grande coisa, ora estão inseridos nos momentos errados (por exemplo: a cena de Alec com seu filho criança, falando sobre caridade). Há um amontoado de coincidências na trama (não sei quem vê não sei quem numa festa, outro não sei quem vê Alec traindo, outro personagem encontra Jasmine -- Nova York e San Francisco não são cidades tão minúsculas pra todo mundo esbarrar em todo mundo o tempo todo) e diálogos preguiçosos. Isso quando diálogos! Woody está acostumado a deixar musiquinha cobrindo uma conversa. Até pode funcionar em filmes mais leves, não em um em que acompanhamos o desmoronamento da protagonista. 
Sem falar dos filhos da irmã, que aparecem e desaparecem sem nenhuma explicação. É toda uma gama de personagens que não são desenvolvidos e de cenas que não servem pra nada, além de confundir o Globo de Ouro sobre a indicação de Cate pra atriz em comédia ou drama. Aquelas cenas todas com o dentista são pra quê, exatamente?
É tudo muito superficial. E aqui talvez eu fale uma besteira, mas tenho a impressão que não é só devido ao roteiro fraco que vários personagens (e, consequentemente, atuações) não se destacam (estou pensando no Alec e no Peter Sarsgaard, que meio que faz o Mitch de Bonde). É a própria filmagem mesmo. Pense em quantos close-ups Alec ou Peter recebem. Certo, é uma escolha do diretor, e talvez o objetivo seja mesmo distanciar esses personagens do público, mas chega uma hora em que filmar tudo de longe ou em plano americano não permite um maior envolvimento. 
Não por coincidência, a melhor cena de Cate é na lanchonete com os sobrinhos (aqueles desaparecidos, o grande mistério), quando a câmera foca o rosto dela, com toda sua dor, toda sua fragilidade, todo seu rancor. Aliás, esta é a melhor cena do filme, ponto. 
Espere sentada, ou você se cansa.
Cate já tem um Oscar (por Aviador).
Talvez eu não tivesse ficado tão decepcionada com Jasmine se tanta gente não estivesse falando bem. Woody é prolífico, ele lança um filme por ano, e, convenhamos, boa parte deles é descartável (alguém gostou de Para Roma, com Amor? Já Meia Noite em Paris é lindo). Eu gostaria de saber o que Jasmine tem que não foi realizado estupidamente melhor por Bonde, quase setenta anos atrás. E já aviso que ficarei muito chateada se a Cate ganhar um Oscar que, se houver justiça, deve ir pra Amy Adams (Trapaça). 
Isso é um selfie?

62 comentários:

Anônimo disse...

Acho que o centro do filme é sobre como a pessoa faz vista grossa a crimes quando eles a favorecem. Gostei do filme e não achei mal amarrado, acho que os flashbacks e as cenas com o dentista funcionam na construção do personagem e de como ela era "sonsa". Mas acho que para ter certeza disso teria que ver mais vezes. Numa primeira vista, funcionou para mim. Acho esse filme tão referente à Bonde quando Match Point era referente a Crime e Castigo. Não me incomoda o "plágio". Poderia dizer mais, mas não quero fazer spoiler.

Felipe disse...

Tava quase assistindo esse filme, mas vou assistir "Um bonde chamado desejo" primeiro. Engraçado que a maioria das suas críticas são completamente contrárias das outras que eu gosto ler na internet, mas tá valendo.

Anônimo disse...

Um bonde chamado desejo é um classico,muito bom recomendo a todos assistirem,quanto ao wood alien tem um filme dele"vick cristina Barcelona" que eu gostei,mas penso que esse diretor é sem carater, o q ele fez com a ex dele não foi legal,mas outro dia mesmo vc escreveu sobre a diferença entre a obra e o autor,talvez eu consiga separar isso em alguns obras e outras não.

@dddrocha disse...

Nunca nem ouvi falar desses filmes hahaha. Acho Woody Allen a rebarba do blasé, o hype dos comedores de coxinha.

Anônimo disse...

Está certíssima! detestei 'Para Roma com Amor', enquanto 'Meio Noite em Paris' foi demais... Também não tinha gostado de Blue Jasmine, mas não sabia porque... Valeu Lola!

Sthefany Feminista disse...

Lola,quem é Woody Alen? Explica pra gente que não acompanha muito cinema.

Anônimo disse...

TOTALMENTE OFF

Boa tarde Lola, gostaria de fazer uma consideração contra o feminismo.

Vcs dizem que o machismo é uma coisa totalmente ruim e opressora, sem considerar muitos dos comportamentos masculinos (machista) em relação à proteção da mulher.
Eu posso citar dois casos, um simples e outro um pouco mais complexo:

1 - Vc tem medo de barata, seu marido vai la e mata pra vc (como vc falou em outro post), isso é machismo, eu creio, mas pra vc tah tudo certo.

2 - Há algum tempo, foi veiculado uma noticia que um homem entrou num cinema no Colorado, EUA, e saiu metendo bala, vendo isso três homem morreram para proteger suas namoradas, esses opressores/estupradores (como vcs dizem) provavelmente eram machistas, dai o instinto de proteção, eu tenho certeza que o namoradinho feminista das feministas não teria tal ato de amor e coragem para com suas namoradas, até pq o feminismo prega igualdade, numa situação como esta ele iria pensar: "se ela qr igualdade, no mínimo tem que morrer os dois". Situação muito diferente do que foi escrito no post MACHISTAS NÃO GOSTAM DE MULHERES. ALIÁS, NÃO GOSTAM DE NINGUÉM, aliás nunca vi tanta merda escrita num só lugar.

