sábado, 26 de abril de 2014

COMETEU CRIME HEDIONDO E QUER SER POLICIAL

Esta história fundiu minha cabecinha, porque não sei o que pensar.
Muitas das pessoas que me leem são jovens, e nem estavam vivas, ou eram crianças, em 1997. Nesse ano aconteceu um crime terrível em Brasília: na madrugada do dia 20 de abril, cinco jovens de classe média-alta atearam fogo ao índio pataxó Galdino Jesus dos Santos, que dormia num ponto de ônibus. 
Galdino era um líder indígena que tinha vindo da Bahia para participar de comemorações do Dia do Índio e fazer reivindicações. Ele e outras lideranças chegaram a se reunir com o então presidente FHC. Morreu queimado, horas depois. Hoje há alguns monumentos em sua homenagem. O local onde ocorreu o assassinato foi rebatizado de Praça do Compromisso. 
Em sua "defesa", os jovens criminosos disseram, na época, que só queriam dar um susto no homem, e que pensavam que ele era um mendigo. Esse tipo de "defesa" foi usada novamente em 2007, quando cinco rapazes, também de classe média alta, espancaram uma empregada doméstica num ponto de ônibus no Rio. Eles pensaram que era uma prostituta (porque, né, atear fogo em mendigo ou espancar prostituta, tudo bem).
Voltando ao terrível caso Galdino, quatro dos cinco jovens foram condenados a 14 anos de prisão, desfrutados com inúmeras regalias que são concedidas apenas aos brancos bem nascidos que raramente vão parar na prisão. O quinto envolvido era menor de idade quando cometeu o crime. Tinha 17 anos na ocasião, e por isso teve que cumprir apenas medida socioeducativa de quatro meses. Saiu do centro de reabilitação juvenil com ficha limpa, como manda o Estatuto da Criança e do Adolescente.
Dezessete anos depois, Gutemberg (o menor de idade na época) prestou concurso para a polícia civil do DF. Passou em todas as provas (objetivas, discursivas, biométrico, psicológico, de capacidade física). Faltava só a análise da vida pregressa. Porém, como ele não tinha antecedentes criminais (afinal, pela lei, a infração de um menor de idade é apagada), ele teria que ser aprovado. E não foi. É essa a dúvida.
O Correio Brasiliense publicou uma boa reportagem ontem, entrevistando especialistas com opiniões discordantes. Mas é quase unânime que, se Gutemberg entrar na justiça, conseguirá a aprovação no concurso, porque ele não pode ser punido ou discriminado por um crime cometido quando era menor. Outra coisa, que muita gente ignora, é que maiores de idade que cumpriram sua pena tampouco podem ser discriminados. 
Ou seja, se algum dos outros quatro rapazes prestasse concurso e passasse nas provas, seria aprovado -- obteria a certidão de nada consta se tivesse cumprido a pena e ficado mais dois anos sem delitos. "Não existe punição perpétua. Depois que pagou pela pena, o indivíduo deve ser reintegrado à sociedade", disse um advogado à reportagem.
Então. Tudo isso mexe comigo. Sou contra a redução da maioridade penal, porque acho que isso simplesmente não resolve. A cada caso de violência que causasse comoção pública, teríamos que baixar mais e mais a maioridade, até o ponto de querer mandar, se depender da sanha punitivista de muitos, crianças de cinco anos para a cadeira elétrica.
Sem falar que reduzir a maioridade colocaria no xilindró apenas alguns menores de determinada cor e classe social.  E sem falar que há infinitamente mais menores de idade que são mortos (por adultos) do que menores que matam. 
Eu sou contra a barbárie, e barbárie, pra mim, não é só o bandido que estupra ou mata ou queima uma pessoa, mas também quem lincha esse bandido. 
Como sou contra a pena de morte, acredito em reabilitação. Acredito que as pessoas possam mudar e aprender a conviver pacificamente em sociedade. Mas acho que um criminoso deve ser punido (por exemplo, quero que o goleiro Bruno passe boa parte dos 22 anos a que foi condenado pelo assassinato de Eliza Samudio preso, sem poder ser contratado para jogar futebol). Punido e reabilitado. 
Sou a favor que Gutemberg exerça algumas profissões, mas não outras, como policial ou juiz. Eu não quero que um sujeito que cometeu o crime bárbaro de queimar alguém tenha acesso a uma arma e a muito poder. Até porque a gente sabe que a carreira policial atrai muitos caras problemáticos, preconceituosos, violentos, trigger happy, digamos (eu pensava sempre nos amigos de Alex em Laranja Mecânicadepois que conheci os mascus, vi que existem vários policiais entre eles). 
Lógico, eu não mando nada, e quem tem que decidir é a justiça. Mas o tema da reabilitação, do perdão (que pra mim não tem o menor sentido religioso), é algo que sempre me inquieta. Quanto tempo é necessário para que a gente "absolva" uma celebridade que cometeu um crime? O que seria totalmente imperdoável pra você?
Eu penso sempre no ótimo filme do Cronenberg, Marcas da Violência (veja trailer), em que um pacato dono de um bar numa cidadezinha mata dois criminosos sádicos, em legítima defesa. Sua mulher descobre que ele havia sido um mafioso assassino vinte anos atrás, antes de conhecê-lo. E aí, o que você faria? Separa-se dele? Continua com ele, porque ele sempre foi um marido exemplar? 
E se não estivermos falando de um mafioso assassino, mas de algo mais dúbio? Tipo: você é super amigx há dez anos de um cara, e aí fica sabendo que ele atropelou e matou alguém enquanto dirigia bêbado, dez anos antes de vocês serem apresentados. Ou você descobre que aquela pessoa que você gosta tanto participou de um trote que resultou na morte (ou estupro) de um calouro. Ou alguém te conta que seu melhor amigo votou no Collor pra presidente em 1989. Você segue sendo amigx dessa pessoa?
Pra mim essas questões morais me soam interessantíssimas. Mas, no caso do Gutemberg ingressar na polícia civil, não sei se tenho opinião formada.

124 comentários:

Anônimo disse...

Realmente são questões muito difíceis, mas acho que pra ter uma opinião concreta eu precisaria conhecer esse rapaz, saber se houve uma mudança ou não na mentalidade dele.
Falando superficialmente, não, eu não gostaria de ver esse homem num cargo onde haja poder para subjulgar qualquer pessoa, mas acredito que pessoas mudem e bla bla bla.
Acho que a única coisa certa sobre tudo isso é que nosso sistema penal precisa de mudanças, mas o que nesse país não precisa não é mesmo?

Anônimo disse...

Em tese, o reste pscológico serviria para atestar se ele se recuperou ou não (se é um psicopata nato ou alguém que agiu por mob mentality ou qualquer outra coisa). Não sei se o teste realmente se presta para isso, mas se ele passou, deveria ser aprovado.

Anônimo disse...

Sobre redução da maioridade penal, tem uma reportagem bem legal a respeito das experiências de outros países, mostrando que a medida não melhora em nada o problema da violência. Acho que é uma informação boa, que tem a ver, talvez indiretamente, com as questões que a Lola levanta neste post e que é importantíssimo pro debate sobre violência no Brasil e no mundo:
http://www.revistaforum.com.br/blog/2014/04/paises-que-reduziram-maioridade-penal-nao-diminuiram-violencia/
Juliana

Anônimo disse...

Tem que baixar a maioridade penal ,crianças não saem com armas matando os outros,adolescentes sim.
E graças a impunidade que isso só aumenta.
Nesse caso,o babaca queimou uma pessoa viva mas isso foi não tão grave a ponto de pagar a pena corretamente só porque era menor de idade,isso não faz sentido nenhum.Parece que o crime só é considerado grave de acordo com a idade da pessoa não do crime em si.
E é cômico,agora ele querer defender o cidadão,nunca que eu ia confiar num traste desse.

Fábio Henrique disse...

Que beleza as leis esquerdistas brasileiras hem? o cara matou outra pessoa, com requintes de crueldade,por motivos fúteis, ta pouco se lixando para seus atos...e não ficou nem 4 anos atras das grades....tai prestando concurso publico,no bem bom....
Ai você pergunta para um esquerdista "que zorra e esta"
E ele te responde
"veja bem, o punitivismo não leva a nada,blah blah blah, á temos meio milhão de presos, ti ti ti.....
Se liguem, a pessoa que ele matou continua morta, ele não se arrependeu de droga nenhuma do que fez, provavelmente esta pouco se fodendo, mas seria diferente se pegasse pelo menos 20 anos de cadeia, em regime fechado do começo ao fim ( entrasse com 20 e saísse com 40) tapando buracos de estrada enquanto isto, este sim seria um bom exemplo para que outros retardados pensassem 50 vzs antes de fazer barbaridade igual.

Anônimo disse...

Faltava só a análise da vida pregressa. Porém, como ele não tinha antecedentes criminais (afinal, pela lei, a infração de um menor de idade é apagada)
-
Que legal ,obrigada esquerdistas, isto funciona assim ô
https://fbcdn-sphotos-c-a.akamaihd.net/hphotos-ak-prn1/t1.0-9/10252142_318729028278469_5736996647113676210_n.jpg

Elaine Pinto disse...

Realmente, Lola, bons questionamentos. Também acredito na recuperação, mas quatro meses não me parece tempo suficiente para que alguém compreenda a gravidade de um ato como aquele e se regenere. No entanto, nada o impede de assumir a vaga... É tudo muito complicado mesmo.

Anônimo disse...

Sawl

Lola, pode parecer extremo da minha parte mas acho que certos tipos de criminosos que já cumpriram suas penas não vão se reabilitar NUNCA!
Não acho que um estuprador tem chance de ver mulheres como seres humanos, não acho que pedófilos possam deixar de atacar crianças(a menos que seja como nos EUA onde eles são cadastrados e no Brasil não ocorre isso por hipocrisia, e depois que saem são obrigados à tomar medicação equivalente à castração química) e tampouco que assassinos cruéis possam se tornar pessoas melhores!
A pessoa pode cumprir a pena e ter alguma oportunidade, mas, "certas oportunidades" soam como um "prêmio" para os crimes que cometeram!
É só ver o caso de um dos TRASTES que arrastaram o menino João Hélio no RJ durante o assalto. O vagabundo assalta, ajuda a matar uma criança inocente e depois que saiu de sua CURTÍSSIMA pena, uma ONG de merda vem e leva o cara pra Suécia pq ele "teoricamente" corria risco de vida! Isso não só é um deboche aos pais do menino assassinado como tb é um deboche à toda sociedade. Pena que esqueci o nome dessa ONG maldita e oportunista!!
Quanto ao cara que matou o índio, ele poderia escolher qualquer profissão MENOS uma ligada à polícia ou justiça!
Querer ser policial depois que matou um ser humano, não interessa que seja menor de idade, é um absurdo, esse vagabundo quer rir da cara da sociedade!
Acho as leis do Brasil muito permissivas. E tem um fedor de "coitadismo" que me incomoda!
Não vejo nos EUA ou na Europa tanta proteção à bandido! Leis mais fracas que no Brasil, só alguns países da África e Oriente Médio onde estupradores não são presos!
E sou a favor sim, da redução à maioridade penal pelo menos pra 16 anos pq nessa faixa, a maioria dos adolescentes são USADOS pra aliciamento do tráfico já que estão perto dos 18, mas, não podem responder. E fica um questionamento, se jovens de 16 e 17 anos podem votar pq não podem ser responsabilizados criminalmente?! As famílias das vítimas que se recolham em seus sofrimentos e a sociedade que se foda pq cavalos de quase 2 metros que estupram, sequestram, matam, não podem ser responsabilizados nem sequer chamados de criminosos?!
Se este cara conseguir(o que infelizmente vai) ser policial, é só mais uma mostra da IMPUNIDADE deste país tão permissivo com bandidos e tão impiedoso com as vítimas!!


