terça-feira, 17 de novembro de 2009

MELHOR AMIGO NÃO SE COME

Uma vez, durante uma das minhas aulas de inglês pra um grupo de adultos, um aluno disse que cachorros não deveriam viver, porque ocupavam espaço demais, faziam cocô, comiam, e eram seres inúteis―e o sujeito tinha cachorro em casa! Os alunos do grupo caíram em cima. Nunca vi nada igual, e olha que nas minhas aulas sempre calhava de discutirmos algum tema polêmico (em inglês). Eles foram unânimes: aquele cara era um monstro. Foram mais educados porque era colega deles, mas a mensagem foi bem essa.
Fico feliz em saber que cães (e gatos também) têm um lobby forte. Devem ser as duas únicas espécies que nós humanos, os donos do universo, tratamos bem. Quer dizer, bem numas. Pergunte pros heróis que trabalham em abrigos animais, recolhendo e cuidando de cães e gatos, como esses bichos são tratados. São torturados, mutilados, atropelados no trânsito, abandonados na rua. Bichinhos queridos que só querem o nosso bem, que alegram tanto um lar. E ainda assim, comparado ao modo que tratamos outros animais, cães e gatos são privilegiados.
Lembrei desse meu aluno anti-cachorro ao ler a coluna do André Forastieri. Ele escreveu que come qualquer coisa e que provaria carne de cachorro sem problemas. Estava se referindo àquele caso terrível do abatedouro clandestino que recolhia cães de rua em SP e depois vendia a carne para coreanos. Na realidade, me lembrei do meu aluno após ver a reação à coluna do André. Trezentos e poucos comentários, boa parte chamando-o de monstro.
Eu concordo: sua coluna foi de uma insensibilidade atroz. O que comemos é culturalmente construído. Quando somos bebês, colocamos tudo à boca. E cabe aos nossos pais indicar que esse caracol nojento aí que você tá segurando não se come, mas que, se você for rico, vai ter que encarar um escargot. Felizmente, vivemos num continente em que comer bichos de estimação é impensável.
Eu já falei um pouco disso quando defendi o PETA (People for the Ethical Treatment of Animals): que o certo seria não consumir nenhum produto animal. Mas, ao mesmo tempo, se a gente não comesse porcos e vacas, eles estariam quase tão extintos quanto tigres e elefantes. Não damos espaço pra quem não seja humano. E até nisso há divergências.
Olha, só sei de uma coisa: eu queria ter sido criada pra ser vegetariana. Mas vamos pelo menos garantir uma existência digna para cães e gatos? É o mínimo que podemos fazer pra fingir que levamos a sério essa palavrinha, nossa humanidade.

Leia um importante adendo a este post, e um ótimo guest post sobre especismo.

36 comentários:

Rosilda disse...

Bom dia, Lola!

Li vários dos seus textos, todos ótimos, vc ganhou mais uma fã.

Mas, sinceramente, não concordo com este seu post, vi a coluna que vc linkou e achei a reação das pessoas um tanto histérica, até mesmo infantil.

Fala-se que maltratar animais é crime, mas isso só vale para os cachorros?

Bem, bem, pode parecer desumano, mas o modo como o gado, as aves e os peixes são criados e mortos é igualmente terrível, senão pior.

Parece que a reação é tão forte porque as pessoas sabem que são igualmente cruéis, mas aprenderam a dissociar a carne que consomem do animalzinho morto, será isso? Isso me parece realmente infantil, sabe? Não é que eu não ache que seja horrível ou cruel, mas na nossa sociedade, na qual as pessoas são na maioria carnívoras, convenhamos, é muita hipocrisia...

E, ei, conheço pessoas que foram criadas comendo carne e hoje são vegetarianas, há opções saborosas, nunca é tarde para se redimir ;D

bj

Veruska disse...

Ah, Lola, conheço o André F. desde quando ele escrevia para Bizz e Set. Ele gosta mesmo de 'causar' e acho que comeria impassível por fora e revirando por dentro, porque, como você disse, nosso alimento é culturalmente construído, não acredito que ele superasse isso tão racionalmente, ele só ia fingir. Bjos

Má disse...

