terça-feira, 23 de abril de 2013

GUEST POST: TEEN STARS E SLUT SHAMING

Faz pouco tempo, João Pedro, estudante de Letras da Unicamp, me enviou um email pedindo pra que eu falasse do slut shaming da cantora Taylor Swift. Eu respondi que ele citou nomes demais de gente que eu nunca ouvira falar, e perguntei se ele não podia escrever o post, já que entende mais dessa cultura de celebridade do que eu. Ele aceitou.
Eu fui atrás e tentei me informar minimamente sobre quem é Taylor. A entrevista que ela deu a Ellen DeGeneres é muito engraçada. 
Slut shaming é um termo difícil de traduzir pro português. É algo como "culpar ou envergonhar a vadia". Quem usa o termo, lógico, não acredita que a moça em questão seja vadia, ou que ela tenha qualquer coisa pra se envergonhar. Mas, como sabemos, há muita gente no nosso mundo que adora fiscalizar e condenar mulheres que fazem sexo. 
O que dói é que tantas meninas façam parte dessa "muita gente". Elas não sabem que, para serem chamadas de vadias, só basta ser mulher? Pensam que, atacando outras mulheres, estarão ganhando pontinhos extras com o sexo "oposto" (oposto a quê?)? Seria inveja d'elas mesmas não estarem transando com o, sei lá, lobinho de Crepúsculo? Ou chamar de vadias rodadas mulheres que fazem sexo seria um jeito dessas meninas se auto-patrulharem para não transar com ninguém fora de um relacionamento sério?  
São tantas opções... Eis o guest post do João Pedro.

Não é segredo pra ninguém como funciona a indústria da música pop e a importância que a imagem do artista tem em sua carreira. A todo o momento, eles são monitorados pelos olhos do público e da mídia, e suas decisões, tanto em relação à vida pessoal quanto profissional, são tão significativas que podem significar desde uma vitória no Grammy daquele ano até o fim definitivo da carreira. No mundo pop, a linguagem visual é fundamental, em alguns casos até determinante. A combinação do trabalho artístico somada à vida pública é um dos fatores que impulsionam carreiras. E é com essa questão da exposição da vida do artista e a repercussão que eu gostaria de começar.
A cantora pop/country Taylor Swift é conhecida por ser uma das artistas jovens de maior destaque na atualidade, faz sucesso com a crítica musical e é fenômeno de vendas, principalmente nos EUA. No âmbito profissional, tudo está bem. Já no pessoal... Também era pra estar, mas não é o que ocorre. E não por culpa dela. Taylor, como muitas pessoas (artistas ou não) não costuma ter relacionamentos muitos longos. A maioria deles dura alguns meses e é com outras celebridades. Por isso, depois de certo tempo, ela já é vista com algum outro homem que é apontado pela mídia como "o novo affair", mesmo que não seja de fato um namorado.
Alguns dos últimos com quem ela esteve foram Harry Styles, um dos vocalistas da boyband One Direction, e o cantor Ed Sheeran. Taylor também costuma ser bastante aberta em suas músicas (muitas de suas canções de sucesso lidam com questões sentimentais) e fala sobre suas experiências e decepções amorosas como forma de desabafo, fazendo referências bem claras sobre o antigo relacionamento (como muitos artistas fazem). 
Se a pessoas está contextualizada, pode inclusive até saber sobre qual namorado ela está falando. Um dos exemplos é a canção “Dear John”. Se você sabe que ela namorou o cantor John Mayer (e que ele tem fama em Hollywood de heatbreaker, destruidor de corações), você pode supor que a canção se trata dele. Taylor já esteve com vários artistas famosos como os atores Jake Gyllenhaal, Taylor Lautner, Adam Young, os cantores Joe Jonas (dos Jonas Brothers) e o já citado John Mayer. 
Mas por que eu estou falando disso?
Bem, porque é aí que entra o slut shaming.
De praxe, quando um tabloide ou site noticia algo sobre a vida amorosa de Taylor Swift, borbulham piadas e até ofensas, às vezes na própria notícia, mas, principal e obviamente, nas áreas de comentários. Vou usar como exemplo uma foto do fim de fevereiro sobre uma notícia numa página sobre música pop do Facebook (clique para ampliar).

O comentário mais “curtido” se refere a Taylor como “rodada”. Um dos outros comentários diz: “Depois não quer ser chamada de vagabunda, troca mais de namorado do que de calcinha!”.  Vemos aqui um típico exemplo de slut shaming: pessoas, inclusive meninas, degradando Taylor simplesmente por ela estar tendo uma vida amorosa aberta e feliz, simplesmente por ela ter trocado de namorado.
Os comentários acima até que são leves. Pessoalmente, já vi muito piores, mas o mais preocupante é que a maioria é feita por adolescentes (que é o público principal da página), o que mostra como o pensamento machista de que mulheres não podem ter uma vida amorosa e/ou sexual ativa está sendo perpetuado e reproduzido por jovens. São eles que comentam a grande maioria das notícias sobre popstars, são eles os grandes consumidores de música pop, e são eles que estão espalhando essa ideologia machista nos comentários das redes sociais, blogs e portais de notícias. E a tendência é piorar!
Aquele post que você, Lola, fez sobre a Kristen Stewart é um exemplo disso. E não são apenas Taylor Swift ou Kristen que são atacadas pelos jovens (repito: principalmente meninas!), por conta de toda essa atmosfera machista. Lembram quando a atriz e cantora Selena Gomez começou a namorar Justin Bieber? Ela era xingada constantemente por ter namorado outros artistas antes do Bieber e, durante o período de namoro com o canadense, as coisas chegaram ao ponto de ela ter recebido ameaças de morte das próprias fãs do cantor. 
Miley Cyrus também é outra constantemente atacada, não só por conta dos namoros, mas também por suas recentes mudanças de visual e estilo musical, já que ela está optando por uma imagem mais rebelde, adulta e sensual. O caso dela é mais abrangente. Mas agora tudo parece estar mais tranquilo por ela estar noiva de um ator (eles estão juntos há três anos). Mas, e se ela se separar e daqui a algum tempo, três meses ou menos, começar a namorar? Quais serão os comentários? Não é difícil de prever.
Complicado é, também, saber que esse pensamento é tão disseminado e às vezes até incentivado pela/na mídia. Uma lista da semana passada feita pela Star Magazine aponta alguns dos (segundo eles) artistas mais detestados de Hollywood. E Taylor está na lista! O motivo gira em torno de sua vida amorosa. Afinal, “ela namorou com, tipo, todos os caras de Hollywood”, segundo a publicação. O astro de Hollywood que namora com todas as meninas é um garanhão, mas a estrela que faz o mesmo é uma vadia.
A lista também inclui Madonna. Sabe, algumas pessoas acham que é hora da “Material Girl crescer e botar mais roupas!”. Afinal, ela pode ser independente, (super) bem sucedida, estar em ótima forma e fazer a performance de uma música chamada “Human Nature”, falando sobre liberdade de expressão e liberdade sexual , mas é uma mulher que está prestes a fazer 55 anos e é mãe! E fazer isso nessas condições para o patriarcado é inaceitável.
Mas, falemos disso outro dia.

[Lolinha de volta:] Não tem muito a ver com o assunto, mas o João Pedro me mandou a imagem acima, e gostei do que Taylor Swift, citando Madeleine Albright, disse sobre Tina Fey, que a sacaneou nos Golden Globes: "Há um lugar especial no inferno para mulheres que não ajudam outras mulheres". 
Tina disse que foi só uma piada (e concordo com ela: bem inofensiva), mas Amy Poehler respondeu: "Ah, sinto-me mal que Taylor esteja zangada. Sou feminista, e ela é uma garota jovem e talentosa. Isso dito, concordo que irei pro inferno. Mas por outros motivos. A maioria, coisa chata de impostos".

78 comentários:

Let disse...

Uma pena não ter rolado um comentário do próprio slut shaming (ou talvez mais apropriado, mito virgin/whore) utilizado pela própria Taylor Swift, podendo ser identificado principalmente no clipe de "You Belong to Me", em que a suposta 'vilã' usa vermelho e vestido curto, enquanto Taylor tem um visual mais geek-tomboy e "mesmo assim" conquista o garoto popular dos seus sonhos.

ViniciusMendes disse...

O reflexo do machismo na música pop é bizarríssimo... Quando a gente para pra pensar que nenhuma mulher foi considerada digna de receber um lugar no panteão dos "músicos e bandas acima de qualquer questionamento artístico" como Elvis, os Beatles, Michael Jackson, Bob Dylan... Homens e bandas formadas por homens produzem música pra todo mundo... Mas na nossa sociedade, mulher só dá conta de produzir música pra outras mulheres e pro público lgbt.

