terça-feira, 14 de agosto de 2012

“NÃO SOU FEMINISTA, SOU HUMANISTA”

Grafite feminista "Menina Beavouir", de Ana Clara Marques, Maçãs Podres

Se você já teve uma discussão sobre feminismo na internet, você já se deparou com alguém -– normalmente alguém que não é muito chegado a feministas ou que diz algo como “não sou machista, mas...” (destruindo toda a primeira frase da oração com o que vem a seguir) –- que diga que não é feminista, é humanista. E, portanto, todo mundo deve ser também. Porque, pra esse alguém que diz isso, feminista privilegia um gênero (e logo o gênero errado!). E somos todos iguais, saca?
Bom, nessas horas difíceis, ao invés de revirar os olhos, você pode responder algo como isto que vi aqui (minha tradução):
Da Nobel da Paz Leymah Gbowee: "Está na hora das mulheres pararem de ser educadamente zangadas".

Humanista não é um substituto para feminista
Desconfio de qualquer um que diga preferir o termo humanista à feminista. Você já ouviu o argumento antes. É uma tentativa de subestimar a opressão contra as mulheres e de evitar reconhecer o privilégio masculino. Humanista já foi adotado. Tem uma definição. É uma filosofia de vida que confirma a habilidade e responsabilidade dos humanos em levar vidas éticas de realização pessoal guiadas pela razão e pela compaixão em vez de pelo sobrenatural. Muit@s humanistas são feministas e vice versa, mas humanista não é só uma palavra que você inventou, amigão.
Cooptar humanista é desonesto e preguiçoso. Nem todos os humanos estão no mesmo patamar. Existe desigualdade entre  homens e mulheres (e entre as mulheres), e o movimento feminista quer corrigir isso. É chamado de movimento feminista por um motivo.

140 comentários:

aiaiai disse...

Pois, é, eu costumo responder que sou humanista e feminista. E daí pergunto: você sabe o que é humanista? Geralmente a pessoa não sabe...

Lord Anderson disse...

post simples, curto, mas bem util.

sempre tem o pessoal querendo diminuir uma luta (principalmente o feminismo), colocando outra mais"importante"no lugar.

Carol M disse...

Quem diz isso parte de um pressuposto de igualdade que não existe. A velha conversa de q o feminismo já alcançou td que precisava alcançar, o que é totalmente falso e idéia de quem é completamente privilegiado.

Anônimo disse...

Luto por direitos iguais, direitos iguais para trabalhar em escritórios, repartições publicas...esgotos, linhas de alta-tensão, linha de frente em conflitos armados, metalúrgicas, cultivo de cana, etc.
não sou humanista, sou masculinista.

Anônimo disse...

E daí pergunto: você sabe o que é humanista? Geralmente a pessoa não sabe...

14 de agosto de 2012 10:51
-
Eu sei, humanismo e a luta por direitos iguais, e fraternidade entre todos os seres humanos, independente de raça, genero, e origem social.

Bruno S disse...

Nessas horas sempre lembro de uma boa definição de feminismo:

"Feminismo é a ideia radical de que as mulheres são gente".

Se dizer "humanista" em oposição a ser feminista é dizer que não acredita que exista opressão de gênero. O que te faz outra coisa.

Anônimo disse...


Quando uma mulher chama um homem de machista é sempre em tom de ofensa, e essa palavra é utilizada nas mais variadas situações, sendo que pode significar qualquer coisa e nada ao mesmo tempo. É frequentemente associada a homens com valores mais tradicionais, mas também é utilizada para descrever bandidos que agridem mulheres, como se fossem idênticos. E não raro vemos essa palavra ser utilizada para qualquer comportamento natural masculino, como se ser homem em si mesmo fosse um comportamento a ser repreendido.

Essa confusão nasce do pressuposto errôneo, conforme a ortodoxia feminista, de que homens e mulheres são essencialmente iguais, quando não são (óbvio que homens e mulheres devem ter direitos iguais, o que questiono é a idéia de que não existam diferenças comportamentais entre os sexos). E não apenas isso, elas tomam como o ser humano padrão as mulheres, logo tudo que é masculino deve ser evitado, e não raro podemos ver como que o movimento feminista atrai facilmente homens efeminados. Já qualquer homem normal é repudiado, como não poderia deixar de ser, por ser machista.

Anônimo disse...

O feminismo não luta contra o machismo,como afirma a altora do post, um comportamento masculino socialmente construído. Mas sim contra a própria natureza masculina, e essa palavra não tem outra função que essa, estigmatizar o comportamento natural masculino, e a forma de pensar masculina, a tornando essencialmente má. O machismo, enquanto “movimento social” não existe, é uma invenção feminista, simplesmente uma palavra criada para ofender. Nenhum homem se identifica como machista, e quando o faz é devido à frequentemente o comportamento masculino ser identificado como machismo de tal forma que é impossível ele ser homem e não se enquadrar no adjetivo machista.

Para uma feminista não há decisões pessoais, não existem pessoas, apenas a “sociedade”, como sendo uma espécie de ente abstrato com vida própria. Não é um homem, enquanto pessoa, que decidiu cometer um crime, e sim a “sociedade machista”, como se o machismo fosse uma espécie de força maligna que entra nos homens e obriga eles a fazerem coisas más, e não que um homem, enquanto indivíduo, decidiu realizar um ato violento. Dessa forma se você mata uma mulher você é machista, se você rejeita uma mulher promíscua, você é igualmente machista, facilmente colocando no mesmo patamar um valor masculino comum com um crime bárbaro.

Não é preciso dizer o absurdo que é chamar uma mulher de feminista só por ser uma assassina. Um homem se vê como indivíduo, dessa forma assume sozinho a responsabilidade pelos seus atos, assim como não culparia todas as mulheres pelo ato de uma. Mas uma mulher, caso seja feminista, verá no ato de um único homem entre milhões um problema social, e consequentemente culpará todos os homens. Dessa forma conseguem o malabarismo de transformar um único assassino em milhões de homens como uma representante do machismo, de modo que todos os homens viram um pouco assassinos pelo ato de apenas um.

Por fim, outro problema com essa estigmatização da natureza masculina é a crença de que os homens devam ter os mesmos valores que as mulheres. Uma feminista, enquanto mulher, vê como positivo o comportamento promíscuo em um homem, e não entra na cabeça dela como que um homem possa não ver como algo positivo uma mulher promíscua. Ou seja, entre a natureza masculina e a feminina, a feminina está sempre certa, logo o cara é machista, não passa de um estuprador ou um assassino em potencial só por não gostar de promíscuas. Não que todos os homens não gostem de promíscuas, esse é um exemplo entre muitos onde pode ser demonstrado que a raiva do tenebroso “machismo” não é nada além do que uma revolta contra a natureza masculina.

O machismo não mata e a sociedade não tem vida própria. Assassinos matam e a sociedade é composta de indivíduos com livre-arbítrio.

Anônimo disse...

Sou homem, e sou negro, e acho que o mundo não e um mar de rosas para os homens como vocês dizem, logico que o feminismo tem razão de existir, por lutar por melhorias na vida das mulheres, por algo que lhes foi negado durante seculos, assim como a luta contra o racismo deve ser permanente, mas pera-la, como homem eu também tenho minhas angustias,também tenho que lidar com pressões sociais pesadas.
as mulheres feministas dizem que um homem nunca saberá o que passa uma mulher, por não se por no lugar delas, mas será que uma mulher já se pós no lugar de um homem, para saber como é ?

Anônimo disse...

Lola, graças ao teu blog, ando lendo diversos livros de feministas. Um deles se chamava "O Feminismo É um Humanismo", da Rachel Gutierrez. Não foi dos melhores que li, mas a argumentação dela vale a pena. Não é exatamente o argumento da Gutierrez, mas depois das leituras feitas, tenho para mim que o humanismo é um conjunto não homogêneo de pensadores e pensadoras que utilizam as tradições do pensamento ocidental para criticar argumentos de autoridade e mesmo a ideia de que a tradição deve orientar nossas posições. A ideia é de que os atos e pensamentos de todo ser humano pode ser compreendido e utilizado por qualquer outro ser humano que se esforce realmente para tal. Parece-me que o feminismo pode se aproveitar dessa postura. Para esclarecer: por essa razão, dias atrás eu perguntei para ti por que a tua constante referência à tradição ou mesmo à "sociedade" como algo necessariamente ruim ou estranho ao indivíduo. Para mim, pelo contrário, certas tradições e sociedades nos nutrem com as possibilidades de, quando for o caso, questionarmos as direções delas próprias. -- Brian

Dayane disse...

Ah,eu já falei isso =/, mas não sabia direito que uma coisa e outra coisa era outra coisa,rs.

Leonísia F. disse...

Vale à pena explicar a diferença, às vezes a pessoa só tá desavisada. Meu professor de Direito Humanos usava esse discurso, mas eu expliquei pra ele o que feminismo realmente quer dizer e ele se retratou na sala de aula. foi lindo.

Sara disse...

Ja me deparei com esse discurso construido apenas e tão somente para desmontar qualquer argumento a favor do feminismo.
É de dar nos nervos tentar argumentar com quem vem com essa conversa, a cada dia que passa é evidente que o feminismo se faz mais e mais necessario no mundo inteiro, onde a mulher em varias culturas é vista como uma verdadeira doença infecciosa
Alias até li a respeito de uma indiana que estava produzindo um documentário com o chocante nome de "The girl Epidemic".
Não é possivel que no futuro nós mulheres continuemos a ser tratadas da maneira como ainda hoje vem acontecendo em varias partes do mundo, temos que lutar contra esse estado de coisas e contra gente que vem com esse tipo de argumento falacioso.

Sara disse...

Aqui tem um pequeno trecho desse documentário, infelizmente se nós mulheres não nos unirmos para lutar por direitos iguais aos dos homens não vai demorar para o que isso vire uma realidade.

http://colunas.revistamarieclaire.globo.com/mulheresdomundo/category/geral/

Anônimo disse...

Excelente post, e adorei o que disse a grande Leymah Gbowee: "Está na hora das mulheres pararem de ser educadamente zangadas".
Nos devemos parar de nos desculpar por nosso ressentimento, e nos posicionar de forma seria diante do feminismo,que não deve ser " limpinho e educadinho" por seculos fomos podadas e exploradas, e ainda somos, só mudaram a metodologia doente masculina, mas o sexismo ainda esta presente,mas a grande verdade que ainda precisamos desvelar por inteira e por nós mesmas, é que os homens têm simplesmente ficado no caminho do desenvolvimento das mulheres, negando nossos direitos políticos e sociais por milênios… que a superioridade masculina/inferioridade feminina não passa de um mito, uma grande mentira que o patriarcado usa para nos manter confusas e subjugadas, uma inversão motivada – para variar – pela imensa inveja masculina da superioridade feminina, comprovada por fatos científicos e que no fundo todas nós já sabíamos, apesar da maioria apenas não “falar sobre isso” ou se recusar a admitir a própria superioridade: não sentir necessidade de se afirmar superior é um comportamento típico das pessoas que realmente são superiores. Mas a negação da própria superioridade por parte das mulheres em relação aos homens acaba por favorecer a falaciosa inferioridade feminina e superioridade masculina, amplamente promovida pelos homens, ressentidos de sua própria inferioridade.

Os homens não precisam de nossa empatia, eles precisam e sentir nossa revolta,nossa idignação, nos temos uma arma poderosa, que nem um homem já mais sonhou em ser digno, a capacidade de reprodução, de sermos mães, devemos usar isto ao nosso favor, e construir uma sociedade mais justa para nos, a revelia da vontade machista masculina.

Allice disse...

Eu negava ser feminista até 2011, porque tinha uma visão distorcida de feminismo, e olha que tinha participado de movimentos feministas desde a escola, mas eu me negava feminista.

Depois que fui entender melhor do que se tratava eu me assumi, meu próprio namorado dizia "você é feminista" e eu dizia que não era,porque achava tudo muito desnecessário, mas quando a gente se informa melhor dá pra saber que não é preciso ter um diploma de feminista, basta acreditar em igualdade de gênero e tentar promovê-la de todas as formas possíveis, lembrando que isso precisa começar de casa, é de dentro pra fora, uma sociedade igual não acontece na rua, ela apenas, manifesta-se na rua, assim como uma sociedade desigual (gênero).
Alguém sempre quer diminuir uma luta. Quando eu era criança e me tornei vegetariana diziam pra eu cuidar de crianças pobres, quando eu era adolescente e fui cuidar de crianças pobres mandaram eu cuidar de outras coisas, quando mandaram isso eu ignorei e continuei seguindo o que era certo.

Tem coisa mais linda que um ideal de igualdade para todos? Não! Somos todos filhos da terra e temos os mesmos direitos e deveres, todos estamos pagando a conta em vários sentidos, precisamos de união, não de briga e isso é o que apoio no feminismo: queremos respeito para todo mundo.

