segunda-feira, 17 de setembro de 2012

O MITO DE QUE FEMINISTA É CONTRA ANTICONCEPCIONAL MASCULINO


Também queremos bloqueá-lo

Como sabemos, mascus são insignificantes (se bem que um de seus representantes disse: “Podemos ser minúsculos, mas somos leões minúsculos! Ovelhas tremem de medo mesmo com o rugidinho de um filhote de leão!” Pausa para rir, porque este será um post sério). Mas se tem uma mentira que mascus tiveram sucesso em difundir é que as feministas são o motivo pelo qual a pílula anticoncepcional masculina ainda não saiu. Pois é, você conhece alguma feminista contra os homens assumirem mais responsabilidade no controle da natalidade? Eu também não.
Mas mascus acreditam tanto neste mito que “feministas são contra pílula masculina” que eu tenho recebido vários comentários como este (repare no nível de ilusão do cidadão falando do anticoncepcional masculino): “Vamos tirar todo seu poder de barganha, será a maior revolução comportamental e sexual do ocidente, vocês vão ter que andar na linha e implorar para ter filhos de homens honrados!” Sim, mascus deliram que alguma mulher em sã consciência imploraria não apenas pra transar com eles, como também pra ter um filho deles! Mas, como eu já disse, este é um post sério. Então vou parar de citar esses seres que nos fazem rir.
Quem deu essa ideia equivocada que nós feministas nos opomos à pílula masculina? Foi o Dr. Elsimar Coutinho numa entrevista pro Roda Viva (veja o trecho aqui, divulgado por mascus). Ele disse que a pílula pensada por ele não foi pra frente porque vinha do algodão. Como era um produto natural, não atraía a ganância das grandes indústrias farmacêuticas. Ele também disse que bolar um anticoncepcional pra homem é mais complicado, porque envolve bloquear a produção de testosterona. Aí ele falou muito por cima que os chineses usam a pílula. E chamou a Betty Friedan de “uma feiosinha famosa” e reclamou da animosidade das feministas americanas num congresso. Mas depois disse que vetaram sua pílula no Brasil por outros motivos, que não tinham nada a ver com as feministas.
Claro que a única conclusão dos mascus ao ver esse discurso confuso foi: as feministas não permitiram o anticoncepcional masculino. Tanto é uma tremenda mentira que não encontra respaldo em nenhuma declaração feminista. Tudo que sabemos sobre a “animosidade das feministas americanas” é a palavra do Dr. Elsimar. Mais nada. Encontrem algum depoimento de algum grupo feminista falando ser contra a pílula, e aí nos conversamos.
O que eu vejo é exatamente o contrário. Por exemplo, este tumblr feminista resume bem a reação de 99% das feministas à notícia de anticoncepcional pra homem.
Mascus não devem saber que uma referência no assunto é o centro não-lucrativo Informação sobre Contracepção Masculina, que foi fundado no final dos anos 80 por uma mulher, Elaine Lissner. A maior e mais antiga revista feminista do mundo, a Ms., ano passado fez uma reportagem bem interessante sobre controle de natalidade para homens (o Dr. Elsimar nem é citado). Começa dizendo que, mais de 50 anos atrás, quando a pílula feminina foi lançada, imaginava-se que a masculina viria em seguida. Não foi o que aconteceu.
Durante décadas, as pesquisas em torno do anticoncepcional masculino centravam-se em métodos hormonais, que geravam péssimos efeitos colaterais e uma aplicação difícil (injeções mensais, por exemplo). Mais tarde, com a AIDS, os cientistas estavam mais ocupados em descobrir sua cura, e também em lançar a pílula do dia seguinte (que corre risco no Brasil se a Anvisa fizer que todos os remédios tarja vermelha sejam vendidos com prescrição médica. Imagine conseguir prescrição no SUS de um dia pro outro para tomar a pílula! Isso está pra entrar em vigor em 2013, e será um retrocesso inclusive para todos os anticoncepcionais femininos. Assine a petição).
Foi só em 2003, com o mapa do genoma humano, que cientistas pararam de pensar em hormônios e focaram na viabilidade do esperma. Hoje estão em desenvolvimento um método natural de uma planta na Indonésia e uma pílula do “orgasmo seco”, que não permite que esperma vire sêmen (o orgasmo ocorre sem a ejaculação). A pesquisa mais adiantada parece ser o RISUG, ou a vasecomia reversível, em última fase de testes na Índia. Uma só injeção seria suficiente para ativar a vasectomia, e outra para revertê-la. Perfeito! Sem efeitos colaterais, e sem o risco de esquecer de tomar a pílula um dia (como acontece com muitas mulheres, e tudo indica que acontecerá com homens também).
Porém, como diz a reportagem da Ms., “contracepção é sobre muitas coisas -– escolha reprodutiva, liberdade individual, confiança nx parceirx -–, mas, acima de tudo, é sobre dinheiro. Em 2015, o mercado global de anticoncepcionais para homens e mulheres atingirá US$ 17.2 bilhões, mas a indústria farmacêutica não tem feito muito para desenvolver métodos para homens porque ainda não vê procura. 'Pesquisas de mercado indicam pouco interesse dos homens; por isso as empresas não têm investido', diz a Dra. Regine Sitruk-Ware, pesquisadora veterana na área” (putz, outra mulher?! Malditas feministas contra anticoncepcionais masculinos!).
Tudo indica que essa falta de interesse possa mudar. Ano passado perguntei pros meus queridos aluninhos de Inglês Técnico (calhou de eu ter uma turma só de homens, a maior parte de Engenharias, e todos muito fofos e divertidos) se eles tomariam a pílula masculina. Eles, muito entusiasmados, responderam: “Pra ontem!”
Além disso, há muita demanda pela vasectomia tradicional. Um em cada seis americanos com mais de 35 anos é vasectomizado. No Brasil, o número de vasectomias só cresce. Foram 22 mil cirurgias realizadas em hospitais públicos em 2006, um número 57 vezes maior que as 380 realizadas em 1996, quando a Lei do Planejamento Familiar entrou em vigor. A procura é cada vez maior, devido à maior informação da população, que não acredita mais que não reproduzir esteja relacionado à potência sexual ou à diminuição do prazer (e dou um doce pra quem responder corretamente: esses mitos associando virilidade à capacidade reprodutiva são machistas ou feministas? Hein? Hein?).
Lissner, do centro de informação, é otimista quanto ao interesse masculino em usar anticoncepcionais: “Se tivermos 10%, ou mesmo 1%, dos homens usando um contraceptivo, isso já causa um impacto enorme nos casos de gravidez indesejada. Isso também permite que mulheres deixem métodos hormonais e fiquem livres de muitos efeitos colaterais”. 
Em outras palavras, é ótimo também pras mulheres. Vamos ver se agora a coisa vai. O maior empecilho, ao contrário do que pregam os mascus, não são as feministas, mas o dinheiro da indústria, o interesse dos homens (que eu acredito que exista), e uma grande reação conservadora contra métodos contraceptivos em geral. É só acompanhar o que o Partido Republicano vem falando nessas eleições. Vale lembrar que boa parte dos conservadores não é apenas contra o aborto. É contra educação sexual e contracepção também. A menos que Rush Limbaugh seja uma feminista disfarçada infiltrada na extrema-direita, os mascus, pra variar, estão errando o alvo.
Quando o anticoncepcional masculino finalmente sair e se tornar acessível, feministas e mulheres em geral vamos comemorar. Ainda assim, eu recomendaria sempre o uso da camisinha, porque a preocupação não deve ser apenas com gravidez, e sim com AIDS e DSTs.
Além do mais, daria pra confiar totalmente num carinha que a gente acabou de conhecer, e que jura usar anticoncepcional masculino? As consequências de uma gravidez são desproporcionais. Não é o homem que terá que ficar nove meses com um barrigão. Nossa sociedade, que ainda considera trabalho doméstico algo exclusivamente feminino, não vai cobrar do pai que deixe o emprego para cuidar do filho, ou que falte ao trabalho para ir a reuniões escolares, ou que leve o filho ao pediatra, ou que se dedique 100% ao filho (mesmo que a pessoa trabalhe fora de casa). 
E, se tem homem que mente sobre colocar camisinha (né, Assange?), vai ter homem mentindo sobre tomar pílula. Mas anticoncepcionais masculinos parecem ótimos para casais mais estáveis.  
A maior vantagem que mascus veem nos anticoncepcionais masculinos -– esses que nós feministas estamos tão empenhadas em boicotar -– é que um homem poderia tomar a pílula (mascus não trabalham com a hipótese de injeções) sem falar pra mulher. Caso ela engravidasse, ele se vangloriaria em “desvendar a vadia”, ou seja, em provar que o bebê não é dele. Mas esse é o tipo de coisa que só mascus fariam, se tivessem algum tipo de relacionamento com uma mulher.

97 comentários:

Anônimo disse...

Eu não acho uma boa idéia assinar a petição da pílula do dia seguinte. É uma medicação muito forte que f*de com o organismo da mulher. Se é para usar contraceptivo, que use o regular, pílula do dia seguinte não é jujuba.

Eliana Calado disse...

Essa q feminista é contra anticoncepcional masculino é uma boa piada. Nada mais sem sentido.

D-Dimensões disse...

@Anonimo 16:29, e uma gravidez indesejada é algo que não afeta em nada a mulher?

Anônimo disse...

Acrescentando que o efeito do gossipol, substância presente no caroço de algodão que é inibidora da fertilidade de machos de várias espécies animais já tinha sido pesquisado e comprovado há anos na nutrição animal (e há muito não se alimentam mais os machos reprodutores com algodão por esse motivo) e o Dr. Coutinho ainda falou como se foi ele quem descobriu tudo.

Andressa disse...

É preciso muita imaginação (e uma boa dose de delírio, devo dizer) pra achar que as feministas não querem que os homens tomem anticoncepcional. Teoria da conspiração mascu mode ON.

Anônimo das 16:29:
Ok, pílula do dia seguinte afeta o organismo da mulher. Sabe o que também afeta o organismo da mulher? Uma gravidez e uma vida inteira tendo que sustentar um bacuri não-planejado. Essa história de "tomar o anticoncepcional com regularidade", bla bla bla, é falta de compreensão com a vida feminina. Se homens engravidassem, garanto que ninguém ia contestar a pílula do dia seguinte.

D-Dimensões disse...

Já tem um tempo que eu vi pessoas compartilhando esse vídeo do tal Coutinho, e xingando muito no twitter. A primeira coisa que fiz foi procurar aqui e no Blogueiras Feministas algo sobre o assunto, e na época não tinha achado nada...

enfim, antes tarde do que nunca!

Lord Anderson disse...

Lembro quando eu estava no colegial e teve um trabalho sobre metodos contraceptivos, cada grupo falando de um tipo.

O meu tratou justamente da vasectomia. Foi bem legal pq com a pesquisa acabamos desfazendo um monte de mitos que sobre o assunto.

E no debate surgiu a questão sobre uma pilula masculina. Pena que quase duas decadas depois ela ainda não tenha se concretizado, mas pelo menos as pesquisas e o interesse tem aumentado.

E concordo que a existencia dela não pode implicar no abandono da camisinha. Afinal as pilulas tanto masculina quanto feminina vão ajudar apenas no planejamento da gravidez.

Elas não evitam DST.

Otimo post Lola.

Mirella disse...

Anônimo das 16:29


é um método contraceptivo de emergência muito importante. Em vez de dificultar o acesso (que, no caso da pílula do dia seguinte, seria o mesmo que extingui-la, caso seja necessária a receita) a um método que pode ter efeitos colaterais, precisa-se conversar sobre suas posologias, efeitos colaterais, recomendações. Imagina quantas gravidez não são evitadas com este método?
Mesmo com a receita de validade estendida, imagina o tipo de preparação para marcar consulta no SUS para renová-la? Se com a pílula sendo de livre acesso ainda vemos diversos casos de gravidez indesejada, imagine sem?


