quarta-feira, 30 de maio de 2012

GUEST POST: GORDOFOBIA QUE VEM DE CASA

Antes e depois: Sou gorda. Me deixe em paz.

M. é muito autoconfiante, mas me enviou este email cheio de perguntas difíceis. Quem não acredita em gordofobia deveria ler seu relato duas vezes. Quero lembrar que há diferença entre discriminação e preconceito. Discriminação é algo mais tangível, como não contratar uma pessoa por ela ser gorda (o que de fato acontece, mas é dificílimo de provar). Preconceito é o que a gente vê nas caixas de comentários daqui sempre que toco no tema da gordofobia. Inclusive, negar que gordofobia existe é um tipo de preconceito. Fiquem com o relato da M.

Eu sou uma garota de 20 anos gorda. Nasci gorda e assim sou desde então. Obviamente, eu sou muito mais que isso. Estudo jornalismo na melhor instituição do país na área (ou pelo menos é o que me fizeram acreditar), falo inglês fluente com todos certificados de Cambridge possíveis e espanhol com todos certificados de Salamanca e mais um monte de outras coisas que as pessoas dizem ser muito importantes. Além disso, eu sou gorda e bem resolvida. Olha que absurdo!
Nos últimos meses, fiz o processo seletivo de duas grandes empresas de comunicação desse país e fiquei entre os finalistas em ambas. Por razões que desconheço, não fui chamada para trabalhar em nenhuma das duas. Sofri, claro. Mas preferi encarar como coisas da vida.
Acontece que, para minha família, uma explicação assim não basta. Afinal, com tanto dinheiro investido em intercâmbio, viagens para Europa, aulas disso e daquilo, ser chamada por essas empresas era o óbvio. Então, foi impossível que não fosse constatado o seguinte problema: é porque eu sou gorda. Não serei ninguém enquanto não emagrecer.
Meu pai fez questão de imprimir inúmeras pesquisas falando que ninguém quer contratar gordos. Minha mãe me implora todo dia para eu emagrecer. Diz que é saúde. Agora, eu nado cerca de 10 km facilmente no mar sempre que vou à praia, não consigo me ver como alguém sem saúde.
Então, mando esse e-mail como um desabafo: será que é uma tristeza tão horrível ter uma filha gorda? (Leia-se 75kg e 1,60m). E será que essa sociedade chegou nesse nível de podridão na qual uma pessoa, por mais capacitada, articulada que seja, não tem a chance de competir de igual para igual com as outras por questões estéticas?
Outro dia perguntei para minha mãe (a mulher que me ensinou a buscar independência, a não aceitar que nos limitem por gênero, cor ou etc) o que ela faria se eu fosse negra ou pessoa com necessidades especiais. Perguntei se ela pediria para eu embranquecer ou nascer de novo, nos moldes ditos perfeitos. Ela disse que não. Então eu lhe perguntei: por que eu tenho que emagrecer para agradá-la? Ela não soube responder ao certo.
Eu namoro um cara ótimo, tenho muitos amigos, sou super vaidosa... enfim, não faço do meu peso muleta para nada. Entretanto, parece que isso incomoda muito algumas pessoas ao meu redor. Na cabeça delas, eu TINHA que estar me esforçando para emagrecer. Não consigo compreender essa lógica. Por que eu deveria estar infeliz comigo mesma?
Espero que esse e-mail não seja muito maluco e sem sentido... é só que já me sinto íntima e queria dividir um pouco dessa história de preconceito que vem de casa.

261 comentários:

1 – 200 de 261   Recentes›   Mais recentes»
F. disse...

O pior é nunca ter certeza: tinha alguém na seleção melhor que você? um verdadeiro gênio contra o qual não dava para competir? ou foi discriminação por você ser gorda? Não dá para ter certeza e a gente passa por paranoica. No meu caso, sou negra e a minha única opção é me orgulhar da minha cor até o fim, mas saiba que as pessoas esperam sim que eu fique um pouco mais branca: alisando o cabelo, me maquiando, me vestindo para disfarçar quem eu sou.

F. disse...

Mas o que me deixa mais indignada no caso de quem é gordo é que ninguém tem o menor problema em falar mal de gordos na cara dura mesmo, mas não conseguem admitir que o preconceito existe...

nina disse...

M.

Você tocou num ponto que comentei há algum tempo. Parece que o que importa pras pessoas nem é a gente se adequar ao 'padrão' de beleza - quantas pessoas comuns conseguem? - mas a gente tem que se esforçar. Se não somos perfeitas como uma modelo da vida, tudo bem, desde que estejamos sempre pensando nisso. Hipócrita, cruel e desnecessário, pra dizer o mínimo.

Eu não me importo com seu desabafo. E não acho que você deva ceder. Continua lutando, continua acreditando, estudando, batalhando pela sua vida. Acredito que vai funcionar uma hora. Mesmo que pareça que não vai, mesmo que pareça que está demorando, não desanima. Parece discurso de auto ajuda, mas tô falando por mim: por tantos 'problemas' que não são o foco desse post, eu passei anos levando 'nãos', mesmo tendo qualificação e competência. Mas agora está tudo indo bem. Então sim, eu acredito que vai ficar tudo bem pra vc. Usa sua auto estima pra se segurar nessas e continua :)

Boa sorte na sua luta, e saiba que vc nunca esteve sozinha nela.

Aline disse...

Oi M. Eu já sou uma pessoa que trabalha em uma área onde quebro barreiras: sou programadora de computadores, acho que por isso fico em dúvida se minhas dificuldades são por ser mulher ou por estar gorda.
Eu fui magra praticamente minha vida toda. Engordei recentemente. E tem mais essa área que eu trabalho é conhecida pelo seguinte: Os melhores programadores são alheios ao mundo, não se cuidam, são sedentários e mal saem da frente do PC. Isso não é verdade, mas fazer o que...
Eu brigo pra mudar isso. Como também sou professora de informática, sempre discuto com meus alunos sobre essas questões de preconceito e discriminação, principalmente ligado a profissão.
Eu não sou bem resolvida. Vivo tentando emagrecer. Vivo infeliz com meu corpo. Eu queria ser bem resolvida, feliz. Principalmente eu queria conseguir ser feliz sem ninguém me atormentar.

Aline

Camila Fernandes disse...

Bem, é óbvio que a questão do peso está relacionada à saúde. Se uma pessoa está muito abaixo ou muito acima de uma faixa de peso considerada ideal, isso pode interferir na qualidade de vida dela. Entretanto, quando eu vejo pessoas mandando as outras emagrecerem - como a mãe da M - raramente estão preocupadas com a saúde. E é aí que está o problema.

Eu passo por uma coisa semelhante em relação ao vegetarianismo. Muita gente, quando fica sabendo que eu sou - em geral, por acaso - faz uma inquisição sobre o que eu como, como eu substituo a carne, se eu não tenho anemia. Isso é tão... ahh, pensamento limitado. Anemia é falta de ferro, não falta de carne. Como meu pai é da saúde, desde que me tornei vegetariana - há seis anos - eu realizo exames de sangue regularmente. E eu sou doadora de sangue. Só não doei esse ano porque fiz outra tatuagem. Agora, jura que aquele conhecido que nem sabe o que eu faço da vida está preocupado com a MINHA saúde? A tia distante que nem sabe onde eu estou morando está preocupada com a MINHA saúde? Aham, sei. Claro. Por alguma razão - mistério - o assunto incomoda algumas pessoas, e elas se sentem no direito de criticar.

É mais ou menos isso que acontece em relação ao peso, né? As pessoas não estão preocupadas com o que é ou não saudável. Pessoas que mal te conhecem - às vezes, nem isso - dizendo o que você PODE comer e que você DEVE emagrecer ou engordar não estão mesmo pensando na sua saúde.

Anônimo disse...

Juro que quando eu emagreço muito e rápido começo a ficar com um monte de doenças (gripes fortes, sinusite, herpes no queixo... Coisas que nunca tenho qd estou mais gordinha).
É só eu engordar um pouco que fico bem!
Nesse momento estou com 1,73 e 87kg...
Meus pais estão me mandando para um spa.
Qd voltar vou ficar toda doente de novo. Aposto.
Eu queria simplesmente me sentir bem com o meu corpo. O problema é que ninguém deixa. É ofensivo alguém se sentir bem e feliz com esse peso.
Como minha mãe sempre disse "Nenhum gordo é feliz. E se diz que é feliz, está mentindo"
Mas sério? Alguém dá alguma opção para a pessoa ser feliz?
Outra frase de autoria dela: "Todo gordo é mentiroso" haha
Ela diz isso pq, segundo ela, todo gordo come escondido e mente que não comeu...
aff...
Mas vamos lá, né?
Vou voltar mais magra e mais doente daqui 1 mês.

Anônimo disse...

Eu pergunto, onde está a gordofobia?

foi porque as empresas não chamaram ela pra trabalhar? afinal em um país com mais de 180 milhões de habitantes não tinha candidato melhor, pior aposto que os contratados foram homens....

Meu pais pedirem pra eu malhar pra eu ficar mais forte não é preconceito nem fobia pelo fato de eu ter um porte físico comum. É apenas uma conclusão lógica de permanecer numa situação física melhor para a saúde e envelhecimento.

A outra pergunta é, é impossível para a comentarista emagrecer? E nadar 10km no mar, algo louvável, sem dizer a frequência não quer dizer muito.

Porém, seja feliz com o seu corpo. O que talvez tenha que ser mudado é a forma como você se comporta nas entrevistas. Já participei de "n" processos trainee e o que conta é a sua personalidade (ainda mais que esses processos são feitos por empresas de RH que são quase todas mulheres)

Vivi disse...

Eu acho que seus pais, no quesito mandarem vc emagrecer não, mas pode ter uma dose de preocupação para que vc não sofra viu M. Não legitimando o que eles falam, mas de fato, pela sociedade em que vivemos, pode ter sido discriminação a sua não contratação, sabe...Pior que as vezes nem dá pra provar né, e pior que isso pode até acontecer sem q a pessoa que te entrevistou tenha percebido conscientemente, por ela preferir a outra pessoa por ser magra.. Sabe, essa imagem que se vende em que pessoas “mais atrativas” parecem mais “competentes”...é duro, mas muitos compram essa ideia, e como é tão naturalizado, nem percebemos que isso é preconceito..Eu acho que vc não deve emagrecer não, pelo que vc descreveu vc esta muito bem. Nós que temos que lutar para que acabe com esse padrão único ridículo! Parabéns pela sua clareza de ideias e esclarecimento. Quem sabe fora do eixo grande mídia não podemos ter pessoas ligadas a comunicação que batalhe por uma causa que nos pressione menos, para acabar com este padrão, e para sermos mais livres não? Abraços e continue assim ;)

Lord Anderson disse...

Pois, galera vive desesperada pra entrar no padrão mais aceito e não consegue compreender quem não liga pra essa paranoia.

Eu ja ouvi muito sobre isso de saude, sobre todos os problemas que iria ter mais tarde, etc

o pior foi tempos atraz, me dizerem que eu ia morrer em dois anos quase não fica-se mais magro,

Respondi que em dois anos QUALQUER PESSOA poderia morrer por qualquer motivo.

E de fato, esse prazo ja passou, estou aqui vivo e bem, e ouros pessoas, mais magros, mais dentro do padrão de beleza morreram...por doenças variadas, por acidentes, por n motivos.

Eu sinceramente sou mais feliz sem ser paranoico e sem viver me torturando.

Anônimo disse...

Olá, M tenha certeza que seu post não foi confuso e que compreendi perfeitamente seu ponto de vista.
Estou em reflexão, este é um ponto da educação de meus filhos que preciso pensar mais e mudar.Aqui em casa é assim também,sob o disfarce da saúde meus filhos são pressionados a serem magros.Tchau, querida

Marta SP disse...

É a realidade de muitas mulheres...a gente passa a vida inteira se esforçando pra progredir, avançar, e para muitas pessoas, principalmente da família, não significa muito porque estamos gordas rsss Eu engordei uns 5 kg nos ultimos dois meses, meu pai já ficou horrorizado (cara de lua cheia) e minha mãe já deu das delas tb...Se vc for solteira aí ferrou de vez, eles devem pensar Putz, agora que não desencalha mesmo hahahaa
Fui gordinha a vida inteira, já me estressei muito pra perder peso, hj em dia levo na boa qdo engordo, só é ruim qdo as roupas começam a apertar
Eu queria ter mais saúde (sou fumante atualmente estou sedentária), se emagrecer no processo, ótimo rss

Adoro comer, viva a comida, chega de patrulha rsss

Páginas Da Minha Vida disse...

Eu não sei quem é a pessoa que ainda não acredita em preconceito com pessoas gordas.Está tudo tão na cara! nas lojas quando as roupas mais bonitas são sempre em números menores, na mídia com mulheres mega magras...são tantas situações de preconceito, que é só cego que não vê.

M, quem perdeu foram eles, em não ter uma pessoa tão capacitada na empresa deles, como você.E só queira emagrecer, se isto for o que VOCÊ quiser.Não faça nada para agradar aos outros, porque no fim, vai acabar infeliz e frustada, porque perca de peso não é solução para felicidade.Felicidade é muito mais que isso ;D

bjs

Transeunte disse...

Easy Rider já explicou:

http://www.youtube.com/watch?v=H4wc_JGEKMw

Lord Anderson disse...

Pois é Vivi

lembrei da materia de capa da Veja dizendo que quem é mais alto tem mais sucesso no trabalho...


esse tipo de propaganda acaba formando conceitos, mesmo que inconcientes.

Dee disse...

Sou o Anônimo do 10:57 que vai para o spa hehe
Então... Outra coisa que me deixa muito chateada é que nunca me senti magra e bem com o meu corpo mesmo qd estava em um peso normal (65, 69, 70, 72 e 74 kg - em várias fases da minha vida).
Tenho um painel de fotos no meu quarto e de vez em qd olho e me bate uma tristeza.
Eu me vejo super bem, linda, com um corpo muito bom, mas sei que naquele momento eu estava me sentindo gorda da mesma forma que hj!
Isso me dá uma raiva.
Fico revoltada! Sério mesmo. Dá vontade de voltar no tempo e gritar comigo mesma pra deixar de ser idiota e me sentir bem!
Nem qd estava ótima tinha o direito de me sentir bem e em paz com o meu corpo.
Nunca estive em um peso que eu falasse: "Pronto! É isso que quero pra mim! Nem mais uma grama, nem menos"
Por um lado esse choque de realidade foi bom.
Acho que agora, após olhar todas aquelas fotos de uma garoto bonita, saudável e com peso normal, não vou ficar me cobrando tanto para emagrecer mais e mais. Minha meta está mais real agora.
Enfim... desculpem o desabafo.

Renato disse...

Negros e pessoas com necessidades especiais nasceram assim e não há nada que se possa fazer. Gordos podem resolver esse problema em 6 meses com dieta e treino.

Anônimo disse...

Se livrar da gordofobia é um exercício muito difícil. É uma coisa que está impregnada na mente, desde pequena eu ouço da minha mãe, irmãs, da TV, das revistas, dos amigos, de tudo que é lugar que "ser gordo é horrível, que não é saudável, que gordo não é feliz, que gordo é porco". Tive experiências ruins a respeito de "gordos porcos" durante a vida que só serviram pra reforçar esse estereótipo, então isso acabou ficando na minha cabeça.
É um exercício diário e exige muito esforço se livrar da gordofobia na mente, eu juro que tento.
É como quem acha que só gostar de loir@s é opinião própria, pensar que gordo é feio é opinião própria. É uma coisa imposta e é difícil de mudar, mas tem que tentar.
Eu tento muito ser uma pessoa melhor, o blog da Lola me ajudou muito a abrir os olhos e tentar mudar minha maneira de pensar. Mas quando acho que estou progredindo, me pego olhando pra um gordo comendo chocolate na rua e penso coisas do tipo "por isso que está gordo!" e me sinto horrível novamente.
Não é fácil se livrar do nada de algo que te fizeram acreditar a vida inteira. Mas tenho me esforçado todos os dias, e acho que essa iniciativa, pelo menos, é algo que todos deveriam ter.


G.

Vitória disse...

Vc está certíssima em não querer compactuar com a indústria da magreza! Uma coisa que vem me irritando profundamente é o fato de toda amiga minha fazer dieta, mesmo aquelas que nem gordas são. E aí é um chororô se comem alguma coisa mais calórica, a auto estima lá embaixo, as farpinhas que trocam entre si se uma consegue emagrecer e a outra não. E ninguém percebe os interesses capitalistas que existem por trás disso. Olhem o tanto de academia que existe, de lojas de produtos naturais, de restaurantes naturais. E resolve alguma coisa? Quase nenhuma consegue chegar ao corpo que almeja, simplesmente pq não funciona assim. Cada pessoa tem seu organismo, sua estrutura e se para ser feliz e se sentir bonita tem que ser magra, viverão a ver navios. Seja feliz e se sinta bonita do jeito que vc é!

Lilian Soares do Nascimento disse...

Renato disse...
"Negros e pessoas com necessidades especiais nasceram assim e não há nada que se possa fazer. Gordos podem resolver esse problema em 6 meses com dieta e treino."
.
Como é que é Renato? Existe algum problema então em nascer negro ou com determinadas necessidades? Coitados! Não podem fazer nada diante de tal "catástrofe"!
.
Que nojo, que nojo.
.
Ser gordo não é o problema. O problema são discursos excludentes como esse seu.
.
Olha a natureza a sua volta e veja se a diversidade não é muito mais bonita que as coisas uniformes.

Vitória disse...

No meu caso eu faço o tipo magra/alta, e tb sinto uma pressão. Me mudei recentemente para perto de uma academia, e minha prima já veio "sugerir" que eu fizesse musculação. Ngm entende quando eu digo que não quero fazer musculação. Não sinto necessidade, sou saudável, me sinto bonita, nunca fiz questão de fazer o tipo "mulher cavala das carrrnes abundantes", então para que gastar mensalidade com isso? Parece que, para as pessoas, vc é obrigada a querer fazer parte do padrão panicat, e se vc não quer, das duas uma: ou vc é louca ou vc está mentindo. Foi mal, prefiro os meus ossinhos salientes :P

Vinicius disse...

Esses dias eu cortei um palmo do meu cabelo e raspei a barba. Nunca me chamaram tanto de bonitão quanto nesta semana.

Digo, parece que quando você entra no padrão, o mundo fica melhor. Fica mais leve. Esta sensação, de entrar no padrão, é quase como um chute nas bolas, pq é boa, não dá pra negar, mas não é legítima.

livia disse...