Anônimo disse...

o machismo e um mau milenar, e o feminismo e a cura, alguns homens já estão notando como a sua simples presença e constrangedora e ameaçadora para as mulheres, e estão procurando melhorar, se tornando menos masculinizados e mais humanos,a mulher deve sempre se posicionar pelo bem de todas nos, e não reproduzir conceitos falidos de masculinidade, essa desculpa do humanismo e escapismo para a verdadeira questão, o feminino e humano, o machismo masculino não.

deborah disse...

Só queria falar, que sou mais que fã do seu blog. Acho que depois de terminar meu curso de Psicologia minha visão de mundo mudou. Antes dele, não conseguia enxergar o que carregamos de machista e racista nas nossas palavras e ações e depois do curso aprendi a refletir sobre isso (essa luta nunca acaba). Sempre simpatizei com a causa feminista e claro, como mulher, já sofri com ela. Aprendi a refletir sobre mim mesma e o mundo e me identifiquei com suas palavras. Virei blogueira tem poucos meses, mas são blogs como o seu que me motivam a continuar a escrever. Parabéns!

Andrea Elias disse...

Pra algumas das pessoas com quem convivo ser feminista é algo ruim, algo que eu deveria me envergonhar de ser. Eu já cansei de discutir na internet com pessoas que acham q as feministas querem que os direitos das mulheres prevaleçam sobre os dos homens, pois simplesmente não conseguem enxergar que os direitos deles e delas não estão no mesmo patamar.

Anônimo disse...

construção social
http://lakecityquietpills.com/photo/multihost/images/11788074173546742759.jpg

Ju disse...

Ah, já ouvi tanto isso, Lolinha. Isso me deixa quase tão zangada quanto ouvir de uma mulher "Eu não sou feminista...". Sou só eu que me incomodo ou vcs também ficam desconfortáveis ao ouvir de uma mulher que ela não é feminista? Quando ouço isso de mulheres entendo que elas não estão interessadas, ou não se deram conta, ou desistiram, enfim. Estou sendo intransigente?

Anônimo disse...

O feminismo e uma ideologia " igualitária" que ignora as questões masculinas.

Rachara Caxola disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fernanda disse...

Aiai já tive que ouvir isso em uma discussão sobre aborto. A pessoa que defendia a criminalização se dizia humanista. Afinal, direito da mulher pra quê?

Anônimo disse...

Enquanto nos insistirmos em empatizar com aquilo que nos oprime, enquanto não nos posicionarmos e forma clara e combativa, e nos unirmos, seremos tratadas como mera cascas, receptaculos de padrões masculinos/machistas.
devemos ocupar os espaços de comando,atrair mais e mais mulheres para nossa causa, e impor, SIM IMPOR, nossos direitos, por exemplo contra a objetificação do corpo feminino, a prostituição, a pornografia, e por que não censurar ? esta palavra e um tabu, mas e necessária, os homens não vão mudar sua natureza, e se ela nos oprime,então a natureza vil masculina deve ser o alvo a ser combatido sim, a talvez de reeducação e contracultura, NOS EDUCAMOS NOSSOS FILHOS, cabe a nos destruirmos esta cultura machista,não podemos mais fugir a estas responsabilidades,o patriarcado tem uma divida histórica inegável para conosco, devemo0s cobrar eta divida pelo nosso bem, e pelo bem das mulheres fulturas.

Ariane disse...

E as pessoas que confundem "feminismo" com mulher querendo ser igual a homem?

Vou colocar aqui uma conversa que tive ontem pelo Facebook. Sim, porque quando eu vejo gente que não sabe do que está falando, eu tento conscientizar essa pessoa de uma maneira bem educada. Mas não adianta.

"Pessoa: O feminismo está deixando as mulheres menos femininas!

Pessoa 1: Com certeza.
há 18 horas via celular ·

Pessoa 2: concordo.....

Ariane Pereira: Discordo. Feminismo prega a igualdade entre os sexos no sentido da mulher não ser mais objetificada ou valorizada apenas pela aparência, como um objeto de decoração (por exemplo: nas Olimpíadas, homem é avaliado por seu desempenho como atleta. Mulher, além disso, é avaliada pela beleza que tem... se o cabelo está "feio", ela é julgada por isso. Dá um Google). O que de maneira nenhuma significa que você tenha que se vestir como um homem ou tem que fazer coisas de homem só porque é feminista.


Pessoa: Claro, por que ninguém melhor do que uma mulher pra carregar cimento nas costas! Tem coisa que não dá minha cara, mulherada tá querendo até ser pedreira pra provar pro homem que PODE, tão pegando geral, bebendo pra caralh* e fumando que nem maria fumaça com a mentalidade de que: Se eles podem, por que nós mulheres não?!
E eu? Acho feio e pronto!"

Dezesseis pessoas curtiram o comentário. Depois disso, eu excluí a garota do meu Facebook pra não ser mais obrigada a ver tanta burrice e mente fechada.

Anônimo disse...

Mas qual é o problema de a pessoa se dizer humanista? Se as mulheres estão em um patamar inferior atualmente, o humanismo naturalmente penderá para elas. Quem se diz feminista e ponto final parece crer que as diferenças entre os sexos são indissolúveis e intransponíveis, como creem os machistas, mas posicionando-se a favor das mulheres. Ou seja, é machismo inverso, por mais clichê que isso pareça.

Rubens disse...

Pois é, e tá cheio de "humanista" que exclui as mulheres em qualquer questão, relegando as questões feministas a segundo plano.

Mas claro que não são "machistas".

São apenas caras prafrentex, mas não tãooooo, pq são espada.

E pro nosso amigo anonimo.

Cara, o feminismo beneficia muito a vida dos homens tb, começando pela libertação da mentalidade tacanha.

Experimenta ai, dói não.

Bruno S disse...

Acho que uma boa medida para a qualidade de um post é número de comentários anônimos indignados.

E o pessoal que fala dos "problemas masculinos (como se houvesse uma situação simétrica) deveria lembrar que eles também são causados pelo machismo.

carolinapaiva disse...

Anônimo 12:53

Não sei se tu sabe, mas feminismo é um movimento plural, e tem muitos homens feministas.
Já foi dito aqui zilhões de vezes que todos perdem no machismo, homens e mulheres, pois os padrões são excludentes. A diferença é que um homem no padrão é visto como superior à mulher no padrão. Homens e mulheres fora do padrão são vistos como inferiores aos do padrão.

Mirella disse...

"valores mais tradicionais"

"comportamento natural masculino"

"diferenças comportamentais entre os sexos"

"homens efeminados"

"homem normal"

vamos começar o Bingo, gente?
Sério, proponho pegar o Bingo Mascu nos posts e começar a nos divertir às custas da ignorância alheia.

Mirella disse...

"como afirma a altora"


Mascu, por que este ódio ante o português?

É Deus Clonos pra lá, altora pra cá (e este último não é erro de digitação, porque em outro post vc escreveu igualzinho).
Poxa, fica difícil assim, FÁBIO.

Carol M disse...

A igualdade é haver equiparação de direitos e deveres, não apenas de maneira formal, perante as leis, mas tb dentro das relações sociais.
É não haver padrão duplo do que se espera de homens e mulheres.
Igualdade é todas as pessoas, independente de gênero se sentirem livres para explorar suas possibilidades, aptidões e vontades, sem serem limitadas por estereótipos burros que separam as coisas em "coisa de homem" e "coisa de mulher".

Só pra dar alguns exemplos.

Carol M disse...

Pois é Fernanda, super humanista isso de achar que a mulher deve ser forçada a ser encubadora e sofrer alterações físicas brutais por 9 meses contra a vontade dela, só q não.

Mirella disse...

Anônimo das 11:58


Eu acredito no semáforo
Eu acredito no avião
Eu acredito na ovelha
Eu acredito no coração.


♪♫

Ana disse...

Mulher que diz que não é feminista ou é ignorante ou burra. pra ignorância tem explicação, mas por burrice eu não perdôo . aliás , não só mulheres mas homens também.

Por que pra mim ser feminista é básico. Ser feminista é equivalente a NÃO ser racista, Ser feminista é equivalente a NÃO ser homofóbic@, Ser feminista é equivalente a NÃO ser xenófob@, etc. essa é a lógica que eu sigo.

ou seja, não tem desculpa.

aiaiai disse...

caraca, mas nem a lola colocando a definição de humanismo no post as pessoas entenderam????

humanismo = seres humanos + relevantes do que supostos deuses

feminismo = luta p que mulheres sejam reconhecidas como seres humanos.

Deu pra entender? se precisar desenhar peço ajuda aos universitários. Não sei desenhar

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Bruna B. disse...

Sei que a Lola aceita os comentários que bem entender, mas o objetivo da moderação não era exatamente acabar com os comentários desses mascus misóginos?

Até ia rebater os comentários dos babacas, mas não tenho estômago para isso e já tive náuseas só de lê-los. Comentários que não agregam, não trazem nada de bom para a discussão e que estão lotados de preconceito e ódio por nós, mulheres. Desculpem, mas não acho que tentar dialogar com esse tipo de criatura seja proveitoso.

Hamanndah disse...

"Anônimo disse...

o mundo feminista perfeito, mulheres no comando, homens na produção.

alguém já viu mulher trabalhando em esgotos?
já imagino ate as respostas, " o lugar de vocês e la mesmo""

Anônimo das 13:29

Nunca vi mulher trabalhando no esgoto, mas já vi mulher trabalhando no puteiro, com o risco de vida tão alto quanto

Eu achava que morávamos num País democrático, onde cada um tem o direito de trabalhar no que quiser.

Se você não quer trabalhar em algo, é só não trabalhar ninguém lhe obriga, nem a mim

Engraçados os mascus lançarem mão deste argumento - que mulher não trabalha na construção, não trabalha pegando peso - para justificar o machismo, mas, ninguém é obrigado a ser bombeiro, ser mineiro, simplesmente, mascus, não escolham estas profissões, simples assim

Se o mundo trabalhista é injusto e estas profissões citadas acima são bem pouco remuneradas, lutam contra isso, não contra as mulheres

Hamanndah

Anônimo disse...

O legal é que nenhum comentário de quem discordou do post teve nenhuma mensagem de ódio, só rebateram os argumentos sem sentido da autora. Mas mesmo assim, pra Bruna B., eles são repletos de ódio. Cadê a lógica?

A lógica é: "discordou do que eu penso, é mensagem de ódio." Parabéns, parabéns.

No dia que eu ver uma feminista lutando por julgamentos iguais nas disputas de guardas dos filhos, o movimento ganha alguma credibilidade pra mim. Enquanto só lutar por privilégios femininos e ignorar completamente os homens, vou considerar, aí sim, um movimento de ódio.

Anônimo disse...

Ana disse... Por que pra mim ser feminista é básico. Ser feminista é equivalente a NÃO ser racista, Ser feminista é equivalente a NÃO ser homofóbic@, Ser feminista é equivalente a NÃO ser xenófob@, etc. essa é a lógica que eu sigo.
14 de agosto de 2012 13:57


>>>vc disse "pra mim" e daí vc embolou a definiçao do que é ser feminista, pois feminista é acreditar que mulher tem o mesmo direito que o homem... direito e obrigaçao, nao se esqueça disso: obrigacao e direito caminham juntos. tudo o mais que vc agregou ao que vc define como feminista é sua opiniao motivada pela opiniao de outras mulheres que querem agitar o feminismo.

Mirella disse...

Anônimo das 14:46

"julgamentos iguais nas disputas de guardas dos filhos"

Sabe o motivo do julgamento de guarda de filhos é "desigual"?

Porque a sociedade acha que criar criança é coisa de mulher.
Porque a sociedade diz que lugar do homem é trabalhando, e não cuidando da casa ou cuidando das crianças.


Você é tão obtuso que pegou o pior exemplo para dizer que feminista não luta por "deveres iguais".

Os pais que lutam pela guarda dos filhos são os que cuidam dos mesmos, se preocupam, etc. Ou seja, eles dividem as responsabilidades com as mães. E isto é só uma das principais bandeiras feministas, Senhor Esperto.

Bruna B. disse...

Babaca das 14:46

Detesto dialogar com idiotas, mas vou abrir uma excessão.
Você é um mascu, mascus odeiam mulheres, mascus sentem inveja das mulheres (algo muito palpável no discurso 'feministas não lutam por nós', 'mulheres têm privilégios), logo, todos os discursos que venham de mascus estão carregados de vitimização e ódio às mulheres.

E agora, já que estamos no joguinho das perguntas: POR QUE DIABOS VOCÊS, MASCUZINHOS, NÃO LUTAM CONTRA O ALISTAMENTO MILITAR OBRIGATÓRIO, A FAVOR DE UM AUMENTO NO TEMPO DE LICENÇA PATERNA, A VIOLÊNCIA QUE VOCÊS MESMOS CAUSAM (SIM, PORQUE HOMENS MATAM MULHERES E HOMENS MATAM HOMENS), ETC... ENFIM, TODA ESSA LADAINHA QUE VOCÊS JOGAM EM NOSSAS COSTAS?

