domingo, 31 de maio de 2015

FLA-FLU IDEOLÓGICO: RADS VS TRANS

Um post de dois anos atrás continua atual, infelizmente. Parece que essa briguinha ridícula nunca vai acabar. Uma leitora que assinou como Schsch comentou recentemente:

"Os comentários dessa postagem são surreais. De um lado há algumas feministas radicais discordando da Lola por acharem que ela é conivente com opressão misógina disfarçada de transfeminismo. De outro há algumas transfeministas acusando a Lola de ser transfóbica.
Que coisa deprimente o feminismo de internet vem se tornando. Que guerrinha estúpida. Essa dificuldade de reconhecer que uma opressão existe mesmo que você não seja diretamente afetada por ela é típica dos detratores do feminismo. E é uma prática cada vez mais comum dos dois lados desse fla-flu ideológico.
Em tempo: eu pessoalmente me identifico bem mais com diversos aspectos do feminismo radical do que qualquer outra vertente do feminismo, mas acho uma desonestidade intelectual gigantesca ignorar a opressão e o sofrimento, tanto físico (agressões etc) como psicológico, de mulheres trans. E dizer que 'não acredita em identidade de gênero', quando existe tanta literatura médica sobre o tema, sob diversos vieses, soa como -- perdoem a analogia fraca -- os negadores do aquecimento global causado por humanos: um grupo que nega a realidade por discordância política do tema.
Agora acho também uma desonestidade intelectual imensa dizer que é contraditório o feminismo radical ser abolicionista de gênero enquanto aborda questões biológicas. Qualquer leitura bem rápida sobre o tema explica que o feminismo radical acredita que gênero é uma construção social, não é sexo. E que ser designada mulher ao nascer -- ou seja, ser portadora de aparelho reprodutor feminino -- traz uma série de opressões (e também construções sociais, como gostar de rosa e usar saia) que não afetam os que são designados homens. Isso não é de difícil compreensão, a menos que a pessoa lendo esteja sendo propositadamente obtusa por discordar da teoria.
E também não dá pra achar que um grupo que queira discutir aspectos biológicos como gravidez, violência obstétrica, menstruação e outras situações que só afetam a quem nasceu com aparelho reprodutor feminino é praticar a transfobia. Se existe um grupo que quer discutir apenas isso e não aceita a participação de pessoas que não sejam afetadas por essas situações, por que isso tem que gerar incômodo? Quem considerar que outros assuntos são mais importantes do que esses pode participar de outros grupos. Stalkear, perseguir e demonizar grupos radicais por buscarem promover espaços exclusivos é além da desonestidade intelectual, mau caratismo."

Feminicídio? Tranquilo, é só um trans
Já a @vbfri escreveu um comentário na discussão sobre um tipo de feminismo que não acolhe muito bem quem pensa diferente. Primeiro ela copia um trecho de uma comentarista anônima, e depois ela fala:

"O que a gente é contra é lutar para que mulheres trans definam o que é ser mulher e possam acessar espaços femininos sem qualquer restrição. É só aí que não somos 'interseccionais'."
A expectativa de vida de uma pessoa
transexual é de 35 anos
[vbfri] Fale por você. O meu grande aprendizado no feminismo, o que foi, para mim, o divisor de águas, o momento em que eu saí do meu umbigo e comecei a ver que nem todo mundo tinha os mesmos privilégios que eu, foi quando eu comecei a trabalhar com autorização de cirurgias de transgenitalização. 
Na minha cabeça, eu considero mulheres trans como mulheres, apenas. E elas têm, sim, o direito de dar pitaco no que é ser mulher e usar os locais para mulheres. 
Então, se 'ser feminista' é ser CONTRA a luta das pessoas trans (que inclui, aliás, serem RESPEITADAS como seres humanos), me informa onde eu devolvo a minha carteirinha de feminista.
Pichação transfóbica em banheiro da
Unicamp
Honestamente, acho uma merda até a separação de banheiros em masculino/ feminino. A galera não pode usar o mesmo banheiro por quê? Sério. Qual é a lógica disso? 
E, além de banheiros, quais seriam os espaços reservados a mulheres? Vagões de metrô? 
E, vem cá... Por que há a necessidade de separar vagões de metrô? Não é pela encheção de saco de ter caras bolinando as mulheres? Não eram eles que tinham que aprender (e não a gente se segregar)? 
E aí as mulheres trans não podem usar o vagão de metrô e os banheiros destinados a mulheres? É isso? E por que diabos não?"

167 comentários:

Ana disse...

Legal, trans entrando em banheiro feminino, mais fácil para sermos estupradas, basta o homem alegar que é mulher, e nem precisa estar vestido como uma, basta dizer q está em transição...
E francamente, trans n sofre e nunca vai sofrer o que nós sofremos, o sofrimento delas é outro.

Anônimo disse...

Lola só esqueceu de copiar e colar o comentário original que a VBFRI citou pela metade, e a resposta ao comentário da VBFRI.

-------------

Comentário original:

"anon A. disse...
@Paula
Radfems ligam para mulheres negras, pobres e/ou lésbicas, viu? Elas ainda são mulheres, e não são ouvidas dentro do seu próprio movimento justamente por serem mulheres. Tem muita radfem negra/pobre/lésbica. O que a gente é contra é lutar para que mulheres trans definam o que é ser mulher e possam acessar espaços femininos sem qualquer restrição. É só aí que não somos "intersectionais"."

Perceba que a pessoa estava falando em nome das radfems, não do feminismo inteiro.
-------------

Comentário resposta ao da VBFRI:

"A anônima falou em "radfems ligam para..." e a vbfri já veio dizendo "fale por você". Ué, a vbfri é radfem agora? Ou as radfems não podem mais falar por elas?

E desde quando ser contra "mulheres trans definirem o que é ser mulher e possam acessar espaços femininos sem qualquer restrição" é ser "contra a luta das pessoas trans"? Sério que a luta delas se resume somente a esses dois pontos? Pensei que elas também tinham outros assuntos mais importantes pra reivindicar. Radfems não são contra a luta das pessoas trans e sim contra a infiltração do transativismo no movimento feminista, procure se informar."

Anônimo disse...

Eu não tenho problema nenhum com uma mulher trans usar o banheiro feminino. Não tenho mesmo. Mas que eu tenho medo de algum homem cis predador sexual se fingir de mulher trans pra ter acesso ao banheiro feminino e assim atacar as mulheres, ah, esse medo eu tenho.

No fim das contas, o que eu tenho é medo de ser estuprada. E não tenho como adivinhar se aquela pessoa que biologicamente corresponde ao sexo masculino é realmente uma mulher trans ou um homem cis mal intencionado.

Anônimo disse...

Sinceramente, essa questão é completamente irrelevante no mundo real. Ninguém está nem aí para as feministas radicais, se elas são transfóbicas ou não. Elas só existem em grupos fechados do FB. É dar muita atenção para quem não merece.

D Stoffel disse...

Concordo feminista não pode ser preconceituosa, mas uma coisa me incomoda nós feministas abraçarmos a causa glbt e ter tanto gay misógino idolatrando pênis por aí, falando que somos as rachadas! aí depois eles sofrem o machismo/homofobia e não gostam.
Eles também ridicularizam as poc pocs dizem que se quisessem uma poc poc namoravam mulher ah pera-lá né, dá um tempo, como se toda mulher fosse daquele jeito.
Eu acho que se ser gay não fosse "pecado" a maioria dos machistas que se dizem héteros seriam gays por que pra mim é a mesma coisa do jeito que se idolatram tanto.

Anônimo disse...

O que é poc poc? '-' Também acho desnecessário a Lola copiar comentários de outras leitoras e criar um post ctrl+c ctrl+V só pra falar mal das radfems, parece que a necessidade de falar mal delas é mais alta que o bom senso.

Camila disse...

Pra me chamarem de Feminista Radical Transfóbica bastou eu dizer que gênero é uma hierarquia. Puf! Com essas palavras mágicas me tornei uma temível TERF.

D Stoffel disse...

É melhor ter um banheiro só para elas não vai ter fiscal de trans olhando carteira pra ver se o sexo realmente mudou, e no banheiro masculino história que eu sei é que os homens ficam abordando uns aos outros, imagina se tiver uma trans lá dentro.

Anônimo disse...

Em geral a expectativa de vida dos homens em todos os lugares do mundo é menor em relação a das mulheres. Isso significa que as mulheres são privilegiadas e os homens são oprimidos? Para uma pessoa sensata que observa minimamente a realidade, é evidente que não. Vários fatores levam a uma maior expectativa de vida das mulheres em relação a dos homens (desde fatores inerentemente biológicos a fatores sociais, que envolvem escolhas menos arriscadas, menos prejudiciais, estilos de vida mais saudáveis, etc.)

Mas para masculinistas, que sempre defendem o sexo masculino às custas do sexo feminino e sempre distorcem totalmente a realidade para que ela se encaixe em seus delírios machistas e sirva aos seus interesses misóginos, as mulheres são opressoras privilegiadas e os homens são pobres oprimidos injustiçados, vítimas dessas bruxas. Coitados. Por isso que eles vivem menos, eles são oprimidos por essas opressoras malvadas e se sacrificam no lugar delas. Que horror!

