terça-feira, 16 de novembro de 2010

UM CHOQUE CULTURAL CHAMADO VARAL DE ROUPA

Quando eu falo ninguém acredita, já que configura um dos mais imensos choques culturais que conheço: em vários lugares nos EUA é praticamente proibido secar roupas em varais externos. Como eles vivem numa cultura em que consumir é muito incentivado, varais de roupa são vistos como coisa de pobre. Assim, as comunidades alegam que, se alguém pendurar seus trapinhos num varal, estará desvalorizando a vizinhança (e expondo as crianças a obscenidades, como peças íntimas molhadas).
Em comunidades que contam com Associações de Moradores, que fazem as regras de convivência, é simplesmente proibido usar varais. Assim como não é permitido ter uma plantaçãozinha de vegetais no seu jardim - gente rica deve poder comprar seus legumes não-orgânicos em supermercados de luxo, e usar seu jardim para coisas bonitas, não úteis, como plantar flores. Se você precisa de um exemplo definitivo de como o conceito de praticidade está ligado à pobreza (pobres precisam ser práticos!), e futilidade e beleza à riqueza, pense na indústria da moda.
Mais que qualquer outra nacionalidade no mundo, americano rasga dinheiro: 5 bilhões de dólares por ano são gastos em energia para secadoras de roupas. 90% dos americanos usa secadoras, que representam entre 6 a 15% da energia de uma casa. Dessa forma, fica fácil pros EUA consumirem um quarto da energia do planeta. Um documentário chamado Drying for Freedom (Secando pela Liberdade; veja o trailer maior e menor) trata desses números, pressiona americanos a aposentadorem as secadoras e usarem varais pelo bem do meio ambiente, e afirma que impedir que pessoas adotem varais vai contra a liberdade individual de cada um.
Mas é muito difícil mudar esse hábito. Claro que, nos lugares frios, não há como secar roupa fora durante metade do ano (roupa molhada congela! Tente colocar alguma no seu congelador. E aí imagine uma temperatura umas três vezes menor que a do seu freezer). Mas na outra metade do ano, dá. E o problema não é não poder usar varal por causa do tempo, é não poder usar porque seu vizinho é contra. E problema maior ainda é não querer usar, porque você foi educado a crer que só gente sem recursos deixa roupa secar ao sol. É algo estritamente cultural, e classista. Tanto que, um pouco mais em cima, no Canadá, onde faz mais frio ainda que nos EUA, há comerciais que aproveitam o charme e o apelo caseiro dos varais de roupa para divulgar cidades (veja um aqui).
Agora fiquei imaginando como será nos condomínios de luxo do Brasil, esses fechados. Lá proíbem que se seque roupa no varal também? Eu não duvido. Temos o costume de copiar o que há de pior dos países ricos. O que funciona a gente despreza, como é o caso da regulamentação da propaganda infantil, da implantação de direitos humanos, de leis mais rígidas no trânsito, da legalização do aborto... Mas tamos aí pra imitar tudo que é pensado para mostrar como nós, da classe média que quer ser rica, somos diferentes dos pobres. Opa, diferentes não: superiores.

66 comentários:

aiaiai disse...

na mosca, lolinha! Na minha vasta experiência em prédios da classe média posso te assegurar que sim, eles odeiam roupas secando ao sol kkkkk

Pode ter varal, mas que seja aqueles que ficam fechados dentro da área de serviço. Uma amiga vizinha, que tem criança pequena (muita roupa sempre) comprou um varalzinho portátil para colocar na varanda (sim, temos uma varanda, pequena, mas ensolarada...), e não pode usar. Vários moradores reclamaram com o síndico dizendo que era feio aquilo...e ela teve que se conformar de não poder deixar as roupas da filhinha secar ao sol.

Ana disse...

Moro na Austria e aqui todo mundo tem varal. Na minha casa,e de muita gente, nem secadora tem: durante o inverno, o varal fica num cantinho na sala mesmo e como o aquecimento fica a mil, as roupas secam rapidinho.

Fabiana disse...

Sou classe média, mais pra baixa que pra alta, afinal moro em Mauá - periferia da periferia de São Paulo - e só posso secar roupa dentro da minha casa. Não posso poluir a fachada do condomínio com meus trapinhos.

Ciro Adams disse...

Lola, como você ainda não aceitou no orkut, olha o que esse crápula comentarista da RBS, Luis Carlos Prates, falou na TV. http://contextolivre.blogspot.com/2010/11/rbs-malditos-miseraveis-que-agora.html

Nunca pensei... Agora entendendo porque em SC é o estado mais conservador do país e entendo porque lá não teve 2º turno, elegendo Raimundo Colombo e tendo os dois senadores de oposição eleitos.

Mariana. disse...

mas não, não proibem não.

Cris Prates disse...

Coisa mais ridícula! A roupa seca em secadora corre os risco de ficar com cheiro desagradável, encolher mais que o normal, queimar!
Eu fico me corroaendo por não ter espaço suficiente para pendurar minhas roupas...A gente usa aquele varalzinho que parece um cavalete.
Minha maior tortura, entretanto, é não ter mais espaço ainda para um quarador. Fico correndo atrás de um solzinho em qualquer parte da casa para manter as toalhas brancas...
Nos EUA todo mundo deve usar roupa cinza em vez de branca.

L.A disse...

Mas por aqui também existe essa ideia de que varal é coisa de pobre e mesmo em bairros populars já ouvi comentários de moradores dizendo que é feio e blá blá blá...

Cris Prates disse...

Lola, lembrei-me de um filme com Jerry Lewis em que ele tem 6 bebês e pendura todas aquelas fraldas no varal do lado de fora. Bons velhos tempos.