Nós, mulheres, já lutamos contra os estupros, contra a violência doméstica, contra os salários desiguais, contra a obrigação de desempenhar o papel de objeto sexual, objeto de decoração, etc.
Enquanto vocês estão aí, clamando por nossa atenção, uma mulher está sendo espancada, estuprada e/ou assassinada pelo próprio companheiro e você, como o grande bocó que é, vem aqui dizer que nós devemos lutar por vocês? Rá, rá, rá... Seria engraçado se não fosse patético e doentio.

Quer dizer que, além de ignorantes, tapados, preconceituosos e babacas, vocês também são preguiçosos e incapazes de tirar a bunda da cadeira para buscar melhorias para o sexo masculino?


E antes que eu esqueça, vá para o raio que te parta.

Hamanndah disse...

"Anônimo disse...

O legal é que nenhum comentário de quem discordou do post teve nenhuma mensagem de ódio, só rebateram os argumentos sem sentido da autora. Mas mesmo assim, pra Bruna B., eles são repletos de ódio. Cadê a lógica?

A lógica é: "discordou do que eu penso, é mensagem de ódio." Parabéns, parabéns.

No dia que eu ver uma feminista lutando por julgamentos iguais nas disputas de guardas dos filhos, o movimento ganha alguma credibilidade pra mim. Enquanto só lutar por privilégios femininos e ignorar completamente os homens, vou considerar, aí sim, um movimento de ódio.

14 de agosto de 2012 14:46"

Anônimo das 14:46

Se você se der ao trabalho de ver meu blog, vai encontrar posts falando sobre "alienação parental"

Eu adoraria que houve no Brasil a Guarda Compartilhada para que os homens, quando se separarem das espostas, assumam os cuidados com os filhos tambem

Não somos nós que lutamos contra o direito dos pais dividirem o tempo com os filhos.

Você divide com sua esposa os cuidados com os filhos? Então, se você agir assim,assim tem direito de pedir tempo igual ao da sua esposa com os filhos, meu caro

Eu divido a conta, eu divido as despesas, eu pago a terceiros se preciso pegar peso que eu não consiga levantar e nunca peço isso a nenhum homem que esteja comigo, no trabalho até abro portas para colegas que estão segurando coisas,

Não venha me levar, não , meu fiho, que só queremos privilégios

Não temos culpa de haver serviço militar obrigatório para você e aposentadoria injusta

Se dependesse de mim, vocês, homens, teriam guarda compartilhada, aposentadoria igual, sem serviço militar, despesas de casa dividido, contas de motel, restaurente, dividido. E aí, onde está o papo de ódio?

Carolina disse...

Há tempos atrás eu também me declarava humanista e só. E foi o teu blog que me ajudou, com o tempo, a enxergar o feminismo com outros olhos, Lola!

yulia2 disse...

bem.... antes isso do que aquela frase: não sou feminista, sou feminina....
QUE ASCO dessa frase!

yulia2 disse...

acho que isso se deve mais a boa e velha ignorância de achar que feminismo seria um equivalente do machismo....
quem CONHECE o feminismo mesmo, sabe que NADA tem de correlato com o machismo....

Patrick disse...

Luto por direitos iguais, direitos iguais para trabalhar em escritórios, repartições publicas... [1] esgotos, linhas de alta-tensão, [2] linha de frente em conflitos armados, [3] metalúrgicas, [4] cultivo de cana, etc.
não sou humanista, sou masculinista.


1) Aqui no Rio Grande do Norte, que ainda é um estado dos mais machistas do Brasil, mulheres trabalham na Companhia de Esgotos e na de Energia Elétrica (lá na linha de frente) pelo menos desde mediados dos anos 1970, quando a ditadura militar parou de proibir as mulheres de praticar esporte e exercer diversas profissões.

2) Mulheres participam na linha de frente em conflitos armados desde tempos imemoriais. Pra tua irritação vou dar alguns exemplos da Segunda Guerra Mundial:

- Lydia Litvyak. Participou de 66 missões aéreas. Foi vitoriosa em 12 confrontos diretos em voo solo. Morreu em combate.
- Yekaterina Budanova. 11 vitórias em combate aéreo direto. Também morreu em combate.
- Manshuk Mametova. Notável pela habilidade na operação de metralhadoras na linha de frente. Mais uma a morrer em combate.
- Lyudmila Pavlichenko. Sniper, matou mais de 300 combatentes adversários.

Fora as milhões de anônimas.

3) Metalúrgicas? Tem mulheres lá há decadas. Não precisa nem googlar.

4) Cultivo de cana? Masculinistas são muito desinformados.

Carla disse...

Ai, esses mascus, encheu deles hoje.

Então, para vocês saberem, o feminismo é pela igualdade de gênero, então somos CONTRA todas essas injustiças que vocês citaram, que como já foi dito milhares de vezes são criadas pelo MACHISMO,até porque esses "privilégios" prejudicam mulheres também, que são obrigadas a cuidar dos filhos enquanto o homem pode cair no mundo, afinal o peso que tem o abandono materno na sociedade é muito maior que o paterno, e quanto a questão de emprego, mulheres tem que se provar muito mais competentes que os homens até para os empregos de "baixa categoria".

Entendam, por favor, feminismo não quer acabar com os homens nem suas particularidades, querem que todos, homens e mulheres, tenham o direito real de escolher o que querem ser, sem ficar presos as amarras de gênero que a sociedade nos impõe.

E
"Anônimo disse...
Luto por direitos iguais, direitos iguais para trabalhar em escritórios, repartições publicas...esgotos, linhas de alta-tensão, linha de frente em conflitos armados, metalúrgicas, cultivo de cana, etc.
não sou humanista, sou masculinista"
Me explica por que mesmo que você tem que lutar por esses direitos que você citou.Achei que vocês já tivessem tudo isso aí.


Infelizmente acho que depois desse texto todo o único resultado que conseguirei será ter perdido tempo.Nada entra na cabeça desses mascus.Realmente, deve ser muito difícil ser homem desse jeito.

Monique disse...

Uma coisa é dizer "acho feio"
Outra é dizer "Acho feio em mim"

Recordo quando uma menina pintou o cabelo de roxo e as pessoas diziam que "achariam feio nelas mesmas" ou "nao tenho coragem como ela"
Mas essas pessoas ao qual escutem acharam bonito o cabelo da garota.

Nao vejo o mesmo sobre essas outras questoes de mulher trabalhar em setores "masculinizados" como pedreira ou andar sem make-up.

Fernanda disse...

Pra quem tá se perguntando sobre o porquê do feminismo defender em primeira instância as mulheres, leia esse post, por favor:
http://blogueirasfeministas.com/2012/08/por-que-a-lei-maria-da-penha-so-protege-a-mulher/

Vi alguns comentários assinados como feministas mas com alguns traços que fogem um pouco do que entendo como ideal feminista, por isso lembro aos ainda duvidosos sobre a legitimidade do movimento que um indivíduo (nem dois, três etc.) não representa todxs.

E realmente estava pensando sobre isso dia desses e me veio um exemplo que talvez seja meio sem noção, mas enfim: O movimento negro luta contra a desigualdade mas não se chama movimento inter-racial, só que isso não quer dizer que ele queira a superioridade negra. O mesmo acontece com o feminismo.

Carol M disse...

Esses machinhos que reclama que as feministas não lutam pelas causas deles nunca cogitam fazer um movimento eles mesmos para alcançar essas conquistas né?

Sonho com o dia que os homens vão se organizar contra o alistamento e em busca de maior licença paternidade. To aqui sentadinha esperando pra ver vcs organizando uma marcha por isso.

Anônimo disse...

Da Nobel da Paz Leymah Gbowee: "Está na hora das mulheres pararem de ser educadamente zangadas".

Couldn't agree more...

Anônimo disse...

Não entendo esse papo que mulheres admiram o homem galinha, não conheço uma que aprove o comportamento galinha num cara, ninguém quer ter do lado um cara que minta, descumpra um acordo monôgamico , que sai cantando tudo que é mulher que vê, eu tenho nojo de homem assim. Agora se o cara ou a mulher tiveram uma certa quantidade de parceiros, mas tem um comportamento honesto, ou seja não engana ou descumpre seus contratos tudo bem. E quanto a guarda dos filhos seria ótimo que o pai também ganhe ou compartilhe, agora quantos movimentos dos masculinistas lutando por isso têm?

Anônimo disse...

anôn das 13:24 é mascu e quer se passar por feminista misândrica. sinceramente, bonitão, é tããããããão difícil achar uma mulher misândrica que só criando uma mesmo...

Ana disse...

Meo deeeeos, hoje a coisa tá feia, hein?

@11:27
“Luto por direitos iguais, direitos iguais para trabalhar em escritórios, repartições publicas...esgotos, linhas de alta-tensão, linha de frente em conflitos armados, metalúrgicas, cultivo de cana, etc.”

Primeiro: não tem mulher em cultivo de cana? Tem certeza? O_o

Eu acho que a baixa incidência de mulheres em certos campos tem mais haver com a idéia machista de que homem=força e mulher=delicadeza do que uma sociedade que privilegia mulheres.

Ainda que exista uma mulher interessada em metalurgia, por exemplo, as pessoas não vão vê-la como alguém que simplesmente escolheu uma carreira. Porque metalurgia é mais uma daquelas coisas que não entra na classificação de ‘coisas de mulher’, por não ser visto como algo ‘delicado’. Esse preconceito existe e é forte (poucos dias atrás tinha uma menina aqui, engenheira, que teve que ouvir que ‘até um pedreiro sabe mais que uma engenheirA’ – porque né, calcular e construir é coisa de homem, não de mulher; simplesmente ter uma vagina te desqualifica automaticamente). Aliás, pra essa mulher existir ela ia ter que tirar incentivo pra gostar de metalurgia do bolso a começo de conversa, porque incentivo natural das pessoas ela não teria nenhum.

Nós lutamos por um mundo onde essas classificações bobinhas não existam mais e qualquer pessoa possa ter qualquer profissão independente de seus gêneros. Mas é difícil. As pessoas tem medo até de dar um carrinho de presente para suas filhas, que dirá deixá-las ingressar em meios considerados ‘masculinos’. O mesmo ocorre no inverso, pais morrem de medo de deixar seus filhos brincarem com barbies porque, OH MEU DELS, isso pode afetar a sua sexualidade. Até pouco tempo atrás um homem cabelereiro ou estilista era um escândalo. Um bailarino ainda enfrenta preconceitos até hoje.

A sociedade tem dois grupinhos bem definidos, ‘coisas pra homem’ e ‘coisas pra mulher’. Não precisa ser ativista de direitos de gênero pra notar isso. O fato é que as pessoas associam de maneira ferrenha a sua atividade com seu gênero (e sua sexualidade). E enquanto a idéia de que mulher só serve pra ser decoração ou pra fazer coisas delicadas existir, vocês vão continuar penando nas profissões ‘masculinas’.

A situação é desigual? É, concordo contigo. Mas acho que tem menos haver com mulheres lutando por seus direitos, e mais com a tonelada de preconceitos sexistas que a sociedade tem.

Continua lendo aqui em baixo, por favor:

@11:31
“logo tudo que é masculino deve ser evitado, e não raro podemos ver como que o movimento feminista atrai facilmente homens efeminados. Já qualquer homem normal é repudiado, como não poderia deixar de ser, por ser machista.”

O que é um homem ‘efeminado’?

Olha aí um exemplo perfeito, 11:27. As pessoas atribuem a cada gênero um pacote de características. Não importa se o cara tem um pênis como qualquer outro, se ele tem características consideradas ‘de mulher’, ele deixa de ser classificado como ‘normal’.

Isso permanece durante toda a educação, até a escolha de profissões.

11:31 pela sua lógica, nós prezamos por coisas femininas, certo? Bom, como eu disse pro 11:27, um de nossos sonhos é parar com essa historinha de ‘coisas de mulher’ e ‘coisas de homem’. Assim sendo, não vejo porque um ‘homem efeminado’ é mais desejado pela gente, sendo que nem acreditamos nessa divisão. Homem é homem, tá no DNA e tal, ponto. A gente tá pouco se lixando pro nível de ‘efeminação’.

Ana disse...

@11:34
“O machismo, enquanto “movimento social” não existe, é uma invenção feminista, simplesmente uma palavra criada para ofender. Nenhum homem se identifica como machista, e quando o faz é devido à frequentemente o comportamento masculino ser identificado como machismo de tal forma que é impossível ele ser homem e não se enquadrar no adjetivo machista.”

