terça-feira, 15 de setembro de 2009

LEMBRANÇAS RELACIONADAS AO PATRICK SWAYZE, UM OUTSIDER

Fico tristinha com a morte do Patrick Swayze. Quero dizer, nunca prestei muita atenção nele, mas detesto quando pessoas jovens morrem, ainda mais sofrendo de câncer, e ele só tinha 57 anos e não se deixava levar pela fama (um bom sinal é que ele foi casado 34 anos com a mesma mulher, algo extremamente incomum em Hollywood. Nada contra as pessoas se divorciarem se não estão felizes, mas isso de se casar a cada três anos é estranho pra mim. Tipo, por que casar? Não entendo isso. Por que não namorar?). Patrick foi o ator de dois filmes que não gosto muito, Dirty Dancing – Ritmo Quente e Ghost – Do Outro Lado da Vida. Pra ser sincera, revi Dirty Dancing ano retrasado, na TV (veja aqui o número final) e gostei muito mais que na minha juventude (é, em 1987 eu já tinha 20 anos). Mas Ghost não tem jeito não, realmente considero o filme piegas e bobinho. Provavelmente eu mudaria de opinião se o revisse. Devo ter chorado um tiquinho quando vi o melodramão na época, mas lembro que simpatizei muito mais com aquele filme com o Alan Rickman, Um Romance do Outro Mundo, que tem temática parecida e é da mesma data. Sem falar que o Patrick nunca foi meu símbolo sexual, enquanto o Alan... Deixa quieto.
A primeira vez que eu vi o Patrick foi basicamente quando descobri todos aqueles jovens e lindos astros como Tom Cruise, Rob Lowe, Emilio Estevez, Ralph Macchio e Matt Dillon: em Vidas sem Rumo (Outsiders, do Coppola, de 1983). Na realidade, todos eles já tinham aparecido antes, principalmente o Matt, a gente que talvez não houvesse reparado. E o que eu mais me lembro é como o Patrick destoava do elenco de Outsiders. Ele parecia pai daqueles rapazes, quando era só pra ser irmão mais velho (e, na real, ele tinha apenas uns dez anos a mais que seus coleguinhas). Mas ele era tão diferente daquela turma que nunca foi considerado um brat packer. Depois lembro dele, novamente com o C. Thomas Howell, num filme que marcou minha adolescência: Amanhecer Violento (Red Dawn, 1984). Foi uma das produções mais anti-comunistas (e ridículas) que já vi, sobre soldados soviéticos que invadem uma cidadezinha ianque, e os valorosos heróis que resistem. Foi marcante porque, até então, eu nunca havia me dado conta que americano pudesse ser tão burro. O troço deve estar na moda atualmente, com todos esses americanos de direita chamando o Obama de comuna e carregando posters de “Viemos desarmados (por enquanto)”.
Tadinho do Patrick, ele não teve culpa. Aí o vi de novo com o Rob Lowe (que tem que ser um dos homens mais lindos na face da Terra) num veículo péssimo do Rob, Veia de Campeão (Youngblood), sobre hockey. Pouco depois Patrick estourou de vez com DD e Ghost. Eu me recordo mais dele em Caçadores de Emoção (Point Break), com o Keanu Reeves, e bem depois em Para Wong Foo, Obrigada por Tudo, que eu sempre confundo com Priscilla, a Rainha do Deserto (que é bem superior). Mas Wong Foo é de 95. De lá pra cá, não tenho certeza se vi mais alguma coisa com o Patrick.
Não sei se vocês perceberam um padrão nos filmes que me lembro dele: ele está constantemente acompanhado de atores mais jovens (e talvez mais bonitos). Apesar do seu sucesso em DD e Ghost, eu tinha dificuldade em encará-lo como um galã, um leading man (ator principal). E vocês?

35 comentários:

Sabrina disse...

Eu adoro a cena final de Dirty Dancing! Mesmo que ele só tivesse feito só essa cena, já vale pra mim.

lola aronovich disse...

