sábado, 5 de maio de 2012

GUEST POST: UMA PARÁBOLA

Priscila, uma estudante de SP, deixou este comentário num post. Não é difícil descobrir a que a parábola se refere.

Era uma vez um casal no meio do deserto. O homem e a mulher que formavam aquele casal concordaram em cavar um poço para conseguir água e saciar a sede. Mal sabiam eles que naquele local iria emergir uma nascente de um grande rio. Após saciar a sede surgiu uma nascente e ali nasceu o início do rio. Eles então seguiram caminho, mas o rio traçava um caminho rente a eles, e com o passar do tempo, este rio ia se tornando maior e mais largo. O rio caminhava em direção ao mar, e o casal caminhava junto em direção a um castelo dos sonhos onde tudo era perfeito. Até que um dia eles encontram uma figura de um castelo do outro lado da margem do rio.
"Maldito rio! Ele tinha que estar entre eu e meu sonho?" exclamou o homem.
"Que tal construirmos um barco e seguir o curso do rio? Quem sabe iremos chegar lá depois de um tempo. Você me ajuda?"
"Não vou te ajudar, a culpa do rio estar aqui é toda sua! Eu não quero mais seguir o caminho ao seu lado. Vou procurar outro caminho para conseguir chegar ao castelo. Se vire com o rio que o rio é seu!"
Atônita, a mulher começou a indagar: "Devo construir um barco sozinha, velejar sozinha, e passar por todos os percursos tortuosos sozinha? Ou devo construir uma barragem sozinha e romper com o caminho do rio aqui mesmo, antes que ele tome outros rumos?"
Ela escolheu a segunda opção. Construiu a barragem e o rio evaporou, foi encerrado. Finalmente ela pôde chegar ao castelo, mas descobriu que ele não era tão perfeito assim, pois havia a lembrança de que o rio poderia fertilizar vários solos, poderia saciar a sede de várias pessoas, e conseguir por fim chegar ao seu destino, a imensidão do mar. Ela fez a sua escolha, e ninguém se dispôs a ajudá-la quando ela mais precisava. Depois deste ato ela foi bastante humilhada por várias pessoas que recriminaram sua barragem do percurso do rio. Mas ela retrucou: "Caso o rio seguisse caminho, ele também correria a chance de ser poluído pela sujeira humana e sua ignorância tóxica. Que garantia tenho que este rio ia ser amado e cuidado pelas pessoas?"

Eu: Não preciso nem dizer a que se refere esta parábola, né? Ela foi deixada num post sobre aborto. Discordo do moralismo no final -- não é toda mulher que sente remorso por abortar, e, ainda que fosse, o aborto deveria ser descriminalizado, porque cabe à mulher decidir. Também não é todo homem que abandona a parceira no caso de uma gravidez indesejada. Digamos apenas que isso é muuuuito mais comum que o sujeito insistir para que a moça continue a gravidez. Enfim, é uma parábola. E todas as parábolas são um pouco simples. Mas eu achei bem ilustrativa.

85 comentários:

Flávio Brito™ disse...

Fica a dúvida:
Nenhuma mulher deve ser presa por não querer ser mãe.
Nenhuma mulher deve ser obrigada a ser mãe, e deve ter o direito de escolher. OK.
E o homem deve ser obrigado a ser pai?
Se ele se recusar a fazer um DNA é automaticamente declarado pai da criança e obrigado a pagar pensão.
Assumir um filho não é opcional para o homem ou assume ou vai cadeia.
Se não der atenção e afeto para criança é processado.
Se a maternidade deve ser uma opção a paternidade também não deveria?
Meio complicado não?

Anônimo disse...

Flávio, depois que nasce a criança, a responsabilidade é dos dois... O aborto é pra pensar isso antes....

Carol disse...

Diferença:
A mulher tem q carregar o filho dentro de si e sofrer todas as transformações corporais e fisiológicas e parir e etc. O homem, não.
É ÓBVIO que a palavra final é da mulher. Não dá pra transferir o feto pra barriga do homem se ele se dispuser a ter o filho e ela não, né?

Nenhuma mulher deve ser obrigada a ser mãe contra sua vontade. Certo. Só que isso é uma decisão para ANTES do bebê nascer. O direito de uma mulher interromper a gravidez não tem nada a ver com o "direito" de um homem não assumir a paternidade DEPOIS que o bebê nascer. Não tem lógica nenhuma isso. O direito do homem em não assumir a paternidade do bebê seria equivalente ao direito da mulher de não assumir a maternidade depois de parir o filho. E jogar o bebê fora e ignorar sua existência, sei lá.

Ambos participam da concepção. Isso não muda. Homem e mulher têm suas idênticas responsabilidades na criação daquele filho, se essa concepção for até o fim e der origem a um bebê nascido. Não tem essa de o pai "se eximir da responsabilidade". No entanto, já q o resto do processo todo acontece dentro do corpo da mulher, é ela que decide se ela quer levar a concepção adiante ou não. Não existe paralelo dessa decisão em relação ao homem. É algo que só acontece com a mulher. ESSA decisão final é dela. Gente, "direitos iguais" se aplicam quando há condições iguais. Os direitos são diferentes de acordo com a diferença de condições de cada pessoa envolvida. A gestação de um feto é algo que SÓ acontece no corpo da mulher. Não tem como fazer equivalência.

Sim, anônimo, as mulheres devem ter o direito pleno de controlar sua liberdade reprodutiva. Pq é no corpo delas q isso acontece, e não no seu. =) Se fosse possível transferir o feto pro seu útero não-existente e vc fazer esse trabalho por elas, ok. Mas não é. Então pronto. Quer ter um filho? Arrume uma parceira que também queira.
Seu segundo comentário é risível.

Carol disse...

Ops, os comentários do anônimo ao qual eu me referi no meu comment foram deletados. Menos mal, hehe.

Luiz Alberto disse...

Sou plenamente favorável a legalização do aborto e não acho ninguém deva ir para a cadeia por causa disso.

Todo mundo está sujeito a realizar uma interrupção de gravidez, milhões de circustâncias em milhões de circustâncias e negar isso é uma hipocrisia tremenda.

Mas por outro lado acho um absurdo essa relativização que muita gente faz em relação ao ato, como se o feto fosse um parasita e a mulher o hospedeiro.

Tratar um embrião como se fosse um catarro é demais, acho tremendamente desumano essa idéia de que a mulher (homens incluídos, a responsabilidade é de ambos) não deve se arrepender de abortar e que é uma fraca ou manipulada se questionar isso de alguma forma.

Anônimo disse...

