terça-feira, 23 de março de 2010

QUERO UMA MULHER PRESIDENTE, MAS NÃO VOTO EM ALGUÉM SÓ POR SER MULHER

A Mariana escreveu um longo (e meio agressivo) comentário num post meu recente. Eu quero (e vou) respondê-lo, mas agora ando realmente sem tempo. Ela acha que vou votar na Dilma por ela (a candidata do PT) ter uma vagina. Ledo engano. Só isso não é suficiente. Sei que ninguém precisa se lembrar de um post que escrevi há quase dois anos, na ocasião em que Hillary Clinton saiu da disputa para ser candidata a presidente pelo Partido Democrata e deixou o caminho livre para Obama. Mas acho que ele segue bastante atual, e gostaria de deixar um trechinho daquele post pra vocês discutirem (sorry, é o que posso fazer hoje!).

Seria mais representativo os EUA terem uma mulher na presidência que um negro (que só representam 13% da população). É meio difícil pra homens (e muitas mulheres) entenderem isso. A Fox, porta-voz da direita nos EUA, desde o começo pregou que essa seria uma corrida em que cor e gênero não contam. Mas como não contam, se todos os 43 presidentes americanos na história foram homens e brancos? Eleitores homens take for granted este pequeno detalhe. Assumem que é natural os eleitores escolherem o melhor candidato, ué, e calha dele ser homem e branco. Sempre. Compare essa reação - “é natural, sempre foi e será assim” - com a da esposa de 68 anos do meu co-orientador (ele apóia Obama, ela apoiava Hillary). Ela me disse que essa era provavelmente a última chance na sua vida de ver uma presidente mulher no comando do seu país. É melancólico sim, e milhões de americanas brancas com mais de 50 anos estão se sentindo assim nesse momento. Órfãs. Abandonadas. O sonho acabou. Procure entender o sentimento. É triste constatar que houve tanta misoginia durante a campanha. Porque a gente imaginava que, apesar do retrocesso dos anos 80, a sociedade tivesse evoluído um pouquinho, e que chamar uma mulher poderosa de “vadia” apenas por ela ser mulher não seria mais aceitável. Engano nosso. E o mais tocante é ouvir o pessoal dizer “Não leve pelo lado pessoal. Não xingamos você, xingamos a Hillary”. Claro. Sendo que a única coisa que me une à Hillary é por ela ser mulher.
Preciso deixar claro que eu nunca votaria numa candidata apenas por ela ser mulher. Nunca gostei da Margaret Thatcher (e adoro como usam o nome dela como exemplo de como é comum eleger mulheres, embora ela tenha sido a única primeira-ministra na história da Inglaterra). Quero distância da Roseane Sarney. Jamais votaria na Ângela Amin, ou na Yeda Crusius, e em outras que estão à direita do meu espectro político. Mas adoraria que a Dilma Rousseff fosse candidata em 2010. E se ela for, os insultos que ouvirá – que nós mulheres ouviremos, mas não devemos levar pelo lado pessoal – serão parecidíssimos àqueles dirigidos a Hillary.

Voltando rapidinho: o que ficou de fora dessa análise é que Dilma, assim como Hillary, enfrenta bastante resistência de eleitoras mulheres. Nas pesquisas de intenção de voto por enquanto, Dilma tem mais votos de homens que de mulheres. Por quê? O que acontece? Por qual motivo tantas mulheres hesitam em eleger uma mulher (não apenas pra presidente, mas pra vários outros cargos, como prefeita, governadora, deputada etc)?
Por mim, se eu gosto d@ candidat@, se eu confio no partido (já que evito ao máximo votar em pessoas, pois ninguém governa só), se sua plataforma é algo que eu defendo, eu voto nel@, independente de sexo e cor (mas religião é diferente: religião compromete demais a ideologia política). O fato de Dilma ser mulher é um bônus. Mas um bônus importante, histórico, que eu não quero deixar passar.

38 comentários:

Mari Moscou disse...

Infelizmente as pessoas ainda insistem em reforçar que não há sexismo no voto... Por coincidência escrevi ontem um texto sobre isso no Sexismo na Política (www.sexismonapolitica.blogspot.com), falando um pouco mais sobre exemplos concretos como a Marta Suplicy, em SP.

Tem aquela música do John Lennon (ou era da Yoko? ou dos dois?), "the woman is the negroe of the world"

Laura disse...