Cris Prates disse...

Olha eu de novo. No nosso prédio só se pode pendurar roupas nos fundos do prédio. Pode ser até na janela, mas se for pro lado da avenida principal a prefeitura multa.
Na verdade nunca fui checar essa informação que só apareceu depois que a antiga síndica faleceu e uma outra assumiu.

Sardenta disse...

Como sempre, adorei seu post. Incrivel como as pessoas não querem deixar seus luxos, além de uma cultura completamente preconceituosa em troca de algo necessário: uma vida sustentável!
Acho ridiculo quem fala por aí coisa de pobre, é o cumulo da ignorancia.
Mudando de assunto, não se se vc viu esse vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=uwh3_tE_VG4&feature=player_embedded

Estamos colocando no twitter #calabocaprastes

Leila Silva disse...

Quanto ao varal é isso mesmo, a maioria acha que não pode mostrar os trapinhos. Na Europa tampouco eu podia, só podia pendurar dentro da minha casa, onde só eu via. Quanto à horta, onde eu vivi nos Estados Unidos tinha até um canto destinado a quem quisesse cultivar, muita gente usava, plantava seus legumes. Minha prima que vive em Londres tem, por exemplo, tomates no jardim, deliciosos, ela tem muito orgulho deles.
Abraço

Flovi disse...

Sinceramente, a poluição visual dos varais me irrita. Deve ser pelo contexto em que vivo. Mudei-me para um condomínio dito de luxo aqui na Índia, e logo quando me mudei pra cá, recebi ordens estritas de não poluir a fachada do prédio com minhas roupas. Foi um alívio ler aquilo, mas não passou de um ledo engano. Bastou abrir a janela para ver tudo colorido, milhares de saris, panos, trapos e roupas diversas dependuradas pela vizinhança afora. A minha vizinha do apartamento de cima, então, tem a capacidade de lavar os saris dela e dependurar na sacada, e como são seis metros de pano, os saris cobrem a minha vista inteira. Dá vontade de puxar e jogar lá embaixo (moro no sétimo andar). Sério mesmo, eu ainda não fiz isso porque durmo até tarde. Mas se algum dia eu acordar mais cedo e quiser aproveitar o sol, ahhhhh, eu vou puxar mesmo.

Acho que você ter um varal que fique dentro da sua sacada nem é o problema. O problema é que sempre tem alguém sem noção que faz janela de varal, que faz a grade da sacada de varal, que tem a capacidade de dependurar roupas nos corrimões das escadas, pelo menos em prédios menores. Eu já vi isso, tanto no Brasil como na Índia, e olha que não eram em áreas pobres. Sinceramente, é abusar demais do direito de se fazer o que se quer com as próprias roupas.

Fabio Salvador disse...

Essa história do varal me lembrou outra característica dos condomínios de luxo: os tais de "padrões de construção", que servem para manter do lado de fora a gentalha: nesses condomínio, não se pode usar telha Brasilit (só telha de barro), não se pode construir nada de madeira, só de alvenaria, não se pode botar brita no pátio, só lajota, essas coisas. Ou seja, Zé povinho, que juntou uns trocados para comprar um terreninho, se você não tiver uma pequena fortuna para construir sua casa, pode ir dando o fora.

É ridículo. Mas a gente percebe essa "padronização" aburguesada e pró-artificialista nas cidades.

Vou contar um caso bem peculiar: minha tia Suzana teve há alguns anos uma doença que afetou a coordenação motora dela. Então, ela comprou um apartamento térreo numa área de classe média alta de Porto Alegre. O apê tem um pátio, que só podia ser acessado pela cozinha, enquanto a casa era escura e sempre necessitava de lâmpadas acesas. Minha mãe ficou encarregada de coordenar a reforma do lugar, e nesse processo, mandou abrir uma enorme janela/porta dessas, que se fecham com uma porta de vidro de correr, ligando a sala ao pátio. A casa arejou e iluminou, poupando energia, e dando maior qualidade de vida à moradora que, raramente, se animava a fazer o longo caminho pela cozinha para ir ao sol.

Os vizinhos são faltaram jogar bombas.

Outra polêmica foi essa do varal. Eles acham medonho que se possa ver, da rua, roupas penduradas nas varandas.

Eu percebi o fenômeno num condomínio fechado no qual tenho até hoje um apê, também em Porto Alegre. Aliás, lá também tinha outras regras do mesmo calibre: limitação às plantas, limitação a varal, limitação quanto aos materiais usados nas janelas... tudo numa tentativa vazia e ridícula de causar aquela impressão de "ah, que bonito, ah, neste lugar devem morar homens bons" quando alguém entrasse no lugar pela primeira vez. E eu disse "homens bons" numa referência à turma do professor Hariovaldo, nosso amigo blogueiro de direita.

Acabei fugindo para uma região rural, onde não existem tantas regras. Dentro do meu terreno, eu construo o que quiser e como quiser. E penduro as roupas da maneira que eu bem entender.

Agora, a cidade e a "civilização" estão avançando para cima do nosso distrito. Quando isso aqui estiver plenamente engolido pela "limpa e organizada vida urbana moderna", eu faço as malas e vou um pouco mais para o leste. O problema é que, mais 60 quilômetros nessa direção, eu vou ter que morar num navio no mar...

Nathália. disse...

Tem lei que proíba?
Tá nos estatutos dos condomínios ou coisa assim?
Se não... deixaria todas as minhas roupinhas secando ao sol, ocuparia todas as MINHAS janelas (os direitistas não valorizam tanto a propriedade privada? Pois bem!) com meus trapos, e no natal, ao invés dos pisca-pisca na varanda, colocaria calcinhas vermelhas, pra entrar no clima!

ila fox disse...