Olha só a transmissão de pensamento! Eu tava acabando de ver essa cena! Já a coloquei no post pra quem quiser vê-la. É uma gracinha mesmo. Ah, eu adoro musicais!

Menina Robô disse...

Ahhh poxa Lola...
vim saber agora em seu blog pela morte do ator...

Beijos

Niny

Sheryda Lopes disse...

ACABEI de botar um post sobre o Patrick no meu blog, e por coincidência, usei a mesma foto que vc, Lola. Será que o Google tá fazendo as blogueiras irem todas p mesmo canto (rs!)? Mas o meu post tá bem mais dramático porque ele foi um galã para mim por causa do Ritmo Quente, que eu sempre adorei. Tinha uns doze anos quando assisti pela primeira vez, e decorava a letra, os passos e até as falas, mesmo não dominando o inglês (s´assistia legendado).

Tô triste por ele, e até porque, por mais que não fosse um graaande ator, de alguma forma sempre me despertou muito carinho e simpatia. Acho que eram os olhinhos pidões que ele tinha.

Sheryda Lopes disse...

Mas eu nunca assiti "Outsiders", apenas li o livro e chorei MUITO. Se você souber onde baixa me avisa, por favor.

Bjão!

Vitor Ferreira disse...

Eu gosto do Patrick, e o filme dele que mais gosto eh 11:14, uma comedia de humor negro independente, muito interessante. Acho que vc iria gostar desse filme.
Adoro ele cantando She's Like The Wind tambem. Acho que se ele tivesse se dedicado mais a cantar musicas romanticas nos anos 80, seria ainda mais "iconico" hoje.
E acho que o status de galã dele vale mais pelo porte, simplicidade, virilidade e charme. E vamo combinar que quase nenhum dos outsiders tem de fato essas caracteristicas.

Ale Picoli disse...

Eu nunca liguei muito pra ele tb. Só lembro que esse "Para Wong Foo..." teve o mérito de ser o único filme que eu comecei a ver voluntariamente e não tive saco de terminar. E olha que eu sempre vejo TUDO até o final.
Bem, não tudo. Outro dia abandonei no meio um filme com um Anthony Hopkins viajandão que meu marido amou. Não lembro nem o nome. Depois de babar de tédio em cima de uma das minhas gatas, parei de masoquismo e fui dormir.

Romanzeira disse...

Engraçado, também não o via como um galã. Gostei pra caramba do surfista alucinado de "Caçadores de amoção". Era um personagem na contramão da sociedade. Uma pena...

Ana Paula disse...

Nossa, eu assiti Ghost qdo tinha uns 15 anos e me debuhei de chorar no cinema. Ainda gosto muito do filme, acho romantico, engraçado, triste...tudo de bom. E amava DD, meu sonho era dançar igual à eles em alguam festa. Tinah o disco (aquele, de vinil) e vivia tentando cantar a musica (nào falava lhufas deingles na época). Ele tb nào é meu tipo, mas achava ele muito carismático. Tb admirava isso, dele ser casado por 34 anos. Os dois eram bailarinos tb e fizeram um filme sobre dança juntos. Enfim, uma pena mesmo ele ter partido tào jovem por causa dessa doença terível.

Ivana disse...

Loléte, eu chorei biiiicas com Ghost! Foi o filme com ele que mais me marcou, apesar de eu ter visto outros em que ele atuou. Mas aquele olhar meio tralhotinho, aquele andar único. Ah, eu me rasgava de amores. Pena que ele andava tão sumido e que foi consumido por esta doença traiçoeira.
Agora, um filme que eu nunca vi foi Dirty Dancing e ai vi essa cena final aqui no teu post! Jesuis, como ele tava lindo!
Beijo!

Neide disse...

Oi!
Fiquei sabendo agora por vc... adorava ele! não era O galã , mas um ator razoavel! pena...

Oliveira disse...

Lola; desafio das outras personas. Você me adora e não sabe!


“This is exactly” significa "é isso exatamente", Se seu inglês não permite saber isso, a culpa é da sua pobreza cultural, não minha.

