quinta-feira, 14 de novembro de 2013

GUEST POST: DESISTI DE FAZER SEXO CASUAL

Eu penei para dar um título para este guest post da L. E não é o melhor título, porque ela fala de várias coisas relacionadas a sexo casual, e como sua desistência teve muito mais a ver com os preconceitos dos outros. Como em tudo relacionado a sexo, não existe certo ou errado. Eis o relato da L.

Sempre fui uma pessoa bem desencanada em relação a sexo. Sempre vi sexo como algo que faz bem pro corpo, a mente, o humor, independente de ter ou não algum sentimento mais romântico. Se há atração e respeito, pra mim tá valendo. Infelizmente, esse segundo item, o respeito, não parece estar dentro da cabeça da maioria das pessoas, quando o assunto é sexo.
Claro que não acho que todo mundo deva pensar ou viver como eu. Respeito quem não separe sexo de um relacionamento amoroso. Infelizmente a recíproca nem sempre é verdadeira.
Quando deixei de ser virgem aos dezesseis anos, provoquei certa polêmica entre minhas amigas mais íntimas da época, pra quem contei. Elas acharam um absurdo eu fazer sexo com um rapaz com quem estava namorando há apenas algumas semanas. Como assim, eu fazia sexo sem antes ter certeza que o namoro era sério, que ele estava realmente apaixonado? Pior, mesmo que estivesse gostando de mim, era óbvio que agora ele não me levaria mais a sério. Quando disse a elas que eu sentia atração por ele, mas não estava necessariamente apaixonada e que eu nem achava que o namoro iria durar muito, passei a ser vista de forma diferente por elas: de vítima, de ingênua coitadinha, passei a ser ser um E.T.
Pior é que achava que isso tudo era coisa de adolescente, que à medida que amadurecêssemos, sexo iria passar a ser visto como algo mais natural, não como um bicho de sete cabeças. Hoje posso dizer que com o passar dos anos as coisas melhoram um pouco, mas muito pouco. Acho que quando o assunto é sexo, a maioria dos brasileirxs ainda não saiu da adolescência, independente da idade. Sexo ainda é um assunto de sussurros, fofocas, deboches, acusações. Tanto entre senhores e senhoras de cinquenta anos quanto na boca de adolescentes que ainda estão no ensino médio.
Outro dia, li alguns comentários femininos e masculinos com basicamente as mesmas reclamações de quando eu fazia sexo casual. Fazia, no pretérito mesmo, porque há uns três anos não faço mais. Nos últimos dois anos não fiz por estar em um relacionamento sério e por prezar a fidelidade em relacionamentos assim (mesmo respeitando quem opta pela poligamia, por relacionamentos abertos, mas não é meu caso). 
Mas antes de entrar nesse relacionamento, fiquei um ano sem fazer sexo. Simplesmente cheguei à conclusão que era mais simples usar a imaginação ou ver um filme erótico e me masturbar quando batesse a vontade, apesar de sexo me fazer muita falta. Claro que dá pra viver sem, mas acho que sexo é algo que além do óbvio que é dar prazer, faz tão bem no geral, relaxa, melhora o humor... 
Outro dia até vi um desses psicólogos cheios de clichês da tv dizendo algo do tipo “homem faz sexo pra se sentir bem, mulher precisa se sentir bem pra fazer sexo". Gargalhei alto. Só se for sua mulher, cara pálida, porque pra mim é bom pra comemorar se estou bem ou pra me melhorar se estou mal. Vamos parar com essas generalizações e essas ideias atrasadas sobre sexualidade feminina.
Acho que nesses assuntos também rola muita confusão. Sexo casual só é casual mesmo se não rola sentimento, se não rola vontade que haja algo mais que aquilo com aquela pessoa. Se você transa com uma pessoa de quem você gosta, mesmo que não haja relacionamento, não vejo como algo casual. Aliás, não vejo até como algo recomendável. Claro que já cometi esse erro umas duas vezes (quem nunca?), mas acho que ou é pra ser casual mesmo, ou então vai trazer é sofrimento. 
Mas voltando ao assunto, desisti do sexo casual porque, devido a tantos preconceitos, acho que, no fim das contas, me trazia mais problemas que soluções. Se é um cara desconhecido, que você não vai ver nunca mais, acaba rolando aquele receio de ficar totalmente sozinha com alguém que não se conhece. Se é um cara conhecido, ou “semi-conhecido” (vizinho do seu amigo, primo da sua colega de trabalho, vizinho da sua prima, enfim), as chances do cara tratar a mulher com falsidade, em um mundo com uma criação machista como a nossa, infelizmente é enorme. 
Tem aqueles que são legais e tem aqueles que na sua frente te tratam bem, mas nas suas costas, falam mal de você. Por isso que digo que nesses assuntos, tantos homens crescidos se comportam como adolescentes que acabaram de descobrir que sexo existe. Pra alguns, se gabar e falar mal da mulher que “comeu” parece ter até mais graça do que o ato sexual em si.
Claro que já aconteceu comigo, acho que já aconteceu com a maioria das mulheres que já fez sexo, casual ou não. E é muito chato você ter um momento legal com uma pessoa, a pessoa te trata bem, cada um vai pro seu lado e um dia alguém comenta que fulano falou isso e aquilo de você. Pessoas que às vezes são legais em outros setores da vida, mas em relação a sexo simplesmente não amadureceram. O machismo não deixa
Outra coisa que já me aconteceu, é o cara simplesmente não acreditar, ou aceitar, que uma mulher possa ir pra cama com ele sem estar apaixonada, encantada, sem estar esperando algo mais sério no final.
Uma vez estava ficando com um rapaz um pouco mais novo que eu. Eu sentia atração física por ele, mas era só isso, deixei claro desde o começo que a gente só ia ficar. Mas aí, depois da primeira vez que transamos, ele me perguntou que dia que eu o apresentaria pra minha mãe, achando que estava abafando. Entrei quase em pânico, mas levei as palavras dele na brincadeira. Depois da segunda vez, o mesmo papo, dessa vez com mais insistência. Falei numa boa que eu já tinha dito que não estava querendo namorar no momento. Aí piorou. 
Ele ficou falando que logo a gente ia estar namorando, que logo eu ia mudar de ideia, como se não tivesse me ouvido. Nos dias seguintes, me ligava quase todos os dias, falava comigo como se eu fosse namorada dele, como se eu devesse alguma satisfação a ele. Resolvi que era melhor não vê-lo mais. Até hoje não sei se ele realmente estava tão a fim de ter algo sério comigo ou se era alguma espécie de orgulho ferido, por uma mulher ter transado com ele e mesmo assim não estar louca pra casar e ter filhos. Vai saber.
Hoje em dia, num relacionamento sério, acho que uma das melhores partes é essa maior facilidade pra se ter uma relação sexual sem dor de cabeça no final. Mas fico pensando: será que um dia vamos ser um país realmente mais livre (e não livre de fachada) em relação a sexo? 

104 comentários:

Anônimo disse...

Sinceramente, eu acho que a maior parte dos homens preferem ter que pagar por sexo, e mesmo fazer menos sexo, de "menor qualidade" (pq as mulheres não conseguem "estar ali",precisam ficar pesando se vale ou não a pena fazer certas coisas e se expor, etc), do que aceitar que mulheres sejam indivíduos. Me dói, mas é o que eu mais vejo.
p.s.: eu sei que existem ótimas exceções ;)

Fernanda disse...

Esse post é a minha cara. Tenho muitos desses mesmos conflitos.

A minha natureza é totalmente livre. Se eu tiver que estar em uma relação monogâmica, eu o farei por lealdade e amor ao parceiro, se assim eu achar que devo. Mas é contrariar um instinto que tenho que é me interessar por quase toda a humanidade.

Além de amar o sexo pelo prazer, em si, eu amo a sensação de intimidade, os dois corpos nus, e a sensação de espontaneidade e verdade daquela troca. Acho fabuloso poder conhecer alguém assim, nesse nivel. Gozar é uma coisa maravilhosa, e poder compartilhar isso com alguém é uma das coisas que mais me seduz no mundo.

No universo ideal, eu realmente vejo muitas pessoas como potenciais parceiros. Muitas mesmo. De forma que se o mundo não fosse tão burocratico e não houvesse tanto protocolo antes e depois do ato sexual, eu realmente transaria com a humanidade quase toda.

Porém, me vejo com algumas das questões da autora do post. A primeira, sem duvida, é a questão de receber dentro de você pessoas com habitos não muito saudaveis, não muito higiênicos, enfim. Pode parecer besteira, mas não é não: ja sofri bastante com isso (por mais que me prevenisse sempre). O outro ponto é justamente esse: às vezes eu não quero nem transar uma segunda vez, o que nõa quer dizer que a primeira não foi boa. Simplesmente não deu vontade de repetir, de continuar nessa busca de intimidade com aquela pessoa. E ai é surto na certa. Até o homem que também não quer uma coisa séria com você pode ficar perturbado com essa ideia.

A verdade é que achar parceiros pra essa empreitada não é facil. Pessoas com o mesmo nivel de liberdade, respeito e desapego são rarissimas.

Anônimo disse...

Já pratiquei muito sexo casual e entendo totalmente a autora do post. Hoje estou casada, então abandonei essa vida, mas acho que posso aportar algumas coisas. Isso que ela reclama é verdade incostestável, mas acho meio ilusório achar que pq vc está num relacionamento estável que vá se safar de ser criticada depois. Não é para nada raro a pessoa sair de um relacionamento de anos e acabar descobrindo que o/a parceir@ disse isso e aquilo outro. Dependendo de como for, vc acaba com fama de vadia, maluca, etc. Então, se vc quer deixar de praticar sexo casual pq encontrou sua cara metade, acho ótimo. Fico feliz por vc (até porque essa também é minha história). Deixar o sexo casual por medo ou por estar cansada das críticas, acho que não funciona muito. No mais, na minha vida de solteira, me deparei com caras legais e não tão legais. Tive noites ótimas e outras nem tanto. Faz parte. No começo, quando descobria alguma fofoca desse tipo ficava chateada. Depois de um tempo, parei de dar importância para isso. Para me resguardar melhor desse tipo de coisa, a única regra de ouro que adotei foi nunca me envolver com alguém em ambiente profissional (pq aí a fofoca pode te prejudicar), no mais... Como dizia a minha avó: b*sta pra quem não me gosta. Também comecei a perceber algumas coisas que indicam que o cara (que até então parecia legal) é um babaca. Por exemplo, resistêcia a usar camisinha. Foge! O cara pode ser um "príncipe", mas fez cara feia pra camisinha ou é doido ou é babaca (ou as duas coisas). Não tem meio termo. E assim foi indo. No final, pesando os prós e os contras, me considero muito sortuda e acho que se voltar a me separar, nunca mais vou querer relacionamento sério. Só sexo casual mesmo (de camisinha, sempre).

Amana disse...

Nossa, adorei!!
Cheguei a ver a cena do garoto desesperado sem saber onde te encaixar no escaninho de compreensão feminina dele... rs
Muitas amigas têm reclamado sobre a dificuldade de encontrar caras para namorar. Outras, lésbicas, têm falado que muitas meninas com quem saem "não querem nada sério".
Eu estou namorando, mas simpatizo muito com as questões que vc traz. acho que é bem difícil curtir a casualidade do sexo, tem q estar disposta a isso. Acho que mulheres em geral vivem sob a pressão de "ter que sentir algo mais" em encontros fortuitos, e perdemos ótimas oportunidades de ter bons momentos sem pensar no chá de panela. Mas o q vc diz é muito preocupante... porque, de fato, quando conseguimos levar numa boa um encontro casual, com sexo, descobrimos que muita gente não entende COMO isso é possível. Bem difícil...