LF disse...

É erradíssimo a mídia tratar a Taylor como vadia por conta dos relacionamentos dela, só acho uma pena a Taylor mesmo fazer slut shaming sem parar. Não gosto dela. Acho errado a chamarem de vadia, mas ela também é bastante problemática.
Queria compartilhar esse post que explica melhor por que acho isso. http://lillianbroom.tumblr.com/post/46198247574/brashblacknonbeliever-faineemae-youre-not

Sue disse...

Concordo com tudo menos que a madonna esteja em ótima forma,ela ficaria bem melhor com uns kgs a mais,n sei que dieta doida ela faz mas nas fotos sem photoshop dela,a gente ve que esta pele e osso,as veias das mãos e braços parecem saltadas, da pra ver nitidamente.
É a obssessão com a magreza.

Let disse...

aqui também rola um guiazinho básico sobre as coisas que a própria Taylor já fez (o que, obviamente, não justifica as críticas/ofensas feitas sobre ela). só acho importante contextualizar.

http://yourfaveisproblematic.tumblr.com/post/45761093757/taylor-swift

Anna disse...

Sobre a Taylor, a menina em si é a maior slut-shamer! As músicas dela são todas nessa linha eu sou a menina inocente, o menino q terminou cmg não tem sentimentos e a menina com quem ele me traiu é uma vadia.
Essa imagem explicando a história do clipe de you belong with me é um exemplo disso, The madonna/whore Complex:
http://tigerbeatdown.com/wp-content/uploads/2010/02/madonna-whore.jpg

E o pior, é q a própria Taylor ainda não aprendeu mais sobre isso.. O clipe já tem alguns anos, mas um tempo atrás ela deu uma entrevista falando sobre ele e com os mesmos comentários cheios de slut-shaming de sempre sobre as duas meninas (que ela mesmo fez) do clipe..

Ela tbm já fez músicas terríveis pras meninas, (essa é dita ser sobre camilla belle:
Ela não é uma santa e ela não é o que você pensa
Ela é uma atriz!
E ela é mais conhecida pelas coisas que ela faz
No colchão!)

Por isso quando ela falou isso sobre mulheres não se apoiarem (e essa frase ganhou o mundo) eu fiquei meio surpresa porque ela mesmo reproduz muito desse comportamento machista e sofre com ele tbm porque ela é atacada por namorar demais e por fazer muitas músicas sobre relacionamento (ai falam q ela é desesperada)

E eu concordo q as coisas parecem q estão piorando.. Me lembro de ter ficado tentando explicar pra uma menina porque não se podia chamar uma atriz ai de TREZE anos de vadia, disso daquilo por conta da maneira como ela se veste.. e a menina não entendia!

e apesar de boa parte desses comentários machistas serem feitos por adolescentes, quando eu me atrevo a ler a caixa de comentários nas notícias, há muitos adultos ali no meio (homens e mulheres).. Gente totalmente sem noção dizendo ''Ah tenho uma filha da mesma idade e ela não saia de casa vestida assim!'' Tipo, vc tem uma adolescente em casa e fica na internet atacando a maneira de outras se vestirem? isso vai bem além de simples tédio..

Por isso é sempre bom quando uma atriz/cantora/pessoa jovem de influência com esse público fala algo de positivo sobre esse padrão duplo em q meninas não podem namorar, não podem sair da linha imaginária, etc A Kristen Stewart é uma das q eu vejo constantemente dizendo coisas positivas..

Marília Nascimento disse...

Não querendo minimizar o slutshaming que a T. Swift sofre, mas... Ela própria já demonstrou ser uma baita "não ajudadora de mulheres". Segundo um dos últimos namorados dela, o tal Harry, os relacionamentos de Taylor duram pouco por ela ser "puritana" demais (bem, daí o slutshaming que ela faz).
Indico esse post sobre o machismo de Taylor http://www.indielicado.com.br/2012/10/taylor-swift-misogina-e-machista.html

ViniciusMendes disse...

@Sue

As fotos da Madonna nessa ultima turnê não são oficiais, são todas tiradas por jornalistas ou fãs, e não são editadas:

https://www.google.com/search?q=madonna+mdna+tour&biw=1366&bih=667&um=1&ie=UTF-8&hl=pt-PT&tbm=isch&source=og&sa=N&tab=wi&ei=lct2UYbQGebh0QGa1oDYCw

Alguém que faz uma turnê por meses onde canta e dança por duas horas seguidas (sem contar as horas de ensaio) precisa estar em boa forma, ou não dá conta.

FS disse...

Acho que a Taylor Swift faz esse slut shaming como uma forma de defesa, gente...

Aparentemente ela é virgem ainda, o que explica o grande número de namorados e o tempo curto de namoro (acho que nenhum passou de 2 meses).. Então, na cabecinha dela não tem COMO ela ser uma vadia, se ela não "se desvaloriza" com nenhum namorado! E quer mostrar pra todo mundo que ela é uma "menina direita"..

O próprio Harry Styles (um dos últimos namorados) disse publicamente que terminou o namoro pq ela é "assexuada" e "puritana" e ia continuar levando foras se continuasse agindo dessa forma...
(http://g1.globo.com/musica/noticia/2013/01/harry-styles-terminou-com-taylor-swift-porque-ela-e-assexuada-diz-site.html)

Complicado, né.. A menina é super imatura pra lidar com tudo isso! =/

(só deixando claro que não concordo com o possível pensamento dela, só tento entender o que a leva a agir assim)

Livia Siqueira disse...

Meu, tava na cara que a piada da Tina Fey foi muito mais direcionada (e constrangedora) para o Michael J. Fox do que pra Taylor Swift. Sem contar que a cerimônia toda teve um tom feminista e as apresentadoras são sabidamente feministas. Menina boba que nem sabia a autoria da frase da Madeline Albright.

Gabriela Luzia disse...

A própria Taylor se mostra meio machista e slut shamer, como foi colocado, em "You belong with me", mas principalmente em "Better than Revenge" (onde ela culpa a atual do ex por ele tê-la deixado, acusando-a de roubo e dizendo que o dito moço é enganado por ela).
Anyway, isso não justifica de maneira nenhuma o slut shaming contra a mesma, mas é interessante observar que, mesmo sendo vítima desse tipo de ataque, seja ainda complicado pra algumas mulheres compreenderem a nocividade dos valores patriarcais.

Amanda Soares disse...

Oi Lola, primeiramente gostaria de dizer que sou sua leitora assídua, mas essa é a primeira vez que comento aqui rsrsrs. Agora a pouco tentei postar um comentário, mas algo deu errado, não sei o que houve. Escrevo para elogiar seu trabalho e sua coragem de peitar o patriarcalismo, mas também envio essa mensagem pra solicitar que você dê uma resposta a altura a esse texto ridículo que vi hoje na internet: http://joselitomuller.wordpress.com/2013/04/23/os-delirios-de-dolores-como-o-feminismo-pode-afetar-o-cerebro-humano/#respond Ficarei muito honrada com a resposta. Beijocas

Sue disse...

Vinicius Mendes

Parece que mesmo estando magra demais a saúde dela deve estar boa ,senão,não aguentaria os shows.
Essas fotos comprovam:

http://www.google.com.br/imgres?imgurl=http://1.bp.blogspot.com/_Gg6we8lAzgw/TSDox1FOrBI/AAAAAAAAAEw/Si3hhQfMdCU/s1600/madonna_sem_maquiagem%25255B1%25255D.jpg&imgrefurl=http://mah-noticiadecelebridades.blogspot.com/2011/01/famosos-sem-maquiagem.html&h=375&w=500&sz=60&tbnid=PG8XpI6ZEwi3WM:&tbnh=98&tbnw=131&zoom=1&usg=__ZFWrpkgbea0p0bBQeb1Zf6rpop8=&docid=S8PALuV7A8VsUM&sa=X&ei=19h2UeGPCpG40gGutICgCw&ved=0CD8Q9QEwBA&dur=6922

http://www.google.com.br/imgres?imgurl=http://jornalismoemfoco.files.wordpress.com/2008/09/29_mvg_cult_madonna.jpg&imgrefurl=http://jornalismoemfoco.wordpress.com/2008/09/04/madonna-entre-o-glamour-e-a-decadencia/&h=460&w=360&sz=29&tbnid=F45x_mC4pYmiQM:&tbnh=93&tbnw=73&zoom=1&usg=__jCKa3RProdEAWCxYqpc3KNuspNo=&docid=unCzqW5HX905QM&sa=X&ei=19h2UeGPCpG40gGutICgCw&ved=0CDkQ9QEwAg&dur=5142

Natalia disse...

