quinta-feira, 19 de novembro de 2015

GUEST POST: A HISTÓRIA DE COMO JOGUEI 3 ANOS DA MINHA VIDA FORA

Relato da B.:

Não tem outro título pra isso. Joguei no lixo 3 anos da minha vida. Não reconheço quem eu fui nesses 3 anos que se passaram. Não reconheço o cara que esteve ao meu lado durante aqueles 3 anos. Tantas coisas ruins... Machismo disfarçado de amor.
Fui afastada dos meus amigos porque não eram “bons o suficiente para mim”. Fui chamada de puta pela pessoa que dizia me amar. Fui ameaçada de tantas formas que não lembro mais nem como enumerá-las.
Mas vamos partir do começo. Era uma noite quente e eu havia passado o dia inteiro na praia e estava queimada feito um pimentão. A noite era a comemoração de aniversário de uma amiga. Um dos amigos dela parecia ser bem legal! Mas isso que é interessante sobre os psicopatas, todos eles parecem ser ótimas pessoas. Acabei bebendo demais. Acabou ficando nas mãos desse “cara legal” a tarefa de me deixar em casa. Enfim, ele me deixou em casa e foi embora. Até aí um cara legal.
Acabamos nos conhecendo melhor e começamos a sair. Nos primeiros 6 meses a coisa começou a complicar. Foi jogado na minha cara que eu era uma pessoa pra não ser levada a sério, uma puta, uma piranha, alguém que “não quer nada com a vida”. A conversa começou porque ele e o amigo passaram uma hora me zuando que eu devia dar um “vale night” pra eles viajarem pra Ouro Preto no carnaval e “pegar geral”. Depois de uma hora entrei na brincadeira e falei: ok, justo é justo, um “vale night” pra você e pra mim também. 
Pra quê? Comecei a ouvir que eu não podia falar esse tipo de coisa porque eu era uma puta e ele um cara direito que, SORTE A MINHA (que sorte, né?), ele aceitou namorar comigo. 
Acabamos nos acertando... Mas minha autoestima começou a cair. E se parasse por aí, mas as coisas foram piorando. Com um ano viajamos juntos. Lá conhecemos um casal. Numa discussão sobre o porquê dos dois estarem ficando defendi que o cara era muito legal de se conversar. Meu namorado interpretou que eu estava a fim de ficar com o cara. Novamente, eu era a puta da história, e ele o senhor certinho.
De lá fomos para a casa de praia dele mais uma semana, onde ele assumiu pra mim que o problema era que ele era mal resolvido. Que tinha inveja de mim por eu ter aproveitado minha vida e ele só havia transado com uma além de mim. 
Com isso, numa lógica um tanto distorcida, ele me convenceu a deixá-lo chegar em outras garotas aquele carnaval. Acabou levando toco de todas. E eu? Obrigada a ficar ali, só olhando... Sem direitos iguais. Por quê? Porque eu já havia aproveitado!
Durante dois anos eu era ameaçada de que por qualquer coisa ele poderia terminar comigo. E nem posso falar que a vida sexual compensava. Depois que ele descobriu o KY nunca mais fizemos sexo. Era só: quero transar, se você não está com vontade a gente passa KY e pronto. Era só um jeito fácil de botar o pinto dentro de uma buceta (desculpem o palavreado) sem ter o esforço de fazer algo bem feito. 
Durante 3 anos fui moldada pra ser a mulher perfeita... Que qualquer cara gostaria. Sexo sem reclamação, fazia tudo que ele queria, não brigava, não levantava a voz, não tinha opinião... Eu era uma versão real de uma boneca inflável. Como isso? Teve mais tantas outras coisas.
Quando saíamos os assuntos tinham que ser pré-aprovados por ele. Eu não podia falar de mim sem ele, nada de passado, nada de coisas que aconteceram sem ele estar do lado. Enquanto isso eu ouvia sobre como era o sexo dele com a ex-namorada, que ela era uma mulher forte, independente, que sempre trabalhou desde cedo. E eu? Eu era (sou) de família rica. Nunca precisei trabalhar. No primeiro ano de faculdade minha mãe me bancou morando perto da faculdade, sozinha, numa quitinete comprada. Aos poucos ele foi fazendo com que eu achasse que dependia dele (mesmo com eu bancando tudo). 
Por causa dele troquei de faculdade. No inicio do 2º ano de namoro fiquei 6 meses em casa porque saí de uma universidade federal pra ir pra estadual e só passei pro 2º período. Mas ok. No final das “férias” me mudei da zona sul para a zona norte para ficar mais perto dele. Com isso passamos a ir juntos para a faculdade. Passado um tempo arranjamos um esquema para ir de carro. Carro de quem? Meu. Quem bancava a gasolina? Minha mãe. Quem ostentava? Ele! Então eu ia para a faculdade nos dias que ele tava a fim. 
Acha que acabou? Então, durante um ano e meio ele basicamente morou comigo. Tempo longe dele? Não, não podia... Vai que eu pudesse aproveitar o tempo longe pra fazer algo que ele não aprovasse? Como ir à padaria sozinha.
Mas aí vem o fundo do poço. Quando ele me conheceu eu pesava 65 kg com 1,58 m de altura. Era levemente acima do peso. Ao longo do relacionamento cheguei aos 55 kg. Mas ele não estava satisfeito. Então além de controlar tudo na minha vida, ele controlava minhas roupas também. E o fundo do poço foi quando aceitei um trato com ele: eu poderia usar as roupas que EU gostava, caso eu chegasse a menos de 52 kg. Agora me fale -- que loucura, não? 
Mas o que é mais impressionante? Eu tava ‘bem’ com isso tudo. Chegou num ponto que eu não conhecia mais o “mundo fora disso”. Fui sendo moldada, fui sofrendo um tipo de lavagem cerebral. Aí um dia meu celular estragou. Era um simpleszinho, daqueles que só ligam e mandam sms. Eu pensei em nem comprar outro celular. Ele não gostou. Comprou um celular novo pra me obrigar a comprar (SIM, COMPRAR) o antigo celular dele. Aceitei, né... Fazer o quê? Aceitava tudo já.
Em agosto do último ano juntos, 6 meses antes de terminarmos, ele me traiu. TODO mundo ficou sabendo menos eu. Por todo mundo eu quero dizer: pai dele (que apoiou e achou certo), mãe dele (que não apoiou mas também não me falou nada) e todos os amigos dele com os quais eu era obrigada a sair. 
Eu era a trouxa, a otária que tava com o cara que traiu e não sabia. Entendi, pela primeira vez, a frase: corno é sempre o último a saber. O problema, como ele me traiu, é que ele começou a ficar mais desconfiado que já era. Começou a entrar no meu facebook pra ler conversas. Achou um garoto que me chamava de “meu anjo” e sempre falava o quanto eu estava bonita. Ele xingou o cara pelo meu facebook, excluiu (porque eu não podia ter amizades diferente das que ele selecionasse para mim). E mais uma vez veio à tona o fato de que eu era a puta.
Voltei a fazer aula de luta a MUITO contragosto dele. Mas foi uma vez que eu resolvi bater o pé. Ele não tinha a opção de “não deixar”, então fez de tudo para eu desistir. Era nos dias que ele tinha aula na faculdade às 7 da manhã, então me deixava na universidade e eu ia a pé de lá até o local da aula de luta (30 minutos de caminhada). 
Uma das vezes um dos caras me ofereceu carona de moto. Aceitei. Levei esporro. Mas a essa altura entrava por um ouvido e saía pelo outro, já não estava mais minimamente interessada em um relacionamento mesmo... Alguns meses depois terminei. Achei que me veria livre. Que engano!
Ele tinha a cara de pau de ir à minha casa fazer juras de amor eterno. Dizia que precisava de mim. Acabou colocando até minha mãe contra mim. Todos falavam do absurdo que fiz largando um cara tão maravilhoso quanto ele. Na vez que resolvi ter voz, todos se voltaram contra mim. A família dele toda me deletou do facebook. Viravam a cara quando me viam passar na rua. Por quê? Porque o ‘coitadinho’ falou que ia se matar porque eu fui má em terminar com ele. Porque ele não merecia isso. E ele já estava transando com a garota com a qual me traiu.
Tá bom pra você? Porque por baixo disso tudo ainda tem muito mais. Muito mais mesmo. Só selecionei as histórias mais marcantes, mas havia os terrorismos diários, as humilhações, as provocações, e eu sempre arranjava um jeito de me colocar mais pra baixo, fazer de mim cada vez mais submissa. 
Se você estiver num relacionamento abusivo desses, não perca tempo: termine já. Se puder, nem comece.

167 comentários:

Anônimo disse...

B, te desejo uma vida mais feliz a partir agora que você se livrou dessa roubada, com mais autonomia e gente legal de verdade ao seu lado. Deixe esse lixo humano chafurdar na merda como ele gosta, e vá viver a sua vida. Só aconselho que a partir de agora o amor da sua vida seja você mesma. Ame-se mais do que você amaria uma outra pessoa, coloque-se em primeiro lugar e não deixe jamais que outra pessoa ou um vagabundo qualquer diga o seu valor.

É por essas e outras que eu NUNCA confio em homem NENHUM. Mulheres, nunca confiem em homem por nada nesse mundo, entrem numa relação sempre com os olhos bem abertos e no primeiro "vadia" ou "não pode" ou "é assim porque você é mulher e eu homem" calce uma daquelas antigas chuteiras cheia de pregos na sola e pé na bunda do merdinha.

Anônimo disse...

As pessoas só fazem com a gente aquilo que nós deixamos que elas façam, se vc tivesse cortado esse maluco no começo sua vida não teria sido importunada, muitas pessoas passam por isso de forma passiva.

Anônimo disse...

Nossa eu li o texto pensando "será que morri e deixei uma carta psicografada pra Lola"?. Caiu a fichinha na minha cabeça, estou num relacionamento abusivo! O que eu faço agora?

Bruna.

Rafael Cherem disse...

Se eu tivesse uma filha mulher daria um conselho para ela: Fuja dos virjões.Esse tipo de cara não aprende a se relacionar com mulher, é cheio de inseguranças,se apega em demasia não sabendo lidar com o fim do relacionamento, via de regra é moralista(já que não consegue sucesso com as mulheres, critica o comportamento delas), enfim, uma roubada só. Fujam dos virjões.

Anônimo disse...

Meus parabéns por ter saído de tal situação!

Só um adendo. Naquele momento onde você disse estar se tornando o sonho de qualquer homem ao ser submissa: não, não mesmo. Esse é o sonho de todo *mascu*, e todos os inseguros que ceifam (ou tentam) ceifar a liberdade de suas companheiras. Nós, os outros, simplesmente adoramos opinião e conteúdo.

Ah, e simplesmente não transamos se a outra pessoa não quer. Ponto! :-)

Anônimo disse...

Eu só me pergunto ao ler esse tipo de relato PORQUE VC DEIXOU ESSW CARA TE TRATAR ASSIM?

Jackeline disse...

Impressionante pensar o quanto de cara que tem esse tipo de comportamento em maior ou menor grau. Já tive namorado com esse perfil de "escroto em pele de cara legal", apesar de não chegar a esse tamanho de psicopatia do namorado da B. ACHO. Mas ele queria controlar coisas ridículas também, como comprimento do meu cabelo, por ex. Ele era (deve ser ainda) um homofóbico ridículo e acha que cabelo curto deixa a mulher "masculinizada". Uma vez cortei o cabelo na altura do queixo e a primeira coisa que ele me disse foi: "ah não. vou terminar com você". O que eu fiz? Ao invés de dar um pé na bunda do infeliz logo, eu tentei e consegui convence-lo que na verdade tinha ficado bem feminino.
Na época eu tinha sentimentos pró-lgbtq, mas eu não tinha noção de coisas como opressão sistemática, ainda não conhecia direito a luta deles, nem o feminismo nem as demais lutas a favor de minorias, e naturalizava esse tipo de pensamento preconceituoso como apenas uma "diferença de opinião".
De pensar que eu cheguei pensar sério em mudar de faculdade e de cidade pra estar com ele.... brrrr. A minha sorte foi que eu era muito contra mudar de faculdade e ele me traiu, aí eu acordei antes de me afundar mais nessa.

