sábado, 29 de março de 2014

GUEST POST: NOVELA BATE EM MULHER DESDE CEDO

Luana tem 30 anos, está estudando pra ser juíza (fica aqui minha torcida), e se chocou com uma cena da novela Em Família, que estreou recentemente. 
Amor à Vida, novela de 2013
Luana diz que só se descobriu feminista lendo o blog. Antes, ela "achava que era feminista ao mesmo tempo que achava que 'mulher devia se valorizar'. Engraçado como é fácil reproduzir as ideias que são repetidas exaustivamente pela sociedade sem questionar".
Salve Jorge, novela de 2012
Eu não vejo novelas, aliás, nem tenho tempo pra ver TV, mas sei que a maior audiência de toda novela é quando uma personagem apanha violentamente. E toda novela tem várias cenas dessas. Geralmente, elas não servem pra denunciar ou pra combater a violência doméstica, mas pra "dar uma lição", pra gerar ibope (tanto que a mídia se refere a elas como "as melhores surras"). Ou seja, não ajudam em nada. Só atrapalham.

Novelas permeadas com estereótipos machistas não são novidade pra ninguém, mas eu queria, do fundo do meu coração, que isso mudasse! Desde que começou essa nova novela das 8, Em Família, é perceptível a quantia de clichês daquilo que há muito o feminismo combate.
No entanto, teve uma cena exibida no dia 3 de março (início da semana do Dia da Mulher, só pra constar), que me incomodou muito.
Na cena, houve uma discussão entre seus protagonistas, e que culminou num tapa. Até aí, nenhuma novidade, certo? O problema é que não foi um simples tapa, foi um tapa desferido por um homem na cara de uma mulher.
No desenrolar da cena (com uma excelente atuação, diga-se de passagem), Laerte (interpretado por Gabriel Braga Nunes) obriga Helena (Júlia Lemmertz) a ouvir o que ele tinha pra dizer, segurando-a com força (ela inclusive disse “você está me machucando”). Quando ele a soltou, trocaram ofensas, ele a chamou de vadia, e ela deu um tapa nele. Qual foi a minha surpresa (e a dela, imagino), quando ele DEVOLVEU O TAPA? 
Quando ela questionou a "coragem" dele de bater nela, ele respondeu o que tantos machistas respondem: “Acha que só você, por ser mulher, tem esse direito?”. Essa frase ficou ecoando na minha cabeça. Pensei: como assim? 
Olha, eu não acho que uma mulher tenha direito de sair por aí, estapeando os homens, mas sei que usualmente há uma visível disparidade de força física entre ambos! 
Mas não foi isso que deixou transparecer a cena. Pelo que foi mostrado, os protagonistas estavam em pé de igualdade, ou seja, o tapa que a mulher levou teve força equivalente ao tapa que ela desferiu.
Acontece que a realidade não é bem assim. E no Brasil, onde morrem 15 mulheres por dia, vítimas de violência (usualmente exercida pelo marido, companheiro ou ex), uma cena dessas é deveras arriscada, na medida que parece abonar esse tipo de comportamento contra mulheres.
Pergunto: quantos casos de violência começaram com um simples tapa? Claro que há mulheres que também batem nos parceiros -- e estão igualmente erradas. Mas o grau de violência costuma ser desproporcional.
Ok, pode ser que eu esteja exagerando, afinal foi só um tapa. Mas então eu lembro que a novela entra em praticamente todos os lares do país. Ela é assistida por grande parcela da população, inclusive pelas camadas menos favorecidas (que são as pessoas que mais sofrem com a violência).
Mulheres Apaixonadas, 2003
Acredito que não tenha sido a intenção do autor encorajar  a violência contra a mulher, até porque em outra novela, Mulheres Apaixonadas, ele fez uma campanha muito importante contra a violência contra a mulher [Nota da Lola: infelizmente, no último capítulo ele fez o público festejar uma surra que o pai dá numa mulher adulta que era estúpida com os avós]. No entanto, achei irresponsável abordar o tema dessa forma, até porque, as novelas exercem um poder muito grande sobre sua audiência e muitas pessoas pautam seus comportamentos pelo que assistem na TV.
De verdade, não gostei da circunstância da cena colocando (mais uma vez) a mulher como o “agente provocativo”. Quem assiste a novela já deve ter percebido que é uma constante a culpabilização da mulher, no entanto essa bofetada me chocou (e não vou nem comentar a incoerência de uma pessoa querer pedir perdão pra outra com uma bifa na orelha).
Eu sinceramente esperava que Helena fosse procurar a delegacia da mulher, até por conta do histórico do agressor (que quase matou uma pessoa no começo da novela),  mas ela não foi. E ninguém falou nada... ficou como uma coisa “normal”. Uma briga “normal”, de casal. 
Eu sei que novela é apenas ficção, mas no site da globo está escrito que essa novela trata sobre "fatos cotidianos". Sabe, eu não quero viver em uma sociedade onde é cotidiano a mulher ser culpada de tudo e, ainda por cima, vítima de violência.

107 comentários:

Patty Kirsche disse...

Puxa, eu também fico estarrecida com a forma como as mulheres são apresentadas em novelas. Sempre são culpadas pelas agressões que sofrem, aparecem apanhando como se fosse a coisa mais corriqueira do mundo... Isso sem contar os insultos discriminatórios que aparecem sem nenhum dilema moral. As novelas mais misóginas são as do Manoel Carlos, do Lombardi e do Carrasco.

Anônimo disse...

"O problema é que não foi um simples tapa, foi um tapa desferido por um homem na cara de uma mulher"

?????
O que seria então um "simples" tapa?

luana disse...

pq é violência contra mulher,se foi a helena que começou a briga e a agressão?

eu n achei errado,se alguém ,sendo mulher ou n acha que pode bater nos outros,tem que saber que pode apanhar tb.

tem mulher que acha q pode bater em homem o quanto for e ele tem q ficar quietinho.
parece que mulher agredindo homem é aceito pela sociedade,o cara vira até motivo de chacota.
vi uma reportagem sobre isso,uns atores fingiam estar brigando na rua,quando era o homem agredindo a mulher,algumas pessoas foram impedir,agora quando foi o contrário ninguém se meteu,deixaram o cara apanhando.

eu vi uma vizinha minha batendo no namorado no meio da rua e dava pra ver que ele estava se segurando pra n revidar,dizem q ela costuma bater nele e uma hora ele vai acabar devolvendo a agressão e ela ainda vai sair como vítima.
exatamente como a helena nesse post saiu de vítima.

Teresa Silva RJ disse...

È estratégia pra aumentar a audiência: por um barraco com gente se estapeando pro povão se divertir. Reparem: os capítulos que tem "acertos de contas" entre personagens na base da agressão física rendem mais audiência. E como essa novela tá com a audiência lá embaixo, tome pancadaria.

Anônimo disse...

Eu assisto a novela e o tapa nao me incomodou. Os dois estavam em pe de igualdade e foi a Helena quem comecou a agressao, se comportando como uma menina mimada. Alias ela eh bem isto mesmo, uma mulher que ainda se comporta como uma garota mimada. A minha critica com relacao a cena foi que o Laerte jogou a culpa dele ter quase matado o Virgilio nela, dizendo que foi por causa do ciumes e das provocacoes que ela fazia que o levaram a quase matar o amigo. Ai eu achei que o Manoel Carlos deu seu show de misoginia como geralmente acontece nas novelas dele.

Anônimo disse...

Na novela anterior foi a mesma coisa.O "mocinho" (Malvino Salvador) agredindo a personagem Glauce (leona cavalli). Um horror. É Lamentável a misoginia dessas novelas.

Maria Valéria disse...

Esse post me lembrou de uma novela antiga da qual estou vendo a reprise no canal viva : a proxima vítima (1995) - personagem Isabela , vivida por Claudia Ohana, nao valia nada como pessoa : era fingida, dissimulada, ,matou gente, mentiu etc....ate ai , tudo bem, vilãs existem !! Mas ela tambem traia o noivo e depois traiu o marido, e por isso todos na novela se referiam a ela como " piranha " e " vagabunda " ...
Quando o noivo a desmascara ( com relação a traição) , ela a esbofeteia e a chuta,ela sai rolando pela escada abaixo...quando o marido a apanha traindo com outro, a esfaqueia - sim, ele a esfaqueia !! Na época eu era menina, tinha 21 anos e achei bem merecida a " lição " que a Isabela recebeu,porém,hoje acho essas cenas fortes demais e de mau gosto,
Ela fez varias maldades,e o único castigo que recebe e ser espancada e esfaqueada pelos companheiros por ser " vagabunda .? curioso que o marido dela ja traiu as ex mulheres ( inclusive com a Isabela sendo amante ) , tinha duas famílias ao mesmo tempo, e em nenhum momento e chamado de " vagabundo" pelos outros ou apanha por isso,
O amante que Isabela arruma quando esta casada tambem nao vale nada , mas ninguém na novela o chama de " vagabundo" , ele nao apanha, o máximo que ele escuta e que ele eum " gigolô " ( a bem da verdade , ele nada mais e do que isso , um cara que e sustentando por uma mulher rica que sabe muito bem o que ele é)
Entao, o machismo está escancarado nessas situações ai mostradas na novela,
A única que nao presta e a Isabela, a única " vagabunda" que merece apanhar por trair e ela, os outros homens com quem ela se envolveu são santinhos , ne,
Lógico que ela era a vilã e que por isso merecia um " castigo" na novela, mas nao um castigo por ser " vagabunda " , por ser mulher, mas sim pelas maldades e assassinatos que cometeu, o que e bem diferente !
Eu assisti a essa novela em 95 e nao tinha esse discernimento na época, hoje tenho e acho essas cenas muito fortes e desnecesarias..gostei do restante da novela, da trama ( era novela de suspense policial, mostrou o primeiro romance homo masculino da TV, mostrou família negra de classe media pela primeira vez,,,) mas dessa parte da mulher ser espancada e esfaqueada por ser " vagabunda " disso nao gostei, como se se mulher traísse e como se isso justificasse apanhar, ne.
Beijo, Lola,

Carolina disse...

