quarta-feira, 18 de junho de 2014

CINCO VERDADES INCÔMODAS POR TRÁS DO MOVIMENTO DOS DIREITOS DOS HOMENS

Já tem três anos e meio que eu alerto sobre este perigoso movimento de ódio chamado masculinismo, que eu encurtei para mascus. Os mascus brasileiros copiam os americanos, que são muito mais organizados e numerosos
Sempre tem gente que diz que eu exagero, ou que não deveria falar neles. Bom, eu acho importante conhecer nossos inimigos. Mascus são inimigos declarados de feministas em particular e de mulheres em geral. Acreditem: se a gente fechar os olhos, eles não irão desaparecer. Do mesmo jeito que não adianta ignorar a misoginia, a homofobia, o racismo e tantos outros preconceitos. É preciso combatê-los. E, para tanto, é preciso saber quem são.
Com que idade você perdeu sua
compaixão e empatia?
Faz duas semanas, o excelente site Cracked publicou um post de um homem, J. F. Sargent, sobre os MRAs, ou Men's RIghts Activists, ou grupos pelos direitos dos homens, que obviamente só lutam por direitos de atacar mulheres impunemente, e pelo "direito" de inventarem que os verdadeiros oprimidos pela sociedade atual são eles, homens brancos e héteros. Pedi a querida Elis para traduzir o artigo. Vamos ver se agora os mais incrédulos passam a ver que mascus não são uma ameaça imaginária inventada por feministas.

Até pouco tempo atrás, provavelmente você achava que o "movimento dos direitos dos homens” era apenas uma moda esquisita na internet para homens tristes e deprimidos que queriam desabafar sobre suas frustrações sexuais. Não seria nada nem mais nem menos significativo para o seu cotidiano do que, digamos, pessoas que se enfurecem com resenhas negativas de filmes ou que reclamam que sua empresa preferida de videogames não gosta delas. Mas aí acontece algo como o massacre da Universidade de Santa Bárbara, no qual um rapaz de 22 anos mata nove pessoas e atribui a culpa a todo o sexo que ele nunca fez, e você se pergunta: este grupo realmente é um problema?
Com certeza, é. Eu conversei com Frank Meeink, ex-membro da supremacia ariana, e com Michael Kimmel, professor de sociologia, sobre o movimento dos direitos dos homens, e descobri que ele tem menos em comum com qualquer grupo de defesa de direitos civis ou da igualdade, e mais em comum com os malditos neonazistas. E isso se evidencia em como...

5. Eles vão atrás das pessoas inseguras (com pressupostos errados)
O criador do Voice for Men
Todos nós sabemos que ativistas dos direitos dos homens são inseguros -– é basicamente a única coisa na qual o resto do mundo concorda com eles. Se acessar r/MensRights, r/TheRedPill ou qualquer blog de um pickup artist [PUAs, ou "artistas da sedução"] ou anti-pickup artist, você verá pessoas prometendo ajudá-los a ser homens melhores. É um convite aberto para celebrar a virilidade, como se fosse o último lugar do mundo onde você ainda pudesse falar sobre armas, peitos e videogames.
Mas é um truque, porque esses lugares na verdade não servem para isso. Veja qual é a primeira frase da lista de "crenças fundamentais" do Red Pill:
As feministas afirmam que lutam pela igualdade, mas o que elas realmente querem é o poder sem responsabilidades.
Estranho... não tem nada a ver com os homens –- tem a ver com as mulheres. Vamos continuar:
As mulheres são irracionais e incoerentes. ... Uma mulher que age com lógica é enganada facilmente e logo se torna emotiva;  mulheres se contradizem facilmente.
Mulheres são maquiavélicas por natureza, e isso significa que elas são relativamente eficientes em serem manipuladoras em comparação com o homem médio.
As mulheres amam de forma pragmática e não são capazes de amar incondicionalmente um parceiro romântico.
Sim, essa merda se contradiz internamente e é absurdamente machista, mas, mais importante, não tem nada a ver com os homens. Não tem nada sobre a alegria de ser pai, a beleza de uma barba feita do jeito certo, ou sobre a felicidade magnífica de coçar o saco; são só variações de "que essas vadias se f*dam" e "tô certo?" Não é uma ideologia, trata-se apenas de homens se sentindo mal consigo mesmos e direcionando o ódio para outro lugar... que é exatamente como um grupo de ódio funciona. E não é só a minha opinião.
"Essas caras são muito recrutáveis", afirma Frank Meeink, um supremacista ariano reformado que recrutava adolescentes para sua causa antiga, passou um tempo na cadeia e agora trabalha com a organização Against Violent Extremism (Contra o Extremismo Violento) para aumentar a conscientização sobre grupos de ódio no mundo inteiro. "Eles são como garrafas de refrigerante que alguém chacoalhou, esperando que alguém abra a tampa e os aponte para outra pessoa."
Ele observou que as inseguranças podem não estar necessariamente relacionadas a sexo -– são só inseguranças, e insegurança é algo difícil de combater.
"A sensação de inadequação ainda faz parte da minha vida", diz Meeink. "Eu posso me pegar pensando, ‘Será que minha mulher já dormiu com um cara com um pinto maior que o meu?' ... aí ela chega em casa e eu estou pronto para discutir, sendo que ela não fez nada. É apenas minha insegurança."
Mas OK, espera aí -– vamos voltar um pouco. A ideia básica dos "direitos dos homens”, em tese, é válida, certo? Todas as pessoas merecem direitos iguais, e a opressão de um gênero por outro não é exatamente um fato inédito. O problema é que mesmo que a gente dê a esses caras o benefício da dúvida e leia suas reclamações, você descobre que...

4. Eles odeiam as mulheres porque isso justifica seu sofrimento
Nos últimos meses, eu li centenas, provavelmente milhares de threads e posts em blogs sobre ativismo de direitos dos homens, porque tem alguma coisa muito errada comigo, socorro. De modo geral, percebi que a reclamação deles com relação às mulheres é de que... elas existem. É a velha dicotomia: se são seletivas demais com relação a com quem dormem, elas são “hipergâmicas” (dormem apenas com pessoas em posições sociais superiores), e se dormem com qualquer um, são “vadias” e não têm valor nenhum como seres humanos. 
Um thread fala de uma mulher que dá conselhos sobre relacionamentos em outro thread, falando sobre o que fazer após descobrir que sua namorada traiu você. Ela sugere que talvez haja alternativas a terminar com a namorada, dizendo que por meio da comunicação e da cura das feridas o relacionamento poderia ser salvo, se a pessoa quisesse. Aparentemente, essa é a pior opção possível.
Se vc acha que relacionamentos
funcionam assim, acabei de descobrir
porque vc não está em um
Imagine uma mulher que se demite e procura um emprego novo toda semana porque ela acredita que precisa explorar suas opções e “se encontrar” profissionalmente... aí o currículo dela vira uma coleção de mais de 30 trabalhos de uma semana. Quem a contrataria para fazer um trabalho sério em uma empresa séria?
Aí alguém contribui:
Essa analogia é perfeita. [Nos fóruns mascus do Brasil, "Meteu a real"].
Eu poderia sentar aqui e listar as falhas de seus argumentos o dia inteiro, mas acho que a coerência interessante que há entre todos eles é que todos buscam uma injustiça à qual possam atribuir o motivo de sua miséria. Eles querem saber por que se sentem tão mal consigo mesmos –- como qualquer pessoa gostaria de saber -- e as mulheres são mais uma opção dentre tantas:
A violência física é crime, enquanto o abuso mental não é, e isso permite que as mulheres façam o que querem sem serem responsabilizadas por um sistema jurídico.
Desnecessário dizer que se trata de uma coisa horrível de se dizer, mas pense no tanto que eles precisam se esforçar para conseguirem pensar nesse argumento: Eles estão presumindo que as mulheres fundamentalmente discutem melhor que os homens (e portanto são mais inteligentes), porque só dessa forma o fato de “discutir” ser menos ilegal que "moer alguém de porrada” poderia ser injusto com um gênero. 
Mas obviamente os argumentos deles também se baseiam nas mulheres serem mais burras que os homens (ou “mais inclinadas a pensar emocionalmente”, o que quer que uma merda dessas signifique). Basicamente, eles não pensam nos próprios argumentos -– porque não estão tentando convencer você, eles estão tentando explicar a si mesmos o motivo de serem pessoas tão tristes. E essa explicação em específico tem tanto apelo porque dá a eles um vilão. É difícil lutar contra a depressão, ou a insegurança, ou o que quer que seja que não tenha uma causa concreta, mas você já tentou culpar os outros por seus problemas? É uma sensação fantástica.
"Sempre que um desses homens está andando pela rua e vê uma moça atraente com um cara, o sangue dele ferve de ódio", Meeink me disse. “Tente imaginar uma vida dessas. Eu vivi assim, mas eu direcionava meu ódio à raça”, e isso te consome. E a sensação é boa, porque há uma recompensa, e a recompensa é que eles podem se sentir melhores que o mundo inteiro. Todo mundo precisa de um inimigo."
Mas há um motivo mais profundo pelo qual é impossível debater com ativistas dos direitos dos homens...
3. Todo mundo é inimigo deles
A opressão dos homens gays parece ser um tema óbvio com o qual o movimento dos direitos dos homens poderia se preocupar, certo? É facílimo encontrar estatísticas sobre o assunto e, como se trata de um tema importante na mídia, seria uma ótima forma de chamar a atenção das pessoas para a causa deles. Mas em vez disso você só os vê usarem injúrias homofóbicas o tempo todo:
Eu preferiria não ver esses posts do tipo “gay, redpill, e com orgulho". A masculinidade é, em parte, definida por nossa atração pelo feminino. Se a sua preferência é ficar atrás de homens, então você não está expressando nenhum tipo de masculinidade que valha a pena celebrar.
Raça seria outro tema ótimo para eles (a masculinidade negra lhes daria muito sobre o que falar, certo?) mas, mais uma vez, quase nunca é abordada. [Minha nota: quando mascus falam de negros ou negras, é sempre para extravasar seu racismo].
É assim que grupos de ódio funcionam: claro, eles têm um alvo específico sobre o qual gostam de reclamar mais que qualquer outro, mas são estranhamente democráticos para com quem são completos babacas. É por isso que você vê vários grupos de ódio diferentes brigando uns com os outros.
"Não era nenhum grupo específico -– eu odiava todo mundo”, lembra Meeink, “Eu odiava pessoas como você, pessoas brancas que não acreditavam no que eu acreditava. E esses caras odeiam homens que não acreditam no que eles acreditam."
Cartaz do Voice for Men
contra campanha de
estupro
E é por isso que você vai ver muitos comentários irritados sobre como "isso não se aplica a todos os grupos de direitos dos homens!” As pessoas vão dizer que o Red Pill é uma parte marginal do movimento, ou que o PUAHate, o fórum do qual o atirador Elliot Rodger fazia parte, não entende realmente o que o é o movimento dos direitos dos homens. Mas o problema é que toda facção dos direitos dos homens acha que todo o resto é uma parte marginal do movimento. 
Se não fizer parte do Red Pill, você é governado pelo “pensamento da pílula azul” e está comprometido com a agenda feminista -– ainda que faça parte de outra comunidade de direitos dos homens (a “pílula vermelha” é uma referência ao filme Matrix: tomar a “pílula vermelha” significa que você acorda e percebe que as mulheres são robôs que estão cultivando nossos corpos para recarregar as baterias delas, aparentemente). 
O PUAHate odiava a "comunidade dos pickup artists", embora ambos os grupos tivessem exatamente os mesmos valores: mulheres são mercadorias que devem ser adquiridas e subjugadas. Elas são conquistas -- coisas que determinam seu valor como ser humano.
Essa não é uma maneira mentalmente saudável de viver por milhares de motivos. E é por isso que...

2. Eles não têm senso de consequência
O movimento inteiro dos direitos dos homens é tão narcisista que faz Donald Trump parecer com um cara que eu conheço, o Tom, que é super legal com todo mundo o tempo todo, mas não é recompensado porque ser generoso não faz ninguém ser famoso. Por exemplo, embora eles admitam que bater em uma mulher é má ideia, todos os motivos que listam são “você vai ter problemas” e “outras mulheres não vão gostar" [Nota: entre os mascus brasileiros há a certeza que mulher gosta de apanhar, e a sugestão que as outras mulheres ficarão com inveja da mulher que apanha, pois toda mulher só gosta de cafas e criminosos mesmo]. 
Mas ao mesmo tempo, no mesmo fórum, você pode encontrar alguém dizendo que algumas mulheres merecem morrer porque são “vadias hipergâmicas”. Observe como a descrição é internamente contraditória o suficiente para abranger qualquer mulher: dizer que alguém é uma "vadia hipergâmica" é como dizer que a pessoa é um ”bebê idoso”, ou que algo é “ardentemente gelado”, ou uma “cerveja light gostosa”, ou... pqp, você não pode ser uma “vadia” e “seletiva demais” ao mesmo tempo, não faz sentido algum.
"Eles reclamam de manipulação, mas quantos homens já disseram que amavam uma mulher só para conseguir sexo? Homens e mulheres fazem isso. Meu deus, tem tanta merda nesse site”, Meeink me disse, aparentemente ficando bem exasperado comigo por eu tê-lo feito ler tanto Reddit (desculpe, Frank). Mas o incrível é que quando os ativistas pelos direitos dos homens comparam a violência doméstica com a manipulação, eles estão comparando uma tragédia com algo que é, essencialmente, um rito de passagem. 
Obviamente, não é nem remotamente “aceitável” fazer jogos emocionais com seu parceiro, mas, ao mesmo tempo, eu não tenho muitas dúvidas de que qualquer pessoa que está lendo este artigo em algum momento já fez parte de um relacionamento que envolveu pelo menos algum nível de abuso emocional, principalmente quando adolescente, porque todo adolescente é abusivo emocionalmente.
Passar por isso é parte do que faz você valorizar um bom relacionamento quando encontra um. É assim que os grupos de ódio funcionam: eles fabricam alguma injustiça que sofreram e repetem as ideias com palavras inventadas como "incel" (de "involuntary celibate", “celibato involuntário”, e nem é uma piada) para suprimir seu próprio pensamento racional e substituí-lo pelo pensamento de grupo -– outro traço comum dos grupos de ódio.
1. Eles não têm um posicionamento real (e não se importam)
Você pode não saber disso, mas acontece que quando acuso o movimento dos direitos dos homens de ser um grupo de ódio, na verdade eu estou sendo meio controverso. E é por isso que eu perguntei a Michael Kimmel, professor de sociologia e autor de Angry White Men, o que ele achava. 
"Eu sei que o Southern Poverty Law Center classificou os ativistas de direitos dos homens como grupos de ódio. Não sei se eu classificaria assim. Eu vejo o mundo dos direitos dos homens como muitos indivíduos raivosos, que se reúnem de maneira espontânea nas esferas da internet que são voltadas para eles, com pouca ou nenhuma estrutura organizacional, iniciativas políticas ou planos coerentes... Mas isso é porque minha definição de 'grupo de ódio' requer ações coordenadas, e a crueldade de muitos de seus ataques virtuais contra mulheres feministas me faz pensar que essas mulheres que têm sido alvos podem ter opiniões diferentes a compartilhar."
Mais uma vez, você pode acreditar que esse cara sabe do que está falando porque ele tem um PhD, um carro japonês razoável e, provavelmente, bebe leite de amêndoa (eu não sei como os adultos vivem). E o requisito da “ação coordenada” é um bom argumento: outros grupos de ódio fazem protestos e comícios, enquanto o movimento dos direitos dos homens parece se limitar a desabafos na internet e a histórias claramente inventadas, certo?
Sim... por enquanto. Mas isso pode mudar: A comunidade "incel" (à qual Elliot Rodgers pertencia) ainda existe principalmente online, mas eles não se sentem constrangidos de usar linguajar violento e fazer planos. Eles argumentam abertamente em favor da destruição da sociedade moderna e falam até mesmo de "dar uma de Elliot". Ou seja, matar pessoas.
Eu não estou dizendo que todo defensor dos direitos dos homens está prestes a matar pessoas, ou mesmo que são todos pessoas ruins, porque eu meio que sou um bobo idealista e acho que “pessoas ruins” são muito mais raras que isso. Mas eu acho que a raiva é uma emoção perigosa. E eu sei que se você passar o dia inteiro na internet tentando fazer com que essa raiva seja justificada e correta, algo importante dentro de você começará a apodrecer.

