segunda-feira, 7 de setembro de 2009

SOBRE O ITALIANO PRESO POR BEIJAR A FILHA

Pessoas, estou indignada. Só fiquei sabendo dessa notícia ontem. Como que pode? Seguinte: um italiano de 40 anos, casado com uma brasileira há 12 (ou de 48, casado há 11, depende da fonte), estava numa piscina em frente a um bar na Praia do Futuro, em Fortaleza (minha futura cidade), com sua mulher e sua filhinha de 8 anos. E aí ele foi preso. Um casal de turistas de Brasília ficou revoltado porque o italiano deu selinhos na menina. Chamou a polícia, que veio prontamente e prendeu o “criminoso”, sem nem querer saber se ele era pai da garota. Isso foi terça passada, dia 1o. O italiano segue preso e pode pegar até 15 anos de cadeia por “estupro de vulnerável”. Ainda que responda à acusação em liberdade, não poderá voltar à Itália, onde vive com sua família.
Alguém me explica como selinho na boca entre pai e filha (ou mãe e fiho, ou pai e filho etc) pode ser visto como pedofilia e estupro, por favor. Ah, mas dizem que não foi só isso: o casal de Brasília jura que viu o italiano colocar a mão nas partes íntimas da filha. Tipo, ele “tocou a mão na altura dos seios”. Ahn, desde quando menina de 8 anos tem seios?!
Tenho dificuldade até em acreditar numa coisa dessas. Defendo totalmente um combate rigoroso à pedofilia, mas, quando pais brincam com os filhos, é comum que se toquem, não? Aliás, é saudável! Precisa haver contato físico! Eu acho até meio impossível um pai brincar com sua filha numa piscina sem encostar a mão no peito dela. Isso só pode ser considerado um ato libinoso pra quem vê seios numa garota de 8 anos, ou pra quem mamilos num ser humano do sexo feminino só possa ter função sexual. É patético. Pessoalmente, acho que meninas nem deveriam usar a parte de cima do biquini. Elas não têm nada pra esconder! (mais tarde, quando os seios aparecem, também não deveriam ter nada pra esconder, mas isso é outra história).
Pô, cansei de ser beijada na boca pelo meu amado pai quando eu era criança. Acho, inclusive, que meu pai nunca me deu beijo na bochecha. Era sempre na boca mesmo. Ele fazia o mesmo com meu irmão e minha mãe, ué. Ele e minha mãe também andavam nus pela casa. A gente andava nua também. E posso jurar que não éramos uma comunidade de pedófilos. Era apenas algo normal pra gente, que foi acostumada a ver nudez como algo natural. Nudez não tem nada a ver com sexo. Carinho entre pais e filhos não tem nada a ver com sexo.
(E quando digo que “cansei de ser beijada pelo meu pai” é porque cansei mesmo. Bom, dos beijos não me recordo de ter cansado, mas lembro de quando passei a ficar com vergonha de andar na rua de mãos dadas com meu pai. Eu já era “adulta” - o quê, treze, quatorze anos? - e não precisava mais ser guiada pelo meu papi. Ele ficou um pouco sentido, imagino, mas respeitou minha decisão).
Desde pequena, eu me dei conta que minha família era diferente. Eu percebia que pais andarem nus na frente dos filhos não era algo muito comum, que a tendência era mais ensinar os filhos a “cobrir suas vergonhas”. Mas eu via pais darem selinhos em suas filhas, minhas amiguinhas. Era a década de 70, e o pessoal parecia menos encucado. Já na década de 90 o abuso sexual virou uma pandemia. Quem me lê frequentemente sabe que defendo que abusos sexuais sejam denunciados e punidos, e que costumo acreditar na versão da vítima (é extremamente incomum mulheres e crianças, as maiores vítimas, disparado, mentirem que foram abusadas sexualmente). Mas esse tipo de pandemia paranoica não faz bem a ninguém. Nos EUA, já na década de 90, os homens passaram a ser ensinados a jamais ficar sozinhos no mesmo recinto com uma criança. Por exemplo, se você é homem e vai pegar um elevador e houver uma criança sozinha dentro, saia do elevador. Pouco depois, com o escândalo Woody Allen/Mia Farrow, essa regra foi estendida a “homem não deve ficar sozinho nem com seu próprio filho(a)”. O que é totalmente ridículo e preconceituoso, convenhamos.
No caso do italiano em Fortaleza, o negócio fica ainda mais absurdo. Quer dizer que um pai vai abusar sexualmente de sua filha à luz do dia, na frente da mulher e de meio mundo? Pelo que sei, pedófilos agem em segredo. A coerção da vítima se dá justamente no “não conte pra ninguém”. É lógico que existem muitos casos de pais que abusam sexualmente dos filhos, mas suponho que esses pedófilos sejam bem cuidadosos para não demonstrar nada em público. Por algum motivo, não consigo imaginar uma criança que seja abusada pelo pai receber selinhos de bom grado na frente de todo mundo. Uma criança se divertir com os pais, pra mim, é um bom indicativo de que não existe abuso.
De repente fiquei feliz em não ter filhos, porque sei lá do quê eu poderia ser acusada se os tivesse. E fiquei ainda mais feliz em ter tido o pai que tive. E de ter sido menina três décadas atrás, antes que pessoas conservadoras me vissem sem a parte de cima do biquini, brincando com meu pai, trocando selinhos, e chamassem a polícia escandalizadas.

