quarta-feira, 23 de maio de 2018

PREFEITURA QUER QUE VOCÊ SÓ TENHA FILHOS QUE PUDER CRIAR

Esses dias a prefeitura da pequena cidade gaúcha de Quaraí lançou uma campanha com o título "Só tenha os filhos que puder criar". É uma mensagem bem controversa que muitos acharam elitista
Publico aqui a posição de alguém que refuta a campanha. Cab3ssa é cientista social, licenciado em Sociologia, ex-estudante de Gestão Pública e servidor público municipal com longa passagem pela Secretaria de Assistência Social de uma cidade da Região Metropolitana de Belo Horizonte.

A Prefeitura de Quaraí, RS, após uma publicidade polêmica que diz que as pessoas só devem ter os filhos que puderem criar, agora diz que quer "incentivar o debate". Já que muita gente que apoiou a campanha merece uma opinião fora do senso comum, vou explicar o meu ponto de vista.
O controle real sobre os direitos reprodutivos é ilusório. O acesso e a segurança dos métodos anticoncepcionais não é de 100%! 
Há estigmas sociais, questões de saúde (não existe pílula anticoncepcional masculina, e a feminina pode causar desde trombose a câncer), ignorância a respeito (o Movimento Escola Sem Partido vem somar ao tentar vetar educação sexual nas escolas), pressão do parceiro ou parceira, tabus religiosos, cortes em verbas do SUS. Nosso país investe em saúde taxas comparáveis às de países pobres da África.
Explosão populacional no Brasil é um falso problema. A taxa de fecundidade brasileira atualmente está por volta de 1,85, ou seja, cada mulher em sua vida reprodutiva tem menos de 2 filhos, o esperado é que a cada 10 mulheres ao fim de suas vidas tenham dado à luz 21 filhos, não 18, ou a população decresce. É a chamada taxa de reprodução populacional, uma população que decresce gera a médio e longo prazos falta de mão de obra, que é substituída por imigrantes e migrantes, que muitos temem e acham que vão trazer crime, baderna e perda de cultura local/ nacional. Os do Sul, onde fica Quaraí, são os que mais temem.
Alguém pode tentar argumentar: "Mas e os pobres que ficam botando filho no mundo sem poder criar?" Vamos lá. A humanidade cresceu e povoou todos os continentes criando as crianças em comunidade. Elas não eram responsabilidade apenas dos pais, mas dos clãs e dos grupos. Quando se vive da terra é desejável ter muitos filhos, para aumentar os grupos de caça, as mãos para colher, criar gado e plantar, etc. 
Há também a alta taxa de mortalidade em ambientes com animais peçonhentos ou selvagens e povoados sem saneamento, sujeitos a doenças como cólera, tifo e hanseníase, isso sem falar das sexualmente transmissíveis, sem antibióticos.
Para quem vive nas cidades muitas bocas para alimentar são um problema. É o problema que surgiu na transição do feudalismo para a sociedade industrial capitalista.
Aqui chegamos no problema do Brasil contemporâneo. Há uma tendência de achatamento dos salários e de exploração extrema dos trabalhadores no Brasil, é nossa "modernidade" que soa como a Revolução Industrial onde a vida era insustentável, mas isso não é por culpa das pessoas que precisam viver e trabalhar, é culpa de empresários que se beneficiam dessa situação e de governos que permitem e até incentivam que ela aconteça, colocam em prática uma ideologia liberal, como desculpa para ações sociopatas. 
Explicando melhor, essa ideologia liberal tenta jogar sobre o cidadão toda a responsabilidade sobre o seu destino, deixando o Estado responsável pelo mínimo de saúde, educação, e garantia da lei. No fim das contas vê como ideal uma sociedade onde quem tem mais poder tem mais direitos, e quem tem menos poder nem direito a ter filhos tem. 
Economicamente isso é desastroso, como eu disse no princípio, já que extingue a mão de obra e o mercado consumidor.
Como eu disse anteriormente, em um ambiente saudável socialmente, é responsabilidade da comunidade o cuidado das crianças.
Prefeituras são os governos eleitos das comunidades onde vivemos, não devem se isentar dessa responsabilidade jogando-a sobre os pais apenas. Cidadãos não devem apoiar gestores que dizem isso, sabendo o que estão falando, ou seriam incompetentes. Gestores têm que ter um mínimo de entendimento sobre economia. 
A demografia, que estuda populações, é uma de suas disciplinas. É de responsabilidade da gestão pública trabalhar para que os países e suas unidades prosperem e as pessoas tenham uma vida digna. Pessoas pagam impostos para que prefeituras garantam a educação e a saúde de seus filhos. É enganoso, vulgar e afrontoso que algum governo no Brasil faça uma campanha desse tipo.

63 comentários:

titia disse...

Concordo 100% que o Estado não pode fugir das suas responsabilidades. Tem que oferecer saúde de qualidade, educação sexual para jovens e adultos, distribuição eficaz de contraceptivos. Orientar pessoas sobre a legislação a respeito da esterilização voluntária, sanções sobre médicos que se recusam a fazer o procedimento em mulheres que cumprem os requisitos (mais de 25 anos OU dois filhos vivos); combater o preconceito contra a vasectomia, fazer campanhas pra que os homens assumam sua responsabilidade. Legalizar o aborto. Isso definitivamente não pode faltar.

