quinta-feira, 24 de maio de 2012

XUXA, MINHA SOLIDARIEDADE

Como estava em SP sem internet, alheia ao mundo, só fiquei sabendo na manhã de terça da entrevista da Xuxa ao Fantátisco e sua incrível repercussão. E quem me contou foi a deputada Manuela Dávila, antes do evento na USP.
Pois é, sou muito chique! A deputada federal mais votada do RS por dois mandatos consecutivos e atual candidata à prefeitura de Porto Alegre, além de ser uma pessoa encantadora e revelar-se leitora do meu blog, me falou da sua indignação com o que andava lendo sobre Xuxa (Manuela, que também tem um blog, escreveu sobre o caso). Ela me disse que já andou perto de Xuxa, e que não fazemos ideia do fanatismo que é. Manuela disse que já esteve ao lado de Pelé, de Lula, e que não tem comparação -– que as pessoas se jogam pra tocar em Xuxa, que ela é A Celebridade. E que a reação de Xuxa (como seria de quase qualquer um) é de susto, de medo, de encolher-se diante de um assédio tão arrebatador.
Assim como Manuela, eu não tenho nenhuma simpatia por Xuxa. Absolutamente nenhuma. Felizmente, cresci  nos anos 70 vendo Vila Sésamo, não Xou da Xuxa. Já na década de 80 meu pai trazia a Manchete pra casa e as capas sofriam revezamento entre Xuxa, Luiza Brunet, Roberta Close, e alguma princesa de Mônaco. Nunca vi nenhum filme infantil com a rainha dos baixinhos. Sempre achei péssimo como ela (entre outras apresentadoras) estimula(va)m o consumismo e a sexualidade precoce das meninas. 
Até considerei ousado que ela tenha feito uma “produção independente” (ter filho sem casar). Espumei de raiva quando, em pleno dia de privataria das teles, o Jornal Nacional dedicou sua edição ao nascimento de Sasha. Mas, convenhamos, se não fosse a Xuxa, a Rede Globo pegaria outra inocente útil pra alienar os espectadores. Enfim, não tenho procuração pra defender a Xuxa.
Só que o que pega é que, no domingo, Xuxa deu uma entrevista de 25 minutos pro Fantástico. E, a partir dos 18 minutos (depois de falar de coisas que não me interessam nem um pouco, como seu namoro com Pelé, com Senna, seu encontro com Michael Jackson etc), ela, que já fez campanha contra bater em criança (excelente iniciativa, certo?), revela (minha transcrição):

“Alguém conhecido dentro de casa que acabou abusando sexualmente dessa criança e ela resolve sair de casa, mas pra ela poder comer, ela acaba fazendo isso nas ruas [se prostituindo]. Isso me dá um embrulho no estômago porque eu consigo não só me colocar no lugar delas como eu abracei essas causas todas porque eu vivi isso, na minha infância, na minha, até minha adolescência, até meus 13, 13 anos de idade, foi a última vez. Pelo fato de eu ser muito grande, eu chamar a atenção, eu fui abusada, então eu sei o que é, o quê que uma criança sente, sabe. A gente sente vergonha, a gente não quer falar sobre isso, a gente acha que a gente é culpada, […] eu sempre achei que eu tava fazendo alguma coisa, ou era minha roupa, ou era o que eu fazia que chamava a atenção, porque não foi uma pessoa, foram algumas pessoas que fizeram isso, e em situações diferentes, em momentos diferentes da minha vida, então ao invés de eu falar pras pessoas eu tinha vergonha, me calava, me sentia mal, me sentia suja, me sentia errada […].
Só que eu não falei pra minha mãe. Eu não tinha essa coragem de falar, e que a maioria das crianças, dos adolescentes, que passam por isso não falam. Eu não me lembro direito, eu sei que era muito nova. Eu me lembro do cheiro. Tinha cheiro de álcool, tinha cheiro de alguma coisa, e eu não sei quem foi. E depois aconteceram muitas vezes. Parou aos 13 anos, quando eu consegui fugir. Agora, tem essas coisas que pra mim me dói, me machuca, me dá vontade de vomitar, quando eu lembro que tudo isso aconteceu e eu não pude fazer nada, porque eu não sabia, eu não tinha experiência, o que uma criança tem de experiência, o que ela pode fazer? Eu tinha medo de falar pro meu pai e meu pai achar que era eu que tava fazendo isso, porque uma das vezes que aconteceu foi com o melhor amigo dele, que queria ser meu padrinho. Eu não podia falar pra minha mãe porque uma das vezes também foi com o cara que ia casar com a minha avó. Então a errada era eu? […]
Professores, um professor chegou pra mim e disse, não adianta você falar, porque entre a palavra de um professor e de uma aluna, eles vão acreditar no professor, não no aluno. E até hoje, se você me perguntar, porque aconteceu essas coisas comigo, eu acho, eu ainda acho, que foi minha culpa, e a gente não pode pensar assim. Porque a criança não tem culpa, a criança não sabe. […] Talvez eles deveriam ter notado que quando eu não tava falando muito, eu que sou de falar demais, é porque tava acontecendo uma coisa comigo […]. Por que que você acha que eu, que de repente eu, que eu não consigo ficar, sei lá, casar, ficar muito tempo com uma pessoa, deve ter uma explicação, né? Quem sabe não deve ser tudo isso que eu vivi? O fato de eu me achar horrível, de eu me achar feia, […] deve ter a ferida ali, aquela coisa, que eu... Eu nunca falei assim pra ninguém, porque eu achava que as pessoas iam me olhar diferente, nào vão entender, ou vão entender da maneira delas. […] Talvez eu tivesse que passar por tudo isso pra hoje chegar e dizer: eu quero lutar por elas, sabe. Eu tenho o sonho de um dia nenhuma criança sofrer.”

Não sei quanto a você, mas eu fiquei bastante comovida. Fico tocada com a dor das pessoas. E tenho como princípio não duvidar de quem narra seu abuso. Porque é raríssimo uma pessoa nessas condições mentir. Pelo contrário –- a maior parte sequer denuncia. São pouquíssimas as pessoas que denunciam. E, quando elas têm essa coragem, o que fazemos? Duvidamos delas. As chamamos de vitimistas. Dizemos que elas só querem aparecer. Que estão mentindo.
Ontem mesmo publiquei o guest post de uma mulher que foi estuprada trinta e poucos anos atrás e só agora resolveu contar o que sofreu, num suspiro, sem revisão, num email. Foi pura coincidência. Recebi o email em fevereiro, e o post já estava agendado, ilustrado e tal, desde a semana passada. E não foi o primeiro (nem será o último) post sobre estupro que publico aqui. Leia o guest post de ontem, os outros posts, e veja como a história que Xuxa conta se parece com todos esses casos. O que elas relatam é comum. Acontece direto, acontece com muita gente, e ainda assim a gente insiste em não acreditar, insiste em culpar a vítima. A gente não aprende nunca.
Quase sempre, quando publico um post desses, vem alguém me chamar de sensacionalista. Já me chamaram de Ratinho das Feministas ou algo assim. Tem feminista que não fala em abuso, em violência, em assuntos desagradáveis, porque acha que isso é se vitimizar. Então preferem ficar falando em como, sei lá, o funk, a pornografia e a prostituição empoderam as mulheres. Eu discordo. Acho que por pra fora nossas histórias de horror pode ser muito liberador. Saber que outras pessoas passaram pela mesma coisa pode ser empoderador. Não se calar, denunciar, protestar, criar uma rede de camaradagem, de consultoria jurídica, é extremamente importante. A outra opção é a gente cobrar silêncio absoluto, olhar pra baixo e fingir que estupros não existem. Assim, quem sabe, eles vão embora.
Eu fico feliz quando uma celebridade conta sua tragédia em horário nobre. Porque isso vai influenciar muito mais gente do que um mero bloguinho. Desde que Xuxa falou com o Fantástico, 285 mil denúncias foram feitas pro Disque 100, que lida com violência contra a criança e adolescente. Um aumento de 30% no número de ligações. Alguém me explica como isso pode ser negativo. Foi ótimo a nadadora Joanna Maranhão ter quebrado o silêncio em 2008 e acusado seu ex-treinador. Quer dizer, não foi nada bom pra ela, que foi processada (o crime prescreveu) e viu a mídia se obcecar pela sua história. Mas, graças a Joanna, foi aprovada uma lei (aguardando sanção presidencial) com seu nome que muda o prazo da prescrição dos crimes. Ele passa a contar a partir do instante que a vítima completa 18 anos. Isso só foi possível porque uma pessoa famosa contou sua história de horror.
Ah sim, tem muita gente falando do “filme pornô que Xuxa fez”, insinuando que a abusadora de crianças era ela. Quanta estupidez! Sei que o filme é antigo, de 1979 (lançado apenas em 82), mas pelamor! Seguinte: Amor Estranho Amor é uma entre várias obras do Walter Hugo Khouri. Que sempre fazia o mesmo filme (e não tinha nada a ver com pornochanchada; era drama, pretensioso, chatinho, com diálogos estranhos diálogos e péssima direção de atores), sobre a (hetero)sexualidade de seu alterego, sempre cercado de lindas mulheres -– todas querendo levá-lo pra cama, lógico. Lembro bem de Amor porque foi das primeiras fitas seladas a serem lançadas no Brasil (pela Globo Vídeo), e eu trabalhava numa locadora.
No filme, Xuxa faz uma prostituta de 16 anos que transa com o protagonista, um garoto de 10 ou 12 anos. Se não ficou claro, repito: Amor Estranho Amor não é um documentário. É um filme de ficção. Xuxa era apenas uma atriz, e longe de ser a principal (que era a Vera Fischer). Dizer que ela abusou de um menino porque fez esse papel é mais ou menos como dizer que Heath Ledger explodiu prédios e matou e torturou pessoas porque ele interpretou o Coringa, sabe?
E tem que ser meio ignorante, não saber nada sobre comportamento de pessoas abusadas, para perguntar “Ué, se ela foi abusada, por que fez um filme em que abusava de um menino?”. Bom, fora a diferença entre realidade e ficção (Xuxa não abusou de ninguém na vida real), existem estatísticas que apontam que boa parte dos abusadores foram abusados. Assim como boa parte dos homens que batem nas mulheres cresceram em lares em que apanhavam e viam o pai bater na mãe.
Ah, mas por que Xuxa só contou agora, trinta e poucos anos depois? Ela diz porquê: porque sentiu vergonha. Ainda sente. Ainda sente-se culpada. Como, aliás, a esmagadora maioria das vítimas de abuso. E talvez porque ela sabia que iria ser apedrejada.
Apedrejada pelo abuso que sofreu. Típico.

213 comentários:

1 – 200 de 213   Recentes›   Mais recentes»
Eva disse...

Sempre, SEMPRE, culpam a vítima. Eu não sou nada fã da Xuxa, apesar de ter crescido com o show dela nos anos 80, e ela tem a minha solidariedade enquanto mulher que sabe que, façamos o que fizermos, sempre vão jogar a culpa nas nossas costas.

ila fox disse...

Apesar de eu ter sido uma criança dos anos 80, confesso que nunca nutri muita simpatia pela Xuxa (ao contrário de todas as amiguinhas que queriam ser Paquitas).

Mas me solidarizei com o desabafo dela. E acho que independente de todo tipo de julgamento que ela vá sofrer - vi gente dizendo que ela fez isso para voltar a aparecer na mídia, como se a Xuxa precisasse de mais fama né? - Para mim o que importa é que ela conseguiu abrir os olhos de muita gente que passou (ou passa) por este tipo de abuso.

nina disse...

Lola, também fiquei comovida - e só soube do que ela contou no dia seguinte, pelos comentários das pessoas.

Não sou fã da Xuxa, não sinto admiração nem antipatia por ela. Mas sim, tenho empatia pelo que ela passou, não vejo como pode ser engraçado ou minimizado o fato dela ter sofrido uma violência dessas.

Como disse ontem, tem de tudo. Gente dizendo que ela mentiu, que tá desesperada pra aparecer - como se es precisasse - que ela devia ter 'ido falar com um terapeuta, pra que se expor na tv falando isso?'. De tudo. Mas são pessoas que, ou nunca se imaginaram numa situação assim (especialmente homens) ou estão reproduzindo essa crueldade de insinuar a culpa da vítima.

Enfim, acho que você disse tudo. E eu me solidarizo porque poderia ter sido comigo. Pode ser com qualquer uma.

Sonado disse...

Como não vi a reportagem, não acompanhei o caso e nem sequer havia visto o tão difamado filme, eu fiquei com um pé atras quanto a história. Bem esclarecedor a sua postagem Lola, pude gerar uma opinião mais adequada ao caso a partir dela.

Realmente, estudos mostram que os Serial-killers que atacam mulheres (principalmente aqueles que violentam suas vitimas antes de matar, ou depois, ou ambos) normalmente sofreram graves abusos de caráter sexual, tanto físico quanto mental.

Quanto as feministas que não abordam o tema só tenho uma coisa a dizer e o digo parafraseando minha noiva, "o mundo é feio, fechar os olhos não vai tornar ele mais belo."

Sonado disse...

"Sempre, SEMPRE, culpam a vítima. Eu não sou nada fã da Xuxa, apesar de ter crescido com o show dela nos anos 80, e ela tem a minha solidariedade enquanto mulher que sabe que, façamos o que fizermos, sempre vão jogar a culpa nas nossas costas."

Mais que isso Eva, não se culpa a mulher, se culpa a vitima. Normalmente as vitimas são mulheres, mas quando são homens a situação não muda em nada, o que muda é apenas que não se pode sequer tocar no tema.

Aline Patrícia disse...

Fiz um post sobre isso ontem, acho um absurdo transformarem a vitima em culpada. E sobre o filme um ator que interpreta um assassino ou um ladrão deve ser preso por assassinato ou julgado por isso? As pessoas andam alienadas, e os comentários absurdos que fazem por ai... Não defendi a Xuxa celebridade no post, mas o ser humano. Nossa sociedade é muito hipocrita mesmo, foi muito bom você ter falado sobre o assunto!!!

Juliana R. disse...

tb nunca fui fã da xuxa, até domingo. é uma pena que existam pessoas tão medíocres a ponto de tentar desmoralizá-la depois de ela ter se mostrado uma mulher tão forte e corajosa. mas é isso: mulheres corajosas costumam incomodar certas pessoas.

Anônimo disse...

Não entendo pq vcs julgam errado questionar se a Xuxa estava falando a verdade ou não. O assunto é muito sério e a maneira sensacionalista com que foi exposto abriu espaço para a dúvida... A mentira num assunto tão sério acentua as dúvidas com relação ao tema. Porém, foi bastante válida a proporção que a entrevista tomou, nesse caso ajudou e muito.

F. disse...

Passei a infância assistindo o xou da xuxa, ganhava os discos, as botinhas e tudo mais. Depois que cresci, comecei a ter um olhar mais critico sobre a postura dela, sobre a transformação dela e de tudo que a cercava em produto para ser vendido para crianças, depois comecei a pensar que ela tinha uma personalidade meio perturbada por conta da exposição de sua gravidez e por se esforçar tanto em não crescer, em não mudar, em ficar pra sempre nos anos 80. Portanto, quando vi a entrevista, achei que um pouco disso tudo se explicava (a excentricidade, não o fato de ela ser um produto) e senti sim a mesma empatia que sinto quando escuto qualquer vitima, senti a mesma dor no estomago que sempre sinto, pq, sendo mulher, não dá pra não saber como é se sentir vulnerável assim, mesmo depois que crescemos.

Juliana R. disse...

anônimo, a mídia costuma tratar de maneira sensacionalista a desgraça dos outros e isso não é novidade. se vc for tirar o "crédito" das pessoas que sofrem por apenas conta da repercussão dos casos, fica difícil.

Ana Clara disse...

Gente, eu diferentemente de vcs, fui fãn da Xuxa na minha infância, porém quando comecei a entrar na adolescência passei a vê-la com outros olhos, passei a ter um olhar mais critico sobre ela... aquele livro proibido das paquitas foi primordial nisso. Não duvido que ela tenha realmente jogado a história da vida dela na mídia (não duvido de sua história, deixo claro!) para realmente voltar a um certo patamar. Pra quem não sabe seu programa no sábado emplaca os piores indices de audiência...

Nina Levy disse...

Perfeita, Lola, como sempre.

Não sei como passa pela cabeça de tantas pessoas que alguém seja capaz de inventar que sofreu violência sexual sem ter sofrido. O grau de dificuldade de se relatar a violência sofrida é imenso.
Dizer que ela inventou para conseguir aparecer?? Além dela não precisar disso para aparecer, quem é que quer ser famosa por ter sido estuprada??

O relato dela foi extremamente consistente. Inclusive pelos sentimentos conflitantes.

Acho absurdo que as pessoas se sintam no direito de criticá-la por ter denunciado dessa ou daquela forma. Questionar ela ter feito isso no Fantástico? Quem decide quando, onde, como relatar o abuso é a vítima. Ela foi extremamente corajosa. Relatou. Há quem nunca consiga.

Abuso sexual é sério e MUITO mais comum do que se imagina. Ninguém tem o direito de duvidar do depoimento da vítima.


Eu já tinha falado ontem e, até por trabalhar justamente com isso, não tenho nenhuma dúvida que se não houvesse essa reação absurda de sempre culparem, desmerecerem, enxovalharem, lincharem a vítima, o número de casos denunciados subiria de forma assustadora.

Essa perseguição feita às vítimas que têm a coragem de denunciar funciona como intimidação. E o pior é que eu acredito que as pessoas que fazem isso sabem que estão intimidando. Querem intimidar.

Deixo a minha total solidariedade à Xuxa. E agradeço a ela pela coragem. Seu depoimento está servindo para incentivar milhares de vítimas a denunciarem os abusos sofridos.


Em tempo: Hoje começou uma nova campanha sobre o caso da Xuxa no facebook. Dessa vez as pessoas estão, finalmente, reagindo aos preconceituosos que enxovalharam a Xuxa para desmerecer seu depoimento:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=221385391312869&set=a.117576231693786.18542.100003242306102&type=1&theater

Tanize disse...

Quem mais a está condenando por isso são homens, os mesmos que ou viram o filme, ou tentaram de tudo pra ver o tal 'filme pornô da Xuxa'...

Eu nunca me surpreendo, quem é menos empático costuma ser sempre o que menos agressões/preconceitos sofreu na vida.

Porque gostemos ou não da Xuxa ela é uma das maiores celebridades que há!
No trecho em que ela diz que qnd vai a uma loja os vendedores começam a ficar chateados porque as pessoas invadem e começam a quebrar tudo...

Essa pessoa (com todos os indícios de quem sofreu abuso: insegurança, vergonha, timidez, culpa) se expõe pra tentar proteger outras crianças.

Essa atitude vai merecer meu apoio pra sempre. Mesmo nunca tendo comprado uma botinha sequer dela. ;)

Gabriela disse...

Sinceramente, o que vocês preferem? SOFRER uma injustiça ou COMETER uma injustiça?! Se a Xuxa estiver mentindo (adendo: DUVIDO), o que isso mudará na vida de vocês? Nada. Fará mal pra alguém? Não, pelo contrário, como qualquer comentário a respeito do assunto, levanta conversas e debates que ajudam MUITO na conscientização do problema. E se ela estiver falando a verdade (o que É o mais provável, SIM) pensem na ENORME injustiça que estão fazendo com ela, desmerecendo seu sofrimento e a chamando de mentirosa (como acontece com a maioria das vítimas de abuso). E DAÍ se ela deu pro Pelé, pro Senna, ou pro PAPA?! ISSO FAZ ELA MERECER O ABUSO? Isso IMPOSSIBILITA o fato de ela ter sido abusada? Ah, dá licença. Ela é humana, comete erros (e sinceramente, errados foram os pais do menino de 10/12 anos que ASSINARAM UM DOCUMENTO permitindo que ela ficasse pelada em cima dele), julgar é muito fácil. Quantos de vocês ajudam como a Xuxa, realizaram sonhos, alimentam barrigas?! Se no mundo de vocês a vida sexual de uma pessoa anula todas as tentativas dela de melhorar o mundo (e faz com que ela se torne MERECEDORA de abuso), vocês estão precisando rever seriamente seus conceitos.

