quinta-feira, 2 de setembro de 2010

VAMOS DEIXAR EMPRESA ESCRAVAGISTA CRIAR POSTOS DE TRABALHO

Já dizia Germaine Greer: nós mulheres devemos deixar de ser as maiores patrocinadoras do capitalismo.

Esqueci de comentar, e você já deve ter visto: a Lojas Marisa foi pega terceirizando trabalho escravo com bolivianos. A empresa já havia assinado um Termo de Ajustamento de Conduta em 2007, e mesmo assim lá estava ela, pagando pra uma empresa chinfrim fazer com os bolivianos o mesmo que fazem com imigrantes mexicanos ilegais lá nos EUA: escravidão mesmo, sabe? Daquele tipo que a pessoa, que já é miserável, entra ilegalmente num país, e é explorada sem fim. Trabalha de sol a sol, e tudo que recebe vai pra pagar as despesas que tem com o lugar em que vive (que é a própria empresa fundo de quintal) e a comida que come. E, se quiser sair, é ameaçada. O que nos resta fazer num caso desses? Boicotar a Marisa, claro. O pior é que outro dia veio à tona que a C&A também terceirizava suas roupas para empresas desse tipo. Parece que é bastante comum. Terrível isso.
Mas o que me chocou é que mesmo após uma excelente e detalhada reportagem, há comentários como este (tudo sic): “É mais decente ver homens e mulheres trabalhando neste ambiente de trabalho, mesmo sem registro, mesmo com seus filhos à tira-cólo, do que nos faróis pedindo esmóla, roubando ou usando as crianças... e a Marisa só cria mais e mais empregos! Deixem ela em paz!
Sem dúvida lamentável! A iniciativa privada só quer fazer o bem e lucrar um tiquinho, e o governo fica interferindo! Assim não pode! Assim não dá!
Aqui, uma lista de empresas que usam trabalho escravo no campo. Neste caso parece que a única solução é virar vegano, pessoal. Aliás, é parar de consumir. Ê capitalismo selvagem...

71 comentários:

Anônimo disse...

Depois deste post vc vai negar que é comunista? E ainda vc defende que pedreiros, professores, medicos e engenheiros e domesticas tenham o mesmo salario!
Isso é um absurdo!!!!
Faculdade serve pra nada pra vc???
Vc teria orgulho de ver uma emrpegada analfabeta ganhar mais que vc??

Giovanni Gouveia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Giovanni Gouveia disse...

^
Faculdade deveria servir, pelo menos, para uma coisa, estimular o senso crítico, superando, assim, o preconceito (conceito avesso a qualquer metodologia científica), se você freqüentou uma universidade não aprendeu, se ainda não freqüentou é recalcado...

E comentar com TOTAL IGNORÂNCIA sobre algo, o torna em que "melhor" que uma "empregada analfabeta"?

Giovanni Gouveia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lord Anderson disse...

Post importante.

O trabalho escravo é uma realidade que precisa ser combatida em todos os niveis.

O boicote é uma opção que os consumidores devem usar p/ monstrar as empresas que não aceitam comportamentos criminosos.

Claudia disse...

Lola,

Um comentário abusado, para pedir que você dê uma força divulgando os endereços dos locais de votação para o plebiscito Pelo Limite das Propriedades de Terra

http://www.limitedaterra.org.br/votacao.php

Obrigada!

Bruno Stern disse...

Antes eu só conhecia a Marisa pelo solgan tosco.

Agora tenho um motivo para realmente não gostar dela.

Stela disse...

já comprei muita roupa na marisa (o que não deve ser muito, mas 80% das minhas roupas atuais são de lá) e fiquei me sentindo meio ingênua/chocada com essa notícia... Desde então cortei marisa/c&a/renner/riachuelo dos lugares possiveis pra fazer compras (o que me deixa quase sem opções pra minha atual conjuntura econômica)

o jeito é ir mesmo na feira hippie ou no barro preto aqui em BH (são os próprios produtores que vendem) ou comprar o tecido e fazer (ou mandar fazer) as minhas roupas... acho que nem vai doer.

samya disse...

Bom dia Lola, tudo bem?
Vivi uma experiência interessante sobre a discussão do trabalho escravo enquanto vivia na França. COmo se sabe o trabalho escravo ou semi escravo se você preferir, feito por imigrantes na Europa não é raro, principalmente na zona rural.
Discutindo com uma colega italiana sobre a escravidão o Brasil e depois de ouvir todas as barbaridades possiveis sobre o nosso subdesenvolvimento e a nossa selvageria perguntei a ela se o trabalho escravo, feito por africanos na zona rural do sul da Italia não equivaleria ao trabalho escravo nas fazendas no Brasil. Sabe qual foi a resposta? Obvio que não, pois os italianos empregando esses africanos estava dando a eles uma chance de melhorar a vida pois provavelmente era melhor ser escravo na Europa que homem livre na Africa.
Cito isto pois acredito que seja mais ou menos o raciocinio dos brasileiros que defendem o trabalho escravo. Porque todo mundo é contra aquela escravidão que a gente assiste na Sinha Moça mas quantas pessoas se preocupam realmente com a escravidão moderna?

Fernanda disse...

Lola,
Fora do assunto, mas achei importante. A mídia está divulgando uma notícia sobre uma tal quebra de sigilo bancário da filha do Serra. Hoje li em um blog:
http://blog.danielflorencio.com/2010/09/02/aecio-vs-serra/
Faz todo sentido. Essa questão do Aécio dominar o jornal "Estado de Minas" é algo que todo mundo sabe aqui em Minas. Ficou até banal já. Enfim...
Um abraço!

Juliana Paiva disse...