Você é tão obtusa que não percebe quantos dos seus leitores eu sou. O engraçado que você me adora com outros nomes e até me defende dos ataques dos trolls.

Vou te dar uma chance, e a teus leitores feios e obtusos iguais a você, de se livrar de mim para todo o sempre.

Se vocês puderem citar o nome de uma das personas que eu uso para frequentar esse blog, não o lerei nunca mais, portanto não os importunarei jamais.

Me sinto muito vazio em debater com mentes tão primárias como a suas.

Digam, Lola e demais, somente um dos seus leitores que eu sou com outro nome, que eu os deixo em paz com suas burrices.

lola aronovich disse...

Oliveira, vc não sabe falar inglês, e pega mal tentar discutir inglês com alguém que escreveu uma tese de mestrado e outra de doutorado em inglês. Só assuma a sua ignorância e tente aprender. Em inglês usamos muito a palavrinha “It”. Em português podemos dizer “Está chovendo”. Em inglês temos que dizer: “It's (it is) raining”. “This is exactly” não faz sentido algum. Só faz sentido pra quem traduziu literalmente, palavra por palavra, do português pro inglês. Deveria ser “This is IT exactly” ou até “This is exactly it”. Aviso que não há nada de errado em não saber falar inglês. O chato é quando alguém se mete a falar inglês pra parecer mais erudito... e erra! (aqui na minha cidade havia um colunista social que adorava fazer isso. Era um mico atrás do outro).
Eu não te adoro não, Oliveira. As pessoas são o que são não pelos seus nomes, mas pelas suas ações e discursos. As suas palavras são sempre hostis, cheias de ódio e preconceito, coisa de troll mesmo. Eu não gosto de nenhum troll. Tampouco gosto de gente preconceituosa e cheia de ódio. Se vc aparece aqui com outro nome e age educadamente, eu te trato bem. Se vc aparece aqui agindo como um Oliveira, eu te deleto (e considere uma honra que vc seja o único troll que eu deleto. Ou devo dizer, o primeiro). É simples assim. Conheço poucas das minhas leitoras pessoalmente. O que conheço delas é pelo que escrevem, tanto nos comentários como nos blogs que algumas mantem. A maior parte contribui muito para o debate, é inteligente e articulada. Você é o que é, um troll, uma pessoa frustrada e triste e que gosta de espalhar discórdia. Apenas isso, um lixinho virtual, que na vida real não deve ser muito melhor.
Ah sim, e vc é o único troll que tenho no momento. Então eu defendi algum leitor do seu ódio? Difícil, porque eu quase sempre ignoro seus comentários.

SandraM disse...

Lola, gostava do Patrick sim. Mas o filme com ele que mais me mexeu foi City of Joy - nao sei como ficou em portugues. Amei esse filme. E também gostei daquele seriado Heaven and Hell - North and South.
A vida dele foi tracada por algumas desgracas que o derrubavam mas ele sempre conseguia levantar. Nessa contra o cancer, ele lutou duro hein!

Anônimo disse...

Curioso, Lola. Ele também não estava entre meus atores preferidos. Nenhum de seus filmes está na lista de meus preferidos. Aliás, nem gosto muito dos filmes que fez. Mas, a morte de Patrick Swayze me deixou triste, talvez por ele representar uma época (nossa juventude, como você disse)que não voltará mais. Ea morte de pessoas como Patrick, que ajudaram a construir o imaginário de uma geração, sempre nos fazem lembrar da transitoriedade da vida, né? De como crescemos, mudamos, envelhecemos. Obrigada pelo post. Sandra

Anônimo disse...

Fui injusta no comentário anterior. Tem um filme com o Patrick (em um papel pequeno) que adoro: "Donnie Darko". Sandra

Mary V. disse...

Dirty Dancing fez minha infância, Lola. A cena final ainda passa na minha cabeça toda a vez que alguém fala em Patrick Swayze.
Mas nunca gostei dele como ator, sempre me referi a ele como "um dançarino incrível". Agora parei pra pensar se essa imagem de homem-que-dança impediu o galã nele de decolar numa indústria onde a maioria dos galãs fazem lembrar frat-boys. beijos beijos!