Acho que a grande crítica que as pessoas fazem à Taylor é o fato dela sempre dar um jeito de posar de vítima. Eu não tenho nada contra ela e estou pouco ligando pra quem ela namora ou deixa de namorar, só acho errado como ela se vitimiza sempre quando fala sobre um namoro em suas músicas e clipes. Ou o cara era um canalha imprestável ou tinha outra "mulherzinha sem conteúdo" correndo atrás dele (you belong with me é um exemplo muito claro disso). Claro que nada justifica a postura dessa gente louca que faz até ameaças contra ela e qualquer outra pessoa apenas por namorar alguém, isso é ridículo. Só acho que ela precisa parar com essa pose de coitada o tempo todo porque isso enche o saco. Relacionamentos não dão certo por vários motivos e ela ficar o tempo todo falando sobre o quanto ela é uma princesa especial e todo o resto da humanidade não presta é meio escroto. Ela precisa parar de ser machista também.

vera disse...

incrível como valores morais hj em dia são desprezados.
o problema n é transar,é a promiscuidade,parece que trocam de parceiro como trocam de roupa.
e antes que venham com a paranóia de vcs,de que tudo que se fale é para atacar as mulheres,eu me refiro a todos.

se eu alguém me diz eu te amo,eu duvido muito,pq as pessoas falam isso pra qualquer um.
conhecem uma pessoa hj e se dizem apaixonados,daqui a um mês terminam,arrumam outro e ja dizem que estão amando novamente.

Mariana. disse...

um fã da taylor vem aqui, descontextualiza tudo e a lola ainda publica.

Nao dou a mínima pra quem quer que seja no mundo das celebridades, a taylor Swift pra mim não fede nem cheira, assim como todos os outros.

Mas é óbvio pra qualquer pessoa que se liga em notícia pop (não tou falando de gente que anseia por informação da vida de celebridade e deixa esse tipo de notícia interferir em suas vidas) sabe que não é bem assim.

Ela, como qualquer mulher, é vítima da patrulha da genitália alheia. Fato. Isso é péssimo, lamentável, triste, horrível e espero que mude pra todo mundo.

E embora eu tenha entendido que ela tenha sido usado apenas como exemplo no texto pra explicar o que é slut shaming e como isso infelizmente está enraizado na nossa socidade independente das gerações, eu acho sim que o autor do guest post deveria ter buscado um exemplo melhor, de alguém que - embora seja vítima dessa palhaçada - não seja também uma acusadora recorrente das mulheres.

Bia disse...

Essa Taylor linda, quem dera a gente com uns gatos destes! rs

Pois é, não basta o slut shaming existir e infernizar a vida de todas nós, tem que ter as mídias para reforçar que o negócio é assim mesmo. Quer beijar muito e ter vários namorados? Aproveite e tatue vadia na testa.

Patricia disse...

Sou super obrigada a concordar com a maioria com o fato de que, sim, a Taylor também faz slut shaming.
Especialmente em Better than Revenge.
Mas infelizmente, acho que isso nem é novidade na indústria da música,
ou em qualquer área profissional(eu tenho uma amiga que diz confiar mais em médicos homens que em mulheres).

Mas o que eu acho incrível mesmo, como o autor do texto citou, é a quantidade de ódio/ameaças que essas cantoras teens recebem quando começam a namorar um outro famoso.
Eu tenho uma irmã de 14 anos, que traz amigas em casa pelo menos uma vez na semana ,e eu fico passada com as coisas que eu escuto. Ainda hoje, uma delas estava falando mal da Miley Cyrus, porque aparentemente ela falou em uma entrevista que o sexo com o noivo dela é fantástico. Tipo, mandem matar, pq aparentemente uma mulher falar que gosta de sexo é um absurdo!

Outra coisa,eu sou super viciada em Criminal Minds e acho um ator da série super fofo, daí outro dia, tava olhando umas fotos dele no tumblr, quando me deparo com um blog ,praticamente dedicado somente a falar mal da namorada do rapaz!

Mas enfim, infelizmente, os próprios artistas ,sites de fofoca e sociedade em geral , ajudam a propagar a idéia de que se você tiver vários namorados e gostar de transar, você é uma vagabunda e não se dar ao respeito ,o que consequentemente vira desculpa para tudo de ruim que venha a acontecer com você.

Eu sinceramente, acho dificílimo tentar mudar a cabeça de alguém que já tem todas essas idéias incutidas na mente. Acho mais fácil, você ir tentando mudar a mentalidade dos mais novos, que ainda são mais flexíveis em mudar de opinião. É o que eu e minha mãe tentamos fazer com os meus irmãos e o que eu pretendo fazer com os meus filhos, se um dia vier a te-los:)

Anônimo disse...

É complicado mesmo, mulher slut shaming que faz slut shaming.
O último caso da Nicole Bahls também aconteceu algo parecido.
A Luana Piovanni que já sofreu violência de gênero por ter apanhado do Dado Dolabela e precisou recorrer e a Lei Maria da Penha chamou o Gerald Thomas de genial ou algo assim por ter feito aquilo com a Nicole Bahls..
Ou seja, o machismo enraizado na mulherada é forte meeeesmo.
Precisamos trabalhar muito para acabar com tamanha desunião que o machismo nos causa!

Luiza disse...

Ela é a compositora das próprias músicas? Porque nos anos 90 os artistas cantavam músicas de outros compositores, e os artistas adolescentes, principalmente, não tinham muita voz sobre o que cantar. Se vende música sobre adolescente enganada pelo namorado, então é isso que a cantora vai fazer, ou sai do ramo e vai vender pipoca. Não sei se é assim com a Taylor.
Mesma coisa com os clipes; quanto de ideias da própria Taylor tem ali?

Sobre as acusações do Harry dela ser puritana e afins... oi? Não é direito dela? Fazer o que quiser com o corpo quando e como quiser?

E também nunca li nenhuma entrevista da moça, mas se ela faz slutshaming contra outras mulheres, aí sim eu concordo que ela precisa ler mais, se informar mais.

Júlia disse...

Engraçado como o feitiço virou contra o feiticeiro no caso da Taylor. A Anna ali em cima falou muito bem o quão problemática a Taylor pode ser. Por isso ela é conhecida entre as feministas dos eua como a rainha do slutshaming -acha que só meninas castas e "de família" devem ser levadas a sério -. No Grammy ela não hesitou em usar erroneamente o quote da Madeleine Albright para mais uma vez se fazer de vítima para as comediantes - e feministas - Tina Fey e Amy Poehler. Sigh Taylor, grow up.

ellen disse...

eu sou fã da taylor e esses comentários de que o clipe you belong with me é machista,é ridículo.

a história é bem clara,um garoto e uma garota que são amigos a bom tempo,ela apaixonado por ele e ele não percebe porque seu olhar está voltado para garotas mais vulgares que usam o corpo pra chamar atenção.
pura realidade.

eu não vejo nada de errado em mulher namorar quantos quiser,mas o que incomoda é a vulgaridade com que tentam conquistar os caras.
na minha escola esta cheio de garotas assim,que sempre dão um jeito de mostrar o corpo,fazer referência ao seu corpo,dizer o quanto são gostosas,se colocando como um pedaço de carne.
quando discutem com outra menina,como n tem o que falar,só mostram o corpo,como se isso explicasse alguma coisa.deprimente.
parece que é só isso que tem para oferecer.

Larissa disse...

Sue, o que você está fazendo é a mesma coisa que se alguém colocasse uma foto da fulana e falar "ah não, viu só, ela está gorda, não pode estar em forma". Tem atletas ainda mais magras que a Madonna, e aí? Elas não estão em forma? Fala sério, né?

Anna disse...

Luiza, a Taylor praticamente escreve TODAS as suas músicas. Ela é admirada por isso, de estar no controle da sua música, da sua imagem. E Ellen, não é surpresa q vc não veja o machismo em you belong to me porque seu comentário é super machista, é a mentalidade Swift.

Na verdade, quando eu vi o título do texto e a foto da Taylor podia jurar q ia ser um post sobre a postura hiper conservadora dela, mas o texto não toca nisso em nenhum momento! Sabe, seria q nem falar dos ataques sexistas q qualquer mulher conservadora sofre (bruxa, vadia, mal comida/amada, etc). Elas serem slut-shamers, entre outras coisas, justifica os ataques? claro q não, mas vamos pelos menos citar isso né. Se a própria Taylor ensina isso pras suas jovens fãs, o q ela acha q vai acontecer com ela quando ela cometer o crime de ser vista andando de mão dada com 2 garotos no mesmo ano?

