terça-feira, 7 de agosto de 2012

50 ANOS SEM MARILYN MONROE

Anteontem, dia 5 de agosto, fez cinquenta anos que Marilyn Monroe morreu. Eu li várias biografias dela, mas já tem vários anos, e não lembro direito. Só o básico: infância difícil, símbolo sexual, relacionamentos e carreira frustrantes, e uma morte precoce aos 36 anos pra lá de misteriosa.
Sempre gostei de Marilyn. Ela era uma ótima atriz e fez alguns grandes filmes, como A Malvada (tá, ela aparece pouco) e Quanto Mais Quente Melhor, dois clássicos que continuam maravilhosos, mesmo depois de tantas décadas. Sua cena com o vento do metrô levantando seu vestido em O Pecado Mora ao Lado é um dos momentos icônicos do cinema. Seu sorriso de boca aberta (que Shelley Winters diz que lhe ensinou) foi sua marca registrada. Seu corpo tipo violão hoje é descrito como gordo, o que eu considero uma piada.
Com sua beleza, inocência, e voz infantil, Marilyn fez enorme sucesso. Mas, como costuma acontecer com astros que ficam presos a um só papel, ela queria mais. Não se sentia bem sendo apenas uma deusa do sexo e atriz do que hoje talvez fossem vistas como comédias românticas. Ela desejava ser levada a sério, não ser pintada como loira burra. Queria um Oscar, e sabia que a academia raramente premia comediantes. Teve aulas no lendário Actor's Studio. Fez um filme dramático, Os Desajustados, com roteiro do seu então marido Arthur Miller, célebre dramaturgo e autor de obras-primas como A Morte do Caixeiro Viajante. Desajustados, o drama de 1961, parece amaldiçoado -– foi o último filme não só de Marilyn, como também de outros dois ícones, Clark Gable e Montgomery Clift.
As coisas mais recentes que vi e li sobre Marilyn foram três. Primeiro, vi o simpático Sete Dias com Marilyn (veja trailer) que rendeu a Michelle Williams, viúva de Heath Ledger, algo que sua personagem nunca conseguiu: uma indicação ao Oscar. O filme mostra um pouquinho do inferno que foi a viagem de Marilyn a Londres em 57, para filmar O Príncipe Encantado. Tinha tudo para ser um encontro eletrizante entre um grande sex symbol e um dos maiores atores de todos os tempos, Laurence Olivier. Mas Laurence, que era produtor, diretor e protagonista de Príncipe, odiou trabalhar com a estrela americana. Sete Dias faz parecer que o desncontentamento foi menos pelos atrasos constantes de Marilyn e mais por ela ter trazido sua treinadora particular de atuação.
Laurence, inglês, achava ridículo o “Método” de interpretação que prega que os atores devem vivenciar seus personagens. Em sua deliciosa autobiografia, ele escreve que acompanhou um dos rituais para elevar a autoestima de Marilyn. A treinadora dramática levava horas dizendo pra atriz, segundo Laurence: “Você é a maior mulher de nossos tempos, o maior ser humano de sua época; aliás, de qualquer época; não dá pra pensar em mais ninguém com a sua popularidade, nem mesmo Jesus".
A segunda coisa que vi sobre Marilyn foi um artigo na Vanity Fair de junho, assinado por Lawrence Schiller, que fotografou a estrela em duas ocasiões, inclusive em Something's Gotta Give, filme nunca terminado. Nem dá pra chamar Schiller ou o assistente de Sete Dias de oportunistas -– se você tivesse passado cinco minutos com a maior lenda do cinema, não escreveria um livro contando cada detalhe?
Schiller diz o que todos que conviveram com ela dizem: que nunca houve alguém que a câmera amava mais. Marilyn sabia perfeitamente quais eram seus melhores ângulos, suas melhores poses. Mas durante as filmagens de Something ela estava de mau humor, sentindo que o estúdio com quem tinha contrato (Fox) não a respeitava. Anos antes, quando ela havia feito Os Homens Preferem as Loiras, recebeu apenas 15 mil dólares, enquanto sua colega Jane Russell foi paga 200 mil. Quase uma década depois, Marilyn continuava ganhando menos que outras estrelas. Enquanto fazia Something, recebia 100 mil. Elizabeth Taylor fazia Cleopatra pelo salário de um milhão de dólares, uma nota preta em 62.
Foi por causa da atenção que o estúdio e a mídia davam a Elizabeth que Marilyn dedidiu ousar mais em Something. O roteiro dizia que ela deveria nadar numa piscina, se exibindo para Dean Martin, que a observaria de sua varanda. E que ela deveria aparentar estar nua. Para conseguir publicidade, Marilyn saiu nua de verdade da piscina. Algumas dessas fotos foram depois vendidas para a Playboy. Mas não adiantou. Havia um grande desgaste entre o estúdio e a estrela, que era campeã em falta de pontualidade. A Fox aproveitou que Marilyn havia viajado pra Washington, sem autorização, pra cantar a famosa Happy Birthday, Mr. President para seu amante John Kennedy (ano que vem fará meio século que ele foi assassinado; será um auê), e a despediu. Tolinho, o estúdio. Pense só quanta publicidade grátis gerou a voz sedutora da atriz desejando feliz aniversário pro JFK.
Schiller foi à casa de Marilyn um dia antes da morte dela, para fechar a venda das fotos do filme para a Playboy. Ela não tinha certeza se queria. De acordo com ele, a estrela disse: “Ainda é sobre nudez. É só pra isso que eu sirvo? Gostaria de mostrar que posso conseguir publicidade sem expor minha bunda ou ser demitida das filmagens”. Menos de 24 horas depois, ela estava morta.
Tudo indica que ela falou com Peter Lawford (ator e membro do Rat Pack e cunhado de JFK) pelo telefone na noite do dia 4 de agosto. Seu ex-marido Joe DiMaggio também havia ligado. E os boatos juravam que Bobby Kennedy, irmão do presidente (dizem que ambos estavam tendo um caso com ela), havia estado lá. Mas o fato é que ninguém sabe o que aconteceu, se foi a CIA que a matou como queima de arquivo, se foi suicídio, se foi uma overdose acidental com uma mistura de remédios. Creio mais nessa última hipótese. É só ver o bando de gente jovem que tem morrido dessa forma recentemente -– Heath Ledger, Michael Jackson, Amy Winehouse, Whitney Houston. 
A terceira coisa que vi sobre Marilyn foi o episódio nove da segunda temporada de Mad Men, excelente série sobre o mundo da propaganda em NY nos anos 60. Marilyn não é um personagem da série, mas durante alguns episódios os publicitários separaram todas as mulheres da América em Jackie (Kennedy) e Marilyn. E aí Marilyn, jovem, linda, bem-sucedida, desejada pelos homens e copiada pelas mulheres (o que Don fala de Ann Margret –- “todos os homens a querem, todas as mulheres querem ser ela”), aparece morta. É uma comoção geral no escritório. Quase todas as secretárias choram pelo triste destino da ídola.
Cinquenta anos depois, paramos de chorar. Mas Marilyn ainda representa um enigma que não conseguimos decifrar.
 

118 comentários:

La Mamacita disse...

Excelente post, Lola. Me lembro muito bem desse dia. Eu amaba a Marilyn e meus amigos tambem.Ficamos todos profundamente tristes. Até hoje acredito que foi morta por algum serviço de inteligência.La Mamacita

Allice disse...

Lola, te mandei uma matéria ótima -sobre uma candidata à presidência do Afeganistão-por email. Depois passo para ler esse post que parece estar ótimo, mas agora o dever me chama =(
Abraço.

Luma Perrete disse...

Já viu o seriado Smash? É bem legal. Conta a história de uma montagem de um musical sobre a vida da Marilyn. As músicas são ótimas, os atores são ótimos, o roteiro é ótimo (apesar das escorregadas). Recomendo.