É interessante notar q os comentários + preconceituosos sejam sempre de anônimos

Já foi 'provado' q a Lola é comunista...ela já foi pra Rússia :P

Esse primeiro anônimo se tivesse limpado bastante a sujeira que já produziu ao longo da vida entenderia melhor o porquê da hora/trabalho de um médico valer tanto como a hora/trabalho de uma faxineira. Mas, deve ser daqueles q se tiram o prato da mesa depois de comer acha q já fez mto e ainda aguarda aplausos.

No mais, mto bom este post, Lola. Utilidade pública mesmo!

Anônimo disse...

Anônimo 9:54

A Lola foi a faculdade, mas não aprendeu nada. É só ver como seus posts são infantis e superficiais.

Um tempo atrás, um sujeito que vinha aqui chamado Serge, perguntou para Lola se ele tinha lido Cem Anos de Solidão do Gabriel Garcia Marques! Ela não só confessou que não tinha lido, como ficou com raiva do tal Serge, que era um dos freqüentadores mais inteligente deste blog, e passou a destratá-lo. Ele nunca mais voltou.

A Lola, a comunista dopada, não leu Cem Anos de Solidão, do Gabriel Garcia Marques?!!! Como pode ser doutora se não leu nada que presta?

Oliveira.

Raiza disse...

Assim que vi a reportagem denunciando a Marisa e a C & A parei de comprar lá.Nem foi difícil já que tudo nessas lojas é o olho da cara.Também sempre aviso as pessoas sobre isso quando elas pretendem comprar lá.Até agora,funcionou.Eu só acho as leis muito fracas."Termo de ajustamento de conduta" o que é isso? "prometemos que vamos parar de usar trabalo escravo"?Ah vá.Tinha que ter uma multa violenta e gente indo presa.Só assim.Quanto a isso ser mais digno que ficar na rua,olha,eu acho que preferiria a rua.

Anônimo disse...

vamos parar de consumir!

não vamos comer, não vamos beber, não vamos usar agua potavel e energia eletrica!

vamos virar hippies! abaixo o consumismo, vamos viver de luz!

abaixo ao trabalho escravo, até mesmo em niveis de fetiche sexuais !

vamos todos dar as mãos e viver de amor.

Juliana Paiva disse...

Independente do Cem Anos de Solidão ser sensacional, valer a pena,etc. ter lido ou não nada diz sobre a capacidade cognitiva e crítica de qquer pensador(a). Assim como qquer outro bom livro, aliás...Já q são tantos!

Qta invejinha infantil por Lola ser Doutora, caracoles!!!
Mas, veja pelo lado bom: hj em dia com esforço pessoal, depois do governo Lula, o acesso a pós-graduação em uni. públicas não é coisa tão rara e difícil.
Se tu achas q a Lola nivela por baixo o nível de nossos doutores, vc poderia se tornar um e fazer sua parte...q tal?
Admito q é mais difícil q entrar aqui com frequência só pra criticar, mas, mesmo assim é possível, viu?

^^

Juliana Paiva disse...

Ahhh, detalhazinho último.

Afirmar: quem não leu Cem Anos de Solidão = quem não leu nada q presta é bem superficial e infantil...

Se vc melhorasse o nível de suas críticas por aqui seria menos contraproducente te ler.

Re_Roc disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Re_Roc disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Renato Rocha disse...

é Lola parabéns pelo post, e nós blogueiros ainda temos de ouvir cada comentário!

twitter/re_roc
renatorocha-currculoeartigos.blogspot.com

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Absurdo! E depois tem gente que vem querendo associar criminalidade apenas à condição social, como se vários empresários, políticos, não fizessem coisas lamentáveis... A pessoa já tem tanto e na tentativa de ter mais ainda passa por cima de todo mundo. Eles tem sim que criar empregos, mas dignos. Não dá pra entender como certas pessoas deitam a cabeça no travesseiro e dormem tranquilamente à noite. Empatia, oi?

Laurinha (Mulher modernex) disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Laurinha (Mulher modernex) disse...

Ah, e já que alguém tocou no assunto. Lola, eu não costumo assistir jornal nacional, mas ontem vi e ele foi praticamente todo dedicado a ficar batendo na tecla de "5 pessoas ligadas ao tucano tiveram seu sigilo quebrado na receita". Engraçado que eles quase não falam que a tal quebra, ocorreu há um ano, mas só está vazando agora, um mês antes da eleição. Estranho, não?
Sabe-se lá se essa "quebra" não foi algo orquestrado por eles mesmos. O PT devia era processar o Serra pelos comentários diretos que ele está fazendo.
Não sou petista, mas até minha mãe que estava pensando em votar no Serra, está achando a campanha dele vergonhosa e muito estranha. Ontem ele disse que estão fazendo com ele o que Collor fez com Lula em 88. Ridículo! Se Serra ganhasse a vida como ator, ia morrer de fome, ficou na cara que ele estava tentando representar um falso papel de vítima. Eu já não gostava muito dele, depois de ontem, desisti de vez.

Andréia Freire disse...

Oliveira, cara essa boca e para de falar merda. Vai procurar o que fazer a tua vida, ô fracassado! Criticar uma pessoas por não ter lido o livro x é coisa mais ridícula que eu já vi nos seus comentários. Putz, tem gente que só nascendo de novo. Parece que nasceu com o gene da babaquice! Nada salva. Get a life.

Anônimo disse...

Juliana e Andreia:

Já que vocês duas se metem no não não foram chamadas, vou lhes fazer duas perguntas simples.

1- É uma coisa muito boa termos um presidente semi-analfabeto e espertalhão, um clichê latino-americano?

2- Uma pessoa que tem uma ficha policial do tamanho que a candidata a presidente tem é uma pessoa boa?

So pra ver se seu dois neurônios (um pra cada) pegam no tranco.

Oliveira.

Nefelibata disse...

É, Lola... o pior é que esse é o escravagismo que nós vemos. E quanto ao que não vemos? Isso é o que mais me dói.

