segunda-feira, 22 de junho de 2015

GUEST POST: PROFESSOR DE HUMANAS, OPINIÕES DESUMANAS

Não sei o que é mais incrível: um professor de Jornalismo e doutor em Comunicação acreditar em sites de notícias falsas, ou o tremendo machismo que ele manifestou em uma de suas postagens no FB sobre uma das notícias falsas.
Vocês já devem ter ouvido falar neste caso da Universidade Federal de Viçosa, MG, ocorrido na semana passada. No início, a UFV lançou nota dizendo que não falaria sobre o que seus servidores fazem na internet. Foi só após a pressão dos alunos que a universidade decidiu abrir sindicância
A discussão não está restrita ao caso: até que ponto profissionais devem ser responsabilizados pelo que escrevem nas redes sociais?
Giuliano e Letícia, ambos ex-alunos do professor, foram muito gentis em me enviar este texto escrito por eles:

As paredes de muitas universidades brasileiras convivem diariamente com a reprodução de discursos intolerantes. Em diferentes oportunidades nos confrontamos com matérias que evidenciam a misoginia e a dificuldade em superar uma herança machista, que normatiza a “dominação” das mulheres.
Postagem do professor, baseada em
notícia falsa
Na segunda-feira (15), o chefe do Departamento de Comunicação Social/Jornalismo da Universidade Federal de Viçosa, Joaquim Sucena Lannes, superou as barreiras físicas da instituição e colocou em uma postagem em rede social esta forma de discriminação e violência. 
Em sua página do Facebook, o magistrado compartilhou uma notícia falsa sobre um juiz que libertou um réu e acabou sendo assaltado pelo inocentado na saída do Fórum. 
Na legenda, Lannes dizia: “Tomara que futuramente este marginal entre na casa do juiz estupre a mulher dele, a filha e outras mulheres da família dele”.
De forma imediata, estudantes e jornalistas formados pela UFV comentaram a publicação do docente, discordando da colocação e repudiando a incitação ao estupro como forma de “punição” ao juiz. 
Deparando-se com uma série de comentários contrários, o professor não voltou atrás de sua colocação, excluiu algumas oposições e acrescentou: “Não gostou? Levem o meliante para casa deem carinho a ele”.
O caso mobilizou os estudantes de comunicação e membros de movimentos estudantis da UFV e não tardou para ganhar espaço na mídia local, nacional e internacionalNa sexta, na posse da reitora, houve uma manifestação dos estudantes. 
Alarmados, os alunos começaram a articular medidas para demonstrar repúdio ao texto publicado pelo doutor e mestre em Comunicação. Diante do histórico de Lannes como docente, os estudantes ainda matriculados temiam por represálias em caso de grande exposição. Por este motivo, foram os ex-acadêmicos que articularam uma moção, a qual somaram-se mais de 160 assinaturas.
No texto, os jornalistas que tiveram aulas com Lannes colocavam-se a disposição para contar as diversas histórias de intolerância, machismo, homofobia e assédio moral presenciadas e vividas dentro do campus por eles.
Professor tinha costume de comentar
notícias falsas em seu FB
Dentre os depoimentos, indícios de que o discurso de Lannes em uma rede social não foi apenas uma leve descuido ou uma “reflexão” irônica sobre os tempos de violência. 
Como professor de jornal laboratorial, Lannes chegou a barrar a divulgação de uma matéria sobre questões de gênero, por declarar-se “ideologicamente discordante”. Em outro relato, um estudante teve seu trabalho classificado como “lixo” diante de toda a classe.
Estudantes protestam contra as
declarações do professor
A relação orientador-orientando também guardava demonstrações de assédio moral e “hierarquização”. Em um trabalho de conclusão de curso, o estudante chegou a apresentar estado de depressão ao ter sua formatura barrada por “falta de tempo” do docente em progredir com o TCC. Em outro caso, para trocar de orientador, o estudante teve que abrir mão de seu objeto de estudo, tendo seus textos diariamente classificados como “porcaria” por Lannes. 
O docente também implicava com a vestimenta dos acadêmicos, destacando os “shorts curtos” das meninas em período de verão. 
Tais depoimentos vieram à tona agora por diversos motivos, porém, permeia-se sobre todos o medo da perseguição e a dificuldade em contrapor o chefe do departamento de Comunicação, o qual sempre colocava-se como “dono da razão” -- inflexível, inclusive, perante seus colegas de docência. 
Em sua rede social, Lannes não destacou que a postagem tratava-se de uma falsa notícia, tampouco argumentou ter sido irônico quando confrontado com os comentários opostos. Optou por censurá-los. 
Como mestre-doutor em Comunicação, o professor esqueceu-se da ética jornalística e propagou ódio e violência em sua colocação. A matéria replicada não era real, mas seu discurso punitivo às “mulheres da família do juiz” (ambos personagens fictícios), sem dúvida foi.

67 comentários:

Camila D disse...

Esse Juiz não é diferente de comentaristas que não sabem respeitar opiniões divergentes e incitam estupro e atrocidades, como eu vi no post de ontem.
Incrível é que devem achar esse "argumento" favorável à redução da maioridade penal, e aproveitam pra insultar a Lola. A coisa é sem fundamento mesmo.

Camila D disse...

Opa, corrigindo:
*Esse professor

Mila disse...

Aí depois falam que só tem esquerdista dando aula nas universidades do país (no meu curso, tive 1 professora abertamente de esquerda e uns 3 que se declaravam de direita).
Anyway, ao post...
Infelizmente, ainda tenho o péssimo hábito de ler os comentários dos portais, tipo o G1 e vejo que esse tipo de comentário é muito comum. Toda vez que tem um caso de violência contra a mulher sempre tem alguém pra culpar a vítima, culpar os pais da vítima, culpar a roupa e a conduta da vítima, duvidar da ocorrência pois a vítima "deve querer ganhar alguma grana com o processo" ou os clássicos "vai virar mulherzinha na cadeia" ou "tomara que estupre a mãe/filha/mulher do juiz que mandou soltar".
Dito isso, minhas observações:1) uma pessoa de lattes gigantesco, chefe do depto de jornalismo, acreditar num site de notícias falsas sem checar antes --- "barriga" 2) emitir um comentário tão senso comum e desprovido de reflexão; 3) Pelos relatos, a ética acadêmica dele não é lá tão invejável viu? No jornal laboratório, o cara barrar a matéria pq é "ideologicamente contra" (sério, o mercado já vai fazer isso, no laboratório é uma das poucas oportunidades que a gente pode escrever sobre algo que a gente se identifica) e não baseado em critérios jornalísticos (clareza, apuração, valor-notícia).

camila santos disse...

