segunda-feira, 20 de agosto de 2012

MISSÃO REPUBLICANA: CONTROLAR O CORPO DAS MULHERES

"Acorde, América! O Partido Republicano declarou guerra às mulheres" 

A gente não sabe bem como é isso, porque vivemos num país com uma das legislações mais restritivas do mundo em relação ao aborto. Foi só em abril deste ano que o Supremo decidiu que, hum, mulheres grávidas de fetos anencéfalos não precisam levar a gravidez até o fim, se assim o desejarem. Sabe, fetos anencéfalos. Que não têm parte da cabeça, não têm cérebro. Que morrem sempre. Que não costumam viver nem 24 horas após o parto.
Até o quê, anteontem?, o Brasil forçava todas as gestantes a aguentarem nove meses de uma gravidez excruciante, dolorosa, emocionalmente devastadora (a gestante sabe que dará luz a um bebê morto, mas o pessoal que pergunta “Pra quando é?” não sabe), cujo parto virava um freak show para todo mundo no hospital assistir. E isso tudo por quê? Porque nosso estado não é laico porcaria nenhuma. Porque o pessoal que acha que amor de mãe resolve tudo e faz milagres tem voz em decisões sobre o corpo de todas as mulheres.
Mas vamos falar de países onde o aborto é legalizado, e já faz um tempinho. Como nos EUA, por exemplo. Se aqui no Brasil a luta dos conservadores é pra manter as coisas exatamente como estão (e talvez andar pra trás, proibindo o aborto nas únicas instâncias em que ele é permitido, casos de estupro e risco de vida pra gestante), nos EUA eles batalham pra tirar todos os direitos reprodutivos das mulheres. Em alguns estados mais retrógrados, esses reaças vêm sendo bem sucedidos. Com bombas em clínicas de aborto, ameaças, assassinatos de médicos que fazem aborto, essa gente faz com que um direito legal seja permitido na teoria, mas não na prática. Quantos médicos vão querer realizar abortos se isso representa um risco a sua vida?
Além do mais, os republicanos, um dos dois partidos que dominam o cenário polítco nos EUA, fizeram de sua bandeira o controle total dos direitos reprodutivos das mulheres. Mais à extrema direita do que nunca, os republicanos realmente têm radicalizado no seu ataque à metade da população. Há inúmeros exemplos. Em fevereiro Sandra Fluke, uma estudante de Direito, pediu que os planos de saúde incluíssem pílulas anticoncepcionais. Por essa simples exigência, o radialista-reaça Rush Limbaugh (o inventor do termo feminazi), um anti-Democrata convicto, a chamou de vagabunda, prostituta e promíscua (Limbaugh aparentemente não faz muita ideia de como funciona um anticoncepcional. Ele deve achar que a pessoa tem que tomar uma pílula a cada vez que transar, ou que faz alguma diferença se ela tiver sexo com um ou cem parceiros). Felizmente, o ataque ferrenho do radialista a uma mera universitária fez com que ele perdesse um bando de patrocinadores.
Reaças não conseguem disfarçar seu ódio às mulheres. Republicanos obviamente não querem construir creches (eles preferem que as mulheres sigam seu “papel natural” e fiquem em casa cuidando dos filhos), porque são a favor do Estado mínimo. Dinheiro do governo só pra guerras, essas sim necessárias para manter a civilização. Mas pra esses detalhes como saúde pública, escolas, creches... bah, isso é coisa de socialista! (Já falei que é chocante que os EUA sejam o único país rico do mundo a ser contra saúde pública, contra a saúde como um direito do cidadão).
E, ao mesmo tempo que querem proibir o aborto e cortar todo tipo de investimento em campanhas de planejamento familiar, eles apoiam um tipo de educação que comprovadamente não funciona: abstinência. Sai a educação sexual nas escolas, entra a pregação de “mantenha-se virgem até casar”. Que não deu certo nem pra filha adolescente de Sarah Palin, candidata a vice pelos republicanos na eleição de 2008. Esta entrevista de Rick Perry (que foi um dos pré-candidatos republicanos à presidência) é incrível. O entrevistador pergunta a Perry, governador do Texas, por que insistir na abstinência, se isso não funciona (o Texas têm o terceiro maior índice de adolescentes grávidas nos EUA). E tudo que Perry consegue balbuciar é “Abstinência funciona...”.
A má fé e a ignorância dos republicanos é tão séria que levou o Huffington Post a fazer um compêndio das “nove mentiras que republicanos contam sobre o corpo das mulheres”: 1) pílulas anticoncepcionais pra mulheres causam câncer de próstata; 2) aborto causa câncer de mama; 3) controle anticoncepcional faz as mulheres terem mais desejo de transar; 4) a indústria do aborto vende abortos; 5) mulheres não engravidam de estupro; 6) testes pré-natais levam a abortos; 7) a vacina HPV causa retardamento mental; 8) Plano B causa aborto; 9) está tudo bem com seu feto (uma lei passada no Arizona protege médicos de serem processados se omitirem informações sobre a gravidez que podem levar a gestante a querer um aborto).
Os conservadores americanos tentam a todo custo dificultar a vida da mulher que buscar um aborto. Uma lei quer que a gestante seja obrigada a fazer um ultrassom antes de optar pelo aborto -- que já é legalizado. Os reaças pensam que, se a mulher for forçada a ver que há algumas células dentro de seu ventre, ela desistirá de abortar.
O senador republicano que tentou passar essa lei não teve vida fácil. Centenas de mulheres encheram sua página no Facebook com mensagens irônicas como esta: “Olá, senador! Só queria que vc soubesse, como vc está tão preocupado com a saúde das mulheres, que minha menstruação começou hoje! A cor parece boa, o fluxo não está muito pesado. As cólicas estão suportáveis, mas não se preocupe –- eu te aviso se isso mudar. Mais uma vez, obrigada por se importar tanto com as mulheres e nossos corpos!”.
Vários reaças pensam que as mulheres que exigem um aborto por engravidarem depois de um estupro estão mentindo. Claro, faz parte: pros conservadores, a mulher é sempre suspeita. Ela é apenas receptáculo pra um ser muito mais importante, que é o feto (atenção: ele só é importante até nascer. Depois, é cada um por si. Governo mínimo. Oportunidades iguais! Meritocracia sempre). Em março o deputado republicano Stephen Freind disse que as chances de uma mulher engravidar de um estupro são de “uma em milhões e milhões e milhões”. Isso porque, segundo o honorável, “a experiência traumática do estupro faz que a mulher secrete uma certa secreção que mata o esperma”.
Pois é, não só nós mulheres somos seres malignos querendo impedir (como disse um mascutroll aqui no blog) “o direito constitucional da paternidade” -– sim, a gente sabe que todos os caras em casos de gravidez não planejada estão loucos pra ser pais! -–, como a gente tem uma vagina maligna que, do alto do seu mistério, produz substâncias terríveis que matam o esperma!
Ontem foi o dia de um outro congressista republicano, Todd Akin, candidato ao Senado (e na frente nas pesquisas!), falar outra besteira escandalosa: “Pelo que eu entendo dos médicos, gravidez por estupro é muito rara. No caso de estupro legítimo, o corpo feminino tem maneiras de parar com todo o processo [de gravidez]. Mas vamos dizer que isso não funcionou ou algo assim: acho que tem que ter algum tipo de punição, mas a punição deve ser no estuprador, e não atacando a criança”. As estatísticas dizem outra coisa. Um estudo de 1996 aponta que mais de 32 mil casos de gravidez decorrente de estupro acontecem todo ano só nos EUA. Mas vai ver que não são estupros legítimos. (Aliás, o que é um estupro legítimo? É um que o patriarca decide que sim, houve estupro? Porque nos outros casos, como juram os machistóides, o que acontece é que a mulher se arrepende de ter transado?).
E se isso tudo não fosse suficiente pra demonstrar o verdadeiro atraso americano em relação às mulheres (podemos chamar de backlash), tem também a escolha do congressista Paul Ryan para ser vice-presidente de Mitt Romney. Ryan, católico (uma minoria nos EUA), é conhecido por ser contra o aborto em todas as situações, mesmo em casos de estupro e risco de vida da mulher.
Ainda que os democratas estejam longe de realizar uma boa gestão no governo dos EUA, diante da radicalização do discurso republicano, eles parecem muito melhores que a alternativa. Ao que tudo indica, as mulheres americanas estão cientes do que uma vitória republicana significaria para a autonomia dos seus corpos, e não vão permitir que esses dinossauros vençam.
Que o backlash americano sirva de lição pra gente. Aqui no Brasil, os políticos religiosos e reaças se inspiram nos republicanos e têm grande planos pra regulamentar cada vez mais os corpos femininos, sempre tão suspeitos e perigosos. No passarán!
Tradução: "Sou uma vadia. Eu voto. Assim como todo mundo com quem eu durmo. E vc vai ficar mais f*dido do que eu. Mantenha seu governo fora da minha vagina".

"Sempre pensei que cegonhas trouxessem bebês"

UPDATE: Poucos dias depois Todd Akin, candidato ao Senado, pediu desculpas pelas suas palavras. Pediu desculpas, lógico, porque tudo isso pegou tão mal que até o presidenciável republicano recomendou que Akin renunciasse a sua candidatura. Akin não renunciou, mas disse: "O estupro é um ato mau. Usei as palavras erradas da forma errada e por isso peço desculpas. O fato é que o estupro pode levar à gravidez. A verdade é que o estupro tem muitas vítimas. O erro que cometi foi nas palavras que eu disse, não no coração que eu tenho. Peço o perdão de vocês". 
O lado bom disso tudo foi ver que a absurda declaração de Akin sobre "estupro legítimo" causou tanta indignação. Sabe o que isso significa? Que, mesmo no meio de um backlash virulento, asneiras assim não passam em vão. Significa também que os mascus americanos, que se auto-intitulam MRA (Men's Rights Activists), e que são tão malucos quanto os daqui, têm dificuldades em divulgar suas mensagens de ódio em público. Uma de suas principais bandeiras é que a maior parte das acusações de estupro são falsas (ou seja, ilegítimas) e destroem a vida do pobre homem branco e hétero, a grande vítima dos tempos modernos. Agora seria a hora ideal para que mascus afirmassem que sempre disseram, e continuam dizendo, exatamente o que disse Akin. Receberiam o escárnio da sociedade.

132 comentários:

Huan Icaro Piran disse...

E tem quem defenda que EUA é a terra da liberdade. E tem quem defenda que lá tudo é melhor.
Ao menos o meu discurso ante alguns comunas extremistas vale, o problema lá são os poderosos reacionários no poder, não o povo que em sua maioria tenta levar a vida como todo o resto do planeta faz.

Aqui meu temor é que a força dos fundamentalistas que vem abrangendo celulas no poder publico tome novas dimensões e caiamos em um limbo teocrático mascarado de democracia.
Com isso a mulher perde o direito a seu corpo, o descrente a sua pluralidade de crença, o esquerdista a seu direito a reivindicação e por ai vai...

Lord Anderson disse...

Eu dificil acreditar que uma pessoa possa falar merdas como essa (estupro não engravida)de cara limpa, sem senir-se um imbecil completo ou uma criatura completamente desprovida de empatia e respeito.

Mas aposto que se perguntarem, eles vão dizer que não tem nenhum preconceito.


Nojento demais.

dantezcoman disse...

Uma boa referência pra esses assuntos é o http://godlessbitches.podbean.com/, feito por mulheres da Comunidade Ateia de Austin (um grupo texano, oh ironia), que fala de vários desses assuntos.

Mas devo ter perdido algum episódio, prq não vi comentários sobre gravidez de estupro ter pouca chance de engravidar. Que noção bizarra e sinistra.

Mauro disse...

Esta questão do aborto é uma questão complicada, pois por um lado lado envolve o direito ao próprio corpo, por outro lado envolve o direito à vida.

O que eu tenho certeza que é IMORAL e ANTI-ÉTICO nesta são abortos feitos por sistemas de saúde estatais (abortos pelo SUS) ou clínicas abortivas subsidiadas pelo governo, ou seja, pelo dinheiro público...creio que este é o debate nos EUA.

Priscila Boltão disse...

Sabe, eu sei que o Brasil está longe do ideal, mas eu me pergunto como muitos brasileiros não veem que, em muitos aspectos, estamos em melhor situação que os americanos (Isso me lembra um texto: http://sessaodas10.blogspot.com/2012/08/5-achei-por-ai.html)

Sobre essa coisa do "estupro legítimo" (WTF?) eu li um texto muito encorajador nesse link: http://projectunbreakable.tumblr.com/post/29800236664

Por fim, eu li o seguinte no tumblr (tradução minha), e não, não conferi todas as informações, mas fiquem livres pra pesquisar:

"Lembrando casualmente que Mitt Romney agrediu fisicamente um homem gay. Santorum esteve a duas letras de chamar Obama daquela palavra com "N" em rede nacional. Paul Ryan riu quando um homem idoso com um braço quebrado foi derrubado no chão. Todos os três expressaram seu ódio pelas mulheres em suas políticas.

Lembrando com muita seriedade que se você vota neles, você está promovendo que pessoas que têm essas atitudes achem que está tudo bem fazer essas coisas."

Li disse...

E pior que com a impopularidade do governo do Obama esses republicanos ganham uma penca de votos. Ah, eu sofro!

Anônimo disse...

(ironic on)realmente os eua são um pais horrível de se viver mesmo, bom deve ser na china comunista, onde o aborto e liberado ate o nono mês de gestação,e a incidência e maior em fetos do sexo feminino( ironic off)

Anônimo disse...

e sobre as feministas americanas term se posicionado contra o anti-concepcional masculino, oque vocês tem a dizer ?

Bruno S disse...

O assustador dessas declarações é que não se resumem a um idiota isolado ou a um grupo extremista. São feitas por diversos políticos e outras pessoas influentes na sociedade.

Apesar de nos EUA a tomada dessas posições ser mais escancarada, não acho que estejamos livres desse tipo de pensamento.

Como no mundo tais fenômenos não ocorrem isolados, temo que ocorra de forma parecida em outros países, sem que o assunto tenha destaque em nossa mídia.

Fugindo um pouco do tema, também achei bastante preocupante o relatado nesse artigo do Paulo Moreira Leite

Anônimo disse...

Os EUA sao o exemplo perfeito de que desenvolvimento econômico nao tem nada a ver com desenvolvimento humano. Eles vivem numa ditadura teocrática muito mal disfarcada pelo discurso de "justice and freedom for all". Além disso, eles tem os piores indicadores sociais dos países industrializados.

