segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

GUEST POST: MULHERES, PAREM DE SE PREOCUPAR COM UMA BELEZA TÃO SUBJETIVA

Guidi Vieira é musicista, tem um blog, e já escreveu outros guest posts pra cá. É com muito prazer que publico mais um. 

Há tempos venho querendo escrever sobre beleza. 
E a gota d’água se deu há uns três dias, quando a postagem de uma menina no Facebook apareceu para mim: “Que vontade de chorar! Minha vida está uma desgraça.” Não a conheço pessoalmente, ela havia me adicionado há uns meses, talvez por sermos ambas da música. Não costumava receber suas postagens, mas aquela apareceu. Como podia ser tanto apenas um desabafo momentâneo quanto algo um pouco mais preocupante, fui ver seu perfil.
O que vi ali? Descendo sua linha do tempo, apenas selfies. Apenas fotos de uma mulher linda, produzida, com decotes, roupas perfeitas, o cabelo perfeito, sobrancelha, maquiagem, tudo impecável (aliás, um dos comentários à triste postagem foi: “Não fique assim, você é linda”). Fiz uma relação imediata e inevitável entre as fotos e o seu desabafo -- embora isso seja precipitado e talvez até leviano de minha parte. Mas confesso que, vendo aquelas imagens, me pareceu que a vida dela estava um pouco vazia. E talvez essa angústia tivesse algo a ver com a superficialidade que vem sendo tão estimulada nos tempos em que vivemos.
Não é incomum ver pessoas que conheço pessoalmente, interessantíssimas, engraçadas, com ótimo papo, se portando na rede social de forma a exacerbar seu lado mais raso. Parece quase que intencional, como se não quisessem mostrar o que têm de melhor, publicando apenas fotos mandando beijinhos, selfies no espelho etc (não vejo nada de errado, o problema é quando fica só nisso!). Então imagino que a moça triste talvez seja também interessantíssima, engraçada e boa de conversar, mas esteja se fiando muito em sua beleza, colocando isso acima de todas as suas outras qualidades para receber um pouco de carinho e atenção. 
E aí pensei o seguinte: acho que a vida fica ainda mais difícil quando a gente percebe que fez tudo o que a sociedade nos mandou fazer e o resultado não nos traz felicidade. A moça da postagem é perfeita, segundo os padrões impostos. Mas isso não está bastando, pelo visto. E, poxa, não era a beleza o que realmente importava no mundo feminino? Não é este o atributo que os homens tanto valorizam? Não é isso o que a televisão mostra? Não é isso o que os outdoors sublinham? Beleza, beleza, beleza? 
Daí concluí que deve bater uma sensação de traição, sabe? Você seguir essa cartilha-- difícil de ser seguida -- e não ter o mundo a seus pés. Ninguém te avisou que quando você finalmente estivesse “perfeita”, não bastaria. Ninguém te disse que você sentiria esse vazio, mesmo seguindo as coordenadas tintim por tintim. 
Tenho a convicção de que grande parte da sociedade não quer que você descubra o que importa, de verdade. É melhor que você nunca desconfie que precisa se desafiar intimamente, que precisa vencer seus medos. Que precisa largar vícios internos e que isso, sim, vai te deixar feliz. Nada, deixe essas questões complexas para lá! O sistema quer que você pense apenas no quanto seu corpo anda mais flácido ultimamente, para que você resolva isso imediatamente, e antes de qualquer outra coisa.
Muitos não querem que você descubra que ser feliz não tem nada a ver com beleza. E que dá para ser feliz estando fora do padrão. E que -- ironia das ironias -- talvez seja até mais fácil ser feliz estando fora do padrão, visto que haverá bem menos pressão em cima de você. Talvez até te deixem envelhecer em paz, ou quase isso. Sim, porque ícones como Brigitte Bardot, Vera Fischer e todas as mulheres que um dia foram exaltadas por sua beleza são hoje em dia atormentadas e cobradas pela mesma mídia que as endeusava. Faça um teste: pense em uma mulher linda e famosa que hoje em dia seja uma senhora. Ok. Agora procure notícias recentes dela no Google. Você verá prontamente a sacanagem que fazem e sempre fizeram com as mulheres que têm a sorte de estarem vivendo uma vida longa. 
Aliás, não sei por que as pessoas são tão cruéis com as outras, visto que envelhecerão também (se tudo der certo). Elas querem ser cobradas da mesma forma como cobram as outras? Eu, pelo menos, quero envelhecer sem ninguém me encher o saco. Adoraria viver bastante, ficar bem idosa -- e, se possível, ativa -- e não ser desrespeitada por isso. E precisar reivindicar algo do tipo apenas mostra o quanto estamos doentes. 
É importante dizer que sou, sim, vaidosa. E talvez até exista algo positivo nesta vaidade (caso implique em se amar do jeito que se é). Mas sei que às vezes essa preocupação com a imagem é um peso, e que eu seria ainda mais livre se não me ocupasse com isso. Seria, no mínimo, uma questão a menos na vida.  
O diretor de teatro Amir Haddad certa vez falou, em uma de suas oficinas: “Não existe gente feia, existe gente oprimida, massacrada”, traçando um paralelo bem pertinente entre beleza e liberdade. Quando o ouvi dizer isso, pensei no quanto minha vida teria sido diferente se tivesse crescido ouvindo esse tipo de coisa, e não “Que mulher feia! Eca!” toda vez que aparecesse uma pessoa assim -- considerada “feia” -- na TV ou no jornal, ou na vida real. Porque, por mais que eu tenha crescido sendo considerada bonita pela maioria das pessoas que me cercavam, essas falas me afetavam e ainda afetam. As marcas de expressão que vão se acentuando em meu rosto, por exemplo, certamente me incomodam mais do que deveriam, e sei que isso tem a ver com esses comentários que ouço desde sempre. 
Felizmente também lembro de ter ouvido minha mãe, certa vez, dizer: “Estou achando tão legal ficar velha”. Ainda que isso tenha sido dito por uma jovem mulher de 43 anos, foi bom ter ouvido alguém dizer isso. É uma das poucas boas referências que tenho na infância em relação a esse assunto. Vez ou outra me recordo desta frase e penso o quanto pode ser bonita a passagem do tempo.
Aliás, não sou mãe. Mas acho que posso dar um pitaco, dada a minha condição de filha: pais, não enfatizem a beleza de seus filhos como algo relevante. Não deixem que eles se fiem nisso. Vai dar merda! Ironicamente, vai causar baixa autoestima e momentos de sofrimento desnecessários, e digo isso de cadeira. Porque se sempre fui chamada de linda pela família, o mundo não concordou 100% com isso, e o primeiro que me chamou de “feia” fez meu mundo cair. Olha que besteira: chorar porque alguém não te acha linda (como haviam dito que você era -- teriam mentido?); ficar em crise dias e dias pensando no que alguma pessoa te disse. Sofrer por ter ouvido uma opinião relativa a uma questão tão subjetiva quanto essa, e que tem muito a ver com gosto pessoal, é um sofrimento bem evitável. (E olha só que bosta, a “legitimação” de beleza tem que vir de outro, e não de você mesma. O que o outro disse sobre você tem peso 2. Estamos nas mãos dos outros, isso é muito grave!)
Quis escrever esse texto há uns dois meses, quando ouvi um conhecido dizer a outra menina, ao cumprimentá-la: “Isso é que é mulher bonita, o resto é conversa”. Eu estava perto e mal acreditei, mas juro que a forma de elogiar do rapaz foi exatamente essa: diminuindo outras mulheres, colocando uma como melhor que as outras, e ainda por cima utilizando essa régua: beleza. Essa frase não saiu de minha cabeça e me prometi que escreveria sobre ela. 
(Para piorar, o cara que falou isso é artista. E eu bato e sempre vou bater nessa tecla: artista tem que ir contra a corrente, porra! Não é para reforçar valores que a mídia enaltece, não é para agir sem pensamento crítico, não é para apenas sair repetindo o que falam por aí, em qualquer esquina, de qualquer jeito, sem pensar antes. Daí me pergunto se ele e outros artistas caretas- normopatas que vejo por aí não se confundiram e caíram na profissão errada: talvez uma carreira mais certinha, sem as dissonâncias e diversidades da arte, combinasse mais com o modus operandi deles.) 
Esse texto estava na garganta e nos dedos há tempos, e sei que este assunto poderia render um livro, sem exageros. São muitos e muitos casos, muitas frases, muitos momentos que me marcaram e que me fazem ter a certeza, hoje em dia, do quanto essa história de beleza causa danos que não poderemos nunca contabilizar exatamente. Porque, se há pessoas como o ativista Oskar T. Brand fazendo vídeos sobre os efeitos danosos das revistas de moda na autoestima das mulheres, ainda há muitas e muitas meninas vivendo cheias de medo de serem algum dia chamadas de “feias” na balada, na escola, na rua, e suspirando de alívio cada vez que um zé-mané qualquer elogia sua beleza. 
E mesmo que mulheres incríveis como Lizzie Velasquez e Cameron Russell coloquem por terra o mito de que beleza = felicidade, ainda assim há várias meninas e mulheres realmente se importando com suas aparências de forma obsessiva, perdendo tempo de vida com isso, imaginando o quanto seriam muito mais amadas pelo namorado, pelas amigas, pela família, se fossem mais magras, se fossem mais altas, se tivessem um rosto mais “delicado”.
Fico na torcida para que a cada dia mais mulheres se sintam confiantes e felizes e que também escrevam sobre suas experiências neste campo, façam vídeos, conversem sobre o assunto, se tornem pesquisadoras; ajudem a desmistificar cada vez mais a questão desta beleza normativa. Porque, apesar de tudo, acho que estamos num bom caminho, num momento de muita contestação de “verdades”, e ainda veremos muitas mudanças positivas nesse sentido.

129 comentários:

Anônimo disse...

Ah a eterna opressão da beleza, tem coisa que mais tenta nos moldar para ser eterno enfeite social, do que esse discurso da beleza inalcançável?

Não pode ser gorda, nem estar próxima a morrer de fome e esquelética, os ossos devem aparecer do seu corpo, mas não de um jeito que outros achem repulsivo. Sua pele não deve ter marcas, não tome sol, não tenha espinhas, etc, etc...

Você precisa de músculos, mas nada parecido com os dos homens fortes, sabe como é, beleza de mulher tem que ser frágil...

E a lista não termina nunca, está sempre atualizada, por nada mais eficaz para nos manter acorrentadas do que trocar periodicamente as algemas.

É uma lástima, somos educadas para acreditar que ser belas resolverá todos os nossos problemas, quando muitos dos nossos problemas são causados pela busca fútil e dolorida pela beleza.

E não tem muito jeito de tirar o julgamento estético desse lodo de dominação e auto-ódio imposto as mulheres.

Quem de nós, realmente, consegue ter uma relação saudável com sua aparência?

A beleza precisa significar outra coisa nas nossas vidas do que o fim máximo. Tem que ser plural, tem que ser algo leve, tem que significar diversão, contemplação da vida, iniciativa para fazer arte, para gosta de poesia, para ser capaz de se encantar com o mundo, para ser usada por nós, e não para nos converter em objeto para uso. Enfim, sabe aquela coisa básica: deveria ser lindo mulher nenhuma temer ser o que é.

O que fazer? Dedo do meio levantado para os padrões é um salutar ato de resistência, mas também precisamos de uma bordagem afirmativa para beleza, dar para ela um lugar adequado, que não esse de prisão.

Você não precisa ser bonita conforme os padrões, nós somos bonitas por que existimos. Borra lá começar a revolução e tentar se amar, por que para o ódio de nós mesmas somos empurradas todos os dias.

m.

Anônimo disse...

Outro post de apologia à barandales.

A Lola adooora, hahaha

Anônimo disse...

Ninguém precisa ser uma marombada, bombada, panicat e mulher-fruta, ser branca e ter cabelo liso como os mascus adoram. A maioria dos machistas preferem mulheres mais baixas do que eles e não mais altas, com raras exceções. Muitos machistas criticam mulheres gordas, mas ao mesmo tempo também preferem mulheres com peitões grandes, coxas grossas e bundas avantajadas para exibir e eles apertarem. O machismo tem várias faces.

Anônimo disse...

Que contradição, procurando uma fonte fiável sobre Nessahan Alita e este blog foi uma das poucas que achei.

Não sei por que você odeia tanto o masculinismo. Não é machismo, ele está para os homens assim como o feminismo está para as mulheres. São opostos, mas não inimigos, se complementam. Ou acham que o homem moderno também não quer tirar dos seus ombros o peso deste "modelo patriarcal"?

Anônimo disse...

Tá bom, a Lola me convenceu.

Ser bonita é uma merda.

Bom mesmo é ser uma baranga.