Fiquei com uma curiosidade: acho q a cidade tem algum efeito nisso. Não sei, posso estar viajando, mas acho q talvez seja mais fácil ter essas experiências em cidades grandes como Rio e São Paulo... ou será que estou me enganando? De onde vc é? :)

Anônimo disse...

Felicidade e bem estar vem de dentro ,n de sexo ou qualquer outra coisa.

Anônimo disse...

to exatamente nessa vibe também!
ainda mais agora que voltei a morar no interior e ai sim, é pesadíssimo esse lance de fofocaiada que rola, com a propagação de muito machismo nelas né..

Anônimo disse...

Ótimo post!
As poucas x q fiz casual sex os caras fizeram questão de me humilhar. E tb nos relacionamentos tipo coabitação ahahah eu mereço. O fato é q a maioria dos caras são mesmo uns escrotos qdo se trata de sexo. Brochei pra sempre. Pra mim tem coisas bem mais prazeirosas do q sexo. Da pra viver sem numa boa, vai de cd um.

Anônimo disse...

Adorei. As pessoas são piores que crianças de 12 anos qdo o assunto é sexo. Ridículo. Ragusa

Ms.Minna disse...

Me identifiquei em algumas coisas.
Eu tive sexo casual apenas duas vezes na minha vida para perceber que (no meu caso) nao vale a pena. Nao eram desconhecidos (eu tenho medo de ter sexo com um desconhecido). Antes de transarmos me tratavam com respeito, mas foi transar pra um deles depois de um tempo sumir (e éramos "amigos") e outro pra ficar se gabando pros amigos e falando coisas íntimas que acredito so devem pertencer ao casal.

Além do mais no sexo casual rola um egoísmo, o cara ta preocupado com o prazer dele e o seu.... Bm. isso é problema seu. Nao rola uma troca de verdade

Aí fiquei so no solitário mesmo. No meu caso já sao 4 anos que to sozinha e sem sexo. Nao tenho coragem de falar abertamente porque seria alvo de espanto, de gozação, existe MUITO mais preconceito contra quem nao faz sexo que com as mulheres que fazem sexo casual. MUUUITO MAIS.

Claro que sinto falta de carinho e abraço. Mas se nao sao abraços e carinhos sinceros nao valem a pena.

Quanto ao clichê "mulher precisa se sentir bem para fazer sexo" olha no meu caso é verdade sim, se nao me sinto bem com o cara em questão, se naquele dia nao to muito legal, é difícil.

Anônimo disse...

"será que um dia vamos ser um país realmente mais livre (e não livre de fachada) em relação a sexo? "

Olha, eu acho que esse dia pode até chegar, mas tá bem longe. Por isso que, por mais arrogante que soe, morar na Europa (estou num intercâmbio) não tem comparação em termos de julgamento alheio, chateação e gente cuidando da sua vida.

Putz, mal faz dois meses que cheguei aqui e já perdi a virgindade, fiz sexo casual, dei na primeira noite, me agarrei num sofá numa festa e só faltou acontecer ali mesmo na frente de todo mundo, e a relação das pessoas...ó: todo mundo se lixando. E uma das vezes foi numa festa da faculdade e, no dia seguinte, nada de risinho, cochicho, perguntinhas. A relação com o corpo é muito mais aberta e a preocupação com a vida dos outros é muito menor. (Depende do país, claro).

Enfim, covarde posso até ser, mas sempre sempre quis sair do Brasil por causa do bolo de coisas erradas que eu não aguento mais (moro em Fortaleza, que é uma cidade lindíssima, mas cada dia mais sufocante de tanta violência e arrogância do governador e do prefeito). Covarde posso ser, mas prefiro estudar e trabalhar muito e cair fora do que me submeter a tanta coisa que meu coração e meus nervos não aguentam bem. Ou pior: detestar essa realidade, não fazer nada por ela e viver amargurada e falando mal pelo resto da vida.
Mas não porque não morro de amores pelo Brasil que vou descer a lenha no país inteiro, dizer que nada presta, que só tem corrupção. Nada disso! Falo do céu lindo, das comidas saborosas, da empatia das pessoas boas, das festas muito mais animadas, da música agradável, do cheirinho de aconchego, etc.

Mas voltando: é, aí no Brasil é complicado mesmo fazer sexo casual e não é nem por falta de opção, mas falta de colaboração mútua.
Mas no fim das contas, por melhor que seja transar só porque tá a fim mesmo, é ainda mais gostoso quando você não deseja que a pessoa suma logo depois, haha. Por mais que você goste, acho que você fez a melhor escolha, tanto pra evitar dores-de-cabeça quanto pra descobrir também que um relacionamento sério pode ser muito gostoso também :)

Mônica disse...

Compartilho do mesmo pensamento da autora... Vejo sexo como algo normal, pra ser feito quando se tem vontade, quando se quer! Maaas, sexo casual é realmente um problema na prática, além dos problemas acima citados no texto, eu ainda posso levantar a questão de que o homem tem aquela ideia que a namorada/esposa é para se respeitar e as de fora não, a parte do respeito falta muito... :/ uma vez estava cogitando transar com um cara, e ele me manda a seguinte mensagem ''ah, vc gosta que gozem na sua boca/cara?'' eu não achei nada demais perguntar, há mulheres que gostam, mas não é o meu caso, disse que não pra ele, depois de um tempo, mais uma vez ele me faz a pergunta, novamente disse q nao e relevei, pq os homens são criados para insistir e as mulheres pra 'fazer doce', mais alguns dias e ele me faz A MESMA pergunta pela terceira vez, na terceira não aguentei, desisti de transar com ele, insistente demais ¬¬ Sem falar que, mesmo sendo semi conhecidos ou conhecidos mesmo, muitas vezes os caras insistem durante a própria relação sexual pra praticar algum ato que a mulher deixa claro que não quer ou não gosta. É complicado, sinto que num namoro há mais chances de haver respeito, carinho, não q não possa existir numa ficada, mas é difícil da parte dos homens, viu? hahaha E esse negócio de as pessoas tratarem sexo com infantilidade é verdade mesmo, uma vez comentei com uma colega de classe que estava saindo com um rapaz, um mês depois, duas meninas vieram me chamar de canto para dizer que, eu deveria abrir meus olhos, q a tal colega não era minha amiga, q ela espalhou por aí que eu ia pra motel com homem após a balada... uma situação q jamais aconteceria com um homem! Por isso, o melhor mesmo é nunca comentar nada em faculdade/trabalho.

Anônimo disse...

Sou homem, mas penso o mesmo que a autora do post. O que mais há por aí são mulheres apegadas a fantasias conservadoras, ciumentas, neuróticas (nem falo dos homens, que devem ser ainda piores). Nos últimos três anos, tive algumas possibilidades de transar, mas preferi deixar pra lá, justamente por perceber que as mulheres com quem estava saindo já começavam a tentar me impor um comportamento que eu não quero para mim. Então, assim que possível, saio fora. Atualmente, e não somente no Brasil, há uma única forma de fazer sexo gostoso, descompromissado, leve, brincalhão, cuidadoso, respeitoso, pegado: é encontrar um ou uma parceira legal e ficar com ela/ele por um bom tempo. O resto é fantasia impossível de ser concretizada, de sexo libertador.

Ms.Minna disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
lola aronovich disse...

Ah, que bacana que vcs todas estão se identificando com o guest post da L! Então vou deixar minhas impressões também.
Eu fiz muito sexo casual na vida. Aliás, foi basicamente o único tipo de sexo que fiz entre os 15 e 23 anos porque, antes de conhecer o maridão (eu tinha 23 anos, ele 32) e me tornar esta senhora monogâmica que vos fala, eu não namorava, só transava (o termo "ficava" não existia na época). E eu gostava, senão não teria feito. MAS... No meu caso, e não estou de maneira alguma dizendo que este é o caso de todo mundo, o sexo simplesmente não era tão bom. Por ser casual, coisa de uma ou duas ou cinco noites (5 transas com o mesmo cara conta como sexo casual?), não havia tempo pra se conhecer as preferências e gostos do outro. Não havia muito entrosamento, química, sei lá, inclusive tempo ou vontade pra experimentar, pra aperfeiçoar. Também podia ser que o problema não estivesse no sexo casual, e sim na minha pouca idade (e a maior parte dos meus parceiros era mais ou menos da minha idade), na inexperiência. Eu não fiz sexo casual depois, com 30, 40 anos, pra saber como é. Mas eu acho que o sexo casual que fiz na minha juventude não era tão bom (era bom, mas não tão bom) por causa da falta de entrosamento. Claro que muitas pessoas têm outras impressões, mas eu prefiro que o sexo não seja tão casual pra que as pessoas envolvidas tenham tempo e disposição pra se descobrir.


E, Amana? Tá namorando, tá namorando! (voz de criancinha). Desculpa, não resisti, lindona.

Marina disse...

Ai Lola..nd a ve com o post, mas precisava falar..a foto dos gatinhos me fez rir alto!

Claudia disse...

Ah tá,a pessoa praticamente deixa de seguir sua linha de pensamento por que está preocupada demais com o que os outros pensam.Que coisa ridícula.
E vem com esse papo de que as pessoas que não acham legal sair trepando com todo mundo é que são imaturas.Sabe qual é seu problema moça,vc depende demais da aprovação alheia.Quem realmente está precisando amadurecer é você.

Paola disse...

Como vcs valorizam a promiscuidade,uma ai disse que quase transou na frente de todo mundo como se fosse um animal no cio.
O respeito esta passando longe,outro dia vi uma noticia de um casal fazendo sexo oral dentro do avião,onde vamos parar desse jeito?
E intimidade é conhecer o outro,conversar e n simplesmente ficar pelado e transar.

Helen Pinho disse...

Certamente fazer ou não fazer sexo casual é uma escolha pessoal, e ponto.

Então o que digo a seguir, não é para contestar a autora, mas simplesmente para expressar minha opinião.

Não vejo porque uma pessoa que gosta de fazer sexo casual, que veja como algo saudável e etc para se praticar, decide não fazer mais. Tem muita gente babaca (sempre tem), mas tem gente afim de curtir também.

Sobre fofoquinhas e tal, sabe que eu acho a pessoa que vem te falar que o fulano tá falando tão imbecil quanto ele, ora essa informação vai fazer o outro feliz? É relevante pra vida dela? Pô ouviu, diz cala boca babaca (ou não diz nada) e não passa a diante.

Por fim, "o fim", casos casuais acabam mal, e namoros também, não é o tempo que te dará certeza que não haverão comentários, ofensas, principalmente vindo de outras pessoas que não tem nada a ver com a relação.

Então faça o que TE faz feliz.

Anônimo disse...

Tudo a ver com o post:

http://www.averdadecruaenua.com.br/index.php/diversos/item/24-whatsapp-virou-armazem-de-pornografia-involuntaria

Um trechinho:

"Nos últimos tempos, a prática tornou-se ainda mais sofisticada. Agora junto dos vídeos e fotos, são compartilhados print screens do perfil da garota no Facebook ou no Instagram, para que não haja dúvida quanto a sua identidade. E para deixar claro que ela "caiu na net" contra sua vontade – elevando o grau de qualidade do material, pois o proibido é mais gostoso – são compartilhadas também conversas da garota no próprio WhatsApp, nas quais ela mostra sua decepção por ter sido traída pelo parceiro. Às vezes há até o seu telefone, o que resulta invariavelmente no assédio de dezenas homens. É uma humilhação em dose completa, pode-se dizer assim."

São esses mesmo que deviam estar bradando indignados com a possibilidade dessa prática ser coberta pela Lei Maria da Penha.

lola aronovich disse...