Não me surpreende agora sempre aparece um professor falando merda principalmente sobre mulheres. Meu medo é que tomara que sua mulher seja estuprada vire xingamento já é usado com frequência que algumas pessoas já se acostumaram e se alguém reclama é exagerada/petista/feminazi/politicamente correta...

Anônimo disse...

Peço desculpas por escrever sobre um assunto não relacionado ao texto, mas é que não localizei no Blog, o tema que vou abordar:

Temos visto uma grande discussão a respeito da reforma na Previdência Social. Gostaria da opinião de todas feministas e homens também a respeito da diferença de critérios e idade para aposentadoria.
Segundo a medida provissória, homens devem ter a soma de 95 Pontos (idade + tempo de contribuição), enquanto mulheres devem ter a soma de 85 para aposentadoria.

Considerando que mulheres tem vida mais longa que homens no Brasil, não deveria ser o contrário? Não é uma forma de discriminação essa diferença, principalmente nos tempos atuais, onde a mulher busca igualdade e lugar no mercado de trabalho?

Isso sem falar que a questão da "dupla jornada" já não se desenrola como no passado, onde homens não ajudavam em nada em casa, e a mulher ficava por conta de cozinhar e cuidar dos filhos.

Jonas Klein disse...

Casos como este nem me surpreendem mais, agora estes casos de machismo, misoginia, racismo, homofobia só continuam sendo protagonizados por alunos e professores de universidades e outra instituições de ensino, por causa da omissão ou conivência, destas intuições, pois se este tal de Lannes soubesse que as suas declarações hediondas iria lhe gerar uma demissão sumaria, ele com certeza jamais diria estas bobagens, e para alunos idiotas também tem que ter expulsão da instituição, pois instituição de ensino e lugar de gente civilizada, o lugar de gente como este tal de Lannes e a cadeia.

Anônimo disse...

Anonimo da aposentadoria: vai la lutar pelo direito dos homens de se aposentar mais cedo. Eu to aqui lutando por aborto e salarios corretos.
Cada um na sua luta, né? E não venha com chantagem do tipo "elas querem direitos iguais mas não deveres", porque é simplesmente uma questão de prioridade. Enquanto tiver mulher morrendo na mão de marido, e com cabides para aborto, essa não é minha prioridade.

A luta pela aposentadoria dos homens vem mais ou menos em 100000500° na minha lista "TO DO". Mas com certeza ela é a prioridade para alguns. Junte-se a eles.
E outra coisa: mulher tem dupla joranada SIM. Se quer terminar com a aposentadoria precoce das mulheres, começe fazendo sua parte das tarefas domesticas. E fale para todos seus amigos fazerem o mesmo.

Beijos
Yara

Anônimo disse...

Short curto, bermuda, boné, camiseta regata em sala de aula, ta certo onde? Daqui a pouco estão querendo ir de bikini, os caras sem camisa, anarquia total.

Fábio disse...

Vão ficar perseguindo o cara, pelo que ele faz ou diz em sua rede social, fora do horario de trabalho? o importante não e o conteúdo acadêmico das aulas dele?
Vão se lascar, ninguém tem que ser amiguinho de professor, tem que avaliar o conteudo de suas aulas, deixem a vida e opinião pessoal do cara em paz, universidade não e club de luluzinha, nem retiro hippie.

Fábio disse...

Ate porque eu entendi, o que o cara comentou em SUA REDE SOCIAL PRIVADA, FORA DO HORARIO DE TRABALHO, não como apologia a nojera de estupro, mas sim como um "eu queria ver se fosse com alguém da familia dele" e não "tomara que seja"
Mas a interpretação das feministas e esquerdistas, e seletiva, ninguém foi encher o saco do Girhadelli quando ele disse que a Shaherazade deveria ser esturpada.


O cara deixa a desejar no trampo dele? falta, deixa de passar as materias, e injusto na aplicação das notas? não?! Então e isto o que deve importar, e não o que o cara faz o u pensa fora de horario de trabalho, a opinião dele, as regras dele.

Daqui a pouco os "ilumindos" que querem aparelhar todo o ensino superior com gramscismo, vão começar a seguir o cara na rua, tipo:
"A lá, ele pegou 10 centavos a mais de troco, na padaria, e não devolveu. Olha ele olhando para as pernas da menina de mini saia na rua, machista desgraçado, branco heterossexual maldito, E AINDA USA POCHETE, façamos uma nota de repudio na Onu, no MEC, na Lola no raio que o parta, ele tem que perder o emprego e passar fome"

Raven Deschain disse...

Graçasa dels Yara, obrigada.

Esses anônimos da aposentadoria já tão enchendo o saco. Milhões de feministas já cansaram de falar sobre isso, velho! Vai procurar.

Raven Deschain disse...

Ele é uma bosta de professor, porra.

Vc não leu o texto?

Anônimo disse...

Quer dizer que o cara perde o direito de dar suas opiniões, é isso?? só pode dar opinião se ela for alinhada ao discurso da esquerda???

Fábio disse...

E VC se acha ô mínima :\
E segundo quem ele e um bosta de professor? Dos que não tem alinhamento ideológico com ele?
O saudável contraditório mandou bju pró cê Raven Deschaniany

lola aronovich disse...

Vc só fala besteira, né, Fábio do Mingau?

"ninguém foi encher o saco do Ghirardelli quando ele disse que a Shaherazade deveria ser esturpada."