É ÓBVIO que todos, indepentende de gênero, precisam saber que uma única pílula contém carga hormonal equivalente a uma cartela inteira de anticoncepcional, que quanto mais frequente o uso menor a eficácia, que não se recomenda o uso mais de uma vez por ano, etc etc etc.

Mas não dá para comparar os efeitos colaterais de uma pílula aos de uma gravidez, né?

Ao contrário do que pregam conservadores (NENHUMA educação sexual), o que ajuda é uma discussão séria, sem pudores, sobre sexo.


Quanto às feministas malvadas contra o anticoncepcional masculino, aguardo ansiosamente as provas do fato. Ou o espernear mimizento dos mascus, o que vier primeiro.

Anônimo disse...

"Essa história de "tomar o anticoncepcional com regularidade", bla bla bla, é falta de compreensão com a vida feminina. Se homens engravidassem, garanto que ninguém ia contestar a pílula do dia seguinte."

Iriam sim. Existem milhões de motivos que levam a mulher a não tomar a pílula regular, como medo de os pais descobrirem, vergonha de ir ao médico, etc. Isso é o que deve ser solucionado. A pílula do dia seguinte NÃO deve ser uma opção para contracepção regular, ela deve ser apenas para emergências.

Pili disse...

sobre a possível mudança na venda de pílulas:

realmente pílula mal utilizada faz mal.
interromper um tratamento com pílula também faz!!!
Se aprovarem isso, se a gente precisar sempre de receita pra comprar cada cartela, cada uma das atuais consumidoras brasileiras vai ter de correr pra se (re)consultar com um médico.
Algumas vão conseguir uma consulta, uma receita e comprar uma cartela nova a tempo pra começar o ciclo seguinte.... e muitas não vão conseguir devido 'a distância, grana, agenda cheia seja dela ou da médica.
Inevitavelmente muita gente vai parar o tratamento com pílula no meio abruptamente, como nenhum gineco jamais recomendaria.

Será que eu deveria fazer um estoque???
Vocês também estão fazendo?
Até agora eu estava injuriada com o significado social da coisa, mas ainda não tinha levado pessoalmente...
E agora???

Anônimo disse...

Mirella, eu concordo que acidentes acontecem e que, quando acontecem, são sempre emergências. Só acho que vc está desinformada a respeito de abusos que ocorrem, principalmente entre meninas jovens e pobres. Por medo de repressão dos pais, falta de dinheiro, ou vergonha de ir ao médico, elas fazem uso excessivo da PdoDS. É preciso combater esses problemas, não distribuir um medicamento perigoso.

aiaiai disse...

Puta texto lindo, Lolinha!!! esclarecedor, com fontes, informações objetivas e humor também q nós não somos de ferro (e nem mal humoradas)!!!

Você podia dar um curso de jornalismo para redação da veja. Quem sabe eles aprendem a escrever sobre o que existe e não sobre o que eles gostariam que existisse?

lola aronovich disse...

Gente, concordo que a pílula do dia seguinte não deve ser tomada como anticoncepcional regular. Mas a questão não é essa. A petição que incluí não é pelo uso da pílula do dia seguinte. É muito mais amplo do que isso. Se a Anvisa realmente começar esta medida no ano que vem, todos os anticoncepcionais, inclusive a pílula do dia seguinte, exigirão receita médica. Na prática, isso inviabilizará totalmente a pílula do dia seguinte, mas não é só isso. Imaginem as adolescentes que tomam anticonceopcionais escondidas dos pais. Elas vão ficar muito mais expostas a uma gravidez indesejada. Li também que a mair parte dos médicos prescreve apenas um tipo de pílula, que além de causar efeitos colaterais, é bem mais cara que as outras.
Ou seja, essa medida da Anvisa vai restringir o uso de anticoncepcionais em geral. Seria péssimo!

Anônimo disse...

Cada um escolhe qual e como usar método anticoncepcional.

Minhas duas irmas tiveram dois filhos cada uma e os maridos se submeteram a vasectomia, na faixa dos 30 anos.

Eu já havia optado pelo DIU qdo me casei e sempre gostei.

Luiza disse...

"A pílula do dia seguinte NÃO deve ser uma opção para contracepção regular, ela deve ser apenas para emergências."

Exatamente. E alguém disse o contrário?

Se é emergência, precisa para ontem, não dá para esperar o SUS.

Quanto à pílula masculina, super a favor. Para que os homens vejam como é fácil esquecer de tomar um dia.
Eu sou a favor de, enquanto a pílula deles não for uma realidade, que parceiros ajudem as mulheres no uso da pílula. Conheço os que mandam torpedo pra namorada lembrando a hora de tomar, os que colocam a hora no despertador, e quando ele toca eles ligam ou mandam torpedo. Deixar toda a responsabilidade em cima das mulheres com relação à pílula não ajuda ninguém.

Aninha disse...

Pára tudo! Receita para comprar pílula?? Como assim? Se a galera tá tão preocupada assim com a nossa saúde, porque não criar um cadastro nacional de medicamento de uso contínuo? Para a primeira vez você até leva receita (sempre ótimo passar num@ ginecologista antes de iniciar uma pílula), mas ter que ir no médico de três em três meses para pegar receita de anticoncepcional? É antifuncional.

Bom, Lola, pela primeira vez tenho que confessar que entendo em partes o pensamento do pessoal mascu. Veja bem, entender não é concordar.

Quando eu e meu noivo resolvemos adotar a pílula como método contraceptivo no nosso relacionamento, estabeleceu-se um acordo de mútua confiança. E de repente eu percebi que eu tinha mais responsabilidades nesse acordo. A parte dele era não trazer nenhuma DST para 'casa'. A minha era, além de não trazer nenhuma DST, tomar a pílula direitinho. Se eu falhasse, ou mesmo se meu corpo desse um revertério, nós dois sofreríamos com uma gravidez indesejada.

Mas, por outro lado, essa responsabilidade a mais também significa um poder a mais: se eu resolvesse parar a pílula e não avisasse a ele, engravidasse e dissesse que foi um acidente, o que fazer?

Lembro que quando peguei a primeira cartela, pela primeira vez, anos atrás, refleti sobre isso.

Sim, a pílula anticoncepcional dá um poder a mais para as mulheres. E, infelizmente, conheço dois casos onde mulheres deram esse golpe, na santa ilusão de prender seus homens (que termo horrível esse 'prender'). Até deu certo por um tempo, mas no final ambos relacionamentos acabaram. Filho não salva relacionamento - a chance do contrário é maior, na minha opinião.

Dessa forma, eu entendo a lógica (finalmente há uma lógica) do pensamento desses caras. Sim, existem mulheres que usam a pílula para 'dominar' seus homens. Obviamente, todo esse argumento vai por terra quando pensamos que os homens também tem seu poder - usar a camisinha.E, principalmente, porque sabemos que não existe uma ditadura feminina.

Ao contrário - adoraria dividir essa responsabilidade com meu parceiro. A pílula masculina seria mais uma conquista na igualdade de gêneros. Que venha logo.

Anônimo disse...

Lola, não sou especialista, mas pelo que eu sei, o anticoncepcional deve ser indicado de acordo com o organismo da paciente. A prescrição médica é necessária, caso contrário, a menina estará tomando um remédio que, além ter efeitos colaterais, pode ser ineficaz e lhe dar uma perigosa falsa sensação de segurança.

Se os médicos estão receitando o remédio errado, deveria haver uma petição para pedir a punição deles.

Andressa disse...

Anônimo:

Não se combatem o uso excessivo da pílula do dia seguinte obrigando as pessoas a buscarem receita médica. Poucas pessoas o fariam porque: marcar uma consulta no sus não é fácil e o efeito da pílula do dia seguinte dura no máximo até 72 hrs depois do sexo; vergonha de ir ao médico.
Tem outras maneiras de combater o uso irregular que não seja proibindo a compra livre. Isso só tornaria o objetivo do medicamento obsoleto.

Liana hc disse...

Muito bom, Lola. Tava mesmo em falta um texto sobre esse assunto.

É importante aumentar o leque de opções e dividir obrigações com a saúde e reprodução. Quando homens começarem a tomar pílula anticoncepcional, ainda mais se for diária, acho que isso também terá um efeito educativo neles. A maioria das mulheres já tem isso em mente, tá na hora de se estabelecer uma cultura de auto responsabilização masculina com o tema, de conscientização. E é sempre bom ter autonomia e não ficar dependendo dx parceirx para essas decisões. No meu caso, camisinha é o principal.

Huan Icaro Piran disse...

Recordo dessa entrevista no Roda Viva. Eu fiquei bem confuso na época por falta de informações...

Aninha disse...

Aliás, cadê o lobby dos planos de saúde quando precisamos deles?

Se tiver que ter receita para comprar pílula, terei que ir na gineco de três em três meses fazer consulta. E meu plano terá que pagar. Serão três consultas a mais por ano - agora multiplica pelo número de mulheres que farão isso, um baita prejuízo 100% a toa.

Espero que os planos de Saúde - e também a administração do SUS - comprovem a total desnecessidade dessa medida.

LisAnaHD disse...

Controversy and Criticism
Dr. Coutinho has had an extremely controversial career which included a very public battle with Cardinal Moreira Neves in which he and the Cardinal attacked each other through the press. The battle coincided with the Candelaria Massacre for which Coutinho said the church had indirect responsibility as the children were killed on their doorstep and whilst the church refused to acknowledge the need for family planning, after children were born and abandoned their doors were closed to them.[20] He was accused of racism by the Geledes Black Women's Institute for only using images of black women on the publicity for his free clinics. Coutinho responded that the publicity is designed to suit the majority of the population and that what would be racist would be to make commercials with white women when the majority is black or mixed race.
http://en.wikipedia.org/wiki/Elsimar_M._Coutinho

LisAnaHD disse...

Pra mim a fala do dr. Coutinho ficou confusa pq ele era interrompido durante o que tentava explicar - Marília Gabriela é péssima entrevistadora, pois tem esse hábito rude de interromper quem ela está entrevistando, um Jô Soares de saia.

Eu nem sabia sobre dr. Coutinho, mas achei-o sério e bem informado. Fui pesquisar e caramba é um cientista renomado e internacionalmente reconhecido e respeitado!!! Vira piada no Brasil? Como é que um cientista desse nao é levado a sério como merece, no Brasil? O pessoal faz julgamento baseado num programinha de Marília Gabriela?!! Se lessem mais veriam a piada que é obter informaçao via programa Marília Gabriela, que entrevista gente boa, mas é péssima entrevistadora, ela quer falar mais do que o entrevistado. É páreo pra Lobao.

Em menos de duas horas li muita coisa boa sobre dr. Elsimar Coutinho. Ele é a favor da mulher em tudo que prega sobre hormônios e sobre controle da natalidade. Parece-me que muita mulhor fica brava qdo ele fala sobre o comportamento da fêmea do reino animal irracional, oras é preciso levar isso a sério pq muito muito do nosso comportamento (animais racionais) está conectado ao reino do animal irracional. Originalmente, temos muito em comum; muito mais do que podemos sonhar ou imaginar. E quem emperrou o desenvolvimento do trabalho Coutinho foi a política brasileira, amparada pela Igreja Católica - mesmo se nao for o caso agora, o mal foi feito por séculos e séculos seguidamente.

seguem links de interesse da mulher e se algum está em inglês foi pq nao encontrei em português e o primeiro apresenta uma série de vídeos.

http://www.elsimarcoutinho.com/?lang=en

http://www.elsimarcoutinho.com/o-medico/biografia/

http://en.wikipedia.org/wiki/Elsimar_M._Coutinho

Vitória disse...

Eu já li alguns caras dizerem que a culpa da alta incidência de câncer de próstata era das feministas, pq elas só lutavam pelo direito da saúde pública à mulher, e que o homem era o verdadeiro discriminado. Eles nem sequer levam em conta o machismo que faz com que vários homens não queiram fazer o exame de toque. É muito absurdo as suas afirmações.

