quarta-feira, 10 de novembro de 2010

FILME ERRADO, QUEIJO DERRETIDO

Eu amo queijo. Poderia viver só disso, chocolate e água.

Sabe quando um filme te marca, e você vive citando o troço? Pois é, descobri que faz quinze anos que venho citando o filme errado. Pensei que uma frase que gosto vinha de Gilbert Grape, Aprendiz de Sonhador, mas na verdade é de Benny & Joon, que no Brasil recebeu o estranho subtítulo de Corações em Conflito. Minha confusão é até compreensível: ambos os filmes são de 1993, ambos mostram personagens com necessidades especiais, ambos têm o Johnny Depp no elenco (e Gilbert Grape tem um Leo DiCaprio novinho, como você pode ver na foto). Ainda bem que ambos são relativamente desconhecidos, porque desse jeito poucos se dão conta da minha mancada. Ninguém me corrigiu até agora.
A frase que cito sempre é: “Algumas culturas se definem pelo seu relacionamento com queijo”. Quer dizer, é óbvio que, se erro o filme, vou errar a frase também, mas sei que tem algo a ver com queijo. É a Mary Stuart Masterson (Tomates Verdes Fritos) que diz a pérola, ao mesmo tempo que prepara sanduíches de queijo com ferro de passar roupa. Ela põe uma fatia de queijo entre duas fatias de pão, e passa o ferro quente por cima, pro quejo derreter. Devo admitir que, influenciada por essa cena, fiz sanduíche de queijo com ferro de passar roupa. E não é que funciona?! E o ferro de passar roupa finalmente teve alguma utilidade aqui em casa.

37 comentários:

Shiryu de Dragão disse...

Lola???
O que adianta vc ganhar 10 mil reais por mes sendo que sua casa é muito muito suja??
Vc dorme com seus gatos na sua cama, vc deixa eles andarem nas mesas da cozinha, no sofá....credo que horror!
Imagina a quantidade de pelos de gato nas formas de comida, nas panelas, nos pratos. A vigilância sanitáia deveria te multar e fechar sua casa.

Shiryu de Dragão disse...

corrigindo: sanitária.

Mauricio disse...

Assisti a Gilbert Grape e é um dos poucos filmes em que o Di Caprio aparece que eu gosto.

Ele realmete deveria se limitar a fazer papéis de retardado mental.

A fama e pose de galã dele não me convence.

Lord Anderson disse...

Opa, sabe que vou testar isso?

E Mauricio dizer retardado é de um grande mal gosto.

Lord Anderson disse...

E devo admiti que em alguns filmes recentes o senhor diCaprio tem ido bem.

Mauricio disse...

Lord,

não sei qual o termo politicamente correto para "retardado mental".

Se eu tivesse algum na família talvez eu soubesse.

Me preocupei, ao escrever, em qual impacto isso poderia ter em quem conhecesse alguém assim.

Não pretendi ser ofensivo.

Portanto, se você conhece um termo mais apropriado, eu passo a adotá-lo imediatamente.

Vê, não basta criticar, há de se mostrar o caminho certo.

Peço desculpas pelo termo pejorativo.

Filmes que gostei do Di Caprio:

- O Homem da Máscara de Ferro
- Um do velho oeste com a Sharon Stone
- Um que ele vai investigar um desaparecimento em um hospício em uma ilha
- este que eu comentei aí em cima.

Não me lembro de mais nenhum que eu tenha gostado.

Lord Anderson disse...

Mauricio.

Vc tem razão, tb fui agressivo, embora não intencional.

Peço desculpas.

Acredito que portador de necessidades especiais como postado pela Lola seja o mais adequado.

Wonderwoman disse...

Oh vida, oh céus.
E a lolinha escreve um post que me faz rir em pensar como em bom às vezes atravessar a fronteira do normal e fazer sanduíche de queijo com ferro de passar e vocês estragam o lirismo "da parada" com considerações sanitárias e outras afins!
nah... não sabe brincar não desce pro play!
adorei lola!
beijos da leitora assídua, mas comentarista sumida
Camilla

Andréia Freire disse...