Anônimo disse...

Me dá nojo também esse pessoal que fica desmerecendo o depoimento dela, como se ela merecesse passar por isso simplesmente porque a pessoa não gosta dela ou porque ela fez esse filme Amor Etranho Amor. E como se o filme fosse dela, ideia dela, ela produziu, dirigiu e lançou. O filme tinha Vera Fischer, Gloria Menezes e mais um pessoal famoso no elenco, fora que naquela época era comum essas cenas de sexo. E outra, ela tinha DEZESSEIS anos quando filmou o filme, era menor de idade! Se têm que se indignar com alguém, que seja com quem idealizou e filmou a cena de sexo entre menores. Ela só atuou em um filme.

Sonado disse...

"Quem mais a está condenando por isso são homens, os mesmos que ou viram o filme, ou tentaram de tudo pra ver o tal 'filme pornô da Xuxa'..."

Opa, tenho uma critica, as 4 primeiras condenações que eu vi partiram de mulheres, não vamos criar um esteriótipo aqui.

"Essa perseguição feita às vítimas que têm a coragem de denunciar funciona como intimidação. E o pior é que eu acredito que as pessoas que fazem isso sabem que estão intimidando. Querem intimidar."

Temo que a maioria das pessoas não tem consciência do que fazem, apenas querem tapar o sol com a peneira. É mais fácil para a consciência do coletivo quando nenhuma vitima grita e se pode fazer de conta que o crime não ocorre.

Amanda disse...

Excelente, Lola! Tinha certeza que se vc fosse tratar deste assunto, o faria da maneira mais humana!
O que as pessoas não entendem é que ao questionar os motivos de a Xuxa ter falado "só" agora, ou a veracidade dos fatos, são as milhares de vítimas de abuso sexual que existem no nosso país que são colocadas em xeque. A fala dela já não cabe mais à pessoa que representa, mas sim toda a mulher vítima de abuso!
Logo quando a entrevista terminou os ataques começaram nas redes sociais, inclusive de pessoas das quais eu não esperava isso, como a Letícia do cemhomens.com, fiquei decepcionada, mas acho que estamos todos em constante processo de formação, e textos como o seu podem ajudar muitas pessoas a compreenderem o tamanho da ação da Xuxa ao falar em rede nacional sobre o assunto. Tratar o tema da forma como ele vem sendo tratado em alguns lugares é perverso, sexista e cruel pra quem sofre do problema e não tem coragem de falar.
Sobre o abuso, ela falou muito bem sobre a culpa que a vítima sente, o medo, a vergonha e a falta de apoio. Um monte de gente passa por isso, e querendo ou não ela é uma figura pública, pode auxiliar nisso tudo (não importa se demorou 30 anos pra falar, ou o momento que escolheu, mas que falou. Não foi banal o que ela fez, e ela merece esse respeito, como qq vítima de abuso sexual.

Um abraço!

Anônimo disse...

O fato da Xuxa ser uma vítima, não a torna alguém diferente de quem ela é.
Pode ter sido corajosa nesse momento e pode até estar ajudando muita gente por ter levantado o debate.
Mas o papel que ela protagonizou durante décadas, me desculpem, é o contrário de tudo isso.
Quem teve filho na década de 90 deve se lembrar desse pesadelo.
A moça ensinando as crianças, juntamente com as paquitas vestidas de colegiais a dançarem a "boquinha da garrafa"... não há o que justifique.

http://www.youtube.com/watch?v=MHhroa_SEiY&feature=related

Raquel Gomes disse...

Como fã da Xuxa desde pequena (daquelas que choram quando ela se emociona ou quando ela ri), não me deixei perder a entrevista. Fiz o bebê dormir mais cedo, sentei no meu quarto - onde marido não estava (não queria que ele me atrapalhasse) - e assisti a entrevista que vinha sendo anunciada a semana inteira.
Eu já imaginava o que estava por vir, uma vez que as chamadas mostravam pequenos trechos, mas não imaginei que a coisa fosse tão forte.
Daí eu entro no twitter e facebook e vejo um monte de gente apedrejando a Xuxa e falando que é mentira, porque isso e aquilo. Teve gente que comparou sua reação à vida diante de um abuso, e que ela, ao contrário da Xuxa, não era infeliz, era casada e mimimi.
O fato é: cada pessoa reage de um jeito a cada agressão (seja ela qual for) sofrida. Eu fui assaltada uma vez, me roubaram carteira 2 vezes e eu não me tranquei em casa. Mas conheço pessoas que só de terem visto alguém ser atacado na rua (tendo correntinha ou bolsa furtada), entra em crise e desenvolve síndrome do pânico.
Então não tem como comparar! Não é porque eu nunca passei por isso que eu não posso entender e sofrer junto com uma pessoa que sofre tanto assim.
Mas quando você já passou pela situação, fica muito mais fácil você querer evitar que aconteça com outras pessoas.
Daí que a maioria das pessoas, além de não denunciar, ainda por cima não se move para que programas de defesa à criança, ao adolescente e à mulher possam ir pra frente e tomar o conhecimento geral.
Essas mesmas pessoas são a favor da palmada "educativa" e de tantas outras coisas que vemos por aí.
Acho, sim, que e erotização infantil é um problema sério, acho sim que ela contribui para o abuso sexual (afinal, desperta olhares diferentes), mas não acho que seja a maior culpada. Estuprador/abusador é uma pessoa doente. É psicopata. É gente sem sentimento que vive por seu próprio prazer.
E dizer que a Xuxa ou qualquer outra mulher/menina/adolescente/criança de qualquer sexo tem culpa, é o mesmo que concordar com o estupro.
E não entender o medo e a vergonha, é ainda mais ignorante e preconceituoso - e, porque não dizer, criminoso.
Torçamos para o dia em que mulheres apenas se solidarizem e revoltem contra o sofrimento das outras, e não critiquem e joguem pedras só porque acham errado isso ou aquilo que um dia elas tenham feito. Um erro nunca vai justificar o outro.

Sara disse...

Eva acho q vc disse tudo o que eu gostaria de dizer....

Amanda disse...

Só esqueci de acrescentar que meninos e homens tbm sofrem abuso, e, como vc mesma disse, tbm eles sofrem com essa culpabilização da vítima.

Majô disse...

Lola, obrigada por ter falado desse assunto, mesmo que tardiamente.

Fiquei muito indignada (embora não surpresa) com a reação geral sobre o assunto.

Anônimo disse...

olha, nunca gostei da xuxa e sempre achei que ela tinha atitudes bizarras. ir passear com cachorrinho em shopping num carro de bebê é meio complicado pra uma quase cinquentona. ah, cada um faz o que quer, né, mas sempre achei a xuxa destacada da realidade.

eu já tinha visto uma entrevista dela com a ivete sangalo na globo e senti uma necessidade incrível da xuxa de se mostrar sexualizada. ela dizia que tinha orgasmos múltiplos e ficou de olhares pra ivete dando a entender que a amiga sabia das peripécias sexuais dela. mas achei artificial e ridículo. hj acho que entendo essa necessidade dela.

não tinha visto o programa do depoimento e vi o vídeo no site da globo. pude voltar algumas partes e tal. acho que é experiência diferente de ver o relato na hora do programa e seguindo a sequência.

só que eu acho engraçado gente dizendo que ela fez um filme "estuprando" um menino porque tinha sofrido abusos. péra. ela foi contratada pra um filme, não foi ela que dirigiu o filme e nem quis estar ali daquele jeito. aliás, duvido muito que ela iria querer fazer aquele filme se já tivesse o que queria na época.

eu acho que a xuxa foi vítima de muita coisa. dos abusos, da vontade de querer "sair dali" a qualquer preço e depois vítima de si mesma. ela criou um mundo à parte e teve auxílio de muita gente pra isso. tudo que essa mulher tocava virava ouro. alguém se preocuparia com a saúde mental dela se ela tava trabalhando muito e rendendo muita grana?

e tem outra. naquela época, estávamos formando a tv brasileira. acho que o programa estreou em 86, algo assim (lembro pq eu tava na escolinha e tudo parou), logo depois de uma ditadura. a tv ainda estava procurando seu caminho, nós ainda não éramos alfabetizados pela tv e não havia culto às celebridades como hj. acho que a xuxa inaugurou isso.

acho, sim, que o programa dela fez mal pra muita menina que achava que era feia e errada por não ser loira e "paquitável". mas é muito fácil culpar a xuxa. e a marlene, que, reza a lenda, dizia pras paquitas emagrecerem, via de perto os corpos delas atrás de celulite e era extremamente rígida? ela mesma era gorda, negra, usava óculos e não tava nem aí pra moda. por que ela cobrou isso de tantas pessoas? pq dava dinheiro. simples assim. essas artistas tinham que estar bem apenas pra trabalhar. eu soube de uma paquita que entrou em depressão pq saiu da mídia. a menina achava que não sabia fazer mais nada, coisa que acontece com muito artista mirim qdo cresce sem holofotes. mas a marlene tbem era contratada pra dar dinheiro.

no fim de tudo, o erro é tratar gente como cavalo de corrida. criados pra render e, depois que não rendem mais, podem ser sacrificados. e é o que tá acontecendo. botar a xuxa num fantástico é querer ibope. às custas da dor dela ou não.

fiquei chocada com a declaração sobre os abusos e me solidarizo, sim, como faria com qualquer pessoa. mas o show de horror pra mim foi terem deixado essa mulher falar isso só na tv sem antes alguém ter dito que ela precisava se cuidar, se tratar, "crescer"... se eu achei errado ela ter falado? não, não achei. vai ver que foi a única maneira que ela viu de tirar isso do peito. mas achei muito errado aproveitarem a dor dela pra ibope.

Mulher Vitrola disse...

Lola, vou dizer aqui a mesma coisa que tenho batido o pé toda vez que vejo uma ou outra postagem no Facebook comparando o "abuso" da Xuxa: Eu não tenho simpatia por ela, a acho vazia. Mas daí a julgar o que ela fez ou deixou de fazer, é balela. Eu não sei da onde surgem tantos dedos santos a condenar o erros (pq a gente erra, e muito) do passado de alguém. Acho que misturam as coisas, não sei. Mas não preciso gostar de alguém para não julgar por um erro que a pessoa cometeu trocentos anos atrás. Nem para fazer piadinhas com o abuso, que é coisa séria. Eu teria vergonha se fosse essas pessoas, isso sim.

Lays, mãe e tudo o mais. disse...

Não questiono a veracidade do depoimento da Xuxa. Mas questiono o momento em que ele foi ao ar, em plena CPI, em plena greve das universidades federais... a mim pareceu mais uma cortina de fumaça, um assunto que vai dominar a mídia e as redes sociais durante as próximas semandas e desviar a atenção do povo de assuntos mais sérios.

E digo mais sérios porque no final, apesar do número de denúcias ter aumentado em muito depois do depoimento da Xuxa, a questão do abuso sexual de crianças e adolescentes foi jogada de cambulhada nos questionamentos, nas críticas e nem de longe se mantém o foco no lugar certo.

No final, a impressão que tenho é que Xuxa foi abusada mais uma vez ao ter seu drama usado como mercadoria de alavancamento de audiência, de instrumento para desviar atenção.

Anônimo disse...

Mesmo diante de uma menina sedutora, uma Lolita, os adultos deveriam ser adultos e responder com atitudes não erotizadas.

Mesmo diante de uma mulher traumatizada por abuso na infância, os outros adultos (Rede Globo!) deveriam ter mais noção do que ela e não multiplicar na televisão a imagem de que é legal ser uma linda Lolita (e dá-lhe venda de kit de maquiagem para crianças...)

A Xuxa pode parecer teatral, manipuladora, e pode ter um real sofrimento, tudo junto, claro.

É minha opinião.

Bruno S disse...

Por mais que a figura dela seja desagradável, por mais que pareça inadequado vender seu drama pessoal para alavancar audiência, não dá para sair dizendo que ela inventou, que só queria atenção.

É de muito mal gosto colocar em dúvida uma confissão dessas.

Isabel SFF disse...

até parece que a xuxa foi a única responsável pelo filme inteiro, né. roteiro, direção, tudo saiu da cabeça dela. claro, né, afinal ela é mulher. é tudo culpa dela.

Eu não nutro a menor simpatia pela xuxa e fico me perguntando porque em pleno ano de 2012 o que ela fala ainda é relevante. Mas o assunto - abuso sexual, principalmente de crianças - não deveria sair de pauta nunca. Seja lá quem o traga à tona.

Anônimo disse...

Lola, você sempre explicando também o que vai na cabeça da gente. Desde domingo estou indignada com essa história e com o comportamento das pessoas, eu tenho mais ou menos a sua idade e a mesma opinião sobre a Xuxa, mas não duvidei dela um minuto quando ouvi a história e fiquei com pena. É muita crueldade das pessoas esse julgamento, esse besteirol que rola no facebook e por aí afora. Estou compartilhando o seu post no meu face na esperança de despertar alguns ali.
Abraço
Leila

Ana de Geo disse...

Eu amo a Xuxa, sempre serei uma baixinha. Não é fanatismo, é amar mesmo, amar alguém fora de sua família, fora de seu vínculo, simplesmente amar. Eu lamento que ela tenha passado por isso, e mesmo sabendo que todo aquele carinho e charme para comigo e outros baixinhos dela seja somente como meio de vida, mas mesmo assim, ela não merecia, era uma criança, como tantas que ela defende. Sinto muito por ela. Amei a forma como vc escreve. Perfeito. Obrigada!

Anônimo disse...

lays, concordo, viu. em qualquer lugar onde tinha tv ligada, dava pra ouvir a chamada do fantástico. botaram aquilo ali praticamente em todos os comerciais. abuso é um tema seriíssimo, nunca deveria sair de pauta, mas queria ver a globo alardear outros temas igualmente importantes...

Nina Levy disse...

Acho que o foco não é se a Xuxa é legal ou não. Não é se você simpatiza ou não (por sinal nunca simpatizei). O foco é que ela deu seu depoimento, contou ter sido vítima de abuso sexual infantil. E foi enxovalhada. Linchada, considerar abusadora por ter trabalhado como atriz em um filme, teve cetenas de fotos reproduzidas milhares de vezes com dizeres ofensivos, com acusações. Tudo isso porque ela teve a coragem de relatar os abusos sofridos.

Isso de dizerem que não gostam da Xuxa, que ela já fez isso ou aquilo, não serve de explicação. Até porque não foi apenas com a Xuxa que essas pessoas reagiram assim. Todos os ficam aí tentando se justificar ao dizer porque não são solidários a ela, deveriam justificar também porque NUNCA se solidarizam com as vítimas de abusos. Nunca. Independente de quem seja a vítima, sempre arrumam motivos para atacá-la. Sempre culpam as vítimas.

Sonado, pode ser que não queiram inibir conscientemente, mas inconscientemente sim. As pessoas se sentem incomodadas com esses depoimentos, eles expõem uma imensa chaga da sociedade. Querendo evitar o incômodo desses depoimentos, atacam as vítimas. Assim as punem pela ousadia de expor esse tema, que é um tabu, e inibem novas denúncias.

Carla Fernandes disse...

Concordo com tudo que a Lola falou no post. Também não tenho simpatia pela Xuxa, mas me comovi com ela e quando terminou a entrevista senti pena, por ela ter sido mais uma a passar por esse horror!
Fiquei realmente pasma ao ver a reação negativa das pessoas, duvidando e julgando a Xuxa por isso e aquilo.
Em que mundo nós vivemos? Será que sou tão alienada e essas pessoas tão antenadas com o que relmente está acontecendo?
Prefiro continuar na minha suposta ingenuidade, mas acreditando ainda no ser humano e seu sofrimento.

Mylla Galvão disse...

Eu sou suspeita para falar sobre a Xuxa, pq a amo de paixão!
Mas eu parei tudo o que estava fazendo no domingo para escutar o depoimento corajoso dela...
Quando ela falou do abuso, parecia que estava revivendo tudo aquilo que eu passei tb, junto com ela... Choramos juntas... Como ela nunca contei nada para a minha família, pq como ela me sentia culpada. Qdo mais tarde tentaram novamente; tb não contei nada para ninguém porque eu continuava a me sentir culpada...
Dói demais sabe?
Mas o povo que condena ela com certeza tem uma pulga que ferroa de vez em qdo na consciência delas...
Graças a Deus ela conseguiu superar isso... GRaças a Deus houve mtas denúncias depois disso...
Eu parabenizo a vc Lola pelo texto sucinto e pq ele está primoroso!
bjos

kit disse...

infelizmente é difícil saber se essa história é mesmo verdade, se não é mais uma atuação Global para abafar a CPI do cachoeira

Camila Fernandes disse...

"Por mais que a figura dela seja desagradável, por mais que pareça inadequado vender seu drama pessoal para alavancar audiência, não dá para sair dizendo que ela inventou, que só queria atenção.

É de muito mal gosto colocar em dúvida uma confissão dessas."

Bruno, sua fala resumiu exatamente o que eu queria dizer sobre isso.

Como estudante de Comunicação, eu não concordo com a postura da Globo. É um jornalismo desonesto, ainda que muito bem arquitetado. É aquele sensacionalismo que não tem muita cara de sensacionalismo, porque o apresentador não se comporta feito o Ratinho e afins, ou o pessoal do Pânico. Entretanto, é óbvio que a situação (sem tirar a sua validade e muito menos a sua veracidade) foi explorada ao máximo, para que a emissora tirasse o maior lucro possível. O assunto poderia ter sido tratado de maneira completamente diferente. A escolha do programa já denuncia as intenções da Globo.
Um programa mais denso (e com mais compromisso) poderia ser dedicado a tratar da questão, tirando o foco da Xuxa e o direcionando para a situação do abuso a qual milhares de crianças são submetidas. Ao invés de "fofoca" e "famosidade", poderia ter sido transformado em denúncia, protesto, militância. Poderia ter sido feito, por exemplo, algo num estilo mais investigativo, como o Profissão Repórter, ad mesma emissora. Denunciando a dificuldade em se relatar esse tipo de abuso, colhendo informações junto a pessoas que passaram por situação semelhante (mesmo que elas não se identificassem), procurando entidades, especialistas e autoridades que lidam com o problema de perto e pudessem falar a respeito e, enfim, culminando com o depoimento da Xuxa. Isso até poderia ter sido transformado em um documentário. Vocês imaginam o que a presença da "Rainha dos Baixinhos", seu depoimento sincero e emocionante (como a mim pareceu), teria feito por um documentário assim? Quantas pessoas não assistiram o produto, talvez instigadas pela presença de uma pessoa famosa, e seriam sensibilizadas pela causa. Imagina um material dessa natureza veiculado numa emissora desse porte, no lugar do Globo Repórter ou mesmo do Fantástico, ao invés de passar em salas de cinemas "cult". Vocês conseguem dimensionar a repercussão e o quanto seria realmente útil, positivo, válido?
Não estou criticando a Xuxa, mas a lógica de produção e o comportamento (muitas vezes irresponsável) da emissora.

Bem, depois dessa divagação completamente utópica e quase surreal vocês sabem porque nunca verão minha carinha na Rede Globo.

Sonado disse...

"infelizmente é difícil saber se essa história é mesmo verdade, se não é mais uma atuação Global para abafar a CPI do cachoeira"

Neste ponto eu terei de concordar. Mas como fiz a pouco uma critica via alfacebook (parafraseando um grande amigo meu), o fato de ser ou não uma maquinação politica não diminui a importância do evento. Obviamente que não podemos deixar de dar atenção a todos os problemas sérios, senão acabamos tomando rasteiras de onde não estamos atentos.

Carol M disse...

Se a dúvida é sobre o momento em que a entrevista veio a público, culpem a emissora e não a entrevistada, simples assim.

Isso não justifica a montanha de dúvidas que jogaram sobre a estória dela, que tem muito mais chances de ser verdadeiro do que uma invenção.

Uma, Nenhuma, Cem Mil disse...

