segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

OSCAR, BOLÃO, DESASTRES

Vou confessar que mal vi a primeira meia hora do Oscar de ontem. Minha transmissão estava péssima, travava o tempo todo. Mas do pouco que vi foi possível perceber que Seth MacFarlane não será chamado pra apresentar a cerimônia de novo.
Aliás, por que não convidaram logo Tina Fey e Amy Poehler, que deram um show no Globo de Ouro?
Seth acirrou a competição pro pior apresentador da história do Oscar. Sei que o nome que vem imediatamente à cabeça é o James Franco, mas sério, o David Letterman, em 94, foi muito mais terrível. Ele começou com uma piadinha sem graça sobre Oprah e Uma (Thurman), a plateia riu por educação, e ele insistiu na gag mais 50 vezes.
Praticamente todas as piadas do Seth falharam. Foi realmente embaraçoso. Além de contar com a ajuda do eterno Capitão Kirk num telão, que veio do futuro lhe dizer que Seth ficaria conhecido como o pior apresentador ever (quando o capitão apareceu, a previsão já não era mais necessária -- a gente já sabia), o criador de Ted e Family Guy fez um longo e doloroso esquete com a Sally Field e um monte de piadinha preconceituosa.
Contra latinos ("não entendemos nada do que eles dizem, mas não importa, porque eles são muito atraentes"), sobre violência doméstica ("Django é a história de um homem lutando para trazer de volta sua mulher, que tem sido sujeitada a muita violência, ou, como Chris Brown e Rihanna dizem, um date movie"), sobre mulheres stalkers ("Jessica Chastain em A Hora Mais Escura faz uma mulher que gasta doze anos perseguindo Bin Laden. O filme é uma celebração da capacidade inata de toda mulher de nunca esquecer alguma coisa"). Ele também sexualizou uma menina de nove anos, Quvenzhane Wallis ("Pra dar uma ideia de como ela é jovem, ela ainda tem 16 anos pra ficar velha demais pro George Clooney").
Essa piada aparentemente deu permissão para que outras vozes pegassem no pé da fantástica atriz mirim. O site satírico The Onion, por exemplo, a chamou de cunt (palavra vulgar pra falar de vagina, e que significa vadia, estúpida). O site deletou o tweet uma hora depois, e só pediu desculpas hoje. Isso dito de uma garota negra que usa bolsa em formato de cachorrinho...
Mas, voltando ao Seth, o pior que ele fez foi cantar uma música chamada "Nós vimos os seus peitos", em que ele cita algumas das atrizes presentes que já ficaram sem roupa na tela. A reação do público foi mais ou menos essa:
Esta é a Naomi Watts ao ser mencionada. Parece que essas reações são pré-gravadas (as atrizes estão com vestidos diferentes), mas o que isso quer dizer? Que o número foi mostrado, as pessoas detestaram (é só ver a cara dos outros), e, ainda assim, ele foi mantido. Pra ofender mesmo. [O Vitor explicou que "a musica foi um video do William Shatner do futuro mostrando que ele fez esse número, foi desagrádavel e ofensivo e considerado o pior apresentador. Aí ele, ao vivo, decidiu nao fazer o número e chamou Charlize e Channing Tatum pra dançar no lugar].
A que tá fazendo um facepalm é a Charlize Theron, que não ficou feliz em ser reduzida a um par de seios, ainda mais numa noite que deveria celebrar o talento das atrizes. Ah, e tem mais: como me lembrou uma leitora, quatro dos filmes citados em que os seios das atrizes aparecem são... cenas de estupro. É verdade, Seth cita Meninos Não Choram e Acusados, em que temos a sorte de ver os seios da Jodie Foster enquanto ela é violentada num bar. Que legal, né? Vimos seus seios!
Sem falar que o discurso de Seth foi interminável. Prum show que usou a musiquinha de Tubarão pra empurrar pra fora do palco quem fizesse um discurso de agradecimento mais longo que alguns segundos, por que dar 19 minutos pro Seth passar vergonha?
O trem foi tão, mas tão ruim que eu me peguei torcendo para que a cerimônia tivesse mais números musicais. E parece que eu não fui a única. Jennifer Hudson apareceu, cantou, comoveu, e recebeu a primeira standing ovation (como se traduz isso?) da noite. Perto dela, todas as outras cantoras, entre elas Barbra Streisand e Adele, pareceram estar roucas. 
Os outros pontos altos, pra mim, foram a Meryl Streep pisando no vestido e tendo que arrumar a calcinha, sem jamais perder a majestade, a linda e divertida Jennifer Lawrence tropeçando ao subir a escadaria pra pegar seu Oscar (eu me identifiquei!), e a Jane Fonda, magnífica. Como eu disse no Twitter, eu queria chegar aos 50 tão bem quanto a Jane chegou aos 75.
Vamos nos reerguer no bolão do ano que vem!
Outro momento impactante foi o empate em Edição de Som. Não que seja inédito, mas é raro. O empate mais famoso é de 1969, quando Katharine Hepburn e Barbra Streisand ganharam melhor atriz. Mas a última vez que um empate tinha acontecido foi em 94, só que numa dessas categorias menores (curta de animação), que nem entram no bolão. (Todos os resultados do Oscar estão aqui).
Olha a Alexandra se aproximando pra surrupiar o bolão, gente!

Ah sim, o bolão. Bom, o não pago tinha tanta gente (299 participantes) que eu nem tentei acompanhar. Mas o bolão pago, com apenas 14 jogadorxs, chegou a ter quase tanto suspense no final quanto Argo. Havia uma turminha de cinco pessoas (eu não inclusa, mas pelo menos Silvio, vulgo maridão, estava lá), que disputava cabeça a cabeça. Finalmente, a Alexandra, única que havia acertado design de produção (ganhou Lincoln), acertou direção (Ang Lee), e levou o bolão, com 17 acertos em 20 possíveis -- um número formidável prum ano em que não havia tantos favoritos e as premiações ficaram bem repartidas. Italo, Silvinho, Claudemir e Vitor (os três últimos, participantes antigos do bolão), acertaram 16. Eu fiz 15, chuif.
O que mais dói é que esta é a terceira vez consecutiva que Alexandra vence o bolão. Por que, gente, por quê?! Não há justiça neste mundo! Um comentarista anônimo disse ontem, com razão: "Alexandra até tenta disfarçar mas todos sabemos que ela vem do futuro". Pois é, precisamos debater se queremos que essa Exterminadora do Futuro participe no ano que vem.
No bolão não pago quem deu um passeio foi a Anna Britto. Ela acabou acertando 17, mas chegou a ficar com 10 em 10, muito na frente. Só quatro pessoas acertaram 16: Warwick, Rafael, Marco e Eduardo. Espero que vocês todos deixem de ser pão-duros miseráveis e entrem no bolão pago no ano que vem. Ah, também merece destaque a Gabriela, que fez zero. Isso exige talento! (Vou colocar os nomes e acertos nos comentários. Depois o Júlio César, o santo que organizou todo o bolão, vai me mandar um link que eu disponibilizarei aqui. Obrigada, Júlio! Seu único defeito é ser amigo da Alexandra! Ex-amigo a esta altura, espero).
Se a Alexandra e/ou a Anna quiser escrever um guest post tripudiando em cima do meu fracasso, pode mandar que eu publico, com sangue nos olhos. Ahn, Alex, eu já tenho a sua conta bancária. Não precisa mandar não.
                                                      Lolinha contemplando o horizonte

83 comentários:

lola aronovich disse...

Aqui estão os resultados do bolão pago:

1o lugar: Alexandra, a Exterminadora do Futuro, com 17

2o lugar: Italo, Silvio, Claudemir, Vitor, com 16

3o lugar: Janaina e Lola, com 15

4o lugar: Rafael, Julio, Renan, com 14

5o lugar: Luana, com 12

6o lugar: Caroline, com 11

7o lugar: Nelly, com 9

8o lugar: Bruno, com 7

lola aronovich disse...

Resultados do bolão não pago (não sei se vai caber em um só comentário. Ok, não vai. Vamos ver se cabe em duas partes):

ANNA BRITTO: 17
WARWICK ESTEVAM KERR NETO: 16
RAFAEL MOREIRA FABRO: 16
MARCO ANTONIO: 16
EDUARDO HENRIQUE: 16
DANIEL BITTENCOURT: 15
ITALO TEIXEIRA: 15
MARCOS NAVAES: 15
ADECIO MOREIRA JR.: 15
AYLA SANTANA DA SILVA: 15
BRUNA FIGUEIREDO: 15
JANAINA LIMA: 14
MAIARA DUTRA: 14
ARETHA MELO: 14
GABRIELA ROSSI: 14
JUNIOR OLIVEIRA: 14
DANILO COSTA: 14
ARLEQUINA: 14
TIAGO CESAR: 14
BRUNO MORAES: 14
ROGÉRIO CASTILHO MONTANARE: 14
BRUNO CAETANO: 14
VITOR: 13
ANDRÉ: 13
BIANCA MOURA SANTOS: 13
CLAUDEMIR DA SILVA: 13
MAÍRA: 13
MILENA PEREIRA SILVA: 13
MAYARA LOUZADA: 13
HUDSON: 13
TÂMARA: 13
RAPHAEL AGUIRRA DE ANDRADE: 13
JOÃO BERTONIE: 13
FLORA VALLS: 13
RODOLFO G PEREIRA: 13
RENAN LAZZARIN: 13
JEFFERSON GUEDES DE SOUZA: 13
JOÃO MANOEL RODRIGUES NETO: 13
ANDRÉ BLOC: 13
GERALDO FERREIRA: 13
FELIPE MARQUES: 13
MICHELLE IGLESIAS BUENO: 13
SAM: 13
JULIA: 13
RODRIGO FRANÇA: 13
AUGUSTO ASSUMPÇÃO DE ARAUJO: 12
VANESSA: 12
BÁRBARA MOURA: 12
RAFAELA KLEIN: 12
MARINA: 12
VALDIRENE: 12
NILO CACIEL: 12
JOÃO PEDRO S: 12
FERNANDA: 12
LIANY: 12
MÔNICA CIANFARANI: 12
JONISVAN NUNES: 12
RODRIGO NEVES: 12
LUIS SANTOS: 12
ALAN MENDES MULUNGU: 12
VITOR MALMANN: 12
MARTA MARTINS: 12
ANNA JESSYCA CORREA: 12
BEATRIZ ALENCAR: 12
SPHYNX: 12
DAIANY FERREIRA DANTAS: 12
MARIANA ALENCAR: 12
VICTOR NASSAR: 12
EWERTON MENEZES: 12
HERCULANO NETO: 12
ANA CAROLINA PAULINO: 12
GEOVANA: 12
MILA: 12
TANIZE MONNERAT: 12
GABRIEL MÜLLER PINTO HORTENCIO: 12
FERNANDO MARCIANDO DE ALMEIDA: 12
EDUARDO SILVA GOMES: 12
CAROLINE SILVEIRA SARMENTO: 12
RICARDO: 12
RAFAEL MACEDO: 12

Luiza disse...

