quinta-feira, 28 de junho de 2012

O PREÇO DA ETERNA VIGILÂNCIA

Vi a notícia sobre os dois irmãos gêmeos que, por andarem abraçados, à noite, na Bahia, foram espancados por um grupo de oito rapazes. Um dos irmãos morreu.
A primeira coisa em que pensei foi algo que presenciei em Floripa, durante o meu mestrado. Nada tão sério, nenhum assassinato, mas aquilo me marcou. Eu estava saindo da casinha em que alugava pra ir à faculdade quando, numa casa na mesma rua, dois rapazes tentavam fixar uma placa logo abaixo do teto. Eles pareciam desconfortáveis, até que o sujeito de cima, meio cambaleante, gritou pro de baixo: “Pô, me segura direito, cara! Pode tocar em mim, eu sou seu irmão!”.
Continuei andando, perturbada por viver num mundo em que irmãos não podem encostar um no outro sem que sua masculinidade seja colocada em xeque.
A segunda coisa que pensei ao ler a notícia dos irmãos gêmeos foi num caso no ano passado, em que pai e filho foram atacados numa feira agropecuária perto de Ribeirão Preto, SP. O grande crime dos dois foi andar abraçados. Sete rapazes confundiram o gesto de amor paterno com aquele pecado gravíssimo, homossexualidade, e partiram pra cima. O pai teve mais da metade da orelha decepada. “Não pode nem abraçar o filho”, protestou ele.
Para reconstruir a orelha, esse pai teve que tirar cartilagem de sua costela. Ele disse à reportagem, na época: “Não saio muito. Fui um dia só, para agradar a namorada e o filho, e acontece isso”. Pois é, se a situação está péssima até para homem hétero, imagina como deve ser para um gay ter seu direito de ir e vir desrespeitado. Para uma mulher.
Imagino que seja quase unânime a condenação a atos assim, contra homens héteros (se eles fossem homossexuais a condenação seria muito menos unânime). Ah, dirão alguns, isso que aconteceu com o pai e filho e com os irmãos gêmeos foi ação de um bando de criminosos. É verdade. São criminosos, foram presos, espero que fiquem presos.
Daí em diante as opiniões se dividem. Uns tentam explicar o incidente sem tocar na palavra homofobia, já que, pra eles, homofobia não existe. Li esta semana mesmo: homofobia é uma invenção de ativistas gays para implantar uma ditadura gayzista. Não sei ao certo como tentam explicar casos assim achando que homofobia não existe, mas deve ser do jeito que explicam os estupros como presente de aniversário em Queimadas negando o machismo. Foram atos individuais, sabe? Rapazes que acordam numa bela manhã, se reúnem com seus amigos e assim, do nada, saem para incendiar índios, espancar empregadas (eles pensavam que era prostituta!), matar homens abraçados.
Outras pessoas dizem que ok, homofobia (e outros preconceitos variados) até existe. Mas só nesses casos chocantes em que alguém acaba morto! Homofobia, pra esse pessoal, é ferir alguém grave e fisicamente. Xingar de viado não é homofobia, é só uma palavrinha à toa. Fazer careta pra casal do mesmo sexo que anda de mãos dadas não é homofobia, é só uma manifestação inocente do seu gosto pessoal. Reclamar com o gerente do restaurante se vir um casal gay se dando uma bitoquinha não é homofobia, é só não querer que seu filho sofra más influências. Não contratar um cara mais “afeminado” pra uma vaga de emprego não é homofobia, é só que você tinha candidatos mais fortes. Querer proibir que se discuta tolerância às diferenças na escola não é homofobia, é só que esse tipo de educação você dá em casa. Afirmar que datas como hoje, Dia do Orgulho Gay, são uma bobagem não é homofobia, é só o seu jeito de esfregar na cara das pessoas a sua orientação heterossexual.
E, pode apostar, ainda tem a galera que vai dizer que irmãos gêmeos espancados ou pai perder a orelha não é homofobia, porque... as vítimas nem eram gays!
Pra essas pessoas, a gente já disse mil vezes, mas vai repetir: homofobia, transfobia, machismo existem, são fortes, e sempre caminham juntos. Todos são a mesma face de uma masculinidade com prazo de validade vencido. Uma masculinidade que diz que homem que é homem, homem que é homem com H, homem de verdade, tem que encontrar sua definição de masculinidade nos seus opostos. Portanto, homem tem que ser o contrário de mulher. Tudo que é feminino é ruim e deve ser superado. Tudo que for ambíguo. Tudo que não seja comportamento de macho. Só que tudo tem um preço. Ser rei do universo não é só um passeio. Pra manter os privilégios masculinos, é preciso pagar pedágio. E esse pedágio é viver uma eterna performance burlesca, é vestir uma máscara em que você finge ser homem. No que tudo de atrasado que significa Ser Homem é incluso.
Entra aí não poder chorar, não poder ser carinhoso com os próprios filhos, não poder tocar num outro homem — nem que este homem seja seu pai ou seu irmão. É o preço da eterna vigilância. Tem certeza que esse modelo de masculinidade que você se empenha em seguir é positivo? Tem certeza que vale a pena viver num mundo, ou num país, em que pais e irmãos não podem se abraçar, porque qualquer ato de afeto entre homens fará outros homens pularem em cima pra defender uma masculinidade que eles mal conseguem definir? Pense bem, antes de responder. E tente encontrar uma definição de masculinidade que não seja tão danosa.
Enquanto isso, na Câmara dos Deputados, alguns congressistas tramam interferir num conselho autônomo, o Conselho de Psicologia, para que aceite a “cura gay”. Sim, tem muita gente que acredita que homossexualidade é doença e, como tal, pode — deve! — ser curada. O incrível é que essa gente esteja no Congresso de um estado que deveria ser laico, e com peso para perpetuar a discriminação.
O que deve ser curado não é o gay, é o homofóbico. O que precisa de uma cura urgente — e isso depende de você, da gente — não é a homossexualidade. É todo um conceito falido de masculinidade.

169 comentários:

Huan Icaro Piran disse...

Sou carinhoso com meu irmão e meu pai, abraço com força bons amigos mas não sou dado a muito contato com todo o resto, mas isso por não ser dado a contato com ninguém mesmo.
Inclusive, entre os amigos que abraço apertado quando vejo (pouco, eles na maioria estão morando fora), há homossexuais. Se alguém não gostar disso terra problemas, pois é de nossa cultura regional andar com facas, e eu não me importo em arrancar umas tiras de carne de quem tenta me agredir.

Huan Icaro Piran disse...

*terá

Perdão.

Lord Anderson disse...

Uma das coisas que mais li e ouvi sobre esse crime foi que ele era chocante pq as vitimas "nem eram gays".

Dai me pergunto, e se fossem? O crime ia ser menos chocante, afinal eles estavam "ofendendo" as "pessoas de bem" com seu abraço?

Eu não entendo essa masculinidade que sente-se ameaça com algo que nem lhe é dirigido.

Não entendo pq tantos homens tem esse medo e odio, oq raios o fato de alguem ser gay afeta a vida deles?

Não entendo mesmo.

Gabriel Nantes de Abreu disse...

Uganda é aqui???

Que nojo dessa gente. Só de lê noticias sobre isso já tenho dores de cabeça.

Só uma pergunta, Cristãos fanáticos, pra que tanto ódio? O que vocês ganham transformando a vida de pessoas que vocês nem conhecem em verdadeiros infernos desde a infância?

Detalhe, sou desses que acha que a pouca repercurssão/indguinação que teve nesses casos foi porque na verdade eram dois heteros, até hoje espero uma matéria sobre a morte desse caso que a Lola deescreveu, alguém viu?

Bruxinha disse...

Ai, Lola!! que post lindo.
Sempre tô por aqui pra me despojar a cada dia um pouco mais dos meus próprios preconceitos! Obrigada por tudo. Obrigada por ser tão lúcida e tão humana!

Fernanda disse...

Eu acho um absurdo que exista tal coisa como "bancada religiosa" no Congresso/Câmara/Senado. Sendo o Estado laico, político que usar religião como justificativa pra tomar uma decisão deveria é ser punido.

Muito triste mesmo que existam pessoas que além de não aprovarem a liberdade alheia, ainda tenham a ousadia de interferir com violência.

E eu acho tão difícil de entender essa paranoia com ter um filho gay, eu ia achar super fofo.

Maicon Vieira disse...

Ainda bem que você consegue abraçar, Huan. Pois eu não consigo.

Bruno S disse...

Me incomoda muito a força dessa bancada religiosa,me incomoda tanto quanto ver que tem muita gente que concorda com essas posições. Independente de serem religiosas.

Assim como o Lord não consigo entender de onde vem tanto ódio. Tanto desprezo pelo próximo.

E sobre a bancada religiosa, o maior problema não é seu tamanho, mas obarulho que fazem. E a postura de aceitação do resto do congresso. Acho que muitos no fundo concordam com as proposições dessa turma, enquanto outros tem medo de serem vistos como "inimigos" de deus.

Fabiola disse...

Esse caso não tem nem a metade da barbárie que fizeram com o Alexandre Ivo, e as pessoas ficaram mais chocadas pelo fato de serem irmão e não amantes. Quem não consegue perceber a homofobia nisso precisa refletir muito. Apesar das pessoas repudiarem o ataque e se chocarem com a morte, quantos Alexandres precisaremos que sofram para que a homofobia seja criminalizada?
Espero que a família consiga ter forças para lutar para que os agressores fiquem na cadeia. E espero que todos percebam que isso foi crime de ódio.

Huan Icaro Piran disse...

Maicon, porque não?

Nem comento a bancada religiosa pois realmente duvido que alguém aqui vá apoiar algo assim.

André disse...

Creio que a grande maioria dos homens nunca pensou nessa questão da masculinidade. E o "medo" dos que pensaram talvez esteja no fato de não saberem o que será colocado no lugar daquilo que está aí.

Bruno S disse...

André,

acho que você tem razão.

Desconfio que muita gente prefere se agarrar a uma resposta pronta (conceito de masculinidade "vigente"), mesmo sabidamente ruim, do que procurar construir sua resposta.

Bruna B. disse...

‎Mais triste ainda foi ver os comentários sobre o novo Cod Penal depois que uma matéria sobre ele foi veiculada no Jornal Nacional... uma verdadeira horda de ignorantes esbravejando contra a lei que criminaliza a homofobia.

Estou torcendo muito para que essa lei seja aprovada. Muito.

Letícia Rodrigues disse...

Orgulho gay: orgulho de lutar contra a homofobia.

Orgulho hétero: orgulho de ser homofóbico.

Fica bem claro nesse tipo de propaganda:

http://classemediasofre.tumblr.com/post/25854900863/ate-os-animais-sofrem-nesses-tempos-de-ditadura#disqus_thread

Não conheço propagandas de campanhas LGBTTT que desqualifiquem a heterossexualidade.

Desesperadora a crescente onda de violência homofóbica.

aiaiai disse...

Texto perfeito, lolinha.

Huan Icaro Piran disse...

Sobre o orgulho hétero, eu sempre achei graça o que eles falam. São pessoas mal instruídas, que acham que o Orgulho Gay é um movimento exibicionista e desconhecem a história de opressão que já sofreram (e sofrem).

Antes que algum troll venha dizendo:
"mas hó! eu fui chamado disso ou daquilo por alegar ser hétero!"
Sim, eu sei, já vi dessas situações, um amigo meu que é homossexual certa vez chamou de burro um garoto que ele estava cantando que gentilmente recusou tudo alegando ser hétero. Eu dei bronca nele, da mesma forma como defenderia ele se o cara tivesse sido homofóbico.
Não se deve confundir um homossexual sem noção (e como diz minha noiva, gente sem noção é o que não falta no mundo) com o movimento, fica a dica

Nina Levy disse...

Perfeito o post, Lola!

Os homofóbicos são geralmente pessoas que estão lutando com elas mesmas e acabam externando esses conflitos. Na maioria dos casos, o que o homofóbico não aceita não é a ruptura de um padrão, mas o feminino. Por isso homofóbicos são, quase na sua totalidade, machistas. Eles não aceitam que um homem seja feminino, porque eles não aceitam o feminino deles. Eles reprimem o seus femininos, vivem em guerra com eles mesmos. De acordo com uma pesquisa recente que foi publicada no Journal of Personality and Social Psychology, essa "guerra" costuma a ocorrer por terem desejos retraídos pelo mesmo sexo. Enfim, enquanto esse modelo de masculinidade que abraça a agressão, a violência e a dominação sobre o feminino persistir, teremos homofóbicos.

Já sobre a interferência da bancada evangélica no Conselho Federal de Psicologia, não sei nem o que comentar, tamanho absurdo que é. Psicologia é ciência. É inadimissível que em pleno ano de 2012 a religião ainda tenha espaço para interfirir na ciência! Isso não pode acontecer! Não consigo acreditar em tamanho atraso. Daqui a pouco cientistas serão levados a fogueiras. Será que a Igreja vai de novo querer nos convencer na marra que a Terra é quadrada?? Porque o que nós, psicólogos, com base na CIÊNCIA sabemos é que homossexualidade NÃO É DOENÇA.
E qualquer tratamento para curar algo que não é doença é charlatanismo!!

Doença é fanatismo religioso como o da dona Marisa Lobo, ela sim precisa de tratamento URGENTE.

Rubens disse...

Eu fico muito chateado com essa perseguição contra as pessoas homo-afetivas, cara, não faz sentido, só quem se permite não ser tão ignorante sabe que eles/elas são pessoas maravilhosas como todo e qualquer ser humano.

Acho muito foda essa necessidade de defender o livre arbitrio de ser preconceituoso.

Gabriel Nantes de Abreu disse...