Sawl - Always the rebel

Patty Kirsche disse...

Eu acho qua a principal pergunta a ser feita, e que o sistema judiciário brasileiro jamais faz, é se o réu é reabilitável. Psicopata não aprende cumprindo pena, não adianta. Tem que ficar preso pra sempre e acabou, não tem como reintegrar. Isso vale tanto para o goleiro Bruno, como para o Champinha. No caso desse fulano que quer ser policial, essa questão deveria ter sido examinada quando ele cometeu o crime, não interessa se era menor. Eu tenho absoluta certeza de que o sistema prisional melhoraria muito se ao invés de se pensar em reduzir maioridade penal, fosse pensada uma política específica para psicopatas.

Roxy Carmichael disse...

eu concordo que pessoas que já cumpriram pena podem trabalhar, mas que alguns cargos estariam vetados. imagino que existe uma hierarquia de crimes no próprio código penal, não? de forma que assassinato (é o nome da brincadeira do playboy em questão) deveria restringir o réu condenado a exercer algumas profissões. e ele se postular pra esse cargo me soa quase como uma provocação. era viva, morava em brasília nessa época, inclusive um dos jovens estudava na minha escola, e estudou com a minha irmã.

Anônimo disse...

Sr Fabio Henrique confundindo ideias de direita com ideias de esquerda...

Anônimo disse...

Esse povo fica falando de leis esquerdistas, mas em relação ao crime especifico nem era um governo de esquerda no poder...

Ai td é culpa da esquerda e esquerda é o PT, pessoas assim me dão raiva de debater... pior que falar com as paredes...

NAZGUL disse...

não acredito em recuperação de psicopata, conheço gente assim pois ja convivi com gente assim durante anos que hoje em dia se tornou inimigo meu e estou numa guerra que ja ta durando 2 anos contra esse cara, a 2 anos que não saio tranquilo na rua por causa disso, e recentemente aumentei minha posse de armas brancas

se o cara é psicopata mesmo, o teste psicologico nunca vai pegar, teste psicologico costuma pegar psicóticos(como eu, fui reprovado no exame psicologico da efomm em 2008, mas tambem foda-se, porque passo muito mal em navio, nem era pra passar mesmo), mas psicopata eles não pegam não.

eu ja conheci um cara que tem pinta de psicopata mesmo, que tentou me matar na infancia, e hoje em dia é militar, psicopatas enganam no teste, eles sabem fingir e manipular as pessoas. e é justamente pelos psicopatas existirem que eu odeio a humanidade, eles são 3% da humanidade e mesmo assim muitos deles tão no poder nesse munod manipulando milhões.

acho que a unica solução contra a psicopatia é a misantropia, pois só o misantropo egoísta não se deixa manipular por psicopatas, o misantropo sem duvida é o maior inimigo do psicopata, pois ele impede que o psicopata exerça seu dominio completo no circulo social onde vive. e é por isso que eu estou em guerra total contra um psicopata que mora aqui no condominio, ja ouvi falar que ele tem ate uma arma de fogo e planeja me matar a tiros. mas a vida é guerra mesmo, e eu nunca desisto.

Anônimo disse...

Sobre o Bruno torço para que ele saia logo e sim seja contratado, parece que ele ja assinou com um time pequeno, mas quem sabe não volta para o flamengo. Me desculpem mas nunca senti empatia alguma pela Eliza quem mandou dá uma de esperta interesseira.

@dddrocha disse...

Lola, espero mesmo que ele não consiga assumir o cargo, mas segundo meu marido, ele consegue na justiça sim.
O estranho é que quando a notícia saiu na mídia ele tinha passado em todas as provas anteriores, e depois do bafafá todo, a banca reprovou o cara na investigação social.
Os editais de concurso de polícia realmente falam que o passado da pessoa tem que ser impecável, mas como a lei garante que depois da pena ela tenha a ficha limpa, já não sei o que poderá ser feito nesse caso.

Anônimo disse...

Gutemberg Nader Almeida Junior, ou G.

Anônimo disse...

Ele ja foi reprovado ano passado no concurso pra ser policial civil em Goias. Passou em todas as etapas, menos na ultima, avaliacao da vida pregressa. E agora nao vai passar de novo.

Ana disse...

Sawl disse tudo!!!! As pessoas se lixam para as vítimas e morrem de pena dos marginais,basta aparecer a polícia encostando o dedo num bandido que o povo dos direitos humanos chiam mas n fazem o mesmo na hora de se revoltarem com o sofrimento das vítimas dos pobres bandidos.

Adolescentes tem consciência suficiente para votar mas n para responder pelos seus crimes.
Tem gente que n se recupera e mesmo q faça é difícil acreditar ou confiar nessas pessoas.
Esses lixos mataram um homem cruelmente,eles são capazes de fazer qualquer coisa.
E a grande pena do coitadinho "di menor" é prestar serviços por 4 meses??????!!!!!!!!E agora quer posar de herói que vai defender a sociedade de marginais iguais a ele???????
O Brasil é uma vergonha,impunidade demais.

Agora se fosse uma pessoa que eu conheço,daria para desculpar dependendo do que ela fez,roubar dá para relevar,agora matar,estuprar,atear fogo nos outros,não dá mesmo,só mostra a crueldade da pessoa.
Ia ficar bem longe não interessa se é amigo,namorado,parente.

Ana disse...

Anon de 12:31,vi o link e é assim que funciona mesmo.

Anônimo disse...

Lola vai chamar sua leitora fiel = Sawl - de reaça?

Anônimo disse...

Olha, eu conheço uma pessoa que matou um cara quando era adolescente. Já adulto, ele passou no concurso da Polícia Federal. Quando pegou o nada consta da polícia, tudo bem. Quando foram verificar a vida pregressa, cortaram ele. E não houve Justiça no mundo para garantir a vaga a ele. Se será assim num caso de tanta visibilidade eu não sei, mas acredito que sim. Não dá pra ter na polícia pessoas com esse histórico. A polícia já tem problemas demais com a seleção que fazem, imagina se começarem a aceitar pessoas com um passado desses.

Anônimo disse...

Eu sou totalmente a favor da reabilitação de qualquer pessoa que cometeu um crime. Qualquer pessoa tem a capacidade de refletir e se arrepender do que cometeu para, então, se reabilitar e desempenhar seu papel na sociedade. Se eu não acreditasse nisso, ia querer a pena de morte para todos os criminosos.

um menino que cometeu esse crime horrível quando tinha 17 anos não pode ter se tornado um homem justo, com uma noção ainda maior do que é a injustiça, já que ele cometeu um grande injustiça? Eu acho que sim. Deveria haver uma avaliação criteriosa do caráter dele hoje, sem considerar o que ele cometeu há 17 anos.

Acho que muito mais importante do que querer punir para sempre ou cada vez mais cedo é lutar por um sistema penal que de fato ajude a reabilitar as pessoas.

acho que há 300 anos, muita gente devia achar "uma loucura" deixar alguém q cometeu um crime continuar vivo. e, no entanto, a humanidade (ou boa parte dela) encontrou novas formas de lidar com o crime.

o que acontece no brasil é que o sistema prisional dá muito pouca chance de reabilitação a quem cometeu um crime. a maior parte dos presidiários cometeu delito sem gravidade. muitos, se tivessem acesso à justiça, nem estariam presos. Mas tratamos todos como se fossem a escória. se eles chegaram lá por falta de oportunidade ou justiça, vão sair da prisão ainda mais injustiçados e sem oportunidades. Daí a espiral de violência sem fim.

ficou grande, mas, esse assunto é difícil e, acho, muito mal abordado no brasil.

aiaiai


Feminazi Satânica disse...

Não acredito em punitivismo (pelo menos não da forma que os "justiceiros" querem), mas acredito que para certos concursos deveria haver limites sim. Tem pessoas que não deveriam ser policiais nunca. Se esse louco fizesse um concurso pra qualquer outra coisa tudo bem, mas policial? Poupe-me!

Elen disse...

As leis desse país são uma maravilha mesmo,um bando de infelizes ateam fogo em outro ser humano(nem dá para imaginar a dor de morrer queimado) e pegam míseros 14 anos de cadeia e o pobre adolescente que não sabe o que faz,pega 4 meses de medidas socioeducativas.
Qual foi a medida educativa que deram lá? Que fazer fogueira com outra pessoa é cruel e desumano? Um babaca com 17 anos não sabia disso?
Se ele conseguir o quer,virar defensor dos cidadãos,será só mais uma prova de como esse país é podre.

Anon de 14:03,são os esquerdistas que morrem de pena dos bandidos menores de idade,com essa conversa fiada de que não tem entendimento suficiente para saber que é crime atear fogo nos outros,matar,roubar,estuprar e só fazem isso porque são pobres(mais uma vez eles não tem culpa de nada e a crueldade deles também é culpa da pobreza),como se todo pobre fosse bandido e não existe gente rica praticando crime.
O cérebro de todos só passa a funcionar assim que faz 18 anos e ai sim pode arcar com as consequências dos próprios atos.

Se baixar a maioridade penal não há risco nenhum para as crianças,esse argumento é ridículo,crianças realmente não tem noção das coisas e não podem ser responsabilizadas,agora adolescente sabe muito bem o que é certo ou errado.

Estão falando que não resolve prender adolescentes,podemos falar o mesmo dos adultos,mesmo sendo presos,crimes ainda acontecem e aí fazemos o quê? Deixa todo mundo solto,impunidade generalizada?
Se as leis funcionassem de verdade ,sem regalias,sem sair mais cedo por "bom comportamento",acho que pensariam 2 vezes antes de fazer merda,mas como sabem a palhaçada que é isso aqui,fazem o que querem e não estão nem aí.
Pegou 30 anos de cadeia,se faz de morto lá dentro e não cumpre nem a metade da pena,tem é que mofar os 30 anos preso.

Anônimo disse...

A questão pra mim é - como é feito esse teste psicológico? Esse rapaz foi de fato reabilitado?
Também me parece perigoso colocar uma arma e dar um posto de poder para alguém com um histórico tão macabro.

Acho que o sistema correcional brasileiro não corrige p**** nenhuma. Cadeia no nosso país é depósito de gente. Gente que entra lá ruim e sai 10x pior.
A primeira coisa seria mudar essa realidade e oferecer reabilitação de verdade para essa gente.

Porém acredito que há crimes MUITO graves e pessoas que estão além de qualquer correção. Tortura, latrocínio, estupro, tráfico de seres vivos, sequestro, assassinatos brutais, terrorismo estão nessa categoria. Não sou a favor da pena de morte, mas sou a favor de manter pessoas altamente perigosas e irrecuperáveis longe da sociedade. E por isso sou a favor da prisão perpétua - mas claro - dentro de um sistema prisional decente. Caso contrário não somos melhores do que eles...


Jane Doe

NAZGUL disse...

que se foda o humanitarismo. antes de ficarem com papo de humanitarismo, estudem sobre psicopatia, e vejam como esse tipo de pessoa pensa e se comporta. quanto mais eu conheço o ser humano, mais ódio da humanidade eu sinto, uma vez que sempre haverá erros genéticos, ou seja, nascimentos de sociopatas em 2,5%.

as grandes merdas que existem saõ o esquerdismo e o cristianismo que deixam marginais viver em sociedade. os esquerdistas são anti-religiosos, sob um ponto de vista anti-religioso, qual o sentido de perdoar um assassino? não é a religião cristã ou budista que cria esses dogmas supersticiosos de que tem que perdoar e ser passivo pra ganhar uma vida melhor apos a morte? religião é uma merda, eu tambem não gosto das religiões pagães com papo de matar deficiente físico. não sou ateu, creio que há continuação apos a morte, mas não sigo nenhuma religião, pra mim essas superstições são todas falsas e tudo enganação.