Mônica, acho que tem uma diferença geracional que a gente não está considerando. É a influência da pornografia. Lógico que na minha adolescência os meninos (meninas também, mas não dá nem pra comparar) viam pornografia. Mas era anos 80, antes da internet. Já existia vídeo, só que o acesso não era tão fácil e tão comum como é hoje. Imagine, no começo dos anos 80 ainda havia poucas locadoras de vídeo, e quase todo o acervo das fitas VHS era pirata. Prum garoto de 13, 15 anos era difícil alugar uma fita de vídeo pornô. Ainda acho que, por vivermos numa sociedade conservadora (ontem e hoje), a educação sexual dos meninos já se dava através da pornografia, mas em escala muito, muito menor. Compare com o acesso que os adolescentes, e até as crianças, têm hoje à pornografia. O menino vai começar a ver cenas de caras gozando na cara e boca de mulheres desde os dez, doze anos. Ele vai achar que todas as mulheres adoram, que todo ato sexual TEM que ser assim.
Deve ser muito ruim transar com quem acha que deve imitar um ator pornô. E deve ser ruim pro cara também, porque vira obrigação, avaliação de autodesempenho.

Helen Pinho disse...

Quando li o texto lembrei dessa charge:

http://terezarezende.com.br/blog/wp-content/uploads/2012/01/401123_346719905338238_100000006956740_1466167_670957807_n.jpg

Mônica disse...

Lola, sinto isso também, falta de entrosamento quando o sexo é casual,algo MUITO mecânico, beijo na boca, roupa no chão, mão naquilo, aquilo na mão, penetração e por fim o cara goza e a mulher fica com cara de paisagem e ainda mais se o tempo no motel for curto, haha. Essas transas de 3 a 5 vezes com um mesmo carinha é sempre a mesma coisa mesmo, parece q o cara não tem o prazer de ESTAR com uma mulher, ter um sexo de qualidade, se importam mais com a quantidade e com a ejaculação, porque sim, ejacular é beeem diferente de gozar. Eles não tem essa paciencia de descobrir o q a mulher gosta e talz, é uma má vontade tremenda. E quanto a camisinha, tem q usar sempre, se preservar, mas o negocio pega quando é sexo oral, se é sexo casual e não se conhece bem as procedências da pessoa, como confiar? hahaha até o sexo oral eu faço com camisinha, os caras ficam putos! HEUAHUEHAUEHUA

Anônimo disse...

Esses mesmos que enchem a boca pra chamar mulher q faz casual de "vadia" são os mesmos que mentem pra mulher dizendo q querem namorar qdo só querem transar. Pq acham q "faz parte" enganar a mulher dessa forma.

Mas qdo aparece uma q só quer casual?? Nossaaaaa, q vadia. Nossaaaaa, como ela não quer namorar comigo? Rs.

Reparo q isso acontece não só com sexo mas qdo o cara fica insistindo pra namorar com vc e vc não quer na hora, quer conhecê-lo melhor. Ele fica puto da vida de ter mulher q não quer namorar com ele kkkkkkkkk.

Mas se ela aceita, "perde a graça" e ele acaba até enjoando.

Nossa, como entender?!

Seria tão bom se pudessemos ser simplesmente sinceros. Se quer namorar, que fale. Se quer casual, que fale. Sem mentiras.

Ellen disse...

Faz parte do convívio com qualquer um, você acabar descobrindo que "julgou" mal alguém, que parecia uma pessoa legal, mas é um babaca... Isso pode acontecer mesmo ficando com a pessoa durante anos, no fim você descobre que ele é um cretino.
Enfim, sou adepta do sexo casual e acho que mesmo que encontre essas pessoas, você não pode se privar de fazer coisas que você gosta e acha corretas. Com o tempo a gente vai ficando melhor em avaliar os outros e evita certos aborrecimentos. Mas não acho que você tem que deixar de fazer algo porque os outros são preconceituosos e infantis em relação ao sexo, você é livre!!

Love Gotic disse...

Eu só fiz sexo casual uma vez e detestei. Não houve prazer só egoísmo do cara em questão. Aí percebi que eu não era a favor disso. Vejo uma prosmicuidade e banalização do sexo. Fazer sexo não é brincar de papai e mamãe ê entrega,desejo e paixão. Transar só para se encaixar na modernidade? Falam que sexo casual é liberdade. Qual tipo de liberdade terei ao me entregar a um homem que não sabe quais carinhos me seduzem? Para quem gosta nada a comentar, mas eu to fora dessa vibe. Quando conheci uma pessoa que realmente me completava,me conhecia ai sim me senti livre de conceitos e preconceitos e me entreguei e era uma outra mulher . Falam em sexo casual hêtero, mas tem muita lésbica que também se dedica a isso. Sou bissexual e a regra vale para todos: SEXO? SÓ SE EU TIVER GOSTANDOTE ELE(A) TAMBÊM GOSTAR DE MIM. Tem que valer a pena, tem que valer! Fazer por fazer nem os animais fazem sexo casual. Fazem durante o cio para perpetuar a espécie por quê eu um ser pensante vou me entregar por ai?

Anônimo disse...

Paola, hahahaha, não deu pra não rir duas vezes do seu comentário. E sou justamente a que quase transou na frente de todo mundo. Poxa, que absurdo fazer sexo, ne? Pois lá vai uns segredo: sexo é bom e todo mundo faz, e quem ta achando ruim que os outros estão fazendo é porque não está fazendo o suficiente.

Anônimo disse...

E eu, que não faço sexo casual por vergonha do meu corpo? Adoraria, sinto atração por muita gente, mas nem tento me aproximar pois só de pensar em ser rejeitada de cara, ou em tirar a roupa na frente de alguém que obviamente vai me julgar só pela aparência (já que a situação é casual, não aprofundada), gelo! Tenho 24 anos e nunca fiz sexo casual, mesmo tendo vontade e acreditando que é uma experiência importante pro conhecimento sexual de si mesmx. Mas não sei o que fazer, não consigo me libertar...

Indi disse...

Sabe qual é o maior problema de algumas pessoas? Acharem que a merda do molde que encaixa bem nelas é o que serve pra absolutamente todos. A pessoa que se intitula "Love Gotic", por exemplo, encerra o comentário dizendo que "Fazem durante o cio para perpetuar a espécie por quê eu um ser pensante vou me entregar por ai?". COMO ASSIM, meu bem, é sério isso? Um ser "pensante" não tem porque "se entregar por aí"? E se o tal ser pensante QUISER fazer isso? Qual o problema?

As pessoas seriam muito mais felizes se ao invés de regular a vida sexual alheia olhassem um pouco mais pra vida sexual que elas mesmas levam. Eu odeio aquele argumento escroto de "falou mal é recalque", mas eu de verdade não consigo ver como alguém com uma vida sexual feliz possa querer se preocupar mesmo por um segundo com o sexo alheio.

Acho digno como a Lola colocou as coisas: pra ELA sexo casual não "funcionou", mas ela frisa o tempo todo no comentário que fez que outras pessoas têm outras impressões e outras vivências. É isso que tá faltando, perder essa noção de que nós somos o "normal" e que quem faz qualquer coisa minimamente diferente de nós merece ser questionado. Defendo totalmente o sexo casual (assim como acho a monogamia válida), mas fico até triste de ter que escrever isso, porque não acho que nenhuma forma de sexo deveria ter necessidade de ser "defendida". Cada um é cada um e eu fico completamente chocada com o fato de que tem gente que parece não se tocar disso.

Helen Pinho disse...

Anônimo 11:03 muito bom teu comentário, sempre alguém vai achar algo pra falar de ti, enquanto isso tu pode estar se divertindo ou se reprimindo, a escolha é tua.

Gostei de lembrar dessa coisa de pista "sou babaca" o troço da camisinha é tiro certo, o cara não quis/reclamou de usar, dá só tchau! Tem outras pistas como o cara que fica insistindo pra fazer algo, ou que não se importa se tu demonstrou que não curtiu alguma atitude (mão aqui, beijo lá, sei lá), ele tá mostrando que é o tipinho só EU importo, bha não segue não vai valer a tirada de calcinha.

Roxy Carmichael disse...

eu acho que as fofocas e julgamento são o de menos.

claro, ter certa discrição no local de trabalho é uma estratégia recomendável não só em relação a sexo.

o grande problema do sexo casual são os caras que dividem mulher em mulher pra casar/mulher pra comer, e essa divisão se manifesta nas práticas sexuais. os caras que só estão preocupados com o próprio prazer. os caras que acham que pq vc quer manter algo legal com eles, tipo uma amizade (que pode até ser amizade com sexo), vc quer na verdade casamento. os caras que te tratam super bem e dois minutos depois de gozar te tratam mal. esse é o problema.

eu acho duas coisas:
1. que os homens nem gostam tanto assim de sexo casual como eles acham que gostam. e quem diz isso não sou eu, mas o próprio corpo deles. a quantidade de homem que broxa nessa situação é absurda. e não é por causa da mulher, simplesmente pq eles tão fazendo algo que na verdade nem tão afins.simplesmente pra satisfazer o ego e pra gozar com o relato depois e não com a foda em si.
2. os homens são meio burros porque imagino que hoje é muito mais fácil terem sexo que em vários outros períodos da história humanidade, e ao invés de eles conhecerem uma infinidade de mulheres diferentes (altas, baixas, loiras, negras, gordas, magras, intelectuais, miss universo, coroas), aprender com elas, gozar gostoso e fazerem elas gozarem gostoso, e o mais básico, se divertirem, eles preferem esse sexo que incute culpa e faz com que as mulheres não se libertem de verdade. e alguns casos fazem com que as mulheres sequer queiram fazer mais sexo, como é o caso da autora do post e muitas outras.

pra quem diz que tá sempre pronto pro sexo (homens): a estratégia de vcs não tá assim incoerente e equivocada, não?

Indi disse...

Prx anônimx que tem vergonha do próprio corpo e por isso não faz sexo casual: ser rejeitadx de cara é um risco que todo mundo corre, mas a partir daí questão é a seguinte - se uma pessoa decidiu transar com você, não é porque você tirou a roupa e mostrou partes do seu corpo que te deixam insegurx, por exemplo, que a pessoa vai te rejeitar. Se a pessoa tá ali é porque ela sentiu atração por você, pronto. É o mesmo que acontece com gente que só quer transar de luz apagada: pra quê? Quem tá contigo já sente atração por você, do contrário nem ali estaria.

Mas eu não ficarei aqui cagando regras e conselhos vazios sendo que não sei nada da vida dx anônimx. Só queria fazer essas considerações mesmo e desejar boa sorte: você é muito jovem, anônimx, temos quase a mesma idade. Não vou falar aqui "deixa essas inseguranças de lado" porque não faço ideia do porquê ou da intensidade delas, mas tenta pensar no seguinte clichê: a vida é curta demais e o máximo que pode acontecer é você querer transar com a pessoa e ela não querer transar com você. Fim. Relaxa, e boa sorte mesmo!

Anônimo disse...

"Pois lá vai uns segredo: sexo é bom e todo mundo faz, e quem ta achando ruim que os outros estão fazendo é porque não está fazendo o suficiente."
olha a generalização. Dizer isso é tão preconceituoso do que a outra pessoa que te julgou. Nem todo mundo está tão interessado em sexo, muitas pessoas sequer sentem desejo. Não fazer sexo o suficiente (pro seu padrão) é tão mal visto na sociedade quanto fazer bastante.

Fernanda disse...

Calma, moças. Lola, Mônica e outras: não tem como prever. Não mesmo. Caixinha de surpresas, como tudo na vida. Assim é o sexo casual.