Que coisa heim? uma das vantagens de morar em casa é poder secar roupa no varal pô! que mundo. :-/

Teresa Silva disse...

Aqui no RJ tem uma regra estipulada pela prefeitura principalmente para prédios de apartamentos conjugados, onde o pessoal pendura roupa na janela por falta de espaço em casa. E tem síndico que proíbe com firmeza, dizendo que não quer que o prédio pareça uma "cabeça de porco".

Mari Biddle disse...

Oi, Lola, quando eu descobri que aqui nos EUA era proibição ter varalzinho de roupas, fiquei pasma! Vou por uma foto no Twitter do localzinho aqui em casa onde eu coloco peças maiores para secar.

As lavadoras aqui são fantasticas, as roupas não ficam com cheiro ou deformadas mas paga-se um preço altíssimo por tanta tecnologia e gasto de energia elétrica. Não poder secar roupa no varal é um dos meus top 3 entre as coisas que me faz ter um desgosto imenso de morar neste país.

Bjs

Bárbara disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Cris disse...

Eu morei em PT e lá é comum as fachadas com varal, mesmo os aptos super baixos, as roupas ao alcance de todos, muitas vezes arrastando no chão. Achei bem estranho tb.

Não gosto de roupa na fachada e, tão pouco, gosto de secadora. Acho que vc pode ter espaços internos para isso ou mesmo externos, como sempre tive no Brasil, sem ter que poluir o visual de ninguém.

abs

Bárbara disse...

Lola, você viu essa matéria?
"Why Women Are Their Own Worst Enemy"
http://www.time.com/time/nation/article/0,8599,2031310,00.html

patrix disse...

Nossa Lola, não sei se eu concordo.. concordo, em partes, mas acho que não é bem assim.. eu morei no Canadá ano passado, e acho que nunca vi um varal de roupa.. e imagino que nem tenha muito mesmo, porque com o super invernão deles, ia ser bem difícil da roupa secar (ainda mais em Montreal, aonde eu morei, que era meio úmido..). Hoje eu moro em Barcelona, e tem varal pra tudo quanto é lado!!! Fiquei super feliz de estender as roupas de novo, rs, tava sentindo falta!!

Marcos Vinicius Gomes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Marcos Vinicius Gomes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Marcos Vinicius Gomes disse...

Um post poético e singelo nestes tempos de barbaridades
Eu sempre achei a simbologia de roupas secando ao sol- principalmente coloridas - como algo relacionado à liberdade, à vida, ao recomeço.
Esse tema abordado é algo crescente no Brasil, onde tem tomado força um processo forte de 'americanização' onde atitudes corriqueiras e inofensivas como secar roupas ao sol ou fazer um telhado para compensar uma falta de espaço na casa de condomínio padronizada são vistas como algo 'sem classe'. Mas ninguém percebe (ou finge não perceber) a verdadeira falta de classe e civilidade que reina em certas casas, tanto lá quanto cá, referente à violência doméstica ou contra crianças, pedofilia, e o já consagrado uso de drogas em todas as camadas sociais.

Ana Paula disse...

Onde eu moro aqui nos EUA tem HOA (home owner's association), mas meu vizinho gosta de chamar de "home nazi's association". É cada coisa que temos que aturar. Temos quintal e jardim na frente e tenho que pedir autorização pra plantar qq árvore. Recebo notinhas me avisando que tenho 30 dias pra fazer minha grama da frente ficar bonita senão vou levar multa, ou que a porta da garagem precisa ser pintada senão, mais multa.

O cúmulo foi qgo eles mudaram as coreas das cercas (de bege pra amarelo-bege) e colocaram notinhas em todas as casas reclamando que nossas cercas estava feias e precisávamos pinta-las. Já que teriámos que pintar, era pra aproveitar e usar a cor nova. Tipo, maior cara de pau! Pra justificar e fazer a gente pintar da cor nova, esculacharam todo mundo. Até parece que vizinhos não se falam e não iam perceber que todos nós recebemos a tal cartinha com a mesma coisa escrita.

Eu penduro algumas roupas mas dentro de casa. Principalmente roupa do Brasil que encolhe mesmo, não foi feita pra máquina de secar. As daqui aguentam bem pois são fabricadas pra isso. Mas a máquina não deixa fedida não (alguém falou isso nos comentários), as roupas ficam cheirosas e tem uma folhinha pra tirar estática que vc poe dentro e fica mais cheirosa ainda. Agora bom seria poder por lá fora sim, pegar um solzinho. Pq as rouaps brancas aqui ficam cinza sim, não tem como desencardir sem um bom tanque (que tb não tem dentro das lavanderias) e uma corada!

Fabio Salvador disse...

tCHÊ, QUER SABER?
Comprei uma casa num condomínio fechado, e que eu acho lindo. Antes de mais nada, me assegurei de perguntar sobre as regras dele, e constatei que eram mínimas. Não gosto de regras. Eu fui um adolescente punk e, se não tivesse que sustentar minha família hoje, seria até meio hippie. ou punk-hippie, qualquer coisa.

Meu condomínio é muito bonito, lindo mesmo, porque tenho amigos para todas as horas, morando nas casas ao lado da minha. Porque a minha filha pequena tem as amiguinhas dela. É um lugar bonito porque a vida nele é bonita.

Minha casa é uma construção simples, com toldos cafonérrimos sobre as janelas frontais, uma casa de bonecas cor-de-rosa gritante no pátio, balanço de pneu pendurado na árvore, e uma plantação de aipim perto da cerca. Ah, e redes, multicoloridas e bregaças pendendo das árvores.