Anônimo disse...

Sawl

Ana, valeu por concordar comigo, querida. Abraço. :)

Anônimo das 15:07. Se a Lola me considerar "reaça" não tem problema, cada um tem sua opinião. Não me considero nem de direita, nem de esquerda nem dona da razão. Sim, eu tenho alguns pontos de vista diferentes da Lola assim como tb diferentes até de pessoas do meu convívio: marido, pai, mãe, amigas, etc.
Isso faz a democracia. Um lugar onde todos expõe suas opiniões e se elas diferem, há um debate saudável NUNCA uma inimizade.
Apesar de não concordar, respeito a opinião da Lola sobre a questão da redução da maioridade penal pq sei que é controverso, eu até acho que em um país como o Brasil fica difícil saber se seria aplicado corretamente as penas pq aqui geralmente quem paga é pobre e pessoas de cor! Nosso país infelizmente é racista, machista e não gosta de punir criminosos da elite(vide os de colarinho branco e aqueles trastes que mataram o índio Galdino).
Eu sou a favor de uma reestruturação na polícia, onde vermes como este cara NUNCA seriam aceitos e os que foram e cometeram crimes seriam expulsos e presos, aí a polícia seria respeitada; e a favor da reestruturação das leis para se punir severamente crimes hediondos!


Para Anônimo das 14:12
Eu não simpatizava com a Eliza, assim como eu nunca simpatizei com nenhuma "maria-chuteira", e outras "marias"(curiosamente minha mãe se chama Maria, mas, sempre foi uma mulher batalhadora e digna que nunca procurou ser sustentada por homem, meu pai era pobre e cabo da Marinha quando eles se casaram), mas, a questão NÃO é simpatia!!!
Ela podia ser uma interesseira e até não ter caráter, mas, a questão aqui é o crime que o Bruno cometeu!
Eu vi em um programa sobre crimes há algum tempo atrás, um caso nos EUA onde um jogador de futebol americano agrediu severamente a ex-mulher, que segundo ele, era um a interesseira e estava com um conhecido seu. Ele invadiu a casa, e a espancou várias vezes com um bastão de beisebol. Claro ele sendo um homem forte, o estrago foi sério. Ela teve costelas quebradas, as pernas ficaram fraturadas, e o rosto completamente inchado e quase perdeu a visão de um olho. Resultado? Prisão PERPÉTUA por tentativa de homicídio!
A questão aqui não é que ela fosse interesseira, infiel, ou qualquer outro "adjetivo" a questão aqui é que se tratava de uma mulher indefesa dentro de sua casa, e seu ex invade a residência e quebra a mulher por inteiro!!
Agora te pergunto, quantas mulheres tentaram ou até mataram seu ex-namorados, ex-amantes, ex-maridos porque eles foram infiéis, ou tiraram seu dinheiro, ou foram sacanas que prejudicaram suas vidas? Quase nenhuma né!
Eu conheci uma senhora que tinha cometido assassinato contra o marido, mas, a razão foi porque ele era um lixo que violentava a filha deles!
Então, essa questão de "piriguete interesseira" é só uma forma moralista e machista de defender o criminoso pq do contrário não existe defesa quando quem comete o crime é uma mulher!
Sua declaração foi ridícula, preconceituosa e imbecil!
É o mesmo que alegar que uma mulher mereceu ser estuprada pq estava passando em uma rua com saia curta!
O Bruno NÃO merece jogar em time nenhum. Se ele pegou 20 anos, tem que cumprir até o final, e se ele queria ter uma nova chance, não se pode dizer o mesmo da Eliza pq ela tá morta(por ele)!
Se de um lado ela era uma interesseira que engravidou de um jogador de futebol famoso, do outro, ele é um homem que planejou friamente a morte de uma mulher que teve um filho dele! Sem falar que ele foi egoísta e nem pensou na criança!
Se fosse desculpa o que aconteceu em relação á Eliza, todas as mulheres que engravidam de jogadores de futebol seriam assassinadas. E o que a gente vê é que simplesmente eles vêem que tb tiveram suas responsabilidades na gravidez, pagam pensão e nunca mais falam com suas ex-amantes e é o que o Bruno devia ter feito!
Ser interesseira pode ser reprovável, mas, NÃO é crime, matar um ser humano É!


Sawl - Always the rebel

Erres Errantes disse...

Tbm me faço as mesmas perguntar, Lola. Acho que para esses cargos que envolvam segurança, como por exemplo, o de policial, não deveriam ser aceitas pessoas com alguma ocorrência, mesmo que a tenham praticado quando eram menores.

Sara disse...

Não penso como vc Lola, acho q quem comete crimes contra a vida de outros (e q não seja em legítima defesa)não importa a idade q tenha, não merece viver.
Não acho justo tanto descaso pela vida alheia como vemos aqui e em outros lugares.
Crimes contra propriedades, de qualquer tipo, estes sim deveriam, em minha opinião, receber medidas educativas e de prisão, esses ao meu ver podem ser ressocializados.
Não consigo, ter a menor das empatias com quem mata, seja pra roubar, ou por ciumes machista, por ódio´, até mesmo razões politicas, ou qualquer outro motivo fútil.
Acho tb um desrespeito a quem obedece as leis, trabalha e paga pesados impostos, que tenhamos que sustentar verdadeiros monstros assassinos que abarrotam nossas prisões.
Podem me chamar de reaça, ou seja lá o q for, mas não acho justo preservar uma vida que não tenha outro objetivo que não seja destruir outras, acho q isso nada tem de justiça.

Anônimo disse...

Quando uma teoria é superficial e contraditória, gera problemas inssolúveis como esse.
Nossa sociedade atual é socialista e compactua com criminosos menores de idade. Logo, deve receber todos os resultados disso, inclusive presidentes, ministros do SFT e seus futuros maridos como potenciais ex-criminosos hediondos, afinal são coitadinhos e não podem sofrer nenhuma discriminação, pois já pagaram pelos seus crimes a pena prevista em lei.
A lógica de vcs está muito coerente mesmo. Tem babaca aqui que disse teria que conversar com a pessoa pra saber se ela deveria assumir o cargo, ou seja, relativizou tanto que a solução será o cara conversar com toda a população brasileira e receber uma nota, rsrs, tem muita noção do factível mesmo.

Cavalheiro do Mundo Real

Anônimo disse...

E O CHAMPINHA dona lola?

Anônimo disse...

"Não penso como vc Lola, acho q quem comete crimes contra a vida de outros (e q não seja em legítima defesa)não importa a idade q tenha, não merece viver."

Novamente a Sara, feminista louca, com suas pérolas extremistas.

Então você é a favor da pena de morte de crianças que assassinam animais indefesos a sangue frio? Pois o conceito de "vida de outros" é muito vago, não acha? E mesmo se o assassinato estiver restrito apenas aos seres humanos, a visão continuará sendo extremista, pois para mim alguém que tortura um animal até a morte é tão psicopata quanto alguém que tortura um ser-humano até a morte.

lola aronovich disse...

Ué, o que que tem o Champinha? Não sei por que reaças sempre mencionam o Champinha, que é um psicopata. Ele está preso desde 2003. Ou seja, ele vai CONTRA a causa de vcs de que nossa justiça é leniente demais com menores assassinos. Afinal, ele tinha 16 anos quando assassinou o jovem casal. Onze anos depois, ele continua preso numa unidade psiquiátrica. Eu não quero Champinha solto de jeito nenhum. Creio que ele é uma das pessoas que não tem reabilitação. Mas, como todo mundo, ele deve ter direito à defesa. O advogado dele está fazendo sua parte, que é pedir que Champinha seja liberado. E o STJ está fazendo a sua, que é mantê-lo longe do convívio da sociedade. Não sou psiquiatra nem psicóloga, mas não creio que dê pra recuperar alguém como Champinha (ou como Charles Manson, que também tem laudo negado todo ano nos EUA).

Renata disse...

Concordo com a Sawl!

Sara disse...

anon 17.52hs não fiz meu comentário esperando sua aprovação ou qualquer outra, expressei o q penso a respeito apenas, acho q tenho esse direito, assim como vc tem, o de expressar o q pensa, e q diga se de passagem eu tb não concordo ok??
então estamos quites, nem por isso vou descer ao seu nível e chama-la de louca...

Anônimo disse...

Pra quem não sabe a assassina que matou a filha da Gloria Perez virou promotora.....

Anônimo disse...

Lola , achei significativo q tenha aparecido a palavra perdão no seu texto.
Perdão quem dá é Deus. A confusão entre estado e religião, a meu ver, complica muito as discussões sobre questões penais.
Pagar pelo pecado pode merecer a pena eterna. Ou o perdão divino.
Seres humanos vivendo em sociedade guiados por leis estabelecem outros códigos.
.me interessa pensar no que é feito nas prisões em termos de reabilitação. A naturalização dos maus tratos e tortura nas prisões se aproxima do suplício eterno no inferno. Ser conivente com a realidade carcerária do suplício é negar o estado laico.
Quem tem uma vida de medra pode achar q a privação da liberdade é pouco.
Mas não é ou não deveria ser.
O que temos feito pela vida quotidiana ?
Quando defendemos a legalização do aborto é exatamente pela valorização da vida com dignidade , e não apenas a sobrevivência do organismo.
A questão carcerária como espaço de reabilitação é uma questão básica e urgente, e difícil de trabalhar pois da boca pra fora ouvimos reabilitação mas a sensibilidade tem interpretado o suplício.
Da forma como é conduzida a política carcerária no Brasil não acredito na reabilitação para crimes hediondos , aos quais eu incluiria a corrupção. Mas tenho um desejo imenso de viver em uma sociedade em que ser livre valha a pena, em que atodas as vidas tenham o mesmo valor e que , em caso de violação de leis a primeira ação seja , sempre, o emprego eficiente de estratégias reabilitação.

Koppe disse...

Um vídeo bem interessante:

https://www.youtube.com/watch?v=NndubiXLoaU

Anônimo disse...

Já viram como é o exame criminológico feito um pouco antes do cara ser solto? Obter o R.A?

O cara desenha uma casinha, tem que desenhar a família dele, botar nome nas pessoas e depois fala sobre seu crime, pronto, tá solto.

Tanto no exame criminológico, como no exame para agente penitenciário, vc não pode colocar gay na família hein, se não é reprovado.

danusa disse...

se ele não tem nenhum impedimento, pode exercer a profissão que quiser. Agora se a pena a que foi sentenciado é irrisória, uma completa piada ai problema da legislação brasileira e nao dele.Alias para ele foi solução.A única diferença é que o crime dele foi midiatico, se ele nao puder exercer mude o edital entao e façamos uma busca de todos os outros criminos, que nao é o filme de tom cruise que se é condenado antes de cometer o crime.

Anônimo disse...

O Champinha só está preso porque apareceu muito na mídia. Senão, já tinha saído.

É por isso que sou a favor da pena perpétua, para casos como o dele.

Também acho que todo o sistema penitenciário deveria ser como o regime disciplinar diferenciado em que prendem os chefões do tráfico.

Se quisessem regalias como as visitas teriam que fazer por merecer, trabalhando para conseguir.

O cara é afastado da convivência em sociedade e tem direito a visita dos familiares, visita íntima e comida trazida de fora.

Absurdo.

Anna Milani disse...

Não tenho nem o que comentar. Concordo totalmente com a Sawl, disse [ou escreveu] tudo que eu queria dizer.

[Espero ter enviado um comentário só [X/]

Valéria Fernandes disse...