V. disse...

Sei bem disso, tenho 30 anos, nunca trabalhei, nunca namorei, mal saio de casa, só penso em suicídio.
E tudo porque sempre fui massacrada por ser gorda, tenho 120 kg, já tentei procurar emprego, várias vezes percebi que não me contrataram por isso, me olhavam dos pés a cabeça com nojo e uma realmente falou na minha cara que era por isso que não me contrataria, o bizarro era que a loja era de roupas para gordas.
Daí começei a ter ataques de pânico no meio da rua quando ia procurar emprego, então, desisti.

Não consigo falar disso com ninguém, para a minha família eu sou só uma vagabunda que n quer trabalhar . E com essa idade e gorda n vão me contratar mesmo, e se por algum milagre me chamarem pra uma entrevista, que justificativa vou dar pra n ter experiência com essa idade? Não vão gostar muito se eu falar do preconceito escroto dos contratantes.
N vejo saída, conheci o feminismo mas n ta ajudando, vou terminar logo com meu sofrimento.

Mila disse...

Não sei se tem muito como escapar deste tema, afinal gostamos de transparecer o melhor que somos, e a aparência física é o primeiro critério. No entanto, manter relacionamentos minimamente saudáveis implica em outros critérios e a beleza física (ou adequação aos padrões estéticos vigentes durante determinada época) se tornam irrelevantes.
Mas acho problema quando ela vira um narcisismo, tóxica a quem necessita de uma aprovação social ou espera obter privilégios pela aparência física. É bom lembrar que padrões de beleza existem para ser raridade, incomum, não atingíveis aos pobres e comuns mortais pois a beleza entra como um parâmetro de distinção. Entretanto, alguns são tão aprisionados por essas ideias que sua autoestima acaba por depender da degradação da autoestima do outro. Muitas pessoas que se encaixam dentro do padrão de beleza, fazendo parte dos poucos privilegiados considerados belos, entram em crise existencial quando não são tratados como deuses pelos simples mortais exatamente por que a beleza tende a ser subjetiva.
Para as mulheres, essa exigência é muito pior. Se enquadrar nestes padrões, significavam (e ainda hoje significam) as posições que iremos alçar na sociedade. Para o homem, ser bonito ainda é uma questão desejável, mas não opcional, o importante é ter poder e dinheiro. Para a mulher, inteligência e caráter ainda são suplantados pela questão da beleza. Vemos mulheres brilhantes e bem sucedidas, mas com a autoestima minada, pois mesmo que se destaquem pelo esforço e conhecimento, não são reconhecidas por não serem bonitas. Mulheres que são competentes e muitas vezes as melhores em suas áreas (muito comum no esporte) que não conseguem reconhecimento social e financeiro por terem imagens comuns e que "não vendem". A beleza é uma das situações que fazem mulheres se oprimirem entre si também, à medida que nos rotulamos com valor baseadas na nossa aparência física.

Anônimo disse...

12:15, você só pode estar brincando.

O masculinismo sequer pode ser chamado de movimento sério por serem constituídos de meia dúzia de fracassados inúteis que tomaram um toco/chifre/pé na bunda e acreditam que o problema está todo nas vagabundas.
Muitos deles são favoráveis ao estupro corretivo e coletivo, são racistas e pedófilos. Tire o feminismo dessa onda de merda.

Teriam condições sim, de questionar o sexismo e esse sem número de padrões que são impostos. Mas ao invés de agir para transformar um contexto, centra-se que cada indivíduo que faça o seu corre e se torne igual ao alfa que ele critica, mas inveja. Deste modo, o problema do masculinismo nunca irá acabar, pois sempre existirão pessoas que se sentirão fracassadas e sempre existirá um homem melhor sucedido. O masculinista quer entrar no sistema, não extingui-lo, sequer questiona-lo.
E ainda com um viés de vingancinha, o masculinista se auto ilude achando que um dia a mulher que rejeitou ele o aceitará e ele poderá exercer algum poder sobre ela com o propósito de humilhá-la.
O masculinista não critica o alfa, quer ser como ele. Abomina mas inveja. Assim como a mulher, que ele diz odiar, mas vive sua vida ao redor dela.
São masculinistas até o primeiro rabo de saia.

Anônimo disse...

Tem gente que simplesmente gosta de atenção. É aquela amiga magérrima que fala que precisa perder 3kgs pra você falar "não querida, você tá ótima assim", ou a pessoa que posta mensagens crípticas no Face ("Tô triste", "Deu tudo errado") pra ver se fisga alguém perguntando o motivo. Tem também o humblebragging, quando alguém faz algo como:

(postagem em rede social) "Estou completamente enrolada, não sei que fazer!"
Um trouxa acha que é sério, pergunta e dá espaço para a pessoa falar o que queria desde o começo: "Amanhã tenho um jantar pra ir na casa da Beyoncé e não consigo decidir que sapatos devo usar".

Minha opinião é que manter uma vida na rede social dá mais trabalho do que viver na realidade. Tudo bem que é uma ilusão (e uma pretensão) achar que seus 5000 amigos no FB estão interessados no temaki vagabundo enrolado em alga ensopada e cheio de cream cheese que você comeu. Mas é comum, muito comum aquela situação Black Mirror de pessoas que simplesmente não conseguem viver a porra de um momento sem bater uma foto e mostrar pra todo mundo não que você experimentou alguma coisa mas que esteve de corpo presente em um lugar qualquer. É viver para os outros, para os likes, para ter um portfólio falso de vida e vender a não sei quem e também não sei a troco de que, a menos claro que você seja profissional nisso e ganhe dinheiro, patrocínio, permutas, coisas mundanas em geral. É claro que isso é vazio e mais claro ainda que esse bolo vem acompanhado de frustração porque você pode não admitir, mas sabe, sabe de verdade, que o que está sendo elogiado ali não é VOCÊ mas a mentirinha que você tá contando pro mundo.

Porém, é bom que ninguém esqueça que participar de tudo isso é opcional.

A menos que você trabalhe na Booking.com. Se você não posta nada na redezinha social privada da empresa, alguém vem conversar contigo muito depressa.

Carol disse...

Uma vez vi um programa com a Jo Frost em que ela acompanhava varias familias e seus problemas.
Um dos casos era de uma menina de aproximadamente 12 anos que era viciada em se maquiar, se arrumar, arrumar o cabelo e em revistas de moda e beleza...ela levava no minimo 2 horas para sair de casa e jamais saía sem maquiagem...se achava feia e ficava apontando coisas que queria mudar nela...uma situação extremamente triste.
Jo levou ela à um ensaio fotografico profissional, tanto Jo quanto a menina fizeram varias fotos e um profissional em photoshop trabalhou em uma das fotos de Jo.
Ele fez com que ela ficasse ideal para uma revista dessas de beleza...as mudanças eram absurdas, não parecia a mesma pessoa nem de longe.
Quando Jo mostrou a foto do antes e depois dela, a menina ficou pasma...ali ela percebeu que essa beleza imposta é absurda, que ela não é essa perfeição.
Eu tb fiquei boba quando vi, mesmo sabendo que as imagens são manipuladas, te dá uma sensação que absolutamente nada ali é real.

E ao comentário 12:19, ninguem está dizendo que ser bonita é uma merda...mas sim que padrões de beleza que são diariamente impostos, devem ser deixados de lado...e as pessoas se gostarem do jeito que elas são, sem ficar procurando uma perfeição que não existe.


Anônimo disse...

Moça V., comentário das 12:29.

Procure ajuda psicológica.

Sugiro contatar esse serviço, gratuito: http://www.cvv.org.br/

No mais, tudo é transitório, momentos bons e ruins.

Você é uma pessoa em todas as suas facetas.

Não deixe sua condição sobre o peso ou desemprego te definir. São meras circunstâncias da vida.

Tudo de bom pra vc! Logo vc vai se sentir melhor.

Anônimo disse...

Triste o depoimento.

E eu que acreditei quando a Lola disse que isso era coisa de "mascu".

Pelo visto, insultou um monte de gente que têm os mesmos problemas e não é mascu.

Anônimo disse...

A perfeição existe e vende, as revistas estão aí para provar.

Agora se as pessoas não entendem que ela é rara e que por isso estão na capa de revista e no comercial da TV, o problema é da cabeça fraca das pessoas, não das revistas ou TV, que em momento algum estão impondo nada.

Pare de querer de cercear a liberdade dos meios de comunicação.

Anônimo disse...

A tal "beleza feminina padrão" e cria do patriarcado para transformar mulheres em abjetos de consumo de homens, portanto o o conselho da autora do guest post e mais que valido, revolucionem larguem a magreza,os símbolos de feminilidade socialmente construídos como cabelos compridos(cabelo curto e tão mais pratico principalmente no verão) maquiagem, salto alto, toda esta besteirada, quando as meninas descobrirem o qual libertador e não ter que chamar atenção alguma do sexo oposto e se concentrarem nelas mesmas como seres humanos o feminismo vai avançar uns 300 anos.

Anônimo disse...

Desapeguem, a beleza juvenil não chega a 1/3 da vida, nos passamos a maior parte de nossas vidas envelhecendo, portando desapeguem logo de vez e se concentrem em outras coisas mais importantes como estudo e cultura.

Anônimo disse...

Já tentou a dieta low carb?

Anônimo disse...

Eu noto que esta geração selfie" vai ter muitos problemas de alto estima,vai ser difícil se desapegarem da imagem juvenil na era das redes sociais onde impera o superficialismo da alto imagem, eu noto em alguns conhecidos do Facebook, Instagran e do Twitter que conforme passam os anos as postagens de fotos diminuem e aumenta os memes de alto ajuda e memes saudosistas, ou então começam a postar fotos de anos atras tentando passar uma jovialidade que ja não tem mais.

Rafael Cherem disse...

Fico me perguntando as vezes sobre os limites do machismo nos padrões de beleza, considerando que toda a indústria da beleza é feita por e para as mulheres,com grande participação dos homosexuais, ou seja quem dita as regras do que é ou não beleza não é bem os homens.

Fabianaaaa disse...

Beleza e dinheiro torna tudo melhor sim. Só que é claro que em termos superficiais. Ou você é tão patético ao ponto de ser feliz apenas com elogios e coisas caras? Pra mim isso tem outro nome: dependência, ou seja, depender de coisas externas. Tem certeza que vai ser feliz apenas assim? Porque a felicidade é o oposto exato do que é superficial; é algo muito mais profundo que nos faz ter força mesmo quando todo o mundo estiver contra a gente, mesmo quando somos horrorosos, temos problemas de saúde e somos pobres. Achar que vou ser feliz consertando circunstâncias externas é uma ironia perfeita! Ser bonito e rico faz muita gente pensar que é o que nos faz feliz, porque é isso que vende e é isso que faz o comércio circular. Mas se você quer ser bela pra ser paparicada, aí, tu é só carente, e quando receber finalmente os elogios que quer, vai ficar cada vez mais dependente dos outros. Ignoramos e afastamos pessoas e momentos maravilhosos por querermos apenas o que é perfeito de acordo com a mídia, do que é popular ou do grupo que nós respeitamos. As pessoas não tem rótulos onde lemos quem são, então tentamos facilitar as coisas julgando logo a aparência. Assim, quebramos a cara, pois fomos atrás de uma ilusão e aprovação. A vida não é nem nunca será fácil. Só fica fácil quando você morre, e aí já não é vida. É no deserto que bebemos a melhor água, não no lugar mais caro e bonito do mundo.

Anônimo disse...

Rafael Cherem, considero vc um tarado ideológico importante mas nessa deu uma dentro.

Todos sabem que o mundo da moda é controlado por veados (muito mais que por mulheres inclusive).

Que diabos os homens hetero têm a ver com isso?

Mas claro que a cartilha do movimento manda botar na conta dos homens hetero(i.e. do "machismo").

alessandro bruno disse...

Anônima V., comentário das 12:29.

Os conselhos da Anônima das 13:09 são bons, só queria acrescentar um. Estude para concurso público, quando passar em um se tentarem te negar a posse você pode alegar discriminação e entrar com mandato de segurança. Vou colocar uns links pra você estudar melhor essa opção.

http://www.jurisway.org.br/v2/dhall.asp?id_dh=4229

http://www.concursospublicos.pro.br/direito-concursos-direito-concurseiro/exame-medico-em-concursos-publicos

Marcia disse...

V., procure ajuda profissional. Você está doente, e isso não te faz uma pessoa ruim, ou fracassada! E não, eu não estou falando dos seus 120 kg, eles não são a doença que você precisa enfrentar. A crise de pânico e a vontade de suicídio são as doenças que você precisa se curar. Você importa, eu não te conheço, mas só de ler o seu relato fiquei preocupada e curiosa. Você escreve bem, é empática, soube mostrar sua história. Há inúmeras carreiras em que pessoas com essas qualidades são necessárias, você pode fazer qualquer uma delas.
Todo mundo adoece, cedo ou tarde. Você está doente agora, então a primeira coisa a fazer é: pare de se culpar. Você não tem culpa de ser quem você é, aliás, você é ótima, você existe e merece ser feliz, e precisa acreditar nisso.
Você precisa procurar um analista, ou psiquiatra, ser diagnosticada e começar um tratamento. Não se maltrate.
Eu cuido da depressão faz 10 anos. As vezes preciso de remédio, as vezes não. Mas interromper o tratamento sempre me faz ter recaídas. No meu caso, sempre valeu a pena fazer tratamentos (e nem precisa ser com remédios, atualmente, estou fazendo acupuntura e está sendo ótimo, você pode descobrir o que te faz bem, é só não desistir de você).

