segunda-feira, 27 de maio de 2013

"EU PENSEI EM ME MATAR DE NOVO"


A E. me mandou este email hoje mesmo. 

"Oi Lola, te envio esse email com a sensação de pele repuxada de tanto passar sabonete no rosto pra tentar tratar a acne. Por quê? Vou contar a minha história e vc vai entender.
Tenho 15 anos. Meu problema com a autoestima é tão grande que parece ser maior que os meus problemas psicológicos (tenho tricotilomania de cílios e sobrancelha, depressão, e tive toc e anorexia e bulimia, mas claro, os transtornos alimentares foram causados por esse meu problema com o corpo). Seu blog me ajudou muito por um tempo, quando eu o descobri aos 13-14 anos, principalmente os posts sobre gordofobia e este aqui (aliás acho que foi o que mais me ajudou, pois odeio os meus seios por serem caídos e não serem arredondados). Foi com o seu blog que eu descobri o feminismo, e acho que sem ele eu já teria me suicidado, como já cheguei a ficar muito perto de fazer várias vezes.
Cheguei a pesar 96 kg aos 10 anos, com 1,63 de altura, nessa época sofri bullying no colégio, e constantemente me diziam que nenhum homem ia me querer (um psiquiatra chegou a dizer isso). Tive toc e depressão por causa do bullying, cheguei a perder meses de aula e desistir no oitavo ano, e tô até hoje tentando terminá-lo, sempre desisto. 
Tive anorexia e bulimia aos 13 e minha tricotilomania piorou muito, cheguei a ficar totalmente sem cílios e sobrancelhas várias vezes. Aos 14 eu resolvi emagrecer depois de ouvir da filha da minha tia-avó que 'eu tinha um rosto lindo, só precisava fazer uma dietinha pra ficar nos trinques'.
A pessoa que costumava ser minha melhor amiga na internet (que tambem era/é gorda) me chamou de anoréxica e traíra por isso, e de falsa por ser feminista e emagrecer, mas esqueceu que eu ainda sou uma menina de 15 anos com uma multidão de pessoas me julgando lá fora. É um erro tão grande das pessoas acusarem as vítimas de serem as culpadas! Dá pra comparar com quem critica as modelos e não a indústria da moda de impor o padrão magro.
Hoje eu tenho 67 kg em 1,74 de altura. Não me enchem como antes mas ainda deve ter muita gente que me ache gorda, inclusive na escola uma menina me chamou de monstra ao ouvir o meu peso, ela pesa 34 kg, ela também disse que meu braço era flácido e que eu precisava fazer academia, uma menina de 12 anos me dizendo isso, pra vc ver como as coisas estão. Também tive que receber perguntas sobre eu não ter todos os cílios por causa da tricotilomania como 'nossa,vv consegue dormir?'. Até na internet um ex amigo, gay, última pessoa no mundo que eu pensei que fosse fazer isso, criticou minha maquiagem, dizendo que eu tinha colocado muito pó. Ele me chamou de fraca, e eu disse que eu não era se aguentei tudo até agora.
Tudo isso é de deixar uma pessoa já com depressão pronta pra se matar. As pessoas acham que é drama porque seu problema não é televisionado, não é como ter uma deficiência ou câncer e passar naquelas propagandas, não é como ser a coitadinha, até sua mãe te ve como a errada na história, mãe que aliás critica a minha pele, dizendo que parece de velha, critica as minhas olheiras, minha acne e meus dentes "amarelos", mas ao mesmo tempo me critica quando eu gasto dinheiro com cosméticos.
Anteontem  num site que as pessoas usam pra namoro, mas que eu uso pra conhecer pessoas novas e fazer amizades (inclusivo deixo isso claro no perfil), um cara me acusou de ser fake porque eu não respondia, aí eu disse 'Não tenho tempo pra idiota mesmo, poupo as palavras', e ele me disse: 'Tá bem! Vou deixar vc fazer seus programas em paz, princesa dos dentes amerelos. Vai num salão fazer essas subrancelhas [sic] de pelo de c* e dim. kkkkkk tinha mais, acho que basta! Hahaha'. 
Foi como um tiro no peito,todas as críticas que eu recebi na minha vida voltaram pra minha cabeça, e o jeito frio que ele me respondeu me enojou tanto, e o fato de ele morar na mesma cidade que eu me fez ficar apavorada (e se eu encontrá-lo em algum lugar?). Mal sabe ele que eu quase não tenho sobrancelha, cubro com lápis e já me criticaram dizendo que era muito fina, e os meus dentes talvez seja por causa do chá verde que eu tomo religiosamente pra emagrecer, e da falta de dinheiro pra um clareamento dentário também. 
Eu pensei em me  matar de novo, aliás pensei não, quase fiz até porque depois de morta, além de não sofrer mais, eu ia ser tratada como santa feito a Amanda Todd e outras meninas que se mataram por serem julgadas, olha que legal!, e até postei que o que adianta viver se eu vou ser sempre pisada assim? Só não tomei a caixa de remédio inteira porque tive medo de sobreviver, só ir pro hospital, e por causa de um biólogo que conheci num site de relacionamentos, que me ajudou ao ponto de me mostrar os "defeitos" dele, das pessoas de um grupo inglês de depressão, e das meninas do grupo Machismo Chato no Face.
O que ele fez me lembrou aquele caso da menina que teve o braço quebrado por rejeitar um cara numa boate, mas eu preferia que ele tivesse quebrado o meu braço. Ao menos ia passar em algumas semanas e eu ia poder fazer algo contra ele, mas pra mim ninguém liga, só dizem pra ignorar como se fosse fácil, é capaz de colocarem a culpa em mim por tê-lo chamado de idiota, mas o que ele fez foi tão pior, foi falar da aparência de uma mulher, tudo que a mulher tem pra sociedade hoje é a aparência.
E chorando eu peço que vc poste isso Lola, pelo menos eu vou sentir que pra uma coisa eu sirvo, contar a minha história. Já pedi pra minha mãe marcar um dentista pra essa semana, vou passar flúor, ver se clareia um pouquinho, quero ver os outros defeitos que as pessoas vão apontar que eu tenho.
Beijos, e que o blog fique mais visível e ajude mais meninas como eu...

Minha resposta: Por favor, querida E., esqueça o suicídio. Esta não é uma opção, ok? Imagina só vc se matar por causa de um babaca num site de relacionamento, um sujeito que você nem sabia que existia pouco tempo atrás, e que daqui a algumas semanas vc nem vai se lembrar que existiu. E não, você nunca vai vê-lo de novo, e, se por um hiper acaso da natureza vocês se encontrarem, pode ter certeza que ele não terá coragem de falar ao vivo as besteiras que ele fala por trás de uma tela de computador.
Entendo que ele, apesar de ser insignificante, foi um trigger, alguém que engatilhou algumas memórias incômodas. E entendo que, nessa idade que vc tem, a aceitação é importantíssima. Somos condicionadas desde cedo pra agradar, queremos ser aceitas, queremos fazer parte de um grupo, não queremos ser diferentes, ao mesmo tempo que queremos ter um estilo próprio, porque quem quer ser manada, né? Então é contraditório mesmo. 
Mas eu juro que daqui a pouco passa, ou pelo menos melhora. A gente vai amadurecendo e aprende que o "movement you need is on your shoulders" (o movimento que vc precisa está nos seus ombros), como diz Hey Jude, que é meio dar de ombros, sabe? Alguém não te acha atraente? Dane-se. Alguém não gosta das suas sobrancelhas? E você com isso? Alguém diz que você tem dentes amarelos? Diz pra ele que ele anda vendo comercial demais de pasta de dente na TV. Alguém te acha muito gorda, muito magra, muito alta? Explica que você perdeu a inscrição pro último concurso de miss e agora vai trilhar novos caminhos.
Mas vc está com depressão e com sérios problemas em aceitar seu corpo. Releia o seu email e veja a lista de críticas que vc coleciona sobre o que as pessoas dizem da sua aparência, e o que vc gostaria que acontecesse com seu corpo (vc diz que preferia ter o braço quebrado, vc diz que odeia seus seios -- sinal de que meu blog não te ajudou tanto assim). Espero que vc esteja tendo um acompanhamento psiquiátrico. Sinceramente, ele é muito mais importante que o tratamento dentário. Porque vc mesma diz que vai ver os outros defeitos que as pessoas vão te apontar. Vc sabe que elas nunca deixarão de apontar defeitos, não sabe? 
No momento que vc deixar de se preocupar com o que as pessoas acham ou deixam de achar de você, sua vida vai melhorar. Vai tirar um peso enorme dos seus ombros. Vc não precisa da aprovação dessas pessoas. Que tal se cercar de pessoas que vc gosta, e que gostam de vc, e ignorar as outras?
E, se vc pensa que se suicidar fará vc virar santa, pense de novo
Amanda Todd não foi canonizada não. As mesmas pessoas que xingam as outras xingaram Amanda após sua morte. Disseram bem feito, disseram que ela foi fraca por ter se matado, disseram que era uma vadia a menos no mundo. Entenda uma coisa: essas pessoas, esses bullies, esses trolls, não são pessoas felizes. São pessoas com muito rancor e muito tempo ocioso, que precisam preencher o vazio delas atacando qualquer outra pessoa. Por que vc se importa com a opinião dessa gente? É gente que não merece nem um aperto de mão, e vc cogita tirar sua vida -- a única que você tem -- pra satisfazer esses mentecaptos?
Não deixe que sua opinião sobre você mesma seja baseada na opinião de gente que te detesta, ou que sequer te conhece, tem de vc. Vc deixaria de ver um filme porque um troll disse que tal filme era uma porcaria? Não, né? Mas aí vc fala em se matar porque um ridículo não gostou da sua sobrancelha e do seu sorriso? 
Concentre-se nos problemas psicológicos que vc precisa resolver com urgência, não no que diz quem só quer te magoar. E pior: consegue.

84 comentários:

Sthefany Magalhães disse...

Querida E., imagino pelo que esteja passando, tive algumas amigas com depressão e outras que não aceitavam seu corpo, e hoje elas estão livres dos julgamentos e vivendo suas vidas com amor. Eu sei como é difícil ser julgada, ser chamada de gorda, feia... Todas nós sabemos, todas nós já passamos, de algum jeito. Você precisa se lembrar do porque de estar aqui. Será que parar no blog da Lola não é um sinal? Que tal dar um sentido pra sua vida que não seja emagrecer para agradar o outro, clarear os dentes ou ouvir os mal dizeres? Se junte à causa, leia livros legais, veja filmes que não são esteriotipados e que te tragam conhecimento da vida. Ache o gosto de viver. Ache coisas que você gosta de fazer e tem prazer porque elas simplesmente te agradam, não porque são bonitas ou porque te consolam. Seja leve, querida E., o mundo vai te afagar, acredite.

paula disse...

E. querida, já vi pessoas em situações desse tipo melhorarem de vida, não desista.

Essa fase dos 15 anos é muito difícil mesmo para meninas. Por experiência própria, o mais importante, como disse a Lola, é procurar uma ajuda profissional. Se você não tem condições financeiras, procure faculdades de psicologia ou especializações em psiquiatria que atendam de graça. Pela internet você já deve descobrir alguma coisa.

E quanto a esses xingamentos pela internet, se lembre sempre que o anonimato que a internet proporciona encoraja muito as pessoas a dizerem coisas que elas nunca diriam pessoalmente. Se você começar a ler comentários em notícias, vai ver que o povo reclama até de coisas boas, sempre sem pensar antes.

Desejo que você tenhas forças para procurar ajuda e se sentir melhor!

Anônimo disse...

Eu nao ficava de biquíni na praia por nada nesse mundo! Achava meu corpo horrível! Depois de ler essas coisas maravilhosas que a Lola escreve e de uma amiga me encorajar , tirei a saída de praia , comecei a caminhar na beira do mar e observar todos a minha volta. Havia uma multidão tão diversa! Pensei: eu nao sou feia. E caminhei por uma hora assim. Foi um dia libertador! Obrigada Lola. Te amo!

pleiade disse...

Eu realmente não sei bem o que pensar. Só desejo a ela FORÇA e MUITA SABEDORIA, pra saber relevar os comentários maldosos que a vida nos proporciona.
Porque críticas todo mundo vai receber. Mas apoio que é bom, nem todos sabem dar.

Anônimo disse...

E. , é como a Lola falou: Quem diz essas barbaridades que você escuta não são dignas de sua atenção. Sempre que vc escutar/ler algo do tipo, mentalize automaticamente que essa pessoa é como a menina de 12 anos que falou do seu corpo. São pessoas infantis que pensam como uma criança mimada. As pessoas nascem sem pedir. Não há mérito em ser deslumbrante, e não há motivos pra ficar triste pq não tem um corpo de modelo. O mérito esta na serenidade de ignorar as coisas que são pequenas. E você sabe disso, só precisar colocar em prática. Digo tudo isso, mas sei como é difícil. Eu também sou como você, mas estou fazendo tratamento psicológico e estou melhorando. E vc deve fazer também! O blog te ajuda, mas um profissional é o ideal. Pq olha, ignorar os trolls é a parte fácil, o difícil é lidar com a indiferença, que é tão horrível quanto e deve ser combatida assim como os bobocas que falam besteiras. Fica bem :)

Lais disse...

