terça-feira, 16 de dezembro de 2008

ENQUETES ATRASADAS: CASAMENTO GAY E PRIMEIRA VEZ

Um senhor segura uma placa que diz “Casamento gay é do mal”. E pede ao casal gay: “Por favor, tentem parecer um pouco mais assustadores”.

Muitas desculpas por deixar acumular tantas enquetes sem publicar o resultado. É a correria. Mas tivemos pesquisas interessantes por aqui nessas últimas semanas. Uma delas mostra como vocês são fofinhas(os) e inteligentes e estão alinhadas(os) com meu pensamento. A pergunta era: “Se a gente tivesse um Proposition 8 pra decidir se inclui na nossa constituição um texto como 'apenas casamentos entre um homem e uma mulher são válidos ou reconhecidos no Brasil', como você votaria?”. 161 pessoas participaram. 24, ou 14%, responderam sim, que seriam a favor de uma emenda na constituição pra não permitir casamento gay (como fizeram mês passado na Califórnia e na Flórida). Mas a enorme maioria, 137, ou 85%, seria contra. Ou seja, seria a favor dos direitos iguais pros gays. Sabe o que não consigo entender? É que, em geral, quem é contra a homossexualidade é de direita e é conservador. Gente de direita prega que o governo não deve se meter na vida das pessoas, que deve deixar tudo fluir sozinho, que a economia se regulamenta por conta própria. Não tem uma enorme contradição aí?
E não consigo nem imaginar como a existência de um casal gay afeta a minha vida hétero. Tá, um casal gay significa que há dois caras a menos no mercado pra mim, mas eles são gays! Eles não iam se interessar sexualmente por mim de qualquer jeito. E além do mais, eu sou casada e tenho uma tese pra escrever. Mesmo que os carinhas milagrosamente deixassem de ser gays (o que é uma impossibilidade), isso não me afetaria em nada. E o que me choca é a total ausência de argumentos da direita americana pra proibir o casamento gay. É só preconceito mesmo. Tá, eles têm alguns argumentos. Um é “Puxa, o que eu vou dizer a meus filhos? Como vou explicar que há homem que gosta de homem, mulher que gosta de mulher?”. Ué, vai dizer que existe gente no mundo que não é idêntica a você, e que isso é algo positivo! E um argumento como o que a direita cristã escreve em cartazes, do tipo “Sodomia deixa Deus zangado”, hum, não sei, pra mim carece de provas.
A outra pesquisa perguntava simplesmente: “Com quantos anos você teve sua primeira relação sexual?”. 343 pessoas votaram, e o resultado foi o seguinte: 20% respondeu que tinha 16 ou 17 anos. Em segundo lugar, 19% disse que ainda não teve. Em terceiro, para 18%, foi com 18 ou 19 anos. Para 14%, foi com 14 ou 15 anos. Para 10%, foi com 20 ou 21. Para 6%, foi com menos de 13. Para 4%, foi entre 22 a 24 anos. Para 3%, foi entre 25 e 30. E para 1%, foi com mais de 30. Um resultado assim mostra que não existe uma idade certa pra se transar pela primeira vez. Mas que a maior parte “perde a virgindade” (não gosto desse termo, porque a gente não perde nada, só ganha) entre os 14 e 19 anos, na adolescência. Se somar, dá 52% nessa faixa etária. O que significa que educação sexual na escola é fundamental, que os pais precisam falar com os filhos sobre sexo, ao invés de fingirem que a filha vai casar virgem, e que campanhas de abstinência sexual não funcionam.
Ah sim, notem que eu não incluí entre as alternativas um “Não lembro quantos anos tinha”. Porque isso é papo furado de homem! Não conheço nenhuma mulher que não se lembre de quantos anos tinha na sua primeira vez. Inclusive, que não se lembre como e com quem foi sua primeira vez. Mas homens, posso contar nos dedos quantos dizem se lembrar da sua primeira vez. Simplesmente não acredito nisso. Acho que vocês lembram, só querem mostrar que foram tantas e tão cedo que a memória não comporta. Não cola!
Por sinal, a enquete revela que não é vergonha alguma esperar mais, até se sentir mais madura(o), até encontrar alguém mais interessante, pra fazer sexo pela primeira vez. Um total de 18% deixou pra fazer depois dos 20. Essas pessoas não são anormais nem nada, só quiseram esperar um pouco mais, por uma série de motivos. Eu conheço adolescentes que sentem-se anomalias da natureza por serem virgens, e que sofrem muita pressão dos amigos (que várias vezes estão mentindo) pra acabar logo com isso. É ridículo.
Espero que as coisas tenham mudado da minha adolescência pra cá. Lembro de quando um amigo querido “ganhou” de presente do pai, um militar ultra-conservador, uma ida ao prostíbulo quando tinha 16 anos. Eu fiquei chocada porque pensava que, já na década de 80, isso de “transar pra virar homem” não existisse mais. Achei o cúmulo que um pai repressor, que jamais falava de sexo com o filho, interferisse assim na sua sexualidade. E não acho uma boa um rapaz ser iniciado no sexo por uma prostituta. Aliás, eu não acho que sexo e comércio deveriam caminhar juntos, nem na prostituição, nem na pornografia. Tem tão pouca coisa na vida que é de graça, e o capitalismo vem querer lucrar até no sexo, algo tão íntimo nosso.
Pra mim, só tem uma coisa que talvez a gente precise pagar pra transar: camisinha. Isso não pode faltar. Porque basta uma vezinha em período fértil pra engravidar, e basta um parceiro(a) infectado pra se pegar Aids e outras doenças sexualmente transmissíveis. Pra que arriscar?
Opa, esse texto ficou longo demais. Logo logo entrego os resultados das outras duas enquetes atrasadas.