Para esse momento, recomendo uma série de tv que gosto muito, e lida com essa difícil questão de ser mulher gorda no nosso mundo: http://www.garotasgeeks.com/serie-voce-precisa-assistir-my-mad-fat-diary/

Cuide-se, aguente firme, as coisas vão ficar melhores, tenha certeza.

Anônimo disse...

Essa noite sonhei com o Tião Macalé recebendo uma carta da Lola Aronovich. Ele abre e lê : "Não acredite no que as pessoas dizem. Vc é lindo." Daí ele olha para mim com a cara revolta e diz :"Nojenta!!! Tchaaan "

Anônimo disse...

Pois é Fabiana, mas tem outra questão: o belo não precisa ser tão restrito assim. Dá para curtir beleza, sem que isso se torne uma obsessão por nomear tudo o que é diferente do padrão como feio.

Fabianaaaa disse...

E pra falar a verdade, pra mim não existe gente feia muito menos horrorosa, existe gente normal e gente atraente. Eu disse "horrorosos" ali pq muita gente se autointitula e rotula outras pessoas assim.

Anônimo disse...

13:52
E você, vive em algum mundo fora do seu quarto mofado? Pra estar aqui religiosamente respondendo cada comentário, pelo visto não

V. disse...

Obrigado 13:09, Alessandro e Márcia, vou pensar no que vocês disseram e vou dar uma olhada nos links. Me animou um pouco, muito obrigado.

Anônimo disse...

O Miss Universo foi um absurdo! Ganhou uma francesa cara de cavalo, teve marmelada nisso aí!

Anônimo disse...

" difícil questão de ser mulher gorda no nosso mundo" gente mas não é questão de beleza, mas de saúde! Não vale fazer dieta para cuidar da própria saúde (não estou falando de estética).

A mãe dos gato tudo disse...

A "beleza" é muito subjetiva e pessoal.

Acho um absurdo pessoas que tentam esconder suas sardas porque acho a coisa mais atraente do mundo. Vejo atores sardentos se rebocando de maquiagem pra escondê-las e me dá muito ódio. Meu namorado tem muitas sardas e disse que não gostava delas, até eu aparecer. Que a mãe dele, sardenta também, sofria bullying.

Como eu acho ridículo quem insiste em ditar o que é bonito, por isso precisamos de diversidade na mídia para os diferentes gostos.

Minha mãe disse esses tempos, depois de um casamento que fomos: "A noiva estava linda, só não conseguiu emagrecer"...e eu disse "ela estava linda e fico feliz que ela não tenha emagrecido pra agradar aos OUTROS, visto que o dia é dela". Oras, o marido a ama assim e ela também, o que é mais importante. Por que cargas d'água mudar?

Mandy disse...

Começou o Mimimi saúde. .. Para o gênio dos desfiles, gay tb é homem. Pra ver que nem precisa ser hetero pra ferrar uma mulher.

Pro povinho da saúde, já tem pesquisas falando q gordura n é sinônimo de doença, e aí? Ta acabando os argumentos furados e preconceituosos de vcs, disfarçados de preocupação com o próximo.

O Antifeminista disse...

Eu sempre achei essa questão da "ditadura da beleza" uma incoerência por parte das feministas.

Mulher com elevada autoestima não está nem aí para os "padrões de beleza". O chororô feminista em relação aos padrões demonstra que as feministas se importam MUITO com a opinião dos outros em relação a aparência delas. São fracas e incapazes de se aceitarem como são. Feministas chegam até a deixar os pelos das axilas crescer para PROTESTAR CONTRA A PREFERÊNCIA DE BELEZA DOS HOMENS, e depois afirmam, incoerentemente, não estar nem aí com a opinião dos homens. hahahahahah. Decidam-se

Anônimo disse...

Rafael Cherem, o fato do mercado da beleza não ser necessariamente controlado por homens hetero não implica que não haja machismo. Existem muitos gays que são machistas e muitas mulheres que também são machistas. Ao contrário do que os desinformados supõem, a extinção do machismo não deve ser só nos homens heteros, mas em todas as pessoas que contribuem para que ele viva, inclusive feministas.
Não se esqueçam que os homens também consomem e internalizam padrões de beleza, não à toa muitos exigem mulheres dentro de certos padrões e certos comportamentos, como a ojeriza de vários com pêlos pubianos, estrias, peso, cabelo e até cor de pele.

13:28, ninguém tem inveja de vocês não. Parem de ser egocêntricos em achar que o mundo gira ao redor do pinto de vocês. Inveja eu tenho da Beyonce, da Gisele, da Kim Kardashian que ganham num dia o que a gente ganha a vida inteira. Não de um indivíduo que em 2017 repete besteiras como "feminazis" e acha que mulheres têm inveja dele.

Anônimo disse...

Só masculinista acha que todos se jogam aos pés de mulheres bonitas - não conheço nenhuma mulher, nem dentre amigas gatas, nem dentre as menos politizadas - que sequer considere essa possibilidade para si mesmas, até porque nunca se é bela o bastante. Nesse ponto achei o texto bem machista, super julgando uma mulher (ainda que suposta, ainda que anônima) pela aparência.


Depois, não dá para falar em libertação dos padrões como se fosse possível fazer isso individualmente. Em todos os momentos somos lembradas que merecemos amor, sexo, ou simplesmente ocupar espaço no mundo enquanto agradamos ao olhar masculino.

E, por fim, que ingênuo estranhar que um homem (ainda mais artista!?) elogie uma mulher diminuindo as outras... hahaha eles fazem isso o tempo todo.

Anônimo disse...

Antifeminista,

se você tivesse um pouco mais de senso crítico saberia que o feminismo reclama dos padrões de beleza porque as pessoas ficam doentes por isso. Até as que estão dentro podem ter verdadeira neura em sair (ficar velha, engordar) e que infelizmente, a autoestima da mulher está ligada a isso.
A proposta é que beleza não tem que virar obsessão para ninguém, muito menos pra macho escroto que só quer exibir a mulher bonita como se fosse um troféu.

Sempre achei uma incoerência dos machistinhas que dizem "gostar das mulheres naturais", mas dão piti se a mulher não depila, se tiver estria, se engordar, se não usar maquiagem, gostam de humilhar mulheres que não estão nos padrões deles... Por aí a gente vê o quao vocês se importam com a opinião dos outros sobre se a sua parceira está ou não dentro dos padrões. Nunca vi machistinha namorando publicamente mina fora do padrão com medo do que os parça mil grau vão falar. Afinal quem é que está se importando com a opinião alheia?

O Antifeminista disse...

Além disso, o "padrão de beleza" é algo natural, e não uma "imposição da cultura" como afirmam as feministas.

Algumas podem argumentar que antigamente as mulheres obesas eram consideradas belas, havia esculturas delas, etc, o que demonstra que o padrão antigamente era outro.

Porém ~isso é errôneo. O fato é que as obesas eram admiradas não exatamente pela beleza, mas sim pelo status em que se encontravam. Antigamente a FOME era a norma. Ser gorda era um símbolo de riqueza, de status. Só as mulheres da elite ficavam gordas. Por isso a gordura era admirada. Não tem nada a ver com ser belo de fato.


Algumas podem dizer que a mídia "impõe" um padrão, através da propaganda, etc. Mas o fato é que a mídia não impõe, ela ATENDE. Ela quer AUDIÊNCIA.

Assim como restaurantes não impõem que comida vamos comer. Eles apenas atendem a vontade dos consumidores.

Homenista disse...

Os padrões de beleza impostos ao homem sempre foram os mais rigorosos.

Perceba que desde os tempos antigos, nas mais variadas civilizações, as imagens e esculturas de homens sempre demonstravam um corpo forte e bem definido, já o mesmo nem sempre ocorria com as imagens e esculturas de mulheres.

Mesmo nos dias de hoje, percebam que há um crescente mercado de competição feminino para modelos plus size. Já o mercado plus size masculino é praticamente inexistente.

Além disso, para uma mulher se enquadrar no padrão de beleza, basta ela não comer como um hipopótamo. E só. Esforço zero.

Para um homem se adequar ao padrão de beleza, requer anos e anos de academia e ter uma dieta rigorosa.

Os homens sofrem muito mais com os padrões de beleza da sociedade matriarcal.

Isso sem falar com os outros padrões e ditaduras, que homens sofrem mas mulheres não.

Homens sofrem a ditadura da riqueza, têm que ter dinheiro para conquistar o sexo oposto ou é visto como fracassado. Mulher não. Um homem desempregado é um derrotado, mulher desempregada é "do lar". "Vadio" e "vagabundo" são termos com um significado exclusivo para o homem que praticamente inexistem no lado feminino.

Mulher é totalmente privilegiada nesta sociedade matriarcal. O homem tem que demonstrar poder para atrair o sexo oposto, a mulher é só não engordar. E ainda reclamam.

O homem é o que mais sofre assédio em massa. Basta ver os artistas de rock ou homens de elevado status social. Mulheres em multidão correndo atrás deles, desmaiando, jogando calcinha na cara. O oposto não ocorre com mulheres artistas. O assédio feminino é muito mais agressivo e concentrado que o assédio masculino. Mulheres querem homens de poder. Hipergamia feminina.

Aproveitando que estou num ambiente feminista, gostaria de mandar as feministas estudarem biologia. Porque precisam, viu? Meninos tendem a brincar de carrinhos e meninas de bonecas não por questões biológicas. Já houve estudos com macacos. Colocaram bonecas e carrinhos nas florestas. Fêmeas pegam as bonecas, Machos pegam os carrinhos.

Estudos feitos com recém-nascidos com 1 dia de idade (logo, sem influencias culturais) demonstram que os bebês preferem olhar para um rosto humano ou para um objeto mecanico de acordo com seu sexo. Meninos olham para objeto mecanico. Meninas para o rosto humano. E aí? O "patriarcado" já começa dentro do útero?? Vão estudar!

Homenista disse...

Sou mulher

1 – Trabalhar ou não para mim é uma escolha enquanto para o homem,trabalhar é uma obrigação.
2 – Ninguém afirma que sou uma agressora em potencial só por causa de meu gênero.
3 – A “Justiça” normalmente está o meu favor em relação à guarda dos filhos, por eu ser mulher.
4 – Se cometo um crime, minha condenação provavelmente será bem menor que a de um homem que cometeu o mesmo crime.
5 - Me aposentarei 5 anos mais cedo que um homem.
6 – Provavelmente viverei mais que a média dos homens.
7 – Não preciso passar pelo Alistamento Obrigatório.
8 – Se sou agredida pelo sexo oposto, ninguém me ignora nem ri de mim.
9 – Tenho menores chances de ser assassinada que um homem.
10 – Nós mulheres sofremos pouquíssimos acidentes de trabalho em comparação ao que os homens sofrem.
11 – Quando saio com um homem, é esperado que ele que pague a conta.
12 – Minha beleza é exaltada.
13 – Na escolha de um parceiro, o sexo oposto não se importa tanto quanto a minha condição financeira ou com qual carro que dirijo.
14 – Quando choro, sou ouvida e consolada, e não ignorada.
15 – Os investimentos para a minha saúde são levados a sério pelos órgãos governamentais.
16 – Meu gênero não é frequentemente tão extorquido financeiramente através de divórcios.
17 – Se sou agredida pelo sexo oposto não sou considerada como “frouxa”, se revido a agressão, não sou atacada pela sociedade.
18 – Não somos levadas à cometer suicídios tanto quanto os homens.
19 – Usufruo de todas as tecnologias e invenções existentes graças à criatividade dos homens e de seus árduos trabalhos.
20 – Provavelmente não irei pagar pelo meu próprio casamento, nem comprar minha aliança. O homem terá que se ajoelhar diante de mim para demonstrar submissão.
21 – Meu gênero representa apenas uma pequena fração dos moradores de rua.
22 – Nós mulheres controlamos a maior parte do consumo das famílias brasileiras. Gastamos nosso dinheiro e o dinheiro dos homens.
23 – Possuo uma delegacia exclusiva para meu gênero.
24 – Sou considerada mais amorosa e imprescindível às crianças só por ser mulher
25 – Minha virgindade é valorizada, e não motivos para piada.
26 – Minha vida é vista como mais valiosa que a vida de um homem: em naufrágios ou em desastres naturais, a vida da mulher tem preferência.
27 – Sou sexualmente mais livre que um homem: Qualquer hora que eu desejar sexo, surgirão pretendentes aos montes.
28 – Durante toda a historia da humanidade, meu gênero se encarregou de ficar com os trabalhos mais leves e se manter nos ambientes mais seguros da ordem social.
29 – Meu gênero não é frequentemente retratado como estúpido ou violento pelos desenhos, filmes e pela mídia em geral.
30 – Não existe um movimento social do sexo oposto focado para ensinar ódio ao meu gênero.

titia disse...