Eu digo isso pois eu sou machista (não esses monstros como vcs descrevem até pq o machismo não tem uma definição oficial) e eu apesar de jovem morreria pela minha mulher.

Eu só quero dizer que uma hora ou outra a mulher vai precisar da proteção de um homem, seja como pai, namorado/marido, policial, bombeiro (e não me venham dizendo que outras mulheres têm a capacidade de suprir essa proteção, pq nem faz sentido) o problema é que esta proteção está ligada ao machismo e ao instinto de protetor do homem.

E aí o que fazer?

Link da noticia:

http://noticias.terra.com.br/mundo/estados-unidos/jovens-deram-a-vida-para-salvar-namoradas-no-massacre-de-aurora,3d8c77519f7da310VgnCLD200000bbcceb0aRCRD.html

Jac disse...

Woody Allen é tãããoo superestimado!

LeiDe Mamariquinha disse...

Quem é Woody Allen?

É algo daquele filme ET?

Nao gosto de filmes parados.Meu estilo ta mais pra Jogos


Acredita que eu e meu atual namorado tivemos que enfrentar 3 h de filme por causa de titia que tanto insistiu pra vermos Alguma coisa que o vento levou,o cavalo a vaca, a tara o vento levou nem lembro o nome rs,este é classico.Dormi.nao é filme,é novela mesmo.Scarlet Oh! Rara aquela doida,amei ela.

Parece com aquele que tava passando Alguma coisa e o vento tambem de um tal Erico.

LeiDe Mamariquinha disse...

Pois é anonimo contra feminismo

Voce morreria pela mulher tanto quanto o inutil ensebado que é o padrasto da minha tia.


Vá matar uma barata va


Como falar é facil pra esses anonimozinhos em nome do machismo.Vo te contar

Roxy Carmichael disse...

spoiler alert

esse filme foi meio chato. assim como os últimos tem sido. eu gosto daquele do Larry David e de Vicky Cristina. mas sabe que eu achei que levanta questões interessantíssimas de gênero?
cate Blanchet dubois como disse o caetano veloso se dedica a ser esposa profissional: linda e elegante. o namorado dela meio que endossa isso quando diz que ela só precisa ser linda e estar ao lado dele. pra depois se chocar com a persona que ela criou. mas não era exatamente isso que ele precisava? se poderia cair na armadilha de que: sem dinheiro, as pessoas se amam de forma mais honesta, mas achei legal que não caiu nessa. acho que ninguém iria defender aquele namorado da irmã que chegou muito próximo da violência de gênero.

lola aronovich disse...

QUEM É WOODY ALLEN? W.A. superestimado? Vcs estão de zoação comigo, só pode.
W.A. é um dos gênios do cinema. O cara dirige pelo menos um filme por ano desde os anos 70. Nem sei quantos filmes ele já dirigiu, mais de 50. Pelo menos oito desses são obras-primas. Assistam (sem ordem):

Manhattan
Noivo Neurótico, Noiva Nervosa (Annie Hall)
Hannah e suas Irmãs
Crimes e Pecados
Zelig
A Rosa Púrpura do Cairo
Maridos e Esposas
Ponto Final

Eu devo estar esquecendo vários...

Em 2008, quando o bloguinho tava no começo, fiz uma enquete perguntando quem era o maior diretor americano vivo. 89 pessoas participaram, e o primeirão foi... Woody Allen. Spielberg ficou em 2o, Scorsese em 3o. Naquela época ninguém perguntaria quem é Woody Allen!
E o cara ainda cria diálogos impagáveis!

Indi disse...

Amo Woody Allen mas sei ser crítica com relação a ele, tem filmes dele que não me agradam e outros que o fazem só parcialmente. Blue Jasmine se encaixa nesse último caso: gostei, mas achei esquecível, nada demais. Mas estou de acordo com quem escreveu que ele é tão referente à Bonde quanto Match Point era à Crime e Castigo (com a diferença que Match Point era fantástico, e talvez por isso a similaridade com Crime e Castigo não tenha sido tão incômoda).

tamis disse...

Bonde é um filme sensacional, que mesmo com a censura, ainda é sensacional. Enfim, sensacional. Ainda não vi blue jasmine, mas tenho uma amiga muito fã do Woody, que quando viu me disse que "não parece que foi ele que escreveu, sabe". Até porque, realmente, parece o Bonde. E verdade seja dita, Amy Adams merece um Oscar faz muito tempo, aquela linda. Mas acho que mais uma vez teremos a injustiça do Oscar.
OFF o que foi esse comentário off aí, meu deus? Sem comentários.

Indi disse...

Esqueci de acrescentar no meu comentário, mas tem uma coisa em que eu concordo totalmente com a Lola: não é o caso da Cate ganhar um Oscar. Não vi o filme com a Amy Adams, mas aposto que existirão candidatas com papéis bem melhores... (e mesmo assim o prêmio talvez vá pra Cate pelo "prestígio" que ela tem em Hollywood e tudo que ela representa, o que é uma grande pena. Não digo que ela não é uma atriz incrível, ela é, e está muito bem nesse filme... mas convenhamos, não só existirão candidatas melhores como ela própria também já fez papéis infinitamente melhores).

Indi disse...

Meu terceiro e último comentário haha, é que só vi agora a lista de filmes que você recomendou, Lola.
Incluiria mais três:

Descontruindo Harry
A outra (com a Gena Rowlands)
A Última Noite de Boris Grushenko (desse acho que muita gente discordaria de mim)

E é isso haha.

