terça-feira, 19 de novembro de 2013

GUEST POST: O CASAMENTO GAY DEVERIA SER ILEGAL

Os fundamentalistas cristãos estão em alvoroço porque, dizem, o PLC 122, que criminaliza a homofobia, pode ser votado amanhã no Senado. 
Até agora, só vi essa notícia nos sites reaças, não nos sites de ativismo e direitos humanos. Estou achando estranho que só um lado esteja se movimentando. 
Bom, tomara que o projeto seja votado, tomara que passe, tomara que, a longo prazo, isso represente o fim da homofobia. 
E tomara que tantos religiosos percebam que não precisam manter um discurso de ódio -- e não me venham com a história de "odiamos o pecado, não o pecador" -- para angariar fiéis. Ou precisam? Seria um péssimo sinal se religiosos tivessem que continuar com a bandeira da homofobia (ou, como alguns fanáticos preferem chamar, "agenda do sexo fecal", como se só gays fizessem sexo anal) para continuar existindo.
Publico, em homenagem aos direitos humanos para todos, um guest post enviado pelo Paulo.


Me chamo Paulo, tenho 22 anos e sou gay. Quando li a notícia de que o estado de São Paulo aprovou o casamento gay, fiquei muito feliz com esse passo na direção certa, mesmo não sendo no meu estado de Minas Gerais. Ainda.
Mas ao ler os comentários da notícia, fiquei muito desanimado. A maioria das pessoas considera isso uma coisa sem importância. Direitos iguais para todos é algo sem importância? Infelizmente, ainda é assim na nossa sociedade.
Envio um texto que adaptei com o título 12 Reasons Why Gay Marriage Should Be Illegal. Ele é um tapa de ironia no rosto de todas as pessoas que se opõe ao casamento gay pelos motivos usuais ou que desmerecem a questão:
Doze motivos pelos quais o casamento gay deveria ser ilegal
1) A homossexualidade não é natural, assim como os óculos, o poliéster e o controle de natalidade.
2) O casamento heterossexual é válido porque gera filhos. Casais inférteis, idosos, ou héteros que não queiram ter filhos não podem se casar legalmente porque o mundo precisa de mais crianças.
3) Obviamente, pais gays criariam filhos gays, já que pais héteros sempre criaram filhos héteros.
4) O casamento entre héteros perderá seu significado se o casamento gay for aprovado, ao contrário do casamento relâmpago de Britney Spears que durou 55 horas e foi cheio de significado.
5) O casamento heterossexual está aí há muito tempo e nunca mudou. Assim como as mulheres são propriedade, brancos e negros não se casam e o divórcio é ilegal.
6) O casamento gay deve ser decidido em votação popular e não pelos tribunais, pois foi o voto da maioria dos eleitores, e não os tribunais, que sempre protegeu os direitos das minorias.
7) O casamento gay não é apoiado pela religião. E numa teocracia como a nossa, os valores de uma religião devem ser seguidos por todo o povo. Esse é o motivo de nós termos apenas uma religião no Brasil.
8) O casamento gay irá incentivar as pessoas a se tornarem gays, do mesmo modo que andar com pessoas altas faz alguém ficar alto.
9) Legalizar o casamento gay permitirá que comportamentos absurdos aconteçam. Pessoas vão querer se casar com seus animais só porque um cachorro tem CPF e pode assinar um contrato de casamento.
10) Os filhos não podem ser criados do jeito certo sem uma figura masculina e outra feminina entre os pais. É por isso que mães e pais solteiros são proibidos de criar seus filhos.
11) O casamento gay mudará as bases da nossa sociedade. O casamento heterossexual tem história e nós nunca nos adaptaríamos a novas normas sociais, assim como nunca nos adaptamos a essas novidades como carros e longevidade.
12) A União Civil, que garante quase todos os benefícios do casamento, mas com outro nome, é melhor, porque uma lei "separada, mas igual" sempre foi constitucional. Escolas separadas para afrodescendentes funcionam tão bem quanto o casamento separado para gays e lésbicas funcionaria.

69 comentários:

Anônimo disse...

"odiamos o pecado, não o pecador" -- para angariar fiéis.

ué mas vcs n adoram dizer,'odiamos o machismo ,n o machista"? esse argumento furado só serve para vcs?

lola aronovich disse...

Não, mascutroll, vc deve estar confuso. Mostre onde está escrito aqui ou em outro blog feminista essa frase que vc acabou de inventar (odiamos o machismo, não o machista). Tá muito longe de ser um slogan feminista, como o tal do pecado/pecador é pros religiosos.
Mas que bom que vc admite que o argumento é furado. E vcs mascus não dizem "odeio o pecado". Vcs deixam bem claro que odeiam o pecador mesmo, né, homofoboquinhos?

Larissa Petra disse...

Gente só sei de uma coisa os machistinhas podem espernear avontade, Casamento Gay é um direito que deve e será reconhecido por lei, quer eles queiram, quer eles não queiram.
Ah, e beijos e abraços a todos os gays,lésbicas, e que eles possam cada vez mais conseguir direitos a tanto tempo negados.

Mariane disse...

Pois é, uma hora o mundo tem que evoluir.

Rebecca disse...

Embora eu nunca tenha visto escrito aqui no blog da Lola algo parecido com 'odiamos o machismo ,n o machista", eu falo por mim quando digo que odeio o machismo, o machista, o misógino, o homofóbico, o transfóbico, o racista e toda a laia de mascus frustrados e desocupados como você. Então não, esse argumento não me serve e meu ódio é bem direcionado :)
A diferença entre o meu ódio e o seu, é que eu não fico e forunzinhos na internet falando mal de mulheres (e negros, e gays, e pessoas trans...) pra aplacar minha frustração de mimimi sou rejeitado, e mimimi friendzone.
O meu ódio é muito bem direcionado e eu uso ele como força pra lutar por um mundo mais justo pra TODOS, onde gente como você tenha cada vez menos espaço de vomitar seus preconceitos e recalques.

Liana hc disse...

Que bom. Incrível como é difícil para alguns entender e respeitar a união de duas pessoas adultas. Ninguém é obrigado a gostar, mas é preciso saber conviver com as diferenças e não interferir no que é direito do outro.

André disse...

Larissa Petra,

Ser contra o casamento gay não é exclusividade dos machistas.

Larissa Petra disse...

Desculpa, mas religiosos fanáticos, moralistas, ou simplesmente babacas que são conta o casamento gay, sejam eles homens ou mulheres por algum mistério do universo, tem pensamentos e atitudes machistas, até pq eu de verdade nunca vi uma feminista que se diz contra o casamento gay.

Helen Pinho disse...

Tod@s a favor da PLC 122! Direitos civis iguais, é o mínimo que se espera.

Diego disse...

Eu diria que ser contra casamento gay é uma coisa mais de gente fanática religiosa do que de mascu. Conheço muitas mulheres que acham errado casamento gay por conta da religião. É claro que a religião biola essas pessoas e elas acabam sendo machistas, mas eu acho que o problema tá mais pro lado religioso do que simplesmente machista e é aí que mora o perigo.

Digo isso por experiência pessoal no meu trabalho: Machista pode ser escurraçado intelectualmente que muita gente vai gostar; fanático religioso não pode ser escurraçado intelectualmente, se você o fizer vão ficar te achando um imbecil que não respeita a religião dos outros. Daí que homofobia acaba sendo mais difícil de lutar contra que machismo, pelo menos pra mim, que sou homem (modo easy).

Leio Lola Leio disse...