Enfim, muita força pra vc B.! No começo pode dar um baita arrependimento por causa do tempo perdido. No meu caso foram 4 anos. Minha auto estima foi pro chão e eu sentia principalmente vergonha de mim mesma. Mas com o tempo fui vendo como isso foi uma lição de vida valiosa e isso me tornou uma pessoa mais independente e forte.

Anônimo disse...

Homens o Estado Islâmico lhes convida para o combate ao feminismo...democracia esquerdismo e homossexualismo do homem..a guerra começou...as feministas devem ser combatidas....as mulheres estão no poder criando Leis e um pais para elas....

Anônimo disse...

Me diz onde fica esse pais que eu quero uma passagem só de ida!

Anônimo disse...

Tradução do coment 13:19 mimimi, mimimi, mimimi, mimimi. Mimimi, mimimi, mimimi, mimimi. MIMIMIMIMIMIMIMIMIMI.

Anônimo disse...

todo apoio, b. eu tive umas encrencas no começo do meu relacionamento atual, me liguei que tava errado, bati pé e disse que era my way or the highway e ele ficou. nunca mais opinou em nada que não fosse pra dizer que eu tava linda (nesse meio tempo emagreci, engordei, emagreci, troquei de cabelo mil vezes, me depilei, não me depilei, usei saia curta sem calcinha e o escambau). soquei feminismo na cabeça dele e hj ele é um amorzinho. não posso negar que tive muita sorte :P

Anônimo disse...

Também esqueci de adicionar... cara que é muito controlador e inseguro com as pessoas com quem a mulher se relaciona, é um bom sinal que "tem coisa".
O meu ex nem falar com vendedor homem deixava, me interrompia, falava por mim. Falava que vivia preocupado se eu estava traindo ele enquanto não estávamos juntos, e eu era o tipo de pessoa que não saía de casa sem avisar ele. Bom, no fim era ele quem ficava dando em cima de geral pelas minhas costas.

Anônimo disse...

"estou num relacionamento abusivo! O que eu faço agora?"

Oi, Bruna. Então. Eu vou dizer exatamente o que vc tem que fazer.
Vou vai chegar pra esse seu namorado, pode ser pessoalmente, mas pelo telefone, whatsapp, mensagem de texto, icq, enfim, qualquer coisa que ainda existir, e vai dizer pra ele.
-Não quero mais namorar com você.
ou
-Não sou mais sua namorada.
ou
-Nosso relacionamento está acabado.
ou
-Vai pro inferno e não me procura mais.
(Esse último é o meu preferido)

Após fazer isso, você cumpre o que prometeu (que não vai mais se relacionar com ele) mesmo que ele ameace tacar fogo em si mesmo no meio do jantar de natal na casa da sua famíia. Se ele te ameaçar você vai na polícia. Se não der resultado uma boa dica é matar ele antes que ele te mate,ok?

É só obedecer as minhas instruções e você vai ficar bem. Aposto que essa parte de obedecer vai ser a mais fácil pra você. Boa sorte e fica bem.

Thiago S. C. disse...

Bruna, CORRE disso.
Força!! Não é fácil e também não é impossível.
Be brave.

Anônimo disse...

Não Bruna, não faça isso que foi maldosamente listado pelo anon de 13:30. Ou você não percebeu a ironia escrota na parte "Aposto que essa parte de obedecer vai ser a mais fácil pra você."?
Aliás, vai a merda anon 13:30!
Você deve conversar com as pessoas próximas que podem te apoiar (mãe, pai, irmãos e amigos), explicar a situação e pedir ajuda!
Aí você conversa com ele e fica firme na postura de não ter mais contato após o término. (se for conversar pessoalmente, escolha um local público e se proteja!).
Boa sorte!

Anônimo disse...

A Lola já postou algumas vezes sobre relacionamentos abusivos, dá uma fuçada no blog!

Anônimo disse...

Que preguiça de explicar alguma coisa pra um comentarista desses....
Zzzzzzzzzzzzzz (2×)

Anônimo disse...

É nessas horas que eu agradeço por ser extremamente intolerante e intransigente.

Anônimo disse...

Sei bem como é as vezes a gente não quer aquele cara com pinta de cafageste achando que ele é ruim e chega em um que se diz santinho mas na verdade é por falta de opção mesmo, e no final ele acaba sendo igual ao resto.

Um conselho fuja, tbm já passei por isso , você vai sentir um alívio maior do que estar com ele e eu tbm achava que não que tinha que ter alguém mas não tem nada.

Eu também achava um exagero terminar namoro por conta de sexo, mas eu tbm era a boneca inflável, fica um alerta pra quem tá passando pela mesma situação.

Anônimo disse...

É difícil aceitar que a recíproca não é verdadeira quando a gente gosta de alguém.
O que fazer nesse caso, tbm me sinto tão mal amada...

Anônimo disse...

Oi gente, anon das 13:52 e o Thiago.

Vou conversar com a minha irmã mais velha e ver no que ela pode me ajudar :) eu e ela somos grandes amigas e sei que ela vai ficar do meu lado.

Desculpem, mas sou leitora nova da Lola, conheci no meio da confusão do site falso e ainda não li os arquivos do blog! é muito texto, mas estou lendo os antigos aos poucos.

Obrigada. Obrigada B. pelo relato!

Bruna.

Anônimo disse...

Existe um jeito de saber quando não vale a pena:

Coloque na balança os motivos de voc gostar dessa pessoa, ela te faz bem? se preocupa com você?, te dá atenção? te trata como prioridade?

Eu sei que dói fazer essa balança pq quando se há dúvidas é quase certo de que nós devemos parar.

E aproveitando o final de ano eu acho que tem coisas que devemos começar a enterrar, tem coisas que devem começar a ser vistas como passado e com o passar do tempo elas nem deverão ser lembradas mais.

Um Abraço a todos!

Anônimo disse...

Força Bruna!
Leia sim, na versão para web você pode pesquisar por assunto: relacionamento abusivo e vai aprender mais sobre isso!
Beijo,
anon 13:52

Anônimo disse...



Também concordo com o anom acima. Tá na hora de excluir aquela pessoa que te faz mal da sua vida, do seu whats up, parar de olhar no facebook.
Vamos começar a enterrar esses mortos das nossas vidas, pra começar um ano mais leve. Mas uma coisa sempre levem, a lição de moral, pra não caírem nessas ciladas e aprender com o erro dos outros e com os nossos.

Anônimo disse...

Essa coisa de tratar como prioridade é complicado. ... para os abusadores, os abusados são prioridade absoluta!
Por isso é tão difícil identificar o perigo. Acho que é melhor se perguntar: fulano (a) gosta de mim como eu sou ou gosta de quem ele (a) quer que eu seja? Ele (a) me controla ou me deixa livre?

Anônimo disse...

Poxa, o que é tão complicado de se entender?
Não tem que conversar nada. Tem que terminar. Pronto, acabou.
Fica complicando depois não sabe porque ficou 3 anos namorando um imbecil.

https://www.youtube.com/watch?v=I-3ocjJTPHg

Anônimo disse...

Que preguiça de lidar com gente insegura quw precisa de outra pessoa para ser feliz. Não me explique nunca estive num relacionamento assim e nunca estarei.

Anônimo disse...

Que preguiça de explicar alguma coisa pra um comentarista desses....
Zzzzzzzzzzzzzz (3×)

Anônimo disse...

No tempo que vc está perdendo tempo explicando pra mim já tinha terminado o relacionamento com seu namorado babaca. Fica a dica.

Você não sabia que estava num relacionamento abusivo. Agora sabe. Ainda precisamos dizer o que vc precisa fazer? Está tão acostumada a ter gente te dizendo o que fazer que não sabe mais agir por conta própria?

Anônimo disse...

Vá a merda, idiota!

Bizzys disse...

Depois as pessoas não entendem porque uma mulher permanece em um relacionamento abusivo. Quando uma pede ajuda, ao invés de ter empatia, chove imbecis se achando superiores e falando merda. Otários.

Bruna, em primeiro lugar, é uma pena que você esteja num relacionamento parecido com o do post. Fico feliz que você tenha o apoio da sua irmã, converse com ela sim, e com outras pessoas. Crie uma rede de apoio para você, não deixe de pedir ajuda.

Sua segurança e seu bem-estar devem ser prioridades. Se o seu namorado faz pelo menos um décimo do que o namorado da B. fazia, ele é uma péssima pessoa e não merece ficar com você. Você precisa terminar esse relacionamento, e eu sei que não é um processo rápido e nem fácil, mas tenha isso em mente. Você precisa avaliar sua situação (terminar um relacionamento com alguém com quem você mora, por exemplo, é mais complicado), e achar uma maneira de sair dela com segurança. Como já disseram, aqui no blog tem vários posts sobre relacionamentos abusivos, mas na internet você também pode achar muitos textos sobre como identificar/sair de um relacionamento assim.

Repetindo: não hesite em buscar ajuda, e nunca se culpe por qualquer abuso que seu companheiro cometeu contra você. Espero que você fique bem.

lola disse...

Por que tem um monte de gente dizendo pra ela terminar o relacionamento, quando ela deixa claro no texto que já terminou? Tem uma galera que parece que não lê...

Bizzys disse...

Lola, estamos falando com a Bruna, que comentou às 12:11 que está em um relacionamento abusivo.

Anônimo disse...

Já passei por situações parecidas.
Tive um namorado que tentava me controlar e mandar em mim. Ligava todos os dias, o que eu achava exagero e enfadonho falar com ele a toda hora, e exigia com que eu fizesse o mesmo. Tagarelava demais e por isso mal me deixava falar, só conseguia conversar direito pela internet.
Qd rolava sexo então tudo ficava pior. Era ruim de cama, tava nem aí pro meu prazer e embora eu mostrasse como deveria fazer, ele ignorava e tentava imitar os pornôs. Já encheu o saco pra eu sair sem calcinha e saia na rua pra ver ele, imagina só o perigo disso! Não aceitei, ele xiou e mesmo eu dizendo pq é ruim uma coisa dessas, ignorou. Tb já me largou no meio da rua pq não quis ir pra casa dele transar, já paguei um ingresso de um show pq ele tava longe da cidade e me "pagou" depois o ingresso com presentes toscos e já gravou o som da gente transando sem eu saber! Não sei se fez outras gravações.
Já tb apareceu na minha casa à força pq eu não queria ele mais me visitando pelo fato de ter falado mal da minha casa, da minha mobília e até do meu pc. Sem contar das vezes que meteu pau no meu bairro pelo fato de eu viver nele entre outras escrotices. Até me excluir do facebook e mudar o status de relacionamento ele fez qd não fiz o que queria.
E qd tentava conversar e reclamar de algo da postura dele, ele chiava e não me deixava falar.
Naturalmente fui perdendo a paciência até terminar, até o dia que cansei. Ele tentou conversar, entrar em contato, mas não quis. Imediatamente a mãe, o irmão e a tia me excluíram do facebook. Exceto a namorada do irmão e uma prima quem ele falava mal pra mim.

mas não apenas esse aí, um outro namorado tb agia de forma semelhante chegando a me dar esporro por eu, uma vez, ter rodado abaiana com um sujeito que foi mt machista comigo. Terminou comigo pressionado por terceiros só pq não fazia o que ele queria.

