domingo, 7 de dezembro de 2008

ESCOLINHA GIRASSOL, MEU PRIMEIRO MATERNAL

Eu fazendo arte em casa, ao lado do meu irmão.

Olhem que demais! Encontrei um relatório do meu primeiro jardim de infância. Foi na Escolinha Girassol, no Rio (uau, fui procurar imagens e descobri que a escolinha ainda existe, em Ipanema! Já tem 42 anos de vida. As fotos coloridas com as crianças que ilustram este post eu peguei de lá). Minha mãe achava aquela escola o máximo, mas devo confessar que me lembro pouquíssimo, já que eu era um toquinho de gente na época. O relatório que achei é de dezembro de 1971. Eu tinha só quatro anos e meio. Minha família chegou ao Brasil em abril ou maio, ou seja, apenas alguns meses antes. Provavelmente eu ainda não dominava o português com a desenvoltura invejável que tenho hoje (ha, perguntem ao maridão: “anjo, é arrematador ou arrebatador?”).
Mas antes de uma avaliação individual sobre a minha pessoinha, há todo um relatório de atividades, datilografado em folhas pra lá de amareladas. Lendo-o, eu me sinto numa máquina do tempo. Percebam como o mundo mudou: “Partimos da tese de que a arte deve ser a base de tôda forma de educação” (tudo sic, acho que foi escrito antes da reforma ortográfica que aboliu alguns acentos). Cuma? A arte como forma de educação?! Essas professoras comunas! A Veja certamente discorda desse tipo de educação.
Algumas atividades descritas saltam aos olhos. Não sei se continuam sendo feitas hoje:
“A pedido da escola, [os alunos] trouxeram de casa bichos de brinquedo e, em outro dia, bichos de verdade, causando grande alegria para todos”. Aposto como naquele tempo eu nem tinha bicho pra levar (eu me recordo vagamente de um dálmata chamado Sol que tivemos por pouquíssimo tempo, até que meus pais o deram pra uns amigos, já que morávamos num apê. Minha tartaruga Paquita veio depois).
Na unidade sobre alimentação, a escola descreve atividades como fazer biscoitos, salada de frutas (gostei dessa parte, que não vi no meu estágio de Pedagogia: “antes, cada fruta era vista na sua textura, côr, tamanho, cheiro, casca, semente, carôço” - bem mais interessante que só cortar as frutas e dar pras crianças comerem a salada). Mas o gritante é que não há uma linha sequer sobre alimentação saudável, comidas perigosas, epidemia da obesidade e tal. Outros tempos mesmo! Falam até de um passeio a um supermercado próximo pra comprar balinhas. Imaginem uma escola hoje falando pros pais de classe média que vão levar os filhos prum supermercado pra comprar balinha. Iria ser um escândalo. Sairia no Fantástico. Seria quase uma nova Escola Base, se bobear.
Aí parece que fomos levados a um sítio, onde tomamos “banho nús num riacho”. Hello? Como assim? Hoje em dia as crianças ficam nuas na frente das outras, mesmo com quatro aninhos? Não sei, desconfio que não. Pelo que vejo na praia, as menininhas usam até a parte superior do biquini, o que pra mim soa estranho, porque são crianças, não mulheres! Falta ainda uma década pra que essas garotas tenham algo parecido com seios. Quer dizer, com quatro anos, meninas têm tanto peito quanto meninos, não? Acho que atualmente estamos muito mais encucados (paranóicos, inclusive) com esses temas. Imagino que naquela época mal se falava em pedofilia. Pelo menos não tanto quanto hoje.
Numa unidade sobre profissões, “foram entrevistados pelas crianças bombeiro, salva-vidas, sapateiro, carpinteiro, trabalhador do prédio em construção da rua da escolinha, etc”. Ainda que não haja qualquer menção a mulheres profissionais, é legal pra um maternal particular ensinar as crianças que nem todos são médicos, dentistas, engenheiros e donos de empresa.
Bom, sei que vocês devem estar super curiosos pra saber como a Lolinha foi avaliada, mas isso fica pro próximo domingo. Já tá muito longo o negócio. Vocês aguentam até lá! Só posso adiantar que eu aparentemente tinha sérios problemas psíquicos e mentais, a julgar pelo relatório das professoras. Suspense...Eu no meu ateliê. Acho que já sabia escrever.

