terça-feira, 25 de setembro de 2012

SEU PÊNIS ENCOLHEU E A CULPA É NOSSA. DESCULPA, MAL AÍ

Marcha das Vadias San Francisco: "É um mundo dos homens. Vamos estragá-lo"

Péssimas notícias, gente. Segundo um estudo italiano que até agora pouca gente leu, o tamanho do pênis diminuiu uns 10% nos últimos cinquenta anos. Parece que os motivos incluem excesso de peso, principalmente na cintura, poluentes no ar, stress, fumo, e álcool. Mas essas são meras hipóteses, claro.
O radialista ultraconservador Rush Limbaugh, um dos grandes nomes da extrema direita americana, tem outra explicação: fomos nós, feminazis! (Ele é quem inventou o termo). Disse ele em seu programa de radio: “Acho que é o feminismo. Se foi nos últimos 50 anos, tem que ter sido as feminazis, a chickification (garotização? Feminilização?), e tudo o mais”.
O caricaturista Taylor Jones até fez esta homenagem a Rush, provando que ele está absolutamente certo.
O A. Luiz Costa enviou um mapa da Europa baseado no tamanho do pênis. O maior de todos é o húngaro, com 16,50 cm em media. Não sei se isso tem alguma relação, mas ultimamente tenho ouvido falar muito na Hungria. Um mascu quer ir viver lá, porque lá o governo é de direita. O pior lugar do mundo pra um mascu brasileiro, depois do Brasil, é a Suécia.
A Suécia é aquele país com os melhores indicadores sociais do planeta, a mais justa distribuição de renda, licença-maternidade de 16 meses para o casal, toda uma cultura em que mulheres também tomam a iniciativa sexual, sistema de saúde realmente universal, e educação pública que é exemplar... Mas mascus de todo o mundo odeiam o país escandinavo e o elegem o inferno na Terra porque alguns suecos fazem xixi sentados. É isso aí: prioridades, cara!
Deve ser por influência feminazi que na Suécia a média do pênis seja de 14,80 cm. No mapa a Suécia tá mesmo parecendo um pênis flácido, não tá? Mas como explicar a Romênia com seus míseros 12,73 cm? Ou toda a potência dos vampiros está no sexo oral, ou os romenos são humildes. Porque esses números todos são auto-declarados pelos entrevistados.
No Brasil é uns 15 cm, certo? Tem quem diga que é 14 cm, tem quem jure que é 16,10 cm, colocando-nos como a 14a no mundo em matéria de tamanho de pênis. Gostaria de dizer que o que importa é a mágica, não o tamanho da varinha de condão (adoro essa frase brega), mas receio que, a esta altura, vocês não vão acreditar em mim.
Certo. Claramente estou fugindo do assunto. Perdão. É que é um tema difícil. O fato, Segundo a Universidade de Pádua, é que os pênis diminuíram. E o segundo fato é que Rush Limbaugh, que nunca erra, desconfia de nós, feminazis. O que fizemos de errado neste último meio século para causar um golpe tão duro na nossa agora diminuta sociedade falocêntrica?
Exigimos ganhar salários iguais, é verdade. Ainda estamos 30% atrás, mas só a pressão de ter uma mulher ganhando quase tanto quanto um cara já deve ser devastadora. E agora que já somos maioria nos cursos de graduação e pós-graduação, sai de baixo. Imagina se um dia essa maior escolaridade resultar em maiores salários? Não quero nem pensar! Aí é que os pênis vão sumir de vez!
Temos um pouco mais de controle reprodutivo, graças à pílula anticoncepcional e à legalização do aborto nos países mais ricos. Entendo perfeitamente como isso pode criar insegurança nos homens. É como o casamento gay ser o fim do casamento hétero!
A virgindade pra gente não é mais um tabu, e, por mais que a sociedade seja rapidinha em nos chamar de vadias, certamente estamos mais livres sexualmente que no início dos anos 60. Mas isso é ruim, portadores de pênis? Sei lá, pensei que uma sociedade com mais liberdade sexual fosse um bom motivo pros pênis ficarem mais alegres e saidinhos e talvez até aumentarem um pouco.
Ah, acho que sei o que é! É que nós feminazis vivemos bombardeando os conceitos de masculinidade e feminilidade, não é mesmo? A gente sai por aí pedindo que “ser mulher” deixe de ser visto como ser frágil, dócil, passiva, e que “ser homem” não esteja mais relacionado a ser violento, insensível, provedor e pegador. É que nós, tolinhas, pensávamos que liberar essas amarras de gênero faria todo mundo mais livre e feliz. Não sabíamos que vocês iriam ficar abatidos. Achávamos que conquistar oportunidades não fosse o mesmo que tirar oportunidades de vocês.
O que dizer agora que o estrago já está feito? Mea culpa, mea maxima culpa. Não posso falar por todas as feminazis, mas reconheço meus erros. Foi mal esse negócio aí de feminismo, gente. Dá pra devolver? Façamos o seguinte: a gente volta a nossa condição de mulheres servis (mas safisfeitas!) do início dos anos 60, e vocês fazem um esforço e recuperam esses 10% de tamanho. Querem retroceder um pouco mais? Anos 20, talvez? É que pode ser que o nosso direito a voto também tenha causado efeitos colaterais incômodos. Não? Tudo bem? Fechamos então com os anos 50 e a franca recuperação dos 10%! Obrigada. Sou grata com o patriarcado. E desculpe qualquer coisa.

115 comentários:

Anônimo disse...

Se diminuiu ou não, quem se dá mal nisso é a mulher, então pouco me importa. kkkk

Anônimo disse...

Um dos textos mais divertidos.
A ideia defendida por esse cara é tão absurda que como a Lola fez, nem dá pra tentar levar a sério.

Dani Andrade disse...

Lola, você diz tudo o que eu penso, com muito humor, uma delícia esse texto, adorei!
Desculpa repeti-las abaixo mas, são pérolas. Obrigada por dizer tantas verdades, sempre!

"É como o casamento gay ser o fim do casamento hétero!"
"E agora que já somos maioria nos cursos de graduação e pós-graduação, sai de baixo. Imagina se um dia essa maior escolaridade resultar em maiores salários? Não quero nem pensar! Aí é que os pênis vão sumir de vez!"
"Achávamos que conquistar oportunidades não fosse o mesmo que tirar oportunidades de vocês."
"Sei lá, pensei que uma sociedade com mais liberdade sexual fosse um bom motivo pros pênis ficarem mais alegres e saidinhos e talvez até aumentarem um pouco."
"Tudo bem? Fechamos então com os anos 50 e a franca recuperação dos 10%! Obrigada. Sou grata com o patriarcado. E desculpe qualquer coisa."

Quero esses 10% de volta, já!!!

André disse...

Auto declaração? Quando eu tinha 13 anos nenhum amigo meu tinha um pênis menor que 1,5m. Em vinte e cinco anos deve ter havido uma redução de uns 70%. Até que o resultado dos italianos não está ruim.

-b. disse...

Posso levantar uma outra teoria?

O pênis não diminuiu, os homens é que se tornaram mais sinceros.


50 anos atrás todo mundo declarava ser extremamente bem dotado, e hoje, com a quantidade de pornografia, e portanto, material de comparação, nós estamos vendo que não temos jibóias no meio das pernas.

Eu tenho quase certeza de que é algo assim.

Vera B. disse...

Lola,
Aí está uma contradição dos misóginos que gostaria de entender:
Se, de um lado, para eles, nós mulheres não temos nenhum valor, somos umas vadias e tals, como podem eles nos darem tanto poder? Inclusive o poder de diminuir o tamanho do pênis?
Quanto mais eu leio os misóginos, mais me sinto poderosa. Pois eles me mostram poderes em mim que eu sequer sabia que tinha.

Lucas disse...

Caramba, eu aqui apoiando o feminismo sem saber que tava levando a pior!

Quero meus 10% de volta!

Mas se não der, aceito um livro com dedicatória no lugar e fica tudo certo!

Lord Anderson disse...

hehehehehe


Eu "se divirto" com essas babaquices, mesmo sabendo que tem quem acredite.

Queria saber qual a metodologia da pesquisa, será que sairam medindo com rigo cientificamente ou foram perguntando na rua mesmo?

hehehehe


Bem, eu tento ser otimista e acreditar na evolução (mental,psicologica, moral, etc) da especie humana, mas tem gente que dificulta as coisas.

Anônimo disse...

Lola, tem algo estranho aí. A Suécia é também o país com maior índice de estupros.

Mirella disse...

Quando alguém começar a encher o meu saco, vou pegar minha carteirinha de feminazi e dizer: olha que diminuo o teu pingulim!


Feminazis, estas castradoras literais, né!


Fica a dúvida: estes 10% são tipo a taxa de serviço brasileira?

Anônimo disse...

As mulheres estão comemorando que a media do penís e cada vez menor ?
froid explica :)

Anônimo disse...

