domingo, 2 de junho de 2013

LIVROS E LUTAS

Esta lindeza é a Olivia, filha da Marilia

Pessoas queridas, tenho vendido vários livros nas palestras e na faculdade, mas muito menos do que eu queria através do blog. Ô gente, faz o favor! Vendi cem livros em um mês, mas tenho mais 150, no mínimo, pra vender. Compre, que por menos de R$ 30 vc recebe o livrinho em casa com uma linda dedicatória.
E depois, se vc quiser, vc ainda manda uma foto e aparece aqui no blog (certo, certo, pode comprar o livro sem aparecer, mas minhas leitoras e leitores são tão bonitxs e simpáticas que não têm nada que se esconder). 

Marilia, advogada, funcionária pública, paulistana, leitora compulsiva, casada com um colega de faculdade, mãe de uma menina de 1 aninho, e feminista: "Recebemos os livros! Obrigada! Já comecei a ler e estou adorando! A Olívia também, como vc pode ver. Ela só pediu pra que o próximo seja mais colorido e com figuras".
Brunna, quase 15 anos, baiana, feminista, mochileira das galáxias e fã minha e do maridão, com Kika: "Lolinha! (Posso chamar assim? Nah, claro que posso. Ganhei esse direito sendo sua fã número um e leitora fiel). Que emoção, sinto que posso morrer feliz agora mesmo. Que dedicatória mais fofa, ow. Podexá que não vou parar de escrever.
Vou contar como foi minha reação quando o livro chegou.
Estava estudando toda na paz e escuto o carteiro chamar, 'Oi? Tem coisa pra chegar hoje?', mas enfim né. Fui toda feliz porque sou dessas que amam receber encomendas (e quem não?)
Então, venho num daqueles pacotes amarelos que de segurar cê nota que tem plástico bolha dentro, a pessoa aqui ficou entretida com o plástico bolha e não olhou de quem era o pacote (!)
Já no quarto, peguei a tesoura pra abrir o pacote e tal, daí meus olhos captam o nome Lola Aronovich.
'AI MEU DEUS, AI MEU DEUS, AI MEU DEUS...' (repete por cinco minutos)
Calma. Respira. Pronto.
Abre o pacote, tira o livro.
Ai meu deus, emoção, emoção.
E não é que a pessoa aqui fica emocionada a ponto de derrubar umas lágrimas quando começa a ler a dedicatória? 
A Lola disse que escrevo bem, gent. Já posso morrer feliz.
Enfim, morram de inveja todxs vocês.
(Esse ser peludo tentou tomar o livro de mim. Motivo? Larguei ela pra ir atender o correio e a ignorei por vários minutos. Olhem o olhar dela pro livro rs)
Vish, falei demais. Mas sou assim mesmo, desculpe. Já dei uma folheada no livro e várias crônicas eu já tinha lido e as reli, as gargalhadas com seus trocadilhos (pra lá de infames rs). Vou devorar esse livro rapidinho, pode ter certeza. Abraços e beijos de uma ingrata com o patriarcado pra outra =* "
Maridão, vulgo Silvinho, para delírio das fãs.