Só não enxerga quem não quer: é cada vez mais óbvia a ligação entre o transativismo e o masculinismo, parece até uma "ala especial" desse "movimento" que já se infiltrou no feminismo para tentar arruiná-lo de dentro.

anon A. (radfem) disse...

Obrigada anon das 14:25 por postar o comentário original e responder! Era exatamente isso que eu ia dizer mesmo, eu estava falando em nome das radfems.

Radfems não são contra combater a violência contra mulheres trans, ou que elas não tenham atendimento adequado de saúde ou acesso a empregos. Ou contra homens usarem maquiagem ou vestimentas 'femininas'. Nós somos contra redefinir 'mulher' como um esteriótipo, e contra qualquer homem que se dizer trans poder acessar espaços femeninos sem restrições. E de novo, isso não é a mesma coisa quer ser contra 'pessoas trans'. Homens trans não tem essa obsessão de acessar o espaço do sexo oposto, eles reconhecem o problema do estupro, e só acessam espaços masulinos quando tem 100% de certeza que estão sendo lidos como homens. O problema são mulheres trans.

"Ninguém está nem aí para as feministas radicais, se elas são transfóbicas ou não. Elas só existem em grupos fechados do FB."
Esse tipo de comentário me dá nos nervos. Espero que você saiba que radfems combatem arduamente violência doméstica e a cultura de estupros. Muitos abrigos para mulheres vítimas de violência doméstica foram abertos por radfems. Sermos 'transfóbicas' é um detalhe, que as libfems gostam de apontar com ose fosse a grande causa do nosso movimento. Não é. Lutamos por mulheres, nascidas mulheres, que sofrem preconceito por serem mulheres. Essa é a causa. Nós existimos e agimos no mundo real, e a vida de muitas mulheres é melhor por isso.

E na boa, tanto eu como a vbfri escrevemos comentários da mesma forma, com um nick em cima, sem usar uma conta. Mas ela pode ser chamada por "vbfri" e eu sou chamada de "uma comentarista anônima", sério?

Raven Deschain disse...

Oq raios é poc poc?

anon A. (radfem) disse...

Ah, sim. E porque espaços femininos tem que ser segregados dos masculinos? Assédio e estupros. Me admira muito uma mulher fingir não saber isso. Ou até feministas agora vão fazer pouco de estupro? Além do mais, nada impede a criação de espaços unisex, além dos espaços segregados, mas mulheres trans não ligam para isso (e de novo, especificamente mulheres trans, homens trans em sua maioria estão ok com espaços unisex).

anon A. (radfem) disse...

oi raven, POC == 'people of color', o que inclui negros, asiáticos, latinos, etc. Basicamente todo mundo que não é considerado branco. Também tem WOC, women of color. É um termo que não faz tanto sentido aplicado no Brasil, já que todos somos latinos anyway, então ele é mais relevante quando se fala internacionalmente.

anon A. (radfem) disse...

*já que todos somos no mínimo latinos

Anônimo disse...

"E também não dá pra achar que um grupo que queira discutir aspectos biológicos como gravidez, violência obstétrica, menstruação e outras situações que só afetam a quem nasceu com aparelho reprodutor feminino é praticar a transfobia. Se existe um grupo que quer discutir apenas isso e não aceita a participação de pessoas que não sejam afetadas por essas situações, por que isso tem que gerar incômodo? Quem considerar que outros assuntos são mais importantes do que esses pode participar de outros grupos. Stalkear, perseguir e demonizar grupos radicais por buscarem promover espaços exclusivos é além da desonestidade intelectual, mau caratismo."

Concordo e assino embaixo, tem muita gente aqui precisando ler isso.

Anônimo disse...

Poc poc = barulho que pipoca faz quando pula
Bixinha Poc poc = gay afeminado que pula, dança, não fica quieto...

Paula S. disse...

Poc poc é gíria gay, basicamente quer dizer gay afeminado

anon A. (radfem) disse...

Acabei de ver o comentário original com "poc pocs" e não tem nada a ver com POC... Não faço idéia do que é, então, malz.

Raven Deschain disse...

Mas então Anon A. Eu entendo o people of color. Não entendi o poc poc no comentário da Stoffel que não fez sentido nenhum.

Eu gosto dos seus comentários, Anon A. Mesmo.

Oq eu não entendo são algumas doidonas que comentam aqui às vezes, que fazem parecer que o único objetivo do feminismo radical é extermi ar as trans da face da Terra.

D Stoffel disse...

Poc poc é gay afeminado como eles chamam, olha aqui um comentário de um
"mulheres são chatas, criam intrigas e lá embaixo tem cheiro de bacalhau bjos hahahah"
até parece que pau não fede, esses gays assim é que me dão nojo.

Raven Deschain disse...

Afffff! Só vi agora as respostas de vcs!

Stoffel que infelicidade T.T

Não use mais esse termo.

Antonio Luiz M. C. Costa disse...

Não discordo do tom e da intenção do texto, mas tem uma contradição que está me incomodando.Ou entendi errado?

"acho uma desonestidade intelectual gigantesca (...) dizer que 'não acredita em identidade de gênero', quando existe tanta literatura médica sobre o tema, sob diversos vieses, soa como -- perdoem a analogia fraca -- os negadores do aquecimento global causado por humanos: um grupo que nega a realidade por discordância política do tema.

Agora acho também uma desonestidade intelectual imensa dizer que é contraditório o feminismo radical ser abolicionista de gênero enquanto aborda questões biológicas. Qualquer leitura bem rápida sobre o tema explica que o feminismo radical acredita que gênero é uma construção social, não é sexo."

Não tenho certezas absolutas sobre esse tema, mas acho que se gênero é pura construção social e não tem a ver com sexo, então a literatura médica sobre identidade de gênero é irrelevante. E se há algo inato no "gênero" além das consequências da designação social com base no aparelho reprodutor, então parte da teoria radfem deveria ser revisada. Me parece que essa questão teórica está por trás da maior parte da treta rad x trans (ou teoria radfem x teoria queer) e não dá para descartar apenas dizendo que as duas posições são "intelectualmente desonestas", pelo menos não sem explicitar uma terceira.

anon A. (radfem) disse...

"Oq eu não entendo são algumas doidonas que comentam aqui às vezes, que fazem parecer que o único objetivo do feminismo radical é extermi ar as trans da face da Terra."

O que eu entendo é que é uma forma de desabafo, muito provavelmente de alguém que já passou por algum tipo de problema bem grave devido a machismo. Tipo como no caso das radfems que 'odeiam homens' (na verdade, querem é ficar o mais longe possível deles, não matá-los, ao contrário dos homens que odeiam mulheres). A maioria que eu conheci odiava homens por ter sido estuprada ou sofrido um relacionamento abusivo nas mãos de um homem que ela confiava, como um familiar ou um companheiro. E o receio sobre mulheres trans é mais relacionado ao fato de que o movimento trans não faz a menor questão de se separar desse tipo de homem, então na prática existe o risco de homens abusivos acessarem espaços femininos (além da questão de redefinir o que é ser mulher).

Mas ainda assim, eu considero desabafos desse tipo ruins. Eles geralmente acrescentam pouco na discussão e passam uma má imagem das radfems no geral. Eu era leitora constante da Lola, mas lia quieta, só passei a comentar para fazer um contra-ponto aos comentários-desabafo do ponto de vista radfem.

Fico feliz que goste dos meus comentários ^^

Jac disse...

Não vejo solução para o caso dos banheiros.

Eu não teria nada contra mulheres trans dividindo o banheiro feminino. Mas há sim um risco de um homem cis se fazer passar por trans (já que não há uma definição tão clara sobre o que é ser trans) e acessar o banheiro feminino.

Tampouco gosto da idéia de um banheiro unisex. Eu me sentiria tranquila em dividir um banheiro com um homem de minha confiança, mas ficaria aterrorizada estando sozinha com um ou mais homens. Já existem inúmeros casos de violência em banheiros (o mais recente se não me engano é da estudante de 12 anos violentada por 3 meninos) - e pelo menos dividindo por sexo há uma chance maior de "chamar a atenção" quando um homem entra no feminino e vice-e-versa.

E existindo um banheiro unisex enquanto há um banheiro feminino e masculino cairia na mesma problematica do vagão feminino. Se uma mulher para evitar assédio for no banheiro feminino, isso quer dizer que a que for (incluindo mulheres trans) no banheiro unisex está aí para o que der e vier? (Esse não é meu pensamento claro, mas é o pensamento machista).

Anônimo disse...

Lolinha, o que vc faz da vida,querida?

Sei que vc se diz professora, mas dá aula onde, e em que período?

Pq vc sí vive nesse blog, ou viajando. Estranho, não?

Ou é profesora que ganha sem trabalhar?

Ou o PT da DILMA te paga pra vc ficar colocando idéias "avançadas---UUIII" nas cabeças dos jovens???

Até hj não consigo entender isso. Ou vc é feminista RICA que não precisa trabalhar?

anon A. (radfem) disse...