Posso perguntar o que você define como’ comportamente masculino’? Cite uns exemplos.

Eu ia responder direto mas não quero ser injusta. Vou te dar a oportunidade de desenvolver o raciocínio se quiseres.

“Dessa forma se você mata uma mulher você é machista, se você rejeita uma mulher promíscua, você é igualmente machista, facilmente colocando no mesmo patamar um valor masculino comum com um crime bárbaro.

Não é preciso dizer o absurdo que é chamar uma mulher de feminista só por ser uma assassina.”

... a mulher assassinada aí em cima foi num assalto randômico ou numa briga de casal?

Porque assim, uma coisa é uma pessoa sair com uma arma e atirar em qualquer um que se coloque no seu caminho durante um roubo, por exemplo. Morre quem se meter, XX ou XY, é coisa de sorte. Outra coisa é um homem matar uma mulher por ciúmes – aí tem machismo, idéia de propriedade, etc.

“Um homem se vê como indivíduo, dessa forma assume sozinho a responsabilidade pelos seus atos, assim como não culparia todas as mulheres pelo ato de uma.”

Você é novo aqui? Porque chove gente dizendo ‘mulheres são interesseiras’ e daí pra baixo, sempre nessa generalização. Se quiser ver um exemplo, fica de olho na minha resposta pro 11:58 mais pra baixo.

“Dessa forma conseguem o malabarismo de transformar um único assassino em milhões de homens como uma representante do machismo, de modo que todos os homens viram um pouco assassinos pelo ato de apenas um.”

Eu vou assumir que estamos falando de crimes ‘passionais’ aqui.

Primeiro: apenas um? Você olha noticiário? Tem tido um monte de assassinatos de mulher por parceiros por aí. Esses assassinatos envolvem sim muito o machismo, porque são muitas vezes fruto de idéias machistas (como a defesa da honra, por exemplo).

Segundo: Dizer que o sistema sexista tem papel ativo nos assassinatos passionais é diferente de dizer que todo homem é assassino. Lutar contra o machismo é lutar contra um conjunto de idéias, não contra um gênero. Até porque nem todo homem é machista.

“Uma feminista, enquanto mulher, vê como positivo o comportamento promíscuo em um homem, e não entra na cabeça dela como que um homem possa não ver como algo positivo uma mulher promíscua.”

Amigo, ninguém aqui nunca tentou forçar um cara a ficar com uma mulher ‘promíscua’. A gente acha que todo mundo tem direito de escolher com quem ficar (e isso nos traz problemas, porque algumas pessoas acham que seguindo dois ou três passos mágicos, ganham o direito incondicional de fazer sexo com alguém).

Agora, lutar contra rótulos como ‘vadia’ é diferente de interferir no teu direito de escolha. O que a gente acha absurdo é a idéia de que uma mulher merece menos respeito porque faz muito sexo. Você pode ficar com quem quiser. Escolhe teus padrões e seleciona – todo mundo aqui faz isso. Agora, não querer ficar com uma mulher ‘promíscua’ pro teu gosto é beem diferente de achar que não tens obrigação de respeitar essa mulher como qualquer outra.

“O machismo não mata e a sociedade não tem vida própria.”

O MACHISMO NÃO MATA.

PÉROLA DO DIA!

A sociedade não tem vida própria? Só existem indivíduos, é? Você não acha que está esquecendo, eu não sei, cultura ou alguma coisa assim?

Ana disse...

@11:58
“sabem que o homem ama a mulher de forma verdadeira a doentemente apaixonada, ao contrario delas que são pragmaticas.”

11:58, eu tenho uma notícia triste pra você: o 11:34 não te considera homem. Porque pra ele, homens só pensam por indivíduos, nunca por gênero. E como você assume que MULHERES são ‘pragmáticas’ (leia-se, incapazes de amar como um homem ama), isso deve significar que você é mulher.

Pelo menos aos olhos do 11:34, né.

“APENAS 30 % DAS MULHERES BRASILEIRAS SE DECLARAM FEMINISTAS”

Desculpa mas, quantos homens se declaram masculinistas?

Não digo isso nem pra diminuir a luta dos caras. É só uma pergunta sincera. Tem certeza que um movimento é só números?

“era composta por mulheres dignas, que lutam contra o machismo sim, e por melhores condições de vida para mulher, mas sem deixar seus valores de lado.”

Cara, numa boa? Não é só quem acredita em Jesus que tem valores. E quem está te falando aqui é uma mulher de família religiosa. Só porque as pessoas não tem os mesmo valores que você, não significa que não tenham nenhum.

“feministas em sua maioria não crê em deus, ma também refutam as comprovações evolutivas de generos,afinal se não creem em religião nem na ciencia, vocês acreditam em que ?”

11:34, ninguém merece o 11:58! Como ele gosta de generalização, né?


@12:51
“Como existiria uma ditadura masculina, com uma "Presidenta"?”

Amor você não acha que esqueceu um detalhe importante? Tipo ela ser A PRIMEIRA presidenta?

Vamos pensar na proclamação de república que foi em 1889. Pega daí e vai contando quantos homens governaram.

Que coisa estranha né? Num lugar tão cheio de igualdade entre os sexos!

Ana disse...

@13:19
“lutaria contra o fato de 90% dos mortos de forma violenta serem homens”
Você não acha que isso também tem haver com associar masculinidade à violência? É por isso que a gente não apóia essa idéia.

“enquanto as mulheres tem todo o tempo para estudar.”

Depois de lavar os pratos, claro.

“Então, não me venham com essa de "movimento por igualdade". Não tem absolutamente nada de igualdade no que vocês querem.”

Porque o movimento feminista não divulga causas masculinas não é um movimento de igualdade? Hm.

O masculinismo tem lutado pelos direitos da mulheres então, presumo?

@13:27
“misandria comendo solta....”

Realmente! O machismo não mata! A misandria corre solta!

@13:29
“alguém já viu mulher trabalhando em esgotos?
já imagino ate as respostas, " o lugar de vocês e la mesmo"”

Oi, se um@ feminista te disse que lugar de homem é no esgoto, you’ve been trolled. Não era feminista coisa nenhuma. De nada.

@14:46
“No dia que eu ver uma feminista lutando por julgamentos iguais nas disputas de guardas dos filhos, o movimento ganha alguma credibilidade pra mim. Enquanto só lutar por privilégios femininos e ignorar completamente os homens, vou considerar, aí sim, um movimento de ódio.”

Privilégios? E eu achando que a gente lutava por direitos, que bobinha!

Desculpa mas, mesmo num cenário em que o feminismo se dedique estritamente às causas femininas, isso é diferente de propagar o ódio – porque eu não sei, eu achei que lutar pelos meus direitos não fosse o mesmo que tirar os direitos dos meus amigOs?

Bom, você claramente discorda. Então eu ficaria bem feliz se você citasse exemplos de direito feminino que prejudicam os homens. Porque pode ser que eu tenha deixado alguma coisa passar, né?

Rachara Caxola disse...

Carol M,

finalmente vejo alguém falar em deveres.. acho estranho falar tanto em direitos e pouco em deveres..

mas continuo sem entender o que é essa igualdade de direitos

Anônimo disse...

http://www.cartacapital.com.br/internacional/tunisianos-protestam-contra-partido-islamico-por-direitos-da-mulher/

Lilian Soares do Nascimento disse...

Anônimo disse...

"Luto por direitos iguais, direitos iguais para trabalhar em escritórios, repartições publicas...esgotos, linhas de alta-tensão, linha de frente em conflitos armados, metalúrgicas, cultivo de cana, etc.
não sou humanista, sou masculinista".

Deixa eu ilustrar o que é opressão de gênero, caro Anônimo. todo o trabalho que pertence ao universo caracterizado pelo machismo como "função de mulher", vc se esqueceu de colocar no rol de luta por trabalhos iguais.

Você não adicionou, na lista, por exemplo: o trabalho de limpeza de casa, o de cuidadora de crianças e idosos, o serviço de lavar e passar roupas, enfim.

Por que vc se esqueceu deles? Isso não é considerado trabalho por vc? Ou vc acha que isso são tarefas que ainda devam continuar sobrecarregando as mulheres?

BooBoo Maria Gabriela disse...

Sra. Lola,

Muito obrigada outra vez pelo post. Sou uma feminista novata na área e tenho procurado me informar para organizar as ideias na cabeça.

Esses dias me vi às voltas com o humanismo e tentei chegar a um ponto... algo que incomodava. E era a comparação.

Obrigada, um abraço.

Cris disse...

Lola, olha que texto maravilhosamente esclarecedor, e naturalmente um cala-bocas. Aqui vai um trechinho e depois o link para o texto completo.

Mascus, aqui vai um presente pra vcs. Depois de lerem esse texto vcs deixarão de ser mascus. Ele operará milagres. Só que não (infelizmente).

"É nessa lógica que “racismo reverso“, “heterofobia“, “cristofobia”, “cisfobia” e “misandria” não existem. Aliás, esses conceitos são grandes sofismas, criados estrategicamente pela classe opressora que, sentindo-se de alguma forma ameaçada, criou a ilusão de um embate discursivo simétrico que não existe e nem nunca existiu.

Mesmo que uma pessoa negra, por exemplo, profira todos os xingamentos discriminatórios contra uma pessoa branca, nunca terá força discursiva suficiente, porque não tem em sua base apoio institucional, não aciona um conjunto de práticas institucionalizadas “anti-brancas” porque elas não existem. A classe branca sempre foi (e é) a classe dominante. Não existe um discurso que tenha força suficiente para discriminar uma classe inteira dominante, porque se assim fosse, o Estado não seria racista para com negr@s e não haveria necessidade de uma lei específica para criminalizar racismo."

Lilian Soares do Nascimento disse...

Outra coisa: para quem acha que o feminismo faz questão de atacar o comportamento supostamente "natural" do homem:

Se é natural ,então por que vcs fazem questão de identificar certos homens como "afeminados"? O que os faz pensar que estes sejam mais ou menos homens do que vcs? Que são vcs os "normais"?

Quem decretou o que é normalidade? A natureza ou os homens? Pensem um pouquinho tá. E tentem se lembrar da diversidade que compõe o universo. Ampliem um pouco a visão para além do próprio umbigo.

carolinapaiva disse...

Hamanndah

Não adianta gastar saliva, os mascus só vão responder ao que acharem conveniente, e o que você disse certamente não lhes é nada conveniente, pois eles não debatem com quem argumenta seriamente.
E aí, quando a gente cansa das esquivas e repetições deles em todos os posts, eles vem dizer que nenhuma feminista argumentou com eles.
Como disse a Bruna, é improdutivo demais tentar falar com eles, pelo simples fato de que eles não vieram debater.

Maicon Vieira disse...

Não entendo como o feminismo irá ajudar o homem, como foi comentado mais acima. Uma mulher acima comentou isso aqui "Nós, mulheres, já lutamos contra os estupros, contra a violência doméstica, contra os salários desiguais, contra a obrigação de desempenhar o papel de objeto sexual, objeto de decoração, etc. Enquanto vocês estão aí, clamando por nossa atenção, uma mulher está sendo espancada, estuprada e/ou assassinada pelo próprio companheiro...". Se isso não acontecesse mais, como isso iria beneficiar os homens? Não me atinge então como iria me beneficiar? As feministas não irão lutar por problemas que só atingem os homens, não que eu esteja querendo que lutem, não quero, não é dever das feministas, até comentei em algum lugar, não sei se foi aqui, que a inexistência de um movimento que lute para acabar com o sexismo que atinge os homens me coloca um pouco para baixo, que ter que visitar um blog feminista para conseguir algo que trate disso me deixa um pouco para baixo. As feministas só irão lutar para acabar com os problemas que atingem as mulheres, então como isso irá beneficiar só hoemns? Os problemas que serão resolvidos não atingem os homens, então como isso iria beneficiar os homens?

carolinapaiva disse...

Sabe o que esse mimimi todo me lembra? Do tumbrl "what abour the menz".
Claro, pq, para alguns, um movimento só tem importância se os homens são o destaque.
Dica aos desinformados: pesquisem sobre o bechdel test.

Cris disse...

Opa! Acho que esqueci do link...

http://transfeminismo.com/2012/07/20/o-caso-de-cece-mcdonald-ou-porque-racismo-reverso-heterofobia-cristofobia-cisfobia-e-misandria-nao-existem/

carolinapaiva disse...

http://blogueirasfeministas.com/2012/08/reconhecer-os-privilegios/

Para os que acham que feministas só querem privilégios e não assumem responsabilidades...

Anônimo disse...