A grama, eu corto quando quero. Ou melhor, quando a minha filha reclama que não consegue correr sem roçar as perninhas no mato alto. Como ela quase não brinca no pátio durante o inclemente inverno gaúcho, o mato toma conta. E ninguém me notifica. E ai de quem tente me notificar.

um dia resolvi restaurar um velho Lada Laika, mas não tinha garagem para colocá-lo. A solução foi um puxado de Brasilit ao lado da casa. E ninguém disse nada. O Lada já se foi embora. O puxado continua lá. Trepei no telhado e coloquei uma antena horrorosa em cima dele. Ninguém reparou na falta de estilo da peça, mas minha esposa e minha filha repararam que as novelas e desenhos animados ficaram muito mais divertidos de se assistir. Aproveitando, botei do outro lado do telhado uma outra antena medonha, e agora navego na Internet e baixo montes de filmes da Moranguinho para a minha pequena.

Minha casa não tem lá muito estilo, e com certeza não tem muita classe. Mas é possivelmente a mais bonita da vizinhança. Aliás, para mim, é a mais bonita do mundo. Dizem que minha mobília não combina. Tem um divá vermelho na sala, que pode até não combinar com a cor dos armários, mas minhas costas não têm olhos, e se dão bem com ele.

Aproveitando o excesso de terreno ao redor da casa, fiz uma lavanderia só com teto, sem paredes. E é claro que aproveitei a quantidade de árvores para colocar, tremulando como um pavilhão da liberdade que cada um tem, de ser o quão "brega" e "cabeça de porco" se queira, UM VARAL!

PS: O que significa a expressão "cabeça de porco"?

Márcia disse...

Roupa no varal?

Dá até pra contar história!!!

Como canta Lula Queiroga:

"A saia balança as roupas bailam
Se ela estende no varal de nylon
Se ela estende roupa no varal

O vestido, blusa, o vento veste o sutiã
No varal de nylon
Na manhã árida do bairro

É, as nossas roupas bailam
E trocam botões e babados
Elas vão se cruzar logo mais
Quando a gente se encontrar
Nossas roupas vão sair pra jantar
Nos levar pra dançar
E depois ficar à sós
Suadas no tapete
Esquecidas de nós
É."

Mauricio disse...

Nos EUA, as pessoas usam muitos eletrodomésticos porque a energia deles é muito barata.

Eles usam tranquilamente secadoras de roupa, ar condicionado e até panelas elétricas.

Se bobear até cozinham no microondas.

É outra cultura, mais consumista, mais prática, mais rápida.

Mas iniciativas que os conscientizem a economizar a energia do planeta é interessante.

Existe um projeto para as forças armadas americanas no afeganistão, em usar energia solar para diminuir o consumo de gasolina.
Isto porque o litro de gasolina costa para as forças armadas, em torno de 38 centavos de dolar. Mas este mesmo litro de gasolina, para ser transportado para o Afeganistão, custa em torno de 138 dólares.

Eu tenho uma sugestão para eles ainda mais barata que a energia solar: desocupem o Afeganistão, vocês não têm nada para fazer aí, não é seu país, não se meta.

Quanto aos condomínios fechados, acho justo impor regras, para não transformar o lugar que teve uma idealização, em uma favelona.

eusoqueriadizer disse...

Nossa, q horror!!! rs

É tão bom colocar as roupas pra secar!!!

Isso não é coisa de pobre, é coisa de gente inteligente, afinal se nós temos como secar a roupa sem gastar dinheiro, pra q gastar???

Bjusss

Leticiabon disse...

Lola, me desculpe. Não dá para estender roupa num ambiente fechado para os olhares dos outros, mas aberto ao vento e ao sol, como as lavanderias? Ok, temos o meio ambiente, mas é MUITO FEIO ROUPA ESTENDIDA. Sei lá, aqui no prédio é proibido e quem estende na varanda leva multa. Sério, detesto ver roupa estendida em varanda de apartamento. Eu moro em apartamento e tenho sim que estender a roupa no varal dentro da área de serviço, e dá certo. A solução não poderia ser uma área fechada dentro de casa exatamente para isso?

bjs

nelsonalvespinto disse...

Trabalhei num sem-número de edificios classe média e alta por diversas cidades no Brasil. Nem é projetado espaço pra secar roupas em varal.

Só se for improvisado.

jovem broto disse...

pobres ricos, jamais teriam uma cena linda como a daquelas mulheres em amor brujo.

BSvox disse...

Aqui em casa, roupa so seca no varal.
Se estiver frio, secamos dentro de casa.
Temos que respeitar o meio ambiente e nossos bolsos.
risos.

Júlio César Vanelis disse...

Disso eu não sabia... Sério!
O cúmulo do consumismo, e o pior é que eles já nem tem de onde tirar a energia elétrica. Até a cultura deles é voltada para o consumismo... E o pior, como você bem citou, é que alguns brasileiros ainda tentam copiar, acham bonito...

Até o póximo!

zewrok disse...

Oi, Lola.

Gostaria de sugerir uma pauta pra vc. Ou melhor, gostaria de saber sua opinião sobre o caso do rapaz de 18 anos que estava beijando um garoto de 13 no cinema e, 'denunciado' por um funcionário do cinema, responderá por estupro de vulnerável.

Caso vc não tenha visto nada sobre, taí:

http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/829245-rapaz-de-18-anos-e-preso-depois-de-beijar-menino-de-13-em-cinema-da-zona-norte-de-sp.shtml

Carol disse...