@Antonio
Concordo plenamente (e, como radfem, considero que não há nada inato em relação a gênero).

Anônimo disse...

a verdade é que o mundo é gay enrustido mas é.

Anônimo disse...

pt dilma sonha filho, sabe o que o pt faz vai no nordeste entregar cestinha básica em época de eleição, pt não é feminista não vejo nada do pt em feminista esquerdista e comunista não é sinonimo de feminista

Anônimo disse...

"Pra me chamarem de Feminista Radical Transfóbica bastou eu dizer que gênero é uma hierarquia. Puf! Com essas palavras mágicas me tornei uma temível TERF." {2}

Mas na verdade no meu caso foi ainda mais ridículo, eu fui trans-ally como a maioria das radfems tbém foram, inclusive me arrependo de ter perseguido um monte de mulher por causa dos pirocos, bastou eu dizer que o protagonismo do feminismo era das mulheres (nascidas mulheres) e já fui chamada de transfóbica, falaram que eu tinha privilégio cis. Um monte de coisa já estava me irritando, aí pra pular pro lado radical foi facinho.

Raven Deschain disse...

A, eu realmente entendo uma mulher que odeio homens de todo o jeito. Tive minha cota de abusos (ainda tenho) pra entender muito bem.

O que não entra na minha cabeça, por mais que eu busque informações é a dificuldade em enxergar mulheres trans como mulheres. Em entender que a opressão come solta por lá tb. E acho muito, mas MUITO ofensivo chamá-las de pirocos. Tão ruim qunto qualquer 'vagabunda' (não que vc tenha feito isso, num vi).

Anônimo disse...

Tem mulher que tem tanto medo de ser estuprada. Deve se achar muito gostosa. Se tá sobrando mulher no mundo, como dizem as estatísticas, porque um homem se daria ao trabalho de ser vestir de trans pra entrar no banheiro feminino ? Me poupem.

PS: Os vagões femininos continuam semi-vazios, enquanto os outros estão cheios de mulheres querendo contato físico com os homens que elas tanto " abominam ". Coerência zero.

Raven Deschain disse...

Quanto ao banheiro, gente, eu gosto de banheiros únicos. Daqueles que é o espaço, a porta e quem quiser ir após, espera. Tipo, banheiros de deficientes, sacam?

Eu mesma disse...

Eu não teria problema com trans no banheiro se o mundo fosse perfeito, mas não é. O que vai acontecer é isso aí que disseram, homem se passando por mulher para abusar e filmar as mulheres.
No minimo, uma trans teria que ter algum documento provando que é trans, antes de entrar no banheiro.
Concordo com a Jac sobre banheiro unisex, não ia ficar nem um pouco confortável, nem me sentiria segura ao entrar lá e me deparar com um bando de homem.

Anônimo disse...

/\ Só gostosas são estupradas? Quais estatísticas? Então essas notícias de estupro que a gente vê todo dia são inventadas? Afinal se tá sobrando mulher no mundo, qual homem que vai cometer um crime só pra ter sexo? "Me poupem"

E os vagões femininos passam com a mesma frequência e pelos mesmos lugares que os mistos?

Zero disse...

homem é homem. ponto.

por isso digo que feminismo deveria cuidar mais (ou só) de si e se separar dessa ideologia utópica da esquerda de "salvar o mundo".

simplesmente não dá. gays? ok. mas homens (gays ou não ainda é homem) querer mais um espaço (o feminino) vai de contramão as "raízes" feministas, de lutar contra a opressão masculina.

de forma crua:

feminista apoiar homem invadindo seu espaço vai de contra o feminismo. isso é fato.

Anônimo disse...

É você quem vai definir quem é estuprável ou não? E sim tem mais mulher no mundo mas a mentalidade masculina continua predatória/atrasada

Anônimo disse...

Homem se veste de mulher para espiar banheiro feminino e é preso
http://www.tribunadabahia.com.br/2015/05/25/homem-se-veste-de-mulher-para-espiar-banheiro-feminino-e-preso

Algumas mulheres já teriam sido alertadas sobre esses espiões e que deveriam tomar cuidado ao utilizarem banheiros na China. Em janeiro de 2014, cerca de 50 fotos desse tipo foram divulgadas na internet.

Anônimo disse...

D Stoffel disse...
Concordo feminista não pode ser preconceituosa, mas uma coisa me incomoda nós feministas abraçarmos a causa glbt e ter tanto gay misógino idolatrando pênis por aí, falando que somos as rachadas! aí depois eles sofrem o machismo/homofobia e não gostam.


Vc já ouviu falar no ditado "uma mão lava a outra"?

É isso que acontece. As feministas apoiam causas gays como criminalização da homofobia e casamento gay, e a militância gay apoia causas como direito ao aborto. Até porque, ambas as militâncias têm um mesmo inimigo em comum: conservadores.

Zero disse...

"Lolinha, o que vc faz da vida,querida?"

- que eu saiba ela é professora.

"Sei que vc se diz professora, mas dá aula onde, e em que período?"

- na UFC. período não sei dizer.

"Pq vc sí vive nesse blog, ou viajando. Estranho, não?"

- você sabia que ela agenda posts e tem uma moderadora além dela?

"Ou é profesora que ganha sem trabalhar?"

- "profeSora" as suas não trabalham pelo visto.

"Ou o PT da DILMA te paga pra vc ficar colocando idéias "avançadas---UUIII" nas cabeças dos jovens???"

- PT da Dilma? e o PT do Aécio? tem?

"Até hj não consigo entender isso. Ou vc é feminista RICA que não precisa trabalhar?"

- bem, eu te expliquei.

PS:

"ideias avançadas".

engraçado que é sempre esse discurso pré-gravado. uma que ninguém diz que "ser gay" é progresso, respeitar os outros sim. (nem progresso e sim respeito obvio).

bem, sendo assim, gostaria de ver um blog "financiado" pelo Fidélyx com ideias progressistas medievais, e todas as groselhas crentelhescas.

Anônimo disse...

Essas radfems só vem aqui para causar.

Zero disse...

parece que a Raven já "ganhou" um perseguidor. ¬¬ e tem fixação anal ainda.

ou apaguem esses comentários nojentos de 16:33 e 16:34 ou salvem, pra quando algum babaca vir falar de "misandria".

Anônimo disse...

Li um texto hoje no travesti reflexiva que falava das travas terem que segurar a bexiga afinal é um homem vestido de mulher. Como elas vão no banheiro pq nunca vi alguma lá será por isso?

off topic
Mas tem muita mulher machista e aqui eu só observo ravean pra mim é uma machista e julia pra mim é o oposto eu só observo os coments. ser feminista não é só dizer que é feminista assim é fácil.

Anônimo disse...

Mulher feminista ofendendo outra mulher.

Quanta sororidade!

Zero disse...

primeiro me diga o que seria um "feministo" e digo se sou um.

não sigo nenhuma ideologia, tenho minhas próprias ideias. mas compartilho de ideias que julgo de bom senso.

mas fale mais sobre mim anônimo que me viu hoje e fala como se me conhecesse a décadas.

e pra negrito? não sou cego.

Anônimo disse...

http://oglobo.globo.com/rio/travestis-transexuais-presos-poderao-escolher-ir-para-ala-feminina-de-penitenciarias-do-rio-16299891

No aguardo do número de estupros e violência sexual contra mulheres confinadas para dar uma opinião.

Anônimo disse...

"e a militância gay apoia causas como direito ao aborto"

fake

Anônimo disse...

nossa é feminista e não sabe o que é feministo só tá aqui pra xeretar né, cansou dos xvideos?

Anônimo disse...

"e a militância gay apoia causas como direito ao aborto"

fake


http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2015/03/1607651-jean-wyllys-enfrenta-cunha-e-apresenta-projeto-que-legaliza-aborto.shtml

Anônimo disse...

jean willis é um em um milhão pra mim a maioria dos gays nem são feministas.

Anônimo disse...

Quem tentou definir quem é "estuprável" (que coisa mais ridícula) não fui eu e sim VOCÊ, com esse discurso de que mulher preocupada com estupro só pode ser gostosa. Quer dizer, feias não precisam se preocupar com estupro porque feias não são "estupráveis". Foi isso que vc disse, não vem inverter as coisas, babaca.

Anônimo disse...

Jean Wyllis representa a militância LGBT.

O que estava em discussão é o apoio da militância gay ao feminismo. E não se a maioria dos gays é ou não feminista. Até porque não existe dados do IBGE sobre isso.

Anônimo disse...

Socorro Lola, tem que apagar umas merdas aqui urgente!

Anônimo disse...

Jean Willys, aquele que legalizou a cafetinagem sem dar ouvidos às prostitutas e usando como token uma profissional que passava LONGE da realidade da categoria? Não, obrigada.

Anônimo disse...

Jean Willys, aquele que fez um projeto de lei a respeito do aborto SABENDO QUE esse projeto tem que ser OBRIGATORIAMENTE APENSADO ao projeto original da Jandira Feghali e, portanto, fez isso apenas com fins eleitoreiros? Não, obrigada.

Anônimo disse...

Só tomem pílula e não se reproduzam, PFV!!!!