A Lawrence representa todas as pessoas que tropeçam, caem e passam qualquer tipo de vergonha em público!

Vitor Ferreira disse...

Lola, nao q justifique, mas a musica dos peitos foi um video do william shatner do futuro mostrando q ele fez esse numero, foi desagradavel e ofensivo e considerado o pior apresentador. Ai ele, ao vivo, decidiu nao fazer o numero e chamou charlize e channing tatum pra dancar no lugar.

Anônimo disse...

Lola no seu post faltou só comentar sobre o cara que foi de kilt escocês ao Oscar (e foi um dos premiados), lembrei daquele guest post sobre o assunto

Mirella disse...

Não precisa nem dizer que Jeniffer Lawrence entrou para o arquivo do meu coração quando, ao começar a entrevista pro E!, já foi dizendo "omg i'm STARVING"

hahahahahahaha amor puro <3

parabéns para o pessoal matador do bolão. O meu ia ser puro chute, achei melhor manter minha dignidade.

Anônimo disse...

Poxa Lola. As reações das atrizes foram combinadas. Se você não tava assistindo a cerimônia com atenção, acho que o mínimo é não comentar. Você acha mesmo que elas iam ficar chateadas com uma música besta dessas?

Moema L disse...

Lola a cada piadinha medíocre do Seth MacFarlane eu falava em voz alta "cala boca". Eu achei mesmo ele um lixo apresentando só não imaginei que mais gente ia falar das (péssimas) piadocas dele.

Eu só assisti porque realmente queria ver se a Anne Hathaway ia levar, estava torcendo para ela. Assim que ela acabou o discurso (que eu achei uma gracinha, comparado a maioria)eu desliguei a Tv e fui dormir.

A conclusão que eu tirei foi: James Franco foi mal, bem mal mas Seth Mcfarlane conseguiu no mínimo empatar.

Nelson Luiz da Luz Junior disse...

Não conhecia o filme que rendeu o Oscar a Jodie Foster. Fui imediatamente buscar informações e encontrei a cena do estupro. Meus pés estão gelados, minhas mãos trêmulas, pelo choque de ver uma violência tão covarde. Ainda que a cena seja forte sem dúvida está maquiada pelo filtro do cinema; a realidade deve ser bem pior. Nem tive coragem de me imaginar no lugar dela, não foi necessário. Mas qualquer comediante babaca, que insinue fazer piada sobre isso, deveria.

Valéria Fernandes disse...

Eu vi na Globo, quer dizer vi o que a emissora cretina quis mostrar. Não tenho TNT, não achei um streaming e gosto do José Wilker e da Maria Beltrão apresentando. Então não consegui ver boa parte das atrocidades que o MacFarlane falou. A piada dos latinos, sim, mas foi só essa que eu lembro de mais ofensiva. A Folha comentou, mas focou em uma piada que ele fez com o Presidente Lincoln ("o único ator a entrar na cabeça de Abraham Lincoln foi John Wilkes Booth"). Ofensas raciais e sexistas não tem o mesmo peso... :P

Enfim, eu adoro a Jennifer Lawrence, gostei muito da foto dela dando o dedo para o paparazzo que debochou do tombo, mas acredito que quem assistiu Amour deve achar injusto a estatueta não ter ido para as mãos da Emmanuelle Riva. Foi muito injusto mesmo.

Ju disse...

É injusto mesmo, como foi quando Fernanda Montenegro perdeu pra Gwyneth Paltrow. É mais vantajoso para Holliwood ter uma jovem atriz oscarizada do que uma velhinha de um país estrangeiro.


Eu adorei a parte dos musicais (amo musical!). O Hugh não ganhou dessa vez mas pelo menos arrasou no palco!
Li que ele foi o único da plateia que esboçou reação para ajudar a Jennifer Lawrence quando ela tropeçou. Mas que ele era um gentleman eu já sabia..

A Jennifer Hudson pra mim é muito gritona. A Adele estava linda.
O Seth MacFarlane é um idiota, o Letterman também, só que há mais tempo.

Mas nada disso me importaria se o Hugh tivesse ganho. Sim, eu sou muito fã dele e ele merecia ganhar :(

Shey disse...

Seth McFarlane, autor de Family Guy, American Dad e Clevelan Show.

Já assistiram a qualquer um desses? Então, qual a supresa? Hm? Hm?

Maria Isabel de Castro Lima disse...

Lolinha do coração, eu não acreditei quando vi aquele desqualificado do Seth cantando a música do eu vi seus peitos...achei que era motivo para alguém entrar no lugar dele e dizer que ele teve dor de barriga e teve que sair...putz!!! Adorei o lance da Meryl Streep, de arrumar a calcinha e tropeçar. Eu tb vi e commentei com a amiga que via a apresentação comigo, foi engraçado...rsrsrs...Eu gosto dela, é simpática. Adorei a Jane Fonda classuda tb. Achei ARGO um lixo, cá entre nós! Beijos, querida, saudade!

davxx disse...

Voce é um completo idiotaa, o seth foi excelente.
obviamente durante os oscares não o reparou porque devia estar a fumar crack.

Mila disse...

Tenho quase certeza que as atrizes foram convidadas para gravar as reações antes.

Anônimo disse...

Sawl - The Rebel

O lindo e talentoso James Frano fez uma apresentação ruim porque estava muito nervoso, mas, com certeza NÃO superou a apresentação RIDÍCULA e PRECONCEITUOSA do Seth Mcfarlane.
Não gostei de alguns vencedores.
Não gostei muito do Ang Lee ter ganho melhor direção, pelo fato que torci para o Ben Aflleck, a Kathryn Bigelow e o Quentin Tarantino serem indicados(o que não aconteceu).
Quanto a melhor atriz, me desculpem, mas, NÃO acho TUDO ISSO que consideram da Jennifer Lawrence.
É boa atriz e uma garota bonita, mas, as outras atrizes, incluindo a fofa garotinha do Indomável Sonhadora(que já TÃO CEDO descobriu o significado da palavra misoginia!), eram MELHORES que ela!
A Emmanuelle Riva(em especial) e a Jessica Chastain fizeram personagens mais complexas e são mais talentosas que a Jennifer.
Além disso achei falta de educação, maturidade e profissionalismo da Jennifer ter levantado o "dedo do meio" para os fotográfos.
Ora, ela ganhou o Oscar era pra estar feliz e não mal humorada.
Eu acho que EDUCAÇÃO faz parte de todo ser humano e antes que aleguem que não gostei da atitude dela por ela ser mulher, eu também sou mulher e sou contra qualquer atitude de machismo. E se fosse algum homem ganhador do Oscar que cometesse a mesma atitude o acharia um ser humano podre e arrogante do mesmo jeito!
É só qualquer um de nós se colocar na pele de um(a) fotográfo(a)!
Imagina a situação: Vc está sendo pago(a) pra fotografar, fica HORAS EM PÉ, brinca com alguma celebridade e esta "levanta o dedo do meio" ou fala o popular "fuck you"? Alguém gostaria disso?
Ela foi mais imatura que a simpática e fofa menininha do Indomável Sonhadora. Um pouco de humildade pra esta moça NÃO faria mal!
Enfim, é isso.
O melhor do oscar foi o número musical com elenco dos Miseráveis em destaque para os maravilhosos Hugh Jackman(que homem lindo!), a Anne Hathaway e o Russell Crowe.
Pena que não votei no bolão, mas, se votasse teria perdido, porque não acertei muitas categorias, kkk.
Bjo Lola.

Sawl

André disse...

ANDRÉ LUIZ MAIA LIMA: 8 Até que foi muito! hahahaha

Rose disse...

Incrível, o cara faz uma espécie de sinopse do show do "humorista" Bastos e, exceto pelos blogues essencialmente feministas, a maioria está mais interessada em criticar os mamilos da Anne Hathaway!
É desanimador.

Victoria Berger disse...

Oscar é um prêmio político,faz anos que não assisto a cerimônia,,me empolguei quando anunciaram o Eddie Murphy como mestre de cerimônias ,tenho tanta curiosidade em saber como ele se sairia,mas ele desistiu e eu também.Gostei muita de uma vez que o Hugh Jackman foi o apresentador,tudo de bom,ele,mas a premiação foi chata.Achei que o tombo da Jennifer foi teatro dela pra dar mais emoção,Emmanuelle Riva merecia levar como melhor atriz,o melhor ator pra mim não levaria mesmo,nem sequer foi indicado,John Hawkes.

Anônimo disse...

Eu me pergunto por que é que vocês dão tanta importância para essa idiotice. Ano após ano.

Ju disse...

Sawl, sobre a foto com o Lawrence com o dedo do meio levantado eu li duas versões explicando:
1) Ela fez o gesto para um fotógrafo tirando sarro dela ter caído;
2) Ela só estava brincando.

----
Rose,
estão fazendo muitas brincadeiras com a Anne. Teve essa aqui com montagens:
http://cinema.terra.com.br/oscar/vestido-de-anne-hathaway-vira-piada-na-web-palmitoway,d2d4efbad611d310VgnVCM3000009acceb0aRCRD.html

Tudo isso porque ela é um sucesso!

ViniciusMendes disse...

As reações das atrizes durante a música dos peitos era parte do número de abertura foram atuadas, Lola! Eram parte da gravação, com as atrizes interpretando elas mesmas caso o Seth fizesse o que foi avisado pra não fazer pelo Capitão Kirk do futuro. Não tô questionando sua reclamação de ter sido de mal gosto, na verdade, eu acharia esquito você elogiar :P Mas tudo o que foi mostrado durante as apresentações que o Seth "não fez" era parte da piada... Inclusive as atrizes incomodadas com as piadas de mal gosto.

