quinta-feira, 28 de junho de 2018

MULHERES TRANS E MULHERES CIS SÃO DIFERENTES, E TUDO BEM

Fico feliz que um leitor antigo e querido, Flávio Moreira, que é tradutor profissional, esteja bem! Ele volta à ativa me enviando um texto publicado recentemente na revista americana LGBT The Advocate, traduzido por ele.
O excelente artigo (que busca o diálogo entre grupos que vivem brigando e, na minha opinião, deveriam parar de brigar) é de Jessie Earl, produtora multimídia para a revista The Advocate. Peço que o leiam de braços abertos.

Mulheres trans e cis têm experiências de feminilidade diferentes –- como as feministas Radicais adoram apontar -- mas isso não torna a experiência de nenhum dos dois grupos menos válida.
A simples menção a TERFs, ou “transgender- exclusionary radical feminists” (feministas radicais transgênero- excludentes) para qualquer mulher trans fará com que você seja recebida com uma reação visceral instantânea. 
Mulheres trans, como eu mesma, temos lutado tanto para sermos vistas como mulheres, que as TERFs representam muito daquilo que odiamos e, mais importante, tememos. As TERFs nos excluem de muitas conversas feministas das quais achamos que merecemos e precisamos participar como parte de nossa segurança e do avanço de nossos direitos e daqueles de todas as mulheres. 
Muitas feministas radicais consi-
deram o termo TERF um insulto
Eu mesma já ouvi várias vezes que o meu desejo de ser ouvida em espaços feministas é fruto do meu “privilégio masculino” de tomar mais espaço do que os daquelas socializadas como mulheres. Muitas mulheres trans rejeitam as convicções das TERFs instantaneamente porque elas se colocam diretamente em conflito com muito daquilo que lutamos para representar.
No entanto, minhas recentes conversas com TERFs autodeclaradas têm-me feito reexaminar minhas próprias convicções sobre o que significa ser uma mulher trans e ser uma mulher. Apesar de que, certamente, eu jamais venha a considerar aceitável a raiva, o sarcasmo e o ódio que algumas TERFs têm pela comunidade trans, meus diálogos mais equilibrados me levaram a uma conclusão: mulheres trans e mulheres cis são diferentes, e não há nada de errado nisso.
Muitas feministas veem o termo
TERF como apenas uma definição,
não um insulto
Que fique claro que não estou dizendo que eu não sou uma mulher ou que concordo com TERFs. O que estou dizendo é que há muitos aspectos de uma “típica” feminilidade cis que eu e outras mulheres trans jamais iremos vivenciar. Nunca vou menstruar. Nunca precisarei me preocupar com o acesso a mecanismos de controle de natalidade ou a aborto, ou com médicos que entendem o corpo de uma mulher cis. Eu não fui socializada desde o nascimento como uma mulher para ocupar o menor espaço possível, ter aparência bonita, aceitar ser tratada como fetiche por homens. Todas essas e muitas outras coisas jamais farão parte da minha experiência de feminilidade trans.
Certamente, eu gostaria que fizessem. Lembro quando eu e meus colegas de escola estávamos passando pela puberdade e eu sentia uma inveja enorme das minhas colegas mulheres por sua experiência. Eu queria menstruar. Eu queria ir a uma loja de lingerie com minha mãe. Eu queria saber como era estar grávida. No entanto, nunca soube e jamais saberei o que é passar por tudo isso, tanto as coisas boas quanto as ruins.
Essa é a crítica mais frequentemente lançada contra as trans pelas TERFs. Que somos apenas homens que fetichizaram a feminilidade a ponto de desejar vivenciá-la. Que deliramos na tentativa de obter o impossível e, ao fazê-lo, forçamos nossa “masculinidade” em espaços que não são nossos e controlamos a conversa. “Acreditar que eu sou um helicóptero não me torna um helicóptero, nem jamais poderei ser um helicóptero” é uma frase comum que ouço por aí. Por mais que eu queira sentar aqui e rechaçar esse argumento, não posso fazer isso completamente, porque existe uma semente de verdade nele.
Eu nunca vou ser uma mulher cis. Mas, isso quer dizer que eu não sou uma mulher?
Por certo, havia um elemento de exaltação à feminilidade nos meus primeiros anos. É uma visão que, tristemente, é quase impossível de evitar na posição de quem foi socializada como menino na sociedade americana. Desde a narrativa dominante em livros, filmes, programas de TV, religião, política e muito mais, foi dado às mulheres qualidades mágicas e mistificadoras porque essas instituições foram criadas por homens. Não ajuda que as meninas sejam separadas dos meninos de tantas formas desde a mais tenra idade, até nas cores de que podemos gostar.
Assim, quando descobri minha identidade transgênero, claro que o fato de que eu havia sido ensinada a exaltar a feminilidade estava interligada com a minha nascente constatação de que eu sou uma mulher. Minha única experiência externa com a feminilidade até aquele ponto tinha sido o que a sociedade patriarcal havia me ensinado enquanto pessoa identificada como sendo do gênero masculino.
Nem todas as mulheres
têm vagina
No entanto, havia algo mais em minha compreensão de ser transgênero do que simplesmente uma reverência supersticiosa de feminilidade. Eu me sentia errada. Meu corpo era um estranho para mim. A maneira como me diziam que eu deveria me expressar não parecia natural, mas forçada e horripilante. Eu me sentia como se não estivesse sendo vista ou compreendida mesmo pelas pessoas que mais me amavam. Eu sentia que minha alma estava escondida, encoberta pela escuridão e tudo o que eu queria fazer era romper aquela escuridão e mostrar ao mundo quem eu realmente era; saber que quando minha mãe e meu pai me olhavam com amor, eles o faziam amando-me integralmente, não apenas uma parte de mim. Eu era uma mulher e só o que eu queria desesperadamente era que eles me vissem como tal.
Não foram vestidos, ser desejada por homens ou querer ficar grávida que motivaram a me assumir como trans. Foi um sentimento intenso e interminável de que a maneira como eu era vista era errada e como eu queria — não, necessitava — ser vista como mulher. Conforme eu fazia a minha transição, o assombro que eu tinha diante do conceito de feminilidade, de que mulheres eram seres sobrenaturais e não humanos, desapareceu. E, no entanto, minha conexão com minha própria feminilidade interior só cresceu.
Esta é uma experiência de feminilidade que nenhuma mulher cis terá: a necessidade de lutar para simplesmente ser vista como uma mulher. E há muitas outras experiências que são exclusivas de mulheres trans que mulheres cis jamais irão viver. Elas nunca terão que lutar para conseguir hormônios [Nota da Lola: nem na menopausa?]. Elas nunca terão que se assumir mulheres. Elas nunca serão fetichizadas por homens que procuram mulheres trans para transar. Elas nunca terão que se preocupar em ter negado o direito à saúde básica por serem trans ou se preocupar em ter médicos que compreendam o corpo da mulher trans. Elas não foram socializadas desde o nascimento para serem duronas e nunca mostrar fraqueza — nem têm que confrontar a incorporação dessas socializações em sua feminilidade.
Mulheres enfrentam problemas
diferentes de acordo com sua raça:
negras, asiáticas, latinas
[Nota da Lola: e as mulheres cis negras? Talvez aqui esteja meu principal pé atrás com o argumento feminista radical de que "mulheres trans foram socializadas de forma diferente das mulheres cis". Não é possível falar de uma experiência única de socialização para todas as mulheres cis, nem para todas as mulheres trans. Nossas vivências variam. Claro que há pontos em comum, mas minha socialização como menina cis branca de classe média na Argentina teve grandes diferenças com a de uma menina cis negra e pobre numa favela brasileira]
Todas essas coisas e muitas mais não farão parte jamais da experiência de feminilidade cis.
E, no entanto, é uma experiência de feminilidade tão válida quanto qualquer outra.
Minha transição não foi um caminho cujo destino final era a feminilidade. Todo o caminho em si foi uma jornada no interior da feminilidade.
Este, talvez, seja o ponto nevrálgico que forma, fundamentalmente, a diferença de credo que eu tenho com as TERFs. Elas acreditam que o que eu descrevi como experiência de uma mulher trans não seja uma parte válida de feminilidade. Que é só porque eu sou um homem tentando me forçar a ser mulher que experimento essas questões. No entanto, isso pressupõe que essa experiência foi uma escolha. Enquanto certamente foi minha escolha me assumir, não foi minha escolha ter esses sentimentos. Eu era o que eu era e eu sou o que eu sou — eu sou uma mulher. O fato de que eu tenha tido que lutar para ser vista como uma mulher não invalida esse fato básico.
A comediante
Tig Notaro
Como eu sei disso? Eu sei porque, no fim, não há somente um caminho verdadeiro ou um teste decisivo para determinar o que significa ser mulher. Uma mulher branca nunca vai ter a mesma experiência de uma mulher negra. Uma mulher nascida na pobreza nunca irá saber como é ter uma infância na classe alta. Uma mulher heterossexual não sabe o que uma mulher bissexual ou lésbica sente. Uma mulher cis nascida infértil não saberá o que é estar grávida, nem uma mulher cis fértil saberá como é ser infértil. Uma mulher que seja vista como superfeminina não saberá como é para uma mulher ser constantemente confundida com um homem, como uma das minhas comediantes favoritas, Tig Notaro, já falou em seu show de stand-up. Entretanto, nunca questionamos a validade de qualquer dessas diferentes experiências de feminilidade. Ou, pelo menos, não deveríamos. Então por que é tão difícil acreditar que as experiências de feminilidade trans e cis, embora diferentes, não sejam irreconciliáveis dentro da ideia do que é ser mulher?
Qual é a solução perfeita de feminilidade? Qual é o árbitro perfeito da feminilidade, a deusa das mulheres, a Hera de nosso tempo? A feminilidade é conquistada ou está dentro de nós?
Se é conquistada, quem outorga o título? Muitas TERFs com quem discuto definem sua feminilidade pela opressão que enfrentam. Elas encaram batalhas na saúde reprodutiva, no direito ao aborto, e no assédio sexual. A negação de direitos e a presença de assédio são coisas terríveis que precisam ser combatidas. No entanto, definir a si mesma pela sua opressão apenas concede poder àqueles que te machucam. E muitas mulheres trans encaram lutas similares por pagamento igualitário e saúde reprodutiva, e contra o assédio sexual. Muitos países europeus ainda exigem que as pessoas trans sejam esterilizadas para serem legalmente reconhecidas. As experiências podem ser diferentes, mas ainda assim são similares de muitas maneiras.
Além disso, temos muitas lutas em comum enquanto mulheres cis e trans. Ambas temos que lutar por pagamento igualitário, pelo fim da violência contra todos os tipos de mulher, e pela representação na mídia tanto na frente quanto atrás das câmeras. Embora sejamos diferentes, podemos lutar juntas pelas mesmas causas, porque também somos iguais.
Se a feminilidade está dentro de nós desde nosso nascimento, por que é tão difícil assumir que alguém que nasce com os cromossomos XY também pode ter feminilidade dentro de si desde o nascimento? Que embora possamos ser diferentes enquanto mulheres trans e mulheres cis, também partilhamos de algo? Independente das batalhas que temos que enfrentar, tanto mulheres cis quanto trans dividem a mesma alma.
Talvez não exista um caminho verdadeiro que prove isso a qualquer um que simplesmente não queira acreditar nisso. É por isso que, tristemente, cada conversa que tenho com uma TERF eventualmente esbarra em um muro de diferenças de credo fundamentais que não podem ser reconciliadas.
Jessie Earl, autora do texto original
Não sou uma mulher cis, e nunca vou ter a experiência de uma mulher cis. Mulheres cis não são mulheres trans e nunca terão uma experiência trans. Porém, apesar das diferentes batalhas que enfrentamos, alegrias que sentimos e jornada que perfazemos, partilhamos muito. Nossas diferenças não deveriam nos dividir, mas nos tornar mais fortes juntas. Precisamos lembrar também que fora de nossas lutas, dividimos algo muito mais importante. Algo que não é diluído, mas, ao contrário, fortalecido pelo reconhecimento da diversidade de experiências dentro de sua definição. Essa coisa extraordinária chamada feminilidade.

219 comentários:

1 – 200 de 219   Recentes›   Mais recentes»
Anônimo disse...

Ainda não cansou desse eterno bostejamento masculinista pessimamente disfarçado contra o feminismo, Lola?

lola aronovich disse...

Ainda não se cansou do seu feminismo excludente, anon das 12:28?

Anônimo disse...