41 comentários:

Anônimo disse...

Deus do céu! Dá vontade de morder essas duas crinaças aí da foto!
Que fofuraaaaaaaaaaaaaaaa!
Volto depois para ler o post.
Fatima.

L. Archilla disse...

AHAHAHAHAHHA

ERA UMA ESCOLA HIPPIE!! Q DEMAIS!! AHAHAHHA

Paola disse...

Que legal!
Essa escola,é precursora do que hoje chama-se Sócio-Construtivismo.
Essas idéias são a semente do que todos deveriam estar fazendo.
Em todas as atividades, até na compra das balinhas, vejo os princípios norteadores de uma educacão baseada na experiência, nos conhecimentos individuai, na socialização!!!
Beijo
PAola

Anônimo disse...

Lola há algo que considero apaixonante, chama-se:Pedagogia.
Parafraseando Cazuza eu cantaria assim: Pedagogia, eu quero uma pra viver! Não tenho dúvidas de que fui u'a mãe protetora em excesso e, na hora de matricular a filha no jardim de infância aos 3 anos, tive que fazer terapia pois sentia medo que a professora não cuidasse bem. Eu era tambem professora, em outra escola, e tambem tinha um medo terrível que as crianças se machucassem. Felizmente tudo transcorreu bem. Depois veio aquela moda do roller e comprei pra filha (com um lindo par, tambem de joelheiras, cotoveleiras etc.)e no meu quintal ficava uma turminha, que tambem tinha à disposição, uma pequena rede de volei,uma cestinha de basquete, um quadro negro, e até uma cortina enorme que corria num trilho,para fazer as vezes de teatro ah que tempo bom, ver o meu quintal cheio de crianças.
Acredito que cada um traz temperamento e caráter mas a educação pode fazer MUITO por nós.
Este assunto da pré-escola é muito importante. Fui voluntária numa creche pública, no ano passado, e apesar da boa vontade do corpo docente, notei uma GRANDE omissão por parte de 60% dos pais. Eles não vem às reuniões, simplesmente.
Dou a este desprezo, o nome de analfabetismo político, porque : pai e ou mãe, que não presta atenção na educação dos filhos não tem noção de cidadania. Voltarei para comentar mais.Fatima.

Cereja disse...

Nao sei quem foi que tirou as fotos (mae? pai?), mas achei as duas lindas. Nada a ver com o assunto, claro.

Marjorie disse...

Você tá muuuuuito fofa na foto do maternal! Seu irmão também.

Ainda estou na casa dos vinte, mas também acho que, quando eu era pequena, não tinha essa paranóia toda, não. No pré, eu tinha até um "namoradinho", tenho até foto dos dois toquinhos de gente dando um beijo de bitoqwuinha. E todo mundo achava fofo -- até pq namoradinho de infância é só alguém com quem você brinca junto. Imagine hoje, o que iam dizer. Haha fosse nos EUA, condenavam o menino por atentado ao pudor...

Anne disse...

Que carinha sapeca na primeira foto, hein?! Uma graça.
Lembrei de uma história do meu Jardim de Infância no interior do Paraná. Eu devia ter uns três anos, se tanto, e estava muito feliz com um tênis novo que tinha ganhado. Um menino comentava que o tênis dele era melhor porque não entrava formiga. Fomos testar a teoria dele. Ele pisou primeiro no formigueiro, fui logo em seguida. Lógico que, depois da pisada dele, as formigas estavam agitadíssimas e subiram pela minha perna. Minha mãe chegou na hora pra me levar pra casa eu chorando feito uma louca e brigando porque meu tênis não era à prova de formiga. Beijos =^.^=

danda disse...

