terça-feira, 21 de abril de 2015

GUEST POST: BABILÔNIA, A GRANDE MERETRIZ

Juliana Ferreira de Souza, 28 anos, servidora pública estadual e feminista desde que se conhece por gente, me enviou este texto sobre a novela das nove, Babilônia.

O machismo direto é o mais fácil de combater. Se alguém nos diz, por exemplo, que lugar de mulher é na cozinha, instantaneamente nós já dispomos de vários argumentos que conseguem aniquilar aquele que extravasou tal ideia. O machismo indireto, aquele que não é verbalizado, mas demostrado por ações, é o mais sofrido e difícil e, infelizmente, devido às suas sutilezas, muitas das vezes até aqueles que são adeptos dos ideais do feminismo são contaminados por ele. 
O exemplo atual do machismo indireto é a novela transmitida pela Rede Globo no horário nobre: Babilônia, de autoria de Gilberto Braga. Recentemente iniciou-se no Brasil um movimento de boicote à produção, com fundamento no fato de ser a telenovela “uma ofensa às famílias”, isso porque, em uma das primeiras cenas, a personagem Tereza (interpretada pela atriz Fernanda Montenegro) beija a personagem Estela (Nathália Timberg), além do fato da principal antagonista da novela (Glória Pires) gostar de sexo.
Como um beijo pode causar repulsa?
Justamente aí reside o reflexo da sociedade machista brasileira. 
O beijo das atrizes Fernanda Montenegro e Nathália Timberg chocou tanto porque se trata de duas senhoras que não podem ser comercializadas sexualmente. 
Ora, se fossem duas mulheres jovens, por parte de alguns poderia ocorrer certa rejeição ligada à homofobia, mas com certeza não haveria um boicote; provavelmente as atrizes já estariam no programa do Faustão falando de suas dificuldades para interpretar a cena e já teriam realizado ensaios sensuais por mexerem com o imaginário masculino, como ocorreu com as personagens lésbicas de Giovanna Antonelli e Tainá Muller na novela Em Família (também com direito a beijo) ou com o casal interpretado em Mulheres Apaixonadas pelas atrizes Alinne Moraes e Paula Picarelli (desta vez sem direito a beijo). 
Outro exemplo que ratifica essa constatação é a tão comentada cena da atriz Paolla Oliveira na minissérie Felizes para Sempre. Nela a atriz aparece seminua, numa cena que poderia ser tachada de "imoral", até pelo fato da personagem ser uma prostituta. Entretanto as pessoas não julgaram, simplesmente aplaudiram.
A rejeição à antagonista ninfomaníaca interpretada pela atriz Glória Pires beira à hipocrisia. Para quem não se lembra, na novela anterior (Império), o tal comendador vivia na cama com sua ninfeta e tinha mais duas mulheres “reservas”. 
Concluindo, sem querer defender a emissora Globo ou sua programação, a sabotagem à novela Babilônia decorre do seguinte pensamento: a mulher não pode ser livre sexualmente, isso ofende a família, salvo se dessa “liberdade” decorrer alguma vantagem para o universo masculino, ou seja, exposição do corpo como se um produto fosse, quiçá tal boicote decorresse pura e simplesmente do fato das pessoas não se interessarem pelo desfecho das personagens, como por exemplo, quando deixamos de assistir um drama, por preferirmos um suspense. Angustiante!
Lide com minha sexualidade, espectador conservador!

52 comentários:

John Doe disse...

Acabo de escrever no meu blog um texto sobre esse conservadorismo ridículo do brasileiro sobre a rejeição a essa novela. Olhando agora, talvez eu tenha errado, pois tratei como conservadorismo o que pode ser retratado melhor como racismo.

Bom texto. Bem melhor que o meu, por sinal, já que ando enferrujado pra escrever rs estou apenas (re)começando um blog, mas convido a quem tiver interesse passar para ler meu texto em http://divargardevagar.blogspot.com.br/.

Abraços a todos.

Anônimo disse...