Lola, considero igualmente lamentável a exposição de um abuso sexual como algo sobre o qual não sejam dadas as classificações de: hediondo e perverso.
No entanto, tratar da relação de um menor(12 anos) com uma adulta(Xuxa), mesmo que partindo do consentimento de ambos como na produção do filme, como não sendo um abuso da mesma ordem a meu ver não é compreensível. Se partirmos do princípio de maturidade psicológica, afetiva, moral - dificilmmente atribuiríamos a essa fase plena consciência sobre seus atos, no âmbiro legal, o menino também gozava de inimputabilidade, logo, igualmente vítima. Para além das questões legais, em se tratando de uma idade de tanta fragilidade, o apelo ao sexo pode vir a causar agravos psicológicos tão marcantes quanto num ato não desejado.
Se fosse uma menina de 12 anos e um homem adulto será que não se aceitaria com mais ênfase a idéia de abuso?
O dilema da questão do filme perpassa, independentemente de ser ficção, precisamente pelo fato de que a pouca idade do ator não sustentar o grau de maturidade que se exige em descolar o personagem interpretado do personagem que é ele mesmo. Por isso não consigo identificar com tanta distância um caso e outro.
p.s.: coloquei desde início na mesma ordem de abuso por achar que no filme havia cena explícita de sexo entre o menino e a Xuxa. Uma vez que descobri que há apelo sexual forte, mas não efetivação, refaço meu discurso. Os agravos não são da mesma ordem, mas ambos, a meu ver, são abusos.

Uma, Nenhuma, Cem Mil disse...

Lola, considero igualmente lamentável a exposição de um abuso sexual como algo sobre o qual não sejam dadas as classificações de: hediondo e perverso.
No entanto, tratar da relação de um menor(12 anos) com uma adulta(Xuxa), mesmo que partindo do consentimento de ambos como na produção do filme, como não sendo um abuso da mesma ordem a meu ver não é compreensível. Se partirmos do princípio de maturidade psicológica, afetiva, moral - dificilmmente atribuiríamos a essa fase plena consciência sobre seus atos, no âmbiro legal, o menino também gozava de inimputabilidade, logo, igualmente vítima. Para além das questões legais, em se tratando de uma idade de tanta fragilidade, o apelo ao sexo pode vir a causar agravos psicológicos tão marcantes quanto num ato não desejado.
Se fosse uma menina de 12 anos e um homem adulto será que não se aceitaria com mais ênfase a idéia de abuso?
O dilema da questão do filme perpassa, independentemente de ser ficção, precisamente pelo fato de que a pouca idade do ator não sustentar o grau de maturidade que se exige em descolar o personagem interpretado do personagem que é ele mesmo. Por isso não consigo identificar com tanta distância um caso e outro.
p.s.: coloquei desde início na mesma ordem de abuso por achar que no filme havia cena explícita de sexo entre o menino e a Xuxa. Uma vez que descobri que há apelo sexual forte, mas não efetivação, refaço meu discurso. Os agravos não são da mesma ordem, mas ambos, a meu ver, são abusos.

Sonado disse...

"Se a dúvida é sobre o momento em que a entrevista veio a público, culpem a emissora e não a entrevistada, simples assim.

Isso não justifica a montanha de dúvidas que jogaram sobre a estória dela, que tem muito mais chances de ser verdadeiro do que uma invenção."

Acredito que dos presentes aqui, todos concordam que ela foi sincera, mas concordo com os argumentos acima apresentados tão bem pela Camila Fernandes.

Clarinha disse...

É como se a vítima tivesse de provar que vale a pena acreditarmos nela. Depois de longo escrutínio de sua vida anterior ao estupro, caso ela seja a perfeita 'mulher padrão', quietinha, boazinha, submissa e for perseguida por um desconhecido numa rua escura, aí quem sabe a gente dê valor ao abuso sofrido por ela.

Diego Hatake disse...

Cara... Finalmente eu leio algo inteligente sobre o depoimento da Xuxa. Algo que eu mesmo pensava mas tinha dúvidas em pôr em palavras, até porque iriam dizer que era "coisa de fã". Mas além disso, tinha o aspecto humano que muita gente esqueceu por, sei lá, despeito, raiva, inveja... Achei ridículo tanta animosidade, especialmente por um assunto tão terrível, mas acho que quem tem bom senso uma hora percebe que apesar do status celebridade, Xuxa é uma pessoa como qualquer outra e merece respeito como qualquer outra, especialmente em momentos como esse.

Marcelly Sanches disse...

Lola..eu adoraria que as pessoas entendessem...que não importa se a Xuxa fez mal ou bem com seu filme..mas sim que isso não vem ao caso e PontoO...
não interessa o que ela fez depois..a merda é não entederem que ela já é apedrejada pelo filme...tem sido a anos..e isso não vem ao caso agora...no maximo ela eh uma pessoa digna de pena..que foi abusada, e acabou tomando decisões erradas em sua vida, e até as pedras sabem que ela é uma das estrelas mais recatadas..que mais preserva sua vida pessoal...juro que já estou me encenchendo com o pessoal falando mal dela nesse sentido...mas não..nós temos que apedrejar...temos que falar mal...por que da cadeira do escritorio onde trabalhmos com nossas vidas nada fáceis mas sem nenhum trauma de fato fica dificil entender a dor e a confusão da vida dos outros...

Marcelly Sanches disse...

sobre abafar o caso do Cachoeira..a Globo teria que colocar em escandalo por dia para abafar tudo o que os politicos fazem..

Sonado disse...

"sobre abafar o caso do Cachoeira..a Globo teria que colocar em escandalo por dia para abafar tudo o que os politicos fazem.."

Nem tanto, eles fazem um bafafa grande só quando o deles esta na reta...

Lord Anderson disse...

Clarinha


colocação perfeita, as pessoas que perguntam pq não denunciou antes são as mesmas que apedrejam e ofendem quando alguma mulher denuncia.

Marcelly Sanches disse...

Engraçado quie não vi ninguem postando "quem são eses caras??

onde eles estão..eles tem que ser punidos...quantas outras crianças eles abusarem..."

campanha pra encontrar e punir esses monstros ninguém faz..mas pra falar mal dela, da vitima...da criança abusada estamos ai (y)...

entrar nesse blog todo dia e falar essas asneiras galera?...não da neh??

Anônimo disse...

Ótimo post Lola!
Não existe nada de errado em se gravar cenas de sexo crianças.

carolinapaiva disse...

Claro que é um absurdo que um menino de 12 anos fizesse uma cena erótica com mulheres mais velhas (no filme Amor Estranho Amor, ele também tem uma cena erótica com Vera Fischer, que é mãe dele no filme).
Outra coisa: além desse, o ator fez outros dois filmes de cunho erótico (não pornô).
Como a Lola disse em outro post, filmes assim com crianças eram vistos de outra forma nos anos 70 (vide Pretty Baby, com Brooke Shields), mas hoje em dia é inaceitável. A erotização infantil é extremamente nociva às crianças.
De qualquer modo, acho que a maioria do povo que critica isso o faz apenas para criticar a Xuxa, e não a situação em si. Se a preocupação geral fosse genuína, por que não falam do diretor, dos produtores, das outras atrizes que contracenaram com o menino, dos outros filmes que ele fez?
A erotização infantil não se resume a Amor Estranho Amor.

João Telésforo disse...

Lola, sou leitor do seu blog e concordo quase na íntegra com o seu post. Porém, há um erro grave de raciocínio, na minha opinião, quando você diz que, pelo fato de ser ficção, a produção do filme tem o direito de molestar uma criança de 12 anos.

Veja, a diferença é que Heath Ledger NÃO torturou nem matou efetivamente ninguém, isso estava apenas sendo simulado no filme. Assim como aquele tal "serbian film" apenas SIMULAVA cenas de estupros de bebê (não vi o filme, é isso?), mas, pra isso, bebês não foram efetivamente estuprados no filme.

A ficção pode, claro, simular homicídios, torturas, estupros e tudo mais. O que não pode é fazer isso na produção! Se o menino tinha 11 anos e efetivamente foi abusado para a filmagem, não interessa se era ficção ou não.

O mérito que interessa discutir é outro: (i) se realmente ele foi abusado; (ii) se vale a pena crucificar a Xuxa por conta disso, e menosprezar a grande contribuição de sua declaração no Fantástico.

Marcelly Sanches disse...

Sonado..

não creio que seja isso...
essa entrevista da Xuxa não me parece algo que foi decidido a menos de duas semanas..o que deveria a contecer se fosse premeditado...teriam decidido isso em cima da hora por conta do caso Cachoeira...
mas não creio que ela decidiu dizer essas coisas nos ultimos dias...

Vinicius disse...

É foda, o crime é tão "desumano" que é necessário que a vítima comprove tudo que aconteceu, caso contrário, ela que é culpada por ser mentirosa.

Parece que é mais fácil alguém ser "malandrona" do que alguém ser estuprado. Pois é, não é.

Anônimo disse...

Sério mesmo?

Alguns comentários aqui me chocam, me entristecem, sei lá. Talvez eu seja como a Lola, e prefira acreditar num mundo onde a maioria das pessoas não mente sobre ter sofrido abusos sexuais. Mas, o pior, são as pessoas aqui falando que isso tudo é para encobrir as crises políticas, sociais ou sei lá o que mais.

Repito: sério mesmo? Acho que vocês não têm noção da exposição que é isso, contar algo assim. Quando eu tinha dez anos, minha mãe namorava um homem que abusava sexualmente de mim. Isso aconteceu por mais ou menos dois anos. Eu não contei para ninguém na época, principalmente porque ele me ameaçava, porque eu tinha medo. Mas eu tinha vergonha, eu estava muito confusa, não entendia direito o que estava acontecendo. E tinha muito, muito, muito medo de ninguém acreditar em mim. Eu era uma criança e ele era um adulto.

Ninguém também notou nada, apesar das mudanças no meu comportamento. Depois de parou, eu também não contei a ninguém. Não faz tanto tempo assim, não tenho nem vinte e cinco anos, e já contei para poucas amigas próximas, porque não aguentava o segredo. Só que as pessoas nem imaginam isso de mim. A primeira coisa que elas falam, "Mas tu não parece." Porque eu escondo muito bem, porque eu sou alegre e falo muito e sempre sorridente. As pessoas não tem noção da dor que eu vivi e que eu ainda tenho que lidar.

Acho que isso talvez possa fazer parecer mentira. Se eu falo, me sinto completamente exposta, como se fosse ser julgada, como se a partir daquele momento, tudo fosse mudar, e fossem me olhar diferente. Isso eu, só eu, Anônima, ou A, B, C, D, E, como quiserem me chamar. Imagina a Xuxa, que falou isso em rede nacional para milhões de pessoas, sabendo das repercussões...

Por iso não acredito que seja mentira, ou que seja para chamar atenção, ou desviar atenção. Acredito que ela tenha um propósito, e que seja muito difícil para ela. Nunca fui fã da Xuxa, nem virei depois dessa entrevista dela. Mas sinto muito pelo que ela passou. Entendo, completamente, e, me sinto da mesma forma muitas vezes.

Acredito nela. E a ignorância de algumas pessoas me deixam pasma.

Só.

Vinicius disse...

Mas o fato da Xuxa ter dito a verdade sobre o estupro não retira a responsabilidade da Globo em, ao invés de reportar determinadas notícias que seriam ruins para ela própria, expõe o drama da Xuxa e fica por isso.

Entretanto, uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa. A Xuxa é a Xuxa, a Globo é a Globo.

Carol A. disse...

Bom, acho que existe um parenteses na história do filme: A cena do garoto tocando o seio de Xuxa é real e não um efeito especial. Logo, existe um ponto bem diferente do da comparação com o ator Heath Ledger. Mas não podemos ser inocentes de acreditar que a culpada é a Xuxa. Essa cena foi dirigida e imaginada pelo diretor. Além do que, se o filme foi gravado em 79, Xuxa tinha mesmo 16 anos e também era menor de idade - o que a coloca no mesmo posto de vítima que a do garoto.

Sonado disse...

"campanha pra encontrar e punir esses monstros ninguém faz..mas pra falar mal dela, da vitima...da criança abusada estamos ai (y)..."

Só ela pode fornecer essas informações agora. Raramente a vitima conta depois de tanto tempo...ma pena, 20 ou 30 anos antes ela ter contado poderia evitar mais vitimas.

"não creio que seja isso...
essa entrevista da Xuxa não me parece algo que foi decidido a menos de duas semanas..o que deveria a contecer se fosse premeditado...teriam decidido isso em cima da hora por conta do caso Cachoeira...
mas não creio que ela decidiu dizer essas coisas nos ultimos dias..."

Acha mesmo que a Globo, com todas as ligações importantes que tem só ficou sabendo da investigação depois dela ter culminado em prisões?
Acho suspeito, bem suspeito, suspeito demais para simplesmente ignorar a possibilidade. Não desmerecendo a declaração da Xuxa, mas eu prefiro levantar a questão a ignorar, pois assim como na pedofilia, a corrupção e manipulação de mídia não vai sumir se taparmos nossos olhos.

Sonado disse...

"Entretanto, uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa. A Xuxa é a Xuxa, a Globo é a Globo."

Muito bem pontuado.A Xuxa, independente de seu passado e de possíveis analises (diversas) a respeito de sua moralidade, ainda tem uma tendencia a militar por causas de proteção a criança hoje, então não vamos contestar isso, tanto porque ela mesmo já falou sobre seu passado dizendo que "não tinha estudo, não sabia o que sabe hoje, se soubesse teria feito muita coisa diferente".
Já a Globo...

Taty disse...

Pois é Lola,
Não basta a pessoa ter sido abusada.
Vamos determinar quando, onde, como, pra quem e por quais motivos legitimam ela a falar sobre o abuso.
Ou melhor, vamos duvidar, questionar, negar que o abuso aconteceu.
E, por fim, vamos levantar tudo que a pessoa fez de errado na vida dela para demonstrar que, se a pessoa foi ou não abusada, merecia.

O que dó mais é que, isso que está sendo feito com a Xuxa (toda essa crítica e questionamentos) é apenas reflexo do que ocorre na vida particular de uma pessoa desconhecida que também é abusada.
Assim como estão fazendo com a Xuxa, é o que fazem quando alguém desconhecido conta sobre o abuso.
Muito triste!

Camila Fernandes disse...

Gente, antes que alguém me compreenda mal, eu também acredito na Xuxa. Acho abominável o que fizeram com ela, com a Joana Maranhão, e o que fazem com muit@s outr@s: espezinhar a vítima, colocar em dúvida seu caráter, seus motivos, sua dor. À Xuxa, manifesto também meu apoio e solidariedade.

No meu comentário, eu quis mostrar o quanto a Globo (não só como emissora de televisão, mas como uma organização) poderia ter dado outro tratamento a informação.

g. disse...

Só pelo fato de tantas denúncias terem surgido depois do depoimento, acho que o que ela fez foi um ato de muita coragem e que ajudou muita gente.
Chorei com o relato dela, porque me identifiquei. Também sofri abuso, quando tinha 7 anos, e tive os mesmos medos e a mesma culpa. Mesmo racionalmente a gente saber que não tem culpa, isso persegue e atormenta pelo resto da vida. Ver a Xuxa revelando tudo isso me fez me sentir bem menos sozinha nisso. Tem muita gente que sofre com isso, e algo precisa ser feito

Marcelly Sanches disse...

não discordo de você Vinicius..faço serviço social..sei bem o que a midia é capazde fazer.....e faz de fato com a sociedade..mas nesse caso especifico não acho que a decisão do momento para a entrevista deva ser questionada pelo simples fato que desmoraliza o que foi dito pela Xuxa...temos várias chances de questionar esse tipo de atitude da globo..mas nesse momento prefiro recuar nessa critica e não fazer nada que possa prejudicar o carater positivo do que a Xuxa disse..

Marcelly Sanches disse...

ah..e não acho que nós podemos fazer algo pra prender quem fez isso com ela.o problema está no fato de que nem nos demos ao trabalho de pensar quem são..pensar em como essas pessoas estão impunes

Mariane disse...

A entrevista de 25 min foi desnecessária, mas a partir do momento em que ela confessa o abuso e fala da campanha que participa ficou interessante. Também nunca simpatizei muito com ela, mas seu depoimento foi muito comovente. Não sei se ela aparentava falsidade, porque não estava olhando a tv, só escutando. Sabia que no dia seguinte milhares de pessoas estariam falando mal dela e até confesso que eu cheguei a desconfiar, mas logo voltei atrás. Temos muito o que mudar neste mundo, cuidar bem de nossas crianças, dar carinho, enfim...

Uma das grandes dúvidas da minha vida é se quero ter filhos.
Em um recente caso que apareceu na tv(mais um) em que o tio é acusado de abusar sexualmente de uma menina de 14 anos e em seguida matar, minha mãe disse que os pais devem ficar 24hs por dia perto dos filhos para que esse tipo de coisa não aconteça.Mas como? Nem quando são bebês os pais podem ficar 24hs por dia perto de um filho, imagine então quando crescem, viram adolescentes.

Esse homem que é suspeito de abusar da sobrinha deveria estar preso e não digo isso só pelo que ele cometeu, mas porque quando ele abusou e matou a criança ele realmente deveria estar prezo... Se não me engano ele estava preso por ter abusado de outras mulheres e foi solto no dia dos pais e claro, nunca mais voltou... Aí eu pergunto: quem foi o estúpido que soltou esse cara? Deveria ser preso junto com ele.

Por isso, que apesar de não ter sofrido abuso sexual em nenhum momento de minha vida, fico bastante sensibilizada quando vejo casos deste tipo. E com medo pelas mulheres da família e pelas mulheres que ainda virão... E sempre penso na possibilidade de não ter filhos.

Anônimo disse...

Oi Lola,

Ouvir o depoimento da Xuxa sobre o abuso sofrido não me surpreendeu. Acredito que se pegarmos as mulheres frutas de hj com algumas que como a própria Xuxa foram sex simbol nos anos 80 iremos encontrar mais vítimas de abuso sexual. Algo importante é entender que o abuso sexual não "vem sozinho" e a violência simbólica sofrida por essas mulheres é perceptível no papel que as mesmas desempenham pós-abuso sexual.
Não acredito que a Xuxa esteja mentindo e eu sei do que falo (sim eu sofri abuso sexual na infância), a vergonha e sensação de culpa é tremenda, até mesmo porque,existe um momento crucial, que é quando vc entende o que aconteceu.
Para quem quer entender melhor eu recomendo o livro Tigre Tigre (Ed. Rocco) de Margaux Fragoso, ela sofreu abuso durante a infância e retrata no livro a sua relação com o abusador que durou até a juventude.
Quanto ao filme que a Xuxa fez é uma tremenda idiotice o que estão escrevendo. Eu nasci em 1980 e hoje quando olho para minha infância percebo o quanto estive vulnerável de várias formas inclusive com o apoio do Estado. Vale lembrar que um filme como esse nunca seria rodado em 1990 (ano de promulgação do ECA) com uma criança nessa situação. Colocar a Xuxa como vilã é não fazer um mínimo de esforço para entender a sociedade brasileira da época no que concerne os direitos da criança e do adolescente.
É verdade quando Xuxa diz que não gosta de lembrar, mas ela fez algo importantíssimo: quebrou o silêncio, com certeza ajudará muitas vítimas.

#*****#

Anônimo disse...

"Acredito nela. E a ignorância de algumas pessoas me deixam pasma.

Só.

24 de maio de 2012 13:55"

acho que ninguém aqui questionou a importância de ela ter falado algo e de ter assumido que foi abusada. nos comentários, criticamos a posição da globo! ou vc acha que a globo é super boazinha e tá muito preocupada com o abuso que a xuxa sofreu? a globo, SIM, USOU mais uma vez a xuxa por uma guerra besta de ibope. a xuxa foi usada, isso sim!

Paola disse...

Nunca sofri nenhum abuso ou nada do tipo, mas simplesmente chorei vendo o depoimento dela...

Acredito 100% nela, e fico estarrecida não apenas com a ignorância, mas com a falta de humanidade de certas pessoas....

