segunda-feira, 16 de outubro de 2017

MORALISTAS NÃO SE CHOCAM COM ARTE DE GENTILI

Semana passada o crapulento Danilo Gentili lançou seu filme. Não é exatamente seu, mas é com ele, roteiro dele, baseado no seu livro (uma espécie de guia de auto-ajuda para bullies) Como Ser o Pior Aluno da Escola
A comédia "politicamente incorreta" (eufemismo pra "abertamente preconceituosa") foi feita com R$ 2,5 milhões da AncineDinheiro público para ensinar o respeitável público da 4a Série B (embora o filme tenha a classificação para maiores de 14 anos) a explodir privadas da escola (ocupação de escolas é que é vandalismo!), a aterrorizar professores (tá na moda mesmo), a desprezar o combate ao bullying, e a incentivar menores a beber  até cair (ou seja, Gentili ter dado vodka a Maisa em seu programa foi merchandising). Mas é a "ideologia de gênero" que é uma influência nefasta pra criançada!
Eu não vejo um filme desses nem que me paguem um mês de salário do Gentili no SBT, mas um jornalista da Folha noticiou que, na exibição para jornalistas, alguns comentaram sobre uma cena no início em que o personagem interpretado por Fábio Porchat se oferece para ajudar dois meninos de 14 anos a encontrarem o "pior aluno da escola" (protagonizado por Gentili) se eles o masturbarem (o Porchat, não o Gentili). No clima moralista em que vivemos, parece ser uma piada bastante delicada, digamos. Mas como é humor, pode tudo. Já arte não pode. E quem determina o que é ou não arte são aqueles que promovem cruzadas para fechar museus.
Gentili tem choramingado muito por causa do que o jornalista escreveu, e convocou seus gentiliminions a atacá-lo (mesmo que apenas 41% dos seguidores do reaça disfarçado de humorista sejam reais, ainda assim é um bocado de gente com QI negativo). O jornalista foi demitido da Folha no dia seguinte.
Participantes da Marcha das Vadias
pregam cartazes na entrada do
Comedians em 2011
Como eu digo sempre, não existe ninguém mais vitimista que reaça. Gentili foi à rádio Joven Pan reclamar que recebeu moção de censura de senador, e que grupo político organizado (ele está falando da Marcha das Vadias em 2011?) pichou o seu bar (na realidade, foi na época da piada de estupro do Rafinha Bastos; ou seja, Gentili foi solenemente ignorado pelas ativistas -- nada organizadas, por sinal).
Gentili teve a pachorra de declarar: "O que acontece no Brasil não é o que você faz, é quem faz. Se eles te elegeram inimiguinho da agendinha deles, você tá errado. É uma máquina de assassinar reputações, você tem uma panela que tá em posse dos megafones e que precisa exterminar a reputação de qualquer um que fala qualquer coisa contra a agendinha que eles defendem". 
Eu fico sem saber em que mundo Gentili vive em que quem protesta contra ele "tá em posse dos megafones". Não é ele que tem um programa de TV há anos e que dá entrevistas a rádios reaças sempre que quiser? 
Nenhuma novidade no mimimi da direita. O que me chama a atenção é justamente essa diferença de tratamento, isso que Gentili definiu como "não é o que você faz, é quem faz". Por exemplo, vocês viram o escândalo que reaças fizeram em relação a um quadro da artista plástica Adriana Varejão que criticava o colonialismo no Brasil e continha um desenho de uma pessoa transando com uma cabra. "Isso não é arte, é zoofilia", berraram os reaças. 
Um empregado de Gentili, o inútil Roger, aquele que já disse atacar ideias, não pessoas, chegou a rabiscar um pênis e a palavra "puta" numa foto da artista (mas evidente que esse foi um ataque pessoal às ideias de Adriana, não a ela).
Bom, um ano e meio antes Gentili tinha feito um post para comemorar o Dia dos Namorados. Em meio a almofadas em formato de coração, o comediante, nu, acariciava uma cabra.
Um número reduzido de seguidores seus se incomodaram, mas o post teve centenas de milhares de curtidas, e a maior parte o defendeu. "Danilo é humorista e não ativista da sociedade defensora dos animais", alegou uma fã (do Gentili, não da cabra). Obviamente, nenhum de seus fãs o chamou de zoófilo porque, ora bolas, é só uma piada!
Em outras instâncias, parece que palavras como zoofilia e pedofilia saem fácil das bocas dos reacionários moralistas que agora viraram críticos de arte. Tipo: o quadro ao lado, exibido no Queer Museu, foi acusado de apologia à pedofilia. A obra da artista Ropre também, a ponto de ser recolhida pela polícia (embora tivesse as palavras "O machismo mata, violenta e humilha" escritas). 
A performance do coreógrafo nu no Museu de Arte Moderna, então, não preciso nem falar (percebam as palavras que reaças vem usando para descrever o toque de uma menina no calcanhar do artista: "apalpar" e "bolinar". Quando escrevi que estavam espalhando a mentira de que uma garotinha pegou no pênis do artista, eles se revoltaram: "Ninguém disse isso, sua escrota!". Continuam espalhando, até na escolha das palavras. Digamos que "bolinar um calcanhar" não seja o uso mais comum). 
Enfim. Vamos supor que no filme do Gentili um adulto diga a dois garotos de 14 anos que ele os ajudará caso eles o masturbem. É uma troca de favores, certo? Pagos com sexo. Qual a reação dos conservadores que se preocupam tanto com as nossas crianças?
Que eu saiba, não tem ninguém saindo da sessão de cinema de Pior Aluno escandalizado, chorando como esta senhora ao deixar a galeria do Palácio das Artes em BH, precisando ser amparada, tamanho seu desespero ("É atentado à sociedade brasileira. É uma exposição que bate palma para a pedofilia, para a zoofilia", disse um pastor sobre a exposição de Pedro Moraleida, não sobre a arte gentilesca).
Não tem pichação às salas de cinema que exibem o filme. 
Não tem deputado estadual mandando a polícia apreender a obra e prender o artista, colocando-o, inclusive, no cadastro de pedófilos do Estado.
Não tem abaixo-assinado com mais de 80 mil assinaturas pedindo o fechamento imediato dos cinemas (vejam bem, não é petição para parar de exibir o filme, mas pra fechar definitivamente o cinema!). 
Não tem o maior representante da moral e dos bons costumes e da família tradicional brasileira, Alexandre Frota, gritando na porta do cinema com megafone (é dele a posse dos megafones a que Gentili se refere?) ou indo ao Ministério Público entrar com representação contra o filme.
Não tem o MBL invadindo as salas de cinema e filmando os espectadores, sem sua autorização, enquanto pergunta "Você gosta de pedofilia?".
Não tem carinha vestindo camiseta do Bolsonaro e fazendo uma dancinha absolutamente genial pra se contrapor a quem defende o filme (e muito menos tem o hilário coro de "Faz de novo, faz de novo!").
Não tem qualquer campanha de censura, opa, eu quis dizer boicote ao filme. 
Passa a impressão de que a indignação reaça é bastante seletiva. Ou talvez os moralistas estejam seguindo os ensinamentos do mestre humorista: "Não é o que você faz, é quem faz".
Pelo menos Bolso se indignou com o filme! Ops, não, foi com a performance no MAM
 

71 comentários:

Anônimo disse...