A Miley tbm é assim. Desde a mais terna idade as pessoas atacam sua maneira de se vestir, de se portar etc e mesmo depois de tudo q sofreu quando a taylor começou a namorar o menino do one direction a miley respondeu no twitter a essa foto

http://images.mstarz.com/data/images/full/7557/swift-jpg.jpg?w=600

dizendo: “people are idiots and call me a SLUT when I am engaged at 20 cuz I am madly in love with ONE man. Just happy someone admitted it.”

Como o anônimo ali em cima disse, há muito machismo enraizado em mulheres, até mesmo entre aquelas q mt sofrem com a patrulha. Porque tbm não há uma discussão de q não existe isso de ou ser santa ou ser vadia, ai ngm nunca aprende e acabam repetindo o que foi feito com elas

Anna disse...

* Desculpa, corrigindo: you belong with me

Nat disse...

Eu jurava que o post ia ser sobre o fato da Taylor fazer slut shaming e de como as feministas americanas não curtem ela (com a maior razão). E sobre a Tina e a Amy, a Tina disse que talvez ela precisasse de um tempo pra se conhecer melhor, apenas - o que convenhamos pode ser uma dica muito útil pra Taylor se de fato ela é o problema nas relações dela, e a Amy completou com um foda-se 'or go for it', elas não tavam julgando o fato dela ter vários namorados (ou não, foda-se com quem ela sai sabe). Tanto a resposta da Tina e da Amy sobre o fato dela ter se sentido ofendida e usado a frase Madeleine Albright, foi zoando o fato de que talvez ela não tenha entendido a piada. Manda a Taylor ver o Oscar desse ano, que foi uma ofensa pra mulherada em geral, Golden Globes foi só amor.

ViniciusMendes disse...

@Sue

Moça, essas fotos que você colocou são photoshopadas. :P Foram editadas e divulgadas por tabloides pra sacanear com ela. É só ver que das 500mil fotos recentes dela que existem poraí, são só essas duas que aparecem quando falam que ela é magra demais.

Sara disse...

Como disse o João Pedro, é lamentável que até mesmo essas novas gerações continuem a reproduzir esse comportamento machista, de glorificar o garanhão e desclassificar a mulher.
Isso da um desânimo....

Anônimo disse...

No mundo das fofocas e das piadas da internet, Ms. Swift não é tida como "Puta" (como a pobrezinha da Miley Cyrus, por exemplo), e sim como uma mocinha que não para de reclamar de seus relacionamentos em suas músicas - a piada é que é sempre um relacionamento novo, um rompimento novo, uma música de dor de cotovelo nova (todas essas músicas iguais, onde ela vai reclamar "eu sou tão especial, por quê ele preferiu uma vadia?" - bem papo friendzone.)

L. G. Alves disse...

O patriarcado está tão solido em nossa sociedade que eu me espanto que até mulheres tenham esta postura e pensamento machista. Mas talvez seja algo mais além que isso. Mulher já não é lá muito amiga de mulher, sempre tem uma disputa envolvida no meio, e quando uma se destaca e se sente livre para ousar e curtir, as outras se incomodam.

Anônimo disse...

Gente, essas teens stars são um verdadeiro retrocesso em comparação ao que já fez Madonna (maravilhosa!! bem que vc podia falar dela Lola). Meninas que não contribuem em nada para o empoderamento feminino, uma pena...
Sarah

Sue disse...

Vinicius
talvez seja photoshop mesmo,mas como as fotos em que ela está super linda também tem photoshop,não tem como saber a realidade.

larissa
eu não falei com o intuito de debochar dela,eu pensei até que podia ser anorexia quando vi a foto,obssessão em ficar magra é um problema grave.
tem gente que é muito magro naturalmente,mas não é o caso dela,por isso me espantei.

Luiza disse...

Anna, obrigada. É, tem o controle das próprias músicas e aí escreve aquelas coisas. Que triste.

O pior é que simplesmente NÃO CAI A FICHA nessas meninas, que mesmo sendo boazinhas ainda assim serão chamadas de putas. Não tem como escapar.

ellen disse...

anna

n vejo dessa forma,machismo seria se homens ficassem usando o corpo pra conquistar mulheres e eu criticasse mulheres fazendo o mesmo.

raramente vejo um cara puxando a manga da camisa pra ficar mostrando seus musculos,ficar se gabando de como é lindo,o numero de garotas e mulheres exibindo o corpo a todo custo é muito maior.

Anônimo disse...

Acredito que temos de parar com julgamentos baseados nas atitudes da cantora. Ela mesma ter atitudes que contradizem sua defesa não nos dá o direito de achar que ela não é merecedora de um tratamento livre de shamings existentes na sociedade. Existe uma indústria por trás de tudo que ela faz e, não necessariamente, as ideias de um clipe seja dela. Sabemos bem que além da indústria pop existe um público a ser "agradado" e não se pode sair muito dos limites colocados pelos meios. O mais importante é a conscientização para que haja uma mudança mesmo que lenta nas crenças pudoristicas que nos circundam. Não custa nada lidar com o fato de que algumas mulheres não notam a cultura em que estão inseridas por N motivos. Até mesmo pq, antes de qlqr julgamento, pecisamos entender o meio em que acontece.

Anônimo disse...

ellen, voce estah totalmente seguindo o mal exemplo da cantora chamando meninas de vulgares e tals. Isso eh machismo!! machismo ñ tem nada a ver com meninos puxando a manga da camisa (isso nem faz sentido) e aff eu vejo MUITOS meninos exibindo os musculos
Lola, acho que seria o caso de botar um PS no fim: Meninas, ñ sigam o mal exemplo da Taylor Swift! Não se dividam entre santas e putas! Façam o que bem quiserem com o próprio corpo e se respeitem!

e anon, ninguem culpa a taylor como a responsável pelo slut shaming. ñ foi ela que criou isso e apesar de sofrer com ele, ela o faz aos montes e eh curioso um texto sobre o assunto a usando como exemplo principal

AmericoAmerico disse...

Taylor é perfeitaaaaaaaaaaaaa! Big fan here. Todas essas polêmicas ao redor dela só a faz ficar mais famosa... lógico que é preocupante as outras meninas a culparem por namorar vários caras...
Mas é isso, acho que ela não está nem aí, e se estiver responde com canções sobre isso!


**Ps.: a Miley Cyrus também tirou sarro da Taylor, dizendo que a mídia a chamava de vadia (miley) enquanto ela é compromissada,e a Taylor paga de santinha... É muito pano pra manga gente!


O jeito que o fãs tratam as cantoras pops, como posse, reflete muito a sociedade que vivemos. Vide o caso Rihanna. Muito pano pra manga!

Anônimo disse...

Pois é, anôn 18:46

O haterismo é mais pela chatice dela mesmo...

AmericoAmerico disse...

olha pelos comentários que li, também tá rolando ' slut shaming' aqui, hein? nada surpreso! ' ah, ela fez música que discriminava' bla bla. onde vcs vivem numa bolha feminista?

Ninguém nunca se traiu um pouquinho, achou aquela menina que dá em cima do seu namorado 'saidinha' demais? NORMAL, isso tira o direito de vcs reclamarem se alguém fizer slut shaming com vcs? putz, abram a cabeça!

ViniciusMendes disse...

@Sue

A maioria das fotos do link que te mandei são tiradas por fãs ou jornalistas durante os shows. Não são fotos feitas pela equipe dela, não são fotos que passem por uma triagem feita pela equipe dela e não são fotos que tenham qualquer obrigação de fazer ela parecer menos magra ou algo assim.

http://www.youtube.com/watch?v=e8YjS36byjQ Aqui vai um vídeo gravado por fã de celular ou algo assim. ;)

Mas algo me diz que você vai continuar insistindo que ela tem uma magreza doentia e que é tudo editado...

AmericoAmerico disse...

como faz pra ver o blog do autor do texto? Se ele tiver claro.

Mari disse...

acho que é a primeira vez que vejo aqui um guestpost que por falta de informação da lola sobre o mundo pop, não deu muito certo. Taylor Swift é uma das celebridades que mais fazem slut shaming para o público jovem

ViniciusMendes disse...

@ellen

Criticar uma mulher pela forma como ela expressa sua sexualidade, quando isso é feito de forma que não afete a liberdade alheia de escolha, SEMPRE é machismo.

Se a moça quiser andar vestindo 20cm² de tecido, ninguem tem direito de desrespeitá-la por isso, já que o corpo dela é dela e ela é livre pra usá-lo da forma que melhor a agradar.