Capitalismo global significa que, em medida cada vez mais crescente, tudo está ligado a tudo, de forma que acho difícil que a mais correta e honesta empresa não dependa, em algum momento da cadeia de produção ou circulação, de algum trabalho severamente explorado. No limite, apenas boicotaríamos a Marisa para consumir de outra que, em algum ponto, também irá explorar alguém direta ou indiretamente. Inclusive com escravidão ou semiescravidão. Quem segurou o mundo nesta última crise foi o "dumping social" da China, não é? E mesmo se em 30 anos a classe média chinesa se revoltar e exigir direitos humanos com sucesso lá, então a China simplesmente explorará a África como os EUA exploram a Indonésia (Aliás, não é à toa que a China já é a principal investidora no continente africano).

Capitalismo sem exploração da mais-valia não se reproduz e morre. Nesse sistema, para existir riqueza, é necessário haver pobreza. E se for possível ir além da pobreza para potencializar o lucro, o capitalista não hesitará em fazê-lo, porque o mercado não simpatiza com seres humanos, só vê mercadorias. E os seres humanos no capitalismo acabam sendo meramente guardiães de mercadorias "cuja vontade habita nelas", já dizia alguém.

Capitalismo é estrutura social, nossas ações enquanto indivíduos são meramente superestruturais; a grande tragédia da nossa época é que não temos como escapar da reprodução dessa crueldade porque nossa subsistência foi atrelada a isso antes sequer de nascermos. Na verdade, nenhum de nós é livre; o que ocorre é que uns vivem em gaiolas de ouro, outros são bolivianos coagidos pela Marisa.

Não quero com isso defender as lojas Marisa, de jeito nenhum! Tem que boicotar mesmo! Contudo, infelizmente essa ação será meramente pontual e essencialmente inócua. Mas é o que está ao nosso alcance, então é isso que faremos, não é...

Debora disse...

Desculpem; eu tento não ser agressiva.
Mas gente, que tal tratar simplesmente com a ignorância esses Oliveiras e Anônimos PANACAS?
Não dá pra argumentar com gente assim.

Debora disse...

Quis dizer com a indiferença*

Anônimo disse...

Oliveira:

Como vc é metido a inteligente! Meus Deus, vc se acha!

Vc diz que Juliana e Andréia, as meninas que lhe criticaram, tem apenas um neurônio cada uma, mas esquece de nos contar que vc mesmo não tem nem meio. Vc é tão patético, me faz rir!!

hahahahahsahahahahahahahahahahahahahahahahahahhahahhahahahhahahahahhahahahahhaahahha

Flovi disse...

Muito chocada com essa notícia, principalmente porque desde há muito tempo a Marisa era a minha loja favorita para fazer compras =/

Em minha próxima ida ao Brasil não quero nem passar perto dessa loja. Eu sei que é muito pouco mas é o que está ao meu alcance fazer...

Masegui disse...

Eu já li Cem Anos de Solidão, êba!!!
Isto quer dizer que eu seja inteligente? êba!!!

Opa, peraí... Oliveira também já leu? uai, como é que ele continua sendo um idiota?

Caso me esqueçam disse...

mandei por email, mas como nao sei se chegou, vou deixar por aqui um post pra participar do concurso. se eh que dah ainda, claro.

http://casomeesquecam.blogspot.com/2010/09/chega-de-macas.html

beijos!

Anônimo disse...

Masegui:

Você é um advogado engraçado! Eu que achei que só existissem advogados chatos; como você é legal!

Muito boa idéia Débora! Você começou me tratando com sua ignorância.

hahahahahahahahha...

Oliveira.

Anônimo disse...

Anônimo 16:22

Pelo memos tenha coragem de colocar seu nome. Deixe de ser mole!


Oliveira.

Dáfni disse...

Que absurdo! Nem sabia do que aconteceu em 2007...

Está difícil, viu? Porque essas coisas que vêm da China também devem ser trabalho escravo. Sem falar que as multinacionais usam e abusam disso (Nike, Zara, H&M...).

Juliana Paiva disse...

Qtos milhões de neurônios Oliveira utilizou pra conseguir reproduzir as mesmas velhas falácias do PIG no super teste q elaborou pra mim e pra Andréia? rsrs

Debora, vc está certa: o ideal seria ingnorar pessoas como o Oliveira, mas me incomoda um pouco q esse tipo de questionamento seja feito com certa frequência aqui: no blog da Lola, mais de 1 vez a titulação acadêmica da Lola foi questionada. Lola já respondeu, mas, o questionamento continua...

Pra que isso?!
Recalque puro, no meu entender. Não consigo enxergar outra razão pra esses questionamentos.

Qquer um minamente consciente de como são as universidades brasileiras sabe o quão demorado e difícil são as PG's (com titulação) e qquer um minimamente informado sabe q passar num concurso pra prof. em federal é o sonho de consumo de 95% de todos os recém-doutores.
Será q é isso q incomoda? A Lola não só é doutora como rapidamente se tornou professora em uni. federal...
^^

Quem não gosta, se revolta ou discorda de quase tudo q ela escreve, tome uma atitude e saia fora...bye bye! É tão simples. A blogosfera tem tanta coisa, certamente dá pra encontrar blogs diferentes deste.

Aderindo a fala da Andréia:

Oliveira, get a life!

(quem sabe se repetindo como mantra ele acabe se convencendo q tem direito a uma, rs)

joshua disse...

Não concordo.

Anônimo disse...

Bem, sei que o blog não é meu, mas pediria mais calma e compostura de todos. Acho muito bom ler os comentários em geral, mas essas agressões constantes me cansam, tanto de um lado como de outro. Talvez se todos tivessem mais bom-senso e educação, os que não fossem assim se cansariam, se sentiriam excluídos e deixariam de frequentar o espaço voluntariamente. Mas esta é apenas minha opinião. Erika

Luna disse...