Sempre detestei esse troço de "ser feminina", desde pequena me pentelhavam pra me vestir, andar, sentar como "mocinha", não importa o que eu fizesse me chamavam de feia, então quando cheguei à idade da sabedoria mandei um tremendo foda-se para as ditas "feminilidades": os vestidos, que me impediam de brincar quando eu era pequena, foram banidos. Saias, idem. Saltos? Só baixinhos e, como vestidos, só em ocasiões MUITO especiais - tipo o casamento do meu pai. Maquiagem? Não tenho um batom. Cabelo comprido? À merda, não tenho saco pra cuidar e minha cidade é quente demais pra andar com cabelão grudado no pescoço. Magreza? Não faço dieta a menos que haja um problema médico. Estrias? Tenho mesmo e uso biquíni na praia, foda-se se você acha feio. Sento do jeito que eu quiser (mas sem invadir o espaço dos outros, é claro), sento como eu bem quiser, me visto como eu bem quiser e se você não gosta vá pra porra que eu não existo pra ser seu bibelô.

Meu Deus, já vieram dois desfiar o rosário mascu! Me pergunto o que eles querem conseguir com esse mimimi, deve ser pentelhar mesmo, porque aqui ninguém tem pena de macho mimado chorando por frescura. A Lola tem mesmo que relaxar e curtir as férias, mas que a poluição visual no blog aumenta em níveis estratosféricos sem ela, ah aumenta.

Anônimo disse...

Lola, masculinistas são burros, atrapalham a discussão das adultas, mulheres acabam repetindo o óbvio e não se avança.

Sei q o blog é teu e tal, mas eles não acrescentam nunca nada, será que vale a pena manter esses comentários.

titia:
a gente tem que escolher entre feminilidade (e aturar assédio) ou agressão e isolamento. do jeito que vc fala parece fácil, mas pense nas meninas, pense nas mulheres negras, nas jovens que querem emprego. não é só sobre vc. não é tão fácil assim. por mais que vc queira ajudar,esse discurso faz parecer que é um problema individual, como se mulheres fôssemos estressadas e neuróticas com beleza, etc. Sua intenção pode ser boa, mas não está ajudando.

Mandy disse...

Qual seu corte de cabelo titia? Tá um calor desgraçado onde moro, to querendo cortar tb mas n consigo me decidir por um corte.

Eu tb nunca fui muito feminina, e me enchiam por isso, se vc n segue o protocolo de beleza, é taxada de desleixada, cortei bem curto uma vez, tipo Joãozinho e virei lesbica de uma hora pra outra... ridículo!
Só deixei meu cabelo enorme uma vez, por pura preguiça de ir no salão, quando n aguentava mais cortei o cabelo q estava nas costas num corte Chanel e veio a enxurrada de reclamação e deboche.
Só usei salto uma vez na vida, n compensa ficar com o pé fudido e dolorido.
N gosto de maquiagem, tenho alergia a bijuteria, ou seja, sou uma "baranga".

O jeito é mandar todo mundo tomar no olho do cu mas n é fácil.

titia disse...

18:50 foi apenas um desabafo e acredite, parece fácil do modo que eu falei mas não foi nada fácil. Foram anos me odiando, me prejudicando, me torturando por achar que melhorar minha aparência me faria ser aceita. Na família, me recriminavam por não agir como mocinha, querendo brincar, me espojar, me sentar no chão pra brincar com as minhas amiguinhas e todo mundo me enfiando em vestidos que eu apanhava se não sentasse "feito moça" - ou seja, com as pernas fechadas pra que ninguém tivesse que encarar o supremo horror que é a peça de roupa que protege a vagina. Cobranças e comparações com primas e conhecidas que eram mais 'femininas' e ' mocinhas' do que eu. Sempre alguma coisa a melhorar. Penteou o cabelo? Bote tiara. Dói? Não importa, não tira que você tem que ficar bonitinha. Sapato de verniz machuca? Foda-se, usa assim mesmo e volta com os pés vermelhos e inchados pra casa porque ninguém vai dizer que eu não arrumo minha filha. Brincar? Nada disso, vai sujar o vestido, senta aqui com os adultos e fica paradinha - e de preferência calada, porque quero conversar com os outros adultos e não tenho tempo pra você. Não importa, você nunca vai ser boa o suficiente mas vamos fingir que tá bom. Fácil, né? Na escola era bullying, isolamento, zombarias, humilhações e tudo justificado porque eu era feia. Deixei até de usar óculos pra ver se paravam com isso, e o que eu consegui? Grau seis de miopia em cada olho e mais gente pra me atacar. Me maquiei, me arrumei, mudei cabelo e roupas, e de que adiantou? Só mais humilhações e lágrimas, se eu não me arrumasse era perseguida e se me arrumasse, também. Um dia fizeram um amigo secreto na turma e o cara que me tirou disse um "É feia" e todo mundo disse meu nome. Acha que foi fácil? Não, não foi, doeu, foi humilhante, chorei, me culpei pela babaquice e pela maldade dos outros. Mas eu tinha que sobreviver. Tinha que me amar, tinha que aprender a gostar de mim mesma. Foram anos de terapia pra conseguir me amar, e a escolha que a terapia me ajudou a ver era simples: ou eu me amava do jeito que eu era, me impunha e foda-se o que os outros pensam, ou me destruiria por nada, porque eu nunca seria boa o suficiente pra todos. E doeu escolher me amar. Não pense que foi fácil, e se o que você queria ouvir é o quanto foi difícil, aqui está. Satisfeita?

titia disse...

Mandy eu uso o cabelo até o pescoço, em camadas. Pensei em cortar mais curto mas com cabelo channel eu fico parecendo um bonequinho Playmobil, rsrs. Também já fui chamada de sapatão por não querer me arrumar, é mole? Mas deixa eu te contar uma coisa, só pros mascus caírem duros e secos no chão: tem uma mulher na minha família que usa os cabelos bem compridos, tratados toda semana com xampu especial, não sai de casa sem base, usa batom, brinco, está com as unhas sempre feitas e pintadas, coleciona perfumes e produtos de beleza, usa sapatilhas, ama comédias românticas, só sai de salto daqueles Torre Eiffel que a deixa mais alta que o pai, tem vááááários vestidos, shortinhos e saias... e está namorando outra mulher igualmente 'feminina'. Eu, que só uso jeans e camiseta e tênis, cabelo curto, não tenho um batom, não tiro cutícula nem a pau, odeio comédia romântica (amo filmes de aliens, monstros e zumbis), sou totalmente hétero e comprei vários filmes por causa dos atores bonitões.


Agora, vou buscar um rabecão. Com licença.

Anônimo disse...

Verdade irrefutável. Nenhuma feminista é capaz de negar esses fatos, seu comentário será ignorado ou apagado e elas acharão que não precisam responder, mas no fundo elas sabem, não são capazes, não existem argumentos contra a verdade. Vão continuar se vitimizando e chorando para que homens feministos, cavaleiros brancos, lhes concedam vantagens e as defendam do patriarcado opressor.

Anônimo disse...

titia:

eu não estou satisfeita. como poderia? também sou mulher, estou no mesmo barco que vc.

acho que é importante compartilhar nossas experiências dolorosas, principalmente para q as mais jovens entendam q n estão sós.

titia disse...

V. acho que seria bom você procurar uma terapia. Dou esse conselho como alguém que resolveu vários problemas, inclusive de auto estima e imagem pessoal, na base da terapia. Se você quiser emagrecer ok, consulte um médico e faça dieta -orientada- e exercícios. Mas sua prioridade deve ser tratar a sua mente, porque se a cabeça não estiver ok não adianta tratar do corpo; é a mente que tem poderes sobre o corpo e não o contrário, então sua prioridade deve ser garantir seu bem estar e sua saúde psicológicos. Depois você cuida do corpo, do trabalho, do que mais for. Não vá na onda dos mascus que acham que depressão é frescura, eles vivem parasitando a mãe, não cuidam da higiene, não estudam nem trabalham, ficam o dia inteiro no computador tentando trollar site feminista, assistindo pornografia no cinco contra um. Não entendem porra nenhuma da vida. Cuide de você mesma.

Anônimo disse...

Romomo, melhor conselho que alguém pode te dar.

Ou toma vergonha na cara e começa a fazer dieta e malhar ou viva na infelicidade, a escolha é sua.

Feminismo só vai mentir pra você dizendo que não tem problema, e vc vai continuar gorda, desempregada e infeliz

Mandy disse...

Romomo é um gênio, uma mulher falou q n contrararia ela por ser gorda e a V. n trabalha pq n quer. Vá no amiguinho google pra ver como isso acontece direto, gente sendo demitida ou n sendo contratada por ser gorda. E isso é proibido por lei, discriminar qualquer um pela aparência.
Tem gente n sendo contratada por ser feia, por ser negra, por ser idoso, vai no yahoo, q hj mesmo vi uma matéria de uma mulher q n foi contratada por uma loja, pq n quis alisar o cabelo, segundo eles o cabelo natural dela n soava profissional? ! Q porra é essa?


As soluções geniais dessa vocês :

Sofre gordofobia, emagreça.
Sofre racismo, vire branco.
Sofre homofobia, vire hetero.

Se ela tivesse provas podia enfiar um processo no cu de todos eles.


Depois vejo essas porras de empresas falando q sobram vagas, q o povo escolhe demais, quando muitas vezes é isso aí, n contratam por preconceito. N to falando de agora q tem a crise, mas antes via esse cinismo direto.

Anônimo disse...

Nem precisa contar, já sabia que vc era assim.

Anônimo disse...

Agora conta uma novidade. E vc acha que tava num blog de feministas choronas por acaso?

Anônimo disse...

Como eu sempre disse, o movimento é composto de mulheres inadaptadas e cheias de traumas emocionais. Isso aqui não atrai mulher normal.

Depois querem apontar o dedo para os tais dos masculinistas. Como se fossem muito diferentes.

Anônimo disse...

Eu fui criada por uma das mais perfeitas servas do patriarcado. Porém com a variante de que maquiagem ou se arrumar era coisa de puta. Mulheres tem que ser dóceis, discretas e mudas...
Batom? Puta
Esmalte? Puta
Máscara de cílios? Puta ao quadrado...

Puta? o ser mais abominável, abjeto e perigoso que pode existir no mundo. E puta = mulher. Eventualmente uma ou outra discreta e muda se salvava. Até "mijar fora do penico", claro - aí era puta e precisa ser queimada em praça pública.

O controle vem nas mais distintas formas. Usar maquiagem até hoje é, pra mim (estou falando exclusivamente da MINHA experiência) um ato de rebeldia...

Mas o resto eu confesso que foi lavagem cerebral. E não consigo me livrar. Não tem feminismo no mundo que tire essa insegurança de mim. Se eu pudesse, se tivesse dinheiro eu iria agora pra primeira clinica que achasse e faria lipo, lifting, peeling, depilação definitiva e qualquer outra solução "milagrosa"...

Admiro vocês, gurias... vocês que conseguiram se livrar das neuras...
Quem sabe um dia... ;)

Jane Doe

Anônimo disse...

Jane Doe, também fui criada assim. Usar um batom vermelho era rebeldia. Depois, graças aos céus, e uma mãe feminista, pude ir a Universidade e usar maquiagem passou a ser opcional.

Mas eu gosto de bijus, de maquiagem, de roupas espalhafatosas, adoro causar! Mas sim, tudo isso pode se converter bem facilmente em outra prisão.

Mas, posso falar? Sempre gostei de maquiagem, e isso não me impediu de terminar minha formação, de arrumar emprego, de ser competente... No meu trabalho, fui professora até dezembro passado, num curso super conversador numa instituição conservadora, os alunos vigiavam minha imagem.

É sério, recebi uma reclamação na ouvidoria por conta dos meus batons vermelhos... Zoei, comprei um azul royal e fui toda feliz dar aula. Por né? Até quando a mulher tá no padrão, na verdade, ela não tá. Se gosta de maquiagem, óbvio que para o trabalho tem que ser leve, se aparecer com cor berrante, é puta, desleixada, incompetente, como se atreve? Saiu sem make na balada? Mas é sonsa monga, não se gosta, não se exibe, deve tá doente, credo, não se cuida, nem se ama.

Nisso eu concordo com o feminismo radical: seja qual for a 'opção' pessoal de uma mulher, ela não está certa. O sistema sempre tem um julgamento pronto para minar a auto-estima e infernizar a vida das mulheres. Todavia, é ingenuidade pensar que não há 'opções' mais instrumentalizadas do que outras. Consumir maquiagem virou o 'filão' de mercado, e digo consumir, por que ninguém usa tudo o que compra. Mulheres acumulam maquiagem, muito mais do que usam. O mesmo com cosméticos...