Kittsu disse...

"1 - Vc tem medo de barata, seu marido vai la e mata pra vc (como vc falou em outro post), isso é machismo, eu creio, mas pra vc tah tudo certo."
Vamos lá: você passa mal e até vomita quando vê vômito, seu filhinho vomita na sua frente e você sai correndo e chama a sua esposa pra limpar. Isso é feminismo, mas pra vc tah tudo certo (óbvio que isso nao é feminismo e nem matar barata é machismo.......... nerf.)


"2 - Há algum tempo, foi veiculado uma noticia que um homem entrou num cinema no Colorado, EUA, e saiu metendo bala, vendo isso três homem morreram para proteger suas namoradas"
A pouco tempo, uma mãe salvou seu filho e saiu só depois da casa que estava desabando. Uma Campeã Mundial de Taekwondo estava passeando na rua e salvou uma desconhecida que estava sendo atacada pelo namorado... blablablaberghhurdurrrrrr portanto feministas são superiores -insira outros sofismas abobados aqui-
Nope. Pra proteger alguém querido nao precisa ser opressor nem combatente à opressão. que patacoada...

E por ultimo, mas não menos pior, para coroar a verborréia:
"Eu só quero dizer que uma hora ou outra a mulher vai precisar da proteção de um homem, seja como pai, namorado/marido, policial, bombeiro (e não me venham dizendo que outras mulheres têm a capacidade de suprir essa proteção, pq nem faz sentido) o problema é que esta proteção está ligada ao machismo e ao instinto de protetor do homem."
Vamos lá, traduzindo para permitir algum tipo de empatia e percepção da BOBAGEM:
...Eu só quero dizer que uma hora ou outra o homem vai precisar dos cuidados de uma mulher, seja como mãe, namorada/esposa, médica, socorrista (e não me venham dizendo que outros homens têm a capacidade de suprir essa demanda, pq nem faz sentido) o problema é que esta capacidade está ligada ao feminismo e à maior racionalidade da mulher.

lola aronovich disse...

Anônimo mascu totalmente off das 13:16, sim, eu ter nojo de barata e pedir pro meu marido (ou minha mãe) matá-las é bem contraditório, admito. Meu marido e minha mãe também têm nojo, e mesmo assim eles são mais corajosos do que eu nesse sentido. Felizmente, faz dois anos que, seguindo os conselhos de leitoras do blog, a gente dedetiza a casa a cada doze meses e, de lá pra cá, não tem aparecido mais baratas pra matar. Ainda bem, noc noc! Então, problema resolvido.
Mas só porque EU tenho medo visceral de barata não quer dizer que todas as mulheres do mundo têm. Eu conheço um monte de mulher que mata barata numa boa. Eu não consigo (quer dizer, já matei bastante barata, com inseticida, mas é quando não tem mais ninguém por perto pra fazê-lo por mim). É mais forte que eu.
No caso do cinema no Colorado, vc se contradiz e fala um monte de besteira. Primeiro, vc fala em instinto de proteção masculino. Se isso realmente existe, então um homem feminista agiria igualzinho a um homem machista, já que é homem e, segundo vc, é instintivo. Aliás, onde estava o instinto de proteção do assassino, também homem? Já que o instinto era tão forte, como ele não protegeu todas aquelas mulheres no cinema, e preferiu abrir fogo?
Nos fóruns mascus que vc sem dúvida frequenta o que mais se vê é chamar homem (machista ou feminista) que protege mulher de WHITE KNIGHT (cavalheiro branco) e MANGINA. Há toda uma doutrinação para que um mascu JAMAIS, em hipótese alguma, interfira para proteger alguma mulher, porque é horrível, segundo vcs, ajudar alguém.
E vc já deve ter notado que não moramos mais nos tempos das cavernas. Aliás, se vc se informasse melhor, vc saberia que o tempo das cavernas que vcs fantasiam (homens caçando, mulheres enfeitando a caverna) não foi como vcs imaginam. Felizmente, vivemos num mundo em que a força física se faz cada vez menos importante. É essa a revolta de vcs. É por isso que vcs se sentem tão inúteis e obsoletos e falam do tempo das cavernas com tamanha nostalgia. A enorme maioria dos estupradores é homem (o que é totalmente diferente de dizer que todos os homens são estupradores -- ninguém disse isso). A enorme maioria dos assassinatos são cometidos por homens. Guerras, idem. Se o instinto de proteção de vcs é tão forte, por que simplesmente não acabar com todo tipo de violência? Não precisamos de homens para nos proteger de outros homens.

Caroles disse...

Achei bem chato o filme, e também vi um monte de gente falando bem, dizendo que é um dos filmes mais honestos que já viram, sei lá o quê. Ok, né.

Luciana disse...

Anônimo do exemplo do tiroteio:
O mesmo sentimento que levou esses homens a proteger suas amadas é o que leva um ser humano qualquer a proteger crianças ou quem lhe é caro. Não tem nada a ver com ser machista.Este sentimento é o de altruísmo e acomete homens e mulheres em situações de adversidade e perigo. É uma questão de caráter, mesmo.

Anônimo disse...

{Off} Gente, olha um caso em que a mulher teve o filho e quando decidiu doar, enfrenta julgamento, vai ser denunciada como negligência, porque ela não quer e não tem condições de cuidar do filho. Cadê a galerinha "pró-vida alheia" do papinho "não aborta, tem o filho e doa" pra vir dizer que tudo dá certo?