Luma Perrete disse...

Eu fiquei triste pra caramba com a morte dele. Bem mais triste do que com a morte do Michael Jackson.

Eu adooooro Dirty Dancing. É um dos meus filmes favoritos. Tenho a edição de colecionador do DVD e já vi o filme um monte de vezes.

FELIPE G2 disse...

Nunca vi um filme dele, mas a minha mãe é fã dele (na verdade, minha mãe é fã mesmo do Richard Gere [é assim que escreve?]). Que pena que ele morreu...

Ana Paula disse...

Uai Lola, que foi esse comentário desse Oliveira???? O que tem av com o post???? Boiei nesta mas adorei sua resposat pra ele.

Bárbara Reis disse...

Bom... eu nunca o achei a última bolacha do pacote, mas adoraria dançar com ele, como em Dirty Dancing... hahaha... eu tenho vontade de aprender dança de salão por causa do filme...

Eu tenho o vídeo da música salvo no meu orkut com várias cenas do filme. Acho bem legal, apesar de não ser O Sr. Filme.

Gosto de Ghost também... mas não é um 'Amor Além da Vida'... hahaha... é bonito... eu choro... bom, a pergunta seria, com o que eu não choro...

eu choro até com comercial de margarina. [já aconteceu]

HAHAHA...

Beijão, Lola!

Saudades de comentar aqui... já perdi o posto de 1º lugar nos comentários. T_T

;***

Paloma Peruna disse...

Eu amo DD! Tenho em DVD e tudo. Fiz um escândalo qdo encontrei nas Americanas por R$12,00! O filme é bobo mas mexe com minha memória afetiva. Na época eu fazia aula de dança de segunda a sexta (ballet, sapateado e jazz) e sei a coreografia até hj. Gosto demais daquela cena em q eles estão ensaiando e qdo ele desliza a mão no corpo dela, ela sente cócegas e ri mto. Eles repetem exaustivamente sem conseguir e ela foge pra se apresentar na cidade vizinha e consegue fazer... AMOOO. A capa do DVD é essa cena, inclusive. Mas tb nunca o considerei um galã. E em Caçadores e Emoçao eu só tinha olhos pro Keanu, q estava absurdamente lindo. Fiquei mto triste pelo Patrick

Bárbara Reis disse...

HAHAHAHA... Eu não sou o Oliveira! hahahaha...

D:

Ai Lola, ignora!

Só apaga, nem responde, nem lê!

Ele diz 'deixar em paz' como se ele fosse O Terrorista... que medo dele... hahaha...
Problema dele se ele é um idiota, certo?

Como diz minha mãe: - Quem você é, e o que você faz, só trará retorno pra você, a diferença é se o retorno será positivo ou negativo.

em outras palavras: o plantio é livre mas a colheita obrigatória! ;p

:***

Samantha disse...

Lola, ele foi meu primeiro marido...hehehe. Eu era fã dele quando novinha, fã demais. Colecionava até as fotinhos das revistas, coisa mais fofa q eu era.
Sempre achei ele lindo, e um ótimo dançarino! Aliás, aprendeu com a mãe, que também dançava.

Ele pareceu ser um cara tranquilo, q vivia a vida numa boa ao lado da esposa, sem muita agitação de Hollywood. Fiquei triste, de verdade.

Patricia Scarpin disse...

Lola, o fato de ele dançar já conta muitos pontos a favor, porque muito homem por aí acha que dançar, ser bailarino é coisa de "bicha". E eu o achava muito bonito, apesar de não ser muito lá essas coisas como ator.
Já vi "Ghost" várias vezes, ontem revi no Telecine, só por causa da Whoopi Goldberg - ela está bem demais no filme, rolo de rir com ela. :D

Sheryda Lopes disse...