Oi M., obrigada pelo relato. Eu me identifiquei porque também sofro com a gordofobia dos meus próprios familiares. Muitas vezes a minha inteligência e sucesso profissional/pessoal vai pra segundo plano em relação ao meu peso. Acredito que eles queiram o melhor para mim, mas impor algo que eu não sou (aka magra) até agora não me fez bem. Sim, eu sei que se eu quiser posso ficar magrinha. Contanto que me dedique quase exclusivamente a isso, controle minha alimentação como louca, faça exercícios que eu nao quero e abdique de comer o que tenho vontade. Minha resposta é: muito obrigada, mas não.

Anônimo disse...

Sempre comento aberto, mas hoje vou comentar anonimamente.

Entendo a M porque eu tenho preconceito contra gordo/a. Fui uma criança gordinha e cresci ouvindo as minhas tias esculacharem minha mãe porque eu era a prima gorda, a comilona. Tinha até a piada "na mesa, brigamos com todas as crianças para elas comerem tudo, mas a FULANA a gente briga para parar de comer, já é um bujãozinho". AInda bem que minha mãe nunca ligou - me matriculou na natação, me deixava solta brincando no parquinho por questões de saúde, não estéticas.

acontece que eu não passei livre por isso. Cresci e, na adolescência, emagreci bastante. Em parte naturalmente, mas grande parte por segurar a boca mesmo - porque aí eu comecei a dar bola para tanta crítica. Resultado? Sou magra, mas tenho pavor de engordar. Ojeriza. Só por Deus não desenvolvi um problema mais sério, como anorexia e bulimia, sei lá. Sou uma mulher "normal" que busca se aceitar e manter-se dentro de um padrão de beleza, mesmo desviando um pouco dele. Não abro mão do churrasco ou da cerveja, do jantazinho italiano com o namorado, etc.

Só que a ojeriza criada pela gordura me atrapalha a aceitar pessoas gordas. E só o fato de identificar esse preconceito contribui para minha luta interna de que isso não se transforme em discriminação. Demorei pra entender tudo isso. Meu depoimento é só um balanço de alguns anos refletindo sobre a causa.

Aceitar meu corpo? Difícil, mas lido bem (eu acho) com isso. Apesar de alguns momentinhos em que a gente se olha no espelho e parece insatisfeita, me acho bonita e não sou escrava de imagens. Mas, ao mesmo tempo, vivo pensando em dietas e planejando me exercitar mais.

O problema maior, acredito, seja o preconceito mesmo. Quando é construído em você por muito tempo, também leva tempo para ser arrancado de si.

S.

Maria Andrade Vieira disse...

Os pais querem proteger os filhos, evitar que sofram. Minha mãe tb quer que eu emagreça, pq não quer que eu seja taxada de gorda e que isso seja uma limitação pras minhas aspirações. Infelizmente, a gente não vai conseguir mudar da noite pro dia a forma de pensar das pessoas, e acho que sua mãe (e a minha), por mais que acredite ser absurdo essa exigência social, por mais q veja q isso precisa mudar, não qr q sua filha seja o mártir. Não quero dizer que nossas mães estão certas, e sei que o posicionamento da mãe é sempre o mais difícil de digerir, pq tá intimamente ligado àquilo q somos, mas nunca veja seus pais como mais um desses seus inimigos sociais. Eu demorei bastante tempo pra entender que sim, minha mãe quer o meu bem, mas o meu bem não é sempre compatível com a ideia que ela faz de "bem". Antes disso, entrava em guerra com ela. Enquanto eu me olhar no espelho, me reconhecer e me considerar bonita, ninguém terá força pra mudar, nem o senso comum, nem msm as pessoas q amo.
É revoltante perder uma oportunidade por um motivo tão absurdo, mas talvez você tenha se livrado de ter que conviver com um chefe tão preconceituoso. Eu tive um chefe absurdo, que além de gordofóbico (e pasme, ele era bem gordo), era um machista declarado e homofóbico. Eu tinha que escutar cada coisa horrível, agressiva, como "mulher não pode ser gorda" e o escambau (acredita que nem vergonha de dizer isso abertamente ele tinha?), que comecei a ficar muito mal, com horror de acordar pra trabalhar, com medo de gritar com ele e ser despedida por justa causa... enfim, qdo pedi pra sair, foi um alívio gigante, e não considero que tenha sido uma experiência de vida e blablablá, não merecia ter escutado tanta ladainha e não acredito que outras pessoas precisem ouvir tanta barbaridade. Você, com tantos atributos, não vai ter dificuldade de encontrar algo à sua altura, e mais, à altura do respeito que todos merecemos.

Iara disse...

Eu adoraria chegar aqui e dizer que a moça está exagerando ,mas infelizmente conheço bem o que ela diz e sou obrigada a dizer -Sim,o mundo é assim.
Eu me formei em Artes cenicas fora do país, mesmo assim coisas não foram onde tinham que ir.Por que? Explicação simples, sou gorda demais para fazer papéis de magra e sou magra demais para fazer papéis comicos de atrizes bem gordas.
Fiquei no meio fio .E levei anos para entender que as coisas são assim e podem levar outros seculos para que mudem.
Minha mãe magra nunca me perturbou,pelo contrário, amenizou o que deu para amenizar,mas até hoje diz que se soubesse o calvário que eu ia enfrentar por não ser magra, nunca teria deixado as coisas soltas, teria feito o que minhas tias fizeram com minhas primas e minha mãe condenava, esconder comida e colocar crianças para malhar como adultas, pressionar,obrigar,até a criança emagrecer.
Minha mãe achava tudo aquilo horrível,mas minhas primas cresceram magras e tem melhores empregos do que eu .Finalmente, quem estava certo ?
É a realidade sim, a questão dos empregos pesa e no caso dessa menina tem sorte, porque pesa no amor também, sempre digo que o excesso de peso tem o efeito que a lepra teve no seculo XIX.
Adoraria que fosse tudo diferente e tentei da minha parte mudar isso,mas é quase impossível, bater o pé e dizer que não sou meu peso, as pessoas nem me escutam .
Conclusão , perco menos tempo emagrecendo do que tentando mudar o mundo, é terrível perceber que se não estamos no padrão não existimos,mas também tenho diplomas, pós, falo tres idiomas e sei o que é perder oportunidades por não ser magra.Vale a pena continuar assim ? Depois do meu calvário sou obrigada a dizer, não vale a pena tanto sofrimento e depois de tanta dedicação ser ignorada.
Lembro de uma história que me marcou demais.Fiz testes para entrar em um grupo teatral.Eu era das melhores, mas não passei.Como sabia o que tinha feito de bom, fui atrás do diretor, ele me disse que eu era ótima, maravilhosa, mas ele não me queria no grupo dele.Perguntei por que e ele respondeu:
-Voce é gorda.Por que eu vou querer no meu grupo alguém que não controla nem o propio peso? Voce não deve controlar nada na sua vida, deve ser outra vítima das circunstancias e não me interessa gente assim .
Ainda lembro disso e ainda penso se há verdade ou não no que foi dito.O tempo dirá.

Anônimo disse...

Confesso que tenho problemas com isso. Óbvio que tenho grandes amigos gordos, não tenho problemas em conviver, fazer amizade e trabalhar com pessoas acima do peso, mas jamais consegui me relacionar amorosamente com homens ou mulheres obesos. Realmente não sinto a menor atração física, e das duas vezes na vida em que me esforcei, porque eram pessoas legais, dois caras inteligentes, cultos, gente boa, fui incapaz realmente de sentir desejo por eles, logo, as tentativas não deram certo.

Cresci ouvindo minha mãe, que é obesa, esculachando gordos, dizendo que gordo é feio e, logo, ela é feia. Ela já fez de tudo quanto é dieta, academia, tomou uns remédios que a deixaram num estado psicológico muito desequilibrado, enfim. Hoje em dia ela está obesa e infeliz, prestes a se aposentar, sonhando com a aposentadoria pra voltar a ter tempo de fazer academia e voltar ao que pesava na época dos remédios.

Eu não sou obesa, estou uns cinco quilos acima do meu peso ideal por puro sedentarismo (trabalho e estou fazendo TCC, logo, não tenho mais tempo pra praticar atividades físicas), mas não consigo trabalhar essa questão dentro de mim, por mais que boa vontade não passa, e ai fico sem saber o que é pura construção social e o que é realmente gosto pessoal, e não encontro formas de desencanar com o peso alheio na hora de me envolver amorosamente.

Anônimo disse...

Anônimo das 12:08 - Sei bem. E eu hoje esculacho meu ex-namorado porque ele deve ter engordado uns 30 kg.

S.

Renato disse...

Lilian, eu SABIA que alguém iria fazer um comentário ignorante que nem o seu. Leia o texto. A autora que, indiretamente, compara o problema em ser gordo com cor de pele negra e deficiência física! Se teve alguém preconceituoso foi a autora, eu apenas a citei!

Anônimo disse...

Eu entendo perfeitamente a M. Cresci ouvindo do meu próprio pai que eu não era saudável por causa de ser gordinha quando pequena. Comia muito, é verdade, mas praticava esporte. Não tinha uma gripe!

Escutei coisas horríveis dele e da minha madrasta, que me apelidavam de várias coisas. Ainda de ambos terem um pensamento machista.
Emagreci no final da adolescência, porém passei dos meus 11 até os 15, sofrendo demais por causa da minha aparência. Emagreci por causa de um problema no ovário (síndrome do ovário policístico) que dificulta o emagrecimento, melhorei também minha alimentação que era péssima. Ninguém nunca ligou para o fator saúde, nem o resto dos problemas que eu tinha devido a síndrome. Todos só ligavam para o quão gorda eu era...
Resumindo, hoje sou magra e percebi que morro de medo de engordar de novo, já passei por uma crise bem infeliz a respeito disso, além de que percebi que NADA mudou na minha vida depois de emagrecer, as pessoas que me conheciam antes ficaram satisfeitas (deve ser por elas, não por mim) de eu emagrecer e agora "me aceitam" melhor, como seu precisasse da aprovação delas. Aliás, também vivo doente, vai entender.

Se você não tem nenhum problema de saúde. Sim, gente, é capaz de isso acontecer, genética faz essas coisas. Aconselho a ficar como está. Tem gordinhas que acham que se ficarem magras suas vida vai ser mil vezes melhor, não, não vai. Irão cobrar outras coisas, como você ficar com o "corpo durinho" depois de emagrecer.

Maria Valéria disse...

Concordo em parte, mas tenho algumas ressalvas,
Pais sempre querem o melhor pra nos, e como todo ser humano, erram. Na maioria das vezes, erram tentando fazer o bem, acredito que poucos deliberadamente tentem minar a auto estima dos Filhos, nao tenho duvida que isso exista, mas acho que são casos raros,
O filme ' o espelho tem duas faces' e um bom exemplo disso, onde a mae da personagem principal sempre dizia que ela devia se cuidar mais e por isso a personagem ( então com 40 anos no filme) se acha feia, gorda e um traste e culpa a mae pelo que ouviu na infância,so que num dialogo a mae deixa claro depois que nunca teve a intenção de magoar a filha, embora tenha magoado.
Eu tenho uma amiga que era gordinha aos 12 anos e ouviu da mae," se vc quiser encher a boca de besteira, nao vem chorar pra mim dizendo que te chamam de baleia na escola". A menina guardou isso, cresceu, e se ' controlou, e cheiinha ( sobrepeso), mas nao gorda e bem bonita.
A mae dela foi errada em agir assim?? Nao sei gente, vai saber se em mil novecentos e bolinha a mae( que e gorda desde que a conheço) já nao era gorda adolescente e nao sofreu com xingamentos na escola.ela pode ter tentado proteger a filha querendo evitar que esta passasse pelo mesmo, dando uma dura,se fez certo ou errado??? Nao vou julgar,
Outra amiga minha foi o contrario, a mae super permissiva, refrigerantes, patê, doce, todo dia em casa e a menina gordinha,hoje e obesa mórbida, sofreu assedio moral no trabalho,se acha um lixo, nao consegue ficar nem namorar ninguém e nao arrumou mais emprego.
Ela e muito bonita, na minha opinião, olhos claros, cabelos ondulados,etc, mas atribui tudo o que nao conseguiu na vida devido ao peso.
Ela ta certa? A mae dela fez bem ou mal em nao controlar a alimentação desde cedo??? Nao sei, cada caso e um caso.
Eu nao tive problema com peso quando adolescente, mas sofri bullying por outras razoes, se meu bullying tivesse sido por causa de obesidade, e eu fosse mae, faria de tudo pra uma filha nao sofrer o que sofri,
Minha mae ate hoje, aos 63 anos, comete erros com o que aconselha a mim, pois passou por problemas que nao quer que eu passe, então de vez em quando me da uns conselhos que nada a ver comigo, mas tudo a ver com a realidade que ela viveu quando tinha minha idade,
Concordo com a idéia geral de gordofobia no texto, que deve ser combatida, mas acho complicadíssimo julgar um pai ou mae que normalmente quer o melhor pros filhos.ainda mais eu, que nao sou mae!!! Nao sei se me fiz entender aqui. Bjs;))

LisAnaHD disse...

A moça do post tem toda qualificação para ser uma profissional liberal e não depender da aprovação de empresa nenhuma para ser contratada.

Thea Carvalho disse...

As pessoas veem como estranho alguém q não está "dentro do padrão", quando o estranho é não perceber q não somos bonecos em série de uma fábrica. Eu sei q é muito difícil ser "diferente", não ser o "modelo", mas nós devemos ser felizes por nossas escolhas e não pelo q os outros escolhem pra gente.

Dri Caldeira disse...

A gordofobia existe sim. Quem diz que não existe é um imbecil que tb deve achar q não existe preconceito social e racial. Já perdi emprego 2 vezes por ser gorda. Em um, o recrutador foi taxativo, dizendo q não me contrataria pq a empresa não poderia pagar plano de saúde e eu, por ser gorda, estava fadada à ter vários problemas de saúde. O que vc vai argumentar com um imbecil desses? Eu deveria levar meus exames que comprovam q não tenho problema alguma? O 2º foi bem pior, bem mais doloroso, pq fui preterida por uma gostosa dessas bem limitadas mentalmente. E quem me disse isso foi a própria, pois conversamos antes das entrevista e ela analisando meu currículo disse que não tinha nem metade do conhecimento e preparo que eu tinha. Mas, tcha ran! Quem ficou com a vaga? A bonita. Gritei, xinguei, esperneei. Ainda roguei uma praga: eles teriam um visão bonita, mas o trabalho para eles viraria um inferno. Dois anos depois, a empresa fechou. Faliu. Não sei se por culpa da gostosa, duvido, a culpa foi dos proprietários. Mas um recadinho a M.: a tendência é piorar. Cada vez mais, tem surtido mais efeito ser bonito (dentro dos padrões estabelecidos pela mídia hj em dia) do que ser competente. Arme-se, prepare-se para batalhas, pq elas serão duras e longas.

Sonado disse...

Camila Fernandes

Concordo plenamente. Eu particularmente por estar 15 kg abaixo do peso médio para minha altura me preocupo com peso. Pretendo ganhar alguns kg este ano, mas isso porque eu noto que perco facilmente 2 ou 3 kg em qualquer gripe, que fico fraco muito rápido, que minha imunidade não se mantem estável. Questão de saúde.
Alias, um amigo meu que é psicologo explicou que as pessoas tem problemas com os vegetarianos pois vem neles o que deveriam fazer e não fazem, com isso seus subconscientes os fazem sentir culpa, que seus conscientes não compreendem e exteriorizam em estranhamento.

Aline

Minha noiva é programadora assim como você e também vem ganhando algum peso. Não dou a minima para isso, minha preocupação é com o fato dela reclamar de dores nas articulações, pernas e costas com uma frequência cada vez maior. Neste caso uma atividade física poderia ajudar a reduzir as dores, mas cabe a ela decidir se prefere isso ou os analgésicos.

Vitória

Esta mais do que certa!
Se tem saúde e sente-se bem com sigo como é, não há qualquer motivo para entrar na onda.

Maria Andrade Vieira

Passo por isso com meu pai sobre coisas relacionadas a trabalho e utilização de meu dinheiro frequentemente. Ele algum tempo atras chegou a alegar que a faculdade de história era besteira, pois eu nunca teria dinheiro para ter confortos. Mas eu entendo ele, a origem de miséria dele o fazem temer que eu passe pelo mesmo se não tentar enriquecer...
Não o condeno, mas também não sigo o que ele tenta me passar, vivemos realidades bem distintas nesse ponto.

Anônimo disse...

Quando minha filha era pequena, eu precisava de alguém para ficar com ela e também para fazer o almoço enquanto eu trabalhava. Em uma ocasião, contratei uma moça gorda, bastante gorda, que tinha alguns problemas de saúde, mas que não a impediam de fazer o que eu precisava. Bem, vocês não imaginam a reação das minhas vizinhas! Eu morava em um prédio em que praticamente todos os moradores eram mulheres sozinhas. Só ouvi críticas, me perguntavam como eu tinha coragem de deixar minha filha com uma pessoa visivelmente "doente". Olha, a gordofobia é algo muito sério e triste. A moça ficou conosco um ano e pouco, e foi embora por motivos que não tinham relação alguma com o peso dela. Mas eu imagino o quanto deve ter sido difícil para ela conseguir um outro emprego.

KALI, desesperadamente humana. disse...

Renato disse...
"Negros e pessoas com necessidades especiais nasceram assim e não há nada que se possa fazer. Gordos podem resolver esse problema em 6 meses com dieta e treino."

Querido, já ouviu falar em biotipo? Não dá para mudar o biotipo. Tem gente que nasceu para ser gorda sim. Pode malhar, ficar sem comer que nunca vai estar dentro do padrão "ideal" atual. Assim como tem gente que é muito magra apesar de comer muito (e por isso às vezes tem o colesterol alto sem saber).

Não digo que pessoas com obseidade mórbida não devam emagrecer, mas acredito que elas devem perder peso até ficarem saudáveis, e saudáveis não significa ficarem magras.

