sábado, 9 de fevereiro de 2013

GUEST POST: SEM CAMISINHA NÃO DÁ

Nunca publiquei nada sobre doenças sexualmente transmissíveis no blog, mas a B., de 21 anos, pediu pra que eu colocasse aqui o seu relato. Sem querer estragar o carnaval de ninguém, recomendo que leiam e pensem em todos os problemas que podem ser evitados quando se usa camisinha.

Te admiro muito, e gostaria que você publicasse minha história para alertar todos os seus leitorxs (que são muitos e esclarecidos) sobre dois grandes vilões que fizeram e fazem parte da minha vida.
O primeiro é o HPV [uma doença sexualmente transmissível, ou DST]. Eu o contraí aos 15 anos de idade, na minha primeira relação sexual (deixo claro que, na minha ingenuidade da época, não usei camisinha) com um "quase desconhecido" -- um ficante, que nem mesmo era da minha cidade. Só descobri que tinha HPV aos 16 anos, quando fiz um preventivo e a ginecologista viu que eu tinha manchas internas no colo do últero. Até então, eu nunca tinha tido nenhuma manifestação da tal doença (ex: verrugas, erupções etc). Nem mesmo tinha chegado a vacina contra HPV aqui no Brasil! Imagine a decepção da minha mãe ao saber que sua filha tinha perdido a virgindade com um "vagabundo" e além disso pegou uma doença! Era muita informação pra cabeça dela, e pra minha também.
Tive que começar um tratamento de cauterizações no consultório da médica. Ao total foram três sessões. É usado um aparelhinho que queima o local contaminado, o que causa uma dor aguda e fina, como se fosse uma cólica menstrual triplicada. Em um ano fui quatro ou cinco vezes ao ginecologista. Era complicado. Eu imaginava o que as pessoas diriam de mim se soubessem que eu peguei uma doença sexual (que é tão associada a mulheres promíscuas)! Mal sabem que isso afeta a maior parte da população brasileira.
O engraçado, Lola, é que eu comentei pro rapaz que tinha tido HPV. E que tinha pegado com ele, porque tinha sido meu único parceiro sexual. Ele jogou o corpo fora, dizendo que era impossível, mas ainda assim fez o exame, que NÃO ALEGOU NADA! Ou seja: ele só transmite, o vírus não se manifesta. Enfim, ele se confiou nisso. Anos mais tarde conheci uma outra ex ficante dele que me viu comentando em uma comunidade de HPV no orkut (o que me foi muito útil na época), e tínhamos "ele" como amigo em comum, e ela alegou que pegou HPV dele também.
Você só pode se sentir curada do vírus do HPV se ele não reaparecer cinco anos depois da manifestação, o que é o meu caso. Sempre faço os exames, e o meu sonho é tomar as vacinas, porque de certa forma o organismo cria resistência.
Passado o stress do HPV, ano passado me veio a HERPES TIPO II (herpes genital). Estou namorando atualmente, e ambos tínhamos feitos exames de doenças, que não constaram nada fora do anormal. Então decidimos fazer sexo sem camisinha, usando apenas o anticoncepcional.
Até que um dia apareceu uma ferida com tamanho de um caroço de feijão na cabeça do pênis do meu namorado, o que lhe causou muita dor! Um dia depois amanheci com uma ferida na vagina, o que eu achava que era por conta do sexo. Meu namorado procurou o urologista, fez exames, e no dele constou que não era herpes, e sim um fungo. Eu não tive a mesma sorte.
Eu estava cada vez pior, minha vagina se encheu de feridas, bolhas, erupções... Eu mal conseguia andar direito, meus lábios vaginais triplicaram de tamanho e o meu clítoris ficou todo pra fora! Fiquei deformada! Até meu ânus tinha ferida! E eu não procurei ajuda por vergonha... O que minha mãe pensaria de mim outra vez? E o médico? Aliás, pra marcar uma consulta com minha ginecologista, tenho que marcar com meses de antecedência.
Até que chegou o quinto dia (eu chorava de dor e faltava à academia e faculdade) e eu não aguentei mais. Desesperada, falei com minha mãe, e ela ligou pra minha médica. Logo ela disse que tudo indicava que era herpes e mandou eu tomar o Aciclovir (é como uma droga MUITO FORTE contra esse vírus). Duas semanas depois minha vagina estava normal, mas como a minha ginecologista falou, sempre teria herpes. Tenho que ficar controlando minha imunidade, alimentação etc, porque se não... tenho uma crise!
Eu fico me perguntando como fui manifestar isso. Minha médica disse que todos nós temos herpes, mas poucos manifestam. Então, fui uma das "contempladas".
Nós mulheres somos bem mais suscetíveis a pegar doenças desse naipe. Candidíase (corrimentos brancos) chega a ser comum para todas nós, mas costumamos esconder isso dos homens. É um tabu muito grande falar sobre essas coisas, até porque na nossa errônea visão todos são aparentemente tão saudáveis, né? O ficante da minha primeira vez era lindo e atlético -- quando eu iria imaginar (com 15 anos) que ele era um fornecedor de doenças?
Eu mesma sempre cobro exames de sangue e faço questão de fazê-los também. Isso é uma questão de confiança!
Não é fácil ter que mudar seus hábitos por causa de um vírus. Ter de evitar uma cervejinha, não poder ter uma noite mal dormida, sempre ficar machucadinha ao fazer sexo (porque a vagina fica muito mais delicada e sensível a tudo), não poder se estressar, e morrer de medo de adoecer por conta dos surtos de herpes voltarem... Pois é assim que ando vivendo. Sem dramas, mas é ruim demais! Mudei minha alimentação, tenho que praticar exercícios diariamente, tomo duas vitaminas e fico longe de pessoa com gripe!
Queria poder alertar de alguma forma as mulheres com essas doenças e os homens também. Que eles tenham mais sensibilidade em arcar com suas responsabilidades, abertura pra poder dialogar sobre o assunto e franqueza com suas parceiras e parceiros. E sempre, sempre usar camisinha. 
Peguei esta imagem daqui. Clique para ampliá-la.

108 comentários:

Anônimo disse...

Doenças venereas, são a resposta da natureza a promiscuidade, cultivem mais a castidade, e tenham poucos parceiros durante a vida, e elas serão erradicadas

Carlos disse...

Hpv eu tive e me curei do nada, pior se fosse hiv.

Homem heterossexual não pega aids, apenas através de drogas injetáveis.

lola aronovich disse...

Publico essas duas barbaridades tipicamente mascus pra que vcs respondam, se quiserem. Já notaram como todos os primeiros comentários são mascus, sempre? Impressionante!
Outro dia um mascu abriu num fórum mascu um post sobre Aids. Cheio de dados, a pobre alma foi tentar explicar que homem hétero também pega Aids, que não se deve ter preconceito contra quem tem Aids, como evitar pegar Aids, e mais um monte de coisa. Vcs podem imaginar como ele foi tratado pelos seus coleguinhas mascus. Esses que acham que Aids (e outras doenças) são um castigo de deus para mulheres promíscuas (se transou com um cara -- caso da autora do guest post -- já é promíscua) e gays.

Anônimo disse...

Câncer é uma resposta à longevidade. Viva menos e seja mais saudável.

Babaca

João Pedro Laurentino disse...

"Doenças venereas, são a resposta da natureza a promiscuidade, cultivem mais a castidade, e tenham poucos parceiros durante a vida, e elas serão erradicadas"?? Sério isso? E homens heterossexuais não pegam AIDS? Comentários fedendo à preconceito por aqui.

João Pedro Laurentino disse...

Comentários fedendo à preconceito logo acima. Homem heterossexual é igual à qualquer outro, cara. Pega AIDS sim. E sobre o primeiro comentário... Promiscuidade é você fazer um comentário ridículo desses sob o véu do anonimato. ;)

Anônimo disse...

Estou no meio de um surto de candidíase causado pelo sabonete íntimo, que comprei de outra marca. Só pode ser isso, estou com o mesmo parceiro há mais de dois anos e nos vimos pela última vez antes do natal, que ele viajou com a família. O sabonete íntimo ardeu quando fui usar, antes de aparecer o corrimento e as feridinhas alérgicas.

Agora, vai falar pra alguém os sintomas da candidíase? Vão me chamar de tudo que é nome, falar que traí meu namorado... Ela não é uma DST, é uma desregulação da flora vaginal (que pode acontecer até por puro stress!), e com isso eu acabei descobrindo pela minha mãe que ter isso é super comum, mas ninguém comenta por vergonha.

Anônimo disse...

Os mascus não cansam de tanta idiotice? Cada uma...

Anônimo disse...

Sou estagiária em Enfermagem e quando fiquei no setor de Tuberculose e DST vi MUITOS homens heteros recebendo a noticia que eram HIV+. Uma das histórias era de um rapaz que passou a ter AIDS e pelo o que eu entendi ele não tinha um relacionamento promiscuo e ele acreditava que a ex-namorada também não tivesse.
Enfim, não entendo muito de HPV, mas se não me engano a vacina de HPV só irá proteger a menina de determinados vírus e não há indicação caso a menina já tenha pego o vírus outra vez. Alias,o homem é assintomático. Não sei se estou errada, mas não há exames que vejam se o homem é portador de HPV. Enfim, melhor tomar cuidado. Não há necessidade de "não fazer sexo", mas se proteger é melhor não é?

Anônimo disse...

Lola, B. e tds as leitoras
HPV é comumente descrita como DST, MAAASSS, como a vida não é tão simples assim, qlq mulher corre o risco de pegar, sem ter relação sexual, indo num simples banheiro público.
Aos 14 anos, virgem, tive HPV, foi horrível (amaldiçoei tanto minha irmã por ter me passado! O tratamento foi a base de ácido e dói muito!). A gino que me tratou é super esclarecida (graças a Deus!) e explicou que esse vírus pode ser pego com a simples exposição a ele (banheiro, roupa/toalha etc). Ela relatou que tratou de uma mulher que o marido quase tinha se divorciado pq a primeira gino que ela foi disse que era uma DST e só se pegava no ato sexual.
PRECISAMOS DE GINOS MAIS ESCLARECIDXS!!! Isso é sério, gente!

