terça-feira, 18 de junho de 2013

VISÕES DIFERENTES DOS MUITOS PROTESTOS

Ontem eu estava saindo de uma aula e entrando em outra quando ouvi o protesto de Fortaleza passar em frente à UFC, na Avenida da Universidade. 
Fortaleza, ontem
Tive que sair correndo pra ver. Foi lindo, imenso, muita gente mesmo. E sem sombra de dúvida não era gente de direita naquele protesto. Tanto que eles gritaram pra todo mundo (eu inclusa) que via a multidão passar: "Você aí parado / também é explorado!". Reaças não usam esse tipo de vocabulário. 
Não posso negar que adorei ver toda essa gente saindo às ruas. E sei que a enorme maioria delas defende as mesmas causas que eu. Mas ainda me incomodo com esse slogan de "o gigante acordou", como se nós ativistas feministas, LGBT, negros estivéssemos dormindo.
Aliás, uma péssima notícia que acabei de ficar sabendo agora. Enquanto estávamos "acordados", a Comissão de Direitos Humanos do Feliciano aprovou "a cura gay". Havia poucos manifestantes na Câmara.
Este post vai ficar enorme e quero manter o bom humor. Vou publicar aqui alguns dos relatos que chegaram até mim, por email ou nos comentários do último post, sobre os protestos. Acho que você verá uma grande variedade de opiniões. 
E não posso deixar passar que os mascus continuam confusos com os protestos. A maior parte deles é contra e vê os manifestantes como esquerdistas abortistas feministas (presente!), mas a página dos guerreiros de um real no FB publicou hoje esta imagem:
Comentaristas tiveram que avisar o autor que existe também um outro partido de esquerda chamado PSOL. 
Mas o sujeito recomenda levar cartazes contra "a ditadura gay" e etc. Façam isso, mascus. Vão aos protestos com camiseta de Bolsonaro Presidente 2014 e segurando cartazes contra minorias. Tenho a impressão que vocês serão super bem recebidos... 
Belo Horizonte no sábado
Ana Gonçalves, sobre a manifestação de sábado em BH:
Porto Alegre ontem
"Bom, a respeito de Belo Horizonte. Sei que vão me xingar, nem que seja em pensamento, e adianto que meu intuito não é ofender ninguém. Adianto também que não me preocupo se por desventura ou sorte acabar ofendendo. Eu acho realmente ótimo que tenham saído nas ruas, é necessário e é legítimo. SIM vamos manifestar, vamos às ruas usar nossa voz. Não quero de jeito nenhum que o movimento em BH pare por aqui. Acho até que para os propósitos do ato, a manifestação atendeu bem. 
Belém, ontem
Só que parece que pulamos diretamente de um comodismo generalizado para as ruas, deixando de lado a parte de pensar. Pensar: afinal, o que queremos com esse protesto? Reclamar do aumento das passagens? Mas peraí, as passagens aumentaram há seis meses, vamos pensar já no reajuste que tem todo final/começo de ano. Exigir dinheiro pra saúde, educação. E tem alguém que se declare abertamente contrário a investimento em saúde e educação? Tudo muito vago. Solidariedade aos manifestantes vítimas da violência em SP? 
Uma ótima bandeira, mas por que não organizar? Em um intervalo de 15 minutos ouvi o couro de “vai tomar no cu” direcionado à Globo, à FIFA, e ao Bispo Edir Macedo que não tinha nada a ver com a história (não que eu discorde que ele mereça as ofensas, muito pelo contrário). Faltou consistência, faltou contexto, e faltou saber o que estava fazendo. Desculpem a petulância, mas a impressão que eu tive foi que, pra muitos, o objetivo do protesto era o protesto em si. Uma manifestação com o fim nela mesma. Não vi nenhuma menção à proibição de manifestações durante o período da copa das confederações. Também não vi reclamarem da higienização que acontece em BH com o recolhimento (e assassinato!) de mendigos. Se reclamaram, foi ofuscado pela falta de foco da maioria.
Lava de gente no RJ ontem.
Presenciei o intervalo de 15 minutos a que me referi na Praça da Savassi, zona sul de BH como todos sabem. Um pouco depois cerca de 300 manifestantes aparentemente desorganizados resolveram subir a Cristóvão Colombo, em direção ao centro. A tropa de choque foi logo atrás, mas felizmente não interessava à PM mineira reprimir [ontem foi bem diferente, como mostram essas imagens]. 
Na praça ficou parte da organização do protesto, que negociou com a comandante da PM. 
Juiz de Fora ontem
Observamos que ficaram também membros de grupos acostumados com manifestações. Grupos que sabem muito bem o que estão fazendo quando organizam um protesto, e provavelmente também sabiam o que estavam fazendo quando resolveram não seguir a passeata. Ainda na Savassi, conversei com um manifestante. Enquanto alertávamos sobre o perigo de uma repressão policial em um grupo (ainda) pouco numeroso de manifestantes pouco experientes, ouvimos a seguinte réplica: 'Se matarem 2 ou 3 é até bom pra manifestação ganhar força', ou qualquer coisa do tipo. 
Ao que parece é proveitoso à causa (qual a causa mesmo?) se sangue for derramado e um ou outro perder a vida. Desde que não seja, é claro, a vida desse jovem iluminado. Sei que nosso querido manifestante #não #representa grande parte dos que estavam lá, mas é válido que sua fala seja compartilhada. 
Só voltei a me juntar à manifestação mais tarde, já na Praça da Estação, onde um número considerável de pessoas acompanhava com satisfação o jogo da Brasil. O que foram fazer lá eu não sei. Sei que em meio ao couro de 'Ei, FIFA, vai tomar no cu' e algo que pode ser parafraseado em “foda-se a Copa eu quero dinheiro para a educação” (?), boa parte dos manifestantes ou virou as costas e foi pra casa ou para os butecos acompanhar, pasmem, o jogo da copa, ou ficou ali mesmo, de frente pro telão, assistindo ao mesmo jogo. 
Não posso dizer muito mais sobre a manifestação, não vi o resto. Vim pra casa ver o restante do jogo e deixar de ter desgosto que me estava sendo proporcionado (graças a cartazes como 'Reprima o Estado' e o clássico 'Foda-se o sistema', por exemplo).
Algumas considerações finais: Já no conforto do lar abri o facebook, a fim de ver o que estava sendo dito sobre o grande despertar de Belo Horizonte. Pra começar me deparo com 'Primavera Brasileira'. Seriously? Savassi is the new Praga, Cairo, Tunis. Calma lá. Nós não vivemos uma ditadura e não queremos depor nenhum representante. Ou queremos? Tem quem queira, já que li também o questionamento de se não seria essa geração capaz de realizar um novo impeachment. 
Não há pontos de interrogação suficientes que expressem minha reação. É isso mesmo? Impeachment da presidenta com o maior nível de aprovação da história? Tão relevante quanto os 70 mil das classes A e B que acharam pertinente vaiar a Dilma no Mané Garrincha como se representassem o Brasil (lembrando que é perfeitamente legítimo que se valham da sua voz e visibilidade, mas né). E me pergunto quem é que vão colocar no lugar. Marina Silva, a grande alternativa? Ou vamos levar Aécinho, o herói do povo, ao poder? 
Fica a dúvida se Dilma, a exemplo do que fez Collor, vai renunciar a tempo, antes de sofrer o impeachment (mas não se deixem enganar pela ironia, a omissão da presidenta frente aos últimos acontecimentos incomoda a mim também). Por fim, vi um manifestante insatisfeito ameaçar: se voltassem a levar bandeiras de partidos, não iria mais. Afinal, querem um movimento apartidário, autônomo e independente. Vazio de ideologia. 
Esqueceram de avisar que isso não existe. Se existe, é inexpressivo. Não adianta muita coisa protestar a favor daquilo que ninguém se pronuncia contra, como um Brasil melhor, a dignidade humana, verbas para saúde e educação. É tão efetivo quanto a marcha contra a corrupção. 
Pra deixar bem claro, repito: eu sou completamente a favor de ir às ruas, fico muito feliz que tanta gente ter se mobilizado. 
Só acho importante que nos conscientizemos mais política e socialmente antes. Foi um começo e um ótimo começo, mas não paremos por aí nem nos limitemos aos gritos na rua. Leitura e senso crítico também são revolução."
Bauru, ontem (não encontrei foto de Pinda)
Pirassununga, SP
Gabriela, de 18 anos, "feminista desde que deixou as fraldas", nas suas palavras, publicou um relato no seu blog sobre o protesto de ontem em Pindamonhangaba, SP: "Fizemos uma manifestação em apoio ao Movimento Passe Livre e contra a violência da repressão policial nas grandes cidades, e foi um sucesso! Tivemos até apoio da PM e do Detran, que abriram caminho para os manifestantes."
Salvador, ontem
Patty, de SP: "Vi uma galera compartilhando um vídeo do Rafinha Bastos apoiando os protestos... É claro que essa gente está apostando no time que está vencendo. Querem conquistar simpatia porque, após os notórios abusos da PM quinta, protestar ficou 'cool'. 
Percebo também por meus colegas de Twitter e Facebook. Gente alienada, que nunca curte nada importante que eu posto, veio puxar assunto comigo querendo conselhos sobre manifestações. 
É até engraçado. Até sexta ainda tinha gente me excluindo porque minhas postagens politizadas, esquerdistas e feministas são muito chatas. Parece que estamos na moda. O lance é aproveitar a parte boa. Tentar emplacar o feminismo nisso. rs".
Sam, de Curitiba:
Porto Alegre
"Estou enviando pra você em anexo algumas fotos que tirei da minha janela do 12° andar dos protestos que ocorreram nessa segunda-feira em Curitiba. A concentração começou na Boca Maldita, seguiu pela praça Zacarias até a Rui Barbosa e foi extremamente pacífica e sem tumultos. 
Não teve polícia, só o Setran para cuidar do trânsito. Ouvimos gritos de 'sem violência', cartazes de 'ditadura nunca mais', entre outros momentos muito lindos. Certo ponto alguém tentou estender uma bandeira de um partido político, e a multidão reagiu bradando 'sem bandeira, sem bandeira!', mostrando que a luta que está acontecendo no país não é de um partido contra outro, esquerda contra direita, e sim essencialmente político e apartidário, extremamente popular e espontâneo."
Manuela, de Brasília: "Realmente foi um alento ler esse post Lola. Todas essas coisas me passavam pela cabeça ontem, mas resolvi ir lá na esplanada e ver como iria ser a coisa. Cheguei cedo, as 16h, na concentração, e estive com o movimento o tempo todo, até quando subiram no congresso. 
Ônibus em SP
Tinha muita muita gente, e a medida em que iam chegando mais, a coisa foi se descontrolando. Os gritos, que eram de apoio à manifestação de São Paulo e contra a copa, foram se transformando em pedaços do hino cantado, e gritos de "sou brasileiro com muito orgulho com muito amor". Isso foi me deixando desconfortável. Sério, qual é a necessidade de cantar o hino a cada cinco minutos? Parecia coisa de integralista, parecia que em algum momento iam soltar um "brasil, ame-o ou deixe-o". Mas fiquei chateada mesmo quando alguém atrás de mim começou a tentar puxar algo que soava como "dilmão sapatão".
Covardia policial em Brasília
Tinham muitos adolescentes, que provavelmente estavam fazendo aquilo pela primeira vez, cheios daquela raiva típica, mandando tudo e todos tomar no cú. Eu sei como é isso, também já fui em manifestações na esplanada no alto dos meus 15 anos protestar, sem nem saber direito pra quê. E acho que isso é importantíssimo na formação das pessoas, acho que é necessário. 
Mas acho que alguém lá na frente tinha que saber o que estava fazendo, o que estava sendo feito, porque estava sendo feito. Enfim...
E é isso, não acho que essas pessoas não tenham o direito de protestar, ou que o protesto dela seja menos válido, mas eu não quero estar nesse protesto, ou protestar por essas coisas."
Linda foto do protesto no Rio, com o Teatro Municipal se olhando no espelho
Vitória: "Eu como pessoa que está apoiando os atos desde o início, que está descontente com o PT há muito tempo e que não votará mais nele nas próximas eleições, que me emociono com a mobilização popular, inclusive essa, tb questiono e MUITO esses atos da 'primavera brasileira'. 
Estou muito longe de querer deslegitimar essas manifestações, e o meu medo é que o próprio movimento se deslegitime pela própria falta de foco, liderança e organização. O fato do Pondé e do Jabor passarem a apoiar não vai nunca tirar o valor dessa mobilização toda, contudo é sim motivo de maiores desconfianças, não desconfiança contra o movimento, mas das brechas que ele pode deixar abertas para a ação de oportunistas. 
Sou próxima a muitas pessoas ligadas a movimentos sociais e eu mesma milito ao lado de um coletivo LGBT, e TODO MUNDO que tem o mínimo de experiência com mobilização popular está começando a fazer os mesmos questionamentos que eu e a Lola. E olha que essas pessoas estão bem longe de serem petistas. A maioria da galera que conheço não tem filiação partidária ou está no PSOL e PSTU (que, como vc sabe, tb são partidos muito críticos ao PT). 
Conheço pessoas que estiveram na marcha do vinagre de ontem em Brasília. Muitas delas adoraram (coincidentemente são as que entraram no ativismo agora) e que o ato foi lindo é um consenso geral. Mas ouvi de outros companheiros que uma hora não sabiam o que estavam fazendo ali. Li o relato de uma menina, tb ligada à luta social, que quando viu que não tinha muito foco e nem planos ('ok, invadimos o gramado do Congresso, o que fazemos agora?') decidiu ir embora. Um outro colega disse, ironicamente, em seu face: 'Chegou uma hora que fiquei tão entediado que queria também ir bater na polícia pra ver se algo ganhava sentido e quando a pauta da manifestação foi jogar x não jogar água nos tiras eu achei melhor ir assistir uma aula sobre a lei 8112'.
Primeiro, quais são as reais pautas? É lutar contra a corrupção (como se alguém fosse a favor)? É pedir melhorias na saúde, educação e transporte público? É tirar o Marco Feliciano da CDHM? (meu sonho que tivesse 10.000 pessoas na esplanada lutando contra o fundamentalismo religioso - só que não). Outra coisa, tirando os movimento sociais que já conhecemos e que tb participaram, quem compõe a massa desse movimento? Confesso que não me espantaria de estar protestando na marcha do vinagre e dar de cara com o crente que tentou me bater na câmara. Ou então encontrar aquele meu primo pró-Bolsonaro. 
O descontentamento é com o governo, principalmente o PT? Qual é o plano então, pedir o impeachment da Dilma? E depois? A 'primavera brasileira' vai indicar um candidato de outro partido ou vai se enfraquecer? Eu e meus amigos estamos dispostos a procurar outras opções à esquerda, mas e o grosso dessas pessoas, vão se esquecer dessa segunda etapa e esvaziar as opções? Ou o plano é fechar o Congresso e dar um golpe de estado? Sei que esses questionamentos são ridículos, mas é sério: qual a REAL finalidade? O que vai acontecer depois? Qual é o plano?
Já oscilei do apoio incondicional até a fase que estou agora (continuo apoiando, mas isso não me impede de questionar). E gostaria sim que as coisas ficassem mais claras, que aparecesse uma liderança pelo menos para servir de interlocutora, e que tivesse pautas mais consolidadas pois lutar contra a corrupção, pela saúde e educação é ainda MUITO genérico. Se isso não acontecer é o próprio movimento que pode ir pro vinagre, literalmente, e sem a ajuda de ninguém."
Mirella, de SP: "Coisa mais linda do mundo estar no meio de milhares de pessoas. Ontem tava muito lindo. É incrível fazer parte disso. São Paulo com as ruas cheias de gente caminhando. Não vi quase nenhum policial, falaram que estavam infiltrados, mas o importante é que deixaram a manifestação seguir.
Chegando em casa é que fui saber que houve alguns conflitos, principalmente em frente ao Palácio dos Bandeirantes. Mas eu não tinha fôlego nem condições psicológicas de continuar andando até lá, e voltei para casa, com as cantorias e gritos na cabeça.
Fui chegar super tarde na Faria Lima, pois saio do trabalho às 17:30 e preciso pegar o fretado, que demora uma hora, para chegar em São Paulo. 
Encontrei meu namorado e os amigos dele já na Juscelino com a Faria, onde tinha mais gente concentrada. E sabe, não era Copa, Libertadores ou show de alguém. Era gente nas ruas protestando. Não consigo ficar indiferente, vi muitos amigos saindo de casa, mudando horário de trabalho para poderem ir à manifestação. É emocionante ver o Brasil inteiro. E que fofo, né? São Paulo tem, aparentemente, 65 mil playboys, o Rio tem 100 mil playboys, BH tem 20 mil playboys. Brasil, um país de playboys rssss".
Flagrante da violência policial no protesto do RJ. Não teve imagem assim ontem em SP porque não teve polícia.

