quinta-feira, 12 de novembro de 2015

GUEST POST: ME PERDOE POR EU TER TE ODIADO

Recebi este relato da Mikaela.

Olá, Lola. Faz uns 2 ou 3 anos que leio seu blog e no começo cada texto novo era como levar uma tijolada na cara. Mas foi bom e hoje em dia até gosto quando isso acontece.
Quero ser bem direta então não vou falar muito sobre mim, só o bastante pra contextualizar.
Desde uns 3 ou 4 anos sei que sou bissexual e desde sempre a estética alternativa/ underground/ gótica me atraía e norteava a formação da minha identidade. 
Com 8 anos descobri rock n'roll e minha banda preferida foi Nirvana. Desde então o meio rock e metal se tornou o meu quintal. Fui crescendo ampliando meu leque de gostos e anexando "terrenos" a esse meu quintal (e estamos falando de nichos conhecidos por seus participantes misóginos, reaças, racistas e homofóbicos). Inclua aí HQs, games, RPGs, animes e mangás. Me sentia o suprassumo da exclusão e fingia não ligar pra isso. E minha válvula de escape era destilar ódio para todos os lados, especialmente contra mulheres. 
Até que no segundo ano do ensino médio chegou uma garota nova na escola. Era a época que o tal "rock colorido" estava na moda e eu, como metaleira fucking tr00 from hell defensora da moral e bons costumes, não tolerava esse tipo de coisa. E essa menina adotava esse estilo. Mas ela também curtia coisas alternativas "não coloridas" como screamo (que eu também desprezava). Ela dizia gostar de games, animes e ser bissexual.
E isso me incomodava, porque quem ela pensava que era pra chegar invadindo e usurpando meu quintal desse jeito? E o pior de tudo -- ela seria apenas uma attwhore que quando exaurisse todos esses nichos iria abandoná-los e ir atrás de outros para conseguir continuar saciando sua sede de atenção e deixando pra mim o fardo de devolver algum valor para aquilo que ela deturpou. Mas de início deixei rolar porque achei que com o tempo ela perceberia que isso é dar um tiro no pé, já que eu já me identificava há tempos com aqueles meios e isso nunca me fez popular, só me trouxe exclusão.
Mas não. Ela acabou ficando popular e querida por todos. 
Então começaram a me associar a ela. Perguntar se eu gostava de "rock" (não se referiam a power ou heavy metal e sim a Restart), falavam de como anime era maneiro e que a T. curtia animes sendo que eu tinha 3 anos de animes acumulados no hd do note e sempre que eu tentei apresentar pros meus colegas eles diziam que era ridículo. Que a T. ficava com meninas e isso era maneiro. 
Quando vcs falam em cookie
de macho eu penso nisso
Ok! Agora ela tinha ido longe demais! Eu estava apaixonada pela minha colega de classe e não podia contar isso pra ninguém e ela chega usando A MINHA sexualidade para se posicionar como a carne mais suculenta do mercado, sendo que eu não podia sequer contar pra minha mãe que estava perdida de amores pela minha colega (e também pelo meu namorado), e ela usando um assunto sério e que me angustiava para ganhar cookie de macho?! 
Eu declarei guerra. Passei a atacar ela de todas as maneiras possíveis. Bullying, cyber bullying, stalking, difamação. Tudo! Mas o pior é que todos os ataques que eu fazia estavam diretamente atrelados à sexualidade dela e à maneira como ela a expressava. E eu me achava com toda razão de fazer isso. Afinal eu era "pura" *cof cof*, só tinha tido o meu namorado, quase uma virgem, mulher pra casar. 
E o que mais me perturbava era a liberdade que ela tinha. Para se expressar, para ser criativa, para ser sexualmente livre. E a coragem, sem ligar para a opinião alheia, com que ela o fazia. E isso porque a mãe dela apoiava e incentivava. E eu morria de inveja disso. 
E ela, essa menina, era o espelho do que eu era, do que eu sou, e tentava afogar. Nela canalizei todo o ódio que sentia por ser tão covarde e não me mostrar pro mundo como eu era. Eu transbordava do veneno que me deram para matar quem eu era. E funcionou. Eu não ia permitir que ela também não fosse envenenada como eu fui, que não morresse como eu morri e que não sofresse como eu sofria. Eu fiz daquele ano ser o inferno da vida dela. 
E como me arrependo.
Depois que comecei a ler sobre feminismo analisei muito essa situação pelo espectro feminista. E hoje remoo como fui cruel, burra e misógina. Choro muito ao lembrar tudo que fiz. Choro por que deixei passar a chance de cultivar uma gostosa amizade, de sair da minha exclusão social e minimizar minha depressão.
Se eu conseguir fazer com que esse texto chegue a ela, quero deixar um recado:
T. sinto muito por tudo que fiz. Entendo se não quiser ter nenhum contato comigo, afinal não mereço depois de tudo. 
Não foi certo e foi muito cruel canalizar todo o ódio que eu nutria por mim, pela minha família e pelas pessoas em ti. Deixei todo o veneno que eu tinha acumulado em mim escorrer sobre ti e hoje em dia cogitar que posso ter te corroído com ele me dói.
Vi que tu optou seguir carreira como programadora no mundo dos games e queria dizer que te admiro muito por isso, pois precisamos de mais garotas nos games. Tanto jogando quanto produzindo, e tu está fazendo isso, tu tá agindo pra atenuar o sexismo, a falta de representatividade e misoginia no meio gamer.
Esteja preparada, pois tu vai encontrar muitos igual a mim e piores do que eu fui nesse meio.
Mas não deixe eles te assustarem (como eu acho e espero não ter deixado que eu te assustasse), pois a dinâmica aqui é a mesma que com aranhas: eles têm mais medo de ti, do que tu tem medo deles.
Beijos, por favor me perdoe e espero que esteja feliz.

UPDATE: E hoje mesmo a Teti leu e respondeu! Fico tão feliz com essas coisas! Espero que daqui pra frente Mika e Teti possam ser amigas!

278 comentários:

1 – 200 de 278   Recentes›   Mais recentes»
Anônimo disse...

Adorei o Post!

O Blog da Lola vale mais do que muitos anos de terapia. Mas o melhor de tudo que é de graça. rsrsrs

Espero que a T. esteja lendo o texto!

Anônimo disse...

Olha esse post foi um dos melhores que vi pelo fato de que a pessoa admite que admirava seu objeto de ódio, reconhecendo seu erro. Os maiores odiadores que conheço são assim, na verdade eles possuem uma fixação quase sexual pelo seu objeto de ódio.
Já vi um caso nos tempos de nível médio de uma menina muitíssimo bonita, tipo megan fox quando nova, que era odiada por meninas acima do peso, odiada por meninos que tinham vida vida amorosa e por incrivel que pareça odiada até pela Coordenação da escola, sendo que a menina apesar de tudo não era metida e muito na dela pelo fato dela mesmo saber da raiva que muitos sentiam por ela.
Na universidade já muitas rads e extrema esquerdistas sentirem ódio por moças bonitas, sendo que uma vez em uma festa uma dessas tentou "ficar" com uma menina, foi rejeitada e passou a fazer a mesma coisa que a menina do relato.
Já vi evangélicos odiarem pessoas de graça, já vi evangélicos serem alvo de ódio gratuito, realmente isso é uma questão psicológica

Anônimo disse...

corrigindo, meninos que NÃO TINHAM VIDA AMOROSA
AS 12:16

Vicky_ disse...

Já passei por algo semelhante, eu era a "garota diferente from hell" e a outra era "uma vadia que queria atenção", graças a deusa nunca falei algo pra ela, mantive comigo até ler sobre feminismo e evitei arrependimentos piores.

Já cheguei a me fazer de santa me achando alguma coisa por isso, era muito tosco.

Mas sério, AMO o visual Grunge, Gótico casual(um visual gótico meio grunge) e semelhantes, mas nunca usei, minha família é tradicional. Mas quando sair de casa e estiver numa situação estável, só usarei esses tipos de roupa. rsrsrs

Eu sou Poli-afetiva, então também me apaixono por mulheres, já estive em dúvida se era bi, mas depois me toquei que era algo romântico, e que nunca havia sentido atração sexual por mulheres. Adolescência é dessas coisas mesmo.

Vicky_ disse...

Lola, por favor, apaga dessa vez esses comentários de macho se passando por mulher gostosona ou achando que sabe alguma coisa de mulher.

Ma disse...

Mikaela, que relato corajoso. Olha, independente do que a T. achar, estiver pronta para fazer, ou sentir (pedir perdão é importante, mas não garante que ninguém seja perdoado), esse texto vale para você.

Também já estive numa relação de ódio com outra mulher. Me apaixonei por um manipulador na faculdade, nutri por ele uma tremenda paixão platônica por meses, achava que ele sabia e tal, mas nunca rolava nada (eu era muito tímida para dizer alguma coisa). Uns dois anos depois, ele se envolveu com a minha companheira de república. Cheguei a dizer que tudo estava certo, dei carta branca para ela (como se precisasse) entrar na relação com ele, mas quando os vi juntos... Aff, a competição feminina (aquela que você acha que só acontece com as outras reprodutoras do machismo) e a dor de cotovelo me transformaram num ser mesquinho, emotivo e completamente manipulador. Não foi bonito, levei alguns meses para compreender a burrada que eu tinha feito, briguei com uma amiga que eu considerava irmã por conta de um homem. Mas que merda!

Pedi desculpas, ela levou um tempo para perdoar, mas incrível como o tempo torna o perdão um bom caminho. Resultado: Nós duas ainda somos amigas hoje, conseguimos superar esse triste episódio e a vida seguiu. Dê espaço para a T., cuide de você, liberte-se e vá ser você sem medo. Todo mundo erra na vida, ainda mais quando se trata de sentimentos. Maturidade é aprender a aceitar a si mesma e assim exercer tolerância e empatia com os demais.
Um abraço e dois beijos carinhosos.

Anônimo disse...

o que eu vejo é a história de uma pessoa invejosa, querendo agora ser vítima da história, quando na verdade ela é uma stalker destruidora de vidas.

Carol disse...

Pena que não dá para postar uma salva de palmas... Fiquei sem fôlego e aprendi muito... Lola, me sinto tão velha aqui... Tenho lido textos incríveis de jovens que se tornarão (ou já se tornaram, sei lá) grandes pessoas. Que legado você está deixando... Sinto muito por não ter sido possível o meu despertar para o feminismo mais cedo. Teria evitado tantas coisas em minha vida. Seguirei aqui, aprendendo e aprendendo.

Anônimo disse...

Tb passei por algo semelhante. Me achava a diferente, a "brother" dos meninos, por gostar de rock e de anime, me sentia especial, uma menina melhor que as demais quais me ensinaram a chamar de puta e coisas do tipo. Cheguei até cometer bullying umas vezes contra meninas que me falaram que eu deveria odiar por serem as preferidas dos garotos.
Tudo isso pq essas meninas por estarem dentro do padrão de beleza(magras, brancas,altas, loiras e etc), eram as objetos de desejo dos meninos. Isso me machucava pq era excluída, taxada de feia por não ser alta e nem branca. Mas nunca achei que elas tivessem culpa, porém as demais garotas incluindo amigas, tb rejeitas, passaram a enxergá-las como rivais e me falaram que eu deveria odiar.
Porém ao mesmo tempo eu era invejada e considerada uma rival em potencial por outras ao ponto de ficar com o braço roxo pq uma menina que não ia com a minha cara me jogou no chão, de sofrer bullying, machismo e racismo. Mas não entendia essa ódio, nunca fiz nada.
Só depois de mts anos com o amadurecimento e o feminismo é que fui entender toda essa merda toda.
E isso até hoje ainda me acontece qd demostro ser a favor da liberdade sexual da mulher, de que a mulher pode e deve transar com quem quiser qd quiser e tal. Sempre aparece alguma mulher machista me xingando um monte. Se conto algum caso em que algum machista tenha agido de forma escrota comigo então...os xingamentos pioram. Ficam dizendo que pedi por defender essa ideia de liberdade sexual, ou seja, por ser puta, por não me dar o respeito. O pior disso tudo é que são mulheres já adultas, algumas bem mais velhas que eu.
Achava que esse tipo de atitude era coisa de criança e adolescente, mas percebi que mts adultas ainda defendem essa ideia infeliz de disputa feminina ainda mais se a mulher mostra não ser "direita", "pura", "casta" ou sabe-se lá o que essas coisas significam.
Ainda temos mt que avançar.