Não entendo pessoas que culpam novelas pela destruição da família tradicional e pelos bons costumes. Se essa tal família pode ser destruída tão facilmente (pela novela) o problema são os valores que foram ensinados e não a novela em si...

REPLICANTE disse...

Novela é uma droga que manipula as grandes massas.

Anônimo disse...

O público das novelas da globo sempre foi homofóbico, machista, racista, escravocrata. Por isso a rejeição à novela, sabe o que a globo faz? Em vez de enfrentar este público faz as suas vontades para recuperar a audiência perdida, a globo está em decadência e mendigando audiência. Por isso não duvido que até possam separar o casal de lésbicas ou transformar a personagem ninfomaníaca em virgem.

Não adianta falar que o público conservador é o grande vilão se foi a própria globo que preferiu concentrar a sua programação neste tipo de público desde que foi fundada na época da ditadura militar. Não é a toa que este mesmo público preconceituoso que boicota a novela tbm pede a volta da ditadura militar.

Os homofóbicos e preconceituosos em geral falam tanto que novela vai destruir a família deles justamente porque sempre viveram em função de novelas. Esse público que ao mesmo tempo se julga conservador, tbm é fanfarrão e adora uma pornografia desde que seja para entretenimento masculino hetero. Justamente como os mascus, são preconceituosos e ao mesmo tempo viciados em pornografia.

A globo preferiu esses monstros para consumir sua programação e agora está sendo boicotada por eles e se tornando refém deles indo totalmente contra a evolução da tv e do cinema que cada vez mais mostra casais homo em suas histórias. Enquanto a programação da tv de países desenvolvidos lutam para enfrentar homofóbicos e preconceituosos no geral, a globo prefere dar passos para trás por desespero por audiência e ao mesmo tempo descendo ladeira a baixo. A globo está cada vez mais na fase de "se correr o bicho pega se ficar o bicho come".

Sinceramente, apesar de detestar esses homofóbicos e machistas, quero mais é que a globo se exploda tbm junto com eles.

Anônimo disse...

As emissoras internacionais de países desenvolvidos podem ter lá seus defeitos, mas tem um público variado e canais variados, não apenas limitados a esses apedeutas da tv aberta brasileira, especialmente da globo, cria da ditadura militar. A teledramaturgia de países desenvolvidos não ficam reféns de uma única emissora de tv e de um público limitado. As series internacionais são variadas em suas temáticas e enredos e tem uma grande quantidade de séries em vários canais de tv diferentes para uma ampla gama de público de todo tipo. O mal da teledramaturgia brasileira foi se vender à globo, aceitar se limitar a uma única emissora de tv e ser refém de seu público podre. Agora chora.

Anônimo disse...

A globo estava com medo de colocar no ar até um episódio da mini série Os Experientes, porque nela haverá um casal lésbico formado por duas senhoras. Quanta hipocrisia, como dito no texto, se fossem duas jovenzinhas as pessoas já estariam aplaudindo de pé.

Anônimo disse...

Numa novela anterior as duas lésbicas não interferiram na audiência por serem lindas e jovens, mas porque só começaram a se beijar na reta final da novela. Na maior parte da novela elas pareciam amiguinhas em vez de namoradas. O autor foi mais esperto e não quis desafiar a fúria do telespectador homofóbico da globo.

Jonas Klein disse...

Olá Ju.

Você diz:

"O machismo direto é o mais fácil de combater."

Muita calma nesta hora, se o machismo fosse fácil assim de ser combatido, o machismo estrutural que existe na sociedade já teria sido destruído a muitos anos.

"O exemplo atual do machismo indireto é a novela transmitida pela Rede Globo no horário nobre"

Levando-se em consideração tudo que você disse no texto, isso não me parece ser machismo, o que ocorre no caso deste novela e homofobia direto, o que demonstra isso que quando se trata de um casal hetero, tirando alguns moralistas da linha extremista, não se vê reclamações de camadas numericamente mais expressivas da população.


