quarta-feira, 27 de fevereiro de 2008

CRÍTICA: RAMBO 4 / Mesmo Vietnã, orientais diferentes

Não vale a pena discutir “Rambo 4” com o pessoal que adora o Stalla e vai ver qualquer filme com montes de explosões. Esses homens, se sabem ler, certamente não lêem o meu blog, então não preciso me preocupar com eles. Caso algum páraquedista distraído sem querer cair aqui por obra do Google, tudo que você precisa ler é: “Rambo 4” é um filme de ação bem legal, com um bom ritmo e tal. Agora posso falar desse lixo abertamente?

Pra começar, tem que fazer um esforço enorme e eliminar muito todo o contexto pra conseguir ver a lucrativa franquia Rambo apenas como um filminho de ação. Ela surgiu na década de 80, quando o conservadorismo varreu a América. Os anos 60 e 70 tinham sido épocas de questionamento, de críticas ao sistema, de liberação dos costumes, mas também da Guerra do Vietnã, que os americanos, apesar de todo seu poderio militar, perderam feio. Tava na hora do cinema acompanhar a moral e os bons costumes dos anos Reagan e, de quebra (por que não?) fazer uma releiturazinha do Vietnã. Stallone (entre outros) foi mandado de volta pra lá pra ganhar a guerra sozinho. Que o Stalla foi o poster-boy do conservadorismo da década de 80 não tá em discussão. O que alguém mais desinformado pode perguntar é: o que os anos 80 têm a ver com agora? Tudo! Sete anos de Bush, o fundamentalismo cristão cada vez mais forte, outro país exótico invadido, mais uma guerra perdida... Volta, Rambo! A América precisa de você! Sabemos que você tá velhinho, mas isso não importa! O Reagan não era exatamente um garoto, e o nosso candidato a presidente, John McCain, já tem 70 anos. Idade é relativa! O que importa é a juventude da alma.

E lá vai o Stalla servir à nação. Desta vez Rambo mora perto de Burma, um país arrasado pela guerra civil. Rambo é um velhinho musculoso desiludido que captura cobras e as vende pra orientais estúpidos, no que parece ser uma nova versão da velha roleta russa de “O Franco Atirador”. A vida do sessentão não tem mais sentido até que surge uma jovem missionária americana que quer ir pra Burma salvar alguns asiáticos, convertendo-os ao cristianismo. Ela tá com um grupo de outros missionários, mas, sendo a única mulher, e o Rambo sendo homem com H, ele só tem olhos pra ela. De novo, a história se repete. Os americanos não deveriam estar lá. Mas, já que estão, cabe ao Rambo resgatá-los. Há também outros mercenários, todos boa gente. Só que o Rambo é o mais puro de todos por não aceitar pagamento.

De cara, fica bem estabelecido quem são os vilões: os malditos vietcongues, ou quase, que espancam, matam e estupram mulheres, explodem suas vítimas e ainda fazem apostas, e roubam meninos de suas mães. E, pra colocar a cereja no topo, o comandante deles ainda é gay! Parece um manual pro pessoal da direita cristã ver junto, levar as crianças, e apontar: tá vendo? A gente não bebe. Os inimigos bebem. A gente não participa de jogos de azar. A gente não faz sexo fora do matrimônio (e ainda assim, só pra reprodução). E a gente certamente não é gay. Porque aquele comandante deles é um sanguinário sádico que comete genocídio, mas o que o Todo Poderoso não vai perdoar mesmo é sua orientação sexual. Entendeu bem, meu filho? Pois é, matar a gente mata, mas sempre por uma boa causa, com a graça de Deus.

Minha parte preferida é no barco, quando Rambo liquida alguns vietcongues pra salvar os missionários americanos, e segue-se um momento de tensão. Os missionários hesitam se devem continuar no caminho a Burma, mas decidem: “Vamos! Lá tem muito mais gente massacrada precisando da gente”. Chegando lá, Rambo praticamente acaba com a população masculina do país. Fica difícil entender como americano perde guerra, se é só mandar um carinha lá que ele resolve tudo em dez minutos. E de graça. Minha segunda cena favorita é quando Rambo explode uma bomba nuclear em Burma. É sério, sai até fumaça em forma de cogumelo. Ah, interessante: qualquer soldado americano tem uma bomba nuclear portátil à disposição? E a gente tem medo do Irã?