Quando fui ter minha primeira relação, falei para meu namorado (atual marido), mas parece que até hj ele nunca aceitou muito essa história (HPV, virgem?! Isso existe?! Dá um google, difícil encontrar essa história). Tudo por conta desse MITO de que é uma DST.
Isso dói muito, pois ele foi meu primeiro e único.

Paula disse...

sinto muito pela autora do post, deve ser uma m** mesmo...

mas devo dizer que essa eh a vantagem de comecar a vida sexual mais tarde (me recuso a dizer "perder virgindade"). Eu comecei aos 24, ja mais madura, segura de si e bem informada.

Eu nao sei o que eh sexo sem camisinha. e olha que namoro ha 2 anos, sem nenhuma suspeita de infidelidade. Se nao tem camisinha em casa, nao tem sexo. Ponto basta.

Por isso que mulher tem que ser ensinada (pela familia ou pela vida, o meu foi o 2o caso) e saber exigir respeito, a nao cair na labia de gente que pode prejudica-la.

A moca do post comecou a vida sexual cedo, com 15 anos so, mas pelo jeito nao recebeu educacao sexual na escola nem em casa. Eh isso que os conservadores nao entendem: a falta de informacao nao evita o sexo, so faz com que eel seja feito sem cuidado.

Desculpa o text incoeso, mas escrevi na velocidade do pensamento.


p.s. Lola, mascus sao daqueles que escrevem FIRST! :p

Anônimo disse...

Lola, é bom explicitar no post que existe uma grande diferença entre ter a doença e ela se manifestar (a B. foi vítima justamente disso!).
Assim esses babacas como o anon das 11:29 podem se tocar....

Anônimo disse...

Gente, eu queria saber de onde surgem essas historias de que homens hetero nao pegam aids. Nao eh possivel que alguem anda disseminando isso por ai, eh? E sera que os babacas realmente acreditam?
Maria Lia.

Anônimo disse...

Sabonete íntimo, protetor diário etc são uma maravilha para quem passa o dia inteiro na rua, mas são extremamente perigosos.
O normal da vagina é aquele cheirinho dela, não o cheiro de lavanda!
E os protetores deixam a bichinha abafada.
Tratei uma crise eterna de candidíase retirando tudo isso da minha vida.

Essas coisas são supérfluos que a mídia faz a gente achar que são necessários.
Se não me engano, já teve um post da Lola falando disso, tocando vagamente no assunto dos protetores diários.

Anônimo disse...

Uma coisa que nao entendi: todos nos temos herpes, mas soh alguns manifestam? Alguem da area de saude poderia explicar? Obrigada!
Maria Lia.

Caroles disse...

HPV não é passada só através de relação sexual. Muitas meninas virgens têm o vírus. Existem muitos tipos, e poucos são mesmo agressivos (causam verrugas, câncer, etc) e permanentes - ainda bem. Queria fazer a vacina, mas custa muuuito caro :/

Eu não uso camisinha sempre, e não conheço ninguém que use. Aliás, não conheço ninguém que use certo, quando usa. O mais normal é colocar a camisinha só no fim. É claro que se é alguém com quem tu tá transando pela primeira vez tu tem mais cuidado, mas depois de um tempo acho que todo mundo entra numa falsa tranquilidade. Nunca tive nenhuma doença, mas esse post me deixou meio assustada...

Anônimo disse...

Eu já peguei HPV usando sempre camisinha.Para os homens,HPV pode ser pego pelo saco,não há como controlar

carlo

Anônimo disse...

Anônimo das 11h45:

Candidíase é um inferno, eu tive por causa de um antibiótico para infecção auricular. Matou até as bactérias que não devia. Desde então, qualquer gripezinha já aparece de novo. Argh.

jacmila disse...

Considero de extrema importancia associarmos feminismo e saude versus ganancia dos laboratorios e medicos sem etica.
Porque mtos anos atras, em SP, uma ginecologista diagnosticou ferida no colo do utero e já marcando as sessões de cauterização. Como sou daquelas desconfiadas, fui em outra medica e ela constatou q não tinha nada! Outra coisa q me fez desconfiar dessa gineco foi q o consultorio dela estava cheio, com fila de mulheres para a cauterização. Ela dava um falso diagnostico pra ganhar em cima desse procedimento! Espero q essa gineco q vc tem seja confiável. Se bem q a maioria dxs medicxs estão mais comprometidos em diagnosticar doenças do q promover a saude, digo por exp. propria. Outra coisa: existe relação entre essa nossa alimentação desvitalizada, altamente processada, com herpes, hpv, alergias, corrimentos. Dá uma olhada no blog da Sonia Hirsch.

Anônimo disse...

Perdi a virgindade aos 21 anos, e aos 25, com meu segundo parceiro, peguei uma coisa estranha com corrimento e coceira, que o médico tratou com remédio para gonorréia (Anônima 1, a Candidíase não causa feridinhas, só corrimento espesso e com mau cheiro. Procure um médico!). Sofri muito com medo de ter pego HIV,mas felizmente o teste deu negativo. Até hoje, aos 34 anos, vivo sem sexo de nenhuma forma e sou feliz assim.

Maya Falks disse...

Tá bom, mascus, vamos brincar de lógica.

Não vou tocar no assunto promiscuidade porque pra mim essa palavra não significa nada. Pulemos ao que disse que héteros não pegam HIV.

Ok, a maior defesa dos homofóbicos contra o casamento igualitário é que gays não nasceram gays, mas escolheram sê-lo (claro que isso apenas comprova uma ausência neural atroz, mas enfim). Temos um sistema imunológico muito particular que independe de gênero, mas nossa capacidade de produção de anticorpos nasce com a gente. Existem, obviamente, casos em que o sistema imunológico é afetado por causas externas (aids por exemplo) - de antemão peço que se algum biólogo ou médico tiver uma informação contrária a isso, sinta-se à vontade de me contestar, meu conhecimento é fruto de pesquisa virtual. Seguindo: dessa forma, se o amiguinho mascu afirma que homens são imunes ao HIV provindo do sexo, logo gays também são, afinal, são homens que "escolheram" ser gays, logo, gays não pegam HIV, já que não nasceram gays, mas homens, com um gene que só os mascus conhecem que tornam homens semideuses imunes a certas doenças que independem de gênero.
Maaaaaas, como o amigo afirma que somente mulheres e gays pegam HIV, logo ele confirma que gays nascem gays, portanto, o gene semideus é exclusivo de homens héteros, e isso é determinado no nascimento, e não na escolha do homem de pegar mulher.

Ok, acabamos de ter a comprovação de que gays nascem gays, agora mascus podem parar com o mimimi de cura gay e luta contra o casamento igualitário.

Porém, se comprovamos que homens héteros são imunes ao vírus, também afirmamos que todas as mulheres HIV + pulam a cerca (a maioria é casada) com seus amigos gays. Mas se gays não fazem sexo com mulheres, logo essas esposas são todas lésbicas! (lésbicas pegam aids ou só homossexuais masculinos?).

Considerando essas mulheres casadas que contraíram HIV do marido sem transar nem com uma mulher nem com um gay, chegamos a 3 conclusões alarmantes!

Ou essas mulheres estão casadas com gays enrustidos que fazem sexo com homens quando elas não estão em casa (e são gays mesmo, uma vez que não estão imunes ao vírus).
Ou tem muito mais usuários de drogas injetáveis do que dizem as estatísticas e todas elas são casadas com viciados sem saber.
Ou o homem hétero não é um semideus imune, mas sim, um HOSPEDEIRO! Sim, uma espécie de evolução do Aedes Aegypti, o famoso mosquito da dengue.

Ou então vamos para a hipótese mais provável: homens héteros não são imunes ao HIV e o mascu que fez essa afirmação patética é um babaca que não se deu o trabalho de usar aqui que é popularmente conhecido como "cérebro".

Maria disse...

Meninas, não usem sabonete íntimo! Só água e seu próprio sistema imunológico deixam a vagina limpinha!

Para quem entende inglês:
(Sobre DST) https://www.youtube.com/watch?v=XorgvoUBI2o

(Sobre lavar sua vagina) https://www.youtube.com/watch?v=K6oKSz-IBSs

Marcela disse...

Maria Lia, eu sou estudante de medicina, e o q os meus professores já falaram é que a maior parte da população tem herpes (principalmente a labial), mas ela não se manifesta em todos.

Anônimo disse...

Lola,
Achei esse post muito interessante. É pertinente e importante!
Gostaria, entretanto, de esclarecer algo que na minha opinião ficou um pouco dúbio.
Não são todas as pessoas que têm herpes. E o herpes não aparece toda vez que a pessoa tem um stress.
Existem 2 tipos de herpes: oral (hsv-1) e genital (hsv-2).
Uma pessoa pode ter o tipo 1 tanto na boca como na genitália, devido a sexo oral, e o mesmo acontece com o tipo 2.
O HSV-2 se esconde nas células nervosas e "viaja" até a superfície da pele qnd se manifesta. A primeira aparição é mais agressiva pois o corpo não tem defesas. Após o tratamento a vírus costuma regredir e as recidivas são menos graves. O risco da recidiva permanece sempre, mas está mais ligado a baixa imunidade que ao stress (que é um termo muito genérico e subjetivo).
Eu li que estima-se que um quinto das pessoas maiores de 18 anos estão infectadas com HSV-2, sendo que 90% não sabem/não manifestaram. No que diz respeito a HSV-1, entre50-80% dos adultos possuem a doença.
O melhor método de prevenção contra HSV-2 certamente é a camisinha.
Eu não sou médica, e essas informações tive através de leitura sobre o assunto e acho que é muito bom procurar o ginecologista e se informar sempre.
É muito triste que a ignorância leve as pessoas a ligarem doenças sexualmente transmissíveis a promiscuidade. Basta uma vez, um desavisado fazer sexo desprotegido.
No caso da herpes HSV-2, o vírus não vive fora do corpo, tornando improvável infecção via assento de privada, etc.

Parabéns pelo blog e pelo post muito relevante, especialmente em época de carnaval.

Alessandra

Lucia Freitas disse...

vou deixar uma dica preciosa que aprendi quando era editora de revista de grávida: para mulheres com candidíase, banho de assento com chá de camomila. A camomila é maravilhosa (o chá das flores, fujam dos saquinhos), antiinflamatório, ajuda a cicatrizar...
Em meio litro de água fervente, duas colheres de sopa de flores, tampe, deixe em infusão por 5 minutos.
Use em temperatura ambiente.

