sábado, 18 de maio de 2013

FEMEN UCRÂNIA ROMPE RELAÇÕES COM FEMEN BRAZIL

O Zero Hora publicou hoje uma declaração da líder do Femen Ucrânia, Alexandra Shevchenko: 
"Não temos mais Femen Brazil. A pessoa que nos representava, Sara Winter, e que tem sua própria conta no Facebook, o Femen Brazil, não faz parte do nosso grupo. Tivemos muitos problemas com ela. Ela não está pronta para ser líder. É uma pena, mas essa decisão faz parte do nosso crescimento como movimento honesto. O Femen Brazil não nos representa".
Sara, por sua vez, citou desacordos financeiros com a Ucrânia, disse que seguiria com os protestos no Brasil, e se defendeu: "Elas queriam que eu contratasse um helicóptero para desenhar um símbolo do Femen no Cristo Redentor. Como iria fazer uma coisa dessas? Queriam que eu encontrasse uma cruz de madeira no Rio ou em São Paulo e serrasse, como elas fizeram em Kiev. Elas tinham muitas ideias absurdas que foram nos distanciando".
Uma matéria do Uol diz que o Femen Br ainda não está sabendo do desligamento, e que prosseguirá com as atividades. Diz Sara: "Não assinamos nenhum contrato, usamos o nome porque nos identificamos com as ideias. Vamos continuar trabalhando, independente de qualquer mudança no nome do nosso grupo".
Já esta notícia do G1 indica que o motivo da discórdia foi financeiro. Alexandra diz que Sara não pode mais usar o nome Femen, e Sara diz que vai continuar a usá-lo. Ish.

Em outubro do ano passado, Luma, uma universitária em SP, me enviou este relato, que não publiquei antes por pena da Sara:
"De julho pra agosto entrei em contato com o Femen por email e me convocaram para uma reunião, fui até o local e no mesmo dia chegou a produção da RedeTV para fazer uma matéria (ninguém me avisou). Fiquei assustada, mas encarei e já fiquei com várias questões na cabeça. 
Fiz uma foto com os seios pintados, publiquei, pois o movimento acredita que é bom para lidar com a reação de familiares e amigos. A Bruna [então número dois do grupo; ela saiu em setembro, fazendo várias críticas] e a Sara queriam muito que eu ficasse e começaram a entrar em contato comigo, mas desde o início eu disse que seria importante para o Femen entrar em contato com outros coletivos, que eu tinha como marcar encontros e tal. A Bruna achou interessante, mas a Sara fingiu que não me ouviu. 
Na semana seguinte, me informaram que elas participariam do Superpop e me chamaram para acompanhá-las, e fui apesar de discordar de tudo. Chegando lá fiquei sabendo que o movimento tinha assessor de imprensa e até mesmo fotógrafo. Fiquei encucada com tudo isso e, convivendo com as meninas, vi que o foco era ter mídia, não lutar. Ouvi várias coisas, como uma empresa de cerveja querendo fechar um contrato com o Femen, e a Sara aprovando a ideia. Ela me disse que a Playboy havia oferecido um cachê de 30 mil reais pra que ela posasse nua, mas que ela só posaria daqui a oito anos. 
No dia seguinte, depois da participação no Superpop, a Rede Record passou o dia conosco. Já comecei a ficar bem mais na minha e vi que não era o que eu queria pra mim. O movimento estava perdido e parecia uma espécie de diversão da Sara, que muitas vezes me irritava questionando o corpo de algumas garotas e até o seu próprio. Ela falava muito sobre magreza. 
Uma vez quando estava no hotel com ela e a Bruna, Sara contou que uma das meninas da Ucrânia havia falado que parecia que ela estava grávida, pois num protesto a calcinha que ela usava estava muito apertada. Sara sempre queria que para as fotos as meninas estivessem maquiadas (como se alguém fosse obrigado a usar maquiagem, né?). Comentou certa vez que estava chateada em relação às garotas da Ucrânia, pois elas colocavam na página só as meninas brasileiras que elas consideravam bonitas. Disse que as ucranianas faziam considerações acerca dos corpos das brasileiras que entravam pro Femen.
Sara usava termos racistas como se fossem brincadeira. Por exemplo, logo no primeiro dia ela já soltou essa (não lembro exatamente qual era a conversa): 'Ah, mas isso é coisa de preto!' E eu olhei assustada pra ela e ao mesmo tempo indignada. Percebendo isso, ela já veio dizendo, rindo: 'Não liga não, é que meu pai é 'preto' e minha mãe fala assim, de vez em quando eu falo assim também!' 
Mais tarde, no mesmo dia que a Record passou conosco, tenho outra surpresa: elas me informam que haveria um ensaio fotográfico. Fui junto com elas, mas ninguém me avisou que eu também iria participar. Na hora que a Sara 'mandou' que eu fizesse as fotos, eu não quis. Era um ensaio nu, com um fotógrafo que eu nem sabia quem era e elas não souberam me explicar o motivo do ensaio, então eu me recusei. Nessa a Sara rasgou o verbo e depois fingiu que me compreendeu, para que eu continuasse no movimento. As outras meninas também não queriam fazer, mas obedecem a Sara como ninguém e fizeram. 
No dia seguinte seria meu primeiro protesto, e Sara me informou que o objetivo era ser presa. Ela ligou para várias emissoras para que eles cobrissem. Me recusei a participar e mandei uma carta ao movimento e publiquei no meu blog. Está um pouco doce porque não quis que parecesse um ataque pessoal. Quero deixar claro que minhas críticas são em relação ao Femen, e não diretamente a Sara, mas se ela é a porta-voz do movimento, deve no mínimo ter coerência no que diz e não ficar mais utilizando uma luta séria para questões pessoais.
Se entrei no Femen era porque queria ajudar a construir o movimento, mas percebi que com a liderança da Sara é impossível. Ela tem muito a aprender e espero de coração que aprenda. Não vou ficar atacando ninguém. Desejo que ela amadureça e não use o nome do feminismo para diversão, ganhar mídia e quem sabe ganhar um dinheiro. 
Não me arrependo de ter saído e hoje vejo que não se encaixa com meu jeito de fazer militância. Quem permanecer deve tomar muito cuidado, o Femen está perdido, tem muita gente mal intencionada visando ganhar mídia e dinheiro usando o nome do feminismo. Não é de agora que o Brasil sabe o que é feminismo, a luta é antiga, é de todos os dias. Só quero que Sara e as outras garotas aprendam."

Em novembro uma outra ativista do Femen, a Sabrina, que levou a Sara para Belo Horizonte para vários protestos, me enviou um email: "Na primeira vez que vi o seu nome  [Lola] e visualizei seu twitter/blog, eu nem conhecia o Femen. Tomei conhecimento dos seus escritos graças a uma discussão que você teve com o Pablo Villaça, crítico de cinema, meu conterrâneo que adoro tanto. Naquele momento não tomei partido e comecei a ler o que você publicava no blog, e até hoje leio do mesmo jeito, seja críticas ao Femen ou outros assuntos. 
Gosto do seu blog, Lola, e espero um dia ver nele um post dizendo que o Femen adquiriu seu respeito. Se isso não acontecer, tudo bem, mas que eu vou lutar para que pessoas COMO VOCÊ nos deem mérito, eu vou. Digo você porque a sua crítica é diferente. A sua crítica ensina, capacita. Depois do protesto nas Lojas Marisa, eu percebi que existe muito lobo em pele de cordeiro no meio feminista. Meninas que se intitulam feministas melhores do que nós questionando o tamanho dos meus seios, o tênis que eu uso ou a cor da axila da fulana. 
É muito triste porque vendo esses comentários que algumas meninas plantam e os mascus curtem e colhem, dá a entender que nosso protesto só será válido se tivermos seios grandes, se estivermos descalças e desgrenhadas (de acordo com a lógica deles), sendo que em nenhum momento passa na cabeça deles que eu uso All Star porque eu gosto. E a gente não perturba ninguém, a gente faz do nosso jeito tentando melhorar sempre. 
Eu entrei no Femen porque acreditei na Sara, e com o tempo e convivência acredito mais ainda. Menina de coração bom, só precisa de apoio e instrução... sou um pouco mais velha do que ela e pretendo fazer isso."

Infelizmente, não tive mais contato com a Sabrina. Ou com a Luma. Meu único contato com a Sara eu já narrei aqui. Em outubro, ela foi assistir uma mesa em que eu palestrei, numa organização da Marcha das Vadias SP. Conversamos depois da palestra, uma conversa tensa, mas produtiva. Sugeri que o Femen Br desse um tempo pra se reestruturar, e que ela, individualmente, procurasse aprender mais não só de feminismo mas de História, de movimento estudantil, de lutas da esquerda.
Minha sugestão não foi aceita. 
O Femen Br não saiu da mídia. E continuou fazendo as piores besteiras, como homenageando uma grande inimiga do feminismo, Margaret Thatcher. Já o Femen do resto do mundo conseguiu fazer pior: promoveu um topless jihad day, fazendo com que várias feministas islâmicas respondessem que o Femen não as representa e nem elas querem ser "libertadas" por um grupo de mulheres magras e brancas que precisam tirar a roupa para ser ouvidas. 
Assim que escrevi sobre o Femen pela primeira ou segunda vez, algumas feministas brasileiras já me alertaram que o Femen seria um grupo de inspiração fascista disfarçado de feminista. Cada vez mais há provas disso, o que parece indicar que o Femen Ucrânia originalmente aceitar ser representado por Sara (com seu recente passado neonazista e sua tatuagem da cruz de ferro) não foi mera coincidência. O Femen Ucrânia sabia exatamente o que estava fazendo ao "contratar" Sara. Assim como sabe que a página do Femen do Reino Unido, só pra ficar num exemplo, é administrada por um membro de um grupo de extrema direita.
Eu mantenho o que já disse várias vezes: pra mim, o fracasso do Femen é internacional, não só brasileiro. Não foi o Femen Br que inventou a imagem da linda moça segurando testículos sangrentos, nem a tal do "islamismo mata gerações". 
As declarações que tenho visto da Alexandra não são muito melhores que as da Sara. O Femen é um movimento midiático que depende demais de suas lideranças. É um movimento hierárquico, nada horizontal, nada democrático.
Pra mim, individualizar o problema do Femen na figura da Sara é um erro. 
Claro, Sara deve ser responsabilizada por suas ligações neonazis e pelo seu desconhecimento sobre feminismo(s). Mas nem ela, nem ninguém, tem a permissão de tirar a blusa, por uma guirlanda de flores na cabeça, chamar a imprensa e sair gritando que é do Femen. O Femen é uma marca, e foi essa marca que autorizou Sara a abrir uma franquia no Brasil. Alexandra dizer "o Femen Brazil não nos representa" equivale a lavar as mãos para todas as asneiras que o Femen tem feito em todo o mundo. Só trocar a líder brasileira não limpa sua barra.
Agora podemos ter umas questões interessantes. Se Sara promover protestos sem estar ligada ao Femen, a mídia lhe dará destaque?  E, se ela continuar fazendo seus protestos com a marca registrada do Femen (seios de fora, flores na cabeça), o Femen Ucrânia irá processá-la? E será que, a essa altura, o Femen tem salvação?