Lola, sabe o que eu gostaria?

Que você falasse de alguma empresa que faz bem. Alguma empresa que respeita funcionários, que paga direitinho, etc. Porque me assusta só notícias sobre empresas escravagistas. Eu tenho a impressão que não adianta para onde eu corra, eu sempre vou consumir algo a base de trabalho escravo, testado em animais, etc, etc. O que você compra, Lola? Quais são as empresas que você prefere?

Acho que um post indicando os melhores lugares para quem quer respeitar direitos humanos (e dos animais também!) seria de utilidade pública :)

lola aronovich disse...

Juliana, desculpe, mas um comentário como “mais de uma vez a titulação acadêmica da Lola foi questionada” não ajuda. Porque isso nunca aconteceu. Quer dier, nunca uma pessoa séria veio questionar minha titulação acadêmica. O que temos aqui é um troll, que é desprezado por todos neste blog, e que vem aqui “desqualificar” minha titulação porque, sei lá, não li o livro que ele queria, ou não voto no candidato que ele quer, ou não dou aula numa universidade paulista, único reduto “civlizado” do país, segundo ele. Ele desqualificar meu doutorado tem tanto valor quanto seu outro rol de ofensas - ele tb vem aqui me chamar de feia, gorda, burra, chata, etc etc. São insultos típicos de troll. Não tem argumentação alguma. O que ele quer é tumultuar, chamar a atenção, fazer com que eu pare de escrever (e aí ele viveria de quê?). Mas pega mal a gente repetir uma ladainha dessas de que não sou “doutora de verdade”, pq é isso que ele quer: repetir uma besteira até que ela se torne verdade, até plantar uma sementinha de dúvida. Bom, meu currículo Lattes, embora desatualizado porque estou absolutamente sem tempo, está aberto a todos, é só procurar na Plataforma Lattes por Dolores Aronovich Aguero, meu nome de batismo. Eu fiz meu mestrado e doutorado numa das melhores universidades do Brasil, a UFSC, onde tirei straight As. Em todas as disciplinas, durante 6 anos de estudo, só tirei A. Tive o privilégio ainda de fazer doutorado-sanduíche nos EUA. E aí, no primeiro concurso que prestei na vida, na UFC, que tb é muito bem conceituada, passei em primeiro lugar. Mas pro troll nada disso importa, pq se não fiz doutorado na USP nem estou dando aula numa universidade “particular” como a Unicamp, é porque... não fiz doutorado e não sou capaz. Isso é um desrespeito tremendo, óbvio, a todos os 10 mil doutores que se formam todo ano no Brasil, depois de muito esforço. Quer dizer, um sujeito que diz que no nordeste só tem analfabeto, que só empresários deveriam poder votar, que gays são mortos no Brasil porque se colocam em situações de risco, etc etc, entre muitas outras barbaridades que ele já disse aqui, não merece ser ouvido. E eu só não apago seus comentários porque não estou no computador o tempo todo, logo, não vejo quando são publicados. E acho chato apagá-los depois que alguém já respondeu. Mas o melhor a fazer é simplesmente ignorá-lo. Ele só merece o nosso desprezo.

Juliana Paiva disse...

Lola
Qdo disse q sua titulação foi questionada anteriormente me referia a um comentário aqui no blog q gerou uma réplica sua; o motivo de tudo era "como uma doutora em Letras poderia escrever com erros de português?"(sic).

Não me lembro se sua réplica foi um post ou nos comentários mesmo. Lembro-me q foi ótima e só achei q depois daquilo não tinha necessidade desse tipo de infantilidade.

Já tinha desconfiado q o Oliveira era troll das vezes q consigo ler, além do post do dia, os respectivos comentários; só não tinha sacado q era tão explícita e costumaz a trollagem como vc acaba de descrever.
Sorry, não sabia de fato, e acabei alimentando...

Luiz Gustavo disse...

Bem. Sobre seu post tenho um comentário apenas. Lamentável o trabalho escravo dos estrangeiros...

Mas a gente não pode esquecer também que o salário que as empresas pagam pro trabalhador brasileiro é quase um salário de fome....

R$ 500,00; R$ 600,00 bruto por mes???

putz... não dá nem pra pagar aluguel, comida, energia, agua etc....

Anônimo disse...

Lola:
Corrigindo uma grande injustiça.
Eu sou trool e tudo mais que você acha; porem, eu vou te dizer uma coisa, com toda sinceridade.

Eu, e todo Brasil, sabemos que a Dilma (não por ser mulher, poderia ser o Genuíno) não tem a menor condição de ser presidente nem de clube social, por total falta de experiência política e administrativa (ela foi o que sobrou dos traídos do Lula) mas, uma acusação que fazem a ela eu não concordo, porque não é verdade.

A acusação de que a Dilma seja feia: muito ao contrário, ela é uma senhora bastante bonita e foi uma moça muito bonita, o que fica claro na sua ficha de policial, que, como todos nos sabemos, não prima pelo embelezar o meliante.

Resumindo: a Dilma é uma senhora muito bonita coisa que, a Marina Silva, ou a Heloisa Helena, definitivamente, não o são. Se depender de boa aparência a Dilma representará o Brasil de uma forma excelente, muito melhor que o Lula.

Oliveira.

Nefelibata disse...

Ô, Lola... sinceramente, eu não sou disso, sempre quando comento em blogs eu não espero que o dono venha responder ao meu comentário, mas... esse assunto do seu post me interessa tanto! Eu até estou fazendo meu TCC na faculdade sobre isso e tal... então, só dessa vez vou ser meio egoísta e externar que fiquei cheio de ciúmes ao ver você dar uma resposta daquele tamanho sobre o troll e me ignorar, chuif, chuif... xD comente os comentários sobre o post, vai, please! *.*

lola aronovich disse...