33 comentários:

Giovanni Gouveia disse...

Bem, sou contra a prop 8, porque não acho que o Estadxo deva interferir na intimidade de ninguém. Aliás isso é coisa que o "maior estado democrático do mundo" adora fazer, tanto que sodomia, mesmo consentida, já foi crime (talvez ainda seja em alguns estados), por isso, digo, contra isso criou-se a parada gay...
Quanto a idade, bem foi no comecinho da puerdade, antes dos 13, e, apesar de eu não ter sido um monogâmico convicto (depois que conheci Cris isso mudou radicalmente), lembro de todos os afairs

Pablito disse...

O sque as pessoas nao entendem é que os gays nao querem o CASAMENTO. Nos queremos usufruir o direito, que está na cosntituição, de que todos são iguais mas que na prática não é assim. Quero o direito de receber pensão, herança o seja la o que for e quero poder deixar tudo que é meu pra quem eu amo e REALMENTE fica do meu lado em todos os momentos. Felizmente acredito não terei problemas com minha família, mas conheço amigos que perderam TUDO só pq depois do falecimento do companheiro, os parentes do morto mostram a verdade que escondiam atras de uma aceitação que parecia sincera. Recentemente passei por algo parecido... meu namorado sofreu dois enfartos e, mesmo a família tendo pleno conhecimento da nossa relação, vivi situações muito chatas no hospital. Exemplo: TODO mundo tinha direito de visita-lo na UTI, menos eu.. ate o pessoal do trabalho dele passava na minha frente. E não faziam por maldade.. só não percebiam o meu sentimento e minha necessidade. Foi uma fase muito difícil e solitária. Esse lance de direitos iguais envolve exatamante isso... perceber que no mundo existem pessoas que não são iguais a todo mundo e que é exatamente essa diferença que faz o mundo ser interessante. Vamos olhar para os lados? Sabe... compaixão.. já ouviu falar?

lola aronovich disse...

Gio, pois é, não dá pra entender como um país como os EUA, que se diz tão democrático a ponto de “exportar” a liberdade pra outros países (e a gente sabe bem como é isso, porque eles ajudaram a trazer a “democracia” pra cá em 64), pode deliberadamente discriminar todo um grupo de pessoas. Que não querem nada de mais! Só querem ter os mesmos direitos que os héteros.
Quanto a lembrar de todos os affairs, vc tá melhor do que eu, Gio! Eu não lembro de boa parte. Sei que numa época eu tinha um caderninho onde anotava as principais características (nome, idade, onde conheci, algo assim, não muito mais que isso) dos carinhas. Mas minha irmã descobriu o caderinho e aí eu o destruí. Pena, porque tem gente que não lembro mesmo.


