quarta-feira, 18 de setembro de 2013

MENINAS QUE AMAM DEMAIS

A N. me mandou essas dúvidas.

Vou direto ao assunto: sou perdidamente, enlouquecidamente, 100% mesmo, sem tirar nem por... apaixonada por um machista. Mas talvez tenha explicação e eu não seja tão doida assim. É por isso que quero sua opinião.
Tenho 22 anos e quando tinha 14, eu era uma criança bem sozinha, carente de atenção, sem amigos e com uma família desestruturada. Foi quando um professor meu começou a me dar muita atenção. Eu era a aluna certinha que tira notas altas, ajuda os colegas, presta atenção na aula e demonstra interesse, sabe? O sonho de todo professor? Acho que eu era assim. 
Papo vai, papo vem, em pouco tempo ele já me ligava todo dia, me dava carona pra casa, trocávamos sms, saíamos juntos. Um pouquinho mais e todas as mulheres da vida dele -- namorada, mãe e irmã -- já me odiavam. Para uma menina de 14 anos carente, um cara bonito, carinhoso e atencioso que chega te chamando de linda, especial, inteligente, é o tal do príncipe encantado que nessa idade a gente costuma acreditar que existe, né? Eu me apaixonei. 
Enfim, só para não ficar no suspense... Todas as declarações de carinho e afeto de um dia pro outro de transformaram em nada além de indiferença. Um dia ele me disse, se referindo à namorada, "com uma de vocês duas eu vou ficar". Nesse dia eu tive a primeira pista de que ele não passava de um cara muito egoísta e egocêntrico. Quando no auge do meu desespero eu perguntei a ele "Eu posso fazer alguma coisa para te convencer a me escolher?", escutei como resposta "Tenta". Nesse dia eu chorei como nunca e me perguntava confusa se eu devia ter me atirado para ele, provado que eu era madura o suficiente para merecê-lo. E até hoje eu ainda penso que se eu tivesse feito isso, ele teria me escolhido.
Bem, os anos passaram. Ele não só não ficou com a namorada, como simplesmente parou de falar comigo, e ainda iniciou um relacionamento com uma outra professora minha. Eu passei por poucas e boas até me ver "livre" da presença deles nos anos de escola, mas acabei sobrevivendo. O profundo sofrimento e vontade de morrer acabaram se amenizando com o tempo e hoje, mais amadurecida, eu quase consigo enxergar nele alguém bastante diferente do que construí aos 14 anos. Digo quase, porque tudo o que acumulei de afeto e admiração é muito intenso e eu sempre me pego confusa. Afinal, ele foi um pilantra? Foi egoísta e aproveitador, ou realmente gostou de mim mas pulou fora antes que se envolvesse ainda mais? A indiferença toda foi fruto de uma brava tentativa de me ajudar a esquecê-lo, ou apenas verdadeiro desinteresse pelo meu bem estar? 
No Facebook as piadas machistas por ele compartilhadas me causam repulsa, mas a paixão é tão intensa que eu só faço fingir que não vi. Isso é o quê? Um amor tão grande que chega a ser incondicional, ou estou perdendo meu tempo nutrindo tanto sentimento por alguém que nunca mereceu e continua não merecendo? Por que saber (ou achar) que o cara é um idiota não é suficiente para criar uma aversão a ponto de me fazer esquecê-lo? 
E aí eu vejo essas mulheres que se casam com homens que são completos cretinos mas não têm coragem de dar um basta e se divorciarem pois alegam amá-los. A gente aponta o dedo e diz "Como pode gostar de alguém que te maltrata?". Eu acho que as entendo. Eu continuo amando alguém que só me fez sofrer. Qual é esse limite sutil que separa "amor por um homem" do "amor por si própria"? 
Para completar essa minha dúvida, namoro há alguns anos um rapaz que, mesmo não sendo nem de longe assumidamente machista como o professor, já fez algumas coisas não muito legais comigo, principalmente quando fica irritado, apelando para uma agressividade verbal e vez ou outra até física. A gente sempre conversa, ele reconhece seu exagero e tenta melhorar. Mas sinto medo de estar fazendo um papel masoquista nessa história toda, devido ao meu histórico. Será que estou exagerando? Ou será que realmente eu estou sendo vitimada e tentando colocar panos quentes em nome do "amor"? Não quero terminar como essas mulheres que se casam, são destratadas pelo marido na frente dos filhos, e aceitam viver assim para sempre. Tenho uma certa "pré disposição" para tal? Estou achando que sim.
O que vc pensa disso? Existe alguma maneira prática de descobrir se é tudo coisa da minha cabeça ou se realmente esse é um perigo ao qual estou me expondo? E se sim, como a gente faz para passar por cima de todo o sentimento e se afastar de alguém?