Com todo o respeito, mas esse texto é recheado de incoerências explícitas

"não há somente um caminho verdadeiro ou um teste decisivo para determinar o que significa ser mulher" (sic)

Claro q há, e o "teste"/o "caminho" se chama: sexo feminino

Uma mulher é alguém do sexo feminino, alguém q nasceu fêmea

Simples

"por que é tão difícil (sic) acreditar que as experiências de feminilidade trans e cis não sejam irreconciliáveis dentro da ideia do que é ser mulher?" (sic)

Simples novamente, pq mulher é alguém q nasceu do sexo feminino (XX), não alguém q nasceu do masculino e advoga pra si o "título" de mulher

É por isso q é irreconciliável, e quem diz isso não é "terf" nenhuma, quem diz isso é a lógica

O significado da palavra mulher é preciso: fêmea da espécie humana - Eu é quem pergunto o pq de ser tão difícil um transativista entender algo assim

"por que é tão difícil assumir que alguém que nasce com os cromossomos XY também pode ter feminilidade dentro de si desde o nascimento?"

R: Pq alguém q nasce com os cromossomos XY não tem feminilidade NENHUMA dentro de si, NENHUMA

Simples outra vez

Agora reflitamos...

O sexo (não a relação, o sexo mesmo) é algo estritamente natural e biológico, mais natural e biológico q raça/etnia inclusive, porém, mesmo assim, é largamente aceito q o sexo perca seu significado real por puras questões políticas, como se "mulher" fosse apenas um "título" ideológico

Então oras, pq não fazem a mesma coisa em relação à raça (algo ainda menos natural q o sexo)?

Pq a rachel dolezal não tem o direito de ser considerada negra?

'Por que é tão difícil acreditar que as experiências de negritude trans e cis, embora diferentes, não sejam irreconciliáveis dentro da ideia do que é ser negro?'

Isso transativista algum é capaz de ponderar, pq eles sabem q a ideia (ideologia) q eles carregam é altamente limitada e q não resiste a simples conclusões lógicas, como essas q eu acabei de fazer

Com todo o respeito, mas esse texto é recheado de sofismas ininteligíveis

Anônimo disse...

Mulheres têm experiência de misoginia, de opressão e subordinação, nessa sociedade machista. Machos "trans" têm experiência de fetiche pela opressão e subordinação feminina. Não são exatamente coisas diferentes, uma coisa está interligada a outra. A questão é que o feminismo combate essa opressão de frente e busca modificar essa realidade e acabar com a misoginia, já o transativismo quer mais espaço para que homens fetichizem mais ainda a misoginia e objetifiquem as mulheres, a vivência das mulheres, a experiência de opressão e de subordinação das mulheres, etc. Inclusive que eles façam tudo isso dentro do feminismo. São objetivos diametralmente opostos e é muita arrogância, audácia e cara-de-pau desses homens entrarem no feminismo para mais uma vez avacalharem tudo, como sempre...

Anônimo disse...

O conceito de identidade de gênero se resume a uma crença metafísica. Você pode escolher acreditar que seres humanos nascem com alma de homem ou alma de mulher, mas forçar a sociedade a viver de acordo com essa crença é fundamentalismo religioso e ataca a separação entre igreja e estado.

Anônimo disse...

Forçar mulheres a aceitarem uma nova definição da nossa realidade, para que alguns homens possam chamar a si mesmos de mulheres, apenas replica as normas de gênero da dominação masculina e submissão feminina e não pode ser descrito nem remotamente como progressista.

Anônimo disse...

Nossa, que malvado o feminismo, tão excludente... feminismo não pode excluir homem, tem que incluir o opressor, suas exclusoras "transfóbicas" misândricas malvadonas!

Anônimo disse...

"Que somos apenas homens que fetichizaram a feminilidade a ponto de desejar vivenciá-la. Que deliramos na tentativa de obter o impossível e, ao fazê-lo, forçamos nossa “masculinidade” em espaços que não são nossos e controlamos a conversa. “Acreditar que eu sou um helicóptero não me torna um helicóptero, nem jamais poderei ser um helicóptero” é uma frase comum que ouço por aí. Por mais que eu queira sentar aqui e rechaçar esse argumento, não posso fazer isso completamente, porque existe uma semente de verdade nele."

Só li verdades.

Sandra disse...

Cansativo a negação da realidade, da biologia, com argumentos sem pé nem cabeça. Se a gente n embarca nessa negação, somos transfóbicas...

Anônimo disse...

Banheiros são divididos por sexo, não por gênero. Se vcs querem dividir por gênero, então criem 56 banheiros para os 56 gêneros existentes, ou criem um banheiro neutro. A razão de existirem espaços exclusivamente femininos não é para proteger uma essência interna especial. Não tentem impôr a ideologia inventada de vcs sobre todo mundo, como se o que vcs falam fosse uma vdd absoluta. Enquanto isso, há países africanos onde garotas sofrem para frequentar a escola, principalmente quando estão menstruadas, porque têm de dividir o banheiro com os garotos em péssimas condições sanitárias

Anônimo disse...

Gente blz vcs nao acreditarem em nada do que ela falou, mas e a empatia?

Alguém sofrendo por fazer uma escolha que nao faz mal a ngm devia ser motivo suficiente para se compadecer da situação.

"Ah mas querem usar nossos banheiros "

E daí?????????


Alicia

Anônimo disse...

Existem casos de pessoas que se identificam com bonecos, personagens, animais... E fazem modificações corporais para se aproximarem do que acreditam ser, e a ciência tem nome e estudo sobre essa doença.
Mas um cara que se identificar como mulher e desmancha o pinto pra criar uma buceta artificial, tão artificial que vai ter que fazer manutenção dolorosa o resto da vida pro buraco não fechar...
Ou mulher que corta os seios e se enche de hormonio pro clitoris crescer e parecer um pintinho...
Isso é legal. Isso é bom. É cool. Falar que essas pessoas tem problema mental e necessitam de ajuda psicológica e psiquiátrica é errado.

Onde iremos parar?!

Anônimo disse...

Um mero fio de cabelo ou qualquer outra célula do corpo é o suficiente para atestar se alguém é mulher (sexo feminino) ou se é homem (sexo masculino).

Anônimo disse...

Querem ver a hipocrisia?
Algumas de vocês heteras aqui transariam com um homem trans?

Anônimo disse...

Nenhuma. Mas são as primeiras a chamarem lésbicas de transfóbicas por não se relacionarem homem/quem nasceu com pinto. Vai vendo...

Anônimo disse...

Muito exclusoras malvadas essas mulheres que excluem pobres homens do que quer que seja, tadinhos...

Anônimo disse...

Perfeitamente, são lindos e a melhor parte e que não tem uma porcaria de um pênis.
O que é hipócrita e se dizer feminista e se submeter sexualmente a macho.

Anônimo disse...

Você é hétera, 14:36?

Anônimo disse...

Já tive várias pessoas do sexo masculino invalidando minhas experiências e tentando me explicar o que era ser mulher. Já ouvi que uma mulher negra é muito mais privilegiada que um homem branco que escolheu ser mulher. E tem uns que ainda dizem "se uma pessoa negra pode ser mulher, pq eu não posso?". Já viu aquele documentário da Rachel Dolezal na netflix? Uma pessoa branca que se considera negra é a mesma coisa que um macho que se considera fêmea, só que um é aceito e outro não. Pelo jeito, o principal foco do feminismo não é mais a luta pelos direitos e bem estar femininos, mas sim a diversidade de gêneros.

Anônimo disse...

Bom, o texto tem pontos interessantes e parece tentar estabelecer um diálogo, então vou tentar contribuir.

Primeiro, gostaria de apontar algumas coisas:

1. TERF é considerado um xingamento. Não são as feministas radicais ou críticas de gênero que se chamam assim, são pessoas que as atacam que usam a palavra (inclusive com slogans de "kill all TERFs"). Não parece ter sido a intenção
do texto usar como xingamento, mas mesmo assim, não existem feministas que se denominam TERFs.

2. Pelo que eu entendo, feministas radicais e críticas de gênero não defendem que a "feminilidade" é única das mulheres. Aliás, pelo que entendo, feminilidade e masculinidade são construções sociais, somos socializadas/os para a feminilidade e masculinidade desde pequenos, com base na realidade material do sexo, no sentido de que se você nasce menina vai ser socializada de uma forma diferente dos meninos, de formas explícitas e também sutis. Sim, existem diferenças de raça e classe que se interseccionam, mas a base da diferença da educação para feminilidade e masculinidade está no fator real e biológico do sexo.

Com isso, elas não querem dizer que a feminilidade e masculinidade estão naturalmente ligadas ao sexo, muito pelo contrário: quer dizer que são formas de comportamento impostas com base no sexo, não apenas de forma binária, mas de forma hierárquica.

Então quando falam em abolir o gênero, é disso que estão falando, de acabar com a hierarquia, de libertar as mulheres deste tipo de subjugação.

E é claro que tanto homens quanto mulheres, porque são humanos, podem sentir afinidade com características ditas femininas e masculinas e TUDO BEM! Deveria estar tudo bem, pelo menos.

Acho que uma frase chave no texto é esta:

"A maneira como me diziam que eu deveria me expressar não parecia natural, mas forçada e horripilante".

Fala de expectativas que vêm de fora, percebem? Acredito nos sentimentos, mas acho que cabe perguntar: se a sociedade não fosse do jeito que é, dizendo que só se sente assim quem é mulher, homem não, será que ainda haveria rejeição ao próprio corpo? Será que haveria necessidade de transicionar? Será que a luta não é para acabar com as imposições? Será que existe gênero inato?

Será que um dos problemas não é, também, que os homens expulsam da definição de homem tudo o que não está dentro do padrãozinho "masculino"? Qual o problema de ser um homem "feminino"?

São perguntas sinceras, sobre as quais acho que vale a pena pensar, mesmo que nossas respostas não sejam as mesmas.

Tenho empatia pelo relato desta mulher trans, e pode ser que em muitos pontos as lutas convirjam. Mas nem sempre. Existem momentos em que os interesses das mulheres vão ser diferentes dos interesses das pessoas trans, e isso precisa sim ser debatido, para que nenhum grupo fique prejudicado.

Acompanho muitas feministas de outros países, em que estas questões já estão em outro nível de desenvolvimento, e um dos pontos que elas reclamam é que muitas vezes há um não-debate sobre a adoção de novas leis e políticas públicas, em que as mulheres não são ouvidas, sendo que elas também serão afetadas pelas novas medidas, e não há discussão. E isso, vamos combinar, não é nada progressista.

Existem muitas outras questões, mas o comentário já está enorme e vou tentar me ater aos pontos levantados pelo texto então paro por aqui.

Anônimo disse...

Homem é homem, mulher é mulher

Anônimo disse...

Vamos pensar: o que o Bolsonaro diria? Que quem nasceu com pinto é homem e quem nasceu com ppk é mulher.
Entao se vc nao acredita que homem que corta o pinto é mulher vc ta concordando com o Bolsonaro.

Galera foda-se biologia, a moral é corta o pinto e toma hormonio que vc vira mulher. Ou a mulher pode toma bomba e coloca um pinto de borracha que vira homem.

Na verdade nem precisa de cirurgia voce pode escolher quando acorda se quer ser homem ou mulher, nem precisa capar a rola fora

titia disse...

Que porra é feminilidade? Que porra é masculinidade? Quem decide o que é tipicamente feminino e o que é tipicamente masculino? Se fôssemos livres desses padrõezinhos de merda talvez pudéssemos nos entender melhor e viver de maneira que todos pudessem ser quem são sem julgamentos imbecis. Não me custa absolutamente nada respeitar a identidade das pessoas trans, e eu JAMAIS admitiria que quem quer que fosse me calasse (já mandei pro caralho mulher trans que disse q aborto tem q ser proibido pq queria engravidar mas não podia) mas ainda acho que a melhor solução pra toda essa embrulhada é abolir padrões imbecis de gênero. Todo mundo ganha com isso.

Anônimo disse...

Abolir padrões imbecis de gênero é uma ótima ideia, mas nem de longe isso significa negar a biologia, fingir que mulheres são homens e que homens são mulheres ou fingir que não existem dois sexos distintos e facilmente perceptíveis ou ainda, ignorar a opressão e subordinação do sexo feminino pelo sexo masculino, e pra piorar ainda mais, mentir que a realidade é o contrário do que realmente é: como se o sexo masculino fosse o oprimido e subordinado ao feminino. Isso é masculinismo, não feminismo.

Nenhum desses delírios e enganações vai mudar a realidade.

Anônimo disse...

pq um homem pode se identificar como mulher

mas um branco não pode se identificar como negro

?

Hipocrisia? Acho q sim

Anônimo disse...

não me sinto ofendida em ser chamada de "terf"

"seu feminismo excludente" - kkkkkkk, nossa lola, como é vc é bobinha, isso é o melhor q vc tem a dizer? kkkkkkkkkk

Anônimo disse...

o ativista trans disse q "nada determina o q é mulher" (sic, o q é mentira, obviamente)

mas se pra ele "nada determina", pq ele se autodetermina "mulher"?

O ativista está indo contra sua própria lóJica, é mole?

Anônimo disse...