Bom Dia Lola!
Pois é, esse culturalmente construido é tão bem eraizado, que no caso de comida, chegamos até sentir reações adversas se pensarmos em comer certos animais né, que louco. Vomitaria se tivesseque comer cachorro, gato acho, meche com nosso corpo mesmo!
Engraçado porque sou ovo-lacto vegetarina, mas seria mentira falar que sinto repulsa do cheiro de carne de vaca (o que já ouvi vegetarinos dizer e acho super curioso). Pois fui criada para achar gostoso, comi por muitos anos e me dá agua na boca até hj.
Acaba sendo uma coisa mais moral e racional mesmo, pois p o corpo adestrado não achar saboroso, acho mis difícil de se desprender.
Pelo inverso tb q acho q nunca achariamos gostoso gato, por exemplo.Ainda bem ;)
Beijão

Má disse...

mexer!!

Junior disse...

Lola,

Solidarizo com o seu aluno. Sim, eu já tive cachorro e gato em casa, hoje não tenho nenhum tipo de animal de estimação. Sem generalizar mas já generalizando, muita gente supre suas carências afetivas com animais, e considero isso errado. Muitas vezes, não conseguimos expressar o que sentimos para pessoas próximas, mas somos todo carinho e atenção para os bichinhos. Sem entrar no mérito de que existem animais que levam uma vida muito melhor do que muita gente. E nem precisamos chegar na classe média para ver isso.

Porém, a principal razão de eu não ter animais em casa é a mesma de eu não querer ter filhos: liberdade. Sem ter alguém que dependa diretamente de mim, tenho liberadade para ir e vir, pra planejar, fazer o que quiser. Isso para mim é indispensável.

Bruno Stern disse...

Não vejo mal algum em se comer carne de qualquer animal, desde que seguindo os devidos padrões sanitários.

Também não entendo a proibição quanto a carne de cachorro. Parte da população tê-los como animal de estimação os faz diferentes?

Muita gente tem aves e peixes de estimação e esses animais não têm seu consumo visto como nojento.

Eu comeria carne de cachorro numa boa.

E os comentários na coluna citada não podem ser sérios.

Lord_Anderson disse...

Bem, quem chamou o cara de monstro deve lembrar que p/ os indianos por exemplo, os monstruosos somos nós que devoramos a carne de um ser sagrado como as vacas.

Tb achei a reação exagerada.

Christina Frenzel disse...

É, eu também achei a reação exagerada... É uma questão cultural.
Na China cães são considerados iguaria; na India, escorpiões, baratas e minhocas, idem.
Acho que todos os animais deveriam ter tratamento digno, com certeza!
Aliás, quer coisa mais horripilante que o massacre dos golfinhos no Japão, e o rite of passage Dinamarques em que centenas de baleias são mortas?

Beijos

Alex disse...

Eu sou um monstro por achar o conjunto texto + comentários engraçado? Me lembrou muito um episódio da série Borat:
http://www.youtube.com/watch?v=iZ6vXq0Btbs

trecho 0:30 a 0:33 é mais ou menos o que aconteceu no blog desse André Forastieri

Deborah disse...

Lola,

Sempre que vejo essas reações me lembro do supletivo onde minha professora de história exibiu "Diamantes de Sangue". A maioria da sala achou um absurdo, que há quem compre mesmo sabendo que algo veio da morte. O que me irrita profundamente são as pessoas criticarem casacos de pele sendo que não tem dinheiro pra comprar um e assim que possível parcelam um casaco de couro em mil vezes. Criticam tanto porque não mexe com a construção social delas, pra adquirir esses bens é preciso ser de outra cultura ou nível social. As pessoas celebram o Natal com morte comendo o presépio, choram por golfinhos e comemoram qualquer coisa com uma churrascada. Só é absurdo o costume do "outro" e na hora de avaliar as próprias posturas ignoram os fatos.

Tenho 23 anos, sou vegetariana há dois anos sendo que me tornei vegan há um ano. Comi carne na papinha e sempre gostei do sabor, meu motivo para parar foi perceber o quanto é injusto alimentar um costume cultural a custa de morte e sofrimento.

PS: Eu leio TODOS seus posts, mas nem sempre tenho tempo de comentar...

Receitas veganas ;): www.escolhavegan.wordpress.com

Lord_Anderson disse...

Falando em monstruoso e em choques.

Olha só que interessante:

Livro fala sobre historias de mulheres que se apaixonam por serial killers e criminosos sexuais...

http://www.ambrosia.com.br/2009/11/14/entre-o-sexo-e-a-morte-lancamento-fala-de-relacao-amorosa-com-serial-killers/

Bruno Stern disse...