Brasileiro é um bicho engraçado:

Não pendura roupa na janela ou sacada, mas depois vai para a Itália ficar tirando foto das pequenas cidades tradicionais onde isso é feito;

Destrói os edifícios históricos para colocar prédio espelhado no lugar e depois vai para Europa tirar foto de construção de 1.800 e pouco;

Fica comendo fast food, só anda de carro, engorda trocentos quilos e depois fica dizendo que acha estranho franceses comerem um tanto de manteiga e não engordarem;

Tira árvores para fazer estacionamento e depois reclama que está calor;

Não se importa com saneamento básico e tem inveja dos suíços que bebem água da torneira

Querem que o governo tome conta de tudo e depois reclama que nenhum Marck Zuckerberg nasce por aqui;

Temos MUITO o que aprender ainda, muito.

Em tempo: secar roupa no varal quando vive-se em uma cidade quente e seca como a minha (de coração, no interior, não a atual Sampa) é ótimo. A roupa fica macia, cheirosa e não tem coisa mais linda que panos coloridos no varal, pois isso significa vida na casa.

Especialmente quando alguma criança (ou cachorro) travessa decidem infernizar tudo. É vida!

Lu-Bau.Blog disse...

Boa pauta Zewrok. Foi bem na mesma época do ataque à Escola Jovem LGBT.
Eu fiquei na dúvida se a denúncia partir por uma visão homofóbica ou se realmente a pessoa estava "protegendo" o menor de um pedófilo. Creio que até a mídia neste caso ficou meio perdida, porque vamos admitir, quem tem 13 anos atualmente já tem noção do que quer e de suas opções e sabe do perigo de sair por aí com um estranho pela internet. Eu senti que a mídia viu mais um caso de homofobia do que de proteção ao menor.

Lu-Bau.Blog disse...

Secar Roupa no varal economiza, além da energia gasta na secadora, na hora de passar:

Uma boa calça jeans lavada e enxaguada com condicionador de roupas, quando está quase seca, deve-se dobrar e colocar no varal como se fosse colocar no cabide. Quando terminar de secar, é só guardar sem a necessidade de se passar. Roupas de cama idem, toalhas de banho idem, até roupas íntimas, camisetas. Aqui em casa a gente quase não passa roupa, pois usamos o ferro de passar natural: O SOL.

Koppe disse...

Tive que ler posts e comentários me segurando pra não rir, porque a cada segundo me lembrava daquele episódio do Chaves, onde a Dona Florinda ORDENA que o vizinho Sr. Madruga tire as roupas do varal, porque ela ia receber visita do Prof. Girafales e "causa má impressão roupa estendida no varal". O episódio todo gira em torno da raiva da Dona Florinda por causa das roupas e da brava resistência do Seu Madruga em manter as roupas (na verdade, uma calça) estendidas. Quem assiste ao seriado sabe que a Dona Florinda é metida a rica, se acha "da alta" e de vez em quando impõe caprichos aos vizinhos (como proibir animais), enquanto o Seu Madruga é pobre e humilde (no fim das contas, Seu Madruga é de longe o mais querido pelos fãs da série). Detalhe: a série é da década de 70! Já é uma cena clássica, épica, quando Seu Madruga, já indo retirar as calças do varal, de repente para, se vira para a câmera e fala: "NÃO!"

Cris disse...

Em um condomínio de classe média que morei aqui em Florianópolis, no bairro do Itacorubi, levei 200 reais de multa por deixar uma bicicleta na minha vaga da garagem. Exatamente isso, no lugar destinado ao meu apartamento na garagem.
A garagem poderia ser vista da rua e nela coloquei minha bike (e somente ela, nada de caixa, pneu de automóvel e afins) e ganhei uma multa, pois uma bicicleta numa garagem que poderia ser visualizada da rua poderia acarretar numa visão negativa para o condomínio. Sem dúvida carros consumidores de recursos naturais eram mais aprazíveis de serem vistos do que uma bike (novinha por sinal).

Koppe disse...

Outra coisa, é verdade que em alguns lugares tem moradores elitistas se reunindo e transformando áreas em condomínios, mesmo que alguns vizinhos não concordem? Já vi gente reclamando por aí que estava recebendo cobranças da taxa de condomínio sem nunca ter concordado em viver em um...

Lidiany CS disse...

Acabei de chegar em casa e vim ler seu post.
Eu moro na rua do condomínio Nova Conceição que foi construído pelo plano minha casa minha vida e que Dilma anunciava no horário eleitoral...

Esse condomínio foi uma polêmica aqui pq apesar de ser uma nova perspectiva pras pessoas que agora tem 'casas' de verdade, a maioria não gostou. Preferiam morar em uma casa mesmo que fosse de papelão e que não aguentasse chuva. Além disso, não sei que critério usaram para selecionar as pessoas pois diversas blitz já foram feitas e já é fato que o tráfico de drogas mudou de lugar junto com a favela.
Há isso não tava na propaganda.

O engraçado é que apesar de tudo, já vi várias pessoas reclamando que o povinho favelado do condomínio está pendurando calcinhas na janela.
Sinceramente, eu nem enxergo nada, apenas as paredes, podiam pendurar até bandeiras nazistas que eu não ia ver...

XD


Mas achei muito ruim essa questão de mudar o povo assim, à força. Eu comprei uma casa em condomínio, pq aq agora é moda...mas ela é casa msm não apartamento. Tenho pavor de prédio.

E eu colocava minha roupa onde eu quisesse. Mas em outro país...hummm....

Teresa Silva disse...