Agora me encontro em outro relacionamento bem difícil de lidar pq o cara é estrangeiro de uma cultura bem diferente da nossa. Ele faz algumas coisas que me desagradam, mas não sei se são coisas culturais ou é o machismo típico da terra dele. Ele me deixa triste e chateada com algumas atitudes, porém nada se compara ao que meus ex fizeram, nada mesmo.

Anônimo disse...

A B. é minha irmã mais nova.

Palavra de feminista, que conhece alguns mascus e psicopatas e que conviveu com essa bosta de "cunhado":

A família é a última a saber, o psicopata é sempre acima de qualquer suspeita e depois vc fica se odiando pq você não percebeu antes.

Eu quero matar essa criatura.

V.

Anônimo disse...

Bruna:

Saia desse relacionamento. Agora.

Beijos
V. - irmã da B.

Anônimo disse...

Depois de ler tantas e tantas histórias quase idênticas a essa, não posso creditar apenas aos homens o infortúnio dessas infelizes. Claro que eles têm culpa, mas a conclusão a que eu chego, e tenho pesquisado sobre isso, é que a ALMA FEMININA tem um importante papel no desenrolar desses acontecimentos. Considero essa força misteriosa e selvagem, que é a alma feminina, como a maior inimiga da mulher, algo que está dentro de cada uma, como uma bomba relógio; só à espera de um homem abusivo, para a reação explosiva.
Surpreende-me a quase escassez de literatura nesse enfoque.

Anônimo disse...

"Surpreende-me a quase escassez de literatura nesse enfoque."

Pra mim não é surpresa nenhuma, porque essa sua visão é uma BESTEIRA SEM PRECEDENTES.

lola disse...

Desculpem então, eu não vi que vcs estavam falando com a Bruna. Pensei que era com a autora do guest post.


Anon das 15:46, claro, a culpa não é desses caras que agridem, estupram, ameaçam, espancam, matam, assediam, stalkeia... A culpa é das vítimas! Aliás, da "alma feminina". Deve ser fácil viver nesse seu mundinho misógino se eximindo de qualquer responsabilidade...

Anônimo disse...

Besteira sem precedentes? Apresenta, então, tua teoria.
Culpa 100% do homem? Não achas um argumento um tanto quanto... pobre?
A natureza do abusador é abusar. Por que a mulher, antes resolvidíssima, super independente e mente aberta, de repente, na presença do abusador, passa imediatamente de "Dra. Jekyll" para "Ms. Hyde"? Abandone os mantras feministas por um momento e passe a buscar explicações.
Ps. não sou machista, sou um estudioso do comportamento.

Anônimo disse...

Mascu das 16:00

As explicações já estão aí. Mas vou resumir com uma palavrinha: "socialização" (masculina e feminina). Se diz um "estudioso do comportamento" mas joga a culpa dos abusos que as mulheres sofrem na "alma feminina", uma coisa que nem existe.

E você poderia pelo menos fazer as referências certas. Dr. Jekyll era o virtuoso, e Mr. Hyde o psicopata. Se a mulher virasse uma "Ms. Hyde", os homem é que seria abusado.

Bem, é isso. Não vou dar mais palco pra mascu otário com argumentos porcos. Bye.

Bia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Bia, obrigada pelo seu texto e pelo apoio. Muita coisa que você descreveu no seu texto me fez lembrar de algo parecido que aconteceu comigo, parace que o texto foi feito pra mim, me abriu os olhos, sério.

Gente, eu não quis tumultuar os comentários ok? Por isso vou ignorar solenemente quem veio me atacar.


Bruna.

Anônimo disse...

Não estou jogando a culpa dos abusos nas mulheres, mas na alma feminina, uma força misteriosa que as impede de se afastar do abusador. A alma feminina existe sim, pode ter certeza, e deveria ser melhor estudada.
Ps. me refiro aos relacionamentos abusivos e longos, jamais às agressões e estupros. Nesses, óbvio que a culpa é 100% masculina.
Ps2. a alusão à obra O médico e o monstro é essa que coloquei mesmo
Ps3. abomino os mascus

Anônimo disse...

Estudioso do comportamento péssimo então....
Já ouviu falar no patriarcado? Nos condicionamentos sociais a que estamos submetidos?
Acho que não, né?

Anônimo disse...

A Alma Feminina seria o que chamamos de socialização feminina. Ou vão negar que somos socializadas pra aturar merda de homem? Só que não é uma coisa inerente. Qualquer mulher pode se livrar disso com feminismo.

Anônimo disse...

Um estudioso do comportamento que coloca a culpa em alma?
É piada gente!

Anônimo disse...

Então não chamem de alma feminina!
Não tem cabimento!

Anônimo disse...

"Um garoto que chamava de meu anjo e sempre dizia que eu estava bonita "
Pq ele ficou com ciúmes? Esse é o famoso amigo herbivoro que não pega ninguém

Anônimo disse...

"Nos primeiros 6 meses a coisa começou a complicar. Foi jogado na minha cara que eu era uma pessoa pra não ser levada a sério, uma puta, uma piranha, alguém que “não quer nada com a vida”."

Em seis meses a pessoa percebe e continua, continua, continua, fica se enganando, o nome disso é socialização feminina. Isso que é ser mulher, e não usar saltinho ou batom. Ser mulher é ser ensinada desde criança a colocar seus sentimentos de lado, a se colocar em dúvida, a achar que homem está certo e que a culpa é sua. Claro que tem muita mulher que na primeira enviesada já manda o cara se fuder mas e aí, e quando o sujeito não aceita o não, te persegue, te difama e eventualmente até te mata? Esse é o grande privilégio de ser mulher, ter sua palavra valendo menos, seus sentimentos valendo menos, seu corpo, sua individualidade, ser uma coisa disponível, um objeto de decoração ou uma utilidade doméstica. Tudo errado. Fico feliz em ver meninas entrando de cabeça no feminismo, fico esperançosa pelas gerações futuras que vão aprender que NÃO PRECISAM aceitar essas coisas e que lutam pelas mudanças.

Anônimo disse...

Querida Bruna, faça o que eu fiz. Termine. E o quanto antes. Como falei, terminei sem apoio de ninguém. Terminei antes mesmo de entender que.era um relacionamento abusivo. Terminei simplesmente porque estava de saco cheio.
Mas tem que se manter firme na decisão. Várias promessas apareceram de que vai mudar, de que vai ser diferente, não acredite. A tentação é grande.
No meu caso termimei e a própria garota que ele estava comendo "pelas minhas costas" veio conversar comigo tentando me convencer a voltar pra ele. Ela sabia que ele não queria que eu soubesse que menos de 1semana depois que terminei com ele ele já tava saindo com ela todos os dias e que mesmo assim ele vinha bater na minha porta para voltarmos. São dias, semanas e até mesmo meses difíceis.
A vontade de ceder é grande. Mas depois que acaba de verdade, faz tudo valer a pena. Garanto.
Espero ter ajudado a dar forças para o que virá. Que saiba que o final é maravilhoso e vai valer os desafios e os dias nublados.
Atenciosamente,
B.

Marcia disse...

Para as duas B.s, queridonas mando um abraço apertado. Todas nós já sofremos com um relacionamento abusivo, todas nós temos/tivemos/teremos forças para superá-lo. Bruna fale aí com sua irmã que parece ótima, cerque-se de gente do bem, resista e vá viver um novo e melhor capítulo da sua vida sem esse crápula que te aporrinha.

B., forte e corajoso relato, me lembrou de coisas amargas que vivi e que, felizmente, também superei no meu tempo. Uma das coisas mais difíceis é enxergar o que é um relacionamento saudável quando não se viveu muito, e essa sociedade uó em que a gente vive não dá muito parâmetro de controle. Eu tive a mais feministas das mães, daquela que me alertava contra relacionamentos abusivos desde que me conheço por gente, eu era amada por família e amigos e ainda sim me vi presa por 1 ano num relacionamento destrutivo. O porquê? Acho que só hoje, depois de 10 e a grande parte deles na terapia, é que eu consigo entender por que me sujeitei a sofrer. Não há resposta simples, mas a vontade de mudar e viver feliz é o que conta. Vá viver sem culpa, acredite, você merece.

lola disse...

Ué, se alma feminina é socialização, então não chame de alma. Alma é algo intangível, de essência, natural... Socialização é bem o contrário.
E a "socialização feminina" é super diversa também. Mas sem dúvida grande parte de nós foi criada pra valorizar opinião masculina acima de tudo e para tentar agradar homem.


Bruna, querida, eu não conheço pessoalmente, mas já recebi depoimentos de leitoras que receberam bastante ajuda do MADA (Mulheres que Amam Demais). Dê uma olhada neste post, neste e neste.

Anônimo disse...

Não entendo como alguém precisa resistir à vontade de ser tratado como lixo, ser abusado, molestado, isolado....??????

Anônimo disse...

é por essas e outras que eu amo o FEMINISMO!!!!
Onde eu posso ser eu. Simples assim.

E como eu preciso dele, a cada dia me convenço mais disso.

Como é bom ser livre.... muito bom, experimente você também.

Manu

Anônimo disse...

Sobre o MADA eu posso falar, frequentei o MADA Paulista por 6 meses em uma época que eu "sofria por amor" mais do que estava dando conta. A gente cresce ouvindo essas merdas românticas e acha que é tudo verdade, só quando você está na lata de lixo, tomando remédio pra depressão, síndrome do pânico, com o corpo todo deformado pela ansiedade que aí vê que tem alguma coisa errada acontecendo e que você não pode dar conta de tudo e nem precisa salvar homem nenhum. Uma coisa que o MADA me ensinou é que mulheres em situação de abuso geralmente não têm problemas de relacionamento só com o parceiro, vai com o chefe, vai com a mãe, o pai, ou mesmo amizades, é uma coisa muito mais abrangente que só o relacionamento romântico ou as 4 paredes do quarto.

Pra quem não sabe o MADA é assim, é um grupo nos mesmos moldes dos Alcoolicos Anônimos, Narcóticos Anônimos, Compulsivos Anônimos, todos esses anônimos usam o modelo do AA, que é dos 12 passos, que pode ser super discutível mas olha, pra quem tá precisando de uma luz já é um começo. Você chega lá, não precisa falar com ninguém se quiser mas pra quem tá começando é dado um espaço pra falar. Sempre se quiser. O MADA não dá conselhos nem assistência psicológica, você está ali pra ver a literatura do grupo, ouvir e no momento certo, ser ouvida. É proibido dar palpite de qualquer espécie.

Então quando chega a hora dos depoimentos você tem a oportunidade de não só ouvir os relatos mas se ver neles, são os tais "espelhos" que ajudam sim pra caramba a gente a se enxergar nas situações. Até porque é mais fácil ver "defeitos" nos outros que na gente, né? Quando você começa a se enxergar na boca de outras pessoas, fica mais fácil identificar o problema.

Acho que até mulheres em situação não abusiva deveriam pelo menos fazer seis sessões de MADA porque nossa, é tanto lixo que enfiam na cabeça da gente que serve como uma ferramenta pra você evitar situações, ver situações bem no comecinho e até mesmo entender mais as pessoas a seu redor, outras mulheres como você e parar com os julgamentos. Eu muddei totalmente minha visão de mulheres que são agredidas pelos seus companheiros quando finalmente tive a chance de ouvir, quietinha, de boca caladinha, o que elas tinham a dizer. É uma super lição de vida.

Se você for jornalista, estudante de psicologia ou qualquer outra coisa, coloca a mãozinha na consciência e fale a verdade do porquê de estar lá. O grupo pode ou não te aceitar ali, RESPEITE!!!!!!!!!!!! Mada é sério e tem ajudado milhares de mulheres onde ninguém mais ajuda.