50 comentários:

Bárbara Reis disse...

Sem comentários, absurdo MESMO, eu também sempre gostei de andar sem camiseta :], e dou selinho na minha mãe, no meu pai, no meu irmão, nos meus primos, na minha vó, na minha tia, até hoje... Eu sou muito apegada ao meu pai, eu disputo ele com a namorada quando eu o vejo. Quando estou com ele, esqueço que já tenho 20 anos. E abraço, beijo, ando de mão dada, deito na cama com ele pra ver filme... e eu continuarei fazendo isso, enquanto ele for vivo. Não sei se isso tem a ver por eu também ter decêndencia italiana... [li na matéria da Folha] mas selinhos sempre foram normais na minha familia inteira. Eu e meu irmão somos um grude quando nos vemos, e nem por isso eu sou pedófila... meu pai jamais encostou um dedo em mim com malicia, quando eu era menor, e passava os finais de semana com ele, lá pelos meus 6 anos... ele não tinha casado de novo, e eu ficava sozinha com ele, um final de semana inteiro, dormia na mesma cama, ele que me dava banho...
Se for assim, podem prender a minha mãe, porque eu durmo com ela a vida inteira, já tô pedindo divorcio, porque não aguento mais. hahahahaha...
Meus pais sempre andaram pelados ou semi-nus na minha frente, até mesmo a ex mulher do meu pai... isso nunca foi problema, mas depois que eu fiquei maior, não o fiz mais na frente do meu pai... ele até brinca: - Ta escondendo o que? Troquei sua fralda, passei talquinho, dei banho... uauhuhahu...

Mas sei lá... passei a ter 'medo' depois de um tempo... Tenho pavor, horror, e derivados, de ser abusada sexualmente... de novo...enfim...

Ai, Lola, sei que dá preguiça de viver notícias assim... mas nem se estresse.

Viu, eu nasci só a 2 décadas atás e tive uma infância similar a sua. :]

Beijo, beijo.

Alba Almeida. disse...

Olá, Lola.
Tenho dois filhos (23 e 21 anos)e nunca deixaremos de dar selinhos e com naturalizadade, trocaremos de roupa. (Nunca tivemos essa naturalidade de andar sem roupa por causa de empregados. Meus pais, eles sempre dormiram comigo e meus filhos, muito carinhos e nada nunca nos aconteceu. Eu me preocupo com tudo o que essa criança está vivendo agora. ????????? o que houve ?????? Como assim?????
O que vai deixar de sequela?
Como as pessoas estão se comportando em função, do perfeitamente correto.(???)

Beijos...

Alba Almeida disse...

naturalidade( rhrrhrh)

Carolina disse...

Chega a dar vergonha alheia. Se esse pai estivesse batendo na filha, duvido que o tal casal de turistas iria estranhar. "Ah, ele está educando a criança..." Eu tenho costume de dar selinho na minha mãe e no meu pai, desde criança. É uma maneira de demonstrar amor. Não vejo nada demais. O que me preocupa é essa onda de acuse você mesmo, cidadão de bem! Na questão dos fumantes, nessa questão de "atentado ao pudor", etc.

Juliana Bittencourt disse...