"Daqui a pouco vai ser crime gostar de buceta e cú!!!"

Só heterossexuais gostam dessa parte do corpo? Adoro quando os homofóbicos provam sem precisar nem de debate o quanto são ingorantes e não sabem o que é ser homossexual ou heterossexual.

Daniela disse...

Se a heterossexualidade é assim tão natural, porque tanto empenho em assegurá-la, caras pálidas?

Quanta insegurança, credo!

André disse...

Um conhecido disse que a "cura gay" é uma atividade válida para os psicólogos, cuja principal função seria aliviar o sofrimento dos pacientes, e muitos gays sofrem por serem gays. Na hora não me ocorreu nenhuma resposta não falaciosa.

Gabriel Nantes de Abreu disse...

"Eu sei do que vc gosta Gabriel

tem um aqui pra vc 30x9cm

muito viril."

E ainda prova o ditado de que todo homofóbico na verdade é gay enrustido! Apesar de não acha que isso é verdade arnoldo você está fazendo com que eu reveja meus conceitos!A propósito cuidado ao chamar os outros de gays, porque nada melhor que um gay para reconhecer outro! KKKKKKKKK

Huan Icaro Piran disse...

Não Arnold, eu não tenho fakes, é contra meu credo.

Se quiser te passo meus dados pessoais, inclusive meu SIAP como servidor federal para você pensar na vida. Também posso te dar meu endereço, se não tiver medo de vir aqui jogar isso na minha cara, é meu convidado a vir a Lages/SC que lhe ofereço um mate.

Mas tenho a impressão de que você vai arregar o convite, neh cabeção?

Huan Icaro Piran disse...

Não Arnold, não tenho como te prender se é seu medo.

E sim, eu intimei, pois aqui em minha terra, só ofende quem tem culhões de pelear pelo que disse.

Gabriel Nantes de Abreu disse...

"GAbriel vc quer apenas chamar a minha atenção.

Sai fora, vc é tb um mangina lambe botas feminazi"

Com certeza, estou desesperadamente tentando buscar a atenção de uma pessoa que eu não tenho a minima idéia de quem é porque se esconde atrás de um fake!

E que merda é "mangina"?

KKKKKKKKKKKK

André disse...

Bruno S.
Eu mesmo só passei a me fazer algumas perguntas depois que meus filhos nasceram, e olha que eu sou razoavelmente instruído. Tá faltando capacitar as professoras e estimular a discussão nas escolas (institucionalmente). Mas sem estardalhaço, para não acontecer o que aconteceu com o kit-gay.

André disse...

Hugo e Gabriel,
Daqui a pouco a Lola leva o bebezão de volta para o cercadinho e os seus comentários vão ficar flutuantes. Nem percam o tempo de vocês.

André disse...

Hugo não, Huan. Mal aí.

Letícia Rodrigues disse...

André, gays não sofrem por serem gays, e sim por interiorizarem preconceitos e não se aceitarem.

Muitos negros também interiorizam o racismo e ficam tentando parecer menos negros.

Ana disse...

Minha nossa, Lola, que horror.

Eu parei na primeira informação. E só conseguia pensar, 'que horror, que horror, que horror, que horror...'

Eu chorei. Porque tenho sempre essa sensação horrível de que qualquer dias o telefone vai tocar. E vai ser um amigo, ou um parente meu, que vai estar todo quebrado em cima de uma cama ou mesmo morto.

E sejamos sinceros, isso é muito possível.

Não adianta se enganar. Numa sociedade dessas, onde essas aberrações homofóbicas andam soltas, qualquer um pode ser o alvo - seu melhor amigo, que você conheceu a vida inteira. Seu irmão, talvez gêmeo, que tem parte do seu DNA. Seu pai, que te amou desde que você nasceu. Um primo, um colega de escola, ou até você mesmo, rapaz. Todos estão à mercê desses lixos.

Aberrações, ABERRAÇÕES, É EXATAMENTE O QUE VOCÊS HOMOFÓBICOS SÃO!

Já que religião tem sido citada nos outros comentários...

Não me interessa se muitos deles fazem o que fazem porque acreditam em céu e inferno. Não há justifica para essa bárbárie, nem em Deus nem fora dEle.

Digo isso batendo no peito. Sou agnóstica, mas venho de família religiosa, de meio religioso, e nenhum dos meus parentes ou amigos seria capaz de ofender um homossexual, muito menos encostar em um. Porque eles, ao contrário dessa escória que caminha por aí, sabem o que amor significa. Amor, amor esse que deve ser sempre o sentido principal de Deus! Só pesoas que realmente convivem com Ele sabem o que isso é! E ninguém capaz de amar comete esses crimes!

Estou de saco cheio de neguinho vir dizer que 'Deus isso, Deus aquilo, os gays devem ser punidos'. Vá pro inferno, sua besta ignorante.

E sim, SIM, meu sangue está fervendo!

Toda vez que leio essas coisas penso automaticamente, 'qualquer dia será um dos meus'.

Homofobia mata. Mata, e não passa nem perto de Deus.

Religião não é a única origem do preconceito, mas tem sido muito usada como justificativa ultimamente, por gente que acha que está fazendo algo certo (!). Nunca, NUNCA vão me convencer de que qualquer plano divino inclui essa guerra que tem matado tantos.

Nojo, nojo profundo de quem é capaz de uma bestialidade dessas a cha que "ah, mas eu pensei que eram gays!" o transforma em herói.

Gente além de tudo burra (ha, homofóbico burro, que rendundância); que acha que olhar dois homens se abraçando é suficiente pra saber quem eles são.

E me pergunto, mataram tantos héteros, de quantos mais eles precisam?

Vejam, cuidado aqui. EU não dou mínima se é hetero ou gay, ABSOLUTAMENTE NINGUÉM deve ser agredido de forma NENHUMA (física ou verbalmente). Mas o que fica na minha cabeça é, PQP, será que eles nem desconfiam de que são uns imbecis quando descobrem que, surpresa!, acabaram de torturar um hétero que eles tanto prezam até a morte? Esse ódio horrendo é maior que a vida até quando as pessoas tem a sexualidade que eles 'aprovam'? Bando de psicopatas, apodreçam!

E é INACREDITÁVEL que com essas coisas acontecendo tanto ainda tenha gente com a cara de pau de dizer que homofobia não existe. Eu nem vou chegar aí. Não tem o que dizer!

Desespero, gente. Muito desespero.

Maicon Vieira disse...

Huan Icaro Piran disse...
Maicon, porque não?
____________________________

Não sei abraçar, isso é algo estranho em minha vida. Não consigo abraçar nem mulher e nem homem.

Ana disse...

Eu vou viver vinte vidas e não vou entender certas coisas. Como por exemplo, tocar no seu irmão ferir a sua masculinidade.

Há serios problemas no conceito de 'masculinidade' vigente. Mas vou pular essa parte. Vamos direto pro raciocínio.

Tocar no seu irmão é arriscado, porque tocar em outro homem é coisa de gay (?). E gays não são homens (?). Então você evita, porque você é muito Macho.

Quer dizer, você precisa ficar longe de qualquer homem, até os da sua família; porque E DAÍ se está escrito na P**** do seu DNA que você é homem, né? Isso não prova muita coisa! DNA, bah! Homem que é homem não encosta em outro homem. Nem que seja irmão.

Ceeeeeeeerrrto.

Outra que me encanta é a questão da autonomia.

Quer dizer, homem que é homem não fraqueja. Vide que Macho não chora nem quando arranca uma parte do dedo fora pregando um prego (e, dels te livre, muito menos por motivos emocionais). Não, homem não chora. Talvez hoje alguns até chorem porque acham aceitável, mas o ponto é, Homem a princípio dá conta de tudo. Homens são mais fortes em todos os aspectos. Homens se bancam.

Ok. Mas aí, com toda a sua brilhante masculinidade, o cara tem que seguir regras pra provar que é macho. O cara depende eternamente do que os outros acham, segue qualquer m**** de regra que os outros estabalecem, molda a vida em torno de parecer Macho, e tudo isso tecnicamente é pra reforçar a sua autonomia.

Só que não. Porque se fosse questão de ser cofiante mesmo, teria que ter culhões de bater no peito e assumir sua própria filosofia de vida. Teria que ter culhões de dizer, "F***-**, eu sou Macho sim senhor e não preciso provar pra ninguém". Pelo menos pra mim, o cara dizer 'eu te amo' pra outro homem exige muito, muito mais coragem e segurança do que passar a vida fugindo de tudo o que pode te fazer parecer gay. E esse 'eu te amo' aqui não é necessariamente romântico. É pra um irmão, ou pra um pai, seja quem for.

Todo mundo enchendo a boca pra dizer que não sai da linha, e eu fico pensando, um bando de covardes, é isso o que são. Ficar buscando a aprovação de babacas, até quando?

E nem vem me falar de coisas como honra. Que homem honrado e de bem precisa pisar nos outros pra se provar? Que Homem com H maiúsculo aprova uma droga dessas????

Tudo errado, tudo errado, kkkkk

Adotem o sistema que quiserem, só sejam coerentes. Neguinho passar a vida toda se borrando de medo do que os outros acham e vir me dizer que é muitíssimo Macho é risível. Grow some balls.

E não, não tenho raiva de homens e não quero promover guerra de sexos. Só estou tentando entender a lógica que valida alguns e outros não. Tentando entender o que essa coisa tão importante pra vocês realmente é.

Sei que nunca vou saber o que todos os homens pensam, e que é burrice generalizar. Sei que muitos não concordam com nada do que descrevi. Sei que vários não acham que o descrito é a masculinidade. Mas só estou tentando seguir o que o Senso Comum apresenta como Homem. Penso tanto nessas coisas que muitos passam a vida tentando mostrar, e não consigo achar o que elas provam.

Não quero atacar ninguém. Mas há tempos esses predicados deixaram de fazer sentido pra mim. Eu sei que a sociedade exige, mas afinal, você sabe que é homem ou não? Sério que você precisa tanto que os outros validem isso? D:

E acho que isso se relaciona à homofobia, porque todo esse ódio me parece vir da necessidade constante de auto-afirmação. Necessidade essa que, tecnicamente, um ser que se banca não tem.

Não sei de mais nada.

E quem achar que estou falando abobrinhas, sinta-se livre pra me criticar. Eu só quero entender D:

É complicado vir fazer discurso quando nem homem eu sou. Afinal essa pressão não está nas minhas costas...

Milla Prado disse...

Lola, conheço o teu blog há pouco tempo, mas já sou sua grande fã!!
Post perfeito!
Bjs

Beatriz disse...

Nem ambientes dito "liberais" estão livres dessa merda.

Estava dia desses em uma festa de MPB em São Paulo, cheia de gente descoladinha e universitários. Estava lá, sambando no cantinho, curtindo Chico Buarque na minha, quando um sujeito me tirou pra dançar. A gente começou a dançar e conversar e em algum momento um casal de homens passou dançando abraçado no nosso lado. O sujeitinho, q sequer me conhecia direito (ou seja, faz essas coisas com a maior naturalidade) me mandou um "ai q escroto esses dois dançando". "Pq fulano, nós não estamos dançando tb?" "Ai, acho horrível esses gays". Larguei a mão dele e dei as costas, sem falar mais uma palavra. Quando voltei pra perto dos meus amigos, detonei o cara. Simplesmente não quero nem conversar com gente assim.

Ana disse...

@Maicon
"Não sei abraçar, isso é algo estranho em minha vida. Não consigo abraçar nem mulher e nem homem."

Ah bom, mas aí né, não é uma questão de preconceito. É que você não tem jeito com isso. Essa parte não tinha ficado clara no seu primeiro comentário. E sim, eu acabei de me meter onde não fui chamada :B

Bom, eu também não saio abraçando muita gente.
Só que, por motivos que eu não entendo, eu posso abraçar qualquer amigA na rua, e não corro risco nenhum de ser atacada (não sei até quando, daqui a pouco é capaz de isso mudar, nesse ritmo).

@Bruno S
"Desconfio que muita gente prefere se agarrar a uma resposta pronta (conceito de masculinidade "vigente"), mesmo sabidamente ruim, do que procurar construir sua resposta."

Falta de culhões, isso aí. Simplesmente seguir o que os outros dizem... Não vejo grande coragem nisso. Não há motivo pra orgulho algum. E é isso que me irrita, ir com a maré e se achar melhor que alguém. Ah vá....

@Nina
"Os homofóbicos são geralmente pessoas que estão lutando com elas mesmas e acabam externando esses conflitos. Na maioria dos casos, o que o homofóbico não aceita não é a ruptura de um padrão, mas o feminino. Por isso homofóbicos são, quase na sua totalidade, machistas" [2]

Já vi muitas discussões sobre como a homofobia acaba se relacionando à misoginia. Como o pavor de gays ter origem na crença de que esses se rebaixaram ao nível de submissão de uma mulher, por exemplo. Raciocínio esse que só existe em quem associa mulher a submissão, a começo de conversa.

Lorena disse...

Lola, obrigada pelo post. Muito importante nesse dia em que lembramos Stonewall.

Há algum tempo já eu deixei de ler notícias sobre violência homofóbica porque isso me fazia muito mal. Ficava triste, chorava, ficava com medo de sair à rua... Então parei, não leio mais. Eu fiquei sabendo desse caso dos irmãos porque falaram muito a respeito no Twitter. Mas não tinha lido nada contundente, li hoje, através do seu post. E li, inclusive, algo que prometi que nunca mais leria na vida: os comentários nos portais de notícias. E, para a minha surpresa, os comentários em relação a essa notícia em especial foram diferentes do que eu esperava, mta gente indignada com o crime bárbaro... Mas infelizmente preciso concordar com outros comentadores que já falaram, a indignação é "só" porque os dois rapazes eram irmãos, e não um casal. Porque outros crimes igualmente chocantes acontecem com homossexuais diariamente no nosso país e se você for ler os comentários, dá vontade de abrir um buraco no chão e sumir. Era assim que eu me sentia, por isso mesmo parei de ler.
Então, a indignação das pessoas não é pela homofobia, se fossem dois homens gays não haveria tanta comoção, era até provável que comemorassem a violência.