Pablito, durante um tempão eu pensava: “Casar? Por que os gays querem casar? Que coisa mais demodé!”. Mas finalmente notei que, primeiro, quem tem que decidir se é antiquado ou não não sou eu, mas cada casal homossexual. Se milhões de casais héteros se casam, por que os casais gays não podem fazer exatamente o mesmo, se é o que eles querem (e muitos querem, Pab). Segundo, há montes de direitos que uma “união civil” não cobre. Tem que ser casado mesmo. Eu senti isso na pele ano passado. Se eu quisesse levar o maridão pros EUA pro meu doutorado-sanduíche, só casando legalmente mesmo. Provar união estável era muuuuuito mais complicado. Agora, e os casais gays? Eles não têm essa opção de casar que eu tive. Num caso assim, um teria que ficar um ano inteiro longe do outro, só porque a lei discrimina. Acho totalmente injusto! Isso da família ficar com os pertences de uma das partes do casal é o cúmulo, mas a gente sabe o quanto é comum. E não poder visitar o parceiro com frequêcia no hospital... Isso é de partir o coração. E todo mundo se esquece que não faz muito tempo destratavam assim casais hétero de raças diferentes...
Acho que é dever de todo hétero se manifestar contra a homofobia.

Elisa disse...

Lolinha,

Você viou isso?

16/12/2008 - 12h28

Brasil pode levar 87 anos para igualar salários de homens e mulheres
Ivan Richard

Da Agência Brasil
Em Brasília

Estudo Retrato das Desigualdades de Gênero e Raça, divulgado nesta terça-feira (16) pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), mostra que, se as políticas de igualdade de gênero não forem aceleradas, serão necessários 87 anos para igualar salários de homens e mulheres. Mais sobre a pesquisa

A ministra da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, Nilcéa Freire, comemorou a redução das desigualdades entre homens e mulheres, mas reconheceu que é preciso acelerar o ritmo de implementação das políticas.

"Desde as últimas Pnads [Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios], temos tido notícias boas e más em relação às desigualdades das mulheres. As boas é que existe redução das desigualdades no Brasil. A mais importante seria que diminuiu a diferença salarial entre homens e mulheres", disse a ministra.

"A má é que a velocidade não é a que queremos. Se fizermos uma regra de três simples, projetando os dados da Pnad para o futuro, levaríamos 87 anos para superar a diferença salarial entre homens e mulheres", lamentou.

Na avaliação do presidente do Ipea, Marcio Pochmann, as desigualdades de gênero estão diminuindo no país, mas ainda são "acentuadas". Segundo ele, a diferenças entre homens e mulheres no mercado de trabalho são conseqüência dos modelos agrícola e pecuário que o país viveu no passado. Para acabar com as desigualdade, disse Pochmann, é preciso que as políticas afirmativas sejam de Estado, portanto, contínuas, e não apenas de governos.

O estudo analisou 11 blocos temáticos sociais para traçar um perfil das desigualdade de raça e gênero no país. Entre os aspectos analisados estão mercado de trabalho, população, saúde, habitação e Previdência Social.

http://noticias.uol.com.br/cotidiano/2008/12/16/ult5772u2202.jhtm

Anônimo disse...

Olá, Lola,
tenho um relacionamento estável há 8 anos. Foi o primeiro relacionamento, antes disso só um "ploc" em uma menina e um outro "ploc" em um rapaz (ambos ruins). Durante esse tempo, não houve grandes problemas. Pra quem passa a adolescência quase inteira se guardando de ser alvo de chacota, ter um bom relacionamento com alguém legal logo de início liberta a ponto de esquecermos do lado perverso da sociedade - se isso pudesse ser possível. Nada melhor que a nossa família pra medirmos o quanto aquela é perversa. Ainda hoje não confio muito nas boas intenções para comigo da minha nova família, nem sei se realmente me consideram fazendo parte. Já tive demonstrações por parte deles que sou mais um agregado, na mais perfeita sintonia com as famílias tradicionais brasileiras. Por isso, ponho as minhas barbas de molho. E acho que família mesmo, somos eu e ele. Formalizamos nossa união em cartório de registros este ano. Trata-se de uma declaração de união estável homoafetiva (é assim mesmo que veio escrito); ela auxilia no processo de pedido de pensão, de compartilhamento de plano de saúde, etc e tal. O documento não garante nada, mas para as empresas e órgãos governamentais que aderiram a política de inclusão, ele é fundamental.
Fica a dica.
Luiz (hoje, sem excessos)

Anônimo disse...

Lola não li o seu post pois hoje tem lançamento de livro aqui, uma coletânea, da qual faço parte.
Bom mesmo assim gostaria de registrar :
a)O amor não tem sexo, é uma coisa
muito ampla e maior que o desejo.
b)Casamento é uma chatice, na maioria.
c)Há que se enxergar o próximo como alguem digno de respeito, de cidadania e de amor, seja ele(a)como for na sua vida íntima.
d)Desejo aos pais que tenham filhos gays que eles amem seus filhos e que esses, possam ter vida digna com a pessoa
que escolherem. Se for preciso casar que se casem.
Depois volto e leio tudo!
Bj da Fatima.