Você deve refletir mais antes de fazer certas afirmações.

OBS: eu disse isso tudo com base apenas no que você disse no texto, pois eu não assisto novelas, para saber como elas são na pratica.

Um abraço

Anônimo disse...

Homofobia eu concordo, agora machismo n tenho tanta certeza.
Com base em que vc afirma que todo mundo q não está gostando da cenas da ninfomaníaca, adorou as do comendador?
Porque eu acho podre para qualquer um, apelar desse jeito com sexo, só mostra que a novela é uma merda mesmo e não tem conteúdo nenhum.

Karina disse...

Eu não assisto novela há anos, mas estou acompanhado e achando essa ótima. As personagens de destaque são eminentemente femininas: mocinhas e vilãs. Além de toda essa discussão sobre sexualidade, já peguei diálogos progressistas relacionados a ateísmo, cotas, preconceito racial e a hipocrisia de se condenar uma mulher que praticou aborto. Entre outros. Ainda, bota em muito destaque o fato de a mocinha ter que carregar os fardos que vêm com a maternidade sozinha. Tenho gostado especialmente da advogada que tomou suas decisões sobre onde morar sozinha, independente da opinião do namorado. Não é perfeita, há uma certa condenação da personagem que não quis ter filhos e preferiu focar no trabalho e vai se mudar para o exterior. Mas mesmo assim, é MUITO MELHOR que boa parte dos machismos que vejo por aí, explícitos ou velados. Pena que há boatos que vai maneirar, por conta da audiência.

John Doe disse...

quando eu disse racismo no meu primeiro comentário, leia-se MACHISMO, óbvio.

D Stoffel disse...

Com certeza em império tinha um personagem que namorava com 3 mulheres, agora essa glória pires não vai mais ficar com todos os homens eu li em algum lugar, e a palavra ateu não vai mais ser dita pelos personagens

D Stoffel disse...

E também não lembro de ter visto nem uma lesb masculinizada, só feminina nas novelas estranho né, já os gays alguns afetados outros não mas lebs sempre tão femininas...

Anônimo disse...

Essa novela na verdade é um filme pornô?
Já entendemos que ela gosta de sexo, agora tem focar só nisso?
E aqueles caras com prostitutas direto? Já entendemos também.
História que é bom, não tem.

Anônimo disse...

já eu me orgulho de ter transado com 40 homens homem só serve pra ser usado eles não amam ninguém

Anônimo disse...

homem ñ gosta que mulher goste de sexo e sim que ela goste de satisfazer ele, eu gosto de sexo e se o homem quer uma boneca inflável que compre uma, pq tô fora desses homens nojentos e frígidos que só sabem empurrar.

Anônimo disse...

Minha opinião ela tá mais que certa pra que pegar velhote do pau mucho essa é a verdade que os homens precisam ouvir de uma mulher porque eles ainda vivem na bolha e pensam que são perfects!

Anônimo disse...

te espanta uma mulher ter ficado com vários
tu ñ sabes de nada

Anônimo disse...

Esse povo que fica postando essas besteiras que não tem nada a ver com o post.

Anônimo disse...

homem ñ gosta que mulher goste de sexo e sim que ela goste de satisfazer ele, eu gosto de sexo e se o homem quer uma boneca inflável que compre uma, pq tô fora desses homens nojentos e frígidos que só sabem empurrar.

Homem goza enfiando até num buraco feito em uma melancia, mulher é o acessório que vem junto com a buceta.

Anônimo disse...

claro do mesmo jeito que mulher goza até com a mão meu filho a vá.