Mas é igualmente preciso que as pessoas reflitam a respeito de ter filhos. Porra, quanta gente tem filho por pressão alheia, porque segue a manada, porque não quer se prevenir (homens tem muito mais culpa nisso), porque não pôde fazer aborto? E que tipo de pais essa gente vai ser? Que tipo de filho vão criar? 5,5 milhões de crianças nesse país não tem o nome do pai na certidão. Uma visitinha à página Vagas Arrombadas vai mostrar um monte de anúncios como esse:

"Preciso de uma babá pra morar que não estude, não tenha filhos, que tenha disponibilidade de horário pra cuidar de 2 crianças uma de 4 e uma de 9 que tenha paciência. que brinque com elas. tenha amor. Não quero de menor. Prefiro pessoas mais velhas. Pago 100 por semana por enquanto. Eu só quero que cuide das roupas delas, lave e passe, do quarto delas. faça a comida e mantenha limpa a casa. minha pequena tem alergia a poeira. O resto deixa que eu faço." Que resto, mona?

E olhe que não estou aí contando os casos mais graves, de criança sendo espancada, estuprada, negligenciada nos níveis mais básicos como alimentação e abrigo, explorada ou assassinada por pais incapazes. Sim colega, precisa-se refletir MUITO antes de ter filho. Essa parte está completamente correta; direito reprodutivo não pode ser desculpa pra botar criança no mundo só pra tratar como lixo.

Anônimo disse...

Eu não vi nada de errado na Campanha, ser pai ou mãe é difícil e trabalhoso, principalmente para as mulheres. Então é mais que certo que uma pessoa reflita se tem condições emocionais, pessoais e econômicas para ter um filho.

Maternidade responsável é libertador e deveria ser pauta do feminismo.

Anônimo disse...


Deve ser mesmo muito ruim ter só os filhos q pode criar, vou engravidar sem ter condições físicas, emocionais e financeiras, vou jogar nas costas da avó, da comunidade e estado para criarem.
Não é q o governo não tenha nada a ver com isso, eu pago impostos, mas a principal responsabilidade pelos meus filhos é minha, sim!Não estou ignorando o papel do pai, vcs entenderam o q eu quis dizer.

Anônimo disse...

Se a pessoa é contra a afirmação e divulgação da sentença "Só tenha filhos que você puder criar.", então, logicamente, a pessoa é, tacitamente, a favor da frase "Tenha filhos que você NÃO pode criar."

Pelo absurdo da segunda afirmação, não vejo espaço para que essa campanha seja contestada.

titia disse...

13:37 sim creio que entendo. Basicamente, a maior responsabilidade ainda é dos pais, mas isso não significa que eles tem que fazer tudo sozinhos; família, comunidade e Estado podem e DEVEM apoiar a criação das crianças, afinal elas são o futuro da sociedade.

Lembrei de uma vez no shopping em que vi um "pai" chamando a filha (10, 11 anos no máximo) de 'bostinha' em voz alta pra todo mundo que estivesse passando no corredor ouvir, provavelmente por causa de comportamento normal de criança, e ameaçando a menina de fazê-la passar vergonha em público. Não pude dizer nada, só dei pro escroto meu maior olhar de desprezo e nojo e fui-me. Imagine o que ele não diz e faz com essa pobre criança quando não tem ninguém olhando, quando não tem um segurança a um grito de distância. E aí, vai dizer que um excremento humano desses tem condições de ser pai? Não, não tem!

Não interessa se pode pagar escola, comida e roupa, se é incapaz a esse ponto de lidar com comportamento infantil normal o/a merdinha não tem nada que ser pai/mãe.

Defender direito reprodutivo é ok. Mas não vamos pra isso atropelar os direitos das crianças - que merecem ser tratadas com dignidade, respeito e ter apoio emocional - em defesa dos direitos reprodutivos de gente como aquele resto de placenta do shopping que visivelmente não tem condição nem capacidade nenhuma de ser pai.

Anônimo disse...

"É a chamada taxa de reprodução populacional, uma população que decresce gera a médio e longo prazos falta de mão de obra,"

Eu acho controversa e elitista é essa visão, vê as pessoas não como cidadãos ou seres humanos mas "reposição de mão de obra", então quer dizer que todo mundo deve ter filho - mesmo sem condições - só para que as empresas tenham mão de obra barata, entendi direito?

Anônimo disse...

Concordo com a campanha, melhor um filho bem cuidado do que vários pedindo esmola na rua

Anônimo disse...


"'Preciso de uma babá pra morar que não estude, não tenha filhos, que tenha disponibilidade de horário pra cuidar de 2 crianças uma de 4 e uma de 9 que tenha paciência. que brinque com elas. tenha amor. Não quero de menor. Prefiro pessoas mais velhas. Pago 100 por semana por enquanto. Eu só quero que cuide das roupas delas, lave e passe, do quarto delas. faça a comida e mantenha limpa a casa. minha pequena tem alergia a poeira. O resto deixa que eu faço.' Que resto, mona?"