É muito chororo por tão pouca responsabilidade. Quando um cara não quer ser pai ele não é e pronto.
A única coisa que é obrigado a fazer é dar uma pensão mensal que na maioria das vezes é uma miséria que mal dá pra metade dos gastos de uma criança, não precisa ver, cuidar, se preocupar, mesmo assim, muitos que tem que pagar ainda passa o resto da vida chorando miséria e demonizando a mulher que fica a cargo de todo o resto.
Já tive amiga que foi demonizada no seu círculo de conhecidos porque precisava ganhar mais dinheiro pra sustentar a si mesma e a filha e deixou a menina na casa do pai por um mês, como se ela tivesse abandonado a filha. Mas pro pai basta pagar uma pensãozinha, já a mãe, faça o que fizer, ainda que seja pro melhor dos filhos, vão apontar mil defeitos.

Anônimo disse...

Não tem a ver com o post, mas como é o mais recente, vou postar aqui:

**********************

http://sweetlicious.net/gerais/o-clitoris-interno-21383

***************

Fala sobre o desprezo da medicina em estudar o clitóris, o desprezo da medicina pelas mulheres, como diz o texto.

LisAnaHD disse...

É uma falácia dizer que toda mulher que se submete a um a dois abortos se sente culpada. Já lidei com mulheres que lidaram com vários abortos e não se sentiam culpada coisa nenhuma.

Insistir em que toda mulher se sente culpada e com remorso por abortar é uma arma de manipulação... tanto colocam na cabeça da mulher que é assim que ela se sente, que assim ela acha que DEVE se sentir.

Elisandra disse...

Sou contra o aborto mas totalmente a favor da sua legalização, entendo que existe casos e casos e que é direito da mulher e não do estado decidir. Penso também que aborto não deve ser tratado de forma banal como se fosse mais um método contraceptivo.
Para a mulher que não deseja a maternidade basta não engravidar.

nando disse...

Invoca-se o direito da mulher sobre o seu corpo como argumento para a descriminalização do aborto,entendendo que o filho é propriedade da mãe,não tem identidade própia é ela quem decide se ele deve viver ou morrer.Não há dúvida quanto ao direito de escolha da mulher em ser ou não ser mãe.Esse direito ela o exerce,com todos os recursos que o avanço da ciência têm proporcionado,antes da concepção,quando passa existir,também, o direito de outro ser,que é o do nascituro,o direito à vida,que se sobrepõe ao outro.Estudos científicos recentes demonstram o que já se sabia há muito tempo:o feto é uma personalidade independente que apenas se hospeda no organismo materno.O embrião é um ser tão distinto da mãe que,para manter-se vivo dentro do útero,necessita emetir substâncias apropriadas pelo organismo da mãe com o objetivo de expulsa-lo como corpo estranho.Fala-se do direito da mulher com toda jutiça,mas esquecemos o direito do ser de viver.

André disse...

Flávio Brito,
Concordo com você. Em algum momento essa assimetria de direitos terá que ser discutida.

Anônimo disse...

Falar de um tema como aborto é bem complicado pois as opiniões sao diversas, mas ok vamos por partes.A mulher fazer aborto por determinada circusntância e o que a levou a fazer isso.
Agora tolerar ou aceitar fazer um aborto por uma irresponsabilidade que foi feita e ela achar que isso é a saida mais facil porque nao vai atrasar a vida dela jamais fez assuma e o pai tambem, pois o ser que esta sendo gerado nao tem culpa da falta de cabeça das pessoas.

Ralf disse...

Engraçado as feministas dizerem que quem decide sobre abortar ou não são as mulheres pois o corpo é dela, pra começar de fato o corpo é dela sim, mas o feto é VIDA e mais, ninguém faz filho sozinho, coisa que muitas mulheres dizem quando pedem pensão, não que isso seja errado, mas só quando convém vcs lembram da função do homem.

Antes que falem alguma coisa, não sou "mascu" por ter uma opinião contrária a de vcs e nem sou feminista, sou justo, cisa que vcs não estão sendo.

Se vcs não querem ter filho, PREVINA-SE, tem camisinha, anti-concepcional, DIU... meios de evitar filhos sobram, é só cs escolherem e lembrem-se de que mesmo se o aborto for legalizado feito em excelentes clínicas, a mulher fica com sequelas e mais, já que vcs dizem defender tanto assim as mulheres, lembrem-se de que a maioria dos assassinatos cometidos no aborto são contra mulheres, já que nasce mais mulheres do que homem, portanto se vc é contra o aborto, vcs são a favor do assassinato de milhões de mulheres, como se a vida de homens não tivesse valor... por isso não me conformo de vcs ainda dizerem que "machismo mata", mas se vcs forem analisar, o feminismo mata muito mais, nem se compara.

Anônimo disse...

Funciona assim a mulher engravidou:

A: O cara não quer ter um relacionamento com ela, então ele é um calha por "abandonar" a mulher.

B: O cara quer ser pai mas ela não quer o filho, o cara é um canalha por não a apoiar...

C: Ela quer ter o filho mas o cara não, ele é um canalha por não assumir suas responsbilidades.

D: O homem não conrda com o aborto mas acha que a decisão é dela, porém ele vai a clinica de aborto com ela: o cara é um canalha por não acompanhar a mulher num momento tão dificil...

E:

F:

W:

z:Não importa o que aconteça o homem é sempre o vilão na história do aborto.

Andréa disse...

Olá querida Lola!

Dá uma olhada nisso aqui. Tem gente que quer que nós mulheres achemos "Bitch please, I'm Isacc Newton" algo bonitinho... Sinceramente...

http://www.superdownloads.com.br/materias/mulher-perfeita-nerd.html

Um beijo e bom final de semana!

Rose disse...

A verdade é que se tivesse uma lei que obrigasse o pai a assumir todas as responsabilidades junto com a mãe sobre o filho, que o obrigasse a inclusive dividir as tarefas "chatinhas" como limpar o coco, não dormir por horas a fio, só comer quando pudesse, levar e buscar na escola, pediatra, dentista,etc. etc, (essas coisas que fazem parte do cotidiano da mãe). Em pouco tempo haveria uma legião de "Expert" exigindo a obrigatoriedade do aborto.

Luciana disse...

Pelo jeito isso aqui vai virar um festival de mascus trolls.Se vocês estão tão incomodados com a escolha da mulher sobre a vida do feto,respondão-me então homens tão honrados: Porque numa porcentagem de 0 a 100% quando a mulher diz que está grávida o cara caí fora ou joga 90% da responsabilidade sobre a mãe? Porque se for pra falar de "vilão" vamos aos fatos:
Quero saber quantos homens abdicariam de suas carreiras profissionais para passar mais tempo com seu filho como a grande maioria das mulheres fazem.
E você Ralf fala em "previna-se" mas isso é responsabilidade dos DOIS, e se por um ACASO a mulher engravidar de uma relação que não seja de fato um casamento novamente quero saber QUANTOS homens assumiriam esta criança.Vocês só querem o direito a "vida" e depois disso que se exploda,a mulher que trabalhe fora,cuide da criança e vocês belos e folgados dormindo o sono dos justos.