R. Xavir disse...

A vó do meu marido tem 75, fumava maconha, viveu intensamente os anos 70 e 80, sem se fixar num único parceiro sexual e sempre adorou as novelas da Globo, e sempre torceu pro vilão se dar bem e tem pavor de mocinhos e gente certa. Bom, a gente acha que uma senhora com esse perfil iria estar amando Babilônia, né? Pois não está. Até me surpreendi, pois ela é muito noveleira, mas agora quando começa a novela ela desliga a TV, porque acha um absurdo e falta de elegância "duas velhas se beijando, podiam até mostrar que elas são lésbicas, mas não precisava fazer duas artistas velhas se beijarem na boca". Ela também acha que só tem gente mau caráter nessa novela, mas quem ela tb não gosta é a personagem da Beatriz, a mulher ninfomaníaca. É muito engraçado que alguém que tenha vivido os anos 70 pense assim.

O fato é que a Globo sempre alimentou um público conservador e se alimentou desse público. Agora quer fazer uma coisa atual e inovadora, fica refém do próprio conseradorismo que por anos criou e alimentou.

Anônimo disse...

Muitos gays são viciados em novelas da globo enquanto a globo sempre sacrificou personagens gays quando era conveniente, quer dizer, (quase) sempre então. Muito masoquismo.

Catarina Ferro disse...

O problema é que o tema das mulheres serem controladoras e fomentadoras do próprio prazer veio representado justamente numa vilã, o que só reforça o quão negativo é - do ponto de vista de uma sociedade machista e conservadora - uma mulher ter apetite sexual.
A personagem Beatriz é uma mulher sem escrúpulos, trai o marido, faz falcatrua na empresa, mente, corrompe e sonega na maior caradura, matou um homem - no caso o seu amante -, casou por interesse, acoberta os crimes e falcatruas do enteado, e atualmente está dormindo com o filho do amante que ela matou no passado. E além disso tudo vem o rótulo de ninfomaníaca. No contexto da personagem, ser ninfomaníaca e ter apetite sexual é apresentado como mais um vício de caráter.

Por outro lado, não deixa de ser curioso o fato de que, ainda assim, o figurino (cabelo e roupas) da personagem Beatriz é um dos mais copiados, um dos mais solicitados. Há várias mulheres que ligam na Globo para saber que roupas ela usa e como fazer um corte de cabelo como o dela.

Quanto ao casal Estela e Teresa, acho que está sendo representado de forma irretocável, muito bonita: duas mulheres que se amam, que se respeitam e dialogam (mais até, e melhor do que muitos casais hetero), duas mães que juntas criaram um filho muito educado e gente boa. Aliás, acho muito bonito quando o garoto chama as duas de mãe, já quebra um baita preconceito no imaginário popular de que teria que chamar uma de mãe e outra de pai.
Talvez o erro da Globo foi ter colocado o beijo lésbico no primeiro dia da novela. Acho que se primeiro eles fossem mostrando as personagens, mostrando a relação bonita delas, e depois dado um beijo, e depois outro, o barulho seria menor e o efeito positivo maior.

Não gosto da Globo, e quando vejo novelas, olho com bastante pé atrás. Mas antes de tudo sou nacionalista. Acho uma pena que o Brasil, tendo tecnologia e até alguns bons atores, e uma tradição em novelas e entretenimento faça coisas tão batidas e com isso nos obrigue a ingerir, como entretenimento, o mundo dos seriados norte-americanos. Pelo menos a novela fala da nossa sociedade brasileira, retrata de algum modo o nosso modelo de sociabilidade e de se relacionar com os outros.

Anônimo disse...