Não entendi esse "que resto, mona?", não vi nada de errado com o anuncio. Quem fez, claramente trabalha fora e não pode fazer as funções tipicas de quem cuida do lar. Vc por acaso acha que a educação, a atenção e o amor se manifestam apenas cozinhando e mantendo o quarto dos pequenos arrumado? Talvez sejam esses três fatores o " resto" que o anúncio fala, o que alias nem é da nossa conta.

Anônimo disse...

"Pessoas pagam impostos para que prefeituras garantam a educação e a saúde de seus filhos. É enganoso, vulgar e afrontoso que algum governo no Brasil faça uma campanha desse tipo."

O problema é que boa parte da população sequer paga impostos ou gera PIB pra pagar os serviços públicos que usa, quanto mais pra sustentar uma criança. Indo um pouco mais longe, essas pessoas tem problemas com a própria subsistencia, quanto mais conseguir suprir uma criança. Culpa do Estado? Uma parte, talvez, mas não dá pra esperar que esse problema vá se resolver rapidamente, e nem começou de hoje. A baixa parcela da população que trabalha e gera impostos, a baixa qualificação e produtividade do trabalhador brasileiro e o modelo de previdencia concentrador de renda, só pra citar tres problemas sérios, são a garantia que o país vai ter um longo caminho até se desenvolver. E quem se dispõe a ter filho no país tem que ter bem claro na cabeça que não vai ter apoio do Estado.

E nem tudo é culpa do Estado. Estrutura nenhuma que o Estado provê pode eliminar o problema de desestruturação familiar que existe no país. O que você faz com quem se afunda nas drogas, os envolvidos com o crime organizado, etc? Não tem estado que resolva esse tipo de prblema, e nem me falem me orfanato. Só quem nunca ficou em um acha que aquilo resolve.

No mais, acho que a idéia da campanha é válida e desde que acompanhada do devido suporte de educação sexual nas escolas e planejamento familiar.

Um adendo. Em relação as taxas de natalidade no Brasil, ela é bem maior entre as famílias de baixa renda do que entre as famílias de alta renda, que possuem uma piramide demográfica mais parecida com países desenvolvidos, o que significa que a menos que o país comece em breve a rever o modelo educacional, vamos ter um problema ainda mais crônico de qualificação de mão-de-obra no país.

Deivyson Luan disse...

Não é novidade que a nossa sociedade está regredindo cada vez mais, assim como o governo. Se colocar no lugar do próximo está cada vez mais difícil. É fácil mandarmos os 'pais terem os filhos que poderem criar', mas em caso de gravidez não planejada ou estupro? Fica claro que o público-alvo dessa campanha não pessoas que não possuem empatia, amor ao próximo e poder notar que, há barreiras na vida de outros.

www.blogdodeivy.blogspot.com

Anônimo disse...

mulher agora é forno de assar bebês?

o texto é completamente machista, joga a responsabilidade de repovoar a sociedade (pra ter mera mão-de-obra barata) em cima das mulheres

nojo

Anônimo disse...

Eh claro que alguém da esquerda ia ser contra uma campanha como essa.

O anuncio deixa bem claro que nao se está falando apenas de condicao economica e sim psicológica, social, pessoal, para gerar um filho.

Enfim. Fico feliz que nos comentários a maioria se posicionou favorável a campanha.

Quem diria que a esquerda ia estar contra um anuncio que incentiva o planejamento familiar e controle sobre a reprodução. Que nao acha que gente eh gado p repor mao de obra barata. Que estaria fazendo coro a ICAR contra a camisinha...


Luana

Prof. Ane Santos disse...

O texto frisa bastante a ideia da falta de mão de obra e tal, isso eu achei meio controverso. A campanha poderia ter sido melhor explicada, mas não vi nada tãaao complicado assim, porque se refere a aspectos econômicos, mas também psicológicos de ter filhos. Não achei elitista, porque conheço famílias de classe média alta que tratam a criança feito trofeu e cuja semana é lotada de aula de tudo, menos tempo para brincar.

Anônimo disse...

Estava mais do que na hora de alguém começar a conscientizar as pessoas a pensarem 10 seg. antes de terem filhos. E obviamente tem que ter um esquerdo-socio-comunista:"aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaiiiiiiiiiiiiiiiiinnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnn isso é _____cídio (preencha nesse espaço o grupo bucha de canhão de sua preferência)".

Ter um monte de filhos e permitir que pessoas não cresçam primeiro como seres humanos antes de se reproduzir é o que mantém o ciclo de miséria e mantém mulheres eternamente "no seu devido lugar". Educação começa em casa. Não adianta só querer jogar nas costas da escola e do estado. Assume as rédeas da vida, kct. Estado com competência de gerir qualquer coisa é mais raro que pantera nebulosa.

E eu esmago meu dedinho na porta que se amanhã algum órgão do governo, ONG whatever começasse campanhas de conscientização sobre parentagem responsável e oferecesse contracepção reversível e irreversível não ia ter um horda de esquerdo-femino-socio-comunista, juntinho com os fanáticos religiosos enxotando, maldizendo, insultando, vandalizando e fazendo de tudo mais para que esse "absurdo" fosse varrido da face da terra, usando como argumento que essas são medidas nazifascistas genocídas para "eliminar" _________(novamente: preencha nesse espaço a bucha de canhão da sua preferência).