Anônimo disse...

Que tal homens e mulheres, ao invés de pensarem tanto em aborto, começarem a pensar em prevenir a gravidez?

Que tal as mamãezinhas começarem a ensinar seus filhinhos desde cedo como um bebê é feito de verdade, e ensiná-los a encapar seus peruzinhos?

Que tal essas mesmas mamãezinhas também ensinarem suas filhinhas a mesma coisa?

Que tal as mamãezinhas e papaizinhos também (por que não?), cobrarem das escolas de seus filhinhos, uma disciplina exclusiva para educação sexual?

Que tal as mulheres esclarecidas deste país começarem a se mobilizar por essa educação sexual nas escolas?

Eu não consigo enxergar a legalização do aborto como uma medida a ser tomada separadamente da educação sexual eficaz. Agora vocês imaginem um país como o Brasil, onde falar de sexo é um tabu, um país de maioria católica e blá blá blá todos os entraves que a gente já conhece para se falar de sexo e educação sexual, se este país vai "permitir" a legalização do aborto? Sentem e esperem.

Sou contra essa coisa de se pensar na legalização do aborto como uma medida urgente, que tem que ser debatida agora, antes de termos tentado todas as outras maneiras de se evitar um aborto. Porque do jeito que no Brasil se faz filho na brincadeira, sem planejamento, sem nem saber como isso acontece, sem informação e com informação também, do jeito que se faz filho indesejado neste país... legalizar o aborto aqui vai ser a mesma coisa que abrir um grande abatedouro humano com suas filiais espalhadas pelo país! Aborto, agora, no Brasil, viraria "pílula do dia seguinte".

Anônimo disse...

joga 90% da responsabilidade sobre a mãe?

De onde sairam esses dados?

Anônimo disse...

Um homem impedir uma mulher de ser mãe ninguém aceitaria...

Mas um mulher impedir um homem de ser pai ai ta beleza né?

A paternidade é um direito constitucional que as feministas querem tirar dos homens.

Anônimo disse...

A legalização do aborto tem de ser pensada como medida urgente porque há mulheres morrendo fazendo abortos clandestinos. Ponto.

Daí a gente pensa também, em conjunto, em campanha de prevenção de gravidez. Tão simples, tão fácil.

Uma coisa que me incomodou muito foi a questão da assimetria dos direitos, do homem e da mulher em relação ao feto. Acho que com a legalização, isso iria acabar sendo discutido mais e mais.
Mas continuo achando que um casal deve muito conversar sobre o fato de um deles querer um filho ou não e isso ser determinante na hora de se fazer um aborto. E que a mãe deveria pagar pensão se o filho ficar com o pai, assim como se faz o contrário.
Mas imagino que o número de pais que queiram assumir um filho sem a mãe seja muito pequeno ainda. Infelizmente. (fora que a mãe que abandona o filho é vista como escória da humanidade, essa desnaturada - aff).

Mas o que tem de ser feito mesmo é descriminalizar e posteriormente ser amparado pelo Estado.

anônima pensante.

Anônimo disse...

Meu apelido é anônima pensante porque alguns, como o de cima, parece que nem pensam.

M disse...

Depois que a criança nasce homem e mulher têm obrigação de cuidar da criança.Na realidade o pai que não quiser ser pai, basta pagar pensão, mas é muito raro ver o contrário acontecer.

Espero realmente que processar o pai por abandono afetivo se torne comum. Já que o aborto no Brasil é proibido, está mais do que na hora de que homem e mulher dividam as responsabilidades sobre a criança de forma mais justa.

20:49 disse...

"A legalização do aborto tem de ser pensada como medida urgente porque há mulheres morrendo fazendo abortos clandestinos. Ponto."


A prevenção sim, tem que ser pensada como medida urgente porque há seres humanos (fetos) e mulheres morrendo clandestinamente. Ponto.

Anônimo disse...

Por que acontecem abortos ilegais vamo legalizar o aborto?

A lei não impede que furtos aconteçam então vamos descriminalizar o furto.

Racismo acontece todos os dias então vamos descriminalizar o racismo...

Anônimo disse...

Concordo q qrer ser pai tbém é uma opção.
Mas que venham então mtos processos por abandono afetivo, pq na prática, é a mulher q arca com tudo sozinha.

Sara disse...

Se homem ficasse grávido aborto seria um sacramento.
O problema é que nós mulheres ficamos grávidas e temos que aturar esses lixos de mascus querendo dar palpites num processo em que só nós mulheres somos extremamente prejudicadas, no dia em que um homem soubesse o que implica levar uma gravidez ao termo, com absoluta certeza parariam de ficar falando imbecilidades como os dementes que falam aqui.
É muito facil ficar cagando regras aqui só com o intuito de aporrinhar as paciencias, comparando o aborto com os milhares e milhares de crimes contra a mulher que o machismo promove no mundo inteiro como esse cretino do Ralf escreveu.
É obvio que esse tipo de argumento fajuto e canalha e dito apenas com o intuito de saturar a paciencia da maior parte das mulheres que escreve aqui nesse blog.
E nem mesmo vale a pena refutar uma imbecilidade como esse tipo de afirmação.

Teresa disse...

Rose, sobre a justiça obrigar os pais a participarem dos cuidados com os filhos: foi aberto um precedente, onde um pai, acusado de abandono afetivo de uma filha, terá que pagar R$200.000 de indenização

http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/1084438-stj-obriga-pai-a-pagar-r-200-mil-a-filha-por-abandono.shtml

Alex disse...

Eu sou a favor da descriminalização do aborto, mas só até uma certa fase da gestação. Já faz muito tempo que estudei embriologia, não me lembro mais quando o sistema nervoso já está formado. Estando formado o sistema nervoso, na minha opinião o aborto deixa de ser algo cuja decisão esteja à inteira disposição da mulher. Claro que um feto ainda não é uma pessoa na inteira acepção da palavra. Mas também não pode ser visto como um pedaço das vísceras da mãe. Acho que na questão do aborto o direito à vida, que é do feto, sempre vai estar em conflito com o direito de ser mãe, que é da mulher. Acho que nenhuma mulher pode ser obrigada a ser mãe. Ninguém pode ser obrigado a gostar, a se importar com outra pessoa. Por isso vi com algumas reservas a decisão do STJ que obriga um pai reparar danos morais a uma filha porque não cuidava pessoal e diretamente dela. Acho que uma pai ou uma mãe tem o direito de não gostar e de não desejar a presença de um rebento (usei essa palavra por ser "unissex"). O Estado não tem como invadir o coração alheio. O dever de cuidado pode ser adimplido de forma indireta, por meio do pagamento da pensão alimentícia, coisa que, nesse caso julgado pelo STJ, parece que o pai fazia. Mas enfim. Quando o sistema nervoso está formado, passa a haver atividade cerebral. Fazer aborto, quando o feto já chegou a esse estágio de desenvolvimento, não pode ser equiparado a um nada, a algo semelhante à retirada de um pedaço do intestino, de uma unha ou de uma mecha de cabelo.