Veja este vídeo de alunos da Universidade Federal Rural do RJ (UFRRJ) se manifestando contra o Ghirardelli por causa dos preconceitos que ele falava em aula. Detalhe: isso foi ANTES do que ele escreveu no FB dele desejando que Sheherazade fosse estuprada (o que eu prontamente condenei no meu Twitter, assim que fui avisada por um leitor).
Pros reaças Ghirardelli é de esquerda, mas pergunta pra gente de esquerda se ele é de esquerda. Pergunta pra esses alunos que protestaram contra ele.

Fábio disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fábio disse...

Pronto o Girardelli e de direita então, só que ele se declara comunista, deve ser um comunista de direita então, o primeiro da história :P

E vamos ser justos professora, imagine um aluno seu, que seja anti feminista, daí ele no meio da sua aula, si pela senhora ter um blog feminista, levante um cartaz pedindo que a senhora perca o emprego. Não levando em conta a matéria e a atual da de de suas aulas, mas sim o seu direito de ter livre pensamento na vida pessoal
E aí?

Fábio disse...

* qualidade de suas aulas

Anônimo disse...

Yara,

veja que em minha postagem não citei em nenhum momento que tal assunto seria ou é prioridade. Apenas destaquei que é um assunto em pauta, pois há uma medida provisória editada pela Presidente da República sobre o tema.

Pedi apenas a opinião de mulheres e homens feministas sobre o tema, sem qualquer abordagem agressiva da minha parte.

Anônimo disse...

voce estão falando de qual Ghiraldelli? o Paulo?

Se for, ele escreveu no Twitter dele há 1 hora atrás:


"A esquerda é o partido dos pobres e a direita dos ricos. Definição histórica. Definir esquerda e direita por intervenção estatal é errado."

Desculpe Lola, mas não é você quem decide quem é ou não de esquerda.

lola aronovich disse...

Sim, Fábio do Mingau, qualquer professor, aliás, qualquer ser humano, está sujeito a críticas. E deve ser um pesadelo pra um professor receber uma manifestação dessas. Mas não faça falsas simetrias. Eu luto por direitos iguais. Tenho um blog feminista, de direitos humanos. Não peço nem desejo a morte, estupro ou tortura de alguém. Luto contra o preconceito, não a favor. Todos esses professores que estão sendo escrachados foram preconceituosos. Se um grupo de alunos (porque não estamos falando de UM aluno, e sim de muitos, de um grupo) entrar na minha sala ou em alguma palestra minha gritando contra o feminismo, bom, isso diz muito sobre o grupo, não?
Vou te contar uma história real. Faz pouco tempo, os mascus sanctos, que sempre me ameaçam, perseguem (obviamente estão lendo isso e vão postar no fórum deles logo logo), e tentam me difamar, fizeram mais alguns tuítes falsos no meu nome. Eles fizeram isso na páscoa, lembra? Criaram um tuíte fake no meu nome em que eu comemorava a morte do filho do Alckmin num acidente de helicóptero, e lamentava que o governador não tivesse morrido. Algo assim. Se tivesse ficado apenas entre eles, não me afetaria em nada, porque aquilo foi criado e postado numa página de facebook racista que prega o estupro, por exemplo. Mas dois reaças, um que tem um blog e outro que tem um twitter com mais seguidores, espalharam aquele tuíte falso -- mesmo sabendo que era falso, pra me difamar. E não pude nem me defender porque estava viajando no feriadão, sem acesso à internet durante dias.
Vc vê a diferença? Pra me difamar, precisam inventar alguma coisa contra mim.
Então, os mascus sanctos recentemente bolaram outros tuítes fakes meus (eles vivem fazendo isso) e me "denunciaram" à Ouvidoria da minha universidade. A Ouvidoria respondeu mais ou menos o que a UFV respondeu no início: que não interfere nas opiniões que seus servidores dão nas redes sociais.
O pessoal que diz que eu faço um blog de ódio precisam dizer onde está o ódio.
E já gastei tempo demais do meu dia respondendo a um mascutroll.

Anônimo disse...

Anonimo da aposentadoria, eu também so dei minha opinião. Não é minha prioridade e duvido que muitas mulheres se levantem de manhã e falem "é... a gente morre na mão de marido, ganha salario mais baixo, é criticada por comportamento sexual, mas eu vou lá defender o direito dos homens de se aposentarem ao mesmo tempo".

Pelo menos é o que acho. Se eu acho justo? Sinceramente, não. Mas com tanta injustiça no mundo, não é essa que vai priorizar minha atenção.

Veja: não é agressividade, é opinião.
Mas o que tem de machinho exigindo das feministas aposentadoria igual e ervir o exercito, não ta escrito. E para quem acha que isso deveria ser luta de feminista responso: crie vergonha e lute suas proprias lutas.
Oras

Bizzys disse...

"Isso sem falar que a questão da "dupla jornada" já não se desenrola como no passado, onde homens não ajudavam em nada em casa, e a mulher ficava por conta de cozinhar e cuidar dos filhos."

Errado.
http://oglobo.globo.com/sociedade/avanco-no-mercado-de-trabalho-nao-livrou-mulheres-da-sobrecarga-nos-afazeres-domesticos-15534845

Anônimo disse...

Homem ajudam em casa?
deve ser só tirar o prato da mesa e já acha que fez grandes coisas

Anônimo disse...

A questão da aposentadoria deveria se rersolver junto com a igualdade salarial, eu acho justo se a mulher ganhar o mesmo se aposentar na mesma idade que o homem.
Mas ter deveres a mais sem os direitos é uma sobrecarga, e não é justo.

Anônimo disse...

isso é falta de buceta

Raven Deschain disse...

Entendi bosta nenhuma.

Vai aprender a escrever.

Mas aprende com um professor melhor que esse aí.

Jonas Klein disse...

Esse Fabio quando quer ser ridículo consegue mesmo, o cara parece ate algumas feministas aqui que vem machismo em tudo, por mais que não tenha em algumas coisas, ele por sua vez parece ver esquerdismo em tudo.