O que eles querem é um rebanho numeroso, manso e acéfalo. E pra isso precisam manter as matrizes reproduzindo...
Quando eu digo que a esquerda vai aniquilar com o feminismo e que são o maior cabo eleitoral de lunáticos eu que sou o demônio ruim...

Jane Doe(demônio nazifascista genocida)

titia disse...

17:51 ok desconsideremos o regime totalmente ilegal (a sujeita quer uma pessoa pra morar na casa dela e exercer três cargos sem pagar sequer um salário mínimo) que a anunciante quer impor pra empregada. Se a babá vai cozinhar, limpar a casa e cuidar das crianças, o que ela vai fazer? Brincar? A babá vai ter que fazer isso também. Cuidar? A babá, de novo, que vai fazer isso. Você poderia argumentar que a mãe pode cuidar das crianças depois que chega do trabalho; mas então por que a babá tem que morar lá se a mãe vai estar em casa de noite? Ou talvez ela cuide nos fins de semana; mas fim de semana a babá também tem que estar lá, no sábado e no domingo, sem folga (o que também é ilegal, aliás). Por que? Não é preciso limpar uma casa todo dia. A menos que você só tenha uma muda, também não é preciso lavar roupa todo dia. Nem cozinhar é preciso todo dia; dá pra preparar almoço e jantar em uma manhã só, ou fazer num dia porções pra congelar durante a semana; a empregada não precisa dar plantão 24 horas na casa da sinhá pra isso. Mas o que sem dúvida precisa ser feito todo dia, o tempo quase todo? Cuidar de criança. Agora pensa: se não é pra limpar nem cozinhar, pra quê a sinhazinha vai querer a empregada escravizada na casa dela 24 horas por dia, 7 dias por semana?

A ingenuidade de algumas pessoas me comove as vezes. Ah, e coleguinha, exploração do trabalho alheio em regime análogo a escravidão é da nossa conta sim, viu?

titia disse...

Deyvison Lima nos dois casos que você citou, estupro e gravidez indesejada, há duas soluções bem óbvias: serviço público (escola, hospital, creche) de qualidade e legalização do aborto. Mas o pessoal que ficou indignado com essa campanha costuma rasgar o cu de ódio quando se fala de investimento em redes de apoio públicas para mães e legalização do aborto. Cadê a empatia com as mulheres desesperadas porque a pílula falhou, a camisinha furou ou o macho escroto a tirou no meio do sexo? Por que nunca querem se colocar no lugar da mãe pobre que precisa de creche pública? No lugar da menina de 16 anos que foi pressionada pelo namorado de 30 e vai ter os estudos interrompidos porque um punhado de bostas misóginos decidiu que mulher tem que ser punida por abrir as pernas? E por que o amor ao próximo não envolve lutar por educação sexual e distribuição de contraceptivos para que o próximo não tenha filhos sem planejamento?

Anônimo disse...

Ahh, é só pensar antes que não fica grávida???
Achei que precisava de método anticoncepcional...

ACORDA povo! Se vc é mulher e não pode tomar hormônio, resta rezar pra camisinha não estourar nem sair do lugar.
Se falhar a camisinha, já era.

Pq pra esterilizar, precisa ter idade certa e mais de um filho.

Anônimo disse...

pra quem tá dizendo:

"ain, maiZ em caZo de grAvIdeEish naUm plAnejAda ou EstWprU?"

Resposta mais óbvia não existe:

ABORTO

não é mesmo, feministas?

Anônimo disse...

Eu adorei a campanha, mesmo com algumas controvérsias. E, é óbvio que boa parte dessa militância esquerdista que ama a glamourização da pobreza e da favelização disfarçada de ''valorização do povo pobre'', iria falar mal da campanha e quem sabe até acusar de ser nazista, pra variar. Dito e feito!

Anônimo disse...

N viu absurdo? 100 reais por semana, 400 por mês pra praticamente criar os filhos da mulher? Trabalho escravo, isso sim.
Já vi esse site, é engraçado e ao mesmo tempo revoltante, a cara de pau dos contratantes.

E eu já vi um anúncio pior q esse. Resumindo tudo, a mulher queria alguém q n trabalhasse fora para ter todo o tempo pra cuidar das filhas dela, podia ser de manha, de tarde ou de noite. E o grande pagamento era a pessoa usufruir da companhia dela e de suas filhas e morar na casa delas e ela ainda ia dar comida! Tudo isso? E ainda teve a cara de pau de dizer q muita gente instruída daria tudo por esse trabalho escravo. Pqp!

N tem absurdo nenhum na campanha, o q mais tem é gente com filho q n pode criar.

Anônimo disse...

Desculpe Lola, sou sua fã e geralmente concordo com tudo que você publica, também entendo que o Blog é seu e você dá espaço pra pautar que quiser. Apesar disso tudo, vi com desagrado esse post, primeiro porque a prefeitura deixa claro que incentiva as pessoas a pensarem e ainda usa a tag #AEscolhaÉSua, aí eu pergunto: qual o problema, o que tem de elitista nisso? Antes fosse uma campanha do governo federal, pois o mínimo que se espera do Estado é que incentive o planejamento familiar, e este começa quando pessoa conscientes (principalmente mulheres) pensam se tem condições de ter filhos (e materiais também, afinal por mais ajuda que receba um filho dá muita despesas, qual o problema de alertar isso!?)