Maria Luiza, publicitária: "ADOREI! Seu livro é assim: vc abre, aí lê uma página e pensa q só vai ler mais uma, e depois só mais uma e quando vê, leu tudo de uma vez. Sempre que eu quero ver um filme abro ele... Já pode começar a pensar em outro livro, hein? Eu compro e ajudo a divulgar."
Aproveitando o post, não se esqueçam que quarta e quinta agora estarei em Santa Catarina! 
Será minha primeira volta a esse estado adorável desde que me mudei pra Fortaleza, em janeiro de 2010. Quarta dia 5/6, às 16 horas, na sala 04 do CCJ (Centro Ciências Jurídicas), darei o minicurso "Feminismos são Direitos Humanos: Importância e Desafios", na IV Semana de Direitos Humanos da UFSC, que começa amanhã. 
E quinta, 6/6, também às 16 h, participarei do 6o Congresso do Sinjusc, em Balneário Camboriú. Apareça, por favor!
Ontem estive em Juiz de Fora no 2o Congresso Nacional da Anel - Assembleia Nacional dos Estudantes - Livre. Só encontrei uma foto até agora da nossa mesa sobre opressões (eu sou a terceira da esquerda pra direita). 
É muito, muito legal que um movimento estudantil organize uma mesa assim. Um dia inteiro assim, porque na parte da manhã tivemos várias oficinas dedicadas às cotas, feminismo, movimento LGBT etc. 
Na minha oficina com a linda Camila, do MML (Movimento Mulheres em Luta), quarenta pessoas se inscreveram pra falar. Além de muitos debates interessantes, alguns dos depoimentos foram comoventes (eu e no mínimo meia sala choramos). 
Também foi muito bacana ver um monte de homens lá. E na mesa da tarde. Acho que nunca falei pra tanta gente. Foi no campo de futebol da UFJF, então havia uma grande parte da arquibancada lotada, mais de 500 duas mil pessoas. Mas olha só que mesa: duas representantes do movimento feminista, dois do movimento LGBT (um deles, Wilson, também do Quilombo Raça e Classe), duas transexuais (uma delas, a Bruna, também integrante do MML; a outra, Virginia, do grupo feminista Pão e Rosas), uma estudante divina, a Dina, que precisa se eleger pra um cargo público (ela é do coletivo Negração). 
E o público foi um show à parte. Interagia com xs palestrantes, cantava gritos de guerra, na maior animação. Eu senti que todo mundo ali era feminista. Com essxs estudantes, machismo, racismo, homofobia e transfobia não têm vez. Me encheu de esperança ver jovens tão engajadxs. Amei mesmo.

20 comentários:

Anônimo disse...

Lola, não consegui me inscrever para assistir ao minicurso na UFSC! Posso ir sem ter feito a inscrição? Obrigada!

Carla Mazaro disse...

Nossa, Lola, nem lembro como conheci seu blog, foi há uns três ou quatro anos e como é incrível ver como ele (você e todxs nós que o acompanhamos) cresceu! Posso dizer que você se tornou um ícone nacional!

É incrível que você consiga se dedicar tanto ao bloguinho, às aulas e ainda encontre tempo para viajar dando palestras!
(Eu fiquei a tarde inteira esperando o post de hoje).

Continue sendo linda, alegre e espalhando todo seu conhecimento com a gente! A gente agradece e muito :)

Beijos

PS - Sinto falta das crônicas com o Maridão

Mariana Mendes disse...

Não acredito que você veio em Juiz de Fora e eu não fiquei sabendo e nem fui. O mais triste é que conheço várias pessoas a ANEL... Ah :(

lola aronovich disse...

Anon das 19:27, não posso falar em nome da Semana de Direitos Humanos da UFSC, mas pelo que conheço de "inscreva-se (de graça) para participar", sempre sobra lugar. Sempre. Porque tem quem se inscreve só pra garantir, e aí por um monte de motivo acaba não indo, e o pessoal que não se inscreveu não vai porque achava que tinha que estar inscrito... Então minha recomendação é: vá sim! Só tente chegar um pouquinho antes.


Carla, obrigada pelo carinho! Mas ícone nacional, hahahahah! Menos, né? Sou só uma pessoa que dedica mais tempo que tem a um bloguinho. E que dorme muito menos que gostaria! Eu também sinto falta de conversar com o maridão...

Anônimo disse...

Sinceramente, prefiro comprar o SCUM MANIFESTO que comprar seu livro, Dolores.

lola aronovich disse...

Sinceramente, anon das 20:02, fico feliz que o meu livro seja um dos dois que vc já ouviu falar na vida.

Cartas para Li disse...

Lolinha,

Quero um livro teu. Tem uma citação sua na minha monografia e várias na minha vida. Vai ser uma felicidade bem bonita ter teu livro também.

Como proceder?

Um beijo!

Micaela
micaelacost@gmail.com

essencialtrivialidade disse...

Tem várias fotos do congresso aqui, inclusive da mesa de opressões: https://www.facebook.com/media/set/?set=a.460996310657671.1073741834.207518726005432&type=3
Diego

lola aronovich disse...

Cartas para Li / Micaela, é só seguir as instruções daqui. E manda pra mim a citação na sua monografia!


Diego, eu queria ver mais fotos do público... Mas obrigada pelo link!

Anônimo disse...

Lola, por favor!
Você viu aquela história da Ticiane tomar uma bronca do justus no ar, e todo o elenco do programa no Programa da tarde?

foi muito feio!

http://www.youtube.com/watch?NR=1&v=jHthbatzyak&feature=fvwp

a historia é o classico: mulher assanhada toma bronca, pois não pode!

ela dançou quadradinho de oito no ar, foi logo depois disso!

revoltante a atitude do programa! por favor, queria muito que comentasse! Onde ja se viu, chamar marido para dar bronca em apresentadora em pleno ar, tomar bronca dos colegas

Henrique Gomes disse...

