segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

CLÁSSICOS: 12 HOMENS E UMA SENTENÇA / Dois filmaços

Época pré-vídeo em que um júri era composto só por homens brancos.

Eu li a teleplay (peça feita pra TV) Doze Homens e uma Sentença (12 Angry Men no original, ou 12 Homens Zangados), de Reginald Rose, na oitava série. Acho que foi em 82, quando eu tinha 14 ou 15 anos. Adorei, e fiquei muito impressionada com aquela história que se passa inteirinha numa sala quente com doze jurados discutindo o destido de um acusado. Só agora, neste natal, quando revi o clássico filme de 1957 de Sidney Lumet, me fiz a pergunta “Ué, por que eu e meus coleguinhas não vimos o filme na escola?”. E a resposta veio correndo: porque eram tempos pré-históricos. Vídeocassete tava engatinhando, duvido que minha escola (apesar de cara) tivesse um e, mesmo que tivesse, não haveria a fita em si (pouquíssimas fitas eram seladas, mas mesmo gravar da TV era serviço pra profissionais). Em compensação, naquela época a Globo passava filmes maravilhosos na madrugada, e Doze Homens era uma atração constante (eu e muita gente da minha geração viu seus primeiros clássicos na TV aberta. Atualmente contamos com o Intercine pra decidir se preferimos ver Norbit ou Garfield 2). Hoje, graças aos céus, é fácil baixar o clássico. Logo, você não tem desculpa: se não viu Doze, tá esperando o quê? Trata-se de um belo filme humanista. A trama é simples: um rapaz de 18 anos é acusado de matar seu pai. Não vemos nada do julgamento, apenas as considerações do juiz: a sentença do júri deve ser unânime, todos os doze jurados precisam votar igual, e se o rapaz for condenado, a pena será a morte. Os jurados, que não têm nome (são apenas mencionados como jurado número 1, jurado número 2 etc), estão convictos que o acusado é culpado. Só um dos doze membros quer discutir o caso, pois vê espaço para dúvidas razoáveis. Um outro quer acabar logo para ir assistir um jogo. Outro é um racista inveterado que crê que “pessoas daquelas bandas” (cortiços, favelas) são sempre culpadas. Outro tem um problema pessoal com o próprio filho, que não fala com ele há anos, porque ele, o pai, passou a vida toda batendo no rapaz para “torná-lo um homem” (violência, um remédio testado e aprovado para afastar seus filhos de você). Apesar dos jurados não terem nome, seus intérpretes têm, e vários são famosos. O principal, o jurado que duvida da culpa do rapaz, é Henry Fonda, pai de Jane e Peter, grande ator de Vinhas da Ira e Era uma Vez no Oeste (Oscar por Num Lago Dourado no seu último ano de vida, 1982). Martin Balsam, que faz o jurado número 1, é o detetive de Psicose. Já Lee J. Cobb, o jurado com motivos mais pessoais, é o detetive de O Exorcista e o principal mafioso de Sindicato de Ladrões. E o rosto mais velho do Jack Warden (o jurado brincalhão fanático por esportes) é conhecido por Todos os Homens do Presidente, Muito Além do Jardim, e Enquanto Você Dormia, entre muitos outros. Mas todos os doze atores estão perfeitos.
O que mais gosto do Henry Fonda nesse filme é que, apesar d'ele interpretar um personagem “do bem”, preocupado com direitos humanos e mais livre de preconceitos que seus colegas de júri, ele ainda assim é um homem zangado. Seu tom de voz não é dócil e carinhoso, mas bastante agressivo. Bem diferente do Jack Lemmon, que fez o papel quarenta anos depois, em 1997, numa versão para TV, dirigida por um cara de respeito, William Friedkin (Exorcista, Operação França). Essa versão é excelente também, já que a peça é excelente, mas não se compara ao clássico de 57. Pra começo de conversa, a peça em si tá datada, já que hoje seria impensável ter um júri composto apenas de homens (apenas brancos, em 1957, e misto, 40 anos depois). E seria complicado transformar alguns personagens em mulheres, já que mudaria toda a dinâmica. A versão de 97 ainda tenta colocar uma juíza (Mary McDonnell, de Dança com Lobos), mas é pouco. A ausência de mulheres ainda pode não chamar a atenção em algumas áreas, mas num júri, seria inegável.