Mais um post da Lola de ataques a masculinidade, e as suas seguidoras vão a loucura, eu nunca acreditei que as mulheres tinham ódio de homens, ate conhecer este blog.

Lucas disse...

Claro que não, Anônimo. Não viu que a Lola até pediu desculpa?
Acho que foi sem querer.

Anônimo disse...

eu tenho uma dúvida (é sério, Lola):

essa medida é feita com o pênis ereto ou relaxado? porque isso muda MUITO o tamanho/diâmetro né?

ass: madú

Sil Teixeira disse...

"Se diminuiu ou não, quem se dá mal nisso é a mulher, então pouco me importa. kkkk"

Porque não existem homens gays no mundo e tal, umbiguismo aí gente.

Acho que o -b falou uma coisa interessante. Se bem que a contribuição dos filmes pornôs é uma droguinha. Colocam um cara com o pênis maior que a média muitas vezes. Naqueles ideais imbecis de que negro tem o pênis maior e bláblá.

O comentário de Mirella foi muito pertinente. Genial, gente! Vamos fazer uma carteirinha e ainda colocar "Do clube da Lolinha". HAHA

Ao anônimo das 11:23 que deve ser o do comentário seguinte: Eu sou odiadora de homens, mas namoro com um. Ele lida bem com todo meu ÓDIO, gosta bastante, sabe? E pára, senão vou diminuir mais seu pênis com o meu poder de feminazi. :(

Anônimo disse...

A Suécia como está acabada, sua bela sociedade que conhecemos desde os antigos vikings será extinta em uma geração. Não só eles mas pelo que parece todos os nórdicos.
A invasão árabe já começou, as mulheres suecas vivem dentro de um conto de fadas em suas cabeças, e os homens suecos estão buscando estrangeiras para e relacionarem( principalmete tailandesas).

lola aronovich disse...

Madú, todas essas estatísticas se referem ao pênis ereto. Pênis em repouso deve ser bem mais difícil de medir. Mas lembre-se: a maior parte dessas estatísticas são feitas com base nas respostas dos homens. E tem gente que exagera quanto ao tamanho do pênis...


Isso, anônimo das 11:30, é exatamente isso que este post faz: ataca a masculinidade. Imagina, ele não ataca a masculinidade rídicula a que certos homens (e mulheres) se atém, e que só causa angústias a eles. Sabe TODAS as coisas que angustiam vcs mascus? Tipo tamanho do pênis, não pegar ninguém, ser virgem, não ser macho alfa (whatever that is), etc etc etc? Então, vcs culpam o feminismo por essas coisas, quando deveriam culpar o machismo. Não é o feminismo que mede o valor de um cara pelo tamanho do pênis ou pelo número de parceiras que ele já teve. É o machismo. Esse aí que vcs se orgulham tanto. Vcs acabam culpando as feministas pra todos os SEUS problemas, e viram piada no mundo, como geralmente acontece com o Rush Limbaugh.
Mas sabemos que interpretação de texto ou compreensão básica do mundo não são os fortes de vcs mascus.

Priscila Boltão disse...

Sério Lola que se eu não conhecesse seu blog, jamais acreditaria que gente assim existe....
Gente que acha que a legalização do aborto significa que todas as mulheres grávidas serão forçadas a tirar seus bebês, que a legalização do casamento homoafetivo será o mesmo que uma instauração de uma ditadura gay, onde os casamentos hetero serão desfeitos a força e as pessoas forçadas em casamentos gays, e agora... as feministas tem algum tipo de poder sobrenatural com o qual diminuem o pênis do homem moderno.
Sérião, tem povo que vive num filme B de ficção pós-apocalíptica or something.

aiaiai disse...

kkkkkkkkkkkkkkk, rindo muito. Mas, vc devia colocar um aviso de ironia, muita gente vai achar q vc capitulou, se rendeu, etc...

Anônimo disse...

Eu estou rindo muito, mas muito mesmo, no momento, Lola.
Entrei nos comentário e ri mais ainda de anônimos que não são capazes de entender sarcasmo e acham que você escreveu isso pra comemorar pênis mundialmente menores.

Fale por você, Lola, o resto de nós, feministas fizemos de propósito. É tudo uma conspiração nossa, por inveja do pênis, em parceria com os iluminati, que querem vender mais dildos. o/

Gente... XD Falando sério, extrema direita, mascus e fundamentalistas no geral me dão medo. De onde eles tiram isso tudo?

Anônimo disse...

"É como o casamento gay ser o fim do casamento hétero!"

A sexualidade feminina e uma construção social e não natural como a masculina, portanto em algumas décadas o numero de lesbicas será maior que o de héteros

Mirella disse...

"Lola, tem algo estranho aí. A Suécia é também o país com maior índice de estupros."


Ok, vamos lá. A Suécia é o maior país com denúncias de estupro sim.

Sabe o porquê?

Exemplo: se uma mulher denuncia que no último ano foi abusada todos os dias pelo seu marido, não é registrada somente uma denúncia. É registrada uma denúncia para cada ocorrência, ou seja, 365 denúncias, para uma mulher, mesmo que seja mesma vítima e mesmo agressor. Isso engrossa bastante as estatísticas, né?

Considere também que o conceito de estupro lá é muito mais amplo. Logo, não é somente o caso do "estupro legítimo" que é registrado: é uma gama muito maior dos tipos de violação libidinosa do corpo de alguém. Logo, se há mais ações que podem ser tipificadas como estupro, há mais ocorrências.


Por fim, lá a vítima é incentivada a denunciar o crime. Não existe a cultura do "deixa disso". Mais uma vez, quando a denúncia é incentivada, os números aumentam (veja como exemplo quando a Xuxa declarou que sofreu abuso na adolescência. Na mesma semana, o número de denúncias explodiu [ link aqui http://g1.globo.com/pop-arte/noticia/2012/05/apos-revelacao-de-xuxa-disque-100-recebe-285-mil-ligacoes.html ]).


Espero que tenha ajudado a entender. Por exemplo, há países em que o índice de estupro é 0. Oi? Sim, pois nestes países não há qualquer tipo de registro ou levantamento deste tipo de crime. Não significa que lá não acontece, mas sim que lá é ignorado.

Mais informações: http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2012/09/120917_suecia_estupro_lgb.shtml

Anônimo disse...

E agora que já somos maioria nos cursos de graduação e pós-graduação, sai de baixo. Imagina se um dia essa maior escolaridade resultar em maiores salários? Não quero nem pensar! Aí é que os pênis vão sumir de vez
-------------------------------------
As mulheres serão a maioria em cargos de comando, e aos homens, em sua maioria menos instruídos, sobrará trabalhos braçais e de menor qualificação, ou seja, o numero de "bons partidos vai ser escasso" a pergunta e, as mulheres aceitarão se relacionarem com um homem inferior socialmente ?
duvido muito !

lola aronovich disse...

E pros palermas deixando montes de comentários falando mal da Suécia: contra fatos não há argumentos, guerreirinhos de um real. Não sou eu que coloco a Suécia (assim como os outros países escandinavos) no topo da lista em matéria de qualidade de vida e igualdade social. São todas as estatísticas possíveis. Agora, isso de que a Suécia tem o maior índice de suicídios e estupros do mundo é pura balela. Neste ranking eles aparecem em 30o, meio distante da primeira posição.
De qualquer jeito, é preciso ter cuidado em como se usa uma estatística. A contabilização de muitos crimes e mortes varia de país pra país. Tem que ver o que cada país considera estupro, por exemplo. Outro dia li um artigo ótimo (em inglês) sobre por que os índices de tudo variam tanto. Pena que não guardei. Se alguém encontrar, me avisa?

Luiza disse...

"Anônimo Anônimo disse...

"Se diminuiu ou não, quem se dá mal nisso é a mulher, então pouco me importa. kkkk"

Espertinho, as causas dessa diminuição também atrapalham a funcionalidade do pênis, então se fosse um estudo falando da diminuição da potência sexual dos homens você falaria "Se o pingulim sobe ou não, quem se da mal nisso é a mulher, então pouco me importa"? A coisa tá feia pra você, Sr. Broxinha.

Anônimo disse...

Lolo o indice e proporcional ao tamanho da população, e com sua população nanica, a Suecia esta proporcionalmente entre os primeiros colocados !

Anônimo disse...

Tudo bem? Fechamos então com os anos 50 e a franca recuperação dos 10%! Obrigada. Sou grata com o patriarcado. E desculpe qualquer coisa.

------------------------------------
sai a na rua e olhe tudo que foi construido, escolas, predios, hospitais etc., tudo foi erguido com o suro ,sangue e lagrimas de muitos homens, custa um pouco de gratidão ao invés de desprezo !

Anônimo disse...