Véio se ninguém te ensinou isso deixa que te ensino (apesar de achar não vai adiantar), a nossa liberdade de expressão vai só ate onde começa o direito das outras pessoa de serem respeitadas, crime e crime, despeito e desrespeito não interessa onde seja nem quem seja a vitima...


Anon 12:00

hoje mesmo eu ouvi na radio Guaíba de Poa, um cara que meche com esta questão da previdência, afirmando que existe um projeto que tem como objetivo, eliminar essa diferença de idade e tempo de contribuição para aposentadoria. E a ideia e aumentar sim o tempo de contribuição para as mulheres.

Zero disse...

boneca? docinho? porra, eu acordei em 1940 e ninguém me fala nada?

olha, Zé Bonitinho. (ou seria Zé Mingauzinho?).

desaparece velho. todo mundo já te viu. já compartilhou isso bastante...

pode hibernar de novo....

Anônimo disse...

Por que um homem dividiria o trabalho doméstico sabendo que tem 5 anos a menos de aposentadoria justamente por causa disso?

Anônimo disse...

As decisões políticas de um Estado, dentre as quais aquela que define tempo de serviço diferenciado para homens e mulheres, devem ser vistas dentro de um contexto social, principalmente considerando que na nossa sociedade, de fato, não existe igualdade de atribuições, deveres e responsabilidade sociais entre homens e mulheres. Esta desigualdade de atribuições é levada em conta também em outras decisões políticas. por exemplo, o valor da bolsa família é paga à mulher/mãe, o imóvel adquirido com financiamento da Minha casa Minha Vida, fica com a mulher no caso de separação. E isso não ocorre porque a mulher recebe privilégios, mas é porque esse gasto público, quando administrado pela mulher, tem muito mais chances de retornar à sociedade. Estatisticamente, no âmbito familiar, cabe às mulheres o cuidado com a saúde dos filhos, netos, marido e vizinhos; a responsabilidade pela educação destes; a administração da renda familiar; as decisões sobre aquisições de bens e com o que aquela família irá consumir. Se isso é certo ou errado porque devia caber ao casal, não interesse, porque na prática é assim que ocorre.
Portanto, quando se permite à mulher aposentar-se com menos tempo de contribuição, isso acaba, claro, onerando o Estado. Mas essa oneração acaba sendo compensada, porque a mulher se aposentando mais cedo, provavelmente cuidará dos netos para que seus filhos trabalhem (permitindo que jovens ingressem no mercado de trabalho e passem a contribuir com a previdência, desonera o Estado em vagas de creches, p. ex), ou, ainda, possam complementar a renda familiar, investindo em educação e saúde dos filhos, também aqui, desonerando o Estado.

Donatien Alphonse François disse...

Camila D disse...

"Incrível é que devem achar esse "argumento" favorável à redução da maioridade penal, e aproveitam pra insultar a Lola."

Uma coisa é certa, instrução não corrige certas falhas de caráter, canalhas com doutorado ainda são canalhas.

Anônimo disse...

Ah o Leviatã.

Camila D disse...

Concordo.

Camila D disse...

O filme?

Anônimo disse...

Se é discurso de ódio, pode-se pode proferir, se quiser proferir que profira( afinal, não podem controlar o que as pessoas falam); MAS SE TÊM DE ARCAR COM AS CONSEQUÊNCIAS DO QUE SE PROFESSA.
O fato de estar em uma rede privada, não tirá a responsabilidade que se têm sobre o que se anda falando por aí, e quem falar bosta, têm que ser responsabilizado. O politicamente correto não é perfeito, mas é uma regra de bom viver( e não devemos discutir com incivilizados; esses que lutam contra a "ditadura" do politicamente correto pelo motivo de quererem continuar vomitando seus ódios sórdidos e baixos, sem serem incomodados ); e podemos e devemos melhorá-lo.
Os alunos estão certos!

Anônimo disse...

"Tenho um blog feminista, de direitos humanos. "

E as meninas do Piauí, tem notícias delas? Como elas estão?

@vbfri disse...

Olha, eu tenho medo dessa galera. De verdade.
Quando uma pessoa com doutorado (o que, pelo visto, não vale de bosta nenhuma, desculpa o palavrão) reproduz esse tipo de pensamento, a vontade é mudar para um mosteiro no Nepal.
Cara. Em primeiro lugar, é não ter RESPEITO pelo trabalho de um juiz (ainda que a notícia fosse verdadeira). O processo penal, em qualquer lugar com um mínimo de respeito aos direitos humanos, o réu só é considerado culpado com o trânsito em julgado (ou seja, quando não há mais recurso).
E isso serve não só aos "bandidos", mas aos milhões de inocentes que são presos por "engano" e que têm na justiça a única forma de provar sua inocência.
2015 e ainda temos pessoas sendo presas injustamente, SIM.
Então, o juiz soltar uma PESSOA (palavra chave: pessoa) não é "soltar bandido", é soltar uma PESSOA que pode OU NÃO ser culpada de um crime.
Direito penal é coisa séria.
O ruim dele é que dificilmente ele age contra os ricos e poderosos. Estamos vendo mais e mais a justiça funcionar para "colarinho branco", mas temos ainda um longo caminho a trilhar.
Então, antes desse professor falar merda, deveria pensar dois segundos nos juízes, cuja responsabilidade é enorme e que, sim, às vezes precisam soltar uma pessoa (PESSOA) porque a LEI (lei federal) manda. E que, às vezes, têm que soltar uma pessoa (PESSOA) sabendo-a criminosa mas que cuja culpa não pôde provar.
PESSOA.
LEI.
JUSTIÇA.
Conheçam os significados antes de falar abobrinha.
- Obrigada.
- De nada.

@vbfri disse...

Férias escolares e o Fábio do MINGAL volta todo pimpão.
Vou te contar, viu?

Fabiano disse...

Eu penso que uma coisa é o cara usar seu perfil pessoal (e não um email ou conta institucional) para falar um monte de m. na internet. Nesse caso não vejo motivo para que a instituição na qual ele trabalha deva fazer alguma coisa, embora isso obviamente demonstre o baixo nível do sujeito.