Anônimo disse...

sou casada e continuo usando camisinha.
por que tamanha resistência das pessoas em usarem?

Anônimo disse...

Perdoe-me a ignorância, mas ter herpes vai ter que ficar sem beber, sem poder dormir pouco, praticar exercicios todo dia, não poder descuidar da alimetação, machucar no sexo, ficar longe de gente com gripe sempre? assutei com isso.
sem querer ofender de verdade, mas não é o médico também botando uma pressão pra que vc se sinta culpada por ter pego dst? mesmo q inconscientemente?
sei que deve ser difícil e grande parte culpa do homem em não querer usar camisinha, mas será que não temos uma cultura de tratar dst como um monstro, e isso não é consequencia conservadora e machista? por isso a pressão de que .

Leticia disse...

Os anônimos mascus simplesmente não vêem, ou não sabem ler, que a menina perdeu a virgindade com o cara quando pegou o HPV. Ou seja, mesmo que a mulher transe somente com um único homem infectado, ela vai pegar o virus. Só se a coitada fizer voto de celibato...

E como o homem brasileiro é muito promíscuo (exige fidelidade da parceira porém trai com muita frequência), a grande maioria dos casos de HPV acaba sendo por homem que passou a doença para sua parceira.

A grande maioria dos homens ainda tem BEM mais parceiras sexuais na vida do que uma mulher, ao menos no Brasil e segundo o que converso com minhas amigas.

Monica Cristi disse...

As mulheres temos que aprender de uma vez por todas que rosas vermelhas não são prova de amor, presentes caros não são prova de amor, jantar à luz de velas, declarações pomposas, aliança de ouro não são provas de amor. Usar camisinha, sim. Quem faz "cu doce" na hora de usar preservativo é porque não dá a mínima para a saúde física e mental da outra pessoa.

Lembro de uma cena, acho que em Queer as Folk, onde um casal de namorados está na cama, quase transando, e um deles sugere que o façam sem camisinha. O outro, que é mais velho e mais experiente, dá a maior lição de moral no parceiro e lhe diz pra nunca transar com ninguém sem preservativo. Com ninguém, nem com ele mesmo, o namorado, nunca. E, de fato, até às últimas temporadas os dois seguem usando camisinha. Para mim, isso é que é prova de amor.

Anônimo disse...

Achei interessantíssimo o assunto do HPV neste guest post: Só acho estranho o fato de dizerem que se pega HPV com sabontete íntimo, pelo que eu saiba- e meu ginecologista confirmou, pois já me tratei do HPV, isso acontece apenas em relações sexuais, é difícil imaginar alguém usando o sabonete imediatamente em sequência de outra pessoa.
O grande problema do HPV é que, ao contrário do pavoroso HIV que a grande maioria se protege com camisinha, o HPV é também transmitido no sexo oral e nem todos/todas se protegem com camisinha neste momento e só a utilizam somente na hora da penetração. Sempre transei com camisinha e HOJE sei muito bem que o HPV é transmitido no sex0 oral tbém.

Elvis disse...

Lola, que bom um post sobre esse tema.

Existem muitas DSTs, as pessoas só pensam em HIV, mas tem muito mais. E o tratamento é complicado, muitas vezes não tem cura, como herpes. E é muito comum o homem ser assimtomático (o que não significa que não deve tratar), a vagina é um ambiente mais suscetível a infecções.
Fiquei surpreso com a clamídia naquela quadro das principais DSTs, se não me engano, essa bactéria pode ficar bastante tempo assimtomática tanto no homem quanto na mulher e causar sérios problemas futuros, principalmente na mulher.

Não acredito que alguém realmente acredita que heteros não pegam HIV.

Leticia disse...

Lola, aproveitando aqui o espaço, posso te pedir um favor? Há poucos dias terminei meu noivado com um sujeito que, desconfio, é psicopata ou algo muito parecido com isto.

Como seu blog tem bastante visibilidade, poderia te pedir para enviar a minha história a você, e que você a transformasse em "guest post"?

"Leticia" não é meu nome verdadeiro, gostaria por favor de preservar a minha identidade.

Obrigada.

Anônimo disse...

@Anon das 13:30
Ninguém aqui disse que pegou HPV com sabonete íntimo e sim candidíase.

E esse seu médico é um ignorante.
HPV pode ser pego de outras formas que não no ato.

Leia, informe-se.

Não seja fonte de ignorância para si e para os outros.

Anônimo disse...

Eu também já fiz esse estupidez de fazer sexo sem camisinha com um "ficante" Foi uma úncia vez que transei sem camisinha e fui "premiada" com clamídia. Levou tempo até conseguir diagnosticar e tratar corretamente. Depois daquilo nunca mais!!! Nao existe argumento no mundo que me faca desistir da camisinha.
Hoje sou casada há quase 10 anos e usamos camisinha SEMPRE - até por que eu nao quero ter filhos e usamos dois métodos contraceptívos (eu tomo pílula).

É uma coissa que eu nunca vou entender por que as pessoas tem tanto "medo" do preservativo ou por que ainda é um imenso tabu, principlamente em relacionamentos longos.

Liana hc disse...

Ótimo assunto do post, sempre vale ser abordado. Sempre me deparo com informações desencontradas, até de médicos, sobre diversas doenças, inclusive as que *também* são passíveis de transmissão sexual.

A quantidade de jovens que eu conheço que sabem praticamente nada sobre formas de transmissão, prevenção e tratamento é grande. A maioria só se preocupa com HIV/Aids e gravidez... E olhe lá.

Iara disse...

Concordo com tudo o que a Monica disse...e ainda incluo,confiar jamais!Eu sei onde eu piso,mas não posso garantir nada pelos outros...e além das doenças mencionadas no post também existem outras,centenas....por isso acredito que amor é ter consciência de que não devemos nem podemos confiar em ninguém,nossa saúde vai primeiro....

Cora disse...

Monica Cristi,

subscrevo seu comentário completamente.

respeito é prova de amor. cuidado é prova de amor. todo o resto, quando vem desacompanhado de respeito e cuidado, é conversa mole pra boi dormir.

stummevogel disse...

Nossa! Tem cada comentário aqui que me deixa doente! Como tem gente ignorante nesse mundo, que não possui nem mesmo o conhecimento básico de biologia dos ensino fundamental e médio. E ainda querem "ensinar" por aí. Ignorância, sim, é uma doença.

B., parabéns pela sua coragem de falar e obrigada pelo relato. Infelizmente, a gente tende a refletir mais quando lemos histórias assim...Sei que o que vc disse será conscientização pra uns e conforto pra outrxs!

Fique bem, querida!

Anônimo disse...

O post é super importante. Camisinha é indispensável.
Mas só lembrando que a camisinha não protege 100% contra o vírus do HPV.
Aliás, dizem que a camisinha feminina protege mais, mas é super difícil de achar...

Sara disse...

Acho uma tristeza o pavor e a vergonha que as DSTs causam, é incrível que muitas que sequer são sexualmente transmitidas como HPV, ou candidiase são estigmatizadas tb.
Doenças , seja lá quais forem deveriam ser tratadas simplesmente e prevenidas, não se criar uma aura de medo e preconceitos em volta.
Acho uma tristeza que tanta gente tenha medo de viver sua sexualidade, por tanto medo desse tipo de doença, é obvio que devemos nos cuidar, mas por mais cuidados q tenhamos não estamos livres de ter q passar por doenças a nossa vida inteira, isso ficou claro pelo relato da garota do post.
Agora desistir da sexualidade por conta disso, só vai é criar mais gente rancorosa, reprimidas e cheias de recalques.

Anônimo disse...

Lendo o comentário da Caroles lá em cima:

"Eu não uso camisinha sempre, e não conheço ninguém que use. Aliás, não conheço ninguém que use certo, quando usa. O mais normal é colocar a camisinha só no fim."

Olha, parece que eu e ela vivemos em planetas diferentes para ela sequer conhecer gente que use de forma corriqueira, costumaz e correta. Nem consigo imaginar uma vida sexual assim; na qual camisinha é algo "extra".

renpmelo disse...

O virus hiv infelizmente é o que mais aterroriza as pessoas. Eu digo infelizmente porque há milhares de cientistas, incluindo premios nobeis, que questionam se o hiv realmente transmite a aids. O mais proeminente é o peter duesberg, um dos maiores virologistas do mundo.

Enquanto não houver provas, a industria farmaceutica continuará lucrando em cima do terror e da desgraça. Aliás, é só isso que faz as campanhas anti hiv: aterrorizar as pessoas e discriminar minorias.

Anônimo disse...

Sou homem gay e quando tinha 18 anos contraí a bactéria que causa a sífilis. Eu peguei após transar com um rapaz mais novo que eu (esse mesmo rapaz foi o 1º com quem transei na vida, embora quando fui infectado não era a minha primeira vez). Só descobri que estava com a doença, pq apareceram umas bolinhas vermelhas na palma das minhas mãos.
Fui ao médico e fiz os exames e foi constatado sífilis. Tive que tomar 6 injeções de Benzetacil, 2 ao mesmo tempo em cada semana. Quando tomei a medicação estava apenas 5 meses infectados. Depois de 4 meses refiz o exame e estava curado. Só que sempre que eu fizer o exame vai aparecer a doença lá. Pelo que já li, o exame só detecta se a pessoa tem ou teve a doença. Ou seja, seu eu fizer o exame vai aparecer lá que tive a doença, (aparece no exame a palavra Reagente mais uma pontuação que varia) mesmo que eu esteja curado. E isso é muito chato. Tenho medo de ser impedido em algum emprego ou concurso futuramente.

Natasha disse...

E ainda tem gente que comenta aqui,totalmente iludido,achando que só quem está na miséria é que não se protege por não ter condicões.
Todo mundo que tem conhecimento da camisinha é muito responsável...

Lord Anderson disse...

Liana concordo contigo.

Quando eu era adolescente minha escola forneceu informações bem completas sobre a questão da prevenção a DSTs (com foco principal na AIDS) e tb da gravidez indesejada, havia livretos,palestras, videos, até meios de se fazer perguntas anonimas, pra ninguem ficar constrangido.