O post que mais me ajudou a ignorar o julgamento de outros sobre minha aparência foi esse: http://escrevalolaescreva.blogspot.com.br/2012/03/ninguem-vai-invadir-minha-praia.html
É muuuito difícil ignorar, muito mesmo. O que eu tento repetir pra mim mesma nessas horas é: "Eu não existo para decorar o mundo pra ninguém." Você não existe para decorar o mundo de ninguém. você tem outros valores, outras qualidades, que importam muito mais. Vc não existe pra ser objeto de decoração. Você é mais que isso. tenta se concentrar nas suas outras qualidades, nas coisas que vc faz bem. Se vc pensar "ah, mas não tem nada que eu faço bem", acredite, é só pq vc ainda não descobriu o que te move. Vai atrás. Pensa nas coisas que te deixam feliz. Vai atrás disso.

Mirella disse...

E.,


A única coisa em vc que precisa de "reparo" é a sua auto-estima. Só isso.
Dê prioridade para sua saúde mental. É devastador ler o seu relato, então não imagino como deve ser vivê-lo.
Mas, para começar, siga o que a Lola disse. Só sei que: você não pode guiar sua vida e a maneira como lida com o seu corpo pela aceitação dos outros. Seu corpo e sua vida são seus, e você "deve" vivê-los de acordo com a sua percepção.
Você tem acesso a tratamento psiquiátrico/psicológico?
É a coisa mais importante para você, agora. E é importante que você se consulte com alguém em quem tenha confiança (ao contrário do babaca que vc citou, sobre "não arranjar homem").

Você é muito nova ainda, 15 anos, para entender que sua mãe pode ter um comportamento muito equivocado (mesmo que ela esteja somente tentando te ajudar). Acho muito provável que ela ache que é assim que irá ajudar você, e você pode tentar mostrar que não é bem assim.
Infelizmente, a situação exige que você tenha uma maturidade muito grande, mas que eu tenho certeza de que vc é capaz.
Dependendo do seu relacionamento com ela, acho que um bom passo é sentar e ter uma conversa franca. Peça ajuda, converse sobre seus problemas. Explique como se sente. Dê uma chance a ela.
Como é a sua escola? Tem acompanhamento psicológico para alunos? Você pode conseguir ajuda lá também.
De qualquer forma, espero que vc melhore, que reforce sua autoestima, que passe por isso. Esqueça as opiniões de pessoas que não se importam com vc. Elas não valem nada da energia que vc dispõe. Desejo muito que fique bem.

A.A disse...

Querida, eu sei o quanto é duro ser julgada. Durante grande parte da minha adolescência eu fui julgada por ser magra demais, depois por ter peitos grandes demais, por ter dentes tortos, e nada disso impediu que eu fosse estuprada.
Engordei e passei a ser julgada por ter engordado. Estou emagrecendo agora, fazendo academia e regulando a minha alimentação. Estou fazendo por saúde e sim, por estética. Já ouvi muitas "feministas" dizerem que isso vai contra os meus ideais no feminismo. Isso é foda. Não quero que ninguém seja magro, acho inclusive uma graça homens gordinhos. Eu me preocupo muito com a saúde e estou enchendo o saco da minha mãe para que ela faça exercícios e coma menos porcaria, por que a minha avó, mãe dela, acabou de morrer a 25 dias de uma doença ligada ao sedentarismo. Ela teve um AVC por causa da pressão alta. Meu pai também tem problema de pressão, colesterol alto e é magro, ele precisa regular a alimentação e fazer exercícios, mas dele nunca é cobrado, por que ele é homem e magro.
A vida é um saco, pessoas de julgam por tudo. É pior ainda quando um psicólogo te julga(que profissional é esse?).
Não sei como te ajudar a abstrair, mas se quiser, peça meu contato para a Lola e podemos conversar. =)

bjs

Anônimo disse...

E.

Eu não tenho mais 15, mas me identifiquei bastante com a sua história. Com essa idade também me achava péssima e quanto mais minha auto estima ficava baixa, mais a opinião dos outros me afetava.

Uma vez, há uns sete anos atrás, passei por uma situação parecida em um site de namoro. Um senhor de mais bem de 40 começou a me chamar no chat e como eu não conhecia, nem queria conversar não respondi. Ele mandou uma dez mensagens me xingando e insinuando que eu não estava em condições de escolher com quem me relacionar.
Eu denunciei para o site e bloqueei, mas foi super chato.
O que tem que ficar claro, é que o errado nessa história é ele e não você.

Na vida real ngm tem o direito de te pressionar para conversar e no mundo virtual é igual.


Você parece uma garota legal e muito inteligente. Tira da cabeça essa história de se matar. Pense em você mesma como uma sobrevivente.

Mimimi disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ta-chan disse...

Credo!Li esse texto com a minha voz.O que a E. passa aos 15 anos eu passo desde os 22.Sou comedora compulsiva e tenho personalidade Borderline, peso 85kg com 1,58m de altura.Na rua as pessoas falam coisas como "mulher feia tinha que pagar imposto pra andar na rua" ou então quando tem um grupo de caras sempre tem a perola "olha a sua namorada fulano!". Já me tratei com vários médicos e nenhum me ajudou por muito tempo...
Teve uma psiquiatra do sus que disse uma coisa lyndra: "Você sabe que esses problemas são seus não é? Resolva! Tenho casos mais graves pra tratar!"
Problemas com a aceitação do corpo e todas as coisas que vem depois (como o self-harm) não são menos graves que outros distúrbios psicológicos. Os que sofrem disso deviam ser melhor acolhidos nos serviços de saúde. Não tem um único dia em que eu não pense em suicídio... Mas eu saio da cama e vou viver, desejo que você E, também consiga viver apesar de tudo.
E desejo que você, eu e as outras pessoas sofrendo com coisas assim encontremos paz, e aceitação no futuro.

Hanna Ribeiro disse...

Sinto muito pela sua dor, E. Por favor, afaste essa ideia de morte, você é muito jovem e as coisas com certeza vão melhorar. Essa promessa de melhora parece vaga né? Mas você pode acreditar nela. Nós mudamos com o tempo, nos tornamos mais fortes do que somos na adolescência. Isso também vai acontecer com você, seu texto demonstra ter sido escrito por uma menina inteligente e que vai conseguir muitas coisas e conhecer muitas pessoas legais. Entendo um pouco o que você está passando. Já tive 15 anos e não foi fácil. Eu também tinha muita acne e sofria com isso. Eu não gostava de maquiagem, não sabia me maquiar e algumas colegas da escola agiam como se meu rosto fosse um crime. Isso me machucava. Eu usava sabonete especial e pomada, chorava de desespero quase toda noite e a acne continuava igualzinha. Eu era alta e magra, mas isso não poupou meu corpo de críticas. Sou alta demais (1,78m), ao que parece, então ouvia piadas sobre isso também. E ás vezes, assim como você, eu tive vontade de morrer. Ainda bem que não morri, eu teria perdido muito e por muito pouco.
Hoje eu tenho 24 anos, quase uma década a mais (que passou super rápido) e tudo é completamente diferente. Eu ainda tenho um pouco de acne e ainda conheço pessoas idiotas que gostam de ofender gratuitamente, mas agora sou outra, opinião de pessoas desinteressantes e desimportantes não significam nada para mim. Também me conheço melhor e valorizo as coisas boas que tenho, minhas muitas qualidades. Hoje eu também me acho uma pessoa bonita, embora isso seja o menos importante naquilo que sou. De verdade. E se alguém falar que sou feia? Bom, tem gente que fala que Angelina Jolie é feia (sério, eu já ouvi), algumas pessoas tem a necessidade de apontar defeitos, de tentar machucar, essas pessoas farão isso com qualquer um, não importa a aparência deste um. Não podemos achar que conseguiremos superar todos nossos defeitos a ponto de não receber nenhuma critica e só aí começar a ser feliz. Você ainda terá problemas, ainda sentirá dor, mas terá alegrias e prazeres maravilhosos. Procure sim ajuda profissional (pelo que você escreveu, parece que você já está fazendo isso), é fundamental e sinal de força, sinal que você enfrenta seus problemas, busca solução para eles. Você não precisa passar por tudo sozinha e é corajoso pedir uma força, como você fez procurando este blog. Você tem coragem e não está sozinha.
Abraço bem forte.

patricia. disse...

Querida E,
que tristeza ler o seu relato. Uma coisa que ainda me surpreende e me revolta, é a capacidade que as pessoas tem de minimizar o sofrimento alheio.

Para mim, não adianta muito dizer que tem criancinhas passando fome na África, ou gente morrendo de câncer, ou todo tipo de desgraça no mundo.Qualquer pessoa que não passou os últimos cem anos morando em baixo de uma rocha sabe disso.
Saber que tem gente pior do que a gente não neutraliza os nossos problemas,não faz doer menos,nem tampouco nos traz felicidade.

Queria eu poder resolver todos os problemas do mundo, mas por enquanto tudo que eu posso fazer é tentar mudar o que está ao meu alcance e desejar que isso seja o suficiente.

É difícil para as pessoas se colocar no lugar dos outros. Demonstrar empatia quando é tão mais fácil criticar. Eu mesma já cometi esse erro algumas vezes e sempre penso nisso, para que no futuro eu possa ser mais compreensiva e solidária.

Queria saber o que te dizer agora, mas não sei. Só posso te aconselhar a procurar um psiquiatra, um terapeuta e te dizer que eu também tive problemas de auto estima, e que eu sei o que é não se sentir confortável dentro do seu corpo, e que a grande maioria das mulheres também sabe, você não está sozinha!E que acredito que da mesma forma que as coisas melhoraram para mim, elas podem melhorar para você. Acredite, ainda há muita vida pela frente!

Te desejo força e um futuro muito feliz e promissor.

Um milhão de abraços.

Amana disse...

Querida E.,
Vou te dizer uma coisa como uma pessoa que tem 33 anos, mas já teve 15. E era magricela demais até os 14, a ponto de nenhum menino pensar a sério em querer ficar/namorar comigo. Que tinha uma pele e um cabelo bem oleosos, que me deixavam - por mais que eu tomasse banho todo dia - sempre com um visual "sujo". Era o que eu pensava na época. Hoje, vendo minhas fotos de 13, 14 anos, sinto uma ternura enorme por essa menina (e que eu hoje acho tão bonita)! Ela faz parte de mim, pq me ajudou a querer ser amada mesmo assim.
Não vivi essa experiência de odiar meu corpo tão forte como vc. De maneira geral, acho q o mundo hj é bem mais difícil para adolescentes do que há poucos 15, 20 anos atrás. A internet, as propagandas, a televisão são muito mais incisivas sobre a autoimagem das jovens, e muito mais danosas.
Mas queria te dizer o seguinte: isso tudo é bobagem. Não que não nos faça sofrer, claro que faz!!! Mas bobagem no sentido de que são coisas, cobranças, que não têm fundamentos. E por isso ferem tanto, eu acho...
Eu sou professora universitária hoje. Passo muito tempo lendo, escrevendo. E sou muito míope. Lembro que durante minha adolescência eu ODIAVA usar óculos, e juntei minhas parcas economias para fazer uma lente de contato - que devido ao meu alto grau, tinha q ser gás-permeável, aquela dura. Passei anos e anos na universidade usando essa m*rda dessa lente, que a qualquer ventinho incomodava por causa de cisco, que me deixava com a obrigação de tirar e limpar aquilo mesmo qdo estava morta de sono. Tudo pq eu achava óculos o fim da picada.
Pra encurtar a história, queria dizer q depois de um tempo, minha percepção sobre o que é ou não atraente nos outros e em mim foi mudando. Continuo super míope, mas fiz as pazes com os óculos. Sou fissurada em café, e sei que meus dentes são amarelados por causa desse hábito. Mas conheci muita gente legal na universidade (justamente passando bom tempo nos cafés!) que também não têm como prioridade gastar dinheiro clareando os dentes.
Enfim... pra concordar com Lola, às vezes a gente acha que é a única a sentir e pensar e sofrer certas coisas. Né não!!! Vc encontrou um monte de gente q vive isso aqui no blog. Então... não vale a pena perder muitas coisas ótimas da vida por causa de meia dúzia de zé manés que estão enchendo o seu saco...
Por fim, é o seguinte: acho super importante vc procurar ajuda, mas não vá a psiquiatras!... Eles patologizam tudo, tornam todas as tristezas doenças e querem tratar com medicamento e só (ou no máximo alguma terapia de "suporte", mas o foco são os remédios) questões, problemas e dificuldades que NÃO SÃO FISIOLÓGICOS/BIOLÓGICOS. Tudo o q vc descreve aí são questões q têm a ver com o nosso mundo atual, sexista, competitivo, individualizante. E vc está sofrendo isso na pele, nos dentes, nos cílios. Mas O PROBLEMA NÃO É UMA COISA SUA! É desse mundo muito difícil em que vivemos. Assim, desejo muito q vc possa FALAR dessas questões que te angustiam com um profissional (psicólogo ou psicanalista). Alguém que te ESCUTE. Pq hoje, vivemos num mundo em que ninguém quer escutar, e sim apontar o dedo, dizer qual é o seu problema, rotular...
Fique bem, estou torcendo por vc!
beijo

Amana disse...

