sábado, 17 de março de 2012

GUEST POST: TANTAS ESCOLHAS E EU FUI ESTUDAR!

Este relato que a Vanessa me enviou é ilustrativo dos estereótipos que teimam em nos limitar. E também é bastante comum. Eu me lembrei do famoso caso da Skepchick. Bom, talvez não seja tão famoso, e nunca tratei dele aqui, mas vamulá. Ano passado, uma ótima blogueira ateia americana chamada Rebecca Watson fez um pedido: pediu aos homens de comunidades ateístas que respeitassem mais as mulheres. Ela disse que talvez o fato de haver poucas mulheres nessas comunidades acontecesse porque elas são objetificadas, vistas como menos racionais, paqueradas sem limites, tocadas sem seu consentimento nas conferências e nos bares dessas conferências. E ela narrou um episódio emblemático: numa dessas conferências ateístas, ela participou de um painel justamente sobre esse tema, exigindo respeito. Na mesma noite, às quatro da manhã, um sujeito entrou no elevador do hotel com ela, a elogiou, e a convidou pra tomar um drinque com ela no seu quarto. E ela sentiu-se desconfortável (algo que boa parte dos homens é incapaz de entender) e fez um vídeo pedindo: "Rapazes, não façam isso". Por conta desse incidente, o renomado escritor Richard Dawkins lhe mandou um comentário inacreditável, em que ele se dirige a "Muslima" (uma garota islâmica que ele inventou), ironizando que os problemas dela de mutilação genital e de não poder votar não eram nada perto de ser abordada num elevador. Ou seja, Dawkins, do alto de seu privilégio masculino, pensa que, por mulheres sofrerem numa parte do mundo, as mulheres de outras partes do mundo deveriam ficar quietas e parar de reclamar. A declaração sem noção de Dawkins ganhou grande repercussão, foi muito criticada, e fez Watson ficar ainda mais célebre. E houve também aquele negócio típico: a cada nova "explicação", mais Dawkins se complicava. O cúmulo foi afirmar que o desconforto que uma mulher sozinha abordada por um estranho num elevador às quatro da manhã é igual ao desconforto que ele, Dawkins, sente, quando alguém masca chiclete perto dele!
O relato da Vanessa me lembrou o caso da Watson porque mostra como mulheres são mal recebidas em espaços majoritariamente masculinos. E mostra como certos homens são completamente sem noção. Vamos ao guest post da Vanessa.

Sou mestranda na área de ciência do solo e venho lhe reportar uma situação que ocorreu comigo em um congresso, e que muito me recorda diversos posts seus.
Sou mulher, gosto de esportes, malho e sempre sonhei em ser cientista. Porém, trabalho em uma área bastante masculina. Até aí nada mudou em minha vida: pouco me importo com o sexo de quem trabalha comigo, costumo estar bem mais interessada em empenho e nos resultados da minha pesquisa.
Mas ano passado passei por uma situação no mínimo embaraçadora.
Viajei para a cidade de Uberlândia, onde ocorrera o Congresso Nacional de Ciência do Solo. Neste congresso, estava à frente de dois trabalhos junto com meu orientador. Uma noite estávamos na boate onde ocorria a festa do congresso, eu e meu orientador, e passamos a noite batendo papo e tomando cerveja. Como já era de se esperar, a festa tinha um grande número de homens e muita gente do interior, já que nossa área é muito forte no interior. E eu já havia reparado no grande número de homens me olhando como se eu fosse carne no açougue -- estes pareciam um pouco intrigados com meu comportamento.
Estava eu ali, altas horas da noite, conversando com um homem mais velho, tomando uma cerveja e altamente alheia aos acontecimentos e homens ao meu redor.
começa o momento sem noção. Certa hora meu orientador foi ao banheiro, e eu fiquei tomando minha cerveja esperando, quando fui abordada por um homem que me diz: "Oi, você está aí a noite toda com esse coroa bebendo, quem é ele? Seu namorado?"
Eu respondi: "Que é isso? Ele é meu orientador e estamos tomando uma cerveja, qual o problema?"
E o sujeito: "Ah, tá! Já estava achando que você era dessas prostitutas de luxo que dizem ter no Rio".
Eu fiquei totalmente estupefata com a situação e lhe disse que se essa era a sua forma de abordar uma mulher, que não a fizesse mais. Ele então tentou se desculpar dizendo que eu era uma mulher muito bonita para trabalhar nessa área, e que eu havia passado a noite alheia ao meu redor, enquanto vários homens se mostravam interessados. Continuou falando que era do interior e que sempre ouvia essas histórias que as mulheres do Rio (eu sou carioca) são mais liberais, ou prostitutas.
Um absurdo! Eu, mulher, não posso passar uma noite agradável com um amigo, pois estando eu solteira e havendo grande oferta de homens, tenho que estar focada em arrumar um macho, porque senão é um desperdício pra humanidade. E se eu não estou interessada e sou do Rio (aff) é porque chegaram antes e já estão me pagando, já que sou prostituta!
Isso aconteceu em um evento fechado para um congresso, ou seja, estavam lá congressistas, pesquisadores!
Hoje acho a situação cômica e ridícula. Mas parece que sempre causo estranhamento por trabalhar nesta área, já que bonitinha assim, eu podia estar à caça de um deputado rico ou de um jogador de futebol, ou me tornar uma dessas dançarinas de programa de humor de baixo nível... E eu, diante de todas essas possibilidades maravilhosas, escolhi estudar, trabalhar e me enriquecer intelectualmente!

222 comentários:

1 – 200 de 222   Recentes›   Mais recentes»
Carol disse...

Hahahaha.
É incrível como esses homens podem ser acadêmicos, letrados, cientistas, pesquisadores, empresários, advogados, muito fodas, mas quando se trata de lidar com mulheres são praticamente meninos sem noção na puberdade com inteligência emocional nula.
É como a sociedade os cria.

Vitor Malmann disse...

Essa coisa irracional que alguns homens acham que precisam ter para provar para si mesmo e aos amigos que sao machos de verdade é muito arcaico e me deixa constrangido ao ver outros homens tratando mulheres como um pedaço de carne que devem "dar" pra eles. Hoje mesmo há poucas horas atrás estava em um ponto de onibus apenas conversando com uma garota realmente muito bonita, e quatro carros passaram buzinando e gritando aquelas palavras do mais alto nível, e mais dois rapazes do outro lado da rua atravessaram so pra cantá-la, a ponta dela ficar tao constrangida que mal conseguia olhar pra mim depois do acontecido, e mais, pegou uma blusa que tinha na bolsa achando que o problema era dela que estava mostrando muito, ela estava de camiseta, eu que sou heterossexual(como se fizesse alguma diferença)fiquei ainda mais envergonhado do que ela, e falei pra que ela nao colocasse a blusa que o errado eram os caras nao ela, mas nao adiantou muito, foi um alivio para ela,e infelizmente para mim, quando o onibus chegou.

Ramon Melo disse...

Lolinha, querida, começo pedindo desculpas imensas por não ter comparecido à sua aula inaugural na UFRJ! Planejei-me ansiosamente para ir, comprei barras de chocolate e até preparei a câmera para tirar foto com você, mas me senti muito mal na manhã do dia 6 e não consegui sair da cama... Prometo fazer o impossível da próxima vez que você vier ao Rio de Janeiro!

Sobre o post, infelizmente é a realidade. Tenho uma amiga que estuda comigo na faculdade de engenharia eletrônica (um campo majoritariamente masculino) e ela é assediada diariamente pelos colegas de classes! Atualmente, existem três (sim, isso mesmo, TRÊS!) alunos que a abordam com frequência e esta situação está começando a comprometer a liberdade dela dentro do campus: ela já não consegue mais estudar na biblioteca, não consegue almoçar sozinha e, como eles insistem em conversar com ela o tempo todo, até assistir as aulas tornou-se difícil. Ela não consegue se livrar dessas pragas porque é muito tímida e não tem coragem de ser agressiva com eles, infelizmente. Ela também não aceitou ir à delegacia prestar queixa, então não vejo um fim nessa história.

Só não entendi o que tem de errado num homem abordar uma mulher no elevador. Se ela não estava interessada, era só dizer que não estava interessada. Se as pessoas (de ambos os gêneros) não abordarem umas às outras em momentos como esse, onde então elas poderão se conhecer melhor e formarem casais? Numa boate, onde o barulho é insuportável e não dá para conversar direito? Pela internet, onde as pessoas mascaram sentimentos e as conversas são frias? Não, tem que ser no dia-a-dia mesmo!

nina disse...

Moro em Uberlândia há 10 anos e situações como essa são muito comuns, infelizmente. Vejo alunas - e professoras - dos departamentos de engenharia serem menosprezadas com piadinhas e comentários. Vejo caras escrotos se aproximarem de garotas e mulheres pegando na cintura e quase beijando antes de dizerem oi. Se você disser que vai sair com um amigo, todo mundo te olha daquele jeito "ah, mas vc vai dar pra ele" "amizade entre homem e mulher não existe" e etc.
Sei que não é privilégio daqui, claro. Mas no ambiente universitário - como já mencionaram aqui muitas vezes - a gente meio que espera um pouco mais de consciência e respeito. A universidade tem um ótimo nome e reputação nos cursos de engenharia, mas isso não passa pelo comportamento.

Ramon, tudo ok abordar alguém. Mas se você fosse mulher e estivesse sozinha com um homem num ambiente pequeno como um elevador e ele te fizesse um convite, você se sentiria no mínimo desconfortável. Quem garante que ele vai levar numa boa a recusa? Fomos ensinadas assim, por relatos e por experiência. A gente nunca sabe se um cara vai 'só' falar algo, ou se ele vai agir de outra forma. Então, o mínimo de senso é importante pra abordar as pessoas se você quer demonstrar interesse.

Andrea disse...

"É incrível como esses homens podem ser acadêmicos, letrados, cientistas, pesquisadores, empresários, advogados, muito fodas, mas quando se trata de lidar com mulheres são praticamente meninos sem noção na puberdade com inteligência emocional nula."

Claro, porque todos os homens são assim, e essa generalização feita vai ajudar muito, né?
Claro que há homens incrivelmente sem noção, mas se alguém rotula todos os homens como tendo 'inteligencia emocional nula', como pode reclamar dos esterótipos que eles aplicam às mulheres?

O Herói do Ócio disse...

Carol,

Isso acontece porque as pessoas pensam (erroneamente) que ser civilizado é sinônimo de ser culto.

É sempre possível ter muitos fatos enfiados dentro da própria cabeça e agir como imbecil.

lola aronovich disse...

Andrea, o que foi dito é, como vc mesma reproduziu: "É incrível como ESSES HOMENS podem ser acadêmicos ... mas quando se trata de lidar com mulheres são praticamente meninos sem noção na puberdade com inteligência emocional nula."
Acho que vc leu ESSES HOMENS e pensou ter lido TODOS OS HOMENS.


Ramon, não acredito que deixei de ganhar chocolate! Ah, que pena! Conheci tanta gente legal aí na UFRJ... Bom, sobre sua pergunta, não há nada de errado na paquera, mas não é legal abordar pessoas em lugares e situações em que elas podem se sentir desconfortáveis. Por exemplo, uma rua escura e deserta à noite não é um lugar adequado para se paquerar uma mulher sozinha, certo? Conhecemos casos demais de estupro de mulheres nessas condições para temermos essa abordagem. Um elevador às 4 da manhã tampouco parece um bom lugar. Ainda mais depois da mulher ter falado num painel sobre como mulheres ateístas devem ser tratadas como mais que objetos sexuais. O sujeito poderia ter falado com ela no corredor do hotel, por exemplo, antes de entrar no elevador. Isso se alguma coisa nela demonstrasse que ela estivesse interessada em ser abordada...

Augusto disse...

Um dos melhores Guest Posts do ano.

Acho que se um homem, por mais que esteja interessado, não pode tratar as mulheres dessa forma estereotipada. Se ele realmente tiver interessado, não vejo por que não falar com ela, mas primeiramente conhecê-la e não tratá-la como um objeto. E a mesma coisa com o inverso. Poderia ter um homem no meio de várias mulheres, mas é claro que mulheres são mais tratadas como carne que homens.

Eu, sendo gay, fui assediado por mulheres na escola, e não era legal, ainda mais por não ser assumido. Sei que é desagradável para os dois gêneros, mas claro que ocorrido para o gênero feminino intensificado pelo machismo.

Mari disse...

Euri, sério, tem homem que me mata de rir. Depois não arruma mulher e a culpa é dela porque não tem mulher que presta nesse mundo.

D.Estrella disse...

Já me disseram isso, de que as mulheres do Rio são "fáceis", e mulheres liberais sempre são prostitutas né? Sinceramente eu não sei como reagir nessas situações porque me dá muita raiva. Acho que um homem que abre a boca pra vomitar uma asneira dessas tem mais é que levar um coice.

Augusto disse...

O problema do elevador é que é um lugar fechado. Acho que em um lugar aberto é mais adequado. Mas acho que se for uma conversa apropriada, não vejo problema de ser ocorrida em um elevador.

Acho que o local não é tão importante, e sim os ambos dialogadores não se sintam ofendido com o machismo presente na conversa.

Andrea disse...

Lola,

Eu entendi sim, mas apenas um detalhe
que pode ser besteira, mas o uso do caps lock era realmente necessario? Acredito que você saiba que em regra o uso de maiusculas demonstra irritação/equivalencia à alteração de voz.

Sei perfeitamente distinguir "todos" de " esses", o que quis dizer é que qualquer generalização é prejudicial. No caso do elevador, por exemplo, o camarada que abordou a garota foi infeliz, sem dúvidas, mas isso já o rebaixa a 'inteligencia emocional nula'?

Anônimo disse...

Amei esse guest post. Principalmente a frase de conclusão: "E eu, diante de todas essas possibilidades maravilhosas, escolhi estudar, trabalhar e me enriquecer intelectualmente!" Por coincidencia ontem estava conversando com meu marido a respeito de algo parecido. Falávamos de como a mídia sempre representa a mulher bem sucedida como aquela que se casa com alguém rico ou q vira modelo ou q ganha algum concurso de beleza. Já repararam nos folhetins de novela e filmes em geral? A mocinha sempre acaba com o cara rico. Ela nunca é a mulher q estuda e vence por si mesma. A mensagem q passam é q nós mulheres só podemos vencer se for as custas de um homem. Ou seja, o recado é: àquelas que não conseguem vencer algum concurso de beleza ou agarrar homem rico, só resta estudar. As q têm uma boa profissão, q amam seus trabalhos, são amargas e sozinhas. Isso me pode parecer uma bobagem, mas acaba influenciando muitas jovens q assistem isso. É uma péssima mensagem.

Qto a discriminação no ambiente de trabalho masculino, posso dizer q a questão vai até além do assédio. Sou da área de exatas e por isso uma das poucas do sexo feminino. Tenho de passar por constrangimentos não só com relação ao assédio, mas também como tenho q me esforçar em dobro pra mostrar a minha competencia, pois no início de um novo projeto há sempre uma olhar de desconfiança por se tratar do trabalho de uma mulher. E quando mostro meu valor, pois sou muito boa profissional, ainda tenho de ouvir de meus colegas o q eles julgam ser "elogio": q sou umas aberração da natureza, das raras mulheres com capacidade de raciocínio lógico. E qdo virei líder do projeto então? Não preciso nem dizer q o mundo qse acabou pros meu queridos colegas.

Um cara que morou na Bélgica disse...

Frio, muito frio.

Um homem olha para uma mulher e pergunta se ela quer algo mais. Ela se sente ofendida. Resultado.

Um homem olha para uma mulher e não pergunta nada, vai embora. Em 10 anos, ele olha para mulheres e vai embora.

Em 10 anos ele está solitário porque a única forma de conversar com uma mulher é se ele estiver trabalhando com ela.

Frio, muito frio. Solitário, em 10 anos, ele olha para mulheres e continua solitário porque se ele puxar conversa estará ofendendo.

Eu disse que depois de morar na Bélgica, me tornei assim, frio, misógino, sem interesse em conversar com mulheres. Olho para um mulher e já penso que ela pode ter uma reação negativa e vou embora. Eu sou frio.

E eu disse isso aqui, coloquei a minha preocupação com esse comportamento aqui e os comentários que recebi é que esse comportamento frio, solitário e distante é muito bom e benéfico. Que isso é o objetivo.

Dessa forma estamos reduzindo o contato humano ao máximo e o seu parceiro(a) será aquele que senta ao seu lado no trabalho.

Sou solitário, sou frio. Fico triste em ver que isso está se tornando política pública por aqui.

Marussia de Andrade Guedes disse...

Olha eu aqui outra vez para discordar! Espero não ofender as pessoas. Vou pensar dez vezes antes de escrever. Acho que o comentário do Dawkins foi totalmente correto, considerando o caso citado. Os problemas das mulheres islâmicas são muito mais graves do que receber um convite para subir ao quarto de um homem durante um congresso. Em muitos lugares, onde as mulheres jamais ficariam sozinhas com um homem desconhecido, isso nem poderia acontecer.
Acho que as pessoas tratam o sexo como um tabu. Acho que as coisas deveriam ser até mais simples e diretas. Um homem vê uma mulher bonita (o mesmo vale para a mulher) e diz: achei vc muito bonita, gostaria de transar com vc, vc topa? Gente, qual é o problema? É notável que quanto mais o sexo é tabu para uma sociedade, pior esta sociedade é. Por quais motivos devemos fazer mil voltas para dizer que queremos transar com alguém? Por quais motivos querer só transar com alguém é errado?



