segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

GORDA NÃO PODE COMER EM PÚBLICO?

A N. me enviou este relato:

Lolinha, faz um tempinho que eu queria te escrever porque eu realmente preciso trocar ideias com alguém tão bem resolvida e inteligente como você. Seu humilde bloguinho me ajuda mesmo. Estou adorando conhecer mais sobre o feminismo e tantas outras coisas.
O problema, Lola, é aquele velho de sempre: sou gordinha (devo estar com uns 88 kg pra 1,60 de altura) e não consigo encontrar paz dentro de mim pra viver bem com isso. No momento não estou seguindo nenhuma dieta restritiva (decidi que não mereço passar por esse tipo de privação) e também não estou tomando mais remédios (que me fizeram mal e, quando eu parei com eles, voltei a engordar).
Estou procurando ser mais equilibrada na alimentação e fazer exercícios porque sei que isso é importante pra saúde também, mas eu odeio exercícios e, se emagreço 2 kg, engordo de novo na semana em que como algo fora do programado e não vou à academia. 
O fato é que isso, pra mim, é como um castigo! Tenho vontade de chorar só de saber que não sou livre pra comer o que quiser e que preciso ir para a academia sozinha, e ficar lá olhando pra parede, cercada de gente magra que fica me olhando (engraçado como não tem gordxs na minha academia). 
Também não quero ter nenhum tipo de pensamento destrutivo com relação ao meu corpo (sei que sair comendo feito louca me fará mal, e eu não quero me sentir mal). Não sou de comer desenfreadamente, mas como coisas calóricas às vezes, e é claro que eu me culpo e já me obrigo a fazer a minha comidinha mais balanceada. Na realidade eu só queria a paz. A paz de olhar pro espelho e me sentir bem do jeito que eu sou, sem me importar com o que os outros pensam. 
Me irrita saber que, mesmo sendo preocupada com alimentação e saúde, fazendo meus exames e indo aos médicos todos, as pessoas que me veem devem pensar que sou descuidada, relaxada e como demais. E eu não como demais: tenho amigas que comem o triplo e são magras. E essas amigas também deixam de comer coisas pensando que estão gordas! Olha, elas não sabem o que é ser gorda, não sabem o que é viver uma felicidade de vidro.
Exemplo: você está de boa, feliz da vida comendo num restaurante e vai pegar a sobremesa e chega um desconhecido e diz, em tom de brincadeira, “Melhor vc não pegar isso porque engorda, viu?”. A vontade é de dizer que ele não tem nada a ver com isso, mas você se limita a dar um sorriso falso pra não arrumar confusão. Pronto: vidro da felicidade quebrado.
Esses dias fui ao mercado com uma amiga comprar sorvete e ela disse “Melhor não, porque vc quer estar bonita quando o fulano te encontrar, né?” 
Isso caiu como uma bomba em mim. Eu disse pra ela: “Então vc tá querendo dizer que o fulano só vai gostar de mim se eu for magra? É isso que vc tá dizendo?” E comecei a chorar. A menina não sabia o que fazia, me pedia desculpas, dizendo que falaria isso pra qualquer amiga, que é uma brincadeira dela. 
Depois me acalmei porque, se o fulano não gostar de mim pela minha aparência, pouco me importa. Não vou querer uma pessoa que seja só ligada nisso. O fato é que mesmo os homens que parecem “diferentes” (não encontro um adjetivo legal pra isso) podem ter preconceitos com gordas. Eu nunca vou saber com segurança.
Esses são só exemplos da minha felicidade frágil. Ser gorda te obriga a estar pronta pra se defender de piadinhas e indiretas que surgem do nada. Ser gorda é rezar pra que a pessoa que vc gosta olhe dentro da sua alma e não pro seu corpo. É torcer pra encontrar uma pessoa que goste de vc APESAR dos quilos a mais. É torcer para que todos percebam como vc é legal, inteligente, educada... porque bonita, ah não, bonita vc não pode ser sendo gorda. 
Às vezes penso: não quero ser magra, queria só perder uns 9 ou 10 kg pra me sentir melhor (porque esse foi um peso que eu já tive e me sentia bem), mas magra de verdade não preciso ser. Só que não tenho nem forças pra buscar esse emagrecimento e me chateio ao ver que ninguém me aceita como estou agora. Poxa, eu sou uma pessoa culta, divertida e tenho outras qualidades (alguns defeitos também, claro), mas é duro ser julgada sempre pela aparência. Ela chega primeiro...
Lola, te escrevo porque não aguento mais conselhos do tipo: “Se vc não se sente bem assim, então por que não emagrece?” Eu quero me sentir bem agora, é urgente. Quero ser forte pra enfrentar a sociedade e suas capas de revistas esqueléticas, pra enfrentar piadas em programas de TV, pra enfrentar um fora sem culpar o meu corpo por isso. Tenho direito de me sentir bonita do jeito que sou. Não quero gastar dinheiro com produtos que prometem emagrecer, nem com cremes que tiram celulite (minha irmã é do tipo que gasta 100 reais num creme pra bunda e se orgulha de nunca ter lido um livro inteiro. Ela é valorizada na minha família; eu, com pós-graduação, não sou). Será que tenho chances de conseguir ficar em paz comigo mesma?

Se me chamassem de barata eu
ficaria ofendida
Minha resposta: Querida N., ficar em paz com vc mesma depende mais de você do que dos outros. Porque, independente do seu tipo físico, sempre vai aparecer algum panaca pra tentar te puxar pra baixo, ainda mais na internet. Meus inimiguinhos me chamam de gorda (que, pra mim, nem é insulto; faz parte da minha identidade), balofa, jubarte, orca, saco de banha, entre vários termos. É ridículo. Eu diria que me sinto na primeira série, mas a verdade é que meus coleguinhas de sete anos na época eram muito mais maduros que esses trolls. 
Não me canso de repetir: se eu fosse a cara e o corpo da Gisele, iam me chamar de nariguda e esqueleto anoréxico. Se eu fosse a Angelina, iam de chamar de beiçuda. Se eu fosse a Lupita, iam me chamar de... ahn, melhor não falar. Por aí vai. Minha aparência não faz a menor diferença pra eles. É minha existência que incomoda. E quem usa gorda como ofensa está dizendo muito, muito mais sobre ele do que sobre você. Então, por que se deixar afetar?
Eu parei de me incomodar com o que as pessoas dizem ou deixam de dizer de mim quando eu tinha quinze anos. E, sem dúvida, foi uma sensação muito libertadora. Bem mais difícil foi aprender a gostar de mim, a não ser tão crítica com a minha aparência, a ser mais generosa com as mulheres em geral. Nunca esqueço de alardear que ler O Mito da Beleza foi um processo importantíssimo nessa jornada (que eu nem sei se termina um dia). Você pode lê-lo aqui, grátis, em português. 
Porque, né, quem falou que eu devo estar eternamente desfilando numa passarela disputando um concurso de miss? Quem coloca todas as mulheres numa passarela (ou num açougue, se você quiser olhar as coisas de um jeito menos glamouroso)? Quem dá aos homens o direito de serem jurados vitalícios nesse concurso que começa na pré-escola?
Quem disse que temos que participar?
Claro que você tem o direito de se sentir bonita do jeito que é. Você tem inclusive o direito de não se sentir bonita. Você tem todo o direito de achar que dane-se a aparência física, que você quer brilhar em outros campos. A escolha é sua. Óbvio que as cobranças não cessarão, mas a escolha de dar atenção ou não a essas cobranças é toda sua.
Não sei se você leu, mas outro dia publiquei um texto traduzido dizendo que não é nada incomum pessoas, principalmente homens, julgarem mulheres em público pelo que elas comem. Pensei que isso só acontecesse com gordas, mas trata-se de um fenômeno bem mais geral. Porque gorda comer qualquer coisa em público já é motivo de escândalo. Olha só, ELA COME, por isso é gorda! Só que esse tipo de patrulha também é feito com mulheres magras. 
E aí? Tente imaginar que não é você que está sendo vigiada (e punida). Imagine que você é apenas uma testemunha: você vê um cara passar por uma moça que ele nunca viu antes e fazer um julgamento sobre a barra de chocolate que ela está comendo. O que você acha daquele cara? Ele é um babacão intrometido, certo? Bom, isso vale também pra quem fica te julgando.
Portanto, não se deixe abater. Ser forte, adquirir autoconfiança, cultivar esse gostar de você, não é algo que surge da noite pro dia. Mas é super importante, até porque a opinião que temos da nossa parte física influencia a opinião que temos de nós como um todo. Ame-se por inteiro!

98 comentários:

Anônimo disse...

Eu só tenho uma coisa pra falar pra vocês: amem-se!
Não importa se você está gorda, magra, alta, baixa, nariz grande ou pequeno demais, apensa preocupe-se com sua saúde. Estando saudável, exames ok, sangue ok, glicose ok, clique no botão "dane-se society".
Um vez estava assistindo Pânico, e o chato do Reporter Vesgo foi zuar o Leão Lobo. "Ei Leão Lobo! Viadinho!!!"
Leão Lobo apenas respondeu sorrindo: "Sou viadinho não! Eu engordei! Agora sou viadão!"
Pronto, o Vesgo ficou sem graça e tentou desconversar.
Então não abaixem a cabeça pra essas pessoas que ficam fiscalizando gordura, celulite, cabelo, e até o c* alheios.
Se seus amigos estão enchendo o saco, troque de amigos!

Anônimo disse...

Bem vinda ao clube, N. Todas nós já ou ainda nos sentimos assim, principalmente quando somos jovens e vulneráveis, cercadas por um bando de babacas... eu já estive como você. Na primeira vez que fui chamada de feia na escola, aos 11 ou 12 anos, fiquei tão mal que deixei de usar óculos pra que não me achassem mais feia. O que eu consegui? Uma miopia de 6° que só cirurgia resolve agora e um bando de cretinos me chamando de feia por causa do cabelo ou da roupa. Ignore os críticos. Ria deles. Mande praquele lugar. Zombe dos defeitos deles sem dó. Coloque esses babacas no seu devido lugar, porque é assim que eles aprendem. Ah, e lembre também que algumas das mulheres mais lindas são gordas: Queen Latifah, Mo'Nique (que também são atrizes fantásticas), Tess Munster, London Andrews, todas gordas, arrasando com muita magrinha por aí. Você com certeza é uma delas.

Pra o anon das 12:26. Todo mundo sua e fede. Pode apostar que Gisele Bundchen também precisa se livrar da nhaca no final do dia. Mas fedor se resolve com banho. E você, que é mau caráter, tem uma educação asquerosa, defeca pelos dedos e nem banho toma? Nem banho de sal grosso com água benta e surra de arruda resolve teu caso.

Anônimo disse...

Como gordo da desculpas ,ela n come muito e está com 88kg?Engordou com vento?
Outros culpam os hormônios,doenças...
Eu tenho ovário policístico e n foi por isso q ganhei mais de 30kg,foi por comer demais.Porque teve uma época q consegui emagrecer só diminuindo a comida,mal comia alface e caminhava.Agora desandou tudo.
Acho que ela deve caminhar, de graça, faz sozinha e n tem q aguentar o povo sarado da academia te julgando.

Anônimo disse...

N. boa tarde!
Comparada com seu peso e sua altura, não sou gordinha... sou gorda. Demorei muito tempo para me aceitar, passei por muita pressão familiar, dos amigos, dos companheiros... mas sabe de uma coisa? Hoje eu me aceito, e com a aceitação eu não fiquei mais bonita para os outros, eu fiquei mais bonita para mim. Sou como qualquer mulher, acordo horrível em um dia e poderosa no outro... uma coisa que me auxiliou muito nesse processo foram as páginas e faces voltadas para as mulheres gordivas. Indico alguns, como Kcal GOrdivah, gordinhasmaravilhosas.com.br, blog mulherão, beleza sem tamanho.
Sua felicidade só depende de você, e você pode ter certeza total e absoluta que você é muito mais do que as gordurinhas aih...
Gordinhaaa

Anônimo disse...