Lola, não faça isso! Que suspense... Mostra amanhã pelo menos. Ainda falta muito para domingo! Quando eu estava achando a escola linda, com experiencias totalmente diferentes das que eu vivi... As vezes quando eu leio sobre alguma escola com uma filosofia como a sua, eu me pergunto se eu seria uma pessoa diferente hoje se tivesse estudado em uma. Por que por mais que se tente recuperar o que se passou durante a infancia algumas coisas fazem parte do que você é e não é possível mudar. Gostaria de saber de você se essa escolinha, mesmo você tendo passado pouco tempo interferiu na construção da pessoa tão consciente e inteligente que é hoje. Ah, vim te lembrar do post da comida, não vou te deixar esquecer! Andei pensando um pouco sobre esse assunto, mas acho que viajei um pouco rsrsrsrs

Andrea Cristina disse...

Que foooofaaa! Tanto as fotos quanto os relatos.

E tb tenho poucas lembranças do meu jardim de infância. A história lendária que minha mãe insiste em lembrar sempre é de eu chegando em casa toda mordida. E no dia seguinte ela indo à escola reclama e dando de cara com a minha tia q tb estava lá para reclamar que minha prima tb tinha levado umas mordidas. Não preciso nem dizer o que tinha acontecido, né? Pena que disto eu não lembre...

Vou esperar a segunda parte deste post bem ansiosa!

abraço, Andrea

PS - tô de volta depois de uns dias ausente, mas por bom motivo. Vou tentar "catch up" com os outros posts. =P

Leila disse...

lola,
como vc era uma criança linda!!! Nossa q vonttade de te apertaaar!!!!

Sua escolinha era ótima! Procure na net sobre métodos de waldorf! acho que você irá se encantar!

Leila disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
cavaca disse...

Essas fotos suas são ótimas, da para ver na cara que você era uma criança mandona. Nós, na minha época de escola, na 5ª série, iamos ao supermercado a pedido da professora para fazermos pesquisa de preços. Engraçado me lembrar disso agora, aquela mulher já queria que nós fossemos poupados desde pequenos, ela inclusive nos colocava para fazer hortas no quintal da escola e uma vez nos levou para visitar uma reserva indigena em "Limeira?" Já não me lembro. Era ótimo, e como eramos crianças da periferia (não sei se há periferia numa cidade de 50.000 habitantes) muitos filhos de gente que trabalha na roça, nos dava concelhos de higene e toda quarta-feira nos metia a fazer bochechos com flúor. Era nossa professora preferida. E o nosso professor de história, Pascoal, que era militante do PT, tentava nos dar uma visão mais de esquerda sobre a vida (acho que é por causa dele que comecei a desconfiar dos jornais, nos contava muita coisa da ditadura. Era nosso professor rebelde e para mim pessoalmente, meu herói, pois eu era muito timido, mas sempre o melhor aluno, e ele me ajudou a vencer essa timidez. Mas parece que naquela época a escola era mais divertida e diversificada do que hj não é?

Lolla Moon disse...

Minha mãe já tomou um ESPORRO na praia certa vez porque eu estava sem a parte de cima do bíquini. Haha. DOIS ANOS. Eu tinha dois anos. A velha encheu tanto o saco que minha mãe, para não lhe dar um cascudo, me vestiu com a camiseta com a qual eu tinha chegado na praia, já que a tal "parte de cima" do biquíni mesmo eu nem tinha.

Acho que isso deve ter causado sérios traumas, porque lembro que até uns 9, 10 anos eu saía pra brincar na rua sem camiseta. Ué, eu não tinha peito, ia esconder o quê?? Os amiguinhos me zoavam, mas no fundo nós éramos crianças e não estávamos nem aí. Os adultos eram os que achavam absurdo. Teve pai proibindo filha de falar comigo. Eu também de-tes-ta-va usar calcinha, e por isso evitava saias e vestidos, só usava shorts. :) Só depois dos 10, 11 anos quando comecei a ter peitos, passei a usar camiseta mesmo no verão.

