segunda-feira, 27 de agosto de 2012

GUEST POST: QUER QUE EU EMAGREÇA? PERGUNTE-ME COMO

"Gosto de vc como vc é". E nem precisa ser o Colin Firth pra falar isso

Ana, uma simpática e inteligente moça de 18 anos, vem fazendo o maior sucesso com seus comentários. Selecionei um que ela deixou no guest post sobre gordofobia em família, e vou publicá-lo aqui como guest post.

Adorei um comentário anônimo: “Sabe, a pessoa SABE que está gorda. Ela não precisa de ninguém dizendo isso porque ela sabe. Nunca vi gente chegando num bar e apontando pra todo mundo e dizendo que álcool faz mal. Todo mundo sabe. Mas por que não existe esse policiamento como existe com gordura?
É bem isso aí, sem tirar nem por. As pessoas patulham sem dó nem piedade. O que eu posso acrescentar é que às vezes o policiamento até é com boa intenção, só que feito do jeito errado.
Pega minha mãe, por exemplo: eu sempre fui um modelo de criança. Mega comportada, mega inteligente, recebia elogios o tempo todo. Mas isso nunca foi suficiente, ela sempre encheu o saco pra que eu emagrecesse. A justificativa dela era sempre a mesma: "Eu não quero que você passe pelo o que eu passei".
Vou deixar claro: entendo e até concordo com ela. Ela teve problemas com o espelho a vida toda e como qualquer pai e mãe, queria o melhor pra filha.
O meu ponto é que a abordagem está errada. Tudo o que minha mãe conseguiu comigo foi me convencer que eu era feia. Nenhum comentário dela me deu forças pra mudar de vida, pelo contrário, as palavras sempre jogavam mais areia em cima de mim. E em geral é assim, as pessoas falam achando que vão ajudar e só te fazem mais infeliz.
Quando você é gordo, ninguém nunca te incentiva a ser feliz e se valorizar, só te dizem que você não é bom o suficiente e precisa emagrecer. Vejo um monte de gente sendo cruel com gordos e se justificando "Ah, mas se continuar assim vai sofrer/adoecer/morrer. Eu tô falando a verdade pro próprio bem dela". As pessoas acham que "jogar na cara" é a solução e vai, sei lá, "inspirar uma mudança na vida da pessoa". Acreditem em mim quando eu digo que esse tipo de comentário não ajuda, só atrapalha.
É muito comum, por exemplo, aparecer gente querendo te “conscientizar” do teu PRÓPRIO peso -- e como disse o comentário que eu citei, A GENTE JÁ SABE. E às vezes dá raiva, sabe, porque MEU AMOR, EU VIVO NESSE CORPO. TIPO, 24H/7. VAI POR MIM, EU NOTEI AQUELE PNEUZINHO MUITO ANTES DE VOCÊ. É um comentário dos mais inúteis -- o gordo sempre sabe que é gordo. Mas ninguém se dá conta disso. Todo mundo acha que conhece seu corpo melhor que você. Isso é claramente absurdo, e só gera indignação.
Sabe, quando a gente ouve que é feio e indesejável, a última coisa que a gente quer é se expor. Quando as pessoas comentavam, acho que elas esperavam que eu tomasse uma atitude. Mas quando elas me convenciam de que eu era gorda e feia, a última coisa que eu queria era sair pra fazer exercício na frente de todo mundo, ainda mais com aquelas roupas coladas. Então eu me entocava em casa, ficava me sentindo um lixo. E quando eu finalmente saía, não era porque eu gostava de exercício físico ou porque tinha finalmente me aceitado, era porque tava me odiando tanto que me forçava a fazer algo que eu não queria pela promessa de que se eu perdesse peso, ia ser feliz.
O problema desse tipo de coisa é que dieta nenhuma vai pra frente quando exercício é um sacrifício e não um lazer. Sabe, o negócio não é só emagrecer. É ter uma vida boa. Não adianta você dizer pra fulano que ele é um gordo e precisa tomar vergonha na cara. Não interessa o quão nobre sua intenção seja, você só vai por a pessoa pra baixo. Ela não vai se mexer, e SE se mexer, ainda pode fazer do jeito errado (como eu fiz muitas vezes), só por desespero e vergonha, arriscando essa tal saúde tão preciosa que você queria, a princípio, salvar.
Mudar o estilo de vida, que é uma coisa que a gente cultiva desde sempre, é muito difícil. As pessoas que estão nesse processo precisam é de APOIO, não de crítica. E não vejo isso acontecendo muito, não. Está todo mundo muito preocupado com o bem-estar e a saúde alheia, mas ninguém se preocupa em fazer com que a pessoa se sinta bem COMO É em primeiro lugar. Não, fica todo mundo batendo na tecla de que você TEM QUE emagrecer porque SÓ ASSIM vai ser feliz. E isso é errado. Sou a favor de melhorar, sempre. De ser mais saudável e tal. Mas isso se conquista com auto-confiança e prazer em viver, não com a auto-punição.
É só ver o que acontece, por exemplo, quando a Lola faz um post falando em auto-aceitação. Não dá tempo de contar até cinco e já aparece gente indignada, fazendo questão de dizer que quem está acima do peso tem que se manter alerta e vigilante sim senhor. Eu percebo uma dificuldade em aceitar que se amar é muito mais eficaz que fazer dieta -- a verdade é essa. Quando você se aceita gordo, magro, baixo, alto, azul com bolinhas pink, você fica mais forte. E essa força te ajuda em qualquer processo que você vá enfrentar pra levar uma vida mais saudável.
É importante entender: aceitar o corpo não tem a ver com não ser saudável, muitíssimo pelo contrário. Aceitação é exatamente o primeiro passo. Mas é só sugerir que um gordo pare de se odiar e todo mundo pula, achando que se o ódio sumir, a pessoa vai relaxar. Quando na verdade, se o ódio sumir, ela finalmente vai estar livre pra descobrir uma vida melhor. E aí se emgrecer vier no pacote, ela vai emagrecer, não por ser infeliz, mas porque perder peso foi uma consequência natural.
Talvez a gordofobia entre aí, nessa resistência em acreditar que um gordo pode ser feliz e saudável como é. Porque esse pensamento demonstra o verdadeiro posicionamento de um gordofóbico: no fundo, a saúde é só uma desculpa, o problema dele mesmo é com a aparência. Para um gordofóbico, alguém que simplesmente se aceite é inútil, mesmo que seja saudável -- porque a pessoa continua gorda. É ESSE o problema do gordofóbico: a gordura, não a saúde. A pessoa está feliz, saudável como ela tanto clama que quer, mas gorda. O verdadeiro preconceituoso não se contenta com isso, ele quer mesmo é que todos emagreçam. Acho que é aí que a máscara cai pra valer e a gente vê quem está realmente preocupado com o bem estar dos outros e quem só é ignorante.
Eu acho sinceramente que quando a pressão deixar de ser “EMAGREÇA PORQUE SER GORDO É RUIM” e passar a ser “SE ACEITE E SEJA FELIZ”, vamos ter muito mais gente saudável.

188 comentários:

Anônimo disse...

Ótimo post!
Concordo com tudo. Como a gordura é o vilão da vez (nao digo a doença abesidade, mas a estética do gordo=feio), agora "pode" falar dos gordos. Acho que é o problema da aparência tb, mas há tb, eu acho, do "cuidar da vida dos outros". Digo isso porque acontece isso com o cigarro tb. Todo mundo que fuma sabe que faz mal, uns querem parar, outros, contando custo beneficio do prazer do cigarro, preferem continuar fumando...E daí? Só que não, como o cigarro agora é condenado, é permitido encher o saco dos que fumam, como se eles não soubessem do mal que isso causa.
Resumindo, acho que no caso do gordo tem SUPER a ver com a aparência, mas soma-se tb a necesidade de cuidar da vida dos outros, pode ser algo de nossa cultura isso. Tem a valorização do magro em quase todo mundo, não sei se em outros lugares enchem o saco assim..

Quando ouço estas histórias penso ser uma pena não poder falar por. ex. para esta pessoas "preocupadas" com a vida dos outros.."veja, poque vc não lê algum livro, sabe, não ler faz mal a cabeça.." ou "sabe, porque vc come tanta coisa industrializada, sabe, isso faz mal.." "sabe, porque vc cuida do teu filho dste jeito, esta criação faz mal pra ele.." "veja, porque vc usa salto, vc sabia que faz mal usar salto?" "veja, porque vc anda de caro, sabia que polui o mundo?"..
etctetcetc......

Mas não, o que pode ser policiado é o gordo, o fumante, a mulher "relaxada", etc etc..

bj Lola e ana
(Vivi)

Mayara disse...

Adorei.
Não sou gorda, tenho um corpo mediano, mas minha avó luta com a balança há anos, por questões de saúde. Com 1.55 e mais de 70kg, problemas no coração, etc., ela tem uma dificuldade grande em comer saudável (esses alemães e seus pratos "gordos"). Com os joelhos fracos e doloridos, comer é praticamente o que sobrou para ela de diversão... E ela se sente culpada em comer - com razão, é questão de saúde NESSE CASO. Mas eu sempre digo... Ou come e seja feliz ou então se controle. Não coma e fique se sentindo culpado, de que isso vai adiantar?
Por outro lado, minhas colegas de trabalho que não são gordas, mas têm um corpo um pouco mais arredondado... Vivem fazendo dieta. Tem uma que já tomou todo tipo de "remédio" (boletas) para emagrecer, quase teve ataques cardíacos e problemas psicológicos. Se mata na academia... Mas continua reclamando.
E ontem estava mesmo conversando com um menino que, tadinho, é magro demais. 45kg e 1.75 de altura. Tipo, demaaais. E ele anda tomando suplementos. Esse tipo de coisa assusta. É um culto ao corpo que é inatingível.
Ninguém consegue. E todos se desesperam. Me assusta.
Eu até quero perder alguns pneus. Mas tudo bem, sei que com algum exercício e menos comida "gorda" (massas e gorduras) eu chego lá. Sem pressa, a minha saúde vai bem obrigada. Mas não quero chegar na idade da minha vó sofrendo por problemas cardíacos, como o resto da minha família que faleceu de problemas cardíacos...
Enfim, falei falei e não falei nada.
Em resumo - o que importa é ser saudável, seja qual for o seu peso. Mantenha seus exames em dia, checkup sempre e vai firme!

Mayara disse...

Sobre o comentário da Vivi, sobre o cigarro, eu só discordo em partes.

Meus pais são fumantes e não perco um minuto de policiar e reclamar. Sou fumante passiva, moro com eles, tenho o direito de reclamar, na minha opinião.
Agora, bem, gente de fora, aí não.

Cah disse...

Sabe, muitas vezes já me perguntei "será que sou tão gorda como as pessoas teimam em apontar?" ...
E cheguei a terrível conclusão, gostar de si mesma é que é o problema.
Quando você tem a estima boa e não faz parte do "padrão" as pessoas se incomodam, teimam em querer te jogar para baixo.

Sou gorda, e sou linda.

Nada mais a declarar.

Anônimo disse...

Bom Lola, primeiramente gostaria de elogiar seu blog que é ótimo.
E em segundo lugar, compartilhar minha experiência.
Não sou gorda, pelo contrário, sou extremamente magra. Namoro há cinco anos um rapaz que quando conheci tbm era magro. Ele fazia academia, se alimentava bem, era extremamente vaidoso (o que confesso, me irritava muito... achava futilidade essa preocupação exagerada com a aparência).
O que aconteceu de uns 3 anos para cá foi que ele engordou. E engordou muito! Devido ao trabalho, aos estudos e toda a correria do dia a dia ele parou de frequentar a academia, parou de fazer esportes, não tinha tempo para se alimentar bem etc. E como ele sempre foi um homem magro, todos estranharam o aumento repentino de peso e os desagradáveis comentários do tipo: "Nossa! Como você está gordo!" começaram a surgir.
Sinceramente Lola, no início eu não ligava para isso. Independente de qualquer coisa eu o amo e não ligava a mínima para esse lance de aparência. Mas os patrulhadores do peso alheio começaram a pegar no meu pé tbm. Os amigos que tínhamos em comum, minha família e até a família dele me enchiam o saco dizendo que eu deveria "mandar ele emagrecer"! Que ele estava daquele jeito pq havia deixado de lado a preocupação com a aparência já que tinha uma namorada que não ligava a mínima para isso.
E eu, tonta, caí nesse papo. Comecei a incentivá-lo a voltar para a academia, a comer melhor, mas não pq eu estava preocupada com a saúde dele, mas sim com o que os outros pensavam sobre o peso dele.
O fato é que ele começou a ficar complexado com o peso. E isso refletiu até no sexo, já que ele tinha vergonha de se despir e não aceitava a luz acessa em momento algum.
Poxa Lola, comecei a perceber a burrada que tinha feito. Nosso relacionamento não era mais como antes, deixamos de frequentar lugares como praias, clubes e até uma cidadezinha no interior que tanto gostávamos e que tem belas cachoeiras. Tudo pq ele tinha vergonha de tirar a camiseta. Parou de jogar o futebol dele tbm por tinha vergonha do corpo.
Depois ele se matriculou novamente numa academia. Pagou durante um ano e só frequentou umas 5 vezes. Ele me dizia que aquilo não era mais pra ele, que não se sentia bem frequentando esse tipo de lugar, mas que precisava emagrecer com urgência, pois tinha medo de me perder e havia percebido que meu desejo diminuiu. Só que ele não percebia que meu desejo diminuiu não por causa dos pneuzinhos novos ou pela nova barriguinha dele, mas sim pela insegurança que ele sentia na hora do sexo.
Tentei dizer isso pra ele de todas as forma, mas não tinha jeito, eu já havia feito o cara se sentir um lixo e nada do que eu dissesse mudaria isso.
O fato é que com muita conversa começamos a nos entender, eu mudei algumas atitudes minhas, dei um chega pra lá nos patrulhadores da gordura e nosso namoro está voltando pros trilhos.
Ele voltou a fazer Kung Fu que ele tanto gostava, voltou a se alimentar um pouco melhor, mas não quer nem saber de academia (que segundo ele é o local onde os patrulhadores do peso alheio se concentram para falar mal dos gordos, rs). E essa mudança se deu exatamente quando eu parei de enchê-lo com esse lance de aparência.
E só para constar, ele não emagreceu. Está com o mesmo peso. Mas muita coisa mudou, e eu descobri que ele pesando 80 ou 120 kg para mim dá no mesmo. Uns quilos a mais não vai anular o cara maravilhoso que ele é.
E mais uma vez só para constar, a saúde dele está ótima!

Anônimo disse...

http://g1.globo.com/bahia/noticia/2012/08/entravam-de-2-em-2-diz-menor-sobre-estupro-por-integrantes-de-banda.html
fico boba com os comentários...

Liana hc disse...

"o verdadeiro posicionamento de um gordofóbico: no fundo, a saúde é só uma desculpa, o problema dele mesmo é com a aparência"

Com certeza. A "saúde" virou curinga nesses casos. É a justificativa socialmente aceita para disfarçar o preconceito de quem fala. A pessoa manda o seu recado sem se comprometer demais. E é uma forma também de desarmar o outro, afinal quem critica "só está preocupado com o seu bem estar", vira ingratidão recusar isso. Às vezes nem falam nada, só deixam, "sem querer", uma revista aberta falando de dieta ou do novo remédio emagrecedor revolucionário ou mesmo quem sabe uma reportagem de como aquela famosa perdeu em 1,5 mês os 5 quilinhos que ganhou durante a gravidez, e sem cirurgia! aff

Admiro muito quem cuida da própria vida e quem consegue emitir opinião sem invadir um espaço que não lhe pertence.

Anônimo disse...

Com relacao ao q foi comentado do cigarr, discordo completamente. Cigarro nao tem nenhuma relacao com gordo. Sao questoes diferentes. O gordo e uma questao de estetica. De policiar a vida do outro so por padrao de beleza. A pessoa implica com algo q nao interfere em nada na sua vida. Ja o cigarro e bem diferente. Incomoda quem esta perto, fede e comprovadamente faz mal a quem esta do lado. Existe fumante passivo, mas nao existe gordo passivo.

Mary Janne disse...

Lola, não tem nada a ver com o assunto, mas to revoltada com isso!
http://g1.globo.com/bahia/noticia/2012/08/entravam-de-2-em-2-diz-menor-sobre-estupro-por-integrantes-de-banda.html

Maria Valéria disse...

Para Lola e para a autora do post: concordo em gênero, numero e grau.
O problema e que os pais sempre querem o melhor para os filhos, e por isso acabam por vezes fazendo as coisas erradas.Pais erram muito também...
Eu, pessoalmente,nunca tive problemas sérios com a balança.quer dizer, tenho um pouco agora, sim, porque aos 38 anos o metabolismo nao e o mesmo de 20 anos,
Entao, estou magra, mas bem acima do peso que eu queria estar,
Ano passado, fiz uma reeducação alimentar e perdi seis quilos, esse ano, com vários problemas pessoais, engordei quatro de volta,me desesperar por isso? ... As vezes na hora do stress, era melhor comer um chocolate e agüentar o tranco do que pirar completamente,agora, mais tranqüila, voltei pra reeducação.
Mas, meu problema nunca foi especificamente o peso,meus proclames sempre foram outros: cabelo" ruim", óculos fundo de garrafa, " magra demais" . Eu era tudo isso ate os dezoito, vinte anos, quando mudei, olhei no espelho e gostei do que vi,o processo de auto aceitação foi parecido com o que e descrito ai,
E as vezes eu ficava brava, quando alguma amiga vinha me dizer pra eu me cuidar e me arrumar mais, eu entendia que elas estavam me chamando de feia. E nao era isso, elas queriam dizer que me achavam bonita, e que eu mesma nao aceitava a minha beleza.
Ouvi tempos atras( um mês atras): " você nao estava com essa barriga no ano passado" Caracaaaa eu sei que nao estava!!! Ninguem precisa me lembrar, por mais que seja para o meu bem,mas o fato e que as pessoas erram muito com isso,
Ter os quilos a mais nao me impediu de me relacionar com ninguem.alias, a pessoa com quem me relacionava nesse meio tempo, que meu corpo deu um salto e ganhou oito quilos em seis meses( 2009) nunca reclamou.eu estava feliz, semblante bonito, olhos brilhando,....nesse estado qualquer pessoa pode ser linda, e foi o que aconteceu comigo.costumo dizer que beleza nao e atributo físico, e sim estado de espirito.
Dai, o que me motivou a emagrecer ano passado, foi que eu notei que já nao estava mais tao feliz como antes, e que tinha me acomodado com aquele peso.olhava meu corpo e nao me reconhecia, nao gostava do que via( Imc 24,5, sendo que o limite e 25 e o meu sempre tinha sido 21, etc). E muita gente me chamando de fresca no meio desse processo, porque eu engordo do quadril pra baixo, sou a " falsa magra" , como dizem por ai.o que quero dizer e que temos que nos sentir bonitas, desejadas,... Para nos mesmas e nao para o outro!!!...
Hoje faz dez anos que fiz a cirurgia de miopia.ate hoje uso um grau baixo, e difícil eu me achar bonita de óculos, mesmo tendo comprado uma armação bonita.ha pouco tempo, consegui a proeza de ensaiar uma paquerinha usando óculos,e fez efeito, nao deu certo porque o cara nao prestava,...nunca tinha me imaginado fazendo isso.
Esse seu post, Lola, me faz lembrar uma pessoa que conheci que fez a redução do estômago,ficou magrinha, mas reclama que ate hoje nao conseguiu namorado,mesmo sendo magra,
Ta vendo? A questão e se aceitar, se amar, independente da opinião dos outros, seja pro bem ou pro mal.Se vc quiser ser feliz, gordinha ou magra, a escolha e sua e de mais ninguem!!!
Beijos-;))

Anônimo disse...

Pessoal, eu que relacionei o cigarro com o gordo. Sei que há a fumante passivo. Nao digo de quem fuma logo ao seu lado. Mas eu que fui fumante, me lembro da infinitude de pessoas que vinham me dar conselhos para parar, mesmo quando eu não estava fumando e nem nunca tinha fumado perto delas.

E esse nojo com o cigarro é igualmente construção social. Pelo que sei, não havia esta repugnancia com o cigarro, o cheiro até 10-15 anos atrás. Com isso, não digo que cigarro é uauu legal, nem o cheiro, mas para pensar que este nojo do cigarro e tudo que se relaciona a ele foi algo construido tb. Até hj, há países que são menos chatos com cigarro. E neste caso. será que há tanto nojinho do cigaro como tem no Brasil?
Fico só impressionada com tanto incômodo que tdos passaram a ter com o cigarro, não no sentido individual, mas uma sociedade de repente tendo nojinho. E isso - e ai a ligação com o gordo- é permitido ter. É permitido, mesmo para quem não te incomoda diretamente, ser chato em relação com o cigarro. Dar dicas para o outro parar. Falar que tem nojo, é ok. Será que só eu vejo isso?
E esse raciocócio q queria desenvolver.
Eu, particularmente acho que carro paticular deveria parar de existir, ah, e música alta tb me dá dor de cabeça. Mas, não vivo numa sociedade onde é permitidou que eu seja chata e patrulhe a vida de quem tem carro (em Sp é como se fumassemos 2-3 ciarros por dia devido a poluição) ou de quem escut música alta..

Bjs
(vivi)

adelia disse...

nossa, qd engordo eh incrivel o numero de pessoas que aparecem em minha salvacao, sempre perguntando o q aconteceu pq LOGICO q esta acontecendo algum problema pessoal. uma pessoa 'normal' n engorda se n for por problemas psicologicos graves segundo a teoria dessa turma. minha resposta eh sempre q andei comendo demais.. apenas. mas ninguem se da por satisfeito. eu PRECISO dizer q tive uma má fase para q sosseguem e me passem algumas recomendacoes de como mudar de vida para melhor.

o inverso ocorre qd emagreco alguma coisinha mais visivel. muitos elogios. parabens, vc esta OTIMA!! poxa, esses elogios me fazem sentir pessima. eu nao estava otima antes? como assim? eh preciso ter uma dose extra de auto-estima. honestamente, eu n tenho. ao menos tenho a consciencia de q todos sao bastante gordofobicos e isso me da alguma justificativa.

Grão da Noite disse...

Muitas pessoas acham que ser gordo é prova de falta de amor próprio e de desleixo consigo mesmo(a). Tomam gordura como sinônimo de feiura, de desleixo e de doença. Está certo que a obesidade é fator de risco pra uma série de doenças. Mas a maneira eficaz de se avaliar a saúde de uma pessoa não é a balança, é o hemograma completo, pra ver como andam a glicemia, o colesterol, o triglicérides e todos aqueles índices que compõem um check up completo. Fazem um julgamento moral dos obesos, mas deveriam se lembrar de que o organismo de uma pessoa gorda é diferente do de uma pessoa magra. Os hormônios da fome e da saciedade não funcionam nos gordos da mesma forma como funcionam nos magros. Os gordos têm uma quantidade maior de células adiposas do que um magro. O organismo de um gordo é mais econômico no gasto calórico e mais eficiente em transformar caloria em gordura. Enfim, muitos magros são magros não porque se amam mais do que os gordos, ou porque se cuidam mais do que os gordos, mas apenas porque têm uma genética diferente, que os favorece no mundo hipercalórico em que vivemos. Outra coisa é que criticar geralmente produz efeito reverso. Criticar atitudes negativas é bem menos eficiente do que elogiar atitudes positivas. Em vez de criticarmos os quilos a mais, devemos, p. ex., elogiar o gordinho quando ele consegue fazer 30 minutos de esteira, e não criticá-lo por não ter feito 45 minutos ou 1h, que é o que costuma acontecer. Eu sou gordo e sei como os gordos sofrem. Se fosse fácil ser magro, não existiriam gordos. Se fosse fácil ser rico, todo mundo seria um Eike Batista. Em vez de criticarmos os outros devemos incentivá-los a adotar comportamentos positivos e elogiá-los quando eles conseguem adotá-los nem que seja por apenas um dia. Devíamos ter uma cultura de incentivo a pequenas conquistas diárias, de reforço do positivo, e não esta cultura que está aí, que só faz reforçar aquilo que é tido por negativo, gerando desânimo e baixa autoestima.

Rafa disse...

Oi Lola, ótimo post como sempre, concordo bastante com a autora e sei na pele como essa patrulha funciona, e admito não ser ainda capaz de me desvincilhar do preconceito contra meu próprio corpo, mas estou no caminho. Do meu ponto de vista, esses patrulhadores fazem questão de dar suas opiniões pra se sentirem vitoriosos, já que eles não estão na situação dos fracassados: aqueles que são gordos, fumantes, alcoólatras... e aí a patrulha vem não por se importar com a saúde alheia, mas sim como uma maneira de se auto-afirmar melhor do que os outros.

Flavio Moreira disse...

Parabéns pelo post e pelo posicionamento firme em relação à gordofobia. Os comentários que são dirigidos aos gordos (direta ou indiretamente) são verdadeiros destruidores de auto-estima. E a desculpa da saúde é de doer, porque os problemas que afetam gordos também afetam magros - se a incidência é maior em um grupo do que em outro, a questão é estatística, não estética.
Sou considerado magro (1,77, 70 kg). Mas, por conta da sedentariedade, do stress e de uma série de outros fatores, inclusive alimentação não regrada, passei de uma pessoa com pressão arterial baixa para hipertenso em menos de 10 anos.
Tenho cardiologista, que visito duas vezes por ano, que é número de check-ups que faço, também. Meu pai, segundo consta (eu não o conheci) era cardiopata e minha mãe era muito hipertensa - comia comida sem sal e zero de gordura. As chances de eu enveredar pelo meso caminho são grandes.
Só que como eu estou "na média", não tenho ninguém me patrulhando para perder peso ou qualquer coisa do gênero. De vez em quando tem uma cobrança externa porque tenho barriga e isso já chegou a me causar transtornos - achava que eu tinha que ter tanquinho e ombros com largura duas vezes maior. Até que caí em mim e vi, através de meus exames periódicos, que minha saúde, apesar da hipertensão, estava bem - era só tomar alguns cuidados. Hoje eu procuro comer melhor e minha atividade física se resume a caminhadas leves. Mas o mais importante é que só existe uma pessoa a quem devo prestar contas: eu mesmo. Ninguém mais determina como tem que ser o meu corpo.
Conheço gordos que são muito mais ativos do que eu, dançam, vão a festas, divertem-se e são felizes consigo mesmos. Se alguém olha torto para eles, ignoram solenemente e abrem um super sorriso de quem está feliz sendo o que é. Se alguém quiser se incomodar com isso, que sejam os outros.

Huan Icaro Piran disse...

Certamente a Ana é uma das pessoas que mais admiro aqui nos comentários do blog, tanto pelo conhecimento quanto pelas sensibilidades em compreender as pluralidades.
O que se levantou sobre peso é algo muito importante de se debater. Eu vejo por amig@s que tenho que estão acima do peso que eles gostariam e as pressões que fazem sobre eles é algo terrível.

Eu tive problemas com isso também, não pelo sobrepeso, mas por ser excessivamente magro (1,84 com 58kg), algo que sempre me rendeu chacotas na escola e posteriormente comentários maldosos. Ter vergonha do próprio corpo é algo muito ruim e o processo que leva a isso é bastante cruel.
Para minha sorte eu sou excêntrico demais para me deixar afetar plenamente pela opinião alheia e agressivo demais para aceitar uma critica maldosa calado (o que me rende muitos desafetos entre minhas antigas colegas que fizeram comentários maldosos como forma de agredir moralmente...não tenho orgulho do nível baixo que cheguei para revidar contudo), mas nem todos conseguem se desprender tão facilmente do funcionamento da sociedade.

Ser "gord@" não é ruim, não é errado, não é anormal (digo o mesmo de ser magro demais), e só deve ser visto como problema pela pessoa e se isso estiver lhe causando problemas de saúde.
Tenho amig@s com sobrepeso com quem me preocupo por históricos de problema de coração, mas sei que eles sabem de seus problemas, então fico calado, não acho que comentar com el@s vá ajudar a evitar uma doença e já estão trabalhando isso. Fico indignado quando por pura maldade alguns indivíduos não respeitam isso.

Se tem uma coisa que ainda me faz perder a cabeça e sair da minha zona de moralidade para ser bem baixo, vil e por vezes imoral ao comentar algo, é quando alguém desrespeita a dignidade de outra pessoa. Nessas horas infelizmente se for preciso ser machista, racista, boçal e qualquer coisa, infelizmente eu faço um esforço dobrado, contra os costumes que já luto diariamente (infelizmente somos filhos de nosso meio) e contra um ódio crescente em meu peito que já é com esforço que impeço de romper aos berros, quem dirá de ser cruel ao replicar.