Ele começa a agressão, segurando-a com força, e quando ela dá um tapa em resposta, ele pode revidar e pe normal?
TÁ SERTO

Anna Milani disse...

Incrível como os mascus se disfarçam com nomes femininos para dar opiniões mascus, né?

Eu não acho certo mulher dar um tapa na cara do homem do nada, mas ela não deu o tapa 'por nada'. Ele xingou ela. Ele que provocou. Ela deu o tabefe e ele, muito covarde, devolveu.

Os porcos-chauvinistas dizem que se a mulher quer igualdade, então tem que ser em tudo... Afirmação idiota, tolerância zero. Todo mundo que tem o mínimo de inteligência sabe que a mulher não tem a mesma força do homem. Então sim, eu acho que essa cena foi extremamente misógina.

Claudia disse...

Ois! E a Luíza, a filha que está encantada pelo homem que quase matou o pai e primeiro grande amor da mãe, no outro disse que a mãe teria culpa se o Laerte a tivesse assassinado quando ela disse que posaria nua para o Virgílio. Cuma? Namorado, marido, não é dono do corpo da namorada, mulher.

Mas sei lá onde o Manoel Carlos quer chegar. Laerte não é propriamente bonzinho. E Luísa não sabe nada da vida.

Joane Farias Nogueira disse...

Nem vamos lembrar que ele chamou ela de vadia,né? Nem vamos dizer que quem começou a agressão nesse sentido foi ele? E o que me espanta aqui são os argumentos : "se mulher bate, tem que saber que vai apanhar também". Mulher vai apanhar batendo ou não.

Ana disse...

Sabe o que eu acho interessante

Quando é pra mulher ser bombeira, militar, etc, chove gente pra dizer que "as mulheres são biologicamente mais frágeis! Mulheres não são tão fortes quanto homens! Mulher não pode lutar! Mulher não pode ir pra guerra! Mulher não tem força pra salvar os outros soldados!". Qualquer que seja a função ~masculina~ que exija força, aparece gente pra dizer que mulher não pode, porque é mais frágil não interessa o quanto malhe.

Aí quando dá uma briga, supresa! Chove gente pra dizer não tem diferença entre o tapa de uma mulher e o tapa de um homem! Ué, mas a gente não era mais fraca? Não era um ~crime contra a biologia~ sugerir que mulher e homem podem ter a mesma força? Cadê esse povo agora?

---------

Engraçado que o tal do Laerte segurou ela à força e chamou ela de vadia, e as pessoas acham que ela ~se aproveitou de ser mulher~ pra bater nele. Só porque ele machucou e xingou ela, ela se atreveu a dar um tapa nele! Que louca né!

Eu não acho que se deve bater. Em ninguém. Qualquer que seja o seu gênero. Eu acho, sim, que Helena estava errada. Mas não foi uma agressão gratuita, e não foi uma agressão ~às custas de ser mulher~, como sugeriu a novela.

"Acha que só você, por ser mulher, tem esse direito?" - E o Larte? O que dá o direito a ele de segurar alguém à força? O que dá direito a ele de chamar uma mulher de vadia e achar que vai sair ileso? "Vadia" não é qualquer xingamento, "vadia" é um xingamento exclusivo para mulheres. Ele faz tudo isso e ele acha absurdo a mulher revidar? Me desculpa mas quem agrediu e esperou sair impune não foi a Helena. Foi o Laerte.

Porque o Laerte não experimenta pegar um cara pelo braço e xingar o cara? Aí ele pode tirar a prova dos 9 pra ver se a Helena deu um tapa ~porque é mulher~ ou se ele que é um babaca.

E tem mais, dar um tapa na cara de uma pessoa que é mais fraca que você NÃO é retruibuição nem ~igualdade~. Não venham me dizer que a Lemmertz bate com a mesma força que o Nunes, que já é má fé. Mulher PODE ser tão forte quanto homem, mas ESSA mulher não é tão forte quanto ESSE homem. Vocês vão ter que suar pra me dizer que a Lemmertz bate com a força do Nunes. Mostrar o Laerte batendo na Helena, depois de tê-la segurado e ofendido, e chamar isso de 'igualdade' é risível, pra não dizer trágico.

---

Eu não gostava da proposta dessa novela desde que as propagandas foram ao ar. Era um tal de "Larte é muito ciumento, mas tambem né, essa Helena só provoca...".

"Tudo bem que o Larte é ciumento, estourado, possessivo, violento. Ok. Mas se pelo menos a Helena se comportasse, não seria tão ruim!"

"Tudo bem que o Larte quase matou uma pessoa, mas a Helena não devia ter dado motivo pra ciúme!"

Eu soube desde o início que não ia ser uma novela boa. E pra ter uma idéia do quão ruim é, nem minha mãe, que deixa a tv ligada na droga do BBB, deixa na novela.

maristela disse...

Lembro quando assisti a um capítulo da novela Vidas Opostas - da Record. Fiquei chocada, pois o delegado ( Marcelo Serrado) estuprava Erínia - Lavínia W. Na época pensava se ninguém falaria nada nos jornais, e por isso procurei durante uns dias...Hj penso: será que ninguém assistiu? A cena era de uma violência indescritível...

Raven~ disse...

Luana eu fui bem paciente com vc outro dia (coisa não sou), mas dessa vez: vai tomar no cu!


E essa "reportagem" que vc viu foi a paródia do Pânico ao quadro do Zeca Camargo no Fantástico. Pelamor... Pessoa sem um pingo de empatia.


No mais, obviamente ninguém defende mulher batendo em ninguém: homem, criança, outra mulher. Só que eu não sou o Anderson Silva nem meu namorado é a Barbie. Se ele me bater claro que vai doer mais.

Talita disse...

Sabe o que me assusta mais do que essa cena que é "super normal"? É ver que o personagem que na primeira fase era um psicopata-ciumento-possessivo era SUPER defendido pelo público, inclusive por MUITAS mulheres, meninas, que achavam ele não deixar a menina nem respirar em paz uma linda prova de amor...

Jacque Cética disse...

Desde aquela novela em que a mulher (por ter traído o marido com o melhor "amigo" dele)fica louca,vira mendiga, é internada doente e morre (não sem antes pedir perdão ao ex e ao "amigo" dele)não espero mais nada vindo desses autores escrotos/machistas/misóginos.

luana disse...

" A minha critica com relacao a cena foi que o Laerte jogou a culpa dele ter quase matado o Virgilio nela, dizendo que foi por causa do ciumes e das provocacoes que ela fazia que o levaram a quase matar o amigo."

indiretamente ela teve culpa sim,n dá agressão em si mas da raiva que ele sentia pelo virgilio.
desde cedo o laerte já demonstrava ser doido,possessivo e ciumento,parecia q ela apesar de reclamar disso, gostava do ciúme,teve até uma cena em que ele disse que mataria por ela e ela adorou.
e n perdia uma oportunidade de infernizar o cara,dizendo que os outros garotos tinham que olhar para ela mesmo,que teve vontade de beijar o virgilio,que se ele quisesse posaria nua para ele.

os dois são bem desequilibrados.

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Pois é. O galã da novela, o príncipe, quase matou alguém no princípio da novela, usa de força pra obrigar uma mulher a ouví-lo. O possível ganhador lá do BBB, visto como um príncipe de olhos verdes, é um cara violento, que além de aproveitar de uma participante bêbada, ainda usa de gritos e provocações pra intimidar as mulheres que estão lá com ele.
Pois é, as coisas vão mal.

Anônimo disse...

Isso ai n tem cabimento,ela agrediu o Laerte primeiro e ele que tem q ser denunciado?
Teve uma cena que foi violência contra mulher mesmo,em que a tia da Helena brigava com o marido mas não tinha batido nele ,só discutindo e ele ficou apertando o pescoço dela.

Mas eu já parei de ver essa novela porque é ruim demais,a Helena é insuportável,fica dando piti só de falar do Laerte sendo que ela é tão doida quanto ele e teve uma parcela de culpa pelo que aconteceu,porque adorava alimentar o ciúme doentio dele contra o Virgílio.

O casal lésbico que eu pensei que seria bom,é uma merda,a Marina praticamente obrigou a Clara a ficar amiguinha dela,voando pra cima igual um urubu,não passa emoção nenhuma.E pelo jeito vai ter traição,eu pensei que ela se separaria antes de ficar com a mulher.Aliás a globo adora incentivar a traição, a Helena várias vezes deu força para Clara trair o marido e depois com a maior cara de pau,fica dando conselhos a ele de como melhorar o casamento.

Sem falar do absurdo das idades incompatíveis,onde que aquela atriz(esqueci o nome) pode ser mãe da Helena? Parecem ter a mesma idade,o mesmo acontece com mãe do Laerte.
A tia que antes parecia mais velha,agora tá mais nova que a Helena.

Anônimo disse...

"O problema é que não foi um simples tapa, foi um tapa desferido por um homem na cara de uma mulher"

ou seja a mulher pode bater num homem mas se a mulher apanhar ,ai é errado e o cara é um monstro.

Anônimo disse...

Entre duas pessoas, sempre irá haver alguma disparidade de força, mesmo se forem dois homens ou duas mulheres, porque não há duas pessoas exatamente iguais. Além disso, vocês feministas falam que as mulheres podem fazer tudo que os homens fazem, agora vêm com essa história de disparidade? Não eram vocês que diziam que travestis deveriam ter permissão para competir com mulheres em esportes? Cadê a disparidade física nessas horas?

Não apoio nenhum tipo de violência, mas devo dizer que a mulher está tão errada quanto o cara, e talvez mais, porque bateu primeiro.

É por causa dessa mentalidade hipócrita de vocês que homens recebem penas mais longas que mulheres pelos mesmos crimes. A sua "luta pela igualdade" não envolve um tratamento igual pelo sistema judiciário, suponho.