Querida Lola, parabéns pela resistência! Eu também não assisto esse filme nem se me pagassem. Força para seguir na luta!

Anônimo disse...

Lola, vc não entende de Stand Up Comedy e do humor escracho, então seria coerente ter a humildade de falar isso: "Arte não pode ser desclassificada como "não arte" ou "lixo" baseada no meu gosto. Eu sinceramente entendo muito pouco de arte. De performance art, então, menos ainda. Não gosto e não entendo. Nem por isso eu vou proibir performance art de existir, ou vou chamá-la de lixo"

Pelo menos não seria hipócrita

Anônimo disse...

Mas aí é diferente, não tem crianças vendo o filme e na sinopse já se sabe que não é arte "séria", apenas gozação. Mas, de uma exposição de Museu se espera mais seriedade, ainda mais com a presença de crianças.

Anônimo disse...

Em que momento do texto Lola disse que não é arte ou deveria ser proibido?
Ela só diz que é péssimo e que reacionários não se indignaram com isso, apesar de ser bem pior do que o que eles censuraram.

Anônimo disse...

A velha hipocrisia descarada dos reaças e conservadores, nenhuma novidade.

Viviane disse...

Ah, estão vendo? Foi aí que o artista do museu errou: se tivesse anunciado a performance como "humorística", não teria sido criticado como foi!

(Ironic mode off)
Francamente, eu morro e não vejo tudo! Como você explica, então, o ator menor do que a classificação indicativa do filme (13 anos atuando num filme indicado para 14)? Aí não é corrupção de menores? Estou perguntando também aos "juristas" que vieram a este blog há duas semanas copiando artigos de leis para "provar" que a exposição do museu era "pedófila" - algo que nem os promotores da infância e juventude concordaram!

E outra: os produtores desse filme podem captar dinheiro pela lei Rouanet, né?

Corja!

Anônimo disse...

Lola fazendo publicidade gratuita pro lixo de filmeco do patético Danilo Gentili.

Obs: Publicidade negativa ainda é publicidade.

Anônimo disse...

Anônimo de 13:37

Ela fala que é humor e que arte é outra coisa, no trecho: "Mas como é humor, pode tudo. Já arte não pode."

Anônimo disse...

Da mesma forma que vc não fica indignada com a corrupção da esquerda

Felipe Roberto Martins disse...

Oi Lola, muito obrigado por Resistir. Confesso que hoje e em diversos momentos fico cansado com tanta hipocrisia, falso moralismo, discurso de ódio, raiva e mentiras rodando e adentrando o Brasil... É difícil Lola..., tá difícil este país!

Anônimo disse...

Tenho certeza que por trás desse ser hilário habita a mais profunda treva existencial. Sinto pena, sério.
Fabi

Anônimo disse...

Viviane.

Não havia nudez nem simulação de relação sexual no filme. Vocês não entendem a diferença entre uma performance com meninas pegando em homens pelados com um filme de zoeira sem cenas de nudez?

Depois os hipócritas é quem não gostou da "perfomance".

Anônimo disse...

O Danilo Gentile é "crapulento" só porque você não entende a arte dele? Você é uma daquelas que confunde personagem com o artista? Ou acha que ele faz isso tudo na vida real? Se a resposta for sim para qualquer uma dessas questões,o problema não é com o Danilli, é sua ignorância e preconceito com a arte dele.

Anônimo disse...

Danojo Mostrili e seus mostrilinhos adestrados, claro alguns, pois alguns outros de seus seguidores, admiradores e asseclas são sociopatas atacam "jornalista" da Folha(isso é fonte de informação?), o feitiço virou contra o feiticeiro pelo jeito, pois resolveu mexer com um degenerado com respaldo tanto no Brasil como no exterior, por isso tantos processos e o valor pago por ele ou agente, advogado é uma gota no oceano financeiro do Mostrili. Quanto ao Museu, sinceramente, tenho amigos(as) talentosos e estão aí sem reconhecimento, muitas vezes fazem arte(alguns são desenhistas, artesãos, escritores, escultures) como hobby, pois viver disso no Brasil é complicado, pois apenas uma panelinha ou grupo seleto com pouco ou sem conteúdo algum consegue reconhecimento, mas arte tem um conceito abrangente e uma lousa com rabiscos ou uma instalação com um monte de entulho para mim não é arte, mas detalhe sou uma artesã de material reciclado e complemento minha renda com este artesanato, nunca estudei história da arte, artes plásticas, cinema, arquitetura para explanar de forma mais abrangente e com conhecimento acadêmico com quem é um profissional, mas vejo muitas pessoas talentosas, algumas autodidatas no ostracismo e isso é injusto. O Monstrili faz parte da panelinha e por isso tem filmes, livros com sucesso de vendas, mas humilhação é humor? No meu ponto de vista não e o Monstrili faz isso o tempo todo e seus asseclas pensam como ele ou são piores, pois alguns devido conhecimento em TI usa de forma criminosa para defender seu ídolo para prejudicar as pessoas, mas comuns e sem poder de defesa como o tal ex "jornalista" da bolha, ops folha terá, basta criticar o Monstrili que os monstrilis entram em ação. Detalhe o Monstrili pede doações para o documentário de seu guru velho caquético que vive de migalhas da elite estado unidense, mas essa cambada não manda os outros trabalhar? Pegar em enxada? Carpir? Lavar privada? Então? O "filosofo" de araque deveria ir limpar privada e conseguir dinheiro e não pedir doações. Sinceramente é a tal hipocrisia dos mostrilinhos, monstronalrinhos, monstrolasninhos: faça o que eu mando e não o que eu faço como dizem os Yankees, seus ídolos mor.

Anônimo disse...

Ninguém verdadeiramente liberal se importará com a exposição promovida pelo Santander em Porto Alegre, ou com a apresentação no MAM, ou... o próprio filme de Danilo Gentili . Ao meu ver, são todos moralistas que só pensam em condenar o que vêem. Isso é excesso de sensibilidade que só a sociedade contemporânea traz.

Viviane disse...

Mas claro que eu entendo! Entendi que "pedofilia" não existe quando é "um dos nossos", né?
Quem é o hipócrita?

Anônimo disse...