O tipo de sociedade brasileira que a globo mostra é que aquela na qual alguns determinados grupos se identificam, o Brasil não se resume ao eixo rj-sp de alguns personagens das novelas da globo, a sociedade brasileira e o povo brasileiro é muito mais amplo do que isso. Mesmo assim muita gente quer ver algo construtivo, bem feito, de boa qualidade e interessante na tv e não apenas uma cópia caricata de si mesmo e de seu país. Isso não tem e nem deve ter fronteiras. A cultura de cada brasileiro e de vários brasileiros não se limita às novelas da globo e até onde a globo quer mostrar e explorar. Cada um se identifica com o que quiser e não é alguém que não conhece todos os brasileiros que vai impor quem deve se identificar com o que. Não é preciso ver a globo para ser nacionalista. Aliás sempre vem uma dessas que só lembra que é nacionalista para promover a globo.
Muitos negros, mulheres, gays, nordestinos sempre foram estereotipados, cheios de baixarias e patifarias, excluídos das novelas da globo como se não existissem ou se existissem, mostrados de forma caricata. Tudo com muita arrogância e prazer em ser preconceituosa na maior cara-de-pau. Essas minorias viam tudo isso com mais passividade sem se mobilizar e só começaram a fazer isso nessas duas últimas décadas que foi justamente quando a globo começou a entrar em decadência. Várias feministas noveleiras/globeiras alienadas que se acham as maiores nacionalistas do país estão longe da realidade de muitas mulheres brasileiras, principalmente no sentido financeiro. A Globo apoiou a ditadura, seu jornalismo sempre foi tendencioso e articulado aos interesses dos grupos econômicos mais fortes e suas novelas sempre foram medíocres do ponto de vista artístico e tem acumulado muitas dívidas.
O povo brasileiro cada vez mais perde o interesse por essa emissora e isso é espontâneo e gradual.

Anônimo disse...

Ontem eu acessei o site Cantada de Rua e li histórias... os pais de uma menina lésbica mandaram o primo estuprá-la pra "curar" a menina. O avô molestava a neta sob as vistas e com a permissão da mãe. Uma menina é molestada por um primo, a avó e a mãe brigam com ela (e com a outra prima, que tbm era vítima) e forçam afeto da vítima com o estuprador. Pai estupra a filha, que conta à mãe; a mãe vira de costas e manda a menina ir fazer a janta. Padrasto passa três anos estuprando a enteada.

Mas nada disso abala a família, né? O que abala a família é mulheres gostarem de sexo, fazerem à vontade, e duas idosas lésbicas se beijarem em público. De boa, por que esses hipócritas conservadores cúmplices de estuprador e assassino, não vão se jogar dentro de um moedor de carne, virar comida pra porcos? Não, os pobres dos porcos teriam uma morte horrível, envenenados com tanto lixo tóxico. Melhor jogar no esgoto, mesmo.

Anônimo disse...

Achei ótima a reflexão, mas há um momento em que prostituição é equiparada com "imoralidade". Seria legal rever isso.

Kittsu disse...

Essa novela não veio pra fazer favor nenhum pra vocês nem pra ninguém que não seja a própria globo.
Não veio pra aliviar o preconceito contra os gays, nem a misoginia, nem o racismo, nem nada disso. E é super bobinho acreditar nisso, muito ingênuo.

Veio justamente para expor estes grupos e expoliá-los em nome de audiência. Não querem discussão, nem querem humanizar, não querem empatia. Só ganhar em cima dos olhos atentos e julgadores de quem já tem ojeriza por isso tudo aí e não vai medir muitas palavras pra expressar isso, mas que também não vão perder um capitulo sequer pra ter com o quê banquetear seus preconceitos - e dane-se a opinião deles, o importante é que assistam. Assim os anunciantes vão estar dispostos a pagar a dinheirama que os anuncios nos intervalos já nem estão valendo mais...

Kittsu disse...

*ESpoliar.

Anônimo disse...

Kittsu, acho que ingenuidade é não acreditar que as novelas da Globo são um dos maiores formadores culturais do nosso país.

Anônimo disse...

Diva

Para Anônimo IMBECIL e MISÓGINO DAS 14:45

Seu babaca!! Pra chamar mulher de "acessório de buceta" mostra que vc NÃO é um homem, é um LIXO!!
Tenho PENA da tua mãe, das pobres e mal amadas mulheres que se envolvem com um tipinho ridículo como você!
Eu poderia desejar que vc tivesse uma filha pra ter seu machismo vomitado na tua cara mas não desejo isso, não desejo que vc não tenha nem filhos nem filhas porque vc é um traste, um infeliz, um LIXO que não merece ter seus genes malditos espalhados neste Mundo!
Pára de falar merda e propagar ódio contra as mulheres e vai chupar um canavial de rola que vai ganhar mais seu merda!!