Rose disse...

Teresa, minha doce teresa... Ela obriga o pai a manter uma certa afetividade com o filho, mas nada obriga o pai a ficar horas a fio cuidando do bebe. Eles simplesmente "não conseguem" cuidar sozinhos. Não me referia ao afeto, quis dizer quando for obrigação do pai (sei que alguns, pouquíssimos, fazem isso)participar ativamente das questões desagradáveis da criação.

Anônimo disse...

Olá pessoal,
andei pensando sobre aborto esses dias com a noticia da mulher que ganhou na justiça o direito de ser indenizada por abandono afetivo. Acho risível como na maioria homens, deputados, senadores, juizes e procuradores, tem o direito de dizer o que a mulher pode ou deve fazer ou nao e as mulheres nao tem direito a voto, opiniao. Por que esses homens podem dizer o que a mulher tem que fazer quando ela será a unica responsabilizada pelo cuidado da criança, pela educação, saúde, moradia e alimentação. Se o homem que a ajudou a fazer o filho quiser abandoná-la, ela será a unica responsavel pela criança. Interessante que essa homalhada não quer se responsabilizar pela porcaria de saude, educacao, seguranca que os governos dao a sociedade em troca de bilhoes em impostos pagos por nós, mas obriga a mulher, e a crianca a proposito, a se responsabilizar por uma gravidez nao planejada. Até quando estaremos acorrentadas ao autoritarismo masculino? alem do mais, esses parasitas da sociedade querem curral eleitoral, pagadores de impostos e de seus salarios astronomicos e beneficios mil

Anônimo disse...

Fazer aborto não pode, mas e abondar criança, pode? O q acho engraçado é q qdo aparece criança abandoada a mídia cai em cima da mãe. Vem logo um papo de q é abandono de incapaz, q é crime. Já repararam? Q seja, concordo. MAs nnca falam nada do pai? É filho de milagre? Só tem mãe? Pq se é pra correr atras de culpado por abandono teriam de ir atras dos 2 né? Mas não! Só vao atras da mulher!

carolinapaiva disse...

Alex

Esse STJ e suas interpretações absurdas. Certas dores do ser humano não podem ser reparadas pela Justiça, como o caso de não ser amada pelos pais, já que não se pode obrigar alguém a amar outro.
Enfim, não tem lógica isso. Nem tudo pode ser judicializado dessa forma.

20:49 disse...

Para mim, aborto é igual à pena de morte, com a diferença de que o destinatário da pena de morte cometeu um crime, ao passo em que o nascituro não cometeu nenhum.

Nina Levy disse...

" 20:49 disse...
Para mim, aborto é igual à pena de morte, com a diferença de que o destinatário da pena de morte cometeu um crime, ao passo em que o nascituro não cometeu nenhum."

Para ter morte tem que ter vida. O conceito de vida que vc tem, é seu, pertence a você e a sua religião. Vem da sua fé.
Eu não, eu acredito na ciência, até os três meses o feto não tem sistema nervoso, é apenas um aglomerado de células. Portanto aborto até o término do primeiro trimestre não tem nada a ver com morte, pois não há vida.

A sua opinião, a sua fé, são direitos seus. Siga a sua fé e não aborte. Vc tem todo direito de não abortar.

Agora, não venha me impor a sua crença. A crença é sua e o Estado é laico.

O Estado tem a obrigação de amparar a mulher que decide pelo aborto. Se não ampara ainda é porque vcs, com suas crenças religiosas, esmagam a laicidade do Estado, esmagam meus DIREITOS.

Mantenha a sua fé, dou o maior apoio, mas respeite o meu direto.

A FÉ É SUA, NÃO MINHA. E O ESTADO LAICO.

Amanda disse...

Estou contigo Lizandra, nem precisei comentar... Qualquer tipo de radicalismo é ruim.

Amanda disse...

"Elisandra", perdão!

20:49 disse...

Nina Levy,

E quem foi que te disse que eu tenho algum tipo de fé ou sigo alguma religião? Eu te disse? Eu escrevi isso no meu post? Ou isso é alguma fantasia da sua cabeça?

Pra começo de conversa, eu sou ateia. E o meu conceito sobre aborto não tem nada a ver com religião. Não ponha palavras e pre-conceitos nos meus posts. Guarde-os para você.

Outra coisa: quem foi que te disse que até 3 meses o feto não possui sistema nervoso? Leia isso aqui:

http://www.webciencia.com/01_aborto.htm

Como você pode ver, não é um site religioso. É um site científico. E pelo que parece, os cientistas ainda não têm certeza de quando o feto começa a ter um sistema nervoso. Inclusive, se cogita a possibilidade de os fetos sentirem dor quando estão sendo abortados.

Jéssica disse...

20:49,

"Outra coisa: quem foi que te disse que até 3 meses o feto não possui sistema nervoso? Leia isso aqui:"
Sobre seu texto:

"Segundo a responsável pela pesquisa, Vivette Glover, fetos podem ser capazes de sentir dor já a partir da décima-sétima semana de gestação."
Ou seja, mais de 3 meses.

"Para Vivette Glover, pesquisas sugerem que o desenvolvimento do sistema nervoso ocorre mais cedo do que se imaginava.
Existem evidências de que o sistema nervoso se desenvolve a partir de 20 semanas de gestação ou talvez até depois de 17 semanas."
Ou seja, mais de 3 meses.

"O primeiro país a permitir aborto no prazo de 28 semanas foi a Inglaterra, tornando-se atração turística para feministas."
É mesmo para levar esse site a sério?


Em outras palavras, leia as próprias fontes que indica, obrigada.

20:49 disse...

Nina Levy: "Portanto aborto até o término do primeiro trimestre não tem nada a ver com morte, pois não há vida."

>> Seu comentário demonstra tanto preconceito e ignorância que me causa uma mistura de ojeriza com vontade de rir. Até 3 meses de gravidez não há vida? Então o que é que há ali dentro do útero, você consegue me explicar? Vísceras da mãe?

20:49 disse...

Jéssica,

Mesmo assim, se há apenas evidências é porque ainda não existe um consenso de quando o feto passa a ter um sistema nervoso. Pra mim, há uma vida já antes de 3 meses. De qualquer forma, continua sendo a mim, a interrupção de uma vida.

Nina Levy disse...

20:49

Eu disse porque seria a única explicação pra vc defender que o aborto seria um assassinato.

