quinta-feira, 11 de novembro de 2010

GUEST POST: MEU NAMORADO É UM MALA PRECONCEITUOSO

Recebi este email de uma leitora querida antes do primeiro turno, e pedi autorização para publicá-lo. Só que o tempo voou, e eu resolvi colocar no blog textos mais relacionados com as eleições. Mas agora deixo aqui esta mensagem. Ahn, o título intolerante do post é meu, claro. Mas quem já não passou por isso? A gente está num ambiente social e nosso namorado/marido/alma gêmea etc começa a fazer piadinhas preconceituosas sem parar? E nesses casos sempre aparece um fiel escudeiro para lhe dar gás. E quando é a festa toda, e você é a única incomodada com as piadas? Claro que o problema aqui é mais sério. Não é só que o namorado dessa leitora, com quem ela vive junto, por quem ela mudou de cidade, faz piadinhas. Todo o pensamento dele deixa a desejar. Como mudá-lo? A gente tem que mudá-lo? Deve aceitá-lo como é? Pode aceitar conviver com um preconceituoso? Deve fazer as malas e adios? Não acho que existe uma resposta única e correta, e por isso peço para que vocês dêem sugestões a essa leitora. Imagino que todas nós tenhamos ampla experiência no assunto...

Resolvi escrever para você para contar uma experiência no mínimo angustiante...
Vim morar aqui no calorão do Centro-Oeste para acompanhar meu namorado que é piloto de aviões. Nós moramos juntos desde janeiro deste ano, desde que aceitei dar um "passo a mais" na relação, que já caminha pros 5 anos. Aqui fiz e tenho feito bons amigos que conheci na universidade, e na escola onde dou aula.
Na semana passada fui assitir a defesa de mestrado de um desses amigos queridos, e depois partimos para a comemoração na casa dele. Esse amigo é casado com uma pessoa muito amável, que se tornou minha amiga também. Na casa dele estavam presentes familiares e amigos dele que são pessoas ótimas, as quais conheço ainda muito pouco.
Chamei meu namorado para ir até lá, ele foi.
Só pra contar um pouquinho dele: ele me trata bem. Preocupado comigo. Porém, um pouco antes de morarmos juntos, eu já percebia muitas piadas e comentários preconceituosos, que nunca aceitei, e sempre chamava sua atenção por isso. Bom, não quero estereotipar, mas já o fazendo, ele é o tipo de pessoa que odeia o Lula e acha que a Geise Arruda mereceu o escândalo na universidade onde estudava, por ser vadia. Ele justifica essa máxima na atualidade por ela estar ganhando dinheiro na TV e posando nua em revista, enfim....
Não tenho mais energia para mostrar outras formas de reflexão que não sejam a do imediatismo dos meios de comunicação e da reprodução de todas as formas de preconceito. Isso já faço em salas de aula do ensino médio.
O fato é que nesse dia de comemoração pelo título de mestre do meu amigo, meu namorado, em meio aos familiares e pessoas que conhecemos tão pouco, manifestou de todas as formas suas piadas preconceituosas, de violência contra a mulher, e outras que preferi esquecer. Não quero dizer aqui que entre amigos de longa data e sem familiares no ambiente eu aceite tal comportamento. Nunca aceitei. E nessa noite, como em outras, eu pedi para que ele parasse, pedi para ele perceber o ambiente, as pessoas, eu inclusive... Lola, ele acredita que falando de violência contra a mulher ele não está falando diretamente de mim, que sou mulher!
Ele não parou e pior, ganhou um adepto (querido para mim também). Ambos me massacraram a noite toda, me dizendo que eu era intolerante, que esse meu comportamento de "pisar em ovos" não é nada autêntico, essa minha "mania" de querer agradar todo mundo os irrita, que tem que ser espontâneo, além do que a cerveja relaxa e não há problema algum em contar piadas....
Eu ainda tentei dizer que fazendo a piada, reafirma-se o preconceito, que tantas mulheres são espancadas por minuto, que aqueles comentários eram dignos de quem é altamente ignorante, leitor e praticante de Veja. Todo mundo na festa estava percebendo o desconforto, e eu tentando amenizar para não estragar tudo. Olha Lola, essa não foi a primeira vez que isso aconteceu, mas eu sinto muito por ter acontecido assim em meio a tantas pesoas que desejo manter por perto, inclusive o adepto, que não entendi sua postura ali.
Triste é pensar que tenho que aceitar, remediar a situação agora, desculpar-me diante das pessoas, e ainda justificar. É o que tenho feito desde que isso aconteceu. E ele levantou no dia seguinte como se nada tivesse acontecido, na maior tranquilidade.
Mais triste ainda é me ver perdida nisso, tentando achar argumentos convincentes, e com a necessidade de provar que não sou uma feminista mal humorada, e fazer as coisas voltarem a ser mais ou menos harmoniosas.
Queria você lá na festa pra me ajudar! Boa parte das pessoas ficou "do meu lado" -- a esposa do meu amigo, por exemplo.
Não sei se você já passou por alguma situação parecida.... mas me senti a vontade para te escrever porque adoro seu blog que leio há um ano e meio por indicação de uma amiga maravilhosa. Desculpe te "amolar" com um email tão longo, mas só quero saber o que você pensa dessa situação toda (acho que já sei!), e como devo me comportar diante disso...

69 comentários:

quantotempodura disse...

Vaza.
Por mais que se queira, não é possível continuar com uma pessoa que você não respeite as idéias e opiniões.

Pior, com alguém que não te respeita.

Sério. Já estive nessa situação. 3 vezes.

Hoje em dia eu tou MUITO melhor. Com alguém sensacional. Ainda bem que eu percebi cedo.

João disse...

Essa história de querer mudar as pessoas (os outros) não acontece com os inteligentes! Quem muda muda de dentro para fora. Muda porque entende que será melhor para si, não por causa dos outros, isto é, será melhor estar na companhia de alguém de quem gosta!

A autora desse e-mail está há 5 anos(!) com o cara e ele continua assim? E ela não gosta desse comportamento dele? O que ela está fazendo que ainda não partiu pra outro relacionamento? Será que ela não encontra alguém quem pense de forma semelhante a ela? Claro que encontra! É só procurar! Mas ela insiste em ficar com ele! Ele já mostrou que não muda, então o relacionamento está fadado ao fracasso. Ou à infelicidade dela. Mas ela já o conhecia bem antes de decidir ir morar com ele! Não sei por que ela reclama? Ele não ficou preconceituoso e quase intolerante depois que foram morar juntos! Ele era assim ANTES e ela aceitou ir morar com ele! Tinha que ter caído fora ANTES!

Priscila disse...

Ai, me identifico demais com esse post. Mesmo sem nunca ter tido um namorado babaca como esse, mas me identifico. Fico nesse dilema horrível quando saio com alguns amigos, foi especialmente doloroso quando a pessoa preconceituosa era uma garota, que eu sempre admirara pela inteligência. Ainda me acusou de ser feminista (o horror!). Na verdade, por mais absurdo que pareça, nessas hora fico tão perplexa e deprimida que não respondo à altura, não discuto, não nada. Só fico assim, como a garota do post, com medo de estragar o clima do encontro e botando tudo em panos quentes. E depois se sentindo um lixo, claro.

Priscila disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
João disse...

Corrigindo: ...alguém QUE pense...

Shiryu de Dragão disse...

Querida leitora,

Todos os militares são preconceituoso pq a profissao exige isso.
PS: Hoje no SBT, as 5 hroas da tarde no programa "casos de familia" o tema é "Vc faria um aborto?".

Nao percam!

Bjos.

Cynthia Semíramis disse...