Outra coisa é o aparecimento de várias denúncias de seu comportamento inadequado durante o exercício da atividade docente. Isso a universidade tem a obrigação de investigar.

Tomara que isso vá a diante, e o cara seja punido.

Anônimo disse...

Ultimamente notícias são plantadas na internet, passam por vários filtros antes de ir ao ar pelas emissoras de tv e a mídia impressa só publica o que determinados grupos querem, ou seja, este docente de jornalismo sabe bem e manipula os distraídos de plantão com notícias sem fonte segura publicadas na rede, principalmente. Como diz Umberto Eco "a internet dá direito à palavra a uma “legião de imbecis” que antes falavam apenas “em um bar e depois de uma taça de vinho, sem prejudicar a coletividade”. Afirma Eco que, “normalmente, eles [os imbecis] eram imediatamente calados, mas agora eles têm o mesmo direito à palavra de um Prêmio Nobel”. E arrematou: “O drama da internet é que ela promoveu o idiota da aldeia a portador da verdade”.

Anônimo disse...

Vergonha dessa "elite intelectual". Mas típico de machista (mesmo sendo um comentário de uma notícia falsa) - o homem faz merda, mas quem paga o preço é a mulher mais próxima dele.

Quanto a aposentadoria - eu pessoalmente sou a favor que ela aumente para TODOS e que TODOS trabalhem e contribuam igualmente de acordo com a sua renda. A expectativa de vida aumentou pra população em geral e a previdência vai ruir se o sistema não for reformado e o tempo de trabalho e contribuição não aumentar.

E na boa mascuzada, se vocês querem alguma coisa tira essa porcaria de traseiro da cadeira e se mexam ao invés de chorar as pitangas pra mamãe ou para as feministas.
Querem aposentadoria?? Casa, comida e roupa lavada??? Vão trabalhar e aprender a administrar seus ganhos cambada de folgados inúteis...

Jane Doe

Anônimo disse...

Anon da 15:39, não se esqueça que as mulheres recebem menos para exercer os mesmos cargos que os homens E ainda têm a dupla e às vezes tripla jornada em casa, para quem tem filhos. Portanto, essa sua matemática está errada, sim.

Anônimo disse...

Muito interessantes os comentários.

Dá pra ver que tem gente inteligente e educada pra debater aqui. Isso é muito legal.
Vi mulheres argumentando contra a desigualdade na aposentadoria, e outras a favor. E vi homens fazendo o mesmo. Isso é muito bacana. Tirando algumas poucas pessoas mau educadas, é gratificante ver um debate com idéias.

Eu, eu NENHUM momento, pedi que mulheres tomem essa pauta da aposentadoria como importante na causa feminista. Concordo com todas que disseram que isso deve ser feito pelos interessados, ou seja, os homens. Queria apenas ver o ponto de vista das feministas em relação ao assunto. Apenas isso.

Obrigado a todas e todos que responderam.

Vou começar a participar mais do forum de discussao e assinar como Paulo Pedrosa, para que fique mais fácil a identificação.

Grato

Anônimo disse...

Paulo Pedrosa, você parece educado e lúcido, então debaterei com você. Qual é a sua opinião sobre a questão da aposentadoria então? Acho que passei rápido por alguns comentários e não vi se você se posiciona ou não, você acha então que a aposentadoria deve ser na mesma idade para ambos? Mesmo considerando que na maioria das casas do país o homem tem um emprego e quando chega em casa deita no sofá e recebe tudo pronto da mulher, que também tem um emprego com a mesma carga horária? Sei que há excessões, mas são raras, mínimas!
Qual é a sua opinião sobre a questão das provas físicas em concursos público para policial, por exemplo? Sei que o número de repetições de flexões e outras provas físicas é inferior para as mulheres, por uma questão óbvia e já comprovada cientificamente de que mulheres em geral tem uma força física inferior aos homens (não estou considerando aqui bombadas vs. magrelos, estou falando de pessoas que, sei lá, não vão na academia nem nada. Mas mesmo quando eu malhava não conseguia vencer meu namorado magrelo nas brincadeiras de queda de braço, só um exemplo).
Enfim, eu não sei o que pensar sobre isso porque, me entendo como feminista na luta por direitos (e deveres) iguais, porém reconheço que fisiológicamente as mulheres têm menos vantagens com relação aos homens e aparentemente pensar e expressar isso por aqui é ser "mascu" ou machista. Por outro lado, essa minha ideia também parece aquele feminismo conveniente do tipo "quero dividir o serviço doméstico, mas é você que paga a conta no restaurante" e não expressa a forma que eu penso.
Thoughts?


Ass: Nic

Anônimo disse...

Pera, Nic está com dúvidas sobre o feminismo e pede opinião pra um homem que não se considera feminista. Coerência cadê? Perguntar o que mulheres feministas pensam sobre isso é o de menos ne...

lica disse...

Pelo jeito ela já perguntou e foi tratada com patada... chamaram de mascu e todo a intolerância que vemos aqui com frequência.

Anônimo disse...

Não Anon 22:01, na verdade estava só querendo entender qual é a dele mesmo, não é como se a opinião dele sobre a questão da aposentadoria e dos concursos fosse influenciar o que já penso. Mas sobre o restante (principalmente essa parte fisiológica), gostaria do posicionamento das feministas mais inteiradas no assunto, e de preferência, sem "patadas" como disse a Lica. Sei que existem várias correntes e cada uma pensa diferente da outra, mas queria saber o que vocês sentem pessoalmente com relação a isso.

Nic

Anônimo disse...

a ditadura dos ofendidinhos.

Anônimo disse...

Nic, vou te responder: fisicamente homens são mais fortes. por outro lado, mulheres são mais flexiveis e tem um equilibrio melhor. Tem algumas provas fisicas que pedem flexões de braço. Ok, mas quam a rezao a disso? VAi precisar fazer 100 flexões no trabalho, senão o bandido foge? Ou é mais para saber se a pessoa tem resistência?