Então vamulá, rapidíssimo pq tenho que ir dormir. Amanhã acordo cedo. E já é amanhã!

Samya, incrível como essa conversa que vc descreve pode ser ouvida por aqui tb. É isso mesmo: tem quem ache que ser escravo num país (ou numa região de um país) “desenvolvido” (as aspas são pq, se fosse desenvolvido mesmo, não teria escravidão) é melhor do que ser miserável no país de origem.


É, Laurinha, vários analistas acreditam que o Serra vai perder voto por causa do novo factóide. Quando alguém ataca assim, desesperadamente, crescem os índices de rejeição. É um comportamento de risco, como o meu troll pode atestar.

lola aronovich disse...

Nefeliabata, adorei seu comentário. Não tenho nada que acrescentar. Já tive mais de um professor brilhante que criticava a expressão “capitalismo em crise”, por exemplo. Porque a própria definição do capitalismo é crise permanente. É isso mesmo: todo mundo explorando todo mundo. Não sei se há fuga disso. Realmente, boicotar as lojas Marisa não muda nada no sistema. É só o que está mais acessível pra gente. Pra gente não se sentir tão impotente, quem sabe. Quer escrever um guest post sobre o seu TCC pra mim? Quando li o seu comentário, já pensei em transformá-lo num guest post.

lola aronovich disse...

Mario Sergio, nossa, como vc é inteligente! Vc leu um dos livros na lista do idiota. E vc foi promovido a advogado, veja só!


Luna, eu até gostaria de escrever um post sobre isso que vc pede. Mas confesso que não conheço muitas empresas assim, do jeito que vc descreve. O que eu compro? Muito pouca coisa, a maior parte de comer. Tipo: compro tapioca feita no supermercado perto de casa. São sempre dois funcionários que preparam, e fazem super bem. E é barato, só R$ 2,50 cada tapioca. Alguma sugestão de empresa que faz o bem?

Anônimo disse...

Ridícula abordagem. Mesquinha e tendenciosa. Espalhação de boataria mal fundamentada e criminosa pra cima do empreendimento de alguém, como já fizeram muito para boicotar a Coca-cola, o McDonald`s, etc.

É preciso um respaldo muito criterioso, Lola, para escrever um post desses, que pior do que ser informativo (se é que a informação confere na íntegra, pois integridade não é um adjetivo aplicável aos nossos veículos de comunicação), convoca consumidores a entrarem numa bravata gratuita.

Sabe que a China, cujo regime de governo muitos desse blog aprovam, é um dos países líderes em trabalho escravo? Sabe que a China é um dos maiores exportadores de produto acabo do planeta, e que boa parte de tudo o que você compra e consome hoje é proveniente da China?

Pausa para reflexão dos fanáticos, dos que só enchergam o que querem e dos facilmente influenciáveis por boataria barata...

Jéssica disse...

Desculpe, mas pelo horário não vou comentar sobre o post. Apenas gostaria de dizer que desde que eu comecei a acompanhar este blog, no início do ano, eu li apenas 5 posts do Oliveira, vi que ele só falava besteiras, e desde então passei a ignorar todos os posts dele ou que contenham a palavra "Oliveira".

Eu acabei de ignorar no mínimo 1/3 dos comentários, talvez chegando até a 1/2.

Sério, ignorem esse cara, estão apenas desperdiçando seu tempo, que poderia ser melhor aproveitado com mais discussões sobre o post, por exemplo. Gosto muito das discussões construtivas dos comentaristas daqui.

joshua disse...

Isto é uma perspectiva. Talvez demasiado superficial:

«Eu, e todo Brasil, sabemos que a Dilma (não por ser mulher, poderia ser o Genuíno) não tem a menor condição de ser presidente nem de clube social, por total falta de experiência política e administrativa (ela foi o que sobrou dos traídos do Lula) mas, uma acusação que fazem a ela eu não concordo, porque não é verdade.

A acusação de que a Dilma seja feia: muito ao contrário, ela é uma senhora bastante bonita e foi uma moça muito bonita, o que fica claro na sua ficha de policial, que, como todos nos sabemos, não prima pelo embelezar o meliante.

Resumindo: a Dilma é uma senhora muito bonita coisa que, a Marina Silva, ou a Heloisa Helena, definitivamente, não o são. Se depender de boa aparência a Dilma representará o Brasil de uma forma excelente, muito melhor que o Lula»

Fernanda disse...

Gente, eu acho que o Oliveira está brincando. Sério. Eu acho que é um cara (ou até mulher, vai saber...) que acha a maior graça de ver que tem gente que fica indignado com o que ele diz, sabe? Ele deve pensar: "O que eu posso escrever pra deixar o maior número de pessoas com raiva?". Nem acho que ele pense essas coisas mesmo.
Aí vem aqui, escreve, o povo responde os comentários dele com indignação e tenho certeza que ele morre de rir. Uma sensação de poder, sabe? De atingir tanta gente. Eu acho graça. E acho que responder é realmente dar a ele o que ele quer só por motivos de ego. Portanto, sou a favor de não alimentar o troll. Hehe...
PS: inclusive, não escreverei mais sobre ele.

Eduardo Marques disse...

Nossa, o Brasil anda chique mesmo! Já temos até imigrantes pobres que nem nos EUA. uhuuú!

Mariana. disse...

Ontem infelizmente não tive tempo de comentar esse post providencial, mas estava ansiosa por vir até aqui falar. Não li todos os comentários porque são muitos, mas vamos lá.

A CULPA É NOSSA.

Desculpem, mas eu fiquei impressionada com a 'inocência' de certos consumidores/frequentadores dessas lojas de departamento. Não estava na cara que, se não era trabalho escravo, era algo muito próximo disso que produzia os produtos dessas lojas?