1. O Porchat é o pedófilo do filme e ele é retratado exatamente como um pedófilo deve ser: como vilão desprezível. É, de longe, a melhor atuação em cena.

2. O Gentili não tem o costume de fazer ciranda cirandinha de pau de fora com meninas de até 10 anos na altura do seu umbigo, com anuência dos pais ou responsáveis, diferente de um certo "artista" aí.

3. Ele não deu vodka pra Maísa, foi um stunt com a anuência prévia da artista e sua implacável e absurdamente superprotetora família.

4. A demissão do "jornalista" da Folha foi merecida e mais: existe toda uma articulação dos conservadores em gravar as próprias entrevistas e comparar com o que foi publicado. Chega a ser uma aberração, se você comparar os vídeos com os escritos. Muito mais gente vai cair se não começar a trabalhar direito e lembremos que a (imensa) maioria trabalha no sistema de PJ.

5. Em 5 minutos de Google você encontra referências a 25 filmes consagrados de humor/comédia que retratam pedófilos e fazem piada com isso. 5 minutos, eu marquei o tempo.

6. O filme é bem ruim, como tudo o que o Gentili faz. Só Porchat e Moacyr Franco (Olavo, o coração do filme) se salvam, o resto pode ir pro lixo ou voltar para ele. Mas como vivemos no país em que "o inimigo do meu inimigo é meu amigo", provavelmente será um imenso sucesso comercial. Mais duas sequências estão sendo planejadas, inclusive. Há rumores de negociação de uma série na Netflix mas por enquanto é um boato não comprovado, apesar da fonte ser quentíssima.

E deixo uma perguntinha:
Se a pessoa diz que não entende de arte e por isso não critica certas coisas, qual seria o valor do elogio então? Não seria mais digna a abstenção do debate, da crítica e do elogio, por ignorância?

Anônimo disse...

"Ninguém verdadeiramente liberal se importará com a exposição promovida pelo Santander em Porto Alegre, ou com a apresentação no MAM, ou... o próprio filme de Danilo Gentili . Ao meu ver, são todos moralistas que só pensam em condenar o que vêem. Isso é excesso de sensibilidade que só a sociedade contemporânea traz".

SIM SIM E SIM.

Exatamente isso.

um comentário sensato.

Alícia

Anônimo disse...

Viviane

"Como você explica, então, o ator menor do que a classificação indicativa do filme (13 anos atuando num filme indicado para 14)?"

A explicação é simples, ele estava a trabalho, não estava indo ao cinema assistir o filme. Lembrando que a classificação indicativa não é uma proibição legal.

" Aí não é corrupção de menores?"

Não. De acordo com o código penal, a corrupção de menor é:

"Com a Lei 12015/2009, sua redação foi alterada para:

"Art. 218. Induzir alguém menor de 14 (catorze) anos a satisfazer a lascívia de outrem: Pena - reclusão, de 2 (dois) a 5 (cinco) anos."

O filme não era pornográfico, ninguém estava pelado e ele não estava satisfazendo a lascívia de ninguém.

Anônimo disse...

"Mas claro que eu entendo! Entendi que "pedofilia" não existe quando é "um dos nossos", né?
Quem é o hipócrita?"

Pedofilia é encenação/desenho sexual com crianças, é marmanjo ficando nu com crianças tocandoo e isso ser exaltado!

Zoofilia é cena/desenho de sexo com animal.

No filme não tem nada disso, o personagem só fala que quer sexo oral mas não fica pelado e não é mostrado nenhuma cena de sexo.

Ou tá faltando interpretação ou é de propósito, só pode.

Anônimo disse...

Se for criticar filmes que "não são boas influências" porque mostram alunos bagunceiros, muitos filmes deveriam ser banidos, alguns clássicos como "Curtindo a Vida Adoidado", outros menos conhecidos mas de sucesso como "O Pestinha" e outros mais atuais como "187 O Código" e centenas de outros.

Ao meu ver, a crítica é só porque a autora do blogue antiipatiza com o Gentili.

titia disse...

Sabe o que eu falo desde o primeiro post sobre aborto em que eu comentei? Aquilo, sabe, sobre a reaçada cagar e andar pras crianças e só querer usá-las como bucha de canhão pra punir a mulher que se atreveu a transar, pra ganhar Troféu Joinha da sociedade, pra trocar por uma pedrinha de crack, pra prostituir, pra servir de aviãozinho, pra cumprir tabela do patriarcado, pra estuprar? Bom, olha aí a prova. O filme que Gentili cagou tem apologia explícita ao preconceito, à violência e ao abuso contra crianças, ao vandalismo, trata pedofilia como piada, ele fez uma foto com apologia igualmente explícita à zoofilia, mas opa, como ele é conservador de direita, aí é "arte", né? E usar dinheiro público pra financiar um amontoado de piadas de mau gosto que ele tirou do cu e disse que era "sétima arte"? Ora, ele é de direita e conservador, claro que pode desviar o dinheiro das escolas e da merenda pra, como eu já mencionei mas vou repetir, financiar a filmagem de um amontoado de piadas de mau gosto que ele tirou do cu e disse que era "sétima arte"

Os restos de bosta mal cagada que vieram aqui pra defender essa merda façam o favor de irem se foder. Quando uma artista denuncia o machismo é apologia à pedofilia, quando Gentili bota uma criança de 13 anos pra filmar um "roteiro" inadequado pra menores de 14 é arte, vão morrer numa guerra que o universo ganha mais.

Anônimo disse...

1 - A Folha viu a entrevista postada na internet e comparou com o escrito, e tirou as conclusões dela que levaram a demissão,
2 - Vivemos em momento que um grupo diz que arte e outro que é não é, e vice-versa,
3 - Houve casos forçados, um foi a peça de teatro com black face, outra foi o caso do MAM, nem um era racismo, nem o outro era pedofilia, nos dois casos pode-se dizer mau gosto, mas entra naquela situação até que ponto a arte ir?,
4 - O filme do Danilo Gentil não assisti, só a entrevista, também 14 anos não vejo lá grandes problemas,
5 - Aceitar Lei Rouanet para um filme que trata de bullying, me faz perguntar se o dinheiro é bem investido, assim como em outros casos, se tudo fosse com dinheiro particular não teríamos tanto mimimi, como por sinal ocorreu com Polícia Federal: A lei é para todos que é o maior sucesso de bilheteria do ano.
6 - Vivemos em momento que um grupo diz que arte e outro que é não é, e vice-versa,
7 - Nós vivemos em tempos de bandido de estimação e que arte boa é a que eu quero que seja, acredito que qualquer pessoa de fora diria que estamos em sociedade mais que doente, todas brigando por privilégios de seus cargos públicos...enquanto a população vê tudo isso bestializada (1) pela segunda vez.
8 - Eu estou com povo, vejo tudo pasmado sem entender onde isso irá chegar.
(1) lembrando do livro do José Murilo.