Minha resposta: Querida N., é difícil dizer, porque nunca passei por isso. Mas, pelo que sei, através de leituras e dezenas de relatos que chegam até mim, sim, existe uma pré-disposição. Uma infância complicada, um trauma do passado, um relacionamento abusivo-- tudo pode desencadear uma certa tendência para se envolver amorosamente com pessoas erradas, pessoas que te farão sofrer. Então o primeiro passo é óbvio: fuja do relacionamento com essas pessoas. Ao primeiro sinal que um cara pode te fazer sofrer, termine o relacionamento. Com o tempo, vc vai encontrar alguém em que vc realmente possa confiar.
Mas me espanta que, mesmo depois de oito anos, vc continue apaixonada pelo professor. Puxa, N., esquece isso. Pare de acompanhá-lo nas redes sociais, e tente esquecê-lo.
Uma vez, numa palestra em SP no ano passado, na hora de conversar com o público, uma moça muito bonita e meiga fez meus olhos ficarem marejados quando contou ter "sofrido por amor" (parece clichê, mas acontece direto). E então ela falou dessa associação, a MADA (Mulheres que Amam Demais), e como isso a ajudou. Recentemente, eu a reencontrei numa outra palestra e cobrei o guest post que já havia pedido antes. Vamos ver se ela lê essas linhas e se toca. 
Mas no final do ano, uma leitora (cujo relato já publiquei aqui) me escreveu contando sua dificuldade em terminar um relacionamento, por pior que ele fosse, e perguntou se haveria um grupo de apoio. Eu, cheia de dedos, disse que uma moça já havia recomendado o MADA, mas que eu não sabia se lá misturavam religião, auto-ajuda, e outras coisas meio esotéricas. Bom, essa leitora procurou o MADA -- e adorou. Primeiro que, segundo ela, não tinha nada de religião (se bem que a apresentação do site fala em Deus o tempo todo). Segundo que ela se sentiu acolhida, e foi ótimo pra ela ver tantas mulheres passando por aquele mesmo problema. Então, querida, talvez possa ser uma saída pra vc.
Outra, claro, é fazer terapia, e tentar descobrir por que vc se acostumou a colocar o "amor por um homem" acima do seu amor próprio.
Sobre o seu professor, você pergunta se ele é um pilantra. Eu não o conheço, não posso responder. Mas o que eu acho é o seguinte: você era adolescente, tinha 14 anos, ele era (é) um adulto. A responsabilidade de evitar qualquer tipo de envolvimento é do adulto, e acabou. O adulto deve saber que uma menina de 14 anos é jovem demais pra qualquer sujeito que não seja um adolescente que nem ela. Sinto muito se a menina parece hiper madura, se rolou um clima, se vcs foram soul mates em outra reencarnação. 14 anos é fora de limites para um adulto. Em qualquer caso.
Outro dia eu estava lendo um post num blog americano. Era de uma mulher adulta que escreveu que, quando tinha 13 anos e estava bem perdida, fez uma conta em algum fórum da internet. Seu nome no fórum era 13yearoldgirl. Ou seja, não deixava muita margem pra dúvida -- ou ela era alguém se passando por uma menina de 13 anos, ou era uma menina de 13 anos mesmo. E ela conta que chovia homem, todos adultos. Ela papeava com vários, conversas picantes, e saiu e transou com alguns. E sabe, pô, ela tinha 13 anos. Não é que ela mentia a sua idade -- ela realmente tinha 13 anos, os caras sabiam disso, e mesmo assim davam em cima. Diz ela, hoje: "O que eu precisava era de exemplos masculinos na minha vida que soubessem dizer 'Não, obrigado' para as abordagens de uma menininha. Porque não importa que uma menina esteja dizendo 'sim'; é o papel do homem adulto dizer 'não'". 
A situação dela era parecida com a sua: ela estava carente, estava com montes de problemas, achava-se feia e gorda, e eis que surge um adulto todo atencioso (adultos, esses que geralmente nem falam com crianças e adolescentes, ou mais "passam instruções" do que conversam; aliás, é assustador como um montão de pedófilos consegue seduzir crianças apenas por dar atenção, "tratar bem", ouvir, conversar, fazer com que aquela criança se sinta especial. Se os pais e parentes daquela criança lhe dessem atenção, se a sociedade de modo geral não tratasse crianças como seres incompetentes e sem voz, é bem capaz que a vida dos pedófilos não seria o passeio que é). Assim como vc, muita menina de 14 anos acharia o cara simpático um príncipe encantado.
Mas tem algo muito errado com esses caras. Ter fantasia sexual com menina de 13 anos até vai, sei lá, desde que fique só na fantasia. Mas agir em cima dessa fantasia... Eu só fico pensando o apelo sexual ou romântico que um menino de 14, 16, 18 anos teria pra mim. Desculpe, mas é nenhum. Zero. Eu tenho 46 anos. Pra mim, um garoto de 16 anos é um garoto. Por mais inteligente, querido, fofinho, bonito, carinhoso, divertido que seja (e existem muitos adolescentes com todas essas qualidades), ele é um garoto. 
Talvez, quando eu tinha 20, 22 anos, eu ainda podia considerar um garoto de 16 anos (14 não) atraente. Lembro de, com 22 anos, ter uma ou outra fantasia sexual com um lindo garoto de 16. Mas aí eu me lembrava que ele tinha 16 e via que havia um abismo de interesses e de vivências entre a gente. Honestamente, lembro de ter pensado: vou esperar que ele faça 18, aí a gente conversa. E claro que meu interesse nele passou uma semana depois de eu tomar esta decisão. 
Portanto, se o seu professor exagerou na "indiferença" para que vc se afastasse, ele agiu certo. Mas ele já agiu muito errado quando te deu corda.
Lembro quando o Silvio, vulgo maridão, tornou-se muito amigo de uma aluna de 15 anos que ele tinha no xadrez. Eu não fiquei com ciúme porque sabia que não havia nada entre eles fora a amizade. Ela ligava pra ele quando estava triste, contava seus problemas, e ele só ouvia. E às vezes riam juntos (ela era fã de uma coluna que eu tinha no jornal, e o maridão sempre foi um personagem das minhas colunas). Muitos anos depois, ela hoje mora em Portugal, está casada, tem uma filhinha, e de vez em quando ela e meu maridão se falam na internet. Mas o Silvio sempre foi muito ético. Ele jamais se envolveria sexual/afetivamente com uma aluna, ainda mais com uma menor de idade. E nem havia esse interesse por parte da aluna em questão. Quase todos os alunos do Silvio lembram dele pra vida toda. A marca de um excelente professor, e também de uma excelente pessoa.
Em outras palavras: uma situação totalmente diferente daquela com seu professor. Só estou citando esse caso porque minha tendência é dizer que não deve haver qualquer tipo de relacionamento mais próximo entre um adulto e um adolescente, mas vejo que pode. Eu mesma já fui "confidente" de vários alunxs pré-adolescentes (sempre me dei bem com jovens). Mas eles me viam (e sei que veem assim o Silvio também) como uma pessoa que não os subestimava, que não os tratava como inferiores, que os respeitava como pessoas autônomas, ainda que na infância e na adolescência eles não tenham autonomia nem independência. Eu gostava deles, eles gostavam de mim, e isso gerava confiança.
Nossa, eu falei demais, né? Espero que vc consiga aproveitar alguma coisinha entre todas essas linhas.

66 comentários:

André disse...

"Afinal, ele foi um pilantra?"
Sim.

Taylor Foxx disse...

Acho que isso é um problema cultural brasileiro, não exclusivamente brasileiro, mas este problema é bem evidente aqui, fica claro pelos relatos dessa garota, que ela foi ensinada a acreditar nos contos de fadas do romantismo (um romantismo bem sexista), e o fator idade também contribui muito para agravar o problema, e na questão do machismo, acho que a atitude dele de se afastar não foi por te tratar como inferior e sim por perceber que se o relacionamento de vocês avançassem, ele enfrentaria muitos problemas, mas se ele é machista ou não, ai já não dá para ter certeza

Anônimo disse...

Esse post me fez lembrar de uma antiga estória minha (o tal do sofrer por amor). Eu era apaixonado por uma garota. De vez em quando a gente ficava e até transava, mas eu nunca conseguia transformar nossa relação num namoro, que era o que eu queria. Eu dava todos os sinais de que tava apaixonado por demais e queria ficar só com ela. Mas ela era tão fugidia. Um dia resolvi me declarar pra ela, disse que a amava e que queria que nossa relação virasse um namoro de verdade, um compromisso. Ela disse que eu era um cara super legal, me encheu de elogios, mas que ela nunca me amaria de verdade porque eu NÃO A FAZIA SOFRER SUFICIENTEMENTE PARA ELA SE APAIXONAR POR MIM. Terminei tudo depois dessa, passei a evitá-la, mas confesso que durante alguns anos me via assombrado pelas suas palavras,como se em algum lugar dentro de mim eu acreditasse mesmmo que eu seria para sempre um cara boboca e romantico e que nenhuma mulher iria se apaixonar por mim de verdade, que eu não era "durão" o suficiente.

Julia disse...

É esse texto aqui, Lola?
http://www.xojane.com/issues/stacey-rambold-cherice-morales

Adoro esse site.

lola aronovich disse...