Lola, eu sou o Oliveira.

rs! Brinquei! Ei, que que foi isso, hein? Também boiei, que nem a Ana Paula. E tb adorei a reposta que vc deu.

Mas o tal Oliveira mexeu com minha autoestima: será que sou uma de suas leitoras feias?

Christina Frenzel disse...

Eu gostava muito do Patrick Swayze, mas nunca o imaginei numa papel de grandes destaques... mesmo em Ghost e Dirty Dancing, acho que faltou 'algo', sei lá.

Mas fico triste, era um cara jovem, cheio de garra e, aparentemente, 'do bem', coisa que estamos precisando - e muito, hoje em dia.

Beijos

Sabrina disse...

Olá a todas, eu gostaria de dizer que não sou o Oliveira!

Involução é impossível pra mim.

Beijos!

L. Archilla disse...

cara, esse oliveira precisa de psiquiatra. o cara se dá ao trabalho de criar múltiplas personalidades só pra atazanar a autora de um blog q ele odeia!

campanha: tratamento para oliveira JÁ!

Cynthia Santos disse...

Eu a-ma-va o Patrick... senti muito quando ele teve uma doença que não lembro agora o nome, que o obrigou a parar de dançar... Sandra M, o filme "City of Joy" é o "Cidade da Esperança", na minha opinião o melhor filme dele (claro que me conquistou aos 14 aninhos com Ritmo Quente, eu sonhava em ser a Jennifer e dançar com ele...ahahahaha) mas a gente cresce, né? ehehehehe
Estou chegando agora e adorei seu cantinho, Lola!!

Alba Almeida disse...

Oi, Lola,
ghost pode num ter sido algo grande, apenas marcou muito. Eu estava no inicio do meu casamento, tinha uma grande amiga de infância q estava noiva e prestes a casar e o noivo dela foi assassinado em um assalto, na frente da casa dela,...
ela pirou e esperou muito ter contato com ele.
...nunca esqueci...

Beijos

Somnia Carvalho disse...

Lolinha, dormi antes de ontem e acordei ontem pensando no Patrick... E estranho explicar isso, mas embora eu saiba exatamente que ele nao era um bom ator, daqueles que a gente tem respeito pelo profissao, entende? eu tinha uma coisa com ele...

acho que tem a ver totalmente com o Dirty Dancing... eu sempre fui a feiosinha do filme me jogando nos brancos daquele homem timido, lindo e super dancarino... mas ao mesmo tempo o jeito como ele morreu me deixa muito triste. Isso porque qualquer um de nos se percebe como sendo vulneravel... a beleza e a juventude se esvai numa doenca assim...

sei la Lolitia, fiquei mo triste ontem e tambem escrevi la um post meio sem sentido, mas ces la vie non?

beijocas

lola disse...

To vendo que Dirty Dancing foi marcante na vida de muitas! Pois é, na minha não foi, talvez porque eu já não fosse mais adolescente com 20 anos. Flashdance sem dúvida é muito mais marcante pra mim!
City of Joy eu nunca vi, mas muita gente diz que é bom. Deve ser o projeto mais (cade as aspas nesse teclado?) empenhado do Patrick.


Queridas, sobre o Oliveira, não esquentem! Eu tenho o IP dele e sei que ele é do Rio de Janeiro. Não sei a cidade de todas(os) as minhas comentaristas mais frequentes, mas muitas(os) eu sei. E nao acho que um amebatroll como o Oliveiro consiga ser educado, nem muito menos se passar por uma leitorA, pra começar.
Mas é caso de tratamento sim, Lauren. É MUITA falta de sentido na vida ter que entrar num blog que odeia pra xingar a autora (e suas leitoras) a toda hora...
É o típico caso de GET A LIFE.

lola disse...

E Somnia, esqueci de comentar o seu comentario. Olha, pra cima de moi nao! Vc dizer que se identificava com a feinha do Dirty Dancing nao cola (nao que a Jennifer Grey seja feinha). Eu vi suas fotos!

Gildo Araújo disse...

Pra mim ele sempre será um ator medíocre.