Lola, faz tempo que não passo por aqui, mas hoje li na internet que a Monique Evans já foi ameaçada por grupo homofóbico e misógino. Fiquei horrorizada, não por isso ter acontecido com ela, mas porque parece que nada é feito a respeito, a grande mídia não aborda o assunto de forma a incitar o debate e pressionar para que algo seja feito a respeito, para que o assunto seja tratado e, principalmente, para que se verifique a ação desses grupos, que impeça a ação deles. Tem vídeo na internet no qual ela conta à Marilia Gabriela (mencionando inclusive o nome da "facção", não quero citá-lo aqui) e vi matérias em jornal a respeito, mas nada que pudesse ser levado a sério, como se o que a Monique relatou fosse teoria da conspiração.

Leio Lola Leio disse...

Acabei de ver que você já tratou desse assunto no blog, Lola.

http://escrevalolaescreva.blogspot.com.br/2012/01/sanctos-e-suas-ameacas-macabras.html

Abraço.

Anônimo disse...

Na boa, heterossexual ou homossexual ou seja lá que forma de sexualidade for, o estado não deveria se meter no casamento de ninguém.

Sexualidade é algo particular e o Estado deveria é ficar LONGE dela, porque nada tem a ver com isso e para evitar que tenha o poder discricionário de dizer quem pode o que.

Logo, a solução não é "legalizar" o casamento gay, mas tirar todo e qualquer casamento (gay, hetero, que seja) das mãos do Estado.

Na esfera afetiva/religiosa/prática, deve morar junto quem quer, separado quem não quer, com o gênero que quiser, e "casar" perante o Deus que acredita se quiser, se acreditar, na igreja que quiser.

Para um católico talvez um casal homossexual não seja casado, de fato, perante sua visão de Deus (suponho, já que não sou católico nem entendo nada de religião). Por outro lado, para um muçulmano, talvez só seja realmente casado quem casar perante uma igreja muçulmana, perante Alá, sei lá, e o resto seja só pessoas que se juntaram e se dizem casadas. Enfim, CADA UM COM SUAS CRENÇAS (OU AUSÊNCIA DE CRENÇAS)

O outro lado do casamento, a esfera patrimonial, deveria ser livremente pactuada entre as partes, sem interferência do Estado. Se eu quiser casar com outro cara e que ele fique em casa cuidando de casa e eu sair, e eu achar justo que, como o trabalho dele é "não remunerado" que é ser dono de casa, podemos assinar um contrato dizendo que assumimos as regras A, B, C e D para nosso casamento (ctrl+c, ctrl+v dos artigos da comunhão de bens do código civil, sei lá). Se ele não quiser assim, quiser de outro jeito, ou eu quiser de outro jeito, enfim, é problerma nosso e se um não aceitar a proposta do outro que não case.

Mas não tem sentido o Estado impor nada a ninguém na esfera sexual-relacionamental.

PS: logicamente que a tutela estatal deveria se manter no que toca aos direitos das crianças, como pensão alimentícia e tal, em eventual separação, até porque os pais/mães/whatever não teriam o direito de abrir mão de verbas que não lhes pertencem, apenas são escalados para administrar, muito menos a criança poderia abrir mão posto que incapaz de compreender esse tipo de coisa, po isso que chamam de "inimputavel" ou "impubere", algo assim.

Anônimo disse...

Sou a favor de todas as reivindicações do movimento gay, porém sou contra a adoção por casais masculinos pelo simples fato de que os órfãos só existem onde tem MISÉRIA, seja ela financeira, intelectual ou moral. Os órfãos surgem onde há vícios, violência, machismo, fome, guerra, doenças. Imagine um mundo socialista perfeito, sem discriminação, sem crimes, sem machismo, sem alcoolismo, sem pobreza, sem elites, sem opressão. De onde viriam os órfãos para milhões de casais de dois homens? Não vemos hoje em dia populações sendo mantidas na miséria para que sejam fonte de trabalhadores braçais, de de consumidores de crack, de produtos tóxicos sem sem registro? Sem falar nos currais eleitorais. E nas fábricas de órfãos.

Anônimo disse...

Muitos ficaram contra as leis anti-racistas que davam apoio aos negros, assim como muitos ficaram contra a leis anti-machistas que dão apoio as mulheres. Neste caso estão contra a leis anti-homofobia que dão apoio aos homossexuais, tomara que que a lei anti-homofobia seja aprovada e os casamentos homoafetivos também.

Anônimo disse...

13:46, beleza não estou discordando se daria certo ou não seu mundo imaginado aí, mas ainda que estivermos caminhando para ele e ainda que um dia ele chegue, E ATÉ LÁ, FODA-SE AS CRIANÇAS, QUE MORRAM DE FOME, QUE FIQUEM SEM LARES E SEM AMOR?

Helena disse...

Sou evangélica,mas não concordo com a maneira que as igrejas e principalmente o pastor Marco Feliciano expressa que é contra. A forma de protestar é preconceituosa e agressiva. Realmente DEUS AMA O PECADOR E NÃO O PECADO, mas as pessoas usam essa frase de maneira superficial. Não vejo nenhum religioso dizer que ama os gays,que ama o pedófilo, o assassino ou o fulano que tem uma religião diferente da sua. Há vàrias formas de se protestar . JESUS era protestante ao pecado, mas ele salvou uma prostituta do apedrejamento Ele sim ama o pecador sem amar o pecado. Não é incitando desprezo, homofobia, aversão que se expressa uma opinião. E analisando de forma social os homossexuais tem sim direito a casamento,batizado,etc. Eles são humanos então possuem direito humano de casar. Eles tem direito a saúde,educação,voto, expressão e porque não direito ao casamento e adoção? Vejo inconstitucional negar a eles direitos comuns. Há quem diga que homossexualismo é doença,mas não há nada genético,médico ou patológico que prova isso. O Pr Marco Feliciano falou em cura gay, mas até hoje ele não provou que homossexualismo mata. O Deus que sirvo não é homofóbico, machista, misógino. Para negar direito a casamento a eles teria que negar casamento a todo mundo porque ninguém é igual a ninguém.

Anônimo disse...

Sou a favor de todas as reivindicações do movimento gay, porém sou contra a adoção por casais masculinos pelo simples fato de que os órfãos só existem onde tem MISÉRIA, seja ela financeira, intelectual ou moral. Os órfãos surgem onde há vícios, violência, machismo, fome, guerra, doenças. Imagine um mundo socialista perfeito, sem discriminação, sem crimes, sem machismo, sem alcoolismo, sem pobreza, sem elites, sem opressão. De onde viriam os órfãos para milhões de casais de dois homens? Não vemos hoje em dia populações sendo mantidas na miséria para que sejam fonte de trabalhadores braçais, de de consumidores de crack, de produtos tóxicos sem sem registro? Sem falar nos currais eleitorais. E nas fábricas de órfãos.


kkkkkkkkkkkk acuma????? isso aí fez sentido para alguém????

Anônimo disse...

rebeca e o relativismo moral das feministas.
só falei da hipocrisia de vcs criticando essa frase furada dos religiosos,quando dizem o mesmo.
e a partir sou homofobico,racista,odeio trans,estão no caminho certo,parabéns.

mundo justo para TODOS? sei...

Helena disse...

Para afirmar a minha fé não preciso ser tirana, ignorante e preconceituosa. Na Bíblia diz que não é para matar e porque as igrejas não fazem campanha sobre a maioridade penal? A atenção voltada sô para os homossexuais está sendo vista de forma homofóbica porque não há manisfetação religiosa em outros assuntos considerados pecados. O escandalo do mensalão é um roubo milionário porque as igrejas não protestaram?As fraudes, espionagens, torturas tudo isso Deus condena e cadê o pastor Marco Feliciano para gritar em cura para ladrão, cura para assassino, cura para estuprador? A maioria dos assassinatos de mulher ta envolvido em relações heteros e porque as pastoras não cobram rigor da lei? Mas se duas mulheres se amam,se respeitam e querem adotar uma criança dum abrigo aí pronto . São condenadas ao mármore do inferno? E as surras,estupros conjugais, humilhações que muitas vivem não é abominável?

