domingo, 5 de novembro de 2017

UMA LONGA ESPERA

Boa sorte a todas as pessoas fazendo o Enem hoje! Apesar de todos os retrocessos, vamos continuar lotando as universidades públicas de gente que ouviu a vida toda que lá não é o seu lugar. 
Vou aproveitar este post para mais uma vez tentar sortear o livro maravilhoso da Rebecca Solnit, Os Homens Explicam Tudo para Mim. A Karen ganhou o último sorteio, mas não me enviou email com seu endereço para que eu possa mandar o livro pra ela. Portanto, vou sortear outra pessoa.
Eu havia esquecido um nome na lista, e a pessoa me alertou. 
Incluí o nome, e a lista de participantes ficou com 35 pessoa (veja aqui). Fui ao Random, que me deu o número 15. 
É a Aiaiai, leitora antiga aqui do blog! Ueba, agora vai! Finalmente um sorteio que deu certo!
Já já anuncio o próximo sorteio. Agora me animei!

76 comentários:

lola aronovich disse...

Lista com nomes de 1 a 35 das pessoas que deixaram comentários (não anônimos) para concorrer ao sorteio do livro OS HOMENS ENSINAM TUDO PARA MIM, de Rebecca Solnit (editora Cultrix).

1 - Karen
2 - Luciano
3 - Wellington
4 - Mariana
5 - Camila Primieri
6 - Guidi Vieira
7 - Vinicius Simoes
8 - Maria Helena
9 - Quelim Crivelatti
10 - Carol Machado
11 - Isabella C. Gonçalves
12 - Josebel Macedo
13 - Maisa Tuasca
14 - Clara Cissa
15 - Aiaiai
16 - Non Exzyklon
17 - Flora Valls
18 - Sérgio Carneiro
19 - Bela Campoi
20 - Nádia C.
21 - Natália
22 - Cristiano Machado
23 - Renata
24 - Mel
25 - Evelin Gomes
26 - Thaís
27 - Vincitrice
28 - Marina Oliveira
29 - Carla Sousa
30 - Fernanda Wojcik
31 - Rafael Cherem
32 - Donadio
33 - Charle Coimbra
34 - Cara Valentina
35 - Sofia

E a/o vencedor/a é... Veja no post!

Anônimo disse...

Lola todos os descendentes de alemães, poloneses, russos, etc.que existem no Brasil, principalmente no Sul descendem de pessoas miseráveis que atravessaram o Atlântico para trabalhar na zona rural em condições precárias.
A palavra escravo vem de "slave " que significa eslavo, povo branco que foi brutalmente escravizado por muçulmanos, negros escravizaram outros negros, e até hoje escravizam na África.
Eu não me lembro de antes das cotas ter placas em Universidades públicas "proibida entrada de negros "

Anônimo disse...

Mas aqui no mundo ocidental cristão foram os negros que foram escravizados pelos brancos, anon 13:13. E é essa disparidade histórica que as cotas tentam corrigir.

Anônimo disse...

Pessoal contra acha erroneamente que no sistema de cotas basta ser negro, pardo ou índio que já tem lugar garantido e não precisa estudar para passar, se tirar zero não tem problema, passa mesmo assim. Acho que não é assim. Já me formei faz tempo, nao tinha sistema de cotas nos anos 1990, não sei bem como está funcionando, mas deve ter uma nota mínima ou nota de corte, dentro das cotas ou não? E outra, depois que passa, cotista ou não, todos tem que receber o mesmo ensino, todos tem que estudar.

Anônimo disse...

Agora tem cota em concurso

Anônimo disse...

Alguém faria uma cirurgia se se o cirurgião fosse cotista? Alguém entraria em um avião pilotado por um cotista?

Anônimo disse...

Sou negro, formado e federal e teria vergonha de ser cotista.

Sou contra as cotas e acho que elas alimentam o racismo.

lola aronovich disse...

Anônimo das 16:38, vc tem coragem de fazer essas perguntas em público, ou só covardemente escondido atrás da tela de um computador? Porque um professor da UFES falou isso e foi exonerado. Bolsonaro (que aposto ser o seu candidato) também já disse isso e não será eleito (não apenas por causa disso, mas... vc não acha que esses "deslizes racistas" serão esquecidos durante a campanha, acha?).

Anônimo disse...

Absurdo foi o que ja ouvi, cota de 5% para índios, sendo que eles não são nem 0,8% da população

Anônimo disse...

Cota para negro, cota para travesti, cota para pobre, na verdade o que algumas pessoas querem é na verdade proibir a entrada do homem opressor: branco, hetero e cristão

Anônimo disse...

"Bolsonaro (que aposto ser o seu candidato) também já disse isso e não será eleito"

Quanta clarividência em uma única frase? Queria saber de one a Lola tira tanta certeza que ele não vai ser eleito, se até a Carta Capital admitiu a possibilidade.

lola aronovich disse...

A parte do Bolso ser seu candidato eu acertei, né?

Pardal disse...

"Esquerda é inteligência, direita é egoismo" Jacques Dubochet, ganhador do Prêmio Nobel de química de 2017, cientista, esquerdista e feminista (quem tiver curiosidade e souber alemão pode dar uma olhada nesta entrevista do jornal "Work" da Unia, um sindicato da Suíça: http://www.workzeitung.ch/tiki-read_article.php?articleId=2989&topic=1).
Anon. das 16:38, reforçando o que a Lola disse, você acredita mesmo que a pessoa se torna um profissional apenas passando no vestibular? Já vi estudantes que passaram em vestibulares concorridos de universidades públicas e não conseguiram terminar o curso, foram jubilados ou desistiram, isto em uma época que ainda não existia o sistema de cotas, e não me recordo de nenhum deles ser negro ou dos de mais baixa renda até porque estes não tinham muitas opções, não tinham quem pudesse bancá-los, precisavam terminar o curso rápido para começar a se sustentarem e até ajudar as famílias. Passar no vestibular é só o começo.

Anônimo disse...