Eu passei a matéria do Correio Braziliense para a Lola e comentei que, no caso de alunos (*no masculino, porque não sei de mulheres na mesma situação*) expulsos de colégio militar, eles ficam impedidos de entrar para as forças armadas, polícia ou bombeiros. Simplesmente mandam pedir a ficha do sujeito e ele cai nessa história de vida pregressa. é justo que um adolescente seja punido por toda a vida? Eu diria de imediato que não, mas acredito que a resposta correta seria depende.

Essa coisa devida pregressa é tão séria que antes da expulsão - salvo se for um caso extremo mesmo - chama a família do sujeito e dão a opção de retirar a criatura da escola. Se a família pede a transferência, morre a coisa da expulsão e garante-se ficha limpa. De novo, não sei se é justo, mas eu não queria ver um dos assassinos de Galdino transformado em policial ou juiz, como a Lola bem colocou.

Trata-se de um dilema, mas sempre é bom conviver com eles.

Anônimo disse...

Sawl

Para todos amigos e amigas do Blog.
Reduzir a maioridade ou não, mas, uma coisa é certa, 3 anos de detenção é mt pouco pra certos criminosos menores de idade.
Quanto ao Champinha, que ele NUNCA saia da instituição psiquiátrica, é um assassino cruel e psicopata NÃO deve ficar perto dos cidadãos e cidadãs pra fazer novas vítimas!
Exemplo abaixo de menor irrecuperável:
http://g1.globo.com/sp/ribeirao-preto-franca/noticia/2014/04/menor-suspeito-de-chefiar-quadrilhas-ameaca-pms-de-morte-em-ribeirao.html

Sawl - Always the rebel

Zrs disse...

Sinceramente, não acho a menor diferença entre Champinha e esse rapaz de 17, que friamente e sem a menor consideração com o ser humano foi capaz de ver alguém gritando e pegando fogo. Creio que para certos crimes deveria mesmo ter prisão perpétua (estupros, pedofilia, assassinatos).
Há a pena legal, dos anos cumpridos, mas há também as penas sociais, qdo o indivíduo passa tb a sentir, de alguma forma, certas punições do grupo social.

Kittsu disse...

A não muito tempo atrás li que teve um pedófilo que queria se formar em medicina para ser... pediatra! Juro. Pareceria piada de mau gosto se não fosse trágico. Lembrei disso de imediato Quando li essa reportagem. conheço uma pessoa próxima da família desse cara que matou que disse que o garoto sempre foi um doce, um poço de educação. .. Não duvido. assim como não duvido de que se trate de uma pessoa cruel Quando longe dos olhos de quem interessa.

Marina P disse...

Lola, esse foi um do posts que mais gostei até hoje no blog. Na maior parte do tempo me sinto muito sozinha por sempre tentar pensar nos dois lado e não dividir o mundo em bom e mau. As pessoas me acham meio chata por isso e aprendi a não compartilhar meu ponto de vista em diversas situações porque simplesmente há poucas brechas para isso.

Bem, você levantou questionamentos interessantíssimos que me corroem e desafiam há anos (desde criança) e que constituem grande motivação para que eu continue meu trabalho de lidar com pessoas. A maior parte das pessoas tende a ver o ser humano de forma rígida no estilo "pau que nasce torto nunca se endireita" (odeio esse ditado) e têm muita dificuldade em acreditar na capacidade do ser humano de mudar, aprender, e se transformar mesmo. Por outro lado tenho vários colegas de profissão(psicólogos, no caso) que acreditam que todo mundo muda e tal... e eu discordo disso também. Penso bastante como você, acho que existem diferentes graus de mudança e limitações no que se refere à reabilitação de alguns pacientes. Outros não vão mudar nunca, por diversos motivos.

Também sou contra a redução da maioridade penal mas considero a punição e os programas de recuperação de adolescentes insuficientes e brandos demais em diversos casos.

Pessoalmente, tenho meus limites e muitas vezes julgo sim as pessoas e as puno ao meu modo... nem sempre é fácil ou possível perdoar num nível pessoal... Eu tenho aquela posição super polêmica, por exemplo, de não ver os filmes de certo diretor de cinema (e já falei disso aqui) e sei que as pessoas criticam muito essa postura. Também tenho uma dificuldade enorme de engolir um policial que ateou fogo em um índio no passado. Eu era adolescente quando isso aconteceu e chorei desesperada por dias... E olha que eu costumo acreditar na capacidade das pessoas mudarem... No fundo, cada um traça esse limite de uma forma muito pessoal, mas nós, enquanto sociedade, buscamos encontrar formas coletivamente construídas de lidar com isso. E está claro que ainda precisamos melhorar muitas coisas.... imagina se esse cara entra mesmo na justiça e ganha o direito de ser policial? E aí? Eu gostaria de ver algum mecanismo na lei que não e baseasse no mês em que uma pessoa faz aniversário na hora de decidir sua punição mas sei que isso poderia ser usado de formas terríveis.

Alguém tem alguma sugestão sobre como lidar com essa situação sem reduzir a maioridade penal e sem burlar o ECA? Ideias? Mudanças que poderiam ser feita nas leis?

Luiz Prata disse...

Falando apenas sobre o caso específico: quem cometeu homicídio NUNCA deveria poder pegar em armas, da mesma forma que um pedófilo nunca poderia trabalhar com crianças e um estuprador nunca poderia ser ginecologista.
Há vários outros trabalhos para os quais essas pessoas poderiam se apresentar, não há a necessidade de arriscar-se lhes dando instrumentos que lhes facilitasse uma recaída.

Quanto a uma análise em termos gerais sobre reabilitação, punição, leis e etc, eu precisaria de mais tempo e paciência para elaborar uma resposta, que seria complexa, e não tenho nenhum dos dois agora.

Maria Valéria disse...

Acredito em reintegração a sociedade, sim, mas nao acredito que o cara possa ser da policia e ter uma arma na mão.
Parece um pouco demais pra minha cabeça...

Anônimo disse...

Concordo com Sawl e Elen. Como assim, o sujeito agora vai poder matar os outros, amparado pela lei? isso é uma piada! ele tá sambando na cara da sociedade. Se existe etapa de investigação em concurso público é justamente para se evitar equívocos assim. Por coincidência, recentemente estiveram em meu trabalho investigando a vida pregressa de um ex-colega nosso (na época estagiário) também aprovado num concurso da PM. Fizeram diversas perguntas ao chefe dele e fiquei até feliz de saber que são tão rigorosos. Felizmente é uma boa pessoa, mas e se não fosse? o direito coletivo prevalece sobre o individual. Essa é a base para proteção de toda coletividade.

Anônimo disse...

Eh engracado ver a esquerda perdida diante dos paradoxos que ela mesmo cria...

Anônimo disse...

A cada caso de violência que causasse comoção pública, teríamos que baixar mais e mais a maioridade, até o ponto de querer mandar, se depender da sanha punitivista de muitos, crianças de cinco anos para a cadeira elétrica. (Lola)

cadeira elétrica não porque não existe pena de morte no Brasil. Cláusula pétrea. Crianças assassinas na Inglaterra pegam perpétua. Só pra constar.

Como sou contra a pena de morte, acredito em reabilitação. (Lola)

Uma coisa não tem nada a ver com a outra. Um portador de psicopatia E INSTINTO CRIMINOSO não vai pro corredor da morte, nem por isso pode ser reabilitado. O maníaco do parque já foi condenado a morte? não. Já foi reabilitado? Nâo. Está no manicômio judiciário.

Lembra do caso Mark Dutroux, o belga? Olha o que a mãe dele disse quando ele estava para ser solto:

"I am certain he will start again. Marc isn't ready to be released because he still wants to attribute to others the responsibility for what he did."

"Tenho certeza que ele vai começar tudo de novo. Mark não está pronto para ser solto porque ele ainda atribui a outros a responsabilidade pelo que ele fez."

http://www.bbc.com/news/world-europe-21496786





Anônimo disse...

Lola, sou de centro-esquerda pq eh justamente esse tipo de coisa que me faz querer afastar da esquerda e ser apenas de centro mesmo. rs Taí uma causa socialista que acho extremamente contraditória é a não redução da maioridade penal. Como feminista eu não acho que seja bacana um moleque de 17 anos entrar num ônibus, estuprar uma mulher e ñ ser preso por isso. As vezes é bom deixar a ideologia de lado e analisar os dois lados da moeda. (Como tudo na vida). Fique em paz.

MonaLisa disse...

Isso sim seria muita sacanagem!!!

Reprovar um cara que tem o nome no SPC ou uma multa de transito, mas aceitar esse cara ai.

Mas não duvido de mais nada, do jeito que a profissão de policial ta banalizada, que até PC em estágio probatório algema a namorada e mata no meio da rua.

Camila Fernandes disse...

É um assunto complicado mesmo, Lola. Eu não tenho ainda uma opinião formada, mas acho válida a ideia de que algumas profissões deveriam ser vetadas de acordo com o crime. Eu não sei como funciona aqui no Brasil, mas, se não me engano, em alguns estados americanos pedófilos não podem trabalhar com crianças. Acho válido. Da mesma forma, acho que pessoas que cometeram crimes hediondos (homicídio qualificado, estupro, etc) não deveriam ocupar cargos na Justiça ou com acesso a armas, como um policial. E não penso que isso esteja ferindo o direito dele de ser reintegrado a sociedade, né? Ele não está sendo impedido de trabalhar ou ter uma vida normal, apenas não pode exercer profissões muito específicas.

Anônimo disse...

É claro. Crianças deixam de fazer coisas por medo de ser presas, afinal são vastamente instruídas sobre a legislação e só comentem crimes porque sabem que não serão presas. Realmente, impunidade é a chave. Só que não.

Anônimo disse...

Patty,

Eu concordo com você, exceto que na prática me parece muito difícil definir o "grau de recuperabilidade" de um criminoso... Também me recordo de Laranja Mecânica nesse ponto. Aqui fico tão confusa quanto a Lola. Mas concordo com a Sawl que a maioridade penal poderia ser reduzida para 16 anos. Não menos que isso...

Anônimo disse...

Pois é, acho que a sindicância da vida pregressa não é uma coisa tão objetiva... Tipo, sua ficha está limpa então você está dentro... Também não sei se deveria ser, pois pega casos como esse...

Anônimo disse...

Acho que a maioridade penal poderia, por exemplo, se reduzir para 16 anos em caso de crime hediondo...

Anônimo disse...

Antecedente criminal e vida pregressa são fases diferentes. E nenhuma delas tem relação com o psicotécnico. Alguns concursos cobram todas essas fases por serem necessárias para o ingresso na carreira. Ou alguém acha que uma pessoa com determinado histórico vai entrar pra ABIN, Polícia Federal ou qualquer polícia?
Se você tem histórico de tráfico de armas ou associação como poderia ser aceito na Polícia Rodoviária Federal? ACHO que a ABIN barra na vida pregressa até se você fez parte de determinados movimentos grevistas.
A vida pregressa não atesta que você é um criminoso, essa função é dos antecedentes criminais.
Um professor meu, que é delegado da Polícia Civil de Brasília na corregedoria, disse que não há a menor possibilidade da polícia aceitar certos históricos, não importa se era menor. O sujeito para na vida pregressa. Ele disse que tudo na vida do sujeito é verificado. Tudo!

Camila Fernandes disse...

Lola, sobre a maioridade penal, eu também sou contra reduzir. Sou mesmo a favor de reabilitar, embora considere a prisão perpétua uma alternativa, em casos extremos. Pena de morte jamais. Só que eu fico pensando... Alguns crimes, de fato, muito diferentes de outros. Não acho que um adolescente que tenha cometido um roubou deve ser encarado da mesma forma que um adolescente que cometeu um estupro, por exemplo. Então eu fico pensando que talvez a legislação devesse ser diferente para os crimes hediondos, mesmo em relação a réus menores de idade. É só uma ideia, eu não tenho uma opinião formada a respeito ainda e reluto muito nessa questão :(

Raven~ disse...