Sobre minha magreza, já pratico kendo e nesta semana estarei entrando na academia, me alimento bem, estou mudando meus hábitos de sono, mas sei que com anemia cronica, dificilmente ganharei peso. Sinceramente, estou cagando e andando, sou esqueleticamente magro sim, mas estou preocupado é com minha saúde, pois essa bolça de pus que habito vai envelhecer e morrer de uma forma ou de outra, que a estética exploda quero é viver com um mínimo de qualidade oras.

Aline disse...

Bom, como muita gente aqui sabe, estou gorda,. Nem sempre fui gorda, já fui magra até demais. A 2 meses resolvi que vou emagrecer, por que SOU INFELIZ DO JEITO QUE SOU. E sou muito infeliz, comecei dieta e emagreci 9kg, agora comecei academia. Estou na academia 2 horas por dia, como beeeeem pouco, de 3 em 3 horas e tomando cuidado para comer tudo que é necessário.
Esse processo está me deixando ainda mais infeliz, mas estou tentando não desistir. As vezes eu sinto TANTA VONTADE DE COMER ALGO que até sonho com isso...
Coisas que eu seii que engordam muito, como lanches do mcdonalds, chocolates e doces.
E as pessoas não ajudam, ficam me oferecendo coisas, me dando doces, que saio distribuindo por ai...
Tenho uma meta e não sei se vou ter forças para alcança-la, mas sse não conseguir me sentirei a pior pessoa do mundo.
Eu sou muito infeliz, tomo amtidepressivo e mesmo assim não me sinto mehor... Quem sabe se eu conseguir eu passe a ser um pouquinho feliz pelo menos....
Pelo menos eu vou conseguir comprar uma roupa que me sirva....

:(

Anônimo disse...

OFF TOPIC. Lola, um dos posts mais ridículos e machistas que eu já tive o desprazer de ler na vida,de um mascu lixo que se intitula o Empalador, muitos garotos ainda com personalidade em formação leem esta porcaria. peço ajuda de todas para denunciar este lixo.

http://detonandoamatrix.wordpress.com/2012/08/22/a-promiscuidade-das-mulheres-tatuadas-e-os-significados-das-tatuagens-femininas/#comments

Priscila Boltão disse...

"Quando na verdade, se o ódio sumir, ela finalmente vai estar livre pra descobrir uma vida melhor."

Exatamente. Eu sou sempre da opinião que o que leva muita gente a engordar é a própria pressão pra emagrecer. Se eu não odiasse meu corpo, a comida não seria tão importante na minha vida, eu não viveria pra isso, comeria quando precisasse e provavelmente emagreceria.

Samantha Pistor disse...

Eu sou o legítimo caso de uma gorda que emagreceu por pressão, ficou magra por um tempo, e não deu certo.

O motivo? Todos. Minha família enchia tanto meu saco que, depois de 18 anos me sentindo um lixo, entrei num programa de dietas e exercícios e emagreci. Dos meus 84 quilos, pesei 60, usei manequim 40, fui magra, linda. O que isso revolucionou a minha vida?

Absolutamente nada.

Continuei solteira (sempre me disseram que se eu emagrecesse arrumaria namorado, aff), continuei com problemas de aceitação, continuei me ferrando no emprego, continuei tendo que estudar que nem doida. Ser magra não mudou minha vida, apenas me permitiu comprar umas roupas mais legais. Em retorno, eu contava calorias, comia coisas que eu não gostava, nunca me dava um prazer, e me esforçava para ir na academia, coisa que eu detestava.

Não aguentei. Enchi o saco e voltei a engordar. Se eu não ingerir os alimentos certos e a quantidade certa, eu engordo. Simples assim. Depois de dois anos magra, voltei aos meus 84 quilos, e cá estou até hoje. Roupas foram doadas e a vida segue.

Engraçado que dessa vez, eu abstraí comentários familiares. Eu passei a me aceitar e a não me importar com o meu peso. E o resultado? Continuo me estrupiando na faculdade e no emprego, mas sou mais feliz. Tenho meu namorado, como minhas coisas, vivo minha vida e olha, tá tudo bem. Emagrecer não revolucionou minha existência, engordar não acabou com a minha vida. Tá tudo igual. Uns manequins mais acima e uns probleminhas para comprar roupa, mas tudo igual.

E entender isso, depois de 24 anos, é libertador.

Selene disse...

A única coisa que me incomoda um pouco nesse tipo de texto é a idéia de que só deve se fazer exercício físico por prazer.

Se exercitar regularmente, assim como estudar, nem sempre é a coisa mais legal do mundo, e é justamente por isso que exige disciplina.

É claro que um adulto pode e deve fazer o que bem entender com o seu corpo, mas, salvo engano, a autora do post diz ter 18 anos e até pouco tempo era uma adolescente.

E nesse período creio que é obrigação dos pais zelar pela saúde dos seu filhos e isso inclui observar se esses praticam ou não atividades físicas e até se mantêm uma alimentação saudável.

Dessa forma, por mais que um adolescente não goste de exercícios físicos, creio que se os pais entendem que estes sejam importantes, não cabe a ninguém julga-los como intolerantes.

Iara De Dupont disse...

Infelizmente o problema com a gordura alheia vai além da casa.Eu nunca tive problemas em casa,meus pais e irmão nunca me disseram nada,mas meus avós,tias,primos,e toda a família me lembrava disso,inclusive quando eu era criança e faziam questão de me lembrar o quanto brigadeiros em festa engordam.Uma das minhas tias uma ocasião tirou da minha mão um pacote de batatinhas,mas não fez por mal,quis apenas ajudar,assim ajudou mesmo a abrir uma ferida...
Mas nada me preparou para o mundo e não quero ofender ninguém,acho muito legal quem se aceita,mas o mundo não aceita quem é gordo e judia demais,eu sei por experiência própia,se pudesse mudar alguma coisa na minha vida mudaria meu peso,porque hoje entendo os caminhos que fui levada apenas por não ter o peso adequado.
Já passei por épocas de me aceitar,mas nem por isso o mundo mudou.A gordofobia é uma das maiores pragas do mundo e só os gays e os negros entendem o que os gordos sofrem..
Fazendo umas contas sou obrigada a dizer que perdi mais do que ganhei sendo gorda,simplesmente porque o mundo não aceita e não quer os gordos por perto.E toda aquela conversa de empresas que escolhem os magros e tal,pois é,é verdade,conheço os dois lados da moeda.
Passei anos estudando,me formei em Artes Cênicas e fui muito feliz no teatro,até que esbarrei na televisão e logo fui abortada,porque não era magra.Foi tão duro o massacre e minha resistência em me submeter as humilhações,vejam propagandas e novelas com gordas,são atrizes preparadas fazem coisas ridiculas e abaixo de sua capacidade,estão ali para que outro personagem se divirta as custas delas.Agora aparecem mais porque todos os diretores querem ser politicamente corretos,mas os bastidores são um pesadelo,os figurisnistas odeiam atores gordos e fazem questão de dizer isso...
Mudei então de profissão,fiz outra faculdade,pós disso,pós daquilo e olha só! Cai no mesmo buraco!Como pode ser possível isso,se não trabalho com a imagem?
Então todos os horrores vividos em anos de atriz,se repetiram em outra carreira! E tudo pelo peso.
O que teria sido mais simples?Se alguém tivesse me orientado anos atrás e tivesse me explicado como o mundo funciona,apenas isso,então eu teria escolhido entre emagrecer ou cair no mundo aceitando o que viesse.
Mas minha mãe sempre disse,a melhor coisa é se aceitar.Ah,mas isso não inclui o mundo te aceitar ,mas quem quer ser aceito pelo mundo?Bom,se voce não precisa trabalhar,não precisa ir atrás de um emprego,então o mundo que exploda,mas caso contrário o mundo mostra suas regras.
E hoje posso dizer tranquilamente,brigar com o corpo todos os dias,fazer dieta,malhar,fazer sacrificios,tudo isso é fichinha perto do que significa morar em um planeta que tem fobias de gordo.Uma dieta não é pior do que as surras que o mundo dá no gordo.
A pessoa é gorda e quer viver assim?Problema dela,a vida é dela,mas hoje eu digo o que nunca me disseram,ser gordo é ser um alvo de um ódio que não termina nunca e inclui vendedoras,médicos,familiares,as vezes amigos,namorados,patrões,colegas de trabalho,enfim,toda a humanidade...
O preço que se paga por ser gordo não está na balança,não está no peso,está na alma,que vai todos os dias sendo destroçada pelo mundo.
Dá pra viver assim?Dá,eu pelo menos ainda não emagreci o que deveria,mas posso jurar de pé junto,voce vive muito mal e me esforcei demais e sempre fui julgada pelo meu peso,por isso quando penso em gente gorda penso logo no preço que eles pagam por existir.A dor não está no peso,está no fato de existir em um planeta tão doente.

Anônimo disse...

Legal que esse discurso do 'eu me preocupo com sua saúde' é análogo aos dos onívoros quando alegam que 'comem carne por causa da b12'. MENTIRA, TUDO MENTIRA. As pessoas criam essas falácias pra poder julgar sem culpa. Pra poder se esconder atrás de um argumento demagógico, mentiroso (por que não se preocupam) e frágil.
Tem gente que não se conforma nem com a nomenclatura (gordofobia) acha que 'as pessoas estão ficando sensíveis demais'. Mas como disse uma blogueira ' quando um grupo oprimido chega a criar um termo para problematizar o opressor, é porque a coisa chegou a níveis críticos'. E SÓ NÃO ENXERGA QUEM NÃO QUER. A feminista cansada fez um post lindo sobre e colocou inclusive sites muito crueis que se aproveitam disso pra correlacionar suicídio à obesidade, quando na verdade sabemos que o problema não é esse.

Anônimo disse...

perfeito! eu sou a anônima que ela citou no comentário. e eu sou da turma da maromba assumida. e por que eu disse o que eu disse? porque na academia a gente vê gente aparentemente magra com percentual de gordura maior do que gente aparentemente gorda. gente que treina porque o médico obrigou por questões de saúde mesmo. esse papo de imc, peso na balança e afins não diz nada pra quem faz avaliação antropométrica. não me peso há uns 7 anos pq sei que vou me assustar com os números, embora eu saiba que músculos pesam mais que gordura.

e aí eu pergunto: por que ninguém enche o saco da "falsa magra" com 37% de gordura? simples, porque ela não aparenta estar gorda. e, pior, é o tipo de gordura que não aparece, que fica nos órgãos e mata bem mais do que a gordura aparente, aquela subcutânea que dá celulite, coxona... ou seja, se o argumento for puramente saúde, por que ninguém torra o saco da falsa magra?

já tá mais do que provado que pessoas com leve sobrepeso que se exercitam são mais saudáveis do que as magras sedentárias. e por que ninguém enche o saco das magras?

eu acho, SIM, que a pessoa tem primeiro que se amar. a lea t falou na marília gabriela que a terapeuta dela queria que ela se amasse inteira antes de fazer a operação de adequação sexual. e por quê? porque o primeiro passo é se amar.

ser obeso é saudável? não. vou sair pregando isso? não. vou dizer que a pessoa tem que se odiar até vestir 38? jamais. e isso que a autora do post falou é a coisa mais certa: qdo a pessoa se entende e se gosta de qualquer jeito, ela acaba emagrecendo porque percebe o que faz bem pra ela e escolhe coisas mais saudáveis. muita gente que engorda muito se pune com comida. é relação de ódio a si mesma. nem sente prazer na comida.

mas me entendam. isso não significa vestir 36, 34. a saúde da pessoa não está num número de roupa. claro que um obeso mórbido não está saudável. mas uma mulher que veste 42, 44, ou seja, a grande média brasileira, pode ter diagnóstico de saúde no olhômetro? difícil, viu.

a grazi massafera (assim?), aquela atriz, é magra até dizer chega e tava com colesterol alto. e aí? alguém faz matérias dizendo como ela tem que comer? fotografando ela comendo?

só mais uma coisa. 99% das dietas feitas por aí tão erradas. a mulher fica fraca, doente, com pele ruim, cabelo ruim... e tudo em nome de um peso na balança. isso é ERRADO. comer certo não é viver de salada. se alguém disser isso a alguém que queira emagrecer, FUJA. a gente não tem que ser fraca pra ser saudável! a maioria das dietas não funciona e todo mundo volta a engordar por quê? porque elas são erradas. dieta nem sempre é pra emagrecer e dieta saudável considera pouco o peso na balança.

e quem falou sobre academia ser lugar de policiamento, só digo que existe gente de todo jeito em todo lugar. na que eu frequento, aceitamos todo mundo igual. desde obesos, gente com problemas físicos, gente que lutou com câncer, gente vencendo pancreatite, periguetes, idosos... e eu nunca vi ninguém apontar ninguém. depende muito da seriedade dos profissionais. aliás, academia foi, pra mim, crucial pra que eu me aceitasse como eu sou. tenho 1,80 e sempre me achei grande demais, desajeitada demais. tive início de anorexia e tive bulimia. e lá aprendi a comer e a cuidar do meu corpo.

e a gente só consegue cuidar do nosso corpo prazer qdo a parte de dentro tá em paz. não acredito em dicotomia mente-corpo. somos uma coisa só, uma mistura de tudo. quem nega o corpo e fala:"mas tenho o interior bonito" tá fugindo de si. a pessoa tem, sim, que se gostar inteira. o corpo é que leva a cabeça pra passear. e o corpo não funciona sem a cabeça! ;-)

no meu caso, o policiamento agora é pq sou forte demais. mas isso não vem ao caso aqui. hahaha.

aiaiai disse...

To sem tempo, vou só dizer Clap, clap, clap. Parabéns, Ana. Você me faz ter mais esperança no futuro da humanidade!!!

LisAnaHD disse...

Falar sobre obesidade sempre causa alguma polêmica e nao raro séria polêmica. Uma vez comentei que minha mae pesava mais de 170 quilos, caiu no quarto, seis homens, sim seis homens, para levantá-la e conseguirem colocá-la na cama, entre eles o cara que veio com a ambulância. Comentei isso aqui e fui escorraça a mais nao poder como se meu relato fosse metira. Isso foi no ano passado. Minha mae morreu na primeira semana de janeiro 2012.

Ela me contou que aos 18 anos, qdo namorava meu pai, minha avó falou pra ele que ela era boa de garfo, gostava de comer... e meu pai disse que ele trabalharia o que fosse, etc. etc. Minha mae foi uma noiva linda e cintura fina, nao era gorda de modo algum mas nao era magriça como eu aos 18 anos. Minha mae teve todos os pesos a partir de 60 quilos para seu 1,60 de altura e fez muitos regimes com ou sem acompanhamento médico, mas assim como há viciados em bebida, em cocaina, em rack, minha mae o era em comida. E ela nao é a única da família... há vários casos de cirurgia bariátrica e há vários casos de obesidade mórbida.

Meu comentário, vou deixá-lo como que inacabado pq nao quero enfrentar o que enfrentei aqui, ano passado, qdo participei dos comentários resultados de outro post sobre obesidade. Meu IMC está em 31.

Samantha Pistor disse...

Lara,

Eu acho seu posicionamento um tantinho perigoso.

Primeiro porque trata o sobrepeso como uma característica mutável, o que nem sempre é o caso. Tem muita gente que tem metabolismo lento e será gordo, mesmo com todos os sacrifícios. Logo, a pessoa seria torturada por familiares e se torturaria a troco de nada.

Muita gente vê a homossexualidade como uma característica mutável (basta querer virar hétero, é fase, é revolta, é escolha, etc, etc), e esse argumento justificaria algumas atrocidades que os pais fazem com seus filhos, usando o argumento de que o mundo é um lugar cruel e que seria bom ele ser hétero para não sofrer preconceito.

Entendo seu ponto, mas acredito que a gordofobia impera porque ainda somos condicionadas a não nos auto-aceitarmos. A mídia, os ideias de beleza, as novelas, os papéis de atrizes plus size em filmes e novelas, tudo é feito sob medida para nos mantermos no eterno ódio ao corpo.

Agora se fomos condicionadas a nos aceitar e não a nos odiar, creio eu que aos poucos podemos mudar esse quadro.

Huan Icaro Piran disse...

Anonima 13:01

Perfeito! Perfeito!

É uma coisa que já comentei com minha noiva (sedentária, magra também) algumas vezes (ela tem histórico familiar de problemas do coração), que ser magra não é sinônimo de ser saudável. Mas ela não esta nem ai, por mais que me doa saber que isso vai ser algo que ela vai um dia se arrepender (ou não, ela é tão teimosa quanto eu), tenho de respeitar a escolha dela.

Meu irmão tem 5 kg a menos do que eu, temos ambos exatamente 1,84, ele tem 4% de índice corpóreo de gordura e pareço ser bem mais magro que ele. Isso se dá pelo kendo ter fortalecido algumas das musculaturas do meu corpo como tríceps e para-costal enquanto ele passou 2 anos sem praticar atividades por conta de uma fratura múltipla na perna.
Contudo ele logo volta a ficar em forma enquanto eu continuo aqui patinando...

Antes do kendo eu tinha um índice levemente alto de colesterol, mesmo sendo magro que é uma ripa. Isso por minha família me pressionar a engordar a todo custo, alegando que eu "comia mal e pouco" e não foi comendo coisas pesadas e gordurosas em quantidades excessivas que me fez ganhar peso, mantive o mesmo peso e arrisquei minha saúde...

É bom saber que você se aceitou, sendo alguém alta para os padrões ditos médios (puta hipocrisia) e com uma estrutura grande. Aceitar-se é o melhor!

Anônimo disse...

hahahah, acabei de ver no jornal hoje - barriga dá 3x mais chance de morte por problemas cardiovasculares do que estar acima do peso. todo mundo começando a aceitar que peso e tamanho não são nada pra medir saúde.

Huan Icaro Piran disse...

Anonima 13:01

Alias, infelizmente há locais onde academia acaba servindo de sinônimo de policiamento. Eu irei ver uma hoje, pois outras duas onde fui não me senti nada a vontade, principalmente por conta de uns comentários de uns playbas do jiu-jitsu quando comentei sobre o kendo...mas isso porque eu sou pavio curto, então prefiro evitar a fadiga.
Mas ao que parece essa onde estarei indo é super bacana ^^

Maiê F. Rezende disse...

Eu sempre fui gorda, até na época em que estive com menos peso não era magra o suficiente para os padrões dos outros.

Mas o patrulhamento do peso não é nada comparado ao do cigarro. Eu nunca fumei, mas outro dia fui comprar cigarro para minha irmã e nos 30 metros que separavam a lanchonete do carro fui abordada duas vezes por pessoas que vieram me informar que ia morrer ao me ver com três maços de cigarro na mão.

Assim como o gordo sabe que é gordo, o fumante sabe que cigarro faz mal. Claro que quero que minha irmã pare de fumar um dia, mas é uma decisão dela. Pressionar não vai fazer com que aconteça...

Eu concordo com o primeiro Anônimo, existe uma necessidade geral de cuidar da vida dos outros. E é realmente engraçado como ninguém que se dispõe a fazer isso parece dar conta de cuidar da própria vida.

Gabriela disse...

Pois é.É isso mesmo.Esse povo não tá nem aí pra ninguém.É só preconceito mesmo.Eu não estou acima do peso e nem nunca estive por isso não posso falar por mim sobre esse assunto.Mas eu acho q de alguma forma todos já formos discriminados.Tente fazer uma pessoa comum entender q depressão é uma doença.Não é segundo elas.É falta de vergonha na cara.O meu ponto é q a patrulha da vida alheia não têm limites.Atira para todos os lados.E a culpa é nossa claro!Só é gordo quem quer.Só tá doente porq quer.

Ana disse...

OMG!
Abro o blog da Lola pra ver o que tem hoje e TA-DA: é um guest post meu!
Ahaha, certo, fiquei bem feliz. Obrigada pelo espaço, Lola :)

E obrigada também a todos que leram e estão comentando :D Obviamente estou aqui lendo tudo, adorando a troca de experiências, e feliz que o texto tenha atingido tanta gente =]

@11:10
"Os amigos que tínhamos em comum, minha família e até a família dele me enchiam o saco dizendo que eu deveria "mandar ele emagrecer"!"

Sim, como se um parceiro tivesse que controlar o peso do outro - já que né, se tem uma pessoa pra qual a sua estética importa, é a pessoa que se relaciona sexualmente com você. Tem que cuidar do corpo direitinho, senão a atração do casal some! (porque nada mais alimenta a paixão, só o corpo).

Vejo dessas aqui também, e sinceramente, me racha a cara isso...

"deixamos de frequentar lugares como praias, clubes e até uma cidadezinha no interior que tanto gostávamos e que tem belas cachoeiras. Tudo pq ele tinha vergonha de tirar a camiseta. Parou de jogar o futebol dele tbm por tinha vergonha do corpo."

Eu parei de jogar futebol depois que a minha mãe me disse que pra uma 'abóbora' que nem eu aquilo era impossível. Parei porque dali pra frente eu não conseguia mais correr na frente dos outros, ficava com vergonha do que eles iam pensar.

O pior de tudo é que né, o futebol era uma atividade física (e de interação social) que eu gostava e que podia ter levado a diante numa boa. Ia, inclusive, me ajudar a cuidar do peso. No fim foi um baita tiro pela culatra o que a minha mãe disse, haha.

É bem isso aí, quanto mais noiado com o corpo se é, mais vergonha se tem - e aí some a disposição pra fazer inclusive coisas de que se gosta muito. Uma pena, completamente injusto.

Mas fico feliz de saber que vocês estão voltando pros eixos! :)

@adelia
"o inverso ocorre qd emagreco alguma coisinha mais visivel. muitos elogios. parabens, vc esta OTIMA!! poxa, esses elogios me fazem sentir pessima. eu nao estava otima antes? como assim?"[2]

Curiosamente, emagrecer nunca é ruim. E dane-se que você pode estar mais infeliz, você está mais bonita, olha que coisa maravilhosa!

@Priscila
"Eu sou sempre da opinião que o que leva muita gente a engordar é a própria pressão pra emagrecer."

A pressão lá em casa começou mesmo quando eu entrei na pré adolescência, uns 9-10 anos. Esses tempos atrás eu achei uma foto minha da época, nos dias em que eu ainda ia pra praia.

Gente, ma caiu os butiá do bolso.

Eu não era gorda. Eu era magra. Tipo, magra, magra mesmo.

Isso me fez pensar num bocado de coisas. Porque raios fizeram pressão em mim? Eu tava bem. Fiquei sem dúvida muito pior depois que me convenceram que eu era gorda.

Nem Freud explica.

Ana disse...

@Huan
"Certamente a Ana é uma das pessoas que mais admiro aqui nos comentários do blog, tanto pelo conhecimento quanto pelas sensibilidades em compreender as pluralidades."
OHOHOHO Valeu! (mas agora vão achar que você é meu fake me dando apoio! kkkk)

"Eu tive problemas com isso também, não pelo sobrepeso, mas por ser excessivamente magro (1,84 com 58kg), algo que sempre me rendeu chacotas na escola e posteriormente comentários maldosos."

Eu tive um colega na escola que era beeem magrinho - aliás, não só magro, ele era pequeno. De magro tinha outro também, mas esse tinha quase 2m de altura, então ninguém dizia muita coisa - alto, imponente, a galera deixava passar. Mas o pequeno, esse sim, era zoado.
Como ele era justamente da turma que ria de todo mundo, não sei se ele ligava muito; mas às vezes me pergunto como era pra ele lidar com o clima de 'desmoralização' ao redor. Me irrita um pouco que eu não tenha feito nada sobre o assunto na época. Mas eram dias nos quais esse tipo de coisa ainda era complatemente normal pra mim (tanto que mesmo sofrendo na pele com a patrulha dos outros, não atinei e me colocar no lugar dele).

PS: você já tinha dito antes que faz kendo, mas eu deixei passar. Oh well, digo agora: caraca véi eu acho isso tão maneiro!#prontofalei

@Aline
"Esse processo está me deixando ainda mais infeliz, mas estou tentando não desistir. As vezes eu sinto TANTA VONTADE DE COMER ALGO que até sonho com isso...
Coisas que eu seii que engordam muito, como lanches do mcdonalds, chocolates e doces.
E as pessoas não ajudam, ficam me oferecendo coisas, me dando doces, que saio distribuindo por ai..."

Oi, eu já estive aí. As mesmas pessoas que me chamavam de gorda pelas costas faziam um barraco se eu recusava um doce.

Olha, você está tão infeliz, que eu diria que talvez você deva pensar se quer mesmo fazer dieta. Não sei, pode ser que a questão não seja essa.

De qualquer maneira, se você vai continuar, não ignore completamente sua vontade de comer 'porcarias'. Porque só vai ficar pior, e por mais paradoxal que seja, não comer essas coisas vai minar sua dieta. Tente comer um pouquinho só, e de vez em quando, só o suficiente pra matar a vontade. Acho que é esse o conselho que posso te dar.

Só me dói que você esteja se cobrando tanto e se sacrificando tanto. Ainda que você queira perder peso, hoje eu não vejo mais porque fazer isso de um jeito doloroso - e assim, se você só está sofrendo, que bem a dieta te trouxe?? D:

O essencial do essencial é estar bem, não perca isso de vista!

Aline disse...

Eu bem que queria me sentir bem comigo mesma, mas não consigo. Olho fotos antigas e choro...

Natasha disse...

Bem, concordo que ficar dando o bedelho na vida alheia por causa de peso é uma porcaria, principalmente em relação a homens/mulheres que são saudáveis mas não são capa de revista, que criou uma sociedade totalmente alienada sobre padrões corporais.
O peso É sim um grande problema na sociedade moderna. Anorexia, bulimia, obesidade, distúrbios da alimentação são sérios. Esse papinho de se ame como vc é não se aplica para uma pessoa de 1,70 pesando 140 quilos ou com 30 quilos! Pessoal, devemos ser honestos. Existe uma grande diferença entre um leve sobrepeso/ser um pouco magr@ demais com ser obeso e ter anorexia/bulimia. Certos comportamentos alimentares, estilos de vida são muito perigosos.
Muitas pessoas morrem decorrentes de distúrbios alimentares mal-tratados, sendo os mais populares a anorexia e a obesidade, esse último que anda afetando populações enormes a fio. Quase 35% da população americana é obesa e no Brasil não é muito diferente.
Não tem problema ser um pouco acima do peso, ou um pouco abaixo. Ninguém veste aqueles photoshops de revista. Aquelas imagens são irreais, como as modelos na passarela pouco saudáveis.
Mas é muito importante cuidar da saúde quando esses aparentes distúrbios aparecem, é muito perigoso e pode levar até à morte.

Natasha disse...

Bem, concordo que ficar dando o bedelho na vida alheia por causa de peso é uma porcaria, principalmente em relação a homens/mulheres que são saudáveis mas não são capa de revista, que criou uma sociedade totalmente alienada sobre padrões corporais.
O peso É sim um grande problema na sociedade moderna. Anorexia, bulimia, obesidade, distúrbios da alimentação são sérios. Esse papinho de se ame como vc é não se aplica para uma pessoa de 1,70 pesando 140 quilos ou com 30 quilos! Pessoal, devemos ser honestos. Existe uma grande diferença entre um leve sobrepeso/ser um pouco magr@ demais com ser obeso e ter anorexia/bulimia. Certos comportamentos alimentares, estilos de vida são muito perigosos.
Muitas pessoas morrem decorrentes de distúrbios alimentares mal-tratados, sendo os mais populares a anorexia e a obesidade, esse último que anda afetando populações enormes a fio. Quase 35% da população americana é obesa e no Brasil não é muito diferente.
Não tem problema ser um pouco acima do peso, ou um pouco abaixo. Ninguém veste aqueles photoshops de revista. Aquelas imagens são irreais, como as modelos na passarela pouco saudáveis.
Mas é muito importante cuidar da saúde quando esses aparentes distúrbios aparecem, é muito perigoso e pode levar até à morte.

Anônimo disse...

Lola, não tem a ver com o post, mas dê uma olhada nesse artigo do bule sobre estupro de homens na África. Acho que merece uma divulgação que o seu blog sempre dá. Impressionante, brutal.

http://bulevoador.com.br/2012/08/36899/#more-36899

Anônimo disse...