Anon das 16:38
"Alguém faria uma cirurgia se se o cirurgião fosse cotista? Alguém entraria em um avião pilotado por um cotista?"

Por que não faria? Qual diferença? Uma vez que entrou na Universidade o ensino é o mesmo, os professores são os mesmos, as provas são as mesmas, todo mundo tem que estudar e ralar para se formar. Depois, se passou pelo processo seletivo para vaga de cirurgião ou piloto (que não tem cota nenhuma, diga-se de passagem), se foi aprovado e bem colocado, é porque era o mais capacitado para a vaga.

Anônimo disse...

Cota em concurso público (pelo menos para cargos de nível superior) eu sou contra, apesar de compreender que a intenção é promover a diversidade no serviço público. Sei lá, acho que nesse caso, todos os candidatos já passaram por graduação, mestrado, doutorado. As condições estariam menos desiguais. Não sei.

titia disse...

Quem AINDA está reclamando de cota são os vagabundos que durante todo o ano letivo não abriram um livro, passaram a aula compartilhando porcaria ou "mitando" no celular, fugindo da aula extra de sábado pra encher a cara no bar, ao invés de fazer o dever de casa ficou o dia todo coçando o saco, etc., etc. Duvida? Veja se o pessoal que foi hoje fazer o ENEM gastou o tempo deles reclamando de cota! Eu, branca, classe média, estudando a vida toda em escola particular e cursinho, fiz vestibular na época da implantação das cotas e passei. Passei porque eu ME RALEI de estudar, colega. Ia pra aula, fazia os exercícios passados em casa, lia. Eu não faltava às aulas nos sábados e quando chegou na cara do vestibular, eu tinha aulas de DOMINGO A DOMINGO; aulas, aliás, das quais só faltei uma por questões de saúde.
No dia anterior à primeira prova assisti um aulão de revisão. Fiz a primeira prova, fui pra casa, almocei e fui pro aulão de revisão para o segundo dia de prova. Saí da prova DIRETO pra aula. Aliás, eu e uma porrada de gente branca e de classe média que foi aprovada naquele ano. Veja se esses vadios reclamando das cotas fazem 1/3 do que a gente fez pra passar no vestibular? Porra nenhuma! O que eles querem é que as vagas caiam do céu no colo deles sem que eles tenham sequer que aprender a ler! Eu com certeza confiaria muito mais num profissional cotista do que num desses vagabundos que não querem estudar nem antes nem depois de entrar na faculdade.

Anônimo disse...

Lola,

Eu sou o Anonimo das 18:13, não fui eu que fiz o comentário das 16:38 e nem vou votar no Bolso, apesar de temer que ele possa ser eleito.

Gui disse...

"A parte do Bolso ser seu candidato eu acertei, né?"

Não, Lola, errou. E errou 3 vezes.

1. Não sou o anônimo das 18:13.

2. Não decidi ainda em quem votar. Voto no Bolsonaro se até lá não aparecer outro candidato que não seja de esquerda. Afinal, não vou votar no santo da lista da Odebrecht, provável candidato do PSDB, nem no careca e no mineirinho da lista, que ainda pediu dois milhões para o cara lá da Friboi, nem no Dória, que comemorou o arquivamento da denúncia contra o Temer.

3. Em nenhum momento falei da cor da pele. A minha questão é com as cotas. Se o cara for branco e for cotista não entraria na sala de cirurgia nem no avião.

Anônimo disse...

Eu só acreditaria que você é negro se eu visse a tua foto. Tu é eleitor de bolso.

Anônimo disse...

Eu faria uma cirurgia se o cirurgião fosse cotista. Eu entraria num avião pilotado por um cotista. Mas eu não entraria num avião pilotado por você e não faria uma cirurgia se o cirurgião fosse você. E sabe porquê troll? Porque você nunca chegará a ser cirurgião porque não tem capacidade para passar no vestibular apesar de todos os privilégios de uma vida de filhinho de papai rico/classe média desocupado. E você joga a culpa pelo seu fracasso nas cotas. Deixe de mimimi e vitimismo e estude de verdade que vc consegue a vaga. Ou continue se vitimizando e seja um fracassado para sempre. Enquanto isso os cotistas, que são extremamente estudiosos na faculdade se tornarão excelentes profissionais. Coisa que você nessa sua choradeira vitimista jamais será. Beijinho no ombro, trollzinho!

Anônimo disse...

A única coisa que vai te proibir de entrar na faculdade, anon 18:07 é a tua própria incapacidade e perda de tempo com choradeira vitimista. Tu não faz porra nenhuma, estudou em escola particular, teve tudo do bom e do melhor e mesmo assim não consegue passar no vestibular e culpa as cotas? Ah vah estudar. Mimimimimi

Anônimo disse...

Até parece.
Se um professor roda um aluno cotista ele é exonerado na mesma hora sem direito nem a defesa.

Podiam entregar logo os diplomas Sem nem precisar passar pela faculdade. Pelo menos não ia tirar vagas de quem quer estudar.

Anônimo disse...

Como todos os babacas bolsominions. Um dia vc consegue passar no vestibular, colega.

Anônimo disse...

Cotistas têm desempenho superior à média (e muitas vezes superior em termos absolutos), porque, além do preparo que já demonstram entrando na universidade, dedicam-se e esforçam-se bem mais que os outros, cujo "mérito" é ter tido sempre tudo à mão.


Muitas fontes podem ser consultadas e confirmam a afirmativa.
Jornal "progressista", Uerj e Unicamp: http://www.estadao.com.br/noticias/geral,desempenho-de-cotistas-fica-acima-da-media-imp-,582324 ;

Dados do Ipea, 2015: http://www.jornalnc.com/noticia?351-Cotistas-t?m-melhores-notas-em-universidades,-segundo-Ipea

Pesquisa Fapesp: https://exame.abril.com.br/brasil/politicas-de-inclusao-tem-resultado-positivo-nas-universidades/

Anônimo disse...