94 comentários:

Patty Kirsche disse...

Não acho que o Femen tenha salvação. Mas acho triste que muitas meninas estejam vendo o Femen como uma chance de fazer uma mudança devido à visibilidade na mídia. Gostaria que esse pesadelo acabasse, sem brincadeira. Fico impressionada porque as pessoas não têm informação sobre política e não compreendem coisas muito simples. E o Femen vira meio que uma cara do feminismo na mídia. Isso é horrível.

Sara disse...

Este com toda certeza foi um dos posts mais lamentáveis q eu ja vi aqui, sororidade ZERO.
Enquanto ficarmos lutando umas contra as outras , todos os pontos vão para o MACHISMO, que alias foi o único q ganhou com essas armações todas.
Na matéria do UOL declarou q o motivo das Ucranianas romperem com o FEMEN BRASIL foi porque as brasileiras não concordavam com a postura anti -islã do FEMEM europeu.
Eu justamente apoio o FEMEN pq considero q é o único grupo feminista que tem a CORAGEM de enfrentar e denunciar a crueldade e injustiças que a mulher islâmica é submetida, NUNCA vou aceitar o machismo gritante e infame dessa religião.
Acho q essa garota q escreveu esse post uma tremenda traira, e com esse discursinho q estava cheia de boas intenções, me pareceu bastante obvio qual era a intenção dela.
Acontecimentos como esse tornam cada dia mais dificil lutar pelo feminismo, é uma vitória da desunião , da deslealdade e do MACHISMO.

Anônimo disse...

Intrigante, será que na cabeça dessa Alexandra a Sara fez pouca besteira para os padrões Femen?
Acho ótimo que estejam se desestruturando e em crise, BTW. Só temos a ganhar.

Também tenho a sua curiosidade, vamos ver se uma feminista por si só vai fazer aquele auê todo ou se a mídia vai simplesmente tratá-la como modinha passageira, e, lógico, se o Femen ridículo vai tentar processar ou quem sabe até achar uma nova manequim brasileira (vamos torcer que não!!!)

Achei muita coisa nesses relatos perturbadora...

Anônimo disse...

Sara, quanta arrogância.

Sério, desde quando qualquer grupo foi nomeado libertador das mulheres de que lugar que seja? Feminismo é sim lutar contra a opressão, mas a gente tem que ter muito cuidado quando tentamos combater formas de opressão que não nos atingem. Lutar contra algo que oprime o outro e não a nós só faz sentido SE E SOMENTE SE esse outro é contemplado nessa luta! Só faz sentido você querer lutar ao lado das mulheres islâmicas contra a opressão que ELAS sofrem (que é inegavelmente diferente da opressão que nós sofremos aqui) só faz sentido a partir do momento em que paramos pra ouvi-las e entender o que elas pensam sobre aquilo! Só faz sentido a partir do momento em que entendemos muito bem entendido todo o contexto daquele tipo de opressão, todas as suas especificidades, todos os seus detalhes! E o grande desmérito do FEMEN nessa área é justamente "lutar pela libertação das mulheres islâmicas" com um conhecimento extremamente superficial sobre que seja a cultura islâmica, que dizer sobre suas formas de machismo e opressão! É querer dar voz às mulheres islâmicas sem antes ter sequer tentado ouvir essa voz, sem sequer ter-se feito um mínimo esforço pra ouvi-las e compreendê-las.

E o que acontece, e já aconteceu, são as próprias mulheres islâmicas reagindo e dizendo ao Femen: "você não me representa". Porque é impossível você lutar pela demanda de alguém sem conhecer essa demanda a fundo.

Zac disse...

Olha, a Sara respondeu! Pois então deixe-me responder a VOCÊ, Sara.

Falta de sororidade? Linda, Não estar do seu lado por causa do seu método falho de miliância, dos seus atos, do que você fala, não é falta de sororidade. Não estamos contra você porque é mulher. ISSO É MACHISMO. Estamos contra o que você FAZ. Você não está sabendo guiar um grupo que aparece na mídia, não está sabendo representar uma ideologia e se recusa a dialogar e aprender. E vem espernear que não estamos do seu lado? Menina, cresça, pelo amor de todas as moças que realmente precisam do feminismo para sobreviver!

Sara disse...

anonima 20.36hs, então o FEMINISMO é inutil para a maior parte do mundo, pois todas as sociedades são produtos do patriarcado, e em todas as mulheres são culturalmente desprezadas como inferiores e ACREDITAM nessa estupidez q nos é dita a MILÊNIOS, se vc acha por bem se conformar com isso, o problema é seu, eu da minha parte vou lutar com as unhas e dentes contra essa realidade imunda.

lola aronovich disse...

Gente, a Sara de cima NÃO É a Sara Winter! É outra Sara, comentarista frequente e antiga deste blog e muito gente boa, apesar de algumas discordâncias irreconciliáveis sobre islamismo (que pra mim é uma religião tão machista como todas as outras, e não compartilho dessa visão colonialista de que precisamos salvar as pobres mulheres islâmicas -- elas são fortes o suficiente para se salvarem sozinhas) e sobre o Femen. Aliás, a Sara esteve na palestra em que eu e Sara Winter concordamos.
Espero te ver novamente na quinta, querida Sara! Vc vai pra USP? Leve chocolate pra eu te perdoar por vc ter criticado tão asperamente um post meu. Ha ha, brincadeira! É só vc me levar prum rodízio depois que tudo fica perdoado!

Zac disse...

Ah, desculpe Sara-não-Winter. :( pela foto e pelo nome, é de se enganar mesmo. Embora que não retiro o que eu digo, esse post não é falta de sororidade, é uma crítica a uma organização que não está sabendo o que está fazendo.
Enfim.
O feminismo veio para libertar as pessoas para serem quem elas quiserem e se expressarem como quiserem. Se mulheres decidem por livre e espontânea vontade seguirem o código de vestimenta islãmica, azar o delas, é como se sentem bem, é como se expressam e ninguém tem direito de dar pitaco, assim como não temos direito de rechaçar mulheres ocidentais que vestem roupas curtas.

Anônimo disse...

A moça (Sara) ali em cima já começou com um equívoco. Tudo o que o Femen (nem o daqui, nem o da ucrânia) não é é feminista.
Sororidade sem crítica não é sororidade, Sara.

Sara disse...

Lola querida sempre vou respeitar nossas diferenças (e pra ser sincera questiono-me muito qdo elas aparecem, pois sou franca admiradora do modo como vc pensa ), mas nesse quesito de religião , minha tolerância é zero, me desculpa, a religião é uma das ultimas trincheiras onde o machismo domina e a islâmica pode não ser melhor nem pior q as outras mas certamente é a q mais influência tem na politica de muitos paises e de grupos praticantes, na atualidade nenhuma outra exerce o poder q ela exerce, portanto ela é minha inimiga.
Não é a primeira vez q me confundem com a Sara Winter, tem alguns até q nem confundem, mas ACHAM q estão me ofendendo me trocando por ela (lamento mas não me sinto ofendida por isso).
Lola quero muito te ver novamente
e creio q não deve ser só eu, em qual campus vc vai estar aqui em São Paulo, agora temos a USP LESTE, alem dos outros, terei o maior prazer em te ver e aprender mais com vc, e contar com sua companhia p um almoço só me deixaria feliz.

Anônimo disse...

Sara, eu não disse que devíamos nos conformar. Presta bem atenção no que eu disse: "(...)você querer lutar ao lado das mulheres islâmicas contra a opressão que ELAS sofrem (...) só faz sentido a partir do momento em que paramos pra ouvi-las e entender o que elas pensam sobre aquilo!"
O que eu tô dizendo NÃO é "ah, deixa tudo como está porque a gente não é de lá". Pelo contrário, acho que devemos sim lutar pelo fim da opressão em todos os lugares - com a condição de que a gente faça o óbvio antes: se INFORME. CONHEÇA a causa pela qual estamos lutando.
Que o machismo oprime mulheres na maioria das sociedades, isso não é novidade. Que as islâmicas vivem em uma sociedade patriarcal, e, portanto, também sofrem opressão machista, isso também está longe de ser novidade.
Agora, querer lutar contra o machismo islâmico SÓ com essas informações e mais nada, que é o que o Femen parece fazer, desculpa, isso é uma luta bem vazia, pra dizer o mínimo.
Ah, e nada representativa das mulheres por quais se está lutando.

Jak disse...

Acho que nessa questão do Islã, o buraco é mais embaixo. Só um exemplo, mas imagina se uma cultura que é considerada mais avançada, onde as pessoas andam nuas nas ruas, viesse lutar pelos nossos direitos de andar nus também. Provavelmente acharia desconfortável, e de difícil adaptação.
As mulheres Islâmicas precisam sentir-se representadas pelo feminismo, do contrário será só mais uma violência contra elas.

Anônimo disse...

Em todo santo post de femen, a Sara (dos comentários) vem falar e falar.. se bem me lembro no último ela e mais algumas meninas se orgulhavam de serem islamofóbicas.. tsc

Sobre o post, parabéns, Lola! Vc, como sempre, muito coerente.. Talvez o feminismo de umxs só venha a ficar assim com o tempo. E fico feliz q finalmente se posicionou aqui nos comentários -do seu jeito- ao dizer q não concorda com essa mania q alguns/algumas têm de achar q precisam salvar as ''pobres'' muçulmanas a força.

essa maneira de pensar sempre me lembra dessa imagem:
http://24.media.tumblr.com/2256860f5aa90f494467896c19e0d8bc/tumblr_mgkdqqxXAe1qkmjtto1_500.jpg

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Na altura em que as coisas são, até me pergunto se esse desligamento da Sara também não é mais uma forma do Femen da Ucrânia chamar mais a atenção aqui do que a própria Sara.