Lu disse...

Anônimo das 13:46
Adotar órfãos é a solução de um problema que não deveria existir, mas não é a única maneira de casais gays terem filhos, tem barriga de aluguel e doação de esperma, seja de pessoas conhecidas do casal ou desconhecidas.

Bruno disse...

Paulo, o casamento gay já foi aprovado para todo o território nacional pela resolução 175/2013 do CNJ. Pode comemorar.

Para conferir: http://www.cnj.jus.br/images/imprensa/resolu%C3%A7%C3%A3o_n_175.pdf

Não foi uma lei, como você pode ver, mas não deixa de ser uma vitória. O Judiciário vem fazendo a sua parte, e garantindo direitos àqueles que batem às suas portas.

Anônimo disse...

Mais uma adolescente de 16 anos se suicida após ter fotos íntimas divulgadas na internet. ISSO TEM QUE PARAR!
http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/geral/noticia/2013/11/adolescente-de-16-anos-se-suicida-apos-ter-fotos-intimas-divulgadas-na-internet-4338577.html

Wellington Fernando disse...

Eu só queria ver a cara do Bolsonaro e do Malafaia quando PL 122 for aprovada! Rarará! Como já dizia Miguel Falabella: #chupafeliciano!

Anônimo disse...

Eu entendo parcialmente o Anonimo da 13:46. Pariticipei recentemente de uma aula sobre adocao, na qual a critica (vinda de teoristas feministas e queers) de que adocao, pelo menos na america do norte, era fruto mais de criancas sendo retiradas de lares formados do que de orfaos sem qualquer tipo de parente vivo que pudesse tomar conta deles. Alias, a maior parte dos casos de retirada de criancas de familias dita problematicas envidenciava casos de racismo e violencia de genero gritantes. No final a conclusao que esses estudos dao é que adocao de orfaos (alias, orfao é um conceitoq ue todos questionam pq as criancas sao retiradas de suas familias e nao sao de fato orfaos) nao existe, o que existe é adocao de criancas retiradas dos cuidados de suas familias.

Ja o argumento de que numa sociedade perfeita todos seriam pais e maes de todas as criancas e portanto a adocao por casais gays nao seria necessario nao faz sentido. Talvez se eles estivesse se referindo a adocao por qualquer tipo de casal fizesse um pouco mais de sentido e teria uma conotacao bem menos homofobica. Pq afinal de contas a maioria dos casais que adota sao casais homossexuais.

Concordo que precisa existir uma critica mais radical nos estudos sobre adocao. Discordo que haja necessidade de se fazer essa separacao entre casais hetero e homo. Em termos de criacao de filhos nao há qualquer diferença. O problema é como funciona o sistema de adocao e qual seus limites e praticas.

Anônimo disse...

Muitos ficaram contra as leis anti-racistas que davam apoio aos negros, assim como muitos ficaram contra a leis anti-machistas que dão apoio as mulheres. Neste caso estão contra a leis anti-homofobia que dão apoio aos homossexuais, tomara que que a lei anti-homofobia seja aprovada e os casamentos homoafetivos também.

----------------
E muitos vão ficar contra leis anti-pedofilia, anti-zoofilia, etc...

Cyntia Campos disse...

O PLC 122 vai ser votado amanhã na Comissão de Direitos Humanos do Senado, a partir das 8:30h. É mais uma etapa, antes de seguir para o Plenário. Vamos torcer pela sua aprovação. O relator, Paulo Paim (PT-RS), ampliou os casos de manifestação preconceituosa que serão criminalizados (incluiu a discriminação por idade, origem, identidade sexual, gênero e orientação sexual, entre outras).
Vamos torcer pela aprovação.

Carol NLG disse...

Sou da opinião de que se uma pessoa é contra o casamento gay, ela nunca deveria se casar com uma pessoa do mesmo sexo. Só isso.

Ah, pra quem perguntou, eu odeio machistas sim :D

Sobre a adoção, adoro ver o pessoal que quer "proteger" as crianças de terem um lar amoroso, uma família e um bom futuro. Porque, né, vocês sabem: só gays são pessoas ruins. Nunca na história existiu um hétero que tenha maltratado uma criança.

Deixo uma sugestão de vídeo engraçadíssimo, feito na época em que se discutia a aprovação de casamento gay nos EUA. Em inglês,desculpem :(
http://www.youtube.com/watch?v=X-YCdcnf_P8

Jheny Checter disse...

LOLA TO CHOCADA,MAGOADA E TRISTE. BÁRBARIE. Apôs 5 meses de surras uma menina de 16 anos suicidou-se . A lei obrigou ela a se casar com o prôprio estuprador.
http://g1.globo.com/mundo/noticia/2012/03/marroquina-comete-suicidio-apos-ser-forcada-casar-com-estuprador.html

Esses fanàticos religiosos do marrocos aprovam leis bizarras e no Brasil os fanàticos querem impor barreiras a leis que beneficiam homoafetivos.

Anônimo disse...

Casamento é uma furada tão grande, não sei porque tanta gente quer casar. A probabilidade de dar certo é igual a de se ganhar na loteria. Do meu círculo de amigos e familiares ninguém esta bem casado. Eu não recomendo casamento ninguém.

Marcia Baratto disse...

Espero que passe por mais essa etapa! Nenhum direito de minoria pode ficar fora do abrigo da lei.

Sobre adoção, realmente é um problema a forma como crianças são retiradas das famílias, mas o inverso também é verdadeiro: tem muita família que não deveria ter filhos.

Leandro disse...

Só quero saber que concepção de direitos humanos é essa que não respeita a liberdade de expressão? Que conceito de "diversidade" é esse que não respeita a diversidade de opinião?

No mais, sobre a questão do casamento gay, é o seguinte: se dois gays quiserem firmar um contrato de união amorosa (um contrato privado, não o casamento civil estatal, que não deveria existir nem para héteros), que firmem, mas que não queiram obrigar as igrejas a fazer casamento gay (se a PL 122 for aprovada, isso que irá acontecer). Outra coisa, gays: respeitem a propriedade privada. Se querem ficar se pegando, então frequentem apenas os ambientes e estabelecimentos que permitem isso. Eu não sou obrigado a aceitar dois gays se pegando na minha casa, no meu restaurante ou no meu shopping. Feministas gostam de dizer, "Meu corpo, minhas regras, mas porque não, "Meu restaurante, minhas regras", "Meu shopping, minhas regras"?

Anônimo disse...

bom,se tudo é "escolha e opinião",por que os crentes não podem ter a deles?

Erres Errantes disse...

Esse foi um guest post de que gostei. O texto foi muito bem escrito e as ironias, muito bem sacadas.
Pra gente ver que os argumentos dos reaças podem ser facilmente desconstruídos.

Anônimo disse...


Curioso, cheguei neste blog vindo de
outro machista (pobretão de vida ruim).
Gostaria da tua opinião sobre o referido blog, mas penso que vc tem coisa melhor para fazer!
Abraço.
mascutroll de Jvlle.

lola aronovich disse...

Bom, mascutroll de Joinville (linda cidade onde vivi durante 15 anos), sobre o referido blog, eu acho que alguém que escreve algo assim não bate muito bem da cabeça, né?