Anônimo disse...

ai, lola, olha que me dá raiva! http://olimpiadas.uol.com.br/noticias/redacao/2012/08/07/homens-compensam-ciclo-feminino-fraco-e-ouro-de-zanetti-vira-trunfo-da-cbg-para-exaltar-gestao.htm#comentarios

Anônimo disse...

Norma Jeane era o nome dela, criada em lares substitutos e até mesmo há quem diga que passou por orfanato pq a mae dela sofria de sério disturbio mental. A curiosidade está em que tanto a mae de Marylin qto a mae de Elvis se chamavam Gladys.

(La Mamacita, que gusto encontrarte acá. Vuelva siempre, preciosa. Saludos desde muy lejos. Muito legal mesmo Lola trazer o assunto.)

No último inverno um dos meus projetos foi ver filmes de Marylin Monroe na sequência dos anos. E senti falta da Lola citar "Bus Stop" (ou citou mas eu nao sei o nome em português?). MM tinha uma grande dificuldade para manter o peso nos padroes de Hollywwod que sempre sempre pediu mulheres magras e várias foram anoréxicas como Catherine Hepburn e Audrey Hepburn, por exemplo. Bem, num dos filmes de MM ela está tao passada de peso que nem mesmo a cinta pra apertar-lhe a barriga escondia a protuberância. Ah meu comentário nao é pra dizer que ela estava gorda nos meus padroes, nos seus padroes, e sim nos padroes de Hollywod.

Agora uma curiosidade que talvez Lola desconheça. Truman Capote escreveu "Bonequinha de Luxo/Breakfast at Tiffany's" tendo em mente Marylin Monroe como protagonista. Hollywood escolheu Audrey Hepburn que deixou Truman Capote muito p. da vida pq Audrey era anoréxica e nao queria comer a guloseima de abertura do filme... a cena foi filmada tantas e tantas vezes pq ela relutava em comer o sonho (donut) e Truman Capote sabia que MM teria facilmente abocanhado a guloseima con mucho gusto! Sem dúvida alguma o filme ficou lindo com Audrey Hepburn, mas foi escrito para MM que nao teria deixado por menos.

Bem, La Lola Lolita Lolinha sempre surpreendendo o público leitor com o tema dos posts, hein?

Dayane disse...

Olha, falem o que quiser, mas eu acho a Mrilyn um grande exemplo do que representa sensualidade!Ela era muito sexy,muito sensual e isso era algo nela mesma, não forçado. Ela era muito melancólica tbm ,muito profunda, pena que esse lado poucos conhecem.
Linda, Diva eterna!

Anônimo disse...

Bem, Dayane, eu nunca li matéria alguma que fosse exclusivamente botando MM pra baixo e já li tantas matérias! Sempre falam algo de muito bom dela, porém há que ser realista pq ela tb nao era fácil de se lidar, como diriam uns nao era flor que se cheira... deixava a quipe de filmagem horas e horas a esperá-la pq ela vivia chegando atrasada e muitas vezes chegava em condiçoes que nao lhe permitiam filmar, ora sonada, ora meio passada... era volúvel nos seus casos amorosos, pq vvia como que buscando em cada parceiro o pai idealizado que ela nunca teve e comentar isso nao é degrenir-lhe a imagem, mas ponha-se no lugar do homem que estava apaixonado por ela e imagine a dor e todos a amaram profundamente e um deles passou a vida levando flores ao túmulo a cada niver da morte dela. Homens que a amaram e que ela os deixou diziam que ela buscava muito mais um amor-proteçao do que um amor-sensual que ela chegava a ser inocência.

Linda, meiga, sexy, talentosa, fico imaginando um filme com MM, BB, Rita Hayworth, Marlene Dietrich... se tivesse sido possível juntar essas quatro feras sexuais e talentosas teria estourado as telas dos cinemas mundo a fora. E toda figura pública, como todo ser humano, tb tem seu lado menos digamos a ser admirado e até mesmo a ser condenado. Somos todos fruto de um pecado buscando a luz do amor, por assim dizer.

(agora sinto que devo esclarecer quase tudo que escrevo pq nunca sei qdo alguém vai buscar pêlo em ovo entao lá vai: fruto de um pecado é uma alusao a Adao e Lilith, depois a Adao e Eva... uma viagem literária da minha mente)

Letícia Rodrigues disse...

"Para conseguir publicidade, Marilyn saiu nua de verdade da piscina. Algumas dessas fotos foram depois vendidas para a Playboy."

"Schiller foi à casa de Marilyn um dia antes da morte dela, para fechar a venda das fotos do filme para a Playboy. Ela não tinha certeza se queria. De acordo com ele, a estrela disse: “Ainda é sobre nudez. É só pra isso que eu sirvo? Gostaria de mostrar que posso conseguir publicidade sem expor minha bunda ou ser demitida das filmagens”.

Era a própria Marilyn quem se vendia como simbolo sexual. Fez isso até o final da carreira. Era meio incoerente ela se ressentir do rótulo.

Olha, não estou defendendo uma tese aqui, só jogando um pouco de lenha na fogueira:

Será que uma sociedade que não fosse machista teria transformado Marilyn em ícone?

Anônimo disse...

Anon das 11:57 nao sei a que se refere sua raiva, mas o assunto do tal link é pro post de ontem, OK? no post de hoje é pra se falar de amor e afins. -- pode postar seu comentário no post de até mais de ano passado que Lola lê publica... lo-la-le... rs...

maisfazer disse...

Excelente texto, mas eu não tenho tanta empatia com a Marilyn. Infelizmente ela cavou a própria cova e depois não soube mais sair do buraco que havia cavado. Morro de pena das meninas que sonham em ser Marilyn, uma mulher linda, talentosa, mas que sofreu muitíssimo.

Anônimo disse...

Será que uma sociedade que não fosse machista teria transformado Marilyn em ícone?
7 de agosto de 2012 12:38

e existiu alguma sociedade nao machista???

Anônimo disse...

maisfazer disse...
Excelente texto, mas eu não tenho tanta empatia com a Marilyn. . . . Morro de pena das meninas que sonham em ser Marilyn, uma mulher linda, talentosa, mas que sofreu muitíssimo.
7 de agosto de 2012 12:49

EMPATIA é como que misericória, a mais nobre qualidade da qual todo ser humano pode ser portador (ou sentimento se vc preferir no lugar de qualidade). O mundo sempre esteve cheio de MM e umas poucas chegaram ao estrelato e fama; mas isso nao desqualifica as milhares de MM desconhecidas, algo como que num romance de Clarice Lispector.

Anônimo disse...

Eu simplesmente não consigo acreditar q no aniversário da lei Maria da Penha eu chego aqui e tem uma publicação em homenagem ao aniversário de morte de uma celebridade rica norte-americana ícone de um padrão de beleza igualmente norte-americano, e que é também comercial e excludente, q se mantem parcialmente vigente nos dias atuais. "Os Homens Preferem as Loiras"... minha nossa

lola aronovich disse...

Anônima das 13:10, volte amanhã que talvez haja um post mais do seu agrado. Eu ia publicar um post sobre a Marilyn (acho importante falar dos 50 anos da morte de um ícone de cinema, e talvez do maior símbolo sexual que já existiu) ontem, mas acabei de escrever muito tarde, 11 da noite, e só consegui ilustrá-lo hoje. E não há dúvida que a beleza de MM não foi representativa. Mas é interessante discutir sobre a vida de MM, seus conflitos entre ser celebrada por ser sexy e fazer papel de burra e, ao mesmo tempo, e sua insatisfação de um papel que ela nunca conseguiu largar. A recepção ao mito MM é um tema bem rico.
Sobre a Lei Maria da Penha, que considero uma conquista importantíssima pras brasileiras, um ótimo presente. Talvez eu escreva sobre a Lei usando como novidade essa nova conquista. Mas falta tempo...