A questão é que mídia essas moças até conseguem, mas parecem não conseguir nada com isso além de visibilidade pessoal ou melhor, visibilidade da nudez do grupo, mas parece não alterar nada, o que fica em foco são somente os seios, não as ideias, coisa que um movimento como Marcha das Vadias já consegue, porque todo uma discussão é criada.
No caso do Femen fica só naquela coisa "olha só aquele bando de garotas com os seios de fora". E pára por aí.

Confusa toda essa história de Femen. Desde o começo.

Anônimo disse...

Só uma questão, se o Femen ucraniano é ligado ao nazismo ou fascismo, como que eles aceitam uma mulher visivelmente mestiça como a Sara Winter?

Iara Sindrominha disse...

Não vou defender ninguém porque não conheço nenhuma das meninas,apenas pela televisão..

Mas gostaria de dizer uma coisa que eu levei decádas para entender e aprender,temos que ter paciência com todos,especialmente com nós mesmas.Estamos todas em um período de construção e erros serão cometidos no caminho,o que importa é continuar tentando acertar...
E leva tempo e muito controle escapar do que aprendemos uma vida inteira...eu por exemplo,cresci em uma casa onde se considerava judiar de um animal a pior coisa que alguém pode fazer...então eu ainda me pego usando o mesmo vocabulário que meu pai usava,e as vezes isso é constrangedor...mas estamos todas tentando melhor e cada caminho é uma decisão.Eu apoio qualquer tentativa de mudar o sistema,mesmo que comece cheia de erros,mas se começasse cheia de acertos ia ser uma maravilha né?E fico triste de ver isso da Femen,porque as mulheres acabam detonando as mulheres e os mascus se divertem.Mesmo com seus erros,a Femen levantou questões e só por já valeu a pena.

Sara disse...

anon 23.07hs sem nome (tsc)

minha islamofobia é apenas sintoma ou efeito colateral da minha MACHISTOFOBIA E MISÓGINOFOBIA.
Sorte a sua não ser portadora de tantas fobias como eu...meu caso é incuravel ...

L. G. Alves disse...

É tão mas tão ridículo essas mulheres mostrando os peitos para protestar. Precisa isso? Está claro, ao menos pra mim, que não é algo sério e não, não me representa. Tenho é vergonha alheia.

Carlos Rodrigues disse...

Não vou mentir: Primeira vez que leio sobre o Femen e é a primeira vez que me desaponto tanto com as mulheres.

Aaa tudo bem que elas estão tomando a iniciativa de fazer movimentos escandalosos que realmente dão um tapa na cara da sociedade etc... Mas extremismo nunca resolve nada!

Você ferir os valores dos outros é invadir de forma absurda o espaço de liberdade dos mesmos! E isso é anti-ético!

E que foto é essa em que uma mulher está segurando testículos, como se tivesse arrancado-os de algum homem? Vocês agora se julgam superiores aos homens? Onde está a igualdade de gênero que o FEMINISMO prega?

Me sinto idiota defendendo o feminismo e as mulheres vendo que muitas delas chegam ao extremismo de pularem as ideologias feministas buscando o prazer própio.

Isso só mostra que o humano é um ser egoísta.

Desculpem-me, mas me desapontei muito com vocês...

Jak disse...

Carlos rodrigues

Desapontou muito com quem, cara pálida?
Com as mulheres? Está generalizando?

Anônimo disse...

Sara disse...
anon 23.07hs sem nome (tsc)

minha islamofobia é apenas sintoma ou efeito colateral da minha MACHISTOFOBIA E MISÓGINOFOBIA.
Sorte a sua não ser portadora de tantas fobias como eu...meu caso é incuravel ...

--
Oh, bom pra vc! pelo menos sente orgulho da própria ignorância e preconceito.

GHOULS IAMHOME disse...

FEMINISTAS QUE APOIAM O ISLÃ SÓ QUEREM MISCIGENAR O MUNDO

Anônimo disse...

Carlos Rodrigues disse...
Não vou mentir: Primeira vez que leio sobre o Femen e é a primeira vez que me desaponto tanto com as mulheres.

Aaa tudo bem que elas estão tomando a iniciativa de fazer movimentos escandalosos que realmente dão um tapa na cara da sociedade etc... Mas extremismo nunca resolve nada!

Você ferir os valores dos outros é invadir de forma absurda o espaço de liberdade dos mesmos! E isso é anti-ético!

E que foto é essa em que uma mulher está segurando testículos, como se tivesse arrancado-os de algum homem? Vocês agora se julgam superiores aos homens? Onde está a igualdade de gênero que o FEMINISMO prega?

Me sinto idiota defendendo o feminismo e as mulheres vendo que muitas delas chegam ao extremismo de pularem as ideologias feministas buscando o prazer própio.

Isso só mostra que o humano é um ser egoísta.

Desculpem-me, mas me desapontei muito com vocês...




Nossa, voce por acaso leu o texto? alguém aqui defende isso? Femen nem é feminismo pra começar. No post de funk foi a mesma coisa. Tinha meninas perdidas falando em vulgaridade, etc etc e veio um garoto dizer ah é por isso que eu não gosto do feminismo no Brasil! como se elas fossem feministas

desde quando o femen representa a voz feminista? desde quando? os zilhares de ótimos posts da lola e de outrxs, os zilhares de comentários de pessoas feministas não valem nada então porque alguém decidiu lançar uma foto dessas e botar a tag de feminismo? Não se desaponte conosco porque isso não tem nada a ver com a gente

Anônimo disse...

Essa Carlos Rodrigues é troll, é logicamente impossível uma pessoa que defenda o feminismo como ele diz ser tão desinformada sobre o assunto...

E eu entendo quem confunde a Sara aí de cima com a Winter porque eu pelo menos só a vi comentar quando tem post sobre o Femen rsrs (isso não é uma crítica)

Mas a Sara usou de tantos adjetivos pra expressar sua indignação... até agora não mostrou nada que "limpe a barra" do Femen; vários posts pela internet, ao contrário, dão evidências que esse Femen além de duvidosíssimo parece querer só bagunça sem reflexão. Se a colega quiser dar mais detalhes vamos agradecer, porque simplesmente dizer que isso causa desunião e que é contra religião opressora não muda nada o fato de uma organização ter sua seriedade questionada.

Rodrigo Antonio Toso disse...

L. G. Alves, as críticas que o feminismo, de forma geral, costuma fazer ao Femen não diz respeito ao uso dos seios em seus protestos, mas sim ao posicionamento de extrema direita que parecem tomar.
O corpo de uma mulher pertence somente a si mesma, e mulher nenhuma deveria ser criticada pela forma que decidir usá-lo.
Pra mim, dizer que uma mulher protestando com os seios de fora não é algo sério é o mesmo que dizer que o direito que essa mulher tem sobre si mesma não é algo sério.

Thomas disse...

Curioso notar que constantemente vejo a Lola criticando religiões cristãs...e isso nao é errado tambem ? Ou criticar o Cristianismo é ''politicamente correto'' ?

Thomas disse...

Uma vez vi um post neste blog, criticando um grupo de mulheres evangélicas. Por acaso, cara Lola, não lhe veio a idéia de que seu feminismo também não as representa ?

Dri Caldeira disse...

Meus sais, se mesmo diante do "ah! Mas é isso é coisa de preto!" da Sara, vc continuou com pena dela Lola, não se pode criticar a Sara, que mesmo sendo escrota, teve teu respaldo

Julia disse...

Deixa a L.G.Alves falar, afinal a maior parte da crítica que o Femen tem é pelo fato delas mostrarem os seios. E eu tenho muita vergonha alheia de quem questiona isso como se tivesse alguma importância.

Fora isso,
cortar cruz tá ok pra mim.
Topless jihad day tá ok pra mim.

Nada contra, muito pelo contrário.


Concordo com tudo o que a Sara disse aqui.
E termino meu curto comentário mandando o Carlos Rodrigues à merda.



Anônimo disse...

Carlos Rodrigues, vai aprender a interpretar texto antes de comentar.

Sara disse...

anon 1.00h
A SARA WINTER do FEMEN é tão caluniada q sinceramente fica dificil focar em um único ponto para fazer alguma defesa, mas vou tentar.
Conheci essa garota na primeira Marcha das Vadias em 2011, só por ai ela ja fez muito mais q muita" FEMINISTA" q diz q apoia o feminismo mas não levanta a bunda da cadeira do computador.
Na segunda marcha la estava ela apoiando as causas feministas tb.
Em uma palestra na Rosa Luxemburg, q inclusive a Lola estava , tb estava a Sara, q enfrentando a franca hostilidade de muitas feministas q estavam ali, disse com todas as letras que reconhecia sua inexperiência, e q estava ali JUSTAMENTE para aprender mais, portanto só por essa atitude de humildade tudo o q falam sobre prepotência , racismo e todos outros adjetivos q usam para desqualifica-la, pra mim pelo menos cairam por terra.
Depois dessa palestra fui procurada pela Sara no Facebook, ela me agradeceu o apoio, e me convidou para participar do grupo do FEMEN, inclusive ela me disse q o convite havia partido do FEMEN INTERNACIONAL, nesse momento mais uma grande mentira dita até a exaustão sobre o FEMEN tb ruiu, embora eu tenha auto estima la nas alturas, tenho plena conciência de que não pertenço ao padrão de beleza estabelecido e tão preconizado por quem critica o FEMEN dizendo q eles só aceitam mulheres q estejam estritamente dentro dos padrões de beleza, ja passei dos 50 anos, e de magrinha eu não tenho nada...
Tornei me amiga da Sara, e nunca em nenhum momento a vi defendendo NAZISMO ou RACISMO como insistem em falar tanto, até muito pelo contrário, semana passada soube q a Sara foi perseguida por um grupo neonazista e sofreu inclusive violência por parte desse grupo, qdo a policia foi chamada para protêge-la o que se viu foi mais machismo da parte da própria policia q deu a ela péssimo tratamento.
Como ela sabia o nome de um desses caras q a atacaram , ela publicou o nome dele, e eu fiz uma denuncia contra ele, pois ele mantem uma pagina de ódio no FB.
Eu n vou me estender mais, pois sei q estou perdendo meu tempo, pois a maioria aqui tem predisposição bem negativa com o FEMEN.
Eu só comparo o q falam do FEMEN com a velha história do" PEDRO E O LOBO", são tantas mentiras q se um dia eu escutar alguma verdade, infelizmente não vou acreditar...

disse...

Oi Lola!!!
Sei de nada não, mas senti um calorzinho gostoso e uma ponta de orgulho ao ler essas notícias.

ABRAÇÃO

Leila disse...

Bom dia, Lola!

Eu tinha lido a notícia sobre o desligamento do Femen e logo vim aqui conferir. Vamos ver o que vem pela frente.