Tá difícil de errar. Kkkkkk. Reaça é td igual.

lola aronovich disse...

Fala a verdade pra gente, troll: vc tentou passar na faculdade, não conseguiu, e agora fica aí culpando os cotistas, enquanto os teus pais, que não te aguentam mais, ainda não te expulsaram de casa.
Vc não tem a menor ideia de como funciona uma universidade. Não existe isso de "professor exonerado na mesma hora" pra nenhum caso, muito menos pra professor que reprova aluno (cotista ou não). Todos os estudos mostram que aluno cotista tira notas tão boas ou melhores que os não cotistas e têm índices menores de evasão e retenção. Mas é claro que sua opinião tirada de sei lá onde vale mais do que todos os estudos juntos.
Com tantos preconceitos e aversão à pesquisa, você não merece entrar numa universidade.

Anônimo disse...

Isso só deve existir no seu mundinho, troll das 21:35

Anônimo disse...

E ainda concordo com o comentário do Pardal ali em cima. Já vi acontecer muito a situação que ele descreve.

Anônimo disse...

Lola acertou na mosca com precisão perfeita!

Rafael Cherem disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Cão do Mato disse...

Se os cotistas tiram notas iguais ou maiores que os não cotistas dentro da universidade, o que os impede de tirarem notas iguais ou maiores no vestibular? Os concorrentes não cotistas que eles vão enfrentar são os mesmos que eles enfrentariam na faculdade.

Rafael Cherem disse...

As cotas são uma ótima ideia, mas chegaram atrasadas ao Brasil,acesso `a universidade não é mais problema para ninguém, além disso, o diploma universitário não garante ascensão social, de que adianta garantir a um negro pobre a formação superior se quando sair ele vai ganhar um salário igual ou inferior ao pai motorista de ônibus?Nada, a formação de uma elite sócio-econômica negra não vai acontecer via cotas, além do mais, com a formação recebida nem consciência crítica terão, visto que tendem a reproduzir o status quo, já que as universidade são frutos de perpetuação desse sistema excludente e racista.

No Brasil tudo muda para continuar como está.

Marcia disse...

Eu sou filha da terceira geração de italianos brancos e pobres que atravessaram o Atlântico no século XIX, e completamente a favor das cotas.

Sabe porquê, o bando de troll racistas? Meus bisavós analfabetos receberam gratuitamente terras para trabalhar, pagando em 10 anos, sem juros, apenas o custo do registro da terra. Até antepassado exterminador de comunidade indígena em Santa Catarina têm na família. Faz 110 anos que somos agricultores. Nunca, em toda a minha vida, conheci um proprietário negro de terras no Brasil, embora os escravos tão analfabetos como meus bisavôs tenham trabalhado no campo por mais de 300 anos.

'Findada' a escravidão, meus bisavós receberam políticas especiais para serem produtores, aos ex-escravos não foi dado nenhuma oportunidade, mesmo que tenhamos reconhecido o genocídio e a imensa crueldade com que os povos negros escravizados foram tratados. Por quê tamanha disparidade?

A minha geração, 90 anos depois de concedido o acesso à terra, é a primeira a ir a universidade. Eu, diferente das últimas 9 gerações de mulheres da família, não sou agricultora. Pude, por conta do acesso à educação, que só chegou tardiamente, depois que três gerações conseguiram acumular renda, e sobretudo por que os serviços públicos de educação chegaram perto do lugar onde nasci, escolher o que fazer da vida, sem me restringir a ser agricultora e dona de casa como minhas antepassadas. Obrigada a mãe feminista que me criou para sonhar com oportunidades que ela nunca teve, mas sem existir essas oportunidades, eu não seria a profissional que eu sou.

Nunca entendi porquê pessoas negras não podem ter acesso à políticas diferenciadas, assim como aquelas que foram feitas especialmente para meus bisavôs. Aliás, entender eu entendo: é o racismo que dita o ódio as cotas. Eu espero nunca ser moralmente pequena desse jeito. Por mais negras e negros onde eles quiserem estar, inclusive na universidade.

Entro em qualquer avião com piloto cotista, faço questão, inclusive, de procurar e pagar do meu bolso qualquer médico formado pelas cotas. Por que sei o quanto é importante ter oportunidades para sonhar. E ser feliz, todo mundo merece.

Anônimo disse...

a) Nao existe seres mais vitimistas que os coxinhas e bolsominions nao sabem escrever um texto mas culpam cotistas por levarem pau no Enem vao plantar batatas

b) Estou amando o choro dos bolsominions em razao da redacao pensaram que iriam arrasar os direitos humanos se ferraram

Anônimo disse...

Sou negra, preta, filha de preta. Minha mãe me criou sozinha com o salário de professora de ensino infantil numa cidade de menos de 20 mil habitantes. Mal conheci meu pai, que aparecia vez ou outra com uma boneca no meu aniversário ou me levava p tomar sorvete.
Cansei de, quando criança, comprar pão e leite fiado no mercadinho, pois era comum nos anos 90 o salário de minha mãe atrasar Dois, três meses. Chegamos a dividir kitnets com colegas de minha mãe para cortar despesas. Passamos muita necessidade e muito perrengue. Minha mãe vivia fazendo empréstimo em cima de empréstimo para pagar contas básicas da casa. Já chegamos a comer uma vez só por dia, além da merenda que serviam na escola.

O caminho natural era eu começar a trabalhar assim que pudesse, como manicure, caixa de supermercado, porque qualquer dinheiro era mais que bem vindo, era necessário.

Mas não foi assim. Nesse ponto vocês devem imaginar que eu consegui ingressar numa faculdade por cota e isso mudou minha vida p melhor.

Mas minha história é diferente. Minha mãe, consciente que foi de que ela tinha sido a única teimosa da sua família a estudar, sempre priorizou meus estudos. Ela tinha uma irmã e um irmão que sempre viveram na roça, como caseiros, assim como minha avó, assim como meus primos. Minha mãe foi o ponto fora da curva. Mal tenho contato hoje com essa família, pois crescemos muito distantes, simplesmente não havia dinheiro para visitas no fim do ano, atravessar dois estados estava fora de cogitação.