Sei lá, pensei que uma sociedade com mais liberdade sexual fosse um bom motivo pros pênis ficarem mais alegres e saidinhos e talvez até aumentarem um pouco
-----------------------------------
o vocês chamam de liberdade sexual, e na verdade um culto a promiscuidade, e somente homens com bons cargos e bens materiais tem acesso a ela, a maioria olha pela janela.

lola aronovich disse...

Tá muito difícil clicar no link que deixei e ler a tabela, anônimo? Deve estar. É mais fácil ficar vindo aqui repetir besteiras sem fundamento. No ranking, a Suécia é número 30 em número de suicídios. Leva-se em conta o número de suicídios por ano a cada 100,000 habitantes. População grande ou pequena não influi nesse cálculo!


Mirella, obrigada! Acho que era bem
este artigo
que eu estava procurando. Explica bem porque a Suécia é número 2 (e não 1, como disse o membro do Instituto de Pesquisas Mascus As Vozes Me Disseram) em número de estupros no mundo.

Anônimo disse...

"A sexualidade feminina e uma construção social e não natural como a masculina, portanto em algumas décadas o numero de lesbicas será maior que o de héteros"

=
Oxála, dels te ouça rsrsrs, eu mesma já estou convencendo muitas !

Leandro disse...

O que você tá querendo dizer, Lola? Que a Suécia tem aqueles indicadores sociais graças ao feminismo? Você acredita que riqueza surge pronta assim do nada? Bom, se é assim, queria ver as feministas contruir uma civilização rica no deserto de Saara... O que você ignoram é que a Suécia primeiro enriqueceu (o fato de não terem participado de nenhuma guerra ajudou bastante) com muitos anos de trabalho duro, poupança e acumulação de capital pelos homens, só depois de ter gerado muita riqueza, adotaram um estado assistencialista. O "extremo" livre mercado na segunda metade do século XIX possibilitou as suecos trabalhar, poupar, empreender, acumular capital, aumentar a produtividade...

KALI, desesperadamente humana. disse...

Para os que gostam da teoria da evolução, vamos lá: talvez os pênis estejam diminuindo simplesmente porque a natureza já percebeu que eles não precisam ser grandes. Afinal, basta ser capaz de ejacular com uma certa velocidade para cumprir sua função. Além do que, deve evitar vários problemas circulatórios, do tipo: o cara tem um pênis tão grande que quando ereto precisa de tanto sangue, de forma que o pobre coitado portador da monstruosidade desmaia por falta de oxigenação no "célebro". Enfim, pintos menores fariam com que os homens fossem capazes de manter todas as suas funções cognitivas de forma plena enquanto excitados, isso eliminaria o famoso inconveniente de "pensar com a cabeça de baixo". O que seria benéfico para nossa querida raça masculina que não estariam mais a mercê de vadias golpistas que só querem se aproveitar da natureza sexual animal deles.

Nossa, devia ganhar um prêmio científico por essa análise. Acho que vou escrever uma tese!

Pili disse...

-b
foi na mosca! O que pode estar mudando é o comportamento, a necessidade de auto-afirmaçao, o conceito de masculinidade e, bem, as respostas! Não o tamanho.

Mas Lola,
há ainda uma relacao entre esse assunto e o feminismo sim. Siga-me por alguns minutos para o mundo da fantasia, da pseudo-ciencia, e da raivinha gratuita.

Bem, feministas sao a favor da liberdade de mulheres tomarem pilula, e da qualidade dos estudos, do fabrico, da distribuicao da pilula, etc. Certo?

Bem, há quem se incomode com essa liberdade e trave uma enorme guerra. Pra atacar a pilula e quem a usa as pessoas podem usar argumentos mais ou menos logicos, mais ou menos "da moda", mais ou menos morais, etc.... E elas usam mesmo sem se importar com a veracidade do argumento, contanto que consigam atacar o que queriam. Triste, mas é assim que muita gente conversa, certo?

Bem, uma moda que já está durando algumas décadas é atacar o uso da pilula porque ela estaria promovendo uma chamada "feminização" dos seres vivos. Algo como: as mulheres estao em massa despejando um excesso de hormonio no meio ambiente atraves da urina na rede de esgoto e esses componentes voltam pra gente atraves da red de agua, e por isso o mundo está ficando anti-natural.
Ora, esse papo foi usado pra justificar o suposto aumento do número de pessoas com comportamento sexual livre da heteronormatividade. Balela, sabemos que se formos comparar com uma época em que era muito mais perigoso do que hoje a pessoa ser identificada como gay o numero de gays e afins aparentemente aumentará.
Também foi usado para explicar mudanças corporais e de comportamento em alguns animais, e essa desculpinha serviu pra que nao se dedicasem a pesquisa de outras causas provocadas por outras atividades humanas como poluicao, introducao artificial de especies exoticas no meio, uso e interaçao de trangenicos,etc...
Na verdade a gente nao sabe nem se a premissa esta correta. Sera que existe mesmo essa mudança na intensidade e na incidencia de caracteres sexuais? Que seja, o maior acumulo de gordura em alguns lugares, o aparecimento de celulite, mamilos e até mamas mais visiveis, menor producao de testosterona... Etc.
Bem, que dados sao esses? Como que eles foram observados? Nao haveriam outras causas possiveis, como a alimentacao, o uso de substancias quimicas como cigarro, alcool, outras drogas ou medicamentos, o habito da automedicaçao, o sedentarismo, interaçao de diferentes fatores, etc?

Esse papo também foi usado pra justificar o aumento de gestacoes e sexo na adolescencia. Outra balela, sabemos de inumeros outros fatores que incidem nisso. e tambem, convenhamos, se essa hiperfeminizacao atingisse a todo mundo atraves do consumo de agua (ou comendo frango que recebeu hormonio) entao meninos adolescentes tambem estariam nessa!

Por aí vai, esse papo foi usado pra justificar tudo que parecia anormal e que as pessoas queriam atacar.
Por que não pesquisar outras hipoteses, que podem agir em conjunto com essa ideia, ou podem inclusive ser suficientes para afastar essa ideia?
Supondo que realmente haja esse mecanismo, por que demonizar a pilula e as feministas, ao inves de continuar pesquisando uma forma de purificar a agua que a gente usa atraves de, sei la, hidrolise ou outro metodo.
Eu pesquiso quanto eu posso sobre esse assunto, e acho tudo muito ideológico e pouco cientifico.
Adoraria ver mais sobre isso por aqui, se vc pudesse/quisesse um dia.

E antes que perguntem, nao, eu não acho que um tamanho maior ou menor de pênis mostre mais ou menos masculinidade. Mas dentre as pessoas que caem nesse papinho que mostrei aí em cima, há quem acredite.

Luiza disse...

"Anônimo disse...

"A sexualidade feminina e uma construção social e não natural como a masculina, portanto em algumas décadas o numero de lesbicas será maior que o de héteros"

=
'Oxála, dels te ouça rsrsrs, eu mesma já estou convencendo muitas !"

SAFADEEEEEENHA!!! kkkkkkk

lola aronovich disse...

Ha ha ha, Kali! Prêmio Nobel pra vc! Explicou tudo! (Mas o primeiro Nobel de Evolução Natural já tem dono, como sabemos: Nessahan Alita!). Mas o segundão é seu.


Dá-lhe, Leleco! Não basta ser expert em História do Mundo e Mercado de Trabalho Através dos Tempos e Antropologia dos Gêneros, agora vc também sabe tudo de Suécia! Fantástico, Leleco! Pena que gastar todo esse tempo estudando, como vc faz, te deixa sem tempo pra alguns detalhes, como interpretação de texto. Porque onde que eu disse que os indicadores sociais da Suécia se devem ao feminismo?! O resto do seu comentário contém tantos erros por frase que não tenho vontade ou tempo pra responder. Espero que alguém mais se disponha... Quer dizer, não sei pra quê, porque vc não lê as respostas, ou não entende o que lê. Comunicação zero com mascus.

Bruno S disse...

To preocupado com italianos, fui traduzir a matéria que a Lola linkou e olha só o que está lá:

"em 1948 situou-se em 9,7 centímetros em 2001 para 9 em 2012 e mesmo reduzido a 8,9 cm."

De qualquer forma, se tiver algum cara preocupado, dizem que o Boston Medical Group ajuda.

Anônimo disse...

Sil Teixeira , desde que eu vi este blog semana passada, o que mais vejo aqui e ataques a masculinidade, a ainda no termo diminutivo " mascu"
tipo mascus são inuteis, mascus devem morrer, mascus são doentes.
seu namorado sabe que você frequenta blogs qie depreciam a masculinidade assim ? ele sabe o que você pensa dele ?

Anônimo disse...

Talvez seja esse que vc ta procurando, Lola?

http://noticias.terra.com.br/mundo/noticias/0,,OI6161835-EI8142,00-Entenda+por+que+a+Suecia+tem+a+maior+taxa+de+estupro+da+Europa.html

Ri muito com esse post de hoje, ótimo!

Luci

Anônimo disse...