Veja esse texto que li no blog do Sakamoto, não é dele, você pode usar aqui, muito bom:

“Por favor, use os comentários para demonstrar sua própria ignorância, a falta de familiaridade com dados empíricos e a falta de respeito pelo conhecimento científico. Certifique-se de criar falácias e argumentar contra coisas que eu não disse, nem impliquei. Se você puder repetir memes previamente desacreditados ou orientar a conversa para discussões irrelevantes e que fujam do tema, isso seria apreciado. Por fim, gentilmente renuncie a toda civilidade em seu discurso. Você está, afinal de contas, anônimo.”

Abraço
Leila

Rose disse...

O FEMEN está para o feminismo, assim como o Feliciano está para o Cristianismo (ou talvez o masculinismo para os héteros).
A minha desconfiança com o FEMEN surgiu quando vi a mídia dando apoio e cobertura ao movimento e se concretizou quando vi amigos notadamente machista (quase misóginos) aceitando o FEMEN numa boa. Eu não sou o que se pode dizer de uma "feminista acadêmica", realmente, não tenho aprofundamento teórico para criticar movimentos feministas, mas uma coisa eu sei: se agrada o machista, não é feminista.
OBS.: Não é por causa dos peitos a mostra, acho que se mostrar os peitos ainda é considerado um problema para algumas é porque a igualdade ainda está muito longe.

Leila disse...

Lola,

O texto que enviei do blog do Sakamoto foi uma brincadeira, ok? É que muitas vezes eu leio os comentários além dos posts e quando li esse texto aí pensei em alguns destes comentários. Abraço
Leila

Anônimo disse...

Sinceramente, não acho que o FEMEN Brasil vai prosperar nunca, aliás nem o FEMEN de canto algum...é muita desorganização, muita bobagem dita e feita, muito desconhecimento,a Sara parece uma adolescente deslumbrada, etc etc.
Claro que não se espera que um grupo seja 100% correto, um erro, uma bobagem, algo que seja contra os valores de alguma outra feminista podem ocorrer sempre. O legal é sempre tentar melhorar !
A Lola, por exemplo, fiquei muito triste quando a vi defendendo o John Lenon, um caro que era hipócrita até o último fio de cabelo, agressor (que a Lola cita como uma banalidade, fato corriqueiro) e que abandonou o próprio filho financeira e emocionalmente. Uma feminista defendendo um agressor,no caso ex esposa, mãe do filho dele,(WHAT?!).
Enfim, o feminismo não é um movimento homogêneo, tem várias nuances e cada uma segue aquele que a representa de acordo com seus próprios valores. Da minha parte eu digo: o FEMEN não me representa (embora acredito que o FEMEN esteja pouco se lixando se me representa ou não e o mesmo não se considera feminista).
E olha só: o Carlos Rodrigues (que não entendeu o que leu) está muito triste com nós mulheres ! Acho que vou comer um kilo de chocolate e chorar, chorar... (só que não). E o Thomaz Toddynho bem...devia voltar a tomar Toddynho , pois nada falando muita bobagem...
Bia

Anônimo disse...

Até que enfim acabaram com a festa dessa mulherzinha arrogante e ignorante chamada SARA WINTER.Sinceramente duvido que mulheres inteligentes,emancipadas e independentes se sentiam representadas por uma pessoa tão despreparada.FEMEM Brasil virou motivo de piada faz tempo.Essa mulher só queria mídia.Nunca realizou um protesto sério,não mostrou motivação real pra seus ataques histéricos e vandalismo praticados a exaustão.Mulheres sérias não precisam mostrar o corpo pra chamar a atenção e serem ouvidas.Vai trabalhar Sara.Tenha dignidade.

Anônimo disse...

Que loucura se aquela história do helicóptero fosse adiante, já imaginaram? "Femen tenta realizar maior vandalismo da história do Brasil"

ONDE isso ia fazer o povo se conscientizar? ONDEEEEEEEEEE? Ia ser uma queimação sem fim... Se la Winter estiver mesmo contra o machismo é uma grnd oportunidade p/ ela acordar na vida...

Liana hc disse...

O Femen poderia muito bem ser relegado ao ostracismo, mas a mídia convenientemente dá atenção a elas, é o tipo de feminismo de que gostam. É um circo, ou nem, porque não vejo graça nem arte naquilo.

Seria ótimo ver a Sara Winter caindo em si e mudando a atitude dela em relação a determinados temas que até agora tem sido conduzidos desastradamente.

E não entendi essa coisa da marca Femen. A Sara Winter pode continuar usando o nome sem permissão para tal? Pensei que o pessoal da Ucrânia tivesse direitos sobre a marca.

Thomas disse...

Opa. O Thomas que comentou aí não sou eu, hein.

Mas enfim. A Sara aqui dos comentários é o exemplo da força de uma ideologia que se baseia mais no emocional do que nos fatos.

Vejam, aparentemente a Sara Winter não conquistou ela com a força das ideias da ideologia. Conquistou ela pelo fato de ser famosa e, mesmo assim, se lembrar dela. Ir no facebook e mandar uma mensagem pra ela. Pedir pra ela fazer parte do Femen. Dizer que o convite partia do Femen Ucrânia.

Isso faz a gente se sentir especial, né? Quantas vezes a líder de um grupo famoso bate na nossa porta pedindo que ajudemos ela? Isso tem um poder emocional forte, e quando alguém é conquistado emocionalmente assim, não há FATOS no mundo que mudem a opinião da pessoa.

E isso é uma das grandes coisas erradas deste mundo. Há muitas pessoas que simplesmente não vão mudar de opinião mesmo, continuarão a defender ideias e grupos que mais prejudicam do que ajudam e assim atrapalha quem poderia gastar o tempo e energia tentando mudar determinada situação, mas que agora tem que ficar perdendo esse tempo explicando pros outros que, por exemplo, o Femen não representa o feminismo.

Afinal, o Femen é o grupo "feminista" mais famoso, e por isso é o que o cidadão comum vê sobre feminismo na tv. Enquanto o cidadão comum achar que o feminismo é o Femen, coitadas das feministas sérias que não querem se ver associadas com a Sara Winter.

A Sara não conseguiu refutar nada que a Lola disse, e tentou contar uma experiência pessoal como se isso tivesse algum valor para responder todas as críticas que o Femen sofre.

Mas se vamos dar experiências pessoais como argumentos, eu dou a minha. Conheço a Sara Winter antes dela fazer parte do Femen.

Conheci ela por amigo, que me pediu para arrumar um lugar pra ela ficar aqui em São Paulo. Eu acabei me recusando a ajudar a moça pois descobri que ela se envolvia com grupos skinheads neo-nazistas. Pouco tempo depois qual não foi minha supresa ao vê-la na Marília Gabriela falando de feminismo?

Mas enfim, parabéns para a Sara Winter. O carisma dela definitivamente conquistou mulheres que a seguirão até direto pro inferno. Por isso, melhor vocês se acostumarem. A Sara Winter não vai sair de cena tão cedo.

Dri Caldeira disse...

Não consigo entender, quem viu as fotos dela com os skinheads, a tatuagem, quem viu ela se referindo aos pretos como se referiu tem menos credibilidade do quem não viu. O Femen Ucraniano dá sinais claros de nazismo, racismo. E Sara Winter não foi uma idiota útil nas mãos do Femen matriz, pq se aproveitou do dinheiro, tenha sido pouco ou muito, enviado por eles.A pouca idade da Sara a isenta de toda responsabilidade, de não saber comandar o Femen Brasil, de não ~ver~ a maldade dos neonazistas...ah, me poupem.

Anônimo disse...

Ultimamente participar do programa da Gabi não quer dizer muita coisa ,levando-se em consideração o tipo de pessoa que ela vem dando espaço.Sara Winter vai permanecer na mídia enquanto proporcionar lucro aos interessados.Realmente o poder que ela tem de iludir pessoas menos espertas ainda do que ela é muito grande .Uma criatura imatura e com orgulho ferido pode se transformar num monstro difícil de se aniquilar,caso lhe dêem poder além do que ela possa suportar.Com certeza vai virar um mero fantoche.Essa história de ir contra ordens do Femem ucraniano tá cheirando a mentira,acho que se cansaram de ver as trapalhadas da Sara e resolveram rifá-la.No fundo acho que ela está adorando isso tudo,agora sim ,ela vai ter a mídia que sempre quis.Nasce mais uma subcelebridade inútil.

Julia disse...

Thomas das 12:40, pega um autógrafo da Sara Winter pra mim?
Brigada, gatinho.

:)

Julia disse...

Realmente é tanta coisa que falam do Femen e da Sara (tentando fazê-las ficarem quietinhas, bom, tentem de novo) que fica difícil acreditar. Daqui a pouco vão dizer que ela come criancinhas.

Luma, fazer fofoca é muito feio, viu
Aí fica difícil acreditar em você, traíra.

Anônimo disse...

Excelente notícia Lola.Menos uma oportunista se fazendo de feminista e acabando com a credibilidade de toda a luta pela igualdade da mulher.Espero que as outras ramificações do Femem também se dissolvam e desapareçam desse planeta.Que Sara Winter e suas seguidoras mentecaptas arrumem outra diversão e parem de fazer papel de bobas.Amadurecer faz bem.

Unknown disse...

Apesar de não comentar,sou leitor fiel do blog da lola e a admiro muito,mas na questão sobre islã,eu discordo profundamente dela.
Não há comparação entre e o islã e o cristianismo por exemplo.vc nã ve cristãos jogando ácido ou apredejando mulheres por aí entre outros horrores.
sou Islamofóbico e todo cidadão que conhece essa religião maligna a fundo também é.isso porque islã não é uma simples religião como as outras e sim, um sistema POLÍTICO que visa a dominação mundial com governo teocrático e aplicação da lei bárbara da shariah.ou seja,eles querem que voltemos a viver no século 7 como o profeta pedófilo deles.

Nós temos que ajudar as mulheres muçulmanas sim,porque ao qualquer descumprimento da shariah ela serão mortas.simples assim.ela não podem se ajudar sozinhas pq serão assassinadas assim como o pessoal de esquerda e os gays que tanto defendem essa maldita religião.
Por fim eu lanço um desafio:gostaria que alguma feminista ousasse protestar de modo veemente contra o corão ou os líderes islâmicos como vcs fazem contra o cristianismo e seus símbolos.se não sabem o que pode acontecer,pesquisem sobre o escritor do livro versos satânicos,o cineasta do filme submissão ou então o politico holandes geert wilders que vive ameaçado de morte na HOLANDA que é considerado o pais mais tolerante no mundo.