Anônimo disse...

Minha sugestao ao Anônimo disse... em 7 de agosto de 2012 13:10

Inspire fundo.
Expire vagarosamente.
1-2-3 vezes no mínimo podendo chegar a 10. Mais do que 10 é exagero como foi o exagero de seu comentário, mas a gente toma em conta sua revolta que poderá ser aliviada se compartilhada qdo vc escrever um post sobre o niver da Lei Maria da Penha. Um texto bem bacana pra Lola publicar como Guest Post. E tome em conta que centenas e até mesmo milhares de mulheres vitimas e vitimizadas pelo que a Lei Maria da Penha condena, bem tb eram ou foram mulheres loiras, tingidas como MM, e americanas por terem nascido na América... do Sul.

Agora, comece seu texto que poderá vir a ser um Guest Post sobre o Niver da Lei Maria da Penha e nem precisa mencionar MM pra validar a importância Maria da Penha.

Anônimo disse...

Mulheres comportadas raramente fazem história. Marilyn Monroe

Anônimo disse...

bem, a notícia é de hoje, se eu postasse no post de ontem talvez vc não tivesse visto. e, sinceramente, é ridículo dizer que OS HOMENS compensaram as mulheres na ginástica brasileira. O HOMEM chama-se Zanetti, tá?

Quanto à Marilyn, tenho empatia por ela (a moça rica símbolo sexual que talvez não fosse tão popular se não vivêssemos numa sociedade machista). Acho legal que a Lola fale sobre ela (e tenho certeza de que em algum momento Lola vai falar sobre a Lei Maria da Penha). Não foi a Marilyn quem disse que garotas bem comportadas raramente fazem história? Nós feministas somos que tipo de garota? Deixei um link de outro texto que li sobre ela: http://subvertidas.blogspot.com.br/2012/06/marilyn-monroe-obscenamente-humana.html.

Dayane disse...

Gente, a verdade é que hoje faltou um post especial:

Hoje é meu aniversário =)

Dayane disse...

Sim sim anônimo, não estou falando que colocavam ela pra baixo. Falei esse "Falem o que quiser" por medo de tbm caçarem pelo em ovo no meu comentário,rs.

Anônimo disse...

ô, Lola, publica meu comment aí, vai. pode tirar o link pro outro post sobre a marilyn...

André disse...

Prefiro a Louise Brooks.

Anônimo disse...

valeu, Lola! :)

Anônimo disse...

Seja lá como for que pensem negativamente sobre MM...

... o post é um token especial pelos 50 anos da morte dela;

... o post aborda a excelente e controversial (controversa?) atriz que ela foi;

... o post aborda o envolvimento amoroso dela com o então Presidente dos EUA e quiçá tb envolvimento com o irmão dele, Attorney General na época;

... o post aborda conflitos que ela viveu aliados à morte trágica, suspeita, prematura, qdo esperava-se o melhor ainda estava por vir.

Enfim é um post em respeito à imagem e a lembraça de Marylin Monroe. Não é um post a mais pra causar polêmia e picuinha. É um post humano que fala do fundo do coração.

Por que tudo qto é assunto tem que dar em barulho neste espaço? Não sabem distinguir um post que busca angariar simpatizantes a uma causa de um post que é apenas e unicamente uma homenagem póstuma, pensem o que pensarem da pessoa homenageada?

É assim difícil respeitar ao menos vez ou outra a opinião que a dona do blog tem de um assunto do qual muitas até podem discordar? Aqui não faltam aquelas que sempre --por tudo e por nada-- dão pedradas.

Letícia Rodrigues disse...

"Com sua beleza, inocência, e voz infantil, Marilyn fez enorme sucesso."

"Mulheres bem comportadas não fazem história."

Mas a Marilyn era bem comportada. Fazia direitinho o papel que se esperava dela. A sociedade sempre precisou cultuar mocinhas virgens, rainhas do lar e, do outro lado da moeda, mulheres-objeto.

Sim, pq isso de ser bonita e, ao mesmo tempo, inocente e infantil, tem um pouco de se oferecer como mulher facilmente manipulável.

O ícone MM não é transgressor, na minha opinião, é conservador.

Anônimo disse...

ah, Dayane, vc tem razão, a gente precisa se precaver com a possibilidade de quem busca pêlo em casca de ovo, na clara do ovo, na gema do ovo e então a gente se estende na explicação, no esclarecimento, até mesmo dá uma de telepata tentando adivinhar o que vão pensar e já vão escrever aqui. -- E Daya, Feliz Niver !!! O post foi especial tb pelo seu niver!

Anônimo disse...

qdo eu era adolescente, eu morria de preconceito com a mm. até que vi aquelas fotos riscadas do bert stern e aquilo me bateu meio forte. tudo muito particular meu, mas tocou alguma coisa em mim. fui saber mais da mm.

achei super ousada por ter cantado "happy birthday" do jeito que cantou e, ao mesmo tempo, tão ingênua. ousada pq isso certamente faria com que ela tivesse problemas, mas ingênua pq foi meio que atestado de second best. se ela era tão sozinha, na sociedade em que vivia, fazer o que ela fez trouxe mais solidão. mas, de qualquer forma, era ela e ela não saberia fazer diferente.

e ela sabia do efeito que sua imagem tinha nos outros (homens e mulheres). ela não era burra. e era ávida leitora...

passei a ver a mm com uma melancolia... aquele furacão melancólico. de vez em qdo, soltava uma dessas: http://25.media.tumblr.com/tumblr_m5mbrf7Xzr1qaz03oo1_1280.jpg (imagem do livro de coisas que ela escreveu)

acho que o melhor retrato que fizeram dela foi feito pelo truman capote, "a beautiful child"(http://www.people.com/people/archive/article/0,,20077726,00.html), que eu amo de paixão e já chorei muito lendo e relendo.

o que eu sinto é que era como se ela soubesse que ela tinha ultrapassado certas barreiras e não podia mais voltar. dava inveja na mulherada e atraía os homens. não era uma santinha pra chegar a ser primeira dama, mas era a mulher preferida.

enfim, capote falou melhor.

Anônimo disse...

Daya-ne te dou um presente pelo seu niver. Busque o filme "Os Vickings", com Kirk Douglas e Tony Curtis e o deus mitológico Odin, que eu sei vc aprecia mitologia. Repare na cena de vida ou morte para uns e machismo para outras qdo Morgana, a mocinha do filme, diz que não pode continuar remando o barco e o escravo (Tony Curtis) que a está salvando rasga-lhe as costa do vestido para que ela então possa respirar à vontade e continuar remando como todos o fazem no barco.

Anônimo disse...

Anonimo 12H00
A Audrey Hepburn nunca foi anoréxica e também nunca esteve dentro dos padrões, era magricela tinha olhos grandes e não tinha curvas, inclusive parte da importância que ela tem hoje em ida, é por ter sido uma sobrevivente aos padrões hollywoodianos.

Monique disse...

Ah,tava esperando um post seu sobre ela.Ler meus pensamentos hein.Já é o segundo contando com o livro dos cinquenta tons de cinza.

B. de Campos disse...

Lolíssima, eu creio que ela tenha sido morta mesmo. É que tem muitas "evidências"... Inclusive ameaças aos amigos que quiseram investigar as circunstâncias da morte dela e o fato de terem colocado medicamentos no corpo dela por outras vias, sem ser a oral.

Mistérios que jamais poderemos confirmar...

Grande Marilyn! :)


Beijos!

Anônimo disse...