Anônimo disse...

bom, tanto é fato que a gordofobia existe que chamar alguém de gordo ou gorda é xingamento. e eu vivo tendo que me policiar pq, sempre que quero elogiar um bebê, já vou pro "coisinha gordinha". e tem gente que não gosta.

eu sou da turma da maromba e nunca fui magrela. meu biotipo é mais musculoso (mesmo antes de treinar pesado)e estou bem assim. claro que nem sempre é fácil achar roupa (além de tudo isso, tenho quase 1,80 - experimente achar jeans que cubram as canelas inteiras), mas, em 99,9% do tempo, ando bem feliz com meu corpo.

mas uma coisa eu queria dizer: claro que ser obeso faz mal pra saúde por mais que a pessoa esteja com exames ok. muita coisa é cumulativa, o excesso de insulina e a gordura em si (principalmente em mulheres, por questões hormonais) já apontam pra desenvolvimento de câncer de intestino e de mama. fora que muita gente desenvolve resistência a insulina e síndrome metabólica. mas isso é pra quem está obeso. e outra: não vou sair falando isso na cara de ninguém na rua. já tenho tantos problemas, cuido deles e da minha vida.

acontece que muita gente considerada gorda atualmente não é gorda. está acima de algum padrão ditado por sei lá quem, mas não é gorda! e aí um monte de menina se alimenta mal, emagrece rápido e perde saúde só pq não entra num jeans 38! isso é loucura!

sou totalmente a favor de saúde, mas nunca falei pra ninguém seguir MEU estilo de vida. eu aprendi a me sentir bem e é o MEU jeito de me sentir bem. tenho, sim, medo de ter o câncer que matou minha mãe e os médicos são unânimes em dizer que eu já evito a parte evitável deles. mas quem sou eu pra virar pra alguém e dizer:"emagreça"? jamais vou fazer isso.

tenho uma super amiga que era rata de academia e, por depressão, está com obesidade e tomando remédios pra diabetes tipo 2. e era magrelinha! ela é casada com um personal trainer. e ele idolatra a mulher. isso só significa que a gordura nunca influenciou na pessoa que ela é e ela é amada por mim e pelo marido do mesmo jeito. eu morro de preocupação com a saúde dela. mas ela é inteligente e já sabe de tudo que eu poderia dizer pra ela. uma coisa é vc entender dos problemas que ela tem. outra é querer impor um estilo de vida que ela não quer mais ter!

mas o engraçado é que o simples fato de eu treinar e me sentir bem já parece um sofrimento, parece um sacrifício por algum modelo de beleza e, muitas vezes, só minha presença parece ser uma afronta a quem não quer seguir meu estilo de vida. na segunda à noite, fui comprar café no supermercado. fica na mesma seção de doces e chocolates. passou um marido proibindo a mulher de comprar doce. eu tava com roupa de ginástica e o marido falou na minah frente:"amor, vc nem faz exercícios, nem caminha, não vai comer mais doce, né?". porra, na minha frente! isso é que eu acho feio. e a mulher nem era gorda! claro que não era malhada feito eu, mas não era gorda! esse tipo de coisa é que acho violência, sabe? e ainda fez a mulher pagar essa vergonha. se bem que ele é que quase tomou uma resposta minha. encarei ele com uma cara tão feia que ele virou a cara e saiu.

sabe, a pessoa SABE que está gorda. ela não precisa de ninguém dizendo isso pq ela sabe. nunca vi gente chegando num bar e apontando todo mundo e dizendo que álcool faz mal (dependendo de quantidade, do jeito como a pessoa usa, etc. mas um pouco de gordura tbem não faz mal). todo mundo sabe. mas por que não existe esse policiamento como existe com gordura?

Anônimo disse...

só um comentário: parar de comer não emagrece. bota o corpo num estado de desnutrição e a pessoa perde peso, mas de massa magra. ter saúde não significa parar de comer!

Fernanda disse...

Cara o principal problema que qndo vc não aceita o padrão e não quer mudar.
Sempre fui obesa desde de pequena e nunca tive problemas com isso, simplesmente não ligava. Lembro de um eps de quando eu tinha uns 14 anos que uma medica disse que tinha problemas mentais por me aceitar do jeito que eu estava e recentemente devido uma depressão por muitos fatores financeiros, psicologo me simplesmente me disse que isso aconteceu pq eu era gorda. Então minha tia pego um empréstimo com um agiota e o agiota ia me matar pq eu era gorda e não pq não tinha dinheiro? o_O
Olha eu por decidi ser gorda, sabia que tinha que enfrentar muitas pessoas e principalmente familiares- com aquela perguntas ah vc nunca vai casar sendo gorda. Legal, namoro com um cara faz 2 anos e me ama do jeito que sou.
Eu vi isso e um seriado e resolvi encarrar sou gorda,assumindo isso para mim mesma ngm mais vai me machucar. Não fujo de espelho, balança e etc. E qndo alguem chega e diz vc é maluca, dou um sorriso e respondo não sou feliz!

Bruno S disse...

Maria Valéria,

acho que há um pouco de confusão no seu comentário.

Uma família se preocupar com a alimentação de uma filha me parece bem diferente do que querer que ela emagreça de qualquer jeito porque ela só será feliz se for magra.

Assim como aceitar a característica física de uma criança ou adolescente que tenha mais facilidade para engordar não quer dizer que os pais devam liberar toda a junkie food possível.

De qualquer forma, vejo a frase "se vc quiser encher a boca de besteira, nao vem chorar pra mim dizendo que te chamam de baleia na escola" como uma bela forma de traumatizar uma filha.

Anônimo disse...

Coincidência ou não, quando eu pesava 114kgs no alto dos meus 1.65 de altura não conseguia emprego de NADA, mas nada mesmo. Nem em funções de pouca qualificação como telemarketing etc.

Falo inglês fluente (morei 3 anos em Londres mas fui alfabetizada em inglês e português ao mesmo tempo), alemão intermediário (boa leitura, boa escrita mas me enrolo pra falar em algumas coisas), estou aprendendo japonês por conta própria, aprendi sozinha Java e PHP, passei sem cursinho em primeiro lugar em 4 das 6 faculdades que escolhi na época e toco piano com certa habilidade, fiz 8 anos de curso. Burra, eu não sou. Desqualificada, também não. Fui a aluna com melhor média na instituição onde me formei e recebi uma homenagem na formatura por conta disso. Faço muitos trabalhos voluntários. Tinha mil cartas de recomendação pra distribuir e no final de qualquer processo seletivo, "alguma coisa estranha" acontecia e eu nunca era aprovada.

Limpei o cofrinho, briguei com o plano de saúde e fiz uma bariátrica, depois de 2 anos e mais um pau com o plano de saúde fiz a cirurgia pra retirar o excesso de pele.

Com 30 kgs a menos eu já estava escolhendo onde queria trabalhar.

Hoje eu peso 65 kgs e me arrependo de ter passado tantos anos gorda, porque a vida de mulher "com peso normal" é mais fácil em todos os sentidos que vocês puderem imaginar.

A gordofobia existe sim. Não diz respeito só ao emprego, mas a tudo. Gordo é tratado como cidadão de segunda classe desde a hora que precisa pegar uma condução, passando pela hora de comprar roupas e até na hora de se relacionar intimamente com alguém - muito cara acha que está fazendo uma super caridade em comer uma gorda.

Só que eu precisava pagar minhas contas e não dava pra esperar o mundo mudar de mentalidade, então mudei eu. Digo que sempre serei uma "gorda espiritual", até porque a operação diz respeito apenas ao estômago, ela não muda seu cérebro nem sua relação com a comida, mas ela mudou a minha vida de uma forma tão radical e positiva que no fim percebo que a minha "teimosia" e o medo de operar me fizeram perder um tempo enorme, e eu poderia estar bem mais longe hoje.

Anônimo disse...

1,60 x 75 kg não é gorda. no máximo 'cheinha', duvido que a vaga tenha ido pro espaço por 'gordofobia'(neologismo bão, hein?). quem tem problemas com gente acima do peso são papai e mamãe. e não, os pais não 'querem sempre o melhor pros filhos', isso é só um clichê idiota. outra, só pelo o que ela contou no post é mais que claro que os pais a submeteram a cobranças exageradas e descabidas. tem um lado bom: ter estudado na 'melhor faculdade de jornalismo do brasil', talvez por ter sido sempre muito cobrada. mas também tem o peso (oops) de se carregar essa necessidade de 'vencer sempre'. nem sempre se vence. e não culpe seu peso, nem a (vou ter que escrever isso de novo) 'gordofobia'. deixe isso pra quem de fato é gordo.

Anônimo disse...

e sobre quem pira muito com saúde: vocês vão morrer. todos. suas preocupações valem muito pouco.

aiaiai disse...

M,

nem sei o que dizer. O que eu sei é que sim, a gordofobia existe, sim, eu sou gordofóbica embora lute contra isso, sim, nossa sociedade está tomada por esse medo da gordura. E, sim, tudo isso é triste.

Preconceito é um troço que fica entranhado na gente desde cedo e a gente tem que lutar todo dia contra ele, não apenas nas pessoas que demonstram o preconceito, mas contra o nosso próprio preconceito.

Embora eu nunca tenha tratado uma pessoa gorda de forma diferente, eu já me peguei:

achando que tal pessoa deveria emagrecer;
falando pro meu filho não comer tal coisa pois engorda;
sentindo pena de uma pessoa que é gorda;
etc...

É como a homofobia. Eu não sou homofobica, mas de vez em quando, se to com raiva de alguem, me pego pensando "esse fulano é um viado" ou "quero mais é que fulano vá TNC".

E racismo, então? Há pouco tempo, quando eu já achava q tava vacinada contra o racismo, fui apresentada a 3 pessoas e sabia q uma delas era o chefe. Levei maior susto quando descobri q o chefe era o negro. (eu não demonstrei, mas lá dentro da minha cabeça, teve o tal susto).

Então, disse tudo isso para dizer que eu te admiro demais. Vc tá conseguindo escapar dessa armadilha do preconceito contra gordos que poderia ter tolhido a sua vida e, por isso, você vai ajudar bastante no processo de quebra do preconceito.

Os seus pais querem q vc emagreça porque para eles é difícil sair da armadilha. É como os pais que dizem "ñ quero q meu filho seja homossexual para não sofrer preconceito", esquecendo q o preconceito já tá partindo deles mesmos.

Portanto, espero que vc continue a não compreender "essa lógica" porque ela não tem lógica alguma. Vc é feliz consigo mesma e isso é maravilhoso.
Se uma empresa deixar de te empregar por causa do seu tipo físico (o que eu acho bem difícil de acontecer), essa empresa simplesmente não era boa para você. Ia te contratar e depois te maltratar.
Vá em frente, outras oportunidades virão e serão muito melhores!!!

Patrick disse...

"LisAnaHD disse...
A moça do post tem toda qualificação para ser uma profissional liberal e não depender da aprovação de empresa nenhuma para ser contratada."


Se ela for uma profissional liberal, vai passar pelo mesmo "julgamento" por parte de clientes.

Anônimo disse...

Olha... nao sei se concordo com a questão do preconceito. Tenho sua exata altura, já pesei mais que vc e sempre consegui bons empregos.

Portanto, eu acho que o problema pode ser mais simples que parece. Pode ser que vc apenas nao tenha o perfil das vagas as quais concorreu. Tenho certeza que logo vc conseguirá se colocar numa empresa bacana e com a sua cara

May Pacheco disse...

Minha irmã é negra e gordinha, não gorda e sofre bastante preconceito, não por minha parte que acho que ela tem que ser feliz do jeito que é e que as pessoas ja deveriam estar acostumadas com os diversos padrões de corpos humanos sem caçoar e excluir quem não faz parte do padrão selecionado. Vejam cérebro e coração, chega de prestar atenção a imagens. Pobre, Amanda... quando visitamos qualquer parente que não vemos a tempos os comentários são, ou nossa a Amanda deu uma emagrecidinha né ou, L. (mãe) você deveria ajudar a Amanda a fazer uma dieta e emagrecer, olha só essa menina. Odio mortal. Sempre tento mostrar a ela que isso não importa. Mas nem sempre os resultados são satisfatórios e sempre a encontro insatisfeita.

Len disse...

Ajcho terrivel pressao dos pais pra emagrecer
minha mae sempre falava coisas tipo" eu nao pesava isso quando era solteira" " para de comer,senao vai ficar enorme " e quando via meninas gordas na rua " se vc ficar desse tamanho um dia eu te mato viu? "
Acho terrivel isso,a pior coisa é quando as ofensas vem de dentro de casa,podendo ate causar coisas mais serias

Len disse...

Eu ja ouvi muito isso em casa , desde " eu nao pesava isso quando era solteira " ate " se vc ficar enorme de gorda que nem fulana eu te mato "
É horrivel quando isso vem da familia,afinal, pode virar um problema bem pior dependendo da auto estima da pessoa

Anônimo disse...

"e sobre quem pira muito com saúde: vocês vão morrer. todos. suas preocupações valem muito pouco".

sim, vamos todos. mas, enqto eu puder evitar a morte como a da minha mãe - precoce, com um buraco na barriga e a pressão da ascite botando o intestino dela pra fora, eu vou. morrer é uma coisa. morrer passando por tudo aquilo é outra coisa. coisa que não quero e vou evitar a parte que eu PUDER evitar, já existe um componente genético importante. nunca treinei por causa disso, já treinava havia quase 10 anos qdo ela ficou doente. mas, se me ajuda a evitar, eu vou continuar.

Anônimo disse...

Que tristeza essa tal de gordofobia. Fui gordo desde que nasci até os 40 anos. Enfrentei uma barra danada desde o primário até dois anos e meio atrás. Não é difícil para que eu entenda, me comova e compartilhe da mesma dor dessa moça. Muito menos que não me identifique com sua história. Há tantas passagens, interna e externamente falando, que este espaço estaria limitado para contá-las. O final da minha história: aos 40 anos "resolvi" emagrecer, fiz uma ginecomastia total (quem tem ou teve sabe de toda a "problemática social" de possuí-la) e a retirada da gordura excedente na região peitoral. A barriga continua. Preferi não mexer nela. AMO minha barriga. Fisicamente já convivo muito bem comigo mesmo, apesar de alguns "restos" dos preconceitos, que não enxergo por não ser muito habilidoso em auto-análises e que certamente flanam pelo meu inconsciente. Já não sou tão gordo: mas ainda sinto dificuldades em algumas situações como por exemplo a terrível hora da escolha de roupas. Ainda me sinto gordo. Hora de atravessar por lugares mais estreitos: ainda viro de lado, mesmo não precisando...É assim...
Ainda não sei ser magro. E ao contrário do que provavelmente pudesse acontecer desenvolvendo um rancor, mágoa ou até mesmo o ódio pelo meu antigo corpo gordo, ou aversão aos que são obesos, estes tornaram-se, sem dúvida alguma, os meus preferidos. São os que me atraem enormemente nos quesitos sensualidade e sexualidade. Isto é definitivo. E sou feliz assim: barrigudinho, gostoso, quarentão e aceitando meu corpo cheio de "onde pegar". Quanto a trabalho, ahh, é uma luta. A produção midiática impressa, televisiva e da web esforça-se monstruosamente para estabelecer padrões de seres humanos, física e mentalmente. Diariamente criam novas táticas de exclusão aos que não estão de acordo com o que pulverizam nas cabeças das pessoas. Ora. Nem todo mundo quer ter a barriga "trincada".
Para acabar com a exclusão na área do trabalho acredito na conscientização, educação e muito fortemente na força da verbalização formal por parte da pessoa prejudicada e nos rigores da lei brasileira que, sabemos, em muitos casos de discriminação ela mostra-se funcional e justa.
Perdoe-me os erros e posições que talvez possam ser mal interpretadas, Lola. Mas é mais ou menos assim que penso. Abraços deste seu fã e visitante diário, Luis Guilherme - Goiânia

Dri Caldeira disse...

Gente, na boa: eu já cansei de falar isso aqui, fui e sou muito feliz sendo gorda. Namorei, noivei, casei, paquero e namoro hj em dia. Não é a forma física que me faz feliz, mas minha atitude diante da vida. Eu seria mais feliz magra? Não, não fui. Consegui emagrecer 60 quilos, virei uma pré-anoréxica que ficou com pânico de comer e durante um ano, só tomei sorvete! Fiquei socialmente morta, pois não ia à festas, não ia jantar nem almoçar fora. Só ia pra clubes dançar. Eu me transformei numa nazista, perseguia gordos sem pena. Me transformei num monstro. Não adiantava nada ser "aceita" fisicamente, se eu não era do bem, se eu não tinha caráter. A vida não se resume a uma calça 38. A vida é ser quem vc é e não se importar com isso. E não me importando em ser criticada por generalizar, 99,99% das pessoas magras, perseguem e diminuem os gordos. Temos vários depoimentos ANÔNIMOS aqui. Minha mãe todo santo dia me diz: ainda vais acabar com 200 quilos. Eu digo, foda-se. Mas nunca alto o suficiente pra ela me ouvir. Respondo, de zoeira, que minha meta é 250 quilos e que sou doida pros bombeiros terem de me tirar de casa fazendo um buraco na parede, pois não vou conseguir passar pela porta. A cara q ela faz é muito engraçada. Mais engraçado ainda é pensar: ela tem uma grande parcela de culpa de eu ser assim. De bebê, se eu chorasse, comida. Maiorzinha, não conseguia tirar aquela nota que eu queria no colégio, ela me fazia um bolo de chocolate pra "me fazer sentir mais feliz"... O melhor de ser eu é que sou quem eu tenho de ser, não quem os outros gostariam que eu fosse. FAT IS BEAUTIFUL!

Anônimo disse...

família é um treco escroto quase sempre. culpa do patriarcado, dentre outros fatores, creio.

LisAnaHD disse...

Não é fácil viver sob regime alimentar para manter o peso adequado à altura qdo a gente tem a natureza para não ser naturalmente magra.

Anônimo disse...

"família é um treco escroto quase sempre. culpa do patriarcado, dentre outros fatores, creio".

hehehe, minha mãe me queimou no sol do rio qdo eu tinha 7 anos pq eu nasci branca demais. fiquei com bolhas, febre, etc. ela era peruésima, garota de praia, magrinha e eu toda alemãzinha. sempre me criticou na aparência. até eu crescer e achar meu caminho.

Anônimo disse...

anônimo traumatizado, cara, vc é só traumatizado. se liberta disso pra ver como vc vive mais leve. mesmo pesando mais.

Anônimo disse...

'minha mãe me queimou no sol do rio qdo eu tinha 7 anos pq eu nasci branca demais. fiquei com bolhas, febre, etc. ela era peruésima, garota de praia, magrinha e eu toda alemãzinha. sempre me criticou na aparência. até eu crescer e achar meu caminho.'

OS PAIS QUEREM SEMPRE O MELHOR PROS FILHOS, BLABLABLÁ.

cada mito que enfiam nas nossas cabeças...
o amor de mãe é um deles, essa coisa nefasta que escraviza mulheres e suas proles pro resto das suas vidas.

LisAnaHD disse...

Ginecomastia
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ginecomastia
Luis Guilherme, eu não sabia sobre o assunto e me interessei pois na minha família obesidade é rompante e eu me escapei por causa do meu intelecto pois mais pernóstico que isso possa parecer. Tenho um sobrinho de 20 anos que se enquadra no seu relato e por isso me interessei em saber sobre ginecomastia. Obrigada pelo seu comentário tão naturalmente sincero... sim, algumas vezes temos de elaborar para mostrar nossa sinceridade a fim de não ferir o leitor.