113 comentários:

Anônimo disse...

Eu estou agora na Praça da Sé, gente na boa, já virou um movimento reaça, ta parecendo uma marcha pra g-zuis, estou indo embora :(

Anônimo disse...

Cartaz na Sé "FORA MENSALEIROS"
Agora eu estou vendo o povo de verdade nas ruas, e não as traqueiras do PSTU,O tiro saiu pela culatra esquerdalhas rsrsrs

Patty Kirsche disse...

Eita, foi surpresa ver meu comentário no texto! Legal! haha

Então, hoje o pessoal já começou a reclamar na página do evento do MPL no Facebook. Muita gente perdendo o foco; montando enquetes e mais enquetes sobre quais serão as metas, se pode levar bandeiras de partido, se pode fazer vandalismo...

Eu acho que a multidão está meio que se apropriando de um movimento popular que deu certo e tentando adaptá-lo a outras causas. Minha preocupação é com cartazes como este: https://www.facebook.com/photo.php?fbid=645843395445699&set=a.644729832223722.1073741828.644721115557927&type=1&permPage=1

Roxy Carmichael disse...

lolinha, ainda lerei com calma todos os depoimentos. estou chegando no brasil ainda essa semana pra acompanhar de perto o que está acontecendo, mas pelo que tenho lido, só o que posso fazer à distância, tô ficando meio tensa. o motivo é previsível:

"Na página virtual (Facebook) do Quinto Ato, marcado para o dia 17 de Junho e com mais de 240 mil pessoas com presença confirmada (já esperando os ataques bárbaros da Polícia), as enquetes conseguem fazer qualquer queixo que se preze cair. Em uma delas, que perguntava qual bandeira deve-se levantar após a baixa dos preços das passagens (se houver), algumas das propostas colocadas como motivo de mobilização (mesmo que não muito votadas) são: cancelamento da Copa do Mundo 2014 (um tiro no pé, com todo o investimento já feito), Reforma Política (que reforma?), Segurança (mais PM nas ruas?), Diminuição da maioridade penal (sem comentários), Fim do Funk (projeto higienista manda um “Oi!”), a favor do Estatuto do Nascituro (sem comentários, de novo), CCC – Campanha Corruptos na Cadeia (não tinha um nome melhor? Quase um CCC – Comando de Caça aos Comunistas - de 1964), dentre outras propostas que preferimos não imaginar o que aconteceria caso ganhassem força."

do site brasil de fato.

Thati disse...

Disseram tudo que eu queria e mais um pouco. Tá tudo sem foco, tá indo no embalo e só. Poderiam aproveitar esse embalo e reivindicar coisas melhores, essa história do Feliciano é uma, olha que absurdo gente, e agora que tá todo mundo com sentimento revolucionário ninguém faz nada. Antes o que tinha de gente postando foto de beijo gay, e agora?
Vão diminuir 20, 30 centavos da passagem e acabou? Porque vai ser isso que vai acontecer!

E essa história do Impeachment? Nem tem o que comentar. Sabe qual é o meu medo? Da globo se aproveitar dessa história como se aproveitou pra criar o "Fora Collor". E pelo andar da carruagem, pode não demorar pra acontecer.

Anônimo disse...

Anônimo das 17:53 não pode dar mais detalhes do que está acontecendo?

Carolina Pombo disse...

Lola, acho que é hora de apoiar um governo Dilma sem as amarras com PMDB e Felicianos! É claro que a manifestação inicial é pela redução da passagem, mas temos que pensar, como disse a sua comentarista, em como isso pode ser feito: pelas vias da oneração das prefeituras ou pela redistribuição dos lucros imorais dos empresários? O que está em jogo é decisivo. Estamos descontentes com o modelo de desenvolvimento que está aí. E esse modelo não é da Dilma nem do Lula. Na verdade, o PT veio pra freiar um pouco essa derrocada do sistema político e social brasileiro. Mas, a esquerda está decepcionando em muitos sentidos, porque dá espaços cada vez maiores para alianças conservadoras. Isso tem que parar!

Ta aqui minha breve contribuição (de longe) para esse debate: http://carolinapombo.blogspot.fr/2013/06/isencao-de-imposto-nao-e-solucao-tire.html

Mariana. disse...

se pra muita gente o objetivo principal do protesto foi o protesto em si, eu acho SENSACIONAL.

porque a gente tava tudo acreditando que podia falar o que quisesse, que podia ir as ruas pedir o que quisesse, que as repressões não aconteceriam ou seriam casos isolados.

mas não. é tudo mentira. a gente não pode nem protestar. nem reivindicar.

eu vou no protesto quinta aqui na minha cidade. já fui no domingo e tou louca pra ir de novo.

poder ir é o máximo.

Annie disse...

Estava desde fevereiro sem minha conta no facebook, voltei ontem pq vi muitas fotos dizendo 'saimos do facebook', oq pensei: Bom, vamô volta que tem alguma coisa acontecendo, pelo menos com os amigos de Porto Alegre vou conseguir achar algum rumo.
Volto e me deparo justamente com tudo que foi comentado nesse posts.
TODOS os depoimentos são um fato do que atualmente está acontecendo lá.
E olha, que não só tenho 32 pessoas no facebook.
A maioria foi deletada na primeiro marcha das vadias de Porto Alegre(ano passado)
O seu post anterior, Lola.. foi uma das coisas mais lindas que leio em tempos.
Digo 'linda', pq me agradou de uma forma e encheu meu coração de alegria.
Achei que já estava ficando louca.
'Como que somente eu estava pensando esse negócio de 'o gigante acordou', estava muito errado e chegava a doer só de olhar?'
Fato que comentei no facebook e logo depois compartilhei o teu posts.
E tive que ler isso, 5 minutos depois de ter compartilhado o teu texto:
"Não ia postar nada sobre os protestos ,nem minha opinião,nem porra nenhuma...mas resolvi falar.Qual é a desse pessoal fazendo ser "cool" agora sair por aí em passeata, e desprezando as pessoas que só começaram a fazer isso agora? " Você que acordou agora, pq nós já fazíamos antes..." com um desprezo,uma posição de magnitude, de seachismo do caralho.Vão se foder.Vocês faziam tudo isso antes, mas só tomou a proporção de agora justamente por esse povo que "acordou" só agora,então mais respeito ao teus iguais, pq um marcha ao lado do outro, e anos a mais marchando não fazem você ter mais ou menos valor que ninguém.Era o que faltava, gente se achando por um motivo que devia ser muito maior que qquer satisfaçãozinha do ego."
Juro que tive que ler 3 vezes isso p'ra acreditar no que estava lendo.
Vim correndo no teu blog e vi agora esse posts, pessoas falando que também estão achando tudo muito confusão, se sentindo mal na presença dessa confusão...
Eu ia ir no protesto de quinta-feira que haverá aqui em Porto Alegre novamente, mas depois disso tudo.. de ver que não estou louca no meu pensamento, de ler isso que foi postado na minha timeline (lembrei na hora um dos motivos que me fez sair do facebook. Indiretas por posts)... não sei mais oq verdadeiramente seria o 'correto'

Paulo Garcia disse...

Muitos reivindicando, poucos trabalhando.
Muitos direitos, poucos deveres.
Muito sol, pouca sombra.
Muito chupim, pouco tico tico.
Muito parasita, pouco vermifugo.

Nina disse...

Olha, eu não sou contra quem tá saindo nas ruas agora. Acho LINDO. De verdade. Mas como você, Lola, eu não posso aceitar que digam que o Brasil só acordou agora. Porque nessa fala está implícita que mulheres, LGBT, negros, ativistas dos animais, não são parte do Brasil. E isso não é verdade. Somos sim um Brasil que está acordado faz tempo. Quero de coração que todos venham sim às ruas. Mas que venham sabendo que já tem gente marchando, que merecem respeito. Respeitem por favor!

Anônimo disse...

O partidão vai cair, histórico.

° Emy ° disse...

E o (In)Feliciano aproveita a oportunidade! Típico...
A quem interessar, o CFP manifestou repúdio a aprovação da PL: http://site.cfp.org.br/nota-do-cfp-aprovacao-do-pdc-2342011-e-um-retrocesso-para-os-direitos-humanos/

Quanto aos protestos, acredito sim que a gente tem que ser crítico com muita coisa que vem acontecendo. Mas acho também que se limitar a criticar pouco resolve. Sim, dizer que só agora acordamos também me incomoda, porque quem milita a mais tempo sabe que isso não é verdade. Mas aproveitemos o momento, vamos lá, usemos essa oportunidade para orientar essa galera meio perdida que quer participar, fazer a diferença. Acho que esses erros acontecem em todos os planos, é só questão de acertar e bola pra frente. Isso não inválida, a meu ver a luta, que é nossa! E eu, estou nela! Vem, vem pra rua vem!

Jac disse...

Eu não poderia concordar mais com a Ana Gonçalves.

O movimento não tem objetivo, não tem foco e provavelmente não será eficaz. O protesto era inicialmente do MPL (que eu não conheço muito, mas não nutro simpatia pelo que eu conheço) e virou um auê imenso. Não é só R$0,20, mas é o quê? Eles querem o fim da corrupção (o rly?), mas não sabem quem são os corruptos, onde eles atuam, o que eles fazem, por exemplo.

E eu estou detestando esse auê de "o país acordou", "o gigante acordou", "revolução do vinagre", "o país mudou" - o pessoal tá agindo como se isso mudasse a história do país - e já eu acho que você tem que esperar um pouco mais para ver a repercussão das manifestações. O que eu vejo é mais vontade de parecer revolucionário no facebook do que vontade de mudar algo mesmo.

E essa ladainha de que apartidarismo? Brasileiro odeia partido político pelo simples fato de ser um partido político. Se você pegar os líderes de qualquer manifestação que o povo apoie e criar um partido com eles para mudar o governo, o povo automaticamente vai passar a odiá-los.

Anônimo disse...