Lola, adoro seu blog! Amo de verdade mesmo! Confesso que me ajudou muito como pessoa a pensar em coisas que jamais passaram em minha cabeça. Fiquei sabendo que esteve em JF. Sou de Barbacena-MG, mas não consegui ir atrás de você. Quando vem de novo a MG? Como faço pra comprar seu livro? Aguardo resposta. Um beijão, minha heroína.

Anônimo disse...

Que emoção, durante minha leitura diária OBRIGATÓRIA do blog da Lola, encontrar a foto da minha pequena!!
Tomara que ela inspire muitos leitores a comprar o livro!

Em tempo> Já devorei quase o livro todinho! Adorei as críticas dos filmes que eu já tinha visto e já coloquei na lista vários que fiquei com vontade de ver! Só os filmes de "fim de mundo"... que esses nem a Lola pra me inspirar a ver... hahaha
Grande beijo!
Marília

Gabrielle Lazarin disse...

Lola, Lola, queria tanto ir assistir sua palestra na UFSC! pena que fiquei sabendo tarde demais.

Anônimo disse...

Lola, sua palestra no Congresso da ANEL foi incrível! Fico muito feliz de te ver ajudando a construir um movimento estudantil feminista e combativo!

Laís disse...

Vi o comment da Cartas para Li e lembrei que tem uma citação sua no banner de divulgação do meu trabalho tbm!
Aliás, vc foi a responsável pelo tema do meu trabalho de Metodologia Científica ter sido a influência da propaganda no comportamento infantil.

Bj

Zilmara Silva disse...

Oi Lolinha! Adorei seu livro, como disse no e-mail, mas aí lembrei que esqueci de agradecer a linda dedicatória. Nem imaginava que se lembrava de mim! rsrs Só fiquei triste porque como você estava um pouco apressada para assinar todos os livros da turminha que carreguei comigo eu tive vergonha e receio de pedir uma foto com você (e não fui a única que ficou com esse vazio, rs). Mas haverão outras oportunidades. A maioria das crônicas eu já tinha lido, mas adorei relê-las e guardar uma lembrança tão especial da minha professorinha. Adorei te conhecer. Adoro pessoas certas de si e fofas. ^^ Enfim virei leitora do seu blog e sempre que quero relaxar ou me informar mais sobre o movimento feminista venho aqui e passo horas lendo crônicas e posts! Ainda sei pouco sobre esse movimento, mas me sinto parte dele. ^^ Fica bem! E eu não esquecerei de divulgar!

ps: Há! Sou eu, Zilmara, sua antiga aluna. Assino como Chicazil porque é como um apelido. \o

Zilmara Silva disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Luane Landau disse...

Lola, só para corrigir: não eram só mais de 500 pessoas! Eram quase 2.000!

Ketma Lopes disse...

Oi Lola, tudo bem? Estava pesquisando sobre o livro Bartebly, o Escrivão, e vi uma postagem sua falando sobre o mesmo. Curso Direito e gostaria saber se você pode me ajudar, conversando de algumas partes e objetivos do livro, pois não entendi muito bem. Ficarei muito grata se for possível, meu nome é Ketma, e meu email é kekezinhasq@hotmail.com. Obrigada desde já!

Dani Bornia disse...

Oi Lola!
Gostei muito quando soube que você iria ao Congresso da ANEL. Sempre leio o seu blog e gosto muito. Pena que não pude participar da oficina. Não sou mais uma militante do movimento estudantil e estava no congresso só para ajudar a garantir a estrutura. Dei uma passadinha por lá, mas logo me chamaram no rádio para alguma tarefa da organização.
Mas vi sua fala na mesa sobre opressão. Achei que foi certeira.
Além de contruir o Mulheres em Luta, também sou poliamorista e sempre falo para as meninas da Pratique Poliamor-RJ a o quanto é importante o combate ao machismo, tanto para as mulheres, quanto para os homens, que se propõem a abandonarem a monogamia.
É fundamental ter pessoas como você, que se dedicam a explicar e desconstruir como as opressões se expressam no cotidiano. Continue escrevendo e nos brindando com sua inteligência.
Beijão,
Dani