Para mal informado Anônimo das 11:23

Querido, existem mulheres que trabalham em: escritórios, repartições publicas...esgotos, linhas de alta-tensão, linha de frente em conflitos armados, metalúrgicas, cultivo de cana, etc.
A questão aqui é o direito de todo ser humano de estudar, ou trabalhar no que se quer.
Todos estes setores de trabalho são dignos e NÃO há problema nenhum nas mulheres estarem nele.
Querer direitos e deveres iguais NÃO é ser masculinista é ser humanista.
Você tá mal informado. O Masculinismo é o "machismo moderno" que quer que as mulheres voltem ao trabalho somente do lar, sejam totalmente encarregadas pela educação dos filhos, tenham que tolerar traições e não denunciem seus namorados e maridos, enfim, o Masculinismo prega a inferioridade das mulheres, e atitudes abusivas por parte dos homens, sem mais.

Sawl

Anônimo disse...

PARA muito mal informado Anônimo das 11:31

Ser machista é ofensa sim. Te explicarei porque.
Homens com valores "mais tradicionais" são aqueles que enfiam suas filhas em igrejas e seus filhos em puteiros, enfim, estes homens costumam ser hipócritas e repressores.
Bandidos que assaltam, agridem tanto mulheres quanto homens NÃO são necessariamente machistas, mas, com certeza, um bandido que violenta mulheres É MACHISTA porque ele não tem respeito algum pelo sexo feminino, mulher não é nada pra ele.
O tal "comportamento natural masculino" é uma construção social e cultural fundamentada em conceitos arcaicos.
"Ser homem em si mesmo" NÃO é ser machista, além de mal informado o senhor é um ignorante.
Existem diferenças biológicas, sim. Existem diferenças comportamentais, também. O que se discute aqui é o desprezo e atitudes repressoras de um sexo sobre outro apenas por conceitos atrasados e falidos.
Nossa como vc escreveu besteira, hein?
Desde quando ser "homem normal" é ser machista?
Um "homem normal' discrimina colegas mulheres?
Um "homem normal" acha que não existe amizade entre os dois sexos?
Um 'homem normal" acha certo abusar de uma garota alcoolizada?
Um "homem normal" acha correto agrider sua namorada ou esposa durante uma discussão?
Um "homem normal" defende o direito de estuprar mulheres que ele ache atraentes, ou que estejam usando roupa curta, ou que estejam em um ambiente que ele julgue elas não terem direito de ficar?
Ser um homem normal NÃO é ser machista!
Veja os países de Primeiro e Terceiro Mundo. TODOS OS PAÍSES DE TERCEIRO MUNDO TEM SUA BASE NO MACHISMO PATRIARCAL!

Machismo segundo a maioria dos dicionários é: "Atitude ou comportamento de quem não admite a igualdade de direitos para o homem e a mulher, sendo, pois, contrário ao feminismo."
Seu conceito de masculinidade é confusos porque vc acha que machismo é a mesma coisa, mas não é. Você tem uma mentalidade muito pequena e tacanha. QUe tal tirar a "viseira" da frente dos olhos?
Estude melhor, seja um homem melhor!


Sawl

B. de Campos disse...

Essa desculpa do Humanismo eu já ouvi muitas vezes!...

Lola, eu acho que se o Feminismo se chamasse "Movimento pela Igualdade de Gênero", talvez fosse mais respeitado... É porque 90% do mundo ainda acha que é o machismo às avessas... :/

De onde vem essa intolerância tão grande ao Feminismo?...

Rose disse...

"Até o mais miserável dos homens tem alguém de quem pode abusar: uma mulher..."
Estava vendo uma palestra da Isabel Allende sobre essas questões de humanismo e feminismo.É interessante, divertida e, principalmente, esclarecedora sobre lutas sociais e feminismo (vale a pena ver principalmente a partir do 7:33)

http://vimeo.com/18646881

aiaiai disse...

maicon, querido,

eu já falei aqui várias vezes mas vou repetir: eu fiquei mais feminista depois de ter um filho porque percebi como a sociedade esperava dele - desde os primeiros meses - uma postura de macho...e como isso era triste.
Ele não poderia gostar de rosa ou brincar de boneca, ele teria que ter uma namoradinha já nos primeiros passeios no parque, ele teria que não chorar (porque macho não chora), ele teria que ser grande e forte, ele teria que "parecer" homem...O bichinho tinha acabado de nascer e já tinha que cumprir um monte de papeis.
Daí percebi como a minha luta pela igualdade de direitos era extensiva a ele e a todos os homens.
Eu queria que ele tivesse o direito de chorar, de gostar de todas as cores, de brincar do que quisesse, de fazer amizades e criar relacionamentos com quem escolhesse, de ser delicado e amável, de sentir fraqueza, etc, etc, etc.
A questão, querido, é a seguinte: se todos tivermos os mesmos direitos poderemos viver o que quisermos. Sem ter que nos preocupar com o padrão que esperam que a gente siga.

Será que consegui explicar para você?

Ao lutar pela igualdade de direitos, também lutamos para que os homens tenham direito de serem como querem ser. Que possam ser pais amorosos, que possam cuidar de suas casas, que não precisem se alistar nas forças armadas (essa é uma das nossas brigas, queremos que o alistamento seja voluntário), que não se sintam inferiores caso ganhem menos do que a esposa, que tenham direito a licença paternidade e não se sintam "menos homem" porque estão em casa criando os filhos, etc, etc, etc.

Queremos também que os homens não precisem tomar a 1ª atitude nos relacionamentos (as mulheres poderiam tomar atitude se não fossem chamadas de vadias sempre que fazem isso, né?), que possam se relacionar com quem amam de verdade (sem ter que dar satisfação à sociedade que espera que eles "comam" várias mulheres e se casem apenas com aquela que é "santa"), que tenham companheiras que são parceiras e não dependentes, e por ai vai.

Mas, vocês, além de não terem um movimento para a libertação dos homens, ainda brigam com as mulheres que querem a libertação de todos. Daí fica difícil, né?

B. de Campos disse...

Maicon Vieira:

Ajudaria na forma de que sua mãe, sua irmã, tias, avós e filhas seriam tratadas com respeito, sem correrem o risco de sofrerem violência doméstica ou ser alvo de misoginia.

Ajudaria no sentido de que um pai não ter que passar pelo terror de saber que sua filha foi mantida em cativeiro, estuprada por dias e depois degolada, como no caso Liana (ou o Caso Ana Lídia, na década de 70) e até hoje correr por uma pena mais severa para o assassino.

Ajudaria no sentido de as imposições de gênero não serem mais uma pedra no sapato de todo mundo, de você não ser taxado de efeminado por cuidar seus filhos, de ser amável ou não gostar de esportes.

Ajudaria no sentido de diminuir a pobreza no mundo, pois grande parte da população miserável é composta por mulheres com filhos, e essa situação é muito mais cultural/resultado de um processo histórico excludente (como, por exemplo, na Índia) do que fruto de crise econômica.


Ajudaria no sentido de que o Feminismo tem parceria com outros movimentos como o de combate à homofobia e ao racismo.

Enfim...

Há muitos outros pontos...
Achei a pergunta bastante pertinente :)

Abraços!

Shoujofan disse...

aiaiai, queria poder dar joinha no seu comentário. :)

Cris disse...

ai ai ai foi em cima, Maicon Vieira. Se vc não conseguiu entender com essa, não sei com que explicação vc vai conseguir, porque mais simples e direta que isso, impossível.

Luiza disse...

"De onde vem essa intolerância tão grande ao Feminismo?..."

Vem da própria intolerância às mulheres.

Ana disse...

@Maicon
"Os problemas que serão resolvidos não atingem os homens, então como isso iria beneficiar os homens?"

De um jeito geral, o feminismo envolve muito a questão da liberdade. Não é só sobre cobrar salário igual, ou leis severas pra violência contra mulher; mas também sobre questionar idéias bestas que são vendidas até como trabalho da biologia.

O que eu quero dizer é, acho que trabalhamos também em prol da tolerância. E isso beneficia homens também.

A gente vive questionando o modelo de masculinidade atual, por exemplo. Ao contrário da leitura torta que alguns fazem, não é um ataque aos homens - é um exercício pra tentar quebrar algumas amarras.

Era você debatendo comigo sobre usar 'virgem' de xingamento, lembra? Rs. Então, o feminismo trabalha essas coisas também. A eterna ladainha de que homem tem que ser uma máquina de sexo é uma das coisas que a gente questiona.

Homem não chora, não tem sentimento, não pode ser traído (se foi é um idiota), tem que ser invulnerável, tem que ser o provedor, não pode levar desaforo pra casa, não tem tanto jeito com criança, tem que tomar iniciativa na paquera... etc etc etc. Um monte de bobagens que a gente não compra.

Não consigo ver como uma sociedade igual pode NÃO beneficiar alguém. Uma sociedade menos machista é uma sociedade mais tolerante, com menos preconceito, com menos cobrança.

Talvez até mais saudável... vide que o machismo é tão arraigado que até pra fazer exame de próstata alguns tem dilemas. PQP, um negócio pra prevenir nada mais nada menos que câncer, e muito homem não faz... porque né, macho não deixa ninguém por o dedo lá! Nem pra descobrir um cancer!

Querendo ou não isso é reflexo da sociedade sexista. Isso, e também a quantidade absurda de homem morrendo e matando por aí. E mais uma pá de coisas.

A paquera pode ficar mais fácil porque né - mais igualdade entre os sexos é mais liberdade sexual pra mulher, e mais mulher tomando iniciativa... :) Mais fácil pra todo mundo.

A questão da guarda dos filhos pode ser simplficada também - ainda consideramos que toda mulher é naturalmente mãe e que cuidar de crianças é seu papel e etc etc. A figura paterna ainda não é vista como alguém tão capaz de cuidar de uma criança - mas é sempre capaz de prover, porque homem é provedor, né... Menos sexismo pode ajudar a reverter esse quadro.

Eu geralmente não opino sobre guarda e tal porque não sei muito de lei, mas meu ponto é que tá mais que na hora de reconhecer que homens são capazes de cuidar de seus filhos também. Independente da lei, me refiro ao senso comum aqui.

... Talvez a maior prova de que cuidar de criança é tarefa delegada às mulheres seja o acordo silencioso de que bonecas são brinquedo exclusivamente de menina - quer dizer, o incentivo é todo direcionado a meninas, e SOMENTE a meninas. Guri que brinca de boneca é 'efeminado', tem algo de feminino nele se ele pega um bebê no colo (??? - mas no futuro se ele tiver um filho a sociedade vai esbravejar pra que ele cuide da crinça sim porque de repente é um DEVER fazer algo que sempre foi coisa de menina. Lógica pra quê, né?).
Ainda achamos que, como é a mulher que fica grávida, é ela que tem jeito com crianças, não o homem. Eu acho que isso algum impacto na imagem dos pais também, será que não?

... Enfim. Deve ter mais coisa, mas por agora é o que eu consegui pensar.

Ana disse...

@B. de Campos
"É porque 90% do mundo ainda acha que é o machismo às avessas... :/

De onde vem essa intolerância tão grande ao Feminismo?..."

Da preguiça de ler :P

Assim, eu também achava que feminismo era machismo às avessas. Mas foi só gastar meia hora lendo sobre o assunto pra ver que eu tava enganada.

Só tem essa idéia quem nunca se deu ao trabalho de se informar.

E pior que muita gente assim aparece querendo botar a banca - e aí é trágico, porque dá pra dizer com 99% de certeza que a pessoa nunca leu uma vírgula sobre o assunto e mesmo assim quis discutir.

Quer debater, ótimo, mas puxa vida, não custa evitar discutir coisas nas quais se é completamente ignorante né :P

Não me incomodo nada com quem tem argumentos, mas pqp, 'feminismo é igual a machismo' não é argumento. É falta de leitura. Dá pra questionar mil e uma coisas, lógico, sempre dá. Mas ficar no achismo, usando só um nome como base pra raciocínio é de lascar.

Assim, 80% das vezes eu respondo numa boa quando vejo que a pessoa ainda não se deu conta de que está vendo as coisas de um jeito errado. Mas que me dá uma raivinha da falta de noção, dá... -_-"

Ana disse...

@aiaiai
Que comentário perfeito o seu O_O

"Mas, vocês, além de não terem um movimento para a libertação dos homens, ainda brigam com as mulheres que querem a libertação de todos. Daí fica difícil, né?"

Complementando o raciocínio...

Uma das coisas que eu acho mais 'legais' (e que nem todos os homens fazem) é que se um homem é feminista, imediatamente ele é visto como escória pelos outros - porque né, IMPOSSÍVEL um homem ser feminista, se ele diz que é obviamente só pra tentar comer mulher em cima da dor dos outros caras do mundo.

Vide aquela vez que um cara ficou uma tarde inteira xingando o Lord, porque ele era 'o pior que se via no mundo', 'um mentiroso' e blablabla...

Quer dizer, se você é mulher luta por seus direitos, é inválido porque obviamente você está puxando a sardinha pro seu lado e planejando por os homens todos no esgoto. E se você é homem e luta pelo direitos das mulheres, óbvio que é mentira.