Mas ter coragem de comprar um sutiã demorou, viu. E aí começou a campanha das amigas na escola. Porque, segundo elas, "dava pra ver" meus peitos por debaixo da camiseta. Tipo ohhhh, peitos "imensos", sabe. Eu segui achando tudo ridículo até a professora chamar a minha mãe na reunião de pais e sugerir que ela me comprasse um sutiã. Eu achei aquilo um horror, porque realmente os peitos eram mínimos, não havia necessidade (se é que sutiã é necessário...). E eu nem estudava em escola de freiras, sabe.

P.S.: Lindas as crianças da sua família, hein? :)

Anônimo disse...

Esta vai para a Lolla Moon, pôxa, conforme disse o publicitário W. Olivetto, na sua famosa campanha : "o primeiro sutiã a gente nunca esquece", de fato, pra mim foi inesquecível quando minha mãe entregou-me aquele pequenino sutiã.
Vesti a peça e tive uma imensa sensação ...de HORRÍVEL inadequação!
Por certo meu corpo estava, já, de uma mocinha mas minha cabeça era de criança e eu NÃO queria, aquela peça, me apertando o tórax.
ARGHHHHH até hoje acho muito chato
usar sutiã e queria ser índia pra andar sem blusa. Tenho inveja do meu marido que pode caminhar pela praia com o peito nu.Fatima.

L. Archilla disse...

cara, sutiã é um pé no saco. ou nos peitos... enfim...

ganhei meu primeiro com 9 anos, fiquei felicíssima, claro... mas acho q o incorporei de vez no guarda-roupa lá pelos 11, quando começa aquela disputa entre as menininhas de quem é a mais adolescente.

conforme o tempo foi passando foi ficando impossível não usar. ainda hoje, morro de inveja dessas mulheres mais "mignon", q podem sair no verão só com blusa de alcinha, tomara que caia, ou similares. e, definitivamente, não entendo quem tem essa vantagem e destrói colocando silicone.

Lila disse...

Mas que menina linda, esperta e com cara de sapeca :)
Ih, tive que usar sutiã cedo, com 10 anos já tinha peitinhos, menstruei com 11. E graças a Deus não me lembro de nenhum episódio de pedofilia, não sei pelo fato de morar numa cidade bem pequena, todo mundo conhecia meus pais, até pq meu pai era funcionário do Banco do Brasil, quase tão autoridade quanto o prefeito, coisas de cidadezinha do interior.
Lola, comentei no seu post "mulher foi feita para receber desfeita" e no post do Gio sobre a ditadura.
Respondi seu coment lá no meu blog.
Desabafo: acredita que teve um visitante idiota no meu blog que foi reclamar sobre o nome do blog. Aff
Resposta aqui: aqui,
visitante idiota aqui.

lola aronovich disse...

Gente querida, respondendo correndão:

Fátima, quequié?! Nada de mordidas! Se bem que eu tenho certeza que sou feita de chocolate por dentro...


Lauren, pois é, acho que era. Pelo menos naquela época. Pensando bem, quando eu estudei lá, a escola tinha acabado de abrir! Não é? Se eu tenho 41 anos, e a escola tem 42... Mas como, se eu estudei lá com 4 anos? Alguém resolve essa equação matemática pra mim?

lola aronovich disse...

Paola, concordo, é o que todas as escolas deveriam estar fazendo, ao invés de prepararem as crianças desde a primeira série pro... vestibular! Tem escola que fala isso com orgulho!


Fátima, eu fiz Pedagogia, e acho Ideologia mais interessante. Se bem que ideologia tá em tudo, inclusive na Pedagogia. Puxa, sério? Vc teve que fazer terapia pra colocar sua filhinha no jardim? Há há, a gente sempre pensa na criancinha chorando em frente à escola, gritando porque não quer se desgrudar da mãe, e se esquece que a mãe pode estar se sentindo assim por dentro! Foi o seu caso, então?
Que coisa, 60% dos pais na creche não apareciam pras reuniões? Isso é muito ruim.

lola aronovich disse...