Foi exatamente o que pensei, se ele fosse pedófilo, não ia agir em público.
E como a Carolina disse, se o pai tivesse batendo, será que tinham prendido o homem?

leitor disse...

quando vc for morar no nordeste, vai perceber que pedófilos agem, sim, à luz do dia. e que é comum ver meninas (7, 8, 9 anos) andarem com homens pelas praias. fortaleza, aliás, é capital do turismo sexual, meta de muitos italianos que fazem a viagem acreditando que tudo na cidade pode ser feito. enfim, a coisa é tão comum que ninguém na cidade acredita na versão do acusado.

Somnia Carvalho disse...

Eu não vi o caso, mas já li em outros blogs Lola... ontem um casal de amigos alemães jantaram aqui e minha amiga me mostrou as fotos deles em Maiorca. Em várias delas Nikol, minha amiga, está dando selinhos no Iven, de 3 anos. Eu nunca olharia e pensaria que ela está tendo atitude de pedofilia... mas por que não?

porque a gente julga segundo o que passa dentro da gente... julga segundo foi criado e segundo o monte de asneira que aprendemos a vida toda ou não...

Eu tenho certeza que deve ser nojento ler todas as coisas que dizem que o pessoal anda escrevendo sobre o caso ou falando, mas esse monte de coisa podrinha revela o quanto existe de gente com mentalidade moralista.

Faço o mesmo no Ângelo, a gente se abraça bem gostoso e ele vem, aperta minha bocheca e me dá selinhos. Nunca ensinei é natural. Amor é natural, assim como acontecia entre você e seu papai.

Quem consegue distorcer um caso que seja natural é que tem coisa suja na cabeça o tempo todo... agora que um casal maluco, enrustido consiga ver isso a gente ate entende a maluquice... agora denunciar e ainda ter a policia que aja so de ouvir falar é demais para minha cabecinha... me deprime que só!

Somnia Carvalho disse...

ops!!!

corrigindo:

"um casal" veio!!!

e não vieram!

Somnia Carvalho disse...

Só agora li a opinião do "leitor" sobre o quanto é comum pedofilia em Fortaleza...

só para reafirmar: dá para entender se a denúncia acontecesse por conta do "medo" que ronda todo mundo que por lá está, mas engraçado pensar que não é um casal de Fortaleza e a outra coisa que a denúncia vira acusação séria mesmo sem nenhuma prova maior de nada...

bibi move disse...

ai, ai, a gente importa tanto lixo americano...
agora está na moda importar o medo e as paranóias.
Eita cultura nojentinha, essa onde o toque é cheio de pudores.
E essa invenção da pedofilia, que ultrapassa realmente o crime e o abuso contra seres pequenos indefesos é uma grande, enorme palhaçada.
Meu filhinho de 18 meses, qdo eu pergunto pra ele, como é "french kiss", ele faz "lalalalala", com a língua pra fora. Ele sabe que existe né? a gente toma banho junto, e no início das manhãs nada mais gostoso do que um amor fraternal sobre a mesma cama.
é lamentável que a cultura da perversão faça com que atos de amor e cuidado com quem a gente ama tornessem obcenos.

LaLoka disse...

É o que alguém já escreveu se estivesse batendo tudo bem. Parece que era só umselinho mesmo, mas pegaram o italiano pra provar pro mundo que não existe tolerÂncia aqui com o turismo sexual(infantil). Infelizmente não é verdade. Aqui em casa a gente sempre se cumprimentou com um tapinha no traseiro, então agora a gente não vai poder mais fazer isso? Meu marido também ajuda no banho da minha filha de 06 anos, não pode mais? E as fraldas da pequena que está por nascer, também não pode? O duro é fazer esse povo entender que focinho de porco não é tomada.
Roberta
ps: Dra.Lola parabéns pelo concurso, fiquei um tempo sem ler o blog. E quanto ao exame psicológico, não vai dar nada, mas, se der recorra. Pra tuda nessa vida(de concursando) existe recurso.

lola aronovich disse...