Com relação ao relato da outra garota, penso que o cara que a abordou é um ridículo que só merece
desprezo. Mas eu não me sentiria ofendida. Acho que está na hora de parar de considerar prostituta e termos semelhantes ofensivos. Temos que desarmar as pessoas que usam estes termos como armas contra nós. O cara disse: " achei que vc era prostituta" . Eu diria: não sou. Sexo eu faço de graça, só por gostar
muito e com quem me interessa. Vc não me interessou.
Por favor,retire-se. Nada de se sentir ofendida ou
diminuída.

Isadora M. disse...

Identificação COMPLETA com o post. Talvez o triste é que eu acho que por trabalhar na fronteira das Ciências da Linguagem com a Filosofia, esperava que os homens refletissem melhor sobre os próprios comportamentos. Como o post bem relata, mulheres na academia são lidas em raciocínios como "beleza X inteligência", "família X resultado de pesquisa", "independência X prostituta/carioca (chorei com essa haha)".

O machismo está na ossatura social.

Anônimo disse...

bem, o pessoal aí já disse: abordagem em público ou em locais em que a mulher se sinta minimamente segura. tudo depende das circunstâncias, é diferente se você é vizinho da menina, vocês já conversaram no elevador ou algo do tipo, do que um estranho entrar num elevador e passar uma cantada, sabendo que durante aquele tempo a mulher não tem como escapar ou evitar a proximidade física. a gente se sente acuada.

depende da forma como o cara fala. isso parece meio obvio, mas tentar conversar sobre algum assunto (no caso da rebeca, o cara poderia ter falado sobre a palestra, demonstrado interesse) é sempre melhor que simplesmente manifestar seu desejo sexual. "oi, vc está sozinha?" dá a entender oq? e "oi, te achei linda" ahn... "muito obrigada". ponto. e daí?

esse cara do guest post podia ter chegado até dizendo: "tava reparando que tem pouca mulher aqui, deve ser estranho pra você, né?" ou "já era assim na faculdade?" ou "como vc se sente em relaçao a isso? acha legal, sente falta de papo de mulher?". tipo, qualquer coisa, mesmo que seja besteira, mesmo que ela vá discordar, é melhor que perguntar se a menina é solteira e já cair matando. como se ela fosse se atirar nos braços de um desconhecido só pq ele veio falar com ela, sem terem trocado nem duas palavras de prosa.

faz parecer que a conversa com ela não tem valor se não houver uma recompensa ao fim. "pra que vou perder meu tempo conversando com essa menina se ela n vai me dar mole?" ué pelo mesmo motivo q vc perde tempo conversando com os outros homens. esse cara do guest post podia puxar assunto sobre a area que os dois trabalham, pq afinal de contas era por isso q eles estavam lá, mesmo q ela n fosse ficar com ele.

Cerize disse...

Off topic:

Vcs viram essas dicas pra ser feminina?? Choquei!! http://entretenimento.r7.com/moda-e-beleza/noticias/depois-de-criticas-ao-estilo-de-laisa-especialista-em-modelos-ensina-mulher-a-ser-feminina-20120317.html

Marussia de Andrade Guedes disse...

E discordo totalmente do motivo dado para a menor presença de mulheres em encontros de ateus. É notório que as mulheres são muito mais seduzidas pelas fantasias religiosas do que os homens. Temos use encarar esta realidade. negar não é o caminho.

Um cara que morou na Bélgica disse...

Isadora

O problema é que o feminismo infiltrado pelo marxismo tem uma vertente muito pesada na questão sexual.

A mulher não pode e não deve se preparar para encontrar um homem ideal para casar e ter uma família. Isso é opressão do capitalismo judaico-cristão. Ela tem que ser livre, promíscua e independente.

Ok, tudo bem.

Mas o homem não pode abordar uma mulher livre, promíscua e independente porque isso é algo machista, masculinista, opressor. Ele tem que manter distância e não pode sequer olhar.

Ok, tudo bem.

Então o homem não pode mais procurar uma mulher para casar e formar uma família tradicional porque isso não existe mais. Só que por outro lado também não pode abordar as mulheres que estão sozinhas nas baladas, na rua, no trabalho porque isso é machismo, masculinismo, opressão.

O resultado é que haverá dois tipos de pessoas. As que não aceitam essa imposição social de isolamento e vai continuar abordando as mulheres em qualquer lugar e vai estar sempre acompanhado e os que aceitam a imposição social e fica solitário.

Eu morei na Bélgica vários anos e vi que lá o número de homens e mulheres que passam quase a vida toda solitário é muito grande e vejo essse comportamente sendo reproduzido por aqui.

HOJE, ainda vale as regras do patriarcado, machista, promíscuo na rua. As mulheres colocam roupas justas e curtas e saem rebolando na rua, os homens olham, assoviam e chegam junto para conversar. Isso ainda é FATO em quase todo o Brasil.

Mas essa pressão de converter a frieza européia em política pública por aqui é algo assustador. Eu vivi o horror dessa frieza européia, não consigo me livrar disso. E os comentários que recebi alguns dias atrás é que isso é normal e desejável.

Anônimo disse...

cara que morou na belgica, pq vc afirma que ficou "misogino"? você sente odio ou desprezo por mulheres? ou vc apenas desenvolveu uma ansiedade em se aproximar de completas desconhecidas?

sério, gente, nós não somos cachorros, q basta cheirar o rabo um do outro e cabô.
fyi, há sinais que demonstram seu interesse sexual pelo outro sem a necessidade de isso seja dito, tipo já tá bem obvio pelo seu olhar, pelos seus gestos.
agora se a única frase que vocês tem no repertório é "te achei bonita, quer sair comigo?" não é de se estranhar que poucas mulheres se sintam interessadas.
me achar bonita o pedreiro ali da obra também acha, a questão é: pq eu vou querer sair com você, se eu não te conheço minimamente? não sei se você é divertido, não sei se você é violento, não sei se você é um doido nazista.
gastar 10 minutos de conversa ajuda a quebrar o gelo e reduz as chances de tomar um toco monumental.

Anônimo disse...

Então o homem não pode mais procurar uma mulher para casar e formar uma família tradicional porque isso não existe mais.

como assim, isso não existe mais? as pessoas se casam e formam família toda hora, ué. essa tradição é tão forte que sempre vai existir.

não pode abordar as mulheres que estão sozinhas nas baladas, na rua, no trabalho

claro que pode abordar, o problema é a forma de abordar e o seu comportamento diante de uma rejeição.
o machismo estar em tratar essa mulher como se ela tivesse alguma obrigação em te desejar, especialmente ao se utilizar de artifícios intimidatórios e violentos.

Anônimo disse...

Um cara que morou na Belgica:

chega, já me conquistou! vamos sair?P

vanessa vasconcelos disse...

absurdo total.eu não quero parecer preconceituosa,mas parece que esses homens do interior são de outro mundo,Ô povinho sem noção do caramba,mais é claro que não são todos.além do mais a maioria dos homens acha um absurdo mulher ter qualquer tipo de liberdade,elas tem que ser sempre submissas ou dependentes dos machos ao redor,é o fim do mundo,que ódio....

Anônimo disse...

Sinceramente, Lola, a Marussia era uma pessoa normal, apenas turrona, mas agora tá parecendo um troll.
Como assim não tem problema o comentário do Dawkins? Se a mulher não menospreza o problema das outras que sofrem, porque o dela é menos importante? Não acho que o desconforto de ser abordada na rua por alguém seja pior que ter meu clitóris arrancado fora, mas acontecer isso com mulheres por aí não torna meu desconforto menos importante, já que os dois casos são de machismo.

Perspectiva há, mas desprezo pelo modo com as mulheres abordadas se sentem não pode haver. E ainda por cima, por meio de "mansplain".

Anônimo disse...

E o cara que morou/mora na bélgica é um chato de galochas, por isso ninguém quer nada com ele. Daí ele culpa o feminismo que desobrigou as mulheres de procurarem um homem para casar/namorar.

Realmente, a culpa de ele estar sozinho é desse feminismo malvado que disse que as mulheres podiam escolher quem elas quisesse.

Feminismo mau.

Liana disse...

Quando estava na faculdade de engenharia, com pouquíssimas mulheres na sala, eu tive que aturar umas situações constrangedoras também. O assédio não vinha dos rapazes dos quais eu era mais próxima, só dos "estranhos". E essa de taxar a mulher de prostituta ou acharem que é uma secretária não é o que se poderia chamar de raro.

Se eu estiver sozinha com um homem desconhecido no elevador e ele me fizer alguma proposta, vou esperar para dar a minha resposta quando estiver do lado de fora, de preferência perto de outras pessoas. Vai saber como o cara vai reagir quando ouvir um "não"... Esse tipo de pessoa a gente não advinha só olhando pra cara, tem homem que parece tão inofensivo, mas quando contrariado por uma mulher, se mostra bem diferente daquela suposta cordialidade inicial, até porque para alguns essa abordagem, a paquera é só um jogo, uma cena ou um direito inalienável dele como macho. E ser rejeitado deve parecer algo bem absurdo para este tipo.

Anônimo disse...

United States
.male:
-not religious: 28.9%
-atheists: 6.0%
.female:
-not religious: 20.1%
-atheists: 1.2%

Spain
.male:
-not religious: 51.8%
-atheists: 11.6%
.female:
-not religious: 42.5%
-atheists: 3.6%

Sweden
.male:
-not religious: 52.0%
-atheists: 21.6%
.female:
-not religious: 46.6%
-atheists: 12.8%

New Zealand
.male:
-not religious: 48.2%
-atheists: 8.5%
.female:
-not religious: 39.7%
-atheists: 5.2%

Germany
.male:
-not religious: 39.5%
-atheists: 23.7%
.female:
-not religious: 36.5%
-atheists: 14.9%

Switzerland
.male:
-not religious: 31.2%
-atheists: 9.0%
.female:
-not religious: 24.0%
-atheists: 7.0%

Great Britain
.male:
-not religious: 46.0%
- atheists: 11.6%
.female:
-not religious: 36.3%
- atheists: 9.3%

Australia
.male:
-not religious: 42.8%
- atheists: 10.4%
.female:
- not religious: 34.4%
- atheists: 9.5%

France
.male:
- not religious: 35.6%
- atheists: 22.3%
.female:
-not religious: 36.3%
- atheists: 12.3%

Canada
male
nr: 30.5%
a: 8.7%
female
nr: 23.3%
a: 4.6%

Norway
male
nr: 60.5%
a: 9.0%
female
nr: 43.1%
a: 4.6%

Netherlands
male
nr: 39.2%
a: 9.9%
female
nr: 32.0%
a: 5.1%

Japan
male
nr: 59.2%
a: 19.3%
female
nr: 64.6%
a: 9.0%

Taiwan
male
nr: 40.5%
a: 19.4%
female
nr: 45.4%
a: 14.2%

China
male
nr: 58.7%
a: 20.7%
female
nr: 61.7%
a: 15.6%

India
male
nr: 23.2%
a: 2.4%
female
nr: 14.6%
a: 2.7%

Brazil
homens nao religiosos: 14.2%
homens ateus: 1.1%
mulheres nao religiosas: 7.6%
mulheres ateias: 1.3%

Um cara que morou na Bélgica disse...

Sobre a questão de casamento.

A Igreja Católica está forte e presente no mundo todo. Os islâmicos estão se espalhando e estão muito presentes nos EUA e Europa. O hinduismo é uma das maiores religiões do mundo.

Por mais que os pensadores marxistas tentem combater o patriarcado judaico-cristão indo-islâmico o fato é que esses movimentos são fortes, presentes. Os católicos perderam força, mas os evangélicos ganharam terreno.

DENTRO dessas instituições a prática do celibato até o matrimônio é um FATO. Os homens Testemunhas de Jeová chegam virgens ao casamento para casar com uma mulher virgem. Isso não é negociável com nenhum movimento social.

Na Europa, espcialmente na Bélgica a doutrina ateísta marxista feminista ganhou muita força entre algumas frações da sociedade e criou essas distorções que eu disse. Porque OU você faz parte de um grupo religioso para ter contato social OU você está na rua sozinho no frio de uma sociedade paranóica em relação ao comportamento.

A família, o casamento nunca será extinto por mais que os marxistas infiltrados dentro do movimento feminista tente pelo fato que essa instituição ocorre DENTRO das organizações religiosas, ISOLADA da sociedade.

No Brasil existem várias escolas judaicas, onde as crianças judias são ISOLADAS da sociedade. Os antroposofistas tem suas escolas Waldorf, os messiânicos se unem para criar um mini-escola Kumon em seu bairro, os adventistas ISOLAM os seus filhos da sociedade com uma força muito grande.

Eu faço uma crítica ao objetivo do movimento feminista nessa questão das relações interpessoais. Mas essa crítica não é válida no Brasil, porque aqui esses grupos feministas marxistas são microscópicos, só recentemente ganharam força com a presença na esfera do governo federal para tentar a reprodução.

Eu apenas deixei a minha experiência de vida como uma forma de reflexão.

Anônimo disse...

quero ver continuarem dizendo que nesses encontros só vai meia dúzia de mulher pq há muuuuuuito mais mulheres religiosas. não há. as maiores diferenças não chegam a 20%

se 60% dos membros dos encontros fossem homem, tudo bem, normal. mas oq ocorre é que a maioria esmagadora é de homens, tipo 80 ou 90%. então a ausência de religiosidade não é muito mais incidente em um dos sexos, mas mesmo assim há menos participação feminina nos encontros.

elas preferem não se envolver com a "militancia" embora tenham afinidade ideologica com eles. pra mim essa distancia dos encontros é igual a distancia da politica.

pq poucas mulheres se envolvem na politica? acho q ja teve aqui um guest post de algumas meninas de movimento estudantil que foram chamadas de vadias e mandadas que calassem a boca, etc.

pois é.

Anônimo disse...

cara, estamos ouvindo sua experiencia de vida, mas qd fazemos perguntas, vc n responde. de onde vc tirou q falta de trato social é misoginia? e que respeito pelo proximo é 'frieza'?

vc vai me desculpar, mas as pessoas continuam se conhecendo fora de igrejas, nao por causa de abordagens machistas, mas em ambientes de sociabilização saudaveis. nao é chamando uma mulher de gostosa na rua que voce aumenta suas chances de ter uma parceira. as pessoas se conhecem nas escolas, faculdades, cursos livres, atraves de amigos e até comunidades na internet. enfim, onde ha mais chances de encontrar alguem com interesses comuns.
no meio da rua é beeeem dificil de se conhecer alguem.

Anônimo disse...

também achei a atitude dos homens um pouco exagerada, mas achei um pouco de vitimismo, pois poderia ter sido pior: aqueles marmanjos tentar pegar ela à força.

O que eu discordo do feminisno cego (tão vendo bem, não sou contra o feminismo que luta pelos direitos das mulheres, sou contra o feminismo cego) é que elas querem proibir os homens de olhar pra elas, se elas estão semi-nuas, rebolando, não querem que o cara as observe com aquele olhar faminto? Então o que o cara tem que fazer? Não olhar? Talvez como o cara morou na Bélgica falou (embora não concordar com o seu caráter misógino, mas alguma coisa tenho que concordar): ser mais frio, assim pelo menos não é assédio, não é, mulheres? Ou estou errado?

Marussia de Andrade Guedes disse...

Anônimo, eu falei que o problema das islâmicas é muito mais grave do que o problema citado no encontro de ateus. Não me referi a casos de violência contra a mulher.
Não acho que o caso citado seja um caso de violência e acho que expliquei isso no meu comentário.
Não podemos deixar que o feminismo atual seja um feminismo de reabilitação de sutiãs. Temos que voltar a
queimar sutiãs. Temos que seguir o exemplo dos gays e promover o dia do orgulho libertino ou algo semelhante. As mulheres livres precisam sair dos armários. Eu acho que este é o caminho. Mas para ser livre tem que ser forte e não se comportar como um bibelô prestes a se quebrar ao menor toque. Não temos que ficar lamentando por um certo machista nos chamar de puta. Para um tipo destes : apenas o desprezo. Temos mais é que dizer: meu filho , puta pra mim é elogio.
Vou citar o caso da Renata do BBB. Ela ficou com dois ou três caras da casa. Por isso foi criticada dentro e fora da casa. Aqui fora foi chamada até de Bruna surfistinha, ou seja, de puta. No dia de sua eliminação o Pedro Bial citou até Leila Diniz , dando toda a oportunidade para ela arrasar nos seus comentários aqui fora. Quando ela saiu da casa ele perguntou: " vc foi muito criticada por ter ficado com dois ou três pessoas na casa. O que vc tem a dizer?" Ela deveria ter respondido que ficou por querer, é livre, se fosse homem não teria sido criticado por isso, que as críticas revelam o comportamento machista da sociedade, etc. O que ela respondeu? " Esse comportamento eu não teria aqui fora. Só aconteceu por eu estar na casa, blá , blá , blá. E numa entrevista na internet ela quase disse que era santa. Gente , onde vamos chegar com este tipo de atitude? É neste sentido que eu digo que a mulher é culpada também pelo machismo existente na nossa sociedade.

Dri Caldeira disse...

O tema é delicado demais, e pra não atropelar o assunto, melhor pensar bem em tudo o que já passei e em tudo que não quero mais passar somente por ser mulher. Vou comentar depois.