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Fiquei sabendo da entrevista da Xuxa na segunda-feira através de duas mulheres com quem trabalho e de quem gosto muito. Fiquei muito triste, principalmente porque enquanto eu sentia empatia pela Xuxa, uma mulher por quem não tenho nenhuma simpatia, mas que teve a coragem de contar uma história como essa ao vivo em uma sociedade machista, que sempre culpa a mulher por tudo, as duas mulheres que me contaram só repetiam comentários do tipo:
Será que foi assim mesmo? Mas que estranho não ter sido só um, mas vários... E a mãe dela, onde estava?

Quer dizer. No lugar de se revoltarem contra os homens que abusaram de uma menina de treze anos e questionarem sobre esses homens, o questionamento e a revolta eram apenas contra as mulheres, a Xuxa e a mãe dela.
E depois dizem que nossa sociedade não é misógina.

Shey disse...

Tem gente que não se informa e não lê todos os comentários, viu...

Pessoas que tão falando do tal filme que a Xuxa fez: na época da filmagem, ela tinha DEZESSEIS anos, e o ator mirim, entre 10 e 12 anos...

E caso não saibam, esse cara apareceu há um tempo atrás falando sobre como ele se aborreceu com a jogada de marketing da época, em que o "Amor, estranho amor" virou "o filme da Xuxa". Porque ELE era o astro principal e já tinha EXPERIÊNCIA, ao contrário da Xuxa...

SE o ECA vigorasse na época, tanto esse ator quanto a Xuxa seriam vítimas e o diretor, produtores, etc seriam enquadrados...

Então, por favor, pensemos antes de falar bobagens...

Ditta P disse...

Não vi a matéria mas tenho acompanhado os comentários que têm surgido. Também nunca fui sua fã nem tão pouco desgosto dela.
Abuso sexual é um assunto muito sério. Infelizmente, com a escalada da violência tanto nos centros urbanos quanto no meio rural, tem sido tema recorrente na mídia . Só um pequeno detalhe me causou espanto: nunca conheci ou ouvi - em relatos de qualquer fonte confiável- sobre alguém que tenha sido, comprovadamente, violentada por múltiplos abusadores (3?), em momentos diferentes. Não digo que ela esteja mentindo mas se for verdade, que ela também seja corajosa para , mesmo tendo passado, tanto tempo, denunciar crimes tão sérios. O crime pode até estar prescrito mas se os criminosos continuarem à sombra, de que terá valido esse depoimento? Que os bois tenham seus nomes mencionados!

lola aronovich disse...

Sobre o filme: Obrigada por lembrar, Carolina. De fato, o que rolava no cinema internacional na década de 70 e começo da de 80 é inaceitável pros padrões de hoje. A luta contra a pornografia infantil, o Anti-Pornography Act, foi assinado pelo presidente Clinton em meados dos anos 90. E isso mudou tudo. Aí virou crime um filme simular sexo com crianças, mesmo que usassem dublês. Mas no final da década de 70, além de Amor Estranho Amor, tínhamos Lagoa Azul (que mostrava crianças nuas), Pretty Baby (que mostrava a Brooke Shields, com então 12 anos, nua e fazendo cenas de sexo), Bugsy Malone (Quando as Metralhadoras Cospem – imagine uma cena sugestiva dessas hoje, e essa é inocente), mesmo Taxi Driver e Pixote.. Vejam as fotos de Natassja Kinski, Brooke Shields e outras ninfetas da época. A sexualidade infantil era encorajada. Bem diferente de hj, e não estou dizendo que antes era legal, e agora não é. Acho ótimo que não tenhamos mais menin@s de 12 anos fazendo cenas de sexo ou poses sexy. Mas é diferente, e ignorar todo um contexto e culpar uma atriz (também menor de idade na época, e pô, é ATRIZ, seu primeiro filme, não tinha poder de decisão nenhum, quem manda é o diretor) é completamente absurdo. Além do mais, o ator menino também estava atuando. Ele não foi abusado sexualmente! É um papel. Os pais do menino provavelmente assinaram um documento autorizando o menino a fazer a cena. Os pais da Xuxa provavelmente assinaram um documento também!
Sorry, gente, levantar esse negócio do filme é ridículo. Se formos por aí, vamos condenar o Harvey Keitel e o Robert de Niro por aceitarem fazer Taxi Driver com a Jodie Foster quando ela só tinha 12 anos, em 1976.

Luciana Mendonça disse...

concordo é indiscutível o sofrimento e a opressao de uma criança abusada. só o veículo q me chamou atenção. Concordo com o blog de Nina lemos...falar no Fantástico saiu estranho p mim. Só.

Luciana Mendonça disse...

também a mim deu a impressao q se um dia ela fez terapia, foi ineficaz, ja q ela mesma supoe sua dificuldade de manter uma relação esteja relacionada a est fato. Eu já desconfiava q havia algo de infantilizado nela..a voz sempre de criança, o jeito, tá congelada. Precisa superar isso e com ajuda profissional.

Anônimo disse...

Lola e demais leitor@s. Aqui tem uma entrevista/2007 onde Marcelo Ribeiro, o menino do filme, agora com 42 anos, esclarece algumas coisas sobre a época em que a filmagem de "Amor estranho amor" ocorreu.

http://www1.folha.uol.com.br/folha/ilustrada/ult90u312675.shtml

A propósito, Lola, ótimo texto.

Jay

pedro disse...

Podem preparar as pedras, mas vou nadar contra a corrente.

Primeiro, sem falar de ninguém em particular, mas no geral, é muita ingenuidade achar que um depoimento de horror é SEMPRE verdadeiro. Cansamos de ver casos de gente que se mutila, simula sequestros, inventa assaltos e outras histórias terríveis e comoventes pra atingir alguém ou ganhar alguma coisa (seguro, p. ex), então não vejo porque histórias de estupro, assédio ou molestamento não possam ÀS VEZES ser invenções, embora acredite que a maioria seja real.

Sobre a Xuxa, acho difícil que a história seja inventada, até porque não sei o que ela ganharia com isso, mas entendo a posição crítica (não as agressivas ou de baixo nível, claro) em relação a tudo isso. Afinal ela é a essência de uma pessoa midiática e contar uma história dessas no fantástico me parece antes de tudo a produção de um evento, muito bem estudado e medido. Vindo da Xuxa e da Globo não dá pra pensar muito diferente. Um assunto sério desses mereceria uma abordagem mais séria, eu acho.

Juliane disse...

Eu fui abusada...fui abusada por um amigo da minha mãe e por um vizinho quando tinha 4 e 5 anos, lembro perfeitamente de tudo...nunca contei a ninguém, nem a minha mãe, pai, irmãos, ninguém, porque a sociedade ensina que isso é feio, que não deve ser feito, e ensina também que as crianças devem obedecer os adultos...os adultos, por sua vez mandam as crianças fazerem as coisas e não contarem a ninguém ameaçando-as...só tive coragem de contar das violências que sofri depois de 25 anos, após me casar, meu marido foi o primeiro a saber...depois para minha mãe, e depois para uma terapeuta, mas confesso que ainda me sinto suja, impura e indigna...ainda tenho comigo que nunca serei digna....o que acontece no interior de alguém que é abusado é muito profundo, quase inexplicável.
Ainda sofro muito com isso...e quase sempre que me lembro ou toco no assunto, choro, por que ainda doi....e me solidarizo muito com a XUXA, acho um absurdo o que as pessoas estão falando dela...só quem vive essa situação sabe o que é, e como se sente, e espero que essas pessoas que estão criticando a Xuxa nunca vivenciem isso, nem pessoalmente e nem com alguém da sua família.
Att.,
Juliane

carolinapaiva disse...

Pedro

Não foi dito aqui que é impossível que alguém invente histórias de abuso. O problema é duvidar da vítima sempre. Não vejo o mesmo julgamento dirigido à vítimas de tentativa de homicídio, agressões físicas, de furtos, roubos, etc.
O comum, no caso das vítimas de estupro, é o julgamento moral. Se a vítima não for considerada uma pessoa decente, boa, quieta, etc; então o estupro não é grave, ela "mereceu" ou "pediu" por isso, etc.
Lembre-se do caso Joanna Maranhão, por exemplo.
Um adendo: o maior obstáculo para identificar casos de abuso sexual é justamente o silêncio das vítimas. Se as vítimas de abuso forem tratadas como mentirosas, qual é a mensagem passada para as vítimas que mantém silêncio?
- Não falem nada, que as próximos julgados serão vocês.

J.A disse...

Concordo com a anônima do minuto 13:55

É muito difícil falar sobre o assunto. Eu só fui contar para alguém o que havia acontecido comigo quando eu tinha 20 anos, e fiz isso de forma anônima, numa comunidade do Orkut para pessoas que sofreram abuso.

Não é algo fácil de lidar. Passei toda a minha infância e parte da adolescência, perturbado por causa disso. Só mais tarde fui ter uma noção melhor de tudo. Aliás, ainda agora eu percebo, aos poucos, como o abuso afetou a minha vida e a minha personalidade.

E, ainda assim, eu nunca seria capaz de me expor dessa forma que a Xuxa fez. Não quero ficar estigmatizado e tenho vergonha e medo da reação das pessoas. Então acho louvável que ela tenha feito isso e sinto asco de todos esses que a julgam dessa forma fria e inconsequente, sem pensar na idiotice do que estão dizendo.

Anônimo disse...

Chorei com o que Xuxa disse pq vi o reflexo do relato de minha mãe. E é triste ver o que andam escrevendo por aí sobre isso. Parabéns pelo post. E legal saber que veio de uma profa da minha Universidade.

Teresa disse...

Verdade Lola e Carolina: o ECA desde os anos 1990 tem sido rigoroso com a participação de menores de idade em cenas de sexo em produções de TV e cinema. Por volta de 1995, o Juizado de menores proibiu uma atriz de 17 anos de interpretar Engraçadinha do Nelson Rodrigues na série da TV Globo, que por isso escalou a Alessandra Negrini, que tinha 25 anos. A atriz substituída ficou furiosa com o Juizado, dizendo que perdeu um ótimo papel.

Sonado disse...

"É muito difícil falar sobre o assunto. Eu só fui contar para alguém o que havia acontecido comigo quando eu tinha 20 anos, e fiz isso de forma anônima, numa comunidade do Orkut para pessoas que sofreram abuso."

Vitimas de abuso tendem a ter dificuldade em simplesmente aceitar o fato de que isso ocorre. Minha experiencia com homens é que os tabus e cobranças machistas sobre eles são tão profundamente enraizadas na cultura de criação deles que se ignora o fato de ser possível que ocorra.
Cada pessoa se deixa afetar de uma forma diferente, alguns fazem de conta que nunca ocorreu, outros enlouquecem, alguns mantem frustrações e sequelas veladas por toda a vida. O silencio a cerca da violência sexual contra o homem é mais um reflexo do machismo.

Mas não pense que é o único que teve alguma coragem em transpor, mas eu o fiz de forma mais aberta, contando para minha noiva e depois para algumas pessoas mais próximas. Mas é muito difícil abordar o tema em primeira pessoa, é mais fácil transpor essa sensação de culpa em outras coisas...

Iara disse...

Escrevi sobre isso no meu blog, http://sindromemm.blogspot.com, a questão não é se a Xuxa diz a verdade ou não, a questão é que uma sociedade machista se sente na obrigação de sempre duvidar da mulher, pelos comentários aqui vejo isso, falam do passado dela, sim, o passado da vitima sempre justifica o abuso do presente ? Quantas mulheres não foram estupradas e ao denunciar tiveram que responder perguntas sobre seu passado, se eram mulheres fáceis ou não ?
É sempre o mesmo tom, os homens podem estuprar, já que nao podem segurar seu instinto natural, ninguém vee isso com horror,mas uma mulher denunciar é um ato subversivo que vai contra os interesses da sociedade, denunciar é coisa de mulher baderneira, que quer quebrar a ordem das coisas ,então mundialmente se assumiu esse padrão, diante da denúncia de uma mulher duvide, diante da denúncia de um homem, investigue .Com certeza se tivesse sido um homem no lugar da Xuxa seu passado não seria mencionado,mas aqui é mulher, então todos duvidam.Mulheres que tem a coragem de denunciar serão investigadas, até que se prove que elas provocaram esse comportamento, pediram para serem abusadas.
Na nossa sociedade mulheres sofrem duas vezes, o abuso e o calvário da denúncia .Triste isso, mais ainda quando vejo comentários de mulheres detonando a Xuxa .
Além dos abusos é fundamental acabar com essa otica de punicão com as mulheres, que são sempre as culpadas, nesse caso a Xuxa foi além de coajosa, foi quase uma pioneira em se colocar nessa situação, já sabendo de antemão que a fogueira ia ser acesa e agora só resta queimar.

Teresa disse...

É triste ver pessoas consideradas esclarecidas e informadas duvidando de histórias de abuso sexual. Ouvi de uma colega sobre essa história "Mas por que ela não gritou?". Outros dizem "Por que não bateu? Por que não correu?". Precisa mesmo muita informação pra entenderem por que uma vítima não reage e não conta a ninguém.

Sonado disse...

Apesar de concordar com a ideia de forma gral Iara, creio que a colocação:

"Com certeza se tivesse sido um homem no lugar da Xuxa seu passado não seria mencionado,mas aqui é mulher, então todos duvidam.Mulheres que tem a coragem de denunciar serão investigadas, até que se prove que elas provocaram esse comportamento, pediram para serem abusadas."

É uma balela sem tamanho. Se fosse um homem todos estariam é fazendo troça, ridicularizando publicamente e contestando a masculinidade do individuo.

Ressalto, o abuso sexual é um calvário não duplo, mas múltiplo, que se repete a cada envolvimento emocional, e neste ponto independe de seu gênero. O machismo é cruel para o homem também, somente os acomodados (falo de nós homens neste ponto) não percebem isso.
Homem machista é alguém que viveu em uma ditadura e vive relembrando como se fossem bons tempos, sem perceber que na ditadura não teria direito de achar que eram tempos ruins...

Isadora M. disse...

A vítima é sempre culpada, não é mesmo? Eu chorei rios ao ouvir a parte do abuso. Se é mentira ou não, pouco importa. Porque, para quem não sabe, quando decidimos falar sobre um abuso, já contamos com essa possibilidade. Inclusive esse é um dos motivos que nos impediu de contar até então.

Hipócritas, caretas e medíocres os que se negam a entender isso.

Anônimo disse...

Pra mim a Xuxa não mentiu e os motivos para falar são dela, etc, etc.

Mas, me desculpem, agora é que meu queixo cai de vez com essa mulher: depois de ela ter sido abusada, enriquece justamente comandando um programa... de erotização infantil??? [:o]

http://www.youtube.com/watch?v=MHhroa_SEiY&feature=related
(copiado de anônimo lá de cima)

Jesus, apaga a luz!!

Ângela

Isadora M. disse...

E a pior perguntas, além dessas como "por que não fez isso?", "por que não fez aquilo?" - perguntas de quem nunca foi abusado, mas que ecoam na cabeça de quem foi, é: "mas no fundo no fundo você gostava, por isso não denunciava".

Victória disse...

Olá Lola!Gostei muito da forma como você trata a questão. É muito importante esse olhar em relação ás vítimas. Desde os anos 80, com a criação das delegacias de atendimento à mulher o numero de denúncias vem aumentando vertiginosamente.Agora mais ainda. É importante que existam serviços que acolham, investiguem e punam. É importante prevenir.

Isadora M. disse...

Nada mais verdadeiro:

"o abuso sexual é um calvário não duplo, mas múltiplo, que se repete a cada envolvimento emocional, e neste ponto independe de seu gênero."

é uma cobra comendo o rabo, porque te constitui para sempre.

Anônimo disse...

estupro é triste com qualquer pessoa e em qualquer situação, não vejo necessidade dessa história vir a tona agora, corajoso porém meio dramático, DIRIA MIDIÁTICO!
Resumindo " esta semana teria sido perfeita se Cachoeira tivesse falado e se Xuxa tivesse ficado calada"

André disse...

Ângela,
Concordo.

carolinapaiva disse...

Isadora M.

Tive uma discussão acalorada com minha mãe por causa disso.
Ela estava dizendo que a Xuxa se submeteu aos abusos, pois ficava quieta, era "grande e boboca", e que deveria ter sido mais esperta, gritado, chamado os pais, etc.
Quando eu disse que é fácil demais falar sem estar no lugar da vítima; ela retrucou que tem certeza de que reagiria, que faria um escândalo, pq era "esperta".
Nem preciso dizer que meu sangue ferveu de raiva. Que mania de menosprezar os sentimentos das vítimas.
O que ficou na minha cabeça depois: se eu for abusada, jamais contarei à minha mãe, pois sei que não terei apoio.

Lord Anderson disse...

Anonimo

Não deveria ser a vitima que deve decidir quando falar do que sofreu, ou vamos estabelecer uma regra de que foi abusada? só tem esse tempo pra falar se não perde o direito e tem que engolir.

Não é mais um violencia autoritaria contra a vitima?

Luiza disse...

Carolina,

eu fico imaginando uma criança que esteja passando por esse horror nesse momento, ouvindo os pais falando exatamente o que a sua mãe falou. Nunca que essa criança vai denunciar. É mais uma pras tristes estatísticas.

Anônimo disse...

Também não gosto da Xuxa e também achei muito corajoso da parte dela expor os abusos.
Merece todo o apoio a iniciativa, o que não podemos mais é calar.

Lana

Anônimo disse...

Como a maioria de vocês, também não gosto de Xuxa, mas acredito na veracidade do depoimento dela e que isso ajudou muitas pessoas a denunciarem, mas discordo quando muitos de vocês quando falam a defendem em relação a esse filme: até parece que ela fez tudo sozinha, teve a ideia, produziu o filme, etc, pode até ser que não,mas ela "participou" do filme, fizeram um convite a ela e ela "aceitou", portanto não coloquem a culpa só nos pais do garoto não, mas nela também.

Anônimo disse...

caro Lord Anderson, longe de mim querer estabelecer regras, só questiono pq ela não fez isso enqto estava no auge da carreira o que teria tido uma repercussão mais incisiva! sinceridade, a triste e solitária Xuxa deveria procurar sua felicidade ao invés de reviver momentos tristes de sua infância! Tenho pena dela, foi abusada de formas diferentes sua vida toda, inclusive agora!

Shey disse...

Anônimo 16:59

Qual a parte do ELA TINHA DEZESSEIS quando ela fez o filme vc não entendeu?

E os outros "globais" que participaram, mas o filme é considerado "filme da Xuxa?

Mas que saco!!!

Isabela disse...

Poxa, eu vi a entrevista da Xuxa... e, apesar de todo ressentimento que tenho, por ter sido ela, por escolha própria ou não, a rainha do baixinhos e que fez uma lavagem cerebral em uma geração inteira, na qual eu me incluo, foi difícil ver aquilo como uma jogada de marketing. A supreendente, ressalto, supreendente, impressão que tive é que ela ( com todo julgamento pessoal meu, acerca da sua incapacidade em ser, no mínimo um exemplo ou um paradigma de ser humano, como por muitos ela é reconhecida) tinha consciência das misérias da sua vida. E em parte eu acredito que foi pela incapacidade de revidar um desrespeito, uma ofensa, uma mágoa feito a ela qnd foi abusada, ainda criança, que dinheiro ou fama alguma pode resolver. Longe de mim querer eufemizar o quão tenso eu vejo a figura da rainha dos baixinhos e o que a partir dela foi feito, mas, longe de mim também não reconhecer a miséria de uma condição humana, independente de quem seja.

Anônimo disse...

lord anderson, concordo demais! eu acho que ela deve ter elaborado as coisas na cabeça dela de uma forma que só permitiu que ela falasse abertamente sobre isso agora.

acho, sim, como já falei algumas vezes lá em cima, que ela foi abusada pela globo tbem por busca por ibope. no entanto, o sofrimento dela jamais pode ser menosprezado.

eu acho a xuxa super estranha e acho que o programa dela fez mal pra autoestima de muitas meninas. NO ENTANTO, ela não fez tudo sozinha, ela foi usada pelo carisma com crianças, e ela é humana. errou mil vezes e de alguma forma elaborou os abusos na cabeça dela e tudo isso fez com que ela tivesse dito o que disse pro fantástico.

só acho que o tema merecia tratamento mais sério do que o sensacionalismo que foi. repito: por parte da globo. a vítima tem que ser muito respeitada.