Ultimamente estou mais consciente desse ciclo de consumismo e ando comprando coisas mais naturebas. Tipo: óleo de coco, dá para hidratar cabelo, corpo, fazer máscara facial com argila, e ainda temperar deliciosamente batatas para assar... Oh delícia.

Fac de mulher com os 25 e lá vai 'motivos' para não haver machismo... mas que preguiça.
Qualquer mulher aqui já viveu o exato contrário desse sonho conservador que não representa, nem no discurso, a maioria de nós, faz o quê? 200 anos?

Minhas ancestrais, todas agricultoras, sempre trabalharam pesado no campo e tiveram a dupla jornada em casa (até a geração da minha mãe, nunca votaram ou se aposentaram), foram desvalorizadas por serem mulheres, e tiveram que aguentar de cabeça de baixa o fardo do casamento.

Vai lavar louça, já que você gosta de trabalhos 'leves'. E sobre o 'ódio' que mulheres sentem de homens, eu vou me preocupar seriamente no dia em que encontrar uma mísera estatística de homicídio de um país, estado, cidade, em que mulheres matem homens na mesma proporção na qual qual homens matam mulheres. Enquanto ficar no discurso de alguns fakes, a maioria macho, tô nem um pouco comovida com esse seu cinismo e as vantagens 'inerentes' de ser mulher.

Anônimo disse...

"E tudo porque sempre fui massacrada por ser gorda, tenho 120 kg, já tentei procurar emprego, várias vezes percebi que não me contrataram por isso, me olhavam dos pés a cabeça com nojo e uma realmente falou na minha cara que era por isso que não me contrataria, o bizarro era que a loja era de roupas para gordas.
Daí começei a ter ataques de pânico no meio da rua quando ia procurar emprego, então, desisti. "

Emagrecer é muito fora de questão?

E pra ter renda hoje em dia você não precisa sair de casa, existe uma infinidade de trabalhos que entram no home office. A Gol contrata sempre operadores home office pra trabalhar no sistema de atendimento e reserva de passagens, você só precisa ter um computador em casa. No mais, você pode trabalhar de programadora, webdesigner, revisora de textos, corrigir provas, redações, não fica esperando "te darem um emprego", tem bilhões de cursos de tudo o que você imaginar na internet, faça um monte com todo seu tempo livre e saia dessa lama se, obviamente, você quiser sair dela (se não quiser é um direito seu mas seria legal pensar nas pessoas que te sustentam).

Anônimo disse...

Óleo de coco, além de RESSECAR o cabelo (pesquise sobre as cutículas), tem na sua cadeia produtiva muito trabalho semi-escravo, análogo ao escravo ou escrotamente remunerado.

Anônimo disse...

Quanto chorume, tô pasmo

Depois tem coragem de falar de "mascus".

São todas problemáticas, cheias de traumas emocionais e vivem chorando e reclamando da vida, culpando a tudo e a todos.

Mas, claro, têm a à cara de pau de falar dos caras.

Anônimo disse...

Acho sacanagem discriminação por motivo de raça é podre mesmo.

Agora gordos realmente podem emagrecer (eu mesmo já fui gordo) e gays não precisam ser uma bicha louca afetada que espanta a clientela.

Bom senso é tudo.

Marcia disse...

Ah esses anônimos sempre tentando por as mulheres para baixo, depois não sabem por que são chamados de babacas e coisas piores, o que é ainda muito sutil para descrever o rascunho mal-acabado de ser humano que eles são.

A titia é maravilhosa! E mulher nenhuma precisa emagrecer para agradar para dar razão para macho covarde que esconde atrás de um anônimo na internet, mas que falta de vergonha na cara, né não?

Anônimo das 08:44, há óleo de coco feito por cooperativas de mulheres no Brasil, especialmente na Bahia, vale a pena pesquisar e comprar de produtoras locais. Eu gosto muito como tratamento para o cabelo, para mim funciona muito bem.

E chorume oh alma sebosa das 08:47, é vir reclamar da dor dos outros, só por que você não tem coragem de expurgar as suas. E sim, enquanto houverem comentários como os seus, 'os caras' - leia-se, você, dão motivo de sobra para serem espinafrados com louvor. Aqui no blog tem muita rainha tamanho GG no estilo lacração, que não tem medo de manés, feito você e seus amiguinhos dos insultos da quinta série. O assunto está ruim? Fecha o blog e vá embora, aqui nos vamos continuar falando do que quisermos falar.

Marcia disse...

Mandy, sobre o cabelo: Cortei o meu no estilo chanel assimétrico (é maior na frente, na altura do queixo), raspei com máquina 1 logo abaixo da nuca, quando bate o vento é uma delícia!

Cabelo curto é muito bom, acho super prático e lindo.
Obs: tenho 1,78m de altura e sou grande, peso uns 83 kg, não acho que o cabelo me 'deixa mais magra ou gorda', o rosto é um só, e nosso merece sim estar em evidência.

Anônimo disse...

O texto desse post é incrível, adorei ler. Um assunto importantíssimo que afeta as pessoas (principalmente as mulheres) mais do que imaginamos, de formas que nem imaginamos também.

Anônimo disse...

Nossa, jênios (com j mesmo)! Será que a moça realmente nunca deve ter ouvido esses "conselhos" na vida?

Primeiro, antes de ouvir esses asnos relincharem e procurar a primeira dieta maluca e se matricular numa academia como uma louca, faça uma avaliação geral da sua saúde. Esse povo aí é acostumado a seguir tudo o que os musos fitness falam que é bom e muitas vezes arriscam a própria saúde. O emagrecimento deve ser um meio e não uma finalidade. Com a avaliação da sua saúde, você saberá se tem algum problema endócrino (ao contrário do que mascu chorão pensa, as mulheres tendem a desenvolver problemas metabólicos devido à flutuação hormonal. Ou seja, para o homem é muito mais fácil manter o peso, basta não comer como um cavalo); e também poderá detectar se a comida é um gatilho ou um escape para um problema emocional (ansiedade, depressão etc). Nesta etapa, também é importante verificar potenciais alergias e intolerância a alimentos, a fim de montar uma dieta a qual você possa seguir sem riscos, e verificando se existe a necessidade de complementação.
Antes de praticar algum exercício, verifique sua condição física. Não adianta começando com corrida ou atividades pesadas, você pode acabar se lesionando ou agravando alguma condição física (riscos de ataques cardíacos etc), além de optar por um exercício físico que você curta. Não adianta nada investir no esporte da moda, se você não tem nenhum prazer.
Aos poucos, você terá uma qualidade de vida melhor, mesmo que não emagreça 10 kg numa semana.
Infelizmente, tudo isso tem um custo muito grande. Eu passei por isso, me considero uma sortuda pois tenho plano de saúde e condições para comprar medicamentos que corrigem meus problemas metabólicos.


Antifeminista: apenas leia História da Beleza, do Umberto Eco. Essa ânsia toda de chamar feministas de choronas e loucas faz com que vocês falem um monte de abobrinhas e delírios sem fundamento algum. Nele, inclusive, o Eco aborda o conceito de "sexo belo" atribuído às mulheres ao longo da história. Se é pra falar mal do feminismo, pelo menos estude em vez de tirar essas coisas do senso comum.

Anônimo disse...

Naaah,nem sou mascu não,só reaça e anti feminista rs.

Agora isso não me impede de enxergar a hipocrisia nos ataques que fazem aos caras.
Vcs dizem que os caras são feios se, inadaptados, com problemas de auto estima, cheios de traumas e frustrações, chorões....

Até concordo que são isso tudo mesmo.

A pergunta é, qual a diferença para vcs que comentam aqui? Eu não vejo nenhuma.

Óleo de peróba é pouco.

Anônimo disse...

Para completar eles não aceitam o mundo do jeito que é de jeito nenhum e passam a vida chorando e pagando de revoltados...

Igualzinhos a quem mesmo?

Anônimo disse...

É uma pena que a maioria das mulheres não sejam FEMINISTAS.Fico com uma pena quando eu vejo meninas,na mais tenra idade e até as mais maduras se produzindo feito loucas pra irem num simples churrasco.É unha de gel,prancha no cabelo,maquiagem e uma parafernália de acessórios,além,claro,do salto mega alto.Ai estou lá,com meu all star,camisetinha,cara lavada e tomando aquela gelada e daí chegam as mulheres que mais parece que estão indo pra uma meeeega festa.Gente,é um desgaste da porra,tem mana que nem sai de casa senão arrumar o cabelo,outras ficam com fome porquê tem vergonha de comer perto do cara que estão afim.Isso despende uma energia enorme pra agradar machim.

Anônimo disse...

10h51

Você afirma com base no que?
Questionar as coisas, para vocês, é ter inveja, é ser frustrado, é ter trauma. Normal, para quem prefere seguir tudo como um carneirinho né.

Vou te dar uma dica: aqui a gente não prega estupro corretivo e coletivo de homens; não pregamos pedofilia porque queremos manipular novinhos; não ficamos de mimimi porque mulheres de outras raças "estão roubando nossos homens"; sabemos prosseguir nossa vida mesmo depois de tocos ou relacionamentos abusivos e principalmente, não achamos que homens são nossa propriedade.

Anônimo disse...

Perfeito Homenista, faltou o principal: explicar exatamente a relação do feminismo em cada ponto da sua lista. Manda o textão que a gente espera.

Anônimo disse...

Meu irmão é exatamente um desses heteros que se acham bonitos e querem ser endeusados. Se produz todo pra ir na balada sertaneja e ter um monte de macho exatamente igual, parece que são feitos em série.
Ele adora categorizar mulheres que tenham a intenção de ficar com ele, geralmente usa as minas pra upar o ego. E já ficou em posição fetal quando uma guria normal disse que não achava ele bonito.
É engraçado que as pessoas que vivem ao redor dele são todas uniformes, todo mundo tem mais ou menos o mesmo tipo de cabelo, usam quase as mesmas marcas, vão aos mesmos lugares, querem se relacionar com o mesmo tipo de mina. E ai de quem começar a namorar uma que não vá na academia.

Anônimo disse...

Anônimo das 10:51, não mente, é feio.

Se você não visse diferença alguma, não estava aqui comentando. Senta num diva de analista, vai te fazer bem.

Saiba que aqui mulher nenhuma reclama só para jogar a culpa em outra pessoa, aqui a gente reclama do mundo e das pessoas para entender e mudar a sociedade em que a gente vive. E nem vem com o papo do 'mas vocês reclamam dos homens', que pelo amor da deusa, né?

Se você ainda acha que vamos morder essa discussão que os trols provocam como significativa para o feminismo, te digo uma coisa: não se iluda. Vocês latem, enquanto a gente passa e debate problemas sérios que nem os seus gritos histéricos de mimimimi conseguem mais sufocar. Aliás, quando vocês gritam mimimimi, a maioria das pessoas já entende que a causa deve ser mesmo relevante.

A nossa reflexão é para mudar o mundo, é para resolver não só os problemas individuais de cada uma (que estão longe de ser assim tão individuais), mas entender o porquê tantas de nós passam pelas mesmas dificuldades, por que temos tanto ódio contra nós despejado por aí.

As espinafradas que mascu levam por aqui, nem se comparam.

E sobre isso, como todo conversador covarde, você se ressente. Você não quer mudanças, acha que seus problemas são causados por outras pessoas, e desde que você tenha poder de ser um babaca, tudo vai ficar bem, se nada mudar.

Novidade: pode se preocupar mesmo com o feminismo, as coisas não vão ficar bem para você. Se a previsão de comportamento alheio que você conta para ter sua vida nos eixos, é de que as mulheres vão ser sempre submissas, você terá sérios problemas. Não seremos mais submissas, já não o somos há séculos e não vamos parar de nos movimentar.

E a minha preocupação com a sua vida mudando? Nenhuma. Prefiro o mundo em movimento, almejo o novo, e vou ajudar a moldar outra sociedade, e sequer considero um preço a pagar pisar no seu orgulho e te chamar de babaca, toda vez que você tentar defender em público que mulheres não devem querer mudar.

Marcia disse...

Aproveitando o debate, a 'polêmica' sobre o último concurso de beleza miss universo?

Os comentários da Band foram bem ilustrativos do quando o padrão de beleza é uma merda.

Aqui dois textos de blogueiras que trabalham com beleza, achei interessante ver como a área já está bem mais questionadora do que era na primeira década dos anos 2000.
http://juromano.com/moda/polemica/concursos-de-beleza-voce-precisa-rever-os-seus-conceitos

http://www.coisasdediva.com.br/2017/01/precisamos-falar-sobre-miss-canada/

Anônimo disse...

Só mostrou que ser mulher tem muito mais vantagens do que ser homem. E que as feministas ficam se vitimizando dizendo que são oprimidas, esperando que algum mangina venha querer dar vantagem pra elas, apenas por serem mulheres.