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Dentre os meus amigos no Facebook, não tenho o que reclamar, são pessoas inteligentes e bem livres de preconceitos. Mas sempre que saio um pouquinho desse meu círculo me assusto.
A impressão é que a maioria desse pessoal de 15, 20 anos, está mais conservador e preconceituoso que a geração anterior a eles. E pior é que se acham os liberados por ouvirem funk e Rafinha Bastos. Vejo como uma falsa liberação, porque aplaudem preconceito se enganando que é humor politicamente incorreto e escutam músicas cheias de referências ruins a sexo e mulheres que fazem sexo, achando que é diferente do que seus bisavôs faziam, só que sem música.
Mas na sociedade machista não tem jeito, ou se é criticada por ser frígida ou por ser puta. Fico na esperança que as meninas logo percebam essa armadilha e ser a favor desse padrão duplo não é bom pra mulher nenhuma no fim das contas.

Anônimo disse...

Saindo um pouco do assunto devido ao comentário que li, uma pessoa magra não necessariamente tem obsessão por "magreza". Sou magra, peso 45kg e todos dizem que não aparento, já que não tenho nenhum problema em comer isso ou aquilo para ficar magra,é genético. Em relação a Madonna é diferente, ela tem muita massa corporal magra, músculos! Carol

Nina disse...

A Taylor tem o direito de sair com quem ela quiser. Dito isso, não é justo que ela própria julgue e faça slut shaming nas suas músicas com outras meninas que fazem exatamente a mesma coisa!
Não tenho dúvidas que ela, como pessoa, é simpática, fofa, etc. Mas ela não é um bom modelo para as meninas, apesar de toda essa imagem vendida.

Anônimo disse...

A taylor faz slutshaming toda hora....ela devia começar dando o exemplo com as ações dela. Como já dizeram nos primeiros comentários. Umas das letras dela sobre a atriz Camilla Belle (dizem que o menino do Jonas Brothers terminou com a Taylor pra ficar com ela) diz o seguinte: ''she's better known for the things that she does on the mattress.''

tsk tsk

Caroles disse...

Eu acho a Taylor Swift bem fofa, mas não consigo ficar do lado dela nessa coisa da Tina e da Amy porque, bom, as duas são feministas assumidas e a piadas não foi nada de mais. A resposta da Amy foi muito engraçada. Não acho que elas não queiram ''ajudar outras mulheres''. Sei lá.

Caroles disse...

Opa, enviei sem terminar. A Taylor Swift ser taxada de vadia etc é muito errado, mas ela tem o clip mais slut shaming DA HISTÓRIA (You Belong With Me) e algumas das letras dela são muito "mulher vs. mulher". Pra ver que realmente pra ser chamada de vadia só é necessário ser mulher...

Barbara Pires disse...

Eu bem achando que ia falar do slut shaming que a TS escreve nas suas letras de música! Fiquei surpresa que desta vez ela está sendo a vitima e nào a autora de slut shaming!

ViniciusMendes disse...

Não gosto da Taylor Shift, nem da imagem dela, nem da música dela...

Mas ela fazer slut shaming não devia ser um motivo bom o suficiente pra gente ignorar que a sociedade a julga por ser "uma vadia". É a mesma coisa que falar que umx homossexual homofobicx merece sofrer homofobia ou algo bizarro assim.

Anônimo disse...

AmericoAmerico disse...
olha pelos comentários que li, também tá rolando ' slut shaming' aqui, hein? nada surpreso! ' ah, ela fez música que discriminava' bla bla. onde vcs vivem numa bolha feminista?

Ninguém nunca se traiu um pouquinho, achou aquela menina que dá em cima do seu namorado 'saidinha' demais? NORMAL, isso tira o direito de vcs reclamarem se alguém fizer slut shaming com vcs? putz, abram a cabeça!


---

hã? falar que alguém faz MUITO slut shaming é fazer slut shaming? esse seu coment. nao faz o menor sentido. Abra a cabeça e faça slut shaming? é isso que voce prega? acho que pros fãs dela isso eh normal tsc.
sair dessa mentalidade machista é um esforço constante (pra umas mais que pra outras) mas acho que todas aqui se esforçam muito mais que a swift que constrói uma carreira com ajuda do papo de virgin/whore, escreve músicas sobre o assunto e influencia uma legião inteira pra fazer o mesmo.. Como voce se sentiria se escrevessem uma better than revenge pra voce q nem a Belle?

agora, se ela assexuada ou não (como falaram mais pra cima) não é da conta de ninguém né por favor! Não acho que ela seja mas ser assexual não é nenhum desvio de conduta nem nada e tambem nao ter a ver com ser puritano.

Cris Jolie disse...

Mas sempre quando vejo uma mulher criticando a outra, com certeza é para ganhar pontinhos com a ala masculina.

Penso que quem faz isto, não se acha capaz de conquistar algum homem, e precisa desqualificaras outras, para se sentir superior.
Se as mulheres não entrassem nesta pilha. nossa situação iria melhorar muito. Os homens não teriam esoolha.

Esta desunião, esta desumanidade com elas próprias é o combustível para esta praga com o nome de machismo.

Não culpo as mulheres totalmente por este estrago, haja visto que um homem machista, bate, esfola e mata. A mulher não. Mas faz fofoca, defama, fala mal, culpa sempre a mulher quando seu maridinho ou namorado pulam a cerca...

Um dia destes meu cunhado me enviou um video, indignado, pois uma mulher junto com a filha, fizeram a amante do marido dela, tirar a roupa e andar pela rua nua. Aí eu pergunto:e o marido??Humilhação quem merecia era ele.

Muitas mulheres se referem as outras como putas, vadias, oportunistas e etc....Desejo muito que isto acabe.

Anônimo disse...

Eu concordo c/ quase tudo o que foi falado só algumas ressalvas :
a Miley Cyrus fez aquele comentário sobre a Taylor foi devido uma enquente do canal E! se não me engano onde o público deveria escolher entre uma ou outra sabe, e como descrição de cada uma a Miley foi usada tipo vagabunda pelo jeito de se vestir, mtas vezes deixando partes do corpo a mostra já rola uma conexão c/ outro comentário e a Taylor foi tratada com elegante, comportada td de bom. Mas a Miley fez esta infeliz declaração entre ela e a Taylor e mta gente criticou pois ela perdeu a oportunidade de dizer ; eu não sou vagabunda por usar as roupas q uso e nem a Taylor por ter os namorados q tem .
Aquele ditado se encaixa bem nesta situação se correr o bixo pega se ficar o bixo come .Não tem pra onde correr .
Eu acredito que a maior conquista feminina foi o direito de escolha e também é por causa dele que estamos sempre sendo julgadas e principalmente colocadas umas contra as outras , as matérias são sempre assim mulheres q trabalham ou q ficam em casa, mulheres atiradas ou comportadas e é obvio qdo cada um defende o seu lado diminue o outro.
Acho ótimo a Taylor não querer transar c/ os namorados com acho ótimo a Miley dizer q transa c o noivo não há lado errado ambas estão exercendo o direito de escolha q conquistamos pois até algumas décadas atrás só havia um caminho ou então vc seria marginalizada ,não casaria não seria feliz etc. Podemos escolher e seremos julgadas como sempre mas podemos escolher . Acho sim q a Taylor está em cima do muro , é como a Tina Fey disse ela precisa se descobrir mas é normal ela é uma garota q veio do interior dos EUA e ser uma garota estrala pop é um choque por isso essa ambiguidade entre discurso e ação .

Anna disse...

Vinicius, isso é verdade e vc vê que muitos ao falarem do atraso q a Taylor representa disseram q isso não é motivo pra atacá-la. O q eu acho q espantou a todos foi o texto não falar em nenhum momento em como a própria Taylor incentiva esse comportamento, a colocando como a grande vítima da história.

O post devia se chamar:
"Taylor Swift: os anos 30 te chamam de volta"
Ela faz slut-shaming sem limites (nas letras, nos clipes, nas entrevistas..), letras homofóbicas, vingança nas letras (vide a música tosca sobre a atriz Camilla belle) e como falaram no texto ela escreve letras sobre os namorados famosos e nem tenta esconder quem são (dá pra saber sobre quem cada música é). Não é legal letras TÃO óbvias mexendo com a privacidade dos outros e ela o faz por pura publicidade. Se fosse ao contrário e tivesse alguma letra sobre ela não ia ficar barato não.. (e tbm há de se notar a falta de diversidade em seus clipes, é um mundo onde todo mundo é branco.. Mas isso não causa tanto espanto já q ela é, em teoria pelo menos, country)

Flor disse...