L. G. Alves disse...


"Geralmente, elas não servem pra denunciar ou pra combater a violência doméstica, mas pra "dar uma lição", pra gerar ibope (tanto que a mídia se refere a elas como "as melhores surras"). Ou seja, não ajudam em nada. " Lembro de uma novela do Maneco que uma personagem apanhava do marido.
Ele era uma pessoa ciumenta e possessiva demais. O tipo controlador e descontrolado que persegue, faz ameças, chantagens e até estupra. E lembro que houve companha contra violência e as denúncias até aumentaram. A ficção acaba expondo os padrões de comportamentos na nossa sociedade.
Também faz uma critica em cima disso, no texto, ou será que em todas as novelas a violência é aplaudida e incentivada dentro e fora da trama? Talvez seja melhor ver series gringas como Game of Thrones, hehe

Zé do Caroço disse...

Eu acho que você está exagerando um pouco, Lola. Também concordo no mau gosto da cena e que seria muito mais educativo se a personagem tivesse registrado ocorrência, mas a novela deve gozar de liberdade criativa. Acho que se houvesse mais investimento em educação, teatro, as novelas teriam menor importância sobre os temas que veiculam, e as pessoas teriam mais crítica quanto ao conteúdo que assistem.

Anônimo disse...

Logicamente sou crítico a todo tipo de clichê suspeito das novelas, porém não gosto desse tipo de afirmação:

"Olha, eu não acho que uma mulher tenha direito de sair por aí, estapeando os homens, mas sei que usualmente há uma visível disparidade de força física entre ambos!"

OK, discordo de qualquer agressão, mas essa afirmação INFERIORIZA a mulher. Suponho que a maioria dos homens seja fisicamente mais forte, porém conheço muita mulher que bota homem pra correr, algumas de modo até injusto (mas isso não vem ao caso). Na verdade, incomoda-me muito mais o clichê da mulher nervosa sempre dar primeiro um tapa no rosto do homem do que o eventual revide. A mulher, pelo visto, não sabe discutir racionalmente em novelas.

Homem não tem que bater em mulher, e nem mulher bater em homem. Do jeito que está, parece que o homem tem o dever de apanhar quieto.

Caroline disse...

Também fiquei muito chocada com essa cena. Foi extremamente tensa e violenta. A fala do Gabriel Nunes, de que só porque ela era mulher tinha esse direito foi revoltante. Mas eu precisava fazer uma ressalva sobre essa novela. Estava inclusive para mandar um email para você, Lola. Dentro de toda essa tensão na novela, desse retrocesso em relação a violência contra as mulheres (estupro coletivo, violencia fisica, naturalização da maternidade) eu tenho analisado a personagem da Tainá Muller, Marina, que é uma mulher lésbica que se apaixona pela Clara, personagem da Giovana Antonelli. Falando resumiadamente, a Clara é o estereótipo de dona-de-casa com a familia perfeita, um marido extremamente egocêntrico. Ela nao tem uma individualidade, vive pela familia, para os outros, etc, etc, tudo o que a gente já sabe. Mãs, depois que ela conhece a Marina, tudo isso muda. Ela se descobre uma outra pessoa, tem mudado seu comportamento com o marido (respondendo algumas coisas que ele fala, chamando de machista, etc). Enfim, eu tenho sentido um empoderamento muito grande da personagem e uma força bem grande. Tem muito de sororidade nessa relação e eu tenho achado muito interessante. Em algumas cenas, a própria Julia Lemmertz aparece discutindo esses sentimentos que a Clara sente pela Marina (que ela ainda n consegue explicar o que são) de uma forma bem avançada, sem moralismo. Enfim, não to defendendo essa novela nem nada, acho que esse nucleo por si não salva, mas eu sinto que traz uma nova forma de representação das mulheres. E, pelo que eu ando vendo, tem tido muito mais visibilidade que esse núcleo dos protagonistas.

L. G. Alves disse...

Ah, esqueci de dizer outra coisa. Um "tapa na cara", para mim, é algo muito forte. Sei como fere não apenas o rosto, mas também atinge a personalidade, a pessoa como um todo. Mulher, homem, o que for. Se bater na minha cara, vai levar. Eu podendo devolver, devolvo. E se fosse homem também faria o mesmo.

Ana disse...

@Laurinha (Mulher modernex)

"Pois é. O galã da novela, o príncipe, quase matou alguém no princípio da novela, usa de força pra obrigar uma mulher a ouví-lo. O possível ganhador lá do BBB, visto como um príncipe de olhos verdes, é um cara violento, que além de aproveitar de uma participante bêbada, ainda usa de gritos e provocações pra intimidar as mulheres que estão lá com ele.
Pois é, as coisas vão mal."

Mas quando sai a pesquisa do IPEA... "Tendenciosa! Mentirosa! Não é assim! O Brasil não é machista!"

Dani disse...

Mas essa novela já começou toda errada!! O que foi aquela primeira fase, onde o "mocinho" já demonstrava desde cedo ter o perfil de um abusador e controlador, achava que mandava na namorada e isso tudo era passado como prova de amor, com direito a pacto de sangue... pra culminar enterrou o melhor amigo vivo por ciúmes e vários personagens na trama até hoje colocam a culpa na Helena!
E com relação ao tapa dessa cena: ah, tá bom, um cara me segura com força mesmo eu pedindo pra ele parar, me chama de VADIA (aliás, como esse xingamento é comum nas novelas né..) e se eu revido com um tapa, eu que sou louca?? e o cara ainda se acha no direito de me dar um tapa de volta!!

luana disse...

nem lembro de vc raven,mas te desejo o mesmo.
eu n vi isso no panico,querida,alias faz tempo que eu vi.
claro que se um homem me bater vai doer mais,mas do jeito que é falado aqui ,parece que isso é uma desculpa para mulher poder agredir qualquer um e ficar por isso mesmo,pq o outro é mais forte.
se eu n quero que ninguém me bata,eu n bato em ninguém,se quero respeito,respeito os outros,bem simples.

engraçado é ver gente comentando a novela sem ver,a helena sempre agride o laerte,antes mesmo deles se estapearem.
ele voltou ao brasil,tentou se reaproximar ,perdir perdão e ela só humilha o cara.
irrita muito como sempre a mulher tem que sair de vítima,incapaz,que n sabe de nada.

ela errou assim como o laerte,o cara é doente e ela alimentava a doença dele e ainda adorava as ceninhas de ciúmes.

Cyberia disse...

Não sei pq tão discutindo isso como se fosse 1 tapa contra 1 tapa e só. Eu não vejo a novela, mas analisando a cena isoladamente, foi -> ele: uso de força para imobilização e intimidação + xingamentos + tapa contra ela: tapa.

Independente do sexo dos envolvidos, o desequilibrio está óbvio. Não foi "toma lá dá cá" de jeito nenhum ea frase do personagem agressor simplesmente não faz sentido no contexto.

Anna Milani disse...

'Além disso, vocês feministas falam que as mulheres podem fazer tudo que os homens fazem, agora vêm com essa história de disparidade? É por causa dessa mentalidade hipócrita de vocês que homens recebem penas mais longas que mulheres pelos mesmos crimes. A sua "luta pela igualdade" não envolve um tratamento igual pelo sistema judiciário, suponho.'

Mascu anônimo... Por que não estou surpresa?

Mulheres PODEM fazer tudo que homens fazem. Agora, não é nossa culpa se a natureza fez mulher mais vulnerável que homem. Digo isso de algumas, porque, tem mulher que como eu, na luta contra um homem, dá uma sova daquelas nele, como eu fiz uma vez com um pervertido. Tem mulher que se sai numa boa contra um homem.

Agora, é importante lembrar que não são todas. E isso não faz delas merecedoras da desigualdade, de alguma coisa que não podem mudar e nem precisam, já que a força, nesses dias, é usada em ocasiões ruins. Tem homem que pensa que força é tudo, né... Pois eu digo que tem outras qualidades importantes, MAIORES do que força. E é pra isso que serve treinamento de artes marciais.

A hipocrisia dos machistas é cômica. Como uma comentarista disse, os homens dizem que mulher é frágil para coisas consideradas masculinas, mas agora nesses casos, a mulher é tão forte como ele, né? Mulher que geralmente luta e usa a força, são... Mulheres com força, ora! REPETINDO, pra ficar na mente: NÃO. SÃO. TODAS.

Não é questão de 'heeuhheueheuheu, óiai taah vendu? mulheris só si preucupam cum igualdade quanduu convem'. É?

Vai tentar lutar contra um animal selvagem, contra um jacaré ou um felino das florestas, pra ver se você ganha, vai. OU MELHOR! Contra um Anderson Silva, que tal? Você sai de lá mais amassado que pastel. Aí a gente discute.

Anônimo disse...

"e não vou nem comentar a incoerência de uma pessoa querer pedir perdão pra outra com uma bifa na orelha"

Ué, mas não foi Jesus que disse que a gente deve dar a outra face? Você está sendo anti-Cristã.

Anna Clara disse...

Nunca gostei de novelas!!!

Elas são muito doutrinarias, e geralmente só para coisas ruins, eu que não entro nessa bad vibe.

Vejo pela minha mãe que diz coisas horríveis quando vê essas cenas assim.

Não vejo como uma mulher terá uma "vantagem" ao agredir um homem, vai esperar que ele não reaja? Impossível, nunca vi como vantagem vc ter que partir pra violência, sabendo que vai receber mais violência em troca.

Quem fala que mulher se aproveita disso de alguma forma é muito sem noção

Anônimo disse...

"Agora, é importante lembrar que não são todas.(...)NÃO. SÃO. TODAS"

Céus, você é obtusa ou finge ser? Eu em nenhum momento disse que mulheres fracas merecem apanhar, ou que todas as mulheres são capazes de se defender contra um homem. Se você tivesse a mínima capacidade de interpretação, perceberia que o que eu critiquei foi o fato de uma mulher dar tapa em um homem ser visto como melhor do que o contrário. Eu não tolero NENHUM dos dois.

E se for esse negócio de "não vale para todas", também poderia-se dizer que "não vale para todos". Um homem velho, jovem demais, doente ou muitas outras condições provavelmente levaria uma surra de uma mulher adulta normal. Onde é que já se viu uma generalização que preste?