Sei q nao tem nada a ver com o post, mas ja q duas pessoas comentaram, coloco aqui o link de outro portal com a noticia sobre o estupro das adolescentes. Os comentarios aqui estao piores que os da globo.

http://noticias.terra.com.br/brasil/noticias/0,,OI6105885-EI5030,00-BA+grupo+de+pagode+e+suspeito+de+estuprar+duas+adolescentes.html

Ana disse...

@Selene
"(...)creio que é obrigação dos pais zelar pela saúde dos seu filhos e isso inclui observar se esses praticam ou não atividades físicas e até se mantêm uma alimentação saudável.
Dessa forma, por mais que um adolescente não goste de exercícios físicos, creio que se os pais entendem que estes sejam importantes, não cabe a ninguém julga-los como intolerantes."

Oi :)

Só pra esclarecer alguns pontos:

O motivo pelo qual minha mãe sempre pegou no meu pé ela mesma diz: 'não quero que você passe pelo o que eu passei'.

Minha mãe é baixinha e gordinha, e se odiou a vida inteira por isso, aliás, continua se odiando até hoje. Ela enfiou na cabeça dela que se você não é magro, não é bonito e nunca vai ser feliz. E aí pra me livrar dessa triste sina, ela passou a me policiar. Como eu disse no post, eu entendo e até posso concordar.

Mas assim, quando uma mãe da área da saúde que passou a vida inteira te educando 'não tome remédio pra emagrecer porque isso é muito perigoso' chega em casa e te oferece shake emagrecedor de farmácia, as coisas começam a ficar complicadas.

Antes que alguém ache que sou obesa e/ou tenho sérios problemas de saúde, não, não tenho. A única justificativa plausível pra emagrecer, no meu caso, é sim puramente estética. Minha mãe não está, nunca esteve, afim de que eu fizesse exercício pra ser saudável. A conversa nunca foi 'ei, você está muito parada, que tal se mexer um pouquinho?'; era sempre 'minha filha, você tem que emagrecer, olha esse rosto que coisa redonda'. E eu ainda ouvi coisas do tipo 'uma gorda que nem você numa quadra de futebol, mas só se for a bola, né!', que eu acho muito difícil de interpretar como um incentivo pra fazer exercício.

Dizendo essas coisas eu imagino que todo mundo entenda 'puxa, ela odeia mesmo a mãe!'. Eu nunca disse isso. Também não acho que ela esteja sendo cruel, ela não está - Ela simplesmente internalizou todo o tipo de besteira que disseram pra ela e agora passa isso pra mim. Sinceramente, minha mãe é só a vítima aqui. Nunca na minha vida fui tão infeliz quanto nas fases em que acreditei nesse discurso, só imagino como foi pra ela viver uma vida toda assim nem ninguém pra mostrar outra opção.

Eu tenho parentes que são magros de ruim, que comem tigelas de doce de colher (minha avó por exemplo), que não fazem nenhum tipo de exercício, e dos quais ninguém fala. Porque a questão aqui nunca foi saúde, num foi bem estar, sempre foi estética fantasiada de preocupação.

Se minha mãe me incentivasse a não ficar parada só porque eu tenho que me mexer e isso faz bem pra saúde, tudo bem. Mas nunca foi assim, nem uma vez sequer.

Ok? :)

Anônimo disse...

Deixem nós os gordos em paz,sabemos que somos gordos já fizemos o calculo do IMC,se vc não nos acha bonitos problemas seu eu me acho linda!Isso independe de ser magra ou gorda é uma questão pessoal.Essa perseguição com o peso é tão grande que pessoas com IMC normal mas com pneuzinho já são chamadas de gorda por não ter barriga de tanquinho.Ser magro é legal e ser gordo também.Agora que estou me aceitando gorda estar muito mas facil emagrecer pois ser feliz nos da força para mudar habitos.E vc perseguindo os gordos os deixa infeliz e irritados .

Huan Icaro Piran disse...

Realmente Natasha, mas tem gente por ai praticando Buling com isso e ai que nasce o problema

Anônimo disse...

huan, agora é ok ser altona e musculosa. mas eu fui uma criança muito triste. a mais branca, a mais alta. e aí sempre rolava nas aulas de educação física aquela coisa de correr e passar por obstáculos que os profs inventavam. as crianças passavam por baixo daquelas cadeiras escolares facinho. pra mim, era uma tortura, um medo de sair carregando a cadeira feito uma tartaruga com casco... fugi de educação física até a universidade. ficava tão nervosa que minha pressão sempre caía.

academia me ajudou demais. é o que me deixa em pé e o melhor remédio pra minha depressão que não responde a quase nada.

como falei, hj vem gente falar que tô forte demais. mas hj isso não me afeta. eu só acho incrível como um estranho chega e fala alguma coisa sobre MEU corpo. cejura que ainda não vi o tamanho dos meus bíceps no espelho? hj eu fico de cara e rio.

o foda é que, se vc treina, tem qeu ser esquema panicat, não treinar superiores... enfim, a mulher tem sempre que ser como alguém disse que deveria ser. pra esses, dou meu belo foda-se.

LisAnaHD disse...

"eu acho, SIM, que a pessoa tem primeiro que se amar. a lea t falou na marília gabriela que a terapeuta dela queria que ela se amasse inteira antes de fazer a operação de adequação sexual. e por quê? porque o primeiro passo é se amar . . . qdo a pessoa se entende e se gosta de qualquer jeito, ela acaba emagrecendo porque percebe o que faz bem pra ela e escolhe coisas mais saudáveis. muita gente que engorda muito se pune com comida. é relação de ódio a si mesma. nem sente prazer na comida. . . a gente só consegue cuidar do nosso corpo prazer qdo a parte de dentro tá em paz. não acredito em dicotomia mente-corpo. somos uma coisa só, uma mistura de tudo. quem nega o corpo e fala: "mas tenho o interior bonito" tá fugindo de si. a pessoa tem, sim, que se gostar inteira. o corpo é que leva a cabeça pra passear. e o corpo não funciona sem a cabeça!
27 de agosto de 2012 13:01

Muito bom, muito bom o que acabamos de ler. Dia desses dei por pensar que sao tantas as sugestoes que podemos ler em livros de auto-ajuda e pra mim todo livro tem algo de auto-ajuda por isso vivo com a cabeça no mundo do abecedário,das letras, e até entao esse é o meu blog escolhido para auto-ajuda entre outras ajudas. Decidi criar meu autopensamento específico para entrar na onda auto-ajuda e está dando muito certo. Todas as manhas, ao abrir os olhos, me pergunto: - O que posso fazer hoje exclusivamente para mim e para o meu bem? (sem prejudicar outrem, claro). E passo o dia melhorando meu viver. Antes de dormir, dou uma repassada mental no que fiz de bom pra mim mesma por mim mesma. Emagrecer que eu quero, ainda nao... mas estou me empenhando e acho que primeiramente tenho de botar ordem no interior, meu e da casa.

Gabriele Albuquerque Silva disse...

Perfeito!

Nunca havia tido "problemas" com peso até recentemente. Estive meio sedentária nos últimos anos por uma série de razões, ganhei vários quilinhos, mas ainda estou MUITO longe da obesidade. Só que me irrita profundamente o destaque que as pessoas fazem sobre isso, todo o alarde... Já fui no médico e minha saúde está "ótima", nas palavras dele. Mas tive até que ouvir piadinha irônica repetitiva de vizinha de que eu devia estar grávida ¬¬... me deu raiva, fiquei me sentindo mto mal nesse dia... até pretendo emagrecer um poquinho, no meu tempo, mas sem me matar por isso, reconheço que devo fazer mais atividade física e não exagerar na junk food, pra prevenir problemas conforme a idade for avançando. Mas odeio esse policiamento todo! Gosto muito do meu corpo!

Selene disse...

Infelizmente eu tenho que concordar com a Iara. É muito difícil ser feliz, quiçá se aceitar (especialmente quando adolescente), gordo na nossa sociedade.
É inegável que a pressão para atingir um padrão de beleza é extremamente igualitário - todos, sem exceção, são alvo dessa pressão para ser infeliz consigo mesmo.
A indústria de beleza precisa disso para faturar (E eu suspeito que a mídia e o sistema gostem que a gente perca mais tempo se preocupando com as rugas que surgirão nas próximas décadas do que com, sei lá, política - alguém mais se lembra da acepção da palavra “idiota” ?-afinal, gente alienada = povo feliz.)
Só que quando você é gordo, a pressão deixa de ser subliminar, sutil, subjetiva e passa a atingir diretamente a vida de quem sofre com isso.
Só para começar, sua capacidade de autocontrole e disciplina são questionados, afinal, quem não consegue se manter magro é desleixado e não cuida do próprio corpo, então o responsável pelo setor pessoal da empresa X não vai querer te contratar. Já que além de não ser uma pessoa confiável (porque você é gordo), você provavelmente é uma bomba relógio ambulante que vai ter um problema de saúde a qualquer momento e, consequentemente, onerar a empresa.
Se relacionar amorosamente também é uma praga, principalmente quando se é jovem, porque todo mundo vai fazer questão de esfregar na sua cara que você não merece nem é digno de um relacionamento. Ficar é difícil, ser considerado bonito é quase impossível, ser paquerada uma raridade (a não ser, claro, no final da noite quando a outra parte estiver bêbada e atirando para todos os lados ou caso ele queira fazer uma gracinha. Já ouvi gente se referir a mim dizendo que ia pegar a gordinha).
Eu sou uma mulher com um fenótipo extremamente almejado na nossa sociedade, olhos azuis, cabelo loiro natural, pela branquíssima e corpo violão, mas isso nunca foi garantia de romance enquanto eu era gorda. Só passei a ser paquerada depois que emagreci.
Aliás, eu só consegui beijar pela primeira vez aos 22 anos, tamanho o trauma que ser gorda (e como mulher, meu corpo é propriedade pública) me proporcionou.
Ter a alimentação controlada pelos outros, falando nisso, também é uma cruz. Meu pai chegou a bater em mim quando eu era pré-adolescente por achar que eu estava comendo algo engordativo (e eu estava comendo um pedaço de queijo branco, que fazia parte da minha dieta de emagrecimento).
Sei lá, acho que sou fraca, mas são tantas desvantagens que me faltam forças para lutar. Mais vale fazer dieta e me manter dentro de um bom peso do que enfrentar um mundo que não é feito para gordos.
Perdoem-me por esse monte de ideias desconexas e mal escritas. Só queria aproveitar o tópico para desabafar.

Huan Icaro Piran disse...

@Ana

Mais fácil o contrario, o nome Huan Icaro Piran pode ser localizado facilmente no google '-'

xP

O kendo é divertido, tenho o maior orgulho de treinar (mesmo que eu quase morra tentando) jehwakhkjehwak

Huan Icaro Piran disse...

Sobre as questões de estupro masculino, não é novidade a ninguém.

Faço questão de levantar a bandeira toda vez que comentam sobre violências sexuais. Sem mais por hora, pois não é o enfoque desse post.

carolinapaiva disse...

Natasha

Distúrbios alimentares ocorre com quem tem problemas em aceitar-se como é. O primeiro passo é fazer a pessoa se mamar, para que perceba o mal que está fazendo a si mesma.
Se amar é fundamental para querer ser saudável.
É claro que nós só queremos o bem das pessoas queridas, mas é importante que essa preocupação seja expressa da forma correta, para que não machuque a pessoa e, principalmente, para que não afete sua saúde mental.

carolinapaiva disse...

errata: "pessoa se AMAR" e não "se mamar". xD

Ana disse...

@lara De Dupont
"O que teria sido mais simples?Se alguém tivesse me orientado anos atrás e tivesse me explicado como o mundo funciona,apenas isso,então eu teria escolhido entre emagrecer ou cair no mundo aceitando o que viesse."

Sabe de uma coisa, você é igualzinha minha mãe falando! É exatamente isso aí, ela vive me dizendo que minha avó nunca ensinou ela a cuidar do peso e por isso ela foi infeliz e não quer que o mesmo aconteça comigo.

Olha, eu não tiro tua razão. Mesmo!

Mas a meu ver tem um problema enorme aqui, que é o seguinte: se tem alguém que está errado, não é você, não é sua mãe, é quem trata gordos mal.

Se todos fossem como sua mãe, e soubessem que as pessoas merecem respeito e podem se aceitar, você não teria passado por nada disso. Eu entendo, eu juro que entendo que deve ter sido horrível. Mas eu tenho que dizer, se tem alguém com um problema aqui, é o mundo gordofóbico.

É simplesmente inaceitável que uma pessoa passe por todos esses problemas só porque os outros não sabem cuidar do seu próprio umbigo! Aliás, você mesma já disse, o problema é o 'planeta doente'.

Só que né, ninguém se dá conta disso - todo mundo acha que o que mais faz alguém infeliz é a gordura, quando na verdade o que nos faz infeliz muitas vezes é o tratamento que recebemos por causa dessa gordura.

Talvez sua mãe soubesse como o mundo é injusto e tenha tentado te fortalecer, te deixar mais segura de si mesma dizendo que o importante é se aceitar. Complicado dizer isso porque né, se tem alguém que pode falar da sua mãe é você e não eu - talvez ela realmente tenha pisado na bola...

De qualquer maneira, eu acho absurdo que as pessoas tenham uma lista de pré-requisitos pra poder viver em paz. Que que é, agora a gente tem que dizer pr@s filh@s 'Seja magr@, porque o mundo odeia gordos' - Ah, dá licença, mas todo mundo merece respeito, e quem não sabe disso tá na hora de rever uns conceitos.

Não sei, as coisas parecem tão tortas pra mim. Olha todo esse sofrimento, e pra quê?? Você e mais um monte de gente passam a vida se sentindo mal e sendo injustiçados enquanto um bando de manés que não sabem o mínimo de convivência em sociedade ficam numa boa.

Não me conformo.

É uma coisa cuidar da saúde; e é outra bem diferente viver num mundinho onde a pessoa simplesmente NÃO PODE por motivo ALGUM ser gordo ou vai ser mal tratado a vida inteira. Ridículo isso...

Eu queria muito ter alguma coisa boa pra te dizer, mas a única coisa que me vem a cabeça é que se você passou por isso, é porque TÁ TUDO ERRADO.

Anônimo disse...

eu sempre gostei de fazer exercício, mas odiava a academia por causa da "patrulha do corpo perfeito". Quer saber uma incoerência? Se a pessoa está lá pra fazer exercício, ela (teoricamente) está lá para se cuidar, algum objetivo ela tem, não? Ou seja, não encha o saco, ela já tá lá fazendo alguma coisa que era pra ser prazerosa, não?

não interessa se você é cheiinho, gordinho, gordão. Se você não é sarado da academia, vai ser alvo da patrulha DENTRO DA ACADEMIA. Eles vão te olhar torto, vão te passar dieta, suplemento, e o escambau.

Ou seja - a patrulha te manda pra academia e, na academia, a patrulha te manda sofrer como eles! Por isso que eu mando a patrulha é pra p... hehehe

Selene disse...

“A pressão lá em casa começou mesmo quando eu entrei na pré adolescência, uns 9-10 anos. Esses tempos atrás eu achei uma foto minha da época, nos dias em que eu ainda ia pra praia.

Gente, ma caiu os butiá do bolso.

Eu não era gorda. Eu era magra. Tipo, magra, magra mesmo.”
Ana, aconteceu exatamente a mesma coisa comigo! Quando eu emagreci de verdade (perdi 30 quilos), demorei muito, muito tempo para aceitar que estava magra. Isso se devia basicamente ao meu irmão, que repetia o tempo inteiro que eu estava/era gorda.
Hoje, após ter engordado 10 quilos (que estou perdendo bem devagarinho, sem me privar de comer nada que eu gosto , fazendo reeducação alimentar e exercícios) meu irmão agora me persegue com fotos antigas daquele período, mostrando o quão magra eu estava e como era bonita naquela época. Ou seja, o objetivo é meramente a perseguição pelo prazer de incomodar.
“Não tem problema ser um pouco acima do peso, ou um pouco abaixo. Ninguém veste aqueles photoshops de revista. Aquelas imagens são irreais, como as modelos na passarela pouco saudáveis.
Mas é muito importante cuidar da saúde quando esses aparentes distúrbios aparecem, é muito perigoso e pode levar até à morte.”
Eu sempre fico em dúvida em relação a isso. Por um lado, eu sei que a atitude da sociedade em relação aos gordos é quase criminosa, mas por outro, é inegável que obesidade e sobrepeso podem levar a problemas de saúde, ou até agrava-los.
Creio que a gente sempre deve estimular as pessoas que a gente gosta a se cuidarem e tenho plena convicção de que as famílias tem direito o obrigação de zelar pela saúde de seus filhos menores de idade. Se uma criança ou adolescente só come alimentos não saudáveis e não se exercita, ninguém pode reclamar da intervenção familiar.
O problema é a forma como isso é feito. Meu irmão, por exemplo, repete com minha irmão mais nova o comportamento torturante de falar o quanto ela é feia, gorda, come demais,etc.
Só que isso só deixa a menina mais frustrada e ela acaba descontando justamente na comida.
Aliás, esse comportamento é tão pernicioso que às vezes eu me pego querendo controlar o corpo dela.
Só que além de não emagrecer, vai ficar frustrada, com a auto estima no pé e deprimida.
Acho que o correto seria meus pais controlarem a alimentação dela e proibirem que coisas gordurosas entrem em casa, mas sem mencionar a questão da aparência ou dizendo que isso acontece que ela estar gorda. Alimentação saudável para crianças deve simplesmente ocorrer visando à saúde, oras.

Ana disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Muito triste ler os comentários de gente que sofre com isso. Agora sabe, sei que no caso do cigarro não afeta em nada a autoestima da pessoa viu. Só era chato pra caramba. Mas pensando bem, novamente com o paralelo d cigarro, às vezes acho que quem critica o gordo (não a mãe-pai q preocupa mesmo), será que não tem muitos que fazem só porque é permitido mesmo, que vc está numa posição em que é permitido se meter na vida do outro por prazer? Porque sabe, embora o problema seja estética, será que todos que se metem na vida do gordo gostaria q a pessoa perdesse peso mesmo e ficasse dentro do padrão? As vezes tenho impressão que quem critica o gordo, e tb neste caso o fumante, nem conhece a pessoa, às vezes nem quer bem a pessoa não.

Talvez seja um modo indireto do poder que lhe é conferido para condenar o outro. Porque lhe é permitido este poder, simples assim. è permitido dizer indiretamente "seu gordo" e condenar.
Será que não? Porque, convenhamos, estas pessoas, que muitas vezes não nos conhece e nos dá alguma "dica" pra parar de fuma-ser gorda etc..quer realmente que sejamos magras? saudáveis? etc? não sei não...

(Vivi)

Vitória Arantes disse...

Eu acho que o preconceito contra pessoas acima do peso - ou que as vezes nem estão, são saudáveis, mas não se encaixam nos padrões de magreza e "saúde" do senso comum - se assemelha de certa forma ao machismo. São dois preconceitos velados e que passam desapercebidos por muitas pessoas. Quando se fala de racismo, por exemplo, ou de homofobia, todos concordam que estes preconceitos existem e são fortes na nossa sociedade. Talvez nem sempre concordem nas aplicações dessa discriminação, como nos casos das piadinhas que perpetuam o comportamento racista e homofóbico e nas manifestações linguísticas perjorativas, como "bicha", "viado", "maricas", "neguinho", "pretinho" e por ai vai. Mas de uma forma geral esses preconceitos são mais reconhecidos, talvez porque haja mais discussão sobre eles. Mas quando se fala de machismo e gordofobia muita gente acha que é exagero, que isso não existe mais (no caso do machismo), e que estamos distorcendo a realidade.
Temos que continuar mostrando às pessoas o quanto determinados comportamentos são preconceituosos, porque assim como "A forma mais comum pela qual as pessoas abrem mão de seu poder é achando que elas não o possuem" (frase de Alice Walker mostrada no ótimo documentário Miss Representation / tradução minha), a forma mais comum pela qual as pessoas praticam o preconceito é ao achar que não o estão fazendo. Conhecimento e consciência são peças-chaves para combater qualquer preconceito.
Ótimo post, parabéns à autora. ;D

Anônimo disse...

@ LisAnaHD

eu já reparei que só fico insegura com meu corpo qdo alguma coisa na cabeça não anda bem. ok, sou louca por exercícios, mas tbem tenho estrias, por exemplo. nunca ligo pra elas. dia desses, me vi pesquisando na internet como melhorá-las. oi? uma coisa que nunca me atrapalhou em nada? por que agora? acho ok fazer tratamento. mas eu sou super branca e elas quase não aparecem. além disso, pra tratar, eu teria que parar de malhar durante o tratamento. ou seja, pararia algo que me faz bem.

aí fui pensar:"gente, mas por que agora?". e vi que eu tava insegura em outras áreas. não era o corpo o meu problema.

então é assim, minha depressão dá umas puxadas no meu pé às vezes e eu sinto alguns sintomas com insegurança sobre meu corpo.

qdo percebo isso, me imagino falando comigo mesma:"então bora lá arrumar essa cabeça e ficar bem?". me pego no colo, enxugo as lágrimas e toco a vida pra frente.

fique bem, tá? e, qdo resolver emagrecer (que eu acho que vc vai aos poucos só de botar a cabeça em ordem), por favor, não faça dietas loucas... procure um nutri bom.

um beijo grande.

Mirella disse...

Ana é porreta.



bom, não tenho muito o que comentar, na verdade. Fiquei aqui pensando em várias coisas para acrescentar, mas não consegui.
Em resumo: a vida é minha e quem nela tenta se meter se arrepende. Nunca mais vou me impedir de fazer algo pensando se eu fosse outra pessoa. Esta sou eu, a única pessoa da qual depende minha felicidade. Aprendi que o único obstáculo que me impediu de curtir a vida não foi minha pança, fui eu mesma.

Anônimo disse...

Concordo com a Mayara ao discordar da Vivi sobre a cobrança aos fumantes.
Diferente de ser gordo, feio, usar salto, usar maquiagem demais, desleixada, etc; o fumante, quando pratica o vício perto de outras pessoas, impõe à elas os malefícios do cigarro. Então tenho todo o direito de reclamar quando alguém fuma na minha frente, só não o faço porque temo ser agredida - tem gente que agride por apenas um olhar mais demorado.
Detesto quando fumam em filas, por exempllo. É um desrespeito muito grande.

Anônimo disse...

@lara De Dupont
vc fala que a solução pros gordos deixarem de sofrer é emagrecer e quanto aos negros (q vc menciona) qual a solução?

Maíra disse...

Excelente post.
Sei bem o que é passar por essa gordofobia, senti isso na pele durante toda a minha vida! Desde criança sempre fui mais gordinha, tive um corpo até normal na adolescência, porém, meu pai sempre fazia questão de dizer que eu precisava emagrecer. Hoje eu vejo que eu era magra aos meus 18 anos (1,64 e pesando uns 62kg), mas meu pai não me deixava enxergar isso. Acontece que eu engordei pra valer depois dos meus 20 anos, cheguei aos 93kg, o que tornou minha vida um pequeno inferno, minha estima foi parar no chão e as críticas da parte do meu pai só aumentavam (isso porque moramos em cidades diferentes!). Nunca consegui gostar do meu próprio corpo, emagreci 14kg do ano passado para cá e foi muito bom, confesso, mas ainda tenho problemas sérios com minha auto estima. Hoje consigo enxergar que meu pai sempre teve problemas com minha imagem, acho que ele sempre sonhou em ter uma filha magra, bonita e popular, e como eu nunca fui assim (não sou feia, mas como sempre fui gordinha isso se destacava), ele sempre encontrou uma forma de me criticar. E isso é um problema de família: todos na minha família paterna são assim, acabam com a raça dos gordos, é um bullying eterno! Isso sempre me chateou e me revoltou e nunca vou conseguir entender o motivo das pessoas não cuidarem de suas próprias vidas e deixarem os outros em paz! Já perdi as contas de quantas vezes ouvi "você é bonita, mas se emagrecesse seria muito mais". Ok, eu realmente acho que estou mais bonita agora que emagreci, não minto, mas emagrecer partiu de mim, foi uma decisão minha, e é assim que tem que ser! Ninguém tem nada a ver com isso e ninguém tem o direito de minar a auto estima de outra pessoa! Por que os magros sentem tanto prazer em detonar os gordos? O que ganham com isso?

Bjs!

Anônimo disse...

Huan disse:
"Sobre as questões de estupro masculino, não é novidade a ninguém.
Faço questão de levantar a bandeira toda vez que comentam sobre violências sexuais. Sem mais por hora, pois não é o enfoque desse post."

Dois comentários Huan: primeiro que é muito autoritário de sua parte dizer 'sem mais isso ou aquilo' sobre o que outra pessoa comentou aqui. Se a Lola fizer isso, tudo bem, mas ela é educada suficiente pra não fazer isso dessa maneira deselegante sua.
segundo: você leu o artigo pra dizer que não é novidade? O que está descrito no artigo não é nada corriqueiro nem banal (pelo menos pros nossos padrões brasileiros de estupros masculinos) é uma coisa terrível sob vários aspectos, e acho que Lola poderá se interessar. E minha intenção foi dar a informação pra Lola e não mudar o assunto do post.
Fique na sua e faça seus comentários sem agredir ninguém nem querer c*g*r regra.

Anônimo disse...

Anônimo 15:50. Não sei se vc leu o outro meu comentário, mas eu sei que há o fumante passivo. E digo que para um fumante (no meu caso, ex fumante), vc ouve "dicas para parar" e "o quanto é ruim e faz mal fumar" sempre, independente se está fumando no momento, e mesmo não fumando perto da pessoa. E se o problema for a sua saúde de não querer ser fumante passiva, eu compreendo, basta pedir para que alguém não fume por perto. Mas, falar para o fumante que ele vai morrer, que faz mal fumar, que deveria parar...para quê? Uma coisa é c não querer ser fumante passiva, outra é se meter na vida do outro, e essa repugnância do cigarro que, a meu ver é totalmente desproporcional e uma loucura.
Mas uma vez, em paralelo com o gordo, e guardando suas devidas proporções, acho que tem muita gente é querendo apontar o dedo na cara do outro simplesmente porque está numa posição de poder condenar. Eu acho.
Não fumo mais e não acho legal fumar na cara do outro. Só acho esta patrulha desproporcional.

E com relação aos gordos sei que o sofrimento é maior. Sei disso.
Só duvído da honestidade de que boa parte destes que estejam mesmo preocupados.

Bjos
(Vivi)

Ana disse...

@Selene
"Acho que o correto seria meus pais controlarem a alimentação dela e proibirem que coisas gordurosas entrem em casa, mas sem mencionar a questão da aparência ou dizendo que isso acontece que ela estar gorda. Alimentação saudável para crianças deve simplesmente ocorrer visando à saúde, oras."

Olha, proibir nunca dá certo - o melhor é diminuir. Melhor que seja feito aos poucos e sem grandes alardes de 'chega de porcarias porque você está gorda!'. Porque isso só vai traumatizá-la e vai ser beem pior.

O bom seria ir trocando as frituras por assados, por exemplo. A hora de ir supermercado é importante também, vale ir substituindo alguns doces por frutas, evitar encher o carrinho de porcarias, essas coisas.

E ah, TODOS os grupos alimentares são importantes - lipídios, gorduras, carboidratos, açúcares... existem vitaminas que são liposolúveis, ou seja, só são absorvidas pelo corpo em presença de gordura; logo, abster-se completamente de frituras também não é bom. A diferença entre o veneno e o remédio é simples: é a dose. Na verdade, pode comer de tudo, mas não pode ser muito. O problema é que quando a gente entra na paranóia, esse controle fica muito mais difícil de ser feito e as coisas desandam.

Outra coisa é que não adianta ficar policiando uma pessoa enquanto o resto da família se mantém sedentária e/ou não respeita a dieta. Ninguém precisa entrar exatamente no mesmo esquema, mas é fogo você estar de dieta e o pessoal continuar comendo uma sobremesa hiper calórica na sua frente.

Se não der pra reduzir muito na comida, pode-se aumentar o gasto calórico - sei lá, sua irmã não tem uns amigos que queiram montar um time de vôlei, ou basquete, coisa assim? :) Aprender a gostar de exercício é sempre bom, né? (só que isso não vai acontecer se ela se achar uma baleia orca).

Enfim. Mudanças muitos bruscas são mais difíceis de levar a cabo, então não recomendo; e a maneira com que se trata a questão da saúde é muito importante - que seja algo feito com alegria, de bem, não uma penitência. Essa palhaçada que seu irmão está fazendo só vai piorar as coisas.