Mandy disse...

Titia e Márcia

Tb acho lindo cabelo curto mas quero cortar de teimosia, pq todas as vezes q corto curto, seja qual for o corte, fica uma bosta. Meu cabelo é fino, aí fica sem peso, fica em pé, sem forma, mal da pra ver o corte e eu acabo alisando pq fica ridículo kkkkk Já cortei chanel e ficou igual playmobil tb kkk cortei repicado curto e nem sei descrever a aparência daquilo rsrsrs
Mas n to aguentando de calor, vou cortar e alisar de uma vez.
Tb tenho uma parente super feminina e é lésbica, e chorem bastante mascus pq ela diz ter nojo de homem.

Anônimo disse...

o feminismo liberal reina nesse blog, mas até aí tudo bem, tá tudo ótimo, fora os vários comentários de mascus em todo post... só que depois vem o donadio e outros anônimos antifeministas atacarem qualquer comentarista que demonstre algum traço de feminismo radical em seu comentário, dizendo que o feminismo radical é liberal, tentando censurar feministas radicais de todo jeito, isso quando não apelam logo pros xingamentos e ofensas mais pesadas ¬¬

Anônimo disse...

11:48, explique quais são as vantagens e o que o feminismo tem a ver com a opressão do homem.

Vocês só ficam se vitimizando e chorando (parece que o jogo virou né kiridinhas) por coisas que os próprios homens fazem a vocês. Bora crescer, quinta série.

Anônimo disse...

Sinceramente, o choro dos bebes mascus atrapalha a discussão. É uma droga ver mulheres perdendo tempo com esses inúteis.

Também é ruim quando a gente vê tanto esse "padrão argumentivo" feminicida de Campinhas porque daí qualquer zé-mané menos ridículo fica parecendo legal.

Poderíamos estar debatendo os pontos do artigo, concordando, discordando, mas não, os bebes querem atenção.

O ideal seria apagar essas bobagens para que essa cxa de comentário possa voltar a ter feminista. Eu sei que a Lola não deve ter tempo pra isso, mas é foda.


Anônimo disse...

*...volte a ter discussão feminista

Anônimo disse...

Antifeministas de todos os tipos, vão se foder, seus pedaços de merda!!

Anônimo disse...

Márcia,

Eu só vi a polêmica depois do concurso, quando um bando de homem que é mais feio que bater na mãe estava falando mal das miss França (a vencedora, que segundo os babacomachos tem cara de cavalo) e da Miss Canadá (segundo os mesmos jênios, era mulher de fim de balada).
A Miss Canadá, assim como várias mulheres "plus size", são consideradas assim quando comparadas às mulheres magérrimas de concurso de beleza. E o que a Ju Romano pondera no texto dela é muito real. Muito difícil ver mulheres que não são muito magras (tipo, muito magras. Até mesmo magras com alguma gordurinha já é considerada gorda) nestes concursos. Alguma diversidade de corpos é mostrada em concursos fora do mainstream, tipo os miss bumbum (que é uma outra forma de objetificação) ou miss favela ou detenta (que são usados como forma de empoderamento a uma camada de mulheres fora do mainstream da moda). Eu mesma observo que há uma grande diferença de status entre esses tipos de concurso, como se o tradicional de miss evocasse alguma nobreza que os outros não possuem por serem considerados vulgares ou "coitadistas".
E francamente, os concursos só são a institucionalização de algo que já ocorre. Por que no dia a dia, nós, meras humanas, já passamos por diversos tipos de julgamento ligados à nossa aparência. Todo mundo, principalmente homem hetero que joga esse filho na conta dos gays, julgou alguém pela aparência e o réu é quase sempre uma mulher.
Cabelo seboso ou ressecado? Pêlo na axila, na perna, na virilha, buço aparecendo? Unha descascada? Sebosa, nojenta. Trupica usando salto? Não é feminina. Tá com uma gordurinha? Taca sagorda no inferno pra ela parar de comer. Preguiça de academia? Morre, sua baleia!

Anônimo disse...

Pra moça que tá sem emprego e trancada em casa por ser gorda, já passei por isso aí também depois de um acidente de carro, sempre fui "gordinha" mas depois do ocorrido um monte de coisa aconteceu e no fim eu cheguei a pesar 135kgs. Aí você não sabe mais se tá deprimida porque está gorda ou se está gorda por ser deprimida, no fundo eu acho que acaba rolando uma simbiose entre as duas coisas. Bom, não to aqui pra contar história triste então vou logo pro final: busquei ajuda, me tratei da cuca e com um ano de terapia eu já tinha voltado para o peso de dois dígitos, sem fazer regime, é que fui tratando das coisas de dentro primeiro e naturalmente fui comendo menos, prestando mais atenção e me dominando também. Essa parte de aprender a se dominar (mas sem se oprimir) é muito importante. Academia mesmo eu só fui começar a fazer quando estava próxima dos 80kgs, antes disso não tinha nem coragem pra falar a verdade mas foi bom porque me ajudou a colocar o corpo no lugar com a musculação e os aeróbicos, claro que depois de ter sido tão obesa o corpo nunca volta ao que era antes 100% sem plástica mas olha, é tão bom poder dormir em qualquer posição sem acordar afogada no meio da noite, poder achar roupa pra comprar em qualquer loja, sentar em um assento de ônibus tranquila sem ficar com medo de não caber (ou de fato nao caber, como era meu caso), subir escada sem morrer, amarrar seu próprio tênis, são coisas pequenas que, somadas, dão uma coisa que gordo na nossa situação, a que você vive e a que eu vivi não tem: independência. Viver sem aflição é muito bom e quando você chegar nisso não vai mais ter vontade de morrer. Boa sorte pra ti.

Anônimo disse...

A maioria das pessoas...rs....risível.

Vamos falar sério? São meia dúzia de amalucadas que fazem cursos de humanas em universidade pública.

A maioria das mulheres quer nem saber de ser associada ao feminismo, é visto como queimação de filme. Nisso os anti feminista tiveram bastante sucesso, em colar a pecha de malucas e problemáticas à mulheres feminista (bom, na verdade não é difícil pq elas confirmaram o tempo todo).

Anônimo disse...

isso da Miss Canadá tem um contexto, se por um lado ela era, de fato, maior que todas as outras concorrentes, por outro estamos falando de pessoas esquálidas que, para aparecerem daquele jeito no vídeo, são 10% mais estreitas na vida real

então a Miss Canadá é, pra todos os efeitos, uma pessoa magra sim. E as outras já estão naquele estado de subnutrição que toda miss conta ter vivido depois que passam uns anos do concurso.

no futuro esses concursos e provavelmente o mundo das passarelas são ser dominados por mulheres trans porque pessoas do sexo feminino só conseguem esse nível de magreza corporal assim, passando fome, porque nossos corpos naturalmente têm mais acúmulo de gordura. As mulheres trans já conseguem isso sem se matarem no processo.

Anônimo disse...

Será que a moça do relato (obesa e deprimida) sabe que a dona do blog zomba de pessoas com problemas psicológicos que moram na casa dos pais, não trabalham e ficam reclusas? Será que já leu os textos dela insultando de todas as maneiras pessoas com o mesmo problema?

Anônimo disse...

Ela é uma hipócrita, 13:12. Zomba de pessoas com problemas psicológicos que não trabalham e ficam na casa dos pais só porque os coitados criam sites pregando ódio às mulheres, negros, judeus, obesos e esquerdistas, atacando e ameaçando todos os que discordam deles; compartilhando imagens de pedofilia e mulheres mortas.
Igualzinho o que a moça obesa faz.

Anônimo disse...

Hahahahahahahahahahahahahahahaha

Anônimo disse...

"Sofre gordofobia, emagreça.
Sofre racismo, vire branco. "

olhao péssimo nível de raciocínio aqui. não é possível!
compara uma possibilidade ABSOLUTAMENTE VIÁVEL com ALGO TOTALMENTE IMPOSSÍVEL.
tá serto.
É impossível emagrecer né.
Mesmo que seja por questão de saúde.
A verdade é que é puro comodismo e preguiça.
Sobre ser demitido por ser gordo, então demitir uma pessoa magra pode, mas se for gordo, é "gordofobia"?
tenha dó
Melhor deixar as antas discutindo entre elas mesmas, pois é impossível ter um diálogo racional aqui. Haja repetição e frases e ofensas gratuitas.
Queria que os leitores e leitoras do blog fossem menos HATER assim daria para dialogar.

Anônimo disse...

Antifeministas vem conquistando uma derrota após a outra. Quanto mais reclamam, mais mulheres se posicionam a favor da equidade de gênero; o feminismo tem aparecido em programas de televisão, em revistas e na boca de personalidades midiáticas; mulheres de diversas etnias, periféricas. Mesmo com a propaganda massiva dos haters, o feminismo fica cada dia mais acessível. Temos conquistados avanços importantes em legislação também. Até mulheres comuns têm mostrado reações pró equidade, mesmo sem se identificar como feministas.

Uma prova simples é aqui no blog da Lola. Quando foi atacado, o número de leitores só aumentou. Vocês haters se incomodam tanto que ficam o dia inteiro por aqui "nos refutando" com argumentos idiotas. A simples existência de antifeministas só demonstra que esse movimento é forte. Se o feminismo fosse fraco e decadente, nem hater existiria. Continue dando bastante ibope para nós.

A mãe dos gato tudo disse...

Eu sei que as pessoas sensatas clamam para que sejam bloqueados os comentários dos mascus e de toda essa corja, mas eu me divirto tanto lendo as bobagens que eles escrevem que ouso pedir que deixem que eles comprovem o quanto são desinformados e burros.
Quando leio os comentários deles, me sinto nos séculos XVIII, XIX...sabe, é como usar uma máquina do tempo!
Eles tentam nos fazer entrar em debates que já foram discutidos e resolvidos entre nações feministas há muito tempo. Os debates deles são tão antiquados e ridículos quanto querer debater atualmente se a internet veio para ficar. Qualquer imbecil sabe a resposta.
Há algumas feministas, como eu por exemplo, que acham bregas "omens" machistas, que se orgulham de manter comportamentos retrógrados ou repetem asneiras como "mulher minha não trabalha fora", bla bla bla... sim, acho B R E G A! O cúmulo do brega...nem raiva é mais.

Anônimo disse...

O que esses merdinhas desprezíveis querem é atenção e vocês estão dando isso pra eles.

Por mim pode bloquear ou excluir todos os comentários desses vermes que não acrescentam nada e pela presença sem sentido em um blog feminista já atrapalham.

Marcia disse...

Sim, é isso... meu deus, como é triste esse julgamento constante. E pra quê? Para ver qual de nós é 'melhor' sucedida em ser objeto... mas sem arrego, vamos para luta. Beleza não é fundamental, coragem é.

Unknown disse...

Sabe o que é absurdo? Você achar 'pior' ela ser gorda, do que deprimida. Me diz, como é ser uma pessoa tão absolutamente fútil, mesquinha e vazia? Borra criar vergonha na cara e se parece um pouco mais com gente? Qualquer um percebeu que você não quer ajudar, quer humilhar. Que ser patético...

Anônimo disse...

"Antifeministas vem conquistando uma derrota após a outra. Quanto mais reclamam, mais mulheres se posicionam a favor da equidade de gênero; o feminismo tem aparecido em programas de televisão, em revistas e na boca de personalidades midiáticas; mulheres de diversas etnias, periféricas. Mesmo com a propaganda massiva dos haters, o feminismo fica cada dia mais acessível. Temos conquistados avanços importantes em legislação também. Até mulheres comuns têm mostrado reações pró equidade, mesmo sem se identificar como feministas.

Uma prova simples é aqui no blog da Lola. Quando foi atacado, o número de leitores só aumentou. Vocês haters se incomodam tanto que ficam o dia inteiro por aqui "nos refutando" com argumentos idiotas. A simples existência de antifeministas só demonstra que esse movimento é forte. Se o feminismo fosse fraco e decadente, nem hater existiria. Continue dando bastante ibope para nós." (2)

Anônimo disse...

Sinto falta de quando aqui era um ambiente tranquilo pra comentar. Eu gostaria de contar a minha experiência, de saber a de outras mulheres, de ter uma discussão saudável, mas acho que se colocar aqui o que sinto estarei alimentando os trolls mascus. É um saco ...

Mandy disse...

Pq diabos estão excluindo meus comentários?

Anônimo disse...

Sou bonita, totalmente dentro dos padrões.cabelos claros, alta, magra. Rosto simétrico, olhos verdes, pele bronzeada, peito, bumbum legal, pernas torneadas. Já trabalhei como modelo na minha cidade.
Mas nem sempre foi assim. Fui uma criança estranha. magrela, comprida e dentuça, cabelos mal cortados. Tive espinhas na adolescência. Usava óculos e aparelho.
Isso foi ótimo. Eu queria ser pelo menos inteligente, então sempre me esforçava para ser a melhor aluna da sala, e era. Extremamente competitiva, estudiosa, a aluna preferida dos professores.
Na faculdade, quando já era mais bonitinha, me esforcei muito pouco. Parece que aquilo tinha ficado no meu sub consciente. Já que agora sou bonita, pra quê? absurdo né? Tinha passado em primeiro lugar numa faculdade federal no curso de direito e... fui decepcionante até o quarto ano de faculdade (quando percebi que precisava ganhar dinheiro, que os trabalhos de modelo não podiam ser pra sempre e comecei a realmente estudar para concurso. Deu certo, felizmente).