Agora, responda: porque homens têm penas piores pelos mesmos tipos de crimes cometidos por mulheres?

Eli disse...

Eu acho bastante interessante q sempre q alguém reclama de alguém ser mimado a pessoa mimada em questão é sempre uma mulher. Deve ser porque se espera das mulheres que elas sejam objetos sem voz, então qndo uma delas abre a boca pra reclamar logo taxam de mimada. Só q tbm taxam "mulheres-objeto" de mimadas. É engraçado ver isso pq a maioria das pessoas q n sabem lavar um prato, q vivem embaixo da saia da mamãe são homens, mas claro, somos nós mulheres q somos mimadas.

Anônimo disse...

@Anna Clara

Não sou mascu, só avisando, apenas vim responder a colega.
Em alguns casos, a mulher pode usar da mentalidade de que homem que é homem não bate em mulher para agredir.
Já aconteceu comigo uma vez, e eu empurrei a pessoa e avisei que se ela tocasse em mim novamente eu bateria nela, e penso que agi corretamente, se fosse um homem faria do mesmo jeito, só agrediria alguém em caso de defesa pessoal.
E antes que falem, eu sei que GERALMENTE as mulheres são mais fracas, mas sentir dor independe da força da pessoa.

Anna Milani disse...

Dá pra citar os casos que se refere? E mais, isso é uma besteira sem tamanho. Quantos caras não têm pena reduzida por matar/violentar e fazer o diabo à quatro com a mulher? Ter penas 'melhores' não é uma coisa exclusivamente feminina.

Ah, sim... E se quer discutir sobre desigualdade... responda por quê o salário entre os dois sexos não é igualitário. Porquê que mulher recebe menos?

Em nenhum momento eu afirmei que você apoia que 'fracas merecem apanhar', anon. Você é obtuso ou finge ser?

Anônimo disse...

"Agora, responda: porque homens têm penas piores pelos mesmos tipos de crimes cometidos por mulheres?"


Deve ser pq homens geralmente cometem estes mesmos crimes só que com um pingo a mais de maldade.

Anônimo disse...

Disse tudo.

Ana disse...

@19:55
"Agora, responda: porque homens têm penas piores pelos mesmos tipos de crimes cometidos por mulheres?"

Nunca ouvi falar nisso. Que interessante.

Escuta, eu fiz uma pesquisa rápida e não achei boas referências, me passa uma referência pra eu ler sobre o assunto?

Obrigada.

Ana disse...

@Anna Milani

"Tem mulher que se sai numa boa contra um homem.

Agora, é importante lembrar que não são todas."

Agora que eu penso... sempre me achei forte, porque nunca fui pequeninha, mignon - não sou um horror de alta, mas nunca fui baixinha, sou grande, destrambelhada, com uma força que geralmente uso demais.

Então sempre me achei ~forte~. Jurava que podia sair no mano a mano a qualquer hora.

Aí, quando comecei a namorar foi um choque, porque de vez em quando a gente brincava de se engalfinhar - essas coisas bobas, lutinhas de faz de conta, tudo brincadeira - e eu descobri que meu namorado segura meus dois braços imóveis usando só uma das mãos.

Tipo, ele segura com uma mão só os meus dois pulsos. E eu posso puxar, tentar soltar, bater, o escambau - eu não consigo me soltar. Nem que eu tente com muito afinco, com intenção de machucar se preciso - simplesmente não tem competição. E ele nem faz muito esforço.

Tudo bem que eu, apesar de grande, nunca fiz investimento nenhum em ter força - nunca malhei pra ficar forte, etc. Mas, meu namorado também não. E ele não é grande - pra um cara, ele é relativamente pequeno. Não é alto, não malha, não pratica esportes, nada.

Desde que me dei conta disso ando relativamente preocupada com o que vou fazer no dia em que precisar me defender...

Anna Clara disse...

Anon 20:11

Eu não acho que a mentalidade ou a crença de que "homem de verdade não reage, não revida" sirva pra alguma coisa.

Pq nunca ouvi uma história de alguém que pensa assim terminar feliz.


Acho que geralmente homens são mais fortes sim, e pelo que escuto e já vi, homens quando estão brigando fisicamente com mulheres se preocupam muito em "vencer" a briga, perder na porrada pra uma mulher é meio humilhante para (estarei exagerando?) os homens, acho que em situações de confronto o machismo de cada um aflora.

Beatriz Correa disse...

A Helena da novela falando AGORA da pesquisa do IPEA divulgada essa semana, falando o quão machista a sociedade é, como o resultado era ridículo...

Meio que pra se redimir do tapa (que, btw, foi reprisado nesse msm capítulo) ?

Anônimo disse...

@Ana
Geralmente homem tem uns 30 por cento de massa muscular a mais que uma mulher do mesmo porte, essa diferença pode ser decisiva numa luta, porém qualquer indivíduos tem partes frágeis no corpo, porém para ter uma eficiência legal você tem que treinar, sugiro aulas de defesa pessoal, krav maga é interessante.

Só ilustrando, minha namorada treina a vários anos e agente também tem essas brincadeiras(eu adoro), e eu ainda consigo, com um pouco de dificuldade, segurar ela, mas se ela realmente quisesse me machucar, provavelmente não ia conseguir segurar ela

JOn

Anônimo disse...

Justamente por acreditar na IGUALDADE entre gêneros acho que o tapa foi sim bem merecido... (Só para deixar claro não sou um mascu disfarçado) Desde os 15 anos faço algum tipo de luta: Jiu Jitsu, Muay Thai, MMA, boxe, entre outras e sempre treinei com homens, gostava quando depois do "cuidado" inicial me tratavam como igual. Me sentia parte do grupo, alguém tão forte quanto, todos os roxos no corpo, os cortes na cara eram IGUAIS aos dos meus colegas.
Sou feminista, meu PAI criou uma feminista: "homens e mulheres são iguais. Se um homem te bater, revide. Sua roupa é você quem escolhe, eu gostando ou não, e NINGUÉM tem o direito de fazer qualquer coisa. Sexo é bom e é 80% de uma relação, para homens e mulheres."
Eu não vou me esconder atrás de uma justificativa biológica para falar que foi um absurdo a devolução do tapa na cara que, pra mim, é a maior prova de desrespeito que se pode demostrar a outro ser humano.

Anônimo disse...

@Anna Clara

"homem de verdade não bate em mulher" provavelmente é um pensamento simplista para evitar que um machista que ache errado bater na mulher, questione seus valores machistas.

Porém acho sim um exagero em dizer que se revoltar contra uma agressão feminina é necessariamente algo machista, ninguém gosta de apanhar, principalmente injustamente. Perder para uma mulher é humilhante? a questão não deveria ser essa, se alguém me agride, não tem perder ou ganhar, isso não é ufc, o que existe é justo e injusto

anônimo 20:11

Julia disse...

Tadinho do Laerte, né luana? A Helena não dá um refresco pro bichinho.. Que dó. Que dó.

"parece que isso é uma desculpa para mulher poder agredir qualquer um e ficar por isso mesmo,pq o outro é mais forte."

Em que mundo vc vive, minha filha? Porque eu vivo num mundo em que HOMENS agridem mulheres constantemente pq sabem que a maioria não tem condição de revidar. Inclusive desconhecidas. Deixa de ser sonsa. Ou sonsO, né?

Edson disse...

Homem não deve bater em mulher e vice-versa.
Mas me lembrei de um caso que aconteceu comigo quando eu tinha 14 anos: Uma garota jogou uma bolinha de papel na minha cabeça dentro da sala de aula, aí eu perguntei do meu amigo, quem tinha jogado e ele disse o nome da menina. A garota disse:"irá se ver comigo", quem jogasse a bolinha de papel nela. Então, eu peguei e joguei na dita cuja. E ela se levantou da cadeira e veio pra cima de mim, pra me bater. Eu segurei os dois braços dela, mas ela conseguiu se soltar e me deu um ou dois tapas. Eu fiquei com tanta raiva e tive vontade de revidar, mas aí pensei que eu levaria punição e ainda seria acusado de bater numa garota "inocente". Se eu tivesse estapeado aquela encrenqueira, acho que não me arrependeria. Acredito que ela só fez isso comigo pq eu era o garoto tímido, gay e desajeitado. Odeio esse tipo de pessoa que ataca o outro só por ser vulnerável. Desculpas mas acho que encrenqueiros merecem apanhar sim.

Obs: Não estou dizendo que a Helena da novela é uma encrenqueira que merece apanhar.

Anônimo disse...

"Agora, responda: porque homens têm penas piores pelos mesmos tipos de crimes cometidos por mulheres?"

Trabalho na área jurídica e desconheço completamente essa estatística.

Agora, todos sabem que aplicação de penas em crimes não é um sistema puramente matemático, Há de se considerar as circunstâncias do crime, o nº de pessoas envolvidas, a forma que foi cometido, etc., no momento de aplicar a pena entre o mínimo e máximo legal definidos para cada crime.

Normalmente crimes com violência ou mediante maior sofrimento para a vítima tem penas maiores, e o que já li em muitos lugares é que mulheres geralmente cometem crimes menos violentos. Até mesmo em casos de "serial killers", é mais comum mulheres cometerem homicídio através de veneno, por exemplo, do que por espancamento, e essas circunstâncias são levadas em consideração na hora de se aplicar a pena.

Mas já que estamos falando de crimes, pq homens durante tantos anos (e ainda hoje, em casos mais isolados) conseguem penas reduzidas, ou até mesmo absolvição (!) em casos de homicídio em que alegam a "legítima defesa da honra"? Como se isso justificasse a morte de outro ser humano... Uma exclusividade masculina (nunca soube de nenhuma mulher absolvida ou com pena reduzida em razão de ter matado o marido que a traia, por "legítima defesa da honra feminina"...). Ou dessa parte vc não ao falar dos grandes privilégios femininos nos tribunais?

Marina P disse...