Anônimo disse...

Nao existe pessoa bissexual... existe pessoa que nao quer assumir sua homossexualidade porque quer pagar de 'moderninhx'.

Anônimo disse...

Essa mulheres vivem por se dizer bis, coitadas das lésbicas muitas são usadas pela bis essa é a verdade.

Anônimo disse...

13:19
Esse relato demonstra bem a inveja que pessoas bonitas sofrem, principalmente mulheres, pelo menos vc admitiu seu erro, fico imaginando quantas que criticam as mulheres que cuidam de sua beleza, que fazem depilação, mas no fundo sentem admiração, até mesmo sexual, por essas mulheres.
Um questionamento para algumas lésbicas militantes, vcs criticam as mulheres que despertam atração em vcs? como a pessoa do relato

Anônimo disse...

Eu nunca me senti inferior perto das meninas mais bonitas da escola, mas todas eram sempre brancas de cabelos claros, patricinhas mesmo, e tinha umas que pagavam de patty mas eram pobres.

Anônimo disse...

Meu deus, 13:31, CHEGA dessa conversinha. Faz 3 posts que você faz a mesma pergunta imbecil. Nenhuma lésbica tem que te dar satisfações sobre a preferência sexual dela. Já deu.

Anônimo disse...

Esse relato demonstra bem a inveja que pessoas bonitas sofrem

Não só mulheres, Já vi um rapaz ser odiado e perseguido por um grupo de meninas pq não quis ficar com uma menina

Anônimo disse...


Eu também , conheço uma penca de mulher que insiste em ser loira, umas que nem combinam com essa cor de cabelo mas querem pq querem ser loiras. Teve uma colega minha que quando mudou pra morena disse que o cabeleireiro falou que ela ia se arrepender de ter mudado de loira pra morena que loira era isso era aquilo! resultado ela voltou a ser loira.

Anônimo disse...

A diferença entre a garota do guest post e a que ela invejava é só uma: a auto-estima! A T. se gostava, se aceitava e recebia de volta tudo q emanava. O mesmo acontecia com a Mikaela, emanava rancor, baixa estima e por isso era rejeitada e não encontrava apoio de ninguem. Se a pessoa acredita que é um lixo ela realmente é tratada como um lixo. Interessante como o cyberbullying "democratizou" o bullying, até os mais frageis e desajustados podem praticar.... Pessoas como a T., que tem a sua luz propria atraem muita inveja de pessoas como a Mikaela e estão acostumadas com isso. Ela provavelmente nem deve lembrar de vc e se lembrar deve ter pena, então não sei se o pedido de perdão representa alguma coisa.

Anônimo disse...

Eu já estudei em várias escolas e nelas tinha até menino negro popular mas menina era sempre loira.

Anônimo disse...

Eu lembro dssa onda de emo na época, e as meninas vivam pagavam de bi.

Anônimo disse...

86% das mulheres no Brasil já sofreram algum tipo de abuso, sendo 98% dos casos cometidos por homens. Se você ainda não entendeu: a maioria das mulheres no país já sofreram ou vão sofrer algum abuso ao longo da vida e, se praticamente todos são cometidos por homens, significa que praticamente todos os homens podem ser considerados agentes agressores de mulheres. A minoria dos homens não agridem mulheres ao longo da vida. Agressão sexual vai desde a "encoxada" ao puxão de braço na balada pra roubar beijo, ao assobio na rua, até um estupro de fato.

Camila Bezerra disse...

13:28,

Seu c* que não existe bissexual. Aceita que dói menos.

13:42,

O cabelo da pessoa pertence a ela, pra cortar e pintar como quiser, não cabe a você julgar se combina ou não. Recolha-se na sua insignificância diante da sua total falta de poder nesse assunto.

________

Eu achei esse relato digno, a pessoa cresceu, evoluiu, se desconstruiu e teve a coragem de mudar, coisa que é muito difícil de conseguir quando se vive de ódio interior. Também fui (há muito tempo, hehe) uma adolescente raivosa e sofrida, sem poder me assumir, sem voz social (a única diferença é que eu tentava apenas afastar as pessoas, não machucá-las), mas cresci, melhorei, aprendi. Se uns podem, por que não os outros?

Anônimo disse...

#meaculpa é na delegacia

Anônimo disse...

13:42
ah vai te catar vc ignorou todo o contexto em torno da mulher loira, pegou o bonde andando e quis comentar pra bancar a cool, ce tá por fora!

Rafael Cherem disse...

Jack

Os mesmos que lucram com a mulher participando do mercado de trabalho,o departamento de marketing se adapta e muda o discurso da empresa de acordo com o pensamento vigente, eles se adaptam.

Anônimo disse...

Uma vez li que os homens sentem mais atração por mulheres loiras porque essa cor de cabelo dá impressão de finos fios e que remete à infância e inocência. A depilação total também tinha a ver com esses estímulos à infantilização de mulheres adultas.
Já as mulheres ruivas, na Idade Média, eram consideradas como seres demoníacos. Tempos depois, o cabelo ruivo voltou a ser status de beleza. Apenas um exemplo de como o que o povo assume que é belo tempos depois é feio, depois é belo novamente e por aí vai.

Anônimo disse...

Jegue Babadore tem um estranho fetiche... Gosta de ir em páginas feministas (único lugar do mundo onde tem atenção de mulher, afinal ódio é menos pior que desprezo) faz postagens que ninguém lê, porque, né, não somos obrigadas, e se masturba lubrificado pelas próprias lágrimas pensando como o mundo é cruel para um "homem de bem" (a gente sabe o que se encontra por trás dessa expressão). Seu único consolo (uia) são as lágrimas, afinal macho bem macho não pode comprar KY...

CONCLAMO A TODAS AS IRMÃS, ACABEM COM O FETICHE SEXUAL DO JEGUE... DESPREZO, SOMENTE DESPREZO...

Anônimo disse...

Fico de cara com essa galera que diz ser de direita "fora comunismo e Foro de S. Paulo" mas não conhece nem um pouco sobre os objetivos do capitalismo, como funciona, sobre o liberalismo, a produção industrial, lei de oferta e demanda, estruturas de poder.

Os Turistas Lunáticos disse...

"metaleira fucking tr00 from hell defensora da moral e bons costumes" - parei de ler aí. Uma coisa exclui a outra, rs.

O apelo do Metal é a rejeição de todas as normas sociais. O movimento ostenta o sujo, prosaico, baixo, vulgar ou grosseiro.
Faz apanágio da obscenidade e da depravação. Exige a liberação das drogas. Defende taras e perversões. É a política do erotismo, da bagunça, propugnador da ação sem qualquer sentido. Apostolado da irracionalidade e do desespero. Rebelde contra qualquer lei.

Mas o Metal é o único movimento que conseguiu exaltar o fracasso da Arte Moderna: tornou admirável o feio, o nojento, o monstro e o imoral. Ou seja, essa menina não era nenhuma "metaleira fucking tr00 from hell", nem de longe.

Anônimo disse...

Os Turistas Lunáticos

Não se engane, o que mais tem é headbanger coxinha.

Anônimo disse...

O cabelo da pessoa pertence a ela, pra cortar e pintar como quiser, não cabe a você julgar se combina ou não. Recolha-se na sua insignificância diante da sua total falta de poder nesse assunto.

Quem n entende é vc, tem coisa que n combina mesmo, cadê o absurdo nisso para ficar com raivinha?
Ex: Tem muita mulher negra q quer ficar loira e usam um tom de loiro que fica ridículo, tipo amarelo ovo ou aqueles quase branco, tb já vi homem com essa cor, tem que encontrar o tom certo.

Anônimo disse...

Esse post mostra bem uma pessoa invejosa e o mal que ela pode causar

Odara disse...

Tom certo? Certo pra quem?
Se a pessoa se sentir bem com o cabelo verde abacate não vejo problema nenhum!
Que onda essa de ficar ditando regra em cima da aparência dos outros!

Anônimo disse...

Pessoas carismáticas, bonitas e de sucesso são muito invejada, sendo alguns invejosos com sentimento de admiração e fixação, as vezes sexual.
Foi assim que Cassius tramou a morte de Júlio César, Chapman a de Lennon, assim que garotas bonitas são perseguidas por feias ou gordas, etc.

Anônimo disse...

Aff gente vamos parar com esse discurso que pode fazer tudo, tem certas cores de cabelo que não combina com a pele da pessoa e ponto final, tem que parar de achar que tudo é opressão.

Anônimo disse...

mulher persegue mulher por causa da beleza por sentir-se como objeto, tem meninas que batem em outras só por elas serem bonitas, eu nunca vi um homem bater no outro por ele ser bonito.

Anônimo disse...

Mas não é discurso. .. pode fazer tudo mesmo! Se combina ou não a pessoa é que decide!

Mikaela T. disse...

Olá. Fico mutio feliz por ver que minha contribuição foi publicada aqui. Espero que outras meninas que estejam (ou se você conhece alguma) passando pela mesma coisa possa ler isso e talvez entender melhor o que está se passando nesse período tão complicado que é a adolescência. Esse período da minha vida tem outros acontecimentos que influenciavam meu psicológico e alimentavam minha revolta, mas por enquanto prefiro guarda - los (quem sabe em uma outra contribuição).
Gostei de ver que algumas meninas do anime e do rock and roll e metal se identificaram com o texto e que varias outras que não são desses meios, mas também passaram ou passam por coisas semelhantes e contribuiram para enroquecer o post.
Pra finalizar obrigada a todas e todos que comentaram, obrigada Lola por publicar e sigam em frente, pois a vida pode ter amarguras e momentos que parecerão eternos crepúsculos, mas creia "it's always darkest before the dawn."
Beijos,não desistam.

Anônimo disse...

O loiro sempre foi visto como mais bonito, vamos parar com hipocrisia de quem pinta o cabelo é quem quer, a gente sabe que muitas mulheres querem ser loiras a qualquer custo só pra se sentirem mais valorizadas.

Anônimo disse...

Se combina ou não a pessoa é que decide!

Não é a pessoa que decide AS VEZES é o biotipo dela, sabia que tem maquiagem pra diferentes tons de pele, ou vc vai colocar uma base que não é do seu tom só pq voc quer? se não combina com o tom não vai adiantar, liberdade pra fazer o quer é uma coisa bom senso é outra.

Vicky_ disse...

Alguns pontos a serem reforçados:
1) Parem de falar asneiras racistas, sou parda e se quiser pinto o meu cabelo de azul/loiro/arco íris, caralho! Se querem continuar expondo o preconceito com outras peles, cadastrem-se em sites neonazi, ah... lembrei, mascus só vivem no anonimato. XD
2) Mimimi, "quero mulher com zero pelos, mais perfume que humana e sem gramas de gordura na barriga", ideia: suicídio é uma boa, eu não pago internet pra ficar lendo merda. Bando de pedófilo encubado.

Anônimo disse...

Pois é, qual é diferença da mulher que quer ser valorizada por ser loira e o homem que quer ser valorizado por ter um carro legal? Gente babaca e superficial tem de todos os tipos, homens, mulheres, etc, etc... a diferença é que a mulher agora ao invés de lidar com isso, culpa o "patriarcado" e continua sendo babaca e superficial...