'Abolir padrões imbecis de gênero é uma ótima ideia, mas nem de longe isso significa negar a biologia, fingir que mulheres são homens e que homens são mulheres ou fingir que não existem dois sexos distintos e facilmente perceptíveis ou ainda [...]'

COLOCAÇÃO PERFEITA

titia disse...

16:06 não estou falando de genital, anencéfala. Estou falando desses padrões de gênero que impõem comportamentos e condutas baseados no genital com que a pessoa nasceu. Ao invés de sair por aí reclamando do modo como eu ajo em relação às pessoas trans, que tal pedir aos seus pais pra te ensinarem a ser menos mal educada? Ou ir pra um EJA e aprender a diferença entre "masculino" e "masculinidade", entre "feminino" e "feminilidade"?

Quanto a esse negócio das pessoas quererem amputar um membro fora porque não o sentem como parte de si existe. E eu não me meto na vida deles, querem cortar uma parte do corpo fora que cortem, desde que não queiram cortar pedaço meu nem ligo, façam o que quiserem, não sou eu quem vai pagar as contas deles.

16:16 e quando eu propus ignorar a opressão das mulheres pelos homens ou disse que os homens é que são oprimidos pelas mulheres? Por favor, copie e cole onde eu disse isso no meu comentário anterior e pare de bancar o mascu fazendo psicodelia interpretativa. Botar palavras na minha boca sem eu tê-las dito não vai tornar suas fantasias realidade.

Por isso que nada vai pra frente. As crianças querem brigar e esquecem de debater...

Anônimo disse...

Vocês querem nos fazer aceitar que nossos inimigos históricos e naturais são oprimidos também porque decidiram performar feminilidade. Ai não dá para concordar.

Anônimo disse...

Me sinto ofendida quando vejo reportagem na tv de um garoto que fala que virou mina, e ele fica falando que nem retardado, piscando o olho, mexendo a cabeça, com as pernas sempre fechadinhas, com o pulso dobrado e todo cheio de frescura penteando o cabelo da boneca e passando brilho labial. Eu fico tipo 'É isso que ele acha que é ser mulher? Mulher não age assim que nem retardado, porra!

Anônimo disse...

O vômito não vai ganhar nada em outubro, babaca, pra isso ele precisaria antes deixar de ser um covarde

Anônimo disse...

"quando eu propus ignorar a opressão das mulheres pelos homens ou disse que os homens é que são oprimidos pelas mulheres?"

titia, é isso que propõe qualquer forma de masculinismo/antifeminismo, especialmente o transativismo, a ala de glitter, peruca, make, vestido e salto alto, que você defende quando aceita os delírios e os conceitos fantasiosos deles de identidade, cis/trans (sic), etc.

Anônimo disse...

O que o bostonaro diria? Provavelmente ele pensa que quem não é o "machão" típico, "tradicional", austero, tenso, rígido, duro e altamente defensivo contra qualquer impulso de bichice e viadagem, como ele mesmo, não deve ser um homem "de verdade", deve ser uma bicha, deve querer ser mulher, exatamente o mesmo que pensa o caro autor do texto que acha que não é homem porque se sente "intimamente muitíssimo atraído pela feminilidade" e queria ser mulher.

Anônimo disse...

18:23 - porém o bostonaro não é "austero, tenso, rígido, duro e altamente defensivo" (tudo sic)

é um covarde, burro, um bosta, infeliz, um lixo, isto é, um homem comum

Anônimo disse...

Não é possível você se sentir algo que não é. Eu não consigo me sentir um cachorro. Eu posso IMAGINAR como um cachorro sente, adorar cachorro, estudar o comportamento do cachorro, IMITAR um cachorro, LATIR COMO um cachorro ou o que eu imagino que seja latir como cachorro porque reproduz-se os ruídos mas não a comunicação em si, isso é só entre eles, VESTIR UMA FANTASIA de cachorro, viver entre cachorros e quiçá até me apaixonar por um cachorro. Posso SONHAR dia e noite com cachorro, posso pedir para que a partir de agora eu seja chamada de Rex, posso dormir numa casinha de cachorro, posso criar um personagem virtual cachorro para me comunicar com as pessoas, posso usar uma coleira, posso andar de quatro, posso uivar pra lua e adivinha?

Eu nunca vou ser um cachorro e não estou me sentindo cachorro, estou IMAGINANDO o que é ser uma coisa que jamais serei.

Anônimo disse...

ei, bolçominion retardado (pleonasmo)

você só sabe repetir essa mentira de "quando o mito ganhar..." infinitamente nos comentários? é uma tentativa desesperada e compulsiva de se convencer de que esse auto engano poderia se tornar verdade? poupe a si mesmo e pode ir tirando o jumentinho da chuva...

o babaca COVARDE do bolçolixo nunca vai ser presidente deste país, pra isso ele precisaria no mínimo antes de qualquer coisa:

. deixar de ser BURRO - o que é muito difícil pra esse traste tendo em vista que ele é um portador de anomalYa Y e um direitopata demente

. deixar de ser CAGÃO - ele se acha tão "~maxo~" (sic), mas se borra de medo ao enfrentar uma MULHER num debate, vai ter piripaque na primeira vez q aparecer na TV, igual ao filhinho rola-bosta

. deixar de ser um LIXO total - o que em termos práticos é impossível pra ele, porque bolçovômito é o LIXO DA POLÍTICA em forma de "~gente~" (na verdade em forma de pedaço de bosta, mas algumas pessoas ainda acham que é em forma de "gente")

É por isso, entre outras razões, que esse verme paralítico JAMAIS VAI SER PRESIDENTE DA REPÚBLICA, pode sonhar, mascu trouxa, a única coisa que o imbecil do boçalnaro vai ganhar é uma cela na PAPUDA, seu otário de merda

bolçovômito não vai sobreviver ao massacre que o farão passar no debate da band, se ele conseguir soltar um mínimo da imensa covardia dele e comparecer ao debate, dali ele não passa, kkkk

E não são só os nulos e brancos que o vencerão na eleição, inútil, é qualquer um que competir com ele, porque esse bosta é rejeitado por deus e o mundo, nem o diabo quer

passar mal, bolçominion nojento

Anônimo disse...

Sim, o bostãonaro é um covarde, burro, um bosta, infeliz, um lixo, como qualquer homem, mas tenho certeza que ele enxerga a si mesmo como um "homem tradicional", o que só comprova mais ainda o ponto que o bolsovômito pensa de forma muito semelhante aos trans: até pelo fato que ambos têm uma imagem muito positiva (nos conceitos deles) a respeito de si mesmos que é totalmente ilógica, ilusória e incompatível com a realidade; ambos pensam que são o que não são de forma alguma.

Anônimo disse...

Eu quero é mais......

Eu quero é que Estado passe a aceitar os trans como eles se identificam.

Da noite para o dia vou-me sentir "mulher" para uma aposentadoria mais cedo.

Vou sentir-me "uma verdadeira adolescente" quando o serviço militar obrigatório chamar-me.

Eu quero é mais...

Anônimo disse...

Como é que é?

Além de sentir-se "diferente" do que nasceu, ainda quer que os outros aceitem?

Assim, de boa?

Poupem-me.

Anônimo disse...

Sentir-se mulher, não lhe faz ser uma mulher.

Sentir-se negro, não lhe faz ser negro.

Quem acredita nisso, vive no mundo da ideias, do metafisico e da subjetividade, ou seja: Um ideologista.





Anônimo disse...

Cis é um conceito inventado pelo transativismo para afirmar que as mulheres são as "privilegiadas" e "opressoras" e que os machos "trans" (e muito provavelmente também outros machos que não se denominam "trans") são os "oprimidos" e "desprivilegiados" que "devem lutar" pelos seus "direitos" tirando os direitos, ops, "privilégios" das "vadias cis" (tudo [sic]).

Se isso daí não é antifeminismo e masculinismo então eu não sei o que é.

Anônimo disse...

O detalhe é que essa brincadeira de "sou mulher se eu me identificar como uma" tem consequências na vida real.

O que o anon aí de cima disse, "vou falar que sou mulher para me aposentar cedo" já aconteceu de verdade:
https://www.forbes.com/sites/ebauer/2018/03/27/the-curious-case-of-sergioa-the-argentinian-pensioner/#257649ed6199

E isso acontece com 'mulheres trans' com corpo totalmente masculino sendo mandado para prisões femininas. Acontece com competições femininas de repente tendo meninos como vencedores. Com bolsas e incentivos para diminuir a desigualdade de mulheres sendo dadas para homens. Com homens entrando em banheiro feminino por safadeza e ninguém podendo reclamar.

Mulheres trans mantem o mesmo padrão de violência que outros homens. Isso por si só já deveria ser um motivo para não transferir mulheres trans para presídios femininos. E o q fazer no presídio masculino? O mesmo que qualquer outro preso em situação de risco: cela especial. Segurança para todo mundo.
http://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0016885

Por que ao invés de liberar banheiros femininos para td mundo q 'se identifique como mulher', não adicionamos banheiros neutros? Assédio sexual é um problema real para a maioria das mulheres. E banheiros neutros ainda tem o benefício de ser bons para 'banheiro familia' e com espaço extra para cadeirantes. De novo, todos ficam seguros.

Isso sem falar nos vários casos de violência real de trans ativistas contra feministas radicais ou lésbicas. Nesse site tem vários casos https://gendertrender.wordpress.com/. Você já viu alguma '''TERF''' agredir fisicamente ou matar uma mulheres trans? Pois é, mas o contrário acontece direto, porque mulheres não são socializadas para resolver as coisas com violência, mas homens são.

Sem contar a questão que os remédios de troca de sexo para crianças as deixam inferteis e causam problemas de saude. Crianças que na maioria das vezes se tornariam homossexuais não-trans, que são pressionadas pelos pais tão jovens.

Tudo isso são consequências concretas do transativismo. A coisa é muito mais séria do que "Quero ser aceito como mulher, me deixa!". Se um homem quiser usar maquiagem, vestidos, agir de forma '''feminina''', fique a vontade. Mas dizer que mulheres são assim por '''feminilidade''' é um insulto. Nos definirmos como mulheres pela nossa opressão não é algo ruim, é justamente o que nos permite enxergar essa opressão claramente e combatê-la. Opressão esta que é comum a todas as mulheres, pois as diferenças de classe ou raça não diluem o fato que todas as mulheres se ferram no patriarcado por serem mulheres.

Anônimo disse...

Finalmente as mulheres estão reconhecendo a "diferença".
Ainda existe esperança!
...se bem que não, tudo se trata de uma luta por privilégios...

Anônimo disse...

Outro caso real e até difícil de acreditar:
https://www.feministcurrent.com/2018/05/22/whats-current-labour-party-allows-man-stand-womens-officer-identifies-woman-wednesdays/

O partido dos trabalhadores do Reino Unido aceitou a candidatura de um homem para uma vaga feminina. Na candidatura o cara disse "Eu me sinto mulher nas quartas-feiras, das 8 da manhã a meia-noite". E aceitaram a candidatura dele. Depois o cara explicou que ele estava só trollando, ele queria saber no que que ia dar se ele falasse algo tão sem sentido, e retirou a própria candidatura. Mas o partido nem pestanejou em aceitar a besteira que ele disse como verdade.

Anônimo disse...

20:20 e 20:28 = típicos comentários de masculinista bosta que mostram na prática exatamente a escrotice do modo que eles pensam e agem, comprovam tudo o que as feministas estavam comentando antes.

Anônimo disse...

17:01, você e qualquer outra mulher consciente, autêntica, orgulhosa, independente, feminista, só pode se sentir profundamente insultada quando essas caricaturas ambulantes totalmente estereotipadas afirmam que são mulheres, ou quando qualquer homem diz que é mulher, na verdade. Quem é feminista mesmo mesmo entende e compartilha o seu sentimento e compreende o que eu estou dizendo.

Anônimo disse...

20:07 - PERFEITO, clap clap clap

Só faço uma ressalva: devemos nos definir como mulheres baseado no nosso sexo mesmo

De resto, não mudo uma vírgula

20:36 - em alguns lugares do globo a esquerda não é capaz de ponderar mais nada, eles engolem qualquer coisa sem pestanejar, basta ter um verniz "progressista", é dose

Anônimo disse...

Engraçado é que na França nemnem existe essa dívisão de banheiro pra homem e pra mulher e o povo aqui fazendo drama com essa bobagens. Que saco!

Anônimo disse...

O que é hipócrita é se dizer feminista e querer cagar regra na sexualidade de outras mulheres. Ninguém é obrigada a ser lesbica, colega. Sabia que esse seu ativismo lesbopolitico é um saco?!

Anônimo disse...

Isso é só malandragem de homem querendo ter os privilégios (e não são poucos) das mulheres. Aqui não! Mulher tem SIM muitos privilégios e homem tem que se ferrar. Nós temos um passe livre entre as pernas, queiram vcs concordem ou não!