Ja tive noites inesqueciveis (e dias também) com caras que eu tinha acabado de conhecer. Com muito prazer, muito carinho, fantasia, sem pudor nem tabu. Do jeito que eu gosto. Isso é possivel sim. Até mesmo porque, vejam bem, eu sou uma mulher super carinhosa, jamais trataria friamente ou de forma indiferente alguém com quem eu transo, então por que diabos eu vou considerar que a unica pessoa assim no mundo sou eu? Não da pra encher minha bola nesse nivel. É EVIDENTE que existem pessoas como eu, que conseguem se entregar ali naquele momento, sem juras de amor, claro, sem se conhecer muito bem, tentando por aqui e por ali, experimentando de ca e de la (o que faz parte do proprio prazer da situação)... ouso dizer que, em termos de sexo mesmo, os melhores que tive foram casuais. (Claro que transar com quem a gente até derrete de tanto amor é lindo, é maravilhoso, é tudo de bom, mas responde a um outro tipo de demanda. E, insisto: em termos de performance não foram meus melhores momentos.)
Então, queridas, isso é realmente sorte. E o tanto de gente que ta ai casada com um péssimo parceiro sexual? Toneladas de casos desse tipo. Namoram anos a fio, casam-se e o sexo continua aquela coisa mais ou menos. Uma relação longa não garante absolutamente nada.

Mari S. disse...

Fiz muito sexo casual, dos 16 aos 18, fiquei casada por 7 anos e depois fiz muito sexo casual dos 25 aos 27 (agora estou namorando há mais de um ano). Não sei com quantos homens já transei na vida e desisti de tentar contar.

Super concordo com um comentário que disse que vão falar mesmo. Com o tempo a gente aprende a não ligar para o que falam e a selecionar os caras que a gente fica. Hoje, eu não fico com ninguém por ficar. Nem que seja por uma noite, tem que ser um cara legal, tem que rolar uma troca, pq me sinto mal se acho que fiquei com um idiota. E, no final, falar da gente qualquer um pode falar. Meu ex-marido falou...

Tem outra coisa: podem até falar mal de mim pelas costas, sei lá. Só que eu acho que tem uma coisa que é fundamental: a gente aprender a se impor, a mostrar que não é nada de mais. E isto não é a mesma coisa que escrever: “você tem que se dar ao respeito”. Eu acho que a gente tem que deixar bem claro que a gente sempre merece respeito, e ninguém tem nada o que falar. Já chegaram para mim e falaram: a fulana deu para ciclano naquela viagem. Eu só respondo: que é que tem? Eu tb dei para beltrano naquela mesma viagem. Eu percebo que a postura das pessoas muda um pouco, que elas ficam até com vergonha de ter feito aquele comentário, de tão infantil que foi.

E é óbvio que o sexo mais gostoso é o com amor, com quem vc está junto, por um zilhão de fatores. Mas, às vezes, a gente não está em um relacionamento.

Enfim... Eu nunca vou deixar de fazer sexo porque vão falar mal de mim, porque rola preconceito ou porque sempre tem uns malucos que acham que a gente tem que casar por causa disto. Também não preciso transar na frente de todo mundo para me impor. Como a Lola disse, não tem certo e errado, cada um acha seu tom. Mas eu admiro mulheres que deixam claro: faço mesmo, e aí? Acho digno!

Aninha disse...

Fiz sexo casual apenas uma vez na vida e foi muito bom! Mas foi com um amigo (hoje um senhor casado, continuamos ótimos amigos).
Acho que sexo casual não precisa ser necessariamente com um desconhecido, bastan não envolver um relacionamento amoroso.
Gostaria de ter feito mais, mas me identifico demais com a autora: é díficil encontrar alguém em quem confiar.

Andréia disse...

A autora desse post só pode morar na minha cidade! Também deixei de lado o sexo casual por falta da combinação homem + respeito. Não sei se essa decisão é definitiva, acredito que esteja suspensa esperando alguém me fazer mudar de ideia.

Relutei em tomar essa decisão, pois penso que, de alguma forma, estaria sucumbindo ao machismo e alimentando ainda mais esse tipo de preconceito.

Mas, olha, é realmente muito difícil... Você encontra um cara (aparentemente) bacana, inteligente, divertido prafrentex... todas as qualidades estão ali, você o deseja e decide: vai rolar! Até que... depois do sexo percebe a "mutação", o gentil gajo age igual aquela sua tia fofoqueira achando muita divertido cochichar para todos os amigos a sua intimidade, afinal, vocês nem namorados são, então, pra que respeito?

Acredito que respeito e prazer são prerrogativas exclusivas (e olhe lá) das namoradas, considerando o famoso tipo egoísta, mencionado no texto, que está pouco se lixando para a satisfação da mulher "que pegou na balada"(com esse, ainda bem, nunca cruzei - hehe). Como se não fosse suficiente, ainda tem aqueles infantilóides que confundem sexo casual com má educação - passam por você na semana seguinte e nem olham na cara.

Na minha cidade é assim, todos que já observei, independentemente da formação (jornalistas de esquerda, juízes de direita, nerds da computação), se dizem muito liberais quanto ao sexo, mas basta o amigo sair com alguém para logo ser alertando pelos sempre prestativos amigos a respeito do passado sexual da parceira.

Para exemplificar, meu ex namorado soube detalhes da minha primeira vez, dentre outras coisas que ele não deve ter me dito, num boteco com os amigos.

É simples Cláudia, não tem a ver com o que vão pensar de mim, eu simplesmente não quero transar com um babaca machistinha (argh!). E como distingui-los está cada vez mais difícil, haja imaginação...

Anônimo disse...

OMG Fernanda! que pique! mto curiosa pra saber mais detalhes rs.

O filme http://www.imdb.com/title/tt0076327/?ref_=fn_al_tt_1 me deu medo de sexo casual e anos depois li o livro - looking for mr goodbar - q deu origem ao filme escrito por uma mulher. Certamente não é tua vibe mas se vc afirma q o mais desagradável q vc se deparou é o quesito higiene, ah, voce tambem menciona o surto, aí pode ser muito perigoso.

Vc leu livro A vida sexual de Catherine M.? na frança e outros países de mentalidade mais avançada existem grupos, comunidades para encontros com pessoas com este teu espirito livre. No br com a mentalidade tacanha acho improvável. Boa sorte!

Anônimo disse...

Ms. Minna: pois eu to a mais de 10 anos sem transar! E estou mto bem, uma tranquilidade.

Numa cultura machista a mulher depois dos 40 tem q ir atras, pagar de maluca, vadia ou pagar literalmente mesmo, se quiser sexo. Não é pra menos q os mascus dizem q a "vida útil" da mulher vai até os 30.
Acho q a Fernanda vai ter q morar na frança ou similares qdo ficar mais velha.

Ana Cristina Oliveira disse...

o difícil é que os meninos não entendem que nós mulheres gostamos de sexo tanto quanto eles - se não mais. E na boa, eles precisam aprender a separar as coisa. Uma coisa é uma coisa, outra coisa e outra coisa. Sexo é sexo, e só!

Aline disse...

Eu fiz muito sexo casual na minha vida, antes de estar casada e monogâmica, e sempre encarei de boa. Nunca me trataram mal, mas sim, falaram de mim por ai...
Sinto que fiz muito mais coisas que muitas mulheres por ai e pude escolher um relacionamento monogâmico.
E sim, eu tive alguns encanados que eu não estava apaixonada, que eu não queria namorar, etc.
Sim, teve pegação no pé e todo blablablá.
É feio pra sociedade mulher fazer sexo. É feio mulher sentir prazer.
Espero que isso mude. E rápido!

paola disse...

anon de 13:56 seu argumento é ótimo! (ironia pura)
se eu n concordo contigo,sou mal comida q n faço sexo suficiente,é a banalização mesmo...pq sexo é a fonte da felicidade kkkkk

sexo é algo particular,eu acho que transar com qualquer um e do jeito q vce outras aqui disseram é promiscuidade mesmo,mas se vc quer respeito tem que respeitar tb.
ninguém é obrigado a ver vc transando,para isso tem motel,tem quarto.
vc transa na frente de crianças tb?no meio da rua ? pq isso só os animais no cio fazem,n importa o lugar e nem quem ta perto.

Rebecca disse...

Essa questão de encontrar parceiros babacas quando se faz sexo casual é beeeem comum. Vou dar um exemplo bobo: muitos anos antes de eu fazer sexo, um dos primeiros meninos que eu fiquei foi um rapazinho que eu conheci no shopping. Ele trocou olhares comigo, pediu meu telefone e tal. Ficou me ligando, conversávamos e tal, e um tempo depois chamei ele pra ir no aniversario de uma amiga. Eu devia ter uns 14 anos, fiquei morrendo de vergonha dos pais da minha amiga, e dei uns beijinhos nele num lugar mais escondido. E foi literalmente isso, só uns beijinhos. Eis que para minha surpresa, uma colega de classe que conhecia esse rapaz e eu não sabia, veio me dizer que sabia que eu tinha ficado com ele e que ele tinha dito que eu era pir*anha, que tinha feito isso e aquilo com ele. Minha reação? Dei de ombros e disse que ele mal me conhecia, então o que ele achava a meu respeito não me interessava. Não fiz nem questão de desmentir o que ele havia dito. Ele tentou puxar papo comigo mais algumas vezes, e eu simplesmente o ignorei.
Voltando ao que interessa, não era sexo casual, era uma ficada de uma adolescente mega novinha e inexperiente e ainda assim o garoto já se apressou em falar mal de mim. O que eu poderia fazer? Embora eu tenha achado ele um babaca, segui a minha vida e aprendi que quem tem boca fala o que quer. Hoje eu tenho 24 anos, continuei ficando com outros rapazes e fiz sexo casual algumas vezes antes de embarcar no relacionamento monogâmico em que estou. E é claro que passei por vários outros momentos em que os caras saíram falando mal de mim, por coisas que fiz ou que deixei de fazer, mas nunca liguei muito.
Entendo a autora do guest post, as vezes cansa mesmo ser livre e ter que aturar o julgamento alheio, e super respeito sua decisão. Sinto muito que você se sinta assim, e que se metam tanto na sua vida. Aliás, nas nossas vidas né? Isso não acaba nunca.
Força L. :)
Espero que um dia você consiga voltar a praticar sexo casual de forma livre e divertida, se assim desejar.

Fernanda disse...

Meninas,

Sim, morei 7 anos na França. Rs... voltei ha um ano e estou detestando o Brasil. Devia ter mencionado isso antes de mais nada, né?

É porque tento com todas as forças não classificar. Não generalizar. Não fatalizar. Mas é MUUUUITO dificil se relacionar no Brasil. A impressão que tive quando voltei e ouvi as conversas masculinas foi: "abriaram-se os portais da idade média!".

Ainda assim, sexo casual é uma otima pedida pra mim.

A questão da higiene, Anônimo, na verdade eu me refiria não somente à higiene em si, mas a um outro tipo de higiene, dificil de explicar, mas enfim, habitos de vida. Por exemplo, para mim (ênfase nesse "para mim", please!) uma pessoa que usa droga pesada em grande quantidade ja sai totalmente do meu nivel de vibração, digamos assim. E querendo ou não, o sexo é uma das maiores entradas de energia que temos. Então, é realmente necessario controlar com que tipo de pessoa (em termos energéticos) você se relaciona. Bom, nem todod mundo acredita nisso, mas eu acredito...

Andréia disse...