Aliás, me faz um favor e manda ele se catar ¬¬

Anônimo disse...

"vão te passar dieta, suplemento,"

não vão, não. academia séria não deixa ninguém fazer isso. um telefonema pro cref resolve isso rapidinho.

Kamilla Holanda disse...

Excelente post! E conta um pouco do que aconteceu comigo. Sempre estive acima do peso, desde sete anos de idade. Cresci tendo que enfrentar vários comentários de parentes, amigos e até do meu pai que só pioravam tudo! No post tem uma parte: "Quando na verdade, se o ódio sumir, ela finalmente vai estar livre pra descobrir uma vida melhor. E aí se emgrecer vier no pacote, ela vai emagrecer, não por ser infeliz, mas porque perder peso foi uma consequência natural."

Que foi exatamente o que aconteceu comigo. Depois de crescer e me livrar das pessoas que só faziam comentários ruins e também tomar consciência de que eu não tinha motivos pra me sentir mal por isso, mudei de vida. Tive que fazer tratamento com remédios e afins, mas hoje, quase um ano após o começo do tratamento, finalmente estou chegando ao tal "peso ideal", mas não porque é uma obrigação e sim porque mudei totalmente meu estilo de vida. Próximo domingo é a minha graduação do Muay Thai e hoje consigo comer coisas que eu gosto, mas tendo consciência de que preciso manter o equilíbrio... Mas isso só foi possível depois de uma séria conscientização de que emagrecer é prioritariamente por questão de saúde e não pra agradar um bando de gente com padrões de beleza ridículos.

Anônimo disse...

@ana - nossa, ana, meu comentário foi entendido errado. eu ri porque exatamente eles ratificam que o peso não tem nada a ver com riscos pra saúde! ou seja, um suposto magrinho com barriga teria mais riscos do que uma pessoa acima do peso e apontada por todos na rua.

não sou troll, não sou analfabeta.

Natasha disse...

O problema é mesmo o que jogam na população. Antigamente, podemos ver que todos os quadros mostravam mulheres nuas que tinham um corpo lindo e hoje em dia isso é considerado horrível. Claro que sempre existiram todos os tipos de corpo, mas hoje em dia temos uma coisinha chamada 'mídia' e a sua exposição. É tanto lixo percorrendo os canais, os jornais, as revistas (não podemos negar a liberdade de expressão, correto?). É ao mesmo tempo aquela propaganda superlegal da Coca-cola, do McDonalds, do Burger King e do outro lado da página a modelo pesando 40 quilos num corpo de 1,80. Óbvio que todos são influenciados em algum ponto de suas vidas por todas as informações que recebemos, mas é muito difícil com a quantidade de informação parar e pensar. Engolimos todo que as empresas de propaganda criam e muitas vezes esse conteúdo é lixo. Essa é a parte tosca da evolução.
Hoje quem é gordo é visto como se fosse uma aberração. Gente muito magra também. Às vezes, a pessoa gosta de ser assim, pode ter um problema de saúde como hipotiroidismo, um hipertiroidismo, um distúrbio alimentar, não tem como sempre saber.
Existem estudos, principalmente aqueles psiquiátricos que demonstram que nessa sociedade moderna, vários disúrbios que não existiam antigamente começam a ser estudados e descobertos agora, principalmente os de comportamento.
É muito grave o que fazemos ao julgar o outro livremente, mas também temos o grande problema de que é quase impossível de se livrar de preconceitos e julgamentos, afinal, somos bombardeados constantemente por conceitos de 'certo' e 'errado'. Não nos deixam pensar livremente!!
Vivemos numa sociedade alienada que não pára para pensar na informação que recebe e acata tudo que o outro fala, claro que só acata a informação 'daquele que parece legal'.

Anônimo disse...

The Weight of The Nation


http://theweightofthenation.hbo.com/

Obesidade e excesso de peso são problemas de saúde pública, tanto quanto o aborto. Vamos identificar quem é de fato o inimigo nesta história?

Iara De Dupont disse...

Falei dos gordos porque é meu problema,senão fosse não falava..
E se as vezes tenho alguma esperança em ver o mundo mudar é graças a luta dos negros,que conseguiram transformar tantas coisas na sociedade.Se hoje racismo é crime é graças a luta deles,que ainda está bem no começo,mas pelo menos já dá resultados.
A comunidade judaica também tem sido constante na sua luta e agora os gays começam a ver alguma luz no horizonte,falta demais ainda,porque crimes religiosos,homofobicos e racistas são os que mais acontecem,mas acredito que o com o tempo vão mudar,graças ao trabalho de todas essas minorias.
E se estou otimista penso isso em relação a lutas das mulheres,que também estão no mesmo grupo.
O que sinto é que os gordos não se veem como um grupo que precisa combater a gordofobia,ninguém se sente culpado por nascer negro,mas se sente miserável por ser gordo,muitos se mordem em culpa,porque a sociedade faz que isso aconteça,por isso acredito que é o gordo que tem que mudar essa realidade e lutar pelos seus direitos,como alguns grupos de gordos fazem nos Estados Unidos.Mas vamos ser honestos,vinte anos atrás eu tinha um coleguinha negro na sala e alguém detonou ele,essa pessoa foi chamada e levou bronca.Ora,eu fui detonada 20 anos naquela escola e ninguém me defendeu,como mudar isso,a ideia de que as pessoas acham que o gordo merece ser detonado?Hoje depois de tanta dor muitas pessoas dobram a lingua antes de fazer um comentário racista,mas se for sobre um gordo,ai todo mundo detona mesmo.
É a unica saída viavel,que gordos aprendam a se posicionar politicamente como as outras minorias estão fazendo,então sim,teremos um mundo melhor.

Anônimo disse...

@ana

e, ana, não sou tão esquizofrênica ao ponto de ser citada no seu guest post e, em seguida, dizer algo diametralmente oposto ao que eu havia dito.

eu CONCORDO com vc. a informação que eu vi só ratifica o que estamos falando aqui. eu estou sem pedras na mão discutindo até pq tive minhas questões de aceitação e tenho pessoas próximas obesas por conta de mil motivos.

releia meu comentário. eu mesma reli. não vai contra o que tá sendo dito aqui. se as pessoas que falam de obesos com o argumento da saúde, o que apareceu no jornal hoje é exatamente que uma pessoa apontada na rua como gorda pode estar mais saudável do que uma supostamente magra com uma barriga de resistência a insulina.

sério, esse tipo de coisa me chateia muito na internet.

Anônimo disse...

"porque MEU AMOR, EU VIVO NESSE CORPO. TIPO, 24H/7. VAI POR MIM, EU NOTEI AQUELE PNEUZINHO MUITO ANTES DE VOCÊ. É um comentário dos mais inúteis -- o gordo sempre sabe que é gordo."

Sim, e às vezes sabemos por que preferimos ser gordos, só não contamos a ninguém: vou fazer de todos vocês os culpados por me amolarem/abusarem, por me denegrirem, por me desvalorizarem e finalmente por eu ser gord@ e eu serei a inocência em pessoa. Mecanismo psicológico mais velho que andar pra frente.

Iara De Dupont disse...

Ana e Samantha

Eu só falo da minha experiência,não falo de mais ninguém...

Meu peso foi um problema para mim,foi fruto de muitas coisas,inclusive de remédios para emagrecer que surtaram meu organismo e tal..

Mas eu digo a mesma coisa,se a pessoa é gorda e se aceita,tudo bem,que seja feliz,eu não argumento em cima disso.

Não foi e não é meu caso...lidar com o mundo é mais cansativo do que com meu corpo,porque neste mundo meu dinheiro não vale a mesma coisa de uma pessoa magra,posso entrar em uma loja e não serei atendida do mesmo jeito nem vou encontrar a roupa que eu quero.

Ah,mas o mundo pode mudar,está errado ser assim e tal.Já pensei assim e acredito mesmo que está errado,mas eu tinha duas alternativas na minha mão,ou eu mudava o mundo ou eu emagrecia..

Não consegui mudar o mundo ,então me restou mudar a mim mesma..

E quando nos posicionamos no que acreditamos,no que pensamos,não existe `posicionamente perigoso´.
Perigoso é ficar quieto,eu defendo que a gordofobia seja crime,que pessoas que ofendem os gordos paguem por isso e que ninguém jamais deveria ser ofendido nem pela sua cor,crença religiosa ou peso.

Mas me desculpem se não sou fofinha a ponto de dizer que é possível viver neste planeta e ser gordo e não sofrer por isso.

A gordura está cercada de mentiras,porque existem milhões de indústrias que vivem disso,tanto dos gordos como das dietas,então pouco do que se diz é verdade,inclusive aquela lenda que só gordos ficam doentes (ah,sim,magros não ficam).

O mundo tem que mudar e respeitar os gordos,mas a MINHA experiência em relação a isso tem sido a pior,então opino em relação a minha vida e isso quer dizer que para mim fazer dieta significa menos sofrimento do que ser julgada e criticada pelo meu peso.

Mas devia ser diferente!Gente,tanta coisa devia ser diferente!Pra começar o coração humano!Não podia ser melhor?Podia,mas não é.A jornada é longa,e o mundo vai aceitar os gordos um dia,mas até lá EU prefiro sofrer menos e fazer dieta.

Ana disse...

@16:32

Ué pessoa, eu entendi errado?

Puxa, mil desculpas. Desculpa meeeesmo, vou ali apagar a resposta.

Mas oi, que bola fora a minha, hein? Haha

Desculpa te chamar troll analfabeta, mas realmente foi o que entendi pelo texto O_o

Bom, agora a gente sabe que quem precisa de óculos sou eu! Kkkkk

Thais dos Reis disse...

Eu era apaixonada por um cara, aí um dia ele disse: "Olha lá, uma mulher gorda comendo na rua", "Qual é o problema?", perguntei. "Magro comendo é bonito, gordo comendo é horrível". Aí perdi o tesão, fiquei sem graça e não como mais na rua.

Erres Errantes disse...

Off topic...
Vocês já viram essa propaganda da Marisa? Vi essa semana, e começou a ser veiculada recentemente.

http://www.youtube.com/watch?v=bjL6eDMsyeU

É tanto machismo que eu nem sei por onde começar a criticar. Mas o que mais me chamou atenção foram três coisas:

1) O comercial trata questões totalmente irrelevantes como fatores que inviabilizam um relacionamento com um homem (como, por exemplo, o fato de ele usar cueca de vinco ou fazer as unhas);

2) O comercial mostra que existem que, num universo de 100, podem existir homens com características as mais diversas (embora a maioria delas seja mostrada como ruim, é verdade). Já as mulheres são todas iguais: todas querem usar uma lingerie Marisa para fisgar um homem, como se não existissem lésbicas, as que já são casadas, as que não estão em busca de um macho etc.

3) O comercial mostra as mulheres como inimigas e concorrentes entre si, na busca irrefreável por um homem, que, afinal, é o que move toda mulher, segundo os publicitários que trabalharam para a Marisa, é claro. E como se conquistar um homem só dependesse de usar uma lingerie sexy.

Puxa, vou transformar este comentário num post pro meu blog kkkkkkkkk...

Mas fica a dica.
Abraço,
Rosa.

3)

Ana disse...

@lara De Dupont

"O que sinto é que os gordos não se veem como um grupo que precisa combater a gordofobia,ninguém se sente culpado por nascer negro,mas se sente miserável por ser gordo,muitos se mordem em culpa"

Eu acho que tem um negócio que as pessoas não entendem, que é a diferença entre 'simples' e 'fácil'.

Como o mecanismo pra emagrecer é simples (leia-se, não é feito de um monte de etapas, é explicado rapidamente) as pessoas acham que perder peso é fácil (não exige esforço).

O mecanismo do qual estou falando é o 'coma menos do que gasta, e vais emagrecer'. É verdade, sabe, é isso mesmo. Acontece que, só porque o sistema é simples, não significa que emagrecer seja fácil.

Fazendo um exemplo torto: subir escada é simples - um pé, depois o outro. Mas se você coloca uma pessoa pra subir 212.323.343.454.445 degraus, obviamente não vai ser fácil coisa nenhuma.

Emagrecer é algo que demanda muita força de vontade, por 'n' razões. Mas a maioria do povo ainda acredita que se você é gordo, é porque não se esforça, já que é tudo uma questão de comer menos.

Acho que é dessa idéia torta que nasce essa culpa; porque as pessoas passam pra frente a idéia de que 'só é gordo porque quer, porque emagrecer é fácil, é só comer menos do que gasta'.

Posso até estar viajando, mas que já ouvi dizerem muito isso por aí, isso já.

@16:32 (II)

... PUTZ, eu fui ler teu comentário de novo.

Vou mudar meu nick pra ANAlfabeta, porque MELDELS, eu li um negócio totalmente diferente do que tava escrito!

De novo, me desculpa. Li com pressa. Vou ali bater minha cabeça na parede agora pra me redimir... ;_______;

Mas quer saber de uma coisa, bem feito pra mim >D Quem manda não calar a boca nunca XD

Anônimo disse...

Que minoria o quê, Iara? A obesidade e o excesso de peso viraram pandemia galopante, você não sabia? A única política viável é a da reeducação alimentar e combate ao sedentarismo.

Ana disse...

@16:55
"Sim, e às vezes sabemos por que preferimos ser gordos, só não contamos a ninguém: vou fazer de todos vocês os culpados por me amolarem/abusarem, por me denegrirem, por me desvalorizarem e finalmente por eu ser gord@ e eu serei a inocência em pessoa. Mecanismo psicológico mais velho que andar pra frente."

Só pra não acontecer o mesmo que aconteceu com a coitada 13:47 (que eu chamei de analfabeta quando a analfabeta claramente era EU); eu vou perguntar:

Eu entendi direito - 'cê tá dizendo que uma pessoa só é gorda pra poder reclamar de quem quer que ela emagreça? É isso?

Eu vou esperar a resposta pra não fazer m* DE NOVO.

Anônimo disse...

Ana, na minha concepção, emagrecer só demanda uma coisa: observar e prestar atenção no que se come (ingredientes, teores de sal, açúcar, gordura saturada) e no quanto se mexe durante o dia. É até divertido.
Mas tem que afastar a verdadeira razão por que se quer estar gord@.

Fábio RT disse...

Acho que o problema real da gordura em excesso geralmente é a saúde ... há complicações do sobrepeso...isto é comprovado...as pessoas deveriam tentar ficar no seu peso ideal apenas por isso mesmo...para ficarem mais saúdaveis.... mas é claro que estou sendo utópico... a saúde no caso é a menor preocupação da maioria... o que manda é a estética mesmo ... e o preconceito é fogo mesmo... já fui gordo e as pessoas não perdoam mesmo... aliás também já tive amigos gordos que não ligavam (ou faziam que) e a gente punha apelido neles...qdo a gente é moleque faz muita besteira sem perceber...só vai se dar conta mais tarde...mas antes tarde do que nunca...

Monique Oliveira disse...

Eu também sempre achei esse lance da cultura que você tem que emagrecer, pi-pi-pi e mais pá-pa-pá uma grande besteira em si.

Mas, por outro lado, também faço parte daquela grande parcela de mulheres que sempre acha que está acima do peso, sempre que posso faço caminhadas (e nom meu caso, serve mais do que pra tentar perder medidas... pra arejar a mente, tirar a ansiedade e desestressar).

Eu também sempre percebi essa questão, e lá no fundo acho tudo um grande absurdo. Apesar de ter cometido algumas besteirinhas como apelidar minha irmã. Mas nunca apelidei com o intuito de ela se sentir realmente mal, mas porque gosto de tirar sarro dela, tipo, ficar brincando com ela, justamete com esse tema da ''gordura'' óh o tal ''monstro da gordura'' que vai sair vivo por aí pegando todo mundo. Mas porque eu sempre achei tão exdruxulo esse lance das pessoas se precouparem se as outras estão ou não gordas. Sério. Nunca me importei se minha irmã está ou não gorda (apesar de que ela não é gorda, só tem gordura localizada na região da barriga) e isso pra mim nunca foi problema, porque eu também tenho gordura localizada e nunca morri por isso. Eu digo tem tanta coisa mais importante do que essa neura. mas que eu sempre a satirizei (sem nunca ter pensado nisso...) de ''tribufu, boi, boizinho, vc está gravida...'', mais no sentido de brincar mesmo, descontrair, até porque ela também me apelida de várias coisinhas carinhosas entre irmãs que vão das ofensas pesadas até as mais pesadas ainda que possam existir. Mas isso, é porque ela é minha irmã.

Agora citando o exemplo da minha ex-namorada. Ela tem o biotipo de gordinho, é um pouco cheinha, (pra minha amiga ela é gorda), mas pra mim... ah fala sério. Pra mim, foi assim que eu a conheci, daquele jeito. Eu não me apaixonei pelos pneus da barriga dela ou pelas banhas todas que ela possui. Eu me apaixonei por ela ora bolas! E pra mim, ela é uma tremenda gostosa e sexy exatamente do jeito que é. Sempre tive o maior tesão por ela. E eu nunca precisei dizer que ela estava ou não gorda, porque pra mim aquilo nunca importou. Agora a mãe dela... numa das raras vezes que fui à loja dela, ver minha ex-namorada, falava aquele discurso infeliz do tipo ''muito bem filha, fazendo dieta, cê precisa emagrecer...'' não foram essas palavras exatamente. Mas era algo mais ou menos do tipo. (deu vontade de falar poucas e boa pra ela naquele momento, sério. Claro que se eu pudesse falar, eu falaria: minha senhora, sua filha senhora... sua filha é linda exatamente do jeito que ela é. Ela é perfeita, e se a senhora quiser emagrecer por ela que o faça, porque ela... ela mesma não precisa. E mesmo que ela fosse uns vinte quilos mais gorda, ela ainda seria perfeita. Seriam as banhas mais sexys de todo o universo, sinceramente.) Mas eu fiquei calada, achando tudo aquilo um grande absurdo. Eu nunca precisei dizer à ela essas idiotices. Ou que ela precisasse emagrecer, fala sério, a gente não se apaixona por alguém porque ele/ela é magro. Porque é assim ou assado. A gente não escolhe nada. O coração graças á Deus não escolhe por quem vai se apaixonar. E nesse sentido, ele é sem preconceitos. Pois assim deveria ser a nossa sociedade. Enxergar com os olhos do coração... e não com a imbecil da ''razão'' irracional que dita, através dos seus discursos insandecidos o que deve ou não ser , através de uma grande mídia COMPRADA, sim, porque para quem não percebeu, vivesmo no sistema capitalista, e querendo ou não, no fim das contas, o que movienta essa gradne máquina, infelizmente, é essa merda suja, daquele papel cheio de bactérias, que conhecemos por dinheiro.

Logo... carne com gordura é deliciosa. Sem ela não tem a menor graça. ;P

Ana disse...

@16:43
"e, ana, não sou tão esquizofrênica ao ponto de ser citada no seu guest post e, em seguida, dizer algo diametralmente oposto ao que eu havia dito."

Mas pera aí. Eu não tinha como adivinhar que era você ._.

Eu quero dizer, ok, eu sou uma besta - completamente retardada a resposta que eu te dei, ainda mais que a Lola anda barrando trolls e eu devia ter suspeitado e lido
melhor.

Agora, só se você comentasse com um nome é que eu ia poder identificar que era a mesma pessoa cujo comentário me inspirou - e aí sim, eu provavelmente teria atinado que não fazia sentido nenhum. Mas comentando como anônima, eu não tenho como saber quando é você e quando não é - e na hora da pressa, o anonimato só fez mais sentido porque 90% dos trolls que a gente tem aqui são anônimos.

Direito seu comentar como anônima, não vejo problema nenhum nisso, e eu preciso aprender a ler as coisas duas vezes porque te xinguei SEM RAZÃO NENHUMA.

Mas eu não tinha mesmo como perceber que era a mesma pessoa XD

@lara De Dupont
"Mas me desculpem se não sou fofinha a ponto de dizer que é possível viver neste planeta e ser gordo e não sofrer por isso."

Ah que é isso, você não é obrigada a concordar com a gente não :)

Totalmente direito seu querer emagrecer, aliás!

Eu só continuo lamentando que a gente viva num mundo onde isso não é tanto opção, e sim imposição.

Carol disse...

A verdade é essa mesmo, não adianta emagrecer se você não mudar seu pensamento, mesmo que você fique magro/a, se tiver baixa autoestima vai estar sempre arranjando algum defeito pra se odiar e nunca vai conseguir ser feliz.

Desabafo disse...

Na minha família isso vem desde criança..não por comer demais, mas eu passei por vários tratamentos (eu tinha problemas de convulsão, várias alergias e problemas respiratórios) com remédios fortíssimos que me fizeram ganhar peso, e destaco que sobrepeso, não obesidade. Aí, quando eu tinha uns sete anos a pressão começou e daí que comida passou a ser mais importante pra mim, engraçado né?

Lembro de dias como o que minha mãe me deu um vestido azul com margaridas. Aí ela devolveu na loja pois minha melhor amiga tinha um igual. Ela disse que nela ficava bonito mas que nas minhas pernas grossas estava feio demais.

Com oito anos ela só me comprava roupas pretas, porque supostamente preto emagrece. Eu era uma criança com guarda-roupa pra fazer inveja a muitos góticos HAHA. Aí ela disse não ter fotos que comprovem isso. Claro, eu fugia de todas as câmeras possíveis.

Com oito também, me lembro do dia que eu estava lendo no quarto, fim de tarde, e fui até a cozinha pegar um copo d'água (ah tem mais essa, eu lia demais e corria de menos, era uma reclamação da época) e minha irmã queria comer um danoninho, algo assim, ela é mais nova. Meu pai, de costas pra mim disse "se você continuar comendo assim vai ACABAR como a gorda da sua irmã". Foi um grande trauma.

Isso me fez tirar ele da minha vida por muitos anos, mesmo morando com ele. Hoje depois de anos de terapia eu estou reestabelecendo as ligações, mas antes eram só brigas e eu não aceitava que ele estivesse em nenhuma parte da minha vida. E óbvio que ainda hoje ele não pode falar NADA sobre meu peso, ou eu fico magoada e vou acabar sendo agressiva.

Ano passado viajamos para a Itália com a família inteira e fomos a um restaurante maravilhoso, mas que é mais famoso pelas sobremesas. Pedi uma. Pra quê?

Recebi olhares de desprezo da minha mãe enquanto comia, como se eu estivesse enfiando aquele garfinho nela ao invés do doce. Isso gerou uma briga homérica no hotel mais tarde em que depois de muita gritaria ela se absteve de dar opiniões no que eu pedia durante a viagem.

E são muitos e muitos dias que eu escuto coisas assim. Até nesse fim de semana, falando da faculdade eu levei uma.

Estou fazendo um vestido que depois vai ter um editorial (faço faculdade de moda). Mas eu odeio posar pra fotos (que não auto retratos) então estou fazendo a roupa para uma amiga, que por coincidência tem o mesmo nome que eu, usar. Por ventura ela usa 38, pra que né?

Falando com a minha mãe, mostrei a base do vestido, e tal, expliquei o projeto super animada, aí ela olhou e falou mais essa "Nossa, essa *** é magra né? E essa *** aqui não quer emagrecer também?".

Aí ela se ofendeu quando eu tirei meu trabalho da mão dela e fui agressiva. Porque realmente, nós gord@s somos sensíveis demais, e el@s só querem nosso bem.

E é SÓ na família. Tive problemas de depressão pelo modo como fui tratada e ensinada a me ver a vida inteira, não por ser realmente obesa ou pelo meu sobrepeso.

Já namorei muitas vezes (e meu peso nunca foi um problema em nenhum dos relacionamentos), saio, paquero, fico com pessoas diferentes, NÃO fico com neuroses na hora do sexo e me sinto linda. Só que essa parece ser a pior parte para minha mãe, como se eu estivesse cometendo um crime, e me faz mal. :/

Anônimo disse...

@guest poster

Nem todos sabem o quanto estão gordos.
Já li relato em que a pessoa só se deu conta ao ver uma fotografia de si mesma de costas e tratou de reverter a situação. O espelho não mostra nosso corpo comparativamente a outro mais ou menos gordo, só mostra o nosso. O manequim das roupas não é confiável pq cada fábrica tem uma modelagem. A balança é muito confiável, mas temos medo de nos pesar.

Raziel von Sophia disse...

Gostaria de sugerir que votassem nesse cara...


http://www.coelho15911.com.br/


Ele me fez rir como não rio a muito tempo... E ainda estou rindo. Vou morrer! =D

Ana disse...

@18:38
"Nem todos sabem o quanto estão gordos.
Já li relato em que a pessoa só se deu conta ao ver uma fotografia de si mesma de costas e tratou de reverter a situação. O espelho não mostra nosso corpo comparativamente a outro mais ou menos gordo, só mostra o nosso. O manequim das roupas não é confiável pq cada fábrica tem uma modelagem. A balança é muito confiável, mas temos medo de nos pesar."

Tá mas, o que exatamente você está tentando me dizer? Que a patrulha do peso é justificável porque realmente tem gente que só não emagrece porque se acha magro?? Não entendi bem XD

Assim, eu até acredito que algumas pessoas decidam emagrecer depois de se ver em fotos e tal. Mas sei lá, acho isso meio diferente de ter gente o tempo todo te dizendo o quanto você é gordo - nada garante que você já não sabe, ou que depois de ser 'avisado' vai querer emagrecer... Eu acho meio difícil de engolir que alguém me disse que sou gorda/devia emagrecer porque realmente acredita que eu não percebi ainda.

A minha experiência pessoal diz que é muito difícil as pessoas notarem antes de mim - porque assim, eu me olho no espelho, visto minhas roupas, sinto o meu corpo todos os dias (um relógio que não fecha mais no mesmo lugar, um sutiã que agora parece mais apertado, sinais é o que não falta).

Ah é, e a balança é confiável pra dizer seu peso, mas não necessariamente pra dizer se você é saudável ou não :)

@18:02
"Ana, na minha concepção, emagrecer só demanda uma coisa: observar e prestar atenção no que se come (ingredientes, teores de sal, açúcar, gordura saturada) e no quanto se mexe durante o dia. É até divertido.
Mas tem que afastar a verdadeira razão por que se quer estar gord@."

Pessoa, você acha que todo mundo que é gordo só o é porque quer? Simples assim?

Emagrecer não é fácil/difícil do mesmo jeito pra todo mundo. Pra começo de conversa, o metabolismo em si é diferente em cada organismo - tem gente que tem tendência a emagrecer, não importa o quanto coma; tem gente que passa só a alface e não perde peso de jeito nenhum. Você pode ter duas pessoas com o mesmo peso, e uma ter que fazer 4x mais esforço que a outra pra alcançar a mesma meta. E isso é só pra falar da parte biológica da coisa O_o

Tem gente que quando começa dieta aprende a gostar de academia (por exemplo), tem gente que não. Tem gente que tem apoio da família, tem gente que não. Tem gente que sai pra caminhar numa boa, tem gente que tem outros problemas (como eu, que dependendo do dia e da temperatura me arrisco a ficar com a cabeça explodindo). Enfim, não dá pra adivinhar quais são os obstáculos que uma pessoa tem que superar só de olhar pra ela.

É possível que você controle seu peso facilmente só cuidando uma coisa que outra, mas ó, não dá pra dizer que é assim pra todo mundo não hein.

Mônica disse...

Este post me lembrou o que eu passei com uma amiga a uns dias atrás, vamos a uma festa social, é a última festa da faculdade dela antes da formatura e ela usa GG mas isso nunca a impediu de usar a roupa que ela se sentisse bem. Pois bem, fui com ela achar um vestido e ela queria usar um vestido curto para poder dançar, fomos em lojas e mais lojas e sim tinham muitos vestidos que ela gosta mas nunca do número dela, uma das vendedoras disse que a culpa era das confecções que só faziam vestidos P ou M, os modelos G e GG só para senhoras. No fim não conseguimos ainda achar um vestido, mas é um absurdo essas confecções/lojas marcas de roupas que também excluem as pessoas gordas dos manequins (falando em manequim nunca vi um mais cheinho só modelos palito) isso acaba com a auto-estima da pessoa minha amiga disse que odeia fazer compras pois é sempre a mesma coisa nunca há nada no número dela que não seja roupa para idosas. Até então eu nunca tinha reparado no preconceito e na restrição para as pessoas que estão acima do peso poder comprar uma roupa, poder se arrumar para uma festa de acordo com o seu estilo. Até aquele momento nunca tinha considerado minha amiga "gorda", mas infelizmente para o mercado ela é uma pessoa que precisa emagrecer para se encaixar.