Anônimo disse...

Vamos combinar uma coisa? Não existe troca de sexo! Nem com "remédios", nem com hormônios, nem com cirurgias, nem com drogas mais pesadas.

Ainda que faça milhares de cirurgias plásticas e se entupa de hormônios sintéticos não é possível para alguém mudar a configuração genética de todo o seu corpo. Não é possível trocar os cromossomos de todas as suas células, mais especificamente trocar todos os últimos pares de cromossomos de todas as suas células diplóides e desenvolver de fato um pênis ou uma vulva e vagina reais, desenvolver um útero e ovários reais ou ao contrário, desenvolver testículos e uma próstata e ser capaz de produzir gametas que não são os que você produzia naturalmente anteriormente, ou seja: ser um homem/macho, que produz esperma ou ser uma mulher/fêmea, quem nasce possuindo todos os seus óvulos e os libera de forma cíclica a cada 28 dias aproximadamente a partir do início da idade fértil até a menopausa. Se essa troca fosse possível aí sim seria possível realmente mudar de sexo, mas não é.

De fato, por que motivos uma pessoa trocaria de sexo se isso fosse possível? Só para viver de acordo com estereótipos, papéis, aparências e exigências que são atribuídas e atreladas ao outro sexo? Isso já podem fazer sem a necessidade de mais nada, muito menos uma cirurgia imaginária transformadora a nível genético que não existe. Mas não digam que nada disso que existe é "mudar de sexo", "trocar de sexo", porque isso é mentira e todo mundo sabe ou deveria saber que é mentira.

Anônimo disse...

Muito bom a explicação sobre gênero. Estava lendo Joan Scott e é bem isso que ela fala.

Anônimo disse...

Oi, 22:34? Você tá passando bem? Parece que está delirando de febre e babando de raiva...

Anônimo disse...

Tá bom, mascu das 22:40, pode ficar aí mentindo e fingindo que o que você diz é verdade até a Lola chegar e apagar esse seu comentário patético.

Anônimo disse...

Caralho, 80% dos comentários foram feitos por UMA pessoa só.

Anônimo disse...

Continua aí repetindo até se convencer que isso é real, otário...

Felipe Roberto Martins disse...

Eu fico pensando nas pessoas/ grupos que ganham com a segregação e a divisão na lutas. O correto seria estarmos juntxs e enquanto não for assim haverá no mundo mais dor que amor.

Anônimo disse...

Nossa,Lola. Quanto palavrão você aceita entre seus comentários. Parece um fórum mascu.

Anônimo disse...

É mesmo, é?!

Anônimo disse...

Lola, Lolinha... Você realmente acredita nessa baboseira de que ser mulher é uma identidade ou sentimento? Se ser mulher é uma identidade então como todas as mulheres do mundo se identificam com a mesma coisa? Se ser mulher fosse realmente uma identidade/sentimento então cada mulher se identificaria/sentiria de uma forma diferente. Se ser mulher é um sentimento então como é esse sentimento? Como alguém que nasceu no sexo masculino e foi criado como menino a vida inteira sabe o que é se ''sentir'' mulher? Baseado no que ele diz que se sente mulher? Nos estereótipos?
O que é ser mulher? A única coisa que une as mulheres como classe é o fato de nascermos no sexo feminino.
Eu não me ''sinto'' mulher Eu nasci uma. Eu cresci como mulher e sofri toda opressão que os seres humanos com vagina sofrem numa sociedade patriarcal. Eu não me ''sinto'' mulher, eu apenas me sinto como eu mesma. Não existe uma essência masculina ou feminina.
Eu concordo com o autor quando ele diz que mulheres e transmulheres são diferentes. Sabe qual a grande diferença? Mulheres são oprimidas há milênios por causa da nossa capacidade reprodutiva, enquanto transmulheres são oprimidos por não corresponderem ao que a sociedade espera de uma pessoa do sexo masculino.

Anônimo disse...

A diferença essencial é que mulheres são fêmeas e "mulheres trans" são machos.

Anônimo disse...

Eu acho que a avaliação da "não-conformidade de gênero" das pessoas é bastante enviesada, e esse viés enfatiza MUITO (o que eu considero) coisas superficiais como aparência, roupas, maneirismos, expressões... etc. Mas o gênero é muito mais que isso!!!
Homens que têm uma aparência de "não-conformidade de gênero" são totalmente em conformidade de gênero quando se trata de coisas reais relacionadas a poder e dominação: obviamente, a posição social e econômica deles como homens permanece inalterada, mas há também o fato de que eles ainda têm comportamentos dominadores, sentimentos de direito, de merecimento... etc. e se engajam ativamente na exploração de mulheres (elas assistem pornografia, forçam seus paus para suas parceiras sexuais, não fazem mais trabalho doméstico do que outros homens... etc.).
No entanto, tenho a impressão de que para as mulheres, e especialmente para as lésbicas, a não-conformidade de gênero em termos de aparência normalmente vai junto com a não-conformidade de gênero em termos de comportamentos reais (elas são geralmente mais assertivas, tem limites fortes, são menos ligadas a homens... etc). Eu também acho que há mulheres que parecem estar em conformidade com o gênero, mas que têm pelo menos alguns comportamentos de não-conformidade de gênero.
O que vocês acham?

Rebeca disse...

Eu não acho que conheço QUALQUER PESSOA que se conforma completamente em relação ao gênero... Todo mundo é não conforme em maior ou menor grau.

Anônimo disse...

Interessante essa estória de oprimidos e opressores.

Quando a vida era mais dura, houve um acordo tácito entre homens e mulheres: Eu por ter mais força muscular vou caçar, trabalhar nos campos e guerrear, e vocês ficam em casa e amamentam nossos filhos, ou seja, a biologia definiu nossos papeis dentro do família e na comunidade e isso perdurou por milhares de anos.

De repente a "caça" e os "campos" estão dentro de um supermercado, a guerra agora é apenas um ato de apertar um botão ou um gatilho e somente agora vem falar em opressão histórica....

A biologia nos define o que é ser homem e o quer ser mulher, e não tem nada que modifique isso.

Anônimo disse...

01:17 louco pra ter um harém de servas cuidadoras e reprodutoras, coitado, tá surtando muito...

vai dormir mascu, olha a hora, volte para sua tumba junto com os outros vermes no porão da sua mamãe e não apareça mais aqui antes de estudar ao menos um pouco de história... isso pra não falar no aprendizado de biologia que está péssimo, todo deturpado e feito nas coxas, muito ruim... você realmente não devia ter matado todas aquelas aulas no ensino fundamental e médio, cara

Anônimo disse...

Realmente mulheres cis e trans são muito diferentes, a começar que os últimos nem mesmo mulheres são.

Anônimo disse...

Na hora que o "transativismo" me explicar sem usar um único argumento "biologizante" o motivo de ser aceitável dizer-se de outro gênero mas não de outra raça ou mesmo de outra espécie eu começo a cogitar a levar essas pessoas a sério.

Anônimo disse...

Entendi.

Agora posso dizer que agora sou mulher e serei uma mulher.

Só fiquei com uma duvida: Se sou uma mulher trans, então posso dizer também que os homens invejam meu útero? Ou que o direito a maternidade agora pertence a mim?

roberto quintas disse...

Eu recomendo ao anônimo que faça uma visita ao Wikipedia e leia matérias sobre gênero, sexo é genética. Informe-se. Há um grande espectro de gêneros.

roberto quintas disse...

Anônimo, informe-se sobre as pessoas que passaram por redesignação sexual pouco depois de nascerem.

roberto quintas disse...

Não, não é suficiente. Pesquisadores inverteram o sexo de uma cobaia cortando um cromossomo que não faz parte dos cromossomos ligados ao sexo.

roberto quintas disse...

Eu sou hetero e eu transaria com uma mulher trans.

roberto quintas disse...

Anônimo, você está confuso. Não sabe como se define a etnia de uma pessoa, como pode saber o que define o sexo de uma pessoa?

roberto quintas disse...

Anônimo, você está confuso. Não sabe o que define a etnia de uma pessoa, como pode saber o que define o sexo de uma pessoa?

roberto quintas disse...

Anônimo, qual parte do princípio feminista que diz que a luta e contra o machismo e o patriarcado (não contra o homem) você não entendeu?

Anônimo disse...

Legal é que terf confunde gênero com espécie, né, 18:40?
Feministas radicais e bolsominions não parecem estar tão longe ideologicamente um do outro, o discurso é o mesmo. Deveriam se dar as mãos, cantar kumbaya my lord, e se lascar juntos lá onde a gente não consiga sentir o fedor...

titia disse...

Pra quem reclamou da minha atitude de respeitar a identidade social das pessoas trans (tanto mulheres como homens trans): o q eu ganharia NÃO respeitando a identidade dessas pessoas? Se eu insistir em chamar homem trans de ela ou mulher trans de ele, essas pessoas desistiriam das suas identidades? Voltariam a se identificar pelo sexo com que nasceram? Voltariam a performar masculinidade ou feminilidade cultural? As mulheres trans me pediriam desculpa por me oprimir com sua existência e voltariam a se vestir, falar e agir "feito homem", ou os homens trans voltariam a se vestir, falar e agir "feito mulher"? Os trans q ainda não se assumiram como tal vão deixar de fazer isso porque eu me recuso a aceitar a identidade social deles? Porra nenhuma, minha gente. É isso que eu ganharia ou qualquer um ganha desrespeitando a identidade social das pessoas trans: porra nenhuma.

Apenas pensem nos mascus. Eles vem aqui todo dia nos chamar de mal amadas, mal comidas, lésbicas peludas feias e caras de mamão, mandam ameaça de morte, fazem site falso e outras coisas do tipo, querendo nos fazer desistir do feminismo. Conseguiram? Mas claro que não! Ninguém aqui vai deixar de ser feminista porque um punhado de machos bostas histéricos querem que as mulheres continuem sendo capachos. A mesma coisa c pessoas trans: desrespeitá-las, negar suas identidades sociais etc. não vai fazê-las deixar de serem trans. Um punhado de radfems raivosas negando as identidades delas não vai fazê-las desistir do transativismo, assim como mascus não fazem ninguém desistir do feminismo.

Banheiros neutros, presídios especiais para pessoas trans, categorias esportivas divididas por dosagem hormonal (como é feito nas paraolimpíadas) ao invés de por sexo, tudo isso poderia ser conseguido, deixaria as mulheres cis mais seguras e impediria criminosos e babacas de usar transgeneridade como justificativa pros seus abusos. Mas esse tipo de acordo só se consegue através de conscientização e colaboração, bater cabeça não tem produzido nada e vai continuar não produzindo nada. E enquanto ficamos aqui jogando queimada da opressão, o opressor-mor tanto de cis como trans, o machismo, está aí firme e forte. Porra, até a União Soviética e os Estados Unidos conseguiram deixar suas próprias diferenças de lado pra combater o inimigo comum, por que não fazer uma trégua, focar no inimigo comum das duas minorias citadas e, quando o machismo não for mais problema, sentar e resolver as diferenças entre trans e cis?

E reafirmo: não digo q devemos abaixar cabeça pra trans abusada. Se uma chegar aqui dizendo q não devemos discutir aborto, menstruação e gravidez pq isso oprime trans q não podem engravidar, é pra mandar se foder e continuar discutindo. Foi o q eu fiz e vou fazer pro resto da minha vida. Ninguém vai me calar. Vocês q não se calam pra homem cis nem pra validadora vão se calar pra mulher trans babaca por quê?

Anônimo disse...

Não, não existe um "grande espectro de generos"

O q define o sexo de alguém são os cromossomos e o genital, e vc não respondeu a pergunta:

Se um homem pode se identificar como "mulher", pq um branco não pode se identificar como negro?

quanto as outras afirmações...

fonte????????

Anônimo disse...

titia, vc pode respeitar a ~identidade trans~ q vc quiser

só não obrigue os outros a comprar essa falsidade ideológica

Trans não são mulheres, segundo o significado conciso da palavra mulher

O ativismo negro não aceita rachel dolezais da vida, e pq feministas deveriam aceitar "mulheres" trans?

E só na sua cabeça oca q categorias desportivas deixarão de serem dividas por sexo pra serem dividas por ~dosagem hormonal~; não são apenas hormônios q fazem homens terem vantagens físicas em relação as mulheres, se informe

07:34 - não, seu burro, "terf" nenhuma confunde gênero com espécie, a questão é q a ideologia de vcs é tão sem nexo, q só comparando com outro absurdo pra tentar fazê-los terem noção do quão ilógico é o transativismo

Anônimo disse...

só na frança é assim, mascu

só na frança

isso jamais será viável no absoluto restante do planeta, mascu, não sofisme

Anônimo disse...

Que ideologia, 10:23, essa de respeitar trans? Realmente, deve ser um "abessurdio" uma ideologia que respeita a humanidade de minorias, né, tipo o, hã, feminismo? Tô falando, terfs e bolsominions, os dois a 80 km por hora.