Depois, você vive falando que escolheu não ter filhos, que isso tem que ser uma escolha consciente e tal, então por que você pode escolher isso e outras mulheres não podem nem pensar!? Pra gerar mão de obra pro mercado, a prioridade é essa mesmo? Sei que o texto foi escrito pelo tal de "Cab3ssa", mas como você deu o espaço a ele, não mostrou nenhuma opinião refutando e nem deu seu ponto de vista, ficou parecendo que concorda com tudo que ele falou, e isso que me desagradou, essa posição é só por que o prefeito é de algum partido "de direita", se for eu lamento que essa dicotomia política está acabando com o senso crítico no Brasil, até você tão esclarecida parece que está perdendo o senso crítico.

De qualquer forma, abraços, vou continuar lendo seu blog e te admirando.

Lara Letícia

Claire disse...

Concordo em partes com o texto.
As pessoas DEVEM SIM fazer apenas os filhos que podem (digo condições psicológicas e financeiras)criar.
Essa campanha não foi feita diretamente para a população analfabeta que não tem conhecimento de métodos contraceptivos ( não vou dizer pobre, pois tem sim rico que não tem a menor ideia de como e "pq" usar camisinha etc), então não há pq falar que essa campanha é ridícula.
Até hoje tem gente que arruma filho por pressão da família (não apenas esposo), esposo, pressão da sociedade, medo de ficar sozinha, por querer alguém para cuidar na velhice ou simplesmente porque querem um bebê (sim, já ouvi isso).
É evidente que as pessoas precisam URGENTE de educação sexual,isso é fato, e também é necessário rever algumas coisas, como por exemplo a idade mínima vasectomia e laqueadura, a inserção do DIU e também o aborto.
Essa campanha foi infeliz, machista e desrespeitosa? Nem um pouco.
Devo ter filhos sem condições financeiras para em um futuro próximo esperar que a cidade tenha educação infantil de qualidade, emprego etc? Não mesmo, não pode e nem deve ter filho esperando ajuda do Estado. Não estou dizendo que o Estado não deve auxiliar, sim ele DEVE, mas colocar uma pessoa no mundo sem as mínimas condições de viver com dignidade, esperando um milagre, definitivamente não é o correto.

Anônimo disse...

Eu sou mulher e nao posso tomar hormonio. Uso diu de cobre. Mais barato dos metodos. Dorme com essa

Carla disse...

"Explicando melhor, essa ideologia liberal tenta jogar sobre o cidadão toda a responsabilidade sobre o seu destino, deixando o Estado responsável pelo mínimo de saúde, educação, e garantia da lei"

Eu n vou concordar com isso nunca. Acho bizarro pregar que nós não temos a menor responsabilidade pela nossa própria vida. O estado deve nos fornecer saúde, educação e segurança de qualidade, mas como assim que eles são responsáveis pela minha vida e escolhas?
E onde que está o absurdo, em uma pessoa pensar antes de fazer qualquer coisa, antes de decidir ter filhos?
Vocês insistem nessa de falha contraceptiva e ignorância, quando a maioria é informada sim sobre como evitar. E as gravidezes por "acidente", na maioria das vezes, acontece simplesmente pelas pessoas não pensarem antes de agirem.
Claro que acidentes reais acontecem, a camisinha pode furar, se tá tomando remédio pode atrapalhar a pilula, mas no geral, o que se vê, é gente alegando que n quer filho e ao mesmo tempo n faz nada pra evitar.
E depois é só culpar os outros pela própia burrada.

Anônimo disse...

Infelizmente não vivemos numa sociedade tribal, não existe um clã inteiro que toma conta das crianças. Na maioria dos casos é só o casal isso quando não é só a mãe. Portanto a campanha faz sentido sim.

Anônimo disse...

Sim, direitos trabalhistas são da nossa conta.

Becx disse...

Nao tem nada de errado... porém oque o anuncio quer é uma empregada domestica que TAMBÉM coide dos filhos dela 100%to tempo com muito amor, carinho e paciência. Da lista do anúncio, o resto que ela pode fazer é a comida e a roupa do marido e dela. Ja que o limpas a casa e alimentar e cuidar dos filhos, serà função da " babá ". A única coisa errada com o anúncio é o salário de r$100 por semana. Pelo oque ela pede, deveria ser pelo menos 400.(paga do pouco)

titia disse...

20:01 a legislação diz acima de 25 OU dois filhos vivos. Não é obrigatório a mulher ter filho pra fazer esterilização, basta ter mais de 25 anos e plena capacidade civil. Essa de que mulher tem que ter filho pra só então poder fazer a ligação é invenção de médico machista.

Joana disse...

Não, Anon das 20:02. Abortar aonde? Que aborto? Viajou, pessoa? Esqueceu-se de que o aborto ainda não foi legalizado? Nada óbvio.

Joana disse...

Ao meu sentir, o autor do post foi raso. Ele poderia dizer qual é a sua sugestão para casais que não querem filhos. Como serão inseridos na comunidade, vez que não desejam essa responsabilidade nem com um filho seu? Será imposto a eles? O que fazer com pessoas que tem filhos irresponsavelmente? As questões são muitas. Não colocarei todas mas a campanha está bem mais coerente que o post.