Nossa, li agora os outros comentários. É sintomático que tantas mulheres tenham histórias parecidas para contar... e assustador também...

Bia disse...

A E. Eu a compreendo.
Eu tive depressão por 3 anos e meio e sei como é. Para mim era eu, a errada, o problema maior. Tudo estava ok, eu é que era assim e merecia sofrer.

Passei com uma psicóloga depois de pensar em me matar inúmeras vezes. Todas as pessoas não compreendiam, minha própria mãe. Dizem que pessoas x estão em piores condições, que eu tinha tudo etc.

A psicóloga me ajudou? Talvez. Acho que foi eu, acima de tudo. Quando entrei na sala dela eu já sabia o que queria, e a primeira coisa que ela me falou foi: "você sabe que eu não posso te ajudar, se..." e eu completei "eu não querer ser ajudada".
E eu queria. Queria muito. Mas não tinha forças para conseguir, achava que não conseguiria porém queria, queria muito. As crises eram fortes e eu pensava em desistir, em me matar novamente, em chorar mais um pouco - e chorava.

Então descobri o feminismo. Juntei com a minha força de vontade e o meu propósito: ajudar os outros. Ajudar as mulheres. Lutar por um mundo melhor.
Não sei dizer quando e qual foi o dia em que acordei e vi o céu azul, ouvi o canto dos pássaros e achei bonito. E vi vida. E vi vida em mim. Não sei o momento exato onde o meu mundo cinza ganhou cores novamente.
Só sei que estou curada porque me lembro exatamente do que sentia e que achava que era normal. Vejo o quão doente estava e puxa, eu não merecia aquilo. E você não merece. Ninguém merece.

Até hoje estou tentando mudar coisas impostas em mim desde pequena, tento não ligar tanto para as cobranças por ser mulher mas às vezes cedo. Tendo enviar informações, ajudar meu namorado a aceitar o seu corpo, e também a outras pessoas.

Quero que você olhe para si mesma e diga que quer mudar, que existe algo melhor e que você só não enxerga porque está doente. E que vai se curar.
Tente não se abalar com palavras de idiotas (sou muito emotiva e me abalo fácil até hoje), encontre alguém que vai gritar por você quando você ficar sem voz.

Não deixe que essa sociedade de devore, te destrua, te leve embora. Você é mais, você é livre. E bora juntas aprender a sacudir os ombros...

Jac disse...

Eu tenho a mesma tricotilomania que a sua (sobrancelha e cílios) há três anos. Tenho me esforçado para parar e a última crise foi umas 3 ou 4 semanas atrás.

Se aceita meus conselhos, eu sugiro que você nunca fique com as mãos livres quando você sentir vontade de arrancar seus pelos (eu tenho uma bolinha anti-stress que eu sempre carrego) e que sempre passe uma pomada (tipo drenison) - ou água (pelo menos funciona comigo).

Anônimo disse...

Vou falar da minha experiência:
Quando era muito pequena, meus parentes e amigos da minha família diziam sempre que eu era bonita e que iria conquistar muitos garotos e tal.
Porém na escola todos me achavam feia e sabe o por que?
Porque eu era baixinha,magrelinha e porque sou mulata de cabelo cacheado. Ou seja, não era alta, branca e nem tinha cabelo liso.
Ainda por cima, eu era quieta, uma pessoa bem na minha e por causa disso, todo mundo me achava feiosa. Era até motivo de vergonha pros meninos que me achavam bonita, pois eles seriam zoados caso demostrassem que me achavam atraente!
O que passei não deve ter sido não 1% do que você passou, pois fora do mundo escolar eu era considerada linda...pelos adultos. Mas foi o suficiente para acabar com a minha auto estima porque eu fui bem rejeitada pelas pessoas da qual convivia, pessoas da minha idade, da minha geração.
Mas o tempo foi passando e à partir dos 13 anos, os garotos começaram a reparar em mim o que achei curioso, pois a minha aparência ainda era(e ainda é)a mesma da época em que fui rejeitada.
De lá pra cá, muitos homens se interessaram e se interessam por mim. Fico com vários caras, tenho uns conhecidos apaixonados por mim, outros dizem que me acham muito linda e gostosa e etc.
Contrariando a todos os meus coleguinhas que me xingavam de feia, de merda e que diziam que ninguém nunca iria se interessar por mim!
Só que apesar disso tudo, não consigo acreditar que me achem bonita mesmo, fico às vezes me perguntando o que viram de tão lindo em mim. Pois eu ainda "acredito" no que meus colegas diziam a mim: sua feia!

Anônimo disse...

Mas gente, nessas horas vocês precisam deixar de ser mulherzinha e ser macho, poxa! Manda o cara tomar no cu dele. Onde já se viu ser grosseiro e estúpido assim? Por que internalizar o julgamento desse tipo de desclassificado? Era só o que me faltava. Manda o cara passear e bola pra frente. Nada de ficar remoendo em cima de palavras de gente que não nem pra que veio ao mundo. Liga o foda-se e vai em frente.

Ana Vitória disse...

Nossa E., me identifiquei muito com a sua história, e vejam só, descobri o nome do problema que eu tinha na adolescência (Tricotilomania), entre os tantos que tive, não muito diferentes do seu.

Bullying é algo muito difícil, e me lembro de ter sido vítima desde a terceira série. Primeiro foi pq eu tinha cabelos curtos e parecia um menino. Depois foi pq eu era alta e magra demais. Tb arrancava cabelos, e foi na adolescência que a depressão apareceu. Já pensei em me matar muitas vezes (e já cheguei a tentar tb =\).

Eu entendo o que vc passa, e aos 15 anos de idade é tudo mais pesado mesmo. A opinião das pessoas nos atinge três vezes mais, e se adultos ficam péssimos com a opinião alheia, imagine uma adolescente como vc?

Mas acredite na Lola: as coisas vão melhorar. Até hoje minha autoestima não é 100% por conta do bullying que sofri desde a infância, mas com certeza melhorou bastante. Ainda tenho depressão, ainda tomo remédios, mas não tenho mais medo da vida. Inclusive descobri uma coragem que eu nem sabia que existia.

Vc vai crescer, vai terminar a escola (sem neuras por ter largado. reprovei horrores tb. fiz até supletivo, mas me formei em uma boa faculdade, faço mestrado... ou seja: nada fora do comum) e vai conhecer pessoas legais que só terão a somar em sua vida.

E vc escreve muito bem! Continue escrevendo. Quem sabe não surge uma nova escritora, né? :)

Anônimo disse...

Querida,

Procure ajuda psiquiátrica na sua cidade. Em alguma faculdade pública, talvez. Você precisa conversar com alguém que não te julgue, mas não só através do computador, mas olhando olho no olho. Adolescência é um bicho brabo, mas passa, te garanto. Encha sua vida de leitura, arte, beleza. A depressão tem cura, te garanto.

Giovanna

paula disse...

Amana, essa generalização que vc fez dos psiquiatras demonstra desconhecimento da sua parte. Os psiquiatras que são terapeutas (existe aqueles que apenas fazem o tratamento através de remédios e também indicam um terapeuta)sabem distinguir os problemas orgânicos dos problemas emocionais (não sei os termos corretos, mas dá pra entender), ou então tratam os dois juntos, o que é uma situação muito comum. Não sou psiquiatra, mas venho de uma família grande e cheia de gente que foi salva graças a esses profissionais. Se vc teve uma experiência ruim, não saia por aí falando do que não sabe pra uma menina de 15 anos, que pode perder grandes oportunidades de tratamento por uma bobagem que alguém falou na internet.

Eu mesma faço terapia com psiquiatra (o primeiro morreu, e depois procurei outro) apenas para tratar dos meus problemas emocionais, que nunca foram diagnosticados como doença.

Marcia disse...

Querida E. você e forte e linda! Não preciso ver sua foto para saber que você vale e muito.

Siga forte, lute, resolva suas questões internas. Eu tenho dentes amarelos desde os meus 15 e ao contrário do que me falavam na adolescência, eu namorei bastante, me casei, separei, to casada de novo, conquistei alguns sonhos, outros não deram certo.
E todos os dias, contrariando o mundo, continuo achando que viver, com meus dentes amarelos, vale a pena!

Ser mulher é uma condição da qual não se escapa, mas nunca duvide da sua força para passar por tudo isso e achar felicidade. Você consegue!

Lute! Um abraço e dois beijos carinhosos.

Iara Sindrominha disse...

É terrível ver o que essa menina passa e não sei se serve de consolo,mas poder falar ajuda demais...quisera eu ter tido essa porta aberta no auge do meu inferno,aos 13 anos.

Bom,gostaria de dizer uma coisa superficial,mas tem seu ponto...não recomendo clareamento dental pra ninguém...é melhor estudar bem os prós e contras,não é tão simples como parece...

Mas tem uma coisa que eu tenho que dizer...não existe nada,nada,nada,que uma mulher possa fazer neste mundo e seja considerado suficiente.Na hora que abre a porta e começa a clarear dentes,mudar o cabelo,fazer isso e aquilo,sonhar com cirurgis,enfim,a coisa não termina nunca porque a mídia é mais rápida do que isso,todos os dias inventa um novo padrão.
O melhor caminho é se aceitar,até porque acontece uma coisa muito interessante com as mulheres.Depois de uma adolescência trágica,eu sou hoje uma mulher bonitona,mas conto um segredo,hoje sofro outro tipo de perseguição,não é a aparência,mas o que eu penso e sinto sobre o mundo.Percebi então que as mulheres podem andar de cabeça pra baixo se quiserem,se for o padrão,mas vão ser perseguidas.No momento que deixam de ser perseguidas pela aparência (talvez isso nem aconteça)vão ser perseguidas se têm idéias políticas diferentes do que se espera de uma mulher em uma sociedade machista.

Eu não uso mais oculos e não me perseguem mais por isso,mas sou feminista,então a minha condição sexual virou um alvo familiar,se meus primos antes me enchiam o saco porque era gorda e de oculos,hoje dizem que eu sou lésbica e mal amada,porque sou feminista.

E nem sou lésbica,mas não existe como ser mulher neste mundo e ficar impune (ainda).Por isso se aceite,se ame,porque as pedras sempre estão voando sobre a cabeça de todas,se fortaleça e isso só o amor própio pode te dar a força para mudar sua vida.Boa sorte!

Ana Carolina disse...

Cara E.,

Aquela frase do "it gets better" pode ser simplista, mas é verdade: logo o tempo vai passar e essas coisas vão ficar distantes. Adolescência é uma fase difícil: você tá formando seu caráter e sua personalidade (e é muito, muito, muito difícil nessa frase se destacar, ser o motivo de chacota, você quer só ser normal - sei disso porque sofri bastante nessa fase). Além de tudo, com a chuva de hormônios, ninguém é muito bonito na adolescência: no meu caso, meu cabelo era medonho, foi melhorando com o passar dos anos. É possível que aconteça o mesmo com sua pele, que quando os hormônios estabilizarem, ela melhore.

Sobre amizades, essas pessoas nunca foram suas amigas de verdade. É bom saber disso, talvez variá-las, conhecer gente nova, se enturmar em outros lugares para encontrar pessoas que realmente se importem com você.

Sobre peso, eu mesma estou acima do meu, não estou satisfeita, estou tentando emagrecer e não me acho mais ou menos feminista por causa disso. Auto-aceitação também parte por mudar aquilo que não te agrada no espelho, desde que não vire uma obsessão sem limites.

Sobre suicídio, a melhor definição que já vi é que é uma solução definitiva para problemas passageiros. E os problemas VÃO passar.

Sobre depressão, recomendaria demais ajuda médica. Se sua família não concorda, acha bobagem, etc (sei como é pq minha família tem MUITA resistência, e isso que já sou adulta), procure um posto de saúde, o acnselhamento da escola, um serviço universitário ou algo assim. Ninguém é obrigado a passar por uma fase difícil sem ajuda. Pelo contrário: a ajuda faz as coisas ficarem mais leves.

L disse...

Vontade absurda de te dar um abraço.
Tem muita coisa que gostaria de dizer, mas quero que apenas seja forte, que procure sua beleza, que procure ver o quão lindo seu corpo é, que passe a se amar e se aceitar cada dia mais.
Espero que voce trabalhe trabalhe cada dia pra aprimorar sua auto-estima, e não dê uma foda pra o que os outros dizem, crie se necessário uma muralha de proteção.
Vai melhorar, querida E. Toda vez que você pensar besteira, lembre-se que vale a pena sempre viver mais um dia, que tudo passa. Enfim, força.

Paola disse...

Já tentei encontrar psiquiatras terapeutas pelo convênio (e olha q o meu convênio é excelente, um dos melhores de SP) e não encontrei. Achei um q cobra a terapia á parte, e R$400 cada sessão.