Acho que esse tipo de situação só se resolve na base da conversa e da paciência. Muuuuita conversa (pra esclarecer onde estão os preconceitos que ele não vê) e muuuuuita paciência pra não surtar ao ver uma pessoa querida agindo de forma tão estúpida.

Claro que é bom pensar se esse stress todo vale a pena pra dividir o teto com uma pessoa assim. Se não valer a pena, melhor cair fora.

Outra coisa: você falou da "necessidade de provar que não sou uma feminista mal humorada". Não adianta lutar contra esse tipo de estereótipo, a partir do momento em que você se posiciona contra um preconceito contra mulheres, você passa automaticamente a ser considerada uma feminista (por ousar defender mulheres) mal humorada (pois pra essas pessoas, só alguém com muito mau humor consegue ver algo ruim em piadas sobre violência). Essa é uma forma de desqualificar sua opinião e te fazer suavizar o discurso até calar. Melhor não se incomodar com isso e gastar essa energia pra continuar defendendo seus pontos de vista da forma que achar melhor...

Victor disse...

Acho que o ideal é colocar na balança os prós e os contras antes de tomar uma decisão.

Tenho amigos próximos que são mais ou menos assim e nem por isso deixo de ser amigo. Não sei se teria um relacionamento com alguém de idéias TÃO OPOSTAS às minhas, mas isso é pessoal. Será que um dia o comportamente dele vai afetar mais gravemente a sua vida? Será que vale a pena? Será que ainda há esperança? Só você pode dizer isso...

Boa sorte =]~.

Mari Moscou disse...

Fiquei pensando se nesses 5 anos nunca te ocorreu que ele era assim. Aí pensei que talvez algumas "facetas" da personalidade das pessoas só se mostrem realmente quando vivemos juntos - e, mais ainda, quando elas percebem que estão no poder. Sim, ele está no poder - quem abandonou a própria vida pra se ajustar ao outro foi você, não ele.

Nenhum medo de ficar sozinha é suficientemente ruim para que você continue com ele, com o risco de acabar se anulando (veja que a sua preocupação é que as pessoas não vejam você como feminista!).

=Maíra= disse...

Bom, se você está com o camarada há CINCO anos, algo de bom deve ter, não é? Esse comportamento ficou evidente só agora ou já era evidente antes? No caso da segunda opção, você já havia tentado conversar com ele sobre o assunto?

Assim como a Cynthia, eu também acho que conversar é o melhor remédio... E também ver se esse comportamento é sintomático de outros mais graves, sabe? Por exemplo: as piadas são um fato isolado ou um sintoma de comportamentos machistas mais graves? Elas te incomodam o suficiente para querer sair fora?

Ao que me parece, o fato de ele se revelar uma pessoa preconceituosa te incomoda muito e cria um "climão" entre pessoas queridas.

Talvez, uma boa forma de começar a conversar, é desviar um pouco o foco do conteúdo das piadas (uma vez que ele já te taxa de "feminista mau homorada" e encerra a conversa) e focar nos efeitos desagradáveis que elas provocam em você e nas pessoas ao redor e no quanto é chato para você ter que remediar esses efeitos. Assim, em vez de ir da causa pro efeito, você pode tentar ir do efeito pra causa, tentando fazer com que ele mesmo refliat sobre a causa desses efeitos...

Enfim: divaguei bastante, mas espero ter ajudado de alguma forma!
Abraços!

Bianca disse...

Nossa...
nesse sentido eu sou sim uma intolerante.
Teria nojo de me relacionar com um cara q acha engraçadinho mulheres apanhando.
Nunca namorei ninguém assim e não tenho nenhum amigo desse jeito. Claro que convivo c um monte de babaca. Mas só em respeito às pessoas que amo e que por algum motivo bizarro gostam de caras como esse.
Pra mim "me tratar bem" ou " se preocupar comigo" não significa nada se o cara não quiser construir uma relação q tenta superar os lugares comuns destinados a homens e mulheres. Pra mim parceiro é aquele cara que para e me escuta com respeito qnd eu explico como é foda ser mulher nesse mundo machista.Se o cara não está disposto a isso, eu tô fora. Já tenho q conviver c muito homem assim por conta dos laços sociais ou familiares. Esses a gente não escolhe, mas os amigos mais próximos e o parceiro, esses eu faço questão de escolher. Não construo amor por quem me oprime. Preferia ficar sozinha..

Flovi disse...

É simples: ele não tem nada a ver com você. Eu já tive relacionamentos longos assim, e realmente quando a gente está dentro, nem dá pra perceber. Mas um dia a gente percebe, ah se percebe. E às vezes isso é bem sutil. No meu caso, a sutileza estava nas opiniões bem provincianas, marcadas por um alto grau de influência da velha mídia. Dei no pé. E não me arrependo.

Mariana. disse...

Mais uma que se identifica com a sua história.

Eu acabei de terminar um namoro que durou 3 anos e meio. Continuamos amigos, somos da mesma sala na faculdade, nosso círculo de amizades é o mesmo; então nada do que vou dizer aqui está eivado por rancor, porque não terminamos brigados. Terminamos porque – como namorados (e quando eu namoro eu penso em construir uma vida junto com a pessoa) – não estávamos mais dando certo. Quem sabe como amigos?

Enfim. Ele era machista. Eu não me incomodei com isso no início, porque ainda não conhecia o blog da Lola e não sabia que eu mesma era feminista. Mas depois que nos damos conta disso, passamos a reparar mais a atitude de quem tá do nosso lado, inevitável. E ele, quando me descobriu feminista, ficou um pouco espantado também. Porque uma garota bonita, bem criada, patricinha, educadinha, precisava ser feminista?

Ele não é do tipo que faz piada com violência contra a mulher. O machismo dele é mais relacionado com as mulheres que ele ama. E vem de berço. Por exemplo: ele concordou com os pais quando estes proibiram a irmã mais nova dele, 15 anos, de fazer aula de boxe, porque era coisa de menino. Ele implicava com meus decotes, coisa que meu pai nunca havia feito. Isso me incomodava tanto. Ele implicava com o esmalte vermelho, porque era coisa de 'puta'. A irmã dele arrumou um namorado. Aliás, já namorou 3 garotos aos 15 anos. Nada muito diferente dele nessa idade, mas ele me confessou que ficou com medo da irmã ficar falada. E acha super certo proibirem a menina de ir no cinema com o namoradinho. Eu não me conformo. As vezes ele soltava uma piada machista com os meninos, mas só coisa do tipo 'mulher só precisa contar até 6; já viu fogão com mais de seis bocas?' Mas era só pra responder às nossas próprias piadas de 'mulher veio depois porque homem é o rascunho'. Não implicava com isso. Agora, falar de violência, é tenso.

Eu senti também que em algumas coisas ele mudou. No caso da Geisy, por exemplo, eu o fiz repensar e senti que ele repensou. E isso acontecia em outros casos emblemáticos também. Não é que eu quisesse mudá-lo, eu só tentava mostrar outras visões, sem ser pretensiosa. Muitas vezes ele era receptivo. Outras nem tanto.

Minha amiga tem uma tática: não entrar em assuntos que se sabe de antemão que haverá discórdia. Ela diz que vive bem assim. Não sei o que pensar disso.

Mas garota, veja bem. Sabe o que me fez pensar muito sobre se o relacionamento poderia continuar (não foi esse o motivo do término, mas eu me peguei pensando muito nisso)? Enquanto formos eu e ele, tudo bem (na minha situação; não passei por piadinhas de violência). Mas e se tivéssemos filhos (e eu queria ter)? Eu iria querer educar de um modo (não batizar, dar os mesmos direitos pro menino e pra menina; os mesmos deveres), e eu já sabia que com ele, não seria assim tão assim. Talvez eu conseguisse convencê-lo de muitas coisas, mas haveria atrito. Seria desgastante.