Eu não vejo a novela, mas até onde eu sei, o tal Laerte tem um ciúme que beira o patológico e quase matou uma pessoa. Não seria o tapa que ele deu uma expressão da personalidade violenta, ciumenta, machista, etc? Nesse caso o tapa seria condizente com o histórico violento do personagem. Faz sentido isso ou estou falando algo nada a ver? Lembrem que não vejo a novela!

Anna Clara disse...

Eu não falei que apanhar de mulher é humilhante, eu falei que homens machistas acham isso humilhante, e talvez por isso, quando brigam com uma mulher, usem até de mais força.

Ana Sousa disse...

Oi, Lola, de novo! Triste saber que em pleno sec.21, ainda exista tanta gente machista.

Se o Manoel Carlos quisesse ter escrito Helena como uma Lolita, uma Anita, teria o feito, mas não o fez por algum motivo, acho.

Ao contrário do que falam Helena não adorava fazer ciúmes ao Laerte. Ela ficava era completamente revoltada com as crises de ciúme do namorado, e o confrontava com frases querendo dizer que ele não era dono do corpo dela.

Helena jovem, era frontal, direta, nem andava de namorico com outro homem. E vezes ela assegurou ao Laerte que não amava o Virgílio como o amava à ele, que não sentia qqlr atracção física pelo amigo, inclusive antes da tragédia.

Tragédia essa que teve início porque o Laerte transou com uma prostituta, o que deixou o Virgílio revoltado, pensando em contar para Helena, e em consequência, Laerte ficou apavorado e começou ameaçando distorcer toda a história e colocar a Helena contra o Virgílio. Ele traiu a namorada na véspera do casamento!

E a tragédia não se limitou a briga. Laerte foi frio, calculista, limpou o lugar do crime, mentiu para passar por um polícia, enterrou o amigo que viu crescer, voltou para casa como nada tive acontecido. Ainda mentiu na cara da mãe e da irmã do Virgílio, as duas desesperadas. Deixou toda a cidade procurando, a namorada também preocupada. E mesmo assim foi casar (quando a polícia chegou na igreja, o culpando, o pai da Helena não aguentou e enfartou).

Agora, o psicopata do Laerte chega vinte anos depois; não teve de enterrar o pai, nem ajudar a criar irmãos mais jovens, nem perdeu o bebê que carregava; supostamente querendo perdão, como Helena não o perdoa, no segundo seguinte vira o jogo. A agarra com força, machuca, diz que ela foi a grande causadora de tudo, que era uma biscate que adorava provocar... e como ela lhe estapeia porque ele só está a ferindo por dentro e fora, responde com outro tapa. Mas a dira misoginia nem está no tapa em si, mas em achar que na situação toda ela é que A errada, ou que ela tem algum tipo de culpa.

Quem ama confia! Homem que acha que a mulher não será fiel, não vai matar o rival e se casar com ela horas depois. Não se casa, se afasta, simples. Mas para Laerte, Helena era propriedade dele. saber que ela nunca o trairia, até pacto de sangue ela fez, não era o suficiente.

Quem acha que Helena teve culpa nos atos macabros do Laerte precisa de uma lavagem cerebral urgente.

Mas como comentaram antes, por outro lado, em oposto, existem as personagens Clara e Marina, e até a louca Juliana, que defendem a emancipação feminina.

Ana Sousa disse...

Marina P, faz sentido! O que acontece é que muita gente acredita que ele 100% normal, e que só fez tanto mal porque a namorada provocava. Mas dos dois, o único que traiu alguém foi ele. Mas homem pode!

Ainda hoje, está a viver com uma, beijou a mãe do filho, persegue a filha da Helena, e ainda come a Helena com os olhos. Se ele fosse, mulher, e a namorada dele homem, teria motivo para enterrar todo mundo.

Náy disse...

Nossa!!!Pensei que eu fosse a única pessoa a ter achado esse cena um absurdo!Detesto o personagem por ser machista, possessivo e violento e fico impressionado com o fato de ele ser retratado como mocinho na trama.A filha da protagonista, uma garota super mente aberta até defende os atos dele.Como assim, Manoel Carlos?Já detestei essa novela por ela retratar a cidade onde moro de forma debochada, cheia de estereótipos, e deixei de assistí-la de vez depois de ver quaL o caráter do mocinho da trama.

luana disse...

julia

minha filha,eu n estou falando de homens que agridem mulheres por nada.
e sim daqueles que revidam uma agressão da mulher,é vc esta se fazendo de sonsa ou sonso.

vanessa disse...

como a helena n tem uma parcela de culpa pelo ocorrido entre o laerte e o virgilio? só sendo cego para n perceber isso.

eu vejo a novela desde o começo,eles começaram a namorar ainda quando eram crianças,foram crescendo e ele se mostrando cada vez mais doido e possessivo,arrastando ela por ai como se fosse a propriedade dele,a família dela e os amigos deram conselhos a helena pra largar ele,pq um dia poderia dar merda,quando ela n ignorava quem falasse isso,ela dava foras.
em uma cena,ele invade a escola e tenta levar ela,a professora diz para que ele sair,acho q chamou seguranças,n lembro bem,e a helena dá um fora na professora,dizendo pra ela n se meter ,que ela é que escolhe quem quer namorar(ótima escolha).

ela gostava de ver o cara tendo ataques de ciúmes,todo descontrolado.

ai para aumentar seus joguinhos,ela pegou o virgilio para ser o fantoche dela,ficava de abraços e beijinhos com ele na frente do laerte,dizia que os dois eram seus amores,tava morrendo de vontade de beijar ele,posar nua para ele, dando a entender que tinha traido ou que ia trair.
e isso tudo com ela sabendo que o virgilio gostava dela.
ai quando o laerte ficava revoltado e tinha mais um ataque de ciúmes com tanta merda que ela falava,ela dizia que o cara era louco e estava imaginando coisas!?

muita manipulação,tem que ser muito hipócrita para dizer que esse comportamento dela era normal e que n influenciou em nada.
graças a isso toda a loucura dele foi direcionada para o virgilio,ele sim é a vítima nessa história.

sem falar de outra cena tosca,os dois transam sem camisinha,ela engravida e começa a dizer que foi obrigada a transar com ele,que ele armou tudo????!! como se ela n tivesse aceitado a transa.
de vítima ,inocente,a helena n tem nada.

Samantha disse...

Não vou me ater nesta novela, mas na surra que a Doris leva em Mulheres Apaixonadas.

Eu havia me esquecido o quanto essa surra que a Doris toma do pai em Mulheres Apaixonadas era assustadora.

E hoje, 12 anos depois, acho-a mais aterrorizante que achei na época. Um pai usando de sua força física para humilhar e bater na filha.

Dóris, na novela, era uma menina egoísta que maltratava os avós porque queria um quarto só para ela e tanto fez que os velhinhos preferiram ir viver no asilo do que continuar vivendo lá. Isso justifica a surra que ela tomou e a humilhação em público? Não.

Se não me engano, Dóris se torna outra pessoa depois deste evento e todos, claro, associam: uma mulher má apenas precisa de uma boa surra para se redimir de seus pecados e se tornar uma boa menina. Funcionou com a Doris, funcionará com o resto do mundo.

Ou seja, o autor ao mesmo tempo que criticou a violência doméstica contra a esposa, validou as "palmadas educativas" entre pais e filhos.

Tá serto. SQN.

Anônimo disse...

"Em nenhum momento eu afirmei que você apoia que 'fracas merecem apanhar', anon. Você é obtuso ou finge ser?"

Parece que você é incapaz de ler o que você mesma publica...

"Agora, não é nossa culpa se a natureza fez mulher mais vulnerável que homem (...) E isso não faz delas merecedoras da desigualdade, de alguma coisa que não podem mudar e nem precisam, já que a força, nesses dias, é usada em ocasiões ruins."

Acho que está bem claro o que você implicou. Sem mais.

De qualquer forma, sobre as penas, visite esse link: http://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=2144002

Como você pode ver, mulheres não só têm penas mais curtas pelos mesmos tipos de crimes, como tem o dobro de chance de evitarem o encarceramento em caso de condenação. Que mundo preconceituoso contra as mulheres!

Anônimo disse...

"Trabalho na área jurídica e desconheço completamente essa estatística."

Visite o link que mandei no último comentário.

Anônimo disse...

@Anna Clara

A maioria dos homens que eu conheço evitam de quase todas as formas bater em mulher, as vezes mesmo quando apanhavam.
Talvez seja uma realidade diferente, visto que eu sou bem seletivo com as amizades que faço(não teria relacionamento com um cara que bate na mulher), mas creio que essas agressões, mesmo que pequenas podem ser danosas e abrem espaço para uma construção cultural errada.
Sobre a novela em sí, não sei direito o que comentar, o cara realmente agiu com violência quando segurou ela, porem quando ela deu o tapa, ele NÃO estava mais segurando a mão dela, ela podia ter saído, mas deu um tapa com TODA a força que tinha, não tem como um tapa daqueles não machucar, agora, o texto falha em principalmente em justificar o tapa porque ele ofendeu ela na condição de mulher, ele NÃO CHAMOU ELA DE VADIA, e sim "vaidosa, VAZIA"

Ta aqui se alguém quiser vê
https://www.youtube.com/watch?v=Tl-IEjaAq0Q



Anônimo 20:11

vanessa disse...

. Ela ficava era completamente revoltada com as crises de ciúme do namorado, e o confrontava com frases querendo dizer que ele não era dono do corpo dela.

ah tá bom,se essa fosse a intenção dela,ela diria que ele não manda nela,n é seu dono,mandaria ele se tratar,algo assim.
mas ela preferia dizer que estava afim do amigo dele,faz sentido mesmo.

Ana Sousa disse...

Só sendo outro(a) doente, para achar que uma mulher não pode beijar ou abraçar um amigo porque tem um namorado exageramente possessivo.

Esquecem-se que se tratavam três jovens que cresceram juntos. Claro que a moça sentia carinho pelo Virgílio, claro que amava ele. Só se esquecem também as vezes que ela garantiu que não sentia atracção física/sexual pelo Virgílio. Esquecem das vezes que ela garantiu ao Laerte que nunca o traiu, nem o trairia. Que até corte, o seu sangue deu para a porcaria do pacto.