31 comentários:

Liris Tribuzzi disse...

'Ah, interessante: qualquer soldado americano tem uma bomba nuclear portátil à disposição? E a gente tem medo do Irã?'
Matou a pau!

Acho que nunca vi um filme do Rambo inteiro. Esse lance de americanos ressucitando a Cia. de Jesus (em vários formatos) me enjoa.

Ah! Já viu 'Team America'?

lola aronovich disse...

Nao, nao vi! Ja me falaram muito do Team America. Prometo que vou ver. Esse eu tenho a minha disposicao de graça, pra ver a qualquer momento (ainda preciso falar da Netflix!).

Liris Tribuzzi disse...

Que rápido!

A melhor cena de todas (que é logo no início) é quando a polícia mundial (adivinha de onde) destroi completamente Paris pra pegar os terroristas que queria explodir uma bomba lá (o que provavelmente destruiria 'só' um quarteirão). É bem legal e o palavriao é chulo até o talo!

Pedro P. disse...

Ok primeiro, como é Lolinha ? "Não vale a pena discutir “Rambo 4” com o pessoal que adora o Stalla e vai ver qualquer filme com montes de explosões. Esses homens, se sabem ler, certamente não lêem o meu blog" ??? HAHA Sinto lhe desapontar mas nem todos seus leitores são tão seletos, porque Rambo é um mito e se ele fizer oq fez no trailer de lançamento no inicio da divulgação de arrancar a cabeça de um cara praticamente com um murro, eu irei urrar no cinema :D .
Segundo Liris, eu não posso concordar com você, a melhor cena é a de sexo kama sutra dos bonecos, Lolinha é um filme mto foda, vc vai gostar, eu acho.

Liris Tribuzzi disse...

Essa cena também é interessante, pra dizer o mínimo. Tem também os caras que querem jogar uma 'jihad' em todo mundo! Hhuahuahauhuah

Melhor eu parar de contar o filme pq a Lola não viu ainda.

Lola, você vai gostar do Matt Damon.

Silvio Cunha Pereira disse...

Ah, essa cena de sexo em grande variedade do Team America eu ja vi. Tava no otimo documentario "This Film is Not Yet Rated". O diretor do T.A. contou que ele incluiu cenas a mais naquela sequencia (as cenas mais chocantes que ele podia imaginar), na esperanca que o pessoal que libera os filmes nos EUA so mandasse cortar aquelas cenas a mais, mas deixasse o resto. Parece que funcionou...
O Stalla arranca a cabeca de um cara com um murro? Devo ter perdido essa parte, Pedro!

lola aronovich disse...

Esse comentario acima eh meu, obvio, nao do maridao!

Pedro P. disse...

Eu baixei um trailer que sim, ele tem uma pequena faca na mao, não é a faca do rambo, é como se fosse uma lamina de uns 3 cm e ele dah um murro no kra, e a cabeça dele voa :D.
Vc gostou desse documentario ? Eu quero ver, assisti o trailer uma vez e achei bem legal. Estou me curando do meu vicio de trailers aos poucos HEHEHE. Mas sim Lolinha decepecionada que seu fã que lhe quer mais bem, venderia suas cronicas (só as cronicas pq eu estou bonzinho hoje) para ver Rambo ? HEHE zuando.
Abraços


PS: Cade o maridão ? Ele não se manifestou ainda a respeito do seu segundo e quase vitoria no bolão.

Liris Tribuzzi disse...

'O diretor do T.A. contou que ele incluiu cenas a mais naquela sequencia ...'

Que estratégia! Adorei.

lola aronovich disse...