Ninguém aqui pode te falar 'termine', 'dê mais chances'. Isso é com você. Não sei se você, como eu, pensa/pensou em construir uma vida ao lado da pessoa, ter filhos e educá-los juntos. Se sim, esse é um ponto a se pensar: é esse o pai que você quer para seu filho?

Stela disse...

acho que, pela primeira vez na historia desse blog, até os trolls concordam! hahaha

Júlio César Vanelis disse...

Nenhuma decisão precipitada é boa... Eu entendo a sua indignação, mas se vc foi capaz de mudar de cidade por ele, com certeza vc goista dele bastante. Mudar o pensamento dele vc não vai conseguir, mas vai poder fazer com que ele pense antes de falar, aja com mais bom-senso. Tente coloca-lo na situação inversa, em que todos são contra as ideias dele, assim ele vai perceber o quanto o seu pensamento é ridiculo...

Um abraço

ABD RO disse...

Blogueiros Tendenciosos: http://t.co/1dQ03KP

Amanda disse...

Gente, vcs ficam repetindo "ela ficou com ele 5 anos?!", como se tudo fosse assim desde o inicio. Eu aposto que ela amadureceu muito ao longo desse tempo e so agora esta se dando conta dos absurdos que ele diz. Mas o mais dificil vc ja fez, querida, que é assumir o grande defeito do seu amor, porque muitas mulheres preferem fingir que ele não existe ou minimizar as piadas, as brincadeiras, como se não fosse nada demais. Eh muito corajoso assumir que ele é preconceituoso e que isso te incomoda sim. O feminismo é um caminho sem volta: vc nunca mais vai rir das piadas preconceituosas dele. Não adianta nada eu dizer pra vc deixa-lo, pq eu sei que não é assim tão facil, mas eu fico aqui torcendo pra vc dar um pé na bunda do cara e voltar no blog da Lola pra nos contar da sua volta por cima! Beijos e boa sorte!

Ághata disse...

Huhauhauhauhahauha, eu sou suspeita pra falar porque gosto de ser solteira, mas, sinceramente...
Larga este mané! Pensa no tanto de pessoas legais que você tá perdendo de conhecer e de sair que poderiam te respeitar e ser menos escrotas.

Digo sinceramente a você que, pra nós, que estamos envolvidas emocionalmente com a pessoa, é difícil não perdoar ou querer amenizar os defeitos (às vezes, até desesperadamente) não só de namorados, como de parentes e até mesmo amigos.

Pela minha pouca e escassa experiência, já vi que não vale a pena. E, pra mim, discurso não vem dissociado de ações, mulher.

Por enquanto, ele é um doce.
Mas daqui a pouco, só você tá fazendo os trabalhos domésticos, só você estará cuidando dos filhos doentes, só você não poderá se dedicar a sua carreira, só você vai largar o trabalho pra acompanhar ele na cidade onde ele trabalha, ele vai te trair com meio mundo quando enjoar e só você que terá que aguentar os amigos malas no dia de churrasco fazendo a zorra na casa (ah, e se reclamar, a família toda dele vai comentar como você é uma 'chata') - pelo menos, é isso que acontece com as pobres coitadas das mulheres que namoram/casam com algum primo ou conhecido machista meu. Tô falando sério, tudo que relatei são coisinhas que já cansei de observar, tá?

Daí, uns três aninhos depois, a coitada fica se lamentando que 'aguentou o que pôde' e 'perdeu tempo e oportunidade' e sabe-se lá o que mais porque ficou com o zé ruela.

Mas, te garanto, no início, ele sempre parece bonzinho, bem humorado, divertido e por aí vai.

Sai dessa enquanto ele ainda tá só na teoria.

Ághata disse...

Priscila, eu discuto, eu faço o barraco, a casa cai e aí depois ficam meus parentes e conhecidos todos chateados e falando mal pelas minhas costas, Mas, depois, são eles que ficam cheio de cuidados na hora de usar as palavras.

A questão não é se afastar de todo mundo que pensa diferente de você - isso é intolerância (admito que sou até um pouco intolerante, mas tô bem assim, embora eu pretenda melhorar esse aspecto do meu mau gênio num futuro próximo). Mas tem coisa que não dá pra tolerar. Tem limites.

Como, claro, estudo em faculdade particular, faço estágio numa entidade de economia mista, tô em determinada classe social e numa cidade com cultura diferente da minha, é óbvio que tenho amigas e amigos que pensam de forma radicalmente oposta a minha -patricinhas, alguns que são de direita, conservadores, que votam em quem 'rouba mas faz', alienados, por aí vai.

MAS, me respeitam. Se sabemos que temos posições diferentes, ok, não vamos discutir nem desqualificar o outro por causa disso. Mas se algum colega/amigo(a)/namorada(o) minha/meu, por mais que achasse a Lei Maria da Penha injusta para com os homens e, por causa disso viesse com essa de 'eu ser intolerante, nazifemista' por aí vai. Já era, né? Vai manter convívio pra quê? Só faremos mal um ao outro.

Tem dia que eu ou outro se exalta, mas aí é normal, desde que não extrapole, neah...

Masegui disse...

Difícil dar uma opinião ou conselho, mas gostei muito do que a Mariana disse. São palavras sensatas que merecem uma boa reflexão e podem ajudar muito. Boa sorte!

Luma Perrete disse...

É complicado, né? Não dá pra dar uma opinião baseado só nesse relato, afinal de contas vocês estão juntos há 5 anos e com certeza deve ter várias coisas boas também.
Mas concordo com o que disseram em um outro comentário. Você tem que analisar como vai ser o futuro. Essas coisas vão passar a te incomodar mais ao longo do tempo? Se vocês tiverem filhos, como vai ser? E depois você deve conversar com ele sobre as conclusões as quais você chegou. Acho que é uma coisa contornável. Acho que dá pra fazer ele entender porque certas coisas te incomodam, porque você não acha certas "piadas" engraçadas. Tenta colocar ele na sua situação. Com certeza deve ter alguma piadinha que as pessoas fazem que tenha relação com ele (talvez com a profissão ou o lugar onde ele nasceu) e que incomodam a ele. Tenta fazer ele ver que é a mesma coisa com você. Voc~es dois são adultos, acho que dá pra resolver.

Eu nunca passei com esse tipo de situação com namorado, mas tenho um exemplo em casa: meu padrasto. Ele vive fazendo comentários super preconceituosos em relação a mulheres, negros, gays, evangélicos e mais um monte de coisas e nem percebe que está sendo preconceituoso. Ontem mesmo tivemos uma discussão porque ele queria me convencer que não teve ditadura no Brasil e que os militares só fizeram o que foi necessário para proteger o país. Ele disse tantos absurdos que nem consigo pensar em tudo pra escrever aqui. Acho que ele morre de medo que eu vire comunista hahaha É rir pra não chorar...

Ághata disse...

É, não sei qual é a dessa de 'nossa, mas vc tava com ele a cinco anos'.

Qualquer criatura que tenha namorado mais tempo que isso sabe o quanto cinco anos é o bastante pras pessoas mudarem.

[Fora que estes guris machistas são mestres na arte de ter duas caras, chega a ser engraçado. Conheci vários e são todos muito carismáticos, bonitinhos, simpáticos, cavalheiros ou coisa do tipo. Depois é que vai botando as garrinhas pra fora.]