Em quais trabalhos a força fisica é REALMENTE importante, e que equipementos não subsitituem? Eh essa a questão. Nenhum concurso pede para fazer um espacate para ver a flexibilidade das pessoas. O que quero dizer é que falar em supeioridade fisica amsculina não é legal. Eles podem ser mais fortes, mas não são superiores.

E se o emprego não for de "leventador de peso" o mais imporante é verficar a aptidao da pessoa para o posto. No concurso de escrivao da policia, tem que correr não sei quantos kilometros. Qual a necesside? Repetndo: se for para saber que a pessoa està bem,ok, mas não acho que uma pessoa que corra 5 kilometros em vez de 6 km, seja menos apta a ser escrivã.

E não entendo porque você termina falando que essa parte fisica é igual "quero deveres iguais mas não pago a conta no restaurante". Gostaira que me explicasse.

yara

Anônimo disse...

E mais uma coisa: até essa parte de conta no restaurante os homens estão ganhando. Tenho mum amgo, ele é engenheiro e sai com uma manina que é estudante e faz bicos de babá. Os dois viajaram e DIVIDIRAM a conta no hotel e restaurantes. Achei um absurdo, pq a menina ganha tipo 1/10 do que ele ganha. E falei pra ele.

Resposta: ah, mas se eu pagasse ela se sentiria ofendida. Acho um absurdo.
A gente sai em grupo e, como todos trabalhamos, vamos em restaurantes legais. Ai todo mundo pede entrada, prato, sobremesa, vinho, e a coitada pega so um prato, o mais barato do cardapio pq não pode pagar. E o cara não se propoe a pagar a parte dela. MAs no apê dos dois é ela que faz a comida sempre.

Me pone loca ver gente defendendo com unhas e dentes essa porra de divisão de conta no restaurante. Se for esse o preço a pagar por ter TODOS os privilegios do mundo, pode deixar que eu pagp a minha, a do namoado, até o restaurante da sua mae.

E não é o femnismo que é m femnismo conveniente. So os homens que são super machistas, mas vem dar com dedo na nossa cara na hora do restaurante.

YAra

Anônimo disse...

Bom dia Nic,

obrigado pelos elogios e questionamentos. Vou tentar respondê-los.

Bom, quanto à questão da aposentadoria, que foi minha questão central anteriormente, eu sou, à princípio, contra a diferenciação. Não tenho, todavia, uma opinião fixa e inflexível. Foi exatamente esse o motivo que me fez vir aqui debater. Acho importante ver, ou pelo menos tentar ver, todos os pontos de vista distintos e aí então chegar a uma conclusão.

Eu, vendo do ponto de vista pessoal e de praticamente todos os amigos casados, não enxergo essa tal jornada dupla. Na minha casa eu literalmente lavo roupa, banheiro, louça,passo pano no chão, faço jantar e dou banho nos cães. E, lá em casa, temos uma faxineira 1x por semana, paga por mim. Nem por isso deixo de fazer as tarefas diárias, assim como minha esposa. Na casa dos amigos, a maioria faz o mesmo.

Talvez eu seja a exceção, pode ser. Mas vejo isso muito mais como uma questão íntima do casal, onde o Estado não deveria intervir senão com educação e conscientização. Afinal, o discurso de 2 jornada seria legitimador àquele comportamento de chegar em casa e colocar o pé pro alto e esperar a esposa trazer uma cerveja gelada enquanto o homem assiste ao jornal.


Quanto às provas físicas de concurso público, eu acho um absurdo a diferença. A lei prega isonomia, e é isso que deveria acontecer. Por coincidência, eu já fiz a prova física da Policia Federal. Fui aprovado mas não me tornei servidor. Ali são critérios definidos pela instituição, e não vejo NENHUM motivo para se discriminar as provas.

Abraços

Pedrosa

Anônimo disse...

Se eu tiver dois empregos com carteira assinada, isso não me dá direito a me aposentar mais cedo, sabia?

Então, qual a lógica?

Graciema disse...

Olha Pedrosa,

Eu queria viver nesse seu mundo viu. Porque eu ainda não conheço um único casal onde existe partilha de responsabilidades em relação a casa e filhos. Tem caras que ajudam mais, tem uns completamente inúteis, mas realmente nunca vi isonomia. E me refiro a responsabilidades, não tarefas apenas. Muitas vezes vejo homens que são genuinamente boas pessoas, mas sequer se tocaram que manter uma casa limpa, arrumada, acompanhar a rotina das crianças, fazer o planejamento de compras e refeições e executá-lo, manter as contas em dia e tals é trabalhoso, e muito. Afinal, eles sempre tiveram isso feito por 'mágica' a vida toda.

Sobre isso ser questão intima do casal, eu não poderia discordar mais. Afora isso legitimar por exemplo, violência domestica e estupro conjugal, porque é uma questão intima do casal, eu não tenho essa visão liberal que resumo tudo a decisões individuais não. O trabalho não remunerado 'por amor' da mulher já e socialmente legitimado, não vejo pq a previdência deva legitimar isso também.

Se como sociedade achamos que criar e educar filhos é um problema só da mulher...como vejo a pregação liberal ai, então na boa, por mim pode todo mundo calar a boquinha sobre qualquer problema social, porque é de foro intimo. No meu trabalho mesmo, já ouvi que nós, mulheres, somos pouco dedicadas, porque não ficamos em reuniões que vão hora de almoço a dentro...sabe né? Pegar filhos na escola. Isso se reflete muito claramente na distribuição dos cargos de chefia, porque ter filhos não é ônus para os homens, afinal, eles têm a mãe da criança que pega seus filhos na escola, leva no médico, falta pra acompanhar as crianças doentes...

Mirella disse...

*OFF TOPIC*

08:52

a lógica é que não faz a menor diferença individualmente, a questão é estrutural e social, ou seja, vai além do que você trabalha.
não é um homem que lava louça que equilibra a dupla jornada de metade da população.
se você acha injusto, então fale com os homens que usam mulheres como empregadas domésticas e babás sem remuneração, aka praticamente todos.