Sinceramente, é muito difícil para gente magra entender isso, mas não deviam julgar tanto. Você não sabe porque a pessoa é gorda e mesmo que fosse por total sedentarismo, qual a sua necessidade de julgar?

Eu fui magra a maior parte da minha vida adulta, porém em uma fase tive que usar alguns medicamentos e parar de fazer atividade física para tratar de um doença, engordei 20kg e vi como estava errada, e olha que eu pensava que não tinha preconceito nenhum com gordos, só quando a passei a ser uma é que percebi como a minha "preocupação com a saúde alheia" era uma óbvia gordofobia.

Anônimo disse...

Não adianta. Mesmo voce sendo uma mega gata vão procurar defeito pra te injuriar. E se não acharem defeito simplesmente vão soltar um "feia!". Gente tóxica tem em todo lugar.

Anônimo disse...

Se não está se sentindo bem consigo mesma, deve mudar de atitude, não só perante a alimentação mas no todo, descarte algumas amizades, faça um curso que lhe agrade, aprenda algo novo,coma coisas diferentes,enfim,mude que tudo muda junto.Fique onde está e vai continuar como está, sua gordura é um sintoma que algo não está bem com sua alma.

Anônimo disse...

vao falar "mimimi homens gordos sofrem tambem", mas desculpa aí, que triste se os homens gordos também sofrem, só que esse é um blog feminista com nenhuma obrigação de publicar relatos de homens gordos. Se vc é homem, gordo, tá sofrendo e se sentiu excluído por causa do post sinto informar mas é óbvioque vc vai se sentir excluído, vc está no lugar errado cara. Procura algum blog masculinista que seja simpático com a causa dos homens gordos e possa te dar bons conselhos. Se não existir que pena, inventa um então.

Anônimo disse...

O problema é que vc tá focando muito nos outros e pouco em vc. E focando demais em ser gorda e esquecendo e o resto.

Parece que ser gorda te resume, como se tudo girasse a esse redor. Ser gorda é só uma característica sua, não é sua essência. Aliás ninguém é. A magra bonita tb é uma pessoa com muito mais do que a aparência.

Não to dizendo que não existe gordofobia, existe sim. E muita.

Mas algumas situações que vc relata podem não ser bem assim como vc esta imaginando. Eu duvido bastante que vc seja a única pessoa gorda da academia, ou a única pessoa gorda que as pessoas da academia conhecem.

Então provavelmente vc tem a SENSAÇÃO que está todo mundo te olhando na academia (pq estariam? Existem outras pessoas gordas no mundo e na academia), quando na verdade esta cada um focado em fazer seu próprio exercício e de relance podem olhar pra outros seres humanos que estão no mesmo local. O problema é que VC se sente inadequada, e por isso fica com essa ideia que esta todo mundo te vigiando.


Mesma coisa com alimentos. Em geral não se fica vigiando oque o gordo come. As pessoas olham pras outras mesmo e comentam sobre oque elas comem, vestem, fazem , andam, sendo magras ou gordas.

Eu almoço em grupo todo dia, não tem nenhum gordo. E sempre, sempre comentamos sobre oque outros estão comendo (se é muito , se é pouco, se é bom, se foi caro... e etc). Sobre como estamos vestidos e etc.

Pode não ser muito legal. Mas as pessoas são seres sociais e comentam mesmo sobre as coisas da vida. Não é pq vc é gorda.

Não se esqueça, ser gorda é só uma caracteristica, não é vc por inteiro, isso não te define. Quem é vc além da moça gorda? Não se limite por causa de uma única característica sua.

Tem quem vá te achar bonita, tem quem não vá.E não vou mentir, como a sociedade é gordofóbica muita gente não vai. E azar o delas. Vc é mais que isso. E com certeza tem quem goste de vc como vc é.




Alice

Ana Torres disse...

LOLA, eu não sei pra moça que escreveu o e-mail pra vc, mas pra mim sua resposta foi ótima! Adorei o livro que vc indicou e já estou começando a ler. Tenho lido todas as suas postagens, obrigada por escrever. Você é puro amor!

OBs: espero que a moça também tenha curtido a resposta!

Anônimo disse...

Concordo com a Alice sobre o lance do povo te olhando na academia, provavelmente tem um ou outro que pensa e repara que vc é gorda e julga, assim como reparam nas roupas fora de moda de uma, na bunda caída de outra, na perna vara pau de outra... Agora, não é pq vc viu a pessoa te olhando de relance que ela tava te julgando. Os olhos sempre recaem em alguma coisa e eventualmente pode ser em vc. De vez em quando eu cruzo olhares com pessoas da minha academia e não é pq to julgando a aparência delas e nem flertando, rs, acontece.

Verô! disse...

Vários comentários bacanas!

Isso aí garotona, endosso o que outras mulheres aqui disseram. As pessoas tóxicas se deliciam em humilhar os outros porque elas mesmas não tem absolutamente nada de bom para oferecer para a humanidade, veja o caso dos masCUS, um bando de frustrados cretinos. O que de bom eles fazem? Nada. de tão inúteis e incomodados com a própria inutilidade vivem de espalhar rancor e ódio. Você é melhor do que essa gente!

Tente fazer uma viagem, escreva um livro, curta um parque, viva intensamente o que esse mundão tem de bom à oferecer! Deixe essa gente careta e covarde apodrecer no mar de inveja no qual se enfiaram sozinhos.

Anônimo disse...

Porque não tem gordo na academia?
Porque se um gordo vai pra academia e fica lá ele emagrece, se ele sair antes disso como vc espera vê-lo lá?

Luiz disse...

Não adianta tentar torcer a realidade: ser gordo é ruim e pronto. Não é que é ruim pra mim ou pra "sociedade", é ruim para a pessoa mesmo, que se sente desconfortável.

Mas eu vou deixar uma dica; você falou que não faz dieta restritiva porque não merece passar por essa privação. Ok.

Só que dieta não precisa ter privação, desde que você seja realista e não queira emagrecer em 3 meses o que engordou em 10 anos. Aí não dá mesmo.

Mas se você reeducar sua alimentação, e emagrecer DEVAGAR PORÉM CONSTANTEMENTE, ao longo de 2 ou 3 anos, você chega lá e fica lá.

O problema da obesidade é antes de tudo moral. É a mesma impossibilidade de renúncia à gratificação imediata que faz com a pessoa coma horrores que impede ela de seguir uma dieta. Eu tenho que comer esse pudim AGORA! Eu tenho que emagrecer, mas tem que ser AGORA! Quero perder 10kg EM UM MÊS! Aí NÃO DÁ.

Use o tempo a seu favor. Walk don't run.

Jhonata disse...

Falou tudo Lola. Infelizmente, eu já fui mascu babaca e já fiz muita besteira tentando me enquadrar no padrão de Beleza. Por acreditar em falácias estúpidas como do Silvio, de que as "mulheres dividem os homens em reprodutores e provedores", que o padrão de beleza é biológico e não imposto, eu passei a fazer de tudo para ser visto como um "Alpha".

Abandonei amigos, lazer, em fim, tudo, pra ter mais tempo para exercícios. Cheguei a trabalhar 10 horas por dia e ainda fazer 4 horas e meia de exercícios por dia. Porque se eu "ficar rico e bombado, serei o macho Alpha"... Passando alguns meses, eu desmaiei. Consegui uma "barriga de tanquinho", mas a que custo? Minha chefe veio pedir para eu "maneirar" depois disto e eu aji feito um babaca na época, dizendo que ela queria me "tornar um beta provedor" e até coisas piores... Hoje nem posso mais erguer peso, deixei de ser promovido por isto e após uns meses fui demitido(já encontrei outro emprego, mas não tão bom), em fim, o masculinismo só destruiu minha vida financeira, sentimental e social.

Mas com mulheres este padrão de beleza é 1000 vezes pior. Se a mulher se enquadra no padrão, é assediada, desrespeitada e qualquer conquista que ela faça, é por causa dos "favores sexuais", nunca é tido como mérito dela. E se for feia, fazem piadas, chacotas, escárnio e acabam com a moral dela. Um homem por mais que seja gordinho, baixinho e magrinho, ainda sobre menos que uma mulher que se enquadra nos padrões de Beleza.

Love Gótic disse...

Como gente ignorante dar opinião tão estúpida? Eu como muito e de tudo e não engordo. A genética e hormônios influenciam no peso sim senhora. Se você tem o defeito da gula, problema seu tá?
Você é mal educada em todos os sentidos começando por mal educada alimentar. Vai se tratar que é melhor gordofóbica.
Além de ovário policistico você tem cérebro policístico também né?

Anônimo disse...

"If you’re anything like me, you know exactly what it feels like to go through the motions: saying yes, piling on the additional work, doing the emotional housekeeping, working out the logistics, and taking everyone else’s needs into account.

You’re probably really good at it too—a skill cultivated and honed over the course of your life.

I used to think that taking care of others was what I was best at, what I was put on the planet to do.

I used to think that just because I was good at it, I was relegated to going through the motions the rest of my life.

This conveniently fit in with other beliefs that I held about my life—feelings of being unworthy, unlovable, unforgivably damaged—because, through taking really good care, I was able to make myself useful in a way that didn’t require me to necessarily stick my neck out.

I was kind.

I made dinner.

I cleaned up communal physical space.

I put down whatever I was working on, attending instead to the emotional crisis at hand.

I do not intend to set up a paradox here, as in: when I hated myself, I took care of everyone else, and when I learned how to love myself for who I was, I only took care of myself.

For me, it wasn’t one or the other. It was in the appearance of a choice in the matter. It was knowing that I was worth loving not only for my caretaking abilities, but also for the rest of me as well.

When I learned how to love myself, truly love myself, and believe in the fact that I had more to offer the world than laundered socks and mended hearts—I was able to believe, also, that I was more than what I had been permitting myself.

When I was single or momentarily attached, I used to joke that I was a “starter wife”—the kind of girl who picks up broken, sad partners, and uses her love to shine them up like a little penny, gently reinforcing their strengths through the repetition and constancy of my adoration.

Until the day that they got so shiny, they wanted to hop into someone else’s pocket.

In these moments, I was left alone, heartbroken, but, when I was truly honest with myself—at least partially to blame. I had avoided infusing myself into these relationships, because I deeply feared that doing so would scare my partner away. I had internalized messages during my youth—messages of being too big, too loud, too passionate. I had been told by my experiences that people stayed around longer if you made your needs as brief and palatable as possible, and then went about your day becoming exactly who they need you to be.

I remember the exact day when I realized that I could, instead, choose to be myself.

I realized that if I was myself, and it didn’t work out, at least I knew ahead of time instead of wishing and praying that my real self wouldn’t pop up unexpectedly and drive someone away.

For me, self-acceptance has been the slow integration of who I was presenting as and who I was inside. It was the process of becoming who I already was. It was putting all of my faith in the idea that if I could permit myself to be myself that I could love that person—even when I was afraid to do so.

However, as will naturally occur when you begin to change one aspect of your life—suddenly, the impact spread, and I was astounded by how pervasive my self-hatred had become.

I found unexpressed sentiment and choked on words in every facet of my life—work, relationship, family. I found that in fact I really hated where we had chosen to put that new bookshelf or that in my heart, I wished we had painted the bathroom blue instead of red. I was surprised, as these feelings weren’t even large, big scary to divulge feelings—I was saying yes and keeping quiet in all aspects of my life.