Como disse a Fabiola, esse crime não chega nem aos pés da brutalidade que foi o assassinato de Alexandre Ivo, e quem se lembra quem foi ele?? A não ser que você seja gay e/ou acompanhe a militância, ainda que de longe, acho que ninguém mais se lembra. Quantos mais precisarão morrer para vermos uma medida realmente séria ser tomada??

Eu já tive mto medo de demonstrar afeto em público, mas hoje estou me permitindo mais. Quero ter um relacionamento normal e luto comigo mesma pra me dar a chance de vivê-lo em toda a sua plenitude, e isso inclui baixar a guarda e a vigilância constante. Mas eu SEI que isso me deixa mais vulnerável, correndo mais riscos.

André disse...

Ana,
Aqui mesmo, num blog feminista, eu já li frases como homem tem que se garantir ou homem tem que ter pegada. Então não dá para estranhar muito certas frases de buteco.

Grão da Noite disse...

Sou gay e, por isso, posso afirmar que homofobia existe, sim. Meu consorte me falou recentemente, semana passada, se me lembro bem, que uma colega de trabalho havia colocado na traseira do seu carro os nomes de seus dois filhos, um menino de 5 anos e outro de 2 anos. Pois um amigo dessa moça, policial, aconselhou-a a tirar o nome dos meninos da tampa do porta-malas do seu carro. O argumento do policial foi de que o carro poderia ser depredado por alguém que julgasse que os nomes das crianças eram de um casal gay. Quantos adolescentes heterossexuais tentam suicídio quando confrontam sua orientação sexual? A coisa é tão grave que não faz muito tempo, nos EUA, Barack Obama "himself" fez um apelo aos adolescentes gays de que eles não se matassem. E quantos heterossexuais se passam por homossexuais só pra fugir do preconceito? Você conhece algum? Já homens e mulheres gays que se casam com uma pessoa do sexo oposto, só pra fugir do preconceito (ainda que racionalizando as reais motivações por que estão se casando com uma pessoa do sexo oposto...), existem em grande quantidade. Quando eu estava solteiro encontrava muitos homens casados nas salas de bate-papo do Uol. Acredito que a situação não esteja muito diferente hoje em dia. "O Segredo de Brokeback Mountain" se repete, e muito, ainda hoje. Eu mesmo fui assediado no trabalho por uma alta autoridade da república, casado com uma mulher e pai de duas filhas. Depois descobri que o irmão dele, artista plástico e alcoólatra, cometeu suicídio quanto estava próximo dos 30 anos. Algo me diz que a homossexualidade tem algo a ver com esse suicídio, e que o homem que me assediou tem problemas com sua orientação sexual por causa da homofobia da família. Há aluns meses uma aeromoça foi agredida em Aracaju por ter sido confundida com um travesti. Acho que esses exemplos que citei já servem pra demonstrar direitinho que a homofobia existe. E ela é causa de muita infelicidade e mortes (físicas e emocionais) na vida de muitas pessoas e de muitas famílias.

Lays, mãe e tudo o mais. disse...

Meu pai, militar, não abraça. Não abraça mesmo, só quando eu tomo a inciativa e mesmo assim ele não se solta, é como abraçar uma tábua. Foi ensinado a vida toda de que homem não abraça, não beija... e o treinamento militar só reforçou isso.

Quando há momentos de abraço é daqueles vistos em filmes, "abraço com distância de segurança" e tapinhas nas costas. Vivo me perguntando o quanto esta cultura machista do não-toque violenta também os homens, proibidos de expressar qualquer tipo de sentimento.

E aí, ao tomar conhecimento destes atos bárbaros de violência, tanto para homossexuais quanto para heteros que romperam com as travas para afetividade, penso cá comigo que muito do motivacional deve ser pura inveja e medo. Inveja porque as pessoas agredidas tinham uma liberdade afetiva que os agressores não possuiam. E medo porque ali estava, na cara deles, a prova de que poderiam ser diferentes.

E o que faz com o que é diferente? Ou você se dispõe a conhecer e aprender, ou você elimina para não precisar sair da sua zona de conforto. Infelizmente a segunda opção tem aparecido com muito mais frequência do que seria sequer imaginável.

Grão da Noite disse...

Ah, me lembrei de mais uma: em 2005 inventei de ir a uma apresentação de chorinho no BNB, aquele Centro Cultural que fica na Floriano Peixoto, no Centro de Fortaleza. Estávamos eu e um "paquera". Nos sentamos na última fila e inocentemente nos demos as mãos, num ato romântico, e achamos que estávamos fazendo isso de forma escondida. Sabe o que aconteceu? Acenderam uma luz em cima da gente, e só em cima da gente, e só a apagaram quando nossas mãos se soltaram. Nessas horas eu adoraria ser uma Rogéria ou um Jorge Lafond (lembra dele?). Como sou pra lá de tímido, e meu "paquera" também não era de confusão, deixamos pra lá. E ainda tem gay que critica os travestis e todos os tipos de "pintosos". Pois esses gays tão visíveis que chegam a ser ofuscantes têm em mim um grande admirador. Eles dão a cara a bater, e recebem muita porrada mesmo. E é em grande medida por causa deles que nós homossexuais deixamos de ser invisíveis e estamos conquistando o direito de existir e de lutar por nossa felicidade, ainda que a duras penas. Quando o STF, por decisão unânime, equiparou a união homoafetiva às uniões hetero eu me senti em 1888, quando a Princesa Isabel assinou a Lei Áurea. "O Estado reconheceu que eu posso existir e tentar ser feliz". Eu estava sozinho e chorei. Foi um dos momentos mais emocionantes da minha vida. E ainda tem uns "f.d.ps" que dizem que homofobia não existe. E ainda se dizem cristãos. Vêm com aquele discurso nojento, "nós amamos os gays, só condenamos sua prática". Ô gente odiosa. Paciência, paciência. Infelizmente o progresso é lento, mas até que vem acontecendo.

Ana disse...

@Andre
Eu tbm ja ouvi mto isso. Particularmente nao gosto desse negocio. Sempre fico, pegada, wtf? Acho besteira.

Creio q as pessoas podem escolher seguir essas coisas ou nao. Nao sei se entendes o que eu quero dizer. Acho que nao cola o "ah, mas as mulheres querem pegada por isso sou agressivo". Nao sao todas. Se nao sao todas, ele pode abandonar essa abordagem e pensar nas que vao considera-lo Homem sem levar em conta esse negocio. Nao acho que eh sobre os outros
sobre as mulheres... Cada um tem que saber o que faz... Acho que se dobrar a coisas como "tem que ter pegada" eh algo que o cara tem que decidir. Algumas mulheres podem querer isso, mas ELE concorda ou nao? Ele vai se sujeitar a essa condicao ou nao?

Acho bem ingratas essas cobrancas. Negocio de que homem tem que ter iniciativa (e o feminismo nao vai com a cara dessa afirmacao) eh mto injusto. PQP, se eu fosse homem morria solteiro. Quero dizer, e quem
eh timido, comofaz?

Me parece que fugi bastante do assunto inicial, mas so aproveitei pra falar o que ja vinha pensando. Sim, coisas como 'tem que ter pegada' sao comuns. Mas varia de pessoa pra pessoa. Meu questionamento eh, perante essas mil e uma coisas que muita gente impoe aos homens, nao eh mais negocio dizer, "eu discordo disso e nao vou obedecer essa regra idiota"? Quer coisa que prove mais que voce se garante do que tomar suas proprias decisoes?

Espero nao ter viajado. E me parece sempre que pra mim, de quem essas coisas nao sao cobradas, eh mto facil falar. Imagino que a pressao seja alta para que vcs atendam expectativas.

Ps: digitando comment em ipod, o q eh um saco. Perdoem qqr erro.

Lays, mãe e tudo o mais. disse...

Sobre a bancada religiosa, hoje postei no meu FB uma frase sobre a Igreja considerar a homossexualidade uma abominação por ser anti natural, mas andar sobre as águas e transformá-la em vinho era super natural, tanto que eu fazia isso o tempo todo em casa.

Pois bem, muitas pessoas, até quem dizia adorar gays (as palavras foram exatamente essas me responderam que os homossexuais deveriam ser respeitados, mas que a homossexualidade era sim aberrante e anti-natural, em nada comparado com os milagres de Jesus.

Eu rebati que, uma vez que você considera a orientação sexual de uma pessoa aberrante, não há como falar em respeito ao indivíduo, já que você rejeita justamente um dos aspectos que o define.

Ou seja, nem sempre a homofobia aparece na forma dos garotões que partem pra porrada. Na maior parte das vezes ela aparece de forma dissimulada, educada até. Mas é essa forma da homofobia "cordial" que acaba dando força para as manifestações violentas.

Roberto disse...

Ana ....
"tem que ter pegada" eh algo que o cara tem que decidir. Algumas mulheres podem querer isso, mas ELE concorda ou nao? Ele vai se sujeitar a essa condicao ou nao?

Se a maioria quer "Pegada" só o que sobra pros homens é uma escolha de hudson (ter pegada ou ficar sozinho).

Lorena disse...

Grão da Noite,

" Quando o STF, por decisão unânime, equiparou a união homoafetiva às uniões hetero eu me senti em 1888, quando a Princesa Isabel assinou a Lei Áurea. "O Estado reconheceu que eu posso existir e tentar ser feliz". Eu estava sozinho e chorei. Foi um dos momentos mais emocionantes da minha vida."

Engraçado você dizer isso, mas foi mais ou menos como eu me senti tb! Eu estava acompanhando a votação online, cada voto a favor era como se tivessem tirando um muro das minhas costas. No final, chorei copiosamente. Nunca comemorei algo com tanto fervor! E tem gente que acha que comemoração de final de campeonato de futebol é emocionante... Não tem nem comparação com comemorar um direto finalmente adquirido! Só de lembrar me arrepio. :)

Maria Valéria disse...

Assino embaixo do que o Grão da noite e a Ana falaram.


Lola,
Existe algum estudo que tentou provar que a maioria dos homofobicos tem desejos homossexuais?
Acho que li isso em algum lugar, nao lembro aonde , pois faz muito tempo.talvez aqui no seu blog mesmo.
Lembro de uma cena do filme" beleza americana" que retrata o que estou falando...
Beijos

Huan Icaro Piran disse...

@Maicon, cara, afetividade é estranho no inicio, mas é bom, você se acostuma ^^

Grão da Noite disse...

Acho patético o argumento de que a homossexualidade é antinatural. Há alguns anos, várias revistas conhecidas, como Super Interessante e outras que se encontram em qualquer banca de jornal, publicaram reportagens de que biólogos constataram a presença da homossexualidade em várias espécias animais. Se a homossexualidade existe na natureza, ela é natural. Em 1995, se não me engano, li o livro de memórias do Darcy Ribeiro, publicado logo depois que ele morreu. Em seus estudos de antropólogo ele constatou que a homossexualidade é (ou era, talvez esses povos nem existam mais) algo culturalmente aceito em muitas tribos, o que demonstra que a homossexualidade é definida de forma particular por cada povo e cultura. O que é natural para a humanidade? Não temos asas, mas voamos de avião, de parapente e de asa delta. Não moramos em cavernas, mas em casas que possuem fogão, micro ondas, televisão e ar-condicionado. Temos só duas pernas que não nos garantem uma locomoção muito ágil, mas temos automóveis, ônibus, trens e metrôs. Essas coisas são naturais? Brinco, batom, blush, sombras, rimel e perfumes, são naturais? Minha colega de trabalho é evangélica. Ela não é terrivelmente homofóbica, mas é do tipo que nós gays merecemos respeito, apesar de pecadores. Ela namora um cara há 4 anos e toma anticoncepcional. Cadê o sexo só pra procriar? Eles não se casaram e já transam (o inferno os aguarda...), e não estão transando só pra procriar... Por que a mesma Bíblia que me condena, e aos demais gays, absolve do pecado esse tipo de gente? Me poupe! Minha vontade é de mandar essa gente tomar naquele lugar pra ver se gosta. Pela Bíblia, a humanidade inteira é pecadora e já está condenada. Revoltante que haja gente que não enxerga coisas tão evidentes.

Lays, mãe e tudo o mais. disse...

Maria Valéria, há um post no Bule Voador que fala exatamente disso. Eles relatam uma experiência em que pessoas abertamente homofóbicas reagiam com excitação física (medida por sensores colocados no pênis dos voluntários) ao serem expostos a cenas de homossexualidade masculina.

Já os não-homofóbicos não apresentavam reação nenhuma vou caçar o link e coloco aqui.

Maria Valéria disse...

grão da noite

Fui batizada católica , mas nao sigo , exatamente por nao concordar com os dogmas da igreja,

Nem sei se acredito em Cristo, pra começo de conversa,

Por isso nunca me aprofundei em leitura sobre religião, teologia, etc.porque nunca me interessou,
Mas do pouco que lembro de ter lido, Cristo( se e que ele existiu) nao pregou nunca a discriminação.ao contrario, que eu saiba ele pregava o amor e o respeito ao próximo.alguém discorda?;)
Nao sigo religião nenhuma e só acredito no meu anjo da guarda.
Entao, me perdoem e me corrijam se eu estiver escrevendo alguma bobagem, mas acho que o problema nao e a bíblia nem a religião em si, mas sim a distorção que as pessoas acabam fazendo do que esta escrito ali, e a maneira como os " religiosos " usam essas distorções pra atingir seus propósitos e justificar crimes, discriminação, etc....
Favor, alguém me corrija se eu estiver errada, mas e a minha impressão pessoal.
Bjs;))

Maria Valéria disse...