Uma grande amiga minha de mais de década namorou uns anos com um guri aí. E é exatamente quando a coisa tá ficando séria (leia-se, quando o cara fica à vontade quando nota que você é apaixonada, já tá encarando o relacionamento a sério e fazendo concessões) que a gente viu a bronca: o cara começou a ficar folgado, desrespeitoso, já foi desfiando todos os valores sagrados da doutrinação Pátria, Família e Propriedade, começou a desrespeitar todo mundo, a sogrinha já aconselhando minha amiga que mulher tem que ficar do lado do cara, que esposa de militar sofre mesmo, que cuidar da casa e dos filhos é o mais importante, toda essa conversa...

Pois é, num instante ela terminou o relacionamento. Mas, creia-me, nos primeiros anos, um amor de pessoa...

Pri Sganzerla disse...

Acho que uma pessoa que está há 5 anos num relacionamento tem capacidade de avaliar as tranformações que foram acontecendo, tanto como casal, como com cada um, individualmente.

Ninguém melhor do que a própria moça para saber o quanto vale a pena investir, o quanto ela tem de energia e paciência e qual abertura que o parceiro dá para este tipo de diálogo.

Ninguém muda ninguém. FATO. O que podemos fazer é expor nossos pensamentos,cultivar o diálogo, jogar sementes que podem florescer no momento certo. Ou não. Porque as pessoas são diferentes mesmo e ninguém tem que pensar igual a ninguém.

A questão é que ela mora com o cara. Eles tem uma vida em comum. A avaliação deve ser em cima do quanto ela se sente agredida e se as qualidades que ele possui superam o constante mal estar em público.

Fora o fato de que se um dia o relacionamento chegar ao ponto de se pensar em ter filhos: é possível educar um filho de maneira tranquila e saudável se os pais pensam de maneira tão diferente? Como certos valores morais serão transmitidos à criança se a visão dos pais difere a ponto de gerar mal estar?

Só ela tem a resposta. Porque ela sabe seus próprios limites, tem conhecimento da personalidade dele e da dinâmica que possuem como casal.

Andréia Freire disse...

Só pra ressaltar aqui o que a Ágatha disse. Por enquanto é "só" piada, mas pense no futuro. Se vocês casarem? Se vocês tiverem filhos? Será que ele vai piorar? Como vocês vão conciliar duas visões tão diferentes na hora de criar e educar os filhos? Ele vai deixar casa e filhos nas suas costas, pra você cuidar de tudo sozinha? E se ele for transferido, você vai ter que ir junto? Vai ter que pular de emprego em emprego? Eu sou de uma família cheia de militares da marinha, mãe, pai, um tio materno, um tio paterno, um primo filho desse último (marinha mercante), meu avô paterno era da aeronáutica, meu irmão é do exército, tá até no Haiti... No casamento dos meus pais eu nunca percebi machismo escancarado (por ex, ambos trabalhavam o dia todo, então sempre teve empregada doméstica, minha mãe nunca teve jornada dupla), mas eu sei que o meio militar, em geral, é MUITO, MUITO machista. Não é preconceito, mas uma constatação baseada na realidade que eu já vivi. Claro que não vou dizer "todo militar é machista", claro que não, mas é uma tendência.

Andréia Freire disse...

E principalmente, se vocês tiverem uma menina? Como será a influência dele na formação dela? ;\

Paulecca disse...

Complicada a situação, já que a moça não só está com o cara há cinco anos, mas também mudou sua vida para ficar com ele.
Só que meu post não vai ajudar muito.
Eu sinceramente acho que a relação não tem como dar certo, ao menos a longo prazo. O papo de que opostos se atraem é uma falácia.
Pra ficar comigo pro resto da vida ou por um longo tempo é fundamental que pontos importantes como ideologia, mode de ver o mundo, crença e assuntos tão importantes quanto, tenham sintonia.
Senão a relação fica insustentável. Se a moça pretende ter filhos então, isso se torma mais sério. Como criar uma criança se cada um acredita em uma forma de ver o mundo? Um filho joga na sua cara todos os conflitos, todas as diferenças.
Eu não aguentaria estar ao lado de alguém cheio de preconceitos.

Vania e Chris disse...

Sou casada há 22 anos e acho que um dos sentimentos que faz com que a relação se mantenha é a admiração pelo caráter e ideias de seu parceiro. Impossível conviver com uma pessoa que vá contra o que você acredita, ainda mais nesse caso, qdo ela apresenta traços da ignorância que garante a sobrevivência dos preconceitos entre os homens. Desculpe, mas acho que você já sentiu que não dá certo, só falta tomar a decisão de sair fora!

Barbara O. W. disse...

tem comentários ótimos aqui e que podem realmente ajudar a moça. aliás, costuma ser uma característica as leitoras aqui serem feministas mas buscarem o contexto das coisas, aconselhar, mas entendendo a complexidade da questão. vocês são ótimas!

aiaiai disse...

Sai fora dessa armadilha enquanto é tempo. Tem muito homem por ai e logo logo você acha alguém com que queira realmente dividir a vida...ou não.

Mas não vai dar para vc dividir a vida com esse ai. E eles não mudam...pode ter certeza.

Qd vocês tiverem um filho? Já imaginou? Se for homem, o cara vai virar pro teu filhote de 2 anos e falar: para de chorar que homem não chora? Se for uma menina que quer jogar futebol: onde já se viu...vai fazer balé?

To falando sério. Sai desse namoro.

Homem preconceituoso pra mim só serve se for muito bom no sexo...mas ai é só pra me divertir uma vez ou outra...sou solteira e não devo nada a ninguém.

Digo isso porque já aconteceu. O cara era bom, mas a gente não podia conversar muito sobre nada, porque eu não aguentava...e ainda não gostava de sair com ele para encontrar amigos. Festa, nem pensar.kkkkkkkk. E ainda imaginava, se ele é assim, imagina os amigos dele. MEDO kkkkkkkkkkkkkk

Pentacúspide disse...

Não sei se é boa a justificação, como alguns disseram, de que a relação é condenada ao fracasso porque vocês pensam diferentes. Ora bolas, isso até me parece o dizer de de religiosos para os seus fiéis se afastarem de pessoas de religião diferentes, porque não vão poder educar os filhos.

Se a vossa relação sobreviveu cinco anos é porque o preconceito é um senão que não pesou muito na balança. Mas eu não quero entrar na tua relação pessoal, isso é um problema que tens que ser tu resolver, e só tu consegues, avaliando os prós e os contras.

O que me faz espécie, no entanto, é uma pessoa despreconceituosa como tu, diga frases como:

"Bom, não quero estereotipar, mas já o fazendo, ele é o tipo de pessoa que odeia o Lula".

Porque não se pode odiar o Lula, porque deve ser má qualquer pessoa que não vai com os ideais de alguém que admiras?

E a pior frase do teu texto:

"(...) aqueles comentários eram dignos de quem é altamente ignorante, leitor e praticante de Veja."

leleca disse...

Eu só me pergunto se julgar toda mulher que não trabalha e cuida dos filhos doentes como infeliz também não é preconceito...

maiacat disse...

Acho mto complicado isso, até porque sei bem como é. Sempre discuto com meu namorado sobre isso, e muitas vezes ele me acusa de ser chata, de "levar sério demais as coisas" e de querer "bancar a boazinha". Isso realmente me emputece. Mas, por outro lado, ele já mudou muito desde que nos conhecemos. Segundo ele, eu fiz ele pensar sobre muitas coisas, e ele me conta todo orgulhoso quando repreende os amigos dele por frases machistas e tal. Acho que por mais que a gente se desentenda, discute e brigue, há um diálogo e saem coisas boas desse diálogo. A questão é o que disseram, é ver o quão você está disposta a ter que lidar com esse tipo de atrito, e ter que sempre trabalhar em cima do seu ponto de vista e também da sua tolerância e paciência. Mas não é algo que dê pra resolver de uma hora pra outra.

lola aronovich disse...