Anônimo disse...

"OS PAIS QUEREM SEMPRE O MELHOR PROS FILHOS, BLABLABLÁ"

hahaha, total. eu já fiz minha psi chorar contando o que eu passei. qdo psi chora, rapaz, a gente pensa "tô fodida". ela me acha sobrevivente. minha mãe me bateu com escova de cabelo pq meu cabelo era fino, cacheado e ruivo. ela queria que eu tivesse aquele cabelão grosso e liso, sabe? até que alisou meu cabelo num salão carésimo e meu cabelo queimou qdo eu tinha 9 anos. pra vc ter ideia, meu nascimento deu na coluna social. ela tinha muita expectativa sobre quem eu seria qdo crescesse. cresci uma nerdzinha branquela e marombada. hahahahah. coitada, mas morreu de uma morte horrível. deixa ela.

LisAnaHD disse...

e pras gurias que abominam a Wikepédia pq a/o profe falou pq a Globo falou e escreveu e por aí vai, o assunto GinecoMastia poderá ser lido aqui http://www.protesedesilicone.net/ginecomastia/

sim, toda vez que li comentário botando a Wikipédia pra baixo e esculachando com que a ela recorre vem de mulher... que coisa, hein?

Ana disse...

Na minha família, meu avô é grandão e minha avó é mirradinha. Bem, o vô não é exatamente gordo, só tem biotipo grandalhão. Pois bem, genética: filhOs puxam a mãe, filhAs puxam o pai. Meu tio é mirradinho como a mãe; minha mãe era pra ser ser grandalhona como o pai, mas é baixinha (1,50). Daí ficou gordinha mesmo.

Minha mãe foi esculachada a vida toda, nunca conseguiu gostar de si mesma. Demorou mais de vinte anos pra namorar - e esse primeiro namorado tardio já foi meu pai, que não era exatamente magro também. Eu nasci gorda, mas puxei a altura de algum ancestral aí e sou a mulher mais alta da família. Ou seja, sou grandalhona, tal qual meu avô.

Agora, se você pegar eu (grandona), minha mãe (gordinha) e minha avó (mirradinha), a vó é de longe a que mais come doce, por exemplo. E quando eu digo doce, quero dizer TIGELAS de doce. Claro que isso tem consequências, minha avó tem que controlar os exames porque vive fora do saudável. Mas quem olha pra ela vê uma magrinha e imagina que ela come super pouquinho, e não é bem assim.

Meu tio casou com uma mulher do mesmo tipo físico dele, e minha prima é uma gravetinho ambulante. Pois bem, a magrelinha chegou a ter que ir no médico uma vez porque comeu tanta porcaria que passou mal. Simples assim: salgadinho e bala demais, e teve um troço. Eu, apesar de gorda, NUNCA gostei de porcaria - comia muito arroz e feijão, isso sim.

Contei isso só pra exemplificar como nem tudo é sempre o que parece. Longe de mim querer dizer, "viu só, os magros só comem mal!", ou que engordar indiscriminadamente não traz consequências. Não é isso. Só queria mostrar um pouquinho da minha experiência pessoal. Quem vê minha avó e minha prima e tenta compará-las comigo e minha mãe dificilmente vai pensar que as que tem problema são as primeiras. Mas veja só, é exatamente isso.

Só pra dar exemplo de como essas coisas variam e talz.

Anônimo disse...

Acho que existe uma bela dose de elaboração meramente subjetiva nessa história de atribuir o insucesso profissional ao peso...

Tassi Bach disse...

Sim, gordofobia existe, para os gordos. Quando eu tinha 75kg (tenho a mesma altura da M.), eu não me considerava gorda, nem meus empregadores, nem namorados, amigos... Agora, com 90kg, sim, eu sou gorda. Não emagreci nada depois que tive meu filho, e parece que é coisa de família, minha mãe, avó, bisavó, tataravó (conheci minha tatá! S2) ficaram mais gordinhas depois do primeiro filho e custaram muito a emagrecer. E notei uma significativa diferença no modo em como era tratada antes e como sou agora. Meu pai não pegava no meu pé por fumar 2 maços de cigarro por dia, mas hoje em dia, toda vez que me vê, já logo diz da maneira mais estúpida possível "quando tu vai tomar vergonha na cara e emagrecer?! vai ter câncer, diabetes assim!". Ele diz isso com um cigarro na mão, e cigarro nem causa câncer, diabetes... Pra comprar sutiã é um inferno (já era peituda, amamentando então...), já começa com a cara de má vontade da vendedora quando me vê entrando, pra não perder tempo, ela já vem dizendo que "não tem nada pro meu tamanho" e dá as costas. Semana passada, uma vendedora me disse isso e ela tinha um quadril bem maior que o meu. Gordinha e com gordofobia, vai entender? Ah sim, eu não me aceito da maneira como estou, mas é pela forma como o mundo me vê, chega uma hora que de tanto martelarem na tua cabeça que tu tens que ser magra, tu achas que tem que ser mesmo. Meu marido não liga, primeiro homem que eu conheço que realmente não liga pra isso. Me conheceu "gostosa" e me viu engordar, e ele ainda me olha com o mesmo desejo de sempre. (Viva! \o/) Difícil mudar a cabeça das pessoas e mudar a mídia, dizendo que gordo é doente, que não se controla, que é relaxado... Mesmo se essa pessoa gorda for um PhD em qualquer coisa, vão dizer que é relaxado por que estudou demais e descuidou da saúde. (hein?)

Anônimo disse...

Com toda essa polêmica deveria ter algo melhor para comentar, mas tudo que tenho a dizer é: 1,60 e 75kg não é tão gorda assim... Sei que existe preconceito, pois eu sou gordofoba assumida. Mas não contra mulheres de 1,60 e 75kg, essas são as normais na minha opinião... Tenho preconceito contra obesidade, mas não sei se pode ser chamado de "pré"conceito, É simplesmente um conceito, a obesidade está sim relacionada a falta de saude, a depressão e a falta de vontade de fazer algo da vida. Não conheço nenhuma obesa assumida e feliz, que não viva fazendo regime, que não queira emagrecer mas não tem força de vontade para conseguir... Conheço várias gordinhas assumidas e sou uma delas, mas pessoas obesas felizes, não. A obesidade me remete a preguiça. mas veja bem, obesidade, uma pessoa com 1,60 e 75kg para mim não entra nessa categoria...

Anônimo disse...

o que me incomoda nisso tudo sabem o que é? é a liberdade qeu todo mundo tem pra se meter na vida alheia. de controlar o corpo dos outros. não pode ser malhada demais, não pode ser magra demais, não pode ser gorda demais. ou seja, só se pode ser de um jeito? quem definiu isso?

ok que estamos aqui falando de várias histórias pessoais, mas, pensem só: olha o controle sobre o corpo dos outros! acho que a questão é bem parecida com a da magra que faz de tudo pra ser "gostosa"(eu acho que isso vem mais de dentro), é a despeitada botando peito por pressão de marido, é a marombada escondendo os braços em reuniões importantes pra não ser tida como burra logo de cara (eu!)...

a gente pode ter a forma que quiser!

Anônimo disse...

Após ler o post encontrei com uma amiga que disse estar muito gorda, por ter "incríveis" 61 kg! E está se sentindo super mal devido a isso. Agora vejo que a sociedade está muito rígida nesse quesito! Não havia notado o quão rígida está a sociedade, pois nunca liguei muito para essa questão do peso - só dou importância quando percebo que a saúde não está boa.

Anônimo disse...

É triste saber que as pessoas ligam mais para estética do que para o conhecimento!

Geraldo disse...

Como assim, um anônimo perguntou "Onde está a gordofobia"? Claro que M. pode não ter sido contratada por outros motivos - tanto que ela foi finalista, não sei se as primeiras fases foram presenciais - mas não é humilhante um pai imprimir pesquisas que "comprovem" o sucesso dos magros, quando, na verdade, só servem para constatar a discriminação com gordos?
E, caso a mãe estivesse realmente preocupada com a saúde da filha, a teria recomendado ir ao médico, não acham?

Anônimo disse...

geraldo, eu acho, sim!

Panthro Samah disse...

Segundo aquele bastião do jornalismo nacional, a Revista Veja, ser alto também garante melhores vagas o mercado. Quero ver o povo agora colocando pino na perna pra ficar mais alto.

Anônimo disse...

óbvio que há a discriminação contra gordos, mas o depoimento da guest é estranho, não se sustenta. o enfoque parece errado, ela tem tanta certeza que a empresa a dispensou por ela ser supostamente gorda que o fato dos pais dela serem preconceituosos passa batido.

Cláudio disse...

Sobre isso tenho duas coisas principais a dizer:

"Preconceito JAMAIS irá acabar quando quem o sofrer, for preconceituoso".

"Querendo ou não, nossa aparência é o nosso cartão de visita".

Existe sim e muito preconceito contra gordos (meu irmão é um), porém eles mesmos são preconceituosos contra os semelhantes deles, é só ver no cotidiano, gordos querem se relacionar com gostosas e/ou magras e gordas com homens fortes e/ou magros.

li disse...

Pro povo que acha que dieta funciona em qualquer situação:

Eu sou vegana, não como nada que venha dos animais, não como nenhum tipo de carne, nem ovo, nem leite.

Além disso, é raro eu comer qualquer coisa que não seja integral. Só como açúcar se for em algum suco e bem pouco. Fritura também é bem rara na minha alimentação.

Conclusão: eu estou acima do peso!!! Porque é do meu biotipo, do meu corpo mesmo. Não que eu esteja fazendo uma dieta, não é o caso, mas tenho uma alimentação considerada "emagrecedora" e acho que seria difícil eu emagrecer se quisesse.

E as pessoas que não tem meu estilo de vida (que eu não considero sacrifício porque o adotei pelo que eu acredito) e têm meu biotipo vão deixar de comer o que??? Vegetais? Cogumelos? Água?

Estou escrevendo isso pra ver se as pessoas que criticam os gordos por não emagrecerem criam um pouco de empatia. Mas isso é muito pouco, só um primeiro passo, já que supor que alguém tem que emagrecer é supor que esta pessoa é inadequada do jeito que é. É esta noção que temos que superar, ninguém pode ser inadequado por sua aparência a priori.

Anônimo disse...

Sim, gordofobia existe sim! E outras "fobias", igualmente destroçadoras, crudelíssimas, com relação a aparência/estética das pessoas.
Vejam bem, eu não sou gorda (prá indústria da moda eu sou!), peso 61kgs e tenho 1,68. Mas sou feia. E por isso as coisas SEMPRE forasm muito difíceis prá mim. Apesar disso tive aí uma meia dúzia de namorados (pasmem!) bem bonitões, e os medianos (na beleza) foram poucos. Agora, os "feiosos", como eu não eram muito condescendentes com a feiura alheia, não! Incluindo a minha. Prá resumir, meu casamento acabou (tenho vergonha de falar isso, aliás, é a primeira vez que verbalizo isso) porque meu ex marido declarou veementemente que estava apaixonado por outra mulher (LINDA, modelo e 20 anos + jovem que eu (tenho 43) ); o romance deles não durou 1 ano, mas ele continua à caça de uma mulher bonita. Nem preciso dizer o quanto isso me feriu. E ainda fere. Faço psicoterapia e tomo antidepressivo. Foram 5 anos de casamento e um filho. Não é pouco, né? Peço, que, por favor, não me dirijam piadinhas maldosas e/ou comentários do tipo "é vc quem se joga prá baixo!", pq, gente, no discurso a coisa é simples, bem simples!
Então, eu só gostaria de dizer que, tudo bem, eu concordo, existe gordofobia e ela cresce cada vez mais, alimentada por uma indústria $ insaciável e que esmaga a todos sem dó! Mas nem todo magro é feliz! Não mesmo.
Ah! Meu ex marido tem 1,70 e pesa ... 110kgs, e é um gordofóbico assumido... Pode?!
Anônima das 15 e 21.

Anônimo disse...

agora, licença que vou comprar ovos, bacon e pão.
(além de cigarros e cerveja).

NHAM!!!!!!!!!

Anônimo disse...

li, comer pouco não emagrece. comer pouco faz perder músculos e aí começa a bola de neve. comer pouca proteína (e aí pode ser animal ou não) é catapultar o efeito de engorda.

não sigo seu estilo de vida, mas confesso que acho bem interessante.

Anônimo disse...

Acho que é mais fácil dizermos que não conseguimos um emprego porque os outros são preconceituosos do que assumirmos que se calhar não éramos suficientemente bons para determinado trabalho.
Conheço óptimos profissionais que são muito bons naquilo que fazem e que são gordos, até nutricionistas que são muitas vezes vitimas desse primeiro impacto, mas então se são gordos e são nutricionistas porque têm clientes? Não era de esperar face a esse preconceito que não tivessem?
Mas têm, sabem porquê? São bons no que fazem.

Anônimo disse...

"Ah! Meu ex marido tem 1,70 e pesa ... 110kgs, e é um gordofóbico assumido... Pode?!"

cara, pode. os homens que eu já vi botando as respectivas mulheres pra baixo ou dizendo que elas tinham que emagrecer tinham quase sempre uma pancinha PELO MENOS.

Anônimo disse...

"Conheço óptimos profissionais que são muito bons naquilo que fazem e que são gordos,"

tive um endócrino gordo (tava com problemas de joelho até) e fumante. o cara escondia o cigarro atrás de fotos no consultório. hahahahah. ele sabe como se emagrece. e sabe que deveria parar de fumar. mas ele não quer. direito dele.

Sara disse...

Adorei sua historia anonima das 13.45, infelizmente não são todos que podem ou mesmo querem fazer o q vc fez, mas essa teria sido minha opção tb.

Ana disse...

(Parte I)

Adorei o que comentário anônimo das 13:26:
“sabe, a pessoa SABE que está gorda. ela não precisa de ninguém dizendo isso pq ela sabe. nunca vi gente chegando num bar e apontando todo mundo e dizendo que álcool faz mal (dependendo de quantidade, do jeito como a pessoa usa, etc. mas um pouco de gordura tbem não faz mal). todo mundo sabe. mas por que não existe esse policiamento como existe com gordura?”

É bem isso aí, sem tirar nem pôr. As pessoas pratulham sem dó nem piedade. O que eu posso acrescentar é que às vezes o policiamento até é com boa intenção, só que feito do jeito errado.

Pega minha mãe, por exemplo: Eu sempre fui um modelo de criança. Mega comportada, mega inteligente, recebia elogios o tempo todo. Mas isso nunca foi suficiente, ela sempre encheu o saco pra que eu emagrecesse. A justificativa dela era sempre a mesma: "Eu não quero que você passe pelo o que eu passei".

Vou deixar claro: entendo e até concordo com ela. Ela teve problemas com o espelho a vida toda e como qualquer pai, queria o melhor pra filha.

O meu ponto é que a Abordagem está errada. Tudo o que minha mãe conseguiu comigo foi me convencer que eu era feia. Nenhum comentário dela me deu forças pra mudar de vida, pelo contrário, as palavras sempre jogavam mais areia em cima de mim. E em geral é assim, as pessoas falam achando que vão ajudar e só te fazem mais infeliz.

Quando você é gordo, ninguém nunca te incentiva a ser feliz e se valorizar, só te dizem que você não é bom o suficiente e precisa emagrecer. Vejo um monte de gente sendo cruel com gordos e se justificando "ah, mas se continuar assim vai sofrer/adoecer/morrer eu to falando a verdade pro próprio bem dela". As pessoas acham que "Jogar na cara" é a solução e vai, sei lá, "inspirar uma mudança na vida da pessoa". Até que às vezes a intenção é genuinamente boa, mas acreditem em mim quando eu digo que esse tipo de comentário não ajuda, só atrapalha.

É muito comum, por exemplo, aparecer gente querendo te “conscientizar” do teu PRÓPRIO peso - e como disse o comentário que eu citei, A GENTE JÁ SABE. E às vezes dá raiva, sabe, porque MEU AMOR, EU VIVO NESSE CORPO. TIPO, 24H/7. VAI POR MIM, EU NOTEI AQUELE PNEUZINHO MUITO ANTES DE VOCÊ :D É um comentário dos mais inúteis, o gordo sempre sabe que é gordo. Mas ninguém se dá conta disso. Todo mundo acha que conhece seu corpo melhor que você. Isso é claramente absurdo, e só gera indignação.

Dee disse...

A pessoa que escreveu o guest tem quase o mesmo imc que eu = 29,3. É sobrepeso.
Mas esse cálculo não leva em conta muitas coisas.
Tb me acho gorda, mas o que mais queria era me sentir bem do jeito que sou.
Sinto que, como muitos falaram aqui, sou "gordofóbica" e o preconceito vem de mim pq aprendi que gordura é sinônimo de preguiça, relaxamento... minha mãe é "gordofóbica" e meu pai foi se tornando tb.
Até gosto de fazer atividade física, mas percebi que quanto mais falavam que eu TINHA que fazer, mais me dava vontade de não sair do lugar!
Qt mais falavam que eu tinha que comer menos, mais vontade me dava de sair comendo tudo.
Era inconsciente... mas comigo essas imposições dão o efeito contrário!
E essa imposição que é chata!
Eu quero praticar atividade física pq estou a fim ou pq tenho prazer em fazer spinning, por exemplo, e não pq alguém exige que eu faça.
Eu quero comer algo saudável pelo meu corpo e pela minha saúde e não pq alguém vira pra mim e diz que tenho que emagrecer.
Qd não é imposição, fica mais fácil fazer algo pelo seu bem. E é a própria pessoa que tem que optar por fazer escolhas mais saudáveis para si.
Não quero viver escrava de dieta.
E não viver em função disso não quer dizer que defendo que todos sejam gordos.
O nosso padrão de "magreza" e "obesidade" está muito equivocado.
As pessoas são diferentes, os biotipos são distintos e é preciso respeitar isso.

Ana disse...

(Parte II)

Sabe, quando a gente ouve que é feio e indesejável, a última coisa que a gente quer é se expor. Quando as pessoas comentavam, acho que elas esperavam que eu tomasse uma atitude, sei lá. Mas quando elas me convenciam de que eu era gorda e feia, a última coisa que eu queria era sair pra fazer exercício na frente de todo mundo, ainda mais com aquelas roupas coladas. Então eu me entocava em casa, ficava me sentindo um lixo. E quando eu finalmente saía, não era porque eu gostava de exercício físico ou porque tinha finalmente me aceito, era porque tava me odiando tanto que me forçava a fazer algo que eu não queria pela promessa de que se eu perdesse peso, ia ser feliz.