Karine disse...

Lola, que ótimo que você postou sobre cinema, estava com saudades. (não que as outras coisas também não sejam boas e importantes)

O Woody Allen também não fez menção a Crime e Castigo quando fez o excelente Match Point e está na cara que é baseado no clássico do Dostoievski. E ele concorreu a um Oscar de roteiro original.

Blue Jasmine é só ok.

Cadê um post sobre "Trapaça"? Desse filme eu gostei.

Nina disse...

Poxa Lola, eu adorei Blue Jasmine. mas sei que gostei por dois motivos:

1 - Não conheço a obra cinematográfica de Woody Allen. Não sou versada nos assuntos dele, então, para mim, que também nada sabia sobre esse filme quando fui assisti-lo, foi uma "novidade";

2 - Também não conheço "Um bonde Chamado desejo".

Eu achava que Cate ganharia o Oscar. Mas olha, acho que nem Amy Adams. Depois que assisti "Albúm de Família", só dá Meryl. A gente pode apostar, se tu quiser.
Abraços.

Anônimo disse...

Bom, vamos lá:

“você passa mal e até vomita quando vê vômito, seu filhinho vomita na sua frente e você sai correndo e chama a sua esposa pra limpar.”

Não, eu vo lá e limpo!!!

“Isso é feminismo, mas pra vc tah tudo certo (óbvio que isso nao é feminismo e nem matar barata é machismo.......... nerf.)”

A própria Lola concordou!!! (“sim, eu ter nojo de barata e pedir pro meu marido (ou minha mãe) matá-las é bem contraditório, admito”)

“A pouco tempo, uma mãe salvou seu filho e saiu só depois da casa que estava desabando. Uma Campeã Mundial de Taekwondo estava passeando na rua e salvou uma desconhecida que estava sendo atacada pelo namorado...”

Esses atos de heroísmo que vc descreveu qualquer pessoa sensata faria, salvar uma criança, ajudar uma pessoa na rua, eu mesmo já vi muitas pessoas interferindo (em vídeo).


“...Eu só quero dizer que uma hora ou outra o homem vai precisar dos cuidados de uma mulher, seja como mãe, namorada/esposa, médica, socorrista (e não me venham dizendo que outros homens têm a capacidade de suprir essa demanda, pq nem faz sentido) o problema é que esta capacidade está ligada ao feminismo e à maior racionalidade da mulher.”

Kittsu, vc não entendeu (ou não quis) o meu ponto de vista. Eu não falei que o homem não precisa de mulher, falei q a proteção masculina está ligada ao machismo, logo esses caras que morreram eram machistas (os mesmos que vcs chamam de opressores, que contraditório morrer pela oprimida).

“Mas só porque EU tenho medo visceral de barata não quer dizer que todas as mulheres do mundo têm.”

Acredite Lola, a gigante maioria das mulheres, quantas vezes eu estava no trabalho, em casa, na casa de amigos, e outros locais, e tive que “socorrer” mulheres por causa desse inofensivo animal.

“No caso do cinema no Colorado, vc se contradiz e fala um monte de besteira. Primeiro, vc fala em instinto de proteção masculino. Se isso realmente existe, então um homem feminista agiria igualzinho a um homem machista, já que é homem e, segundo vc, é instintivo.”

Bom, então eu acho que empreguei a palavra errada, desculpe-me, então vamos chamar de “sentimento machista de proteção às mulheres” (criei esse nome agora kkk), e sim, ele existe, e a prova é a própria reportagem que eu citei. E não, esse feminista busca igualdade, por que ele se jogaria na frente de uma bala, sendo que ele vai morrer e ela ficar viva, “que igualdade há nisso?”.

“Aliás, onde estava o instinto de proteção do assassino, também homem? Já que o instinto era tão forte, como ele não protegeu todas aquelas mulheres no cinema, e preferiu abrir fogo?”

Vai dizer que vc não percebeu q ele é um psicopata? Ou qualquer pessoa normal faria o que ele fez?

”Nos fóruns mascus que vc sem dúvida frequenta o que mais se vê é chamar homem (machista ou feminista) que protege mulher de WHITE KNIGHT (cavalheiro branco) e MANGINA. Há toda uma doutrinação para que um mascu JAMAIS, em hipótese alguma, interfira para proteger alguma mulher, porque é horrível, segundo vcs, ajudar alguém.”

Hã???? As feministas não são contra estereotipação??? Pq vc está me estereotipando??? 1-eu nem sei o que é “mascus” (se for de masculino, logicamente eu sou), 2 - que eu saiba mangina é homem feminista, 3 – por que vc esta me julgando como mascu e atribuindo uma atitude à mim, sendo que vc não conhece minha vida pessoal.

(continua)

Anônimo disse...

(continuação)

“E vc já deve ter notado que não moramos mais nos tempos das cavernas. Aliás, se vc se informasse melhor, vc saberia que o tempo das cavernas que vcs fantasiam (homens caçando, mulheres enfeitando a caverna) não foi como vcs imaginam.”
Eu sou cristão, não acredito em “tempos das cavernas”(mais uma vez vc tentando me empurrar uma situação como se vc me conhecesse).

“Felizmente, vivemos num mundo em que a força física se faz cada vez menos importante. É essa a revolta de vcs. É por isso que vcs se sentem tão inúteis e obsoletos e falam do tempo das cavernas com tamanha nostalgia.”
Realmente, se vc comparar com o “tempo das cavernas” (como vc faz questão de citar) hoje a força física não é tão importante, mas ela sempre será importante em qualquer sociedade de um jeito ou de outro.