Leitor, estou ciente de toda a indústria de prostituição infantil que existe no Nordeste (e não só no Nordeste e no resto do Brasil, como em TODOS os países pobres), que atrai pedófilos para o horrível turismo sexual. Quando estive em Fortaleza, algumas pessoas me falaram disso, e também me disseram que o combate vinha sendo intenso, e que já não é mais tão comum ver isso na rua, como era antes. Mas pelo que li, esse caso é completamente diferente. Era um pai brincando com a filha numa piscina, com a mãe ao lado. Não sei, mas será que observando uma brincadeira não dá pra distinguir o que é pedofilia e o que é amor sem maldade? Mas vamos dizer que tudo bem, o casal de Brasília estava precavido, horrorizou-se com o que viu e chamou a polícia. Como que a polícia chega prendendo? Como que não fala com a família, pra saber que ele é pai da menina? Como não fala com a mãe? Como não fala com as outras pessoas lá presentes? Pede um esclarecimento e vai embora, ué. E com discrição, pra não traumatizar a menina.

Luma Perrete disse...

Acho que a paranóia tomou conta mesmo. A mãe da menina disse que os turistas devem ter visto o pai, que é branco, com a filha, que é negra, e foram logo supondo que ele era um estrangeiro que veio pro Brasil abusar de meninas no nordeste.

Carla Ladeira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Carla Ladeira disse...

Olá Lola,
se me permites,
expressarei como me sinto diante dessa notícia utilizando a paráfrase, "Não há fenómenos morais, mas apenas uma interpretação moral de fenómenos.", de Nietzche.
Eis a questão,E se fosse com "animais" em família? o tal casal responderia, "trata-se de instinto animal, ao contrário do homem, que tem apenas o instinto moral" rsrsrs
Abraços, curto muito os seus textos.

Tina Lopes disse...

Off topic: Lolinha, assisti Gran Torino ontem e quis rever sua crítica, mas não achei na ordem alfabética ali embaixo. E quanto ao beijo, que medo de ser presa como mãe incestuosa pedófila lésbica, pq aqui em casa a gente tbm vive de beijinho na boca. Só demos um tempinho por causa da gripe suína...

babsiix disse...

Lola, aqui em casa meus pais davam selinho em mim e no meu irmão. Tb os via pelados, tomava banho junto, nunca teve nd demais. Lembro q fiquei com vergonha de continuar fazendo isso qdo fiquei "maiorzinha" (uns 9 anos), pq poderiam achar "estranho". Parece q toque tah virando algo intrinsecamente sexual..

Kaká disse...

O preocupante dessa história é justamente a polícia chegar prendendo, em flagrante. Que flagrante? E os turistas que acusaram ficam se escondendo.

A prostituição infantil aqui em Fortaleza diminuiu muito nos últimos 10 anos. Não se vê mais explicitamente como era antes (podia chamar a polícia que não prendia ninguém). E ainda digo que quem mais abordava as meninas eram brasileiros.

mujique disse...

Pra isso a tal "polícia" serve. Já pra prender vagabundo que só faz em cagada em Brasília não tem homem na "polícia".

Larissa disse...

Eu também tenho a opinião de que o caso do pai italiano está sendo utilizado como uma forma de "mostrar" à população que a pedofilia é rigorosamente combatida em Fortaleza. Em outra palavras, esse italiano é o bode expiatório da vez. Foi negado o pedido de relaxamento de prisão do coitado, mesmo depois da equipe multidisciplinar (psicóloga e assitente social) terem chegado à conclusão de que a criança não é vítima de abuso sexual.
Essa estratégia, entretanto, não parece das melhores. Gostaria que as pessoas não fechassem os olhos para os grupos de crianças que andam pela madrugada na avenida Beira Mar e adjacências e os gringos que as abordam. Para isso a população fecha os olhos e nenhuma "boa alma" tem a capacidade de chamar uma viatura da polícia para verificar o que está acontecendo. Mas quando se trata de um pai brincando com a filha numa piscina PÚBLICA, em PÚBLICO, à luz do dia, aparecem pessoas estranhas para denunciar algo que não aconteceu. É lamentável.

Ju disse...

Olá!
achei teu blog por aí há um tempo... tô postando só agora.

Sobre esse caso... eu fiquei tão chocada que não comentei nada até hoje. Porque eu estava esperando que se esclarecesse.

Eu só vi o que se passou nos jornais da Globo. Até hoje não vi nada sobre que tipo de beijo foi dado na criança. Por isso que não opinei ainda.

como você disse que foram selinhos, então, agora posso opinar. É absurdo mesmo, selinho é a coisas mais normal do mundo.