Anônimo disse...

10:50 - a ideologia masculinista de tentar inverter a realidade

isso não é respeito à ~humanidade de minorias~, é pura e simples aberração cognitiva mascu feito pra vitimizar homens e culpar mulheres

quem está a 80km por hora, mascu, é vc

Anônimo disse...

hahahahahahah 10:53 cara, tu é tão limitada intelectualmente que não consegue ver um mundo não binário. Eu sou mulher, sua otária!

Anônimo disse...

11:02 - otária é o seu pai, patife

e limitado intelectualmente é vc, q de tão incapaz de argumentar, o máximo q vc consegue fazer é sofismar, vá a merda

"mundo não binário" (sic) - e quem é q tá falando de "mundo"? babaca

vc não sabe o q é sexo não? volta pra escola, analfabeto

Anônimo disse...

Este tipo de post só faz atrair trolls ''radfems'' e as bobagens são sempre as mesmas.

Anônimo disse...

bobagens quem fazem são os trolls transativistas

incapazes até de responder uma simples pergunta:

Se um homem pode se identificar como "mulher", pq um branco não pode se identificar como negro?

Anônimo disse...

11:05 Sei, amore, pratico todo dia, obrigada!
Mundo não binário, anta, onde uma pessoa que não concorda com o seu "pensamento" só pode ser mascu!
E já que você preza tanto isso de rola e buceta e seus respectivos lugares, meu pai seria um otáriO, repeite o gênero de papai, senão ele vai poder usar seu banheiro (BUUU).
Quer dizer que respeitar mulher (minoria) é "é pura e simples aberração cognitiva mascu feito (sic) pra vitimizar homens e culpar mulheres"? E eu que tenho que voltar pra escola? Sério, nessa tua escola aí eu não quero passar nem na porta. Vai que eu fico igual tu...

Anônimo disse...

Você é do tipo que acha que o sexo de uma pessoa se resume as características biológicas percebidas igual a alguns religiosos imbecis. Háais no sexo do que ter um pênis ou uma vagina, inclusive identificar-se como homem ou mulher. Como sempre, os que se acham normais apontando as 'anormalidades' dos outros.

Anônimo disse...

11:18 - ô anta, tanto faz se o seu pai é um otário ou uma otária, no mundo ridículo do transativismo isso não deveria fazer diferença nenhuma, seu trouxa

Ng aqui tá falando de "mundo", seu burro, mas de sexo (e tb não de relação sexual, seu analfabeto funcional)

Sim, e volte pra escola, primeiro pra saber o q é sexo, e segundo pra aprender a argumentar decentemente, e não fazer sofismas

Quando eu disse q transativismo é pura e simples aberração cognitiva mascu feito pra vitimizar homens e culpar mulheres, eu não me referia às mulheres, seu babaca, isso era ÓBVIO

"o sexo de uma pessoa se resume as características biológicas"

Claro q se resume, isso é fato, quem diz isso não sou eu e nem nenhum outro ~religioso imbecil~, é a lógica, a ciência

A única coisa no sexo além do pênis ou da vagina são os cromossomos e as características orgânicas dimórficas próprias de cada sexo, não existe "identificar-se como homem ou mulher", assim como não existe "identificar-se como branco ou negro"

Eu lamento se vc é ignorante demais pra entender o básico

Anônimo disse...

A biologia define o sexo, não o gênero de ninguém. Não existe qualquer coisa que não seja definida tbem por um contexto social.

titia disse...

Ora, anon, quem sou eu pra lhe obrigar a qualquer coisa? Apenas esclareci porque respeito a identidade social das pessoas trans. Se você se sente emaçada por isso, não posso fazer nada.

E me esclarece essa, por favor: se não são só os hormônios que fazem os homens terem mais vantagens físicas que mulheres, o que mais faz isso? Porque eu eu saiba as diferenças físicas entre homens e mulheres são causadas por dosagens hormonais que ocorrem naturalmente no corpo.

Anônimo disse...

"A biologia define o sexo" - claro q sim

E é o sexo a única coisa q importa

"gênero" além de não existir de verdade, pois é apenas uma invenção da qual ativistas trans fazem questão de tornar o mais subjetivo possível, não tem relevância alguma pra contexto nenhum, nem social, nem jurídico, nem médico, nem esportivo, nem científico, etc.

só responda, qual a importância q 678 gêneros inventados podme ter? pq a justiça ou a medicina deveriam ponderar algo tão ridículo assim?

transativistas perderam completamente a lógica (não q antes tivessem alguma)

Anônimo disse...

Bem, 11:29, vejo que a queridinha está nervosinha. Toma maracujina que passa.
E mulheres trans são mulheres sim, independente do que você "ache", agora esperneia, fido.
Sabe o que é legal, otária? É que o mundo (sim, ele, esse pontozinho azul no sistema solar) não vai deixar de evoluir só porque umas babaquinhas classe média revoltadinhas acham que são a vanguarda do feminismo. Vocês são a vanguarda do atraso, um museu de grandes novidades, onde se passou uma tinta e agora a placa da entrada não é mais fundamentalismo religioso, e sim "feminismo radical", um feminismo que só usa, por exemplo, o movimento negro (vide essa parada de aihnnn branco querendo se passar por negro) como token para promover sua agenda trasfóbica, excludente, classe média, elitista e o caralho a quatro. Tô cagando pra o que você acha que é "ciência", tenho certeza que você não consegue achar sua bunda nem com a ajuda de uma lanterna.

Anônimo disse...

ô titia, eu não me sinto ameaçada por nada q venha de você, q fique bem claro

"o que mais faz isso?"

Os cromossomos, os genes e todo o restante das células, tecidos e órgãos, o sistema nervoso tb, etc.

não é só "hormônio", isso é biologia básica

resumidamente falando: todo o organismo feminino é diferente do masculino

Anônimo disse...

Ah, né só biologia que é ciência, não, tá?

Mila disse...

Este texto, acredito eu, que foi basicamente o que a feminista africana Chimamanda quis dizer há um tempo atrás quando falou em mulheres cis e mulheres trans. As reações logo descambaram para o racismo e a Chimamanda foi silenciada sem nem mesmo a oportunidade de expor seus argumentos. Mulheres trans e cis passam por diversas diferenças em socialização, assim como as observadas em relação a orientação sexual, classe e etnia. As mulheres trans passam por desafios diferentes das cis e em alguns espaços apontar isso é motivo suficiente para receber escracho ou ser chamada de transfóbica. Não ter útero e não menstruar não é demérito, não significa que uma luta é menos importante. Não é maratona de opressão.
Sigo algumas páginas rads no facebook e vejo os dois lados com preocupação. Vejo trans agindo de forma machista com rads e estas por sua vez mais preocupadas em ofender trans que tratar das mulheres.

Anônimo disse...

Bem, 11:45, sua mula, pega a ~maracujina~ e enfia no seu rim

Dá pra ver realmente q vc não passa de um troll mascu ridículo e analfabeto funcional, argumentar q é bom... NADA

"ain, é assYm pq Ew quéru, e prontu e acaBu, feminishta maWvada, bua bua"

Meu cu pra vc, babaca

"mulheres" trans NÃO são mulheres, independente do que você "ache" a realidade não será mudada, pode espernear, criatura.

E otária, o mundo pode evoluir o quanto for, pq maxo nenhum continuará não conseguindo ser uma mulher, trouxa

vcs, babaquinhas revoltadinhos com a vida, apedeutas e ignorantes por opção são a vanguarda não só do atraso, como a da aberração cognitiva tb

O questão racial é só um exemplo de como a sua podre ideologia não faz sentido algum

Pq se o máximo q vc pode dizer sobre isso é "~token~", ui, kkkkkkkkk, é pq o ativismo trans realmente não passa de pseudo-ciência

Claro q vc caga pro q é ciência, é pq o masculinismo, travestido de transativismo, além de antifeminista, é anticientífico tb, tenho certeza que você não consegue diferenciar o seu cu da sua boca, de tanta merda q sai por ambos os orifícios

Anônimo disse...

11:47 - tudo bem

mas gênero e transativismo não é ciencia aqui nem na china

Anônimo disse...

Nofa, que meda da terfona! Que acha que somente biologia é ciência. Que não acredita que "não se nasce mulher, torna-se". Que não consegue ligar os pontos e ver que não é somente a biologia que determina isso que se chama "mulher". E eu não cago pra ciência, mas para o seu conceito de ciência, que, tenho certeza, não passa a mil anos luz do que realmente ciência é. Que chama mulheres de mascus (ou biscoiteira, né amore?). E se eu cagasse pela boca igual você, estaria rica vendendo os dejetos pra fazer adubo. E aí, já achou uns bolsominions pra cantar Kumbaya, fofis?

Anônimo disse...

00:54

Por que o domínio é associado à masculinidade? Se uma mulher é dominadora, isso significa que ela está sendo não-conformista? Ou não é possível que o domínio seja um traço de personalidade e nem sempre um comportamento aprendido e, portanto, provavelmente não é melhor não colocar um rótulo de gênero nisso? O que acha sobre virtudes como força, coragem e resistência? São características masculinas? Porque as mulheres exibem essas características em muitos momentos, especialmente durante o parto, e isso é algo que os homens nunca podem experimentar. Eu só acho que é inútil ficar obcecada com toda essa linguagem de gênero e colocar as coisas em caixas de gênero.

Anônimo disse...

12:02, e quem disse que gênero e trasativismo são ciência? onde cargas d'águas tá escrito isso nos comentários? Não se pode apenas usar a biologia como ciência para determinar o que é ser mulher.

Anônimo disse...

Pior que biscoiteira tem aos montes mesmo, é preciso tratamento de choque feminista intensivo e poderoso nas mulheres robotizadas para neutralizar o mais rápido possível toda a lavagem cerebral masculinista, machista, patriarcal de interiorização da misoginia e veneração, adoração a macho feita durante milênios na massa de mulheres.

Anônimo disse...

Se me darem respostas lógicas e coerentes à estas simples perguntas eu me converto ao transativismo:

A definição de mulher é precisa: fêmea da espécia humana, e de "homem" idem: maxo humano; logo, por que homens deveriam ser reconhecidos pelo o que evidentemente não são?

Qual o interesse de alterar um significado tão lógico quanto o da palavra 'mulher'?

E se no ativismo trans 5.2, nem ao menos os maxos da espécie humana precisam performar "feminilidade" pra serem reconhecidos como "mulher", por que esses marmanjos fazem tanta questão de serem chamados assim: "mulher"?

Se um omen não quer deixar ser omen e de se parecer com omen, pq ele quer ser chamado de "mulher"?

Por que o significado da palavra mulher não pode continuar a ser o que é?

Se "nada determina" o q é ser mulher, pq os trans se determinam assim? Ora, eles não acabaram de afirmar q "nada determina o q é mulher"? Qual a lógica disso?

Por fim... Se um homem pode se identificar como "mulher", pq um branco não pode se identificar como negro?

Anônimo disse...

Mascu detectado

Anônimo disse...

Você é trans, 12:18? Se não, se "converter" ao trasativismo vai ter a mesma importância do dado dolabela se dizer feminista. O problema é que vocês terfs se acham grande coisa. Mas não se preocupe, em pouco tempo passa e em alguns anos você vai estar na passeata pela intervenção militar, pelos bons costumes, deus, a família e a propriedade...

Anônimo disse...

12:13 - não só se pode usar a biologia como ciência para determinar o que é ser mulher, como a biologia JÁ É USADA, justamente pq o sexo é COMPLETAMENTE BIOLÓGICO/NATURAL

Se não é a ciência quem determina (sic), quem é? os trans? kkkkkk

E q bom q vc admitiu q ativismo trans é anticientífico

12:10 - ô paspalho, eu não disse q "só biologia é ciência", mas com certeza entre todas as coisas q são ciências, gênero e transativismo não estão inclusas, como admitiu o 12:13

E é claro q é a biologia quem determina o q é ser mulher, pq ser mulher é ser alguém do sexo feminino, essa é a realidade, sua anta

E sim, vc caga pra ciência, a cada arjumento q vc dá vc demonstra isso, a sua crença de q homem pode ser mulher é o q passa a mil anos luz do que realmente ciência é, mascu imundo

"Se" não, vc realmente caga pela boca, é evidente, e nem adianta tentar vender sua merda como adubo, pq a sua bosta é podre demais. Mas e aí, já achou uns mascus pra se vitimizarem, cretino?

Anônimo disse...

12:25 - pq vcs trans tem tanta dificuldade em darem respostas lógicas?

Só responda as peguntas, seu palhaço, não é possível vc ser tão burro assim. Depois se pergunta o pq da sociedade inteira cagar e andar pras pautas ininteligíveis de vcs

Vcs não se prestam a dar explicação de nada, querem só q a gente engula as merdas q vcs cagam

Anônimo disse...