Desde que as campanhas presidenciais comecaram naquele país, eu já li tanto coisa escatalógica vindo desses prezados senhores que deixariam os juízes da inquisicao católica com vergonha.
Sabe o que é pior? Eles usam esse tipo de argumento e fazem esse tipo de coisa pois sabem que com isso vao ganhar votos - e muitos!

Ana

Karla disse...

Esses republicanos de extrema-direita só não são mais patéticos porque tem quem leve a sério. O Estado tem que ser mínimo na economia (exceto quando os bancos entram em crise) e na vida das pessoas (exceto quando as mulheres querem ter direito de escolha sobre o próprio corpo, tem que ver isso aí). Como eu disse, seria risível se não tivesse tanta gente que leva isso a sério. Olha que eu nem apóio o governo do Obama, mas na Terra da Liberdade (liberdade pra quem, né?) ou você aceita o lixo democrata ou o lixo republicano... A guerra contra as mulheres está declarada há tempos, mas nós estaremos sempre no front.

Bruna B. disse...

" Mauro disse...
Esta questão do aborto é uma questão complicada, pois por um lado lado envolve o direito ao próprio corpo, por outro lado envolve o direito à vida."


O conceito de 'direito a vida (humana)', só é aplicado aos que possuem consciência, cara pálida. Fetos, até as 24 semanas de gestação, não têm consciência...

Beatriz disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Erres Errantes disse...

Como será a receptividade dos eleitores americanos aos argumentos desses reaças? Será que há nos EUA uma oposição suficientemente forte para barrar o crescimento dos republicanos? Pergunto porque aqui no Brasil o conservadorismo tem conquistado cada vez mais corações e mentes, devido ao crescimento das igrejas neopentecostais. É no mínimo preocupante.

Anônimo disse...

Não deixem seu anti-americanismo(afinal americano nos também somos) cegar vocês , o politicamente correto sim esta corroendo o debate, que deveria ser no campo das ideias e do direito individual, e não baseado em ideologias.
Logo logo se alguém perguntar nossa opinião sobre algum tema, teremos que responder:

_"só um minuto, vou consultar meu advogado para saber o que eu penso "

Dee disse...

Fugindo do Assunto:
Lola
Vc viu essa reportagem?
http://www.diariosp.com.br/noticia/detalhe/30800/Jovem+e+atacada+com+acido+no+trem
Jogaram ácido na roupa de uma menina no metrô de SP e desconfiam que o ato pode estar ligado a um grupo que prega ódio às mulheres na internet.
"EXTREMISTAS/ Uma das hipóteses levantadas é a de que Ana Carolina tenha sido atacada por um grupo extremista que prega a violência contra mulheres na internet. Uma das ideologias difundidas na rede é a de que mulheres bonitas com roupas “provocantes” devem ser punidas com ácido, a exemplo do que acontece em alguns países do Oriente Médio.

A estudante descarta a possibilidade de ter sido vitimada por alguém que já a conhecia. “Se aconteceu comigo, pode acontecer com outras pessoas. As mulheres que usam transporte público estão acostumadas a ouvir coisas desagradáveis e até a assédios, mas você nunca imagina que vai acontecer algo tão grave. A pergunta que não sai da minha cabeça é: por que comigo?”."

Barb disse...

"Já falei que é chocante que os EUA sejam o único país rico do mundo a ser contra saúde pública, contra a saúde como um direito do cidadão"

Lolinha, tomei o maior susto quando mudei para os EUA e descobri que existem políticas publicas de saúde por aqui. Elas não são universais como o SUS e são COM TODA CERTEZA passiveis a uma série de criticas. Só que elas também funcionam! Trabalho na área de saúde e vejo como certos grupos da população se beneficiam destes programas do governo. Acho que se todos fossem realmente contra, Medicaid e Medicare não existiriam. Acho que o negocio é político mesmo numa eterna briga entre democráticos e republicanos onde quase sempre a maquina capitalista $$$ fala mais alto.

AquilesMarchel disse...

acho a questão do aborto simples s efor com relação a fetos sem cérebro:

a pessoa tem o direito de não ter o filho
muita algazarra conservadora por nada,

os republicanois são uns consevardores sem noção, de que adianta eles serem de elite,estudarem em grandes faculdads e ignorarem qualquer tipo de progresso com relação a direitos humanos e das mulheres?


depois falam dos idiotas sul americanos

ANINHA disse...

Oi, Lola.
Mudando um pouco o foco da discussão, eu venho aqui sugerir uma correção no seu post.
Não faço ideia de onde se tirou que uma ultrassonografia é um exame que pode causar abortos espontâneos. Na verdade, é um exame de rotina em grávidas. Inclusive, no caso do aborto, uma ultrassom prévia pode ajudar a escolher o melhor método de acordo com a idade gestacional, aumentando a segurança do procedimento.
Sou a favor do direito de aborto em qualquer situação. E sou a favor da realização prévia da ultrassom e de qualquer outra coisa que aumente a segurança da mulher.
Sei que não é essa a intenção da tal lei citada no post, mas não dá pra usar argumentos errados como esse, ok? A ultrassom é um exame inócuo. Não faz mal nenhum!

Ana disse...

"(...) Mas vamos dizer que isso não funcionou ou algo assim: acho que tem que ter algum tipo de punição, mas a punição deve ser no estuprador, e não atacando a criança"

... adoro como a mulher some aí. Some seu trauma, sua dor, somem nove meses carregando um feto que ela nunca quis. Quer dizer, não vamos punir a 'criança', certo. Mas então vamos punir a mulher que foi estuprada?

Eu sei que falar de aborto é colocar minha mão no vespeiro. Mas se tem uma coisa que eu não posso deixar de dizer, é que esse clima de 'puxa que triste que fostes estuprada, mas affe, é só uma gravidez que que te custa deixar ficar com o feto?' me irrita profundamente. As pessoas parecem não ter noção das coisas! O feto não tem culpa, ok. Mas a 'mãe' (que não queria ser mãe, vamos lembrar) também não, e gravidez não é uma coisa simples.

Bom, mas o que esperar de gente que acha que estupro não engravida?

Óbvio que vão ser contra o aborto, porque na cabeça torta deles se a mulher engravidou só pode ter sido de sexo consensual (porque se fosse estupro 'legítimo' a própria mãe natureza teria se encarregado das coisas né). E aí, bom, quem mandou fazer sexo, né? Agora agüenta, bem feito pra você!

O horror, o horror.

Que alguns tenham pé atrás com a legalização do aborto eu até entendo. Agora, gente, pelo amor de dels, em certos casos (como estupro e anencefalia) é uma atrocidade negar esse direito a uma mulher. Não tem nem o que discutir.

--

Pra mim essa coisa de abstinência sexual é uma péssima idéia. Deixar um monte de gente morrendo de vontade de fazer sexo ao meu ver só piora as coisas. Desejo sexual é uma parte da vida de qualquer ser humano, é natural e devia ser tratado como tal. Acho que menos tabu e mais informação é o que pode ajudar de fato a evitar gestações indesejadas.

--

@Lord
"Mas aposto que se perguntarem, eles vão dizer que não tem nenhum preconceito."

Claro que diriam que não. Afinal eles estão salvando criancinhas, eles são os mocinhos...

lola aronovich disse...

Ok então, Aninha, corrigido. Estou confundindo com que outro exame bem rotineiro que oferece risco? Um que é invasivo e que pode ser abortivo? Pra detectar a "normalidade" do feto?


Os comentários que estou recebendo são incríveis. Um pergunta porque abortar pode, e homem matar mulher não pode. Pra vcs sentirem o nível...

Mauro disse...

Por isso que eu digo que esta questão do aborto é muito complicada. Muito se discute quando a vida de fato começa. Os pró-vida dizem que é no momento da concepção, outros dizem que é depois de 13 semanas, outros dizem que é depois de 24 semanas... Só digo que já está bem documentado que já há um coração batendo após 18 dias de fertilização e que a formação de ondas cerebrais já ocorre após 1,5 mês. Calmem, isso é só um dado.
Ademais, a mulher pergunta ao pai se ele aceita o aborto? Se ela não quer o filho, ou não tem condições, entregue a criança ao pai se ele está disposto a aceitar a criança.

Não estou defendendo com isso a crminalização do aborto. Eu já disse que ANTI-ÉTICO e IMORAL são abortos feitos pelo governo através de sistemas estatais de saúde e/ou clinicas de abortos subsidiadas pelo Estado.

Como disse, não estou defendendo a criminalização do aborto. Os pró-vida não precisam usar da máquina estatal para proibir o aborto. Mas eles têm sim o direito de boicotar mulheres e casais que praticam aborto. Famílias e proprietários contra o aborto poderiam proibir esta prática em suas propriedades e fazer um acordo com outros proprietários com o mesmo propósito. Proprietários e associações de proprietários anti-aborto poderiam demitir ou deixar de contratar uma mulher que já praticou aborto, poderiam se recusar a fazer transações com um mulher que já praticou aborto. Não haveria nada errado nesta situação.

yulia2 disse...

Essa palhaçada chamada direito do nascituro é um descalabro!!!!

Uma violencia INOMINÁVEL a mulher!!!

quanto aos EUA , pelo menos lá os inimigos da mulher tem cara e nome, elas sabem que são.....

infelizmente não sabemos quem são nossos inimigos, não tem cara e nem nome.... são ratos que se escondem no anonimato.

Edgar disse...

Adoro esse blog. Não precisa ser feminista e nem tão pouco mulher para gostar desse blog. Extremamente inteligente e esclarecedor. Adoro os seu blog ou da sua equipe... realemnte nao sei quantos estão aqui trabalhando nele. Minha namorada ama esse blog, e eu tenho um profundo carinho por ele. Parabéns e muito obrigado.

lola aronovich disse...

Edgar, obrigada! Não tem equipe não trabalhando neste blog. Sou só eu... Que não vivo disso. Tem os guest posts também, que são ótimos. E quando eu viajo peço pra minha mãe moderar os comentários. Mas é só.


Yulia, pois é. Algo inominável como direito do nascituro possibilitaria que gestantes que abortam espontaneamente (o que é extremamente comum) fossem processadas.

Cristiana Menezes disse...

Lola, tem alguns exames invasivos mas que não são realizados de forma rotineira, como a cordocentese e amniocentese, que podem sim causar aborto espontâneo. Eles são realizados, por exemplo, para confirmar o diagnóstico de síndrome de Down quando há suspeita no ultrassom. Também vale para outras anomalias.
Só não consigo relacionar esses exames com algum aspecto mais emocional, que justifiquem forçar a mulher a faze-lo antes de um aborto, como se fosse para faze-la desistir. Mas vai saber, talvez a intenção seja outra. Se bem que dá pra esperar qualquer coisas desses doidos. Pelo que eles andam falando sobre estupro dá pra perceber que eles não entendem muito de questões reprodutivas e emocionais.


Por fim, parabéns pelo blog. Conheci ele à pouco tempo e já estou encantada. Posso dizer com toda certeza que me tornei uma pessoa muito melhor depois de conhece-lo e de conhecer melhor o feminismo.

Pili disse...

lola,
tenho inúmeras dúvidas e desconfianças em relaçao ao uso de pílula. Mas principalmente eu desconfio de quem tenta vender a idéia da "natureza feminina" a ser seguida e protegida.
No momento o que menos entendo é a interação desses hormonios com o meio através da eliminação pela água.
Dizem estar acontencendo em larga escala e promovendo grandes disturbios pra todas as formas de vida.
Vejo esse discurso ser usado pra condenar o anticoncepcional, mas ainda não entendi o que há de verdade nessa historia, o que ainda são idéias a serem comprovadas, ou o que é simplesmente falso. Independente, acredito que mesmo se isso for um problema real e comprovado não podemos deixar que usem como pretexto pra demonizarem a pílula e quem a usa. Caso realmente haja esse problema ambiental tão grande então seria o caso de investir pesadamente em ciencia e pesquisa pra termos uma forma de despoluir essas águas.

você tem dicas de leituras sobre o tema?

Fabiola disse...

Caraca de onde surgiram esses americanos? Sérios, eles vivem debaixo de uma pedra?! É cada absurdo que lemos! O vídeos do mané falando que 'abstinência funciona" é tragicamente cômico, até a platéia ri. Acho que eu daria gargalhadas se estivesse lá.

Aborto causa câncer de mama?! WTF! Quem falou isso usou um estudo da mesma empresas dos mascus né "as vozes me disseram" Corp.

Impressionante como as igrejas americanas tem tando poder de emburrecimento hein. Ainda bem que não são todos, espero que os mais sensatos consigam reverter esse quadro bizarro.

Arquivo X disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Marina Pontes disse...

Eu sempre imagino esses big reaças fazendo parte da coreografia de Every Sperm Is Sacred. Nonsense por nonsense, né...

(http://www.youtube.com/watch?v=U0kJHQpvgB8)

Rosanna Andrade disse...

Boa Mauro, vamos permitir o aborto, mas ao mesmo tempo atrapalhar o maximo possivel a vida das mulheres q abortaram... inclusive podendo negar-lhes um emprego! Vc sabia q n eh nem permitido que uma empresa peca um exame de HIV para um candidato a emprego? Pq assim seria possivel discrimina-lo por isso? Deve ser por estas e outras q existe uma coisinha chamada SIGILO MEDICO. Mas pra aborto n vale, claro!

A discussao do aborto nao precisa passar pelo argumento de onde a vida comeca ou nao. Veja os paises onde isso ja eh permitido. Isso nao entra na lei, e sim um limite de onde comecaria a consciencia do embriao/feto.
Pq isso de definir onde comeca a vida eh deveras filosofico e a ciencia esta longe disso. E isso nao tem sido necessario na pratica. Pessoas com morte cerebral continuam com o coracao batendo, os demais orgaos funcionando. Mas sao consideradas mortas pela ciencia, e seus orgaos podem ser doados. Ok, elas dependem de aparelhos para isso. Mas o embriao tbm depende do corpo da mulher para continuar seu desenvolvimento... em ambos os casos, nao existe vida independente.
Se o coracao bate, vc poderia chamar aquilo de vida. Mas se for assim arvores estao vivas. Bacterias q vc mata com antibioticos estao vivas. Um espermatozoide isolado esta vivo. Na ausencia de uma definicao, eh facilimo para os pro-vida dizer q um amontoado de celulas ja eh vida. Eh tao desonesto q nem deveria ser considerado um argumento.