Lola, para um momento relax, qdo vc dispuser de tempo, "Mysterious China - Secrets of the Silk Road"
http://www.youtube.com/watch?v=TAhaIX2dM_Y&feature=related

=======
Anônimo disse...
Anonimo 12H00
A Audrey Hepburn nunca foi anoréxica 7 de agosto de 2012

>>> Não vou desvirtuar o assunto de que trata o post por conta de anorexia, mas da próxima vez qdo pintar o assunto anorexia aqui vc vai saber da anorexia da atriz em pauta e tb vou citar filmes dela pra vc ver a que ponto extremo e extremado chegou a magreza forçada dela. E, agora, nos deleitemos imaginando as curvas de MM que tanto penava para manter-se magra.

Dayane disse...

Obrigada pelos parabéns, Anônimos ^^!

Sim,buscarei pelo filme!

Olha,eu admiro mulheres que cm a Mrilyn não ficam querendo provar nada a ninguém, sabe? Por ex, tem uma cantora que gosto muito que é de uma banda de Metal, se chama Cristina Sccabia.Ela é linda e MUITO sexy! Questionaram ela sobre essa "sua imagem feminina de mais para o metal" e ela disse que ela era o que era. Disse "Sou uma mulher e me orgulho disso". Não estou dizendo que todas as mulheres TEM que ser delicadas,sexyes e etc, mas me incomoda muito esse "enbrutecimento" que estamos tomando para provar que não somos submissas ou frágeis, ou muitas que são vaidosas deixando de usar o que gostam para provar que não são escravas do machismo.Creio que claro, com consci~encia e questionamento, temos que ser quem somos.
Esatava lendo esses dias sobre algo que não conhecia, que se chama Cis. Não sei exatamente se é isso, mas entendi que é a pessoa que se sente bem no seu p´roprio gênero. Não vejo mal em mulheres mais delicadas e em homens mais brutos (na verdade, eu até gosto *.*). Acho que a coisa é muito mais por dentro e não por fora =).

Não tem muito a ver com o post, só pensei sobre isso.

Dayane disse...

Essa é a Sccabia http://userserve-ak.last.fm/serve/_/27505687/Cristina+Scabbia+cristina.jpg

E quero muito uma sandália igual *.*

Anônimo disse...

"mas me incomoda muito esse "enbrutecimento" que estamos tomando para provar que não somos submissas ou frágeis"

mas quem disse que é para provar algo pra alguém? e o que é ser bruta? não depilar as axilas simplesmente porque ela não quer entraria nessa categoria de "embrutecimento"? ou ser musculosa? ou não esperar o príncipe encantado?

cuidado que esse "embrutecimento" pode ter muita coisa embutida nele.

Sara disse...

Prefiro a Louise Brooks.[2]

Me too rrrsss

Anônimo disse...

Daya-ne, uma das cenas do filme a que me referi vemos o machismo exacerbado qdo KirkDouglas vai em busca de TonyCurtis para matá-lo, pois a mulher que ele ama não o ama. E antes de partir ao encalço de TC, KD diz pra moça que se ele não pode ter o amor dela então terá o ódio. Tal e qual sempre para sempre.

Anônimo disse...

eitcha eitcha eitcha não depilar as axilas é um costume europeu ainda praticado em vários países... Sofia Loren mesmo pode ser vista no começo da carreira com as axilas peludas.

Dayane disse...

Não Anônimo, isso td vc mesma deduziu, sorry. Cm vc disse "embrutecimento" pode ter muita coisa embutida.

Quis dizer na modo como muitas mulheres tentam fazer uma imagem do que não são, repito, ESTAS SENDO mais delicadas naturalmente, tendo que se moldar a um comportamento para provar que também são capazes.
Ex disso são mulheres que tem cargos altos e todos cobram, que ela seja "mão de ferro", associando competência com falta de tato.
Isso tudo que vc falou nem passou pela minha cabeça!

Dayane disse...

Sobre isso das axilas (não sei pq as pessoas estão superestimando tanto o fato da mulher depilar ou não, mas ok) isso realmente é um costume mais latino,pelo que entendo. Lembro-me que em Lolita uma das cenas o cara fica fascinado pela penugem ruiva nas axilas de uma garota.Isso é muito cultural. Assim cm em lugares da África o seio não tem essa conotação erótica que temos aqui.

Anônimo disse...

Ontem fui de compras com meu marido. Ele sabia que eu queria comprar frutas e nem pegou o carrinho do supermercado e qdo eu comentei ele disse que estava com a sacola... então tá e me diga lá desde qdo a gente compra unicamente o que pensou em comprar? Não deu outra, seria muito bom se tivéssemos o carrinho e qdo eu falei, ele fechou a cara não gostando e eu estrilei, sabe? Deixei claro que ele não é meu patrão e muito pelo contrário... e ele já pegou o fio da meada, sorriu e ficou manero. Pagou a conta tb.

Anônimo disse...

"Isso tudo que vc falou nem passou pela minha cabeça!"

uma vez vi na TV uma mesa redonda com várias mulheres mais o autor do livro cujo título não me lembro e na conversa cada mulher foi dando sua interpretação e o autor ficava espantado... rs... finalmente ele disse que nada daquilo havia passado pela cabeça dele ao compor o enredo e escrever o livro, mas achava interessante a maneira como cada leitora estava interpretando o que ele escreveu...

Anônimo disse...

dayane, não deduzi. eu fiz uma pergunta e citei exemplos. releia.

Anônimo disse...

"ESTAS SENDO mais delicadas naturalmente"

mais uma pergunta, dayene. o que é ser delicada? pior ainda "naturalmente"?

Anônimo disse...

anon das 18:19 - isso aconteceu uma vez com a interpretação de um texto de um autor pro vestibular, se não me engano.

mas, novamente, é só reler meu comentário que tem uma pergunta no início. a partir da resposta é que se pode ter a base pra discussão.

meu medo é desses conceitos de "naturalmente", "delicada", "embrutecimento"...

Erres Errantes disse...

Não conheço a Marilyn como atriz, nunca vi nenhum filme dela. Mas não gosto da sua trajetória de vida nem doícone que virou. De fato, não tendo a simpatizar com mulheres que ganharam a via expondo o corpo e tendo casos com políticos calhordas.

Anônimo disse...

oops, há um bocado de horas enviei um comentário no post errado e pensei que Lola tivesse bloqueado, mas fiquei na minha, sem cobrança... qdo agora leio o comment lá em outro post que nada tem a ver com o que comentei... reproduzo aqui:

"Louise Brooks... da época do cinema mundo, que quase ninguém conhece, que graças a www.en.wikipedia.org agora sei quem foi... e nem loira era... rs..." -- isso foi pro engraçadinho que disse que prefere Louise Brooks a Marylin Monroe, ao menos se fosse Brigitte Bardot a gente até poderia compreender... rs...

Sara disse...

Anonimo nem sou tão engraçadinha assim ok, mas como DIVA do cinema prefiro a Louise Brooks, e pelo jeito não sou só eu o Andre tb prefere, por ela ter sido uma mulher bem adiante do seu tempo.
Nesse link vc pode saber mais sobre ela, tem até algumas cenas em q ela aparece, alem de lindissima tinha muita personalidade.

http://mortas.wordpress.com/2012/04/05/louise-brooks-a-mulher-que-os-homens-nao-conseguiram-derrotar/

Anônimo disse...

Erres Errantes, o post é uma homenagem pelo niver de morte de uma atriz que comoveu o mundo e ainda comove. Dá pra tomar em conta? Se nao tem algo bom a acrescentar, deixe pra comentar em outro post ou submeta um Guest Post sobre o que vc pensa de mulheres como MM, mas hoje... HOJE NAUM.... digo ao post de hoje nem mesmo amanha.

Anônimo disse...