O problema desse tipo de coisa é que dieta nenhuma vai pra frente quando exercício é um sacrifício e não um lazer. Sabe, o negócio não é só emagrecer. É ter uma vida boa. Não adianta você dizer pra fulano que ele é um gordo e precisa tomar vergonha na cara. Não interessa o quão nobre sua intenção seja, você só vai pôr a pessoa pra baixo. Ela não vai se mexer, e SE se mexer, ainda pode fazer do jeito errado (como eu fiz muitas vezes), só por desespero e vergonha, arriscando essa tal saúde tão preciosa que você queria, a princípio, salvar.

Mudar o estilo de vida, que é uma coisa que a gente cultiva desde sempre, é muito difícil. As pessoas que estão nesse processo precisam é de APOIO, não de crítica. E não vejo isso acontecendo muito, não.

Está todo mundo muito preocupado com o bem-estar e a saúde alheia, mas ninguém se preocupa em fazer com que a pessoa se sinta bem COMO É em primeiro lugar. Não, fica todo mundo batendo na tecla de que você TEM QUE emagrecer porque SÓ ASSIM vai ser feliz. E isso é errado. Sou a favor de melhorar, sempre. De ser mais saudável e tal. Mas isso se conquista com auto-confiança e prazer em viver, não com a auto-punição.

Yohana disse...

Nossa, história da minha vida. Passa EXATAMENTE a mesma coisa comigo. Para os outros, pior do que ser gorda, é não ligar de ser gorda....

Ana disse...

(Parte III)

É só ver o que acontece, por exemplo, quando a Lola faz um post falando em auto-aceitação. Não dá tempo de contar até cinco e já aparece gente indignada, fazendo questão de dizer que quem está acima do peso tem que se manter alerta e vigilante sim senhor. Eu percebo uma dificuldade em aceitar se amar é muito mais eficaz que fazer dieta – E sabe, a verdade é essa. Quando você se aceita gordo, magro, baixo, alto, azul com bolinhas pink, você fica mais forte. E esse força te ajuda em qualquer processo que você vá enfrentar pra levar uma vida mais saudável.

É importante entender: Aceitar o corpo não tem haver com não ser saudável, muitíssimo pelo contrário. Aceitação é exatamente o primeiro passo. Mas é só sugerir que um gordo pare de se odiar e todo mundo pula, achando que se o ódio sumir, a pessoa vai relaxar. Quando na verdade, se o ódio sumir, ela finalmente vai estar livre pra descobrir uma vida melhor. E aí se emgrecer vier no pacote, ela vai emagrecer, não por ser infeliz como é, mas porque perder peso foi uma consequência natural.

Talvez a gordofobia entre aí, nessa resistência em acreditar que um gordo pode ser feliz e saudável como é. Porque esse pensamento demonstra o verdadeiro posicionamento de um gordofóbico: no fundo, a saúde é só uma desculpa, o problema dele mesmo é com a aparência. Pra um gordofóbico, alguém que simplesmente se aceite é inútil, mesmo que seja saudável - porque a pessoa continua gorda. É ESSE o problema do gordofóbico: A gordura, não a saúde. A pessoa está feliz, saudável como ele tanto clama que quer, mas gorda. O verdadeiro preconceituoso não se contenta com isso, ele quer mesmo é que todos emagreçam. Acho que é aí que a máscara cai pra valer e a gente vê quem está realemente preocupado com o bem estar dos outros e quem só é ignorante.

Eu acho sinceramente que quando a pressão deixar de ser “EMAGREÇA PORQUE SER GORDO É RUIM” e passar a ser “SE ACEITE E SEJA FELIZ” vamos ter muito mais gente saudável.

Perdoem meu comentário imenso, mas eu achei que valia a pena expor essa reflexão...

Anônimo disse...

Estava conversando sobre isso ontem com minha namorada. Gostei muito do post. Sou gordo e tenho muitas histórias de humilhação relacionadas a isso, sobretudo dos tempos escolares.

Rafael Medeiros

Anônimo disse...

"“EMAGREÇA PORQUE SER GORDO É RUIM” e passar a ser “SE ACEITE E SEJA FELIZ” vamos ter muito mais gente saudável"

super concordo. até digo que quem é obeso com comorbidades passa a se cuidar melhor e acaba emagrecendo sem que esse seja o foco principal. quem se ama se cuida. e é amor de verdade, não é encher a cara de botox e dizer que isso é se cuidar.

Manu disse...

Pra acrescentar com mais uma história pessoal, com outro foco. Porque o que me chamou a atenção, foi a pressão dos pais. É esse preconceito que é foda, o dos outros não enche tanto o saco.

Eu fui uma criança bem gordinha, e tive que lidar com a cobrança maluca da minha mãe. Por sorte meu pai sempre foi tranquilo. Mas minha mãe me infernizava. Mesmo.

Fui uma adolescente magra, usava 38 e tudo. Não fiz nenhuma dieta, não mudei o estilo de vida. Foi só crescer. Mas nunca me senti bonita. Continuava me achando gorda.

Hoje sou gorda de novo. Tenho 1,68 e 83 kg. E gosto de mim como sou. Me acho bonita. Tenho um namorado lindo que me acha gostosa até de calcinha furada e camiseta velha. Mas não é isso que faz com que eu goste de mim como eu sou. Acho que a diferença foi me libertar um pouco da minha mãe. Porque não importa que ela quisesse o melhor pra mim e blá blá blá. Importa que eu nunca era boa o suficiente. E infelizmente opiniões de mães tem um peso horrendo.

Moro em outro estado agora, longe mesmo. E hoje acordei com vontade de chorar porque sonhei que ela me chamava de gorda. Olha só...

Algumas coisas a gente não supera nunca, e tem pouco a ver com a aparência física.

Ana disse...

@Manu
"Acho que a diferença foi me libertar um pouco da minha mãe. Porque não importa que ela quisesse o melhor pra mim e blá blá blá. Importa que eu nunca era boa o suficiente. E infelizmente opiniões de mães tem um peso horrendo."

Sim, sim, sim. Tem isso também, que as pessoas às vezes esquecem: o peso da opinião de um pai ou mãe é IMEEENSO nos ombros de um filho. É horrível. Porque sabe, uma coisa é o mundo lá fora dizer que você é feio, você até pode viver com isso e continuar saindo e fazendo tudo o que quer mesmo assim. Mas quando a pessoa que você mais ama no mundo diz que você não é bom o suficiente, aí dá vontade de desistir de tudo. Pô, se nem a nossa MÃE nos aceita, quem vai? Se nem os seus pais se perguntam como você se sente ao ouvir comentários sobre seu corpo, quem vai??

Pior é quando fica ESCANCARADO que o motivo não é preocupação parental, e sim preconceito. Tipo um pai que brigue com o filho pra emagrecer por medo do que os vizinhos vão dizer, por exemplo. Você sabe que é injusto, que é preconceituoso, que é errado, que na verdade não tem nada haver com seu bem estar... E mesmo assim você não consegue deixar de se sentir um lixo.

Mas tá, pais cometem erros e pá...

Manu disse...

Ana, seu mega comentário foi excelente! Mesmo.
Gostei muito de ler e acho que mais pessoas deveriam ler.
Obrigada!

K disse...

Putz, M., imagino teu sofrimento. Eu tenho 19 anos, 1,67m e pesava 75kg até o ano passado, mas, diferente de você, não conseguia seguir em frente por causa disso, então admiro tua força.
Depois de ir num médico ortomolecular que ficou a consulta inteira frizando que eu me sentia mal porque meu corpo era só gordura (quando, na verdade, eu tenho depressão crônica, que não escolhe pessoas gordas ou magras, certo? :|), eu perdi 15kg. Como? Parando de comer. Agora eu estou num peso aceitável para a sociedade, mas estou sempre quase-anêmica, porque se eu começo a fazer refeições regulares e mais saudáveis, eu inevitavelmente engordo e me condeno, como se realmente houvesse algum problema em ser gorda.
E, sinceramente, não me sinto melhor. Continuo me sentindo pressionada a emagrecer. A única diferença entre o eu com 75kg e o eu de agora é que agora eu me sinto mais objetificada.

Dee disse...

Adorei o comentário da Ana tb! Desculpe ter comentado bem no meio! Mas vc escreveu td que penso
=)
Bjs

Anônimo disse...

Pro Geraldo lá atrás,

quer dizer que imprimir uma pesquisa mostrando que os esforçados fazem mais sucesso é preconceito contra os preguiçosos?

se fosse sobre os mais inteligentes seria preconceito contra os mais burros?

Essa palavra preconceito é usada demais pelas pessoas.

E pra quem for dizer que burro isso, burro aquilo, mesmo uma pessoa ignorante pode ser melhor pra determinadas tarefas (mesmo intelectuais) do que muitas pessoas inteligentes.

Só concordo em ser contra a violência por esse simples fato (seja ela física ou verbal).

E achar mesmo que é culpa da mídia as pessoas preferirem pessoas em forma é muita lorota.

Pegue qualquer cara heterossexual e nenhum dele vai preferir uma anoréxica em relação a mulheres na média, mas podem até preferir em relação as obesas (e mesmo assim tem cara que gosta de gorda).

Sou baixinho e as mulheres em geral não tem preferência por esse tipo de coisa, mas nunca senti ter sofrido preconceito.

Anônimo disse...

'E achar mesmo que é culpa da mídia as pessoas preferirem pessoas em forma é muita lorota.'

completamente falacioso. os padrões estéticos variam de época pra época, depende do zeitgeist, do 'espírito do tempo', basta ver como os corpos são representados nas artes. com o advento da mídia de massa houve a difusão quase absoluta (e coercitiva) de uma série de padrões comportamentais, dentre elas o padrão estético da magreza.

Anônimo disse...

Bom, vamos lá: operei bariátrica, perdi 80 kg e estou com IMC 27.

Tenho preconceito com gordos - apesar de ter sido obesa e estar gorda. Talvez seja o horror de tudo que eu sofri na pior fase (incluía uma chefe que me chamava na sala dela para discutir o quanto eu estava gorda).

Só sei que policio o que minha sobrinha de 2 anos come - muita fruta, suco, água... doce, açúcar branco, refrigerante; eu não deixo ninguém chegar perto dela com isso. De fato, não quero que ela sofra absolutamente nada do que eu passei - e o exemplo acima foi suave perto do resto.

Anônimo disse...

na boa, vcs não sabem revidar?

Anônimo disse...

"eu nado cerca de 10 km facilmente no mar sempre que vou à praia" Desculpa, mas EU RI MUITO dessa mentira óbvia, e qualquer pessoa que nada, o mínimo que seja, sabe disso.
Laura

Anônimo disse...

Anônima das 12:01, quando li o seu depoimento parece que estava lendo minha propria historia. Sou totalmente paranoica com o corpo e tenho ojeriza a gordura, tudo por causa do que sofri na infância e na adolescência... Que triste o que fazem com a gente, né? Tudo que eu sou hoje foi fruto de todo o preconceito que sofri, acredito que será difícil um dia ficar bem resolvida quanto à isso...

Anônimo disse...

Olha M., sou profa de Ed física e dou aula de natação, se você faz 10 km com facilidade no mar, você está na profissão errada, 10 mil metros é treino pra profissional.
Mari

Anônimo disse...

Anônimo 17:05,

seu argumento que foi falacioso. O estilo de vida das pessoas em diferentes épocas afetaram o peso que tinham ao longo da história, mas isso não indica quais eram as reais preferências.

Ainda mais se apenas o que tinha disponível eram essas "gordinhas" de eras antigas.

Se só existe geléia de morango, vou preferir até uma das marcas, mas isso não é prova de que pessoas não prefiram geléia de uva.

Anônimo disse...

Um ótimo exemplo é o fato de o mundo hoje estar obeso, existem muito mais gordos que magros.

Samantha disse...

Me parece que o enfoque do Gest Post se perdeu. Se bem entendi, a autora diz que não achou que não tinha sido escolhida pelo fato de ser gorda. Que cantou essa pedra foram seus pais, e foi a partir deste momento que ela refletiu sobre gordofobia.

Eu tenho 1,58 de altura e peso uns 80 quilos. Já fui magra, de usar calça 40 e hoje estou aqui, beirando o manequim 48. Sou a prova viva de que a menos que eu vivesse na dieta, contasse todas as calorias e tomasse meus remédios, eu poderia sim ser magra. A esse preço. A esse custo. E eu não estava disposta a pagar.

Não sei dizer se a autora do guest foi vítima de gordofobia na seleção de emprego. Isso acontece, especialmente em empregos cujo requisito seja "boa apresentação", mas pode não ter sido o caso dela. Existe muita gente competente e melhor qualificada que nós no mundo.

É inegável para mim, contudo, que ela foi vítima de gordofobia pelos pais. Intencionalmente ou não, preconceito é preconceito. O pai que não aceita o filho "viado", também só quer o seu bem. A mãe que alisa o cabelo "ruim" da filha mulata, também quer o seu bem. E em todos os casos, equivocadamente ou não, é preconceito. Simples assim.

LisAnaHD disse...

Patrick disse... Se ela for uma profissional liberal, vai passar pelo mesmo "julgamento" por parte de clientes. 30 de maio de 2012 14:01

E o julgamento dos "tais" clientes pouco adiantará se a profissional for competente acima da média. Adele, cantora inglesa, é gorda. Estoura em sucesso e recebimen to de prêmios em reconhecimento da grande cantora que ela é.

Anônimo disse...

'Ainda mais se apenas o que tinha disponível eram essas "gordinhas" de eras antigas.'

cara, em sociedades com alimentos escassos A GORDURA ERA A ÚNICA FORMA FÍSICA DISPONÍVEL??

você não é muito bom de história, né?

e seu 'mundo' exclui a áfrica subsaariana e a maior parte da ásia. cara, como você é limitado. em vez de se preocupar em manter sua forma vc deveria ler um pouco mais.

LisAnaHD disse...

essa do biotipo... todos os obesos mórbidos e não mórbidos da minha fanília emagreceram enqto faziam regime e se mantinham na qtidade suficiente de comida... não há biotipo que resista qdo a pessoa come pra viver e não vive pra comer e sei do que estou falando pq estou passada de peso e bem passadinha, MAS se comer menos meu biotipo cede e eu emagreço... rs...

Anônimo disse...

Coitadinha da princesinha rica que morou na Europa, fala várias línguas, fez a melhor faculdade e não conseguiu entrar no melhor trainee do país... Que dó, que dó, que dó.

Queria ver se ela acordasse as 5 da manhã para pegar ônibus lotado e visse todos olhando de cara feia pra ela pq ela está "ocupando muito espaço" ou nem conseguisse passar pela catraca.

Em todos os meus 18 NÃOS em empregos, eu sempre coloquei a culpa no padrão estético e talvez ATÉ eu tenha razão, eu era bem qualificada mas nunca fui bonita. Um dia eu parei de reclamar e fui atrás do meu EMPREGO no serviço PÚBLICO e sou muito feliz nessa busca.

SUCESSO PROFISSIONAL também é um padrão que nós é enfiado goela abaixo, ou você emagrece e se adequa no padrão por completo ou você procura outras alternativas e deixa de ser a riquinha chorona.

Anônimo disse...

tenho 75kg e 1,60m e não sou gorda. e todo mundo sofre por algum motivo. te entendo M. mas terapia sempre cai bem... (eu faço)

Anônimo disse...

A empresa pode ter encontrado profissionais que se encaixavam melhor no perfil (menos qualificados, que não teriam como pedir aumento em um curto período de tempo, ou condições de deixar a vaga por coisa melhor). Mas seria mesmo impossível não pensar algo parecido. Eu não sou exemplo de auto-estima quando se trata do próprio corpo. Com 14 anos eu pesava 76 kg e com 15 tava na casa dos 45 kg, com 1,64 m, e sempre cheia de espinhas (que eu tenho até hoje, com 23 anos). Não deu outra: dois anos tomando antidepressivo, vitaminas e terapias pra controlar anorexia (digo controlar porque não acredito que alguém se cure disso. A pessoa pode até sair da fase aguda, ganhar peso e tal, mas qualquer vacilada pode trazer os mesmos sentimentos - químicas cerebrais - de volta).
Espero que a M. passe dessa fase levando consigo a experiência apenas. Não sei se os seus pais são tão gordofóbicos assim. Talvez eles estivessem tentando racionalizar o que aconteceu com a filha, e o único detalhe que poderia ter fugido dos "parâmetros" era esse. Claro que total falta de sensibilidade também se encaixa.
Ter amigos e alguém com quem contar nesse momento é fundamental. Eu, pelo menos, só voltei a comer "normal" depois que comecei a namorar.
Boa sorte pra você.

Carol disse...

Duvido que a Anônima das 15 e 21 seja feia, se você fosse feia mesmo tu não arranjaria UM NAMORADO, digo isso por experiencia própria, eu sim sou feia, tenho 20 anos já e até agora só beijei uma pessoa na minha vida só porque queria saber como é a sensação(coisa de adolescente)

Erres Errantes disse...

Concordo 100% com o anônimo das 18:20.
Não ignoro nem menosprezo a existência da gordofobia, mas se ela realmente foi tão prejudicada assim por ser gorda, a moça do post deveria recorrer a outras alternativas. Que tal um concurso público? Num concurso ninguém vai te avaliar pela aparência, e aproveita toda a sorte que Jah te deu - a de ter toda a qualificação necessária para conseguir um bom emprego por ter nascido com condições materiai$$$$$$$$$ para isso, e se prepara, coisa que um@ gord@ pobre tem muito mais dificuldade para fazer.

Anônimo disse...

A falta de empatia de algumas pessoas é o que mais me impressiona nesses comentários. Fazer pouco do problema da menina ou pegar um detalhe do post (sério, GRANDE COISA se a história dos 10km é mentira, o guest post NÃO É sobre isso) pra desqualificar o desabafo de uma pessoa num momento de fragilidade. Parabéns pra vocês que dizem que gordofobia (e outros preconceitos) não existem, mas não perdem a oportunidade de mostrar que odeiam qualquer um que esteja fora dos SEUS padrões. é triste ler essas coisas até em um blog em que a gente ACHA que vai encontrar gente esclarecida, na boa.

Geraldo disse...

Ao anônimo: não escrevi a palavra preconceito, mas sim, discriminação. São conceitos distintos,como disse o post.

E a pesquisa impressa pelo pai de M. não falava de "esforçados" e "preguiçosos". É claro que pessoas que se empenhem no trabalho tendam a destacar-se em suas profissões, no entanto, a suposta pesquisa fala de "gordos" e "magros", não de "burros" e "inteligentes". Você está querendo comparar características físicas (magros x gordos, altos x baixos) com intelectuais (inteligentes x "burros", esforçados x preguiçosos.