Shoujofan disse...

Eu tomei Diminut durante vários anos (*hoje não tomo mais pílula*). A minha médica na época o recomendou porque tinha efeitos colaterais mínimos, era eficaz. E recomendou que eu seguisse o uso prescrito e retornasse se houvesse problema. Deu tudo certo e tomei regularmente por sete anos. Mudei de estado, passei por outras médicas (*sempre escolho mulheres ginecologistas*) e elas simplesmente perguntavam se eu tomava anticoncepcional e qual. Imagina se, a cada mês, eu tivesse que marcar consulta simplesmente para renovar a receita? OK, eu até conseguiria, mas e quem usa o SUS?

A Anvisa não quer somente controlas a pílula do dia seguinte, que é para emergência, o texto da Lola não disse o contrário, mas TODOS os anticoncepcionais femininos. Olha, DU-VI-DO que fariam isso com a “pílula masculina”, pois seria uma brutal intervenção na liberdade individual dos indivíduos. Mas corpo feminino é terra de ninguém, ou de todo mundo, vide a forma desrespeitosa como discutem a gente.

Falando em vasectomia, um colega de trabalho, que tem a mesma idade que eu, e dois filhos, fez a operação. Ele não se inibiu em comentar, apesar das brincadeiras bobas, mas fez questão de reclamar da burocracia: junta psicológica, junta médica, assinatura da esposa, um monte de coisas. Ele fez em hospital público (*o do Exército*). Se não estivesse realmente disposto, teria largado. O excesso de aporrinhação foi enorme.

Anônimo disse...

LisAnaHD, pelo o que eu ouvi aqui em Salvador o Elsimar Coutinho tentou implantar o planejamento familiar usando métodos de esterilização feminina de graça. O que seria ótimo - se ele não fizesse isso com tratamentos para mulheres pobres e negras, apenas, enganando-as sobre o objetivo do tratamento.

Não sei quanto dessa história é invenção e quanto é verdade, mas não confio nesse cara.

Sara disse...

Nunca jamais conheci nenhuma mulher feminista ou não, q fosse contra o anticoncepcional masculino, é só mais umas das descobertas mascus vindas do famoso instituto que eles consultam sempre "as vozes me disseram".
Mas esse post me fez lembrar sobre como ha alguns anos atras eu reverenciava esse cientista o dr Elsimar Coutinho, ele tinha um quadro em um programa, que eu fazia questão de assistir, e realmente ele é um homem muito inteligente, mas mais tarde vim a descobrir o quanto ele é MACHISTA, em uma entrevista que ele deu ao MARCELO TAS, fiquei passada ao ve-lo comentar que achava que os homens que cometem crimes passionais deveriam ter suas penas reduzidas ou anuladas em função dos seus hormônios, porque segundo ele a testosterona do homem o faz agir em uma situação de ciúmes e disputa com outros homens com estrema violência.
Em outras palavras ele deu seu testemunho cientifico de que os homens são animais ensandecidos e incontrolaveis por causa dos seus hormônios.
Ele até ilustrou com um exemplo o que dizia, e se for verdade o que ele falou ali, na minha opinião a única solução seria castrar quimicamente METADE da população.
Mas quero crer que foi uma enorme besteira o que ele disse naquele malfadado programa.

Anônimo disse...

Só não entendi por que um site estrangeiro está hospedando este
abaixo-assinado.

Carolina disse...

Ainda sobre a questão da exigência de receita pra todos os remédios de tarja vermelha (o que inclui os anticoncepcionais e a pílula do dia seguinte), ao contrário de lobby da indústria farmacêutica como sugeriu a Mordred em um outro post, parei pra pensar uns minutos e agora me parece mt mais lobby da categoria dos médicos... se vocês prestarem atenção tudo tem ocorrido ao mesmo tempo: a polêmica do ato médico, a discussão sobre o parto domiciliar, a restrição de venda de remédios sem receita... o que essas medidas tem em comum? a maior dependência da população de médicos e hospitais.

eu sei que todas essas medidas tem suas justificativas, suas boas intenções, mas como já bem diz o ditado: de boas intenções, o inferno está cheio. também sou contra demonizar os médicos e a automedicação, todavia não custa nada questionar pq de uma hora pra outra essa maré de medidas que nos levam a consultórios médicos/hospitais com maior frequência, vindas todas em momento tão similar.

e olha que isso é opinião de uma pessoa que faz check-up regular, adora os médicos que tem, os visita com uma regularidade enorme, mas tbm sabe da realidade desse país na área pública: poucos e mal remunerados médicos, é desse serviço capenga que as pessoas vão ficar cada vez mais dependentes? Pensem bem, já existe uma demanda absurdamente grande que o governo não consegue suprir e a Anvisa ainda quer gente ocupando vaga de consulta, que poderia ser usada pra casos realmente sérios, pra prescrição de anticoncepcional quando a mulher já o toma regularmente? Chega a ser burrice, o tipo de raciocínio: "veja, nosso sistema público não está abarrotado o suficiente, vamos aumentar a demanda por consultas".

e só pra finalizar, esse negócio de que só o médico sabe qual o melhor anticoncepcional pra mulher é o maior mito... a maioria deles receita o mesmo pra todo mundo e se a paciente apresenta alguma reação (que varia muito de mulher pra mulher), aí sim o médico troca... e ele vai trocando até a mulher se dar bem com um. então é tudo tentativa e erro. vcs acham mesmo que o médico escolhe o anticoncepcional pelo resultado dos seus exames? o máximo que ele faz é te recomendar um que ele sabe q tem baixo histórico de reações adversas... mas novamente, no fim, tudo é tentativa. e qqr mulher pode fazer isso: escolhe um. não deu certo? próximo.

logicamente, como já disseram, o médico é importante pra auxiliar com os efeitos, pra ensinar a usar direitinho, pra dar assistência, mas não tem esse negócio de só meu médico sabe que hormônio vai ficar bem em mim.

Éden Amorim disse...

utilidade pública essa sua postagem =)
salvando para usar qdo necessário.

Anônimo disse...

Será ótimo quando uma injeçãozinha por mês der conta do recado!

Mesmo com o aumento de consciência sobre o planejamento familiar, aconteceu um 'causo' entre o SUS e um primo meu.
Ele tem menos de 35 anos e, quando foi ter o 4º filho, resolveu fazer a vasectomia, mas... adivinhem!
O pessoal do SUS não quis fazer o procedimento pq ele é mt novo... legal né?!

nando disse...

Parabéns,Lola pela bela reportagem.eu acho que passa por aí sentido de igualdade,porque só a mulher precisa se resguardar contra a gravidez indejável, o homem tem sua parcela importante nisso,o problema de nós homens, é o medo da perda virilidade, e faz com que não sejam desenvolvidos contraceptivos e ações de planejamento familiar voltadas para o publico masculino,pois é senso comum que o controle de natalidade é de responsabilidade da mulher e isto repercute na qualidade de vida da mulher.Eu acho que tem que uma discussão maior entre o homem ea mulher sem nenhum pensamento machista.

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Tomara mesmo que a pílula masculina chegue logo ao mercado, a maioria das pessoas só tem a ganhar com isso. Homens, que poderão ter um controle maior desses aspecto de suas vidas (apesar que a camisinha também tem esse papel) e mulheres que por um motivo ou outro não podem tomar a pílula.
Mas eu jamais confiaria inteiramente a outra pessoa uma responsabilidade dessas. Mesmo que o cara tomasse a pílula, eu não deixaria de tomar a minha ou de, pelo menos, usar camisinha.

lee disse...

Nossa Lola...você leu meus pensamentos. Vi um vídeo antigo da Acid Girl em que ela afirma "que as feministas proibiram a pílula". Achei bizarro, encontrei a tal entrevista no Roda Viva. Mas dei um googlada básica e achei um monte de reportagens sobre pesquisas com pílula, mas não tive paciencia de acompanhar quais pesquisas estavam adiantadas e em que pé estavam...brigadão pelo post!

Lobo Mau disse...

Ah, mas é claro né Lolinha? Você está certíssima! Esse Dr. Elsimar Coutinho inventou todo essa história da cabeça dele, afinal, ele não tem mais nada pra fazer. Ele é um médico reconhecido internacionalmente que tem como hobby preferido falar mal das feministas, aqueleas santinhas que nunca foram extremistas, nunca sentiram raiva de ninguém.

Bruno S disse...

Eu tenho a impressão de que uma possível "pílula masculina" não tenha um mercado tão grande é porque contracepção ainda me parece algo visto como "problema da mulher".

De qualquer forma, vejo como uma das vantagens da camisinha a participação dos dois na contracepção.

LisAnaHD disse...

Anon 19:03 tanto nos EUA qto no Brasil houve um programa para esterilizar mulheres pobres (tipo essa miséria que vemos ou víamos no Nordeste) MAS nao era esterelizar mulheres ainda sem filhos. Se a mulher já tivesse dois ou três (nao me lembro precisamente) entao o médico, ao fazer o parto, cuidava da esterilizaçao. Durou até qdo a igreja entrou na conversa pq para a igreja, sempre amparada pelos senhores de engenho, a prole numerosa favorecia aos ricos. Eu conheci umas poucas mulheres nordestinas que tinham poucos filhos e viviam em melhores condiçoes e duas delas me contou que "nos tempos de uns médicos as mulheres tinham poucos filhos" e foi daí que descobri o assunto. Isso nao era dado como opçao aa mulher e nem poderia, pois dada a ignorância delas, os patroes e as igrejas iriam confundir-lhes a cabeça e daria o mó sururu. Houve tb interesse em promover a vasectomia, mas isso fica difícil pq tem de ter o consentimento do homem, nao é como nós mulheres que qdo do parto a esterilizaçao já pode ser feita. E para isso o governo teria de ter liberdade de educar os homens sem a interferência da igreja.

Olha, vou te contar o MAL que Igreja Católica fez aa sociedade brasileira: educaçao, economia. etc. Em meados dos anos da década de 1990 eu fui visitar um cemitério em Raleigh, capital do Estado da Carolina do Norte. Minha visita foi pq eu nao conseguia acreditar qdo me disseram que um senador já tinha o túmulo dele pronto, com o nome dele e data de nascimento, esperando apenas ele morrer!!! O homem tava rijo e saudável. Sim, lá estava o túmulo e nem sei se ele já morreu, mas se morreu foi nos últimos anos. Caminhando pelo cemitério, dei com uns túmulos velhos, desbotados, descuidados e qdo consegui ler os nomes dos finados e onde nasceram, etc... AMERICANOS nascidos no Brasil. Uns morreram com mais idade, outros ainda jovens e outros crianças, século 19. Fiquei encasquetada com aquilo e fui pesquisar, lógico. Naquele tempo nao havia Google, Hotmail era novidade, a busca era pelo Yahoo. A gente abria a página e escolhia o assunto. Grande parte das pesquisas vinham dos livros das prateleiras de bibliotecas.

O que descobri?
Qdo da Guerra Civil Americana (1861-1864, sob a Presidência Lincoln) muitos americanos do Sul nao acreditaram que o país seria reconstruido JAMAIS e a centenas foram embora para o BAASIL. Lá chegando, se estabeleceram nos arredores de Sao Paulo City e ensinaram novas técnicas de plantio e agricultura geral aos fazendeiros e sitiantes brasileiros. Esse grupo de americanos fundou Vila Americana, hoje cidade de Americana. Eles tb levaram equipamentos e ferramentas que no Brasil nao existia. O progresso rolava MAS o problema foi que a Igreja Católica nao queria fazer o enterro dos americanos que por lá morriam pq eles eram protestantes!!! Noutra feita eu conto mais... mas adianto que os americanos que conseguiram retornar aos EUA, retornaram e hoube tb os que optaram por ficar pq possivemente havia católicos entre eles tb.
Americana (nao li a página) http://pt.wikipedia.org/wiki/Americana

dr. Elsimar Coutinho
Minha sugestao seria Lola escrever para dr. Elsimar Coutinho. Ela se apresentaria, daria as credenciais dela solicitando uma entrevista via Skype ou ela enviaria as perguntas e, baseado nas perguntas da Lola, dr. Coutinho escrever um Guest Post.