Alexandra disse...

E fazer piada com distúrbios alimentares? Quase morri dessa merda, e na Eating Disorders Week Awareness, ele faz piadinha disso como fosse futilidade, como se as atrizes pudessem escolher desenvolver um distúrbio alimentar por 2 semanas antes do Oscar pra ficarem sexy pra ele, e depois voltarem aos seus cotidianos saudáveis! Pode ter passado batido pra muita gente, mas não consegui segurar o choro...

ViniciusMendes disse...

Sobre a premiação no geral:

- A piada que eu achei mais interessante na premiação foi a envolvendo Noviça Rebelde.

- O Oscar é uma premiação para o cinema americano, e é ingenuidade esperar muito destaque pra cinemas de outros mercados (tanto que filmes não anglofônicos concorrem como "filmes estrangeiros"). Eu não assisti Amour (embora estejam elogiando horrores), e provavelmente, por motivos diferentes, uma boa parte dos membros da academia tbm não.

- O papel da Jennifer Lawrence não era fácil não, e ela fui muitíssimo bem mesmo assim. Não era um papel intenso e exigia uma atuação muito mais naturalista e discreta. Pontos tbm por fazer questão de agir igual ser humano mesmo se destacando em Hollywood (e eu tbm teria mandando um "fuck you" no lugar dela).

- Devia ser proibido por lei o Russeal Crowe cantar. Achei isso vendo o filme, tive certeza vendo o Oscar.

- A voz da Adele tava péssima... Espero que não tenha sido consequência da cirurgia, e sim nervosismo ou algo assim.

- Catherine Zeta-Jones cantando All that jazz ao vivo é feito de <3

Felipe Andrade disse...

Acho que o Oscar mostra bem como é o hollywood: uma competição fudida entre diretores, atores e outras categorias de profissionais do meio.
Não sei se é impressão minha, mas acho essa premiação muito tensa, a rivalidade entre os concorrentes é visível (é só reparar nas reações dos concorrentes quando anunciam os vencedores), apesar de nos discursos eles afirmarem o contrário. Falsidade pura!

Mariana disse...

No geral gostei dos prêmios (achei Ang Lee uma surpresa, Christoph Waltz uma gratíssima surpresa). Mas concordo com quem disse que o Oscar de Melhor Atriz foi injusto.

Não me entendam mal, acho Jennifer Lawrence ótima atriz, com um futuro brilhante pela frente, além de ser uma menina "normal" e divertida, nada afetada. Mas a melhor atriz dentre as cinco foi, a anos-luz de distância, Emmanuelle Riva. Ela foi monstruosa (no bom sentido, claro) defendendo um papel dificílimo, de entrega, mas que em nenhum momento resvalou pro melodrama.

Eu tinha apostado na Jessica Chastain no bolão (me baseei no Globo de Ouro e não tinha visto "Amour") e também acho que, apesar de não ter sido melhor que a Emmanuelle Riva, ela teve um personagem mais denso e elaborado que o da Jennifer. Foi um personagem que mostrou bem como a tal "guerra ao terror" endurece e despersonaliza (ela não tinha namorado, amigos, vida fora da CIA, etc), fora o fato de Maya ser uma personagem feminina fortíssima.

Eu particularmente gostei mais de Zero Dark Thirty do que de Silver Linings Playbook, na minha opinião um filme bom, porém não muito mais do que bom. Era um filme que tocava uma questão delicada, mas que foi enfraquecendo até acabar num final clichê e previsível. Acho que o roteiro, que tinha bastante potencial, ficou devendo.

Isso deve ter influenciado na minha avaliação das duas personagens, uma vez que a da Jessica Chastain foi crescendo ao longo do filme, de insegura até casca grossa, pra no fim se permitir desmoronar emocionalmente. Já o da Jennifer foi uma adorável garota "complicada" que o roteiro do filme foi "apagando" justamente pra ter o final clichê. Desculpem, mas das garotas "complicadas" indicadas ao Oscar, ainda prefiro a Clementine, da Kate Winslet, em Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças.

Mariana disse...

Acho que me expressei mal no fim: o personagem da Jennifer não era fácil, não era só o de uma menina "complicada", tinha bastante potencial e matizes que o roteiro do filme apagou pra mim. Era um personagem que poderia ter rendido muito mais em um roteiro menos previsível.

Bruno Caetano disse...

Eu, pessoalmente, não vejo problema em piadas ofensivas. Só vejo problema em piada sem graça. A maioria realmente não teve graça, mas um cara que cria Family Guy tem muito crédito.

Li também no post, uma parte que diz "categorias menores, como curta de animação" (algo assim). Pra mim, categoria de curtas não é menor, só tem menos publicidade... já muitos curtas melhores que vários ganhadores de prêmios internacionais, seja Oscar, seja Cannes. Acho que nenhum bolão deveria excluir essa categoria! Afinal, até mesmo algumas categorias de longas-metragens tem que ser no chute. As vezes o próprio Oscar dá alguns prêmios sem critério nenhum.

Mariana disse...

Como a gente sabia que dificilmente dariam o Oscar pra Emmanuelle Riva, gostei muito da Jennifer Lawrence ter ganhado. Entendo que pra alguns "O lado bom da vida" não seja nada de mais, mas quem tem alguma doença mental ou convive/conviveu com alguém que tenha, acredito que se enxergou ali no filme.

Penso que pela primeira vez trataram esses transtornos de maneira honesta, real, sem levar ao exagero ou romantizar a coisa.

E hoje fiquei vendo gifs e vídeos da Jennifer no Oscar; achei muito autêntica e engraçada, adorei.

Ah, e claro, ótimo post como sempre, Lola. Seth MacFarlane incompetente.

(links: http://mashable.com/2013/02/24/jennifer-lawrence-oscar-gifs-pics/

e este http://www.vulture.com/2013/02/when-jennifer-lawrence-met-jack-nicholson.html?mid=facebook_vulture)

Anônimo disse...

Será q não foi combinado essa reação das atrizes? Se bem q ao mesmo tempo é estranho ver a Charlize por exemplo participando de algo assim..

O seth com certeza foi o pior apresentador dos q eu já vi, o q não é uma surpresa já q ele q criou family guy.. A partir da metade eu comecei a botar no mudo toda vez q ele aparecia.

Gostei dos resultados, mas achei mt injusto o de melhor atriz. Se por um lado, já sabia q seria uma atriz jovem a ganhar, não tem como não se decepcionar por Emmanuelle ter perdido..

Orahcio disse...

Oi Lola, é normal a gente ver em todo lugar comentários de várias injustiças ao longo do Oscar, como este evento é resultado de campanhas também é natural ocorrerem as injustiças. Vai uma pequena contribuição minha pra estatística do seu bolão grátis. Ele concorda com a maior parte do resultado do Oscar: mas daria Direção para o Spielberg (50% da galera); Direção de Arte para Os Miseráveis (30%); Maquiagem seria do Hobbit (com 51%); Edição de Som com Skyfall mesmo (30%) mas A Hora mais Escura lá no 5º com 10%. Engraçado é que de vinte pontos convertendo o bolão em "Loscar" esse concordaria com o Oscar em 17 pontos, isso deve gerar alguma discórdia :). Gostei muito de participar do bolão na zona de testes, como fiquei na média acho que arriscarei perder no próximo ano no bolão pago.

Anônimo disse...

A gente, eu gostei do seth, nao levei a brincadeira dessa forma, os vídeos mesmo foram uma forma de mostrar como ele n deveria se portar, Pq td sabe como é o tipo de humor dele. Tanto que para o que ele faz, eu achei ele suuuuuper comportado na apresentação do Oscar. Poxa, se convidaram ele, sabiam qual era o tipo de humor q ele faz! Enfim.. Eu amo a J law, o que eu achei injusto foi o hugh jackman n ter levado, pra mim ele q sustentou o filme! E tb o Oscar p/ a Anne, sei lá n me convenceu, nao aparece nem 20 min no filme! Acho que quem deveria ter levado era a Amy Adams.

Nah. disse...

Nesse bolão eu fui péssima hahahah mas em outros que fiz fui melhor. Também não gostei nada do Seth como apresentador. Se as piadas fazem """"sucesso"""" em Family Guy e Cia. deveriam ficar lá mesmo. Achei totalmente desnecessárias e idiotas a maioria das piadas. E pensar que escolhem esse cara pra apresentar o Oscar, af ://

Alan disse...

"Django é a história de um homem lutando para trazer de volta sua mulher, que tem sido sujeitada a muita violência, ou, como Chris Brown e Rihanna dizem, um date movie"

Estou chocado... que vocês não acharam essa piada engraçada.

Dai disse...

Nossa, eu achei que ia passar mal de tanto que detestei o Oscar. Os prêmios, claro, mas sobretudo a cerimônia, que achei um vexame. Eu comecei a me sentir desconfortável no primeiro bullying disfarçando de piada que ele fez com o Dujardin. E a coisa só piorou até chegar num nível insuportável. Em minha opinião não teve um momento agradável sequer. Já que não gosto da Barbra nem da Jennifer Hudson, embora reconheça que sejam boas cantoras, de nenhum dos musicais escolhidos (e adoro musicais) para homenagear o gênero (exceto Les Mis) e achei a vitória da Jennifer Lawrence uma coisa meio Gwyneth Paltrow em Shakespeare apaixonado, totalmente injusta, embora ela seja uma fofinha e etc. Eu achei que ia levar de boa, pois era o esperado, mas foi demais ver Emanuelle Riva não ser premiada. E o final com a Obama me deu aquela sensação que a academia ainda está na década de trinta, premiando filmes militaristas, atrizes muito jovens e bonitinhas, atores de virilidade imponente (e muitas vezes estrangeiros, britânicos de preferência) em suas principais categorias. E não teve um azarãozinho para fazer o coração bater, ow. Mas pelo menos eu tive a sorte de comentar online com xs amigxs e rir das bobagens do Rubens Ewald Filho. Ah, e foi o meu melhor desempenho no seu bolão - já que sou sempre péssima nos chutes.

ॐ öhm "Entrego, confio, aceito e agradeço." disse...