90% das mulheres fazem as tarefas domésticas. os homens? nem a metade (40%). os que cumprem suas obrigações gastam 1/3 das horas das mulheres. e ainda ficam reclamando? sei.

http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2015-03-05/90-das-mulheres-fazem-tarefas-domesticas-entre-homens-indice-chega-a-40.html

*fim do derailing*


sobre o tópico, professor assim tem de monte. felizmente, tive professoras e professores bons na escola e na faculdade. depois, pude sair um pouco do umbiguismo quando passei a ter mais contato com movimentos sociais em geral, seja feminismo ou outros ativismos.
o cara pode ter as opiniões que quiser, mas ele nitidamente atrapalhou pessoas, alunas e alunos que discordassem dele. além de tudo, é bem bobinho de acreditar em qualquer notícia sensacionalista só para poder destilar sua raiva. para professor de jornalismo, checar as fontes passou longe daí, né.
enfim, profissional sem ética, descontrolado, cheio de ódio (afinal, desejar estupro é o que?). imagino a tristeza que as aulas dele não seja.
160 pessoas participam da moção contra esse cara. com DIVERSAS acusações. nem tem a ver somente com a misoginia desse homem. humilhou alunos, barrou trabalhos, atrapalhou a formação de outros. esse chilique misógino que ele deu com o hoax foi só a gota d'água para as pessoas reclamarem de um tipinho que não não tem condições emocionais de ensinar ninguém.

Mila disse...

Nic,
A minha opinião é bem parecida com a da Yara. Homens são mais fortes fisicamente, mas isso não os torna superiores Senhores Overpower do mundo. Lembro-me que os meus mestres em artes marciais diziam que o cara podia ser maior e mais forte que eu, mas não ia adiantar nada se ele não soubesse usar essa força...
Em relação a esse negócio de conta no restaurante... o femininismo não é responsável por isso. Eu nunca vi aqui no blog da Lola gente defendendo que o homem deve pagar a conta em todas as situações. Já vi até o contrário, tem muito homem que acha que pagar um jantar é sinônimo de obrigação de sexo para a mulher. Ou mulheres q fogem pro banheiro na hora da conta, pode apostar, que não está se apoiando no feminismo pra isso.
É claro que tem situações específicas, como o caso que a Yara citou. Se o meu companheiro faz bico, que é um dinheiro incerto, eu não vou levá-lo a restaurantes caros e ainda querer que ele pague a conta. Não sei se aquele prato de comida gourmet vale mais do que ele tem pra passar a semana. É uma questão de consciência mesmo.

Jonas Klein disse...

Nic

Eu vou deixa minha opinião para você, quanto questão das mulheres se aposentarem mais sedo, analisando bem a questão eu acho que governo faz e concertar um erro com o outro erro, eu sei que isso tem o objetivo de tentar compensar a dupla jornada que maioria das mulheres enfrenta, e uma solução pratica para aplicar, mas e uma solução adequada.

no que se refere a questão das provas físicas em concursos público para policial, eu sei a minha opinião pode desagradar muitas aqui, eu não sou a favor de prova facilitada para ninguém, as pessoas e que devem se adequar as regras do concurso e não ao contrario, ai podem dizer, mas tem provas físicas que são muito difíceis para uma mulher comum, eu já disse e vou repetir de 1 a 2 anos de musculação resolvem o problema de força física de qualquer mulher normal...


Yara

Cara de sorte este seu amigo ai, agora se a moça divide conta com ele, e porque ela deve achar esse cara bonitão e uma pessoa maravilhosa em termo de perfil, além disso e muito provável que ele compense ela na hora do presente, comprando coisas caras para ela.

De qualquer forma eu acho que num relacionamento, cada um deve contribuir em todos os sentidos de acordo com as suas condições.

Anônimo disse...

Jonas,

Tem certeza que 1 ou 2 anos de musculação, resolvem, pronto e acabou? Fato que a atividade física constante melhora seu condicionamento físico, mas daí a falar que isso se adequa a qualquer mulher normal é ser muito amplo.
Há pessoas que tem muita dificuldade em adquirir massa magra, seja por questões hormonais, biológicas etc. Há também o desgaste biológico que as mulheres passam devido ao ciclo menstrual, o que resulta em impactos diferentes para cada corpo. Com homens também deve ser assim, pq cada organismo tem uma dinâmica própria. Uma coisa que aprendi depois que redefini minha alimentação e minha rotina de exercícios físicos é que cada corpo reage de maneira diferente. Tem mina que tem estrutura física pra ser modelo, nunca vai ser panicat; tem mina que tem mais facilidade pra adquirir massa magra e nunca vai ser magérrima, dentre outros. Tem metabolismo, tem pré disposição genética, tem tipo de corpo, tem idade, tem um monte de coisa. A mulher nem sempre fica em condições de comparação com um homem (em matéria de força física) só pq faz musculação.

Rê Bordosa disse...

Esse é o tipo de professor que forma as Sheherazades, os Carlos Prates da vida... Não é atoa que o jornalismo está em crise, alguns péssimos profissionais que já saem das universidades com suas cabeças enfiadas na bunda disseminando preconceito.
É bem verdade que existem também bons profissionais no jornalismo, que muita gente boa consegue se formar mantendo a integridade... Mas são os toscos que os meios de comunicação querem, porque opinião babaca dá ibope.

O sujeito ainda diz "eu quero que respeitem a minha opinião".
Ele deveria aprender o que é recíproca: como ele quer respeito se ele não respeita as mulheres? Agora somos todos obrigados a calar a boca diante de opiniões babacas? Só ele tem o direito a opinião, mas ninguém tem direito à replica? Ah, va.
Vovó já dizia "quem fala o que quer, ouve o que não quer".

Anônimo disse...

O cara é um péssimo professor sem o mínimo de ética e um ignorante de marca maior. Só um cérebro de mingau de merda para gostar de um lixo de professorzinho desses.

donadio disse...

"te porque eu entendi, o que o cara comentou em SUA REDE SOCIAL PRIVADA, FORA DO HORARIO DE TRABALHO, não como apologia a nojera de estupro, mas sim como um "eu queria ver se fosse com alguém da familia dele" e não "tomara que seja""

Você sabe ler?