P. disse...

Lola, primeiro estou passando para agradecer seu comentário no Barbatanas, fiquei muito feliz! (também porque já virei fão do Escreva Lola Escreva e todo dia dou a passadinha "open mind" do dia).
Acho - ou gosto de ter esperanças - que as pessoas possam aceitar. A si mesmas, umas às outras. Talvez seja o retorno de saturno [haha] mas tenho refletido muito sobre isso e a sincronicidade que me persegue mandou logo seu blog, de pára-quedas para minhas reinações...
Grande beijo,
Patrícia

P. disse...

Momento putz escorreguei no texto: todo dia dou a passadinha "open mind" do dia).

Gi disse...

Pior é que mesmo coma camisinha, pega-se algumas DST. HPV por exemplo. Se for o dia do vírus, ele faz mesmo; pardiando meu pai que dizia a respeito de acidentes de avião: tem que rezar pra não ser o "dia do piloto". ;-)

Eu já transei várias vezes sem camisinha e várias com. Realmente, tem que usar, patatipatatá, mas pra mulher também é péssimo. Eu odeio. E a tal pra mulheres é mais uma "benção pra eles".

Sobre os gays, votei na enquete; votei contra a suposta proposição. Votar a favor seria um "típico pensamento de direita". Viu, Lola, como não dá para rotular as pessoas de acordo com seus pensamentos?! O ser humano é múltiplo.

Gi disse...

Sobre iniciação ao sexo: não vejo com maus olhos transar pela primeira vez com uma prostituta, nem pra homens nem pra mulheres. Existem várias maneiras de se descobrir o sexo e não há uma melhor que a outra. Contanto que não seja forçado, acho que tudo é válido como experiência. O homem muitas vezes (não estou dizendo que não posso ser como eles) se difere da mulher principalmente na questão do desejo: enquanto a mulher é metafórica, os homens vêem o todo pela parte, parte pelo todo, são metonímicos e a maioria é capaz de se aceitar vendo somente uma vagina. Repito: não estou dizendo que mulheres também não sejam assim. Acontece que o homem é. E por isso tem tanta revista pornô, filme pornô, revistas ditas masculinas, etc.

Sexo não tem nada a ver com amor, tem a ver com uma possível paixão. Se, por vias das dúvidas, amamos alguém com quem transamos, que bom. Por isso acho totalmente relevante com quem fazemos sexo a primeira vez. Eu achei horrível a minha e adorava as preliminares e aquela sacanagem toda antes. Pra gostar de sexo mesmo, levou tempo, foi pura prática. Isso aí de primeira vez é mito, tudo bobeira.

Pode até ser que depois na vida sexual o homem que transe apenas com as prostitutas fique um "psicótico de plantão" por não conhecer e por desprezar totalmente ouniverso afetivo. Tive um amigo assim. Isso faz mal, mas como "iniciação" acho saudável.

Já assistiu àquele filme do Louis Malle? Cara, esqueci o nome.. mas o francesinho transa com uma prostituta. Não sei se é o "Sopro no Coração", Souffle au coeur.

Gi disse...

corrigindo: "capaz de se excitar"!

Luma disse...

Casamento gay me lembra uma cena na série How I Met Your Mother (que é muito engraçada, por sinal). Um dos personagens é mulherengo e é totalmente contra qualquer tipo de casamento/relacionamento/etc. Ele tem um irmão gay que é do mesmo jeito que ele, mas ele descobre que esse irmão se apaixonou e vai casar. Ele diz que isso é o fim do mundo, porque todo mundo imita os gays. Eles começam a fazer alguma coisa e essa coisa vira moda. Se eles começarem a casar, todo mundo vai querer casar também. Ele diz "pense como a família americana vai ficar fortalecida".

Masegui disse...

Na enquete votei no 18/19 anos. Minha primeira vez foi com uma prostituta (meio forçado pelas circunstãncias) e foi péssimo, traumatizante. Acho que demorei uns 2 anos pra me recuperar.