Sem falar na obesidade herdada geneticamente. Nesses casos, a pessoa é realmente "preguiçosa"? E quem disse que todos os magros são "esforçados"? Sinceramente, você acha a Lola preguiçosa por ser gorda, mesmo ela tendo doutorado e dando trocentas aulas e palestras por semana?

Não seja ingênuo: revistas como a "Veja" não colocam capas de forma gratuita como aquela que afirmava que pessoas mais altas e magras possuem mais sucesso. Não creio que seja uma verdadeira "lavagem cerebral" feita pela mídia. Mas que esta tem influência no nosso comportamento, isso sim é inegável. Basta olhar para o exemplo do "Victoza": milhares de leitores devem ter corrido até as farmácias para comprar um medicamento indicado para diabéticos, mas divulgado pela mesma publicação como um santo milagreiro emagrecedor.

Além disso, quantos adjetivos pejorativos existem para pessoas magras e altas? "Magrelo", "palito"? A animalização e humilhação com gordos é muito maior: "baleia", "elefante", "vaca" e por aí vai.

___

E Lola, olha só essa pesquisa: "Pesquisa comprova que mulheres não fazem sexo por amor"
Psicólogos tentando entender o porquê das mulheres fazerem sexo! Algumas das razões: "deixar o cara seguro", "fazê-lo acreditar que a relação vai bem", "conseguir uma promoção, por dinheiro ou drogas".

http://br.mulher.yahoo.com/blogs/preliminares/pesquisa-comprova-que-mulheres-n%C3%A3o-fazem-sexo-por-165703709.html

Geraldo disse...

Opaaa, e esse outro anônimo: "os pais ligam e querem resolver o problema"? Agora, resolver o problema é chegar pro filho e dizer "você não passou porque é gordo". Ao invés disso, por que não dizer: "tente outra vez, só foram 2 tentativas". Entendam: a M. é feliz com a forma física que tem, seus pais não admitem isso. E, nossa, quase 90% do post é sobre a não aceitação de seu corpo por parte dos pais, não acerca da sua reprovação na empresa.

Anônimo disse...

Carol, a feiúra assim como a obesidade pode ser uma boa defesa. Corrija o que der pra corrigir. Força p/você.

Anônimo disse...

Geraldo, por isso que acho o post um mimimi. A M. não quis dar tratos a bola pela não contratação. Foram os pais que propiciaram a educação primorosa dela, então, mais do que justo que queiram vê-la bem empregada e tirar todos os entraves ao objetivo. Não vejo gordofobia porcaria nenhuma.
Abs

Maria Valéria disse...

Oi Bruno s.
Sim, concordo que a frase'" se vc quiser encher a boca de besteira e te chamarem de baleia na escola nao vem chorar pra mim depois" pode traumatizar uma pessoa pro resto da vida,
Nao disse que concordo com a maneira como foi dito,nem que esta correto, disse que nao me sinto a vontade pra julgar, o que e bem diferente,
Talvez essa mae tenha sofrido quando adolescente por ser obesa e nao quisesse ver a filha passando pelo mesmo,
Ou talvez isso já estivesse acontecendo com a menina na escola( isso nao sei se houve porque nossa diferença de idade e de dez anos e moramos sempre em cidades diferentes);se a menina era xingada na escola a mae, num desespero, pode ter tentado dar um tranco pra ver se ajudava,
Concordo com vc, só disse que nao posso julgar a mae dela pelo comentário, já que os pais costumam nos dar toques( mesmo os que magoam ) pensando no nosso bem, nunca em fazer mal.
Ela ( essa menina) nao ficou traumatizada e e bem resolvida com o sobrepeso, outras poderiam ter ficado com trauma,
Enfim, nao sou a melhor pessoa pra opinar porque nao sou mae.
Entendeu;?;)
Bj

Camila Fernandes disse...

Aiaiai (menin@, é estranho chamar alguém assim! rs), tem uma coisa no seu comentário que eu concordo plenamente:

"É como os pais que dizem "ñ quero q meu filho seja homossexual para não sofrer preconceito", esquecendo q o preconceito já tá partindo deles mesmos."

Correto! Tem muita gente que usa o argumento de evitar o sofrimento d@s filh@s. Já que o problema é com a sociedade e o preconceito, não seria melhor a gente tentar mudar isso? Impor o padrão aos filhos (ainda que pela "proteção") é mais um forma de perpetuar esse mesmo preconceito. Sem contar que eu tenho meu receio com quem usa mão desse argumento. Parece que o medo do julgamento muitas vezes é menos pel@ filh@ e mais pelo "produto do seu trabalho como pai/mãe", sabe? Não só @ filh@ vai ser descriminad@, também vão considerar a própria pessoa um pai/mãe ruim... Bem, não duvido que os pais e mães se preocupe com @s menin@s, mas o outro lado pesa também, né?

Ah, quando eu tiver minhas crianças, quero que elas sejam saudáveis. Quero criá-las sem refrigerante, por exemplo, um alimento que só faz mal para saúde e só tem efeito positivo nos lucros da Coca-cola. Não quero que sejam neuróticas com o peso, ou o corpo "ideal". Nem vou obrigar ninguém a ser vegetariano como eu. Pelo menos a minha parte eu pretendo fazer, que é manter um ambiente aberto, positivo, mental e fisicamente saudável dentro de casa.

Lembrei de uma frase, mais ou menos assim: "você é negro, em casa seus pais te amam; você é cego, em casa seus pais te amam; você é gay, em casa seus pais te batem". Antes de qualquer mal entendido, eu discordo da comparação entre formas de preconceito, como se um fosse "menos pior" que o outro. Não ajuda ninguém, todas as causas saem perdendo, desmerece a luta de todo mundo. O que me faz refletir na frase é só a questão de ter um apoio em casa, mesmo que "lá fora" a situação seja difícil, e a diferença que isso faz, sabe? Por isso eu mantenho sempre na cabeça que vou dar esse apoio e esse amor para os meus filhos, independente deles serem magr@s, gord@s, loir@s, ruiv@s, orientais, negr@s, moren@s, homens, mulheres e etc, etc, etc.

Ana disse...

Anon. das 19:13, posso perguntar o que vc considera gordofobia?

Maria Valéria disse...

Ps: minha melhor amiga e gordinha,
Sempre foi paquerada, nunca teve problema com isso.
Ate vez ou outra ela me da uns toques de beleza, que eu, sendo magra, nao tenho tanto traquejo( nem nisso nem na paquera)
Ela e medica, ta super bem casada( digo, feliz no casamento, porque só ser casada nao quer dizer nada ) e super alto astral
Ao mesmo tempo, outra grande amiga minha sofreu assedio moral, nao arruma emprego( acredito que mais pelo histórico do processo que meteu no empregador pelo assedio, pois dizem que na hora de pedir referencias isso pesa contra), sofre porque há anos nao consegue sair com um homem,
Acho que cada caso e um caso.depende do que vc quer, da sua auto estima, etc.
Eu juro que nao sei mais o que falar pra essa amiga minha, a ultima que mencionei,
Acho que vc tem dois caminhos. Aí, ou se aceitar gordinha, ou resolver perder peso.nao consigo ver outro além desses dois e nao sei mais o que dizer a ela,
Se alguém souber de algum grupo de ajuda, blog, qualquer coisa que eu possa indicar a ela, agradeço, porque quero ajudar( nao necessariamente a perder peso, mas a ela ser feliz qualquer que seja a decisão dela sobre isso). E nao sei mais como.
Como ela ta desempregada, nao tem como pagar terapia no momento,
A outra amiga, que mencionei primeiro, nao precisa de ajuda, claro. Ela e feliz com o corpo que tem. Bjs:)

Camila Fernandes disse...

Sonado, eu não tinha ouvido essa hipótese ainda. O que me intriga é que eu não ando por aí mandando as pessoas pararem de comer carne ou usar couro - talvez eu tenha feito isso nos primeiros meses, mas aí caí na real que não é meu trabalho "educar" as pessoas. Ficaria muito feliz se todas elas me dedicassem a mesma indiferença! Não seria melhor se as pessoas apenas não se metessem no que não é da conta delas, não lhes diz respeito e simplesmente não lhes afeta? Como o que o outro come ou deixa de comer, ou a sexualidade de cada um. Deve ser falta do que fazer com a própria vida.

Dia desses uma tia minha me perguntou o que eu como e quando eu fui responder, ela me deu as coisas e saiu andando. Tive vontade de dar um grito, mas acabei rindo da situação.

Camila Fernandes disse...

Lola, estou fazendo o exercício de tentar escrever trocando o masculino pelo @, mas esteticamente o texto fica tão estranho!

Anônimo disse...

Ana, gordofobia é um medo irracional de gordura corporal. No caso do post, não vejo isso. Vejo uma tentativa de tirar um entrave a uma boa contratação da filha de um casal que proporcionou uma boa educação a ela e quer ver os resultados.

Anônimo disse...

Maria Valeria, sua amiga precisa saber o que a impede de emagrecer, isto é, qual o ganho psicológico que ela tem com a obesidade. E lhe digo que ha vários.

Anônimo disse...

Geraldo,

então diferenças intelectuais podem ser motivos para serem feitas cobranças? Porque são coisas que podem ser mudadas?

Ser preguiçoso é um comportamento, mas é visto como uma coisa negativa não.

Ser gordo, é em parte, resultado de um comportamento. E pessoas pedem para isso não seja julgado. Qual a base pra isso? Por que ser gordo é natural?

Ser gordo não é um estado natural do ser humano e não ser gordo não é ser um esqueleto.

Mas pow, ter 75kg com 1,60m é resultado de um comportamento praticado pela vida toda. (e não é todo gordo que o é por ser realmente uma deficiência).

Eu imagino se não podemos mais reclamar de pessoas fedidas. Afinal se elas estão saudáveis e essa coisa de ser cheiroso é muito recente na humanidade (em tempos antigos só os muito ricos tinham acesso a perfumes).

Anônimo disse...

'eu não ando por aí mandando as pessoas pararem de comer carne ou usar couro'

simplesmente isso. aí uns asnos vem aqui falar dos benefícios de emagrecer. animais: É A VIDA ALHEIA.

Technomage disse...

Camila Fernandes disse...

Lola, estou fazendo o exercício de tentar escrever trocando o masculino pelo @, mas esteticamente o texto fica tão estranho!



Pior é o pessoal que usa X ou *, não consigo deixar de ler como o mussum: Todixxx, alunixxx, indignadixxx... ¬¬

Anônimo disse...

eu até opoiaria o uso do arroba pra fazer um gênero neutro. pena que é ilegível.

Ana disse...

Mas anon, se (SE) ela foi rejeitada pelo peso, eh gordofobia, nao? Bem, eu acho isso errado. Ao dar apoio a essa logica, os pais dizem, ainda q indiretament, q concordam com o posicionamento da empresa (ou que pelo menos nao veem nada de mais em descartar candidatos por peso). Nao seria o caso deles ficarem ao lado da filha e nao do preconceito?
E axo beem ruim dizer q o corpo d alguem eh um 'entrave'.

Se uma negra nao ganha uma vaga pq a empresa eh racista e os pais dizem 'viu soh, vc devia fazer um alisamento nesse cabelo', nao eh racismo?

Exemplo ruim, mas axo q da pra ver ond qro chegar...

nina disse...

O Vinicius tocou noutro ponto sensível. Seguir o 'padrão' ou pelo menos tentar, às vezes é leve. Mais leve que ficar todo dia tendo que responder as mesmas perguntas: 'pq vc não faz isso? ou aquilo?', 'pq vc não entra na academia?', 'pq vc cortou seu cabelo desse jeito?'.

Não é legítimo, não mesmo. Passei tantos antos desejando cortar meu cabelão e não fazia isso. Agora sei que demorei tanto porque não estava preparada pra encarar todas as perguntas idiotas e suposições mais idiotas ainda.

E pra quem disse que ela está enganada, pode ser que não a contrataram por qualquer outro motivo, o ponto é o que ela disse: não tem como saber. Será que o gordinho não foi contratado mesmo por não ser o profissional que a empresa queria, ou o recrutador pensou 'ah,esse aí tem algum problema de saúde. vai dar trabalho pra gente depois'?

Ela não vai saber, porque ninguém diz que tem preconceito com gordo. Do mesmo jeito que racismo ou preconceito de gênero não existe.

Camila Fernandes disse...

Pois é, gente, eu mesma estou tendo dificuldade de ler o meu parágrafo cheio de @. E aí, como faz? Eu também apoio a ideia, mas acho que não vai dar.

Anônimo disse...

talvez essa idéia dos arrobas ou dos xis seja bem intencionada, todavia inaplicável por hora.
eu tentaria fazer um neutro com a letra 'e'. menines.

Technomage disse...

Isso de forçar gênero neuro na língua portuguesa é frescura, não existe gênero neutro para toda palavra e ponto final.
Se não gosta, fala outra língua ou importa palavras, ué. Pelo menos é legível.

Mylena M. disse...

Assunto complicado esse!
Também sou gorda, desde sempre... minha familia toda, por parte de pai, também é de gordos, e boa parte da familia da minha mãe também, inclusive ela... mas isso não impede de grande parte desses familiares insistirem, com muita frequencia, para que eu me esforce para emagrecer! Todos usam aquela velha desculpa da saúde... mesmo que eu tenha uma saúde ótima :x
Eu não pretendo emagrecer... tenho planos de mudar meus hábitos alimentares sim, mas não pra emagrecer... mas sim porque eu acho que no futuro meus hábitos alimentares atuais podem não me fazer bem à saúde, mesmo que agora eu não tenha problemas desse tipo!
O problema é tentar enfiar na cabeça das pessoas que eu não TENHO que emagrecer :/

Lola... achei essa foto da marcha das vadias da minha cidade ótima, dê uma olhada depois:http://www.flickr.com/photos/semparedesjf/7276102396/in/set-72157629910644748/

LisAnaHD disse...

Technomage disse...
Isso de forçar gênero neutro na língua portuguesa é frescura, não existe gênero neutro para toda palavra e ponto final. Se não gosta, fala outra língua ou importa palavras, ué. Pelo menos é legível. 30 de maio de 2012 20:19

Nem mais e nem menos.

Anônimo disse...

"Eu não pretendo emagrecer... tenho planos de mudar meus hábitos alimentares sim, mas não pra emagrecer... mas sim porque eu acho que no futuro meus hábitos alimentares atuais podem não me fazer bem à saúde, mesmo que agora eu não tenha problemas desse tipo!"

achei esse comentário perfeito. e vindo de uma autointitulada gorda. e ainda te garanto que vc vai emagrecer (não vai ficar esquelética) sabendo comer direito. e comer direito não é viver de alface, iogurte desnatado e peito de peru. só faça um favor a si mesma: pegue um bom nutricionista ou nutrólogo pra que não te façam morrer de fome e perder músculos pra depois virar uma bola de neve de engordamento...

lola aronovich disse...

Camila, quando tem arrobas demais num parágrafo fica ilegível mesmo. Eu tento reformular a frase pra diminuir a necessidade de gênero neutro, mas é difícil sim. Também sofro com isso! Acho que colocar arroba só em algumas palavras também já mostra que vc está atenta ao problema e tem boas intenções. E eu prefiro @ a x. Comecei a usar a arroba há poucos anos, copiando a Denise Arcoverde (que não bloga faz um ano, e eu sinto sua falta). Pelo menos foi lá que vi primeiro.


Sobre alguns dos comentários gordofóbicos por aqui... Só posso agradecer por ilustrarem tão bem que a gordofobia existe.

Ana disse...

Anon 19:51, um gordo te incomoda tanto qnt cheiro ruim?
E nao teria uma grande diferenca entre tomar um banho e passar perfume e emagrecer?
Soh tentando entender :)

Qual o comportamento do gordo que eh tao repreensivel? Comer demais? Nao fazer exercicio suficient? Como vc sab q eh esse o caso soh de olhar pra pessoa?

Talvez voce queira dizer que colocar o prazer (no caso, de comer) acima da saude eh uma coisa ruim. Nesse caso, quem fuma ou bebe tem que ficar fora de processos de selecao? Pq esss coisas prejudicam a saude. Dormir pouco e comer sal demais tambem... E sao comportamentos, escolhas, nao? Quero dizer, o ideal seria soh ter candidatos q nao tem nenhum comportamento nocivo a saude, nao?

Desculpa se o texto ta confuso, mas de novo, eu to tentando entender teu ponto. Sera que tu podes falar mais da questao comportamental e tal? Pelo o que eu entendi, tu queres dizer que podemos aceitar a gordofobia pq os gordos q n sao doentes podem ser culpados pelo seu comportamento ( q eu ainda qro entender bem qual seria). Isso?

Anônimo disse...

ana, mas uma coisa que me incomoda é: qual é o problema de um gordo (não digo obeso mórbido com doenças mil)ter o estilo de vida dele? acho que é aí que mora a "gordofobia". qdo a gente começa a procurar argumentos pra justificar a "gordofobia". sim, eu tenho medo de doenças, mas sinto um prazer absurdo na academia (googlem betaendorfinas). parece até que bebi. isso tbem seria um comportamento voltado pro prazer.

ah, uma coisa que li é que agora os empresários de muito sucesso têm sido pressionados a correr pq agora o cara tem qeu dar conta de correr além de dirigir os negócios dele.agora o cara tem que mostrar que dá conta de tudo.

desde mais cedo tem uma coisa me incomodando muito aqui... qdo falaram sobre ser negro e ser gordo. sério que alguém acha isso comparável?

LisAnaHD disse...

No estás Deprimido, estás Distraído
por Facundo Cabral
http://www.youtube.com/watch?v=XaIIHuOcDWI&feature=related

recomendo a todos que entendem o idioma espanol a ouvir o texto... espanhol porteño por supuesto.

Anônimo disse...

Ana, do lado da filha este casal está sempre, tanto que querem que ela tenha sucesso num processo seletivo. Não vejo por que ficar do lado do sobrepeso ou da obesidade.
A quem interessa? A M.se tornará uma infeliz se perder uns quilos para entrar no páreo do mercado de trabalho? É pedir muito?

Se ela fosse negra e com sobrepeso, seria a mesma coisa.
Alisar o cabelo não é o fim do mundo, diga-se de passagem. Estão fazendo drama por nada.

Anônimo disse...

Mylena, espero que você não TENHA que continuar engordando.

Anônimo disse...

cara, eu acho alisar o cabelo o fim do mundo, sim! se isso é imposto? acho, sim! o corpo é meu! eu tenho asco de salão de beleza e contei lá em cima que minah mãe fez o povo do salão queimar meu cabelo qdo eu tinha 9 anos pq meu cabelo é cacheado (não é nem afro)e ela queria pq queria um alisamento numa criança de 9 anos. pelamor! fora que a pessoa vira escrava de chapinha, escova e salão!