Você também pode ser amadrinhada por alguém, ter uma pessoa pra ligar na hora de uma crise, que ajuda bastante.

Não paga nada. Existe um momento nas reuniões que você pode contribuir, mas faz se quiser, é mais pra comprar bolo, café e chá para as próximas reuniões, pagar a limpeza do lugar, coisinhas assim. Tem as apostilas pra vender também e eles indicam livros para comprar.

Anônimo disse...

Que preguiça de explicar alguma coisa pra um comentarista desses....
Zzzzzzzzzzzzzz (4×)

Anônimo disse...

Lola,
Que blog maravilhoso você faz!
Muito obrigada! !!!

Anônimo disse...

Tipo assim:

- Se vc for lá num forum de debate masculinista, vai ver dezenas de histórias parecidas com essa, só que com sinal trocado. A mulher é a vilã e o homem a vítima.


Hã, desculpem perguntar:

Qual é mesmo a diferença mesmo entre um forum mascu e um forum feminista ?

Anônimo disse...

Tipo, um serve para falar mal de mulher.

O outro, pra falar mal de homem.

Qual a diferença ?

Anônimo disse...

17:04, a diferença é que nós que estamos certas.
Espero ter ajudado.

@vbfri disse...

A diferença é que o machismo mata.
obrigada. de nada.

Anônimo disse...

Moças, ignorem o anonimozinho de merda das 17 e 04 que quer desvirtuar a discussão maravilhosa, com questionamentos ridículos, pífios e bossais.

e a propósito, o mada é realmente maravilhoso.

Anônimo disse...

O MADA é feminista?

Anônimo disse...

Discussão maravilhosa mesmo!
O post e a maioria dos comentários são excelentes e eu até diria que podem salvar vidas!
Quanto ao troll... é só ignorar.

lola disse...

Anon das 17:02, eu conheço bem fóruns mascus, e posso te dizer que é completamente diferente. As histórias, pra começar, são diferentes. Em fórum mascu tá cheio de mimimi. O cara basicamente passa a odiar a ex simplesmente porque ela terminou o namoro. Também há inúmeros relatos de caras que morrem de raiva de uma mulher porque ela não os quis. Tem muito relato em que fica claro que a mulher nem sabe que o cara existe, e o cara fantasia todo um romance com essa mulher, e quando a vê com outro quer matá-la e estende esse ódio a todas as mulheres do mundo (tipo: 3,5 bilhões de pessoas). Há um ou outro caso em que a mulher traiu o cara, mas em geral os caras que relatam só suspeitam, e suspeitam de qualquer coisa, e são super ciumentos e possessivos. O que mais tem em fórum mascu é relato de cara que instalou programas espiões no computador da namorada para poder ver o que a "vadia" está fazendo. Aliás, o que mais tem é cara que não se relaciona com ninguém mas fica revoltado porque a mulher que ele gosta nem sabe que ele existe. Ou cara que morre de raiva porque a mulher que ele gosta tem um namorado, e pra explicar que a moça não o escolheu ele justifica que "mulher só gosta de marginal". Também é comum em fóruns mascus que todos, além de chamar a mulher em questão de vadia, condenem o cara contando o relato por ser um "escravoceta" ou "mangina".
Já publiquei um ou outro relato que tirei de blogs mascus. Veja a diferença: neste o cara reclama que não controla a namorada, e lamenta que ela não faça cupcakes pra ele. Neste, um sujeito de 38 anos se diz "literalmente esquartejado" porque a mocinha com quem ele estava saindo enjoou dele. E aqui o próprio guru dos mascus brazucas, Nessahan Alita, dá dicas misóginas a um cara que achou que uma mulher estava dando em cima dele só porque ela foi gentil.
Em fóruns feministas os relatos são reais, não mimimi de desajustados sociais. São mulheres que foram espancadas, violentadas, stalkeadas, ou manipuladas como no caso deste guest post. Vc não vai ler coisa como "nenhum homem presta", "homem é tudo igual". Talvez um ou outro comentário diga isso, mas não será a maioria, nem isso estará no relato da autora. Vc não vai ver um relato de uma moça que passou a odiar todos os "vadios" porque um cara não deu bola pra ela ou porque ela queria namorar e ele só queria amizade.
Se vc não vê diferença, enfim...

Anônimo disse...

Anônimo disse...
Moças, ignorem o anonimozinho de merda das 17 e 04 que quer desvirtuar a discussão maravilhosa, com questionamentos ridículos, pífios e bossais.

e a propósito, o mada é realmente maravilhoso.


----

=> Desconfio que a adjetivação é mais para convencer a si mesma do que a mim. rs

Anônimo disse...

Isso é porque vocês não estão corrigindo as redações do ENEM.
É um tal de "se a mulher não retirasse a queixa", "se a mulher tivesse coragem", "se as mulheres fizessem a denúncia" para justificar a persistência da violência. A maioria escreve que as chances da mulher que é agredida vir a sofrer mais agressões ou ser assassinada quando fazem a queixa é grande, mas mesmo assim culpam a vítima.

Bia disse...

Bom que agora esses terão menos chances de passar para uma universidade pública :D

Anônimo disse...

Lola, sou o anom das 17:02


Entendo o seu ponto, mas mantenho o meu argumento.

O que mais li nos forum mascus foram relatos de homens se queixando do comportamento das ex-parceiras (em relacionamentos que já terminaram). E o que temos aqui: uma mulher se queixando do comportamento do ex em relacionamento já acabado.

Quando ao juízo de valor que vc faz, ao meu ver, decorre da sua simpatia por uns e antipatia pelos outros. O que mais vc poderia dizer ?

Continuo sem ver onde está todas essa diferença.

Rafael Cherem disse...

Relendo outro texto, no caso dela também há gasligth? Ou é impressão minha?

Anônimo disse...

Lola...lola ....lo linha.....Lola....Lola...lolinha....

Anônimo disse...

Vcs mulheres são tao boazinhas e perfeitas ...

Anônimo disse...

No começo do texto tem umas dicas de que isso rolou sim, Rafael. Principalmente com o lance de convencê-la que era "puta", não valia nada, não queria nada com as coisas... não me parece gaslighting explicito, mas houve manipulação mental da grossa aí. Aliás, foi o pacote completo. :-( Novamente, to muito feliz de ver que ela saiu dessa!

Anônimo disse...

17:52, deixa eu desenhar para você:

Fórum de mascus: relatos de homens abusadores que ficam tristinhos por não poderem mais praticar seus abusos.

Blog feminista: relatos de mulheres que sofreram abusos e tentam superar os traumas e alertar outras sobre o perigo que vem de homens abusadores.

Se você ainda não entendeu a diferença, ou é desonestidade intelectual, ou é burrice mesmo (sendo você um frequentador de fórum mascu, desconfio que seja a segunda opção)

q disse...

Questionar pq a pessoa aceitou esse tipo de situação é complicado... Eu sempre tive esse espirito/pensamento de nao vou mudar meu comportamento pra ser do jeito q os outros (a sociedade, os padrões) gostam. Isso quando era criança, pré adolescente. Agora na adolescência conheci o feminismo, e também conheci colegas com mentalidade e auto estima super fracas. O tipo de pessoa q faz coisas pra agradar a amiga, o namorado. Tenho uma colega q, infelizmente, consigo vê-la num relacionamento abusivo. Mãe controladora, a amiga "manda" e ela obedece. Coisas pequenas, mas demonstram q n sabe se impor. Namoros complicados, mas isso nao tenho detalhes.
Vc pode até pensar: "nossa, nunca me sujeitaria a isso", mas temos que pensar q nem todas tem a auto estima, os exemplos positivos, e o apoio q nós temos. Tem gente n tem outras referências de relacionamento (amorosos ou não), so conhece esse tipo e acha q sempre vai ser assim.

q disse...

Beleza, na teoria somos mulheres reclamando de homens e os mascus são homens reclamando de mulheres
Mas e na prática, o quê estamos criticando? O que eles criticam?
Acho q aí temos uma pequena diferença, assim, só acho.

Anônimo disse...

Como sempre, mulheres se explicando...
Vá lá no forum masCU se identifique como mulher, alías, apenas insinue... e veja como eles terão "paciência" em te explicar como vão descobrir teu IP pra te "foder toda, te deixar toda arrombada e depois te matar".

Afff

Anônimo disse...

Beleza, na teoria somos mulheres reclamando de homens e os mascus são homens reclamando de mulheres
Mas e na prática, o quê estamos criticando? O que eles criticam?

=> Pouco importa. Ninguém é neutro nessa história. No fim, cada um está puxando a brasa pra sua sardinha.

Todo mundo adora chorar. E o pior, por coisa que já foi. Cada um que assuma sua bronca e deixe o chorume de lado. Ou então, que o sujo deixe de falar do mal lavado.

Anônimo disse...

A historia da vida de 99% das mulheres do mundo, jogando suas vidas fora ao lado de homens doutrinadas pelo mito do amor romântico.

Será que ninguém consegue ver nada de muito ,mas muito errado neste ciclo não?

Anônimo disse...

Aí uma mulher relata que foi estuprada, ou agredida, ou sofreu abuso psicológico e o mascu vem e diz "ninguém é neutro nessa história". Típico raciocínio de macho bosta.

A única coisa que "pouco importa" aqui é a sua opinião de merda.

Não gosta de ler mulheres relatando sobre os abusos que sofreram? Não quer ver mulheres alertando outras sobre as táticas de homens abusadores? Volta pro fórum mascu, então. Insinuar que os relatos nessd blog são "bronca com homens" não passa de uma tentativa imbecil de silenciar mulheres, e isso você não vai conseguir.

Anônimo disse...

existe uma solução para isto moças, vocês foram iluminadas pela revelação do feminismo, todo homem e um opressor potencial agressor estuprador, portanto AFASTEM-SE DE TODOS ELES EM DEFINITIVO, sim de todos sem exceção, vivam suas vidas longe emocionalmente de homens. Sabe aquele carinha legal que se pá pode dar certo? não vai, ele vai te agredir e abusar de você na primeira oportunidade,vai te anular como ser humano, vai te diminuir, TODOS ELES SEM EXCEÇÃO.

Se reeduque para nunca mais se relacionar afetivamente/sexualmente com homem.
Agora...se depois de ler isto e concordar, se depois de tudo que foi escrito nesta caixa de comentários, vier uma de vocês disser que ta namorando um homem, ou que tem vontade de transar com um, sinto dizer mais e muita hipocrisia.

Anônimo disse...

Existe isso de amor romântico?A mulher brasileira hoje em dia sai pra balada e acorda no motel...Hoje existe pegação tanto do homem quanto da mulher.Quando alguem resolve casar pega um parceiro ou parceira com uma carga de frustração e revolta do sexo oposto somada a concorrência de gênero ....é melhor ficar só. Mulheres tem delegacia da mulher para reclamar de homens e movimentos feministas prá mi.mi.mi.mi.mi.....

Anônimo disse...

Há, e todo homem e mascu, todos.

Clara Azevedo disse...

Mas estamos muito pacientes com esse mascu do qual a diferença entre o charme e o funk..
Colega, xô! Passa! Já deu! Ninguém tem obrigação de te explicar nada não. Dá com dúvida, pesquisa no google.

Anônimo disse...

O nome dele é Sisi, se sentindo, se achando...

Raven Deschain disse...

B, que bom que vc saiu dessa.

Bruna, miga, passei pela mesma coisa. Se quiser conversar, pede meu email pra Lola, me adiciona no fb ou whats. Beijo.