Sim, Lays, foi esse estudo mesmo que li em algum lugar da internet, só nao lembrava aonde... Rs.bj

Grão da Noite disse...

No youtube pode ser visto um vídeo que fala de uma pesquisa feita nos EUA na 2ª metade da década de 1990. Os pesquisados primeiro responderam a um questionário sobre homossexualidade e homofobia. Depois foram colocados em salas, onde foram exibidos vídeos pornôs gays. Ao redor do pênis desses homens foi colocado um fio. Pois a pesquisa constatou que os homens mais homofóbicos, de acordo com os questionários respondidos antes de verem os vídeos, foram os que tiveram uma ereção ao assisti-los. O fio colocado em torno de seus "membros" (não gosto dessa palavra) constatou o entumecimento dos seus genitais com as cenas homoeróticas. Sugestivo, não? Na minha opinião heteros bem resolvidos não têm ódio a gays. Já os gays enrustidos projetam nos homossexuais suas dificuldades pra lidar com si mesmos. O endereço do vídeo no Youtube é http://www.youtube.com/watch?v=Y9UeKYF6sno .

Lays, mãe e tudo o mais. disse...

Maria Valéria, há trechos específicos do Antigo Testamento onde a homossexualidade é definida como aberração merecedora da pena de morte.

E muitas vertentes religiosas - principalmente as neo-pentecostais - se baseiam no AT para construção e manutenção dos seus "argumentos".

Ana disse...

@roberto

E a minoria, aonde foi? Kkk

Entendo teu lado, juro. Mas fico pensando q, se existe diferenca de opiniao entre as mulheres (e so discorda disso quem eh mto burro, dsculpa ai), entao ele tem opcao. Como dissestes, 'maioria'. Nao todas.

E dpois, como se conhece uma maioria? Nao teria q conhecer todas e saber a opiniao de cada uma?

Podes dizer, "maioria das q conheco", te basear em exp. pessoal. Mas ai t digo, alem das q ja encontraste, existem mtas outras.

Acho q enquanto existirem mulheres com opiniao diferente, o cara n precisa optar por ficar sozinho. Basta encontrar uma que o aceite como eh e concord com ele.

Nao tentem adivinhar o q tdas pensam. Nao se dobrem a qqr coisa achando q se nao o fizerem ficarao sos. Vao acabar fazendo de um tudo. E acho q n precisam. (nossa, to soando mandona, kkkk. A intencao n eh bem essa, mas dxa assim).

Como tem mulher q tm pegada, tbm tem um mont reclamando de caras q chegam de jeito agressivo pra provar q tem pegada. Vejo mto. Entao nem tds aprovam :)

Lorena disse...

Maria Valéria,

A Bíblia, principalmente o Antigo Testamento, se lida ao pé da letra, não é apenas homofóbica, é machista, xenófoba, incentiva a escravidão, o homicídio, o infanticídio, etc, etc... O que era de se esperar de um livro que foi escrito por um povo que viveu a milhares de anos atrás, num contexto de escravidão (na maior parte de sua história) e num lugar bastante inóspito. O texto bíblico reflete exatamente o povo que o escreveu. O Novo Testamento, que traz a história de Jesus, é um pouco diferente. Os ensinamentos de Jesus, em sua maior parte, são ensinamentos de tolerância, mtos são o exato oposto do que a gente vê no AT. Mas, novamente, ele era um homem que nasceu numa época própria, num contexto próprio, e tinha ideias até bastante diferentes para a sua realidade.

Portanto, se as religiões cristãs quiserem levar tudo que está na Bíblia ao pé da letra, vão incorrer inclusive em um monte de crimes, e vão ser bárbaras, obviamente. Agora aquelas que costumam contextualizar os textos bíblicos são bem mais tolerantes. Não são 100% livre de preconceitos, obviamente. Mas algumas já estão bem mais "avançadas" nesses aspectos que outras. Inclusive no que tange a homossexualidade.

Ana disse...

*como tem mulher q QUER pegada, tbm tem....

Ops.

Maria Valéria disse...

Lorena e Lays,

Obrigada pelas explicações;))

Era o que eu imaginava mais ou menos.que Cristo ensinava a ser mais tolerante e a respeitar ao próximo.
Desse restante do antigo testamento nao tinha conhecimento nao... Credo!!! Bjs

Lays, mãe e tudo o mais. disse...

Maria Valéria, a maior parte das pessoas não conhece o AT, lê apenas o NT e as partes selecionadas pelos padres/pastores e afins. Eu costumo dizer que uma das primeiras coisas que me levaram ao ateísmo foi a leitura da Bíblia inteira.

Se se tratasse de literatura comum, e não religiosa, com certeza seria vendida em pacotes lacrados, apenas para maiores de 21 anos.

Ginger disse...

Acabei de ver uma reportagem falando da um psicologa teimando em querer praticar a "cura gay", gente, preguiça eterna dessas pessoas!

=/

Ana disse...

@Maria Valeria
:)

Eu nao sou expert, mas uma coisa eu sei. Existem duas leis basicas:
I - Ama a Deus
II - Ama ao proximo como a ti mesmo

Entao ne, boa sorte pros homofobicos tentandi dizer q preconceito nao entra em conflito direto com a segunda lei. E ate com a primeira, afinal, Deus ama seus filhos, todos, igualmente.

Nao se pode falar de amor e preconceito e n entrar em contradicao.

Se Jesus estivesse aqui, aposto meus bracos, ele lutaria com unhas e dentes contra homofobicos. Uma pessoa como ele foi, capaz de um nivel absurdo de generosidade e amor ao proximo, nao compactuaria com isso. Me espanta q as pessoas nao vejam isso. Me assusta. Q tipo de cristao acha q Ele aprova tais condutas?

Nao vou posar de quem tem tds as respostas pq n tnho. Mas usar Deus pra justificar esse tipo de coisa eh mta vontade de odiar os outros.

Queen Of Sorts disse...

Lays, o apóstolo Paulo ratificou a homofobia na carta aos Romanos no afã de ficar bem na fita com os judeus, pp os fariseus. Claro que o Cristianismo puro não se propõe regular a sexualidade de ninguém tal como o VT faz, mas também não veio propor o sexo livre. As portas continuaram abertas para a intransigência e condenação de práticas como a prostituição, o adultério, a homossexualidade (esta frustra a procriação, algo impensável em se tratando de homens e mulheres férteis e a necessidade de aumentar da população israelita, islamita, cristã), etc. Abs.

Roberto disse...

Ana
Talvez entre as pessoas que conheçe não ocorra mas infelismente eu vejo muito as mulheres dizerem que querem caras compreensivos,atencioso,sincero .A descrição varia mas ai tu pergunta como eram os ultimos namorados/maridos : toscos,cafa,safados e assim vai. Dizer que gosta de "uma coisa" e gostar de fato é outra.

Maiê F. Rezende disse...

Os quatro Evangelhos são as únicas partes da Bíblia que merecem ser lidas. São um exemplo de tolerância de não violência e amor ao próximo.O resto eu descarto...


PS: Queen Of Sorts, Paulo não era apóstolo. Foi contemporâneo de Jesus, mas nunca se encontrou com ele... Jesus aliás, nunca se meteu na sexualidade alheia, pelo contrario, mandou claramente cada um cuidar de si e não condenar o próximo. Coisas que certos cristãos
esquecem pq é conveniente.

Gabriel Nantes de Abreu disse...

Lola, Não sei se aqui no seu blog pode postar vídeos mas abaixo um vídeo em que mostra um pouco de como foi a discussão sobre o projeto de lei ridiculo da cura gay

Se percebe o completo descontrole e desrespeito por parte dos fanáticos que pregam a cura gay, quando na frente de toda sociedade se veem sem um mísero argumento cientifico que sustente essa sandisse.


http://noticias.uol.com.br/videos/assistir.htm?video=audiencia-na-camara-sobre-cura-gay-tem-bateboca-assista-04028D99356AC0C92326&mediaId=12905536

Grão da Noite disse...

ão existe qualquer estudo com rigor científico para concluir se as chamadas terapias de reorientação sexual funcionam para mudar a orientação sexual de uma pessoa. Essas "terapias" têm sido controversas devido às tensões entre as organizações com base religiosa que as realizam e as organizações profissionais, científicas e de direitos LGB. O consenso de longa data das ciências comportamentais e sociais e das profissões de saúde e saúde mental é de que a homossexualidade, por si só, é uma variação normal e positiva da sexualidade humana.[103] A Associação Americana de Psicologia, afirma que a maioria das pessoas "têm pouco ou nenhum senso de escolha sobre sua orientação sexual".[104] Alguns indivíduos e grupos têm promovido a ideia de que a homossexualidade é um sintoma de defeitos espirituais, de desenvolvimento ou de falhas morais e têm argumentado que os esforços para mudar a orientação sexual, incluindo a psicoterapia e os esforços religiosos, poderiam alterar os sentimentos e comportamentos homossexuais. Muitos desses indivíduos e grupos estão incorporados dentro de um contexto mais amplo de movimentos políticos religiosos conservadores que apoiam a estigmatização da homossexualidade por motivos políticos ou religiosos.[103]
Nenhuma organização de profissionais de saúde mental apoia esforços para mudar a orientação sexual e praticamente todas elas adotaram declarações políticas advertindo profissionais e o público sobre os tratamentos que se propõem a mudar a orientação sexual. Estas incluem a Associação Americana de Psiquiatria, Associação Americana de Psicologia, Associação Nacional dos Trabalhadores Sociais dos Estados Unidos, Associação Americana de Aconselhamento, o Royal College of Psychiatrists,[105] Sociedade Australiana de Psicologia[106] e o Conselho Federal de Psicologia do Brasil.[23] A Associação Americana de Psicologia e o Royal College of Psychiatrists expressaram que as posições defendidas por grupos como o NARTH não são apoiadas pela ciência e criam um ambiente no qual o preconceito e a discriminação podem florescer.[105][107]
A Associação Americana de Psicologia "incentiva os profissionais de saúde mental a evitarem desvirtuar a eficácia dos esforços de mudança de orientação sexual promovendo ou prometendo mudar a orientação sexual ao prestarem assistência aos indivíduos angustiados por conta própria ou por outras pessoas quanto a sua orientação sexual e conclui que os benefícios relatados pelos participantes nos esforços de mudança de orientação sexual podem ser obtidos através de abordagens que não tentam mudar a orientação sexual".[108] - http://pt.wikipedia.org/wiki/Homossexualidade .

Ana disse...

@Roberto

(I)

Cuidado pra não acabar dizendo que 'mulher só gosta de cafa'. Caras que pensam assim tendem a meter os pés pelas mãos.

Por "ultimos namorados/maridos", você quer dizer os ex?

Me ocorreu uma coisa, pode ser plausível que elas queiram caras compreensivos mas tenham ex's cafas. Porque né, são ex. Tem uma razão pra serem ex. Quando se conhece uma pessoa, nem sempre ela se mostra como é. Aliás, vejo muito cara pregando por aí que o único caminho pra uma mulher é ser dissimulado. Tem pessoas (homens e mulheres) que são assim. Só revelam mais tarde. Não pode ter sido isso? Estão procurando caras compreensivos, ainda não encontraram um que de fato seja, acabaram passando por vários cafas. É assim mesmo.

Enfim.

Em alguma coisa do que dizemos você tem que acreditar. Não dá pra achar que toda mulher que diz que não gosta de homem agressivo/com pegada/whatever na prática fica com homens assim. Não dá pra achar que 'falar é uma coisa e fazer é outra'. Não absolutamente. Não generalizando.

Se você vai sempre duvidar da execução do discurso, não há diálogo. Só há você e suas verdades absolutas que você não pode provar.

Por exemplo, se eu chego aqui e digo "homens só gostam de loiras", e aparecem caras dizendo "eu não" ou "conheço caras que não", não posso simplesmente dizer "ah, mas na prática garanto que todos só ficam com as loiras". Porque a coisa perde o sentido.

Eu digo que não há caras do jeito x, aí me apresentam caras assim e eu digo, "ah, mas na prática eles devem ser y". É um beco sem saída. Pq nunca me convenço de nada.

Há mulheres que reclamam das abordagens agressivas e DE FATO não ficam com caras que acreditam no mito da pegada. Elas existem. Estão por aí.

Existem DE FATO mulheres que querem caras compreensivos e etc. Tem também, claro, as que preferem sujeitos com outras características. Isso varia de pessoa pra pessoa.

O perigo todo de você achar que na prática sempre vão ficar com cafas, é que você vai entrar naquele raciocínio, 'se eu não for assim vou ficar sozinho'. Aí você passa a agir como um cara desses, e consequentemente, perde todas as mulheres que podiam te aceitar como você é. Entende? Não adianta vc reclamar que mulheres só gostam de cafas. Você precisa ser vc mesmo e deixar que as mulheres te vejam. VOCÊ, não "Você Fingindo ser o Cara que a Maioria Procura". Só então aquelas que estiverem afim de caras como você vão se aproximar. Bato na tecla, elas estão por aí, porque existem muitas mulheres diferentes.

E o que eu disse não é só pra caras. É pra gurias tbm. Não adianta reclamar que "só querem mulheres X" se você não se mostra como a mulher Y que é. Como raios você vai achar um cara que goste de você como você é, que goste exatamente da mulher Y que você é, se você teima em parecer mulher X? Deixe os caras que gostam de mulheres Y te verem como mulher Y, oras.