Lolinha, amo demais da conta a Katherine Hepburn, sou fãzoca de toda bio dela, coisa de admirar mostro de talento e escolhas que ela fez na vida... mas acima de tudo, saber o que o Oscar que ela ganhou em 68 foi pelo filme que retrata uma TREMENDA MULHER, MULHERÃO que estava uns bons 500 anos a frente do seu tempo, arrepia demais, se vc não conhece (perdoa a insolência ou pretensão, recomendo ver o filme e ler sobre o personagem histórico...
Rainha por Direito, tinha sua própria fortuna e terras - vastas, produtivas, ricas, não por casamento; reinava com perspicácia, escolheu com quem queria ficar, escrevia e compunha, numa época que muitos poucos homens tinham capacidade pra tal, introduziu a noção de cultura nas cortes, com artes, poesia e música, escrita e leitura,... foi a primeira mulher e Rainha com suas damas e seu séquito próprio a ir numa Cruzada, pq queria, e pq assim o era, assim o podia fazer como bem entendesse...
Eleanor of Aquitaine no filme Leão no Inverno, contracenou com ninguém menos que Peter "Lawrence" O'Toole, mãe de reis, fascinante e muito pouco estudada... marcou épocas... seus filhos reinaram depois dela com certeza com sua marca!
enfim, sou tão apaixonada por ela que ficaria aqui horas escrevendo...

Mariana disse...

Mariana, eu convivo de perto com pessoas na família que têm doenças como bipolaridade e depressão, eu entendo como elas funcionam. Acho q vc não entendeu meu comentário, o potencial do filme e da personagem da Jennifer pra mim é justamente esse, a possibilidade de abordar essas doenças de uma forma nova, fora do senso comum e do preconceito. O filme fez isso, mas acho que se perdeu do meio pro final, que ficou bem clichê de comédia romântica. O fim do filme, pra mim, foi decepcionante e previsível (não vou especificar mais o "previsível" pra não dar spoiler) e acho que o roteiro poderia ter explorado melhor esses personagens (personagens interessantes em um roteiro nem tanto).

O Homem Cinza disse...

Dizer que o Seth MarFarlane fez "um monte de piadas sexistas" é um grande exagero. Não sou de direita, apoio as causas políticas do feminismo. E acho que só piora a imagem do feminismo ficar implicando com piadas que, em sua maioria, SEQUER foram de fato sexistas (se foram de mau-gosto, é outra história e não diz respeito só às mulheres).

No link da NYMag sobre as supostas piadas sexistas, há um comentário de quem parece ser uma mulher (username "Janinap") que eu assino embaixo. Por favor, dêem uma lida. Ela começa afirmando que só UMA das piadas foi realmente sexista (a última, sobre o Zero Dark Thirty). Não há como discordar. Sobre as outras piadas:

- A canção sobre os seios das atrizes pode ter sido de mau-gosto, e acima de tudo infantil, mas e aí? Não é simplesmente sexista um moleque sair por aí dizendo que viu um par de seios, é?

- Ter chamado a Jennifer Aniston de stripper: cadê o sexismo aqui? Qual o problema em uma mulher ser stripper? Quer dizer então que feministas consideram a profissão de stripper algo automaticamente degradante? De onde está vindo o preconceito agora?

- Sobre pêlos faciais dos Kardashian: pode ser uma piada de mau-gosto, pode ser "pelofóbica" ou coisa do tipo, mas não estou entendendo o sexismo aqui, já que não há só mulheres na família Kardashian. Outra coisa: qual o problema em mulheres terem pêlos faciais?

- A piada sobre Chris Brown e a Rihanna não apenas NÃO FOI SEXISTA como, pelo contrário, acaba justamente expondo o controverso passado (e quem sabe, presente?) do relacionamento do casal. Se a Rihanna sofreu violência e ainda aceitou voltar, bem, supomos que "a história está resolvida"; a piada mantém viva na nossa memória o incidente. Isso se chama COMENTÁRIO SOCIAL e neste caso, mesmo involuntariamente, está mais para o feminismo do que para o machismo.

- A piada sobre o George Clooney e a Quvenzhane Wallis foi simplesmente uma hipérbole sobre a preferência do Clooney por mulheres bem mais novas que ele. Sério que alguém viu isso como um ataque a atriz, ou algo do tipo?

Agora, se tudo isso que eu disse é "mansplanning" só porque sou homem, não posso fazer nada...

Siena disse...

Jennifer Lawrence é uma atriz espetacular!
Vc ta desmerecendo tudo o q ela é como atriz só pq ela é jovem e bonita. Ela mereceu o Oscar pq interpreta magnificamente bem, vc não percebe ela nos papéis, ela se transforma completamente.
Não é pq uma pessoa é jovem e bonita q não merece ser reconhecida pelo seu trabalho.

Rafael Fabro disse...

Terceiro lugar no bolão gratuito (16) e pior no pago (14). Fui pão-duro não, Lola, apenas um azarado de primeira. :) Bem que podia ter invertido as escolhas dos bolões... Não venceria a Alexandra, Exterminadora do Futuro (carinhoso apelido, Lola... rs), mas pelo menos entrava mais na briga do pago. Bom, valeu pela diversão.

Quanto ao Seth, acho que alguém aqui já falou sobre isso: o cara é sem-graça (Family Guy, me desculpem os fãs, acho chato pacas), deu no que deu. Sem-graça e com "piadas" sexistas, xenófobas, etc. Pior que Franco e Letterman. Tina Fey e Amy Poehler para o Oscar 2014, por favor! A única piada boa do dia foi da Noviça Rebelde e o sumiço da Família Von Trapp. A piada sobre o assassino do Lincoln doeu e o silêncio do público foi deprimente. O humor do Daniel Day-Lewis no seu discurso em poucos minutos valeu pelo "show" todo do apresentador.

De resto, Oscar é sempre bom pra curtir com a família e amigos, dando pitacos sobre a paixão cinéfila. É americanófilo e o blá-blá-blá de sempre, mas quem curte cinema curte de tudo: Hollywood, Berlim, Cannes, Veneza, Toronto, Sundance, Gramado,...

Que venham mais Oscars e mais bolões. Obrigado pela diversão, Lola!

Anônimo disse...

Já detestava o Seth sem nunca tê-lo visto antes, só pela "qualidade" do Family Guy. É um desenho nojento, sem falar q é plágio dos Simpsons.
Ele foi o desastre da noite. Combinado ou não com as atrizes, não importa, a musiquinha foi ridícula, sem menor graça. Aliás, nenhuma piada foi engraçada.
Agora pior que o SEth,foi o tratamento dado pelo The Onion a atriz mirim. Gente, como alguém pode se referir a uma criança dessa forma? Ou melhor, não se deve tratar assim pessoa alguma, independente da idade.
Esse lance de piadas politicamente incorretas são ridículas. Na verdade não passam de ofensas grosseiras disfarçadas de humor.

Thaís disse...

Ai, Lola, MUITO OBRIGADA! Achei que só eu estava incrivelmente incomodada com a deselegância de colocar uma musiquinha estilo tubarão para acabar com o discurso das categorias menos visadas. PÉSSIMO.

E gente, a piada pode ter o contexto que for, ela foi feita mesmo assim, não é? Péssimo, péssimo.

Vitor Ferreira disse...

Lola, eu curto Jennifer Hudson (apesar de achar que ela grita demais, mas ontem tava na medida certa), mas é injusto compará-la com Barbra. É como comparar Freddie Mercury com Chico Buarque. E a Barbra já não tem a mesma voz. A idade pesa pra todo mundo. Mas a veja cantando a mesma música com mais ou menos a mesma idade da Hudson: http://www.youtube.com/watch?v=n-KPGh3wysw

Já Adele é um estilo completamente diferente. Nenhuma das eu ouço regularmente, confesso.

E às viúvas da Riva, Oscar é Hollywood. Riva não é Hollywood. Só de ser indicada já é algo inusitado. E ela não precisa de Oscar. Pra quê? E pra mim ela ser indicada e ignorarem seu companheiro de cena (que eu acho melhor que ela) é tão injusto quanto vocês dizem que é ela perder pra Lawrence.

E Jennifer Lawrence não é Gwyneth. É boa atriz e tem vários bons trabalhos no currículo. E Silver Linings é um filme todo na base do diálogo, dos beats. Não é filme fácil de se carregar. Venceu a melhor performance, independente do currículo anterior ou da "importância" para o mundo do cinema (no momento).

Anônimo disse...

Detectado um mascu sanctu Lola, e esse parece ser dos perigosos, as coisas que ele escreve e posta são absurdas, inomináveis.
O nome do figura e Gustavo Rizzoto

https://www.facebook.com/mazzini.magnun

Bruno S disse...

No Jornal Metro (ao menos na versão distribuída hoje no Rio) tem uma coluna da nana Queiroz criticando o apresentador. Chama-se "MacFarlane e o Humor Cretino do Oscar".

http://www.readmetro.com/en/brazil/metro-rio/

Priscila disse...

Não, Homem Cinza, não é mansplaining.
É cegueira mesmo.

Alessandro da Rosa disse...

É, parece que foi a noite das Jennifers (Lawrence, Hudson, Aniston, Garner)

Luh disse...

De acordo com o Homem CInza. e no meu caso vão dizer que eu sou validadora pq sou mulher.


Mas Também não acho graça no SEth, e não sei o que viram no naquele filme "ted".

ViniciusMendes disse...

@Bruno S

Aí na página seguinte a jornalista do Metro vai lá e elogia a pele de cor "exótica" da mocinha de Django...

Dai disse...