Pra vc dizer que há morte, é pq vc deve acreditar que há vida.
A ciência não diz isso, então concluí que sua crença se baseia na fé.

Afinal, ou se baseia na fé ou na falta de informação.

Nina Levy disse...

Sua opinião continua sendo essa porque vc não é ateia. Se fosse não teria essa fé sem nenhuma base científica.

20:49 disse...

"A ciência diz que não há vida". Que ciência, a sua?

Não vejo que há um consenso da ciência quanto ao começo da vida. Portanto, não acho que você pode afirmar como verdade que a ciência diz que não há vida antes de 3 meses.

20:49 disse...

E, desculpe-me minha querida, mas não é afirmando que eu não sou ateia, que eu vou virar uma religiosa. Sua tentativa falhou.

Nina Levy disse...

20:49:

">> Seu comentário demonstra tanto preconceito e ignorância que me causa uma mistura de ojeriza com vontade de rir. Até 3 meses de gravidez não há vida? Então o que é que há ali dentro do útero, você consegue me explicar? Vísceras da mãe?"

1) Preconceito? Que preconceito? Dizer que não há vida antes dos 3 meses não é preconceito, é ciência.

2) Ignorância é a sua, que cita uma fonte que apenas CONFIRMA o que eu te disse antes. (da próxima vez ao menos leia para não pagar mico, ok? - se bem que compreendo seu desespero de citar uma fonte que confirma a informação que te passei. Afinal, já que vc está tentando se passar por ateia, deve estar desesperada por não encontrar NENHUMA publicação científica que embase sua fé, sua crença)

3) Ojeriza pq vc não consegue conviver com pessoas que não comungam da sua fé.

4) Vontade de rir hienas também têm.

5) SIM, até os 3 meses NÃO HÁ VIDA.

6) O que há ali dentro: Um aglomerado de células, que, se a gestação não for interrompida, se transformará, lááá na frente, após o 4º mês, numa vida.

Respondi a todas as suas perguntas?

Nina Levy disse...

Que ciência? Olha, eu lamento te informar, mas ciência é uma só:

Quantas fontes vc quer? Mil? Eu te mando TODAS.

Querida, eu sinto muito, mas isso que vc está falando e defendendo é APENAS baseado na sua crença. Não há ciência que endosse isso.

Mas vamos lá:

"De acordo com um estudo publicado nesta sexta-feira e divulgado pelo jornal inglês The Guardian, o feto humano não sente dor antes de 24 semanas de concepção. As conexões nervosas no cérebro do feto não são formadas antes desse período. O Royal College of Obstetricians e Gynaecologists (Faculdade Real de Obstetras e Ginecologistas), da Inglaterra, também descobriu que a consciencia não é formada no período.

As descobertas sugerem que abortos conduzidos dentro das 24 semanas não resultam em sofrimento do feto. Isso seria porque há evidências que o ambiente químico no útero induz "uma inconsciência permanente como sono ou sedação".

O relatório sobre a percepção da dor diz que "como a maioria dos neurocientistas acredita que o córtex é necessário à percepção da dor, pode-se concluir que o feto não é capaz de sentir nenhum tipo de dor antes do prazo de 24 semanas". Mesmo depois desse período "é difícil dizer que o feto sente alguma dor porque ela, como qualquer outra sensação, desenvolve-se no período pós-parto junto com a memória e outros comportamentos aprendidos."

O segundo relatório, sobre condições em que a gravidez pode ser interrompida devido a possíveis anormalidades do feto, afirma que é irreal produzir uma lista definitiva de condições que constituam 'sérias' deficiências, já que as técnicas precisas para este tipo de diagnóstico ainda não existem". Isso poderia ser um revés para aqueles que queiram maior clareza sobre a questão depois de relatos de abortos tardios para condições corrigíveis, como a fenda de palato.

Nina Levy disse...

"Os fetos são capazes de sentir dor somente nos últimos meses da gravidez, revelou um estudo publicado nos Estados Unidos. A informação pode fortalecer os debates entre aqueles que são contra e as pessoas a favor do aborto.

Segundo a pesquisa divulgada pela revista da Associação Médica dos EUA, a aplicação de analgésicos durante um aborto no quinto ou no sexto mês de gravidez não tem qualquer propósito e pode colocar em perigo a saúde da mulher.

Para os pesquisadores da Universidade da Califórnia, que revisaram centenas de relatórios médicos e estudos, os dados indicam que os fetos são incapazes de sentir dor até o sétimo mês da gravidez.

As estruturas cerebrais envolvidas na sensação de dor começam a formar-se muito antes, mas só funcionam nos últimos períodos da gestação, disseram.

20:49 disse...

Peraí, então é a sensação de dor do feto que vai ditar se aborto é um assassinato ou não?

Nina Levy disse...

20:49:

Não, a sensação de dor é uma consequência. O sistema nervoso não está formado, não há córtex.

Uma pegunta: Para vc, quando começa a vida? Me explica?

Sara disse...

Anonimo das 20.49 pois eu vou mais alem do que vc e classifico como assassino quem disperdiça seu semem assistindo filmes pornos, assim como todas as mulheres que não cumprem com sua missão de protetoras da vida e disperdiçam seu óvulo em menstruações inuteis.
Determinar quando começa a vida é um pensamento de cunho pessoal, não importa se vc seja religioso ou ateu, o fato é que a vida depende desses dois elementos para que possa surgir, e todo homem e mulher que não zele por suas sementes de vida deveria ser criminalizado, pra mim isso faz tanto sentido como criticar quem aborta.
Afinal um embrião ou feto só deveria realmente ter os mesmos direitos que uma pessoa comum quando conseguissem respirar por si só, sem depender de suas mães.
É nojento ver a quantidade de hipocrisia reinante em nossa sociedade de gente como vc que ficam defendendo a causa da "VIDA", e que como muitas falaram aqui jogam inteiramente nas costas da mulher a manutenção dessas vidas, esquecendo-se totalmente da partiçipação dos homens nesse processo. e pouco se importam com o que acontece com a massa enorme de crianças que nascem sem condições nenhumas de uma vida decente, importam-se menos ainda com o destino de mulheres que contra sua vontade por intermedio de estupro ficam grávidas, e ficam sugerindo "BOLSA ESTUPRO", e muitas que correm risco de vida por questões médicas, que tem que passar por burocracias mil até conseguirem , e SE conseguirem autorização para abortarem.

Barbie Furtado disse...

Nina Levy, disse tudo, tudo que eu poderia ter dito, desde o começo. Virei fã!

Pela descriminalição e legalização do aborto, e, principalmente, um estado VERDADEIRAMENTE LAICO!!!!

Anônimo disse...