Gente, estou amando os comentários. Vcs são demais mesmo!

Uma leitora me enviou um comentário por email, que ela gostaria de postar como anônima. Então lá vai:

Eu vivo uma situação bem parecida, com o do post. Eu tenho um namorado que é gente boa, tem a cabeça aberta, me ajuda, me entende, não parte dele esse tipo de situação, mas dos amigos dele.
Sao os amigos de fé e irmão camarada, nunca fui contra, e por sinal sou ''amiga'' deles, mas sabe quando você sente que você é "a namorada do fulano" e não passa dai? é exatamente isso, já tive o desprazer de ter momentos onde isso ficou bem claro, até certo ponto do nosso namororo que já dura 7 anos, eu jurava de pé junto que eu poderia ser amiga deles, até o dia em que um deles me ignorou completamente.
Mas enfim eu sinto que eu tenho muita "liberdade" que o meu namorado me dá, moro só, falo palavrão, saio com amigos bebo e falo o que penso.
Eu sinto que eu estou indo ''demais da conta'' pra opinião deles e que eu não faço parte da mesma coligação das namoradinhas dos "amigos de fé e irmão camarada", aquelas gurias que tem pai zelosos, não saem de casa sozinhas apenas com as amigas da universidade, não bebem, nada contra esse tipo de garota, mas eu não sou pior porque não sou assim..
Escuto muita besteira e respondo na mesma hora e vejo que por conta disso não me dão muita 'cotação' entende?
Coisas bobas como por exemplo o twitter e o reader, eles nunca trocam tuites comigo, ou já esboçaram comentários 'engraçadinhos' e criticos sobre as coisas que compartilho na internet. Eu sinto que não me dão moral mesmo, me ignoram e com certeza devem fazer piadinhas.
Tvz se eu fosse mocinha, indefesa e coitadinha as coisas fossem mais fáceis. O meu medo mesmo é criar situações desagradáveis para o meu namorado. E eu sei que eles são amigos mesmo dele, mas eles não são meus amigos, não falamos na mesma sintonia, nem sobre os mesmos assuntos e eu sinto muita falta de gente parecida comigo :(

Loja Blue Moon disse...

Passei por uma situação assim com um amigo, no começo me incomodava com o tempo passou a ser insuportável,acho difícil ele mudar , quase impossível,
mostra pra ele o quanto isso a deixa mal, conversa se ele gosta mesmo de vc vai entender e tentar mudar
não sei se vc deve ou não ficar com ele , mas te desejo sorte .

Jessika Brito

PriAliança disse...

Mulher, caia fora. Busque força e caminho na terapia (ajuda muito) e CORRA LOUCAMENTE. Não tenha dúvida de que esse discurso não somente VAI se voltar contra você como JÁ COMEÇOU. Não queira pagar pra ver. O_o

Fabiane Oiticica disse...

É muito difícil. Especialmente quando mudamos nossa vida por causa de uma pessoa. Queremos que tudo dê certo para poder justificar os sacrifícios: valeu a pena por isso, isso e isso.

Mas é aquela coisa: como ficar com alguém que não respeita suas posições? Tá na hora de pesar os prós e contras pra tomar sua decisão. Antes que você se veja numa situação mais complicada, adcionando fatores que tornem a separação um processo ainda mais doloroso.

Tenta sentar, conversar, eu sei que parece difícil, mas foram 5 anos já, algo de bom deve ter. Se não for possível, se ele realmente não conseguir ver o que tem de errado, acho que a dissolução disso vai se tornar mais fácil.

Carol disse...

Já estive na mesma situação da moça do post,o namorado era babaca, preconceituoso e ficava me dando "conselhos" sobre td o que eu tentava fazer a diferença é que o namoro não chegou nem aos 5 meses. Uma coisa que se falou nos comentário e eu concordo é que ninguém muda por ninguém além de si mesmo. Este moço preconceituoso não vai mudar pq vc quer, o que eu acho q vc deve fazer é pensar se realmente gosta tanto dessa pessoa a ponto de conviver com este tipo de coisa até que ela perceba os próprios erros sozinha. E também pensar se estar disposta a judar neste processo.Se o amor não é tanto o melhor msm é cair fora.

Mari Biddle disse...

Vou pegar um cafezinho e me preparar para contar minha história. Não, não vou fazer isso. Ninguem merece. Vou compartilhar um pouquinho - eu namorei um cabra tão ciumento que um dia em que me atrasei para encontrá-lo porque eu passei no shopping pra comprar um novo fogão, ele tomou a nota fiscal da minha mão, olhou o horário em que a compra foi feita e ainda alegou que entre a escolha do modelo de fogão, o fechamento da compra e a volta pra casa, certamente eu estava era traindo ele. Foi a gota d'agua. Eu sempre morei sozinha, tive pai e mãe pra me dar amor e asas e pagava minhas contas. Namorei esse cara que além de ciumento era um preguiçoso e sofri horrores com o ciúme dele. Eu nem tentei mudá-lo. Terminei com ele e até hoje tenho delirios de que eu devia ter botado um chifrão naquele ser humano doente. Infelizmente ele morreu de leucemia e nem deu pra eu ter uma conversa definitiva com ele.


Eu as vezes penso que num caso extremo onde a pessoa vive uma relação abusiva como eu passei, se não seria o caso do abusado também procurar se tratar. Eu conheço pessoas que vivem saindo de um relacionamento doente para entrar noutro como se fosse um patern. Eu fico pensando nisso com muito cuidado para não parecer que a vitima é culpada também pelo fracasso de personalidade do parceiro.


Força aí, minha querida. Faça uma projeção de como quer estar daqui uns 5, 10 anos e veja se esse cara vai fazer parte da foto.

bjkas

Ana Carolina disse...

Para o 1o post...

É muito difícil dar conselhos sobre "o que você deve fazer", já que temos apenas algumas linhas (e um defeito) do seu relacionamento... Não me sinto confortável em dizer "Larga, porque tem um monte de homem por aí". Vocês estão construindo uma vida juntos e com certeza ele tem muitas qualidades.

Eu, como feminista, idealista e muito nervosa (hehehe), lido com isso da seguinte forma: se fala merda na minha frente, VAI OUVIR. E isso independente se é amigo, namorado, colega de trabalho. Eu penso (intolerantemente, eu sei) que as pessoas não podem me ofender de graça, como se nada. (se falam que mulher gosta de apanhar, eu me sinto pessoalmente ofendida, já que sou mulher. E já emendo um "tirou isso de onde? Tua mãe gosta de apanhar do teu pai?" E eu tô cagando pro climão, a pessoa que pense antes de falar. Quer ser ignorante pode ser, mas na minha frente vai pensar antes de falar).

Quanto a relacionamentos (todos os tipos - amizade, namoro, etc) eu só tomo alguma atitude quando a pessoa começa a AGIR de forma que eu não goste. (eu quero dizer, euquanto ela estiver "só" FALANDO, eu tô de buenas... eu respondo, mas tô de boa... :P) Quando ela começa a FAZER, e a ser coerente com o que ela diz, aí sim eu começo a me preocupar.

Para o 2o relato...

Na boa, mesmo que você mude para a menininha indefesa etc, você vai continuar só sendo a "namorada do amigo..." Não vale a pena mudar quem você é (geralmente não vale nunca), mas vale menos ainda você querer mudar pra agradar esses caras que não estão nem aí pra você. (eles podem até fingir gostar das indefesas bonitinhas, mas se fosse pra gostar mesmo eles iam gostar de você como você é).

;) Boa sorte para as duas!

Clara Gurgel disse...