Esquecem que toda mulher tem direito posar nua para quem quiser, mesmo que tenha namorado. Porque o corpo é dela. Mas ela também só falou isso porque Laerte viu uma escultura do rosto (apenas do rosto) da Helena,e logo destruiu o quarto e todas obras de arte do Virgílio. Ela só falou sobre posar nua, porque estava de cabeça quente, revoltadíssima com o que o namorado fizera, e o que ela fez foi apenas o confrontar com o fato de Laerte ser dono do corpo dela.

Depois de Laerte ir surrar o amigo, Helena deu um basta na relação e se afastou. Mas não tardou, ele foi atrás, pediu perdão pela sua estupidez, e ela assegurou que não havia nada entre ela e o Virgílio, simplesmente porque ela não o via dessa maneira.

E mais uma vez, a briga toda (que culminou com a tragédia) começou porque o Laerte TRAIU a Helena com uma prostituta, e o Virgílio tomou as dores que seriam de Helena.

Tudo que a Helena fazia era às claras, falava na cara, se revoltada com os ciúmes doentios do namorado na cara dele. Não escondia nada de Laerte. Queria o endireitar, acreditava que conseguia. Laerte transou com a prostituta, enterrou Virgílio, podia ter explicado a amada, falado que errou e que estava arrependido, mas não, nem para ela. Uma mãe, uma irmã, toda uma cidade desesperada, e o psicopata só queria saber de se casar.

Só uma mente muito machista, preconceituosa, para achar que ela que ela adorava ver as crises de ciúme do Laerte. Quantas as vezes ela ficou magoada, decepcionada e com ódio do Laerte por elas.

Só mesmo uma mente muito machista, diz que ela teve culpa da tragédia, mesmo depois de ela ter garantido que não tinha nada com o Virgílio; mas se cala completamente sobre o fato do Laerte ter dormido com uma prostituta na véspera do casamento, e de ter sido precisamente isso que originou a briga entre os dois. Laerte se cagou de medo que o Virgílio contasse a noiva o que tinha acontecido.

Julia disse...

Anon do mimimi do encarceramento. Os homens têm penas mais severas? Deve ser por causa da tradição, né? Homens cometem mais crimes e crimes mais violentos. Portanto anon, eu Julia, não me preocupo com isso. Pra mim isso e um não-problema e garanto que pra vc tbm porque vc é apenas um cínico que veio desviar a discussão. Problema são homens que deveriam ser presos e não são ou são presos e soltos pouco tempo depois. Principalmente os que agridem mulheres, pois com mulheres sim eu me preocupo. Espero que meu comentário tenha sido bastante claro mas se tiver dúvida pode perguntar.

Claudia disse...

Pensar que se matou uma pessoa, e em vez de ir procurar ajuda, assumir o erro, dizer que não foi intencional. Limpar o local do crime, mentir a polícia, enterrar o corpo (de um rapaz que conheceu toda a vida) no meio do nada, e voltar a cidade como se nada tivesse acontecido, mentir na cara de todo mundo, todo mundo preocupado, e ir casar. O sogro/tio, o pai da Helena, não aguentar o horror e morrer na igreja, no dia do casamento.
Qual a culpa da Helena nisso tudo? NENHUMA!!! (Semanas depois, Helena ainda perde o filho.)

E passados 20 anos, o sujeito ainda se acha no direito de jogas as culpas para Helena, lhe agarrar a ponto de machucar, além das ofensas que lançou (se não usou a palavra vadia, a forma que ele falou se subentendia o mesmo), quando instantes antes pedia perdão de joelhos. Revidar um tapa, se fosse só tapa por tapa; mas depois de todo mal que ele causou na vida da “amada“, ainda vem lhe tratar com mais agressividade, que moral ele tem?

Ainda assim, o grande problema da trama nem é o que comentei, concordo com quem escreveu, é Laerte ser tratado como mocinho, quando ainda age como um machista, obcecado e doente, e o pior, é a multidão de gente que ainda o aplaude, que diz que ele teve desculpa. Incluíndo a filha bobíssima da Helena que até disse que o pai teve culpa de ser enterrado (nem se ele fosse um criminoso, merecia ser enterrado num buraco qualquer como se não tivesse família). Que diz que a mãe teria culpa pela própria morte, só porque falou que posaria nua em frente do namorado ciumento.

Mas sei lá qual é a intenção do autor? Eu queria que ele desse uma grande lição aos dois, Laerte e Luísa, por extensão, à todos machistas e misóginos de plantão.

“Quem não confia em mim, não me merece.“.(frase que ouvi na novela)
Continuação de bons artigos!

Ana Sousa disse...

Vanessa,

Volte a ver os primeiros os primeiros capítulos, Helena fala tantas vezes que Laerte precisa de se tratar. Ela nunca disse, que eu me lembre, que tinha vontade de beijar a boca do Virgílio.

Ela fala de amor por Virgílio, sem atração física. Afeto, amor platônico. Mas a cabeça fechada do Laerte não consegue entender esse sentimento.

Eu tenho certeza que o Virgílio tinha esse mesmo sentimento pelo Laerte. Amor.

vanessa disse...

realmente ela n fez nada,ele traiu ela,mas vc esta de brincadeira né,ela chega no namorado e diz q ta afim do amigo dele,morreu de vontade de beijar o virgilio e como ele tem bola de cristal e é vidente,sabe que n aconteceu nada.
e isso é que é agir as claras...

é muita hipocrisia viu,até parece q vcs aqui, estando num relacionamento,iam adorar ouvir tanta merda que a helena falava para ele.

ele é um psicopata sim,mas é se fingir de cego,para n admitir que o comportamento da helena influenciou,o ódio dele n estaria direcionado exclusivamente ao virgilio.
se ela n gostasse de conviver com um doido,teria dado um pé na bunda dele,a familia inteira iria apoiar o término do relacionamento dos dois.

aceitar um pacto de sangue e propor um pacto desses é bem normal... outra cena bastante normal,n lembro se foi junto com a do pacto de sangue,ele diz q mataria por ela e ela se assusta? não.
adorou ouvir ele falando isso.

os dois são desequilibrados.
parece que a helena gosta dele ainda,pq n para de falar no maluco,guardou vestido de noiva,tem reportagens do laerte e ainda fica com raiva do virgilio pq ele n passa a vida com raiva do laerte e lembrando do que aconteceu.

eu não sou machista,apenas n fico fingindo que mulheres sempre são vitimas de tudo,sem analisar os dois lados da história.

Anônimo disse...

"Anon do mimimi do encarceramento. Os homens têm penas mais severas? Deve ser por causa da tradição, né? Homens cometem mais crimes e crimes mais violentos. Portanto anon, eu Julia, não me preocupo com isso. Pra mim isso e um não-problema e garanto que pra vc tbm porque vc é apenas um cínico que veio desviar a discussão. Problema são homens que deveriam ser presos e não são ou são presos e soltos pouco tempo depois. Principalmente os que agridem mulheres, pois com mulheres sim eu me preocupo. Espero que meu comentário tenha sido bastante claro mas se tiver dúvida pode perguntar."

Tenho uma dúvida: você é mentalmente sã? Porque homens cometem mais crimes, eles merecem ter penas mais duras do que mulheres que cometem os MESMOS crimes? Que lógica impecável.

Quanto a isso ser um "não-problema" e você "não se preocupar com isso", bem, creio que faça sentido. Afinal, você, sendo mulher, provavelmente não seria prejudicada por essa situação em particular. Faz tanto sentido quanto homens dizerem que estão cagando e andando para o estupro porque têm muito menos chances de serem estuprados. E isso é certo? NÃO! Isso é egoísmo e estupidez. Você claramente não se importa com problemas que não te afetem, suponho que ache que o Universo gira em torno do seu umbigo.

Quanto a "desviar a discussão", se todo mundo concorda com uma coisa, não há uma discussão. É um conceito bem simples, não acha?

Luh disse...

Engraçado que de uma pesquisa feita por um instituto sério como o IPEA e que revela q percepção machista da maioria das pessoas é questionada por uma enormidade de pessoas.

Mas temos que acreditar em qualquer artigo que apareça por aí... Sem falar que um dos requisitos para diminuição das penas é o bom comportamento. Bom se a criminalidade é maior entre os homens, porque o comportamento dentro da cadeia não pode ser pior entre os homens tbm...

E no nosso código penal não há diferença atribuição de penas diferentes para homens e para mulheres.

Os requisitos que determinam o cálculo de pena também são bem específicos e há pouca margem para atuação do juiz.


E embora a resposta não tenha sido dirigida a mim, vou responder: desviar a discussão significa fugir do assunto que foi proposto para discussão. Por exemplo vir falar de Cuba quando o assunto do post nada tinha a ver com a situação cubana, como já vi fazer por aqui. É estranho ter que explicar isso, já que é um "conceito bem simples".

Desenhando: não é questão de haver ou não discussão, mas sim de que a discussão não ser aquela proprosta.

Feminazi Satânica disse...

Tem gente tratando os personagens como se fossem reais, inclusive dizendo que Helena tem culpa pelo comportamento doentio de Laerte. Gente, vamos raciocinar um pouquinho? A novela é escrita por alguém, produzida por alguém e seu resultado final pode ter objetivos diversos. É com base nesses objetivos que certos personagens serão caracterizados de certas formas. Até aqui tudo muito simples.

Me irritou muito a forma como Manoel Carlos construiu a Helena e por isso parei de assistir. Ele claramente tentou fazê-la parecer irresponsável, provocadora e de certa forma culpada pelo comportamento de Laerte. O que ele conseguiu com isso? Que o público passasse a julgar Helena e falar "ah, mas ela tb pediu, ela provocava!". O fato de ele sugerir que Helena continua apaixonada por Laerte até hj tb é muito problemático, pois segue a linha do senso comum de que mulher gosta mesmo é de apanhar, que gosta de homem violento e possessivo. Quando ele construiu esses personagens sabia que teria apelo popular. Que o público gosta de barraco e de assistir de camarote esses problemas da vida privada que não é tão privada assim. O objetivo do autor e da emissora é o lucro, e tendo em vista a baixa audiência dessa novela, esse machismo tende a ficar mais apelativo ainda.