Cereja, a fotógrafa da família era a minha mãe. Ela era ótima, né? Agora que tem câmera digital não tira tantas fotos como deveria...


Marj, é, essa foto foi tirada lá em casa, não no maternal, e não tenho muita certeza de quantos anos eu tinha, mas deve ser por aí, né? Meu irmão tá com pinta de ter uns 2 anos. E como sou dois anos mais velha que ele... Ah sim, acho que a paranóia deve ter aumentado muito nos últimos 15, 20 anos, e principalmente por causa dos EUA. Realmente, isso de criança ser suspensa por atentado ao pudor é impressionante! Coisa de americano mesmo.

lola aronovich disse...

Anne, maior cara de sapeca mesmo. Alguma eu tava aprontando. Pelo jeito havia duas fotos dessas. Meu irmão deve estar com a outra. Foi essa que ele adaptou pra usar quando eu tinha uma coluna no site dele (clique na foto pra ampliar).
Que fofura a sua história de tênis anti-formiga! Deu vontade de fazer essa experiência agora!


Danda, não dá, não dá... Só no próximo domingo mesmo. Eu tendo colocar as coisas mais levinhas no domingo, já notou? Amanhã tem coisa pesadona pela frente. Sobre a escola não sei quantos anos fiquei na Girassol, só que depois eu fui pra Escola Parque, e dessa eu me lembro bem melhor. Eu gostava muito de lá, tinha muita mata em volta, e a gente fazia várias aulas ao ar livre. Essa escola ficava na Gávea (eu acho. Ou era Tijuca?) e teve bastante influência sobre mim. Pelo menos foi lá que escrevi meu primeiro poema. Eu lembro como foi: a professora pediu pra classe desenhar alguma coisa pra comemorar a primavera, e eu disse que não sabia desenhar e perguntei se podia escrever. Ela disse que sim, e assim nasceu meu primeiro poema! Imagina se ela tivesse dito “Não, tem que desenhar”?
E que post de comida é esse? Desculpa, me lembra com mais detalhes, por favor. Aí juro que eu anoto. Aliás, fica aí a dica a todas(os) vcs: se eu esqueci algum post, se algum tá demorando muito pra sair, se vc tem alguma sugestão sobre alguma coisa que eu deveria escrever, FALEM, por favor. Sou toda ouvidos.

lola aronovich disse...

Andrea, seu jardim de infância foi quando, anteontem? Vc se lembra por que vc e sua prima se morderam mutuamente? Será que ela se lembra? Eu queria saber! Abração, vamos nos ver na quinta?


Leila, eu conheço de leve os métodos de Waldorf, porque eu cursei Pedagogia, sabe? Não que isso significa alguma coisa. Acho que cursar uma faculdade e nunca exercer a profissão não vale muito...

lola aronovich disse...

Gente, aproveitando: cadê a Camomila?! Tô preocupada com vc, moça! Vc sumiu, o seu blog foi desativado... Espero que esteja tudo bem contigo.


Cavaca, como assim, “dá pra ver que eu era uma criança mandona”?! Eu nem acho que eu era! Tudo bem que eu era a mais velha, e imagino que toda criança mais velha seja um pouquinho mais mandona, mas eu sempre me considerei super democrática. Mas que legais as suas experiências e suas memórias, Ca. Esses professores têm muita influência sobre a nossa vida, sim. Acho que tem muita professora (e professor) boa por aí, inclusive hoje.

lola aronovich disse...