Por que o comentário foi bem claro: "Tomara que entre na casa dele estupre a mulher dele a filha e outras mulheres da família dele". Não tem nada de "queria ver se fosse com a família dele".

Tipo, "tomara que entre na casa dele e roube a televisão, a geladeira e os outros móveis". Por que para imbecis como você e esse "professor", mulher é isso: um objeto doméstico. Foi o juiz quem soltou o marginal (só que não, mas detalhes como a realidade não incomodam gente como você, já sei), e que tem de ser estuprada é a mulher dele, a filha, a irmã, a sobrinha, a nora, a mãe, sei lá quem mais. Por que são propriedade como microondas, o notebook e o fogão.

Mas, claro, não tem nada demais achar que mulher é coisa, desde que seja nas horas vagas.

Vai fazer como o Malafaia, idiota.

donadio disse...

"E as meninas do Piauí, tem notícias delas? Como elas estão?"

E por falar nisso, você sabe como elas estão? Tem certeza de que não são parentes de algum juiz que um dia soltou um ladrão, caso em que, na sua opinião, aparentemente merecem o que aconteceu com elas?

Anônimo disse...

*OFF TOPIC*

08:52

a lógica é que não faz a menor diferença individualmente, a questão é estrutural e social, ou seja, vai além do que você trabalha.
não é um homem que lava louça que equilibra a dupla jornada de metade da população.
se você acha injusto, então fale com os homens que usam mulheres como empregadas domésticas e babás sem remuneração, aka praticamente todos.

90% das mulheres fazem as tarefas domésticas. os homens? nem a metade (40%). os que cumprem suas obrigações gastam 1/3 das horas das mulheres. e ainda ficam reclamando? sei.

http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2015-03-05/90-das-mulheres-fazem-tarefas-domesticas-entre-homens-indice-chega-a-40.html

*fim do derailing*


Se a mulher só trabalha como dona de casa ela se aposenta? Se não contribuir, não.
Em contrapartida a aposentadoria rural pode ser concedida mesmo sem contribuição.

Deveria ser da mesma forma para a mulher dona de casa, só que não é.

Então, não é para sanar problemas sociais que isso existe. É só o "bom e velho" "cavalheirismo" do século passado. Puro machismo que é aceito numa boa.

donadio disse...

Aposentadoria é um assunto entre empregados e empregadores, não entre homens e mulheres.

Anônimo disse...

Aposentadoria é um assunto entre empregados e empregadores, não entre homens e mulheres.

Parece que não. Já que "a questão é estrutural e social".

Anônimo disse...

faz um tempão que eu não apareço por aqui, mas essa discussão sobre prova de aptidão física merece uma reflexão.

um comentador disse: "Quanto às provas físicas de concurso público, eu acho um absurdo a diferença. A lei prega isonomia, e é isso que deveria acontecer."

acontece que a diferença entre os parâmetros físicos exigidos de homens e mulheres existe justamente por conta da isonomia.

há bastante tempo discuti isso em um outro fórum (na CC) e colo aqui o que escrevi na ocasião com algumas mínimas alterações:

podemos até questionar se os parâmetros para cada sexo estão adequados ou não, mas a diferença nos testes de homens e mulheres se justifica em função da constituição física diferente. a mulher tem o sistema cardiovascular e respiratório menores que os dos homens. assim, fazer a mesma atividade física com a mesma intensidade exige um esforço maior do corpo feminino do que do corpo masculino, por isso os parâmetros, para serem justos, devem ser diferentes.

como eu disse, pode-se questionar se os parâmetros adotados atualmente nos concursos são adequados ou não. quanto a isso, não posso dizer nada, pois não sou especialista na área. mas os testes devem, sim, ser diferentes, embora devam exigir o mesmo esforço físico proporcional dos candidatos.

as mulheres não fazem provas físicas mais fáceis. fazem provas físicas diferentes, com exigências condizentes com a estrutura e a constituição do corpo feminino, afinal, a ideia desses testes é avaliar a condição física do candidato.

por exemplo: o tronco da mulher equivale a cerca de 38% do corpo (para homens, 36%). deste fato decorre um deslocamento para baixo, do centro de gravidade do corpo, o que tem influência negativa em corridas e saltos. por outro lado, a anatomia do quadril feminino provoca maior mobilidade desta articulação, o que, junto com a menor densidade dos tecidos, favorece a flexibilidade, que é maior em mulheres que em homens.

diferenças entre o corpo masculino e feminino existem e devem ser levadas em consideração, tanto nos testes físicos dos concursos, quanto na elaboração de planos de treinamento, avaliação dos resultados e exigência de performances.

considerando-se as mesmas condições de treinamento, uma mulher que termina uma prova física no mesmo tempo de um homem, tem o preparo físico melhor que o dele, pois ela tem que fazer muito mais esforço físico para conseguir o mesmo resultado. em trabalho que exige força física (como o corte de cana, p. ex.), essa diferença na constituição dos organismos masculino e feminino deveria ser levada em conta na avaliação da performance de homens e mulheres, pois mesmo que a mulher corte uma quantidade menor de cana, o esforço e o desgaste físico são equivalentes ou maiores que o de homens.

reforço que a igualdade de que tratam as feministas é uma igualdade política, social e jurídica.

outra coisa: homens acham que possuem mais deveres sociais do que mulheres, o que é falso. os deveres tradicionalmente exigidos de homens e mulheres são diferentes e acredito que haja poucos homens dispostos a assumir todos os deveres femininos com todo o desprestígio social e prejuízo econômico que isso acarreta. as mulheres ainda são as cuidadoras por excelência, um dever de pouco ou nenhum reconhecimento social, mas fundamental em todas as famílias (e essencial para as sociedades), como todos sabemos por experiência. o trabalho feminino sempre foi um trabalho relegado às sombras, pouco ou nada valorizado e que as pessoas só notam quando não é feito.

é isso.

saudades do blog.

um abraço a todos,

Cora

Julia disse...

Saudade dos seus comentários, Cora.
Não suma, por favor.