Fora que nao da pra ser a favor do aborto em caso de estupro e ser contra no caso geral (para mulheres que desejem abortar, e estejam dentro do prazo legal de X semanas). Eh incoerente!
1)Se alguem eh pro-vida do feto, pq sua religiao/moral pessoal definiu q a vida comeca na concepcao, ignorando qqr posicionamento cientifico, deveria ser pro-vida do feto INCLUSIVE no caso de estupro. Ou nesse caso nao haveria a morte de um "bebe inocente" tbm? A mulher q se resolva com suas (muitas!) sequelas psicologicas, a vida dela nao esta em jogo... a do embriao sim.
2)Sendo pro-vida do feto, exceto no caso de estupro, a unica justificativa que existe eh a do controle da sexualidade da mulher. Pq o argumento de proteger a "vida" do feto eh relativo: protege-se num caso, mas no outro nao, Mesmo q em nenhum deles a mulher corra risco de vida. A vida do feto, defendida com unhas e dentes, no caso do estupro da lugar ao bem-estar psicologico da mulher. E isso nao poderia se estender ao bem estar psicologico de uma mulher que se sente completamente despreparada para ser mae num dado momento, pelo motivo que for (financeiro, moral, etc)? Essa mulher nao pode abortar pq fez sexo consensual e engravidou. Resumindo, uma VADIA! Ela q aguente as consequencias!

Rosanna Andrade disse...

Ja essa coisa de "ah, n quer o filho, entregue ao pai/adocao", eh patetico. Muitas mulheres ja fazem isso, e isso n exclui o direito de outras a abortarem. Quem defende esse argumento esquece do "pequeno" detalhe chamado GRAVIDEZ. Nove meses de mudancas fisicas, hormonais, psicologicas brutais. Sem contar o parto, coisa agradabilissima de passar aqui no Brasil, com toda a violencia obstetricia que se ouve falar. Isso deveria ser opcao, nao imposicao.
Mas neh, a mulher que aguente isso tudo, afinal eh a VIDA do feto q eh mais importante... q nao eh tao importante assim no caso de estupro, nao eh?

Essa coisa de obrigar alguem a passar por mudancas no seu corpo soh acontece pq gravidez eh coisa de mulher. pq senao deviamos logo obrigar todo mundo a testar medicamentos nos seus proprios corpos, p estudar cura de doencas como HIV. Lembrem-se que sempre sao necessarios voluntarios saudaveis nesses estudos... mas pra q voluntariado, se estamos falando de salvar VIDAS 9desta vez, vidas idenpendentes, de pessoas com consciencia formada)? Eh soh aguentar um desconforto pequenininho no seu corpo contra sua vontade, dah nada!

Espero q os mais desavisados percebam q eu fui ironica na maior parte do meu comentario. Eu sou pro-escolha em todos os casos, limitando apenas o numero de semanas q o embriao/feto deve ter p a realizacao do procedimento, criterio baseado em dados cientificos, e nao na crenca de ngm. Afinal, crenca por crenca, o brasil eh um Estado laico. ou deveria ser...

Dani Andrade disse...

Eu adoraria saber porque esses mascus adoram comparar aborto ao homicício.
É muito absurda a opinião deles, é nojenta! Só falam isso porque nunca vão engravidar sem querer, por serem estuprados, por esquecerem uma única pílula anticoncepcional. É ridículo quererem palpitar em algo que não lhes pertence. Fico indignada com isso!

Ana disse...

@Mauro
"Ademais, a mulher pergunta ao pai se ele aceita o aborto? Se ela não quer o filho, ou não tem condições, entregue a criança ao pai se ele está disposto a aceitar a criança."

Como eu sou do time que defende com unhas e dentes que o filho é do pai e da mãe, eu entendo tua preocupação com a opinião paterna.

Mas eu fiquei pensando, 'É só entregar a criança'? E toda a gravidez?

"Proprietários e associações de proprietários anti-aborto poderiam demitir ou deixar de contratar uma mulher que já praticou aborto, poderiam se recusar a fazer transações com um mulher que já praticou aborto. Não haveria nada errado nesta situação."

Nada de errado? Tem certeza?

Rosanna Andrade disse...

Arquivo X

Um feto eh uma pessoa? Quem disse? A ciencia, um lider religioso ou sua propria moral?

Essa coisa de o "feto eh uma pessoa" nao passa de achismo da sua parte. Nao tem respaldo cientifico nenhum.



Rosanna Andrade disse...

Arquivo X, esses "abortos horriveis" com acido e acima de 3 meses continuariam condenados pela lei. Nao os utilize para invalidar a argumentacao sobre aborto seguro e feito em condicoes medicas aprovadas em outas partes do mundo. Seja honesta no debate, por favor.

Carol NLG disse...

Lola, sobre o exame: eles estavam falando em exame de líquido aminiótico. Com esse exame percebe-se problemas genéticos (dá pra diagnosticar, com algum grau de certeza, sindrome de down, por exemplo)

O argumento que os republicanos estão usando é que ao saber de eventuais problemas genéticos no começo da gestação tem havido mais abortos nesse sentido.

Porque é claro, né, que nós mulheres somos muito frágeis e tolinhas, e deveríamos ser protegidas de ter que tomar decisões relacionadas ao nosso corpo e a nossa vida. Deixem essas decisões importantes pros homens!(ironia mode off)

Rosanna Andrade disse...

Arquivo X

Aqui mesmo no blog da Lola ha relatos de mulheres que abortaram e nao se arrependeram. O panorama geral no Brasil eh q a mulher q aborta eh casada, com 20-30 anos, catolica e com outros filhos. Nao se orgulha de ter feito o aborto, mas nao se arrepende. Isto eh resultado de 20 anos de pesquisa no Brasil e pode ser visto no seguinte video:


Sobre arrependimento, eh possivel. Mas a discussao da legalizacao do aborto tbm passa pela escolha consciente da mulher, amparo psicologico garantido antes, durante e depois do procedimento.
Se vc acha tao horrivel assim, nao faca. mas por favor, nao imponha as suas conviccoes pessoais a quem nao compartilha delas.
O aborto pode ser crime no Brasil, mas nao eh em diversos lugares do mundo, por sinal, lugares com IDH melhor q o nosso, com democracia fortalecida e etc. O aborto como um crime hediondo nao eh consenso mundial, entao pare de falar como se fosse.

Rosanna Andrade disse...

Lola, desculpe pelo excesso de comentarios, mas esqueci de linkar o excelente video da entrevista da antropologa Debora Diniz sobre a questao no aborto no Brasil:

http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=NJcdNBKmSeI

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Não ter um certo direito já é ruim, imagino que tê-lo e depois perdê-lo, seja ainda pior, porque aí já é retrocesso. Tomara que a população americana e as mulheres americanas não deixem que isso aconteça.
Fico assistindo esses embates entre reaças e progressistas em tantas esferas, tantos lugares e muitas vezes me pergunto se eles estão conseguindo o retrocesso ou simplesmente aumentam o volume de suas queixas, ao perceberem que estão perdendo território.
A bancada evangélica no Brasil volta e meia aparece na mídia, faz algum estardalhaço, mas a impressão é que mais propõem do que conseguem colocar seus muitos absurdos em prática.
Nos países árabes, após a revolução, agora é que vamos saber quais serão as consequências dela na prática. Tenho lido esse blog que fala de uma dançarina americana vivendo no Egito e volta e meia ela toca nesses assuntos, a forma como a mulher é vista pela população e pelo estado. O link é esse http://ventredadanca.blogspot.com.br/2012/08/kisses-from-kairo-uma-possibilidade.html

yulia2 disse...

''pq o direito da mulher esta acima do direito do feto de sobreviver...''


Adotar criança de rua vc não quer né???não sou obrigada a ter o filho do estupro,ou um feto que nasecerá morto se for anencéfalo.

adoro esses pró -vida arrotar regras pra todo mundo
sendo que a sua vida mesmo deve ser uma... M...
faça algo útil a sociedade antes de vir aqui ditar regras , certo?

''todos os argumentos mais comuns giram entorno da mãe
'a mas ela foi estrupada' 'ah mas ela nao tem condições'
ah mas ela ė tão jovem'tem outra pessoa envolvida sabia?!''

vou repetir, não sou obrigada e nenhuma mulher é obrigada
a ter o filho da violencia se ela não quiser ter.
ponto.

''uma pessoa indefesa
o direito de sobreviver do feto é indiscutivelmente
mais importante que o direito da mulher''

não acho. o direito da mulher sobre o seu corpo
é mais importante do que tudo.
está acima de tudo e não vai ser uma meia dúzia de fanáticos
religiosos que vai me convencer do contrário...
é o que eu digo... porque vcs não adotem uma criança
de rua??? essa sim está vivendo uma vida indigna
vcs não são pró vida???
haha, vcs são uns tremendos picaretas isso sim....


''A culpa de um estupro não é do estuprador,''

putz.... parei aqui nem vou falar mais nada
depois dessa eu fui mesmo...hahahah
vai lá filha , vai visitar o maniaco do parque no cadeião , engravida dele e seja feliz...
hahahaha

vá cuidar da sua vida e deixa a vida das outra em paz.
vc não é a dona da verdade.

''e a mulher não quiser criar que deixe nascer''

pra que??? quem vai cuidar dela??
vc com certeza não né, pois quem peida regra, geralmente são os inúteis , pesos mortos sociais
que não fazem NADA em prol de uma sociedade melhor.
ou como dizem por aí...
volte para sua pokebola.

Barbie Furtado disse...

Outro dia tava lendo desses absurdos dos republicanos -- e de aborto, de estupro, o absurdo só começa aí. Fui na página do cara, e ele é preconceituoso pra caramba. O site dele exala preconceito com todo mundo que você imaginar. Se você vai lá, é cheio do termo "família nuclear". Eu fiquei tão passada, mas tão passada, que não sabia nem o que dizer.

Porque família nuclear é a família burguesa do século dezessete, pai, mãe e filhos (ele só faltou botar um casalzinho, pra ficar mais bonito!). Hoje em dia, as famílias anucleares, famílias de mães/pais solteiras/os, de casais do mesmo sexo, de casais divorciados são em número tão grande ou quem sabe maior que a tal das famílias nucleares. E na política dele, Mitt Romney claramente se mostra com discurso preconceituoso!

O que me consola, é que aparentemente é bastante difícil ele ganhar as eleições, de acordo com os números do colégio eleitoral. Que o Obama tem os estados que contam mais votos, tipo a California. Pra ele perder, ele tinha que perder simultâneamente em outros cinco estados (sei que um deles era a Florida, e outro era Ohio, e um era Nevada -- mas parece que Nevada a vantagem do Obama era pequena), e em alguns deles ele tava com quase 10% na frente do Romney.

Me assusta se uma das nações que mais tem influência na mídia mundial voltar no tempo, tiver um governo tão retrógrado. Acredito que as mulheres americanas não deixaram isso acontecer!

Ahhh, e parece que o Akin vai se retirar a candidatura, ou pelo menos é o que o partido deseja (até o Romney pediu para ele considerar cuidadosamente), embora ele não pareça querer muito não. Eu quero é que ele não retire não. Espero que ele fique, que é vitória certa para os democratas. Link: http://news.yahoo.com/blogs/ticket/report-akin-drop-tomorrow-185735978.html

yulia2 disse...

''Mas se for assim arvores estao vivas. Bacterias q
vc mata com antibioticos estao vivas. Um espermatozoide
isolado esta vivo. Na ausencia de uma definicao, eh facilimo
para os pro-vida dizer q um amontoado de celulas ja eh vida.
Eh tao desonesto
q nem deveria ser considerado um argumento.'''

então , segundo os pró - vida...
se masturbar é aborto...HA...
claro, não são espermatozoides com vida???

bora prender todos os homens , eles abortam
direto....

poço de ignorancia esses pró viva viu...na moral!!!

A Igreja não está nem aí pra mulher...
dane-se, ela é apenas uma extensão do homem e está inteiramente ao seu serviço, como foi
eva.... mulher não tem vontade própria , não é dona de sua vida e nem de seu corpo, ela nasceu
para parir e servir aos outros, SEM MAIS!!!

por isso que eu sinto NOJO e total desprezo pela igreja. por mim , acabariam todas....

''Essa coisa de obrigar alguem a passar
por mudancas no seu corpo soh acontece pq gravidez eh coisa de mulher.''


como já disseram por aí...se homem engravidasse o aborto seria um dos 10 mandamentos....

existe uma foto GENIAL.... mas eu não consigo encontrar agora
que mostra o PAPA joão paulo II GRAVIDO... e embaixo escrito: (se homem engravidasse, aborto seria um direito.)FOTO GENIAL... diz tudo!!!

Lilian Soares do Nascimento disse...

ho ho ho! Acabou de passar uma entrevista no JN sobre a repercussão super negativa da declaração dos republicanos sobre o aborto!

E o mais legal de tudo: No final, a entrevista fechou com uma declaração do Obama alegando que a decisão sobre o aborto deve ter a palavra da mulher como decisão final. E o meu pai assistindo junto com a minha mãe e eu na sala disse: "mas, tá certo" - do tipo: "é ó.b.v.i.o"

Anônimo disse...

Stephen Freind disse que as chances de uma mulher engravidar de um estupro são de “uma em milhões e milhões e milhões”

o instituto As Vozes Me Disseram atua em plano internacional também :)

Anônimo disse...

Ultrassom transvaginal traz risco de aborto? Eu lembro de uma lei polêmica que obrigava as mulheres a fazer ultrassom transvaginal, mas não sei se é dessa que a Lola está falando...

Pili disse...

arquivo x,
vc fala do direito do feto, então talvez vc também fale do direito de um zigoto. Independente dele estar em um placa de vidro, acoplado à parede uterina ou simlesmente flutuando em alguma direçao não sabida. Talvez a linha que divide a existencia ou nao de alguem, e a existencia ou nao de seus direitos, na sua opiniao, seja a concepção .
E vc tem total direito a sua opiniao, e de viver de acordo com ela.
Mas se outra mulher estiver em outra situação não vai ser a sua opinião que vai reger a vida dela. Será a dela.

pro direito brasileiro essa linha que divide a existencia ou não dos direitos de alguém é o nascimento com vida. Por isso que o nome é nascituro, afinal se nascer morto é chamado de natimorto. Não adianta dizer que nascituro é o neném que tá na barriga e que o novo estatuto vai defender. Não ,é e quem usa esse nome erroneamente sabe muito bem que está mentindo. Neném na barriga é feto. Feto pode vir a ser nascituro OU pode vir a ser natimorto. Independente de violencia, de abandono, ou dele estar pronto pra nascer. Dois exemplos:
Foi tirado vivo por cesárea com 6 meses de gestação = tem direito.
Está dentro do útero vivo com 6 meses de gestação = tem expectativa de direito.