Camila Fernandes disse...

Concordo quando o Sonado diz que o machismo é muito cruel com as mulheres, e também com os homens. É nocivo para toda a sociedade.

Vou citar um caso aqui, com ressalvas. Não sei se vocês chegaram a ver sobre o Mason Wyler. Ele é um ator pornô americano famoso e há um tempo fez uma denúncia de estupro na delegacia e contou o caso no seu blog. Posteriormente ele se recusou a colabor com a polícia e o caso foi arquivado. Segundo a imprensa, havia discrepâncias entre os depoimentos dele.

Primeiro, eu não estou defendendo a pornografia, nem o Wyler. Não posso dizer se a história é verdadeira, ninguém além dele pode, já que a investigação não foi concluída. Agora, o que me chocou nesse episódio foi a repercussão. Os comentários que se via internet eram bizarros e desumanos, o mais leve foi "se ele é gay e ator pornô deve ter gostado, nem sei porque está reclamando". Ele chegou a dizer que os policiais falaram que ele "mereceu". E a foto que saiu na imprensa trazia o cara bem machucado, com um olho roxo horrível.

Os polícias não precisam e nem devem acreditar piamente em qualquer denúncia, mas o trabalho deles é INVESTIGAR, e não ficar dizendo à vítima que é culpa dela, que ela mereceu, que ela procurou. Se a história parecer suspeita, investiguem a fundo, mas fazer julgamento moral e repreender a vítima não é parte desse trabalho. Imagina o quanto é difícil a pessoa fazer uma denúncia dessas, ainda tem que aguentar descaso, humilhação, provocação, em plena delegacia? Se for uma denúncia falsa, a pessoa deve ser devidamente responsabilizada por isso, mas não se pode presumir a culpa sem investigar! Qualquer denúncia de abuso ou estupro (aliás, qualquer crime), deve ser tratada pela polícia com seriedade e profissionalismo, não importa se a vítima é ator/atriz pornô, prostitut@, morador/a de rua.

E mesmo que ele estivesse mentindo, isso não justifica as coisas horríveis que as pessoas disseram. Li gente dizendo que o estuprador deve ter sido "só um 'namorado'/'cliente' que pegou pesado, bem feito". Ei, e se foi isso, mesmo? Antes de ser um ator pornô o cara é um ser humano, isso não dá direito a nenhum namorado, "caso" ou "ficante" bater nele. Mesmo se o sexo começou sendo consensual (bom motivo para ele ter desistido de ir em frente com a denúncia, por exemplo) e depois o cara partiu para a violência, ainda assim é agressão, é crime. Poxa, se alguém faz programa e um "cliente" machuca essa pessoal, ou faz algo além do que foi acertado/consentido, ainda é crime!

Independente da vericidade da denúncia (que nesse caso não dá mesmo para analisar, já que a investigação foi extremamente superficial), as pessoas se referiam a ele como se ele fosse "menos gente" por ser gay, e menos ainda por ser ator pornô.

Camila Fernandes disse...

Não esqueçam que eu citei esse caso com ressalvas, porque é realmente uma situação delicada.

Supondo que o cara fez isso para chamar a atenção, conseguir fama, bem, é uma atitude meio doentia. Então, ao invés de crucificar o cara, porque a gente não se pergunta que tipo de sociedade é essa em que vivemos, em que alguém cogita fazer uma alegação tão grave em busca de fama? E em que tipo de sociedade uma notícia dessas pode virar atração, ser prato principal do circo de horrores que os nossos noticiários e jornais exibem? Existe uma grande diferença entre noticiar um crime e transformar isso num show e, infelizmente, o nosso jornalismo tem prezado pela segunda opção. É a sociedade que sustenta uma carreira como a do Wyler e de muitos outros atores?atrizes, mas é essa mesma sociedade que os considera "menos" que o resto.

Camila Fernandes disse...

Opa, escrevi veracidade errado ali em cima.

Luiz Prata disse...

Não sei se já postaram aqui, porque agora não tenho tempo pra ler todos os posts, mas lembrei-me de uma bela resposta da Xuxa em relação a uma crítica conservadora feita pelo José Serra:
http://www.youtube.com/watch?v=Dj5DWk9VkLw

Anônimo disse...

Joana Maranhão nunca apresentou nenhuma prova de que foi estuprada. Se não tinha provas, jamais poderia ter acusado o técnico de natação. E ninguém sequer cogita da possibilidade - ineliminável - de que a acusação seja falsa, e de que este homem esteja sendo injustiçado de maneira hedionda.

Na ausência de provas, a Xuxa fez muito melhor de não acusar ninguém em particular.

Anônimo disse...

Lola: nota mil pelo seu texto! Eu estive aqui antes e estranhei vc não ter se manifestado mas conforme vc disse estava viajando. A Xuxa no domingo ao falar ao fantástico fez a melhor obra de sua vida. E vc Lola, vem há muito tempo ajudando as pessoas.É preciso acabar com o sofrimento e a barbárie. Parabéns, professora, doutora Lola!Abraço. Fatima/Laguna/SC

Anônimo disse...

Até hj eu nao gostava da xuxa mas depois desse depoimento começo a considera-la uma feminista tbm,alguem que apesar dos seus programas alienadores e sensuais do passado,mostrou um lado humano e que com certeza com esse depoimento ajudara centenas e centenas de mulheres que sofrem ou sofreram abuso.Parabéns Xuxa!

Nina Levy disse...

Pelamor, estou lendo algumas coisas absurdas.

Cada um tem seu tempo. Não existe padrão. Algumas vítimas de abuso demoram 10 anos, outras 20, outras 50... Muitas NUNCA conseguem falar. Levam para o túmulo a dor de uma vida inteira sem nunca conseguir dividí-la.

Não é assim: "Revele agora! E ela vai lá e revela. Ela tem que se sentir pronta pra isso.

E vocês relamente se sentem no direito de dizer que ela devia ter relatado sei lá em que ano?

O que é isso? Necessidade de controlar a vida dos outros? Ou só estão inventando qualquer motivo para justificar a falta de empatia?

Sobre o filme, vocês estã sendo ridículos. Primeiro porque ela tinha 16 anos. Segundo porque o filme tinha um diretor, um produtor... Um monte de adultos ali dizendo o que ela, adolescente, devia fazer. Eles sim, responsáveis. O governo, que autorizava menores nesse tipo de cena, também era responsável. Ela não. Ela era menor e estava ali trabalhando como atriz. Não era ela quem decidia o que ia acontecer.

E de resto, se vcs acham que a Globo devia ter exibido no programa X ou Y, se acham que devia ter revelado antes ou depois de alguma CPI, critiquem a Globo, não a Xuxa. Oras.

Nina Levy disse...

Anônimo das 18:13

Você falou um absurdo sem tamanho. Dificilmente existem provas de estupros. O que você quer, que as mulheres fiquem quietas porque não podem provar? Você está falando sério? Está mesmo pregando o silêncio das vítimas? Você acha bacana a impunidade? Por que, ela te beneficia? Só isso explica seu comentário.

Anônimo disse...

A questão da Xuxa é muito séria e deve ser investigada. Ela deve dar nomes e apontar culpados. Isto para mim é imprescindível. Por outro lado é curioso que ela apareça com esta história numa entrevista bombástica no Fantástico logo depois da Carol Dieckman ter dado outra entrevista bombástica, num momento em que acontece uma CPI que pode envolver os meios de comunicação. Sei que a entrevista ajudou na causa. Mas se tratando de Xuxa e de sua trajetória, tenho minhas dúvidas sobre os reais motivos desta entrevista. Trabalhei próximo a Xuxa nos anos 80 na Manchete e nesta época a Xuxa era mulher solta e sexualmente muito liberta e transmitia uma felicidade contagiante. Tem até um vídeo na internet dela no programa do Didi bolinando o Mussum e perguntando feliz: tá duro Mussum! Pouco antes de cantar uma música para as crianças. Ela teve por anos uma relação aparentemente amorosa e de trabalho com uma das figuras mais perversas da TV, a Marlene. Também ouvi dezenas de relatos a respeito de paquitas que passavam sérios constrangimentos nas festinhas promovidas pela dupla. Talvez fosse o caso de estimular algumas paquitas a sairem das sombras e relatarem se os boatos da época eram mentiras ou não. Também sei que O Xou da Xuxa marcou época como a erotização de toda uma infância, há dezenas de estudos sobre isto.Claro que a Manchete, Globo e Mauricio Sherman foram os criadores deste personagem.Mas durante a época aurea da rainha ela nunca demonstrou qualquer reflexão sobre o assunto, pelo contrário lucrou horrores com a loja Bicho Comeu com roupinhas bem eróticas para crianças

carolinapaiva disse...

Anônimo 18:13

Existem diferentes tipos de provas que o julgador leva em consideração.

Anônimo disse...

Obrigada Lola.

Eu estava mesmo querendo ler seu post a respeito.

Anônimo disse...

Por que algumas pessoas estão falando da Carolina Dickman? O que ela falou?

Lays, mãe e tudo o mais. disse...

Eu jamais poderia criticar a Xuxa pelo depoimento que ela deu. Mas continuo acreditando que a Globo, ao divulgar esse depoimento da forma que usou, abusou dela mais uma vez, da mesma forma em que o fez durante todo o reinado da Rainha dos Baixinhos...

Como já disseram, a Globo é a Globo e a Xuxa é a Xuxa.

M disse...

eu nem estou abrindo mais o Facebook por causa dessa história. Me revolta a ignorância de certas pessoas, e infelizmente de pessoas conhecidas.

A Xuxa foi corajosa, colocou o assunto em pauta como celebridade nenhuma poderia fazer. Só por isso já merece todo meu respeito.

Mariacarla Viana Cardagne disse...

QUEM DISSE QUE QUEM NÃO TEM PROVAS NÃO PODE DENUNCIAR EM CASO DE VIOLÊNCIA SEXUAL? QUEM TEM QUE PRODUZIR PROVAS É A POLÍCIA, ADVOGADOS E AS AUTORIDADES COMPETENTES. ISSO É DESCONHECIMENTO JURÍDICO. A VÍTIMA SÓ TEM QUE DENUNCIAR E, CLARO, COLABORAR COM A PRODUÇÃO DE PROVAS. E A PALAVRA OU A NARRATIVA DA VÍTIMA É UMA PROVA TAMBÉM.

Lissa disse...

O fato é que qualquer um (famoso ou não) que denunciar um abuso sofrerá julgamentos, desconfianças.

E como foi falado por aqui, o abuso sexual é bem mais frequente do que muitos pensam, mas muitos se calam.

A Xuxa falou após 30 anos, porém, outras tantas pessoas nunca confessarão ter sofrido abuso, e levarão essas histórias tristes para o túmulo.

Outros resolvem quebrar o silêncio, pois quem passa por violência sexual, sempre se questiona o porquê de tanto relacionamento fracassado, da baixo autoestima, da relação conflituosa com o sexo.

E para superar este problemas, nada como falar, seja 5, 10, 30 anos após.

Toda à solidariedade a pessoas que, como eu, foram obrigadas a perder a inocência tão cedo.

E quanto à história de alguém ter sofrido algum tipo de violência sexual por diferentes agressores durante outas fases da vida, também acontece.

Maria Valéria disse...

Já convidei alguns de vcs a visitarem meu blog pra ler minha estória sobre ' estupro emocional', embora nao tenha nunca sofrido violência física, sofri uma psicológica, de um ex namorado, tão ruim e grave quanto um abuso ou estupro.
A estória esta contada num post do dia 1 desse mês.
Quem ler vai perceber que nao contei todos os detalhes, justamente porque sei que se contar, vou ser linchada,julgada, apedrejada, como em geral acontece com a vitimas,
Faz seis anos que a estória aconteceu e foi violência psicológica,só agora criei coraremos escrever sobre isso e ainda sem contar detalhes.
Imagina quem sofreu abuso de fato, físico,quantos anos pode levar pra conseguir falar,ou ate se nao vai ficar calado o resto da vida.
Enfim, a culpa e sempre da vitima.
To contigo,Lola. Bjs

Maria Valéria disse...

Obs.: leia se ' criei cotagem'. Meu corretor ortográfico automático nao bate bem da cabeça,

Maria Valéria disse...

Digo, coragem!!! Rrsrsrs

Anônimo disse...

Puta merda, se ninguém nunca foi fã da Xuxa como foi que ela conseguiu tanto sucesso, vendeu tantos discos, fez tantos shows???
Como todo criança normal da década de 90 eu assistia programas matinais tipo da Xuxa (se vc assistia Mara, Eliana, Angélica, te considero normal tbm, tá? bjus). Ah, e até hoje lembro so cheirinho de chiclete de uma botinha dela que minha mãe compro pra mim. Bons tempos.. Não, não sou mais seguidora da Xuxa, mas não cuspo no prato que comi. Nem sou escrota. Se vc acha que ela inventou essas história pra se promover vc é. Além de ser burro pra caramba. Fim.

Anônimo disse...

Com ator de novela que interpreta vilão dizendo que sofre abuso na rua porque as pessoas não sabem diferenciar ficção de realidade, é de se esperar que apareçam esses absurdos sobre o filme que ela fez. Engraçado que falam desse filme como se tivesse rolado sexo mesmo (ou abuso, ou estupro, ou o que for que tenha acontecido na cena). É sempre assim, na hora de culpar a vítima aparece toda sorte de absurdos.

Anônimo disse...

Ah, a falta de algumas concordâncias acima se deve a pressa, a raiva e a merda desse teclado pequeno. Sei fazer todas as concordâncias bem bonitinhas, tá? Gostar da Xuxa não afetou meu desenvolvimento intelectual...

Priscila Nascimento disse...

Gosto muito do seu blog. Fiz até um post sobre este assunto porque ando chateada com tantas críticas e comparações desnecessárias à respeito da coitada da Xuxa (chamo assim por causa do entrevista e a relação com que estão fazendo com tal filme que ela fez). Parabéns pela sua posição, quem sabe assim as pessoas tenham parâmetros antes de sair pelas redes sociais denegrindo a imagem de qualquer pessoa.

bjos,

Priscila - maededudu.blogspot.com

Alex disse...

Acho surpreendente como as pessoas têm certeza de que a Xuxa está mentindo e usando seu depoimento pra levantar seu IBOPE e o da Globo. Assisti ao vídeo agora no Youtube e ela me pareceu sincera. Pra mim, graças a Deus, não está tão óbvia a dissimulação. Digo graças a Deus porque, como dizem os psicólogos, as pessoas projetam nos outros aquilo que trazem dentro de si mesmas. Quem suspeita de tudo e de todos é porque acha que todos são mau caráter como si próprio. Por essa perspectiva, tem é gente ruim por aí, ou melhor, por aqui pela internet. Quando eu tinha 04 anos de idade também fui vítima de abuso. Meu pai tinha um sítio e, um belo dia, fomos eu, um conhecido dele e o filho desse conhecido, um rapaz que, na época, tinha uns 18, 19 anos, pelo que me lembro (meus pais confirmaram que realmente esse rapaz realmente estava nessa faixa etária, na época). Quando chegamos lá, ele, muito solícito, ofereceu-se para me levar pra passear. Apesar de nem ele, nem o pai dele, serem íntimos da minha família, meu pai consentiu. Se até mesmo em pessoas muito próximas não se pode confiar, o que dizer de pessoas não tão próximas assim? Pois saímos a passear. Ele me levou pra um milharal, e lá perpetrou o abuso. Como ele não me penetrou, o ato abusivo não deixou vestígios externos. Ele me disse que se eu contasse alguma coisa a alguém, eu ia me ver com ele. E eu nunca contei. Esse fato ficou soterrado na minha cabeça. Quando eu estava com uns 20 anos, tive uma crise muito séria de depressão. Comecei a fazer terapia, e foi durante o tratamento que o episódio veio à tona. O dia em que isso foi desenterrado da minha memória foi horrível. Senti náusea, cheguei a vomitar, foi um momento muito forte. Se comigo que "só" aconteceu uma vez foi tão marcante, imagine como não deve ser com alguém que repetidamente passa por abusos, e vindo de pessoas conhecidas, próximas, até queridas? A confusão e o conflito de sentimentos devem ser muito grandes. O nome do cara era Marcelo. Se eu soubesse desenhar, conseguiria retratar a cara dele. Provavelmente ele fez isso com outros meninos. Se fez comigo na primeira e, graças a Deus, única oportunidade que teve, é bem provável que tenha feito o mesmo com o outros. Quem aproveita tão bem assim as oportunidades que surgem, é porque já tem o hábito.

Maria Valéria disse...

Muito bom ver o depoimento de um homem, Alex.Meninos também sofrem abusos.
Eu já atendi um adolescente que gostava de meninos desde criança,quando estava prestes a contar pra mãe que era gay( aos 13 anos) foi abusado,( sou medica)
Desse dia em diante( com 16 anos na época da consulta) nunca teve coragem de contar a mãe que era gay, pois sabia que ela fatalmente ligaria o fato de ele ser gay ao abuso, como se uma coisa fosse consequência de outra,
Só que ela já sabia ser gay antes disso,
E a mãe ou qualquer outro amigo, parente, conhecido, nao acreditariam nele, achariam que a homossexualidade dele teria que ser ' curada' por ter sido ' causada pelo abuso'
Como me mudei de cidade da época, perdi o contato com esse paciente e nao sei qual foi o desfecho.
Mas muito triste essa história .

Anônimo disse...

Discordo veementemente! Aliás, não podia discordar mais!!! "Dizer que ela abusou de um menino porque fez esse papel é mais ou menos como dizer que Heath Ledger explodiu prédios e matou e torturou pessoas porque ele interpretou o Coringa, sabe?" Não, não é a mesma coisa de forma alguma e o ECA está aí para não me deixar mentir.

Veja:

"Art. 240. Produzir, reproduzir, dirigir, fotografar, filmar ou registrar, por qualquer meio, cena de sexo explícito ou pornográfica, envolvendo criança ou adolescente:
Pena – reclusão, de 4 (quatro) a 8 (oito) anos, e multa.
§ 1o Incorre nas mesmas penas quem agencia, facilita, recruta, coage, ou de qualquer modo intermedeia a participação de criança ou adolescente nas cenas referidas no caput deste artigo, ou ainda quem com esses contracena,"

...QUEM COM ESSES CONTRACENA!

Portanto vc pode defender a Xuxa o quanto quiser, não estou entrando NESSE mérito. Pode até dizer q este ECA não era válido na época, portanto ela (e todos os envolvidos na produção) não poderia ser imputada. Pode dizer q o CRIME (sim, é CRIME) prescreveu, afinal, o filme é de 79. Mas dizer q é "ficção" e por isso deve ser deixado para lá... ISSO NÃO! Lutamos, conseguimos fazer leis para PROTEGER nossos menores quanto ao abuso e exploração sexual! Não foi fácil não, principalmente nessa sociedade machista e retrógrada, onde por tempo demais prevaleceu leis como a legítima defesa da honra! Foi uma CONQUISTA!

No filme, ela coloca a mão do menino em seu seio. Ela se deita com ele completamente nua e simula o ato sexual (sem penetração), ela o beija na boca e no corpo o acariciando. Aliás, ela e outras!

"Art. 241-E. Para efeito dos crimes previstos nesta Lei, a expressão “cena de sexo explícito ou pornográfica” compreende qualquer situação que envolva criança ou adolescente em atividades sexuais explícitas, reais ou simuladas, ou exibição dos órgãos genitais de uma criança ou adolescente para fins primordialmente sexuais."

Defenda a Xuxa se desejar. Mas não desmereça nosso ECA, por favor.

Maria Valéria disse...

Anônimo das 22: 42

Concordo quanto ao crime previsto na lei que vc citou, mas a Xuxa na época do filme tinha 16 anos, então ela foi igualmente vitima, pois também era menor de idade, certo??