Bom, como outras pessoas já disseram isso vai passar... E esse sofrimento tb....
Eu tive acne mto forte nessa idade e tb sofri horrores, de até desejar morrer enquanto eu dormia.... Fiz vários tratamentos e eles não davam certo, só melhorou qdo fiquei mai velha....
Eu tb tinha seios mto grandes e chorava mto nessa época, pq não podia usar as roupas da moda, não ficavam bem em mim... Tive q fazer uma plástica....
Hoje, aos 31 anos, me acho bonita e as pessoas me elogiam, talvez pq eu seja uma pessoa segura e transmita isso.... Na adolescência eu me achava horrorosa, e hoje eu vejo como eu era uma menina bonita....
Calma, tudo vai melhorar!

Anônimo disse...

Já passei por situações parecidas em sites de namoro... tem muito imbecil se passando por cara legal neles!

Um deles uma vez me viu namorando e falou que eu o rejeitei, quando nem era namorada dele, ele mal falava comigo aliás... e depois ficou soltando 1000 indiretas no facebook dizendo que mulher era mesmo tudo igual, que só pisada nos homens "bons"... sendo que, repito, ele mal conversava comigo antes disso...

Enfim... uma dica, gente idiota sempre vai existir. Até as modelos e cantoras lindas são espezinhadas, até mais do que a gente que é "mera mortal". Se elas engordam meio quilo a mídia vem em cima... esses dias vi um comentário sobre a Cleo Pires, dizendo que ela, magra, jovem e com tudo em cima, estava com o "corpinho murcho"... imagine então mais da metade da população brasileira que está com o corpo mais "murcho" que o dela.

Sempre vão falar alguma coisa contra a gente. Aos 15 anos qualquer opinião nos fere, é verdade, mas com o tempo vc aprende a metabolizar isso.

Abraços!

Anaísa Pereira disse...

E. não desista, se ame, se ame e se ame. Sua vida vale a pena. Isso vai passar e você vai conseguir se amar. Na quinta e sexta série a minha turma me elegeu por uniminidade a menina mais feia da sala e isso juntamente com outras criticas me fizeram passar varios anos duvidando de mim mesma, me achando horrivel. Hoje, depois de muitas dietas malucas, sabonetes e cremes para espinhas, voltei a engordar e estou mais confiante quanto ao meu corpo. Hoje eu posso dizer que amo cada uma das minhas manchas de espinha, cada uma das minhas gordurinhas, cada uma das minhas celulites, cada uma das minhas estrias pq eu me amo por completo. Se ame, essa é a coisa mais poderosa do mundo.

Sara disse...

E. resolvi te escrever só pra contar o q aconteceu com uma amiga q eu tenho, ela é muito alegre, linda demais, ela é meio gordinha mas nada exagerado, tem olhos azuis de uma cor q parece o céu, tem lindos cabelos loiros, pra encurtar conversa ela até q corresponde bem aos padrões.
Pois bem ela tinha uns 30 anos ,estava divorciada e resolveu arranjar namorado nesse sites de relacionamento, diga-se de passagem, ela conheceu muita gente legal ok.
Certa vez ela começou a conversar com uma carinha na internet, achou a conversa do cara interessante e quiz conhece-lo, e ele parecia interessado tb.
Só q ele sumiu do site e não se falaram mais, quando foi um belo dia ele aparece de novo no site, e ela perguntou pq ele havia sumido, ele teve a maldade de responder a ela, q ela era horrível e que ele nunca ia querer uma namorada como ela, a minha amiga retrucou a ele como era possível q ele falasse isso, se nem ao menos haviam se conhecido de fato, e ele explicou.
Minha amiga tinha um comércio, e tinha os telefones pra atender clientes, ela havia dado o numero do celular para esse panaca.
Ele ligou no celular dela, mas ao mesmo tempo tocou o telefone do comércio dela, ela pediu um minuto pro cara, e foi atender o outro telefone com o cliente.
Nesse telefonema o cliente pedia o endereço correto da loja, para deixar uma encomenda, e ela deu.
Só q o cara no celular dela tava ligadão e foi no endereço do comercio dela, fingindo ser um cliente, apenas para espiona-la.
Até de o cara não ter gostado dela é normal não é?? mas ele n precisava humilha-la, chamando-a de horrível e sem modos como ele fez.
Portanto a Lola esta certa, nunca devemos deixar q outros nos julguem, e muito menos aceitar esses julgamentos ao ponto de querer morrer por isso.
Algumas pessoas sabe-se lá o porque , tem prazer em ser cruéis, muitas vezes sem motivo algum.
É bem provavel que vc seja uma garota "normal"como muitas outras, e ainda q vc tenha algum defeito ou mais de um, todos nós temos tb, não tem gente perfeita, depois q eu vi um cara imbecil chamar minha amiga tão linda de horrível, percebi q tem gente pra tudo nessa vida, e não devemos dar moral pra essa gente.

Anônimo disse...

Conheço vários psiquiatras que não são a favor da medicalização.
Amana, não generalize, ok?

Anônimo disse...

E ainda tem gente q defende esses nojentos q praticam bullying dizendo q são coitados q tem algum problema e q só descontam tudo nos outros,q dó...
Nem sei como te ajudar,n consigo ajudar nem a mim mesma .tb sofro as consequencias do bullying até hj.

L. G. Alves disse...

"tudo que a mulher tem pra sociedade hoje é a aparência" Então é só pra isso que a mulher serve? Para enfeite? Gente, não é por aí, não. Você é muito nova. Tem tanta coisa para viver ainda e seu corpo nem está totalmente formado.
Você está muito FOCADA em corpo, corpo, corpo. APARÊNCIA. Procure melhorar a sua autoestima porque ela anda bem baixa. Você não se ama. Deixa as pessoas te pisarem e é afetada DEMAIS com o que dizem. A opinião delas tem peso em sua vida. Já fui assim, mas não cheguei a tanto. Bem, cada pessoa reage de um jeito. Mas o importante é você não deixar que as pessoas consigam te ferir assim. Aprenda a encontrar pontos positivos em você, a se amar. Cuide de você PARA VOCÊ. As coisas precisam mudar DE DENTRO para fora. Pensa sobre isso.

Anônimo disse...

Qual o problema de achar angelina jolie feia?impossivel achar todo mundo lindo,parece endeusamento de famoso,só por ter a cara na midia deve ser adorado por todos.
O problema n é achar fulano feio,é usar isso para debochar da pessoa.

L. G. Alves disse...

Esqueci. Tem a dica das pastas para clarear os dentes que não é milagre nem 100% eficazes, mas ajuda em algo e o preço é mais em conta. Tem até um tratamento um pouco mais caro, nas farmácias, que também é uma boa ajuda. Desejo melhoras para sua vida.

Panthro disse...

Querida, se falam da celulite da Giselle Bundchen, você acha que adianta alguma coisa fazer regime e passar maquiagem pra que não falem de você?

Entenda: Vão falar mal de você. Faça você o que fizer. Então pra que se preocupar em atender os outros? Atenda a você mesma.

Uma coisa que eu aprendi com a pornografia é que desejo não é uma coisa tabelada. Embora só vendam um padrão de mulher bonita, basta entrar na internet pra ver que tem que goste de mulher magra, gorda, velha, nova, alta, baixa, com todos os tons de pele e de cabelo. Tem quem goste de mulher dominadora e mulher submissa. Tem pra todo mundo. Então ao invés de tentar se adequar ao gosto dos outros, porque não tentar achar alguém que goste de você do jeito que você é?

Tem mais de 3 bilhões de homens no mundo! Tudo bem que se você não gosta de chinês só sobram 2,5 mas ainda é gente pra caramba. Se não gostarem, amai ao próximo.

Demorou 6 anos até eu encontrar a pessoa certa pra mim, pra umas pessoas demoram mais, pra outras menos. Mas se anular pela idéia de ficar com alguém não compensa. Ainda mais alguém que você nem sabe quem é!

A.H.B. disse...

"Hoje eu tenho 67 kg em 1,74 de altura."

Tenho 1,80 eu tenho 60kg hoje e já cheguei a 64kg (nunca fiz regime, dieta, nem academia, nem nada do tipo.) - Eu realmente não me considero nem um pouco gorda, acho que pareço um palito (não que seja um problema ser gorda ou magra ou o que for, só estou comentando para fins de comparação) e realmente acho que continuaria um palito se ganhasse mais 10 kg.

Isso só para dizer que realmente o pessoal é muito irrealista na hora de cobrar medidas das mulheres.

-o-

Ah, fora do assunto mas hoje mais cedo fui chamada de "sapatão" na rua por estar andando abraçada com a minha mãe! Alguém já passou por isso? Eu mandei o cara pra pqp e chamei de "homofóbico de merda".

Fernanda disse...

E., toda força do mundo pra ti. Sinto muito que você tenha que passar por essas situações.
Um dos motivos porque o feminismo é tão legal é essa sensação de união, de pertencimento a uma causa, de ter várias pessoas que já passaram pelo mesmo que a gente e que estão aí fortes e felizes, lutando para um presente e futuro melhores.
Saiba que te desejo tudo de bom e que você com certeza tem muito a contribuir pela sociedade com a tua existência ainda, e tu vai ter várias oportunidades pra ser feliz. Se você precisar de qualquer coisa ou apenas quiser conversar, pode entrar em contato pelo meu e-mail (:

Mordred Paganini disse...

Lola, quero ajudar esta moça! Passa meu e-mail pra ela?

Moça bonita, se você estiver lendo isto, pode mandar o e-mail sem medo, hein!

Rose disse...

Como eu gostaria de poder convence-la que a sua vida é muito mais importante que qualquer comentário idiota. Seus medos, suas frustrações passarão, cuida de ti, da tua depressão (reage guria, a vida vale muito a pena)

Camila Gois disse...

E., sei bem o que está passando, já passei por isso tb. Também tive tricotilomania (só descobri agora, lendo seu post), acne e sofri muito bullying quando tinha 15 anos. O estranho é que no condomínio onde morava tinha vários amigos e todos me achavam muito bonita, para alguns a mais bonita. Na escola me chamavam de feia, horrorosa e colocavam defeito em tudo meu, tudo mesmo. Com 16 anos, mudei de escola e de amigos e não sei como, passei a ser bonita, aos olhos de todos. Com 17 anos, voltei á ser a feia, não sei porque... tudo voltou como antes, o bullying, os xingamentos... até minha própria mãe não me achava mais bonita. Foi muito difícil, muito mesmo. Com 18 anos, mudei novamente de escola e prometi para mim mesma que nunca mais iria me deixar abalar com essas críticas. Descobri muitas qualidades em mim, decidi que seria uma profissional bem sucedida e a opinião "dozotros" não me influenciaria. Quando parei de me concentrar nas críticas e focar nas minhas qualidades, consegui superar essa fase nebulosa e até modificar tudo que não gostava muito em mim. Consegui ser a profissional que queria, e agora larguei tudo para ser mãe em tempo integral... e estou muito feliz com essa decisão! Então, o que eu queria mesmo te dizer, é que você pode ser, fazer, ou ter tudo o que você quiser. Acredite em você!

MonaLisa disse...

Que cara babaca esse do chat, vc devia ter respondido: - E vc é tão lindo que tá aqui desesperado no chat né? Os caras lindos que conheço tem mulheres chovendo no pé deles.

Maria Valéria disse...

Aqui vai meu depoimento( abreviado, pois minha historia e tao comprida que ja fiz um post falando so sobre isso)

Eu tambem tive problemas de auto aceitação e de bullying,
Nao por causa do corpo( eu era magra, ok, cintura fina, quadril largo, o biótipo que o homem brasileiro gosta)- mas usava óculos fundo de garrafa( nem usar lentes de contato me livrou do estigma de CDF / nerd), tinha cabelo armado e Crespo.parecia um bozo.odiava meu rosto e a única coisa que podia chamar a atenção na época , que eram meus olhos ( verdes) ninguem notava,
So nao foi pior porque eu tinha muitos amigos na escola, que me ajudavam de todas as formas.Mas, apesar de ter muitos amigos, os garotos ' populares ' viviam me chamando de feia, fazendo aquela piadinha que mencionaram ai em cima" olha sua namorada, fulano"pros outros caírem na gargalhada,
Eu nao queria nada com os garotos populares, ( ver um cara destratar a mim ou a outra pessoa ja me fazia desgostar dele, gracas a deus)- gostava muito dos meus amigos, achava alguns bonitinhos,mas nenhum deles queria ficar comigo.
Pra piorar, muitas das minhas amigas eram super paqueradas, faziam sucesso com os garotos,e eu morria de raiva e de inveja por nao ser como elas.Elas tentavam me ajudar, dar conselhos, arrumar meu cabelo, mas nada adiantava,
Bem, eu me livrei do estigma de feia na faculdade,olhando sozinha no espelho e me dando conta que eu era bonita.nao sei o que aconteceu, mas a partir dai os garotos começaram a me olhar.
Dei meu primeiro beijo com 18 anos, e o primeiro namorado foi com 24, o primeiro namorado serio mesmo foi so um ano depois,
Se meu cabelo era crespo, comecei a deixar os cachinhos secarem naturalmente , pra ficar mais bonito,se meus olhos eram verdes dava um jeito de eles aparecerem um pouco mais, como meu corpo era bem bonito usava short , calca de cintura baixa , vestido justo,enfim tudo que valorizasse, so tomava o cuidado de nao usar nada muit apertado no quadril, que sempre foi largo.
Enfim, paquerei muito,fui muito paquerada,mas a maioria dos caras que conhecia eram grossos, forcavam a barra , nao sabiam conversar,
Meus namoros tambem nao foram muito legais e so com 33 anos conheci uma pessoa que me acrescentou algo, e muito, como mulher,Nao vou dizer que tudo foi perfeito, que tudo deu certo como eu queria, mas...me libertei,
Hoje estou com 38 anos,faço 39 em breve, meu corpo esta mais pro ' quase cheiinha ' do que pro magro que eu era no passado,nao quero engordar mais, porque vi o que amigas gordinhas sofreram e nao quero passar pela mesma coisa.me cuido pra isso nao acontecer, sem neuras,
De todos os problemas que tenho atualmente, com certeza NAO tem a ver com 'falta de homem' nem com deixar de me achar bonita.pelo contrario.ate acho que estou melhor do que com 20 anos,
Discordo de quem escreveu que psiquiatras nao são bons profissionais,...o meu e maravilhoso, e um anjo que apareceu na minha vida, conheco desde os 11 anos de idade..passo com ele uma ou duas vezes por ano, pra ele ver se ta tudo ok, e de resto faço a terapia com uma psicóloga aqui,porque se fizesse com ele seria muito caro...kkkkk
Espero que algo aqui tenha te ajudado, mas saiba que minha mudança foi de dentro pra fora, e a sua nao sera diferente,;))
Bj

Cláudia disse...