Tenho uma teoria maluca a respeito do conservadorismo pop: lá entre os anos 1999 e 2000, saiu uma pesquisa sobre os efeitos de programação na TV com muito sexo e a efetividade dos intervalos comerciais. Em linhas gerais concluiu-se quê, impactados com a programação apelativa (usaram como exemplo "Sex and the city") os telespectadores não prestavam tanta atenção aos comerciais quanto prestavam com programação mais banal.

Daí que vejo, hoje em dia mais do que antes dessas conclusões, uma cultura de massa que evita apelar pra sexualidade explicitamente, e incita mais e mais o puritanismo. Apelam pra sexualidade exacerbada aqui e ali, de maneira bem seletiva e dentro da margem de segurança, pra logo em seguida na mesma peça trazer a censura.

No lugar de trabalhar com o sexo, me parece que toda a produção cultural patrocinada por publicidade se especializou em trabalhar com outros sentimentos tão "selvagens" quanto: medo, raiva, ciúmes, frustração...
Toda vez que termino um capítulo de novela ou presto muita atenção em músicas mais populares, sinto a exaustão de horas de discussão intensa com algum familiar importante.

Estão estressando nossa capacidade de sentir pra conseguir nos vender mais coisas, e no dia a dia a insensibilidade se instala.

Flor disse...

Então: Taylor Swift, Jonas Brothers, e outros ícones pop me parecem ter mais vez na mídia não só pela demanda do público, mas principalmente pela demanda da publicidade e propaganda.

Leandro disse...

O politicamente correto dos dias de hoje acabou com o erro feminino. Então tudo o que as mulheres fazem de errado na vida vira experiência, “independência” e auto-afirmação igualitária!

Nnguém pode proibir a mulher de fazer nada. Mas temos o direito de boicotar e praticar o ostracismo social contra mulheres promíscuas e tratar vadia como ela merece. Deste direito NINGUÉM pode nos privar. Querem fazer o que querem e não querem aguentar as consequencias de seus atos? É isso que o politicamnete correto quer, acabar com as responsabilidades e querer que todo o mundo aceite o que é errado.

Mirella disse...

Criticar o slut shaming que a Taylor faz não é justificar o que ela sofre.
São coisas diferentes.
E o fato de ela sofrer slut shaming não pode ser abonador do que ela comete. O foco, acredito eu, deve ser no ambiente e na criação que uma mulher recebe para achar que, se dançar a música do patriarcado, ela estará livre de ser o próximo alvo.
E a Taylor é, justamente, um exemplo ambulante de que, para ser atacada pelo patriarcado, basta ser mulher, não importa o quanto você reproduza o discurso dele.
Mesmo caso de algumas comentaristas aqui, que acreditam que sendo contra promiscuidade, vulgaridade etc etc etc estão seguras de serem o próximo alvo do julgamento de sua sexualidade, mesmo que esta não "exista".
Tem que por um pouco a mão na consciência para perceber que o julgamento da sexualidade da mulher independe da promiscuidade ou da vulgaridade (palavras ridículas, inclusive).
A própria Taylor é julgada por ser puritana e, por esta razão, seus relacionamentos não duram. Ela é uma vadia que fica com vários, mas fica com vários porque nenhum aguenta o fato de ela ser puritana. A lógica dá um nó só para que se possa continuar slutshaming a moça.

lola aronovich disse...

Leandro, pois é, o politicamente correto é uma praga! Imagina só, acabou com o direito SAGRADO de vcs mascus "punirem" mulheres promíscuas (leia-se: não virgens)! Dou o maior apoio que vcs mascus pratiquem o ostracismo contra mulheres. Só não se esqueçam de avisar as mulheres, pois elas podem não notar. Agora, isso de "tratar vadia como ela merece" parece incitação à violência. Como uma "vadia" (ou seja, uma mulher que já fez sexo, só que não com vcs) "merece" ser tratada? Se for só vcs não se relacionarem com elas, bem, parece que vcs já estão no caminho certo, não? Aceitem que nesse ponto -- que vcs continuem não se relacionando com ninguém, não se casando, não se reproduzindo -- nós feministas damos o maior apoio pra vcs.

Lucas disse...

Cheguei atrasado e não vou ler todos os comentários, então posso estar repetindo algo.

Além do slut shamming já conhecido, acho que se pode fazer um paralelo entre a perseguição que as garotas fazem às estrelas com o que os rapazes fazem com homens famosos, geralmente os taxando de "viados", independente do motivo.
Basta fazer sucesso com o outro sexo e bang, você é uma "vadia/viado" (ataca a sexualidade da mesma forma, mas não existe um termo masculino pra "vadia", como sabemos).
Acho que isso é fruto dessa nossa sociedade que se dedica 24/7 pra destruir a auto-estima das pessoas, gerando esse rancor coletivo uns contra os outros.

Sarah disse...

Eu não me recordo quem postou esse link aqui http://yourfaveisproblematic.tumblr.com/post/45761093757/taylor-swift , mas uma coisa me incomodou por eu não ter entendido direito o problema: o que há de errado com a Taylor se vestir de gueixa ou fazer trança de raiz?
Digo, eu sei que essas coisas são símbolos das culturas japonesa e negra, mas é considerado errado ou racista usar de elementos de outras culturas? Eu ando 'pescando' umas coisas sobre isso em sites (a maioria estrangeiros, já que considero o Brasil um país plural e misturado demais pra alguém atentar pra isso) e já encontrei exemplos como a Dita Von Teese ser atacada por usar um sari meio transparente, como se estivesse se apropriando e sexualizando a cultura indiana (depois descobriram que ele tinha sido feito por designers indianos e dado para ela pra usar numa festa na própria India) e pessoas criticando quem tira fotos com cocares por eles serem da cultura nativo-americana (ou indígena no geral). Eu consigo entender a parte do "gente branca se apropriando da cultura alheia" e sei que não existe muito bem um contrário pra isso já que a cultura branca não é apropriada a ninguém e sim imposta como padrão, mas isso não é uma forma de... segregar mais as coisas? Deixar tudo separadinho, tipo apartheid de elementos culturais? E eu sempre achei boa essa troca de informações/elementos da moda/visuais... isso é realmente racista de se pensar/fazer? Me soa meio errado isso, mas eu não sei se estou certa ou se estou sendo branca demais ao apreciar/gostar da cultura alheia e me sentir no direito de usar coisas desse tipo. Gente, é sério, me dêem uma luz aqui.

ViniciusMendes disse...

@Sarah

Nesse blog tem um texto escrito por uma mulher negra nascida na america-latina se posicionando contra a postura do blog em relação a apropriação cultural. Enquanto os autores do blog são contra inclusive tatuagem escrita em línguas que você não domina...

Apesar de eu concordar que qualquer coisa que resulte numa representação estereotipada de minoria (tipo fantasia de índio, ou as fantasias de árabe do femen) são racistas e ponto, na minha opinião qualquer pessoa que tente negar as influencias que uma cultura causa na outra não entende bem como construção cultural funciona.

Anônimo disse...

sarah, no caso de se vestir de gueixa é ofensivo porque niguém devia se fantasiar de outra raça, outra etnia (eh a mesma lógica que condena o black face)..

tem também o lado do tema ''cultural appropriation'', que é um tema MUITO discutido, principalmente nos eua (especialmente sobre o povo q cisma em botar roupas indígenas pra se fantasiar) há muito pra escrever aqui, mas se voce procurar sobre o assunto vai achar muita coisa (no tumblr por ex)

ViniciusMendes disse...

@Sarah

Aliás, não esqueça que você é brasileira (ou mora no Brasil), também vem de uma cultura "exótica"... Acho que fica mais fácil entender se você se colocar no lugar das culturas apropriadas com isso em mente... Tem formas de apropriar a cultura brasileira que te ofendem? E que não te ofendem? Basicamente é isso. Eu pessoalmente fico bem feliz quando vejo pessoas tentando entender e absorver elementos culturais nossos... E ainda mais feliz quando vejo que houve um esforço pra fazer isso direito.

Ingrid disse...

Para um blog feminista a maioria dos comentários são bem a favores do slut-shaming hein?
Bom, eu sou fãn da Taylor Swift e o meu comentário pode não ser considerado imparcial por causa disso.