Complementando,

certamente rolou uma corrente para cornetar o cara.

Imagino que ele foi presenteado com alguns trolls após o post polêmico.

Mariana N. disse...

Minha mãe trata minha gata com mais carinho do que trata a própria filha.

E quem tirou a felina das ruas fui eu.

Imagina, Lola, que abandonaram a mãe e mais uns 4 filhotes na rua. Achei a minha gata largada abandonada lá, na rua, morrendo de fome.
Quem faz uma coisa dessas deveria morrer com um taco de baseball atochado no fiofó (com o perdão do vocabulário).

Má disse...

De novo eu Lolaa.
Estava lembrando,mas meu pai é louco por nossa cachorra vira-lata.
Um dia ele foi mexer com o ossinho que ela estava roendo (é sabido que não se faz isso né!), e ela pela primeira vez mordeu meu pai.
Nisso, ele ficou MUITO , mas MUITO magoado com ela. Minha mãe disse q meu pai ficou na cama o resto do dia jururu, e que ele disse "Nossa, nunca imaginei que ela me morderia, mas por qual razão? Não imaginava que ela faria isso comigo, eu gosto tanto dela!".
E disse que pegou o ossinho, pois tinha certeza que a cachorra não morderia ele já que ele a ama tanto..kkkkkkk.
Minha mãe disse que nunca viu meu pai triste desse jeito, em toda a vida!!!!
hahahahha....vai entender como funciona nosso cérebro né!!

beijão

Nefelibata disse...

O que comemos é culturalmente construído, mas nem por isso somos presos a essa mesma cultura. Eu não conseguia suportar a ideia de comer peixe cru e hoje adoro isso. No limite, tirando como cai ao paladar, carne de frango, peixe, boi, cachorro e até mesmo gente para mim é a mesma coisa (calma, nunca comi carne humana... a não ser que algum restaurante suspeito por aí a tenha me servido sem saber). Mas o ponto aqui é que eu não considero um ser humano mais importante que um boi, um porco ou um cachorro, de forma que para mim não existem tabus morais para o consumo de carne de qualquer espécie. Existe sim algum preconceito, que é como a frescura de criança de não querer comer o que nunca experimentou.

Eu não acho que o certo seríamos ser todos vegetarianos, simplesmente porque existe a cadeia alimentar natural que faz com que os animais dependam da morte dos outros para sobreviverem. Nosso organismo evoluiu de maneira a precisar de carne, pelo menos um pouco. Novamente, vejo aqui uma questão de natureza, e não resta nenhum tabu moral para mim.

Agora, o que acho altamente questionável é nossa prática de criar animais para comê-los. Eu entendo que o correto seria cada um de nós caçar a carne que se quer comer. Se a caça for bem sucedida, ótimo, um rango. Se não for, o animal caçado conseguiu sua chance de sobreviver. Imagino que seja por isso que povos antigos faziam da refeição uma cerimônia importantíssima, sagrada... porque entendiam o peso das vidas que estavam tomando para que eles mesmos pudessem sobreviver.

Enfim, um devaneio. Abração, Lola.

Fabiana disse...

Eu acompanho o blog do André Forastieri e acho que ele escreve muito bem - mesmo não concordando com tudo que ele diz, afinal a gente não precisa concordar com tudo que lê. Eu gostei da resposta dele pra todos esses comentários: que tem gente muito hipócrita que se horroriza com quem come cachorro e não vê nada demais no que acontece todo dia nos abatedouros por aí afora.

Eu adoro carne, não desprezo um churrasquinho, mas se eu tivesse que abater os animais que eu vou comer, desistia da minha condição de onívora.

Como já disseram aí atrás é uma questão cultural. Os porcos, por exemplo, são os que mais sentem o abate - dizem que eles até choram. Enfim, eu sou super solidária à quem defende os direitos dos animais, mas também não vi motivo pra toda aquela comoção no texto do Forastieri.

Mariana. disse...

Uma contribuição:

Depois que vi a história dos coreanos ir parar nos noticiários, fui buscar informações sobre consumo de carne canina e sabe o que eu descobri?

Não existe, na nossa legislação, qualquer proibição sobre o consumo de carne proveniente de cães. A única proibição é o consumo de animais em exinção. Então, desde que não abatamos o cachorrinho com métodos crueis, respeitemos as normas sanitárias e (no caso de vender) informemos aos consumidores que aquilo ali não é bem filé de boi, tudo bem.