Agora vi que a Mirella já tinha colocado o link aqui...sorry

Confesso que fiquei bastante surpresa de achar essa notíca do BBC no Terra, onde geralmente só se encontra estudos e reportagens misóginas.

Luci

Anônimo disse...

Desculpa Lola,mas pra mim,e pra outr@s por ai,o tamanho da varinha importa sim hahaha,tem gosto pra tudo e ainda bem que seja assim.

Humm,então a Hungria é o pais dos bilaus grandinhos hein? e é pra lá que os mascus vão? hummm,interessante...,acho que vou pegar uma carona com eles,de repente,a gente tá indo atrás das mesmas coisas =)vai que...

Cética

Patrick disse...

O Leandro está enganado. A Suécia era tão pobre quanto os países da América do Sul no início do Século XX. O Estado de bem-estar social, que começou a ser implantado naquele período na Suécia (enquanto nós o ignorávamos), é que propíciou o salto qualitativo do país, dentre outros motivos, porque incorporou ao mercado de trabalho a metade da população desprezada por aqui: a população feminina.

Priscila Boltão disse...

Eu vi um comentário anônimo mascu e fui responder, vi outro e pensei, hum, esse tb precisa... mas, é, tá feia a coisa por aqui. Nem respondo esse monte de asneira. Vou trabalhar que ganho mais, já dei a risada do dia com esse post lindo.
I'm outta here.
E acho honestamente que os nervosinhos desocupados deviam parar de cuidar de um blog que eles supostamente odeiam e fazer algo de útil tb.

Talita disse...

O post está realmente divertido, gostei mto qdo outro dia vc defendeu o riso c/ melhor forma de combater certas situacoes... Mas queria falar de outra coisa, amei o cartaz: "Você ñ está sendo oprimido qdo outro grupo ganha os direitos q vc sempre teve"!

Desde q comecei a ler seu blog tenho pensado em mtas coisas, antes por exemplo era vencida por um "nao gosto de feminismo e nem de machismo, acho q extremos sao perigosos", sabe, coisas tontas assim... Hj penso mais e melhor em várias questoes.

Ontem recebi um e-mail do meu pai dividindo uma história q ele leu(ele sempre me manda dessas coisas), e o texto estava defendendo o heterossexual, honesto, contribuinte, etc etc etc zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz Enfim, achei meio o fim, meu irmao mais velho se formou com a ajuda do PROUNI, eu entrei em uma universidade pública com ajuda das cotas, somos negros... Sabe, fiquei pensando "coitado do meu pai compartilhando essas abobrinhas que nao tem nada a ver com o que a gente vive"!
Um outro amigo meu compartilhando um video tosco de uma mulher dizendo o quao errado era ter cotas, q onde já se viu, se o branco pode estudar pra passar o negro tbm deveria e q o problema está nas escolas...
Tanto senso comum sendo passado pra frente sem o MINIMO de reflexao, tanta gente falando abobrinhas como o cara q vc citou e sendo aplaudida... as vezes dá um pouco de preguica desse mundo viu =/

Anônimo disse...

Sou conhecido como Anonimo, O GRANDE!!!

Dias disse...

Eu acho que a culpa deve ser das feministas mesmo. Muitas dessas pesquisas são feitas de acordo com o que as pessoas dizem de seu pênis ou do pênis de seu parceiro. Homens mentem a respeito do tamanho de seus documentos, mas as suas parceiras podem dizer a verdade. Há cinquenta anos atrás, poucos deviam ser os homens que deixavam suas parceiras responderem a esse tipo de pesquisa. Hoje muitas mulheres não acham que seus parceiros têm o direito de permitir ou não permitir nada, se elas quiserem, elas respondem. Não foram os pênis que diminuíram, foram as mulheres que vieram ter liberdade de dizer-nos a verdade a respeito do que os parceiros guardam na cueca. Obrigado, feministas.

Mirella disse...

para onde os mascus querem ir:

- para onde mulheres são sexualmente livres (Suécia)

- para a terra do bilau grande (Hungria)


hmm...

Anônimo disse...

Isso e culpa da alimentação que esse molekes comem hoje em dia, eu fui criado na base de muita gemada de ovo de pata que minha vó fazia para mim, comigo e mil graus, as mina pira na velocidade do meninão !

Mirella disse...

Patrick:


fatallity nas falácias leonardianas, thanks!

Luiza disse...

"Anônimo disse...

"Sou conhecido como Anonimo, O GRANDE!!!"

Se precisa tanto dizer isso a todos, deve ser porque não é tão grande assim; e se é grande, você deve precisar falar isso aos quatro ventos para compensar a falta de "firmeza". Como um mascu disse aí em cima, Freud explica. hehe

Carlos disse...

Se tamanho fosse documento e as mulheres gostassem de "ereção", atores pornôs seriam os mais desejados do país e não artistas, atores, cantores famosos, etc...

Motivo do retrocesso do tamanho, só pode ser o excesso de peso.

Aqui em porto alegre, mais de 50% das pessoas estão acima do peso, daqui uns 10, 20 anos quem tiver corpo em forma por aqui vai ser rei.

Sara disse...

Lola quer dizer q a culpa é sua !!!!
Agora vc mexeu com coisa "sagrada" pra eles, se prepara.....

Sara disse...

Kali adorei sua teoria, merecia o NOBEL, te juro.....kkkk hj isso aq ta punk .....

Juliana Brito disse...

Minha tia tem uma teoria de os homens, por não conseguir acompanhar a evolução das mulheres, estão regredindo, voltarão à forma de amebas e desaparecerão (só o tempo de a natureza arrumar outro jeito de nosnreproduzirmos). Vai é isso que já está começando rs.
PS: os suecos não são mesmo o máximo? Eu vivo repetindo isso! http://www.vouemboraprasuecia.blogspot.com.br/

Luiza disse...

"Anônimo disse...

"Isso e culpa da alimentação que esse molekes comem hoje em dia, eu fui criado na base de muita gemada de ovo de pata que minha vó fazia para mim, comigo e mil graus, as mina pira na velocidade do meninão !"

kkkkkkkk
Os "bocudos" são os mais decepcionantes. Já peguei cada um...

Sara disse...

para onde os mascus querem ir:

- para onde mulheres são sexualmente livres (Suécia)

- para a terra do bilau grande (Hungria)


hmm...[2] Mirella

só podeeee

Leandro disse...

A fonte indicada pelo Patrick diz que a Suécia e o Chile apresentavam "importantes similaridades sociais, econômicas (renda per capita muito parecida) e políticas no início do século 20".

Segundo dados da Unicef, a Suécia não só apresentava indicadores sociais muito melhores do que os países da América do Sul, como apresentava indicadores sociais melhores do que os outros países industrializados da Europa. Por exemplo: em 1800, a Suécia apresentava uma taxa de mortalidade infantil de 200 por 1000 nascidos, essa taxa caiu para a metade em 1900. Enquanto a Inglaterra e a França apresentavam taxas de mortalidade infantil de 150 por 1000 nascidos em 1900. Dados da Unicef:

"In Sweden, the turning point appears taken place in the 1870s. By 1900, Sweden's rate was only 100 per 1,000 live births, much lower than rates in France and England which were still at 150 per 1,000 live births. Sweden has continued to lead during the entire twentieth century, maintaining primacy in 1980 with a rate of 7 per 1,000." (página 61)
http://www.unicef-irc.org/publications/pdf/hisper_decline_infantmortality.pdf

Ou seja, no final do século XIX ja'apresentava indicadores melhores do que outros países da Europa.

Anônimo disse...

Eu lembrei dos "pentes robóticos sionistas derretedores de pênis".

Não apertem a mão de estranhos e nem aceitem pentes.

uhauhauhauhauhauhau

yulia2 disse...

''Anônimo disse...
Se diminuiu ou não, quem se dá mal nisso é a mulher, então pouco me importa. kkkk''

ah falou ... não se importa
hahahahahah acreditei...


''Posso levantar uma outra teoria?

O pênis não diminuiu, os homens é que se tornaram mais sinceros.''


bem pensado.... esse povo mente demais....
não aguento essas pesquisinhas idiotas tipo
quem é melhor na cama? brasileiro, argentino
americano..... É UM FESTIVAL DE MENTIRAS
que nunca vi igual hahahaha


se eu posso dar uma sugestão... queria que
o povo visse o filme idiocracia...
muito bom!!!! é comédia, mas dá uma base
de como vai ser a humanidade daqui pra frente...
http://www.youtube.com/watch?v=gK2diven4RU

ps: esse leandro não se cansa de ser humilhado aqui???

Anônimo disse...

mas ser maioria nos cursos de graduação não seria então um efeito de desigualdade de gênero contra os homens?

Patrick disse...

Leandro, obrigado por trazer mais evidências em apoio à tese do Professor Valenzuela: 1) a Suécia primeiro construiu um estado de bem estar social, melhorando índices como os de mortalidade infantil; 2) por essa razão, tornou-se uma nação qualitativamente mais rica;

Frictin disse...