Anônimo disse...

@Vicky_ que te elegeu como a pessoa que decide que tipo de depilação deve ser mais atraente?

Anônimo disse...

É foda, mulher está sempre querendo se meter na ppk das outras...

Anônimo disse...

Alguém já ouviu falar da síndrome de cirilo? seria interessante a lola falar sobre isso aqui.

Anônimo disse...

18:20
lógico né a mulher objeto não tem nada de patriarcal!

Anônimo disse...

@18:27, claro, claro, a igualdade entre os sexos só vale para as coisas boas né? Tipo não existe homem objeto né? Homens não são vistos como simples provedores de dinheiro por *algumas* mulheres né?

Da maneira que vocês falam, eu não sei quanto vocês levam à sério essa ideia de igualdade...

Anônimo disse...

Apenas uma observação, eu sou homem branco heteros e já apanhei sim de outros homens por ser bonito apenas, então parem de achar que só as mulheres são educadas parar serem rivais.

Anônimo disse...

Síndrome de cirilo aqui tbm

Bela, formosa, inteligente, “benção de Deus”, porém, rejeitada. Essa é a frase de milhares de mulheres negras que vivem dentro das igrejas evangélicas. São belas e formosas, inteligentes, uma benção para vida dos irmãos – mas não servem para casar.
Falar sobre a mulher negra é sempre momento de reflexão e sobre a mulher negra evangélica não é diferente por esta sofrer tripla discriminação: ser mulher, negra e evangélica, enfim uma mulher negra que sofre, não menos que as demais.
Não é novidade que a mulher negra é, em sua maioria, rejeitada pelo homem negro e explorada em diversos aspectos pelo homem branco. Dentro da igreja evangélica isso não é diferente. Historicamente, a figura da mulher negra foi criada por trás do estereótipo de beleza e sensualidade: uma imagem totalmente sexualizada. Essa dualidade marcou sociedades inteiras por causa da escravidão, marcando também, o homem negro que tornou-se machista, aprendendo com o mundo ocidental tal prática.
É bastante comum encontrar irmãs, em média, com 30/40 anos solteiras dentro das igrejas, simplesmente porque nenhum irmão a desejou para casar-se com ela. As mulheres negras na igreja, muitas vezes, são consideradas feias. Em contra partida é bastante comum, também, encontrar irmãs brancas casadas com negros e brancos da igreja (essas brancas casadas com negros são, em maioria, pobres e, ou com pouca instrução), enquanto as negras servem para profetizar, para limpar, para orar e não para ter uma família como as demais mulheres: a dita vida “abençoada por Deus”.
Muitas das mulheres negras casadas foram ou são violentadas, física ou moralmente por seus maridos machistas. Outras solteiras foram exploradas sexualmente, enganadas com falsa promessa de casamento.

Natasha disse...

A mulher passa um ano humilhando outra e ainda é a vitima na historia pq sofria???? E dá um misero "desculpa" ae e está bom... Nem se dignou a falar isso para a sua vitima, tá esperando que ela leia isso aqui.
Como vitima de bullying, desejo a quem pratica ou praticou isso que vá a merda.

Anônimo disse...

E quem disse que homem não sofre com machismo??? desconstruir você quer? não né eu estou fazendo minha parte

Anônimo disse...

@18:32, puta comentário racista!!! Quem disse que você pode pegar uma quantidade tão grande e diversas de indivíduos (mulheres negras) e colocar todas na sua caixinha?! Quem é você para roubar a voz delas?!?! Mesmo se você for uma, isso não te da o direito de falar por todas...

Anônimo disse...

@18:36 quando você chama o velho e bom sexismo, a imposição *injusta* dos papeis de gênero de machismo, você está sendo sexista... o sexismo e a tendência a impor os papeis de gênero no outro estão presentes em ambos os sexos, o resto é resultado da sua ideologia...

Ideologia, assim como qualquer conjunto (muitas vezes dogmático) de ideias é algo que se acredita e não necessariamente descreve a realidade. Não existe grande diferença entre um religioso que acredita que deus quer que ele faça alguma coisa e um ideólogo que acha que sua ideologia é a correta...

Anônimo disse...

18:37
quem é mascu pra falar de racismo kkk
só veio aqui atacar né, deixa as irmãns contribuírem , alías vc o que veio fazer aqui? encher o saco e falar que odiamos homens saí da bolha!!!

Anônimo disse...

@18:41, mais racismo... "as negras" para você elas são uma massa amorfa que são todas iguais né? Você não percebe que isso é exatamente o velho e bom racismo, você roubando a individualidade delas...

Anônimo disse...

@18:43 seus argumentos são perturbadoramente impressionantes...

Anônimo disse...

Sempre tem um querendo polemizar, querendo chamar atenção. MAS Não vai desvirtuar o post com suas acusações infundadas

Anônimo disse...

@18:45 brilhante!!! Aplausos!!!

Anônimo disse...

@18:48, vamos soletrar para você amigão: o ser humano (você no caso, sim você é um) tem uma tendência a generalizar suas experiências. Isso é útil do ponto de vista animal, mas é totalmente imbecil do ponte de vista humano... Você viu algumas pessoas negras que casam com o estereótipo que você espera delas, por isso você generaliza: "boa parte das negras famosas e celebridades". Você fez a conta, você tem um estudo que mostre isso? Ou é só sua cabeça? E os motivos, você sabe porque? Ou você está usando suas ideias e sua vivências para deduzi-los?

Não tem um que não seja racista aqui heim?


Anônimo disse...

@Porro, é tão fácil se fazer de vítima do mundo né? Parabéns você está fazendo exatamente o que você tenta "criticar"... é uma baita luta das vítimas, quem será a maior vítima?!?! Que disputa heim?!

Anônimo disse...

Apenas uma observação, eu sou homem branco heteros e já apanhei sim de outros homens por ser bonito apenas, então parem de achar que só as mulheres são educadas parar serem rivais.

Anônimo disse...

18:52:
Castração química e mental pra você, infeliz.

Anônimo disse...

Porro querido,


Vc parece que tentou fazer um texto com estilo, fazendo umas gradações de palavras e ideias.


Mas ficou uma BOSTA.


Além de misógino, sem talento.


Fernanda

Mikaela T. disse...

Boa noite Natasha. Agradeço ter comentado e enriquecido a discussão.
Sim, eu já falei com a T. cerca de uma ano atras. Na época ela disse que já havia me perdoado e que nunca teve raiva ou coisa do tipo, mas que não estava certa se por tras desse pedido de desculpa eu não estava armando alguma trollagem. Percebi que logo depois ela desativou o perfil do face e deixou ativa apenas uma page. Essa atitude me fez pensar em como demonstrar que o que eu dizia era verdadeiro e devolver pra ela a segurança. Claro que na época não escrevi algo tão detalhado e sentimental (sou reservada, tímida e introspectiva) e acho que soou muito seco e falso.
Então resolvi escrever pra cá.
Resolvi me despir e me deixar vulnerável (e expor meus sentimentos é como cruzar fogo) e talvez contribuir com alguma guria que esteja nesse tipo de situação em ambos os lados.
Mais uma vez obrigada por somar. ^^

Anônimo disse...

nossa quanto mascu vindo aqui falar merda!!! se toquem idiotas agente já percebeu esse esquema faz tempo.
FICO MUITO FELIZ QUANDO VEJO UMA MULHER PERCEBENDO QUE ESSE "ÓDIO" QUE BOTARAM NA CABEÇA DELA PODE SER DESCONSTRUÍDO. PARABÉNS MENINA

Vicky_ disse...

Lógica mascu:

Mulher branca e magra com cabelos coloridos = "Sexy" "Rockeira, queria que minha namorada fosse assim" "Depravada, mas bonita"

Mulher negra com cabelos coloridos = "Horrorosa, essas mestiças não tem nenhuma noção das coisas, meu deus?" "Não quero ser racista, MAS as pessoas tem que entender que loiro/Platinado/whatever não é pra todo mundo, DEVIA alisar e só! #Conselho" "Ai, crespo já chama muita atenção, ainda pinta de roxo? Tá querendo participar de escola de samba?"

Sei por que algumas imagens de mulheres de afro e coloridos rodam pela Internet, maior parte das pessoas fica de boas, mas sempre tem aquele joio racista tentando semear ódio. Mesma coisa coisa com negra/o gótica.

Eu, por exemplo, acho perucas/cabelos cores fantasia (azul/rosa/cinza) lindas, mas o que já não ouvi de homem me dizendo que não é coisa de mulher de respeito ou que "eu não tenho o tom certo de pele". Aff

Anônimo disse...

Videogame depois de adulto é dose né

Rê Bordosa disse...

Rindo litros com a trolagem da Lola ao termo "biscoito de macho", que algumas "feministas" gostam de usar pra julgar e tentar denegrir outras mulheres que pensam diferente.

To pensando seriamente em lançar uma marca de biscoito chamada "DE MACHO"... Daí todas as vezes que alguém disser aqui na caixa de comentários "fulana só faz tal coisa pra ganhar biscoito de macho" eu aproveito a deixa e anuncio o meu produto "biscoito DE MACHOOOO. Sabor baunilha, chocolate e morango! Gostoso e nutritivo, comprem"... Daí quando a venda para as mulheres estiver em baixa eu ofereço aos máscus com uma propaganda diferente "biscoito de macho! Feito por machos e para machos! Se você não comprar não é machoooooo"

Vou ficar rica! Ricaaaaaaaaa!

Anônimo disse...

Rê Bordosa,

Olha, vc fala muita coisa certa em alguns momentos. Mas infelizmente vc gosta de biscoito de macho em outros momentos sim. Um exemplo? Vc ataca as rads sempre que pode e isso é o tipo de coisa que rende biscoito de macho automaticamente.

Fernanda

Fake disse...

Hur dur videogame depois de adulto é dose.

Vai catar coquinho, ow caga regra.

A gente cresce, sai de casa, arruma um trampo, ganha o próprio dinheiro aí quando pensa: "uau, agora posso comprar minhas próprias merdas" , vem um cretino anônimo dizer "huehue é dose, porque eu sou um(a) babaca sem graça que nunca foi capaz de passa uma fase no Marios Bros 3 na vida".

Vai cagar.

Babaca.

Anônimo disse...

E Rê Bordosa,

Eu nem sempre concordo com as rads. Mas se vc quiser escolher uma classe pra atacar sistematicamente, deveria escolher alguma classe de machistas. To falando na boa. Feio feminista tomar como pauta principal o ataque às rads.

Fernanda

J.M. disse...

Sobre o heavy metal, acredito que em seu início foi sim um movimento voltado para a quebra de padrões, mas hoje muitos headbangers são reaças e misóginos (tanto que o heavy metal é um dos meios mais hostis às mulheres). Dando uma olhada naquele famoso site voltado para rock e metal, o Wiplash, o que se vê são matérias que classificam as poucas mulheres da cena metal como musas ou "não-musas", pouquíssimo se discute sua qualidade musical. E a maior parte dos comentaristas de lá deixa no chinelo os mascus de estimação daqui no quesito vômito de lixo virtual reaça do mais baixo nível...

Rê Bordosa disse...

Onde é que eu to atacando Rad, Fernanda? Citei o nome "Rad" no meu comentário ali? Em respeito a Anon A. e outras Rads de fato, eu tenho até evitado a palavra "Rad" para designar mina sem noção que "se acha" radical.

E outra, ao falar que ganho "biscoito de macho" você está sendo machista, se ainda não percebeu. Esse termo tem origem no discurso masculinista que chama mulher de cachorra, pronta pra ganhar petisquinho, biscrok, biscoito canino. Às vezes é bom saber a origem daquilo que vc fala e o que determinados termos querem dizer pra não passar vergonha.