126 comentários:

Mallagueta Pepper disse...

Mascuzinhos revoltados endoidando o cabeção em 3... 2... 1...

Preparem-se porque esse post vai ter a maior concentração de mimimi-mascu de todos os tempos.

Cláudio André disse...

Interessante. A Lola defende a luta dos homens dentro do feminismo quando e para defender os direitos das mulheres, mas não separa os grupos misoginia dos sociólogos ou ativistas que acham que realmente o homem também esta sendo oprimido de alguma forma.

A injustiça já começa pelo titulo. O movimento dos homens esta inserido dentro do próprio Feminismo.

Mas a Lola precisa ganhar, então deixa essas metidas a marxistas serem felizes.

domingosjornal disse...

@Cláudio André
O movimento dos homens esta inserido dentro do próprio Feminismo.


Discordo de você. O foco de ação do feminismo são as mulheres.

Resolver problemas de homens dentro do feminismo é assunto marginal, quando há tempo disponível e traz vantagens diretas às mulheres.

E tempo disponível definitivamente não é o caso. Ao menos não enquanto milhares de mulheres são assassinadas, milhões são estupradas e agredidas todos os anos.

Mallagueta Pepper disse...

Ou seja: as mulheres tem que deixar sua luta de lado pra resolver os "pobrema duzomi", sendo que eles mesmos não fazem nada pra resolver os problemas deles e nem querem saber dos nossos, que na cabeça deles é pura frescura, histeria ou fruto da nossa imaginação.

Eles só falam no feminismo ajudar os homens, mas em momento algum falam em contribuir com o movimento e ajudar as mulheres. Nãaaaoooooo! É só o venha a nós! Só o umbigo deles!

Aí, quando não queremos largar nossa luta pra resolver os problemas deles, somos taxadas de misândricas, sexistas, monstras egoístas que não ligam pro sofrimento duzomi, etc.

O mais engraçado é que esses mesmos homens que vem aqui encher o nosso saco com os problemas deles não fazem praticamente nada pra resolver esses problemas.

As mulheres se organizam, reúnem, etc. O que os homens fazem? Nada! Mas querem que a gente faça!

É muita folga mesmo, viu?

normalidaderealidade disse...

Caros mascus

Existem grupos feministas que se focam em questões masculinas, que muitos MRAs reclamam mas nunca fazem nada.

Existe o Instituto Papai, que fala sobre a participação masculina na criação dos filhos, aumento da licença paternidade, etc

Existe uma vasta rede de intelectuais de estudos de gênero que estudam só os homens, seus conflitos, suas posições (incluindo como vítimas de violência das mais variadas, sexual ou doméstica inclusas e YES, as masculinidades do meio nerd também) - e pasmem! Esses intelectuais se reúnem nas mesmas salas que feministas de diversas vertentes!

Caros mascus:

Ao invés de chorar pelo feminismo não cuidar dos seus problemas, passem a se mexer contra eles ao invés de viver só pra falar contra o feminismo. O masculinismo não é e nunca foi sobre homens, e vocês evocam os homem só quando é hora de implorar pras feministas cuidarem de vocês ao invés de olharem por si próprias. Me desculpe, somos muitas, precisamos cuidar de nós próprias primeiro. Daremos apoio assim que vocês resolverem cuidar dos seus de verdade ao invés de chorar pela falta de ação nos seus pintos ou sobre como vocês queriam ter um carrão pra descarregar as ansiedades.

Beijos.

Camila Gois disse...

Claudio, eu concordo com você que o homem tb é oprimido de alguma forma. Mas, você não acha que a proporção é muito menor? Milhares de mulheres são assasinadas, agredidas e estupradas... claro que isso tb acontece com homens, mas nem se compara com o número de mulheres. Por isso, nesse blog, na maioria das vezes o foco são as mulheres e não os homens. O feminismo, ao meu ver, é contrario a qualquer tipo de opressão.

1 mascu disse...

"Acreditem: se a gente fechar os olhos, eles não irão desaparecer"
_
Vcs de olhos abertos e fechados vão dar na mesma Dolores, os homens continuarão sendo o que são, façam vcs o que fizerem.
Eu reconheço meu privilégios, e não vou abrir mão de nenhum.Assim como a gigantesca maioria dos homens, eu to pouco me lixando para as questões feministas, isto não nos atinge em nada.
Quem tem Facebook sabe que o numero de masculinistas/realistas so cresce, e nada do que feministas façam pode mudar isto, sabe porque? Porque o feminismo tem justamente foco na mulher, e esta conversinha de que "O movimento dos homens esta inserido dentro do próprio Feminismo" e pura balela, basta ver os comentário da fulanuinha Mallagueta Pepper.
O que o movimento feminista tem a oferecer aos homens que o seguem, e:
"O protagonismo e nosso, sentem-se ali no cantinho enquanto decidimos o melho modo de adestra-lo"
kkk, pobre homens feministas,rsrs, senta homi feminista, rola, isso bom menino, tome aqui um biscoito"

Larissa Petra disse...

Esses masCÚS são realmente os reis da incoerência...
Tipo:
"Mulher é irracional segue as emoções apenas...mas ao mesmo tempo são mega manipuladoras e maquiavélicas, são burras mas controlam o mundo todo..."
"Homens são super racionais e só usam a lógica, mas se uma mulher sai de vestidinho curto, está pedindo, afinal homens seguem seus extintos de brucutu e não conseguem ver aquilo sem atacar a pobre fêmea."
"para os mascus é """biologicamente""" comprovado que mulheres são todas burras, e irracionais, mas são incapazes de amar verdadeiramente e pensam muito antes de entrar numa relação, e os homens são racionais, porém não podem nem ver uma sainha curta que perdem a linha..."
Na boa, eles são é humoristas involuntários, mas tem potencial para crescer, potencial de atrair aquele menininho tímido e fora do padrão de beleza, que não arruma uma namorada, aquele menino que se acha bonitinho mas tem raiva pq as "gostosonas" não lhe dão bola, aquele menino que tem uma amiga e acha q ela deve sexo a ele, o cara q tem uma chefa, que sofreu uma desilusão amorosa...
Por isso é importantíssimo expor esse "movimento", ridicularizá-lo mesmo, mostrar oq ele é, um grupo de ódio.

domingosjornal disse...

@Mallagueta Pepper
Olhe, não é que não se reúnam. Eles se reúnem sim, mas é dessa brincadeira que saiu o masculinismo.

E sinceramente, acredito que lutar contra coisas como a "descartabilidade masculina" e desconstrução do papel de gênero dos homens (esta última coisa eu acho que ajudaria bastante em outras bandeiras feministas, como o combate ao estupro, à violência doméstica, etc, enquanto a primeira bebe da mesma fonte que a misoginia), por exemplo, deveria ser dever especificamente dos homens feministas (ou aliados do feminismo).

Só que o que eu vejo são algumas mulheres feministas desviando o foco de sua luta para olhar para esses problemas. São mulheres feministas quem estão, de fato, tentando desconstruir esse estereótipo de gênero atribuído aos homens, ao mesmo tempo que desconstroem o estereótipo de gênero que oprime as mulheres. E os "caras do feminismo"? O que eles estão fazendo?

E eu acho que é justamente essa inação dos homens feministas que permitiu a grupos masculinistas recrutarem homens que hoje estão inseguros a respeito do papel de gênero ao qual devem seguir. Eles não tem um modelo de homem feminista, ao contrário das mulheres. Eles não tem sequer uma proposta feminista de resolução dos problemas masculinos.

É evidente que o protagonismo no feminismo deve ser das mulheres, mas não acredito que o papel dos homens dentro do feminismo seja meramente fazer número. Ou apenas escutar o que filosofas feministas dizem e dizer "amém". Eles tem muito a questionar, muito a desconstruir, muito a lutar. Não apenas pelas companheiras de luta, como também por eles mesmos. Mas o que os homens feministas estão fazendo mesmo?

Cláudio André disse...

normalidaderealidade,

Falando assim, até parece que esses movimentos recebem atenção.

Instituto Papai
1.532 curtidas

O machismo nosso de cada dia
134 mil curtidas

Obrigado por essa dose de hipocrisia.

Larissa Petra disse...

Cláudio André
Olha na boa, também sou dessas "idealistas bobas", que acham que pessoas ruim são muito raras, e acredito que vc não seja uma pessoa ruim, apenas está confuso.
Cara olha a sua volta, mulheres são tratadas pela sociedade como meros enfeites, se somos bonitas, temos que provar que somos boas de verdade, que não dormimos com ninguém, temos que lutar para sermos mais que belas, pq a qualquer errinho lá vem uma patrulha dizer que é bonitinha mas é burra.
Se somos feias, somos descartadas sem dó pela sociedade, que ri da nossa cara, mesmo que sejamos advogadas, médicas, cientistas, somos "dragões, feias..." e sabe pq? Pq a sociedade é muito mais tolerante com o homem, é só ver homens feios ou bonitos não são questionados, tem muito mais oportunidades, as pessoas confiam mais nos homens, nós mulheres temos que lutar e nos impor, dizer ao mundo: "Ei, eu não sou apenas um enfeite, não tenho obrigação de ser bela, quero respeito..."
Pq homens, já são respeitados como seres humanos, nós mulheres infelizmente ainda estamos lutando por isso.

domingosjornal disse...

@normalidaderealidade
Instituto Papai? Aquele que é contra o novembro azul? Aquele que em seu projeto contra a violência de gênero dá um enfoque especial para aquela coisa de "homem agressor e mulher vítima", sem nunca questionar isso? Sei...

Ana Carolina Serrao disse...

Então,
Sr Claudio. Faça por onde apoiar movimentos que cuidam dos homens.
Alem de quererem ser mimados por mulheres, quererem que façam o mingau de vcs, ainda querem que defendam e lutem por vcs?
Coisas que até jaá fazemos...vemos muito mais mulheres defendendo homens e direitos iguais do que homens fazendo o mesmo.

domingosjornal disse...

@Larissa
Concordo com você sobre como as mulheres são tratadas pela sociedade. E concordo também que isso deveria mudar. E (assim como você deve acreditar), acredito que o feminismo seja absolutamente necessário.

Mas discordo do que fala sobre como os homens são tratados. Afinal, não acho que ser tratado como um ser descartável seja necessariamente ser respeitado como ser humano. Não acredito que não poder expor sentimentos, ter seus problemas ignorados (por não serem importantes), não poder sequer procurar ajuda para resolvê-los ou mesmo ser deixado para morrer em casos de desastres seja "ser respeitado como humano".

Não estou dizendo que as mulheres sejam respeitadas como humanos ou que não sejam oprimidas. Só estou dizendo que, embora seja diferente, o padrão de gênero dos homens também é desumanizante.

Roberto Neder disse...

Oi Pessoal,
Como sempre adoro os posts desse Blog.
Concordando com a maior parte do que estava escrito, gostaria de fazer dois comentários sobre pontos que me chamaram atenção.
Primeiramente, vejo um reducionismo e uma caracterização de mascus como "Nerds". Isso é um engano, a maior parte dos mascus que eu conheço, não possuem esse pefil. Muitas pessoas chamadas "nerds" sofreram durante o amadurecimento sequelas de rejeições, o que os leva, muitas vezes, a ter dificuldades com o sexo oposto, principalmente que diz respeito a abordagem e a aos primeiros contatos. Confundir os mascus com esse tipo de rapazes, não só mantém a história deles de relativa exclusão; mas impede de conhecer, muitas vezes, pessoas muito bacanas. O mascu não tem perfil pré-editado, não deveriamos repetir esteriótipos.
Em segundo lugar, acho que fazem uma avaliação muito rasa daquele menino que atirou em Santa Bárbara, ele tinha sérios problemas psiquiátricos. Esses atentados não são apenaram as de ódio, ele sofria de doenças psicológicas outras que levaram a cometer esses atos.
Por fim, Camila, sinto informá-la; mas a maior parte (mais de 2/3) dos 50.000 mortos anos assado só em assassinatos eram homens. O Brasil é um país violento e ponto, para homens e para mulheres.

normalidaderealidade disse...

@domingosjornal

Eu não tinha idéia dessa faceta do grupo. Eu entendi o argumento deles, embora não tenha concordado. Mas não sou homem pra opinar nessa. Fica aí mais um buraco no movimento que os homens poderiam preencher. Falta movimento. Seria maravilhoso ver os homens se unindo por causas importantes, incluindo saúde e violência (a expectativa de vida dos homens é menor e isso poderia ser revertido), paternidade, expressão de subjetividades, e etc, etc, etc.

Eu não sou homem, não posso entender o que isso é pra vocês, assim como várias questões feministas não são compreendidas pelos rapazes, por mais engajados que sejam. Assim que rolar um movimento real pelos homens, eu vou apoiar.

Natalie disse...

HEHAUAHAUAHAUAHAUA esse 1 mascu, viu... Menininho, eu estou nadando nas suas lágrimas, sabe, aquelas que você derramou lá nas Cataratas do Iguaçu!

" isto não nos atinge em nada."
ENTÃO POR QUE FALAM TANTO EM NÓS? Má num atinge, hein! hehehehe

Ah, então você acha que feminismo quer adestrar homens? Bem, sinceramente? Homens de verdade não precisam de adestramento porque não são uns animais irracionais. Com isso quero dizer que eles sabem que mulher é gente e não COISA. Mas mascus precisam sim de adestramento, sinto te informar.

Esse Cláudio tá enchendo o saco, não? Senta lá, Cláudio. Quando entender o que é feminismo você volta.

Em relação ao post, uzomi desse movimento de bosta querem direito de:
-Ser superior
-Violentar verbalmente e fisicamente [oh sim, não duvido de nada]
-Ser Superior
-Culpar a mulher pelo estupro que ela sofre e por tudo que acontece
-Ser superior
-Salvar estuprador de ser enjaulado
-Ser superior
-Odiar e matar e sair impune
-E é claro, ser superior.

normalidaderealidade disse...