E qto aos (pênis dos) homens do Continente Africano? A gente vê mais e mais mulheres brancas se casando com homens negros e isso dá o que pensar.

AnônimA disse...


Anônimo disse:
"Isso e culpa da alimentação que esse molekes comem hoje em dia, eu fui criado na base de muita gemada de ovo de pata que minha vó fazia para mim, comigo e mil graus, as mina pira na velocidade do meninão ! "

Que bom que você, não só tem consciência, como se prepara, para nos satisfazer.

Elisa Cavalieri disse...

Engraçado que você tenha comentado que ultimamente se tem falado muito da Hungria, Lola. Ontem a noite eu estava na entrega do Prêmio São Paulo de Literatura e fiquei acompanhando as conversas depois da entrega (o prêmio foi para o livro 'Os hungareses') e grande parte do público estava sussurrando que o resultado foi completamente político, principalmente por causa da presença do cônsul da Hungria. Bem, considerando-se que São Paulo é praticamente dominada pelo PSDB e que quem entregou o prêmio foi o Alckmin, eu não duvido nada que tenha sido algo do tipo, mas não consigo ir tão longe na aliança da direita brasileira com a direita húngara. Enfim, pode ser paranoia (e eu não li o livro, que talvez seja bom realmente), mas estava todo mundo comentando e com esse seu comentário sobre a Hungria eu me lembrei disso tudo.

Carolina Lucas Paiva disse...

Anônimo 14:58

Não, porque os homens não são impedidos de ingressar na faculdade, tampouco desencorajados a fazê-lo (geralmente falando) em certas áreas, seja por estereótipos ou ambiente pouco receptivo.

Leandro disse...

Inverteu a lógica, Patrick. A Suécia primeiro enriqueceu e DEPOIS criou o Estado de Bem-Estar Social. As coisas não surgem prontas do nada. No século XIX, a suécia tinha um extremo livre mercado e assim enriqueceu. Não tem como melhorar o padrão de vida da população sem aumentar a produtividade. Antes de serem consumidas, as coisas devem ser produzidas, geradas, criadas. Primeiro tem que trabalhar duro, poupar, acumular capital, aumentar a produtividade. Só assim o padrão de vida da populaçao melhora. Foi o que ocorreu na Suécia. Se não fosse o trabalho duro dos homens do passado e o consequente aumento da produtividade, não haveria condições para o Welfare State Sueco.

ludecomposta disse...

Gente, a lógica bizarra do Rush Limbaugh me lembrou um dos posicionamentos da Church of flying spaghetti monster, uma igreja paródia, sobre a relação entre piratas e o aquecimento global. Colo aqui um trecho:

Henderson presented the argument that "global warming, earthquakes, hurricanes, and other natural disasters are a direct effect of the shrinking numbers of pirates since the 1800s." A chart accompanying the letter shows that as the number of pirates decreased, global temperatures increased (https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/d/de/PiratesVsTemp%28en%29.svg). In 2008, Henderson interpreted the growing pirate activities at the Gulf of Aden as additional support, pointing out that Somalia has "the highest number of pirates and the lowest carbon emissions of any country".
So, what are you waiting for? Save our planet, be a pirate right now!

Certamente a teoria da diminuição do pênis seria digna dessa igreja tbm! hahaha

aiaiai disse...

Lola e comentaristas,

uma boa notícia, Uruguai aprova aborto!

http://www.actualidad20.com/uncategorized/se-aprueba-ley-sobre-el-aborto-en-uruguay/

Luiza disse...

"mas ser maioria nos cursos de graduação não seria então um efeito de desigualdade de gênero contra os homens?"

Não, porque os homens sempre puderam frequentar a universidade.

Anônimo disse...

Pena que é só 1 post por dia! KKkkkkkk!!!

André disse...

Duas perguntas:
1) Diminuindo o tamanho do bilau mudam os critérios para uma mulher ser considerada rodada?
2) Uma taxa de mortalidade infantil de 100/1000 um século atrás é indicativo relevante para explicar qualquer coisa? Cem anos atrás no UK era de 150 e na Suécia era de 100, dez anos atrás no Brasil era de 15 e no Cabo Verde era de 10.

Anônimo disse...

Acho seu blog muito engraçado, sempre acompanho as postagens, concordo com algumas, discordo de outros, como naquela sobre a escolha dos candidatos, achei uma imagem para você usar em postagens futuras: http://s8.postimage.org/ki64wcnv9/q_Vrwl.jpg

Carolina Guedes disse...

Off-topic:

Vocês viram? http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2012/08/120814_congo_estupro_ru.shtml

A situação no Congo traz alguns fatores que Lola já falou aqui: o estupro como arma de controle, de desestabilização da comunidade, humilhando as vítimas e enfraquecendo todo o tecido social. A situação lá é escancaradamente mais visível, mas a situação aqui não partiria de premissas muito semelhantes? As vezes somos levados a crer que problemas assim só existem do lado de lá, né?

Levantaram também a questão do estupro coletivo, como cada indivíduo não se sente responsável pelo ato em si.

Me dá uma tristeza tão grande ler esse tipo de reportagem.

Lucas disse...

A Ciência Masculinista funciona no esquema Arquivo-X: "Eu quero acreditar."

Luciana disse...

E foda-se Darwin! É o meio que muda mesmo as características físicas...

Koppe disse...

"Lucas disse...
A Ciência Masculinista funciona no esquema Arquivo-X: "Eu quero acreditar." "


No começo do século 20 muita gente queria acreditar na superioridade da raça branca. Por isso a pseudociência conhecida como Eugenia foi tão popular na época.

No começo do século 21 tem muita gente querendo acreditar que as mulheres são inferiores, e que o machismo de antigamente era correto e até necessário. Agora é a Psicologia Evolucionista que se presta a esse papel, de tentar dar legitimidade científica a preconceitos.

Uma das imagens desse post diz "Você não está sendo oprimido quando outro grupo ganha os direitos que você sempre teve." É tão simples, mesmo assim não entenderem. Alguém desenhou, e mesmo assim não entenderam. Tu tem razão Lucas, eles querem acreditar no contrário.

natalia disse...

Bruno,
eu acho que o Boston não resolve o 'problema' de um bilau 'pequeno', mas somente problemas relacionados a dificuldade de ereção e ejaculação precoce.

Sil Teixeira disse...

Anônimo 13:06,

Depreciar o conceito de masculinidade vigente é uma coisa, sim, esse blog faz muito isso. Ajudando inclusive diversos moços que se sentiam oprimidos pelo padrão bobalhão da masculinidade.
Ah, se meu namorado sabe o que eu penso sobre masculinidade? Sim, ele sabe. Na verdade eu conto tudo pra ele e damos boas risadas, sinto nele até felicidade por não precisar seguir esse padrão. E o que eu penso dele? Que ele é um ótimo homem, muito digno, consciente, que compreende a luta das mulheres e que, graças a Deus, não é mascu.

andrea saores disse...

Lola, por favor, confessa que "Leandro" e' um personagem ficticio que voce mesma inventou para testar a paciencia e/ou fazer rir quem le o seu blog.

Ana disse...

@Lucas
"A Ciência Masculinista funciona no esquema Arquivo-X: "Eu quero acreditar.""

Eu estava me segurando pra não comentar (tarefas se acumulando na escrivaninha), mas o Sr. acaba de demolir todo o meu auto-controle com esse comentário XD

@Patrick e Mirella
"fatallity nas falácias leonardianas, thanks!"[2]

Patrick vai tentar conversar com o Leandro, então? É isso mesmo, produção?

Boa sorte, Patrick *dá um tapinha nas costas*

Ademais, sem tempo paraminha vidinha de InternetWarrior hoje *corre de volta pra escrivaninha*

Patrick disse...

Leandro disse... "Não tem como melhorar o padrão de vida da população sem aumentar a produtividade."

Exatamente, ao investir numa previdência pública a Suécia liberou os casais do peso de sustentarem seus pais e permitiu que eles investissem mais nos seus filhos, aumentando a produtividade da economia. Descoberta a genialidade dessa ação tão simples, o processo se repetiu em relação às mulheres (claro que graças às lutas do movimento feminista).

O seu argumento é correto, as conclusões é que são erradas. A razão é que, normalmente quem está à direita do espectro político, está inclinado a imaginar as pessoas agindo de má fé (o tal do "egoísmo inato ao ser humano"). Assim, você conclui que "mais previdência pública" = "mais vagabundagem", enquanto, por estar mais à esquerda e acreditar na boa fé das pessoas, concluo que "mais previdência pública" = "maior produtividade das pessoas".

Os países nórdicos estão aí corroborando o meu argumento, baseado na tese e nos estudos do professor Valenzuela. Esses países não eram ricos no início do século XX, tanto é assim que ainda há nesse período forte emigração, mas plantaram as bases para uma sociedade muito mais saudável e produtiva economicamente, o que vieram a colher ao longo da segunda metade do século.