Hahahahahahahaha!

Esse troll é tão retardado que não tem como não rir!

Ainda bem que os trolls comentam livremente aqui, garante boas risadas.

L. Archilla disse...

Sou da área da saúde e uso "deficiente mental". Não sei se é o termo oficial em voga hoje, mas acho "portador de necessidades especiais" muito abrangente e comprido...

Andrea disse...

Agora fiquei com vontade de testar o ferro de passar roupa fazendo sanduíche de queijo! Faz quase um mês que ganhei um ferro novinho e até agora não testei (pra roupa!) hehehe

Mariana. disse...

HAHAHAHA esse shiryu é MUITO engraçado! Acho que não merece a classificação como troll, ele só me faz rir, obrigada!

Hein gente. o termo correto é Portadores de Necessidades Especiais - resumidamente pra quem achar comprido: PNEs. Mas também acho abrangente demais..

Enfim, se o ferro tiver antiaderente, pouts, nem gruda o sanduiche né?

Vanessa Peres disse...

Agora fiquei curiosa! Como definir os franceses através dos queijos se eles tem mais de 300 tipos de queijo, quase um por dia do ano? :-o

Fabio Salvador disse...

Pô Lola!
Tu não estás lendo o que diz o Shiryu de Dragão? Se tu não começares a ter uma vida mais asseada, não será considerada cheirosinha o bastante para andar ao lado do glorioso time dos homens bons!

Agora, "protadores de necessidades..." sei lá... MONGO.

Tá, agora, fora de brincadeira:
Eu trabalho na frente da APAE... a CEEE de Viamão é na frente da APAE de Viamão. Eu não uso termo nenhum para designar quem tem problemas mentais. São simplesmente os alunos da APAE. E quando um deles aparece por aqui, a gente chama pelo nome.

Também se usa muito o termo "louquinho", que pode também designar uma pessoa normal, qualquer.

Ah, como é bom lidar com pessoas simples e usar quase só vocabulário estremamente informal.

lola aronovich disse...

Shiryu, vc tem razão: pessoas com gatos não comem. Nem sei como não emagreço!
Como vc sabe que minha casa é suja? Vc esteve aqui sem eu notar? Entrou pelo ralo?
Sobre a vigilância sanitária, essa piada é minha, seu plagiador! Tá aqui, num post de dois anos atrás.


É, Vanessa, não sei se dá pra definir a cultura pelo queijo, mas pela relação com o queijo. Por exemplo, isso de derreter queijo não é universal, é? Mas pra mim é importante que queijo possa ser derretido. Por isso não confio em ricota.

PriAliança disse...

Agora fiquei com vontade de testar o ferro de passar roupa fazendo sanduíche de queijo! [2]

Quando eu via Cavaleiros do Zodíaco eu era fanzoca do cavaleiro de dragão. Esse "cerumano" devia pelo menos tentar incorporar os valores do personagem que homenageia, néam...

Mariana. disse...

Mas... pra quê né? fazer sanduíche no ferro de passar ROUPA?! se existe frigideiras, sanduicheiras, e outros utensílios apropriados que fazem muito menos sujeira?

Se for só pra falar que é alternativo e não usa o ferro que comprou sabe se lá deus porque, já que não usa roupas passadas, acho paia.

lola aronovich disse...

Gente, sobre o termo correto pra se referir a pessoas com algum tipo de deficiência, de fato, hoje não é mais aceitável dizer "retardado", e muito menos "mongo", "louquinho", whatever. Sei que esses termos foram usados durante séculos e é muito difícil mudar de um dia pro outro, mas temos que nos educar. Devemos simplesmente riscar um termo como "retardado" do nosso vocabulário. O maior problema de "retardado" nem é quando o aplicamos a uma pessoa PNE (Portadores de Necessidades Especiais). É que usamos esse termo para nos referirmos a qualquer pessoa que quisermos ofender. E é horrível associar um insulto (porque retardado é um insulto) com a toda uma categoria de pessoas que não merecem ser insultadas de jeito nenhum. Aliás, ninguém merece. Mas muito menos PNEs, que vivem numa sociedade que os exclui.
Nem "deficiência" se deve falar mais, porque é um termo pejorativo. Já "necessidades especiais" é um termo muito mais neutro e, por isso, respeitoso.
Então, gente, por favor, abstenham-se de chamar o Shiryu de retardado. Obrigada.