Laurinha (Mulher modernex) disse...

"Não sei quem no ministério da saúde vetou a utilização do produto aqui no Brasil... Não sei, não me deram satisfação".

Frase final e estranha do doutor Elsimar Coutinho na entrevista do Roda Viva.
Sei lá, mas me soou estranho. Como assim iam impedir a comercialização de um produto desses, assim, do nada?
Tá mais é parecendo que o produto dele tinha algum tipo de efeito colateral muito prejudicial aos homens.

Luiza disse...

"Eu já li alguns caras dizerem que a culpa da alta incidência de câncer de próstata era das feministas, pq elas só lutavam pelo direito da saúde pública à mulher, e que o homem era o verdadeiro discriminado."

Pois é, menina.

O feminismo engloba, sim, o homem.

Mas não sei se isso é só comigo, se sou muito burra ou muito inteligente, porque o que raios o feminismo tem que lutar pela saúde do homem? É o mesmo que o movimento negro lutando pelos brancos e projetos sociais voltados para os milionários. Não faz sentido.

LisAnaHD disse...

Esse relato sobre Betty Friedan é verdadeiro. Dr. Coutinho nao inventou. E nao fica difícil compreendermos o comportamento de Betty Fridan: ela que tanto lutou e tanto fez pelo feminismo, enfrentando barreira tremenda, ainda lutando pelo direito de garantir o acesso aa pílula feminina, agora vem essa pílula que ficaria sob controle do homem?!!! Acho que isso a revoltou e, sim, ela foi malcriada deixando dr. Coutinho e outros falando sozinhos, mas meio século já se passou e muita coisa as feministas da nova geraçao nem precisam mais lutar por, já faz parte da cultura, nem se fala que é graças a Betty Fridan, pois ela foi válida e grande para um época e nao que tudo o que nos deixou hoje é sem valor! Pra mim que a igreja e interesses políticos usaram essa passagem pra massacrar o assunto, pois segundo dr. Coutinho sai muito barato pra fazer a pílula masculina usando a matéria prima do algodao e laboratórios nao se interessam, MAS se o governo quisesse, aconteceria.

PÍLULA SOMENTE COM RECEITA MÉDICA
A mulher nao precisa ir ao médico todo mês para obter a receita. O médico prescreve para TANTOS meses e a farmácia automaticamente vende o refil e a paciente tem controle de qtos refils estao disponíveis e em muitos casos, qdo vence o tanto de refil, a própria farmácia contata o médico e obtem outros tantos e qtos refils. Até que chega a hora do médico dizer que tá na hora de uma consulta médica. É assim nos EUA. E nao estou explicando para justificar que concordo com a mudança aí no Brasil, apenas pra esclarecer como é isso qdo a gente usa um medicamento direto, sob receita médica. E, sim, a gente tem de comprar sempre na mesma farmácia. Qdo vamos ao médico, temos de dizer qual é nossa farmácia e endereço (somos livres pra escolher, mas tem de ser uma única).

No Brasil um medicamento chamado glucosamina e coindrin (??) para artrite é CARÍSSIMO. ABSURDO. E sai do bolso do paciente. Nos EUA isso nao é considerado medicamento e sim suplemento. Bem, é coisa antiga na Europa. E foi uma luta pra ser vendido nos EUA pq o governo dizia que nao havia estudo provando e blablabla até que finalmente de tanta gente famosa estar tomando o remédio comprado sei lá como, como sempre tem alguém fabricando e vendendo, foi pras prateleiras de farmácias e supermercados. O governo se recusa a reconhecer que é medicamento e isso prejudica as pessoas idosas pobres que sofrem de artrite pq elas tem de pagar do bolso delas; o governo apenas paga qdo é medicamento. Se alguém se interessar, eu conto mais. Apenas adianto que comparado com o preço no Brasil, aqui é piada o qto pagamos.

Ramon Melo disse...

Anticoncepcional masculino sempre existiu e eu uso toda vez que transo: chama-se "camisinha".

LisAnaHD disse...

Nenhum laboratório tem interesse em desenvolver medicamento que nao precisa de muita e muita pesquisa ou seja: muito dinheiro investido. Por que isso? Os laboratorios recebem verba do governo para suas pesquisas e qto mais gastam durante a pesquisa até colocarem o medicamento aa venda, mais caro o medicamento vai custar, por mais tempo vai ficar sendo vendido sob receita médica, e mais e mais dinheiro o laboratório ganha. É exatamente assim que funciona.

Qdo o governo decide que um medicamento sob receita médica já ganhou o suficiente e tá na hora de ir pras prateleiras das farmácias, o medicamento nao mais requer receita médica. E daí o que o laboratório faz pra continuar comendo o dinheiro do povo? O laboratório passa a explorar os países pobres ou nao favorecidos com os EUA. É assim que funciona. E para o governo mudar as regras é preciso a luta do povo pelos seus direitos.

Um exemplo foi com um medicamento para tiroide Synthroid que eu vinha tomando há anos. Foi decidido que o genérico valia tanto quanto. E isso depois do laboratorio pagar uma mega multa pq foi acusado de mentir dizendo que seu medicamento era ímpar. Nao sei se isso funciona nos EUA todo, mas no estado onde eu moro, se o médico receita X medicamento e existe um genérico, a farmácia te vende o genérico. Bem, passei meses e meses sofrendo por conta desse genérico que nao fazia o mesmo efeito do que o de marca (mas eu nao me tocava). Minha médica fez a receita para o medicamento específico e o seguro aceitou (eu digo a farmácia vende, mas é o seguro quem aprova ou desaparova). Nao existe almoço grátis mesmo qdo vc pensa que a comida é de graça, algo tá enrustido favorecendo a alguém financeiramente.

Se nao me engano, um dos irmaos do dr. Coutinho é senador, sei que na família dele gente influente em vários segmentos da sociedade nao falta. Acho que nao certo o assunto da pílula do homem que ele queria desenvolver por algum interesse político-financeiro e nao pq houvesse algo cientificamente falho, mas nao sei sobre o assunto.

LisAnaHD disse...

Eu acho fascinante estudar sobre o Feminismo. Pra quem quiser começar, a Wikipedia pode ser boa pedida e se a pessoa ler em inglês, maravilha! Poderá ler extensos textos do Feminismo na França, Feminismo na Índia, etc. etc. e as diferentes ondas/segmentos do feminismo e, pelo que entendo do que leio que a Lola escreve, ela é adepta do anarcafeminismo. Sim, há muita coisa pra gente ler e aprender. E depois, se lermos alguma biografia das feministas envolvidas em cada segmento do feminismo, puxa vida como é gratificante o tanto que a gente aprende!
Anarcafeminsmo
http://pt.wikipedia.org/wiki/Anarcafeminismo

Raziel von Sophia disse...

Muitos mascus são contra métodos contraceptivos masculinos. Segundo esta "ala", a Virilidade é o Maior Tesouro do Homem, e jamais abandonariam esse dom por nada.

É mais prático(e honrado) forçar a mulher tomar a pílula do dia seguinte logo após a transa na base da ameaça. Ao menos é o que eles ensinam.

E Detalhe: São esses mascus que compram a pílula e levam, dane-se se a mulher é alérgica àquele medicamento. Alergia elas não tem com mediano. Vai tomar e pronto.

maisfazer disse...

Aqui em POA é dificílimo fazer uma vasectomia ou laqueadura. Os médicos fazem de tudo impedir, tentam todos os argumentos contra, quando não se recusam. E assim, ficamos a mercê dos hormônios para não engravidar.

Maria Valéria disse...

Sou super a favor da pílula masculina,

Deixa os marmanjos dividirem a responsabilidade com a gente,;))

Quanto a pílula no dia seguinte, no SUS: pelo menos em Campinas e Sao Paulo, sei que nao e necessario marcar consulta para pegar a pílula.
Basta passar numa consulta de urgência,( " encaixe")e aqui abrir um parênteses: claro que nao há vagas de " encaixe" para todos no mesmo dia, mas NUNCA vi negarem um horário para receita de contraceptivo de emergência, nem aqui em Campinas nem em SP,
Consideramos esse tipo de atendimento prioridade, assim como nao se manda alguém infantado embora, uma criança com febre embora, nao se manda uma mulher que necessite de contraceptivo de emergência embora sem atendimento,
As adolescentes podem usar a pílula, também , mesmo sem o consentimento / conhecimento dos pais,pois entende- se que e mais prejudicial ao organismo dela uma gravidez indesejada( ainda mais abaixo dos 15 anosa, se nao me engano, considerada gravidez de alto risco) do que o uso da pilula( informação obtida de uma amiga GO das diretrizes da federação brasileira de ginecologia e obstetrícia)
Detalhe: em SP, capital, o profissional de enfermagem de nível superior pode prescrever a pilula do dia seguinte,aqui em Campinas por enquanto só nos médicos.
Entao, acho que o que falta na população atendida pelo SUS e informação, saber que a pilula esta disponível de graça, e que nenhum profissional vai recusar a prescrever., exceto contra indicação formal.( a única contra indicação formal que conheço e a mulher já estar gravida ou alergia ao medicamento- nem antecedente de trombose nao contra - indica, porque a gravidez em si aumenta muito mais o risco de trombose do que a pilula de emergência)
Entao, falta informação quanto a disponibilidade do medicamento no SUS, na minha opinião,E digo isso porque a procura pela pilula do dia seguinte nos postos de saude ainda e muito baixa,( já fizemos inclusive pesquisa levantando esses dados)
Bj, Lola;))



Anônimo disse...

Pessoal, medicamento com tarja vermelha desde sempre só pode ser vendido com receita médica. Vejam bem que não disse com retenção de receita, mas com a apresentação da receita. É justamente isso que quer dizer tarja vermelha!!!!

Mas tradicionalmente as leis não são cumpridas no país e como as farmácias querem lucrar, vendem sem receita mesmo. Por causa disso, já começaram a reter receita de medicamentos que antes não eram assim, como os antibióticos.
Medicamentos que podem ser vendidos sem receita são aqueles sem tarja, como dipirona, paracetamol, etc.

Para pegar medicamento no SUS já é assim há muito tempo. Na realidade no SUS precisa de receita médica para qualquer medicamento, até para dipirona. E a receita dos anticoncepcionais tem validade de 6 meses.

Não sei porque dizem que precisariam ir ao médico de 3 em 3 meses para pegar receita. Quem disse que a validade da receita precisa ser de 3 meses? Como já disse, no SUS receita de anticoncepcional vale 6 meses. Poderia ser normatizado que vale um ano, por exemplo (o que acho muito adequado).

Elaine Telles disse...

Com relacao a somente o medico saber qual anticoncepcional cada mulher pode tomar, concordo com a Carolina. Inclusive alguns ganham comissao quando vendem determinada marca. Foi assim com o ginecologista que fui na USP. Ele logo recomendou o Yaz, o qual ele tinha um armariozinho cheio. E nem precisa de uma pessoa para recomendar a dosagem. Estah tudo escrito ali na bula. Por tentativa e erro eh como eh receitado =-) Assim, ateh eu. (Desculpe a falta de acentos, notebook com SO atualizado e ainda com bugs de versao.)

nina disse...

Chegando atrasada, mas sem aguentar ficar calada: quem disse que pílula do dia seguinte é usada como método contraceptivo? Alguém aí falou que pílula do dia seguinte é só pra emergência. Quem disse que não é?

Lord Anderson disse...