Marilyn on Marilyn - 2001 (RARE Marilyn Monroe Docu)
http://www.youtube.com/watch?v=kL6cnt-dhuk&feature=related

Anônimo disse...

OK, Sara, pelo que li LB foi grandemente reconhecida. Mas vamos ficar com MM por hoje?

Debora disse...

Lola, olha que notícia interessante:
http://br.noticias.yahoo.com/inss-homens-pagar%C3%A3o-custos-agress%C3%A3o-mulheres-142726223.html

Anônimo disse...

Brigitte Bardot about Marilyn Monroe
http://www.youtube.com/watch?v=vMjIML6KjwQ&playnext=1&list=PL4A4588BF3A03BF21&feature=results_video

Anônimo disse...

Lola, comovente BB se referindo a MM... BB dizendo assim tao naturalmente que se sentia inferior a MM... e o único encontro das duas foi num lavabo retocando a maquiagem para se apresentarem diante da Rainha Elizabeth !!

The Other Side of Marylin Monroe
http://www.youtube.com/watch?v=h2IaEFKC7uE&playnext=1&list=PL4A4588BF3A03BF21&feature=results_video

Anônimo disse...

Lola querida


Me emocionei ao ler sobre Marilyn, adoro ler tudo sobre ela e sempre fica aquele pensamento de quão triste foi sua vida, morrer aos 36 anos, com tudo pela frente.
É de se fazer pensar por que uma mulher que estava mais do que dentro dos padrões, mas sendo ela o próprio padrão não só de beleza, mas do que a sociedade da época (e de hoje tbém) pregava como modelo: bela, rica, desejada, e não era feliz.
Nunca li nada sobre a Marilyn dizendo que ela fosse feliz.

Deixo um minuto de silêncio e reflexão pela vida que essa mulher não pode desfrutar.
(e uma oração também)

Bjos Lola

lola aronovich disse...

Gente, nunca tinha ouvido falar que a Audrey Hepburn era anoréxica. Mas também nunca li uma biografia dela. Sobre a Louise Brooks, eu escrevi um paper sobre ela durante o doutorado. Quem sabe eu tente resumi-lo pra cá (e traduzi-lo, porque tá em inglês).


Pois é, não acho de jeito nenhum que MM represente algo pro feminismo. Ela não foi um modelo de transgressão. Mas eu empatizo com sua persona, e gosto dela como atriz.
Desculpe, gente, correndo aqui.

Sara disse...

Que legal Lola vou aguardar até vc poder fazer esse post sobre a Louise Brooks, gosto muito de tudo que soube sobre ela , gostaria de conhecer sua visão sobre a vida e o trabalho dela.

carolinapaiva disse...

Dayane

Também gosto muito da Cristina Scabbia ^^

Sobre o "embrutecimento", não sei se entendi (na net ser mal interpretado é bem fácil :P), mas vou opinar.
O entendimento geral sobre o universo feminino é que somos fúteis, consumistas, maternais, delicadas, vaidosas e infantis (como em sex and the city ou meninas malvadas).
Uma vez, conversando com uma amiga, ela me disse: nunca brinquei de boneca e sempre odiei rosa, nunca fui fútil assim.
Eu me pergunto, brincar de boneca e gostar de rosa são coisas de gente fútil? Por que esse juízo de valor? E por que o que é considerado fútil é normalmente relacionado com feminilidade?
É por esses detalhes que dá pra sacar que vivemos em uma sociedade machista, pois somos ensinadas a achar que interesses femininos são sempre menos importantes do que os masculinos; que são coisa de cabeça de vento, alienadas, etc.
Como fazer com que meninas se orgulhem de si mesmas assim? Mudar o conceito de feminino e de masculino.
Quem disse que homens não podem ser carinhosos e delicados, ou que mulheres não podem ser fortes e inteligentes?

Anônimo disse...

Lola, saber da anorexia da Audrey Hepburn somente pra quem fuça muito e acaba dando com o assunto. Primeiro eu descobri através de Breakfast at Tiffany's e o que comentei sobre o autor, Truman Capote, p. da vida com a troca de atriz no papel em particular pela trabalhaeira que foi filmar a cena da guloseima pq AH se recusava a comer. Depois pesquisei até dar com um filme onde Audrey é praticamente pele e osso... num papel de uma moça rica que usava somente roupa de deixar a gente embasbacada e creio que até os vários biquinis que ela usou foram de algum costureiro famoso de Paris, da época. Dior? Paco Rabanne?

Em Hollywood sempre rolou anorexia, mas naqueles tempos a mídia tinha controle sobre o que queria que o povo lesse. E nem creio que naquele tempo o termo anorexia era usado. A justificava sempre dada para a magreza excessiva de Audrey Hepburn foi sobre a adolescência dela e a Segunda Guerra Mundial qdo ela levava comida aas escondidas para os judeus perseguidos, etc. etc. Hoje atrizes que já foram famosas e ainda marcam presença comentam como era difícil para aos 15 anos já terem de ser magras, fazerem regime pra pesar menos de 50 quilos fosse lá a altura que fosse... Sandra Dee foi outra que ficou anoréxica por conta da exigência de Hollywood.

Infelizmente há quem tome como que a gente dizer que uma mulher linda, de sucesso, admirada e bondosa tenha sido anoréxica é como a gente estar denegrindo a imagem da pessoa... interpretaçao é algo profundamente subjetivo na maioria das vezes. Uma parente da minha família paterna, amiga do Jair Rodrigues e todos os cantores da época, teve uma perna na capa de um disco LP, trabalhava em agência de publicidade, morreu pele e osso pq parou de comer dizem que do nada. De repente nao comia mais e foi se definhando e médico nenhum em Sampa City sabia o que fazer e hoje sabemos que ela ficou anoréxica.

Da outra atriz, assunto de seu doutorado, qdo fui procurar saber quem foi ela, me lembrei que sim, que já a tinha visto há uns anos depois qdo fui a uma cabelereira americana e pedi o corte Channel e nos EUA ninguém sabe que corte de cabelo é esse... qdo a ex do Tom Cruise apareceu com aquele Channel lindo e eu soube o nome que dá nos EUA fui fuçar na moda americana dos anos de Coco Channel e dei com o cabelo de Louise Brooks e hoje reli que ela lançou o estilo nos EUA.

Nem preciso dizer o quao achei feliz sua ideia sobre o post de hoje.

Anônimo disse...

Eu nunca me amarrei na cor rosa, mas sempre gostei de boneca e se nao brinquei mais foi pq nao tive mais bonecas, mas até hoje sou ligada em boneca e qdo sei de alguma criança carente que sonha em ter bonecas, vou fundo a presentear.

Anônimo disse...

Lola, minha admiraçao está em que vc, feminista, sabe que MM nao representa nada para o feminismo e ainda assim encontra em que admirá-la e expoe sua admiraçao. Ser feminista é ser livre de amarras socias, entao vc é realmente feminista.. livre pra gostar do que quiser e nao esconder o gosto mesmo a risco de críticas feministas. Nao, nao concordo com tudo, mas te admiro de monte, montón, montanha.

Anônimo disse...

Pra vcs que curtem Cristina Scabbia em entrevista de cara lavada fala sobre moda, maquiagem e afins.
http://www.youtube.com/watch?v=EKlcIpGGwkU

Rachara Caxola disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Marilyn Monroe - Do I Feel Happy In Life?
http://www.youtube.com/watch?v=fgBEI_VPjuw&feature=related

Dayane disse...

Ok,desculpe então se não entendi que era uma pergunta. Mas bem, não foi mesmo isso que eu quis dizer.