Como todo pessoal da antiga, "deixei a vida me levar" e tudo voltou ao normal, naturalmente... antigamente não tinha essas coisas de psicólogos, tratamentos, etc... a gente superava os traumas meio que na marra...
Por isso que deixo de opinar em muitas coisas por aqui... acho que a gente aprende muito só com as experiências, vivendo as coisas...
aconselho meus filhos, dou umas dicas... mas a maioria das vezes deixo que eles aprendam no dia-a-dia... se apanharem da vida, melhor ainda, vão aprender pra valer...
A propósito, de quê que a gente tava falando, mesmo? :))

Daniel Olivetto disse...

o grande problema é que pra direita-burguesa-branca-anglo-saxônica adimitir um mundo em que o diferente é aceito significa se sentir exatamente o que se é: cafona e egoísta!

lindo post... os padrões de normalidade têm me irritado em todos os sentidos... afffff...

É o natal... a gente fica amargo!

beijos

lola aronovich disse...

Não tinha visto, Elisa, obrigada! Como é que pode? 87 anos?! E depois vem gente dizer que o feminismo não tem mais razão de ser... Não é impressionante? Quer dizer que nas nossas vidas e nas vidas das nossas filhas (e provavelmente netas) as mulheres vão continuar ganhando menos que os homens...


Luiz, é até difícil pra quem é hétero imaginar o sofrimento que deve ser a adolescência de quem é gay. Enquanto os hormônios de todo mundo estão no auge, o adolescente gay tem que esconder o que sente e esperar chegar à idade adulta (que deve ser até um tipo de libertação, né?). Mas que bom que vc conseguiu encontrar um ótimo parceiro. Sei que é muito difícil o relacionamento com a família, aliás, as famílias. Espero que um dia isso mude e os gays sejam bem recebidos. Obrigada pela dica de registrar em cartório uma união estável homoafetiva. Já há várias empresas e órgão governamentais no Brasil que aderiram à política de inclusão?

lola aronovich disse...

Fá, parabéns pelo lançamento da coletânea! Vc tá em todas, hein, moça?! Haja energia! Concordo com tudo que vc falou. E não entendo como pais que amam seus filhos tenham tanto preconceito pra aceitar que nem todos são héteros, e que dá pra ter uma vida ótima sendo homossexual. Aliás, ajudaria muito que a vida dos filhos fosse ótima se os pais os aceitassem como são (e aqui não digo apenas gay, mas gordo/a, cheio de tatuagens, numa outra profissão que não a que eles queriam etc etc).


Patricia, por que eu tinha a impressão que o seu nome era Paula? Gosto muito do seu blog, por isso passo lá. Que bom que saturno fez a gente se conhecer! Eu não entendo nada disso, mas adoro o filme Hair. “Aquarius” fala disso, né?

lola aronovich disse...

É verdade, Gi, nenhum método é totalmente seguro, nem contra a gravidez, nem contra as DST. Mas camisinha é o mais recomendável pra evitar doenças sexualmente transmissíveis. E agora temos a camisinha feminina, que eu nunca usei mas muita gente recomenda. Agora que estou num relacionamento monogâmico há quase duas décadas, eu não uso mais camisinha. Mas antes, quando “forçava” meus parceiros a usar, eu não achava ruim.
Gi, vc votou a favor do casamento gay na enquete porque vc, apesar de ser de direita politicamente, no campo dos costumes vc está mais pra liberal que pra conservadora. Isso acontece bastante, ainda mais entre os jovens (ainda bem!). Nos EUA, direita e conservadorismo em todas as outras áreas andam juntos. Aqui não, ou menos. Tem gente de direita em SP que vota no Kassab sem se importar que ele é gay. Nos EUA, isso seria muito mais difícil de ocorrer.
Sobre iniciação ao sexo, nunca ouvi falar de mulher transar pela primeira vez com prostituto. Vc já? Não acredito que isso exista, porque os parâmetros são totalmente diferentes: pro rapaz, é bom ele transar logo pra “se tornar homem” e adquirir experiência, que é o que se espera de um homem. Pra mulher, é bom ela esperar muito. Acho muito ruim que um rapaz se inicie sexualmente com uma prostituta. Pode ser traumático, ou pode simplesmente passar uma mensagem errada. Lembre-se que a gente não está falando de homens, mas de rapazes, meninos, muitos dos quais nunca viram uma mulher nua na sua frente. Também acho muito ruim pro menino encarar pornografia como educação sexual, e é justamente isso que acontece. Desde cedo, aprendem a associar sexo com comércio, mulheres com mercadorias.
“Sexo não tem nada a ver com amor”?! Acho essa uma declaração meio forte. Para um casal, sexo é uma das formas de intimidade. Não deveria ser a única, inclusive.
A primeira vez é ruim pra todo mundo. Mas é diferente ser ruim com alguém que vc conhece e com uma pessoa que está sendo paga pra estar contigo.

lola aronovich disse...