"OS IGUAIS SE ATRAEM E OS OPOSTOS SE DISTRAEM!" A decisão é sua...

cynthiasemiramis.org disse...

Pra anônima que a Lola postou nos comentários: o problema não é com você, é com o machismo dos amigos dele.

Pros amigos do seu namorado você é propriedade dele, e eles respeitam a propriedade dos amigos, sabe? Não vão ficar trocando tweets com você, nem conversando muito, pois parece falta de respeito. Pra esses moços, o contato com mulher só tem duas versões: ou conversam bastante para seduzir ou agem de forma superficial (mulher de amigo, colega de trabalho e mulheres em quem não estão interessados).

Se você fosse mais dependente, talvez eles até conversassem mais: a estrutura da vida das outras mocinhas permite que sejam controladas (moram com os pais, não saem sozinhas, é mais fácil monitorar e saber com quem saem e o que fazem). Como você é independente, mora sozinha, não tem papas na língua, é impossível te controlar. Eles não vão querer se aproximar de você, dar margem à uma interpretação de "segundas intenções" e acabar perdendo o amigo. Solidariedade masculina vem em primeiro lugar...

Como resolver isso? Fazendo novas amizades SUAS. Quanto aos amigos do seu namorado, o que resta é torcer pra um dia eles caírem na real e pararem de ver mulheres apenas como proibidas ou mais uma pra lista de seduzidas. Se isso acontecer, vai ser maravilhoso não só pra você, mas também pras outras mulheres com quem eles convivem.

Gui disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Gui disse...

(continuando)

Enfim, o amor é o caminho para o coletivismo, para a solidariedade. Minha namorada hoje (isso em apenas dois anos) afronta a própria família e tem uma sensibilidade social que eu mesmo desconhecia.
Se vocês se consideram de esquerda devem descartar essas posições individualistas do tipo "não tá bom larga", e também a ideia comodista de "aceitar as pessoas como elas são". São ideias falhas, que contribuem para estratificar ainda mais a sociedade. Primeiro porque se você é não-tá-bom-larga só está separando as pessoas em "quem pensa do meu jeito" e "quem pensa daquele jeito", você vai se separar e o sujeito vai continuar pensando assim, vai arrumar alguém que pensa como você e ele alguém que pensa como a si, e pronto! Ninguém ganhou nada.
Se você é um aceito-as-pessoas-como-elas-são deve ter esquecido em algum momento que o conjunto de comportamentos, gostos e pensamentos de uma pessoa deve ser respeitoso para com os demais, ou seja, pensamentos racistas/machistas/classistas não devem ser 'aceitos'. Isso é comodismo. E não estou dizendo que devemos prender ou dar pena de morte pro sujeito, devemos simplismente provar que ele está errado, ou que preconceitos não tem fundamento racional nenhum.
Finalizando: cuidado com essas soluções simplistas. Vocês precisam saber também que não sou nenhum otário, lógico que não vou dizer a uma mulher que é espancada diariamente pelo marido para que ela seja compreensiva e amorosa e tente mostrar que ele está errado. Nesse caso são outras medidas e posições que devem ser tomadas. Eu conheço casos de homens que espancavam mulheres e mudaram de atitude graças ao que estas mulheres fizeram, por pura compaixão pela ignorância do marido. Se você acha que é hora de terminar, termine. Mas pense que existem muitas atitudes inteligentes que podem fazer ele mudar. E mudar de dentro pra fora!

aiaiai disse...

off, se bem q é sobre reaça. delicia de video

http://www.youtube.com/watch?v=ky-uJMR7TNY&feature=player_embedded#!

Larissa disse...

Eu tinha escrito um comentário contando minha história, mas mudei de idéia e vou dizer apenas o que me motivou a sair de um relacionamento bem parecido com o seu: percebi que eu só tenho tesão e vontade de dividir minha vida com alguém que eu admire.

E eu não consigo admirar alguém que seja racista, homofóbico, machista, ou que não goste de estudar. Cada um sabe onde o seu calo aperta.. a gente às vezes tem até preguiça de terminar um relacionamento, ainda mais quando mora junto.. fica pensando q não vai encontrar alguém melhor, que o custoxbenefício compensa.. mas a verdade é que a gente pode estar perdendo a chance de conhecer alguém que tenha muito mais a ver com a gente, e ser muito mais feliz. Uma coisa eu aprendi: não vale nem um pouco a pena tentar mudar a pessoa..ou vc aceita ou parte pra outra. Tentar mudar alguém é um baita desgaste.. e também vale a pena fazer uma reflexão: quando vc quer que uma pessoa mude tanto, é porque não quer aquela pessoa, e sim uma outra.
Bjo
Larissa

me poupe! disse...

Me identifico em partes com essa moça., pq, sabe meu namorado tem opiniões bem diferentes da minha. Por exemplo, sempre q vê um cara gay, ele fala coisas do tipo: "olha o viadinho" e isso me irrita muito pq tenho vários amigos gays. Ele não os dispreza, mas tem sempre essa piadinha, as vezes nossas conversas mais sérias se tornam discussões, pq ele não tem a cabeça tão "aberta" como a minha e isso me incomoda bastante, pq gostaria muito de ter filhos com ele e não queria criar nossos filhos com essa educação típica de que isso é de menino e isso é de menina, sabe?

primeirocego disse...

Pra quem tem paciência de ler um texto enorme em inglês, a Harriet Jacobs escreveu um excelente post sobre como ela lida com pessoas que falam/fazem coisas preconceituosas. No caso ela tá falando de amigos, o que é bem diferente de namorado, mas ainda tem bons insights o texto.

Vivien Morgato : disse...

Eu, heim...

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Complicado esse assunto. Infelizmente a gente vive em uma sociedade que alimenta piadas e expressões machistas, misóginas e homofóbicas que ajudam a aumentar e eternizar essas atitudes e infelizmente também já vi muita gente boa, que gosto, repetindo algumas delas, por ignorância ou por nunca ter parado pra refletir realmente sobre o que está falando e possíveis consequências.
Complicado você amar uma pessoa que tem certos defeitos que incomodam demais... nem sei o que diria pra essa moça...

Juliano Berquó disse...

Olha moça.. Eu to pensando numa boa resposta mas, como sou homem, não queria te dizer simplesmente "larga essa babaca!". Todo mundo, vez ou outra, entra em um relacionamento fantasioso, em que se idealiza a 2ª pessoa, tentando amenizar seus defeitos para alívio de nossa consciência. Na minha experiência, eu vi que não dá certo "tentar mudar" ninguém e muito menos esperar mudanças de outrem. Muitos já devem ter dito nos comentários que as pessoas mudam de "dentro pra fora" e geralmente, essa mudança vem depois uma reflexão profunda, um trauma (como um fim de um relacionamento, talvez). Acho que você deve fazer um balanço das suas possibilidades de ser feliz no momento e, se pesar demais ficar com este projeto de homem, dê-se a chance de arriscar um novo futuro! Lembre-se: outro mundo é possível! Só depende das nossas ações.

Beijos, de Brasília!

Juliano B.

Dialógico disse...

Fico constrangida por alguém se expor desta forma. Casamento não é a lei da física, em que os opostos se atraem. Uma quase 50tona, como eu, jamais conviveria com alguém que, ideologicamente, pense diferente. Uma coisa é dar uma escorregadela, como o caso do chargista Laerte, em que meu companheiro, tb artista gráfico, fica desconfortável com a situação e o reflete através da critica, ao Laerte, por esse não assumir lutas feministas, mas ficar preocupado com o qto uma mulher gasta para se produzir.
Ou então, divergir sobre questões do próprio campo da esquerda.
Mas conviver com uma pessoa preconceituosa, tendo noção do significado, e tentar se manter no relacionamento, hoje em dia, acho complicado. Casamento é para pessoas afins, não opostas.
Abraço!
Claudia.