O fato é que não fui trabalhar de manicure ou caixa com 14 anos. Meu tempo livre era para estudar e eu estudava. Lia o quanto podia. Morava na biblioteca da escola, que felizmente era relativamente boa e tinha até acesso a internet (precário por volta de 2004).
Ao contrário dos meus colegas de sala eu nunca matava aula. Eu babava em cada palavra do professor/a. Quantas e quantas eu vi ficando grávidas no ensino médio ou trocando a escola por futuros ingratos. Eu me mantive ali. Como eu queria ter meu dinheirinho pra tomar um sorvete, comprar uma roupa nova pra variar... podia ter resolvido isso trabalhando desde cedo mas resisti.

A capital do estado onde moro, interiorzao do Brasil, fica cerca de 200km da minha cidade. Ela só conseguiu dinheiro p volta e, por sorte, consegui uma carona de carro até lá com meu pai, nas raras vezes em que ele fez diferença. Ele era pobre tbm. Cheguei faltando duas horas p portão fechar. Fiz o melhor que pode. Dormi no carro do meu pai pra fazer a prova no dia seguinte. Descobri que era assim que ele sempre fazia e que ele ainda dormiria ali por duas noites. Fiz o segundo dia de provas, voltei p casa de ônibus com fome.

O ano era de 2005. Meu último na escola. Eu estaria na faculdade de Medicina numa federal no ano seguinte. Sem cotas.
Foram os seis anos mais difíceis da minha vida. Vi minha mãe só duas vezes nesse período. não havia dinheiro p passagem. Meu pai, eu via com mais frequência. Ele salvava a semana quando aparecia com 20, 30 reais. Morei nos piores lugares possíveis.
Hoje aos 29 anos sou pediatra. Comprei uma casa pra minha mãe. Tenho meu carro, as roupas que quero. Conheci vários países.
Esforço.
O mundo não eh justo. Tenho colegas que estão na mesma posição que eu e não passaram por qualquer dificuldade. Só decidi não ficar alimentando esse pensamento vitimista e corri atrás.


Tatiana

Anônimo disse...

Também fiz faculdade quando já tinha cota, passei entre os promeiros, sou branca, só estudei em escola particular, fiz faculdade federal e sou contra cotas.

Alicia

Anônimo disse...

Ainda tem gente acreditando que cota é uma espécie de diploma comprado, basta passar e pronto, é só ficar de boa esperando a graduacão. Deve ser efeito colateral de burrice + má vontade.

Dan

donadio disse...

"Se um professor roda um aluno cotista ele é exonerado na mesma hora sem direito nem a defesa."

Essa que você está fumando é das boas. Como, filhote, que professor universitário vai ser exonerado na mesma hora sem direito a defesa? Onde que a legislação permite algo assim? Pra exonerar funcionário público precisa ter sindicância e processo administrativo-disciplinar; as alegações têm de ser comprovadas.

Aliás, você provavelmente passa o tempo em que você não está mentindo sobre cotistas acusando funcionários públicos de serem vagabundos por que não podem ser postos no olho da rua só por que o patrão quer, não é mesmo?

Anônimo disse...

Saindo um pouco da discussão das cotas, tem uma coisa que sempre me pergunto e ninguém que é contra a meritocracia me respondeu satisfatoriamente.

Se o sistema de concurso, vestibular, ENEM etc é injusto, e não tendo emprego/vaga pra todo mundo nas universidades, qual seria o critério mais justo pra seleção? Dá vaga pra quem teve mais problemas e dane-se o esforço pessoal dos pais conscientes que sofrem pra fazer poupança pros filhos e dos filhos aplicados que estudam mais enquanto a maioria dos alunos de qualquer escola só quer saber de vadiar?

E antes que me acusem de alguma coisa, já fiz faculdade há muito tempo, pós e estou cursando disciplina de Mestrado como aluno especial. Sou servidor público concursado desde 2004 e nunca precisei de cota pra nada disso.

Anônimo disse...

Os concursos não são injustos, precisam de reformulação, o ponto é a forma que o aluno chegou ali, e faço as mesmas perguntas, se o sujeito já rompeu as barreiras e chegou ao ponto de fazer um enem, um concurso público, ele já não estaria em condições de igualdade com os demais concorrentes?

Anônimo disse...

A cota, por si só, é um racismo velado.

Não tem como sofrer preconceito racial sentado numa cadeira em frente de um papel.

"Ahhh.. mas existe racismo e blablabla"
Sim. Existe racismo.

Se existe racismo, logo cotas?
Que lógica é essa.

"Mas os negros são pobres e blablabla"

AHH.. agora sim. Falou a palavra certa. Pobre.
Aí sim sou a favor de cotas sociais.

Cota racial é racismo velado.
Provavelmente vc que defenda cotas RACIAIS seja um racista.
Pense nisso.

Anônimo disse...

Você também está errado, donadio.
Isso não eh exoneração, e sim demissão. De fato, eh necessário um procedimento administrativo disciplinar ou sentença judicial transitada em julgado para DEMITIR (e não exonerar) um servidor público.
A demissão, ao contrário da exoneração, e uma punição ao profissional. Eh um tipo de punição dentre outros vários (como advertência, suspensão ou, em alguns casos, aposentadoria compulsória).


Já a exoneração não tem caráter punitivo. Ela ocorre quando se verifica, ao final do estágio probatório (ou quando da aviação periodica de desempenho), que aquela pessoa nao eh apta a exercer as atividades inerentes ao cargo que ocupa.


Alicia

Anônimo disse...

Aliás, sindicância eh um procedimento administrativo disciplinar simplificado, no qual as punições que podem dele decorrer são mais brandas e o procedimento em si eh mais célere (a produção de provas por exemplo eh documental, não se fazendo necessário muitas diligências para averiguação da ocorrência da falta em exame).
Então não eh sindicância e procedimento adm disciplinar. Eh um ou outro, sendo que apenas o último poderia culminar com uma punição de demissão.