Teresa Silva RJ disse...

De onde vem o dinheiro do Femen para as suas ações e para os repasses para as filiais? Alguém sabe dizer? Qualquer coisa envolvendo dinheiro me deixa desconfiada. Como dizia o Garganta profunda de Watergate: Siga o dinheiro.

Anônimo disse...

"vi que o foco era ter mídia, não lutar"

Já prestaram mt atenção em como a Sara se comporta no Facebook? Então...dá pra perceber mt bem que ela gosta e faz de tudo pra aparecer.

Larissa disse...

"Não há comparação entre e o islã e o cristianismo por exemplo.vc nã ve cristãos jogando ácido ou apredejando mulheres por aí entre outros horrores."
Não, mas se vê padres estuprando crianças (sendo acobertados pelo próprio vaticano) e pregando contra camisinha, pastores estuprando fiéis, confiscando bens pessoais de pessoas que não pagam o dízimo (sim, eu já vi isso). A única diferença é que eles não têm respaldo da lei, se tivessem fariam tanto estrago quanto os muçulmanos malvados.
O problema não está no islamismo e sim no fundamentalismo religioso e falta da separação de Estado e religião. Fora o fato de que a cultura do oriente médio é machista desde muito antes de existir corão.
Existem mulheres islâmicas que moram no Brasil, você acha que elas são mortas por desobedecer a shariah? Lógico que não.
Colocar a culpa toda em islamismo é no mínimo ingenuidade, mude a religião de um povo machista é é praticamente certeza que ele vai continuar sendo um povo machista.

Paula disse...

Só uma observação:
Nem todas as mulheres islâmicas sofrem crueldades!
Eu tive oportunidade de conhecer diversas mulheres árabes, todas da Arábia Saudita, e elas tinham uma vida muito plena. Elas viajavam sozinhas, estudavam e tinham profissão. Quem acha que elas sofrem horreres saiba: elas NÃO SÃO ALIENADAS. A maioria segue tradições da cultura por própria opção. E os homens são extremamente respeitosos com as mulheres e protetores com as mulheres da família. Eu convivi com eles, ninguém me contou. Essas mulheres não precisam que alguém lhes diga como agir e como ser. No seu próprio tempo elas vão adquirir mais direitos, mas vai ser quando elas próprias estiverem prontas.
Existem exceções, sim! Eu vi sim os casos de jogas ácido no rosto por motivos ridículos. Todos que eu vi foram no Irã. Mas isso não tem relação com a religião. É tratar a mulher como mero objeto dispensável e a religião repudia esse comportamento.
Então, por favor, não falem em injustiças da religião. E quem somos nós pra falar disso? É só digitar algumas palavras no Google para saber a postura das religiões evangélicas, fundadas no Brasil, de que a mulher deve viver para apoiar o homem. Ácido no rosto? Pode não ter notícia ainda, mas com certeza tem que notícia que chega de violência no nosso próprio país.

Anônimo disse...

Tinha meninas perdidas falando em vulgaridade, etc etc e veio um garoto dizer ah é por isso que eu não gosto do feminismo no Brasil! como se elas fossem feministas


essa é boa,se eu achar uma roupa vulgar ,que marca extremamente o corpo ,que parece objetificar o corpo da mulher,eu n sou mais feminista...

e a sara acha que só pq encontrou sara winter algumas vezes já basta pra conhecer a garota,saber se o que dizem que ela faz é verdade ou não?
a gente n conhece totalmente nem uma pessoa que vive diariamente com a gente,quanto mais uma que se vê de vez em quando.

Igor P. disse...

Por favor, Lola, chega de groselha. se o femen tem salvação? Pára, cara. Femen tem mais é que se foder como um todo e desaparecer.

lontra assassina disse...

Sempre achei o "FEMEN" muito confuso, parece feminismo "pra inglês ver", já dei umas olhadas rápidas no facebook da Sara Winter e do FEMEN BRAZIL COM Z, mas além de desatualizados quanto a questões feministas, pouco explicam as críticas que já receberam, também vi a entrevista da Sara na Marília Gabriela e achei a garota bem perdida.Só o fato de não haver um diálogo bacana entre o FEMEN e outros movimentos feministas já deixa muito a desejar, e o pior de tudo é que esse é o feminismo vendido para as grandes massas :S

Anônimo disse...

Sempre desconfiei da proposta do Femen pelo simples fato de não existir a diversidade entre as mulheres do qual fazem parte. Não há mulheres de outras cores de pele e também não há mulheres gordas e feias.

O grupo usar a nudez como chamariz para as questões a serem debatidas é bem interessante, pois quebra as regras, isto é, a nudez feminina não seria usada para agradar aos homens, mas para chocar a todos, e para mim isso não é o problema do Femen.

O problema do Femen são os grupos conservadores e o racismo velado. E pra mim Racismo é imperdoável. Não dá pra mim, como mulher negra, me sentir representada por gente racista que acredita que eu seja inferior, não importando o rótulo de "feminista" que tentam usar.

Femen não me representa e mulher que se junta a essa corja são as verdadeiras TRAÍRAS do nosso gênero. São mulheres que flertam com o RACISMO e com a MÍDIA machista escancaradamente. Como levar a sério quem não se leva á sério, quem quer só aparecer pra levar um $?!

La Cucaracha disse...

Para a pessoa que assinou como Unknown, com quem compartilho a islamofobia por algumas das razões citadas, embora ciente de que parte dela tem origem irracional.

"Ah, mas foi um fato isolado"? Hoje pode ser, mas eu estou verdadeiramente com medo dos rumos que a fanatização cristã está tomando.

http://noticias.r7.com/sao-paulo/jovem-e-atingida-com-acido-durante-protesto-contra-excomunhao-de-padre-que-defende-gaysnbsp-04052013

Anônimo disse...

Anônimo disse...
Tinha meninas perdidas falando em vulgaridade, etc etc e veio um garoto dizer ah é por isso que eu não gosto do feminismo no Brasil! como se elas fossem feministas
-----

Anônimo disse...
essa é boa,se eu achar uma roupa vulgar ,que marca extremamente o corpo ,que parece objetificar o corpo da mulher,eu n sou mais feminista...

e a sara acha que só pq encontrou sara winter algumas vezes já basta pra conhecer a garota,saber se o que dizem que ela faz é verdade ou não?
a gente n conhece totalmente nem uma pessoa que vive diariamente com a gente,quanto mais uma que se vê de vez em quando.

19 DE MAIO DE 2013 16:46


---

Voce destacou apenas uma parte do meu coment., mas caso tenha lido ele todo eu falei isso do post de funk.
Se leu o horror q foi a caixa de comentários daquele post viu algumas meninas travadas nisso, dizendo que voce não podia usar ou fazer X porque é vulgar, q tem q se cobrir pra não virar objeto etc
Enfim, pra mim isso não é feminismo (Por que afinal um dos pontos básicos do fem. não seria o controle do próprio corpo?)
Vemos isso em alguns comentários aqui, que reclamam delas mostrarem os seios,falando em dignidade! Tenham dó né.. se for pra ter problema com o femen q não seja por como as integrantes se vestem ou o que fazem com o corpo DELAS

Anônimo disse...

anon 18:31

eu sei q é do post do funk e agora eu entendi que para ser feminista tem q seguir a sua cartilha e suas regras e o que vc pensa q é feminismo.

se vc n vê nada demais nessas roupas é um direito seu,mas para mim é mais uma forma de explorar o corpo da mulher e nos transformar em objeto,nunca vi funkeiro se apresentando semi nu como as mulheres no funk,sem falar de programas de tv,sempre tem uma bunda feminina para tentar aumentar a audiência.
em comerciais de cerveja quem é que ta de biquini minusculo,posando de gostosa para satisfação dos homens?

e quanto ao femen,entendo q isso é pra chamar atenção mas acho que cai na objetificação,o que as pessoas vão se focar no fim das contas é nos seios das mulheres.

Unknown disse...

Adorei seu post Lola! Vou comentar não só esse post aqui, mas os outros que estou lendo no seu blog a partir desse (sobre o femen). Você elucida muito bem esse assunto! Realmente o feminismo como movimento, sua história e atuação não são mostrados para a juventude atualmente,o que para mim parece ser muito perigoso, pois fica a noção de que tudo sempre foi assim, como se nada tivesse acontecido a 2000 anos atrás (tipo a revolução cultural, entre outros). O Femen pode ser um exemplo disso, pois a primeira vista parece ser um movimento feminista, para uma pessoa que não tem o conhecimento, mas na verdade não age em prol da melhoria mundial. Adorei o post

Anônimo disse...

Anônimo disse...
anon 18:31

eu sei q é do post do funk e agora eu entendi que para ser feminista tem q seguir a sua cartilha e suas regras e o que vc pensa q é feminismo.

se vc n vê nada demais nessas roupas é um direito seu,mas para mim é mais uma forma de explorar o corpo da mulher e nos transformar em objeto,nunca vi funkeiro se apresentando semi nu como as mulheres no funk,sem falar de programas de tv,sempre tem uma bunda feminina para tentar aumentar a audiência.
em comerciais de cerveja quem é que ta de biquini minusculo,posando de gostosa para satisfação dos homens?

e quanto ao femen,entendo q isso é pra chamar atenção mas acho que cai na objetificação,o que as pessoas vão se focar no fim das contas é nos seios das mulheres.

19 DE MAIO DE 2013 19:33

----------


Então tudo bem voce dizer o que mulher não pode fazer e eu não posso achar que o que voce fala não é feminista? Voce não fala num vácuo, as pessoas podem responder aos seus comentários.

Eu não vou ficar comentando sobre as funkeiras, mas existe uma grande (e meio óbvia) diferença entre colocarem mulheres seminuas na televisão e mulheres ficarem seminuas ou até mesmo nuas para protestar ou por pura vontade. Veja como ''colocar'' é diferente de querer. Como eu disse, pode não gostar do femen por várias razões mas criticá-lo porque as meninas tiram a roupa é ridículo.. Homens andam sem camisa na rua toda hora, postam fotos de cueca no face, de sunga, e até mesmo com a bunda de fora e ninguém vê nada demais. Quando as mulheres protestam sem roupa um dos objetivos é ter esse mesmo direito. De poder usar ou não usar o q for sem ser chamada de vulgar ou q estão se objetificando, ou pior ainda, q não têm dignidade.

As pessoas precisam parar de sexualizar tanto o corpo feminino.. Como seria bom ter a opção de andar sem camisa na rua num dia quente e ngm te encarar ou dizer q voce está se fazendo de objeto
Vc de fato não vê a diferença quando alguém decide colocar uma garota de biquini num programa, em um comercial, em uma novela etc e quando a mulher tira a blusa num protesto feminista? ou quando ela simplesmente quer tirar a blusa?