Ler esse post me fez lembrar de um cara que eu fiquei tempos atrás. Foi num bar, tido como point dos intelectuais, artistas e alternativos de plantão da minha cidade. Ele era lindo, gentil, moderno, extrovertido e muito seguro de si, parecia conhecer todos do lugar. Pensei que tivesse me dado muito bem. Só pensei. Lá pelas tantas ele veio com um papinho de tudo bem transar no primeiro encontro, blablabla, xô conservadorismo... E eu, que nunca fui inimiga do sexo casual, cheguei a cogitar a possibilidade, porém, não estava no clima naquela noite e nada rolou.
Por mim, essa história tinha acabado por aqui, mas, mais tarde vim a saber que ele andava por aí me tachando para os amigos e tb para quem mais quisesse ouvir como "aquela que ele pagou cerveja a noite toda e no fim não quis dar".
Caixinha de surpresa não é o sexo casual, é o homem!

Renan Rosenstock disse...

não li todos os comentários (definitivamente acredito que os comentários desse blog são a condição sine qua non de qualquer postagem. Muito complementares! - até mesmo os postados por imbecis), mas queria só dar um pitaco: não tive como não lembrar de Bauman e o que ele define como amor líquido (queremos segurança e liberdade, não é?). Esse livro foi fundamental - enquanto análise - pra eu poder compreender algumas coisas que acontecem por aí(comigo também).

Acho que o grande lance é sacar quem encara o sexo com naturalidade. E isso é difícil. É perceptível que o sexo ainda é tabu, motivo de piada ou vergonha. Acho que estamos, cada vez mais, desnaturalizando as coisas. No meio virtual o sexo é programado, grosseiro, sem nuances. E é esse sexo - por incrível que pareça - com o qual as pessoas estão se acostumando. Enfim, talvez seja preciso observarmos mais as nuances (em uma hora de conversa é possível identificar naturalidade? talvez...), os traquejos, de repente. E errar e tentar e acertar e errar de novo e acertar.

O risco de experimentar corpos tá aí. Alguns são doces, outros amargos demais. Mas é parte do processo. Só não pode se reprimir e/ou se ressentir com a coisa.

L disse...

Não costumo comentar muito aqui, mas existem algumas coisas que estão me incomodando e eu queria saber se alguém passa pela mesma situação que eu. Acho muito importantes as questões de liberdade sexual que o feminismo defende e acho que quem quer fazer sexo casual tem mais é que fazer mesmo. Às vezes, porém, leio os comentários daqui, de mulheres que têm muita disposição para fazer sexo e que aproveitam as oportunidades de sexo casual, e me sinto muito mal por não sentir a menor vontade de fazer sexo. Comentários como "sexo é ótimo e todo mundo faz" me afetam bastante, porque me sinto fora dessa cultura de hipervalorização do sexo. Tenho a sensação de que sexo é muito importante na vida de todos, e que eu estou em desvantagem por não fazer sexo. Queria só fazer esse desabafo, porque às vezes tenho a impressão de que os espaços feministas marginalizam um pouco as pessoas que não curtem sexo ou que não sentem atração sexual. Se alguém se identificar com meu relato, por favor me diga, porque me sentirei melhor com isso. Obrigada!

Anônimo disse...

L, eu me identifico. A impressão é que a vida das pessoas gira em torno do assunto e que ele é tão fundamental quanto beber água ou tomar banho. Como se nada mais na vida desse prazer comparável.
Também me incomodo.

Mônica disse...

Lola, eu gosto de fotos sensuais, imagens pornográficas, são ótimos estimulantes, mas o problema está nessa pornografia mainstream, nessa imposição de que DEVE ser assim,faz com que alguns homens, ou até mesmo a maioria, somente goste desse tipo de sexo, sempre selvagem, não aprendem a curtir outro tipo de vibe, os homens no geral, acham mesmo que o certo é ter a 'performance' de ator pornô, diveeersas vezes rapazes que eu já fiquei, comentaram coisas como ''ahh, você não tava gemendo, não tinha como eu saber se minha performance estava boa'' ou ''ahh, não sou um ator porno fodao, mas...'', eu acho ridículo ter como exemplo filmes pornográficos ou achar q sexo é 'performance', as pessoas estão mais preocupadas em se mostrarem 'fodonas', em status do q ter prazer, sexo independente de qualquer coisa é pra relaxar, meu deus... Para anônima que sente vergonha do próprio corpo, faço das palavras de uma colega aí minhas também, se a pessoa sentiu vontade de transar com voce, é porque com certeza ela sentiu TESÃO por você, atração, talvez fosse melhor você fazer algum tipo de terapia? ou tentar alguma vez transar casualmente, mas com a luz apagada no começo, sei lá, talvez ajude...

Mônica disse...

Lola, queria trazer outra questão a tona, olha essa reportagem: http://www.pragmatismopolitico.com.br/2013/11/jovem-se-suicida-apos-video-intimo-vazar-whatsapp.html

Tenho visto que cada vez mais está comum vídeos divulgados na internet, whatsap de garotas transando, soube de uma menina de goiânia também, e se eu não me engano uma vez você postou aqui sobre uma menina q o namorado divulgou um video dela fazendo sexo anal, algo assim. Entristecedor isso :/, mulheres não podem fazer sexo, não podem sentir prazer, mais lamentável ainda como a sociedade julga essas garotas, como se a culpa fosse delas, do tipo ''quem mandou filmar?'' e ainda dizem q elas tem a ''cabeça fraca'', mas quem é q consegue ser forte com a sociedade inteira recriminando? Essa de goiás parece até q perdeu emprego, saiu da faculdade, a gente fica refém disso... e o pior é q pode acontecer com qualquer uma, por mais q a mulher não aceite gravação, ela pode estar sendo gravada sem saber. Virou moda isso aí ;/

Anônimo disse...

L.
Sou a anônima q não faz sexo há mais de 10 anos - nem masturbação. E antes tb nunca fui fã digamos assim. Sempre me incomodou essa insistência q fazer sexo é a melhor coisa do mundo. Pra mim foi, no máximo divertido, agradável e só. O post sobre assexualidade, não sei se voce leu, é bem interessante. Fica tranquila. Sabemos como o sexo está banalizado, grosseiro até. Como alguém já disse aqui: ficar atent@ às nuances, às sutilezas. Uma simples troca de olhares pode ser mais intenso q fazer sexo.

Anônimo disse...

To mais seca que vida sexual de mascu.

Anônimo disse...

L., eu sou casada e também me sinto fora da cultura da hipervalorização do sexo. Meu marido, idem. Quando transamos, é muito bom, mas não é na frequência que as pessoas consideram 'normal' pra recém-casados, nem rola na pia, no chão, na máquina de lavar, como nos filmes. Às vezes, ele nem se preocupa em gozar; às vezes, nem eu. Também variamos pouco nas posições sexuais - mas fazemos o que queremos, e o que gostamos. Meu marido perdeu a virgindade com 35 anos (antes de me conhecer), justamente porque o sexo pra ele não era tão importante, a não ser que ele encontrasse alguém muito legal. Claro que chamaram de viado, de assexuado, ofereceram pagar prostituta, etc, mas nada. A sexualidade enquanto conceito é algo muito moderno, toda essa problematizacão criada a respeito do assunto, que tem que dar, que se reprimir vai dar esse problema ou aquele outro, que tem que gozar assim ou assado e etc. No capitalismo, o sexo entrou na esfera da produtividade, assim como qualquer outra esfera, e isso é ruim e é anti-tesão. Anti-espontâneo. "Tem que gozar, tem que ter orgasmo múltiplo, tem que achar o ponto G, tem que dar virada de cabeça pra baixo", etc. Coisas criadas pela nossa cultura. Não tem nada de errado em não estar transando, ou em transar pouco. Se você não estiver se sabotando, se for uma coisa que naturalmente não tá rolando, não vejo problema nenhum. A vida muda muito, e tem fases de tesão, fases de marasmo (estando a pessoa monogâmica ou não). E tem sexo casual ruim pra caramba, sexo monogâmico ruim pra caramba. Tem bilhões de homens e mulheres nesse planeta, há chances ASTRONÔMICAS de você viver coisas bem positivas. Com muito ou pouco sexo. Fique tranquila! Bjs

Lila

Anônimo disse...

ah, sim, e antes de conhecer meu marido eu tive fases sexuais ótimas com meus parceiros, eu era a chamada "bem comida". e te falar que eu não tava bem, não, tava infeliz com uma série de coisas, trabalho, família, etc (só que conseguia desligar os problemas quando transava). o mau humor era constante. então, não, sexo NÃO É tudo. gozar não é tudo. vou ser clichê, mas amor é o que conta (não, não to falando de amor romantico ou SÓ amor romantico. afeto em geral, gente em quem confiar). se alem disso vc tiver trepando bem, lindo.

Lila

Bárbara disse...

L, o pessoal que afirma esse tipo de coisa também me incomoda bastante, porque é claro que nem todo mundo pensa ou funciona desse jeito - e não há somente uma forma "correta" de se relacionar com a própria sexualidade.

Você chegou a ver o guest post que a Lola publicou sobre assexualidade? É muito interessante e acho que vai ensinar bastantes coisas para você. Não estou querendo dizer que você seja assexuada; só quero elucidar que ninguém pode querer pautar a quantidade de desejo sexual que você deve (ou pode) sentir.

Aqui vai o link:
http://escrevalolaescreva.blogspot.com.br/2013/11/guest-post-as-muitas-possibilidades-da.html

Anônimo disse...

É bom mas tem que respeitar o espaço dos outros. Se tudo que a gente axar bom a gente for escancarar para os outros a gente perde a compostura. Gosto de beijo de lingua, mas não vou sair beijando na escola, no ônibus, na igreja né. Um conselho para você: NOSSO DIREITO TERMINA QUANDO COMEÇA O DO OUTRO. SE VOCÊ NÃO TEM PRIVACIDADE RESPEITE A DOS OUTROS.

Barbara O. disse...

L. : para algumas pessoas sexo é muito importante. Para mim é. Mas não é uma corrida. Tenha sempre em mente: pessoas estão falando das suas necessidades, das suas vivências. Diferente do que a mídia quer demonstrar o tempo todo, tem como ser feliz e realizado com menos sexo, se esta é a sua aptidão.

Sobre o texto. Tive experiências muito boas e muito ruins. Infelizmente dentre as boas uma alta porcentagem de homens europeus. Homens brasileiros: evoluam! Será melhor para todos e o resultado será mais e, principalmente, melhor sexo.

Love Gotic disse...

Bebê quando você se amar mais vai fazer o que quiser. Eu também me sentia quetnem você por quê eu tenho muitos, mas muitos quilos a menos me via régua: sem peito,sem bunda, a cocha tadinha da grossura da canela. Mas quando vi minhas qualidades interiores saí dessa de que sou a treva.

Laurinha disse...

Minha história é parecida com a da Lola.

Estou há dois anos num relacionamento, então fiz sexo apenas com uma pessoa nesses últimos dois anos. Antes disso, fiz sexo casual, ou então sexo com parceiros não necessariamente casuais - havia uma perspectiva de relacionamento, mas que acabou não indo pra frente.

Ainda como a Lola, antes do meu namorado, nunca tinha transado mais que cinco ou seis vezes com o mesmo cara.

Não tenho nada contra sexo casual. Fiz e, se não estivesse num relacionamento, estaria fazendo.

Mas, pra mim, acabou que descobri que transar diversas vezes com a mesma pessoa, com que você tem toda uma intimidade, com quem você construiu uma parceria, é muito mais gostoso.

Você sabe do que a pessoa gosta, e vai aprendendo um pouquinho mais a cada vez. Você pode repetir o que foi gostoso, pode tentar coisas novas sem medo de ser julgada. Você tem certeza de que a outra pessoa está ali para DAR e RECEBER prazer. (Não que isso não pode haver no sexo casual, mas como contam os relatos, há muito egoísmo nesses casos).