"Não deixarás as mulheres acabarem com sua vida: Elas são suas inimigas e seu pior adversário na vida

Muitos otários falam mal dos realistas, falam mal da gente aqui da blogosfera de finanças quando metemos o pau no sexo feminino porém nós estamos certos e eles errados. As mulheres não oferecem NADA pra sua vida além de buceta. Ponto. Mulheres estão no mundo e entram na sua vida não pra agregar e sim desagregar. Elas irão aprisionar a sua liberdade, irão roubar seu dinheiro, causar gastos violentos, lhe incomodar e poderão impedir seu desenvolvimento pessoal. Elas irão dizer que você perde muito tempo indo pra natação, pras artes marciais, que estuda demais, que não gasta com ela, que não sai de casa. A única coisa que uma mulher irá lhe proporcionar é o falso senso de alegria devido os carinhos românticos e os amassos na sua pele macia, lisa e buceta quente. Nada mais. Por isso não deixe elas atrapalharem seu verdadeiro objetivo: Ficar rico."

Eu acho que qualquer pessoa que veja as mulheres apenas como "uma buceta" está sendo misógino. Vc não reduz uma pessoa a uma de suas partes. Assim como eu estaria reduzindo os homens se só os visse como paus, pintos, pênis. Além do mais, dizer que mulheres desagregam, vão lhe roubar e tal é pura misoginia. Ele deixa muito claro que odeia as mulheres. Só gosta de buceta. Bom, se mulher pra ele é só só isso, existem bonecas infláveis.
Ele nunca conseguirá ser feliz. Nem que tiver o sonhado Camaro e o harém (quer dizer, se ele não quer casar nem com uma mulher, que dirá casar com cem...). Sempre haverá pessoas (mulheres também podem guardar dinheiro; eu, por exemplo, tenho muito mais dinheiro do que ele, e durante toda a minha vida ganhei muito menos do que os 5 mil dele, mas mesmo assim sempre apliquei 50% do que recebo) que terão mais do que ele, e ele sempre ficará corroído de inveja. Ele tem perto de 30 anos mas parece um adolescente que não amadureceu. Seus brinquedinhos e sonhos de consumo continuam os mesmos. Mas pelo menos ele assume que é um fracassado. Outros mascus não assumem (se bem que os que comentam no blog dele assumem).
Enfim, eu sou totalmente a favor que ele não se case, nem namore, porque mascu tem grande potencial pra tornar a vida de uma mulher um inferno. Dou toda a força pro marriage strike de vcs! E, se o plano dele é comprar carrão, seguir morando com os pais (o que já mostra a falta de maturidade emocional, a meu ver), e contratar garotas de programa toda semana, sei lá, vai fundo (eu tenho um pouco de pena das prostitutas que terão que transar com um cara anti-sociável e que odeia mulheres, mas enfim... E já já ele vira alcoólatra, se continuar do jeito que está). Só que dá pra fazer tudo isso sem ser misógino. Aliás, tem que ser muito ignorante pra fazer um blog que despreza mulheres. Afinal, muitas mulheres se interessam por finanças pessoais e poderiam ser leitoras dele. Mas como ser leitora de um cara que vê todas as mulheres como bucetas interesseiras?

Anônimo disse...

Adoção: vcs nao podem comparar os estudos sobre crianças adotadas nos USA com o Brasil, a realidade é outra, lá sim, por qualquer merdinha tiram a criança do seu lar e a colocam em adoção, aqui existem milhões de crianças abandonadas precisando de um lar

Lola: nao li todas as respostas so essa ultima tua, vc acha mesmo que esse mascu ta falando serio quando chama as mulheres de buceta quente? Eu acho que ele levou um tremendo pé na bunda da namorada e esta com raiva.
Ninguém em Sã consciência chamaria a sua mãe, avo, bisavó, de buceta quente.

Marcia Baratto disse...

Leandro, a concepção que entende que ninguém usufrui dos direitos ilimitadamente. E vê nos direitos de não-discriminação, o coração da defesa da igualdade humana.

Ninguém pode ser igual, se pode ser discriminado. Então vedar discriminação é uma exigência da igualdade, pressuposto de todo governo democrático.

Nenhuma liberdade de expressão pode ferir o direito de outro. Por que direitos precisam coexistir.

Assim como você tem direito a expressar sua sexualidade, inclusive em restaurantes e shoppings (que diferente de um corpo, não tem mente, nem alma, são lugares de convívio e quando se trata de convívio, a regra é a tolerância, ninguém pode excluir ninguém) lésbicas, trans, gays, tem o direito de expressar a sua.

Sua opinião deixa de ser o exercício legítimo de um direito quando nega o mesmo exercício para outra pessoas. Manter a sua opinião válida no meio público: não gosto de gays, eles não podem se beijar, é negar a eles uma liberdade que os héteros desfrutam.

E o pior: é incentivar as pessoas a intolerância, e intolerância não combina com democracia e igualdade. Não dá, não é nesse regime que pode permiti-lá, sob o risco de colapso.

Sobre o casamento gay: NENHUMA IGREJA SERÁ OBRIGADA A FAZÊ-LO. O Estado não regula a crença religiosa (o contrário não é verdadeiro), se trata de permitir o casamento civil, aquele que está no código civil.

É uma questão, sobretudo, de permitir mais opções sobre a escolha do regime de bens e como dispor de testamento. Civilmente, é isso que significa. O PL122 não irá obrigar igreja alguma a realizar casamento religioso, a luta é pelo casamento civil.

donadio disse...

"E muitos vão ficar contra leis anti-pedofilia, anti-zoofilia, etc..."

Ah, as maravilhas de escorregar num slippery slope...

Crianças não têm capacidade para consentir em relações sexuais; portanto, adultos que têm relações sexuais com elas são criminosos. É diferente de dois homens ou duas mulheres adultas, que podem decidir por si mesmos se querem ou não querem ter relações sexuais.

Quanto à zoofilia, acho que é penalmente irrelevante. Não acho que seja psiquiatricamente irrelevante. Fazer sexo com animais é coisa de doido, mas não é, nem deveria ser, crime. Mas, de novo, gente não é cachorro. Fazer sexo com pessoas do mesmo gênero, ou com pessoas de outra raça, etc., é um problema a ser resolvido pelos diretamente interessados, e por mais ninguém.

Por isso, sim: sou inteiramente a favor de leis anti-pedofilia, e totalmente contrário a leis contra a homossexualidade ou contra o sexo inter-racial, e me considero completamente coerente.

Anônimo disse...


Valeu!!!.

mascutroll de Jvlle e fracassado.

Anônimo disse...

Muito sério para o dia de hoje.

http://www.areliquia.com.br/Artigos%20Anteriores/41escrav.htm

Anônimo disse...

Triste ver pessoas que se dizem simpatizantes de comunistas e feministas achando que zoofilia é só uma caso de 'doença inocente' e não de crime e covardia. Gente não é cachorro, com certeza, mas cachorro não é 'coisa' e não é só porque os cachorros não fazem as leis que eles devem ser tratados como 'coisas' por aqueles que fazem as leis, que são os ditos 'superiores' seres humanos. Antigamente negros e mulheres humanos também não faziam as leis e a grande maioria achava tudo isso muito natural e normal. Não consigo simpatizar com o feminismo da 'raça humana superior'.

Anônimo disse...

nojo do donadio que acha que n tem nada demais em estuprar animais.

Anônimo disse...

"Quanto à zoofilia, acho que é penalmente irrelevante."

MY EYES!! MY EYES!!
Que a lei seja problemática é uma coisa, agora as pessoas acharem tudo bem maltratar animais de graça, só soma pra listinha de coisas que temos pra mudar no mundo. É penalmente irrelevante tu chutar um cachorro repetidas vezes? É penalmente irrelevante tu colocar um gato microondas e ligar? Então porque estuprar um animal seria? É tão difícil assim entender que animais não-humanos não existem para nós dispormos como quisermos deles? Que eles são sujeitos de consciência com vontades, entre elas a vontade de permanecer vivo e não ser agredido?

Anônimo disse...