Bom, "viúvas da Riva" é aquela típica expressão de quem não tem argumento nenhum para se contrapor a uma injustiça óbvia e resolve apelar para a desqualificação de seu interlocutor, né, Vitor. E menos ainda justificar a injustiça que é o próprio Oscar em si com um "é roliudi, vamos todos morrer e vender nossa alma ao demo mesmo". Ou dizer que seria menos evidentemente injusto se indicassem o leading man. "Blablablá eu gosto é de filme comercial e tenho sono em filme francês por isso quero achar que só existe roliudi e talz e vc que discorda que vá assistir à premiação de Cannes". Só que eu quero discordar e apontar a injustiça, sim, e que eu saiba não preciso pedir autorização aos deuses da indústria para isso. Para quem gosta desse tipo de atuação e filme (Silver Linings), cabe um pouco mais de maturidade em lidar com debates onde se discute *qualidade*, para além das regras de ouro da indústria. Se vamos discutir só indústria, não quer dizer que não possamos discutir arte, por mais que a indústria ignore que a arte tem suas próprias regras. Agora, se vamos discutir indústria, vamos aceitar passivamente seus padrões, como cordeirinhos? Sem problematizar nem criticar nada? Para começar, é lógico que não estou culpando a atriz por ser jovem e bonita, apenas explicitando que esta tem sido uma prerrogativa, ou seja, um critério de eliminação e privilégio, tremendamente sexista, cabe lembrar, que induz alguns resultados em detrimento de outros. É muito fácil de constatar o efeito Gwyneth (leia-se estrela em ascensão, que significa maior rendimento em filmes que serão produzidos num futuro próspero e distante - e também não tenho NADA pessoalmente contra a Paltrow, viu). E o subtexto disso tudo é que as mulheres têm uma carreira curtíssima no cinema, e são apreciadas pelas premiações quando no fulgor de sua primeira juventude. Claro que vão dizer e a Meryl, blablablá, e desencavar mais umas 3 ou 4 em 85 anos de cinema, mas convém lembrar que as poucas exceções apenas confirmam as regras. E vejam que premiaram rainhas da bilheteria como Bullock e Roberts justamente para coroar o suposto fim de carreira delas, que estavam na casa dos 40. Depois, que se joguem da ponte, ou se contentem com uma indicação meramente figurativa, bancando a velhinha simpática, né.
E concordo com tudo o que a Mariana disse sobre Silver Linings, um filme de médio para ruim, que desmerece o esforço do elenco competente ao propor resoluções completamente estúpidas para situações que exigem um grau maior de complexidade, tudo por causa de um roteiro insuportavelmente mal escrito, diálogos sofríveis e um final digno de comédia romântica protagonizada pela Ana Faris - tosco, descontextualizado e que menospreza a inteligência do espectador. E foi mal, Lola, eu vir resmungar com o PÉSSIMO vencedor e cheerleader do meu amigo Vitor na sua caixa de comentários. Vitor, toma para sua cara o dedo médio que a J Law deu pro paparazzi! (Nisso ela arrasou, com certeza!).

Bruno S disse...

Vinicius,

eu tinha pulado a parte da "pele exótica". Assustador esse termo.

Valéria Fernandes disse...

Obrigada por responder, Dai. O comentário que usou o termo "viúvas da Riva" foi agressivo e tinha como objetivo ridicularizar e fazer calar os demais. Analisando O Lado Bom da Vida friamente, cada vez o considero um filme mais medíocre, mais clichê, salva-se pelo carisma de seu elenco. Agora, quando a maioria se acostuma a ver filmes feitos para kidults, até O Lado Bom da Vida - que trabalha de forma muito superficial a questão dos transtornos mentais - parece profundo e denso.

Amor é profundo e denso. Mas não é Hollywood, certo? então peguemos O Vôo. Fazia tempo que não via um filme norte americano tão adulto, mesmo passando lá no finalzinho uma mensagem de esperança. Esperança, não conto de fadas como O Lado Bom da Vida.

E só para constar, não sou ignorante da gravidade da doença mental, convivo diariamente com pessoas que sofrem e que precisam de medicamento e terapia. Amor ajuda, dança pode ajudar, mas é psiquiatra + psicólogo + remédio + outras coisas. O Lado Bom da Vida muda a hierarquia das coisas e, pior, vende como engraçadinho o personagem de Robert de Niro um viciado em jogos que coloca em risco o bem estar de todos. Mas ele, dentro do filme, não é o doente.

ViniciusMendes disse...

@Dai

Me surpreende alguém que reclama tanto de tentarem desqualificar interlocutores gastar tanto verbo fazendo exatamente a mesma coisa. Cuidado com isso, é algo que leva fácil qualquer argumento pelo ralo.

E Riva de fato não é Hollywood, tanto não é Hollywood que em 54 anos de carreira foi indicada ao Oscar apenas uma vez (Jennifer Lawrence estava em sua segunda). E isso obviamente não a desmerece como atriz num prêmio cujo foco é cinema americano mainstream, ao ponto que as produções não anglofônicas são automaticamente premiadas como "estrangeiras", ou seja, alienígenas naquele espaço.

Pra vc ter uma ideia, parece que só 3 pessoas em toda a história da premiação ganharam prêmios de interpretação em filmes não anglofônicos: Sophia Loren, Marion Cotillard e Roberto Benigni. UM filme produzido por um país que não fala em inglês foi premiado como melhor filme, "O Artista", isso no ano passado, e o filme é em inglês. A esmagadora maioria dos vencedores do Oscar falando em outras línguas o fizeram em filmes americanos majoritariamente em inglês, e a esmagadora maioria dos que vieram de países que não tem inglês como primeira língua e venceram o Oscar falavam em inglês em seus filmes.

Em resumo: O Oscar é uma premiação feita por americanos, para americanos premiarem o cinema americano, e por melhor que tenha sido a atuação de Riva, as chances dela eram mínimas, iguais eram as de Fernanda Montenegro. Você tem todo o direito do mundo de discordar, de achar outras atuações melhores, mas aceitar que nem Riva, nem nós não somos o foco da premiação não é "cordeirice", nem "conformismo", embora, aos meus olhos, disputar migalha de atenção no quintal dos outros seja, pq quando vc faz isso, vc coloca essas pessoas em posição de poder.

Não entendendo tanta indignação pq uma organização privada decide dar estátuas pra produções de acordo com o próprio interesse.

Dai disse...

Exatamente, Valéria! Você foi na veia. Esperança, não conto de fadas, senão contradiz a própria ideia de ser honesto a respeito de algo que é suportável e verdadeiro e pode ser superado, mas não é cor de rosa de jeito nenhum. E tive a mesma sensação sobre o Robert De Niro.
Mas, não fica chateada com o Vitor, não. Ele é uma boa pessoa,rs. Só não sabe ganhar!

Sphynx disse...

O Oscar é uma cerimônia chata por natureza. Não me lembro nem qual foi a última vez que me diverti com as piadas ou performances dos apresentadores.

Acertei tão poucas no bolão de teimoso, porque em várias categorias eu apostei em quem eu queria que ganhasse e não em quem tudo indicava que ganharia, hehe. Mas uma que eu nunca teria acertado mesmo foi direção de arte, eu jurava que se não fosse Anna Karenina seria Os Miseráveis, nunca chutaria Lincoln.

Argo era óbvio que ganharia melhor filme, então nem fiquei empolgado pela categoria principal. Pra mim o suspense mesmo era a categoria melhor diretor, disputadíssima entre Spielberg e Lee. Pra mim o único concorrente a direção que fez um trabalho extraordinário foi Michael Haneke, mas enfim, Lee realmente mereceu mais que Spielberg, embora a direção de Life of Pi não seja nada de outro mundo, também. E no decorrer da cerimônia ficou até evidente que Lee ganharia melhor diretor conforme Life of Pi ia ganhando tudo e Lincoln nada.

Atriz eu também torcia pela Riva.

ViniciusMendes disse...

E quanto ao "viúvas" nesse contexto... Não sei se é daí que o rapaz tirou, mas é uma expressão muito usada no meio gay pra se referir a pessoas que ficam "chorando" e reclamando por algo que elas desejavam ou gostavam, mas que já passou.

Sphynx disse...

Aliás, sobre O lado Bom da Vida, pra mim é um mistério por que a Academia parece gostar tanto do David O. Russell, pra ele já ter duas indicações ao Oscar de melhor diretor, em dois anos que tiveram trabalhos de diração muito melhores que os dele e não foram indicados.

Em 2011 eu tiraria sem nenhuma hesitação a indicação do Russell por O Vencedor pra colocar no lugar Christopher Nolan por A Origem ou David Fincher por Millennium - Os Homens Que Não Amavam as Mulheres. E agora em 2013 não consigo entender como Russel entrou com Affleck, Bigelow e Tarantino ficando de fora.

Tirando o Haneke, a categoria de melhor diretor esse ano foi super fraca.

Dai disse...

Olha, Vinicius,
Eu não te conheço, nem vc a mim.
Eu agradeço todo o seu didatismo, mas ele é realmente dispensável, viu. Sei quem é a Emanuelle Riva de olhos fechados. Hiroshima Mon Amour é um dos meus filmes favoritos da vida toda. E meu primeiro Oscar foi nos anos 80, então, realmente acho que podemos discutir questões mais contextuais e políticas. Eu me dirijo ao Vitor dire, informal e incisivamente pois comentamos juntos o Oscar todos os anos. E há 3 dias vinhamos discutindo esse resultado, é uma assunto que vinha rolando offline. Eu o desqualifiquei? Onde? Eu odiei o filme que ele gosta, ok. Acho péssimo e tenho MUITOS elementos para julgar e explicar detalhadamente o porquê de ele ser uma fraude. Isso não é pessoal. Já o termo "viúvas" é sim, um termo redutor, pois não parte de uma crítica sólida, mas tenta levar para os critérios afetivos uma visão de mundo e uma opinião que não se deseja conhecer nem ouvir mais. Como a Valéria bem disse, é um cale-se, já foi, perdeu.
Foi uma descortesia tremenda com as pessoas que amam essa grande atriz que está em pleno esplendor e atividade e, sim, uma tentativa de transformar em torcida um julgamento fundamentado em impressões artísticas. E eu acho que vc sequer leu o meu comentário, pois o que eu digo é exatamente que ser conhecedor(a) dessas nuances não te exime de ser crítico à indústria, tratá-la como bastião da verdade é uma atitude simplesmente integrada, que dilui fronteiras e desigualdades e transforma tudo em festa. Assim se contemporiza e também se cala a voz dos descontentes. E, desculpa, estar ciente de desigualdades históricas e estruturais só piora a questão. Repetir que é "assim por que é assim" é assentir com a cabeça quando se questiona minimamente a estrutura dessa grande roda da fortuna, numa sociedade onde capital cultural e poder simbólico se emaranham. E, desculpa, mas citar expressões como "mendigar no quintal do vizinho" ao referir-se a uma crítica à distribuição de produtos culturais, questões de gênero e imperialismo americano é realmente tirar do meu discurso tudo aquilo que eu não disse.

Dai disse...

Ah, e só mais uma coisinha.