Só pra ilutrar o quanto na hora do vamo vê,eles correm mesmo,passei por isso ontem,saí com um cara,e a camisinha acabou ficando dentro de mim,consegui tirar e tals,mas,obviamente,bateu o desepero (medo de doenças e gravidez) pedi pro cara passar numa farmácia pra EU comprar a pílula do dia D,a reação dele? "isso é bobagem,não vai acontecer nada,não esquenta" resultado? quando cheguei em casa pedi por tel e tomei,ou seja,pra uma simples bobagem dessas (comprar uma pílula)o cara não quis ser prestativo,imagina se fosse algo mais sério?se por um azar da vida,eu engravidasse de um traste desses,não pensaria duas vezes em tirar,a bomba ia sobrar pra mim mesmo,eu decido e PONTO.

Carol NLG disse...

Pergunta:

caso uma mulher esteja grávida e, por algum motivo (alimentação errada, remédio, exercícios incorretos) venha a sofrer um aborto espontâneo: alguém sugeriria acusá-la de homicídio culposo?

Porque, dentro da lógica de aborto é homicídio, um aborto espontâneo causado por algum comportamento da mulher seria homicídio culposo.

E mais: caso alguma mulher grávida seja atropelada e sobreviva, mas sofra aborto pelos danos do acidente. O motorista poderia ser acusado de homicídio? Resposta: não, porque a vida só começa, legalmente, a partir do nascimento. Se não nasceu, não viveu.

Enfim, ninguém razoável sugere a liberação do aborto indiscriminado a qualquer momento da gestação. A grande dúvida é sobre a semana do desenvolvimento nervoso. entre 20 e 23 semanas de gestação.

Sobre o "direito à paternidade": uma vez que a gravidez seja levada a termo e a criança nasça, ela passa a ser titular de direitos. O direito à mãe e pai é da CRIANÇA, não dos pais. E só a criança poderia abrir mão deles. E sim, caso a criança more com o pai, a mãe deve, sim, pagar pensão. E existem julgados neste sentido.

Anônimo disse...

"Ti" fofo,os homens reclamando do direito de serem pais e as mulheres,essas bruxas más, não deixam,seria cômico,se não fosse TÃO trágico =(

Não conheço um só caso,em que o homem quisesse o filho em contraponto a uma mulher querendo abortar.Trab. num posto de saúde,na periferia,altos índices de meninas grávidas e o que ocorre é;o cara corre e a menina/moça/mulher arca com as consequências,essa é a realidade e não essa dramalhão mexicano que esses manés fazem aqui,isso chega até a ser um deboche,sinceramente.


Cética

Lu disse...

Conheco muita gente que já abortou, muita mesmo. Nenhuma se arrependeu. Se eu engravidasse hoje, também abortaria, e pouco me importa se alguém que eu nem conheco acha isso bom ou nao. É a minha vida, meu corpo e minha responsabilidade.

Anônimo disse...

Eu concordo com quem disse que essa afirmação de que as mulheres que passam por um aborto vão sofrer eternamente, vão ter crise de consciência etc, é realmente falacioso, isso depende da pessoa, mas acho que a maioria das que passam por isso sabem que foi a melhor decisão para aquele momento. Pelo menos as que eu conheço são assim, até mesmo a minha prima que é religiosa e que quase se matou tentando fazer isso sozinha em casa. A única coisa que ela deve lamentar é a ilegalidade que a obrigou a tentar fazer uma parte disso sozinha, se arrastar até a calçada, pedir ajuda aos vizinhos para ir até um hospital...e vão me dizer que no hospital ninguém sabia o que havia acontecido? Fora o caso da minha prima conheço outros, mas que fizeram em condições bem melhores porque tinham os meios, o dinheiro, claro. Enfim, são tantos casos e tão diferentes uns dos outros, por isso me irrita tanto esse reducionismo dos conservadores. Vivi muitos anos na Europa, não digo que temos que copiar sistemas um do outro, mas nunca ouvi coisas do tipo 'arrependimento', 'crise de consciência', é uma decisão que tem que ser tomada e tem lugar de aconselhamento para ajudar nessa tomada de decisão. Além disso, tudo nessa vida tem um preço, quando tomamos uma decisão escolhemos o melhor ou a menos pior. Para muitos, a opção seria fechar as pernas, simples, mulher não tem desejo, mulher não pode cometer se divertir, mulher tem que ser sensata o tempo todo, mulher não pode errar...é incrível a falta de empatia, de respeito.
Outra coisa que me irrita é o fato de os conservadores se denominarem pró-vida, eu também sou pela vida, uma vida digna, uma vida desejada, acho que é assim para todos os que são pela legalização. Acho uma tremenda má-fé o uso desse termo.

Anônimo disse...

Desculpe, esqueci de assinar acima: Leila

Anônimo disse...

Talvez não houvesse a necessidade do aborto na maioria dos casos, caso a outra parte que ajudou a fazer assumisse suas responsabiidades paternais. E deveria ter leis mais rígidas para os homens que não assumissem seus papéis no desenvovimento da criança, não só depositando a pensão na conta todo mês, mas também auxiliando na sua criação.

Anônimo disse...

O problema com a legislação brasileira é que ela só confere direitos aos pais. O único dever é a pensão alimentícia, na maior parte dos casos, insuficiente. No meu caso BEM insuficiente. (A pensão que o pai da minha filha paga, cobre apenas a escola onde ela estuda, que nem é das mais caras. E o salário dele é 3 vezes superior ao meu.)
Eles tem "direito" à visita, e nenhuma obrigação. Se quiserem exercer esse direito, muito bem, se não quiserem, tudo bem também. Todos os deveres e obrigações com a criação dos filhos fica nos ombros das mulheres. Então não venham me dizer que querem direitos iguais na hora da decisão. Quem decide é quem vai arcar realmente com as consequencias. Quem vai passar noites sem dormir, quem vai levar na emergência no meio da noite, quem vai faltar ao trabalho, quem vai dar banho, comida, brincar, levar para a pracinha, para a escola, quem vai acompanhar os deveres de casa, educar, acrescentem o resto, quem é mãe e sabe.
E outra. Essas pessoas "pro-vida", decerto são contra os tranplantes de orgãos também. Pois devem saber que a maioria deve ser realizada apenas depois da morte CEREBRAl do doador. Se não estou enganada, apenas as córneas podem ser retiradas depois da morte efetiva do doador.
Amanda

Anônimo disse...

Ontem eu tava debowa felizinho indo comprar uns doces nas lojas americanas... Ai tinha uma menininha chorando pedindo para a mãe comprar doces para ela.
A mãe disse que ela já foi lá comprar só coisa pra ela: Cosméticos para ela ficar bonita.
Doces deixariam ela gorda.

Que falta não faz um aerossol de sarin.

Carol M disse...

Guarda compartilhada deveria ser obrigação.

Métodos contraceptivos falham e não são tão facilmente acessíveis assim.

Melhorar a prevenção é essencial, ng discute isso, mas a legalização do aborto tb é.