Enfim, em termos de sexo, estar num relacionamento estável tem sido maravilhoso para mim. Eu gostava de transar antes. Agora eu ADORO.

Love Gotic disse...

Me considero pensante pois penso nas consequencias dos meus atos,penso na minha intimidade que não quero dividir casualmente, penro que PARA MIM o melhor é fazer sexo com quem conhece MEUS desejos. ME REFERI SOMENTE A MIM: EU UM SER PENSANTE. Eu estaria generalisando se eu escrevesse NÓS SERES PENSANTES.O que eu postei foi sobre mim, o que escolhi para mim. INFELIZ SUA COLOCAÇÃO NÉ?

Anônimo disse...

Eu acho que a falta de respeito dos homens está muito ligado ao fato de eles também serem vítimas do machismo, mesmo sem perceber. Eu acredito que a luta feminista só pode ser possível quando além de lutarmos pela emancipação do nosso gênero, o feminino, lutarmos pela emancipação de gênero como um todo. Algumas liberdades nossas estão intimamente ligadas com a liberdade deles. Nós só vamos poder exercer a nossa sexualidade livremente quando o homem for emancipado da sua obrigação de ser o macho pegador. Nós só vamos poder nos igualar aos homens no mercado de trabalho quando os homens forem emancipados da condição de serem os provedores. Essas foram algumas conclusões que eu tirei recentemente quando estava lendo algumas coisas sobre as teorias queer. Eu só fui apresentada "formalmente" ao feminismo muito recentemente, e só agora estou tendo contato com as teorias e etc. Qual é a sua opinião sobre isso, Lola?

Anônimo disse...

Tenho muita curiosidade em saber como é essa questão no caso das lésbicas. Sempre imaginei que o relacionamento entre mulheres (independentemente de ser casual ou não) talvez tenha mais companheirismo, seja mais aberto, até mesmo na questão do machismo. Será que tem mais respeito mútuo? Morro de curiosidade!

Anônimo disse...

L

Também comento pouco. Sempre leio os comentários mas quase nunca escrevo nada.
Eu também sinto isso. Acho que essa "supervalorização" do sexo é um efeito colateral.
Eu nunca achei sexo a coisa mais maravilhosa do mundo. Não entra nem no top 10. E eu não vejo nada errado nisso. Mas muita gente veria.
Uma vez li um post sobre gente que não fazia sexo e uma chuva de críticas.
Para mim, criticar quem não faz sexo é a mesma coisa que criticar quem faz. Tudo gente se metendo na vida alheia. É do ser humano,infelizmente, criticar o diferente. Escrevi uma vez aqui e fui duramente criticada que muita gente na hora de defender relação aberta ou até mesmo sexo casual desce o cassete em relação monogâmica.
Tão difícil entender que uma coisa não precisa ser ruim para a outra ser boa. É somente questão de escolha.

Anônimo disse...

Ler esses comentários me lembrou muito daquele filme Kinsey...

Anônimo disse...

Respeito entre lesbicas tb n é grande coisa,minha prima é lesbica,namora com uma mulher q é casada com homem e chifra minha prima e seu marido com outras.
Minha prima por sua vez faz o mesmo e ainda sai com homem por dinheiro.
Uma putaria sem fim,as relações em si estão banalizadas ,por isso uma comentarista ai,achando o maximo transar na frente de todos,se sentindo a fodona.
Outra dizendo q só ouve coisas chulas dos homens depois q acaba de transar.

m. ovelha negra disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
m. ovelha negra disse...

Acho que que nem alguém falou antes o que não pode é generalizar.

O fato é que pode ser muito bom, e com o tempo você passa entender o que você espera nesse tipo de relacionamento e passa a lidar de forma saudável.

Eu por exemplo ja tive alguns casos assim, dos que eu tive lembro de um cara apenas que comentou com os amigos que nós ficamos,eu não gostei, mas os próprios amigos dele me falaram que acharam chato dele ter comentado e me tratam muito bem, inclusive hoje em dia saio com desses amigos que foi quem me ajudou a ficar com ele da primeira vez.No geral eu acabo criando um companheirismo muito bom com os caras que eu fico, e muitos confessam que dão moral pro jeito que eu vivo e que se sentem a vontade de conversar comigo por isso.

Os piores comentários vem mesmo das minhas amigas, do tipo "você não valoriza", ou "dessa vez ve se não da de uma vez pra ver se o cara gosta de você", e eu já cansei de explicar pra elas que esse não é meu objetivo, que o que eu quero é passar um tempo bom, com uma pessoa diferente, descobrir mais sobre ela, porque pra mim é isso, sexo casual pode te permitir um nível de intimidade muito grande. Eu não culpo minhas amigas pelos comentários, a descrição sobre parecer que elas estão na adolescência é verdade, mas isso é fruto do jeito que foram criadas e ate hoje não se libertaram de toda pressão sobre elas, o que acontece é que escuto elas falando que tem décadas que não ficam com ninguém, mas elas não se permitem nada por julgar isso ruim.

As vezes acaba mal mesmo, mas não porque foi casual, mas porque se tratam de pessoas, então as vezes o afastamento acontece e pronto, ou as vezes termina como uma grande amizade e cumplicidade. Pra mim sempre tem que ter cumplicidade, pode ser ate de pouca duração mas quando eu vejo que não rola a intimidade não da pra continuar.

Mas como eu disse você tem que ter seus limites, saber o que você faria, o que você considera errado , o que você espera. Por exemplo,no meu caso pode ser casual mas se em algum momento o cara for chato, ou demonstrar desinteresse, ou mostrar que esta interessado só no seu prazer e só no meu, eu não vou dar continuidade ou não vai nem rolar, e no geral eu consigo separar bem essas coisas, o que me leva a relacionamentos saudáveis.

E o engraçado é que eu não tenho problemas de sentir a vontade, ou de aproveitar dessa maneira, justamente por exigir que pra rolar tenha cumplicidade eu encontrei caras fantásticos que me permitiram aproveitar muito o momento.Mas como disse cada caso é um caso.

m. ovelha negra disse...

Sei la como alguém falou acima cada caso é um caso.

Eu no geral gosto, e tenho bons relacionamentos casuais. Nem sempre é fácil mas no final você passa entender suas exigências e seus limites passa a aproveitar melhor.

No geral as coisas sempre ocorreram bem, só lembro de um caso que eu fiquei que comentou com os amigos, mas os próprios amigos do cara acharam sacanagem e me deram suporte.Inclusive já faz um bom tempo que saio com um dos amigos desse cara, que sabe que nós ja ficamos mas é uma das pessoas mais fofas do mundo.No geral os caras que eu fico, ou mesmo aqueles que apenas sabem do jeito que eu vivo me tratam bem, muitos acabam sentindo uma liberdade para conversar comigo que normalmente não tem com outras meninas, mas como eu disse, eu conheço caras muito legais mas sei que o mundo tem muito idiota e ja topei com alguns.

Os piores comentários vem mesmo das minhas amigas, do tipo "voce esta perdendo seu valor", "vê se da proxima vez não da direto pra ele gostar de você", e ninguem entende que não é isso que eu busco, eu não estou tentando agarrar um namorado, eu quero é curtir um momento gostoso de intimidade e carinho, (porque apesar de todo mundo falar o contrário, eu sempre sinto muita intimidade quando eu fico com alguem assim), é um momento de troca, de conhecimento de pessoas diferentes. No caso das minhas amigas, eu as vezes acho que é uma atitude meio adolescente, mas eu não as culpo, pois elas foram criadas com essa ideia da sociedade de que buscar prazer é não ser valorizada. Ai eu vejo elas reclamando que faz tempos que não ficam com ninguém porque não se permitem nada fora da regra.

é claro que as vezes acaba mal, como todo relacionamento, mas as vezes acaba em uma amizade boa, uma cumplicidade. Eu aprendi com o tempo a filtrar o que eu quero, no meu caso como gosto de cumplicidade eu não fico com ninguém que eu não suporte, ou que não me respeite ou que pareça não estar interessado no meu prazer, só no dele, se eu percebo isso eu não chego a ficar, e no geral eu tenho conseguido separar bem isso.

Agora sobre aproveitar, eu aproveito muito. Pode ter sido uma noite, mas ainda tem gente maravilhosa no mundo que acredita que todo mundo gosta de prazer e carinho. Se você e a pessoa permitem você pode ter o momento mais intimo do mundo e ser feliz, desde que estejam abertos a conversar e que exista vontade de fazer aquele momento ser bom.Tem muito casal de longa data por ai que não consegue desenvolver esse ultimo ponto, e ficam presos a aparências e tabus.

A verdade é, cada caso é um caso mesmo.

Ana disse...

Não sei se eu sou uma ET, ou se apenas dei sorte, mas sempre fiz sexo casual, mesmo quando estava em um relacionamento (não acredito em monogamia), com pessoas conhecidas e desconhecidas (digo, que não são do círculo de amizades), e nunca me senti acuada por comentários alheios ou culpada pela minha liberdade sexual. Pode ser que, por eu não ter muita paciência com pessoas machistas, raramente elas fazem parte do meu círculo de amizades. Pode ser porque não faço alarde das minhas experiências, pode ser porque eu não estou muito interessada na opinião alheia no que diz respeito a com quem eu vou pra cama ou não.

O fato é que o que pensei lendo o guest post é que a autora deixar de fazer o que gosta pelo que os outros pensam é um pouco demais. Cada um tem que viver sua vida sexual como acha melhor, e com certeza existem muitos homens por aí que não são machistas, que levam sexo casual numa boa, que tratam com respeito, carinho e consideração mesmo sendo um "one night stand". Eu já cruzei com dezenas...

Agora, não adianta ir pra cama com aquela pessoa que de cara já se mostra um babaca machista e achar que vai ser uma experiência ótima, ou ir pra cama com quem é contra sexo casual, ou fazer sexo esperando um romance de novela.... (não digo que seja o caso da autora do post, mas muita gente age assim, cria expectativas irreais e depois não sabe porque se decepcionou...)

Hamanndah disse...

Também acho. Bjs

Anônimo disse...

Li quase todos os comentários, e achei interessante deixar um relato. Hoje não me considero machista, mas alguns anos atrás tinha um comportamento bem machista. Sou homem. Engraçado, que lendo aqui acabei me lembrando de algumas histórias de sexo casual. Teve uma vez que estávamos num sitio, um grupo de amigos de estágio, eu tinha uns 21, 22 anos, hoje tenho 31. Eu acabei ficando com uma menina lá, e à noite rolou sexo, meio escondido, disfarçando e tal, mas assim foi. Não sei explicar muito bem o motivo, mas no outro dia nem olhei na cara dela direito. Preferi ficar mais afastado, com outros amigos e tal, percebi que ela procurou se aproximar, puxar conversa, mas sinceramente não estava com a mínima disposição de dar atenção a ela. Depois disso nunca mais falei com ela também, e excluí do msn, etc. Acabei contando o fato também para alguns amigos, mas acho que eles não a conheciam. Não contei para as pessoas que eram mais próximas, e que eu sabia que conheciam ela também. Bom, foi apenas um relato de um fato, que tem relação com o tema.

Ms.Minna disse...

Fernanda: o Brasil é muito machista, mas países como Itália, Espanha, todos os países da América latina tb o sao. Cultura latina é tudo de ruim

Anônimo 15:45: é ficar na abstinência é tranquilidade sim. Desde que estou já nao me preocupo em se o cara vai me tratar bem ou não, se vou tomar pílula, se a camisinha vai falhar, um monte de dores de cabeça.
Mas por outro lado sinto falta de alguém do lado. Mas eu aprendi uma coisa sexo casual (no meu caso) apenas me deixou com uma sensação de vazio ainda maior que o nao fazer sexo. Eu já nao procuro fazer sexo, eu quero fazer amor. Mas sei lá... Como a vida útil da mulher é ate os 30 (no Brasil e países latinos machistas) acho que vou ficar so no dedilhado mesmo....