Liris, também gostei da estratégia do diretor! Mas imagina o trabalhão que deve ter dado filmar montes de cenas a mais...
O documentário "This Film is not yet rated" é bárbaro! Se tiver por aí, aluguem, que é um must pra quem gosta de cinema.
Pedrinho, se eu vendi a alma aquele ano apostando em Senhor dos Anéis 3 pra ganhar o bolão (só assim pra eu ganhar um bolão?), vc pode vendê-la pra ver Rambo 4.
O maridão é um não-manifestável! Eu tb acho que isso ficaria mais animado se ele desse as caras, mas ele é péssimo de escrever no computador. Tem a ver com nao saber digitar... (se bem que a catação de milho tem melhorado).

Pedro P. disse...

Lolinha e se o Hobbit vir com tudo nas indicações do seu ano de estreia, oq vc irá fazer ? Ainda lhe resta alma para vender ?
Quanto ao documentario vou procurar saber nas locadoras se não apelo virtualmente...
Abr

lola aronovich disse...

Ai, nem fala, Pedrinho... Putz, o Hobbit é pro final deste ano? Eu acho que alma é reciclável. Vou vendê-la muitas vezes ainda...

lola aronovich disse...

Gente, hoje minha critica sobre Rambo 4 foi publicada no jornal ANoticia, e recebi este email, que reproduzo pra vcs, sem apontar o nome do remetente:

"APROVEITA LER PORQUE VC SABE NÉ! EU PEDI PRA UM AMIGO ESCREVER.... EU NAO SEI
LER.... (snif)

...bom eu ja vou dizer que vou escrever errado e sem acentuação porque eu vejo Rambo
e nao vou perder o IV de maneira nenhuma...Entao vejamos 'Arono', hoje cedo li seu
artigo sobre o filme Rambo IV, puxa... voce disse que homens que assistem filmes do
Stalla (rs) talvez nem saibam ler!? Sou formado em design gráfico com habilitação em
programação visual e posso ate dizer que tenho boas notas. Desenho desde os 5 anos e
trabalho com ferramentas de criação a bem mais de 10 anos. Mais infelizmente (por
assistir Rambo eu acho) não sei ler! ofensivo!? não! se o AN deixa publicar essas
cronicas, mal concebidas e pensadas, o que um pobre analfabeto poderá fazer...
chamar o rambo quem sabe... (!) eu nao vou dizer que voce esta de toda errada,
afinal o rambo é sem duvida um cara que mata, detona e explode tudo. sabe os filmes
dele nao foram feitos para maes assistirem com filhos, nao foram feitos para membros
de uma igreja conservadora assistirem (e ainda falarem durante o filme) e pra quem
deveria estar na cozinha cuidando dos afazeres domesticos ao invés de falar de um
filme que talvez nem conheca bem.acho que nao viu os anteriores viu...? novidade pra
voce, tem o 1, 2 e 3! é por isso que esse que voce comentou tem aquele IV atras... é
o quarto da serie. vamos fazer assim, assista os outros e vc vai entender esse...
pensa só... em todos os 'rambos' o mocinho mata, degola, explode, arrebenta
exércitos inteiros... eu assistia rambo na sessão da tarde! rs... sempre foi
assim!"foram eles que começaram" pra arranjar uma desculpar para por abaixo uma
cidade toda, "eu nao quero mais lutar" mais tem gente presa la e ele vai, "minha
guerra acabou" mais o chefe vai fica preso e ele vai salvar destruindo um exercito
treinado e mais equipado que ele... o que eu posso dizer? comico? estranho? babaca?
olha nao so gente que nao sabe ler e escrever viu rambo. esse filme criou um
esteriotipo para o stallone... quem olha o cara lembra do rambo e quem olha o rambo
lembra de guerra... quase um icone de combates sangrentos...rsa gente nao podia lola
esperar que no IV filme ele fosse desarmado com uma camiseta de nossa senhora pedir
que os viloes libertassem as pessoas sem reagir de nenhuma forma. a violencia cabe
ao fato de que ver pessoas ficarem presas em armadilhas feitas a mao pelo cara nao
ia mais 'impressionar' isso vemos nas novelas babacas da globo. nao pode se esperar
do rambo emocao, choro, bondade... se nao foge do que ele realmente é... um
analfabeto que fala 2 ou 3 palavras grunhidas e assim como os que veem seus filmes
nao sabe ler e escrever!talvez se fosse uma cronica do filme sintonia de amor, as
pontes de 'médisson' ou um lugar chamado 'nossing rrill' a cronica sua seria mais
leve... nessa do rambo vc foi bem brutal... com o pobrezinho idoso do stalla e com
os analfabetos que nao conseguiram ler sua cronica.bom vou ficando por aqui... e vc
passe na locadora e veja os anteriores... lola inclusive o 3 tem erros brutais de
continuidade que vc morre de rir.... vale a pena. so nao assista muito porque se nao
vc nao podera mais fazer suas cronicazinhas.tenho muito que fazer porque sou
designer grafico... mais uma hora dessas vou fazer um passatempo do tipo ser
'cronista de cinema'... isso é emprego ou é tipo ser chapa!? sabe desculpa pra quem
nao tem nada melhor pra fazer do que falar boberinha!mais sorte no futuro... e fica
de incentivo pra vc ... pelo menos um analfabeto LEU inteiro sua, fraquinha pra
caramba, cronica!sucesso e bons textos!
tinha uma foto melhor do rambo com a metralhadora que ele detona o cara do jipe...
no trailer ele corta a cabeça desse cara ai... que ta na foto, pega a metralhadora e
explode em pedaços o cara do volante... ia ficar mais, como eu posso dizer,
'ANALFABÉTICO'.
sem mais, subcrevo-me-lhe - te!
'stalla' (*)"