Anônimo disse...

NÃO CONFIO EM POLÍTICOS ESTÃO SEMPRE QUERENDO O MELHOR PRA SI, POR EXEMPLO SE A DILMA APOIAR ABORTO ELA VAI PERDER ALIADOS ENTÃO ELA NÃO APOIA FAZ NADA NÃO.

Anônimo disse...

OFF TOPIC

Alguém tem algum texto decente sobre o estupro e a mutilação de quatro jovens do Piauí? Só estou vendo o silencio dos blogs feministas...

Zero disse...

"nossa é feminista e não sabe o que é feministo só tá aqui pra xeretar né, cansou dos xvideos?"

1 - me diga quando afirmei que eu era feminista.

2 - ironizei sua definição de "homem feministo", sua capacidade de me definir assim quando não me conheces.

3 - xeretar o que exatamente? e se eu não tivesse comentado como saberias que estou aqui? e o blog é teu?

4 - não cansei. nem assisti hoje ainda, se te interessa tanto.

5 - não me encha mais o saco.

e tire esse negrito, não sou cego. negrito é só pra chamar atenção, e fala de mi.

Zero disse...

"verdade sobre a Raven" - tu leu as merdas que o cara escreveu?

Anônimo disse...

Para ajudar a resolver a confusão, as feministas radicais deviam assumir que são femistas e e não feministas.

lola aronovich disse...

Anon das 15:25, o que eu faço da vida? É só olhar a descrição do meu perfil. Tá lá onde eu dou aula. Ao contrário de vc, que é anon, eu ponho aqui meu nome, fotos, lugar de trabalho, enfim, tudo. Trabalho na UFC. Cada professor tem que entregar um plano departamental antes do começo do semestre especificando como gastará cada uma das 40 horas de dedicação exclusiva. Pra mim nunca dá 40 horas. Dá 50, sabe? Porque, se vc coloca número de horas de aula (entre 14 e 20 por semestre), mais 2/3 para preparação das aulas, mais projeto de pesquisa, mais orientações, mais curso e projeto de extensão, mais várias representações com incontáveis reuniões (sou vice da minha unidade, representante do meu departamento no Conselho de Centro, etc etc), e mais um monte de coisinha, passa fácil das 40 horas. Eu só dou conta dessa carga horária pesadíssima e mais manter um blog com atualizações diárias porque eu durmo pouco e trabalho nos fins de semana e sacrifico muito da produçâo acadêmica que eu deveria fazer. Ainda assim, meu currículo Lattes é bastante bom. Procura lá: Dolores Aronovich Aguero, e vc ficará envergonhadx ao dizer que não trabalho. Não ganho nada com o blog, nem sou filiada ao PT ou a qualquer outro partido. Aliás, não ganho nada com as palestras. Mas, quando tenho que deixar de dar aula por causa de uma palestra (e isso é inevitável quando a palestra é em outro estado, pois dou aula todos os dias), a aula é reposta, ou eu passo um trabalho para meus alunos. Trabalho que depois eu tenho que corrigir, então dá um trabalhão. Eu também me pergunto de vez em quando por que eu faço tudo isso. Poderia "só" ser professora universitária com 50 horas semanais de carga horária, como tantas outras. Poderia gastar o tempo que passo no blog escrevendo artigos acadêmicos. Um dia eu terei mesmo que encerrar o blog, é inevitável. Mas e aí, o que VC fará da vida sem ter meu blog pra trollar?

lola aronovich disse...

Anon das 17:37, sobre o caso do Piauí e o silêncio desta feminista aqui, escrevi isso ontem na caixa de comentários. Tem duas partes.

Anônimo disse...

Me lembra a discussão que gravaram da Thammy Gretchen com um rapaz. Em um certo ponto ela se irrita e diz:

- Seu otário, eu pego muito mais mulher do que vc.

E ele:

- De que adianta pegar mais mulher, se não tem um pau pra comer elas ?

GAME OVER

Camila D disse...

Primeiro, seja claro quanto à sua definição de gostosa.
Segundo, qualquer mulher pode ser estuprada, seja ela magra, gorda, negra, ruiva, trans, lésbica. Crianças também são vítimas de estupro. Homens também.
E moço, questione seus conceitos sobre "estupro", ok? Faça esse favor, de coração.

Sobre o segundo parágrafo do seu comentário, não vou nem me dar o trabalho de falar nada. Vc precisa urgentemente questionar seus conceitos, pq sua visão é extremamente sexista e disso nosso mundo já está ó - farto.

Camila D disse...

"por isso digo que feminismo deveria(...)"
Ai Zero, sério isso?! :/
Vc fala um troço desses e dps conclui que mulheres não devem deixar homens invadir seus espaços.

Pfv né.

Mônica de Freitas disse...

Conheci uma garota transexual quando era criança. Ele, que ainda era ele na época, era filho de um colega de trabalho do meu pai e nós ficamos amigos. Nós tínhamos 7, 8 anos na época e ele adorava me pedir que o maquiasse, eu fazia maquiagem de criança mesmo coisas como sombra azul, batom rosão, bochechas bem pintadas. Ele vestia uma peruca e um vestido e saia dizendo que era uma princesa, porque brincávamos de princesa. Na época eu não entendia, mas uma vez quando o pai dele veio buscá-lo em casa, ele olhou para o filho dele todo maquiado e vestido daquela maneira e começou a brigar com o menino e bater nele. Eu fiquei em choque na época e não entendia isso, só parou de surrá-lo quando a mãe dele e a minha mãe o seguraram. Até hoje me lembro do quanto ele chorou.
Eu fiquei muito assustada na época e me lembro que morria de medo desse cara desde então. Eu e o garoto ficamos amigos por mais algum tempo até que cada um seguiu seu caminho e perdemos contato. Só fui conhecer sobre a transsexualidade depois de mais velha, até então eu não sabia direito o que é isso.
O que posso dizer é que trans sofrem muito preconceito de todos os lados. O trans sofre preconceito tanto dos homens quanto das mulheres, além do conflito psicológico de não entenderem por que não são confortáveis em seu próprio corpo. Trans são muito propensos a depressão profunda por causa disso, a mente deles não entra em sintonia com seu corpo biológico e nunca passei por isso, mas eu tento imaginar o que é ficar preso em um corpo que você sabe que não é seu.
Vão me crucificar por dizer isso, mas eu acho que trans tem o direito de usar o banheiro das mulheres sim, porque são mulheres. Assim como homem trans também podem usar banheiro masculino porque são homens. Eles vivem sempre com a insegurança, com o medo, por isso que a maioria dos trans são espalhafatosos e usam tudo feminino ou masculino, eles querem ser identificados como o que eles são.
Eu mesma também já fui em um banheiro masculino, porque um dia eu estava indo ver um filme e estava meio em cima da hora e eu estava apertada, o banheiro feminino estava com uma fila enorme e entrei no banheiro masculino sozinha. O máximo que me aconteceu foram me olhar como se eu fosse um alien, mas mantiveram a distância, literalmente, acho que tinham receio até de se aproximar de mim.
Acontece que se já existe homem que entra no banheiro feminino pra espiar as garotas não é culpa das trans, é culpa desses homens e esses homens que devem ser julgados e punidos pelo que fizeram, não as trans. Um grupo inteiro não pode ser punido por causa de uma falha de caráter de certas pessoas e nesse caso, nem estão nesses grupos.
Como estavam dizendo acima: vamos deixar de apoiar a causa lgbt porque existem gays misóginos? Eu conheço muitos blogs e canais do youtube lgbt que apoiam e muito as feministas.
Outra coisa, esse sentimento de segregação já aconteceu, com os negros nos EUA, na África do Sul. E os argumentos dos segregatistas era basicamente a mesma coisa: medo de ser assaltado por um negro, proibiam de negros sentarem ao lado de brancos no ônibus, proibiam negros de irem na praia, porque falavam que se liberar a praia para todos, o crime vai rolar solto. Bom, a segregação acabou, negros podem se sentar na frente do ônibus e frequentar praias e os roubos não ficaram maiores ou menores.

Camila D disse...

Hur dur "GUEIMIOUVER"

Disputa de quem "pega" mais mulher. Sempre a mesma merda de objetificação.

Anônimo disse...

Olá anon das 15:51! Só pra te perturbar um pouco vou responder. Estupros não acontecem porque um cara sente falta de mulher. É só pagar uma prostituta, tem desde as que cobram 500 por meia hora quanto as que fazem por 10 reais e uma cerveja. Estuprador gosta é de humilhar, fazer sofrer, degradar; o prazer dele é o sofrimento da vítima. Mulheres de burca, que não mostra nem os olhos, que não tem nem como saber se é bonita ou feia, são estupradas.

Eu sei, anon das 18:17, eu sei. Tá vendo, mascus? Façam como seu colega aí em cima e casem com outro mascu. Sejam felizes entre si e deixem as mulheres em paz.

Camila D disse...

Sim. Seriam bom se todos os mascus evitassem mulheres e casassem entre si. Aí a praga acabava em pouco tempo.