Alicia

Rodolfo Abrantes disse...

Eu não entendo, se os negros fazem todo o trabalho nescessário (estudam o ano todo, fazem revisão para o vestibular e tudo mais) se estão preparados para a prova, e principalmente se os brancos são um bando de vagabundos que só querem moleza por que então é nescessário as cotas raciais.


Os negros recebem um prova diferentes dos brancos?
Eles são proibidos de fazerem as provas?
Os professores zeram suas questões mesmo quando estão corretas?


Isso como tudo que a esquerda faz e defende não passa de populismo barato e vagabundo.
E só uma maneira de aparecer com defensor das minorias e dos desfavorecidos socialmente para ganhar capital político.

Rodolfo Abrantes disse...

Mas basta ele se filiar a algum partido de esquerda que ele consegue né

donadio disse...

"Já a exoneração não tem caráter punitivo. Ela ocorre quando se verifica, ao final do estágio probatório (ou quando da aviação periodica de desempenho), que aquela pessoa nao eh apta a exercer as atividades inerentes ao cargo que ocupa."

Bom, Alícia. "No final do estágio probatório" ocorre uma única vez na vida funcional de um servidor público, três anos após a nomeação. Se esse servidor ainda estiver no primeiro ano do estágio probatório, ainda vai ser necessário esperar dois anos para "exonerá-lo na hora", não é mesmo? E se ele já tiver cumprido o estágio probatório, adeus.

"quando da avaliação de desempenho" ocorre a intervalos regulares (uma vez por ano). Do mesmo jeito, a exoneração poderia só acontecer meses depois - e nunca "na hora", a não ser no improbabilíssimo caso de alguém sair correndo para avisar ao avaliador para "exonerar" a figura - "Chefe! Chefe! Muda aí a avaliação do Professor João das Couves, ele acaba de reprovar um aluno cotista!". Sei.

Ah, esqueci. Não basta uma avaliação negativa para exonerar funcionário público. São necessárias pelo menos três. Então ainda dá tempo de reprovar três cotistas antes de ser "exonerado na hora sem direito a defesa"...

E, falando em direito a defesa, as avaliações tem de ser embasadas, não é "eu não gosto dele porque ele usa perfume de alfazema, então vou arrebentar com ele na avaliação de desempenho", não. E cabe recurso. Então, além do "na hora", lá se vai o "sem direito a defesa".

Além disso, como você mesma diz, "A demissão, ao contrário da exoneração, e uma punição ao profissional". Mas, olha só, o troll que você está defendendo diz é que o professor será punido se reprovar um aluno cotista. Então é claro que ele está falando de demissão - "na hora, sem direito a defesa". E isso não existe.

Você sabe que o troll está mentindo, não sabe, Alícia? Você sabe que não é possível nem exonerar nem demitir funcionário público "na hora" e "sem direito a defesa", não sabe? Você sabe muito bem que nunca houve caso de professor demitido nem exonerado por reprovar aluno cotista, não sabe?

Anônimo disse...

Quem falou que estou defendendo p troll?
Eu nem li o comentário dele. Só li o seu e vi que vc fez uso erroneamente do termo "exoneração". Espero que vc tenha humildemente entendido que demitir e exonerar são conceitos distintos e passe a usá-los corretamente a partir de hoje.

Só p esclarecer, o estágio probatório - ao contrário da estabilidade - não acontece uma só vez na vida do servidor.

Eu por exemplo, fui técnica do trf por cinco anos. Estável portanto. Depois passei p analista no mpu e fui submetida a outro estágio probatório. Caso fosse reprovada, eu não seria exoneradae e sim reconduzida ao meu cargo de origem (técnica do trf), pois lá já tinha provado estar apta a exercer as funções. Então estabilidade do se adquire uma vez em cada esfera (município/estado/União). Já p estágio probatório eh sempre que vc toma posse em cargo efetivo. E a avaliação periódica tem... periodicamente. Caso o servidor não passe, ele eh exonerado.

Enfim. Falta conhecimento técnico p vc falar que outras pessoas estão usando droga das boas. Para de passar vergonha na internet um pouco.

No mais, nunca falei que servidor público pode ou já tenha sido demitido "na hora. Claro que isso não existe e eh ridículo, assim como sua impressão técnica e falta de humildade em falar "ok, não sabia da diferença".

Alicia

Anônimo disse...

Aliás donadio, não sei se vc reparou mas eu disse que vc tbm estava errado. TAMBÉM.

Baseada no comentário que vc fez citando o troll, era óbvio que ele estava errado e vc tbm . Então pare de dizer que eu estava defendendo ele.
Nem precisa defender ngm p corrigir o que vc falou.

Alicia

Anônimo disse...

Parabéns, Tatiana. Você não conseguiu nada apenas pelo teu próprio esforço. Teve o apoio moral da tua família. Tinha internet e biblioteca. Que bom que você não precisou das cotas. Mas há quem precise. E não porque eles se vitimizando, mas sim porque são vítimas. Tenho certeza que muitos cotistas conseguirão tanto sucesso quanto você. Paz!

Viviane disse...

Donadio e demais:
Eu prometi a mim mesma que nunca mais responderia nenhum comentário dessa infeliz, mas não consigo ficar quieta diante de tanto cinismo.
Sabe por que ela defende o troll, Donadio? Porque ela também é uma! Tão cínica a ponto de dizer que "nem leu o comentário dele", mas se acha no direito de dizer que você "não é humilde" por responder ao "jênio" que gasta tempo de vir explicar a diferença entre exoneração e demissão no serviço público, como se isso importasse para sua crítica ao outro troll.
Infelizmente, a Lola tem por política aprovar comentários com nome, ainda que digam os maiores absurdos, e pede para nós "ignorarmos". Discordo, mas continuo frequentando este blog devido ao profundo respeito que tenho pela autora. Porém, diante desse níveis épicos de cinismo, não posso simplesmente deixar passar.