Anônimo disse...

Titia, educada como sempre, isso que é saber discutir com classe. Só que não!

A discussão aqui não tem nada a ver com aborto, você está usando uma Falácia da Causalidade Fictícia ou Falácia “Olha o Avião”. vamos nos centrar no assunto do texto, or favor?

Sobre o trecho:"O filme que Gentili cagou tem apologia explícita ao preconceito, à violência e ao abuso contra crianças, ao vandalismo, trata pedofilia como piada, ele fez uma foto com apologia igualmente explícita à zoofilia, mas opa, como ele é conservador de direita, aí é "arte", né?"

O que é arte para você? Essa defiinição é a aceita universalmente e para todos os tipos de manifestações artistícas? Como o humor se enquadra nessa sua definição?

E o filme não é um texto político, não se propõe a ser "de direta" nem "de esquerda", ele só pretende ser engraçado, e nisso deve ser avaliado.

E finalmente, sobre sua conclusão: "Os restos de bosta mal cagada que vieram aqui pra defender essa merda façam o favor de irem se foder. Quando uma artista denuncia o machismo é apologia à pedofilia, quando Gentili bota uma criança de 13 anos pra filmar um "roteiro" inadequado pra menores de 14 é arte, vão morrer numa guerra que o universo ganha mais."

Quanta falácia ad hominem! Você quer ter uma conevrsa séria com alguém ou só "lacrar". Respeito é bom e todo mundo gosta, e seu argumento é furado por dois motivos:

1. A classificação indicativa dos filmes só é determinada após ele pronto e examinado por uma comissão do governo federal, não tem como os produtores do filme advinharem que será considerado inadequado na hora de contratar o elenco.
2. Ninguém diz que uma artista denunciar o machismo é pedofilia, o que se combate é misturar imagens de pessoas nuas e crianças. O problema é isso.

Anônimo disse...

Uma pessoa pode legal e perfeitamente ter um alvará (ref: OIT) concedido e atuar em um filme (novela, série) que, pela classificação indicativa, não poderia assistir. Exemplo: qualquer filme de terror que tenha uma criança nele, desde que ela não participe, de forma real ou simulada, de cena contendo sexo explícito (note: pode haver cena de sexo no filme, desde que a criança não participe diretamente dela - ref. ECA, de forma real ou simulada via corte digital tal como feito nos filmes Michael e The Babadook). Fora isso, tá liberado. Lembremos de "Cidade de Deus".

titia disse...

E de novo a performance. É incrível como a reaçada simplesmente não larga o osso, até a justiça já deixou claro que não houve pedofilia, mas os 'comedores de novinhas' simplesmente não desistem de tentar empurrar a pecha de pedófilo pro artista! Parem com essa projeção toda, reaçada. Os pedófilos obcecados em comer novinha aqui são vocês, que mandam foto do pau pra meninas de 12 anos e enchem o computador de pornografia infantil, mas juram que não são pedófilos porque nunca ficaram nus na mesma sala que uma criança.

Anônimo disse...

A própria mãe disse que ficou tranquila depois que assistiu o filme: "A cena do Porchat eu não tinha visto pronta, sabia mais ou menos como seria, mas depois de ver pronta foi mais tranquilo."

https://catracalivre.com.br/geral/inusitado/indicacao/cena-sexual-com-fabio-porchat-preocupa-mae-de-ator-mirim/

Luiza Bairros disse...

E em um minuto vc acha quadros representando sexo com animais. Mas a reação conseguiu fazer com que a exposição do Queer museu fosse cancelada, ao contrário do filme do Gentili que tbm captou por lei de incentivo fiscal e tá aí sendo exibido.

Luiza Bairros disse...

Aliás parece que vc não leu o texto da Lola ou não entendeu a comparação com a reação entre o filme do Gentili e as exposições censuradas ou que sofrem tentativa de censura.

Anônimo disse...

Mulheres são reais. Elas são seres humanos. Os homens não são sequer seres humanos completos. O gene masculino é um gene feminino incompleto. É por isso que ele tem esse complexo de inferioridade embutido e está sempre puxando todas as suas façanhas nojentas. Para compensar isso, para provar que ele é alguma coisa. Está tudo no manifesto ...

Women are real. They're human beings. Men aren't even complete human beings. The male gene is an incomplete female gene. That’s why he’s got this built-in inferiority complex and is always pulling all his lousy stunts. To make up for it; to prove he’s something. It’s all in the manifesto...

Valerie Solanas em uma entrevista para Robert Marmorstein, em resposta às perguntas: "Por que escolhe atacar os homens? Os homens são assim tão diferentes das mulheres? Se as mulheres tivessem a responsabilidade elas provavelmente bagunçariam o mundo da mesma maneira". ("Why pick on men? Are men so much different from women? If women had the responsibility they’d probably mess up the world the same way.")

J.M. disse...

"E o filme não é um texto político, não se propõe a ser "de direta" nem "de esquerda", ele só pretende ser engraçado, e nisso deve ser avaliado"

---> Mas a performance do coreógrafo nu automaticamente é de esquerda e de contexto político, não é mesmo? Incrível como a arte só é "ideológica" e "política" quando convém aos câncervadores...

J.M. disse...

"A própria mãe disse que ficou tranquila depois que assistiu o filme"

Incrível como agora a permissão da responsável pelo menor que participou da produção artística de gosto "duvidoso" é atenuante. O mesmo não vale para a mãe que permitiu a participação da filha na performance do museu. Como admiro a imparcialidade e lucidez da direita brasileira...

Anônimo disse...

Me desculpe mas a esquerda não tem NENHUMA moral em falar em Liberdade de Expressão.

Até mais

Anônimo disse...

Nem a direita.








Cegueira seletiva...

Anônimo disse...

Como eu imagino a titia:
https://br.pinterest.com/pin/533887730815828281/

Viviane disse...

Desisto de discutir com reaças. Boa sorte a quem quiser tentar.

Anônimo disse...

JM,

"Mas a performance do coreógrafo nu automaticamente é de esquerda e de contexto político, não é mesmo? Incrível como a arte só é "ideológica" e "política" quando convém aos câncervadores..."Quando os protestos começaram, ninguém ligou a "perfomance" à nenhum grupo de esquerda, apenas denunciaram o fato de um artista nu tocar com crianças tem caráter pedófilo. Form os próprios coletivos de esquerda foram defender o "artista" e se alinharam politicamente à ele.

"Incrível como agora a permissão da responsável pelo menor que participou da produção artística de gosto "duvidoso" é atenuante. O mesmo não vale para a mãe que permitiu a participação da filha na performance do museu. Como admiro a imparcialidade e lucidez da direita brasileira..."