L disse...

Muito obrigada a todas as pessoas queridas que responderam meu comentário, valeu de verdade :)

Anônimo disse...

Ana 2.47hs adorei seu comentário, penso e tenho atitudes muito parecidas as suas.
Talvez o único senão é que se estiver muito afins, eu não fique muito preocupada em saber se o cara é machista ou não, afinal, raramente tenho vontade de prolongar minhas relações, dou preferência a quem não seja, mas se o cara for muito do meu agrado e for machista, procuro fazer com que ele fale o menos possível kkkk
Realmente não me importo com o que falam de mim, e me preocupo é com minha satisfação e necessidades.
Deixo claro o q penso tb, pra não criar equívocos desnecessários, e sou bem feliz assim.

Fernanda disse...

Pessoal, o post trata de sexo casual, então é ÓBVIO que as pessoas vão falar de sexo nos comentários. Não tem imposição nenhuma, tem simples coerência com o assunto. E só. Pra quem não gosta de sexo ou não tanto ou só um pouco, tá cheio de post aqui no blog tratando disso, é por isso que esse blog faz o sucesso que faz, todo mundo tem seu espaço. No caso, estamos falando de sexo casual.

Concordo com as meninas que disseram que os comentários virão independente de o sexo ser casual ou não; é caráter que define isso. Existem sinais de caráter fraco sim, a gente até tenta sistematizar, mas não dá pra cobrir todas as possibilidades. Vez ou outra a gente acaba caindo na armadilha de um babaquinha. Mas aí, eu penso como uma das moças que comentou, primeiramente, E DAÍ??? (eu não tenho o MENOR apego a minha reputação, sobretudo porque dignidade pra mim é integridade e não pra quem que eu tô dando); segundo, gente, o sexo é casual, a graça é essa, beijo e não me liga, nunca mais vê o cara, ó que beleza! E, de brinde, você ainda descobre que quem foi na conversa fiada do panaca é tão panaca quanto.

Deixar de fazer o que gosta porque os outros estão falando, gente, se eu fosse seguir isso, eu teria voltado pro útero da minha mãe imediatamente depois de ter olhado pela primeira vez pra cara das pessoas ao meu redor.

Anônimo disse...

Para quem tem dúvida em relação a lésbicas não hà grande diferença. O sexo casual ê de maneira mecânica e cada uma para seu lado. Mas quando há sentimento sinto uma cumplicidade maior, mais carinho, mais satisfação mútua. Não há quem amou mais ou quem teve mais desejo a gente se completa em tudo .

Sara disse...

A gloriosa Regina Navarro pinçou essa frase que eu simplesmente adorei,
-Osho: O amor não deve ser negado. Se você puder amar 5 pessoas, ame; se puder amar 50, deve amar, o amor é raro e deve ser espalhado.

L I N D O....

Anônimo disse...

"Como em tudo relacionado a sexo, não existe certo ou errado."

Ué? então estupro ,pedofilia,incesto..são aceitáveis? Vocês realmente nos defendem????
Nem me deu vontade de ler o resto..só essa frase já deu para ter idéia no que o movimento feminista se transformou...depois Lola taca pedra em mascu e homem machista...

lola aronovich disse...

Anon, vc não me convenceu mesmo que é mulher, muito menos feminista. Se fosse, saberia que estupro e pedofilia tem muito mais a ver com violência e poder do que com sexo. Vc pelo jeito acha que estuprador é um homem que não consegue se controlar quando vê uma mulher bonita na rua.

Anônimo disse...

Obrigada por publicar o texto, Lola. Só vi hoje.
Gostei muito dos comentários, principalmente os da Fernanda e da Andreia.
Realmente vocês tem razão, babacas são babacas e serão com ficantes, namoradas ou esposas.
Na verdade, quando deixei de fazer sexo casual não foi por medo de julgamento alheio, foi mais por preguiça mesmo, rs. Acabou que comecei a namorar um cara que já conhecia, mas se não tivesse, provavelmente voltaria a ficar novamente.
E quem perguntou, moro no estado de Minas, não sei como é em outros lugares do país, mas desconfio que não é diferente.
Gente, quem diz que não curte tanto sexo, não precisa ficar se sentindo mal. Cada um é de um jeito, a gente tem que procurar viver do jeito que faz a gente feliz. E vida sexual ativa não é sinônimo de felicidade.
E tcharam, já passei dos trinta e minha vida sexual não acabou. Janeiro tenho dois casamentos pra ir, um de amiga de mais de quarenta e outro da minha prima de trinta e seis anos. Minha avó morreu aos 73 com um namorado de sessenta e poucos.
Ficar sem sexo porque quer, ótimo, mas não entendo quem se tolhe porque acha que é idosa porque já não é mais adolescente ou uma jovenzinha.
Claro que existe preconceito, mas também existe quem não tem e não dá pra ter preconceito consigo mesma né.

Abraços.

Julia disse...

Alguém está assistindo a série Masters of Sex?
Muito boa, indico.

Lola, depois dá uma olhada.

Anônimo disse...

"Pessoas que às vezes são legais em outros setores da vida, mas em relação a sexo simplesmente não amadureceram. O machismo não deixa."

Taí uma coisa que me deixa muito irritada. Vc conhece um cara e, enquanto está só conversando, no nível da amizade ou coleguismo, ele lhe parece maravilhoso, cheio de qualidades e tal, mas depois que vc transa com ele é quando ele se revela um babaca. Isso é tãããããão comum...

MonaLisa disse...

Deixar de transar por o que o cara vai pensar ou falar?

Isso eh tao Idade Media.

Nao entendo pq se preocupar em fazer social ou ficar amiguinha desses lixos. Fazer a mulher se sentir "culpada" parece mais uma estrategia do patriarcado pra continuar a dividir as mulheres entre santas x putas.

Ja transei, transo e transarei com machistas disfarçados e nunca fiz questão de manter contato com nenhum (na verdade, eu mesmo nem olho na cara qdo encontro, finjo que nao conheço), nem pra amizade, nem pra outra foda e nem pra nada. Homens com quem nunca troquei uma palavra ja disseram que "me comeram", entao nao faz diferença levar fama sem deitar na cama.

Qual o problema de curtir o momento e cada um pro seu lado? Por que essa fixaçao em "converter" machistas no feminismo?

Me poupe.

Ms.Minna disse...

Anônimo (autora do post) gostei do seu conselho e reflexão,
Quando falei "a vida útil da mulher acaba aos 30 eu estava ironizando uma frase típica que escutamos de alguns homens e mulheres tb.... ) é que as vezes sei lá, deprime mesmo ver caras da sua idade ou mais velhos (35 - a 40 anos) procurando e namorando e casando so com mulheres abaixo dos 30....! As vezes eles vem com o papo de "fertilidade" entao eu me pergunto "vc esta procurando alguém para ser sua companheira ou alguém pra ser a incubadora dos seus filhos? E se a mocinha de 20 por alguma razão nao pode ter filhos? Aí vai devolver a mercadoria?

Eu to na abstinência nao porque o cara poderia falar mal de mim ou nao mas que dói aquele desprezo do depois principalmente no meu caso que eram todos legais e amigos antes... Dói. Entao comecei a pensar "putz se sinto ate mais prazer sozinha porque vou compartilhar para um cara que depois so vai me desprezar?"

Anônimo disse...

Tô de cara com essa tal de fernanda: gritou a palavra "óbvio". Só que o título do post tb tem a palavra "desisti". E outra, o título do post poderia ser "sexo casual é uma maravilha", ou "adoro sexo casual", ÓBVIO que ia aparecer a antítese dessas afirmações em comentários de pessoas, maioria mulheres cis, ao que me parece, dizendo o porquê de não serem adeptas entusiamadas do sexo casual. E ser humano, generalizando mesmo, é regido pela vaidade. E celibato pode ser motivo de orgulho para mestres espirituais mas na nossa sociedade (i)mundana a pessoa que não faz sexo é uma pobre coitada, a ordem é fazer sexo até bater as botas. E alguem associou essa ordem com o sistema capitalista. Tudo a ver, pois gente ligada em sexo vai movimentar vários negócios: motel, bares, camisinha, turismo, viagra, brinquedos eróticos, roupa, perfume, é uma lista infindável. Mas a fernanda, que é super carinhosa, como ela mesma afirmou, "transaria com a humanidade quase toda" quer que este post seja circunscrito aos adeptos de suas práticas, senão é grito. O tal "instinto", "espírito livre" não tá pegando quando se trata de argumentar e ouvir quem não se enquadra em seu comportamento, aliás, tachado de promíscuo por muitos. Uma das poucas certezas que tenho é que nossa liberdade vai até onde vai a do outro. E querendo ou não, sexo não é só sexo, tem sim, seus dilemas éticos. Deal with it.

Fernanda disse...

Hahahahahahahahahahahahahaha o cotovelo pesou ai, né anônimo? Hahahahahaha, beleza, acontece.

lola aronovich disse...

Olha só que interessante, gente! Hoje mesmo foi publicado um estudo (ou noticiado) de que mulheres sentem menos prazer no sexo casual do que homens. Interessante saber que o que eu havia sentido na minha juventude (que eu tinha/tenho mais prazer quando fazia sexo com maior entrosamento) é a realidade de muitas pessoas.

Gauche disse...

Os mascus do chan ficaram ofendidos da Lola dizer que são adeptos de travestis, muito engraçado esse incomodo que você esta causando nesses delinquentes. Força Lola.

Ricardo de Abreu disse...

L, eu compartilho um pouco de sua posição. Apesar de gostar de sexo, não sou adepto à banalização dele. Respeito quem teve experiências assim, mas não faço o mesmo. Já fiz sexo casual mas ainda prefiro o sexo dentro do relacionamento.

Anônimo disse...

Lola, mas me estranha um pouco que você leve a sério uma pesquisa como essa.
Tem pesquisa dizendo que a maioria das mulheres nunca nem teve orgasmo, nem em sexo casual, nem em namoro, nem em casamento.
Acho que essa questão tem mais a ver com a repressão da sexualidade feminina do que tudo. Então numa sociedade como a nossa, não me estranha que muita mulher vá pra cama, principalmente com um ficante, cheia de culpas, neuras, o cara ali só preocupado com o próprio prazer e a experiência acabe sendo frustrante pra maioria das mulheres.
No dia em que mulheres não sofrerem mais preconceito e repressão, aí sim vai dar pra gente medir se é mesmo falta de entrosamento ou a culpa que foi junto com elas pra cama.

(L.)

Anônimo disse...

já fiz MUITO sexo casual. tive muito mais experiências boas que ruins. só que as últimas foram tão boas que eu por ora tou desencanada de transar com um cara por estar sem transar (e portanto com tesão em todos os poros do corpo) e esperar pra transar com um cara com quem eu realmente quero transar. quer dizer: em vez de tesão universal, tesão dirigido. recomendo q os rapazes experimentem tbm. outra coisa que eu recomendo pra homens e mulheres (muito mais pra homens que pra mulheres) é de fato aproveitar o momento, deixar o machismo de lado e tentar ter uma noite realmente incrível - e, já sabem, pra receber tem que dar... os homens estão acostumados a achar que gozar é o suficiente; algumas mulheres acham que gozar é obrigatório - só que o gozo masculino muitas vezes é só expelir esperma e mesmo sem gozar a mulher pode sentir muito prazer, so... mulheres e homens, em relações hetero ou homo, podem ser muitooo felizes no sexo casual, é só deixar o achismo, o machismo e os moralismos de lado e pôr corpos à obra.