Acho que a Carolina resumiu bastante o que eu quis expressar: atitudes culturalmente femininas são vistas cm algo errado e pejorativo. Vc nunca ouve falar "Fulano liderou com mão de ferro" ,mas ouve "Fulana liderou com mão de ferro", cm se se ela fosse uma pessoa mais afável, fosse fraca.
E tbm penso isso, que nós desprezamos características ditas femininas. Pq? Acho que o machismo tbm está nisso: Fomos ensinadas que amor, compressnão empatia são menos fortes que liderança, vigor, atitude. São características tão boas quanto!
Quando a "ser delicada naturalmente", há homens que são delicados naturalmente, que pensam para falar, falam de forma suave, tratam pessoas com carinho. São pessoas mais ternas, mais voltadas aoi sentimento.É isso que quero dizer. A Scabbia mesmo (vou ver o vídeo *.*) não é dlicada, é forte, direta e mesmo assim é um mulherão!
Não digo que há uma forma correta de ser homem ou mulher, mas tbm não acho que se vc se sente bem estando dentro de um padrão cultural (ou não), tenha que mudar para não parecer "menos crítico".

Laurinha (Mulher modernex) disse...

A figura da Marilyn é muito interessante, principalmente em suas contradições. Acho que ela também chama muito a atenção porque ela tinha tudo o que muitas pessoas buscavam e ainda buscam, beleza, fama e dinheiro, e mesmo assim não conseguia ser feliz. É algo a se pensar.
Assisti uma biografia dela com a Ashley Judd e em certos momentos ela é colocada como alguém superficial, egoísta, capaz de qualquer coisa pra subir na vida, em outros momentos é colocada como alguém sensível, que era desrespeitada desde a adolescência e continuou sendo mesmo depois de famosa e aclamada, foi abusada sexualmente por quem deveria ter cuidado dela, trauma que nunca superou.

Dayane disse...

Sim e o que mais curto na Scabbia é que ela se produz e tal,mas ela aparece sem um pingo de maquiagem não mente idade, não finge ser o que não é. Tanto que, essa catogoria mais Gothic Metal tem aquela coisa de "A Bela e a fera", uma mulher linda, doce com aparência frágil, um espartilho apertadíssimo, botas com saltos enormes cantando com voz de anjo enquanto um cara cabeludo pula, grita, canta com força. Já ela não.Em seus shows,ela está sempre de coturno, calça, camisetas, cabelo solto e natural, pula,grita,interage.Não é passiva.
No rock 'n roll há muito machismo tbm, sobretudo no Gothic Metal.
Alguém aqui conhece a Angela Grossow?Ela é d euma banda chamada Arch Enemy. A história dela entrando na banda é de mais:
Eles estavam fazendo um concurso para o novo vocal gutural da banda (aqueles que cantam wooooooooorrrrrrrrrrrrrrrrr!).Ela era josrnalista e estava fazendo a cobertura do evento. Mas ela perguntou se podia tentar. OBVIAMENTE, quando viram aquela loirinha de olhos azuis todos cairam na gargalhada!Mas olhem o resultado:
http://www.youtube.com/watch?v=7KDrqC6NjNQ&feature=related

Dayane disse...

Mas não acho que isso desmereça uma mulher que seja mais assim
http://www.youtube.com/watch?v=2oP2v05JqXU

É questão de perfil,personalidade. Ter uma postura mais agressiva cm a Angela não combinaria com a Liv cristine, e vice e versa, pq elas tem personalidades diferentes.

Dayane disse...

Ah,e faltou um vídeo da Cristina =P
http://www.youtube.com/watch?v=CqwH_3waNgg

Pandora disse...

Post lindo, reflexivo e informativo ao mesmo tempo!!!

E sinceramente aqui se combate diariamente a violência contra mulher e se problematiza a respeito disso, não vejo necessidade de cobrar que a Lola faça em um dia especial o que ela já faz o ano inteiro!!!

Anônimo disse...

Carmen MIranda nasceu em Portugal, cresceu no Brasil, fez sua fama nos EUA.

Anônimo disse...

O post é em homenagem a Marylin Monroe com suas qualidades e seus defeitos. É um minuto de silêncio; é acender um incenso; é fazer o que for desde que em homenagem ao que o post propoe. Nao é um post comparando atrizes. É um post homenageando uma atriz. Marylin Monroe ou MM

Anônimo disse...

Pandora, tem gente que quer a santa polêmica diariamente no espaço aqui. E qdo se dao com algo light e até mesmo brejeiro, nao aceitam pq querem o sensacionalismo de "O Homem do Sapato Branco".

Anônimo disse...

Em 1946, Carmen era a artista mais bem paga de Hollywood e a mulher que mais pagava imposto de renda nos EUA. Em 17 de março de 1947 casou-se com o americano David Sebastian, nascido em Detroit a 23 de novembro de 1908. Antes, Carmen namorou vários astros de Hollywood . . . manteve caso com os atores John Wayne e Dana Andrews."

Fez 17 filmes nos EUA, onde faleceu. E foi muito crticada no Brasil qdo brasileiros a acusavam de estar americanizada... esse despeito assim que vcs já sabem, como de praxe... Hoje, nos EUA, Carmen Miranda é desconhecida. Marylin Monroe ainda atravessa fronteiras. Taí

Erres Errantes disse...

Ao anônimo do dia 7, às 19:59, que se ofendeu com o que eu disse sobre a Marilyn:

Esse blog é moderado pela Lola e, se ela deixou meu comentário passar, é porque ela o considerou pertinente, e porque ela é uma pessoa democrática, que admite opiniões divergentes.

Filtrar o que merece ou não aparecer na caixa de comentários é uma atribuição da dona do blog, e só dela, ok? Obrigada.

Joel Pinheiro disse...

A escritora e filósofa Ayn Rand (não muito admirada pelas feministas em geral) fez um belo artigo sobre a morte de Marylin Monroe. Vale a pena ler.

http://capitalismmagazine.com/2003/07/marilyn-monroe-through-your-most-grievous-fault/

Erres Errantes disse...

Dayane,

Amo heavy metal, mas devo confessar que não curto a estética das bandas de gothic metal. As vocalistas posam como princesinhas do metal, devido a postura e ao vocal doce. E como há muito machismo no metal, muitas vocalistas só são conhecidas por estar no padrão de beleza: branquíssimas, jovens, magras. Infelizmente, o metal é machista assim como o restante do mundo...
A Angela Grossow faz um estilo diferente, a banda tem ótimas letras, inclusive escritas pela própria Angela, mas tbm não faz meu estilo.
Mulher cantando metal, prefiro isso aqui:

http://www.youtube.com/watch?v=sA-2osm0ZBM&feature=fvwrel


Ou mesmo isso aqui:

http://www.youtube.com/watch?v=sx7gRhGgsgU


Abraço!

Dayane disse...

Sim Erres, isso é realmente uma bosta!
Eu gosto muito de Gothic Metal, mas é bem nítido cm as garotas são escolhidas a dedo apenas para fazer uma imagem a banda. A p´ropria Cristina que eu adoro, não ouvia Metal, era cantora de Dance!A Simone Simons do Epica era cantora de musicais e parece que tinha uma banda de jazz, mas ao entrar no Metal mudou totalmente o visual. Isso é chato, pq a mulher, mesmo que seja avocalista, SEMPRE É o enfeite da banda!

Dayane disse...

Ei Erres, conhece o Flowing Tears? A vocalista da banda era A dona da banda! E a voz dela é muito diferente dessas cantoras de Gothic, é grave, soturna:
http://www.youtube.com/watch?v=7Q6hhPJJUsM&feature=related

E gostei dessas bandas que postou, não conhecia!

Anônimo disse...

Erres Errantes disse...
Filtrar o que merece ou não aparecer na caixa de comentários é uma atribuição da dona do blog, e só dela, ok? Obrigada.
8 de agosto de 2012 13:07

ai que mimimi fora de hora!!! nem me ocorreu que Lola interceptaria seu comentário, Errantes.