Luma, será que todo mundo imita os gays?! Acho que tem uma parte da população, mais liberal, que imita sim, em muitas coisas. Mas outra parte... Pelo menos nos EUA essa divisão é visível. Nunca vi “How I met your mother”, mas muita gente já falou bem da série.


Mario Sergio, obrigada pela sinceridade. Imagino que a maior parte dos homens da sua geração começou a vida sexual com prostitutas. Mas eu pensava, de forma ingênua, pelo jeito, que com o meu amigo (que deve ser apenas dez anos mais novo que vc) seria diferente. Eu custo a crer que hoje muitos meninos tenham sua primeira vez com prostitutas.
E nada disso! É melhor a gente não “apanhar da vida”. Tem coisas que a gente só precisa saber na teoria, não na prática.

lola aronovich disse...

Daniel, é verdade, tem um certo padrão que precisa do “outro” pra se definir, e até pra se aceitar como é. Mas tem que ser tão egoísta, tão mesquinho assim? Pô, se tem algo que não interfe EM NADA com a vida do padrão dominante é uma pessoa curtir sua sexualidade como bem entender. O padrão nem precisa ficar sabendo, se não quiser! Eu me irrito tb. Mas não fique amargo! Eu não tenho nada contra o natal. Pelo contrário, como muito bem!

Renata disse...

Pablito, acho que o você esclareceu é justamente o que muita gente confunde... Eu mesma já tive que explicar pra muita gente que pensava que nem a Lola (pq casar? É tão antiquado, ninguém mais quer isso, pq os gays querem?).
A questão não é sobre a instituição do casamento em si... é sobre direitos que deveriam ser estendido a todos os cidadãos, como manda a constituição... eu também quero ter o direito de comprar uma propriedade junto com a minha parceira, de visitá-la no hospital, de declarar imposto de renda como casal e de mais 30 outras coisas que perdemos porque não somos vistas como iguais perante a sociedade...

De uma vez por todas as pessoas deveriam entender que casamento gay é sobre política e não religião. Direitos Humanos e não credos. Leis, não dogmas.

PS: Eu e Ju estamos planejando assinar o "termo de união homoafetiva"...

Abraço,
Rê.
www.oraculodelesbos.blogspot.com

Leila disse...

Esse post veio diretamente de encontro com uma coisa que estava discutindo com meu namorado. Para encrtar a história por mais que eu acho que as pessoas são livres para escolherem do que gostam ou não, inclusive sexualmente, parece que tenho um pouco de preconceito por considerar que todo mundo gosta da mesma coisa que eu, ou seja, eu assumo q todo mundo é hetero depois eu descubro que não.
De qlqr maneira eu acho que o homem que esta proibido de casar c seu namorado, não vai deixar de ser gay, nao vai deixar de namorar um HOMEM, então pra que proibir? Eles estão pensando o q? "agora sim, vc vai pensar duas vezes antes de se apaixonar" meu deuuuuusss. Libera ae tio Sam!
Sobre isso leia sobre "Day without a gay"
Enquanto os EUA retrocessa o Brasil tenta avançar levando uma lei que se aprovada se um gay se sentir ofendido pode te levar a policia, sabe que nem existe para cor, genero, raça, opção religosa, etc...
para saber mais: http://www.naohomofobia.com.br/home/index.php

Sobre a outra parte do post, sim sexo é um coisa especial e dificilmente vc esquece com quem fez, qual foi sua primeira vez, tbm acho meio impossivel esquecer, pode ateh ser q vc esquece a ordem ou até algumas pessoas, mas a primeira, mesmo q foi horrivel, vc foi pessimo e ela nao tinha a minima do que estava fazendo.
Sobre esses pais que levam os filhos no puteiro isso existia na minha época tbm (tenho 21) e não acho que desapareceu.

Gi disse...

Claro que sexo é uma das melhores fontes de intimidade, mas eu particularmente acho que nessa hora não há muito espaço pra "cuti-cuti" afetivos.

Lola, não falei que mulheres transam com prostitutos; apenas quis dar dois exemplos. Vai que cai uma aqui de pára-quedas dizendo "ai, mulheres também são ultraliberais, blablabla". Foi só por uma simples questão de exemplificar com mulheres também, mas acho que fui clara dizendo que a maioria é homem. Isso é evidente.