O Estado tem interesse em defender cuidar e assistir a vida. E pra cuidar do primeiro exemplo ele não precisa escravizar, torturar nem comprometer a saúde e a vida inteira de ninguém. Já pra cuidar da vida no segundo exemplo há uma fronteira humana chamada mulher que o Estado vai violar. Há um sujeito chamado mulher que o Estado vai objetificar.

Por isso é que a linha escolhida pra iniciar o direito é o nascimento, cesárea, parto, apartar, separar.
Porque não há ninguém entre a vida nova e a proteção do Estado.

F disse...

Há muitos anos eu vi boa parte dessas opiniões com George Carlin, um dos meus stand-upers favoritos (certas coisas ele fala, creio eu, pelo bem da piada, apenas):
http://www.youtube.com/watch?v=AvF1Q3UidWM

Com "sorte", as mulheres se unirão de vez agora contra o pro life.

Sara disse...

Se supostamente esse é o pais mais rico e evoluido da Terra, ta dificil acreditar em quem ainda acha que não estamos entrando ja ha um bom tempo em um retrocesso vertiginoso.

Iara De Dupont disse...

Gostei muito do texto,tenho lido algumas coisas a respeito da eleição americana,mas não tinha tanta informação em relação ao que vem acontecendo.
Mas ao ler o texto tive uma experiência além deste mundo,acho que foi alguma coisa cósmica,mas tinha linhas que eu lia e parecia que estava lendo frases de 1899,eu ficava na dúvida,pensando porque você Lola colocaria no seu texto informações de 1899!É 2012 no calendário masculino,mas no feminino estamos ainda em 1899.
Tenho esperança que nossa vida mude em 1900,uma nova era e então talvez possamos ser livres para decidir sobre nossos corpos.Feliz 1900 para todas nós!

Isabela disse...

Curto muito conservadores, só que não. Você tem o direito à vida. Caso você seja um feto. Se você for um bandido, ou mesmo supeito de um crime, tudo bem levar tiros.

Conservadores também apoiam a liberdade de expressão. Desde que ela seja usada para ofender minorias. Protestar em igreja não pode, parada gay é imoral.

Anônimo disse...

Rosanna Andrade

eu falei pessoa como força de expressão.eu até axo q o feto é uma ''''pessoa''' sim,mas não quis entrar nesse mérito

E eu não disse q esse abortos horríveis seriam legalizados,eu só quis citar eles pq a execução da lei nunca é 100% fiscalizada

eu não fui desonesta vc q não me compreendeu

yulia2

to nem aí pra onde vc parou de ler ou não,eu não falei q era dona na verdade,e não faltei o respeito com ninguem ,então aprenda a discordar das pessoas respeitosamente,e tente não responder a algo q vc mesma ja admitiu q não leu pois a sua resposta não fez o menor sentido com o q eu havia postado

Phili,
obrigada vc foi o único que foi educado(a) cmg,mas infelizmente não vou responder pq ja desanimei de postar aki,não sabia q a internet estava nesse clima ditatorial,abç

Anônimo disse...

Legitimate rape

Rape between one man and one woman who are not married or even acquainted; the only rape sanctioned by the Republican Party.

Estupro verdadeiro (?)

Estupro entre um homem e uma mulher não casados ou nem mesmo conhecidos; o único estupro que o Partido Republicano penaliza.

Que chute no estômago esse post, Lola,deus do céu! Os EUA viraram uma teocracia islâmica que eu não estou sabendo?







Arquivo X disse...

rossana
eu não falei nada como se fosse coisa nenhuma,sóqueria constar isso

Adeus,não participarei mais desse "debate"

Anônimo disse...

Ai, Lola, qdo começam a falar de aborto me dá uma vontade de chorar, eu perco tanto da minha fé nas pessoas (o q sobrou dela), não consigo nem ler tds os comentários, paro na metado pq eu não agüento.
O debate está todo errado! Pq as pessoas não percebem que a questão não é em q momento começa a vida? Não importa!! Não é nem questão de fé x ciência (até pq eu acho que essa dicotomia tá mais do que ultrapassada).Se tem gente que quer tanto que seja no momento da concepção, tá bom, vcs venceram, que seja!! Vamos trabalhar com esse cenário, que é o mais complicado, pro povo entender que ESSA NÃO É A QUESTÃO!!
Oh, a vida começou, e daí??Que valor tem a vida?Não se debate o valor biológico da vida na discussão sobre o aborto, e esse nem é o ponto. E qual é o ponto? Uma abordagem mais existencial, mais "divina" (isso vale tb p quem não é religioso; uso esse termo por falta de outro melhor, esperam que entendam o q eu qro dizer). Ok, minha resposta é que esse valor só pode ser atribuído pelo próprio indivíduo no momento em que ele tem consciência de sua própria vida e já foi condicionado por sua criação a dar determinado valor a ela. Ou vcs duvidam que o valor que cada um confere à própria vida é diferente? Não tem gente que aceita se explodir em nome de uma religião? Não tem gente que se arrisca pelos outros e está disposta a morrer para salvar alguém? E o que dizer dos suicidas, tem gente que simplesmente acha que não vale a pena viver. Tem gente que não quer morrer nunca, tem gente que acha que a vida é o momento de evoluir o espírito, sei lá. O ponto em comum de cada tipo é que cada um se dá um valor diferente de acordo com sua cultura, com seu meio, com suas crenças, com o que experimenta depois do nascimento. O feto não é um ser cultural. A mãe, sim.
O único valor da vida do feto é, como eu disse, "ecológico", biológico (essa terminologia pode ser tosca, mas só quero ser entendida). Na natureza existe juízo de valor? Existe moral? Já estou enveredando para argumentos discutíveis, já que devia ser consensual que não é lá inteligente invocar as leis da natureza para explicar o ser humano (há dúvidas de que somos capazes de driblar a natureza? o que são os avanços médicos, sanitários, toda a artificialidade em que vivemos? E só pra deixar registrado, natural não é sinônimo de bom nem artificial é sinônimo de ruim).
Voltando ao assunto. O feto é um ser cultural em potencial? Lógico. E daí? Pode ser, pode vir a ser, blablabla. Vamos parar com as possibilidades, com as coisas que nem existem e ver se essa potencialidade está atrapalhando uma mulher que já existe, que já tem consciência de si e que pode não querer abrir mão de certas coisas para dar prosseguimento à gestação?
E aqui faço mais uma observação. Gravidez, pra quem parece não saber, dura nove meses. Exige cuidados em tempo integral, limita as capacidades físicas, transforma o corpo, dói! Nem todo mundo bota ovo, viu? Se fosse assim, eu até poderia entender quem diz pra dar o filho pra adoção, pro pai, o escambau.
E pra quem ainda não entendeu nada do que eu falei e insiste no "o direito à vida é maior que o direito ao corpo": corpo e vida são um só. Viver sem um corpo? É um objeto que se compra, vende, troca, aluga, substitui? Dá pra tirar sua essência, botar num pote, e fica tudo legal? Não é propriedade, como eu já ouvi por aí. Mas, ah, já estou de saco cheio de explicar o óbvio. A vida da mãe (vida esta em todos os sentidos) está tão em jogo quanto a do feto. Aliás, só a mulher é responsável pelo feto que carrega, as duas se entrelaçam e se sobrepõe. Por isso que aquele caso da chinesa forçada a abortar não é igual a qualquer caso em que a mulher por sua vontade decide abortar.
Misoginia é uma coisa que me dá muito medo. Espero do fundo do coração que os americanos e americanas que percebem a perversidade do que está por vir façam alguma coisa. Honestamente, não sei se tem jeito, não. Nem lá nem aqui nem em lugar nenhum. Aliás, o que de prático podemos fazer contra esse absurdo estatuto do nascituro?
ps: adoro o blog, Lola :)
Lygia

Drica Leal disse...

Mauro:

Em que planeta ou universo alternativo você vive? Porque no mundo real, quando uma gravidez não é planejada, na maioria esmagadora dos casos o homem é o primeiro a cair fora, não querer nem saber ou até mesmo o primeiro a sugerir e providenciar tudo para o aborto.

segundo: é muito fácil pra você falar em uma mulher levar uma gravidez adiante a qualquer custo só pra fazer a vontade do pai da criança, afinal, você nunca vai ficar grávido, nunca vai parir! Não é na sua vida, nem no seu corpo, então você não vê nada demais na ideia de uma mulher ter um filho só porque o pai da criança quer.

Sinceramente,você já parou pra pensar seriamente nesse assunto antes de emitir esse tipo de opinião machista, onde a mulher tem que se portar como mero receptáculo? Toda vez que discutimos aborto nesse blog sempre aparecem homens com esse tipo de argumento e opinião, que no fundo significam uma única coisa: incapacidade de lidar como fato biológico de que somente no corpo da mulher isso pode acontecer. parece algum complexo masculino (falando de homens machistas, claro) por não poder fazer nada a respeito da gravidez que se passa dentro do copro da mulher. Uma angústia sobre algo que eles não dominam, e por isso inventam tantas leis, moralismos, e blá, blá, blá. para terem algum controle sobre isso. Lutam contra a verdade inevitável: onde os direitos humanos sejam irrestritos, um homem só é pai se uma mulher quiser. deve ser por isso que reaças acham direitos humanos algo que só serve pra atrapalhar, imagina, mulheres tendo plenos direitos reprodutivos, né, Mauro?

Sinto muito pelo pai que quer ter o filho mais a mulher não quer. Inventem uma forma de gerar seus filhos fora dos nossos corpos, se o desespero é tão grande assim. caso contrário daqui a pouco vocês estarão querendo que mulheres sejam acorrentadas durante a gravidez para que nenhum pai zeloso (não sei onde vocês encontram tantos pais zelosos, sério, rs) corra o risco da louca desalmada que é a mulher de abortar o filho dele. Oh!

Drica Leal disse...

*mas a mulher não quer.

Pressa traidora, rs.

Rosanna Andrade disse...

ok, arquivo X, se n qiser continuar no debate nao fique, soh me aponte onde eu a ofendi pessoalmente. ataquei suas ideias, apenas isso

se a lei nao eh 100% fiscalizada, tanto faz se o aborto eh crime para todos os casos ou somente apos 3 meses... os crimes vao continuar acontecendo. Nenhuma lei eh perfeita, mas n eh por isso vamos deixar tdo fora da legislacao

devemos discutir sim o q pode ser melhorado dentro da lei, e isso seria tratar o aborto como questao de saude publica, o q ja ajudaria a salvar a vida de milhares de mulheres, q abortariam clandestinamente correndo imensos riscos de saude

sabe,eu a entendo. ter uma enxurrada de opinioes contrarias a sua pode ser duro, mas n vi ngm argumentando com vc de forma nao civilizada, atacando sua pessoa. So vi argumentos cientificos, juridicos... contundentes, fortes, eh claro! Num site feminista eh de se esperar q as comentaristas ja estejam escaldadas de argumentos como "se as mulheres ouvissem o coracaozinho do feto batendo nao abortariam" ou "elas vao se arrepender". Pq sao argumentos emocionais, extremamente variaveis de pessoa para pessoa, e que nao tem espaco numa discussao sobre a LEGALIDADE do aborto, apenas na questao se vc mulher, especificamente e instransferivelmente aguentaria essa barra.

Eu tbm ja me senti contrariada em debates (nao aqui na Lola), e isso pq o pessoal partiu pra baixaria msmo. Mas qqr discussao, por pior q seja, deveria servir para nos fazer pensar "E se eu estiver errada"? pense nisso!

Anônimo disse...

Eu sou a favor do aborto porque acho que toda mulher tem mais direito à vida e à felicidade que um ser em potencial. Se eu engravidasse hoje ia doer no fundo da minha alma, mas abortaria, porque não conseguiria manter a criança, além de não ter condições psicológicas de cuidar da criança (não quero ser mãe). Muita gente diz que é só se cuidar: bem, eu venho me cuidando há 13 anos e nunca me aconteceu nada, ainda bem. Mas e se a camisinha furasse? Se a pílula falhasse? Existe essa possibilidade? Existe. O que eu faria? Eu abortaria, sem dúvida. Minha vida e minha felicidade já são constituídas. As do feto, não. Eu reconheço um feto como uma vida. Mas uma vida inconsciente. Eu estou colocando uma vida consciente como mais importante que uma vida inconsciente, por motivos óbvios: só quem tem consciência da vida pode apegar-se a ela.

Patty Kirsche disse...

Gente, tem muita gente ultraconservadora nos EUA. É impressionante, Eu estava vendo no youtube um dia desses uma entrevista com uma modelo pornográfica que tratava sobre em quem ela ia votar para presidente. Ela dizia que vai votar nos democratas porque o partido é tradicionalmente mais amigo da indústria pornô. Ela falava sobre o trabalho de forma muito consciente, incluindo geração de empregos e tudo mais. Os comentários no vídeo eram horríveis. Eles desqualificavam o programa e diziam que a opinião dela não interessava. Um absurdo. Quer dizer, na hora de assistir pornô eles querem, mas a opinião das modelos não vale nada.

ANINHA disse...

Lolinha, vc deve ter confundido com o "cariótipo fetal". É um exame bem invasivo, que introduz uma agulha na barriga da mulher até o bebê, colhe amostras de células e com isso dá pra se estudar algumas doenças genéticas, como a síndrome de Down, que é a mais frequente.
Também dá pra saber com certeza o gênero da futura criança.
Na prática, é muito pouco utilizado. Nunca vi. (Sou médica, mas essa não é minha área. rss)
Existem exames mais seguros com a mesma finalidade.

Ah, não precisa publicar este comentário. Tem nada a ver com o post, né?

E aproveito para dar mais uma vez os parabéns pelo blog (que leio diariamente) e pelo livro, que é delicioso.

Beijo

Huan Icaro Piran disse...

"e sobre as feministas americanas term se posicionado contra o anti-concepcional masculino, oque vocês tem a dizer ?"