“A enorme maioria dos estupradores é homem (o que é totalmente diferente de dizer que todos os homens são estupradores -- ninguém disse isso).”

O que aconteceu com aquela frase “todo homem é um estuprador em potencial”? Eu me sinto ofendido pois nunca estuprei ninguém (em nenhuma das formas possíveis), não sei o que os feministas (homens) pensam sobre essa acusação.
"O estupro é... um processo consciente de intimidação através do qual TODOS os homens mantêm todas as mulheres debaixo do medo." Susan Brownmiller, feminista americana
“Se formos separar o estuprador profissional do homem heterossexual dominante convencional, talvez seja apenas uma diferença quantitativa” Susan Griffin, feminista.
“Todos os homens são estupradores e é tudo o que eles são.” Marilyn French, feminista

Ta bom ou quer mais???

“A enorme maioria dos assassinatos são cometidos por homens. Guerras, idem. Se o instinto de proteção de vcs é tão forte, por que simplesmente não acabar com todo tipo de violência? Não precisamos de homens para nos proteger de outros homens.”

Existem pessoas boas e existem pessoas ruins. Se não existissem homens, vcs não conseguiriam se reproduzir, logo não haveriam mulheres tbm. “Esses homens são umas pragas msm, odeio eles”.

Mas se vc está me dizendo que não existe esta tal proteção masculina, por que as mulheres não protegeram os seus namorados no episodio do cinema? Por que os três casos foram iguais (homens protegendo mulheres e não o contrário)? Uma coisa é vc salvar/ajudar uma pessoa, outra bem diferente é vc “dar” a sua vida pela pessoa.

Pra finalizar, eu vou me descrever um pouco, já que vc tentou me definir sem me conhecer:

Sou um homem, jovem, casado, machista, nunca bati numa mulher, respeito TODAS as pessoas, inclusive gays (tenho amigos), negros (tenho muitos amigos), mulheres (tenho muitas amigas), sou cristão (não evangélico e nem católico), não jogo lixo no chão, sou muito carinhoso com minha mulher e familiares, nunca tratei uma mulher como inferior a mim, sou uma pessoa muito feliz (sempre busquei a felicidade), ah e não traio a minha mulher!!!

E já que vc me chamou assim: O que é um mascu?

PS.: O termo machismo, foram vcs que definiram, logo eu tenho minha propria definição que é totalmente diferente da de vcs!

lola aronovich disse...

Eu só estou permitindo que o mascu que não é mascu (nunca nenhum mascu veio aqui e se disse mascu -- esse é o orgulho que eles têm no "movimento" deles) venha aqui para, com sua sub-sub-sub argumentação, desvirtuar totalmente o tópico porque, infelizmente, o tópico em si não está atraindo muita atenção. É sempre assim. Tem gente que reclama que não escrevo mais sobre cinema. Mas, quando escrevo, os posts ficam meio às moscas. De qualquer jeito, ainda vou falar de TRAPAÇA (quando o filme estrear no Brasil, que acho que será no final de janeiro). E, pra quem quer que eu fale do AZUL É A COR MAIS QUENTE, vou ver o filme e tentar escrever sobre ele.
Mas aí vcs aparecem?

Beatriz Correa disse...

Eu incluiria mais um filme do Allen na lista (e acho incrível vc não ter lembrad0,o Lolinha!) :


"Tudo o que Você Sempre Quis Saber sobre Sexo mas Tinha Medo de Perguntar"


Beijo!

Anônimo disse...

Querido machista que daria a vida por sua mulher, o que vc faria se ela te desse um "passar bem". Vc diria: ok, respeito seu desejo ou não? Como seria? Só de curiosidade mesmo. E se o machismo é o instinto de proteger a mulher, a agressão vem de onde? Do feminismo? Pq antes do feminismo não existiam mulheres agredidas ou será que só as feministas apanham?

lola aronovich disse...

Beatriz, embora TUDO O QUE VC SEMPRE QUIS SABER... tenha ótimas sacadas, eu não o considero uma obra-prima nem de longe. É uma série de sketches. Alguns funcionam, outros não. A mesma coisa com Desconstruindo Harry, A Outra, A Última Noite de Boris... São filmes bacanas, não grandes filmes. Não pra mim, pelo menos. Obras-primas meio consagradas mesmo, dessas que muitos críticos concordam, só esses 8 filmes que citei. Alguns incluem também RADIO DAYS. INTERIORES nos últimos anos tem atraído um cult following bem forte.


Sobre ÁLBUM DE FAMÍLIA, estou ansiosa pra ver o filme, porque a peça é muito famosa. E claro que Meryl está sempre estupenda. Mas meu coração já tem dona este ano pro Oscar de melhor atriz: AMY ADAMS. Já ouvi que ela não é a favorita, que Cate e Sandra Bullock estão bem na frente dela, mas acho injusto. Até porque elas já tem Oscars, e Amy não. Segundo porque é o melhor papel da carreira da Amy, e ela está espetacular. Amy! Amy! Amy!

lola aronovich disse...