Lolla, ah, vai pastar! Não vc, mas a senhora que encheu o saco da sua mãe. Por que uma menina de 2 anos precisa usar a parte de cima do biquini? Sério, queria saber. Quais são os argumentos? Porque eu não entendo! Criança não tem peito. Quer dizer que aos 9, 10 anos vc já erá uma péssima influência na rua porque não usava camisa?! Ai, isso de campanha pra usar sutiã na escola... Sabe, eu tava vendo a foto que coloquei na terça, no post “Eu, Sexóloga”, e acho que eu tava sem sutiã. Mas como sem sutiã, se eu já tinha 15, 16 anos?! Imagino que naquela época eu usava sutiã. Não tenho nenhuma memória de “meu primeiro sutiã” nem nada disso, mas certamente eu retardei o quanto pude, porque, convenhamos, aquilo não é confortável! Mas nisso de usar sutiã as mulheres são muito mais vigilantes que os homens, né? Mil vezes. Acho que homem nem nota.... (e eu também não noto, sinceramente).
Agora lembrei de uma leitora que ficou revoltada com a foto que pus da Julianne Moore em Ensaio sobre a Cegueira. A leitora disse: “Pô, ela devia estar usando sutiã! Como que pode?”. Quer dizer, o mundo tá acabando, a população toda ficou cega... e a mulher não estar usando sutiã é o cúmulo!

lola aronovich disse...

Fátima, Lauren, legais esses papos sobre sutiãs. Eu escrevi um post sobre isso aqui. Mas foi só a primeira parte! Ainda preciso escrever a segunda, a terceira... Se eu pudesse ficar sem sutiã, eu ficava numa boa. Mas tenho seios enormes, e eles vão caindo com a idade, então seria um escândalo. Agora, se toda a sociedade abolisse os sutiãs, eu seria a primeira da fila! Adoraria! Sutiã só existe porque é pra mulher. Tá, homem não tem seios, mas e se fosse uma convenção social que os testítulos tivessem que ficar bem durinhos e sempre pra cima? Se houvesse algo como sutiã pros testículos, que os homens fossem OBRIGADOS a usar desde os 10 anos, até o resto da vida? Eles usariam? Claro que não!


Lila, ah , que bom, tem essas vantagens de viver em cidade pequena, onde todo mundo se conhece. Vi lá no seu blog o visitante idiota. Que nada a ver, Lila! O que acontece, a pessoa acorda num dia ruim e aparece num blog pra criticar assim do nada?

Anônimo disse...

HAHAHAHHHAAHHA tô saindo pra ir ver a chegada do papai Noel lá no cais do centro histórico. Ele chegará de barco! Mas antes de desligar preciso sugerir um nome para essa peça íntima, que a Lola imaginou para suspender testículos
eheheheheheh
Que tal... "CATA-BOLA"?
HAHAH
AHAHHAHA

Cris disse...

Lolinha!

Já tinha notado que os posts de domingo são refrescantes, com gatinhos, crianças, churrascos, etc.
Linducha vc bebê, e continua com a mesma carinha!
beijos

Anônimo disse...

OOOops a sugestão do "cata-ovos", aliás, "cata-bola" é minha!
HAHAHAHAH Fatima.

Anônimo disse...

hahahahah surgiu mais uma idéia:
"pára-saco" hahahahahaha

Cris disse...

Sobre o soutien, acho desconfortável ficar sem.
Só dispenso se for para usar algum vestido tomara-que-caia ou alguma blusa com decote mais tchan.
beijos

Ana disse...

Hello, Ms. Aronovitch, me missed you...;-)
Sobre a sua primeira demanda: uma maluca começou a me perseguir. Acho que mandei um email pro teu deviant art explicando.
Sobre a segunda: não, não podia...but it´s ok. :-)
Vc leu esse email que te mandei?
beijos mil!

Ana disse...

Ah, e endereço da escola, faz favor. O Jardim Micaelis é a única opção na cidade e a fila é IMENSA!
beijos

DANIEL PEARL disse...

POR QUE DILMA?
Em 12 de maio de 2008, o presidente Lula disse: "Conquistamos algo que não se mede em números, mas é decisivo para retomarmos o caminho do desenvolvimento: o País voltou a acreditar em si mesmo”. Antes de 2002, as forças conservadoras diziam através da atriz Regina Duarte: “Eu tenho medo do Lula”. Eles tinha medo de perder o poder para um ex-operário, que anos seguintes faria se tornaria no melhor presidente do Brasil. Lula foi iluminado ao dizer: ““Sabemos que temos muito a fazer, mas sabemos também que estamos no rumo certo. Aprendemos que uma boa combinação de políticas econômicas e sociais forma a base da superação de nossa pobreza secular e de nossa desigualdade entre classes sociais e regiões. Temos a certeza de que podemos avançar mais na construção de um Brasil ainda mais justo, e também na construção de um mundo melhor.”