Anônimo disse...

Vejo muita gente falando que a campanha é controversa, só não entendo o que há de controversa nela? Qual o problema em falar para as pessoas pensarem bem antes de ter um filho? Qualquer decisão importante deve ser bem pensada, e tem algo mais importante que ter filho?

Depois, ela é elitista? Por quê? Não vi nenhum dos cartazes falando que pobres não podem ter filhos, o que eles alertam é que deve ser pensado nas consequências psicológicas e materiais, e isso não deve ser pensando mesmo? Mesmo que o estado dê creche, fraldas, alimento, pediatras, transporte, etc e tal, ainda haverá impacto no orçamento das famílias, pois é uma pessoa a mais na casa e se o casal não consegue pagar as contas só com duas pessoas, é preciso pensar mesmo antes de aumentar o número de moradores da casa, pois crianças devem ser vestidas, gastam água, luz, remédios, brinquedos etc. É ilusão querer que o Estado banque isso tudo a todas pessoas.

E finalmente, que justificativa mais capitalista é essa? "Economicamente isso é desastroso, como eu disse no princípio, já que extingue a mão de obra e o mercado consumidor." A preocupação é com "mão de obra e mercado consumidor", meio ambiente que se dane, pois se a população mundial continuar aumentando um dia vai ficar inviável alimentar e dar moradia para tanta gente, um dia algum planejamento populacional precisa ser feito, quanto antes melhor, ou vamos continuar simplesmente aumentando as cidades e destruindo as poucas áreas verdes para construir casas e empresas para tanta gente, indevidamente?

Gostaria muito de saber a posição da Lola sobre essa campanha, e como a Lara bem lembrou, se ela decidiu não ter filhos, ela vê algum problema em incentivar outras mulheres a ter o direito de decidir a mesma coisa?

Mila disse...

Claro que todos nós devemos ter apenas os filhos que quisermos e pudermos criar. Mas uma campanha dessa é uma puta hipocrisia numa sociedade que enche o saco de mulheres que optam por não terem filhos e que há dificuldade de acesso à métodos contraceptivos, num país que sequer quer debater o aborto.

Anônimo disse...

Discordo do texto em várias partes:
Acho fundamental pensarmos que planejamento familiar também deve levar em conta as condições emocionais de criar uma criança. Não é este o argumento que usamos pelo aborto? Tem gente nas mais diversas classes sociais que simplesmente não deveria ter filhos. Negligência atinge todo mundo.
O texto é contraditório. Ao mesmo tempo em que culpa o custo de vida como fator que impede as mulheres de se reproduzir, argumenta que o déficit demográfico vai impactar na economia. Não acredito que seja um pensamento humanizante sobre o pobre.
Embora eu seja bem contra o liberalismo ir elo outro lado também é problemático. É óbvio que, como sociedade, temos que ser responsáveis com os indivíduos que a compõe mas repassar ainda mais responsabilidade ao Estado retira ainda mais a autonomia sobre os nossos corpos.

Anônimo disse...

Laqueadura com mais de 25 anos ou dois filhos vivos está na lei, mas não é só pq vc tem direito que vc vai conseguir. Assim que fiz 25 considerei esta hipótese mas dois ginecologistas que fui me desaconselharam a fazer por ética médica pois eu ainda teria muito tempo pela vida e poderia me arrepender dessa decisão. Então apesar do meu direito está sendo bem complicado encontrar um médico que o faça.

Anônimo disse...

É responsabilidade das famílias educar da bom senso explicar as mazelas externas que existe neste mundo, o respeito ao próximo dignidade e cidadania etc, e dever do Governo da segurança promover a educação acadêmica acesso a saúde e inclusão social, com esporte, lazer e cultura alem de mas importante gerar emprego, pergunto essas funções são presente com rigor em nossa sociedade acredito que não! sabemos muito bem o que ha de influencias nas comunidades mas pobres e qual as tendencias dos jovens que vivem em área de riscos, concordo não pode criar nem da educação de bons costumes não tenha filhos!

Anônimo disse...

Mas Mila, a campanha visa justamente acabar com essa cultura de forçar a mulher ter filhos.

Anônimo disse...

O Governo tem o dever de da segurança acesso a saúde e educação, as famílias tem o dever de ensinar como o individuo deve agir diante do seu meio com respeito ao próximo respeitando as leis que regem eu seu país, quem não tem está visão como base é melhor se examinar e não ter filhos pôs sua ignorância será replicada.

Mila disse...

11h59, a campanha põe o carro na frente dos bois. Como falar de um planejamento familiar se as políticas do mesmo não são acessíveis e algumas sequer existem?
Não estou discordando da intenção, mas é um conselho sem nexo quando não são todas que podem praticá-lo.

Felipe Roberto Martins disse...

Educação não formal e formal de qualidade poderia ajudar na situação - tanto para ensinar os Cidadãos - quanto para ensinar os nossos Governantes!!!

Anônimo disse...

A pessoa que não vê nada de errado na vaga de babá-mae-coziheira-faxineira por 400 reais POR MÊS merece essa vaga. Ou vive em uma bolha, ou é cruel mesmo .