Não adianta, anon das 19:03. No universo mascu, tudo que não se encaixa no que eles pensam não conta. Por isso, serial killers, atiradores em escolas e no cinema, estupradores, maridos que batem nas esposas, nada disso é homem -- são psicopatas. É uma categoria à parte, entende?
Ah, como regra, eu não permito nos comentários um monte de mentiras, principal motivo pelo qual eu não aprovo comentários mascus: porque eles partem de uma ou muitas mentiras para produzir um argumento igualmente mentiroso. Tipo: "todas as feministas são lésbicas, então..." ou "vcs feministas dizem que os homens são estupradores em potencial, então...".
A parte da lista de citações feministas que o mascu que não é mascu reproduziu (com citações da Brownmiller e French) é de uma lista amplamente divulgada internacionalmente por todos os MRAs (Men's Rights Activists, os mascus de países de língua inglesa). Mascus SEMPRE usam essas citações pra "provar" que feministas odeiam homens. Os mascus brasileiros, pra variar, simplesmente traduziram a lista pro português, já que eles não criam nada, só copiam os americanos. Um blog americano anti-mascu, o ManBoobz, já analisou todas essas citações, e concluiu que a maior parte é falsa ou totalmente fora do contexto. A da Marilyn French, por exemplo, é exatamente O CONTRÁRIO DO QUE ELA FALOU. Recomendo às feministas brasileiras que toda vez que vcs virem essa lista de "citações misândricas", vcs coloquem o link pra esse post do ManBoobz.
A da Brownmiller eu mesma já citei, pois já escrevi alguns posts sobre seu excelente livro, AGAINST OUR WILL. Não há nada de anti-homem em dizer que os homens se beneficiam do medo que as mulheres sofrem por causa das ameaças de estupro. Eu, como branca, mesmo não querendo, mesmo não sendo racista, me beneficio da discriminação contra os negros. Eu, por ser branca, tive muito mais chance de cursar faculdade que um negro. Não é por eu ser brilhante e super competente não, é por eu ser branca. Os dados dos EUA apontam que um branco tem 78% mais chance de entrar numa faculdade que um negro.
Mas esse tipo de discussão é totalmente ridículo com mascus, que não acreditam em coisas como privilégio branco ou privilégio masculino ou privilégio hetero. Pelo contrário, eles acreditam que a pobre vítima do mundo moderno é o homem branco hétero, e que mulheres, negros e homossexuais é que estão cobertos de privilégios. Contra toda e qualquer evidência, é nisso que eles acreditam.

Anônimo disse...

Desculpem, esqueci de postar o link: http://g1.globo.com/goias/noticia/2014/01/mae-de-bebe-com-doenca-rara-quer-doar-crianca-nao-tenho-condicao.html

E desculpe desvirtuar o tópico Lola, é que quase nunca se mostra esse lado do não aborto pra deixar o bebê vivo e doar.

Denise disse...

Sou fã incondicional do Woody Allen, assim como do Almodovar, mas claro que nem todos os filmes são obras primas ou agradam a todos. Esse Blue Jasmine eu confesso que não entendi porque todo mundo fala tão bem. Fiquei até compelida a dizer que gostei pra não ser a ET... haha Achei no máximo bonzinho, gostei da atuação da Cate Blanchet, mas concordo que é tudo meio sem pé nem cabeça. Sua crítica foi ótima Lola!

Anônimo disse...

Bom, Eu não vi Blue Jasmine, Mas vi Um bonde chamado desejo, e Tudo sobre minha mãe (Almodóvar amorzinho <3) e são ÓTIMOS Filmes.

Lola, Qualquer cinéfilo adora suas críticas de cinema

Ahh, só um pitaco: Acabei de assistir Azul é a cor mais quente, e o filme segundo a minha opinião não é 'tudo isso'. Acredito que a polêmica em torno do filme se originou das cenas de sexo ardentes, ou ser um filme que fala sobre homossexualismo em pleno período de repressão sexual na França. Cinematicamente falando ele tem muitas falhas, problemas de ritmo e um roteiro vazio.

Anônimo disse...

Manhattan
Noivo Neurótico, Noiva Nervosa (Annie Hall)
Hannah e suas Irmãs
Crimes e Pecados
Zelig
A Rosa Púrpura do Cairo
Maridos e Esposas
Ponto Final
---

Excelentes remédios para insônia.

E "Vick Cristina Barcelona" que alguém comentou ai é filminho soft porn para passar no extinto cine privê (ou na sessão da tarde).

Juliana disse...

Só teve um filme do Allen que gostei foi Poderosa Afrodite, que é uma boa comédia, e tenho vontade de ver Meia-Noite em Paris.
Os outros como disse um anônimo me deram um sono, acho que não consigo achar o Allen genial, porque talvez não fale pra minha faixa etária nem pra minha classe, por isso não consigo ver a genialidade dele, eu desisto de ver o filme no começo.
Você também podia resenhar os seriados que anda vendo. XD

patricia. disse...

Adoro 'Um bonde chamado desejo'(Vivien Leigh: insiram mil coraçõezinhos), logo depois de ver o filme, li a peça e também amei! Não vi Blue Jasmine ainda, mas já tinha visto por aí que é meio que uma cópia descarada de Um bonde, o que meio que me desmotivou um pouquinho a assistir, especialmente porque não gostei tanto dos últimos trabalhos do Woody(houve uma época em que eu desfilava por aí com uma camiseta dele rs).

Lola, você viu Trapaça?Você gostou? Estava querendo assistir, mas o trailer meio que me passou uma vibe de filme de ação e acabei ficando em dúvida sobre assistir(Apesar de achar a Amy Adams absolutamente maravilhosa em TUDO que ela faz):)

Julia disse...

É, seriados! Está vendo Masters of Sex, Lola? Você precisa ver!

Anônimo disse...

O que é aquele prédio atrás da Simone de Beauvoir no doodle que o google fez em homenagem a ela?