Inclusive, tem uma foto no Ego da Danielle Winits dando um selinho no filho dela na praia, a coisa mais linda do mundo.

Não vejo nada de mais nisso.
Fiquei com receio de comentar porque ouvi que as pessoas o acusaram de beijar a menina (mas não disseram que tipo de beijo) e fazer carícias maliciosas.

Aí complicaria, né?! Porque se fosse beijo de língua, seria além do normal mesmo, porque isso já é uma coisa sexual, mas selinho?! nada a ver.

E sobre a questão das carícias... existe uma grande diferença entre "carícias maliciosas" e "encostar a mão na altura do peito da criança". Desconfio muito do julgamento dos outros... as pessoas tem uma capacidade enorme de maldar as coisas.

Eu tenho 24 anos, e quando saio com meu pai ando de mãos dadas com ele (ou de braços dados, como se fazia antigamente com os cavalheiros. rsrs) e as pessoas olham e fazem cara de espanto. Tipo... esse velho com uma menina dessa idade?! Ridículo!

Agora pense, viu?! As crianças que, a partir de agora, perderem as mães cedo, vão acabar morrendo... com alguam infecção ou doença. Porque se o pai não pode "encostar a mão na altura do peito" da criança, como é que vai lavar as partes íntimas no banho?!

Esse povo deveria procurar o que fazer. Quando vê, os filhos deles tão por aí... mal educados, fazendo o que querem, desrespeitando os outros, batendo no coleguinha... etc.

Me poupe!

Bjo

Raiza disse...

Muito bizarro isso tudo.
Não acho nem que seja questão de década.Eu nasci em 1990 e minha infância foi parecida com a sua Lola,meu pai me dava selinho,ele e minha mãe andavam pelados pela casa,eu e minha irmã andávamos sem camisa,etc
E ninguém nunca achou estranho.
Par de doidos esse casal de Brasília.
Coitado do italiano e da família dele,principalmente da sua filhinha que não deve nem estar entendendo o que diabos está acontecendo.

Carla Mazaro disse...

ABSURDO!!!

O mais absurdo não é o casal ter denunciado, mas a policia ter agido da forma que agiu!!

Eu nunca dei selinhos no meu pai ou qq parente, mas sempre andei de mãos dadas... e as vezes as pessoas olham torto quando ando assim hj em dia...

Como meu pai sempre me disse, a maldade está nos olhos de quem vê...

Alba Almeida disse...

Eu fico boba, como teu blog vira ouro. tudo mundo quer ler e comentar. A seriedade é impressionate.Beijos...

Alba Almeida disse...

ops... TODO mundo

Ms. Anabela disse...

Olha, eu tb achei bizarro. Não dou selinho, não daria, é coisa minha, mas daí a achar que quem dá é tarado, vai grande distância.

Sabe qual foi o problema, de verdade? É que a menina era negra e realmente turismo sexual no Nordeste é de dar medo, mas fica restrito à áreas não tão abastadas... pelo menos assim me pareceu.

Também é pertinente o que disse um outro comentarista: o italiano está parecendo um bode expiatório.

Cadê a embaixada italiana, pô???

Andie disse...

Nossa, Lola, que absurdo mesmo! Como todo mundo ja disse, eh perturbador pensar que agora temos todos que ficar preocupados com a "impressao" que daremos quando damos carinho a algum familiar.
Na minha casa eu sempre dormia abracada com meu avo, e tomava banho com ele ou minha mae ate aprender a tomar banho sozinha.. E hoje com meus primos pequenos, os abraco e beijo muito. Crianca nao ve selinho como algo sexual, e eles vem naturalmente mesmo, pra mostrar carinho.
Fico pensando no que se passa na casa dessa outra familia, pra eles tirarem essas conclusoes absurdas assim, logo de cara? Devem ser pessoas muito reprimidas e infelizes.

Luciana disse...

Bem, eu prefiro dizer que eu nao estava na hora, nao sei o que realmente se passou... Talvez seja realmente um caso de abuso do pai com a filha, talvez nao. Espero, claro, que tudo nao seja um grande (e terrivel) mal-entendido, que nenhuma criança esteja sendo abusada, e que esse pai possa sair da cadeia e essa criança voltar à Italia (o ano letivo começou por la).
Mas se ele realmente estava abusando dela, que coragem desses dois turistas denunciarem e é o fim de um triste calvario pra essa menina (a grande maioria daqueles que abusam de crianças sao pais, avôs, tios, primos... parentes)

Mariana disse...