Acho que foi esse texto sim, Julia. Obrigada! Já incluí o link no post. Enquanto eu estava ilustrando o post, veio essa notícia horrível do professor americano acusado de estuprar uma aluna de 14 anos que depois cometeu suicídio. E o professor foi condenado a apenas 30 dias de prisão. Terrível isso.
Agora acabei de ler um outro artigo sobre J. D. Salinger e seu envolvimento com leitoras jovens que o viam como um deus. Pô, ainda que Salinger não tenha cometido nenhum crime, por que diachos um cara de 50 anos vai procurar uma menina de 14, 18 anos pra se corresponder?

MCarolina disse...

Ainda bem que você percebeu que pode ter essa tendência, pode se prevenir. As pessoas que conheço que tem tendência a idealizar pessoas, sendo elas pessoas toscas ou as que simplesmente não tem interesse, são aquelas com baixa autoestima. Parece meio bobo e óbvio, mas quem acredita que merece ser bem tratado, exige isso.
Quanto ao seu professor, a atitude dele foi totalmente irresponsável. Independente de ele ter pensado que era melhor se afastar ou ter se afastado por desinteresse, um adulto colocar uma adolescente nessa situação é ridículo. Se eu me interessasse por um homem e soubesse que ele fez isso, me desinteressaria na hora. Não acho que uma pessoa assim tenha algo a oferecer para a minha vida. Nem para a sua.

Anônimo disse...

Nós mulheres somos educadas pra idealizar a pessoa amada e depois que a gente descobre que o "homem das nossas vidas" é um ser humano cheio de defeitos, a gente tenta aceitar ou mudar esse ser humano. E isso não dá certo.

Tem coisas na vida que a gente não deve aguentar. Machismo é uma delas.

Paula Santana disse...

Faço das palavras da Taylor Foxx as minhas. Nós somos ensinadas desde pequenas a acreditar naquele amor romântico de conto de fadas, o amor impossível e sofredor e idealizar mil e uma situações com o vulgo "príncipe encantado". Durante anos eu fui apaixonada por um amigo e com os anos, como deve ser, nós fomos mudando, nos distanciamos muito mas eu ainda tinha no fundo aquela idealização do que seria se (ou quando) ficássemos juntos. Acontece que junto com a mudança de vida veio também a mudança de ideologia, crença e de enxergar o mundo de outra maneira. O meu "príncipe" que sempre considerei assim para a vida toda ainda estava na minha vida, mas eu comecei a reconhecer os traços nele que eu simplesmente detestava nos outros homens e "enxerguei".. No meu caso o amor se transformou, o desejarei sempre tudo de bom, continuarei lembrando dele nas minhas orações, mas com certeza foi um alívio e um orgulho muito grande (nem sei exatamente porquê) quando me "livrei" completamente do contato com ele. Fiz uma limpeza e me afastei e foi um passo bacana e um fortalecimento. Uma coisa boba, mas para a autora do post eu aconselho a fazer. Saia das ideologias utópicas e se afasta do que não te traz alivio, orgulho e alegria. No fundo você sabe o que ele é e no fundo você sabe que ele não é aquilo que você idealizou.

Letícia disse...

Trabalho na area de Educacao no Reino Unido ha dois anos. Aqui - como diz meu marido - a caça aos pedofilos eh como se fosse uma nova caça as bruxas. Principalmente para quem como eu trabalha com crianças, há uma pressão muito grande pra vigiarmos uns aos outros. Existem exageros, mas eu acho q as vezes vale pecar pelo excesso do que o descaso em relaçao ao assunto que eh o que acontece no Brasil.

Um exemplo basico. Uma vez trabalhei com um aluno aspie de 17 anos, em uma especie de colonia de ferias fui monitora dele por uma semana. Nas conversas descobrimos que tinhamos alguns gostos em comum, e dai ele pediu pra me adicionar no facebook. Minha resposta foi nao. Deixa eu te explicar porque:

So o fato de adicionar um menor - meu aluno - no facebook poderia gerar um grande problema pra mim. a) pais dele poderiam implicar, e dai iniciar toda uma investigacao pra saber se eu sou uma pedofila. b) se isso acontece eu provavelmente nao conseguiria emprego ate provar por A + B a minha inocencia. c) se o menino resolve pirar e fantasiar alguma coisa sei que a probabilidade deu ser considerada culpada ate que se prove o contrario seria enorme!

Entao, pra evitar problema aqui, eh rarissimo ver professores em contato mais intimos com os alunos.


No comeÇO eu estranhava isso um pouco, mas agora eu acho isso super correto. Acho super estranho ver meus amigos brasileiros que sao professores postando fotos de alunos menores de idade no facebook deles - E muitas vezes sendo "amigos" ate mesmo de criancas menores de 10 anos - que na minha opniao nem perfil deviam de ter!

Okay, nao acredito que minha amiga seja uma pedofila, mas vai que na lista dela de 899 amigos exista alguem que seja. Esse alguem ai, entra em contato com a crianca menor de 10 anos, que eh 'amiguinha' dela e comeca dar a atencao que a Lola mencionou - sou eu que sou paranoica ou isso que eu to falando tem sentindo???

Aqui no UK, ai de mim se alguem sonhar que eu tirei uma foto de algum aluno meu! Quando vamos tirar fotos dos alunos por algum motivo, temos que usar a maquina fotografica da escola, e soh podemos tirar foto dos alunos que os pais autorizaram por escrito que podemos tirar fotos. Talvez seja um pouco de exagero, mas nao podemos negar que isso eh protecao do menor e protecao pra escola.

Professores sao uma figura de poder nas salas de aula - e nao eh anormal figuras de poder serem objetos de desejo. O que numa fase que a gente ainda eh bem indefeso e nao entende direito o que eh certo, o que eh errado, limites etc, faz com que a crianca/ adolescente fique em posicao vulneravel.

Safira Solitaria disse...

Acho que esse tipo de comportamento também pode ser explicado por uma idéia geral que nós temos de que temos que sofrer para conseguir as coisas... Que o caminho mais fácil não é o melhor. Que para ganharmos coisas boas temos que sofrer bastante e nos esforçar demais - aí sim vale a pena!

E isso não vale só pra relacionamentos, vale pra tudo! Por exemplo, tem gente que acha que operação do estômago pra emagrecer é coisa de gente folgada, que não quer fazer esforço, e que o bonito mesmo é sofreeeeer pra emagrecer (pra chegar no mesmo resultado que a cirurgia).

Roberto Lima disse...

A questão de "como se afastar de uma menor de idade que acha que está apaixonada" é delicada. Provavelmente o professor recebeu um ultimato da namorada e teve que se afastar "na marra". Ou percebeu que a garota queria um namoro de verdade, e obviamente fez a coisa certa, que é mesmo se afastar. Às vezes é difícil explicar à menina que a relação é apenas professor/aluna , que não há nada mais além disso. Já vi casos onde o aluno ou aluna procuram estabelecer uma relação de amizade mais íntima, convidando para ir em sua casa , jantar com os pais, coisas assim. Embora não seja nada incorreto, acho que esse tipo de situação deve ser evitado, para não ocorrerem interpretações maliciosas por parte do corpo docente ou discente. Lembrei do caso da "Escola Base", onde, apesar de ter sido provado que não houve pedofilia, as vidas das pessoas acusadas foram destruídas.