Putz

Ler pessoal defendendo argumento higienista aqui no blog é triste.
Ainda achando que tudo bem ser a feito a revelia das pacientes???

Etica e respeito ao ser humano para que né?

LisAnaHD disse...

Alguém comentou que no RS é difícil conseguir médico que concorde em fazer a vasectomia ou a laqueadura - ALERTA: isso ocorre em sociedades onde a IGREJA CATÓLICA tem força e nao faz muito tempo li um caso no RS qdo o cara morreu o padre nao permitiu que ele fosse enterrado no mesmo túmulo onde a mulher dele estava enterrada e teve de enterrar até em outro cemitério pq o cara havia se convertido a outra denominaçao, continuava cristao, mas protestante... talvez alguém de RS saiba mais sobre o assunto.

pruma coisa Edir Macedo serve: apoia a vasectomia e motiva bastante para que os casais adotem... e, NAO, NAO estou endossando a IURD pq pra mim igreja e religiao qdo uma parece melhor em algo, é pior em outro.

LisAnaHD disse...

Faz pouco tempo descobri que meu pai cresceu na pobreza. Bem, ele foi o décimo e último a nascer e sei que a família sofreu muito pela pobreza. Se tivesse passado pela cidade um médico e esterilizado minha avó, na calada, depois do terceiro ou quarto filho, maravilha. OK, meu pai nao teria nascido e nem eu estaria aqui, mas que diferença faz nao ter nascido?

LisAnaHD disse...

Lola, se vc nao conhece a matéria, vale agora.
http://www-scf.usc.edu/~nicoleg/history.htm

Anônimo disse...

Sara disse...Em outras palavras ele deu seu testemunho cientifico de que os homens são animais ensandecidos e incontrolaveis por causa dos seus hormônios.
Ele até ilustrou com um exemplo o que dizia, e se for verdade o que ele falou ali, na minha opinião a única solução seria castrar quimicamente METADE da população.
Mas quero crer que foi uma enorme besteira o que ele disse naquele malfadado programa.

= = = = = = = = = = = = = = = ==
sara este e um dos maiores tabus que eu vejo no feminismo, que vive pisando em ovos, para não ser politicamente incorreto, mas acredito que uma hora, teremos que encarar isto, o malfadado testosterona ( e não estou falando de blogs infames) mas sim da natureza masculina primitiva, que nos oprime desde tempos remotos, e ainda hoje impõe um padrão de " masculinidade que fere a liberdade das mulheres" para mim particularmente seria ótimo se os homens tivessem, menos agressividade, menos libido, menos impulsividade, talvez ai sim teriamos a igualdade que tanto, e merecidamente almejamos !

estudos da universidade de são paulo,no curso de educação física, concluiu que mulheres que fazem uso de anabolizantes, tem aumentada a testosterona no organismo, tendo notado sintomas físicos, como, aumento da estrutura muscular, do maxilar, do critóris, e da libido e agressividade nestas mulheres, algo a se pensar !

LisAnaHD disse...

Mordred, vc taí?
The Pill - Film and More
http://www.pbs.org/wgbh/amex/pill/sfeature/index.html

Mordred Paganini disse...

Por que contraceptivos orais devem continuar a ser vendidos sem apresentação de receita?

Em primeiro lugar, peço a vocês que façam um esforço e tentem se abrir mão de seus preconceitos de classe média. E que também tentem enxergar a realidade de outras pessoas, que ao contrário de vocês, não têm plano de saúde e só recorre ao SUS quando se trata de uma emergência.
Bem, este é o perfil do brasileiro ao ser atendido pelo SUS. Dadas as dificuldades envolvidas em conseguir uma consulta (não é qualquer um que tem a disponibilidade de virar a noite na fila, faltar o trabalho, etc.). Muita gente prefere deixar a prevenção de lado para evitar a fila do SUS. Até mesmo porque, os médicos no SUS possuem condições de trabalho péssimas e salários idem, o que faz com que muitas vezes o atendimento seja igualmente péssimo.
Convenhamos: esperar tanto na fila para depois ser maltratado? Quem quer? As pessoas vão quando são obrigadas. Simples assim.

Mas gostaria ainda de ressaltar um ponto que as pessoas insistem em errar. A saúde não é um ato exclusivamente médico!O que quero dizer a partir disto? Simplesmente que as pessoas podem e devem participar de decisões que afetem sua saúde.
Já repararam que existem médicos que sequer se dão ao trabalho de explicar qual é o seu problema de saúde? Já repararam que existem médicos que receitam antibióticos sem sequer perguntar se você tem alergia a algum? As pessoas têm o direito civil de participar destas decisões ainda que "o saber" seja do médico. Então, se eu, cidadã brasileira, resolvo tomar determinado anticoncepcional por minha conta e risco, estou exercendo o meu direito civil de cuidar da minha própria saúde reprodutiva como eu achar melhor. Eu já experimentei vários anticoncepcionais e escolhi um deles, o qual coincidentemente é o mesmo que me foi receitado aos 16 anos de idade (abandonei por causa do alto custo e hoje em dia tomo a versão similar que custa um terço do preço). Enfim, para resumir: a saúde não é um ato exclusivamente médico, mas um conjunto de ações que inclui profissionais da saúde, políticas públicas e o "cidadadão comum" e suas escolhas.
(continua)

Mordred Paganini disse...

Outro ponto que precisa ser considerado é o da pílula do dia seguinte. Pra começar, não consigo deixar de ver um baita slutshaming nas pessoas que dizem "ai, mas tem gente aí tomando PDS como se fosse tic tac" ou então "Ai, a pílula do dia seguinte é perigosa". Wake up, people! Qualquer risco que a pílula do dia seguinte possa ter é menor e menos importante do que uma gravidez indesejada. Eu tenho duas amigas que em um período de mais ou menos um ano tomaram PDS 10 vezes ou mais. Elas eram "pobre faveladas"? Não! Elas eram duas estudantes brilhantes (e quando eu digo brilhantes não estou exagerando) do curso de psicologia da UFF. Elas sabiam exatamente como se prevenir de DST's e gravidez, mas pelo menos uma vezes por mês cometiam o vacilo de transar sem camisinha. Depois que os amigos encheram a paciência das moças (e cada uma individualmente tomou seu "susto"), elas "tomaram jeito". Mas o fato é, que apesar da "despirocagem" delas, a PDS as livrou de gravidez indesejada ou de um aborto. Isso não pode ser ignorado.Dos males, sempre melhor escolher o menor! A exigência de prescrição tem grande chance de inviabilizar algo que está dando certo. Agora imaginem a seguinte cena: chegar no consultório médico pra dizer "dei se camisinha, preciso de uma receita". Completamente desnecessário para dizer no mínimo. Na única vez que eu precisei de PDS quase caí dura de ter que pedir para o farmacêutico!

Outra tecla que venho insistindo é sobre o caso de adolescentes. Eu sou uma dessas que começou a tomar escondido (mas no meu caso, fui ao médico), precisei trocar de anticoncepcional porque com o que eu ganhava não dava para bancar R$ 35,00 por mês e assim foi por mais do que 4 ou 5 anos. Ao lembrar da jovem vulnerável que fui (com direito a namorado manipulador/psicopata), sei que provavelmente teria engravidado se não fosse isso. Sim, muitas jovens chegam à idade adulta sem nunca ter ido ao ginecologista porque a simples menção a esta especialidade médica pode causar no mínimo uma ameaça a expulsão de casa.Se para mim não foi fácil podendo adquirir anticoncepcionais sem receita, imaginem só como seria se eu precisasse de receita? Dá para realizar na cabeça de vocês que o mundo é machista e que a mulher no início de sua vida sexual enfrenta dificuldades?

E sobre a questão "o médico sabe o que é melhor pra você", como eu mesma já disse e outras pessoas disseram, é bullshit. Os médicos receitam Yaz ou Yasmin e trocam se houver problema. Eles não receitam estes por serem "vendidos para a Bayer" ou desonestos, mas simplesmente porque a Bayer gasta uma grana preta em publicidade voltada para os médicos. Em sua grande maioria, os médicos acham que estão receitando o anticoncepcional mais seguro. Porque é isso que a Bayer vende para os médicos! Há pouco tempo se descobriu que estes anticoncepcionais "maravilhosos" possuem maior risco de trombose. A ponto de a FDA considerar bani-lo dos EUA. Tá bom pra vocês? De resto o de sempre: médicos receitam os com dosagens mais baixas e caso haja algum problema tenta-se outro. Este tipo de testagem empírica as mulheres podem fazer sozinhas...

E sobre os perigosíssimos "efeitos colaterais da pílula". Quando eu leio frases deste tipo já sinto minha veia temporal saltar mais do que Diego Hopólito. Todo e qualquer efeito colateral relacionado a contraceptivos orais é muito menos importante do que uma gravidez indesejada!

Um desafio: postem aqui, nesta caixa de comentários, o número de mortes provocadas por anticoncepcionais e em troca postarei aqui o número de mortes provocadas por abortos clandestinos. Pode ser? Pessoas que tomam anticoncepcionais por conta própria nao estão provocando problemas de saúde pública, abortos clandestinos sim! É tão difícil de entender?

Mordred Paganini disse...

Outra tecla que venho insistindo é sobre o caso de adolescentes. Eu sou uma dessas que começou a tomar escondido (mas no meu caso, fui ao médico), precisei trocar de anticoncepcional porque com o que eu ganhava não dava para bancar R$ 35,00 por mês e assim foi por mais do que 4 ou 5 anos. Ao lembrar da jovem vulnerável que fui (com direito a namorado manipular/psicopata), sei que provavelmente teria engravidado se não fosse isso. Sim, muitas jovens chegam à idade adulta sem nunca ter ido ao ginecologista porque a simples menção a esta especialidade médica pode causar no mínimo uma ameaça a expulsão de casa.Se para mim não foi fácil podendo adquirir anticoncepcionais sem receita, imaginem só como seria se eu precisasse de receita? Dá para realizar na cabeça de vocês que o mundo é machista e que a mulher no início de sua vida sexual enfrenta dificuldades?

E sobre a questão "o médico sabe o que é melhor pra você", como eu mesma já disse e outras pessoas disseram, é bullshit. Os médicos receitam Yaz ou Yasmin e trocam se houver problema. Eles não receitam estes por serem "vendidos para a Bayer" ou desonestos, mas simplesmente porque a Bayer gasta uma grana preta em publicidade voltada para os médicos. Em sua grande maioria, os médicos acham que estão receitando o anticoncepcional mais seguro. Porque é isso que a Bayer vende para os médicos! Há pouco tempo se descobriu que estes anticoncepcionais "maravilhosos" possuem maior risco de trombose. A ponto de a FDA considerar bani-lo dos EUA. Tá bom pra vocês? De resto o de sempre: médicos receitam os com dosagens mais baixas e caso haja algum problema tenta-se outro. Este tipo de testagem empírica as mulheres podem fazer sozinhas...

E sobre os perigosíssimos "efeitos colaterais da pílula". Quando eu leio frases deste tipo já sinto minha veia temporal saltar mais do que Diego Hopólito. Todo e qualquer efeito colateral relacionado a contraceptivos orais é muito menos importante do que uma gravidez indesejada!

Um desafio: postem aqui, nesta caixa de comentários, o número de mortes provocadas por anticoncepcionais e em troca postarei aqui o número de mortes provocadas por abortos clandestinos. Pode ser? Pessoas que tomam anticoncepcionais por conta própria nao estão provocando problemas de saúde pública, abortos clandestinos sim! É tão difícil de entender?

E sobre a receita anual: se realmente com a resolução as receitas de anticoncepcionais passerem a valer por um ano, certamente será uma "facilidade", mas também devemos lembrar que as mulheres que dependem do SUS precisarão se planejar com muita antecedência (já que demora pra conseguir marcar) para não ficar sem tratamento.Já adianto que não sei o que eu vou comer amanhã!