B. de Campos disse...

Concordo demais, Ana!

=)

AquilesMarchel disse...

a pessoa ai de cima tem o mesmo pensamento de feministas iludidas com karl marx

se a pessoa é contra: a pessoa é burra e ponto
não há espaço pra ter debate

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Também sempre desconfio de alguém que começa uma frase com "não sou machista, mas..." porque já sei que vem um comentário machista logo na sequência e a pessoa achando que já se livrou do rótulo, por negá-lo.
Fico triste quando escuto pessoas inteligentes que dizem coisas feministas, na sequência dizerem que não são feministas.
Infelizmente a campanha que foi feita contra a palavra foi tão forte que muita gente a renega mesmo sabendo pouco a respeito dela.
Creio que feministas conseguiram fazer da palavra machista algo feio, é uma vitória, mas infelizmente machistas fizeram o mesmo com a palavra feminismo.

AquilesMarchel disse...

lembro que comecei a ler seu blog pelo celular numa madrugada embora seja contra alguns argumentos seus te admiro pela inteligencia, em silencio e há algum tempo

virei fã tardio da niemi
copiei varias frases dela


e infelizmente sou meio sensivel a dor dos outros

acabou com meu dia saber

Anônimo disse...

Mas foi só gastar meia hora lendo sobre o assunto pra ver que eu tava enganada. 19:57

a teoria na prática é outra.

Rachara Caxola disse...

Alguém pode me indicar uma leitura ou me explicar o que é igualdade.
Grato.

Anônimo disse...

Gente, volta e meio aparece no debate a questão de que feministas defendem o alistamento voluntário no exército.

Bom, eu vivi nos EUA por bastante tempo e agora vivo no Brasil. Nos EUA o alistamento é voluntário, então tenho um bom termo de comparação.

Lá, a maioria dos soldados são mexicanos ou negros pobres, que aceitam ir para a guerra para ganhar dinheiro, cidadania etc. Ou seja, não é verdade que alistamento voluntário seja uma boa saída ou uma saída mais democrática do que o que acontece no Brasil, o alistamento compulsório.

Tanto aqui quanto lá a situação é horrível, mas a experiência de alistamento voluntário não deveria ser defendida pelo feminismo. É defender o sacrifício dos mais pobres.

Além disso, houve alistamento voluntário no Brasil, durante a Guerra do Paraguai. Grande parte do exército foi composta por escravos, negros libertos e mulatos livres. Será que aprendemos algo com isso?

Espero não estar sendo grosseiro, mas acho que é preciso mais responsabilidade antes de jogar ideias como essa no ar, como se fossem ideias feministas. --Brian

Anônimo disse...

Vídeo SEU JORGE - Racismo na Itália
http://www.youtube.com/watch?v=uG9PhJLSVys&feature=related

Que cara legal!

Cris disse...

Maicon Vieira, outra coisa: vc não estranha o fato de os melhores países do mundo para se viver, os mais democráticos, com justiça social e econômica para todos (TODOS, homens e mulheres) são aqueles onde as mulheres têm mais liberdade? Coincidência? Não. Não consigo pensar igualdade econômica e social sem igualdade de gênero. Daí, vc pode inferir o quanto seria bom pra vcs homens para de lutar contra o feminismo e se juntar a nós. Pra mim, uma pessoa que não é feminista, ou é uma pessoa má, ou ignora o que seja feminismo. Qual é a sua opção?

Fabiola disse...

Documentário abre debate sobre assédio sexual nas ruas europeias.

Com uma câmera escondida, Sofie Peeters registrou o assédio sexual e os insultos que sofria enquanto caminhava pela capital belga.
As cenas mostram uma sucessão de homens abordando a jovem à medida que ela avança em seu caminho pelas calçadas e parques da capital belga. Um deles chega pelas suas costas, dizendo que ela é “linda”. Outro, simplesmente a cruza na calçada, vira o rosto em sua direção e a chama de "vadia".

http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2012/08/120814_belga_assedio_ru.shtml

Anônimo disse...

Maicon Vieira, a sociedade sem igualdade de gênero é uma sociedade opcionalmente injusta.

Caxola, um bom dicionário te dará a definiçao.

Aichego disse...

Homem negrio anonimo das 11;43 - pense no seu argumento que nos mulheres nao sabemos o que um homem tem que sofrer de uma outra maneira: os homens negros nao sabem o que sofrem os homens brancos. Que tal? Nao eh essa a discussao. Todo mundo sofre, mas tem quem seja menos gente do que outras pessoas. Essa eh a luta feminista - acabar com isso. E essa eh a luta contra as dif sociais. Ao mesmo tempo, o feminismo eh bom para homens e mulheres, piois tira dos homens todo esse peso de ter que ser o provedor, o chefe etc. e divide tarefas. igauis direitos. iguais responsabilidades.

carolinapaiva disse...

Rachara

Texto sobre igualdade aqui.
Dica: dá uma pesquisada no google depois de ler esse texto.

http://academico.direito-rio.fgv.br/wiki/Igualdade_Formal_v._Igualdade_Material

Robson Fernando de Souza disse...

A definição de humanismo que o texto mostra é perfeitamente compatível com os Direitos Animais. Esse conceito não é antropocêntrico como muitos dizem que o humanismo é.


P.S: Estilei um pouquinho porque o texto é curtinho, não segue a tradição de ser longo e por isso adorável.

Andréa K. disse...

Nao bastava o machismo explicito... Agora a gente tem o implícito também.

Karla disse...

Quando eu era adolescente, costumava me dizer humanista quando ainda não tinha coragem para dizer que eu era atéia - sim, sempre soube que humanismo é filosofia, mas eu usava essa expressão pra enfatizar minha fé no que é humano. Coisa que mantenho até hoje, apesar de tudo eu acredito muito nesses primatas chamados de seres humanos :)
Mas, mesmo adolescente, esse discurso de "ninguém deveria ser feminista prq somos IGUAIS" não cola. É só uma maneira velada de defender que vivemos num mundo em que mulheres NÃO são cidadãs de segunda classe. Negar o problema só te faz parte do problema. Negar que existe o machismo só aumenta a força desse mal.

O mesmo argumento é usado pra quem é contra políticas afirmativas baseadas em raça porque, afinal, somos todos iguais etc. etc. etc. Negar que o Brasil é racista só aumenta a segregação.

Só não sei se quem fala essas abobrinhas é ingênuo ou sabe que tá falando merda.

lola aronovich disse...

Pessoas queridas, eu nao estou aqui. Estou em Sobral, participando da banca de selecao de professores. Volto na quinta. Ate la, nem paro diante de um computador (so a noite, no hotel, e mesmo assim a internet é uma lesma). Portanto, quem está moderando os comentarios por enquanto é a minha mae, que é muito mais leniente do que eu. (Mae, pode cortar sem dó os comentarios de mascus que comecam com "o feminismo quer emascular o homem" ou "a misandria come solta" ou mil e uma besteiras).
Hoje foi dose, hein? Como tem cara tapado no mundo!
Abracao, gente! (nao consigo nem ver meu twitter. Quer dizer, consigo ver, mas nao responder, nem ver DM).

Anônimo disse...

Bah, sério, assim que minha vontade superar minha preguiça vou fazer um bingo do machismo, daí quando tiver post polêmico aqui a gente joga, o prêmio é mostrar pr@s machistas que el@s não tem criatividade.

Anônimo disse...

"Mesmo que uma pessoa negra, por exemplo, profira todos os xingamentos discriminatórios contra uma pessoa branca, nunca terá força discursiva suficiente(...)"
Racismo não é SEMPRE ruim? Para TODOS que sofrem disso? No nível pessoal, seria prepotência demais dizer que "não é tão ruim" se você não é negro. Basta ser um pouco mais pardo como eu para as vezes sofrer preconceito de ambos os lados, e não vejo como um discurso racista pode ser menos ofensivo ou depreciativo para alguém.
Só se outra pessoa comparar o sofrimento desta com o de outra, o que também é impossível pois somente cada um sabe o quanto sofreu.
Por favor, não me interpretem mal, eu adoro esse blog e todas vocês comentarist@s são ótimas também, mas acho prepotência dizer que o peso é outro só porque a cor é outra. Qualquer um que já sofreu preconceito, não importa a cor, religião ou classe social, sabe do que eu estou falando. Temos de nos unir contra o preconceito que atinge a todos, afinal, estamos num fogo cruzado o tempo todo nesse país. Todo mundo querendo supor que conhece o sofrimento do outro sem nem sequer tentar ouvi-lo em primeiro lugar. Temos de dar ouvidos a todos os oprimidos, desde que esses sejam legítimos claro, nada de mimimi masculinista.
De qualquer maneira o post não era sobre isso, então é só um comentário sobre outro comentário.

Patrick disse...

Acho que meu comentário caiu no SPAM porque eu coloquei quatro links nele :(.

Rachara Caxola disse...

carolinapaiva,

obrigado pela indicação. lerei com calma quando tiver um tempinho. ainda não tenho clareza sobre o que é "direitos iguais".



Anônimo 22:21

Uma definição de dicionário não responde minhas questões, mas grato pela atenção.

Anônimo disse...

Lola, vamos matar os jornalistas do UOL? (É uma mulher falando mesmo, mas é que eu fiquei muito brava). Hoje é dia do solteiro e eu fiquei toda feliz porque sou solteira e talz. Aí o UOL fez uma galeria para 'levantar' o moral do solteiro (só homem, tá? não é dia de mulher) e a maioria das fotos é dos protestos do Femen!!! Que eu nunca conheça quem teve essa ideia...

Mirella disse...

Anônimo das 02:13

Sim, racismo é ruim em todas as ocasiões.
Mas vamos analisar o contexto dentro do qual estamos inseridos?


Umx negrx chama umx brancx de "brancx fedidx". Não, isto não existe. Vamos tentar algo mais próximo da realidade?
Umx negrx não contrata um brancx porque elx é brancx.
Hahahahahha negrx em posição alta de hierarquia? Ok, vamos assumir que isto é regra e não exceção.
Você consegue, honestamente, ver alguém não contratando mão-de-obra branca porque é branca? Ou umx funcionárix brancx ganhando menos que umx negrx?
Você olha a mídia e a mídia é branca. Isto num país em que a maioria não é caucasiana. Não parece um pouco estranho?
Ou seja, a escravidão acabou há um século, mas negrxs ainda são oprimidos. Ainda são minoria em universidades, escolas, cargos de alta hierarquia. Ainda ganham menos. Ainda deixam de ser contratadxs. Ainda estão no epicentro da violência, como agente ou vítima. Ainda sofrem mais com distribuição desigual de renda.
Compreende que nunca, jamais, never ever ever, negrxs sendo "racistas" contra brancxs terá o mesmo impacto?
Brancxs não são sistematicamente oprimidxs, discriminadxs e marginalizadxs. Não sofrem na pele - literalmente - os efeitos do preconceito. E digo isto como a branca azeda que sou, que reconheço que nunca terei problemas com a cor da minha pele. No metrô, ninguém afasta sua bolsa de mim. Ninguém sente medo se me encontrar num lugar escuro. Ninguém me olha torto ou desconfiado. Se acontece alguma coisa, não sou automaticamente a primeira suspeita. Nunca deixarei de ser contratada pela cor da minha pele. Todas as "galerias de musas" das Olimpíadas tão cheias de mulheres com a minha cor de pele. Eu me vejo representada muito mais que uma mulher negra se vê. Ninguém olha para mim e diz: "até que aquela branca é bonita". Compreende?

Anônimo disse...

Lola Aronovich:"Pessoas queridas, eu nao estou aqui. Estou em Sobral, participando da banca de selecao de professores."

Pô Lola, uma pessoa que se diz tão politizada, tão isso e tão aquilo, furando greve? Brincou né? A minha universidade está tão parada, tão parada que agora o técnico que cuida da internet entrou em greve e nem internet temos.
Isso é decepcionante, as pessoas continuam indo a bancas, seleção de professores como se nada tivesse acontecido. A gente que fica sem fazer absolutamente NADA porque estamos em greve ficamo com a pecha de que somos molengas e preguiçosos. O CNG já deu "trocentas" recomendações sobre isso,mas parece que boa parte não ouve...
Até perdi a graça de comentar o post...

Carol M disse...

o peso é outro pq a opressão histórica e social que a pessoa sofre todos os dias é outra

Anônimo disse...