Anônimo disse...

"Machista" não-mascu,

Você tem a sua definição pessoal para o termo machista, mas nós desse blog temos outra.

Portanto não adianta você vir aqui querendo defender o seu "machismo" (= proteção, característica masculina?), se nós aqui desse blog debatemos sobre outro machismo - sobre a definição de machismo com a qual 90% das pessoas concordam, o machismo que diz que as mulheres não devem ter a mesma liberdade/educação/direitos que os homens.

Não adianta você vir aqui e querer nos convencer de que machismo é esse instinto de proteção masculino ou whatever, isso aí não tem representatividade na vida real e não interessa pras nossas discussões. Nós discutimos sobre os problemas da vida real, os problemas que a nossa definição de machismo causam em nossas vidas (e também nas vidas dos homens!).

O fato é que existe um problema na sociedade, e chamamos ele de machismo, e discutimos sobre machismo porque desejamos solucionar esse problema.

Vamos supor por 10 segundos que a sua definição de machismo seja a "mais correta", então. Nesse caso, qual deve ser o termo para a ideia de que "as mulheres não devem ter a mesma liberdade/educação/direito que os homens"? Afinal, essa ideia precisa de um nome também, precisa de um nome para que as pessoas possam debater sobre ela e apontar suas incoerências. Essa ideia que para você não tem nome, é isso aí que nos consideramos como machismo, o machismo da vida real que afeta nossas vidas.

É sobre isso que discutimos aqui, e não sobre o instinto de proteção masculino ou sei lá o que.

Anônimo disse...

Resumindo, "machista" não-mascu,

O feminismo questiona a ideia (que é posta em prática por muitas pessoas mesmo hoje em dia!) de que "as mulheres não devem ter a mesma liberdade/educação/direitos que os homens", seja lá como for que você chame isso: de sexismo, machismo, mimimi de feminista, violação dos direitos humanos ou sei lá o que.

Já você quer discutir sobre o instinto de proteção masculino, o que não tem muito a ver com o cerne do feminismo, que é a luta contra o machismo (aquele ali que eu citei entre aspas no parágrafo anterior, pra ficar claro).

Entendeu agora?

LeiDe Mamariquinha disse...

A bem lembrado,os unicos filmes lentos que aturo mais é do Almodovar,aquele ultimo o da pele,que golpe de maestria hein,nao sei se escreveria um roteiro tao bem surpreendente como foi aquele.

Tambem gosto de um mexicano que dirigiu harry potter,dizem que o melhor harry potgr foi o que dirigiu,gravidade,aquela la do lindo garciel bernal e um curta pro eu te amo paris,amei o curta dele naquela colecao,bem sacado.,Estes ultimos lentos mas visiveis.Vou ver se assisto mais desse mexicano.

De outro mexicano gostei Labirinto do fauno mas nao Conheço a obra deste diretor.

Sthefany Feminista disse...

Lola,nem todo mundo tem a mesma cultura que voce,da um desconto poxa.

Anônimo disse...

lola,
leia sobre o que meryl streep falou ao apresentar um prêmio de melhor atriz pra emma thompson (que interpretou a autora de mary poppins). talvez valha um comentário, já que está acontecendo certo backlash.

Anônimo disse...

Lola, à sua lista de filmes, eu acrescentaria "Era do Rádio". Um filme delicado, divertido e com momentos impagáveis como o da tia que é abandonada pelo pretendente com medo dos marcianos. Mas já que ninguém falou, gosto muitos dos livros do Woody Allen. Tem contos ótimos com passagens muito divertidas como o que diz que a maior prova de que existe vida inteligente em outros planetas é que eles nunca fizeram contato com a gente. Tem como não amar?

LeiDe Mamariquinha disse...

O que é aquele prédio atrás da Simone de Beauvoir no doodle que o google fez em homenagem a ela?
(2)

Roxy Carmichael disse...

eu venho quando rola cine aqui!

ô anônimo: sessão da tarde é joia. oportunidade de ver a excelente filmografia de john hughes, isso nos tempos aureos da sessão da tarde, claro

album de familia é beeeem novelão. tanto que no cine (lotado) o povo gritava:
Iiiiixi!! em uníssono!
quando rolava alguma treta. aliás o próprio cartaz do filme já indica que é só treta esse filme.
vi por causa do sam shepard.

crítica de azul por favor!!!deixa esse mascu pra lá!

eu achei bonito, mas não engajei. existe a polêmica extra filme que envolve diretor e atrizes que acho que dá uma discussão legal (que obviamente NÃO é: diretor explorador/filme desprezível, mas sobre ética da representação), mas que acho que jamais deve ocupar o lugar central da análise.

Aninha disse...

Eu ADORO as críticas de cinema! Pára não!

Eu tinha torcido o nariz para esse filme sem nem saber do contexto, agora fiquei com menos vontade ainda de assistir.

Mas fiquei com vontade de assistir Bonde, então vou procurar.

E quero arrastar o maridão para assistir Azul é a Cor mais Quente, embora esteja com um pezinho atrás. Aguardarei sua critica rsrs

Laís disse...

Lola,

Ainda não vi Blue Jasmine, mas nessa resenha da Folha eles falam que ele foi inspirado, na verdade "adaptado", de Um Bonde Chamado Desejo...
Veja só: http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2013/11/1371622-critica-woody-allen-se-recupera-com-seu-novo-filme-blue-jasmine.shtml

Bjos

donadio disse...