Mariposa de Guadalupe disse...

Que post inesperado, Lola. :) Achei muito legal você escrever sobre ela, sempre achei que algumas feministas a veriam como uma espécie de figura anti-feminista pelo exagerado uso da sua imagem. Mas como você disse, ela era uma ótima atriz e eu acho que ela sofreu muito com a comercialização da sua imagem. Não diria que ela foi vítima da própria imagem, mas acho que ela chegou perto disso. É legal falar também que ela teve sua própria produtora de cinema, o que a torna uma empreendedora numa época de tubarões do cinema, para uma mulher da época isso é enorme.

Anônimo disse...

Joel Pinheiro, valeu o link! Ayn Rand trabalhando maravilhoasamente bem com as palavras de forma clara e objetiva. Os intelectuais russos sempre tiveram maestria para botar as palavras no papel.

"I don’t understand why people aren’t a little more generous with each other. I don’t like to say this, but I’m afraid there is a lot of envy in this business.” --Marylin Monroe

"Eu nao compreendo pq as pessoas nao sao um pouco mais generosas umas com as outras. Eu nao gosto de dizer isso, mas receio que haja muita inveja nesse negócio [no cinema]." --Marylin Monroe

MM sincera, como sempre e em todas as entrevistas, e ainda delicada e meiga até para se referir aos que iam contra ela! A cada vez a gente descobre 'um mais' pra gostar da MM.

Nic disse...

Lola, que demais seu post. Eu sempre tive a impressão de que as feministas não curtiam a Marilyn por ela ser esse ícone sexual, apesar de eu a achar linda e super talentosa. Como você disse, ela era uma boa atriz que ninguém deu uma chance. Acho que ela foi vítima do próprio sucesso e de uma indústria cinematográfica machista. É interessante lembrar que ela abriu sua própria produtora de filmes, o que a torna uma empreendedora numa época em que a indústria cinematográfica era dominada por tubarões.

Anônimo disse...

Remembering Marilyn Monroe 50 years on
http://www.youtube.com/watch?v=qFD_kI1DNtk

Anônimo disse...

Disfrútelo, La Mamacita.
Marylin Monroe Remembered by Stars
http://www.youtube.com/watch?v=j4842xWMwCU

Anônimo disse...

Lola, a cada lida me apaixono mais pelos posts e me deleito com quem caprichou na página dos comentários trazendo mais de bom para o assunto. É muito bom vez ou outra dar com algo que nos traz somente bons sentimentos.

Anônimo disse...

MM, eesa eterna amada adorada admirada pelo mundo afora.

Anônimo disse...

lindíssima e bondosa
nem era loira natural
nem era burra.
Pura e simplesmente Marylin Monroe.

Rachara Caxola disse...

"Hoje, nos EUA, Carmen Miranda é desconhecida. Marylin Monroe ainda atravessa fronteiras. Taí"

Pois é, exatamente.. Isso mostra de como os norte-americanos sabem valorizar o que é deles e nós não. Muitos artistas brasileiros só começam a ser valorizados no Brasil depois de fazer sucesso nos EUA, e as vezes, nem assim - o sucesso tem q ser comercial.

Anônimo disse...

Eu gosto da Marilyn. Tenho a impressão de que ela foi se aproveitando das oportunidades para depois mostrar a grande atriz que era. Mas, como uma imagem de mulher objeto é difícil (se não impossível) de ser tirada, sofreu enormes consequências dos seus primeiros passos e nunca conseguiu sair do esteriótipo que construiu. E assim manteve esse esteriótipo até o fim, e se destruiu por isso... depressão, drogas... etc..

Anônimo disse...

licença, Cármen Miranda usava um uniforme destacado por uma fruteira na cabeça

Anônimo disse...

vai lá, Lola http://pinterest.com/pin/270778996315261705/
a página mostra uma foto da MM usando um maioo o branco com vários comentários do bem-querer sobre ela e as medidas dela.

Anônimo disse...

http://www.youtube.com/watch?v=TOfHlxjnaAk&feature=related
Marylin Monroe and Frank Sinatra

Anônimo disse...

Obrigada pelo post.
Marylin Monroe, inesquecível mulher. Querida e amada mundo afora realmene.

Anônimo disse...

Lindo demais ler sobre essa mulher tantas vezes amada tantas vezes incompreendida.

Anônimo disse...

Marylin Monroe... passará jamais, cairá no esqucimento jamais.

Erres Errantes disse...

Oi, Dayane.

Escutei o Flowing Tears, de fato a banda tem um som atmosférico, mais reflexivo.

Que bom que vc gostou das bandas que eu postei.
Abraço!

Anônimo disse...

Erres Errantes disse...
Oi, Dayane.
Escutei o Flowing Tears, de fato a banda tem um som atmosférico, mais reflexivo. Que bom que vc gostou das bandas que eu postei.
Abraço!9 de agosto de 2012 12:48

Rachara Caxola disse...

Falando em vocalistas mulheres, não conheço nada de Gothic, mas exemplo de excelentes cantoras é o que não falta.

Achei interessante o exemplo da Angela Grossow, bastante incomum para um vocal feminino.

Uma vocalista de rock que admiro muito é Dagmar Krause, das bandas Henry Cow e Art Bears.
http://www.youtube.com/watch?v=Vfpq11-sRVQ

Saindo um pouco do rock, Meredith Monk é uma das cantoras mais inovadoras do sec. XX. Vale a pena conferir: http://www.youtube.com/watch?v=IbFVqb0lfd8

Por fim, não posso de deixar de declarar minha admiração por Cathy Berberian, esta sim uma artista "injustiçada" por não ter o reconhecimento que merece. Não é exagero dizer, a maior cantora do sec. XX. magnifiCathy.

http://www.youtube.com/watch?v=GvuxldwxW8k

http://www.youtube.com/watch?v=0dNLAhL46xM

Anônimo disse...

Leio e releio o post sobre Marylin Monroe e fico muito satisfeita de você ter dado a oportunidade para que apreciemos essa inesquecível mulher. Nada errado em ser sensual.

Dayane disse...

Adorei o Meredith Monk, Rachara!

Vc pelo jeito curte mais ethereal, pos-punk, shoegaze, né?Eu curto muito tbm!
Com certeza vc deve conhecer o Dead can Dance, Cocteau Twins, Siouxie and The Banshess.Aliás, A Siouxie é uma locona que eu adoro!!!!!

Anônimo disse...

Marylin Monroe sofreu muito já na infância... nunca soube ao certo quem foi eu pai, foi criada em lares substitutos onde sofria abusos de toda forma, nem sei como ela ainda conseguia dar risada, ter o sofrido sempre lindo, apenas da fome de carinho que lhe ia na alma. Malvados, muito malvados os que se aproveitaram dela e pra mim meter-se com JFK foi a desgraça maior da vida dela.

Anônimo disse...

Em termos de lidar com mulheres esse JFK foi um crápula e que ironia ele morrer da forma como morreu, quero dizer até hoje ninguém sabe 100% como foi o tal complô que o eliminou, da mesma forma como ninguém sabe ao certo como ocorreu a morte de MM. Os acertos da vida.

Anônimo disse...

... ter o SORRISO sempre lindo

Marianna disse...

Marilyn não era amante de JFK. Não existe comprovação histórica de qualquer encontro entre os dois que não sejam três eventos sociais onde os dois não trocaram mais do que algumas palavras. Em todas as biografias confiaveis da vida da atriz, com fontes seguras como amigos íntimos e familiares, Marilyn nunca mencionou qualquer ligação com o presidente, e ela era uma pessoa particularmente aberta a respeito de sentimentos. A teoria dos dois serem amantes (e qualquer baboseira a respeito dela ter sido assassinada)não passa de teoria conspiratória em que nada bate com a vida dela.