Entende, não é uma questão sexista, eu acho. É questão de lógica. PESSOAS são todas diferentes e existe quem goste de tudo. Acreditar que o sexo oposto procura 'principalmente por' ou 'apenas por' um tipo de parceiro é ruim, porque você tende a entrar nesse personagem pra não ficar sozinho. E aí no fim, não atrai ninguém que te queira como és.

É esse meu problema com caras que acham o negócio da pegada ruim, mas teimam em tentar mostrar que tem pegada. PQP mano, se tu acha ruim, pq q tu faz? Deixa isso pra lá e vai atrás das mulheres que, como você, não valorizam isso. Se ficar agindo desse jeito, claro que só vai achar as que gostam disso. E pior, acreditando que as que reclamam não são sinceras, vais esbarrar numa que não gosta de pegada, mas afugentá-la porque achas que ela está 'mentindo'.

OMG, fugi um monte do tópico.

Ana disse...

(II)
Mas enfim. Acho que é isso, espero que o texto tenha sido claro. Estendo o raciocínio pra qualquer característica que seja divulgada como ideal pra homens e mulheres. Não só pegada, mas qqr outra coisa.

Pessoas, se garantam. E por 'se garantam', quero dizer 'não se dobrem a qqr coisa que vendem pra vocês como ideal'. A maior prova que alguém dá de ser seguro é fazer suas próprias escolhas, seja homem ou mulher.

... tá, agora vou ficar quieta :X

Ana disse...

ps: Roberto, não quis dizer que tu especificamente não te mostras como és nem que te dobras a qqr exigência. Não quis dizer que é teu caso. Apenas quis desenvolver meu raciocínio. Porque né, existem caras e caras, mulheres e mulheres.

...agora fui de vez :X

Grão da Noite disse...

28/06/2012 - 13h56
Conselho de Psicologia não participa de audiência sobre 'cura gay':

http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/1111961-conselho-de-psicologia-nao-participa-de-audiencia-sobre-cura-gay.shtml

Sara disse...

Acho q é senso comum saber q o machismo deforma os sentimentos nos homens, mas fico pensando qual a extensão dos danos que isso causa a eles.
Outro dia fui visitar um asilo de velhinhos, nunca havia feito isso, mas por convite de um amigo que é mantenedor acabei indo, com sinceridade fui esperando ver abandono, tristeza.
Chegando La, essa minha impressão foi se desfazendo, o lugar era até muito bonito embora bem simples, havia dois alas, uma feminina e outra masculina.
Resolvi conhecer primeiro a das mulheres, o clima ali era ótimo, todas conversavam alegres, e mesmo as que estavam bem doentes e acamadas, faziam questão de pelo menos por uma mãozinha pra fora do cobertor, para fazer um aceno, outras em cadeiras de rodas, conversaram comigo e faziam até muitas piadas, toda aquela tristeza q eu esperava ver não existia ali, apesar da saúde de muitas ali já ser bem debilitada pela idade, notei muito companheirismo entre elas, é claro que deve haver muitos problemas, mas dava pra notar nitidamente até mesmo nas pessoas que trabalhavam ali, no cuidado com as idosas que tinham muito prazer no trabalho que estavam fazendo, e demonstraram um afeto muito grande pelas velhinhas.
Fui toda animada conhecer a ala dos velhinhos, chegando La Lola notei que o clima era totalmente diferente, o ambiente parecia até mais frio, quase não conversavam ou sorriam, e ao cumprimentá-los eu os abraçava e podia sentir que até mesmo seus corpos eram muito mais frios q o das mulheres, mas por sorte tudo tem suas exceções e um desses velhinhos foi à figura mais simpática que conheci La dentro, como era um dia de festa, ele sabe-se La o porquê resolveu se fantasiar de mexicano rrrssss, estava com um chapelão imenso e de poncho bem colorido, ele não era de conversar muito, mas fazia questão se ser muito gentil e sorridente.
Por esse exemplo pude perceber como o machismo a q os homens são submetidos Tb, os prejudica, criando um ambiente frio e distante entre eles, onde não se pode extravasar sentimentos, e que em certas situações como foi no caso em que estou citando deve trazer uma tristeza e solidão muito grande.

Huan Icaro Piran disse...

Sara, eu visitei um abrigo para idosos a alguns anos pelas aulas de antropologia, bem no inicio de minha graduação em história. Fui a um abrigo apenas de homens, pois aqui em Lages são separados e este por contatos pessoais me era mais acessível.
A impressão que se tem dentro do lugar beira ao fúnebre em dados momentos, onde eu vi o que o orgulho (que na época eu ainda mantinha) pode fazer com uma pessoa em um panorama de solidão assustador.
Ver cada um deles em um dos cantos, ou juntos vendo TV, sem conversar, sem sorrir e sem interagir me deixou bastante assustado.

Lorena disse...

Nossa, eu confesso que nunca tinha parado pra pensar como o machismo poderia afetar tanto os homens mais velhos, idosos... Mas, claro, faz todo sentido. Se não se permitem um contato mais próximo nem quando são jovens, obviamente não vão se abrir a isso quando mais velhos, né??

Que triste!

Enrico Montenegro Costa Rafaelli disse...

Não tenho palavras para descrever tamanha brutalidade, irracionalidade.Estamos chegando ao absurdo.Desculpem-me todos, pois, devido ao calor do momento,sou a favor de aprender alguma luta para arrebentar esses covardes; deixar eles bem quebrados, para nunca mais ferir a integridade física e psicológica das pessoas.Faço um apelo, as mulheres e minorias daqui do blog, aprendam a lutar para se defender.Abraço.

Lorena disse...

Pessoal, sobre essa questão da "cura gay", alguém do Direito ou da Psicologia, ou da Saúde, poderia me tirar uma dúvida?? Existe como uma lei federal legislar sobre o que pode ou não ser aceito pelo Conselho?? Quero dizer, em realão a tratamento??
No caso, as pessoas que propuseram essa lei não são psicólogos (me desculpem, mas Marisa Lobo não conta, e não foi ela quem propos também, foi o João Campos), não entendem nada de saúde... Existe como o Congresso interferir a esse ponto??? mesmo que contradiga a OMS??

Huan Icaro Piran disse...

Eis uma pergunta pertinente Lorena, vou ficar aguardando que alguem com maiores conhecimentos dê um parecer

Allice disse...

Meu pai também é militar,e me trata com igualdade, é muito carinhoso com os netos, abraça todo mundo, beija a mão das mulheres, adora crianças, quando eu era criança lembro que cuidava de mim praticamente o tempo todo, até tirou 6 meses de férias uma vez porque achava que estavam trabalhando demais e eu "estava jogada." Lembro que ele fazia comigo as lições de casa como minha mãe também fazia e isso até lá pela sétima série.

Acho que fui sorteada.

Aqui em casa EU é que detesto que fiquem me abraçando, me pegando.
Mas conheço muuuito militar que é um pé no útero.
Mas meu pai pode ser porque conviveu muito com mulheres e viu a face violenta do pai (ele nunca me deu um tapa sequer porque não acredita que bater seja educar)

Cresci no meio dessa galera.
Inclusive era a queridinha das professoras pq sabia (e ainda sei) um repertório de hinos brasileiros kkkkkkkkkk era isso que eles ouviam no churrasco de domingo.

Mas o machismo molda sim, e molda pra mal.
Só sabe quem sofre, meu pai teve que entrar no chute na casa do vizinho ao lado porque o cara estava batendo na mulher, e encontrou-a debaixo da pia, no armário, o marido tinha cortado a orelha dela! "sorte" do cara ter escondido a mulher ou meu pai teria dado uma baita surra no cara pra garantir que ele gostava de apanhar também.
Esclarecendo o termo "sorte do cara ter escondido a mulher ou teria levado uma surra."

Meu pai ficou um tempão procurando a moça enquanto a polícia chegava, então o cara se livrou de uma surra daquelas.

Junior disse...

Lola, essa é a realidade do gay, dia a dia. Sou de Joinville, e quando saio na rua com meu namorado, shopping, mercado, geralmente andamos de mãos dadas. Nunca sofremos violência física, mas a maioria das pessoas, de todas as classes sociais e idades que passa por nós, nos olha estranho, ou fica olhando fixamente para nossas mãos. Isso machuca, porque você começa a pensar que ta fazendo algo errado, quando na verdade os errados são eles, não eu. Uma coisa leva a outra, e as vezes me pego encarando, de cara feia os que ficam olhando fixamente pra gente. O que também é errado, mas difícil de evitar.

Juliana disse...

acho que esse caso só está repercutindo pq se tratavam de dois irmãos e não de um casal homossexual, caso contrário, o rapaz que morreu seria apenas mais um número nas estatísticas (que já chegou a 15 casos de morte violenta só na bahia - 104 no BR - por conta da homofobia este ano). li ontem num jornal daqui (de salvador) que em 2011 a bahia ficou pelo SEXTO ano CONSECUTIVO como o estado que registrou o maior número de mortes por causa desse preconceito estúpido. (e repare que estou falando apenas do nº de MORTES, não de agressões)
pra mim não existe sequer um homofófico nesse mundo que não tenha sexualidade FRÁGIL. só isso explicaria o fato de eles se sentirem tão ameaçados.

*só um pequeno detalhe: o caso dos irmão aconteceu em camaçari, cidade próxima a salvador.

Roberto disse...

Junior

Voces pagam pelo comportamento de alguns que saem cantando tudo que é homem que veem sozinho na rua denoite e se o cara diz não ouve desaforo daqueles e tem aqueles que ficam em chat(larguei chat de mão faz anos) fazendo propostas indecentes ai se tu diz pra ir na sala ELESxELES a criatura responde que ele só gosta de homem hetero...WTF is that ?
sem contar a parada gay que esta mais pra exibicionismo pra chocar que pra protesto.

Lord Anderson disse...

Roberto

Então vc acha errado os gays que saem cantando caras sem nem saber se eles tão a fim ...


quer dizer que vc tb concorda que é errado fazer isso com as mulheres e se elas reagirem xingando os homens, elas vão estar com a razão certo?

Carol M disse...

Roberto, homens cantam mulheres sem saber se elas vão gostar. E aí?

É só uma cantada (estou falando realmente de aproximação, não de assédio na rua), se a pessoa não te agrada, vc diz não e segue a vida. Qual o problema?

aiaiai disse...

O Lord já perguntou o que eu queria perguntar para o Roberto. Aguardo a resposta.

Roberto disse...

Lord Anderson disse...

Voce entendeu errado o equivalente seria:

O cara canta uma moça ela diz não ai o cara solta uns desaforos.

Ana disse...

Reclamação contra publicidade machista:
Lola, gostaria que falasse sobre a prpaganda da HONDA e me ajudasse a reclamar, pois no site da empresa não tive como escrever nada.
A Propaganda é machista e ridícula
Dançar kuduro cheio de mulheres seminuas com jaquetas de couro e vários closes na bunda delas (?)
Mulheres não compram moto e sim andam seminuas na garupa dos homens?
É triste ligar a TV e assistir algo tão bizarro.

Huan Icaro Piran disse...

Roberto, acho que ele não falava disso, mas saquei seu ponto. Velho, não costumo ver esse tipo de atitude, e olha que tenho muitos amigos homossexuais.

Certo que eu comentei que um amigo certa vez teve esse comportamento, mas foi um caso isolado (também, depois da bronca que eu dei ele ficou com vergonha pela grosseria)

Lorena disse...

Eu conheço algumas pessoas homossexuais que tem essa tendência a só querer ficar, só se apaixonar por heteros. O que eu vejo é que isso tem uma boa dose de homofobia internalizada, e é até normal pra quem ainda está se conhecendo, se assumindo... Minha teoria é que cantar/ficar/se apaixonar por heteros é "seguro" pra quem ainda não é assumido, já que ele SABE que nunca terá chance, nunca vai acontecer um relacionamento ali. Assim, ele nunca vai precisar assumir esse relacionamento e sua homossexualidade.

Eu não sou psicóloga nem nada, isso é uma deducção que fiz só de observar essa situação acontecendo mesmo.

Bruna B. disse...

Roberto

Dói ser ignorante?
Não?

Porque deveria...


"quer dizer que vc tb concorda que é errado fazer isso com as mulheres e se elas reagirem xingando os homens, elas vão estar com a razão certo?"

Isso mesmo.
Acho engraçado (só que não) que a maioria dos machistelhos reclama por ser cantado por homossexuais (o que eu duvido que aconteça) mas nem pisca antes de assediar uma mulher.
Como eu disse, duvido que isso aconteça como o Roberto descreveu, deve ser muito raro, porque da forma como os homossexuais são tratados sem que façam nada para chamar a atenção, imagina se começarem a passar cantada por aí.

Enfim... mexer com transeuntes, assediar, cantar, é RIDÍCULO, independente do sexo de quem o faça.

E o comentário desse Roberto não passa de homofobia mal disfarçada. Sorry.

Roberto disse...

Huan Icaro Piran
Olha .Eu tinha habito de voltar pra casa sozinho pra não ter que pagar taxi
e poisé acabei ouvindo gracinhas e não foi só uma vez.

Se eu fosse de uma minoria na area sexual não ia sair procurando parceiras na rua dizendo coisas do tipo "e ai mina ta afim de fazer um SM"

PS não curto SM.

Roberto disse...

Bruna B.

Então mulher tem o direito denão gostar de ser abordada na rua(em especial de maneira descortes) e homem não tem esse mesmo direito.

Como se chama o que voce acabou de fazer mesmo...misandria

Mihh disse...