@Roberto Neder

Elliott tinha Síndrome de Asperger. Não é um "problema" grave. Aliás, eu acho que chamar de problema é um grande exagero e chamar de "grave problema" soa até preconceituoso. Pessoas com asperger são funcionais, empáticas e capazes. Inclusive é muito difícil diferenciar um Asperger de uma pessoa sem a síndrome.

Segundo ponto: quem mata homens no Brasil?

Terceiro ponto: De fato, confundir os dois pode ser errado, mas são dois grupos que não são intocáveis nem cujas ações são justificáveis. A cultura nerd é misógina. Preconceito contra eles não ajuda em nada, claro. Mas ambos os grupos merecem crítica embora possam ter uma intersecção pequena. E talvez role discutir o que diabos é nerd pra gente.

Larissa Petra disse...

domingosjornal :
Eu nunca disse que os homens não podem expor seus sentimentos, acho até que essa necessidade que a a sociedade impõe aos homens que serem frios o tempo todo é a causa de muitos transtornos aos homens.
Mas, convenhamos homens cis, principalmente brancos e héteros, não precisam provar nada, a sociedade acredita neles, enxergam-os além da aparência (basta ver na televisão, a quantidade de atores, apresentadores fora dos padrões etários e de beleza, e compare com a quantidade de mulheres na mesma situação...), oq não acontece com as mulheres, que somos julgadas por tudo, aparência,quantidade de parceiros sexuais, maternidade ETECÉTERA...
Acho que o feminismo deve sim dar voz aos homens, afinal é bom que eles comecem a enxergar seus privilégios, e lutar por suas causas, mas acho, me perdoe, covardia colocar os problemas dos homens em pé de igualdade com os problemas das mulheres, colocar em falsas simetrias, do mesmo jeito que não comparo os meus problemas aos das mulheres negras, ou lésbicas, não que eu acredite em uma olimpíada de opressão, mas convenhamos que brancos e héteros não sofrem preconceito, por serem como são, nem homens...homens não sofrem preconceito por serem homens, mas sim sofrem com as cobranças da sociedade, frutos do próprio machismo, tipo "homem não chora","homem tem que conduzir o tempo todo" , afinal nunca ouvi, nada como homem no volante perigo constante, ou homem é tudo traiçoeiro...mas são coisas que nós mulheres ouvimos o tempo todo.

Ta-chan disse...

"Eu reconheço meu privilégios, e não vou abrir mão de nenhum.Assim como a gigantesca maioria dos homens, eu to pouco me lixando para as questões feministas, isto não nos atinge em nada."

Também tô me lixando se o seu mingau não foi feito rapazinho.Eu e a gigantesca maioria das mulheres não damos a minima pra sua choradeira.

Camila Gois disse...

Roberto Neder, eu quis dizer as mulheres que morrem por causa do machismo :)
Ah, eu tb não quis dizer que a morte de mulheres é mais importante que a dos homens. Só tentei explicar que as mulheres sofrem mais com o machismo, por isso neste blog específico, o foco geralmente são elas (não que os homens tb não sofram).
Concordo plenamente com você sobre os esteriótipos. E tb sobre o atirador.
Abraço

1 mascu disse...

"Homens de verdade não precisam de adestramento porque não são"
Uma mulher achando que pode definir ou não, o que e um homem de verdade, rsrsrs.

Camila Gois disse...

Normalidaderealidade, eu tb gostaria de saber o que diabos é nerd...kkkkkkk (adoro seus comentários). Talvez a minha visão seja equivocada...

Larissa Petra disse...

"1 mascu disse...
"Homens de verdade não precisam de adestramento porque não são"
Uma mulher achando que pode definir ou não, o que e um homem de verdade, rsrsrs"

Ah vá...seu movimentozinho de merda só fala sobre mulheres, como nós somos, ou deixamos de ser...Claro que baseando-se em suas mentes doentes, não com a realidade...HAUAHUAHAUAHAU

Ta-chan disse...

Oi Roberto!
Gostaria de fazer algumas considerações sobre o se comentário.

"Primeiramente, vejo um reducionismo e uma caracterização de mascus como "Nerds". Isso é um engano, a maior parte dos mascus que eu conheço, não possuem esse pefil. Muitas pessoas chamadas "nerds" sofreram durante o amadurecimento sequelas de rejeições, o que os leva, muitas vezes, a ter dificuldades com o sexo oposto, principalmente que diz respeito a abordagem e a aos primeiros contatos. Confundir os mascus com esse tipo de rapazes, não só mantém a história deles de relativa exclusão; mas impede de conhecer, muitas vezes, pessoas muito bacanas. O mascu não tem perfil pré-editado, não deveriamos repetir esteriótipos."

Concordo totalmente com vc!Esse tipo de pensamento sobre os garotos tidos como nerds é muito tosco e ajuda a mascarar o machismo dos caras mais "descolados". Gente como os mascus não vem com rotulo do mesmo jeito que as pessoas legais.

"Em segundo lugar, acho que fazem uma avaliação muito rasa daquele menino que atirou em Santa Bárbara, ele tinha sérios problemas psiquiátricos. Esses atentados não são apenaram as de ódio, ele sofria de doenças psicológicas outras que levaram a cometer esses atos."

Também concordo que o Elliot era totalmente doente. Ele não foi devidamente acompanhado e acabou encontrando eco pros delírios dele no PuaHate. Acredito que todas essas pessoas devem ser monitoradas pra que esse tipo de coisa pare.

"...maior parte (mais de 2/3) dos 50.000 mortos anos assado só em assassinatos eram homens. O Brasil é um país violento e ponto, para homens e para mulheres"

Aqui a sua estatística tbm está certa. Mas quantos desses homens morreram por que tentaram terminar um relacionamento? Quantos desses homens foram mortos depois de serem estuprados?
Quantos desses homens morreram por serem vistos como propriedade de outra pessoa?
É de violência de gênero que estamos falando aqui. Mulheres mortas por serem mulheres.

C disse...

Dia desses vi esse vídeo [https://www.youtube.com/watch?v=onDCvHtHSkY] e parece que acendeu uma luz de esclarecimento. Antes eu achava bonitinho essa história de casal falar que está grávido, mas agora eu me toquei. Isso é mais uma artimanha de, de certa forma, tirar o protagonismo da mulher nesse momento. Os homens ficam escanteados porque só a mulher é responsável pela geração dx filhx e, então, vêm com essa história de "estamos grávidos" para se dar algum papel.

Cláudio André disse...

Domingosjornal deu um show de argumentação.

Nada a declarar além do que foi exposto. Como sempre, não vi nada de extraordinário.

Roberto Neder disse...

Olá pessoal,
Sem dúvida, vocês estão certas. em a grande maioria das vezes, a mulher é passiva nos casos de violência, enquanto os homens se expõem. Por isso eu acho importante a discussão de vocês sobre o perfil de masculinidade cultural do brasileiro, não é a própria cultura que leva os homens a se exporem?
Camila não tinha entendido o recorte da violência que você havia feito, espero não ter soado agressivo.
É uma boa discussão mesmo o que é ser "nerd". normalidaderealidade faça uma definição e explique-me por que você acha essa cultura machista, por favor. Síndrome de Asperger (uma espécie de autismo né?) tem variantes e, no caso dele, era mais seria. Posso estar enganado, mas creio que ele tinha também depressão e outros problemas mais.

domingosjornal disse...

@normalidaderealidade
Falou tudo. Concordo plenamente com você.

E eu acho que aqueles homens que se dizem engajados com o feminismo são os que estão com todas as ferramentas necessárias para construir esse movimento, mas sabe-se-lá-o-motivo eles não movem uma palha com relação a isso.

Camila Gois disse...

C. ri muito com o vídeo, vou mostrar para o meu marido...kkkk.

Meu marido participou ativamente da gravidez, e acho que ele tb usava essa expressão. Tenho certeza absoluta que ele fazia isso porque estava muito feliz em ser pai, e não para tirar meu protagonismo. Acho muito importante os homens participarem, afinal concebemos nosso filho juntos, e estamos criando ele juntos agora.
Abraço

Sara disse...

Faz tempo q desisti de entender as motivações desses grupos de ódio masculinos, qdo se lê o q os seus membros escrevem, alem de não fazer sentido algum, fica a forte impressão de que homens são deficientes mentalmente e sentimentalmente.
É impossível amar ou sentir respeito por criaturas tão mesquinhas, mórbidas e cheias de ódio misógino.
Mas infelizmente eles são porta vozes do senso comum.
Ontem mesmo enquanto jantava escutava um jornalista que eu verdadeiramente detesto aquele Marcelo Resende, e pra variar ele estava noticiando os 16 CASOS DIÁRIOS, EM MÉDIA DE MORTES DE MULHERES PELO MACHISMO.
Pois bem ele dizia q um rapaz havia sido assassinado por um rival, e mostrava o desespero do pai desse rapaz, mas ao invés de culpar o assassino do garoto, não, ele culpava a garota que teria sido pivô do crime, dizia q ela era a verdadeira culpada por ter se envolvido com os dois rapazes.
É muito triste Lola, mas aprendi isso com vc, quando qualquer coisa da errado, vão procurar uma mulher que estiver na história pra botar a culpa.
Se o homem é um assassino a culpa é da vitima que o desrespeitou, ou da mãe q não lhe deu educação suficiente.
Se o homem estupra não há duvidas a culpa é da mulher estuprada por ter feito, usado, falado, ou estar em lugar errado.
A lógica mascu (se é q tem alguma) é seguir o senso comum, a culpa é da mulher.
Outra coisa q eu percebo nos homens é essa dependência q eles tem em relação a mulher.
Como um mascu disse ha um tempo atrás pra um homem ter uma companheira representa status, por mais absurdo q isso me pareça.
Talvez isso explique as tragédias provocadas por homens machistas q não aceitam o fim de um relacionamento.
O mundo é misógino infelizmente, mas esses grupos que pregam mais ódio ainda contra mulheres, se houvesse algum resquício de justiça deveriam ser seriamente punidos, pois incitam abertamente a violência contra mulher.

domingosjornal disse...

@Larissa
Sim, verdade. Você não falou que homens não possam exprimir sentimentos. Mas note que eu não estou tentando colocar os problemas dos homens em simetria com as opressões sofridas pelas mulheres. Reconheço que são coisas muito diferentes em vários sentidos e que não é sequer adequado tentar comparar.

Tudo o que eu estou dizendo é que homens também tem problemas, também são desumanizados em alguma escala. Mas eu não concordo com você quando diz que "homens [...] não precisam provar nada, a sociedade acredita neles, enxergam-os além da aparência".

Homens tem sim de provar coisas para a sociedade. Por exemplo, eles tem de provar que são machos. O tempo todo. E por "macho", entenda por se encaixar no padrão de gênero destinado a eles. E se não provar, esse cara começa a sofrer algo parecido com a homofobia, mesmo se for hétero. E sabe o que é pior? Isso não é tudo.

E ser bem representado na mídia não é um privilégio de homens, mas sim de homens cis, brancos, heterossexuais e ricos. Um tipo muito específico de homem. Por exemplo, homens negros são retratados geralmente como criminosos. O ministro Joaquim Barbosa é exceção e não regra. Homens gays são retratados com toda aquela carga de estereótipos. Já viu o que falam do Jean Wyllys só por ele ser gay militante?

Eles podem não atender a todos os critérios da "men box", mas homens que não sejam brancos, héteros ou "bem-sucedidos" ou que sejam trans* ou da classe trabalhadora continuam a serem homens, ainda que não sejam tão privilegiados quanto o tipo de homem que você tem em mente.

Mas acredito que você concorde com o fato de que uma pessoa pode sofrer opressões de várias fontes, por vários motivos. E acredito que me aprofundar nisso é como tentar ensinar o pai-nosso a um padre.

Natalie disse...

Bem, Um masCú, não sou eu quem defino não. É o bom senso quem define. É claro que masculinista + bom senso não combinam, então nem adianta explicar.

Raven~ disse...

Machismo nosso de cada dia é uma página feminista, anta.

normalidaderealidade disse...

Caro Roberto Neder,

Eu não ia mais comentar hoje, mas você fez meus dedinhos coçarem.

http://en.wikipedia.org/wiki/Nerd - mexe muito com o modelo de nerd das high schools americanas, como oposição aos "jocks", e rola muita confusão entre "nerd" e "geek" (o que aqui significa a mesma coisa, então ok). A definição da pessoa socialmente desajeitada e/ou em partes pouco mainstream da cultura tá aqui. Num sentido muito amplo, quase todo mundo nessa caixa de comentários é meio nerd pelo interesse numa discussão que se afasta dos limites batidos de sempre. Se você considerar a obsessão por um tema, todos os mascus de fórum são "geeks" - tomando que "nerd" e "geek" pra nós é a mesma coisa, mascus são nerds. (É fantástico como nessa página o nerd é homem e branco.)

http://www.stanford.edu/group/erhetoric/sp04/reader/imanerd.pdf < "Oh No! I'm a Nerd! - Hegemonic Masculinities on an Online Forum" - artigo datadíssimo, já que é de 2000, mas é legal

Algumas google searchs sobre várias temáticas nerds já conhecidas, batidas, e estereotipadas, que já conflitaram com o feminismo:
"Anita Sarkeesian kickstarter"
"skepchick richard dawkins"
o meme da "Fake Nerd/Geek Girl" (o clássico "você não pode compartilhar nossos interesses" - vide http://www.buzzfeed.com/hnigatu/why-the-fake-geek-girl-meme-needs-to-die)
http://en.wikipedia.org/wiki/Sexual_harassment_in_video_gaming, e tinha um tumblr só de screenshots de ameaças que garotas recebiam no xbox live, mas eu perdi o endereço -_-

Existem comunidades sobre o machismo no mundo dos otakus, também, só procurar.

Ah sim! Já ia esquecendo. Só assistir "Revenge of the Nerds", de 1979, que eu nem vou descrever.

Eu tenho um artigo sobre "attention whores" e o mito do "não existem garotas na internet", mas eu prefiro não expôr por questões de preservação de identidade e etc.

Aposto que qualquer menina aqui tem uma história sobre, seja em discussões de facebook, seja no meio acadêmico - de exatas ou não, e em discussões sobre cultura e ciência.

Aliás, o que é nerd pra você? É definição de dicionário, é relacional, ou é experiência?

Raven~ disse...

Vou responder o Roberto e especificamente sobre o ser nerd e o que seria misógino neste grupo. Levando nerd como fã de cultura pop ok?! Videogames, filmes, livros, quadrinhos e afins. A misoginia é muito, absurdamente grande nesse meio. Eu e uma amiga jogávamos DOTA e era impossível usarmos os microfones. Era cada baixaria. Juro que se alguém juntar as palavras mulher, cozinha e sanduiche na mesma frase eu agrido. Mulheres são objetificadas em cada filme, jogo ou livro. A Mulher Maravilha dó aparece de shortinho. A Bayonetta fica pelada. A protagonista do filme só é aquela mocinha bonitinha e burra (isso quando é uma mulher protagonista neh). Isso tá mudando mas é devagar. Em qualquer comic com, matsuri ou evento parecido mulheres são tratadas como seres inferiores que não deveriam estar ali roubando o espaço de homens. Mulher que joga vídeo game? Absurdo. Gosta do Darth Vader? Poser. Vá fazer cosplay de Leia e fique ali peladinha. Sugiro que vc veja os videos da Anita Sarkeesian e volte alguns posts aqui na Lola e leia os comentários do post da Samantha sobre The Big Bang Theory. Acho incrível como NÃO é vista a misoginia nesse meio dito nerd.