Fica aí chamando mulher de cadela e depois o povo ainda diz que eu que não sou feminista "de verdade".
Kkkkkkkkkkkkkkkkkk

Rê Bordosa disse...

Feio, Fernanda, é chamar mulher de cachorra, só porque ela não concorda com tuas idéias.
Os mascus fazem isso direto, vc acha bonito?

Rê Bordosa disse...

Sobre o post, é bem aquela mania que as pessoas tem de "patentear" ideologias e estilos.
Tem roqueiro que se acha "O Roqueiro", tipo "eu sou foda, sou O Excluido, O Diferentão! Ninguém mais pode ser roqueiro dessa escola além de mim. Ou "meu cabelo azul ficou um arrasoooooo! Se alguém mais pintar o cabelo de azul, claramente está me imitando! Porque claro, né? Eu patenteei a tinta azul" (SQN)...

E isso acontece muito aqui na caixa de comentários, só olhar pros comentários aí em cima:

"eu sou lésbica, eu sou muito lésbica, eu sou A Lésbica! Sou tão lésbica que qualquer bissexual comparada a mim é uma poser modinha! Quem quiser gostar de mulher tem que gostar do meu jeito, pelas minhas regras, caso contrário é poser, quer agradar macho".

"Eu sou feminista, eu sou tãaaaoooooo feminista! Quem quiser ser feminista tem que concordar com tudo que EU suprassumo do feminismo diz, e com meu grupinho, caso contrário é pet de macho, que quer ganhar biscoito".

"Eu sou fashion, ai eu sou tãaaaaao, fashion! Eu decido que cor de pele combina com que cor de cabelo e as pessoas tem que seguir o que eu penso!"

Muita cagação de regra! É se achar dono/dona das coisas, das idéias, aff.

Teti Ribeiro disse...

Olá, eu sou a tal "T.", Fico grata em ler este texto, porque como a Mikaela disse, ela fez do meu ano um inferno, minhas notas decaíram, minha confiança decaiu, até as amizades se afastavam. E ninguém acreditava em mim. Parecia que eu havia "feito algo" pra provocar tanto ódio, sendo que eu nem sequer sabia o nome dela na época. Eu cheguei a um ponto de me entupir com todos remédios que achei no armário da minha casa (Como praticamente não costumamos tomar remédio, eu ingeri até os venenos de gato que tinham lá). Isso resultou no sangramento da minha garganta, que me deu 7 dias de "férias" da escola, bem pertinho da última semana de aula. Melhor semana da minha vida, mesmo com a garganta sangrando, com dores no estômago, sem conseguir comer nem levantar, foi a melhor semana, porque eu nunca mais vi a Mikaela.

Mas isso foi há anos atrás, eu cheguei a remoer muito, mas com o tempo, perdoei pra seguir em frente. Eu vou ter uma conversa com a Mika, e podem ter certeza que o ódio não existe mais, pois percebi que suas palavras foram sinceras (e até antes disso meu ódio já tinha se esvaído).

Obrigada a todos pelo apoio, li umas palavras muito bonitas sobre mim sem mesmo terem me conhecido! Gratidão.

Anônimo disse...

Rê Bordosa,

Eu escrevi: "Vc ataca as rads SEMPRE QUE PODE e isso é o tipo de coisa que rende biscoito de macho automaticamente."

Não falei que foi hoje, que foi no comentário A ou no B. Falei que vc faz isso com frequência e qq pessoa que lê o blog sabe disso.

Se resolveu mudar, em respeito a alguém, ótimo. Seus comentários ficarão mais ricos, já que, como falei, acho que vc tem umas linhas de raciocínio bem interessantes (e que me fazem refletir).

Fernanda

Teti Ribeiro disse...

Ps: "veneno de gato", é o veneno que passa no pescoço pra matar as pulgas.

Rê Bordosa disse...

Então minha sugestão é que reflita sobre "biscoito de macho" e o machismo, Fernanda.
Pensa aí se esse termo condiz com o feminismo.
Porque infelizmente "biscoito de macho" e "mico de piroco" é coisa que ta em alta aqui nas caixas de comentários ultimamente. Feminismo e pra julgar as mulheres ou pra atacar o patriarcado?

Fake disse...

Tem tb o sou ADULTO TÃO ADULTO QUE NÃO JOGO VIDEOGAME suas cagada criancinha (etarismo tb comendo solto, hein?)

Anônimo disse...

"Anônimo disse...
Eu nunca me senti inferior perto das meninas mais bonitas da escola, mas todas eram sempre brancas de cabelos claros, patricinhas mesmo, e tinha umas que pagavam de patty mas eram pobres.

12 DE NOVEMBRO DE 2015 13:33"

affff, parem de se sentirem inferioras, porra!!!!!
Se as loirinhas são bonitas, vocês também são. as vezes os caras dao em cima das loirinhas pq elas dao brecha, dão mole.. e voces? vao ficar ai paradas sem fazer nada enquanto os caras ficam com as outras? se liguem! que complexo de inferioridade é esse!!!!!!!!!!!!

lola disse...

Que lindo, Teti! Já incluí um update no final do post. Já posso me gabar que meu blog aproximou duas pessoas lindas que nunca tinham que ter se odiado!
Abração pra vc e pra Mikaela, que foi muito corajosa em contar tudo com o seu nome!

Rê Bordosa disse...

Uffa, Teti ribeiro! Que susto, huahahaha.

Fake disse...

Outro idiota:

Infantilizado é teu cu. Vá ver um anime tipo Basilisk e tente encontrar infanitlidade lá, imbecil.

lola disse...

Fernanda, "qualquer pessoa que lê o blog" sabe que radfems vêm trollando este espaço há meses. Não é a Rê Bordosa que ataca radfems, são as radfems (não todas, porque "todo mundo que lê o blog" vê que a Anom A é gente boa) que atacam a Rê, Raven, eu e outras. Feminista atacando um espaço feminista, vindo xingar feminista! YOU'RE DOING IT WRONG! Não estou falando de vc, Fernanda, estou falando das radfems que trollam aqui, e que provam por a + b que não têm a menor noção de sororidade.

Mikaela T. disse...

De fato J.M.
Eu acessava e muito o Whiplash e foi lá que fiz muitas das amizades que me ajudavam a cultivar machismo e misoginia.
A pouco tempo lembro de uma reportagem que foi publicada lá sobre machismo na cena e os comentários fizeram com que eu virasse as bulita dos zóio. X.x
Em contrapartida dois blogs que abordam a cena underground com foco na moda e estilo (Diva Alternativa e Moda de Subculturas) me surpreenderam, pois também passaram a questionar e apontar o machismo no meio. O mais legal disso é que sempre foram blogs que acompanhei a fim de ter referencias de estilo e inspirações para looks que (olhando posts mais antigos hoje em dia) percebe - se a presença do machismo que eu até então nem notava e que aos poucos começou a fazer singelos questionamentos. O engraçado é que paralelos a eles eu também começava a dar esses passinhos no feminismo até que um dia percebi que juntas nos tornamos feministas.
Foi surreal quando percebi e gratificante.

Rê Bordosa disse...

Outro,

Larga de ser chato! As pessoas jogam o que quiserem.
Gostar de videogame faz de mim infantil?
Então se eu jogo dominó sou automaticamente idosa?
Sério que um jogo te define? Tuda vida deve ser bem vazia então para um reles hobby inocente te definir, heim?

Concordando com o fake 20:29, "Ain, sou tãaaaaaao adulto, mas tão adulto, que só faço coisa de adulto! Ou você é um adulto caga-regra que nem eu que não joga videogame ou não é adulto"

Rê Bordosa disse...

Bjus, Lola!

Anônimo disse...

Rê Bordosa,

Refleti e acho que o termo "biscoito de macho" está associado à necessidade de atenção, aprovação e afago que muitas mulheres têm em relação à classe masculina. Tal qual um cachorro sim.

Eu não apoio mulheres que pensam que, agradando macho, conseguirão a tão sonhada aceitação. Minha sororidade não é universal (se fosse, seria hipócrita).

Fernanda

Raven Deschain disse...

Não, vou ter que me meter.

Sério, Fernanda, que vc não acha NADINHA problemático chamar azamiga de cadela?

Nem um pouco?

Na nossa sociedade aonde "cadela" corresponde a "piranha"? A" vaca"?

Cê tá falando sério?

A vontade de criticar a Rê empreendora é tão grande assim?

Raven Deschain disse...

Mikaela, foi bem difícil pra mim ler o post, porque conheci MUITA, mas muita guria que nem vc era e olha, ainda bem que vc mudou porque foi me dando uma vontade de te meter a mão na cara. Kkk disgurpa.

Sério, que bom mesmo que tu se tornou uma pessoa e que maravilha que a T conseguiu te perdoar (temcum espírito muito bom ela). ^^

Vicky_ disse...

Concordo com a Fernanda, as vezes fico no limite vendo algumas feministas tratando a masculidade alheia como algo de cristal e "valiosíssimo", grande porcaria.
Rê Bordosa, você diz que Sororidade cega é burrice, eu concordo, mas sempre defende que somos cagadoras de regra, que problematizar qualquer coisa é moralismo, que basta uma mulher dizer que gosta, que AMAAAAA fazer tal coisa, e pronto, ninguém mais pode falar sobre isso!

Como exemplo o próprio post sobre a prostituição no sudeste asiático. Duas prostitutas dizem que amam transar com uns malucos que pagam por isso e pronto, as outras cem que acham isso uma merda e tem a auto estima numa latrina serão ignoradas.

As mulheres machistas fazem muita coisa pra agradar machinho, desde só usar roupa que ele permita(Já vi muito) até se forçar a se relacionar com outras mulheres, pois zé. O que tem de mulher Bi/Pan que é artasanada por tarados que acham que por ela também gostar de mulher vai querer ter menage com o maluco não tá no mapa. Há relatos e relatos disso pela Internet.

Para mim, ter esse comportamento é ser igualmente cega as rads que tanto crítica.

Mikaela T. disse...

Sem problemas, Raven. xD
Se eu pudesse voltar no tempo também me daria umas bolacha pra acordar.
Adorei a Teti ter vindo aqui e contado como foi isso pra ela também e confesso que esse fato eu desconhecia. E foi mais uma tijolada que levei na cara. E me deu ainda mais vontade de voltar no tempo e me dar umas bolacha!
Enfim, pessoas como eu se chutar uma moita caem cinco. Algumas vão se arrepender outras não. Outras vão considerar errado, mas "coisa de criança".
Hoje trabalhando com crianças me sinto na obrigação de ajudar a elevar a autoestima delas, de repreender atos como esses que eu pratiquei e incentivar que nutram sentimentos bons umas pelas outras e respeitem a diversidade.
Acho que esse vai ser o próximo texto que irei publicar no mural da biblioteca da escola + a resposta da Teti.
Mais uma vez obrigada.

J.M. disse...

Mikaela, obrigado pela menção a mim no teu comentário:). Penso que essa ode à liberdade sexual e quebra de normas sociais dentro do metal, que alguém comentou antes, só é válida para homens. Que bom que você encontrou esses espaços questionadores dentro desse meio.

Raven Deschain disse...

^^ legal.

Anônimo disse...

teti a maioria das pessoas já sofreu esse tipo de situação inclusive eu, eu me fechei durante muito tempo por conta disso, tinha medo de rirem de mim de novo. Infelizmente isso é muito comum, o bom é que sua agressora reconheceu, não vai mudar nada que passou, mas quantos aqui sofreram e os agressores estão por aí que nem se lembram que humilharam e causaram trauma em alguém.

Anônimo disse...

Raven,

Vc perguntou e eu acho que:

Acho que enquanto o feminismo está tentando incluir todo mundo, ao estilo vamos dar a mão e saltitar juntxs em busca da igualdade, estamos é ficando na merda.