Sendo a tv uma concessão pública e tendo a obrigação de passar conteúdo educativo e de qualidade cultural para a população (pelo menos em teoria) é PÉSSIMO que as emissoras ignorem isso e reforcem os estereótipos da violência doméstica em um país tão machista como o nosso.

www.osatanaz.wordpress.com

Feminazi Satânica disse...

Parabéns Vanessa, vc é a prova de como uma ficção pode FODER a cabeça de uma pessoa.

www.osatanaz.wordpress.com

Luh disse...

Ah fui per a discussão lá pra cima e fiquei perplexa. Como que alguém escreve que não são todos as mulheres que tem força" o cara copia e cola isso e responde "desde quando eu disse que mulheres facas merecem apanhar".

Olha só o raciocínio: "não são todas mulheres que têm força" = " as mulheres mais fracas merecem apanhar".


HAHAHAHAHA

Cão do Mato disse...

Se uma agressão verbal de um homem contra uma mulher é considerada violência passível de punição, por que um tapa de uma mulher em um homem não pode ser considerado violência? Só porque é, em tese, menos "prejudicial" fisicamente? Se eu chegar em casa e der um "tapinha" na minha esposa, não é violência, então, só porque não foi um "tapão"?
Ha, me poupe, né? Se a autora quiser passar no concurso, vai ter melhorar a coerência, e muito!

Anônimo disse...

Já repararam que todo mascu fake que tem nome de mulher só começa com letra minúscula?

Cão do Mato disse...

Putz, Lola, é verdade! Agora eu me lembrei: o Laerte chamou a Helena de VAZIA, e não de VADIA...(é, ela não vai passar no concurso...)

Anônimo disse...

No Brasil há homem traído que mata a mulher e há mulher traída que amarra o marido, corta-lhe o penis e joga no rio.
Maldade não depende de gênero...

Anônimo disse...

Lola, tão postando a frente da sua casa no 55chan. E tão fazendo montagens da sua foto na frente do computador.

Anônimo disse...

A coisa tá tão feia que há grupos que acham que traição de homem é diferente de traição de mulher.

Traição é traição. Quem trai está errado e ponto final.

Anônimo disse...

O bom mesmo foi ver a Maria Clara Diniz (Malu Mader) dando uma surra na Laura (Cláudia Abreu) na novela Celebridade.

Fiquei feliz da vida!!!

Dani disse...

Vanessa, a personagem Helena foi construída pra que as pessoas pensassem exatamente essas coisas que você está ressaltando, que ela provocava, que dava abertura pro outro menino, que gostava do ciúmes do namorado... pois bem, isso não é por acaso, haja visto que somos criadas para achar que ciúmes de namorado é sinal de amor, que devemos usar de artificios de sedução para provocar os homens,mas depois dar uma de desentendida pq é feio uma mocinha mostrar que sente desejo e vontade de ficar com vários caras... ou seja, somos criadas para sermos Helenas. Há que se fazer uma reflexão crítica aqui sobre o papel da sociedade em nos passar essas exigências, ao mesmo tempo que nos cobra responsabilidade individual se algo der errado no meio do caminho. Por outro lado, os meninos são criados para ter o pensamento de um Laerte, alguém que se julga no direito de ver a namorada como sua propriedade, que acha que mulher tem que ser mantida no cabresto... e o desenrolar da trama não difere muito do que acontece em diversas histórias reias... tragégias que são vendidas como crimes passionais, causados pelo ciúme... ao meu ver, são crimes causados pelo machismo, pelas regras veladas que regem a sociedade, mas ninguém quer debater sobre isso né.
O que me assusta é realmente a maneira como a trama se desenrola, é como os personagens são vendidos... o Laerte se dá aos ares de ser o mocinho da história, voltou da Europa se dizendo mudado, mas quando relembra a história do passado, ainda está ali o sentimento de ter sido injustiçado(!!), pra ele e para diversos outros personagens da novela, a culpa é da Helena, ou ao menos em parte... e pra vc tb é assim, Vanessa. E tudo isso quando está sendo divulgada aquela pesquisa estarrecedora do IPEA, onde fica claro que a maioria da população acha que se as mulheres se comportassem direitinho menos estupros aconteceriam... agora me diz se a lógica não é mesma do que estamos debatendo? se a Helena tivesse se comportado direitinho, nada disso teria acontecido... pobrezinho do Laerte que teve sua vida arruinada por uma mulher.

Anônimo disse...

É mesmo ,pobre helena,ela fica insinuando que tem algo com o amigo do seu namorado e ele fica cismado e com raiva do amigo sem motivo nenhum,coitada!
Kkkkkkk

ela n tem culpa do laerte ser possessivo mas é mais do que óbvio que a intriga entre ele e o virgilio é culpa dela.

lola aronovich disse...

Anon das 17:05, se puder, me envie alguns prints, por favor, dessas montagens do 55Chan. Fotos da frente da minha casa são frequentes, mas acho que eles usam o Google (maps? Images? Sabe, duvido que eles vem aqui e tiram foto da frente. Mas sim, eles deixam bem claro que sabem meu endereço residencial. Faz parte do seu show, parte das ameaças).

Anônimo disse...

Não existem mulheres vadias.

Anônimo disse...

Parece que o autor resolveu abrir a mente: https://br.tv.yahoo.com/blogs/folhetim/manoel-carlos-presta-servi%C3%A7o-importante-ao-comentar-estudo-144730358.html

Anônimo disse...

Dani, falou e disse.

Helena nunca insinuou q tivesse um caso o Virgilio.

Laerte da em cima da Luisa mesmo a frente da namorada, e quando a namorada reclama de ele estar dando corda a Shirley e a Luisa, ele a chama de ridicula, se coloca como vitima, como se tudo q ela dissesse fosse paranoia dela. E a Veronica apenas reclama, ele quase matou o amigo!

Hipocrisia=Laerte=Machismo

Valéria Fernandes disse...

Eu li o guestpost e fiquei me questionando se valia, ou não valia, a pena comentar. Não vejo a novela. Não vejo novelas de Manoel Carlos desde que me tornei uma pessoa independente da TV da sala dos meus pais, ou seja, a tortura acabou uns 20 anos atrás, mas sempre dou uma olhada para ver quais temas estão sendo abordados e quais as atrocidades machista-classista-racista-whatever que o autor vai colocar em tela. Por acaso, vi o capítulo do quase casamento de Laerte e Helena e o da briga. Sim, briga. Ela bateu, ele bateu.

Primeira coisa, como feminista me incomoda muito este papo de que todas as mulheres são sempre mais fracas que todos os homens. Isso poderia ser derrubado sem grandes problemas com mera observação do real. O que precisamos é parar de educar as mulheres para se verem como mais fracas, a aceitarem as agressões dos homens como naturais, e a se empoderarem, seja para acreditarem que são fortes e capazes, seja para fazerem a denúncia quando necessário. E, claro, ensinar aos homens, desde bebezinhos, que eles não tem o direito de agredir quem acreditam ser mais fracos, que isso não o torna melhores e que, claro, homens não são donos de suas mulheres. Dito isso, eu acredito que exista diferença entre briga e agressão, e crer nisso não invalida a Lei Maria da Penha, ou a percepção da violência de gênero como algo presente no social. Tenho uma menina em casa, não vou educa-la para ser uma agressora, tampouco para se encolher no cato quando um menino ou homem lhe olhar de cara feia, porque, bem, ele é naturalmente mais forte e ela precisa ter medo.

Quanto à novela, desde o início a personagem Laerte me pareceu doentia, assustadoramente doentia, porque colocada na posição de protagonista e defendida por uma ator competente e, o que é mais importante para chamar a simpatia, bonitão. Laerte é potencialmente perigoso, como mostrou desde o início nos seus rompantes de ciúmes e na agressão (*quase assassinato*) de Virgílio. Se o sujeito faz aquilo com o melhor amigo, imagina com qualquer pessoinha na rua? Quanto à cena da briga de Helena e Laerte, o que ela evidenciou é o quanto o sujeito é perigoso e perturbado e como o autor está destroçando qualquer possibilidade de vermos isso como um problema. Se tudo termina com o cara atirando sobre Helena a culpa de seus malfeitos sobre a mulher, e ela não reage, e ainda por cima se derrete pelo cara, é para nos convencer de que, sim, ele está certo, ela é culpada. Mas isso não me surpreende quando se trata de Manoel Carlos. Acho mais sério ele colocar uma cena de estupro coletivo na novela, a personagem optar (*direito dela, aliás*) por levar adiante a gravidez e o autor voltar ao tema para discutir a paternidade da filha fruto do estupro. Me embrulha o estômago imaginar o desenrolar da trama na qual uma jovem procura saber quem é seu pai, mesmo ciente da violência sofrida pela mãe.

De resto, mulher apanhando é estratégia para levantar IBOPE há pelo menos uns 25 anos. Escrevi sobre isso algumas vezes no meu blog, porque é coisa sabida. Agora, discordo que na cena em questão temos uma mulher apanhando. O caso da Isabella de A Última Vítima, que foi citado por alguém, está OK, a cena de Laerte e Helena é só uma evidência de como o autor vai conduzir uma trama na qual, pelo menos na minha opinião, os dois protagonistas precisavam de terapia ou acompanhamento psiquiátrico.

Julia disse...

Obrigada anon do mimimi do encarceramento que veio me dizer que homens estão cagando e andando pra discussão em torno da cultura de estupro. Se não fosse você eu não teria percebido. Anon, realmente não estou preocupada que homens tenham penas mais severas. Na verdade ainda acho pouco.

Espero que meu comentário tenha sido claro mas se tiver dúvida pergunte.

Julia disse...

Cão Sarnento, você está o idiota que comenta no Sakamoto? Veio espalhar suas pulgas aqui?

Julia disse...

"há mulher traída que amarra o marido, corta-lhe o penis e joga no rio."