Fábio, pelo que vejo "cabeça de porco" é uma expressão usada só no RJ. É utilizada para dizer que um prédio é sujo, mal frequentado e coisas parecidas. Vem do nome de um cortiço popular que existiu na cidade no século XIX, que tinha a tal cabeça "enfeitando" a entrada.

http://www.favelatemmemoria.com.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=63&from_info_index=6&sid=4

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Acho que o problema é que os países criam seus costumes e as pessoas seguem muitas vezes até sem raciocinar o que seria melhor pra elas.
Uma vez trabalhei em um lugar que não era asfaltado, tinha muita poeira, muito vento e o pessoal lavava roupas e pendurava em varais como se faz em qualquer lugar do Brasil... no caso deles era desvantagem, rsrs...

Mas a diferença entre "classes" no Brasil é que todo mundo põe roupa no varal, mas quem é mais pobre ou não liga pra frescura, coloca pra secar na frente da casa, quem é mais rico ou quer aparentar ser, seca nos fundos da casa, rsrs

J.anquevitti disse...

Taí uma coisa que nunca parei pra pensar...sobre varal!! Oras, é algo tão óbvio, por que causaria polêmica?

Admito que roupas penduradas nas janelas de prédios é meio feio...mas quem sou eu pra interferir, cada um pendura onde puder ué!

Agora, é o cúmulo do absurdo querer proibir as pessoas de colocar roupas pra secar no quintal de suas casas. Descobri uma coisa boa de morar no interior de SP, ninguém aqui liga pra roupa no varal! rsrs

Adorei o comentário da Nathália!

Abraços

Laetitia disse...

Estou chocada! Nunca pensei que isso existisse. Uma casa sem varal cheio, pra mim, parece tão sem vida... adoro as cores, o perfume das roupas recém lavadas.

E hortinhas caseiras, então? Tem coisa mais hospitaleira do que poder oferecer as frutas plantadas em casa aos vizinhos? Pra mim, isso sempre pareceu um ritual de boas vindas aos recém chegados na vizinhança... (tá, sou romântica.)

Privar as pessoas de certas coisas e inventar outras - tipo regras: "isso é coisa de pobre, é proibido" - é uma das facetas mais crueis do capitalismo...

Flovi disse...

Koppe, eu me lembro desse episódio do Chaves! É hilário mesmo!

Mas sério mesmo, ainda continuo a achar que todo exagero que passa da medida é ruim. Poluição visual pra mim é tão irritante como a sonora.

Outra coisa que não entendo é: roupas escuras e coloridas duram bem mais se secadas à sombra. Portanto, um varal ao sol com roupas claras, eu até entendo. Agora fazer um varalzão ultracolorido e ainda pendurar essas coisas nas janelas, parapeitos e afins, poluindo a vista de todos porque "a casa é minha", sinceramente, é uó. Da mesma forma que muitos de vocês reclamam do vizinho sem-noção que tem um alarme de carro ou casa irritante, eu me sinto no direito de reclamar dos vizinhos sem-noção que tapam a minha vista com tanto pano colorido.

Luciana Matos disse...

Adorei o texto!
E sim, sou pobre, seco roupas no varal do meu quintal!
hahahahahaha
beijo!

Michel disse...

Temos varal, que fica na área de serviço. Usamos também. Mas lavar roupa com lavadora/secadora é mais prático. Não precisa estender aquela coisa toda. Louvam-se as qualidades do sol até que tenhamos uma semana inteira de chuva. Quanto tempo uma calça Jeans leva para secar nessas condições? Talvez quem use secadora possa se dar o luxo de ter menos peças de roupa. Em 3h a roupa está lavada e seca. Então a questão do consumo é muito relativa...
Garanto que não dá mais que R$10/mês de eletricidade, nossa conta vem R$50 (e temos chuveiros elétricos, por falta de opção no prédio).

Rafaela disse...

Lolinha,
essas regras são mesmo muito esquisitas. Eu moro em casa fora de condomínio, e a primeira coisa que eu fiz após a mudança foi uma hortinha de ervinhas, alho, plantei uma jaboticabeira, um coqueiro e uma acerola, que um mês depois já estava produzindo- luxo, poder e glória.
Aqui no Tocantins temos um problema pra secar as roupas na época das chuvas, porque chove todos os dias MESMO. Acabei comprando um varal de teto, parece até que moro em apartamento.
Em BH, que é onde eu nasci e mora toda a minha família, vários condomínios de luxo tem regras ainda mais estranhas. A pessoa gasta 500 mil reais só com o terreno, mas o condomínio escolhe quais raças de cachorro você pode ter. Não adianta explicar que seu pastor alemão tem 15 anos de idade, catarata e artrose. A raça é proibida no condomínio. Pra mim essa é a fronteira final da insanidade.

Mariana. disse...

Flovi falou tudo.
Alarme não? varal também não.

Ou tudo bem eu ouvir música alta a hora que eu quiser (em condomínios ou não?)

elaine disse...

Engraçado que aqui na Inglaterra os "conjuntos habitacionais" criados pelo governo tem áreas enormes com varais construídos prontinhos para serem usados. Ha vários "allotments" que são jardins comunais para se plantar. Em cidades grandes como Londres a lista de espera pode durar anos.

Eu uso secadora e varal. Confesso que acho feio os varais, mas estou ciente que eh por pura vaidade visual minha. O certo mesmo eh varal.

(desculpem a grafia, eh bem defeituoso o meu teclado em português)

Márcia disse...

Bem, aqui em Recife faz um calor danado, e, apesar da umidade, o calor vence e seca rápido a roupa na área de serviço.

Além do mais, morando próximo ao Capibaribe (rio), a circulação de vento é "ótema" no meu ap.