A diferença, além da idade do menor ser bem maior e portanto ele não ser mas tão inocente, é que essa mãe não deixou o filho ao lado de uma mulher pelada e nem mandou ele tocar nela. Apenas achou uma cena suspeita e se sentiu incomodada até ver a cena.

De novo, o problema é a nudez e o toque, no filme não tem isso.

donadio disse...

"Ninguém verdadeiramente liberal se importará com a exposição promovida pelo Santander em Porto Alegre, ou com a apresentação no MAM, ou... o próprio filme de Danilo Gentili . Ao meu ver, são todos moralistas que só pensam em condenar o que vêem. Isso é excesso de sensibilidade que só a sociedade contemporânea traz."

Isso.

Infelizmente, a coragem que sobra aos "verdadeiramente liberais" para vir aos sites de esquerda dizer essas platitudes e defender a sagrada liberdade de expressão de Gentili, é a mesma coragem que desaparece por encanto quando se trata de ir aos sites de direita defender a liberdade de expressão da Adriana Varejão, do Moraleida ou da Ropre.

A língua portuguesa é muito mal feita. Por que diabos "liberalismo" não rima com "covardia"?

Anônimo disse...

Donadio, eu nunca - em momento algum - me posicionei contrariamente a qualquer tipo de censura prévia (ou posterior) às exposições de arte comentadas ultimamente no brasil.
Acho que qualquer forma de balizar a arte é um erro e um atentado contra princípios sagrados da liberdade, que me são tão caros.

Sempre defendi que é a opinião pública - e não uma lei, ou um órgão de censura prévia - que devem fazer esse controle do que é ou não aceitável. quando ninguém ri, a piada para de ser contada. É simples. É democrático. É livre. Nenhum tema deve ser previamente proibido, transformado em tabu.

Alícia

Anônimo disse...

Nunca se posicionou contrariamente a qualquer tipo de censura prévia ou posterior às exposições de arte comentadas ultimamente no brasil? Que ato falho maravilhoso, troll aliciador kkkkkkkkk

Anônimo disse...

No filme também tem uma criança pequena tocando um velho pelado!?

Anônimo disse...

Nojo desse Gentili. Alguém já comentou aqui, mas vou reforçar. Será que se o "cara pelado do museu" tivesse falado que sua arte era humor, teria sido menos criticado? Porque tem uma galera por aqui que diz que se for "piada" e "curtição" pode tudo.
Mas Lola, vou te dizer que nem estava sabendo da existência desse filme. Sério, esse tal Danilo não é assim tão famoso, eu mal fico sabendo que ele existe. Esse Roger então... Já tinha caído no esquecimento quando eu era criança.E já tenho quase 30 anos. Pensei até que estava morto, esse velho. Sou professora, tenho centenas de alunos adolescentes, entre eles essas celebridades de TV aberta não são reconhecidas. Eles se ligam muito mais nos youtubers... O que quero dizer com isso? É que esse tipo de post pode funcionar como publicidade para tipos tããããão caídos e fora dos holofotes. Só acho. Adoro seu blog.

Anônimo disse...

Realidade x ficção, a diferença é óbvia.

donadio disse...

Alícia, não é essa a questão. A questão é que eu duvido que você jamais tenha se posicionado dessa forma no, digamos, Antagonista.

Ninguém aqui está querendo proibir coisa alguma; a gente não precisa de lições de moral.

Lá onde tem gente querendo proibir, você não se manifesta.

titia disse...

21:03 tudo isso que você falou poderia ser aplicado ao Queer Museum e à performance. Mais até do que ao filme de Gentili, uma vez que o Queer Museum critica o bullying e a zoofilia enquanto a crise diarreica que Gentili chama de filme faz apologia explícita ao bullying e a foto faz apologia explícita à zoofilia. Mas, estranhamente, é com o Queer Museum que você tem problema, não com a produção intestinal do pseudo humorista. Você me acha mal educada? Nossa acho que nem vou dormir esta noite, tô tão deprê agora, vou ali me jogar de um pé de coentro... olha como meu cu está cheio de rugas de preocupação por causa da sua opinião a meu respeito!

02:10 não cliquei nem clicarei no link, porque provavelmente é vírus, mas sei que é uma imagem que pretende me xingar como velha, gorda, feia e boba cara de mamão. E minha única resposta é: o Luisinho disse que você é muito bobo. Agora com licença que ele tem que terminar a tarefa de casa e precisa colorir o desenho do avião.

Anônimo disse...

Claramente o problema é o Danilo, de quem não gosto. Mas o texto é absurdo. Sobra ódio e falta argumentos. Não é a toa que ele só se fortalece.

J.M. disse...

"Quando os protestos começaram, ninguém ligou a "perfomance" à nenhum grupo de esquerda, apenas denunciaram o fato de um artista nu tocar com crianças tem caráter pedófilo."

--> Esse nunca viu comentários em sites de notícia, facebook, aqui neste blog, enfim, na internet em geral. Teus amiguinhos "politicamente incorretos" automaticamente saíram soltando fogo pelo rabo e acusando o coreógrafo de esquerdopata.

"A diferença, além da idade do menor ser bem maior e portanto ele não ser mas tão inocente, é que essa mãe não deixou o filho ao lado de uma mulher pelada e nem mandou ele tocar nela."

---> Beleza, criança tocar no pé de homem nu em performance artística é o fim do mundo, mas uma cena que sugere masturbação de um menino a um homem adulto tá beleza, é lindo, arte moderna pura (claro, pois é tudo "humor" e o artista por trás disso é conservador de direita, aí pode tudo)...


"De novo, o problema é a nudez e o toque, no filme não tem isso."

---> Verdade, tem muito mais. Além da "zoação" com pedofilia, tem apologia ao bullying, ao preconceito, ao machismo, e otras cositas más que vocês tanto defendem.

Anônimo disse...

Lola, nao sou expert em nada. Mas assisti ao filme. Não gostei mas a questão é que não encontrei todo esse horror. O pedofilo é um vilão e se dá muito mal. Os meninos protagonistas é que sofrem bullying. É tipo uma vingança dos nerds.No mais talvez você devesse assistir pois não encontrei o horror que você descreve. E o caso do jornalista, fui procurar e a folha diz que o femitiu pelos posts políticos que são contra a norma da Folha. É mentira?

Anônimo disse...

Eu nem leio antagonista.
Nunca li. Aliás nunca ouvi falar.

Eu leio a Lola.

Mas eu previ, há anos, que um dia a internet seria assim, tomada de gente criticando o amiguinho que se indignou com o fato A mas nada disse do fato B. "Como Pode? Como ousa não se indignar disso tbm? Como se indigna com fulano e não com beltrano??? Seu ativismo eh seletivo!!!!"

Enfim. A internet tá uma droga por conta de comentários como l seu, que saem julgando os outros sem sequer conhecer. Tai mais um fato sobre mim: eu tbm não leio veja.