Marussia - vc é a Moema com perfil fake novo.

Andrea - vc se ofendeu com o caps lock, não com a reprimenda que sofreu pela besteira q proferiu.

Anônimo disse...

dri caldeira, basta dar um google no nome dela. ela existe, é médica pediatra em fortaleza. não faça esse tipo de acusaçao leviana.

até pq a eu/moema dizia que tinha marido e a marussia não é favorável à monogamia. em comum elas só tem odio aos gordos.

Anônimo disse...

marussia, concordo com seu comentario a respeito da renata, embora entende ela ter recuado diante de tanta pressao. nao é todo mundo que aprendeu a lidar com esse tipo de julgamento e tudo mais. as participantes anteriores que tb foram chamadas de puta, geralmente saiam com um discurso forte (vide maria do bbb11, priscila bbb9, natalia do bbb8, fani do bbb7)

ha sim muito machismo por parte das mulheres e muitas coisas ruins do patriarcado só cabe a nós mudar, não depende dos homens. mas ha situações q nao dependem de nós e vc parece nao se importar com isso. vc resume a causa feminista à liberdade sexual e, a mim, parece q o maior desafio q mulheres enfrentam hoje é violencia e desigualdade salarial. em grandes cidades ninguem mais patrulha quem faz sexo ou quem nao faz. nao sei qual a sua faixa etaria, mas as jovens hoje achariam esse discurso meio datado (nao fosse assim, as participantes mais queridas do bbb nao seriam sempre as mais libertinas supracitadas)

Vivian S. disse...

Não é de espantar. Ocorreu comigo algo dentro dos mesmos moldes no ano passado, no encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais (ANPOCS).
Estava conversando com um professor meu e em certo momento resolvemos sair do ambiente onde estava ocorrendo a festa de confraternização do evento para fumar um cigarro. Nos demoramos mais do que o normal nessa saída, pois conversando e tomando umas cervejas, estavamos entretidos. Quando voltamos, alguns outros professores, inclusive que já haviam me dado aula, no auge das suas caipirinhas, resolvem lançar em alto e bom som a pergunta "ONDE VOCÊ ESTAVA COM ELA, HEIN, PROFESSOR?" e continuaram repetindo a pergunta várias vezes até que não aguentei e me afastei, morrendo de raiva.
Veja, não eram pessoas do interior (se é que isso justifica alguma coisa). Éramos todos cariocas, de uma grande Universidade Federal, todos cientistas políticos e sociólogos...
A academia, infelizmente, não é entrave algum a posturas como essa.

Andrea disse...

Dri Caldeira,

Eu apenas perguntei se o uso do caps lock era necessario naquela situação, conforme as regras de etiqueta na internet. Isto e se ofender são coisas bem distintas.
Se você discorda do que eu disse, tudo bem, mas daí a sair dizendo que eu 'falei besteira' é um pouco demais. Não desrespeitei ninguem pra sair levando patadas assim.

sex pistol disse...

Homem que morou na Bélgica,

Rapaz, isso que você falou não tem a ver com feminismo.
Talvez há lideranças misândricas na Bélgica, mas o que talvez tenha te acontecido era que você era um estrangeiro.Os belgas são extremamente fechados em suas relações pessoais, inclusive com estrangeiros.Eles mesmos vivem em um conflito interno bastante complexo: as disputas entre valões e flamengos.O tecido social na Bélgica é bastante delicado para a própria população, avalia para um estrangeiro!.Você não pode generalizar sobre o que te aconteceu. Abraço

Laurinha (Mulher modernex) disse...

O que eu fico me perguntando, é se um cara que chega abordando uma mulher assim, realmente acha que está indo bem e que vai ter chance com ela ou se depois de ter percebido que não vai conseguir nada, ele resolve descontar trollando um pouquinho...

Já trabalhei em um lugar onde a maioria eram homens. Bem no começo, encontrei um deles fora do horário de serviço em um barzinho e a gente acabou ficando. Como não engatamos nenhum namoro, a partir daí, toda festa de serviço que eu ia, era paquerada pela maioria dos homens de lá e eu sabia que aquilo tinha mais a ver com eles que comigo. Quer dizer, a questão não era estarem realmente interessados em mim, mas competirem com o outro ou então pensarem que se eu tinha ficado tão facilmente com um, era uma mulher disponível e homem não pode deixar passar. A gente sabe como é.

No caso do Dawkins, tão inteligente em outros assuntos, acho que é a mesma tecla que a gente cansa de bater: falta de empatia. Homens na maioria não são criados pra sentirem empatia por mulheres ou conseguirem se colocar no lugar delas realmente, mas somente no lugar do homem da historinha.

Mutilação genital é algo terrível e muito pior que várias situações que a gente enfrenta? Claro que é.
Mas isso não quer dizer que a sensação de estar na presença de um sujeito que acha que está somente te paquerando, quando na realidade está fazendo com que vc se sinta intimidada, constrangida e com o pensamento de que a qualquer momento ele pode tentar te agarrar, te beijar à força e vc vai ter que se defender, e que ninguém vai considerar àquilo uma agressão ou uma afronta, mas uma espécie de jogo da paquera, não é uma sensação nada boa.
Muitos homens já podem ter se sentido intimidados em algum momento de suas vidas, mas a falta de empatia é tanta que não conseguem ligar essa sensação desagradável ao que as mulheres sentem muitas vezes quando eles acham que estão abafando.

Marussia de Andrade Guedes disse...

Anônimo , realmente, não existe uma patrulha (pelo menos no ocidente) determinando o que a mulher pode ou não fazer. Ela faz o que quer. A tático do machismo é não escolher as mulheres livres para parceiras (namoradas, esposas). E as mulheres, sem perceber, acabam tentando passar a imagem de mulheres bem comportadas, para ficarem competitivas no mercado matrimonial. Vc disse algo interessante : as mulheres novinhas são mais livres até mais ou menos os 25 anos pois até esta idade elas não estam preocupadas com casamento. A partir dos 25 anos começam a aceitar esta tática machista e se não mudam na prática, pelo menos, menos mudam no
discurso. Com relação as outras integrantes do BBB nenhuma abraçou a causa da liberdade sexual. E tiveram oportunidade para isso. Eu acho que a liberdade sexual é mesmo a questão fundamental. Tendo a mulher conquistado o acesso a educaçao e ao mercado de trabalho e o direito a cidadania, no dia que for capaz de conquistar a liberdade sexual que o
homem tem, ela será capaz de todas as outras
conquistas facilmente.

Anônimo disse...

>>Vocês podem lembrar de quando relatei um incidente em que recebi uma cantada, e falei, “Caras, não façam isso.” Verdade, foi o que eu falei. Eu não disse que o sexo deveria deixar de existir, não acusei o homem da história de me estuprar. Eu não falei que todos os homens são monstros. Eu falei: “Caras, não façam isso.” Ao que Richard Dawkins respondeu:

Querida Muslina (*NT – corruptela de “Muçulmana”: termo que dependendo de como ou onde é usado, pode ou não ser considerado depreciativo, como “Nigger”)

Pare de se lamentar. Sim, sim, eu sei que você teve sua genitália mutilada com uma lâmina de barbear, e… *bocejo*… não me diga de novo… eu sei que você não tem permissão pra dirigir um carro, e você não pode sair de casa sem estar acompanhada por um parente do sexo masculino, e seu marido tem permissão pra te bater, e você vai ser apedrejada até a morte se cometer adultério, blá blá blá. Mas pare de reclamar. Pense no sofrimento de suas pobres irmãs americanas.

Apenas esta semana eu ouvi de uma, ela se chama Skep”chick”, e sabe o que aconteceu com ela? Um homem num elevador de hotel a convidou para ir ao quarto dele para um café. Não estou exagerando. Ele fez isso mesmo. Ele a convidou para tomar café em seu quarto. Claro que ela disse não, e claro que ele não encostou um dedo nela, mas mesmo assim…

E você, muçulmana, pensa que pode reclamar de misoginia! Pelamordedeus, cresça, ou pelo menos seja mais durona.

Richard<<


Quer dizer, a mulher não pode se sentir incomodada pela forma na qual os caras a tratam e pedir delicadamente que esses sujeitos a respeitem?
Poxa vida, para vocês que acham que o otário do Dawkins teve razão, mas a mulher exagerou, lhes pergunto: De que me serve o feminismo se eu não posso reivindicar respeito? Um direito básico que, putz, desculpa aê, mas acho que todo mundo merece ser respeitado.

Anônimo disse...

Se trabalhamos/estudamos somos carreiristas/frias,se queremos ficar em casa e sermos "sustentadas" (como se ser dona de casa e mãe não valesse de nada) somos vagabundas,assim fica MUITO dificil...

Anônimo disse...

Cara que morou na Bélgica...
Sobre o femisimo no marxismo e muher que tem que ser promiscua...

hahahahhahahahhahahhahahhaaa..

Só posso rir...

Como dizem sobre o feminismo tb, as pessoasque nunca leram sobre marxismo e falam tanta bobagem que nem sei o que dizer, so rir mesmo....

Sobre o post, concordo tb!
Tem uma conhecida q duz que é até desvantagem ser bonita na academia, que não te levam a sério...
Não sei se concordo, mas sei que ser mulher muda no peso na ora de ser ouvida.

Bjo

Sara disse...

Lola nada a ver com esse post, mas veja que barbaridade esse padre católico esta falando, esse esta querendo rivalizar com os aiatolás islâmicos.

http://www.youtube.com/watch?v=80JuBmps6Qk

Aretha disse...

Isso acontece muito mesmo aqui no interior! os caras só respeitam se vc chegar botando banca, enfiar o dedão na cara deles e mandar calar a boca. é foda!
não sabia que o Dawking, o qual eu tinha profunda admiração pelos livros, falou uma merda dessas! mesmo! quando eu lí o post meio que murchei de saber que um dos meus autores preferidos é um boçal.

Dri Caldeira disse...

Eu me lembrei numa situação totalmente oposta a essa, onde mulheres são perseguidas pela aparência e por serem mulheres: nos esportes. Todo jogador de futebol, volley, corredor, maratonista, pingponguista se tem namorada/esposa/ficante linda (normalmente uma atriz/modelo/BBB) se atravessa uma fase ruim na carreira, sempre quem leva a culpa disso é a companheira. Quem nunca ouviu: " O Ronaldo passou mal na Copa de 98 pq pegou a Suzana Werner na cama com o Pedro Bial" ou "O Cruzeiro jogou mal pq o Roger é casado com a vagabunda da Deborah Secco". Isso é de espantoso. Só que o contrário nunca acontece, qdo. o cara tá numa fase ótima, nunca é por causa da companheira. Eu queria muito modificar a mentalidade dessa sociedade hipócrita.

Anônimo disse...

Sara, olha isso:

http://www.patiogospel.com.br/2012/03/pedido-de-afastamento-do-padre-paulo.html/

Trecho da carta aberta:

"Diante de um homem amargurado, fatigado, raivoso, compulsivo, profundamente infeliz e transtornado toma-nos, como cristãos e como sacerdotes, um profundo sentimento de compaixão e misericórdia. "

kkkkkkk.. sedivirto!

Sara disse...

Anonimo não consegui linkar o q vc postou???

Sem mais nem menos disse...

Eu não canso de me aborrecer com esses fatos. Até quando vamos ser sujeitas à tamanha arrogância e "superioridade"?

Anônimo disse...

É foda. Infelizmente, uma mulher bonita, gostosa é instada a tirar a roupa, a ser sexy, a esperar um homem que vá 'valorizá-la' (= casar-se com ela, mostrá-la aos amigos - 'aquela mulher é minha' - e mantê-la bonita). O que menos se espera e nem se quer de uma mulher bonita é que ela demonstre inteligência e independência.

Augusto: muitos homens são assediados de forma constrangedora. Uma vez estava numa balada e a amiga de uma amiga estava caindo em cima de um cara, colega de trabalho dela, e ele estava visivelmente constrangido. Eu falei pra minha amiga que se fosse o contrário todas nós já estaríamos desancando o cara e tentando 'salvar' a menina. Minha amiga concordou, porque era verdade, e foi falar com a menina.

Feminismo não é ter o direito de constranger os homens como eles fazem com a gente.

Anônima Beócia

Niemi Hyyrynen disse...

Adoro esse papo "naturalista" de que mulheres são mais atraidas para fantasias religiosas e de que não conseguem girar um objeto 3D na cabeça.

Mas já tive o prazer de conhecer uma arquiteta que projetou o prédio p/ uma igreja, sendo ela atéia.

A vida é ironica mesmo...mais engraçada que muitos stand-ups proibidões.

Sobre o lance da abordagem (parece que estamos falando de tiras e bandidos...), um homem que não tem o bom senso de saber que "paquerar" uma mulher num ambiente fechado, é pq não tem habilidade alguma para paquerar mulheres, convenhamos.

Faltam-lhe também aprender a ter empatia e imaginar a situação na pele da outra pessoa.

Talvez estarem sozinhos, não seja de fato uma ironia...

Anônimo disse...

Sara, é só pesquisar no Google :

Pedido de afastamento do padre Paulo Ricardo

São as 1ª e 2ª opções de resposta da pesquisa.

Enfim, nem os próprios colegas de sacerdócio o levam a sério.

xD

Anônimo disse...

"Quer dizer, a mulher não pode se sentir incomodada pela forma na qual os caras a tratam e pedir delicadamente que esses sujeitos a respeitem?"
- Querida, o que você reivindica não é "respeito", o que você reivindica é a supressão de TODOS os direitos masculinos, inclusive o de observar vocês. Você relatou o caso de um homem que convidou uma americana para tomar café em seu quarto, ela negou, e este homem não encostou um dedo nela. Aí lhe pergunto: qual é o problema? Agora não posso lhe convidar para tomar uma café? Você quer que o homem fique parado, como um vegetal, sem nem olhar pra vocês? É isso que você reivindica? Isso é respeito? O que você reivindica é NÃO é Feminismo, o que você reivindica é MISANDRIA, o que é muito diferente.

Dri Caldeira disse...

Eu tb estou me lembrando de 2 casos, onde os "caras" "convidaram" 2 moças para partilharem de "agradáveis" momentos ao lado deles. Ambas disseram não. Uma terminou com o braço quebrado e a outra morta. Um caso aconteceu no NE e o outro nop RJ. Temos sim o direito de não querer ser convidada à nada. Café, conversa, sorvete, transa, poker, conhecer a avó. Queremos ter a opção de escolher e de nos manifestar a respeito disso. 99,99% desses convites visam sexo e não me venha essa última anônima com cheiro de mascu troll dizer q isso é mentira pq não é!

Sara disse...

Marussia vc é das minhas, ainda bem que voltou a comentar aqui na Lola, parabens, assino embaixo o q vc falou.

Anônimo disse...

ai ai, certos homens reclamam tanto quando são cantados por gays na rua, de manhã, cercados de gente, com toda uma situação favorável a eles. imagina o piti que não dariam se um gay resolvesse assedia-los num elevador de madrugada e houvesse um pano de fundo histórico de estupros homossexuais em elevadores...

isso me lembra o meu ex, que era um amorzinho de pessoa, não era machista nem nada assim. mas bastava um gay passar por ele na rua e dizer que ele era bonito, que ele ficava se sentindo assediado, constrangido, com raiva. coisa que as mulheres aturam quase todo santo dia silenciosamente.

Sara disse...

http://www.facebook.com/home.php#!/groups/156340781130186/permalink/228891897208407/

Gente eu to assustada com o rumo que as religiões estão tomando nesse nosso mundo, hj recebo a noticia desse padre católico claramente misógino, fazendo uma pregação contra o feminismo, e dizendo com todas as letras que a razão da existencia das mulheres é só a maternidade, e que nenhuma mulher deveria ter outra vocação.
Agora recebo mais essa noticia desse link do facebook denunciando o crescimento do grupo ultra ortodoxo dos judeos, que tiveram o desplante de impedir que uma cientista israelense recebesse um prêmio pelo simples fato de ela ser mulher, e pior é que esse grupo tem forte participação no governo israelense e tem criado situações absurdas para as mulheres naquele pais, e eu que achava que os islâmicos eram o que de pior podia acontecer para uma mulher, pelo jeito as outras religiões estão querendo abrir concorrencia com eles nesse quesito.

Anônimo disse...

engraçado é que as mesmas pessoas que acham exagero quando mulheres reclamam dessas abordagens invasivas, acham que mulher estuprada deu mole, devia ter se precavido.

eu fui ensinada mesmo a me precaver, já que um sujeito tentou enfiar a mão no meio das minhas pernas dentro de um ônibus quando eu tinha 9 anos. welcome to patriarchy, aquilo sim foi um début (convenhamos, aos 15 anos as mulheres já estão nesse sistema doentio há muito tempo)

cresci sendo ensinada a me preservar, a não dar bobeira, tomar cuidado, não andar sozinha, não usar roupa curta, não sair de madrugada, etc. ainda assim eu não assumo que os homens que conheço são estupradores, não sou paranóica, apenas evito situações que representem algum risco potencial até ter certeza que posso confiar. . sempre tive um relacionamento saudável com meus amigos homens, já fui para o quarto deles sem nenhum intenção sexual e correu tudo como o esperado. mas também já vi amigas aturarem excessos de homens que não sabem levar não por terem se desprotegido. a culpa não é delas, mas de quem comete o excesso.

não é pedir muito, oras. não custava o infeliz ter ido falar com a menina antes de entrar no elevador, no saguão, no bar,... tantas oportunidades e ele escolhe justo aquela em que ela se sente intimidada. excelente timing.