Vou sair um pouco da discussão do quanto uma vagina é importante para votar ou não numa pessoa, e vou ficar com a questão da religião.

perdon pela fuga ao tema, lola, mas é que eu vi que a mariana falou aquilo da religião não influenciar.

o trecho da marina é o seguinte:

"Não venham me dizer que não votam nela porque ela é crente, porque além de ser preconceito (eu sou atéia), é um baita golpe baixo, já que ela nunca usou sua crença como bandeira política."

Eu acho assim que religião deveria ser uma coisa para as relações privadas. Mas não é e, por óbvio, esse conceito ofenderia a própria ideia religiosa, que é de se ter uma moral, uma ética para a vida. Então, se dentro da igreja vc acredita ser um absurdo o aborto, fora dela também deve acreditar. Como cada religioso vai levar isso pra política vai depender, de certo. Mas vamos ficar no caso d Marina...

Então, eu só quero lembrar uma coisa que aconteceu há uns três anos, não sei bem ao certo. O PT, enquanto partido, é a favor das questões gays e do aborto. E, por diversas vezes, quando tais questões foram discutidas, a Marina Silva alegou escusa de consciência, que, obviamente, tem a ver com a sua moral religiosa.

De toda sorte, acho qeu não é necessário mais argumentos, não é? Eu, pelo menos, quero um candidato que represente meus ideiais e não alguém que alegue "escusa de consciência" para situações importantíssimas no cenário atual e aproveite disso para ficar em cima do muro.

Ela está no direito dela de alegar o que é, inclusive, um direito constitucional. E eu no meu de querer alguém que defenda o aborto e igualdade para os gays. Agora dizer que isso não faz parte da religião dela é um tanto quanto ingênuo, não acha?

Não acompanho a Marina, não sei se ela mudou de opinião de cá pra lá. Mas to só contando a historinha pra gente repensar melhor isso.

Fora isso, dizer que religião não interfere num país que tem uma BANCADA RELIGIOSA e que tem um jesus crucificado em quase toda repartição que se entra me parece não querer ver o óbvio.

hugo disse...

Ótimo post. Não sei ainda se vou votar na Dilma (ela vai ter que me convencer, quando ela começar a campanha), mas apesar de o meu voto não tem nada a ver com ser ou não mulher, também acho que seria um bônus. Acho muito bom que cada vez mais, no Brasil, e no mundo, haja mulheres no poder, independente de concordar ou não das posições delas, como Thatcher, Bachelet, Merkel, Hillary, Condoleeza, Marta, Roseana, e, é lógico que algumas serão ótimas e outras lamentáveis (p. ex. Rosinha e Benedita).
Mas tem uma coisa que me irrita é quando qualquer crítica a uma mulher no poder é considerada preconceito. Marta era craque nisso, não podia ser criticada (política e administrativamente) que se dizia injustiçada por ser mulher. Pitta também acusava seus críticos de racistas. Palmas para Erundina que nunca usou desse artifício, e que foi uma das melhores prefeitas de Sampa, e seria melhor ainda se não tivesse tido a oposição ferrenha do próprio partido, o PT, que naquele tempo era outro.

Andrea disse...

Oi Lola, aqui no estado de SC vamos vivenciar isso ainda mais de perto na corrida para eleger um novo governador. Eu tenho muita vontade de ajudar a colocar uma mulher no poder, mas nem sempre parece valer a pena...
Abs, Andrea
http://segredosdaborboletadomar.blogspot.com/

Leila Silva disse...

Concordo plenamente. Esses dias mesmo li sobre essa rejeição à Dilma (na Carta Capital, se não me engano) por parte das mulheres. Eu não consigo entender muito bem...e também não votaria em alguém só por ser mulher, não votaria em Marina apesar de respeitar a história dela, pelos mesmos motivos citados pela Laura aí no comentário.

Um dia ouvi de uma garota que estava indo para uma entrevista de trabalho que o que ela mais gostava naquele posto é que ela teria um chefe e não uma chefe. Para agravar a situação essa moça é lésbica, nós ficamos em choque com essa declaração tão preconceituosa, ela tentou explicar, mas saiam aquelas bobagens de sempre, mulher compete com mulher...homem não compete o tempo todo numa empresa? Uma pena esse tipo de pensamento, tomara que a pessoa amadureça.
Abraços

Isabela disse...

Ai que delícia... seus posts me fazem täo bem, Lola!
Beijos de Berlin

Ághata disse...

"woman is the nigger of the world" é de Yoko Ono e de John Lennon.