Lythium Flower disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Samira disse...

Impossível não se identificar pelo menos um pouquinho com esta situação: toda mulher, além de uma história de horror pra contar, tb tem alguma história de ver pessoas queridas tendo atitudes machistas...
Eu concordo plenamente com quem disse que os iguais se atraem e os opostos se distraem... mas a gente nunca acha alguém que concorde com td ou que pense sempre igual, por isto a gente estabelece prioridades e o resto faz o que der pra tentar ajustar. Eu posso dizer que pra mim não ser machista é prioritário num relacionamento de longo prazo, pelo enorme risco deste machismo se voltar contra mim um dia (ora, ele já É essencialmente contra mim!!), e é certo que isto vai acontecer!!
Quem falou sobre filhos acertou no alvo: já imaginou ouvir ele dizendo pra sua filha que ela não pode fazer caratê que é coisa de menino? E que tem q "se guardar" que é pra não ficar "falada"??
Espero que vc consiga tomar uma boa decisão e volte aqui pra contar pra gente.

Wonderwoman disse...

Bom, como todo mundo aqui, vou dar meu pitaco.
E como muitas aqui, me identifiquei com o post.
Tenho a impressão as vezes que toda feminista passa por essa rua, vez ou outra. Mas, vou dizer uma coisa, se essa rua fosse minha, eu mandava ele pastar!
Acho que de certa forma todo mundo concorda que tentar mudá-lo não é nunca uma opção. Mas o que acho mais complicado é achar que esses comentários preconceituosos só se aplicam "aos outros"... Ou "as outras" em se tratando de comentários machistas. Quero dizer: uma vez machista, sempre machista... E num ponto ou outro, ele tem ou terá atitudes machistas também em relação a você.

E, pra mim, o mais assustador mesmo de tudo é você se colocar em uma situação em que você sente como se tivesse que se defender, se explicar pelo machismo dele e desculpar-se pelo seu feminismo!!! Ora... será que isso não é sinal da influência sexista na relação?
Eu já me meti numa dessas.
E mandei pastar;
Como alguém disse aqui, torcemos para sua volta triunfante, contando como foi o lindo pé na bunda.
beijos
Camilla

Cris Prates disse...

Quando me casei com meu maridinho estava "assim" de gente que não acreditava em nosso relacionamento, afinal nós "não podíamos nos conhecer bem" já que somos fruto de um encontro via Internet.
Eu posso afirmar é que é 100% o contrário! Como nos conhecemos via Internet e não tínhamos outra coisa a fazer a não ser conversar e nos conhecer. CONHECER.
Infelizmente as pessoas estão juntas sem se conhecer. Eu não tenho complacência para quem se diz apaixonado e não "enxerga" os defeitos do outro. Não que eu seja perfeita (meu maridinho é quase), mas os nossos defeitos nunca foram impedimento para nada em nosso relacionamento, no sentido de que nunca tivemos conflito. Imagina um conflito como esse! Gente machista não dá.
Por que ela não percebeu esse defeito antes? Se o namorado dessa moça chegou à idade que chegou com esse tipo de atitude eu sinceramente acho que ele não mudará. E daí para atitudes violentas (por que não?) é um pulo.
Também não tenho complacência para quem diz que falar é fácil, blá, blá, blá.
Fazer é difícil sim, mas, mais difícil é aturar o sujeitinho o resto da vida.
Eu não teria dificuldades de mandá-lo pastar simplesmente porque não teria nunca me juntado a ele.

Marussia de Andrade Guedes disse...

Acho que quando você escreveu este e-mail você já sabia o que deveria fazer : esquecer este cara. É o tipo de pessoa que não acrescenta numa relação, muito pelo contrário. Acho até que você já nem gosta dele, pois consegue perceber sua mediocridade e se envergonha dela. Então, o primeiro a fazer, você já sabe: afaste-se deste cara. O segundo a fazer é, talvez, o mais importante: uma auto-análise. Você deve se perguntar: por qual motivo você ficou com este cara por cinco anos? Será que você é mesmo feminista? Será que você não está apenas seguindo o padrão, ou seja, está ficando com um cara só pra dizer que tem um cara pra chamar de seu? Do que você gosta nesta relação? Com certeza não é da cabeça dele! É do sexo? Se for, não precisa viver com ele para ter isto. Em fim, acho que você deve buscar estas respostas para que você não cometa os mesmos erros no futuro.
Anônima
Acho que o seu namorado deve escolher melhor as amizades dele. Se ele consegue ser amigo de pessoas malas como as que você descreveu, ele também não deve ser grande coisa. Perdão, mas eu, por exemplo, não conseguiria ser amiga de um machista. Nesta eleição, cortei relações com uma colega que se mostrou muito reaça e preconceituosa. E, sinceramente, não lamentei.

Iseedeadpeople disse...

Sou casada com um rapaz indiano 10 anos mais novo que eu e sempre me preocupei por ele ser de uma cultura extremamente machista. Mas lendo o post e os comentários, percebi que talvez eu seja muito injusta qdo o acuso de machismo.

Ele não chega nem perto de todos os absurdos que li aqui!!! Nunca tive problema com ele do tipo implicar com minhas roupas, com meus amigos, com minhas viagens e saídas... por outro lado, com namorados brasileiros, tudo era motivo p eles acharem que eu os estava traindo!!! E olha q eu sou uma pessoa super discreta, não uso roupas provocantes, uso um óculos fundo de garrafa e não tenho sex apeal nenhum hahaha, mas sempre implicavam!

O meu marido largou tudo e veio morar comigo aqui no Brasil, onde por enqto está sendo sustentado por mim, e não temos nenhum problema qto a isso. Nem ele se acha um fracassado e nem eu o acho um explorador.

Claro que vez ou outra ele fala algo machista, muito mais por ranço cultural, sem nem refletir direito... aí a saída é explicar, fazê-lo pensar, refletir, e isso tem surtido muito resultado! Mas depende do cara ser aberto ao diálogo, ser acessível. Pq com antigos namorados, eles não tavam nem aí pras minhas explicações.Aí a saída era mandar um sonoro VAI TOMAR NO CU!!! e rodar a baiana, mesmo que (ou principalmente por isso) entre amigos!!!!

Guilherme Rambo disse...

DESCULPE DESVIAR DO ASSUNTO E ESCREVER EM CAIXA ALTA, MAS OLHA ESSA NOTÍCIA: http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2010/11/jovem-de-18-anos-e-preso-por-beijar-garoto-de-13-em-cinema-de-shopping.html

PRA MIM É UM CASO DE HOMOFOBIA DESCARADA! SE FOSSE UM HOMEM DE 18 COM UMA MENINA DE 13 DUVIDO QUE TERIA SIDO PRESO!!!!!

Ludmila disse...