Esse caso é um absurdo! Quer dizer que um pai não pode mais demonstrar carinho e nem ter um relacionamento puro com a filha que pessoas idiotas e reprimidas já vêem maldade?

Eu nunca troquei selinhos com meus pais, mas é porque minha família é meio fresca e achava que isso ia me transmitir várias bactérias "de adulto". Não tinha nada a ver com achar que isso fosse configurar algum tipo de abuso, era medo de "doenças" mesmo. Mas algumas pessoas da nossa convivência tinham esse hábito e nem por isso minha mãe ficava escandalizada e chamar a polícia por pensarem diferente dela. Cada um tem sua forma de demonstrar afeto, e caso esse italiano fosse pedófilo, DUVIDO que ia entrar em ação na frente de todo mundo, como vc mesma disse.

Eu li no jornal e algumas pessoas comentaram aqui que a mãe da criança - que é negra - disse que a família foi vítima de preconceito racial, já que o tal casal de Brasília não imaginou que aquele "gringo" fosse pai de uma criança mulata. E daí pra achar que é turismo sexual, um pulo. Mas é bizarrice demais a polícia não esclarecer a denúncia antes de proceder à prisão. É querer mostrar uma eficiência que não existe...

O pior é que a vida dessa família tá sendo destruída por nada, por besteira de gente conservadora que, como alguém acima disse, ia achar normal que o pai batesse na menina, mas vê maldade em demonstrações de afeto.

Liliane disse...

Enquanto isso no Amazonas tem o juiz que promovia orgias com meninas, em seu local de trabalho foram apreendidos 22 HDs de computador com cenas de sexo com meninas... Ele está solto e provavelmente continuará assim...

http://www.diariodeumjuiz.com/?p=1794
http://veja.abril.com.br/150709/cultura-pedofilia-p-056.shtml

Na verdade não sei o que é mais chocante, a truculência da polícia de Fortaleza ou a pusilaminidade da autoridades de Tefe onde e Juiz pedófilo age...

Ana Paula disse...

Essa notícia já chegou até aqui nos EUA. Ontem na radio NPR meu marido ouviu e veio me perguntar que história era essa.

Tb acho que o coitado ta servindo de bode pra políca "mostrar" serviço, enquanto os verdadeiros pedófilos devem continuar à solta, agindo numa boa.

Esse caso envolve preconceito por parte dos turistas de Brasilia. Será que se a menina tb fosse branca eles teriam chamado a polícia? E concordo tb com, memso que eles tivessem chamado a policia, como que esta leva o cara preso e pq ele permanece preso se a mãe e filha já deram depoimento??

Aqui em casa tb damos selinhos mas provavelmente da próxima vez que formos ao Brasil vamos ter que evitar isso senão vamos parar na cadeia tb!

Alexandre Terra disse...

é um absurdo isso, eu fui criado pela minha mãe, nunca tive costume de dar selinhos, mas nao vejo mal nenhum nessa demonstração de afeto, quando eu via coleguinhas de escola se despedirem dos pais com selinhos minha mãe nunca condenou, sempre me ensinou qyue era normal, nós apenas nao nos beijavamos assim por costume........um dia vou ter filhos, nao vejo problema nenhum em beijar eles na boca, minha namorada da selinho no pai e no irmaozinho, qual o problema? e a menina como fica ao ver o pai preso e acusado de pedofilia?

Bárbara Reis disse...

Fui convidada para uma entrevista do Jornal Folha de São Paulo por causa do meu comentário! hahaha...
Ô_o

medo...

Cris Prates disse...

Eu dou selinhos em Danton e não sou de ascendência italiana. Estou achando igualmente estranha essa alegação de que se dá selinho em criança na Itália. Aqui também se dá. Na abertura de não sei qual novela de Manuel Carlos aparecia Regina Duarte beijando a filha na boca. Meus pais não faziam comigo, era feio, pecado, imoral, se lá, mas que existe, existe.