( corrijam- me se eu estiver errada quanto a idade da Xuxa na época do filme)

Anônimo disse...

"Acho surpreendente como as pessoas têm certeza de que a Xuxa está mentindo e usando seu depoimento pra levantar seu IBOPE e o da Globo."

mas não é todo mundo que acha isso. aqui, dentre uns 100 comentários, um ou outro que falou isso. mas a globo, sim usou a xuxa pra aumentar audiência de maneira sensacionalista. um assunto tão sério sendo tratado como atração de programa...

Juliana disse...

Já podemos começar a chamar o Reginaldo Faria de pedófilo, pelo "A menina do lado"?

E a Marília Pêra também, por Pixote?

Anônimo disse...

@maria valéria - fui lá no seu blog, mas ele não aceita comentários anônimos... e amei a foto das crianças de cabelos crespos!

Maria Valéria disse...

Anônimo das 23:03

Nao deixo entrar comentário anônimo no blog porque se f liberar, como antes, recebo muito spam!!!!

Obrigada pelo elogio e pela visita-:)) apareça no blog quando quiser,!!! Bjs

Anônimo disse...

Nunca tive motivos para gostar da Xuxa. Como não tenho motivos para achar que ela estava mentindo. E tem que ter uma coragem imensa pra falar isso na TV sendo a sensação que ela é, e tendo uma filha adolescente.

Ela deve imaginar a chacota que a filha vai passar na escola e provavelmente deve ter ponderado que esse "sacrifício" da filha dela, que pode ter tudo, vai valer a vida de tantas e tantas crianças.

Se o depoimento dela salvar uma vida só que seja, já terá valido a pena.

Anônimo disse...

PARA Anônimo que postou por último.

ps: NÃO sou fã da Xuxa.

Sobre o filme:

Quando Xuxa participou das filmagens do filme de "pseudo-arte" Amor Estranho Amor ela tinha nada mais nada menos que a mesma idade da personagem.
Sim era mais velha que o garoto, mas, mesmo assim, ela não responderia criminalmente porque era menor de idade.
A polêmica se estabeleceu primeiro porque é famosa, segundo porque quando o filme foi lançado(dois anos depois) Xuxa era maior de idade(no lançamento, não nas filmangens).
A responsabilidade criminal cairia sobre o diretor(principalmente mas os hipócritas de plantão preferem apedrejar a Xuxa) e sobre as atrizes maiores de idade que fizeram cenas sexuais com o menino.

Eu gostaria de saber porque o ator Reginaldo Faria NÃO é tão hostilizado quanto a Xuxa se ele fez um filmeco chamado "Menina do Lado" onde as cenas de sexo eram mais explicítas com uma atriz de 14 anos. Ele tinha quase 40 anos nas filmagens, era bem mais velho que a garota e NINGUÉM criticou ele ou o diretor.
Será porque? Será por uma palavra tão simples e aceitável em nossa sociedade chamada:
M-A-C-H-I-S-M-O?!
O ECA na época destes filmes, infelizmente NÃO era forte nem aplicado. Provas: menores de idade em filmes e uma menor que posou pra Playboy.
Ela errou, era uma adolescente facilmente manipulável por um diretor sem escrupúculos que a usou e principalmente usou o garoto NÃO só neste filme como em outro, o mesmo garoto fez um filme erótico(do MESMO DIRETOR) um ano antes!
Enfim, TODOS ERRAM! Ninguém é perfeito nem santo. Ela não devia ter feito cenas eróticas simuladas assim como: Reginaldo Faria(no Menina do Lado), Otávio Augusto(que fez uma forte cena de ESTUPRO com a protagonista de 14 anos no filem Anjos do Sol), o ÓTIMO Jeremy Irons(no remake de Lolita), Keith Carradine(Menina Bonita), etc. Enfim, mas, porque ninguém lembra que eles fizeram estas cenas e estes filmes? Resposta: porque são homens.
Na mente dos hipócritas, ignorantes, preconceituosos e imbecis, homem não erra(apenas "na mente deles" quando é gay), não abusa de adolescente(o que NÃO é o caso destes atores, nem da Xuxa, já que fizeram cenas eróticas simuladas) porque esta fez "algo pra provocar", etc, mas, quando se trata de mulher a história é outra.
Pessoas dignas de pena e de terapia!


Sawl(perdi a senha do Blogger,kkk)

Anônimo disse...

O importante, deixando a questão do filme que a Xuxa fez há muito tempo quando era uma adolescente manipulável e em busca da fama, é que a Xuxa é uma mulher famosa e teve a coragem de declarar o abuso sexual que sofreu na infância para encorajar crianças, pais e mães de vítimas menores de idade para que denunciem os covardes que roubam suas infâncias!

Anônimo disse...

"Não, pelo contrário, como qualquer comentário a respeito do assunto, levanta conversas e debates que ajudam MUITO na conscientização do problema."

Gabriela, será que conscientiza mesmo? Será que abusos de nossas filhas ou de nós mesmas estão sendo evitados por medidas vinda de nossa parte? Ou continua tudo na sorte da possível vítima?

Táia disse...

Lola, fiquei comovida também. No entanto analisando a pessoa dela, tenho pena que precise se expor até hoje dessa forma. Se você analisar as entrevistas que a Madonna deu aos 20 e aos 50, você percebe o quanto ela amadureceu e passou a se preservar e até ser um pouco rude com a mídia, que invadia desesperadamente sua intimidade, como a mídia brasileira invadiu sempre a da Xuxa. Ao contrário de você, sinto algo bom por ela. Sou geração 80 e, por mais que minha mãe nos fizesse brincar no quintal e amar Rá Tim Bum e Catavento, a gente amava a Xuxa, claro. Mas senti uma certa decepção ao ver que é como se as últimas três décadas não significasse nada para ela, se ela não tivesse aprendido nada sobre exposição. Claro que é positivo que mais pessoas tenham denunciado abusos. Mas será que isso terá um efeito de longo prazo? E mais do que isso, ela ficou elucubrando sobre isso ter relação com a solteirice dela, infelicidade no amor, falando sobre a omissão da mãe.. Acho que lugar de fazer análise é no analista. Tive pena da Xuxa pelos abusos, mas ainda mais por ver como ela é uma criança grande e perdida aos 50 anos, com quem a mídia ainda faz e fará o que quiser até o fim.

Nascimento, Lilian S. disse...

Fui da geração que assistia Xuxa. E adorava. A Xuxa era uma réplica viva da Bárbie. Todas aquelas roupas. Mas, era também exemplo. Sempre vi a Xuxa como exemplo de mulher bem sucedida. Não havia muitas... Sempre associava ela ao Faustão. Quando cresci mais um pouco pude perceber o excesso de sexualidade a mostra em suas roupas nos seus programas.
.
Mas, seria muita injustiça culpar a Xuxa por isso e nos esquecer que tais trajes eram a regra da casa para as mulheres. Basta se lembrar de um programa de família como o do Faustão encontramos bailarinas com trajes também muito sexualizados.
.
Lembro também que admirei muito a Xuxa por sua independência e por decidir numa sociedade tão machista optar pela 'produção independente'. Lembro do José Serra na época Ministro, acusar a Xuxa de influenciar mal as garotas de 12, 13 anos com isso. Lembro da bela resposta que ela deu.
.
O depoimento no Fantástico, foi digno de XUXA para mim. Não acho que é muito mais fácil pra uma mulher dentro dos padrões de beleza do que para as que não são. Uma sociedade machista, é machista para todo o mundo.

Anônimo disse...

Acho que essa entrevista com a Xata foi estragégia do Fantástico em busca de audiência.

X-girl

Sonado disse...

Excelente exemplo e articulação Camila Fernandes. Estou totalmente de acordo com o que levantou.

La paranoica diz disse...

Aumentou o número de denúncias quanto a violência sexual...De fato ajudou.Eu vi a entrevista e fiquei bastante comovida, pois pareceu bem sincero, mas ainda restou uma pontinha de desconfiança, vindo da Globo nada me surpreende.

yulia2 disse...

pedófilos abusadores=lixo social.

francamente , vamos parar com essa cretinice sem fim de dizer que ela falou isso para aparecer na midia.
Ela está mais do que estabelecida na mida e não precisa disso.

Sonado disse...

"francamente , vamos parar com essa cretinice sem fim de dizer que ela falou isso para aparecer na midia.
Ela está mais do que estabelecida na mida e não precisa disso."

Esta? Qual o programa que ela esta despontando com sucesso então? Alias, o fato nem chega a ser o ela, mas sim a emissora que pode estar usando a imagem dela para os próprios fins.

Anônimo disse...

concordo, sonado.

ali houve uma dobradinha muito conveniente a ambos. Essa entrevista com a Xuxa saiu do nada.

Anônimo disse...

O seu post e esse daqui http://femcultpop.wordpress.com/2012/05/24/xuxa-natascha-e-a-babaquice-nossa-de-cada-dia/ falaram td o que eu penso sobreo caso!
evy

Lalinne disse...

Que nojo!!
Saca Boortsin?
Não posso acusar a Globo, a melhor emissora de TV do país. Todo mundo fala mal e assiste.
A única coisa que prestou do depoimento da Xuxa foi a sua "coragem" em dizer que foi abusada. Ela também é uma abusadora. Quem é psicólogo sabe bem o perfil de um pedófilo. Se ela arrependeu? Palmas! Isso lhe custa 100 mil reais por ano em prejuízo da produção do tal filme. Dizer que estava atuando, não estava. Não tem formação para tal. Terei respeito quando acatar o convite para contribuir na CPI da pedofilia. Enfim, essa manipulação serviu para que pessoas tivessem coragem de quebrar tabus, mas poderia ser de modo diferente. Poxa, até mesmo a família soube pela tv, porque ela quis chocar! Não gostei do final do depoimento "Eu vivi, bem mais que qualquer outra pessoa, só eu vivi, e tenho coisas para contar... blá, blá, blá..." Diz, Lola! Se não fosse o tal abuso, quem iria falar de Xuxa após essa entrevista? Tudo nela cheira mofo! Um mulher jovem cheirando a mofo!

Paula Mariá disse...

Excelente, Lola. Eu simplesmente não acreditei quando me vi tendo que debater esse tema com feministas (!) que questionavam a veracidade do discurso da Xuxa. É absurdo demais.

Ps. Só não entendi o que a questão do funk e empoderamento feminino foi fazer de pára-quedas no meio disso tudo.

Anônimo disse...

a filha da xuxa se chama sasha, que eu saiba.

Anônimo disse...

Eu estava numa festa de família e o assunto Xuxa surgiu na mesa. Todos que comentavam falavam que não acreditavam na Xuxa, que ela fez filme pornô, que ela bolinou o Mussum (essa foi nova pra mim), que ela era falsa. Questionavam o número de molestadores, o tempo que ela demorou pra abordar o fato... Num certo momento eu quis rebater e mostrar meu ponto de vista... disse que as vítimas de abuso se sentem culpadas e por isso não falam ou demoram mto tempo para falar, que o assunto é importante e tal. Mas é muito estranho... Eu nunca sofri abuso. Mas como eu a estava defendendo e falando sobre as vítimas e abuso, sinto que de certo modo as pessoas pensam que eu já fui molestada... Sei lá! Vcs tem essa sensação qd defendem essas ideias para outras pessoas? Fica parecendo que eu só tenho uma opinião divergente pq talvez tenha sofrido abuso... Será que eu estou um pouco paranóica? hehe
Dee

Anônimo disse...

Desconfio de tudo q venha da globo. Sempre há outros interesses por trás q a gente só fica sabendo depois.
O caso da Xuxa, acho q é verdade, ninguém inventaria uma coisa gravissima como essa pra se promover, até pq a exposição não deve ter sido nada agradável.
Só acho q deve ter algum motivo pra Globo ter usado isso em pleno fantástico. Pode até ser cortina de fumaça pra alguma coisa. O nascimento da filha dela já foi usado pra isso, na época das privatarias, como bem lembrado aqui no blog.
Pq esses escandalos globais acabam sempre escondendo algo. Q o diga o caso da Carolina. Tb fiquei solidária com o q ocorreu, apesar de achar q ela foi ingênua. Só q ser ingênua não é crime e foto a gente tira e manda pra quem bem quiser. O problema é dela e ninguém tinha o direito de critica-la como foi feito na época.
Mas o triste é q escandalo caiu como uma luva pros interesses de alguns grupos. Semana passada aprovaram o PL 2793/11, q ja recebeu o apelido de “Lei Carolina Dieckmann”, q criminaliza os ataques de crackers ( hackers do mal). Até aí beleza, nada mais justo, ganhamos todos nós, pois esses caras tem mesmo q serem punidos. Só q essa semana, ainda movidos pelo calor Dieckmann e pela influencia da Globo, aprovaram tb o AI-5 digital. Tudo rapidinho, na surdina, uma lei q tava se arrastando há anos e q mesmo com os ajustes feitos agora ainda prevê um certo controle da internet e o q é pior, redigida por mensaleiro do psdb. Foram anos de luta e pressão pra manter o equivalente do SOPA americano engavetado. Esse ano mesmo ele tinha ensaiado um renascimento sem muito sucesso, mas bastou uma entrevista da dieckmann no JN pra aprovarem o tal PL as pressas. Estao vendo alguma repercussão sobre isso agora?
Então, hei de ficar sempre com um pé atrás com os dramas globais. Pois eles até são verdadeiros, o triste é a finalidade q podem dar a eles.
No fim, essas moças são apenas marionetes.

Anônimo disse...

"Sei lá! Vcs tem essa sensação qd defendem essas ideias para outras pessoas? Fica parecendo que eu só tenho uma opinião divergente pq talvez tenha sofrido abuso... Será que eu estou um pouco paranóica? hehe"

É normal isso, geralamente acham que eu sou gay por defender os direitos LGBT rsrs
Talvez tenha a ver com as pessoas não estarem acostumadas a pensar além do umbigo delas ^^

Anônimo disse...

http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/61021/Caso-Carolina-Dieckman-apressa-'AI-5-digital'-Caso-Carolina-Dieckman-apressa-AI-5-digita'.htm

Anônimo disse...

na minha infancia, mais ou menos dos 4 aos 11 anos, fui abusado por meu pai, por meu irmão 12 anos mais velho e por meu vizinho 8 anos mais velho

esse meu vizinho abusava de mim e do próprio irmão que era 3 anos mais novo que eu, muitas vezes fazia com nós 2 juntos e nos obrigava a fazer coisas entre nós pra ele ficar só olhando. isso acontecia quando minha mae fazia supletivo e me deixava na casa deles à noite para ir à escola. esse vizinho ameaçava matar a gente se contássemos e vivia nos dando choques elétricos com fio desencapado, ameaçando com fogo, com gelo, ameaçava colocar filmes de terror que a gente tinha medo (anos 80, a volta dos mortos vivos, colheita maldita, brinquedo assassino, a coisa)

meu irmão abusava de mim e também abusava de uma cadela que tínhamos na minha frente, me fazia ver filmes porno com ele, era horrível. em uma das vezes eu aproveitei uma distração dele e saí correndo de casa. até minha mãe voltar, fiquei escondido no banheiro de um campo de futebol de várzea que tem há 2 quadras da minha casa, quando voltei, minha mae me deu uma surra pq eu sai de casa sozinho de noite "pra brincar no campo"... e meu irmão aproveitava isso como ameaça: "se vc contar pra mãe, ela vai te bater"

meu pai, quando ficava sozinho comigo, tentava me beijar. minha sorte é que nunca passava disso pq quando eu chorava, ele parava e muitas vezes começava a chorar também me pedindo desculpas e implorando pra que eu nao contasse pra ninguém, prometia que nao ia fazer de novo e me dava dinheiro. descobri que ele tb fez isso com meu irmão quando ele era pequeno. meu pai usava drogas e bebia muito, mal lembro dele sóbrio

a pessoa que, seguindo a lógica, deveria ser de confiança e pra quem eu deveria contar era minha mae, mas ela sempre me bateu muito (até comentei isso outro dia no post MEU PAI, MEU MONSTRO) e eu tinha medo de apanhar ainda mais por ela achar que eu estava mentindo. ela sempre me batia por não acreditar nas coisas que eu dizia. se a cadela escapava da corrente, eu falava que nao foi culpa minha e apanhava, imagina se eu contasse isso tudo pra ela. acho que eu seria espancado até morrer

não sei se isso tudo seria pior se eu fosse menina/mulher, mas posso dizer que estragou bem minha vida pra sempre. vivo cheio rancor e desejo de vingança, causei a morte do meu pai e meu irmão (ambos há mais de 10 anos), e armei pro vizinho ir preso por tráfico de drogas... também planejo o dia em que vou abandonar minha mãe à própria sorte, ela não sabe de nada disso que contei e não faz idéia de como eu culpo ela por isso tudo

hoje tenho 29 anos, sou solteiro, tenho poucos amigos e evito maiores aproximações, sou um lixo humano em quase todos os sentidos. por medo de ser um replicador de tudo que passei (de tanto ouvir que quem sofre abuso, futuramente abusa), quero distancia de relacionamentos e nem penso em ter filhos e expor eles ao risco de sofrer pelas minhas mãos

não gosto da xuxa (isso não vem ao caso) e não gosto desse assunto pq tenho esse tipo de historia tb, mas é bom falar de vez em quando, não é um texto gostoso de ler, muito menos uma história gostosa de se lembrar, não é a primeira vez que falo disso anonimamente na internet, mas nunca falei sobre isso pra ninguém que me conhece, não sei se meu irmão alguma vez contou pra alguém dos abusos que sofreu do meu pai ou se o irmão mais novo do meu vizinho já contou pra alguém dos abusos que sofria junto comigo

me desculpa se o texto ficou muito ruim e se os relatos são muito pesados

Sara disse...

Anonimo das 3.02 não acho q vc seja um lixo humano, em vez de se concentrar em sua vingança, pense apenas em vc mesmo e em como superar todos esses traumas de que foi vitima, sei que não é facil encontrar, mas tente ao menos procurar ajuda psicológica, faça algo por vc mesmo.

Pipoca disse...

Mascutroll das 07:33
Tudo bem você atacar o feminismo. Mas não faça isso ironizando o discurso de uma pessoa que sofreu tanto nas mãos de quem deveria tê-lo amado e apoiado.
Tem hora pra usar sua ironia.
Essa não é uma delas

E anônimo das 03:02, eu sinto muito sobre o que aconteceu com você. Crianças - independentemente do sexo - são estupradas (por homens e mulheres) e isso é muito triste.

Mas todo mundo pode se recuperar. Tem um caso que saiu na Oprah sobre um menino que foi abusado pela mãe quando tinha apenas 10 anos. Ele procurou ajuda e hoje em dia ele é casado e tem uma família.

Eu solidarizo com você, e te desejo muita força pra superar todo esse sofrimento.

Alex disse...

As cenas do famigerado filme da Xuxa não podem ser consideradas crimes. Pelo princípio da anterioridade da lei penal, primeiro vem a lei, depois vem o crime, isto é, as condutas só passam a ter a significação jurídica de crime depois da existência da lei incriminadora. Portanto, é impossível se falar em prescrição no caso do filme da Xuxa. A gravação das cenas, por anteriores ao ECA, foram um nada jurídico. Não foram um "fato típico e antijurídico" (crime é um fato típico, ou seja, que se adequa a uma lei incriminadora preexistente à conduta, e antijurídico, isso pra quem adota a tal da teoria finalista da ação). Outra coisa é que a lei penal não pode retroagir, a não ser pra beneficiar o réu. Nem com muito esforço, portanto, dá pra transformar as cenas daquele filme em crimes. Realmente aqui no Blog da Lola a maioria dos comentários é de apoio à atitude da Xuxa. Mas, fora daqui, eu vejo mais repúdio do que aceitação. Vejam, sobre o assunto, este comentário publicado no Yahoo: http://br.omg.yahoo.com/blogs/mira-regis/temos-o-nosso-michael-jackson-e-seu-nome-164952670.html;_ylt=AkSplhRBIIjZ5QgPn29wXHxBjeR_;_ylu=X3oDMTFsZDNmNzJoBG1pdANCbG9nSW5kZXggTWVkaWFCbG9nSW5kZXgEcG9zAzgEc2VjA01lZGlhQmxvZ0luZGV4;_ylg=X3oDMTFpaXRjaTVqBGludGwDYnIEbGFuZwNwdC1icgRwc3RhaWQDBHBzdGNhdANibG9nBHB0A3NlY3Rpb25z;_ylv=3 . Vejam, também, os comentários a esse texto. Todos, ou a grande maioria, são de apoio ao autor. Eu não sou fã da Xuxa, apesar de o programa dela ter feito parte da minha infância. Eu via alguns desenhos, como He-Man, Smurfs, Thunder Cats, Galaxy Rangers, Caverna do Dragão... Pra mim pouco importava quem estava apresentando o programa. Eu só queria mesmo era ver meus desenhos favoritos. Outra coisa é que, mesmo que a Globo tenha tido uma intenção maléfica, há males que vem pro bem. Houve um aumento no número de denúncias de abuso sexual contra crianças e adolescentes. O assunto está sendo mais discutido. Então o resultado da equação, no final das contas, está sendo positivo. A iniciativa merece nem que seja o benefício da dúvida sobre suas boas intenções. E merece aplausos pelos bons resultados já comprovados.