Quero saber - mesmo to em duvida - se a galera anti zoofilia (eu tbm, a priori, acho que é interessante que seja proibido, mas quero entender as motivações morais/filosoficas sei la) pode me explicar:

Se o sexo entre o humano e o cachorro é estupro, porque o cachorro não pode consentir, assim como uma criança, então se vermos um cachorro trepando com outro, por serem "absolutmente incapazes", ambos são estuprados e estupradores e ambos são inimputaveis, então deveriamos abrir processo para processar - e depois aplicar medidas de segurança - nos cachorros?

Anônimo disse...

Graça vocês da esquerda adoram falar de democraci, voto direto, etc. Agora não têm coragem de propor um prebiscito para o casamento gay e o aborto, sabem que se entrar em votação a população votará contra. Coloquem a cara pra bater façam campanha na tv monstrando os dois lados num presbicito. São CORVADES e so querem votar na surdina para o povo não opinar. Pra votação de reitor da USP vocês querem votação direta e democratica, mas casamento gay não né?

Anônimo disse...

Sua opinião deixa de ser o exercício legítimo de um direito quando nega o mesmo exercício para outra pessoas. Manter a sua opinião válida no meio público: não gosto de gays, eles não podem se beijar, é negar a eles uma liberdade que os héteros desfrutam.

----------
E porque aqui no Brasil os nazistas não podem se expressar se este diereito e dado as comunistas?
Nos EUA e Reino Unido ambos podem se expressar este é o valor da verdadeira democracia.

donadio disse...

"nojo do donadio que acha que n tem nada demais em estuprar animais."

Preguiça de gente que não quer entender o que lê.

Olha só o que escrevi:

"Fazer sexo com animais é coisa de doido"

Ora, desde quando "não tem nada demais" em ser doente mental?

Se o animal se machuca, aplica-se a legislação sobre crueldade contra os animais (artigo 64 da Lei das Contravenções Penais), ou, se o animal for propriedade de alguém, o artigo 163 do Código Penal, que trata do crime de dano. Se não se machuca... como vc fica sabendo o que aconteceu, e qual o crime supostamente cometido?

E o que isto tem a ver com estupro, que é um crime que só pode ser cometido contra vítimas humanas?

donadio disse...

"Se o sexo entre o humano e o cachorro é estupro, porque o cachorro não pode consentir, assim como uma criança, então se vermos um cachorro trepando com outro, por serem "absolutmente incapazes", ambos são estuprados e estupradores e ambos são inimputaveis, então deveriamos abrir processo para processar - e depois aplicar medidas de segurança - nos cachorros?"

São os problemas de não entender que só as pessoas são sujeitos de direitos. Por que ter direitos implica ter responsabilidade, que os animais não podem ter. Animais matam outros animais também. Vamos processá-los por assassinato?

*************

A natureza não é uma sociedade, não se rege por regras sociais. Nós somos animais também, nossas relações com outros animais são relações naturais, ecológicas, em que nós somos presas e predadores. Não são relações sociais. Não podem ser regidas por normas sociais.

donadio disse...

"não é só porque os cachorros não fazem as leis que eles devem ser tratados como 'coisas' por aqueles que fazem as leis, que são os ditos 'superiores' seres humanos. Antigamente negros e mulheres humanos também não faziam as leis"

Você está propondo que os cachorros passem a fazer leis junto conosco também?

Anônimo disse...

donadio

'Quanto à zoofilia, acho que é penalmente irrelevante"

tá claro que para vc,abusar de um animal n é tão grave assim para merecer ser punido,vc n lê as asneiras que escreve?

"Você está propondo que os cachorros passem a fazer leis junto conosco também?"

vc que n sabe interpretar as coisa,foi bem claro o que ela disse,mesmo que animais n possam fazer leis,mesmo que n sejam seres humanos,merecem respeito.

Animais matam outros animais também.
verdade,mas eles n tem escolha e geralmente é só para se alimentar.
bem diferente de gente como vc que se considera superior e acha estuprar bichos n tem nada demais.

estupro n é sexo n consentido? homens e mulheres que transam com animais estão fazendo o que?
com certeza n pediram sua permissão e se pedissem eles n teriam como negar.

Marcia Baratto disse...

Leandro, não adianta gritar propriedade privada como um liberal do século XIX que era a favor do voto censitário.

Toda propriedade privada é reconhecida por uma lei PÚBLICA. E leis públicas regulamentam o uso da propriedade, ou seja, novamente, não é um direito ilimitado.

Tem limites muito concretos, como a função social, e nenhum dono de restaurante pode impedir negros de entrarem, por mais que seja racista.

Nenhum dono de restaurante católico, pode baixar uma regra impedindo evangélicos de almoçar no seu estabelecimento, ainda que este seja seu.

Não existe direito à ser preconceituoso.

Sobre exercício da sexualidade, bem aí é vasto. Vou dar um exemplo bem simples, o de poder demonstrar carinho por outra pessoa em público.

Para mim, que sou hétero, num relacionamento monogâmico, que adoro fazer sexo com meu companheiro, significa que vou entrar em qualquer restaurante ou shopping de mãos dadas com meu marido, eventualmente vou acariciar seu rosto e lhe dar um selinho. Nos butecos à noite, na balada, costumo é dar altos beijos de língua e fico abraça com ele a noite inteira.

Nunca, em 7 anos que estou com ele, jamais fui repreendida por qualquer dono de estabelecimento ou segurança de shopping. Ao que parece, tais atos que faço em público não danificam nem um tiquinho da dita propriedade privada. Sendo assim, por quê deveriam ser proibidos?

Outro princípio da democracia, é que o indivíduo tem liberdade de fazer tudo o que a lei não proíbe.

Bem, desconheço qualquer proibição penal, civil ou administrativa que impeça que eu beije e acaricie meu marido em público, é uma liberdade que eu tenho.

Acho inconstitucional, absurdo, prova de ignorância, preconceito, fundo do poço para a dignidade moral, que tais ações sejam vedadas a quem não tem a mesma orientação sexual que a minha.

Não é difícil entender, não é mesmo?

Propriedade privada não é direito ilimitado. Aliás, será que deveria? Quando leio comentários como o seu, tenho muitas dúvidas à respeito.

Marcia Baratto disse...


E porque aqui no Brasil os nazistas não podem se expressar se este diereito e dado as comunistas?
Nos EUA e Reino Unido ambos podem se expressar este é o valor da verdadeira democracia.

Mas não na França, na Alemanha, na Espanha, na Suécia, na Dinamarca... e bom, se ficar aqui, vou citar quase toda a união européia, América latina, Oceania e por aí vaí.

Me caro, o dogma nazista implica na negação de dignidade humana a 3/4 da humanidade. Nega liberdade de religião, liberdade de crença, igualdade de gênero, igualdade racial, nega direitos sociais.

Não respeita transição democrática, não acredita no pressuposto básico: oposição ao poder deve existir.

Eua e Reino Unido o consideram um credo que nunca vai ter nenhuma expressão política relevante, então deixe que falem suas besteiras anti-sistema democrático. Todos os países que eu citei, consideram que este credo pede a não-observação de leis fundamentais para a manutenção do sistema, portanto deve ser proibido.

Te juro que não é nenhum mistério entender o porquê. Acho o supra sumo da hipocrisia usar a linguagem dos direitos, quando na verdade o objetivo político é extingui-la. Mas né? Para eu ser um babaca egoísta, as conquistas comunistas e socialistas servem.

Coerência mandou lembrança.

Marcia Baratto disse...

Anônimo disse...
Graça vocês da esquerda adoram falar de democraci, voto direto, etc. Agora não têm coragem de propor um prebiscito para o casamento gay e o aborto, sabem que se entrar em votação a população votará contra. Coloquem a cara pra bater façam campanha na tv monstrando os dois lados num presbicito. São CORVADES e so querem votar na surdina para o povo não opinar. Pra votação de reitor da USP vocês querem votação direta e democratica, mas casamento gay não né?