Maiê F. Rezende disse...

Concordo com o anônimo das 18:38

Eu ,por exemplo,me olhava no espelho e pensava:Pareço mais com a Giselle que a gêmea dela. Era muito surpreendente não ser confundida com ela na rua.Comprava uma calça 44/46, mas achava que era pq aquela marca tinha medidas confusas.Eu me pesava mas sempre tirava um zero do resultado final, afinal zero não tem valor real... Quando pequena eu recebia apelidos relacionados a animais pesados, mas pensava:É pq tenho boa memória e nado bem... Nunca desconfiei que era gorda até um desconhecido bem intencionado me avisar.

Ana disse...

@17:33
"A obesidade e o excesso de peso viraram pandemia galopante, você não sabia? A única política viável é a da reeducação alimentar e combate ao sedentarismo."

Poisé, é bom prestar atenção ao que se come e não ficar parado. Mas é muito mais difícil fazer essas coisas quando todo mundo só parece preocupado com a sua aparência e/ou acha que se você é gordo tem mais é que 'ouvir umas verdades' porque é preguiçoso.

Que é preciso ter saúde, é indiscutível. Mas no pé em que as coisas estão, muito do que se faz pra melhorar as coisas só atrapalha.

É uma coisa incentivar exercício físico, é outra ficar fazendo terrorismo psicológico dizendo que 'vais acabar gorda como a sua irmã' (como contou a Desabafo). Eu vejo por aí muito mais condenação com base em idéias tortas do que esforço genuíno pra que as pessoas tenham mais saúde.

Não adianta simplesmente encher o saco pra pessoa emagrecer/fazer dieta/se mexer sem se preocupar com o bem estar do cidadão...

Além do que, cuidar do que se come e fazer exercício não é bom só pra quem é gordo ou pode ser obeso. Todo mundo tem que fazer essas coisas, é só que o senso comum tende a olhar pra um gordo e automaticamente assumir que ele não faz nenhuma atividade física e se alimenta mal, enquanto o magro, por ser magro, já deve fazer tudo o que pode e ser super saudável... o que nem sempre procede :)

Ana disse...

@16:11
... Eu vou me meter aonde não fui chamada (de novo), e pode ser que leve na cara (de novo), mas suspeito que cometestes um erro parecido com o meu.

Acho que ao dizer 'sem mais por hora' Huan quis dizer que ELE não ia comentar mais pra não tirar a caixa dos trilhos, não que outras pessoas não podiam mais comentar :)

O que entendi foi que ele quis prestar solidariedade ("Faço questão de levantar a bandeira toda vez que comentam sobre violências sexuais") sem atrapalhar a conversa... E sobre não ser novidade, não quer dizer que não seja importante, é só que volta e meia o assunto aparece aqui.

Posso até estar errada (não seria a primeira vez hoje), mas sei lá, nem bate com o perfil dele querer minimizar uma coisa dessas.

... É, acho que teve uma falha de comunicação aqui, sim.

Anônimo disse...

"Eu entendi direito - 'cê tá dizendo que uma pessoa só é gorda pra poder reclamar de quem quer que ela emagreça? É isso?"

Eu disse que ÀS VEZES nossa obesidade/excesso de peso ou outra coisa qualquer é o chamariz para que os outros nos
amolem e assim possamos pôr a culpa
da nossa infelicidade neles (sim, porque essa amolação nos afeta muito). A Ana do post não parou de culpar a mãe e o patrulhamento/preocupação dos outros como FONTE REAL DE SEUS PROBLEMAS, que passa longe da realidade. A realidade é que ela se sentia culpada sim, por uma alimentação errática, pela falta de exercício, ou até pela feiúra, sei lá, mas jogava essa culpa na mãe, que a admoestava.
Obesidade em crianças é um assunto seríssimo; não sei se você viu o caso do pai separado do Paraná que denunciou a ex mulher pelo crescente aumento de peso da filha de 6 anos a cada visita, o qual a ex mulher atribuía a fatores genéticos e não fazia NADA.

Quando não nos afetamos com o patrulhamento de sempre seja lá por que for, é o indicativo de que não estamos usando esse expediente de fazer o papel de inocente vítima e culpar os outros vitimizadores.

Zero disse...

já eu, no extremo oposto do espectro, passo pelo mesmo problema, só que ouvindo que sou magro demais, que deveria "encapar os ossos com músculo" e começar a "parecer com homem de verdade". é o mesmo ponto de ninguém perceber que você tem vergonha de entrar numa academia de bermuda e camisa sem manga pra malhar expondo o corpo com as quinas dos ossos protuberantes, em meio a tantos que caem graciosamente no padrão estético que todo mundo espera que você atinja.

Anônimo disse...

Monique Oliveira, não existe biotipo de gordinho. E sem essa que eu sou obrigada a ser gordinha pra agradar a quem quer que seja sexualmente. Se nos apaixonamos pela pessoa e não pelas banhas, elas não farão falta, não é mesmo?

Anônimo disse...

Um gordo não possui o potencial de causar câncer em outra pessoa por ser gordo, como ocorre com os fumantes.
Um gordo não vai atropelar alguém de carro só pq é gordo (ele pode fazer isso como vingança, mas não como homicídio doloso como fazem os que consomem álcool - que não são necessariamente alcoólatras).

Não acho que a comparação entre gordo/fumante/alcoólatra válida.

Já perdi um tio por ser fumante e alcoólatra... ele teve um câncer fudido, perdeu a língua e definhou até morrer.
A família toda sofre nesse processo.

Não acredito que um gordo vá morrer só pq é... gordo!

Dá pra diferenciar?!

No mais, as pessoas mais divertidas e alegres que eu conheci são pessoas gordas que se aceitaram (e que de quebra sabem colocar o outro que vem cobrar e apontar a gordura na cara no seu devido lugar).

Anônimo disse...

"A balança é muito confiável, mas temos medo de nos pesar. "

a balança é a coisa menos confiável pra um emagrecimento com saúde. conheço gente com 1,73, 76kg e é saradésima. 12% de gordura no corpo. a maior mentira que contam pras pessoas que querem emagrecer é que elas têm que perder peso. claro que, se a pessoa pesa 200kg, ela não tem 200kg de músculos. mas quero falar da pessoa mediana, que faz dietinha aqui e ali e compra revistas de dieta e "fecha a boca". isso é a coisa mais errada do mundo.

o tanto de gurias novas passando fome, comendo só proteína, zerando gorduras, ficando com unha quebradiça, cabelo sem brilho e desnutridas só pq alguém inventou que elas precisam parar de comer pra emagrecer. e aí não conseguem, engordam bem mais depois e se acham um fracasso. se culpam. dizem que não conseguiram e não tiveram forças. mentira. vejo essas meninas com o foco em números da balança sem orientação alguma. isso não é culpa delas!

o grande problema pra saúde e emagrecimento (pra quem quiser, não tô falando aqui que todo mundo tem que emagrecer e seguir o que eu digo, só quero tirar essa culpa de uma monte de gente que se acha um fracasso por ter tentado emagrecer sem sucesso) é saber o que comer, quando comer e por que comer. como alguém mencionou acima, eu acho isso um jogo divertido. acho mesmo. mas não digo que todo mundo tem que achar. mas eu gosto de fazer as combinações e ver como meu corpo reage.

há uns anos, fui a uma nutricionista. tinha consulta toda semana. cara, ela queria que eu comesse feito passarinho. o que aconteceu? quase retomei minha anorexia. passei a ter nojo de comida pq tudo girava em torno de comida. era uma agonia diária pensar em comida, nas receitas dela, etc.

como já disse, academia e nutri esportivo me salvaram. eu só planejo o que vou comer pq eu moro sozinha e tenho que comprar as coisas. mas, sabendo como comer, quanto comer e quando comer, me sinto bem, perdi percentual de gordura e aumentei (muito) massa magra.

pras que já tentaram dietas: VOCÊS NÃO SÃO UM FRACASSO! não é culpa de vcs sempre. vcs simplesmente ainda não aprenderam a comer direito. comer direito não é passar fome, ficar fraca e triste! dieta de proteína, dos pontos, da sopa, da lua e o escambau, tudo isso só faz vcs desacelerarem o metabolismo. e aí a pessoa vai e restringe mais ainda a alimentação e começa a bola de neve. pra emagrecer, por incrível que pareça, a gente tem que comer!

não aceitem que as pessoas (principalmente mulheres) têm que ser fracas, passar fome, ficar no canto da festa sem comer nada. não acreditem nisso!

Cacá disse...

Belíssimo!
É exatamente isso!
Só no finalzinho...não sei se os gordofóbicos querem que a gente emagreça...eles querem destilar sa crueldade e acham que os gordos serão alvos vulneráveis para isso!

Sabe aquela menina(é bem mais comum entre elAs) magra que espera @ gordinh@ da turma aparecer para começar a dizer que ela (a magra) tem que fazer dieta porque, olha só como engordou, já não entra mais na calça 36...ela SABE que está machucando...ela SABE...

Samantha Pistor disse...

Lara,

Em nenhum momento eu pretendi te ofender ou te atacar. Suas escolhas são suas, e eu não sou ninguém para dizer que elas são erradas.

Mas sim, eu acho seu posicionamento perigoso.

Infelizmente por melhor que sejamos nossos ideais, muitas vezes podemos ter uma forma de pensar perigosa. Longe de mim acusar você de gordofóbica. EU SEI que não é o seu caso.

Quando eu digo que seu posicionamento é perigoso, é que você pode se tornar amanhã aquela mãe que manda o (a) filho (a) emagrecer porque o mundo não é feito sob medida para gordos, por exemplo.

Você de certa forma critica sua mãe por ter te ensinado a auto-aceitação (foi o que pareceu, me corrija se eu estiver errada). Se você acha que ela pecou nisso com você, será que no futuro você não vai repetir o discurso que é tão criticado aqui a respeito de que ser gordo é difícil? Que sua amiga, seu filho, seu irmão precisa emagrecer para ser feliz no mundo? E dizer isso pelo bem dele?

Veja bem, não digo que isso vai acontecer, muito menos que você tem este perfil. Tudo foi só um exercício de imaginaçaõ.

Mas digo que se encaramos a aceitação como algo insuficiente, podemos repetir o discurso que tanto tentamos mudar. E falo de todos.

Por isso, repito: não concordo com seu pensamento,respeito suas escolhas. Mas acho que sempre temos de tomar cuidado para não perpetuarmos o discurso padrão.

=)

Anônimo disse...

Sofri a vida toda por ser gorda e ainda sofro.

Já comentei por aqui. fiquei com todos os rapazes que quiseram ficar comigo, mesmo se eu não quisesse, pois não podia perder a (rara) oportunidade.

Minha mãe é como a mãe da Ana. Foi gorda e sempre acabou comigo, para eu não sofrer como ela sofreu.

Deixei e deixo de fazer inúmeras coisas por causa do peso. Lembro que na infância e adolescência eu gostava muito de nadar, mas já nem sei mais como é isso, pois não entro em piscina há uns 15 anos..

Anônimo disse...

" enquanto o magro, por ser magro, já deve fazer tudo o que pode e ser super saudável... o que nem sempre procede :)"

e não procede mesmo. Vivo sendo lembrada de que estou perdendo massa magra, que tenho que fazer academia, senão minhas pernas não ficar bambas, meus músculos vão desaparecer e por aí vai. Quando eu era cheinha, ninguém vinha com esse papo de que estou a perder massa magra e exercitava tanto quanto agora, isto é, NADA. Sei que tenho que exercitar, mas não encontro o que fazer neste sentido que me satisfaça. E assim vou levando.

Vitória disse...

Eu não acho se possa comparar muita coisa no caso de uma pessoa acima do peso com um fumante. É certo que as pessoas costumam intrometer na vida de ambos, mas no caso dos fumantes o alvo de julgamento é mais o hábito do que a pessoa, enquanto que no caso de pessoas acima do peso o alvo de julgamento não é o hábito alimentar ou o estilo de vida ou o que quer que as pessoas achem que é a causa do "problema", tem mais a ver com a aparência da pessoa.
Um fumante que é criticado por isso pode se sentir incomodado e julgado, mas não acho que isso afete sua auto-estima ou senso de amor e valor próprios, algo que acontece no caso de pessoas criticadas por seu peso. Além disso, o formato do corpo de uma pessoa é algo muito mais evidente que um hábito, você não vai identificar um fumante apenas ao vê-lo passar na rua, ao menos que ele esteja fumando naquele momento. Alguém que é considerado acima do peso está suscetível a julgamento e olhares reprovadores o TEMPO TODO.
Outra diferença é a visão da mídia para os dois casos. Fumantes, na maioria das vezes, não são criticados por isso em filmes, novelas ou qualquer coisa do gênero, normalmente é apenas um fato presente e não recriminado, não carrega estigmas ou estereótipos.
Acho que por haver mais diferenças entre os casos de fumantes e "gordos" do que semelhanças eles não podem ser exatamente exemplos iguais.

ps: eu estava comentando antes como Vitória Arantes

Anônimo disse...

Acho perverso isso de sugerirem que basta sermos isso ou aquilo (magros, bonitos, sarados, ricos) para que todas as faltas sejam preenchidas. -- Brian

Anônimo disse...

ok, mas vamos supor, como disse a pessoa lá em cima, que as pessoas nem sempre saibam o quanto estão gordas. vamos supor isso (HIPÓTESE, antes que entendam errado). é o cara na rua que tem que berrar "rola, ô, gorda!"? isso aconteceu com uma amiga minha. coisa que seria BEM diferente de uma mãe ou um médico chegar pra ela e falar (como, aliás, chegou e falou, já que ela tá pré-diabética)"olha, vc tá com a saúde em risco, vc tem que se cuidar". o emagrecimento aqui é consequência, não é o foco. não é emagrecer pra corresponder ao que o babaca que berra pra gordos na rua quer ver andando na rua.

eu já vi muita gente falar isso, que se viu enorme em foto e tomou um choque. mas essas pessoas já sabiam que estavam gordas. o negócio é que chega num ponto em que muita gente fica triste e larga mão. acha que não tem mais jeito e que felicidade não é pra ela/ele. ninguém acorda de repente com 150, 200kg. por que essas pessoas não pararam antes? cada caso é um caso, cada pessoa tem um universo de motivos.

Ana disse...

@Zero
"é o mesmo ponto de ninguém perceber que você tem vergonha de entrar numa academia de bermuda e camisa sem manga pra malhar expondo o corpo com as quinas dos ossos protuberantes, em meio a tantos que caem graciosamente no padrão estético que todo mundo espera que você atinja."

Exato... Se vestir pra caminhar quando se é gorda é lindo, porque é tudo malha agarradinha no corpo, marcando tudo, e você não sabe o que faz pra esconder o corpo. Eu acabava malhando/caminhando sempre de roupa preta, grossa, comprida, e com blusas de manga (blusa de alcinha com os meus peitos? Ahahaha chega a me dar ataque de riso). Eu morria de vergonha de fazer exercício na frente dos outros. E é aquele paradoxo - você não quer fazer atividade física porque é gordo/magrelo, mas só vai deixar de ser gordo/magrelo se fizer atividade física.

E falando em 'parecer homem de verdade', garotos do meu Brasil Varonil, nenhum de vocês se atreve a escrever sobre como é a exigência estética pra vocês? Sobre emagrecer, ou talvez como no caso do Zero ganhar músculo? Eu tenho bastante curiosidade de saber como é ._. Ah vai, alguém aí deve ter histórias pra contar.

@20:49
"Monique Oliveira, não existe biotipo de gordinho."

Você está certo disso?

@Maiê
"Eu ,por exemplo,me olhava no espelho e pensava:Pareço mais com a Giselle que a gêmea dela. Era muito surpreendente não ser confundida com ela na rua.Comprava uma calça 44/46, mas achava que era pq aquela marca tinha medidas confusas.Eu me pesava mas sempre tirava um zero do resultado final, afinal zero não tem valor real... Quando pequena eu recebia apelidos relacionados a animais pesados, mas pensava:É pq tenho boa memória e nado bem... Nunca desconfiei que era gorda até um desconhecido bem intencionado me avisar."

Rindo eternamente depois desse comment... LOL

Anônimo disse...

"Não acredito que um gordo vá morrer só pq é... gordo!"

hm, aí depende. um leve sobrepeso ou obesidade? obesidade mata, sim. e mata aos poucos como um câncer. seja pela pressão alta, esteatose hepática, resitência a insulina, diabetes, alterações hormonais que levam a câncer de mama... mas, tá. ok.

comparei com um câncer. a pergunta é: alguém berra na rua:"ô, seu portador de câncer!", como se isso fosse um xingamento? não, né.

Ana disse...

@20:37
"Eu disse que ÀS VEZES nossa obesidade/excesso de peso ou outra coisa qualquer é o chamariz para que os outros nos amolem e assim possamos pôr a culpa
da nossa infelicidade neles (sim, porque essa amolação nos afeta muito)."

... Bom, se você faz isso, né amigo? Escolha sua O_o Mas como você disse, "às vezes". Então, não são todos. Não me inclua nesse barco.

"A Ana do post não parou de culpar a mãe e o patrulhamento/preocupação dos outros como FONTE REAL DE SEUS PROBLEMAS, que passa longe da realidade. A realidade é que ela se sentia culpada sim, por uma alimentação errática, pela falta de exercício, ou até pela feiúra, sei lá, mas jogava essa culpa na mãe, que a admoestava."

A Ana do post sou eu XD

E eu não sei se você leu direito o que eu escrevi. Porque eu disse que o problema com a minha mãe era A ABORDAGEM. Todo mundo deve ser saudável, super apóio. Agora, enfiar na cabeça de uma pessoa que ela é gorda e feia como se ela devesse alguma coisa pro resto do mundo não ajuda, pelo contrário, só atrapalha.

Fica difícil eu não me sentir culpada quando passo toda a adolescência ouvindo que sou 'uma abóbora' da pessoa que eu mais amo no mundo, não acha?

E assim, 'fonte real dos meus problemas'... Ninguém nunca me perguntou se ser gorda era problema pra mim a começo de conversa. Ninguém perguntou se eu me achava bonita ou não, se eu queria mudar ou não - isso nunca esteve em discussão. Eu sinceramente não me importava tanto até começarem a me mandar emagrecer. Aí sim se tornou um problema, não porque eu queria me livrar da gordura, mas porque eu não queria ter que lidar com todo mundo se metendo na minha vida e me chamando de gorda/preguiçosa/feia/etcetcetc.

"Obesidade em crianças é um assunto seríssimo; não sei se você viu o caso do pai separado do Paraná que denunciou a ex mulher pelo crescente aumento de peso da filha de 6 anos a cada visita, o qual a ex mulher atribuía a fatores genéticos e não fazia NADA."

...eu não sou, nunca fui, sequer cheguei perto, de ser obesa. Aliás, ninguém na minha família é obeso.

"Quando não nos afetamos com o patrulhamento de sempre seja lá por que for, é o indicativo de que não estamos usando esse expediente de fazer o papel de inocente vítima e culpar os outros vitimizadores."

Claro, eu devia não ter dado a mínima bola pro que a minha mãe falava, se dei é só porque eu quero me fazer de vítima. Aliás, é esse o problema de todo mundo comentando aqui, a gente só quer mesmo é por a culpa nos outros pelos nossos 'problemas' (que os outros, e não necessariamente a gente, decidiu que são problemas).

Me pegou, hein!

Anônimo disse...

gente, que academias são essas que vcs frequentam que só tem semideuses? serião, academia não tem só gente inalcançável, não!

tem gente de todo jeito. do mais magrinho ao mais gordinho. do mais novo ao mais velhinho.

Vitória disse...

Lola,
A notícia desse link não tem nada a ver com o post, mas pensei em deixar aqui porque este é o post mais recente. Achei super legal :]

http://noticias.terra.com.br/educacao/noticias/0,,OI6106888-EI8266,00-Menina+sofre+pressao+apos+criar+pagina+sobre+problemas+da+escola.html

Marina disse...

Ah gente, é péssimo ler esse tipo de coisa, a pouco tempo eu era MUITO gordofobica, vivia falando que só é gordo quem quer, que é falta de amor próprio, todas essas babaquices. Hoje entendo que estava errada, mas me sinto mal por tudo que falei para outras pessoas, e estou lutando muito para não ser mais gordofobica.

Minha vida inteira fui magra. Assim, magra de doer. Vendo fotos de quando tinha 7 anos, não entendo como eu não quebrava, de não magra que era. Meu pai me chamava de saquinho de osso até. Eu vivia doente, mas ninguém nunca parou para pensar que o problema talvez fosse minha magreza. Eu não comia muito porque não sentia fome mesmo, mas ninguém se preocupada, afinal eu era magra, era linda. Quando tinha uns 11 anos dei uma engordadinha, mas com a adolescência isso se transformou em corpo (tenho cintura fina e peitos grandes). Mas, mesmo assim, eu era muito magra. Tenho 1,58 e pesava 45kgs, IMC 19, eu estava a baixo do peso, e ninguém nunca falou nada. Já meu irmão, que trabalhava bastante embarcado, quando voltava a terra estava sempre mais gordinho e todos comentavam, mandavam minha cunhada (que é nutricionista) fazer o menino emagrecer, que aquilo não faz bem pra saúde, etc. Meu irmão SEMPRE foi mais saudável que eu - mas eu era magra, não tinha problema.

No ano do vestibular ganhei peso e fiquei com 47kgs, ainda BEM magra, mas IMC 20, ou seja, dentro do peso ideal. Não sou dizendo que eu era saudável ou que tenho barriga tanquinho, nada disso é verdade. Eu não faço exercício nenhum, não comia quase nada, minha barriga é esquisita, eu tinha vergonha de usar biquini, isso eu sendo magrela.

Ai no começo do ano eu fui para a Itália, passei dois meses lá e engordei bastante. Cheguei no Brasil com 58kgs, IMC 23, ou seja, AINDA DENTRO DO PESO IDEAL. No mesmo dia que eu cheguei, meus avós vieram aqui em casa me ver, e o primeiro comentário da minha vó foi: você engordou hein! Não perguntou sobre a viagem, não agradeceu pelo presente, só falou do meu peso! Todo mundo vinha me falar que eu tinha engordado, nas fotos só reparavam no meu rosto grande (engordo primeiro no papo e depois nas bochechas). Eu me senti tão mal, me senti um lixo, uma obesa (repito: eu estava dentro do peso ideal). Antes eu não comia muito porque não tinha fome, depois da viagem passei a não comer muito porque me sentia nojenta. Ao invés de fazer um lanchinho de madrugada, eu ia dormir. Não tomava café-da-manhã. Enfim, não era saudável. Estava com 47kgs, ou seja, o peso que tinha antes da viagem, aí começou a greve das universidades públicas, não faço nada da vida a mais de 3 meses, conclusão: engordei. Estou com 50kgs. No começo tentei lutar contra isso, entrei em tudo quanto é site de dieta, até que em algum site vi um comentário de alguém que falava sobre essa tal de gordofobia, e eu me identifiquei tanto.

Eu não sou gorda, nunca fui gorda. Na maior parte da minha vida, fui abaixo do peso. Hoje em dia continuo sendo bastante magra. E, mesmo assim, eu sentia, e muito, a gordofobia. Não consigo imaginar como é sofrer com a gordofobia sendo gordo, deve ser muito ruim e eu estou aqui me desculpando a todos vocês que já sofreram e ainda sofrem por causa disso. Eu posso nunca ter te conhecido, mas minhas ações contribuem para que isso se perpetue. Gordofobia é ruim tanto para os gordos quanto para os magros, todos sofremos com isso, foi isso que eu quis explicitar com a minha história. Estou tentando ao máximo parar com as piadas de gordinho, de ficar me metendo no corpo alheio, ninguém merece ou precisa disso.

Então, mais uma vez, eu sinto muito, MUITO, que vocês sofram assim.

Samantha Pistor disse...

"Claro, eu devia não ter dado a mínima bola pro que a minha mãe falava, se dei é só porque eu quero me fazer de vítima. Aliás, é esse o problema de todo mundo comentando aqui, a gente só quer mesmo é por a culpa nos outros pelos nossos 'problemas' (que os outros, e não necessariamente a gente, decidiu que são problemas)."

[2] Oh yeah, um grande [2] nesta frase.

O resumo da situação é o seguinte: se você escutou seus pais na infância e na adolescência (ai tipo, quem ouve os pais nessa idade, ainda mais criança), desenvolveu problemas de auto-estima e verbaliza isso, você é uma gorda vitimista preguiçosa que culpa os outros pelo seu problema.

Se você não escutou seus pais, é gorda, se aceita ou todas as variações permitidas, você é uma gorda preguiçosa e impertinente, que não escutou os bons conselhos dos teus pais e por isso esta aí, gorda.

No win situation.

Anônimo disse...

Lola, acho que todos que estão fora do padrão sofrem com comentários de terceiros. Eu sempre fui magra e sofro muito com isso. Talvez seja impressão minha mas acho que as pessoas ainda pensam duas vezes antes de comentar que um gordo está gordo e isso não acontece com os excessivamente magros. Sempre que alguém comenta que estou magra, eu chego em casa, desabo no choro e continuo chorando durante os dias seguintes antes de sair de casa. Porque a vontade é de não colocar o pé na rua! Aliás, ultimamente não tenho perdido a oportunidade de ficar em casa mesmo longe dos olhos de todo mundo.O argumento é o mesmo: A saúde! "Nossa, como vc tá magra, vc precisa comer!". E eu já tomei todo tipo de remédio pra engordar e abrir o apetite mas nada funciona mesmo. Não mostro as pernas nem por um decreto e desde a minha adolescência não tem nenhum short/saia/vestido no meu guarda roupa. Enfim, minha péssima auto-estima somado a outros fatores se reflete gravemente na minha vida acadêmica e tá difícil superar. Não estar no padrão é ruim pra todos que estão fora dele.

Anônimo disse...

@21:58
Acho que estamos discutindo a parte estética do gordo, é por causa dela que existe a gordofobia.
Vc não viu o tanto de gente dizendo que dá pra ser gordo e saudável ao mesmo tempo?!
Hm... separando de certa foma, há uma diferença entre ser gordo e possuir uma doença (não sei se é esse o termo, mas seria a obesidade).
Então... vc não vai morrer por ser gordo, mas por estar obeso... =P

Anônimo disse...

Niemi tinha/tem problema com a mãe, Ginger tem problema com a mãe, Ana tem problema com a mãe. Filhas da (mesma) mãe?

Anônimo disse...

a balança é a coisa menos confiável pra um emagrecimento com saúde. conheço gente com 1,73, 76kg e é saradésima. 12% de gordura no corpo.

Isso ai não é emagrecimento, é hipertrofia. Quem é hipertrofiado sabe seu IMC, se pesa e vive se medindo sim. Quem é gord@ não se pesa de medo. Não vamos confundir as estações, tá?

Natália T. disse...

Tá aí uma coisa que eu acho engraçada pq eu GOSTO de homens gordinhos e, geralmente qndo eu digo isso, as pessoas me olham com aquela cara de 'ah.. tá bom.. vou fingir q eu acredito'.

Isso de gente que quer que o outro emagreça ''pela saúde'' é a maior balela! Não é pela saúde, é pq acha ESTETICAMENTE FEIO mesmo!

Vejo pela minha sogra: meu namorado NUNCA comeu frutas e verduras. SEMPRE bebeu feito um alcóolatra (toma porres homéricos desde os 15 anos) e sempre comeu muita carne gordurosa e frituras. Mas sempre foi gordinho estilo 80-85kg.. Aí, depois, engordou 25 quilos e chegou quase aos 110kg. Então, a mãe dele começou com um tal de 'vc tem q emagrecer! isso não é saudável! vá fazer exames! olha o colesterol! olha não sei o q'. O engraçado é q ela é gorda e deve pesar uns 80 kg.. Entao, tipo, o sujo falando do mal lavado..

Sei lá, não sei pq toda essa gordofobia. Confesso que queria voltar aos meus 57kg, mas é uma coisa minha. Nos outros, nem gosto de gente magra. Como disse, sempre gostei dos caras gordinhos..

Anônimo disse...

@lara De Dupont

infelizmente para pessoas como vc o sofrimento alheio é invisivel, minimizado, numa total falta de empatia.

Colocar a questao do racismo nos termos que vc colocou demonstra que vc pouco se importa com o que não lhe diz respeito diretamente.