Se a mídia explora a nudez dos protestos feministas a culpa é de quem? das feministas nuas? Porque até em olimpíadas é um festival de ''veja a campeã olímpica musa num ensaio sensual!''

Sara disse...

anon 20,41hs tb acho absurdo e se pararmos p pensar, é nojento a maneira como nos ensinaram desde q nascemos q o corpo feminino é pecaminoso, insinuante e vergonhoso, ao sairmos de casa grande parte de nós mulheres ficamos olhando no espelho pra ver se não ha nada q possa chamar muita atenção nas ruas, para não sermos insultadas ou tomadas por disponíveis, enquanto isso os homens andam qse nús , sem vergonha alguma, nem mesmo a cueca se preocupam em esconder, enquanto q de nós (HOOOO Q Horrror) a calcinha apareceu...to cheia disso , dessa hipocrisia toda, esse tb é um dos motivos de abominar essa religião asquerosa, pq ela como nenhuma outra coloca a mulher na situação mais vexatória possível, com as vestimentas q mais parecem um grande saco de lixo com uma rede nos olhos, com o único objetivo de tirar das vistas de qualquer pessoa o corpo indecente feminino.
UNKNOWN das 14.23hs esse desafio q vc lançou ja foi cumprido pelas corajosas garotas do FEMEN, elas não se escondem nem tem medo e dão a cara a tapa, bem diferente de muita gente.

Talita Figueiredo disse...

Não li os outros comentários, mas resolvi passar por aki pra deixar minhas impressões sobre o desserviço que o Femen causa ao movimento feminista.
Trabalho numa sala com outras 3 mulheres, idades entre 24 e 33 anos, nível superior completo ou em andamento. Ou seja, moças jovens e instruídas que deveriam saber um pouquinho da importância do feminismo, certo?
Acontece que outro dia fiquei embasbacada ao ver que as 3 se mostravam indignadas com "essas feministas sem noção, que não tem nada melhor pra fazer". Essa reação foi motivada pela leitura de uma notícia de um protesto do Femen contra um tal museu da Barbie. Eu tentei argumentar pra minhas colegas que o Femen não representa todas as feministas, mas quem disse que elas entenderam?
Pra mta gente Femen já virou sinônimo de feminismo e ponto final. Se o Femen dá uma mancada, pra muita gente é como se "as feministas" em geral tivessem dado a mancada.
Fiquei triste em constatar que minhas colegas, moças de bom caráter e inteligentes, não conseguem ver a importância do feminismo e que achem que o Femen representa o pensamento de todas as feministas.
E o pior é que eu fiquei sem palavras, sem jeito pra dizer alguma coisa que as convencesse do contrário. Afinal de contas a maior fonte de informações delas vem da grande mídia que só noticia protestos do Femen e que distorce a marcha das vadias, dando ênfase apenas à nudez das participantes, sem tratar adequadamente das reivindicações do movimento.
O que eu percebo é que pra muita gente o feminismo é hoje um movimento de mulheres que não se dão o respeito (por conta dos protestos com seios de foras) e que são radicais demais (por conta dos ataques às religiões). É uma visão bem negativa, que só afasta as mulheres do feminismo. Não que eu ache que as feministas devam parar
de mostrar os peitos e criticar o controle da igreja sobre o nosso corpo. Não é nada disso. Só acho que a mensagem principal não está chegando às pessoas. Ao invés de verem notícias de um protesto e pensarem: "Que legal, as feministas estão lutando por um mundo melhor!" muita gente simplesmente pensa: "Essa mulherada só quer aparecer! Falta do que fazer!" etc..
Pouca gente vê o quanto o feminismo responde aos anseios e dificuldades de todas as mulheres, mesmo aquelas que não são militantes, mesmo aquelas que não querem mostrar os seios em protestos. Pessoas como as minhas 3 colegas, por exemplo.
Fico triste com isso e credito uma parcela de culpa por essa distorção da visão do movimento às ações desastrosas do Femen.

MonaLisa disse...

É um paradoxo ler feministas dizendo o que as mulheres devem ou não fazer. Imaginei os machistas dizendo como o feminismo deve ser.

Não conheço Sara Winter, mas acho que estão pegando pesado demais aqui com ela. Ta parecendo briguinha de quem vai ser a 'lider' do clube das mulheres.

E sobre a islãfobia:

http://noticias.uol.com.br/internacional/ultimas-noticias/2013/05/19/jovem-africana-luta-por-asilo-para-nao-se-tornar-a-14-esposa-de-rei-poligamo.htm

Anônimo disse...

Sara Winter sendo "atacada" por skinheads? Faz-me rir.

P.R. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
P.R. disse...

"Pra mim, individualizar o problema do Femen na figura da Sara é um erro (há quem discorde)" e então você coloca um link para o post onde cita um comentário meu.

Bom, Lola, eu nunca disse que o problema "Femen" está todo centrado na figura de Sara Winter, e acho extremamente injusto que você coloque as coisas deste jeito.

O que eu tentei explicar ao dialogar com vc na ocasião, quando ainda era leitora e admiradora de seu blog, é que a liderança (seja esta individual ou colegiada)de qualquer organização ou bandeira tem, sim, responsabilidade sobre as atividades da mesma e, portanto, não pode ser desvinculada dos impactos das ações e da existência dessas bandeiras.

O Femen, em todos os países em que atua, é problemático, contraditório e prejudicial às lutas feministas e anti-racistas. O Femen BraZil, consequentemente, também o é, e continuaria sendo mesmo se a sua líder fosse a a Sra. Joaninha. Provavelmente, se a Sra. Joaninha não fosse uma pessoa associada ao neonazismo e se dialogasse com coletivos feministas, ela não seria tão criticada (como figura política, e não como pessoa, que fique evidente) quanto Sara Winter. Isto tornaria o Femen menos pior ou menos fiasco? Não, não tornaria. O Femen sempre será um fiasco (a não ser que mude completamente de plataforma política, mas aí são outros 500). Isto significa que devemos isentar a sra. Winter de sua responsabilidade em cuspir no feminismo e em suas associações com o neonazismo, o racismo e o autoritarismo? NÃO! As críticas feitas a ela, portanto, não são pessoais. Críticas pessoais não são relevantes e não nos interessam.

Eu nem deveria ter comentado novamente, mas me incomodou a menção torta que você fez ao meu comentário. Não considero a mera existência de Winter a origem de todos os males do feminismo e creio ter deixado isso bastante evidente em meu texto na ocasião.

A verdade é que eu (dentre tantas outras pessoas feministas) estaria mais contente se estivéssemos livres do Femen e seu eurocentrismo em todas as suas representações nacionais. Eu também estaria mais contente se não houvesse por aí bandeiras encabeçadas por líderes centralizadorxs, autoritárixs, islamofóbicxs, racistxs e sexistas. E negar que Sara é uma destxs líderes é miopia política.

lola aronovich disse...

PR, sinto muito, eu só coloquei um link prum post onde há uma discussão mais aprofundada nesse sentido, mas, neste post atual, eu não disse NADA do que vc acha que eu disse sobre vc ou sobre seu comentário.
Perceba que, em todo o post, há links pra outros posts que escrevi sobre o Femen. A discussão que tivemos é um deles.

P.R. disse...

o link para o mencionado post, que dialoga com questões que eu havia colocado, está antecedido pela frase "o problema do Femen na figura da Sara é um erro (HÁ QUEM DISCORDE)". se você não acha que isso é dizer algo sobre o que eu comentei anteriormente(já que isso está no post linkado), realmente não sei o que pensar.

bom, o blog é seu. Você o administra como acha melhor, e trata aqui as pessoas como achar melhor - mesmo que isso signifique passar a mão na cabeça / ser maternalista com sextremistas de passado neonazista e descer o pau nas compas feministas. coisas da vida. nada com o qual não estamos acostumadas, certo?

um abraço e boa noite

lola aronovich disse...

Pronto, PR. Troquei o link de lugar. Tenho a impressão que mais ninguém pensou que aquele link estava dizendo o que vc achou que estava dizendo, mas tudo bem, já troquei. Quanto ao resto, sinceramente, nem sei do que vc está falando. Não passei a mão na cabeça nem fui maternalista com ninguém. Incrível! Tem um pessoal que diz que eu odeio o Femen e tenho inveja da Sara, e por isso a trato "tão mal". E tem o outro pessoal que acha que sou boazinha demais com ela, "maternalista". Já defendi meu ponto de vista (de evitar ao máximo individualizar um problema) no outro post. E o que é isso de "descer o pau nas compas feministas"? Que compas? Quando que eu fiz isso que nem estou sabendo?

Julia disse...

Vocês são muito confusxs.
Uns dizem que o Femen vai sujar a imagem do feminismo para todo o sempreeee.
Outros que o Femen é um fracasso (oi?).

Nâo dá pra entender.

Talita, achei suas amigas meio burrinhas.

Se eu fosse você responderia assim pra elas:
"Estão fazendo mais do que você que não está fazendo porra nenhuma."

OU

"Se você não sabe nem o que é feminismo quem é você pra determinar sobre o que feministas devam protestar ou não?"

OU

"Deixa de ser machista, minha filha."


Enfim, você pode ser menos grossa e alcançar melhores resultados. É só transformar essas 3 ideias em palavras doces e ter muita paciência. Espero que te inspire.


Sara disse...

Vocês são muito confusxs.
Uns dizem que o Femen vai sujar a imagem do feminismo para todo o sempreeee.
Outros que o Femen é um fracasso (oi?). [2] gloriosa Julinha

Ja desisti de entender tb Julia, e pelo jeito até a Lola.
Não entendo pq tanta polêmica, somos mulheres feministas e diversas, cada uma tem seu jeito de protestar e suas causas mais relevantes, querer uniformizar o pensamento de todas como se fossemos robôts é simplesmente impraticavel, só uma única coisa é imprescindível para ser feminista, pelo menos na minha opinião, é acreditar na igualdade de direitos entre todos os sexos, essa deveria ser a única causa centralizadora entre nós, todo o resto é só argumentos que vivem sendo usados para nos separar e desunir, com resultados muito melhores do qualquer backlash poderia conseguir.