Bjos, alicia.

Anônimo disse...

Anon 16:20, vc está corretíssimo! Essa blogueira tenta acabar com qualquer coisa que o Gentili faça porque é o Gentili. E o Bolsonaro vai ser nosso novo presidente. Isso a amedronta.

Anônimo disse...

Me intrometendo na conversa da Alicia e do Donadio: eu não leio o Antagonista, mas nos últimos meses eu andei lendo a Veja na portaria do meu prédio.

Ao menos na revista impressa, a matéria publicada sobre o Queermuseu se mostrou bem crítica ao boicote/censura, com uma matéria chamada "A vitória das trevas". Esse mês teve ainda uma capa discutindo o tema da transexualidade e outra com o título "A ameaça Bolsonaro".

Considerando essa pequena amostragem dos temas publicados, vejo que há sim uma diferenciação (ao menos na revista) entre o ser liberal e ser conservador. Portanto, não teria sentido questionar a Alicia de 'por que vc não vai nos meios liberais defender a Varejão".

No caso, descobri que eu discordo duplamente da Veja, uma vez que me considero conservadora, porém não me considero liberal (característica, aliás, que faz com que seja difícil ter amigos... hahahaha)

donadio disse...

Os conservadores (todos os dezessete) são contra as exposições e contra o filme do Gentili. Os liberais, quando se trata das exposições, são contra a Lei Rouanet, e, se você pressionar muito, vão admitir que são também contra a censura - depois de muito tentar mudar o eixo da discussão para a os (de)méritos artísticos das obras. Quando se trata do filme do Gentili, eles são contra a censura, recusam-se a debater o mérito da obra, e esquecem completamente da Lei Rouanet.

Anônimo disse...

Anônimo de 18 de outubro de 2017 08:12

Tem muito candidato vindo e Bolso-otário perdendo força. Difícil esse acéfalo ganhar.
Se vc observar muita gente da Direita NÃO gosta do Bolsonaro e não vai votar nele. Pra não gostar do Bolso, não precisa ser "petista, esquerdista", basta ser uma pessoa que tenha CÉREBRO coisa que obviamente vc não é.
Um nazista destruiu a Alemanha, não acredito que o Brasil irá colocar como presidente um demagagogo e filhote de Hitler. Sem mais, meu caro colega trouxa.

Raisa C. disse...

Lola, revisitando seus posts antigos, percebo uma certa contraditoriedade nos seus argumentos.

Quando censuraram o Queermuseu, vc não achou certo, ok. Mas quando o Danilo Gentili posta uma foto fazendo apologia à zoofilia, vc critica e acha um absurdo. No Queermuseu tinha uma obra que mostrava explicitamente um animal sendo estuprado e a própria autora da obra disse que "era uma prática sexual recorrente, não era pra ser julgada". Estupro como "prática sexual"???? Foda, hein?

Ok que em nenhum momento vc fala de censura no seu texto, mas vc critica demais manifestações que, se tivessem vindo de alguém da esquerda, vc relativizaria, diria que foi uma obra em forma de protesto, em forma de denunciar a realidade, etc.

Gosto muitos dos seus posts, é sério, mas acho que devemos estar mais atentos a essa seletividade.

titia disse...

Raísa C. essa cena de zoofilia estava numa série de quadros que criticava o "processo DESTRUTIVO da colonização brasileira". Enfatizei a palavra destrutivo porque, caso alguém ainda não tenha percebido, ser destrutivo é sinônimo de ser ruim. Ou seja, a artista estava dizendo que zoofilia era uma coisa ruim. Mostrar que existe (algo que você precisa fazer pra denunciar algo errado, aliás) não é sinônimo de fazer apologia. E onde foi que a autora da obra disse que essa prática não era pra ser julgada, se ela mesma estava julgando-e julgando que era errado, ainda por cima? Ou quem disse isso de não julgar foi a curadora e você confundiu?

donadio disse...

"No Queermuseu tinha uma obra que mostrava explicitamente um animal sendo estuprado e a própria autora da obra disse que "era uma prática sexual recorrente, não era pra ser julgada"."

Na obra em questão tem bem mais do que "um animal sendo estuprado". Ela está aí em cima, no post, e dá perfeitamente pra ver que o que você descreve é um detalhe. O que a artista diz é bem diferente: "o trabalho não visa julgar essas práticas". Só para entender, este comentário também não visa julgar o trabalho da Adriana Varejão - não quer dizer que eu necessariamente goste do trabalho dela.

O Queermuseu foi atacado e vandalizado por um bando de fascistas, que acabou obrigando o Santander a cancelar a exposição. Quando um bando de brigões vandalizar os cinemas que estão passando o filme do Gentili, tentando obrigar as distribuidoras e os exibidores a tirá-lo de cartaz, aí estaremos falando da mesma coisa. Até lá, estamos falando de censura por meio da baderna, de um lado, e crítica a uma obra cinematográfica, de outro. E, claro, da hipocrisia de quem vê pedofilia em quadros que explicitamente denunciam a pedofilia, mas não vê pedofilia em um adulto pedir para ser masturbado por crianças.

titia disse...

Quanto aos mascus ainda insistindo em falar da performance, eu sabia que cedo ou tarde alguém ia usar a "inocência" como desculpa. Sempre fazem isso também, esse roteirinho mascu é tão previsível... quer dizer então que o ator de 13 anos pode ser exposto a pedofilia e obscenidade porque não é mais "tããão inocente" quanto a menina que foi levada à performance? Quando foi a última vez que eu ouvi algo assim? Ah, é mesmo, quando os mascus estava defendendo seu """"""direito""""""" de estuprar meninas de 12, 13 anos e não serem presos, expostos nem tratados como os bostas criminosos que são porque meninas de 12 anos não são mais "inocentes". Também ouvi naquela vez em que uma menina de 9 anos (provavelmente a mesma idade da menina levada à performance) foi estuprada pelo padrasto e ficou grávida de gêmeos, tendo que fazer um aborto. A mascuzada foi a primeira linha de bostas a subir nas tamancas pra defender o pedófilo, e a desculpa deles pro parça estuprador de criancinhas foi que... advinha, advinha? A menina (enfatizo, provavelmente da mesma idade da que foi levada à performance) não era mais inocente!

Olha só como funciona a mente da mascuzada: na hora que é pra esbravejar contra um desafeto meninas de 9 anos são anjinhos inocentes e puros que devem ser protegidos a todo custo. Na hora que é pra eles estuprarem, ou pra defender um parça estuprador, meninas de 9 anos são mini vadias que não são mais inocentes e tem mais é que ser estuprada mesmo e depois punida por ter sido estuprada, porque né, ela está errada só de existir, quem mandou nascer mulher? Quisesse direitos humanos e respeito nascesse homem! Na boa, mascuzada, que tal vocês irem logo pros décimos oitavos dos infernos e ficarem por lá? Ninguém vai sentir falta, garanto, a gente jura até que faz uma festa.