Diva

Julia disse...

Diva divando

Hamanndah disse...

OF TOPIC TOTAL: David Futrelle. Sempre acompanho seu blog, Lola, e vc nunca tocou no nome desta pessoa. Tenho uma denuncia a fazer, Lola, o blog avoiceformen do Brasil fez um post informando que vc apóia esta pessoa e colocou a foto de um porco enfeitando o post, que diz que este tal de David falou que o co-piloto derrubou o avião por causa do movimento masculinista

Eles a caluniaram qdo disseram que vc apóia este maluco deste David e, também , aquela foto de um porco foi um builing ara vc uma tentativa de chama-la de porca

Entao, acho bom voce ir no blog esclarecer que nunca falou sobre este cara esse tal de David ou ate denuncia-los por essa mentira

Um abraço

lola aronovich disse...

Hamanndah, obrigada por avisar. Claro que a versão brasileira do A Voice for Men tem que ser misógino. Eles são muito insignificantes, só queria saber por que tem página na Wikipedia (tipo, meu blog não pode ter pág na Wiki, mas uma porcaria machista como AVFM tem até versão em português). Quanto ao David Futrelle, ele faz um bom trabalho há 4 ou 5 anos, que é denunciar e zombar da "manosphere" americana. Claro que ele recebe inúmeros ataques dos MRAs. Nunca o vi falando qualquer coisa que não fosse sensata. Ele não disse nada disso sobre o co-piloto. Disse que tinha MRAs justificando o que o co-piloto fez (o que é pura verdade -- ele, ao contrário de mim, sempre põe os links). Imagina se vou a um site mascu "esclarecer" alguma coisa... Esse é o jeito que eles atuam, caluniando, mentindo, deturpando tudo. E ainda dizem que lutam pelos "direitos dos homens". Paul Elam ganha bastante dinheiro de doações de caras doentes. Pergunta se o carinha que faz o AVFM brasileiro já viu a cor desse dinheiro...

Anônimo disse...

Se as novelas da globo representam o povo brasileiro então não moro e nem nasci no Brasil. Se assistir novela da globo é ser nacionalista e patriota... putz. Agora tem novelouca forçando a barra para todo mundo procurar ter vício em novela. O fato de uma produção ser de outro país não impede que seja universal e que uma brasileira negra se identifique mais com personagens negros mais diversificados de produções internacionais do que nas novelas da globo com os mesmos personagens negros caricatos (na maioria das vezes da pior forma possível) e repetitivos. Ninguém deve ser acusado de ser menos nacionalista por isso. As novelas da globo estão em decadência de audiência, porque de criatividade e diversidade sempre foram ruins. Para as noveloucas e globoloucas o choro é livre.

Anônimo disse...

Não adianta a globo mostrar gays, ateus, etc. se logo por busca de audiência vai parar de falar nesses temas para agradar o público conservador. Se a globo tem preferência em satisfazer este público é porque o boicote dos conservadores causa estrago nessa emissora.

Anônimo disse...

A Ninfomania é um distúrbio, ou seja, uma doença - não é uma variante de sexualidade. Até porque as pessoas que sofrem desse mal não sentem prazer em fazer sexo toda hora, quando fazem sexo é por compulsão e não lipido, assim como quem é alcoólatra, não sente prazer em beber mas não consegue parar por compulsão.

Anônimo disse...