O projeto de país do PT faliu. Acabou.

Senhores, este governo que aí está não governa mais.

E posso estar enganado, mas tenho a impressão honesta (despido de qualquer vontade ou desejo meu), de que a era petista de poder se findou ontem. Ainda que dure até 2014.

Com o projeto do PT foi pro vinagre o nosso modelo de representatividade. O modelo político-partidário brasileiro, mal ajambrado pela Constituição de 1988 deverá mudar.

Os partidos atualmente existentes, que não representam mais ninguém, irão acabar. Senão a coisa irá piorar.

A história está sendo escrita nas ruas. Se a extrema esquerda tentou dar um golpe no Alckmin e no PSDB paulista, a soldo ou não do PT, o tiro saiu pela culatra. Acabaram detonando com o projeto centro-esquerdista do PT e com a república como a conhecemos.

Nunca pensei que esse dia iria chegar. Mas chegou, enfim.

Nada como a “volta do mundo”.

Leandro disse...

Não sei se a autora sabe, mas depredar vidros de lojas, agências bancárias, saquear supermercados...tudo isso é CRIME, e claro, alguém paga por estes danos à propriedade. Então não é culpa da PM, elo contrário, a PM está alí para evitar estes vandalismo (que já estavam acontecendo antes da PM chegar).

Anônimo disse...

o tiro saiu pela culatra comunas, kkk, perdeu marx.

Castro disse...

Muito surpreso com o seu posicionamento. Seus argumentos são pouco relevantes para justificar a classificação de uma tag patriota no twitter como "generalista e alienada".

O que te impressionou? Os gritos de ordem com palavrão? A chamada pouco "amável" para participação no movimento? Não vejo nada demais nisso. É a indignação do povo que está borbulhando em suas veias.

Se há a violência, não precisamos explicar que é por causa de meia dúzia de vândalos mau intencionados nas manifestações, capazes de gerar confusões de grandes dimensões.

Se há caos no movimento, com certeza não é menor do que aquele que foi instaurado na nossa saúde, educação, segurança pública, transporte, etc.

Para ter foco é preciso ter liderança. Para ter liderança é preciso ser um movimento partidário e o antipartidarismo é a característica principal dos protestos.

Se o povo não luta, não vai às ruas, tem gente reclamando, falando que o país não presta, que o povo merece seus governantes.

Se vai às ruas e se revolta, tem gente para reclamar falando que "não tinha ninguém na porta do congresso enquanto era aprovada a cura gay."

Não sei se você não anda muito conectada ultimamente, mas aquele movimento todo em Brasília, aquela foto antológica divulgada ontem no mundo todo, significou mais do que a manifestaçãozinha que você esperava contra o Feliciano.

Minha opinião, em resumo é: não concordo com você. Acho que você deve parar de reclamar e de colocar peso quando o povo Brasileiro dá seu primeiro sinal em décadas de sua dignidade e patriotismo.

Este é um movimento feito por jovens. Perdidos sim. Sem foco sim. Mas revoltados, indignados e principalmente: esperançosos.

Tenho visto muita gente mais velha reclamando disso. E quer saber? Não vamos dar ouvido porque sua geração nasceu para ficar reclamar "da janela", sentada no sofá. As coisas estão assim por sua culpa.

Mas deixa com a gente que a gente vai mudar. E você vai poder continuar na janela, comemorando.

Stella Mota disse...

Olha adorei os comentários... Citados.
Sou de Brasília e concordo com a menina de BH, principalmente nessa parte:

" Pra começar me deparo com 'Primavera Brasileira'. Seriously? Savassi is the new Praga, Cairo, Tunis. Calma lá. Nós não vivemos uma ditadura e não queremos depor nenhum representante. Ou queremos? Tem quem queira, já que li também o questionamento de se não seria essa geração capaz de realizar um novo impeachment. "

O que me parece é que virou moda ser militante aqui em Brasília, muita gente querendo gritar mas sem saber muito bem porque.

O que mais que preocupa é que a Globo pode alienar, mas o Facebook e o Youtube alienam da mesma maneira.

Uma brasileira morando no USA soltou segunda feria um pedido internacional para que os turistas não venham a copa. E o pior os argumentos dela são os típicos argumentos de alienação: info manipulada, mentiras e alarde. ... Ela fala que a copa custou 30 bi de dólares para o Brasil. Bom gastamos 7,03 bi de REAIS me estádios, dentro desse dinheiro tem investimento privado tbm, assim como financiamento público. (o governo do Rio, por exemplo, vai receber o dinheiro investido em dois anos)... Mas enfim, gastamos sim mais que a Africa, porém gastamos menos que a Alemanha. .. Meu ponto é que essa menina do vídeo mentiu e assim mancha o video dela com alardes falsos. E os fins justificam os meios? Vale coloca o povo na rua com informações falsas?

E o que me preocupa é que em Brasília, ninguém com quem conversei no movimento sabe da existencia do Mensalão Tucano, das provas contra o fhc e que esse crime vai prescrever sem ser julgado.... Não gritaram por julgamento do mesnalao, pela prisao dos já julgados, nao gritaram por nao pec37, por estatuto ... Gritaram pela renuncia da dilma e cantaram por paz.

Como se a luta fosse por paz... vivemos em um país desarmado.. nosso exército é pequeninho, nao temos grande poder bélico. Nao faz sentido!

Mas enfim, estarei lá contra a pec37, contra o estatuto do nascituro... Mas não vou encher movimento para gritaria e perda de cabeça... as pessoas parecem ter surtado... primavera brasileira???


beijos

Anônimo disse...

Ok, tenho muitas coisas à dizer:

1º sobre o slogan "o gigante a acordou", o gigante esta se referindo a população brasileira em geral; não é que os ativistas que já protestavam e se manifestavam estivessem dormindo, e sim que aquela parte da população - que sempre reclamava das coisas e não fazia nada - finalmente resolveu fazer algo, e essa parte infelizmente é maioria no Brasil.
2º SEI QUE O COMENTARIO NÃO REFLETE SUA OPNIÂO mas acho muito triste isso de ficar reclamando de quem 'não tem experiencia nos protestos', é pq o gigante tava dormindo porra! Ai a gente tenta aprender mais sobre os protestos, sobre os direitos e é recebido assim :P
3º Eu sei o que eu quero; eu quero que o dinheiro reservado à educação seja usado na educação, quero que os professores recebam o salario que merecem; a mesma coisa acontece com os hospitais; quero que os professores, policiais e médicos recebam o treino e as orientações adequadas; quero transparecia politica;quero protestar por causas simples, que todos estejam de acordo, causas justas, para que possamos lutar juntos, sem lado e sem polemica;quero entender;quero que meus professores falem sobre isso na escola; quero ser uma diferente dos outros jovens (tenho 14 anos) e ter conhecimento das coisas; quero que vocês que tem mais conhecimento passem a ensinar ao invés de ficar reclamando, pq tem gente querendo aprender;quero ter senso critico e entender de política; acima de tudo quero que pessoas como você, como as que comentaram - pessoas que sempre estiveram acordadas - nos guiem, pq eu realmente desejo um Brasil melhor, e sinceramente? alguém como eu, eu não seguiria.
4º Foi dito que não adianta protestar aquilo que ninguém é contra, mas eu não vejo os políticos serem a favor da educação, eu não vejo os políticos a favor de nada diferente deles mesmos. Mas é para eles que estamos protestando não?
5º Desculpe se foi dito algum equivoco, e desculpe também pelo palavrão. NÃO DESEJO OFENDER NINGUÉM, e caso eu esteja errada por favor (EU IMPLORO) me concerte.

Lili Marie disse...

Nossa, o movimento está tão perdido que até cartaz pedindo intervenção militar teve! Cruzis!

Somnia Carvalho disse...

Lolíssima muita saudade de você!

Nessa coisa toda que estamos vivendo eu pensei: "preciso passar na Lola", preciso!

a vida anda cada vez mais boba no sentido da correria e quase não te visito mais!

Ainda assim, só queria dizer que tenho usado textos seus, com citação, blog e tudo mais, para fazer provas quando o assunto é Feminismo, na aula de Sociologia na primeira serie...

quero dizer que adorei seu livro!
e que é bom ver sua clareza com os fatos como neste e no outro post... "Mas não é só com a truculência da polícia de choque que precisamos tomar cuidado. "

abraçaoooo! somnia.

Anônimo disse...

Bonito ver que eu não fui a única a querer sair no meio do protesto em Brasília. Assim que cheguei, alguns grupos gritavam coisas diferentes, a maioria das pessoas conversava e eu sem entender nada. Vi que tinham pulado no espelho d'agua - alguns que estavam dentro chamavam os outros, os que estavam fora reclamavam deles. Entrei também, já que as pessoas que estavam dentro ou que haviam atravessado tinham mais foco e energia que todo o resto. E aí conseguiram subir no congresso. Corri pra lá, enquanto mais gente falava do tal vandalismo. "Não faz isso, quer dar motivo pra imprensa reclamar?" (aliás, muito me impressiona que pessoas que gritam tanto contra mídia estejam tão preocupadas com a opinião dela).
Continuei me manifestando lá de cima, enquanto muita gente comemorava o fato de terem conseguido. A polícia não reagiu e, ao perceberem que ninguém ia tentar tirá-los dali, grande parte dos manifestantes começou a agir como turistas no cristo redentor, posando pra fotos com seus cartazes e caras revoltadas. Enquanto eu cantava o hino, dois garotos chegaram a pedir para eu me afastar, pois estava "atrapalhando a foto". Alguns daqueles que diziam orgulhosos que saíram do facebook pareciam tê-lo feito apenas para tirar uma foto no evento do momento para depois, ironicamente, postá-la no facebook.

Eu, que já estava desanimada com a falta de foco, me senti extremamente irritada. Mais ainda quando os manifestantes se voltaram contra o próprio protesto, gritando, para si mesmos, coisas como "Sem violência" ou "Sem vandalismo". Claro que eles tinham que tentar impedir tais atitudes, mas não tornando-as pautas do manifesto.
Foi aí que vi um homem berrando com um rapaz que havia tentado entrar no congresso. "Quer queimar ainda mais o nosso filme com a mídia?". Não aguentei. Estava indo embora enquanto os manifestantes gritavam "limpa, limpa" (alguém tinha pichado uma das metades da laranja).
No meio do caminho, minha namorada me convenceu a ficar mais um pouco. Fomos para o gramado, que tinha acabado de ser invadido. Lá, mais meia dúzia de cenas bizarras e contraditórias. Fui para a parte de baixo, onde entram os deputados. Cheguei a achar que tentariam ocupar o congresso, e até vi algumas pessoas gritando por isso. Não vi nenhum sentido. Se ocupassem, o que iriam exigir para desocupar? Ou iriam esperar para serem tirados a força? Ou até, quem sabe, entrariam, tirariam algumas fotos e depois iriam embora?
Depois disso fui pra casa. Muita gente comentando sobre como foi lindo ver tanta gente lá (e foi). Mas tá tudo muito vago e a maioria sequer se dá conta disso. A palavra "liderança" falta dar arrepios nas pessoas quando citada nos eventos. O objetivo é lutar pelos direitos de todos, mas quando se fala da "cura gay", tá saindo do foco, é distração, existem coisas mais importantes. Como assim? Se dizem que defender os direitos dos gays é sair do foco do movimento, então estão excluindo esse tópico. Mas não é pelos direitos de todos? Não é multi foco?
Sei lá. Vou amanhã numa reunião sobre o protesto para ver como as coisas vão se desenrolar.

Camilla Caetano disse...

Lola, só uma pequena correção...
Na belíssima imagem que você colocou do protesto no Rio, é o Teatro Municipal que aparece, e não a Candelária.

L. G. Alves disse...

Ah, tudo é muito bonito, muito revolucionário, né? Hoho. Mas a pergunta que faço é será que só pedir o fim da corrupção ajuda? O povo ainda não entendeu que quem tem que mudar a mentalidade é ele? As mudanças tem que partir de cada um. Deixar de querer levar vantagem em tudo, parar de emporcalhar as ruas, de agredir a Natureza, de desrespeitar os outros e o próprio país, parar com o tal "jeitinho brasileiro" tão usado, né? Tanta coisa pra mudar no brasileiro. E o protesto deveria ser interno também. Começar a mudar a si mesmo para depois exigir mudanças nos outros. E mais. Eu não gostei da vandalismo que vi. Nunca vou apoiar isso. Cadê a união do povo do movimento no momento que este grupo está atuando? Por que não se juntaram também para impedir o vandalismo? Proteste contra isso também.

Liv disse...

Carácoles, eu to pasma de ver.

É gente que antes reclamava que os outros não faziam nada agora reclamando que estes mesmos resolveram participar. Mas tem que participar virando esquerdista, hein? Nada de se aproveitar do povo acordando para a vida para emplacar interesses que vão de encontro aos esquerdistas. Não pode. São como crianças brigando que foram elas que trouxeram a bola, então são elas que determinam como se deve brincar.

Auto-denominados esquerdistas, caiam na real: por mais que tenham sido grupos da sua ala os que fizeram o gigante (= a massa) acordar (e este mérito é mesmo de vcs), grande parte dessa massa é formada pelo que vcs chamam de 'reaça'. Por gente que defende várias combinações dos seguintes itens: estatuto do nascituro, pena de morte, diminuição da maioridade penal, criminalização da maconha, cura gay, anti-casamento igualitário, etc. Então é sim muita ingenuidade acreditar que o seu projeto de país irá se concretizar com o povo nas ruas demandando reformas.