Acho que a gente quer incluir todo mundo no nosso grande movimento pela igualdade: gays, trans, homens negros, pobres, mulheres que querem biscoito de macho (coitadinhas)... e estamos é ficando sem biscoito de ninguém.

Acho que os projetos aprovados nas casas legislativas recentemente mostram que estamos perdendo. Estamos perdendo feio e isso é fruto, além de outras coisas, da nossa falta de foco.

Então,mulheres (feministas ou não), essa necessidade de ser aceita por macho tá atrapalhando a causa. Tá dando merda escrotamente.

Fernanda

Teti Ribeiro disse...

Anônimo 21:25, sim eu entendo perfeitamente. Não foi só ela que fez isso comigo, e muitos não devem nem lembrar meu nome. Mas essa situação foi pra eu crescer, acima de tudo, e aprender a lidar. Superação é o melhor a fazer.

Anônimo disse...

Era xingada por meninas da escola, acho que não seria amiga delas mas sei que isso é fruto de uma competição sem sentido, mas elas não chegaram a destruir minha vida foi os meninos da escola que só faltavam me bater na infância e eu nunca soube o pq de tanto ódio.

Anônimo disse...

Desde a infância o ser humano começa a ser cruel, quantos aqui não passaram por isso! e pelos motivos mais fúteis possíveis.

Anônimo disse...

Dolores, quando eu sair do pais vou mandar meus manos darem cabo de voce. Ate la todos eles ja vao estar fora, sao todos ex-policiais quebrados que sabem muito bem como funciona os esquemas de investigacao.
Tu vai ficar so o bagaco na rua, e tudo vai parecer um assalto que deu errado.
Anota isto.

E em relacao esta preta fodida que quer pagar de `vida loka`, se eu pegar esta cadela na rua eu vou seguir para saber onde mora. E bem, Curitiba e uma cidade muito violenta.

Anônimo disse...

e voces? vao ficar ai paradas sem fazer nada enquanto os caras ficam com as outras? se liguem! que complexo de inferioridade é esse

Até parece que é assim, só pq a gente tá parada.

Anônimo disse...

já que apagou as verdades que eu falo da raven aproveita e apaga esse daqui 21:38

Anônimo disse...

O troll de 21:38 é muito inteligente!
Quando ele e os manos tiverem saído do país ("até lá vão estar todos fora") vão atacar a Lola!
Troll, como vão estar fora e agir dentro ao mesmo tempo?
Gênio do planejamento!

lola disse...

Assina com seu nome, Marcelo! (anon das 21:38). Vc não mata BO no peito? Então, cadê sua coragem? Cadê a coragem que você mostra pros seus seguidores acéfalos, quando qualquer um que tem bom senso sabe que vc é um cagão? Ninguém tem medo de vc, Marcelo. Vc é que tem medo da gente. Vc mesmo já admitiu isso. Fiquei sabendo hoje que vc vai direto na delegacia de Curitiba caguetar o Emerson, assim como ele faz com vc. E claro que os policiais não dão a mínima pra vcs.
Vamos lá, volte a fazer o que fazia uns meses atrás! Quero ver vc assinar com seu nome, Marcelo Doente da Mamãe Rosita!

Anônimo disse...

Lola seu blog fake já foi apagado?

Rê Bordosa disse...

Sabe o que ta atrapalhando o feminismo, Fernanda? Mulheres odiando mulheres. Mulheres se achando no direito de pisar na cabeça das outras, porque afinal de conta, violência e machismo de verdade só vem de macho, né?

Então agora eu sou obrigada a aceitar caladinha mulher me chamando de cadela, só porque ela é mulher? Eu tenho que me curvar diante de opiniões ofensivas de uma guria, só porque ela se auto-intitula "rad", porque afinal de contas, "as rad" são o suprassumo do feminismo, né? A autoridade no assunto, com licença pra tudo, inclusive pra passar por cima das outras?
Mas nem fodendo!
Eu não quero deixar de ter dono pra ter dona! Eu não preciso de feminismo pra deixar de obedecer aos homens e passar a obececer às mulheres, eu preciso de feminismo pra ser LIVRE!


Vicky,

Problematizar e questionar é válido, o problema é a forma como isso é feito.
Se a pessoa vai fazer isso ofendendo, xingando, e dizendo a outra "ou você pensa igual a mim, faz o que eu mando ou você é uma cadela, que quer ganhar biscoito de macho", então NÃO! Não pode não! Isso é sim cagar regra, isso é sim moralismo e desrespeito a liberdade individual... E pior de tudo: machismo!
Quer questionar/problematizar, tipo dizer "será que fazer tal coisa não é machismo?" ou "você faz isso por si mesma ou pra agradar alguém?" é bem diferente de dizer "fulana não é feminista de verdade porque passa maquiagem", "quem se depila é pico de piroco", "você não concorda comigo, você é uma piriguete, que tem mais é que apanhar e ser estuprada pra aprender o valor do feminismo".. Esse último posicionamento é inaceitável e ninguém tem que abaixar a cabeça pra esse tipo de coisa, independente de vir de homem ou mulher!
Feminsmo não é dizer o que uma mulher deve fazer ou decidir sobre a própria vida, sob pena de ser ofendida e excluída (isso machistas já fazem). Feminismo é empoderar a mulher para que ela faça suas escolhas e respeitar suas escolhas, mesmo não concordando com elas.

Se xingar mulher fosse considerado "questionamento" e "problematização" todo mascu seria um questionador e problematizador, e não o são!

Anônimo disse...

@21:38, mermão, quando você faz um comentário desses você simplesmente mostra ao resto do mundo que você é uma criança boba sem noção... "meus manos vão dar cabo de você", wtf?!?! Você leu isso em algum quadrinho da década de 80?! Sério mesmo, todo mundo que já passou dos 20 já escutou algum adolescente babaca pagando de machão falando *exatamente* o que você está falando! Nem original você está sendo... o que diabos um monte de ex-policial vai estar fazendo com um adolescente? Você é tipo um bonequinho deles?

Rê Bordosa disse...

E aos anônimos de plantão que tenho visto por aí: perseguir comentaristas como eu, a Raven e outras pelas caixas de comentários como vem acontecendo em diversas postagens, não é sororidade, não é feminismo... É babaquice!

Vão arrumar serviço!

lola disse...

Rê, concordo 100% com o que vc escreveu. Achar que o retrocesso no Brasil é causado por "mulheres que querem agradar macho" é demais pra minha cabecinha, viu!


Anon das 21:52, da última vez que vi, o blog falso em meu nome criado pelo Marcelo Covardão estava redirecionando pra um outro chan. Sabe, Marcelo se borrou de medo e decidiu fingir que outro chan (que não o dele) está por trás da falsificação e ameaças.

Anônimo disse...

@Rê Bordosa, legal, é bom saber quem decide quais pessoas podem ser criticadas e quais não podem! Agora ficou bem mais claro!

Rê Bordosa disse...

Anônimo, qualquer pessoa pode ser criticada, desde que seja uma CRÍTICA e não um xingamento/perseguição.
Entendeu ou quer que eu desenhe?

Anônimo disse...

@lola, uma pergunta, honesta. Como o feminismo, um movimento pela libertação feminina, consegue conviver com uma vertente que tenta impor restrições sobre o comportamento feminino?! Me parece muito contra intuitivo...

Bru disse...

Cuidado com o que você diz, não botar seu nome não garante anonimato. Ameacinha de quem diz que conhece bandidos é lixo, assim como você.


Lola, pare de falar mal de rads no geral, várias não te apoiam, mas como apoiar quem ofende algo sem conhecer? Eu não me considero rad de forma alguma, mas conheço bem os alinhamentos e cada vez que falam mal me dá vergonha alheia pq fica evidente que estão falando do que não conhecem, coisa que leram em algum post de face e pronto. Tem lib que não te curte, trans que não te curte e nunca vi você usando a classe toda como ruins. E nem deveria, então pra que fazer isso com mulheres que estão tentando lutar contra o patriarcado mas estão sendo escrachadas por pura moda e falta de informação? As rads estão sendo atacadas e ameaçadas por gente que só quer like, e isso é triste, quem fomenta isso não pode de forma alguma falar em sonoridade. Tem meninas novas que conheceram o rad ontem, querem likes e falam absurdos? Tem. Tem trans por aí ameaçando e expondo mina, pedindo estupro, tem lib fazendo o mesmo e precisamos entender de uma vez por todas que essas pessoas são exceção, mas são as que acabam ficando mais evidentes. Guerrinha imbecil que tira o foco da luta e nos divide. O patriarcado agradece dando risada.

Anônimo disse...

@Rê Bordosa, pois é... tá vendo como é fácil descartar qualquer crítica, basta dizer que ela é um xingamento/perseguição! Tática perfeita, não tem erro!

Rê Bordosa disse...

Lola,

Temos a bancada evangélica, os mascus te perseguindo nos comentários e te fazendo ameaça de morte, jornalistas machistas, humoristas machistas, estupradores, abusadores...
A culpa é deles? Não, né? Culpa da feminista que não odeia macho o sufciente e que não é submissa o bastante para ser chamada de cachorra por outra mulher e dizer "sim senhora".

Anônimo disse...

@Rê Bordosa, o problema é que você é preconceituosa e separa o mundo entre homens e mulheres, ou pior mascus e feministas!! Então a coisa mais natural do mundo parece estranha para você! **Entre os seres humanos, existem os babacas sem consideração e as pessoas mais razoáveis** independentemente de sexo ou ideologia, então visto deste ponte de vista, é fácil entender que vai sempre ter gente do "lado certo" que vai te atacar por motivos idiotas...


Rê Bordosa disse...

22:05,

Não saber a diferença entre xingamento/perseguição e ofensa é brincadeira né?
Vc não consegue distinguir as duas coisas? Tem problema não. Ofenda, injurie, xingue e calunie e persiga alguém... E assine o nome! O juiz vai te dizer a diferença... Daí diante dele vc diz "meritíssimo, era só minha opinião" pra ver se cola.
Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Anônimo disse...

Quer que desenhe?

Bru disse...

Concordo muito com o que você disse e me incomoda muito dizer que minas querem ganhar cookie de macho. Mas por favor, repense o jogo de falar mal de todas as rads por causa de algumas que obviamente não entendem sequer como problematizar as coisas. Sério, aí depois que as rads se defendem todo mundo acha ruim, são as únicas que não tem esse direito de reagir que são mal vistas, mas são as que mais tem gente generalizando ao falar mal por desconhecimento.

lola disse...

Bru, espero que vc saiba a diferença entre " feminista não curtir uma feminista" e "feminista trollar blog feminista". Não tô nem aí se tem radfem que não me curte. Tem feminista que eu não curto e nem por isso vou ir ao blog delas ou twitter delas ofendê-las. Eu só não falo delas, ué! Mas não é o que acontece com algumas radfems, que já vem vindo aqui insultar comentaristas há meses. Só que se eu reclamo, vem radfem dizer: "Ah, vc não sabe, é comentário anônimo, pode ser mascu se passando por radfem". Ou seja, autocrítica ZERO. Na maior parte das vezes dá pra distinguir comentário de mascutroll e de radtroll.
Eu nunca trollei feminista. Evito ao máximo falar mal de feminista. Radfems bem que poderiam fazer o mesmo, não?


Anon das 22:03, as vertentes existem, e realmente parece haver uma ou outra que dita regras muito mais do que as outras. O que fazer? Ignorar, ué. Não dá pra levar muito a sério quem diz que vc está "erotizando sua opressão" ao publicar foto abraçada com seu marido.

Anônimo disse...

@Rê Bordosa, tinha esquecido que estava falando com a autoridade sobre todas as nuances da comunicação humana, aquela que tudo sabe sobre as intenções de tudo e todos... foi mal!

Raven Deschain disse...

Naaaaao, tudo bem Fernanda.

Vc pode ter a opinião que for.