Larissa Petra disse...

@domingosjornal
Desculpe, se pareceu que eu como mulher desmereci seus sentimentos e vivências masculinas.
Mas eu estava me referindo justamente aos homens brancos, héteros e cis, que sofrem muito muito menos, é só pensar em um homem gordo, claro que ele sofre gordofobia, mas totalmente diferente e em menor escala que a mulher gorda, pq a sociedade cobra sempre a beleza da mulher, enquanto homens são valorizados por outras qualidades.
Tipo se uma mulher ganha um premio de física, o jornal que fará a reportagem fará questão de falar sobre o visual dela, a aparência dela, se ela faz ou não a sobrancelha...enquanto com homens eles falarão apenas sobre física, pois se aceita a "excentricidade masculina" a feminina não...
Assim realmente eu errei quando eu disse que a sociedade não cobra nada dos homens, ela realmente cobra que ele seja um machão, um líder, mas isso é consequência do próprio machismo que oprime também os homens, mas em uma escala muito menor que as mulheres.
Se o feminismo dá mais ênfase a mulher, é pq nós somos estupradas, agredidas pelos nossos companheiros, assassinadas por ciúmes, por homens que acham que somos propriedades deles, e olha desculpe, sim o homem também é assassinado e vítima de violência e isso é horrível...mas nenhum homem branco, cis hétero, morre por ser branco cis ou hétero, as mulheres morrem por serem mulheres, como negros morrem por serem negros, gays por serem gays, são crimes de ódio que não atingem os homens brancos e médios, e nós mulheres temos tão pouco protagonismo no mundo, que o feminismo torna-se um lugar para nós mulheres sermos as protagonistas, como em qualquer ativismo, eu sou simpatizante de vários, mas n serei protagonista jamais da luta negra, gay ou gorda, justamente por eu ser branca, hétero e magra, mas eu tenho empatia, reconheço meus privilégios e simpatizo, portanto, homens não podem ser protagonistas no feminismo, mas eles podem sim participar da luta, falar, e lutar ao nosso lado, não na nossa frente, eu realmente acredito nisso, como uma mulher que sou que ama os homens.

Sara disse...

Faltou dizer q tb acho q a motivação principal desses grupos machistas é preservar seu sagrado direito (pq as religiões os apoiam)de oprimir e agredir mulheres.

Carol F. disse...

Masculinistas são claramente um grupo de ódio, mesmo se dividido em vários sub-grupinhos. Já falei sobre esse assunto e alertei meus amigos, homens e mulheres, para se afastarem desse tipo de gente. Eles ficaram bem surpresos ao saber que esse tipo de coisa existe.

Raven~ disse...

Excelente o ultimo comentário da Larissa. A única luta que deve ser tomada por nós é a defesa dos animais. Por motivos óbvios pelo amor de dels. As outras, se não formos personagens dela, devemos respeitar, simpatizar mas nunca protagonizar. Claro que vc pode ser várias coisas ao mesmo tempo. Veja: Sou mulata, bi e mulher. Várias lutas me atingem. Isso não significa queneu vá ignorar ou perguntar pq esses gordos safados não falam de roupas que não me servem tb? Isso seria safadeza minha isso sim. Já que não sofro pra encontrar roupas. Bom, parei. Ficou absurdamente claro com alguns comentários muito melhores q esse. Se ainda não entederam, releiam.

Bárbara disse...

Alguém mais achou esse Paul Elam (criador do Voice For Men) a cara do Charles Manson? Principalmente o olhar dele.

Uma foto do Manson aqui:
http://3.bp.blogspot.com/-_R8zqx4oaUc/UPUOsgEyp8I/AAAAAAAANyc/bdxSbLpW9t8/s1600/Charles+Manson+4.jpg

Ah, e o sobrenome dele (Elam) é "male" ao contrário!

Anônimo disse...

Partidos ditos esquerdistas e comunistas também tem mascus sabia? Por que não fala deles também? Existe homens negros, ateus... que são machistas também.

Anônimo disse...

"Também tô me lixando se o seu mingau não foi feito rapazinho."

Hahahaha... Ta-chan, tô sacando os seus comentários nesse blog não é de hoje. A única coisa desagradável sobre você é que você não tem blog próprio. Você é brilhante. Desculpe se estou tomando liberdade demais em dizer isso.

Honey, I'm a prize and you're catch and we're a perfect match. Like two bitter strangers.

teste disse...

Ai que preguiça desse bando de pivete vindo espernear...

Anônimo disse...

NÃO É DEFESA DE MASCU,É REFLEXÃO.NEM HOMEM EU SOU PARA DEFENDER AQUELES MERDAS.

Bom,eu acho o seguinte...enquanto o feminismo não tiver a humildade de reconhecer o montante de falhas absurdas que tem cometida,como por exemplo essa estória de defender a vulgaridade feminina,promiscuidade etc,vai continuar alimentando mascus e outras coisas piores que estão por vir,quer vcs gostem ou não.Não etsiou vendo nada melhorar,estamos cada vez mais objetificadas e desrespeitadas.

Muitas reclamações mascus fazem sentido,eu vejo mulheres agindo da maneira que eles falam e não vejo nenhum esforço para se mudar essa mentalidade feminina machista de conseguir as coisas.Eles falam que nosso poder é só o sxeo ,quantas mulheres não se vêem assim?

Machismo feminino é horrendo,mas é tratado com muita indulgência pelo feminismo.Estamos dando munição para inimigos e nos stagnando socialmente.

Mas,já como isso é tabu...então vamos continuar tocando o bonde e dando 1 passo pra frente e 10 pra trás....

Clarice

Anônimo disse...

Como se esse movimento n fosse cheio de hipocrisia e incoerência.

Anônimo disse...

"o feminismo não tiver a humildade de reconhecer o montante de falhas absurdas que tem cometida,como por exemplo essa estória de defender a vulgaridade feminina,promiscuidade etc"

seu recalque bate no meu shortinho enfiado na bunda e sai quicando

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Se lutassem por coisas concretas como, por exemplo, fim da alienação parental, fim do alistamento militar obrigatório, contra a ideia de muitas pessoas ainda acharem que o homem é que deve arcar com todas as despesas de um namoro, etc, ainda faria algum sentido.
Mas a coisa toda é ficar rosnando porque muitas mulheres não se casam mais virgens, porque fulana de tal namora com um cara que tem carro enquanto ele não tem, porque a menina mais bonita da escola não deu bola pra ele no ensino fundamental. É... difícil pensar que algo assim vai pra frente...

vivian disse...

Esses dias me deparei com este site, que, ao que tudo indica, é um movimento para homens voltado a desconstrução de gênero e contra o machismo.

http://www.homenslibertemse.com/portal/porque-homens-libertem-se/

"O projeto pretende ser um chamado à reflexão em torno das muitas formas pelas quais o machismo prejudica também os homens, independente de sua sexualidade, que os incita a se encaixar num modelo de homem fixo e restritivo. Estas restrições geram uma opressão pouco discutida por ser mais velada, aceita e naturalizada."

O manifesto do movimento também é genial.

Eu fiquei bem feliz vendo que os homens estão começando a se mexer. Já não era sem tempo \o/

As mulheres redefiniram a sociedade e estão mudando o curso da história. Quem não se adaptar vai ficar pra trás. Mas os que quiserem estar na linha de frente da mudança são mais que bem vindos.

Anônimo disse...

O que você chama de "grupo de ódio" opera na legalidade há anos, e continuará fazendo.
Você usa dissidentes e maníacos como exemplo para condenar toda uma doutrina que já salvou da depressão alguns milhares de indivíduos que foram vítimas de mulheres manipuladoras.
Mas, é claro, se um homem critica o comportamento feminino, ele é "vitimista". Se um mulher critica o comportamento masculino, ela é "lutadora".
E assim se perpetua o culto à promiscuidade, ao homossexualismo, à erotização de nossas crianças, à destruição da família como célula da sociedade, e da própria sociedade!
Atacar a credibilidade de seus "inimiguinhos" é seu instrumento para aumentar sua própria. Acha mesmo que ninguém percebe?

vivian disse...

Alguns pontos do manifesto Homens Libertem-se:


- Posso broxar. O tamanho do meu pau também não importa.

- Posso falir. Quero ser amado por quem eu sou e não pelo que eu tenho.

- Posso ser sensível e expressar minha sensibilidade como quiser.

- Posso recusar me embebedar e me drogar.

- Posso recusar brigar, ser violento, fazer parte de gangues ou de qualquer grupo segregador.

- Posso manifestar carinho e dizer que amo meu amigo. Quero viver em uma sociedade em que homens se amem sem que isso seja um tabu.

- Posso trocar fraldas, dar a mamadeira e ficar em casa cuidando das crianças.

- Posso tratar minha filha com o mesmo grau de respeito, liberdade e incentivo com que apoio meu filho.

- Posso admirar uma mulher que eu ache bela com respeito, sem gritaria na rua e me aproximar dela com gentileza, sem forçá-la a nada.

- Eu sei que uma mulher está de saia – ou qualquer outra roupa – porque ela quer e não porque está me convidando para nada.

- Eu sei que uma mulher que transa com quem quiser ou transa no primeiro encontro não é uma vadia, bem como o homem que o faz não é um garanhão; são só pessoas que sentiram desejo.

- Eu nunca comi uma mulher; todas as vezes nós nos comemos.

- Eu não tenho medo de que tanto homens como mulheres tenham poder e ajo de modo que nenhum poder anule o outro.

- Eu sei que o feminismo é uma luta pela igualdade entre todos os indivíduos.

- Eu nunca vou bater numa mulher, não aceito que nenhuma mulher me bata e me posiciono para que nenhum homem ou mulher ache que tem o direito de fazer isso.

- Eu vou me libertar, não para oprimir mais as mulheres, mas para que todos possamos ser livres juntos.

- Eu fui ensinado pela sociedade a ser machista e preciso de ajuda para enxergar caso eu esteja oprimindo alguém com as minhas atitudes.

- O machismo também me oprime e quero ser um homem livre!

http://www.homenslibertemse.com/portal/116-2/

lola aronovich disse...

E vc, mascutroll das 20:38, percebe que não fui eu que escrevi este post, e sim um homem americano que nem é feminista, pelo que sei, mas conhece os movimentos dos direitos dos homens dos EUA? Incrível que lá os MRAs são vistos como um grupo de ódio, né? E aí, é invenção minha? Invenção do cara que escreveu o post? Invenção de todo mundo que se depara com as idiotices que vcs espalham? Aliás, um de vcs mascus conta que a ONU bloqueia, na internet, o acesso a grupos de ódio dentro do prédio, e blogs e fóruns mascus estão inclusos, já que são vistos (pela ONU, sabe) como grupos de ódio. Chato, né?

Koppe disse...

"Raven~ disse...
Vou responder o Roberto e especificamente sobre o ser nerd e o que seria misógino neste grupo. Levando nerd como fã de cultura pop ok?! Videogames, filmes, livros, quadrinhos e afins. A misoginia é muito, absurdamente grande nesse meio.
"

Aqui tem um texto (em english) que ajuda a explicar o machismo e a misoginia nos quadrinhos americanos (e indiretamente em outras partes da cultura influenciadas por eles):
How Censors Killed The Weird, Experimental, Progressive Golden Age Of Comics

"The message was clear: If comics were to be tolerated in this new postwar order, they had to be purged of assertive women, of people of color, of challenges to authority, and even of working-class, urban slang. And so the Comics Code hacked and mangled comics until they fit into the patriarchal, conservative, white suburban social order that was taking over every other sphere of American life."

Anônimo disse...

Hoje vi no facebook o texto de uma moça que está solteira e faz uma reflexão sobre ser de uma geração que criou mulheres para serem independentes, mas não criou homens para entenderem essa independência. Um texto ótimo. Ainda que generalize um pouco as coisas...
Pra variar, apareceu uma horda de mascus nos comentários, comentários longos e quase ao mesmo tempo, arrogantes, cheios de raiva, comemorando que ela estava sozinha, que eles a estavam rejeitando, como se não ter um parceiro fosse o maior castigo da vida de uma mulher. Mas em nenhum momento ela se dizia infeliz, desesperada ou disposta a aceitar um machista como qualquer um deles. Simplesmente uma moça dizendo que tem vontade de encontrar um cara legal, mas se não aparecer tá tudo bem.
Mas isso são os mascus. É essa a única impressão que deixam por onde passam. Vinte e quatro horas por dia vigiando mulheres, torcendo pra que encontrem infelicidade, dor, depressão. É só isso que eles são.

Anônimo disse...

Oi, Lola:

Acho que artigo artigo abaixo é oportuno. Se alguém pudesse traduzi-lo seria interessante. Um abraço.

http://www.policymic.com/articles/91427/the-university-of-washington-just-avoided-a-repeat-of-the-isla-vista-mass-shooting?utm_source=policymicFB&utm_medium=main&utm_campaign=social

Anônimo disse...

"Se lutassem por coisas concretas como, por exemplo, fim da alienação parental, fim do alistamento militar obrigatório, contra a ideia de muitas pessoas ainda acharem que o homem é que deve arcar com todas as despesas de um namoro, etc, ainda faria algum sentido."

Eu só conheci UM ativista contra a alienação parental. Tinha um blog meio solitário sobre o assunto.

O que ele fez com esse ativismo dele? http://g1.globo.com/bom-dia-brasil/noticia/2012/01/atentado-bomba-deixa-dois-feridos-no-forum-de-rio-claro-sp.html

Eu tenho certeza que primeiro o cara não tava nem aí pra tal da alienação parental (o blog dele falava sobre uma suposta conspiração da justiça do estado inteiro contra ele), e segundo:

Cadê os homens pra protestarem contra coisas graves que os afetam? Não deixem os malucos tomarem o lugar que é de vocês! Por favor, se unam e se cuidem!

Roberto Neder disse...

normalidaderealidade,
Obrigado pela resposta. Primeiramente, quero dizer que sou totalmente leigo no assunto, nem sabia que havia tanta subdivisão e tipos de grupos, irei ler os artigos que você recomendou. A minha definição de nerd vai ser algo que eu precisarei dar uma pensada, para mim esta cada vez mais difícil e soa mais artificial definir uma pessoal em grupos. Acredito que uma definição seria mais relacional, mas o ser "nerd" jamais seria permanente. Tenho que pensar e ler antes de tentar responder (Se puder, envie-me seus artigos por email: robertofneder@yahoo.com.br)

Anônimo disse...

"Acuse-os do que você mesmo faz".

Encaixa-se perfeitamente no feminismo. São justamente feministas, dizendo que os "mascus" fazem isso e aquilo..

Saca só a citação:

"Até pouco tempo atrás, provavelmente você achava que o "movimento dos direitos dos homens” era apenas uma moda esquisita na internet para homens tristes e deprimidos que queriam desabafar sobre suas frustrações sexuais.Não seria nada nem mais nem menos significativo para o seu cotidiano do que, digamos, pessoas que se enfurecem com resenhas negativas de filmes ou que reclamam que sua empresa preferida de videogames não gosta delas."