20 de novembro de 2013 15:4

Favor estudar o conceito de democracia. Desde quando a maioria pode pôr em risco direitos de minoria?

Anônimo disse...

"Se o sexo entre o humano e o cachorro é estupro, porque o cachorro não pode consentir, assim como uma criança, então se vermos um cachorro trepando com outro, por serem "absolutmente incapazes", ambos são estuprados e estupradores e ambos são inimputaveis, então deveriamos abrir processo para processar - e depois aplicar medidas de segurança - nos cachorros?"

Primeiramente não é verdade que um cachorro não possa consentir, entre sua espécie existem mecanismos que permitem a um animal identificar a disposição do outro. Só que isso acontece de uma maneira muito diferente do que a nossa, a ponto de aplicar esse conceito de consentimento quando se fala de um animal não-humano para outro é complicado.
Outro detalhe que já falaram é que animais não-humanos têm suas próprias leis de conduta, variando de espécie pra espécie, tornando óbvia a resposta de "se um animal assassina o outro podemos prendê-lo de acordo com nossas leis?". Conceitos como moral e ética foram criados por nós, então não nos cabe querer que o resto da natureza siga esses conceitos, mas ao mesmo tempo, é nosso dever aplicá-los nas nossas relações com outros animais.
O fato de um cachorro não poder consentir se refere ao fato de não poder consentir com seres humanos, da forma como seres humanos vêem consentimento, de forma que esse ato sexual seria sempre um abuso e portanto reprovável moral e legalmente porque estamos falando de um ser humano afetando um animal não-humano. E a nossa lei só fala de maus-tratos aos animais, com uma pena bem pequena e uma prática relativamente comum como a zoofilia acaba virando coisa corriqueira, até porque já é difícil conseguir um processo de maus-tratos a animais.

"A natureza não é uma sociedade, não se rege por regras sociais. Nós somos animais também, nossas relações com outros animais são relações naturais, ecológicas, em que nós somos presas e predadores. Não são relações sociais. Não podem ser regidas por normas sociais."

Como eu disse antes, no momento em que criamos a moral e a ética, nosso comportamente começou a se moldar de uma forma diferente do que vemos no resto da natureza. Então é sim nosso dever aplicar esses conceitos nas nossas interações com outros seres vivos e o meio, incluindo aí ser moralmente inaceitável maltratar um animal não-humano.
Claro que o quanto podemos ultrapassar essa linha está em discussão, mas o ideal seria animais não terem que sofrer com nossas ações e algumas dessas ações são mais fáceis de executar do que outras, como não bater em um animal é mais fácil que não comer carne, que é mais fácil que não testar produtos em animais não-humanos e etc. Mas é bem claro o quanto zoofilia é uma ação perfeitamente evitável e passível de punição.

donadio disse...

"tá claro que para vc,abusar de um animal n é tão grave assim para merecer ser punido,vc n lê as asneiras que escreve?"

Está claro que, para mim, abusar de um animal é contravenção, punível pela Lei de Contravenções Penais. Mas o abuso, no caso, se trata de maus tratos, pressupõe algum tipo de sofrimento causado ao animal. A relação sexual - se é que se pode chamar assim - por si só é irrelevante.

"vc que n sabe interpretar as coisa,foi bem claro o que ela disse,mesmo que animais n possam fazer leis,mesmo que n sejam seres humanos,merecem respeito."

E "não podem" por que? Não são iguais a nós? Não tem que ter os mesmos direitos? Então qual a dificuldade? Me explique qual é o motivo pelo qual cães não podem participar do processo legislativo, sem dizer nem implicar que há coisas de que os humanos são capazes e os cães não, sem dizer nem implicar que os cães não são iguais aos humanos.

...É boa, comparam negros e mulheres com cachorros, e ficam indignados, se sentindo os maiorais do feminismo e do anti-racismo, quando alguém contesta...

"Animais matam outros animais também.
verdade,mas eles n tem escolha e geralmente é só para se alimentar.
"

E daí?

E quando não é, como por exemplo os leões, que matam filhotes de guepardo simplesmente por matar? Ou como doninhas, que invadem galinheiros e matam todas as galinhas, mesmo quando só comem duas ou três? Ou como tantas espécies em que os machos duelam até a morte pela posse das fêmeas? E os que matam os próprios filhotes? Todos assassinos, vamos prendê-los, julgá-los, pô-los na cadeia?

"estupro n é sexo n consentido?"

Não, não é. Estupro é, segundo o Código Penal,

"Art. 213. Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, a ter conjunção carnal ou a praticar ou permitir que com ele se pratique outro ato libidinoso"

A falta de consenso, portanto, não caracteriza o estupro, que requer "violência ou grave ameaça". E é evidente que a vítima tem que ser, como o Código Penal diz, "alguém", e "alguém" só pode ser um ser humano.

Pode ser que você ache que estupro é isso ou aquilo, ou que deveria ser, e que deveríamos mudar o Código Penal para se adequar às suas idéias. Mas, enquanto não for mudado, estupro é o que o Código Penal diz que é estupro, não o que você ou eu achamos que deveria ser. E, como diz o artigo primeiro do Código Penal (e não é por acaso que é o primeiro):

"Art. 1º - Não há crime sem lei anterior que o defina."

Hamanndah disse...

Então, Donato, pela definição do Código Penal, fazer sexo com uma mulher inconsciente( por exemplo, em coma) não seria estupro?

Você considera correto fazer sexo com uma mulher inconsciente/embriagada? Se você considera isso errado, então, concorda comigo que a Lei que penaliza o estupro no Código Penal deve ser mudada ou não?

Quanto à Zoofilia, zoofilia é violência, sim, e deve ser punida com ato de maus-tratos aos animais.

Se você sugere que fazer sexo com animais sem ferí-los, maltratá-los não deve ser crime, então, fazer sexo com uma pessoa, contra a vontade dela e ele estando inconsciente, sem machucá-la, sem usar de violência física ou ameaçá-la de morte, ou com uma criança, que não tem discernimento para sentir que está sendo agredida, também não seria merecedor de punição, segundo seu raciocínio

Angélica disse...

Mel Deos.

To chocada com alguns comentários.

Olha esse:
"Meu shopping, minhas regras" do leandro 20:32.

Caramba!
A galera não entende nada?
Nada????

Anônimo disse...

Angélica
O Leandro é um espécime que está em observação aqui nesse blog, mas fora isso, não é necessário levar o que ele escreve a sério.

donadio disse...

"Então, Dona[di]o, pela definição do Código Penal, fazer sexo com uma mulher inconsciente( por exemplo, em coma) não seria estupro?"

Penso que esse caso estaria tipificado no artigo 215 do Código Penal:

"Art. 215. Ter conjunção carnal ou praticar outro ato libidinoso com alguém, mediante fraude ou outro meio que impeça ou dificulte a livre manifestação de vontade da vítima"

Ou, conforme o caso, no artigo 217, parágrafo primeiro:

"Art. 217-A. Ter conjunção carnal ou praticar outro ato libidinoso com menor de 14 (catorze) anos: (Incluído pela Lei nº 12.015, de 2009)

Pena - reclusão, de 8 (oito) a 15 (quinze) anos. (Incluído pela Lei nº 12.015, de 2009)

§ 1o Incorre na mesma pena quem pratica as ações descritas no caput com alguém que, por enfermidade ou deficiência mental, não tem o necessário discernimento para a prática do ato, ou que, por qualquer outra causa, não pode oferecer resistência."