Camisinha feminina é mais uma escravidão imposta pelas indústrias farmacêuticas compostas em sua maioria por homens que não desejam nunquinha que isso mude. Demoraria muitas gerações para oshomens tomarem pílulas anticoncepcionais todos os dias. Isso sim é machismo horrível. Já tomei pílula durante uns 5 anos pra nunca mais. E o motivo não é porque engorda, coisa e tal e sim porque diminui a libido ainda mais se estamos com o mesmo parceiro e não tem aquela coisa de "novidade". Ginecologistas fazem questão de não seguir a bula dessas drogas. E a dita é bem clara a esse respeito: "pode diminuir a libido". Mas quando se trata de vender eles não querem nem saber!

Sobre política: eu não sou uma jovem de 25. Acho que não tem nada a ver isso. Não me considero conservadora, considero-me totalmente realista e vivo a vida que se apresenta na minha frente. Não fico sonhando pra depois me ferrar.

Ana disse...

Quer ver uma coisa gozada?
Faz uma enquete aqui, perguntando quantos usam camisinha em relações ditas estáveis? E outra perguntando quantos fizeram teste HIV ou hepatites sexualmente trasmissíveis, além do HPV...vamos ver o resultado. A taxa de contaminação é BIZARRAMENTE alta no país, especialmente entre mulheres em relações ditas estáveis.:-/
Beijos

Ana disse...

Agora, sobre casar...cada um faz o que quer, cara! :-)

lola aronovich disse...

Exato, Rê. Eu ficava um tempão tentando entender por que diachos os gays iriam querer casar. Até que entendi que não sou eu que tenho que entender nada! Cada um faz o que quer. Se tem hétero que adora o ritual do casamento, por que não pode ter gay? Direitos iguais, é muito simples. Eu vejo algumas celebridades assumidamente gays dizendo ser contra o casamento, e acho um grande erro. Ser pessoalmente contra é uma coisa. Ser contra pra todo um grupo é bem diferente. Quem sou eu pra decidir pelos outros?
Que legal, Rê! Espero que vc e a Ju “tie the knot” do tal “termo de união homoafetiva”!


Leila, tem razão, quando a gente “assume” que todo mundo é hétero, está sendo preconceituoso. Ótimo que vc tenha se dado conta disso. É como a gente ouvir que tal pessoa é médica, e assumir que tem que ser homem. Tudo isso é preconceito.
É ridículo achar que, por discriminar os gays legalmente, a direita cristã fará os gays deixarem de ser gays! A direita insiste que é possível “heterossexualizar” um gay...
Sobre essa lei no Brasil, eu fico um pouco com o pé atrás. Não gosto de leis que restrinjam a liberdade de expressão.
Pô, essa prática de menino perder a virgindade com prostituta continua ainda?!

lola aronovich disse...

Gi, só acho que o seu exemplo de “mulher transar pela primeira vez com prostituto” não se aplica nesse caso. Eu não acho que exista! Ou, se existir, é 0,000001%. Irrelevante.
Concordo sobre os métodos anticoncepcionais. É impressionante o que existe de método pra mulher. E pra homem tem o quê, além de camisinha masculina (que eles relutam em usar o tempo todo)? Nada! É ridículo. Isso porque homem tem mais é que espalhar suas sementinhas por aí, enquanto mulher tem que ser de um homem só. E porque a maior parte dos cientistas é homem. Uma camisinha feminina é desperdício de latex. Por outro lado, é melhor usar. Eu e muitas outras nos recusamos a transar sem camisinha, mas tem muita mulher que faz de tudo pra agradar. Melhor usar camisinha feminina do que engravidar sem querer ou pegar Aids.


Ana, vou tentar fazer essa enquete mais pra frente. Mas, pela faixa etária das minhas leitoras, não devem ser muitas que estão numa relação estável. São muito jovens. Sim, é assustadora a contaminação de mulheres em relações ditas estáveis. Terrível isso!

Andrea Cristina disse...

Quanto à sua pesquisa sobre a idade da primeira vez, acho que esse trecho resume tudo: "educação sexual na escola é fundamental" e "os pais precisam falar com os filhos sobre sexo". Há poucas escolas que falam sobre o assunto fora meramente da parte biologica e continuam existindo SIM os pais que acham que a filha casou virgem. Vc nem imagina o escândalo que meu pai fez quando descobriu que eu não era mais virgem. Aquela cara de bravo eu não vou esquecer nunca. Hehehe

Gi disse...