É exatamente o que penso das feministas, com algumas adaptações. Vocês criaram um inimigo imaginário (o homem) e depois falam mal dos que fizeram a mesma coisa com a mulher.

E no, fim, cada vez mais desconfiança e inimizade sem sentido entre os gêneros, um "benefício" tremendo pra sociedade e pra um governo que só quer dividir e conquistar :)

Eu espero que um dia vocês enxergem um pouco. Tanto homens quanto mulheres afogados em ideologias vazias... vã esperança...

Sendo redundante, essa é a "verdadeira" verdade incômoda.

BLH

Anônimo disse...

Logico ! para que eu faço parte da classe dominante opressora deste mundo, se eu não posso gritar para ser ouvido?!

Anônimo disse...

Nós não somos contra o serviço militar obrigatório. Uma sociedade justa e organizada, e feita por DIREITOS E DEVERES, por isso o serviço militar obrigatório, e ele serve também para que não tenhamos um exercito de mercenários, como no EUA hoje, onde filho de pobre e cooptado em guetos,para lutarem do outro lado do mundo, enquanto filho de rico curte as bonanças de Wall Street.
E quem acha que não precisamos de forças armadas fortes e bem adestradas, tem o conhecimento geo politico da profundidade de um pires, o Brasil hoje e alvo a cobiça velada de varias potências no mundo, temos o segundo maior lençol de água doce do mundo (aquífero guarani) a Amazonia, metais raros no subsolo, entre eles o nióbio,muito cobiçado na industria de transformação, milhares de quilômetros cultiváveis, um mundarel de petroleo e gás no litoral
e muitas outras riquezas naturais.
Paulo Tarso.

Anônimo disse...

Para finalizar sobre o comentário da moça que citou o serviço militar obrigatório, e que seu fim deveria ser uma pauta masculina. Exercito não serve somente para guerra, existe para evita-las também.
Explico, existe um termo geo politico, que se chama DISSUASÃO, ou seja, "não mexam comigo que tenho como me defender"
Como diria um sábio General: Se não quiser sangrar na guerra, tem que suar na paz"
Mas eu disse tudo isto para afirmar que o serviço militar obrigatório no Brasil, e para ingles ver, primeiro que o numero de voluntários, da para encher três exercitos por cá, eles perguntam quem quer servir.
Somente em locais problemáticos, com alta cooptação pelo crime, e que a escolha e selecionada, há sim um "pente fino".
Segundo que se não se apresentar para fazer o alistamento, depois de um ano paga uma multinha bem sem vergonha, o que atrapalha e para fazer concurso publico e tirar passaporte.
Terceiro que o alistamento serve para saber quantas pessoas estão aptas para defender a nação, caso haja alguma agressão.
(e não, não existe mundo de algodão doce, só se abusa de quem permanece fraco)
Paulo Tarso.

Anônimo disse...

Lola você já assistiu Clube da Luta? ( Filme do diretor de David Fincher, baseado em livro homonimo)
Pois bem, para muitas pessoas o mundo virtual, e seu clube da luta, um local ficticio para extravasar a fúria, eu acreditava que uma pessoa como você, que conhece os mesmos ambientes abissais dos anões do Chans, pelo menos desconfiasse disto.

Anônimo disse...

Eu até ia escrever alguma coisa, mas sinceramente? Desisto. E principalmente, eu desisto porque vc nunca, jamais vai sequer cogitar ter dúvidas racionais sobre suas generalizações universais...

Anônimo disse...

É, gostar de homem fica difícil mesmo depois de se tornar feminista.
Mas também, quando aparece um cara feminista/pró-feminista, ele até brilha de tão abençoado que parece.

Anônimo disse...

Bingo: o homem não pode ditar o que uma feminista deve ou não achar, pois não é mulher e não sente na pele o que ela sente... Da mesma maneira que uma mulher NÃO tem direito de dizer que o homem não sofre opressão, porque ela TAMBÉM não é homem e não sente na pele isso. Óbvio que elas sentem o machismo muito mais intensamente, mas nem por isso a questão masculina deve ser desprezada. Nem todo o homem é o macho alfa celebrado social e culturalmente, os que não são - por não conseguirem ou não quererem - também são escanteados, submetidos e até desprezados inclusive por feministas que colocam todos os homens num mesmo cesto.

Anônimo disse...

Homens também sentem calor Lola:
https://scontent-a-mia.xx.fbcdn.net/hphotos-xpa1/t1.0-9/558344_446448605456754_1201668456_n.jpg

Anônimo disse...

Estou lendo (a passos de tartaruga, confesso) o manifesto do Elliot e fica fácil de ver como se forma a mente de um cara desses.

Vi algumas pessoas comentando que ele é um maluco, um ponto fora da curva, etc. Bem, pelo que dá para ler, isso em parte é verdade. O que o separa dos demais é a agressividade exagerada, mas boa parte de suas características, das características que geraram esses problemas, não são para nada raras e têm muito a ver com o que foi descrito neste post.
1 - Ego do tamanho do mundo. O sujeito é uma das pessoas mais egocêntricas que eu já vi. Acho que isso é o que mais se destaca. Todo o tempo ele se ressente de não ter amigos, mas logo você percebe que ele despreza 100% das pessoas do mundo. E por que ele despreza essas pessoas? Porque elas não o tratam como ele merece. E como ele merece ser tratado? Um trecho do depoimento dele dá uma boa pista. Em dado momento ele fala do irmão mais novo (que tem uns cinco anos qdo ele já é adolescente) e diz que, apesar de ter algo de inveja do menino (que é sociável), ele não consegue odiá-lo porque o menino é um dos únicos que o trata como ele merece ser tratado "com admiração e respeito". Ou seja, o cara acha que é possível transferir a pares e colegas a relação que ele tem o irmão 12 anos mais novo. Difícil né.
Futilidade. É impressionante como o garoto é fútil. Todo o tempo, todas as tentativas que ele faz para se enturmar começam com "comprar roupa". Lógico que assim, o cara é incapaz de estabelecer vínculos minimamente relevante. E é curioso porque os poucos amigos que ele faz na infância e na puberdade, são amigos com os quais ele partilha um interesse comum: pokemon, videogame, etc. mas nem essa experiência é capaz de ensinar-lhe em que bases se forma uma amizade. Em dado momento, ele vai a aula com uma super camisa Armani e fica revoltado porque isso não faz com que as pessoas o adorem. Além do mais, ele parece não ter interesse em nada. Ele fala muito pouco das coisas que gosta e desde a entrada na adolescência, ele simplesmente deixa de compartilhar interesses. É patético.
Utilitarismo: Não é que o Elliot não gosta de mulheres. Ele não gosta de ninguém. Ele enxerga qualquer pessoa como alguém da qual ele pode se beneficiar e se a pessoa não o serve, ele a odeia (como ninguém o serve, ele odeia todo mundo). Na faculdade, por exemplo, ele faz dois amigos. No entanto, quando chega o Halloween ele fica furioso que os amigos não são capazes de levá-lo a uma festa popular e comenta que "aquele amizade não estava levando a nada". Pouco depois ele se espanta que os meninos começam a sair e se divertir sem ele. Mas gente, quem quer um amigo interesseiro?

Anônimo disse...

cont. Materialismo: tem relação com a futilidade. Embora ele mesmo perceba que caras que usam roupas ridículas (na opinião dele) pegam mais mulher que ele (que usa Armani e óculos Gucci) ele acredita que se fosse rico, seria um grande conquistador. Ele chega ao ponto de pedir que a mãe case com um cara (um namorado rico que ela tem por um tempo) e quando ela se recusa ele a chama de "vadia egoísta".
Nossa, dá para fazer um tratado com base nesse manifesto, mas enfim... Meu ponto é que, embora ele tenha dado um passo além, essas características, que moldaram sua personalidade, não são para nada raras. E vou dizer mais, sinceramente dá uma certa pena porque acho que a família esperou muito para intervir realmente. Não dá para teorizar sobre o que não foi e é um exercício inútil, mas também não dá para não dizer que boa parte dessas características dele não sejam socialmente alimentadas.
O que está claro é que esses grupos de ódio sabem muito bem explorar esse vácuo. Assim como os nazistas se alimentaram da insegurança e pobreza do povo alemão para jogar a culpa de todas essas mazelas nos judeus (e demais diferentes), esses grupos de ódio canalizam essas personalidades fracas para instigar a violência. Pra que sujar as mãos se você pode usar um sujeito que está totalmente perdido no mundo e que tem uma personalidade construída em bases tão precárias? Lola (e o autor do post) estão certos, tem que ter cuidado com esses caras.

Cláudio André disse...

normalidaderealidade,

"A cultura nerd é misógina."

Uma rápida pesquisada no Google(eu já sabia que você estava redigindo besteira, mas só para deixar claro)

"O termo "nerd" foi concebido em 1954 por Theodor Seuss, escritor, poeta e cartunista americano, mais conhecido como Dr. Seuss, que fez uma associação entre a lerdeza e peças de roupa listradas (nas cores branca e azul) para pessoas magras. Basicamente, um nerd é um personagem cômico, geralmente magrelo, e com alguns problemas cognitivos para determinados assuntos."

Muito bem, o que tem a ver a cultura de uma pessoa culta e estereotipada com misoginia?

Você deveria redigir que alguns antissociais, que poderiam ser nerds, tem aversão às mulheres.

Até porque o que seria a cultura nerd? Existem otakus, gamers, etc. Mas eu diria que são geeks e não nerds. E mesmo se fossem nerds, não seriam necessariamente misóginos.


Raven~ disse...

Obrigada, Koppe. :)

Raven~ disse...

E já tem burraldo falando de alistamento obrigatório de novo... Meu deus. Trabalho de Sísifo, hein?! Ow discussão que não vai pra frente.

Anônimo disse...

Mascus, entendam... o feminismo não é contra os homens!!! É apenas contra o machismo!! Homem e machismo não são a mesma coisa.

Anônimo disse...

@ Anomino das 03:12

Sou feminista e concordo totalmente com você! Tb não acho certo colocarem todos os homens no mesmo cesto.
Acontece que o machismo na nossa sociedade é tão grande, que muitas mulheres acabam generalizando... mas não é certo mesmo.

Anônimo disse...

@Anônimo das 03:16

Claro que homens tb sentem calor!!!!
Ninguém aqui acha que homens tem que andar todo coberto de roupas, não! Como já disseram, somos á favor da igualdade.

Anônimo disse...

"A opressão dos homens gays parece ser um tema óbvio com o qual o movimento dos direitos dos homens poderia se preocupar, certo?"

O autor é um piadista, só pode kkkk... Como que um movimento que preza pela masculinidade vai lutar pelo direito de gays?? Essa foi boa mesmo kk... Seria a mesma coisa de um movimento de igualdade racial lutar pelos direitos dos bracos, movimento lgbt lutar pelo direito de heterossexuais..

O foco sempre foi e sempre será apenas no cidadão de bem!

O sonho de vocês é aparecer um movimento masculinista que lute pelo direito do homem sensível que possa chorar por qualquer motivo, que defenda o homossexualismo, que possa usar saia sem ser julgado, ou seja, querem um grupo machista que tenha os mesmos objetivos de um grupo feminista... Me poupe né??

O Machismo NUNCA oprimiu e nem oprimirá o HOMEM DE VERDADE, o cidadão de bem.. Se um homem falar isso, tenha a certeza de que sofre de homossexualismo ou feminismo..

Os grupos masculinistas/machistas/da real, etc, são grupos abertos e todos são bem-vindos, seja gordo ou magro, feio ou bonito, rico ou pobre, virgem ou não, branco ou negro, velho ou novo.

E vão ter que nos aguentar, pois crescemos cada vez mais!

Anônimo disse...

Olha Lola, a Niemi voltou, em nova embalagem (Avatar e nick) mas continua bissexual

Anônimo disse...

Nós não temos que aguentar vocês, anônimos.
O choro é livre. Que fiquem na internet chorosmingando, torcendo pela infelicidade alheia, só isso que vocês fazem.
É só não cometerem nenhum crime, nenhum tipo de violência contra nenhuma mulher ou homem, porque tem gente de olho e não ficará impune.

Anônimo disse...

É incrível como esses sujeitos simplesmente não saem do lugar. Não saem. Ficam com o mesmo mimimi de sempre, reclamando de como é difícil ser homem... difícil é catar piolho usando luva de boxe. Os problemas dos mascus são: eles não querem crescer. Esse tipo de postura (todo mundo tem que fazer o que quero, não importa se não estou em comportando direito, todos tem que me dar o que eu quero e não podem reclamar de mim) é normal e compreensível quando se tem, sei lá, quatro anos de idade, quando toda criança é egocêntrica e ainda não aprendeu empatia. Se crescessem já teriam entendido que A DROGA DO MUNDO NÃO GIRA AO SEU REDOR! Entendeu? Segundo, eles não querem romper com um padrão que é opressor e que não os beneficia. Em quê ficar na internet odiando as pessoas os ajuda? Em nada. E mesmo assim continuam afundados na fossa... quer saber? Querem ficar no seu grupinho de ódio? Fiquem. Mas não reclamem quando ganahrem de volta o ódio que dedicam xs outrxs.

lola aronovich disse...

Ô Historianet, se quiser ter o comentário publicado, comece revendo as mentiras que vc escreve. Comentário com mentiras demais por linha eu não publico. Tipo: comece percebendo que o texto não foi escrito por mim. Tá no texto, sabe? Tem link pro texto original, em ingiês. Foi escrito por um homem que não é feminista. Parta daí e tente contra-argumentar, ao invés de atacar feministas com projeções masculinistas.

Anônimo disse...

Sawl

Para anônimo mimizento das 13:06 de 19 de junho

Meu caro, pra quem é um imbecil(como VOCÊ) que trata mulher como lixo, que acha certo falar baixarias pra mulheres(e até meninas que voltam da escola), embebedar mulheres pra leva-las pra cama, trair as esposas como sinal de suposta "macheza", agredir, estuprar e até matar realmente o machismo NÃO oprime nada.
Masculinismo é um refúgio de covardes, frustados e mal amados NUNCA de um homem de verdade nem cidadão de bem(ou por acaso o sr acha que um cara que atira à queima roupa em meninas indefesas - Wellington de Realengo, ou em moças que estudam Engenharia - o assassino do Canadá; podem ser chamados "cidadãos de bem"!).
Os: quem sabe um dia vc tenha uma FILHA e tome vergonha na tua cara pra se tornar um homem de verdade! Duvido que irá querer que sua filha deixe de estudar e trabalhar para casar com um traste traidor e agressor chamado masculinista. Pimenta nos olhos dos outros é refresco(tenho pena da tua mãe).


Sawl - Always the rebel

Anônimo disse...

Vivian, o que você acha de colocar esses pontos abaixo em manifestos feministas voltados a mulheres?

- Homens podem broxar e o tamanho de seus paus não importa.
- Homens podem falir e devem ser amados pelo que são e não pelo que tem.
- Homens podem ser sensíveis e expressar sua sensibilidade como quiser, sem ser julgado por isso.

- Homens podem recusar-se a brigar, serem violentos, fazer parte de gangues ou de qualquer grupo segregador.

- Homens podem se amar sem que isso seja um tabu.

- Homens podem trocar fraldas, dar a mamadeira e ficar em casa cuidando das crianças.