Longe de mim concordar com a turma que boicota a novela pelos temas citados, mas também não tive a mínima vontade de assistir à essa. Claro que houve um preconceito ridículo contra o casal lésbico idoso (e eu já cansei de defender as duas no meu círculo de convivência), porém não acredito que seja só por isso o boicote. O que acontece é que há tempos as novelas da globo não estão mais atraindo público como antes. Parece que os autores andam tentando inovar nos temas, só que eles metem os pés pelas mãos na hora de montar a história. Fica apelativo.
Por exemplo, não vejo nenhum problema nas características da personagem Beatriz. O excesso de cenas de sexo, porém, me incomoda. E não é pela expressão do desejo de uma mulher, não. É porque acho desnecessário mostrar várias cenas focadas nisso. Como alguém disse aí em cima, a gente já entendeu que ela gosta de sexo. Ótimo. Já podem deixar as próximas cenas subentendidas.
Outro ponto: filho batendo nos pais é tão comum assim? Porque eles colocam de uma maneira tão banalizada que parece que acontece com todo mundo. Nisso, eu não tenho como dizer que não é uma ofensa à família (e família para mim não é só homem e mulher, que fique bem claro).
Eu juro que tento defender essa produção, mas fica difícil. A ideia pode até ser corajosa, mas a abordagem é tão pobre que, analisando a ficção em si, não me agrada. E eu não vou assistir só porque tem um casal lésbico bem representado, porque isso eu vejo aos montes em séries americanas (e sem o menor drama do público, muito pelo contrário).
A globo anda tão mal de novelas que eu cheguei ao ponto de migrar para a Record e assistir à 'Os Dez Mandamentos', sendo que sou praticamente ateia. Não assisto pela questão da fé, mas porque a trama é interessante, não apelativa e bem produzida.
Falando nisso, o que foram aquelas chamadas de Babilônia antes da novela começar? Eles já começaram pecando ali. Independende de mostrar sexualidade, homoafetividade, ateísmo, whatever, pra ter público você precisa contar a história direito. E isso eles não estão fazendo.

Kittsu disse...

"Kittsu, acho que ingenuidade é não acreditar que as novelas da Globo são um dos maiores formadores culturais do nosso país."

Eu não disse isso.

Anônimo disse...

Ótimo texto.

Outro fator que mostra como a reação do público à relação das duas idosas da novela é bizarra: elas estão juntas há anos, querem oficializar a união (ué... não é gay que é promíscuo?), criaram (muito bem) um neto, tem carreiras de sucesso e consolidadas. Todos os fatores de uma relação feliz e saudável, como a de tanta gente por aí.

Anônimo disse...

Soube que a personagem da Glória Pires é ninfomaníaca lendo isso aqui, agora.

Pelo pouco que assisti dessa novela, ela só me pareceu uma mulher bem realizada sexualmente.

B. disse...

"Soube que a personagem da Glória Pires é ninfomaníaca lendo isso aqui, agora.

Pelo pouco que assisti dessa novela, ela só me pareceu uma mulher bem realizada sexualmente."

Não acho bem isso, ela usa o sexo pra se dar bem e manipular as pessoas. Não sei se isso seria "bem resolvida" necessariamente.
Ela é bem resolvida pra dar golpe nos outros, afinal, é uma vilã. Mas se por causa disso ela for "bem resolvida sexualmente", então sei mais...

Anônimo disse...

Gosto dessa novela,mas incomoda todos os negros morarem na favela, e essa exaltação desse lugar horrível.

Anônimo disse...

O que tem de errado em mostrar cenas de sexo??? Não são vocês feministas que assistem Game of thrones?

o sujo falando do mal lavado.

So estão falando mal da novela porque é brasileira. E como assim não tem história? Me poupem seus héteros nojentos. Voltem pras suas vidinhas medíocres de casamento, batizado, almoço em família no dia de domingo....

Anônimo disse...

B.,

Como você disse, ela é uma vilã. Além do sexo, usa o poder e o dinheiro também. Ou seja, o problema está no caráter dela. Pra mim, não deixa de ser "bem resolvida" com a própria sexualidade (porque a vive, explora, etc).

Aliás, se ela for ninfomaníaca, acho mais complicado ainda julgar...

Anônimo disse...

Que orgulho hein? Que conquista invejavel!

Anônimo disse...

"boa parte das mulheres nao passa mesmo de um inconveniente que tem que ser aturado pra se ter acesso a buceta"

E piroca tem de monte por aí, coitada da desesperada que se deita com vc

Anônimo disse...