Anônimo disse...

não tenho mais paciência para perder tempo com pesudo-feministas sem inteligência...mas aqui vai um blog para ver se vcs conseguem sair desta bosta de colonização masculina/síndrome de stokolmo

https://arttemiarktos.wordpress.com/

E francamente,ficam tacando pedra em "mulher machista" em professor que diz que temos que ser violadas e no entanto,tacam pedra no feminismo radical,aceitam essa palhaçada de trans no feminismo,defendem bsdb,prostituição,pornografia...porra,quem é machista no final das contas? alguém aqui tem o direito de reclamar de alguma coisa???

Raven Deschain disse...

Verdades sobre mim??

E eu perdi isso??

Huashua devia me perguntar Mister Escroto. Sei umas coisas cabulosas sobre mim.


Anônimo disse...

/\ Nao adianta otário que inventou de pegar no saco da Camila (deve ser o mesmo q tava enchendo o saco da Raven), teus comentários vão continuar sendo apagados. Já é o terceiro que apagam, chora mais

Zero disse...

Camila, é só minha opinião e nada mais. falei em sentido figurado, e não literal.


sim, acho que dentro de qualquer movimento há opiniões diferentes, e se esse movimento tenta acolher outros totalmente diferentes haverá problemas.

homem é homem. um travesti sofre preconceito por ser "bichona" mas não sofre misoginia, não é tratado como um lixo interesseiro, etc.

não digo que não deva ter empatia, mas o separatismo natural é inegável.

por exemplo, só policial mulher pode revistar mulher. esse bloqueio de contato homem-mulher existe, então um homem querer "invadir" espaços íntimos femininos como banheiro é um problema.

Anônimo disse...

Banheiros unissex: pura utopia. Isso nunca dará certo. Homens podem ser ensinados a respeitar mulheres, o machismo pode ate acabar, mas spre existirão aberracoes como psicopatas e pedofilos pra nos tirar o sossego. E nao ha como doutrinar psicopatas. Eles nascem assim. Entao, spre havera perigo para mulheres.

Zero disse...

Raven, se você não leu mesmo não perdeu nada, só groselha e ofensa sem-sentido.

lola aronovich disse...

Raven, minha linda, não posso esconder esses comentários apaixonados que vc anda recebendo. Então vou reproduzir o último do anon aqui:
"Raven então é casada, tem filho, é dona de casa e é feminista??? E ainda curte [sexo anal. Ele não disse exatamente com essas palavras]".
Esse sabe TUDO sobre vc!
Me digam, tem muito blog que recebe trollagem da direita, da esquerda, das radtrolls e dos mascutrolls? É muito amor!

Anônimo disse...

GROSELHA, Zero?????
KKKKKKKKKKKKKKKKKKK!
De morango?

Anônimo disse...

“Cis / Cisgenênero / Cissexismo / Cisprivilegio” – palavras criadas para minar a experiência de opressão, compartilhada pelas mulheres. São nocivos às mulheres, portanto, anti-feministas.

Feminino – categorização do sexo biológico. Normalmente têm cromossomos XX e um útero. Nunca tem um pênis.

Zero disse...

Lola, já entendi muita coisa na vida, mas nunca entendi essa do:

não curte sexo = fria
curte sexo = puta

qual a logica nisso?

e anônimo 18:51

tá de zona que nunca ouviu a expressão "groselha" na vida. ¬¬

Anônimo disse...

Qual a idade mental desse ser? 10 anos?

"GROSELHA Q ENGRASADO KKK VOU COMENTAR DE MORAMGO? HAHA XUPEM EU MITEI"

6º comentário que é apagado, se mata. Que vida de bosta

Anônimo disse...

EU APÓIO O BANHEIRO UNISSEX!!!!
Vou até conversar com o Jean Willys pra fazer passar uma lei que OBRIGUE Shoppings, rodoviárias, Aeroportos e etc... a instalarem banheiros Unissex e acabarem com os banheiros opressores de gêneros (Homem/Mulher).
Vamos à luta, companheiras!!!

Zero disse...

anônimo 18:58

deve ser um piá que leu sites masculistas essa semana e saiu falando bosta por aí.

"cafa" ¬¬

Raven Deschain disse...

Huashua sério isso Lola?

XD meldels. Será que sabe onde fica minha tatuagem tb?

Camila D disse...

Travesti é tratado tão ou pior que mulher, Zero. Justamente porque ele abandona sua condição "suprema" de homem pela de mulher.

lola aronovich disse...

Putz, Raven, agora que vc falou isso é que ele gama! Ele vai deixar TRATADOS em forma de comentários só pra descobrir onde fica a sua tatuagem. E eu vou ter que apagar todos! Vc só me dá trabalho, menina!

Camila D disse...

Não dá nem pra esquentar a cuca com esses otários que vem falar merda aqui. Como diz minha maninha, é mta escrotidão kkkk

Zero disse...

Camila, achei que falarias sobre isso.

sei que sofre. só que isso não torna ele mulher pra entrar em banheiro feminino.

ele ainda é homem. ele se sentir ou se vestir como mulher não isenta ele da possibilidade de vir a causar algum dano à alguma mulher.

essa ânsia de querer acolher todo mundo em único grupo não dá certo.

foi só o que quis dizer.

Camila D disse...

Se eles ficassem escondidos só nos banheiros né. O problema é que muitas vezes eles vivem dentro de casa, disfarçados de "cidadãos de bem". Então a questão de não compartilhar banheiro não tem mt a ver com evitar psicopatas e pedófilos, já que eles podem fazer isso tanto quanto fazem, quando não tem ninguém olhando.

Raven Deschain disse...

Pooohammm Lola. Foi mal.


Mas falando sério. Não sei como vc aguenta. É absurdamente admirável.

Anônimo disse...

Uma pena que o masculinismo tenha enveredado para essa besteira de "homem honrado".


O único masculinismo que dá certo é o "cafa way of life". Experiência própria.


PS: Acho que a Lola tá protegendo a camila, com medo dela balançar por um "mascu", haha

Camila D disse...

Sim, eu entendi o que tu quis dizer. Mas pessoas não causam mal a pessoas somente em banheiros. Travestis e transsexuais não são homens.
Em casa as pessoas separam banheiros tb? É só essa a minha questão. Banheiros são só lugares onde as pessoas fazem suas necessidades e higiene, não esconderijos (se bem que pra mim já foi).

Camila D disse...

Só corrigindo: mulheres trans não são homens.

Zero disse...

Camila, não tem como comparar a segurança de casa (apesar de casos) com a insegurança urbana, onde há muitos riscos e muitas pessoas mal-intencionadas.

sim, são homens biologicamente. e quanto a algum "espertinho" se vestir de mulher?

travesti ou não. ele ainda tem o físico de um homem e é ainda um risco.

com tantas coisas pra serem revistas, misturar homem e mulher logo no banheiro eu ainda vejo como um problema.

Anônimo disse...

Esse rapaz falando em carne e musculo tá tentando imitando o cafa way of life, mas já da pra ver que não entende nada.

PS: Espero não ser hostilizado neste blog. Era hostilizado em comunidades masculinistas por que criava temas do tipo: Qual a maior cafajestagem que vc já fez ?

Anônimo disse...

Ué, se muitas moças aqui já disseram entrar em banheiro masculino.

Qual o problema se mulher de penca entrar no feminino ?

Anônimo disse...

Cara, deixa elas brigarem por mim.
Vale a pena.

Anônimo disse...

Esse tópico me interessa. Próximo evento feminista que houver aqui na minha city vou começar a me descobrir como uma mulher trans. E não vou aceitar que digam que eu sou homem. Quero beijar muuuuiiiitooooooo as lésbica (não aceito discriminação transfóbica)....

Camila D disse...

Zero, há uns meses atrás uma menina de treze anos foi estuprada em plena luz do dia numa calçada, na rua, vários carros passando, e ngm fez nada. Não sei direito o caso pq foi uma ex colegs de trabalho q me contou.
E eu acho q tem como comparar a "segurança de casa com a insegurança urbana" pq a maioria dos casos de abuso e violência acontecem em casa, por isso violência doméstica. E tem aquele ditadinho perigoso tb que diz q "em briga de marido e mulher ngm mete a colher". Muita gente acha que não existe estupro entre casais, pq oras, são um casal né, moram junto, logo fazem sexo.
Sei lá, só não vejo essa história de banheiro público unissex ser perigoso do jeito q pintam pq a maioria as violências acontecem com ou sem ele.

Anônimo disse...

Que assunto mais delicado. Espero que não chegue o dia em que uma pessoa tenha que passar em testes pra saber em que "subseção" do feminismo ela vai cair, que nem nas casas de Hogwarts.

Sobre os banheiros, honestamente não gostaria que virassem unissex. Mesmo tendo 100% de certeza de que nenhum homem vai me fazer mal, é o tipo de constrangimento que não precisa ser explicado. Em relação ás mulheres trans, gostaria que elas se sentissem á vontade pra usar o banheiro feminino, mas não sei o quanto isso prejudicaria a segurança das mulheres (não por elas, mas pelos predadores oportunistas).


Dan

Anônimo disse...

"Predadores oportunistas"... KKKKKK!