Ana disse...

An. 20:53, desculpa, eu nao to bem certa de quem eh vc! Eh mto anonimo... Ou eh td a msm pessoa? Era vc as 19:51?

Desculpa, me confundo toda com esse negocio de nao saber o nome da pessoa.

Sobre ser negro x ser gordo, eh do meu exemplo que vc tah falando? Eu admito q sao situacoes diferentes e tal. Mas se vc me disser que uma pessoa nao pode virar branca mas pode emagrecer, vou te dizer q minha intencao nao era comparar a situacao de um negro com a de um gordo. Eu soh tava tentando ilustrar como eh esquisito pais ficarem a favor da discriminacao e nao dos filhos ( nesse ponto, tanto racismo qnt gordofobia sao coisas ruins, nao vejo grande diferenca).

Anônimo disse...

entendi seu ponto, ana. não sei se vc que comentou à tarde lá em cima. sim, é muito anônimo e, não, não somos a mesma pessoa. hahahaha.

mas, sei lá, isso me incomoda. pq o peso de uma pessoa varia a vida toda. e gordura é vista como problema e epidemia... mas ser negro? isso é problema? ok, eu sei que não foi isso que vc quis dizer e que é problema pra quem tem preconceito e tal. mas isso me dói, sabe. ok, tô apaixonada por um negão. rá. hahahah.

Anônimo disse...

21:01,
pode ser o fim do mundo pra você. Eu respondi à Ana. Também tenho ojeriza a salão. Vou o mínimo possível.

Ana, eu sou quem respondeu o que é gordofobia.

Ana disse...

21:04, nao, ser negro nao eh problema! Q bom q vc entendeu q eu tava falando dos preconceitos :) entendo a tua preocupacao, ate axo teu argument valido - ainda nao concordo com a gordofobia, mas entendo teu ponto :)

Anônimo disse...

ó, desculpe, anon das 21:08, me meti na resposta que não era pra mim. desculpe, achei que estávamos todos conversando juntos e discutindo ideias. da próxima, deixe claro que só ela pode se meter na conversa.

Anônimo disse...

não, ana, não concordo tbem com gordofobia. eu acho que as pessoas TODAS merecem respeito igual. por mais que ela esteja obesa mórbida e eu não concorde com o estilo de vida da pessoa, eu tenho que respeitá-la como ser humano que é. falei lá em cima que uma grande amiga minha tá com obesidade já afetando a saúde dela (tomando remédios pra diabetes tipo 2) e eu não falo nada pq eu sei que ela sabe o que tá rolando. já falei que, qdo ela precisar de ajuda pra malhar, comer direito e tal, eu tô aqui. mais do que isso, não posso fazer. e não tenho preconceito com ela pq é minha amiga e a amo como irmã.

Anônimo disse...

20:44, essa fobia de perder músculo (dessa ninguém fala)é fruto de desinformação ou da repetição de conversa de personal? Atrofia é fruto de imobilidade. Tenho a massa muscular compatível como meu nível de movimentação e exercício. A gordura corporal representa a energia que comi e não gastei. Tá certo que a não ingestão de proteína até pode favorecer a perda ou não restauração de tecidos, como a deficiência de cálcio favorece a osteoporose. Não digo nada também quanto a deficiência mineral e vitamínica dessas dietas sem noção. Essa sim, muito mais importante do que esse argumento farjuto de perda de massa muscular.

Anônimo disse...

sem problemas, 21:08 :)

Ana disse...

21:08, continuando a nossa discussao... Sobre o alisamento, por si soh nao eh problema, mas eu axo q se um negro se ve pressionado a alisar por causa de RACISMO, aih axo ruim. Nao eh a coisa em si, entende? Eh que pra mim, preconceito eh errado e tentar mudar uma pessoa soh pra agradar um ignorante eh ruim. Voce eh mais tolerante, nao ve nada demais. Ok, opinioes diferentes. Eh q eu vejo isso como declaracao de apoio a discriminacao. No caso da M, ela nao quer emagrecer. Ela ja fez a escolha dela, eh o corpo dela, ela decide e ela acha que esta bem. A meu ver o unico argumento dos pais aqui eh q eles axam td passar por cima do q ela qr pra satisfazer os gordofobicos. Mas entendo teu ponto, ves a situacao diferente de mim. Eu axo q a M nao devia sofrer com isso, a decisao devia ser dela e ponto...

:)

Ana disse...

As 20:53 eu nao entendi bem pq a 1a part do comment foi pra mim. Eu tbm nao vejo problema em um gordo ter seu estilo de vida ._.

Anônimo disse...

21:13, essa deve ser a postura com relação a todas as mazelas humanas. Quando sua amiga quiser sair dessa, ela vai sair. Sofrer por ela ou entrar no jogo do 'attention seeker' eu já acho um pouco demais até para uma amiga-irmã. Digo porque já entrei nessa com uma amiga-irmã e me sentia muito mal por ela.

Mariana disse...

É óbvio que existe gordofobia, assim como existe racismo, misoginia, homofobia e outros preconceitos. Só que no caso da gordofobia, existe todo um discurso de saúde e de "escolha" pra justificar a ojeriza à gordura. Como muitos já disseram, gordo é visto como desleixado, descontrolado, sem vergonha, etc. Sabemos que não é tão simples assim.

Vou fazer uma mea-culpa agora: sempre que engordo ou uma roupa fica mais apertada, entro em pânico, morro de medo de ser considerada gorda. Nunca fui gorda, era uma criança e adolescente magrela (magra com peitões, morria de complexo), ganhei peso quando entrei na faculdade, mas nada em excesso. Só que esse peso "normal", dentro dos padrões do IMC, já é considerado "plus size" pela indústria da moda, e isso me deixa ressabiada. Há 2 anos, perdi 15 quilos quando trabalhei em um cruzeiro e virei uma caveira porque não comia quase (a comida era péssima e eu morria de trabalhar). Quando voltei pra casa, super magra e parecendo um pirulito (cabeção num corpinho), todo mundo achou ótimo, ninguém considerou que SOFRI e perdi saúde (fui internada com hipoglicemia) pra ficar daquele jeito. Tanto é que engordei tudo e mais um pouco depois, chegando aos 69 kg. Tenho 1,69m de altura, sei que esse IMC não é de sobrepeso, mas foi o suficiente pra me deixar paranoica e pras pessoas (minha mãe incluída) já falarem "mas vc tava tão bonita magra e engordou tanto". Hoje perdi um pouco de peso e "estabilizei", por assim dizer. Mas nada que me satisfaça.

Então essa história de saúde vai muto até a página 2. Quando emagreci horrores, ninguém se importava com o fato de eu ter perdido tanto peso em 3 meses por não comer no navio, o que obviamente não é nada saudável. Mas quando a pessoa engorda, foge do padrão convencionado como belo, a patrulha da "saúde" já começa a apitar.

Sobre os pais da M., identifico um pouco do comportamento da minha mãe. Basta eu ameaçar passar do limite do "peso normal" (como disse acima, nunca passei) pra ela já me lembrar como a vida dos gordos é ruim. Sei que não é por maldade, assim como acho que os pais da M. não fazem isso por mal, apesar da abordagem grosseira. O buraco é muito mais embaixo, nossos pais também são influenciados por uma sociedade sexista, com um padrão de beleza restrito. Eles estão inseridos em um mundo de preconceito e não têm noção do dano desses comentários na nossa autoestima.

A conscientização é difícil, eu mesma tenho PÂNICO da ideia de ficar gorda, o que podemos fazer é reconhecer nosso preconceito, nos policiar e lutar pra não sermos tão influenciados pelos padrões, para não patrulharmos o peso dos outros e para não pensarmos que só existe felicidade na magreza.

Anônimo disse...

Ana,

eu que dei o exemplo sobre o comportamento e cheiro corporal.

Então o lance do cheiro é só tomar banho e se perfumar certo, simplesmente mudar o comportamento. Mas se pede pra alguém gordo fazer isso (mudar o comportamento) é gordofobia?

Sobre o seu exemplo do cigarro, até concordo, ainda mais se a pessoa fica fedendo a cigarro o tempo todo e empesteando um escritório. Não seria preconceito nem discriminação não contratar um fumante pelo fato de tal hábito não ser compatível com um emprego.

Mas se faz isso com um gordo é preconceito.

O que me irrita no gordos? Poucas coisas na verdade, o que todos provavelmente vão concordar é na questão do transporte público, ocupando mais espaço. Ou viajar num avião com o cara espremido na poltrona quase a explodir.

Tinha o lance também de estarem fazendo lobby pra obesidade ser considerada uma deficiência e terem vagas de estacionamento iguais de cadeirantes.

Como que um comportamento nocivo pode ser premiado?

Só que eu acho que aqui consideram gordo qualquer um com gordurinhas a mais. alguém com 75kg e 1,60m deve realmente ser gordo, porém o fato é ele não ficou assim naturalmente. Foram anos de esforço e hábitos errados. Só que o caminho reverso é muito mais difícil, então é muito mais fácil querer a conformidade da sociedade.

Mas eu repito, violência (física ou verbal) não tem justificativa e esses casos tem que ser tratados como crimes (como é a difamação contra outras pessoas, ou a violência entre pessoas) e não precisam de leis especiais só para cuidar dos gordos, afinal somos todos seres humanos.

Anônimo disse...

21:21 - tô longe de ser personal. sou aluna e que sabe do erro que é perder massa muscular. e não é pra treinar pra hipertrofia. mas dê uma olhada na internet mesmo sobre como os músculos protegem mulheres contra osteoporose. sim, nossos músculos são resultado do tipo de atividade que a gente tem. mas vai lá ver qual é o tratamento indicado pra pessoas com osteoporose. musculação.

e perder massa faz o metabolismo ir pras cucuias, coisa que qualquer dieta louca faz por qualquer pessoa. e aí a gente vê mil pessoas dizendo que já fizeram dietas e que só engordam depois. por que será, né?

Anônimo disse...

"Então essa história de saúde vai muto até a página 2. Quando emagreci horrores, ninguém se importava com o fato de eu ter perdido tanto peso em 3 meses por não comer no navio, o que obviamente não é nada saudável."

perfeito.

Anônimo disse...

Essa própria mariana serve de exemplo, o que dá mais pânico é em não caber em roupas "sexy" e "bonitas".

E isso é culpa de faz o design dessas porcarias, que são mulheres e muitos homossexuais.

Pergunte a qualquer amigo seu, se ele sabe qualquer coisa de moda. No máximo vai citar algumas modelos famosas. Se a mídia está afetando alguém é a cabeça de vocês mulheres.

(No caso dos homens o que se pede é pra entrar em forma e isso é mais garantia de ser saúde do que essa coisa de anorexia que está na cabeça de vocês)

ElmBn disse...

"Mens Sana in Corpore Sano"....

Anônimo disse...

'alguém com 75kg e 1,60m deve realmente ser gordo'

cara, procura um canavial.
e chupa, cana por cana.

Anônimo disse...

21:33, mexer no metabolismo tem só duas receitas ruins, basicamente: remédios supressores de apetite e super produção de insulina. Dieta louca dura poucos dias. O que dana o organismo é a desnutrição continuada das anoréxicas ou de quem não sabe manter o peso baixo. Focar na massa muscular só não tem sentido. Tem a massa óssea, tem a desidratação, tem a própria falta de gordura que provoca amenorréia, infertilidade e até ataque cardíaco.

Eu sei que os cursos incutem esse pavor de perder massa magra, mas só tenho que rir. Mais um argumento pra mandar todo mundo pra academia, inclusive os obesos.

No outro dia um médico preparador físico da seleção de natação dizia que não adianta obeso querer perder peso a custa de musculação ou exercício físico.

Ana disse...

Oi 21:32, obrigada por responder :)

Eu axo q tomar banho envolve mto menos esforco q emagrecer (sei que 'comer menos do q gasta' soa facil, mas pf acredite: eh um mecanismo SIMPLES, nao FACIL. Eh bem dificil perder peso em alguns casos D:). E tomar banho eh notoriamente indispensavel. Que razoes uma pessoa pode ter p nao tomar banho? Eh mais uma questao de criar o habito, ter diligencia, que de fazer sacrificio (emagrecer eh bem penoso). Ainda axo q tem uma senhora diferenca entre nao tomar banho eser gordo. Mas entendi sim aonde tu queres chegar.

Qnt a vaga de estacionamento, obesidade eh doenca sim, nao vejo isso como premiar comportamento ruim. Um obeso enfrenta mtas dificuldades :/ claro, eh diferente de dar uma vaga especial pra mim, por exemplo (acima do peso, mas n doente). Axo q tem haver com dificuldades de locomocao, acho justo sim :/ pensa bem, como dv ser dificil pra uma pessoa doente :O eles ainda tem q provar q precisam e merecem pq tm gent q axa q eles sao gordos soh de preguica. So isso ja nao ilustra o preconceito contra gordos?

Anônimo disse...

Roupas de frio para magras também não se acha assim não. Quem quiser que passe frio. Sapato, que use palmilha ou mande lacear no sapateiro. Tá nesse pé a droga de indústria da moda.

Anônimo disse...

21,46, o IMC da M. está beirando a obesidade tipo I.

Mariana disse...

Sobre a M. não ser contratada, eu sou publicitária, sei bem como o mercado de comunicação (tanto em publicidade como em jornalismo) é elitista, obcecado por status e imagem.

Já tomei bomba em vários processos seletivos de grandes empresas e ficava como ela, sem entender a razão de nunca conseguir, já que eu sou qualificada, falo idiomas e estudei em uma boa faculdade federal. Com o tempo, formei minhas hipóteses, mesmo que eu nunca saiba ao certo. No meu caso, acho que era pelo endereço (moro no subúrbio do Rio e esses recrutadores acham que não existe vida inteligente depois do Rebouças) e pela falta de experiência internacional no currículo. Por que? Pelo perfil das pessoas que eu conhecia e que conseguiam passar, a maioria morava na Zona Sul e tinha feito intercâmbio. São critérios elitistas, já que eu tenho a mesma capacidade e estudar na Europa não faz ninguém ser automaticamente mais qualificado (desculpe, M.) do que quem só estudou no Brasil.

Então, se a eliminaram por gordofobia, é sinal de que esse mercado continua com seus vícios excludentes e de que essas empresas não são bons lugares pra se trabalhar, já que consideram aparência mais importante do que capacidade. Também já soube de casos assim: na empresa em que uma amiga trabalhava, deliberadamente excluíram uma candidata de uma seleção porque ela "não se enquadrava nos padrões estéticos da companhia". Claro que não falaram pra ela e ficou na desculpa de "não se adequar ao perfil da vaga".

Mas aí me pergunto, pensando no caso da M.: a gente realmente precisa trabalhar em grandes corporações pra atingir o sucesso e a satisfação profissional? Vale tudo pra se enquadrar nos "requisitos" do mercado se ele mesmo exclui gente capacitada? Cabe também uma reflexão sobre o que a sociedade nos empurra como o modelo de "vencer na vida".

Anônimo disse...

- Eu tenho direito de me meter na vida de um desconhecido pra mandar ele emagrecer?

- Não.

- E se eu disser que é pro bem dele, mesmo sem saber nada da sua saúde, eu tenho direito?

- Não.

- E se eu souber que ele tem trocentas doenças decorrentes da obesidade, aí eu posso me meter na vida dele e MANDAR ele emagrecer, certo?

- Não.

- Mas ele vai morrer mais cedo. Vai sofrer. Ele pode ter uma vida muito mais fácil se perder peso...

- É o que todo mundo diz. Mas acontece que essa decisão NÃO É SUA. E muito menos "de todo mundo". A decisão é DELE.

Anônimo disse...

Ana, obesidade é doença tanto quanto todos os desvios de comportamento. Muito conveniente na hora do 'blame game'. Culpa-se a doença e continuamos com os comportamentos.

Anônimo disse...

A decisão do empregador de não aceitar a gorda também é dele.

Mariana disse...

Li alguns dos últimos comentários. Sim, reconheço que tenho pânico de não caber nas roupas e de passar do limite do IMC, assumo que isso é contraditório e paranoico. Mas não concordo MESMO com o reducionismo de que gordura é resultado de escolha, de comportamento inadequado e de desleixo. Tampouco dá pra comparar gordura com fumo e com "não tomar banho". Mais uma vez, nada é tão simples assim.

Mariana disse...

Ok, Anônimo, o empregador "pode" (não pode!) ter a decisão de não aceitar alguém pelo peso. Mas convenhamos que é uma decisão super preconceituosa, baseada em critérios que nada têm a ver com a capacidade da pessoa. Se isso não é gordofobia, preconceito e babaquice, não sei de mais nada.

Anônimo disse...

Mariana, se a candidata vai ficar diante de uma câmera, o peso importa sim. Mas sabe que as jornalistas senior da globo news estão tudo sacudidas, né?

Ah, ter um sobrenome terminando em 'berg', 'man' ou pelo menos não português ajuda muito né?:(
Força aí, viu?

Vivi disse...

Nossa Mariana, excelente comentário. Também acho que é por aí. Temos que sobreviver dentro deste modelo ainda? sim temos. Mas dentro de nossos limites, temos que fazer de nosso trabalho e vida familiar o mais agradável o possível. Também acho que pelo lado familiar a família da autora tem chance de entender que ela não quer emagrecer e ponto, há espaço para o diálogo ( e se não tiver paciência, dar um fod*-se pra família as vezes faz bem!). No lado profissional, como ela parece ter uma boa condição financeira, o que a coloca numa situação de privilégio se comparado a muitos, ela poderia buscar, na minha opnião, um lugar que sofresse menos pressão para trabalhar. Tenho impressão que o meio de comunicação da grande mídia é elitista sobremaneira tb...E elitismo inclui a aparência tb..Claro que só isso e autoestima ainda é insuficiente, precisamos mudar esta estrutura, mas, até lá, temos que fazer de nosso cotidiano o menos desagradável possível. Diálogo com a família (desde que se mostre abertura), se relacionar com pessoas não preconceituosas e o trabalho, para quem pode como ela, escolher um lugar que te julgue menos pela aparência, e quem sabe um lugar que consiga contribuir para que esse quadro se reverta?

Lendo os comentários, e de vários posts aqui vejo como ser gorda hj em dia é muito discriminado mesmo..No quesito beleza, fundamental especialmente pra mulher, não há espaço pra gorda neste mundo..que loucura. Fico preocupada mais ainda com estas crianças e adolescentes num futuro próximo....Nada a ver com o post em específico, mas estava vendo o facebook hj, uma festinha de crianças de parentes onde todas as crianças estavam tão arrumadas, meninas pintadas, com gloss etc, decoração de Barbie, mas tive a impressão que elas pareciam infelizes...
Bjo

Anônimo disse...