Ontem estava no shopping e comecei a abraçar Danton que começou a me beijar. Um homem ao lado me olhou de maneira estranha. Achei melhor parar, vai que ele liga pra polícia de Fortaleza...

Alana disse...

Também sou do Ceará, e confesso que o número de pais que abusam de suas filhas é realmente alarmante, a quantidade de pais/avôs é lastimável. Porém, isso não justifica a reação do povo nem da imprensa. Não lembro de trocar selinhos com meus pais, mas adoro dar bitoquinhas nos meus sobrinhos.

Anônimo disse...

Lola...

O pior é em uma comuna lá do orkut uma moça teimar comigo e com mais pessoas q selinho em filho NÃO É COSTUME NO BRASIL, QUE QUEM FAZ ISSO É PEDÓFILO, pois ela nunca viu.
Aí, quando vc fala pra pessoa olhar mais pros lados q a coisa não é assim, se ofende...

Sheila

Masegui disse...

O tal "selinho" nunca foi costume em minha familia, mas não acho nada demais. Agora, pelo absurdo da coisa, essa história está muito mal contada... aí tem truta, ou melhor, "a truta está lá fora!"

Giovanni Gouveia disse...

A paranóia tomou conta da sociedade, infekizmente...

Patricia Scarpin disse...

Lola, eu não sabia disso - estou pasma. Chocada!
Em casa todos nos beijávamos muito - a minha irmã caçula, hoje com 16 anos, chegou a ter veinhas estouradas nas bochechas quando bebê, de tanto que a beijávamos. E quando eu era pequena todo mundo dava selinho em casa - coisa que hoje em dia não vejo mais em nenhum lugar.

Torço para que este pobre homem consiga superar esse problema.

Bia disse...

É a mesma palhaçada de sempre! A polícia não prende os criminosos, estupradores, assaltantes, pedófilos, corruptos, traficantes, enfim, bandidos de verdade.
Mas prende um pai que dá selinho na filha...
Não estava lá para saber se o cara REALMENTE agiu de maneira imprópria com a filha, mas tendo fortemente a acreditar que tudo isso é pura HISTERIA. Pior que é sempre assim: algum irresponsável faz uma acusação sem fundamento e pessoas inocentes sofrem injustamente. Lembra do caso da Escola Base? E do marido da Gloria Pires, que foi acusado de abusar da Cléo? A Glória foi peituda e colocou os fofoqueiros mentirosos maldosos maditos e irresponsáveis em seu devido lugar. Ora bolas, eu mesma já sofri com fofoca de gente lunática. Uma amiga me ligou perguntando se eu estava bem porque tinha ouvido falar que eu estava cheia de hematomas. Que??? Da onde alguém pode ter tirado um absurdo desses??? Por isso não acredito em fofocas, não acredito em nada que me contem assim de imediato. A maldade, a histeria e o preconceito (e a mentira deslavada) estão presentes em grande parte do que se ouve falar dos outros.

Rosa Lopes disse...

Faz um tempo que parei de ver notícia aqui pq todos os dias são presos ou denunciados depredadores e outros tipos de notícia do mesmo género. Sim é paranóico!!
Eu por exemplo verifiquei na inter a lista de abusadores registrados da minha vizinhança para não passar pela frente da casa de nenhum qd levo minhas filhas ao parquinho. Moramos num apt de dois quartos, mas caso eu tivesse um casal de filhos teria que passa a viver num de 3, pq por lei não se pode ter no mesmo quarto crianças de sexos diferentes pelo mesmo problema do abuso contra menores. Nem sempre essa lei é considerada, aqui no edif temos vários casais com 3,4 filhos (meninos e meninas) e não são notificados, mas havendo uma denúcia o problema é sério e sua vida já era!!!Mesmo q seja apenas a denúncia. Dá ou não pra ser paranóico? Mas existe a investigação. A imagem q o Brasil tem como paraíso sexual pode ser mudada, tenho certeza que a própria população tem vergonha dessa etiqueta e ajudaria no processo. Muito estranho esse caso, com tanto estrangeiro no pais para se divertir com as maravilhosas beldades tropicais (menores de idade)e a polícia acha de prende o q aparentemente tem menos haver com tudo isso!!Haja despreparo.

Bau disse...