Querida E., você observou como quase todas nós tivemos experiências muito parecidas com as suas, na adolescência? Todas nós já nos sentimos feias, desajeitadas, magras ou gordas demais, altas ou baixas demais. Mas o que descobrimos depois que ficamos mais velhas é que nada disso tem muita importância. Sério mesmo! Tenho 33 anos e também não me achava bonita. Eu era bem magra, quase sem seios, com um cabelo incontrolável, não usava roupa da moda (na verdade só andava com camisetões), nem maquiagem... A diferença é que eu não me deixava abater pela opinião dos outros. Saia para a boate com minhas amigas só para dançar. Nessas ocasiões, me arrumava mais, mas sempre procurando agradar a mim mesma. Queria ficar bonita para mim! E quem quisesse ficar comigo, ótimo! Quem não quisesse, azar! Na verdade, acho que a gente tem que ser meio rebelde, nessa idade, principalmente em se tratando de padrões de beleza. Que se dane o que os outros pensam! Até porque sempre dei mais importância para outras coisas, como literatura, cinema, teatro, política. Além disso, minhas amizades na escola eram as pessoas mais inteligentes da sala, não as mais populares. A gente se divertia muito conversando sobre tantas coisas ou jogando xadrez (eu era péssima! kkk...) ou dama ou videogame.

E sabe de uma coisa? Eu é que colocava padrão para os meninos. Um menino, para me namorar, tinha que ser inteligente, educado, coisas assim. Não era eu que não era boa para os caras imbecis, eles é que estavam fora do meu padrão de cara legal. E os anos foram passando, fui ficando cada vez mais segura de mim, entrei na faculdade, me formei, me casei com um cara legal... E hoje até percebo que muitos caras eram a fim de mim, mas eu nem percebia. Muitas pessoas me achavam bonita, mas eu não levava em consideração porque na adolescência a gente é inseguro mesmo. E já há algum tempo tenho consciência de que cada pessoa tem sua beleza. Eu sou linda como sempre fui: magra, com seios pequenos, com cabelo revoltado.. E tenho amigas que são completamente diferentes de mim e são lindas como são.

E., você é inteligente e escreve muito bem. Curta as coisas boas da adolescência! Essa é uma fase única, que tem muitas dificuldades, mas vários momentos felizes também. Leia bastante, ouça muita música, faça amizade com pessoas inteligentes como você (deixe os imbecis pra lá), saia para pedalar, andar de patins... Vá se divertir! Como disse a Lola, você só tem uma vida e não deve ser desperdiçada com gente medíocre. Pense no que você quer ser daqui a cinco ou dez anos, pense nas tantas experiências que você pode ter, nos lugares que você pode conhecer, na profissão que você vai escolher...

E continue indo ao psiquiatra, mas não naquele que ofendeu você. Existem bons e maus profissionais e aquele, pelo que você disse, não é o ideal.

E no mais, conte com a gente!

Anônimo disse...

Querida E., primeiramente, tenho que te dizer que pessoas que não se acham boas o suficiente pra si, nunca serão boas o suficiente pra si! Se você não acreditar na tua força, no teu potencial, no teu brilho, vc vai sempre viver cercada dessa gente mesquinha que você descreveu. Vc tem que se amar, e aí vai conseguir se rodear de gente bem resolvida que te ame também. Gente que bota os outros pra baixo é porque não se sente bem consigo. Lembre sempre disso! Eles projetam as fraquezas deles em você!
Quanto ao teu problema com cílios e sobrancelhas, já ouviu falar em Bimatoprosta? É uma substância presente em colírios pra glaucoma que faz crescer cílios e sobrancelhas. Lançaram um cosmético, mas vc pode usar o colírio mesmo (meu tio é oftalmo e falou que é a mesma coisa). Pinga uma gotinha numa das "covinhas" da mão, passa um pincel fininho e espalha pelas raízes dos cílios e sobrancelhas. Eles ficam mais longos, cheios e grossos. Eu uso porque acho lindo cílios grandões e pra corrigir umas cagadinhas que fiz na sobrancelha quando adolescente tb... rs. O chato é que tem que ir usando direto, se não vai voltando ao normal, mas um frasquinho dura uns 3 meses.
Amada, eu já tive 15 anos (hoje com 26) e lembro de chorar porque não tinha peitos e era magricela, e os meninos gostavam das "cavalas". Minha mãe ficava tentando me consolar. O tempo passou e hoje eu não ligo pro que os outros pensam de mim (e ainda virei 'objeto de desejo' de alguns que me xingavam).
Enfim, adolescência é assim mesmo, é um drama, tudo é o fim do mundo. Fique calma e se concentre em AMADURECER (porque tem gente que nunca amadurece!) que isso passa. Vai se amando que vais atrair só coisas boas pra ti!

Kittsu disse...

ESCORIAÇÃO NERVOSA é provavelmente o nome do que você está chamando de "acne". A tricotilomania é um indicativo muito, muito forte de um TOC arranca-pele também. Você nao vai conseguir curar a "acne" pulando de dermatologista em dermatologista e usando medicação contra acne, porquê você deve cutucar cada cravinho, cada poro, até virar uma infecção cheia de pus. Então nao adianta tratar contra a acne, porquê o vilão nesse caso seria a auto-mutilação.

Procure tratamento psicologico e psiquiátrico, trate seus TOCs e diagnostique e trate seja lá mais o que você tiver.

Anônimo disse...

E. é uma pena que uma garota tão jovem passe por tantos problemas de aceitação.

Te aconselho a ir a um psiquiatra e faça tratamentos.

Não vá atrás de tratamentos estéticos para saciar a vontade de gente que nem gosta de você.

Te desejo força!

Edson disse...

Eu entendo um pouquinho do vc passa E.
Pra mim é um pouco diferente pq sou homem gay e não sofro tanta cobrança como uma mulher. Mas eu tenho uma aparência física bem distante do padrão. Hoje eu tenho 20 anos, sou magro, mas meu corpo não é sinônimo de perfeição. Quando era mais novo tinha engordado um pouco, não cheguei a ficar gordo demais, mas tinha uma barriga saliente e o meu peito tbm tinha crescido, ficando com aquelas "tetinhas". Houve uma época que emagreci cortando alguns alimentos e cheguei a perder 10 kg. Fiquei bastante magro com a aparência de abatido como se estivesse doente. E meu peitinho continuou, pode ter diminuído um pouco mas não desapareceu. Até hoje com 20 anos, sou um rapaz magro mas tenho "tetinhas". Poderia malhar mas no momento nem tenho dinheiro, mas tbm se tivesse dinheiro não sei se teria vontade de malhar. Meu dentes não chegam a ser todos amarelos, mas tenho alguns dentes amarelados e meus dentes da frente são tortos. Poderia ter usado aparelho, mas não usei, talvez use um dia. Tenho braços são muito fininhos tbm, o que não é considerado normal para um rapaz de 20 anos. O formato da minha cabeça é um pouco incomum, é no estilo alien.
Mas ainda bem que não sofri bullying na escola. Houveram alguns babacas que me apelidaram com um apelido que eu não gostava, era um apelido relacionado a minha aparência. Mas não considero bullying pois não sofri com isso, pode ter me irritado um pouco, mas não cheguei a sofrer.
Além de tudo isso, eu tenho um problema de pele (segundo o dermatologista não é doença) que se chama queratose capilar, que é excesso de queratina, que faz com que entupa os poros da minha pele. Esse problema ataca meu antebraço, um pouco das costas e bumbum. Aparece umas bolinas como se fossem vários cravos.
Escrevi tudo isso pra dizer que minha aparência é fora do padrão mas é possível continuar vivendo sem se abater tanto. Não se destrua por pessoas idiotas. Seja forte, sua aparência não é o mais importante.
Torcerei que fique tudo bem com vc e acredito que vc superará essa fase!

Ozz disse...

E., não há palavras. Há pesar.

Não se suicide. Tem bastante coisa boa na vida, e isso inclui você mesma! Se aproveite, se ame, SEja. Claro que falar é fácil. Claro que aqui do outro lado do computador, é muito, muito fácil digitar. Mas eu sei que você consegue, gata. Se conseguiu até agora, porque não consegueria mais?

Se você precisar de uma amiga, entre em contato comigo. nozzy.augus@gmail.com
tenho a mesma idade que tu, e posso ser um ouvido amigo se você quiser. Sem julgamentos nem nada. Eu espero de coração que tudo dê certo, querida. E foco nos estudos, pois você parece ser uma pessoa super inteligente!

Tudo de bom e do melhor...que a deusa cuide de ti, E. ♥

Alice disse...

E. eu tb tenho tricotilomania. E não vou mentir, o tratamento medicamentoso e psicoterápico é bem difícil e quase não surte efeito. Já sou uma mulher adulta hoje, tenho 25 anos e comigo começou com a sua idade. Um pouco mais nova.
É uma das doenças de tratamento mais difícil.Existem alguns sites a respeito do assunto. Há épocas em que eu quase controlo, em outras fico refém.
Apesar disso, posso te dizer que sua autoestima vai melhorar, conforme vc for ficando mais adulta, mais velha, sua couraça vai engrossar! Eu só posso te desejar força pra passar por isso agora!

Outra coisa, quando vc puder vá a um ginecologista. Seu problema com espinhas pode ser hormonal, o meu era. Tratar a disfunção hormonal resolve o problema da acne e faz muito mais! Regula seu ciclo menstrual, diminui as cólicas e etc.

Vc vai sair dessa E! As coisas vão melhorar!!

patricia. disse...

Amana, alguns psiquiatras que eu conheço transformam sim tudo em patologia, te receitam alguma coisa e mal trocam duas palavras com você, mas não são todos. Existem sim aqueles que conversam e realmente se preocupam em ajudar.

O problema é que tem casos que realmente necessitam de medicação. Daí se você não encontrar um psiquiatra que também faça terapia/análise, você sempre pode procurar um psicologo para complementar o tratamento.

Eu acho que a conversa, o ato de colocar para fora é extremamente catártico e importante para uma pessoa deprimida.
E tem outro detalhe, psiquiatras geralmente só atendem uma vez no mês, então é legal fazer a terapia, que é uma ou duas vezes na semana, você tem mais tempo pra falar dos seus problemas, etc:)

NM disse...

QUASE SURTEI LENDO ESSE POST.

E. , sua descrição é quase igual à minha.

Tenho 1,74 m , peso 67 kg, meus dentes são amarelados por conta de antibiótico, sofro com acne e minha pele é manchada, e meus braços são muito maiores que o das mulheres malhadas que a gente vê como exemplo.
Por conta dessa semelhança quis te falar. Espero que leia essa mensagem.

Tira da cabeça que tem algo de errado com o teu corpo, querida! Porque se tem com o seu, tem com o meu também! Mas ninguém nunca abriu a boca pra falar de mim, ou seja... ou eu tenho muita sorte, ou realmente não tem nada de errado com a gente, né?

Sei como ansiedade é fogo, eu também tenho problemas que deixam sinais físicos disso, e como eu mesma ainda não consegui me resolver, não vou tentar te aconselhar sobre isso... mas vou te pedir, vou te implorar, acredita em ti!

Não engula sapo de ninguém, não deixe falarem do teu corpo e da tua vida como se você fosse um produto numa vitrine! Só você sabe a barra que você segura, e quem ousa dar pitaco sem ser chamado é um tremendo babaca!