"Você considera correto fazer sexo com uma mulher inconsciente/embriagada? Se você considera isso errado, então, concorda comigo que a Lei que penaliza o estupro no Código Penal deve ser mudada ou não?"

Não, não considero correto fazer sexo com uma mulher inconsciente ou embriagada. Mais do que não achar correto, acho que deve ser tipificado como crime pela lei.

Posso concordar ou não com a tipificação que o Código Penal faz do caso, achar que a pena deveria ser maior, etc. Posso até achar que os dois crimes, o previsto no artigo 213 (e chamado de "estupro"), e o previsto no artigo 215 (e chamado de "posse sexual mediante fraude") deveriam ser unificados em um artigo só. E tenho certeza de que a lei sempre pode ser aprimorada.

Não concordo em que as penas deveriam ser necessariamente iguais em ambos os casos; acho que uma coisa (agir com violência ou grave ameaça) é mais perigosa e ofensiva do que a outra. Não acho que haveria vantagem para a sociedade em equiparar as duas coisas.

Então, posso achar que esse capítulo do Código Penal deveria ser modificado. Mas não estou sob a falsa impressão de que as pessoas inconscientes não estão defendidas pela lei, de que abusar sexualmente das pessoas inconscientes não é punível pela lei brasileira.

Para falar com franqueza, me preocupo mais com outros aspectos da lei penal no que se refere aos crimes sexuais. Um deles é que a ação penal no caso desses crimes (inclusive o estupro (!)) só se procede mediante representação. Outro é a questão de como se faz a prova nesses casos.

donadio disse...

"Quanto à Zoofilia, zoofilia é violência, sim, e deve ser punida com ato de maus-tratos aos animais."

Acho praticamente impossível cumprir uma lei nesse sentido, e acho que leis cujo cumprimento é impossível deveriam ser evitadas.

"Se você sugere que fazer sexo com animais sem ferí-los, maltratá-los não deve ser crime, então, fazer sexo com uma pessoa, contra a vontade dela e ele estando inconsciente, sem machucá-la, sem usar de violência física ou ameaçá-la de morte, ou com uma criança, que não tem discernimento para sentir que está sendo agredida, também não seria merecedor de punição, segundo seu raciocínio"

Bom, o meu raciocínio é bem diferente, por que eu parto de uma premissa muito fundamental (e não negociável): pessoas não são iguais a animais não humanos. E uma das diferenças é a enorme capacidade de sofrimento emocional que caracteriza os seres humanos, da qual os animais não partilham.

Para uma pessoa, simplesmente saber que um outro se serviu sexualmente dela na sua "ausência" pode ser moral e psicologicamente devastador. Não vou nem falar do que o abuso sexual pode representar para uma criança. Não acredito que o mesmo valha para animais. A zoofilia pode ser ou não fisicamente lesiva ou dolorosa para o animal (duvido muito, por exemplo, que seja possível machucar uma égua ou uma vaca assim, ou que um cachorro se machuque quando uma mulher o usa como uma espécie de dildo vivo), mas não creio que ele fique lembrando, meses ou anos depois, do horror a que foi submetido. A memória depende muito da linguagem, e a linguagem é uma coisa que os animais (em geral, e incluindo os que mais provavelmente seriam usados por zoófilos) não possuem.

Acho que as pessoas projetam muito os seus próprios sentimentos sobre os animais; mas se formos fazer isso, temos de considerar todas as relações sexuais normais entre gatos, por exemplo, como estupros. Por que é sem dúvida o que parece.

**************

Zoofilia é uma coisa extremamente nojenta, repugnante mesmo, e eu duvido que eu conseguisse ter relações sexuais com uma mulher que eu soubesse que já a praticou. Mas o meu gosto não é uma fonte do direito; nem tudo que eu acho horrível, nojento, de mau gosto, ridículo, deveria ser crime.

Para sorte dos cantores de "breganejo".

Anônimo disse...

Eua e Reino Unido o consideram um credo que nunca vai ter nenhuma expressão política relevante, então deixe que falem suas besteiras anti-sistema democrático. Todos os países que eu citei, consideram que este credo pede a não-observação de leis fundamentais para a manutenção do sistema, portanto deve ser proibido.
------------
Sim mais possuem o direito de falar o que pensam conceito fundamental de uma democracia.

Leandro disse...

"Toda propriedade privada é reconhecida por uma lei PÚBLICA. E leis públicas regulamentam o uso da propriedade, ou seja, novamente, não é um direito ilimitado.

Tem limites muito concretos, como a função social"


Já que você acha que propriedade tem que respeitar a "função social", então seja coerente e ao menos entregue as chaves de sua residência e libere para moradores de rua. Afinal, você têm de respeitar a função social da propriedade (tá na Constituição). Quer maneira melhor de fazer isso do que liberando a geladeira para os famintos?


"Nenhum dono de restaurante católico, pode baixar uma regra impedindo evangélicos de almoçar no seu estabelecimento, ainda que este seja seu."

Se um dono de um restaurante católico quiser impedir a entrada de evangélicos, ele tem todo o direito de fazê-lo. Você não pode obrigá-lo a aceitar evangélico?


"Não existe direito à ser preconceituoso."

Ah, é? Não existe? Então tá. Você andaria de Ferrari em uma favela? Andaria bem fina, com roupas de grife cara em uma favela? Andaria sozinha de madrugada na linha vermelha no Rio? Se você se recusar a fazer estas coisas, você está sendo preonceituosa.


"Para mim, que sou hétero, num relacionamento monogâmico"

Você é hétero e monogâmica? Então você discrimina no amor...


"Nunca, em 7 anos que estou com ele, jamais fui repreendida por qualquer dono de estabelecimento ou segurança de shopping. Ao que parece, tais atos que faço em público não danificam nem um tiquinho da dita propriedade privada. Sendo assim, por quê deveriam ser proibidos?"

Não danifica porque os estabelecimentos que você frequenta não têm regras proibindo beijos e amassos entre héteros. Se houvesse, você e seu namorado poderiam ser expulsos e poderiam ser até impedidos de entrar em tal estalecimento.


"Outro princípio da democracia, é que o indivíduo tem liberdade de fazer tudo o que a lei não proíbe.

Bem, desconheço qualquer proibição penal, civil ou administrativa que impeça que eu beije e acaricie meu marido em público, é uma liberdade que eu tenho."


Não tem nenhuma lei proibindo. Mas como eu falei, propriedade privada, regras privadas. Se um dono de restaurante cria regras proibindo beijos e amassos no seu estabelecimento, ou você e seu namorado se sujeitam a estas regras para poder frequentar tal restaurante ou você frequenta outro restaurante que permite beijos e amassos entre casais héteros.


"Acho inconstitucional, absurdo, prova de ignorância, preconceito, fundo do poço para a dignidade moral, que tais ações sejam vedadas a quem não tem a mesma orientação sexual que a minha."

Isso é o que você acha... Tem gente que acha um absurdo ver dois gays se beijando. Só sei que ninguém é obrigado a aceitar dois gays se beijando em sua propriedade.


"Propriedade privada não é direito ilimitado. Aliás, será que deveria? Quando leio comentários como o seu, tenho muitas dúvidas à respeito."

A propriedade privada é um direito natural. Ninguém tem o "direito" de te obrigar a aceitar quem você não quer em sua propriedade. Você é quem faz as regras em sua propriedade. "Minha propriedade, minhas regras".

donadio disse...

Leandro, você continua a confundir a autonomia pessoa com a propriedade.

São direitos diferentes, como é fácil de ver pelo fato de que o primeiro é inalienável, e o segundo é necessariamente alienável.

Essa é a diferença fundamental entre "meu" corpo e "meu" restaurante. O segundo eu vendo, alugo, dou em herança, empresto para os amigos, empenho para conseguir um empréstimo. O primeiro, não.