Anônimo disse...

Como a lola já disse... filha, para de seguir esse professor nas redes sociais... é de se estranhar muito que você não tenha processado e superado essa história de quando você tinha 14 anos.

Seria bom sim procurar terapia. Tanto pela questão do apego a essa história do passado, como o fato de você namorar um cara já com predisposição a violência.
Acho que um dos pontos está ligado a questão da auto-estima. Tem livros bem bacanas que podem te ajudar também.

Procure se relacionar com alguém que te valorize de verdade e que te trate muito bem, SEMPRE. Essas pessoas existem.

Pra mim um relacionamento tem que me dar paz, antes ainda do que amor.

Pessoas que tratam a gente normalmente muito bem, mas que DE VEZ EM QUANDO TRATAM MAL, provavelmente farão com que o relacionamento seja problemático.

Boa sorte!

Anônimo disse...

Ah, se vocês soubessem o que tem disso por aí. O pior é que é sempre a mesma história. Mas eu realmente acho que esse tipo de professor (geralmente quando são bonitinhos) é o tipo de cara que quer ver tu se desdobrando pra ficar com ele, só pra alimentar o ego. Sério mesmo.
O CARA MANDOU A GURIA TENTAR.
Daí eu acho que tem uma hora que ele cansa. Ou tu desiste, não sei. Quando as outras pessoas da escola começam a perceber, eles largam de mão, porque qualquer coisa vai ser mais importante que a aluna.
Eu sei disso porque já vivi isso, e amigas minhas viveram. Eles só querem ver tu se desdobrar atrás deles, querem ter plateia. E se eles têm papo com menina de 14 anos é porque são BEM infantis.
Acreditem em mim, experiência própria. Eles só fazem pra se sentir bem, por mais bonita que você seja.
Cai fora.

Anônimo disse...

Autora, o que posso dizer é que sua juventude foi SUGADA SU-GA-DA S-U-G-A-D-A. O que você pode fazer agora é parar de aceitar as chicotadas da vida e reagir (terapia, leituras e, claro, você deve ter uma vontade de raciocinar porque uma vez que você para para raciocinar, metade das desgraças param de te foder). Não deixem que te levem seus preciosos anos mais uma vez. Acorda para a realidade.

Anônimo disse...

Professor na Inglaterra ou Europa ganha bem e é respeitado? Sempre quis ser professor, mas não quero morrer de fome no Brasil e nem voltar pra casa todo dia com dor de cabeça por causa de desrespeito dos alunos. Não tinha pensado na possibilidade de ser professor no exterior. Obrigado Letícia, vou me informar sobre isso.

Anônimo disse...

Me chamo "K."

Quando eu estava na sexta-série, um garoto me elegeu a mais feia da sala.
Cresci assim, me achando feia.

Não ficava com ninguém e nunca conversava com os caras q eu tinha as "paixonites" de criança. Por medo de me acharem feia.
Me escondia, sempre.
Aos 16 o irmão do meu professor de literatura me xavecou pelo ICQ. Ele tinha 27 anos. Me elogiava, dizia que eu era linda, e mais aqueles papos.
Me apaixonei.
Fui na cidade dele, Viçosa - MG, para uma festa e nos encontramos, ele me convidou pra ir até a casa dele.
Ele tirou minha roupa e se esfregou em mim, fiquei sem reação, não sabia como me comportar. Eu gostava dele, mas não queria aquilo.
Não houve penetração, acho que ele não queria "deixar rastros".

Enfim, os anos passaram e até hoje sinto nojo dele. Hoje ele é casado com uma ex-aluna dele.

WICKED WOMAN disse...

Quando eu tinha 15 anos, conheci um cara de 35 que apesar de não me atrair nem um pouco fisicamente, me dava muita atenção. Na época, o meu pai também tinha 35 anos e era(ainda é)um verdadeiro canalha, um dia caiu a ficha de que eu procurava nesse cara algo que eu não tive com o meu pai. O namoro ainda durou 3 anos, mas hoje eu vejo que de certa forma ele se aproveitada da minha inocência de adolescente.

Anônimo disse...

Achava incrível como MUITAS meninas com a qual frequentei o cursinho se envolviam com os professores.
Eram meninas de 17-20 anos com professores de mais de 50.
E poxa, eram homens do estereótipo coroa, totalmente fora do padrão de beleza nem charmoso (para mim) e as menininhas todas no padrão.
É muito curioso esta repetição de padrão.
Sei lá, uma mistura de complexo de electra com machismo, com objetificação da Lolita...
Só sei que eu achava (dentro do meu preconceito) "como pode esse cara catar estas meninas tendo esposa, que raiva!" e das meninas "onde que elas enxergam charme neste cara 30 anos mais velhos que ela?"

Letícia disse...

respondendo o anonimo de cima:

O salario de professor aqui eh razoavelmente bom sim. Ctz da pra se ter uma vida digna.
http://www.education.gov.uk/get-into-teaching/salary/teaching-salary-ranges

ai em cima um link pra media do salario anual de um professor por aqui.

Ctz eh uma profissao bastante respeitada.

Uma coisa interessante eh que eu sinto aqui ela eh uma profissao unisex. Pelo menos nao me lembro de ter visto nenhum professor homem no primario ou no pre/ maternal no Brasil - talvez ja tenha mudado e eu nao saiba, mas enfim. Eu acho isso o maximo!!!

WICKED WOMAN disse...

Meninas, eu quero um conselho...

Tenho 23 anos e sou totalmente independente há algum tempo. A minha mãe está namorando há um ano com um cara evangélico super machista (a minha mãe também é evangélica e machista)e esse cara sempre me tratou super bem, me manda chocolates e sempre que eu preciso de algo ele se oferece pra ajudar. Mas depois que eu me separei (sim, já fui casada!), ele está super ciumento e achando que pode mandar na minha vida. Tudo começou com piadinhas, mas tudo foi só se agravando até que na semana passada a minha mãe me ligou, ele pediu pra falar comigo e quando eu disse que tinha dormido na casa do meu namorado ele me xingou muito e a minha mãe ainda me disse que ele estava passando mal de tanto ódio, suando a camisa visivelmente. Fiquei com medo depois disso, vc's acham que ele pode estar interessado em mim? Tenho muito medo disso... Eu não sei o que fazer, quando comentei com a minha mãe sobre o ocorrido, ela disse que ele ficou bravo porque me considera como uma filha.

M. W. disse...

Vejo muitos crucificando seu professor sendo que nem você que conviveu com ele tem certeza das intenções dele. É verdade que ele se aproximou demais e não conduziu a situação da melhor forma, mas ao menos partiu dele a iniciativa para dar um fim nesse assunto. Só faltou você dar um fim nessa história também. Ele disse TENTA, mas poderia ter dito e feito coisas muito piores com você se ele realmente fosse um pedófilo.