Verdade, eu tinha esquecido desse acontecimento bisonho.
Posso até ser crivado de criticas aqui, mas sempre vou ter um pé atras com feministas em geral quanto ao assunto de métodos anti conceptivos por conta do ocorrido. De certa forma senti uma possibilidade de liberdade ser lesada para minha pessoa na ocorrência, principalmente porque minha noiva demorou a achar um anti concepcional que se adequasse aos problemas dermatológicos e gastrite dela, algo que eu não queria, prefiro o uso de outros métodos anti concepcionais conjuntos como camisinha, controle de períodos menstruais a ver ela se bater com isso...mas ela insistiu, fez uma escolha e eu por meus posicionamentos sou obrigado a aceitar o que os outros escolhem para si.
Mas se tem algo que me fez sempre manter esse assunto quieto é por ter chego a min por vias de mídias tradicionais, em quem não confio nem um pouco. Alem do fato de eu não me preocupar tanto, já que eu já vinha pensando antes em fazer vasectomia...
Vocês que tem maiores conhecimentos sobre a temática podem elucidar melhor, procede o que vi por mídia de massa ou esta equivoco?

lola aronovich disse...

Estou devendo um post sobre anticoncepcional masculino há tempos, e vou escrever um. É um tema instigante, e mais uma vez os mascus, no seu universo alternativo, pensam que nós feministas somos contra o anticoncepcional masculino, baseados em UM depoimento do médico que não quer que as mulheres menstruem. Não conheço uma só feminista que não fique feliz que os homens dividam a responsabilidade de prevenir a gravidez. Prometo que vou escrever o post. No máximo até semana que vem.

Anônimo disse...

Anônimo disse...
"Eu sou a favor do aborto porque acho que toda mulher tem mais direito à vida e à felicidade que um ser em potencial"

-
Dani Andrade disse...
Eu adoraria saber porque esses mascus adoram comparar aborto ao homicício.
É muito absurda a opinião deles, é nojenta! Só falam isso porque nunca vão engravidar sem querer, por serem estuprados, por esquecerem uma única pílula anticoncepcional. É ridículo quererem palpitar em algo que não lhes pertence. Fico indignada com isso!

-
Anônimo disse...
e sobre as feministas americanas term se posicionado contra o anti-concepcional masculino, oque vocês tem a dizer ?
-
yulia2
''uma pessoa indefesa
o direito de sobreviver do feto é indiscutivelmente
mais importante que o direito da mulher''

não acho. o direito da mulher sobre o seu corpo
é mais importante do que tudo.

Mauro disse...

Querer obrigar um empresário anti-aborto a contratar uma mulher que praticou aborto como, em nome da "diversidade de idéias", a Lola fosse obrigada publicar comentários de "mascustrolls" aqui no seu blog.
E um empresário anti-aborto ser obrigado a contratar uma mulher que praticou aborto não pioraria a situação? Imagine a vida dessa mulher trabalhando com um cara que a odeia, um fundamentalista doente que acredita que ela é uma assassina porque já fez aborto. Imaginem como ela seria seria perseguida neste ambiente de trabalho. Ou seja, obrigar a contratar tornaria a situação muito pior. Então, o acordo proposto seria bom para ambos, evitaria confusões.
Ademais, ela não poderia trabalhar para um empresário pró-aborto ou um que é indiferente quanto a isso? A escravidão foi abolida em 1888.

Sobre a questão dos direitos reprodutivos. A mulher não engravida sozinha, sem a fecundação não haveria a reprodução. Então, se o pai se opõe ao aborto (o que é um direito seu, afinal o filho também é dele) e ele está disposto a cuidar da criança, eu não vejo porque abortar. Bastaria dar a guarda do filho ao pai. Por que não? O propósito do feminismo não é mudar os papéis de gênero? Agora, se o cara é como estes que vocês falaram: engravida e cai fora, e a mãe não quer o filho, eu NÃO vejo motivo para NÃO abortar.

Isso que eu falei é só a minha opinião, eu não quero impor isso a ninguém.

yulia2 disse...

''e tente não responder
a algo q vc mesma ja admitiu q não
leu pois a sua resposta não fez o menor sentido com o q eu havia postado''

quem vem afirmar que estuprador não tem culpa do estupro
é muito, mas muito cretina(o)! deve ser mascu pra falar tamanha merda.
quem vem aqui falar a bobajada que vc falou não merece um pingo de respeito...
se quer respeito não venha um blog feminsita defender estuprador e dizer que mulher tem que
ter o filho da violencia em cima de argumentações fracas e sem consistencia...
vá defecar suas regras no blog do bufaloviril....

yulia2 disse...

Não entendo porque homem evoca o direito de ter a criança , sendo que ele não vai cuidar
dela e nem dar educação, quem vai cuidar vai ser a vó ou as tias???

será que é pra pegar os 5 dias de direito paterindade e fazer bate e volta no litoral??? eu hein....

lola aronovich disse...

Sério mesmo, gente, olha o nível de ilusão do cidadão. Ele está falando sobre o anticoncepcional masculino, tá? (Melhor avisar): “vamos tirar todo seu poder de barganha, será a maior revolução comportamental e sexual do ocidente, vocês vão ter que andar na linha e implorar para ter filhos de homens honrados kkkkkkkkkkkkk”
Alguém consegue imaginar uma mulher em sã consciência implorando pra transar com um mascu? Não, né? Agora imagine uma mulher implorando pra ter filho do mascu. Pensou? Tá, pode parar de rir. Para, vai! Tá tarde. Vai acordar a casa toda com esse barulho.


Queridas, muito obrigada por me corrigirem. Sim, pisei na bola mesmo. Lógico que o ultrassom é inofensivo, porque é superficial. Estava pensando em procedimentos invasivos mesmo. Lembro quando, uns dez anos atrás, uma amiga minha foi ter a primeira filha com 35 anos. Os médicos em Joinville fizeram o maior terrorismo em cima dela, que ela era velha demais (35 anos!), que era uma gravidez de risco, que as chances de ter um bebê defeituoso eram enormes. Um médico queria que ela fizesse um desses exames pra detectar Síndrome de Down. E ela recusou porque, além do risco do exame de provocar um aborto, ela iria querer ter o filho de qualquer jeito, e não o amaria menos se ele não fosse “normal”. E claro, quando a Yasmin nasceu tava tudo certo. Mas eu me lembro bem de tudo isso, porque me pareceu uma diferença gritante entre o que tava na mídia (mulheres podem ter filhos aos 50 anos etc) e o que era a realidade dos consultórios. Gostaria de acreditar que hoje, dez anos depois, o tratamento é diferente, mas não tenho muita certeza disso.

yulia2 disse...

Os médicos em Joinville fizeram o maior terrorismo em cima dela, que ela era velha demais (35 anos!), que era uma gravidez de risco, que as chances de ter um bebê defeituoso eram enormes. Um médico queria que ela fizesse um desses exames pra detectar Síndrome de Down
_______________

esses médicos não sabem nada
de nada....
tenho uma amiga que teve seu primeiro filho com 40 anos....

perfeitamente saudável...

yulia2 disse...

Então, se o pai se opõe ao aborto (o que é um direito seu, afinal o filho também é dele) e ele está disposto a cuidar da criança, eu não vejo porque abortar. Bastaria dar a guarda do filho ao pai. Por que não?
_____________________

ele vai cuidar mesmo ou vai jogar a criança no colo da vovó pra ela cuidar ???

esse é o ponto...
querer o filho pra jogar pra terceiros cuidar é facil...
se ele quer a criança que ELE MESMO cuide, eduque e etc...

Shoujofan disse...

Eu estou assistindo a entrevista com o tal Doutor, afinal, fui procurar que história é essa de mulheres contra a pílula do homem. É uma graça a distorção da fala. O que ele disse? A Indústria farmacológica seria contra. Legal. Daria pouco lucro. Nessa parte eu acredito. A questão da virilidade, para ele, é menor... Sei... Sei... Aí, depois ele diz "O Movimento Feminista é contra". E relata o que a Friedman teria dito (*eu não vou acreditar nele de graça, até porque acho as idéias dele sobre a função da menstruação muito discutíveis*) que as mulheres não poderiam confiar nos homens, que eles mentiriam que estavam tomando pílula, transariam e deixariam a mulher com a bomba (*a gravidez indesejada*). “Ou seja, não precisa tomar a sua pílula, meu amor! Nem precisamos usas camisinha, afinal, você confia em mim, não é?” Entrevista muito falaciosa, de um sujeito altamente machista, que não foi questionado pelos entrevistadores, e que é usada pelos misóginos de várias nacionalidades. Parabéns para quem não sabe fazer uma mínima análise do discurso e acredita:

1. Que os movimentos feministas (*assim no plural*) têm força para barrar a indústria farmacológica se ela quiser lucrar com um produto.
2. Que os homens – que ocupam a maioria dos postos de mando no mundo da política, dos negócios das indústrias (*e ainda mais nos anos 1970!*) – iriam recuar se a pílula realmente lhes interessasse e deixar de produzir o tal contraceptivo.
3. Que ele entendeu o que a Friedman falou, se é que ela falou o que ele disse.
4. Que dentro do imaginário social a associação entre fertilidade e virilidade não existe.
5. Que todas as feministas pensam igualzinho, sem diversidade de pensamento.

É o mesmo com o homem. Você vai confiar que a sua namorada/parceira/esposa/ficante/whatever está tomando pílula e não vai usar camisinha (*que não serve somente para contracepção, claro*) por conta disso? Depois, ela engravida e você diz “Ah, ela me enganou!”. Use camisinha, tome as devidas precauções, dificilmente você terá problemas com gravidez indesejada.

Paula disse...

joga no YouTube:

George Carlin aborto e santidade da vida...
é um tapa na cara dos republicanos...

Futuro milionário disse...

Como boa esquerdista, a Lola adora criticar o estado mínimo, inclusive fazendo-o nesse próprio post. Porém, quando é pra sentir as dores do Estadão repressor-autoritário, criado por pessoas que nem ela, chora e esperneia. O Estado não perdoa, bem feito!

Antes que venha gritar que sou um mascutroll assim como faz com todas as pessoas que discordam de você, saiba que sou a favor do aborto.

Anônimo disse...

O fato de alguma mulher com mais de 35 anos ter filho saudável não quer dizer que os médicos mentem quando dizem que a chance de um bebê filho de mão acima dessa idade ter síndrome de down é muito maior.

Taxas de incidência de acordo com a idade materna:

idade de 20 é de 1/1925,
em idade de 25 é de 1/1205,
em idade de 30 é de 1/885,
em idade de 35 é de 1/365,
em idade de 40 é de 1/110,
em idade de 45 é de 1/32
aos 49 de 1/11

É claro que todos conhecem mais crianças down filhas de mães jovens, pois a maioria dos artos no país é em mães jovens.

aiaiai disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk, lola, não to conseguindo parar de rir...tá cedo, vou acordar o povo todo kkkkkkkkkkkk

Eu tive meu primeiro e único filho com 35 anos e foi uma gravidez e parto perfeitos. Tanto q dois dias depois dele nascer eu já tava trabalhando (trabalho em casa).

Shoujofan,

perfeito o seu comentário!

nada a ver com o assunto, mas, vcs virem que legal o pai que conseguiu licença paternidade para cuidar do filho?

http://www.youtube.com/watch?v=hFCzFvAnYho

e já teve outro este ano

http://www.youtube.com/watch?v=NHfm98TqAbU

Sou super a favor da licença paternidade nos mesmos moldes da licença maternidade.

para mim, além de dar chance aos pais de exercerem a paternidade plena isso daria maior igualdade nos direitos/deveres trabalhistas entre mulheres e homens.

Uma das justificativas p mulher receber menos é que ela tem direito a licença maternidade, o que é um absurdo completo, mas já ouvi de muitas pessoas...


Bruna B. disse...

"Mauro disse...
Por isso que eu digo que esta questão do aborto é muito complicada. Muito se discute quando a vida de fato começa. Os pró-vida dizem que é no momento da concepção, outros dizem que é depois de 13 semanas, outros dizem que é depois de 24 semanas... Só digo que já está bem documentado que já há um coração batendo após 18 dias de fertilização e que a formação de ondas cerebrais já ocorre após 1,5 mês. Calmem, isso é só um dado."



Sim, Mauro, existem várias crenças e concepções... nós apenas defendemos que cada um aja de acordo com o que acredita. Você pode acreditar que a vida começa no ato da fecundação, mas eu não acredito...
O ponto é que acreditar em algo não te dá o direito de legislar sobre o corpo alheio.
Repito: o conceito de 'direito a vida humana' só é aplicado quando existe consciência, não importa se o coração está batendo ou não, ou se o sistema nervoso já está em formação... Atividade cardíaca não importa quando tratamos desse conceito. É o mesmo critério utilizado para definir a morte, sem isso a doação de órgãos praticamente não existiria, entendeu?




"Ademais, a mulher pergunta ao pai se ele aceita o aborto? Se ela não quer o filho, ou não tem condições, entregue a criança ao pai se ele está disposto a aceitar a criança."



Uma mulher que aborta, além de não desejar um filho, não deseja a gestação. Ou você acha que é a coisa mais simples do mundo carregar algo indesejado em seu ventre por NOVE meses?
Taí a empatia dos homens, gente.
Gravidez é estritamente vinculada a maternidade, e a mulher desejar ou recusar a maternidade jamais pode ser considerado crime.



"Como disse, não estou defendendo a criminalização do aborto. Os pró-vida não precisam usar da máquina estatal para proibir o aborto. Mas eles têm sim o direito de boicotar mulheres e casais que praticam aborto. Famílias e proprietários contra o aborto poderiam proibir esta prática em suas propriedades e fazer um acordo com outros proprietários com o mesmo propósito. Proprietários e associações de proprietários anti-aborto poderiam demitir ou deixar de contratar uma mulher que já praticou aborto, poderiam se recusar a fazer transações com um mulher que já praticou aborto. Não haveria nada errado nesta situação."


Não haveria nada de errado nessa situação? Ah, vá para o inferno.
Até aqui, acreditei que você só era uma criatura mal informada que desejava debater o assunto... agora vejo que você não passa de um machista nojento que pensa que mulher se resume à incubadora.
Amigão, pegue toda essa sua falsa moralidade e enfie lá (é, bem lá).

Anônimo disse...