Realmente é pra se ficar dividido. Não sou a favor da redução da maioridade penal. Mas tb não quero esse Zé Roela com tendências assassinas sendo policial! Pra q diabos ele quer ser policial? Pra matar mais gente, só que legalmente?

Anônimo disse...

Sara, uma das questões mais relevantes em relação à pena de morte não tem a ver com a punição ser ou não adequada a crime x ou y, mas sim ao fato de tratar-se de pena irreversível. Tornar tal pena possível implica admitir a infalibilidade do sistema judiciário, ou aceitar que alguns serão mortos por equívoco em seu julgamento.

Anônimo disse...

pra mim fica muito dificil achar que alguem de 17 anos que queima outra pessoa viva NAO é um psicopata. mob mentality te leva a assaltar, fazer arruaça, ou até a matar 'por acidente' (algo que deu errado no meio do caminho). queimar alguem vivo é tortura, envolve altissimos niveis de sadismo. nao sou reaça, sou contra a pena de morte e 100% a favor de direitos humanos e condicoes dignas de aprisionamento e etc, mas nao entendo por que uma pessoa liberal é imediatamente tachada de conservadora por defender a reducao da maioridade pra 16 anos SOMENTE em caso de crimes hediondos (estupro, sequestro, assassinato com requintes de crueldade). crimes comuns, nao, deixa como esta, ate pq em mtos casos o motivo é social, o crime como resultado de injusticas sociais e tudo mais. e em caso de crimes hediondos nao acho que haveria uma superpopulacao carceraria; a maioria absoluta dos crimes cometidos tanto por menores como por maiores é crime comum.

juliana

Anônimo disse...

"Povo dos direitos humanos"? Queisso, Capitão Nascimento?

Anônimo disse...

para as feministas.
"Dimenor matar um homem em um latrocinio= contra a redução da maioridade penal"

"Dimenor estuprar uma mulher= a favor da redução da maioridade penal"

Anônimo disse...

Eu sou bastante a favor da redução da maioridade penal, porém é preciso ter em mente que marginais estão de fato aliciando pessoas cada vez mais jovens por conta do tratamento jurídico dados a estes. Para fins legais, menores de 12 anos não cometem crime de nenhuma espécie (ou atos infracionais, no termo da norma)

Patrick disse...

Lola, existe uma confusão muito comum entre direito penal e administrativo. Que normalmente não é esclarecida porque, com frequência, até mesmo profissionais gabaritados promovem a desinformação para com isso promover seu ponto de vista.

No direito penal, não existe pena perpétua, mas no direito administrativo, sim. Exemplo: um médico ou advogado que cometa uma infração grave ao seu código profissional e seja excluído da sua Ordem ou Conselho. Nunca mais poderá advogar ou exercer a medicina. Essa é uma pena administrativa. No entanto, esse profissional sequer perdeu o seu diploma de graduação. Isso quer dizer que pode até fazer um concurso público que exija nível superior de formação. Inclusive, pode até fazer concurso pra um cargo que exija sua formação em direito ou medicina mas não necessite da inscrição na ordem/conselho (tipo: delegado ou professor universitário). Desde que, é claro, aquela infração que levou à sua expulsão da ordem/conselho não seja incompatível com o cargo público em questão.

No caso do seu post, o cidadão em questão tem sua ficha penal limpa, mas a comissão do concurso, sob a luz do direito administrativo, entendeu que ele não está apto a ser policial civil. Vamos ilustrar com uma outra situação: um cidadão puxa uma arma no meio de uma briga de trânsito. Por felicidade, nada de grave acontece, é registrado um boletim ou termo circunstanciado de ocorrência e sequer há inquérito ou o ministério público decide nem apresentar a denúncia a um juiz. Do ponto de vista do direito penal, essa pessoa tem uma ficha limpíssima, mas numa análise administrativa, é evidente que não está apta a exercer uma função pública que exija o manejo de armas.

Nada impede, a meu ver, que essa pessoa da hipótese que narrei - ou o jovem G., no caso do post - opte por outra carreira pública cujo exercício não implique no uso de armas. Mas entendo como correta a decisão da comissão de reprová-lo no concurso para agente de polícia civil.

Espero ter contribuído ao debate.

Sara disse...

anon 11.31 hs e vc acha muito mais justo q em nome de uma justiça falha, alguém q já tenha reincidido várias vezes em crimes de latrocínio ou estupros seguidos de morte da vítima, como ex., tenha sua vida preservada pela sociedade e sustentado pelo estado com os impostos q pagamos (suas possíveis vítimas), apenas para q mais um pouco esse mesmo sistema falho, permita q ele escape ou saia em pouquíssimo tempo para fazer mais vítimas, me desculpe, a vida humana merece um pouco mais de respeito do q isso, não prego aqui pela pena de morte sob qualquer pretexto, mas os indivíduos que atentam contra a vida de outros por motivos fúteis deveriam ter penas elevadas, e se reincidentes no mesmo crime, acho muito difícil q a lei falhe duas vezes seguidas, mesmo num sistema falho como o nosso, não merecem nada alem da morte, não como reparação ou vingança, mas sim para proteger a sociedade daqueles que nenhum respeito tem pela vida do seu semelhante.

Nic disse...

Eu sou de Brasília e lembro perfeitamente do crime na época em que ocorreu. A praça durante muito tempo foi caminho de escola para mim e não há um brasiliense que não se lembre dessa história.
A gente tem de lembrar que Brasília é uma cidade em que ser policial é uma profissão de classe média muito bem remunerada. Eu, como brasiliense que foi marcada por essa tragédia, não acho que uma pessoa dessas tenha cunho moral para assumir um cargo desses, como você falou. Claro que ele já "pagou" pelo crime e eu concordo com seus argumentos, mas como eu vou me sentir segura com uma força policial - que por si só já é problemática - que conta com uma assassino confesso e julgado?

Elisa disse...

Por lei, mesmo um adulto, após cinco anos do término do cumprimento da pena, tem seu registro criminal 'apagado', voltando a ser considerado primário. Porém, essa informação sobre crimes anteriores pode sim ser levada em consideração para fins de reprovação em concursos públicos

Felipe disse...

Muito esclarecedora - e tranqüilizadora - a explicação do Patrick.

Anônimo disse...

Para Anônimo babaca e sem noção das 11:27 de 27 de abril


Para os machistas

Dimenor matar um pai de família = contra a redução da maioridade penal (machista não simpatiza com homem que respeita outros seres humanos!).

Dimenor matar um irmão, pai ou filho = a favor da redução da maioridade penal.

Dimenor matar uma trabalhadora = contra a redução da maioridade penal pq matou uma mulher(e claro, sendo mulher deu algum "motivo", segundo a cartilha machista).

Dimenor estuprar uma mulher = contra a redução da maioridade penal (pq mulher não é "vítima").

Dimenor estuprar filha ou esposa = a favor da redução da maioridade pena.


Machistas escrotos só são a favor da redução da maioridade somente quando a vítima assassinada ou violentada é da família!


Toma IMBECIL!


Sawl - Always the rebel

Cris disse...

é muito importante que seja entendida a diferença entre "análise de antecedentes criminais" e "análise de vida pregressa". esta última é um critério claramente mais subjetivo, talvez até moralista, mas provavelmente importante pra decidir quem deve ou não ter uma posição de autoridade tão grande como a de um policial. não basta um tecnicismo como "ah, ele cometeu o pior crime da face da terra, o mais monstruoso possível, mas cumpriu a pena há mais de cinco anos então é um cara que se encaixa perfeitamente no perfil de um bom e probo policial :)"

não, né? verificar ficha criminal é um critério técnico. mas analisar se alguém tem a conduta esperada pra um policial? tô pra ver coisa mais subjetiva que essa.

o Gutemberg que se vire trabalhando em outra área, polícia não é a única oportunidade do mundo.

lola aronovich disse...

Cara que deixou comentário racista (não publicado): põe o seu nome completo que eu publico, ok? Cadê a coragem de ser racista?
(Se vc não estava sendo racista, e estava criticando quem pensa que "descendentes de escravos se procriam livremente e não tem moral" e por isso tem gente que quer redução de maioridade penais apenas pra negros, reescreva seu comentário, porque a imagem que passou é que vc é um racista asqueroso).


Maravilhosa sua contribuição, Patrick. Obrigada!

lola aronovich disse...

Jura? Vc se responsabiliza pelo comentário racista, ANÔNIMO? Vc acha que não publico comentário racista porque temo ter problemas com a lei? Não publico porque sou contra o racismo, Mané! Mas sim, quero que vc se responsabilize pelas asneiras racistas que vc diz. Se vai ser racista, tenha coragem de assumir. Ponha aqui seu nome junto com as suas declarações, pra que a gente possa te execrar. Porque vc merece, cara. Vai te catar!

Anônimo disse...

Censura prévia agora? O Brasil é racista. As crianças criminosas de que estamos falando são negras sim. Ou seus lindos olhos verdes não perceberam? Ah, é, a gente enxerga o que quer, né não? Nosso apartheid é racista e contra os afro sim senhora. Mas você e todos nós fingimos que não é. Os negros enchem as prisões, as periferias, os abrigos, as Febem e Fundações Casa, e você vem me chamar de racista? kkkk, acorda, amore.



lola aronovich disse...

Vc não consegue se expressar, paciência. É claro que o Brasil é racista. Tem um monte de post aqui dizendo isso, inclusive. Claro que é racista contra os negros (racismo contra brancos não existe). Claro que o sistema prisional é racista. Mas não foi isso que vc disse nos seus 3 comentários não aprovados. Vc disse:

"O que confunde nossa cabeça com relaçâo à maioridade penal e legislação voltada para crianças e adolescentes é que temos DOIS mundos distintos na equação.
Um mundo é o dos filhos da classe indexada, assistida, vigiada, mantida dentro de casa vendo televisão, assistindo filminhos do Walt Disney, jogando video game, na escola particular, dentro de seus CARROS novos. Para esses a maioridade penal aos 18 tá de bom tamanho. Um ou outro comete UM crime sem total consciência do que fez.
O outro mundo é o dos filhos dos descendentes de escravos que JAMAIS foram compensados, jamais foram integrados ao conjunto da sociedade consumidora em termos de moradia, de alimentação, de educação, de saneamento básico. Continuam mantidos junto ao lixo material que a sociedade indexada produz e procriando livremente. Estes indivíduos, na sua imensa maioria são criados sem moral, na promiscuidade, facilmente cooptados pela criminalidade,
treinados ou simplesmente obrigados a servirem aos interesses criminosos desde a mais tenra idade. É para estes que se pensa em redução da maioridade penal, que na situação atual, deveria ser reduzida a um ano de idade, pois assim o submundo não poderia recrutá-los para cometer delitos graves em seu lugar. Se um ano não for o bastante, que se reduza a seis meses de idade."

Eu considerei esse seu comentário racista, principalmente a parte do "procriando livremente" (comentário com conotação inclusive eugenista) e do "sem moral". Por isso pedi que vc explicasse melhor ou reescrevesse seu comentário. Ou, se vc se assume racista, que desse as caras.
Eu acho que não estamos falando a mesma língua. Pelo jeito vc não quis dizer o que disse.

Anônimo disse...

Bom, agora que você publicou meu comentário inicial, posso elucidar.

Não tem eugenismo algum. A classe indexada não procria livremente e pratica o planejamento familiar de todas as formas, inclusive o aborto seguro. Não procriam além de suas possibilidades financeiras e econômicas. Afinal, todos nós sabemos quanto custa uma mensalidade em escola privada de qualidade, né? Mas a classe relegada e desassistida não tem os mesmos PRIVILÉGIOS que o resto de nós.