Fia, tá faltando teoria feminista aí na tua análise. E eu já disse, sou mulher. Se você não acredita, paciência. Tua limitação intelectual tá te fazendo mal, procure ajuda de um professor de português, porque além de teoria feminista, falta interpretação de texto, aos baldes. E não tem essa de bosta podre demais, amore... Já vi que falta também... biologia.

Anônimo disse...

12:18

Ainda tem a pergunta definitiva que não quer calar:

Por que é considerado progressivo, avançado, revolucionário, etc. e abraçado tão automaticamente e cegamente dentro da esquerda e até dentro do feminismo algo que é tão evidentemente regressivo, focado em tirar direitos e romper os limites das pessoas do sexo feminino em benefício das pessoas do sexo masculino, um borrão passado em cima da realidade material dos sexos, reforçador de papéis, exigências e estereótipos limitadores e opressivos; calcado totalmente em cima de estereótipos, aparências e superficialidades; algo que é tão individualista, subjetivista, sem bases na realidade e menos ainda no materialismo histórico, algo tão religioso, ideologista, liberalista?

Anônimo disse...

12:25, força mais que sai um bostonaro presidente 2018.

Anônimo disse...

Ativistas trans inventam (tiram da bunda) um gênero por dia, e querem forçar q isso tenha alguma relevância jurídica, medicinal ou científica

Tb vou inventar uma etnia por dia e quero q a justiça brasileira as reconheçam, todas elas, obg

Anônimo disse...

12:30 Respostas lógicas prum bando de gente ilógica que fica bostejando ódio? Nããããã, a gente vai é se divertir mesmo...

Anônimo disse...

Bem, 12:38, não sou eu que uso os mesmos argumentos deles sobre trans, né nom?

Anônimo disse...

12:38, vai lá, amore, mas acho que ariano já foi usado...

Anônimo disse...

Fia, vc não é feminista, se fosse, não falaria tanta merda, vc é um mascu sim, e dos mais burros (se é isso q é possível)

Tua limitação intelectual tá te fazendo muito mal, procure ajuda de um professor de português, de lógica, de matemática, de ciência, de tudo, volte pra escola, refaça o ensino fundamental, porque além de feminismo, falta interpretação da realidade, aos baldes.

E de tanta bosta podre q vc regurgita, amore... Já vi que o seu caso é de falência múltipla da cognição

Vc continua a não dar reposta de nada, só sofisma, só tergiversa, e ainda quer q a gente seja a forçada a crer na ilógica ideologia trans

Anônimo disse...

12:38 - não se faça de besta, não babaca

se vc é incapaz de dar respostas lógicas e coerentes, admita

é menos feio

gente ilógica bostejadora de ideologia odiosa, tal qual o transativismo (q não passa de masculinismo) são vcs

Realmente, vcs não se prestam a dar explicação de nada, querem só q a gente engula as merdas q vcs cagam

Anônimo disse...

Nofa, cassou minha carteirinha, vou vender minha cama e dormir na pia de tanta tristeza...

Anônimo disse...

12:42 pra vc ver q o transativismo faz tanto "sentido" quanto nazismo

Anônimo disse...

Bem, amore, que você não só engole merda, como também vomita, você já provou, AOS BALDES. Mas você também ainda não me respondeu: vocês e os miniosn, vai rolar um kumbaya quando?

Anônimo disse...

O objetivo do transativismo, como qualquer outra forma de masculinismo, é fazer as fêmeas humanas se sentirem a larva da verme da mosca da bosta do cavalo do bandido.

Porque eles, os trans, que são AS GRANDES MULHERES, MARAVILHOSAS, INCRÍVEIS, FORTES, RESISTENTES, PODEROSAS, INTELIGENTES, GENIAIS, VALIOSAS, SENSACIONAIS, ESSENCIAIS, ÚNICAS da qual o feminismo tanto falou e começou a fazer valer na realidade.

Daí não poderia ficar assim, né? Os "Grandes", "Maravilhosos", "Incríveis", "Fortes", "Resistentes", "Poderosos", "Inteligentes", "Geniais", "Valiosos", "Sensacionais", "Essenciais", "Únicos", os machos, tão acostumados a serem tratados dessa forma, a se verem dessa maneira, não poderiam deixar todas essas virtudes irem para as mulheres de mão beijada. Óbvio que eles ficaram com ciúmes e inveja: "se as mulheres são tudo isso que o feminismo afirma e isso está começando a ser considerado na realidade, então OS HOMENS TAMBÉM SÃO MULHERES, ou melhor, SÃO MAIS MULHERES QUE AS PRÓPRIAS MULHERES e são melhores até em serem mulheres".

Masculinismo... masculinismo... masculinismo... tsc, tsc, tsc /smh

Anônimo disse...

Filha, se o transativismo faz isso com você, procure um psicólogo. Sua auto estima tá no rés do chão.

Anônimo disse...

12:50 - isso, enfia lá mesmo, quem sabe assim vc para de pegar a sua merda e usar como arjumento

Anônimo disse...

Jesus, 12:36 não sabe o que é materialismo histórico. E Marx se revira no túmulo...

Anônimo disse...

Quem engole e vomita merda é você, isso vc já provou AOS BALDES. Mas você também ainda não me respondeu: Se um homem pode se identificar como "mulher", pq um branco não pode se identificar como negro?

E vc e os mascus vão parar de se vitimizarem quando?

Se o transativismo fez vc se tornar nesse ser tão burro, quem tá precisando de um psicólogo e de todos os médicos possíveis é vc

Anônimo disse...

'materialismo histórico'

ta aí uma coisa da qual o transativismo passa longe. Marx realmente se revira no túmulo...

Anônimo disse...

12:55, quando a pessoa fala arjumento eu já sei, adolescente complexada com as espinhas...

Anônimo disse...

Lógico que não tiveram sucesso comigo, idiota, mas é público e notório que tentam fazer isso a todo momento e tem obtido resultados favoráveis para eles com as mulheres mais suscetíveis, mais machucadas pela misoginia, as mais enfraquecidas pelo patriarcado. Covardes como macho sempre é, sempre vão atrás das vítimas mais fáceis e vulneráveis.

Anônimo disse...

Amore, se você tivesse lido qualquer coisa sobre materialismo histórico, saberia que o materialismo histórico dialético usa os fenômenos da vida em sociedade para fazer suas análises, diferentemente da dialética hegeliana. Jumenta!

Anônimo disse...

quando a pessoa fala "adolescente complexada com as espinhas" eu já sei, mascu cretino com síndrome de idiotia e complexado com a realidade

Anônimo disse...

Ô jumento, se você tivesse lido qualquer coisa sobre materialismo histórico, saberia que o materialismo histórico dialético usa os fenômenos da vida em sociedade para fazer suas análises, diferentemente da dialética hegeliana, e é exatamente por isso q transativismo passa bem longe, retardado

Anônimo disse...

Muda o disco, amore, Só porque vc fala que eu sou mascu não quer dizer que sou... Chama de biscoiteira, pelo menos você respeita o meu sexo biológico, já que isso é tão importante para você...

Anônimo disse...

Mas o transativismo não está dizendo que usa materialismo histórico para fazer análise, e sim o feminismo radical... Então, quem é incoerente é terf, que se diz materialista mas não usa materialismo para analisar o movimento transativista. Inclusive, me atrevo a salientar, a análise terfistica (adoro neologismos) é incoerente principalmente nesse ponto, pois só se baseia na biologia...

Anônimo disse...

Mulheres podem ser masculinistas o que não é muito diferente de biscoiteira, na prática. Tanto faz... continua sendo mascuzenta do caralho. Vai estudar feminismo ou qualquer outra coisa útil de verdade e larga esse masculinismo de bosta, meu anjo.

Anônimo disse...

APRENDAM URGENTEMENTE SOBRE D.A.R.V.O. "Deny, Attack, and Reverse Victim and Offender." (Negar, Atacar, e Reverter Vítima e Agressor)

Pesquisem!

Anônimo disse...

13:12, amore, vou desenhar, tá, pra você entender:
quem não concorda com terf pode ser:
machista;
feminista marxista;
feminista liberal;
putafeminista;
feminista negra;
trasfeminista;
feminista interseccional;
ah, tá, vai lá, masculinista.
Tá vendo como teu mundinho é binário? Ain, se não é feminista radical só pode ser masculinista... Não amore, não. Sai dessa.

Anônimo disse...

13:08 - a única coisa e eu conheço sobre vc é o seus comentários de merda, nunca vi vc pessoalmente, então não me exija nada, seu inútil

pra mim vc não passa de um mascu

Anônimo disse...

Chama também de feia, boba e cara de mamão

Anônimo disse...

O feminismo (radical) não está dizendo que usa materialismo histórico para fazer análise, e sim o transativismo... Então, quem é incoerente é transativista, que diz q homem pode ser "mulher", me atrevo a salientar, a análise trans é incoerente principalmente nesse ponto, pois não se baseia em biologia, nem em ciência, em nada

é uma ideologia completamente ilógica

13:18 - "pode ser", mas no seu caso, vc é um mascu mesmo

Anônimo disse...

13:22 - mascu já é tudo isso e mais um pouco, otário

Anônimo disse...

Ainda estou aguardando as respostas:

A definição de mulher é precisa: fêmea da espécia humana, e de "homem" idem: maxo humano; logo, por que homens deveriam ser reconhecidos pelo o que evidentemente não são?

Qual o interesse de alterar um significado tão lógico quanto o da palavra 'mulher'?

E se no ativismo trans 5.2, nem ao menos os maxos da espécie humana precisam performar "feminilidade" pra serem reconhecidos como "mulher", por que esses marmanjos fazem tanta questão de serem chamados assim: "mulher"?

Se um omen não quer deixar ser omen e de se parecer com omen, pq ele quer ser chamado de "mulher"?

Por que o significado da palavra mulher não pode continuar a ser o que é?

Se "nada determina" o q é ser mulher, pq os trans se determinam assim? Ora, eles não acabaram de afirmar q "nada determina o q é mulher"? Qual a lógica disso?

Se o gênero é algo completamente subjetivo e fruto da imaginação, tanto q se pode inventar infinitos gêneros diferentes, qual a relevância jurídica/medicinal/científica q transativistas acham q essa ficção poderia ter?

Por fim... Se um homem pode se identificar como "mulher", pq um branco não pode se identificar como negro?

Anônimo disse...

13:24 olha lá em 12:36, que vc mesma postou... Agora vi que não é somente intelectualmente limitada, mas também intelectualmente desonesta...

Anônimo disse...

13:27 - a única coisa e eu conheço sobre vc é o seus comentários de merda, nunca vi vc pessoalmente, então não me exija nada, seu inútil

pra mim vc não passa de um desonesto intelectual

Anônimo disse...

13:30 De fato, agora vi que não é somente intelectualmente limitado, mas também intelectualmente desonesto

Em nenhum momento a 12:36 afirmou q feminismo radical se baseia em materialismo histórico, mas sim q transativismo não se baseia nisso

seu analfabeto funcional

responder as questões das 13:27 q é bom...

Anônimo disse...

13:30, não foi ela quem postou às 12:36, foi eu... e eu quis dizer somente o que está escrito lá, que a ideologia trans é contrária e passa é muito longe do materialismo histórico, que é uma prerrogativa da esquerda, ou deveria, já que é o que dizem ser, mas na prática a história é bem diferente, pelo visto com relação ao transativismo...

Anônimo disse...

13:34 - se olhou no espelho? sua anta

Anônimo disse...

É só mais um mascu sacaneando e avacalhando tudo invertendo todos os comentários das feministas pra "causar" aqui nos comentários do blog, ignorem esse parasita que ele para.

Anônimo disse...

Bem, quem foi que disse que o transativismo é "algo que é tão individualista, subjetivista, sem bases na realidade e MENOS AINDA NO MATERIALISMO HISTÓRICO (grifo meu), algo tão religioso, ideologista, liberalista" foi você, terf. Além de limitada intelectualmente, de desonesta intelectualmente, também tá com amnésia...
Você é aquela que faz os comentários e depois se elogia, né? Não tem como te levar a sério...

Anônimo disse...

Depois tasca um "O feminismo (radical) não está dizendo que usa materialismo histórico para fazer análise, e sim o transativismo... Então, quem é incoerente é transativista, que diz q homem pode ser "mulher", me atrevo a salientar, a análise trans é incoerente principalmente nesse ponto, pois não se baseia em biologia, nem em ciência, em nada". Terfismo é comédia mesmo, além de usar os mesmos argumentos de fundamentalistas religiosos e bolsominions...

titia disse...