Não me entendam mal, estou achando o máximo esse despertar, mesmo que totalmente desorientado. Acho que nada poderia ser tão pernicioso quanto essa passividade que a gente vivia (e espero que esta conjugação esteja certa, no passado, para sempre). Gente que protesta é gente que tem noção de direitos, e esta noção cedo ou tarde é atrelada àquela de deveres. Espero que 17/06 passe a ser conhecido como o dia em que deixamos de ser um bando de bostas esperando a providência divina determinar o nosso futuro, para sermos agentes ativos nas mudanças que queremos, aqui e agora.

O problema, volto a dizer, é o que "nós" queremos. "Nós" somos uma porrada de gente. E uma porrada de gente que está farta de uma porrada de coisas, muitas delas iguais, mas outras tantas opostas. Imagino ser ponto pacífico para TODOS os que participaram e gostariam de ter participado, que cobrir os 20 centavos com mais imposto É O CARALHO. Tem que cobrir é com a porra da verba de gabinete, auxílio disso e daquilo, e do salário obsceno desses filhos da puta que ninguém aguenta mais não fazendo merda nenhuma naquela assembléia legislativa.

Por outro lado, no meio dessa porrada de gente tem gente com opiniões diametralmente opostas em questões envolvendo minorias, cotas, políticas públicas, etc. O povo precisa de tempo para processar a descoberta de que pode fazer a diferença. Por isso o desvario que ainda toma conta dos protestos. Eu duvido que depois disso a passividade vai voltar a ser a mesma. Para o bem e para o mal...

Anônimo disse...

Praticamente todas as criticas acerca das manifestações se resumem à falta de foco de quem sai às ruas e dispara palavras de ordem contra tudo e contra todos. E que isso tornaria as manifestações menos dignas de reconhecimento, menos sérias ou, no mínimo, ingênuas. Por que esse clamor por unificação de ideologias e reivindicações considerando que aqueles que saem às ruas dessa vez não parecem pertencer a nenhum grupo organizado. Começou com o MPL mas se espalhou e atingiu um grupo de brasileiros que se destaca pela pluralidade. E ainda, isso começou há coisa de 2 semanas. Eu nao sei das condições de quem reclama da falta de foco nesse momento das manifestações, mas o sentimento de que há tanto do que reclamar, tanto nos sufocando, nos enojando que qualquer oportunidade de expressar descontentamento é agarrada com unhas e dentes, me parece muito forte para muitos brasileiros. Essa cobrança por um movimento revolucionário organizado protestando e marchando pelos quatro cantos do pais em tao pouco tempo tem partido de pessoas que se dizem de esquerda, mas foi exatamente o argumento utilizado por deputados e senadores reaças e pulhas para diminuir e ridicularizar a marcha em Brasília.
Ah, antes de ir embora, achei desnecessária a observação condenando as vaias a Dilma ( porque ela é musa, é unanimidade...pfff) escorada nesse conflito entre classes filhotinho de doutrina marxista. Coisinha anacrônica! Classes A e B não podem vaiar ou se manifestar contra nada porque eles nao seriam historicamente politizados ou porque são as classes sofredoras? Pelamor! Muitos dos males do Brasil atual sáo sentidos por todas as classes ainda que em proporções diferentes e todos podem e devem manifestar insatisfação.

yulia2 disse...

O caráter inicial dos protestos foi maculado. agora virou uma turba de saqueadores, tocadores de fogo, depredadores e oportunistas reaças!

cuidado, vcs podem estar sendo usados como massa de manobra de gente muito mal itensionada

Anônimo disse...

Pessoalmente acredito que independente dos mascus com as pregações absurdas deles, a grande maioria das pessoas em geral é contra os partidos de qualquer tipo por se sentirem desiludidos com partidos que antes eram esquerdas e decepcionaram a todos. Afora que atualmente fica difícil votar por partido, e as pessoas em geral preferem votar por candidato(oq infelizmente acaba por eleger algum cara do partido que não presta) pois partidos em geral conseguiram "perder" a causa e sentido pros eleitores em geral. Por isso acho compreensível essa recusa de se associar a partidos mas somente a causa. Posso estar errada, mas na atualidade não gostaria de me associar a partido nenhum sendo que não já mais garantias de poder acreditar no partido em geral, e sim somente no candidato em que se vota e na causa que te move.

Anônimo disse...

Saquearam uma rede de lojas e atearam fogo em um predio em SP, medo, muito medo...

Anônimo disse...

Lola vc e sua turma ajudaram a abrir a caixa de Pandora...temo que não vão gostar nada do que tem dentro :(

Anônimo disse...

Até o Estadão reconheceu que o saques e depedraçoes foram feitos por um grupo MUITO pequeno, não se deixem enganar.
Quem fez isso já foi mal intencionado.

Anônimo disse...

Quita feira vai ser maior, vamos derrubar tudo...

Anônimo disse...

"Entendendo os processos com Yuri Bezmenov (Ex-agente da KGB) que ensinou em 1983:

PRIMEIRO PASSO: DESMORALIZAÇÃO
A baderna vira a nova ordem, ninguém mais sabe o que é correto, o líder apoia a quebra das instituições tradicionais, sejam elas jurídicas ou estruturadas na cultura do povo.
Hoje a Dilma deu uma declaração que a voz das ruas ultrapassou as instituições tradicionais, jurídicas, políticas, entidades de classe, etc...
A inversão de valores e a perda de referência são características marcantes desse período.

SEGUNDO PASSO: DESESTABILIZAÇÃO
É quando as relações se tornam radicais, o povo destrói as instituições e ninguém mais se entende. Acordo? Nem pensar. Pacto social? Esqueça, tudo está desestabilizado.
Para isso vão fomentar o conflito entre heteros e homossexuais, negros ebrancos, marido e mulher, jovem e idoso, e assim por diante. Pode levar muitos anos para que consigam desestabilizar um povo.

TERCEIRO PASSO: CRISE
Nada funciona, instituições deixaram de existir há tempos, acabou a ordem e a justiça, conflitos de toda ordem, muitas mortes, e agora o que a população pede é um SALVADOR.
Esse salvador pode surgir numa guerra civil, ou numa invasão estrangeira.

QUARTO PASSO: NORMALIZAÇÃO

O novo governante agora descarta os idiotas úteis, feministas, homossexuais e outros grupos são descartados, eliminados, afinal perderam sua serventia e podem dar certa “dor de cabeça” ao novo governante. Agora por meio da força militar, o Estado determina a ordem afim de reverter o processo de crise. Acaba a liberdade, uma nova ordem política entra em vigor, a democracia passa a ser uma palavra vazia, para o governante, democracia é tudo aquilo que o partido permite."

Anônimo disse...

mas não é só pq eu sou contra César que vou ser a favor dos Bárbaros.

Anônimo disse...

Que texto fantástico!!!! Daqui de uma cidade do socorombó eu percebi o mesmo! Parabéns continue seu trabalho. Bjs

Anônimo disse...

Sou de Ribeirão Preto e hoje a noite tb teve manifestação. Queria ir, mas quando cheguei lá e vi um cartaz escrito "Fora Dilma" voltei pra casa.

Anônimo disse...

Lola, o slogan "o gigante acordou" também me incomoda bastante. Dizer isso é desprezar TODA a história brasileira desde a pré-independência no período colonial até a proclamação da República. A pessoa que diz essa frase, definitivamente, não conhece a história brasileira nem de longe. Seria melhor se dissessem "demorei, mas acordei" falando por si póprios porque neste nosso país há bastante gente (não só a pessoas menos abastadas) que SEMPRE esteve acordado, em absoluto.

yulia2 disse...

Uma coisa é fato! movimento apartidário NÃO EXISTE!!!!

yulia2 disse...

ESSE slogam o ''gigante acordou'' fede a direita rançosa , conservadora e podre.

Anônimo disse...

yulia2, eu acho que este movimento é apartidário não puxando sardinha pra nenhum partido. E apartidário é diferente de anti-partidário

Rebeca disse...

nossa, você falou o que eu também havia pensado dias atrás. a falta de foco tem tornado o protesto muito atrapalhado!

ViniciusMendes disse...

As pessoas querem reforma política. E as pessoas que querem essa reforma são de direita, esquerda, minorias, maiorias, situação e oposição porque ninguém se sente efetivamente representado pelo atual estado do governo brasileiro,o que não é culpa só da Dilma, é uma consequência de coisas que funcionaram no momento pós ditadura e hoje não funcionam mais. E é daí que vem a aversão aos partidos, estes cuja maioria não tem uma ideologia clara e mudam de posicionamento de acordo com os votos que isso vai garantir. O governo não tem governado pra população, e ela como um todo, ricos e pobres, maiorias e minorias, sofrem com o descaso dos serviços públicos...

É ingenuo esperar que um "movimento" (porque pra mim tem bem mais cara de revolta) tão heterogêneo tenha causas e objetivos unificados, e nisso concordo com a Liv. "Nós" inclui uma porrada de gente com visões de mundo, interesses e ideologias bem diferentes, unificados apenas pelo fato de que eles sentem que vivem em um país com um governo que não governa por eles... E só pra garantir, não falo do governo do PT, falo de todas as esferas por onde inevitavelmente passam todos os grandes partidos.

A grande meta, a grande proposta no momento, é deixar claro que a população tá puta. E isso, tem sido feito maravilhosamente bem.

nic disse...

gente,achei ese vídeo muito interesse sobre a dispersão das idéias dos protestos: http://youtu.be/troujI91HMQ

Azerfin disse...

O protesto que teve aqui em Brasília foi realmente uma decepção. É como estão dizendo, postar foto como manifestante nas redes sociais virou ‘cool’ depois da violência policial no início dos protestos; eu não sabia se estava em uma manifestação ou reunião de fotógrafos do Facebook.
Os manifestantes estão desinformados, sem foco, não querem partidos políticos por perto, como se magicamente mudanças políticas ocorressem sem os políticos, e tinha muita gente de direita lá, muito burguês. Isso deu pra ver pelos gritos sábios (só que ao contrário) que exigiam o impeachment da Dilma; minha gente, vocês estão doidos pra pedir uma coisa dessas?! Querem o Temer como presidente?!
O protesto é, sim, sobre os 20 centavos, e não adianta dizer que não; embora haja toda uma simbologia nas manifestações contra coisas básicas, como corrupção e essas coisas totalmente generais (tipo a luta pelo fim da fome no mundo), e as pessoas ignorantes que falam “Mas é só 20 centavos!”. Tá faltando informação, e tem muita gente perdida que quer participar, mas não entende pelo que o povo tá lutando (é como disseram, “parece que estão protestando pelo próprio protesto”); tá faltando pautas!
Passei muita raiva, ainda mais pelo “O Brasil acordou”; minha vontade foi de falar pra quem estava dizendo isso “Meu bem, se você só tirou sua bunda do sofá hoje, não diga que o Brasil só foi acordar agora, pois muita gente já estava lutando pelos direitos das minorias e da população”.
Sem contar o fato de que NINGUÉM NEM COMENTOU O QUE ESTÁ ACONTECENDO COM O POVO INDÍGENA!!! Acho que fui tolo em achar que isso poderia acontecer, pois a manifestação estava cheia de reaças, que provavelmente acham que índio é “vagabundo”.
No protesto teve todo tipo hipócrita, de gente que tava só pra assistir sentado enquanto a gente tentava invadir a entrada do Congresso a uns bonitões que estavam se achando os modelos sem camisa mostrando os músculos, mas que na hora do “vamos ver” foram os primeiros a sair.
Tiveram momentos preconceituosos, momentos sem-causa, e chegou um momento em que eu pensei “Tá, agora vão reclamar de cachorros cagando na rua”, pois durante mais ou menos uma hora eles ficaram gritando coisas que, para mim, pareceram totalmente aleatórias, nada a ver com a intenção original dos protestos. Esse momento foi o que mais recebeu destaque da mídia e o que eu mais achei fraquinho: a invasão da rampa do Congresso.
A mídia deu tanto destaque pra isso que mal mostrou o ponto principal da revolta, que foi a tentativa de invadir a entrada do Congresso. Nesse momento, o da invasão à rampa (a.k.a. momento de posar de revolucionário para o Instagram), eu me sentei, olhei pra multidão na grama e comecei a pensar “O que é que eu estou fazendo aqui?”.
O final foi excelente e finalmente “soube” o que estava fazendo ali; as tentativas de quebrar a barreira policial da entrada do Congresso começaram, e conheci muita gente prestativa, gentil e que não estava ali de brincadeira. Dos cinco mil manifestantes, só sobraram uns trezentos, e uns duzentos ficaram sentados nos assistindo como se fôssemos atores de um filme (dica pra esse tipo de gente: quer assistir protesto fica em casa vendo TV, se vem pra manifestação que venha manifestar).
Li no Incandescência que não devemos parar de ir aos protestos por causa dessas coisas; pelo contrário, devemos fazer espécies de “contraprotestos” nos eventos, para não fazer com que as pessoas esqueçam os verdadeiros motivos do protesto.
Mas tá difícil, não só pelo desânimo que bate, mas também pela violência dos manifestantes contra os próprios manifestantes. Acho que foi no Rio de Janeiro que expulsaram pessoas de partidos políticos e também lá teve confusão entre os próprios manifestantes, onde uns expulsaram algumas pessoas que estavam querendo ocupação.
Não sou contra manifestações, e acho incrível a população se unir, mas tá faltando força nesses protestos, inclusive da organização dos protestos, que pelo menos em Brasília ninguém nem chegou a ver.