Não somos todos contra o serviço militar obrigatorio, Maquiavel ja dizia que existem o mundo real e o ideal, todos queriam viver no ideal, mas vivem no real, e no mundo real um pais com recursos naturais e territoriais como o Brasil,que desperta a cobiça externa ( vide o petroleo no oriente medio) deve ter uma defesa forte, bem treinada e adestrada, e para que tenha legitimidade deve ter homens e mulheres de todas as classes sociais em suas fileiras, para que tenha legitimeidade, DIREITOS E DEVERES, para todos, não so direitos para alguns.

guerras são uma barbaridade que devem serem evitadas a todo custo, mas infelismente existem, ja dizia um sabio general, devemos suar na paz, para não sangrar na guerra.

se o serviço militar fosse facultativo, teriamos um exercito de mercenarios, como nos EUA, onde filho de pobre e mandado para guerras inanas, enquanto filhos de ricos curtem o " sonho americano"

Anônimo disse...

Rachara Caxola
Se é verdade que as mulheres podem receber um tratamento desigual em relação aos homens no que concerne às oportunidades de trabalho (e aqui estaremos falando na desigualdade entre os sexos), é também possível tratar desigualmente dois homens que em nada difiram em relação a alguns dos seus aspectos essenciais (idade, sexo, profissão, etc.). Ou seja, desigualdade e diferença não são noções necessariamente interdependentes, embora possam conservar relações bem definidas no interior de determinados
sistemas sociais e políticos.
--José d’Assunção Barros, em Igualdade, desigualdade e diferença: em torno de três noções
http://www.scielo.oces.mctes.pt/pdf/aso/n175/n175a05.pdf

Anônimo disse...

Literatura
A escritora francesa Christine de Pizan (1364 - 1430), autora do livro A Cidade das Mulheres defende na obra que há igualdade por natureza entre os sexos, pode ser considerada uma das primeiras feministas por apresentar um discurso a favor da igualdade entre os sexos, defendendo, por exemplo, uma educação idêntica a meninas e meninos.

Camila disse...

Olá Lola sou novata em seu blog e desde então abri minha cabeça para os ideais feministas, passei a ver o que está escondido nas entrelinhas, desde as propagandas machistas, os conceitos da minha mãe sobre separação, e o mais revelador de todos, o meu relacionamento baseado na censura feita por um homem que agora percebo extremamente limitado, falo de limitações emocionais, de opressão para ser prefeita, aquela que não faz crítica, a que não pode ter opinião, pior ainda quando é opinião contrária, porém não é disso que vou falar hoje, é dessa questão de prova de concurso, sim eu quero ser delegada e estou estudando para isso.
Pois bem, veja isso:

Prova: TRT 23R (MT) - 2011 - TRT - 23ª REGIÃO (MT) - Juiz do Trabalho

Analise o seguinte caso: uma associação de defesa de determinados valores veicula na midia (televisão, rádio, jornais e internet) campanha de defesa de opinião e idéias, contendo peças que dizem respeito ao exercicio de direitos fundamentais, uma delas afirmando, dentre outras coisas, que "a igualdade entre homens e mulheres é um direito, mas a mulher deve seguir e obedecer ao homem, que lhe é superior, e aquela que assim não age não deve ser respeitada como tal, já que não exerce seu papel e prejudica a humanidade". Diante disso, um dos legitimados pela lei ajuiza ação civil pública, postulando, dentre outros requerimentos, que seja determinada a retirada da campanha do ar, sob pena de multa diária. Assinale a alternativa correta:

a) a pretensão não pode ser acolhida, vez que a Constituição Federal, em seus arts. 5° , IX e 220, §2° , veda expressamente a censura.
b) a pretensão deverá ser rejeitada, vez que a liberdade de expressão goza de uma posição preferencial em relação aos demais direitos fundamentais, o que impede, em termos absolutos, que ceda espaço à incidência de outros direitos a ponto de dar ensejo á proibição de determinada veiculação, especialmente porque, no caso, se tratava da mera defesa de idéias e opiniões.
c) a campanha necessariamente deverá ser retirada do ar, eis que a igualdade goza de uma posição preferencial em relação aos demais direitos fundamentais, de modo que, em caso de colisäo com outros, sempre deverá prevalecer.
d) a solução do caso passa pela ponderação dos principios em conflito, sendo possivel, em tese, a decisão pela retirada da campanha do ar, já que a preservação do núcleo essencial de tal direito não abrange a proibição, em toda e qualquer situação, de se fazer cessar determinada veiculação midiática.
e) a solução do caso deverá ser pautada pela natureza das normas em confilto; assim, deverá o magistrado verificar se o preceito que consagra a liberdade de expressão e aquele que reconhece o direito à igualdade tem eficácia imediata, contida ou limitada, bem como a respectiva reguiamentação infraconstitucional, prevalecendo aquele em relação ao qual a legislação possibilita o exercicio imediato, em detrimento do outro.

A resposta correta é a letra D, como assim? Então não podemos censurar propaganda que inferioriza a mulher, pelo menos é que parece, já que em tese pode até se tirar a propaganda, porém depende do entendimento do magistrado...

Ha vá até quando, seremos abusadas, e não merecia ter que ler isso em uma prova!!!!!!

Anônimo disse...

http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2012/08/integrantes-do-femen-sao-detidas-apos-protesto-em-consulado-em-sp.html

os comentarios são a melhor parte.

Rachara Caxola disse...

Acho que a questão não seria substituir um movimento por outro. Mas quando você agrega outras causas no movimento ele se torna "maior" e sua repercussão também. Um exemplo do que estou falando é o movimento PROVOS da década 60 na Holanda - talvez o movimento de contracultura que mais teve resultados. Eles tinham os Planos Brancos, aos quais se incluia o Plano das Mulheres Brancas que era pela liberdade sexual da mulher. Grande parte do sucesso do movimento é porque eles atacaram vários aspectos da sociedade.

André disse...

Camila,
No caso da hipotética propaganda, o "não deve ser respeitada", no atual contexto social, seria equivalente a "deve ser agredida", "deve ser ofendida", "deve ser discriminada", então a propaganda não seria apenas um livre exercício de opinião, mas apologia ao crime. Seria um conflito entre direito à opinião e direitoa à igualdade se a frase fosse apenas "a igualdade entre homens e mulheres é um direito, mas a mulher deve seguir e obedecer ao homem, que lhe é superior".

Huan Icaro Piran disse...

"Vale à pena explicar a diferença, às vezes a pessoa só tá desavisada. Meu professor de Direito Humanos usava esse discurso, mas eu expliquei pra ele o que feminismo realmente quer dizer e ele se retratou na sala de aula. foi lindo."

Leonísia F isso se dá por ele ser alguem ético. Errar é humano e natural. Compreender o erro e ter a humildade de admitir isso é o que nos permite evoluir enquanto indivíduos.

Huan Icaro Piran disse...

Meu primeiro contato com o feminismo na adolescência foi péssimo, com uma garota que não entendia o feminismo e jogava merda pro alto alegando o ser. Criei um conceito desvirtuado e irreal na época, mas estudando um pouco vi que a base do movimento vinha de lutas dignas. Por anos, entre aceitar as bases e não os comportamentos (os que tive contato) eu me mantive calado e com um pé e meio atras.
Hoje, com contatos maiores com feministas vindo de meus contatos com anarquistas (ainda não vi nenhum pessoalmente que não defenda o feminismo, já que anarquia prevê liberdade definitiva e quebra de hierarquias, inclusive patriarcais e sexistas) eu revi meu conceito.
É aceitável e compreensível que sejam feitos ataques contra comportamentos de algumas declaradas feministas que fazem merda usando o termo. Mas informar-se quanto a legitimidade das bases do termo, ver se ela realmente é uma representante do movimento e tirar conclusões mais adequadas é vital.
Conheço uns humanistas declarados, muitos realmente humanistas, sejam anarquistas, comunistas, feministas, pluralistas, ruralistas, ou apenas humanistas. Uma associação não ilegitima a outra, mas complementa. O que não entendo são algumas figuras humanistas que ignoram certos problemas humanos como o machismo e vão contra a luta por direitos humanos pregados pelo feminismo. Alegar-se humanista não feminista vale, mas sempre expressando a ressalva de que não luta pelo feminismo mas vê com bons olhos essa importante luta.
Particularmente eu não posso me dizer feminista ou humanista, pois não tenho levantado tais bandeiras. Levanto outras que colaboram com essas duas e venho sempre aqui por saber que é um lugar onde posso aprender muito sobre essa luta que é vital sim.

Sara disse...

Anonim@ 14.09hs infelizmente não pude colocar minha surpresa diante de seu comentario, pq estive com bem pouco tempo esses dias, os pontos que vc tocou são meio que TABU, e pouquissimas pessoas querem encarar esse assunto, mas creio me desculpem os homens que vc tem uma boa dose de razão.
Não sei se o que penso não tenha lógica , mas para mim fica patente que somos de alguma forma superiores mesmo aos homens, em uma simples amostragem de um setor da sociedade, no caso a população carcerária de qualquer cidade do MUNDO.
É sabido que nós mulheres ganhamos menos que os homens, temos bem menos oportunidades, e que alem disso somos chefes de pelo menos metade ou possivelmente até mais que isso das familias, isso ocorre porque em muitas das vezes , mulheres são abandonadas com a prole geralmente numerosa, e mesmo com essas necessidades prementes , são poucas as mulheres que se valem da criminalidade ou violência para resolver as questões que se vêem confrontadas.
Ja com a população masculina que forma a maioria absoluta da população carcerária, a violência e criminalidade são meios comuns de atingir seus objetivos geralmente egoistas ainda por cima.
Só por esse aspecto , embora eu acredite que tenham outros menos importantes, tb creio que somos pelo menos melhores como pessoas.
É inegavel o temor que a simples presença de um homem causa até mesmo entre eles ao se deparar com outro em uma rua deserta.
Não acho que por essa suposta superioridade devamos reenvindicar que sejamos tratadas com regalias, mas pelo menos com igualdade é o mínimo que podemos exigir, e nos tem sido usurpada por milenios pela força bruta e violência dos homens.

Anônimo disse...

se o serviço militar fosse facultativo, teriamos um exercito de mercenarios, como nos EUA, onde filho de pobre e mandado para guerras inanas, enquanto filhos de ricos curtem o " sonho americano"

Vamos deixar de ser hipócritas??? No Brasil, o que mais tem é gente querendo entrar nas forças armadas(pelo salário ser bom se comparado a outras profissões, por saber que é quase impossível se envolver realmente em alguma guerra ou conflito, pelo status) e não conseguindo.
Serviço militar obrigatório uma ova. No máximo você tem o incômodo de ir até lá sem querer por um ou dois dias, assim como tem outros incômodos no seu dia a dia. O que tem de gente querendo entrar e não conseguindo ser considerado qualificado não tá no gibi...
Se o fato de ser "obrigatório" (entre aspas mesmos) incomodasse realmente a qualquer homem desse país, a lei já teria deixado de existir. Homens são imensa maioria no congresso e nenhum nunca se incomodou com isso porque sabe como é hipócrita o serviço militar no Brasil.

Anônimo disse...

"Vamos deixar de ser hipócritas??? No Brasil, o que mais tem é gente querendo entrar nas forças armadas(pelo salário ser bom se comparado a outras profissões, por saber que é quase impossível se envolver realmente em alguma guerra ou conflito, pelo status) e não conseguindo".

-
E realmente da para notar que você passou bem longe do exercito, que neste momento passa por um sucateamento historico na sua historia, graças a politicas ' revanchistas de estado ( a nossa president@ participou de guerrilha armada) hoje em dia soldados são dispensados em meio periodo, pois não tem nem verba para a comida no rancho, munição de treinamento e contada, a gotas, um conscrito ganha salario minimo e ajuda de custo para condução.
Poucas reconhecem o valor social de nossas forças armadas,as obras do pac estavam paradas, chamaram o batalhão de engenharia do exercito, muitas obras depois disto foram entregues antes do previsto, e com eficiencia e economia assustadora.

http://planobrasil.com/2012/08/o-bom-exemplo-do-exercito-2/

desastres ambientais, quem chamam ?
o exercito !
pacificação de morros, quem chamam?
greve da policia e desordem urbana, quem chamam?
O exercito!
apoio medico a populações ribeirinhas e indigenas, quem da apoio logistico ?
a força aerea, e a marinha com seus navios hospitais !
missões de paz da onu, quem chamam ?
oexercito!

querem acabar com uma hipocrisia ?que tal acabar com pensões vitalicias para filhas solteiras de generais e oficiais ?
que vivem emacebadas com seus companheiros a vida toda sem oficializar casamento, para não perder a mamata, corroendo quase metade do orçamento militar brasileiro !!

Bruna B. disse...

"querem acabar com uma hipocrisia ?que tal acabar com pensões vitalicias para filhas solteiras de generais e oficiais ?
que vivem emacebadas com seus companheiros a vida toda sem oficializar casamento, para não perder a mamata, corroendo quase metade do orçamento militar brasileiro !!"


Vou ter que concordar, também acho um absurdo essa questão das pensões... Só vou salientar uma coisa, isso é fruto do machismo, do velho pensamento de que mulher é incapaz de se sustentar sozinha (por isso, a exigência de ser solteira).