Só uma questão que eu acho interessante colocar: a opressão dos homens sobre as mulheres é baseada na biologia, de fato, uma vez que as mulheres engravidam e a macharada patriarcal é doente por controlar o útero, mesmo que na prática não possam fazer nada. Mas o modo como essa opressão é feita e naturalizada é totalmente sociocultural, porque genital não determina personalidade. Não determina se a pessoa é dominadora ou não, assertiva ou não, corajosa ou não. Todas as características e estereótipos considerados tipicamente masculinos ou femininos não tem NADA a ver com biologia, são todos construções culturais. As opressões que as mulheres sofrem não são construídas pela biologia, mas pela cultura patriarcal machista - que não é uma coisa biológica, mas uma construção social. Como é que fica, então?

E reafirmo: se não houvesse tantos estereótipos ridículos, se não houvessem esses conceitos imbecis de 'gênero' determinando que homem é assim e mulher é assado... as pessoas sentiriam necessidade de transicionar, de "performar" o outro sexo? Se as pessoas pudessem ser quem são, agirem como quiserem, usarem o que quiserem sem ouvir desde antes de saber andar "Isso é coisa de homem" ou "Isso é coisa de mulher" elas sentiriam essa necessidade ou viveriam em paz consigo mesmas, que é o mais importante? Por isso que defendo que primeiro acabemos com essa merda de "homem assado, mulher assim" e depois a gente vê o resto. Porque isso de "macho tem inveja da feminilidade, quer tomar os espaços das mulheres" não é algo que vem naturalmente não, é construção social tanto quanto essa babaquice de 'mulher tem que ser tranquila e vaidosa'. Repito, fazer queimada da opressão ao invés de combater o opressor comum só vai favorecer o machismo e afundar as minorias em problema.

Anônimo disse...

Já tá nervosinho o mascu? Ui, ui, ui... até que demorou o ataque de pelanca hein? Parabéns! Conseguiu aguentar mais que os dois segundos usuais. Se treinar mais consegue suportar mais tempo da próxima vez. Mas só vai ser chamado de "bom garoto" e receber um tapinha na cabeça quando não der mais nenhum tipo de ataque, combinado?

Anônimo disse...

12:12,

Estou partindo do pressuposto de que as normas de gênero são os padrões de feminilidade / masculinidade disponíveis para a construção da identidade das pessoas. Essa é a minha segunda suposição. Todos construímos nossa identidade desde o berço até a morte, com base em nossa realidade (interna e externa) e nossas experiências. Isso significa que uma mulher dominadora é não conformista com o gênero porque a norma da feminilidade é submissão. Isso significa que um homem pode pensar que ele não está em conformidade com o gênero porque usa um vestido, salto alto e maquiagem enquanto seus traços comportamentais são modelados pelas normas de masculinidade. As mulheres são socializadas como uma classe, mas muitas de nós escapamos / fugimos dos piores aspectos da socialização e outras não. Isso significa que somos oprimidas como uma classe, mas as mulheres individuais não são ou não estão cientes de que são.

Anônimo disse...

13:44 - o babaca, q parte do "Em nenhum momento a 12:36 afirmou q feminismo radical se baseia em materialismo histórico, mas sim q transativismo não se baseia nisso" vc não entendeu, otário?

13:51 - o inútil, quem usa de argumentos fundamentalistas religiosos e bolsominions é vc, pq conceito de identidade de gênero se resume a uma crença metafísica. Você pode escolher acreditar que seres humanos nascem com alma de homem ou alma de mulher, mas forçar a sociedade a viver de acordo com essa crença é fundamentalismo religioso e ataca a separação entre igreja e estado

Dizer q mulher é alguém do sexo feminino é fato neutro estritamente científico e biológico

transativista mascu burro

Anônimo disse...

titia, mas como vc acha q esses esteriótipos serão combatidos se os trans reforçam todos eles?

Vc acabou de admitir q feminismo é irreconciliável com transativismo (masculinismo)

Anônimo disse...

Eu acho toda essa coisa de "não conformidade com o gênero" uma grande distração. Ela é colocada quase inteiramente sobre escolhas de moda e vestuário, o que na grande maioria das vezes não é o ponto. Se os homens quiserem ser "não-conformistas de gênero", podem começar por não estuprar, não assediar, não espancar, cuidar de crianças, limpar a casa e a própria sujeira, lavar suas roupas, lavar a louça, etc. São os comportamentos deles que são o problema, não seus trajes.

Anônimo disse...

"deixaria as mulheres cis mais seguras e impediria criminosos e babacas de usar transgeneridade como justificativa pros seus abusos"

errado titia, muito pelo contrário, deixaria as mulheres ainda mais inseguras e não impediriam ng de abusar do transgenerismo, visto q se a auto-identificação é o único critério, qualquer homem poderá se identificar como "mulher" e ai de vc se questionar

É simples, se não vale pra branco se identificar como negro, não deveria valer pra homem se identificar como mulher

São ambas propostas racistas e misóginas

Anônimo disse...

Gente, não tem muito a ver com o tópico , mas tem um filme na Netflix que gostei muito, ele mostra tipo uma realidade paralela com a inversão de papéis entre homens e mulheres. O filme se chama "Não sou um homem fácil", achei bem interessante, fiquei refletindo depois sobre o que realmente é ser mulher.

Anônimo disse...

"o que realmente é ser mulher"

alguém q nasceu do sexo feminino

Simples

Marina disse...

Tenho a impressão de que no discurso trans apenas """mulher""" é esse conceito hiper abstrato, subjetivo, individual. """Homem""" continua sendo macho, né? O que é ser homem não tá aberto pra discussão, tanto que não vemos homens trans cobrando aceitação dos gays, por exemplo (até pq a maioria se relaciona com mulher...).

Quantos homens trans lutam pelo direito de ficar em presídios masculinos? Genitália importa nessa hora, não? Pq infelizmente pessoas com vagina, independentemente da sua identidade de genero, tem sua integridade física em perigo em lugares de confinamento dominados por pessoas com penis. Enquanto isso casos de """mulheres""" trans sendo transferidas para presídios femininos são uma realidade.

Hoje a questão é muito complexa pq basta a autoidentificação para reivindicar o reconhecimento como sexo oposto. É muito diferente falar de uma mulher trans operada e uma pessoa que é obviamente apenas um cara de batom e saia que resolveu se identificar como mulher depois de adulto. E a tendencia é cada vez mais o segundo caso, por isso o grande receio de muitas mulheres.

Sem entrar no mérito da defesa do discurso de crianças trans, que é pura homofobia mesmo. Deixem as crianças viadas crescer em paz! Não tem nada de errado em meninos afeminados e meninas masculinas! a maioria vai crescer e reconhecer sua homossexualidade e pronto!

Anônimo disse...

"Na hora que o "transativismo" me explicar sem usar um único argumento "biologizante" o motivo de ser aceitável dizer-se de outro gênero mas não de outra raça ou mesmo de outra espécie eu começo a cogitar a levar essas pessoas a sério."

Se o critério de autoidentificação deve ser tão absoluto a ponto de mudar seu status jurídico e fazer do gênero uma equiparação de sexos, deveria valer para raça também. Isso pra dizer o mínimo.

Mas se uma pessoa branca se põe como negra, um milhão de ativistas vão execrar essa pessoa sob os seguintes argumentos:

- blackface
- caricatura
- deboche
- mentira
- gozação
- chacota

Porque já aconteceu, tem uma mulher que é bem famosa inclusive que se apresenta como negra, diz ser negra mas é loira de olhos claros. E assim como homens que se sentem mulher muitas vezes fazem parte de conselhos femininos, ela também fazia parte de conselhos raciais.

Todo vídeo que existe no youtube para explicar o motivo disso não ser aceitável (uma branca passar-se por negra) cai em argumentos biológicos, basicamente. Não nasceu negra, não tem pais negros, não tem DNA negro, qualquer besteira dessas.

Ora,

Então porque um cara pode passar 40 anos homem, um dia decidir que é mulher e aí não é chacota, caricatura, grosseria, deboche, gozação com as mulheres e mentira com a sociedade?

Anônimo disse...

Transgenerismo/ideologia trans pra mim é o mesmo nível de absurdo, irracionalidade e falta de lógica que o terraplanismo e o geocentrismo. No fim das contas todas essas baboseiras sem sentido servem aos delírios androcentristas fanáticos religiosos do puro retrocesso.

Apenas.

Anônimo disse...

É cômico que as mesmas pessoas que usam a biologia como argumento final para definir o que seria um homem e uma mulher, rechaçam a própria biologia (mais especificamente as neurociências)quando esta explicaria, pelo menos em parte, os papeis de gênero.

Anônimo disse...

A questão, mascu, é q a biologia (mais especificamente as neurociências) não explica EM NADA, nem em partes, papéis de gênero nenhum, energúmeno

Anônimo disse...

19:50

Pistolou kkkkkkkk

Anônimo disse...

20:22 - quem pistolou foi vc, imbecil

Anônimo disse...

20:22

Fica pistola não. Assim vc infarta cedo.

Anônimo disse...

"homem, um dia decidir que é mulher e aí não é chacota, caricatura, grosseria, deboche, gozação com as mulheres e mentira com a sociedade?"

R: pq transgenerismo é a face mais agradável e palatável do masculinismo, e tanto, que cooptou até várias feministas

Anônimo disse...

Parabéns Lola.

É um dos melhores textos que li sobre o assunto. Uma análise que busca o diálogo com outras correntes do feminismo livre de amargura, mas sem aceitar a opressão que acontece dentro do movimento.

Essa parte é genial:

"Muitas TERFs com quem discuto definem sua feminilidade pela opressão que enfrentam. (...) No entanto, definir a si mesma pela sua opressão apenas concede poder àqueles que te machucam".

Anônimo disse...

O mais ridículo é ver gente que sempre, em todas as ocasiões, fala certamente sobre mulheres em referência as fêmeas humanas, ao sexo feminino e as características femininas, mas depois vem com esse papinho furado de "respeito a 'identidade' de 'mulheres trans', blablablablá, 'mulheres trans' também são mulheres blablablablá...", "homens também podem ser mulheres"... arram, sei... mas toda hora em que não estão exigindo essas baboseiras e repetindo essas idiotices, mulher volta a ser o que sempre foi e sempre será: fêmea humana.

HIPOCRISIA MUITA E MUITO DESESPERO EM PARECER BOAZINHA, INCLUSIVA de todOs A TODO CUSTO, BASTANTE ACOLHEDORA, CUIDADORA E MATERNAL são as definições perfeitas disso ¬¬

Vão à merda com todas essa bosta submissa de respeito e obediência a "gênero" e levem junto toda essa hipocrisia monumental e todas as falácias ridículas! Vocês envergonham o sexo feminino como um todo. Honrem a própria buceta, como disse a própria titia em outro comentário.

Fim.

GabrieleBressan disse...

Ele só sabe vomitar respostas paliativas, que beiram à impossibilidade e não consideram os antecedentes de todas as problemáticas em questão (estupro, suas causas e soluções possíveis). Qualquer pessoa que tenha o tino mínimo de como as coisas são, consegue enxergar que ele é dono de um ímpeto pela violência e nada além. No mais, jogar "DÁ PRA PRAS MUIÉ!!!" e argumentos congêneres é uma forma de calar a discussão sobre as origens do problema -- que batem nas portas dele e de sua "trupe."

Anônimo disse...

"HIPOCRISIA MUITA E MUITO DESESPERO EM PARECER BOAZINHA, INCLUSIVA de todOs A TODO CUSTO, BASTANTE ACOLHEDORA, CUIDADORA E MATERNAL são as definições perfeitas disso"

Acolhedoras, cuidadoras e maternais com machos... porque as mulheres mesmo tão sendo deixadas de lado quando até feministas querem ser boazinhas e inclusivas com macho.

roberto quintas disse...

não é simples assim, cachorrinho. pessoas intersexuais nascem.

roberto quintas disse...

anônimo de 29 de junho de 2018 10:13.
quer saber MESMO? tem um negócio chamado google e wikipédia. eduque-se.
engraçado como sempre os menininhos pedem "fontes" quando tem suas certezas questionadas e abaladas, mas NUNCA fornecem fontes para suas "certezas".

Anônimo disse...

Anônimo Anônimo disse...

Autismo é extremamente comum em pessoas trans e provavelmente causa eles serem trans porque eles acham que se eles são atraídos por "coisas de mulher" ou são "femininos", isso deve significar que eles realmente SÃO mulheres porque lhes falta teoria da mente.

1 de julho de 2018 04:30


Fonte: SEU CU

Anônimo disse...

Fonte: wikipédia descolada

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Anônimo disse...

TRÊS F*CKING DIAS INTEIROS SEM NINGUÉM USAR A CARTA DA INTERSEXUALIDADE/HERMAFRODITISMO!

Temos um novo recorde, pessoal.

Tentem quebrá-lo da próxima.