And, at first, I thought I was doing all of this out of some sort of damaged self-esteem around my body, but, over time, I realized, it wasn’t my body—it was my most basic sense of worth and deserving. It was who I was, deep inside, that was hurting and needed to be freed."

Anônimo disse...

(cont.)

What I thought was about the size of my hips, was actually about the cultivation and maintenance of healthy boundaries within the context of my relationships.

What I thought was about whether or not someone thought I was attractive, was actually about speaking my needs out loud, in the presence of another.

What I thought was about my body—was about how I was living my life.

The human body is a convenient scapegoat.

Contentious by nature, degraded by the media, and a highly personal battleground, our bodies carry more than their fair share of the pain, hurt, and rejection that we experience in the world. For example, it was much easier for me to hate my body than realize that I needed to dramatically upgrade my ability to create and maintain healthy boundaries.

In many ways, hating your body is easy. You’ll never be alone. You will always have others to join you in your self-hatred, commiserating over the size of their thighs or how this was the week that they are going on a diet or he didn’t reject me—he rejected my body. As in, things that you can fix or have control over.

When it is about your body, it is a problem that society tells you you can fix—head to the gym, hop on a diet, indulge in some plastic surgery. Even if you wouldn’t resort to some of those options, they are out there, filling up the social consciousness with feelings of safety and well-being. Whether or not you choose to access them—the option is there.

You can change your body. You can make yourself prettier. You can buy new, sexy clothing.

You know how to do that, and on many levels—it feels safe.

What about when it’s not about your body? What about when it is about your basic ability to connect with other human beings, relax into intimacy, or be both yourself and yourself in the context of a couple?

That feels much less safe.

This is the messy zone, the dark closet that we shove all of our odds and ends in, in order to keep the rest of our house tidy and presentable. The answers here are not cut and dry. They do not apply to everyone. You cannot read about them in the self-help section of your favorite magazine.

They come from learning to listen to the voice inside your body, the small part of yourself that lets you know what you’d most like and what your wildest dreams are.

I had been keeping myself small—occupied by the an overflowing to-do list of laundry and groceries, wrapped up in the melodrama of my own creation, and concerned with the well-being of those around me first, and my own needs—last, always.

It wasn’t that learning to love myself dramatically altered who I was. I haven’t stopped taking care, but I am confident now that I am choosing to take care and that the people who I choose to take care of are worthy of my most profound love and consideration.

Learning to love myself has permitted me the ability to realize that I was worthy of anything that I put my mind or heart to. It was the quiet process of choosing, every day, that who I am is important. That my words matter. That my actions are an extension of my heart, and that they should be respected as such.

That I am worthy of my own love and the love of those around me, and not because I’ve cooked them dinner.


_________________________________________

Mara Glatzel is a self-love coach + author of Body Loving Homework: Writing Prompts for Cultivating Self-Love. She works with women who are ready to create the lives they want — and deserve. Her blog, Medicinal Marzipan, has inspired thousands of women to heal their relationships with their bodies, and treat themselves with relentless compassion. Catch up with her on Facebook or Twitter, or join her body-loving mailing list for secret swapping and insider news.

do site http://www.the-beheld.com/2012/08/guest-post-ripple-effect.html

Love Gótic disse...

N se vocé ta sofrendo procure uma nutricionista e um endocrinologista e emagreça com saúde.
Quanto a críticas não tem jeito.
Sou magra e falam: feia! Não tem bunda. Engordei uns quilinhos: feia você tem um pneuzinho. Voltei a emagrecer e continuei feia,magrela e ossada.
Pra gente ruim a gente nunca presta.Manda se danar.

Anônimo disse...

O pior é quando a desculpa é a "preocupação com a saúde".

Engraçado que ninguém se preocupa com gente que bebe, fuma, tem AIDS e tantas outras coisas...

Anônimo disse...

Garota, largue a academia! Não é um ambiente bom pra quem está acima do peso. Você sempre vai se sentir julgada e isso desestimula qualquer um. Faça sua reeducação alimentar e seus exercícios sozinha ou com amigos.

Anônimo disse...

Como gordo da desculpas ,ela n come muito e está com 88kg?Engordou com vento?
Outros culpam os hormônios,doenças...
Eu tenho ovário policístico e n foi por isso q ganhei mais de 30kg,foi por comer demais.


O problema é seu, pare de ser ignorante e julgar os outros!

Anônimo disse...

Ler "o mito da beleza" ajuda muito. Estou lendo atualmente.
Tem um blog interessante (tem link aqui no da Lola) chamado "não sou exposição". Bacana tb.
E no mais, se afastar de comentários cretinos, arranjar umas amigas mais interessantes (que te aceitem, te amem e se orgulhem de vc), e não dar ouvidos pra maior parte da sociedade cretina.
Eu achava que só eu vivia numa cidade de gente provinciana e preconceituosa (com gordo, com pobre, com gay, com
Negro...), mas isso tem em todo lugar. Tenta ver as coisas ruins como uma personagem de um livro de Virgínia Woolf, à distância. Critica eles mentalmente, escreve sobre isso. Extravasa.
E se aceita, pq para a sociedade nós, mulheres, nunca vamos estar adequadas. Sempre teremos um defeito irremediável que os outros comentarão. Faz parte de uma técnica de dominação que quer nos impor sempre padrões impossíveis pra que a gente sempre se sinta inferior.
Veja as magrinhas se queixando ai em cima...
Então, me utilizando de um clichê, a mudança vem de dentro, e tem que partir do nosso olhar.
Fica bem!!!

Jonas Klein disse...

A dica que dou para a nossa amiga gordinha que escreveu o texto, e procure perde uns 20kg e comece a milhar ai daqui um ano se você conseguir perde esse peso todo, quando você estiver com peso aceitável e em forma, vai ver que valeu a pena o esforço.

Anônimo disse...

Tbem tenho problemas com meu peso,,,, leia o blog do dr souto www.lowcarb-paleo.com.br, eh libertador!!

Anônimo disse...

Mas tem pessoas que são obesas porque dão mais valor aos prazeres do que às consequencias, impulsivas. É preconceito também falar de gente assim que faz o que quer e ainda reclama das consequencias?

Anônimo disse...

O problema não é EU reclamar das consequências das MINHAS escolhas no MEU corpo.
Problema são outros que criticam as MINHAS escolhas e reclamam do MEU corpo.
Problema são pessoas que assumem como verdade universal algo que é só a opinião delas.

ANA

Anônimo disse...

Preconceito é você discriminar alguém por QUALQUER coisa. Temos que desaparender essa ideia cruel de que podemos falar sobre algumas pessoas só porque elas "podem mudar".

Anônimo disse...

Ai que saco além de aguentar vigilantes de genitais alheias, agora vem os vigilantes de boca alheia!!
Troquem o disco imbecis, emagrecimento é muito mais amplo que dieta restritiva e exercícios (Ain só não emagrece quem não quer... mimimi whiskas sachê de peixe).
Pelo visto temos grandes nutricionistas e endócrinos de plantão aqui. Devem ser alguns sem personalidade que ficam seguindo blogueirinhos de meia pataca ou subcelebridades """fitness""" e se acham no direito de dar pitaco sobre os hábitos alheios!
Vão estudar idiotas!! Alimentação e metabolismo é muito mais do que essas receitinhas "low carb" ou "detox" da internet!
Lika

Luiz disse...

Lika, a menos que vc seja capaz de fixar carbono atmosférico (ie seja uma planta ), é impossível não emagrecer com dieta restritiva e exercícios (=deficit calórico). Quimica de 2o grau...

Anônimo disse...

Ô Luiz, não tô advogando em causa própria porque peso 53kg em 1,64, mas explicaí então o tal efeito platô que acontece nas dietas. Por menos que a pessoa coma e por mais que se exercite chega um ponto em que perder 1 kg é um calamidade de difícil. Eu mesma sofro pra chegar abaixo de 51 (sim, sou vítima dos padrões, me julguem).

Anônimo disse...

Eu tenho tendencia a engordar e não sou gorda? Mas isso é possível? Pra mim é! Eu nunca precisei fazer sacrifícios para não ser gorda. E também não sou mais nenhuma adolescente e ter idade mais avançada não é motivo para sobrepeso também. Fazer 30 mim de caminhada 3x por semana para mim não é sacrifício e nunca prejudicou minha vida social e profissional, nunca me alimentei só de alface e folhas, ao contrario, apesar de não comer carne eu me alimento melhor do que muito carnista. Eu não sou chocólatra e nem me importo muito com esses chocolates industrializados. Eu sempre preferi massas e pães integrais. Legumes e verduras nunca foram sem graça pra mim, ao contrario, eu adoro. Eu não consumo refrigerantes e álcool por opção e não estou estou fazendo nenhum sacrifício não ou dietas "restritiva" para agradar alguém.
Muitas feministas costumam dizer que se alimentar bem é caro, sofrido e coisa de "anoréxico". Ao contrario, eu tenho uma renda mais baixa que a da maioria das feministas e inclusive moro no interior da Bahia. Sou responsável, pago minhas contas em dia. Muitas feministas te a mania de dizer que só elas comem bem e que quem faz atividade física é anoréxico, histérico, machista e vagabundo e isso não é verdade.

B disse...

/\ vegano/vegetariano com um discurso que no fim quer dizer "só não emagrece quem quer".

Novidade

Anônimo disse...

Hoje em dia vc entra em qualquer site desses conhecidos, e só vê matérias falando de mulheres com corpão. "Fulana de tal posta selfie mostrando barriga sarada" "Musa da barriga chapada almoça uma folha de alface com água" "atriz mostra como emagreceu 70kg em 7 dias"
cara, ta nojento isso. Virou um culto ao corpo incrivelmente magro e sarado que quem não se encaixa nisso vira um ET.
As redes sociais também estão minadas de pessoas que querem enfiar goela abaixo que só é bonito quem é magrx, siliconada, perna e bunda cheios de hidrogel.
As pessoas estão ficando doentes, procurando satisfação em apenas ter um corpo bonito.
O mundo ta nojento... E muitas mulheres contribuem para essa nojeira.

Pepper

Anônimo disse...

Desculpem, mas realmente é muito mais vantajoso ser magro do que ser gordo e não é por pressão da mídia. Magro tem mais facilidade de locomoção, ocupa menos espaço etc. E concordo com a das 10:07. É até mais barato se alimentar bem do que comprar essas coisas muito calóricas, chocolate, batata frita refrigerante e tal.

Carol F. disse...

Por causa dessa vigília não-desejada dos outros, é comum que pessoas obesas comam sozinhas e se recusem a comer na frente dos outros. Tenho uma prima que era assim e há pouco tempo vi naquela série inglesa My Mad Fat Diary (também existem artigos que comentam isso). Aí em vez da pessoa sentar e almoçar um tanto normal, ou mesmo comer bastante de comida na hora certa, fica beliscando escondido em horários variados, o que não faz bem. É parecido com anorexia. A pessoa come sozinha ou escondida para não ser julgada.