- Eu sei que um homem que transa com quem quiser ou transa no primeiro encontro não é um garanhão e os que não fazem não são frouxos..

- Eu sei que o feminismo é uma luta pela igualdade entre todos os indivíduos.

- Eu nunca vou bater em um homem, não aceito que nenhum homem me bata e me posiciono para que nenhum homem ou mulher ache que tem o direito de fazer isso.

- Eu fui ensinada pela sociedade a ser machista e preciso de ajuda para enxergar caso eu esteja oprimindo alguém com as minhas atitudes.


vivian disse...

Anônimo das 21h30.

Esses pontos que você citou são claramente feministas. Estou completamente de acordo com cada um. Gostaria que mais homens tivessem essas diretrizes como um ideal, pois mesmo que as mulheres aceitem cada item, aos homens parece mais difícil abrir mão do que possuem hoje, mesmo que esta mudança traga inúmeros benefícios.

Feminismo já possui a premissa, que é a equidade de gênero. Certamente um manifesto feminista teria um tamanho infinito, tantas são os pontos necessários para se atingir tal equidade.

Anônimo disse...

Homem se aposenta mais tarde, tem menos investimento na saúde pública, e tem q se alistar no exercito pra ser despedaçado na guerra (como os meninos na nigéria)
Maaassss ELAS querem que os homens lutem pelo direito das mulheres .. Homi que não luta pelo direito das mulheres é mascu opressor.
Homi tem que lutar por licensa paternidade .. pq homi que é homi tem que casar né. ficar sem casar é mascu... mas mulher sem casar é go girl!

Anônimo disse...

Para O SAWL
O que é um homi de verdade?
Se o homem deve seguir um roteiro de comportamendo pra ser um "homi de verdade" suponho que mulher também tenha né?
Homem deve seguir um padrão de comportamento pra ser homidiverdadi?
É direitos iguais?
Qual o comportamento que o homi di verdadi deve ter?

Daniel Cortes disse...

Não são verdades, são mentiras inventadas por uma pessoa sem caráter, que age de má fé. E a senhora vai ser processada.

lola aronovich disse...

É mesmo, Daniel Cortes? Processa o site americano Cracked também, porque este artigo foi traduzido de lá. E quem vai me processar? Vc ou algum avatar de superherói?

Anônimo disse...

Vivian,

o que eu fiz foi uma crítica ao fato de que o feminismo exige itens que contemplem a proteção da mulher dentro de um manifesto de libertação masculina para que este seja "válido", mas o oposto eu, particularmente, nunca vi. Nunca vi o feminismo dizendo às mulheres para não valorizar a "masculinidade", a "virilidade", a "proteção" ou qualquer outro aspecto da masculinidade que não seja a "agressão" propriamente dita, dentro de suas relações interpessoais.
Mas já vi feministas fazendo piada com homens vítimas de abuso ou estupro, já vi grupos feministas dizendo que guarda compartilhada é "uma agressão à mulher", já vi instituições feministas se posicionando contra a aplicação da Maria da Penha a homens vítimas de violência doméstica e já vi pencas de feministas fazendo pouco caso de sofrimentos masculinos.

Inclusive muitos argumentos feministas se baseiam na premissa machista que "homens aguentam". Isso é visível nas discussões de violência doméstica, onde algumas feministas comumente dizem que homens são fisicamente mais fortes, mas parece que se esquecem que lutam pra que homens não utilizem essa força...

A própria noção de privilégio dentro do feminismo é a mesma do patriarcado: sexo e dinheiro. Quando o Warren Farrell (na época um respeitado feminista) disse que isso era uma obrigação e que não resultava nem em liberdade nem em felicidade, ele foi excomungado do movimento. Ao invés de abrigar essas questões masculinas, o feminismo abriu caminho pra criação confusa desse frankestein bizarro e misógino que é o masculinismo. (não, a culpa não é do feminismo, mas ele teve a chance de contornar a situação)

Voltando ao outro lado da moeda da "agressão" masculina, a "proteção". É esse instinto ou cultura de proteção que faz homens se colocarem na frente de agressões contra mulheres, se colocarem na frente de balas, serem a base da polícia, dos bombeiros e do exército. Atividades sempre relacionados à descartabilidade masculina. O feminismo nunca lembra disso, a masculinidade é igual a agressão, só.
E o que você espera que os homens façam com relação a isso? Mulheres querem ser 50% dessas instituições de segurança pública ou de outros grupos de empregos de risco? Mulheres estão dispostas a perder essa prioridade e proteção?
Eu acredito que os tais privilégios devem ser revistos por todo mundo...

Resumindo, as questões não são tão simples e muito daquilo que foi apontado como "estratégia do mal" dentro dessas comunidades masculinistas também pode ser encontrado dentro do feminismo. Mas sempre, claro, o inferno são só outros.

Anônimo disse...

Aliás,
sabe esse homens frustrados que vão atrás do masculinismo? O feminismo podia ter todos eles. Mas o que o que o feminismo faz? Manda eles reverem os próprios privilégios.
E bem, pessoas infelizes normalmente não se sentem particularmente privilegiadas...

Daniel Cortes disse...

Você deu publicidade a um texto difamatório, entao, você pode, sim , ser processada. Onde está o avatar de super heroi? Você quer misturar DHM com os "realistas" ou "canal do búfalo", que nao tem a ver uma coisa com a outra?
Claro, somos nós que tentamos queimar uma igreja na argentina. Nós tambem que enfiamos as cruzes no anus. Tambem somos nós que mantemos sites e páginas no facebook disseminando ódio contra o sexo oposto, falando que todas as pessoas do outro sexo sao agressoras, estupradoras em potencial, etc. Nós que matamos o cachorro de uma mulher por ela ter se atrevido a denunciar violencia doméstica contra ambos os sexos. Nós que impedimos quem defende opiniao contrária a falar em universidades ( vide Warren Farrell e o caso em Toronto, alias, porque você nao publica uma resposta ao livro The Mity Of Male Power, Lola? Talvez por ele desconstrua totalmente as ideias que você propaga pra seu pública e não tenha argumentos para isso?)? Alias, porque você nao da uma explicacao por querer misturar The Voice, Farrell, Glen Sacks e pessoas sérias em geral defensores do direito dos homens com esses fanáticos de extrema-direita que usam avatares de super-heroi? Mesmo que você saiba muito bem que Paul Elam ou Warren Farrell não tem nada a ver com a "real" ou "canal do búfalo" ou Nehassan Alita, mas você ataca um grupo para respingar em outro? Talvez porque você saiba que o direito dos homens está se difundindo e que isso é uma ameaça à sua zona de conforto intelectual, e você precisa tanta difarmos para, talvez, estar em paz com você mesma? Por que, ao invés de usar a tática mesquinha e desonesta de atacar os direitos dos homens pelo que ele não é- os grupos extremistas que citei acima- você , como acadêmica, não comenta livros de DHM autenticos, com o Myth of Male Power, Equality for Men ou The Second Sexism - que têm estatísticas, dados e argumentos lógicos e racionais pra desconstruir o mito do privlégio masculino, hein, Lola? Quem de fato é covarde nessa história?

Daniel Cortes disse...

Antes que eu me esqueça, é engraçado que você é mais atacada por feministas mais radicais- quando, por exemplo em um lampejo de lucidez, você escreveu um texto muito bom defendendo o Woody Allen- do que pelos mascus, mas insiste em dizer que nós que somos o movimento de ódio.Por causa de.... canal do bufulo, real, nehassan alita, silvio koerich? O que eles têm a ver com a gente, mesmo? Eu ainda estou esperando um debate de ideias, nao de ataques ad hominem. Que você leia e comente os livros Myth of Male Power, Second Sexism, Equality for Men, The War Against Boys, que fazem muito bem a tarefa de desconstruir o mito do privilégio masculino. Não, Lola, o homem é um negro, um cidadao de segunda classe ( na realidade das nacoes industrializadas do ocidente, nao estou falando do taliban e seus congeneres). Mas, quando você ataca os MRA, usa apenas uma tonelada de ataques falaciosos, do tipo "frustados, pega- ninguem", nos vincula aos grupos que ja citei ( que não tem NADA a ver com MRA) e até agora nao entrou no mérito da discussão. Vamos lá, você consegue.

Anônimo disse...

Ai ai, lá vamos nós de novo (suspiro desanimado)...
Anônimo das 22:24, você não TEM que lutar pelos direitos das mulheres. Sério, não precisa. As mulheres podem lutar perfeitamente bem por seus direitos, e o fazem há séculos sem ajuda dos homens. O que você NÃO PODE é querer tirar os direitos que elas já conquistaram e tentar impedir que consigam mais. Entendeu? Mas não precisa lutar pelos direitos delas não. Em vez disso vá, mobilize os homens e lutem por esses direitos que você quer aí: investimento na saúde pública (mas aí você tem que ir nas consultas preventivas e fazer exame de próstata; pedir saúde pra depois só pisar no hospital se estiver morrendo não dá, né?), aposentadoria mais cedo (já ouviu falar de dupla jornada? Mulher chega em casa depois de trabalhar 8h e ainda tem que limpar a casa, fazer jantar, cuidar das crianças, lavar roupa, e isso enquanto o maridinho folgado chega do trabalho, joga a meia em cima do sofá e senta pra ver futebol sem fazer nada. Essa dupla jornada desgasta mais, sabe? Por isso mulheres se aposentam mais cedo), fim do serviço militar obrigatório. Você pode lutar por tudo isso. O que você não pode é 1) querer que as mulheres resolvam seus problemas pra você enquanto você descansa sentadinho no sofá, e 2) exigir o "direito" de oprimir as mulheres.

E carinha das 22:27, A Sawl é uma mulher.

Daniel Cortes disse...

Vamos lá de novo, anonimo das 8:46. Dupla jornada? Você sabia que, ainda que as mulheres trabalhem, pela dupla jornada, 12h a mais por semana que os homens dentro de casa, os homens trabalham 8h por semana a mais que as mulhers fora de casa? E que, apesar das 5h de "vantagem", isso signfica voltar para casa mais tarde, estar mais sujeito a violencia urbana, mais tempo vigiado pelo patrao, mais tempo sujeito a assedio moral pelo patrao, para depois ,alem de tudo isso, ser o alvo mais fácil de doenças ( sim, porque homens morrem mais de todos os tipos de doenças- parte disso por parte do descaso dessa sociedade misândrica com a cultura do homem), contribuir 5 anos a mais com a previdencia, se aposentando 5 anos depois? Somando os 5 anos de aposentadoria com a espectativa de vida, sao 12 anos de vantagem para as mulheres. "Privilégio masculino". Aí vai a fonte, porque citar estatística falsa é coisa de feminista ( do tipo do estupro a cada 12 segundos) : "Relatório divulgado, na última quarta-feira (16), pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) indica que 25,2% das mulheres e 43,2% dos homens no Brasil trabalham mais de 44 horas por semana. Segundo o estudo, a jornada semanal chega a ser de mais de 48 horas para 13,7% das pessoas do sexo feminino e para 25,2% daquelas do sexo masculino.

De acordo com a publicação Perfil do Trabalho Decente no Brasil, a média semanal de trabalho das mulheres entre 1992 e 2007 foi de 36,4 horas e a dos homens, de 44,4 horas.

A OIT alerta ainda que o número de horas semanais que as mulheres dedicam aos afazeres domésticos supera em 12,5 o dos homens. Se for considerada a dupla jornada, as mulheres trabalham em média cinco horas a mais do que os homens.
"

Caro Anonimo das 8:46, o que vc prefere: 5 horas a mais (DENTRO de casa, nada de onibus lotado, assalto, patrão nesse tempo) ou 12 anos a mais de aposentadoria no global? Quem é o verdadeiro privilegiado nessa historia?

É engraçado que as feministas adoram mostrar só as estatísticas que lhes convem, para disseminar o mito do privilegio masculino- sem se dar conta o quanto desse mito é prejudicial às proprias mulheres- e nao divulga a outra metade da estatística.

Daniel Cortes disse...

Anonimo das 23:55 ( ue, mas nao eram os mascus os anonimos por aqui? que coisa...) , "pessoas infelizes nao se sentem privilegiadas". Essa frase se aplica perfeitamente a vocês, feministas. Vocês que nos acusam de serem infelizes. E de serem priveligados. Bom, eu sou um privilegiado , sim: por ser branco, por ser hetero e por ser de classe média. Mas não por ser homem. A minha desvantagem, por ser homem, não anula a minha condição privilegiada pelos outros fatores, mas a reduz, e em muito. Porque, em 98% das vezes da minha vida em que sofri alguma agressao física ou verbal, em que fui privado de algum direito, em que fui forçado a fazer algo que nao queria ( por exemplo, a fazer sexo com uma mulher - eu nao queria, mas ela ia espalhar para todo mundo que eu nao quis, e eu ia ficar com fama de viado e sofrer bulluyng por isso), ou que fui privado de fazer algo que queria, a razão disso foi: "porque você é homem".

donadio disse...

"Uma mulher achando que pode definir ou não, o que e um homem de verdade"

Lamento informar, mas são elas que definem o que é um homem de verdade.

donadio disse...

"Elliott tinha Síndrome de Asperger. Não é um "problema" grave."

No nível da generalidade, não. Mas assim como alguém pode se curar de câncer (que é uma doença grave) e em seguida morrer de gripe (que não é), também é possível alguém ser esquizofrênico (e a esquizofrenia é uma doença muito grave) e nunca machucar ninguém, e outra pessoa ter Asperger ou TOC (que são consideravelmente menos graves) e cometerem crimes sérios, levados pela doença.

Ta-chan disse...

Anon. 18 de junho de 2014 19:25

Obrigada!

Pavement = <3

donadio disse...

"Partidos ditos esquerdistas e comunistas também tem mascus sabia?"

Se por "mascu" você quer dizer "machista", provavelmente tem. Esquerdistas e comunistas são seres humanos como todo mundo, têm defeitos e contradições. Não somos ETs perfeitos, não.

Mas se você for militante do PT, do PCdoB, do PSTU, do PSOL, do PCO, etc... e frequentar foruns masculinistas, você cedo ou tarde acabará, ou 1) escorraçado do fórum, ou 2) expulso do seu partido. Ou ambas as coisas.

E você precisaria levar uma vida dupla. Não poderia fazer comentários "de esquerda" no fórum, nem poderia expor idéias masculinistas nas reuniões do partido.

"Por que não fala deles também? Existe homens negros, ateus... que são machistas também."

Claro que existem. Quer um exemplo de ateu famoso e machista? Richard Dawkins (que, além de famoso, machista, e ateu, é também islamófobo). Negro machista e famoso? Robert Mugabe (também notoriamente homófobo).

Você acha que não se fala deles? É claro que se fala, e muito. Nenhum deles leva passada de mão na cabeça meramente por ser negro ou ateu. Ou judeu ou muçulmano, ou gay ou comunista, ou pobre ou deficiente físico.

Anônimo disse...

Os homens tem previlégio muitos previlégios, e mulheres tb tem. Mulheres sofrem opressão, e homens tb são oprimidos de muitas formas. Não existe uma Olimpiada de quem tem mais previlégios e quem é mais oprimido. A intenção do feminismo não é prejudicar o homem, é apenas impedir que o machismo prejudique as mulheres. Não entendo porque algumas pessoas complicam tanto.