Só vou lembrar a vcs que pra vcs nascerem foi preciso um pênis penetrar em uma vagina várias vezes, tá bom???

O mundo idealizado por vcs não tem como existir. Caiam na real!!!!

Zero disse...

Camila, concordo em partes. inclusive frisei isso entre parênteses no meu comentário.

mas também não se pode dizer que banheiros públicos são seguros porque há abuso dentro de casa.

todo e qualquer local publico é suscetível à risco, seja qual for.

p/ anônimos 19:43 e 19:50

é a velha falácia "gay não ter preferencia".

e ué? feminista lésbica não era um bando de gordas feias peludas? porque quer beija-las?

Camila D disse...

Lola, por favor, manda o anontroll ir falar com o Batman! #_#

Zero disse...

"Só vou lembrar a vcs que pra vcs nascerem foi preciso um pênis penetrar em uma vagina várias vezes, tá bom???"

isso foi sexo consentido, idiota. não estupro em banheiro publico....

Anônimo disse...

"Lolinha, o que vc faz da vida,querida?
Sei que vc se diz professora, mas dá aula onde, e em que período?
Pq vc sí vive nesse blog, ou viajando. Estranho, não?
Ou é profesora que ganha sem trabalhar?
Ou o PT da DILMA te paga pra vc ficar colocando idéias "avançadas---UUIII" nas cabeças dos jovens???
Até hj não consigo entender isso. Ou vc é feminista RICA que não precisa trabalhar?"

Não, ela é uma profissional SEM FILHOS. Enquanto tu estás lavando as roupinhas cagadas dos teus no tempo livre, ela está aqui. Deve ser isso.

Anônimo disse...

Só pra informar que nasci de proveta não de pênis em vagina, minha mãe é lésbica. Bjos

Camila D disse...

Mas eu não disse que banheiros públicos são seguros @_@ acho que nenhum lugar rsrs
Vai que cai uma turbina de avião em cima do prédio e me mata, q nem no filme Donnie Darko kkk
Bom, vou sair. A coisa por aqui tá meio tensa e fazendo meu precioso lanche embrulhar no meu estômago.
Té mais, Zero.

Fê Cardoso disse...

Palmas, Camila! Falou tudo.

Zero disse...

Camila, sei que você não disse isso. eu disse, como uma analogia apenas. "Té" mais.

Zero disse...

"Nesse caso vc é filha de uma punheta em um tubo de ensaio. Parabéns!!!!"

um punheteiro falando mal de punheta, não se vê todo dia.

"Coitada dessa aí!
Nascer de proveta e ter uma mãe lésbica!!! Meu Deus!!!
Quanta desgraça na vida de uma pessoa só!!"

lésbica = desgraça

por que? o que te faz crer nisso? não diga que é religião. ¬¬

Anônimo disse...

Teoria Queer – um conjunto de teorias (incluindo a trans) que servem ao patriarcado, ratificando a hierarquia de gênero como uma realidade. Geralmente baseado em sentimentos individuais em vez da realidade material. Muito prejudicial para as mulheres.

Anônimo disse...

A gente passa perigo em tantos lugares. Nao convem arranjar mais um lugar onde possamos ser atacadas.

Fê Cardoso disse...

Essa história dos banheiros públicos unissex, sinceramente, não acho boa idéia. Eu, pelo menos, nunca teria coragem de usar um. Se homens já invadem banheiros femininos pra estuprar mulheres, imaginem banheiros unissex.

Em relação às mulheres trans usarem os banheiros com mulheres, o problema não são elas, são os caras mau caráter que se aproveitarão disso pra cometer abusos. É uma questão bem complicada, essa....

Realmente, mulheres trans não sofrem a mesma opressão que mulheres cis sofrem por nascerem com uma vagina mas.... e aí? Elas sofrem opressão desde que manifestam, às vezes muito cedo e inconscientemente, sua transsexualidade!

Anônimo disse...

A Zero me poupa né você até que tenta mas não me convence, Deve ser o único meio que obteve de ter atenção de alguém. Você na teoria é uma coisa mas na prática vai ter comer muita farinha ainda pra saber do que é feminismo, falar bonito todo mundo quer falar aqui tá cheio de filósofo mas na prática querido são poucos aqui que conseguem ser igualitários, não será você homem cis o melhor exemplo até porque como tu mesmo diz tu és um espanta mulher e desconfio de homem assim.

Anônimo disse...

Zero,

Maioria dos homens (e mulheres tb) se masturba, isso não é problema nenhum. Problema é ser um doente mental com Fobia Social e não se relaciona com mulheres. E ainda vir buscar aprovação social de um bando de feministas que te desprezam.

Fica a dica.

Anônimo disse...

Quem defende tanto banheiro unissex deveria comecar a frequentar só banheiro masculino. E nao vem com papinho q ja foi uma vez no masculino e deu tudo certo. Quero ver ir sempre e sair ilesa. Vai precisar de boa sorte.

Anônimo disse...

Pois saiba que minha mãe lésbica me deu mais amor e educação que tua mãe submissa, vivendo a apanhar de macho. Por isso cresceu um brutamontes que não sabe nem o básico de respeito às mulheres. Desgraça deve ser tua vida, desgraça deve ser você. Trabalho com o que amo, ganho mais que tu, tenho o amor da minha vida morando comigo, faço muito sexo e vou bem de saúde. E nunca apanhei de macho igual tua mãe. Chora.

Anônimo disse...

Tá, meu bem?

=*

Anônimo disse...

ai gente vamo para com baixaria que energia daqui tá ruim por isso que eu digo tira os mascus daqui mas não, insistem em querer deixar, treta dá uma apimentada mas treta com mascutroll da sono.

Anônimo disse...

Crianças não manifestam transexualidade, parem de empurrar essa ideologia tóxica de auto ódio e ódio ao corpo em crianças, isso é abuso infantil, muito cruel e totalmente tóxico, pra não dizer algo pior... O que crianças manifestam é não conformidade com gênero, que é uma construção artificial que funciona como instrumento de manutenção da dominação masculina. Antes de crianças aprenderem a seguir imposições de gênero elas só expressam seus seres livres e não conformes com toda essa podridão.

Anônimo disse...

Agora entendi de onde veio o termo feminazi. Tem gente aqui se pudesse, colocava os homens em campos de concentração.

Anônimo disse...

Transexualização de crianças também é imposição de gênero.

Rita disse...

O ser humano, por mais oprimido que seja, parece ter gosto em oprimir os "ainda mais fracos", como se fosse algum tipo de compensação. Gay misógino, lésbica transfóbica, pardo racista, gordo gordofóbico...

Esse é o país mais transfóbico do mundo, aonde se mata 50% de todas as transexuais e travestis, ver mulher apoiando esse tipo de atitude é deprimente. No fim resta um "si por si", um show de preconceito e discriminação enquanto homens brancos riem e perpetuam sua supremacia nesse país.

Anônimo disse...

O feminismo existe para libertar os seres humanos do sexo feminino da opressão. Nós não deveríamos gastar nosso tempo nos preocupando com os sentimentos ~de
gênero~ de homens abusivos. E o fato de que os ativistas transgêneros são geralmente pró-prostituição deve dizer alguma coisa a vocês. Essas pessoas estão lutando pelos direitos dos homens. Agora que eu já vi tudo que eu vi, eu voltei para o feminismo real, o tipo de feminismo que é para as mulheres. Eu não estou mais confusa sobre o que é uma mulher. Uma mulher é um ser humano adulto do sexo feminino, o que sempre foi. Eu aprendi uma coisa muito importante: eu mesma e as minhas irmãs sempre devemos vir em primeiro lugar.

Anônimo disse...

Ok anon das 22:32. Agora volte para a sua pokebola.

Anônimo disse...

São "pró-prostituição" porque não têm opção de emprego. É isso ou morrem de fome. Você acha que elas adoram se prostituir, correndo altos riscos de vida?

Você não presta pra virar o pescoço e ver o sofrimento alheio, e espera que homens virem os deles e vejam o seu. Hipócrita.

E burra, pois no fim quem perde é você e seu "movimento".

Por Martin Niemoller:

"First they came for the Jews
and I did not speak out
because I was not a Jew.
Then they came for the Communists
and I did not speak out
because I was not a Communist.
Then they came for the trade unionists
and I did not speak out
because I was not a trade unionist.
Then they came for me
and there was no one left to speak out for me"

Anônimo disse...

Blablabla as mesmas acusações e ataques de sempre.
Nenhum macho está pelas mulheres, se manquem...

Anônimo disse...

Burrão, cheio de conclusões precipitadas, acha que sabe muita coisa, mas não sabe de nada.

Anônimo disse...

Poc é pão com ovo entre os gays amores.Geralmente são os gays mais afeminados, que gostam de chamar atenção.

Anônimo disse...

Feminismo é sobre fêmeas. A evidência está no radical da própria palavra, 'FEM'.

Anônimo disse...

Ser mulher é ser "vaidosa", tá serto

Taty disse...

Perfeito.Já morei com algumas travestis e elas realmente se identificam como mulheres,são vaidosas elas sofrem muita humilhação usando banheiros masculinos até porque muitas fazem cirurgia de troca de sexo.