Ana,

fiquei pensando a mesma coisa!
A parte boa é que pensei "minha máquina do tempo funciona", porque uma propaganda deste nível só pode significar que voltamos no tempo. Infelizmente voltei à realidade de que em pleno 2012 a sociedade continua profunda.
Prefiro uma propaganda de pôneis malditos.

Huan Icaro Piran disse...

Roberto, cantadas são algo normal (não confundir com pedreiragem), já sofri umas de amigos homossexuais que não sabiam que eu tenho noiva.

Levar na esportiva é o caminho.

Bruna B. disse...

Quando é que eu falei que homem não tem esse direito, gênio?

Qual parte do "Enfim... mexer com transeuntes, assediar, cantar, é RIDÍCULO, independente do sexo de quem o faça." tu não conseguiu entender?

E você não respondeu a pergunta do Lord Anderson...
Acha que homem tem o direito de passar cantada em mulher?
Come on, estamos esperando.

Mihh disse...

Roberto,


todo mundo tem o direito de recusar uma proposta do que quer que seja, e ninguém tem o direito de propor tantas vezes que vire assédio, e quando isto acontece, todos que o sofreram podem e devem se sentir incomodados.
A única coisa que não deveria acontecer é @ rejeitad@ sair xingando quem @ rejeitou por aí.

Huan Icaro Piran disse...

Bruna B e Roberto

Não gostar de levar uma cantada pode, mas deve-se levar na esportiva. Pedreiragem é trash, só tenho isso a dizer. E isso vale a ambas as situações.
Agora, se você diz educadamente que não e a pessoa apela para a ignorância, ai sim tem-se um fator a achar ruim. Contudo isso é bem raro.

Sobre SM, particularmente não tenho nada contra, nem nada a favor. Mas eu não saio pedindo se alguém quer sexo na rua, tão pouco pergunto os gêneros...

Bruna B. disse...

Huan


Não acho que seja normal não. Como mulher eu sei o que é passar boa parte da vida (desde os 12 anos até hoje) ouvindo cantadas, assovios, assédios na rua e acho isso NOJENTO.
O ponto que coloco é o seguinte: grande parte dos homens se sente imensamente ofendido ao receber uma abordagem de um homossexual mas acha normal abordar uma mulher da mesma forma.
Em primeiro lugar, assediar uma pessoa é horrível (não estou falando de chegar de forma educada e puxar assunto/paquerar). Em segundo, homens que pensam da forma que falei acima demonstram preconceito, sim.

Bruna B. disse...

"Não gostar de levar uma cantada pode, mas deve-se levar na esportiva"

Pois é, nós levamos tanto na esportiva que deveríamos ter uma estante de medalhas. Uma hora cansa...

Pergunto: custa muito deixar a pessoa 'ir e vir' em paz?
Que saco.

Roberto disse...

Bruna B.
Voce saiu me acusando de homofobia com 4 pedras na mão... o lord anderson subverteu o que eu tinha falado ,intencionalmente ou não.

Mas não acho certo ficar passando cantada na rua.Tem locais mais proprios pra flerte.

Allice disse...

Eu detesto cantadas. Nunca fiquei com ninguém que soltasse uma cantada, costumo sondar pra ver se acho o cara interessante e tá cada vez mais difícil, porque o machismo está cada vez mais camuflado, só que ainda está lá.
Às vezes eu não entendo como algumas amigas caem em algumas cantadas.


Mas não julgo quem curta flertar desde que não seja uma coisa imposta e desconfortável. E nem interessaria se eu julgasse, a vida dos outros é a vida dos outros. rs

Huan Icaro Piran disse...

Bruna B.

Entendo seu ponto, eu não costumo levar cantadas (sou estranho, as pessoas me evitam na rua msm), então não sei dizer como é.

Roberto

Levando em conta o pessoal aqui, esta certo em não gostar.
Contudo não foi o que o rapaz acima levantou, pois ele falou de estar com o namorado dele.

Maicon Vieira disse...

Falaram em comerciais alguns comentários acima. Já viram esse comercial aqui:

http://www.youtube.com/watch?v=7y7l4wFf9_w

Bruna B. disse...

Roberto


Desculpe, mas não fui só eu quem achou isso... Teu comentário soou preconceituoso, sim.
Disseste para o rapaz que o preconceito que ele sofre é porque alguns homossexuais agem de forma espalhafatosa e abordam homens de forma vulgar. Isso é o equivalente a eu odiar todos os homens porque alguns se comportam como ogros. Se pensar assim seria misandria, por que o pensar da forma como pensas não seria homofobia?




Enfim, se achaa errado passar cantada na rua estamos do mesmo lado. Como eu disse, independente do sexo de quem o faça, assediar é nojento.

Lord Anderson disse...

Eu não subverti, eu fiz um questionamento.

Pq toda vez que as mulheres aqui reclamam do assedio, vem algum cara choramingar dizendo que elas querem castrar a sexualidade deles, que elas na verdadegostam etc.


Mas se caso acontecer alguma cantada de um homosexual em cima deles, com certezam iam fica revoltados.

Bruna B. disse...

Correção:

"Se pensar assim seria misandria, por que pensar da forma como pensas não seria homofobia?"

Huan Icaro Piran disse...

Bruna B. e Allice

As únicas cantadas que soltei na vida foram com minha noiva e foram cantadas NERD's do gênero "mina, seja a minha paralela, pois dormir em hipotenusa é triste" ou "você não é Obi-Wan Kenobi, mas é minha única esperança" o que nos faz rir até chegar a uma galáxia distante. Mas depois de 5 anos de relacionamento até as troladas saudáveis estão valendo.

Cantadas são chatas mesmo, mostram a falta de culhões do cara de chegar pedindo licença e puxar papo, tentar conquistar alguém que achou bacana sendo quem é.

Mas nesse ponto terei de te um ponto a ressaltar. Se cantadas são ruins, independe quem faz e quem recebe.

Huan Icaro Piran disse...

Bem pontuado Lord Anderson. Temo que a maioria das reclamações sobre o tema sejam feitas pelos ditos mascus com a finalidade de atacar, não de gerar uma analise.

Não sei se é o caso aqui, sempre prefiro dar o direito a duvida.

Mihh disse...

Tyler

chora na cama que é lugar quente.

Lord Anderson disse...

Xiiiiiiii

carinha esqueceu de tomar o remedio dele.

Deve ser triste escrever tanta asneira sabendo que ninguem te leva a serio.

claro deve ter alguma explicação cientifica do pq ele vai vomitar isso num espaço onde não é bem vindo e na maioria das vezes ignorado.

deve ser uma autoestima realmente baixa.

Mihh disse...

Tyler

Tem uma única dupla sertaneja que adoro.

Veja se você conhece:

Nemli & Nemlerei

Huan Icaro Piran disse...

Mihh e Lord Anderson

Eu tenho horrores de considerações cientificas sobre o caso...mas não vale a pele de dedo gasta, então vamos deixar para lá...
Há, cama quente só rola se alguém ajudar a aquecer, mas ai parece-me um caso perdido a nosso ratinho branco.
>.<

Huan Icaro Piran disse...

"Nemli & Nemlerei"

Rachei o bico, serio, muito boa...meu chefe chegou a vir ver o que eu estava fazendo x_x

Bruna B. disse...

Huan


Foi o que eu falei duas vezes. O gênero da pessoa não importa.

Enfim, não acho que cantada seja forma de aproximação... pra mim, não passa de forma de intimidação.

Nós já saímos muito do tópico e eu nem queria me estender nessa questão... a única coisa que quis apontar foi a forma preconceituosa que o Roberto usou para se expressar.
Pessoas que maltratam TODOS os homossexuais porque uma parcela ou minoria deles se comporta de forma reprovável são homofóbicas sim.
Se as mulheres odiarem todos os homens porque uma parcela se comporta mal elas serão misândricas. Se os homens odiarem todas as mulheres porque uma parcela se comporta mal eles serão mascus. Se uma pessoa odiar toda a população de um pais porque uma parcela fez algo errado ela será xenofóbica... ENFIM, vocês entenderam onde eu quero chegar, não é?

Niemi Hyyrynen disse...

Quero endossar os argumentos das meninas contra o Tyler, desde que passamos pela pré-adolescência não temos "zona de conforto", é um martírio sair na rua e ser assediada das formas mais escrotas possiveis, isso não, quando a ousadia vira agressão.

Tyler,

Mulher gosta de sexo, mulher gosta de ser feliz, mulher não gosta é da cara babaca que nem vc

Paula disse...

tyler durden

Também é considerado assédio abusivo quando o homem diz "vou te estuprar", "chupa meu pau", "quero te comer" etc. Independentemente do homem que diz essas coisa, que é muito comum. Já ouvi várias vezes coisas desse nível na rua, mas de acordo com você elas não são ofensivas pelo seu conteúdo, mas sim por terem sido ditas por homens não-destacados, né? Pf

Mihh disse...

Huan,


verdade. A cama do Tyler não deve ter nem um poster da Helena Bonham Carter.

heuaheuhea


Quanto às cantadas, confesso que só me renderia caso ouvisse "Gata, eu não sou o Gimli, mas me dá um fio de cabelo para deixar de herança para o meu povo, SUA LINDA".

Huan Icaro Piran disse...

Compreendi Bruna B, e concordo em número, gênero e grau com você, tanto em suas considerações quanto em estarmos saindo do tópico.
Não sei se a abordagem do Roberto foi intencional contudo. É minha única ressalva, achei valido alguém abordar esse ponto (apesar da forma errada de se fazer).

Sara disse...

Qual seria o nome do nosso CARTEL RRRSSSS????????

Huan Icaro Piran disse...

Mihh, mas com uma cantada dessas até eu me derretia ehjawjkehawjkehaw

Concordo com essa tirada com o ratinho branco, temo que a Paula o tenha feito de forma mais incisiva (e fez bem).
Ma hei, vamos deixar ele choramingar ai e voltar ao tema?

^^

Lord Anderson disse...

Tyler

ja agir como um idiota babaca faz de vc um babaca idiota.

heheheh

Mihh disse...

Huan,


Sim, o tema. Sorry! hehehe

Eu acompanho bastante um blog da Folha, o Blogay. E vi a notícia dos irmãos espancados (e do que foi assassinado) lá primeiro.
Então, os comentários lá são, como era de se esperar, cheio de religiosos fanáticos que tentam explicar por A + B que (insira aqui uma falácia homofóbica).

E neste post dos irmãos da Bahia não apareceu UM FELODAMÃE religioso pra responder uma única perguntinha que fiz:
Ué, mas homofobia não era invenção gayzista?

É inacreditável como os próprios homofóbicos machistas sofrem com estas atitudes que eles incentivam, como bem diz a Lola, tendo de se contorcer numa postura "idealizada" de ser "macho", e assim são impedidos de viver como homens livres.

Bruna B. disse...

hahahahahhaha


A Lola entregou o Fábio pro Arnold, detonou a tentativa de aproximação.
Eu acho que desse lance aí sai namoro, e vocês?

Huan Icaro Piran disse...

Eunuco foi foda jkehawjkhejklawhawek

Já estava esperando alguem atacar minha masculinidade, demorou até.
Agora era a hora de eu dizer "ó, minha masculinidade foi atacada, então (insira a grosseria de sua escolha)" não?

Nah, hoje tenho 3 provas na faculdade, ainda tenho burocracias a responder e a desculpa para depois de tudo isso ainda ficar a só por horas com minha noiva é boa, então vou é rir e tomar meu café que ganho mais

xD

Rubens disse...

AE! Eunuco lambe bota das "feminazi"! kkkk

Meninas, alguêm quer um suco? chá? coca-cola?rs =p

Huan Icaro Piran disse...

Pessoas, devo fazer referencias aos estudos de antropologia que mostram que o maior apetite sexual masculino em relação ao feminino é na verdade uma construção cultural que afeta fatores de inibição instigando ou abstendo a pessoa ao líbido?
Reflexo do machismo. Se alguém defende que a mídia incentiva isso, esta certo. Usar isso como argumento para atacar as mulheres, ai já esta passando do limite, pois eu notei que as feministas defendem que ambos devem estar livres desses preceitos machistas. Então se isso se mantem, não é por feminismo não.

Liberdade sexual é uma coisa a se lutar, tanto homens quanto mulheres. Eu não gosto de ser aporrinhado por colegas de trabalho por não trair minha noiva, não gosto de ser aporrinhado por amigos por não ficar falando de putaria, não gostava de ser aporrinhado por nunca ter ido num puteiro.
A porcaria do falo é meu, não dou pitaco em como os outro usam os seus, não dou pitaco de como a mulher cuida de suas partes intimas (só no caso de minha noiva quando conversamos sobre prevenção e saúde, mas ela também tem o direito de falar do meu).

Eis um ponto que me enche o saco nos machistas...na verdade nos reacionários, fascistas e ademais incoerentes da vida, eles vivem a dizer o que eu posso e devo. Caramelos...

Enrico Montenegro Costa Rafaelli disse...

O que fico preocupado é com a violência em relação a mulher, o fato de a mulher dar um fora num cara que a cantou, e este, rejeitado partir para a agressão física.Na boa, as mulheres do blog não conseguem ver a importância de se praticar uma luta de defesa pessoal para se defender de agressões.

Carol M disse...

Enrico, por mais que a mulher em questão seja faixa preta e deixe o sujeito que tentou agredi-la aleijado, ele ainda está errado e ainda é necessário haver um movimento social que ensine os homens a respeitar as mulheres.

Uma coisa não anula a outra.

Praticar artes marciais pra mim é divertido, adoro fazer muay thai. Mas nem td mundo gosta e é uma escrotidão achar que td mundo deve ser obrigado a praticar algo que não gosta por causa da violência urbana.