O importante era informar a todos, inclusive as familias dos alunos (eu mesmo levei cartilhas com informações sobre sexualidade e prevenção para os meus pais, que nem surturam mesmo sendo religiosos)

Mas conforme o tratamento da AIDS avançou e ter o virus (e mesmo a doença) não é mais sentença de morte automatica, parece que as "novas" gerações deixaram de dar importancia.

Não sei se por não termos mais pessoas famosas mostrando sua doença publicamente (como Cazuza e Freddy Mercury), se pelo fortalecimento do moralismo e de setores religiosos conservadores que hoje fazem campanhas contra as aulas de educação sexual, mas minha percepção pessoal é de os jovens no geral tem menos informação e conhecimento sobre a necessidade e formas de se previnir do eu e meus colegas na mesma idade.

Anônimo disse...

Enttendo perfeitamente a autora do post.Peguei HPV com o meu esposo, o primeiro e único homem com quem transei até hoje.Isso é um baque na nossa auto-estima.O pior é que o vírus só se manifestou em mim.Ele não tem nada.

Luca

Anônimo disse...

É verdade que é muito mais difícil para um homem hétero pegar o vírus HIV sim. Admitir isso é o primeiro passo para desmistificar a doença. Não adianta falar que o risco é o mesmo para todos porque não é.

E não tem nada a ver com sistema imune, é simplesmente que a porta de entrada (pênis) masculina é mais protegida do que a vagina e o ânus. É muito mais fácil haver pequenas lesões na vagina e ânus que permitem a entrada do vírus.

Infelizmente, se um homem hétero tem o vírus, deve-se sim pensar em uso de drogas ou sexo anal. Claro que não são todos e que há transmissão mulher-homem.

yulia2 disse...

tem muita gente louca e inconsequente que não usa camisinha, isso é um perigo.
eu exijo o uso em todas as vezes e se o cara nega é tchau e bença

yulia2 disse...

Homem heterossexual não pega aids, apenas através de drogas injetáveis.
__________

continue pensando assim viu? vai nessa...fabio, ops
carlos....

Liana hc disse...

renpmelo, pois é né, assunto interessante. andei lendo sobre as pesquisas e sobre a confiabilidade dos testes, tudo dito por especialistas da área, e fiquei com a pulga atrás da orelha. é sempre bom que cada um vá em busca dessas questões, isso também ajuda a não espalhar essa aura de medo e preconceito que cerca tantas doenças.

yulia2 disse...

e as maiores contaminadas por hiv continuam sendo mulheres casadas contaminadas pelo marido.
a masculhada não tem nem o que dizer

yulia2 disse...

Quem faz "cu doce" na hora de usar preservativo é porque não dá a mínima para a saúde física e mental da outra pessoa.[2]

exato, o povo não tem consciencia, não tem essa de ser namorado ou ser marido, tem que usar camisinha mesmo em relacionamento sério.
e repito se o cara faz cara feia e não quer, manda embora, ele ta pouco se lixando pra vc.

yulia2 disse...

Hoje sou casada há quase 10 anos e usamos camisinha SEMPRE - até por que eu nao quero ter filhos e usamos dois métodos contraceptívos (eu tomo pílula).
___________
ta certa!

o povo não usa camisinha por egoísmo mesmo e falta de consciencia

Anônimo disse...

O maior problema das DST´s é justamente todo o tabu que as envolve.Como já foi mencionado, são as mulheres que,na maioria das vezes,apresenta os sintomas e SEMPRE acabamos sendo vistas como sujas e promíscuas devido a isso e muitas vezes, acabamos até demorando a procurar ajuda médica em caso de suspeitas devido a isso, e as mulheres atendidas pelo SUS então, nem se fala!Como só tive um parceiro sexual ate hoje(o meu esposo) e ele nunca manifestou sintomas de HPV, quando eu me deparei com uma verruga, não acreditei que estava com o vírus e demorei meses para procurar ajuda médica.E no preventivo(pelo SUS), o médico mal me examinou e disse que deveria ser alguma irritação.Procurei mais duas opiniões e o descaso se repetiu.Só fui confirmar a minha suspeita agora, bem no meu pré-natal e isso porque, devido a minha baixa imunidade, as verrugas se multiplicaram.Isso é muito triste.

Luca

ViniciusMendes disse...

Tem um povo que curte uma roleta russa...

@Caroles
O líquido que sai do pênis antes da ejaculação tem espermatozódes e transmissores de DST se a pessoa tiver contaminada. A carga pode ser MUITO menor, mas engravida e contamina do mesmo jeito.

@renpmelo
Sinceramente... você prefere pagar pra ver? Eu não.

Obrigado papai e mamãe que me explicaram o que era sexo, dst, camisinha e gravidez desde muito novinho e que sempre incentivaram os filhos a usar camisinha, chegando ao ponto de dar algumas por antecipação diversas vezes.

yulia2 disse...

Enquanto não houver provas, a industria farmaceutica continuará lucrando em cima do terror e da desgraça. Aliás, é só isso que faz as campanhas anti hiv: aterrorizar as pessoas e discriminar minorias.
______________

Mas o hiv não seria o (ovo) da aids??
pelo menos é o que passam pra galera ai...
ou seja se a pessoa descobre a tempo de se tratar esse ovo não se quebra e nasce a (aids) , mas se não se tratar a tempo....
No mais, concordo, existe muito terrorismo e desinformação, não existe e nunca existiu grupo de risco. conheço a historia de um cara que ser relacionou um ano sem camisinha com uma soropositiva e não pegou nada, como pode isso? dever ter uma explicação que com certeza a ciência não tem interesse em se aprofundar pois o importante é lucrar...
enquanto isso, não dá pra brincar de roleta russa por ai.

Ana disse...

Não usar camisinha é insanidade.
Tá certo que camisinha feminina é difícil de encontrar e cara, mas compra uma camisinha masculina e insiste que o cara use. Se ele reclamar que fique sem o sexo então, horas.

Burra é a mulher que se submete a fazer sexo sem camisinha e as vezes fica só pensando no não ter filho, aí como ela nao tá no período fértil transa e nem lembra que existe DST, o calor do momento não deixa.
Depois vai ter que pagar o pato sozinha e passar brabo pra tratar DST.
HPV é uma das mais comuns, sífilis já é coisa de mulher que tenha transado com um cara promíscuo, porque o rapaz tem que ser muito galinha pra ter a sorte de adquirir sífilis.

Ariane disse...

Sim, é extremamente importante o uso do preservativo em todas as relações sexuais (vaginal, anal ou oral). Porém, mesmo com o uso do preservativo, infelizmente há o risco de adquirir o HPV, pois este se manifesta em todo a região perineal. Então, temos que orientar todas as mulheres sobre a importância do papanicolau anual. O exame é desconfortável, mas imprescindível para detectar logo no início alguma alteração decorrente do HPV. E hoje, a gente observa o aumento de pessoas contaminadas pelas Hepatites que são tão graves quanto o HIV (pode-se pegar hepatite B ou C fazendo unha na manicure ou indo no dentista). Então pessoal, vamos nos cuidar, o SUS oferece testagem de sorologia gratuita em qualquer Unidade Básica de Saúde, os exames são HIV, Sífilis, Hepatite B e Hepatite C. Todos os resultados são sigilosos. Se você apresentou alguma situação de risco (relação sexual sem preservativo, uso de drogas injetáveis, fui em uma manicure ou dentista que não esteriliza os instrumentos de forma adequada) FAÇA A TESTAGEM SOROLÓGICA (FIQUE SABENDO)

Liana hc disse...

Yulia,

Segundo as fontes: HIV é o vírus. Aids é a doença. Nem todo mundo que tem o HIV necessariamente teria Aids, mas mesmo assim pode transmitir.

yulia2 disse...

É verdade que é muito mais difícil para um homem hétero pegar o vírus HIV sim. Admitir isso é o primeiro passo para desmistificar a doença. Não adianta falar que o risco é o mesmo para todos porque não é.
_______________

a verdade é que vc é um baita ingorante e é um perigo gente ignorante a esse nível andando por aí.
vai achando mesmo que é superhomem que nunca vai pegar nada....
homens com sua mentalidade são os que mais transmitem isso pra coitada da suas esposas.

yulia2 disse...

alguns textos sobre isso

Muitas acabam contaminando-se pela dificuldade de negociar o uso do preservativo com o parceiro. Isso pode acontecer porque o parceiro é intransigente, autoritário; ou porque essa mulher tem uma auto- estima e autoconfiança frágil, o que a impede de ser assertiva e impor a necessidade do preservativo. Isso acontece por medo de ser abandonada ou desvalorizada. Se esse parceiro valer a pena e gostar de você de verdade, ele não vai se negar a usar preservativo

http://www2.uol.com.br/vyaestelar/aids_mulheres.htm

Se esse parceiro valer a pena e gostar de você de verdade, ele não vai se negar a usar preservativo[2]

botem isso na cabeça!!!!

ViniciusMendes disse...

@yulia2

Do mesmo jeito que entrar em contato com pessoas gripadas não te deixa automaticamente gripadx, entrar em contato com o HIV não te torna automaticamente soropositivo, e as chances de infecção não são TÃO altas quanto se espera. O problema é que você só precisa ficar doente uma vez né?

E de fato, portas de entra diferentes tem chances diferentes de infecção... Sexo oral na vagina é menos arriscado que sexo oral no penis, que é menos arriscado que penetrar com o pênis, que é menos arriscado que ser penetradx na vagina, que é menos arriscado que ser penetradx no anus. Nesse sentido, teoricamente um homossexual passivo realmente tem mais chances de contágio do que um homem cis heterossexual ativo... Mas qualquer um dos dois só precisa se contaminar uma vez pra conviver com a doença pra sempre, o que torna meio imbecil tomar decisões se baseando apenas disso...

yulia2 disse...

outro perigo, a maioria dos homens que ficam sabendo que tem hiv não contam nada para suas mulheres. agem como se nada tivesse acontecido.

Anônimo disse...

Sempre estou por aqui e é a primeira vez que comento, sou casada e estou com meu marido há 10 anos e sempre usei camisinha, em todas as relações, sorte que tenho apoio por parte dele, inclusive por não precisar tomar pílula,já que ele acha que a longo prazo não faz tão bem para mulheres. Entretanto, já ouvi piadinhas de amigas, zombaria e as únicas pessoas que me parabenizam são as que trabalham na área da saúde. Beijos

Anônimo disse...