Ao que me parece, sua maior dificuldade não é exatamente com o machismo, mas com o amor platônico. Nas entrelinhas, fica implícito que você ainda segue os passos do seu professor com a intenção de procurar defeitos nele. Por exemplo, os posts no facebook ou o fato dele ter largado a namorada e estar com outra professora. Que diferença faria se ele fosse um pilantra? Você continuaria pensando nele de qualquer jeito. Rotular a pessoa idealizada não ajuda a esquecê-la. Muito pelo contrário.

E ao invés de especular se você tem uma tendência a entrar em relacionamentos com pessoas erradas ou se isso acontecerá novamente no futuro, que tal observar atentamente seu atual relacionamento? Que tal olhar atentamente pro seu atual namorado e ver se ele é uma pessoa que vale a pena ou não? Muitas das pessoas que entram em relacionamentos furados como os que você relatou não conseguem sair depois, entre outros motivos, porque ficam idealizando seus parceiros. Muitas delas sequer são honestas suficiente para enxergar os parceiros como eles são, e não como elas gostariam que fossem.

Anônimo disse...

LOLA O QUE FOI AQUELA CENA DE AMOR A VIDA?? COM A PILAR BATENDO NA AMANTE< COMO SEMPRE, a mulher é a culpada, achei um texto na internet, que falava mto bem disso , recomendo a leitura

http://escrevoporcomida.wordpress.com/2013/09/18/amor-aos-preconceitos/

juliana

Erres Errantes disse...

Não ficou clara uma coisa: a garota chegou a ter um relacionamento sexual com o professor? Se sim, eu até entendo que ela ainda se interesse por ele, mesmo tendo passado tanto tempo. Se não, acho que ela deve procurar ajuda psicológica, pois nenhuma piaxão platôncia dura tanto tempo assim.

Sarah disse...

Lola, concordo com o que disse. Sempre achei estranho homens que se envolvem com meninas de 14, 15 anos. Desde que eu também era dessa idade. Creio que isso além de doentio é um traço machista e covarde. Caras mais velhos que namoram menininhas fazem isso pq têm medo de relacionar-se com mulheres da idade deles. Isto pq, grande parte é bem resolvida, com atitude e eles se intimidam. Preferem adolescentes, pois elas ainda estão em formação. Logo, se sentem superiores namorando "garotinhas bobas", como devem pensar.

Anônimo disse...

Nossa! Tenho medo do nosso futuro como humanidade ao ler um comentário desses! Opção por regime a cirurgia, não é opção por sofrimento, é opção pelo processo natural. Sem corte, sem sequela.....com um risco bem menor. A crença na infalibilidade da tecnologia me assusta.

Anônimo disse...

Só para esclarecer: professoras com mais de 50 também se envolvem com alunos de 18-25. Elas fora do padrão de beleza e eles totalmente dentro.

Anônimo disse...

Gente, com essa questão de "Fulano é casado, como ele pode estar fazendo isso?" nem vale a pena preocupar porque geralmente a mulher também está tendo caso/casos.

luana disse...

eu vi a cena da novela e o q mais me irrita é ver como tem corna mansa nesse mundo.
a pilar pegou o cesar no flagra e algumas horas depois ,foi só ele fingir q está muito arrependido(se arrependeu rápido hein) e ela esquece tudo????? ele tinha acabado de transar com a amante e ela ainda tem estômago para transar com ele.
e novamente fingi q n vê q esse nojento nunca respeitou ela e muito menos amou,já q foi traida a vida inteira e ainda cuidou da filha da amante dele.

e para coroar a cena,o canalha ainda diz q essas crises (chifres) são muito boas para o casamento ,q assim os 2 vão dar mais valor ,quase vomitei nessa hora.

na realidade tem a sheila carvalho,foi traida,n foi respeitada, perdoou,provavelmente choramingou e fingiu arrependimento, e ainda disse q ele é um homem maravilhoso,kkkk nossa... e quem leva processo é a amante.


André disse...

Sarah,

Acho que é o contrário, namorar uma menina nova e bonita é considerado um conquista em nossa sociedade que valoriza tanto a juventude. Além disso, a expectativa geral é a de que há muito mais mulheres mais velhas com uma penca de problemas (filhos, ex-maridos, etc) do que bem resolvidas.

Maria Valéria disse...

Nao sou da area da educação, nao tenho filhos e na minha epoca de estudante nao existiam redes sociais,portanto nunca tinha pensando por esse prisma, mas ADOREi e achei muito sensato o comentario da Letícia ( professora do reino unido) sobre o envolvimento com alunos, fotos e contato em rede social.

Maria Valéria disse...

Quanto a paixão platônica, so poderia dar um conselho: eu ja passei por duas.
So me " curei" quando resolvi desmistificar os caras,ver que nao eram tao sensacionais assim como pareciam.
Mas, para isso acontecer, foi fundamental conhecer outros homens, ter outras experiências., inclusive para comparar ...ja conheci um homem por quem senti algo inédito, lindo ( que NAO senti com nenhum dos dois por quem nutri a paixão platônica, e nem pelo homem de quem fui noiva...rsrs.)
Se eu fosse você,me daria a oportunidade de conhecer outros homens- se esse seu relacionamento com o namorado estivesse lhe fazendo bem, você ja teria esquecido o professor..
Conheça outros homens, viva outras experiências.Voce e muito nova!! E viver sozinha nao e ruim.
Boa sorte.precisando de ajuda estou por aqui.
Bjs

Anônimo disse...

Sawl

Eu sei que não tem a ver com o post, mas, achei interessante essa matéria sobre cantadas:
http://oglobo.globo.com/rio/cantada-na-rua-um-fiu-fiu-que-divide-homens-mulheres-10012008

Quanto à novela, RIDÍCULO o machismo descarado do texto fazendo a personagem traída agredir a amante e PERDOAR o marido traidor!! Se fosse comigo quem iria apanhar era ELE, kkkkkk!

Sawl

Anônimo disse...

N, pula fora enquanto é tempo. Procura terapia com uma pessoa ética, séria... se deixe curar. Na boa... sua dignidade, sua autonomia, segurança, respeito próprio são coisas que não têm preço... qnd vc ficar segura e liberta dessa carência excessiva (digo isso pq tenho um histórico muito parecido) vc vai conseguir encontrar alguém descente... é ótimo poder curtir 100% um relacionamento e se entregar, etc., mas com alguém que cuide de vc de volta. Sim, td mundo tem defeito, mas vc não precisa namorar um idiota só pra ser legal e compreensiva com ele. Força, mulher!
Tira esse cara do FB... ele foi tosco com vc, sim.

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Acho que o modo como mulheres e homens são criados desde a infância, acaba possibilitando vários relacionamentos desse tipo. Meninas sendo criadas pra serem super românticas, acreditando que é necessário sofrer pra ser feliz no final, que quem ama perdoa, que o mais importante na vida de uma mulher é o casamento, etc, etc, etc. E meninos sendo criados pra verem relacionamentos como jogos de sedução, mulheres como troféus a serem conquistados, dicotomia santa e puta, etc, etc...
Acho mesmo muito difícil uma pessoa ter um relacionamento realmente saudável a longo prazo em uma sociedade como a nossa.