Concordo com você sobre o exagero dos olhares maliciosos, essa coisa de tudo ser considerado assédio ou pedofilia é contaminação da hipocrisia norte-americana em relação ao sexo. Concordo também que esses crimes tenham punição severa, mas primeiro é preciso que se comprove a culpa! Eu também, nos anos 1950, andava só de camiseta e shortinho,brincava com meu pai, sentava no colo, dava selinho. A afetividade entre nós em família sempre foi muito importante para mim, continua sendo até hoje. Meus filhos e eu nos cumprimentamos muito com selinho, também cumprimento com selinho os filhos de minha namorada. Nossa, serei presa por pedofilia? Dou banho no Pedro, lavo o bumbum dele!!! Que horror, acho que vou ter que contratar um robô. Beijos, querida Lola!

Anônimo disse...

É engraçado como se toma partido fervorosamente baseado em coberturas jornalísticas rasas. Não sou contra pais que dão selinho em filhos, mas também não sei onde começa um carinho e onde vira abuso. Justamente por não saber (e por não ter presenciado) não saio por aí inflamando sobre nenhum dos lados.

Você é ótima, mas esse texto me decepcionou. Faz parte.

Elen

Carla Mazaro disse...

Ellen, o maior problema é que a policia ouviu o testemunho da màe, que declarou que não há abuso, como se isso não bastasse - pq as vezes não basta mesmo- exames psicologicos na criança confirmaram que ela provavelmente não sofreu nenhum abuso e além desse casal que denunciou NINGUEM mais viu abuso na conduta do pai... não acho que todos devem simplismente ignorar isso, mas alegar flagrante para prender o pai... é demais não?

Ághata disse...

Ah, helloo? Acho que Lola não deve nada a ninguém para o povo vir aqui com essa de 'me decepcionou', como se não fosse importante ter um posicionamento e pensamento crítico sore a questão.

CAMBRAIA disse...

Bem... acho que meu pai deveria ser preso também. Afinal eu tomava banho junto com ele quando era pequeno, e me divertia muuuuuito com isso. Saudade dessa parte da minha infância.

Anônimo disse...

'Estamos copiando um modelo norte-americano de comportamento, esquecendo que os EUA são um país em que boa parte da população enlouquece por conta da competição e 'moral religiosa'.Trocamos o Brasil de Jorge Amado (Gabriela) e Gilberto Freyre (e suas índias nuas) por um monte de hipocrisias norte-americanas. Isso é o que dá ficar assistindo o Programa do Datena'.

aiaiai disse...

Oi Lola, que saudade de ler você! Estou fazendo uma longa e doida viagem e só conecto muito de vez em quando. Vi que você passou no concurso e fiquei muito feliz e agora li esse post e entrei pra dizer 2 coisas:
1. seu pai é o maior gato, hein?
2. Concordo totalmente com vc. Também fiquei indignada com essa notícia e ainda vi uma mulher na televisão dizendo que pais e mães não devem beijar os filhos...O que significa isso? Eu beijei meu filho até ele fazer uns 10 anos e - já se sentindo adulto - parar de querer contato mais próximo na frente dos outros. Ainda assim, quando a gente está longe dos amigos dele, ele me abraça e me beija, assim como beija o pai.
Meu pai era meio reservado, não dava selinho, mas fazia muito carinho, eu deitava no colo dele e ele me chamava de gatinha. Se duvidar ainda hoje faz isso kkkk
bom, vou parar por aqui, tenho que partir de novo.
beijos

Georgia Martins disse...

Foi muito legal ler esse post, porque lembrei muito da minha infância lendo sobre a sua!
Lá em casa também todo mundo andava nu com a maior naturalidade (e eu achando que tinha nascido na família mais estranha do mundo!!!) e também sempre dei selinho nos meus pais e irmãos...
Quando ouvi a notícia do pai italiano fiquei absolutamente chocada...

Anônimo disse...

À TONA...Será que o ROMÁRIO tb não deveria ser processado por cometer o MESMO "CRIME" de "estupro de vulnerável"? Matéria que saiu HOJE, dia 25 março 2013 no BOL:

http://fotos.noticias.bol.uol.com.br/entretenimento/2012/06/19/veja-fotos-dos-famosos-com-seus-filhos.htm?fotoNavId=pr10011065

Pura hipocrisia.... E então,não vão fazer nada com mais um que, como o italiano, beija na boca a filha???