Houve um certo rumor de última hora de que Riva poderia, de fato, ganhar.
Dadas às circunstâncias em que ocorreu a votação, e ao fato de que já havia azarões nos indicados, muitos diziam que poderia haver surpresas. Então, é lógico, eu tive um motivo real para me frustrar. Não sou tão delusional assim. E não fui a única, viu. É bom dar uma passeadinha pela crítica de cinema. Um monte de gente pensou o mesmo.

ViniciusMendes disse...

@Dai

Bom, se ele é seu amigo, desculpe por "me meter" (tanto quanto é possível se meter em algo que acontece numa discussão aberta na caixa de comentários de um blog, e não em ambiente privado), apesar de achar sim que mandar o "dedo do meio da Jennifer Lawrence" não seja o melhor dos argumentos ;P (mas é bem compreensível se vocês tem uma relação anterior de amizade a isso).

Quanto ao resto, não mudo de posição. O Oscar só se propõe a ser uma premiação mundial de cinema dentro da visão estadunidense de o que é "mundo", no caso, eles mesmos, e eles não tem obrigação nenhuma de premiar ou exaltar o cinema de nenhum lugar que não interesse a eles. Exigir que eles, enquanto organização privada que não tem objetivo nenhum além de celebrar a história da própria produção deles, reconheçam outros mercados é igual brigar com a MTV gringa por não dar prêmios pra Gaby Amarantos ou pro Caetano Veloso. Nesse sentido, a própria indicação já é um reconhecimento do talento de uma atriz cuja obra está num círculo totalmente diferente do círculo que a Academia se propõe a abraçar. A partir do momento em que se faz tão necessário assim o reconhecimento deles de uma obra ou de um trabalho, a ponto de pessoas se indignarem por eles não darem a mesma atenção aos outros cinemas, isso vira mendigar atenção na casa do vizinho, e é exatamente essa necessidade de validação que dá pra Academia o poder que ela tem.

Por sinal, as organizações de cinema dos países europeus que tem uma indústria cinematográfica desenvolvida simplesmente criaram os próprios prêmios, que tem outros enfoques e são tão ou mais renomados que o Oscar em outros meios.

Agora, se o ponto a ser levantado for a falta de minorias étnicas entre os vencedores (e até indicados), ou pq as mulheres mais velhas e que enquadram menos no padrão de beleza concorrem mais como atrizes coadjuvantes do que como principais, ou até que ponto isso reflete a cultura da premiação ou de Hollywood, eu acho que isso rende uma discussão mais interessante e até mesmo mais útil. Ou até mesmo a forma como a produção dos EUA, e consequentemente o Oscar, encara o resto do mundo.

Acho eu que Rivas não ganhou pela idade? Não, ou pelo menos não que esse tenha sido o fator central. Acho que ela não ganhou por não falar inglês numa premiação pra filmes em inglês, do mesmo jeito que várixs atorxs incriveis que se encaixaram nos padrões de beleza (quando não ditaram) não ganharam o prêmio pelo exato mesmo motivo. E também acho esquisito (e injusto) que a atuação da Jennifer Lawrence, que vem sendo aclamada pela crítica desde que o filme começou a ser exibido (na verdade, desde que ela estreou no cinema) seja reduzida a "ela é jovem e bonita". Claro, isso não quer dizer que alguém seja obrigado a amar a atuação dela, ser fã dela e colocar um poster dela na parede... Mas desqualificar o trabalho dela por se encaixar nos padrões de beleza e desqualificar a Rivas por não se encaixar são dois raciocínios que partem de pontos muito parecidos. E é também ignorar que muitas atrizes, algumas inclusive muito boas, não ganham o prêmio exatamente por serem consideradas simplesmente bonitas.

E desculpa o tamanho do texto, eu tenho uma tendência a verborragia ;P

Dai disse...

Olha, Vinícius, em nenhum momento eu disse que a Jennifer Lawrence não era talentosa. Eu critiquei de forma contundente o filme (muito, muito fraco, em minha opinião). Eu acho ela talentosa, sim, lembro de ter mencionado acima que o elenco do filme é competente e o roteiro desmerece esse esforço. O que disse é que muitas das apostas e da previsibilidade em cima da vitória dela se devem ao clichê "jovem-estrela-promissora", bem menos que às críticas elogiosas. Isto, creio, é um dos mitos do Oscar e parte do esforço de se manter uma dinastia hollywoodiana nos moldes do star system (que já não cola mais mas eles tentam sustentar a ferro e fogo). Outra coisa que me enfastia é o Oscar jamais se renovar, parou no tempo. A impressão que tenho é que são os mesmos membros de 1927 que estão dando as cartas. E não há como negar a prevalência de um pensamento sexista. Isso fez Vivien Leigh, Grace Kelly, Audrey Hepburn, e tantas outras 'jóias' promissoras vencerem. Todas de inegável talento, claro. Mas, conhecendo as prioridades e as circunstâncias de descarte de outras atrizes não-estrelas, dá para concluir que não foi o talento o elemento determinante, entende? É este o problema, e ser um prêmio simulacro é um insulto às próprias atrizes, não é culpa delas. Mas ser a tradução da vez da princesa da meca do cinema é algo crítico quando se discute o feminino e o lugar da mulher na indústria cultural. E essa elevação passa por uma série de negações e exclusões que são mais questão de gênero que de qlqr outra coisa. Eu não tenho nada, absolutamente nada contra a atriz. Mas acho que atuação dela, embora excelente, não chega aos pés da atuação da Riva.
E concordo que falar francês deve ser motivo de repúdio a 90% dos jurados do concurso. Mas se o filme teve o lobby de chegar a ser indicado, a insistência de distribuídores vorazes poderia (como já ocorreu em raras vezes) levar a esse tipo de peripécia. Já premiarem uma atriz octogenária pelo mérito de sua atuação não seria uma peripécia, mas um milagre.

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Não posso falar muito porque não vi quase nada da cerimônia, mas lembro que uma vez vi esse cara (o apresentador q não lembro o nome) dizendo que o humor dele muitas vezes é como segurar um espelho para a sociedade e mostrar como é preconceituosa. Se não me engano ele é judeu e vive fazendo "piadas" sobre a forma como os judeus são retratados. Então acho que às vezes fica difícil saber se o humor tem uma função crítica, de espelho ou não.
Quem sabe a "piadinha" em relação à Rihanna e Chris Brown não é uma crítica a eles terem transformado violência doméstica em briguinha de casal? Ou dizer que os americanos não entendem os latinos não seja uma crítica aos próprios norte-americanos?
Enfim... Apenas pensamentos, espero não estar falando besteira, mas é porque me lembrei desse comentário dele há alguns anos.

Abçs

Anônimo disse...

"Jennifer Hudson apareceu, cantou, comoveu, e recebeu a primeira standing ovation (como se traduz isso?) da noite."

Lola, ta com sindrome de luciana gimenez?

Menos, prease!

ViniciusMendes disse...

@Dai

Eu concordo com você que a academia parou no tempo... Na verdade a gente tá falando de uma das premiações de cinema mais conservadoras que existem, né?

Na época que a Fernanda perdeu pra Gwyneth Paltrow (que é alguém que eu colocaria tranquilamente na categoria "mais bonita que talentosa") lembro que no auê todo que se formou uma matéria apontou que pelos EUA não ter uma cultura de assistir filmes legendados, muitas vezes os filmes da categoria estrangeira nem era vista com a devida atenção pelos membros da academia, o que obviamente influencia no julgamento que eles fazem desses filmes (e mostra a importância que eles dão pra produções não anglofônicas)... Eu ainda não assisti Amour, mas a atuação da Riva tem sido elogiadíssima (minha postura em relação ao prêmio de melhor atriz era quase indiferença, pq me pareceu que fora a garotinha que é muito nova pra encarar a pressão de ser uma oscarizada, qualquer uma tinha feito um trabalho excelente em seu filme, e logo, era passível de vencer... ), e eu (talvez até por ingenuidade) não acho que ela teria problemas em vencer caso o filme fosse falado em inglês.

Quanto ao Star System e à colocarem carisma acima de talento, eu já não sei... De forma geral, quando entramos no campo das artes performáticas no geral isso tende a ser recorrente, até pelo carisma inevitavelmente prender mais a atenção do que o talento... Mas não tô dizendo que a Riva não seja carismática, até pq eu acho que ninguém chega onde ela chegou na carreira sem doses cavalares de carisma. Dificilmente os atores, cantores e dançarinos mais memoráveis eram/são tecnicamente os melhores no que faziam, e sim aqueles que além de algum talento (pq o carisma sozinho não segura a onda) tem magnetismo o suficiente pra fazer a gente assistir o espetáculo até o final. Considerando aí que se trata de uma premiação de filmes que tendem pro comercial, que mesmo que tenham pretensões artisticas, tbm tem que vender, não acho o foco deles equivocado... Embora de tempos em tempos eles escolham mesmo as pessoas erradas e a gente acabe com um bocado de oscarizados que nem entram totalmente pro primeiro escalão do cinema enquanto atores, nem são interessantes o suficiente como celebridades.

ViniciusMendes disse...

@Laurinha (Mulher modernex)

Ele de fato tem um bocado de piada que pode ser vista desse jeito (a música sobre os peitos mesmo me pareceu mais ele tirando sarro da fama dele de fazer humor baixo do que das atrizes), mas o mal da ambiguidade é que quem concorda com o que as piadas dele ironizam não vai enxergar que está sendo trollado e vai se sentir validado.

Eu gosto dele, de qualquer forma.

Anônimo disse...

É...esse negócio de achar que entrega do Oscar seja um stand-up commedy é um saco...Achei o Seth educado, amigável e feliz. Muito mais suportável que o chato do Billy Criystal.*sigh*

Em tempo: adorei a participação da Michelle Obama.

Camila disse...

Lola, concordo plenamente com a questão dos absurdos e as piadas preconceituosas. No entanto, infelizmente a coisa fica pior. Essa cena da música Nós vimos os seus peitos foi ensaiada, e as atrizes não ficaram realmente envergonhadas, elas estavam interpretando. Ela foi gravada anteriormente, provavelmente durante os ensaios, e todos são figurantes. Ou seja, as atrizes se submeteram a participar dessa piadinha de mal gosto...

Lillian Cardoso disse...