Anônimo disse...

olha aqui pra vc a nossa amuação...https://youtu.be/QLOY6s53-5k

Anônimo disse...

Mas o nome desse cara é Vinicius? Ou alguma variante desse nome? Porque conheco um cara igualzinho assim, que se encaixa em todas as descrições de endereço, cara problemático, namorada "rica", 3 anos de namoro, e ela ficou mal falada pela família porque terminou e o cara queria se matar. É o primo do meu noivo.

Anônimo disse...

E ele realmente um mês depois do namoro, mesmo dizendo que queria se matar, já estava com outra.

Anônimo disse...

Engraçado, né?
Passei tudo isso aí que a moça do relato disse. Talvez um pouco até pior. Joguei 05 anos de minha vida fora.
MAAASSSS...

Eu sou HOMEM e a psicopata, diabólica, maldita e louca era a minha EX-Namorada (Ex-Noiva, Ex-mulher, tanto faz...)

Então... não é só homem que faz esse tipo de monstruosidade não, tá OK? Não GENERalizem (de gênero, mesmo). Mulheres são muito más, também. E extremamente violentas, possessivas e ciumentas ao nível de doentes mentais, mesmo. Digo porque passei isso na pele. DEUS-ME-LIVRE!! NUNCA MAIS!!!!!

Anônimo disse...

MERECEU, AGORA VAZA!
DE NADA.

Anônimo disse...

Mereci nada não, dona 20:54 mal-educada!

Vc que merecia ter levado mais educação de seus pais.

NINGUÉM (homem ou mulher) merece conviver com psicopatas doentes mentais violentos de quaisquer gêneros.

Anônimo disse...

(Viviane)
Anon 16h51, muito bom seu relato sobre o MADA. Embora eu tenha várias ressalvas ao modelo do AA, nesse caso das relações abusivas (que não configuram necessariamente uma "compulsão") deve funcionar bem.
Mas este trecho me preocupou: "Se você for jornalista, estudante de psicologia ou qualquer outra coisa, coloca a mãozinha na consciência e fale a verdade do porquê de estar lá. O grupo pode ou não te aceitar ali, RESPEITE!!!!!!!!!!!! Mada é sério e tem ajudado milhares de mulheres onde ninguém mais ajuda."
Qual o problema de uma pessoa que não precisa do grupo e vai por curiosidade não dizer isso? Ninguém tem como controlar esse dado (que eu saiba, em grupos de ajuda não se pede nem documento para entrar). Inclusive, os membros também podem assistir às reuniões sem falar nada ou usar um pseudônimo em vez do próprio nome. Então, se a pessoa vai só pra observar, não vejo problema. Seria se a pessoa desrespeita os participantes, tenta "investigar" a vida deles etc. O que pode ser feito por qualquer um, até os membros.

Anônimo disse...

Ô PUTO DAS 22:27 PEGA ESSES CONSELHOS "TUDO" JUNTO COM TEU AMADO KY E ENFIA NO CU.
AGORA VÁ SE FUDER.


VAZA.DE NADA

Zulmira disse...

À medida que ia lendo o relato comecei a ter uma reação inesperada. Não entendo bem por que, mas fui ficando com raiva da menina. A pessoa se deixa usar e abusar, e depois vem com choramingações. Poxa, desde o começo esse cara deu mostras inequívocas de ser um vacilão da pior espécie, e mesmo assim foi sendo tolerado -- e, por que não dizer? -- encorajado a persistir em suas atitudes. Não tem razão em reclamar não, aguentou porque quis, ninguém obrigou. Não estou vendo vítima e algoz nessa história, apenas duas pessoas com graves problemas de autoestima que se completavam em suas neuroses.

Anônimo disse...

Querida B.,

Ignore o "conselho" do mascu das 22:27, é meu conselho. ;)
Apesar de que, isso aí pode ser bem aproveitado como um guia do que NÃO fazer!

Olha... deve ser muito deprimente viver na pele de um mascu inseguro que não se garante e precisa anular psicologicamente a parceira, em uma tentativa de ser menos loser do que realmente é.
Tadinhos... Eles sofrem taaaanto com isso, somos "malvadas" demais por não compreendermos isso... Só que não!!!

A frustração desses caras é que cada vez mais mulheres percebem o quão abusivos, opressores e nocivos eles podem ser, percebem que não precisam se sujeitar a isso, cultivam amor próprio e se empoderam com a ajuda do feminismo; o que dificulta muito a expectativa deles em continuar oprimindo as mulheres e mantê-las psicologicamente dependente deles.
E isso que só estamos começando, a situação deles vai piorar cada vez mais! Homem abusador não merece se relacionar com mulher nenhuma!

As vezes, se o mundo inteiro parece ser errado e só a gente certo, pode significar justamente que temos muito patriarcado ainda para desconstruir, isso sim!

Anônimo disse...

Essa Zulmira só pode ser um Zulmiro...
Se ficou com raiva da menina, foi pq descobriu agora que, ainda que demorem um pouco, as mulheres têm força para meter o pé na bunda de mascus como o ex dela, e que não são obrigadas a aguentarem omi escroto nenhum.

Depois não reclamem, mascus, quando mais mulheres "assumirem que são responsáveis por evitar esse tipo de situação" (só na ótica deturpada de vcs a culpa é da vítima. sem comentários quanto a isso...)e, para evitar problemas, rejeitarem vcs sistematicamente! Aí é que eu quero ver a choradeira mesmo... hahaha

Anônimo disse...

Escreve um guest pra Lola!

Anônimo disse...

Vale a dica hein, galera: não dêem palco pra palhaço.
B e Bruna, espero que vocês sejam muito felizes nos anos que vem.

Anônimo disse...

Anon 22:27, se esse seu comentário fosse a redação do ENEM eu daria zero por incoerência e pobreza de argumentos. Eu estou dando tanto zero pra machista corrigindo essas redações que não resisti em avaliar seu comentário.

Anônimo disse...

Quero só ver o auê que vai ser o resultado da correção dessas redações.
O que vai ter de gente sem entender pq zerou e pedindo revisão da nota não vai estar no gibi!

Anônimo disse...

Sobre o uso de KY a Ronda Rousey deu a dica para a mulherada.

http://esporte.uol.com.br/mma/ultimas-noticias/2015/11/04/ronda-da-dica-picante-sobre-sexo-e-diz-o-que-um-homem-tem-de-fazer-na-cama.htm#comentarios

"Ronda dá dica picante sobre sexo: 'lubrificante é para preguiçosos'.
Ninguém deveria usar lubrificante na sua vida. Se você precisa de lubrificante, é porque está sendo preguiçoso. E não está usando seu tempo da forma certa".


É isso aí. A vagina produz lubrificação. Se você não foi capaz de deixá-la molhada você não merece enfiar seu pau lá dentro. Estamos conversados?
Manda ele bater uma punheta com o próprio cuspe se está com pressa.

Anônimo disse...

(Viviane)
Pior, 02h42, postando os "geniais" textos nas redes sociais e pondo a culpa da nota zero no PT! "Maldita ditadura lulo petista comunista bolivariana feminazi!" Hahahahaha!

Camila Valente disse...

TO CHOCADA!

Que bom que se livrou. Esse tipinho é o pior. Nunca mais você vai cair em uma cilada dessas!

Felicidades na sua nova vida.

Beijos!

André disse...

22:27 é o Capitão América. Ficou congelado 70 anos e acordou todo defasado para fazer "boas ações".

Anônimo disse...

B. reforço que de jeito nenhum siga o conselho do mascu 22:27; aliás, NENHUMA mulher lendo esse post siga esse conselho. É só um mascu abusivo tentando ajudar outro, fazer uma lavagenzinha cerebral nas mulheres que ainda estão começando no blog pra ver se rola uma coitada pra ele usar e maltratar. Moças, NÃO escutem o mascu das 22:27. Ele só tá querendo garantir o próprio saco de pancadas. Pé na bunda geral pra mascuzada!

Zulmirx, leia o blog todo. Se você for uma mulher machista, vai entender como o esquema funciona. Se você for um mascu enchendo o saco, então vá tomar no cu.

Anônimo disse...

os mascus falam que mulher nunca se apaixona por homens, apenas pelo dinheiro, e depois falam que sempre quando uma mulher faz sexo se apaixona....decidam-se logo.

Roberto disse...

Entendo que relacionamento abusivo geralmente é um risco imenso para uma mulher, por conta de agressões físicas, e entendo o que é uma agressão psicológica também.

Mas nesse caso, se li direito, se tratava de um sujeito chato pra caralho e não de um "psicopata" que partiu pra ameaça física. Sobre pessoas chatas pra caralho, vou compartilhar histórias minhas (homem), com mulheres:

1. Fiquei com uma garota umas duas vezes. Eu 22 e ela 30+ (nunca perguntei a idade e fui considerado um cavalheiro por isso). Me afastei e comecei a ficar com outra. A primeira me viu com essa segunda. Passei 3 semanas sendo xingado por SMS e recebendo ameaças de que ela contrataria alguém pra me espancar. Psicopata? Não, só uma mulher decepcionada e com raiva, que depois se acalmou.

2. Último namoro: eu 25 e ela 24. Reclamava sistematicamente das minhas roupas (na moral, eu sou bonito e me visto bem, mas gosto de roupas simples e ela queria que eu usasse umas paradas mais playboy, aka: barangas); falava mal dos namorados anteriores ao ponto deu sentir pena deles ao invés de algum tipo de ciúme ou competição; não aceitou minha decisão de parar de beber álcool por tempo indeterminado, insistindo de forma passivo-agressiva para que eu voltasse a fazer algo que não estava fazendo bem ao meu corpo; reclamava que eu não conversava muito com ela enquanto eu dirigia e precisava ficar atento ao trânsito, que eu não perguntei detalhes de como foi uma viagem que ela fez sozinha, e que um dia eu atendi o telefone com um "oi" ao invés de "oi, gatinha", pois supostamente estava com vergonha dos meus colegas de trabalho.

Ser chato pra caralho em um relacionamento é diferente do abuso violento, e pode ser praticado por qualquer sexo. Muitos homens que espancaram e mataram suas companheiras eram carinhosos e " acima de qualquer suspeita", então fico com um pé atrás antes de colocar chatos e violentos no mesmo barco.

Anônimo disse...

8:08. Toma vergonha!

São as feministas que ficam assediando meninas de 12 anos na rua, pq elas "já aguentam" ou sexualizam novinhas.
Na hora do vamover esses machistas adoram tirar o deles da reta né. Anjinhos.

Anônimo disse...

Mas que merda, já vem esse povo chato que nunca abaixou a cabeça, nunca errou, apontar o dedo pra moça porque ela "deixou o cara abusar dela". O importante é que ela saiu dessa e hoje conta a própria história. A ideia de que precisamos de um homem também é enraizada pelo machismo, tanto que o insulto "mal-amada" não é usado pra homem, e sempre dá a entender que o amor mais importante é o que vem do macho. Enfim, ela pode ter sido passiva, mas o errado da história era ele.

"cara que é muito controlador e inseguro com as pessoas com quem a mulher se relaciona, é um bom sinal que "tem coisa"' Verdade. Ele projeta nos outros homens o que ele realmente é.

Anônimo disse...

Roberto,

Abuso Violento não é só bater. Envolve abusos psicológicos também. Se uma pessoa humilha a outra até que ela se deteriore, entre em depressão etc, isso também configura como uma forma de violência. E o pior, ela dificilmente é detectável porque não deixa marcas aparentes.
Uma coisa que está sendo chata para discussão é todo post haver um "ah, a mulher também faz isso". Vai discutir violência contra a mulher "ain, mas os homens estão morrendo", "tem mulher que bate em homem". Será que todo post vai ter que ter um aviso gigante que o assunto é sobre a violência contra a mulher? Ninguém aqui tá afirmando que todas as mulheres são santas. Estamos discutindo e fazendo contextualizações históricas de como passa o tempo e continua-se a ver casos de abusos psicológicos contra as mulheres.
Se não querem discutir sobre isso, se mandem para os foruns masculinistas.