Mas da mesma forma que não vou chamar de vadia uma outra guria, não quero que ela me chame de cadela. Ué. Não é machismo do mesmo jeito? Se remetesse a subserviência do cão, ok. Mas nós somos adultas e sabemos que não é!


Tem gente falando "verdades" sobre mim? Oba. Quero saber.

Anônimo disse...

Rê Bordosa,

(E Lola, até a Lola tá com problema de leitura!)

Transcrevendo: "Estamos perdendo feio e isso é fruto, ALÉM DE OUTRAS COISAS, da nossa falta de foco. Então,mulheres (feministas ou não), essa necessidade de ser aceita por macho tá atrapalhando a causa. Tá dando merda escrotamente."

Falei que há muitas coisas. Mas me ative à parte que nos cabe, que é tentar restabelecer o foco, ao invés de abraçar todo mundo e ser condescendente geral. A bancada evangélica e os mascus, infelizmente não estão sob nosso controle. Mas a maneira como direcionamos o feminismo está e por isso falei em especial disso.

Sacou???? Ou ainda não entendeu???

Fernanda

Anônimo disse...

@lola, pois é, eu entendo que o feminismo é um movimento super plural, e que isso é ótimo por vários motivos, mas ao mesmo tempo essas vertentes mais "radicais" acabam dando ao feminismo uma qualidade muito desagregadora, o que poderia ser feito nesse caso?

Raven Deschain disse...

Sem contar que vc reclama de desunião no movimento feminista maa vc não acha que ao chamar outras mulheres de cadelas vc está segmentando mais ainda?

Pelo facebook, eu vejo com esse comportamento e a tal "misandria" afastam mulheres neutras.

Mulheres que ainda não conhecem o movimento e quando vêem algo do tipo "macho, vá morrer na guerra" ae ofendem, porque elas conhecem homens bons. E isso não as torna cadelas.

Mas torna anti-feministas.

Anônimo disse...

@Raven Deschain, claro que ao longo da história chamar uma mulher de vadia foi mais um mecanismo social do que um fato em si, e nesse sentido eu entendo a reserva em fazer isso. Mas você acha que não existem mulheres promíscuas assim como existem homens promíscuos? E que nesse conjunto existem aqueles que fazem isso de forma desonesta? Em termos mais chulos, não existem "vadios" e "vadias" de fato? E se eles existem, como nos poderíamos nos referir a essas qualidades deles?

Rê Bordosa disse...

Fernanda,

Acho que vc que ta com problemas de leitura e não entendeu ainda que chamar as outras de cadela não é, digamos assim... Legal, nem feminista, saca?


Obs: nada contra os animais cães/cadelas, nada mesmo... Mas num debate de gênero, historicamente a palavra "cadela" carrega um estigma de inferiorização. E da forma, no contexto que vc usou e que outras feministas vem usando para desqualificar mulheres, é um desserviço ao feminismo.

Bru disse...

Espero que você entenda que não estou sendo grossa contigo e estou fazendk uma crítica de coração aberto, inclusive coloquei meu primeiro nome.
Sei a diferença e não neguei a existência de meninas que fazem isso em momento algum. Jamais vou falar que pode ser homem pq sei que tem menina por aí que faz esse tipo de asneira. Não defendo guria que quer aparecer ofendendo mulheres. O que eu disse é que toda vez que você se refere à radfems é de forma pejorativa, como se essas meninas representassem a maioria das radfem, o que não é verdade nem de perto. A maioria absurda faz que nem você, não sai falando mal de mulher que não curte e várias repudiam ease tipo de comportamento, que é sempre de guriazinha novinha que é rebelde quase sem causa.
Radfems são feministas e falar mal de todas por causa de algumas infelizes é o oposto da sororidade que você cobrou lá em cima. Se alguma lib ou trans te esculachar você vai falar de todos por causa dos exemplos? Não, e é isso que estou falando.
Gosto muito de você e do seu trabalho, mas essa postura é ofensiva, não para as trolls que vem aqui falar bosta, mas para as que como eu não tem nada a ver com esse tipo de merda. Achei que você ia tentar entender minhas críticas, mas pela forma que você respondeu parece que só por eu defender radfem sou mal quista. É uma pena.
Até os homens imbecis que vem aqui falar horrores pra você não são colocados como a representação de todos os homens, são separados como os imbecis que são, mas as rads.. São pior que o demônio pra quem não conhece.

Bru disse...

Que qualidade desagregadora? O desagregador é todo mundo dar palpite sobre o que não se conhece. Por isso várias mulheres odeiam qualquer feminismo. Acho bem legal vc ter questionamentos, mas esse tipo de julgamento de valor sobre um feminismo ou outro é que é desagregador. Inclusive quando você coloca o radical entre aspas e plural, acaba falando mal de várias vertentes feministas e de meninas que estão tentando mudar substancialmente algo. O desagregador é uma corrente querendo fazer algo contra outra, no lugar se focar nos reais inimigos.
Até nas bostas que são aqui ditas por homem ou por outras meninas fica bem claro quais são os mais violentos e quais são mais ameaçadores. Às vezes o ideal é fazer escândalo, às vezes o ideal é ignorar e saber que o tempo cura rebeldia adolescente. Beijos

lola disse...

Bru, não sei se vc notou, mas estou no meio do ataque mais sórdido que já sofri dos mascus e reaças. Depois de amanhã vou participar de um evento no Rio e já recebi ameaças de morte e atentados que fizeram com que o Sesc tenha que reforçar a segurança e contatar a polícia. Então desculpe se não estou no clima de tomar todo o cuidado pra não ferir a sensibilidade radfem.
Nunca disse que são todas as radfems que fazem isso. Fica bem claro nas críticas que estou falando das radfems que fazem isso AQUI. Infelizmente nunca vi qualquer radfem em algum espaço público (blogs, páginas no fb) condenar essa postura super agressiva (e anti-feminista) de se fazer ativismo. É sempre a negação: não, radfem não faz isso, deve ser um mascu, deve ser alguma guriazinha novinha rebelde sem causa. Cadê a autocrítica? E ser forem radfems que estão trollando blogs e páginas feministas? Nao vale a pena que as radfems que não compartilham dessa cartilha se posicionem e digam que isso não é feminismo? Vc e outras cobram sororidade quando se fala de radfems no genérico, sem apontar o dedo pra ninguém. Mas vcs apontam dedo pra feministas em particular, com nome, com rosto, e muitas vezes não oferecem sororidade nenhuma! E ainda vem cobrar sororidade! Já que vcs não falam com homi, ensinem as manas a não atacar feministas!

Rê Bordosa disse...

"A bancada evangélica e os mascus, infelizmente não estão sob nosso controle. Mas a maneira como direcionamos o feminismo está e por isso falei em especial disso."

Não se trata de controle, entenda isso, se trata de respeito! Eu não quero controlar a bancada evangélica, tampouco os máscus, quero apenas que me respeitem e respeitem as outras pessoas.
Também não tenho a menor intenção de CONTROLAR a forma de pensar e o direcionamento das outras mulheres. Elas são livres, eu apenas dialogo.
Um debate não tem que ser uma obsessão por controlar os outros, impor a minha vontade e querer na marra que o outro mude de ideia sob pena de ser insultado. É a simples exposição (não imposição) dos argumentos.
Eu frequentemente discordo das rads sim. Eu não sou radical, não concordo com muitos posicionamentos radicais e não sou obrigada a discordar. Se eu discordo de uma Rad, não estou ATACANDO como vc diz, estou discordando, poxa. Normal. Porque as pessoas vêem a discordância no debate como ataque?
Mas se sou xingada eu posso xingar de volta, chamar de caga regra, não só rads, mas qualquer pessoa que me xingue. Direito de resposta! Xinga e não quer resposta? Ta fácil, né?


Não carece CONTROLE! Respeito, respeito apenas, é pedir muito?

Bru disse...

Homem vadio é homem preguiçoso, mulher vadia, bem, é qualquer uma que faça algo que desagrade alguém. Seria mesmo necessário procurar um termo e ficar julgando pessoas que são "vadias de fato"? Ou será que isso é uma coisa que só diz respeito à própria pessoa?

Raven Deschain disse...

22 e 23, não tenho certeza se essa sua pergunta é trollagem, mas defina "promiscuidade".

Alguém que trepou muito?

Alguém que trepou com muitas pessoas?

Alguém que trepou com várias pessoas ao mesmo tempo?

Alguém que trepou muitas vezes com a mesma pessoa?

Acho tudo uma bobagem. Vida sexual (ou falta de) não define caráter.

Raven Deschain disse...

O tema do post são pessoas invejosas e como no fundo elas tem admiração pelas suas vítimas, aí aparece o anônimo de 22 e 41 pra confirmar o post inteirinho.

Anônimo disse...

Será que não são as outras comentaristas que tem inveja da Raven e da Rê Bordosa?

Anônimo disse...

Existem pessoas que possuem compulsão por sexo de forma patológica, isso é reconhecido como um transtorno pela psiquiatria, vá estudar e pare de falar besteira

Rê Bordosa disse...

Bru,

"Inclusive quando você coloca o radical entre aspas e plural, acaba falando mal de várias vertentes feministas e de meninas que estão tentando mudar substancialmente algo."

Colocar "radfem" entre aspas pode ser uma forma de dizer "me refiro a essas que se dizem radfem mas tão aqui fazendo besteira", de justamente separar "radfem" de radfem.

Raven Deschain disse...

Isso é doença, idiota e absolutamente não é o mesmo assunto que estamos tratando, que é vida sexual livre.

Pessoas que possuem compulsão por sexo precisam de tratamento.

Pessoas que transam por prazer com querem a hora que dá na telha, são livres.

E vai tomar no cu.

Anônimo disse...

Ah, o comentário de 22:41 foi apagado. ..aí ficou sem sentido.
Explicando: esses ataques as comentaristas mais famosas do blog parece inveja!

Anônimo disse...

@Raven Deschain, na verdade no meu comentário está bem claro que me refiro a promiscuidade como algo problemático quando é feito de forma desonesta (onde o problema está claramente na desonestidade).

Inclusive olha que legal! Quando te fazer uma pergunta, e você responde outra (porque é mais fácil e te convêm) você está sendo desonesta...

Bru disse...

Primeiro, não sou radfem.
Segundo, radfem não se mete nessas coisas por motivos óbvios. Só não ve quem não quer.
Terceiro: você está passando por um momento horrível mas isso não justifica usar o termo rad como algo pejorativo, não fica bem claro que você só está falando com as que fazem isso aqui, você sabe disso, "as rads" "sensibilidade radfem" de forma alguma são formas restritas de falar. Sua raiva contra rads em geral é tão grande que está até me botando como rad: tudo que você discorda é rad.Mesmo nessa turbulência toda você tem esse cuidado com outras pessoas que te ofendem.
Eu não te cobrei sororidade, apontei onde VOCE cobrou, Lola.
Eu nunca apontei nome e rosto de ninguém, já vi isso sendo feito tanto por radicais como por lib, como por trans e etx etc. E acho triste e ridículo. A diferença é que eu jamais vou dizer "ensinem as libfem a não fazer isso", "ensinem trans a não fazer isso", pq sei que a ação de poucos imbecis não representa o pensamento coletivo.
Enfim, tentei ter um diálogo aberto e honesto contigo e você só destilou a raiva que tem de outras pessoas em mim. Se você acha que por estar passando por turbulências tem esse direito, inclusive de chamar de sensível por te críticar, ok, espero de verdade que isso te ajude como uma válvula de escape. Homem faz isso de zombar como sensibilidade e chamar de mimimi reclamações das quais discorda o tempo todo e eu não faço caso, vou fazer menos ainda vindo de uma mulher, pois sei que sua intenção não é me inferiorizar.
Força pra você e vou continuar fazendo como sempre fiz de replicar seus textos, fazer escândalo e te defender pra quem fala bosta. Mesmo tendo ficado sim, sensível como a forma que você recebeu crítica de uma pessoa que falou educadamente contigo, deixando claro que discorda de quem vem aqui ofender.
Beijos e força.