Anônimo disse...

Ai, que nojo desse comentário do anônimo das 12:09! Como assim a Lola agora está aprovando comentários de mascu em um post tão SÉRIO!? Meu bem, esse é um blog de mulheres, sobre mulheres e para mulheres. Vai procurar tua turma, mascu recalcado!

Eugenia disse...

Gente, ninguém, nem você Lola, vai comentar sobre o atual namorado dela?
Porque eu acho que a partir do momento que ela disse que ele parte "às vezes até pra violência física", isso se torna um problema tão grande quanto o professor.
Afinal, a tendência é cada vez piorar mais né? Isso também é inaceitável! Sai dessa!

Sara disse...

N a Lola foi muito sensata em todos os conselhos que ela te deu, tente ouvi-los e coloca-los em prática.
Só que já tive a sua idade e sei que não é nada fácil o q vc esta passando, adoraria te dizer que vc esta passando por uma paixonite adolescente passageira (espero q seja), mas pelo tempo que já passou e vc ainda não esqueceu, temo que não.
Sei que na sua idade pode SIM acontecer de se apaixonar muito profundamente, aconteceu comigo.
Eu tentei me curar de todas formas, arrumando um monte de namorados, botando FOGO em todos os objetos, cartas , presentes que eu havia ganhado do dito cujo, mas nada NUNCA me curou.
O resto da minha historia é muito complicado pra contar aqui, mas acho q se pudesse escolher, eu teria me livrado desse sentimento.
Só que nunca cheguei a frequentar esse MADA, mas já q agora existe, quem sabe não te faça bem.
Eu estava nessa palestra q a Lola falou, e tb conheci a garota que disse que tinha frequentado o MADA, ela me disse que fez muito bem a ela, talvez seja uma solução pra quem passa por isso, pois podem rir, e achar patético quem esta passando por situações como esta, mas só quem passa, sabe o quanto doi e deixa marcas...

Anônimo disse...

Laurinha, o que você disse é muito interessante. Você acredita na possibilidade de que existam meninos criados para, dentro do mundo dos relacionamentos, pensarem e se comportarem tal como as meninas? Conhece algum? Como seria?

André disse...

Sawl,

Notou o trecho: "Para comprovar que homem, além de abusado, é bobo, poucos tiveram coragem de arriscar um gracejo."?
Aparentemente poucos homens incomodam muitas mulheres. Além disso, algumas mulheres parecem se frustrar se não levarem cantadas.

Gabriela Barbosa disse...

Sugiro muita terapia a essa moça! Ser assim é doentio! Boa sorte!

Náy disse...

Oi Lola!Concordo com vc!Não entra na minha cabeça que adultos podem se envolver sexualmente com crianças, adolescentes, acho um grande absurdo.

Anônimo disse...

Entendo muito bem o que a autora do guest post está passando.Eu sempre fui fora dos padrões de beleza, sempre tive baixa auto estima e por isso passo praticamente pela mesma coisa.Só que eu sou a mulher que chegou a se casar com o canalha, que teve filhos com ele, que vive sendo mal tratada mas não tem coragem de abandoná-lo.Sou feminista, mas viro um lixo quando estou perto dele.Já fui traída de todas as maneiras, humilhada e mesmo assim não consigo sair fora desse relacionamento.O que sinto por ele é maior do que eu.

Desiludida

Dona do Sexo -Bonobo rules,Jaçanã forever disse...

Por isso preferencia por homens jovens pq esses homens velhos cheios de etarismo.Haja estomago.


Quanto mais geraçoes novas menos homens etaristas.

Anônimo disse...

André, "namorar uma menina nova e bonita é considerado um conquista em nossa sociedade que valoriza tanto a juventude" assim como o contrário também acontece bastante e é bem valorizado (mulher velha com homem bonito e novo). A sociedade valoriza a juventude (não sei se isso procede nessa proporção que alardeiam por aí, não é a realidade que vejo), mas ao mesmo tempo enxerga seus contratempos, tanto que que uma pessoa mais velha com outra mais nova é automaticamente, sob os olhos sociais, vista como "corna", "chifruda" dentre outros epítetos desabonadores. Complicado. "a expectativa geral é a de que há muito mais mulheres mais velhas com uma penca de problemas (filhos, ex-maridos, etc) do que bem resolvidas" essa também é a expectativa geral quanto a homens mais velhos...enfim.

Anônimo disse...

Quando fazia cursinho, tinha váaarias alunas que ficavam com os professores. Um caso até deu certo. A menina tinha 17 e o professor 35 e eles continuam juntos até hoje, maaaas casos assim são raríssimos. Eu não gosto de homens mais velhos e abusadinhos, desses que dão moral para garotinhas. Acho que é doença, sério. Lembro de ter encontrado alguns quando mais nova, mas sempre tive muito nojo e saia fora.

L. G. Alves disse...

Pois é, cada pessoa pode reagir de uma maneira. Eu também "era uma criança bem sozinha, carente de atenção, sem amigos e com uma família desestruturada" Mas nem por isso eu me envolvi seriamente com canalhas chegando ao ponto de "amar" ou ficar loucamente apaixonada. O fato é que me incomoda bastante que alguém tenha este poder. Não admito que tenha.

Anônimo disse...

será q isso é por causa de baixa auto estima mesmo?
pq minha auto estima n é lá essas coisas e nem por isso saio com qualquer um q seja legal comigo e muito menos aturo esses homens machistas e nojentos.
antes só do q mal acompanhada.

eu n gosto dessas generalizações de pq a pessoa age assim.
tudo é culpa do machismo mas todas nós vivemos debaixo dessa merda e nem todas aguentam esse tipo de coisa.

Anônimo disse...

essa menina precisava do que os americanos chamam de 'closure', ou seja, um evento que de um ponto final nesse rolo todo...

ou entao deletar todos os perfis e deixar que o tempo cuide do esqeucimento... sim, o tempo é um santo remedio, mas nao faz otrabalho todo sozinho..

quanto ao namorado agressivo...faz favor, ne amiga? a fila anda...

quanto ao assunto infidelidade, tenho uma certa expericnai nisso (por isso to postando como anonimo)

certa vez tive um caso com um cara casado (em minha defesa, a iniciativa foi dele, eu estava realmente apaixonada e carente, como a moca do post, o cara era da minha idade e nao tinha filhos)
ele jurava de pe junto que ia conversar com a mulher, abrir o jogo e pedir separacao para que ficassemos juntos... o que ele realmente fez logo de inicio...

nessa de ele conversar com a mulher, no dia seguinte eu comecei a receber emails ameacadores e extremamente ofensivos da mulher e da mae(!) dele me dizendo que era para eu me afastar ele, que eu tinha enfeiticado ele, que elas iam lutar por esse casamento, que era para eu me afastar senao a mulher ia fazer um escandalo etc. (e claro, os xingamentos normais: vadia, puta e por ai vai)...
ele foi a vitima da historia!o.O

depois de muita pressao la pelas bandas dele, ele resolveu postergar a separacao, eu me senti enrolada e cai fora...
os 2 pombinhos estao juntos ate hoje...

quanto a mim, eu achei um cara legal, solteiro e bem mais a ver comigo pouco tempo depois... hoje estamos casados:)

Anônimo disse...