O filme de 97 também tá cheio de atores famosos. Além do grande Jack (Quanto Mais Quente Melhor, Se Meu Apartamento Falasse), tem entre os jurados James Gandolfini (Sopranos), William Petersen (CSI), George C. Scott (Patton, Rebelde ou Herói, Dr. Fantástico), Hume Cronyn (Cocoon), Ossie Davis (Faça a Coisa Certa), Edward James Olmos (O Preço do Desafio, e o detetive colega do Harrison Ford em Blade Runner), Armin Mueller-Stahl (Shine, Senhores do Crime), e Mykelti Williamson (o Bubba de Forrest Gump). Mas deixa eu tentar explicar por que prefiro o de 57 (fora a interpretação mais assertiva do Henry).A cena mais conhecida do clássico, aquela em que o jurado racista inicia um monólogo cheio de ódio contra “essa gentalha”, e os jurados se levantam um a um, deixando o irado falando sozinho, não funciona tão bem no remake. Nele, os jurados dialogam com o irado. O monólogo e a mesa vazia são muito mais eficazes. E tem uma escolha que eu considero bem problemática: quem faz o jurado racista na versão de 97 é um negro. E, numa história que não menciona religiões, é desconfortável que, nessa versão pra TV, esse jurado seja muçulmano com direito a chapéuzinho e tudo. Entendo que o discurso do sujeito nessa versão seja de racismo contra hispânicos (o rapaz acusado é hispânico), mas é complicado usar um negro pra ser racista. Não que eles não existam, mas, pô, pra mim o personagem tem que ser o típico homem branco padrão. Ou o pessoal que refez o filme achava que o racismo de brancos contra outras raças estava datado em 97?Também funciona muito melhor o jeito do jurado com problemas pessoais mostrar a foto do filho, e depois rasgá-la, como acontece na versão de 57. O modo como ele diz “Not guilty” (inocente) passa mais a ideia que ele está absolvendo o filho. George C. Scott é um ator excepcional, sem dúvida, mas nesse caso a idade atrapalha (ele, já velhinho, dificilmente teria um filho adolescente), e o Lee J. Cobb, com todo seu cinismo, marcou o papel em 57 (tanto quanto Henry marcou o seu).
Um outro detalhe que faz toda a diferença é que, na cena em que o jurado dos problemas com o filho vai mostrar como foi a facada (ou punhalada), na versão de 97 ele pede um voluntário, e quem se levanta é o Jack Lemmon. Essa cena é cheia de tensão porque, antes dela, vemos o jurado exaltar-se e gritar “Eu vou te matar!” pro dissidente. Então não é de bom tom que esse mesmo sujeito realize uma demonstração envolvendo uma faca e o corpo de seu desafeto. Que o filme faça com que o jurado “do bem” se voluntarie dá a ele poderes místicos, meio “bom demais pra ser verdade”, sabe? No filme de 57, Lee J. Cobb não pede voluntários. Ele vai até alguém que já está de pé, e esse alguém calha de ser o Henry Fonda. Claro que a continuação dessa cena (nas duas versões) já revela um monte sobre o caráter do jurado bonzinho, já que, quando o irado usa a faca e todo mundo espera o pior, o bonzinho nem pisca. De todo modo são dois ótimos filmes feitos a partir de uma teleplay incrível. Os conservadores odeiam a trama porque ela é sobre como um “bleeding heart liberal” (um sujeito que insiste em ver o contexto da criação do acusado, e que não quer mandá-lo pra cadeira elétrica, até porque o guri tem apenas 18 anos — alô você que defende a redução da maioria penal, tudo bem?) convence uma cambada de homens de cabeça feita a refletir e mudar de ideia. Ao mesmo tempo, o filme de 57 é um hiper clássico do cinema não só pelas suas inúmeras qualidades, mas também porque traz um tema querido aos americanos: o do indivíduo que luta sozinho contra todo um sistema. E ganha, lógico.