Cora disse...


existem críticas a se fazerem ao femen brasil e à sara winter, sem dúvida, inclusive a da falta de consistência argumentativa. apesar de não acompanhar a página do grupo (não tenho face), a dificuldade da sara w em rebater críticas ou esclarecer posicionamentos pode ser notada nas entrevistas q concede. isso abre muitas oportunidades para a demonização do grupo (em particular) e do feminismo (em geral). mas o feminismo, especialmente no brasil, cuja população oscila entre despolitizada e (muito) conservadora, e por isso sempre avessa ao enfrentamento político na forma de manifestações, não precisa da sara w para ser criticado. ela não vai acabar ou manchar o feminismo brasileiro. tomar a parte pelo td é parte da estratégia preconceituosa da mídia no trato com td e qq movimento de protesto.

o brasil é um país absolutamente machista, q se esconde na sensualidade e na nudez da mulher brasileira, completamente estereotipada e criticada (os homens (e as próprias mulheres) brasileiros não disfarçam o preconceito contra a mulher).

no entanto, o brasileiro quer passar a ideia de q é moderno, de q respeita a liberdade feminina, de q reconhece a autonomia feminina, algo tão falso como nota de 1.000 reais. aqui, o corpo da mulher continua demonizado, continua não pertencendo a ela, continua de domínio público. a mulher segue sendo julgada moralmente. o comportamento feminino segue justificando violências.

uma das questões q sempre me incomodou no femen foi isso. a sara se propôs montar um grupo sem entender nada sobre o país e nada sobre o feminismo, ficando assim vulnerável às críticas mais canhestras, chegando mesmo a fornecer munição pra essas críticas, caindo em trollagem machista, não reconhecendo armadilhas midiáticas, e acabou se associando a pessoas q não contribuíram pra neutralizar essas críticas.

por outro lado, as críticas femininas vez por outra resvalam no machismo. ainda se cai nesta armadilha por essas paragens.

e a cereja do bolo do backlash brasileiro foi o crescimento neo-pentecostal, q levou (oficialmente) o discurso religioso pro congresso, perturbando a já combalida laicidade do estado.

a mídia brasileira conhece o feminismo. se nunca deu espaço, foi proposital, foi escolha. e q o femen é usado por essa mesma mídia pra desconstruir o feminismo não há dúvida. tanto é assim, q não há notícia sobre os protestos em q os seios à mostra não façam parte da manchete e da única motivação para a cobertura jornalística. a própria atuação da polícia, prendendo as manifestantes, faz parte do circo de desconstrução do feminismo.

no brasil, o discurso feminista tem q ser contundente e preciso. por aqui, nem mesmo a esquerda se salva.

Liana hc disse...

Talita Figueiredo, essa é mesmo a impressão geral que muitas pessoas ficam. Eu até evito qualquer conversa quando aparece o assunto Femen porque eu sei que isso não vai ser nem um pouco produtivo.

E é justamente por isso que elas, do Femen, tem tido tanta divulgação por parte da mídia tradicional que nem precisaria criticá-las abertamente, é só dar corda para elas mesmas se enforcarem. Conscientização não é estimulada com ações desastradas e bandeiras questionáveis como vemos com o Femen.

Por outro lado, faz parte. Hoje é o Femen, amanhã vai ser o quê? E quando esse "o quê" vier, o movimento feminista vai ter que lidar com isso também, é preciso maturidade, e assim a vida segue.

Emy disse...

Ai ai Lolinha! Vi a reportagem só hoje no G1 E corri pra cá pra ver se você tinha postado algo e adivinha? Dona Lola não me decepciona... Hehehe
Acredito que o FEMEN só tem feito o que faz sempre, se enrolar em suas próprias explicações. Não acredito em seus ideais e em sua "salvação". A coisa só piora. Mas acho sim que o fato do FEMEN ser visto pela mídia como o ÚNICO feminismo - o que tbém é intencional, dado tantos seios de fora - deve ser posto em discussão, afinal, essa não é a inagem do feminismo que eu quero que seja propagada por aí.

Anônimo disse...

anon 20:41 tem razão cada um pensa o que quiser,mas acho muita arrogância da sua parte dizer q alguém n é feminista por ter uma opinião diferente.

e n vejo diferença nenhuma entre quem protesta semi nua pq quer e funkeiras e "assistentes de palco",elas n foram COLOCADAS ou obrigadas,que eu saiba todas assinam contrato,sabem muito bem o que é esperado delas,concordam com tudo,recebem salário.
uma mulher q entra pro programa do pânico,já sabe muito bem q a única coisa q esperam dela é ficar parada com um sorriso congelado na cara,enquanto a câmera foca na sua bunda .

Acessórios Artesanais disse...

Adoro quando vocês falam como se nós tivéssemos uma reputação a zelar e como se o feminismo fosse super respeitado antes do FEMEN. Me poupem!


Fica a dica:

"I don't give a damn 'bout my reputation
You're living in the past it's a new generation
A girl can do what she wants to do and that's what I'm gonna do!"

Sinceramente, se for pra se importar com o discurso e a difamação dos reaças, vai brincar de barbie e deixa o feminismo para as mulheres adultas, ok?

Mirella disse...

Sim, muitas críticas ao Femen são bastante machistas. Entretanto, outras são apenas baseadas em argumentos (e até agora não foram respondidas, seja pelo Femen, seja por quem admira o movimento, etc).

O que é o pós-feminismo ou neo-feminismo?
O que é sextremismo?
O que é o modo Stealth? (essa foi só para descontrair)
O que o Femen (em geral) produziu de mudanças até agora?
O Femen pretende mudar algo? Neste caso, quais os objetivos do grupo?

Algumas comentaristas acham um absurdo falar mal do FemenBR (ou Femen em geral), mas será que elas (alguém? por favor?) conseguem responder as questões acima?
Qual é o objetivo do Femen? O que o Femen Br pretende?
Para mim, a resposta é a que muitas pessoas já deram: mídia, pura e exclusivamente.
Não sei se é um grupo que pretende "sujar" intencionalmente o feminismo e não acho que isso importa. Não é como se o feminismo dependesse do Femen para engrenar ou não. Não consigo levar o grupo a sério nem assim.
E já dei meus tostões de opinião sobre a islamofobia do Femen. É paternalista, é colonialistas e, o pior de tudo: não faz a menor diferença.
No frigir dos ovos, o Femen não faz diferença nenhuma (minha opinião, ok?). Muito barulho por nada. E só.

Ana Vitória disse...

Gente, acho que devo ser a pessoa mais em cima do muro aqui. Li o post, li os comentários, tb não gosto do femen, não me sinto representada por ele, o considero islamofóbico sim, e acho que uma vez que estamos inseridos em uma sociedade de valores judaico-cristãos bem podres, não somos NINGUÉM para apontar o dedo na cara do islamismo. Mas tb não gosto dessa caça às bruxas que pairou sobre a figura de Sara Winter.

Tipo assim, na adolescência eu não chegava a ser neonazista, mas era admiradora de muitos ideários reaças e chegava a ser racista algumas vezes sim. Ridículo seria eu esconder esse meu passado. Amadureci, fiz meus questionamentos, hoje afirmo com toda a certeza: sou feminista, de esquerda, contra o racismo, pró-ações afirmativas, ativista, e mereço ter minha carteirinha de feminista cassada pq um dia na vida fui retardada? Peraí né? Será que todo mundo aqui já nasceu revolucionando na luta de classes?

O Femen e a Sara Winter tem muito a amadurecer e espero, de verdade, que isso aconteça. Mas até lá será que temos mesmo que perder tempo com isso? Deixem o femen lá. Ele já não nos representa mesmo, e não temos que explicar porra nenhuma para a sociedade hipócrita que desde sempre prega ódio às feministas.

E pro Unknown que veio defender o cristianismo dizendo que ele não prega a pena de morte e nem defende jogar ácido na cara das pessoas, vá passear na Uganda. Na verdade nem precisa. Dê uma passada no Congresso Nacional na quarta-feira, no plenário 9, às 14:00 horas da tarde. Temos um fundamentalismo cristão nojento aqui pra combater.

Anônimo disse...

Fundamentalismo cristão é PODRE, e é uma realidade em nosso país! Se o islamismo em algum momento quer conquistar o mundo tendo por base a teocracia, o fundamentalismo cristão quer o que? Não é NADA diferente! E vejam o que o fundamentalismo cristão está fazendo em alguns países da África com dinheir dos EUA! Concordo que ambas as religiões são racistas, machistas, homofóbicas, mas ninguém pode ter a pachorra de dizer que o cristianismo é melhor. O cristianismo É UM CU!!!!!!!

Liana hc disse...

O tema "Femen" importa (assim como muitos outros assuntos) na medida em que precisamos dialogar com a sociedade, do contrário o feminismo ficaria relegado a uma bolha com as pessoas que nele militam ou no máximo simpatizam.

E, pelo menos a meu ver, a questão não é o Femen em si, mas a reação que gera, tanto dentro quanto fora do movimento, e a possibilidade de aprendizado que podemos tirar daí. Não vejo como nem porque ignorar o assunto, afinal está na mídia e na boca do povo, povo este cujos valores e ideias procuramos influenciar dentro do contexto que o feminismo tem a oferecer enquanto movimento que busca melhorias sociais e políticas urgentes e importantes. E o Femen é mais um capítulo nisso (ou talvez um parágrafo).

A influência que a mídia tradicional exerce também é tema importante e precisa ser levado em consideração. Aqui no Brasil esta ainda é uma fonte importante de informação para a população em geral, mesmo aqueles que tem acesso relativo à internet (já que o simples acesso à internet não significa por si só diversidade de fontes de informação, muito menos uma visão aprofundada em qualquer assunto).

Sara disse...

Poxa vida fico passada com a compentência de algumas comentaristas aqui, elas fazem um monte de perguntas e questionamentos sobre o FEMEN, elas mesmo respondem , e com uma convicção digna de inveja...
Se estão tão convictas pq questionam, não importa nenhuma resposta honesta, se ja formaram suas opiniões, e não manifestam interesse algum em mudar.

medb hErenn disse...

Pelo menos elas estão fazendo alguma coisa...

Lillian disse...

Vejo o FEMEN mais ou menos como os "piratas" e o "#ForaSarney" (pra quem não sabe, o Fora Sarney começou como um movimento sério a favor da cassação do mandato do José Sarney, assim que este assumiu a presidência da câmara. Terminou com o Marcos Mion e o Luciano Huck pedindo ajuda pro Ashton Kutcher para retwittar a hashtag #ForaSarney como se isso fosse de fato surtir o efeito desejado): a causa delas é legítima, mas a forma como agem é totalmente despreparada, infundada e midiática.

Mari disse...

Absurdo.
Mais absurdo é o pessoal do FEMEN acharem que com este rumo, sem ouvirem e refletirem podem representar mulheres de todo mundo, inclusive Oriente Médio...