Daí se segue, necessariamente que as "minhas regras" que se referem ao meu corpo são diferentes das "minhas regras" que se referem ao meu restaurante.

Leandro disse...

Prezado Donadio.

Somos donos dos nossos próprios corpos, assim ninguém possui o direito de escravizar pessoas. Ou seja, temos a propriedade inalienável do nosso corpo. Isto é o que chamamos de autopropriedade. Por conseguinte, cada indivíduo se torna o proprietário de direito daqueles bens aos quais ele 'misturou' seu trabalho. Cultivar uma terra, apanhar uma maçã, ou abrir um restaurante (sem o capital privado, tal restaurante não existiria)...qualquer que seja o exemplo, quando nos apropriamos de recursos sem dono, dando algum uso a eles, estamos apenas estendendo nossa propriedade sobre o nosso corpo para objetos físicos. Então, restaurantes, shoppings, áreas cultivadas, enfim, qualquer propriedade é tão propriedade sua, quanto o seu corpo. Mas o corpo é propriedade inalienável. Entendeu?

Anônimo disse...

Lola, acabei de ler esse post e te faço um pedido: por favor faça um post explicando que o casamento entre pessoas do mesmo sexo já acontece em todo o país e não só em São Paulo! Não foi uma lei, foi uma decisão do STF e tem muita gente, gay inclusive, que ainda não sabe disso! Informação de utilidade pública precisa circular!bjo!

donadio disse...

"Somos donos dos nossos próprios corpos, assim ninguém possui o direito de escravizar pessoas.

Se nós fossemos "donos" dos nossos corpos, no mesmo sentido em que somos "donos" dos nossos automóveis, então a escravidão não teria nada demais. Até seria uma consequência lógica do sistema jurídico.

Por que eu posso, por exemplo, dar o meu automóvel em garantia de um empréstimo. Se eu não pago o empréstimo, o credor toma o automóvel, para se ressarcir do prejuízo. Mas eu não posso me dar a mim mesmo em garantia de um empréstimo - o que implicaria a instituição da escravidão. Por que não posso? Por que a minha relação com meu carro é diferente da minha relação comigo mesmo.

"Ou seja, temos a propriedade inalienável do nosso corpo. Isto é o que chamamos de autopropriedade."

Bom, eu não chamo isso de "autopropriedade", de jeito nenhum. Porque ou isso implicaria a alienabilidade da minha pessoa, e a legitimidade jurídica da escravidão, ou isso significaria a possibilidade de alguém, externo ao proprietário (no caso, evidentemente, o Estado) determinar a inalienabilidade de pelo menos determinados tipos de propriedade. E aí já não é mais o direito de propriedade como você o define, com utere et abutere, não é mesmo?

"Por conseguinte, cada indivíduo se torna o proprietário de direito daqueles bens aos quais ele 'misturou' seu trabalho."

Não vejo a conexão lógica implicada no seu "por conseguinte". Vou à floresta, caço um animal, o animal é meu, uso como quiser (mato e como, por exemplo). Mas também o meu trabalho modificou a floresta, que agora tem um animal a menos. Virei dono da floresta?

Também acho curioso que os empregados da Volkswagen, por exemplo, passem o tempo todo "misturando o seu trabalho" ao capital da empresa, mas não se tornem por isso proprietários dela, ou do produto dela.

"Cultivar uma terra, apanhar uma maçã, ou abrir um restaurante (sem o capital privado, tal restaurante não existiria)...qualquer que seja o exemplo, quando nos apropriamos de recursos sem dono, dando algum uso a eles, estamos apenas estendendo nossa propriedade sobre o nosso corpo para objetos físicos.

Então por que é que todas essas coisas são alienáveis, enquanto o nosso corpo não é?

"Então, restaurantes, shoppings, áreas cultivadas, enfim, qualquer propriedade é tão propriedade sua, quanto o seu corpo. Mas o corpo é propriedade inalienável. Entendeu?

Não, Leandro. Se a propriedade de quaisquer objetos é uma extensão da relação que temos conosco mesmo, através do trabalho, então o que explica que certas características dos direitos que temos sobre nós mesmos se estendam à propriedade, enquanto outras (como, bem evidentemente, a alienabilidade) não se estendem?

De onde nasce a alienabilidade dos nossos direitos sobre os produtos do nosso trabalho, Leandro?

donadio disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Leandro disse...

Donadio não sabe conhece o básico dos direitos naturais como PROPRIEDADE e AUTOPROPRIEDADE. Propriedade é o direito de dispor de um recurso com poder de decisão sobre o mesmo. O direito à autopropriedade assegura o direito absoluto de cada homem, devido a ele (ou ela), ser um ser humano, de ter a propriedade de seu próprio corpo; isto é, controlar o seu corpo livre de qualquer interferência coercitiva. Propriedade sobre si mesmo é, dessa forma, o direito de agir livremente com o seu corpo (desde que não violando o direito recíproco de outros) e de excluir indivíduos desta esfera de autoridade delimitada pelo próprio corpo. Como eu disse, o corpo é propriedade inalienável, portanto, a autopropriedade é inalienável. Este princípio, ao contrário de legitimar a escravidão, levou à abolição da escravidão.


"Vou à floresta, caço um animal, o animal é meu, uso como quiser (mato e como, por exemplo). Mas também o meu trabalho modificou a floresta, que agora tem um animal a menos. Virei dono da floresta?"

Não. Você não modificou a floresta. Você caçou um animal, e portanto você é dono somente do animal. Você não dono da floresta porque você não plantou a floresta. A floresta não existe graças a um trabalho seu.


“Também acho curioso que os empregados da Volkswagen, por exemplo, passem o tempo todo "misturando o seu trabalho" ao capital da empresa, mas não se tornem por isso proprietários dela, ou do produto dela.”

Foi esperto em citar a Volkswagen. Eu conheço a História da Volkswagen. A automobilística foi criada em 1937 pela Deutsche Arbeitsfront (DAF, Frente Alemã do Trabalho), organização sindical do Partido Nazista. Inicialmente, Volks era um projeto de um engenheiro judeu. Este caso mostra bem como era a política econômica do regime nazista... Os nazistas pensavam igual aos esquerdistas atuais: que cultura, transporte é "direito".... Isso não está em debate, cito isso só para mostra que não é bobagem quando digo que o nazismo era de esquerda.


"Então por que é que todas essas coisas são alienáveis, enquanto o nosso corpo não é?"

Porque o corpo é uma propriedade inalienável.


“Não, Leandro. Se a propriedade de quaisquer objetos é uma extensão da relação que temos conosco mesmo, através do trabalho, então o que explica que certas características dos direitos que temos sobre nós mesmos se estendam à propriedade, enquanto outras (como, bem evidentemente, a alienabilidade) não se estendem?”

A razão fundamental é que há propriedades que são, por sua natureza, alienáveis pelo homem. Toda propriedade física que uma pessoa possui é alienável, isto é, na realidade natural ela pode ser doada ou transferida para a posse e para o controle de outra parte. Eu posso doar ou vender para outra pessoa meus sapatos, minha casa, meu dinheiro etc. Mas há certas coisas vitais que, na realidade natural, e pela natureza do homem, são inalienáveis, isto é, não podem de fato ser alienadas, mesmo que voluntariamente. Você não pode alienar sua vontade, mais particularmente seu controle sobre sua própria mente e corpo. Todo homem tem o controle sobre sua própria vontade e pessoa, e ele está, poderíamos assim dizer, "preso" a esta propriedade inerente e inalienável. Uma vez que sua vontade e seu controle sobre sua própria pessoa são inalienáveis, então seus direitos de controlar esta pessoa e vontade também o são. A autopropriedade é inalienável.