Anônimo disse...

Olha só, minha fã número 01.

Gente, o donadio eh sempre arrogante. Sempre. Ele podia, p variar, quando for corrigir alguém, ainda que seja um trol, corrigir certo ao invés de passar vergonha.

E sim, faz toda a diferença do mundo usar a palavra certa. Se estamos entrando no mérito de como um servidor pode perder seu cargo, distinguir exoneração de demissão eh essencial.

Eu não defendi o troll (que sim eh um troll). Eu não li seu comentário. O donadio que veio reduzir a importância do erro dele e p isso me acusou de estar advogando pro troll.

Enfim... a minha fã número um no blog não resiste. Eu entendo. Não eu o seu primeiro "nunca mais comentaria". Continuarei aqui, e você me chamar de troll eh elogio.

Beijos de luz. Alicia


Viviane disse...

Pois muito bem, não se preocupem que não vou prometer mais. De fato, não consigo cumprir. E, ao ler sua resposta (vejam vocês, e ainda quer cobrar humildade dos outros!), qualquer pessoa de bom senso me dará razão.

Anônimo disse...

A única pessoa que tá mendigando aprovação alheia aqui eh você, Viviane.

Não gosta de mim? Ótimo. Me acha troll? Ok. Deixa as pessoas chegar em ou não a mesma conclusão que você e tenta parar com essa carência de que todo mundo vai te dar razão. E se não der? Vai mudar de opinião sobre mim? Não vai. Sustente sua posição e ponto.

O meu primeiro comentário com o donadio foi compleramente brando. Apontei o erro comum de se confundir exoneração com demissão. Não entrei no mérito de que se isso era ou não relevante pro ponto que ele estava defendendo. Só corrigi. Mas arrogante como ele eh se limitou a imputar a mim a defesa do troll, que eu não defendo, não concordo, nem nada.

Enfim. Você garrou um ódio de mim mas eu Sempre, sempre expus minhas ideias e sua resposta sempre foi de ataques pessoais como exigir que eu pedisse exoneração (RS, não demissão. Pelo menos você sabe a diferença).

Eu não odeio você, Viviane. Só acho cômico e absurso você classificar como troll alguém só por a pessoa discordar de você.

Alicia

Rafael Cherem disse...

Já rolou isso comigo tb.Deve ser coisa de adolescente.

donadio disse...

Ah, liberais... Liberais são assim, completamente imparciais. Quando o padeiro judeu vai pro campo de concentração, eles se sentem na obrigação de comentar que a rosquinha da padaria era ruim. Não conseguem condenar o extermínio sem meter um "você também está errado" no meio.

Anônimo disse...

Tava demorando p apelar p comparação com o nazismo... esquerdistas...

Alicia

Unknown disse...

Alícia sempre apontando a 'arrogância' e os 'erros conceituais jurídicos' de quem discorda dela. Todavia, jamais de um apoiador, a quem ela acha astuto defender- mesmo quando ele usa de mentira e ignorância jurídica para criticar o critérios da cotas- dizendo que não lê os comentários. Sei... Que exemplo de humildade, minha deusa, estou profundamente comovida.

Seus argumentos não passam pelos critérios de julgamento que você usou contra Donadio e Viviane (e isso é sério, você ataca pessoas que discordam de você, não as razões da discordância).

E se você não tem coragem de defender abertamente esse elitismo e falta de empatia que marcam mais da metade dos seus comentários, não se preocupe, eu afirmo: você defendeu o troll. Seja sincera, não te importa coisa nenhuma o uso 'errôneo' de demissão ou exoneração, você escolheu ofender a credibilidade do Donadio e da Viviane, em vez de rebater o posicionamento político deles sobre as cotas.

Mas claro... Arrogância, só os outros têm.

Na minha opinião, Donadio não cometeu erro algum de interpretação ou conceitual ao responder ao troll (aquele, que você finge que não leu), por que o objetivo dele nunca foi explicar a diferença entre esses conceitos jurídicos. O objetivo era expor a farsa que é afirmar que um professor universitário seria demitido, imediatamente, vamos frisar isso, por reprovar um aluno cotista.

Ponto inicial da argumentação que você refuta, mas afirma não conhecer, já que 'não leu' o comentário. Vamos admitir, quem está sendo ignorante aqui? Qual a legitimidade sobre a adequação de uma resposta, se você afirma ignorar a 'pergunta' que lhe deu origem?

Vou dizer mais uma vez, para frisar com precisão o objetivo do meu argumento: você, de maneira oportunista, reinterpretou como erro os usos dos conceitos (Donadio seguia a linha de argumentação do troll, para explicitar a mentira sobre a demissão/exoneração) apenas para deslegitimar a defesa sobre o critérios das cotas.

Alícia, se você quer discordar de uma posição política e moral, o faça. É seu direito e eu o reconheço. Contudo, não espere cumplicidade das leitoras e leitores desse blog para desonestidade de debate e defesa velada de elitismo e hierarquias sociais.

A indignação da Viviane é mais do que justa, você parece que se farta em tentar humilhar seus interlocutores, afirmando o tempo todo que é normal e natural que pessoas sejam tratadas como mais ou menos merecedoras de certos direitos. E, o pior: quem discorda de você é ignorante, incapaz mesmo de compreender a verdade universal que é a sua opinião.

Em tempo, para usar um dos seus argumentos em sentido contrário: sou branca, formada na universidade pública (graduação, mestrado e doutorado)- e completamente a favor das cotas. O fato de ter passado no vestibular e ser aprovada em processos seletivos de mestrado e doutorado nunca provaram minha superioridade intelectual sobre ninguém, muito menos o meu merecimento de capacitação. O que eu produzo com o que aprendi é o que me capacita para ser profissional, no mesmo pé de igualdade que meus colegas cotistas. Aliás, eu tenho um orgulho tremendo de muitos deles, me tornei um ser humano melhor por que simplesmente eles estavam lá.