Carol M disse...

e por favor pessoas, não alimentem os trolls óbvios e ridículos

Enrico Montenegro Costa Rafaelli disse...

Carol M, seu argumento é legal, mas na prática não funciona assim.Teve uma fase na minha vida que tive que me virar na rua, sem casa, sem comida, sem nada.Vi muita coisa, a violência na rua é implacável.A crueldade e a covardia a que se chega é incomensurável, é indescritível quando você percebe que aquelas pessoas "civilizadas" são monstros brutais. Isso que você chama de escrotidão, eu chamo de sobreviver a qualquer custo, continuar de pé.Essas "pessoas" não ligam se vão matar você ou não, se vão ferir você ou não, elas não tem humanidade e para elas fazer isso é uma ato corriqueiro e banal.Não subestime a maldade humana

Enrico Montenegro Costa Rafaelli disse...

Na rua não há leis, regras como num esporte, onde o Muay Thai se encontra.É porrada com o que tiver não mão, pedra, barra de ferro, faca, garrafa quebrada, ponteira de obra.São grupos de 10 pessoas para enfiar a surra em 1 ou 2 pessoas, como o caso desse post.Os caras MATAM E POUCO SE IMPORTAM! ouviu: MATAM!.No Muay Thai apesar da luta ser muito contundente, as pessoas saem vivas. Esqueça esporte, isso aqui é Vida ou Morte, isso é Rua.Esporte é totalmente diferente de saber se defender.

LisAnaHD disse...

sobre Esther Vilar aas 12:27
"Esther Esther Margareta Katzen, mais conhecida como Esther Vilar (16 de Setembro de 1935 — Buenos Aires, Argentina) é uma escritora argentino-alemã. É mais conhecida pelo seu livro de 1971, O Homem Domado, e suas continuações, que argumentam, ao contrário da retórica feminista e dos direitos femininos, que as mulheres em culturas industrializadas não são oprimidas, e que ao invés disso exploram um sistema bem estabelecido de manipulação dos homens."
fonte: .www.wkipedia.org

1-2-3 e o nome Esther Vilar DANÇA aqui.

LisAnaHD disse...

"Eu não terminei com o homem, apenas com o casamento como instituição." --Esther Vilar

Huan Icaro Piran disse...

Quanta resposta aparece no meu email do sr Tyler me criticando (de forma torpe) ... vish

Valeu Lola, eu estava me perguntando quando deletariam isso xD

LisAnaHD, interessantíssimo esse material da Esther Vilar. Abre um leque de novas possibilidades de dialogo.

Carol e Enrico, creio que a pratica de artes marciais como forma de defesa é realmente uma ferramenta útil, mas também é vital lembrar que mesmo as artes marciais não podem te proteger em uma briga contra uma duzia ou em casos envolvendo armas.
Também não sou favorável a ensinar "homens a não baterem em mulheres" pois o problema não é tão simples, abrange toda uma gama de violências sociais que acabam (por conta do machismo) eclodindo nisso. Rever alguns preceitos da atual formatação social e cultural em que estamos inseridos é mais eficiente e correto.
Particularmente, enquanto kendoka, não acho que em uma briga de rua eu e meu canivete vamos ter tanta vantagem assim, a coisa é bem feia. Ao ponto de eu ser bem enfático a um amigo que pratica Jiu-jitsu e também Muay-Thai, "um tiro de .12 no peito ainda mata, mesmo se você for um mestre nas artes marciais."

LisAnaHD disse...

A palestre com Cynthia Enloe PhD começa depois dos 9 minutos do vídeo.
http://www.youtube.com/watch?v=WTFaxobkVps&feature=related

Felipe disse...

Tyler, cansou de bater punheta e agora fica descarregando a raiva em cima das mulheres só porque não consegui trepar com nenhuma?

Allice disse...

Tyler.
A gente te aceita como você é:
SAIA DO ARMÁRIO.

Rugas de preocupação com a imagem que a sociedade tem de mim.
Em outras palavras: não vou pegar qualquer coisa só pra fazer uma criança punheteira feliz

=D

Yuri disse...

Ai, mais um que vem com a besteira da testosterona.
Olha, estudos recentes indicam que não é verdade:
http://www.livescience.com/21114-testosterone-sex-drive-masturbation.html

Estudos sérios 1 x Pseudociência mascu 0

Huan Icaro Piran disse...

Lembrei de um amigo meu de 13 anos, um garoto amável, brilhante em conhecimentos, mas ainda assim um pré adolescente...

"NNNNNOOOOOOOOOOOOOOOOSSSSSSSSSAAAAAAAAAAAAA" - dimitre

Na boa, muito boa a sua colocação Yuri

Arnold disse...

NÃO VOU VOLTAR NESSA BOSTA DESTE BLOGUE MALDITO, A DITADORA DOLORES FICA DELETANDO MEUS COMENTARIOS E FICA DANDO MORAL PRA ESSE LAMBE SALTO FÁBIO.

TOMAR NO CÚ TODOS VC'S, PASSAR BEM, ARREVOUÁ OTÁRIOS!!!

Allice disse...

Bom Arnold, ainda não me decidi sobre tomar no cú, mas prometo que se for bom vou pensar no assunto.
Obrigada pela dica!

Niemi Hyyrynen disse...

Recomendo fortemente ao Arnold tomar no cú.

Relaxa sabe, principalmente se o cara for bom de comer cú.

:D

lola aronovich disse...

Arrevouá, Arnold! Vc não será lembrado! Bom, num futuro recente será, mas daqui a uns meses ninguém se lembrará de vc. Vc pode aproveitar e levar também todos os seus fakes? Pessoalmente, não acredito muito que vc realmente irá embora, porque se for, vai fazer o que da vida? Sua vida é trollar! Ou vc está saindo de férias com a mamãe e a maninha? Puxa, se vc for embora, as visitas do bloguinho vão despencar, porque vc e o Fábio não saem daqui! Mas vai sim, por favor, e levar o Fábio! Que não seja por falta de adeus! Assinado: Ditadora Dolores


Fábio/Tyler, vc já conseguiu irritar todo mundo por aqui. Agora vai embora, vai. Sério. Serião. A essa altura vc já provou que não tem namorada, que não tem emprego, que não tem uma vida. Mas vai lá e construa uma. Um outro mundo é possível.

Maíra disse...

Quando um amigo me mostrou a reportagem, pensei no quanto é triste que tenhamos mais medo do amor que do ódio.
Depois lembrei de uma conversa com um outro amigo, que se recente por não poder abraçar as amigas sem ser visto como "pegador" e os amigos sem ser visto como gay, ciente de que o olhar machista veda a ele externar muitas emoções.
E fiquei feliz lendo os outros comentários, por perceber que há bastante gente tentando fazer esse mundo mais livre, aprendendo a se entregar ao afeto.

Enrico Montenegro Costa Rafaelli disse...

Huan,
nem vamos longe falando de armas; um karateca faixa preta, amigo meu, foi "peitar" um sujeito que era da malandragem, aqui no Rio. Esse sujeito, estava de porte de uma ponteira de obra, e enfiou a ponteira na altura do abdômen desse meu amigo.O resultado é que ele teve, além do corte ser profundo, infecção brutal, pois a ponteira estava contaminada ( dessas que os trabalhadores deixam no chão da obra) e o furo, foi na altura do intestino. O amigo, se não fosse atendido prontamente, teria morrido de septcemia.O meu amigo ficou muito fudido no hospital.

Enrico Montenegro Costa Rafaelli disse...

Sou a favor de usar taser e spray de pimenta na luta contra mais de um oponente.

Marcos disse...

Só acho estranho uma coisa: a definição de homofobia. Se desde fazer careta até assassinar alguém que ande abraçado é homofobia, peraí, como criminalizar tudo isso, sem explicar tintim por tintim o que é cada coisa??

Marcos disse...

"Eu acho um absurdo que exista tal coisa como "bancada religiosa" no Congresso/Câmara/Senado. Sendo o Estado laico, político que usar religião como justificativa pra tomar uma decisão deveria é ser punido."

Fernanda, o Estado é laico, mas nada impede que entre os Representantes do Povo (deputados) existam quem siga suas crendices, e é democrático que eles manifestem suas ideias, pois por mais absurdas que sejam, eles estão lá representando parte deste povo. Se o povo quer colocar pastor, mulher-fruta ou palhaço lá dentro, isso é a democracia. Ninguém disse que a democracia era perfeita, mas é o que temos hoje.

Ainda bem que temos outras instituições, como a Justiça, e a separação em três poderes, pois assim coisas como a laicidade do Estado são mantidas.

Patrick disse...

como criminalizar tudo isso, sem explicar tintim por tintim o que é cada coisa?

Marcos, na sua opinião, jogar uma banana quando o Balotelli entra em campo é racismo?

Mihh disse...

Marcos, você perguntou:
"Se desde fazer careta até assassinar alguém que ande abraçado é homofobia, peraí, como criminalizar tudo isso, sem explicar tintim por tintim o que é cada coisa??"

Na minha opinião, homofobia é discriminação. Opressão. Violência.
Pode escolher qualquer uma destas palavras, são sinônimos para mim.
Não precisa explicar tintin por tintin, acredito que é um conceito bem simples.

Xingar, bater, ofender, constranger... é tudo uma coisa só: crime de ódio.

Letícia Rodrigues disse...

Patrik,

Também estou revoltada com o que estão fazendo com o Balotelli.

Nunca liguei para futebol, mas vou torcer para a Itália na final da Eurocopa, só para aqueles nazistas terem que engolir o negro que eles perseguiram o campeonato inteiro saindo campeão.

O pior é que ele sofre racismo até por parte dos próprios italianos:

http://www.geledes.org.br/racismo-preconceito/racismo-no-mundo/14690-jornal-pede-desculpa-a-balotelli-por-cartoon-de-gorila

Fernanda disse...

Marcos
Bah, mas eu não consigo aceitar isso, principalmente porque o que essa bancada mais faz é prejudicar minorias sociais. Até porque eles estão em maior número e mandam e desmandam nas decisões, impedindo o debate entre os outros políticos.

Beatriz disse...

"Fernanda, o Estado é laico, mas nada impede que entre os Representantes do Povo (deputados) existam quem siga suas crendices, e é democrático que eles manifestem suas ideias, pois por mais absurdas que sejam, eles estão lá representando parte deste povo. Se o povo quer colocar pastor, mulher-fruta ou palhaço lá dentro, isso é a democracia. Ninguém disse que a democracia era perfeita, mas é o que temos hoje."

Discordo. A Câmara é um espaço de representação POLÍTICA. Sendo assim, não cabe direcionamento e representação religiosa lá dentro por um motivo muito simples: a religião não está no domínio da política. Diz respeito a conduta pessoal, algo íntimo onde não cabe a interferência do Estado. Segundo a democracia, entendo que exista uma bancada de extrema direita. Mas não uma bancada religiosa. Isso fica muito claro quando vc observa que td o q eles fazem é tentar legislar a vida sexual e íntima das pessoas, algo que não tem cabimento nem lugar. Acho ridículo o circo que esses caras criam na política, como esse absurdo de tentar discutir algo determinado pela OMS, por profissionais de saúde, totalmente fora do domínio do julgamento político.
É mais que claro ao meu ver q eles criam esse tumulto que obviamente não vai dar em nada (a gente não vai contrariar a OMS. O Brasil pode sofrer sanções por crime contra os direitos humanos se isso rolar, esses palhaços sabem disso) simplesmente pra criar pauta pro culto deles. Pq isso é um baita mecanismo agregador: eles criam um conflito que não existe, uma ameaça aos homens de bem q só está na cabeça deles, e ficam com isso mobilizando e motivando os fiéis, só pra reforçar uma identidade de grupo. É um método fácil de unir as pessoas, pelas paixões e em torno de supostas ameaças. Hitler fez isso. Só q eu, como eleitora, acho q eles podem fazer esse show onde quiserem, mas não no plenário, q lá é pra discutir o coletivo, e não quem dá pra quem. Sou contra ter bancada evangélica, católica (sou católica), judaica ou de qlqr religião q seja.

Mihh disse...

Bruxo Nefasto (UI)

"demonizando o homem para tirar de nós o poder."

hmmmm ou seja, você confessa que são os homens que detém o poder.
Culpado!

Flora Correia disse...

Lola, uma correção ao seu post, espero que não se importe. O ataque aos irmãos ocorreu em Camaçari, interior da Bahia, e não em Salvador:

http://g1.globo.com/bahia/noticia/2012/06/irmaos-sao-agredidos-ao-andarem-abracados-em-camacari-um-morreu.html

Tirando isso, excelente texto.

lola aronovich disse...

Obrigada, Flora. Eu tinha lido que o ataque aos irmãos ocorreu na grande Salvador, daí pus Salvador. Mas vou colocar Bahia mesmo. Imagina se vou me importar em ser corrigida! Só posso agradecer!

Huan Icaro Piran disse...

Enrico, sim, e nessa hora a coisa enfeia...

Marcos disse...

Beatriz, se é legítimo (politicamente falando) que minorias se expressem, como por exemplo, ao propor lei anti-homofobia, é também legítimo que outros se utilizem de argumentos, não-religiosos, para votar contra. Principalmente porque há muita discussão na doutrina sobre o que é crime de ódio ou não.
Isso é política, e claro que independe de religião. E todos sabemos que deputados são analfabetos juridicamente, por isso também que existe o poder judiciário.

Marcos disse...

Marcos, na sua opinião, jogar uma banana quando o Balotelli entra em campo é racismo?

Não, mas você quer discutir isso em termos jurídicos? Existe uma ENORME diferença entre discriminação e preconceito.