Anônimo disse...

Sem tentativa de gaslight, corta essa ¬¬

Anônimo disse...

Arrasou, Lola... contra aquelazinha que disse que vc não trabalha.

Tati disse...

Que façam um banheiro para os trans, nós que sempre temos que nos fuder? O problema n é elas, são os homens que vão se aproveitar disso, já fazem sendo proibido entrar no nosso banheiro, imagina quando deixarem trans entrarem.
As mulheres trans n tem medo de entrar em banheiro de homem? No fim é a gente que se fode mesmo.

Anônimo disse...

Triste é ver que mulher sempre tem que ceder e se fuder em nome dos machos.
N podemos ferir seus sentimentos sensíveis, agora a gente pode aumentar o risco de ser estuprada nos banheiros em favor das trans.

CCX disse...

Ė obvio que não sou contra a luta trans, só não é minha luta. Meu feminismo é para mulheres XX. XY que lutem, sem tentar dominar nosso território.

camila santos disse...

Infelizmente ou felizmente tenho que concordar com as radicais e até as que não são radicais mas tem o mesmo pensamento. eu não tenho nada contra as trans sério mesmo o unico problema é elas usarem banheiros femininos e homens se aproveitaram disso elas mesmo tem medo de ir banheiro em banheiro de homem então deviam ter em pensamento que as mulheres também tem medo, eu sempre pensei que alguém que ta acostumado com discriminação que ta acostumado a sentir medo conseguisse entender o outro que passa pelas mesma coisas mas isso é pura falácia as trans simplesmente não conseguem entender isso. Eu também tenho notado e já disse em um post aqui sobre trans que se aproveitam do fato de serem mulheres e em uma briga bater em mulheres como não concordar com as radicais? querendo ou não as trans são muito mais forte que mulheres tem até um caso de uma que matou uma mulher e ninguém fez nada afinal era uma briga de mulheres não é mesmo? g1.globo.com/am/amazonas/noticia/2015/04/matou-minha-sobrinha-por-ciumes-diz-mulher-sobre-travesti-preso-no-am.html Nesse caso eu não consigo ver uma mulher matando uma mulher e sim homem muito mais forte usando da força para matar uma mulher, fico imaginando um homem que não é trans ele bate na namorada e veste roupa de mulher e pronto era só uma mulher batendo na outra.

camila santos disse...

E mais uma vez alguns aqui não conseguem parar de pensar em lésbicas isso ta me parecendo amor sério, os machistas de plantão não tão usando muito "ta e os ozomi" agora só pensam em lésbicas se um cara agride a namorada vai ter um no comentário "as lésbicas também agridem suas namoradas" tudo é culpa dos homens né e as lésbicas?

Anônimo disse...


Eu tento ser educada e paciente mas as vezes fica muito, muito difícil.
Eu não sou feminista radical, mas eu sou honesta o que significa que eu consigo entender sem muito esforço a pauta feminista radical.
A primeira coisa é, descontruir gênero é radicalmente incompatível com acolher a ideia da transgeneridade.
A segunda coisa, quando se acolhe a transgeneridade por tabela se define o que é feminino.
A terceira coisa, afirmar as coisas acima não significa desejar que pessoas trans* sejam apedrejadas, não mesmo, ou que tenham direitos civis cerceados, ou que sejam simplesmente ignorados na sociedade, é apenas dizer, feministas lutem pelas mulheres nascidas mulheres e socializadas mulheres e deixem que outros grupos lutem suas próprias lutas.
Agora me digam o que há de tão complicado nisso? O que há de transfóbico nisso?

POC POC é uma referencia ao barulho que um sapato de salto alto faz, é um “apelido” para gay´s que se “comportam como mulheres” na voz, trejeitos...

Soraia

Anônimo disse...

Fiquei meio confusa aqui, se o medo das feministas radicais é que homens se vistam de mulher para estuprarem elas nos banheiros (Pq obviamente eles sentem atração sexual por mulheres)quer dizer que teriam que fazer um banheiro separado para lésbicas então? Pq pra mim é a mesma lógica

Anônimo disse...

Lola seu blog presta um serviço importante, mas sinceramente, quando leio alguns comentários penso que se fosse eu já teria fechado o blog e ido viver off line feliz da vida, tipo esse anônimo perguntando o que vc faz da vida.

Anônimo disse...

anonimo 10:09, sério isso?

Anônimo disse...

.
Anon das 10:09:
Não é "medo das feministas radicais". Eu fui uma das primeiras a mencionar esse receio logo depois que saiu este post, e não sou radfem. Sou feminista, mas não me rotulo com nenhuma das vertentes - liberal, radical, interseccional, etc.

Portanto, trata-se do medo que mulheres têm de seres com pênis (aka homens) poderem acessar tranquilamente um ambiente no qual mulheres ficam isoladas e no qual não deveriam ter que se preocupar em serem atacadas(aka banheiro feminino).

Respondendo sua pergunta, não, não teria que fazer um banheiro para lésbicas. Lésbicas não tem pênis. A separação de banheiros é de acordo com o sexo, aparelho genital, não com sexualidade.

Anônimo disse...

Concordo com o banheiro separado para as lésbicas. Lésbicas estupram mulheres também (e sabe-se que estupram e agridem muito mais que os homens).

São muito mais violentas que os homens. São descaradas e atrevidas.

Tinha que proibir esses seres de frequentar o mesmo banheiro das mulheres. joguem elas(es) lá no banheiro dos homens, já que elas se comportam e se acham como os tais.

Eu mesma prefiro entrar em um banheiro que tenha um homem do que em um que tenha uma lésbica atrevida lá dentro.

lola aronovich disse...

Anon das 11:01, espero que vc esteja sendo irônicx. Se está, a ironia não transpareceu (ou transpareceu apenas para quem sabe como é absurda a afirmação de que "lésbicas estupram e agridem muito mais que os homens").

Anônimo disse...

Anon das 11:01

Eu nunca disse que isso deveria ocorrer e sim apontei que abusos ocorrem (não estou colocando na balança quem abusa mais ou menos), só disse que segundo a lógica de vcs, vcs querem que as pessoas que podem vir a abusar sexualmente não entrem em banheiros frequentados por mulheres.

Jesse disse...

Pois é, Soraia, e a verdade é que essas últimas discussões me fizeram pensar sobre a contradição entre desconstruir gênero e abraçar o transgênero. Eu realmente nunca tinha pensado nisso. Comecei a achar que as caixinhas "mulher cis lésbica" "mulher trans hetero", etc talvez sirvam apenas para naturalizar ainda mais o que desejamos desconstruir (expectativas sobre quem somos social e culturalmente oriundas de nossa biologia).

Dar nomes é importante em uma luta, mas é preciso também ter uma visão de futuro quanto às categorizações que desejamos que permaneçam e nos definam. Construir e desconstruir continuamente a cultura opressora, incluindo os termos em que define própria luta.

Agora, entendo que não vivemos num mundo florido, mas dentro desse contexto, o objetivo final, pra mim, é banheiro único e educar os machos a não estuprar pessoas.

Anônimo disse...

Cara, é muito difícil vocês entenderem que mulher é quem tem útero???

Mila disse...

Acho a discussão sempre válida desde que não viremos um bando de berradoras querendo enfiar a opinião goela abaixo. Eu sempre fui mais de "gênero enquanto construção social", mas não posso negar que alguns argumentos rads são pertinentes: como no caso da socialização masculina (já entrevistei uma psicóloga trans que afirmou que é comum que pessoas trans confundam sua condição com homossexualidade) e como na definição do que é "se sentir como mulher". A maioria dos depoimentos de pessoas trans que já vi diz que elas se identificaram como mulher pq na infância preferiam bonecas e carrinhos, gostavam de maquiagem, salto alto e outros elementos do mundo "feminino". Mas peraí, sabemos que gostar dessas coisas não significa automaticamente que vc é trans. Quantas de nós queriam brincar no lava-jato Hot Wheels mas não o faziam por vergonha? Ou se identificam bastante com o "mundo masculino", mas não são trans. Sempre tive dúvidas do que é essa tal identificação e confesso que os argumentos rads neste sentido são bem pertinentes.

Ághata disse...

É triste ver que, quanto mais comentário anônimo, mais ofensas e brigas.

Quanta baixaria. O que é isso? Abriram as portas do inferno?

donadio disse...

"Lolinha, o que vc faz da vida,querida?

Sei que vc se diz professora, mas dá aula onde, e em que período?

Pq vc sí vive nesse blog, ou viajando. Estranho, não?

Ou é profesora que ganha sem trabalhar?

Ou o PT da DILMA te paga pra vc ficar colocando idéias "avançadas---UUIII" nas cabeças dos jovens???

Até hj não consigo entender isso. Ou vc é feminista RICA que não precisa trabalhar?
"

E você, é policial? Dedo-duro? X-9? Alcagüete?

Por que não vai cuidar da sua vida?

donadio disse...

"por exemplo, só policial mulher pode revistar mulher."

Pois está aí um conceito interessante.