Shiryu de Dragão disse...

Lola???
hahahahhahah
Sou um menino muito carinhoso e legal. Todos me adoram. Pq vc nao pode gostar de mim tb?? Serio! Dou beijinho em todos!
Podem me chamar de "amigao do peito".

Fabio Salvador disse...

BAAH!!! Escrevi "extremamente" com S!!!!


AAAAAAAAAAHHHHHHH!!!!

Mas no mais... derreter queijo com ferro de passar? não sei não. Nunca tentei.

Sobre o queijo ser "derretível", tenho uma receita:
Sabe massa, tipo miojo? Não aquelas de pacotinho, aquelas e pacotão...

Pois é. Corte um queijo desses de fôrma em cubos, e coloque a massa com água na panela, no fogão.

Quando a água começar a ferver, jogue os cubinhos, espalhados, na massa. E também, quebre um ou mais ovos esparramando seu conteúdo na panela.

Mexa a gororoba toda até a água evaporar completamente. A massa ficará mergulhada numa espécie de gosma feita de queijo derretido e ovo (porque, com o calor, o ovo deixa de ser líquido e fica como se fosse ovo frito picado).

É uma delícia. Eu costumo, ainda na fase de cozimento, jogar na mistura alho picado, salame picado, e um pouco de pimenta.

Cardíacos e pessoas sensíveis, evitem chegar perto.

Meu pai apelidou a receita de "Inferno de Dante".

Luna disse...

Com ferro de passar? E as roupas da sua casa não são passadas? Eu queria, sabe, não ter que passar roupa, mas elas vem tão amassadas...

Eu não entendo como 'deficiência' pode ser pejorativo ou qualquer coisa do tipo. Ninguém acha que 'deficiente físico' para, sei lá, uma pessoa que não tenha uma perna é pejorativo, afinal existe uma deficiência física. Eu fui chamada de deficiente auditiva a minha vida toda e nunca achei pejorativo, justamente porque eu TENHO uma deficiência na audição.

Então nada mais natural denominar pessoas que tenham deficiência no campo neurológico de 'deficiente mental'. Não é como se a pessoa fosse burra. Mas é como se ela tivesse uma deficiência nesse campo. E eu detesto o termo 'portador de necessidades especiais'. Dá para se aplicar a QUALQUER pessoa, mesmo uma pessoa que seja "normal" (entre aspas, né). Porque toda pessoa tem suas necessidades especiais, então o termo abrange muita gente sem necessidade.

aiaiai disse...

puxa lola, se eu soubesse onde está o ferro de passar roupa aqui de casa, eu até testaria fazer sanduiche de queijo derretido com ele...mas perdi o aparelho inútil para mim. Aqui em casa, não se passa roupa a mais de 10 anos e o ferro, tadinho, se ferrou escondido por ai em algum armário...ou eu dei, não sei. vou ter que continuar usando o forno kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

aiaiai disse...

Lola, sua linda, você ganha mais de 10 mil reais por mês? Ta podendo hein? kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Fabio Salvador disse...

O Inferno de Dante, junto com outras das minhas receitas da Cozinha Maravilhosa do Fábio, estão me tornando um deficiente de magreza.

cronicasurbanas disse...

Lola,
uma ideia interessante essa, sem dúvida. O problema, claro, é como fazer para passar as roupas usando a torradeira... :P
abraço
Mônica
@madamemon

Andréia Freire disse...

Falha nossa, nem parei pra pensar no uso da palavra "retardado". Bom, substituo por "imbecil", então.

disse...

lolinha, eu super concordo com você, queijo é uma das sete maravilhas do mundo e vou procurar esse filme, porque eu nunca o assisti...
eu sou da opinião de que pessoas que não gostam de queijo não são confiáveis, já que não é possível que alguém são e sensato não interesse por coisa tão deliciosa...
e quando a sanduíches no ferro, minha vó fazia isso pra mim quando eu era criança e era muiiiiiiiiiito bom!