Anônimo disse...

Vou comentar em anonimo pq não tenho conta no google e não quero nenhuma "perturbação" depois por suposta violação de sigilo. Sou advogada e certa vez fui procurada por um pai solteiro que ficou com os dois filhos após ser abandonado pela mulher. Ele queria aposentadoria mais cedo, já que ele sempre fizera 'dupla jornada', para trabalhar e também cuidar dos filhos. Embora descrente aceitei a causa, e instrui o processo com vasta prova testemunhal comprovando as alegações do meu cliente. A causa foi julgada por uma juíza, que negou o pedido, alegando que direito a aposentadoria mais cedo seria exclusivo para mulheres, ainda que um homem comprove dupla jornada. Recorri, e por coincidencia em segunda instância a causa foi analisada por uma desembargadora, que manteve a sentença, afirmando que o direito seria exclusivamente feminino. Pessoalmente não acho justo, afinal, se houver comprovação, acho que o direito devia ser estendido aos homens tb

Anônimo disse...

Pô Daniel, e você não tinha um exemplo melhorzinho de opressão além dessa de ser obrigado a fazer sexo porque se não vão te zoar e te chamar de viado? Vou propor uma reflexão então. Esse tipo de opressão é típica do feminismo ou do machismo? É, por acaso, o feminismo que diz que homem, pra ser homem de verdade, tem que ser "comedor", pegar todas, etc.? É o feminismo que considera usar a homossexualidade de alguém (seja verdadeira ou falsa)como ofensa? Abra os olhos: quem te oprime é o próprio machismo que vc tem introjetado na sua cabecinha e do qual vc não consegue se libertar. É o mesmo machismo que fazia o Elliot se sentir um merda porque ele era virgem aos 21 anos. Quer parar de se sentir oprimido? Deixe de ser machista e bobo e vai cuidar da sua vida.

Lucas Pin disse...

Há uns tempos atrás eu estava bem frustrado com mulheres e eis que eu conheci o movimento da real, era um prato cheio pra alimentar minha mente odiosa, eu passei a enxergar mulheres apenas como vaginas ambulantes e as desgraçava de todas as formas possíveis, jamais conseguia enxergar mulheres como seres humanos, mas sim como depósitos de esperma. Acho que sempre tive problemas em lidar com a rejeição feminina desde pequeno, por isso me tornei por grande parte da minha adolescência um cara depressivo e com a auto estima extremamente abalada, mesmo conseguindo ficar com várias garotas eu nunca me sentia satisfeito, até pq todo homem quer aquela mulher mais "top" que segue o padrão de beleza imposto e é bunduda, peituda, gostosa e linda, mas isso jamais esteve sequer próximo da minha realidade então eu acabei criando esse ódio mortal por mulheres que não me davam mole e muita inveja e ódio dos caras que conseguiam ficar com elas. Por fazer parte do movimento da real eu odiava veementemente o feminismo e pra mim era "tudo piranha querendo dar sem que ninguém fale nada" enfim sempre o mesmo roteiro da história que vocês leram ai. UM BELO DIA conheci esse blog aqui da lola e comecei a ler, apesar de odiar feminismo questões de gênero sempre me interessaram muito pois eu sentia que alimentavam meu ódio, mas ao ler o blog da lola e ver a forma dela de pensar a respeito do assunto isso foi me mudando de uma forma que não sei explicar. Comecei a ler alguns posts sobre friendzone e mascus (movimento do qual eu era adepto) e fui entendendo a mente feminina sobre esse tipo de coisa e vendo a merda na qual eu estava metido. E ao ler um post sobre friendzone eu descobri o porque de ser um cara tão deprimido e tão triste, toda a minha adolescência eu me pautei por pegar mulher, comer mulher assim como a maioria dos homens fazem e isso pra mim era sucesso, porém acabei me tornando um escravo de buceta e isso me deixava muito triste por eu não ter esse retorno e sucesso que eu achava ser o máximo. Após ler o blog da lola e dar umas pesquisadas eu tenho mudado demais meu pensamento e já me policio bastante para cortar atitudes machistas, eu já não vejo mais mulheres apenas como pedaços de carne mas sim como pessoas, e algo mais surpreendente ainda: para mim amizade com mulher era inaceitável, só rolava se fosse pra conseguir algo, mas hoje não, hoje eu consigo tratar bem e me relacionar com mulheres sem segundas intenções, apenas para descobrir o ser humano legal que pode ter ali. Lola de verdade muito obrigado por matar cada dia um pouquinho do meu machismo e dos fantasmas que me assombram, não só você mas algumas pessoas que comentam também e são bem coerentes como vc. Eu descobri aqui um feminismo bonito que não julga e não é extremista, que abre espaço para todos e é coerente nas coisas que prega. Espero que continue fazendo este ótimo trabalho!
(O TEXTO FICOU ENOOOOOORME E EU TO COM MUITA PREGUIÇA DE REVISAR ENTÃO LIDEM COM OS ERROS :) )

Daniel Cortes disse...

Anonimo que me respondeu anteriormente, vc quer mais e mais exemplos da opressao contra homens e meninos? Faça como eu faço: primeiro, nao tenho certezas absolutas. Segundo, se alguem levanta uma tese contraria à que defendo, dou o benefício da dúvida a essa pessoa e saio buscando as informações que vao contra a minha ideia inicial. E assim, poderei aprender alguma coisa, ainda que minha opiniao inicial não mude por completo. Caso voce queira fazer o mesmo que eu, leia: Myth of Male Power, The Second Sexism e Sexo Privilegiado, os dois primeiros ainda nao publicados no Brasil. Os livros não são perfeitos, mas contém material mais do que suficiente para 1) desconstruir o mito do privilegio masculino 2 ) demonstra que grande parte dos problemas femininos está co-relacionado com problemas masculinos, e enquanto não combatemos opressao e estereótipo de genero independentemente do genero, enquanto insistirmos que os problemas sao só femininos e falar dos masculinos é "male tears" , o "chororó de privilegiados" , estamos cada vez mais prejudicando a ambos os generos. Dica: melhores e homens sao seres humanos. Entao, lutemos por direitos HUMANOS, sem insistir com esse mito de "machismo", de opressao da mulher por parte do homem, nesse delírio absurdo de "privilégio masculino" e consideremos os problemas sofridos por ambos os sexos de maneira imparcial, sem enxergar a realidade através de uma lente que deturba tudo e ve "machismo" e "privilégio masculino" por analisar os fatos sociais através de uma lente já pre-condicionada a enxergar isso no mundo. Quando derrubarmos esses mitos difundidos pelo feminismo e enxergarmos que mulheres e homens sofrem opressao degenero de maneira simultânea e co-dependente, perceremos que para libertar um gênero, temos que libertar o outro ao mesmo tempo.

Anônimo disse...

@Lucas Pin

Se você estiver sendo sincero, e não estiver zoando com a cara das meninas daqui... parabéns, cara!!! Fico feliz que você tenha percebido que essa tal de Real só deixa os homens cada vez mais deprimidos, cada vez mais pessimista e perdedor. "Meter a Real" é apenas a maneira mais pessimista e cheia de ódio possível, de ver algo, e de "Real" não tem nada. Sair dessa só vai te fazer bem.

Anônimo disse...

Tem um site, o papo de homem, que promove uma tal de "cabana pdh" que é mais ou menos um clube do bolinha, e pior pago!Lá eles exploram o "espaço masculino", ou seja, tem gente ganhando dinheiro com esses idiotas inseguros, alias, mascu é exatamente isso.
Há um tempo atrás, li muitos artigos de blogs masculinistas, menino pobre do interior, sem carro e sem sexo, realmente, esses blogs "da real" são atrativos,fornecem um inimigo a quem odiar, lamentavelmente, pois havia pontos positivos nesses sites, como o incentivo aos estudos e à atividade física.Mas enfim...

vivian disse...

Anônimo das 23:47
Bem, se o teu texto parte desta premissa da qual eu não somente discordo, mas vivo o oposto, não há muito a acrescentar. Não sei nem o que te dizer, mas não é por que você nunca viu escrito em algum facebook da vida ou fórium que essas coisas não existem. A vida existe além da internet, não necessariamente tudo está na web. Eu mesma procuro em meus relacionamentos (inclusive meus amigos homens costumam questionar gênero) vários pontos que você descreveu, porém não tenho por que escrever isto em nenhum lugar. Já é implícito no feminismo a equidade de gênero, estude um pouco a àrea que vai encontrar a desconstrução do modelo de masculinidade e feminilidade como um objetivo.
Se vamos ficar presos ao que eu vi, ou você viu, neste caso nunca vi feminista alguma dizendo o que você afirma ter ouvido. Vai ser sobre o que nós "ouvimos falar" esta discussão? Argumentação neste nível não passa de fofoca e boato, vamos ser sinceros.
Em tempo, TLDR; Para o bem das suas ideias, se esforce para escrever ao menos metade deste texto... dificilmente alguém vai ler, e acho que você não quer isso, certo?

vivian disse...

Anônimo de 20 de junho de 2014 10:28

Todos sofrem opressão, todos estamos presos a papéis de gênero que nos limitam e muito enquanto seres humanos.

Porém, enquanto o machismo é ruim para todo mundo, é pior para as mulheres. Existe algo chamado desigualdade de gênero. Por isso o nome do sistema é machismo, por que possui uma classe dominante, e outra que não é. É simples assim.
Sem complicações.

Anônimo disse...

Daniel Cortes, a presença da palavra 'misândrica' se referindo a uma sociedade machista, misógina, que odeia a mulher e procura oprimi-la todos os dias em seu discurso merecia que você fosse solenemente ignorado, mas vamos lá: mulher também anda de ônibus!Ooooh, que incrível! E essas mulheres que andam de ônibus estão sujeitas à mesma violência urbana que os homens-até mais, pq homens não são molestados nem estuprados no espaço público. E enquanto estão no trabalho elas tbm são vigiadas pelo patrão e pelo monte de colegas fofoqueiros que comenta, sem nenhuma necessidade, a aparência e a vida pessoal dela. Ah, além de sujeitas ao assédio moral, as mulheres estão sujeitas tbm ao assédio SEXUAL, coisa que praticamente nenhum homem sofre, e muitas tem que se calar pra não perder o emprego. E sabe por que homem tem mais doenças que mulher? Porque homem NÃO SE PREVINE! Não faz check ups gerais, não vai ao médico pra exames preventivos, não seguem dietas saudáveis, vivem se auto medicando e não esqueça, exame de próstata é absolutamente proibido, pq a 'macheza' desses homens é tanta que eles tem medo de perdê-la numa dedada. E essas suas estatíticas só dizem que vc menospreza o trabalho doméstico, acha que é fácil, moleza, e deve pensar isso pq nunca nem mesmo lavou as próprias cuecas, pq se fizesse todo o trabalho doméstico que uma casa exige mesmo que fosse por um único dia saberia exatamente como é 'moleza'.

Por último, cresça, meu filho, cresça. Juro que no dia em que você abandonar essa mentalidade de 4-5 aninhos e ver como é a vida real você vai entender. Ah, e quando crescer você tabm vai ter plena capacidade civil, vai deixar de ser apenas um incapaz mimizento e vai poder lutar por todos esses direitos dos homens. Vamos lá, tá esperando o quê? Abra logo sua mente à maturidade e torne-se um lutador pelo direito de... o quê, mesmo?

NAZGUL disse...

''No nível da generalidade, não. Mas assim como alguém pode se curar de câncer (que é uma doença grave) e em seguida morrer de gripe (que não é), também é possível alguém ser esquizofrênico (e a esquizofrenia é uma doença muito grave) e nunca machucar ninguém, e outra pessoa ter Asperger ou TOC (que são consideravelmente menos graves) e cometerem crimes sérios, levados pela doença.
''

essas doenças ne existem, psiquiatras sao agentes illuminates, eles trabalham ate em creches e ferram a pessoa desde criança, como foi meu caso

Anônimo disse...

Eu leio o tal livro se vc me responder, sem firulas, de onde surgiu esse mito que homem tem que ser pegador e que se ele se recusar a comer uma menina é pq ele é viado. E tente entender. Eu não disse que homem não sofre opressão de gênero, eu só argumentei que essa opressão é fruto do machismo. Só isso. De onde vem esse papo de que homem tem que ser forte? De que homem não pode expressar emoção? Vc é do tipo que vê um homem chorando e o chama de mulherzinha? De viado? Quem inventou esse de que o homem tem que sustentar a família? Que o homem que não é alfa é um perdedor? De onde vieram todos esses conceitos idiotas? Foi o feminismo que inventou isso? Está se sentindo oprimido? Crie um coletivo e pressione o governo para criar uma campanha desestigmatizando o exame de próstata. Para aumentar a licenca paternidade. Ajude a salvar a vida de outros homens. Só se vive uma vez.

Sara disse...

Daniel Cortes vc é um desses mascus q são melhores do q qualquer sonífero, alias com toda sinceridade não se pode dizer q vcs são totalmente inúteis, pois tem essa serventia.
Guarde suas estatísticas pra vc, pois pouco importa se vc as tirou do IVMD (Instituto as vozes me disseram) ou se são reais.
O fato é q feministas vão continuar lutando contra a desigualdade com q as mulheres são tratadas nesse mundo em todos os aspectos, e mesmo nas supostas vantagens q vc descreve, q na realidade são produtos do machismo patriarcal, q nos trata como inferiores e merecedoras de "cavalheirismos" pode pegar todas estas "vantagens" q pra vc são tão caras, escreva todas em um papel enrole-as e enfie onde vc bem aprouver e lhe dê satisfação.
Se vc é um energúmeno tal que despercebe toda a injustiça e violência q mulheres sofrem no seu dia dia, pelo menos no q me concerne vc e seus iguais não passam de vermes imundos, q não merecem nem o ar q respiram.
E mais não tente convencer alguem aqui q vc e seus comparsas são diferentes desses seus colegas de ódio que saem matando por ai, porque não são, o ódio q os une é exatamente o mesmo...

Anônimo disse...

Dá pra inverter a frase da Sara sem perder nada do sentido:

Se vc é um energúmena tal que despercebe toda a injustiça e violência q homens sofrem no seu dia dia, pelo menos no q me concerne vc e suas iguais não passam de vermes imundas, q não merecem nem o ar q respiram.

Soou misógino? Espero que não, seria uma tragédia ter de acusar a Sara de misandria...

Sara disse...

Não teria o menor problema de ser chamada de misândrica anon 19.21hs, o grande problema é que sua afirmação é totalmente FALSA, e o mundo esta ainda muito distante de tratar homens injustamente, enquanto q o inverso, é q é a perversa realidade.
Estou me lixando se vc me acha misândrica, pq sou feminista e luto com unhas e dentes para mudar essa realidade para as mulheres, e teria um enorme prazer de passar com um rolo compressor por cima de vermes machistas como vc.
Que em uma demonstração de egoismo e perversidade extrema inventam mil e uma motivações para continuarem a defender seus privilégios e seu sagrado direito de oprimir e agredir mulheres.
Com criaturas como vc não desejo diálogo nem compreensão, desejo apenas que vcs sejam extintos desse planeta, e que nem fique memória dos muitos milênios q o patriarcado dominou através da violência a terra em q vivemos.
E deixem de ser covardes pois quem esta escrevendo esse comentário sou eu, e não a Lola, q é uma mulher que tem uma paciência infinita e deixa até machistas assumidos comentarem aqui, e ainda assim vem esses rascunhos mal acabados de homens fazer ameaças, pra mim vcs fedem.