Somos todos a favor - suponho - de que transexuais possam fazer concurso para a polícia, e, em passando, vestir a farda e fazer a ronda. Ou não?

Quem acha que uma revista íntima por uma mulher transexual pré-op é a mesma coisa que uma revista íntima por uma "mulher cis" levanta a mão...

Rosanna Andrade disse...

"Quem acha que uma revista íntima por uma mulher transexual pré-op é a mesma coisa que uma revista íntima por uma "mulher cis" levanta a mão..."

o/
Eu acho, ué. N precisava nem ser operada, na vdd.

Anônimo disse...

Após fazer uma pesquisa, radical feminism ja foi descreditado e tachado como grupo de ódio na internet. Hoje em dia andam pra trás dizendo que "não odeiam transexuais" e bla bla bla, fazendo um "controle de dano".

O melhor a fazer é ignorar essa minoria, incuindo homens que se identificam com esse grupo pra espalhar mensagens que incitem a violencia.

Rosanna Andrade disse...

Eu acho que vcs n podem basear o que é "ser mulher" nas afirmações de algumas mulheres trans. Elas estão tão inseridas na nossa sociedade qto nós e tendem a reproduzir esses valores. Elas se sentem mulheres - isso é fato - o pq disso elas podem simplesmente racionalizar.

O "ser mulher" é definido por cada uma de nós, a identidade é individual. Não vejo muita dificuldade nisso.

Raven Deschain disse...

Eu acho Donadio. E como disse a Rosanna, nem precisa ser operada.

Ahn, mas isso levanta um questionamento legal. Alguém ali encima falou em pênis, pq o pênis, pq tem pênis, e medo de pênis, bilau, piroca, caralho.

Uma trans operada pode usar a porra do banheiro então? E como alguém vai saber? Vai ter um investigador de pacote na porta?

Mila disse...

Rosanna,
Mas e quando queremos desconstruir gênero, onde entra o que nos ensinaram sobre ser mulher e o que é ser mulher? Entendo que as percepções são individuais, mas quais são os pontos comuns? O que me faz me identificar como mulher e identificar a outra como mulher? E se a pessoa quiser sair do binarismo entre masculino e feminino, se ele existir.
Eu ainda vejo muita dificuldade nisso. E muitas teóricas apresentam diferentes acepções sobre este tema, então acho que é sim, algo muito polêmico (nem sei se teremos um consenso sobre isso algum dia).

Anônimo disse...

meu chorinho era com a misandrinha
mas já que não deram atenção
não sou macho e o apoio pra cursar engenharia
não foi socialização

e eu queria às vezes ser menina
meu corpo se tornou uma prisão
já que dizem q sou homem e não posso dar palpite
fiz uma trans*formação

fui colorir o cabelo
e por lápis no olho
e pro carnaval vou que vou

você é só um bibelô
que me humilhou
só por ser quem eu não sou

chamem-me de trans-alteza,
de voz da sofrência
de floco oprimido e mais raro

e sofro transfobagem
dessas radical
mas só no carnaval

Anônimo disse...

Vê se luta por mim
abre o espaço pra mim
senão é violência

Muda a língua por mim
faz tudo ser sobre mim
ou é feminista burguesa

Cala a boca se eh rad
mas dá voz pra chantagem
de quem malha mulher
pois todas opressões
mamãe das lutas deve atender

Mudo ao meu favor
o que é ser trans
quando eu bem entender

Crossdresser se veste
e fica de pau duro
e tá no guarda-chuva trans*eiro

Mas só falam em trava
e em macho castrado
no lobby de invadir banheiro

Laerte se veste
e fica de pau duro
e tá no guarda-chuva trans*eiro

Mas só falam em trava
e em macho castrado
no lobby de invadir banheiro

Anônimo disse...

O fato do feminismo radical ser qualificado por HOMENS como grupo de ódio devia ligar uma boa sirene na cabeça de vocês. Ligaria, se não fosse a socialização.

Anônimo disse...

Meu problema com as rads é que elas pregam que somos menininhas frágeis e ingenuas, e uzômi só nos machucam, esses brutos. Buá. Af, faça-me o favor. Trabalho em um shopping bastante frequentado pela galera glbt e já vi algumas trans no banheiro feminino. E adivinha? Não tá tendo uma epidemia de estupros por aqui.

Anônimo disse...

Radfems são as fundamentalistas religiosas da religião. São intolerantes e querem impor a sua ideologia a todas às mulheres.
Radfems tratam hetera e bi como traidoras. Não respeitam nem os homens trans, que elas consideram mulheres compulsoriamente.

Anônimo disse...

kkkkkkkkkkkk acho tão engraçados todos esses jargões imprecisos desses dialetos pós modernistas

Anônimo disse...

"Meu problema com as rads é que elas pregam que somos menininhas frágeis e ingenuas, e uzômi só nos machucam, esses brutos. Buá."

Não, quem prega isso é o feminismo neovitimista falocêntrico 2015, que trata Mallu Magalhães como uma retardada mental e não permite que ela seja protagonista da sua própria história.

Rê Bordosa disse...

Acho que já comentei aqui no blog, mas não me custa repetir, que um dos maiores problemas da nossa sociedade é: muitas pessoas, incluindo aquelas que se dizem ativistas, não estão interessadas em defender PRINCÍPIOS, mas interesses.
Exemplos:

"Sou feminista não porque me incomoda o fato do machismo ser uma forma de injustiça e machucar tantas pessoas. Sou feminista porque sou mulher e o machismo ME atinge. Se eu fosse homem provavelmente eu seria machista".

"Por trás do meu discurso de mundo melhor se esconde um fato: luto para que eu, mulher cis, branca, consiga meus direitos, então foda-se o mundo melhor, transexuais, negros..."

"Eu, homem negro exijo ser respeitado... Mas cubro minha esposa de porrada e odeio viado".

"Eu sou judeu, quero respeito e que a lei me defenda de neonazistas preconceituosos... Mas tirem de perto de mim esses pretos favelados".

"Eu sou gay/lésbica, vou na parada todo ano pedir respeito e inclusão... Mas odeio afeminados, eles queimam o filme da minha causa".

"Eu sou uma mulher negra, lésbica, não admito piada machista, racista e homofóbica... Mas adoro piada de anão".

"Eu quero liberdade de expressão... Para mim, e o direito de calar a voz de quem discordar de mim".

O mundo não muda, enquanto acharmos que ele gira em torno do nosso umbigo.

Rê Bordosa disse...

Concordo com a Mônica de Freitas.
Na boa, acho que esse lance de proibir a entrada de trans no banheiro é paranoia pura.
Homem que quer estuprar, tem milhões de formas mais fáceis de fazer isso que bolar um plano mirabolante e sair por aí disfarçado de mulher (pode até ter um ou outro maluco, exceção da regra).
E outra: nada impede, nos dias de hoje, um homem vestido como homem, entrar no banheiro feminino, espionar ou estuprar e sair correndo. Conheço mulher que já foi espiada e filmada por um maluco que se trancou na cabine do banheiro e usou o celular pra filmar. A norma que temos hoje de banheiros separados é apenas uma norma, não é uma barreira física. Deixar que transexuais entrem não vai mudar nada para mulheres cis.
No mais: não há nada que impeça uma mulher muçulmana de entrar com véu ou burca num banheiro feminino. Vão exigir que elas retirem a burca e o véu para comprovarem que são mulheres?
Conheço lésbicas e homens transexuais que são super masculinos, às vezes eu mesma fico na dúvida sobre qual é o gênero biológico. Esses sempre usaram o banheiro feminino de boa. E aí, vão começar a exigir que eles tirem a roupa pra mostrar que não tem pau?
Mulheres transexuais, ao contrário do que o "feminismo" transfóbico quer fazer parecer, não são inimigos crueis, predadores e machos do mal, são mulheres que nem a gente, que sofrem com machismo cabulosamente. Elas não querem nos estuprar e tomar o "nosso espaço" (que malvadas), querem apenas o que é delas por direito... Ou vocês acham que um banheiro masculino é um espaço adequado à transexuais só porque nasceram com pinto? Vocês acham que transexuais não sofrem violência no banheiro masculino? E muita!
É um tanto hipócrita dizer "eu não sou preconceituosa, eu adoro transexuais... Desde que bem longe do MEU espaço. Eu quero combater estupro à mulheres cis, as mulheres trans que se arrombem no banheiro masculino".

Wal disse...

Gente eu acho os argumentos de ambos tanto os que são a favor como os que sao contra a questão das trans, muito inteligentes e bem elaborados, mas tem algumas perolas aih, ou melhor uns delírios, nao deixe o radicalismo cegar a inteligência, um home sair,vestido de mulher pra estuprar mulheres num banheiro feminino.... por favor ne.... eu acho que as feministas radicais ou não... nao deveriam virar as costas pra mulheres trans, se elas tem uma causa de combater um preconceito que sofrem façam isso também pela causa maior que seria combater todo tipo de preconceito, discriminaçao, violência e opressão, afinal somente quando as minorias se unirem eh que a nudança podera começar, separadas sem um grito uníssono nao se chegara a nada mais que ecos no vazio