Racismo nao é bulling. Pessoas sao mortas, perseguidas pela policia, diariamente apenas por serem negras.

Anônimo disse...


"E eu não sei se você leu direito o que eu escrevi. Porque eu disse que o problema com a minha mãe era A ABORDAGEM. Todo mundo deve ser saudável, super apóio. Agora, enfiar na cabeça de uma pessoa que ela é gorda e feia como se ela devesse alguma coisa pro resto do mundo não ajuda, pelo contrário, só atrapalha."

Eu entendi. Todas as abordagens dão água. Ninguém jamais acerta na palavra mágica e por isso muito mais razão temos não só para continuarmos gord@s como também para manter a culpa dos que tentam nos alertar.
Uma coisa, porém, você não mencionou quanto à sua mãe: o que ela fazia em termos de alimentação
da família como um todo para ajudá-la a perder peso?

Anônimo disse...

"Exato... Se vestir pra caminhar quando se é gorda é lindo, porque é tudo malha agarradinha no corpo, marcando tudo, e você não sabe o que faz pra esconder o corpo. Eu acabava malhando/caminhando sempre de roupa preta, grossa, comprida, e com blusas de manga (blusa de alcinha com os meus peitos? Ahahaha chega a me dar ataque de riso). Eu morria de vergonha de fazer exercício na frente dos outros. E é aquele paradoxo - você não quer fazer atividade física porque é gordo/magrelo, mas só vai deixar de ser gordo/magrelo se fizer atividade física. "

Se o problema não era seu de ser gorda e se para você na verdade não havia problema algum relacionado a peso, se era tudo paranóia de sua mãe, por que se encondia ou fugia da academia/ deexercicio ao ar livre?

Olha, não vou prosseguir mais com esse jogo de palavras.
Boa noite a tod@s.

Anônimo disse...

É horrível mesmo ter de ouvir comentários sobre o quanto você está gordo. Pior ainda sobre o que você ta comendo. Sempre tenho alguém pra policiar se to tomando refrigerante ou comendo um chocolatinho, dizendo que assim não vou emagrecer nunca.

Eu, particularmente, engordei durante uma fase muito difícil da minha vida e além dos problemas de auto estima que surgiram (com a ajuda de comentários, sim), eu fiquei muito sedentária e, no meu caso, tenho que perder peso em prol da minha saúde mesmo.
Só que aí acontece outra coisa desagradável: pessoas me dizendo que não preciso emagrecer e que eu tenho que me aceitar. Ora essa, eu não sei dizer o que me incomoda mais. Se quero emagrecer, isso é comigo, é uma decisão minha e o "sacrifício" - não vejo dessa forma - é meu.
O que é que as pessoas tem a ver com isso? Eu, particularmente, não to perseguindo nenhum corpo perfeito de capa de revista, não to fazendo nada não-saudável, mas as pessoas sempre vão achar algo pra criticar. Tenho certeza que se eu dissesse por aí que não penso em emagrecer porque me aceito assim iria ouvir comentários sobre a minha saúde.
As pessoas nunca estão satisfeitas, mesmo e se acham no direito de dar palpite sobre o corpo alheio.

Acho que ninguém tem que ficar fazendo qualquer tipo de comentário sobre o corpo dos outros. Ninguém tem nada com isso!

Jairo disse...

Antes de falar da minha experiência devo dizer que para mulher é muito mais complicada essa questão.

Já fui obeso na minha infancia, não tenho tanta certeza mas tinha 1,50 e 84kg. Não sei se técnicamente é considerado mas enfim.

sofri uma pressão gigantesca em casa e fora dela para perder peso, tinha todos os apelidos e ouvi todas as piadas possiveis sobre ser gordo. Dos 13 para os 15 anos perdi poucos kg, apenas 10 porém cresci 20cm então meio que né!? Continuei gordinho mas já não era aquela perseguição para perder peso. depois cheguei a ter um porte atletico, extremamente magro por motivos de saúde que nada tem a ver com peso, engordi de novo, emagreci de novo e engordei novamente. Hoje até estou num peso considerado bom pra altura e tals.

Com certeza quando gordo tive minha auto estima esmigalhada por todos a minha volta, o que me deixou com problemas que ainda estão comigo até hoje. Me lembro como fugi da educação física na época do colégio por vergonha, que ser visto sem camiseta era fora de cogiração inclusive em clubes, praia ou seja onde for, achava que pessoas que faziam amizade comigo me prestavam um grande favor e bem... Não dava para a amizade ser saudavel nesses moldes.

Eu acabei seguindo a linha do "me adequar ao que o mundo aceita"; coisa que não teria feito se fosse hoje em dia com a mentalidade que tenho. Consegui uma auto aceitação bem melhor e percebo como todo aquele esforço que fiz não foi por mim e isso é ruim e imutável. Hoje só faria se fosse por mim.

Para o anonimo que falou que alguém pode ser gordo pra jogar a culpa nos outros. Eu achava que a culpa era minha e até que incomodava os outros com minha imagem nessa época... Num foi fácil. hehehe

Anônimo disse...

sentindo falta do Lord Anderson, alguém se lembra qdo foi que ele comentou no blog pela última vez? será que o perfil dele morreu?
aleluia!
http://www.youtube.com/watch?v=wyZF0oROoPA

Anônimo disse...

À Mesa

Cedo à sofreguidão do estômago. É a hora
De comer. Coisa hedionda! Corro. E agora,
Antegozando a ensangüentada presa,
Rodeado pelas moscas repugnantes,
Para comer meus próprios semelhantes
Eis-me sentado à mesa!

Como porções de carne morta… Ai! Como
Os que, como eu, têm carne, com este assomo
Que a espécie humana em comer carne tem!…
Como! E pois que a Razão me não reprime,
Possa a terra vingar-se do meu crime
Comendo-me também.
Augusto dos Anjos

Ana disse...

@00:31
"Eu entendi. Todas as abordagens dão água. Ninguém jamais acerta na palavra mágica"

Eu não sei se você vai voltar pro meu jogo de palavras (haha), mas enfim...

Sério que você que acha que o jeito que as pessoas tratam gordos por aí é só questão de 'palavra mágica'? Que é tudo a mesma coisa não importa como você trate o assunto, todas as abordagens dão em água?

Então se um apelido um gordo de baleia é basicamente a mesma coisa que levá-lo ao nutricionista - vai dar tudo na mesma, nos dois casos estou fazendo esforço pra que ele emagreça, né. No primeiro caso ele pode ficar um pouco sentido, mas ah - não tem jeito certo de dizer pra uma pessoa mudar, dá tudo em água.

"Uma coisa, porém, você não mencionou quanto à sua mãe: o que ela fazia em termos de alimentação
da família como um todo para ajudá-la a perder peso?"

Pessoa, eu posso perguntar uma coisa?

Quando foi que você se convenceu que esse post é sobre a minha mãe?

Não, porque antes você já tinha dito que eu 'não parei de culpar minha mãe pelos meus problemas' - e oi, eu citei minha mãe nos dois primeiros parágrafos, depois segui falando da minha experiência e do porque eu acho que, se as pessoas fossem menos intolerantes, todo mundo seria mais saudável. Eu falo de mim justamente porque eu senti na pele como é se achar cada vez mais gorda e feia e como isso só atrapalha.

Mas tá. Já que você ficou curioso, eu comecei dieta várias vezes (feita por nutri, antes que alguém pule aí com a idéia errada). A família continuou toda na mesma (minha avó me perseguindo pela casa com um potinho de sobremesa, mas enfim).

Eu não sei o que exatamente você esperava ler, mas enfim.

E assim, minha mãe é a figura mais presente que eu tenho, isso não significa que eu não tenha sido alvo de todo tipo de comentário do resto da família/amigos/conhecidos/mundo.

Anônimo disse...

Eu já sofri muita humilhação por ter engordado 30 kg.
As pessoas que me dizem pra emagrecer "pq só querem o meu bem", curiosamente, não querem nem ouvir dos abusos que passei e nem dos problemas que eu sofri. Não querem a minha felicidade, querem, isso sim, parar de ser importunados visualmente pela minha infelicidade.
Cássia

Ana disse...

"Se o problema não era seu de ser gorda e se para você na verdade não havia problema algum relacionado a peso, se era tudo paranóia de sua mãe, por que se encondia ou fugia da academia/ deexercicio ao ar livre?"

Mas amor, o que você esperava? Que depois de ser chamada de gorda eu estufasse o peito e dissesse: AH, QUE SE DANE! EU SOU LINDA ASSIM MESMO! Me colocasse num top pink e saísse rebolando?

O seu argumento é que um gordo feliz só é 'autêntico' se for completamente imune a tudo que os outros dizem a vida toda.

Porque né, olha eu, que entrei na paranóia da minha mãe, passei a me odiar, sofri pra caramba - mas óbvio, a verdade é que ser gorda pra mim é uma desgraça, eu só não sei reconhecer isso e fico colocando a culpa na mãe (que eu já disse lá em cima que é só um vítima, mas sei lá se você está lendo o que eu escrevo nessa caixa).

Qualquer pessoa que seja patrulhada por alguma coisa sofre. Não é só gordo - tem uma conhecida minha que era chamada de 'caniço' na adolescência, pergunta se ela gostava das pernas dela? (caso parecido com a 22:53). Dificilmente ter pernas finas mudava alguma coisa na vida dela (talvez dificuldade pra comprar calça?), mas o negócio é que ela morria de vergonha mesmo assim. Mas claro, a verdade é que ela nunca gostou das pernas, e reclamar agora que as pessoas se metiam numa coisa que não afetava eles em NADA é fazer mimimi e colocar a culpa no lugar errado.

Eu não sei se eu vivo num mundo alternativo e só aqui as pessoas tendem a ficar chateadas com o que ouvem, mas assim, se você começa a falar pra uma pessoa que ela TEM QUE emagrecer como se ela devesse alguma pro mundo, dificilmente ela vai dar de ombros e não se sentir afetada por isso.

Tem gente que até é assim, mas me desculpe por ter sido uma pré-adolescente que se magoou com o que ouviu da mãe (e não só dela). Me desculpe por ter acreditado no que ela dizia e ter feito tudo o que podia não importando o quão doloroso fosse pra me encaixar no padrão dela. Me desculpe por ter precisado conhecer o feminismo e abrir a cabeça pra me dar conta de que eu não precisava me sentir como um desperdício de espaço. Eu devia ter sacado logo!

Tá chovendo de gente nessa caixa com todo o tipo de história - é irmão que fica mostrando foto do passado, é mãe que só compra roupa preta pra filha, é namorado que ficou tão noiado que deixou de fazer um monte de coisas que gostava... Você acha que tudo o que eles passaram não tem nada demais? Que se eles se incomodam então o problema está mesmo é neles?

... Vamos aplicar a lógica a outro caso?

Estudantes se incomodam com bullying - claramente a verdade é que eles deviam não dar bola pro que os outros dizem. Se eles dão, a verdade é que eles não se gostam como são, mas não mudam porque é mais fácil se fazer de vítima.
E se o motivo do bullying é algo que não pode ser mudado, aí piora - OBVIAMENTE essa criatura que está aí reclamando quer posar de coitado, oras, se ela não pode mudar alguma coisa então claramente não tem sentido em se ofender com o que os outros dizem; porque não há o que fazer. Essa pessoa com certeza sabe disso, mas não quer deixar passar a oportunidade de chamar atenção.

Aliás, nem sei porque as pessoas se deram ao trabalho de nomear uma coisa como 'bullying' - é uma maneira de abordar uma pessoa sobre algo nela que incomoda os outros (e se ela reclamar, fica provado que incomoda ela mesma também), e toda a abordagem dá em água. Que diferença faz, né? :D

Eu tenho a intuição que você não vai arredar pé (se é que vai voltar pro 'jogo de palavras'!), mas tudo bem.

Precisando conversar eu tô aqui *estrala os dedos*

Mirella disse...

esse anônimo das 00:40 e etc que tá tentando convencer a Ana e o mundo de que os gordos SE FAZEM de vítima tá um festival de piada pronta.

É tanta, mas tanta falta de empatia - sem mencionar uma inclinação para a burrice - que isso vai ser divertido.

A pessoa não aceita o quão horrível é ser julgado, medido e analisado pela pessoa mais importante da sua vida: sua mãe. Imagine a falta de compaixão de um ser que não faz ideia de como é ter um cartaz de "fracassado" que foi posto ali pela pessoa que deveria lhe apoiar e amar?*

A incapacidade cognitiva é tão grande que até agora a única coisa que conseguiu cuspir foi que os gordos se fingem de vítimas pelo patrulhamento de que são alvo. É de cair o forévis da bunda.

Diga-me qual é a dificuldade de entender que o que todo gordo quer é SER DEIXADO EM PAZ??? F*DA-SE o que você acha do gordo, pare de encher o saco dos outros. Pare de patrulhar. Sua opinião só não é inútil porque mostra como a gordofobia pode assumir discursos diversos e preconceituosos.

Diga-me qual o sentido no fato de a pessoa INSISTIR em ser gorda (???) para ser DISCRIMINADA por todos, inclusive pelas pessoas mais importantes de sua vida?

Diga-me se é tão difícil de entender que o problema não é se preocupar com a saúde de quem você ama e sim INFERNIZAR a vida desta pessoa?

PQP vocês viu.

Como um ser humano consegue ser tão insensível?

Felipe disse...

Primeiros algumas verdades:
- Gordo é o modo como te julgam pura esteticamente. Fato. Pq vc pode ser "gordo" e estar saudável, ou pode estar acima do peso e não te chamarem de gordo.

- A sociedade vai sempre te julgar de acordo com o padrão. O problema que o padrão sempre muda. Como falaram num dos comentários acima, 30 à 40 anos atras, fumar era charmoso e elegante. Na África, em alguns paises, ser "gordo" é visto como sinal de prosperidade.

- Já fui obeso. Já ouvi tanto "vc precisa emagrecer", como também me enganava achando que eu não estava obeso (e eu estava). Mas no fim, cheguei a conclusão que tudo depende de vc mesmo.

- As pessoas vão sempre achar algo para falar de vc. "Gordo" vai ser só mais uma desculpa.

Huan Icaro Piran disse...

@Anonima 14:50

Se alguém achar ruim o como você lida com seu corpo, certamente esse alguém não merece consideração. Fico feliz que tenha encontrado algum ponto que lhe faz bem.

Também me incomodei nos idos tempos de EF na escola, mas era por jogar bola e o pessoal vir na maldade no "jogo de corpo" hjekwahkhewak eu sempre parava no chão...até eu passar a jogar de zagueiro na politica de "a bola por passar...o jogador não!" '-'
Há bons motivos para eu ter largado o futebol, era uma briga por aula...

@Ana

"... Eu vou me meter aonde não fui chamada (de novo), e pode ser que leve na cara (de novo), mas suspeito que cometestes um erro parecido com o meu.

Acho que ao dizer 'sem mais por hora' Huan quis dizer que ELE não ia comentar mais pra não tirar a caixa dos trilhos, não que outras pessoas não podiam mais comentar :)

O que entendi foi que ele quis prestar solidariedade ("Faço questão de levantar a bandeira toda vez que comentam sobre violências sexuais") sem atrapalhar a conversa... E sobre não ser novidade, não quer dizer que não seja importante, é só que volta e meia o assunto aparece aqui.

Posso até estar errada (não seria a primeira vez hoje), mas sei lá, nem bate com o perfil dele querer minimizar uma coisa dessas.

... É, acho que teve uma falha de comunicação aqui, sim."

Foi exatamente isso...eu me expressei mal x_x

@Anonim@ 21:04

O triste é que se eu adoeço, perco de 2 a 3 kg de massa, mas como tenho menos de 5% de índice de gordura, sempre é massa magra...tende a ser problemático, pois qualquer gripe me faz parecer um zumbi.

Mirella disse...

coloquei um * no meu comentário que esqueci de explicar, ops


*não que tenha sido isto que a mãe da Ana fez, foi uma maneira de generalizar o modo como os gordos são tratados. Falo por experiência própria, não importa o quão bem sucedido nos estudos, no trabalho ou na vida pessoal alguém seja, se você é gordo, é isto que vai sobressair.

Depois de tentar tanto, tanto tanto tanto agradar aos outros, cansei. Foram tantos anos tentando me encaixar no que viam como aceitável, certo e saudável e tantas frustrações que aprendi a ignorar. Obviamente só consegui isto depois de passar pela adolescência, sair de casa, morar sozinha, arrumar um emprego e conviver com outras pessoas que me amam e aceitam como eu sou. Entendo que a mãe da Ana não perceba que faça mal à filha, pois vemos em todos os lugares pessoas julgando o gordo, maltratando e se criou um senso comum de que isto é demonstrar preocupação com a pessoa.
Porém acredito firmemente que o post da Ana serve como uma bandeira, um pedido para que as pessoas analisem a maneira que lidam com o gordo. Parem para pensar em suas atitudes e se a sua preocupação toda com a gordura não está revestida de preconceito.

Anônimo disse...

"Isso ai não é emagrecimento, é hipertrofia. Quem é hipertrofiado sabe seu IMC, se pesa e vive se medindo sim."

alguém querendo ensinar pai nosso ao papa? não sei meu imc até pq essa medida é furada, não me peso e não vivo me medindo. só faço medida antropométrica uma vez por períodos, com aquele aparelho que avalia e não com técnica de dobras.

e de nada adianta uma pessoa hipertrofiar loucamente (hipertrofia muscular = músculos crescerem. não diz nada sobre gordura)tendo muita gordura no corpo. os músculos não aparecem. a pessoa fica maior, mas nada definida.

tenho achado engraçado aqui pessoas dizendo como são as academias, o que pessoas que hipertrofiam fazem... tudo com conhecimento de causa, né? só que não.

Anônimo disse...

Acho que a galera anda meio perdida por aqui, cada hora argumentam uma coisa, de acordo com o que lhes convém. Uma hora falam que quem é gordo sofre, quer emagrecer, mas é difícil que não é pra quaquer um. Daí depois falam que é horrível falar que o outro é gordo, pois a pessoa TEM que ser feliz como é e nã como o padrão de beleza ditado. Daí vêm com esse papinho de "gordo não é doente e gordofobia tem a ver é com estética". Mas no fundo ninguém quer ser gordo e todo mundo quer emagrecer, mas ninguém pode falar nada, por que daí é gordofobia. Só sei que não tem nada melhor que fazer exercício por que gosta (seja na academia ou ou indo a pé para o trabalho), comer de forma saudável (e não compulsivamente) e poder se movimentar com liberdade: Me diz que gordo faz isso?

Mirella disse...

o anônimo das 10:55 é um oráculo, gente.
inclusive determinou já o sonho de consumo de todo mundo.
Que sensacional.
Precisa tomar Activia para c*gar tanta regra assim?

Anônimo disse...

anon 10:55.

sim, gordo sofre. por mil questões já comentadas.

sim, a pessoa tem que ser feliz. mas tem que ser feliz e se aceitar. isso é diferente de dizer que ela tem que ficar COMO ESTÁ. eu me aceito e quero muito mais coisa pra minha vida. mudar faz parte.

o padrão das capas de revistas é cruel até com pessoas sem sobrepeso nenhum.

o gordo, obeso, é doente. se não está doente, está caminhando pra isso. acontece que muita gente considerada gorda não é gorda. e muito magro pode estar mais doente que um gordo. não digo obeso com comorbidades, mas um gordinho com sobrepeso,o que não significa necessariamente doença.

será que todo mundo quer emagrecer? conheço gente que não. mas não são obesos. só estão fora de um padrão ditado como perfeito e desejável.

sim, tem só a ver com estética, já que tem magro com percentual de gordura mais alto do que um gordo e ninguém aponta o magro na rua.

daí eu concordo. amo exercícios e eles são parte da minha vida há muitos anos. tive dois exemplos em casa: um pai que sempre se exercitou e está ótimo (nunca foi magrelo, mas nunca foi gordo) e uma mãe super magra, que comia o que dava na telha, era sedentária e morreu relativamente cedo de um câncer que, segundo os oncologistas, tá muito ligado a estilo de vida - o de intestino.

eu ainda acredito que qualquer ser humano goste e precise de movimento. não precisa ser academia, mas existe alguma atividade que dará prazer. se nosso corpo produz endorfina como resultado de exercício, isso me leva a acreditar que fomos feitos pra isso, pro movimento.

Maria Valéria disse...

" nao tem nada melhor do que fazer exercício porque gosta, e poder se movimentar com liberdade.que gordo faz isso?"

Resposta: Minha professora de expressão corporal, que me deu aula ano passado e 2010. Ela e gordinha, e nem por isso deixa de fazer atividade fisica que ela gosta ( a especialidade dela e dança, tanto que ela se apresenta em diversos espetaculos); quanto ao " se movimentar com liberdade": ela tem um alongamento de dar inveja ao meu( que sou magra) e faz alguns " malabarismos" com o corpo dela, que eu, magra, jamais pensaria ou ousaria fazer., e que nao e qualquer um que faz.
E ela e gordinha!!!!
se a alimentação dela e saudável, nao sei, nunca perguntei, porque nao sei se isso lnfluencia na vida e no trabalho dela.
Também nunca perguntei se ela queria emagrecer,se ela tem problema de auto aceitação,
Deixa ela ser feliz gordinha, fazendo o que gosta, ue!!!

Mariana. disse...

As pessoas estão ficando LOUCAS com essa obsessão de boa forma, loucas mesmo.

Eu sou uma pessoa relativamente magra. Meu IMC é entre 20 e 21, mas sempre estive mais pra falsa magra (até um tempo atrás era a pessoa mais sedentária do universo). Tenho 1,71 e pesava 60 kg. Ou seja: era uma pessoa visualmente magra, embora não tivesse um estilo de vida muito saudável (por sorte nunca tive alterações no meu hemograma).

Enfim, nessa época, meu pai NUNCA falou um A pra mim sobre minha forma física. Visualmente, para ele, eu estava bem, pouco importava meu sedentarismo (que é algo realmente nocivo).

O fato é que, no ano passado, eu engordei 5 kg em seis meses. Era o último ano da faculdade e eu estava realmente tensa. Meu IMC continuava dentro do normal e ainda era considerada uma dessas falsa magras, mas é claro que a roupa ficou mais justa e apareceu um pneu aqui e ali.

Foi o suficiente para o meu pai começar a campanha para o meu emagrecimento. REPITO: nunca fui gorda. Meu pai é meio obcecado por forma física. Pessoas tem que ser magras.

Esse ano já emagreci os 4kg saudavelmente, fazendo exercício aeróbico e bem pokinho de musculação. Não por pressão, porque nunca dei ouvidos pra isso e sou bem taxativa na hora de responder. Mas vejam a que ponto as pessoas chegam, cobrar de uma pessoa saudável que ela emagreça (sendo que nem tá gorda), porque, no padrão do mundo, eu devia pesar uns 50 kg. :(










































Huan Icaro Piran disse...

Olha, eu tenho uma amiga que esta gordinha e ama Dança do Ventre. Infelizmente por uma lesão ela não vai poder fazer mais até melhorar, algo que vai exigir fortalecimento muscular...mas ela não quer ir fazer o fortalecimento muscular pois a estrutura dela é grande e não quer ficar "marombada" ... veja bem, os absurdos, a própria ditadura estética retroalimentando a situação de infelicidade dela.
Sábado em um churrasco entre amigos conversamos sobre isso, recomendei Pilates e Ioga para ela, mas por conta de um principio de ler no ombro ela também não pode fazer, este segundo problema alias, também tendo de ser tratado com fortalecimentos.
Bem no fim no meio da conversa recomendei uma quiro conhecida de minha noiva pois ela disse ter interesse, mas também comentei que seria bom ela ir em um fisio e ver os exercícios indicados, mesmo que ela fique maior, porem com saúde.

Jamais teria comentado se ela não tivesse dado abertura e não volto ao tópico sem ela puxar o assunto...mas como ela trabalha com minha noiva e namora meu amigo (ex colega de faculdade, vizinho de minha noiva e também estudei com o infeliz no segundo grau), sei que ela tem abordado o tópico com certa frequência por preocupação pessoal.

Alias, tenho uma profunda ressalva aqui, quanto aos pai poderem interferir no assunto. Caso eles vejam que seu filho vem aumentando progressivamente de peso, principalmente na adolescência, é sim interessante terem uma conversa aberta sobre os riscos da obesidade a saúde e estimularem a procura por uma atividade física, alem é claro de procurarem auxílio de especialistas, pois a adolescência, sendo a faze estranha que é tende a gerar períodos de depressão e de flutuações hormonais. Como já citei, provavelmente não vai haver nada, mas se houver algum problema de tireoide ou de auto aceitação, porque não tratar logo no inicio?

Anônimo disse...

maria valéria,

essa sua professora talvez seja a imagem do que eu digo que não é problemático. se ela se exercita, se mexe e é "gordinha"(algo me faz crer que gordinha não é 170kg), ela tem tudo pra ser saudável. e isso eu não acho problemático em nada! acho certíssimo. ela provavelmente só está com o peso acima de um padrão que diz que toda mulher tem que ser como uma gisele bündchen pra ser bonita ou, no máximo, uma panicat.

se ela se exercita, se tá saudável e está "gordinha", eu não vejo motivo pra alguém apontar e dizer que ela tem que perder peso.

sou super a favor de exercícios. peso em si não é importante se considerado junto a outros fatores. imc é inútil, gente. é só pesquisar. é usado pra populações e estatística, não pra indivíduos.

Anônimo disse...

OI LOLA,E SCREVI UM COMENTÁRIO ONTEM FALANDO DO AMOR E DA ALEGRIA QUE TENHO PELO MEU CORPO GORDO E NÃO FOI PUBLICADO, NÃO CHEGOU OU VC ACHOU MELHOR NÃO PUBLICAR PQ ESTAVA EM CAIXA ALTA? DESCULPA MAS MEU TECLADOE STÁ COM PROBLEMAS. BEIJO

Vanessa Ribas disse...

Lola, acompanho sue blog a algumas semanas, não sei mais nem como foi que cheguei aqui, só sei que volto todos os dias! Aqui eu "acordei para a vida", acho que vivia num mundo cor de rosa onde coisas feias só aconteciam lá longe na televisão. Seus textos me fizeram observar meu dia a dia com olhar crítico, e percebi que o repulsivo está aqui do lado, e na conversa de hoje o nome dele é gordofobia.
Não dá para negar: existe, está aí e só não vê quem não quer!
Quantos gordos vemos na TV? (Fora os casos em que o gordo é a piada, claro!)
A mídia impressa vez ou outra se vangloria com modelos plus-size, que na verdade são mulheres normais, com curvas normais, longe de serem gordas...
Agora vamos um pouco mais perto da nossa realidade palpável: me conta quem foi que já viu uma vendedora gorda em loja de vestuário feminino "de grife" (leia-se qualquer marca que tenha loja própria em shopping e seja um tiquinho só badalada). E atendente de rede de fast food gordo?
Para mim está mais do que claro que empresas não querem ter suas imagens e marcas associadas a gordos. Mas por que será???
Um levantamento feito pelo Ministério da Saúde em 2011 afirma que 48,5% das pessoas estão acima do peso.
Então essa gente toda não pode aparecer?
Hoje enquanto tomava meu cafezinho da manhã via um programa matinal em que um estilista reformava um vestido de formatura de uma ex-gorda. A apresentadora estava impressionada porque apesar de gorda a moça optou por usar um vertido verde-alface e estava linda e radiante nas filmagens do evento. Então gordo tem que ser triste e recalcado? Só pode vestir preto e outras coisas que emagrecem? Além disso, estilista insistia em fazer um modelo que emagrecesse, mesmo que a moça já fosse praticamente a metade dela mesma!
O fato é que consumimos magreza o tempo todo. E para o gordo criou-se o estereótipo de que é preguiçoso, não emagrece por que não quer, não tem força de vontade, não é saudável, não tem vida social, é ranzinza, não isso, não aquilo... e tentam encaixar todo gordo nisso aí.
Por isso espanta ver uma gorda bem amada, feliz da vida, vestindo verde-alface. Já reparou a dificuldade das pessoas para elogiar uma gorda? É sempre um tal de “ Fulana tem o rosto tão bonito...” sai quase que como um pesar e lá no fundo todos nós sabemos que o “se não fosse gorda” está implícito.
Para que os magros entendam, acho que a sensação mais próxima de ser gordo e a de estar vestido com o traje errado para uma festa de gala. Todos vão julgar instantaneamente sua aparência, alguns vão comentar, vão fazer piadas esperando que você também sorria e se você levar a situação numa boa ainda assim, vão torcer o nariz, vão dizer que você está fora dos padrões e na próxima festa pode ser que pensem duas vezes antes de te convidar.
Já vesti do 38 ao 48, hoje acho que estou usando 46, mas isso não me importa. Meu tamanho varia conforme meu estilo de vida, vai ter época que tenho tempo, disposição e dinheiro para academia, e tem época que me falta uma coisa, ou as três! Aí o manequim varia.... Confesso que prefiro vestir 44, mas está longe de ser uma obsessão!
Ninguém quer ser o gordo estereotipado.
As pessoas só querem ser elas mesmas, magras ou na versão grande, com dobrinhas e bom humor!