Sabe porque eu falo isso? Porque estou percebendo, eu mesma, que a melhor forma de resolver nossos problemas emocionais é ficando em paz com nós mesmas. E isso não vai acontecer enquanto tiver gente insensível e intrometida falando do que não sabe. Por isso, corte!

Minhas orelhas são as típicas "orelhas de abano". Minha mãe passou anos da minha vida sugerindo que eu deveria fazer a cirurgia, surgindo do além pra apertar minhas orelhas contra a cabeça pra "ver como ia ficar", essas coisas suuuuper agradáveis. Sei lá como, algum dia cortei ela. Desde então, sabe que comecei a achar minhas orelhas inclusive bem charmosas?

Eu sei, minha flor, que parece impossível ser um poço de auto-estima com tudo isso que a gente têm "atrapalhando"... E realmente, não vai ser de uma hora pra outra que, olhando pro espelho, você vai se sentir em paz com o reflexo. Mas vai acontecer! Vai chegar um momento em que apesar dos dentes, dos quilos, dos pelos e o que mais for, você vai ver a menina linda que você é.

Pra acelerar a chegada desse momento, a gente precisa de muita coragem. Coragem pra não ouvir calada, coragem pra mostrar pras pessoas como elas não estão sendo empáticas, coragem pra não se criticar tanto. Quando alguém te fizer um desaforo, solta os cachorros na pessoa! Falar é fácil, e se quer falar, que aguente a resposta, não é mesmo?

Desejo do fundo do meu coração que você consiga. Se quiser falar pessoalmente comigo, bater um papo e trocar figurinha, avisa aqui. Acho que a Lola consegue fazer essa "ponte" entre nós :)

Anônimo disse...

Isso tudo que vc está passando é típico bullying de colégio. Não é possível que com essa altura e peso as pessoas acham que vc é gorda, e nem se fosse seria problema. Passei por coisas semelhantes e eu nem era gorda e nem feia, mas me diziam até que meus olhos verdes "não eram muito verdes", meu cabelo liso "era escova". Graças a Deus nunca acreditei em um pio do que ouvi e estou firme e forte, como vc ficará.

Feminista capitalista disse...

''constantemente me diziam que nenhum homem ia me querer (um psiquiatra chegou a dizer isso)''

-------

Mas que MERDA de psiquiatra é esse que diz um troço desses pra uma criança?

Céus, como existem maus profissionais,péssimos, no Brasil, é de assustar a gente.

Diga a ele que sua existência não depende de aprovação masculina e que você sabe o seu valor, o suficiente pra não querer viver de agradar homens, vc tem missões mais importantes na sua vida do que pautar sua felicidade através do sexo masculino.

E quem diabos são estes homens pra não te quererem?
Por acaso são todos lindos,dentro dos padrões, magrinhos,saradões?
Homens gordos ou obesos não existem né?

Oh sociedade hipócrita e infeliz essa que vivemos, vive de atacar a aparência das mulheres por qualquer coisa como se a aaprência dos homens fosse ótima e perfeita.

¬¬


-----
Acho que o que vc precisa é ser mais defensiva, uma dose de crueldade não lhe faria mal, descubra a vilã de novela que existe em você,eu garanto que é engraçado.


Falo por experiência própria, eu tbm era assim no passado, sensível demais as críticas,me sentia fora dos padrões com facilidade, tudo me magoava,ofendia eu queria ser perfeita e corresponder as expectativas, até que um dia eu quis passar a agir como as vilãs das novelas... FOI ÓTIMO.

Não se cale,seja atrevida,ousada, repare nos defeitos das pessoas,enfim dentes tortos,narigões,cabelo sujo,com caspa etc...

TENHO CTZA q vc vai descobrir que de perto ngm é 100% lindo e a tal aparência perfeita não existe.
TODA VEZ que alguém te atacar, te ofender e disser algo que lhe pertube muito por conta de sua aparência, responda imediatamente, de maneira a deixar claro que essa pessoa não é perfeita e que vc tbm desgosta da aparência desleixada dela.


FUNCIONA QUE É UMA BLZA, vc ve a outra pessoa calar a boca e ficar toda sem graça,pq ela se achava dentro dos padrões o suficiente pra te depreciar, se tocar que a aparência dela tbm é totalmente passível de críticas e nem tão perfeita quanto ela achava.


Não tenha medo de constranger ninguém se isso for absolutamente necessário, serve pra alertar outras pessoas da inconveniência delas e elas, na marra, passam a pensar duas vezes antes de te fazer qualquer crítica, por conta de temerem a resposta que podem receber.


MAS use esse comportamento com moderação, pra não acabar sendo conhecida como uma pessoa má,coisa que vc não é, e pra não ofender ninguém por qualquer coisa, ou um inocente.

Mimih disse...

Por favor querida E, suicídio não!

Anônimo disse...

Tem médico que devia levar um soco. Eu nunca tive problema com psiquiatra (além de incompetência), mas no ano passado um endocrinologista me chamou de preguiçosa.

Anônimo disse...

Acho importante um tratanento psiquiátrico no seu caso. Você precisa mudar a maneira como vê a si mesma. Idependente da tricotilomania. Supondo que você supere isso, você pode emagrecer e entrar no padrão, pode ter um sorriso de propaganda de pasta de dente, roupas maravilhosas, se livrar da acne, ter um cabelo perfeito, mas enquanto você não olhar pra si mesma, você vai continuar se achando feia.
Eu estou 16 kg acima do meu peso de antes de eu engordar e tenho acne. Tem sido muito difícil pra mim emagrecer, já faz anos que eu engordei e isso afeta muito a minha auto estima e eu comecei a me afastar das pessoas por causa disso. Hoje não tenho nenhum amigo próximo porque evito o contato com as outras pessoas,por causa da minha aparencia. Mas sabe o que é o pior? Eu precisei engordar 20 kg pra perceber que eu era magra. Era. Era bonita. Tenho 1m70, sou loira de olhos verdes, tudo o que a sociedade queria. Muitas pessoas diziam que eu era linda e eu não acreditava. Me perguntavam se eu era modelo e eu ficava chateada porque achava que estavam me zoando. Hoje vejo fotos antigas e não consigo entender onde eu via gordura e feiura em mim. Às vezes me chamavam de feia, eu tinha um blog e uma pessoa entrava quase todos os dias pra me chamar de gorda e era nessas pessoas que eu acreditava. Não acreditava quando me diziam que eu era bonita,mas quando me chamavam de feia e gorda eu não contestava.
Isso porque a minha auto estima estava muito ferida. Eu me via feia e deixei de fazer muitas coisas porque achava que feia nao tinha o direito. Deixei de me vestir como eu queria porque achava que não tinha corpo.
O que to querendo dizer, é que não importa qual seja a nossa aparencia, quando a mente está podre, a gente se vê podre.

Você pode continuar fazendo as coisas pra se sentir mais bonita, se te faz bem. Clarear os dentes, fazer um esporte (que aliás, não só emagrece, mas ajuda na depressão), um bom corte de cabelo, maquiagem. Mas se você não cuida da parte de dentro, você acaba virando aquelas pessoas que ficam deformadas de tanta plástica que fazem. Tudo tem limite.

Você também precisa aceitar que você não tem obrigação de agradar todo mundo. Hoje eu não fico mais triste se alguém me acha feia, se alguém não quer ficar comigo(essa ultima eu fico chateada, sim, mas não fico mais achando que é porque não sou boa o suficiente). Não posso agradar a todos e nem você.

Nat Muniz disse...

Oi E. Sinto muito pelo que está passando.

Olha, sei que não é simples. Entender 'racionalmente' o feminismo, concordar etc, não significa que imediatamente você deixe de ser atravessada por todas essas questões tão fortes. É um mecanismo forte demais, E, não se sinta 'fraca' em momento algum por conta do seu sofrimento.

Acho que produzir subjetividades é uma das coisas mais poderosas que existem, então, sim, ler blogs feministas nos libertam? Aham, aos poucos. Mas não significa que de imediato todas vamos conseguir deixar de sentir tudo aquilo que nos oprime (no seu caso, principalmente a questão dos massacrantes padrões de beleza). É difícil apenas falar 'ah, não vou me importar mais com isso, é besteira' Sabemos disso, embora essas pessoas estejam falando mesmo abobrinha, não é simples se desvincular disso. Mas persista... exista.

Essa fase pode ser muito complicada. Eu lembro de, com essa idade, detestar meu corpo e não conseguir olhar no espelho. Passou. Mas cada vivência é uma. Estamos aqui para você.

O apoio coletivo em espaços como este pode ser ótimo, e até terapêutico. Mas eu acho que seria interessante você ter alguém para conversar. Faço coro a algumas pessoas, e digo que, você pode procurar faculdades de psicologia. Existe atendimento gratuito ou a preços módicos.

Monique disse...

Querida E., não ligue para os comentários maldosos, lembre que vc tem a Deus e é isso que importa, vc é única e é especial. Não importa se as pessoas nos odeiam por causa de algum defeito, o que importa é que Deus nos ama, independente de qualquer coisa. Tire da cabeça a ideia do suicídio, vc está jogando fora o nosso bem mais valioso, que é a VIDA.

Desejo de todo coração que vc se recupere e que poste aqui a sua vitória :)

Anônimo disse...

Conheço uma ótima terapia para suicidas em potencial com problemas que só existem na cabeça deles: trabalho voluntário. Isso mesmo. Saia da internet, saia de casa, vá doar seu tempo ocioso para doentes terminais de câncer, crianças carentes, idosos em asilos, centro de zoonoses... vai ver o que é PROBLEMA de verdade, o que é não ter pra onde correr, que toda essa história some na hora. Você levanta as mãos pro céu, agradece muito o que tem e começa a dar um valor incomensurável à vida, parando com toda essa bobagem. Eu era assim, deprimida, super auto-abandonada, me odiava por n razões, queria o mundo todo tendo pena de mim até que minha mãe ficou doente e eu acabei tendo contato com o pessoal do Instituto do Câncer da minha cidade, que fica dentro de uma Santa Casa, basicamente porque vivia lá dentro. Vendo minha mãe morrer aos pouquinhos e a situação de outros doentes vi como as pequenas coisas, essas que a gente negligencia, são importantes. Uma palavra amiga, um pouco de música, qualquer alento pra eles é sem preço. Especialmente porque é comum que a família os abandone cedo ou tarde, até porque precisam tocar a vida e doente de câncer avançado dá sim muito trabalho. Acabei virando voluntária no hospital e sim, passei a dar um imenso valor para mim, a desprezar as bobagens que a gente aceita que enfiem na nossa cabeça (é uma escolha viu? você tem a opção de não aceitar), a agradecer pelo dia nascendo, pela cama quente, por ter comida na geladeira, pequenas bênçãos que são gigantescas dependendo de como se vê a coisa. E pronto, foi melhor que qualquer psicólogo ou psiquiatra que eu tenha passado, que qualquer remédio para mazelas mentais que eu tenha tomado, e olha que tomei muitos, no auge da depressão e do auto-abandono eu tomava seis diferentes ao longo do dia, todos de receita controlada. Minha mãe acabou morrendo mas eu vivi, e vivo plena, pratico esporte, me cuido, me adoro de todas as formas, sou super zelosa com a saúde física, mental e espiritual, porque é só isso que a gente tem na vida. O resto é consequência pura e simples, mas o básico não pode ser negligenciado tenha você 15, 30 ou 90 anos de idade. Tá muito cedo pra desistir filhota. Cai no mundo, faça sim um trabalho voluntário que te coloque em contato com problemas reais de gente real e vai ver que tudo isso aí que relatou só tem importância porque você deu bola. É sua responsabilidade sim, consigo, já é uma mocinha e tá na hora de se assumir. Bjos e tudo de bom pra você.

Gabriela disse...

Lola não têm nada a ver com o post mas vc viu isso aqui?

Amado Batista fala sobre ter sido torturado durante Regime Militar: ‘acho que mereci’


Acho q essas sãos as sequelas.

Isso me deu ânsia de vômito.

Marina P disse...

A. H. B dissse:

"Ah, fora do assunto mas hoje mais cedo fui chamada de "sapatão" na rua por estar andando abraçada com a minha mãe! Alguém já passou por isso? Eu mandei o cara pra pqp e chamei de "homofóbico de merda"

A.H.B., eu passei por isso tanto com a minha mãe quanto com o meu pai durante toda a minha adolescência. Se andava abraçada com meu pai na rua às vezes escutava comentários como "Papa anjo". Já fui chamada de sapatão andando abraçada com a minha mãe também e reagi mais ou menos da mesma maneira que você. Meus pais são pessoas bem joviais e muito afetivos, então era comum isso acontecer. Durante minha adolescência tive um amigo que também tinha um relacionamento muito próximo com seu pai e ele me contava que eles não andavam abraçados ou evitavam demosntrar muito afeto em público porque já tinham sido agredidos num deses momentos...

letícia disse...