Não podemos retrocer, as conquistas do Governo Lula pertence a Sociedade Brasileira. Em 2007, mais de 1 (um) milhão de famílias adquiriu a casa própria, foram vendidos 2,5 milhões de carros, 100 milhões de celulares, 10 milhões de computadores e 32 milhões de pessoas passaram a ter acesso à internet. O brasileiro passou a ter casa, carro, celular e computador porque conseguiu a satisfação de necessidades básicas, como alimentação adequada, acesso à saúde e à educação. Mais de 9,7 milhões de brasileiros deixassem a pobreza absoluta. O Programa Bolsa Família investiu R$ 9,2 bilhões em 2007 e mudou a vida de 46 milhões de brasileiros. O Produto interno Bruto (PiB) cresceu 5,4% e que as famílias gastaram mais 6,5% em 2007. O mercado interno movimentou a cifra de R$ 1,56 trilhão.

As ações do Governo Lula beneficiam todas as camadas da sociedade: redução da desigualdade, aumento da renda, qualidade de vida, avanços na educação (236 mil jovens no ProJovem (fev/08), 385 mil alunos no Prouni (abr/08) e 229 mil vagas/ano no Reuni (abr/08), mais 10 novas universidades federais, 214 novas escolas técnicas. A Educação vai receber mais de R$ 15 bilhões até 2011 para combater o analfabetismo, promover a melhoria do sistema e universalizar o ensino público brasileiro. Avanços nos Programas sociais: 11,1 milhões de famílias no Bolsa Família (mai/08), 7,9 milhões de pessoas no Luz Para Todos (abr/08), R$ 8,4 bi contratados no Pronaf, R$ 403 mi no Programa de Aquisição de Alimentos, Conta Caixa Fácil da CEF e o Banco Popular do Brasil. Emprego: 11 milhões de ocupações criadas, 8,9 milhões formais (jan/03-abr/08).Aumento do Consumo das famílias brasileiras, Investimentos recordes. Balança comercial positiva.

Nos últimos dois anos, 23,5 milhões de brasileiros passaram a integrar a classe média. Índice mostra nova queda da desigualdade na distribuição de renda. O Brasil tornou-se um País menos desigual. O crescimento econômico, aliado às políticas sociais do governo Lula. Outro indicador positivo foi a redução da miséria. Cerca de 9,7 milhões de pessoas deixaram o estado de pobreza absoluta, entre 2003 e 2006.

Nunca um presidente fez tanto pelo seu povo. Nós que fazemos o BLOG DA DILMA, queremos convocar a Sociedade Brasileira a lutar para continuidade de todas essas conquistas e não deixar que o PSDB venha destruir o sonho de um Brasil, numa provável eleição de um candidato tucano em 2010. O Capitalismo Neoliberal está em crise, às privatizações não deram certo em lugar nenhum, as mentiras do sociólogo Fernando Henrique Cardoso ninguém aceita mais e nem a interferência da Mídia Conservadora e Burguesa na escolha do próximo presidente da República.

Por que Dilma? A Ministra Dilma Rousseff é competente, séria, idônea, mulher talentosa, experiente, organizada, pulso firme, sensível, mãe... A candidata do presidente Lula e do povo brasileiro. Dilma será a renovação da esperança de um Brasil de Todos. Dilma será a primeira mulher a se tornar presidente do Brasil, um orgulho para todas as mulheres e também para todo brasileiro.

Convido você a divulgar o BLOG DA DILMA (http://dilma13.blogspot.com/). Coloque nos seus favoritos, nos links dos blogues, faça cartazes, distribua adesivos, envie e-mail para seus familiares, parentes e amigos. Participe! Não fique parado. É hora de reagir contra as Forças do Atraso.