Vitória disse...

Estou cada vez mais reticente e já decidi não participar de nenhum ato dessa 'primavera brasileira'. Espero que nossas previsões não se cumpram e que estejamos erradas. Só de ver os sociopatas vibrando aqui só me fazem querer mais distância.

Anônimo disse...

Tem uns boatos sobre estarem usando as pessoas que vão aos protestos como massa de manobra pra dar um golpe de direita mas a maior parte das pessoas diz que isso é paranóia, teoria da conspiração dos petistas... gente, o que vocês pensam disso?

Gaia Nery disse...

Lola,
estava ontem na passeata do Rio e o que eu vi foi lindo. Um povo que é visto pelo resto do Brasil como deixa disso, que só trabalha até as quatro estava em massa na Rio Branco lutando por uma coisa maior do que as passagens. Era gente que abria os olhos pela primeira vez. Tem muita coisa errada acontecendo e é o meu papel fazer isso mudar. Acho que até por isso as demandas são muitas. Nós estamos reaprendendo a ser politizados. Acho muito ruim quando deslegitimam pessoas que se juntam somente agora as manifestações. Nós também fazemos parte do povo, nós também vemos que tem algo errado no Brasil. Eu moro no Rio desde os quatro anos de idade e essa foi a primeira vez que vi tanta gente reunida sem ser carnaval ou comemoração dos jogos do Brasil. Estávamos lá para mostrar que protestar é um direito nosso, dos paulistas, dos mineiros e dos brasilienses. Estávamos lá porque estamos cansados. Estamos nos juntando porque o Brasil precisa ser diferente. Por sermos um grupo tão grande, obviamente discordamos. Porém acho que o principl a ser dito é que tinhamos uma voz a ser ouvida. Que os caras pintadas, os diretas já, estavam de volta. O país é nosso. E estamos cansados. E estamos aqui para ter um papel ativo.

Anônimo disse...

Liv disse "É gente que antes reclamava que os outros não faziam nada agora reclamando que estes mesmos resolveram participar. Mas tem que participar virando esquerdista, hein? Nada de se aproveitar do povo acordando para a vida para emplacar interesses que vão de encontro aos esquerdistas. Não pode."

Fico feliz de ler comentários inteligentes como este do Liv.
Para os autoproclamados "esquerdistas" só as manifestações que se amoldam em sua ideologia (ultrapassada) são legítimas, são "do povo".
Quando contrárias aos seus interesses, o povo vira "reaças" ou "massa de manobra".

Raciocinar não dói

Anônimo disse...

O protesto em Porto Velho, Rondônia, é nessa quinta. Só atualizando =)

Anônimo disse...

Acho q a importancia do movimento é justamente o q todos estão questionando: a falta de uma reinvindicação principal. O q muitos não estão entendendo é q são tantas as insatisfações q não há como ter só uma. Na verdade o país carece de um monte de coisas e o povo chegou ao seu limite. Não temos transporte de qlidade, nem saude nem educação e ao mesmo tempo vemos, há tempos, muito antes desse governo, o dinheiro jorrando pra coisas sem importancia.

Tb discordo de q tem de haver um partido por trás do movimento. Não, não precisamos disso. O q é legal é justamente não ter, pois mostra o nível de insatisfação com todos eles, o repúdio a essa forma de fazer política q privilegia alianças ao invés de resolver os problemas básicos do país.

Hj queimaram um boneco com a sigla do PT e outro do PSDB, o q mostra q os 2 polos políticos estão igualmente errados, a política como se apresenta está errada. No fundo o q queremos é simples: q os nossos impostos sejam designados ao q realmente interessa.

Marina disse...

Abaixo o golpe!

Não vamos deixar a direita tomar conta deste protesto que não é dela!

http://www.facebook.com/UnidosContraOGolpe2013

Anônimo disse...

"Afinal, querem um movimento apartidário, autônomo e independente. Vazio de ideologia."

Lola, ser sem bandeira de partido não implica, de maneira nenhuma, em ser vazio de ideologia.

Pode ser sim que a pessoa em questão, como um monte de gente de causas "genéricas" ("contra a corrupção", "pela paz", etc.) queira de fato algo vazio e apartidário. Até porque estão pegando carona, uma vez que seus protestos insosos e causas ídem não renderam. No entanto, a ausência de bandeiras não significa isso.

Fernanda Mattos disse...

Ainda bem que vejo que não sou a única que não se sente representada. E olha que eu não tenho carro, uso o transporte público de SP todo santo dia pra trabalhar e para lazer no fds.

Não me animei pelo simples motivo que não vejo nenhum fundamento em protesto que só visa parar a cidade sem respeitar o direito dos outros. Me chamaram de "do contra", sendo que no sábado estive na manifestação contra a "bolsa estupro" na Sé. Ou seja, só vale ir ás ruas quando é pra parar o transito.

Sou a favor de toda manifestação. Já fiz parte de muitas. Também não estava dormindo como alega muitos cartazes.

Sobre as manifestações em SP:

Terça feita passada um grupo dos manifestantes se excedeu, não sei o tamanho do grupo e se faziam parte das lideranças ou seguiam ordens. A verdade é que depredaram prédios e o metrô já sofrível. Foram chamados de vândalos e realmente quem realizou esses atos são. Na quinta a policia se excedeu, coisa que sempre acontece, só que como jornalistas foram feridos e dessa vez ainda não havia ocorrido nenhum depredação e a sociedade tomou partido e resolveu ir as ruas.

Fiquei empolgada. Finalmente estava vendo movimentações. O povo indo as ruas. Durou pouco minha animação. Fui ler as pautas do MPL, sim não sou de seguir a maré, e percebi que não concordava com grande parte das requisições e a forma como estavam levando as passeatas. Resolvi não me envolver. Colegas meus que não sabem nem quem é vice-prefeito da cidade ficaram horrorizados "logo você toda politizada".

Enfim, segunda-feira os manifestantes se dividiram em 3 grupos, pararam marginal, Paulista, Faria Lima, etc.... E vejo colegas de trabalhos alienados que bradam com orgulho que vão parar tal lugar, que tal rua será a próxima. Ou seja, o objetivo do protesto é parar ruas e causar transtorno aos demais que não pretendem participar.

Esse protesto não me representa. Os líderes me parecem a nova geração Z que não sabe ouvir não. Não entendem que o direito deles termina onde começa o meu. Protesto e passeatas devem ter caminho e destino especificados para criar rotas alternativas para quem quer simplesmente sair do trabalho e ir para a faculdade que se matam para pagar, diferente de uns e outros. Agora todo mundo começa andar a esmo pela cidade e que se danem os outros.

A cidade está uma bagunça. Parece que tiraram a policia da rua de propósito para dizer "tá vendo, vocês pediram agora que aguentem". Ontem invadiram as vias do metrô e da CPTM. Uma linha da CPTM foi interrompida por depredação. Destruíram a fachada do prédio da prefeitura, saques, etc...

Aí dizem "Mas esse é outro grupo. O grupo de verdade estava na Paulista."É mas o grupo de verdade minutos antes estava lá também. Então que se organizem melhor, porque é fácil marcar um evento no facebook e chamar todos para as ruas. Difícil é ser responsábilizar pelo que acontece.

Estou me sentindo uma conservadora opressora, eu que muitos dizem ser libertária/idealista demais, porque não vejo sentido em um protesto no qual o objetivo principal é atrapalhar o andamento da cidade. "Se não baixar os preços, a cidade vai parar".

E o governo não faz nada. Eles tem o direito de protestar. E os outros possuem o direito de chegar em casa, na faculdade, no shopping, no teatro, no cinema, no barzinho, no diabo a quatro....

É lindo ver o povo finalmente deixando de ser passivos diante da política. Mais lindo seria se soubessem o que estão fazendo.

donadio disse...

Anônima, vc escreveu:

"3º Eu sei o que eu quero; eu quero que o dinheiro reservado à educação seja usado na educação, quero que os professores recebam o salario que merecem; a mesma coisa acontece com os hospitais; quero que os professores, policiais e médicos recebam o treino e as orientações adequadas; quero transparecia politica;quero protestar por causas simples, que todos estejam de acordo, causas justas, para que possamos lutar juntos, sem lado e sem polemica;quero entender;quero que meus professores falem sobre isso na escola; quero ser uma diferente dos outros jovens (tenho 14 anos) e ter conhecimento das coisas; quero que vocês que tem mais conhecimento passem a ensinar ao invés de ficar reclamando, pq tem gente querendo aprender;quero ter senso critico e entender de política; acima de tudo quero que pessoas como você, como as que comentaram - pessoas que sempre estiveram acordadas - nos guiem, pq eu realmente desejo um Brasil melhor, e sinceramente? alguém como eu, eu não seguiria."

Então, primeira coisa, básica para entender de política: "causas simples, que todos estejam de acordo, causas justas, para que possamos lutar juntos, sem lado e sem polemica" não existem ou são irrelevantes, ou estão mal explicitadas. Política é confronto, é desacordo, é defesa de interesses diferentes. Não tem como ser "Kumbaya".

O dinheiro que falta nos hospitais não é dinheiro que não existe - é dinheiro que é usado em outras coisas. Algumas dessas outras coisas são, na minha opinião, legítimas, outras, de novo na minha opinião, não são. Sem clarificar isso, não tem como saber se eu e vc concordamos, ou em que medida concordamos. Daí a importância da participação política - que inclui, é claro, a manifestação de rua, mas inclui também a reunião chata de partido político (ou, sei lá, de grupo político que é contra partido), de sindicato, de associação de bairro, de grupo feminista ou anti-racista, etc. E, também, a leitura de blogs, de jornais e revistas, de livros. É aí que vc pode aprender; seus professores não podem ensinar isso, mesmo que queiram (até porque uma parte da população vai sem dúvida protestar que eles estariam sendo pagos para fazer política). Mas a regra básica é: pense com sua própria cabeça - mesmo se isso significa também ouvir o que outras cabeças pensam. Desconfie do óbvio; desconfie mais ainda do que "todo mundo sabe"; desconfie da imprensa, especialmente da imprensa empresarial. Se parece evidente, provavelmente está errado; se todo mundo concorda, provavelmente é porque a maioria está se iludindo; o barato sai caro, o caminho mais fácil não leva a nenhum lugar, devagar se vai ao longe.

Fernanda Mattos disse...

Continuando olha o que um dos líderes disse sobre os saques e destruição de ontem por parte do pequeno grupo que estava na manifestação "Marcelo Hotimpsky, um dos líderes do MPL, disse ontem que a violência registrada nas ruas da cidade foi uma "revolta popular". "Tudo o que aconteceu é a revolta popular. Se quiser manter a cidade em ordem, vai ter que mudar para conter esse sentimento de revolta".".

Ou seja, ele praticamente incentiva e diz pro governo se virar. Isso não é postura de um líder. Esse movimento não me representa.

Anônimo disse...

ola pessoal! não vamos desanimar,temos que continuar todos os dias até que a saude educação,corrupção etc...
LAGOA SANTA adere o movimento VAMOS PRA RUA!!!!

Mayara disse...

Lolinha, por isso desisti de ir no protesto na minha cidade. Tipo, achei que as pessoas não tinham parado pra pensar, mas não é isso, a real é que não QUEREM pensar, achar um objetivo e trabalhar por ele. O protesto é o início, o fim e o meio. Querem ser "contra a corrupção" como se isso atingisse algo. Meu desabafo, postado no grupo Machismo Chato de Cada Dia:
"Eu não sou como vcs, não sou assim, ativista. Não era, sei lá. Ando acompanhando os protestos e ando achando lindo e estava planejando ir na sexta aqui na minha cidade e convidando todo mundo e ajudando a organizar... E agora bateu uma DEPRESSÃO pesada. Tipo. Cura gay? Povo hostilizando PESADO os partidos (se bem que eu tb prefiro nenhum partido se "promovendo" com as marchas, tipo, como se tivesse algo a ver com a organização), povo reclamando e discutindo por um tema ou outro, xingando quem quer lutar por conquistas específicas, reaçada toda saindo dos buracos... E sem contar ainda aquela gente toda que ainda acha que quem protesta nào vale nada.
Aí fiquei imaginando o protesto aqui que é meio cidade pequena (250 mil pessoas na cidade) e pessoal se encontrando, batendo papo, na boa, caminhando e tal. Parece mais festinha de comadre. E não parece CERTO.
E não parece que vai ajudar.
E não parece que vai fazer nada.
E bateu uma depressão de que não adianta e que nada vai mudar. "
Desabafo 2: Cansei dessa onda de protestos. Extremamente decepcionada, acho que vou desconfirmar no protesto de sexta aqui na cidade. A grande maioria das pessoas não sabe porque vai pra rua. Não sabe o que quer atingir. Não sabe o que vai fazer e nem pra onde isso vai.
Ao mesmo tempo, ficar se justificando, pra si mesmo, pro mundo, porque vc luta, é exaustivo, é irritante. É explicar que mudança se faz com objetivo, que, às vezes, a depredação é necessária. Que prédios e símbolos não são mais importantes que pessoas, que o sistema político e econômico não é simples e, por isso, não adianta protestar "contra a corrupção" ou "para melhorar o Brasil" se vc não tem como argumentar com alguém QUAIS as mudanças a serem feitas, quais as propostas.
Entristece e incomoda ver toda essa gente que quando dá qualquer merda, aponta e diz "viu, falei, bando de arruaceiro". E quando tá pacífico "ahh que bonito meu Brasil" vai ser falso/indeciso assim na porra.
Irrita ver gente desdenhando quem já luta há anos - eles são os verdadeiros heróis, lutando contra tudo e todos há anos, conseguindo as pequenas vitórias.
Vontade de largar tudo, esquecer os protestos, descurtir as páginas e só voltar a se engajar daqui a alguns meses, quando as coisas terão acalmado e quem realmente for protestar, estiver fazendo isso há tempo suficiente para saber o que fazer e como exigir as coisas.
Reaça, essa luta não é sua.
Mas, por mim, se quiser pode ficar. Não dou um mês pra cansar do novo brinquedo. E depois, quem realmente sabe o que faz pode assumir.
Sei que parece irônico e vai ter gente rindo da minha cara, quem mandou se empolgar com os protestos, quem mandou dizer que era um novo momento para o Brasil?
É, quem mandou não contar com a astúcia da direita conservadora, né? Sou novata nessas coisas, o erro é compreensível. Nunca pensei que cansasse tanto. Tiro meu chapéu pra quem aguenta.