Sim gente, este é um ataque franco aos nossos direitos reprodutivos. Mais um! Como sequer as feministas estão unidas para conter este abuso, eu sei que esta resolução vai passar. Quando acordarmos, a merda já estará feita e vidas já estarão destruídas. Eu estarei aqui para orgulhosamente (e amargamente também) dizer "eu avisei!".

Carolina: Concordo com o ponto levantado, mas acho que estas coisas se retroalimentam. A Bayer é poderosíssima, assim como o Conselho Federal de Medicina. Colocar todas as decisões acerca da saúde sobre o poder dos médicos vai contra a nossa Constituição, desqualifica os demais profissionais de saúde (dentre os quais estou inclusa), aliena as pessoas de seus próprios corpos e beneficia os grandes laboratórios. As grandes corporações (como a Bayer) só têm a ganhar com o ato médico. Se só o médico puder decidir sobre todas as questões relativas à saúde, mais remédios serão vendidos. Então ao invés de fazer sessões de fisioterapia (e reeducação postural) a pessoa vai tomar anti-inflamatórios para o resto da vida, ao invés de ir ao psicólogo vai tomar prozac ou o anti-depressivo da moda...E assim segue a crescente medicalização da vida. Quem ganha com isso? Nós é que não somos!

Anônimo disse...

Imagina só xs bispxs, padres, pastorxs ou até mesmo xs religiosxs mais fervorosxs que são contra os métodos contraceptivos enchendo o saco, SÓ QUE DESSA VEZ DOS HOMENS.

Será?

Anônimo disse...

Não só anticoncepcional, mas TODOS os medicamentos têm na bula o modo de usar. Assim, vamos liberar tudo, pois é só ler lá.

Anticoncepcionais têm vários efeitos colaterais e contraindicações.
Por exemplo: história pregressa ou familiar de trombose ou outra trombofilia, tem mais de 35 anos e fumar (os dois juntos, mas há pesquisas que mostram que ter mais de 35 anos OU fumar é fator de risco e tais mulheres não devem usar anticoncepcional).

Se há médicos picaretas que indicam o que lhe trará mais dinheiro, devemos lutar é para mudar isso.

Anônimo disse...

LisAnaHD, não entendi se seu último post foi com tom de ironia ou estava falando sério.

Para mim o caso da sua família é um ótimo exemplo. Precisava deles passar por tudo? Não seria melhor realmente ter tido menos filhos? Nem digo 3 ou 4, mas no máximo uns 6? Talvez você não estivesse aqui hoje, mas se formos pensar aqui, todas nós poderíamos ter mais irmãos ou filhos que amaríamos (ou não, rs).

Carol NLG disse...

Peraí. Sério que tem gente defendendo mesmo o higienismo? Porque não tem outro nome pra "castrar" uma mulher contra o conhecimento e a vontade dela!

Isso não é feminismo! Acho que absolutamente nenhuma feminista é contra programas reais e eficientes de esterilização VOLUNTÁRIA. Acabar com a dificuldade que é hoje. Mas contra a vontade? É criminoso!

Sobre precisar de receita: eu já estou preocupada com isso. Vejam bem, moro na África. Não consigo nenhum dos meus medicamentos normais aqui. O anticoncepcional eu comprei o bastante pra um ano e trouxe comigo. Volto agora ao Brasil e comprarei de novo. Uso o mesmo há anos. Sim, faço check-ups anuais completos. Preciso, né? Mas penso em várias amigas da época de colégio e faculdade, que tinham muito menos liberdade com os pais e simplesmente escolheram anticoncepcionais e tomavam. Sinceramente? O processo de escolha delas não foi diferente do meu, que foi acompanhado por médica. Assim como elas, eu comecei com o mais "famosinho", que não funcionou bem comigo. Passei por outros 3 até chegar no que uso hoje. O meu é dos mais caros, mas comigo teve ótimos efeitos. Não pretendo parar de usá-lo pelo menos pelos próximos anos.

Quem acha que é melhor forçar a passagem da mulher pelo médico como forma de impedir o acesso a esse tipo de medicamento provavelmente nunca foi - ou teve amigas - adolescentes com pais rígidos. Novamente, eu sempre tive liberdade com meus pais, e comecei a tomar anticoncepcional cedo por conta de outros problemas (muita gente não sabe, mas anticoncepcional é um dos melhores - se não o único - remédio para ovários policísticos).

Lilian Soares do Nascimento disse...

Eu já tinha assistido ao vídeo do Roda Viva e dr. Coutinho. Ao que me parece, ele se enganou ao pensar que a feminista em questão se posicionou contra o contraceptivo masculino.

Ela apenas disse que as mulheres não deixariam de tomar os contraceptivos femininos por causa dos masculinos. O que é excelente, aliás. Se apenas um tomando pílula já diminui a probabilidade de uma gravidez indesejada, imagine os dois! Natural que as pessoas confiem mais em si mesmas no que nos outros. Daí a importância dos homens também obterem os contraceptivos para eles...

ps: não gosto de pílulas pelos efeitos colaterais. Uso camisinha como método e caso haja acidente - o que é raro -, a pílula do dia seguinte é sempre uma salvação... Absurdo tal medida da Anvisa!

Gabriela disse...

Acordo e do de cara com isso.Querem fincar de vez uma bandeira do Estado em nossos úteros!Gente oq q tá acontecendo nesses últimos tempos?Os reacionários tão vindo com tudo.Atacando por todos os lados ao mesmo tempo.Correndo o risco de parecer paranóica até parece q é tudo militarmente planejado.Sério!é tudo tão redondinho q é Improvável ser aleatório.Essas merdas querem nos jogar na idade das trevas.
Espero q inventem uma máquina do tempo o mais rápido possível,e uma vez pronta,q esta leve todos esses merdinhas a Idade Média.Eles ficariam felizes em participar da Inquisição e nós ficaríamos livres deles.Seria um típico win-win.

luaninha disse...

Desculpa aí, mas quem tá repetindo essa bobagem de que todo anticoncepcional é prescrito especificamente pra cada mulher nunca tomou anticoncepcional na vida. Nem sabe como funciona.

Não sei se é o caso dos anônimos aqui do blog, mas todos que conheço e vi repetirem isso, são homens.

Anônimo disse...

A invenção da pílula anticoncepcional tornou possível uma série de mudanças sem precedentes na relação entre homem e mulher. Poucas pessoas se deram conta que a corrente de incentivos que davam suporte ao casamento monogâmico não existem mais. Antigamente havia incentivos sócio-econômicos para homem e mulher se juntarem em relacionamento de longo prazo

Mirella disse...

Àqueles que dizem que a mulher fica com um """"""poder""""" sobre o homem por tomar pílula: existe uma coisa chamada preservativo, também conhecido como camisinha. É um método contraceptivo de barreira, disponível para compra em supermercados, farmácias e distribuído gratuitamente em postos de saúde.
Geralmente é feito de látex, mas a tecnologia permitiu o desenvolvimento de outros materiais para as pessoas que são alérgicas àquele. Também estão mais resistentes e confortáveis, possuindo diversos tamanhos para se adequar à variação de órgãos sexuais masculinos. Servem também para a prevenção de contração de DST, algo que a pílula anticoncepcional não faz. Tem alto índice de eficácia, quando usado corretamente - como ocorre com a pílula.

Logo, são duas pessoas que transam, são suas pessoas responsáveis. Se você não confia na sua parceira ou na eficácia de um medicamento, larga mão de ser preguiçoso e encapuza o bichinho.

Grata,
A Humanidade.

Carola disse...

Lola, não sei se alguém tem essa mesma dúvida que eu, e ela é não tem nada a ver com o post.
Pq você começou a usar X nas palavras, no que se refere á homens ou mulheres?
Exemplo: namorado, namorada namoradx.
Percebi que algumas pessoas têm feito isso de um tempo pra cá, mas não consegui achar nenhuma explicação.
Talvez você pudesse fazer um post explicativo sobre isso.

Obrigada :)

LisAnaHD disse...

Anon 06:19 -nao usei ironia. Há pouco tempo eu soube que meu pai foi criado na pobreza. Meu avô veio de família com posses, mas ele foi embora de casa e casou-se com uma índia selvagem. Nunca mais voltou pra família dele. Aos 40 anos meu avô já havia sucumbido para uma depressao pesada, pesada mesmo, e qdo meu pai nasceu (décimo filho), meu avô tinha 40 anos, nao trabalhava. Meu pai se apartou da família, é um homem inteligente, trabalhou para multinacionais da indústria farmacêutica, foi político, enfim nunca notei traço de pobreza no meu pai.

Em outra nota:
Muitas vezes as pessoas interpretam o que leem de acordo com suas mazelas pessoais, nao conseguem ver fora de sua própria dor e foi o que aconteceu qdo ocorreu aqui 'defesa higienista' - e ninguém aqui está defendendo isso. Eu apenas expliquei sobre o que uma moça da Bahia abordou. Fica difícil dizer que na Bahia os negros sao visados pq é difícil encontrar alguém que nao seja negro na Bahia - pra mim ser negro ou ser índio ou ser branco nao vem ao caso.

Pois bem, assim como houve um projeto para esterilizar mulheres pobres no Nordeste, após elas terem 2 ou 3 ou 4 filhos, eu citei que o mesmo teria sido válido para o caso da família do meu pai. Nao o fiz por ironia, apenas acho que o que se aplica para o pobre da Bahia, negro ou branco, tb poderia ter se aplicado para os meus avós.

Unknown disse...

Como o Blog da Lola estragou minha vida.

Comecei a ler o seu blog Lola há pouco tempo (cheguei nele por acoso, buscando uma crítica para um filme). Porém, li muito nesse tempo. Sempre abro os links relacionados, procuro ir mais fundo nos assuntos, faço pesquisas externas...enfim não engulo tudo o que você diz como verdade. Porém devo admitir que quase tudo é. Lembro de como achei normal a foto de Obama e Sarkozy olhando de maneira libidinosa para a estudante brasileira. Lembro também da vergonha que senti ao ler o seu post criticando a situação. Lembro como li com certa repgnância seus posts sobre a cultura do estupro. Termo até então desconhecido pra mim, pois fui criado somente por mimnha mãe (Meu pai nos abandonou. Isso nos idos anos 80. Conclusão: minha mãe terminou de criar a mim e meus irmãos sozinha, sem ajuda dele pra nada). Justamente por isso sempre fui contra atitudes machistas declaradas. Mas ao entrar em contato com suas postagens, me descobri machista. E agora passo meus dias me policiando, criticando atitudes minhas e daqueles que estão ao meu redor. Por exemplo, quando minha esposa se mostrava não tão feliz com seu trabalho, eu prontamente e numa postura dita companheira dizia que se ela quisesse pedir demissão para tentar outra coisa eu estava ali para apoiá-la, inclusive no quesito dinheiro. Hoje penso 10 vezes antes de propor tal coisa, penso em não demonstrar que gostaria que ela ficasse em casa...efim, tento não ser machista. Meu relacionamente com mulheres no trabalho também mudou, nunca as tratei como se fossem bibelôs. Porém agora fico medindo as palavras para não soar como um canastrão de primeira que só as trata bem para conseguir algo de finalidade sexual em troca e também não ser machista ou mascus como você diz. Também nunca fui homem de mexer com mulher na rua, porém depois desse contato com você e suas idéias passei a "odiar" homens que têm essa atitude. Até nas pequenas coisas você se intromete: Hoje ao ler essa postagem, aproveitei e cliquei no link da petição contra a inclusão de métodos contraceptivos no hall de remédios que necessitam de prescrição médica. Fiquei indignado por ser o único homem a ter assinado nos últimos 42 minutos. Enfim Lola, muito obrigado por destruir/desconstruir minha vida.

Bruno de Almeida SIlva

Carolina disse...

eu até ia falar algo pro anon das 06:16, mas a luaninha já o fez mt bem:

"Desculpa aí, mas quem tá repetindo essa bobagem de que todo anticoncepcional é prescrito especificamente pra cada mulher nunca tomou anticoncepcional na vida. Nem sabe como funciona.