Hoje tenho 27 anos. Coloquei botox no rosto há dois meses. É a idade que as celebridades começam a usar. Tinha um vincozinho mínimo entre os olhos que estava me incomodando barbaramente (ele não estava aqui há dois anos!). Agora acabei com ele e gastei 1500 reais na aplicação. Me senti linda e muito fútil. Desde então estou repensando muitas privações que passo por conta da beleza. Aos vinte, comia o que queria e a barriga continuava chapada. Agora sou abrigada a me controlar. Me privo de mil coisas que gosto de comer. Gasto dinheiro em salão porque adoro usar meu cabelo escovado, unhas feitas... Eu já devia ter passado no concurso definitivo que quero e penso no tempo que perco com a minha aparência. Saudade de quando eu era uma criança estranha.

alicia

Anônimo disse...

Lola, faça um post sobre a miss canadá!

titia disse...

20:46 entendi o que você quer dizer. Bom, se falar de como foi doloroso aprender a me amar for ajudar alguém, eu falo sobre isso. Mil vezes. Mas também acho importante mostrar que no lado de cá, sem obsessão pela beleza irreal e com o foda-se tacado, a vida é melhor, somos mais satisfeitas conosco mesmas, mais felizes e temos mais paz de espírito. Talvez a certeza de que desse lado de cá é melhor estimule mais mulheres e meninas a tacar o foda-se pra esses padrões de beleza ridículos. Mas falarei sobre o que for preciso pra ajudar as manas.

Márcia, passei só pra dizer que você é maravilhosa e que seus comentários são incríveis.

Sim, mascu, para o melhor e para o pior sou hétero. Mas não, não dou pra macho fresco e lazarento que vive mimizando; sou hétero, não catadora de lixo.

A Lola não zomba de gente com problemas mentais. Nós, comentaristas más, zombamos de machinhos frescos que vivem choramingando sobre como são injustiçados por não terem camaros na garagem de graça, empregos onde possam ganhar muito sem fazer nada, um harém de panicats, que reclamam dos sofrimentos dos homens e nas raras vezes em que falam de problemas verdadeiros, não querem fazer nada pra mudar essa situação. Enfim, zombamos de machos barbados que não tem a menor vergonha (até se orgulham aliás) de agir como uma criancinha mimada.

Anônimo disse...

Calma gente, não tenham um ataque nervos. Logo a Lola volta e isso volta ser aquele chorume e masturbação mental de sempre, haha

Muito ataque pessoal, muito xingamento, mas não há como negar o fato. Feminismo, NO BRASIL, é um fracasso.

As mulheres jovens veem como queimação de filme. Não querem ser associado ao esteriótipo (?) da amargura, da chatice, do desleixo, do fanatismo. Tirando a linha de montagem de tarados por marxismo (cursos de humanas), muito raro ver mulher que tenha coragem de declarar feminista.

SIM, ENTRE JOVENS QUE QUEREM SER DESCOLADINHAS E POPULARES, FEMINISMO É MOTIVO DE VERGONHA. Ninguém quer queimar seu filme e ser associado a turminha dos ripongas, maconherinhos e sujinhos dos CAS de humanas das faculdades.

As mulheres mais velhas, são predominantemente conservadoras. Simplesmente não engolem a cartilha do movimento. Simples assim. Exceção para professoras universitárias doidivanas, que ficam doutrinando almas incautas (lembrei da Marilena Chauí, babando, espumando pela boca e gritando "Eu odeio a classe média, eu odeio a classe média", kk).

Agora podem xigar, dizer que tudo mentira, que mascu isso, que mascu aquilo .....

Segue a banda.

Anônimo disse...

"Antifeministas vem conquistando uma derrota após a outra. Quanto mais reclamam, mais mulheres se posicionam a favor da equidade de gênero; o feminismo tem aparecido em programas de televisão, em revistas e na boca de personalidades midiáticas; mulheres de diversas etnias, periféricas. Mesmo com a propaganda massiva dos haters, o feminismo fica cada dia mais acessível. Temos conquistados avanços importantes em legislação também. Até mulheres comuns têm mostrado reações pró equidade, mesmo sem se identificar como feministas.

Uma prova simples é aqui no blog da Lola. Quando foi atacado, o número de leitores só aumentou. Vocês haters se incomodam tanto que ficam o dia inteiro por aqui "nos refutando" com argumentos idiotas. A simples existência de antifeministas só demonstra que esse movimento é forte. Se o feminismo fosse fraco e decadente, nem hater existiria. Continue dando bastante ibope para nós." (3)

Fabianaaaa disse...

Acho que o problema com a beleza não é a beleza em si, é a necessidade de ser bela. Mas quem tem autoconfiança não dá a minima em ser comparada ou considerada feia. Já tem outras que são tão bonitas e se abalam se não forem notadas. Agora imaginem os homens, que vivem comparando o tamanho do pau, tivesse um concurso Mister Penis, ou Mister Torax. Essses concursos são pura babaquice, assiste, compete, se compara e fica abalado pela opinião dos outros quem quer, fato.

titia disse...

20:42 já foi provado cientificamente que machismo é excesso de rola. Desce dessa aí que você tá montando há dois dias, larga mão (haha) da punheta, fecha o site com fotos de pirocas de famosos, respira, deixa o sangue subir pra cabeça e só aí tenta falar alguma coisa, porque só assim vai sair algo que preste. Dê uma folga ao seu cu e trabalho ao seu cérebro. Pra ver se pelo menos sai algo original, meu amigo, porque todos já sabem que quem sofre de falta de rola nesse blog não são as feministas...

Anônimo disse...

Essa situação é assustadora, parecem mais uns clones.

Tenho vizinhos funkeiros, são praticamente todos iguais; Cortes de cabelo estilo Pica Pau, bermudas "de marca" (compradas na famosa Feira do Rato), óculos de muriçoca e um kilinho de maconha no bolso esquerdo. Ficam chocados quando eu passo na frente de suas casas e os ignoro.

Anônimo disse...

"já foi provado cientificamente que machismo é excesso de rola. Desce dessa aí que você tá montando há dois dias, larga mão (haha) da punheta, fecha o site com fotos de pirocas de famosos, respira, deixa o sangue subir pra cabeça e só aí tenta falar alguma coisa, porque só assim vai sair algo que preste. Dê uma folga ao seu cu e trabalho ao seu cérebro."


Kkkkkkkkkkkkkkk você é ótima, titia XD

Anônimo disse...

Ela é gorda, simples assim! Parece a gordinha atendente da Vivo que me disse que se eu tivesse alguma dúvida sobre o contrato... o e-mail estaria no fim.

Quem aceita gente feia é gente bonita, gente feia gosta de gente bonita!

Anônimo disse...

Acho que a tal "ditadura da beleza" só tem força porque somos, todos, ensinados desde criança que devemos nos comparar uns aos outros. Usar redes sociais, nesse sentido, piora bastante a situação. Porque ninguém dá check-in no Boston Medical Group ou posta foto daquela monstruosidade cheia de pus que nasceu em algum lugar do corpo, é sempre aquela vidinha perfeita, sorrisos, amigos, presença em lugares (não necessariamente querendo dizer vivência neles, como já observado anteriormente em algum comentário) e você não dá like naquela pessoa que acorda com mau hálito, solta pum sem querer e fica fazendo conta de qual dia é melhor pra pagar a fatura do cartão das Casas Bahia mas sim na bonitinha arrumadinha cheia de filtro que tirou 200 fotos pra uma sair boa. E você, trouxa que é, compara a si próprio com uma mentira, o que obviamente o levará à frustração.

Só que tem um detalhe.

Frustração vende. Muito.

Então você tá vendo as fotos hipereditadas da famosa na rede social e logo ao lado tá ali a propaganda do shake emagrecedor, da limpeza de pele, da passagem em 32 vezes sem juros, do livro de autoajuda dizendo que você deve se aceitar...

Quando você começa a enxergar essas coisas fica extremamente mais fácil sair delas.

Anônimo disse...

Em relação à miss Canadá, primeiro que obviamente ela não pode ser enquadrada em nenhum critério possível de gorda ou mesmo sobrepeso porém, levando em conta que fisicamente ela era bem diferente das demais concorrentes, talvez aquela comentarista infeliz da Rede Band tenha razão quando disse que ela estava ali pra preencher algum tipo de cota.

Talvez nem cota, mas pra gerar buzz mesmo, em um concurso que é flopado por definição. É uma forma de criar trending que ainda funciona bastante. Pode ser um trending positivo, quando se coloca uma negra em posição não convencional (ou seja, tratada como um ser humano), uma gorda, uma trans mas no final quem ganha é a cis magrinha branca de cabelo liso porque o objetivo sempre foi esse.

Francamente não vejo empoderamento nenhum em participar de tais concursos porque você está contribuindo pra alimentar um sistema cruel, representatividade na opressão é foda.

Um dia as mulheres vão parar de bater palma pra essa maluquice.

Miriam Andrade disse...

13:12

Como você pode afirmar que a Lola zomba de pessoas com problemas, e ainda pior sem nenhuma prova?
posso demonstrar o exato contrário com uma porrada de links do blog dela mesmo, quer ver? Todos os links mostram que ela é:

- amante da democracia e da liberdade de expressão como visto em:
http://escrevalolaescreva.blogspot.com.br/2016/11/o-homem-que-desafiou-o-imperio.html

-Deixa o blog aberto para opiniões de amigos que conquistou ao longo da jornada, todos muito honestos e de boa indole:
https://escrevalolaescreva.blogspot.com/2015/07/guest-post-de-mendigo-soldado.html
http://escrevalolaescreva.blogspot.com.br/2014/11/se-ele-fosse-assim-publicamente-nao-lhe.html

- E é claro, as vezes quando há discordancias, ela é totalmente respeitosa e contra a agressão:
http://escrevalolaescreva.blogspot.com.br/2009/03/ja-vai-tarde-clodovil.html
http://escrevalolaescreva.blogspot.com.br/2012/06/feministas-nos-deem-uma-chance.html
http://escrevalolaescreva.blogspot.com.br/2015/05/homem-pinta-cabelo-de-azul-e-conclui.html

- Nunca ela tentou usar da própria fama para tentar difamar ninguém.
http://escrevalolaescreva.blogspot.com.br/2015/01/meu-stalker-entrou-pro-bbb.html
http://escrevalolaescreva.blogspot.com.br/2016/08/as-muitas-mentiras-do-caso-feliciano.html

- Mas quando chega a hora que seus inimigos a atacam, ela não mostra medo ao se defender
http://escrevalolaescreva.blogspot.com.br/2011/06/liberdade-relativa-marcelo-tas-quer-me.html

Vou usar esta lista de links para refutar qualquer Mascu que fale mal da Lola. E ela está crescendo, cada vez mais.

Um abração da sua leitora de sempre
Miriam Andrade, Mãe e Feminista

Unknown disse...

Anônima das 02:38, eu também penso assim. Concurso de beleza deveriam ser extintos.

Olha, para quem disse que o feminismo é um fracasso, discordo. Conversando com os colegas que viram professores, tanto no ensino médio, como nas universidades é bastante frequente haver mais de 30% da sala de feministas. Algo bem impensável na época de estudante universitária, quando eu mesma, olha a ignorância, não queria muita conversa com o movimento feminista por acreditar que meus esforços seriam melhor recebidos em outras causas políticas.

Nada como vários pés na bunda de ativista de direitos humanos machista para perceber que não tem como ser mulher, e pró-direitos humanos, sem ser feminista. Mas fui me assumir mesmo na pós-graduação, quando meu trabalho cruzou com a violência doméstica e o tema da tortura.

No curto espaço de tempo que dei aula, vi muitas caras feias para o tema do feminismo, mas um igual número de alunas sedentas pelo debate. Essa não é mais uma geração que ignora o feminismo, nem de longe.

Falta muito? Oh se falta. Mas desde quando feminista tem medo de luta?
Vamos ao trabalho.

Titia, obrigada! Como teve comentarista fantástica por aqui. A Fabiana, eu não tinha a lido antes, também é fenomenal. A Mandy é uma fofa, e teve várias anônimas lacradoras, oh que coisa boa!

Anônimo disse...