Anônimo disse...

a autora do post valoriza demais o sobrepeso dela, provavelmente mais que os outros. além de beleza e atração física serem subjetivos, existe um espectro enorme entre o que qualquer pessoa acha lindo, divino e perfeito - num extremo - e repugnante, horroroso, medonho - em outro extremo. acho muito difícil que uma pessoa de 88 quilos não namore ou fique com ninguém por causa disso especificamente, aposto mais no fato da autoestima da autora estar baixa e isso acabar refletindo na forma como se veste, fala, se expõe. muitas gordinhas acabam se vestindo de forma uó porque acham que assim vão se esconder mais, mas na verdade poderiam se informar sobre moda plus size, vestidos de pin-up, decotes caprichados, etc. cortes legais de roupa. valorizem-se! a pessoa pode ser magra e não ter atrativo físico nenhum, cabelo horroroso, dentes feios, corpo tábua. e pode ser gorda e ter sorriso lindo, olhos lindos, rosto, uns belos peitos. e ainda nem entrei na parte ainda mais subjetiva de atrativos intelectuais, charmem e inteligência. tô só na parte meramente estética. eu tenho um corpo mediano,nem magro nem gordo, e as duas amigas mais gordas que tenho são casadas, e muito felizes, uma com um cara magrinho e a outra com um cara obeso também. e muitas amigas magras estão solteiras e não querem mais estar, mas têm zilhões de outros problemas (depressão, inibição, imaturidade, etc).

o que quero dizer é: gordofobia existe, padrões existem. padrões opressores existem pra TUDO. cor de pele, orientação sexual, conta bancária, espiritualidade. óbvio que também existe pro corpo. não faça disso um BIG DEAL. valorize o que você tem de melhor e lembre-se que, magros ou gordos, seus amigos, peguetes, colegas de trabalhos, TODOS têm defeitos e inseguranças. toque a vida.

minha sugestão é terapia. pra autora perceber que as gordurinhas são o menor dos problemas aí.

Anônimo disse...

Anon das 11:25,

Ninguém aqui disse que ser magro é ser doente e ninguém está querendo que todo mundo seja gordo.

O que se debate é essa cobrança e essa hostilidade das pessoas com relação ao corpo alheio. Alguém pode ser gordo, por vontade ou não, e não deveria ser agredido por isso. E se for gordo, pode ou não ser saudável, assim como um magro pode ou não ser doente.

Anônimo disse...

O mais chocante é ver nas atitudes e nos comentários das pessoas como elas são preconceituosas... só manifestam esse preconceito com os gordos porque acham que não tem problema, já que gordos "podem emagrecer". Se negros pudessem "virar brancos" ou mulheres pudessem "fazer crescer pênis", o preconceito seria muito mais gritante do que já é.

Anônimo disse...

Pra quem tá vindo aqui falar de dieta e exercício: ela já está fazendo isso, deixem de ser tão presunçosos!

Anônimo disse...

Olha eu nos meus 18/19 anos era normal, nem magra nem gorda 1,59m 52kg, mas sempre fui de comer bastante na hora do almoço, sempre que comia com os meus colegas no restaurante universitário, todos tiravam sarro por eu comer muito (prato de pedreira). Tinha dias que eu enrolava pra almoçar por vergonha das pessoas ficarem olhando a quantidade de comida que eu comia.
Fico imaginando se comigo era assim, imagina com gordos e obesos... é muita crueldade! E sempre vinha disfarçada de Ah! É brincadeirinha!!
Com o tempo as pessoas estão ficando cada vez mais cruéis e cretinas, incapazes de sentir empatia pelos outros!
Chega ser piada chamar as pessoas de seres humanos, humanidade mesmo é artigo de luxo na sociedade de hoje, é só ver os comentários. Um bando de gente raivosa babando e dizendo aberrações, ou apenas exteriorizando a aberração que é...

Kittsu disse...

Jonatha, o que aconteceu pra você não conseguir mais pegar peso? lesão?

Anônimo disse...

Anônimos do "ninguém engorda sozinho" e do "emagreça com saúde"

1 - Metabolismo existe. Tem gente que come muito mais que um gordo e é magro, tem gente que não come muito e é gordo. Entendam.

2 - Dieta "saudável" custa dinheiro, tempo, e arruina sua vida social. Você gasta um milhão em frutinhas, integrais, isso e aquilo, passa o fim de semana inteiro preparando a comida da semana, e quando chega a sexta feira tem que fazer cara de paisagem por não poder tomar um chopp com os amigos. Você passa a VIVER EM FUNÇÃO da dieta. Isso suga você. Isso gera transtornos alimentares. Isso te fode. Acaba com a sua cabeça. Dieta é horrível e te faz sentir um lixo, porque comida é o centro da nossa sociedade, aceitem. O álcool, a comida, principalmente o álcool, regem toda sexta e sábado a noite. Depois a gordinha tem compulsão alimentar, come escondida, chora, vomita, fica desesperada... E aí?

3 - Tudo é comida, mas tudo é sex appeal. "Acho sexy mulher que come mais que uma saladinha", "mulher não pode recusar uma cervejinha", dizem os homens. Mas quando ela engorda... Boom.

4 - Todo mundo tem um palpite. Endócrino, herbalife, paleolítica, vegana, gluten-free... Meu caralho.Geralmente quem recomenda não levou até o final. Todo mundo tem aquela tia gorda que sabe todas as dietas, todas funcionam que é uma beleza, mas ela não segue. Eu sei todas as dietas pró-ana (das comunidades pró-anorexia do orkut) que existem, por exemplo.

5 - Academia é caro, você se sente ridícula com aquelas roupas, todo mundo te julga... Eu nem sou gorda e já fui humilhada em academia! Agora vai levantar garrafinha de água em casa pra fortalecer o bíceps, vai. Se você não fica gostosinha de spandex nem tem um mínimo de "corpo", tá fodido. O mundo fitness não é feito pra ti.

6 - O mérito do esforço: esse mérito mata. Estou com uma parente no hospital a beira da morte por ter feito esse esforço. Anfetaminas, dieta restritiva, vômitos, malhação desenfreada... De obesa ficou "linda" e conseguiu emprego de modelo! Dois meses depois - hospital. Com a família cogitando mandar ela pro hospício assim que ela conseguir parar em pé de novo. Tô dizendo isso SUGA você. Ou você larga, desiste e se odeia, ou você é engolido e quase se mata.

7 - Como conseguir o meio termo? Explica pra mim como faz pra não consumir 400kcal por dia e continuar gorda por problema no metabolismo, e sim exatamente 1200kcal, partilhadinho, calculadinho, anotado, marcado, com uma porcaria de uma tabela nutricional na mão o dia todo - "meu deus, essa maçã tem 70 kcal mesmo? mas ela é pequena!", sem poder comer fora, sem poder comer comida feita pelos outros, ficar pensando "mas será que refogaram com óleo?", "mas esse café está doce!", "aceito um biscoito, mas aí não como o lanche das 16h, mas 16h vou ter fome, vou precisar tomar uma água com gás pra enganar..."

E sabe o que eu já fiz? Trocar refeições por shakes sem nutrientes, dormir e comer com espartilhos que restringem minha respiração (e respirar mal além de tudo dá ansiedade e crises de pânico em quem tem tendência), ir pro trabalho sem comer, gastar os tubos com suplementos... Fui humilhada em academia (mas suportei dois anos), chorei em médico, passei dois anos sem ir pra uma balada, um barzinho, uma pizzaria. Passei um ano vestindo calça de pijama por me recusar a comprar uma roupa do meu tamanho. Não corto o cabelo por medo de mostrar meu rosto redondo. E sim, eu estou passando fome pra minha família não me julgar no natal.

Vai todo mundo do mundo perfeito onde só é gordo quem quer tomar no meio daquele lugar.

Raven Deschain disse...

Nossa sou demais essa moça de 1439. Esse pessoal do "vc tem que ser saudável" é um belo pé no saco. E não venham dizer que é barato! Porríssima nenhuma!

N, vc é linda e nenhuma padrão (nunca entendi como minoria pode ser padrão) da sociedade vai mudar isso. Se acostume =).

E recomendo de novo a Ju Romano. Mulher mais linda desse mundo.

Anônimo disse...

Anon das 14:39, um beijão pra você porque você emrece!

Anônimo disse...

Acho que 14:39 exagerou, como assim ou vc bebe álcool todo fim de semana ou vc é um nada? Reveja suas companhias fia.
Acho que dá sim pra fazer dieta e continuar saindo e tendo vida social. Geralmente em todo restaurante, até em pizzaria e churrascaria, dá pra vc optar por uma coisa light, até salada tem. Ninguém enfia comida gordurosa na sua garganta.
Sobre ser caro eu concordo, essas comidinhas frescas são um tiro.

Anônimo disse...

Agora deixar de comer fora ou na casa de amigo com medo de ele ter refogado a abobrinha no óleo, é piração demais. Deixa isso pras Gracyannes Barbosas da vida. Certamente vc não vai ficar gordo pq seu amigo refogou o vegetal no óleo.

Anônimo disse...

O relato de um proletário gordo negro que sofreu bullying na escola cheia de opressores brancos e burgueses.

www.portalcarlmarx.ru/br/opressao/escolabranca.html

"Foi no ensino fundamental que perdi a minha inocência mental. Foi lá que eu começaria a odiar a raça humana como se fossem ratos imundos. Foi lá que eu iria começar a não dar valor a vida humana. A pensar que a raça humana havia falhado."

Katsawa disse...

Eu sou homem, mas por favor não me julguem negativamente com relação ao meu comentário.
Beleza é relativa e cada pessoa tem seu proprio padrão de beleza, não existe esta história que a midia que empurrar de existir um padrão universal que agrade a todos.
Então conheço muitos amigos que estão muito felizes com suas namoradas gordinhas, assim como conheço amigos que prefiram as mais magras, eu prefiro o meio termo.
Então preferencia quanto a beleza não é algo que deve ser discutivo, nem imposto, mas sim respeitado.
Busque quem te ache bonita da forma que vc é, que este é o caminho para encontrar melhores amigos e até mesmo o namorado dos seus sonhos (afinal para haver atração é importante estarmos com quem possua aquilo que mais nos atraia segundo nossos proprios padrões, isto vale tanto para homens, quanto mulheres).
Boa Sorte.

Anônimo disse...

Gente, parem de dizer que se alimentar bem custa caro. Parem.

Se alimentar bem não tem nada a ver com consumir produtos light/sem glúten/sem lactose/sem gordura/sem o caralho a quatro.

Se alimentar bem é consumir frutas, verduras, proteínas saudáveis como frango, ovo, peixe. Fazer escolhas saudáveis, como trocar a manteiga por azeite, por exemplo. Trocar o refrigerante por um suco natural.

Ninguém precisa gastar os tubos em semente de chia colhida no pico das montanhas iluminadas do himalaia no outono. Isso é balela.

Eu falo por experiência própria. Passei quase a vida inteira com um pouco de sobrepeso, sempre com 4 ou 5kg a mais do que MEU ideal.
E de dieta, emagrecimento, exercícios e afins, eu entendo. Sou irmã de uma nutricinista e sou casada com um personal trainer.

Eu brinco que tenho o paladar de uma criança de 8 anos, porque eu adoro todo tipo de porcaria - e se eu as comesse na frequência que eu gostaria, certamente eu estaria obesa. Então eu me controlo, como com moderação, tento me exercitar todos os dias. Mas às vezes, como a maioria das pessoas, eu acabo descontando algum tipo de ansiedade ou frustração na comida. E gente, é indiscutível que os gastos que eu tenho com essas comidas são muito superiores aos que eu tenho com minha alimentação mais saudável. É indiscutível.

Em contrapartida, eu já fui ao outro extremo, de seguir uma dieta super rígida e natureba, na qual eu consumia todos esses alimentos "naturais" da moda. Neste caso, meus gastos com comida e suplementos também eram super altos.

O ponto aonde quero chegar é: hoje eu tenho uma alimentação saudável - procuro não consumir produtos industrializados, como muitas frutas, legumes, grãos, etc. Minha saúde nunca esteve tão bem e meus gastos com comida nunca foram tão baixos, mesmo incluindo algumas gostosuras de vez em quando.

Então por favor, parem de dizer que se alimentar bem é caro. É possível se alimentar bem sem comprometer o orçamento sim.

Aline disse...