lola aronovich disse...

Eu respondi assim:

"Caro XXXX,

Vc tem todo direito a sua opiniao, assim como eu tenho a minha. Mas eu nao
disse categoricamente que todos os homens que gostam de Rambo nao sabem
ler. Eu usei uma palavrinha importante que vc ignorou, "SE" ("Não vale a
pena discutir “Rambo 4” com o pessoal que adora o Stalla e vai ver
qualquer filme com montes de explosões. Esses homens, se sabem ler,
certamente não lêem o meu texto, então não preciso me preocupar com
eles."). O mais importante na frase nao foi o que vc captou. Foi que fas
de Rambo nao leem o meu texto. Suponho que vc foi uma exceçao a regra.
Sinto muito ter detonado com seu filme de cabeceira. Mas vc usa argumentos
um tanto fracos. Esse de "porque as coisas sao assim, sempre foram assim",
por exemplo, eh pessimo. Vi os outros 3 filmes do Rambo (bom, nao tenho
certeza se vi o terceiro inteiro, creio que nao), e entendo bem o que ele
representa. Mas vc so esta vendo a superficie - que ele mata, fala pouco,
arrebenta exercitos inteiros etc. Isso qualquer um que ve Rambo pode ver.
Mas ha toda uma ideologia por tras disso, e foi isso que tentei apontar no
meu texto. E so porque basta olhar pro Stalla pra lembrar do Rambo e
vice-versa nao faz com essa ideologia desapareca. E eh claro que ele eh
iconico! Ele eh o garoto-propaganda do conservadorismo! Vc pode entender
esse subtexto e ainda assim gostar do filme. Por exemplo, so pra citar um
outro filme marcante da decada de 80, Flashdance: eh uma bombeira, uma
fantasia masculina (a dancarina da noite que se veste de operario durante
o dia), mas eu gosto apesar dos recadinhos reacionarios. Da proxima vez
que for ao cinema ou ver filmes na sessao da tarde, tente nao se ater so
ao basico, ao obvio, ao visivel. TUDO que vc fala no seu email sobre o
Rambo eh obvio! Sinto muito, mas dessa forma nao vejo uma carreira muito
promissora pra vc como cronista de cinema.
Espero que vc esteja so de brincadeira ao insinuar que eu, por ser mulher,
deveria "estar na cozinha cuidando dos afazeres domesticos ao invés de
falar de um filme que talvez nem conheca bem". Porque, se vc estiver
falando serio, vc vai ter muita dificuldade pra ver as mensagens fascistas
por tras de filmes como Rambo. Talvez isso tudo - "eh assim que as coisas
sao" - seja tao "natural" pra vc, tao parte do seu ser, que nao de pra
pensar no subtexto. Mas fica aqui a minha dica: pense.