EneidaMelo disse...

Sara, discordo bastante de você nessa avaliação de que mulheres são melhores que homens.

No que concerne à violência, precisamos entender o contexto em que meninos são criados com estímulo à agressividade, e mulheres o oposto, são criadas com estímulo ao cuidado consigo e com os outros.

Isso é totalmente cultural.

EneidaMelo disse...

Anônimo das 00:54,

O sucateamento das FA começou antes, com Collor e fhc. Mas concordo que precisa de investimento.

E, assim como a Bruna, concordo com você: essas pensões vitalícias para esposas e filhas são absurdas. Mas tinham me dito que isso caiu, quem tem continua, mas não são concedidas novas pensões.

Juliana Laet disse...

Pelamordedeus, Lola, fala do Femen Br e da Sara Winter (uma criança despreparada, a pobrezinha! Mas nesse despreparo tem prejudicado muito o "movimento feminista" em duas várias facetas e vertentes).
Tem a entrevista que ela deu pra Marilia Gabriela no Youtube no De frente com Gabi.
Beijo.

Huan Icaro Piran disse...

"E, assim como a Bruna, concordo com você: essas pensões vitalícias para esposas e filhas são absurdas. Mas tinham me dito que isso caiu, quem tem continua, mas não são concedidas novas pensões."

Eu iria ressaltar justamente este ponto. Anteriormente isso foi sim um problema, tivemos uma moça que vive de sua pensão a mais de vinte anos...

Particularmente meu posicionamento sobre forças armadas são comprometidas pela minha visão contraria a hierarquias e governos, mas dentro do atual contexto de sociedade em que vivemos, se faz realmente necessário investir em dados pontos das forças armadas.

Anônimo disse...

OFF Topic
Lola, leia aqui o poder e força da internete, nesse caso positivamente.
Progressive settles with accident victim's family after tale went viral
http://money.cnn.com/2012/08/17/technology/progressive-settlement/index.html?hpt=hp_t1

Ju disse...

Essas pensões para filhas de militares deveriam ser concedidas até elas terem 21 anos. Casando ou não. Isso não interessa. Isso é puro machismo! A filha receberia a pensão até casar, pois depois o marido a sustentaria. Precisa-se levar em conta que essa lei é da época que mulher não trabalhava fora. Alguém pode me informar qual o procedimento no caso dos filhOs??

Anônimo disse...

Ju disse...
Essas pensões para filhas de militares deveriam ser concedidas até elas terem 21 anos. Casando ou não. Isso não interessa. Isso é puro machismo! A filha receberia a pensão até casar, pois depois o marido a sustentaria. Precisa-se levar em conta que essa lei é da época que mulher não trabalhava fora. Alguém pode me informar qual o procedimento no caso dos filhOs??

-
posso, filho não recebe ate 21 anos.

E sim a lei sobre pensões foi alterada por decreto do presidente lula, agora somente as esposas e filhas ate os 21 anos recebem,antes a pensão para as filhas solteiras era vitalicia, era uma lei a época do império, mas devido ao direito constitucional do direito adquirido, as que já recebem, e as que já eram nascidas ate seus pais ingressarem na carreira militar por concurso ´publico, continuam com direito a pensão vitalicia assegurada,e de forma integral, ou seja, será necessário mais de meio seculo para se corrigir esta anomalia orçamentaria.

Anônimo disse...

Já tentei debater e grupos feministas, e fui informado que a minha opinião não era bem vinda, porque aquele era um local de debate prioritariamente feminino. Ou seja, os homens poderiam se manifestar, mas o objetivo principal era o debate feminino. Alem disso, havia toda uma discussão sobre se o homem pode ou são ser feminista. Bem, não vou brigar para fazer parte de um grupo que não me contempla, não tenho nada contra o feminismo, mas não me considero feminista, e sim humanista, da mesma forma que não me consideraria, por exemplo, do movimento negro.

Huan Icaro Piran disse...

"Já tentei debater e grupos feministas, e fui informado que a minha opinião não era bem vinda, porque aquele era um local de debate prioritariamente feminino. Ou seja, os homens poderiam se manifestar, mas o objetivo principal era o debate feminino. Alem disso, havia toda uma discussão sobre se o homem pode ou são ser feminista. Bem, não vou brigar para fazer parte de um grupo que não me contempla, não tenho nada contra o feminismo, mas não me considero feminista, e sim humanista, da mesma forma que não me consideraria, por exemplo, do movimento negro."

Apenas o Alien não é humanista amigo...

"Essas pensões para filhas de militares deveriam ser concedidas até elas terem 21 anos. Casando ou não. Isso não interessa. Isso é puro machismo! A filha receberia a pensão até casar, pois depois o marido a sustentaria. Precisa-se levar em conta que essa lei é da época que mulher não trabalhava fora. Alguém pode me informar qual o procedimento no caso dos filhOs??"

Pensão o caramelo. Babys de militares que façam como o de qualquer outra profissão e arranjem um emprego oras ¬¬

EneidaMelo disse...

Anônimo (18 de agosto de 2012 09:16)

Até onde eu possa perceber, há homens aqui debatendo.

Anônimo disse...

"Pensão o caramelo. Babys de militares que façam como o de qualquer outra profissão e arranjem um emprego oras ¬¬"

Eu acho sim que pessoas que escolhem profissões em que há risco de vida merecem sim ter vantagens, uma delas seria pensão para os filhos em caso de morte. Mas que não seja para a vida toda.

Ju disse...

Espero que um dia haja tanta igualdade entre os sexos que feminismo e humanismo sejam sim sinônimos, num logar onde sua humanidade será mais importante do que seu sexo.

Nativa disse...

Como falar em feminismo e humanismo sem fazer nenhuma referência teórica a Simone de Beauvoir?

Que ato falho hen lola?

Faço isso por vc então:

Leiam TOD@S o segundo sexo, volume I: fatos e mitos e II: experiência vivida, Simone de Beauvoir!

Esses livros são leituras essenciais na vida de qualquer ser humano, principalmente se estamos debatendo os temas do feminismo e do humanismo.

Com ela aprendi que não se nasce mulher, torna-se mulher!

Aprendi também a superar o feminismo que prega a igualdade de gênero,pois estamos para além dessa condição limitante, somos o devir, o vir a ser.

Que a leitura de Simone possa ajudar a cada um e tod@s a questionar a vida como se apresenta e encontrar o sentido das coisas!

Viva ao ser humano!

Viva ao feminismo!

Viva ao existencialismo!

Anônimo disse...

Acho "humanista" um termo mais apropriado, sim, para representar quem luta por direitos iguais.

Existe o humanismo filosófico também, mas é um outro humanismo. Aqui eu falo de uma ideologia alternativa ao feminismo, que pode ser sim chamado de humanismo.

Uma feminista tenta buscar direitos iguais por compensar a suposta desigualdade com privilégios e exclusividade. Não lutam por direitos iguais porque são parciais. Tentando compensar o suposto machismo usando um pensamento contraposto: valorizar a mulher ao invés de valorizar ambos os sexos (como faria um humanista)
O humanista olha para a população como um todo, de modo imparcial, sem privilegiar. Olha e se compadece dos problemas alheios sem excluir sexo ou raça. Portanto, uma feminista não pode ser humanista porque favorece um dos sexos apenas. É um pensamento que gira em torno da mulher, sem dar lugar so sexo oposto.

Anônimo disse...

FEMINISMO EH UMA SÍNICA LUTA POR PRIVILÉGIOS.

lola aronovich disse...

Quais privilégios, baby? Esta feminista sínica quer saber ("sínica" deve ser uma mistura entre cínica e síndica, suponho).
Pra facilitar a sua resposta, se vc citar "alistamento militar obrigatório", "anticoncepcional masculino", "homem pagar a conta" ou "mulher ter desconto em bares e baladas", ou qualquer um desses clichês, gostaria que vc citasse UMA feminista (não precisa duas, uma só já tá bom) que prove o seu ponto. Grata! Da ingrata com o patriarcado. E sínica.

MARCIO disse...

Parabéns aos comentários. Gostei muito, achei o pessoal muito inteligente, tanto homens como mulheres. Com exceção da Bruna B. Não sabe discutir, só sabe ofender. Parece ser uma pessoa completamente ignorante, grossa. É por isso que eu digo, não tem nada ver com questões de gênero, pois existem grosseirões e grosseironas de ambos os sexos. O que o feminismo ainda não entendeu é que por pessoas assim, o movimento fica desgastado. Homens e até mulheres deixam de se aproximar do feminismo qd se deparam com rancor, ódio. Pra mim isso não é nem feminismo, é femismo. Por fim, é puro preconceito, pois é cheio de generalismo. Eu não sou como todos os homens, assim como toda mulher é diferente. Têm mulheres e homens que vivem tanto no singular, que esquecem o mundo plural.

MARCIO disse...

Outra, para as mulheres que estão ofendendo aqui. Digo, as conquistas das mulheres foram através de diálogos e não de ofensas. As ofensas só igualaram o feminismo ao machismo. Outra coisa, parem de usar a história de modo indevido. Não tem como comprovar que no passado a mulher era oprimida por um simples fato, não temos como voltar no tempo. Podemos dizer que a mulher era oprimida usando a lógica do presente, mas isso é "anacronismo". Falamos que a mulher era oprimida na Grécia Antiga por pertencer ao universo doméstico. O que ninguém percebe é que a lógica familiar era a mais importante para os gregos. Provavelmente uma mulher se sentia privilegiada por pertencer ao universo doméstico. Já na Idade Média, a situação era bem pior, existiam pestes, guerras e tudo o mais. Ainda bem que feministas não existiam nesse período, pois se existissem hoje não teríamos humanidade, pois a peste teria dizimado a todos. Poucos pensadores refletem, mas a mulher foi protegida da morte. Quando a sociedade mudou, principalmente depois da Revolução Francesa, que já era herdeira do humanismo, a mulher passou a reivindicar direitos iguais, mas ainda havia guerras e o medo do fim da humanidade, por isso a mulher ainda permanecia no universo doméstico. Com o século XX, que trouxe as melhorias de saúde o risco acabou. O espaço urbano se tornou acomodado e a segurança também aumentou com isso advinha o que aconteceu? Claro, a emancipação feminina. O que eu quis dizer com tudo isso, é que não podemos analisar o passado com olhos do presente. Muitas vezes na história, a mulher foi protegida (no espaço doméstico) como razão principal de manutenção da própria espécie.

Thais disse...

Ser humanista é ser contra essa eterna guerra entre o feminismo e o machismo. Quem se define humanista tem paz no coração e deseja isso para as pessoas ao redor. Eu sou humanista e entendo a indignação das feministas com a opressão masculina e entendo a acusação dos machistas sobre a hipocrisia de alguns comportamentos femininos.

Anônimo disse...

Sou a favor do ser humano sim. Ser feminista ou ser torcedor do Flamengo pra mim, é a mesma coisa. Temos antes de tudo que pensarmos como SERES HUMANOS. Nem o homem que oprime, que humilha, que bate, que xinga está certo e nem a mulher que oprime, que humilha, que bate, que xinga está certa.

O problema não é o "como nascemos" e nem o "como nos identificamos" mas sim, nas ações que temos.

A minha esposa é feminista e é opressora, é dura, é grossa. É branca, mulher, bonita e grita, me xinga, me humilha. Até a um tempo atrás criou a alcunha "faz merdinha da estrela" para representar atitudes ruins que eu fazia e outras pessoas tambem. Quando ela estava numa crise de depressão, acompanhei-a para a casa da mãe dela, a acalentei, fiz de tudo para que ela parasse de tomar remédios contra depressão, lutamos juntos pelo bem dela, em todas as crises de depressão eu estava lá para apoiá-la, para ajudá-la de todo jeito. Estamos sem fazer sexo há quase 2 anos. Ela não quer que eu a toque e eu a respeito. Ela não me toca, não me quer, não me procura e eu a respeito tambem. Me sinto um monte de bosta, um merda, um lixo, mas a respeito.

Ela é mulher, feminista, luta pelas mulheres oprimidas do mundo mas me oprime, me humilha, me inferioriza. Nenhum ser humano tem o direito de humilhar outro ser humano. Pode ser preto, branco, transexual, com down, de óculos, obeso, sem pernas...ninguem!!!!

Não são só as mulheres que são oprimidas! TODOS SOMOS!

Esta luta feminista sempre foi necessária historicamente, concordo. Mas e em casos como o meu?!

Como faço? Sou homem, branco, bissexual e casado com uma mulher feminista que me humilha, que não respeitou crises de pânico que tenho e me levava pra shoppings lotados de gente para poder comprar coisas, estou desempregado e não conto com a consideração e o carinho dela em nada...e aí? Tenho que ser feminista e aceitar este tipo de feminismo? Ser feminista é isso?! O opressor sou eu?!?!!?