Marilyn era uma grande atriz (e comediante) e uma mulher extremamente inteligente (sim, inteligente, especialmente porque pouquíssimos de seus filmes caem na categoria de "comédia de loira burra") e a frente de seu tempo(especialmente pelos seus valores de igualdade racial, vide a sua história com a cantora Ella Fitzgerald). Ela não é um mistério, nem um enígma, e é injusto que ela seja vista assim, especialmente quando ela era muito mais do que isso...

Anônimo disse...

A sociedade é um troço engraçado.

Marilyn hoje em dia é tratado como ícone incontestável, uma musa de grande valor que chega a ofuscar Rita Hayworth e até mesmo Elizabeth Taylor, que morreu recentemente. Mas antigamente, a despeito de uma grande parcela de admiradores, ela era desprezada e encarada como uma “cachorra” pelo lado mais conservador da sociedade de lá e de outros lugares — ousaria dizer que ela era quase uma “Carla Perez” dos EUA dos anos 50, guardadas as devidas proporções.

E muito provavelmente ela também era desprezada pelas feministas e pelo povo pró-Khrushchev e pró-Mao na época, visto que Marilyn nunca se encaixaria, com seus decotes, maquiagens, roupas de lamé e sorrisos, dentro da estética socialista da mulher-lutadora, como a “kholkhoz woman”, ou uma Gertrude Stein ou até mesmo uma Simone de Beauvoir… que eu saiba, o povão do Leste só teve acesso aos filmes de Marilyn depois de Mikhail Gorbachev.

Rachara Caxola disse...

Dayane,

que bom que gosto da Meredith Monk.. não tenho palavras para descreve-la.

Sou pouco familiarizado com os estilos q vc citou.. hj é usado mtas classificações e as vezes uma mesma banda recebe várias delas, fico um pouco confuso com isso. Já vi o termo shoegaze em algumas bandas q pesquisei, mas nunca pesquisei sobre o estilo.

Cocteau Twins eu ouvia uma época, antes de ter essa facilidade da internet, o único material q eu tinha era uma fita K7 que minha tia gravou pra mim. Siouxsie e Dead Can Dance eu só conhecia de nome.. Ouvi algumas coisas do DCD, imaginava outra coisa. Tem algo de ancestral.. talvez seja uma influência australiana, isso mexe mto comigo. Achei interessante o uso de santur em uma música.
Tb gosto mto da Nico e Sonic Youth, Kim Gordon inclusive aborda temas feministas em suas canções. Recentemente descobri Ikue Mori, achei-a incrível.
Joan la Barbara tb acho fantastica..

http://www.youtube.com/watch?v=Ih6vkZsvEYc

Anônimo disse...

Todos citaram mulheres influentes no cinema, mas esqueceram da mais foderosa de todas: Mae West.Se Marilyn Monroe foi o que foi, é porque, muito antes, existiu uma mulher como Mae West, um verdadeiro gênio:
"Quando sou boa, sou ótima. Quando sou má, sou melhor ainda!"(Mae West)

Lola, quando puder, escreva algo para nós a respeito da Mae West.

Patrícia.

Anônimo disse...

E tivesse Lola escrito sobre Mae West e estariam pedindo pra ela escrever sobre Marylin Monroe, pela passagem dos 50 anos... difícil satisfazer a quem nunca vive o presente, hein?

Wilza Carla e Virgínia Lane dessas duas ninguém se lembrou de citar pra Lola escrever sobre... queria ser sua secretária, Lola querida. De graça.

Anônimo disse...

nascer pobre e tão linda assim não daria certo por muito tempo... que pena!

Anônimo disse...

Pela madrugada, viajando nos canais de TV, dei com um ótimo documentário sobre Marylin Monroe e não houve uma única pessoa que a tenha conhecido dizendo algo mau dela. Foram entrevistados Hefner e tb a feminista famosa que se infriltou no mundo das coelhinhas e ambos disseram coisas bacanas da MM... a feminista disse que na época até mesmo a mulher feminista se sentiu forte diante da vulnerabilidade assumida de MM, que isso serviu pra feminista americana da época sentir-se com mais força. E fotógrafos que faziam parte da equipe daquela foto famosa com o vestido esvoaçando pra cima tb deram depoimento e uma mulher que era fotógrafa na época tb elogiu MM. Uma maravilha... mas fiquei com sono e não vi tudo, porém o suficiente para ouvir depoimentos de intelelectuais/escritores famosos falaram da amizade com MM e alguns desses escritores já passaram dos 80ão.

Dra. Libido disse...

Lola, ADOREI!
Recomendei o texto no meu ultimo post. Perfeito!

http://etnografiaerotica.blogspot.com.br/2012/08/a-mao-invisivel-passando-mao-na-sua.html

Anônimo disse...

JOHN LENNON AT THE TOMORROW SHOW
http://www.youtube.com/watch?v=3OQl10ZlfqU&feature=related
Possibly the last television interview with John Lennon

AngieB disse...

Sempre me fascinou a vida da MM e como a morte dela continuou inundada de misterios.
Ela foi um simbolo sexual tentando se libertar da obrigaçao de se-lo, de sempre estar neste papel, ser apenas este papel. Ainda mais nesta epoca em que Holywood tinha total controle dos contratos e filmes. Nao importa se ela era inteligente, ou se ela tinha passado muitos desafios na vida, ela era a amante do presidente, amante do irmao dele, era uma loira burra meio vadia, meio inocente, meio engraçado. Ela era um personagem que encantava mas nao ameaçava, nao era agressiva. nao sabia o quanto tinha de poder com a sua beleza. Isso que muitos insistem em perpetuar como sendo tudo que Norma foi.
E mesmo que ela nao fizesse parte do roll das atrizes certinhas, as fotos dela na playboy foram um escandalo. Nenhum marido parava ao lado dela porque ela era insaciavel, claro.
Dos livros e filmes que vi sobre a vida dela, tenho a imagem que ela foi uma mulher muito sozinha, que foi tao explorada que ja nao sabia a quem confiar. Nem suas imersoes ao Metodo nem suas terapias, nem os remedios, nem as drogas, nem o alcool conseguiram deixa-la confiante de quem era ela. Ou podia ser muito mais.
Ela é um simbolo sexual ate hoje, muito lembrada pelo vestido branco e o a passagem do metro, mas Quanto mais quente melhor é uma excelente comedia, devia ser mais lembrada. E A Malvada, que voce citou, no qual MM tem um pequeno papel, é um dos meus filmes favoritos. Bettie Davis está suprema, e continua um tema super atual.
O que eu acho um absurdo sao as fotos dela que aparecem nas revistas ou net, e estao claramente retocadas. Vou por na pasta da gordofobia, porque a MM nao era magricela, varias fotos de biquini dela pode-se notar que era ela tinha coxas, dobrinhas, rosto redondo e uma cinturinha a cinta desde sempre. Padrao da epoca. Porem, ja cansei de ver fotos celebrando a sensualidade dela e "photoshopando" as curvas de Monroe. Sim, ela pode ser um simbolo sexual, mas vamos atualiza-la. Nada de dobrinhas. Pegaria mal. Sim, sei.

camila santos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
camila santos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
camila santos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
camila santos disse...

Ela não se vendia como símbolo sexual ela fazia o que muitos fizeram pra ficar famoso mas o status de símbolo sexual só ficou para as mulheres até pras que nunca posaram nua!A propria jane rousseff que trabalhou com marilyn é chamada de símbolo sexual só que não é tão famosa.E respondendo sua pergunta ela poderia ser um ícone sim em um mundo não machista, logicamente pra quem acha que só homem talento a resposta é não.

camila santos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.