A.

Anônimo disse...

"(Viviane)
Anon 16h51, muito bom seu relato sobre o MADA. Embora eu tenha várias ressalvas ao modelo do AA, nesse caso das relações abusivas (que não configuram necessariamente uma "compulsão") deve funcionar bem.
Mas este trecho me preocupou: "Se você for jornalista, estudante de psicologia ou qualquer outra coisa, coloca a mãozinha na consciência e fale a verdade do porquê de estar lá. O grupo pode ou não te aceitar ali, RESPEITE!!!!!!!!!!!! Mada é sério e tem ajudado milhares de mulheres onde ninguém mais ajuda."
Qual o problema de uma pessoa que não precisa do grupo e vai por curiosidade não dizer isso? Ninguém tem como controlar esse dado (que eu saiba, em grupos de ajuda não se pede nem documento para entrar). Inclusive, os membros também podem assistir às reuniões sem falar nada ou usar um pseudônimo em vez do próprio nome. Então, se a pessoa vai só pra observar, não vejo problema. Seria se a pessoa desrespeita os participantes, tenta "investigar" a vida deles etc. O que pode ser feito por qualquer um, até os membros."

O problema é que o MADA, muitas vezes, é a única ajuda que essas mulheres conseguem ter dentro de uma dinâmica de abuso. O único espaço seguro onde vc pode falar e ser ouvida, e quando digo ser ouvida é ser ouvida mesmo, você tem alguns minutos para falar (com direito a reloginho marcando o tempo, pra dar tempo de todo mundo que quiser falar ter seu momento). É princípio basilar desses grupos a garantia do anonimato e um dos lemas é "deixar o que acontece aqui dentro, aqui dentro", traduzindo em outras palavras. Se alguém vai ĺa dentro, coleta dados sem autorização de ninguém e faz sua pesquisa, trata-se além de uma falha ética tremenda, uma falta de respeito extrema com pessoas que já estão vitimizadas. Assim, se a pessoa quer fazer uma reportagem, um trabalho etc. ela DEVE pedir autorização antes e em algumas sessões, especialmente as que abordam temas mais hardcore, aí não pode fazer de jeito algum. Isso também evita que essas mulheres sejam assediadas por jornalistas e estudantes justamente no momento em que estão mais vulneráveis, depois de terem se aberto lá e exposto seus problemas. MADA não é circo não.

Anônimo disse...

Ninguém vai fiscalizar, pedir documento, nome, absolutamente nada, você entra lá e pronto, já faz parte. Mas colocar a mão na consciência e entender o propósito do grupo ali é uma medida a se respeitar sim. Mas aí vai do caráter (ou falta de) da pessoa.

Anônimo disse...

Aliás, entra na questão do consentimento também, conceito esse que as mulheres sabem bem o que acontece quando não respeitado. Quer fazer pesquisa, reportagem? PEÇA. E respeite a decisão do grupo. Tudo é votado entre as companheiras.

Anônimo disse...

Como falaram lá em cima, vá em um forum ou site ou blog de "machos" e faça um comentário tipo: " Mas nesse caso[...] Sobre pessoas chatas pra caralho, vou compartilhar histórias minhas (mulher) com homens"...
E vejam quantos vão ter paciência de ficar explicando qualquer coisa pra mulher...qualquer mulher independente da história...

Não entendo esse feminismo paciente e cuidadoso com quem só tenta nos desmerecer e destruir...

Roberto disse...

Anônimo 09:10,

Eu entendo e isso está na minha primeira frase. Sei também que por vários motivos a agressão contra a mulher é mais intensa e difícil de escapar do que contra o homem. O meu ponto está em reconhecer que ser chato e sem noção não esgota o perfil de agressor. Existem agressores que passam anos com a medalha de "homem moderno bacana de mais", grudada no peito, tanto pra companheira quanto para a "soçedade".

Dei exemplos de mulheres porque é tudo que posso dar. E não, não é um problema para fórum masculinista porque eu não estou tirando conclusões sobre a natureza feminina com base nas duas mulheres que citei.

Anônimo disse...

Roberto,
É claro que tem muito homem que posa para a sociedade ser legal e romântico. Vide o tanto de mulheres que se aproxima deste tipo de homem e depois descobrem quem ele é de verdade.
Só que a gente tem que ter cuidado em relevar esse tipo de história e classificar o cara apenas como chato. E pq? Pq a gente nunca sabe que linha é essa que divide o sujeito chato do psicopata. A linha que separa um sujeito apenas ciumento de um possessivo obsessivo é tênue. Hoje o parceiro está olhando o meu celular, amanhã está hackeando meu computador. Hoje, ele me dá um tapa durante uma discussão, amanhã ele está me espancando. Entendeu? São por esses mitos de que o sujeito vai mudar, que é só uma fase, que ele é "só chato", que muitas mulheres acabam ignorando as gradações de violência as quais são submetidas. Por isso, muitos casos são subnotificados. Quando trata-se com irrelevância, pode ser tarde demais para tomar medidas. E aí, a culpa é sempre da mulher que não denunciou.
Acredito que o mesmo possa ocorrer com homens. O machão dificilmente vai admitir que está sendo perseguido pela ex-namorada e se sente ameaçado por ela. Ele pode até sentir no íntimo, mas não vai querer que a sociedade saiba. Sacou o quão irresponsável a atitude de classificar um perseguidor e abusador apenas como "chato" pode causar?
Minha crítica ao "iuzomismo" foi ao comentário das 17:02 e uma crítica geral aos comentaristas homens aqui no blog desde que eu comecei a frequentar.

A.

Roberto disse...

A.,

Não falei de um homem que posa de legal e romântico, mas de moderno, bem-resolvido, "não ligo pra nada não" (me lembrou de um texto que li essa semana sobre um personagem progressista E estuprador de um livro do Llosa: http://medium.com/@luzeiro/the-deaths-of-galileo-gall-b39c3ad2972). O romântico e o violento são tão próximos que já não enganariam mais ninguém hoje. Tanto que, no próprio post que estamos discutindo, o rapaz faz juras de amor para que o relacionamento não acabe.

Eu vejo uma rejeição nesse círculo feminista ao homem com pinta de tradicional e meloso como possível agressor e dou razão. Concordo com o seu alerta a não subestimar o "chato", eu fui mesmo leviano quanto a isso no meu primeiro comentário. Mas entendendo que psicopatia (ou qualquer outra patologia psíquica nesse tom) tem raízes biológicas e espirituais que tornam as coisas bem mais difíceis de decifrar. Está além de cultura e comportamento.

Pra ser mais direto: uma mulher pode apanhar tanto do romântico "mascu" quanto do modernoso que segura a mochila dela em uma passeata feminista. Reduzir o problema a tão somente "cultura" e "mentalidade" não aborda os riscos de forma completa. Assim como o abusador da infância costuma ser uma pessoa próxima, e não o maníaco desconhecido da rua, vejo um risco em se preocuparem somente com o romântico em extinção ao invés do homem mediano, que é mais "largado".

Quanto a um homem sentir vergonha de contar para as pessoas que está sendo ameaçado por uma mulher, concordo com você. Na época contei somente para uma pessoa como uma forma de "se acontecer alguma coisa comigo, já sabe".

Até.

Anônimo disse...

É isso aí. A vagina produz lubrificação. Se você não foi capaz de deixá-la molhada você não merece enfiar seu pau lá dentro. Estamos conversados?

Foi uma adolescente de 15 anos que escreveu isso? Só pode, quanta insensibilidade.

Anônimo disse...

Roberto,

Não acredito que estamos reduzindo o problema à cultura. Veja que há gradações entre psicopatas. Nem todos os psicopatas são assassinos a sangue frio.
Baseado apenas no relato da moça, não há como bater o martelo e dizer: olha, esse moço é psicopata (creio que os comentários assim se referem muito mais ao sentido popular que ao sentido médico), assim como não há como falar: olha, esse moço é só um stalker qualquer.

Mas há pelo menos dois aspectos envolvidos no contexto. Depreende-se do relato que o moço deve ter algum tipo de desordem psicológica. Note-se que ele desenvolve uma dependência extrema da namorada ao mesmo tempo que a rechaça. Ele tenta moldar o comportamento da B., com base nas suas convicções de uma mulher honrada, mas ao mesmo tempo se sente injustiçado por ela ter tido mais experiências amorosas que ele (pode ser um traço de insegurança social até o de baixa autoestima, não há como saber). Durante três anos, ele parece ter tido prazer em vê-la se submeter, fazer as suas vontades e humilhá-la. Estes não são comportamentos de uma pessoa saudável e confortável consigo mesmo.
Fatores culturais impulsionam este processo. Se há um entendimento de que é normal e legítimo ele fazer isso, um sujeito não-psicopata vai achar perfeitamente cabível tratar a namorada desta forma. Ao mesmo tempo, há condicionantes culturais que levam a vítima a aceitar este tratamento, que levam a vítima a não denunciar, etc. O aspecto cultural reside no comportamento da vítima e no dos outros. Daí, quando atenuamos fatores culturais e comportamentais, há uma probabilidade muito menor de que os crimes passionais, como culturalmente são conhecidos, ocorram.

A.

Anônimo disse...

11:07, ótimo. Vá e não volte. Aí é menos um misógino para escrever merda aqui.

Anônimo disse...

Se não ficasse enfiado em chan o dia inteiro iria saber direito do que se trata a nova lei. Quando a gente pensa que a burrice tem limite, vem mascu e te prova que não tem

Emieli disse...

Só consegui ler o comentário da Bruna ! E queridase vc ainda não saiu... saia desse relacionamento imediatamente!!! Estou a
Dois anos e dois meses q me separei fugi de casa em Fortaleza e voltei p casa dos meus pais no Pará. Motivo? Esse post todinho foi como fazer a releitura do q vivi! As humilhações, a vontade de pisar em mim p parecer em meio a sociedade! As agreçoes!!! Físicas emocionais E psicológicas... Três anos... Três filhos . Estou a quatro dias da audiência para direito a visitar os filhos! Sim... Agora o motivo são os filhos depois de um ano de divórcio litigioso! E todo esse tempo mal pagou a pensão alimentícia para eles, e ainda se considera uma vítima da bruxa aqui que deu um basta nos abusos desse ser inescrupuloso!

Roberto disse...

A.,

É possível ter uma moralidade conservadora em relação ao sexo e a relacionamentos e não resvalar para a violência física e psicológica contra a mulher. Vamos chegar em uma Missa e apontar na cara de todos os homens presentes que eles são um perigo para as esposas que rezam aos seus lados? Por conta de um sem noção "acobertado culturalmente" vocês estão forçando uma ideia que não é um compromisso incondicional com as mulheres, mas uma abordagem bem específica de relativismo sexual.

E na boa: fora os religiosos, que dominam o grosso da população brasileira e não ouvem as feministas, nossa sociedade já está bem amaciada. Mesmo nas famílias mais tradicionais, uma mulher jovem que se casa com o primeiro namorado é mais rara do que um comunista que não gosta de dinheiro. Nos círculos onde alguém se dá ao trabalho de ler um livro ou acessar um blog, a "guerra cultural" já foi vencida pela esquerda. Onde mais querem chegar?

E repito: sabendo o quão complexa é uma situação de violência física e perseguição moral, nada me faz acreditar que um homem "esclarecido" deixou de ser um perigo. Se o "virjão" é uma bomba-relógio por ser ressentido, imagina um cara que acha que a palavra "negativo" é racista.