Dan

Anônimo disse...

Pessoal, vocês sabem que camisinha é distribuída de graça em Posto de Saúde? Não precisa falar nada é só ir na caixinha e pegar, fica até em lugar discreto pra pessoa não ter vergonha. Eu sei porque trabalho em um. E a caminisinha ainda é o método contraceptivo e de prevenção de DST mais eficaz, só rasga ou dá problema se a pessoa não lê e seguir as instruções. Então, não vejo pq tanto problema ra se prevenir, as mulheres tem que se impor sim, eu mesmo só faço sexo com meu namorado com preservativo e ele já sabe, nem insiste.

Anônimo disse...

NENHUMA mulher deve ser obrigada a ser uma mãe ou ser uma babá, PORRA!

A Verdade disse...

Os machos são, em muitos aspectos, parasitas sobre o sexo feminino. Os homens usam a carne feminina para copiar seu próprio DNA. Os interesses deles são convencer a outra parte a investir na reprodução, enquanto fazem o pouco que podem. Como todos os parasitas, vírus e vermes, forçam suas senhorias relutantes a se adaptarem ou serem dominadas. Como a hospedeira evolui para lidar com o visitante indesejado, as duas partes entram numa batalha biológica. Cada parte tem seus próprios interesses, e assim que uma ganha, a outra contra-ataca... O parasita, seja ele qual for, testa constantemente as fortificações da hospedeira com novos mecanismos de virulência, que por sua vez são rechaçados. Nenhuma das partes pode se dar ao luxo de relaxar, e pouco a pouco uma estrutura complexa e frágil de defesa e contra-ataque evolui...

A Verdade disse...

As melhores, mais satisfatórias e mais eficientes formas de contracepção e controle reprodutivo/de natalidade são a homossexualidade e simplesmente não fazer sexo com homens. Eles nem são bons sexualmente: não sentem empatia pela parceira, são extremamente fixados, obcecados, por si mesmos, seus pênis, suas penetrações, seu próprio gozo, sua performance de "foder"... Além disso eles são perigosos e nada confiáveis, podem ser violentos, agressivos, agressores, estupradores, manipuladores, controladores, podem te usar para se auto-afirmarem de sua "masculinidade", muitas vezes expõem sua intimidade para os "parças", saem por aí caluniando e difamando até mulheres com quem eles nem se relacionaram — imagine as que tiveram o infortúnio de se relacionarem com eles. Os homens também são muito chatos, tediosos, não sabem conversar direito e quando não querem só trepar, sem assumir compromisso nenhum nem se responsabilizar por nada, grudam feito carrapato e começam a querer mandar em você e atrasar sua vida. Isso tudo sem falar nas inúmeras doenças e infecções que podem levar até ao câncer e à morte que os homens transmitem e provocam, porque nem limpar aquele pinto nojento eles fazem direito — precisando de campanhas de saúde pública de incentivo do governo para terem um mínimo de higiene. Eles não gostam de usar preservativos, porque não ligam de transmitir doenças e infecções, muito menos se importam se você engravidar, pois se eles não quiserem arcar com as consequências, sempre podem fugir, sumir, mandar você abortar, etc. Enfim, a masturbação e o sexo com outra mulher são infinitamente mais prazerosas e satisfatórias emocionalmente e fisicamente e muito menos arriscadas e prejudiciais para as mulheres como é o sexo com homem.

Anônimo disse...

Só 31% dos homens brasileiros usam contraceptivos, diz pesquisa

https://catracalivre.com.br/geral/saude-bem-estar/indicacao/so-31-dos-homens-brasileiros-usam-contraceptivos-diz-pesquisa/

Anônimo disse...

Filho é uma responsabilidade muito grande para ser aceita sem a profunda convicção de que você realmente quer e tem condições emocionais, psicológicas e econômicas de poder criá-los.

A.

titia disse...

11:09 esse é um grande problema. Creio que seja importante esclarecer a letra da lei, porque um monte de médicos mente na cara dura de que só mulher com filhos pode fazer laqueadura. E na maior parte do tempo eles não impedem o acesso à ligação por ética, não; médicos se recusam a fazer porque se a mulher fizer laqueadura, ela não vai voltar pra fazer pré-natal, exames e eles vão ganhar menos. Também dizem que tem medo de levar processo de uma paciente que tenha 'se arrependido' mas essa é uma desculpa fraca, porque por lei a mulher/homem tem que passar pelo menos 60 dias fazendo acompanhamento psicológico pra garantir que o/a paciente entenda que a esterilização é definitiva. Pessoas casadas precisam de autorização pro escrito do cônjuge pra fazer a esterilização. Se o médico seguiu a lei não tem porque ter medo de processo. Eles recusam a fazer é por machismo mesmo.

Anônimo disse...

09:38 - ô minha linda

se fosse necessário ~legalização~ não haveria 50 mil abortos por ano no país, né, minha fofa

tá viajando?

TUDO óbvio

Anônimo disse...

"Só 31% dos homens brasileiros usam contraceptivos, diz pesquisa"

Por isso a campanha é boa, quem sabe assim os homens começam a pensar antes de fazer sexo sem proteção. Ainda queria ver a opinião da Lola sobre essa campanha.