E porque não divulgam esses casos?

Mila disse...

Lembrando que na primeira fase da novela alguém fez uma piadinha que o Laerte era tão ciumento que a história de amor deles poderia terminar em tragédia.
Achei de muito mau gosto.

Anônimo disse...

Para Júlia, que nunca viu casos de mulheres que castram seus companheiros:

http://g1.globo.com/sp/santos-regiao/noticia/2013/08/homem-tem-penis-cortado-por-mulher-apos-ser-flagrado-com-outro-homem.html

Julia disse...

Só corrigindo, a pergunta pro Cão Pulguento era "você É o idiota que comenta no Sakamoto?"
O verbo estar se usa pra situações em que podem ocorrer mudanças e o verbo ser para definições. A idiotice desse vira-lata é definitiva, portanto o verbo ser cabe melhor aqui.

Anônimo disse...

Pois é, na novelinha anterior das sete (sangue bom), o personagem principal dá um tapa na malvada que depois vira boazinha no final da novela. Isso que ele era "o" homem gentil. Eu fiquei muito triste.

Anna Milani disse...

Sabe o que é legal pra caramba, anon? Você me chamar de burra sendo um burro. Eu disse que VOCÊ faz isso? Chamei todo homem de detestador e agressor? Vá aprender a interpretar e me deixe em paz. Percebi que ignorou a parte que não te interessa... Hummm. Por que será? Eu perguntei sobre o salário e sobre os homens monstruosos que tem penas reduzidas por estupro e assassinato de mulher. COITADINHO DOS HOMENS [Machistas, antes que você venha com a teoria que eu sou A Adolfa Hitler e sugiro a exterminação de homens do mundo]

Ana... Jiu Jitsu, Hii-aaah e qualquer luta que seja, até mesmo eu acho que dedo nozóio e chute nas bolas vale. Pra se libertar, vale tudo.

Anônimo disse...

Sugiro jiu jitsu ou krav magá, apenas da chutes nas bolas nem sempre é eficiente, se vc se confiar apenas nisso, poderá ser subjulgada, sugiro alguma aula de defesa pessoal e levar os treinos á sério.

Mônica disse...

Bom saber que eu não sou a única que fica estarrecida com essa novela no que diz respeito a misoginia e emponderamento feminino.

Desde o início da novela ele sempre foi ciumento, estourado e possessivo até não poder mais.

Na segunda fase da Helena, que já era interpretada por Bruna Marquezine, achei muito legal o modo como ela se comportava: dizia que o amava, não fazia nada para traí-lo mas se recusava a ser apenas a sombra de uma pessoa, só para agradá-lo e vivia chamando a atenção dele por causa de seu ciúme.

Daí ele ultrapassa todos os limites, agride outra pessoa, ESCONDE O CORPO NO MEIO DA MATA, é preso e, por causa disso, o pai d Helena morre de infarto fulminante e, 20 anos depois, o povo tem a coragem de dizer que ESTA TUDO BEM e que na verdade ELE NÃO FEZ POR MAL? (procurando a coerência)

Parece que ele terá um affair ou com Helena ou com a filha dela, Luiza. Como assim, minha gente?! De uma (Helena), ele matou o pai, da outra (Luiza), matou o avô e por pouco não tira a vida do pai. Não é pregar o ódio eterno, mas como você pode ter uma relação romântico-amorosa com uma pessoa que causou esse estrago na sua família?

Outra personagem que também merecia um sacode é a de Helena Ranaldi: Verônica, a "mulher" de Laerte. Ele já disse na cara dela que o amor que ele sente por Helena é único, vive arrastando asa pra filha da ex-noiva, bem que gosta das investidas de outra (acho que é Shirley o nome dessa, que tem um filho com ele) e ela fica lá, a personificação da passividade (só falta falar que "ele é assim mesmo, coitado").

Voltando ao tema do post: fico bastante preocupada com todo o movimento para “passar a mão na cabeça” do Laerte, como se o que ele tivesse feito há anos atrás fosse apenas a clássica molecagem. Não, não foi brincadeira. Ele era e ainda é doente (foi só o tempo e distância que diminuiu o ímpeto agressivo dele, mas ele ainda está lá) e precisa de tratamento. O que ele sente não é amor e fico bastante chocada com todo o mundo tentando pintá-lo como tal.

Julia disse...

Eu não disse que nunca vi, disse que não são divulgados. Será que é porque acontece pouco ou não é interessante pra mídia divulgá-los? E pense. Podia ser pior. Se cortou e jogou no rio ainda dá pra catar e costurar de volta.

Anônimo disse...

Kkkkk nossa ! Foi o laerte que fez o coração do pai da luiza funcionar mal a ponto de ter um infarto? Essa foi foda.
E pelo q eu vi,ele ja andava passando mal.

Anônimo disse...

Mônica das 00:45, aconteceu algo parecido na novela Amor à Vida. O cara fingiu se aproximar da herdeira de uma fortuna, Nicole, para casar e ficar com a grana dela. Ele acabou virando o mocinho no desfecho. É muita discrepância, até quando os caras são notadamente os criminosos, acabam como os bonzinhos, os arrependidos do mal que fizeram, enquanto as mulheres criminosas merecem apanhar, morrer eletrocutadas, queimadas e por aí vai.

Anônimo disse...

@Julia

Você só pode estar brincando, quando um pênis é cortado do corpo, o indivíduo tem pouco tempo para levar para o hospital, tendo uma grande chance de ficar de não conseguirem colocar novamente e mesmo assim ele ficará com sequelas para o resto da vida.
Alias analisando pelo seu ponto de vista, estupro também não seria lá um grande problema, caso o cara não mate a mulher nem machuque ela, o que sobra? algum trauma emocional, bobagem, é só ela ignorar e seguir em frente não? Podia ser muito píor, mas ela saiu fisicamente ilesa (Sua lógica é tão cruel quanto a de muitas machistas, na verdade, já conheci machistas com mais empatia com mulheres do que você tem com homens).

Anônimo disse...

Independente da violência contra a mulher e não diminuindo o que uma parcela de mulheres sofrem, mas muito mais relevante do que "..violência contra a mulher" é a palavra "violência". Seja do pai contra o filho, de colegas de escola, entre torcidas, de irmãos e etc. É abominável qualquer tipo de agressão física ou psicológica.
Com relação à novela que explora sempre alguém 'fazendo justiça' por meio de agressão ou do personagem que 'mereceu aquilo que devia', penso que ninguém é passível de qualquer tipo de violência ou de descontrole emocional que resulta em violência. Sustentar o maniqueísmo, o sofrimento e as agressões que a novela sempre aborda é cair muito na vala do senso comum diante da complexidade de sentimentos humanos e da infinidade de alternativas/temas que o autor poderia explorar que não a agressão (principalmente a agressão do homem contra a mulher 'indefesa'). Me surpreende e muito que as pessoas ainda continuem dando vazão ao formato/temas que a novela explora ou às agressões que determinado personagem proporcionou a outrem. Poderia ser melhor.

Anônimo disse...

@Julia
Alias, só complementando, se ela jogou no rio, foi para evitarem de achar o membro a tempo, é que nem o caso daquele cara que perdeu o braço num acidente de carro e jogaram o braço dele no rio, a correnteza leva além do órgão se deteriorar na água e com a ação dos animais, a chance dele achar o orgão de volta é quase zero.

Adriana Tucci disse...

A verdade eh que esta novela toda eh puro machismo... Puramente, estereotipando a mulher como estopim de toda violência, o que de 'certa' forma, vitimiza o agressor. Helena,éh uma mulher ridícula, manipuladora e que desrespeita a si mesmo e aos seus parceiros e ninguém aborda este quesito da novela, queremos que as mulheres sejam vistas desta forma e mais que este tipo de comportamento seja alimentado???
A filha dela na novela tem o mesmo comportamento, namora, fica dano mole para o ex da mae... Isto não eh o comportamento que mulheres, que se respeitam como mulheres com autonomia e liberdade de escolha agem! A mulher livre não faz jogo, escolhe... Isto que mostra na novela eh o esteriotipo da mulher frágil, indecisa e que nãp faz suas escolhas pq precisa de um homem do seu lado.
O tapa eh so a culminação dessa mulher, ou quantas de vcs já deu um tapa na cara de um homem numa discussão??? Que mulher dona do seu nariz, opniao e liberdade age de forma tao provinciana???
Simplesmente lamentável...

Anônimo disse...

"Espero que meu comentário tenha sido claro mas se tiver dúvida pergunte."

Bem, seu comentário certamente respondeu minha dúvida sobre sua sanidade mental.

Julia disse...

Ano das 10:00, não sou médica apenas dei uma sugestão. Super bonder tbm pode funcionar.

Anônimo disse...

Anônimo disse...
"Trabalho na área jurídica e desconheço completamente essa estatística."

Visite o link que mandei no último comentário.

30 de março de 2014 09:50
_____________________

Pq vc não respondeu ao resto do meu comentário, onde inclusive explico algumas possíveis causas para eventuais diferenças nas penas?
___________________________

Para Júlia, que nunca viu casos de mulheres que castram seus companheiros:

http://g1.globo.com/sp/santos-regiao/noticia/2013/08/homem-tem-penis-cortado-por-mulher-apos-ser-flagrado-com-outro-homem.html
_____________________________

E vc já viu alguma dessas mulheres ser absolvida com o argumento de "legítima defesa da honra", como os homens sempre fizeram (e ainda fazem) para justificar homicídios das mulheres em circunstâncias semelhantes?

Anônimo disse...

ele não chamou ela de VADIA.

chamou de VAZIA, antes que ela desse o tapa nele.

vídeo:
http://www.youtube.com/watch?v=Tl-IEjaAq0Q

Anônimo disse...

estamos falando de mulheres que são agredidas todos os dias mortas todos os dias acho que mulher ainda fica com pena de homem não é atoa que as prisão masculinas são as que mais recebem visita. quando um homem bate em uma mulher é pra matar o que acontece com o cara leva uns tapas? perde o pênis sim existem esses casos que são pouquíssimos.