Anônimo disse...

Rê Bordosa e Raven,

Me redimo e não mais usarei "biscoito de macho". Daqui pra frente usarei apenas "afago de macho". Me comprometo.

Refaço meu primeiro comentário: Rê Bordosa, infelizmente am alguns momentos vc quer afago de macho. Um exemplo disso é criticar as rad, que é um ótimo mecanismo pra ganhar afago de macho.

E continuo sem a menor paciência pra mulher que acha que quer ganhar afago de macho.

Pronto.

Fernanda

Bru disse...

Tranquilo, tinha entendido de outra forma!

Anônimo disse...

@Bru, acho que você tem dificuldade em entender categorias abstratas. Eu posso criar uma mesmo que não exista ninguém que se encaixe nela. Fazer uma pergunta sobre uma possível categoria abstrata não deveria ser ofensivo a ninguém... a não ser que essa pessoa faça parte de uma ideologia rígida que não permita a priori algum tipo de classificação, mesmo que essa exista.

Anônimo disse...

E continuo sem a menor paciência pra mulher que quer ganhar afago de macho.****

Fernanda

Bru disse...

O que é promiscuidade desonesta?

Mikaela T. disse...

Ok. Depois de ler e refletir vou deixar aqui a conclusão que cheguei sobre o uso do "biscoito de macho".

Até então era um termo que nunca tinha usado para me referir a outras gurias, porém via ele sendo muito usado e concordava com o uso.
Pessoalmente sempre usei o termo "quer biscoito?" para me referir a outras pessoas com a clara conotação do animal cachorro e para me referir a mim mesma "quero biscoito" também deixando clara a conotação animal. Isso tanto como forma de demonstrar carinho por quem gosto (jeitos e jeitos) e também porque gosto de que associem minha imagem ao animal, afinal amo cães!
E acho que por isso até então nunca tinha feito a ponte mulher - cadela - xingamento machista e o termo.
Eu pessoalmente não vejo problemas em usar o termo, já que uso ele com homens também ("você quer um biscoito por agor como um biscoito por agir como todo ser humano decente deveria agir?"). PORÉM não vivemos no amazing world of Mika (onde tem muitos tons de rosa, gliter e a musica de fundo é War Pigs). Vivemos em um mundo que tenho que dividir com outras pessoas (ás vezes a contragosto, mas elas tem tanto direito de estar nele quanto eu) e o que impera não são os meus valores morais pessoais. Portanto se o senso geral ao ouvir ver a expressão biscoito de macho vai ler nas entrelinhas que estou chamando uma mulher de cadela no sentido pejorativo, eu não farei mais uso dela! Mesmo que eu use a expressão para ambos os gêneros, mesmo que eu não use o animal como xingamento e sim como vocativo para quem eu tenho carinho. O mundo não se baseia na doutrina e entendimento dos fatos segundo a ótica mikaelistica. #dealwithit
Quanto ao uso do termo no texto (levando em consideração tudo que foi falado) acho que cai muito bem uma vez que estou querendo contextualizar o leitor acerca de como eu pensava na época e se na época eu embasava meus pensamentos em machismo e misoginia se conhecesse o termo com certeza o teria usado.
Tijolada na cara? Oh yeah, tijolada na cara.

Rê Bordosa disse...

Anônimo 22:53,

A Raven ta na dela, dando as opiniões dela, vivendo a vida dela.
Daí vem uns anônimos que não gostam da opinião da Raven, mas não sabem sequer formular uma opinião contrária, debater as idéias. Não falam nada sobre o assunto do post, e gastam postagens e mais postagens pra dizer "a Raven isso, a Raven aquilo"...
Se não é inveja, deve ser paixão reprimida, né?

Porque na boa, não se costuma gastar tempo com gente que não lhe dirigiu a palavra, que não goste ou considere sem importância.

Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Anônimo disse...

aqui não pode comentar homem?
só tem mulher
clube da luluzinha
vcs fazem o que tanto criticam
que sexismo, hein?!
joão

Anônimo disse...

Anon 22:53,
Vai ser chata assim em outro lugar!
Que saco!
Raven e Rê Bordosa nem deveriam se dar ao trabalho de responder.

Anônimo disse...

@Fernanda eu me amarro em afago de machos e de fêmeas... pensando bem eu gosto de afagos de seres humanos! Contato com outros seres humanos são essenciais para mim!

Tentar diminuir alguém dizendo que só faz algo para agradar (seja homem ou mulher) é um não-argumento... é só um ataque, e como tal, parece um chilique infantil.

Bru disse...

Fernanda, o ódio ao radical não tem a ver com querer aparecer pra macho, tem a ver com o fato de que algumas radicais mais novas estão tão preocupadas em atacar outras feministas quanto são atacadas. E isso não só é desfavor como vai contra toda a vertente rad, que tem a sororidade não seletiva como algo fundamental para a mudança e luta. Quando eu vejo uma liberal falando mal de rad eu entendo, mesmo achando ridículo, pq há muita falta de informação sobre o rad e as rads que mais aparecem, o fazem da pior forma possível.mas ver rad atacando outras feministas me faz questionar como essa pessoa está vivenciando o radicalismo.

Anônimo disse...

@Bru:

- Promiscuidade: normalmente um número grande de parceiros (no contexto atual sexuais).
- Desonesta: não dizer de forma clara as pessoas que se envolver mais intimamente quais são suas preferências e hábitos.

Era essa a duvida?


Bru disse...

De que categoria abstrata você está falando?

Anônimo disse...

Esse negócio de mulher feia ficar perseguindo as bonitas existe mesmo??
Por que eu nunca vi isso.
O que eu vejo são as bonitas disputando entre si e competindo pra ver quem é mais bonita. E dá-lhe dieta, academia, depilação, manicure, salão, etc etc.

As feias estão na delas, então vamos parar de propagar essa mentira que de tanto ser repetida virou verdade.

Bru disse...

Claro que não. Minha dúvida é sobre o que seria uma promiscuidade desonesta.
É a pessoa que trai o parceiro?
Se for, o problema da pessoa não é a promiscuidade (até pq como medir?), mas a desonestidade em si.
Se um homem trai sua parceira uma vez com uma mulher ele pode ser considerado promiscuo? Será que o problema dele foi o contato sexual ou a mentira?

Anônimo disse...

@Bru: Quando você diz: "Homem vadio é homem preguiçoso, mulher vadia, bem, é qualquer uma que faça algo que desagrade alguém."

Você está fazendo a seguinte confusão. Você ignora o que o seu interlocutor definiu como "vadio" e usa o conceito do seu senso comum de "vadio" para homens e "vadia" para mulheres. Dessa fora você não entende a categoria abstrata proposta pelo comentário e fica presa no seus conceitos sem se colocar no lugar o outro. Sem tentar entender o argumento do outro você vai sempre estar certa e sempre vai ver inimigos em todos que não compartilharem da sua exata ideologia...

Anônimo disse...

Uma pérola da idiotice humana:
Outro, 23:10!
Não apaga não Lola, tá tão caricato que é ridículo

Rê Bordosa disse...

Fernanda,

Que bom que se questionou sobre isso e mudou de opinião. Para mim alguém disposto a questionar e voltar atrás é digno. Mostra que dá mais valor melhorar que mostrar para os outros que é infalível.
Mas ainda discordo (e apenas discordo) do seu posicionamento "afago de macho". Eu só sei dos meus motivos, não sei que motivações levam a outra a pensar da maneira que pensa... E se alguém quer ser afagado por quem quer que seja, não vejo como problema meu. Eu dou minha opinião, a pessoa faz o que quer, a vida segue.

Mikaela,

O contexto muda tudo mesmo, né? Engraçado como uma brincadeira, uma piada interna, com quem entende nosso amor por cachorro não ofende, pq a pessoa conhece de nós o suficiente pra saber do que se trata... Já um estranho na internet leva pra pior conotação possível, pq a internet é um ambiente frio e hostil.
Entre meus amigos também rola diálogos do tipo
-Fulana, cachorrona!
-Fala, feiosa! Saudade
E ninguém se ofende... Mas tem intimidade pra tal, como eu disse.
Minha intenção não foi dar tijolada, foi só aproveitar a oportunidade pra falar de um termo que me incomodava.
Bjão!

Anônimo disse...

Bru,

"a sororidade não seletiva como algo fundamental para a mudança e luta"

A sororidade não seletiva vem se desenhando há uns bons anos no feminismo. Se a ideia é passar a mão na cabeça de toda mulher, esse já é o discurso vigente. Por exemplo, vc nem pode problematizar depilação, senão vc já está atacando a mulher que se depila.

Essa ânsia de abraçar todo mundo (DENTRE OUTROS MOTIVOS) tá dando nisso aí que estamos vendo no Congresso. Qual o foco do feminismo? É todo mundo. E os resultados do feminismo moderno? Todos medíocres.

Acho que essa falta de assertividade do movimento tá ligado a querer afago de macho SIM. Pra mim, tem mulher que é mais prejudicial que homem pro movimento.

Fernanda

Anônimo disse...

Que bacana... Essa história me fez lembrar de uma notícia que li recentemente:

http://noticias.terra.com.br/mundo/estados-unidos/descobri-o-neonazista-que-me-espancou-trabalhando-ao-meu-lado,33815ae39627efdbce61d110a59e7cfflyrei9k6.html

Ninguém é santo, somos humanos, machucamos pessoas e somos machucadas tbm. E adolescência é uma merda mesmo, como a 'idade das trevas' na vida. Infelizmente algumas pessoas nunca saem dela.
Felizmente, pessoas normais se arrependem, perdoam, amadurecem, e seguem a vida tentando ser melhores. Obrigada às duas por compartilhar suas histórias, que finalmente tenham paz de espírito e sigam felizes!
SY

Anônimo disse...

Você é que tem que aprender a usar as palavras anon chata pra caralho!
Eu explico:
Anon= não assinou o comentário
Chata= desagradável e que desagrada
Pra caralho= muito chata mesmo!
Kkkkkkkk

Kal da Casa de El disse...


Anônimo disse 23:11


"As feias estão na delas, então vamos parar de propagar essa mentira que de tanto ser repetida virou verdade."

"Me contaram que ela [a agressora] batia na minha filha e gritava: ‘Quero ver quem vai te querer agora, quero ver você ser bonita agora."

http://g1.globo.com/sao-paulo/sorocaba-jundiai/noticia/2014/09/menina-de-13-anos-e-espancada-dentro-de-escola-em-sorocaba-diz-pai.html

Só não vê quem não quer.

Anônimo disse...

@Fernanda, você é a felicidade dos mascus! São exatamente feministas como você que estão tornando o feminismo (que nunca foi popular, por *vários* motivos) ainda menos popular...

Pode espernear o quanto quiser, mas nunca vão alcançar alguma coisa sem um vasto apoio, pode passar o resto da vida vociferando quanto ao "mal", mas vai ser uma vida vazia e perdida...

Bru disse...

Boa tentativa de me atacar pra desvaler o que eu disse, mas os conceitos de vadia mulher X vadio homem não são meus, querido, são da sociedade toda. Pergunte por aí o significado e volte aqui pra ver se eu é quem não estou me esforçando pra entender.
Ninguém se ofendeu com seus questionamentos, mas sem entender quais estigmas a palavra vadia carrega pra uma mulher fica difícil avançar no assunto. Mesmo que você esteja tentando usar uma forma abstrata só da sua cabeça de usar as palavras.
Tente atacar o argumento, não a pessoa.
Eu não sou burra e jamais vou te tratar como inferior. Se for partir daí vai ficar falando sozinho.