Anônimo disse...

Queridas, eu não nego o direito de uma mulher de recusar o convite de um homem. Muito contrário. Mas vocês falam como se fosse um erro um homem fazer um convite a vocês. Vocês sabem muito bem que se um homem lhe convida para o seu quarto, é porque ele quer sexo. Se não querem nada, apenas neguem o convite. Agora, o homem teve um comportamento agressivo? Agrediu? Passou a mão de forma maliciosa? Tentou violentar? Lhe beijou à força? Se a respostas a todas estas perguntas for "Não", então não há problema nenhum. Só se vocês querem suprimir o direito do homem de convidar vocês. Aí isso não é feminismo, isso é MISANDRIA.

E já fui abordado por um gay, e ao contrário de vocês, apenas neguei, apenas disse a ele que isso "não é minha praia", que sou hétero, curto mulher e só. Mas como eu não sou homofóbico, eu não nego o seu direito de abordar um homem. Como eu não sou homofóbico.

lola aronovich disse...

É isso aí, Marussia e Sara: promovam o feminsimo do poliarismo compulsório! Porque liberdade sexual só pode ser isso – que mulheres sejam forçadas a fazer sexo com muitos homens. Se fizerem apenas com um, ou com nenhum, são reprimidas, recatadas, vitimistas!
E sim, quando as mulheres conquistarem a verdadeira liberdade sexual (e não essa de mentirinha da mulher poder escolher com quem, com quantos e quantas vezes quiser transar – e isso pode ser tanto ter um parceiro, nenhum parceiro, quanto mil parceiros), aí sim resolveremos todos os outros problemas das mulheres. Mulheres terem apenas 1% da propriedade no mundo? Sem problema, resolveremos isso facilmente quando começarmos a transar com todo mundo. Mulher ganhar 30% menos que homem? Mulheres representarem 70% dos pobres no mundo? Violência doméstica? 10 mulheres serem assassinadas por dia no Brasil? Estupro? Nada de direitos reprodutivos? Violência obstétrica? Distúrbios alimentares causados por uma mídia que impõe um padrão inatingível? IMAGINA! Tudo isso será resolvido num passe de mágica assim que as mulheres deixarem de ser monogâmicas. Mal posso esperar!

Sara (Denise), vc escolheu a hora errada pra dizer “É isso aí, Marússia!”. Dra. Maru está numa vibe de Festival de Besteiras que Assolam a Caixa de Comentários como raramente se viu antes.

Anônimo disse...

Alguém me explica: Quer dizer que mulher hoje em dia não gosta de homem, é isso?

yulia disse...

ao cara que morou na Belgica....

vc deve ser mascu pelo tom da sua conversa....

menos cara menos, vc não acha que está exagerando?ninguém IMPÕE goela abaixo de ninguém que mulher não pode e não deve casar e ter filhos em lugar algum desse planeta.mas tem lugares que IMPÕE que mulher tem que
casar e ter filhos (paises islamicos....)

''Ela tem que ser livre, promíscua e independente.''

ela pode ser livre independente se quiser, não existe imposi
ção de nada.... quanto ao promícua é um falso moralismo que fica por sua conta...pois vc não considera um homem (catador..) promíscuo.


''Mas o homem não pode abordar uma mulher livre, promíscua e
independente porque isso é algo machista, masculinista,opressor.''

depende.... abordar como ? com que tipo de conversa?igual ao cara do post que já foi chamando de prostituta a mulher que saiu com seu professor? se vc já chega nas mulheres com essa grosseria, vai tomar patada mesmo cara.

''Ele tem que manter distância e não pode sequer olhar.''

se ele é incapaz de ser educado civilizado, e acha que pode agir feito animal de teta pois ele já a julga (vadia) ou sei lá mais o que... tem que ficar distanciado mesmo.
como vc aborda as mulheres? como o cara do post, já chamando de prostituta? lamento por vc.

yulia disse...

''Eu vivi o horror dessa frieza européia, não consigo me livrar disso''.

pois é...vc achou que Bélgica é Brasil... vai ver vc passou
alguma cantada grosseira em alguma européia e tomou aquele carão.
diz aí? foi isso mesmo?
vc , do jeito que é falso moralista , deve ter achado que a européia e promiscua e então tudo bem, não vou me preocupar em ser educado...vou ser bem vulgar, tirar ela de prosituta..mesmo pois mulher promiscua é para isso mesmo né?
pois é.....vc não ficou misógino, vc sempre foi misógino. só que na europa eles tem o tratamento que merecem mesmo! oxalá, o Brasil será assim, vai tratar machista
misogino como merecem ser tratados.

yulia disse...

Quer dizer que mulher hoje em dia não gosta de homem, é isso?
__________

que tipo de homem? seja mais específico.

VBN disse...

Lola, acho que você nunca assistiu House... Mas na primeira temporada, logo de cara, tem uma situação semelhante. Uma médica (Cameron) descobre que o House a contratou por ela ser BONITA. Veja bem, não pelo currículo (que era bom, mas não excelente), não pela capacidade (que ela demonstra dia após dia), não pela inteligência.
Ele chega a falar que ela é como uma linda obra de arte andando pelo hospital.
Lá pelas tantas ele pergunta por que ela resolveu fazer medicina? Bonita daquele jeito, ela não precisava fazer NADA, que homens iriam DAR as coisas para ela, muitas coisas. Que ela ter estudado TANTO para virar médica, só pode ser por causa de algum trauma.
Pode?

Liana disse...

ai Lola, essa visão que algumas mulheres tem do feminismo e da sexualidade obrigatoriamente variada como única opção viável, cansa.

Acho que foram para o lado oposto da corda, em vez de reprimir completamente, acaba virando uma sexualidade que valoriza o maior número possível de parceiros. Caímos de novo na quantidade como parâmetro de vida sexual feliz.

E não só a quantidade, mas também a forma de exercer a sexualidade. Mas no fim, sempre uma fôrma, sempre um controle externo da vida íntima alheia, sempre alguém de fora determinando o que é melhor para a vida de uma mulher, seja para mais ou para menos. Uma mera transferência de censores, mas ainda censura a algum comportamento feminino sexual indesejado.

Tem muitas visões de feminismo por aí, e eu acho toda essa diversidade ótima, necessária e salutar, mas disso aí eu tô fora, não me identifico.

O Herói do Ócio disse...

Lola, estou curioso. De onde vem essa estatística de que mulheres detém 1% da propriedade em todo o mundo?

Ricardo disse...

Denise (Sara): por que você mudou de fake?

Máquina disse...

Esse tipo de post me faz pensar na vida. Acho que hoje em dia é meio que crime cortejar as mulheres, tem aquelas leis de assédio e toda uma ideologia.
Mas também tem aquelas baladas, só que são imorais e insalubres.

Acho que o politicamente correto a se fazer é o Celibato, porém os médicos dizem que faz mal.

Quem está certo? O que é o certo? Tudo parece muito incoerente. Acho que o médico foi machista...

Anônimo disse...

ocioso, sobre propriedade

(achei esse link da onu acima no huffington post)

alias, tenho q começar a fuçar nesses negocios da onu, tem mta legal, sobre outros assuntos ligados a mulheres.

achei tb um artiguinho da wikipedia, nao sei se é confiável, mas há outros links por la

yulia disse...

Esse tipo de post me faz pensar na vida. Acho que hoje em dia é meio que crime cortejar as mulheres.
__________

como vc paquera mulher? chamando de prostituta como fez o cara do post?

lola aronovich disse...

Rapazes (inclusive aqueles que moram na Bélgica) que estão reclamando de como hoje em dia homens não podem paquerar uma mulher, perguntando se mulher não gosta mais de homem, dizendo que a ideologia atual é contra a paquera e tudo o mais: juram que a visão de mundo de vcs é tão limitada que vcs só conseguem imaginar UM TIPO de paquera? Que é um cara vir cantar uma mulher dentro de um elevador às 4 da manhã (numa conferência em que essa mesma mulher pediu para que ateus não vissem ateias apenas como seres sexuais)? Ou um cara num congresso científico chegar pra uma mulher e perguntar se ela é prostituta? Vcs realmente acham que essas estratégias são eficazes? Como outras leitoras já apontaram, primeiro seria adequado “ler” na linguagem corporal da mulher que vc quer paquerar se algo indica que ela está a fim. Depois se colocar na posição DELA – será que alguma coisa no tratamento que é dedicado às mulheres no mundo indica que talvez elas se sintam desconfortáveis ao ficarem sozinhas num lugar fechado com um desconhecido? Se algo indicar que a mulher está receptiva, ir lá e, em vez de perguntar, por exemplo, se ela é prostituta, perguntar sobre o congresso? Afinal, o cara e a moça estavam na mesma área de pesquisa?


Ócio, esses são dados de um relatório da UNFPA – Fundo de População das Nações Unidas.

Beatriz disse...

O problema não é abordar. As pessoas tendem ao exagero quando leem esses posts, e associam com o estereótipo de feministas que tem raiva dos homens e odeiam relacionamento. O problema é a situação e a forma da abordagem.
Sou super feminista e gosto de ser paquerada. Sou uma moça de 20 e poucos anos, solteira, que sai bastante, acho normal. O que incomoda: homens que não sabem a hora de abordar e homens que abordam com agressividade. O caso da cientista desse post é clássico disso: o cara foi super grosseiro na abordagem, já chegou fazendo uma pergunta em tom de cobrança (e desqualificando o orientador, e se ele fosse namorado dela mesmo? eu ficaria ofendida), e ainda por cima em uma festa de congresso... ele deveria ter pressumido que ela estava lá a trabalho e nessas situações ser paquerada raramente é prioridade.
Chegar já chamando de gata/gostosa/afins sem intimidade, pegar no braço, cantar a mulher no trabalho ou em situações em que a paquera livre não está prevista... td isso além de machismo, é muito mal educado. Tem homem machista assumido que se porta melhor nessas situações.
E nem quer dizer que se vc conhece uma mulher numa situação imprópria pra paquera vc nunca vai poder abordá-la, mas faça de um jeito civilizado né? Não tipo: nunca nem falei bom dia, mas aí vejo a moça no café e já chamo pra jantar todo insinuante, com piscadinha... ERRADO!
Digo por mim: recentemente tive um relacionamento muito legal com um cara que conheci no trabalho. Ele veio me procurar abertamente com intenção de ficar comigo, mas começou com conversas bem casuais, falamos de música, depois passamos a falar de assuntos mais íntimos, como família, e quando saímos juntos, foi natural. A abordagem, paquera e elogios dele nunca me ofendeu, pq me senti respeitada como pessoa, pela postura e interesse dele. Não somos malucas contra paquera, só queremos respeito.

Anônimo disse...

gente, vocês só conhecem essa forma de aproximação intimidatória ou o celibato? vocês vivem em qual caverna, hein? pq eu quero passar longe...

"o homem teve um comportamento agressivo? Agrediu? Passou a mão de forma maliciosa? Tentou violentar? Lhe beijou à força?" eu vou mesmo esperar um homem agir assim pra só então começar a desconfiar dele. tipo, depois que o estrago já está feito. faz muito sentido isso, realmente. obrigada pela dica, ufa!

yulia disse...

pra eles cantar é chegar
chamando de prostituta.... ou dando a entender
que ela é....mas isso na cabeça limítrofe ao extremo dos mascu
é normal e ela tem que se sentir elogiada com isso.
queria que eles imaginassem sua irmã recebendo esse
tipo de cantada... será que eles diriam a suas irmãs
que elas tinham que se sentir lisongeadas com isso?


eles acreditam nos métodos nessahianos de cantada...kkkkk
pior que acreditam mesmo, eles pegam dicas dos mascus fracassados
e ACHAM que vai dar certo!!!! incrível! quanto tomam carão
eles desacreditam.

e esse cara da belgica ai mano....
com certeza ele deve ter dito alguma merda pra uma mulher
de lá e tomou carão.

Isabellla disse...

Tem gente aqui que se aproveita dos deslizes alheios para defender uma postura tão castrante como um celibato.

É antinatural.

yulia disse...

Não somos malucas contra paquera, só queremos respeito.

resumiu tudo.

Marília Nascimento disse...

Nossa... Tava demorando pra um mascu se pronunciar né... (embora outros já tenham feio comentários bem parecidos).

Acho essa história de "ler" comportamento muito perigosa também... Existem pessoas que tem certa sensualidade natural, e acabam passando uma impressão errada. E imagina se depois de uns copos de cerveja a pessoa vai conseguir identificar o que é uma abertura à aproximação de um comportamento natural? Nunca passei por isso, mas já presenciei um amigo meu que é gay, que estava mordendo o dedo enquanto conversávamos, sendo abordado de uma maneira muito grosseira por um rapaz que achou que ele estava se insinuando. Meu amigo ficou perplexo e um tanto envergonhado.
Cada um é cada um, bom conversar antes de cantar, hein?

Quanto ao comportamento feminino, por favor. Que tipo de feminismo é esse que prega qual a maneira que uma mulher deve agir? Se uma mulher deseja casar e ter filhos, viver uma vida monogamica, é um direito dela, sem que a taxemos de machista ou conformista. Assim como a mulher que beija 15 em uma noite pode ter essa liberdade sem ser taxada de vagabunda/vadia.
Não acho que um homem olhar para uma mulher seja falta de respeito, mas partir para cantadas tacanhas passa dos limites (indo para a faculdade eu sempre passo por uma obra no caminho, os trabalhadores sempre olham mas nunca falam nada. No dia 8 de março o que aparentava ter mais idade gritou "Parabéns pelo seu dia, gostosa!")

O sofrimento que uns sofrem não diminuí, de maneira alguma, o que os outros sofrem. Desmerecer um sofrimento porque outra pessoa sofre mais é desumano (como no caso relatado em outro gestpost, em que pessoas que cuidam de animais são vítimas de agrssões verbais porque "tem tanta criança com fome na África e eles cuidam de cachorro").

Respeitar a individualidade é o primeiro passo para que se possa viver em sociedade.

O Herói do Ócio disse...

Lola, valeu pelo link!

Mas pelo que entendi, as estatísticas se referem a propriedades rurais, não?

Tem um mundo de diferença em dizer que as mulheres detém 1% de toda a propriedade e dizer que elas detém 1% de todas as terras. Quase levei um susto.

Não é o caso, claro, que 1% das terras seja uma coisa boa.

Máquina disse...

Mas o que é respeitoso ou não é muito relativo, e se eu for considerado inconveniente por dar um bom dia?
Atualmente estou a evitar contato com sexo oposto e evitar mesmo ter fantasias.
Não quero desrespeitar outrem nem que seja inconscientemente, pois isso é errado.

EneidaMelo disse...

Anônimo das 21:26,

O erro não está no homem fazer o convite. O erro está no local em que ele escolheu pra fazer o convite. Um local em que a mulher se sente acuada e sem chance de defesa. Qual a dificuldade de entender isso?

Quanto a você já ter sido abordado por um gay, você não vive num país em que homens são atacados por gays diuturnamente. É isso que faz toda a diferença.

Anônimo disse...

Gente, o cara do Congresso que abordou a cientista é um idiota. Agora, por que se sentir ofendidas se um cara convida vocês para tomar um café no seu quarto? Se não quer nada, negue. Se ele insistir, continue negando. Se ele reagir de forma agressiva, isto sim constitui um crime, aí vão procurar ajuda (policial ou seja o que for) ou reajam ao bandido.
O que eu não concordo é vocês suprimir o direito do homem lhe paquerar, ou tentar, fazendo um convite. Quem quer castrar os homens são vocês, ao querer lhes suprimir o direito de paquerar.

Máquina disse...

Ás vezes penso que o ser humano deveria fazer uso de fármacos que baixassem a libido e que as relações sexuais fossem organizadas pelo Estado. Haveria maior segurança e respeito entre todos.

Máquina disse...

Anônimo das 00:18

Eu particularmente acho que elas estão certas. Se elas se sentem desrespeitadas, elas devem expressar isso e devemos acatar. Se a mulher se sente desconfortável ao ser abordada, deves respeitar. Tu não flatulas na frente dos outros seguindo de um riso "hehe, tou vivo", da mesma forma não deve mostrar às mulheres que tens interesses.

Esses desejos podem ser suprimidos com café, chá, suco de maracujá e até masturbação(apesar de ser errado por objetificar a mulher).

Marília Nascimento disse...

Ao Máquina...
Estou intrigada com sua posição. Eu, realmente, gostaria muito de entender qual a sua linha de raciocínio...
Você acha que as mulheres querem a total inibição dos homens? Você acha que vivemos em uma sociedade em que todo mundo entende que "não" é "não"? Pensa que paquerar uma mulher é tão natural quanto "flatular"? Acha que toda paquera é invasiva? Acha que todas as mulheres reagirão da mesma forma à mesma paquera? Acha que o ser humano é naturalmente tão impulsivo e irracional que tenha que se utilizar de fármacos para controlar seus impulsos sexuais? Eu tenho outras dúvidas, mas paro por aqui.
Só pra saber mesmo...

Anônimo disse...