Julia disse...

"Não entendo pq tanta polêmica, somos mulheres feministas e diversas, cada uma tem seu jeito de protestar e suas causas mais relevantes, querer uniformizar o pensamento de todas como se fossemos robôts é simplesmente impraticavel"

Concordo, Sara. E vi isso no tópico de hoje sobre as RadFem. Ver feministas querendo calar um movimento feminista é muito triste. Ok, elas podem não estar fazendo do jeito que VOCÊ acha melhor, mas elas estão fazendo alguma coisa.

Fora isso, concordo 100% com o comentário de Acessórios Artesanais.
Parem com essa infantilidade de "elas vão manchar o nome do feminismo". Nossa reputação já não é boa, não sei se preceberem. Querer que as meninas rebeldes do movimento se comportem para não "sujar o nosso nome" é um puta tiro no pé.

Em váaaaaaarias revindicações feministas só o Femen se mexe pra fazer algo. O meu alívio é que elas não vão parar mesmo com o desprezo da maioria das feministas. Elas são cascudas. Se elas não têm medo de muçulmanos fundamentalistas não é de um bando de feministas limpinhas que vão ter.

Sara disse...

Tb penso assim Julia, nem mesmo feministas q me xingam de tudo aqui, eu gostaria q parassem, eu gosto do FEMEN pq ele me representa em causas que eu não me vejo representada pelo feminismo mais classico, e tb pq não penso q procurar por ascesso a midia seja implicitamente ruim, ideais feministas deveriam ter o maior alcançe possível, o modo como elas protestam, com os seios nús é o q choca tanta gente, e isso da a dimensão do preconceito q existe contra o corpo feminino.
Acho deplorável q muitas aqui tenham falado q até comemoram q o FEMEN tenha rupturas e torcem p q ele acabe, talves essas mesmas mulheres preferissem ver as garotas ativistas do FEMEN alienadas do feminismo, e pelo desprezo q receberam acabem se tornando inimigas do movimento.
Eu ja não penso que seja possível caminharmos todas juntas em uníssono, pq nossas realidades e motivações são muito diferentes.
Mas pelo menos respeitar outras maneiras de ver, entender e agir no movimento feminista, deveria ser possível.
Se pelo menos em torno de ideias basicas como crer na igualdade de direitos entre todos os sexos fosse uma realidade, ja seria um grande avanço, mas infelizmente tem uns espíritos de porco q adoram mesmo é ver o circo pegar fogo.

Anônimo disse...

As entrevistas que vi tanto do Femem Ucrânia quanto Brasil são bem contraditórias para um movimento feminista.

Pra mim, a Sara se definiu em poucas palavras em uma entrevista com a Marília Gabriela. Numa livre associação de palavras Sara responde: Corpo de Mulher - Bonito. Corpo de Homem - "Hmm... não sei" (pensa...) e responde: Força.

Pode ser banal vindo de pessoas comuns, mas não de uma líder de movimento feminista.

Angela disse...

Lola,no dia da palestra seu livro vai esta a venda?

Mu disse...

Post extremamente coerente!
Reflete muitos dos meus pensamentos sobre o Femen!
Adorei seu blog, Lola!

Anônimo disse...

Olha, eu nem li todos os comentários aqui, mas pela minha experiência, já sabia que a Sara islamofóbica puxa saco do Femen ia se manifestar. Parece que acontece de tudo e essa mulher não enxerga nada, pô!
Repete as mesmas coisas que nem disco arranhado. Recomendo fortemente que procure saber o que é mesmo sororidade. Parece que o que qualquer mulher fizer, mesmo sendo um trem retardado, merece palmas porque é mulher que tá fazendo. Que eu me lembro muito bem do comportamento dela no post sobre a homenagem à Margareth Tatcher. Se liga!

Sara disse...

Anon 18.14hs não sou traira de mulher feminista, eu tenho espírito de corpo, não de porco como vc.

Anônimo disse...

Bom, acho que um monte de coisa que já foi dita aqui, vou tentar destacar as coisas que penso, vi e li em tópicos.
1. Concordo com a Lola que ataques pessoais à figura da Sara não são legais. Repudio. Contudo, A estrutura hierárquica, e os holofotes que ela quis atrair para si atraem ataques tanto políticos quanto pessoais, e ela é responsável por parte deles.
2. Eu acompanhei as primeiras vezes em que foi apontado o passado dela, no facebook mesmo, pq me interessei em conhecer o grupo melhor. Primeiro, apareceu o blog dela criticando a Marcha das Vadias, e no perfil, um inalterado a posição política integralista nacionalista. No mesmo dia, na pág. de um evento no face (não lembro qual manifestação foi, mas foi bem no início do femen brazil) começaram a aparecer várixs skinheads não nazistas para dizer do passado dela, e como a conheciam, de formas nada honrosas (agressões que ela cometeu incluídas). Então me desculpe, mentira que ela era/é nazista coisa nenhuma.
3. A cruz de ferro que ela tanto diz que é outra coisa, é cruz de ferro, que ela mesma admitiu no facebook, depois da polêmica toda.
4. Ainda assim, acho que atacá-la não é a melhor coisa, mas lhe dar credibilidade, pelo menos ao longo desse ano, menos ainda, né?
5.Havia pessoas dizendo da necessidade do Femen interagir e conhecer outros coletivos na página do facebook sim, que eu também vi. Mas não tiveram respostas. Quando questionavam respostas, também não as tinham.
6. Agressores masculinistas, e outros agressores de forma escrota em geral, continuavam na página. A tal da história de zombar de uma menina por causa da axila, não foi feminista que fez, foram as pessoas que geralmente entram na página e as chamavam de gordas, feias, mal comidas, o escambau, num festival de infantilidade que sequer era debatido, ou pontuado com essas pessoas. Agora deletar feminista da página, era fácil.
7. Há muitas pessoas que criticam e fazem alguma coisa sim. Concordo que ninguém manda na luta de ninguém, mas a respostinha mais babaca ultimamente é: "levanta a bunda do sofá e faz melhor", pois as pessoas que dizem isso nem sabem das lutas dxs outrxs pra falar merda.
8. A Sara/Femen Brazil só buscaram participar mais de debates e procurar saber das coisas, depois do caldo entornado, e do filme queimado. Antes, se recusaram a dialogar, responderam com evasivas ou ironias, e dissimuladamente usavam de maneira que xs benefiasse pessoalmente
9. Quero acreditar que, agora, a galera que tava no Femen Brazil vai tentar se reestruturar, aprender e produzir algo novo. Acreditam que as pessoas mudam. E acredito que, todo mundo faz merda, e pode se arrepender disso sim. Acho que sempre dá tempo. Elas só não tem mesmo que ser aceitas, na minha oponião, quando mentem compulsivamente pra tudo, igual galera do femen tava fazendo.
Ass: Anon 18:14, ou anônima do espírito de porco (XD)

Sara disse...

E.P.22.46hs
Vc diz q o q eu falo aqui parece disco arranhado, essas novidades q vc veio contar fresquinhas mas parecem o refrão do funk lek lek lek lek lek lek .....etc etc
O problema é q, o q pode ser tão RELEVANTE para vc absolutamente não é p mim.
Cruz de ferro minha filha usava qdo tinha uns 11 anos de idade por q era gótica...
Com respeito a passado nebuloso, eu tb tenho, sei coisas terríveis sobre mim mesma, agora se vc tem moral e passado ilibado, parabens p vc, se tiver abaixo assinado pedindo sua cononização no vaticano eu assino ok??
Se vc é feminista mesmo sendo santinha, quero mais é q vc continue na luta, do seu jeito, defendendo seus ideais.
Se houver algum denominador comum entre eu e vc lutaremos juntas, se não fica na sua, o q vc vai ganhar descendo o pau em outras FEMINISTAS só pq elas não pensam exatamente como vc??
Tenho certeza de q a Sara Winter acredita na igualdade de direitos entre todos os sexos, é contra a exploração sexual de crianças e mulheres, talvez a favor do aborto e contra esse estatuto do nascituro, contra a dupla jornada e muitas outras causas q muito provavelmente vc defende tb, pq não se foca nisso, em vez de ficar batento na tecla das discordâncias.

Anônimo disse...

Voltei.
Bom, sobre ter repetido coisas que já foram ditas aqui, posso ter sido tola mesmo. Mas escrevi motivada por ter visto em algum comentário, que as pessoas espalham mentiras sobre Femen/Sara e o escambau. Bem até que eu queria que fosse, mas não são mentiras, oras. E, bem, como era a primeira vez que escrevi por aqui, quis sim frisar.
Mas no final, escrevi que todo mundo faz merda (eu inclusa, lógico, já fiz muita). O problema é não conseguir reconhecer isto e se propor à mudanças. Ficar mentindo e dissimulando não é legal. E para além de figuras pessoais, o Femen todo aqui do Brasil (além do da Ucrânia, lógico) era profundamente problemático sim. Menina rindo de piada relacionada com negros, entrando em facebook de umx crítica pra rir do emprego delx, mandar mulheres ir lavar louça (!!!!!), entre outras escrotices machistas, isso era o Femen todo aqui.
Boas intenções são bacanas, mas como já ouvi de alguém querido, só elas também não resolvem nada. Não dá pra ficar dizendo que luta e o escambau e reproduzindo tanta palhaçada, e ainda ficando putinho quando alguém te aconselha. Mas li a carta final no facebook, e acredito na vontade de mudança. Espero que mudem mesmo, espero encontrar em lutas por aí.
Mas, por exemplo, o que eu falei de mentira: falar como se o Femen do Brasil tivesse escolhido se separar do Femen Internacional, dizendo que não querem mais representar, é tenso. Foram expulsxs. Nem nisso se fala a verdade, e aí, sinto muito, não dá pra compactuar. É muito mais honesto dizer que foram expulsas por conta das loucuras das Ucranianas.
Se topar com esse pessoal por aí, nas lutas, por mim ok. Mas também não vou ficar ó dó disso, ó dó daquilo.
E pra mim, chega disso. O Femen BR já deu, e essa conversa também.

Cecília disse...

Cheguei aqui só agora e não li tudo confesso, mas a única coisa que queria chamar a atenção é para o fato de que as mulheres arábes se protestarem MORREM então simplesmente por isso é preciso que mulheres do mundo chamado ocidental grite por elas, e faça o mundo não desviar o olhar a essas práticas. Quando se critica o islã é porque usam essa religião para oprimir, estuprar e criar todo tipo de violência as mulheres e se elas não conseguem ou podem gritar, que nós gritemos por elas.