Anônimo disse...

HAHHAHAHAHAHAHHAHAHHA

arrasou, Lola

tô chorando de rir

Gabriela disse...

Off topic

Gente não têm nada a ver com o post mas eu não posso dizer q isso não me assusta muito.
http://odia.ig.com.br/portal/brasil/deputado-quer-proibir-exibi%C3%A7%C3%A3o-de-com%C3%A9dia-americana-em-cinemas-brasileiros-1.494131
Só ter um membro do governo q cogita a censura é algo hediondo.Só lembrando q há pouco tempo um filme estrangeiro de terror foi censurado aqui.

Anônimo disse...

Lola, é cada teoria absurda q só posso acreditar q seja piada! Tem até gente aí no meio dos comentários dizendo q a pesquisa foi respondida pelas mulheres!
Daqui a pouco vão incluir aí a Teoria da Evolução de Lamarck, onde o q não é funcional acaba atrofiando e, como os amiguinhos mascus sempre estão choramingando q as mulheres não os querem, essa seria a explicação para q a culpa fosse nossa! Já o atrofiamento do cérebro de alguns continua sem explicação.... vai ver q é pq "Deus quis".
Beijão
Mari T.

Astro Rei disse...

Primeiro tem que trabalhar duro, poupar, acumular capital, aumentar a produtividade. Só assim o padrão de vida da populaçao melhora.
Leandro 15:50 raciocinou e se posicionou muito bem.

Anônimo disse...

Luiza e Carolina Lucas Paiva,

certo, os homens sempre puderem frequentar a Universidade. Porém, por acaso tem alguma restrição pra mulher frequentar universidade HOJE (ou nos últimos 20 anos) no Brasil? Vestibular agora impede acesso se for mulher?

E se hoje em algum curso por ter mais homens é desigualdade de gênero, porque agora que tem mais mulheres em certos cursos não é?

Só comento isso porque parece ser um orgulho ter mais mulheres na universidade.

Se por acaso (suposição) começar a ter mais homens na universidade de novo aê é desigualdade de gênero?

Anônimo disse...

Anônimo 12:09
Ok , vamos fazer um trato. Seremos eternamente gratas com tudo o que os homens fizeram pela humanidade até agora.Mas a partir de agora também teremos todos os direitos que vocês sempre tiveram. E ninguém reclama mais de nada. Combinado ?

Laurinha (Mulher modernex) disse...

rsrsrs... Feminazi power!

Adorei o texto e o bom humor.

Anônimo disse...

[Off-Topic]

Tá rolando um debate legal (e acalorado) sobre partidarismo na marcha das vadias aqui: https://ranzinzatudo.wordpress.com/2012/08/04/sobre-a-marcha-das-vadias-2012-curitiba/#comment-246

Patrick disse...

Anônimo disse... "E se hoje em algum curso por ter mais homens é desigualdade de gênero, porque agora que tem mais mulheres em certos cursos não é?"

E quem disse que um curso ter maioria abrumadora de mulheres é sinônimo de vitória do feminismo? Muito pelo contrário, é mais um sintoma de uma sociedade machista, que olha de soslaio para o homem que, por exemplo, cursa uma faculdade de enfermagem ou pedagogia. Sociedade sadia é aquela em que não há desequilíbrio relevante de gênero em nenhuma área do saber.

Anônimo disse...

Patrick, virar maioria em Direito e Medicina é sintoma de sociedade machista?

Ah, o sintoma só desapareceria se fosse em engenharia e ciências da computação!

Isso de não haver desequilíbrio relevante não é sinal de sociedade sadia se você tem uma máquina por trás forçando a existência de tal equilíbrio.

E se existe qualquer reclamação é só por questão de dinheiro, se psicologia desse mais dinheiro engenharia não haveria toda essa discussão.

yulia2 disse...

E se hoje em algum curso por ter mais homens é desigualdade de gênero, porque agora que tem mais mulheres em certos cursos não é?

Só comento isso porque parece ser um orgulho ter mais mulheres na universidade.

Se por acaso (suposição) começar a ter mais homens na universidade de novo aê é desigualdade de gênero?
___________

Primeiro.... de onde vc tirou que HOJE , eu disse hoje, ter mais homens em faculdade é desigualdade de genero????

se hoje parece ser orgulho ter mulher na faculdade é que durantes muitos anos, muitas décadas mulher não podia nem se alfabetizar....
somente isso.

se voltar a ter mais homem do quem mulher na faculdade sem que por trás não haja alguma medida obscura para limitar acesso a mulher aos meios educacionais (com já houve no passado...) tudo bem... não vai ser considerado desigualdade de genero.

Leandro disse...

Pelo contrário, Patrick. Para uma nação prosperar, é necessário trabalhar duro e poupar. Sem a previdência pública, o homem trabalharia duro e pouparia para ter uma velhice tranquila. Isso ajudaria no desenvolvimento do país e na acumulação de capital. Com a previdência pública, isso não ocorre. Tem gente que se aposenta cedo. Aliás, a previdência pública funciona como um "esquema ponzi". Você contribui na esperança de receber algo "aceitável" no futuro, mas certamente suas contribuições estão garantindo um belo 'mínimo' a qualquer "necessitado" que nunca contribuiu para o INSS, e/ou vai para as orgias dos políticos. Em suma, um esquema Ponzi.

Luiza disse...

"certo, os homens sempre puderem frequentar a Universidade. Porém, por acaso tem alguma restrição pra mulher frequentar universidade HOJE (ou nos últimos 20 anos) no Brasil? Vestibular agora impede acesso se for mulher?

E se hoje em algum curso por ter mais homens é desigualdade de gênero, porque agora que tem mais mulheres em certos cursos não é?

Só comento isso porque parece ser um orgulho ter mais mulheres na universidade.

Se por acaso (suposição) começar a ter mais homens na universidade de novo aê é desigualdade de gênero?"

Se as mulheres são impedidas de frequentar a universidade hoje? Não.

Mas você, assim como muitos, costuma ver as coisas pelo lado classemédiasofre, mimimiumgaymecantou, mamãeumnegrotomouminhavaganafaculdade e xingomuitonotwitterporqueumamulherfaloualtocomigo.

Você simplesmente não consegue conceber o fato de que até há pouco tempo atrás as mulheres não podiam estudar. E, quando finalmente puderam, até mudar a mentalidade do pai que só queria dar educação pros filhos homens, foi um longo caminho.

Você lê esse blog. Você tem amigos. Você sabe o que se fala quando se quer ofender mulher. Volta pra cozinha. Fica em casa. Os cuzinhos que ficam aqui odiando mulher porque ela não fica mais em casa.
É toda uma cultura que manda a mulher voltar pra porra do suposto lugar dela.
Então, meu caro Watson, dá muito orgulho sim saber que somos a maioria até na pós-graduação, apesar de tudo contra.

Mesma coisa com os negros e pardos. São a maioria no país e minoria ínfima na universidade. Espero que um dia isso mude. Mas vai ter gente feito você choramingando por aí que os brancos estão sendo oprimidos.
Tem gente que diz que os negros estão onde estão hoje porque quando foram libertados não foram atrás de uma vida digna. Então né, com o resto da população olhando com nojinho pra eles, fica difícil ter emprego, educação...

Enfim, nos dois casos. Não basta só dar o direito a um grupo, se quando ele chega lá vai ter gente tacando pedra. Então quando, apesar das pedras, esse grupo permanece ali, é um tremendo motivo pra comemorar.

Ana disse...

@19:21 (I)

Oi \o

"certo, os homens sempre puderem frequentar a Universidade. Porém, por acaso tem alguma restrição pra mulher frequentar universidade HOJE (ou nos últimos 20 anos) no Brasil? Vestibular agora impede acesso se for mulher?"

Não, mas isso não quer dizer que o machismo tenha deixado de existir.

Ainda que o vestibular não impeça mulheres de entrar em certas faculdades, existem 'n' outros fatores culturais que podem atrapalhar o ingresso de um gênero num determinado campo.

"E se hoje em algum curso por ter mais homens é desigualdade de gênero, porque agora que tem mais mulheres em certos cursos não é?"

Sobre "maioria masculina = desigualdade de gênero" (Falo de porque o mesmo raciocínio não se aplica a uma maioria de mulheres depois):

Pode-se dizer que em alguns cursos o maior número de homens está ligado à questão de gênero porque historicamente temos "trabalhos de homem" e "trabalhos de mulher".

Quer um exemplo? Aquela velha crença de que homens são bons com ciências exatas e mulheres com ciências humanas. Por muito tempo acreditou-se que as mulheres não era suficientemente inteligentes para se envolverem com as ciências exatas, por nenhum outro motivo além de ter DNA XX - machismo, pura e simplesmente.