Anônimo disse...

huan, menino, fala pra ela qdo tiver a oportunidade que esse fortalecimento muscular dificilmente vai levar a uma musculatura "de maromba". sério. crescer não é tão simples assim. ainda mais pra mulher. o fortalecimento que ela deve fazer vai ser imperceptível quase.

há milênios, eu entrei pra academia e só depois que fui fazer musculação por indicação do ortopedista pq meus joelhos saíam do lugar (fêmur muito longo). meus joelhos nunca mais deram problema. e já não davam antes de eu treinar pra hipertrofia. ou seja, a musculação é quase uma fisioterapia mais pesada. vale muito a pena pra essa sua conhecida!

Tiago disse...

Eu tenho 1m70 e peso 80kg. Só fui magro na minha adolescência, lá pros 14, 15 anos, mas desde os 18 mais ou menos comecei a engordar e hoje com 28 estou mais pesado do que nunca. E a pressão para "entrar em forma" é quase diária.
Vou fazer uma análise aqui que pode soar um pouquinho polêmica. Homens não são, nem de longe, cobrados pela aparência quanto uma mulher. Não há nenhuma comparação cabível. Porém, acho curioso como a única cobrança com relação a aparência que eu já recebi, e que vejo outros homens recebendo, é com relação ao peso! Sim, homens também sofrem preconceito com relação ao peso!
É claro, óbvio, que para as mulheres essa cobrança é maior. Mas acho que o fato de até mesmo homens serem cobrados para serem magros mais um aspecto sintomático da gordofobia.

Luiza disse...

Huan, fala pra sua amiga que fortalecimento muscular não é treino de hipertrofia. Vai ser pior pra ela ficar com a musculatura enfraquecida, que pode se ver num caso de lesão novamente. Palavras de fisio.
Fala pra ela procurar um fisioterapeuta, que vai iniciar o tratamento apropriado.

Anônimo disse...

Oi

Sou nutricionista e trabalho diariamente com obesos...Acredito que no futuro teremos uma visão diferente do obeso. Sim! Existe pessoas com sobrepeso que nao mostam alterações em exames,fazem exercicios,tem uma boa alimentação e se aceitam são felizes. Por outro lado existem pessoas eutroficas (normais) com exames alterados,bebem,fumam não tem prazeres na vida e principalmente não se aceitam, sempre querem uma outra aparencia.Então pergunto: O que é saudável?

Anônimo disse...

Existe pessoas com sobrepeso que nao mostam alterações em exames,fazem exercicios,tem uma boa alimentação e se aceitam são felizes.

Um mexicana com 340kg agora na TV não tem hipertensão nem diabetes. O médico acha que é devido à idade dela (29anos). Então, sabe como é...entra ano e sai ano, a felicidade vai para o saco.

Huan Icaro Piran disse...

Luiza e Anonima 19:35

Eu já recomendei um fisioterapeuta e atividade física, porem duvido muito que ela vá me ouvir.
Ela vai começar a treinar Muay Thay, algo que eu não recomendo muito, o professor dela tem uma fama no meio das artes marciais de ser meio açougueiro, pois mais de um aluno já se lesionou sério pelas exigências de treino. Mas ela não deu bola, tudo o que posso fazer é respeitar a escolha dela...

Sobre hipertrofia, eu sei que não vai ocorrer, mas não sei se consigo tirar isso da cabeça dela.
Algo que estava pensando ontem foi de que alguns comportamentos delas sábado foram uma tentativa de me excluir no assunto. Ao conversar com minha noiva de noite notei que era bem isso, que elas não estavam se sentindo confortáveis conversando comigo pois eu entrei no bolinho das meninas.

Anônimo disse...

@huan

ai, meu deus. hahahaha. muay thay sem fortalecimento pra quem já tem a lesão? só de pensar em chutes com leve giro do joelho de apoio já me dá arrepios...

mas, deixa, huan. é aquela coisa: maior de idade, sabe do problema. infelizmente, tem gente que vai buscar ajuda mais tarde, qdo o negócio ficar mais sério. vc não é responsável por tentar salvar o joelho dela.

Huan Icaro Piran disse...

Pois é Aninim@ 12:07 eu avisei ela por amizade, mas tenho de respeitar a escolha... x_x

Luiza disse...

Anon das 12:07.

É, aí vai procurar o fisio toda estourada, e vai ser mais uma dizendo que "fisioterapia não adianta".

Claro, procurou só quando a situação estava feia mesmo...

Huan, isso ae, fica na sua mesmo. Você, como amigo, fez sua parte.

Anônimo disse...

@luiza

pois é, luiza. senão, ele vai ser o chato da história. e fisio tanto adianta que meu médico, que é médico de time de futebol (ou seja, vê problema de joelho todo santo dia), me passou uma espécie de "fisio pesada" pq eu já tava matriculada na academia. com orientação de angulação, etc, eu até esqueço que tenho qualquer problema no joelho (é até perigoso pq esqueço do problema e arrisco várias coisas). o instrutor era formado tbem em fisioterapia e ele foi fundamental pra consertar meu joelho.

não tô falando do caso da amiga do huan, mas, citando coisas mais gerais, é super comum as pessoas fazerem pouco de profissões reconhecidas num esquema "ah, isso é enganação, não funciona". aí as pessoas fazem dieta por conta própria, não tratam dos problemas por conta própria, tomam remédio por conta própria... pô, teve gente que estudou pra isso. quantas e quantas vezes qeu já não vi gente dizendo que "fiz tudo que era possível e não emagreci". mas não fez a coisa certa. tudo tem algum jeito. o huan é magrinho? é, nunca vai ser um body builder de 150kg sem hormônios. mas ele tá fazendo o esporte dele, tá se entendendo com o melhor que o corpo dele pode dar. e isso é o ideal. é procurar o caminho certo. sempre tem uma saída. principalmente com ajuda profissional.

sério, a palavra dos meus médicos é sempre final. claro que considerando que não estão pedindo nada absurdo. hj agradeço horrores ao médico que fez meu joelho ficar direitinho e ainda me mostrou um prazer enorme na minha vida e que é remédio pro corpo e pra alma.

eu morria de preconceito com academia (vida acadêmica. agora são as duas "academias" hahahah)e já tava pronta, super jovem, pra dizer "ah, não posso fazer tal coisa porque tenho problema no joelho". fatalmente iria engordar, piorar o problema do joelho, engordar mais, piorar mais... atualmente, vejo muita gente numa argumentação baseada na genética. a genética não é tudo! a gente tem muita liberdade dentro da determinação genética.

Huan Icaro Piran disse...

@Luiza e Anonima 14:26

De fato, eu já fiz o que podia. A minha noiva vai passar o tel da amiga quiro e da outra amiga fisio para ela como havíamos falado (as duas estão trabalhando juntas). Se ela vai ir ou não vamos respeitar a escolha dela.

Recentemente vi alguém falar horrores de Pilates enquanto sendo balela e enganação ("bola é coisa para criança!" ... como se fosse a só com bola que se faz). Estou no momento falando por sms com uma amiga fisioterapeuta de SP (culpa de minha vida de nerd rpgista de internet) que estava a pouco citando os benefícios para certas lesões. O mesmo vale para tantas e tantas técnicas, importantíssimas e profissionais habilitados e capacitados...

Eu não seria bodybuilder de 150kg nem com hormônios ehawkjehwak peso 60kg e minha estrutura óssea é bem pequena xP

Com o inicio da academia essa semana (meu exame de ontem deve de ser adiado para amanha) eu pretendo aumentar minha resistência, principalmente porque quando adoeço (sinusite cronica) perco uns 2kg de massa magra e isso demora mais de mês para recuperar, algo que sindo pesar na falta de disposição, fraqueza e desanimo. Mas tenho o objetivo de trabalhar triceps e para-costal também, isso vai ajudar a fazer movimentos mais rápidos com a espada, algo que precisarei já que estou indo a competições (tudo pelo grupo...mesmo que eu tenha de apanhar para incentivar os alunos mais novos ejhwakhekwa).

Já tive preconceitos com academias e pessoas fortes por conta de pegações no pé durante a adolescência que beiram ao bulling, algo que já comentei em outro post creio eu. Isso durou até pouco tempo atras, quando comecei a praticar kendo. Conheci pessoas que são fortes, que frequentam academia, com físicos naturais que eu só terei e sonhos e que dentro da armadura do kendo, são meus iguais, me respeitam como igual e assim como eu, pedem e agradecem em cada treino.

Anônimo disse...

Gordofobia em família...
É, eu passei poucas e boas também.Na mão de quem devia me amar, apoiar...
Muitos anos já passaram, claro que eu superei, mas me dá uma tristeza lembrar de certas ocasiões que ficaram marcadas na memória.Meu pai era o pior.Eu sentia a decepção dele por não ter uma filha magra.Vivia dando alfinetadas, ou jogando coisas diretamente na minha cara.Como num dia que me pegou raspando o fundo de uma tigela de doce, vejam bem, eu não tinha comido tudo, estava apenas raspando o restinho(tinha sido a última a me servir) e já ia colocar debaixo da torneira, mas só por me ver daquele jeito, ele ficou vermelho e começou a gritar que eu ia explodir, isso no meio das visitas, constrangimento pouco é bobagem.Mas o ápice foi em uma virada de ano, eu tinha dezesseis, na hora do abraço,ele só soube desejar que "esse ano eu cuidasse melhor do corpo".Me magoou bastante.
Depois minha mãe, magérrima e frequentadora assídua de academia, vivia sendo agressiva e sarcástica, exemplo?Estávamos na calçada, e passa uma menina obesa, ela me diz "se cuida que vc vai ficar quadrada que nem ela".Agora imaginem isso quase todo dia, e ainda tinha meu irmão, o famoso "magro de ruim", me chamando de vários apelidos, eu não podia discutir com ele, era só "cala a boca balão/baleia/etc".Ficava desenhando baleiazinhas e balões em folhas de caderno e deixando onde eu pudesse ver.Um dia eu queimei um arroz e ele fala com a maior cara de maldade "teu destino é mesmo se f**** por causa de comida".
Não foi uma adolescência fácil, tudo isso me entristecia muito, eu não podia revidar, mas o tempo passou, a vida passou.
Detalhe:eu nunca cheguei a ser obesa, era cheinha, no máximo 4 ou 5 quilos passando da altura.Nossa, pq eu incomodava eles tanto?
Acabei tbm criando a tal da gordofobia, na minha cabeça tinha ficado registrado que gordo não podia nada, não podia ser feliz.Exemplo?Estava saindo de uma festa, vi uma menina gordinha dando uns amassos com um rapaz bonito.Lembro que pensei:"Não pode, ela é gorda!"Olha que levou anos pra limpar minha mente desse tipo de idéia.
Curiosamente, dois anos atrás consegui o tal grande emagrecimento, aquele que vai melhorar a vida da pessoa e tudo será lindo.Não, não é isso tudo .Confesso que me diverti horrores em lojas de roupa como nunca tinha feito antes.Mas tudo continuou igual.
Me chamou a atenção, o tanto de elogios e parabéns que recebia, nossa, agora eu era digna da atenção positiva das pessoas.Antes eu não era digna de atenção?
Mas a patrulha do corpo alheio nunca descansa.Passei por uma fase bem nervosa, e fiquei bem magra,então começaram os comentários de doença, que eu estava feia, com rosto abatido, que "era pra eu parar com isso", que "minha bunda sumiu",gente espiando o que eu colocava no prato, empurrando comida, etc.
Não adianta...a gente nunca estará bem o suficiente, rsrs.Nunca mais escutei comentários, mas até queria, só pra olhar bem nos olhos da pessoa e dizer..."É???E o que vc tem com isso?"
E o meu pai, que tanto queria uma filha magra?Foi um dos primeiros a dizer que chegava de emagrecer.Pode isso, Arnaldo?rsrsrs

Ó, sei que não escrevo muito bem, paciência.

Lola, um abraço, amo esse seu blog!

Anônimo disse...

Huan Icaro Piran, posso garantir que 10 aulas de Pilates duas vezes por semana mudam nosso corpo sim e ficamos mais estiradas. Ganhei um DVD de Pilates e comecei a fazer em casa 2 x semana e notei a diferença na minha postura que fiquei muito animada e passei a fazer 3 x semana e ao final de mais 10 práticas as pessoas perguntavam o que eu estava fazendo que parecia elegante. E meu DVD é para principiantes de uma instrutora do Canadá, sem usar bola.
Naldinei

Luiza disse...

Oi anônimo

Olha, eu fico com o pé atrás com médico passando exercícios de fisioterapia para pacientes, porque meus professores contaram cada coisa que eles viam nos encaminhentos que até Deus duvida.

Quem decide o que, quanto tempo e como fazer é o fisioterapeuta, mais ninguém.

Mas que bom que você teve um bom acompanhamento, e quem sabe fica aí a dica de sempre procurar um bom fisioterapeuta :)

Huan, o Pilates, assim como qualquer técnica, tem suas indicações e contra-indicações. Cirurgia, por exemplo, não é para lesões simples. E assim por diante. Espero que sua amiga decida pelo tratamento!

Anônimo disse...

o pilates original foi criado pra curar lesões! nunca pratiquei levando a sério,só fiz uns exercícios nas máquinas pra conhecer, mas é bem interessante, sim! acho bem legal.

então, luiza, eu confiei nesse médico pq ele não fez como a maioria faz: diz pra pessoa repousar. eu sempre teria problema no joelho e ia achar que nunca ia poder me mexer. e eu hj acredito que corpo é feito pra movimento. sabe qdo eu sinto dor? qdo eu viajo e não treino por mais de uma semana. graças aos céus, não tem acontecido sempre.

esse médico é dono de uma clínica aqui em brasília. e ele tanto dá importância à fisio que a clínica dele tem muitos. ele indica e a pessoa faz a fisio com os fisioterapeutas. vi tbem o trabalho dos fisioterapeutas no sarah, qdo meu irmão ficou lá. super respeito.

talvez isso do médico seja um caso isolado pq o cara é de time de futebol, tem a clínica e julgou se poderia me botar direto na academia ou se era pra eu fazer fisio lá. convenhamos, se ele tivesse só olhando o lado dele, me botaria pra fazer várias sessões só pra entrar grana pra clínica. coisa que não fez. mas, claro, tudo isso foi feito considerando idade, os exames de imagem, etc.

qdo eu disse que foi uma "fisio mais pesada", foi no sentido de curar com fortalecimento muscular e tal. desculpe se me fiz entender errado, não quis dizer que ele fez o trabalho de um fisioterapeuta.

=) só falo uma coisa pra vcs: eu amo o que meu corpo pode fazer. e como ele reage, como rende...

huan, qualquer dia, vamos trocar figurinhas sobre academia. ;-) deixa eu ver se vc tem contato no perfil.

Isabela disse...

Engraçado... Eu me identifiquei por um lado e por outro não.
Sou gorda. Gorda de verdade: 92kg e 1,68m. Mas não tenho nem nunca tive gente apontando como sou gorda ou me mandando emagrecer. Ok, às vezes minha mãe traz o assunto à tona sim, mas não passa muito disso. Quero dizer que não existe esse tipo de pressão direta e constante em cima de mim.
Maaaaas, ainda assim, eu não sou feliz com o meu peso. Não mesmo. Quero muito emagrecer e não consigo. E não conseguir me faz me sentir pior ainda. Eu quero perder peso porque isso me incomoda todos os dias. Pressão latente da sociedade? Um sentimento de inadequação gerado pela mídia? Sei lá, quem sabe seja algo assim em nível inconsciente. Mas esse não é ponto. Não importa. Importa que eu não estou satisfeita com o meu corpo. :(

Virginia disse...

Acho muito dificil que pais que nunca tiveram problemas com obesidade, sejam muito afetados e agressivos por conta de excesso de peso dos filhos...
Acho que os que fazem isso, é porque foram gordos, ou lutaram muito para não o serem. E na verdade, o que não querem é ver a propria gordura, viva nos filhos.
O que lhes incomoda tanto, é o gordo dentro de si proprio.
Tenho varias amigas magras, (que nunca foram gordas) que tem filhas fofinhas, e não se incomodam com isso. Acredito que as pessoas, estão ficando mesmo mais gordinhas. E vivendo bem com isso. Então veja que o paragdima já está mudando. E aproveite-se disso!
Canso de ver adolescentes gordinhas, que na minha epoca nem sairiam de casa, andando felizes e contentes na rua. E se divertindo como antes só as magras se divertiam.
Meu conselho para as mais cheinhas: tenha amigas igualmente cheinhas, colem fotos de cheinhas poderosas, sexy e felizes pela casa TODA.
Para vc, e quem mais quiser, ver!
Idolatre pessoas que nem vc.
E mostre isso de maneira clara.
E nao deixe ninguem espelhar complexos em vc!
Cerque-se de gordura feliz, que pode ser a†é que do nada, vc emagreça.
Sabe aquelas MUITAS estórias de mulheres que lutaram anos para engravidarem, e ao não conseguir, resolveram adotar? E que depois de adotar, engravidaram??
Pois é... depois de desencanarem, engravidaram.
Pode ser que depois de vc se sentir feliz, sendo uma gorda assumida, vc até emagreça...

Huan Icaro Piran disse...

Sim sim, o Pilates (pessoa) criou Pilates (técnica) para tratar lesões e para que pessoas com problemas físicos, seja lesão, seja deficiência, seja por ser diferente nascendo sem alguma capacidade motora que a maioria das pessoas dispões, conseguissem se exercitar. A proposta é tão boa que para pessoas que querem apenas manter um condicionamento físico básico podem muito bem fazer uso de Pilates.

Eu entendi que você fez um fortalecimento mais intenso quando falou que foi mais pesado, não confundi não xP
Bem normal isso, conheço pessoas que receberam esse tipo de recomendação, de pegar mais pesado...pena terem sido preguiçosas x_x

Huan Icaro Piran disse...

Alias, eu atualizei meu perfil com os contatos que estavam salvos mas em oculto (nunca me liguei que tinha esquecido disso kehawkehawk) depois que comentaram '-'

É até melhor, prova minha existência real de uma forma mais concreta ^^

Ana disse...

@Vanessa Ribas
"Um levantamento feito pelo Ministério da Saúde em 2011 afirma que 48,5% das pessoas estão acima do peso.
Então essa gente toda não pode aparecer?"

Não, não pode, isso seria 'incentivar' que as pessoas sejam gordas ou coisa assim. Na cabeça de muita gente, se você dá espaço pra gordos, você está dizendo que tudo bem ser acima do peso - e pra eles isso é ruim, porque né, todo gordo é doente.

Nem passa pela cabeça deles que:
- Existe todo tipo de corpo por aí, e todos merecem respeito igualmente
- Gordo/magro não é suficiente pra dizer se alguém é saudável
- Se sentir excluído/indesejado é ruim pra qualquer um e só piora as coisas
- Deixar de discriminar gordos não é 'aprovar a falta de saúde', é ajudar a acabar com a intolerância (e isso sim, contribui pra melhora da autoestima de todo mundo e consequentemente, melhora da saúde)
- Que ser discriminado é muito pior que ter uns pneus (ou seja, no fim quem realmente faz o gordo infeliz é justamente quem lhe nega espaço "para o seu bem". Que irônico, não?)

etc, etc, etc.

@21:54
"Existe pessoas com sobrepeso que nao mostam alterações em exames,fazem exercicios,tem uma boa alimentação e se aceitam são felizes. Por outro lado existem pessoas eutroficas (normais) com exames alterados,bebem,fumam não tem prazeres na vida e principalmente não se aceitam, sempre querem uma outra aparencia.Então pergunto: O que é saudável?"[2]

@15:39
"Acabei tbm criando a tal da gordofobia, na minha cabeça tinha ficado registrado que gordo não podia nada, não podia ser feliz."

Pessoa, gordofobia é assim mesmo - passa de uma pessoa pra outra. É o que aconteceu com a minha mãe, que simplesmente assimilou tudo o que ouviu dos outros. A gente internaliza.

@Isabela
"Mas esse não é ponto. Não importa. Importa que eu não estou satisfeita com o meu corpo. :("

Se estás tão infeliz, procura um nutri, el@ com certeza vai te ajudar.

Só o que não dá é pra viver infeliz ou ficar se torturando, tá? :)

@Virginia
"Pode ser que depois de vc se sentir feliz, sendo uma gorda assumida, vc até emagreça..."

Exatamente o ponto! Tudo é mais fácil quando as pessoas se gostam, inclusive emagrecer. Mas e cadê que as pessoas cogitam ensinar um gordo a se amar? Não pode! Não pode! 'Se relaxar vai engordar mais/adoecer/morrer' blablabla Whiskas sachê.

Ana disse...

@Mariana.
"Enfim, nessa época, meu pai NUNCA falou um A pra mim sobre minha forma física. Visualmente, para ele, eu estava bem, pouco importava meu sedentarismo (que é algo realmente nocivo)."

É de coisas assim que eu estou falando. Percebe como fica claro que a preocupação não é com a saúde coisa nenhuma? Se fosse, já pegariam no seu pé desde o início pelo sedentarismo, né?

Mas né, se um gordo diz isso ele está sendo vitimista...

De qualquer forma Mari (posso te chamr de Mari né?) que bom que estás te mexendo mais agora. Contanto que seja uma coisa que te contenta, e não um sacrifício, acho muito, muito bom :)

@Mirella
"Entendo que a mãe da Ana não perceba que faça mal à filha, pois vemos em todos os lugares pessoas julgando o gordo, maltratando e se criou um senso comum de que isto é demonstrar preocupação com a pessoa."

Exatamente! O pessoal não sacou muito bem (ou não leu o texto direito, ou não leu meus comentários aqui) que eu na verdade passo pela duplicata do que minha mãe passou, simples assim. Ela sofreu tanto quanto eu.

Se o mundo não fosse tão apegado a preconceitos, a vida dela teria sido muito melhor - ou ela teria aprendido a gostar de si mesma, coisa que na cabeça dela já é impossível; ou ela teria tido liberdade e segurança suficientes pra emagrecer numa boa. Mas não foi assim. E agora, da perspectiva dela, fazer pressão em mim é um jeito de me AJUDAR. Porque foi assim que ela aprendeu a encarar as coisas. Ela não é a bruxa má aqui. O preconceito é que é.

"Porém acredito firmemente que o post da Ana serve como uma bandeira, um pedido para que as pessoas analisem a maneira que lidam com o gordo. Parem para pensar em suas atitudes e se a sua preocupação toda com a gordura não está revestida de preconceito."

Eu não teria dito melhor! Obrigada!

É bem isso aí. Sabendo que muita gente está na mesma situação da minha mãe - quer ajudar mas só atrapalha - eu escrevi o comentário. Pra dar um testemunho de como é viver ouvindo essas coisas, e de como isso é um baita tiro no pé. Pra ver se algumas pessoas pelo menos param pra refletir um pouquinho no que realmente estão fazendo - epa, será mesmo que eu tô ajudando o fulano?

Não se trata de culpar. Se trata de mostrar que muitos comentários só trazem sofrimento e nenhuma mudança.

Ana disse...

@Cássia
"Não querem a minha felicidade, querem, isso sim, parar de ser importunados visualmente pela minha infelicidade."

Olha, vou te dizer que muitas vezes eu tive essa sensação - como se eu 'importunasse visualmente' os outros, e tudo fosse uma questão de emagrecer para agradar seus olhos. Coisa que só me deixou mais nervosa, porque é uma coisa você saber que querem seu bem (ainda que demonstrem isso de uma maneira torta), é outra perceber que no fim é tudo questão de estética (o que é fútil até dizer chega).

@02:39
"Acho que ninguém tem que ficar fazendo qualquer tipo de comentário sobre o corpo dos outros. Ninguém tem nada com isso!"[2]

Acho que é um pouco como a (Vivi) pontuou lá em cima: "Como a gordura é o vilão da vez (...) agora "pode" falar dos gordos."

@Marina
"Gordofobia é ruim tanto para os gordos quanto para os magros, todos sofremos com isso, foi isso que eu quis explicitar com a minha história. Estou tentando ao máximo parar com as piadas de gordinho, de ficar me metendo no corpo alheio, ninguém merece ou precisa disso."

Marina, achei teu comentário muito interessante! Obrigada por ter compartilhado :)
Como eu disse pra Mariana., tem coisas que se um gordo fala, ele é vitimista. Quem sabe agora com gente magra dando testemunho o povo acredite, né? XD

@23:19
"Niemi tinha/tem problema com a mãe, Ginger tem problema com a mãe, Ana tem problema com a mãe. Filhas da (mesma) mãe?"

Anônimo da Teoria Branca-Mameluco (gostou do nome que eu fiz?), é você? Gosto de pensar que seja a mesma pessoa me enchendo o saco nas duas caixas, me dá um pouco mais de esperança na humanidade.

Sim, eu e todas as outras mulheres que tiveram/têm/terão problemas com a mãe somos a 'Niemi'. Parabéns pela descoberta.

@20:55
"comer direito não é passar fome, ficar fraca e triste! dieta de proteína, dos pontos, da sopa, da lua e o escambau, tudo isso só faz vcs desacelerarem o metabolismo. e aí a pessoa vai e restringe mais ainda a alimentação e começa a bola de neve. pra emagrecer, por incrível que pareça, a gente tem que comer!"[2]

Sim sim sim, jejum aliás faz o cerébro interpretar que há pouco alimento disponível e portanto ele tem que reduzir o gasto calórico. Daí o corpo reduz e o ritmo e TA-DA!: você fica com tendência a engordar ._.

@Tiago
"Porém, acho curioso como a única cobrança com relação a aparência que eu já recebi, e que vejo outros homens recebendo, é com relação ao peso! Sim, homens também sofrem preconceito com relação ao peso!"[2]

Sim! Ou é gordo (e como você disse, aí entra a gordofobia que não perdoa ninguém) ou é magro demais (que nem o Zero, que precisava "virar homem de verdade" ou o Huan, que quase passou por bullying).

@Jairo
"Com certeza quando gordo tive minha auto estima esmigalhada por todos a minha volta, o que me deixou com problemas que ainda estão comigo até hoje. Me lembro como fugi da educação física na época do colégio por vergonha, que ser visto sem camiseta era fora de cogiração inclusive em clubes, praia ou seja onde for, achava que pessoas que faziam amizade comigo me prestavam um grande favor e bem... Não dava para a amizade ser saudavel nesses moldes."

Poisé Jairo, agora eu te pergunto: Onde diz que a pessoa precisa ficar com a auto-estima estraçalhada pra conseguir perder peso?
Onde que diz que uma pessoa se sentir mal com seu corpo é saudável?
O que toda a vergonha fez de bom pra ti? - nada né, tanto que até a educação física, que é algo bom pra saúde, acabastes renegando por vergonha.

É disso que eu to falando...

Ana Lima disse...

Muito bom esse post! Também acho ridículo ficar no pé dos gordinhos! Conheço muitas pessoas que não estão nos padrões de magreza da sociedade e são lindíssimas! Minha mãe é uma delas! Embora esteja acima do peso os exames dela sempre são maravilhosos, o que indica que ela está saudável! E isso é o importante! Eu adoro correr, mas amo comer. Quando fico sem tempo de correr dou uma engordada, é o suficiente pra virem me dizer que preciso voltar ao meu peso! É um saco! Parabéns pelo blog!

Virginia disse...

@ Samantha e outras meninas.

Nao tem como dizer que vc não deveria ter dado bola para o que a tu mãe falava...

O que mãe fala atinge. E não tem como, escapar disso, quando se é criança ou adolescente.

E agora o que vc pode fazer é entender que se ela fez isso, muito provavelmente era a unica maneira que ela conhecia de tentar impedir que vc sofresse. Como ela deve ter tb sofrido.
Além disso, muitos pais e maes, se sentem tb regeitados por sentirem que seus filhos estão "fora do padrão"
Insegurança pessoal, parece ser o maior motivo de muitos pais quererem filhos perfeitos. Estando muitas vezes, até acima da preocupaçao com a saude e bem estar deles.
E não tem como não ser afetado por isso. Mas pode ser entendido e perdoado. Entendo que seus pais tinham medo da oipniao dos outros sobre eles e sobre vc.