Quando eu tinha 13 anos me apaixonei por um cara de 21 e com ele tive minha primeira relação sexual. Hoje, muitos anos depois é q vejo o quanto era desigual e abusiva a relação entre nos.

Anônimo disse...

Qualquer coisa que você faz por qualquer homem é uma forma de caridade e generosidade. Portanto, você não é obrigada a dar explicações, discutir, dar atenção, sexo, em nenhum momento. E se o fizer, quando o fizer, estará sempre fazendo um favor.
Você quer fazer um favor e ser respondida de forma ingrata? O casamento é a melhor forma de fazer isso.
O sexo casual também é um favor que eles respondem de forma ingrata, pois a principal necessidade de um homem é sexo. E como eles respondem? Com maledicência e falta de respeito, se bem que não respeitam uma mulher em nenhuma circunstância. Se você casa com ele, ele sabe que não merecia e perde o “respeito” por você.O mesmo jeito com o sexo. Porém uma mulher tem também seus anseios sexuais, e se não for lésbica nem bi, terá que satisfazê-lo com um homem. Deverá, porém, esfregar na cara que está fazendo um favor a ele, só para que ele não esqueça e se convença de sua falsa superioridade (ainda que ele saiba que é falsa).
As mulheres tem por “instinto” (não sei se é condicionado) querer agradar e fazer caridades. Deve ser por isso que, ainda hoje, queiram se casar. No fundo sabem que é um favor que fazem, apesar de saberem que a vida piora muito para as mulheres após casarem. De qualquer forma, saber que está fazendo um favor e passar isso na cara deles poderá fazer com que as máscaras caiam e eles se coloquem em seus devidos lugares (ainda que não vão deixar de trair as mulheres, e a melhor solução, nesses casos, é traí-los também).

Mihaelo disse...

Buenas, a questão da diferença de idade depende de vários fatores, mas obviamente que numa sociedade patriarcal machista, é comum muitos homens abusarem e se aproveitarem de gurias menores.
Todavia se houver reciprocidade e amor entre os dois , não haverá nada de errado no relacionamento. Conheço um amigo que teve um filho com uma garota de apenas 15 anos(ele tinha 24) e eles estão casados até hoje. O editorialista do Jornal Usina do Porto,Caho Lopes,escreveu em um editorial como conheceu a esposa dele(que tinha apenas 16 anos e ele 34). O prefeito de uma cidade metropolitana onde lecionei casou com uma moça de 18 anos e muito provavelmente ele a conheceu quando ela era menor.
Eu tive duas colegas que casaram com alunos bem mais jovens(embora já adultos). Ou seja depende da intenção de quem se envolve, se for genuína e sincera, não há nada de errado neste tipo de relacionamento.

Leticia:

Realmente no Brasil eu nunca vi professor lecionando na escola infantil ou nas séries iniciais do fundamental.E nas séries finais(antigo ginásio) dá para contar nos dedos de uma única mão, o número de professores lecionando. Os homens se concentram no ensino médio(principalmente onde há cursos técnicos). Quando a profissão se desvaloriza, ela se feminiza como já observou Dulce Whitaker no libro "Mulher e Homem: O Mito da Desigualdade".

Anônimo disse...

Aos 14, comecei a namorar um cara de 21. O sujeito era tão imaturo e problemático que às vezes parecia que ELE tinha 14 anos, não eu. Ficamos juntos 1 ano, ele me sacaneou, eu perdoei na primeira vez (claro, nós mulheres somos educadas a passar por cima de tudo em nome do relacionamento). Menos de um mês depois da sacanagem, como num passe de mágica, deixei de gostar dele e terminei tudo. Na época não existiam redes sociais, o que facilitou bastante o processo. Mas eu também já tinha desencanado do cara, de repente percebi que eu era muito nova pra gastar toda a minha energia em uma pessoa que me esculachava e que eu ainda tinha toda a vida pela frente pra viver outras histórias.

O término não foi traumático nem nada, já que a tal paixão simplesmente desapareceu. Mas hoje, anos depois, vejo que não era bem amor ou paixão. Essa relação só aconteceu porque eu era uma garota com baixa autoestima que sofria bullying na mão dos garotos da escola e que achava que um cara mais velho iria me tratar diferente. Acho que foi isso o que aconteceu com a autora, sua autoestima era tão baixa que ela se deixou levar pelos elogios e personalidade sedutora de um cara mais velho, que a apreciava de forma diferente da família e dos garotos da idade dela. A diferença é que o caso dela envolve uma questão de autoridade e ética, fora ainda não ter superado o sentimento, 8 anos depois. O que eu posso dizer, pela minha experiência, é que aos 22 eu era uma pessoa completamente diferente da garota insegura dos 14 e a autora talvez não tenha deixado espaço pra essa mudança acontecer ao insistir em uma "relação" que nada mais era que uma âncora pra sua autoestima. Acho que terapia poderia ajudar a autora nesse sentido, de entender que a vida segue, além de abordar questões de insegurança que contribuem pra esse padrão de relacionamentos nocivos.

Get over it, N.! Hoje, depois do tal relacionamento da adolescência, vejo que é bem problemático quando homens se envolvem com garotas mal saídas da infância, isso diz algo de muito errado sobre eles. No meu caso, o tal namorado era um imaturo que não conseguia lidar com mulheres de sua idade. Seu caso sugere abuso de autoridade, pior ainda. Por mais "desenvolvida" (no sentido de corpo) que uma garota de 14 anos seja, ela ainda não tem condições psicológicas de lidar com tudo o que vem a reboque de um relacionamento sério, ainda mais com caras que já carregam uma certa bagagem sentimental/sexual. Ah, aproveita e dá um pé na bunda desse teu namorado lixo, nada justifica te agredir, nem a tentativa desesperada de salvar um relacionamento. Sei que é difícil ir contra a educação machista e romântica que tivemos, mas às vezes um tempo sozinha é a melhor coisa pra se recuperar e aprender a não repetir padrões que só machucam.

Anônimo disse...

eu pensei que professor tendo envolvimento com aluna menor de idade fosse errado, mas pelo exemplos que estão dando aqui parece que é bem normal.. que coisa.

Anônimo disse...

" Fiquei com medo depois disso, vc's acham que ele pode estar interessado em mim? Tenho muito medo disso... Eu não sei o que fazer, quando comentei com a minha mãe sobre o ocorrido, ela disse que ele ficou bravo porque me considera como uma filha."

Olha, pelo que tu falou, acho que ele não tá interessado em ti, é mais aquela atitude machista de achar que a mulher é propriedade e que ele tem algum direito de escolher com quem tu pode ficar ou não porque te considera como uma filha. Claro que isso é uma merda, inaceitável e você deveria explicar pra ele o problema desse pensamento e etc. Mas de qualquer forma é bom ficar de olho, sabemos que infelizmente temos que desconfiar até de nossos familiares nessas questões de abuso .-.