Ms.Minna disse...

Anônimo 21:15
Pior que esses estudos de que a maioria das mulheres nunca teve um orgasmo ou que tem poucos e muita dificuldade em consegui-los é verdade.
Vc nao pode se limitar so a faixa etária de menos de 30 anos, pais ocidental... E mesmo que se limitasse veria que sim, existe essa dificuldade.
Eu fui uma das que demorou muito tempo para saber como atingir o orgasmo, conversando com a minha ginecologista falou que sim, infelizmente era o mais normal da minha geração pra cima (e que infelizmente as meninas novinhas tb muitas delas tem o mesmo problema) por causa de tabus, educação, ou falta dela...
Acaso nos anos 80 se falava tão explicitamente sobre o clitoris? Muita gente so descobre que existe na vida adulta,
Falando mais abertamente com alguns homens de confiança também me confessaram que tiveram mais de uma namorada com dificuldade sim.
O caso é que os filmes nos mostram sexo como meter o pau pronto a mulher explode numas sensações infinitas, sendo que boa parte das mulheres precisa ser estimulada no clitoris. A causa da desinformação, tabus, etc.,lá bom esse é o resultado.

Por tanto muitas vezes no sexo casual o cara so quer ir logo metendo e juntando a tabus, complexos (maioria das mulheres sentem complexos do próprio corpo) aí resultam em relações pouco prazeirosas para a mulher,

Nao adianta negar a realidade,infelizmente é assim.

Anônimo disse...

Eu compartilho um pouco dessa experiência. Eu já fiz sexo casual, e algumas das vezes foi, bem, ruim pra caramba. Como eu não sou como uma amiga minha que goza até com a força do pesamento (!) eu não consigo ter prazer se não existe né, um mínimo de esforço. Um dos caras até no final da história faz um comentário "você não faz muito barulho" vontade de responder: "duh, como vc queria que eu fizesse com isso aê que a gente fez??"

Óbvio que eu me reconheço como participante da experiência e pode ser que eu simplesmente não conseguisse me soltar o suficiente para poder curtir a situação toda. Ou talvez o nível do tesão tivesse baixo mesmo. Mas acho que não. Acho que existe uma ideia por aí que mulheres sentem menos prazer no sexo casual porque precisam de uma ligação emocional pra sentir prazer. Mas talvez não seja isso. Talvez seja o fato de que muitos homens, muitos mesmo, é que precisam dessa ligação emocional pra dar a mínima pro prazer da parceira. Pra sair de sua bolha de egoísmo e não encararem o sexo como uma masturbação dentro de alguém...

Ps: o blog e o livro da Nadia são bem interessantes pra ver essas amostragens... volta e meia ela cai num desses babacas também...

Anônimo disse...

Olá, sou de NATAL-RN(cidade mto pequena), INCLUSIVE FUI PARA A SUA PALESTRA, LOLINHA, QUANDO VC VEIO PRA UFRN. TE AMO!!

Eu tenho 22 anos e já fiz muito sexo casual por aqui mesmo. A cidade é pequena demais, mas eu tenho alguns truques. Como eu ando com uma turma bem alternativa, peço pros meus amigos gays me apresentarem uns boys magias (heteros mesmo, bi... SEMPRE COM CAMISINHA), transo, às vezes nem falo meu nome, não peço telefone e pronto. Adoro transar com homens lindos, rsrs. Como a autora, gosto muito do sexo casual, acho que é simplesmente algo lúdico e saudável. Já transei também com alguns "amigos" e deu problema (ficarem de comentários, etc). Tô nem aí... E por eu passar essa energia de "to nem ai", já quiseram namorar comigo. Tenho certeza que quem encuca com isso e acha que por este motivo não vão ter ninguém que queira algo sério, têm razão. É uma profecia auto-realizável. Já quem não pensa muito sobre isso e acha que é uma excelente pessoa, que tem valor, dignidade e integridade, não
serão comentários machistas que vão abalar brilhantes personalidades, não é mesmo?

Ms.Minna disse...

Nossa anônimo 10:33 que colocação interessante a sua. Deu uma virada no de que somos nos mulheres quem precisamos de intimidade para atingir o orgasmo mas talvez nao, sejam eles que necessitam para compartilhar essa experiência com a gente e deixar de ser uma mera masturbação "em vc"... Faz a gente ate se sentir um brinquedinho erótico,
Muito boa a sua reflexão, eu nunca tinha pensado nisso.

Tsu disse...

Olha, não sou contra quem faz sexo casual, ou que considera sexo uma coisa tão importante na sua vida quanto respirar, que transar é a mostra de sua liberdade e etc, etc...
Não aprovo sexo casual e não por conta de pudores ou coisa do tipo. É por outras questões;
- A disseminação de DSTs está aí cada vez com mais força...cada ano que passa parece que mais pessoas aparecem com algum tipo de doença; Mesmo que vocês usem preservativos existe o risco da camisinha estourar...você não conhece a pessoa, vai que ela tem sífilis, aids? Já eram você está infectada.
Se até mesmo pessoas casadas contraem aids do parceiro/parceira que não se previne, que dirá gente que você não conhece?
Pelo menos num relacionamento sério ou que você conheça bem a pessoa, saiba onde ela vive e etc se acontecer algo você pode até processar ou no mínimo dar um cacete bem dado u.u
- Sexo oral = são raros quem pratica sexo casual e faz oral sem proteção....aids e outras dst se contraem por essa prática também.
- HPV :essa serve para anos depois...se a mulher não tomou a vacina e contrair HPV(que sabemos, se contraem por diversos meios) no futuro ela tem altos riscos de contrair câncer genital: vagina,útero e vulva(este é terrível, conheço gente que sofreu desse câncer em específico).
- Você vai lá transar com uma pessoa que acabou de conhecer..ou pensa que conhece um pouco...o que mais vemos ultimamente são casos de mulheres sendo violentamente mortas. É ,vai com um cara desconhecido pra algum lugar, ele transa com você, depois te tortura, esquarteja e mata. Ok, vocês podem me chamar de extremista, paranóica e etc....mas temos registrados vários casos de seriais killers ou mesmo homens cruéis mesmo que adoravam vítimas que aceitavam ir para locais afastados com eles sem sequer conhecê-los.

Não estou aqui criticando ninguém que pratica sexo casual,quem gosta e faz, ótimo, a vida é sua e ninguém tem o direito de encher o saco ou querer se intrometer na vida dessa pessoa.
Entretanto acho que seria bom ressaltar que existe SIM a possibilidade desse tipo de coisa que citei ocorrer. Pode ocorrer até com quem tem relacionamento sólido, mas as chances de quem possui o hábito de ser mais liberal e praticar sexo casual, o risco é sim, maior.
Porque diante de todos os comentários não vi ninguém mencionar algo do tipo, mesmo sendo algo que nós sabemos que pode ocorrer.
Por isso é sempre bom pensar e ficar atenta o tempo todo. Porque todos nós temos o hábito de dizer "nunca vai acontecer comigo", "nunca aconteceu com ninguém que conheço", "isso são casos isolados" mas...se porventura acontecer com você, vai se perguntar "porque não tomei um pouco mais de cuidado?".

abs

Sara disse...

Tsu , não seria muito mais prático e eficaz para sua proteção e de todos aqui, que ficássemos esperando confortavelmente dentro de nossas sepulturas a morte (que certamente virá um dia).
Creio que dessa forma não correríamos nenhum risco desnecessário, e viveríamos com toda segurança.
Sem sexo com estranhos perigosos, sem emoção, sem riscos, sem doenças, sem vida...
Haaa adorei o cacete bem dado u.u...

Ms.Minna disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Amana disse...

hahaha Lola, tô sim! E já tem um tempinho: um ano e cinco meses :) (também, faz muuuuuito tempo que a gente se viu, né? uns dois anos, praticamente!)

beijão e saudades!

Anônimo disse...

Gostaria sugerir um post sobre o preconceito contra as mulheres que moram sozinhas. Ainda mais se falando de Brasil e toda a sua cultura latina-brasileira-machista e tal, até mesmo nas maiores capitais do país ainda existe muito preconceito contra mulheres que moram só. Existe até julgamentos preconceituosos de que 'ap de mulher solteira e q mora só é local para orgias'. Especialmente quando a mulher mora sozinha por opção, sai da casa dospais por opção e não apenas porque se mudou para outra cidade por conta de emprego ou faculdade, o preconceito é maior ainda.

Ms.Minna disse...

Anônimo 21:02 gostei da ideia porque eu mesma sou vitima desse preconceito e nao moro em cidade pequena e sim em uma CAPITAL! Uma das cidades mais provincianas do país talvez, mas CAPITAL de um estado com mais de 2 milhões de habitantes.
Qd conheço um rapaz tenho começado a dizer que moro com a minha mãe, se a coisa fica seria aí falo a verdade.
Quando voltei a estudar idiomas meus colegas de 20 anos a maioria ao saberem que moro sozinha me olharam com um misto de cara de tarados e admiração. Logo em seguida um deles afirmou que por isso eu era solteira, pois so queria saber de festa,
Outras pessoas, mais idosas me vêem como uma filha má por ter saído da casa dos meus pais (moramos perto) nao entendem porque eu me dou muito bem com os meus pais so que tendo a oportunidade de morar sozinha eu prefiro, so isso.

donadio disse...

"Pra alguns, se gabar e falar mal da mulher que “comeu” parece ter até mais graça do que o ato sexual em si."

É, para alguns homens a verdadeira relação sexual não é o sexo físico com a mulher, mas o sexo meramente verbal, de preferência coletivo, com outros homens.

É homossexualidade latente.

Tenha pena, por que o indivíduo é extremamente infeliz, não conseguindo assumir seus impulsos sexuais nem para si mesmo.

Ms.Minna disse...

Puxa donadio gostei tanto da sua reflexão que vou tomá-la emprestada quando surgir o tema entre meus amigos :)

Anônimo disse...

Mais uma querendo transformar a exceção em regra.
Porque ELA é desencanada com sexo, acha que todas as mulheres do mundo o são.
O que o psicólogo falou é a mais pura verdade, a mulher precisa se sentir bem para ter vontade de fazer sexo, a maioria, pelo menos.

Tsu Kehl disse...

Sara, como eu disse no post cada um tem um ponto de vista.
Eu não preciso ter uma vida emocionante, não acho que transar com um desconhecido é emocionante...muitas pessoas tendem a se resguardar um pouco, tomar um pouco mais de cuidado depois que sofrem alguma coisa. Se arriscar é normal mas acho que tudo tem um limite. E esse limite é cada pessoa que se impõe a si.
Eu não preciso ficar me arriscando, querendo viver altas adrenalinas para me sentir feliz.

a morte vai vir de um jeito ou de outro para todos porém...tem muitas pessoas que poderiam demorar para virem conhecer a morte se tivessem pensado um pouco e não agido por impulso.
O caso da Liana Fridenbach (é assim que se escreve?)é um exemplo. Se a garota fosse um pouco mais sensata, não teria ido com o namoradinho acampar sozinhos no meio do mato..Acabou que eles foram pegos por bandidos, ele morto na frente dela e ela torturada e violentada por 4 homens durante mais de uma semana para depois morrer estrangulada.
Ela poderia ir para um local muito melhor com o namorado, onde haveria outras pessoas na proximidade e não mentido para a família...mas não..em busca de uma aventura, ela teve algo que certamente não queria.
No caso dela, faltou ter um pouco de noção da realidade e acreditar muito no "isso nunca vai acontecer".