Estranho, não? Assim como também não existe crime previsto para canibalismo. Claro que você não pode matar para comer, pois aí praticaria homicídio. Nem violar um túmulo pra fazer um churrasco. Mas o crime aí é de violação, desrespeito aos mortos, essas coisas. Não o fato de comer a carne humana em si.

Muito estranho. (se eu tiver errada, me corrijam).

O fato é que atitudes assim são contrárias aos nossos costumes, ao nosso bom senso. Mas não é algo universal. Comer carne de cachorro, por si só, não é universalmente imoral (a não ser que envolva maus tratos antes).

É tão chocante para todos nós, que até uma família faminta na seca nem cogita a possibilidade de matar o cachorrinho pra se alimentar. Amamos nossos bichos.

Mas é bom lembrar que os coreanos não foram presos por comer carne de cachorro. Não há previsão legal pra isso e ninguém pode ser preso por desrespeitar um costume da nação que não esteja tipificado no código penal ou na legislação esparsa.

Eles foram detidos por violarem normas sanitárias, maltratarem animais, e violarem direitos do consumidor, que tem o direito de ser informado sobre o que está comendo.

Luciana disse...

Lola,

Por que tigres e elefantes (entre outros animais) estão ameaçados ou completamente extintos? Valor comercial sobre parte/todo o seu corpo.... Elefantes pelo marfim, tigres pela pele e … porcos pela sua carne. É inocente pensar que a produção industrial de carne seja a salvação para determinadas espécies. Aliás, a única espécie beneficiada é a nossa. E especismo lembra alguma coisa?

Eu não “nasci” vegetariana, mas optei por essa dieta por questões minhas (sob protestos e previsões de que ficaria ainda mais magra ou doente). Não me acho melhor ou mais evoluída que ninguém por isso. Meu namorido continua onívoro e nem por isso a alimentação é motivo de discórdia entre nós. Só o que eu peço, não só para ele, mas para todos meus amigos, é que pensem melhor sobre nosso atual sistema de produção/exploração e que saibam de onde vem o que estão comendo.

Recomendo que todos assistam Earthlings e A Carne é Fraca, ambos muito fáceis de achar, inclusive completos e legendados no google vídeos. Chorei assistindo. Minha mãe saiu da sala na metade e não quis mais ver.

Comer cães e gatos não é mais ou menos cruel que comer galinhas ou peixes. É igual.

Bjus

Luciana disse...

Nefelibata, nenhum ser humano, biologicamente falando, precisa de carne para viver. Nem um pouquinho. Isso é mito.

Justificar nossa alimentação através da alimentação de outros animais e colocar o homem (nada prepotentemente) no topo da cadeia alimentar é ignorar o fato de que temos escolhas muito diferentes. Alguns animais comem outros porque não têm escolha. Morreriam se não o fizessem. Não podem cultivar seus alimentos ou simplesmente ir ao supermercado (sic). Assim como, se vc estivesse numa região onde a única fonte de alimentação fosse a carne de baleia (esquimós, por exemplo), uma dieta vegetariana seria suicídio.
E ter escolha não implica em deixar de comer carne ou não, mas saber que poderia, se quisesse. Que, diferente do que a cultura de massa prega, outras formas de viver são possíveis. Não melhores ou piores formas. Apenas diferentes.

Dånut disse...

Acho que é a primeira vez que discordo da Lola XD

Maltratar qualquer animal, como parece que foi feito naquele caso (eu só li o título da notícia) é terrível sim. Mas não vejo nenhuma diferença entre carne de cachorro e de gado. Porque podemos comer uma e sermos pessoas normais de nossa sociedade e a outra nos torna "monstros"?

Teresa Silva disse...

Um Off topic: prezada Lola, tá difícil esquecer o caso Uniban.
Tesão e direitos humanos
Renato Janine Ribeiro
http://www.linearclipping.com.br/cnte/detalhe_noticia.asp?cd_sistema=93&codnot=943003

Well Bernard disse...

Olá professora, estou passando aqui outra vez para dizer que seu blog é mesmo ótimo e que ele virou meu vício. Até agora de tantas coisas que já li, não existe nenhum ponto em que discordei das suas opiniões, principalmente no que tange ao PSDB.

astrocat disse...