"O erro não está no homem fazer o convite. O erro está no local em que ele escolheu pra fazer o convite. Um local em que a mulher se sente acuada e sem chance de defesa. Qual a dificuldade de entender isso?" - E por que o erro está no local em que ele escolheu para fazer o convite? Ser direto e sincero é ofensa? E não precisa se sentir acuada, querida. Se não quer nada com este homem, é só negar. Hipocrisia pura, pois se o Tom Cruise lhe convidasse para o seu quarto (e não para tomar café, mas vá direto ao ponto, dizendo: "vamos para o meu quarto transar?") ou para o motel, você não se sentiria "acuada", muito pelo contrário, seria como uma satisfação de um desejo, não é? Você tem razão: o erro não está no homem fazer o convite, mas o homem desejado. Né não???

E é verdade que um gay abordar um homem não é algo que ocorre todos os dias, mas se eu pensasse como vocês, me sentiria ofendido ou "acuado" por ter sido abordado por um gay e acharia que ele nunca deveria ter feito isso, e que os gays não podem fazer. Afinal, como já disse, não sou homofóbico, ao contrário de vocês que estão mais para misândricas do que para feministas.

Máquina disse...

"Você acha que as mulheres querem a total inibição dos homens? "

Não sei. Mas prefiro não arriscar.

"Você acha que vivemos em uma sociedade em que todo mundo entende que "não" é "não"?"

É provável que existam. Eu não sei, não parece lógico. Mas é possível que interpretem não como "educação". Minha mãe me ensinou que as pessoas costumam mentir por educação. Ainda assim, é lógico assumir um não como uma negação.

"Pensa que paquerar uma mulher é tão natural quanto "flatular"?"

Acho que sim. São vestígios de nossa ancestralidade animal que devem ser suprimidos ou reprimidos a todo o custo, pois causam danos à sociedade.

"Acha que toda paquera é invasiva?"

Não sei qual a margem que separa invasiva de não invasiva. Logo é seguro admitir toda paquena como potencialmente invasiva.

"Acha que todas as mulheres reagirão da mesma forma à mesma paquera?"

Não sei. Mas se é passível de processos, coisa certa não é.

"Acha que o ser humano é naturalmente tão impulsivo e irracional que tenha que se utilizar de fármacos para controlar seus impulsos sexuais?"

Não sei. Mas dizem que é melhor prevenir do que remediar.

"Eu, realmente, gostaria muito de entender qual a sua linha de raciocínio... "

Se consiste no fato de que fazer coisas ruins é ruim para todos. Fazer coisas boas é bom para ti ou no máximo para alguns terceiros. O Bem estar de todos deve estar acima dos caprichos de poucos.

Marília Nascimento disse...

Máquina, obrigada por me responder. Sinceramente, sinto pena de você pensar dessa forma - não que eu concorde com seus pensamentos, pelo contrário. Mas, pelas suas respostas, vejo que uma discussão seria inútil. Tentando ver as coisas pelo seu ângulo de visão, talvez castração química fosse a melhor prevenção para uma possível incapacidade de controlar racionalmente certos impulsos. Estou certa? Pra mim, seria desumano... Mas... Vai saber, né?

Quanto ao outro indivíduo... Acho que não ensinam mais a interpretar texto na escola, né?

Anônimo disse...

"Querida, o que você reivindica não é "respeito", o que você reivindica é a supressão de TODOS os direitos masculinos, inclusive o de observar vocês."


Jovem, pelo amor de Zeus, não procrie!

Cruz credo!

Daniel disse...

Para cada feminista que reclama de abordagens (a maioria inventadas), existem 100 mulheres reclamando que os homens andam muito devagares...

Anônimo disse...

argumentanção ad encheciones de saco. brother repete a mesma coisa mil vezes fingindo que não lê oq os outros dizem.

A diz: "o problema não foi no convite, mas no local pq taltaltal. o local até poderia o mesmo, se a forma fosse diferente e xyzwk. mas a soma das circunstâncias foi inadequada"
B diz: "mas qual o problema do convite?"
C diz: "o problema é tal tal tal e xyzwk"
B diz: "mas qual o problema do convite?"
TODOS: ZzZzZzZzZ RONC

lola aronovich disse...

Uau, anônimo revoltado porque as mulheres não se importariam, e até gostariam, se o Tom Cruise nos fizesse um convite sexual, não importando o lugar ou a ocasião! Primeiro que não é verdade. Acredite, nem todas as mulheres são iguais, muitas não acham o Tom bonito ou interessante (eu exclusa, adoro o Tom). Sabe, por incrível que pareça, homens bonitos também estupram, inclusive porque estupro tem muito mais a ver com violência e poder que com sexo. Segundo que a sua revolta parece ser com que as mulheres tenham escolha, é isso?! Que ideia radical! Mulheres ESCOLHENDO quem querem levar pra cama -- onde esse mundo vai parar?!

EneidaMelo disse...

Anônimo das 00:43,

Eu falei de local, e você pergunta se ser direto e sincero é ofensa? Você tem problemas de entendimento. Vou tentar desenhar. Mulheres são criadas numa sociedade em que elas são vistas por muitos homens como "à disposição". A gente leva encoxada no transporte público (e até de conhecidos) e nada acontece, quando recebem um não muitos homens ficam agressivos, etc. Então, ao serem abordadas num local onde se sentem vulneráveis, sim, muitas mulheres podem se sentir acuadas. Local vulnerável pode ser um local que esteja deserto ou um local pequeno e apertado, sem mais ninguém.

O que é que isso tem a ver com ser sincero e direto?

E não, eu não me sentiria melhor se fosse o Tom Cruise (nem mesmo se fosse o Clive Owen). Não é porque um homem é bonito, que automaticamente isso faz dele um cara que saiba respeitar uma outra pessoa (na verdade, muitas vezes é bem o contrário).

Sobre ser abordado por um gay: eu não estava falando de um mundo onde gays não abordam outros homens, estava falando de um mundo onde homens não são ATACADOS por gays. A diferença não é sutil.

Anônimo disse...

Não é isso Lola. Você entendeu tudo errado. Citei o exemplo do Tom Cruisse, claro poderia ser qualquer outro cara que é desejado. Eu defendo o direito de escolha da mulher, como já disse, se a mulher não quer nada, tem todo o direito de negar, se o cara insistir, continue negando, se reagir violentamente, reaja ou procure ajuda (seja da polícia ou de quem for). Mas se o cara apenas chegou e convidou, e ela negou, mas o cara não insistiu mais, não molestou, não agrediu, não tentou beijar à força, e nada do tipo, ficou quietinho na dele, por que este estardalhaço todo? Quer dizer que se não é desejado, o cara não pode nem tentar? Se não é desejado o cara não pode nem olhar? Quer dizer que se o Tom Cruisse não lhe deseja, você não pode nem olhar pra ele? Entende o que está em debate?

LisAnaHD disse...

perdi os acentos....

Ciencia do Solo
Eh uma subdivisao da Geografia ou da Geologia?

"A diversidade de nomes associados a esta disciplina está relacionada com as várias associações possíveis. Na verdade, engenheiros, agrônomos, geógrafos, biólogos, microbiólogos, silvicultores, arqueólogos e especialistas em planeamento regional, contribuem todos para o conhecimento mais completo dos solos e para o avanço das ciências dos solos."
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ci%C3%AAncias_do_solo

Para fazer mestrado em Ciencia do Solo, estah bem ser bacharel em Geografia ou a pessoa se bacharela em Ciencia do Solo?

=======
Sobre a cantada a que se refere o post, fazemos nossa parte positivamente qdo lidamos de maneira inteligente com as cantadas de homem sem nocao. Eu sempre me sai bem dando um escanteio nesse tipo de gajo e acho que se a mulher que enfrenta cantada de um tipo sem nocao souber lidar com a inconveniencia como a autora do Guest Post o fez, somos sim capazes de mudar uma e outra cabecinha masculina sem nocao aqui e ali. E qdo conseguimos corrigir o pensamento de um, conseguimos corrigir tb o pensamentos de outros tantos.

(nao era da conta do tal academico saber qual o relacionamento da moca com quem a acompanhava... e o pior foi o sujeito fazer suposicao e atuar na suposicao... no caso nao foi impulso e sim falta de inteligencia... nao foi impulso pq ele passou um tempao observando a moca e o senhor que a acompanhava... assim teve tempo de fazer a suposicao, corrigir o pensamento, e ficar de bico calado pq nao era da conta dele...)

Anônimo disse...

EneidaMelo, se um cara lhe encoxar no ônibus ou no metrô, eu defendo inclusive o seu direito de jogar este FDP do ônibus. No entanto, se um cara, sem agressividade, apenas lhe faz um convite, sem molestar, sem encostar um dedo, aí já é fazer tempestade em um copa de água. Aí é querer castrar os homens, sem o direito de olhar para vocês, só porque não é desejado.

LisAnaHD disse...

"Você entendeu tudo errado."
Eh feio e deselagante acusar alguem assim. Quem porta autenticas boas maneiras e sabe comunicar-se devidamente, qdo se ve diante uma interpretacao que nao condiz com a mensagem exposta, a pessoa deve desculpar-se por nao ter sido clara na explicacao e repetir a explicacao objetivando desfazer o mal entendido. Simples assim.

Egos inflados acham que sabem explicar tudo da maneira mais clara do mundo e se o interlocutor ou leitor nao entender a explicacao, vem a bomba:

"Você entendeu tudo errado. Voce nao entendeu o que eu expliquei." e outras frases afins.

Anônimo disse...

http://escrevalolaescreva.blogspot.com.br/2011/10/homens-se-passando-e-mulheres-se.html

http://escrevalolaescreva.blogspot.com.br/2011/10/grosserias-na-rua-ninguem-merece.html

http://escrevalolaescreva.blogspot.com.br/2011/10/meu-caso-virou-minha-causa-diz-rhanna.html

http://escrevalolaescreva.blogspot.com.br/2008/12/ltima-do-joo.html

http://escrevalolaescreva.blogspot.com.br/2010/05/grosserias-mostram-estupidez-masculina.html

http://escrevalolaescreva.blogspot.com.br/2010/04/olha-quem-manda-aqui.html

http://escrevalolaescreva.blogspot.com.br/2010/12/de-quem-e-o-abuso-de-autoridade.html

etc

na verdade, recomendo a leitura de toda esta tag http://escrevalolaescreva.blogspot.com.br/search/label/viol%C3%AAncia

tenham empatia, meninos. sei que é divertido vir aqui negar tudo e testar a paciência dos outros. mas guardo a esperança que vocês no fundo saibam oq é correto.

EneidaMelo disse...

Anônimo das 02:10,

Você realmente não consegue entender a questão do local, não é mesmo? Não é questão de ter de fato molestado ou não. É a questão do medo de ser molestada.

Quanto a uma mulher jogar um homem pra fora do ônibus, você só pode estar brincando. A menos que seja uma exceção onde a mulher seja mais forte que o homem, em que situação isso aconteceria?

carolinapaiva disse...

Seguinte: homens em geral não sentem esse medo diário de estupro, logo não entendem o problema de ser abordada em locais que não nos oferecem segurança, como ruas escuras e desertas ou espaços pequenos e fechados.
O problema é a tensão. A mulher não quer esperar o homem ser agressivo para depois procurar ajudar, ela quer EVITAR o estupro. A violência começa, muitas vezes, pelas palavras. Um convite ou uma cantada podem virar violência em questão de segundos. O que eu vou fazer? Esperar o cara me bater/estuprar para então fazer alguma coisa? Eu quero é viver tranquila, sem medo, sem essa tensão diária.
Outra coisa: a mulher acaba virando a culpada pelo estupro ou assédio que sofrer. Se ela foi assediada enquanto estava sozinha, sempre terá um boçal para dizer que ela pediu ou mereceu. Se ela reagiu, terá outro boçal dizendo a mesma coisa, e assim vai.
Não queremos castrar os homens, mas na vida devemos ter uma coisinha chamada bom senso.
Exemplo para que alguns entendam melhor: quando alguém vai encontrar um amigo/namorado virtual, a recomendação é que o encontro ocorra em locais abertos e movimentados, como shoppings e bares. Por quê? Simples, um lugar aberto e movimentado aumenta a segurança, se houver o menor sinal de violência, a vítima poderá fugir ou chamar alguém com maior facilidade. A conclusão disso é: se você é um estranho, e eu não sei suas intenções, me aborde em um local aberto e movimentado (ou seja, nada de ruas escuras ou elevadores) para que eu tenha chances de fugir ou de chamar ajuda com maior segurança e liberdade caso haja ameaça ou agressão.

Anônimo disse...

Eneida, no transporte coletivo há várias maneiras de você se defender de um tarado safado: se ele lhe molestar, você pode fazer qualquer coisa contra ele, você pode gritar pros outros ver etc...Atirar do ônibus é uma medida muito radical, mas se puder pode fazer. Já no elevador, às 4h da manhã, já é mais complicado, mas não estou tratando me referindo a um tarado sociopata, estou me referindo a um cara que observa você, sente um desejo, aí decide lhe convidar para algo (sei lá, para o seu quarto tomar um café), aí se você não quer nada, você recusa o convite, aí ele fica quieto, na dele. Entende o que eu quero dizer? E você não vêo o outro lado da moeda? Se você faz um escândalo só porque o cara lhe fez um convite (mas ficou na dele) e o cara pega um trauma e começa a ter medo de se aproximar de uma mulher. Não pensa nisso também? Entende o que está em debate?

Anônimo disse...

primeiro: mulher nenhuma tem bola de cristal pra saber se aquele cara ali é violento ou não. a violência contra a mulher, infelizmente, é muito comum pra ser colocada da forma que vc faz, como uma mera hipótese distante. vc diz "nao estou falando de um sociopata, mas de um cara normal". repiso: não dá pra gente saber se aquele completo desconhecido que nos seguiu até o elevador e esperou a porta fechar pra só então nos convidar para transar é ou não é violento. não somos adivinhas. entao sentimos medo de lidar com essa situação, pq sabemos que não temos como sair daquele espaço pequeno e fechado SE for necessário.

segundo: quem aqui está dando escândalo? estamos comentando oq é aceitável ou recomendável, expondo motivos razoáveis pra isso. se vcs preferem insistir que não há nada demais em abordar uma desconhecida num elevador, não há nada que podemos fazer.

Anônimo disse...

Tá bom, então como o homem não sabe qual vai ser a reação da mulher, então não vai mais nem se aproximar de uma mulher, afinal ele não sabe se a mulher não vai fazer uma tempestade em um copo de água, como vocês estão fazendo. Vai agir como um perfeito eunuco, como se estivesse castrado. E depois ainda reclamam que os homens andam muito devagar, como o Daniel disse.

Lidiane disse...

Pra mim o cerne da questão é bem simples. Muitos homens abordam mulheres de uma forma que no lugar de atrair, repele ou até te faz ficar com medo.
Ninguém se sente intimidado à toa. Uma precisa não precisa te ameaçar ou chegar a encostar em vc pra fazer isso, principalmente se vc está sozinha com essa pessoa ou em um ambiente que se vc está lá, acham que vc está lá pra isso mesmo e tem que aguentar o que vier (exemplo: carnaval)
Vc dizer não e a pessoa continuar insistindo, se aproximar demais a ponto de bloquear seu caminho ou invadir o seu espaço natural, ficar te olhando como se fosse pular em cima de vc no próximo minuto.
Levante a mão a mulher que já deixou de querer conhecer ou até mesmo ficar com um cara porque a aproximação foi desastrosa, machista, estranha.
Quem sabe a mulher do elevador ou a do congresso até não teriam tido alguma coisa com esses caras, se a ideia que eles tem a respeito de mulheres e como devem se aproximar delas não fosse dessa forma.

Anônimo disse...

se você não consegue ver a diferença entre uma aproximação saudável e uma intimidação, oq podemos fazer, né mesmo? ninguém está pedindo pra não ser olhada ou pra que homens sejam eunucos, apenas que sejam razoáveis.

resumindo:

- acuar alguém no elevador ou rua deserta = não pode

- convidar num local seguro = pode

isso já foi dito aqui, hoje, tantas vezes, que eu só posso imaginar que você está às gargalhadas aí por nos fazer repetir, repetir e repetir. mas como eu tava sem sono mesmo, nem ligo. agora vou dormir. adieu

EneidaMelo disse...

Anônimo das 02:45,

De novo: o que está em debate é o local em que o cara escolheu para fazer o convite. Isso é o que você não consegue entender. Estamos cansadas de ouvir histórias de mulheres que disseram não, e o sujeito teve uma reação agressiva aproveitando-se do local sem testemunhas. Portanto, quando recebem uma abordagem num local assim, muitas mulheres se sentem vulneráveis, se sentem ameaçadas.

Quanto a gritar para os outros verem uma encoxada no transporte coletivo: hahahhahaha
Vou contar uma história. Já faz uns 10 anos, e deve ter se passado num ônibus da linha 457 no Rio de Janeiro. Estava eu num ônibus lotadérrimo, e ouvi uma confusão atrás de mim. Quando eu me virei, uma mulher estava reclamando da encoxada do sujeito. Sabe o que o sujeitinho fez? Ele baixou as calças (era um short). Sim, meus amigos. Dentro de um ônibus lotado, ele não só disse que ficava mesmo de pau duro, como mostrou. Aconteceu algo com ele? Não. Os outros viram, e ficaram na sua.

Joana d'Arc disse...

http://9gag.com/gag/3412472

Anônimo disse...

Se a mulher não é reage, e acontece algo,a culpa é dela,se reage,e acontece algo,a culpa é dela,enfim....