Raisa C. disse...

Titia:

Foi a própria Adriana Varejão que falou mesmo, olha só o trecho:
"A pintura é uma compilação de práticas sexuais existentes, algumas históricas (como as Chungas, clássicas imagens eróticas da arte popular japonesa) e outras baseadas em narrativas literárias ou coletadas em viagens pelo Brasil. O trabalho não visa julgar essas práticas", explicou ela ao jornal El País, reforçando a ideia de jogar luz sobre coisas que não são discutidas."

Fonte: http://revistagalileu.globo.com/Cultura/noticia/2017/09/o-que-representam-obras-que-causaram-o-fim-da-exposicao-queermuseu.html

Zoofilia não é prática sexual, é violência contra os animais. Nesse quadro intitulado "Cena de Interior II" existem vários adultos fazendo sexo e no meio deles, um animal sendo estuprado. Eu não consigo ver nenhuma menção ao processo destrutivo aí, vejo simplesmente uma outra "forma de sentir prazer". É a banalização da violência e acho que deve ser criticada sim e inclusive censurada. Da mesmo forma que o Danilo Gentili deve ser censurado.

"Mostrar que existe para denunciar" é uma questão muito delicada, se fosse um bebê no lugar daquela cabra/cachorro na obra, seria denúncia ou banalização?

Raisa C. disse...

Ah, outra coisa titia, fico realmente com medo de cairmos na síndrome da Roupa Nova do Rei (tô inventando esse termo agora).
Sabe aquela história da roupa invisível do rei que todo mundo dizia estar vendo pra não ser julgado como ignorante? Pois é. As vezes existe ali um erro sério do artista, mas tentamos não ver por medo de sermos julgados de ignorantes. E nisso, coisas que deveriam ser criticadas vão sendo abafadas por um pseudo-discurso de desconstrução, denúncia etc.

Eu na verdade prestei atenção especificamente nessa obra da Varejão ontem, pela internet, e fiquei muito decepcionada e pensativa sobre até onde pode ir, de forma realmente legítima, o discurso de denúncia.

Raisa C. disse...

Donadio

Estupro nunca deverá ser "apenas um detalhe". Eu sou contra a censura da exposição inteira, mas essa obra especificamente pegou pesado. Não é pra perseguir a artista, linchá-la, quebrar seus quadros, nada disso. É pra gente criar mais coragem para assumir que aquela pessoa ali vacilou.

Se o trabalho, segundo ela, não visa julgar essas "práticas" (vai aqui novamente meu horror a chamar estupro de prática sexual) então não existe denúncia nenhuma por parte da artista!

"Galera, pintei aqui uns bebêzinhos sendo estuprados pq eram as práticas sexuais da época, mas eu não quero julgar ninguém, ok?"

Desculpa gente, mas não dá.

Friso que a censura à exposição inteira foi sim perseguição, mas não deixemos pra trás os detalhes. As minorias também erram e precisamos enxergar isso.

titia disse...

Então realmente não sei o que a artista estava pensando, Raísa C., porque chamar algo de processo destrutivo implica diretamente em dizer que isso é ruim. Mesmo que ela fale em não julgar, o julgamento já estaria feito quando ela diz que é algo destrutivo, então não entendo o que a fez mudar de postura e se pronunciar como neutra. E caso fosse uma criança, bom, creio que dependeria de muita coisa. Existem campanhas de conscientização sobre abuso infantil que usam imagens fortes, com crianças semidespidas sendo agarradas por adultos mas ninguém diz que é apologia à pedofilia, pelo contrário, é uma exposição do problema visando combate-lo. É válido fazer questionamentos, claro. Mas questionar é uma coisa, agir como um primata descerebrado e sair por aí vandalizando instalações, intimidando o público e mandando ameaças de estupro e morte pras artistas e pros organizadores não é nem correto nem válido. E é isso que estamos questionando aqui (ainda!) a respeito dessa exposição.

donadio disse...

"Estupro nunca deverá ser "apenas um detalhe"."

Bom, em primeiro lugar não é "estupro" por que animais não são sujeitos de direitos. Em segundo lugar, "detalhe" em termos de pinturas significa uma parte relativamente pequena da obra como um todo. Pode ser o Cristo sendo crucificado e mesmo assim ser um detalhe.

(por exemplo, http://www.joseferreira.com.br/blogs/filosofia/nao-deixe-de-ler/filosoarte-a-escola-de-atenas/ veja como o artigo se refere às figuras de Platão e Aristóteles como "detalhe" da obra "Escola de Atenas", embora os dois filósofos sejam o centro da imagem.)

"Eu sou contra a censura da exposição inteira, mas essa obra especificamente pegou pesado. Não é pra perseguir a artista, linchá-la, quebrar seus quadros, nada disso. É pra gente criar mais coragem para assumir que aquela pessoa ali vacilou."

Ou seja, partir para uma discussão sobre os méritos ou deméritos da obra. É isso que não dá pra fazer, Raisa. Numa boa, em circunstâncias normais eu discutiria isso, mas não quando a obra foi pivô da violência fascistóide do MBL.

"Se o trabalho, segundo ela, não visa julgar essas "práticas" (vai aqui novamente meu horror a chamar estupro de prática sexual) então não existe denúncia nenhuma por parte da artista!"

Não sei se existe denúncia. O que ela diz é que o trabalho não tinha o objetivo de julgar essas práticas ("práticas", sim - desde quando "práticas" é um termo que não pode ser aplicado a coisas terríveis ou nojentas - a prática do canibalismo (https://www.google.com.br/search?q=%22pr%C3%A1tica+do+canibalismo%22&oq=%22pr%C3%A1tica+do+canibalismo%22&gs_l=psy-ab.3..0i30k1j0i7i30k1.7479.9239.0.9748.2.2.0.0.0.0.289.476.0j1j1.2.0....0...1.1.64.psy-ab..0.2.461...0i22i30k1.0.AG3_WegQLOI), a prática do genocídio (https://www.google.com.br/search?q=%22pr%C3%A1tica+do+genoc%C3%ADdio%22&oq=%22pr%C3%A1tica+do+genoc%C3%ADdio%22&gs_l=psy-ab.3...47865.49934.0.50341.9.9.0.0.0.0.129.969.0j8.8.0....0...1.1.64.psy-ab..1.1.129...0i8i7i30k1j0i7i5i30k1.0.9OC1ncXykg0), a prática da política de terra arrasada (https://www.google.com.br/search?q=%22pr%C3%A1tica+da+pol%C3%ADtica+de+terra+arrasada%22&oq=%22pr%C3%A1tica+da+pol%C3%ADtica+de+terra+arrasada%22&gs_l=psy-ab.3...31018.37028.0.37364.30.29.1.0.0.0.305.3330.0j23j1j1.25.0..2..0...1.1.64.psy-ab..6.11.1323...0i203k1j0i7i30k1j0i7i5i30k1j0i8i7i30k1j0i30k1j0i8i30k1.0.-4KnMWPpfTc)?). Quem tem de julgar é o espectador, ora.