Concordo com a visão da falta total de liberdade nos EUA (e tendencialmente em todo canto). A única liberdade lá é a do mercado não? Liberdade de oprimir a mulher, liberdade de explorar propraganda infantil, liberdade de falar merda que "oprima" o outro, liberdade de explorar e oprimir o outro.
Liberdade que só beneficia uma minoria da minoria da população mundial.
Triste mesmo...

vivi

Bruna B. disse...

"Mauro


Já ouviu falar em sigilo médico, gênio?

Só saberá do ocorrido QUEM A MULHER DESEJAR QUE SAIBA. Entendeu?
Se ela não quiser contar a ninguém, ela não contará. PONTO.

Huan Icaro Piran disse...

"Estou devendo um post sobre anticoncepcional masculino há tempos, e vou escrever um. É um tema instigante, e mais uma vez os mascus, no seu universo alternativo, pensam que nós feministas somos contra o anticoncepcional masculino, baseados em UM depoimento do médico que não quer que as mulheres menstruem. Não conheço uma só feminista que não fique feliz que os homens dividam a responsabilidade de prevenir a gravidez. Prometo que vou escrever o post. No máximo até semana que vem."

Grato Lola, eu realmente tenho poucas informações com a informação e ela me deixou bem cismado na época.

"Os médicos em Joinville fizeram o maior terrorismo em cima dela, que ela era velha demais (35 anos!), que era uma gravidez de risco, que as chances de ter um bebê defeituoso eram enormes. Um médico queria que ela fizesse um desses exames pra detectar Síndrome de Down"

Eu não confio em médicos, assim como não confio em vendedores de forma geral, a diferença é que os médicos em sua maioria são vendedores velados de medicamentos.

Huan Icaro Piran disse...

Shoujofan, na duvida eu desconfio até de min mesmo xP

Mas realmente, tem muito furo nessas alegações dele. Por isso eu fico com um pé atras apenas, pois sou desconfiado.

Se eu acreditasse realmente nele eu provavelmente faria profundas ressalvas quanto aos grupos feministas envolvidos...

Lord Anderson disse...

"E um empresário anti-aborto ser obrigado a contratar uma mulher que praticou aborto não pioraria a situação? Imagine a vida dessa mulher trabalhando com um cara que a odeia, um fundamentalista doente que acredita que ela é uma assassina porque já fez"


Mauro, tem muita coisa errada no seu argumento, mas vamos começar pelo basico.

COMO O EMPRESARIO SABERIA QUE ELA FEZ ABORTO???

a não ser que vc queria que as mulheres que fizeram o procedimento usem algum tipo de identificação (tipo os sinos que os leprosos usavam antigamente, ou andem com algum simbolos, como os judeus na alemanha nazista), ou que na intrevista de admissão conste essa pergunta (e a lei do sigilo medico seja jogada na lata de lixo)...

oq deveria constar pra um trabalho deveria ser a competencia da funcionaria, e seu comportamento na empresa, só isso.

e se o patão começar a ofende-la e persegui-la, taca um processo de assedio moral, como nossas leis ja preveem.

não precisa inventar moda.

Anônimo disse...

Eu não gosto desses ultraconservadores (americanos, ou seja de onde forem), mas tem sempre uma coisa que me magoa um pouco quando leio sobre esses assuntos.
Escolhi a abstinência como método de previnir uma gravidez indesejada (não até o casamento, mas até sair de casa e pagar minhas próprias contas).
Funcionou, pq eu realmente preferi assim. Não fui obrigada, foi apenas meu senso de responsabilidade que nunca me permitiu ver sexo como mera diversão.
Hoje pago minhas contas, tenho minha casa e arco com a responsabilidade dos meus atos e, sim, faço sexo.
Acho que a abstnência nunca deveria ser obrigada, mas devia ser sim apresentada como uma opção válida.
Temos que parar de pintar as pessoas como serem incontroláveis e sedentos por sexo. E tratar sexo não como lazer, mas algo que exige muita responsabilidade.

André disse...

Tudo bem que os americanos são um bando de loucos, mas há uma certa lógica nos ataques às clínicas de aborto. Afinal, para eles o que acontece nesses lugares é assassinato em série.

Anônimo disse...

E um adendo, o que as pessoas abstinentes mais sofrem, não é do INCONTROLÁVEL DESEJO e sim do preconceito. Especialmente os meninos (culpa do machismo).
É triste que, mesmo feliz com a minha escolha, em algum momento eu precisei esconder que era virgem (mesmo namorando) para parar de ser alvo de chacotas.
Se o sexo fosse visto, por homens e mulheres, de maneira mais responsavél e não como brincadeira, existiriam muito menos abortos.
Educação sexual é MUITO importante, mas uma consciência que para fazer sexo não basta ter vontade, e sim estar pronto para ser responsavél por seu corpo.

Mirella disse...

Mauro,

"Querer obrigar um empresário anti-aborto(...)"

Quem quer obrigar alguém a contratar uma pessoa? E por que um aborto deveria interferir na capacidade profissional de alguém?
Todos tem direitos às suas crenças, porém ninguém tem o direito de discriminar. Ou você acharia sem problemas alguém que defende o direito ao aborto não contratar alguém contra o aborto?
A menos que a contratação em questão fosse para trabalhar na área médica ou de enfermagem de uma clínica de fertilidade, casa de parto, sei lá - algo minimamente envolvido com a questão.
Jura mesmo que, para você, num mundo ideal as mulheres teriam de mandar no currículo:
- inglês fluente
- superior completo
- nunca praticou aborto

Este tipo de discurso está a um passo de dizer que, por você ser "contra a prática homossexual" não tem problema preterir um candidato exclusivamente pela sua orientação sexual.
Nada não, é questão de gosto, não preconceito.

E se o homem quer tanto assim ter um filho, ele bem que poderia recorrer a uma barriga de aluguel, né?
Outra coisa, vi na Folha ontem um rapaz que, após uma moça engravidar dele (sem estarem em um relacionamento), ele queria ter a oportunidade de criar o filho. A moça não queria. Eles conversaram, ela concordou em dar seguimento à gravidez, e agora ele desfruta de uma licença paternidade para cuidar do bebê.
Um pai querer um filho, e a mãe não, é uma coisa TÃO COMUM, mas TÃO COMUM, que este foi o primeiro caso de licença paternidade estendida concedida na história brasileira e tá sendo noticiado no jornal com centenas de comentários.
Logo, acharia maravilhoso um mundo onde os pais querem ser realmente pais, mas eu não gosto de viver na Matrix.

Anônimo disse...

Bruna B. disse..."Sim, Mauro, existem várias crenças e concepções... nós apenas defendemos que cada um aja de acordo com o que acredita. Você pode acreditar que a vida começa no ato da fecundação, mas eu não acredito...
O ponto é que acreditar em algo não te dá o direito de legislar sobre o corpo alheio.
Repito: o conceito de 'direito a vida humana' só é aplicado quando existe consciência, não importa se o coração está batendo ou não, ou se o sistema nervoso já está em formação... Atividade cardíaca não importa quando tratamos desse conceito. É o mesmo critério utilizado para definir a morte, sem isso a doação de órgãos praticamente não existiria, entendeu?"

-
Discordo bruna, independente das "crenças" de cada um, a decisão deve ser técnica,não emocional, assim como as mulheres não tem culpa de terem sido agraciadas pela natureza com o dom da gestação, os homens e o bebê em formação também não tem, e esse papo de nível de consciência não faz o menor sentido, e uma vida que esta se formando, e preciso ter responsabilidade, você um dia teve o direito de se formar e se desenvolver, não negue esse direito a outros, se não quer ser mãe, faça uma laqueadura, ou pelo menos previna-se.
E como assim atividade cardíaca não importa ? e o coração de alguém batendo moça, se quer defender o aborto faça isso com responsabilidade, não com enfase em ideologias e opção pela promiscuidade.

Anônimo disse...

Empresários anti-aborto é novidade para mim, duvido algum que não aceite o dinheiro de alguém por motivos "éticos".

Cah disse...

Anônimo, "Escolhi a abstinência como método de previnir uma gravidez indesejada (não até o casamento, mas até sair de casa e pagar minhas próprias contas)."

E como você previne as DST´s?!?!

Anônimo disse...

Não fazendo sexo? 8D Abstnência quer dizer não fazer sexo, sabia?
Hoje em dia, com vida estavél, uso camisinha. Ignorancia é uma coisa linda.

Anônimo disse...

Tem gente q pensa q abstinência restringe-se à penetração vaginal. /facepalm
Abstinência é a ausência de quaisquer práticas sexuais ou libidinosas. Acho q até beijo de língua pode ser incluído aí.

Cara, quando li 'estupro legítimo' tive um ataque de risos. Sério q algm pode dizer isso sem maiores compromissos com o bom senso e, claro, a verdade? HAHAHAHAHA

Bruna B. disse...

Anônimanta das 10:07

"Discordo bruna, independente das "crenças" de cada um, a decisão deve ser técnica,não emocional, assim como as mulheres não tem culpa de terem sido agraciadas pela natureza com o dom da gestação, os homens e o bebê em formação também não tem, e esse papo de nível de consciência não faz o menor sentido, e uma vida que esta se formando, e preciso ter responsabilidade, você um dia teve o direito de se formar e se desenvolver, não negue esse direito a outros, se não quer ser mãe, faça uma laqueadura, ou pelo menos previna-se."


Em primeiro lugar, se a decisão deve ser técnica (científica) e não emocional (religiosa), devemos levar em consideração APENAS o que a ciência diz, ou seja, o que eu mesma acabei de postar... Sem consciência não existe vida a ser protegida.
O resto da sua argumentação é sofrível, apelativa e falaciosa... nem vou me dar o trabalho de responder...



"E como assim atividade cardíaca não importa ? e o coração de alguém batendo moça, se quer defender o aborto faça isso com responsabilidade, não com enfase em ideologias e opção pela promiscuidade."


Atividade cardíaca não é determinante quando falamos sobre o conceito de vida. Você já ouviu falar em morte cerebral, onde o coração continua a bater mas a pessoa é declarada clinicamente morta? Consegue entender isso, gênio?

Opção pela promiscuidade? Pronto, agora confirmei o que eu pensava quando começaste com o mimimi de 'pobrezinho do pai, pobrezinho do feto'... tu és só mais um mascutroll que está pouco se lixando para nós, mulheres.

Sara disse...

Cada vez mais tenho certeza que estamos entrando em período de retrocesso no mundo inteiro.

http://www.catolicas.org.br/noticias/conteudo.asp?cod=3616

Tocando no assunto sobre o aumento gravissimo da violencia contra a mulher no mundo.
Há uma falta de consciência com relação ao problema e existe ainda a tolerância institucional que torna a vítima culpada. Existem mecanismos que justificam os crimes contra as mulheres, como por exemplo, dizer que algumas mulheres se vestem como vadias e por isso acabam sendo estupradas. É como se uma dose de violência contra a mulher fosse aceitável e até necessário”, critica o autor do Mapa, denunciando também que as instituições que deveriam proteger as mulheres não estão cumprindo seu papel.

Cah disse...

Engraçado, eu pensei que havia lido em alguma parte que o Anônimo disse até ter vida financeira estável ,e depois não seria mais abstinente,... e isso implica em ato sexual de qq espécie ...e ai poderia assumir uma responsabilidade com relação a gravidez.

E outra, que eu saiba, gravidez TAMBÉM pode ser evitada com CAMISINHA, não precisa necessariamente ser abstinente, né?

Então, na verdade talvez não seja ignorância, e sim abertura para várias interpretações na escrita, não é, Anônimo?!





Mirella disse...

Anônimo das 10:07

"opção pela promiscuidade"

Aqui tem um estudo recente (de 2010) dizendo que:

"A maioria das mulheres que abortam tem entre 20 e 29 anos e possui uma união estável (cerca de 70%). Essas mulheres têm até oito anos de estudo e a maioria trabalha e é católica (entre 44,9% e 91,6%, dependendo do estudo analisado).

Onde está a promiscuidade na união estável? Nossa, quantas católicas promíscuas, hein!
E os homens que tem filhos fora do casamento, são promíscuos também? Hmmm

E não, coração batendo não significa "vida". É a atividade cerebral que define ausência ou presença de vida.
Ou você acredita que todas as pessoas que tem batimentos cardíacos e ausência de atividade cerebral são assassinadas quando os aparelhos são desligados ou quando doam seus órgãos?
Você tem todo o direito de ser contra o aborto, só não tem direito de inventar, ok?
Quanto a fazer laqueadura, não é um simples procedimento. Se fosse uma política de saúde pública, não haveria a exigência de a mulher ter mais de 25 anos ou dois filhos para conseguir autorização. Se fizer por sistema privado de saúde, terá de desembolsar uma grana que a maioria não tem.

Bruna B. disse...

“A vida começou há milhões de anos e cada um de nós é fruto contínuo daquele processo. A pergunta pertinente não é quando começa a vida, mas quando começa uma vida relevante do ponto de vista ético. Um embrião é apenas uma possibilidade de vida, assim como eu sou um morto em potencial, mas ainda não estou morto.”

(Fermin Roland Schramm, presidente da Sociedade de Bioética do Estado do Rio de Janeiro (Sbrio).)

Marivone Vieira disse...

Quando penso em não ter filhos (por qualquer meio ou qualquer razão) só penso em minha sogra, que, mesmo mulher, literalmente acha que sou uma feminazi (a coroa me odeia) por não querer ter filhos. Ela esquece que, mesmo o útero sendo meu, a decisão é minha e do filho dela (que também não deseja), mas, insisto, ela me odeia, uma vez que escolhi não me afundar em três filhos como ela (Interessante é que quando ela fala em ter filhos, parece que ela me roga uma praga: "aí você vai ver o que é a vida". Frase que eu respondo com um "então não verei"). A culpa é sempre da mulher, e na visão das próprias mulheres também. E isso já me leva a pensar no filme 'As Esposas de Stepford' (1975, mas tem um de 2004 também). Divaguei... hauauahu

Mirella disse...

ops, o link faltou.

Estudo sobre abortos, em 2012.

cienciahoje.uol.com.br/colunas/por-dentro-das-celulas/aborto-no-brasil-mortes-em-silencio

Anônimo disse...

Bruna B. disse...Em primeiro lugar, se a decisão deve ser técnica (científica) e não emocional (religiosa), devemos levar em consideração APENAS o que a ciência diz, ou seja, o que eu mesma acabei de postar... Sem consciência não existe vida a ser protegida.
O resto da sua argumentação é sofrível, apelativa e falaciosa... nem vou me dar o trabalho de responder...