No estado, na sociedade, eles têm os mesmos direitos que eu de aprender, crescer e trabalhar. Merecem por que são seres humanos, mesma e igual base do meu merecimento, e essa é toda a justificativa moral e política que eu preciso para defender cotas.
Enquanto a sociedade e o estado forem racistas, cotas para funcionalismo público são necessárias para mudar esse quadro triste e injusto de desigualdade. E se o preço a pagar for o aumento da 'competição' por uma vaga que me traga sucesso, eu, indivíduo, pago sem problema algum.

Viver numa sociedade menos racista também é meu objetivo de vida, também é meu 'sucesso', o mínimo que eu devo para a coletividade que cria todos os bens que eu consumo, e todas as minhas oportunidades de trabalho.



Anônimo disse...

Olha. Desde a primeiríssima vez em que comentei nesse blog expondo sempre a minha opinião (Sem atacar ninguém, diga-se de passagem), fui chamada de mentirosa, troll, racista, elitista.

Revise minhas participações e você verá que é verdade.
Venho aqui sempre tentar mostrar outras vias para chegar ao mesmo resultado que a esquerda propõe: um país melhor, mais justo e livre.
Para chegarmos aí, eu não acredito que defender a clt com unhas e dentes, ou condenar o capitalismo, ou criar cotas raciais em universidades seja o caminho. Mas eu quero o mesmo que você. Eu não nego o racismo e nem a nossa história, apenas discordo do meio adotado para arrumarmos isso.

Em tempo, eu repito que não li o troll e tampouco o defendo. Defender o quê, afinal? O que se salva ali? Qualquer um sabe que demissões sumárias não acontecem. Ademais o donadio sempre reproduz o que a pessoa a quem ele rebate disse anteriormente. Então sempre que vejo um comentário dele quase nunca leio o original.
Só penso que por mais troll e ignorante que a pessoa tenha sido (por burrice ou má fé), a resposta do donadio foi pedante e arrogante. Eu sequer teria me dado ao trabalho de corrigir se não fosse ele ou se ele tivesse sido menos soberbo.

Por fim, sim: somos todos merecedores do mesmo direito mas não são as cotas que irão mudar isso. As universidades brasileiras públicas ou privadas nunca estiveram tão ruins... porque só deram oportunidade ao negro quando ter um diploma universitário já não eh grande coisa? Como vocês podem se contentar com isso e achar que eh uma política inclusiva e positiva? Não é e nunca será.
Aliás essa é uma discussão tão superficial que não chega sequer a tocar no assunto de educação básica, Valorização de pedagogos, federalização do ensino básico... isso sim talvez traria alguma real transformação.
Mas defender cotas eh bonito e ir contra eh impopular e elitista.
Tudo bem. Não tenho a pretensão de ser política e nem de agradar a todos.
Mas só quero que entendam que eu não defendo perpetuação de privilégios- de nenhum. Isso vai contra todos os meus princípios. Apenas discordamos dos meios sobre como iremos acabar com eles.

A tentativa aqui sempre foi de me rotular como troll inimiga dos pobres porque aí, quando eu comentar eh muito fácil falar "lá vem a troll aliciadora, ignorem". Isso eh desqualificar a pessoa e não o argumento. Argumento de autoridade, a coisa mais baixa a se fazer em um debate. Agora faz uma retrospectiva aí e veja quando eu fiz Isso?

Alicia

Viviane disse...

Pois é, a pessoa diz que estou "mendigando atenção" quando claramente eu escrevi "cobrando humildade dos outros" e tenta se passar por santa, dizendo que nunca quis agredir ninguém! Claro, a gente chama ela disso tudo por pura implicância, tadinha, afinal, temos "ódio" dela...
E eu nunca "exigi" que ninguém pedisse exoneração (quem sou eu para isso!), apenas apontei a incoerência em ser servidora pública e defender o "livre mercado"!
Infelizmente, ainda acha quem a defenda... por isso, vamos tentar seguir aquela máxima tão antiga e tão difícil de cumprir:
"Don't feed the trolls".

donadio disse...

"Tava demorando p apelar p comparação com o nazismo... esquerdistas..."

Ora, ora, ora, Alícia. Você acha que uma pessoa que mente de forma deliberada, para fins de terrorismo político virtual e uma pessoa que, na pior das hipóteses, não sabe a diferença entre demissão e exoneração estão "ambas erradas", no mesmo patamar... e eu não posso cometer o mesmo desatino, comparando você com nazistas? Liberais, liberais, liberais... como são isentos e imparciais, até que a parcialidade atinja os calos deles.

Você acha que eu "também" errei, Alícia? Pois vou te dizer: você "também" errou, se de fato não leu a trolagem à qual eu estava respondendo. É um erro crasso contestar uma afirmação sem entender o contexto em que ela foi feita, e você só pode conhecer o contexto se... ler aquilo a que a afirmação se refere. E se leu, não só errou, como mentiu.

donadio disse...

"Ademais o donadio sempre reproduz o que a pessoa a quem ele rebate disse anteriormente. Então sempre que vejo um comentário dele quase nunca leio o original."

Então você não leu o comentário do troll, mesmo. Por que não precisava, você leu a citação que eu fiz do troll.

Taí, Alícia, pronto. Apanhada com a boca na botija da mentira.

Anônimo disse...

E isso significa o que? Que eu defendi o troll?

Sério. Seja honesto e admita que seu comentário em resposta ao meu tinha como único objetivo desviar da correção que eu fiz, aí inventou esse absurdo de que eu defendi o troll. Risos

Olha, só pq eu pense que vc está errado sobre algo não significa que eu automaticamente concorde com quem tá debatendo com vc.
Eh uma situação que a) o troll tá errado pq ele falou merda b) você estava errado pq foi corrigir sem saber o que tá falando.
Os dois estavam errados e em nenhum momento eu defendi o troll ou pior, concordei que servidores públicos podem ser demitidos na hora.

Alicia

titia disse...