Boa sorte e façam aulas de muay thai mesmo.

Roberto disse...

A.,

Você acha mesmo que se essa história fosse contada no meio de um bando de católicos tradicionais, eles falariam "Normal, qual é o problema"?

É claro que não. Essa história é bizarra pra qualquer um que a ouça. Nem muçulmano eu já ouvi falar que estabeleceu meta de peso pra esposa.

Achar que a cultura de uma população é "ajustável" já é ingênuo (ela muda, mas sem guia definido), tentar fazer isso sem conhecimento das origens e força dos lado concorrente - no caso, o conservadorismo sexual - e ainda fazer suposições falsas sobre o que é "acobertável" ou não, já é megalomania.

Anônimo disse...

Se alguém sério ainda está olhando os comentários, queria comentar que não é fácil identificar um relacionamento como abusivo quando vc está no meio dele, mesmo que depois de resumir a história (ppalmente se depois de superada) pareça tão evidente quanto no post. Mas acho que meu caso nem mesmo na versão resumida (até onde consigo hj) fica claro... Há atitudes do meu parceiro que cabem dentro das menos pesadas dos relacionamentos abusivos, mas ele começou com isso só depois de erros reais meus. A ppal é que traí ele, isso foi errado, e depois combinamos voltar e tentar superar tudo, mas ele ficou extremamente ciumento e inseguro. Acho que muitos concordam que pode ser normal, mas ele tem atitudes controladoras e cobranças que me fazem muito mal. Então tem sempre os dois lados, tem coisas que ele faz que não concordo (e se olhar só isso, ele estaria sendo abusivo e eu devia deixa-lo) mas me sinto impossibilitada de brigar devido à parte que corresponde a mim da fragilização nele. Isto tudo começou depois de anos de relacionamento legal, de respeito mutuo, e já leva mais do que um ano sem melhorar nem piorar. Então não adianta me dizer: "esse cara é o demônio manda ele pro inferno neste instante", porque isso não traz nada novo e não é tão fácil assim.
Al.

Anônimo disse...

Roberto,

Não entendi a razão de no seu comentário vc estar fazendo relação com moralidade sexual, religiosa e com católicos que acham certas atitudes comportamentais aceitáveis. No meu entender, a situação que a moça passou transcende religiões ou estilo de vida, ou qualquer outra coisa. Tanto que nem entrei nessa questão e nem caberia, já que não me recordo de ler no texto se houve alguma menção à religião do rapaz ou da moça. Reiterando o que eu disse em comentários anteriores: ninguém vem com MISÓGINO ABUSADOR escrito na testa. Pode-se encontrar esses exemplares até entre os chamados "feministos".
Quando se discute o machismo nestas situações se discute pq comportamentos machistas são legitimados. Pq ainda há polêmica quando uma moça se diz perseguida? Pq um homem que é perseguido pela ex-namorada tem receio de denunciar e virar motivo de chacota entre os amigos? Pq esse rapaz se achou no direito de cobrar da moça adequação a peso, vale night e condutas sexuais? Pq mulheres acham que seus parceiros vão mudar? Não está sendo posto em pauta religião nem conservadorismo sexual.


A.

Roberto disse...

A.,

Toquei na religião católica porque é sim um sistema de pensamento que moldou a cultura que está sendo colocada em jogo. A mesma cultura "acobertadora de misóginos" apontada por feministas, justamente por ter feito escolhas bem restritivas em relação ao sexo e onde "emancipação feminina" de segunda e terceira onda não é encorajada.

Mas tudo bem, se você entende que é possível ser conservador e religioso sem ser violento e abusivo, acho ótimo, pois sou católico.

Se você consegue distinguir um sexismo puramente mau no mundo sem apontar para tradições conservadoras, eu fico até impressionado. É uma novidade no discurso de esquerda.

E por fim, fico feliz do "feministo" ter sido mencionado.

Um abraço.

Lynne disse...

Sei perfeitamente como é se sentir assim, já estive em três relações abusivas. Em uma delas o desgaste foi tão grande q pensei: como pode um cara fazer com que uma pessoa que o prezava tanto (eu) depois de um tempo não o quisesse mais nem ver na frente?

É tanta besteira que eles fazem, que não sobra mais nada. Quando termina a gente só tem alívio.

E sim eles se fazem de vítima ainda pra nos culpar. Pq eles podem trair, podem nos diminuir, encher o saco. Mas nós não podemos seguir com a nossa vida.

Tudo de bom pra vc.

Anônimo disse...

(Viviane)
Anon 09h18, obrigada por responder. Tentei responder pela manhã, mas tive um problema e só consegui agora.
Agora entendi seu ponto: realmente, se um estudante universitário de qualquer área tenta fazer uma pesquisa sem consentimento do participante, é sinal de que está sendo muito mal orientado por seus professores. Não podemos controlar o caráter das pessoas, mas que curso universitário (seja graduação ou pós) é esse que não prepara o aluno para fazer pesquisa? Concordo com você, MADA não é circo, e nem a vida de qualquer pessoa é espetáculo pra jornalista brincar de entrevistar ou estudante brincar de pesquisar #vergonha

J.M. disse...

Mascu das 16:30, você sabe ler? (talvez juntar palavras e formar frases, sim). Sabe interpretar textos com a mensagem mais óbvia possível? (Bom, aí eu sei que já é exigir demais da tua cabecinha, entendo).

Pois bem, sei que é impossível para seus dois ou três neurônios processarem, mas a moça relatou em todo o post que por TRÊS anos tentou viver para beneficiar o projeto de mascu que ela namorou. Entendeu? Nem precisa responder.

Bizzys disse...

Confesso que estou achando engraçado esse macho dos conselhos esdrúxulos. Aposto que se a B. tivesse dito que o que ex deu um tapa na cara dela durante uma discussão, o mascu daria uma explicação JENIAU como "vai ver ele só deu o tapa porque tinha um inseto no seu rosto e ele queria matar o bicho! Você deveria agradecer por ele ter sido tão cuidadoso contigo! "

J.M. disse...

Mascu das 19:35, que eu saiba qualquer pessoa, com o mínimo de caráter e bom senso, seja mulher ou homem, jamais vai querer se igualar a resíduos humanos como "Vcs" (rsrs).

Anônimo disse...

Esse negócio do KY foi a coisa mais doentia que já ouvi as feministas falarem.

Que isso, gente.. .então a mulher tem que ficar molhadinha naturalmente APENAS?? não pode ser usado nenhuma ajuda para que a mulher fique ainda mais molhadinha, dando mais prazer para ele e para ela também?

Eu mesmo uso KY com minha namorada, adoramos o sexo assim, eu gozo bem rapido e ela também adora. Por que querer obrigar todas as pessoas a fazer sexo apenas de uma maneira? apenas com "lubrificacao natural"?

Voces não sabem o que estão perdendo. Acho que vcs preferem ficar, sei lá, umas DUAS HORAS LA SE ESFREGANDO NAQUELA SECURA, depois ficam todas assadas e não sabem porque.

Anônimo disse...

"Eu mesmo uso KY com minha namorada, adoramos o sexo assim, eu gozo bem rapido e ela também adora"

"eu gozo bem rápido" hahaha vai nessa que ela adora, tá fingindo, acorda, é vc que fode mal mesmo.

J.M. disse...

Kkkkk mascu incorporando a namorada imaginária. A gente só vê aqui...

Anônimo disse...

O mascu vai dizer que ela não podia ir sozinha na padaria pq o namorado se preocupava com a segurança dela, afinal violência urbana tem em todo lugar. Também não podia aceitar carona de colega porque vai saber quem é ou não é psicopata hoje em dia? E se levar ela do carro pro mato? Pelo mesmo motivo excluiu o cara no Facebook, afinal chamar mulher de "meu anjo" é pura cara de stalker mesmo, melhor proteger a namorada desses loucos. E a chantagem emocional pra controlar o peso da moça, gente isso não era chantagem, era só um rapaz preocupado com a saúde da sua amada! Olha só que homem perfeito, do tipo que toda mulher quer! Só que não

J.M. disse...

Sério, esses lunáticos sabem como ninguém como ser ridículos, teriam futuro em algum "the night" por aí...

Anônimo disse...

Ah tá que a pessoa das 20:57 é uma mulher adulta usando xingamentos de 5a série e expressões típicas de marmanjo ("colocar as aranhas pra brigar", vai nessa que foi mulher dizendo isso). Ainda escreve igualzinho ao "namorado", usando caixa alta nas palavras que quer ressaltar. Mascu vc não engana não, teatrinho de merda esse seu.

Anônimo disse...

Você não deveria ter ido na moto com outro cara, nem manter amizades no face que ficam te cantando. Fora isso, vc está com a razão!

lola disse...

Raven, por favor, onde tá esse comentário? Em que horário? Assim fica mais fácil encontrar.

Julia disse...

Lola, os comentários com gaslighting são esses.

19 de novembro de 2015 22:27

19 de novembro de 2015 23:14

20 de novembro de 2015 16:30

20 de novembro de 2015 20:40

Anônimo disse...

Você só espanca a língua portuguesa, otário.

CeticaSsa disse...

Estava lendo os comentários, me deparei com a Al... fiquei pensando: vivi isso! porem, dentro do padrão - ele me traiu. E eu fiquei louca possessiva por meses. Doente c os horários, vasculhava cel, emails e redes sociais... cheguei a pensar e hackear o pc do homi. Não acabava nunca! sabia de todos os passos q ele dava, exclui pessoas do face, afastei dos amigos... sentimento doentio do caralho, não sei como ele aguentou. E não sei direito qd comecei a melhorar, mas sei q foi qd ele se impôs a disse q se eu perdoei a traição, não dava pra viver daquele jeito. Ele tinha errado, a gente ia tentar de novo ou não. Eu precisava de tempo p me curar, mas enquanto eu achava q ele tinha q aguentar vários absurdos pq tinha traído, n mudava nunca. Ele n tinha q ter aguentado tudo o q fiz. No inicio, eu realmente precisava de demonstrações de q ele tava disposto a ficar só comigo. Mas virou "nossa vida', nossa rotina - cobranças, perseguições, brigas por qq garota q desse qq oi mais entusiasmado.Gente, n era vida não! horrível, pra ele e p mim. Ele não me mandou pro inferno, mas chegou no limite. Eu nunca disse em voz alta, mas me prometi ter mais controle, buscar melhorar... e ai estamos juntos ate hj (faz 5 ano isso).

Não vai funcionar se vc ficar pra sempre aceitando tudo o que ele faz com vc pq vc errou primeiro, acredite em mim: não melhora. Não existe isso de "real". Vc errou traindo, na real, e ele esta errando sendo abusivo com vc, na real tbm. É tudo realidade, não e submeta.

CeticaSsa disse...

*não se submeta.

Anônimo disse...

Se você começou a ficar obsessiva porque foi traída aqui vai a dica de ouro: traia também. Você vai ver como sua consciência vai ficar muito mais leve e sua relação vai voltar ao normal.

CeticaSsa disse...

kkkkkkk 17:20

não é uma ma ideia não. Se houver próxima vez, quem sabe.

Raven Deschain disse...

Aff desculpa Lola, fiquei sem internet.

Obrigada Julia! =*

Anônimo disse...

"Anon 09h18, obrigada por responder. Tentei responder pela manhã, mas tive um problema e só consegui agora.
Agora entendi seu ponto: realmente, se um estudante universitário de qualquer área tenta fazer uma pesquisa sem consentimento do participante, é sinal de que está sendo muito mal orientado por seus professores. Não podemos controlar o caráter das pessoas, mas que curso universitário (seja graduação ou pós) é esse que não prepara o aluno para fazer pesquisa? Concordo com você, MADA não é circo, e nem a vida de qualquer pessoa é espetáculo pra jornalista brincar de entrevistar ou estudante brincar de pesquisar #vergonha"

Brincar de pesquisar, falou bem.