E outra coisa: desde quando a arte tem de se recusar a retratar coisas espinhosas? Se é assim, vamos proibir a maior parte da iconografia cristã, que, afinal de contas, representa a morte sob tortura de Jesus (https://www.google.com.br/search?biw=1600&bih=769&tbm=isch&sa=1&q=crucifixion&oq=crucifixion&gs_l=psy-ab.3..0l10.96999.110459.0.111406.17.17.0.0.0.0.179.1813.3j13.16.0....0...1.1.64.psy-ab..1.16.1813...0i67k1j0i10k1.0.gw46WKRpKok). Ou todos os quadros que representam batalhas (https://www.google.com.br/search?biw=1600&bih=769&tbm=isch&sa=1&q=battle+iconography&oq=battle+iconography&gs_l=psy-ab.3...29554.44310.0.44919.30.25.5.0.0.0.162.2480.9j14.23.0....0...1.1.64.psy-ab..2.14.1376...0j0i67k1j0i5i30k1j0i8i30k1j0i8i10i30k1.0.Yh2fwy4I2dI). Ou, já que estamos falando de violência contra os animais, todos os quadros que representam churrascos (https://www.google.com.br/search?biw=1600&bih=769&tbm=isch&sa=1&q=barbecue+painting&oq=barbecue+painting&gs_l=psy-ab.3..0.85940.92165.0.92987.17.16.0.0.0.0.525.1162.0j1j5-2.3.0....0...1.1.64.psy-ab..14.3.1162...0i67k1.0.i_Nu2oH9G20).

lauda disse...

Sou professora também. E Roger eles não conhecem, mas o Danilo... Até porque ele é muito ativo na internet...Fui na BGS com meu sobrinho e estava lotada a sessão de autografos dele só de adolescente. Meu sobrinho passou longe mas ele tem outra cabeça.

Raisa C. disse...

Donadio,

Senti uma tendência da sua parte a amenizar uma coisa que é séria.

"Zoofilia não é estupro pq os animais não têm direitos". Mas é violência do mesmo jeito, acho que não ameniza em nada a gravidade do ato.

Tudo bem chamar zoofilia/estupro de prática sexual, até pq existem outros termos (vc citou outros).
***Sexo sem consentimento, seja com animais ou pessoas é violência, a artista joga sexo e zoofilia no mesmo bojo e depois tira o dela da reta querendo ser neutra. Acho que o "correto" seria a prática da zoofilia ou prática do estupro (considerando que ele seja tão grave quanto a zoofilia), mas chamar esses dois termos de sexo não dá, da mesma forma que se eu jogar um vaso cheio de terra na sua cabeça não será uma "prática de jardinagem. Esse termo vindo de uma pessoa que não conhece nada de nada, dá pra relevar, mas de uma artista esclarecida?***.


A arte pode sim retratar coisas espinhosas, mas deve ser repreendida quando reproduz discursos de odio, violencia gratuita e preconceito sem qualquer intuito de denúncia. Devemos sim criticar o bullying do Danilo Gentili e todas as coisas toscas que ele faz, e também devemos criticar discursos preconceituosos ou violentos proferidos pelas minorias, sejam verbalmente, sejam em forma de obra de arte.

Existem outras obras que incitam a violência e tb não acrescentam em nada? Existem e cabe a nós analisarmos, discutirmos, problematizarmos, poderarmos e as vezes censurarmos, na tentativa de acabar com discursos de ódio e violência.

"Ai, nossa, proibe então as obras de arte que mostrem churrasco" = dizer isso, pra mim, acaba indo a favor da foto do Danilo com uma cabra.


Ou seja, partir para uma discussão sobre os méritos ou deméritos da obra. É isso que não dá pra fazer, Raisa. Numa boa, em circunstâncias normais eu discutiria isso, mas não quando a obra foi pivô da violência fascistóide do MBL.

Donadio, eu realmente não sei até que ponto devemos evitar um assunto por ele ter sido condenado pelo MBL ou por algum grupo conservador. Fica parecendo que precisamos combatê-los a qualquer custo, mesmo quando existem críticas coerentes da parte deles. Não é sempre, mas acontece sim de, em algum momento, acertarem nas críticas (e não na perseguição contra os LGBTs).

Bem, acho que é isso. Eu permaneço com meu posicionamento e acredito que vc com o seu. Mas fica aí o meu alerta. Fique bem!

donadio disse...

"Fica parecendo que precisamos combatê-los a qualquer custo, mesmo quando existem críticas coerentes da parte deles."

Raisa, sim, é preciso combatê-los a qualquer custo. Porque eles estão nos combatendo a qualquer custo; o alvo deles não são obras de arte ou exposições ou decisões judiciais ou posições específicas de tal ou qual partido ou movimento. O alvo deles é a democracia, e eles não sossegarão enquanto ela não for destruída.

"Existem outras obras que incitam a violência e tb não acrescentam em nada? Existem e cabe a nós analisarmos, discutirmos, problematizarmos, poderarmos e as vezes censurarmos, na tentativa de acabar com discursos de ódio e violência"

Isso aí vai acabar com a maior parte do que a gente considera arte, da Ilíada aos quadros de Jacques-Louis David. Por outro lado, como é que o quadro da Adriana Varejão é "discurso de ódio"?

maxwellman disse...

Lola, aquela polêmica em relação a Caetano ser chamado de pedófilo, vai ser trabalhada em um futuro post?

[antes que perguntem, é dúvida, não é provocação]

Anônimo disse...

Alguém com bom senso. Parabéns Raissa!!!!!!

Cissa disse...

Lola, transforme essa postagem numa carta aberta, por favor!!

Anônimo disse...

Concordo plenamente anon. Não vale a pena falar desse babaca. Não assistir o filme é não comentei nada em minhas redes sociais sobre esse lixo!

Anônimo disse...

Oh mig@ tu gosta mais de Valerie Solanas do que as feministas. Sai dessa fofa as feministas não estão nem aí pra Valerie Solanas e também não estão nem aí pra vc, fofa das 22:22. Só eu q ainda tive paciência de responder. Vai fazer algo útil na vida.

Anônimo disse...

Né Donadio. No fundo os ditos liberais não existem. São conservadores tão covardes que nem assumem que são conservadores. Por isso mesmo são piores que os conservadores.