Um caso recente que ilustra muito bem o que estou falando: o da auxiliar de serviços gerais (servente), Claudia Ferreira, baleada e arrastada pela viatura da polícia no Rio de Janeiro. Esta senhora de 38 anos, ganhando no máximo um salário mínimo sustentava nada menos que QUATRO filhos e MAIS QUATRO sobrinhos. Apenas oito bocas, que sossegado, né? Foi atingida no morro em que morava, lugar sossegado para uma troca de tiros normal, e jogada numa viatura de qualquer jeito, a julgar de quem se tratava.
Ela própria deve ter sido criada sem eira nem beira, sabe deus.

Outro caso sussa pra gente observar: O caso Amarildo de Souza. Honrado trabalhador casado e morador de um único cômodo, ele, mulher e MAIS SEIS FILHOS. Que sossegado, hein, Lola?

Planejamento familiar, alguém? Não, o planejamento lá é assim: vem alguém e acaba com sua vida que assim você não procria mais. Entendeu?




Anônimo disse...

Lola pelamordedeus... vomitei litros com o comentário nojento do racista acima!

Nunca passei tão mal lendo os comentários do teu blog!


Cara, acorda pra vida meu irmão! Que tipo de proposta facista é essa? "procriam" (olha o linguajar denunciando a mente deste imbecil) livremente ou não tem acesso aos métodos contraceptivos e aborto seguro?


E só pra te lembrar otário, que a discussão de hoje é sobre um playba que matou uma pessoa com requintes de crueldade porque estava se divertindo com os amigos, tava trêbado fazendo merda de zoeirinha! Será que é um ou outro playba que comete crime, ou um ou outro sai na mídia porque o papai sempre tem dinheiro e advogados pra encobrir tudo e a gente não fica sabendo?!

Sabia que recentemente um blogueiro foi morto porque denunciou o estupro cometido pelo filho adolescente do dono da RBS (globo no RS)?? E o menino falava pra quem queria ouvir (ou ler) que ele fez mesmo e faria de novo, porque nunca a justiça colocaria a mão nele! E ele está aí, livríssimo.

E aí, se os pretos pobres (eu incluída) cometem crimes (a maioria furtos) porque a sociedade os coloca a margem de tudo, os filhinhos de papai torturam pessoas com requintes de crueldade pq? Porque tavam entediados?

Vai tomar no seu cu facista otário!


Que é isso Lola, essa merda tem que censurar mesmo, o cara não tem noção do que ele tá falando!

Anônimo disse...

"A classe desassistida não tem os mesmos privilégios que o resto de nós"


A sim, e por isso a solução é reduzir a maioridade penal apenas para estas pessoas que já estão completamente oprimidas (para não dizer fodidas, estraçalhadas e escangalhadas). Políticas para promover a igualdade social, bleh, pra quê né. Reduzir a maioridade penal é bem mais fácil.


Quem te garante que são criados sem moral, babacóide? preconceituoso de merda! E a Cláudia criava essa par de criança, 4 eram sobrinhos, e tava lá, firme e forte, trabalhando todo dia, por AMOR! Seu IMBECIL! TU NÃO AGUENTAVA NA PELE DELA UM DIA CUZÃO!


QUÉISSO TO PASSADA!

Anônimo disse...

O cara fala palavras difíceis, o que indica alguma instrução formal, MAS SÓ FALA MERDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA
faz uma análise completamente rasa e preconceituosa da situação! to morrendoooo aghhh pessoas inteligentes desse blog me salvemmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm

Sara disse...

"faz uma análise completamente rasa e preconceituosa da situação! "

tb acho inacreditável o q tem de gente q se acha no direito de fazer analises de situações, onde jamais sequer chegaram perto ou viveram.
Negam o direito dos que vivem dentro das condições analisadas de se expressarem, alegando que são todos um bando de ignorantes, q não sabem dar soluções para os problemas vários q esses grupos encontram, pra mim essas analises não merecem crédito algum.

Anônimo disse...

Se reduzir a maioridade penal o submundo não tem como cooptar e usar crianças e adolescentes no lugar dos maiores de idade. Liga o botão da compreensão de texto aí, guria!

Falar palavrão não eleva seu comentário. Vem discutir como gente grande e não como moleque.

Anônimo disse...

Tô esperando a SUA análise, amore das 20:55. Vamos ver o que sai.

Anônimo disse...

http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2014/04/suspeito-de-morte-de-medico-em-sp-pode-ter-roubado-30-carros-de-luxo.html

Pra quem sabe ler e entender o que lê.

Anônimo disse...

Muito bem, Sara. Agora estamos negando aos desvalidos o direito de se expressarem. Parabéns com louvor!

Anônimo disse...

Estão chamando meu comentário de análise, kkk Não passa de simples senso comum. Da próxima vez vai ser o quê? uma tese de doutorado?

Anônimo disse...

"E só pra te lembrar otário, que a discussão de hoje é sobre um playba que matou uma pessoa com requintes de crueldade porque estava se divertindo com os amigos, tava trêbado fazendo merda de zoeirinha! Será que é um ou outro playba que comete crime, ou um ou outro sai na mídia porque o papai sempre tem dinheiro e advogados pra encobrir tudo e a gente não fica sabendo?!"


Nada a ver com a maioridade penal e sim com o poder da elite econômica/financeira/social da família do 'playba'. Fosse que idade fosse, teriam o mesmo tratamento.

Anônimo disse...

Mr. facista racista elitista que entende tudo do "submundo" (parei de ler no submundo): eu não tenho tempo nem vontade de alimentar trolls.


Espero que não reproduza essas falas escrotas nos seus círculos sociais.Veja este vídeo e pare de passar vergonha por aí, teus amigos, assim como eu, devem te achar o maior otário.


https://www.youtube.com/watch?v=NndubiXLoaU

Anônimo disse...

Sawl

Para Anônimo racista e fascista de 27 de abril das 19:11

Não vou falar muito até pq se mostrou uma pessoa indigna de se ter uma conversa, mas só gostaria que refletisse seu pensamento racista, fascista e totalmente ignorante!
Claudia Ferreira uma batalhadora, mãe de família, tia devotada, esposa amorosa entre tantas outras qualidades tinha mais valor em um dedo mindinho do que você tem em seu corpo nojento inteiro!
Ela cuidava de seus filhos, porque era mãe deles e cuidava de seus sobrinhos dos quais não tinha obrigação NENHUMA, mas, seu coração cheio de amor os adotou como se fosse seus filhos! E de quebra ainda era empregada doméstica!
Você não teria a metade da disposição dessa valente e doce mulher(sem falar na honra e no caráter que ela tem e você NUNCA terá!).
Qual a honra e dignidade de um juiz Nicolau(que roubou milhões do patrimônio público)? De um obstetra chamado Abdelmassih(que abusou sexualmente de várias pacientes)? De políticos como os Sarney(dispensam apresentação)? De um Renan Calheiros(idem)? Enfim, tantos canalhas na política, na elite e eles estão aí "procriando" e NINGUÉM os impede! Só aparece hipócritas de merda como você que reparam que pessoas de classe baixa "procriam", mas, não reparam que tantos ricaços são permissivos com seus filhos e passam as mãos nas cabeças deles! Tantos da elite que acham "ok" seus filhinhos atropelarem, estuprarem, matarem pessoas!!
Então, um conselho, MORRA com seu racismo entalado na garganta seu fracassado!!

Sawl - Always the rebel

Anônimo disse...

reabilitação é papo para boi dormir, conversinha de intelectual, bandido tem de ser punido e ponto.

Anônimo disse...

Com todo o respeito, mas as leis penais brasileiras não são esquerdistas, a esquerda NUNCA governou esse país, e os legisladores em sua maioria são esquerdistas só na cor da bandeira do partido.

Anônimo disse...

tsk tsk, ela não sabe o que é o submundo e vem me dar ordens e conselhos. Estudar, nada, hein?

Anônimo disse...

"Quem te garante que são criados sem moral"

O que você entende por moral?

certo ou errado?

bom ou mal?

práticas sexuais? (moralidade)

O que é certo para uma criança que não tem o que comer dentro de casa? Fala-se que crianças abandonam o lar apenas quando falta comida, mas não só.

O que é errado para uma criança sozinha na rua ou em casa que não tem quem vigie o que ela está fazendo, quem a instrua, que não a deixe em perigo, não deixe ou faça ela pedir esmola na rua, ou pegar uma arma de fogo para assaltar?

"Comer primeiro, depois a moral"
Berthold Brecht.

Você tem alguma dúvida de como vivem essas crianças que se tornam criminosas por viverem em ambiente promíscuo (muita gente vivendo numa área muito pequena sem privacidade), sem vigilância, sem tratamento, à mercê do submundo (MUNDO DO CRIME, PARA QUEM NÃO SABE), enquanto a mãe ou o pai está tentando ganhar algum dinheiro ou infelizmente nem isso? Ou será que estes menores de idade caíram do céu?

Qual o destino de quem é criado sem moral, quer dizer, sem saber o que deve fazer ou não fazer e/ou não tem direito de escolha de acordo com o certo, o não condenável, não passível de punição, para pertencer à sociedade organizada? você sabe?

Por que há tantos menores destas regiões abandonadas, na Fundação Casa, você sabe? É um camping de férias? E nos presídios, por que tem tanto negro? De onde saíram? O que fizeram?

Como foi que o Marcola começou a vida no submundo aos 9 anos de idade, você tem ideia? Filho de boliviano (imigrante ilegal, provavelmente), será que ele foi criado com ou sem moral? Furtar foi uma atividade (moralmente correta) extra-escolar que ele aprendeu na escola de qualidade do Estado de São Paulo?


E que dizer daquelas heróicas mulheres que dão um duro terrível para manter os filhos em volta, mesmo que numerosos, sem condições materiais mínimas? Quem tem mais MORAL (impõe respeito, obediência, temor) junto aos filhos? Ela ou o traficante/assaltante do morro que promete um tênis ou um celular pra um de seus filhos criados sem pais, sem Estado, sem nada?
Quem liga?


Lola, minha cara, prefiro o mimimi dos mascus que você vive execrando a esta última rodada de comentários aqui. Me deu realmente vontade de fazer alguma coisa no mundo real. Até mais (ou menos).

Anônimo disse...

Qual é o problema com a palavra procriação, pessoas sossegadas?

Procriação é termo médico, é sinônimo de reprodução, fertilização. Não é pejorativo, não é ofensivo, não é gíria. Que tal uma sessãozinha de leitura livre FORA DA INTERNET, hein?

Todos os capítulos da CID 10 / XXI. Contatos com serviços de saúde / Z31 Medidas de procriacao

Z31 - Medidas de procriação Classificação Internacional de Doenças
Z31.0 - Tuboplastia ou vasoplastia após esterilização prévia
Z31.1 - Inseminação artificial
Z31.2 - Fecundação "in vitro
Z31.3 - Outros métodos assistidos de fertilização
Z31.4 - Investigação e testes com relação à procriação
Z31.5 - Aconselhamento genético
Z31.6 - Aconselhamento geral sobre a procriação
Z31.8 - Outra medida especificada de procriação
Z31.9 - Medida procriativa não especificada

Anônimo disse...

bom ou mau*

Anônimo disse...

Condenar eternamente uma pessoa que errou é contra a nossa constituição. Não temos nenhuma pena perpétua. Ser excluído de um concurso no qual passou em todas as fases por um crime cometido na adolescência, e pelo qual ele já pagou conforme o sistema judiciário brasileiro, seria aplicar uma pena perpétua.

Lola, você disse que não acha certo que em cometeu determinados crimes sigam determinadas carreiras. Isso ofende a cláusula pétrea segundo a qual todos somos iguais perante a lei.