Graças a essa visão sexista das profissões, enfrentamos muita resistência para exercer certas atividades. Aliás, ainda tem mulher ouvindo que "até um pedreiro entende mais de construção do que uma engenheirA" (cito esse exemplo porque é real, uma comentarista contou essa história aqui).

Então provavelmente quando você ouviu falar que maior número de homens na carreira X tinha haver com desigualde de gênero, o argumento se referia ao fato de que certas profissões sempre foram vistas como "de homem", e esse preconceito acabou atrapalhando muito a presença de mulheres no campo.

Dentro desse contexto, o maior número de homens pode não ser algo "espontâneo", mas sim fruto de uma cultura antiga que não acredita que as mulheres sejam/devam ser capazes de exercer certa função.

Falta de incentivo em relação a certos assuntos, estigamtização das mulheres que escolhem profissão X como 'masculinas', discriminação das profissionais por serem mulheres - tudo isso acontece e é consequência desse desequilíbrio histórico entre os gêneros.

Assim, pode-se dizer que o maior nº de homens em certo ramo é resultante direto dos 'n' impecílios culturais impostos às mulheres que poderiam seguir a mesma carreira - ou seja, a maioria masculina é Reflexo da cultura machista (em certos casos).

"Só comento isso porque parece ser um orgulho ter mais mulheres na universidade."

Óbvio que depois de tanta repressão, conquistar espaço provoca orgulho \o/ A gente ralou pra poder competir de igual pra igual.

Ana disse...

@19:21 (II)

"Se por acaso (suposição) começar a ter mais homens na universidade de novo aê é desigualdade de gênero?"

Quando você tem um sistema que dá oportunidades iguais pra todos e um grupo se destaca, pode-se dizer que isso é espontâneo - se o grupo Z não recebeu nada que o grupo Y não tenha recebido, não podemos dizer que "Z foi incentivado" e "Y foi oprimido" - não há desigualdade. Z é melhor/mais numeroso do que Y simplesmente porque dels quis assim.

O problema é que o mundo nunca deu oportunidades iguais para homens e mulheres. Como eu disse, em muitas áreas a predominância masculina é reflexo do machismo que por tanto tempo afastou as mulheres das profissões "de homem". E por mais que hoje tenhamos mais liberdade, o machismo ainda não sumiu por completo.

Numa realidade que desse direitos iguais pra XX e XY, uma classe com mais homens que mulheres não diria nada. Mas nesse mundo aqui, nunca funcionou assim. Daí a possibilidade de que um número maior de homens indique discriminação entre os gêneros.

Se a maioria feminina estivesse aliada a uma cultura que impede os homens de estudar, aí poderíamos soar o alarme. Mas não é esse o caso. Homens sempre tiveram mais liberdade que mulheres, e essa liberdade continua intacta. Os direitos de vocês continuam os mesmos. Não tem mais mulheres fazendo isso ou aquilo porque os homens agora estão sendo impedidos de fazê-lo.

Uma maioria masculina pode ser resultado da discriminação das mulheres graças à presença do machismo ao longo da história; já uma maioria feminina não indica discriminação porque não decorre da retirada de direitos dos homens.

Espero não ter confundido muito. Eu tentei.

LisAnaHD disse...

Os brancos sendo oprimidos?
manda outra piada, pelamor!

Carolina Lucas Paiva disse...

Anônimo 19:21 (que obviamente não sabe analisar um contexto)

Seguinte, homens nunca tiveram restrição ALGUMA para frequentar universidades, mulheres tiveram e só conquistaram esse direito recentemente, se comparadas aos homens.
Restrições legais não há, mas a ideologia não muda de uma hora pra outra, e ainda tem muito machismo impregnado na sociedade, o que acaba criando certas "verdades absolutas", como essas:
- Mulheres não são boas em ciências exatas;
- Mulheres nunca colaboraram com a ciência e os avanços da humanidade;
- Mulheres são menos racionais do que os homens, e mais emocionais, característica incompatível com o mundo acadêmico
E por aí vai.
O que queremos (e lutamos por) é pelo reconhecimento de que mulheres são tão capazes quanto os homens, e que tendências biológicas não são absolutas, pois cada ser humano tem suas particularidades.
Isso sendo reconhecido, tanto faz se homens ou mulheres forem maioria. O que vale é que ambos os gêneros tenham igualdade de tratamento e ingresso na universidade.

Anônimo disse...

Bom, eu não tenho nenhum ódio contra mulheres e não neguei existência de machismo nenhum na história.

E eu estou choramingando? fiz somente perguntas diretas.

Você olha a sociedade hoje e vê mais mulheres nas vagas de curso superior, beleza, mas e a curiosidade de perguntar porque isso está acontecendo?

não é um sinal de que ocorreu algo que é um problema na sociedade com um interesse (ou oportunidade) menor de homens irem ao ensino superior?

Mas bem, já sou tachado como o terrível machista que quer voltar para a década de 50, do branco chorando preconceito, etc....

Realmente vai ser uma passagem rápida pra quem veio conhecer o blog.

Jacqueline disse...

Mari T.

Lamarck explica... kkkkk


genial, fia.

Patrick disse...

Leandro disse... "Aliás, a previdência pública funciona como um "esquema ponzi"

A previdência pública é sustentável, desde que haja crescimento econômico e a demografia do país seja saudável. Sobre este último tópico, talvez você não saiba, mas os países nórdicos tem índices de natalidade adequados à manutenção da previdência pública e bem acima da média dos demais países da Europa Ocidental. A razão? Estrutura de bem-estar social que permite às mulheres seguir suas carreiras acadêmicas e/ou profissionais mesmo que desejem ser mães. Não é a toa, também, que nesses países o índice de abortos por mil nascimentos é menor do que no Brasil, embora o aborto seja criminalizado aqui e não lá.

E quanto ao crescimento econômico, como a previdência pública pode se sustentar se a economia não pode crescer até o infinito? Essa é uma ótima questão! Um certo barbudinho escreveu no século XIX que essa é uma das contradições intrísicecas ao capitalismo ;)

A tua alternativa à previdência, poupar por conta própria, está sujeita aos mesmos riscos atuariais (estagnação econômica e demográfica). Se você, por ódio à previdência pública, investiu tudo em imóveis, e a população está se reduzindo, esses bens vão deflacionar e as rendas se reduzirão. Se investiu em ações, a mesma coisa, pois se a economia se contrai, as empresas de capital aberto também sofrem na mesma medida. A mídia só tem mostrado, em relação à crise da Europa, as dificuldades da previdência pública, mas as dores de quem investiu por conta própria nesses países são ainda maiores. Diversas empresas com ações na bolsa já quebraram ou foram reduzidas à irrelevância e o índice de vacância de imóveis disparou.

Anônimo disse...

Não tem a ver com este post, mas vi hoje que ficou comprovado que as meninas estupradas pelo grupo de pagode, que pelo menos uma era virgem.

Cade a notícia da Globo.com pra ver aquele monte de idiota chamando a menina de biscate. (não que pra mim virgindade seja atestado de alguma coisa. Mas na cabecinha dessas pessoas, certamente é.)

Patrick disse...

Anônimos disse... "Patrick, virar maioria em Direito e Medicina é sintoma de sociedade machista?

Ah, o sintoma só desapareceria se fosse em engenharia e ciências da computação!

Isso de não haver desequilíbrio relevante não é sinal de sociedade sadia se você tem uma máquina por trás forçando a existência de tal equilíbrio."


É muito curioso como, no meio de tanta bobagem, os mascus - até por uma certa ingenuidade - soltam pérolas genuínas. Aqui, o mascu protesta em alto e bom som que "uma máquina forçando a igualdade de gênero" é algo intrísecamente ruim. Daí que a conclusão lógica é que "uma máquina forçando a desigualdade de gênero" também só pode ser ruim, mesmo na mente tosca de um mascu. Bom, mas a a nossa sociedade está justamente configurada como uma máquina de desigualdade de gênero, o que deveria saltar aos olhos do mascu se ele tivesse um mínimo de empatia pelo próximo.

Gustavo disse...

Lola, sei que o espaço aqui é pra falar sobre feminismo, gostaria que vc escrevesse sobre o padrão de beleza masculino, adolescentes que usam anabolizantes, calvice, tamanho do pênis etc.
Eu sei q as mulheres sofrem com o padrão, mas também existe um padrão para os homens que também é praticamente impossível alcançar...

Li disse...

uma reflexao: será que o suposto tamanho do penis dos hungaros nao tem algo a ver com o fato deles terem uma forte industria pornografica? isses dados soam como ´vamos confirmar o senso comum aí!

lola aronovich disse...