Complicaaaado isso! sou nordestina (sim, votei na Dilma, rsrsrs) que mora a 35 dos meus 40 anos em SP. Me apaixonei por um fulano de "boa família", ele havia estudado nos melhores colégios, pai diretor de empresa, inteligente, bem humorado, carinhoso. No ínicio ele não me apresentou a família nem aos amigos, eu não ligava, era gamada por ele, mas sabia que ele tinha vergonha de minhas origens e pelo fato de eu não ter formação universitária. Nunca vou me esquecer do dia em que ele falou mal de nordestinos e eu perguntei o que ele tinha contra eles, o bonitão respondeu que não tinha nada contra, já que ele até "tinha" uma, eu no caso. O que era para ser uma piada sem graça, me magoou muito, mas quem é apaixonado é cego e ficou por isso mesmo. Levei 8 anos da minha vida achando que ele era o grande amor da minha vida, que seria o pai de meus filhos e que ele tinha defeitos, mas eu tb. tinha, enfim... Pra encurtar a história, sofri agressão física do fulano 2 X, na 1a. deixei passar, na 2a. abri mão do amor em nome da minha auto-estima. Ele ficou indignado, imagina, uma nordestinazinha sem eira nem beira dispensar um belo exemplar de família alemã e italiana de SP?
Hoje, casada a 9 anos com um homem maravilhoso, que me apoia em quase tudo, que eleva minha auto estima diuturnamente, que me deu uma filha linda e por ser estrangeiro, acha muito esquisito essa história de brasileiro que são preconceituosos com outros brasileiros por sua opção política. Acho que vc. deveria insistir com seu namorado sobre esse assunto que tanto te incomoda, nada pior para um relacionamento do que mágoa guardada. Boa sorte!!!!

Ciro Adams disse...

Só uma coisa eu digo para essa moça: uma hora esse preconceito vai se virar contra ela. O seu companheiro não a respeita, finge que ela nã tem sentimentos, fala essas coisas como se fosse natural (o agressor quando bate em uma mulher também procede da mesma forma).

Já disse e repito: esse preconceito vai se virar contra ela.

Ciro Adams disse...

E coloque uma coisa na sua cabeça: NINGUÉM CONSEGUE MUDAR A CABEÇA DO OUTRO! Só Deus mesmo pra conseguir fazer isso.

Raiza disse...

Ah dá um pé na bunda desse cara.Como falaram aí em cima,se em 5 anos ele não mudou...
Pelo que eu vi só a menina faz esforços em prol do cara,ele não faz nada pra deixá-la confortável,nem respeita os sentimentos e idéias dela.Melhor largá-lo então.Antes só que mal acompanhada.

Mauricio disse...

Quem põe uma coisa destas para estranhos comentarem e dizerem como ela deve se comportar?

Só uma pessoa bem desesperada, que realmente não tem uma pista de como agir.

Se este é o caso, converse!

Mostre sua indignação e aversão a este tipo de comentário.


Que pelo menos na sua presença ele se abstenha disso.

Muito homem faz estas piadas para aparecer, mas não é o que pensam de verdade.

É o comportamento de manada, de rebanho, de gangue, etc.

EM alguns casos é inofensivo, em outros não.

Lembram-se do caso da menina que foi com saia curta na faculdade?

Duvido se apenas uma pessoa sozinha achasse que ela mereceria aquele tratamento, que tudo aquilo teria acontecido.

A covardia coletiva que fez aquilo.

Como eram muitos, todos poderiam se apoiar na multidão, pois cada um, individualmente, não teria coragem de ter ido tão longe.

O quão ofensivo são os comentários?

Dá para levar?

Ele pode se controlar?

Não digo mudar, mas evitar os comentários? Ou ele prefere te largar do que parar com os comentários que te deixam ofendida?

EM resumo,

não vá tanto na onda de quem de diz: LARGA LOGO!!!! DESISTE!

Tem muita solteirona aí, mal amada que dá este conselho à torto e a direito, sem se preocupar se é realmente a melhor escolha para você.

Querem engrossar o clube das solteironas.

O homem perfeito não existe.

Tente a conversa e tente ser feliz.

Se conseguir isso, ótimo, você estará no caminho certo.

Se você não conseguir, pode ser hora de partir para outra.

Uma pena que só agora você percebeu que o comportamento dele não é aceitável.

Você evoluiu, ele não.

Quem sabe você não o ajuda a evoluir também e isto possa ser uma conquista do casal?

aiaiai disse...

vai nessa não querida, esse mauricio não sabe nada. Homem perfeito não existe mas existe um monte de homem bom...vai ficar com esse reaçazinho ai e perder o monte de gostoso que vc pode e deve experimentar???? Vá por mim, o mar é grande e cheio de peixe!
Manda esse bacuri a merda e viva a sua vida!

Arashi disse...

Ai nossa, fiquei doída agora. Eu sei bem como é conviver com pessoas preconceituosas - pessoas muito amadas, que além de tudo são da família, então nem dá pra se livrar.

Fico pensando se a leitora não relevou os comportamentos preconceituosos do namorado por tempo demais, ou se só morando com o dito cujo é que se deu conta do ponto que a coisa havia chegado. Tem coisa que a gente só vê mesmo quando mora com a pessoa e não pode simplesmente ir pra casa pra não ouvir besteira.

Sinceramente, eu daria o fora ONTEM. Se tem uma coisa de que eu não abro mão são os meus princípios, e isso tá soando como uma violação de um dos meus princípios mais caros, que é o respeito ao próximo. Acho que se eu tivesse que passar a vida inteira justificando pros outros - pior, justificando pra mim mesma - o comportamento do namorado/marido, eu jamais seria feliz. E teria milhões de úlceras.

Aliás, concordo com o Ciro Adams, que comentou aí em cima - esse preconceito vai acabar se voltando contra a leitora. O namorado parece colocá-la numa classificação diferente das outras mulheres - as vadias, como ele mesmo diz. O que acontece quando ele decidir que você é vadia, querida? Vai passar a merecer assédio também?

dothy disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
dothy disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Dokho de Libra disse...

Bom, só posso dizer, uma coisa, o comportamento das mulheres e dos movimentos de esquerda é que motivam o preconceito e o desenvolvimento do ódio contra eles.

Atualmente 20 % dos homens comem 80 % das mulheres, e esses homens seguem um mesmo padrão, rico, bonitão, sarado e com barriga tanquinho, os quais tem as mulheres que quiserem aos pés. Se não for desse jeito não serve para a mulher moderna. E depois elas dizem que homens são todos iguais, sendo que elas só percebem os 20 % da população masculina que seguem o padrão que elas querem.

E quanto aos esquerdistas, bom, a verdade é que temos os maiores impostos do mundo e pouco desse valor vemos revertido para o bem estar da nossa população. Não adianta tentar redistribuir a renda se essa renda vai para o bolso do congresso, portanto sou contra a esquerda brasileira, que aliás fez muita merda, como a lei maria da penha, chega do lixo esquerdista nos governando, precisamos da direita conservadora já.

O único homem atualmente no poder que merece destaque é o Jair Bolsonáro, homem de verdade e honrado que não aceita vadiagem nem malandragem, e que disse que bateria no filho se descobrisse que esse é usuário de drogas. Isso que é postura de homem honrado.

Dokho de Libra disse...

Bom, só posso dizer, uma coisa, o comportamento das mulheres e dos movimentos de esquerda é que motivam o preconceito e o desenvolvimento do ódio contra eles.

Atualmente 20 % dos homens comem 80 % das mulheres, e esses homens seguem um mesmo padrão, rico, bonitão, sarado e com barriga tanquinho, os quais tem as mulheres que quiserem aos pés. Se não for desse jeito não serve para a mulher moderna. E depois elas dizem que homens são todos iguais, sendo que elas só percebem os 20 % da população masculina que seguem o padrão que elas querem.

E quanto aos esquerdistas, bom, a verdade é que temos os maiores impostos do mundo e pouco desse valor vemos revertido para o bem estar da nossa população. Não adianta tentar redistribuir a renda se essa renda vai para o bolso do congresso, portanto sou contra a esquerda brasileira, que aliás fez muita merda, como a lei maria da penha, chega do lixo esquerdista nos governando, precisamos da direita conservadora já.

O único homem atualmente no poder que merece destaque é o Jair Bolsonáro, homem de verdade e honrado que não aceita vadiagem nem malandragem, e que disse que bateria no filho se descobrisse que esse é usuário de drogas. Isso que é postura de homem honrado.