Abraço, tudo de bom, e obrigada por escrever.
Lola"

Pedro disse...

Ho ho ho ho, juro que não fui eu, euahaueahuae zuando, mas eu não consegui ler o e-mail dele todo, eu comecei aí na metade se tornou tão cansativo, repetitivo e idiota que eu pulei para o final na esperança de encontrar algo mais interessante, mas até as ofensas dele são sem graça, assim fica dificil né Lolinha ? Nem diversão ofensiva vc ganha com a repercusão das suas cronicas, e Arono é algum apelido carinhoso ? Nem o google me disse o que poderia ser haeuheauhea...
Lembrei do meu e-mail para você há milenios HEUEAHUAE falando de SDA 3, mas eu não sou um ser chato apenas falei que minha cronista favorita pode falar mal até dos filmes favoritos que eu não fico com vontade de mata-la, pendura-la em um gancho e dividir seus restos para os esfomeados para sempre, é passageira...

Liris Tribuzzi disse...

Fala sério Lola, você se diverte com isso, não é?

Receber um email com esse conteúdo deve ser uma honra! Imagina a cara de indignação do pobre coitado lendo isso. Dá até pena. O herói da infância dele sendo destruído por uma mulher! Queria ler uma 'crônica' dele sobre o Rambo. Deve ser meio assim: "Ontem eu fui assistir(sic) Rambo IV. É impressionante como o personagem dele ainda é marcante e despojado. Apesar da idade, ele ainda consegue fazer tudo que fazia antes e bem melhor agora! As cenas em que ele explode as pessoas são animais! Empolgam, não dá pra pensar em outra coisa. Eu adoro o Stallone e tudo o que ele faz. É um dos melhores filmes que eu já vi."

Tem mais emails desse tipo aí? Dá pra se divertir com ele.

lola aronovich disse...

É, Pedrinho, nao é facil ler o email inteiro... Ah, tem leitor que discorda de forma educada. E tem os que enchem as mensagens de palavrao e agressao. Costumo responder todos, geralmente com educacao. Gosto de ganhar os que escrevem emails malcriados e, depois de receberem uma resposta mais ou menos sensata, se arrependem. Acontece bastante. Nao me lembro do seu email, Pedro! Infelizmente, teve um virus no meu computador que apagou tudo daquela epoca. Dos mais de 100 emails que recebi de fãs irados de Senhor dos Aneis, tudo que tenho é aquela coletânea que reuni, os melhores momentos (preciso colocar aqui no arquivo do blog).

lola aronovich disse...

Ah, Liris, nao sei se me divirto nao... Com alguns sim. Aquela coletanea do Senhor dos Aneis realmente foi divertida. Mas sabe, essa critica imaginaria que vc relatou existe! Basta ler o que a maior parte dos criticos homens escreve sobre Rambo. Nao é muito diferente!

lola aronovich disse...

Parece invencao minha, mas nao é. O rapaz do email acabou de me mandar outro:
"lola... valeu pela dica!

desde ja peço desculpa se passei alguma ideia errada para vc. quanto a esse
'machismo' de fundo de quintal de mulher so viver na cozinha é mentira porque eu
mesmo pego sextas a noite pra limpara minha casa e amo lavar louça e secar.

quanto ao conservacionismo nao tenho duvidas... é claro que vc como mulher tem uma
visao privilegiada, um sexto sentido que nos simples mortais - homens - nao temos.

quanto a cronista sei que nao vou ser nunca porque como vc mesmo deixou claro vejo
apenas a superficie, é de familia... a gente demora mais a enxergar as verdades
suscintas...rs

na verdade dpois de mandar o email li mais umas 2 ou 3 vezes seu artigo ... me
arrependi do email e ai ja era tarde... se fosse agora teria dito outras coisas...
os EUA tentam sempre mostrar que estao sendo as vitimas e coisas do tipo... fazer o
que.... fraqueza dos que querem ser fortes.

se por algum motivo algo que escrevi passou como ofensa ... sinceras desculpas ...

gravei seu blog para ver futuramente... e estarei aguardando suas criticas de filmes
futuramente...

sucesso para vc tambem"

Liris Tribuzzi disse...