21:47 - não dá pra discutir assim. uma mulher pra ficar com amenorreia tem que ter o percentual de gordura de atleta, uns 5%! e não é isso que é saudável pra mulher comum!

mais uma vez: eu falei lá em cima em NÃO PERDER a massa magra, não falei que ninguém tem que HIPERTROFIAR. não perder e hipertrofiar são coisas BEM diferentes.

sobre o metabolismo: faça um exame daqueles que colocam uma tromba na pessoa e a pessoa entra num negócio tipo um ovo. aquilo mede o metabolismo basal da pessoa. veja o metabolismo da mesma pessoa com menos e com mais músculos. há diferença, SIM. claro que só isso não faz engordar. aliás, controle de gordura tem a ver com o que se come. acontece que, se a pessoa comer a mesma coisa com mais massa e com menos massa magra, qdo ela tem mais massa, ela engorda menos.

repito: dieta de fome faz perder massa magra. dietas pobres em proteína tbem. existe proteína sem ser animal. e não perder é diferente de hipertrofiar.

Anônimo disse...

Ana e Mariana e o Anon 21:54,

se lerem os meus posts verão que eu disse que emagrecer é MUITO mais difícil. Só que ficar gordo não é algo que acontece em 3 dias, é coisa de meses, anos...

Então a pessoa mantém um hábito ruim durante muito tempo e quer que isso seja reconhecido como doença? Outros fatores ajudam, mas só pode ser resultado do comportamento (o que come, o que faz, etc...)

Pro anonimo, uai, eu posso virar pra alguém e mandar ele me buscar um copo de água, ele não tem que obedecer. Eu tenho o direito de falar isso pra qualquer pessoa, não tenho é como obrigar ninguém. E que bom que não posso obriga ninguém, liberdade antes de tudo.

Mariana disse...

Anônimo, "ajuda" porque vivemos em uma sociedade preconceituosa. Assim é o mundo, o que não significa que o mundo tá certo por ser assim. Esse tipo de coisa não deveria importar pra uma contratação se vivêssemos em uma boa sociedade.

Pois é, a questão do sobrenome eu já tinha notado, alguns recrutadores babam com sobrenomes estrangeiros, acham que é status. Isso quando o que deveria importar é a capacidade. Esse mercado é uma piada (pelo menos o de comunicação é), mas ele nada mais é do que o reflexo de um mundo idiota.

Ana disse...

21.55, dsculpa, eu axo q vc esta sendo negligente. Um dos principais argumentos dos defensores do emagrecimento eh q ser gordo eh nocivo a saude. Mas ai se uma pessoa eh doente, obesa, a gente esquece da saude e trata como se fosse so comportamental? Discordo. Voce nao ve as reportagens, os estudos sobre o assunto? Eu realmente axo q dizer q obesidade n eh doenca eh forcar a barra. Eh se assumir gordofobico, dizer q td gordo soh eh gordo pura e exclusivamente por comportamento e escolhas e portanto pode ser culpado. Axo q essa visao nao ajuda ninguem, sabe, nao agrega nada :/ como eu disse la em cima, tratar um gordo como algo defeituoso que precisa ser consertado soh faz dificultar as coisas. Soh dizer 'eh culpa sua ser gordo, agora emagreca pq ser gordo eh ruim' eh mto egoista :x que argumento vc tm? Q um gordo ocupa mto espaco e vc n gosta disso, entao ele tem q emagrecer? :/ desculpa, discordo mesmo.
21:54, assino embaixo...

Anônimo disse...

Anonimo 22:08,

completamente certo e isso são fatos biológicos.
Mas se aceitarem isso aê muito do que defendem cai meio que por terra não é?

Mariana disse...

Anônimo, o problema é justamente esse, é achar que gordura se resume a resultado de "um hábito ruim". Nada é tão preto no branco assim.

Anônimo disse...

Ana,

é uma doença causada pelo comportamento. É igual fumante quando tem problemas de respiração, você acha que ele merecia vagas especiais em estacionamentos? (problemas de respiração podem atrapalhar muito a locomoção).

Além do que a obesidade em si não é doença, mas ela pode gerar doenças, abrir espaço para doenças aparecerem, entre diversas coisas.

Alguém muito gordo que passa a ter problema no coração, a doença é no coração causada pela obesidade.

Anônimo disse...

Anônimo disse...
'alguém com 75kg e 1,60m deve realmente ser gordo'

cara, procura um canavial.
e chupa, cana por cana.
30 de maio de 2012 21:46

me mato de tanto rir... essa nunca ouvi mas é mesmo ótima!

Anônimo disse...

Pois é, 22:08, quando um obeso vai para a academia, o nutricionista quer duas coisas: que ele acelere o metabolismo e a perda de peso e que não perca massa magra. Não importa quanta massa magra ele tenha no momento da consulta. O nutri não diz que ele está com pouco músculo, mesmo sendo hiper sedentário. Resumo da ópera: ele acaba ganhando massa magra sim e perdendo muito pouca gordura se a restrição calórica não for contante e expressiva. Logo logo ele ferra os joelhos e se cansa do esforço terrível de exercitar 100kg+ e larga tudo, dieta e academia. To falando besteira?

Anônimo disse...

22:12 - o que que defendem?

isso é aceito. acontece que, como dizem na academia, um tanquinho é construído 30% na academia e 70% na cozinha. óbvio que ninguém TEM que ter um tanquinho (aqui tenho que explicar tudo...), mas o que quero dizer é que dieta de fome não é saudável. me refiro tbem aos casos de gente que fala que fez dieta, "não comia nada" e só engordou. nesses casos específicos, o metabolismo ficou todo errado. e isso pode se dever à perda de massa magra ou então à bagunça que a liberação de insulina pode ter ficado. dietas só de proteína são famosas por arrebentar o metabolismo. é só ver que profissionais ciclam a dieta e nunca ficam muito tempo só na proteína por exemplo.

eu só acho maldade alguém chegar prum gordo e dizer que é só parar de comer que emagrece. cara, na realidade, não é bem assim. essa conta de calorias que entram e as que são gastas não é exatamente o que acontece. tem produção de insulina, tem mil outros fatores. e aí culpam o gordo por ter pouca força de vontade sendo que a pessoa acha que é assim que se emagrece. e não é assim.

e eu jamais diria pra alguém emagrecer. jamais. mas, se alguém chegar com papo de que é só parar de comer que emagrece, eu vou falar a mesma coisa que falei aqui.

isso de força de vontade é balela. é mais uma culpa pro gordo ter.

Mariana disse...

Vivi, essa questão do "trabalho ideal" (ou o que impõem como ideal) é bem complicada, eu mesma ficava MAL, me achava uma loser por não conseguir entrar nessas empresas. Mas agora, alguns anos depois de me formar, tenho outra perspectiva, acho que existe vida além das grandes corporações.

O que eu acho o fim é julgarem a competência das pessoas e sua adequação ao trabalho pela aparência (aqui entra gordura, raça, etc), pelo endereço, pela origem dos pais e pela falta de experiência internacional no currículo. Depois não sabem porque a equipe não rende o que poderia render...

Anônimo disse...

Ana,

Entra num ônibus e senta na metade de um lugar então, mesmo pagando o mesmo preço.

Se cobrar mais caro é discriminação.

Anônimo disse...

22:17 - sim, ele vai ter que fazer uma dieta. dependendo do tanto de massa magra que ele tiver (vamos supor que ele tenha uma quantidade boa de músculos), na academia ele pode, sim, arriscar perder um pouco dessa massa magra durante o emagrecimento. tanto é que, muitas vezes, a gente prioriza ou ganho de massa ou emagrecimento. e, qdo se emagrece, perde-se um pouco de massa magra. mas, se a pessoa tem muitos músculos, isso não é prejudicial.

o prejudicial é a pessoa comum, que não treina pra hipertrofia perder MAIS músculos ainda. aliás, acho isso um crime, se vc quer saber. aí a pessoa gorda se sente uma merda por ter ido a um nutricionista e ter engordado mais ainda depois.

sobre ferrar o joelho, normalmente um treino bom de fortalecimento segura a onda até a pessoa emagrecer. tenho síndrome patelofemoral e sei que dá.

Paola disse...

Você tá exatamente na minha proporção de peso e altura e os pais encrencando! Ninguém merece, eu nem me acho gorda, diria que estou com sobrepeso por causa do imc apenas. Pior que isso vem mesmo de casa, não sofro a mesma cobrança que você, mas minha mãe e avós com certeza sempre acharam pessoas magras sinônimo de elegância e saúde.

Agora, o lance do emprego acho que não tem a ver, até porque é na mesma área de formação que eu e tive colegas gordinhas que hoje estão bem empregadas. Talvez para a tv ainda exista uma barreira sim, mas existem algumas jornalistas mais cheiinhas na Globo, por exemplo.

Acho que o que gera mais preconceito é o culto ao corpo dito "saudável", digo isso porque tenho amigas muito magras que também já sofreram algum tipo de rejeição por causa disso e elas são o que chamam de "magra de ruim". Eu entendo a preocupação em relação a doença, porque pode até ser mesmo, mas quando não tem nada comprovado simplesmente perde-se o propósito.

Então é isso aí, um dia esse padrão de beleza muda ou as pessoas começam a perceber e gostar das diferenças, continue sabendo quem é que você vai se dar bem. Não culpe tanto os seus pais também, eles são de uma época diferente e não conseguem compreender que as coisas mudam.

Anônimo disse...

Qual é a dieta que não é de fome? Pelo jeito, pra você não existe dieta saudável. A que fome você se refere? Sensação de fome ou fome = desnutrição?

Anônimo disse...

fome crônica, quero dizer.

Anônimo disse...

22:28 - dieta de fome é uma dieta escravizante de fazer a pessoa sentir fome mesmo. de roncar a barriga. dieta saudável é menos radical e emagrece mais devagar.

exemplo: eu não conto calorias. eu sei o que comer e em que hora comer. se vou trabalhar a tarde toda e vou precisar ficar alerta, diminuo carboidrato e como os de índice glicêmico baixo, pra não ficar sonolenta. e por aí vai. quero doce? como qdo ter mais insulina não vai me fazer mal (insulina é altamente anabólica... isso cresce músculos, mas pode crescer um pólipo existente no intestino tbem_) ou qdo sei que o corpo tá em baixa de glicose - ex: depois de horas de sono. quero baixar índice glicêmico das coisas? uso azeite. ah, azeite é calórico? é, mas é bom e, se comido assim, não vai engordar. enfim, isso sou eu. cada um com suas finalidades, mas dá pra comer bem e direito, GOSTAR DO QUE SE COME, e ficar bem.

Ana disse...

22.15, vc n considera obesidade uma doenca, nao sou eu que vou te convencer do contrario. Pelo menos vc ilustra como realment exite mta gent q acredita piamente que todo gordo fez por onde e deve ser responsabilizado.

22:21, eu vivo pegando onibus com gente beeem gorda, e nunca me estressei com isso, nunk me senti injusticada... Pq sera...?

Mari, concordo, usar aparencia pra classificar as pessoas eh absurdo. Expressao maxima do preconceito, olhar pra pessoa e ter um monte de ideias logo de cara.

Gent nao sei se a qualidade do emprego vem ao caso aqui. O ponto eh q rejeitar uma pessoa pelo corpo eh injusto e muito preconceituoso. Acho q o prestigio da vaga eh detalhe, teria sido injusto qqr q fosse a oportunidade.

Anônimo disse...

22:28 - e ficar sem comer tbem é dieta de fome. nunca ouviu falar de gente gorda anêmica? parar de comer não é saudável.

Anônimo disse...

por que será que certas agências de emprego pedem o manequim do candidato, né? eu já vi isso.

Marianna disse...

Minha mãe é extremamente gordofóbica, mas até entendo... ela já foi MUITO gorda, teve vários problemas de saúde e sofreu muito preconceito por ser gorda. Já chorou por ter que ouvir vendedora dizendo "não trabalhamos com roupa do seu tamanho".
Ela continua gordinha, mas emagreceu bastante; acabou pegando horror a gordura e sempre que vê alguém "enorme", ela vira pra mim e faz comentários bastante ácidos a respeito. O pior é que por causa da minha depressão eu engordei mais de 20 kg em menos de 4 anos, ou seja, ela fica horrorizada com a minha obesidade (sou nanica, tenho 1,53m, qualquer quilinho fica bastante evidente aqui, 20 kgs então... vixi!).
Entendo quem curte ser gordo pq se ama gordo, mas eu não tô acostumada a ser tão gorda assim, sem contar que minha alimentação tá um lixo, não me sinto feliz e muito menos saudável com o corpo que estou. Resolvi fazer educacão alimentar com uma nutricionista, só espero não ficar gordofóbica e neurada que nem minha mãe hahaha

Anônimo disse...

22:35, a barriga ronca mas não dói se não houver hipoglicemia. E você sabe que hipoglicemia é resultado de pico glicêmico e insulina rapando glicose do sangue.

Não entendi o lance de quando quer doce. Pode me explicar melhor?

Anônimo disse...

marianna, hahahaha, acho que não vai ficar, não. já passou por isso...

Anônimo disse...

[só tô falando isso pq a pessoa pediu, não quero que ninguém faça o que eu faço! essa é MINHA vida]

22:50 - é assim. qdo eu quero doce, eu sei quando posso comer. por exemplo, hj jantei omelete com cottage e brócolis com azeite. eu sei que as fibras do brócolis e o azeite vão retardar a entrada de glicose no sangue. aí comi chocolate de sobremesa. esses óleos, como o azeite, baixam o índice glicêmico das coisas. fazem com que o corpo não tome o susto de ter que lidar com todo aquele açúcar de uma vez.

sim, hipoglicemia pode ser provocada por excesso de carboidratos de índice glicêmico alto e doces. vc come um monte, seu corpo produz insulina pra lidar com todo esse doce de uma vez e aí fica com essa insulina comendo tudo dentro de vc (sentido figurado)... chega uma hora que a glicemia despenca. a pessoa fica com sono, pressão baixa, vontade louca de comer mais doce... e isso ajuda a estocar gordura abdominal.

uma dieta correta faz a pessoa comer menos e mais vezes. por quê? pq ela vai manter essa glicemia sem picos. consequentemente, a pessoa não fica com essa fissura de pão, doces, etc.

outro momento do dia pra comer doce é logo cedo, já que o estoque de glicose no sangue tá baixo. eu costumo comer frutas nessa hora. frutas com alguma proteína (mas isso sou eu. eu treino pra hipertrofia).

falando de insulina, um colega de academia morreu semana passada pq era médico e se injetou com insulina pra emagrecer...

Anônimo disse...

Vou postar como anonima por motivos óbvios... me desculpem os erros de portugues que certamente cometerei, mas se eu revisar vou desistir de postar, mesmo anonima.

Tenho 27 anos, 1,70 e peso 150kg.
A vida é um lixo pra mim. É um lixo pq a vida toda me ensinaram que gordo não pode ser feliz... sou lésbica e casada com uma mulher linda por dentro e por fora, que me ama mto. Mas consigo ser feliz? não.
A adolescência inteira escutei minha mãe dizer que eu era feia e devia emagrecer (ela é gorda) e que jamais teria alguém na vida daquele tamanho. OK, mesmo que eu tenha sofrido horrores por muitos terem me rejeitado por ser gorda, eu namorei com muitas pessoas. Eu pensava ser hetero até os 20 anos, mas me descobri lésbica. Qd me assumi, minha mãe dizia que qd eu emagrecesse eu conseguiria arrumar um macho, q tava com ela só pq sou gorda. AFF, QUE TIPO DE PESSOA FALA ISSO??? PENSA ISSO???
Os únicos empregos que consegui na vida foram pq meu pai arrumou pra mim atravez de contatos, mas em agencias de emprego e largando currículo JAMAIS CONSEGUI NADA, mesmo sendo bem qualificada.
DESISTI do meu ramo profissional pq ngm quer gordo trabalhando e comecei um curso onde poderia ser profissional liberal, só assim consegui ter grana e me sustentar, senão estaria com meus pais até hj.
Minha irmã é gorda, meu irmão é magro. Mas minha irmã nunca foi tão gorda quanto eu, será que é coisa da minha cabeça perceber eles serem os queridinhos dos meus pais por serem "mais bonitos" do que eu?
Já sofri humilhações capazes de fazer uma pessoa mais fraca de cabeça se matar...e eu já pensei nisso, mas desisti.
Mas agora resolvi que não quero mais, vou fazer uma bariatrica daqui no máximo 1 ano, to só esperando a carencia do plano de saúde de completar.
SOU FEMINISTA SUPER ENGAJADA, JAMAIS FUI PRECONCEITUOSA COM NENHUM GORDO e não entendo pq as pessoas são tão cruéis, mas ainda assim eu não consigo enfrentar o mundo pra passar uma mensagem de feliz.
EU NÃO SOU FELIZ e mesmo que eu não consiga ser imensamente mais feliz qd tiver magra, pelo menos não vou sofrer tanto.
Vou poder entrar numa loja de roupas e poder comprar algo que eu goste e não o que cabe em mim.
Vou poder sentar tranquilamente em um bar com cadeira de plástico sem medo de quebra-la.
Vou poder viajar de avião sem medo de entalar nos bancos estreitos.
Vou poder andar na rua sem ser ponto de referencia.

CHEGA DISSO!!! Quem é somente gordinho até pode viver bem, mas pessoas obesas como eu sofrem... e não sofrem pelas milhares de doenças que todos enumeram que provavelmente tenhamos (não tenho nenhuma), mas sofremos PELO GIGANTESCO PRECONCEITO QUE A SOCIEDADE NOS FAZ SOFRER.

ASS.
SP

Anônimo disse...

sp - tem gente cruel em tudo qto é canto... sobre arrumar macho (ou mulher), tantas e tantas pessoas obesas que eu já vi e quase todas namoravam ou eram casadas... vc mesma sabe que a vida afetiva não é só pra magros.

desejo de verdade que vc se encontre e seja feliz.

Anônimo disse...

ah, tá, 22,57, vc não é boba não,:)
esse chocolate vai passar batido. Se for 70% cacau, melhor ainda. Veja que seu jantar não teve alto carbo, hein e teve bastante proteína. Tá vendo, é uma refeição em que se come bem e não passa fome!

Anônimo disse...

23:07 - hahahah. eu AMO omelete desde criança. e salivo com brócolis. aí fica fácil.

outra hora pra comer doce é depois da maromba. hahaha. tá vendo, dá pra comer doce! ajuda na entrada da proteína do pós nos músculos. ;-)

«Mais antigas ‹Antigas   1 – 200 de 261   Recentes› Mais recentes»