Fora que dependendo do que sair de lá das reuniões você pode basicamente estar colocando a vida de alguém em risco. Vai saber, nesses tempos que tudo "viraliza" na internet.

Pra vocês terem uma ideia, só o fato de diversas reuniões serem realizadas em lugares insuspeitos - igrejas, por exemplo - já está contribuindo para a mulher ter um espaço seguro para conversar. Pra todos os efeitos, ela foi à missa.

A quem interessar possa, as premissas do MADA estão bastante relacionadas a relacionamentos codependentes, entretanto vocês podem encontrar grupos anônimos somente de codependência. Googla, vai lá, paga nada, senta e escuta o que o povo tem a dizer e vê se você se identifica.

Seja lá qual for o seu problema, juro: você não está sozinho(a) nele.

Lyzze disse...

As pessoas só vão entender o porquê quando elas passarem por isso. Eu, Lígia, feminista, forte, que nunca precisou de ninguém, fui completamente submetida e tive a confiança destruída por dois anos por um bosta 10 anos mais velho.
Mas ora vejam só: ele continua sendo um bosta, 1 ano depois. E eu, eu voltei a ser a MARAVILHOSA que sempre fui. <3
Força, mina. ;) doeu ler seu relato, me vi muito nele.

Lyzze disse...

Tá me fazendo um mau imenso ler esses comentários, tendo tido um namoro abusivo e sofrido gaslight.

Gente, vamos ler antes de comentar coisas ofensivas do tipo "tive raiva da menina" e "como ela se deixa tratar assim". DEPOIS QUE ACONTECEU TUDO FICA ÓBVIO, QUANDO TU TÁ DENTRO TU NÃO PERCEBE NADA.
Se uma pessoa fala uma vez que azul é roxo, tu chama dela de louca. Se ela fala todos os dias que azul é roxo você começa a se perguntar se a louca não é você!
MAIS EMPATIA, POR FAVOR. Leiam sobre relacionamento abusivo e gaslight, vocês nunca vão entender até passar por um. E cara... porque tem HOMEM AQUI querendo dar uma de "mulher mimizenta"? Se coloquem nos seus lugares! PORRA!

Anônimo disse...

Querida B.
Fico feliz de vc ter se livrado daquele traste, e preciso dizer que te entendo. Tudo que vc relata eu vivi, por 7 anos e com uma mulher. Ainda com os agravantes de que não tínhamos dinheiro e ela me batia.
Ela me sabotava quando eu dizia que queria um emprego legal, para nos sustentar, mas tudo que eu ganhava com freelance era utilizado para bancar a casa sozinha ou satisfazer os caprichos dela. Comprei muita roupa lara mim em brechó por necessidade, enquanto ela desfilava roupas e perfumes bons com as amantes.
Tinha de esperar aprovação para saber com quem falar, o que falar... aturar suspeitas de que eu estivesse interessada em outr@s. Por medo de destruir o lar, eu aceitava... tinha esperanças. Mas no fundo me sentia um cachorro adestrado (e muito maltratado)
Outro ponto em comum com seu relato, B., é que eu chamo essa fase da minha vida de "apagão". Perdi 7 anos da minha vida.
Consegui me livrar desse relacionamento abusivo, sofri muito com as sequelas mas consegui me refazer e, tempos depois, até amar, em um relacionamento saudável. Hoje estou casada e feliz. Mas as marcas ficam, e ler um relato como o seu me faz muito mal.
A minha história ocorreu entre 2001 e 2008. Se este blog existisse nessa época, e se eu tivesse acesso, tudo seria bem diferente (porque foi aqui que tive meu primeiro contato com o feminismo)
Um abraço a todas que saíram de relações abusivas, e um maior ainda às que vão sair. Vocês vão conseguir. Eu também não acreditava que seria possível, mas no fim deu tudo certo. Bjs.

Anônimo disse...

hmmm cheirinho de mascu

Anônimo disse...

O que leva uma mulher a se anular desse jeito? As pessoas são diferentes e não podemos de forma alguma ditar regras para o comportamento alheio, mas taí uma coisa que me intriga em algumas mulheres: não ler os sinais que estão na cara do sujeito! Algumas vezes o próprio cidadão, como nesta história, fala alto e bom som! Já vi vários casos parecidos! Tenho uma irmã, engenheira de sucesso, que se apaixonou por um pilantra que se dizia médico. Descobrimos que o cara era um pilantra que sequer possuía curso superior! Não que ter curso superior sirva de medida de caráter de alguém, mas fiquei surpreso em ver esse cara ter lábia para enrolar por um ano uma mulher inteligente e estudada!

Anônimo disse...

Conheço uma mulher, a Jan.A Jan começou a namorar com 17, casou grávida com 21, fez a faculdade que o marido quis, ele comprava as roupas dela, o salário dela caía na conta dele...Os dias que ela ficava mais feliz era quando ele viajava a trabalho. Aí ela podia fazer a comida que queria - é, até nisso ele mandava.
Bom, um dia ela descobriu que ele saía com outras. Quase morreu, afinal ela fazia o que ele queria na cama pra ele não ir procurar outras por aí. Jan separou e disse que nunca mais seria humilhada por um homem.

Isso faz menos de 2 anos e a Jan arrumou um namorado, mais velho, médico. Eles estão juntos há um mês e ele manda na roupa dela, nos dias que ela vai pra academia, no que ela vai comer e onde vai aos fins de semana - geralmente pra casa dele, fica cozinhando lá.

E ela achando lindo, romântico, um homem assim. Se ela dormir e não mandar um Boa Noite pelo Whatsapp, é a morte, ele briga. Esses dias ela foi ao supermercado de shorts, ele brigou.

Não entendo como uma mulher linda, que trabalha, se digna a ficar com um sujeito desses.

E essa história nem é inventada, que pena. É real. Não me conformo. 34

Anônimo disse...

"E ela achando lindo, romântico, um homem assim. Se ela dormir e não mandar um Boa Noite pelo Whatsapp, é a morte, ele briga. Esses dias ela foi ao supermercado de shorts, ele brigou.

Não entendo como uma mulher linda, que trabalha, se digna a ficar com um sujeito desses."

Se ela está feliz você não deveria se preocupar com a vida de quem está bem.

Anônimo disse...

"Tenho uma irmã, engenheira de sucesso, que se apaixonou por um pilantra que se dizia médico. Descobrimos que o cara era um pilantra que sequer possuía curso superior! Não que ter curso superior sirva de medida de caráter de alguém, mas fiquei surpreso em ver esse cara ter lábia para enrolar por um ano uma mulher inteligente e estudada!"

Ter inteligência para os livros não significa que você tem inteligência para a vida.

Anônimo disse...

Sou a Al. Muitisimo obrigada CeticaSsa por ter respondido... nem sei como acabei voltando a ver os comentarios hj e sua resposta realmente me deu uma luz. Realmente tenho ficado aguentando, esperando que tudo melhore com o tempo mas até agora não melhora (mais do que um ano), então vou tentar ver desde o lado que vc me fala, que é necessário reconhecer que o que ele está fazendo é errado e que eu não tenho que aceitar isso. Vai ser difícil, mas pelo menos já tenho essa ideia para mastigar na minha cabeça. Muito obrigada!

Anônimo disse...

Cheirinho de mascu por quê? Só porque ela era mulher? Acha que eu vim aqui pichar o feminismo?

Não pensei que eu tivesse, necessariamente, que explicar que tudo o que minha ex aprendeu sobre relacionamentos foi o PAI DELA quem ensinou, por palavras ou exemplos- péssimos, por sinal. Isso não é da sua conta e eu nem deveria me justificar, uma vez que é tão anonim@ quanto eu!

Enfim, a Lola talvez se lembre de mim, pois ganhei o livro dela da pessoa com quem estou... (Lembra, Lola, daquela dedicatória pra moça de SP que adora furadeiras e máquinas de corte e faz serviços considerados "masculinos" como ninguém? Aquela que levantou um muro sozinha? Que utilizou o trabalho pesado para adquirir respeito dos homens da família? Pois bem, sou eu. )

É de cair o c* da bunda a gente reviver e relatar uma experiência dolorosa num espaço como este e receber esse tipo de insinuação. Anon, vá catar coquinho!

Anônimo disse...

Anônimo Anônimo disse...
Engraçado, né?
Passei tudo isso aí que a moça do relato disse. Talvez um pouco até pior. Joguei 05 anos de minha vida fora.
MAAASSSS...

Eu sou HOMEM e a psicopata, diabólica, maldita e louca era a minha EX-Namorada (Ex-Noiva, Ex-mulher, tanto faz...)

Então... não é só homem que faz esse tipo de monstruosidade não, tá OK? Não GENERalizem (de gênero, mesmo). Mulheres são muito más, também. E extremamente violentas, possessivas e ciumentas ao nível de doentes mentais, mesmo. Digo porque passei isso na pele. DEUS-ME-LIVRE!! NUNCA MAIS!!!!!

19 de novembro de 2015 20:51

muito identificado com esse relato, mas com agravante,o que cabe todos os adjetivos dele ali,essa pilantra,mau carater ,sem cultura,intolerante, já saia com ela ,ficavamos, esporadicamente, por cerca de dez anos, até, q em um reencontro, resolvemos namorar, ela,foi perfeita,me iludiu ,passando toda confiança, que poderia, avançar para um casamento, pois bem nos casamos, em 2010, lua de mel em aruba ,e uma menininha ja ,com três, meses na barriga, vou resumir pq é muito grande, vou tirar a parte que não sou santo, aprontei bastante, mas nunca bati, ou trai ela, qdo o encanto inicial do casamento se perdeu e eu enfrentei problemas fisicos de fratura, 2x, seguida, ae, fui ver quem ela era, a infeliz acabou com a minha vida, morava junto, mas a casa era hotel, ficava com minha filha,pra rua com meu carro, e bem resumindo mermo, em 2014, divorcio,a maldita saiu por cima, eu destruido, pagando pensão de 800 reais, não vejo minha filha, q apesar de poder por lei, ela criou um clima tal, que não vejo a menina, ela me bloqueia no face, nem fotos posso ver, telefone,nem pensar, minha menina tem 4 anos apenas, não falo ,não vejo, só penso em morte,tenho pesadelos,acordo desesperado,to destruindo minha saude,enfim, só queria desabafar, é bem pior que só isso.. obrigado

Anônimo disse...

e minha familia banca tudo pra ela, a escola da menina, o melhor plano de saude, ballet gratis

Anônimo disse...

Bom, vc aqui de cima resumiu muito quando disse que "aprontou bastante". Ela se separiu de vc e vc tem que pagar pensão? E dai? Se ela não te deixa ver a sua filha um bom motivo ela deve ter.

Jardel Machado disse...

Mulheres só querem namorar caras descolados, bem falados e bonitos ai no final é isso ai !! Tem tanto feinho com tanto amor para dar sem opressão !!!! Cola em mim que eu sou assim !!!

Anônimo disse...

abigail.santos01990@gmail.com
Fala comigo por lá que posso tirar sua dúvida e explicar melhor a situação se quiser.

Att
B.

Anônimo disse...

Bruna, queria saber como se deu o desfecho de sua história. Fica meu e-mail caso queira entrar em contato, desabafar e afins
abigail.santos01990
Att
B.

Unknown disse...

Que preguiça de vc, que julga os outros por vc mesmo. Não conseguir entender as diferenças é coisa de gente não evoluída