Mas como meus pais moram no interior há + ou - 1h daqui, numa casa com quintal cheio de varais, minhas roupas ficam num vai e vem quinzenal, graças às viagens semanais de meu irmão.

MAS... NÃO DÁ PRA COMPARAR O CHEIRINHO DA ROUPA QUE SECA LÁ.

No interior onde cresci (Limoeiro-PE), os quintais constumam ficar reservados, com seus varais e roupas. Entretanto, nos períodos chuvosos, os terraços colorem sim.

Só escapam do visual "plebeu" as casas com muro alto, "obóvio"!

O maior problema da proibição de roupas expostas nas varandas é a falta de alternativa. Os apto hoje em dia têm áreas de serviço ridículas de pequenas, embora se procure dar ventilação às mesmas nos projetos de engenharia.

É um problema a solucionar.

Mas também aqui no Brasil as pessoas não tem muito essa coisa de botar bocão, provocar a justiça, chamar o Ministério Público... enfim, exercer cidadania.

Não querem roupa no varal, ah, vai ter que ter alterntiva viável. VIÁVEL!

Sammy disse...

Eu tenho uma area de serviço mínima onde tenho um varal de teto e outro daqueles de armar (que uso quando lavo muita roupa). Tenho a sorte de meu apartamento ter uma boa localização em termos de circulaçao de ventos. Venta bastante e a roupa seca rápido. Lá em São Jose, no ap que eu morava, não ventava nada e o andar era baixo. A lavanderia tinha cheiro de "cachorro molhado"...rs

Temos uma sacada e não é permitido estender roupas nela, nem q vc arme um varalzinho. Eu entendo essas restrições sob o ponto de vista estético. Porque você vai estender só uma camiseta, mas o vizinho sem noção vai estender tapetes, cortinas e etc. E vai virar aquela feira...hahhaha.

Ayrton Pontes disse...

Professora, a senhora num vai acreditar que até aqui no Brasil está acontecendo uma coisa parecida comigo! a vizinha nos proibiu de, mesmo tendo um quintal cercado com muro de tamanho razoável, colocar nossa roupa no varal!! Minha mãe que mantém uma política pacífica com os vizinhos acatou o pedido e agora estamos secndo as roupas dentro de casa! O.O
por sorte nossa casa tem dois andares e aí usa-se a varanda do andar superior para isso, mas mesmo assim... será que estamos caminhando para o mesmo rumo? me preocupo...

Leticiabon disse...

Serio, estou lendo esses comentário aqui e pensando se existe alguém na face da terra que goste de varal ate mesmo dentro da própria casa. Alguém ai que esta idealizando e tornando romântico o ato de estender roupa, realmente estende roupas???? Fala serio. Dói o braço, quando chove tem que sair correndo. Se alguém realmente gosta disso e nAo de uma máquina de secar, parabéns, você tem tempo de sobra.

Vitor Ferreira disse...

Lola, sabia que eu nasci de uma queda por causa de um varal? Eu nasci no inverno (leia-se época de chuva). Minha mãe com 8 meses estava estendendo umas roupas no quintal e escorregou na lama. Por causa no barrigão ficou lá com dificuldade pra se levantar. Meu irmão, com quase dois anos, achou que ela tava brincando e se esparramou na lama também. Um dia depois eu nasci.

Lembro demais dos tempos que eu morava nessa casa, do quintal enorme com uma goiabeira gigante, a correria pra tirar "os pano" quase enxutos quando chovia, e estender de novo quando estiava, o cachorro pulando pra arrancar as peças de cores berrantes, etc. Mesmo hoje que meus pais se mudaram pra um prédio na área nobre na cidade, eles ainda não tem máquina de lavar ou secar. Minha mãe meio que tem pena de comprar a máquina porque lá em casa tem uma lavadeira que já trabalha lá há uns 13 anos e que precisa do emprego. Infelizmente ainda existe uma população que hoje não tem outra perspectiva de ocupação.

Vitor Ferreira disse...

Mariana, o varal fica na casa de quem estendeu, já o alarme quando toca, toca pra quem estiver perto ouvir, não toca só na casa que tem o tal do alarme. Se você não olhar pra casa do seu vizinho, garanto que sua vida vai continuar, mas se seu vizinho estiver ouvindo Joelma topado, nem que você não queira você vai ter que ouvir.

Aqui nos EUA tem alarme de fumaça em todo apartamento, e acho que casas também. Se você tomar banho quente de porta aberta, a desgraça dispara. Imagina o quanto de alarme falso que já não houve por aqui. Sem contar o susto que causa. Acho que deve morrer mais gente de ataque cardíaco do susto do alarme falso do que de incêndio. E depois de tantos casos, acho que se houver um incêndio de verdade, depois do pulo e do cabelo em pé por causa do barulho estridente, todo mundo vai achar que foi só mais um alarme falso de novo.

E Flovi, sinceramente, tanto pano colorido pendurado tapa sua vista do que? Da vida alheia? Porque um lençol numa varanda de alguém vai tapar sua vista da mesa de jantar deles.

Ayrton, eu diria a sua mãe que há uma diferença entre ser pacífica e ser frouxa. Manda essa vizinha intrometida ir dar ordem nas nêga dela. Jamais que eu mudaria meus costumes pra agradar vizinho. Ela tá se incomodando em olhar pro meu quintal? Azar o dela. Que suba o seu muro ou vire a cara.

Lola, tem vários filmes com cenas de varais que são esteticamente belas. Na mente me vem agora Billy Elliot e Brokeback Mountain.

Nathalia, tira uma foto do seu varal natalino e posta pra gente.