WICKED WOMAN disse...

Muito obrigada pelo conselho anônimo das 14:36, fiquei mais tranquila agora :)

Rodrigo disse...

"So o fato de adicionar um menor - meu aluno - no facebook poderia gerar um grande problema pra mim. a) pais dele poderiam implicar, e dai iniciar toda uma investigacao pra saber se eu sou uma pedofila. b) se isso acontece eu provavelmente nao conseguiria emprego ate provar por A + B a minha inocencia. c) se o menino resolve pirar e fantasiar alguma coisa sei que a probabilidade deu ser considerada culpada ate que se prove o contrario seria enorme!"

Sejam bem-vindos ao mundo do feminismo onde todo mundo é culpado de crime sexual até que se prove o contrário.

Anônimo disse...

Nossa, isso pra mim é quase uma história de terror... o cara devia ter deixado muito claro que não tinha nada entre eles e ponto final, ainda ficou de provocação com "Tenta (me conquistar)"?

Ridículo.

No mais, amiga, sei que é difícil a gente ser carente mesmo na idade adulta, quanto mais na adolescência. Eu falo isso pq também tive adolescência desestruturada, família desestruturada, e tenho tendência a atrair homens ruins pra minha vida, que se fazem de "santos" e depois se transformam em demônios do nada - aliás, transformam não, demonstram quem sempre foram.

Acho que a única forma de evitar isso é não começar um relacionamento já amando, e sim de forma racional; se ele servir, bem, se não servir (se for machista, abusivo, etc), homem no mundo não falta.

É a única forma de achar alguém legal: colocar seus parâmetros, não se apaixonar logo de cara e dispensar o cara e/ou deixá-lo ir embora se der encrenca (maus tratos, etc).

Namorei três caras abusivos (pois é, foram necessários três pra eu aprender a lição) e depois de internamente me dar um "basta" nisso, já dispensei mais uns 2 ou 3 que queriam namorar mas eu considerei abusivos e sem respeito...

Ao menos eu soube dizer "não" e preferir ficar sozinha a ficar com homem que não vale nem o chão onde pisa.

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Anônimo das 22 horas, já conheci alguns homens assim também, aguentando relacionamentos abusivos, sofrendo demais por paixões platônicas ou que não deram certo, principalmente adolescentes.
Mas acredito que no geral, é mais um condicionamento dado às meninas que aos meninos. Mesmo porque homem também tem aquela criação machista de não poder demonstrar sentimento, de não poder desculpar pisada de bola de mulher, ainda que goste dela.
Acho os dois extremos bem prejudiciais.
Abçs.

Anônimo disse...

Querida, o que você chama de amor eu chamo de cisma.

Anônimo disse...

Querida,

te entendo completamente e quase chorei com seu relato.
Tive um caso parecido, não tinhamos grande diferença de idade mas sofri muito nas mãos de ex namorado machista, passei anos vivendo atras dele, pensando nele em todos os dias, até emprego eu perdi por não estar bem emocionalmente.
É dificil esquecer, é muito dificil esquecer, eu não esqueci totalmente, volta e meia me pego lembrando dele e imaginando como seria se estivesse com ele hoje.
Uma dica?
realmente para de segui-lo na internet, e nao entre numa relação de violencia para esquecer ele, existem caras legais, acredite e vc merece um, as vezes é bom estarmos sozinhas pra olharmos pra nos mesmas, pense nisso!

Anônimo disse...

De tanto trabalhar e ver na prática as coisas acontecendo, não acredito mais em relacionamento entre pessoas com grande diferença de idade. A pessoa mais velha é, na maioria esmagadora dos casos, traída constantemente.

Adriana disse...

Lola, meu último relacionamento foi com uma homem 10 anos mais velho que eu, tenho 20 anos. As vezes tenho o sentimento de ter sido enganada e induzida a fazer coisas que normalmente não faria para tentar agradar a um homem. Fico imaginando se a idade dele, ainda que eu já seja adulta, tenha feito com quem eu me apegasse fortemente a ele. Alguns dias depois que nós terminamos, ele começou a namorar com uma moça mais velha que eu, o que eu indica que ele matinha um relacionamento sério com duas mulheres. Ele sempre diz que gosta de mim, e que a gente pode dar certo no futuro. Não sei se ele diz a verdade ou se é uma maneira de me manter amarrada a esse sentimento. Gostaria da sua opinião se essa diferença de idade pode ter me influenciado mesmo, ou se isso é coisa da minha cabeça...

Letícia disse...

O problema da N. creio eu que só muita terapia pode resolver. Infelizmente ela parece ter propensão a se apegar à relacionamentos abusivos(Só eu me preocupei quando ela disse que o namorado chega a agredir fisicamente?).
O caso do professor é bem óbvio: ele é sim um canalha. Eu chamaria de pedófilo também. Infelizmente esse "tipo" de "profissional" é bastante comum e representa um perigo pra garotas confusas e em formação. É inadmissível que professor e aluna mantenham contato fora do ambiente escolar, a menos que seja uma emergência.
Enfim, espero que você possa se livrar desses amores abusivos, N, e finalmente valorizar sua autoestima e seu bem-estar. Boa sorte :)

Anônimo disse...

Uma dessas ''real housewives of..'' (do reality show) e marido lançam livro basicamente defendo estupro no casamente, a submissão da mulher (que não pode nem usar o banheiro), etc e criando os filhos da mesma maneira, triste.

Uma das passagens, escrita pelo marido:

Men, I know you think your woman isn't the type who wants to be taken. But trust me, she is. Every girl wants to get her hair pulled once in a while. If your wife says "no," turn her around, and rip her clothes off. She wants to be dominated.

http://jezebel.com/real-housewife-melissa-gorgas-new-book-advocates-mar-1371722729

Anônimo disse...

As pessoas não tem ideia de como o relacionamento entre professores e alunas (menores em sua maioria) é comum. Eu tenho 17 anos e desde do meu nono ano é o que eu mais vejo. Conheço uma garota que inclusive transou com um professor em troca do gabarito de uma prova... Só me pergunto como um professor pode ser tão anti ético...

Anônimo disse...

Homem agressivo não se emenda! Tive essa experiência, há cinco anos ele entrou na minha vida e então foram gritos, violência física (mesmo quando eu estava grávida), pedofilia (ele mexeu com minha filha, que tinha só sete anos), apropriação indébita (ele brigava comigo e saía com minha moto, mesmo sem eu permitir) e outras formas de violência e humilhação. A gente se separava, ele me chamava de puta pra todo mundo e dizia que a culpa era toda minha. Depois se arrependia, chorava, dizia que ia mudar. Passei por cima dos meus sentimentos, da minha auto estima e até mesmo das minhas crenças (porque perdoei até a pedofilia), dava um tempinho e tudo ficava ainda pior. E ele era sempre a vítima, o cara coitadinho que era obrigado a me suportar. Se você conhece um homem assim, FUJA DELE! São homens que têm aversão por mulher, se sentem pequenos e precisam se auto valorizar humilhando e subjugando os outros. Essa doença NÃO TEM CURA!