Sobre academias: minha pouca experiência me mostrou que uma mesma academia pode ser bastante agradável ou extremamente inóspita para quem não tá no padrão fitness. Onde eu malho é assim: de manhã há muitas pessoas mais velhas e também pessoas gordinhas/gordas. Há um ou outro fortinho ou gostosa, nada como uma "turma". À tarde, logo depois do almoço, fica bem vazia, com pessoas aleatórias. Já de noite tudo é diferente, até os instrutores são mais marombados, a música toca mais alto. Há muita gente jovem, pessoal é enturmado, magro, usa roupas legais. Eu estou dentro do peso recomendado para mim, mas também estou looooonge de ser fitness e vou à academia com as piores roupas possíveis, com o cabelo mega zuado, então NUNCA vou à academia à noite. Prefiro ir de manhã, quando há um instrutor muito gente boa, as pessoas são simpáticas, etc. Quando não dá pra ir cedo vou à tarde (trabalho em casa). Tbm não largo o fone de ouvido porque não tô interessada na conversa alheia nem naquelas músicas pavorosas que tocam em academia. Assim sigo gostando de malhar, não me sinto humilhada nem nada.

Kittsu disse...

Dieta de fome (qualquer restrição calórica) não emagrece... se entupir de porcaria "light" e "sem gordura" não vai te ajudar em nada. A teoria do "caloria que sai/caloria que entra" é uma falácia, uma mentira. Isso está matando gente.

2 - Dieta "saudável" custa dinheiro, tempo, e arruina sua vida social. Você gasta um milhão em frutinhas, integrais, isso e aquilo, passa o fim de semana inteiro preparando a comida da semana, e quando chega a sexta feira tem que fazer cara de paisagem por não poder tomar um chopp com os amigos. Você passa a VIVER EM FUNÇÃO da dieta. Isso suga você. Isso gera transtornos alimentares. Isso te fode. Acaba com a sua cabeça. Dieta é horrível e te faz sentir um lixo, porque comida é o centro da nossa sociedade, aceitem. O álcool, a comida, principalmente o álcool, regem toda sexta e sábado a noite. Depois a gordinha tem compulsão alimentar, come escondida, chora, vomita, fica desesperada... E aí?

Esse foi o parágrafo que mais me chamou a atenção. mas no fim você declara que está passando fome e se sentindo péssima por talvez estar gordinha. Além de que disse conhecer todas as dietas possíveis de comunidade pró-anorexia/bulimia. Ora... é pra aceitar ou pra ficar incomodada? decida-se. mas seu desabafo deixa muito claro que você precisa de terapia e apoio psicológico. o problema no seu caso não é a dieta... esse na verdade é o menor dos problemas.

Aline disse...

Também concordo que alimentação saudável não necessariamente é cara. Algumas coisas realmente podem pesar - como produtos integrais -, mas se a alimentação for mais baseada em produtos naturais e menos em industrializados dá pra gastar bem pouco. Por exemplo, em vez do pão integral no café da manhã dá pra comer tapioca. Um saco de 1 kg polvilho doce sai proporcionalmente muito mais barato que qualquer pão (até o francês da padaria). E o recheio pode ser de coisas baratas e naturais também - tomate, banana, laranja serra d'água... Enfim, o que sai caro são produtos industrializados integrais e complementos como sementes, grãos, leguminosas além do feijão, castanhas, etc. e tal, sem os quais dá pra viver numa boa (especialmente se você não for vegetariano/vegano).

Aline disse...

No mais, essa coisa de "arruinar vida social" é muito mais coisa de dieta restritiva do que de dieta saudável. Quem se alimenta bem porque gosta de estar e funcionar bem não fica fritando por conta do chopp ou do tiragosto. Quem faz essas dietas malucas é que fica paranoico com tudo, nem fruta pode comer direito, que dirá um hamburguer suculento no fim de uma semana difícil. E mais, vida social não se resume a encher a cara e se entupir de fritura.

Anônimo disse...

Que academias loucas sao essas que vocês frequentam? Ou sou eu que estou cagando pro que as pessoas pensam? Não largue a academia, se não quiser. Ocupe o espaço que estiver a fim de ocupar.

Anônimo disse...

tenho 35 anos e perdi 20 kgs em 1 ano e meio enchendo a cara 1x por semana (não recomendo, não é saudável, mas sou boêmia e não abro mão da manguaça uma vez por semana nem que apareça o gênio da lâmpada e me ofereça ficar igual a angelina jolie). claro que eu emagreceria mais rápido se ficasse em abstinência, mas eu tava sem pressa (depois de muito efeito sanfona na vida entendi que o único emagrecimento consistente a longo prazo é o lento; aquele em que há restrição calórica, mas não muita e sem paranóia ou calculadoras. e exercícios que gradualmente vão aumentando a intensidade. GRADUALMENTE MESMO. coisas de que você goste. se preocupe mais em gostar que em quantas calorias gasta por minuto. não adianta começar spinning e largar depois de 1 mês). não estou dizendo que todo mundo DEVE emagrecer, mas pra quem QUER, procurem mais referências sobre reeducação alimentar que sobre dietas. as páginas não conto calorias e não sou exposição no FB são ótimas. tem também o blog Santa Dieta, com receitas saudáveis sem neuras. e, principalmente, precisa entender que com reeducação alimentar que não te mata de tristeza, fome e tédio, o emagrecimento vem lento MESMO. não fique se pesando toda hora, pirando porque não perdeu x kgs em y semanas. vai acontecer no seu ritmo, e a recompensa é enorme. não sofri nem um pouco com minha R.A. boa sorte à autora.

Anônimo disse...

Ataques gratuitos de feministas a vegetarianos, ataques gratuitos de feministas a pessoas que não se entopem de alimentos com excesso de gordura ou que não comem em excesso, ataques gratuitos de feministas a pessoas que fazem alguma atividade física.
Feministas de boas condições financeiras acusando de "burguesas, elitistas" as pessoas que elas nem conhecem e que tem ate menos dinheiro do que muitas elas ou que nem moram em grandes metrópoles como muitas delas moram apenas porque essas pessoas não tem o estilo de vida delas. Ataques gratuitos de feministas a pessoas que não consomem álcool ou refrigerantes. Ataques gratuitos de feministas a pessoas que não se prendem a determinismos genéticos.
Pois, essas feministas vão continuar sendo pessoas amarguradas, arrogantes, ignorantes e preconceituas. Qual a diferença entre essas psicopatas e os seus amiguinhos mascus? Pouquíssima.
Essas feministas, muitas vezes misóginas, agridem mulheres apenas porque não seguem todo o protocolo de vida delas, não concordam com tudo o que elas dizem e porque não falam apenas o que elas querem.
Eu não sei como a Lola vai lidar com essas psicopatas, pois elas estão expulsando cada vez mais mulheres do feminismo com suas acusações e agressões. Pois ninguém esta aguentando mais esses monstrinhos.


Anônimo disse...

Lola e demais leitores

Vou fazer uma pergunta séria e por favor, não me julguem!

Meu marido é gordo. O conheci assim, me apaixonei por ele assim e por mim ele não emagreceria nunca! Contudo, ele é hipertenso, está com um problema na perna (que pode piorar com o peso) e vive manifestando vontade de emagrecer. Ao mesmo tempo, ele não manifesta tanta força de vontade de fazer dieta e exercícios, e eu fico me sentindo irresponsável com a saúde dele por não dizer nada e não fazer nada para incentivá-lo.

Para vcs terem ideia, eu tenho tanta neura de invadir o espaço dele que nunca perguntei quanto ele pesa. Morro de medo dessa pergunta ofendê-lo. Ao mesmo tempo fico preocupada pq a hipertensão dele é séria e EU NÃO QUERO FICAR VIÚVA!

Minha pergunta muito sincera é: como incentivá-lo a emagrecer pelo bem da saúde dele, e só o necessário para ficar tudo bem (não quero ele magro e nem sarado. Não estou nem aí pra isso), mas sem soar gordofóbica??????



Anônimo disse...

Anonimo das 21:20, largue dessa nóia de gordofobia. Se seu marido tem vários problemas de saúde e a causa deles é a obesidade, é preciso alertá-lo do excesso de peso sim.

Anônimo disse...

Oi, anônima!
Já estive numa situação parecida, e sabe como resolvemos (estamos resolvendo)?

Eu entrei na academia primeiro. Comentei que queria porque tenho dor crônica, e comecei a frequentar. Os benefícios na minha disposição, auto estima e qualidade de vida foram quase imediatos, o que - mesmo sem esforço meu - motivou o meu namorado.

Como ele sempre perguntava da academia, levei ele um dia para fazer uma aula experimental de uma modalidade que sabia que ele ia gostar e pronto!

Ele adorou! Inclusive, varias vezes vamos juntos à academia, o que se tornou um ótimo estimulo para os dois! Ele entrou num grupo de exercicio, fez vários amigos no grupo! Além disso, seu problema (hipertensão + cardíaco) melhorou mil vezes!

E o melhor: nunca precisei insistir. Ele viu como a minha qualidade de vida melhorou, como eu estava mais disposta e ficou curioso pra ver como era! Hoje a atividade física nos faz ainda mais próximos, temos mais esse laço que nos faz tão bem!

Beijos, M.

Anônimo disse...

Gordo attention seeker é um porre com p maiúsculo. Ô gente chorona. Vai estudar, N, você não disse nada que não saibamos de cor e salteado.

Pra quem falou do plateau, isso não egziste. Se existisse, a anorexia também não existiria.

Anônimo disse...

Como as gordas defendem com unhas e dentes seu direito a manterem sua compulsão alimentar e avançaren sem controle algum nas porcarias açucaradas e gordurosas e salgadas.

Ainda por cima mentem para si mesmas que não comem desenfreadamente, só às vezes algo calórico, kkk IMC 34,37 só comendo às vezes 2 kg de chocolate, 10 bolas de sorvete...errr...depois ainda se dão mais um direito: o de culpar os outros pelo estrago.

Anônimo disse...

Como as gordas defendem com unhas e dentes seu direito a manterem sua compulsão alimentar e avançaren sem controle algum nas porcarias açucaradas e gordurosas e salgadas.

Como você disse, é o direito delas. Senta e chora.

Cão do Mato disse...

Eu ADORO uma gorda! Minha melhor parceira sexual até hoje foi uma gorda Eu disse GORDA, não "gordinha" (palavra que não passa de um eufemismo pra mulher gostosa que não é muito magra).

Cão do Mato disse...

Anônima da 21:20, é simples: dê-lhe uma dura! Funciona sempre!

Aline disse...

Anon 21:20, esquece isso de gordofobia e incentive seu marido a perder peso! Obviamente ele sabe que vc não é gordofóbica, e obviamente vc sabe conversar com ele sem parecê-lo. Minha dica é você propor algo que possam fazer juntos, como caminhar, andar de bicicleta, patinar... se possível depois vcs podem se matricular em uma academia. Vai ser bom também ir a um/a nutricionista (você pode ajudá-lo na RA). Vai ser bom pros dois, ajude seu parceiro!

Anônimo disse...

Podem negar mas tem gente que come demais e jura que come pouco e não sabe porque engorda.
Vida um programa que acompanha obesos na cirurgia de redução de estômago e uma mulher teve que perder uns kgs antes da cirurgia,ela jurava que estava seguindo tudo,que tinha emagrecido, enquanto comia lanche do McDonald,uma porcaria aqui e ali,foi no medico,engordou e continuou afirmando que fez a dieta da certo,o médico disse que era impossível ter feito e ter engordado e ainda ficou puta com ele.

Anônimo disse...

"Pra quem falou do plateau, isso não egziste. Se existisse, a anorexia também não existiria. "

AHAN
É a mesma coisa vc não conseguir emagrecer o peso comendo saudavelmente mesmo com uma dieta de calorias restritas+exercícios e se alimentar com uma maçã a cada dois dias.