Claro que sim. E a culpa é nossa (consumidores em geral), que sempre procuramos o produto mais barato do que o barato. E não só aqui no brasil (aliás, os culpados maiores são os consumidores dos países desenvolvidos que, mesmo com alto poder de compra, adora pagar por um produto muito menos o que a gente sabe que ele custou para ser produzido). Aqui, as pessoas são mais pobres. É claro que queremos economizar, mas é importante também que coloquemos a mão na consciência!

Imagina você entrar numa RENNER da vida, dentro de um shopping. Aí você encontra um blusa (de qualidade duvidosa e gosto idem, mas isso não vem ao caso) por, sei lá, R$ 15 reais. Você leva, claro! Os que refletem sobre algo, ainda pensam 'viva a concorrência, que permite produtos mais baratos ao alcance de todos". É... a gente só olha o lado positivo.

Nem lembramos que ali, naqueles 15 reais, estão embutidos o lucro estratosférico da loja, o pagamento do 'estilista' que desenhou aquela blusa, o marketing, os desfiles de moda e... A costureira ou costureiro. As inúmeras costureiras que fizeram milhares de blusas iguais. Que cortaram, passaram linha. Esquecemos que nos quinze reais ainda entram o valor do tecido, da linha, do botão em si. O transporte. os funcionários. As despesas naturais de uma loja.

Quanto vocês acham que essas pessoas que produzem a roupa ganharam dentro desses quinze reais?!?! Alguns centavos, no máximo! Igual os indianos que produzem tênis caríssimos de marcas super conceituadas. Centavos.

E aí, quando a Lola faz um post importantíssimo desses, a maioria fica chocada. Eu é que fico chocada com tanta surpresa. Eu sei que a grana é curta, mas se não der pra comprar roupas caras, é preferível comprar na feirinha. Não só pelo preço competitivo e pelo fato de as roupas - tenho certeza - serem muito melhores/bonitas do que as das lojas de departamento. Mas também porque a gente tem certeza que ali não tem trabalho desumano.

Não faz muito tempo, ouvi falar em 'valor social do produto'. Era uma atriz falando da marca de roupas que ela lançou. Ela deixou claro que não era caro porque levava o nome dela e sim porque eram roupas ecologica e SOCIALMENTE corretas. Falo que não há prazer em adquirir um produto quando você sabe que, quem o produziu, não ganhou o recebeu um valor justo pelo seu trabalho.

Enfim.. eu só não digo que vou boicotar porque felizmente não compro roupa nessas lojas.

Pentacúspide disse...

xiii, estou agora preocupado, comecei a ler "Os Cem Anos de Solidão" de GGM, mas abandonei o livro na metade, porque não o estava a entender... serei burro?

Não li Harry Potter... serei burro?

Não tenho doutoramento... serei burro?

Se achar que não tem mal que um empregado de limpeza ganhe o mesmo que um doutorado serei burro? Estarei a desvalorizar a faculdade?

Se achar que a superficialidade no Brasil é deveras irritante, refiro-me ao votar ou não numa pessoa só porque ela não é bonita, serei burro?

Se achar que a presença ou ausência do título académico não inválida o pensamento de ninguém (em determinados assuntos, é claro)serei burro?

Se não conseguir exprimir uma opinião sobre este post serei burro?

E se for burro perderei o direito de questionar quando fico com dúvidas (não estou a falar de insultos à personalidade)?

E se achar que é estupidez que em vez de discutir os temas apresentados, gasta-se mais de 3/4 de 53 comentários em dizeres que não acrescentam nada ao tema, serei burro? Até parecem os comentaristas da televisão americana que em vez de se focarem no que uma pessoa diz, comentam se a gravata ou lenço lhe ficava bem, distraindo o público do essencial.

Giovanni Gouveia disse...

Falando em escravidão:

http://www.cut.org.br/acontece/19977/pacto-nacional-pela-erradicacao-do-trabalho-escravo-completa-cinco-anos

Aline disse...

Com relação ao comentário que diz que um médico não tem que ganhar mais que a empregada... Gostaria de dizer minha opinião. Um médico, como pessoa, não é melhor que uma empregada ou qualquer outra pessoa. Mas a remuneração de um profissional tem que estar ligado a vários fatores, como a dificuldade da atividade, a especialização (o que na maioria das vezes tem a ver com dedicação e estudo) e o nível da responsabilidade que é assumida (que gera riscos e estresse). Vai me dizer que um profissional que passa no mínimo uns 10 anos estudando só pra começar a trabalhar não tem que ser melhor remunerado que outra profissão que a grande maioria não se preocupa em ter a mínima qualificação ou fazer o serviço direito. Ou que a responsabilidade de ter uma vida nas mãos se equipara à responsabilidade de passar uma camisa sem queimar. Não é questão de preconceito, é questão de justiça. Alguém pode falar que os mais pobres nunca vão ter acesso a uma faculdade de medicina, blah blah, mas medicina é um extremo. Existem outras oportunidades por aí. Eu venho de uma família simples, mas que sempre levou a educação a sério. Eu e meu irmão conseguimos profissões ótimas, eu com graduação e ele não, só correndo atrás pra se virar pra aprender.

Jéssica disse...

Mariana, sabe me dizer o nome dessa marca que você falou? Me interessei.

Nunca tinha parado para pensar sobre o que você falou, mas concordo totalmente. Por sorte, não compro roupas nessas lojas, mas meu motivo era outro: qualidade. Prefiro uma peça de roupa mais cara que dure anos do que uma barata que mal dure um ano.