Atenciosamente,
Daniel (Pearl) Bezerra de Oliveira
Editor geral do BLOG DA DILMA - http://dilma13.blogspot.com/
e do blog jornalístico DESABAFO BRASIL: http://desabafopais.blogspot.com/

Maria Angélica disse...

Lola, que fotos lindas!
Mas olha, não sei se tudo mudou tanto assim quanto você acha não. Na escola da minha filha tem praticamente tudo que você cita... até a aula de culinária apresentando formas, texturas, cores, etc, das frutas pras crianças. E as crianças pequenas ficam sim nuas na frente das outras, saem da piscina para um chuveirão coletivo, no maternal o banheiro não tem cabines fechadas, etc (apenas alguns exemplos.)
Mas, realmente, não sei se isso é tão comum na maioria das escolas...

Samantha disse...

Gente, que fofura!!! Crian'ca fofa que vc foi, Lola, que sorriso lindo!!!

Ah, lembro da primeira escolinha que estudei. Era uma escola municipal, nos tempos em que a Erundina era prefeita. lembro que a merenda era deliciosa. A professora deixava eu fazer o que eu quisesse, pois eu fui alfabetizada muito cedo, em casa. Ela me dava livros para ler quando eu nao queria pintar desenhos. Eu era `ajudante` dela. rs. As vezes ela me deixava de castigo porque eu falava demais...rs.

Eu chorei muito na primeira semana de adaptacao. Ficava com saudade da minha mae e do meu irmao, pode? Do meu pai eu nao ficava, porque so o via de noite mesmo. Mas at'e hj sou assim: trabalho SJC e sou de Sampa. Entao fico a semana aqui em SJC e sinto uma falta danada da familia!

O pre-escolar tambem me rendeu uma cicatriz na testa. Sofri um acidente em um balan'co de parquinho e levei alguns pontos...rs

Bons tempos.

Débora disse...

L. Archilla eu também me pergunto a mesma coisa, pra quê gastar dinheiro com silicone se é uma vantagem ter seios pequenos.

Eu não fiz jardim, entrei logo no pré e a única coisa que eu lembro é que eu queria me vestir de gatinha e dançar saltimbancos na festinha e não pude porque não tinha collant, eu nem sabia o que era um collant, tive que me contentar em dançar com uma fitinha sem graça Fisical da Olivia Newton John, até hoje detesto essa música.

Chris disse...

MÒ Deus, Lola, que fotos mais deliciosas! (As suas, quero dizer).

Lola, não sei se as escolas mudaram tanto assim... A da Ciça, por exemplo, ministra aulas de jardinagem, culinária (geralmente com o que eles tiverem colhido da horta, no dia anterior), dança, natação, artes (dividida em teatro, pintura/colagem e sucata), inglês, e, uma série de atividades lúdicas das quais sou fã.

Sim, não é uma das mais baratas, mas o custo/benefício mais que compensa.

Beijos!!!

Bobbymadhatter disse...

Q triste...to curioso! Humpft!

Lolla Moon disse...

Lola, a mulher disse pra minha mãe que "tinha muito homem desequilibrado" que ficava olhando "peitinho e perereca" de criança. E por causa do desequilíbrio alheio eu ia ter que usar terno e gravata na praia? Noooooo way. :)

maria disse...

A minha primeira escolinha era deste estilo, tb, era da minha mãe,toda arte-pedagógica... o que é incrível é que muitas escolas hoje não aplicam essa pedagogia básica que existe e está abalizada há muito tempo, e qd aplica, tem gente que acha que a escola é experimental ou alternativa. Não é fácil achar boas escolas pros filhos.....

Giovanni Gouveia disse...

Lola, a (pen)última reforma ortográfica foi em Dezembro de 1971. Nós vamos escrever de forma semelhante a partir do próximo ano...

iaeeee disse...

^^ Que cara de sapeca! Adoro foto de criança, e que escola maneira essa que você teve! As nossas primeiras escolas sempre nos influeciam de alguma maneira, que bacano! heheeh