99% da vezes que esses caras abordam,principalmente os mais escrotos ( e eles sabem que estão sendo escrotos) não é pq interesse na mulher,é pra desmoralizar a mesma,pra colocá-la no seu "devido lugar",pra se afirmarem perante os outros "machos do bando",conheço "n" casos em que o cara,depois de ter sido repelido em sua aproximação,passou a xingar a mulher(feia/puta/rapariga que se acha) e o que a pobre fez? saiu do local com a cara no chão,como se ela fosse a culpada,eu já passei por isso,e digo,é horrível,e é tudo tão absurdo/surreal,que vc fica sem reação.Acredito que tudo passa tmb pela questão da força,tenho amigos gays,e NUNCA vi nenhum ser incoveniente com nenhum cara,a aproximação é sempre cautelosa,em geral,eles usam o gaydar,,se notarem que o cara curte dão um jeitinho de paquerar,pq muitas vezes o cara é enrustido,nunca vi nenhum expor ninguém,e se levam um não,se afastam,pq sabem que se insistirem correm um SÉRIO risco de serem agredidos,agora ,numa situação envolvendo uma mulher,o cara tem esse medo? lógico que não

LisAnaHD disse...

"Anônimo disse... 18 de março de 2012 04:58
Se alguém sente a opressão do sistema é um direito devolver todo o ódio que o sistema injetou em suas artérias. Despejando o ódio nas ruas fará que o peso que existe sobre si desapareça."

esse "raciocinio" compactua com " se um cachorro te morder, vc morde o cachorro tb."

Liana disse...

Jura que paquerar e peidar estão na mesma categoria? Então tá né...

Beatriz disse...

Então já repetiram a exaustão aqui que o problema não é a paquera em si, mas a forma como ela é feita, então nem vou bater nessa tecla. Só, sobre a história de não recusar um cara atraente, independente da abordagem, um depoimento: uma vez estava em uma balada olhando muito um cara bem bonito (meu tipo de bonito) que estava dançando em uma roda de amigos perto de mim. Ele tb estava me olhando bastante e nos paqueramos um tempo até ele resolver vir em minha direção e me abordar. Estava já certa de q iria ficar com ele quando o sujeito chega perto de mim, pega no meu braço e manda um "vamos lá pra fora, gata?". OI?! Educadamente, dispensei com um "obrigada, mas vou buscar uma bebida com minhas amigas, até mais", peguei uma delas pelo braço e run to the hills. A abordagem agressiva e imprópria dele acabou com qlqr chance.
Imagino que ele não entendeu minha reação. Mas sério, se um cara realmente acredita q estou fazendo tempestade em copo de d'água e q não tem nada demais chegar em mulheres de jeitos agressivos/grosseiros/intimidadores/sem noção, prefiro q assuma q é melhor não abordar ninguém e não me incomode. Não estou pra educar marmanjo, e gosto de discernimento.

Sara disse...

Lola sempre achei a Marussia uma das comentaristas mais lúcidas que escrevem aqui, ela pode até ter um jeito de NÃO dourar as pílulas no que fala, mas isso não invalida a sensatez dos comentários dela.
A opinião que dei foi apenas sobre o primeiro comentário que ela fez nesse post, ainda não havia lido o restante deles, e reli esse comentário novamente, e não achei uma linha que ela tenha dito que possa soar como estupidez.
Acho que as muçulmanas como um grupo, são de fato as mulheres que sofrem as piores injustiças provocadas pelo machismo, mas que isso não invalida a luta de outras mulheres em outras partes desse mundo, como parece que vc sugeriu.
Acho tb que ha uma hipocrisia tremenda nas relações entre homens e mulheres, o que foi apontado pela Marussia.
Acho que o sexo realmente esta envolto em diversos Tabus, e que isso não trás beneficio a quem quer que seja.
No final do comentário dela, ela fala sobre como é usado com frequência pelos machistas a técnica de nos insultar atacando nossa sexualidade, geralmente nos chamando de prostitutas,
A maneira como ela colocou que deveríamos enfrentar esse tipo de situação, pelo menos para mim é a ideal, pois desarma totalmente quem usa esse tipo de arma contra nós, e Tb porque sinceramente não julgo uma prostituta como um ser inferior e não me assusta ser comparada a elas.
Não entendi o que a Marussia possa ter falado que tenha provocado os seus protestos.

Maria disse...

O homoexplicanismo tá bombando nesse post, né?
"Vocês não entendem o que está em debate" só faltou acrescentar o: "stupid bitches" para ficar perfeito.
É claro, nós, as pessoas que passam pelo assédio, não entendemos ABSOLUTAMENTE NADA sobre assédio, muito bem colocado, rapazes, muito bem colocado.
Ouçam suas vovós: "se não tem nada de bom para dizer, não diga nada". Não digam, eu juro que não fará falta na caixa de comentários da Lola.

Dri Caldeira disse...

O discurso da Marussia é de quem foi seguidamente rejeitada. Pois ela prega que as mulheres devem ignorar o abuso depois de serem submetidas a ele. Só quem se habituou a ser tratada como objeto ou como um depósito de esperma tem esse discurso. Mulheres não devem se afastar daquilo que as gratuitamente ofendeu. Quer dizer que o cara chega na minha frente, eu que sou honrada, não tenho ficha criminal, nunca fiz mal a viva alma, me chama de puta e me acusa de oferecer sexo para conseguir o que desejo eu não faço nada?? Se é isso o que a dra(??) Marussia faz, ela não sabe o que nem nunca vai saber como ser mulher. E pq ela acha q homem pode fazer isso? Não entendo certas mulheres, estudam, se cercam de pessoas com mentalidade arejada, tem acesso a literatura que explica como ser um ser humano melhor mas não se livram jamais desse ranço machista e opressor que nossas, avós e mães viveram. Homem pode tudo, mulher quando não gosta da brincadeira, vira as costas e vai embora. Como um cachorro.O cachorro só vem brincar qdo. o dono chama. Se o dono faz uma brincadeira que o cachorro não gosta, ele volta pra casinha dele, obediente. Soltem essa coleira, agora!!

Sara disse...

Dri Caldeira adoro seus comentários tb, mas acho que vc não entendeu o que a Marussia quis nos passar, vc ficando tão ofendida ao ser comparada com uma prostituta só esta de fato municiando os machistas que usam esse artificio para nos atacar.
Se em vez de ofendida vc simplesmente declarar ao machista que lhe ataca dessa maneira que não é uma prostituta, e manter sua calma, pode ter certeza que estara jogando brasa quente na cabeça dele, pois o único objetivo de um homem quando faz esse tipo de comparação é nos por fora do sério.

Niemi Hyyrynen disse...

Dri Caldeira

Vc comparar mulheres que não reagem a uma ofensa a um cachorro adestrado não está agindo diferente de um homem que faz uma grosseria com uma estranha na rua.

Sinceramente, se vc reage, bate, faz barraco ou qualquer coisa do tipo. Parabens pra vc.

Mas não é toda mulher que tem vontade de fazer isso ou tem estomago, as vezes ela pode sentir que reagir não é a melhor opção temendo a sua segurança.

Marussia

Não sou doutora mas estou te receitando uns parafusos, coloque-os na cabeça e veja se ela entra em ordem.

Abçs

LisAnaHD disse...

Liana disse... 17 de março de 2012 16:52
"Se eu estiver sozinha com um homem desconhecido no elevador e ele me fizer alguma proposta, vou esperar para dar a minha resposta quando estiver do lado de fora, de preferência perto de outras pessoas. Vai saber como o cara vai reagir quando ouvir um "não"... Esse tipo de pessoa a gente não advinha só olhando pra cara, tem homem que parece tão inofensivo, mas quando contrariado por uma mulher, se mostra bem diferente daquela suposta cordialidade inicial . . . E ser rejeitado deve parecer algo bem absurdo para este tipo."

Ao comportamento que vc expressaria, a isso chamamos prudencia e prudencia eh otimo discernimento, eh maturidade emocional. Maturidade emocional falta aos homens que se acham no direito do que bem entender SOBRE as mulheres e maturidade emocional falta a mulheres que nao sabem lidar racionalmentecom tais situacoes. Ha vezes em que basta um grito bem forte pedindo socorro para botar abaixo a falsa forza de alguns homens... eh qdo a mulher sabe que entrar em bate-boca vai apenas iguala-la ao homem que ele rejeita. Ao gritar por socorro, a mulher usa uma das mais fortes armas que ela tem, se naun a mais forte e isso aprendi com um homem que se viu num apuro sem tamanho pq a moza gritou a todos pulmoes. Qdo precisei gritar, gritei e meu grito teve um efeito tao forte e certeiro que os dois caras correram, mas continuei aos gritos e os gajos foram pegos.

Claro, qdo a mulher gosta de armar barraco, naun ha jeito de ensina-la nenhuma outra forma. Barraqueira naun perde a oportunidade de bate-boca.

Anônimo disse...

Dri caldeira,já passei por isso e virei as costas,sai do lugar arrasada,e garanto a vc que não sou nenhum cachorro,foi medo mesmo,foi choque,foi tudo isso e mais um pouco,se vc reage diferente,parabéns pra vc e que pena pra nós,cahorrinhas,não?

Anônimo disse...

Eu adoro as abordagens do Blog da Lola. Concordo com mil coisas, mas as vezes discordo de algumas.
Só me desagrada o fato de que parece que aqui não se pode discordar, sob pena de ser chamada de troll, estupida, etc etc..
Pede-se tanto respeito, mas não se respeita a opinião diversa..
Algumas comentaristas do blog, por serem "das antigas" falam o que querem e muitas vezes agridem os outros, mas tudo bem.. Por outro lado, outros quando ousam discordar, são execrados.
E vida a democracia..

Bulinizada pela Drica disse...

A Drica tem carta branca para ofender e ser escrota nesse blog!

ela me faz chorar, e tomo anti depressivos ate hj!!!

yulia2 disse...

''O que eu não concordo é vocês suprimir o direito do homem
lhe paquerar, ou tentar, fazendo um convite.''

ai meu deus.... quem está proibindo a paquera aqui? os caras não entendem nada do que a gente escreve....

''Você acha que vivemos em uma sociedade em que todo mundo entende que "não" é "não"?''

reza a cartilha machista , muito difundida nos feicebuqui da vida : que mulher quando diz

Marussia de Andrade Guedes disse...

Lola, vc é mesmo muito otimista. Achar que um ser incapaz de receber uma cantada no elevador vai ser capaz de resolver todos os problemas que vc citou! É muito otimismo.
Vc também tem experiência em seguir padrões impostos. Deve ser surpresa para vc. Vc fala da monogamia como se ela fosse natural e não o padrão imposto. Diferente do que vc pensa , nós não somos pombos.
E quem falou em ser obrigada a fazer sexo. Eu falei em ser livre para desejar. E vc ainda diz que mulher gosta de sexo!
E como vc é grossa com quem discorda de vc.
Sara é melhor vc não revelar que concorda comigo. Caso contrário pode cairá chumbo grosso para vc também.

yulia2 disse...

''E é verdade que um gay abordar um homem não é algo que ocorre todos os dias, mas se eu pensasse como vocês, me sentiria ofendido ou "acuado"

mas é claro que vc não vai se sentir acuado!
que coisa mais óbvia!a força física é equivalente, são dois homens e se for o caso de chegar as vias de fato, existe equilíbrio de forças, o mesmo não ocorre com a mulher.ela perderia facil fácil.

tem cara que prefere a castração quimica do que o cara se reeducar, se tocar , se autoanalisar,
rever seus conceitos... lamentável.

Marussia de Andrade Guedes disse...

Ah! E chega de grosserias. PAZ. Por favor.

yulia2 disse...

entendi o que a marussia quis dizer, não existe nada mais frustrante do que vc agredir e xingar verbalmente a pessoa e essa pessoa simplesmente te ignorar....
se um cara te xinga de puta e outros quetais e vc nem ai pra isso.... ele vai ficar com mais ódio ainda, pois ele não atingiu o seu objetivo que era te por nervosa e te desestabilizar.

Anônimo disse...

Eu deixo o cara falando sozinho, sério.

Sabe aquela situação chata em que você mente que o celular vibrou e começa a falar pra espantar aquela oferenda de fim de carnaval?
Então minha gente, usem essa dica do 'tem alguém me ligando, com licença'.

Sempre funciona. E se o cara ficar te xingando quem vai passar por maluco vai ser ele mesmo. Daí deixa ele ficar lá correndo em círculos mordendo o próprio rabo de tanta raiva, e sai de fininho.

Olha, se você entra no elevador e ao menor sinal de que o cocozento vai te perturbar, 'UIEN, VIBRÔ. DA LICENÇA FÃZ FAVÕ?!'.

Anônimo disse...

gente, nao exagera. a marussia é uma comentadora antiga, tem comentarios dela em posts de 2009. se ela está sendo rebatida agora, é pq muita gente se sentiu ofendida.

a dri caldeira que me parece ser nova e realmente é muitas vezes agressiva, embora fale muita coisa certa. dri, vamos tentar mudar a forma de falar? fica mais facil ser ouvida.

atualmente, eu concordo sempre com a carolina paiva. e continuo concordando com a liana sempre q ela aparece (desde q foi clonada pelos trolls, sumiu do blog :/), a eneida e a maria silveira (que comentam pouco mas são sempre lúcidas). tinham outras meninas q tb sempre faziam bons comentarios, mas sumiram.

Mordred Paganini disse...

O Dawkins conseguiu a proeza de ser misógino e xenófobo de uma só vez. Deve existir algum prêmio pra isso, não?

Anônimo disse...

"Achar que um ser incapaz de receber uma cantada no elevador vai ser capaz de resolver todos os problemas que vc citou!"

Ô Marussia, há pessoas e pessoas. Nem todo mundo é igual. E dependendo da história de vida dessa mulher ou da situação atual dela, vai saber?!
Você é bem resolvida e modernex? Ótimo pra você. Sério! Mas tem mulher que se desestabiliza com esse tipo de coisa. Pare de ficar julgando.
Afinal, não é como se ela fosse de propósito pra perto do cara só pra receber uma cantada imbecil e inapropriada. Ele, o sujeito é quem tem culpa de invadir a zona de conforto dela. Gente, é tão difícil entender que há lugares que são inapropriadas p/ receber cantadas?
Façam um esforço p entender essas mulheres, pq se elas estão dizendo que se incomodam - eu inclusa -, elas não são obrigadas a concordar só pq vc diz que não se incomoda.
E convenhamos, tem homem que não tem a menor noção, vai chegando perto da sua boca p falar, às vezes, fica se aproximando sem o teu consentimento, gente. Alguns caras tão sem limite hoje em dia.

Maria disse...

Anônim@ das 16:01, eu comento pouco por aqui mesmo tanto por conta dos trolls, quanto por conta das pessoas donas-da-verdade que frequentam assiduamente nessa caixa.
Mordred, não sei se você parafraseou a Anita Sarkeesian (Feminist Frequency) ao fazer o seu comentário, mas eu sempre lembro dela nessas situações.
E Marussia, pelamor, né? Vitimismo é o cúmulo para uma mulher forte e bem resolvida como você alega ser. A Lola é firme quando você decide sair atacando e acusando os outros, mas eu nunca a vi ser grossa não, até com troll ela não costuma ser grossa! Queria ver você fazendo seus discursos de cagar-regra no blog da Leticia (Cem Homens), por exemplo. AÍ você ia ver o que é um corte de verdade. Aqui, no blog da Lola, só posso dizer que você é tratada com uma cortesia que não oferece às opções dos outros. Antes que venha me acusar, também não sou simpatizante da monogamia, mas dou aos que gostam dela o mesmo respeito que quero que ofertem a mim.
Menos pretensão, galera, e mais amor. Para mostrar o pior da humanidade já temos os masculinistas que frequentam esse lugar.

Mordred Paganini disse...

Aliás, eu acho que a reclamação (a americana) dela não foi só por ter sido abordada, mas por estar em um meio onde é objetificada por seus pares. Do meu ponto de vista ela está cansada de ser abordada/assediada neste ambiente porque não está lá para isso, oras! Talvez ela queira fazer deste espaço um lugar para discutir idéias e não para fazer pegação.
No segundo caso o desrespeito foi levado a outro nível...Eu não teria sido tão educada quanto ela.

Pessoalmente eu evito ambientes onde tenha um número muito maior de homens em relação a mulheres. Em ambientes héteros com mais homens é comum sairem brigas e situações lamentáveis de homens tentando agarrar mulheres à força.
Em ambientes gays com mais homens é diferente, mas ainda assim eu não me sinto à vontade pois ser gay não significa que não possa ser misógino (e dá-lhe cotovelada só porque você é mulher e menor do que eles).

Eu acho que algumas pessoas aqui devem ter passado pelo menos tipo de situações. Estar na presença de muitos homens costuma ser estressante pra mim. Enfim, acredito que estar em um ambiente onde haja tanta presença masculina por si é intimidante (ainda que eu não saiba ao certo dizer por quê, mas dá uma sensação de pedaço de bacon defumado jogado a cães famintos...)

E sim, eu sou hétero.

Mordred Paganini disse...

Maria: acho que parafraseei sem saber, provavelmente. rs

Anônimo disse...

A base da religião está na união do casal. As religiões da Índia são explícitas ao venerar os orgãos genitais como sagrados. Todas as religiões foram um dia baseadas na união do homem e da mulher para a criação da unidade.