L. Archilla disse...

Mariana, é complicado encontrar UM culpado para toda essa situação. Por exemplo, eu não sei em que renner vc anda passeando, mas na daqui não acho NADA por 15 reais. Compro em lojas de departamento por falta de opção, mas acho que pago caro pelo produto que consumo, levando em conta a qualidade do material. Infelizmente, sai mais caro ainda mandar fazer roupa, por ser uma peça só. Produção em larga escala abaixa o custo, mesmo com salários dignos aos funcionários. Gosto muito de comprar roupas em feiras, mas na minha cidade a feira de artesanato não vende roupa. Compro quando vou pra São Paulo, mas não é sempre que dá pra ir (acaba saindo mais caro por causa da passagem). Fora isso, tenho a opção de comprar roupas mais baratas ainda no calçadão, todas provavelmente oriundas de trabalho escravo ou quase - sem falar nas Made in China. Às vezes posso até comprar em lojas um pouco mais caras, mas quem garante que a TNG não utiliza trabalho escravo também?

Você nos acusou de ingênuos, mas acho que a ingenuidade é sua em pensar que preços altos necessariamente são revertidos para os produtores do mesmo.

L. Archilla disse...

correção: "preços altos necessariamente são revertidos para os produtores da peça."

Letícia disse...

A Aline falou sobre o salário de uma profissão ser adequado a alguns fatores. Concordo com o tempo de estudo: enquanto o médico vai começar a trabalhar depois de seis anos, um profissional de segundo grau vai começar a receber muito antes. Nesse aspecto, o retorno financeiro teria de ser maior para compensar esse tempo.

Mas dificuldade da atividade é um conceito subjetivo demais. Explico: sou designer gráfica e jornalista; duas funções que todo mundo (acha que) pode desempenhar. Só porque o cidadão é alfabetizado, decide que seu trabalho não vale nada (porque, oras, qualquer um pode escrever). Você ser capaz de passar uma camisa quer dizer que esse é um trabalho fácil? Se você tiver que faltar ao trabalho um dia por semana para realizar o trabalho doméstico, quanto seria descontado do seu salário? Não se paga só pelo serviço, mas pelo tempo (gasto pela diarista e economizado por você).

Vez ou outra eu vejo médicos fazendo antendimento em 5 minutos, sem sequer examinar o paciente. A justificativa é que recebem pouco por consulta pelo convênio. Na minha opinião, qualquer profissional que se considere subvalorizado "não se preocupa em ter a mínima qualificação ou fazer o serviço direito". Seja médico, secretário ou gari. Se eu trabalhasse 8 horas por dia e fosse incapaz de alimentar minha família, garanto que eu também não me preocuparia em fazer meu serviço direito.

Todos os que trabalham deviam ser capazes de sustentar decentemente a sua casa. Mas aí, é como bem disse a Nefelibata: para haver riqueza, é preciso haver pobreza...

Mariana. disse...

L. Archilla,

desculpe, mas em que momento afirmei que roupas caras são sinônimo de garantia de ausência de mão de obra escrava?

Acho apenas, que é mais provável que a remuneração daqueles que produziram a peça seja mais justa, mas nada está livre de suspeitas. Veja o caso dos calçados (tênis de marca) que eu mesma citei no post anterior: todos sabemos como e por quem são feitos esses sapatos. Trabalho escravo. E nem por isso o consumidor final paga barato.

Também sei que a realidade da maioria não permite comprar em lojas de marca (as quais, como eu já disse, TALVEZ usem sim trabalho escravo, mas é menos provável do que essas lojas de departamento), e por isso mesmo de opções de feiras. Eu, felizmente, posso comprar em lugares mais caros que a maioria, mas também não é sempre: vou muito à feiras e olha.. fico satisfeitíssima com o que encontro lá. Vestidos lindos, roupa de verão, calçados confortáveis e um preço que muita gente pode pagar. Gosto de ir mesmo. Muitas vezes até conheço que faz e tals. E mesmo em lojas de shopping, há roupas de boa qualidade, preço maior do que as lojas de departamento e que não são de grandes marcas. São boutiques locais mesmo. Muitas vezes também conheço quem faz a peça (quem ajusta quando fica grande e tals), e você acaba sabendo que também não é trabalho escravo.

Sobre o preço de lojas na renner e outras lojas de departamento, claro que há roupas baratíssimas lá! Aqui, pelo menos, é muito fácil achar blusinhas ou shorts básicos por 15, 20 reais. Acho que a C&A é a campeã. Minha irmã mesmo, é uma consumidora desses locais. E ela entra em delírio, porque encontra muita peça barata mesmo. Ontem mesmo, na riachuello, ela encontrou uma blusinha (com renda, lacinho e tals), por 23 reais. É barato DEMAIS pro meu gosto. É SUSPEITO DEMAIS pro meu gosto.

Anônimo disse...

Isso é deplorável, mas não dá para tirar toda a culpa da burocracia dos governos na questão da imigração e cidadania e jogar toda a culpa de forma vaga e generalizada no "capitalismo". É justamente a ameaça do governo que é usada para escravizar essas pessoas.

Mariana. disse...

Oi jéssica, o nome exato da marca eu não sei, mas sei o nome da atriz: emma watson (hermione granger, do harry potter). E também acho um pouco improvável que a marca seja vendida aqui, só comentei porque a ideia me pareceu interessante... tenho certeza que algum estudante de moda nesse país esteja trabalhando nesse sentido: preço justo. valor social do produto..

Temos que ter esperança!

Anônimo disse...

O primeiro comentário é tão tosco que parece coisa de "bogus", um comunista se passando por "capitalista-selvagem-burgo-elitista", colocando a questão das diferenças de salários nesse âmbito de "status", orgulho da elite e nojo da ralé.

Qualquer "capitalista" minimamente bem informado e não bogus-espantalho entende as diferenças de potencial de retorno financeiro em diversas atividades e produtos como resultado das diferenças de demanda e oferta, apenas isso.