Jogar uma banana em campo não é crime. Talvez esse ato passe a ser criminoso se a vítima provar que foi injuriada subjetivamente, que a sua honra foi abalada. Do contrário, não passa de uma palhaçada.

Marcos disse...

Na minha opinião, homofobia é discriminação. Opressão. Violência.
Pode escolher qualquer uma destas palavras, são sinônimos para mim.

Ok! Mas a "cara de nojo" também é homofobia? E sendo homofobia deve ser criminalizada???

aiaiai disse...

Lola e Flora,

Camaçari faz parte da Região Metropolitana de Salvador, portanto está correto dizer que o crime ocorreu na grande salvador. Acho que falar que Camaçari é "no interior da Bahia" dá uma conotação errada ao caso. Não foi uma coisa de interioranos. Camaçari é uma cidade industrial, grande, uma das mais ricas cidades do nordeste e totalmente integrada à capital.

Beatriz disse...

Marcos, eu concordo que todo mundo tem o direito de se expressar. Mas não concordo que seja permitido que isso vire bandeira dentro do plenário, pq como disse, eles estão lá visivelmente pra tulmutuar. Dizer que "acho pecado" q nem essa galera faz não é político. E eles usam o poder de representatividade deles para colocar em discussão verdadeiros absurdos, q não são pautas políticas.
Ok um deputado ser evangélico, ok ele votar de acordo com as convicções dele. mas faça isso politicamente. Ficar falando de religião, botar cantor gospel pra cantar em um espaço político (isso já aconteceu) é palhaçada, desrespeito e não deve ser permitido. Se eles querem se organizar como uma bancada politicamente conservadora, ok. Mas como bancada evangélica, não.Sou radical: acho que deveria ser proibida qlqr menção a qlqr religião que seja no plenário. E falo isso como pessoa religiosa tb, que quer q sua fé permaneça no campo pessoal e não seja pauta de discussão do Estado, nem instrumento de opressão. Até pq eles usam religião, uma coisa muito emocional, para atrair mobilização. E isso pra mim é sujeira.

aiaiai disse...

pra quem tá com dificuldade de ver o que é homofobia e quais são os seus resultados, mais uma morte:

http://oglobo.globo.com/rio/jovem-homossexual-morto-pauladas-jogado-no-rio-paraiba-em-volta-redonda-5355542

Deu pra entender Marcos? Ou tá difícil ainda?

Marcos disse...

Desculpa. Entender o quê exatamente?
Ainda não tive resposta pra minha pergunta...

Flavio Moreira disse...

Lola,
há tempo que não comento, apesar de continuar lendo assiduamente. Entre outras coisas, me sinto um pouco como alguém anteriormente aqui descreveu: um desalento por perceber que estou vivendo nesse mundo em que a brutalidade é generalizada. Parece que voltamos ao terror da idade média, à inquisição.
A notícia é terrível, bem como também é terrível o que você relatou sobre os dois irmãos na escada. E é mais terrível ainda que gays, mulheres, negros, pobres sejam brutalizados todos os dias e que virem meras estatísticas.
Em relação à questão da homofobia, especificamente, vivo num relativo "oásis" aqui no trabalho - não há, pelo menos não perceptivelmente, discriminação contra gays. Há vários trabalhando aqui (eu inclusive) e a maioria das pessoas sabe da nossa orientação. No ano passado entrou um cara novo aqui, oriundo do interior de SP. Como tenho 13 anos de casa e não tenho, aqui dentro, que provar nada para ninguém, não escondi minha orientação - se ele não soubesse por mim, saberia pelo "jornal do poste" interno. E, de cara, deixei bem claro que ele poderia me perguntar o que quisesse e que se não se sentisse à vontade com qualquer coisa, poderia me falar que conversaríamos numa boa. Hoje ele é um grande amigo e divide comigo suas angústias e alegrias no casamento (com uma garota, que fique claro). Aqui as pessoas perceberam que gays e heteros vivem e sofrem as mesmas coisas: decepções amorosas, tristezas, mágoas, alegrias, doenças etc. Não é a orientação sexual que as define como seres humanos. Até porque, não interessa a ninguém o um casal, gay ou hétero, faz entre quatro paredes. Ou interessa?
Acho que a homofobia tem bastante a ver com a não aceitação da própria sexualidade, porque meus amigos héteros abraçam e alguns até beijam no rosto outros amigos, gays e héteros. São pessoas conscientes de sua sexualidade e de bem com ela, e não se sentem ameaçadas nem esperam ser cantados pelos amigos gays. Nem têm medo da afetividade.
Eu sempre tive o hábito de abraçar as pessoas, porque acho altamente consolador dar e receber abraços. Há uma espécie de "alívio" quando abraçamos alguém, como se estivéssemos dividindo com o outro uma parte imensamente boa de nós mesmos.
Li, não me lembro onde, mas sei que foi há muito tempo, alguma coisa sobre pessoas que se tocam no ambiente de trabalho estabelecerem relações mais cordiais tanto profissionais quanto pessoais.
Acho que o ser humano precisa do toque. A acupuntura e o do-in surgiram, se não me engano, do hábito que os antigos chineses tinham de tocar uns nos outros enquanto conversavam.
Mas aí vem todo esse recrudescimento de preconceitos e atitudes fóbicas (escolha o prefixo que quiser) em pleno século 21! O século em que teoricamente suplantaríamos as diferenças e nos tornaríamos melhores pessoas, socialmente justas, solidárias, humanas. As utopias da sci-fi do século 20 transformaram-se todas em distopias.
Mas ler os comentários das pessoas aqui me faz crer que ainda é possível acreditar em algo melhor, em uma mudança. Obrigado, pessoas.

Huan Icaro Piran disse...

Flavio Moreira, eu sou grato por suas percepções. Hoje tive um dia difícil, fui desacreditado em minhas crenças varias e varias vezes. Admito estar até um pouco amargo. Ler relatos como o seu são uma brisa morna em um dia de sol.

EdFurtado disse...

Não me sinto ainda um "Homem de verdade"(sei que os rapazes vão entender), e estou buscando isso.
Algumas coisas eu concluí depois de ler,analisar e botar coisas em prática(masculinidade não se atinge lendo).
O Homem canaliza sua sexualidade de maneira sadia depois que atingiu sua maturidade(que é o objetivo da Masculinidade), não importa se ele é gay,hétero ou qualquer outra classificação que queiram dar, porque dizer que o homem precisa apenas transar com mulheres para ser homem é definir o homem pela mulher, e a mulher é justamente do que se foge quando se busca a Masculinidade(!).

Flavio Moreira disse...

Huan,
Um grande amigo que tive no Rio de Janeiro (sou carioca, mas moro em SP há 25 anos) costumava fazer esse exercício comigo, quando nos falávamos por telefone: ponha a sua mão esquerda sobre seu ombro direito e sua mão direita sobre seu ombro esquerdo. Agora aperte a si mesmo com alegria: este é o meu abraço, que não posso dar pessoalmente. Mas que ele te sirva de alívio, ainda que temporário, para as agruras de hoje, e te alimente de algo bom para o dia de amanhã.
Uma ótima noite a você e a todos aqui.

EdFurtado disse...

Masculinidade e Feminilidade se distinguem muito em seu começo, a menina não tem dúvidas de que será uma mulher("mulher de verdade"), mas os garotos são inseguros sobre se tornar "homem de verdade".
Acho que a masculinidade é uma jornada mais traumática que a feminilidade(sob esse ponto de vista, manjo quase nada de feminilidade), o jovem abandona o domínio da Mãe(arquétipo) em direção ao domínio do Pai, a menina não sai do domínio da Mãe, ela vira a Mãe.
Sem ritual, sem ensinamentos "espirituais", sem anciões,com pai distante, sem iniciação, a jornada nunca foi tão difícil.
Acho que esses caras "bonzinhos",os que batem na mulher, os "machões' são crianças velhas que não conseguiram atingir esse crescimento emocional. Masculinidade, pra mim, é atingida quando um garoto se torna o homem adulto, bem resolvido e de mentalidade e emocional saudável que pode ser. Deus me livre continuar sendo uma criança velha.

Renato Corrêa disse...

Uma das melhores coisas que nós, homens hetero, podemos ganhar com o fim da homofobia é a liberdade para sermos nós mesmos, sem nos preocuparmos em bancar os machões, sem ter que ficar provando a masculinidade pra ninguém.

Tenho um amigo gay que morou na Alemanha por um tempo. Segundo ele, lá os homens são muito tranquilos com eles mesmos, pois não tem mais uma norma social que lhes obriga a serem machos, nem ter que demonstrar masculinidade. Lá os caras casados viram a noite se divertindo e as suas esposas não se preocupam, confiam neles, pois os homens de lá não tem que se obrigar a serem os "pegadores". Não que não exista putaria, mas um homem não tem que se mostrar viril pela quantidade/qualidade de mulheres que transa.

Sem a homofobia, o homem hetero pode ser mais seguro dele mesmo, não corre o risco de ser chacoteado como fresco, marica, viado (o i é proposital) ou outras coisas do gênero.

Outra coisa interessante é que as normas de comportamento entre os homens hetero são totalmente culturais. Tem lugares onde se é mal visto ao dar um aperto de mão firme, enquanto em outros lugares, é normal um amigo dar um abraço apertado em outro amigo querido, sem que isso mexa na heterossexualidade afirmada entre eles. Tem lugares em que até se dá beijos de selinho na bochecha ou mesmo na boca, como forma de manifestação de afeto e amizade (entre heteros).

Mas na boa, não sei como tem homem que gosta de homem. Mulheres tem um cheiro delicioso, enquanto homem tem cheiro de cachorro. Mas gosto é gosto, né? (as lésbicas hão de concordar comigo :P )

Letícia Rodrigues disse...

Marcos,

Ser racista é acreditar que a humanidade se divide em raças, e que uma raça é inferior a outra.
Quem jogou a banana em campo o fez pq acredita que Balotelli, por ser negro, faz parte de uma raça inferior, a mais inferior de todas, e que por isso está mais próximo dos macacos que outros seres humanos. Foi uma atitude racista, que visava expressar um pensamento racista.

Acreditar que negros são inferiores é ser racista, mas não é crime. Jogar uma banana em campo para ofender um jogador negro é ofensa racial, ou seja, aqui no Brasil pelo menos, seria crime sim.

Mas em nenhuma circunstância uma atitude dessas seria "só uma palhaçada". Independente do fato de se é crime previsto em lei ou não, essa será sempre uma atitude racista. Atitude que, aliás, não atinge só o jogador em questão, mas a todos os negros.

Homofobia é a aversão a homossexualidade. Fazer uma careta ao ver o casal gay é uma forma de expressar essa aversão. Então, é sim uma atitude homofóbica.
Mas acredito que seria crime se for feita para o casal, com o intuito de constrange-los. E não seria crime se fosse feito para um amigo da pessoa, sem que o casal visse, para expressar uma opinião negativa.

Mas ainda que uma atitude possa ser considerada crime e outra não, as duas são homofóbicas.

Entender o mundo apenas de acordo com os tais "termos jurídicos" pode nos levar a ter uma visão muito limitada das coisas. Já vi gente querendo discutir racismo, machismo e homofobia de acordo com as definições que o dicionário dá para os termos, como se as poucas linhas do dicionário pudessem dar conta de assuntos tão complexos.

Esse fanatismo por determinadas definições pode nos levar a dizer verdadeiros disparates. Como por exemplo, afirmar que jogar uma banana em campo quando um jogador negro está jogando não é racismo.

Letícia Rodrigues disse...

Marcos,

Ser racista é acreditar que a humanidade se divide em raças, e que uma raça é inferior a outra.
Quem jogou a banana em campo o fez pq acredita que Balotelli, por ser negro, faz parte de uma raça inferior, a mais inferior de todas, e que por isso está mais próximo dos macacos que outros seres humanos. Foi uma atitude racista, que visava expressar um pensamento racista.

Acreditar que negros são inferiores é ser racista, mas não é crime. Jogar uma banana em campo para ofender um jogador negro é ofensa racial, ou seja, aqui no Brasil pelo menos, seria crime sim.

Mas em nenhuma circunstância uma atitude dessas seria "só uma palhaçada". Independente do fato de se é crime previsto em lei ou não, essa será sempre uma atitude racista. Atitude que, aliás, não atinge só o jogador em questão, mas a todos os negros.

Homofobia é a aversão a homossexualidade. Fazer uma careta ao ver o casal gay é uma forma de expressar essa aversão. Então, é sim uma atitude homofóbica.
Mas acredito que seria crime se for feita para o casal, com o intuito de constrange-los. E não seria crime se fosse feito para um amigo da pessoa, sem que o casal visse, para expressar uma opinião negativa.

Mas ainda que uma atitude possa ser considerada crime e outra não, as duas são homofóbicas.

Entender o mundo apenas de acordo com os tais "termos jurídicos" pode nos levar a ter uma visão muito limitada das coisas. Já vi gente querendo discutir racismo, machismo e homofobia de acordo com as definições que o dicionário dá para os termos, como se as poucas linhas do dicionário pudessem dar conta de assuntos tão complexos.

Esse fanatismo por determinadas definições pode nos levar a dizer verdadeiros disparates. Como por exemplo, afirmar que jogar uma banana em campo quando um jogador negro está jogando não é racismo.

Huan Icaro Piran disse...

Flavio, aplicarei isso quando for necessário ^^

Concordo com você sobre o quesito da diferença entre o homem e o garoto EdFurtado, sempre tive esse conceito de que a diferença entre garoto e homem, de garota e mulher é o grau de maturidade do individuo.
Um de meus temores é não ser maduro o suficiente ainda, mas o fato de eu ter ciência me faz ficar calmo.