Lola, não precisa ser criada pra ser vegetariana, você pode se tornar vegetariana também! :)

Marcos Vinicius Gomes disse...

Puxa, Lola,

Esse seu aluno deveria ser fâ do Mao Tse, já que durante bom tempo na China, cachorro era um ícone 'burguês', o que é uma bobagem...
Sempre observei este aspecto 'prosopopéico' dos animais, sabe essa coisa de conversar com seu gato, cachorro,tratando-os como se fossem da casa (e na realidade eles são) e eles sempre tão amigos. Também tem aquele lado fabular, onde não há barreira entre humanos e animais.
Recordo ter assistido na tevê anos atrás um garoto que havia caído num fosso do zoológico onde estavam os gorilas. Havia uma fêmea ali, que afugentou os machos e pegou a criança no colo como se fosse seu filhote. Claro que sabemos que é instinto, etc, mas não é bela essas simbologias que os animais nos transmitem no dia a dia?Deveríamos ser mais 'animais' para sermos mais 'humanos'...

Giovanni Gouveia disse...

Eu realmente não sei qual a diferença entre matar um cachorro, um gato, ou um bode, um boi, um carneiro...
Tava fazendo as contas aqui, e cheguei à conclusão que fui vegie por 23 anos (dos 13 aos 35), aí casei e fui desbundando.
Já comi quase todo tipo de animal, de tanajura (formiga) a baleia, prefiro comida vegetariana, mas se tiver uma costela, ou um bodinho, eu não me recuso a comer...

aiaiai disse...

Vou discordar radicalmente kkkkkk
acho que esse negócio de ter cachorro e gato era uma coisa interessante no passado, quando - ao que parece - as pessoas tratavam esses animais adequadamente.
Eu tive um cachorro na infância.A gente morava numa casa grande, com quintal idem e o bicho vivia solto. Pulava o muro e ia para onde queria, depois voltava a gente brincava com ele, dava comida, banho de verdade e ele era livre.
Hoje, o que vejo são animais de estimação tratados como bibelos, trancafiados em apartamentos, sem espaço para nada e ainda por cima só podem comer ração (porque comida de verdade faz o coco ficar fedorento aiaiai).
Não acho que isso seja tratar animal com dignidade. Eu não queria ser tratada assim.
Acho nojenta essa relação que a maioria tem com seus animais de estimação.
Acho que ainda vamos evoluir nesse aspecto. Um dia será horrível TER um bicho, seja ele qual for, da mesma forma que hoje consideramos horrivel TER um escravo.

Bárbara Reis disse...

Eu jamais comeria carne de cães e gatos.

Eu queria ser vegetariana tbm, mas eu amo carne e detesto legumes, os unicos que eu como sem problemas são batata e abobrinha... e não dá pra viver disso.

Meu pai me forçou a comer carne de carneiro esses tempos atrás, foi só um pedaço pequeno, mas eu me senti muito mal comigo mesma... nunca mais tbm...

Me lembrou o filme Nemo, os tubarões vegetarianos, que não queriam mais comer peixes... e eles falam: 'peixes são amigos, não comida'

:]

Beijo!

. disse...

Pobre Forastieri, sendo ameaçado pelos detentores universais da sensibilidade humana.

É muito mais fácil dar comida a um cachorro do que a um mendigo.

Mesmo assim, eu não comeria um cão ou um gato. Só não acho que esse assunto valha toda essa choradeira.

Elaine disse...

Lola,
Coincidentemente meu post de hoje fala deste assunto. Dentre todos os comentários que recebi o que mais me chamou a atenção foram os que disseram que comemos animais por que esta é a vontade de Deus, que assim determinou ao criar os animais. Fiquei pasma! Como é fácil usar esse argumento de que é a vontade de Deus! Muitos genocídios e muitas guerras usaram este argumento também...
Penso que há muito de hipocrisia em condenar a morte de uns e comer outros. Claro que acho um horror o caso de Suzano,e culturalmente ´mesmo muito terrível, mas e todos os demais animais? Serão mesmo tão diferentes dos cães e gatos?
Beijos.

lola aronovich disse...

Rosilda, obrigada! É impossível a gente concordar em tudo. Mesmo quando a gente acha que concorda, sempre vai ter uma coisinha pra discordar. É inevitável. Agora estou meio cansada pra falar sobre a questão dos animais... Levei a discussão pro outro post e agora já passou da meia noite. Se eu escrever alguma coia, mas ser mais incoerente do que de costume. Mas apareça sempre!