Não sei se é o caso dos anônimos aqui do blog, mas todos que conheço e vi repetirem isso, são homens."

eu NUNCA nem OUVI FALAR de médico que antes de prescrever anticoncepcional faz INVESTIGAÇÃO de histórico de trombose, fumo e idade. seriously em que mundo vcs vivem?

olha, eu resolvi parar de menstruar, acho incomodo e como já sou obrigada a tomar as pilulas por causa do ovário policístico, uni o útil ao agradável. e só uni uma cartela na outra e to vivendo alegremente.

só comuniquei minha gineco que prontamente respondeu: "ok. continua assim!"

gente, anticoncepcional não é remédio... até quando usado pra síndrome de ovário policístico ele é uma terapia, não um remédio. vamos deixar de tanta bitolação.

mulher que já passou pela experiência sabe q nem de LONGE é esse bicho de 7 cabeças.

LisAnaHD disse...

Tenham certeza:
Por trás desse projeto de no Brasil vender a pílula somente com receita médica, há interesses financeiros que nada tem a ver com a saúde da mulher.

Nos EUA é vendida somente com receita médica e isso nao é problema, pois o sistema aqui nao é emperrado como no Brasil, a mulher tem muitos mais recursos de ser protegida aqui. Nos EUA o problema é que o seguro de saúde cobre Viagra e nao cobre a pílula como meio anticoncepcional e isso e realmente revoltante!

o seguro cobre = o seguro paga para o paciente

a pílula como meio anticoncepcional = o seguro de saúde paga se o médico a prescrever por outro motivo, como regular os hormônios muito comum em adolescentes

Eu ainda acho que Lola poderia contatar dr. Coutinho e entrevistá-lo e até mesmo publicar um Guest Post dele - isso poderia esclarecer mal entendidos. A mae dele passou a vida grávida, teve 10 ou mais filhos, ele disse que ela praticamente nem menstruava pq vivia grávida.

lola aronovich disse...

Ô Bruno, super obrigada pelo elogio. Fez meu dia hoje.


Carola, estou devendo mesmo um post sobre usar animadx em vez de animad@ ou do padrão animado. Mas o x também não me satisfaz. Mudei porque recebi um email de uma leitora cega que ouve os posts (não os lê), e o @ não é reconhecido pelo sistema. Enfim, este é um problema sério. Só preciso de tempo pra escrever sobre isso.

Maria Valéria disse...

Carolina,

"nunca ouvi falar de médicos que fazem investigação de fumo , trombose ou idade para prescreverem pílulas"

Entao, sou exceção, porque eu investigo sim.
Fumante maior de 35 anos nao deve usar contraceptivo oral - se ainda assim, ela quiser, nao esta proibida, mas que esteja ciente dos riscos.
Alias, a mulher fumante maior de 35 anos tem a opção de usar anticoncepcional só a base de progesterona, sem estrogenios, o que e muito mais seguro.( exemplos: deproprovera- a desvantagem e ser injetável, mas e a cada tres meses,micronor- esse ai nao confio muito porque já vi varias mulheres engravidaren usando)existem alguns anticoncepcionais orais mais modernos e seguros, sem estrogenios, como nao sou GO vou perguntar as amigas do ramo depois venho postar aqui,
A trombose/ histórico anterior nao contra indica a pilula do dia seguinte, uma vez que o estado de gravidez, por si só,já aumenta a coagulabilidade do sangue e o risco de trombose.e melhor viver esse risco um único dia, do que durante nove meses, numa gravidez indesejada,( sim, acredito que o psicológico interfere)-alias, nao me lembro se gravidas com histórico anterior de trombose tem indicação de medicação anticoagulante na gravidez.vou me informar e depois venho postar aqui,
Obs: trabalho no SUS, e citei o nome comercial dos medicamentos que o SUS banca, de graça, pois evitamos usar no posto de saude remédios que os usuários precisem comprar ( eles mesmos pedem isso) , entao citei esses nomes sem nenhum interesse comercial nem ligação com laboratórios, só pra ficar claro;))
Bjs!!!

LisAnaHD disse...

Pessoal, qdo a gente fala sobre cor de pele é comum ocorrer mal entendido e até mesmo melindres. Quero deixar claro que nao sou e nunca fui racista e nem andei a discriminar ninguém por cor da pele ou nacionalidade ou estado onde nasceu. Já comprei muita briga até mesmo com diretoria de multinacional no Brasil pq eu lutava pelos operários da fábrica fossem eles baianos, pernambucanos, paulistas, mineiros, brancos, negros, mulatos, mamelucos. Eu nao fui criada consciente da diferença da cor da pele, por mais que isso possa parecer surreal, mesmo pq no Brasil amigos meus que hoje eu sei que sao negros, naquele tempo em nem sabia pq aí temos tantas variantes pra lidar com cor! Aprendi a ver as diferenças fisicas entre as raças já de adulta e a primeira vez foi qdo considerei colocar aparelho nos dentes, pois eu tinha um dente por cima do outro na arcada dentária superior e meus dentes da arcada dentária inferior sao meio juntados (todo mundo tem dentes bem distribuídos na minha família), bem eu perguntei pro dentista a razao disso e ele me disse que é comum qdo se misturam raças (meu pai é mameluco), bem a partir daí eu quis aprender sobre mistura de raças e isso pq sempre tive a mente inquisitiva. Sempre. Namorei homens com origem negra, dormi em cama com pessoas desconhecidas puramente negras (me perdi tarde da noite num bairro em Sao Paulo e nao sabia como voltar pra casa e fui acolhida por uma família de negros pobres enqto alguém ia chamar um táxi e a conversa ficou tao boa que acabei ficando com eles, que queriam dar a cama pra mim a troco de alguém dormir no chao - bem, dormimos na mesma cama, num quarto cheio de outras camas pq todos dormiam num quarto só). Qdo adolescente eu chorava muito ao ler Graciliano Ramos, Aluísio de Azevedo, Raquel de Queiroz, enfiam a literatura brasileira que conta o sofrimento do negro.

Sei da época em que no Brasil o governo se empenhou em puririficar nosso povo e o governo teve um plano e foi por isso que abriram-se as portas para recebermos imigrantes europeus - para que se mesclassem com nossa gente de pele escura e fícássemos um povo homogêneo na cor mais pra branca. Isso nao é o que eu defendo. Eu nao teria tido ao mesmo tempo dois médicos negros: um clínico geral e um ginecologista, qdo me foi dada a opçao de escolher médicos brancos. Eu queria bons médicos que tivessem disponíveis para me atender em uma semana e entre brancos e negros fiz minha escolha. Maravilhosos! Sim, a recepcionista me perguntou, em voz baixinha, se eu me importava do médico ser negro. Eu disse que nao, que tudo bem. Um deles foi tao atencioso que foi pesquisar sobre um medicamento brasileiro que eu tomava.

Estou lendo um livro "Brasil, país do futuro" nao sei o autor, baixei no Kindle, foi escrito durante o governo de Getúlio Vargas e estou aprendendo muito sobre a formaçao do povo brasileiro, claro que para muitos de vcs muita coisa do que estou lendo nao é novidade, mas de um modo geral nao aprendemos isso nas escolas.

Shagrat disse...

Lola , querida vc PRECISA LER ISSO http://operamundi.uol.com.br/conteudo/entrevistas/24385/femen+brazil+nao+tem+propostas+feministas+acusa+ex-numero+2+do+grupo.shtml

LisAnaHD disse...

Mas que surpesa!!!
Nem em sonho psicodélico eu chegaria a pensar que o autor é ele! Dele, li apenas "Confusao de Sentimentos"

Despedida
Quem visita o Brasil, não gosta de o deixar. De toda a parte deseja voltar para ele. Beleza é coisa rara e beleza perfeita é quase um sonho. O Rio, essa cidade soberba, torna-o realidade nas horas mais tristes. Não há cidade mais encantadora na terra.
(e-book) Brasil, país do futuro
Stefan Zweig
http://www.ebooksbrasil.org/eLibris/paisdofuturo.html

Carol NLG disse...

Adorei o comentário do Bruno! É tão legal quando alguém sabe usar ironia, e usa bem! Aplausos!

Quanto ao uso do anticoncepcional: sabe que eu também vou unindo cartelas? No meu caso, tenho um problema congênito que resulta em anemia. A única solução é diminuir a saída de sangue. Moral da história: só a cada 6 meses. Isso foi decidido por outro médico, quando soube que eu estava tomando por conta dos ovários policísticos, e apenas comunicado à ginecologista que disse a mesma coisa: ok, continua assim. Se tiver algum problema, me avisa.

Mordred Paganini disse...

Maria Valéria: talvez você haja assim por ser clínica. Pode ser só impressão, mas geralmente os clínicos possuem uma visão mais global de seus pacientes. O que eu acho ótimo, claro.

Mas perguntei a mulheres de até 30 anos. A grande maioria vai relatar que ou foi receitado Yaz/Yasmin (mesma coisa)ou que foi na tentativa e erro. A Bayer realmente convenceu a grande maioria dos ginecologistas.

Anônimo disse...

Já usei trocentas pílulas diferentes,até minha dermato passou pílula pra mim,parei de tomar por contra própria,e minha gineco nem ai,NENHUMA das minhas amigas fizerem exame pra começar a tomar,os gineco simplismente passam e pronto,não é à toa que a cada consulta,invariavelmente,tem um representante de algum laboratório esperando pra ser recebido por ela.


Cética

Anônimo disse...

Entre seus livros de ficção mais famosos estão "Carta de uma desconhecida", "Vinte e quatro horas na vida de uma mulher" e "O jogador de xadrez".
http://www.youtube.com/watch?v=2Fa_rw4YeBc

-b. disse...

LisaAnaHD

Sou natural de Americana e existe uma pequena falha quando se conta a história da migração confederados e fundação da nossa cidade:

Na verdade eles migraram para Santa Bárbara d'Osete, e fundaram ali a sua cidade, sendo Americana uma derivação dessa fundação inicial.

Em Santa Bárbara há sim um grande cemitério onde estão enterrados os fundadores das duas cidades e muitos dos seus descendentes, mas não sei dizer se ainda é possível as familias enterrar seus mortos lá.

Americana surge como um entreposto comercial necessário para escoar a plantação de melancia e algodão da cidade (o modelo sulista de plantation marca o modelo de urbanização e crescimento da cidade até hoje) de Santa Bárbara, uma vez que as fazendas produtoras ficavam muito longe da estação original.

Sara disse...

Anon da 1.03hs,apesar de fujir do tema do post que é muito importante.
Não posso dizer com certeza q gostaria q os homens mudassem radicalmente, gosto da agressividade dos homens em alguns momentos e da sua impulsividade tb.
Mas ainda acredito q mesmo que o q esse cientista, o dr Elsimar tenha algum resquicio de razão, não seria o caso de relevar as atitudes machistas que ferem os direitos da mulher como vc falou, levando em conta os hormônios masculinos, afinal nos mulheres tb temos nossos desequilibrios e picos hormonais e nem por isso chegamos a causar o ESTRAGO q a violência masculina causa.
E mais acredito que os homens se forem educados em uma cultura sem machismo, são tão capazes e equilibrados como nós mulheres.
O real problema é que vivemos ainda dentro da cultura patriarcal, e não ha censura social suficiente para conter os homens que libertam seus instintos livremente.

Renata disse...