Pois é, espalhar sementinhas é vero mesmo. Como é...

Lola, tem muita mulher que paga pra transar ou ´paga um prostituto pra no final só bater papo. E nem são as mais velhas apenas. As mais novas pagam até prostitutas mais na companhia dos maridos. Um "ménage", eu diria. ;-))

Gi disse...

Aliás, já tem "profiça" que entretem velhinhas solitárias. Até nisso homem leva vantagem: não precisa "fazer amor" com elas. ;-)

lola aronovich disse...

Andrea, é muita hipocrisia, né? Tenho uma amiga que morou com os pais até casar, com 30 anos. Ela e o noivo estavam juntos há um tempão. Mas os pais dela insistiram que ela se casasse de branco na igreja. Não podiam nem cogitar que uma moça de 30 anos, com o mesmo namorado havia cinco, pudesse não ser virgem... Impressionante como os pais gostam de se iludir.


Gi, não acho mesmo que tem muita mulher que paga prostituto. Inclusive, o que li é exatamente o contrário: que prostituto homem que depender só da clientela feminina morre de fome... Mas enfim, não é essa a questão. A questão é mulher perder a virgindade com prostituto! Sinceramente? Duvido que isso exista.

Gi disse...

Existir existe, mas deve ser raro. Eu nunca duvido que algo exista, Lola!;-)

No mais, eu não quis dizer em momento algum que isso (mulher perder virgindade com prostituto ou prostituta, porque virgindade não se resume apenas a ter hímen) seja comum entre mulheres, apenas não quis me limitar no meu primeiro comentário que, de antemão foi que gerou a nossas conversa. O mundo é vasto, especialmente em matéria de comportamento sexual.

franco disse...

E não entendo como pais que amam seus filhos tenham tanto preconceito pra aceitar que nem todos são héteros, e que dá pra ter uma vida ótima sendo homossexual.sildenafil citrate

breno disse...

Respostas de Deus para perguntas, leiam romanos 1: 16a32.

16. Com efeito, não me envergonho do Evangelho, pois ele é uma força vinda de Deus para a salvação de todo o que crê, ao judeu em primeiro lugar e depois ao grego.
17. Porque nele se revela a justiça de Deus, que se obtém pela fé e conduz à fé, como está escrito: O justo viverá pela fé (Hab 2,4).
18. A ira de Deus se manifesta do alto do céu contra toda a impiedade e perversidade dos homens, que pela injustiça aprisionam a verdade.
19. Porquanto o que se pode conhecer de Deus eles o lêem em si mesmos, pois Deus lho revelou com evidência.
20. Desde a criação do mundo, as perfeições invisíveis de Deus, o seu sempiterno poder e divindade, se tornam visíveis à inteligência, por suas obras; de modo que não se podem escusar.
21. Porque, conhecendo a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças. Pelo contrário, extraviaram-se em seus vãos pensamentos, e se lhes obscureceu o coração insensato.
22. Pretendendo-se sábios, tornaram-se estultos.
23. Mudaram a majestade de Deus incorruptível em representações e figuras de homem corruptível, de aves, quadrúpedes e répteis.
24. Por isso, Deus os entregou aos desejos dos seus corações, à imundície, de modo que desonraram entre si os próprios corpos.
25. Trocaram a verdade de Deus pela mentira, e adoraram e serviram à criatura em vez do Criador, que é bendito pelos séculos. Amém!
26. Por isso, Deus os entregou a paixões vergonhosas: as suas mulheres mudaram as relações naturais em relações contra a natureza.
27. Do mesmo modo também os homens, deixando o uso natural da mulher, arderam em desejos uns para com os outros, cometendo homens com homens a torpeza, e recebendo em seus corpos a paga devida ao seu desvario.
28. Como não se preocupassem em adquirir o conhecimento de Deus, Deus entregou-os aos sentimentos depravados, e daí o seu procedimento indigno.
29. São repletos de toda espécie de malícia, perversidade, cobiça, maldade; cheios de inveja, homicídio, contenda, engano, malignidade.
30. São difamadores, caluniadores, inimigos de Deus, insolentes, soberbos, altivos, inventores de maldades, rebeldes contra os pais.
31. São insensatos, desleais, sem coração, sem misericórdia.
32. Apesar de conhecerem o justo decreto de Deus que considera dignos de morte aqueles que fazem tais coisas, não somente as praticam, como também aplaudem os que as cometem.