Olá querida que escreveu o post.^^'

Há um medicamento sensacional chamado: "L-LISINA 500mg" (é um aminoácido).

http://www.entendaoherpes.com.br/l-lisina

http://dividirafundar.blogspot.com.br/2012/08/beneficios-e-efeitos-colaterais-da-l.html


São capsulas que você pode encomendar em qualquer farmácia de manipulação - algumas farmácias exigem receita.

As desvantages desse medicamento:

Uma dose elevada pode levar à formação de cálculos biliares. Uma ingestão excessiva de lisina durante um longo tempo também está acreditado para aumentar o nível de colesterol e triglicérides, para que as pessoas que têm um histórico de problemas cardiovasculares devem consultar seu médico antes de ir para uma suplementação de lisina. Doses acima de 40 gramas diárias pode também resultar em náuseas, cólicas, dor de estômago e diarréia.

Bem, eu conheço gente que tem HSV 1 e 2 que se dá muito bem com L-lisina. Funciona mesmo. Só te aconselho procurar um(a) dermatologista pra te acompanhar enquanto você toma e fazer exames pra checar o colesterol.

Não precisa tomar sempre. Tome somente quando estiver em crise ou prevenir o aparecimento das bolinhas quando você comer um alimento que tenha muita "Arginina"(outro aminoacido, esse desenvolve o HSV). Procure por fontes de alimentos que contenham arginina, quando come-los, mesmo que não esteja em crise tome uma capsula de L-lisina 500mg p prevenir o surgimento.

Bem, espero que aproveite a dica. Se você já sabe é só desconsiderar.

bjos.

yulia2 disse...

Sempre estou por aqui e é a primeira vez que comento, sou casada e estou com meu marido há 10 anos e sempre usei camisinha, em todas as relações, sorte que tenho apoio por parte dele
________________

VC teve sorte, muita sorte, a maioria dos maridos se recusam terminantemente a usar camisinha com suas mulheres.
e quanto a suas amigas.... não são amigas de verdade. deixa pra lá.
abraços

yulia2 disse...

Mas qualquer um dos dois só precisa se contaminar uma vez pra conviver com a doença pra sempre, o que torna meio imbecil tomar decisões se baseando apenas disso...
______________

exatamente.
mas pesando bem,eu nem sei se é bom divulgar esse tipo de informação até porque a muito tempo atrás se dizia que sexo oral não pegava hiv e mesmo se a pessoa tivesse contaminada os tais ácidos do estomago eliminaria...
isso foi ha muitos anos e é claro que essa informação caiu por terra.

agora se divulga isso de que homem tem menos chance de pegar do que mulher... acho isso um perigo, pois homem naturalmente tem pré disposição a não usar camisinha, com uma informação dessas então, é pior ainda! encaro isso como um tremendo deserviço.

yulia2 disse...

mais um antidoto anti ignorância and burrice...

http://www.viomundo.com.br/blog-da-saude/saude/o-hiv-passa-de-mulher-para-homem-sim-dourado.html

Marco Vitória insiste: “A transmissão do HIV é bidirecional”.

Ou seja, sempre que houver contato sexual com troca de fluidos contaminados – leia-se esperma, secreção vaginal e sangue – existe risco tanto para homens quanto para mulheres. Alguns fatores podem aumentar esse risco. Por exemplo, lesões na pele ou na mucosa dos genitais causadas por machucados ou doenças sexualmente transmissíveis.
Mas atenção. Mesmo na ausência de ferimentos genitais, a transmissão do HIV pode ocorrer.

Portanto, se pode pegar o HIV, fazendo sexo vaginal, anal e oral – sem camisinha”, previne Ivo Brito. “Mas não se pega nem se transmite HIV, praticando masturbação a dois.”

“Ah, mas o Dourado disse que foram médicos que lhe disseram que o vírus da aids não passa de mulher para homem…”, talvez alguém retruque.

Se realmente disseram, são desinformados. O fato de ser médico não significa obrigatoriamente que disponha de informação qualificada na área de saúde. Ponham isso na cabeça.

Anônimo disse...

Já tive um namorado que,enquanto eu ficava paranoica indo pra ginecologista,fazendo banho de assento e usando pomadas mil,pra curar uma maldita infecção que não sarava,ele não tava nem ai pra se cuidar ( apesar de eu pedir muito pra ele ir ao médico ,me oferecendo pra ir junto)e ainda queria fazer sem camisinha,isso foi motivo pra muitas brigas e muita frustração da minha parte ( por constatar a falta de cuidado dele comigo/conosco)infelizmente não tive maturidade pra terminar,mas não passaria por isso novamente,ao primeiro sinal de desleixo do cara,mando pastar,pq não vale a pena mesmo.

Muitos caras comprometidos sabem que são doentes e não comunicam as parceiras ou traem e não usam camisinha na relação extra conjugal,e se a mulher de casa só mencionar o uso da mesma,o machão vira bicho(insinuando que é a mulher a aprontar por fora).


Cética

Magrelinha disse...

Gente, sabonete íntimo é feito justamente para não alterar o PH vaginal. É muito melhor do que os sabonetes convencionais por isso. Algumas marcas inclusive são indicadas para prevenir candidíase e outros tipos de irritações e alergias. Se alguém teve alergia com uma marca de sabonete específica, beleza, isso acontece, mas daí falar que sabonete íntimo faz mal é DEMAIS.

Para quem recomendou que não se use sabonete nenhum e só lave a vagina com água, na boa, absurdo total. Ser natureba tem limite.

Vnss disse...

Namoro a 6 anos, meu namorado as vezes pede pra fazermos sem, mas como sou enfermeira e já fiz muito papanicolau não me arrisco, não vou mentir só fizemos sem 2 vezes, e continuamos felizes e bem resolvidos fazendo com preservativo e pretendo continuar usando. As pessoas deviam pensar que da mesma forma que não beijariam alguém com alguma lesão na boca, ou até mesmo gripada, porque se expor a uma DST que por vezes é silenciosa.

Anônimo disse...

anon 20:39. Vc é uma mulher de sorte.

Mordred Paganini disse...

HPV é uma das mais comuns, sífilis já é coisa de mulher que tenha transado com um cara promíscuo, porque o rapaz tem que ser muito galinha pra ter a sorte de adquirir sífilis.

____________________________________
Slutshaming aqui? Por favor,companheira!
E não tá escrito "galinha na testa de ninguém não" e ser "promíscuo" não tem nada a ver com DST, uma vez que você pode ser "promíscuo" e usar a porra da camisinha. Quem vê cara, não vê DST.

Anônimo disse...

Herpes genital não é a mesma da herpes labial ou herpes zoster, por exemplo, então não tem isso de pessoas 'contempladas', herpes genital é contraída sim através do sexo e DEFINITIVAMENTE não é a mesma coisa que ter herpes labial (como eu), e ter herpes genital. O que pode acontecer é contaminação de passar a mão na boca (ou no local contaminado) e colocar na vagina, mas fora isso herpes genital é transmitida sexualmente.

Cristina disse...

Lola, otimo post,exclarecedor principalmente na questão do HPV que nunca compreendi totalmante. Chocada com a facidade que as pessas que NÂO usam camisinha.
Gostei do post e meu médico também; vou visita-lo essa semana e fazer meus exames preventivos.

renpmelo disse...

Yulia, existem muitas pessoas (muitas mesmo) com o virus hiv no organismo, mas que passam a vida inteira sem manifestar a doença aids. Até hoje ninguem consegue explicar esse fenomeno.

Aids é uma doença que afeta o sistema imunologico, porem por incrivel que pareça não existe prova conclusiva de que o virus hiv seja o responsavel pela doença. Peter duesberg ja argumentou que o que debilita o sistema imunologico não é o virus, e sim drogas, incluindo o coquetel para o tratamento da aids. Ou seja, pessoas saudáveis acabam adoecendo com esses medicamentos pesadíssimos que dizem tratar a aids. Há inclusive diversos sites com depoimento de soropositivos a mais de 30 anos, que sempre se negaram a tomar medicamentos e vivem muito bem.

Isso é polêmico? Sem dúvida. Mas é algo que deve ser discutido e passa longe de teoria da conspiração.

renpmelo disse...

Liana, é verdade, a confiabilidade dos testes é outro assunto espinhoso, pois sempre existe o risco do teste dar um falso hiv positivo para qualquer pessoa.

E eu fico me imaginando como é alguém receber a noticia de que é soropositivo. Só essa frase mata a pessoa pela metade. A grande maioria será tomada pelo terror, imaginando desgraças, e que viverá no máximo 10 anos de vida.

Desculpem, mas exame de hiv continua sendo atestado de obito, e a pessoa com essa noticia vai se corroer com isso todos os dias. Vai morrer aos poucos somente com pensamentos destrutivos.

Por isso que eu digo que a industria farmaceutica ganha dinhiro aterrorizando as pessoas.

Carol Furlan disse...

Mais uma vez um post com o qual me identifico. Não possuo HPV, mas sou uma vítima desse vírus chato que é o herpes. Sou enfermeira e contraí o vírus enquanto estava no início da graduação. Uma coisa IMPORTANTÍSSIMA: contrai o vírus mesmo tendo relações sexuais com preservativo. É difícil dizer de quem contraí, pois existe a janela imunológica, mas sempre usei preservativo. O problema é que o herpes e hpv são transmitidos por contato e o preservativo protege apenas a extensão do pênis, deixando desprotegidos testículos e base do pênis, basta ter o vírus se proliferando ali (geralmente com feridas, mesmo que muito pequenas) que o contato com a pele dx parceirx já é passível de transmissão. É por isso que a médica da moça do post disse que todos tem herpes, porque estima-se que 90% das pessoas já tenham tido contato com o vírus em algum momento, mas somente 20% dessas pessoas manifesta a doença, ou seja, eu e a moça do post somos duas "premiadas". Claro que não deixa de ser importante o uso do preservativo, pois ele aumenta grandemente a segurança durante a relação, mas é muito importante também observar o parceiro e se conscientizar. Eu tenho herpes e tenho consciencia de que, se eu tiver em crise, com qualquer ferida, por menor que seja, eu não posso ter relação de jeito nenhum, nem mesmo usando preservativo pois estou correndo o risco de transmitir. Além disso, sempre observo meus parceiros pra ver se aparentemente, está "tudo certinho". Os cuidados que tenho são basicamente os que ela disse no post, além do tratamento supressivo com aciclovir que estou fazendo, já que de um tempo pra cá tive crises muito recorrentes. O importante é não tornar isso um bicho de sete cabeças e aprender a conviver de forma consciente, já que infelizmente ainda não tem cura, e claro, usar preservativo SEMPRE.