Anônimo disse...

@23:24, nossa, você é de fato um dos trolls mais óbvios e com menos criatividade que eu já vi! Se quer ser troll, tenta pelo menos criar algo novo!

Anônimo disse...

@Bru, eu não acho que você seja necessariamente burra (pode ser ou não) mas minha crítica é que você aparentemente não consegue tentar entender o ponto do outro se colocando no lugar dele. Ou seja, tentando adotar a visão de mundo de outra pessoa para tentar ver porque ela pensa e fala daquela forma. A maneira que você se expressa da a entender que você acha que suas percepções da vida são fatos absolutos e incontestáveis, e isso sim é um bom caminho para a mediocridade...

Raven Deschain disse...

Olha Anon Chata pra Caralho. A Bru January te respondeu, mas vou falar porque tu me chamou de desonesta.

Eu realmente não entendi o que vc dizer com esse papo de promiscuidade. E desonesta piorou.

Hahaha então, se dou pra alguém na balada devo levar um contrato dizendo qie não tenho intenção de casar?

Vai se catar.

Anônimo disse...

@23:31 acho que você errou a década, tentar ofender alguém hoje em dia chamando de "bixa" é risível...

Bru disse...

Sororidade não tem a ver com passar a mão na cabeça de qualquer mina. É saber a forma certa de dialogar, ou até de não dialogar quando o rumo provável é partir para ofensas de gênero.
Concordo totalmente sobre a questão problematização X proibição que você apontou, é complicado mesmo não poder questionar nada como se a falsa liberdade fosse uma religião intocável. Mas há formas de questionar os outros, algumas vão ser efetivas, outras vão ser só pra brivar e criar richa. É isso que questionei de você.
Também não acho que o feminismo tem que abraçar o mundo, cuidar de tudo e todos e se deixar por último já é o que nos mulheres somos ensinadas desde pequenas e isso precisa mudar.
E isso nem é feminismo moderno, o buraco é mais embaixo. Feminismo moderno é um lado ficar atacando o outro pela internet pois não vê a outra como ser humano, como mulher que está tentando fazer o que acha certo pra melhorar sua condição. E isso também é feito com a gente o tempo todos, precisamos parar com isso pois já somos reduzidas à coadjuvantes o tempo todo, nenhuma vertente precisa disso.
Se for querer aprovação dos homens, também há formas mais assertivas de criticar, pois é algo que como depilação, maquiagem e beleza foram colocados pra gente desde sempre e a culpabilizacao não ajuda em nada a mudar isso.
Aí vale a pergunta : a idéia é mudar algo ou apenas xingar e apontar erros da coleguinha?

Raven Deschain disse...

Já*

Nossa, que que houve com o corretor?

Bru disse...

Você é a outra anônima? Tá respondendo com dois logins ao mesmo tempo? Se não, não foi contigo a conversa

Anônimo disse...

Anon das 23:26,

Feminismo impopular foi feito lá pelos idos de 1960. Resultou num dos movimentos mais efetivos de toda a história da humanidade.

Nas últimas décadas o feminismo vem tentando se popularizar, abraçar todo mundo, ficar palatável... e aí? Só vejo retrocessos.

Vc conclui o que disso?

Ngm defende violência e ódio. Nunca. Mas não dá pra agradar o tempo todo.

Fernanda

Anônimo disse...

@Bru concordo plenamente com o seu comentário de 23:36

Bru disse...

, só estou tentando me expressar de uma forma clara, interpretar o tom da conversa fica a seu cargo, se vc acha que sou medíocre pq discordo de você, paciência. Você desde o começo está tentando descaracterizar meus argumentos me ataca ndo pessoalmente no lugar de explicar seu ponto.
A maneira como vc se expresa dá a entender que vc acha que todo mundo é burro e isso sim é medíocre.

Raven Deschain disse...

Não. Ela foi quem veio me perguntar dessa tal promiscuidade desonesta, aí vc respondeu antes.

Eu parei aqui. Não dou maia trela pra desocupado.

Anônimo disse...

@Fernanda, legal, na década de 60 o choque talvez fosse o único meio de mudar, e de fato as mudanças foram intensas. Mas será que a mesma solução funciona sempre? Porque houve um apoio na época, mesmo que tenha demorado e tenha requerido um bocado de sacrifício. Se você aliena todos sempre, eu tenho honestamente dificuldade de entender onde se pode chegar...

Bru disse...

E se eu não estivesse tentando compreender o outro interlocutor não estaria questionando e respondendo, estaria atacando a pessoa e tentando adivinhar as intenções delas pela forma como ela se expresa.

Anônimo disse...

Bru,

Concordo com vc. Mas é que estamos caindo numa falácia que parece sem volta. Essa do "tenho atitudes de oprimida porque gosto". "Tenho liberdade pra ser oprimida". Isso é falsa liberdade! E eu não sei o que fazer qto a isso, além de falar.

É foda você ver mulher tomando determinadas posturas só pra agradar homem, não poder problematizar que aquilo lá é socialmente construído pra agradar homem (embora ela ache que é 100% vontade própria)... e ainda ter que achar ok e ficar quieta por conta da sororidade não seletiva! Ou então vc tem que falar com todo o cuidado do mundo uma obviedade, senão tá sendo intolerante. Haja paciência!

Porra, em tese, eu não teria que explicar para uma mulher que fazer depilação total dolorosa da ppk de 15 em 15 dias ao custo de 40 reais é um forma de opressão!

Fernanda

Anônimo disse...

@Bru, olha ai denovo, "se vc acha que sou medíocre pq discordo de você, paciência". Em nenhum momento meu argumento foi que você é medíocre porque discordou de mim. Mas para você é *muito* mais fácil dizer que foi, então você simplesmente da aquela *pequena* reinterpretada no que foi dito e chega a um interpretação que te convém. Não vai chegar muito longe assim. Como dizia o poeta:
O mundo é sem piedade e até riria
Da tua inconsolável amargura.

Bru disse...

Talvez estejamos precisando desse choque novamente. O feminismo tem acolhido tanta gente que o blacklash tá interno já. Total alienação também acho que não funcione, mas eu voto oor um feminismo mais sotarreiro, pq esse só tá andando pra trás.

Anônimo disse...

@Fernanda, pois é né Fernanda, pena que as outras mulheres ainda não perceberam que você é aquele que decide o que é certo e errado para todas as mulheres, é você quem sabe quanto pentelho uma mulher gosta de ter na própria ppk!

Bru disse...

Você é homem, né?

Anônimo disse...

@Bru, se esses rótulos dizem alguma coisa para você, sim eu seria rotulado de homem.

Bru disse...

O que ela está dizendo é que nossa liberdade atual é ilusória e quando uma mulher diz que gosta de depilar e faz pq quer, provavelmente esse gostar é mais da aceitação que essa atitude proporciona do que gostar do ato em si.
Quando uma mulher fala pra outra que depilação não é escolha, não entendo pq as pessoas escutam que é pra proibir depilar.
Questionamento não é proibição, não é dizer pro outro o que o outro gosta. É apenas um convite pra que pense de uma forma mais profunda quais estigmas aquela escolha carrega.
Eu discordo de depilação mas me depilo, por exemplo. Pra muitos é hipocrisia. Pra mim é uma desconstrução em andamento : pra mim depilação é dolorida, cara, me faz ficar preocupada com cada pelinho que está nascendo, mas eu me sinto mal quando falam que quem não se depila é suja e por isso o faço. É uma escolha? Não tenho certeza.

Bru disse...

Achei isso pelo mansplainning interminável.
Boa noite

Raven Deschain disse...

É homem. Certeza. Começa com "vc não enrendeu o que eu disse" é homem.

Anônimo disse...

@Bru, concordo, é muito difícil separar o que seria uma vontade inata (será que isso existe) de uma vontade condicionada. Minha crítica é que para mim parece uma tentativa de criar outros moldes a serem impostos sobre as mulheres. É tão opressor dizer que todas tem que se depilar, quanto dizer que elas *não* podem se depilar. Por mim ninguém tem que impor nada a ninguém.

Agora, concordo ***totalmente*** que é muito importante fazer as pessoas pensarem sobre o quanto elas gostam de fato do que elas fazem e o quanto elas fazem por pressão.

Bru disse...

Essa é a parte do radical que eu mais acho importante: questionar escolhas. Acho certo isso e entendo sua indignação, minha discordância é na forma, saca? Bater de frente e insinuar não faz ninguém rever, só reforça a aversão. Também não entendo pq problematização é sempre vista como proibição, mas o liberalismo se fortalece nessa liberdade inquestionável, como uma religião. Entendo sua indignação, mas não podemos menosprezar os indivíduos por suas escolhas, é um direito de cada uma não aceitar revê-los

Bru disse...

Aí que tá, questionar não é dizer não faça, é dizer repense e só.
Eu questiono as escolhas o tempo todo e sou vista como cagadora de regra, só que nunca disse pra ninguém não fazer nada. Jamais faria isso, mas as pessoas são tão sensíveis com as falsas liberdades que já se defendem de uma suposta proibição.

Anônimo disse...

Opa, tinha esquecido que aqui só vale o womansplaining... agora naturalmente o objetivo do debate para mim nunca foi convence-las de qualquer coisa (algo praticamente impossível na internet) mas mostrar aos leitores dos comentários onde estão os argumentos!

Anônimo disse...

Se você vir meu comentário em relação a depilação, eu cito diretamente a Fernanda que afirma categoricamente que depilação é opressão (e que deveria ser óbvio). Da forma que ela fala, não tem nuance, é opressão e a mulher que não percebe é... (é só ler o comentário dela para ver isso)

Bru disse...

Seu objetivo nunca foi debater, foi mostrar quão supremo você é.
Não teve womansplainning, tevr uma tentativa de diálogo de um lado e tentativa de ataques pessoais do outro.
Obrigada pela sua superioridade, não sei como conversamos e debatemos sem ela.

Anônimo disse...

Bru,

Foi um alívio ler suas palavras! Sério mesmo. Vou dormir menos angustiada =] Obrigada!

Boa a noite a todas!

Fernanda

Anônimo disse...

@Raven Deschain: o nome disso que você faz é "mentalidade do racista". Você toma algumas características que viu em alguns homens e extrapola para todos! Em outras épocas pessoas com a mesma mentalidade que você fizeram parte da KKK. Parabéns!!!

Ilka disse...

Melhor definição de homem : Começa com "vc não entendeu o que eu disse " é homem.
Raven, 2015.

Vou anotar para uso futuro. Hahaha.

Anônimo disse...

@Bru, você acha mesmo que quando você afirma qual foi meu papel nessa conversa você muda a realidade e ela passa a respeitar o que você disse, ou qualquer um lendo a discussão vai ter sua própria opinião? Não é uma questão de superioridade, é simplesmente se manter fiel a clareza e a honestidade...

Bru disse...

Entendi! Também discordo da forma dela, mas não do conteúdo.
No fim éramos 3 com o mesmo posicionamento, noa desintendendo por richa ou sei lá o que.
Tenso isso!
Valeu por dialogar numa boa, beijos e boa noite

Anônimo disse...

Kal da Casa de El,

E quem disse que quem espancou essa garota é feia?
Tem foto de tal garota horrorosa que espancou a bonita? Não tem.

Duvido que ela seja feia. Aposta que é uma bonita com inveja da outra que ela acha mais bonita.

Mas sempre tem que jogar a culpa nas feias que estão na delas.

Em que mundo garota feia esculacha garota bonita, assim de boa? Vai ser humilhada por todos os lados. Volto a repetir. A feia está lá na dela, e as bonitas que se estapeiam entre si.

Anônimo disse...

@Ilka, hilário né?!?!?! hahahahahahahahahahahahahahaha

«Mais antigas ‹Antigas   1 – 200 de 278   Recentes› Mais recentes»