Segue a máxima: Falem mal mas falem de mim!

Com certeza esse cara vai continuar lendo o que você escreve pra poder falar mal depois e com o tempo ele nem vai lembrar mais do Rambo e nem falar mal.

Eu admito! Quis ver o seu computador explodindo quando li o martírio que 'O Senhor dos Anéis' sofreu, mas como não tinha sido a primeira que eu li e já tinha rido bastante, deletei aquilo da minha mente e fui rir com outras!

Liris Tribuzzi disse...

Ganhou um fã!

lola aronovich disse...

Se alguem ficou curioso pra (re)ler alguns pedacinhos de emails que recebi de fãs de Senhor dos Anéis, já inclui no arquivo do blog:
http://escrevalolaescreva.blogspot.com/2007/11/melhores-momentos-das-mensagens-iradas.html
Isso é de 2000 ou 2001, um tempao atras!

Liris Tribuzzi disse...

O link não exite....

lola aronovich disse...

Puxa, entao digita senhor dos aneis no blogger busca que deve aparecer. Chama-se "Melhores momentos das mensagens iradas".

Liris Tribuzzi disse...

Terríveis os comentários! Nem xingar direito eles saber. Povinho sem classe.

Mas você sabia que tinha colocado sua cabeça a prêmio quando escreveu aquilo, né?

Suzana Elvas disse...

"De que planeta vc veio?? Lá não haviam flores, paisagens Neoholandesas, seu planeta era muito escuro, etc??!!!"

Hahahahahahahaha!!!!!!!!!
Credo... Você ganha adicional de insalubridade?

lola aronovich disse...

Ah, Su, esse rapaz que escreveu isso é/era leitor assíduo do lost art, acho que amigo do meu irmao e tudo. E foi simpatico, depois que eu coloquei seu comentario infeliz ele escreveu arrependido... Faz muito tempo, nem lembro mais.

Thigão disse...

Ok primeiro, como é Lolinha ? "Não vale a pena discutir “Rambo 4” com o pessoal que adora o Stalla e vai ver qualquer filme com montes de explosões. Esses homens, se sabem ler, certamente não lêem o meu blog" ??? HAHA Sinto lhe desapontar mas nem todos seus leitores são tão seletos, porque Rambo é um mito. Lola gostou muito do seu blog e graças à Deus sei ler sim... Estou postando esse comentário super atrasado pois achei que você foi super radical.
Mas parabéns pelo blog estou aproveitando e pegando nome de filmes que eu ainda não vi...

Cristiano Alves disse...

Olá, Lola, tudo bem? Li a sua crítica e achei muito interessante, apesar de certa carga de preconceitos em "esses homens, se sabem ler, certamente não lêem o meu blog, então não preciso me preocupar com eles". Não apenas leio o alfabeto latino, como o cirílico russo e um pouco do seu cirílico sérvio(seu sobrenome nos sugere a procedência balcânica).

Entendo que como descendente de balcânicos, a doutora tem todos os motivos para odiar o governo americano, assim como eu não tenho respeito por um governo que já invadiu mais países do que a Alemanha nazista desde os anos 50, mas entendo que toda generalização é deplorável, ela ignora toda uma heterogeneidade num dado universo. Encontrei o seu blog justamente buscando uma crítica inteligente ao filme, como faço com qualquer filme que assisto, daí aceitei o desafio de comentar seu artigo. Imagino que o blog preze pela liberdade de expressão.