Sphynx disse...

Talvez não seja tão pertinente a esse post, mas vou comentar aqui só porque tá dentro do assunto carnaval.

Tem um texto mascu circulando no Facebook (não muito amplamente, não vou deixar link aqui pra evitar divulgar) falando das mulheres no carnaval. Aquela mesma choradeira de sempre, que as mulheres colocam roupas minúsculas e saem ficando com todo mundo, menos com os "homens de bem".

Mas o que importa não é o texto em si, que é a besteira de costume, cheio de um moralismo ressentido. O que me fez vir comentar aqui é que vi um grande número de comentários de muheres concordando com o texto, várias querendo dizer: "é verdade tudo isso, mas nem todas as mulheres são assim, eu não sou, não me confundam com essas vadias porque eu sei que mulher tem que se dar o respeito".

As mulheres que acharam o texto desprezível foram acusadas, tanto por homens quanto outras mulheres, de só estarem ofendidas por se identificarem com as "vadias" descritas lá. O argumento: "o texto não generaliza todas as mulheres, só as que fazem aquelas coisas e que são vadias que não valem nada mesmo". Isso quando o texto é obviamente contra a liberdade de todas as mulheres, dando a qualquer uma o motivo para se ofender.

Eis a questão: são muitos comentários vindos de mulheres que se sentem ofendidas com a liberdade sexual das outras. Li vários do tipo: "são as vadias que sujam a imagem de todas, merecem ser tratadas como objeto".

Por isso, Lola, pensei que poderia ser oportuno um post sobre slut-shaming e a divisão do mundo em "santas" e "vadias" nesses tempos de carnaval. Deixo essa sugestão aqui.

Anônimo disse...

Lola, tem tanta informação errada nesses comentários, que chega a ser um atentado à saúde pública. É gente achando que homem hétero não pega Aids, é gente dizendo que Aids não existe (oi?????) que é invenção de laboratório farmacêutico, que HIV não tem nada a ver com AIDS, é gente falando tanto absurdo... Não sou médica, Lola, mas acho que você deveria fazer uma caridade aos mascus e demais ignorantes: Peça a um(a) médico(a) para fazer um post sobre DST e uso correto da camisinha URGENTEMENTE, por solidariedade à burrice de alguns dos seus leitores!!!!!!!!!!

Mariana. disse...

Sobre ter HIV sem manifestar a AIDS.

Bom, no ensino médio, numa aula de biologia, um professor nos explicou o que devemos fazer em caso de, por exemplo, sofrermos um estupro.

Temos que imediatamente tomar uma pílula do dia seguinte e um coquetel anti AIDS (não me lembro o nome exato).

Ele disse que esse coquetel não vai impedir o HIV de entrar no nosso organismo, mas vai impedí-lo de entrar na célula e se "reproduzir" (o virus não tem capacidade de se reproduzir fora de uma célula).

Ou seja: teremos o HIV circulando no nosso corpo, e inclusive poderemos transmiti-lo, mas não vamos desenvolver a AIDS.

Nunca fui atrás pra saber se procede a informação, mas imagino que sim. Alguém pode esclarecer?

Mariana. disse...

Magrelinha:

sobre sabonete íntimo: minha ginecologista falou que ele ajuda mesmo a manter o PH vaginal, mas que também afeta a flora da vagina e que, portanto, deve ser usado no máximo 3 vezes por semana. Nos outros dias, deve-se usar o sabonete convencional, de preferência neutro.

Mariana. disse...

olha só o que eu achei sobre o coquetel anti AIDS:

http://veja.abril.com.br/270208/p_100.shtml

rafaela disse...

Mariana.:
O "coquetel" é composto pelos medicamentos que são usados no tratamento, mas a pessoa toma por apenas um mês (se não me engano, pois não é a minha área).
Se atingir o objetivo, ele não deixa o vírus se reproduzir. Os que entraram no seu corpo "morrem" e você não terá vírus circulando.
Mas essa NÃO é uma medida 100% eficaz. TEM que ser usada sim, caso haja uma relação desprotegida sem querer(falando mais claramente, estupro) ou acidente com material pérfuro-cortante(em profissionais de saúde ou funcionários de limpeza de hospitais por exemplo). Mas jamais deve ser usada como prevenção regular do HIV. É medida de emergência (assim como a pílula do dia seguinte).
Abraços

Anônimo disse...

Comecei a ter relações sexuais aos 15 anos e durante 2 anos de namoro sofri inúmeras vezes com candidíase e cistites, da última vez a infecção subiu da bexiga pros rins, e eu fiquei internada 4 dias... depois fui saber q foi pq meu namorado na época, 5 anos mais velho e mais experiente me encheu o saco pra fazer sexo anal, apenas tentamos, eu pedi pra parar por que doeu, estávamos usando camisinha, então ele disse "quero gozar" e sem nenhum pudor trocou para o sexo vaginal com a MESMA camisinha.. eu ainda relutei mas como ele não tirou eu pensei "não deve ter problema", o resultado foi essa infecção nos rins que me rendeu 4 dias de internação, só pq ele "queria gozar". Hoje, mesmo namorando (outra pessoa) não abro mão da camisinha!

Verô! disse...

Pois é, ninguém está imune as DSTs, inclusive as lésbicas e é impressionante como não existe nenhuma companha pública de educação sexual para mulheres que se relacionam com mulheres.

Por muito tempo eu achei que estava protegida por ser homossexual e não me cuidava nas minhas relações sexuais, não usava nenhum tipo de proteção mesmo durante o sexo casual. Depois de muito me arriscar eu fui informada que podia sim pegar DSTs também. Fiquei morrendo de medo por um tempo e fui para a gineco fazer todos os exames disponíveis e, felizmente, não tinha nenhuma doença.

Então eu deixo a dica para as mulheres que se relacionam com mulheres:

1. evite retirar a cutícula! Quando retiramos a cutícula eliminamos uma proteção natural, eventuais feridas podem ser a porta de entrada para doenças quando estimulamos nossas parceiras com as mãos (o que fazemos muito, né? :D )
2. não existe nenhum barreira de proteção feita especificamente para nós, mas há alguns métodos:
a) para sexo oral, corte uma camisinha masculina e use como barreira para evitar o contato direto entre sua boca e a vagina da companheira;
b) isso não funciona muito bem quando fazemos a famosa tesourinha, então acho melhor evitar essa prática, a não ser que você tenha absoluta certeza que sua parceira não tem nenhuma DST;
c) se você curte brinquedos sexuais, coloque camisinha neles também e depois do ato higienize tudo!
d) a camisinha masculina pode servir para penetrar a parceira com os dedos também, só tome cuidado para o preservativo não escorregar e acabar dentro da moça!

E óbvio: mantenha suas mãos sempre limpas antes e depois do ato sexual. Isso pode parecer bobagem, mas já dei aulas sobre diversidade sexual para um grupo de professores e quando comentei sobre prevenção para mulheres lésbicas - e na platéia tinha lésbicas - todo mundo fez cara de surpresa e quando falei sobre a importância de lavar as mãos antes de transar até as lésbicas fizeram cara de "ahhhhh..." e lembrem-se que eu estava falando para professoras e professores, não para adolescentes inexperientes.

Nivaldo Brás disse...

Doença venérea é um assunto sério. Infelizmente a ingenuidade da mulher, principalmente as jovens, ajuda a proliferar isso. Sempre digo FICHA LIMPA. Pesquise sobre o fulano. Não tenha vergonha de saber se aquele LINDO DE MORRER seja um poço de doença. Temos Internet. Hoje ser desinformada é uma ofensa a net. Lembro que dantes na minha cidade que não tinha gonorreia ou cranco mole não era "hominho" pelo menos o médico daqui ganhou alguma grana.

Anônimo disse...

Verô,
" para sexo oral, corte uma camisinha masculina e use como barreira para evitar o contato direto entre sua boca e a vagina da companheira;"

vc não está exagerando não?
Sou mulher heterosexual, mas que graça sexo oral na mulher com camisinha?

Anônimo disse...

@Anon 22:01
Uai, já fez assim?

Rebeca disse...

Oi Lola fiquei chocada com o que eu li, não sabia da maioria dessas informações...sabia que quando tivesse minha primeira vez precisava fazer com camisinha, para me proteger das doenças sexualmente transmissíveis.

Tive minha primeira vez aos 20 anos com um rapaz também virgem, porque procurei alguém virgem.E saudável.


Pobre menina..foi falta de informação e orientação por parte da mãe dela, sempre conversei muito com a minha mãe, ela é minha melhor amiga.

Sou uma pessoa de poucos amigos, pois entendo que quem tem muitos amigos, acaba tendo nenhum, quando estar passando por dificuldades.Sofri isso na pele quando entrei na universidade.


E tudo foi falta de informação e pesquisar na internet.

E também de vez em quando passa na TV reportagens sobre doenças sexualmente transmissíveis.


é verdade que com o tempo as pessoas acabam relaxando e querendo fazer sexo sem camisinha, e o que pode acontecer é uma doença indesejável como aconteceu com essa menina ou coisa pior, como uma gravidez não planejada.As sequelas ficam para sempre.


Não tenho filhos e não pretendo ter, pois não tenho estrutura emocional pra criar uma criança e mantê-la pelo resto da vida.


Prefiro quando tiver mais velha, utilizar o meu dinheiro para viajar pelo mundo e conhecer outras culturas e me divertir com responsavilidades.


O que falta é as pessoas procurarem informações reais pelos médicos ou informações confiáveis pela internet.


essa é a minha opnião sicera.


Gosto muito do seu blog.

Têm histórias interessantes e aqui estou aprendendo muito e divulgando essas informações para meus amigos e familiares.


se cuidem jovens!!

A juventude não é eterna...abçoooss

Anônimo disse...

Anon 22:01 pela tua lógica incrível, não se deve usar camisinha em nenhuma situação então porque perde a graça. Como é mesmo aquela analogia horrenda da bala com papel?