A degeneração da religiosidade traz a degeneração dos valores. A religião cristã, a Igreja Católica foi fundada por uma mulher, Mariamne Mara, várias evidências arqueológicas e escritos antigos apontam para isso.

Ao redor dos anos 800 ao 1.000 um grupo perdeu o foco da sexualidade sagrada e retirou os evangelhos escrito por Mariamne, o único exemplar que sobrou está bem deteriorado, as partes que se pode ler mostram ensinamentos sobre sexualidade.

Essa igreja católica misógina e recheada de escândalos de pedofilia é o resultado da degeneração dos ensinamentos de cunho sexual, da sexualidade sagrada, tal como nos ensina os budistas, hinduistas, xintoistas e outras religiões que não perderam totalmente o foco.

Richard Dawkins criou bases teóricas para o ateísmo. O que podemos esperar de um ateu? O que um ateu pode oferecer ao mundo? Xenofobia, misoginia, pedoflia, especismo, racismo e outras tantas degenerações. Sem a base espiritual o ser humano perde a necessidade de ética, moral e valores superiores. Se ao morrer vai desaparecer, então tem que viver intensamente e sem se preocupar com o seu semelhante.

Os ateus de hoje vivem e comemoram uma moral e ética herdada dos princípios religiosos da lei da causa e consquência.

That's all folks. May the Force be with you!

Anônimo disse...

EneidaMelo, continuando o debate. Não sei como funcionam as coisas aí na sua cidade, mas uma vez eu estava no ônibus e ouví uma mulher gritar porque um tarado estava molestando ela, todo o mundo começou a olhar, aí eu e alguns caras começamos a xingar o tarado, começamos a chamá-lo de covarde e xingamos ele. Eu até xinguei o tarado: "deixe a mina a em paz. Não vê que ela não quer nada com vc? Vaza". Tinha uns cara segurando ele. Todo o mundo queria bater nele, ele teve de sair do ônibus, senão seria linchado. Pra você ver que eu não sou mal. Não sou machista. Quando vejo coisas como esta, eu me revolto.

Mas continuando o debate: como você vê, este tio de prática eu condeno. Agora, não sei porque vocês se sentem ofendidas porque receberam um convite sexual: se o cara não molestou, não ameaçou, não agrediu, não tentou nada, ficou na dele, não sei porque se sentir ofendida.

Vocês fálam que tem que ter o lugar certo. Mas qual seria o lugar certo? Até na balada vocês se sentem ofendidas. Seria melhor vocês dizer que tem que ser o homem certo que vocês desejam.

Sou o mesmo anônimo que fez os comentários de 00:43, 01:57, 02:10...

Anônimo disse...

Anônimo 17:01

Que sacanagem essa com o cara do ônibus. E se a garota estava de armação sobre ele. Tipo, o cara era um namorado, conhecido, talvez um desafeto do trabalho. Ai ela começa a gritar em público e apontar para ele só para sacanear com o cara.

Eu presenciei isso uma vez. Eu fiquei com uma raiva intensa. A moça estava com um grupo de umas 10 pessoas, com garrafa de bebida e todos meio passados. A bolsa da garota caiu no chão e ela não percebeu. Um cara que estava mais atrás, e eu atrás vendo tudo, levantou e cutucou o ombro da garota com o dedo, ela olhou para trás e ele disse "Ei, a sua bolsa caiu no chão" e voltou para o banco dele. A garota pegou a bolsa e começou a dar escândalo.

Os caras que estavam com ela ameaçaram o cara, virou um tumulto, chegou a polícia. Os policiais resolveram encerrar a discussão sem fazer ocorrência, socou o cara na frente de todos e o cara foi embora revoltado e espancado. Eu vi isso.

Esses dias eu fui avisar uma moça e quando estava levando o dedo para cutucar me veio essa imagem na cabeça. Então desisti, parei a uns 20 cm do ombro da moça, recolhi a mão e dei as costas. Deixei ela por conta, não falei nada. Dei as costas e fui embora.

Vivendo e aprendendo.

Liana disse...

:) não sumi por causa dos bobões não rs isso já estava nos planos, eu sempre dou um tempo na internet bem no final e no início do ano, isso vicia... é uma espécie de higiene mental, pra balancear o "chi" :P

E aproveitando o ensejo..

gente, na boa, preconceito independe de ser um meio ateu ou religioso. quem é racista, machista, homofóbico etc vai ser em qualquer lugar, é só dar corda suficiente, saber que vai sair impune ou achar que seus pares não vão censurar isso.

Anônimo disse...

Anônimo das 17:18, eu sei que há mulheres que mentem, que faz escândalo por nada (e é exatamente o que estamos debatendo aqui, uma mulher que faz escândalo só porque recebeu um convite e não gostou, está fazendo o mesmo que caso que você relatou). Mas no caso que eu relatei, o cara estava realmente se passando. Todos nós vimos a mina gritando e o cara molestando-a. Todo o mundo se revoltou quando viu aquilo e ele teve que sair do ônibus senão seria linchado.

EneidaMelo disse...

Anônimo das 17:01,

O lugar certo é um que não seja deserto, hostil, ou sem possibilidade de fuga. Sim, a balada é um excelente lugar.

Anônimo disse...

Leram isso:

"Esses dias eu fui avisar uma moça e quando estava levando o dedo para cutucar me veio essa imagem na cabeça. Então desisti, parei a uns 20 cm do ombro da moça, recolhi a mão e dei as costas. Deixei ela por conta, não falei nada. Dei as costas e fui embora."

- Viram? Aquilo que eu falei no meu comentário das 02:45. O anônimo das 17:18 é o típico caso do cara que pegou um trauma devido ao comportamento de algumas mulheres (e que esse parece ser o comportamento de muitas aqui), que fazem escândalo porque porque um homem a olhou, fazem escândalo porque um homem cutucou, fazem um escândalo porque receberam um convite.... É isso que vocês querem? Que os caras peguem trauma? Que os caras nem toquem, nem olhem pra vocês? É isso?

EneidaMelo disse...

Mas se ninguém aqui está fazendo escândalo, por que a pergunta pra nós se é isso o que queremos?

Mordred Paganini disse...

Ficou traumatizado nenê? Resolve na terapia e não enche, simples assim!

Uma das formas de aprendizado que temos consiste em mudar nossas atitudes em função de fracassos. Então se você aborda uma mulher e ela se sente ofendida, você pode tentar mudar sua forma de se aproximar, perguntar para outras mulheres sobre como você gostaria de ser tratado, etc.

Claro que existem mulheres tão histéricas que irritam, tamanha é a capacidade de fazerem escândalo por nada (todo mundo tem ao menos uma conhecida assim), mas ela são com certeza minoria em relação aos homens sem noção que abordam mulheres.

Ainda tem as mulheres que gostam desses sem noção (malditas sejam), daí quando um sem noção é bem sucedido, tal recompensa aumenta a probabilidade de ele continuar assim e putz, haja paciência para aguentar os "que popozão hein, sua linda!"

Anônimo disse...

Eu nao fiquei traumatizado. Mas o anônimo das 17:18 ficou.

E quanto você não agüentar os "que popozão hein, sua linda!", não se preocupe, pois cedo ou tarde você nunca mais vai ouvir estas coisas. Aí vai ficar igual a esta polonesa:

http://noticias.terra.com.br/popular/interna/0,,OI2422530-EI1141,00.html

Pois é, uma rosa quando nova é uma bela flor, com tempo murcha e seca....Entende?

EneidaMelo disse...

O mais interessante é que o cara relata uma situação e já acha suficiente para ficar traumatizado.

Já as mulheres sofrem com as agressões físicas e verbais, encoxadas, passadas de mão, estupros, etc. Passam elas mesmas por isso, e escutam muitas histórias de suas mães, irmãs, amigas e conhecidas. Só as de transporte público que eu passei ou vi pessoalmente acontecer, já perdi a conta. Vocês homens nunca vão saber o que é ficar tensa pra entrar no metrô, não pra sentar, mas pra encostar a bunda na parede, evitando encoxadas.

Mas não, elas não podem ficar traumatizadas e se sentir acuadas por serem abordadas em locais onde estão vulneráveis a ataques. Aff

EneidaMelo disse...

Depois dessa agora, lembrei da Isabela Rosselini dizendo que gosta da idade que tem, e que uma das coisas boas é que ela parou de sofrer assédio.

Anônimo disse...

Tá engraçado demais, esse papo dos caras rsrs tipo,querendo intimidar,"é isso que vcs querem?que fiquemos com medo? que não queiramos vcs?que deixemos vc sozinhas? é isso? hein?hein?"(olha lá hein mulherada,é melhor aceitar os abusos e não falar nada, pra não traumatizar os coitadinhos,pq senão...)kkkkkkkkkkkkkkk eumemijoderir =p

Mordred Paganini disse...

Ainda bem que algum dia deixarei de ouvir coisas deste tipo.

Prefiro com certeza a opinião do meu companheiro, falada olhando nos meus olhos e cheia de carinho.

Não se preocupe pois sempre haverá alguém que me ame e me ache bela, até mesmo porque não preciso ser avaliada pela beleza, não sou um pedaço de bacon jogado a pit bulls famintos.

Mas obrigada pela preocupação. ;)

Anônimo disse...

"O que um ateu pode oferecer ao mundo? Xenofobia, misoginia, pedoflia, especismo, racismo e outras tantas degenerações."

Aaah neném, a resposta da tua pergunta é praticamente uma sinopse para a bíblia.

Anônimo disse...

Quem anda de busão,e é mulher,sabe o inferno que é,ter aquele marmanjo respirando no seu cangote e se esfregando que nem um cachorro no cio,é nauseante =/

Mordred Paganini disse...

Cadê o botão de curtir para o comentário acima? (sobre a sinopse)

Mas ignorem o troll...

(bem, considerei trollagem porque o tópico não tinha nada a ver com questionar o ateísmo do cara)

Sara disse...

Marussia não é a primeira vez que compro uma briga aqui no blog da Lola, alias frequento o blog apenas porque julgo bem diferente do que muitos falaram que a Lola aceita sim a diversidade, inclusive de opiniões, não acho que ela deva manisfestar simpatia por pensamentos que ela não partilha, muitas vezes minha opinião foi semelhante a dela, mas em outras não.
Acho que a maioria dos que comentam aqui são pessoas esclarecidas, cultas e que me acrescentam como ser humano, é claro que temos outras em oposto.
Me causou frustração perceber que bem pouc@s assimilaram o que vc propõe, que ao meu ver é a postura mais acertada em relação ao assunto do post, mas não somos donas da verdade, e não perco as esperanças de que um dia muito mais pessoas pensem como vc e eu.
Vou continuar apoiando o que acho correto ou declarando o que penso, pois meu objetivo ao ler e comentar aqui não é angariar simpatias, e sim participar dos debates propostos e mostrar que ha pessoas que pensam como nós, e não me envergonho disso.

Cora disse...

o anônimo 17:01 ainda não percebeu q a questão td é a forma da abordagem.

e isso já foi explicado de diferentes maneiras dezenas de vezes aqui.

outra coisa q parece q não ficou claro pra muitas mulheres tb. Watson e Vanessa falam sobre a forma da abordagem tb, elas não fizeram escândalo.

aliás, essa é a grande questão: a forma de se fazer ou dizer algo.

nenhuma das duas fez tempestade em copo d'água, como algumas disseram.

no caso da Watson, quem, lamentavelmente aliás, fez tempestade em copo d'água foi dawkins e centenas de outros homens ao comentarem o post dela.

alguns, inclusive, disseram q ela deveria ser estuprada pra ter efetivamente do q reclamar.

vejo duas questões: 1) a reação da mulher na hora da abordagem e 2) falar sobre isso na tentativa de estabelecer um diálogo com homens, pra q esses repensem suas ações (um pedido por empatia).

assim, legal compartilhar experiências e ressaltar q a mulher não se intimide ao ser abordada de forma grosseira. quem tá errado é o cara. quem tem q ter vergonha é ele.

mas, ficar dizendo q falar sobre abordagem é fazer escândalo, só reforça o preconceito de vítima. não é isso q Watson e Vanessa fizeram.

elas simplesmente disseram pros homens não agirem assim.

Cora disse...

e concordo com a carolinapaiva

"(...)homens em geral não sentem esse medo diário de estupro, logo não entendem o problema (...)"

Kazui disse...

Primeira vez comentando no blog...

Apesar de já lê-lo durante um tempo, me espanta ainda, como nos debates algumas pessoas tentam encaixar suas experiências particulares em algum redoma da verdade do feminismo.

Será que o caminho da experiência pessoal basta para formar uma consciência das diferenças de gênero?

Fico me perguntando se vou encontrar a resposta.

abçs a todxs

Anônimo disse...

Anônimo disse...
Tá engraçado demais, esse papo dos caras rsrs tipo,querendo intimidar,"é isso que vcs querem?que fiquemos com medo? que não queiramos vcs?que deixemos vc sozinhas? é isso? hein?hein?"(olha lá hein mulherada,é melhor aceitar os abusos e não falar nada, pra não traumatizar os coitadinhos,pq senão...)kkkkkkkkkkkkkkk eumemijoderir =p
18 DE MARÇO DE 2012 19:48



exatamente hahahahah eles acham que a gente vai dizer "naaaao, pelo amor de deus, continuem agarrando as meninas pelo braço e perguntando se elas são prostitutas. tudo menos a solidaaaaao" uahuahauhauhauha

Cora disse...

então anônimo 19:06,

o q vc lê aqui são típicos casos de mulheres q pegaram trauma de abordagens grosseiras, machistas, indelicadas, inconvenientes e violentas.

viu? mulheres q pegaram trauma devido ao comportamento de alguns homens (e q parece ser o comportamento de muitos homens no mundo), q estupram, q batem, q xingam, q quebram o braço, q dão um tiro na testa porque uma mulher disse não, homens q fazem um escândalo pq recebeu um "não, não estou a fim de sair com vc"...

é isso q vcs querem, homens? q tds as mulheres peguem trauma? q as mulheres fiquem com medo de homens e nunca mais consiga ficar com um deles dentro de um elevador às 04:00 sem pensar q podem ser estuprada?

É isso?

É isso q vcs querem, homens?

Anônimo disse...

Cora:

"o anônimo 17:01 ainda não percebeu q a questão td é a forma da abordagem."

Mas é claaaro que ele sabe. O problema é que ele acha que tem o direito de ser um inconveniente sem ter a desaprovação das mulheres que ele e os simpatizantes do "xaveco neandertal" praticam.
O desejos deles é arrastar um tacape pelas ruas, bater na cabeça da mulher e saírem arrastando-as pelos cabelos pra dentro de uma caverna.
Mas não, vocês vão ficar só na fantasia, rapazolas.

Mordred Paganini disse...

Cora: quase toda vez que uma mulher reclama da maneira que é tratada por homens a reação é a mesma:

1 - Ah, mas você está generalizando, eu sou diferente. Nem todos os homens são assim. (e não importa se você explica que nem todos são assim; analfabetismo funcional)

2 - Você é uma feminista mal amada, vai ficar velha e ninguém vai te querer (tava demorando para acontecer aqui, mas aconteceu).

Exaustivas repetições de variações dessas duas alternativas. Acho que o analfabetismo funcional ainda é um problema maior do que o machismo...

No fim o que querem nos negar é o direito de exigir respeito.

Mordred Paganini disse...

Estamos há mais de um século exigindo respeito e igualdade e tudo o que eles ouvem é que queremos ser superiores. É ou não é analfabetismo funcional?

Cora disse...

pior é q é isso mesmo, esse pessoal adora se fazer de sonso.

depois reclama q não sai com ninguém.

"xaveco neandertal"... coitado dos neandertais. acho q eles não eram estúpidos, não!

esse pessoal é boçal mesmo. não tem q dourar a pílula pra eles não!

Anônimo disse...

É ou não é analfabetismo funcional?

Não,é maldade mesmo,é de caso pensado,é pra enfraquecer o discurso,não vê que o que mais tem é mulher morrendo de medo de se assumir feminista? mesmo desfrutando de todas as benesses que o movimento conseguiu.

carolinapaiva disse...

Falta de empatia é o que rola.
Outra, questionar e criticar comportamentos é fazer escândalo agora, ou só falam isso para as mulheres? Engraçado que sempre que uma mulher critica algo, mesmo que seja de uma forma extremamente racional e o objetiva como fez Rebecca Watson, vem povo dizendo que ela fez escândalo, tempestade em copo d'água.
A imagem da mulher como ser histérico e 100% emocional é realmente muuuito forte. Credo.
Seguinte: ninguém está se descabelando aqui. Estamos discutindo sobre comportamentos inadequados. Dá pra entender a diferença?
Sobre o anônimo que disse que nós reclamamos de todo o tipo de abordagem e lugar. Vamos analisar o contexto?

Abordar uma mulher em locais ermos, escuros, pequenos, fechados e todo outro lugar que dificulte fuga ou reação: totalmente inadequado. Demonstra falta de empatia com a mulher que diariamente teme estupros. Mesmo que o cara seja legal, que aceite o não da mulher e fique quieto, o que criticamos nessa situação é a situação de tensão desnecessária a qual a mulher é submetida (aquele pânico de: será que ele vai me estuprar? será que está armado? etc).

Abordar uma mulher em locais abertos e movimentados como bares, shoppings, praças, ruas, transporte coletivo: questão básica de etiqueta, pessoal. Como iniciar uma conversa com uma completa estranha? Simples, uma conversa trivial, se apresente. Dica: um bom dia/tarde/noite e um sorriso, por exemplo. Chegar já falando do seu desejo sexual e da beleza da mulher ou de suas partes do corpo não faz o menor sentido, a não ser que o objetivo seja deixar a mesma envergonhada.