Anônimo disse...

Feliz dia da toalha, Lola!!!!

Caracala disse...

Todas as vítimas desse crime hediondo devem ser ouvidas e respeitadas, e sua estória ouvida com respeito e admiração, pois esta se expõe ao julgo da opinião pública, formada por sacripantas de todos os níveis e matizes.O mínimo que se espera das pessoas é empatia para com a vítima, e não um julgamento. Vamos parar com isso e respeitar e amparar as vítimas, tratando o abuso, o estupro e o assédio como deve ser tratado: CRIME HEDIONDO.
Nunca me pronunciei em posts como esse, pois fico PUTO com alguns comentários colocando a vítima como o centro de questionamentos e não o crime hediondo e os agressores em xeque.Porra, quando vamos tratar desse tipo de crime com a devida seriedade, quando AS PESSOAS VÃO SE TORNAR HUMANAS?

Fátima Marques disse...

Postei esse comentário no facebook:"Se você não gosta do trabalho da XUXA, acredite que, esse depoimento, peça publicitária para alavancar mais audiência ou não, está sendo muito útil para dar visibilidade a um problema que é o PESADELO de muitas crianças. A força da imagem dela é mais efetiva que as palestras, folhetos e cartazes que são distribuídos por aí. Se ela fez um" pacto com o capeta", está denunciado os atos do seu mestre... criança nenhuma merece ser abusada, mas continuar sendo abusada e não poder contar com a ajuda de ninguém para parar com o abuso, ter que guardar isso para si mesma, durante a vida toda, como uma mancha, um pecado é uma ferida que nunca para de sangrar."
Gostaria de acrescentar os seguintes comentários sobre algumas postagens lidas acima:
1. Filme "Amor, Estranho Amor" - Existe um roteirista que escreveu as cenas, um diretor que orienta o que o ator deve fazer, que escolhe os atores, enfim, uma atriz não faz nada sem a sua orientação. É uma falta de informação dizer que a apresentadora Xuxa, naquela época atuando como atriz estava "seduzindo" o outro ator.
2. Figurino da apresentadora no "Show da Xuxa" e outros programas: o figurino de um programa é determinado pelo figurinista, profissional que escolhe determinadas roupas e acessório (botas, chapeús etc) de acordo com a orientação do diretor do programa e muitas vezes usando peças de merchandising ou cedidas por empresas. Então, muitas vezes os apresentadores, vestem roupas que não representam o seu gosto pessoal, e sim o que é determinado pela direção do programa de acordo com o que se quer passar para o público. Tudo é planejado. Na televisão nada é improvisado,tudo envolve dinheiro, e muito.
3. A apresentadora Xuxa é vista como uma semideusa - ela é apenas um ser humano - tem uma carreira atrapalhada, já tentou ser cantora, ataca de atriz, apresentadora, modelo, conseguiu achar o seu nicho com produtos para crianças (filmes, produtos etc) e por aí ficou. Ganhou dinheiro. É uma pessoa como as outras. Porque desperta tantas paixões é uma outra história.
4. Meninos podem sim ser vítimas de abuso sexual. Isso é bem mais difícil para eles, contar, compartilhar. Conheço vários casos.

Mães, professoras, pais etc etc escutem com mais atenção os sinais que seus filhos passam de que está acontecendo algo diferente... em geral as crianças costumam guardar segredo por muitos anos.

Sonado disse...

Anônimo 12 03:02

Cara, depois de terminar a raiva continua ai...tente achar uma forma de usar isso para ajudar quem passou pelo que você passou. Não vai ajudar, mas legitimar o ódio como forma de continuar lutando por justiça ao menos dá a sensação de estar fazendo a coisa certa.


Feminista 07:33

A piada quase foi engraçada...mas a trolada foi fraca


Pipoca 07:48

"Mas todo mundo pode se recuperar. Tem um caso que saiu na Oprah sobre um menino que foi abusado pela mãe quando tinha apenas 10 anos. Ele procurou ajuda e hoje em dia ele é casado e tem uma família."

Sim, com o tempo se passa a ter uma vida praticamente normal. Muitas vitimas, mesmo com suas sequelas, vivem como se nada tivesse ocorrido. Mas cada caso é um caso isolado...

George Pedrosa disse...

Sobre Amor, Sublime Amor, a questão não é nem que o filme é de ficção. A questão é que Xuxa tinha 16 ANOS! Ela foi tão vítima quanto o garoto e, se alguém deveria ser responsabilizado, são os criadores e ADULTOS que aceitaram participar do filme.

Clara Morais disse...

Caramba, eu vi o vídeo no youtube e realmente fiquei emocionada...

Um absurdo. Não sou fã da xuxa, não gosto de pornô ou sequer de filmes sobre delírios sexuais masculinos (sempre mais do mesmo e de uma forma ruim pras mulheres, ô coisinhas tediosas esses filmes), mas puxa vida, eu achei muito legal da parte dela se expor dessa maneira. E, se as denúncias aumentam e temos a chance de desmascarar mais malditos nojentos com esse tipo de diálogo, oras bolas, que venham todos os programas sensacionalistas falar deste tipo de coisa! Porque, se algo merece ser hasteado e discutido e sensacionalizado, que sejam os direitos humanos e não a bunda da juliana paes!

Anônimo disse...

Falar que o filme não é pornochanchada é muita falta de noção, quase todo filme daquele tempo era assim, parece que não sabe nem o que é pornochanchada ou nem viu o tal filme

Anônimo disse...

Sinceramente, pode ser mentira sim, não para atrair audiência pra Globo, não para atrair atenção pra Xuxa, e sim para atrair atenção para a campanha que a Xuxa está fazendo em defesa dos jovens e da Lei Joana... Será q ninguém pensa nisso?

Anônimo disse...

'1. Filme "Amor, Estranho Amor" - Existe um roteirista que escreveu as cenas, um diretor que orienta o que o ator deve fazer, que escolhe os atores, enfim, uma atriz não faz nada sem a sua orientação. É uma falta de informação dizer que a apresentadora Xuxa, naquela época atuando como atriz estava "seduzindo" o outro ator.'

Engraçado como esse tipo de desculpa é comum por aqui...e não cola, qualquer ator só aceita o papel se quiser.

Anônimo disse...

obs: esse texto não é meu mas é muito bom

Prezado leitor, estimada leitora, peço que você faça agora um exercício de memória voltando ao primeiro dia deste ano de 2012. Lembre de cada ida ao trabalho, que poderia ser um dia de folga, com a família, com um bom livro ou filme. Pense naquelas broncas todas que o chefe deu, na quantidade de sapo que você foi obrigado a engolir para manter seu emprego.

Lembre ainda aquela perda enorme de tempo nas filas do transporte coletivo, ou no engarrafamento dentro de seu carro, porque falta transporte coletivo decente. Pense ainda nos desafios que você teve de enfrentar no trabalho em janeiro, fevereiro, março, abril e maio, nos momentos em que você quase desanimou, mas teve que arregaçar as mangas e seguir em frente.

Pronto. Agora você já pode ficar sabendo que foi tudo isso em vão! Sei que pareço cruel, mas é que a verdade precisa ser dita. Todo esse esforço homérico, esse tempo dedicado ao trabalho em vez do lazer, ele foi a fundo perdido. Até agora, caro leitor, tudo isso serviu apenas para pagar as mamatas dos políticos, os esquemas corruptos dos governantes e seus apaniguados.

Sabe o escândalo do Cachoeira? Lembra do mensalão do PT? Pois é, de onde você acha que saiu a grana para tudo isso? Os invasores do MST, os anistiados terroristas comunistas, os funcionários públicos cheios de privilégios, os sindicalistas, os subsídios bilionários para as empresas amigas do rei, tudo isso demanda muita verba. Na verdade, quase 40% de tudo que é produzido no país, e que seu trabalho faz parte.

A partir de hoje você começa a trabalhar para você mesmo, e não mais para Brasília e para seu governo estadual. Agora você vai labutar para pagar tudo aquilo que supostamente o governo deveria oferecer para cobrar tanto imposto.

Mas não entre em desespero, nem comece a me xingar. Hoje é sexta-feira! É dia de cerveja com os amigos! Ops, preciso fechar com mais uma lembrança chata. Um certo “amigo” vai com você nessa "chopada" mesmo sem convite. É o fiscal da Receita, que leva mais da metade de cada gole que você der na bebida. Não vá com tanta sede ao pote, pois ele custa caro graças ao governo.

Amanhã, entretanto, será outro dia. Liberdade, liberdade!

Rodrigo Constantino, para o Instituto Liberal

Anônimo disse...

Como a Luiza brunet era bonita!

Anônimo disse...

'Sobre Amor, Sublime Amor, a questão não é nem que o filme é de ficção. A questão é que Xuxa tinha 16 ANOS! Ela foi tão vítima...'

16a tem cabeça feita pra votar, mas ir pro rala e rola não pode? Se decidam pô

Anônimo disse...

A mãe da Joanna Maranhão deveria ser presa pela omissão com a filha... li a entrevista de 2008 na Veja (googlem).

Imagina se uma filha minha me fala que tá sendo molestada pelo treinador, que eu diria que é coisa da cabeça dela e que era pra ela não pensar nisso?

CONIVENTE, e não tem chororô no mundo que apague isso.

Vânia Gonçalves disse...

Perfeito, Lola! Como sempre, concordo com o q você disse.
Apenas com a ressalva de que tenho muita simpatia por ela, pois, para mim, o trabalho principal dela é o envolvimento na defesa dos direitos da criança. Faço parte da campanha Bater em Criança é Covardia, evidentemente acho maravilhoso o trabalho realizado por ela na Fundação Xuxa e na rede Não Bata, Eduque. O programa dela na televisão eu não assisto, mas sei que ela está sempre procurando passar a mensagem da defesa dos direitos da criança lá também. No dia 02 de junho Angelica Goulart, da Fundação Xuxa Meneghel, Carlos Zuma, do Instituto Noos e Rachel Niskier, da Sociedade Brasileira de Pediatria, estarão no programa falando sobre a violência contra crianças e adolescentes.
Enfim, diante de tudo isso, pouco me importam as roupas que ela usava em 1980, principalmente porque ela estava seguindo o padrão da época e porque quem escolhe o figurino é o figurinista.
Mas fico feliz em ver pessoas que, como você, apesar da antipatia pela figura da Xuxa, dizem "uma coisa é uma coisa, e outra coisa é outra coisa". O show de horrores, de piadas e de preconceito proporcionado pelos antipatizantes dela foi deprimente. Que bom se todas as pessoas soubessem separar as coisas e enxergar que ali, naquele depoimento sobre os abusos sofridos, não havia Xuxa, havia uma vítima falando em nome de milhares de vítimas.

Anônimo disse...

A mulher fala uma coisa importante dessas e tem gente que vai implicar com a roupa que ela usava em mil quinhentos e antigamente...putz

Ricardo disse...

Xuxa? A Xuxa é o nosso "Michael Jackson" de saias. Em vez de ela contar isso em rede nacional, deveria ter procurado um psicólogo (ou psiquiatra), já que ela tem dinheiro para isso, coisa que muitas das vítimas afora nunca teve.

Anônimo disse...

Essa Lalinne é troll? É psicóloga? Se for, descredenciem essa pessoa agora (ah, nem precisa de credencial pra ser psico, né?)!!! E VAMOS PARAR com essa argumentação estapafúrdia que diz que a Xuxa molestou um garoto. Quem diz isso nunca viu o filme e nem sabe o que a produção de um filme!!! Eu vi e sei muito bem que aquelas cenas que as pessoas dizem ser pornográficas são muito menos fortes que as que a Vera Fischer fez no mesmo filme e com o mesmo menino. E as duas estavam sob a direção de Walter Hugo Khouri - esse cara 'idealizou' o filme e pagou gente para estar nele, caralho!!!!! Que porra, quando é que vai deixar de ser crime ser mulher????????

Subvertidas disse...

Veja esse sensível cidadão, que culpa a necessidade da Xuxa por atenção e - acreditem - a chegada da menopausa: http://noticias.r7.com/blogs/andre-forastieri/2012/05/21/xou-de-horrores/
Ótima análise, Lola, justa e ponderada.

Sharon disse...

As pessoas que dizem que a Xuxa molestou o garoto de "Amor, Estranho Amor" são as mesmas que xingam ao vivo atores e atrizes que interpretam vilões nas novelas. Não dá pra levar gente assim a sério.

Anônimo disse...

Engraçado, uns anos atrás ela contava outra história... Trechos da entrevista para a "Playboy", em 1996:

- Minha primeira vez foi com um namorado chamado Marquinhos, que era jogador juvenil do Flamengo. Depois, namorei outro jogador chamado Valtinho Coalhada. Depois, foi o Pelé.

- Muitos homens já disseram não para mim. Na época da adolescência, chegando perto dos 18 anos, eu queria deixar de ser virgem de qualquer jeito, e eles ficavam com medo.
.
- Quando eu era criança, achava que se engravidava com um beijo. Umas amiga minha trouxe uma revista de sexo explícito e me explicou como era.Era uma revista sado-masoquista e tinha um cara com um capuz na cabeça, chicote, a mulher estava amarrada na cama.Fiquei desesperada: “Meu pai faz isto com minha mãe!!!”

KALI, desesperadamente humana. disse...

Engraçado todo mundo criticar a Xuxa porque fez "Amor Estranho Amor", mas nunca vi ninguém chamando o Reginaldo Faria de pedófilo por ter feito "A Manina do Lado".

Anônimo disse...

Sinceramente, pode ser mentira sim, não para atrair audiência pra Globo, não para atrair atenção pra Xuxa, e sim para atrair atenção para a campanha que a Xuxa está fazendo em defesa dos jovens e da Lei Joana... SERÁ QUE NINGUÉM AQUI PENSA NISSO?? Lola?

Vanessa Azevedo disse...

Cresci com o Xou da Xuxa e sempre fui fã. Hoje não me interesso mais por seu programa mas não deixo de admirá-la. Fiquei muito decepcionada com a atitude das pessoas ao julgarem e tentarem justificar tal julgamento com argumentos preconceituosos e hipócritas. Se essa "exposição" ajudar pelo menos uma criança a não sofre abusos novamente, já vai ter valido à pena.

Tainá Ludvig disse...

Estava preocupada com a repercussão negativa que essa entrevista trouxe! Que bom ler este post!! Que bom ver que há gente que pensa assim!
Nunca gostei da Xuxa, já a julguei pelo filme, pelo exemplo que dava às crianças! Quando vi a entrevista fiquei tocada. Fiquei pensando nessa circularidade que há na violência e, por mais que veja o filme sim, como um abuso (não vejo como uma criança poderia discernir tão bem realidade de ficção!), pude compreender um pouco do que pode ter acontecido. Não quero defender abusadores, mas é uma pena que essa circularidade exista, especialmente se a pessoa não conseguiu elaborar a situação de uma maneira minimamente saudável (este termo parece estranho, mas há muitos abusados que não se tornam abusadores).
Fiquei pensando no quanto muitas pessoas não conseguem se apropriar do seu "lado vítima" e criticam no outro o que não podem ver em si. Nem todos foram abusados sexualmente, mas quem nunca foi exposto a uma violência? Nossa educação (seja na família, na escola, etc) é autoritária, a sociedade é. Homens e mulheres lidam com a violência tão constantemente que já não a percebem, é difícil mesmo. A violência, velada ou não, existe, não se pode negar. Dói olhar pra si diante dela. Então é mais "fácil" fugir disso e julgar ferrenhamente aquele que escancara a violência na nossa cara.

Pouco me importa se há manobras políticas, se ela quis se aproveitar da situação (o que realmente não acredito, acho que ela não precisa disso). O que me importa é que o tema veio à tona!

Nascimento, Lilian S. disse...

Muito ridículo acusaram a Xuxa devido ao filme que ela fez aos 16 ANOS!
.
Parem para pensar: no relato ela diz que foi abusada pela última vez em casa quando tinha 13 ANOS, apenas 3 ANOS (3 ANOS!)posteriores ela encenou o tal filme.
.
Em 3 anos eu suponho que uma criança em transição para a adolescência tem muita capacidade de discernimento, principalmente se viveu num ambiente em que era comum ser hiostilizada e susada sexualmente.

Carol disse...

Eu acho que não tem nada de contraditório em ver a Xuxa relatando casos de violência sexual. Todo mundo pôde ver na tv e na mídia a exploração sexual que ela sofreu naquele período. Até por ela ter aquele rostinho angelical, que fez com que ela assumisse no filme o papel de uma garota de 16 anos, e não de uma adulta. O mais curioso é que ninguém se lembra de responsabilizar também o diretor do filme, ou a própria rede globo.
Além disso, tem o fato de ela ter alcançado a fama a partir da relação com vários homens que eram grandes ídolos, mas a responsabilidade pela visível prostituição dela, independente se ela já tinha feito 18 ou não, não é da sociedade como um todo, e os valores que incentivavam a imagem que ela construiu.
Assim como mtas pessoas que opinaram, não simpatizo com a Xuxa, nem com o trabalho dela em qqr fase da vida, mas acho essa explosão de indignação uma tremenda hipocrisia.
Até porque é como dizer que a prostituta não tem o direito de reclamar do machismo ou da violência contra a mulher, assim como a mulher de burca, etc.
Como se a prostituição e a violência não estivessem em todos nós, reproduzida e até legitimada.
Mas se só aqueles com carteirinha de decência podem criticar, então não só ela, como todos, deveriam calar a boca.

Anônimo disse...

Como pode a pessoa viver com seqüelas e aos mesmo tempo "como se nada tivesse ocorrido"?
Que sentido faz isso?

Unknown disse...

Vc não deixou o endereço só seu blog. Eu gostaria de ler a sua história.

blogdomaurosilva disse...

Loa,
Destaquei o trecho em que a Xuxa fala que foi abusada pelo professor... e ele diz que não adianta ela denunciar, pois todos v~çao acrditar na palavra do professor.

O juiz Evandro Pelarin acreditaria na aluna Xuxa ou no professor da Xuxa?
youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=oj0Jrt_k_DQ

Anônimo disse...

A primeira lembrança que tenho na vida é do meu pai me dando banho e beijando minha vulva. Fiz xixi bem nessa hora e tomei uma surra, depois ele me fez ficar escorada em uma banheira enquanto introduzia os dedos no meu ânus e a cada berro de dor eu tomava uma pancada. Eu tinha QUATRO anos de idade e a dor era inenarrável. Todos os abusos aconteciam quando minha mãe trabalhava aos sábados.

Quando contei a ela o que acontecia nesses sábados tomei um tapa na boca e ainda tive que mastigar sabão em barra pra não falar mentiras a respeito do meu pai. Eu tinha SEIS anos.