E isso de não ter prevenção p/ sexo oral vaginal também me admira muito, até porque não são só lésbicas ou bis que praticam (o que poderia explicar a inexistência devido a invisibilidade de questões que fogem a heteronormatividade).

Anônimo disse...

Gente, PELAMORDEDEUS, sei que é meio óbvio falar isso, mas se alguém tem alguma dúvida sobre DST, sobre prevenção, etc, PROCURA UM MÉDICO. Vi MUITA INFORMAÇÃO ERRADA NOS COMENTÁRIOS, tenho muito medo de alguém fazer uma besteira seguindo esses "conselhos".

Bia

Anônimo disse...

eu transei com mais de 60 homens e nunca me aconteceu nada fora cândida (que toda mulher tem). é só usar camisinha...

Laurinha (Mulher modernex) disse...

O que acho errado nas campanhas de uso da camisinha é que elas geralmente só ocorrem no carnaval e sempre associadas a pessoas jovens e solteiras que saem pra curtir a festa.
Pessoas mais velhas e/ou casadas também fazem sexo, também podem contrair o vírus HIV.
Aí cria-se uma falsa ilusão de que se você não transa no carnaval, só transa com seu ou sua namoradx/esposx, já passou de certa idade, está livre de certos perigos. Infelizmente ninguém está.

Anônimo disse...

@Bia, o problema é quando x médicx passa informação errada....

Anônimo disse...

Olha, gente, nem sempre os médicos são os nossos melhores amigos.Muitos não estão dispostos a nos dar nenhum orientação, principalmente se for pelo SUS.Foi como eu disse ai em cima: eu passei por QUATRO, QUATRO médicos para só então ser detectado o HPV.



Luca

Lúthien disse...

Minha primeira vez foi aos quinze anos, com o primeiro cara que eu realmente gostei, sem ser platonicamente. Ele era muito mais velho do que eu e já conhecia muito bem o mundo, ao contrário de mim, mas mesmo assim senti necessidade de pedir a ele para usar camisinha, de um jeito até descontraído que não cortou o clima. Eu o vi pegando o preservativo e colocando-o, e não me preocupei mais com o assunto.

Nosso namorinho durou todo um feriado, pois morávamos em cidades diferentes. No último dia, acordamos cedo pra tomar café juntos e fazer todas aquelas promessas de voltarmos a nos ver em breve. Claro que, depois de um determinado momento, a conversa enveredou para assuntos mais divertidos e ele acabou confessando que tirara a camisinha pouco antes de me penetrar pela primeira vez, com uma explicação absolutamente machista que não me sinto à vontade para reproduzir aqui. Eu fiquei em choque, quase chorei, disse que havia confiado nele, mas me tranquilizei um pouco por saber que havia sido apenas aquela vez.

De volta à minha cidade, não pude consultar com nenhum ginecologista devido às restrições impostas por meus pais - desde quando uma menina virgem precisaria ir um ginecologista? Uma coisa dessas só poderia me dar idéias!!

Depois de muitas idas e vindas durante cerca de um semestre, ficamos um ano e meio sem nos vermos. Quando nos reencontramos, eu não havia tido nenhum outro parceiro e, como talvez já tenha ficado claro, era louca por ele. À essa altura, já faltava pouco para eu completar dezoito anos, e ele decidiu que eu já era madura o suficiente para saber: ele era portador de HPV, não se tratava e havia uma possibilidade assustadora de, àquela época, eu também ser.

E eu era. Fui consultar com um ginecologista especialista em HPV aqui em Porto Alegre, e não deu outra: portadora do vírus, felizmente de forma apenas externa e em um grau moderado, mas portadora mesmo assim, tendo de fazer consultas com intervalos muito inferiores aos das pessoas sem esse problema, tendo de passar por três sessões de cauterização, morrendo de medo de passar pra algum outro parceiro que eu viesse a ter, ou mesmo pra qualquer pessoa da minha família ou que frequentasse a minha casa de forma mais íntima (minha mãe nunca entendeu o porquê de eu de repente começar a ser tão exclusivista com minhas toalhas de banho, querer ter um sabonete só pra mim, etc).

Por que eu conto tudo isso? Pois cada vez mais descubro outras meninas com quem aconteceu a mesma coisa, a quem os namorados/ficantes/parceiros eventuais não julgaram importante contar que eram portadores de alguma doença venérea, talvez por receio verem-se recusados. No meu caso, fui descobrir um pouco mais tarde, não adiantaria ter me protegido com o preservativo, pois meu parceiro possuía o vírus alojado nos testículos, que entrariam em contato comigo de uma forma ou de outra. Mas, de qualquer modo, eu gostaria de ter sido alertada para ter a opção de parar tudo ali, se assim me aprouvesse. E imagino que diversas outras meninas também.

Meu comentário acabou ficando uma bíblia, eu sei. Obrigada a quem leu até o final, e a quem talvez interagir. Compartilho apenas uma última coisa, que descobri quando pra mim já não adiantava mais, mas talvez sirva pra alguém que está lendo. Perigo de contágio venéreo é crime, tipificado no art. 130 do Código Penal, in verbis:

"Perigo de contágio venéreo

Art. 130 - Expor alguém, por meio de relações sexuais ou qualquer ato libidinoso, a contágio de moléstia venérea, de que sabe ou deve saber que está contaminado:

Pena - detenção, de três meses a um ano, ou multa.

§ 1º - Se é intenção do agente transmitir a moléstia:

Pena - reclusão, de um a quatro anos, e multa.

§ 2º - Somente se procede mediante representação."

jacmila disse...

Olá Luthien

Li todo seu comentário e espero q mtxs tenham lido. Passei por uma situação parecida: o cara colocou a camisinha q rasgou no meio da transa e ele: "ah, deixa, vai assim mesmo" e a otária aki (é, a gente se culpa pra valer mesmo) deixou. Depois de "3 semanas e meia de "amor"" - com camisinha, sem acidentes - o fulano me descartou, exigi q fizessemos exame HIV, de inicio ele negou-se, mas insisti pesado. Esfregamos na cara um do outro nossos exames negativados. Esse episódio, um dos ultimos na minha pouco movimentada "vida sexual" - (tenho 53 e desde os 40 sem transar, por escolha minha) me fez refletir mais, especialmente numa dimensão autocrítica. Quem estiver lendo, vc ou outra pessoa, pode achar detestável o q vou dizer, mas lá vai: para a mulher a relação custo/beneficio do sexo é mto desigual porque:

- encontrar um amante competente (e não vou me alongar explicando esse critério, pois no meu entender ele é amplo) difícil
- pra piorar, como tem homem q gosta de humilhar a mulher, de todas as formas possíveis
- se ela decidir ter filhos, vai sobrar pra ela, no geral
- pelo q já li e vi, a mulher é mais vulnerável às DSTs

Não estou propondo q as moças não transem, só q todo cuidado é pouco. E na nossa sociedade hipocrita/machista ainda vejo mtas jovens largando estudo pq se apaixonou e engravidou e toca a vida como se fosse novela da globo.

Muito importante seu post, especialmente a parte final, do enquadramento criminal.

Anônimo disse...

Esse assunto merece ser melhor elaborado. Gostaria de sugerir:

1- Uns posts explicativos sobre DSTs escritos por profissionais da área. Pelos comentários percebe-se que andamos ainda muito mal informad@s... e precisando de mais médic@s feministas.

2- Elaborar melhor essa idéia de que "para a mulher a relação custo/beneficio do sexo é mto desigual" (comentário da Jacmilla, 12/02). Nesse sentido, tb achei muito interessante o comentário da Luthien, anterior ao da Jacmilla.

Bjs!

AngieB disse...

Este post é muito bom em recordar a importancia da camisinha, como muitos casais se aterrorizam com uma gravidez nao planejada, e colocam suas esperanças na pilula apenas... E esquecem que ha muitas coisas piores que isso; que a camisinha tem que ser um combo continuo com a pilula; tem-se que cuidar da saude sexual.
Eu sempre me preocupei em uma gravidez nao planejada, preoce e etc; mas a AIDS sempre me preocupou mais... E depois fui descobrindo muitas outras DST´s que nem se falam muito e sao terriveis. Camisinha nao é apenas propaganda de carnaval, é para o ano todo, para qq tipo de relaçao.

Anônimo disse...

Lola
Eu achei bacana vc postar sobre DST, com certeza ajudou a lembrar muita gente da importância da camisinha, que previne a AIDS e tantas outras doenças. Me chamou a atenção especialmente porque quando eu li eu estava tendo o primeiro sintoma de Herpes II. Infelizmente hoje recebi a confirmação de que eu sou portadora, o que me motivou a falar um pouco mais sobre isso aqui.
Acontece que camisinha não previne todos os tipos de DST e fiquei super chocada em descobrir que posso transmitir Herpes mesmo transando com camisinha e mesmo sem apresentar nenhum sintoma. Ou seja, eu posso ter pego Herpes de qualquer parceiro sexual que já tive na minha vida inteira e depois de ter pego eu posso ter transmitido para todos os outros sem saber. Isso é assustador! Não, eu não estou dizendo pra nós mulheres não fazermos mais sexo... De jeito nenhum! Porém é uma informação importante que eu nunca tinha recebido.
Interessante que eu fiz uma viagem na semana passada e acabei ficando com um cara lá, um francês. A gente estava se dando bem e claro q ele queria transar, mas eu disse não, sem dar mais explicações. Na verdade eu ainda estava esperando o resultado do exame e preocupada na possibilidade de transmitir. Neste caso respeitar o meu não foi ótimo para ele também, agora eu sei que poderia sim te-lo infectado.
A boa notícia é q pra mim a manifestação da Herpes não foi nada se comparado ao relato da pessoa que escreveu o guest post. Sério, foi só uma feridinha q incomodava sim, mas não doía tanto, não deformou nem inchou nada. A primeira crise é a pior de todas, depois as aparições são mais raras e mais fracas, então acho q posso sim viver com isso muito bem. Aliás, eu tenho que viver com isso, esta doença não tem cura.
Outro ponto importante é a questão "com quem falar sobre isso?". A menina que escreveu o guest post falou sobre como a mãe dela ficou arrasada com o caso, mas será que era realmente necessário q a mãe dela ficasse sabendo? Pois eu decidi não contar para a minha. Sabe, por que deprimir as pessoas que a gente ama com isso? Esta doença não vai me matar, não requer nenhum cuidado especial com o qual minha família possa ajudar e acima de tudo é constrangedora. Até agora eu só falei sobre isso com uma pessoa e me arrependi muito. Foi com a minha amiga com quem divido apartamento, porque ela é enfermeira e achei q podia me ajudar a lidar com o primeiro choque da doença e tirar umas dúvidas. No primeiro momento foi ótimo, ela acabou me contando que tem HPV e dividimos experiências, porém no dia seguinte eu reparei q ela tirou a toalha dela do banheiro, daí ela me perguntou se eu falei pra médica q divido apartamento, quando respondi que não precisei falar pq a médica me disse q o contagio só ocorre por contato sexual ela argumentou q morar junto é diferente, que se a toalha dela fica do lado da minha poderia passar alguma coisa, ou seja, eu vi uma série de paranóias dela comigo. As pessoas são essencialmente egoístas, neste caso eu estou aprendendo a lidar com isso, mas ela só consegue pensar onde isto pode impactar na vida dela.
Enfim, eu adoro o seu blog, me divirto e aprendo lendo e acho q o tema DST é sem dúvida importante e gostaria de vê-lo mais vezes por aqui.
Abraços.