Quando algo subjetivo assim é usado como regra geral, o que temos é o pior das ditaduras. Você que é cinéfila, já viu a Outra História Americana? Não acredita alguém possa se regenerar?

E ainda tem outra coisa, para ingressar na carreira policial todos os candidatos precisam passar por exame psicotécnico. Justamente pelo que você disse de ser uma carreira que atrai pessoas problemáticas. (Se bem que medicina, enfermagem e várias outras também atraiam, e esses profissionais nunca sejam submetidos a exames psicológicos para poder exercer a profissão. Vc tem ideia de quantas pessoas sádicas se interessam por enfermagem?).

Pois então, não se pode prejulgar assim uma pessoa. Entrando para a polícia ele passará por estágio probatório por dois anos, onde qualquer desvio pode resultar em pronto desligamento do cargo. E creia, muitos são desligados.

Então, sinceramente, Lola, desconheci seu lado voltado para os Direitos Humanos nessa postagem.

Se não acreditarmos que o ser humano não possua regeneração, então a única lógica seria apoiar a pena de morte, porque se afinal, a pessoa errou uma vez, com certeza tem um desvio que a fará errar novamente e a única forma de evitar isso é excluí-la do mundo. Essa é a premissa de quem defende a pena de morte.
Bem, espero que tenha me feito compreender, gosto do teu blog, mas estranhei esse post, achei os argumentos dele alinhados demais à direita.

Sara disse...

anon 21.50hs acho óbvio q vc esteja debochando do meu comentário, mas isso não muda o q penso, vc não se identificou mas tb parece bem obvio q é o mesmo q fez esse longo comentário atribuindo as camadas menos privilegiadas economicamente um monte de mazelas, culpando-as de serem geradores de criminalidade e paternidade irresponsável, se isso não é analisar todo um grupo de pessoas da maneira mais rasa, qual sua definição para tanto??
Pra começar dizer q todos os bandidos são negros, é esquecer q mais da metade da nossa população aq no Brasil não é branca e isso se reflete em todas as áreas inclusive na criminalidade.
Detesto analises sociológicas de pessoas q passam a quilômetros do foco de suas analises.
Lugares comuns como, se é pobre é bandido, se é negro é bandido, se é de familia desestruturada é bandido e por ai vai.
Mas detesto mais ainda aqueles que justificam q a pobreza é geradora de criminalidade, o q eu não concordo, pra mim essas pessoas é q sustentam os preconceitos que vc exibiu aqui.
A pobreza deve sim, ser combatida de todas as formas, luto por um mundo menos desigual, mas ela por si só não pode ser responsabilizada pela criminalidade q vivemos.


Marilia Bavaresco disse...

Pois é. Esse debate é quentíssimo. Eu também gostaria que a reabilitação de fato acontecesse. Quem sabe um dia ainda tenhamos um sistema penal coerente e decente. Por enquanto, casos esporádicos resultam em sobrevida digna aqui do lado de fora.

Anônimo disse...

Sara,

1. Não me identifiquei. E daí? Estou entrando com alguma petição no serviço público? Um nome falso qualquer serve? Ou o que eu falei é sério demais e deu vontade de atacar a pessoa e não a mensagem?

2.Longo comentário? 211 palavras é longo comentário? O que eu disse incomodou? Pois sim.

3.Que camada menos privilegiada vc está falando? Eu falei dos SEM privilégio algum. Esse eufemismo é pra acalmar sua consciência? E quem está gerando uma classe desprovida de qualquer privilégio? Ela mesma? tsk tsk

4. Diz para mim onde eu falei que todos os bandidos são negros ou se você leu o que quis, por favor.
Depois me fala ONDE está a metade da população brasileira negra? Quantos negros tem aí no seu prédio? É metade branca e metade negra ou perto disso?

5. Qual a porcentagem de brancos indexados, morando no 'asfalto' internados na Fundação Casa por tráfico de drogas, você sabe? Quantos traficantes de droga armados tem aí no seu prédio? Quantos adolescentes? Algum já foi preso?

http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2013/05/1281551-traficantes-adolescentes-dobram-a-populacao-da-antiga-febem.shtml

6. Onde a polícia estava trocando tiros quando matou a Claudia Ferreira? Na sua rua? No Morumbi? Por que será que ela estava lá trocando tiros? Videogame na real?
E estava trocando tiro com quem? Com meus parentes brancos indexados? Ou quem sabe os seus?

7. Você também detesta ver o noticiário cheio de atrocidades cometidas a quilômetros da sua casa? Não passa mal? Não pode analisar? Você também tem olhos verdes? Acha que foi tudo cena de seriado estrangeiro a Claudia Ferreira ter sido arrastada da viatura da polícia?

8. Quantas famílias aí na sua rua têm bandidos, embora todos brancos, com no máximo 3 filhos bem criados, papai e mamãe ganhando bem, com carro na garagem, criança em casa ou na escola particular, tomando danoninho, ou na natação, curso de inglês? Fala ae, dona, quantas?

9. O que é melhor pra você, sustentar um preconceito falso, por si só inofensivo, ou virar o rosto para a criminalidade na MISÉRIA (pobre sou eu) dos herdeiros dos escravos (o que eles herdaram mesmo, que eu não estou lembrando?) para não correr o seríssimo risco de ser preconceituosa em algum momento?
Já comprou suas lentes de contato rosinha? Ajuda a ver o mundo sem preconceitos, hein?

10. Qual a pobreza que deve ser combatida e que você está combatendo? A sua própria ou a da esmagadora maioria dos afro descendentes amontoados nos morros e periferias? Qual a desigualdade dos descendentes de escravos contra que você luta?
A pobreza não pode ser mesmo responsável pela criminalidade, concordo com você. Não existe pobreza, na verdade, né? Só existe pobre. Como Jesus falou: "Os pobres, sempre os tereis convosco." E eu falo de pobres, de miseráveis, de segregados, apartados, de rejeitados, falo dos negros sim senhora. E se a pobreza, que não existe, não é a responsável, quem será? Miséria cai do céu que nem chuva? Dá em árvore? É um tipo de capim? Quem ou o que gerou o pobre e o miserável, Sara?

11. "Criminalidade em que vivemos"
Você vive na criminalidade, Sara? Ela não está há quilômetros das nossas casas ou na TV? Ora se vivemos na criminalidade, porque detesta análises sobre o que acontece debaixo do nosso nariz? O que os olhos não leem o coração não sente? kkkkk

Daniela disse...

o caso do goleiro Bruno tbm apareceu muito na tv, no entanto...

Daniela disse...

Pq a esauerda que criou? Todas as leis foram criadas pela esquerda agora? Me poupe de tanta burrice!

Sara disse...

anon 13.16hs eu não faço ideia nem vou conjecturar de onde vc surgiu, mas eu sei muito bem de onde eu sai, e qual minha origem.
Embora minha aparência não denote, meu pai era do centro oeste próximo ao Tocantins, onde caso vc não saiba existem cidades fundadas por quilombolas, portanto acho q tenho alguma coisa a dizer em relação ao racismo, e descriminação com q os negros são tratados, principalmente aqui na região sudeste e sul, vc vomita um monte de indagações, das quais vc julga q tem as respostas, q na verdade não passam de conceitos falsos que vc engoliu, apenas pq esses são repetidos constantemente.
Por ter perdido meu pai quando criança, minha mãe veio p São Paulo, e nossa única opção foi morar ao lado de uma grande favela, em um bairro de periferia aq em São Paulo, ja vi uma bala passar a poucos centimetros da minha cabeça e nem foi na favela, portanto creio q eu tenha tido contato e vivencia do q é ser pobre e até miserável, não ouvi falar, eu senti e vivi.
É verdade q minha realidade hje é bem outra, e não me atrevo a falar em nome daqueles que ainda estão no lugar de onde eu vim.
Mas continuo achando que mesmo dentro da miséria essa gente deve ter direito a voz, precisam ser escutados, eles tem a solução para os problemas q vivem, não são ignorantes q não sabem o q fazem, como insistem tanto em dizer, e por tudo q me lembro, a maioria absoluta deles não se vê como vc descreve q são, nem como esses sociólogos de meia pataca insistem em colocar.
Ali vive gente igual a vc tb, preconceituoso, tem gente ruim pra caramba, tem vagabundo, tem gente muito honesta, tem gente q só quer trabalhar e viver, tem gente alegre, enfim tem de tudo, pode te surpreender mas gente rica é igualzinha a gente pobre.


Sara disse...

Haaa anon 13.16hs q eu saiba o Marcola n era filho de imigrante ilegal não, nem tão pouco era muito pobre, q eu saiba ele era da Moóca um bairro de classe média baixa aq em São Paulo.

Anônimo disse...

Bom, vai ver o boliviano, pai do Marcola, era funcionário do consulado da Bolívia, ou professor universitário, quem sabe? Osasco mudou de nome?

Eu vomitei um monte de indagações e você não respondeu a nenhuma.
Esses "conceitos falsos" eu engulo e vejo todo dia no noticiário. Será que é tudo cidade cinematográfica cheia de figurantes? Vai ver que é novela, hein? As estatísticas são todas forjadas? Eu não falo em nome dos miseráveis que você diz conhecer, eu falo o que vejo, o que ouço, o que leio.

Sua realidade é bem outra? Então você cuidou foi de si mesma, não se atreve a falar da vida dos miseráveis seus vizinhos porque, sabe como é, você não moveu uma palha, mas também você não tem nada com isto, cada um que viva a sua vida, você já faz o que pode, seu pai também veio de cidade fundada por quilombolas, não é assim? Vamos silenciar, dona. Que os miseráveis (Les Miserables... oops, Cidade de Deus, alguém?) filmem sua própria desgraça para nós irmos assistir no cinema, né, amore?

Se eles tivessem a solução para os problema deles como você teve para o seu, eles não estariam jogados no meio do nada; estariam nos condomínios, nas casas de campo alugadas, como fazem os chefes do tráfico para suas famílias passarem o feriado. No outro dia foi preso um em Campos do Jordão, resort dos altamente indexados, pra sentir um friozinho.

Gente rica é igualzinha a gente pobre? Nofa, que sabedoria! Então por que está discutindo aqui? Tá tudo dominado. Gente honesta, ou vagabunda, ou alegre pra lá, e nós, os indexados, os moradores de boas casas no condomínio fechado, com carro na garagem, escolas particulares pros filhos, shoppings (rolezinho de rico pode?), viagens a Miami pra cá que não somos sociólogos de meia pataca nem estamos aqui pra ouvir como o lado de lá se descreve, até porque nós não os escutamos, ou fingimos que não, e nem queremos ler nada sobre eles. Que cuidem de si mesmos. Afinal, eles são iguais a todo mundo!!! kkkkk

Ah, mas preconceituosa você não é, que fique bem claro. Parabéns mais uma vez!

Anônimo disse...

Vão se foder todos vocês.
Falam tanto em direitos humanos, em humanização do preso em quebrar tabus, paradigmas, em deixar de ser preconceituoso e o caralho.

Mas quando se trata de aplicar o discurso na prática, a coisa muda de figura né?

Os caras foram condenados PONTO.
Os caras cumpriram as sentenças PONTO.
Não existe pena perpétua no Brasil PONTO.

E não venham com essa conversinha que estão aí como se nada tivesse acontecido.
Vocês não sabem o inferno que os caras passaram, não sabem o que é ficar preso.

Polêmicas assim são muito interessantes porque mostra o quanto as pessoas sem preconceitos são preconceituosas.

Bando de inúteis.