E. vc tem 15 anos e uma lista relativamente grande de defeitos que vê em si mesma ou que guardou pq alguém apontou.

Vou falar sobre o que funcionou pra mim: quando eu tinha uns 9 anos, até uns 13, ouvia mil e um apelidinhos (seja pq eu era gorda ou pq tinha o braço peludo ou pq era "corcunda") e eu guardava tudo aquilo pra mim e me sentia um lixo (até eu começar a escola, nunca tinha pensado em defeitos em mim e quando ouvia alguém falar algo, acrescentava algo à minha lista).
Mas chegou a um ponto que eu percebi que não queria ser mais a pessoa que fica quieta enquanto os outros zoam com a minha cara, então, passei a responder. Ou eu era irônica e fazia alguma piada comigo mesma (o que deixava o outro sem reação) ou eu respondia de forma grosseira...e olha, foi o ponto que eu senti mais controle em mim mesma, pois eu acordei e vi que posso e devo me defender e que com isso, as brincadeirinhas diminuem. Parece que a galera curte fazer "de Cristo" quem fica quieto. (claro que vc não deve brigar com todo mundo por ai, mas se impor).

E mesmo depois de fazer isso que contei (passar a me impor) eu ainda sentia que tinha que mudar meu corpo, que tinha que dar um jeito pra tirar os pêlos do braço, de usar um colete pela postura...

Por ter engordado mto na infância, eu tenho muita estria. E eu achava aquilo horrível. Um dos meus sonhos de adolescente era começar a trabalhar e guardar dinheiro para fazer tratamento estético e ficar sem estrias.

Mas ai eu conheci o blog da Lola. Foi o ponto de partida para conhecer o feminismo. Eu já até escrevi um guest post aqui. E graças ao que eu leio e as pessoas que eu "conheço" pela internet, meu pensamento sobre mim mesma mudou.

Pq dificilmente aqueles que falam besteira sobre a gente, mudam. Eles continuam achando graça em diminuir as pessoas. A gente tem que mudar nossa visão sobre nós mesmos.

Por exemplo, hj, se alguém falar do meu braço, claro que vai me afetar, mas será BEM MENOS do que era antes e não vai me fazer querer mudar, pq na hora eu penso no feminismo, eu penso nas pessoas eu conheço que são feministas e fico tranquila, pq sei o que aparece nas revistas, na TV, não é a realidade...q é uma ilusão que se cria.

Por isso, veja se vc consegue ir a um psicólogo, que vai te guiar nos traumas que vc ja tem e te ajudar a superá-los. E tente se cercar de informações e pessoas que te façam bem.
(vc ja viu aquele "The Nu Project"? não sei exatamente o site, mas coloca no Google que aparece...é o projeto de um fotógrafo que registrou pessoas como todos nós (ou seja: sem ser modelos, sem photoshop etc) e é muito legal de ver, pq vc pensa "ah eu tenho X parte do corpo parecida com essa pessoa e ela ta nua, num site, mostrando pra quem quiser ver...não deve ser feio como eu penso que é".

(Não sei se vc tem twitter, mas outra rede social que eu gosto é ele, pq sigo várias feministas, então, o conteúdo é sempre ótimo, ajuda bastante).

No mais, não tire sua vida por causa de pessoas que tem a mente fraca. Vc é quem vc é. Tem gente que vai gostar de vc, tem gente que não. Sua vida tem tanto valor como a de qualquer outra pessoa, vc tem que se sentir tão importante quanto vc pensa que os outros são.

Força! Acredite, isso melhora.

Paola disse...

Existem sim péssimos profissionais na área de saúde no Brasil.
Uma vez, qdo eu tinha 9 anos, comecei a sentir mta dor de estômago.
A minha mãe me levou no médico q diziam ser o melhor gastro do Vale do Paraíba e nosso convênio não cobria, a consulta foi particular.
Ele não pediu nenhum exame, conversou um pouco comigo e ficou falando com a minha mãe... Sem UM exame sequer, ele disse para a minha mãe q eu não tinha nada, e sim problemas psiquiátricos, e deveria ser tratada com medicação....
Ainda bem q ela resolveu me levar em outro médico, pois era só gastrite, e hoje em dia com 31 anos nunca tive problemas psiquiátricos.

Mariana disse...

Oi, E.

Ter 15 anos é complicado. Em praticamente todos os comentários aqui, você pode ver que existem muitas experiências parecidas com a sua. Podem ser diferentes em detalhes como o tipo de insulto ou a parte do corpo que é/foi alvo de críticas e insatisfação, mas esses depoimentos servem pra mostrar que você não está sozinha.

Eu também passei por isso. Minha pior fase foi entre 12 e 13 anos, quando sofri muito bullying na escola por causa do meu cabelo super crespo e castanho claro à la Valderrama (já contei essa história aqui em um guest post). Além do cabelo, meus seios ENORMES também eram fora do padrão e é claro que faziam questão de esfregar isso na minha cara na época. Bullying faz muito mal, até hoje eu detesto meu cabelo (mas não aliso há dois anos, estou resistindo) e ainda penso em cirurgia pra levantar os seios. Ah, outra coisa: também tenho tricotilomania. Moderada, aparece quando estou ansiosa e ninguém percebe, mas eu tenho.

Só que existe uma vantagem no tempo: você fica mais forte e começa a dar valor a outras coisas. Eu posso não estar no padrão de beleza (aliás, nesse mundo machista, mulher nenhuma está e sempre vão apontar defeitos pra vc se odiar e não deixar de consumir produtos de beleza, tratamentos e dietas), mas sou mais inteligente do que a média (aposto que vc também é) e incapaz de humilhar quem quer que seja por conta de aparência (aí entra raça, peso, etc), condição social e cultura (nacionalidade, religião, etc). Acho que isso é justamente o que nos faz sofrer (eu, vc e os outros comentaristas): somos pessoas boas, que não machucam os outros, e por isso pagamos em um mundo cheio de gente cruel, que sente prazer em diminuir os outros por qualquer desvio do padrão.

Se isso te faz melhor, vou contar outras coisinhas que aprendi nos últimos 14 anos. Uma delas é que beleza é relativo. Eu era horrorosa pros idiotas do meu colégio, mas onde moro hoje (Bruxelas), as pessoas me acham bonita, mesmo eu estando a quilômetros de distância do padrão clichê da mídia. Outra coisa é que, em termos gerais, minha vida hoje é melhor do que a das pessoas que me humilhavam. Posso não ter muito dinheiro ou sucesso material, mas expandi meus horizontes culturais, viajei um tanto, conheci pessoas inteligentes de vários países do mundo e me desenvolvi pessoal e intelectualmente. Enquanto isso, os babacas que me chamavam de feia por causa do meu cabelo (e olha que nenhum deles, meninos ou meninas, era lindo ou perfeito) continuam vivendo uma vidinha medíocre, não evoluíram muito e aposto que continuam idiotas e preconceituosos. Olhando pra trás, vejo que foi melhor pra mim ter sido como fui do que ter sido uma garota super popular e imbecil. E quando você chegar aos 20 e alguns anos (com sua inteligência e personalidade, vc vai ter uma vida ótima), aposto que vai rir por último quando ver no que os bullies se transformara. Eu ri demais.

Portanto, E., não pense em suicídio. Mesmo que você se mate, pessoas idiotas continuarão idiotas e isso é uma questão que elas têm que mudar. Ou seja, não vai adiantar você se matar ou se esforçar pra ganhar a aprovação de gente limitada assim. E mais, se você se suicidar, o mundo vai perder mais uma pessoa boa, inteligente e sensível e vai continuar cheio de idiotas. Não queremos que os idiotas ganhem, precisamos de mais garotas e garotos como você pra mudar as coisas.

No mais (vish, meu comentário ficou imenso), espero que você continue procurando ajuda profissional. Não desista por ter dado o azar de ter topado com um psiquiatra uó, você vai encontrar um que te ajude. E, por último, se o tal desgraçado do site de relacionamentos voltar a te encher o saco - aliás, que MERDA (sorry, Lola) isso de o homem poder ser um MONSTRO, mas a mulher ter que ser perfeita - faça uma lista de todos os defeitos dele, físicos e de personalidade, pra mostrar que ele não é nenhum modelo de beleza e de caráter. Esse aí tá precisando de um choque de realidade urgente!

Tudo do melhor pra você!

Anônimo disse...

enquanto você quiser se adaptar, você não vai resolver o problema. dentro de você você precisa deixar de querer ser aceita por essas pessoas. entenda: gente que se preocupa com a aparência sempre vai criticar alguma coisa. ou você manda todo mundo tomar no c*, ou vai passar a vida sofrendo por uma coisa ou outra. escuta: qual o sentido da vida? o que você quer fazer? quem você quer ser? é necessário pensar sobre isso pra mudar a direção da sua vida...

Maria Fernanda Lamim disse...

Minha querida, que historia triste. mas nao internalize todos esses absurdos que te falaraM. nao ha nada errado com vc,as pessoas e que sao infelizes e descontam isso em quem e jovem e fragil. esse cara do site, por exemplo. se ele viu tantos defeitos em vc, pq puxou assunto? Ta na cara que isso e despeito pq vc nao respondeu!
Siga procurando ajuda profissional. eu particularmente prefiro os psicologos aos psiquiatras, ainda mais num caso como o seu, que e mais de auto estima que qq outrs causa. siga em frente e acredite em duas coisas: vc nao e a unica a passar por isso, e a vida melhora muiiiito qd a gente fica mais velha. Força e Luz pra vc!

Anônimo disse...

Meu comentário será a letra de Live to Win, clássica de Paul Stanley.

Frustrated, degraded, down before you're done
Rejection, depression, can't get what you want
You ask me how I make my way
You ask me everywhere and why
You hang on every word I say
But the truth sounds like a lie

(chorus)
Live to win, 'till you die, 'till the light dies in your eyes
Live to win, take it all, just keep fighting till you fall

Obsessive, compulsive, suffocate your mind
Confusion, delusions, kill your dreams in time
You ask me how I took the pain
Crawled up from my lowest low
Step by step and day by day
'Till there's one last breath to go

(chorus)
Live to win, 'till you die, 'till the light dies in your eyes
Live to win, take it all, just keep fighting till you fall

Day by day, kickin' all the way, I'm not cavin' in
Let another round begin, live to win
Yeah, live, yeah, win

(chorus)
Llive to win, 'till you die, 'till the light dies in your eyes
Live to win, take it all, just keep fighting 'till you fall

Day by day, kickin' all the way, I'm not cavin' in
Let another round begin, live to win
Live to win
Live to win

Yeah, live, yeah, win.

Anônimo disse...

Gabriela,
Eu tenho vergonha pelo Amado Batista. Desprezível tudo que ele falou sobre merecer...é o fim da picada.
Desculpe sair dos coments do post.

A.H.B. disse...

@Marina P. - nossa, isso para ver como as pessoas sentem a necessidade de ficar patrulhando os relacionamentos alheios. O pior é quando acham se fosse realmente um casal, justificaria a atitude. (e por isso eu chamei o cara de homofóbico)

O pior é que nem sou adolescente, faz um tempo já, eu tenho vinte e muitos anos. E minha mãe é uma senhorinha com mais de 60 anos, mas ela é bem jovial.

Agora pensando um pouco, acho que também já ocorreu esse tipo de confusão quando eu era adolescente e andava abraçada com minhas amigas. Acho tão corriqueiro abraçar amigos e família que nem penso a respeito se vão pensar isso ou aquilo. E se namorasse uma moça, ia andar de mãos dadas com ela, porque eu ando assim com meu namorado e é isso. o.o fico pensando se esse pessoal que agride os outros na rua não é tudo filho de chocadeira que nunca ganhou nem um aperto de mão na vida. haha

Gab. Rios disse...

O que eu não consigo entender é porque tem tanta gente que PRECISA listar todos os "defeitos" das outras pessoas. É algum tipo de prazer perverso em acabar com a auto estima de alguém? Essas pessoas acordam de manhã e pensam "nossa, necessito acabar com o dia de alguém hoje"? Sabe, as vezes pessoas que você nem conhece chegam pra você DO NADA e começam a falar esse tipo de coisa, que você é gorda, que você tem o nariz grande demais, que seus dentes são amarelos. Eu nunca entendi bem o porque disso, as vezes acho que é pura falta de caráter ou pra tirar o foco dos próprios "defeitos".