Um tanto exagerado o comentário da Mariana visto que já vai supondo que argumentos Lola vai usa para Não votar na Mariana Silva, além de supor que Mariana Silva tem uma ideologia mais parecida com a Lola.
Isso era Lola quem deveria dizer ou não, né.

.
.
.
Então, como já afirmaram, não volto na Mariana Silva por causa da posição dela com relação à interrupção voluntária da gravidez e com relação aos direitos das pessoas homoafetivas.
Fora que pelas circunstâncias em que ela deixou o Ministério da Saúde e pela (in)experiência política dela, acho que ela ainda nem está preparada para ser presidenta (Mas antes ela que o Serra ou Aécio Neves).

Jux disse...

Loláxima!

Lembro-me de, há alguns anos, nas eleições para governador do Paraná, tivemos uma candidata chamada Rosimeri Kredens pelo PRN! Ela tinha 30 segundos no horário de propaganda obrigatória. E ela SEMPRE atacava as questões machistas e misóginas.

Na propaganda de estréia, no horário eleitoral gratuito, ela apareceu segurando uma lingerie e disse: "Para muitos homens, mulher é recheio de lingerie para ser usada duas ou três vezes por semana sem embalagem".

Ela apareceu de olhos roxos, falando da violência doméstica contra a mulher e a mais legal das propagandas foi a última. Ao lado dela tinha um desses manequins, da cintura até a coxa (desses para lingerie mesmo) só que era um manequim masculino. Ele estava vestido com uma cueca e tinha um "preenchimento" enoooorme! Pois então: ela falou, falou, agradeceu e disse contar com os votos das pessoas e disse "Vamos acabar com a diferença" - sacou uma agulha e estourou o "volume" que nada mais era do que uma bexiga!

Ela foi ícone naquelas eleiçoes de 1994 e teve 37.473 votos (fonte http://www2.fpa.org.br/conteudo/parana-0)

Giovanni Gouveia disse...

Well, não nos esqueçamos de Sarah Palin...
Citei isso porque lembro que você, Lola, escreveu algo sobre a governadora do Alaska, e suas posições politicas que em nada ajudam para a existência das mulheres no planeta

Camila Breda disse...

Um bom exemplo de que existem candidatas e cadidatas - e por isso não se deve (deixar de) votar em mulheres, apenas por serem mulheres - é com a atual governadora do RS (leia-se de passagem péssimo exemplo). Mas já tivemos exemplares mulheres na política.
A diferença é que ninguém vai deixar de votar nos homens por eles serem péssimos administradores (alguém disse depois do Collor, ou do Sarney: "não voto mais nos homens, olha só o que eles fazem"), agora com mulheres certamente esse discurso virá em casos como o nosso aqui no Sul.

Alana disse...

Lembro bem do post sobre a Hilary, vc previu tudo direitinho, Lola.
Acho que o comentário da laura resume bem o que eu queria falar. A religião realmente interfere, e muito. bjs.

Mariana. disse...

Lola, desculpe se fui agressiva com você. Não é a intenção: não sou troll MESMO! E voce também pegou a parte mais agressiva do meu discurso. Tem uns vinte comentários meus naquele texto...
As vezes me exalto um pouco, porque seus argumentos ficam forçados.

Enfim..

Laura, não sabia da alegação de escusa de conciencia da marina. isso certamente vai afetar as minhas escolhas, mas mesmo assim, não acho justo compará-la aos membros da bancada religiosa. Ela é bem melhor que aquilo. Convenhamos, né?

...

O discurso da lola é lindo, cativante. mas é adequado para um PT que não existe mais (e será que existiu?).
Seria legal votar no partido. Escolher pela legenda.
Mas hoje, no brasil, isso não faz o menor sentido. Os partidos não tem um pingo de personalidade. Ok: o PT vota em conjunto e expulsa os memobros que discordam. Correto. Mas ai...ELES SE ALIAM COM OUTROS PARTIDOS QUE ^NÃO TEM NADA A VER COM AQUILO QUE ELES DEFENDEM! Não exite afinidade entre PT e seus aliados: os votos são conquistados na base de ministérios e mensalão. E é assim com quem quer que esteja no poder.
Então, não faz sentido, né?

---

E você não vê isso Lola. Eu sei, todo mundo sabe, que você não vota na Dilma porque ela é mulher (Caso isso fosse tão importante assim, você teria votado na Heloísa, que só saiu do PT porque foi explusa e é o retrato vivo dos tempos áureos desse partido). Voce usa essa justificativa de votar em mulher só porque ela é candidata do PT. E teria algum mal nisso, caso votar em partidos fosse algo viável hoje em dia? Não! Seria ótimo! Seria lindo.