Anônimo disse...

wikipédia é fonte? kkkkkkk

e robertinho, tem dó

Não existe em mamíferos e logicamente nem em seres humanos hermafroditismo verdadeiro, que é quando um ser vivo apresenta os dois sexos, ou seja, possui as duas gônadas funcionando perfeitamente, ovários produzindo óvulos e testículos produzindo espermatozoides. O que existe é uma parcela da população que é relativamente insignificante, por ser bastante reduzida, não chegando nem a 1% de todas as pessoas, e possuem diferentes condições de intersexo, que correspondem a anomalias ou formação incompleta dos genitais e/ou do sistema reprodutivo como um todo. Na maioria das vezes essas pessoas são inférteis, por não terem o aparelho reprodutivo completamente desenvolvido e em muitos casos as condições de intersexo estão associadas a outras doenças que não necessariamente tem características "sexuais" e reprodutivas. Mas enfim, essas pessoas que são intersexo são a exceção da exceção que confirma a regra, possuem uma doença que afeta o desenvolvimento dos genitais e as funções usuais do sistema reprodutivo, o que não vem ao caso da imensa maioria da população na qual os genitais indicam quem é mulher e quem é homem e muito menos negam este fato.

Anônimo disse...

Au seria bom se informar o quadro psicológico dos pais e médicos.

Anônimo disse...

O discurso revolucionário moderninho e somente isto, discurso, mas é totalmente descolado da realidade.
Exemplo: um homem lhe Olha com aquela cara de "pra frente moderno" e diz:
"Prostituição e um trabalho como qualquer outro, o problema é o preconceito"
Daí você pergunta: você se casaria com uma prostituta?
É o individuo fica com cara de tacho.
Da mesma forma perguntem para um homem/mulher heterossexual se ele/ela se relacionaria sexualmente e afetivamente com um homem/mulher transsexual?!

Anônimo disse...

Lola você se relacionaria sexualmente com um homem trans?

Anônimo disse...

"hihihi hohohoho masculinismo é tão engraçado e divertido huhuhuhu"

- só que nunca.

é apenas muito tedioso, repetitivo, maçante, insensato, retrógrado, imbecil, demente, forçado, cego, surdo, sem tato, sem lógica, sem bases concretas, puramente ideologista e fundamentalista de ilusões, cheio de 'pensamentos' desejosos (wishful thinking) de idiotas, complexados, frustrados, incapazes, sem noção e completamente desnecssários, e mais um monte de outras características péssimas que gastaria muito tempo para enumerar...

Anônimo disse...

As rad fems vão ter que apoiar Bolsonaro ou Levy Fidelis nas eleições, já que nenhum candidato progressista vai defender sua ideias contra transgêneros.

Anônimo disse...

> feminista radical
> apoiar políticos misóginos retardados lixos ridículos direitistas/neoliberalistas conservadores/reacionários ainda por cima (pra piorar)

escolha apenas uma dessas opções mutuamente exclusivas

roberto quintas disse...

Anônimo de 01/07, 12:32. Wikipédia e discutível, ok, mas é melhor do que as "fontes" que você usa. Tem o site academia edu, se é que sua capacidade intelectual consegue entender. Eu até provocaria, te pedindo qual a fonte dessa afirmação que são "apenas 1/100", mas eu prefiro lembrar que teve gente que segregou outros seres humanos por sua etnia e religião. Hitler mandou lembranças. Exceção mostra que isso que é chamado de regra é convenção imposta. Veja como a natureza é linda: a hiena fêmea desenvolve genitais masculinos para se reproduzir... Ooops.

Marina disse...

https://www.youtube.com/watch?v=cx4zAT5OABk

um exemplo bem ilustrativo de como dá pra ser trans e bem machista

roberto quintas disse...

Essa vai para o pessoal (geralmente masculinistas) que insiste nesse simplismo: homem tem bilau, mulher tem pepeca. Então o homem deixa de ser homem se tiver bolas/pirulito removido?

roberto quintas disse...

Anônimo, eu sou hetero e eu transaria com mulher trans. Outra coisa: se casa com uma pessoa, não com a profissão/ocupação dele/a.

roberto quintas disse...

Essa vai para o pessoal do 1/100.
Pessoas intersexualidade tem entre 1 e 1,7.
Pessoas ruivas tem entre 1 e 2.
Pessoas anãs tem entre 1 e 1,5.
Pessoas gemeas tem entre 1 e 2,5.
Vocês vão segregar esses humanos? Negar a humanidade del@s?

roberto quintas disse...

Desafio aos anônimos/trolls.
Expliquem isso:
https://www.google.com.br/amp/s/veja.abril.com.br/ciencia/rato-com-flexibilidade-sexual-pode-virar-macho-ou-femea/amp/

Anônimo disse...

Marina, isso é o mais comum, o que mais tem é trans e extremamente machista, totalmente misógino, ou com muita misoginia internalizada no caso das mulheres que rejeitam o próprio corpo feminino, cortam os seios e tomam testosterona para "serem homens". Essas são coisas que estão intimamente ligadas.

Anônimo disse...

Vou deixar um link da Miranda Yardley, trans do Reino Unido, que tem um ponto de vista interessante:

"I opened my talk emphasising that transgender people are human beings, and what sucks is transgender ideology."



"Yet being a woman, an adult human female, or a man, an adult human male, are morally neutral states.

The baggage which causes offence comes from cultural meaning.

We need to attack this cultural meaning and broaden its bandwidth – this is proper ‘inclusivity’ and ‘diversity’ as it affirms a real equality of opportunity: women can be strong, men can be nurturing. Neither are objectified because of their biological sex."


"You are a fool if you are fighting for equality: everyone kept in a prison is equal, but nobody is free. Forget equality, fight for liberation and smash the system."


http://mirandayardley.com/en/how-the-social-justice-of-equality-discrimination-diversity-inclusion-and-empowerment-are-being-used-to-strip-women-of-rights-and-freedom/

Anônimo disse...

- Engraçado é que na França nemnem existe essa dívisão de banheiro pra homem e pra mulher

La division que n'existe pas...:

https://archzine.fr/wp-content/uploads/2014/10/public-salle-de-bain-carrelage-mural-de-salle-de-bain.jpg

Anônimo disse...

robertinho, deixe de se fazer de idiota

o fato de intersexuais não passarem de 1% da população é pra afirmar q essa proporção é risível e de q só confirma e reconfirma a regra de q o sexo humano é binário

vc continua não mostrando fonte nenhuma pras baboseiras q vc escreve

e o q hienas e ratos tem haver com humanos? nos poupe

Anônimo disse...

" Veja como a natureza é linda: a hiena fêmea desenvolve genitais masculinos para se reproduzir... Ooops."

A hiena malhada fêmea não tem "genitais masculinos", elas simplesmente tem um clitóris crescido e mais projetado para fora. Não tem nada de genital masculino ali, só porque é grande para fora. Chamar o clitóris delas de genital masculino é de uma estupidez e grosseria tamanha, pura desonestidade, forçação de barra, bitolação androcêntrica, falocêntrica, limitação intelectual e machismo puro (redundância) - pra variar.

roberto quintas disse...

Anônimo, eu citei outras condições que constituem exceções. Vai segregar esses seres humanos? Hitler mandou lembranças.

roberto quintas disse...

Anônimo, eu fiz essa citação exatamente com esse propósito. Eu esperava que gente como você, que se esconde atrás do anonimato, respondesse.
Afinal, seus amigos trolls dizem que é homem quem nasce com bilau. Como você mesmo apontou, tem outros elementos. Então tem o problema que isso sai do campo dos cromossomos e nosso entra a situação das pessoas intersexuais. Veja bem, geneticamente sao pessoas que saem do padrão do gênero binomial e seus genitais estão indefinidos. O que nos leva a questionar como uma pessoa pode se definir homem. Seja qual for a resposta, será fora do padrão que você e seus amigos trolls (masculinistas) acreditam. Grato por sua colaboração inconsciente.

Anônimo disse...

Esse cara é um robô? As respostas dele parecem tão sem vida, sem emoção, sem humanidade alguma, muito automáticas totalmente programadas para não fazer o menor sentido, o que ainda é pior.

Anônimo disse...

06:37 - ng vai segregar intersexual, sua mula, quem é q tá falando isso?

afinal, vc tá falando de intersexos ou de trans?

pq trans não tem nada a ver com intersexos, até pq intersexualismo é uma condição orgânica/biológica, e os transativistas não gostam desse tema

07:29 - "Por decisão ou capricho do médico" | fonte???? N-E-N-H-U-M-A

Não adianta usar o intersexualismo, pq essa condição é um defeito (os trans são defeitos?) e uma exceção RARÍSSIMA (não chega a 1% da população) q só determina a regra de q o sexo humano é BINÁRIO

O q define alguém ser homem ou mulher é bem simples:

Nascer do sexo masculino (homem) ou feminino (mulher), intersexuais não são um sexo à parte, sua anta. Um intersexual pode ser um homem q nasceu com algum defeito genital ou uma mulher nascida com o mesmo problema; mas eles continuam sendo ou homem ou mulher

Se uma pessoa nasce com oito dedos, não significa q ela seja um aracnídeo, não faça inferências ridículas

Anônimo disse...

Não existe mulher "cis"

Não existe homem "cis"

Ninguém é um estereótipo perfeito de masculinidade ou feminilidade.

A própria ideia de essência feminina, de "nascer do corpo errado" por não se adequar aos estereótipos do sexo é tremendamente conservadora.

Profundamente anti-feminista.

Não tem como se dizer feminista e apoiar isso. Que homens não se identifiquem com a masculinidade ok, ótimo, mas só por isso passam a ser mulheres? Isso não soa estranho para quem é feminista e defende que mulheres e homens podem fazer o que quiserem?

Homens não podem ser ternos? Gentis? Pacíficos? Amorosos?
Não podem usar a roupa que quiserem? Amar quem quiserem e continuar sendo homens?

Mulheres não podem ser fortes? Firmes? Lutadoras?
Não podem usar a roupa que quiserem? Amar quem quiserem e continuar sendo mulheres?

Mas enfim, que se auto-nomeiem como quiserem, só não é certo empurrar feminilidade como escolha das mulheres (justamente o que o termo "cis" sugere).

Mulheres tem direito a sentir raiva, e a expressar raiva - somos humanas. Que essa raiva seja nomeada como ódio (como faz o autor do texto - veja como sou odienta, não usei o pronome correto!) não altera o fato de que há uma clara separação por sexo entre perpetradores da violência - sejam homens "cis" ou não - e vítimas da violência.

E, por outro lado, cada vez mais meninas se identificam como homens, e ninguém quer falar sobre a destransição e os enormes problema de saúde que essas garotas enfrentam quando percebem que PODEM SER MULHERES E FAZER O QUE QUISEREM. Não é isso que deveríamos estar ensinando às garotas? Ao invés de incentivar a mutilar os seus corpos? Deveríamos estar nos preocupando com as próximas gerações de mulheres em vez de ficar servindo os interesses masculinos. Ou não?

Marina disse...

De acordo com a Sociedade Brasileira de Pediatria, é necessário que as crianças apresentem pelo menos 6, dos 8 sintomas citados na lista abaixo, para serem "diagnosticadas" com “disforia de gênero”. Como 5 deles se referem explicitamente a estereótipos, seria impossível identificar uma “criança trans" caso não existissem as divisões sociais entre os sexos.
Ou partimos do princípio que não existem coisas de menino e coisas de menina, ou aceitamos que um menino ter preferência por bonecas/vestidos e uma menina preferir cabelo curto/carrinhos, pode ser indício de que eles nasceram no "corpo errado".
É inegável que pode haver grande desconforto e sofrimento para crianças que desejam pertencer ao sexo oposto de forma insistente e persistente, e para seus familiares. Mas é também inegável a contradição que existe entre a luta contra os estereótipos e imposições de gênero, e a interpretação de que a causa desse fenômeno está na "incongruência" entre os comportamentos/preferências dessas crianças e seus corpos.
Modificações físicas através de hormônios não são a solução para crianças que não se encaixam nas "regras de gênero" e sofrem com isso. Ninguém pode mudar de sexo, dizer a um menino que ele será transformado em uma menina ou dizer a uma menina que ela será um menino, não é verdade e reforça a ideia de que seus corpos estão errados. Ninguém nasce no corpo errado, crianças devem ser incentivadas a amar seus corpos e entender que eles são perfeitos do jeitinho que são. Disforia de gênero se trata com terapia, amor e aceitação.
Transicionar crianças é abuso infantil.
A tabela abaixo apresenta a lista de critérios diagnósticos para transtorno de identidade de gênero em crianças do Manual de Diagnóstico e Estatística dos Transtornos Mentais (DSM V), que foi adotada pela Sociedade Brasileira de Pediatria e está publicada em sua página: http://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/DISFORIA_DE_GENERO.png
https://www.facebook.com/hormonionaoebrinquedo2/posts/2086238291697478

«Mais antigas ‹Antigas   1 – 200 de 219   Recentes› Mais recentes»