No caríssimo colégio religioso que estudava, contei para minha professora o que estava acontecendo e ela levou o caso à direção. Fui chamada no final do período para conversar com uma psicóloga e assim que saí da sala, meus pais apareceram e eu me urinei. Enquanto alguém me ajudava com a roupa meus pais conversaram com a psicóloga e com a diretora. Depois aparece minha mãe, que me abraça e fala que "vai me ajudar a me curar da minha DOENÇA". Apanhei até não poder mais em casa e nunca mais voltei àquela escola para estudar, a empregada foi dispensada e passei a ficar trancada dentro de um quarto durante o dia, fazendo minhas necessidades em um balde, tendo pra comer um pacote de bolachas.

Um dia desloquei meu ombro tentando arrombar a porta. Minha mãe chegou, viu, jogou o balde em mim (porque eu era "uma imunda") e me fez tomar banho antes de ir ao hospital. Nenhum médico mencionou a respeito dos meus machucados e na volta tive que limpar o quarto. E nada de janta. Até as bolachas eles me tiraram.

De sábado, meu pai me dava comida caso eu engolisse seu semen.

Eis que um dia aparece de surpresa minha avó, mãe do meu pai e me encontrou em estado lastimável, a desculpa é que eu tinha "transtornos psiquiátricos" e não poderia frequentar escolas normais. Então ela resolveu ficar para que meus pais pudessem trabalhar sem que "eu me machucasse" e foi morar com a gente, contra a vontade deles. Os abusos acabaram mas eu não tinha coragem de contar por medo de surras.

E aí minha mãe engravidou de novo.

Perto do final da gravidez minha avó teve morreu e fiz um escândalo no velório. Minha mãe me jogou dentro de um banheiro e me encheu de sapatadas, passou mal e teve que ser internada às pressas. Uma tia ficou comigo até meu pai chegar em casa e assim que virou as costas, perdi a virgindade brutalmente aos SETE anos. Fui estuprada inúmeras vezes, sangrava muito e era obrigada a andar nua. Ao final minha mãe deu a luz a uma natimorta, graças a Deus.

Essa tia do velório veio em casa e pedi ajuda. Eu tinha febre, uma dor incontrolável lá embaixo e incontinência completa. Ela imediatamente fez uma mala de roupas, me levou até a casa de uma amiga e foi na delegacia dar parte. A polícia é quem foi me buscar. Fui para um hospital, fiz exames, contei a mesma história um milhão de vezes e fiquei internada 25 dias até me recuperar das duas cirurgias que fiz. O juizado determinou que eu ficasse com essa tia e um famosíssimo advogado cuidou para que meus pais não fossem presos.

Passei dois anos sem vê-los e voltei a ser uma menina normal, que estudava e brincava e que não tinha mais medo de sábados. A incontinência passou. E não, eles não foram processados, o inquérito foi arquivado e a família não fala disso até hoje.

Em plena noite de Natal eles apareceram e corri me esconder debaixo de um tanque velho. Escutei meus tios ameaçando chamar a polícia, nisso eles foram embora e não fizeram mais contato senão por intermédio de advogados.

Cresci, depois que minha tia morreu fui estudar na Europa, conheci um rapaz e com 24 anos dei o meu primeiro beijo consensual, com 25 anos tive vontade de fazer sexo com ele mas eu só chorava. Ele entendeu e esperou mais dois anos. Estamos casados há 18 anos e adotamos um casal de irmãos, 3 e 9 anos na época

Meu pai morreu em um assalto e minha mãe, dizem, está pelas últimas.

Então amigos, eu sei muito bem porque a Xuxa demorou tanto tempo pra contar sua histórias.

Anônimo disse...

A mãe da Joanna Maranhão deveria ser presa pela omissão com a filha... li a entrevista de 2008 na Veja (googlem).

Imagina se uma filha minha me fala que tá sendo molestada pelo treinador, que eu diria que é coisa da cabeça dela e que era pra ela não pensar nisso?

CONIVENTE, e não tem chororô no mundo que apague isso.


Faço das suas palavras as minhas. Ela foi um monstro também, tanto quanto o técnico.

Michelle Tamietti disse...

Bom, CLARO, sou apaixonada pela Xuxa e acompanho o trabalho dela assiduamente, Xuxa já a muito tempo vem tentando juntamente com muitos, tentar validar uma lei antipedofilia, mudar uma lei não é coisa fácil, uma criança que sofre abuso sente-se culpada, se não houver nenhuma lesão no corpinho da criança fica a palavra da criança contra a palavra do adulto, "crianças fantasiam..." é o que se fala, por fim, a pessoa acusada é liberada e a criança passa a ser vista com "outros " olhos mesmo entre os amigos, do tipo "não pegue mais esta menina no colo, pois ela pode entender errado e vc ser apontado como pedófilo..." Amo estas criança, mas não saio mais com ela" e coisas assim... A criança sempre perde, apenas no Rio Grande do Sul se tem um trabalho onde o estado indica uma psicóloga infantil que avalia a criança e que aponta ter ou não veracidade no depoimento da mesma, apenas lá o depoimento de uma criança de dois anos e sem maldade alguma é considerado valido.... A Xuxa tem lutado muito por isso, dar voz aos inocentes. A entrevista foi dada num momento impróprio por causa do Cachoeira?... A Xuxa com a 5ª maior fortuna do Brasil está sem grana e precisa de mídia?... Ela quis aparecer? Acho que ela, como uma mulher que saiu de filmes pornôs com crianças... (levando em conta que ela própria era uma criança e menor quando o tal filme foi a mídia "alguém já pensou nisso?") e passou a ser a Rainha dos Baixinhos, lidando sim desajeitadamente com a inocência inicialmente.. como ela mesmo já disse certa vez "é muito estranho vc acabar de sair de um meio onde tudo é maldade e se ver em meio a crianças puras que param em baixo de vc e olham pra cima... tive de aprender a re-conhecer a inocência" O Pelé pode te-la lançado ao mercado não fez a carreira que ela conquistou. Muitas pessoas tiveram um "empurrãozinho", mas não foram muito a frente. Fica a critério de cada um a opinião, mas é bom saber bem dos fatos antes de julgar... A Xú tem a mídia, não precisaria se expor desta forma e jamais colocaria a cara dela a tapa para esconder fama de político, ela tem dinheiro, fama e mídia. Ela foi a público no momento exato em que leis sobre pedofilia estão para serem aprovadas, se tem ou não cachoeira na área, não é problema das crianças, se a Xú for esperar acabar a corrupção no Brasil para usar todas as armas que tem em prol dos inocentes, ela vai morrer velinha e com seus objetivos ainda a espera... Ela fez o que achava certo para atingir o objetivo que tem em mente, sem prejudicar ninguém com isso a não ser a si própria. O pensamento é livre e de cada um, não sou formadora de opiniões, nem a Xuxa precisa de defensores em rede social, mas antes de falarmos mazelas, é bom procurar saber realmente do que estamos falando. Imprensa marrom não é só da GLOBO:) ENTÃO PENSA ANTES DE FALAR BRASIL!
MICHELLE BRITO TAMIETI

Anônimo disse...

É, o tema realmente deu o falar... Acho um absurdo esses julgamentos sobre a pessoa Xuxa, ou sobre qualquer pessoa... Admiro a vocês que tiveram a coragem de publicar aqui, e de contar o que passaram... Também fui abusada quando criança e somente aos 24 anos, prestes a me casar e depois de muita análise, fui capaz de contar isso ao meu noivo e aoenas ele e o meu analista sabem disso. Hoje dou psicóloga e atendo também crianças, que são vítimas de todos os tipos de abusos, sejam sexual, psicológico ou social. Não temos o direito de julgar ninguém, e se a Xuxa falou sobre isso em rede nacional e só agora, é porque somente agora isso pôde ser, de alguma forma, elaborado por ela. E que bom que ela o fez, da forma que fez. Não teve nada de sensacionalista, pelo contrário, dava pra ver a vergonha e o desconcerto nos olhos e no tom de voz dela. Vi a entrevista no Fantástico, e o peso, os momentos de silêncio, a ausência de um interlocutor ao redor das palavras dela, era ainda mais pesado... Admiro a coragem que teve, pois além de libertador para ela, está ajudando outras tantas pessoas a se libertarem...

SANDRA disse...

"Sei que o filme é antigo, de 1979 (lançado apenas em 82)"

Vamos examinar esses fatos?

Na entrevista dada para a Folha, MARCELO RIBEIRO diz que foi convidado a fazer o “Amor Estranho Amor”, aos 12 anos DEPOIS de ter feito "Eros, o Deus do Amor", de 1981. Marcelo nasceu em 1970.

http://www1.folha.uol.com.br/folha/ilustrada/ult90u312675.shtml

RUBENS EWALD FILHO, também fez participação no filme (ponta), escreve em seu site que foi depois que foram fechados os estúdios Vera Cruz, Walter Khouri realizou para os produtores Galante e Palácios o filme Eros, o Deus do Amor (1981).

Em seguida, a partir de sua parceria com o produtor Anibal Massaini Neto, foi feito Amor, Estranho Amor (1982)

http://noticias.r7.com/blogs/rubens-ewald-filho/2010/06/27/filmes-de-walter-hugo-khouri/

VERA FISCHER: Pesquisando um pouco sobre a vida da excelente atriz, vemos que sua filha, Rafaela, NASCEU em 02 de agosto de 1979. No filme, Vera não aparece grávida, nem recém- parida, pelo contrário! Está em excelente forma e seu corpo está lindo!

Última ponderação: SE o filme fosse realmente de 79, Marcelo Ribeiro teria 9 anos, o que absolutamente não condiz com o seu físico e desenvoltura no filme, como qualquer um pode conferir no youtube.

Wikipédia NÃO É UMA BOA FONTE para se basear! Não dê este exemplo para seus alunos.

Pesquisando um pouco sobre leis... Nosso Estatuto da Criança e do Adolescente, art. 240: "Produzir, reproduzir, dirigir, fotografar, filmar ou registrar, por qualquer meio, cena de sexo explícito ou pornográfica, envolvendo criança ou adolescente".

Então, se nosso atualíssimo ECA valesse na época, a Xuxa e todas as outras atrizes bem como todos os envolvidos na produção e direção, poderiam ser considerados criminosos.

http://www.turminha.mpf.gov.br/as-leis/a-lei-garante-a-protecao-contra-o-abuso-e-a-exploracao-sexual

Nosso ECA é de 1990, portanto, ainda faltava muito tempo até que essa visão de proteção a criança e adolescente fosse respeitada. Porém AGORA ela é! Desmerecer esta conquista dizendo que é a mesma coisa que o Heath Ledger ser considerado criminoso porque explodiu prédios e matou e torturou pessoas quando interpretou o Coringa é um profundo desrespeito.

Não acredito que eu precise explicar porque a uma professora, mas explicarei de qualquer forma para quem estiver lendo: Fazer um filme explodindo coisas de mentirinha não é crime. Fazer um filme com sexo de mentirinha com crianças, é.

Veja bem, não estou entrando no mérito se ERA certo ou errado! Hoje é errado (e crime), mas a moral e ética da época, aparentemente, permitia. Estou questionando a SUA ESCOLHA DE COMPARAÇÃO Xuxa x Heath Ledger. Para defender a Xuxa, você diminui uma conquista importante na proteção das nossas crianças e adolescentes.

No seu ensaio, você defende uma premissa falha (a pouca idade de 16 anos) usando artigo da Wikipédia para justificar um erro e ainda diminui o erro, desconsiderando nosso ECA.

E continua a crítica, quando diz que a lei Joanna Maranhão só foi possível porque uma pessoa famosa contou sua estória de horror.

Isso é desmerecer completamente pessoas como a nossa Ministra Maria do Rosário, que trabalha há anos na área de Direitos Humanos e atuou no enfrentamento à exploração sexual de crianças e adolescentes. A Ministra nunca precisou de "depoimentos de famosos"! Nem Carmen Silveira de Oliveira e sua equipe no Enfrentamento à Violência Sexual de Crianças e Adolescentes.

Enfim, cada um defende a Xuxa como quiser, na minha humilde opinião. Inclusive defesas emocionais são mais do que esperadas. Só acho que uma professora deveria ser mais cuidadosa com o exemplo que quer passar a seus leitores/alunos.

dani disse...

Adorei esse comentario

Anônimo disse...

Wikipédia NÃO É UMA BOA FONTE para se basear! Não dê este exemplo para seus alunos.

www1.folha.uol.com.br/folha/informatica/ult124u19402.shtml

Anônimo disse...

Não teve nada de sensacionalista, pelo contrário, dava pra ver a vergonha e o desconcerto nos olhos e no tom de voz dela. Vi a entrevista no Fantástico, e o peso, os momentos de silêncio, a ausência de um interlocutor ao redor das palavras dela, era ainda mais pesado... Admiro a coragem que teve, pois além de libertador para ela, está ajudando outras tantas pessoas a se libertarem...

Concordo com tudo, tanto sobre a veracidade do depoimento dela quanto a ajuda que ela está prestando a quem finalmente criou coragem pra falar.

Mas realmente é muito difícil, porque as pessoas julgam muito cruelmente qualquer vítima de abuso sexual.

Com exceção de uma única vez, todas as demais vezes que pedi ajuda só recebi o que havia de pior no mundo.

fabio disse...

se tem uma coisa que concordo com a feministas( uma das poucas coisa), e isso, para mim estupradores e pedofilos devem cumprir prisão perpetua, não podemos deixar soltas estas bestas feras no meio de nossas crianças e cidadãs !!

Anônimo disse...

Fui molestada qdo criança: avô e amigos da família.

Eles não me machucaram, apenas me tocavam e me fazia tocá-los.

Não entendia o porque de fazerem isso comigo e no final achava que era a culpada e que provocava.

Me sentia suja, um lixo.

Os abusos pararam por volta dos 13 anos. Consegui dar um basta mas não tive coragem de contar aos meus pais.

Conversando com uma conhecida, ela dividiu comigo que o pai tentou estuprá-la e senti vontade de contar a ela o que aconteceu comigo.

Resolvi fazer terapia, aos 38 anos, por não aguentar mais guardar isso. E hj compartilho com vocês.

É isso!

Anônimo disse...

qdo vi a entrevista da Xuxa, me emocionei demais e vi todos os sinais de quem já sofreu abuso. Sei disso pois eu fui abusada pelo meu padrastro dos 5 aos 18 anos. E talvez antes dos 5, pois ele se "juntou" com minha mãe qdo eu tinha apenas 2 anos.
Ele me ameaçava, dizia que ia me matar e matar a minha mãe. Eu só tinha minha mãe no mundo e ninguém a quem pedir socorro. Quando tinha 14/15 anos tomei coragem e contei pra ela, achando que ia se separar dele, ir embora comigo e com meu irmão de apenas 2 anos, filho dele com ela. Ledo engano, ao invés de me defender, ela se vitimou, entrou em depressão, ameaçava matar a todos nós. E nessa história toda, continuamos todos na mesma casa, ela tentando ao máximo não me deixar sozinha com ele. Porém com o tempo, essa "vigilância" acabou aferrecendo e ele voltou a me estuprar. E aí eu vi que só contava comigo mesma, que realmente eu não tinha ninguém no mundo, só eu. E eu decidi que tinha duas opções: ou me matava para acabar aquele suplício, ou ia embora de casa, fugir, sei lá, e tentar viver como desse. Fiquei com a segunda opção. QQ coisa era melhor do que o inferno em que eu vivia. Com 18 anos, arranjei um emprego de vendedora, mas ganhava mixaria e não dava pra me sustentar sozinha. Nessa época, passei a frequentar a Igreja Católica perto de casa e ao me confessar com o padre contei tudo o que vivia. Ele se sensibilizou e me disse uma coisa que me deu forças pra acabar com aquilo: "da próxima vez que ele se aproximar de vc para te abusar, vc vai negar, vc não vai ceder, por mais medo que vc sente. Se ele ameaçar te matar, vc diz 'Então mata!'. Porque é melhor morrer do que viver em pecado." E de alguma maneira isso me deu forças. Alguém tinha acreditado em mim! Não tinha me condenado! Isso me deu tanta força! E na outra vez que ele veio, eu disse isso pra ele. Depois de 12 anos ainda lembro nitidamente daquele dia em que disse não. 'Não, vc nunca mais vai me tocar. Se quiser me matar, pode começar.' E por incrível que pareça ele não me tocou naquele dia.
É claro, tentou usar a força física várias vezes, mas eu cheguei a lutar fisicamente e sair correndo pela rua, descalça pra fugir dele. MAs ele nunca mais tocou em mim. Arranjei um emprego que ganhava um pouco mais, aluguei um qto nos fundos da casa de uma conhecida e fui começar a viver minha vida, aos 20 anos de idade. Claro com muito medo dos homens, eu chegava a suar frio perto deles. Tive meu primeiro namorado e senti prazer numa relação sexual, aos 30 anos e hoje aos 32, tenho sonho de ser mãe. Mas tenho muito dificuldade em me aproximar dos homens. Tenho muito medo de ser obrigada a fazer o que eu não quero. As vezes penso que Deus não vai permitir que eu seja mãe, pq talvez isso vá acontecer com meu filho/a, que eu não vou conseguir proteger ele como a minha mãe não me protegeu. Ou que eu mesma faça mal pro meu filho. É tanto loucura que passa na minha cabeça... As vezes eu brigo com Deus, pq eu fui "sorteada" nas estatísticas de abuso?, pq eu não podia ter uma vida normal como tantas mulheres?... Devaneios nos momentos de solidão... Ao mesmo tempo que eu queria ter uma pessoa do meu lado, eu tenho muito medo de esbarrar com mais um psicopata na minha vida.

Anônimo disse...

eu tb me questiono pq fui "selecionado" pra fazer parte dessas estatísticas. acho que isso passa pela cabeça de todo mundo que sofre algum tipo de mazela

toda pessoa deve ter algo de ruim a contabilizar, um assalto, um acidente de carro, uma agressão, uma discriminação, uma doença grave, etc, mas acho que no nosso caso é mesmo de se ficar imaginando "pq eu?", já que nao fizemos nada pra causar isso.

eu mesmo nunca tive esse sentimento de culpa, de pensar que eu estava provocando isso de alguma forma. o questionamento parte daí: eu não fiz nada pra merecer isso, pq aconteceu comigo?

é uma pergunta retórica, não tem um motivo especial que justifique

oscar wildcat disse...

mais um que se solidariza com a xuxa e se choca com estes comentários horrorosos que as pessoas têm feito sobre a entrevista ao longo da semana. falta muito, muito de sensibilidade e de se colocar no lugar dos outros a estas pessoas. o relato dela foi extremamente verdadeiro e alinhado às histórias de horror de tantas crianças, não temos motivo algum pra duvidar da dor da xuxa e, menos ainda, fazer pouco caso dessa dor.

Prafalardemuseu disse...

Trabalhei durante três anos como voluntária em uma ONG, que cuidava de crianças em risco econômico, a violência sexual atinge todas as classes sociais, que fique claro.
Mas o que eu via várias vezes era terrível, meninas de 2,3 anos que chegavam com mordidas em quase todas as partes do corpo, e coisas assim, um dia fui passar a pomada em uma das menininhas e ela disse "não titia não corta aí de novo." Dá pra imaginar meu grau de impotência e escândalo?
Tive o privilégio de crescer em uma família que sempre me empurrou pra frente e apesar de sexualmente conservadora com homens e mulheres não fui criada pra ser submissa nem mesmo pra receber maus tratos, ser solteira e feliz ser casada e feliz por aqui tanto faz eu nem imaginava que uma coisa dessas pudesse acontecer com tanta frequência e que por vezes fosse tão visível.
Daí a gente chamava a polícia, e como sabemos estão pouco se lixando para os pobres e nem adianta a gente se iludir quanto a isso, (no sistema do país), perguntavam pros pais eles negavam e levavam as crianças de volta. Ou minha tia levava pra casa pra passar uns dias, pra fazer exames, dar remédios, mas ela não podia adotar todo mundo, infelizmente.
Saí de lá tem algum tempo, tem várias adolescentes (que eram crianças há 5 anos atrás) por falta de informação, pelas máximas machistas e fatores de violência.

Prafalardemuseu disse...

Várias adolescentes que engravidaram****

«Mais antigas ‹Antigas   1 – 200 de 213   Recentes› Mais recentes»