Pessoas, vocês são contra cotas? Acabem com o racismo. Sacudam suas varinhas de condão e façam desaparecer num piscar de olhos o racismo, o elitismo, o coronelismo, a corrupção e toda essa merda que mantém a desigualdade social no Brasil. Não podem fazer isso? Que peninha. Então calem a boca, larguem o facebook e sentem a bunda na cadeira pra ESTUDAR, bando de vagabundo preguiçoso. Como eu fiz, como meus irmãos fizeram, como toda a minha turma do cursinho fez, como todo mundo que passa faz.

Anônimo disse...

Eu não menti. Jamais imaginei que você pudesse se ofender tanto com uma simples correção, senhor humildade.
Ou que isso viraria um sucedâneo de comentários.

Mas ainda que eu tivesse mentido. Ou que eu fosse contra cotas pelo argumento simplório de meritocracia (não eh por isso que sou contra as cotas). Ainda sim, comparar com nazismo seria ridículo. A internet tá cheia disso. Aponte alguém como simpatizante do nazismo p ganhar um debate.

Sério. Mesmo não gostando de você eu achava que você era melhor que isso.

Alicia

Anônimo disse...

Rindo muito de terrorismo político virtual hahahah

Depois eu que me faço de vítima.

Terrorismo, nazismo... que mais???

Ps: só pq te corrigi?

Alicia

donadio disse...

https://verbalterrorism.wordpress.com/2011/08/23/what-is-verbal-terrorism/

Anônimo disse...

Vc leu o que tá nesse link ne?
"Polarização forçada". Não foi isso que vc fez quando eu corrigi Vc? Me impôs logo estar defendendo o troll?
Isso eh uma verdadeira falácia lógica, concluir que estou a favor de a pq estou contra b.

A Viviane por sua vez ama desqualificar quem debate com ela.

Enfim. Olha mais p seu umbigo.

Alicia

Viviane disse...

Bem, se eu disser que debato com a maioria das pessoas daqui de forma amigável, você vai continuar teimando. Se mais alguém confirmar o que eu digo, vai dizer que estou "mendigando atenção". Então, já que não há solução, ok, você venceu...

titia disse...

Verdade, 17:36, solidão enlouquece. É por isso que você está aqui num blog que você detesta, escrito por uma pessoa que você detesta, que trata de assuntos que você detesta, pra encher o saco de alguém que você detesta porque eu digo as verdades que você detesta ouvir. Seguinte, cara: vai fazer algo útil da sua vida. Estuda, vai procurar um emprego, arranja uma terapia, qualquer coisa. Você tá tão desequilibrado que sua vida se resume a chafurdar no ódio. Vá se tratar meu filho!

Anônimo disse...

Blz então.
Flw
Alicia

donadio disse...

Alícia, o que você fez aqui se chama "manobra diversionista". E sim, é uma manobra de defesa. Você sabe que é impossível defender uma mentira descarada, direta, como a do troll que estamos discutindo. Então o que você faz? Muda de assunto. Assim você defende o troll, que deixa de ser o alvo de um desmentido cabal.

Ninguém aqui é imbecil, Alícia. Todo mundo sabe que há milhares de maneiras de defender, e que a defesa direta é só uma delas.

Anônimo disse...

Kkkk kkkkk kkkkk

Uau vc me pegou! Eu realmente estava advogando pro troll!

Pq eu não posso ser contra as cotas E ser contra o troll.

Há controvérsias sobre ter imbecis aqui.

Sabe, quem desviou o assunto foi vc. Se vc tivesse respondido: ok usei os termos errados mas isso não invalida tudo o que eu disse ou mesmo valida o que o troll disse" o assunto teria morrido ali, e as pessoas continuariam batendo no troll pq o que ele disse eh completamente burro.

Mas entre admitir um erro e Isso, vc prefere isso, arrogante que eh.

Alicia

donadio disse...

Não, Alícia. Você não advoga para o troll. Você advoga para o capital. E o troll advoga para o capital também. Motivo pelo qual você o defende, levantando questões secundárias.

Anônimo disse...

O troll não sabe nem o que tá falando, coitado de coisa ou pessoa p quem ele pretenda algum dia advogar.

Quanto ao capital... este ser inanimado que permitiu o surgimento da internet que você usa para debater num blog criado por algum capitalista a partir de um capital...

O capital não precisa de advogados.

Alicia

Anônimo disse...

A internet é criação militar, militarismo é anterior ao capitalismo. Não há nada de capitalista na criação da internet, há na sua expansão nas décadas de 1970, 1980 e 1990, e, agora o militarismo retoma o crescimento das tecnologias (sobretudo as de controle e macro análise de dados) desde os anos 2000. Como capital, estado e guerra são tripés, já diziam os marxistas lá no começo do século XX, sempre que se esgotada a 'necessidade' da exclusividade do uso militar, ou do monopólio estatal, o capitalismo pode se apropriar das novas tecnologias, mas criar, o mercado não cria muita inovação não. É eficaz em se apropriar delas.

Assim, só para usar a já tão famosa tática de mudar de assunto. Voltando ao debate necessário para o bom andamento das discussões por aqui: exige coragem e honestidade defender diretamente valores e visões de mundo, fato.

E para muitos conservadores, o melhor caminho de deslegitimar qualquer mudança é aniquilar quem as defende. Essa mentalidade autoritária não é exclusividade da direita, mas que o pessoal tem um xodó pela ridicularização de qualquer vontade de mudança, é mais do que evidente.

Por quê tanto medo de mais pessoas com os mesmos direitos? A mim, um mistério incompreensível, uma postura antiética que eu faço questão de combater.
Marcia.

Anônimo disse...

Grande lixo universidades sucateadas... Grande direito que tão dando só agora para negros.. logo agora q diploma não garante comida.

Acordem p vida, ngm tá negando privilégio, ngm se acha melhor q o outro não, só não me conformo que vcs se contentam com isso - tão pouco - p supostamente melhorar o padrão de vida do pobre.