"Vamos supor por 10 segundos que a sua definição de machismo seja a "mais correta", então. Nesse caso, qual deve ser o termo para a ideia de que "as mulheres não devem ter a mesma liberdade/educação/direito que os homens"?"

Talvez ele ache que é a mesma coisa, que os homens têm o "instinto" de proteger as mulheres contra os "perigos" da liberdade/educação/direitos...

lola aronovich disse...

Laís, que Blue Jasmine tenha sido "inspirado" em Um Bonde Chamado Desejo, imagino que todos os críticos tenham apontado. Acho que o Inacio Araújo não quis dizer "adaptado" de verdade, tipo "roteiro adaptado". Isso não consta nos créditos do filme de forma alguma. Se o filme for indicado ao Oscar, ele será indicado a roteiro original, não adaptado.


Gente, vou tentar publicar alguma coisa sobre AZUL É A COR MAIS QUENTE na segunda...

Anônimo disse...

Nossa, o filme é também sobre a loucura de uma personagem que perde seu status social e nisso Cate Blanchett está excelente. Ganhou o prêmio dos Críticos de Nova York e vai levar o Oscar. A cena com as crianças é muito boa, mas a cena final também, ela louca no banco da praça falando sozinha.

Anônimo disse...

Anonimo das 2h25, vc pode usar o termo sexismo. Sexismo de um homem contra uma mulher, por exemplo. E soh pq 90% das pessoas das pessoas defendem uma definicao nao significa que ela seja correta. E pra pessoa q perguntou o que aconteceria se minha mulher me deixasse: eh uma coisa bem dificil pois nosso relacionamento eh bem solido, mas msm que assim fosse, fazer o que a vida continua. Se vc esta me perguntando se eu a violentaria a resposta eh nao.

Lola, com relacao as frases q eu coloquei eu havia feito uma rapida pesquisa pra ver se eram veridicas, agora eu vou fazer uma pesquisa mais avancada sobre o tema.

De qualquer maneira desculpe me ter tirado o foco do seu post.

PirateDownloader disse...

Patrulha Ideológica:

Não vejam este filme e nenhum do W.A, pq ele é um crápula;

Não vejam La vie d'Adèle (azul é a cor mais quente), o diretor é um crápula;

Não leiam nada do Nelson Rodrigues, ele foi um crápula

E por aí vai
Felicidades procês

Leticia disse...

Eu gostei muito do filme mas realmente não é o melhor e nem um dos melhores filmes do Woody Allen mas a atuação da Cate Blanchett tá fenomenal. Com certeza os maiores awards desse ano vão para ela.

jacmila disse...

Foi publicado! a lola deve tá durmindu ahaha

Vitor Ferreira disse...

Concordo com quase tudo em relação ao filme. E acharia uma pena se Cate ganhasse um segundo Oscar novamente por um filme que não faz jus à ela. Mas ela é favorita, fazer o quê.

Já em relação a Amy... Não deve ser nem indicada ao Oscar. Jennifer Lawrence que deve entrar de novo nas cabeças. Eu não gostei muito de Trapaça. Ana Maria Bahiana o chamou recentemente de "Scorsese Diet", que eu adorei!

Minha torcida na categoria melhor atriz é por Meryl ou Emma Thompson. Dizem que Judi Dench está ótima, mas não pude ver o filme ainda.

Anônimo disse...

Hahahahahahahahaha
"mangina é homem feminista"
De que fonte podre sai isso? Dos mascus, obviamente. Cara, vc não sabe nem de onde vêm as ideias que vc propaga... Baixo nível batendo recordes.
Thata

Anônimo disse...

Ah, não creio que estou lendo isso.
Vangloriar-se por
"nunca bati numa mulher"
" respeito TODAS as pessoas, inclusive gays (tenho amigos), negros
" zzzzzzz "nunca tratei uma mulher como inferior a mim" zzzzzzzz
Não, você não será aplaudido por supostamente ter algumas atitudes que qq ser humano decente tem (e sem se gabar por isso).
Thata

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Acabei de assistir o filme e gosto tanto do estilo do Woody, que pra mim, um filme mediano dele ainda é sempre melhor que a maioria dos outros filmes.
Mas realmente, o que é aquela musiquinha descontraída nos momentos mais tensos, como na briga no carro com o namorado? A música não combina com a cena e o pior é que essa "descombinação" nem parece proposital. Estraga o drama da cena e não chega nem perto de ser cômica.
Acho que se insinua no filme uma leve discussão sobre dependência feminina, mulheres que vêem homens como tábua de salvação e, por causa disso estão sempre se afogando. As duas irmãs são assim.

jessica disse...

Pensei que só eu não tinha gostado de "Para Roma com Amor" e achado Blue Jasmine mediano... não acho Woody Allen nada demais, pronto falei!

Anônimo disse...

a filha dele Dylan acaba de escrever uma open letter sobre o abuso q sofreu e ela cita atores q ainda trabalham com ele http://mobile.nytimes.com/blogs/kristof/2014/02/01/an-open-letter-from-dylan-farrow/

Tomara q esse artigo não seja ignorado pela grande mídia, como a entrevista q ela deu um tempo atrás foi

Eu sei q vc gosta dele como diretor mas é difícil ignorar essa acusação de pedofilia. O fato dele não ter sido condenado diz muito pouco. Escrevendo um blog feminista vc obviamente sabe as poucas vezes q um homem branco e rico é condenado por abusos contra mulheres

Anna disse...

Nas horas que as crianças somem elas não podem estar com o pai? No começo do filme eles estavam com ele