Junior, que absurdo! Em geral, pessoas que gostam de animais são mais carinhosas com pessoas. E vivem mais, há estudos provando isso. Também há estudos provando que TODO serial killer, todo psicopata, começou suas crueldades com animais. Empatia por animais está sempre ligada à empatia por humanos.

lola aronovich disse...

Bruno, eu não li muitos dos comentários que o Andre recebeu pelo post, mas, os que eu li não eram de trolls. Eram só de pessoas que amam animais e ficaram muito zangadas (e, pelo que eu vi, a maior parte era de mulher).


Mariana, odeio pessoas que abandonam animais! Não sei como essas pessoas fazem pra dormir à noite.

lola aronovich disse...

Má, tadinho do seu pai... Olha, teve uma vez em que meu cachorrinho, já velhinho e um pouco gagá, mordeu a minha mãe na boca! E ela teve que levar pontos e tudo. Foi bem horrível. Mas ele estava comendo e, como estava já surdo e cego, deve ter se assustado quando alguém tocou nele, e reagiu. Certamente não foi pensado e nem por mal...


Nefelibata, se eu tivesse que caçar qualquer coisa pra não morrer de fome, eu morreria de fome... Sabe, eu tô achando que vc vai gostar de THE ROAD, filme apocalíptico com o Viggo Mortensen que tá pra estrear (eu tô louca pra ver). Todos os alimentos e animais acabam, e os homens passam a comer mulheres e crianças pra sobreviver...

lola aronovich disse...

Luciana, não foi bem isso que eu quis dizer. Tigres e elefantes estão quase extintos por causa desses motivos que vc aponta, lógico, mas tem algum grande mamífero que não esteja ameaçado de extinção? A gente acabou tanto com o habitat natural de tantas espécies que os mamíferos grandes, que precisam de muito espaço, são os primeiros a desaparecer. Enfim, é isso que eu pergunto no post sobre a PETA: se a gente não comesse vacas, a gente deixaria que um bicho grande desses, que precisa comer muito, sobrevivesse? Duvido. Acho que vacas seriam extintas tb. Infelizmente.
E não estou questionando que o especismo exista e seja um problema grave.


Well Bernard, não precisa me chamar de professora não! Não se preocupe que já já vc encontra alguma coisa pra discordar de mim. É impossível concordar sempre. Mas concordar no que se refere ao PSDB não é difícil...

lola aronovich disse...

Marcos, pior que não. Eu lembro bem desse aluno, e ele era de direita. Super direita. Tudo que ele dizia era de direita. Não era nenhum fã de Mao não, muito pelo contrário...


Aiaiai, oh god, oh god. Assim vc ofende as pessoas que têm cães e gatos e cuida super bem deles (como é o meu caso, e dos meus amigos). Vc prefere que cães e gatos vivam na rua, e não protegidos (mesmo que não tão livres) num apê? Seria bom perguntar o que os animais preferem. E eu tive um gato lindo chamado Freud que só comeu carne moída e sardinha até os sete anos de idade. A gente incluiu ração porque os dentes dele estavam moles, quase caindo. Não teve nada a ver com cocô ficar fedorento... Não tem nada de nojento na relação que tantas pessoas têm com seus bichinhos, Aiai. Só porque vc não tem bicho de estimação, não condene quem tem. E é simplesmente absurdo comparar um bichinho de estimação com um escravo.


Elaine, deixei um comentário (curtinho) no seu blog. Desculpe, agora estou morrendo de sono! Abraços!

olhodopombo disse...

aqui tenho duas gatinhas, o vizinho ja mandou recado que quer matar as duas, com chumbinho. agora elas vivem trancadas dentro de casa,,,
uma cidade tão espaçosa e com tantos cretinos!

Ciça disse...

O título do seu post me lembrou o de um livro infantil português (angolano, talvez), "Amigos não são para comer". Um monstro da floresta que comia criancinhas (ops!) e todos os animais fofinhos, coelhinhos, porquinhos-espinho, peixinhos, e outros inhos que via pela frente. Ficou só. Foi salvo da solidão pelo herói da história, uma criança humana que teve coragem de debater com o mostro.
Sabe, eu também queria ter sido criada para ser vegetariana. Dá trabalho, né, mudar paradigmas.