Vou ter que ser a advogada do diabo aqui. Como bem disse a @Laurinha, a principal característica do Seth MacFarlane é brincar com os preconceitos das pessoas e esfregá-los na cara delas. Ninguém é mais satirizado no Family Guy ou Ted do que o próprio homem branco americano. E muitas das piadas dele no Oscar foram por esse caminho, como por exemplo a piada sobre os latinos: a piada não é sobre os latinos, e sim, sobre a visão dos americanos sobre estes. Assim como o negro aqui no Brasil, o latino é hiperssexualizado pelos americanos, e o Seth simplesmente jogou isso na cara de muita gente. E é duplamente ótimo quando um preconceituoso ri da piada sem se ligar que é ele e sua ignorância e/ou desrespeito a outras etnias os maiores alvos dela.

Quanto à piada da Rihanna do Chris Brown, achei digna. Alguém tem que mexer na merda. O caso é lamentável, a própria agredida mostrou-se extremamente conivente com o agressor, que não se mostrou nem um pouco arrependido. A imprensa tratou tudo como briguinha de casal, com direito a Team Rihanna e Team Brown. Estes são os verdadeiros machistas: Chris Brown e a imprensa. Seth só jogou isso na cara de todo mundo e comparou o ocorrido ao que ele é de fato: um filme de extrema violência como Django Livre.

Quanto à suposta piada sobre a Wallis, pra mim ficou bem claro que o alvo da piada era o George Clooney e sua obsessão por ninfetas. Tem que estar com muita má vontade em relação ao Seth para entender outra coisa.

O número "We saw your boobs" é jocoso mesmo, e proposital. Não dá pra separá-lo do contexto, tem que assistir tudo pra entender. Mas essa reação das atrizes foi totalmente pré-gravada.

Talvez, a única piada realmente machista tenha sido a sobre A Hora Mais Escura. Mas convenhamos, ela é bem bobinha, fica como uma piada ruim.

Enfim... não que eu ache o Seth MacFarlane o melhor apresentador do mundo. A Tina Fey e a Amy Poehler mandaram MUITO melhor. Mas tô vendo que ele está sendo crucificado por motivos errados, por pessoas que não o conhecem, e muito menos o seu trabalho. O Seth é um democrata, apoiador ferrenho do casamento homossexual e de outras causas sociais. Já teve episódio de Family Guy banido por fazer apologia ao aborto e satirizar os "pró-life" . O humor dele tem objetivo claro e forte viés político-social. Não dá pra compará-lo com o boçal do Rafinha Bastos, que faz piadas impensadas, fáceis e cujo único objetivo é tirar o riso a qualquer custo de uma multidão preconceituosa. Certas coisas requerem mais do que uns minutinhos para que elas não escapem da nossa vista.

O Homem Cinza disse...

Lilian Cardoso, assino embaixo. Parece que em países como o Brasil, as pessoas infelizmente ainda se apegam demais a uma moral oito-ou-oitenta, exigindo de suas personalidades públicas comportamento de santo(a). Isso também existe em certa parte dos movimentos feministas, em particular aqueles que derivam da Segunda Onda e que só conseguem enxergar a sociedade dessa forma binária.

É como se não importasse o fato da pessoa ser publicamente pró-aborto, pró-LGBT, etc. Sempre vai ter alguém pra procurar pêlo em ovo e sair taxando de "sexista" piadas até mesmo necessárias, como essa da Rihanna (que foi uma vítima de agressão mas, como você mesma disse, foi uma vítima conivente e isso deve ser escancarado sim).

Me sinto até um pouco mal em ser homem e estar falando isso tudo, não porque eu não devesse, mas porque às vezes visito aqui e a impressão que dá é que o feminismo brasileiro tenta a todo custo seguir uma espécie de "visão única" que só existe em mundinhos totalitários... Sem contar essa paranoia de acusações de sexismo pra todo lado (com as facilidades da internet, a moda agora é qualquer pessoa julgar sumariamente falas alheias como se estivesse falando "em nome do movimento")... Bom, é ótimo ver comentários como o seu (também da Luh e da Laurinha).

CCX disse...

Não entendo nada de Oscar mesmo.

Ju disse...

" e o Seth simplesmente jogou isso na cara de muita gente. E é duplamente ótimo quando um preconceituoso ri da piada sem se ligar que é ele e sua ignorância e/ou desrespeito a outras etnias os maiores alvos dela."

Se o preconceituoso ri da piada sem se ligar é sinal que a piada não funcionou. Pelo menos ela não atingiu o objetivo dela.

Se era pra constranger os preconceituosos o Seth MacFarlane FALHOU.

Eu nunca assisti nada do que ele produziu e não me faz falta, mas me parece que as pessoas que vêm defendê-lo são seus fãs.

Nem vou comentar o "vítima conivente" em relação a Rihanna porque não gosto de perder tempo com o tipo de pessoa que pensa assim.

O Homem Cinza disse...

Ju, na boa, ninguém vai fazer uma revolução na sociedade apresentando o Oscar. Você diz que ele "FALHOU" ou "não atingiu o objetivo" como se houvesse (ou fosse uma obrigação existir), meudeus, um grande projeto de conscientização do povo através das piadas de uma ceriomônia de entretenimento vagabundo.

O ponto foi simplesmente o de dizer que, exceto uma, as piadas dele NÃO FORAM preconceituosas.

E eu, pelo menos, não sou fã dele, apenas gosto de algumas coisas e olhe lá. Uma pena você não ter assistido nada, dia desses vi um episódio de American Dad totalmente pró-gay e satírico ao partido republicano dos EUA.

Mas não precisa perder tempo com meu "tipo de pessoa", afinal é muito melhor separar ideias em rótulos absolutos e guardar pra si só o que já estiver empacotado e previamente autorizado com o selo "do bem", não?

Thaís disse...

Sinceramente, não entendo o porque das premiações americanas terem esse ar cômico. De todas as premiações que eu vi, nunca achei graça em nenhuma piada sequer tanto por parte do apresentador quanto dos que anunciam o vencedor das categorias. É tão claramente decorado e robótico que chega a me dar vergonha as vezes, parece que os atores desaprendem como atuar.
Sei que eles tem que olhar para a câmera, afinal estão apresentando algo mas falar com o outro (quando são duas pessoas) olhando para a câmera e com um sorrisinho forçado (quando sorriem) é tão artificial que seria melhor eles só falarem o vencedor logo. Sei que essas piadas são para dar um ar mais descontraído, mas para mim, não funciona nem um pouco.

Ju disse...

O Oscar não é uma cerimônia de entretenimento vagabunda.
Milhões de pessoas assistem.

Acho até que o número chega a 1 bilhão de pessoas no mundo todo.

Ninguém está querendo que o Oscar faça uma revolução social, mas que simplesmente não reinforce o status quo com as mesmas piadinhas sexistas e afins que já estamos acostumadas no dia a dia.

Realmente não conheço nada que o MacFarlane fez, mas me dá a impressão que é mais do mesmo e que quando alguém nota simplemente dizem que você não entendeu a fina ironia dele.


Anônimo disse...

standing ovation = ovacionada em pé?

Anônimo disse...

Sem querer defender ou renegar a atuação do apresentador, as caras e bocas das atrizes reagindo à música foram gravadas previamente e de propósito... foi uma atuação. Fazia parte dos adendos de vídeo, fingiam ser flashes da platéia. Ficou ruim de perceber pela edição da tv no geral, mas você pode ver isso fácil porque todas estavam vestidas com roupas diferentes das que utilizaram durante a cerimônia do Oscar. Até Charlize, que dançou ao longo do programa, não utilizou nada preto no dia. Bom, é isso. :)

Por Ana.

Lillian Cardoso disse...

Não Ju, ele não falhou. Se eu, o Homem Cinza, a Laurinha e mais milhares (milhões?) de pessoas que conhecem o trabalho dele entendem quem são os verdadeiros alvos da chacota dele, significa que a mensagem está muito bem dada. Só está um pouco codificada. Mas ironia, humor, deboche e sarcasmo também são formas válidas de expressão para se defender um ponto de vista - não é só o grito que funciona.

Quanto à Rihanna.... me desculpe, mas ela foi conivente SIM. Quando foi agredida, teve pleno apoio da família e dos amigos. Quem fez a denúncia contra o Chris Brown, a princípio, foi o pai dela, e não ela. Amigos rappers dela até ameaçaram o Chris Brown de morte. E mesmo sim ela decidiu voltar com ele. Acho que esse cenário é bem diferente de uma dona de casa que é agredida pelo marido e teme contar para parentes próximos por medo da reação do marido ou de não ser levada a sério. Infelizmente, amiga, a grande verdade é que o mundo das mulheres não é simplesmente dividido entre revolucionárias e vítimas. Existem mulheres que simplesmente tomam decisões erradas por fraqueza, estupidez ou seja lá o que for. E devemos lutar por elas também. Se você acha que num grupo de minorias só existem santos e vítimas da opressão, e descarta a hipótese de que alguns deles podem ser simplesmente estúpidos, você está indo por um caminho perigosamente errado: o de achar que certos grupos só devem ter direitos por conta das injustiças sociais, e não porque simplesmente todo mundo deve ter o mesmo direito.

No mais, @O Homem Cinza, assino embaixo de todas as palavras sobre o binarismo, a visão única e o fato de seguir cartilhas e só consumir aquilo que é "testado e aprovado". Existem milhares de formas de se chegar a algum objetivo, algumas mais diretas, outras mais sutis; é perfeitamente possível protestar com humor e ironia. Confesso até que fico incomodada ao ver um blog de qualidade tão excelente se perdendo em relação ao Seth MacFarlane. O radicalismo pode obscurecer a nossa visão a ponto de não distinguirmos "amigos" de "inimigos".

Ju disse...

O que eu acho interessante é como a coerência tem funcionado aqui.

Por que eu tinha lido a primeira parte do seu comentário e pensado:

- Puxa vida, será que estou sendo injusta com o rapaz? Eu nunca vi nada do que ele produziu. Não posso julgar uma pessoa desse jeito, isso é errado. Será que eu - tão boa com ironias - não pesquei as dele?...


Aí cheguei na parte do "vítima conivente" e pensei:

- err, humm, não, eu estava certa mesmo.

Ju disse...

Aqui um trechinho do brilhantismo do Seth MacFarlane

É um pedaço de um dos desenhinhos que ele inventou.


http://www.youtube.com/watch?v=XjUdV_u2Da0


Gracioso.