Ahh, essas feministas... rs Eu acho ótimo a ideia de um anticoncepcional masculino, tenho um certo preconceito em relação aos femininos, tenho medo de efeitos colaterais mais graves a longo prazo, como câncer, por exemplo. Acho que se o anticoncepcional masculino for menos agressivo à saúde que o feminino, as mulheres só ganharão com isto. Eu nunca tomei pílulas, sempre usei preservativos, e agora, já casada, uso somente no meu período fértil, e coito interrompido no restante do mês. Claro que o meu ciclo menstrual é certinho e por isso me dou ao luxo de fazer isso, mas acho que o preservativo, além de prevenir doenças, é uma ótima opção.
Sobre a dificuldade de acesso aos medicamentos, me parece um pouco de exagero. Como vários já disseram aqui, o planejamento familiar ou a opção por uma gravidez deve ser uma escolha pessoal, principalmente feminina, já que somos nós que quase sempre nos responsabilizamos pelos filhos. Acho também que o acesso à pílula do dia seguinte deve ser livre, e quem pode ter acesso de fato a estas pílulas sabe sobre seus efeitos colaterais. Eu, por exemplo, já fiz uso delas três vezes ao longo da minha vida (e sim, o preservativo pode romper, pois foi justamente por isso que tive que tomá-las), e posso garantir que nada serio aconteceu, não tive nenhum efeito colateral. E como muitos aqui comentaram, muitas jovens tomam pílulas escondidas da família, o que elas irão fazer se a Anvisa só permitir a venda destes medicamentos com receita? Alguém que trabalha na área de saúde poderia me dizer se é permitido a ida ao ginecologista de menores de idade sem o acompanhamento do responsável? É só uma dúvida mesmo... Penso tb que o governo deveria se preocupar mais em colocar em todas as escolas uma disciplina de Educação Sexual, não resolveria todos os problemas de gravidez indesejada, mas tenho certeza que preveniria muitas, sem falar que muitos problemas apontados aqui sobre o uso de anticoncepcionais e a pílula do dia seguinte seriam esclarecidos.
P.S.: adoro seu blog, acompanho há dois anos, mas sempre tenho vergonha de expor minha opinião :( Sucesso pra vc :)

Maria Valéria disse...

Renata,

Sua pergunta eu já respondi em um comentário acima, mas vou colocar aqui de novo:
E permitido sim menores de idade irem a ginecologista sem os pais saberem,

A federação brasileira de GO já normalizou isso, e eles entendem que e melhor a garota fazer sexo se cuidando do que engravidar( gravidez na adolescência e considerada de alto risco- para a mae e para o bebe)
Entao, melhor que ela tome a pilula sim,
Agora, se a garota contrair uma DST , uma sífilis, um HIV , ou se engravidar,e DEVER do medico avisar aos pais ou responsável,
Normalmente o GO da a chance de a garota mesma contar aos pais e chama- los para vir junto a consulta, se ela ( paciente) sumir ou nao chamar os pais, dai o GO e obrigado a chamar e avisar da situação,
Bjs;))

Mordred Paganini disse...

Maria Valéria: quando eu tinha 16 anos fui a uma consulta no SUS para trocar meu anticoncepcional. Eu já tinha ido a uma outra médica com outra justificativa e ela me passou um anticoncepcional. Este eu não podia pagar.
Daí como eu precisava trocar, fui me consultar no SUS.

O atendimento foi super constrangedor. Tive que aturar a cara de reprovação do médico ao ouvir que eu não era mais virgem (e eu precisava de anticoncepcionais para conter minhas cólicas monstruais). Ele me receitou remédios que ele mesmo disse serem caríssimos, disse que eu engravidaria (o remedio me faria ovular) e se recusou a me receitar um anticoncepcional porque eu ainda não tinha contado para a minha família. Simples assim! Tive que trocar por conta própria.

Anônimo disse...

Não seja hipócrita, Lola! Olhe ao seu redor! Veja quantas mulheres não vivem nitidamente acima de suas posses, acima de sua renda individual, desfrutando do padrão de vida de uma classe social superior, mesmo ganhando pouco, em empreguinhos de fachada, única e exclusivamente porque se tornaram mães - e portanto merecedoras da ajuda financeira dos pais e dos parentes de seus filhos. E quantas outras não passam a vida inteira usando os filhos - crianças E adultos - para extorquir o ex-marido com intrigas, pressões e joguinhos familiares. Em regra, a integridade familiar - ou os filhos - são a única razão pela qual os homens se submetem às exigências femininas mais absurdas, insensíveis e despóticas. A camisinha é um método extremamente falho, e não porque estoura, mas porque depende da utilização no ato, e portanto do consentimento do outro. A pílula, então, nem se fala: é monopólio exclusivo da mulher. Já ouvi pelo menos duas mulheres diferentes CONFESSAREM COM A PRÓPRIA BOCA que suspenderam UNILATERALMENTE o uso do anticoncepcional porque sonhavam em ser mães, ainda que sem o consentimento, ou mesmo contra a vontade expressa do marido ou do namorado. Mas se o homem puder entrar em uma relação com a certeza absoluta de que não será pai contra a própria vontade - COMO TEM SIDO FREQUENTE DESDE O INÍCIO DOS TEMPOS - então as mulheres certamente sofrerão um duro golpe. Vão ter que recorrer às clínicas de doadores anônimos, o que já requer muito dinheiro. Dinheiro próprio, diga-se de passagem. E depois ainda vão ter que suar a camisa para pagar mensalidade escolar, ou botar a criança na escola pública mesmo. Será o fim da era dos provedores manipuláveis.

Mordred Paganini disse...

Se será o fim da era dos "provedores manipuláveis", para nós, feministas, ótimo!
Eu, como feminista, tenho raiva também de mulheres machistas. Mulheres manipuladoras e interesseiras são mulheres machistas. Se fossem feministas, conseguiriam o que querem por conta própria.
E convenhamos: a camisinha não é lá muito confortável, mas é bem segura sim e está sob o poderio do homem. Pena que muitos homens achem camisinha algo meramente opcional, quando não proibido.

Maria Valéria disse...

Mordred

Esse GO que te atendeu teve uma atitude completamente errada.

E ele nao fez isso por ser do SUS, e sim porque deve ser um machista com caraminhola na cabeça ou um medico,que infelizmente, coloca a moral religiosa dele acima do atendimento ao ser humano que esta ali na frente dele,( alias, esse tipo de atitude e passível de processo ético contra o profissional)

Um medico particular poderia ter te atendido assim se fosse desse tipo que descrevi ai em cima,Quero dizer, esse comportamento reprovável nao e exclusivo do SUS.

O que poderia te dizer e que medicina e uma atividade onde vc lida com o ser humano, cada paciente tem sua experiência de vida, e vc, como medico, ainda que nao concorde com o que o paciente faz da vida dele, tem que respeitar. Infelizmente nem todos os médicos tem essa conduta, e em GO isso e muito pior, porque esta especialidade lida com questões muito intimas, sexualidade, etc, e só poderia ser exercida por quem realmente tem vocação e por quem nao tem nenhum preconceito enraizado na cabeça,
Alias, todos os médicos tem que ter esse respeito pela diversidade de comportamentos, o GO, psiquiatra, mais ainda, entendeu? Pois lidam exatamente com essas variáveis que tanto incomodam uns ou outros,
Minha opinião sobre isso e simples, se vc nao consegue separar o paciente/ ser humano das suas questões morais, religiosas, desiste de ser medico, ou entao, se quiser, pelo menos faca radiologia, patologia ou vai ser legista, auditor, porque dai você nao precisa enfrentar essas questões no seu dia a dia, pois nao lida diretamente com o ser humano., nao tem contato direto.
Mas, nem todos os médicos tem esse discernimento...infelizmente,..:(
Beijos

@vbfri disse...

Maria Valéria,
Sobre histórico de trombose indicar a utilização de anticoagulantes durante a gestação: uma amiga minha teve embolia pulmonar aos 28 anos (sendo que ela não fumava, nem bebia e praticava esportes regularmente), teve que tomar esses remédios (injetáveis) durante as duas gestações que teve. Os remédios são super caros.
Concordo com o que você falou: melhor o risco por um dia do que durante 9 meses.

Lord Anderson disse...

" A camisinha é um método extremamente falho, e não porque estoura, mas porque depende da utilização no ato, e portanto do consentimento do outro"

clarooo, pq ta cheio de homens que querem usar a camisinha, mas as mulheres não deixam...




@vbfri disse...

Peço encarecidamente aos mascutrolls: façam um curso de interpretação de texto. O quanto antes. Juro, é muito importante.
Ninguém aguenta mais explicar para vocês o que cada texto que a Lola publica quer dizer.

Mordred Paganini disse...

Maria Valéria: só uma coisa que me escapou. Apesar do meu constrangimento e de ter sido o segundo pior atendimento médico da minha vida, também não foi culpa exclusiva do cara.

Primeiro, porque ele teve uma preocupação genuína comigo. Insistiu para que eu contasse, que ficaria tudo bem e que seria melhor do que tomar escondido e tal.

Ele estava sendo meio "Paizão" e possivelmente até tinha uma filha da minha idade. Ele até me deu um conselho "sábio" e até válido para muitos casos. Mas sinceramente eu não estava ali pra isso. Eu não fiquei com raiva dele, mas de fato eu não estava à vontade para falar sobre a minha sexualidade com ninguém.

No meu caso, naquela época, eu teria sido expulsa de casa, teria sido mandada para outra cidade à minha revelia. E foi isso que aconteceu, mas por motivos um pouco diferentes, tempos depois.

Mas enfim, o que acontece é que muitas adolescentes estão em situação de vulnerabilidade tal que pode ser impeditiva para procurar um médico. Eu não acho que este tipo de tratamento seja típico/exclusivo do SUS. Eu tenho médico na família e sei o quanto custa a ele manter seu trabalho com o máximo de respeito à dignidade humana seja no SUS ou no consultório.
Eu não acho que os médicos sejam monstros ou corruptos e nem antiéticos (só estou esclarecendo porque realmente fico preocupada com certos discursos que demonizam os médicos).
Acho, por outro lado, que médicos possuem uma deficiência grave em sua formação que é justamente o lado humano da medicina.

Eu poderia escrever um tratado sobre isso, mas de fato foi algo que eu observei em vários ambientes. Lidar com o sofrimento humano não é fácil e é justamente isso que falta. As pessoas acham que é uma questão de "se acostumar", mas o "se acostumar" é errado! Eu, como psicóloga, jamais me acostumei com o sofrimento humano. Ninguém tem que acostumar não, mas pra aguentar esta barra, precisa de muito cuidado de si (que geralmente falta aos médicos).
Aliás, recomendo fortemente a todos o texto (curtinho) "a ética do cuidado de si como prática de liberdade" do Foucault. Debate essencial em todas as práticas de cuidado, dentre as quais incluo a docência.

D-Dimensões disse...

Totalmente OFF TOPIC: já ouviu falar de Gertrude Caton–Thompson? Liderou um grupo de arqueólogAs (todas mulheres), e fizeram descobertas fundamentais para a história do Zimbabwe (que até então os arqueólogos homens brancos juravam que as ruínas do império devia ser de alguma tribo branca perdida na áfrica. Afinal, negros construíndo grandes impérios? bah!)

Taís Albina disse...

Um outro ponto interessante a ser levantado sobre o assunto de contracepção é o de que homens não enfrentam problemas em requerer uma cirurgia de vasectomia.

Já as mulheres, consta na legislação que a laqueadura só pode ser feita em "mulheres acima de 25 anos e/ou com dois ou mais filhos". Cada município tem sua interpretação desse "e/ou". No nordeste e norte é comum que seja levado em consideração apenas o número de filhos, com médicos realizando as laqueaduras mesmo em mulheres de 17 anos que já tenham dois filhos.

Em Brasília, porém, nenhum médico concordou em fazer minha laqueadura. Tenho 27 anos e nenhum filho. Sempre que procuro um médico para pedir o procedimento eu ouço um discurso do tipo "E se seu marido quiser filhos mais tarde?".

Hugh =T disse...

Falta informações sobre contraceptivos masculinos. Eu não sabia, por exemplo. Usaria com muita satisfação!

Ms.Minna disse...
Este comentário foi removido pelo autor.