-
R-Não estou apelando não, nem sou religioso, apenas acho que quem deve determinar o inicio da vida e uma comissão medica, não a senhora nem sua ideologia, apenas discordei de você, responda se quiser, e um direito seu.

"Atividade cardíaca não é determinante quando falamos sobre o conceito de vida. Você já ouviu falar em morte cerebral, onde o coração continua a bater mas a pessoa é declarada clinicamente morta? Consegue entender isso, gênio?"

R-Já ouvi falar sim em morte cerebral, "já estou há um bom empo no planeta terra", mas o debate aqui me parece ser sobre o inicio da vida, não o fim ( sou a favor da eutanasia) o que se discute e até que ponto um ser humano tem o direito de se desenvolver, em detrimento de outro continuar a vir sua vida normalmente como quiser, e se esse outro tem ou não responsabilidade por uma vida que vai nascer, todo um universo que vai, ou poderia ser.

"Opção pela promiscuidade? Pronto, agora confirmei o que eu pensava quando começaste com o mimimi de 'pobrezinho do pai, pobrezinho do feto'... tu és só mais um mascutroll que está pouco se lixando para nós, mulheres."

Muito pelo contrario, e justamente por ter empatia pelas questões femininas que eu me interesso pelo debate sobre aborto, senão eu simplesmente viveria minha vida sem dar a miniam, eu já nasci, para mim não mudaria nada, mas como eu disse, tenho preocupação pelo sentimento do próximo, não sou indiferente, acho que nenhuma mulher vai fazer um aborto como se fosse fazer as unhas, não e um procedimento qualquer, tem muito sofrimento envolvido, por isso acho que e melhor prevenir, do que ter que remediar, com educação sexual adequada e um debate elucidativo,, se pode prevenir gravidez indesejadas, e diminuir tristes casos de abortos desnecessários, eu já vi imagens de abortos, não e algo bonito, mas acho que não e um caso de policia, mas sim de saúde e educação publicas.

Defina "mascultroll" por favor.

André disse...

Bruna B.
E existe uma única e verdadeira resposta para essa pergunta ética?

Anônimo disse...

Mirella disse...

tem razão, fui infeliz em minha colocação, não sou " fiscal de vida sexual" de ninguém, mas insisto mesmo entre casais estáveis , deve-se sempre primar pela responsabilidade, acidentes acontecem ? sim, mas até que ponto evemos podar uma vida que poderia ser, e detrimento de outra que já é? acho que está e a questão a ser debatida, no nível ético e não religioso, e como eu disse para bruna, não acho que o caso da atividade cerebral signifique tanto este debate, e o inicio da vida, um ser em desenvolvimento, não no fim de sua existência, este ser tem quais direitos de se desenvolver ? o mesmo que nos que já estamos aqui tivemos ?

Rose disse...

Minha nossa senhora das tamancas roxas! Quer dizer que a mulher é capaz de expulsar o embrião depois de ser estuprada!? Tipo um pompoar embrionário? Impressionante o nível de maluquice misógina.
Esse pessoal que fala pra mulher continuar a gravidez, apesar do estupro, é o mesmo que prefere morrer de câncer de próstata para não fazer um exame simples, mas “invasivo demais”. Ninguém pode tocá-los sob nenhuma hipótese. Mas a mulher estuprada , não tem trauma nenhum é frescura e de, alguma forma, contribuiu , segundo eles. Há os que defendem a vida, acima de tudo, mas entendem os motivos que levam um homem a matar a companheira. São elxs também que refutam todas as pesquisas e estatísticas de morte materna decorrente de aborto clandestino, elxs sabem que é uma questão de saúde, mas argumentam com: é pecado ou acho crime e pronto.
Se existir um argumento para ser contra a interrupção da gravidez que não seja religioso ou de foro íntimo, mas que atenda a realidade coletiva das mulheres, eu gostaria de ouvir.
A permissão dada à mulher para interromper a gravidez decorrente de um estupro no Brasil foi porque os “nobres” se solidarizaram com os companheiros das vítimas de estupros. Imaginá-los criando o filho de um outro homem era demais para esses “pobres homens”. Então, até nesses casos o trauma psicológico considerado é do homem e não da vítima, a mulher que sofre o abuso (ah sim, nesses casos não é um feto).

Anônimo disse...

Quanto ao anticoncepcional masculino, acho Interessantíssimo se for verdade, será uma divisão de responsabilidades, e acredito que no inicio o machismo será um fator tabu, pois muitos homens criados na cultura de masculinidade atual terão ressalvas em usar algo que sempre foi do universo feminino, e terá associada sua fertilidade com sua masculinidade, mas acredito que será sim uma revolução cultural e tanto, e que muitas feministas mais extremistas vão ver isso como uma ameaça a independência reprodutiva da mulher, e um ciclo que vai se quebrado durante seculos, o de os homens poderem escolher quando a mulher ficará gravida ou não, mas acho que com o tempo todos estes paradigmas serão quebrados, e tudo se encaixará.

Mirella disse...

Anônimo,


Sempre tento ter um pouco de cuidado ao falar de "ética" ou "moral", porque muitas vezes existe uma carga de valores pessoais incutidas nelas. O que é ético para mim pode não ser para você, etc. O que tento fazer é regrar minha vida no respeito a mim e aos que me cercam.
Existe todo um julgamento da mulher que aborta. Seguindo determinada linha de raciocínio, esta mulher é antiética e amoral. Mas de acordo com quais valores? Quem pode decidir se ela tem o direito ou não de interromper a maior transformação que poderia ocorrer em seu corpo e em sua vida?
A determinação "do que é vida" para mim é importante. Um feto, um zigoto, são possibilidades. Não é uma vida ainda (minha opinião, lembrando) até um determinado período. É uma extensão da mulher. Se o pai do feto morrer, o feto continua vivendo. Dependendo de quando a mãe possa morrer, o feto não continua vivendo. Ele não é independente. Defendo a descriminalização do aborto até a 12ª semana da gestação porque acredito que o mais importante nesta situação é a mãe. É nela, por ela, com ela que qualquer coisa poderá se desenvolver ou não. Ela, que já é uma vida. Quando você diz "uma em formação em detrimento de outra já formada", para mim já responde a questão. É como trocar o certo pelo duvidoso.
Não pretendo convencer você a ser pró aborto. Apenas peço que entenda que esta escolha é absurdamente pessoal, no nível mais íntimo e profundo de todos - se você for homem, peço que faça um exercício de pensar na responsabilidade que é gerar e por no mundo uma criança. Se a maior parte de abortos acontece entre mulheres em algum tipo de relacionamento, acho que é mais um fator a ser analisado, relacionado à maneira que a sexualidade monogâmica é vista.
Por fim, não acho certo que pessoas independentes e alheias legislem sobre o que acontece dentro de uma mulher, dentro de uma pessoa, ainda mais quando os maiores argumentos são carregados de valores meramente pessoais e destituídos de "técnica". Se diversas comissões médicas, de diversos países, acreditam que até a 12ª semana de gestação não há "vida" - ausência de sistema nervoso central -, esta é a confirmação que preciso para me embasar.

Carol NLG disse...

Eu entendo a anônima "ex-abstêmia". Eu também só comecei minha vida sexual quando já recebia um salário que me permitiria pelo menos sustentar minimamente uma criança. Camisinha e pílula evitam? Sim, mas não é 100%. E eu decidi que até chegar a um patamar mínimo, não arriscaria.

Por sorte, comecei a trabalhar cedo e ainda cedo poderia cumprir os requisitos auto-impostos.

Agora, só um comentário pros favoráveis a ensinar apenas a abstinência: dizem por aí que há uns 2.000 anos até esse método falhou!

Natasha disse...

Pelo menos o aborto nos EUA e em muitos países é legalizado e possível de ser feito até um estágio da gravidez por livre e espontânea vontade da gestante por n motivos. Isso é coisa oriunda de seres bizarramente e tenebrosamente estúpidos falando muita abobrinha sem valor algum. Eles que são os imorais da história.

Agora, países como Malta, Nicarágua, Uruguai (se não me engano), várias Repúblicas Islâmicas, entre outros que não permitem o aborto em circunstância nenhuma, isso que é doloroso.
Recentemente na Argentina teve um caso de uma menina de uns 11 anos que ficou grávida e teve de levar a gravidez adiante, como vários outros casos que não são levados à mídia. O aborto não é desumano, a proibição e retirada dos direitos das mulheres que é.

Mauro disse...

Calma, Bruna. Eu não sei quando realmente começa a vida humana (ninguém sabe ao certo). Só sei que 18 dias de gravidez já há um coração funcionando e 1,5 mês depois da gravidez já ocorre a formação de ondas cerebrais. Como você pode afirmar com certeza que a vida humana só começa após 24 semanas de gravidez? Como já disseram "veja os paises onde isso ja eh permitido." Então veja o país mais feminista do mundo: a Suécia. Lá o aborto é legalizado. Mas só é permitido fazer livremente após 18 semanas de gravidez. Após 18 semanas de gravidez, o aborto só pode ser feito com a autorização do sistema estatal de saúde sueco. Então, segundo a legislação sueca, a vida humana começa após 18 semanas (pelo menos dá a entender). Novamente, isso é só um dado, eu não expressando nenhum ponto de vista.

E como eu disse, obrigar um empresário anti-aborto a contratar uma mulher que já fez aborto, seria como, em nome da "diversidade de idéias", a Lola ser obrigada a publicar comentários de mascustrolls. Não seria absurdo? O empregador, como dono da empresa, tem o direito de estabelecer os requisitos que quiser para contratar trabalhadores. Se a Lola ou qualquer outra feminista montar uma empresa e um dos requisitos para contratar funcionários for "não ser machista", vocês têm todo o direito de não contratar machistas ou até demitir um funcionário machista, e ele que vá trabalhar em outro lugar onde aceitam pessoas assim. Aqui é a mesma coisa: se um dos requisitos para contratar uma mulher é "não praticar e/ou nunca ter praticado aborto na vida", é só a mulher que já cometeu aborto ir trabalhar em outro lugar. Ou só existe aquele empregador? No mercado existe um leque de opções.

lola aronovich disse...

Mauro? O que o c* tem a ver com as calças? Vc está comparando eu não publicar trolls no meu blog com um empresário discriminar alguém? Primeiro, quem está falando de empresário anti-aborto? Quem seria um “empresário anti-aborto”, alguém que vende crucifixos pro Vaticano? Segundo, como ele saberia que a candidata à vaga de emprego fez aborto? Não fica marcas. Não vem com um carimbo na testa. Ou vc está sugerindo que um exame médico indique que uma possível candidata fez aborto (não sei como, a menos que o aborto tenha sido recente), e que isso seja avisado ao empresário? Porque isso seria bem ilegal, não acha? Um empresário não pode pedir exame de gravidez pra uma funcionária, não pode pedir exame de Aids, porque não contratar por causa de um “positivo” nesses casos seria discriminação. Pra assumir minha vaga na UFC, tive que fazer montes de exames com especialistas (odonto, psiquiatra, dermatologista – eu acho, agora esqueci –, neurologista, etc, etc), mas ginecologista não estava entre eles. Suponho que um dos motivos seja que não se pode pedir exame de gravidez.
Mês passado fui fazer um check up geral, de rotina (ainda estou fazendo alguns, tenho que voltar ao gastro e a gineco), e é engraçado como, tanto a gineco quanto a técnica que foi fazer a mamografia perguntaram, de bate-pronto: “Quantos filhos e quantos abortos?”, e eu respondo “Nenhum e nenhum”. Note que elas nem perguntam “Vc já fez um aborto?”, é “Quantos abortos?”, indicando que isso é mais comum do que a gente pensa. Agora, se uma mulher responde “Fiz dois abortos”, ou algo assim, nem a médica nem a técnica podem contar isso pra alguém. É sigilo médico. Acho que vc está partindo do pressuposto de que alguém quer saber dos abortos para incriminar a pessoa. Felizmente ainda não chegamos a este ponto no nosso “estado laico”...

carolinapaiva disse...

Uma coisa que me intriga: mascus vivem falando que acham abortistas nojentas e pior que lixo tóxico, não é mesmo?
Pois é, mas eles não vem o feto de forma muito melhor não, pelo menos se for filho de mão solteira: eles chamam essas vidas de esperma/gozada ambulante dos cafas.
Percebam o respeito que essa gente tem com a vida do embriaozinho.

Mauro disse...

"Mauro? O que o c* tem a ver com as calças? Vc está comparando eu não publicar trolls no meu blog com um empresário discriminar alguém?" - Tem a ver que assim como você, como proprietária deste blog, não é obrigada publicar comentários que segundo seus critérios são indesejáveis e troll, o empresário não é obrigado a contratar X.
"Primeiro, quem está falando de empresário anti-aborto? Quem seria um “empresário anti-aborto”, alguém que vende crucifixos pro Vaticano?" - Não precisamente. Anti-aborto é uma pessoa contra o aborto...

"Segundo, como ele saberia que a candidata à vaga de emprego fez aborto? Não fica marcas. Não vem com um carimbo na testa. Ou vc está sugerindo que um exame médico indique que uma possível candidata fez aborto (não sei como, a menos que o aborto tenha sido recente), e que isso seja avisado ao empresário?" - Não estou sugerindo nada. Mas se o empresário requisitar um exame e a mulher não quiser fazer este exame, ela não precisa se submeter a isso. Vai procurar emprego em outro lugar, onde o empregador kada e anda para aborto.

Lord Anderson disse...

Mauro, vc ainda não falou do aspecto pratico. COMO o empresario saberia que a moça abortou?

vc acha normal violar o sigilo medico de uma pessoa? pq a lei proibi esse tipo de questionamento nos casos de doenças,gravidez,etc... pq seria normal no caso de aborto?

e seguindo a sua logica, esses empresarios tb deveriam ter o direito de não contratar alguem pela cor da pele ou genero (afinal ,homem nunca aborta).

serio que vc não percebe a descriminação que esta defendendo?

Letícia Rodrigues disse...

O exame que os republicanos querem impor as mulheres antes de um aborto é o ultra-som transvaginal. Eles devem acreditar que depois de ouvir os batimentos cardíacos do feto - o que é possível através desse exame - a mulher desistira do aborto. As feministas americanas são contra a obrigatoriedade do exame pq é necessário introduzir um transdutor na vagina da paciente para realiza-lo. Ou seja, faze-lo, contra a vontade da mulher seria equivalente a um estupro.