Fabio Salvador disse...

RESPOSTAS CURTAS:

FAVELÃO
Pô Mauricio, essa tua preocupação em ver o condomínio "virar um favelão" é a coisa mais reaça, preconceituosa e elitista que eu li hoje. E daí que vire favelão? Eu sou um cara que tenho uma filha pequena e morro de medo de colocá-la em escola particular, porque tenho medo que ela desenvolva algum sentimento de preconceito de classe por não conviver com gente "do favelão".

VISUAL
Ah, as roupas secando ficam "feias" e o síndico distribui multas? Não aqui no meu condomínio. Eu corro o risco de soar "agressivo" como já aconteceu antes, mas logo que cheguei aqui, deixei claro para todo mundo que eu teria minha vida e que as pessoas inteligentes e sensatas não deveriam tentar opinar sobre ela.

CRIS E A MULTA
É um absurdo essas regras de condomínio para regular o que cada um faz com seu espaço privado. Eu duas vezes fui multado no condomínio onde morava antes. Não paguei nenhuma das multas. Uma foi por guardar as rodas de ferro do meu carro no box da garagem. E a outra não lembro, acho que foi por pendurar uma faixa de candidato na janela da fachada. Fui lá, meti o dedo na cara do síndico e disse que não pagaria nada. Depois, ele caiu, numa eleição, e outro assumiu o lugar. Eu ajudei, claro, o novo síndico. Minha vingança tarda, mas raramente falha. As multas, nem sei, nunca mais se falou no assunto.

SECADORA E LAVADORA
Essa história de "pobre querendo parecer rico" é típica. Eu vejo todo dia, gente que mal tem $ para comer, vindo aqui na companhia reclamar do valor da luz. Mas eles ainda por cima, pagam secadora e lavadora de roupa comparada em um trilhão de prestações, sem notar que com isso fazem uma dívida e ainda aumentam o gasto em energia.

VARAL COBERTO
Eu já adotei outra tática devido ao fato de que, aqui no RS, passamos 4 meses debaixo de chuva, serração e nevoeiro: "expandi" a área de serviço simplesmente fazendo um piso de cimento em uma área onde antes havia grama, e um telhado de brasilita por cima deste piso. mas não fiz paredes. É tipo um corredor, coberto, que se espicha da casa em direção aos fundos do terreno. E nele está o varal. E não, não fiz isso nos fundos para esconder que penduro roupas. Fiz nos fundos apenas porque é lá que tem o encanamento da área de serviço.

ALARME E VARAL
Vitor falou tudo: o alarme toca e incomoda universalmente (eu já expliquei como posso ao mesmo tempo amar carros e detestar alarmes). o varal só incomoda a quem se horroriza com ele. Assim como um beijo gay em público só horroriza a quem ainda vive no século passado. Mas isso é problema do observador, não do objeto observado.

Flovi disse...

Victor, xuxu, eu tô falando do meu caso específico =D

Assim, a vizinha de cima dependura uns panões no parapeito da varanda dela. Como ela mora EM CIMA, a MINHA vista da MINHA janela fica tampada, ou seja, eu olho pra varanda e vejo um sari, e não o lindo céu azul =D

Ou seja, nem sempre essa história de 'a janela é minha' é válida. Vide a pentelha da minha vizinha, que insiste em dependurar os lençóis imensos dela e tapar a minha vista, entende?

Mauricio disse...

Flovi,

será que se você conversar com ela não adianta?

De repente ela não sabe que está incomodando.

Tem gente que não tem simancol mesmo.

Agora, se a conversa não adiantar, compre aquela churrasqueira portátil e faça um churrasco perto da sua janela justo quando o sari dela estiver quase secando.

Nunca mais ela faz isso, hehehehe.
(to brincando. partir para a agressão nem sempre é a melhor alternativa).

Flovi disse...

Pois é Maurício, já falei com o síndico que disque falou com ela, só que assim, é um problema cultural mesmo, pois todo mundo faz isso e todo mundo tapa a vista de todo mundo e eu acho, sinceramente, uma sacanági, mas quem mandou eu não alugar o cafofo no último andar, né... quando eu morava no Brasil, muuuuuuito tempo atrás, uma senhora que morava no quarto andar dependurava os lençóis dela na janela de vez em quando. Mas como era muuuuito de vez em quando a minha mãe não estressava. Mas aqui é quase todo dia =/

Vitor Ferreira disse...

Flovi, a liberdade de um acaba quando interfere na do outro. Se ela extrapola o espaço dela, aí é hora de você mostrar que ela está incomodando. Tudo bem que ela estenda na casa dela, mas não pode interferir no espaço alheio. Fale com ela. Se ela não cooperar, eu botaria a churrasqueira pra funcionar...

Flávia disse...

É, comparar alarme de carro com varal de roupa... Realmente, tudo a ver.

Afinal, da mesma forma que eu acordo de madrugada com o som alto do vizinho ou alarme de carro, basta a vizinha colocar a roupa na janela pra eu despertar espumando de raiva!

Flávia disse...

Poluição visual pra mim é outdoor, estrada, carros, poste de fios elétricos...
Agora, roupa de varal...?
[Exceto no caso da colega que tem a vista tampada pela roupa, né, ninguém merece.]

Daniela disse...

Vim parar aqui pq acabaram de me mandar tirar os meus lençóis da varanda (pendurei eles na rede de proteção... hehehe). Na hora não me veio à cabeça perguntar o motivo, então vim procurar na net... É cada motivo né? Ainda mais no meu caso, minha varanda fica virada pros fundos. Não dá pra ver da rua. Vai entender...