E não necessariamente "bom" ou ideal apenas por isso, isso é apenas o resultado de um estado de distribuição de riquezas e dos interesses das pessoas, dos produtos e serviços pelos quais elas buscam. Pode resultar em algo bastante desagradável em termos de um mundo ideal no qual se gostaria de viver.

Isso não faz com que comunismo ou qualquer coisa muito comunistóide (no sentido de totalitarianismo) seja necessariamente a única solução para esse estado das coisas, até porque implica num compromisso de um "sistema" que essencialmente é a liberdade de se trocar aquilo que se têm ou que se faz por aquilo que se quer ter, ou quer que se faça, conforme se achar melhor. Planejando e executando independentemente, livremente, a sua economia pessoal.

A "alternativa" comunista é crer que alguns sábios são capazes de planejar antecipadamente as necessidades e desejos de toda uma nação (ou do mundo todo, no caso dos partidários de que o comunismo só funcionaria se adotado em escala mundial), escolher melhor do que cada um escolheria por si próprio as trocas que gostaria de fazer, e até mesmo as áreas em que deveria atuar.

L. Archilla disse...

Então, na verdade continuo sem entender... claro que comprar direto do produtor, como em feiras, é a melhor solução, mas comprar em lojas de shopping? Acho que no fundo nosso problema é a diferença geográfica... aqui não tem loja de shopping relativamente barata onde você conhece @ costureir@.

Quanto às peças de 15, 20 reais, realmente, vez ou outra tem uma arara de sobra de coleção com peças por 15 reais que eu acho que valem 5... então continua sendo caro...

Mariana. disse...

Ué.. no shopping da sua cidade só existem lojas ancoras? Não existem 'marcas' locais? Só se vende colcci, planet?

L. Archilla disse...

não sei qual marca é daqui e qual não é, o fato é que o preço é praticamente o mesmo em todas, fora as de departamento. outro dia entrei numa dessas lojas "onde vc conhece o costureiro" pra acompanhar minha amiga que procurava um vestido. ele custava 450 reais, já com desconto. ela acabou não comprando porque achou um parecido na arara de promoção de uma loja de grife, por 90 reais. sem direito a ajuste, já que não tinha costureiro na loja. 90 reais, pra mim, tá MUITO bem pago, levando em conta que não era um tecido finíssimo, nem uma grife famosérrima, nem modelo exclusivo. era um pretinho básico com acabamento bonito. se a indústria comprou trezentos quilos daquele pano e pagou dignamente pro estilista que desenhou o modelo e pras costureiras que fizeram as inúmeras peças que foram vendidas por todo o estado (ou país, sei lá), ele já lucrou. se além disso ele escravizou os funcionários, aí ele lucrou muito mais. não tem como saber.

Idéias no Tom disse...

Lola, tomei a liberdade de citar o teu blog no meu blog, pois comentei lá a notícia da escravidão nas Lojas Marisa. Se tiver um tempinho, acessa: ideiasnotom.blogspot.com
Bjs e parabéns por contribuir tanto para a blogosfera!

Consultora Educacional disse...

Gosto muito dos artigos de ótima qualidade do seu Blog. Quando for possível dá uma passadinha para ver nosso Curso de Informática Online. Melissa.

não aguento mais tanto perfil disse...

Quando às vezes chamam os EUA de Grande Satã a gente é obrigado a fingir que não concorda. Mas foi o capitalismo que trouxe aqui pro Brasil o pior do homem. A tendência do humano é ser solidário e cooperativo, participativo. Mas essa ostentação de lagosta, perfumes, roupas chiques ... dissolve a solidariedade porque para ter vantagem sobre o próximo homem é preciso destruí-lo. E é só essa merda que nem precisa descrever. Em comunidades onde as pessoas se sentem menos exploradas se sentem menos à vontade, menos com motivo para liberar a franga, ou seja, ostentar seus dotes de violência. Gritar, atirar, empurrar para derrubar vêm do caráter permissivo do ambiente. O capitalismo tentou driblar o problema da permissividade com a repressão, com a cadeia. Mas continua sendo permitido passar fome, passar 5 horas do dia em pé num ônibus cheio, trabalhar sob um uniforme feio e desconfortável, não poder frequentar as ilhas de Gente Bonita. Se há permissividade quanto ao sofrimento de uns eles não vão se comover com o sofrimento dos outros. Um dia desses ninguém mais trabalha em outra profissão: com tanta repressão só vai haver policial e bandido.

não aguento mais tanto perfil disse...

Empresas seriam ótimas adotantes de alunos matriculados na rede pública. Os profissionais do ensino conhecem alunos que precisam de mais livros, de uma banda de internet em casa, de um transporte para fazer algum curso presencial, de calçado para poder andar ou fazer esporte, de jantar, de comida durante as férias. Bem que essas empresas poderiam fazer mais namoros com as escolas. Com tantos recursos de comunicação não tem desculpa para não se interessarem por conhecer, justamente, aqueles que amanhã serão seus empregados

não aguento mais tanto perfil disse...

Crianças sem banda larga, sem idiomas, sem instrutor, sem inserção intelectual porque todos os parentes não têm sequer o Fundamental. Quem acha que tudo é uma questão de aproveitar oportunidades é porque nasceu em berço de oportunidades, infelizmente a vida não é assim, poderia ser mas não é. Se você acha que é comunismo se equivoca. Aproveite esse momento mágico do futebol para refletir. Pense em quantos jovens deixaram de jogar futebol no mundo todo porque só havia oportunidades em clubes aqui do Brasil. Quantos rapazes deixaram de aproveitar esse talento natural. Dando oportunidades para os jogadores o futebol evoluiu a um ponto que todos os países têm jogadores e equipes brilhantes. Qualquer pessoa socada num final de mundo estuprada diariamente por um coronel está deixando de melhorar o esporte, as artes, as ciências sociais, a computação, o ensino público ... deixando de trabalhar pelo bem comum