A Taylor foi a cantora mais nova a ganhar o Grammy de Disco do Ano com 20 anos (atualmente ela tem 23) e ela já ganhou 7 Grammys sem contar outras premiações .. Ou seja ela é bem sucedida pelo seu trabalho,mas ate que os seus ex namorados ,tirando John Mayer que tbm em 7 Grammys..
A midia adora falar a quantidade de "namorados"(para mim a maioria foram ficantes) e essa perseguição ficou maior com o comentário do jornalista do E! comparando a Taylor Swift com a Miley Cyrus:“Uma é chamada de vagabunda e puta todo dia e está com o mesmo cara por três anos e noiva. Outra é chamada de doce, elegante e inspiradora e ficou com mais de 13 caras nos últimos três anos”.
O odio das pessoas tambem é por ela escrever musica sobre os ex-namorados,bom.. esse é o ganha pão dela, e ela escreve cançoes sobre o que ela passa tanto os lados bons e os ruins do relacionamentos .. Porem todo mundo acaba esquecendo que ela não tem musica só sobre isso, a musica dela mais premiada "Mean" foi sobre um critico e acabou se tornando um hino contra o bullying, "Tied Together With A Smile"é sobre uma amiga que tinha anorexia e fala sobre baixa autoestima,"Change" é sobre as dificuldades de ser uma artista de uma gravadora pequena, e ate a “Mary’s Song" e a historia de um casal de vizinhos que se conheciam desde crianças e estavam envelhecendo juntos .. E várias outras, Tudo isto foi para dizer ELA NÃO CANTA SÓ SOBRE OS EXs .. mas pq só as musicas sobre os namoros(sendo exta,sobre os terminos) são as mais famosas? Pq da assunto para a midia.. a Taylor tem como politica não falar sore quem e as musicas,porem nos sites de fofocas e de cultura pop o que mais tem e pessoas procurando dicas para descobrir quem é o "alvo" da musica.. Alem disso a propria midia aumenta os fatos, no post o autor fala que ela namorou o cantor Ed Sheeran,porem ele é só o show de abertura da turne dela e por isso eles estão tão proximos .. um tempo atras teve uma notica sobre o "gato novo que estava a acompanhando" porem o jornalista nem fez questão de procurar se informar que o "gato" era o irmão dela, pra que ele ia procurar se a noticia de um novo affair chama a atenção?

Ingrid disse...

(continuação) A propria noticia dela ser "puritana" e disso ter sido o motivo do final do namoro com o Harry foi uma noticia de um site não tão confiavel e eu acredito realmente que seja falsa, porque existe musicas dela que falam sobre sexo (de maneira sutil) como a "Treacherous" e "Sparks fly"..
A propria "Better than revenge" e considerado o Carma dela que esta voltando por ser uma musica claramente slut-shaming, e é.. (Ate me sinto mal de gostar tanto dessa musica,porem o ritmo e a letra e bem inteligente) .. Porem ninguem lembra a epoca que ela foi composta, supostamente Joe Jonas traiu ela com a Camila Belle e a Taylor Swift usando essa experiencia para compor a maioria das musicas do album "Fearless" .. Joe Jonas e a banda dele ficaram bastante queimados na epoca e então Joe compos "Much Better" uma musica comparando a ex com a atual falando que a atual era melhor do que a ex.. A musica e bem covarde (minha opinião) alem de comparar as duas ele cita uma musica da Taylor que não foi composta pra ele só para todos terem certeza de quem ele falava na musica.. No album seguinte estava a canção "Better than revenge", é claro que isso não faz a musica ser menos slut-shaming ou mais digna,porem mostra que a Taylor só terminou a comparação começada pelo ex .. eu li muita gnt falando do clipe de "You belong with me" e eu realmente nunca reparei nisso,ate porque as 2 meninas no clipe são atuados pela propria Taylor,porem eu nunca gostei dessa musica então não sei muito afundo ..
Honestamente a media sempre pega no pé dos artistas, a Taylor Swift não tem vicios,não bebe,não fuma e é uma das poucas artistas novas (no sentido de idade) que e reconhecida não só pelo publico,mas por pessoas da propria industria e isso é só o começo elaa tem 23 anos e é de se esperar isso de uma mulher nova solteira,certo? Que ela tem que aproveitar a vida, e se um relacionamento não vai bem n tem nada de errado em terminar e procurar outro "conto de fadas",eu não axo que isso seja um mal exemplo para as pessoas..

E em questão a piada da Tina Fey eu concordo que foi uma piada ate que boba,porem foi feita na epoca que ela tinha acabado o namoro com o Harry e a media falando como se fosse a culpa dela e quando ela ia perceber que ela sempre era o problema .. Foi mais o contexto do que a piada em cima ..

Cláudia disse...

Sarah, acho que tudo depende de como vemos as coisas (óbvio, né?). Por exemplo, raça entre humanos é algo que biologicamente não existe. Mas ela é estudada como uma invenção social, como uma das formas dos humanos diferenciarem seu grupo social de outros grupos e como essa distinção criada socialmente decorre em segregações e coisas assim. Então, primeiro devemos considerar que vivemos numa realidade em que, históricamente, os brancos consideram-se um grupo diferente e superior aos negros, indígenas etc, e utilizam isso para justificarem a escravidão, o racismo religioso, a opressão estética em relação aos tipos de corpos ou de vestimentas ou à arte... Depois precisamos entender que os grupos oprimidos, após séculos de depreciação de suas características culturais e físicas, vêm lutando para recuperar sua auto estima. Além disso, esses grupos têm travado uma disputa simbólica ao recusarem os padrões estéticos brancos impostos para toda a sociedade ocidental, como cabelo liso, calças jeans e camiseta. Para entender essa disputa, basta imaginarmos um indígena usando um cocar no dia a dia, fora dos territórios indígenas. Imagine como uma criança indígena indo para a escola assim seria tratada pelos coleguinhas não indígenas. Existe uma pressão social muito grande para que as diferenças étnicas sejam vistas apenas como curiosidade cultural e não como identidade.
Então, muitas vezes quando uma pessoa negra faz uma trança afro ou deixa o cabelo crespo crescer, está indo além de escolher um corte de cabelo ou penteado, mas está agindo politicamente. E essa é uma atidude muito difícil de ser tomada em nossa sociedade, porque essa pessoa será vítima de discriminações de vários tipos. E no Brasil, esse posicionamento político é ainda mais difícil, porque existe um discurso de que racismo não existe em nosso país. Porém, para ser aceita como um "bom brasileiro", quem não estiver dentro dos padrões ocidentais deve se despir de suas características étnicas convertendo-se ao cristianismo, mudando suas vestes, alisando o cabelo, utilizando uma linguagem "culta".
E aí voltamos para o debate sobre se é errada essa apropriação da cultura alheia. No meu ponto de vista ela é no mínimo injusta, uma vez que para o branco é "descolado" utilizar referências culturais de outros grupos enquanto, para a pessoa da cultura em questão, utilizar essa mesma referência étnica é motivo de ser vítima de discriminação. Eu me sentiria violentada em não poder ser algo que faz parte de minha identidade étnica e ver uma pessoa de outro grupo desfilando tranquilamente, ostentando os traços culturais que me são negados.
Lógico que cada um tem uma postura diante dessa realidade. Considero-me etnicamente negra, apesar de ter pele clara. Minha família toda, praticamente, é negra. Meu avô era negro, nascido nas consideradas "terras de preto", na beira do rio são francisco. Mesmo assim não utilizo certas referências afro por considerar que estaria contribuindo para despolitização dessas referências. No geral, quem olha para mim não acha que tenho ascendência negra, então entendo que veriam em mim uma branca usando trança afro. Talvez considerem que eu também tenho direito a utilizar simbolos dessa minha identidade étnica. Mas considero injusto que só eu possa utilizá-los sem ser discriminada, enquanto uma pessoa de pele escura não tem o mesmo tratamento pela sociedade.

Cláudia disse...

Continuando...
Claro que devemos considerar o contexto dessas situações. Por exemplo, quando várias pessoas adotaram, no facebook, o nome de um determinado povo indígena não foi para se apropriar da cultura alheia, mas para apoiar politicamente aquele povo que está sendo dizimado. Ou no caso que você citou de "Dita Von Teese ser atacada por usar um sari meio transparente". Como você disse, nessa situação o sari foi um presente recebido dos próprios indianos. Aí seria até uma ofensa não aceitar e usar o presente, né?

Além disso, após a tv, o rádio e a internet (principalmente este último), todos os povos estão sendo influenciados pelas diversas culturas (mas não de forma proporcional). Então, muitas vezes, comer uma comida japonesa pode ser apenas uma questão de gosto culinário. Assim como usar um chapéu chinês pode ser apenas usufruir de uma lembrança trazida de alguma viagem.

Mas acho que cada um tem sua visão e deve tomar suas atitudes de forma coerente.

Cláudia disse...

Continuando...
Claro que devemos considerar o contexto dessas situações. Por exemplo, quando várias pessoas adotaram, no facebook, o nome de um determinado povo indígena não foi para se apropriar da cultura alheia, mas para apoiar politicamente aquele povo que está sendo dizimado. Ou no caso que você citou de "Dita Von Teese ser atacada por usar um sari meio transparente". Como você disse, nessa situação o sari foi um presente recebido dos próprios indianos. Aí seria até uma ofensa não aceitar e usar o presente, né?