Anônimo disse...

Vivian, desculpe o tamanho do post anterior e eu posso postar os links de todas as situações que eu apontei, em algumas eu poderia utilizar comentários aqui do blog mesmo, mas não acho que você queira/tenha tempo de explorar isso...

Mas quando eu leio várias vezes aqui "se mexam, se vocês lutassem por seus direitos nós não interferiríamos", eu penso diretamente na posição das instituições feministas que se opõe diretamente à organizações de pais (NOW) e às tentativas de prevenção da violência doméstica contra homens (SPM).

E ainda acho uma baita hipocrisia que um grupo de mulheres que se dizem feministas, que provavelmente não se sujeitaria a um relacionamento abusivo onde fosse a única a executar trabalhos domésticos, não queira abrir mão da aposentadoria precoce.
Por que não querem abrir mão do privilégio?

Daniel Cortes disse...

Anonimo, como eu vou desenvolver da onde saiu isso se é algo muito, muito, complexo? Isso daria um livro inteiro, mas vamos lá: somos máquinas de sobrevivencia programadas para a preservacao de nossos genes. Um homem pode fertilizar várias mulheres ao mesmo tempo, já uma mulher nao pode ser fertilizada por vários homens ao mesmo tempo.Para o homem, é mais interessante fertilizar o maior número de mulheres possivel, porque assim ele aumenta a probalidade do seu gene ser transmitido. Já a mulher procura garantir um homem que tenha o maior potencial de sobrevivencia e reprodução, e escolhe aquele de maior valor social. O livro A Rainha Vermelha tem um explicação magnífica de como a biologia influencia, e muito ( veja, eu disse INFLUENCIA, não DETERMINA, pois tambem existe a influencia do ambiente a cultura) as relações de genero. Outro muito útil é a A Guerra do Esperma. Mas claro, alem disos, existe a questao do valor social inferior do homem, onde vemos como exemplo o cavalheirosmo,o pedir em casamento ajoelhado, etc. Isso também se demosntra nessa questao que te falei: o homem que nao é aprovado pelo sexo oposto (ou seja, nao é aceito pelas mulheres como bom reprodutor) é inválido. O homem, além de ter o papel de sempre ter que tomar a iniciativa- e ,tomando a iniciativa, ele se poe a prova da mulher, que tem o julgamente sobre ele, é ela que diz "sim" ou "nao" enquanto a ele cabe o papel de abordar- acaba tendo o seu valor reprodutor-e, junto com isso, social- colocado á mercê da mulher. Aí vem junto a questao de descartabilidade masculina e de porquê os homens terem morrido na guerra para defender a propriedade desde que o mundo é mundo. Também aconselho do documentario Misandria- Homens São Descartáveis.

Quanto à Sara, nao tenho nada a dizer. Ela nao sabe pensar por sí propria, é um robo que só sabe repetir as palavras de machismo patriarcal bla bla bla como disse me seu comentario. Totalmente condicionada, vítima de lavagem cerebral e destila ódio -imagina, desejando nossa morte- a quem alega fatos que estão fora do sistema de crença com a qual foi programada.

Daniel Cortes disse...

Anonimo das 14:42, quem tem que crescer aqui é você. Alguem que consegue dizer que a sociedade é misógina quando o oposto é que é verdade. Você nem se deu conta que eu mencionei que, como homens fazem mais hora extra que mulheres, eles estao sujeitos a voltar pra casa mais tarde que mulheres e portanto, mais sujeitos a violencia urbana. Dizer que a sociedade é misogina e oprima a mulher, é mesmo? As maiores vítimas de homícios sao homens, de acidente de trabalho sao homens, de suicidio sao homens, de abuso sexual na infancia sao homens. As mulheres vivem mais, gozam de proteção legal, todas as regras de educação/cortesia sao voltadas para a mulher, e você tem coragem de dizer que EU que tenho mentalidade de 5 anos? Saia do mar de certezas absolutas que você vive, meu(minha) caro(a). Dê o benefício da dúvida a quem alega o contrário, eu duvido que voce teha lido sequer UM livro que demonstra o contrário do que acredita, ou alguma vez na vida, colocado um ponto de interrogação nesse mar de certezas em que voce vive. O homem é um negro, um cidadao de segunda classe.Por meio da escravidão, os negros eram forçados a arriscar suas vidas em plantações para que brancos se beneficiassem economicamente enquanto os negros morriam prematuramente. Os homens eram forçados, por meio da conscrição, a arriscar suas vidas no campo de batalha para que todos os outros pudessem se beneficiar economicamente enquanto os homens morriam prematuramente. Tanto os escravos quanto os homens morreram para fazer do mundo um lugar seguro para a liberdade - liberdade de outros.

Os filhos dos escravos eram tomadas contra a vontade destes; os filhos dos homens também são tomados deles contra a vontade deles. Até hoje, dizemos à mulheres que elas têm o direito a ter filhos e dizemos aos homens que eles têm que lutar pelos filhos.

Os negros eram forçados, por meio da escravidão, aos trabalhos mais insalubres da sociedade. Os homens, por meio da socialização, são forçados aos trabalhos mais insalubres. Tanto os escravos quanto os homens costumavam constituir quase 100% das "profissões mortais". Os homens ainda constituem.

Quando os escravos desocupavam seus assentos para brancos, chamávamos aquilo de subserviência. Quando os homens desocupam seus assentos para mulheres, chamamos isso de cortesia. De forma parecida, considerávamos um símbolo de subserviência o ato dos escravos de se levantarem quando o mestre deles adentrava no ambiente; mas para os homens, levantar-se quando uma mulher chega é símbolo de boa educação.

Os negros são mais suscetíveis a não terem um lar; Os homens são mais suscetíveis do que as mulheres a não terem um lar. Os negros são mais suscetíveis a serem presos que os brancos; os homens são 20 vezes mais suscetíveis a serem presos que as mulheres. Os negros morrem 6 anos antes do que os brancos; os homens morrem 7 anos antes do que as mulheres. Os negros têm menor probabilidade de cursarem uma graduação. Os homens têm menor probabilidade de irem para a faculdade (46% a 54%) ou de se graduarem.

O Apartheid forçou os negros a trabalhar em minas de diamantes para os brancos; a sociedade espera que os homens arranjem diferentes empregos para pagar por diamantes para as mulheres. Nunca na história houve uma classe dominante que trabalhasse para obter diamantes para dar para um grupo que pudesse se esquivar ao se entitular de oprimidos (mesmo quando aceitassem os diamantes).

Há maior probabilidade de que negros sejam vonluntários na guerra do que brancos, com a esperança de ganhar dinheiro e desenvolver habilidades; há maior probabilidade de que homens sejam voluntários na guerra do que mulheres, pelos mesmos motivos. Os negros são mais suscetíveis do que os brancos a submeterem-se aos maltratos infantis do boxe e do futebol, com a esperança de conseguir dinheiro, respeito e amor; homens são mais suscetíveis do que mulheres a se sujeitarem aos maltratos infantis do boxe e do futebol, com as mesmas expectativas.

Daniel Cortes disse...

Seria difícil encontrar um único exemplo histórico em que um grupo que detenha mais de 50% dos votos tenha se esquivar ao se entitularem de vítimas. Ou um exemplo de um grupo oprimido que escolha votar mais em seus "opressores" para a liderança do que nos próprios membros. As mulheres são a única minoria que é uma maioria, o único grupo que se intitula de "oprimido" que é capaz de controlar quem é eleito para cada gabinete em praticamente todo o país. O poder não é de quem é eleito, o poder é de quem elege. Negros, irlandeses e judeus nunca detiveram mais do que 50% do poder de voto nos.

As mulheres são o único grupo "oprimido" que vem da mesma família que o "opressor"; que nasce na classe média e na classe alta tão frequentemente quanto o "opressor"; que detém mais objetos de luxo do que o "opressor"; o único grupo "oprimido" cujo "trabalho não-remunerado" permite comprar a maior parte do mercado de comésticos, de cinquenta bilhões de dólares ao ano; o único grupo "oprimido" que gasta mais em moda e roupas de marca que seus "opressores"; o único grupo "oprimido" que assiste mais à TV em qualquer faixa horária que seus "opressores".

Daniel Cortes disse...

Seja você de esquerda,de direita, crente, ateu, carnívoro, vegetariano, mascu, feminista, SEJA O MAIOR INIMIGO DE SUA FORMA DE PENSAR.

Só com uma postura cognitiva de dúvida permanente se conhece a realidade. É isso que to tentando passar aqui ao questionar vocês e as certezas absolutas das feministas. Se eu semear um mínima semente de dúvida nesse mar de certezas da Sara e dos anonimos que me atacaram, ja fiz o que deveria ter feito por aqui.

NECROMAYHEM disse...

''De onde vem esse papo de que homem tem que ser forte? De que homem não pode expressar emoção? ''

eu não creio nas leis. o homem forte e superior bota sua sobrevivencia acima das leis. é proibido portar armas? o homem forte compra armas ilegalmente. as leis muitas vezes nunca foram feitas pra proteger o homem, e sim deixa-lo submisso ao Estado, como é o caso da politica esquerdista pró-nova ordem mundial.

ao masculinista que veio comentar aqui, recomendo o livro MIGHT IS RIGHT de um neo-zelandes a qual esqueci o nome. se voce ler esse livro, deixe o vitimismo de lado, ate porque o feminismo é incentivado por bilionarios, as elites globais etc e os masculinistas naõ tem poder perto deles. deixe o vitimismo de lado, recomendo duas estrategias - 1 - isolamento social pra evitar o bullying. 2 - se sofrer o bullying, pega uma faca e acerte o pescoço do bulier. falo isso pq voce falou que te oprimiram por voce naõ ter pego uma mulher. opressão sempre vai existir, o segredo é não jogar o jogo das elites globais, a sobressocialização é o jogo das esquerdas e das elites, vá no caminho contrario, isolamento social e intolerancia em relaçaõ ao ser humano.

Sara disse...

É Daniel Cortes não adianta nada sua verborragia ínutel, ela não vai me fazer sentir melhor em relação a real situação da mulher no mundo inteiro.
A verdade é q mulheres são DESCARTADAS realmente desde q estão no útero de suas mães, ao ponto de haver uma desvantagem numérica em alguns países onde o machismo impera.
Essa é a verdade não esse lixo produzido por uma lunática em um vídeo" Feminism and the Disposable Male" que deveria ser considerado cômico se não fosse realmente trágico.
Mas que na tentativa de validar o machismo absurdo e brutal de muitos homens tem feito cócegas nos ouvidos de muitos, como vc.
A verdade Daniel são as 16 mulheres mortas todos os dias pelo machismo de seus companheiros, mulheres a quem não é dado sequer o direito de escolher com quem querem viver em um relacionamento afetivo, quanto mais serem consideradas como as mais importantes para a sociedade.
A verdade é o número incalculável de mulheres vitimas de estupro desde a mais tenra infância, até mesmo por seus pais, isso qdo não são obrigadas a se casar, como acontece muito em sociedades mais machistas.
Vc nessa sua cara de pau enorme vem aqui citar q ganhamos diamantes e q isso é um sinal inequívoco de que somos uma classe privilegiada, não sei se vc esta querendo tentar a carreira de comediante, deveria ter citado que cachorros tb são uma classe privilegiada, visto que homens e mulheres pagam para q eles sejam banhados e cuidados nos pet shops da vida.
Cachorros tb são vestidos, tem padarias só pra eles, e uma série de mimos, isso tb deveria contar como sinal de q eles são a classe realmente dominante pela sua lógica absurda.
Haaa tb tem gente q compra diamantes para seus cachorros, pronto ai não tem mais o q discordar, cachorros representam o topo da pirâmide social.
Vc quer inverter toda a lógica social para justificar seu machismo e seu direito de oprimir.

Anônimo disse...

Lola, já viu esse vídeo? Feminazi`s stole my ice cream: https://www.youtube.com/watch?v=xxXfqkl21FM
Resume bem esse pensamento babaca dos mascus....
Bjs!

Anônimo disse...

Quando os argumentos com números do ocidente não se tornam expressivos o suficiente, apela-se para o oriente...
E, a tempo, no ocidente nascem mais homens mas ainda assim a sociedade é composta majoritariamente de mulheres.

Ana Carolina Serrao disse...

Sara, adorei seus comentários e respostas aos mimizentos. É muita paciência....acho que eu não conseguiria.

Anônimo disse...

Pode falar mal do masculinismo o quanto quiser. estamos te incomodando? Otimo! Vamos incomodar o maximo que pudermos. Isso é sinal de que cada vez mais homens estao acordando pra vida e buscando o melhor pra si. Falo por mim e por muitos outros quando digo q tenho orgulho de ser mascu e vou fazer o que estiver ao meu alcance para difundir a ideologia masculinista por onde eu passar, enquanto eu estiver vivo. Beijos FOFA!

Maria disse...

Voltei neste post porque achei por acaso (não sou da área) informação deste grupo de que trabalha com varones e masculinidades... muitas pessoas, principalmente homens, falando sério sobre temas masculinos. Algum cara perdido bem que podia procurar lá ao invés das idiotices dos mascus... (site em espanhol) http://www.omlem.com.ar/index.htm

Anônimo disse...

Olá, Lola, é a primeira vez que escrevo no seu blog, o qual acho interessante.

Sou homem, 40 anos e tenho pena desses garotos que ficam lendo essas besteiras de Real, de Matrix, de Silvio Koerich e tals. É um amontoado de besteiras e recalque de incompetentes.

Antigamente, na minha adolescência, os homens lutavam para chamara a atenção das meninas jogando volei, surfando, malhando, aprendendo a tocar violão. Qualquer coisa para se tornar mais atraente ao belo sexo.

No entanto, hoje vemos um monte preguiçosos que só querem saber de videogame e facebook 24 horas por dia e acham que as "gostosas" têm a obrigação de "dar" exclusivamente para os jogadores de videogames gordinhos preguiçosos.

Não tenho filhos, nem pretendo, mas ficaria preocupado se tivesse e ele ficasse lendo essas besteiras de Real....

Abraços.

Marceleza disse...

Lola, infelizmente acredito que houve um grande equívoco em sua linha de construção. O que você pensaria se tomássemos a ideologia de alguns grupos feministas radicais e atribuíssemos a todos... Não seria justo, né !
Pois bem, o masculinismo é a luta por direitos dos homens, só isso ! Não é anti-feminismo... mesmo porque diversas bandeiras são convergentes: contra a cultura machista, licença paternidade, acompanhamento do parto e pós-parto, contra a alienação parental, e muitas outras...
Muitos grupos feministas deixaram de agregar a luta por direitos dos homens (que também são pela equidade de direitos) por assumirem seu movimento como protagonismo unicamente feminino... portanto nada mais justo do que homens buscarem se organizar enquanto classe para buscar os seus direitos... O esperado seria um amplo apoio dos grupos feministas... Muito triste ver que as reações são, na maioria das vezes, totalmente contrárias !!!