Mas eu não consigo ver qual o sentido de hoje, com partidos tão apersonalizados, votar pela legenda.

Talvez eu vote na dilma, mas não vai ser porque ela é do PT, ou porque ela é mulher (embora isso conte pra mim, é algo que conta pouco. é só um plus...).
É porque a proposta dela me convenceu, ou por pura falta de opção.

Mariana. disse...

Resumo da ópera: eu quero um governante competente, honesto, e que reflita as minhas posições.
Não importa se é homem ou mulher, mas se for mulher, seria bem legal.

OU SEJA: entre um homem competente/honesto/e coondizente com as minhas opiniões, e uma mulher desonesta, incompetente e que é contra o casamento homosexual, eu fico com o homem.

wagner disse...

É engraçado que, muito justamente, ninguém vota em Dilma só por ela ser mulher, mas, irracionalmente, é capaz de votar só porque ela é a candidata do Lula. Digo isso porque ninguém sabe exatamente o que ela pensa sobre os principais assuntos, e como ela nunca participou de uma campanha, ninguém sabe também quais são seus atributos políticos, se sabe negociar, conversar, debater, fazer acordos etc, coisas que são fundamentais para um presidente e que são talvez os principais motivos para o sucesso do governo Lula. Não basta ter boas intenções para governar o país, é preciso fazer acontecer as coisas, e não é nada fácil. Se Dilma não for competente politicamente será engolida pelos Sarneys, Renans, Temers e outros urubus.
Outra coisa importante é que, como bandeira de governo, não basta continuar o que está aí, no pressuposto de que está tudo ótimo. Não está não, por mais que o país esteja num momento positivo, há muito que fazer: nossa infraestrutura está quase em colapso, as reformas tributária e política não saíram dos discursos, e por aí vai.
Daí porque acho perigosa essa posição automática “estou com Dilma e não abro”, mesmo que ela pareça ser a melhor opção.

Rachel L. Lambrecht disse...

Olá Lola

Isso é um pouco off-topic, mas queria comentar:
Semana passada saiu uma matéria da Quem em que a Cláudia Jimenez fala abertamente de sua opção sexual, declarando que seu único amor foi Stella Torreão. Pelo que eu sei, é praticamente uma novidade no meio artístico uma atriz da Globo admitir claramente que é lésbica.

http://revistaquem.globo.com/Revista/Quem/0,,EMI127628-9531,00-CLAUDIA+JIMENEZ+O+UNICO+AMOR+DA+MINHA+VIDA+FOI+A+STELLA+TORREAO.html

Aí essa semana, como que querendo justificar, a Quem lança outra entrevista "bombástica" com ela, que apesar de muito triste, para mim tinha o objetivo de justificar à sociedade o "porquê" de a Cláudia Jimenez ser lésbica.

http://revistaquem.globo.com/Revista/Quem/0,,EMI128429-9531,00-CLAUDIA+JIMENEZ+SOFRI+ABUSO+QUANDO+ERA+MENINA.html

Segundo a entrevista, Cláudia "acredita que o episódio agravou o sentimento de rejeição em relação aos homens durante boa parte da vida."

Não estou aqui querendo questionar o depoimento dela, até porque imagino que seja muito difícil para alguém, especialmente que está o tempo todo exposto, assumir publicamente ter sido vítima de abuso sexual. Só queria destacar a necessidade da mídia em rapidamente "justificar" a opção sexual dela".

aiaiai disse...

Grande post, como sempre!!!
mas to realmente correndo hoje e queria deixar um link para texto ótimo sobre preconceito...é meio off topic mas é sobre política e preconceito de qq forma.

então, com licença (se vc achar que é abuso, delete, ok, lola?):

http://muitopelocontrario.wordpress.com/2010/03/23/kucinski-a-linguagem-do-preconceito/#more-3694

Oliveira disse...

Eu também quero uma mulher presidente, mas não a Dilma que vai nos fazer passar e mesma vergonha que o Lula faz agora, pelo mundo todo. Uma coisa é a Hilary, a Margareth; outra coisa é essa gente medonha do PT. Xô! Que vão pro diabo que os carregue!

Mariana. disse...

Sobre a Cláudia Gimenez: daí que ontem apareceu a notícia de que ela foi abusada sexualmente na infancia.

Tipo, ela afirmou. Mas é engraçado a mídia ter procurado saber dela logo depois de sair noticia sobre ela ser lésbica.