Nina disse...

Uma das coisas que me incomodam sinceramente é que a maioria ainda "pensa" que estamos lutando por conta de vinte centavos. Que somos um bando de "vagabundos", que devíamos procurar "lavar uma louça". E essas são as pessoas que mais reclamam do Brasil, que mais deveriam ajudar a mudar o Brasil. É decepcionante. Por sorte, nova vontade de lutar é maior do que o tempo que temos para ter pena desse pessoal.
E sim: os oportunistas partidários e celebridades afins também são péssimos "representantes".
Mas seguiremos em frente.
Beijão Lola.

Sara disse...

Eu vou continuar participando, acho válido o q fizeram na prefeitura, sou contra a violência, mas sei q muita gente como eu se sente violentada por esse governo, achei q foi uma demonstração de força pra intimidar mesmo, gostaria q todos esses políticos fossem varridos, mas caso não sejam, pensem muito melhor antes de continuar a desavergonhada roubalheira e descaso com o povo...

Magali Castro disse...

Ana Gonçalves, fico realmente feliz e aliviada em ouvir uma voz consciente em meio a protestos tão vazios (ou tão cheios demais)...
Lola também!
Um alívio a meus olhos depois de tanto ver no facebook essa modinha de o Brasil acordou e blábláblá, de gente que conheço e sei que não faz nada por nada nem ninguém, mas tá cool compartilhar e curtir esse revoltão, né? A impressão que tenho é que tem muita gente indo às ruas pra se divertir... e isso é triste...
Falta de consciência política e social, a gente continua vendo por aqui...

Patty Kirsche disse...

O Leonardo Sakamoto escreveu um texto bem legal sobre as experiências dele na manifestação de ontem: http://blogdosakamoto.blogosfera.uol.com.br/2013/06/19/em-breve-o-preco-da-passagem-sera-o-menor-dos-problemas-do-poder-publico/

Magali Castro disse...

Essa de que as redes sociais saíram do computador e foram às ruas só mostram pra mim como tem cabeça de vento nas redes sociais mesmo.
Adoro protestos. Mas com causa definida, com pauta de reivindicação... como esse povo vai negociar com o poder público? E vai negociar o que? Isso é no mínimo ingenuidade...

Quanto a cobertura da mídia, mudaram o discurso de taxar manifestante de ruaceiro a partir do momento que os INTOCÁVEIS jornalistas foram agredidos pela PM. Se fosse um coitado de um gari com tiro de borracha no olho, du vi do que ia ter a repercussão que teve, com os "famosos" todos indignados.

Marina P disse...

Lola, se a "cura gay" passar mesmo, tem alguns grupos de lutas LGBT que vão pedir aposentadoria no INSS em massa como forma de protesto. Hoje recebi uma mãe e uma filha de 14 anos e a mãe, que vê televisão e ficou sabendo da "cura gay", quer que eu "cure" a filha dela. "Diagnóstico" da menina: homossexualidade. Meu chefe imediato já me disse que vão chegar casos assim... e eu já COMUNIQUEI que SE, SE esse absurdo passar a valer, eu não vou "curar" nenhum homossexual, pois tenho uma objeção de consciência e não curo doença que não existe. O que eu posso fazer sim é oferecer psicoterapia para as pessoas tentarem entender quais são as questões que ela têm relacionadas com esse assunto. Terapia familiar, em grupo, de mãe e filha, etc. Aliás, eu já faço isso há anos e tenho certeza de que as pessoas apreciam muito a psicoterapia e saem daqui mais bem resolvidas. Os familiares encontrar formas de lidar com a homossexualidade e os pacientes homossexuais encontram formas de enfrentar o preconceito.

Anônimo disse...

Causas definidas ? A realidade fala por si,e de se pensar como é que pode com um orçamento de 83 BILHÕES de reais, mais que o DOBRO do segundo maior (Educação), a Saúde brasileira seja um LIXO, ao ponto de o governo ameaçar trazer médicos (?) de Cuba, Portugal e Espanha, para fazer ela funcionar minimamente.

E neguinho pra todo o lado ainda pede mais.

E isso meus amigos, é só o orçamento FEDERAL. Os orçamentos estaduais e municipais também contemplam UMA FÁBULA de dinheiro para a saúde.

Com R$ 83 bi bem aplicados, mais os orçamentos estaduais e municipais (que devem ser outro tanto de dinheiro) e levando-se em consideração que 30% da população já paga saúde privada, dava para pagar UM PLANO DE SAÚDE POR BRASILEIRO NECESSITADO.

Aí eu pergunto aos senhores: isso está certo?
A verdade senhores, é que o SUS, como modelo SOCIALISTA de saúde pública, é um FRACASSO RETUMBANTE.

Carolina Brandão disse...

Sobre "O gigante acordou", minha opinião:

minha mãe disse que meu avô dizia (e olha, isso é lá pela década de 60 vindo de um homem negro de uma família com pouco poder aquisitivo) que o povo é um gigante adormecido. Pra mim, o que aconteceu não quer dizer que o povo estava dormindo, e que na verdade, estava desunido. Com a união de grupos tão heterogêneos, o mundo vê algo que se assemelha com um gigante acordado. Vô Dito estava certo! ;)

Anônimo disse...

Caros amigos, é simples, chegou a hoa do Brasil deixar de ser uma terra de capitanias hereditarias, coronéis brutais e se tornar emfim uma sociedade moderna, com governantes modernos. que tal começarmos por exigir que esse bando de vereadores inuteis tenham seus salario reduzidos em 90% e o fim dos seus "beneficios" e o monte de indicações de sanguessugas a que tem direito, uma caça aos tais "garçons" que recebem 15000 por mes? Ou seja, precisamos de reformas profundas.

Anônimo disse...

Tudo que eu posso dizer é que a menina de Belo Horizonte perdeu a manifestação real quando resolveu ficar só no começo e no final da mesma. Quando a manifestação se encontrou com a das feministas que estavam na Praça Sete foi ótimo. Por um tempo foram os nossas palavras de ordem que foram ouvidas (e respeitadas). E eu vi muitas pessoas protestando contra a morte dos mendigos e tb contra a absurda proibição de manifestação. Depois de chegar a Praça da Estação a manifestação disperçou, afinal era esse o objetivo. Já tinha durado bastante e não tinha pq ficar reunidos gritando, o que ia conseguir era confusão. Essa manifestação não teve palanque, carro de som, essas coisas...

Unknown disse...

Lola, descobri seu blog faz pouco tempo (início do ano, apenas) e ainda não postei nenhum comentário aqui, infelizmente. Vou aproveitar essa oportunidade para expor minha opinião sobre o que está acontecendo
Sobre as manifestações, acredito sinceramente que os questionamentos feitos aqui, por você e pelas pessoas do guest post, estão se multiplicando entre aqueles que apoiam as manifestações. Em Belo Horizonte, onde eu moro, as manifestações tiveram um início completamente confuso mesmo. As pessoas ficaram revoltadas com os absurdos acontecidos em São Paulo na quinta-feira (13/06) e foram pras ruas mostrar seu apoio e aproveitaram pra protestar contra tudo que as revoltava. Tudo mesmo. Totalmente sem foco.
No sábado (15/06) aconteceu a primeira passeata, que se uniu a uns três outros protestos que estavam acontecendo no mesmo dia (eu estava no Ato contra o Estatuto do Nascituro, por exemplo, que se juntou a esse outro grupo). Foi bonito, mas foi uma bagunça. Segunda-feira foi o dia da passeata seguinte e foi o caos. Bem mais de 20 mil pessoas saíram da Praça 7, no centro da cidade, e foram caminhando até bem próximo do Mineirão (quase 10km de caminhada). O início foi lindíssimo, mas foi só se aproximar do estádio que a polícia reagiu exageradamente. Pessoas caíram de viadutos (um adolescente quase morreu nessa queda, mas agora passa bem), gente machucada para todos os lados, a polícia cercando as pessoas em cima dos viadutos e atirando em quem estava preso no meio. Ninguém estava preparado.
Agora, porém, sinto que já passou esse sentimento urgente de mostrar insatisfação pura e as pessoas querem articular o movimento, para que não perca força. Ontem (18/06) foi realizada uma Assembleia Geral para decidir as diretrizes e as reivindicações mais urgentes, assim como para concentrar os esforços de organização. Infelizmente, não pude comparecer, então não posso te dar todas as informações, mas começaram a articular união com sindicatos e produção e distribuição de panfletos informativos. Essa Assembleia reuniu quase 2 mil pessoas e já foi marcada uma segunda reunião.
Sim, ainda tenho medo de que toda essa movimentação de pessoas que está acontecendo no Brasil inteiro dê errado. Mas agora, pelo menos, a minha esperança de que dê certo e consiga melhorias para a sociedade está maior.

Relicário disse...

Olha Lola minha impressão é péssima, eu que já fui "as ruas, participei de movimento estudantil,que levantei bandeiras a favor de tanta coisa que já conquistamos estou perplexa...visite o facebook, basta alguns minutos para perceber o desvirtuamento das manifestações...movimento sem foco, sem objetivo, sem noção...meu status ontem foi: " Agora todo mundo virou revolucionário, nada contra manifestações, mas a pergunta que não quer calar contra o quê mesmo??? Sem respostas tipo senso comum por favor, sem demagogia com educação e saúde, porque manifestação séria não serve a patrocinadores, porque manifestação de cunho político social diz para que veio e onde quer chegar. Sem foco, sem objetivo tudo se perde e nada se conquista, se vc tem uma bandeira a defender levante-a, mas se não tem, cale a boca, sair às ruas servindo de marionete não tá com nada. Quantos se levantaram quando nossos professores foram achincalhados pelo governador que fez de tudo para acabar com a greve deles? Quantos lutaram contra a criação de várias secretarias regionais no governo Luiz Henrique??? Não vi ninguém! Quantos levantaram por melhor atendimento no hospital Santa Catarina? Quantos reclamaram da atitude do Salvaro em Criciúma de não ouvir os funcionários públicos? Fico triste em ver que uma oportunidade de luta por um mundo melhor se esvai e fica só na demagogia... quando a pauta de reivindicações for apresentada talvez eu tenha um conceito diferente, por enquanto só lamento...

Anônimo disse...

Se as forças armadas tiverem que intervir nas manifestações (que em alguns lugares parece guerra civil) aí teremos uma ótima oportunidade para um novo golpe militar. Concordo com o primeiro post, as manifestações perderam o foco e isso é grave e perigoso. Quanto a comissão da câmara dos deputados: eles estão aproveitando a onda pra gerar polêmica e ter visibilidade, essa é minha opinião. Ragusa

yulia2 disse...

Acontece que esse movimento que começou de forma legítima , contra o aumento das passagens está aos poucos, se transformando em uma segunda edição da (marcha da família )e é com isso que vcs tem que tomar cuidado!
Não deixem a reaçada se apropriar das demandas sociais que são legítimas e transformar isso em um revival de 64!

Outra, não adianta NADA ficar pedindo melhorias disso e melhorias daquilo pra ano que vem eleger um playboy viciado em cocaína e agressor de mulher. ( e não, não estou falando do Collor...é um tal de Aécio Neves.)
Se tudo terminar assim, de nada serviu esses protestos então.

enfim, espero que o povo esteja realmente sabendo o que está fazendo e que não seja mais uma vez massa de manobra da rede golpe de televisão.

Thaís B disse...

Sei que tá uma bagunça as manifestações, mas pô, querer exigir que todos sejam extremamente politizados em um país que nunca mais teve a cultura (e o incentivo) de lutar por causas e de se interessar por política é querer que o povo dê um passo maior que a perna. E nossos jovens não estão acostumados a se organizar e muito menos têm uma geração passada a quem se basear, a quem pedir ajuda (teve os caras pintadas, mas parece que eles só ficaram nesse movimento, não continuaram nenhum outro movimento).

Eu acredito que a partir de agora, e principalmente quando (não "se") a tarifa de São Paulo abaixar o povo verá que as manifestações darão em um resultado concreto se elas tiverem um foco por vez. Bagunça e confusão no que se manifestar vai ter mesmo, mas é a partir dela que o povo vai conseguir se organizar melhor.