O quê que os outros vão pensar?? rsrsrs
Quem nunca escutou isso???
Os outros...
A eterna e assombraçao, e inferno, de muita gente...
Cante sua beleza e valor, e e fantasma dos outros se desintegrará...

Camila Benedito disse...

Adoro seu blog! Adoro seus posts.
Cansei de ter ódio de ir na academia, cansei de imaginar que as pessoas só vão gostar de mim e eu só vou ser feliz se eu tiver uns 30 quilos a menos, cansei gente. CANSEI!
Além do meu peso eu sou engraçada. Sei cozinhar e fazer artesanato bem. Sou um bocado competente e estou para terminar um mestrado aos 23 anos apenas. Gosto dos meus amigos e invisto em amizades. Gosto da minha família e tento sempre trazer o melhor pra casa. Tenho facilidade para organizações e planejamentos, posso ser uma boa líder nessa questão. Mas antes de tudo isso, antes de todas as minhas qualidades sempre vem o fato de eu precisar perder fucking 30 quilos.
POR QUE MEU CORPO INCOMODA TANTO? Porque eu só posso ser legal e feliz quando eu emagrecer?
Por que quando eu ando na rua as vezes fazem piadas para humilhar me utilizando de exemplo? "Olha aquela menina, leva pra casa ein!" "Olha sua namorada" "Eu ein? Tá louco?". Porque as pessoas ficam tão compenetradas que quem vai se sentir humilhado é meu possível "namorado" que meus sentimentos são completamente ignorados né... ela é gorda, por que ligar pros sentimentos dela? Já é infeliz mesmo.

Lilly disse...

Meu primo era gordo (obeso mesmo, pesava mais de 100 quilos) e era totalmente feliz e tranquilo a respeito. Pra ter uma noção, até andar na praia sem camisa ele andava. Só fez a cirurgia de redução de estômago por uma questão de saúde mesmo, ele diz que se não fosse por isso, teria continuado gordo...

Tudo é como a própria pessoa se sente a respeito do próprio corpo. Se ela não se não incomoda, então quem sou eu pra tentar persuadi-la a mudar, não é?

Anônimo disse...

querem realmente emagrecer?
ingiram menos calorias do que gastam.
simples e certeiro.

Ana disse...

@17:44
"querem realmente emagrecer?"

Algumas sim, outras não.
O que dá pra dizer que todo mundo quer mesmo é respeito, mas anda difícil...

"ingiram menos calorias do que gastam. simples e certeiro."

Simples, mas nem sempre tão fácil quanto muitos acreditam que é.

E o 'certeiro' é na medida que o metabolismo de cada um permite.

Anônimo disse...

Ana, entre as "algumas sim e outras não" do seu comentário, a maioria quer emagrecer.

Ingerir menos calorias do que se gasta pode não ser fácil, mas é simples e certeiro. É certeiro, pq mesmo que o metabolismo seja lento ou devagar, após duas semanas a pessoa começa a emagrecer e enqto umas pessoas emagrem em menos tempo, outras emagrecem em mais tempo. Mas ingerindo menos calorias do que se consome, emagrece. Simples e certeiro. Nem tudo que é difícil o é por ser complicado. No caso, torna-se difícil pela falta de disciplina, persistência, paciência. É como economizar dinheiro... nada feito sem disciplina, persistência, paciência.

Se for gostoso, engorda. disse...

É por ai assim como disse Anon das 22:15 se tratarmos nosso peso como tratamos nosso dinheiro, das duas uma: seremos pessoas magras com dinheiro guardado ou seremos pessoas gordas sempre atrasadas no crediário. Eu consigo ser gorda com as contas sempre pagas em dia e dinheiro guardado e com um grande propósito em emagrecer.

Ana disse...

@22:15
Oh! Voltaste! Que bom :)
Pronto pra uma resposta interminável?/MUAHAHAHAHA

(I)

"Ana, entre as "algumas sim e outras não" do seu comentário, a maioria quer emagrecer."

Ok então, a maioria quer emagrecer.

Mas eu me pergunto quantas querem emagrecer por iniciativa própria?

Quero dizer, algumas realmente querem emagrecer porque não se sentem confortáveis com seu corpo, como a Isabela.

Mas outras querem emagrecer porque não conseguiram encontrar um lugar onde recebessem o devido respeito, como a Iara De Dupont. Algumas nem davam bola pro assunto até começarem a ouvir comentários, como eu. Muitos sentem culpa por serem quem são, como o Jairo.

Estou dizendo isso por um motivo. Quis aproveitar a oportunidade pra fazer um gancho, por favor siga lendo que amarro as pontas lá no final, prometo :)

"Nem tudo que é difícil o é por ser complicado."

Sim! Porque simples/complicado e fácil/difícil são relações diferentes.

Mas hã, eu não disse que era difícil por que era complicado. Eu concordei com você: é simples.

Mas ser simples (não complexo, facilmente explicável, composto de poucas etapas) não torna algo automaticamente fácil (executável sem demandar esforço). Então eu te disse que sim, é simples, mas não é nada fácil.

Subir escada é simples - um pé após o outro, certo?

Se eu tenho que subir um milhão de degraus, continua sendo simples - um pé após o outro, é sempre igual.

Mas subir um milhão de degraus é uma tarefa que pode ser executada sem/com pouco esforço? Tanto quanto, por exemplo, estalar os dedos?

O que quero exemplificar é: subir escadas é inquestionavelmente simples (mecanismo composto por só uma instrução). Mas pode muito bem ser difícil (demandar muito tempo, muita energia, etc). Tudo depende do número de degraus que alguém tem que subir.

Vê, concordo com você: não é ser complicado que torna difícil. Algo pode não ser complicado e continuar sendo difícil :)

-continua

Ana disse...

(II)

"No caso, torna-se difícil pela falta de disciplina, persistência, paciência."

Então. O mecanismo pra emagrecer é simples (ingerir menos do que se gasta), realmente é. É só uma regra.

Mas o mecanismo por si só não define a dificuldade do processo. As instruções são simples, mas outros fatores vão decidir se é fácil ou difícil.

Ó, lembra das escadas? O mecanismo pra subir era simples, mas o número de degraus podia exigir mais ou menos esforço, tornando a tarefa mais ou menos difícil de completar. Eu vejo emagrecer como subir escadas - o mecanismo é simples, um pé após o outro; mas cada obstáculo que você tem que superar adiciona degraus na sua escada, tornando a coisa fácil ou difícil de fazer. Então é sempre simples, mas nem sempre fácil.

E aqui faço um link com os motivos pra emagrecer que citei lá em cima: até o motivo pode ser um obstáculo. Quando você tem uma razão que não é espontânea, sua escada é maior. Culpa, discriminação, vergonha - tudo isso adiciona mais degraus à subida e dificulta as coisas. Daí vem, aliás, a minha briga com quem teima em fazer um gordo se sentir mal e se achar feio - essas pessoas só estão adicionando degraus. Ao invés de ajudar, só atrapalham.

Existem outras 'n' coisas que podem adicionar degraus. De dificuldade pra encaixar a academia na rotina até gente oferecendo doce. Alguns degraus a gente coloca, outros as circunstâncias colocam, outros as pessoas colocam. São fatores que variam de caso pra caso, portanto cada um tem uma escada de um tamanho diferente pra subir.

Um gordo pode não emagrecer porque não foi disciplinado/persisitente/paciente? Óbvio! Como qualquer outra tarefa na vida, às vezes a pessoa não chega lá porque não conseguiu ter essas qualidades.

Mas é uma coisa não conseguir subir 10 degraus, é outra não conseguir subir 10 mil.

Meu problema está no fato de que atualmente quase ninguém se lembra disso. Todo mundo parece pensar 'ah, o mecanismo é simples e igual pra todos, logo, emagrecer é fácil pra todo mundo, contanto que você tente com afinco'.

Só porque o mecanismo é SIMPLES pra todo mundo, não significa que a jornada é FÁCIL pra todo mundo. Todos só tem que pôr um pé depois o outro; mas alguns vão ter que fazer isso por 10 degraus, outros vão ter que fazer por 10 mil - que são coisas bem diferentes. Com 10mil até a pessoa mais diligente poderia titubear :)

Por isso não acho justo dizer que "o que dificultou as coisas foi você não ser disciplinado/persistente/paciente". O que dificulta a subida (emagrecimento) não é o mecanismo, é o número de degraus (obstáculos), e esse número não é igual pra todo mundo - então como dizer que a culpa está sempre na pessoa? Como dizer que o problema é sempre falta de disciplina/persistência/paciência, quando pra uns é mais difícil do que pra outros e só a própria pessoa sabe realmente o quão difícil é?

-continua

Ana disse...

(III)

Emagrecer sempre segue a mesma regra, mas é uma situação diferente pra cada pessoa. Cada um tem seus próprios problemas. Cada um tem um esforço pra fazer, que só el@ mesm@ pode medir com precisão.

Tem gente que não consegue porque não se esforça, claro. Mas tem gente que passa por poucas e boas. Só pegar o mecanismo da coisa pra justificar que 'se não conseguiu é porque não foi disciplinado/persistente/paciente' é algo vago demais. Não é um julgamento fiel pra todos, do meu ponto de vista.

Embora muita gente não queira admitir de jeito nenhum (não, juro que não estou alfinentando você, anônimo :]), emagrecer pode sim ser MUITO DIFÍCIL mesmo que o mecanismo seja muito simples.

Então meu apelo é que da próxima vez que forem julgar alguém gord@, pensem duas vezes. Que tal pôr a mão na consciência e lembrar que existem muitas coisas que dificultam a subida? Que tal não assumir logo de cara que tudo se resume a 'comer menos do que gasta'?

E que tal se perguntar, 'no lugar dele, será que eu conseguiria?'? Todo mundo tem alguma coisa que acha muito difícil de fazer, mesmo com muito esforço, ué. Então qual a dificuldade de se pôr no lugar de uma pessoa gorda?

Ao invés de pôr a culpa nela automaticamente, que tal perceber que ela tem uma grande empreitada pela frente, exatamente como você tem/já teve? Que tal mostrar empatia e tirar uns degraus pra ajudar? :)

Com tudo isso só quis dizer que:
a) simples não implica ser fácil
b) emagrecer segue a mesma regra simples pra todo mundo, mas não é sempre fácil
c) logo, ter um único julgamento pra todo mundo é algo vago demais

Anônimo, desculpe torrar sua paciência com um discurso longuísimo. Deixo claro que não és obrigado a concordar comigo por razão alguma e me desculpo por qualquer mal entendido ou exagero.

Se quiseres continuar a discutir e rebater meus argumentos estarei aqui! :)

Anônimo disse...

let's have some fun, shall we?
http://www.youtube.com/watch?v=3wKkuhOcoxg&feature=related

Queen Of Sorts disse...

putz, quanta conversa fiada...

Anônimo disse...

Quando foi que você se convenceu que esse post é sobre a minha mãe?


Título adequado do post:
quer falar mal da minha mãe? Pergunte-me como!

Ana disse...

@Queen of Sorts

Eu adoro jogar conversa fora \o/

Fiquei na dúvida se você não gostou do post todo ou dos meus últimos comentários, mas imagino que seja a última opção.

Bom, toda a conversa maluca de escadas e não sei mais o que é forçar um pouco a barra. Mas eu achei que era um bom exercício mental :)

Se o problema é post todo, bom aí não tem o que fazer XD Mas obrigada por deixado sua opinião XD

@01:00
... me sinto lisonjeada com tanto desespero pra me trollar. Foi uma bela tentativa d(ò_ó)b

Ana disse...

[continua jogando conversa fora sozinha]

Não só gordos enfrentam dificuldades externas, como esse julgamento de 'ah, não conseguiu porque não se esforçou, emagrecer é simples' é um exemplo perfeito dessas dificuldades.

Muita gente acha que não importa o quanto um gordo seja discriminado ou culpado por discursos assim, no fim das contas só o que conta é que se ele comesse menos emagreceria. Tipo, se a pessoa não é durona o suficiente pra ignorar toda a pressão e se manter firme e forte, diligente e se superando todos os dias, problema dela. Como se todos no mundo fossem assim perfeitos e só os gordos fossem uns preguiçosos vitimistas XD

Tecnicamente, com um estoque infinito de diligência qualquer coisa é possível, mas quem já não largou algum plano no meio? Até as pessoas mais dedicadas tem problemas em realizar algumas tarefas. Não sei qual é o grande crime dos gordos que tentam emagrecer e não conseguem XD

Custo a acreditar que exista algo nessa vida onde é a culpa é sempre da pessoa, que 'não conseguiu porque não quis'. Acho precipitado demais dizer isso sobre o que quer que seja. Alguns não se esforçam o suficiente, mas outros acabam perdendo pras adversidades; porque não é aceitável pensar assim no caso dos gordos? Porque a culpa é sempre deles não importa a situação? E que mais me intriga, porque tanta gente adora jogar isso na cara? É um jeito estranho de ajudar esse.

O mecanismo pra emagrecer pode ser o mesmo pra todo mundo, mas cada um de nós tem uma vida diferente, então continuo achando que a dificuldade de por em prática varia para cada pessoa (como em qualquer outro processo). Continuo achando ter um único veredito algo muito vago. Dificuldade é algo enfrentado não só pelos gordos tentando emagrecer, mas por todas as outras pessoas que querem fazer algo; está todo mundo sujeito a ‘falhar’ pelas mais diversas razões. Acontece com quem é humano, não necessariamente só com quem é glutão/preguiçoso/whatever XD Onde foi a empatia? XD

Fico pensando nesses pontos porque não acho que seja tão revolucionário querer só um pouco mais de tolerância, sabe. Facilitaria tanto as coisas :D

Erica disse...

Eu faço faculdade de nutrição e eu me preocupo muito com o modo como os profissionais dessa área lidam com isso até onde a questão é mesmo saúde ou simplesmente estética. Acho que devemos olhar a pessoa como um todo. Sempre que alguém me diz que quer fazer dieta (normalmente dietas mirabolantes do tipo perca 10 kg em 2 semanas) eu tento conversar. Eu sei que estar acima do peso pode trazer alguns riscos à saúde, mas ter baixa auto-estima também é terrível e fazer certas dietas pode ser ainda mais nocivo e mais frustrante (pq ninguém consegue se manter comendo 500 kcal por dia pra sempre ¬¬). O que eu vejo são minhas colegas sempre cultuando o "corpo saudável" e eu procuro ir pelo outro lado, estimulando o amor próprio, a aceitação do próprio corpo, procuro convencer minhas amigas de que o papel delas não é enfeitar o mundo e que não é o IMC delas que vai mudar o valor que elas têm. Alem disso minha mão fez bariátrica pq ela tinha obesidade mórbida e problemas de saúde sérios e pega no meu pé com relação ao meu peso... Não sou magra nem gorda mas já chorei diversas vezes pq ela fiscalizava meu prato. Fico triste pq eu sei que minha mãe nunca se achou bonita, minha mãe acha lindo ser magra (magra mesmo, no feminino! homens podem ser como quiserem na cabeça dela), sei que ela não deve ter uma auto-estima muito boa mas não deixo nada do que ela diz influenciar na minha visão sobre mim e sobre o mundo. Continuarei achando todos os corpos lindos, que saúde física deve vir junto com saúde mental e que não vale à pena se mal tratar por estética. Além do mais, sei muito bem que os alimentos não são apenas fontes de nutrientes, eles têm papel social e psicológico, é também fonte de prazer e eu acho que negligenciar isso é absurdo.

Anônimo disse...

"Então. O mecanismo pra emagrecer é simples (ingerir menos do que se gasta), realmente é. É só uma regra."

esse aqui é o maior erro que convida o efeito sanfona e a bola de neve a virem pra ficar e são a causa de muita gente achar que não pode emagrecer nunca.

a matemática do corpo não é simples assim. existem mil fatores impedindo que uma pessoa coma x calorias e emagreça. pq não é a soma de calorias que dá resultado. é a qualidade dos alimentos, a hora em que são consumidos e a sensibilidade à insulina que cada indivíduo tem. e essa sensibilidade se melhora com atividade física e com alimentação correta. é errado a pessoa dizer "tenho síndrome metabólica e, por isso, não emagreço". a síndrome tem tratamento.

fora se a pessoa não tiver outras questões endócrinas.

mesmo que a pessoa esteja saudável, essa matemática é errada. se fosse tão simples, não existiriam pessoas com 170kg eternamente atrás de uma dieta.

esse método de comer tanto e gastar além do tanto ou comer menos que o tanto de gasto só serve pra metralhar o metabolismo e inventar mil proibições alimentares. quem disse que, pra emagrecer, as pessoas têm que comer menos? ou menos gordura? até porque depende da gordura. precisamos de gordura pra produzirmos hormônios.

costumo ouvir sempre de pessoas com percentual de gordura baixo que atualmente comem mais do que comiam antes de ter um acompanhamento nutricional/endócrino. e comem mais gordura. mas tem que ver qual tipo de gordura.

parar de comer ou comer menos é receita pra letargia, pra se submeter a controles que são impostos principalmente às mulheres. não aceitem isso! comam pra emagrecer saudavelmente. e eu falo emagrecer, não apenas perder peso na balança. joguem essa porcaria de balança de banheiro fora e comprem uma de cozinha.

de qualquer forma, qualquer ser humano tem que ser respeitado. meu comentário não é pra pregar nada. só quis corrigir essa noção praticamente universal e totalmente errada.

Ana disse...

@Erica
"Eu sei que estar acima do peso pode trazer alguns riscos à saúde, mas ter baixa auto-estima também é terrível e fazer certas dietas pode ser ainda mais nocivo e mais frustrante"

"Além do mais, sei muito bem que os alimentos não são apenas fontes de nutrientes, eles têm papel social e psicológico, é também fonte de prazer e eu acho que negligenciar isso é absurdo."

Posso te mandar um abraço, Erica?

Obrigada pelo comentário, é lindo!

Ana disse...

@10:45
"de qualquer forma, qualquer ser humano tem que ser respeitado. meu comentário não é pra pregar nada. só quis corrigir essa noção praticamente universal e totalmente errada."

Oi pessoa

Teu comentário é bem bom, complementa bem a questão!

Realmente tem mais coisas pra lá do 'coma menos do que ingere' e tal, mas não quis tentar ir mundo a fundo nos debates porque não tenho tanta bagagem assim XD

Preferi partir do ponto que, ainda que seja só questão de comer menos, não é assim fácil de pôr em prática pra todo mundo, não. Me preocupa essa intolerância das pessoas que acham que emagrecer é sempre fácil e se você não consegue é porque você não se esforçou o suficiente.

Sempre tem outros detalhes... Como eu tinha dito lá em cima, pra começo de conversa o metabolismo de cada um é diferente. Tem gente magra que tenta engordar das maneiras mais absurdas e não consegue (eu me lembro sempre da Grazi Massafera, que contou uma vez que comia latas inteiras de leite condensado porque queria engordar - tinha vergonha das pernas finas. E ela nunca conseguiu XD). E tem gente gorda que só emagrece com muita dificuldade (mas e cadê que o povo se convence? "Gordo é gordo porque come um monte e é preguiçoso"
é o que eu mais vejo por aí).

Depois não basta simplesmente 'perder peso', tem que perder com saúde. Se alguém entra de repente numa dieta muito rígida e começa a se exercitar loucamente, por exemplo, vai perder é músculo, e não gordura. O que não faz bem pra saúde. Está comendo menos do que gasta e emagrecendo, mas está cavando a própria cova - de que adianta?

Outra coisa que nem cheguei a falar é que o próprio corpo está sempre lutando pra voltar ao maior peso que já teve (as células de gordura não vão embora, elas murcham, e o corpo faz "esforço" pra que elas voltem ao tamanho inicial). Então mesmo que você emagreça, ainda tem que fazer esforço perpétuo pra manter esse peso.

Quer dizer, se vai olhar, não é assim tudo tão simples e facinho mesmo. E como eu disse, mesmo que fosse, isso é pra falar da parte biológica - ainda tem a vida de cada um, e todos os preconceitos e julgamentos que os gordos enfrentam... tudo isso fica no caminho.

Quando as pessoas aceitarem isso e pararem de fazer julgamentos morais instantâneos com base em peso, acho que muitas pessoas vão ter a chance de serem saudáveis, né? :)

Anônimo disse...

simplesmente as pessoas têm que ser respeitadas pelo que são: pessoas. ponto e isso tá mais do que certo...

mas o que me incomoda nisso de peso é que as pessoas que querem emagrecer tendem a insistir nos mesmos erros sem ler muito sobre o assunto. e falo ler mesmo, ir atrás de textos interessantes e não de revistas que ensinam a perder 10kg em 1 semana. como aquela menina lá que lê testosterona. eu fui ver os blogs dela... tudo de gente fazendo dieta louca e postando como se isso fosse lindo. essa "força de vontade". e a palavra mais usada ali é "controle". isso me toca o alerta vermelho nas alturas.

bom, primeiro que, se a pessoa quer um resultado x, ela tem que ir atrás de pessoas que tiveram o resultado x e não o resultado que não se deseja. e o que eu vejo é um monte de mulher (raros homens) se congratulando por não ter comido quase nada.

isso de força de vontade é errado. uma pessoa que come algo que dispara a insulina vai ter hipoglicemia de rebote e uma bela duma fissura por carboidrato e doce. o corpo tá querendo açúcar rápido pra se reestabilizar e ele vai atrás do desejo exatamente por essas coisas. forma-se o círculo vicioso.

o esforço pra uma pessoa se manter magra não é extra-humano. eu tenho hipotireoidismo diagnosticado há mais de 10 anos e nunca fui obesa. e não faço nada absurdo e que não me dê prazer.

o corpo não tende a querer voltar a ser gordo. se o metabolismo tá ok (sem perda de massa muscular), dificilmente a pessoa volta a ser obesa. o peso oscila, mas não muito.

genética e problemas endócrinos são uns 10% da causa de obesidade (dito pelo meu endócrino). a maior causa é comer errado. e não significa comer muito. é comer errado e não ter atividade física.

quer ver o maior erro de gente que faz dieta?o diabo das bolachas. nutricionista que quer só sua grana e ver o cliente feliz por perder peso (e não gordura) vai amar passar um pacotinho de club social. mesmo o integral não é integral. a glicemia vai pras alturas. o resultado? vontade louca de comer depois de o açúcar do sangue cair.

o cérebro "come" tbem e começa a pedir comida loucamente pq sabe que o açúcar no sangue caiu. e aí, por conta de um fenômeno fisiológico, muita gente é vista como sem força de vontade ou como preguiçosa. claro, tá sem comer nada, fica fraca, desanimada, testosterona cai, serotonina vai pro espaço (porque o intestino funciona mal e 80% da serotonina é feita no intestino)e aí vira a "gorda preguiçosa sem força de vontade". e aí começa o reforço negativo e todo mundo tem vergonha de dizer que falhou de novo no controle.

eu penso assim: gordo não é gordo porque quer. é gordo porque não foi atrás de informações. dieta feita de maneira correta pro indivíduo (ou seja, nada de dieta de revista) funciona sempre. sempre. sim, sempre.

Anônimo disse...

a grazi, que vc citou, tinha colesterol alto e teve que fazer dieta e exercícios.

Anônimo disse...

antes que eu seja apedrejada: não foram atrás das informações certas e sem interesse (seja econômico, interesse de manter a mulher sob controle, etc) por mil motivos. e um deles não é preguiça. tem muito nutri pecareta por aí tbem (como em qualquer áera) que só quer ver o peso na balança baixar pra satisfazer o desejo imediato de uma pessoa desesperadamente atrás de ajuda.

gente desesperada atrás de ajuda costuma se agarrar a qualquer esperança e isso não é culpa dela. é culpa de um contexto todo.

pra quem quiser emagrecer, desejo apenas: informação de fonte confiável (periódicos de nutrólogos ou nutricionistas esportivos são ótimos e estão na internet).

Ana disse...

@12:08
"o corpo não tende a querer voltar a ser gordo."

Ok, essa informação não bate com o que eu sabia (a fonte é minha mãe, que trabalha com saúde, é formada etc etc. E me lembro de ter visto esse argumento em outros lugares também).

"dificilmente a pessoa volta a ser obesa. o peso oscila, mas não muito."

Mas bem, não sei direito como funciona com obesos. Será que é por isso que não fecha? Ou eu que sonhei?? O_o

@12:25
"a grazi, que vc citou, tinha colesterol alto e teve que fazer dieta e exercícios"

sim sim sim
Porque ser magro não é o mesmo que ser saudável. Só citei a Grazi pra dizer que só o peso não explica tudo, metabolismos são diferentes. Só isso ^^

Anônimo disse...

"
Mas bem, não sei direito como funciona com obesos. Será que é por isso que não fecha? Ou eu que sonhei?? O_o"

lembrando que "em outros lugares também" tá cheio de informação errada e que é por isso que muita gente não consegue emagrecer. ou vê isso como um sacrifício. se tudo que tá por aí fosse certo, me diga, existiria alguém gordo estando infeliz com essa situação?

se vc largar tudo pra sua genética e continuar com os mesmos hábitos, seu corpo tende a ficar exatamente como era antes. aí é 100% sua genética com sua alimentação e sua tendência a ter os mesmos resultados com os mesmos ingredientes (e não é questão de "ah, mas eu passei a comer menos". mas continua comendo errado).

se isso fosse 100% verdade, como se explicariam os casos (vários) de ex-obesos que vivem tranquilamente, muitos competem no fisiculturismo e nem treinam a mais e nem comem a menos? porque, seguindo a lógica de que o metabolismo vai ficando desacelerado com a idade, a pessoa ou teria que treinar mais (a idade não ajudaria necessariamente nisso) ou a pessoa teria que comer cada dia menos (o que fazer pra chegar aos 100 anos então pelo menos... er, comendo?).

o corpo tende, sim, a voltar ao que era se os ingredientes dessa coisa toda forem os mesmos.

há um tempo saiu uma pesquisa falando que quase todo mundo que faz dieta volta ao mesmo peso de antes e que, portanto, dietas não adiantam e praticamente dizendo que quem nasce com tendência a ser gordo vai ser puxado eternamente pela genética. aí eu pergunto? que tipo de dieta? pra perder peso não necessariamente de gordura? aí, sim, eu aposto que quase 100% dessas pessoas não só recuperam o peso perdido como até ultrapassam esse peso.

mas, se vc sabe modular as secreções hormonais do seu corpo com alimentação e exercícios, essa "guerra" com peso, balança e afins acaba.

se alguém algum dia se interessar, pode dar umas lidas nos estudos sobre alimentação tanto do rodolfo peres quanto do waldemar guimarães. ambos entram sempre na questão da insulina, do hormônio do crescimento e do exercício como tampão na produção da insulina.

a gente controla praticamente tudo na gente. genética não é tudo. tá mais do que provado que a gente até consegue "desligar" alguns genes pelo estilo de vida. nós não somos só uma pré-determinação genética.

escrevi lá em cima "pecareta". é "picareta", claro.

Ana disse...

@14:24
"lembrando que "em outros lugares também" tá cheio de informação errada e que é por isso que muita gente não consegue emagrecer."

Sim, o que dizem de besteira não está no gibi.

--

Mas ainda sobre o negócio da tendência a engordar de volta: o que eu sabia é que o organismo humano tende a "querer" que o estoque de gordura não diminua - as células adiposas não são eliminadas, elas murcham, e o corpo "quer" que elas voltem ao normal.

E isso não teria haver com genética, quero dizer, não seria algo que acontece com alguns seres humanos dependendo dos genes - o que eu sabia é que era assim pra todo mundo.

Então, hum, não entendi bem a sua resposta porque eu não estava falando de genética.

Continuo com a minha dúvida, porque o negócio do corpo "querer" voltar a ter o peso original seria independente de genética e do tipo da dieta - seria simplesmente como o corpo gere o estoque de gordura, em qualquer situação. Foi o que me explicaram, pelo menos (ou eu entendi errado??). Imaginei que no caso dos obesos, entretando, pudesse haver diferenças (porque as coisas são mais complicadas pra quem tem obesidade, não? Ok, aqui vou confessar que sou ignorante).

Não que essa informação signifique que é impossível emagrecer ou qualquer absurdo. Seria só um mecanismo de sobrevivência ou coisa assim.

Mas ok, o negócio é me informar melhor :)