O problema em ser bonita é que as pessoas te cobram coisas que vc supostamente deveria ter por ser bonita, fora as críticas que vc recebe pq não faz o que elas fariam se fossem. Eu nunca fui a mais bonita dos locais (escola, trabalho) mas minha aparência sempre foi exaltada, seguida de um "pena que é tão (insira "problema" psicológico)". O sentimento de fracasso é inevitável. Não estou dizendo que prefiro ser considerada feia, o que eu gostaria mesmo é de tacar o foda-se e viver em paz, sem essa obrigacão de ser e ter qualquer coisa que a beleza deveria (erroneamente) me dar.

Dan

donadio disse...

"qualquer comentarista que demonstre algum traço de feminismo radical em seu comentário"

Qual "feminismo radical"?

Aquele que acha que inventar memes do tipo "lixomen", "anencétero" ou "masculixo" é feminismo?

Aquele que comemora uma lei misógina na Rússia por que agora as mulheres vão poder agredir os homens da família impunemente?

Aquele que idolatra a "Killary" (é, ela é killary mesmo, pergunte a uma mulher iemenita ou iraquiana) e fica xingando o Trump como se isso resolvesse alguma coisa?

Aquele, aliás, que não perde a oportunidade de mudar de assunto para a política americana, onde a nossa capacidade de intervenção é menor?

Aquele que pensa que as mulheres vão começar a ter filhos por partenogênese por que uma tubaroa teve?

Aquele que acha que as desigualdades que prejudicam as mulheres vão acabar sozinhas, por obra e graça do mercado?

Aquele que tem como referência uma pós-feminista como a Hanna Rosin?

Então tá.

Anônimo disse...

"Aquele que acha que inventar memes do tipo "lixomen", "anencétero" ou "masculixo"

São termos legais, criativos e muito melhor q os equivalentes misóginos inventados pelos mascus, esqueceu tb do "poço de fimose", genial

"por que agora as mulheres vão poder agredir os homens da família impunemente?"

o putinho deveria ter pensado nisso antes de legalizar a violência contra a mulher

"Aquele que idolatra a "Killary" e fica xingando o tramp como se isso resolvesse alguma coisa?"

O q eu posso fazer se o trumijo é um traste completo? mictório do putin, perdeu de 3 MILHÕES, assumiu o "poder" de forma fraudulenta através do conôjio eleitoral da qual os americanos REJEITAM e sempre REJEITARAM, q só faz merda atrás de merda e q até a Marcha das Mulheres TRUCIDOU com a posse dele?

"as mulheres vão começar a ter filhos por partenogênese"

SIM, é verdade, isso vai acontecer mais cedo ou mais tarde, os lixomens só podem chorar, a inutilidade de vcs vai chegar e com a ela a extinção do sexo masculixo. Não duvide da naturezA donadio, nem da seleção natural ou da evolução das espécies

"Aquele que acha que as desigualdades que prejudicam as mulheres vão acabar sozinhas"

Vai acabar de um jeito ou de outro, ou por conta de nós feministas, ou pq vcs serão extintos na natureza

"Aquele que tem como referência uma pós-feminista como a Hanna Rosin?"

Melhor do q trastes como olasno do caralho, rodrigo bostantino et caterva

ENTÃO TÁ MESMO!!!!

Marcia disse...

Só gostaria de frisar que o Donadio não está sozinho repudiando esse 'suposto feminismo radical', que nós já estamos carecas de saber que são trolls homens tentando causar discórdia no site.

E se tiver alguma mulher defendendo essa ideia, mantenho mesmo assim as objeções.

No mais, sei que muitas radicais não acham esse um bom espaço de debate para suas ideias, a minha solução continua a mesma de sempre: escrevem post, enviem para lola, ou marquem aqui páginas radicais de debate.

Até isso acontecer, trato todo anônimo 'suposto radical' como os trolls que são.

donadio disse...

"Melhor do q trastes como olasno do caralho, rodrigo bostantino et caterva"

Bom, sim. Uma pós-feminista liberal e pró-mercado é melhor do que dois conservadores que só sabem repetir frases feitas. Quem duvida disso? Quem sequer insinuou o contrário?

Ela também é melhor do que o Mussolini ou o Stalin, para não falar do Hitler. Só para constar.

Mas é esse o seu termo de comparação? Uma "feminista" é digna de ser citada por ser "melhor" do que dois pseudo-intelectuais que encarnam o que há de pior na extrema-direita neo-liberal-conservadora?

Aí, mano, até a Margareth Tatcher ou a Ann Coulter estão no páreo; também elas são "melhores" do que O. de C. ou R. C. Vai citar uma delas em apoio às suas maluquices?

Anônimo disse...

donadio, vc seleciona uma frase qualquer, no meio de tantas, pra tentar se sair como o inteligente, essa tática é velha

a 11:07 rebateu vc ponto por ponto, e ainda quer reclamar dos argumentos dos outros

Anônimo disse...

Não, a Hannah é melhor q essas (tatcher e coulter) tb

Anônimo disse...

Vc não precisa concordar com nenhuma das idéias do Olavo para reconhecer que ele tem uma bagagem intelectual espantosa. De fato, quem nega isso, ou não sabe nada do mundo intelectual ou está só fazendo oposição ideológica (e desonesta).

No seu caso, deve ser uma soma das duas coisas.

Anônimo disse...

Vc não precisa concordar com nenhuma das idéias do OlASNO para reconhecer que ele tem uma bagagem intelectual semelhante a de uma anta. De fato, quem afirma isso, ou conhece e muito do mundo intelectual ou está fazendo oposição à idiotices (verborrágicas).

No nosso caso, é uma soma das duas coisas.

natalia disse...


Para V.

Querida, por favor, procure ajuda profissional. Sempre que alguém me diz que pensa em se matar, eu digo, para que apressar as coisas? A única certeza que temos na vida é que um dia morreremos. Se tivermos sorte e a Previdência Social ainda existir, podemos dar prejuízo a ela.
Se tiver Netflix em casa, assista o filme “Luzes da Ribalta”. Nesse filme o personagem de Charles Chaplin salva uma bailarina que tenta se suicidar com gás. Ela lhe pergunta por que a salvou, ele responde com uma pergunta, mais ou menos o que falei no parágrafo anterior, para que apressar as coisas?
Também tem vários blogs de mulheres acima do peso. Pesquise, leia. Gosto muito do blog mulherão.
Persista querida.

natalia disse...

Vou relatar a minha experiência com a beleza ou a falta dela. Penso que por ser uma pessoa pragmática, isso me beneficiou. Penso, também, que quando era considerada jovem, nos anos 80 e parte dos 90, a opressão pela beleza não era tão forte, mas vamos lá.
Desde adolescente que me considero e sou considerada bonita de corpo, mas nem de longe, bonita de rosto. Também tinha um cabelo bastante difícil de lidar. Mesmo assim não perdia horas tentando arrumar o cabelo ou melhorar o rosto, passando um quilo de maquiagem (aliás, maquiagem, só passei a usar depois dos 35). O que considero bonito num corpo feminino, não há mídia que consiga mudar. Por exemplo, gosto de ter pernas grossas, portanto, não adianta me mostrar a Gisele Bundchen o dia inteiro, pois só a acho bonita da cintura para cima.
Depois que surgiram tantas escovas para domar madeixas rebeldes, aderi ao alisamento definitivo, progressiva, etc. Até hoje faço progressiva. Meu total apoio para quem assume seus cachos ou madeixas volumosas, mas para mim, ainda não dá. Sempre busquei dar uma melhorada na aparência, desde que não tomasse muito tempo do meu dia.
Isso não quer dizer que não me senti diminuída, quando, às vezes, alguém se aproximava e elogiava a beleza de uma colega ou amiga e nenhum elogio para mim. Todavia, era coisa de momento, nada que me fizesse querer mudar corte de cabelo, fazer plástica, iniciar regime e por aí vai.
Penso, também, que a falta de uma beleza convencional pode ser benéfica. Eu, por exemplo, pude me dedicar numa boa aos estudos, pois era muito pouco assediada. O fato de me sobressair na escola me agradava. Até hoje penso que ser nerd ou CDF não é problema. Nota baixa é que é problema.
Hoje, com 52 anos, penso que melhorei muito como pessoa e até meu rosto está mais bonitinho. Bonitinho, pois bonito ou lindo, não foi e nem nunca será, sem que isso tenha sido um problema na minha vida.

Anônimo disse...

Só eu acho muito macabra e extremamente misógina essa mania de um homem num espaço feminista sempre selecionar partes dos comentários de mulheres e ficar fatiando os comentários delas para distorcer e mentir descaradamente, dissimular, e se promover, ou também pelo prazer sádico por fragmentação e desmembramento (vai saber? é o que ele dá a entender). Porque é isso o que eu vejo esse donadio fazendo aqui quase toda vez que ele aparece.

titia disse...

Obrigada, 23:40. :)

Unknow você também é uma comentarista fantástica! Adorei seu comentário explicando bem direitinho pro anon antifeminista como é que ele e sua trupe estão fracassando sem perder a classe. Sempre admirei pessoas que conseguem botar um loser mascu no seu lugar sem perder a elegância. Eu esculhambo mesmo.

Anônimo disse...

14:00 isso sem falar na obsessão que esse tal donadio tem por esse espaço, parece coisa de mascu... quase todas as pessoas que há muito tempo comentavam assiduamente aqui, inclusive alguns bem insistentes e irritantes como o Jonas Klein, já deixaram de comentar ou então passaram a comentar somente sem assinar um nome, não dá pra ter certeza se deixaram realmente de comentar ou se só comentam em anônimo... mas esse donadio faz tempo que tá aqui praticamente todo dia, sempre que leio a caixa de comentários aparece algum comentário dele... mas ele não pode ser mascu né? ele usa parte dos comentários das pessoas pra se pintar como inteligente e diz que é de esquerda, logo "não pode ser um masculinista", e assim é bem aceito e aplaudido por aqui. vai vendo...

Anônimo disse...

Se machismo é excesso de rola e o objetivo do feminismo é acabar com o machismo, então o objetivo do feminismo é eliminar as rolas?

Anônimo disse...

A pessoa aí do "lixomen" tenta se passar por feminista radical mas tava botando gênero na Lua e no Sol uns dias atrás. G Ê N E R O. Nem pra fazer a lição de casa kkkkkkkkkk

Anônimo disse...

Mas Sol e Lua tem gênero, anônimo. O gênero dos corpos celestes, das estrelas, satélites, planetas, etc.

Anônimo disse...

Você que não fez a lição de casa, anônimo desonesto e burro. Algumas feministas radicais, como a autora Mary Daly, por exemplo, chamam os outros planetas de planetas irmãs da Terra.

Para de tentar distorcer o que a anônima disse, ela não tava botando "gênero" na Lua e no Sol, ela tava comentando entre outras coisas, que há motivos para a Terra e a Natureza serem chamadas de Mães, assim como o Sol, que dá a luz e fornece energia para os planetas do sistema solar, é uma Deusa em algumas mitologias ainda existentes e que os ciclos da Lua sempre estiveram muito mais relacionados com as mulheres que com os homens, o que é somente a verdade.

Anônimo disse...

"Você que não fez a lição de casa, anônimo desonesto e burro. Algumas feministas radicais, como a autora Mary Daly, por exemplo, chamam os outros planetas de planetas irmãs da Terra.

Para de tentar distorcer o que a anônima disse, ela não tava botando "gênero" na Lua e no Sol, ela tava comentando entre outras coisas, que há motivos para a Terra e a Natureza serem chamadas de Mães, assim como o Sol, que dá a luz e fornece energia para os planetas do sistema solar, é uma Deusa em algumas mitologias ainda existentes e que os ciclos da Lua sempre estiveram muito mais relacionados com as mulheres que com os homens, o que é somente a verdade."

ISSO MESMO, toma bicudo

17:36, Aprendeu sua anta? Mas nem pra fazer o dever de casa

Anônimo disse...

"Adoro você anon dos "lixomens", "poços de fimose" e "anencéteros". Acho que devia criar uma página própria e não se limitar apenas a comentários no blog da Lola.


Por favor, pense com carinho nessa ideia. Aposto que com algumas boas imagens e textos divertidos e engraçados sobre o cotidiano, talvez também alguns memes sobre os lixomens poços de fimose e anencéteros, sua página vai ser um sucesso e as suas mensagens vão poder alcançar mais pessoas, inclusive as que não acessam o blog da Lola." (2)

Anônimo disse...

Quanto menos rola melhor, ou você gosta de rola? Ninguém gosta de rola (tirando os homens).

Anônimo disse...

Macho, você usa esse empenho pra comentar no blog da Lola pra coisas úteis também? Como estudar pro ENEM, treinar redação, prestar um concurso? Porque não adianta amigo, qualquer pessoa com microinformação sobre feminismo radical sabe que botar gênero em coisa é mais ou menos como falar que é ateu satanista, tem um probleminha lógico aí kkkkkk, vai procurar uma guerra pra morrer ou um lote pra carpir que você ganha mais.

donadio disse...

O Olavo de Carvalho não tem uma bagagem intelectual.

Ele é a própria bagagem intelectual.

No caso, uma mala sem alça intelectual.