E sinceramente, qual o problema de ir gente que não está tão familiarizada com a causa? A partir da convivência para com as manifestações ela não pode começar a criar um senso crítico? Ontem andei por São Paulo e dava para perceber que MUITA gente estava discutindo a manifestação, e discussão boa mesmo, não coisas do nível "isso é tudo coisa de vagabundo que não vai dar em nada".

O que também ando vendo é tanto aqui quanto na rua, é a tal "sindrome do underground": pessoal prefere que só tenha ela e umas 100 pessoas totalmente politizadas na rua protestando do que ter 20 mil do povão para se achar melhor ou superior que os outros, os "acomodados que não ligam para o país".

Sim, não nego que tem gente que só tá indo na onda e há reaças se aproveitando para difamar seus preconceitos e pedidos absurdos, mas isso não vai me fazer deixar de apoiar e de ir nos protestos porque sei que a maioria ali estão lutando por causas justas, só precisamos nos organizar melhor e definir os temas de cada manifestação para elas terem resultados concretos. Meu único medo é do pessoal gastar toda a energia agora e parar de ir e no fim só afirmarem ainda mais a famosa frase "manifestação não dá em nada".

Sara disse...

É essa mensagem q essas manifestações querem passar, tudo o mais são conjecturas...

http://www.youtube.com/watch?v=WNmHxF4HLco

yulia2 disse...

Sei que tá uma bagunça as manifestações, mas pô, querer exigir que todos sejam extremamente politizados em um país que nunca mais teve a cultura (e o incentivo) de lutar por causas e de se interessar por política é querer que o povo dê um passo maior que a perna. E nossos jovens não estão acostumados a se organizar e muito menos têm uma geração passada a quem se basear, a quem pedir ajuda
_____________________

O problema disso thais, é que movimentos desfocados e bagunçados é um ambiente PERFEITO para os reaças e saudosos da ditadura penetrar e usar o movimento com objetivos escusos....

porque a globo passou a apoiar a marcha???
a globo é o grande CâNCER do Brasil! manipuladora , anti Brasil , anti povo, todo cuidado é pouco.

tabata disse...

Olha, eu sou de curitiba e tenho que discordar dessa "beleza" da manifestação por aqui.

Estava sim CHEEEEIO de reaça. Vou dar exemplo de coisas que aconteceram: os gritos de ordem que mais se repetiam eram "sou brasileiro com muito orgulho e muito amor" e "o brasil acordou", mais tarde começou a ficar mais frequente o "dilma vai tomar no cú" (os gritos de "passe livre já" e outros relacionados ao transporte não pegavam muito, apesar do esforço de alguns, eu inclusa); tinha uma pessoa com um cartaz com uma SUÁSTICA, e umas 2 ou 3 com roupa do exército e bandeira do brasil; todas as mulheres que apareciam nas janelas para aplaudir o protesto recebiam assovios e gritos de "gostosa", depois de um tempo um grupo de uns 10 caras começou a gritar "ei, você, mostra os peitos pra eu ver" (não era 1 e não era 2, eram uns 10!!!) quando as mulheres apareciam na janela. Tive a oportunidade de ver uma pessoa que estava no terminal metropolitano do guadalupe perguntar sobre o que era a manifestação, o grupo de pessoas respondeu que era contra a corrupção. E eu realmente decidi ir embora quando a manifestação chegou na praça santos andrade, soltaram fumacinahs verde e amarela e todo mundo cantou o hino nacional. Sério, a impressão que me deu é que eu estava na copa do mundo, não em um protesto contra o aumento da passagem.

É claro que existiam pessoas de movimentos sociais e pessoas realmente reivindicando o passe livre, mas não era nem de longe a maior parte delas. E nem vou dizer que a maior parte estava querendo conscientemente transformar a marcha em um pauta da direita, a maior parte das pessoas não tinha a menor noção, era completo senso comum, e devo dizer que senso comum em curitiba é ser conservador.

Anônimo disse...

Lola, ser sem bandeira de partido não implica, de maneira nenhuma, em ser vazio de ideologia. [2]

Anônimo disse...

Nesse momento na Praça da Assembléia em Belo Horizonte uma multidão grita contra a Cura Gay e Feliciano. Derrubaram a liminar que proibia protestos e o prefeito vai enviar para a Câmara um projeto para cortar impostos e diminuir o preço do ônibus (que aumenta todo final de ano aqui).

Mas sei lá... De repente é apenas um plano maligno da direita para conquistar o mundo. Afinal se muita gente está participando, não é bom o suficiente. É uma grande contradição ser de esquerda e despresar a massa. Mas o que eu sei?

Vitória disse...

Vejam só, são contra a "corrupissaum", mas estão curtindo horrores usufruindo a copa que foi uma das causas dos protestos no início. E ainda levantam cartazinho para pagarem de cool nas redes sociais.

Na boa, FODA-SE essa primavera. A cada dia que passa fico com mais nojo. Boa sorte para quem quer participar.

Anônimo disse...

manas, falou-se em impeachment, sim, mas do ALCKMIN.

nossa, tudo todo mundo transforma em crise. que mania de discurso de crise, de apocalipse, de paranoia! credo! devagar com o andor, meu povo. vamos protestando e pensando, mas sem desespero. é MUITO MELHOR o povo estar na rua do que em casa!!!!!!

Sara disse...

Parece q o cheiro do povo incomoda muita gente mesmo....

Marina P disse...

"Nesse momento na Praça da Assembléia em Belo Horizonte uma multidão grita contra a Cura Gay e Feliciano. Derrubaram a liminar que proibia protestos e o prefeito vai enviar para a Câmara um projeto para cortar impostos e diminuir o preço do ônibus (que aumenta todo final de ano aqui)."

Sexta vou gritar contra a "cura" gay em Curitiba e quem quiser ir junto será super bem vindo!

Anônimo disse...

Hj tive mais uma prova do qto o povo brasileiro não tem memória. Estou passando por um ponto de taxi e vejo um grupinho de taxistas discutindo sobre q governo foi melhor: PT ou PSDB. Até q um senhor fala bem alto: Na época do FHC o dolar custava menos de um real!!!!
Eu caí na gargalhada, não me segurei, e o homem ficou olhando revoltado pra minha cara. Esse povo delira.

Se o dolar fosse menos de um real, a farra da gastança no exterior não teria começado só agora. Aliás, aos q não se lembram, na época do FHC a economia foi dolarizada, o real foi equiparado ao dólar, mas logo depois da reeleição dele chegou a quase 4 reais.

Não estou dizendo q tá tudo uma maravilha, mas parece q as pessoas não têm memória. Tava uma droga pior ainda antes. Eu até desculpo jovens q achem q na época do PSDB tudo era melhor. Afinal eram crianças naquele tempo. Mas os adultos, quem trabalhava, têm obrigação de lembrar o qto foi ruim. Inflação altíssima, racionamento de energia, sem falar em FMI, máfia do orçamento, mensalão ( isso já existia antes ) e roubalheira nas privatizações.

Aliás, o q o PSDB prega é justamente o liberalismo, Estado mínimo, ou seja, cada um por si. E adivinha... eles não são muito a favor de investimento em educação e saúde, tudo q o povo hj tá pedindo.

Quero uma administração melhor q a q temos, não quero voltar pra uma pior ainda. O meu medo é q a falta de memória traga essa gente de volta ao poder.

Thaís B disse...

yulia2

Sim, eu também falei que há vários no meio das manifestações tentando propagar preconceitos e conservadorismo, mas a grande maioria ali está por uma causa justa. É só não deixar que eles comecem a crescer dentro do movimento.

tabata

Nossa que horror!!! Fui na de São Paulo e não ouvi ou vi ninguém fazendo isso, quando alguma mulher aparecia na janela o pessoal só gritava "vem pra rua". Que triste saber disso, talvez das outras cidades não esteja indo bem, mas a de São Paulo tava boa, pelo menos até onde eu vi.

Vitória disse...

Olha, se o "povo" é esse que a Tabata mencionou nos comentários dela, tenho pavor mesmo. Não vou apoiar quem futuramente pode ser meu algoz.

Vitória disse...

Tabata

"E nem vou dizer que a maior parte estava querendo conscientemente transformar a marcha em um pauta da direita, a maior parte das pessoas não tinha a menor noção, era completo senso comum, e devo dizer que senso comum em curitiba é ser conservador"


Na verdade ser senso comum no Brasil inteiro é ser conservador.

Anônimo disse...

Liv, o seu comentário disse tudo o que eu queria dizer. Estão desmerecendo uma revolta/manifestação porque é o "povão" que está nas ruas. Legal, agora todo mundo precisa ser esquerdista e de preferência estudante de humanas para que seja um protesto de verdade. Foda-se o resto da população, não é?
Mais do que o movimento em si, é o que ele representa que importa. O povo, a massa que antes era alienada, o tal gigante, despertou. E sério, parem com essa frescura de "ah eu sou ativista a muito tempo" porque é totalmente infantil.

Vitória Az.

Carla L disse...

Olha, sinceramente fico um tanto triste com esse povo reclamando de falta de foco, a falta de foco e o apartidarismo tornaram-se características desse movimento, e, sinceramente, sem isso ele nem teria sido possível. Afinal ele só está tão grande porque é contra coisas que no fundo somos todos contra.Levante uma bandeira e metade dos manifestantes vão embora, e assim o movimento perde metade da sua força.
O MPL insiste que é só sobre a tarifa, mas também adora contar os 65 mil manifestantes, esquecendo-se que uns 80% não estava ali só por 20 centavos.

Carla L disse...

Sou esquerdista, feminista e fã assídua da Lola, mas não dá, não com esse discurso que tenta, mesmo que negue, deslegitimar o movimento.
Esse é um movimento sem partido, não é de esquerda nem de direita, é um movimento do povo, que é extremamente plural e diverso, que, mesmo diferente, muitas vezes opostos, se uniram a uma causa comum que afeta a todos.
O que me irrita em algumas pessoas da esquerda é acharem que são os únicos representantes do povo, as únicas boas pessoas do mundo, que é, alias, o que muito reaça usa de argumento contra a esquerda.
Gente, eu sei o que é acreditar em uma causa, mas entre achar que está certo e achar que todos os demais estão errados há uma boa distância.
Nós, da esquerda (sim, eu me incluo), não somos o povo, somos parte do povo, não podemos impor nada, muito menos deslegitimar algo porque não concordamos com algumas partes.Alias, isso até serve para mostrar que mesmo com todas as nossas diferenças todos temos algo em comum: o problemas do nosso pais.

Carla L disse...

Por isso, na minha opinião, ou nós paramos de frescura e nos unimos mesmo com quem discordamos, ou continuamos participando somente de "protestos particulares", só com os mil, dois mil que concordam com agente, que recebem exibição somente de jornais locais e blogs que já tratam do assunto, ou, com muita sorte, uns minutinhos na mídia nacional, logo antes do momento esporte.

Daniel disse...

Este movimento é APARTIDÁRIO. Não ousem se apropriar de maneira oportunista. Fui em três manifestações, e em TODAS, ao menor sinal de bandeiras partidárias de partidos de esquerda, imediatamente ouvia-se o coro '' sem partido''.

Anônimo disse...

Não chama 3 vezes, que a gente aparece!
E depois vão reclamar!
Como em 64

Daniel Tavares disse...

Curioso ver um bando de comentaristas (esquerdistas) se doendo pelo fato dos protestos mais importantes dos últimos 20 anos não abraçarem suas '' causas''.
Continuem com a marcha das vadias e suas poucos centenas de manifestantes.

ps: Uma manifestação contra o aborto levaria centenas de milhares de pessoas as ruas, fácil fácil.

Anônimo disse...

Daniel Tavares

Quer dizer que vc acha que num país machista e religioso como o nosso com uma cultura que não vê mulheres como seres humanos completos e autônomos várias pessoas sairiam nas ruas contra a descriminalização do aborto?

Vc é um rapaz muito esperto.

Agora prove sua esperteza definitivamente e me responda o que essas pessoas teriam a ver com isso se o aborto é uma decisão pessoal da mulher que decide abortar. Obrigada.

Sara disse...

Carla L concordo com tudo o q vc disse em seus comentários , tô passada com o elitismo e egoísmo de quem tenta deslegitimar essa manifestação como eu jamais vi na história do Brasil.
Sinceramente nunca acreditei q isso fosse possível, mas já q por um milagre aconteceu, todos deveriam pelo menos apoiar, já q é tão raro q uma parcela tão grande se mobilize.
É pretensão demais querer q as ideias de grupos tão pequenos prevaleçam sobre a imensa maioria.
Ainda mais que as (5)cinco causas, restantes que esse movimento esta defendendo, deveriam ser do interesse de todos os brasileiros.

1-Revogar aumento dos transportes
2-Retirar do congresso essa imunda PEC 33 E 37
3-Saida do Renan Calheiros (corrupto do conhecimento de todos)
4-Criação da CPI dos estádios (há inúmeros indícios de superfaturamento)
5-Fim do foro privilegiado (pois desrespeita o art.5:da Const.)
6-Aprovação da Lei contra a Corrupção, como crime hediondo.

Se a esquerda é contra essas pautas, ainda bem q o movimento não pertence a ela.

Anônimo disse...

blá blá blá blá todo mundo sabe com tanta propriedade o que está acontecendo... me poupe desse papo de "o povo blá blá blá". Só poderemos entender o que acontece com o tempo, se ocorrerem mudanças realmente significativas. O que está acontecendo é surpreendente sim, mas seria bom ter cautela antes de fazer afirmações que são mais achismo que qualquer outra coisa. Ragusa

yulia2 disse...