Julia disse...

"gordura é um sintoma que algo não está bem com sua alma"

Não perceber o ódio e o preconceito que essa frase transmite é um sintoma que algo não está bem com seu cérebro.

Anônimo disse...

Na boa, os comentários do blog da Lola estão cada dia mais insuportáveis. A menina vem aqui relatar como é vitima de preconceito, como tem o seu direito de existir questionado, sua autoestima abalada e, em vez de suporte, um bando de mascu e feminista fica repetindo o mesmo discurso que ela deve ouvir todo o dia - para de comer e vá para academia.


No mais, a ironia de ver esses menininhos mascus falando que gorda é nojenta enquanto eles são solitários e elas estão por ai dando que é uma beleza

Anônimo disse...

Além das razões óbvias (comer mais que o gasto energético), existem razões psicossomáticas para o gordo ser gordo, que quando abordadas em terapia acabam fazendo com que a pessoa perceba o real problema (que não é apenas o ato de comer excessivamente) e com o tempo, ela emagrece.

Antes de tudo, o gordo é uma pessoa que não respeita os próprios limites. O gordo se força a fazer coisas que não quer e tem uma visão distorcida do quanto pode e até em que ponto pode suportar. E começa não respeitando o limite do corpo.

O corpo gordo é só o reflexo de uma cabeça que não respeita os próprios limites também.

O gordo busca nos outros uma aprovação que não tem em si. Daí comentários como "a minha irmã gasta em cremes e é valorizada, eu sou tão inteligente e não sou". No momento em que alguém se compara a outrem, existe aí um julgamento de valor em mi, que é baixo, em relação a outro alguém, que é colocado como "maior" ou mais valoroso. Então a pessoa não se dá esse valor e quer que outras pessoas façam isso, porque não é um valor próprio e sim alheio desde o princípio. Isso causa profundo sofrimento por duas razões: 1. o mundo todo pode elogiar o gordo que isso não vai adiantar, ele não se elogia, 2. o gordo vai buscar a forma de conforto mais imediata que conhece, que é comer mais, alimentando o ciclo.

O gordo cria em torno dele uma capa de proteção que se manifesta pela gordura. Assim como animais tentam parecer "maiores" quando ameaçados, o gordo, invisibilizado pela sociedade também tende a "crescer" pra ocupar um espaço que geralmente lhe é negado e provavelmente foi negado desde a infância, ainda que magro. É sempre de dentro pra fora que a coisa acontece, gordura é reflexo do estado mental do indivíduo.

Então não adianta se espelhar em outros gordos de sucesso ou querer emagrecer pra se adequar a um padrão, o problema do gordo é o gordo, é sua visão de mundo e sua visão de si. No momento em que a pessoa começa a questionar de onde vem o desvalor em si (que é próprio), do que tanto ela se protege e aprende a respeitar o seu próprio limite de forma muito integral, a tendência é que a pessoa vá readequando a forma física a novas formas de pensar e volta para um peso adequado naturalmente.

Anônimo disse...

Julia disse...

"gordura é um sintoma que algo não está bem com sua alma"

Não perceber o ódio e o preconceito que essa frase transmite é um sintoma que algo não está bem com seu cérebro.


FATO!!

fio, vá se tratar!

Anônimo disse...

Eu não suporto a Nádia Lapa, mas ela tem razão quando fala do uso da palavra "gordinha". Gente, vamos ser honestos, vamos?

A autora do post diz: "sou gordinha (devo estar com uns 88 kg pra 1,60 de altura)...".
porra, gordinho é quem tem 3, 5kg a mais que o peso considerado ideal. A autora tem obesidade grau 1!

Sinceramente, eu peso que a gordofobia começa com os próprios gordos, ao não se assumirem gordos. Qual é o problema de dizer "sou gorda", como sugere a Nádia Lapa?

Vamos ser sinceros com nós mesmos, coleguinhas? Dizer "sou gordo" não é nenhum xingamento, oras! É apenas uma constatação, da mesma forma que alguém diz "sou loiro", "sou baixo", "sou negro".

Chega de eufemismos, tá?

Anônimo disse...

Anon das 11:35, os comentários são assim todos os dias, a diferença é que a coitada da Lola modera alguns e agora está viajando, por isso todos os comentários são aceitos.

W.M. disse...

Pois essa questão atrapalha não somente mulheres (que sofrem muito mais com isso), mas também homens que se interessam por mulheres que estão/são fora do padrão capa-de-revista. Namoro uma moça há quatro anos que é muito baixinha e que não é magra e só agora ela COMEÇOU a entender que eu sinto atração pelo físico dela, que ela está ótima etc. Ela simplesmente não consegue se achar sexy e atraente e no começo do relacionamento ela tinha vergonha de ficar nua na minha frente. Ela pôs na cabeça que ter estria e celulite é algo ruim e feio e que isso automaticamente faz ela não ter um corpo bonito. Pra tentar mudar o que ela pensa eu tive que argumentar tanto, tive que mostrar textos, mostrar modelos plus size (que são muito mais gordinhas que ela) e até mostrei fotos e vídeos pornograficos de mulheres gordas que eu curto pra ela conseguir entender que eu não dou a mínima se ela tem celulite ou estrias, que eu acho que ela é muito é gostosa S2. Enfim, ela está mudando e aceitando melhor o corpo dela, mas eu suponho que seja um processo bem lento e, além disso, eu queria que ela se aceitasse não porque EU acho ela gostosa, mas porque ELA deve ser achar pra poder ter mais auto-estima. Mas acho que ela entendendo que o físico dela me atrai verdadeiramente já é um passo a mais pra ela perceber que não tem problema nenhum com o físico dela.

AnaBarbosa disse...

Eu também estava assim há um ano atrás, deprimida me achava horrível, tinha vergonha de comer na frente dos outros. Consegui perder 20kg e não voltaram.Mas perdi pq eu quis, pq eu não estava feliz, ninguém é obrigada a ser magra!O importante é ser saudavel e sentir bem! Nunca quis me privar de nada, então não me privei. Tomava minha cerveja toda quinta. Na semana no geral troquei algumas coisinhas do cardapio: menos carboidratos no almoço mais saladas e fibras, proteina magra...no lanche abusava das frutas e diminui a quase zero o açucar, mas se queria um sorvete eu tomava. Fiz aulas de zumba, pq academia com aquele monte de mulher magra olhando era triste, mais deprimente ainda contudo na aula de zumba tem gordinhas, magrinhas, senhoras de idade: gente normal. Aos pouquinhos fui perdendo peso, perdendo mais, e agora depois de um ano ainda mantenho. Não me privo do que eu gosto só não faço todo dia. Se gosta de pão, come um por dia; se gosta mais de macarronada come no almoço e equilibra o resto das refeições em algo nutritivo e com baixas calorias, pouco açucar e sódio. Faça uma lista do que mais gosta e corta de uma ou outra coisa o que é mais prejudicial por exemplo: eu gosto de pão, logo não troquei pelo integral, mas não era tão doida por açucar então esse eu troquei por stevia; troquei milho, ervilha e enlatados pro congelados e frescos que não continham ou tinham menos sódio e assim por diante... Fiz substitições e fui emagrecendo. As vezes a gente não sabe mas engorda e retem liquidos e incha por causa do sódio, procura ele nos rotulos ele pra mim era o grande vilão, tem até no leite!! A gente olha muito as calorias e esquece que o mais importante e saber os niveis de açucar e sódio nos rotulos, pq calorias a gente perde a toda hora, mas o açucar e o sódio não. Devagar, aos poucos, dois kg por mes e quando vc ver já foi, perdeu tudo!! Vai dar certo! Boa sorte pra vc!! Se ame sempre pq vc é a pessoa mais importante da sua vida!!!!

Denise Marinho disse...

Mas gente! Virou tiroteio, né?

N gata, está claro que você é a pessoa que mais se incomoda com isso. Alguém já disse aí que você poderia tentar emagrecer e se aceitar. Eu te sugiro um justo meio (q nem sempre está no meio), algo entre oq vc está disposta a fazer e algum resultado.

"É preciso sobreviver às pessoas": obviamente vc tem que por um pessoal pra correr da sua vida, procure pessoas que te valorizem, que sejam mais elaboradas e tal.

Senti muita angústia em seu relato, espero que vc nao sinta-se assim por muito tempo. Mas tem que ter atitude, foco e mandar o povo se foder, às vezes.

Ah, pra geral, sobre alimentação saudável: não é caro, mas dá trabalho. Eu faço pao, queijo e iogurte em casa. Caldos, molho de tomate, macarrão. Pra mim compensa, pq eu gosto de comer bem. É só uma questão de organização.

Mayara Maciel disse...

Não li todos os comentários, mas li uma parte e alguns me deram ânsia de vomito. Já tá comprovado cientificamente(com inúmeros artigos) que ingerir menos calorias do que gasta não emagrece efetivamente (principalmente a longo prazo). Fazer mais exercícios e comer menos funciona apenas a CURTO PRAZO e se deixar de fazer (comer menos e fazer exercício) você irá voltar o que era antes, se não até mais pesado. Então esse paradigma de que só é gordo(a) porque é preguiçoso ou que come muito está errado (na verdade é a pessoa não é gorda porque é preguiçosa e come muito; é preguiçosa e come muito porque é gorda - há um diferença....mas que pode ser alterada). É toda uma questão metabólica e hormonal que pode ser alterada comendo os alimentos certos, fazendo com que o seu corpo se desacostume a queimar carboidratos para queimar gordura e assim emagrecer. Carboidratos é o que fazem as pessoas engordarem, não o balanço calórico. O carboidrato induz a produçaõ e liberação de insulina, que é, digamos, nesse caso, o vilão para quem quer perder gordura. Recomendo fortemente o blog do Dr. Souto( http://www.lowcarb-paleo.com.br/ ), um médico urologista, que possui um blog em que ele fala sobre a dieta LowCarb. Lá ele explica com base cientifica e desmonta (com auxílio de fontes cientificas com credibilidade, além de questionar artigos tendenciosos) todo esse conceito ridiculo de que gordo é "preguiço e comilão". O nome dieta é pejorativo, eu sei, mas digamos que você entra de cabeça e adota como estilo de vida devido aos diversos benefícios e perder peso é apenas um deles. Vale a pena ler o blog e conhecer sobre a dieta paleo. Há outros livros como Barriga de Trigo e Por que Engordamos e o que Fazer para Evitar, de Gary Taubes.

E eu entendo o seu sofrimento quanto a isso. Mas vai da certo ok?

Mayara Maciel disse...

Só pra constar talvez eu possa ter deixado transparecer algo como "olha tem uma dieta X que é muito boa, você vai emagrecer e pronto". Acho muito importante lembrar que a gente tem que levantar a cabeça e se amar do jeito que é. A dica da Lola foi perfeita em relação ao Mito da Beleza. O livro faz você se libertar dessas amarras que é meio que ditadas pra nós, como se a gente só tivesse o papel de ser bonita (nos padroes estabelecidos pelo patriarcado) É muito difícil falar que é pra gostar de si mesmo, sendo que uma boa parte das pessoas te trata com indiferença só por estar com sobrepeso. Mas pensa, que pessoa idiota e imbecil é essa que faz isso, e veja que o melhor o que tu faz é se afastar. E nem falo só na questão de gordos, mas em relação as minorias tb. Eu levantaria a cabeça porque se importar com opinião de gente lixo é a ultima coisa que eu faria.

Anônimo disse...

D. Mayara, sabe por que os carboidratos fazem as pessoas engordarem? Exatamente porque elas desequilibram o balanço calórico de uma pessoa que NÃO se mexe o necessário para QUEIMAR todo o carboidrato (estou falando do alto carbo, que são os açúcares, O ÁLCOOL, os farináceos todos, os tubérculos. A gordura das frituras (de modo geral envolvendo carboidratos) também entram nesta equação.