Anônimo disse...

Cada vez que leio este blog, mais acabo me convencendo que vcs nutrem verdadeira raiva pelo homens.
Segundo seu próprio post e os relatos aqui descritos, vcs chegaram a conclusão que HPV não é transmitido somente no ato sexual, assim como muitas doenças com a Candiase e até a Herpes.
Pelo meus estudos a maior via de transmissão do HIV é pelo sangue, claro que existem risco de contrair o HIV pelas outras secreções, mais o risco é bem menor.
Então o maior risco de contrair HIV continua sendo pelo Sexo Anal e como os Gays são os maiores praticantes deste tipo de sexo, então eles são do grupo de risco, tanto que a doença se vcs estudarem a história surgiu entre os homossexuais masculinos e os drogados, acredito que muitas das doenças sexualmente transmissíveis tb sigam esta mesma regra.
Sabemos que tb existem muitos homens heteros que são fanáticos por este tipo de sexo (sexo anal), então podemos dizer que estes tb pertençam ao grupo de risco.
Basta somente que vcs vão a um posto de saúde doar sangue, que vcs receberam esta informação que descrevi acima (inclusive na ficha que vc preenche estão descritos estes fatores de risco).
Agora, de todos os comentários aqui descritos de pessoas inseguras que passam a vida toda sendo obrigados a usar camisinha (que tb já foi falada que não protege 100% ; nem sei como este povo consegue ter filhos desta forma¨), achei um comentário de uma mulher que disse que o problema esta justamente no fator alarmista da mídia e dos meios de comunicação, na falta de informação coerente e no comercio que precisa produzir e vender muitas camisinhas (pq lucram com isto) assustando ainda mais a população.
Acho que seria bom começarmos a investigar melhor sobre estes assuntos (utilizando a inteligência e a logica), ao invés de ficarmos repetindo como papagaios tudo que lemos em qualquer lugar, sem paramos para analisar de maneira concreta e lógica.
Lógico que a promiscuidade, ter muitas parceiros sexuais, aumenta o fator de risco e nestes casos só até a favor do uso da camisinha.
Mas quando a pessoa tem uma parceira fixa, há confiança entre o casal, o relacionamento é longo e monogamico, é nisto que questiono os alarmista daqui.
Tenho pena do coitado do marido que já esta casado há mais de 10 anos com a mesma parceira e ainda precisa usar camisinha.
Agora podem me criticar, me chamar de "Mascu" e que não presto, só sei que sou uma pessoa que sempre gostou muito das mulheres e sempre valorizou elas, pq fui criado desta forma, mas tb sou uma pessoa muita critica que analisa tudo que leio e questiono utilizando a lógica apresentada pelos fatos concretos.

Anônimo disse...

Tenho 23 anos, comecei a namorar um cara e fiz sexo, nosso namoro durou 2 meses e estou com herpes genital, a primeira crise foi terrível, um médico disse que era uma alergia que tinha infeccionado, tomei muitos medicamentos,injeções. Depois fui à uma médica que diagnosticou Herpes Genital, estou no meu segundo surto, e ainda procuro mais informações sobre o tema.

Anônimo disse...

Olá... eu tenho 21 anos e contrai o vírus do Herpes Genital.
Tive relação com 5 homens até Maio/2014 e nunca tive nada, sempre fiz os exames ginecológicos regularmente e nunca foi constatado nada. Neste mês conheci uma um homem e tive relação sexual com ele no dia 02/08, com preservativo mas fizemos sexo oral um no outro, e tivemos outros encontros, mas sempre com preservativo. No dia 06/08 comecei a notar uma vermelhidão e ardência nos grandes lábios, que só piorava no decorrer dos dias até que no dia 13/08 notei que saiu uma bolha que eu não aguentava nem tocar, que doía muito, não aguentava fazer xixi e nem tomar banho que ardia. No dia 08/08 procurei minha ginecologista, ela examinou e disse que parecia uma DST, mas não poderia confirmar qual era e pediu pra eu fazer exames de sangue e ginecológicos, eu fiz o exames de sangue no dia 08 mesmo, ja sairam os resultados, não entendi mto bem pq ainda não fui na médica pra mostrar os resultados, mas ja deu pra entender que deu "POSITIVO", eu chorei muito, ja me desesperei... pensei em muitas coisas ruins. Marquei meu retorno com a minha ginecologista, mas só para o dia 01/09. Ja pesquisei muito na internet a respeito da doença e li um livro muito interessante "DO SUSTO AO SUCESSO - HERPES GENITAL & RELACIONAMENTOS" Autor: Eduardo Rosadarco. O autor do livro contraiu a doença há 17 anos e conta sua história e nos conta como conseguiu superar a doença. Estou um pouco mais tranquila depois que li esse livro, mas ainda estou um pouco abalada psicologicamente, nunca imaginei ter uma DST, muito menos pegando uma doença atraves do sexo oral. Acho que a rejeição de outras pessoas é o pior, pq a doença em si não afeta nossa saude consideravelmente, sempre teremos crises, mas que podem ser controladas. Tento ve isso Pelo lado positivo e ve que poderia ter pego algo pior que pudesse me matar aos poucos. Mas ainda sinto vergonha disso, do desgosto que dei a minha mãe que sempre fez de tudo por mim.
É muito complicado... o psicológico mexe muito com a gente e ainda não estou recuperada totalmente desse baque. Marquei uma consulta com um psicólogo, mas já vi muitos falando como se cuidar e irei tomar todos os cuidados possíveis para não transmitir isso e nem ter crises. Como vi em um site “Não é porque vc ganhou esse presentinho de troia, que ira sair distribuindo por ai”.

Anônimo disse...

Olar tudo bem acho que ESE sit e o lugar certo pra mim conta minha historia conheci o marcos num shopping saímos dali fomos pra praia chegamos la começamos a nos beijar e depois transamos logo depois da transa ele me disse que tem AIDS eu fiquei disisperada e comecei a dar tapas. Ele ai eu perguntei a ele por que VC não me disse que tinha AIDS?ai ele falou eu tinha me esquecido de conta pra VC que sou portador do virus HIV me desculpa eu batia nele gritando e chorando sai dali e nunca olhei pra cara dele to apavorada e com medo de fazer o exame minha mae nem sabe disso por favor presiso de ajuda minha vida acabou se eu estiver com AIDS tambem

Anônimo disse...

@paula como vc pode ser tão ridícula, ta bem q a autora começou cedo sua vida! Eu tive educação sexual, me casei virgem com 25 anos e meu ex marido me passou HPV... Não é questão de família e sim de acontecimentos. Não julgue o outro tome conta da sua vida

Mark Brown disse...


Meu nome é Mark Brown e sou de EUA, gostaria de compartilhar este testemunho para o mundo ouvir sobre ele também este homem realmente sair eu era HIV positivo durante seis anos eu estar na medicação e eu tento olhar para a cura para o meu problema e eu passar por médico internet e encontrei uma tradição chamada DR. charles i contraiu HIV spelltemple@gmail.com por ajuda, ele me dá todas as suas leis e governar que se eu ficar curado eu deveria escrever sobre ele e é isso que estou fazendo agora, este homem de pedir algumas informações sobre mim, que eu lhe dou este homem me curar do HIV que é um grande homem de agradecimento por sua ajuda quando ele obter as informações que ele me disse que ele está prestes a trabalhar com ele 20 a 30 minutos este homem me escreva e me disse o que fazer para a cura que eu fiz depois de todas as coisas necessárias para a cura é fornecer o homem me chamar de 45min mais tarde e dizer-me para ir para o teste que é um grande dia para mim, eu era obrigado Dr. Charles negativos que você pode através do seu endereço de e-mail, hivspelltemple@gmail.com

Anônimo disse...

Houve um monte de dúvidas sobre a cura da aids hiv, eu também duvidei, mas agora eu tenho a acreditar que o milagre que eu recebi também pode ser de grande ajuda para o mundo. Meu nome é Angela meu email é angelafreemane@gmail.com Eu vivi com esta doença mortal por mais de um ano, meu marido descobriu que nós éramos ambos HIV positivo. Nós tentamos por todos os meios para viver nossas vidas, apesar de esta coisa no nosso corpo é apenas quando tropeçavam este poderoso herbalista que ele retratou cura. No início, estávamos mais cético, mas meu marido insistiu em dar-lhe uma tentativa e pedimos para algumas de suas ervas e algumas semanas após a conclusão do processo devido a este fitoterapeuta, fomos para um teste como nós também disse, nós foram esmagados felicidade quando recebi os resultados na clínica. A taxa de vírus no corpo e caiu em algumas semanas estávamos completamente cicatrizado. Também perguntou por que ele não veio para o mundo que ele tinha a cura e ele disse que fez em 2011, mas foi rejeitado pela equipe de pesquisa internacional. A coisa mais importante é para você ser curado, se você quer saber sobre esta chamada fitoterapeuta no 2349032913215 ou e-mail: odincurahiv@gmail.com ou odincurahiv@outlook.com