A mulher que aborta não é uma criminosa nem uma ameaça a sociedade, pq ela deve ser punida?

yulia2 disse...

''A verdade é que se tivesse uma lei que obrigasse o pai a assumir
todas as responsabilidades junto com a mãe sobre o filho, que o
obrigasse a inclusive dividir as tarefas "chatinhas" como limpar o coco, não dormir por horas a fio, só comer quando pudesse, levar e buscar na escola, pediatra, dentista,etc. etc, (essas coisas que fazem parte do cotidiano da mãe). Em pouco tempo haveria uma legião de
"Expert" exigindo a obrigatoriedade do aborto.''
__________________
^^^^
concordo inteiramente com a Rose.... é muito fácil criticar o aborto evocando o tal (direito do pai....) HA HA
quero ver colocar a mão na massa.

No mais, isso aqui para variar... está cheio de mestres do
óbvio.... ah que tal previnir bla bla bla??? afffff estamos tratando de uma situação onde tudo falhou inclusive
a prevenção.

yulia2 disse...

Anônimo disse...
''Um homem impedir uma mulher de ser mãe ninguém aceitaria...

Mas um mulher impedir um homem de ser pai ai ta beleza né?

A paternidade é um direito constitucional que as feministas querem tirar dos homens.''

^^^^
mimimimimi....outro que quer o direito de tirar 5 dias de folga
da firma, e entregar o bebe para vovó criar....
pensa que engana a quem com essa conversinha mole? vai andar cara!!

Anônimo disse...

SEMPRE que eu pergunto para esses prezados senhores que sao contra o aborto e a favor da maternidade a qualquer custo se eles usam camisinha CORRETAMENTE em TODAS as relacoes sexuais e se estaria dispostos a assumir METADE de todo o trabalho que é criar um filho eu obtenho o silêncio como resposta. Sério, nunca nenhum desses afetados me respondeu.

- Eles nao querem assumir a parte que lhes convém na prevencao de uma gravidez;
- Quando a gravidez acontece eles nao querem assumir a metade do encargo da criacao do filho,

E por favor, achar que pagar meia dúzia de trocados é equivalente a acompanhar dia e noite por no mínimo 20 anos o crescimento e o desenvolvimento de uma pessoa é no mínimo falta de sensos de realidade!

Como já dizia o velho ditado - pimenta no dos outros é refresco!

Aninha

Maicon Vieira disse...

"Anônimo disse...
SEMPRE que eu pergunto para esses prezados senhores que sao contra o aborto e a favor da maternidade a qualquer custo se eles usam camisinha CORRETAMENTE em TODAS as relacoes sexuais e se estaria dispostos a assumir METADE de todo o trabalho que é criar um filho eu obtenho o silêncio como resposta. Sério, nunca nenhum desses afetados me respondeu."

Sim, há muitos que não querem assumir, mas por que eu deveria pagar se eu não tenho essa mentalidade? Por que minha opinião não deveria valer já que iria assumir metade da responsabilidade quando a criança nascer além de auxiliar durante a gravidez? Por que minha escolha teria que ser desconsiderada? Só por que não ocorre no meu corpo?

Nina Levy disse...

Maicon,

Sua escolha teria que ser desconsiderada porque a gravidez indesejada é INDESEJADA. Ou seja, não foi programada e não é bem-vinda. E o corpo que está com aquele aglomerado de céluas que vcs dois não desejavam é o dela. E quem decide se aborta ou não é ela. E sinto muito, mas vc não pode obrigá-la a ter seu filho. Porque ela não quer. E ela não vai ter se não quiser, independente do aborto ser ilegal. Porque ela vai procurar um açougueiro desses e correr o sério risco de morte para abortar. Ou vai provocar o aborto com uma agulha de crochê. Ela não vai manter a gestação por causa da lei. O que vc vai fazer? Amarrar ela numa cama e obrigá-la a gerar seu filho? Proibir a venda de agulhas de crochê?
Quer ter filho? Ótimo, combine com uma mulher, pleneje com ela. Porque com esse papo idiota vc está defendendo o direito de sair por aí engravidando mulheres contra a vontade delas para obrigá-las a ter um filho seu. Isso não existe.

Barbie Furtado disse...

Quero dizer duas coisas:

1) sou completamente a favor da descriminalização e legalização do aborto, como direito da mulher.

2) Os comentários desse blog, estão generalizando tanto e vilanizando tanto os homens que sempre abandonam as mulheres que ficam grávidas e nunca querem assumir o rebento então por isso as pobres coitadinhas devem ter o direito de abortar pra não ter que fazer tudo sozinha, quanto os comentários machistas. Isso me incomoda profundamente.

Quando minha mãe ficou grávida, ela e meu pai estavam namorando não fazia tanto tempo assim. Ela ficou feliz, ele disse: "Tá, vamos casar." E ela: "Casar pra quê?" Claro, o casamento não durou mais que dois anos e um pouquinho, mas, como meu, pai, conheço vários, vários outros (e antes que alguém venha dizer que o coitado é mascu que quer mandar na mulher, vocês precisam conhecer ele, o bichinho é um gatinho, nunca conheci ninguém mais submisso na vida. Atualmente, ele é "controlado" (tipo, faz o que a gente quer) por mim, minha irmã de 19 anos, a mulher dele, e até minha irmã de 9 meses, coitado. Nunca vi ele levatar a voz pra ninguém).

Enfim, historinha serviu só pra ilustrar meu ponto. Conheci várias, muitas mesmo, histórias parecidas. Não sei se tem a ver com situação socio-economico-geográfica ou sei lá o que, mas, na verdade, isso não importa. O aborto não deveria ser legal por causa dos homens ou de seu comportamento. E sim, por causa das mulheres, e dos seus direitos. E se uma mulher é casada, tem um ótimo emprego, o marido também, e nenhum dos dois querem ser pais? Ela devia ser obrigada a ser mãe? Só porque o marido não vai abandoná-la? E a mulher que já tem três filhos, está esperando o quarto, TEM condições de criá-lo, e simplesmente não quer? Ela é obrigada a tê-lo? (eu conheço uma pessoa que já passou por isso). A mulher deve ter a escolha, E PRONTO. Porque o corpo é dela, não importa as circunstâncias, não importa a concepção, não importa os homens. Só a mulher.

Anônimo disse...

è isso Barbie: não importa os homens. Só a mulher.

Afinal de contas homem não tem a ver com gravidez e filhos.

Shey disse...

Aiai... toda vez que o tema é aborto vem esse mesmo pessoal com o meesmo papo: mimimi, o homem vai ficar sem direitos, não sei o q lá.

Ah, por favor, vê se cresce!