Então, falar que os carboidratos engordam e não o desequilíbrio calórico é trocar 6 por meia dúzia. Mas os gordos só são gordos PORQUE avançam inexoravelmente nos carboidratos, né, amore?

Bjs

Mayara Maciel disse...

Oi anônimo do dia 21/12 23:34, então, não necessariamente, eu pelo menos não vejo assim. Até porque eu acho muito importante a ingestão das gorduras (boas, o que exclui gordura de origem vegetal/margarina), por exemplo, que por incrível que pareça não influencia tanto no tecido adiposo, alias, ela se torna um aliado. Ela depois dos anos 70 foi demonizada, injustamente, por pessoas que faziam má ciencia (isso me lembra do backlash contra as feministas nos anos 70/80) pra controle de doenças cardiovasculares e obesidade. Foi criada a piramide alimentar com a base composta de carboidratos. A obesidade só cresce e junto com ela a obesidade, problemas cardiovasculares. Cada vez mais pessoas estão fazendo academia, caminhando...... Poxa! Você não acha que isso não esta certo?

Entretanto, a gordura é péssima quando está juntinho do carboidrato. Ai a bomba estará feita, principalmente quando a gordura em questão é de má qualidade, o que é a maioria dos casos.

Falo isso porque 60% dos meus macronutrientes é gordura. E 10% de carboidratos, 30% proteina. E mesmo estando parada a meses da academia, estou bem mais magra (emagreci 10kg), do que antes em que eu comia tudo integral, prestava atenção em calorias e fazia academia. E 1g de gordura tem mais calorias (9kcal) que 1g de carboidrato (4kcal). E meu balanço calórico em relação a antes está beeeem negativo, porque emagreci? Meu corpo esta adaptado a queimar gorduras, mesmo que eu eventualmente eu coloque o pé na jaca comendo um pote de sorvete...

Gosto de citar um exemplo perfeito do livro que citei acima do Gary Taubes sobre as 20 calorias pra falar sobre esse balanço calorico ai. O Dr. Souto fala sobre isso, veja aqui: http://www.lowcarb-paleo.com.br/2011/12/o-grande-significado-de-apenas-20.html

Um outro exemplo é um rapazinho que faz experimentos com dietas no youtube. Ele fez a lowcarb e como a lowcarb não necessita de contagem de calorias ele tava ingerindo cerca de 8000 kcal por dia e...ele diminuiu vários cm de circunferencia de gordura abdominal. Cito tambem um documentario chamado FatHead, sobre um cara que come só fastfood e emagrece (sem falar nos beneficios quanto ao HDL, pressão arterial, etc). É uma resposta ao documentário dieta do palhaço (do carinha que engordava horrores comendo só mc donalds). Ele comia tudo, menos o pao do hamburguer, por exemplo.

Por isso que falei, é todo uma questão hormonal. Vale a pena da uma olhada nos artigos que dizem respeito as dieta lowcarb, as dietas lowfat (que geralmente é com contagem de calorias). Comer menos e se exercitar mais funciona? Sim, mas não a longo prazo..................

Mayara Maciel disse...

Links interessantes, amore (tu é da pan anônimo?) do blog, com base fundamental do livro do Gary Taubes:

http://www.lowcarb-paleo.com.br/2011/12/por-que-comer-menos-nao-funciona.html

http://www.lowcarb-paleo.com.br/2011/12/chave-esta-na-regulacao-do-tecido.html

http://www.lowcarb-paleo.com.br/2011/12/por-que-o-exercicio-fisico-tambem-nao.html

http://www.lowcarb-paleo.com.br/2011/12/chave-de-tudo-insulina.html

http://www.lowcarb-paleo.com.br/2011/12/hiperinsulinismo-e-obesidade.html

http://www.lowcarb-paleo.com.br/2011/12/por-que-com-mesma-dieta-uns-engordam-e.html

http://www.lowcarb-paleo.com.br/2011/12/secrecao-de-insulina-e-completamente.html

Vale muito a pena ler. Não é apenas ideias jogadas. Os posts sempre possuem um embasamento cientifico. É isso, more! :)

Fê disse...

É só diminuir calorias!!!! Eu, por exemplo, além de comer pouco, ainda vomitava, deixando bem pouco no meu organismo... e não emagreci porra nenhuma fazendo isso, porque o meu corpo trabalhava pra guardar ao máximo o pouquinho que eu botava pra dentro, como se fosse um estoque!

Vamos parar de falar aqui como se todos os corpos fossem maquininhas trabalhando exatamente igual e só bastasse seguir uma fórmula?

Anônimo disse...

D. Mayara, conheço a dieta paleo de cor e salteado. A gordura que vc come, vc gasta. não importa se é 60% ou 100%, entende? Se ingere 1200 calorias e 60% são gorduras, vai pesar tanto quanto eu que tb ingiro 1200 calorias à base de low carb (verduras/legumes). E o emagrecimento do pessoal da páleo vai até um certo ponto, conforme dito pelos próprios praticantes, porque há uma preocupação excessiva em ingerir gorduras, que como vc bem disse, tem 9 calorias/grama.

O gordo/obeso come carbo com gordura e/ou açucar com uma regularidade incompatível com o gasto. Diz pro gordo tomar um copo de azeite com 5 ovos quando tiver fome pra ver o que ele diz.

Você confirmou tudo o que eu disse. O problema é o carboidrato complexo (4 calorias por grama), que eles não conseguem gastar porque 1. o carboidrato complexo causa hipoglicemia e consequentemente, fome. 2. O controle sobre o que se come vai pro espaço, porque a fome ronda sem parar quem vive à base de açúcar, farinhas e frituras (de carboidratos, claro). Gordo não come só proteína com gordura, antes fosse.

Quanto ao documentário, again, se ele come só fast food sem pão mas gasta o que come, não tem problema.

Quem tem intestino solto também tende a não absorver macronutrientes tanto quanto quem tem evacuação normal. Tanto assim é que podemos tomar bastante água durante as refeições para o trânsito intestinal ser mais rápido e assim emagrecer. Só que o estômago dilata. Mas pergunta se os obesos querem tomar água... rsrsrs

Eu não exercito e mantenho o peso que eu quiser. Se estiver inchada, é outra coisa. Se exercitar, vou gastar mais um pouco e vou repor pra ficar com o peso que eu quero. Conheço meu metabolismo e sei que quando ele ficar mais lento, isso quererá dizer que não preciso de tantas calorias num determinado espaço de tempo ou que deixei de desempenhar certas tarefas e por isso não gastei as calorias de sempre. Não tem mistério. Os obesos sabem muuito bem disso. São gordos porque têm compulsão alimentar ou não querem parar de comer (E BEBER) mesmo.

Uma blogueira plus size confessou no outro dia que tomou uma garrafa de vodka inteira. Porque para o gordo/obeso, tudo tem que ser MUITO.

Bjs



Anônimo disse...

Fê, comer pouco é quanto pra você? Vamos falar de números? E e vômito de verdade é causa de desidratação e óbito. Não vem me contar asneira que não nasci ontem.

Mayara Maciel disse...

Oi anonimo! Sim, a gordura que eu estou ingerindo será gasta. Não sou sedentaria, apesar de não esta fazendo academia ultimamente.
Entendo o ponto que você está falando, mas sabemos que o tecido adiposo recebe grande influência da insulina, a qual é "ativada" por carboidratos. E isso já basta pra entender que um tipo de macronutriente influencia mais do que o outro no aumento de peso. E é por isso que a dieta paleo não segue número de calorias (porque é lowcarb = baixos níveis de insulina sanguíneo). E que por isso dá sim pra consumir um pouquinho a mais das calorias diarias e, pasmem, emagrecer. Uma caloria não é uma caloria, você deve ter ouvido/lido isso, pois é um dos principios da dieta lowcarb (paleo), dieta que você conhece de cor e salteado, é tb um título de um livro.

1 caloria de gordura é diferente de 1 caloria de carboidratos. Mesmo que eu coma 2g de carboidratos (4x2= 8 calorias) no lugar de 1g de gordura (9 calorias). Cada macronutriente se comporta diferente no corpo. Esse é o ponto que quero chegar.

E obviamente o emagrecimento cessa também na paleo, pois o corpo tenta buscar um equilíbrio/homeostase seja mais cedo ou mais tarde. Vai depender do organismo também: alguns atingem esse platô com o peso acima outros atingem com o peso abaixo do desejável. Mas pra quem ainda quer perder mais existe algumas estratégias que podem ser feitas temporariamente até o objetivo ser alcançado..

E uma discussão importante foi o que você mesmo falou:compulsão e fome causadas pelo carboidrato. Nunca uma pessoa terá um desejo inexplicável de comer um pote de manteiga. Já um brigadeiro...
E o gordo pra comer azeite com ovos quando estiver com fome é uma das consequencias de uma adaptação que ele deve fazer (cetoadaptação), com a restrição quase que total de carboidratos no primeiro momento e uma reintrodução de uma parte dos carbs "bons". Essa é a fase mais dificil, pois é sabido que o carboidrato atinge as mesmas áreas de prazer que certas drogas atingem. Com isso essa será a fase de abstinência. Mas depois será uma maravilha. Nesse caso a vontade de comer besteira irá cessar, além de não ficará comendo várias vezes ao dia (porque como você mesmo disse, o carboidrato causa FOME). Tá, pode entrar aqui o balanço calórico de uma certa forma sobre a questão da saciedade que a gordura e a proteína proporciona (pois a pessoa não fica com a bobagem de comer de 3 em 3h). Não to afirmando que a pessoa adaptada ao lowcarb nunca irá jacar, ou ter uma compulsão por doces, ou pizzas, mas as chances será nitidamente inferiores.

Sim, exercício é importante, mas convenhamos que 85% é dieta. E se for feito de maneira errada pode até da um efeito contrario: aumentar a fome fazendo a pessoa comer mais (geralmente com a compulsao por alimentos highcarb).

A fê se contradiz dizendo que comeu mais pouco, vomitou e não emagreceu nada, mas diz na primeira fase que é só diminuir as calorias = comer mais pouco kkkkkkkkkkk

No mais, um feliz natal pra todxs!

Mayara Maciel disse...

Lendo de novo o comentario da anonima, esqueci de acrescentar que o obeso na maior parte do tempo está sem controle em relação à comida e ao exercício. Por isso que falei antes sobre a questão de ser gordo e ser comilão e sedentário. Highcarb são tipo drogas (kkkk), ele aos poucos vai ficando dependente. Há a resistência a insulina pelos receptores das células, o que fica dificultado o transito de glicose nas células, pois a insulina tem esse papel. Então a célula acha que não tem glicose ali, manda a informação ao cérebro que precisa de comida (fome), ao mesmo tempo em que há a parada das atividades normais das células (preguiça), pra poupar a pouca energia que está dentro da célula. Nisso a demanda de insulina aumenta, assim como a demanda do pancreas, e o gordo fica cada vez mais gordo e preguiçoso. O ponto em que quero chegar é que acho injusto apontar o dedo na cara do gordo....

Deve-se haver conscientização (sobre uma alimentação correta) e um importante amparo psicológico. A gente sabe que tem milhares de nutricionistas que te manda comer de 3-3h, pão integral (que é highcarb), e mais de diversos aliemntos riquissimos em carboidratos que nos ensinados que são "bons" (aveia, arroz integral, batata doce, sucos, barra de cereal e os inofensivos carb de verduras e de alguns legumes, os unicos inocentes nesse jogo todo), focando quase que exclusivamente no balanço calórico.

Feliz natal anonima :)

Anônimo disse...