Anônimo disse...

Estou na menopausa precoce com 39 anos.Estou sofrendo com mudanças físicas e emocionais extremas e todo mundo me pergunta se eu já tenho filhos ou quero te-Los,a minha saúde não conta em NADA, eu fico abismada.Até na menopausa eles querem impor a maternidade. Impressionante .Ainda bem que eu nunca quis filhos pq senão seria mais um sofrimento pra eu carregar nessa fase punk que estou enfrentando.

Anônimo disse...

Quem vai ter que alimentar a criança? Você.

Quem vai ter que limpar a bosta da criança? Você.

Quem vai ter que levar a criança no hospital? Você.

Quem vai ter que pagar escola? Você.

Quem vai ter que pagar curso? Você.

Quem vai ter que pagar lazer? Você.

Quem vai ter que dar atenção? Você.

Quem vai ter que comprar roupas, sapato, e demais necessidades? Você.


ENTÃO MANDA À MERDA TODO ESSE POVO QUE FICA TE PRESSIONANDO A CASAR E TER FILHOS, PORQUE É VOCÊ QUEM DECIDE SOBRE SUA PRÓPRIA VIDA.

Trens pelo Mundo disse...

Pior fez a China com a política do filho único! Impôs, decretou que as pessoas tivessem apenas um filho, caso desrespeitassem sofreriam sanções!!

Anônimo disse...

Vc não comentou isso. Não é possível ser tão fora da realidade .

Dan

Anônimo disse...

Eu ouvi uma resposta ótima esses dias.Perguntaram:Você não quer ser mãe?ela:não,quero ser pai.kkkk adorei, é muito mais fácil, né?

Anônimo disse...

Uma fala bastante conscientizadora e verdadeira dita pelo Dr. Drauzio Varela sobre reprodução de crianças e imposições masculinas sobre os corpos das mulheres:

"O congresso nacional é formado basicamente por homens, não é? Gravidez é um processo feminino, puramente feminino. O nosso papel, como homens, é irrelevante. Irrelevante. Você faz um sexo ao acaso com uma mulher qualquer e essa mulher vai ter um filho. Você vai dizer que esse filho é seu? Biologicamente ele é seu, tem metade dos seus genes. Mas se você nunca mais viu essa pessoa, nunca mais nem ela te viu, nem nada. Agora, ela tocou essa gravidez até o fim, levou essa gravidez igualzinho que a outra que é casada no civil, no religioso, tudo certinho... A gravidez é um processo feminino, o homem não tem nada a ver com isso. Ele colabora com uma célula. Uma célula! A mulher pega essa célula dele e constrói uma criança em nove meses, que nasce com boca, nariz, dois olhos. Por isso que eu digo que é um processo puramente feminino. Você vai ser pai dessa criança? Vai, depois que a criança nascer. Aí você pode ir lá ser um pai maravilhoso. Então ficam esses homens, que não têm ideia do que é esse processo impondo regras. É uma forma de subjugar as mulheres."

Kasturba disse...

Eu não vi nada de errado com a campanha. Pelo contrário, acho bastante coerente. Ter um filho não é fácil e não é sempre lindo. Precisa ser uma decisão muito bem pensada sim.
E o que mais tem é gente se reproduzindo "porque sim".
Se todos que tivessem filhos pensassem se têm condições (financeira e psicológica) para isso, acho que muitos dos nossos problemas sociais seriam resolvidos.

Anônimo disse...

23:28 - "fora da realidade" quem está é vc, neném

faça-me o favor

Anônimo disse...

👏👏👏👏👏👏👏

Anônimo disse...

Anônimo23 de maio de 2018 17:51 sério que você não percebeu que é o valor baixíssimo que a pessoa quer pagar à babá para as múltiplas funções que vai exercer?!

Anônimo disse...

Sociopatia sim. Texto muito bem escrito.
Fico feliz em ver que ainda existe pessoa para expressar a discrepância de tal fato.
Qual será o próximo passo? Assassinar os deficientes como na antiga Grécia? Bem, porque seguindo esse raciocínio, certamente esses não serão os filhos que se possam ter.
Pessoas com o pensamento favorável a tal campanha me indignam!

Cavaleiro Templário disse...

"Mas bá, tchê! Ê, Zé Gaudério!". Típica mentalidade da "terra dos machões bigodudos e barrigudos, beberrões de mate amargo": RS!!! Num estado em que se cultua o "deus churrasco" e num vilarejo, ops, cidade que só é notícia quando sofre inundação, falta de luz, temperaturas abaixo de zero graus e que é dominada por comerciantes muçulmanos, só podia defecar um pensamento como esse. Que não tenham filhos mesmo; assim desaparecem do mapa do Brasil por falta de natalidade! Cidade que não agrega em NADA ao desenvolvimento do país!

Anônimo disse...

Queria entender como se dá o processo que faz com que esses lunáticos sem noção e masculinistas bizarros caiam aqui de paraquedas. Olha os comentários desses maníacos alucinados... Na melhor das hipóteses servem pra gente rir muito de tamanha loucura.

Mari disse...

Pessoas com parentes folgados, que têm filhos sem o menor preparo (econômico e emocional) para jogar nas costas dos outros, concordam 100% com a campanha!