Abordar uma mulher em baladas e assemelhados: nesses lugares a abordagem é bem mais liberal e direta. O que isso significa? Que demonstrar logo o interesse em ficar com aquela mulher é algo completamente normal. O que se critica é a insistência dos caras que não aceitam (ou não entendem) a recusa da mulher. Os caras que chegam apertando/puxando/arrastando as mulheres antes de esperar o seu consentimento. Os caras que ficam irritados com a recusa e decidem xingar/bater/forçar.

Cada lugar um modo de conduta. Simples assim.

Mordred Paganini disse...

"Começa com igualdade depois passa para superioridade."

Só se for na cabeça dos mascus. Essa nunca foi a proposta do feminismo.

Cora disse...

Mordred,

eu não sei se é analfabetismo.

acho q é boçalidade mesmo.

pq não é possível... até uma ameba conseguiria entender as coisas q são ditas sobre a condição da mulher na sociedade.

e veja q nem mesmo intelectuais conseguem entender!! vc viu o q o dawkins disse! isso pq vc não viu as mensagens q a Watson recebeu em outro post dela, sobre mutilação genital.

pra mim é boçalidade, pura e simplesmente.

carolinapaiva disse...

A solução é qual então, Isabella? Diga não a igualdade, pois pode virar superioridade? Não faz o menor sentido, pois se você é contra a igualdade, já defende uma ideia de superioridade.

Anônimo disse...

Pois é, Mordred. Mas vai chegar o momento em que até o teu "amor" vai te largar. Você será vista como um fantasma.

Agora, vejam só como as "feministas" (esta gente mancha a imagem do feminismo, portanto feministas entre aspas) sabem das coisas. No tempo do homem de neandertal, o machismo não existia. Todo o mundo era de todo o mundo. Não havia a figura do corno e da promíscua, sexo em público era considerado normal. Era mais ou menos como a Sara e a Marussia defendem. A sociedade era matriarcal. Se as mulheres queriam ser levadas pelo cabelo, é porque era uma fantasia sexual delas. Vão pesquisar um pouco sobre a pré-história, pesquisem sobre os estudos antropológicos em tribos primitivas. Vão ler Bronisław Malinowski, Lévi-Strauss, etc. e vocês vão ver a asneira que estão...Na verdade, eu defendo que a revolução sexual chegue a este estágio novamente, onde não haja pudor, e nada destas repressões sexuais que foram impostas pelas sociedades patriarcais...E ao invés de vocês lutarem por mais liberdades sexuais, lutam por mais repressão....É foda!

Niemi Hyyrynen disse...

Me metendo no assunto..,

Tb não acho que seja inabilidade de qualquer espécie, a falta de empatia destes seres humanos é produto do seu egocentrismo.

Deve haver outra espécie de "analfabetismo", mas do tipo que não consegue ler a reação alheia, pq não quer.

Mordred Paganini disse...

Eu queria pensar na melhor das possibilidades. Se esses caras fossem de fato analfabetos funcionais estariam desculpados.

Mas como alguém já disse aí em cima, é um discurso que serve para enfraquecer o movimento e muitos compram.

Quando alguém me diz: não gosto nem de machismo e nem de feminismo eu respondo de cara: se você não é machista, é automaticamente feminista. Parabéns!

E realmente eu fico puta da vida com esta mania de retratar a mulher como um ser descontrolado quando as mesmas atitudes vindas de um homem são consideradas normais e compreensíveis.

A Watson não fez tempestade em copo d'água, mas um simples pedido por respeito. Criar polêmica em cima disso é que foi um escandalo.

carolinapaiva disse...

Que eu saiba, liberdade sexual é justamente ter a liberdade de escolha. Se eu não quiser ser puxada pelo cabelo por não me excitar com isso estou sendo contra a liberdade sexual ou defendendo a minha liberdade sexual?

Niemi Hyyrynen disse...

Anonimo

Se no tempo das cavernas o sexo era liberado pq nao havia pudor, pq diabos então os seus ancestrais precisavam bater na cabeça das mulheres para ter sexo com elas?

Explica ai, grande filósofo.

Anônimo disse...

Mordred,Mordred,escute os conselhos de nosso amigo,olha lá hein? vc não sabe que mulheres mais velhas e/ou solteiras são colocadas numa capsula e enviadas à marte? melhor vc se recolher a sua insignificância e garantir seu macho,pq sabe como é né,nosso valor quem dita são eles =p

Anônimo disse...

Gente, fizeram um fake da Isabella?

Olhem os perfis:

/www.blogger.com/profile/03193730738027014137/

/www.blogger.com/profile/01658411180607656834/

É isso, mesmo?
Alguém pode confirmar, por favor?
Eu já a vi comentando, uma moça bem sensata, não é possível que ela tenha mudado a postura de uma hora para outra.
Confiram por favor.

Mordred Paganini disse...

Anônimo:

"Pois é, Mordred. Mas vai chegar o momento em que até o teu "amor" vai te largar. Você será vista como um fantasma".

Ui, pai de santo! Pode deixar que se ele me largar eu te peço para trazer ele de volta em três dias, tá?

Eu tenho muito amor, ainda bem. Sou rodeada de pessoas que me amam (sabe, nem é difícil, basta ser uma boa pessoa). Não tenho medo de ficar sozinha, pois alguém que tem os amigos que eu tenho NUNCA vai ficar sozinha.

Mais uma vez, obrigada pela preocupação! ;)

Mordred Paganini disse...

Mas que truque barato escrever o nome com lll e esperar que ninguém fosse notar...

Maria disse...

Eu ia ficar na minha, já tinha feito meu comentário final, mas não vai dar. O cara falou da minha área, citou Malinowsky e Lévi-Strauss.
Caro Anônimo das 20:46, eu não sei QUAL aula de antropologia você teve, mas SE você REALMENTE leu Lévi-Strauss, um texto "obscuro" dele chamado "Raça e História", sabe que ele NÃO defende o matriarcado primitivo e que essa tese só foi defendida por autores MACHISTAS do século XIX que alegavam o patriarcado ser superior. Além disso, se você leu alguma coisa de Boas, sabe que tudo isso sobre "matriarcado primitivo", "patriarcado primitivo", "formas de cortejar no paleolítico/neolítico/qualquer que seja a sociedade que não deixou registro escrito" é INVENCIONICE PURA. Até mesmo Frazer admite n'O Ramo de Ouro que não podemos fazer especulações sobre sociedades ancestrais!
Por favor, sem evolucionismo cultural nessa caixa de comentários! E sem citar autores renomados dentro de movimentos relativistas (como o Estruturalismo de Lévi-Strauss) como se eles fossem evolucionistas especuladores e tolinhos (até porque os evolucionistas NÃO eram tolinhos, apesar de especuladores)!

Cora disse...

olha gente, acho melhor deixar os neandertais fora dessa.

não dá pra ter certeza de como eles eram. é td interpretação de registros incompletos e falhos. considerando primatas modernos, eles poderiam formar tanto grupos liderados por machos (como os chimpanzés), como liderados por fêmeas (como os bonobos).

então, vamos deixar os coitados em paz e pensar em como atuar para uma mudança do ser humano moderno. duvido q eles usassem tacape como instrumento de conquista. essa idéia é muito moderna!

Anônimo disse...

"Agora, vejam só como as "feministas" (esta gente mancha a imagem do feminismo, portanto feministas entre aspas) sabem das coisas. No tempo do homem de neandertal, o machismo não existia."

Nuuuuuóssa! Você nunca leu nenhuma charge de humor ou gibi da mônica? Sabe, as estorinhas do Piteco, o homem das cavernas. Pois é, eles sempre representavam os neandertais dessa forma, bruto, arrastando as mulheres pelos cabelos.
Cara, deixa de ser cansativo.
Não conseguiu bolar outra forma de criticar meu comentário e escreveu essa asneira aí.
A carapuça do 'rapazola inconveniente' serviu perfeitinha para você.

Mordred Paganini disse...

Isabella troll: esse é o melhor que você pode fazer?
Se deu ao trabalho de criar um fake de uma comentadora só pra encher a porra do saco?

Dilma precisa fazer alguma coisa com o desemprego deste país!

Anônimo disse...

Cora, todas as coisas que você citou no seu comentário das 20:24, eu condeno totalmente. Molestar, ameaçar, agredir, reagir violentamente a uma resposta negativa a um convite, estuprar, tudo deve isso deve ser condenável. Estas atitudes covardes realmente traumatizam as mulheres. Repito: o que não concordo é fazer uma tempestade em um copo d'água, e quando digo tempestade em um copo d'água, me refiro a casos como o citado pelo anônimo das 17:18, ou daquele homem que convidou uma americana para tomar café em seu quarto, citado pelo outro Anônimo em seu post de 17 de março de 2012 18:47. Acho que por causa de homens com atitudes violentas e covardes como estas citadas (ameaças, agressão, moléstia, beijar à força, estupro, etc.), os outros que não tem este tipo de atitude acabam sofrendo. Aí uma mulher se traumatiza e se apavora só de sentir a aproximação de um homem. É isso?

Anônimo disse...

"Nuuuuuóssa! Você nunca leu nenhuma charge de humor ou gibi da mônica? Sabe, as estorinhas do Piteco, o homem das cavernas. Pois é, eles sempre representavam os neandertais dessa forma, bruto, arrastando as mulheres pelos cabelos." - Este é o perfil "intelectual" deste pessoal (realmente, estão manchando a imagem do feminismo): preferem acreditar em estorinhas de Gibis, do que em relatos antropológicos sérios com embasamento científico. E o "ignorante" sou eu, é claro!

Cora disse...

virge, ainda bem q não falei muita besteira (eu ia escrever um monte de coisas mais! ainda bem q pensei melhor e apaguei td), tem antropóloga na área! ia passar carão!

Maria, sua área de trabalho é muito interessante e deve ser chato mesmo ver o povo falar tanta besteira. e deve ter muita especulação publicada mesmo, né?assim q tiver um tempinho vou procurar uns textos pq tô muito interessada nesse assunto.

Anônimo disse...

"Nuuuuuóssa! Você nunca leu nenhuma charge de humor ou gibi da mônica? Sabe, as estorinhas do Piteco, o homem das cavernas. Pois é, eles sempre representavam os neandertais dessa forma, bruto, arrastando as mulheres pelos cabelos." - Este é o perfil "intelectual" deste pessoal (esta gente mancha a imagem do feminismo, é uma pena): preferem acreditar em estorinhas de gibis da Mônica, do que em relatos antropológicos sérios com embasamento científico.

Mordred Paganini disse...

http://www.priberam.pt/dlpo/default.aspx?pal=comentadora

Mais sorte da próxima vez...

Anônimo disse...

"- Este é o perfil "intelectual" deste pessoal (esta gente mancha a imagem do feminismo, é uma pena): preferem acreditar em estorinhas de gibis da Mônica, do que em relatos antropológicos sérios com embasamento científico."

Quem quis dar uma de intelectual foi você, seu bobo. E acabou sendo corrigido pela Maria.

Eu apenas fiz uma PIADA com a caricatura do homem neandertal versus vocês, os mascus.
Entendeu?

Gente, até para se fazer piada com mascus tem que explicar o final, senão eles não entendem.
Ta bom, agora já pode ficar ....... traumatizado.

Mordred Paganini disse...

Sim, você é um desempregado porque apenas quem não tem nada para fazer (e nem procurar emprego) se dá ao trabalho de fazer perfis fakes para atazanar a vida alheia.

Mas bem, o que eu poderia esperar de alguém que não sabe o significa da palavra comentadora?

Deletei os comentários para que não ficassem fora de contexto.

Mordred Paganini disse...

Então posta aqui o link do print. I dare you!

Mordred Paganini disse...

Ah gente, é um punheteiro patológico de 13 anos!

O irmão mais velho o paga para ele fazer plantão aqui.

Que lindo! Já nasceu pelinhos no suvaco?

Mordred Paganini disse...

Esse travesti virtual aí de cima é engraçado: me lembra o orkut e seus sanctos completamente insanos e analfabetos funcionais...

Cora disse...

olha anônimo 21:20,

fiz um comentário usando seu brilhante raciocímio.

se homens podem ficar traumatizados com atitudes femininas,

mulheres podem ficar traumatizadas com atitudes masculinas.

e perceba q as atitudes masculinas provocam muito mais danos, alguns permanentes e irreversíveis.

eu escuto relatos de mulheres q foram mortas por companheiros desde criança.

e sempre tive medo de conhecer um cara e ele se revelar um louco.

sempre caminhei, à noite, com a chave de casa entre os dedos pra ser usada para defesa.

então, quem precisa mudar são os homens. nós estamos apenas nos defendendo e sendo precavidas.

não quer ser rechaçado, aborde uma mulher de forma adequada. não é difícil, acredite.

na verdade chega a ser um alívio qdo um homem abre a boca e não sai dela nenhum insulto.

de novo, não é difícil.

coloque-se no lugar de uma mulher. observe o comportamento de homens. quem sabe assim vc não passa a entender melhor o q estamos tentando te dizer?

dependendo do lugar, a simples aproximação de um homem pode apavorar sim. ele pode ser um anjo, mas se cruzar com a gente numa rua deserta e escura, ficaremos apreensivas e acompanharemos o cara com o canto do olho, torcendo pra ele passar sem dizer e nem fazer nada. pensamos isso, mesmo sem querer. respiramos aliviadas ao fechar o portão por dentro.

sei q parece absurdo. o mundo é absurdo. está em nossas mãos mudar isso.

Anônimo disse...

Um mascu que faz um fake de uma moça só para tentar denegrir a imagem das mulheres quer acusar alguém de sexista, classista etc

A gente quer acreditar que essas criaturas sejam pré-adolescentes pra, sei lá, não passar mal do estômago de tanta vergonha alheia, mas o cara já deu a entender que é um adulto.

Cara, que patético!

Mordred Paganini disse...

agora eu tenho preconceito contra desempregados, travestis e analfabetos...

Eu sou elitista e homofóbica....

Só rindo muito. Então, vou te chamar de transgênero virtual.

Eu sou homofóbica ou você automaticamente entendeu a palavra travesti como xingamento?

To falando que é doentinho coitado...

Agora vai dizer que eu sou contra a reforma psiquiátrica...

carolinapaiva disse...

http://www.youtube.com/watch?v=vffNLNZFKCY

Gente, estou super dividida em relação a esse vídeo.
Por um lado, acho válido que situações vividas diariamente por mulheres sejam mostradas pelo ponto de vista de um homem. Desse modo, creio que a empatia cresce, já que nós, seres humanos, temos a tendência de ver as coisas com outros olhos quando acontecem com a gente, quando podemos nos identificar com o próximo.
Por outro, não gostei do tom humorístico usado. Parece uma banalização, ridicularização de uma situação tensa e nada engraçada.
Enfim, não sei mesmo o que pensar.

lola aronovich disse...

Eu ia dizer que essa Isabellla tem a maior pinta de um troll aí que atazanou o blog por um tempo. Mas esqueci o nome dele! Trolls são tão marcantes que dá duas semanas e a gente já se esqueceu de alguém que te xingou durante meses.
Mas gente, please, don't feed the trolls. TUDO que esse Isabelllo escrever será deletado sem ler, assim que eu vir o nome dele. E o cara tem que ser muito cara de pau pra reclamar de ser deletado. Sujeito clona perfil de comentarista e quer que seus comentários sejam levados a sério! Como é que pode?

Mordred Paganini disse...

Deve ser um "homem de bem" ou sancto...

Orkutização do blogger tá foda.

Mordred Paganini disse...

Desculpe Lola, fiquei com saudades do orkut de repente...

Não vai mais se repetir.

Cora disse...

Mordred,

deixa rolar. como disse o anônimo 22:00, o cara deu a entender q é um adulto. e tá fazendo td conscientemente. não tem salvação. ele rouba perfis e mente, portanto não é honesto. é misógino e destila preconceitos. não precisa nem inventar insultos. ele já diz e se mostra como é. está inteirinho aqui no blog. ele é isso aí. gasta seu tempo com ele não!

lola aronovich disse...

100% certeza que Isabelllo é um mascu, provavelmente um mascu sancto.
70% certeza que "alguma patente besta da real" é o MESMO mascu, deixando comentários pra "polemizar" com o troll.
Se deixar o mesmo troll fica brigando consigo mesmo, com avatares diferentes.
Esse pessoal tem problemas psíquicos. E muito tempo livre.

Mordred Paganini disse...

porra o que eu já vi de trolls mascus com vários perfis, discutindo ou concordando consigo mesmos...

Mas se você chamar de desocupados ou de doentes mentais eles ficam putos e te chamam de preocnceituosa...

Só rindo bastante!

Mordred Paganini disse...

Tenho meu blog desde 2007 e fico lisongeada com a importância que ele acabou de ganhar, afinal em toda a sua existência foram pouco mais de 1200 visualizações. Me senti importante agora!

Mordred Paganini disse...

Já que gostou tanto do meu blog, aí vai uma postagem especialmente pra ti:

http://mordredpaganini.blogspot.com.br/2011/11/o-fascismo-brasileira-ou-aos-pombos.html

«Mais antigas ‹Antigas   1 – 200 de 222   Recentes› Mais recentes»