Diva

Para Anônimo(a) das 07:59

Querido(a) não se estresse!!
Já respondi na medida pra esse LIXO que acha que é homem. E, claro por ele ser um belo de um COVARDE não me respondeu.
Espero que essa altura ele esteja chupando um delicioso canavial de rola pra deixar de ter tanto ódio e desprezo pelas mulheres, kk.
Não se estressa não! Um LIXO desse não merece nenhum aborrecimento da nossa parte.

Danilo Muller disse...

Realmente um casal de lésbicas mais novo é mais bem recebido que um casal de lésbicas velhas, mas isso não quer dizer que lésbicas jovens são bem aceitas, tenho amigas lésbicas bem jovens que ouvem muita merda. Aliás muitas cenas do casal de lésbicas de em família foram cortadas elas até começaram a namorar só no final.

MrDissidiaFan disse...

Diva, eu acho que essa sua expressão "vai chupar um canavial de rola" foi algo extremamente homofóbico. E homofobia é tão errado quanto machismo, não se combate um preconceito com outro.

Anônimo disse...

Babilônia é um equivoco, novela chata e sem personagens carismáticos, que foca muito nos problemas sociais e deixa o enredo de lado. Das três protagonistas a única que tem um objetivo claro é a Inês (Adriana Esteves), a Beatriz só aparece na novela fazendo putaria, ela não tem história, o núcleo cômico é um desastre, não é engraçado.
O núcleo do político corrupto parece uma novela paralela, não está integrado a história principal, um erro gravíssimo.
O casal lésbico protagonizado pelas grandes Fernanda Montenegro e Nathalia Timberg, não tem uma história interessante, não é nem polêmico é simplesmente sem graça.
A grande diferença entre o Comendador e a Beatriz é o carisma, protagonista pouco carismático não sobrevive, foi o caso da Cristina (Leandra Leal) em Império, a grande dama de Império foi a Maria Marta (Lilia Cabral) em um de seus melhores momentos.
Portanto o fracasso de Babilônia não tem nada a ver com boicote ou coisa parecida, é uma novela chata.
Uma grande vilã ninfomaníaca e bem aceita pelo público foi a Odete Roitman (Beatriz Segall) em um de seus melhores momentos. A Beatriz de Babilônia não tem um pingo do carisma, charme e classe da Odete, que pena, culpa dos autores.






Senna.

Ana Beatriz disse...


Olha, eu realmente gostei de muitos do seus textos, porem não concordo em nada sobre a Novela Babilônia. A globo vem tentando enfiar a homossexualidade custe o que custar na cabeça dos telespectadores, vem tentando dizer as pessoas que não tem nada de errado em se ter relações sexuais com várias pessoas ou que é ótimo ser homossexual (mesmo que vc não seja de fato um). Entendo que até certo ponto é até recomendado mostrar que homossexuais são tão humanos quanto heterossexuais e que merecem respeito, mas não é necessário ficar insistindo em inserir certas interações na tela da TV do brasileiro para expressar isso. E também não acho que para mostrar que a mulher é livre para transar com quem quiser mostrar uma personagem feminina dormindo com vários caras. Há diversas formas de dizer a sociedade que a mulher tem os mesmos direitos e liberdades em relação ao seu corpo quanto os homens, assim como dizer que homossexuais são igualmente dignos como qualquer outra pessoa.O que está acontecendo em Babilônia e outras novelinhas da Globo que abordam esses assuntos é SIM desconstruir a família. Aliais, não digo nem isso pelo beijo gay,nem pelos relacionamentos homo afetivos, pois isso é o de menos, mas sim pela insistência em cenas de nudez,sexo, traição, além de homens e mulheres que não dão valor ao sentimento, ao emocional, a afetividade, ao sentimento do outro que está num relacionamento amoroso com eles,mas sim ao prazer, apenas ao prazer. Babilônia é SIM uma novela ruim, é SIM um mal exemplo, assim como a tal novela Império.