Como quem diz: nossa, então é por isso!

Anônimo disse...

PS: falou tudo quem disse acima que é estranho alguém não votar em mulher SÒ por ser mulher, mas votar em qualquer um só porque é do PT>

E sobre o hospital feminino a lola não fala.

Adri

Samira disse...

"É engraçado que, muito justamente, ninguém vota em Dilma só por ela ser mulher, mas, irracionalmente, é capaz de votar só porque ela é a candidata do Lula."
Desculpe, mas preciso comentar este comentário, pq pra mim uma coisa não tem nada a ver com a outra. Ser mulher não carrega por sí só nenhuma ideologia política, não significa nada em termos de continuidade ou descontinuidade política. Já votar por ela ser do PT ou ser a candidata do Lula, pode fazer sentido para quem vota no partido como a Lola, ou para quem quer ver a continuidade deste governo.
Ok que vc queira quetionar se existe partido no Brasil, como a Mariana, ou se o PT é bom ou ruim, ou se merece continuidade ou não, ou se ela é boa administradora, como foi de fato foi feito no final do seu comentário. Mas dizer que esta posição política é irracional parece ter como objetivo invalidar o discurso de quem pensa diferente nas questões de partido e continuidade sem apresentar argumentos específicos a este respeito. Não é irracional, eu acho que é apenas uma posição política diferente da sua.

aiaiai disse...

nossa mariana, vc deveria buscar ajuda profissional...caramba...

pessoal tem algum psicólogo/psiquiatra aqui entre os comentaristas para orientar a mariana?
agora eu fiquei preocupada...na boa, não estou sendo sarcástica!

Liana disse...

"falou tudo quem disse acima que é estranho alguém não votar em mulher SÒ por ser mulher, mas votar em qualquer um só porque é do PT" [2]

Dilma só existe como continuidade de um governo que, desculpem aos que usam viseiras ideológicas, mas vai mal das pernas e diz que fez muito mais do que de fato fez ou faz... é voto pra um PT q deixou de ser "aquele" PT há muito tempo, um PT que não existe mais... Não dá pra bater palmas pra um governo como este que está aí e querer sua continuidade! Eu quero mudança, pra melhor, assim como quis mudança e votei no Lula em seu 1º mandato (e claro, me decepcionei).

E as alianças que o PT têm feito me soam mais à formação de quadrilha do que alianças para melhor governar...

O problema é: votar em quem? Temos uma opção pior que a outra... Serra me dá urticária tanto quanto Dilma... nenhum deles representa mudança, nem honestidade...

E eu não tenho vergonha nenhuma de dizer que eu votaria SIM em uma mulher, com todo o orgulho do mundo, e ainda faria campanha para ter uma mulher presidente (e trabalharia de graça na campanha!)... Se ela de fato representasse mudança ou no mínimo esperança de mudança para fora dessa desonestidade e formação de quadrilha na qual se transformou nosso cenário político. Dilma não representa isso.

aiaiai disse...

liana,

pelo que eu entendi, vc não tem vergonha de nada. kkkkkkkkkkk acho isso louvável, comportamento moderno, vc assume a sua ignorância e confusão sem problemas.
te dou todo apoio, querida, vote nulo, ou nem vote. vc tem essas opções. USE-AS!

Masegui disse...

Eu voto na Dilma porque ela é mulher;
Eu voto na Dilma porque ela é do PT;
Eu voto na Dilma porque ela é de esquerda;
Eu voto na Dilma porque ela é cria do Lula.

Ps.: O Oliveira é um idiota!

Liana disse...

Pois é Masegui e outros: eu acho bem legal vcs assumirem pq votam na Dilma. É opção de vcs.

Eu e outros podemos tb assumir pq não votamos nela. Opção nossa.

Mas... referindo-me ao comentário do aiaiai: esqueci q por aqui qq um q não vá com a maioria é apedrejado né... Não se pode ter opinião discordante - e ferrenhos defensores da democracia como uns e outros por aqui não aceitam opiniões contrárias. Sai fora, prefiro democracia verdadeira.

lola aronovich disse...

Ué, Liana, vc não tá falando livremente por aqui que não vai votar na Dilma? Cadê a censura, a patrulha, a falsa democracia, sei lá o que vc quer chamar? Vc não tá dando a sua opinião discordante? Outras pessoas (eu inclusa) têm todo o direito de discordar da sua opinião discordante. Se vc chama isso de ser apedrejada, então quem não está nem um pouco acostumada com democracia é vc.
E pra ser alçado à categoria de troll não basta discordar. É preciso ser grosso, mal-educado, ofensivo e, principalmente, insistente.