Este movimento é APARTIDÁRIO. Não ousem se apropriar de maneira oportunista.
___________________

vc é muito inocente de acreditar que realmente é apartidário.

yulia2 disse...

um aviso aos inocentes úteis de plantão aqui....

se vc é um anti -pt ou anti esquerda, por exemplo.... então significa que vc já tomou partido de alguma coisa, vc já se posicionou, já empunhou a sua bandeira!

portanto,vc não é mais apartidário.

fica a dica!

yulia2 disse...

Curioso ver um bando de comentaristas (esquerdistas) se doendo pelo fato dos protestos mais importantes dos últimos 20 anos não abraçarem suas '' causas''.
___________________

defina as causas da esquerda colega!

Yoná disse...

Lola, não sei se você já leu o texto da Marília Moschkovich "Está tudo tão estranho, e não é atoa", vai de encontro com o que você tem dito. Dê uma olha se puder, o texto é bastante interessante https://medium.com/primavera-brasileira/dfa6bc73bd8a

m. ovelha negra disse...

Eu estava na manifestação de sábado de BH e concordo que alguns dos problemas citados são verdade (gente querendo brigar por causa de partido,os vários vai tomar no cu"insira quem você quiser", ideologias meio dispersas)mas mesmo assim acho que o movimento tem tomado um rumo bom, esses problemas são fruto de gente que caiu de paraquedas no movimento, mas não reflete todos seus participantes. A passeata de sábado foi a primeira e a menor, e feita bem as pressas ainda, no dia realmente faltou um pouco de foco, mas ao decorrer da semana parece que o movimento tem conseguido um foco até interessante,houve assembléia no viaduto Santa Tereza para definir os objetivos das manifestações, foram criados grupos horizontais de articulação e a COPAC (comitê popular de atingidos pela copa) foi escolhida como canal de referência do movimento. É claro que se olhando pelo facebook sempre tem aquela pessoa , normalmente de direita, que esta pedindo um impeachment, de tirar todas as bandeiras(pra mim se mostra apartidarismo com a presença de todas as bandeiras não com a falta delas, sem contar que restringir quem pode ou não levar algo é meio autoritário) ou até falando que não deviam diminuir o preço da passagem (ok, ok o movimento não é mais só sobre isso, mas dai a ser contra ao foco inicial é pesado né) mas normalmente quem esta falando isso logo tem recebido várias respostas de quem não concorda do movimento ser desvirtuado, e essas posições extremas não são levadas a sério. Mas ao mesmo tempo eu vejo a esquerda pegando muito pesado nas críticas, (sou de esquerda) pelo menos aqui o movimento esta tomando um rumo que não puxa pro partidarismom mesmo, mas sim pras demandas gerais , então acho complicado ficar falando coisas como "reaça sai dessa marcha" ao mesmo tempo que se reclama de quem quer expulsar as bandeiras do partido, isso é ter a mesma atitude. Essa tentativa de puxar pra cada lado só vai levar a divisão do movimento, é claro que pra isso vai acabar sendo necessário as vezes aceitar opiniões que divergem da suas, e entender que o movimento não é sobre suas demandas apenas mas sim as que incomodam a todos.Se tem gente que esta tentando desvirtuar, vamos tentar explicar o movimento, não tentar ter essa atitude de o movimento é meu e vai ser assim.

Da minha parte eu continuo dando força ao movimento, claro que o que escrevi acima reflete minhas opiniões e não o que todos pensam, mas acho que aceitando nossas opiniões diferentes e nos unindo no que concordamos é que vamos achar nossa força.

Anônimo disse...

Ontem alexandre garcia falou como nunca elogiando esses protestos, foi bem estranho. Disse q nunca em seus tantos anos de vida viu o Brasil se mobilizar dessa forma (!!)
E a imprensa estrangeira falando em brasileiros se rebelando, em revolução, em censura da imprensa aff enfim, basicamente como fazem com a Venezuela

Bruna disse...

Embora haja, sim, perda de foco e reaças tentando se apropriar do movimento, existem também muitas pessoas que são capazes da mesma reflexão que estamos fazendo aqui. É muito complicado pensar que só você mesmo é capaz de reflexão e 'o resto é massa de manobra'.

A passeata pode ter atingido proporções bem maiores do que o esperado, mas obteve vitórias - a tarifa de várias cidades caiu. Acho que os atos previstos para hoje (20/6), depois da redução de tarifas, vão mostrar qual o destino dessa onda de vontade de participar. Aguardemos para ver. Enquanto isso, vou me juntar aos manifestantes do Rio - uma cidade onde o transporte público não tem a menor regulação e onde ninguém sabe pra onde vai o dinheiro da tarifa (porque pra melhorar a frota de ônibus não é).

Luciana Z. disse...

Por favor, vamos no focar na PEC 37 que será votada dia 26.06, dia de jogo. Se for aprovada será um retrocesso!!!! Essa é minha bandeira, por enquanto.

Jo Nassim disse...

Lola, minha querida (não estou sendo irônica, pelo contrário, A-D-O-R-O você).

Sou mineira, de BH e concordo em muitas partes com o que a Ana Gonçalves disse! Sei que nossos protestos parecem meio sem causa, meio de embalo... Senti isso, também, da grande maioria que está lá. A necessidade de organização estava nítida para todo mundo... Com isso, um pessoal, no dia 18/06, se juntou para compor uma assembleia popular debaixo do Viaduto Santa Tereza com o objetivo de discutir as futuras manifestações e os objetivos dos protestos. Nesse comentário tenho o objetivo de “defender” quem estava organizado desde antes!!! Não sei se você tem acompanhado, mas, há tempos existem movimentos aqui em Beagá (;]) como o “Føra Lacerda”, o COPAC (Comitê Popular dos Atingidos pela Copa), entre outros, com ideais bem nítidos, e que defendem seus propósitos por meio de protestos, de campanhas, de eventos culturais bem antes dessa onda maior acontecer. Esses dois movimentos, na minha opinião, estão relacionados, mesmo que sejam distintos; para você ter uma ideia, o COPAC organizou semana passada (13/06 a 15/06) um seminário (o segundo!) para discutir diversos temas como: as remoções forçadas de famílias sem ofertar soluções dignas; perseguição à população de rua e artesãos nômades; suspensão das Feiras do Entorno Mineirão – desde 2011 – e Feira do Mineirinho, este ano; obras viárias sem planejamento, demoradas e que não resolvem os problemas da cidade; licitações fraudulentas: duplicação da Pedro I pela Delta (investigada na CPI do Cachoeira), contrato com a Minas Arena privatizando um espaço público, projetos de lei incentivando a especulação imobiliária e verticalização da cidade (tudo que envolve uma má administração pública, no caso, do Governo Lacerda). O fim do seminário se deu com a COPELADA (simbolizando uma Copa inclusiva, onde todos poderiam participar), realizada na Praça da Savassi (região nobre de BH, que moradores de rua não podem frequentar das 10h às 14h, horário de maior movimentação), e como a Ana disse, tinham umas 300 pessoas, estava organizadíssimo (em todos os sentidos) antes de subir a Cristóvão Colombo. Depois, essas pessoas se reuniram (somou-se a eles mais outras muitas pessoas) na Praça Sete (de Setembro) para a 1ª MANIFESTAÇÃO PELA REDUÇÃO DA PASSAGEM, pelo que parece, também envolvia a organização pessoal do COPAC – não posso te dar certeza; mas, não que eles estariam manifestando atrasado, ou mudando o foco do movimento, não acredito que seja isso, mas, sim, uma forma de colaborar com as causas do MPL e, também, uma maneira de atentar aos que estavam acompanhando SP que aqui também tem gente que manifesta. Só não sei o porquê das pessoas antes não se atentarem aos movimentos anteriores (com causas muito nobres, também) e só foram comovidas quando o assunto foi o aumento da passagem de ônibus em SP (será que foi de raiva acumulada durante seis meses pelos nossos R$2,80?? Não sei dizer).
Com isso, dá para notar que, a princípio, existe um ideal fortíssimo que busca a discussão e a solução de temas superimportantes e que, de alguma forma, se relaciona com as causas do movimento Føra Lacerda. Infelizmente, essas bandeiras e o objetivo delas estavam um pouco camuflados com a manifestação catártica da maioria, que foi se juntando à pelada, para a 1ª MANIFESTAÇÃO PELA REDUÇÃO DA PASSAGEM. No entanto, acredito que depois da reunião do dia 18/06, haverá maior organização dos protestos e ficarão mais nítidas as nossas causas. Tem muita gente consciente do porquê protestar. A questão é: aqueles que se juntaram depois terão capacidade de, além de “ACORDAR”, defender as suas causas – se elas existem, realmente – de forma consciente??? O primeiro passo é acordar... Agora é necessário criar consciência.


Um abraço apertadim,

(Espero não estar muito atrasada para responder o post dos protestos!!!)


Joana

Tiago disse...

Não acho que a falta de uma liderança "oficial" destes movimentos seja um problema. O que vai acontecer é que com o tempo o próprio movimento irá se organizar e novas lideranças politicas irão surgir no cenário nacional, aposentando de vez os velhos dinossauros da politica, do PSTU ao DEM. Talvez seja isto que esteja assustando alguns grupos/partidos, mas o fato é que algo novo está surgindo. Algo que já vinha se desenvolvendo a algumas décadas com os movimentos sociais, mas que agora ganhou força em escala nacional. E somente nesse sentido pode-se falar em um "despertar do gigante".
Por fim, não sou tão otimista a ponto de achar que vamos finalmente superar a nossa necessidade de líderes e ter uma sociedade anarquista. Mas as lideranças que surgirão estarão mais sintonizadas com a vontade real do povo e se tudo der certo, a hierarquia governamental será mais inteligente daqui para frente.

yulia2 disse...

Eu disse , eu profetizei aqui que os protestos desfocados era ambiente para fascistas e infelizmente isso está se concretizando! basta ver o que ocorreu hoje na paulista, cheia de carecas e skinreads

Anônimo disse...

O povo unido não precisa de partido!"

Adriano disse...

Ai, Lola!
Estou com muita preguiça.
Com preguiça de gente que não cria; que só repete.
Gente que mimetiza; que não tem identidade.
Que ignora a história; que é contra as diferenças, de gêneros, etnias, orientações sexuais, bandeiras...
Que menospreza os movimentos sociais. Que traveste o conservadorismo de movimento social e brada "cansei!".
A essa gente, entoemos uma cantiga de ninar; que continue dormindo, continue dormindo, por favor. Que a ignorância embale seus sonhos.

manuela disse...

Lola, que felicidade ver um comentário meu publicado no bloguinho!
Mas enfim, passei pra dizer que continuo com as mesmas opiniões dúbias de antes. Se por um lado esse levante teve resultados positivos (pra além das diminuições de tarifa) de empoderar pessoas, por outro está em vias de virar algo muito sinistro.
Pra exemplo de ponto positivo, conto que uma região hiper periférica de brasília, o jardim ingá, fez uma manifestação ontem as 04 da manhã (hora que essas pessoas acordam pra pegar ônibus pra trabalhar em brasília) por condições decentes de transporte. Tem muita gente por lá que tem que andar mais de 2 km todo dia pra pegar um ônibus. Eles fecharam uma via de acesso importante e foram ouvidos por um representante do governo. Duvido que isso teria acontecido não fosse a onda de protestos televisionados.
Mas por outro lado, minha irmã foi hoje ao protesto em brasília e ouviu coisas escabrosas sendo ditas. Haviam indigenas por lá, se manifestando junto, e um grupo de playboyzinhos comentou que aquela era uma boa oportunidade pra queimar um índio.
Eu não quis ir, tou guardando as energias pra Marcha das Vadias, que vai ser no sábado. A organização da Marcha, aliás, soltou uma nota de repúdio aos organizadores da tal marcha do vinagre. http://marchadasvadiasdf.wordpress.com/2013/06/20/nota-de-repudio-asaos-organizadorxs-da-marcha-do-vinagre/

Polyana Zaquine disse...

Vitória, compartilho do mesmo sentimento! Comecei apoiando incondicionalmente, mas agora começo a ficar preocupada com o rumo que está tomando!

Anônimo disse...

Lola:
O Gigante Acordou!

Flavia Ellen Passos Linhares disse...

Parabéns pelas postagens Lola, você nunca decepciona! Sou de Aracaju e participei do "Primeiro" Ato contra o aumento da passagem na última quinta feira. Realmente faltou foco no movimento, mas foi lindo ver tanta gente na rua, se manifestando eufórica e pacificamente. Sei que muita gente foi porque ser revolucionário virou modinha, que pra muitos o protesto tinha um fim em si mesmo, mas ainda assim tenho esperança.
Só tenho 17 anos, e já estava bem iludida com minha geração política e socialmente alienada, na qual discutir qualquer tema social é chato. Muitos continuam na alienação, mas graças a visibilidade que essas manifestações tem agora, outros que nunca imaginei começaram a se politizar e se interessar pelo futuro do país.
Vejo que alguns temem que esse nacionalismo crescente seja mal direcionado por direitistas, mas não imagino isso acontecendo; se a situação não melhorar, duvido que piore. Além disso, em uma sociedade individualista como a nossa, uma dose de nacionalismo deve fazer bem