Gustavo, faz tempo que não escrevo sobre como os homens também sofrem para estar dentro de um padrão de beleza. Já escrevi sobre isso aqui (sobre um anúncio ridículo que photoshapava o Clive Owen até ele deixar de parecer o Clive Owen), e principalmente aqui, sobre os efeitos colaterais de ser homem (fala bastante de musculação). Ah, aqui também: Não aceito meu corpo, versão unissex.
É que o padrão de beleza masculino é bem mais flexível. E, como beleza não é vista como único meio de se avaliar um homem, ela não tem a mesma importância que tem a beleza pra mulher. Acho que os homens sofrem muito mais pra/por seguir um padrão de masculinidade (toda uma camisa de força do que um "homem que é homem" deve e náo deve fazer) do que um padrão de beleza.

Marcelly disse...

kkkk....bora fazer as malas...
France..Hungria ou Bulgaria...
pq o tamanho é que faz do cara um homem bom de cama né minha gentee??

mas Lola..pensa..talvez a culpa seja nossa mesmo..de verdade..sem ironia..é que com essa nossa busca pela igualdade soltamos as nossas amarras mas as deles tbm..
..antes os caras mentiam!!!
é pq eles se viam obrigados a serem o mais masculos que fosse possivel..dai eles mentiam no tamanho..aumentavem uns dois centimetros sacas??
ai agora que todo mundo é livre... (ou quase...)...eles se sentem mais a vontade pra se aceitarem do jeito que são...

droga..o cara lá ta certo..a culpa é nossa....
mas na pratica temos os mesmo penisss de antes..com um bonus round que eh um homem muuuuuuuuuuuito melhor de cama...pq ele liga pro NOSSO orgasmo...!!! e não está só querendo "nos usar" a lá modelo Jesuino.....


assumo a culpa..!!!

Anônimo disse...

o pênis de uns é medido qdo está ereto e o de outros é medido qdo está frouxo e isso é cambalacho.

Ana disse...

@00:23
"não é um sinal de que ocorreu algo que é um problema na sociedade com um interesse (ou oportunidade) menor de homens irem ao ensino superior?"

E como exatamente você sustentaria essa possibilidade?

Me dá um exemplo. Como a sociedade está deixando de incentivar homens a estudar ou dando menos oportunidade a eles?

Eu quero dizer, ok, você não nega o machismo. Mas continuo batendo cabeça pra entender da onde você tirou essa desconfiança de que "mais mulheres estudando = possível opressão dos direitos masculinos".

Porque do mesmo jeito que vestibular não barra mulher, também não nos dá cotas ou barra homens. Não tem nada segurando os rapazes que querem estudar.

Sei que falei da existência de fatores culturais, então justamente por isso peço que você me dê um que possa estar inibindo o interesse dos homens nos estudos ou coisa assim. Porque eu não consigo pensar em nenhum, a não ser que estejamos falando de alguma profissão "feminina" (quantos professores de primário você já viu?).

Os números por si não são sinal de nada, anônimo. O contexto é que dá corpo ao raciocínio. Então me traga algum fenômeno cultural que esteja barrando os homens de estudar. Algo que indique que a maioria feminina está ligada à opressão dos homens, como a maioria de homens já esteve ligada à opressão das mulheres.

Rafael disse...

Uma resposta muito bem humorada. Obrigado por melhorar um dia de ressaca extrema pra mim, Lola.

Zangief Gay disse...

Existe ciência embasando:

Colacino JA, Harris TR, Schecter A. Dietary intake is associated with phthalate body burden in a nationally representative sample. Environ Health Perspect. 2010 Jul;118(7):998-1003. Epub 2010 Apr 14.

Swan SH, Main KM, Liu F, Stewart SL, Kruse RL, Calafat AM, Mao CS, Redmon JB, Ternand CL, Sullivan S, Teague JL; Study for Future Families Research Team. Decrease in anogenital distance among male infants with prenatal phthalate exposure. Environ Health Perspect. 2005 Aug;113(8):1056-61.

Harcourt AH, Gardiner J. Sexual selection and genital anatomy of male primates. Proc Biol Sci. 1994 Jan 22;255(1342):47-53.

Stulhofer A. How (un)important is penis size for women with heterosexual experience? Arch Sex Behav. 2006 Feb;35(1):5-6.

Meeker JD, Calafat AM, Hauser R. Urinary metabolites of di(2-ethylhexyl) phthalate are associated with decreased steroid hormone levels in adult men. J Androl. 2009 May-Jun;30(3):287-97.

Wood DL, Bitman J. The effect of feeding Di-(2-ethylhexyl) phthalate (DEHP) on the lipid metabolism of laying hens. Lipids. 1980 Mar;15(3):151-6.

MAFF. Phthalates in food. Food surveillance information sheet no. 82; 1996. London, UK: MAFF.

Talvez isto explique em que sentido foi usado o termo "frangolização". Enfim, provavelmente houve mesmo um efeito concreto, mas é mais culpa do machismo do que do feminismo.

Creio que não haveria tanto machismo no mundo se houvesse menos lero-lero preconceituoso e mais divulgação científica.

Pangéia disse...

Gente, já li alguns posts da Lola. Este aqui é simplesmente genial. Que eu me lembre, acho que postei apenas um comentário em um outro post dela, mas neste aqui faço questão de postar um comentário que espero seja elucidativo em algumas questões.

Bom, primeiro essa questão aí do Patrick com o Leandro: Leandro, pelo que o Patrick escreve aqui, me parece que o mesmo provavelmente seja formado em Ciências Atuariais ou algo congênere, percebe-se que o mesmo entende mais de assuntos ligados à Economia e Mercado do que você.

E com relação a essa questão (não sei direito quem a levantou por aqui) sobre 'trabalho de homem' e 'trabalho de mulher', só posso lamentar por existir em plena era da informação alguém com um pensamento tão medievalesco assim. Eu mesmo já ouvi esse argumento, um filho da puta qualquer me tirando o maior sarro por eu ter me formado em Letras, vindo com esse papinho de que só mulher faz essa faculdade (o mesmo ainda demonstrou outros sinais de ignorância, alegando que pelo currículo da faculdade de Letras passariam disciplinas como Balé, Corte e Costura, Maquiagem e todo esse papo furado de um preconceituoso que acha que ainda somos neanderthais - e depois o cretino ainda quis reclamar da minha barba). Uma mulher não deixará de ser mulher ao se formar em Medicina; uma mulher hétero não deixará de sentir desejo sexual por homens se diplomar-se em Engenharia Mecatrônica. O mesmo digo de homens que estudaram Pedagogia ou algo do gênero, não deixam de ser homens só por isso; e com relação a balé ser coisa de boióla, eu conheço um bailarino hétero. Por acaso o fato dele ter feito balé muda seu desejo sexual-afetivo? E à propósito, só para comprovar como esse preconceito é assaz ridículo, além de infantil, a despeito de ter 2 professores de balé, e balé clássico ainda por cima (eu também me interesso por esse estudo), continuo apaixonado pela minha esposa, com a qual sou casado há quase 12 anos (nosso filho fará 11 mês que vem). E agora, machistas de plantão, virei 'viado', na concepção de vocês, só por gostar de dança? Na minha profissão atual (sou músico), o estudo de todas as formas de arte auxilia e bem. E balé, assim como samba, frevo, foxtrot ou qualquer outra forma de dança, é uma manifestação artística, nada mais que isso. Então não tem essa de 'profissão X é só pra mulher', 'profissão Y é só pra homem', não somos mais neanderthais; então está mais do que na hora de vocês evoluírem, percebendo que machismo exacerbado é que é coisa de 'boióla'.

Chimæra disse...

gostaria de entender tal lógica desse cara, mais igualdade de direitos de alguma forma cria uma mutação ou sei lá o que no DNA humano que vai fazer os pênis ficarem menores?? é esquece a obesidade, poluição e tudo mais pois essa teoria tem bem mais creibilidade e sentido né ?? (LOL)

Hamanndah disse...

Leandro trabalhar em casa, alimentar, cuidar de crianças, parentes idosos, maridos, também é um trabalho duro, porém não remunerado

Antes da Revolução Industrial, homens e mulheres humildes sempre trabalhava na terra, produzindo e colhendo e a ultima tambémtrabalhava dentro de casa, sem maquina de lavar(por sinal, invençao feminina)forno, fogão 7 bocas, geladeira, encanamento

Entao elas pegavam lenha para o fogo, pegavam agua...

Na Revolução Industrial, as mulheres e os homens pobres sempre trabalhavam duramente, além da mulhr trabalhar em casa

Portanto, caro Leandro, quando vcs, mascu, dizem que , anted do conforto do seculo XX só. os homens trabalhava duro e as mulheres ficavam em casa, roncando como porcas,isto e uma bruta mentira

As mulheres sempre trabalharam, sempre, sempre,remuneradas ou não
o

Anônimo disse...

Bom.... Já estou meio velho mesmo! Pelo menos garanti uns 20. Quando a coisa estiver péssima mesmo, já estarei caindo fora, e nem vou ver.
A boa, é que não tive filho. kkkkk

Anônimo disse...

vai chegar um dia que só jumento e jegue para tomar conta da situaçao kkkk