Zé Piciña disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Zé Piciña disse...

Lola é uma feminista que não consegue se enquadrar nos ideais de beleza e portanto vive recalcada. Não limpa a casa e não passa roupa a ferro demonstrando que já de muito abandonou seu papel de mulher dentro do seio da família, fato reforçado pela opção de não ser mãe emulando o comportamento masculino. Denotando que seu marido também deve aceitar um papel intermediário entre homem e mulher, não como homem, o líder da família.

O marido por sua vez deve ter renegado a todos os seus pendores masculinos, ao renunciar à chefia da casa e concordando em permanecer com uma mulher que além de não apenas deixou-se ir para longe do que se possa chamar de beleza como ainda não faz esforço algum em melhorar e ainda louva a feiura como símbolo da liberdade em relação aos padrões sociais vigentes e basilares da civilização.

O "maridão" em troca de sobrevivência e conforto permenece nessa situação vergonhosa afinal, não tem trabalho fixo de verdade, é "jogador de xadrez". Com certeza por ser mais um desses "alternativos" ou senão teria optado por uma carreira de verdade.

Com esse tipo de gente dando aula aos nossos jovens onde o mundo vai parar? Não admira que o Brasil tenha elegido uma terrorista assaltante para presidente.

Giovanni Gouveia disse...

tinha visto a idéia não sabia onde:

http://www.chato.com.br/wp-content/uploads/2010/07/gambiarra_semana.jpg

P.S. Lola, não sabia que você era paleontóloga também, pra fazer brotar da terra um fóssil de Homo Machistus Brochadus

João disse...

Luna, parabéns por seu texto.

Lola, quem foi que disse pra você pra lhe ensinar (erradamente) que "hombridade" é palavra arcaica? Será que foi alguém do Departamento de Letras da UFC? Ou será que é porque ela é cognata de "homem" que você a considera arcaica? Reveja seus conceitos...

Bárbara disse...

Caraca, Lola, você acabou de ganhar mais outro troll, percebeu?

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Ferro de passar roupa também não tem utilidade aqui em casa. Nossa avó ensinou o truque de colocar as roupas pra secar já no cabide... E não é que fica ótimo e evita que a gente arrebente a coluna passando roupa...
Mas acho que o ferro aqui em casa continua sem utilidade, tirando a vez que era mais nova e tentei deixar o cabelo mais liso com o ferro, rsrsrs... Abafa! Crianças não façam isso em casa.

larissa disse...

Lola, há uma pesquisa no site do senado a respeito do aborto de fetos anencéfalos. Se por favor, puder divulgar... http://www.senado.gov.br/noticias/OpiniaoPublica/votar_enquete.asp

=Maíra= disse...

Hahahaha Num é mais fácil ter uma sanduicheira de fogão não?? [Só não posso revelar que fiquei curiosa e morrendo de vontade de fazer a experiência do queijo quente feito no ferro!]

Parece que foi até "transmimento de pensação": hoje eu dei uma banana bem grande pro meu colesterol e me entupi de queijo!! E lembrei do quanto é sacrificante pra mim comer queijo sem gordura (e sem gosto, claro).
Beijos, Lola!

Ana disse...

Rá,
Eu uso retardado frequentemente. Retardada, aliás. Para o meu próprio estado matinal pré gole de café, ou ao longo do dia quando estou com fome. Eu fico devagar mesmo, retardada, câmera lenta.

Eu não compro roupa que eu não possa lavar na máquina ou que eu tenha que passar. Ferro aqui em casa não é ligado há anos. Mesmo as camisas do colega que mora aqui são penduradas no cabide para secar e secam lisas.

Grasi disse...

Acho uma graça esse filme Benny e Joon. =D É a personagem da Mary Stuart Masterson que diz a frase, porém é o personagem do Johnny Depp que faz os sanduíches com o ferro de passar ;)