O Homem Cinza disse...

Ju, você me dá a impressão de ser do "tipo" que, se o discurso da obra não for 100% do seu lado, do tipo panfletário mesmo, então se trata de uma obra "ambígua e perigosa". Peço desculpas pelo rótulo, mas é o que parece.

Ju disse...

Mas o discurso do Seth MacFarlane não é ambíguo. Pra mim isso está bem claro.

Esse vídeo foi alguém que postou numa noticía sobre o Oscar.

A ironia, o sarcasmo estão aí, mas são feitas em cima do movimento feminista, um movimento que luta contra a objetificação das mulheres.

Elas falam aos 1:10 "We will no longer be objectified" - Não seremos mais tratadas como objeto.

A descrição do vídeo chama o chefe de "chauvinista" mas a graça não é feita em cima dele.

O Homem Cinza disse...

Bom Ju, então quem sabe você esteja com problemas de auto-estima, já que a graça ali está sendo feita em cima de TODOS. Seja o chefe, sejam os clientes, seja a cultura de comércio durante o Natal, e TAMBÉM as três mulheres que se revoltam num contexto em que nem saber direito como agir (e, consequentemente, acabam soando contraditórias e imaturas). Dá até pra encarar isso como um crítica a posturas críticas mais irresponsáveis e imediatistas que, ao invés de resultarem em algo concreto, só resultam em "tiros no escuro" e mais chacota da sociedade.

Mas talvez você não esteja interessada em autocrítica quando o assunto é feminismo, ou estou errado? Só o apoio irrestrito faz um movimento ficar mais forte, não?

O MacFarlane está longe de ser feminista e isso nunca me pareceu ser uma questão central na sua postura política. Criticar o estabilishment não é sinônimo de abraçar a santidade de todas causas minóricas e autovigiar cada letra do próprio discurso pra não cometer n-e-n-h-u-m-a injustiça. Nem todos querem ser revolucionários imaculados, 100% discordantes com o estabilishment. Aí estamos eu e você, por exemplo, que duvido ser alguém situada na base mais "inferior" da pirâmide social capitalista.

Mas se for pra deixar sua consciência mais limpa, fique à vontade pra sair taxando qualquer uma dessas vozes mezzo-discordantes da mesma maneira como devem ser taxados os abertamente conservadores. Afinal, a sociedade se divide unicamente entre sexistas e não-sexistas. 0 versus 1. Preto no branco. Bons e maus.

Parabéns por ajudar a tornar o seu "movimento", seja feminismo ou qualquer outro ismo, ainda mais fechado em seus próprios dogmas.

lola disse...

Gente, como uma das participantes disse que seu nome (completo) aparece no Google por causa da lista de participantes do bolão, e ela pediu para que seu nome fosse retirado, por razões pessoais, tive que copiar o meu comentário, deletar o nome dela, e colar aqui de novo. Por isso a diferença de data. Mas esta lista foi publicada em 2013, na mesma data que as outras:

Continuando com o bolão não pago:

ZILDO JORGE RIBEIRO DA CUNHA: 11
ALFREDO SAMPAIO: 11
MAICK: 11
ANA CRISTINA STEFFEN: 11
CAROLINA: 11
LUIZA RIBEIRO: 11
JULIANA MONTEIRO: 11
MAURA SOUZA: 11
GILBERTO PEREIRA: 11
INGRID TAVARES: 11
SILVIO CUNHA PEREIRA: 11
MARINA CIPOLLA: 11
LEANDRO XAVIER ALVES: 11
HENRIQUE: 11
JULIANA PEDREIRA: 11
RENATA VELLOSO: 11
LAÍS VIEIRA PINELLI: 11
JULIANA HORTA: 11
HELENA GOMES DE SÁ: 11
VERÔNICA ROCHA: 11
TAÍS: 11
VIVIAN ANGHINONI CARDOSO: 11
ALFREDO NETO: 11
DOUGLAS MARQUES: 11
CARLA BORGES: 11
LOLA: 11
PAULO CANDIDO: 11
THEA CARVALHO: 11
MATHEUS: 11
GILVAN LUCIO: 11
PAULO FELIX: 10
PEDRO CUNHA: 10
ANDRESSA KOHLER: 10
FELIPE SILVA PASQUA: 10
RAFHAEL MACEDO: 10
CARLA: 10
BARBARA: 10
LUCAS: 10
MARINA: 10
GUSTAVO CHAVES: 10
TARSILA: 10
LUIZA MEDEIROS: 10
ITALO CINTRA: 10
FLÁVIA: 10
LÚCIO: 10
MAURINE MIRANDA DOS SANTOS: 10
GABRIEL: 10
SAYRON: 10
GIOVANNA DINIZ: 10
PAULO BELEM: 10
LIDIANE: 10
ANA: 10
VERÔ!: 10
ALINE FERNANDES: 10
ANA FONSECA: 10
JULIANA S. R. CORREA: 10
LUANA MARINA LUZ GONZALEZ: 10
CLÁUDIA CRUZ MACHADO: 10
PATRICIA: 10
TARSILA: 9
VICTORIA: 9
ALINE MORAES: 9
MELISSA: 9
ALICE: 9
ALEXANDRA MISURINI: 9
ALINE XD: 9
MALENA: 9
NELLY: 9
FRAN: 9
HELLEN CRISTINE: 9
TÁSSIA VERÍSSIMO: 9
LUIZA ANTUNES: 9
BÁRBARA: 9
RODRIGO ROMERO: 9
MATHEUS: 9
GABRIELA RIBEIRO: 9
LETICIA: 9
RUTE PINA: 9
ALESSANDRO DA ROSA: 9
LAÍS CARVALHO: 9
LAURA: 9
LUIZ: 9
RAYSSA: 9
JACQUELINE CASTAGNARO: 9
FERNANDA D'AMICO SILVA: 9
LUCIANA ROCA: 9
JAQUELINE RIBEIRO: 9
CAROLINA: 9
CAMILLA: 9
GUILHERME: 9
LUCIANA ELLER: 9
GERMANA BEATRIZ: 9
GUSTAVO TREVISOLLI: 9
CAMILA BORGES: 9
MÁRCIO J. PEREIRA: 9
GEYSA R. GONÇALVES: 9
JOSÉ MAURICIO DINIZ DA SILVA NETO: 9
LUCIANA PAULA: 9
CLEO: 8
AMANDA CLARO: 8
PEDRO SANTOS: 8
HUGO LUIS OLIVEIRA MACIEL: 8
ORAHCIO: 8
MARIANA CAVALCANTI DE ALBUQUERQUE SOUZA: 8
MATHEUS: 8
CAROLINA BRANDÃO: 8
BIA: 8
LILIANE E SANTO: 8
LUIZ FELIPE: 8
LUNA: 8
ANA ELISA BOSSLER DA COSTA: 8
NAYARA ROCHA: 8
AMANDA MATTOS DELLA LUCIA: 8
JÚLIA LOBO: 8
ALINE VALEK: 8
ALINE GRIFANTE: 8
NATHALIA G.: 8
CAROLINA: 8
BRUNO FERRARI: 8
YANIC: 8
ANDRÉ LUIZ MAIA LIMA: 8
NATALIA M C O: 8
LIVIA BERROGAIN: 8
HALEF: 8
PHILLIPE: 8
CLARISSA XAVIER: 8
BRUNO DE ALMEIDA SILVA: 8
ISADORA PESSOA: 8
LOUISE: 8
SHEL ALMEIDA: 8
MAYÃ MARTINS: 7
MARIANA SILVEIRA: 7
MALU RODRIGUES: 7
ANA LUIZA DANTAS: 7
ILMA TORRES DE MORAIS: 7
MARCELLA: 7
CÂNDIDA DRIEMEYER: 7
FE RIBEIRO: 7
BEATRIZ NUNES OLIVEIRA: 7
CLAUDIA SCHWERZ: 7
BRUNA SALDANHA: 7
BRISA: 7
CLARA: 7
LUDIMYLA NUNES: 7
DULCINE BARROS: 7
ROBERTA MARTINS: 7
JULLYANA: 7
MARCIO GIACOMOLLI: 7
RODRIGO: 7
ANA SCHNEIDER: 7
FRANCISCA MANOELA BRITO: 7
NÁDIA: 7
RAFAEL: 7
GABRIEL MARTINS SANTOS: 7
GUILHERME: 7
LAILA: 7
LAYANA: 7
THAINÁ: 7
JONAS MAYN: 7
DONNA NYCKYNHA: 6
ANA LUISA VASSOLER: 6
PRISCILA: 6
RAQUEL: 6
BEATRIZ SILVA: 6
GIOVANA ROSSI: 6
CLARA: 6
ANE: 6
KATIUSKA PELLEGRINI: 6
NADIA: 6
HELTON: 6
SABRINA LOPES: 6
VN: 6
EMANUELE: 6
LAÍS AMORIM PINHEIRO: 6
ALINE TOMASUOLO SOUZA: 6
GIOVANNA BARBIERI: 6
GABRIELLY: 6
IALY CINTRA: 6
CAMILA PRIMIERI: 6
JOSÉ VITOR RESENDE: 6
GABRIELA R.: 6
LUCI: 6
THAMISSA: 6
TAMARA: 6
CÍNTIA: 6
ISAAC UMPIERRE: 6
ANDREZA: 6
ALINE: 6
SONIA TROIS: 5
PHELIPPE HENRIQUE: 5
PAULA: 5
CAROLINE VERAS: 5
DANIELLE: 5
LAÍS: 5
BELISA: 5
LAÍS ALBUQUERQUE: 5
NATÁLIA: 5
ANA MAFRA: 5
THAÍS GUIMARÃES: 5
CAIO GRACO ZEPPEINI: 5
DIEGO JIQUILIN: 5
PATRICIA: 5
ELITOM: 5
LETÍCIA: 4
CLÁUDIA SM: 4
NATÁLIA MEIRA: 4
KARINA BENTES: 4
JULIMARI: 4
THIAGO ALVES: 4
LAURA M.: 4
MATHEUS G.: 4
SCHEILA: 4
THATIANE SANTOS ALMEIDA: 4
HERLENE SANTOS: 3
GUSTAVO: 3
MARIA CAROLINA BISSOTO: 3
DARLANA GODOI: 3
GABRIELLA TROCCOLI: 0