Esse trecho de um texto publicados pelo "Blogueiras Feministas" fala sobre isso:

"4. Forçar mulheres a se submeterem à penetração vaginal involuntária (também conhecido como estupro) com um transdutor de ultrassom de 15 a 20 cm coberto com uma camisinha. A Pennsylvania está atualmente considerando essa opção, junto com outros 11 estados. Ultrassons transvaginais feitos sem o consentimento da mulher é estupro de acordo com a definição legal da palavra. Isso viola a integridade corporal da mulher e é também tortura quando usado, como os estados sugerem, como uma forma de controle e opressão. Mulheres têm o direito de não serem estupradas pelo estado."

http://blogueirasfeministas.com/2012/05/10-razoes-pelas-quais-o-resto-do-mundo-pensa-que-os-eua-sao-loucos/

Anônimo disse...

Empresários anti-abortos?

Erm... hmm... ah...

Fiquei com tanta vergonha alheia que me faltaram palavras.

Jerico, me explique como alguém vai saber que a mulher fez um aborto.

Toma cuidado, viu? Por que no futuro alguém pode querer te discriminar por alguma característica sua, e aí é que são elas. Pimenta no dos outros é refresco.

Mirella disse...

Mauro,


Você ainda não explicou o que aborto tem a ver com capacidade profissional.
Você ainda não explicou como um empregador solicitaria "comprovação de aborto" sem estar violando a lei.
Você ainda não explicou porque isto não é discriminação.
Você ainda não explicou qual a diferença entre não contratar uma mulher que abortou ou um negro ou um homossexual.
Você ainda não explicou a semelhança entre um emprego e um blog.

lola aronovich disse...

Tá doido, Mauro? Vc realmente acha que um empresário pode pedir pra uma candidata a emprego um exame ginecológico pra detectar sei lá o quê (gravidez? aborto? estupro? Aids? dst?). Não pode pedir exame desses nem a quem já é funcionária da empresa. Vc já ouviu falar em leis trabalhistas, não? Suponho que elas foram feitas justamente pra coibir empresários que tenham ideias que nem as suas, e que, pra piorar, não vem problema nenhum nisso ("é só ela procurar outro emprego, o empresário pode tudo, é como vc decidir se barra ou não os trolls no seu blog, igualzinho"). Que eu saiba -- corrijam-se se eu estiver errada -- uma empresa não pode exigir que um funcionário (e estou falando de gente que já trabalha na empresa, não num candidato à vaga) se submeta a teste de sangue ou urina pra ver se ele é viciado em drogas ou alcoólatra.
Mas, Mauro, sua total incapacidade em explicar como um exame vai comprovar um aborto ora prova que vc está trollando, ou que vc entende tanto do corpo feminino quanto os candidatos republicanos...

Bruna B. disse...

" André disse...
Bruna B.
E existe uma única e verdadeira resposta para essa pergunta ética?"


Não, mas em todos os países onde o aborto é legalizado e assistido pelo Estado o critério utilizado é o de atividade cerebral, de consciência, autoconsciência e senciência.

Se a atividade cerebral é utilizada para definir o final de uma vida humana por que ela não pode ser utilizada para definir o começo?

Honestamente, prefiro acreditar no cérebro do que na 'alma', 'espírito', 'sopro de deus', etc. Prefiro valorizar e salvar a vida de uma mulher adulta, plena de direitos, do que a de um ser que ainda nem existe.
E acho um absurdo que pessoas vivam de hipóteses (ai, mas ele vai se tornar uma linda criança) em vez de lidarem com a realidade... Realidade onde mulheres pobres morrem em abortos clandestinos, todos os dias.

Bruna B. disse...

"Mauro disse...
Como você pode afirmar com certeza que a vida humana só começa após 24 semanas de gravidez?"

http://www.bbc.co.uk/portuguese/ciencia/2010/06/100625_feto_dor_mv.shtml
Fetos não sentem dor até a 24º semana de gravidez.
Nos países onde o aborto é permitido o prazo máximo varia entre 10 e 24 semanas. Na Suécia ele é permitido até a 18º semana por levar em conta que quanto maior o tempo de gestação, maior o risco para a mulher que se submeter ao procedimento.
Também não acho ideal o prazo de 24 semanas, mas em alguns países ele é utilizado (EUA, por exemplo).
A melhor opção, em minha opinião, ainda é o aborto medicamentoso, que pode ser feito de uma forma muito mais segura para a mulher, até a 12º semana (prazo utilizado na França, por exemplo).


"E como eu disse, obrigar um empresário anti-aborto a contratar uma mulher que já fez aborto, seria como, em nome da "diversidade de idéias", a Lola ser obrigada a publicar comentários de mascustrolls."


Queridão, se um dia eu fizer aborto, tu acha que eu vou colocar isso no meu curriculum? Já falamos trocentas vezes sobre sigilo médico, se tu faz questão de se fazer de sonso nós não temos culpa.

aiaiai disse...

rindo muito aqui com a possibilidade das empresas não contratarem machistas. Vai sobrar vaga no mercado kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Bruna B. disse...

aiaiai


Já estou seguindo o conselho do Mauro e bolando um questionário detector de machismo que deverá ser preenchido nas entrevistas aqui da construtora.

Alguém aí tem sugestões do que posso perguntar?
O que acham dessas questões?:

-Lugar de mulher é:
( ) Na cozinha
( ) No tanque
( ) Onde ela quiser


-Se você vê uma mulher de mini-saia na rua, você:
( ) Passa uma bela cantada
( ) Ataca
( ) Deixa ela seguir seu caminho em paz


Haaa, também vou incluir questões para detectar chatos, homofóbicos, racistas, fãs do tio Rei Azedo e congêneres...
Que tal?

Anônimo disse...

"Pelo que eu entendo dos médicos", ou seja, absolutamente nada.

André disse...

Bruna B.
Estou considerando apenas os abortos por conveniência, porque penso que apenas doidos varridos são contra nos casos de estupro e de risco para a mãe. Também acho as 12 semanas a melhor opção. Mas não creio que seja muito simples responder a pergunta ética que você citou.

aiaiai disse...

Bruna, contribuição p seu questionário:

se uma mulher diz q não tá afim de você, você:

1) sai falando p todo mundo q ela é uma piranha/vagabunda/vadia
2)dá uma bordoada na cara dela e diz que se ela quer um cafajeste você também sabe ser
3)deixa pra lá, afinal tem mais de 3 bilhões de mulheres no mundo, né?


aiaiai disse...

Anonimo das 16:28 >>>>> melhor comentário até aqui. Sintético e direto no ponto.

Carla disse...

Gente eu não to acreditando no que eu estou lendo nos comentários. o Mauro está dizendo que ele é a favor de liberar o aborto mas "criar medidas, tipo um empresário pró-vida não contratar uma mãe que abortou". Gente!!!!
Pareceu normal? Então tente ver seu comentários sob a seguinte ótica: "vamos criar medidas, tipo um empresário que não goste de negros não contratar um negro". Ahhh mas aí fica preconceituoso né?
E que tal "um empresário não contratar alguém porque é homossexual?" Ainda preconceituoso, certo? (se bem que tem muitos que praticam os dois, mas é ilegal).
A diferença é que racismo e homofobia já são reconhecidos como preconceitos, mas preconceito contra a mulher não existe!
Na prática, empresários evitam de contratar mulheres, quaisquer que sejam (porque podem engravidar e tirar licença, se já tiver grávida nem adianta procurar emprego). E Mauro, nem vem com esse negócio de ideologia. Uma mulher que faz aborto não vai pendurar uma "medalhinha" no pescoço dizendo que fez aborto, é uma questão íntima e pessoal e ninguém tem nada a ver com isso. E os colegas de trabalho, esses não precisam estar de acordo ou aprovar conduta nenhuma de ninguém. Se formos olhar por essa lógica, o empresário também pode optar por não contratar uma mulher solteira porque esta pode ser "promíscua" e optar por ter vários parceiros sexuais e ele (e os amigos conservadores que ele contratou) não vão gostar.

Eu ainda não consigo entender a sua lógica. Você está confundindo empresa/relações de trabalho (que nem sempre são em empresas) com amizade. Olha na vida pessoal a gente tende a ter amizade com as pessoas que compartilham de nossas opiniões (não é uma regra), ou, pelo menos, podemos excluir algumas pessoas com opiniões que te desagradam (como eu excluo fanáticos religiosos xiitas). Agora, na vida profissional ninguém tem nada a ver com isso. É o mesmo que eu (gestora) colocar uma cláusula contratual em que não admito evangélicos, por exemplo.
A sorte é que, se um dia o Brasil legalizar o aborto, esse tipo de discriminação não poderia ocorrer (não abertamente). E eu te digo mais: você conhece alguém ao seu redor que já fez aborto? Provavelmente conhece e nem sabe e nem deveria saber, porque você não tem nada com isso.

Bruna B. disse...

aiaiai


Thanks! Só vou trocar a 'dar bordoada na cara dela' por 'quebrar o braço dela', remember do caso Rhanna Diógenes, onde os mascus aplaudiram o babaca que a agrediu.

Rose disse...

Eu não sei se vocês ja viram, mas aqui ta um bom exemplo de como responder aos Todd e mauros da vida:

Legitimate Rape – Estupro Legítimo
How can you tell if it’s legitimate rape? Como eu posso te dizer se foi estupro legítimo?
I’ll tell you how to spot legitimate rape. Eu te direi como saber se é estupro legítimo.
You’re not sure if you got legitimate raped? Você não tem certeza se você teve um estupro legítimo?
Well here’s a little lesson for you. Bem, aqui está uma pequena aula para você.
Tell me if the following things are true: Diga se as coisas a seguir são verdadeiras:
I was a little drunk Eu estava um pouco bêbada
Illegitimate rape! Estupro ilegítimo!
I knew the rapist well Eu conhecia bem o estuprador
Illegitimate rape! Estupro ilegítimo!
My skirt was kinda short Minha saia estava um pouco curta
Illegitimate rape! Estupro ilegítimo!
I’m married to the man Eu casei com um homem
That’s a husband’s privilege! É um privilégio do marido!.....

http://jezebel.uol.com.br/cantora-faz-musica-engracada-sobre-a-polemica-do-estupro-legitimo/

Anônimo disse...

As vezes da uma confusão que só ler tantas opiniões diferentes e acaba até fugindo do foco mas vamos lá então.
Eu não sou a favor do aborto a nao ser em caso expresso como anecefalia, é um sofrimento muito grande tanto pra mae quanto pro bebe (sendo ainda mais que este depois de nascer nao vai poder ter uma vida normal ou muito menos viver).
O que leva a pessoa a querer fazer um aborto e em que condições?
Sendo que hoje tem diversos métodos contraceptivos só fica grávida quem quer e acho totalmente injusto tirar uma vida por causa de um desmaselo de uma pessoa que não soube se cuidar.
A mais isso vai estragar minha vida, se ja fez assuma, não quer de pra adoção, usar como justificativa de não ter a própria vida é uma simples questao de conveniência.
Na hora sabia muito bem o que estava fazendo mas assumir as consequências disso depois não querem e preferem uma saída mais fácil.
E pra elucidar mais tenho 29 anos e a dois fiz minha vasectomia, mas não é por causa disso que saio fazendo oba oba por ai não sou irresponsável, mas é porque não quero ser pai, mas se uma mulher ficasse grávida de mim antes eu ia assumir meu filho e seria o melhor pai e ajudaria a criança a se desenvolver como pessoa.
E hoje tenho uma visão bem clara das coisas saiba se previnir, não tenha uma vida sexual devassa e tenha uma relação monogâmica.
Porque pra toda açÃo sempre vai ter uma consequência.

Sara disse...

Ai anonimo das 19.02 vc deveria ser contra o aborto de anencéfalos afinal vc parece ser um deles.
Suas opiniões são de uma estupidez sem tamanho pra quantificar.
Até poderia tentar debater , mas pela amostra do seu comentário sem chance nenhuma de vc entender qualquer coisa que seja.

Anônimo disse...

O comentário insano do candidato, causou indignação nas mulheres e homens sensatos, já estão pedindo a renuncia dele, ele veio à público pedir desculpa por sua insanidade, mas pelo jeito foi tarde.

Huan Icaro Piran disse...

Futuro Milionário

Segundo Rosseaul e Proudhon, segundo Marx e Bakunin...entre outros grandes opositores a caráter de ódio mutuo (o olho roxo que Bakunin deixou em Marx que o diga), o estado tem em sua lógica um fim aceitável apenas, gerenciamento das questões de interesse publico.
Agora me diga, qual é atualmente o interesse publico? As guerras promovidas pelos estados mínimos? A falta de serviços de atendimento publico dos estados mínimos?
Claro que estados macro são uma merda também, não apoiarei a lola neste ponto, mas seu argumento me vale menos ainda, pois segundo o jogador de futebol Petkovich ao ser questionado sobre sua infância em um pais comunista como sendo algo árduo no programa da Ana Maria Braga, era muito bom, pois todos tinham o que comer, o que vestir, boa educação e saúde gratuitos...

"A direita e a esquerda são dois lados do fascismo!" - não lembro a autoria da musica punk nacional mais '-'

Anônimo disse...

Lola, queria ter tido a mesma sorte que vc ao entrar no funcionarismo público. O Estado de SP exigiu exames ginecológicos - um simples e um avançado - para todas as candidatas com 25 anos ou mais e eu quase não fui contratada por ser virgem. Tive que recorrer.
As empresas privadas poderiam se basear em algumas secretarias do estado de SP e da Bahia para pedir esses tipos de exames e barrar candidatas não convencionais - virgens ou que fizeram aborto.
Infelizmente.

Luiz disse...

Sobre os últimos acontecimentos norte-americanos, o dono da Playboy, na edição americana de setembro, escreveu o seguinte editorial:

http://revistaladoa.com.br/2012/08/noticias/leia-traducao-na-integra-editorial-historico-playboy-favor-casamento-gay-assinado

Anônimo disse...

lolaa, vc virou um meme mascu! hahahaha

tinha umas meninas discutindo com esses idiotas no facebook, quando de repente um deles colou a seguinte imagem http://lh4.ggpht.com/-o-wlzNmxd8Q/T_HuOIIeDlI/AAAAAAAAArQ/-UOzdDGFktU/s608/133945409267.png

eu acho que ele apresentou isso como um argumento antifeminismo, mas saiu pela culatra, pq caiu como uma luva contra ele

e eu achei bonitinho hahaha lolinha dizendo verdades como sempre :)