Pois bem, vejamos, o artigo começa bem, aliás assisti o Rambo na minha infância e novamente ano passado, a fim de criticá-lo num artigo sobre filmes holywoodianos e propaganda anticomunista, encontrado em meu blog "A Página Vermelha". Não incluí o Rambo IV na lista por que este filme, no meu entender, é bem mais maduro do que os anteriores. Por quê? Nele não há "comunistas malvadões", os vilões também não são "vietcongues", conforme dito no artigo, são militares tiranos sem qualquer identificação ideológica no filme. Quanto à mulher, de fato lamento que o filme não tenha tido um pouco mais de romantismo, também é banal querer idolatrar uma "Nova Companhia de Jesus", entretanto o filme ensina uma importante lição que é o vazio do discurso pseudopacifista, que vê no pacifismo um "passivismo". Os romanos já diziam que "si vis pacem, para bellum", é uma filosofia que pode parecer contraditória, preparar-se para a guerra para ter a paz, mas a história mostra que ela é plenamente válida, seja para impérios militaristas ou revoluções sociais. A Rússia, país que durante a maior parte de sua história enfrentou guerras em seu território, invasões, hoje conhece uma relativa paz por que os soviéticos souberam preparar-se par a guerra e construíram o maior arsenal nuclear do mundo! Essa é a filosofia que Rambo IV passa ao retratar os missionários do tipo "paz e amor", um deles chega a matar um inimigo. No Brasil eu vejo pessoas dotadas de uma histeria hoplofóbica, capazes de enxergar no mais inocente indivíduo com uma arma na mão um bandido de alta periculosidade, mas que normalmente mudam de ideia quando este emprega-a de forma justa.

A insinuação implícita do artigo de que o filme seria "homofóbico" parece ignorar o conteúdo do filme. O arquirrival do Rambo não é um mero "gay", é um pedófilo! Acredito que é indiscutível que qualquer castigo para um pedófilo é sempre justo. É bom lembrar que os vilões do filme não são apenas pedófilos, mas também estupradores heterossexuais e machistas.

A propósito, o filme não tem "bomba nuclear", mas uma bomba da segunda guerra lançada pelos ingleses que não foi detonada, que depois é ativada por uma mina terrestre. Esse tipo de dispositivo pode ser ativado vários anos depois, e no Brasil houve acidentes parecidos com granadas de morteiro.

No mais, Rambo IV é um filme de ação e não se pode aplicar a esse tipo de filme a mesma lógica que alguém aplicaria a "Além do Cidadão Kane" ou um filme de Ingvar Bergman. É o famoso pão com ovo, e nem só de caviar vive o homem! As cenas de violência são bastante realistas e acredito que todos nós precisamos de uma certa dose dela, até como uma vacina contra o puritanismo direitista e hipócrita. "Ai, a revolução russa foi violenta, eles mataram fulano". "Ai, a Revolução Francesa foi tão violenta", "revolução é coisa de pessoas criminosas, genocidas e sem coração". Quem nunca ouviu essa farsa puritana? Rambo ajuda a superar isso quando suas ações são mais eficazes do que o puritanismo dos missionários.

Cristiano Alves disse...

Peço que poste apenas o comentário anterior a esse, com algumas alterações no original.

Antes de mais nada, quero deixar claro que tenho como filmes favoritos clássicos como Excalibur(1981), Alexander Nevsky(1938) e Metropolis(1927). Nunca tive problemas com filmes em preto e branco e nem mesmo com o cinema mudo.

Daniel disse...

Adoro Flashdance, eu era criança quando assistia na sessão da tarde e o que passava para mim, é que podemos alcançar nossos objetivos, mesmo sendo podre e lutando todos os dias com 2 empregos para sustentar uma família. Ainda não perdi essa minha esperança que o filme passou, sendo uma mulher, morena, trabalhando como um homem na soldagem de tubulações e com um sonho de pertencer a maior escola de Ballet do EUA, pelos menos assim é o que o filme passava.No total, meus singelos olhos vêem uma musica linda e comovente, uma história de princesa e que nunca deixemos de perder a esperança por nada nesse mundo de tanta dor... Me desculpe, por estar falando isso, apenas quis expressar humildemente meus sentimentos com o filme Flashdance, no que as vezes esquecemos,devemos sonhar e irmos com determinação realizá-los.