Sara disse...

anon 17.02hs seu sarcasmo cheio de ironia de quem se acha muito esperto, é patético.
Eu posso não ter feito muito pelos lugares de onde eu vim, mas almenos sei tratar quem ainda vive ali como meu semelhante, coisa q vc pelo jeito não sabe e se julga muito superior.
Qto aos meu parentes descendentes do quilombolas, moram em cidades de boa infra estrutura, não são cidades ricas, mas muitos ali são prósperos e como na maioria dos lugares, tem gente pobre, remediada e os mais ricos, mas não vi miseráveis por lá, como vc pensa q há, muito pelo contrário.
Vc criou um esteriótipo na sua cabeça de q se descende de negros são miseráveis e ladrões, pois saiba q eu e muitos dos meus parentes não somos queridinho, alias embora sofram preconceitos , principalmente aqui nos estados do sudeste e sul, ha muitos negros vencendo mesmo contra todas as adversidades q encontram.
E quer saber ja deu, vc é cheio de tantos preconceitos, q nada do q se diga vai mudar seu raciocínio torto, eu nunca vou entender pq tanta gente como vc insiste em destacar as diferenças, pra mim querem apenas reafirmar q negros e pobres nunca vão sair da ignorância e miséria e criminalidade, sendo q isto não é verdade, embora vivamos em uma sociedade muito desigual, não estamos conformados e inertes, somos tão capazes como qualquer um , muitos podem até estar em posição de fragilidade mas certamente estão lutando contra isso.

Anônimo disse...

Eu disse que há miseráveis de onde você veio, Sara? Você que nos brindou com essa informação tão importante sobre sua origem, como que para justificar que você também foi uma quasi-miserável. Não tenho ideia de que lugar se trata, nem quem é você, bem entendido. Até porque a discussão NÃO É SOBRE VOCÊ.

Mas é como eu disse e vou repetir. Pra você, tá tudo dominado. Vai ver sua novelinha, vai! Não tem BBB hoje?



Anônimo disse...

Sawl

Para Anônimo mal educado e descontrolado das 18:08
Caro(a).
Concordo que na teoria, todos seres humanos merecem chance pra se regenerar depois de cumprirem suas penas.
Mas, você está sendo um(a) grande hipócrita!
Direitos humanos é para criminoso e também para vítimas, se não fosse assim, vítimas não teriam o direito de verem seus algozes presos.
Sim, os rapazes podem ter sofrido o “inferno”, mas, os parentes do pobre Galdino(pobre no sentido de vitimização, não de status social) não podem mais ter a presença dele, sem falar que ser queimado VIVO é bem mais doloroso e cruel do que brandas penas de 1, 2 anos e no caso do menor, meros 3 meses! O(a) senhor(a) não tá na pele de um parente de uma vítima, então não venha vomitar moralismo barato.
Queria ver você querer que um pedófilo fosse professor na escola de seu filho(ou filha).
E já que foi mal educado, vá se foder com sua hipocrisia!

Sawl – always the rebel

Anônimo disse...

Gente, vamos tomar Dramin?

donadio disse...

Não tenho muita certeza de se ele pode legalmente ser policial ou não. Mas não tenho nenhuma dúvida de que é completamente insensato. Você coloca muito bem os problemas do ponto-de-vista de sociedade (dar arma e poder a alguém que já cometeu um desatino muito grande). Do ponto-de-vista do próprio interessado, porém, não é menos irresponsável. Policiais estão o tempo todo no limite da legalidade. Vai que uma hora esse rapaz vai cumprir um mandado de captura, e no fim o procurado acaba morto. Para o policial que nunca teve problemas com a justiça antes, já é uma grande dor-de-cabeça. Imagina para alguém que já foi condenado por homicídio (ato análogo ao homicídio, no caso). Dá primeira página no jornal, "Assassino de índio mata bandido na Vila Miséria". Convencer a sociedade (e talvez a própria cúpula da polícia) que foi em legítima defesa, que o procurado reagiu, etc.? Um bocado difícil, eu diria.

Esses caras que queimaram o índio queimaram o próprio futuro junto. Muito difícil exercer qualquer profissão que implique notoriedade - promotor, juiz, político, cantor de rock, professor, repórter de televisão. Vão ter de passar o resto da vida na surdina, em ocupações o mais discretas possível.

Sei, "não existe pena perpétua". Mas isso só existe do ponto-de-vista formal; na prática, ninguém vai deixar um cara desses cuidar de criança ou decidir sobre a vida dos outros. Não pelo menos sem um "Eu não disse" se algo errado acontecer...

donadio disse...

"Não vejo nos EUA ou na Europa tanta proteção à bandido! Leis mais fracas que no Brasil, só alguns países da África e Oriente Médio onde estupradores não são presos!

Olha, o que eu vejo é geralmente o contrário: quanto menos desenvolvido o país, mais punitivistas as leis, mais desumana a cadeia, menos "proteção a bandido". Quanto mais desenvolvido o país, mais "fracas" as leis. A grande exceção, claro, são os Estados Unidos. E é uma exceção muito grande, com certeza, mas nem por isso deixa de ser exceção. É o único país desenvolvido que tem e aplica regularmente a pena de morte.

donadio disse...

"Esse povo fica falando de leis esquerdistas, mas em relação ao crime especifico nem era um governo de esquerda no poder...

Ai td é culpa da esquerda e esquerda é o PT, pessoas assim me dão raiva de debater... pior que falar com as paredes...
"

Tem gente que parece que acha que quem descobriu o Brasil foi o Lula. Ou que o Pedro Álvares Cabral era de esquerda, sei lá.

donadio disse...

"tráfico de seres vivos"

Putz, o dono da pet shop da esquina é um psicopata irrecuperável, e eu não sabia...

donadio disse...

"ser queimado VIVO é bem mais doloroso e cruel do que brandas penas de 1, 2 anos"

Os assassinos maiores de idade do Galdino foram condenados a 14 anos de cadeia, não a 1 ou 2. Ainda é, na minha opinião, preferível a ser queimado vivo (inda mais porque o Galdino não fez nada para ser queimado vivo - se bem que do jeito que as coisas vão, daqui a pouco alguém vai dizer que a culpa foi dele, quem manda dormir na rua - enquanto os playboys condenados mataram um homem), mas 14 não é nem um nem dois, são catorze. Mas a questão não é essa, eles não foram condenados para sentirem o que Galdino sentiu (senão teriam de ser condenados à morte sob tortura), mas para se emendarem. Se se emendaram ou não, é outro problema, e uma pergunta que só cada um deles pode responder.

Eu com certeza não queria estar na pele do Galdino. Também prefiro não estar na pele do Antonio Novély, do Tomás, do Eron, ou do Gutemberg. Ferraram com suas próprias vidas, e se não dói tanto quanto queimadura de terceiro grau, com certeza dura muito mais.

donadio disse...

E, sim, me parece que o Patrick tem razão. Não existe punição perpétua no direito penal, mas no direito administrativo pode haver sim.

Patrick disse...

Quem fala que o problema da criminalidade entre menores de idade se resolve com mudança na lei, está praticando demagogia ou sendo vítima dela.

Eu acompanho as estatísticas para o meu estado, o Rio Grande do Norte, e o fato é que pedido de impeachment contra a atual governadora.

Governadora cujo partido é o DEM, o mais à direita entre os maiores partidos do Brasil. Mas no raciocínio preguiçoso dos "comentaristas de portal", a "culpa" da falta de segurança é dos "esquerdistas".

Anônimo disse...

Donádio, é a Constituição Federal que determina que não há pena perpétua no país, e para todos os casos, não apenas os de cunho criminal, mas também no Direito Administrativo. Isso já foi decidido pelo Supremo, no caso de servidor demitido a bem do serviço público. Pela lei 8.112/90, o servidor que fosse demitido a bem do serviço público não poderia mais prestar concurso e servir à administração pública.

Porém, o Supremo concluiu que esta lei infraconstitucional havia criado uma pena de caráter perpétuo, não admitido pela Carta Magna. Por isto, o artigo da lei que determinava a impossibilidade de retorno ao serviço público foi declarado inconstitucional e perdeu seu efeito. Isso faz bastante tempo aliás.

Anônimo disse...

"No direito penal, não existe pena perpétua, mas no direito administrativo, sim."

Falou a voz da ignorância. A propósito:
"EMENTA: - DIREITO CONSTITUCIONAL, ADMINISTRATIVO E PROCESSUAL CIVIL. PENA DE INABILITAÇÃO PERMANENTE PARA O EXERCÍCIO DE CARGOS DE ADMINISTRAÇÃO OU GERÊNCIA DE INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS. INADMISSIBILIDADE: ART. 5, XLVI, "e", XLVII, "b", E § 2, DA C.F. REPRESENTAÇÃO DA UNIÃO, PELO MINISTÉRIO PÚBLICO: LEGITIMIDADE PARA INTERPOSIÇÃO DO R.E. RECURSO EXTRAORDINÁRIO. (...) 2. No mérito, é de se manter o aresto, no ponto em que afastou o caráter permanente da pena de inabilitação imposta aos impetrantes, ora recorridos, em face do que dispõem o art. 5, XLVI, "e", XLVII, "b", e § 2 da C.F. 3. Não é caso, porém, de se anular a imposição de qualquer sanção, como resulta dos termos do pedido inicial e do próprio julgado que assim o deferiu. 4. Na verdade, o Mandado de Segurança é de ser deferido, apenas para se afastar o caráter permanente da pena de inabilitação, devendo, então, o Conselho Monetário Nacional prosseguir no julgamento do pedido de revisão, convertendo-a em inabilitação temporária ou noutra, menos grave, que lhe parecer adequada. 5. Nesses termos, o R.E. é conhecido, em parte, e, nessa parte, provido." (Supremo Tribunal Federal – RE 154134/SP, julgado em 15/12/1998)


Repito: não existe pena de caráter perpétuo no Brasil. Nem no direito penal e nem no direito administrativo.

Sara disse...

https://www.youtube.com/watch?v=8NlLQp2xmZ8

anon22.09hs neste video da uma ideia de como vc analisa camadas da população com as quais parece vc não tem nenhum contato.

Michelle Paiva disse...

Cometeu crime hediondo! Mostrou a má índole que tem! Mostrou que é cruel! Mostrou que é covarde (cinco pra matar um homem sozinho)! Jogaram gasolina, riscaram um fósforo e assistiram uma pessoa em chamas para a morte! Agora imagina um caráter desse com um distintivo e uma arma!!! Quantos inocentes mais vai matar?

Anônimo disse...

fosse na Inglaterra, pegava prisão perpétua. Aqui, onde reina a injustiça brasileira, o sujeito sai por cima.

Gigio disse...

Sou muito a favor da redução da maioridade e prisão perpetua para crimes hediondos e motivos torpe e tantos outros adjetivos jurídicos. Não é justo uma pessoa tirar a vida de outra, traumatizar e desestabilizar toda sua família, cumprir pouco tempo e viver cheio de regalia com a desculpa de ressocialização. Tem que perder a vida também, por um bom tempo, fora da sociedade da liberdade de escolha, etc. Isso não é justiça, isso é o oposto. Muitos falam da desigualdade, sim, existe e perdura na nossa sociedade, mas essa lei se aplicaria também a esse tal de Gotembergcaso existisse. Na maioria dos comentários, o que leio são críticas ao sistema e não a lei. Lei tem que seguir o clamor da sociedade e é isso que precisamos hoje, PUNIÇÃO. Vocês não estão vendo que a cada dia que passa é melhor você matar a pessoa do que denunciar ela? É acreditar demais no sistema e ele está tirando isso das pessoas da maneira que funciona. Olha a mãe de um dos rapazes que foram atropelados dentro do carro pelo deputado? 10 anos! Nesses dez anos ele está VIVENDO sem REMORSO ALGUM, enquanto a outra parte está sofrendo e clamando de toda forma que ele seja preso. Ai eu pergunto, até onde vai sua fé no sistema? Pois, no meu julgamento era mais fácil ir la matar ou deixar aleijado e pegar uns anos de cadeia mas ter paz de espirito.