Na prática, o aborto é decisão da mulher e/ ou casal no Brasil. Cansei de ver isso: quando a mulher tá por conta própria, ela vai lá e aborta, quando está com o namorado/ marido, é uma decisão em conjunto.

O problema é essa ilegalidade que mata um monte e nada resolve.

O que esse bando de bebê chorão não se conforma é que a decisão FINAL de abortar seja da mulher.

Se toquem,rapazinhos! Num país onde filho é só problema da mãe e tanta criança é criada por mãe/ avó, muitas vezes nem registrada pelo pai, vocês deviam era criar vergonha na cara, se juntar e discutir sobre esse quadro, não sobre uma situação que nem existe!

Anônimo disse...

Ha, entendi, barbie, a mulher tem direitos e pronto, só poque a barbie tá dizendo, só porque ela quer, todo mundo vai te obedecer, ou te ouvir e respeitar sua posicao. Tá bom entao vai tentar abortar pra ver se todo mundo vai te virar as costas e te chamar de monstra. A historia de colocar os homens no meio da historia é porque são os homens que são a maioria nas instituições de poder. O discurso masculino é hegemonico há milênios e por isso as pessoas ficam apontando o dedo para os outros conseguirem enxergar... Ninguém aqui tá falando do seu papaizinho... santo deus

LisAnaHD disse...

"O aborto não deveria ser legal por causa dos homens ou de seu comportamento. E sim, por causa das mulheres, e dos seus direitos." --B. Furtado 15:54

>>>E isso deveria ser argumento forte o suficiente.

Ninguém está propondo uma carnificina, minha gente. Todas as mulheres com vida sexual ativa --casadas ou não, maior ou menor de idade-- deveriam conhecer as várias opções anticoncepcionais e usar a que lhes parecer mais segura. Eu sou pelo DIU.

Para casos assim, qdo o anticoncepcional falhar (nenhum é 100% garantido, nenhum) o aborto nem deveria ser questionável qdo aplicado dentro de um prazo predeterminado da gravidez. -- Não estou abordando casos de estupro, ancefalia, e afins para não fugir à essência do assunto.

LisAnaHD disse...

Anônimo disse...
Ha, entendi, barbie, a mulher tem direitos e pronto, só poque a barbie tá dizendo, só porque ela quer, todo mundo vai te obedecer, ou te ouvir e respeitar sua posicao. --6 de maio de 2012 16:48


>>>Não, vc não entendeu. E te desejo longa vida, mas sua maneira de se expressar deveria ser abortada. Você já começou atacando e não é assim que se conversa. 'tendeu?

Anônimo disse...

Shey concordo com você.
A decisão deve ser do casal.
Que o aborto seja legalizado desde que autorizado pelo genitor e pela genitora do feto.
Afinal de contas ninguém engravida sozinha.

Maicon Vieira disse...

Nina Levy
Não vi onde eu defendi isso que você citou, mas vou perder tempo discutindo isso, se realmente isso acontecer eu não faço sexo, simples. E adoto uma criança.

Anônimo disse...

Os homens são parte do problema sim. E é justamente por não serem na maior parte das vezes parte da solução também é que a mulher opta pelo aborto.
Não se faz filho sozinha. O aborto é um último recurso. E a mulher tem sim direito à ultima palavra.
Mas todo o papo anterior é relevante (responsabilidade, divisão, etc)
Eu gostaria muito de poder ver um mundo mais igualitário. Se não para a minha geração, pelo menos para as próximas.

Carol M disse...

Barbie acho que vc não pegou o ponto.
A mulher não resolve abortar só pq o sujeito dá no pé. Muitas vezes ele fica ao lado dela e ela quer abortar, ou não.
Realmente, o direito ao aborto deve ser pelos direitos da mulher sobre seu corpo, mas pode haver sim discussão sobre o papel do homem nisso td, já q sem participação dele não há aborto nenhum.

kika disse...

"Filho não se faz sozinha"
Esta frase só é válida quando convém?
Se não se faz sozinha, cabe ao homem decidir se quer o filho também. Claro que ele terá que arcar com as responsabilidades do filho, até criar o filho sozinho se a mãe não quiser.
E se a mulher engravidar e o homem não querer?
Vai ser usado o mesmo propósito: que o homem não deve ser obrigado a ser pai se não quiser? Afinal a camisinha usada por ele pode furar,e mesmo não querendo pode engravidar uma mulher.

Allah disse...

Mãe solteira: Não quer o filho,ok
Igualdade:
Casal:Mulher que manda(E os 23 do homem não valem nada?)
Separação: Toma que o filho é teu

Igualdade,né?

kika disse...

Alla
Tem muitos homens que lutam pela guarda de seus filhos, outros muitos que lutam contra a alienação parental. E tem muitas mulheres que ficam com os filhos somente para garantir a pensão. Sou mulher, mas hoje a realidade da separação em relação aos filhos é bem diferente, e não vou fechar os olhos para isso.

Barbara disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Só pra reforçar que não é toda mulher meeeeeeeeesmo que fica remorsada por ter feito aborto. Fiz dois e senti um alívio imenso por ter resolvido o problema a tempo.

Anônimo disse...

"5) SIM, até os 3 meses NÃO HÁ VIDA.

6) O que há ali dentro: Um aglomerado de células, que, se a gestação não for interrompida, se transformará, lááá na frente, após o 4º mês, numa vida."

Amiga tudo isso que você falou tá super longe de ser pacífico e não confunda "falta de vida" com "falta de autonomia/viabilidade fetal"

Sou a favor da legalização do aborto mas em certas armadilhas do pró-vidismo a gente não pode cair, e determinar o marco inicial da vida é uma delas.

Anônimo disse...

mola hidatiforme é um aglomerado de células, um feto não é bem isso.

Ana disse...

Achei o blog pesquisando sobre o aborto e darei meu testemunho. Tenho mais de 30 anos, um filho, cuido de uma avó doente e fiquei grávida mesmo me cuidando, para melhorar a situação estou desempregada, pois resolvi redirecionar a minha carreira e estudar para fazer um mestrado. Não quero ser mãe e sou obrigada a ser, pois ninguém conhece uma clínica para me indicar, não posso usar medicamento, já que tenho uma anemia forte... Sinceramente, não suporto a hipocrisia que o Estado, a Igreja tratam o aborto. A situação chegou a tal ponto que até ideias suicidas têm passado pela minha cabeça, afinal se fizer uma contribuição no valor do teto do INSS, meu filho receberá a pensão por morte, que não tem carência, e ficará melhor assim que comigo grávida e desempregada. Estou procurando uma forma de interromper a gravidez desde quando a descobri, mas estou nadando e sinto que vou morrer na praia.É isso. E as feministas dizem que nada podem fazer, já que o aborto no Brasil é crime. Quantas mulheres serão obrigadas a aceitar a maternidade forçada? Quantas morrerão tentando resolver o problema?