D. Mayara. O mecanismo da fome não é bem esse que você descreveu. O problema está na falta de glicose no sangue e não nas células. As células adiposas recebem toda a glicose em excesso varrida rapidamente do sangue pela insulina e transformada em gordura corporal se não gasta; o cérebro passa a pedir mais glicose e aí sim, vem a fome.

Esse negócio de ingerir gordura pura não entra na minha cabeça. Os neandertais comiam era muita carne depois de muito exercício e jejum com suas gorduras e não esse mar de gordura isolada do dia, hein? O problema do gordo é exatamente a desproporção entre o carboidrato e os outros macronutrientes. É energia demais (estocada).

Na minha dieta a prioridade é da proteína. Esta vem com as gorduras (integrais) e depois os alimentos baixo carbo. A castanha de caju é um exemplo de balanceamento ideal entre os três macronutrientes, razão pela qual, tenho quase sempre por perto. Engorda? De jeito nenhum. A não ser que eu coma 2 quilos de castanha por dia, fora tudo o mais. Mas a diferença entre um grama de gordura e dois gramas de carboidrato refinado/açúcar é o tempo em que serão metabolizados. Claro que a gordura tem outras funcões importantíssimas que não a produção de energia, fato que os praticantes da paleo confundem lindamente. Querem porque querem que a gordura seja a principal fonte energética, por que eu não sei. Morrem de medo das frutas...O que faz mal são os sucos à base de frutose pura mais açúcar. Quase não se fala das fibras também. É uma orgia de creme de leite e azeite e gordura saturada das carnes, inclusive de porco.

Mas vejamos se algo do que escrevemos aqui aproveite aos gordos/obesos leitores.

Feliz Natal pra você também!!!

Bjs

Mayara Maciel disse...

Não é comer gordura pura. Eu, pelo menos, não como manteiga pura entre o almoço e janta, por exemplo, SOS.
Você deu um exemplo legal sobre a castanha. Eu a considero paleo: grande parte dos macros é gordura. Tem proteínas, é lowcarb e sacia bem. Sim, gordura tem diversas funções, por isso que é boa (além de ser deliciosa - S2 bacon) pra gente! Eu acho engraçada essa exaltação da gordura dos praticantes da paleo. Acredito que seja uma maneira irônica em relação aos "status quo" da dieta de que você tem que fugir dela o quanto pode se quer emagrecer, se não quer morrer de problemas cardiovasculares, do colesterol ser o mascu da saúde, da fama de "saudáveis" dos produtos lights (lowfat, mas mais HIGHCARB do que a versão nao light).
E frutas são boas sim, mas deve se dá uma atenção pois contem carb, mas como não sou taaaao neurótica, incluo-as sim na minha alimentação, mas sem exageros.

E você tem razão quanto a fome. Eu falei sobre um exemplo específico que pode acontecer com pessoas que comem excessos de carb, que é a resistência a insulina das células (uma das causas de uma possível diabete). Acabei misturando as bolas, sorry.

No mais, o objetivo maior, querida mocinha do guestpost e obesos/gordos leitores, é o controle de carboidrato (lowcarb): seja a dieta sendo paleo (highfat) ou atkins (highprotein), ou as diversas variantes de dieta lowcarb.

Gostei da discussão e, como você anonima falou, da pra se pegar várias dicas :)
bjs

Anônimo disse...

Mas ainda não acabei, D. Mayara!!! rsrs

Temos que fazer justiça aos gordos e obesos de hoje, que nunca foram tantos, e apontar a causa da trajédia: a indústria alimentícia. Os paleos falam muito da 'comida de verdade' e eu concordo.

Comida processada industrialmente, pp os pratos prontos, os refrigerantes e sucos prontos, os embutidos, os snacks de saquinho, os chocolates com quantidades irrisórias de massa de cacau (descobri uma marca que tem ZERO de massa de cacau - marca Nevado), os fast food super size p/pessoas plus size, o xarope de milho presente nos itens importados e até a inocente gelatina com sabor são as drogas que viciaram grande parte da população que não sabe que é drogada, para quem não há clínicas de reabilitação, mas cirurgias mutiladoras ou mais drogas perigosas e inócuas.

Do outro lado da trajédia estão os próprios gordos e obesos E SUAS FAMÍLIAS (inclusive maridos que fazem apologia da obesidade de suas mulheres/namoradas), que teimam em esconder a compulsão e a verdadeira quantidade de porcarias que consomem (preferem mentir descaradamente) em não se importarem com o estado doentio de seus corpos (que eles negam) até o limiar do intolerável e por fim, que preferem reclamar do preconceito, da discriminação (muito mimimi pra nada) do que resolver o problema onde ELE ESTÁ, parar de culpar a todos (mídia, colegas, indústria do vestuário), menos a indústria ALIMENTÍCIA. Aí criam todo um discurso de conciliação com a obesidade que já conhecemos muito bem. Só funciona por algum tempo, depois o desespero e a bariátrica, que também não está resolvendo (vide Fabiana Karla atualmente, depois da bariátrica), e finalmente o óbito para alguns desafortunados.

A dieta paleo pode ser libertadora sim, mas não serve pra mim. Não precisa contar calorias, basta SABER o que está comendo e ter a balança como amiga e aliada. É ela que vai nos pôr nos trilhos em qualquer dieta séria.

Bjs



Anônimo disse...

Fê, comer pouco é quanto pra você? Vamos falar de números?

Não, obrigada. O que eu queria falar, já falei.


E e vômito de verdade é causa de desidratação e óbito.

Digita "bulimia" no google.


Não vem me contar asneira que não nasci ontem.

O problema é seu, bjos.

Fê disse...

Ah, postei como anônima sem querer, :/

Anônimo disse...

Fê, as bulímicas são magras e ganham vários problemas de saúde por causa do vômito constante. Lady Diana era magra e era bulímica. Acho que você vomitou uma vez e tá querendo me enrolar.

Anônimo disse...

Fê e outras: não alimentem os trolls, :)

Anônimo disse...

Ignore o post anterior... Não tenho conclusão nem nada! Não consigo ainda expressar tudo de forma que não ofenda às pessoas ou mesmo não me invada... Gostaria só de dizer que adorei seu blog!!!!! Quem sabe um dia possa contribuir para tão válidas reflexões! Paz e bem

Anônimo disse...


http://www.dailymail.co.uk/femail/article-2892207/Katie-Hopkins-continues-hate-campaign-saying-overweight-need-kick-a.html

N. disse...

Oi, Lola, sou eu de novo, a N. Te mandei esse relato há mais ou menos uns dois anos (havia até me esquecido) e quando você publicou agora passou um filme na minha cabeça. Tanto que levei 2 meses para te escrever de novo e para digerir alguns comentários feitos aqui... Na época que te escrevi eu estava muito preocupada em não engordar mais e me sentindo triste, ainda estava conhecendo o feminismo (com o seu, blog, obrigada!). O fato é que, depois que descobri o feminismo passei a me sentir melhor mesmo gorda e isso de certa forma virou uma questão política para mim (passei a pensar que a sociedade, por mais que não queira, tem que me encarar gorda, “que eles têm que me engolir”, que não sou eu a errada, que eles que estão querendo sumir comigo da frente deles, diminuir meu espaço...). Somou-se a isso o fato de estar morando longe da família e passei a não me importar tanto. Comecei a comer mais... Quando voltei para perto da família já estava com uns 94 kg. No começo, tentei novamente emagrecer, mas logo comia algo fora do balanceado e engordava de novo. No fim do ano de 2013, estava me sentindo muito mal de saúde, fraca de uma maneira que nunca havia me sentido. Fui a uma nutricionista, ela me pediu vários exames e constatei que estava com deficiência de algumas vitaminas e com hipotireoidismo do tipo subclínico (um tipo mais leve que pode ou não ser tratado, dependendo do paciente). Como não estava me sentindo bem, ela me encaminhou para uma endocrinologista que optou por me tratar, afinal eu tinha sintomas e meus irmãos já tratavam problemas de tireoide (mas são magros). Nessa consulta com a endócrino, descobri também que meu metabolismo é super baixo se comparado a uma pessoa normal (coisa de 400 calorias de diferença). Além disso, nessa consulta surgiu a hipótese de eu estar parando de menstruar. Comecei o tratamento com a médica, (ela me passou remédios, cortou minha pílula), mas não gostei muito da maneira como ela trabalha e das opções que ela me dava e a nutricionista quis me passar uma dieta sem glúten e lactose que não dei conta de seguir. Continuei tomando o remédio para a tireoide, remédio para resistência insulínica, vitaminas e diurético natural, pois sem pílula e sem menstruar direito comecei a reter muito líquido. Comecei a ficar ansiosa e triste com essa situação. Cheguei aos 107 kg e passei a não acreditar mais que consiga emagrecer, por conta do hipo, dos hormônios, do baixo autocontrole e estou triste novamente. No meio do ano passado, precisei ir a ginecologista e, sem querer, fui parar no consultório de uma moça que é endócrino e ginecologista. Gostei mais dela do que das médicas anteriores e ela me convenceu a refazer alguns exames para acertar meus hormônios novamente. Estou neste processo agora e pensando que devo cuidar melhor de mim, pois vou fazer 30 e quero envelhecer bem. Ela me chamou a atenção para o fato de que meu açúcar no sangue está um pouco alto e isso me deu um alerta. Aí, vc pensa: ok, a N. acordou pra vida e vai “criar vergonha na cara” como muitos insensíveis dizem, mas a questão é mais complexa. Racionalmente eu sei que preciso me cuidar, mas emocionalmente está muito difícil. Eu estou realmente triste com a minha aparência e comigo. Não consigo acreditar em mim, não consigo me controlar com relação a alguns alimentos mais (isso melhorou nos últimos dias, mas é difícil resistir e é a coisa mais ridícula que um pastel mande na sua vontade e não você). Soma-se a isso o fato de que cada vez que alguém me manda emagrecer eu tenho vontade de ficar mais gorda e comer mais só pra mostrar quem é que manda, só pra mostrar que eu posso existir, viver, trabalhar, namorar sendo gorda e ninguém tem nada com isso. O feminismo me ajudou a me aceitar, mas, de certa forma, “complicou” algo na minha cabeça. Eu sei que posso continuar sendo feminista e lutando contra a gordofobia se emagrecer, mas na prática não é tão simples.

N. disse...

Continuando

Um dia vi uma menina feminista que fez redução de estômago dizendo que a sociedade a obrigou a chegar nesse ponto, que não foi ela que escolheu a cirurgia... Me identifiquei com o ponto de vista dela. É como se emagrecendo eu estivesse fazendo o q a sociedade quer, estivesse sendo vencida. É nítida a minha confusão mental com esse assunto no momento, nem sei se ficou claro o que eu quis dizer. Resumindo: estou gorda (tenho medo de não conseguir assumir concurso público se passar) estou repensando dietas, lendo livros, falando com a médica a respeito, mas, acredito que eu precise, mais do que tudo, de apoio psicológico (psicóloga feminista de preferência). Não posso contar com o apoio da família (eles nem sabem o quanto atrapalham quando dizem que devo emagrecer – me dá menos vontade quando ouço isso e aumenta a vontade de comer mais só pra irritá-los). Também não gosto de elogios (me irrito quando reparam que emagreci, não sei exatamente pq), na verdade, queria que ninguém reparasse em nada, nem se emagreci nem se engordei e me deixassem em paz com a minha imagem. Não me sinto bem vendo roupas ficarem largas... Em suma, sei que preciso emagrecer, mas não acredito que consiga. E quero emagrecer, ao mesmo tempo em que não quero também. Por fim, odeio o fato de ter que me preocupar com isso além de todas as outras esferas da minha vida. A verdade é que as pessoas que são magras têm um item a menos na lista para se preocupar...