Ághata disse...

"As vezes me exalto um pouco, porque seus argumentos ficam forçados."

...ah, entendi.
Se Mariana se 'exalta um pouco', a culpa é da Lola que usa "argumentos forçados".

¬¬

Bia Carvalho disse...

Olá!
Estou aqui para apresentar meu novo blog especializado em Suspenses Românticos, tanto os de banca quanto os de livraria.

Amor, mistério & Sangue

Espero que goste!

Bjs
Bia

Oliveira disse...

Masegui é oligofrênico!

Aiaiai é esquizofrênica.

Liana é exata; o PT não presta.

O PT é igual o povo que trabalha para o Silvio Santos. Gente gosmenta; asquerosa; pessoas insuportáveis!

Toda vez que o Lula aparece com uma das suas declarações, eu,sinceramente, até tento ver, mas logo nas primeiras palavras, já vem ele com aquela conversinha sem sentido, melosa, dissimulada, sacana, de quem acha que com conversa mole pode enganar o mundo; todo o mundo literalmete. O cara quer se meter com conversinha entre Israelenses e Palestinos. Pura pretensão. Imagino o que eles, Israelenses e Palestinos, pensam dele. Que vergonha! Sujeito idiota!

Oliveira disse...

Masegui:

Tenho uma piada pra você.

O sujeito A falou para o sujeto B.

"Você é pulsilâmine, sicofanta, pernóstico, idiota! ao que o sujeito B respondeu "opa, espera aí... idiota não!

Gaúcho disse...

Liana, eu tenho algumas opiniões que discordam da maioria aqui e nunca fui apedrejado... aliás, se nunca aparecesse ninguém pra discordar, aí sim seria algo preocupante.

Isabela Campoi, disse...

Viva a blogosfera: tô adorando o debate. Alguém disse sobre palestinos e israelenses para atacar o Lula.
Quero cantar uma bola:
Lula será o próximo secretário geral da ONU.
Segundo: vcs conhecem o sistema eleitoral de Cuba? Pois procurem saber. O conceito de democracia é täo vasto...

Mariana. disse...

É mesmo, AIAIAI? Não me lembro de ter pedido a sua ajuda.

wagner disse...

Samira,
Enviei um comentário mas acho que se perdeu, vou tentar novamente.

Concordo que votar em partido não é irracional, aliás seria o melhor tipo de voto se tivéssemos partido de verdade.

Mas em primeiro lugar não foi isso que eu disse, eu disse votar no candidato do Lula, não do partido, que são coisas diferentes. Dilma foi escolhida por Lula e não pelo PT. Além disso o governo Lula está muito longe de ser um governo do PT, basta ver a quantidade de alianças e gente de outros partidos espalhados no governo. Por sinal isso foi o que garantiu Lula governar e fazer um bom governo.

Voltando à Dilma, o que quero dizer é que assim como não posso criticar Dilma a priori, também não quero seguir a manada, prefiro descobrir (quem sabe) motivos próprios para votar nela e não simplesmente seguir o que seu mestre mandar.

Laura disse...

wagner, a Dilma foi escolhida por Lula sim e referendada pelo PT. Há uns dois meses teve o congresso do partido e foi essa a decisão do partido. Dá uma procurada aí no google que vc acha.

Então, ela é sim candidata pelo PT.

Anônimo disse...

Quando vejo vozes discordantes e inteligentes - como Oliveira (por mais que alguns se incomodem om sua perspicápcia e tentem deminuí-lo), Wagner, Liana e Mariana - acho que há esperança. Odeio massa de manobra. Marciane

Masegui disse...

Liana,

Aqui é democrático, sim! A Lola explicou, o Gaúcho confirmou e o Wagner comprovou, com uma opinião discordante, porém educada.

Eu implico, sim, com o Oliveira porque ele é tudo que a Lola falou "grosso, mal-educado, ofensivo..." e mais alguma coisa.

A propósito, Oliveira, vou ver no Orélio o que é oligofrênico, vou decifrar a piada e volto aqui pra rir...

Liana disse...

Lola, é assim: seguidores seus podem ser grossos, mal-educados e ofensivos com quem discorda, isso é normal.

Mas quem discorda não pode discordar mesmo sendo educado, q aí eles são grossos, mal-educados e ofensivos só pq a pessoa discordou.

Isso é a "democracia" à qual me referi.