Além disso, após a tv, o rádio e a internet (principalmente este último), todos os povos estão sendo influenciados pelas diversas culturas. Então, muitas vezes, comer uma comida japonesa pode ser apenas uma questão de gosto culinário. Assim como usar um chapéu chinês pode ser apenas usufruir de uma lembrança trazida de alguma viagem.

Mas acho que cada um tem sua visão e deve tomar suas atitudes de forma coerente.

Leandro disse...

Não tecle por mim, Lola. Não há nenhuma incitação à violência no meu comentário. Quando eu disse que vadia de ser tratada como merece, quero dizer que merece ser tratada conforme o seu comportamento. Isso quer dizer que não é mulher para relacionamento sério. Ninguém tem o direito de proibir uma mulher de ser promíscua, nem de usar a violência contra ela (eu sou a favor do PNA -- o Princípio libertário da Não-iniciação da Agressão), mas temos o direito de boicotar estas mulheres, se negando a se relacionar com elas. Quer ser promíscua desde os 15 anos? Ok. Mas saiba que dificilmente encontrará um homem razoável para namorar/casar e só será objeto nas mãos dos cafas (até porque ela mesmo se objetificou)... Saiba que ficará sozinha em casa com um monte de gatos, enriquecendo a indústria de antidrepressivos e a indústria da beleza...

Anônimo disse...

Que mania que mascus tem de achar que casamento e filhos é o final feliz de toda mulher. E que toda mulher que está feliz no casamento casou virgem ou quase. Dêem uma boa olhada por aí e vão ver que não é assim, não existe fórmula. Tanto que várias mulheres que se divorciaram, que não eram felizes em seu casamento, são daquela geração em que a maioria ainda casava virgem.

Há pouco tempo fizeram uma pesquisa e tinha mais mulher casada e com filhos tomando antidepressivos que o contrário.
Não que casamento seja ruim, mas casamento nos moldes machistas é péssimo. Homem achando que pode mais porque é homem, dificilmente faz uma mulher feliz a longo prazo.

Sarah disse...

Nossa, gente. É um tema muito amplo e muito controverso isso do cultural appropriation especialmente nos dias de hoje onde o mundo é globalizado e "pequeno" e todo mundo é tudo. Digo, essa troca de elementos culturais se faz tão presente nos meios onde eu me encontro ou me interesso (como a moda e a música) que me é difícil entender como errado, mas talvez isso seja um privilégio meu falando. Penso em exemplos como a cultura pop do japão (um país ainda meio tradicionalista e fechado para o mundo) onde é considerado de alguma rebeldia vestir-se como as celebridades americanas (loira, bronzeada, roupas meio "barbie malibu" feelings e por aí vai)e onde por exemplo faz parte da moda de rua do país vestir-se como garotinhas da era vitoriana (cultura ocidental apropriada e "japonesada") e esses dois exemplos de estilo já saíram da ásia e voltaram ao ocidente como moda oriental, haha, troca cultural pura. Me ajudou no assunto quando comecei a pensar em mim como parte de uma cultura 'exótica' como a Brasileira, e dentro disso claro que me ofendem alguns tipos de representação/apropriação mas eu acho lindo e saudável quando pessoas de fora se apropriam de coisas daqui direito (digo, pesquisando sobre e admirando a cultura no lugar de colocá-la exposta como um freakshow). Eu particularmente estou criando a opinião que existem meios e meios de se fazer isso e não se deve condenar logo de cara (como vi no exemplo do sari transparente que foi julgado por apropriação/sexualização quando era um presente de indianos). A partir do momento em que você usa de algo de outra cultura para exaltá-la e não fazer dela uma caricatura, talvez isso traga visibilidade positiva e esclarecimento. CLARO que aí entra a mesma lógica do homem feminista: você não deve ter mais 'voz' que alguém pertencente a cultura apenas por ter mais privilégio, assim como a palavra de um homem feminista não deve valer mais que a palavra de uma mulher feminista pelo privilégio. Assuntos como a moda, a cultura e a tradição étnica são extremamente políticos, e no mundo globalizado já que não dá pra separar tudo, é preciso ao menos misturar com bom senso. É um assunto a ser muito pensado e ainda tenho muito o que concluir sobre, obrigada a vocês que me iluminaram aqui.

Luiz Prata disse...

Um erro não justifica outro.
Os slut-shaming praticados por Taylor não justificam os sofridos por ela.
E vice-versa.
Isso só exemplifica o que a Lola disse no "prólogo" (o textinho antes do guest-post propriamente dito), sobre o quão doloroso é ver meninas praticando slut-shaming.

Rafaela Lopes disse...

Eu tenho 17 anos, e é totalmente normal que eu saiba quem é a Taylor, não mais que isso, eu fui uma grande fã dela (na verdade eu ainda curto bastante, mas longe de ser como antes) e achava tudo que ela fazia bonitinho, e nunca me importei com slut shaming praticado por ela -aliás, só fui saber o que é slut shaming ano passado, graças aos blogs feministas, e olha que eu me considero feminista desde os 11 anos. De todo jeito eu nunca havia considerado o quanto era hipócrita da parte da Taylor namorar um monte de caras, e sempre escrever músicas mostrando o quanto ela era santa e as outras vadias, assim com as de "estou com coração partido, e a culpa é dos homens", só fui perceber isso, justamente após esse acontecimento dela dizer que mulheres que não se apoiam vão pro inferno, nessa hora eu pensei: "Mas bom, você também não apoia muito as outras mulheres né?", só depois disso é que eu fui analisar todas as músicas dela que eu gosto/gostava com cuidado, e fui perceber o grau de hipocrisia da moça.Pra começar todo mundo provavelmente já teve seu coração "quebrado", ou vai ter, até aí legal, escrever músicas sobre isso? Legal também, mas achar que ela é sempre a santa e que ozhomi não tem o coração partido também é demais não acha não? Quem sabe ela mesma não já partiu alguns corações por aí? E saiu como a santa da história? Não sei. Sobre os outros casos de slut shaming com famosas, a Miley Cyrus é um caso a parte, ela também cometeu slut shaming com a própria Taylor e a Taylor com ela. Já o caso da Selena, acho que foi porque as fanzinhas achavam que o Bieber precisava se manter virgem (oi?) pra elas, como aquelas celebridades kpopers.

João Pedro A. Colletti disse...

Primeiramente, obrigado por ter publicado meu texto, Lola *-*

Em segundo lugar, eu gostaria de explicar que usei a Taylor Swift como exemplo justamente por conta dos comentários ofensivos que borbulham a todo momento sobre ela e sua "troca constante de parceiros".

Eu sei que a própria Taylor é, de certa forma, slut-shamer, e isso é ruim. Mas, isso não justifica o slut-shaming que é feito contra ela. Aliás, só enfatiza o quão enraizada está a ideologia machista não só em quem faz o slut-shaming, mas também, em alguns casos (como o dela), nas meninas que sofrem com isso! É algo a se pensar ;)

Espero que tenham entendido os motivos de minha escolha e que tenham gostado do texto.

Anna disse...

Lola olha q legal, a beyoncé lançou nessa madrugada um álbum e tem uma música feminista!!
Ela inclusive dá o siginificado da palavra feminista, qe legal!

Um trecho da música Flawless :

We teach girls to shrink themselves
To make themselves smaller
We say to girls
"You can have ambition
But not too much
You should aim to be successful
But not too successful
Otherwise you will threaten the man"
Because I am female
I am expected to aspire to marriage
I am expected to make my life choices
Always keeping in mind that
Marriage is the most important
Now marriage can be a source of
Joy and love and mutual support
But why do we teach to aspire to marriage
And we don't teach boys the same?
We raise girls to each other as competitors
Not for jokes (?) or for accomplishments
But for the attention of men
We teach girls that they cannot be sexual beings
In the way that boys are
Feminist - the person who believes in the social
Political, and economic equality of the sexes





Tomara q o feminismo vire modinha de vez!! :)

Vc pode ver o resto da letra e ouvir a música aqui:


http://rapgenius.com/Beyonce-flawless-lyrics

Jeanni disse...

Isso me fez lembrar de quando a Avril Lavigne surgiu no mundo da fama usando short largo, tênis, andando de skate e usando uma GRAVATA, e muitos dos seus discursos se referiam a Britney Spear como uma vagabunda e que ela propria tinha a cabeça no lugar e não precisava mostrar o corpo pra fazer sucesso. As coisas são bizarras desde tempos remotos :(