Veronica disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

E. vou relatar algumas coisas que aconteceram comigo quando adolescente, não para minimizar o que acontece contigo, mas pra que tu veja que todas nós somos julgadas e como internalizamos o que os outros apontam como defeito. Quando eu tinha a tua idade, pesava em tono de 55 quilos em 1,75 de altura. Magra e alta, sonho de tantas... só ia pra praia de saída de praia ou short, pois morria de vergonha das minhas estrias. Um dia, indo a praia com uma prima, ela reparou que eu tinha um pelinho saindo debaixo do biquini. Riu muito, na minha cara, escarneceu do fato de eu ter pelos na aureola dos seios. Até então eu NUNCA tinha achado isso anormal, fiquei toda complexada, peguei uma pinça e arranquei todos, não sem dor. Anos depois, eu estava com um cara muito legal nuns bons amassos, e então lembrei que não tinha arrancado os tais pelinhos. Não consegui passar disso, travei, fiquei pensando "oh meu deus, o que ele vai pensar de mim?". Hoje em dia penso: caralhos, se o cara arregace por causa de uns pelinhos ele que seria o bocó, não eu - ainda que eu tenha certeza de que isso não aconteceria, pois, como eu disse, era um cara muito legal. Daí que a gente se priva de fazer as coisas pelos outros mas, peraí, era eu lá com o cara, não com a minha prima!!! Dói muito ouvir coisas de quem deveria ser amigo da gente, como eu ouvi muitos desaforos de outra prima, que me chamava de leão (por causa dos cabelos cacheados), bigoduda, esquisitinha... eu chorava quieta e não respondia nada, no escuro do quarto em que estávamos, pra não dar o gosto dela ver que estava me machucando. Hoje eu peso 85 quilos, não cresci mais não, e sou uma deliciosa gordinha bem resolvida. Meus cachos são assunto entre as pessoas de um modo muito positivo, e acho esquisitinha, pra não dizer outra coisa, essa gente que se compraz do sofrimento alheio. O que a gente pode fazer pela gente e se amar, se cuidar num sentido mais amplo, não de tentar corresponder às expectativas alheias, mas de encontrar na gente as qualidades que só a gente mesmo sabe e conhece. Pra isso sugiro que tenhas acompanhamento psiquiátrico e psicológico, dado o histórico, e também que encontre uma atividade que realmente te dê prazer, na qual tu te sinta aprimorando e realizando algo importante. Eu sempre li muito, e me ajudou a ter uma visão mais otimista em alguns momentos, além de pintar e escrever. Não sou nenhuma Frida Khalo, mas me encontrei nesses fazeres. Espero que ouças a Lola e não dê trela pra essa gente que, acredite, é muito ruim. Tu é uma guria boa de briga e é com essa força que ainda vai realizar muitas coisas! Sinta-se abraçada e compreendida, por mim e por tantas que vieram aqui expressar apoio.

vivi disse...

Eu com mais de 30 anos imagino que ser adolescente hj em dia deva ser pior mesmo.
Agora, como muitas já falaram, menina, tente melhorar sua autoestima. Eu sei que eu, dizendo isso daqui de minha casa sem te conhecer parece estranho. Mas viu, de verdade, é o “único” meio para vc se livrar desse problema. Mesmo que te pareça impossível às vezes.
Outra coisa, vc com 15 anos é jovem, eu sei, mas já tá na idade de poder cada vez mais abrir o horizonte e ser forte. Forte no sentido de empoderamento que toda mulher precisa ter com a vida. Não podemos deixar estes padrões nos definirem. Se quisermos mudar o mundo, isso não virá de mão beijada, precisamos nós mesmas mudar estas imposições.
Você acredita que o que define uma mulher é a aparência? Você acha que devemos estar perfeitas para agradar os outros? Imagino que não, e sei que é difícil, mas precisa parar de se impor isso querida. Leia bastante sobre feminismo, e veja que a ruptura com o padrão de beleza e a objetificação da mulher também precisa começar com a nossa própria imagem! Mande estas pessoas a merda. Uma coisa é fato, sempre, mas sempre terão pessoas que não são assim, mesmo que poucas para vc ser amiga.
Você não tem que se unir e ficar igual a quem te critica, você tem que ir contra esta ideia de quem te critica amiga! Força!!

Anônimo disse...

Anônimo de 28 de maio de 2013 04:40: a depressão é uma doença, distúrbios alimentares também. Se não dizemos pra alguém ir tratar diabetes ou câncer com trabalho voluntário, não o faça para transtornos mentais. O engajamento é uma ferramenta potente sim, mas não é solução para todos os casos, assim como sua experiência não é balizadora de todos os casos. Recomendo procurar ajuda especializada, mas, se possível, com indicação, pois achar o profissional certo as vezes é muito complicado.

RavenClaw~ disse...

Feminista Capitalista = S2

huashuashu

Tb passei a me sentir melhor depois que descobri que um pouco de grosseria não faz mal a ninguém quando devolvida e usada em legítima defesa.

Anônimo disse...

Cara eu to chorando, passo por quase tudo o que vc relatou, mas sei que hj eu convivo muuuuuito melhor com meus problemas.

Em fases de stress meus cílios e cabelos sofrem, consegui controlar a sobrancelha nem sei bem como, mas resisto muuuuuito, é angustiante de fato.

Olha fica firme ai tá, a vida vale muuuuito a pena, vc é novinha (eu já passei dos 20) tem arte, livros, lugares, possibilidades incríveis por ai, os babacas vão todos ficar pelo caminho.

Anônimo disse...

Achei essa imagem a cara desse post:

http://24.media.tumblr.com/tumblr_me6p6hIcYb1qat3d5o1_1280.jpg

Feminista capitalista disse...

''Isso mesmo. Saia da internet, saia de casa, vá doar seu tempo ocioso para doentes terminais de câncer, crianças carentes, idosos em asilos, centro de zoonoses... vai ver o que é PROBLEMA de verdade, o que é não ter pra onde correr, que toda essa história some na hora. Você levanta as mãos pro céu, agradece muito o que tem e começa a dar um valor incomensurável à vida, parando com toda essa bobagem.''

----------

Eu fico muito feliz que essa técnica tenha funcionado com vc,mas receio que possa não ser tão simples assim,talvez, pra algumas pessoas,muito sensíveis essa experiência só possa agravar o caso,visto que colocadas diretamente de frente com as desgraças do mundo elas podem se sentir muito tristes,muito abaladas e chocadas,cabisbaixas com o que presenciarão visto que é mta tragédia,mta coisa ruim e isso não é fácil de digerir e nos faz ter vontade de chorar.

E garota que escreveu o post,não pense em suicídio,mesmo nos momentos mais dificeis,é sério,as vezes uma boa noite de sono,já ajuda vc se acalmar e se sentir um pouco melhorzinha no outro dia,falo por experiência própria,já quis me matar,mas aguentei firme, e tô aqui, se eu aguentei,garanto q vc aguenta!

Suicidio é simplesmente um enorme desperdício de todas as maravilhosas oportunidades que vc pode vir a ter no futuro, é jogar fora a chance de dar a volta por cima,eu sei que a alegria tem seu preço e que pode ser difícil sentí-la, mas com o tempo a gente vai se erguendo e aprendendo a lidar com tristezas, e sentí-las menos e priorizarmos mais as alegrias.


----------------------

RavenClaw~

Hihihi, bate aí! que desenho lindo esse pássaro negro que ilustra seu comentário.

É bem assim mesmo,sabia que não era a única por aí a usar essa técnica de auto-defesa rsrsrsrs, antigamente eu ficava até com um pouquinho de remorso,pensando se eu não estava sendo ruim, ou se não ia ficar com uma má fama que não mereço; mas daí pensei bem e vi que foda-se, é melhor ficar com fama de gênio difícil por 20 segundos e se sentir de alma lavada,além de me sentir bem comigo mesmo por ter dito o que penso e enfrentado o meu opressor@ do que chegar em casa triste e arrasada de ter engolido um mega-desaforo por aí,sem fazer nada.

Nessa vida a gente já engole tanto sapo sem querer, e as vezes a gente tem mesmo que engolir,não é possível que o mundo acredite que temos a capacidade de engolir todos eles.


Minha consciência fica bem tranquila,pq sei que não sou malvada com absolutamente ninguém que não tenha sido malvado comigo,mto pelo contrário,em geral me acho bem boazinha, mas é justamente por conta de ter sido tão boazinha que as pessoas deitaram e rolaram em cima de mim a vida toda.


Desde que decidi mostrar que a minha paciência TAMBÉM tem limites, as coisas mudaram pra melhor e as pessoas passaram a ser mais calminhas e boazinhas comigo.... sabe se lá o pq rsrsrsrsrsrsrs.

Hoje ainda ouço desaforos por aí, mas nada que me deixe tão agitada e magoada quanto a sete/oito anos atrás , naquela época de péssima auto-estima já era um tanto respondona e teimosa, e hje em dia que estou mais velha,ainda bem, isso só piorou,hahahaha.

Anônimo disse...

Querida E.,
espero sinceramente que esse espaço aberto a você possa te reconfortar. Você está entre amigas. E igualmente espero que esse conforto de dê alguma força para continuar.
Não quero falar para você que não fique assim, porque sei que é impossível e ineficaz simplesmente falar que não fique. Não está no seu controle. Só te peço e te sugiro que procure ajuda e que procure algo que te faça encontrar de novo um sentido para viver.
Te falo isso de coração, pois passo pelo mesmo processo que você e posso me colocar em seu lugar.
Perdi as contas de quantas vezes quis morrer, para que, enfim, pudesse fazer com que a dor parasse. Mas ela não passou, mas abrandou e agora consigo conviver melhor com ela.
Te peço que, a princípio, tente conviver com a dor. Tente reaproveita-la de forma produtiva. Peço isso porque sei que as coisas não mudam tão rápido ou tão fácil assim. Sei, por experiência própria, que em momentos você se sente bem, mas outras horas é inevitável pensar dessa forma ridícula que é imposta pela sociedade. Tenho recaídas, volto a pensar que meu corpo é nojento, volto a implorar por normalidade e por ser como nas revistas. Mas depois as outras coisas que fazem mais sentido para mim me reconfortam e acabo por ver o quão sem importância é buscar um ideal que é cobrado das pessoas mas que ninguém, nem mesmo quem critica, consegue alcançar.
Te desejo o melhor. Saiba que há pessoas que te desejam isso.

suellen disse...

Olá E. também sofri por piadinhas de colegas de classes, pessoas nas ruas e pessoas que diziam ser meus amigos. Depois de 5 anos eu ainda me sinto mal e quando olham pra mim sinto que estão me julgando, falando dos meus defeitos e rindo de mim, chego a achar que estou paranoica com isso, mais infelizmente continuo para o padrão de beleza (feia) assim como no ensino fundamental/médio, enfim, força para você E. goste de VOCÊ em primeiro lugar, e tenha auto estima, se arrume, passeie faça amigos, porque essas pessoas que praticam essas "gracinhas" querem demostrar que são melhores que os outros mais por dentro devem se sentir frustadas acredito eu.
Beijooos e felicidades *-----*

Larissa Pereira disse...

Querida E., eu sei que muita gente ja deve ter te dito pra ter calma, que isso é um saco (nessas horas dá vontade de dizer CALMA É O C***ETE), mas eu vou te dizer isso também: muita calma, por favor.

Eu sei bem como seus problemas são enormes, na sua idade eu pesava 120kg, muitas pessoas, eu mesma inclusa nesse grupo, me achavam um monstro por causa do meu peso. Foi uma época da minha vida que eu passei sozinha porque eu achava que todo mundo que estava se aproximando de mim o fazia para me zoar, e muitas pessoas fizeram isso mesmo, o que me deixou bem na beiradinha do abismo.

O que me mantém viva aqui foi um grupo de amigos que eu fiz, que são meus amigos até hoje (e serão pra sempre se a vida permitir), que me ensinou que eu não precisava ter a aparência perfeita pra ser amada, eles gostavam de sair comigo, de conversar comigo, não se importavam de me ouvir chorar, me amaram do jeito que eu era. Isso foi crucial pra mim nesse primeiro instante.

Depois eu procurei ajuda médica, passei com psiquiatra e psicologa, elas me ajudaram a tratar a minha depressão, isso é essencial, NADA do que você sente é frescura, você NÃO está exagerando, um bom profissional vai te ajudar a se curar.

Hoje, aos 23, eu tenho 85kg, ainda sou bem gordinha pelos padrões da sociedade mas eu aprendi a me amar do jeito que eu sou, vi que buscar pra sempre um corpo perfeito não me traria felicidade nunca. E foi quando eu comecei a me amar que eu notei que as pessoas também gostavam de mim, indo contra tudo o que minha família sempre me disse, que se eu não emagrecesse eu nunca iria arranjar um namorado, e que sem namorado eu não poderia ser feliz.

Com o tempo você descobre que você não precisa das pessoas pra ser feliz (muito menos de namorado), que vai ter gente que vai sim querer te ferir, e pra essas pessoas você tem mais que dar risada na cara, mas que vai ter gente que vai te amar, e os momentos que você passar com essas pessoas vai fazer com que a dor que outras pessoas lhe infligiram seja pequena perto de tanta felicidade.

Vai melhorar, aguenta firme

Anônimo disse...

Leia e reflita
http://www.otimao.com.br/eu-quero-suicidar/

Anônimo disse...

Eu vou me matar porque odeio ser gay. Não é uma coisa natural, não é uma coisa que a gente nasce, é um desvio mental, sim. Eu tenho muita informação sobre isso, informação que é escondida do público porque a ciência tá sendo vendida. E psicólogos e psiquiatras que acreditam que isso é desvio não podem me ajudar porque ameaçam eles de perder a licença, mas a verdade é que muitos deles acreditam, sim, que é desvio, não são antiéticos. Agora se é reversível ou não, eu não sei. Acho que não. E é por isso que vou me matar. Eu sei muito bem que minha família não vai ficar feliz com isso, mas eles já sabem há muito tempo que quero fazer isso e que tenho esse problema, então não será surpresa.