13 comentários:

prof.Cleia disse...

Ola Lola, tudo bem?

Desculpe usar esse espaço desse post,mas é que gostaria de uma opinião sua.
É que lendo o seu blog, descobri que você é ateia, e não gosta de religião.

Queria a sua opinião sobre esse vídeo de um pastor americano:

http://www.youtube.com/watch?v=jZ9V7YqINe4

Nesse vídeo ele fala que também odeia religião.
Gostaria que você me dissesse sua opinião sobre o vídeo.
Obrigada pela atenção.

Luciene disse...

oi lola,
estou escrevendo pela primeira vez mas acompanho vc a algum tempo e adoro seu blog, andei lendo uns posts antigo e achei o que fala das histórias de horrores que as mulheres vivem, tenho a minha tbm e gostaria de dividir com vc pois passei mais de 20 anos sem conseguir falar sobre isso e recentemente descobri que fui a vítima e não a causadora, gostaria muito de poder te enviar minha história por email. agradeço a atenção dispensada. abraços.

DH disse...

Grande filme, dos meus preferidos. Não vi a refilmagem. Interessante, dia desses estava relembrando esse filme mentalmente e lá o personagem do "jurado bom" era feito pelo James Stewart. Só agora lendo o post da Lola é que me toquei que é o Peter Fonda quem faz o papel.

Acho que pensei no Stewart no papel principal por ele ter feito o "A mulher faz o homem", que também tem essa dinâmica de 'um contra todos'.

lola aronovich disse...

Luciene, pode me enviar um email: lolaescreva@gmail.com

Prof.Cleia, estou trabalhando e com pouco tempo pra ver um vídeo, mil desculpas. Eu não gosto de religião PRA MIM, mas acho que ela pode ser positiva pra muita gente. Falei um pouco sobre isso aqui e aqui. Abração!

Bruno Stern disse...

Quando o filme começou a des descrito, lembrei do remake e fiquei na dúvida se era a mesma história. Fiquei em paz com minhas lembranças quando citou o remake.

É o efeito colateral de ver filmes pela metade na TV a cabo. Sempre ficamos em dúvida sobre o que se trata.

Pelo pouco que entendo de direito, essa história de um jurado contra os outros não é realizável em nosso direito. Nos EUA, só há decisão com consenso, enquanto no Brasil pode-se decidir por maioria.

Jaquee Ribeiro disse...

Realmente agora é bem fácil baixar filmes, mas a desculpa é a net ruim. Enquanto isso a lista de filmes para assistir só aumenta...

Cristine Martin disse...

Excelente análise, Lola!

Os dois filmes são muito bons, mas realmente o primeiro sai ganhando. A história é datada sim, e a tentativa de modernizar nem sempre dá certo. Sorte que nas duas versões o elenco é de primeira!

Também escrevi sobre esse filme no meu blog, e achei interessante como mesmo tendo a mesma opinião sobre o filme, acabamos escrevendo textos bem diferentes. E é isso que é legal! Se quiser ler, aqui está o link:

http://www.terracotabolsas.com/rato/?p=278

Grande abraço!

Pentacúspide disse...

Eu vi o remake ainda na semana, e não me pareceu nada uma história datada. O que se discute no filme é a questão da humanidade, aquilo que chamarias e datação eu chamaria de motivo para viajar no psique das pessoas. O filme, na minha perspectiva, que o admirei mais pelo lado psicológico, é atemporal. As diferenças, as fobias, as agressões transferidas, as etc., que nele são demonstradas continuam a acontecer, e não me parece que vão parar no próximo século.

Ághata disse...

Legal, fiquei com vontade de assistir. =}

Shiryu de Dragão disse...

So assisti a versão em preto-e-branco e adorei. Sobre o homem que bate no filho é pq ele descobriu que o filho é gay. Mas como isso é tabu na época, então fica subentendido. Até pq na foto ele está alegre. Afinal, todo gay tem bom humor.
E sou a favor sim de pena de morte e redução da maioridade penal. Isso pq vc nao assiste jornalismo cão pra saber o que criancinhas fazem. Tem adolescedente de 12 anos estuprando mulher adulta e roubando carro.
A proposito, tb sou a favor da castração de pobre pra reduzir a pobreza.

Wonderwoman disse...

Pertinencia tematica deveria ser exigida ate pra trollagem!

Como ja disse tantas vezes pra vc, aqui e no twitter, adoro suas criticas de cinema e ADORO 12angrymen, eh dos meus filmes favoritos, sem duvida.
Bela analise.
(estou num note sem acentos)
beijos

Teresa Silva disse...

Mais um clássico pra minha lista de filmes a assistir.
Falando em Henry Fonda, repararam que o Lula terminou seu último pronunciamento fazendo paráfrase de um trecho de As vinhas da ira, o clássico I'll be there?

Jether disse...

Eu assisti primeiro o remake, e gostei mais que o original, achei as atuações melhores, mas sei lá.